Issuu on Google+

Ideias para decorar sua casa para o Natal gastando pouco.

Acreditar em Papai Noel me faz bem

FC Santa Claus, o time do Papai Noel


Nesta Edição 4. Moda As cores e suas simbologias no final do ano

5. Beleza 5 batons vermelhos para você arrasar nesse Natal..................

6. Decoração Ideias para decorar sua casa para o Natal, gastando pouco...

7. Literatura Livros para ler em clima natalino

8. Culinária Receita de Torta de Maçã...........................................................

9. Esportes FC Santa Claus, o time do Papai Noel....................................

10. Editorial Por Lukas Reis

12. Atualidades Natal.........................................................................................

18. Crônica Carta ao Papai Noel................................................................

14. Música Chegou dezembro, Feliz Natal!

15. Fotografia Acreditar em Papai Noel me faz bem

REVISTA UP – DEZEMBRO DE 2016


Editorial A magia do Natal invadiu a redação da revista UP, neste mês nossas páginas estão transformadas em puro amor e alegria. O ano de 2016 vai terminando... E que ano! Acontecimentos e fatos nos marcaram profundamente, alguns bons, outros nem tantos. Assim como todos os anos, nos pegamos pensando e relembrando de todos os momentos vividos até aqui. Nos desejos que se realizaram e em outros que ainda estão por serem concretizados. A nossa equipe deseja a todos um feliz Natal e um próspero ano novo! Que em 2017 nossos sonhos possam virar realidade e que a magia desta época se faça presente em todos os meses do ano.

Tanise Silveira Acesse nosso site e confira todas nossas novidades, além de conhecer um pouco sobre cada colunista e a história da revista: redacaorevistaup.wixsite.com/revistaup Não deixe de nos seguir nas redes sociais:

@revistaup

/revistaonlineup

• Capa e editorial do mês: Renata Dias

REVISTA UP – DEZEMBRO DE 2016


Moda por Day Batista

As cores e suas simbologias no final do ano

O natal e o fim de ano estão chegando e as pessoas se perguntam: qual roupa devo usar? A resposta é: depende! Se está à procura de um grande amor, abuse da cor vermelho, se busca prosperidade, use o amarelo! Confira as cores mais usadas nessa ocasião: Sem dúvidas, a cor mais usada para essa ocasião é o vermelho, que é considerado a cor do amor e da paixão, além de simbolizar autoestima e atitude. Outra cor bem usada nas festas de fim de ano é a cor prata, que traz inovação,

modernidade, futurismo e tecnologia. Além de render ótimas combinações com outros tons, como o próprio vermelho ou com o verde, que está associado à vida, harmonia e equilíbrio, também sendo lembrado como a cor da esperança e da fé e trazendo boas energias. Tanto o amarelo quanto o dourado, significam prosperidade e riqueza, mas para o sentido espiritual, o amarelo lembra também otimismo, inteligência e confiança. Claro que não poderia faltar a cor branca, que traz calma, boas vibrações e sabedoria,

além de simbolizar um ano cheio de paz. O azul, cor representa pelo mar e pelo céu, traz segurança, paz de espírito e tranquilidade. Ideal para pessoas que querem ser mais bondosas e desapegadas no próximo ano. E por último, o preto, que é a cor da decisão. Se você procura independência no ano que está por vir, use e abuse do pretinho básico, que, além significar sofisticação e luxo, é a cor da elegância. E então, já escolheu sua cora para arrasar nos eventos de fim de ano?

4 REVISTA UP – DEZEMBRO DE 2016


Beleza por Brunella Vettorato

5 batons vermelhos para você ousar no natal

Estamos com o natal batendo na porta já e não queremos fazer feio na hora de receber os amigos e familiares distantes em casa, não é verdade? Além da roupa maravilhosa que você não abre mão, um dos itens especiais da maquiagem que não pode faltar é o BATOM! O vermelho no natal, quando não é usado no detalhe da roupa, é usado nos lábios, representando paixão e amor, assim como o natal. A blogueira Claudinha Stoco reuniu 5 batons maravilhosos, cada um de uma marca diferente. É claro que não poderia deixar de compartilhar com vocês. No mercado de cosméticos você encontra diversas cores, marcas e acabamentos, sendo que o mais famoso do momento é o batom matte, que dura por muito tempo e você não precisa ficar retocando toda hora, ótimo pra você comer e beber bastante na hora da ceia, sem Os batons variam de valores,

alguns de até R$ 35,00 e outros de até R$ 5,00, que são os famosos batons da Queen Make-up. Se você quiser saber um pouco mais sobre a qualidade e acabamento de cada batom, a Claudinha tem um vídeo explicando tudo sobre eles, você pode acessar e se divertir: http://claudinhastoco.com

(Imagem: Claudinha Stoco)

Se joga nas cores e brilhe muito neste Natal!

(Imagem: Claudinha Stoco)

(Imagem: Claudinha Stoco)

5 REVISTA UP – DEZEMBRO DE 2016


Decoração por Amanda Demarque

Ideias para decorar sua casa para o Natal gastando pouco

Ho ho ho, chegou a época mais doce e alegre do ano, o Natal! Nele podemos usar e abusar das decorações extravagantes para entrar no clima natalino. Na entanto, uma decoração dos sonhos pode custar muito dinheiro, fazendo as pessoas desanimarem. Portanto, criamos uma seleção com inspirações, mostrando que é possível sim, fazer uma decoração incrível e gastando quase nada, ou até mesmo com coisas que temos em casa. Possui muitos livros em sua estante? Que tal transformálos em uma linda árvore de Natal? Aproveite e enrole lâmpadas de LED (dê preferência, pois não esquentam) em toda sua árvore para decorar. Use a Criatividade!

(Imagem: Pinterest)

(Imagem: Pinterest)

Crie sua própria guirlanda utilizando fitas. Além de não gastar muito, sua porta vai ficar colorida e alegre. Utilize latas usadas para criar lindos porta talheres. Solte a criatividade. A Revista UP deseja votos de um Feliz Natal com muito amor, paz e alegria para você e sua família!

(Imagem: Pinterest)

6 REVISTA UP – DEZEMBRO DE 2016


Literatura por Renata Dias

Livros para Ler em Clima Natalino ´

Em dezembro, praticamente tudo que nos cerca está no tradicional clima natalino e, no campo literário, não poderia ser diferente. O que não falta, são livros com histórias que se passam nessa época do ano. Por isso, a Revista UP trouxe uma seleção de títulos para entrar no clima, confira: Mais natalino do que Um Conto de Natal, de Charles Dickens, é impossível! A história do avarento Scrooge, que abomina o Natal e recebe a visita de três espíritos: o do Natal passado, presente e, por fim, futuro, já é bem conhecida. É uma ótima pedida ler e conhecer a versão original. Para quem curte filmes, confira algumas adaptações da obra: Os Fantasmas de Scrooge (2009), Um Conto de Natal (1984), Minhas Adoráveis Ex-Namoradas (2009), Conto de Natal da Diney (1983), Barbie em A Canção de Natal (2008), Adorável Avarento (1970) e Os Fantasmas Contra Atacam (1988).

Querendo conhecer mais sobre Charles Dickens, vale conferir O Homem que Inventou o Natal, de Les Standiford, que fala sobre Dickens e sobre o Natal tal qual a celebração que temos nos dias atuais. Célebre título da literatura infantil que conquista gente de toda idade é O Expresso Polar, do autor já consagrado por Jumanji e Zathura, Chris Van Allsburg. Como o nome indica, um trem expresso em direção ao polo norte, recruta crianças para uma viagem inesquecível até a terra do Papai Noel. Para aqueles que curtem uma literatura mais contemporânea, Deixe a Neve Cair, de John Green e Maureen Johnson, entrelaça três histórias de três adolescentes, durante uma nevasca no período natalino.Outra obra contemporânea, é O Presente do Meu Grande Amor, organizado por Stephanie Perkins e que reúne doze histórias de Natal, escritas por

nomes conhecidos como David Levithan (Will & Will) e Gayle Forman (Se eu Ficar). Pensando naqueles que não dispensam um bom romance policial, a rainha do crime, Agatha Christie, também possui títulos que se passam na época natalina. Dentre eles, O Natal de Poirot, em que uma reunião familiar termina com um assassinato e que será investigado pelo detetive Hercule Poirot. Outro título é A Aventura do Pudim de Natal, composto por seis contos policiais.

(Imagens: Visual Hunt)

7 REVISTA UP – DEZEMBRO DE 2016


Culinária por Tamires Neves

Receita de Torta de Maçã Ah o mês de dezembro... Árvore de natal, pisca-pisca, Papai Noel, mas o melhor são as comidas. O espírito natalino invade as casas e chega até a cozinha. Rabanada, peru e a tão discutida uva-passa. Mas, a proposta para este natal é iniciar uma nova vida e, quem sabe, novas tradições. Por isso, a Revista UP deste mês trouxe como sugestão a torta de maçã, que apesar de não ser muito comum no Brasil, garantimos que vai conquistar a todos no primeiro pedaço!

→ Cobertura:

→ Cobertura:

3 maçãs sem casca cortadas em fatias finas; 2 xícaras de água; 1 xícara de açúcar;

1. Numa panela, coloque a água e o açúcar e leve ao fogo 2. Ao ferver, junte as fatias de maçãs para cozinhar. levemente sem deixar desmanchar, apenas uns 2 minutos. 3. Retire as maçãs com uma escumadeira e acrescente a gelatina à água que sobrou na panela, mexendo bem. 4. Deixe esfriar e leve à geladeira por 10 minutos.

Modo de Preparo → Massa: 1. Misture a manteiga, as gemas e o açúcar. 2. Junte a farinha aos poucos, até formar uma massa que não grude nas mãos. 3. Forre com a massa uma forma de torta redonda untada levemente com manteiga e fure toda a superfície com um.

Ingredientes → Creme:

→ Massa: 100g de manteiga em temperatura ambiente; 2 gemas; 4 colheres (sopa) de açúcar cristal ou refinado; 2 xícaras de farinha de trigo (aproximadamente)

Leve todos os ingredientes ao fogo, mexendo até engrossar.

Montagem: 1. Coloque o creme frio sobre a massa assada. 2. Espalhe a maça sobre creme. 3. Faça algumas tirinhas com a massa e cubra de forma que fique entrelaçada. 4. Leve ao forno médio, até que fique dourada.

→ Creme: 500 ml de leite; 1 lata de leite condensado; 2 colheres (sopa) de amido de milho; Gotas de essência de baunilha;

8 (Imagem: Pinterest)

REVISTA UP – DEZEMBRO DE 2016


Esporte por Tanise Silveira

FC Santa Claus, o time do Papai Noel

Rovaniemi, uma cidade cheia de luz e magia, capital da Lapônia, localizada no Norte da Finlândia. Próxima ao Círculo Polar Ártico e conhecida por suas temperaturas baixas, já tendo registrado 47.5°C, a cidade é a terra do ‘’bom velhinho’’. Que me desculpem aqueles que não acreditam em Papai Noel, mas ele existe sim! E sabe o que mais? Tem até um time de futebol! Parece brincadeira, mas o clube FC Santa Claus, mais conhecido como ‘’time do Papai Noel’’ existe mesmo e fora criado da fusão de dois clubes da cidade de Rovaniemi, no ano de 1993. O principal foco do clube é formar jogadores para o Rops, time da cidade que disputa a divisão principal do

Finlandão. Por esse motivo, os jogadores têm, em sua maioria, entre 16 e 24 anos. - É claro que eu tenho um time de futebol com o meu nome, porque eu amo todas as pessoas de todo mundo, então por que não futebol e outros esportes? (disse o bom velhinho em entrevista ao Globo Esporte, em 2014) Por ser um lugar onde as nevascas são constantes, é impossível serem realizados jogos de futebol de campo durante o inverno, por causa disso, além da equipe de futebol, o time alvirrubro tem um time de futsal, que também faz muito sucesso na cidade, pois por ser disputado em ambientes fechados, proporciona um maior número de jogos.

Papai Noel já está fora de forma, não mais atuando nos gramados. O bom velhinho faz papel de auxiliar técnico, dando dicas e ajudando o treinador Tapio Haapaniemi a melhorar cada dia mais a equipe. O principal conselho para os jogadores não poderia ser outra: ‘’que sejam bonzinhos o ano inteiro’’. As cores preto, vermelho e branco também não poderiam ser outras se tratando do uniforme de jogo. As cores características, conhecidas mundialmente, estampam os uniformes, além é claro, do escudo do clube. E agora, ainda acredita que Papai Noel não existe?

(Imagens: Divulgação FC Santa Claus)

9 REVISTA UP – DEZEMBRO DE 2016


‘’Querido Papai Noel, não deixe este pedido ficar perdido. Que as luzes neste natal, possam iluminar a alma dos homens fazendo-os ver que a paz é necessária.’’ (Autor Desconhecido)


Atualidades por Renata Borges

Chega uma época do ano em que o mundo inteiro parece mudar. O clima muda, e cada um parece acreditar um pouco mais que sim, é possível um mundo melhor. E isso é em razão não apenas da expectativa para o próximo ano que está prestes a nascer e trazer uma onda de renovação de expectativas e esperanças. Como se é possível imaginar a esta altura, estamos falando do Natal. A data, hoje em dia celebrada, em sua maioria, em 25 de dezembro, em que os cristãos comemoram o nascimento de Jesus Cristo, já foi também a celebração do nascimento do Deus Sol, pela religião pagã dominante no Império Romano antes de sua conversão ao cristianismo. Desde a inclusão da data como celebração do nascimento de Jesus, até os dias atuais, muito se transformou, deixando de ser apenas um símbolo religioso, mas um marco comemorativo até mesmo para não adeptos ao cristianismo ou mesmo a qualquer religião. Como é de se imaginar, nos dias atuais o comércio mundial se prepara para a data, com certeza uma das mais

Natal

rendáveis e, assim, havendo grande engajamento publicitário e mercadológico para movimentar a economia que entra em polvorosa. No meio disso tudo, resta aquela dúvida: o Natal ainda é um momento de paz, união, confraternização e celebração (ainda que independente de ligação religiosa)? Inicialmente, é fácil simplesmente responder: não, não é. As lojas estão apilhadas de mercadorias que fazem mais referência ao bom velhinho do que à própria celebração religiosa que lhe deu origem, as compras estão impulsionadas pela tradição de presentear que fora imbuída nas pessoas. O consumismo acaba movendo a celebração, além, é claro, da infinita discussão se nas comidas devem ou não ter uvas passas. Como dito, o Natal é uma data celebrada não apenas pelos cristãos, o que faz pensar se, por essa razão, ela não se resume a puro merchandising um muito bem feito, inclusive. Na maré contrária, é importante lembrar que o Natal, independentemente de religião, é um momento em que as pessoas refletem sobre as

mazelas da vida, em que tentam, de alguma maneira, deixar o dia do próximo, especial. Seja com um abraço, com uma doação, com um sorriso ou uma mensagem. São ações repletas de amor e empatia. Gestos carregados de desejo que tudo se acerte, que a vida entre nos eixos, que o que está em falta, se tenha em abundância, que os sentimentos compartilhados sejam apenas aqueles que aqueçam o coração e a alma. É uma balança tendenciosa analisar a época natalina com base apenas no aspecto comercial, que, de fato, é apelativo em todas as datas comemorativas que lhe convém. Deve-se sempre lembrar que cada indivíduo se deixa conquistar por aquilo que deseja e, o Natal tem o condão de unir pessoas através de sentimentos que a humanidade precisa colocar em prática, sempre. A Revista UP deseja que neste Natal a valorização do amor, respeito, compaixão e empatia sejam os laços que unem cada uma das pessoas aos seus entes queridos e aos desconhecidos, abrindo suas vidas para a alegria que é compartilhar. 12 REVISTA UP – DEZEMBRO DE 2016


Crônica por Luara Ravena

Carta ao Papai Noel Querido Papai Noel, Este ano eu poderia pedir um smartphone de última geração, uma viagem para Disney ou um grande amor, mas acontece que os dias nos ensinam e com exatamente 365 dias eu aprendi que o importante é ser e não ter. E que devemos fazer para os outros o que queremos que nos fosse feito. Então, este ano eu quero que todos ganham sonho para lutar. Quero que os sonhadores se multipliquem e que com isso todos achem sentido para viver. Quero que amigo secreto seja todo dia, que todas as famílias se reúnam para celebrar a vida e que a felicidade pertence a todos. Quero que as risadas sejam melodia para os dias difíceis, que o amor possa convencer o ódio a virar amor também. Quero que todo dia seja o dia. Que todos sejam mudança. E eu sei que você nunca vai esquecer, pois, seja rico, pobre, alto, baixo, magro, gordo... O velhinho sempre vem. Obrigada por ler te espero com biscoitos, leite e um grande sonho a ser realizado. (Imagem: Portal Entender Bem)


Música por Helaine Costa

Chegou dezembro, Feliz Natal!

Chegou dezembro, o mês do natal. É hora de preparar a árvore, os presentes e a ceia para celebrar o aniversário de Jesus. Entretanto, há uma outra característica marcante dessa época do ano: são as músicas natalinas! Pode prestar atenção, se entrarem no shopping, no supermercado, até no restaurante, você a ouvirá pelo menos uma vez com seu sotaque baiano cantando “Então é natal, e o que você fez? O ano termina, e nasce outra vez...”. Estou falando dela, Simone, a primeira cantora brasileira a lançar um CD de músicas natalinas em 1995. Nascida no dia 25 de dezembro de 1949, em Salvador, na Bahia, Simone Bitterncourt de Oliveira, filha de Otto Gentil Oliveira e Letícia Bittencourt de Oliveira, foi a primeira cantora do país a lançar um CD com canções cristãs/natalinas exclusivas, inaugurando um segmento que até o momento não existia na indústria fonográfica nacional. Ela quebrou um dos tabus relacionados ao mundo da música ao lançar o seu álbum 25 de Dezembro, também no mês de dezembro, lhe rendendo um milhão e meio

de cópias vendidas em apenas um mês e meio, sendo o seu maior número de discos vendidos. 25 de Dezembro ganhou também sua versão de estúdio em Espanhol “25 de Deciembre” em 1996, vendendo 2 milhões de cópias. Além de Então é Natal, o CD contava com as seguintes faixas: Natal Branco, Bate o Sino, Pensamentos, O Velhinho, Jesus Cristo, Que Maravilha Viver, Natal das Crianças, Boas Festas, Noite Feliz e Ave Maria.

No ano de 1998, houve uma reedição do álbum que ganhou uma faixa bônus com a participação das Meninas Cantoras de Petrópolis na música Ave Maria. Sem sombra de dúvidas, 25 de Dezembro foi um sucesso e ficará tocando por muitos e muitos natais. Por isso, peguem o panetone, chamem o Papai Noel, reúna toda a família e solte a voz cantando “Então bom Natal, e um ano novo também Que seja feliz quem, souber o que é o bem”.

(Imagem: plugcitarios)

14 REVISTA UP – DEZEMBRO DE 2016


Fotografia por Lukas Reis

Acreditar em Papai Noel me faz bem Era dia 24 de dezembro, véspera de Natal. As crianças estavam inquietas para a chegada do bom velhinho, e os adultos conversavam na cozinha. Alguns, que ainda não haviam tido filhos, queriam contar que era apenas uma lenda, que o coelhinho da Páscoa também não existia e blá, blá, blá, pois de acordo com alguns conceitos discutidos entre eles, criar crianças a base de mentiras poderia trazer consequências não muito boas. Isso me fez lembrar, de quando eu ainda era criança, que fazia o maior esforço do mundo para ficar acordado até a chegada do velhinho, preparava biscoitos e leite, morrendo de medo de não me comportar direito durante o ano para então, ganhar meu tão sonhado presente, mas um dia, eu descobri que não se passava de uma lenda, fiquei triste... Mas com o consolo de minha família e o tempo, consegui entender isso por completo. Feito isso, passei pela tão famosa transição de criança que acredita em Papai Noel, e criança que sabe que é uma Lenda, mais ainda finge que acredita para não estragar a magia do Natal dos outros pequenos. Era uma fase muito divertida, distrair as crianças que ainda acreditavam, para os adultos colocarem os presentes debaixo da árvore... Bom, depois de um tempo, eu vejo que aquelas inocentes mentiras, não tiveram consequências ruins, pelo menos não para mim. Foi só então que eu compreendi o tamanho do esforço dos meus pais para me fazer feliz, acordar na madrugada e colocar os presentes debaixo da árvore, tomar o leite e os biscoitos que eu preparava, fantasiar-se, contar história. O que é isso? Porque eles fazem isso? Simples, AMOR! O bom velhinho pode até não ser real, mas me fez perceber o quão fantástico meus pais podiam ser! Como uma pessoa muito inteligente, uma vez me disse, "A beleza da infância está em brincar com as coisas através da imaginação!", isso teve uma grande influência na minha formação, desenvolvimento dos meus pensamentos, ideias e principalmente, na criatividade! Pois depois que a gente cresce, nos baseamos no Ver para Crer e a verdade em si, nem sempre é tão boa e legal, quanto darmos vida a algo inanimado. Acreditar em Papai Noel, é uma das partes mais legais de ser criança, mesmo que um dia vamos descobrir que não se passa de uma lenda, afinal, durante esse tempo, nossos pais se esforçavam cada vez mais para nos fazer sorrir. Tudo isso por um simples SORRISO, então me desculpem, mais às vezes eu prefiro acreditar na minha imaginação! UM FELIZ NATAL A TODOS!

15 REVISTA UP – DEZEMBRO NOVEMBRODE DE2016 2016



Revista UP (Dezembro/2016)