Page 43

A instalação do município ocorreu apenas no dia 25 de março do mesmo ano. A Superintendência Municipal de Timbó foi instalada na mesma sede do antigo distrito e seus dois primeiros intendentes nomeados pelo interventor Aristiliano Ramos. O primeiro a ocupar a administração municipal, Capitão Ernesto João Nunes, ficou à frente do município até fins de 1934, e sua principal atuação foi na organização dos serviços municipais após sua instalação. O segundo intendente, Tenente Alberto Mayer, permaneceu no cargo até 1935 (BUZZI, 1969: 64). O novo município que antes era distrito da cidade Blumenau ficou com a seguinte configuração geográfica de acordo com o decreto:

AO NORTE pela Serra do Mar A LESTE – da Serra do Mar, seguindo o divisor das águas entre o Rio dos Cedros e texto, até a mais alta cabeceira do Rio Kellermann AO SUL – Da mais alta cabeceira do Rio Kellermann, seguindo os atuais limites entre Indaial e Benedito-Timbó até a cabeceira do Ribeirão Diamante e por este abaixo até a foz, no rio Itajaí açu. Por este acima até o atual divisor entre os distritos de Ascurra e Rodeio e por este divisor atual até as cabeceiras do Rio Bendito e deste ponto pelo divisor das águas até a nascente do Rio dos Cedros.

A OESTE Pela Serra do Mar O novo município de Timbó, recém elevado à categoria de Município, apresentava um território maior do que compreende atualmente, ou seja, cidades como Rodeio, Rio dos Cedros, Benedito Novo, pertenciam ao munícipio de Timbó. Contudo, o município de Timbó rapidamente perderia partes de seu território, a exemplo de Rodeio que foi elevado a categoria de município visto que o Governo de Estado sofreu uma dura derrota eleitoral em 1936, quando o partido integralista derrotou o partido liberal que era ligado ao Governo estadual durante o governo provisório de Getúlio Vargas. Portanto, uma história de lutas políticas, disputas acirradas se revelam no aniversário da cidade, mas que passa invisível pelo calendário de festas da cidade que optou por comemorar com mais pompa o mito fundador e um conjunto de construções históricas forçadas, quando, na verdade, possui um história rica sobre a criação da cidade. Parabéns a Timbó e timboenses pela passagem de mais um ano e por sua rica história! por Daniel Koepsel – Historiador

Referências Bibliográficas: A CIDADE DE BLUMENAU, 28/12/1935. Acervo: Arquivo Histórico José Ferreira da Silva. Blumenau/SC. _________, 03/02/1934. Acervo: Arquivo Histórico José Ferreira da Silva. Blumenau/SC. _________, 21/02/1934. Acervo: Arquivo Histórico José Ferreira da Silva. Blumenau/SC. BUZZI, Gelindo Sebastião. Centenário de Timbó: a pérola do vale: 1869– 1969. Blumenau: Gráfica 43 S.A., 1969. FAUSTO, Bóris. História concisa do Brasil. São Paulo: EDUSP: Imprensa Oficial do Estado, 2001. FROTSCHER, Méri. Da celebração da etnicidade teuto-brasileira à afirmação da brasilidade: Ações e discursos das elites locais na esfera pública de Blumenau (1929-1950). 2003. 269 f. Tese (Doutorado em História Cultural) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. GOVERNOS DE SANTA CATARINA. Decreto de No. 527, de 28 de fevereiro de 1934. Acervo: Arquivo Publico Professor Gelindo Sebastião Buzzi. Timbó/SC

43

Valeu Março 2016