Issuu on Google+


A Revistattoo chega com o firme propósito de ser o seu canal direto com o universo da tatuagem. Nosso conteúdo é direcionado para profissionais, estudantes, adeptos ou, simplesmente, pessoas leigas que simpatizem com este fantástico universo da tatuagem. Interagir com nossos leitores será nossa missão, procurando levar informações úteis e curiosidades do dia a dia das pessoas que compõem este seleto grupo, cada vez mais crescente e atuante em nossa sociedade. No entanto, a Revistattoo não abordará somente o universo da tatuagem, também será uma publicação virtual destinada a discutir os mais variados assuntos com seriedade e credibilidade. Assim nasce a REVISTATTOO. Uma revista de caráter útil, responsável, cidadã, prazeroso.  Venha fazer parte deste grupo!

2


12 14

10 3


32 38

54 4


Navegando pelas ondas da banda larga descobrimos inúmeras respostas para o uso e história da tatuagem. Pesquisamos sobre seus primórdios e inúmeros caminhos percorridos até os dias de hoje. A Polinésia e outros lugares falam de um capitão inglês chamado James Cook, O pai da palavra “tattoo” que escreveu em seu diário a palavra “tattow”, também conhecida como “tatau”, que era o som feito durante a execução da tatuagem, em que se utilizavam ossos finos como agulhas e uma espécie de martelinho para introduzir a tinta na pele. Com os movimentos dos marinheiros ingleses, o Governo da Inglaterra adotou a tatuagem como uma forma de identificação de criminosos em 1879, a partir daí a tatuagem ganhou uma conotação fora-da-lei no Ocidente. Que só o fez um dos primórdios depois do contato com os nativos do Taiti. Há registros de primórdios no egípcio e pictos - antiga civilização do norte da Europa Porém, a descoberta do homem de Ötzie, Com cerca de 5.300 anos, o Ötzie tinha espalhado pelo corpo mais de 50 tatuagens. No Brasil li que as tribos dos waujás e os kadiwéus foram os precursores. E como todos sabem, o mais popular e reconhecido embaixador da arte em terras tupiniquins foi o Mr. Tattoo, o Lucky. Um Dinamarquês que chegou ao Brasil em 1959 e nos mostrou o mundo que teria aparti dali pessoas com marcas no corpo. Passou uma temporada morando em Santos, que veio falecer no ano de 1983. Deixando em nossa mente um corpo colorido e modificado.

5


Biografia

A banda Devil’s Drink faz um som sem rotulação definida, mas para tirar qualquer dúvida e sanar a curiosidade nós encorporamos ao nosso som elementos de varios estilos como: Thrash, Prog, Nu-metal, death e etc... fazendo com que cada canção tenha uma identidade própria, uma “vida” própria. Membros Iuri - Vocal Tiago Gordo - Guitar/backing vocal Mateus Martinez - Guitar Ray Ângelo - bass Bruno - Drumms


Revistattoo 8


À MAIOR LOJA DE FORTALEZA EM VENDAS DE MATÉRIAIS E EM TODO LUGAR! ATENDIMENTO DO CLIENTE

(085) 3253.3939


10


Vamos começar a matéria falando da Carla Jéssica, tatuada e agora mamãe. Essa menina que deu a luz recentimente a uma menina linda! Casada com Caio Carvalho ela nos fala que ser tatuada e ter o marido tatuado e tatuador não faz diferênça alguma na sociedade. termos carater e responsabilidades. Vivemos em uma vida normal onde nossa filha vai ser criada com muito amor e carinho. A pergunta afirmativa que todo pai e mãe que tem tatuagem sempre recebi. Não vai fazer tatuagem na criança agora não! Parece brincadeira, mas e pura verdade Me desculpe, mas somos humanos e não des-humano! Sabemos e termos certeza que tatuagem doi e não queremos fazer nossa filhinha sofrer, e assim eu como mulher de um tatuador por sinal muito profissional, sempre sejo ele perguntar para os clientes deles, tem certeza que o desenho e esse? Olha e sua primeira tatuagem não pode se arenpender depois! Se ele tem essa opinião no trabalho, imagina na sua vida pessoal! Ela quando crescer vai ter sua escolha, pode ser que ela nem goste de tatuagem e isso e uma escolha dela e nois vamos respeita-la.

11


12


13


Beleza modificada com Mhalissa Mariutti Nossa primeira convidada e estreante da seção é a estudante de moda, Mhalissa Mariutti. Escondida dos pais fez sua primeira tatuagem aos 14 anos. Hoje, com 26 anos, além das tatuagens, colocou piercings e não esconde sua paixão pela arte modificada. “A maioria das minhas tatuagens não têm significado. São obras do acaso. Gosto do que elas formam na minha pele e só. São esteticamente bonitas e pronto”, diz com ar tranqüilo, mas sem delongas. Segundo Mhalissa, o

14


fato de não pensar no significado das tatuagens e sim no conjunto que elas podem representar, não representa desleixo ou falta de um conceito formado. Significa o real significado do alternativo. Ou seja, é ter o poder de Ser e Fazer o quem bem entender sem, necessariamente, ter algum significado ou estigma representativo. É apenas a essência do acaso em sua mais letal forma: o nada e o todo ao mesmo tempo. Perguntada se já sofreu préconceito por causa das tatuagens ou piercings espalhadas pelo corpo, desdenha. “Não!Nunca fui julgada por alguém ser menos capaz de realizar qualquer tarefa por causa

de ser tatuada. Ela também afirma nunca ter sido tratada com pré-conceito ou marginalizada por conta do seu estereotipo, nos locais em que trabalhou ou nos lugares por onde freqüentou e freqüenta na atualidade. Já na música, Mhalissa tem como banda favorita os americanos Mr. Big. Quarteto de músicos norte-americanos extremamente

15


16


habilidosos e com um talento acima da média em seus respectivos instrumentos. Será que eles têm alguma coisa em comum? Quem disse sim, acertou em cheio. Além da irreverência e batida forte do hard rock, Mhalissa e o pessoal do Mr. Big se confundem na confluência pela adversidade e desafios ao longo da vida.

Curiosidade Esse tom marginal dado à tatuagem também fazia com que corpos tatuados fossem presença garantida nas atrações circenses dos chamados freak shows. Foi somente na segunda metade do século XX que a tatuagem incorporou os ideais da cultura ocidental. O seu tom contestatório ultrapassou barreiras tornando-se um símbolo de ousadia e personalidade

17


Tatuador: NiltonVassoura Fortaleza-CE

18


Tatuador: NiltonVassoura Fortaleza-CE

19


Tatuador: Felipe Saraiva Fortaleza-CE

20


Tatuador: Felipe Saraiva Fortaleza-CE

21


Tatuador: Ricardo Araujo Fortaleza-CE

22


Tatuador: Ricardo Araujo Fortaleza-CE

23


24


Tatuador: Jackson Tattoo Fortaleza-CE

25


Tatuador: Caio Carvalho Fortaleza-CE

26


Tatuador: Neto Zurian Fortaleza-CE

27


Tatuador: Neto Zurian Fortaleza-CE

28


Tatuador: NiltonVassoura Fortaleza-CE

29


Ivna Ferreira

Fot贸grafa residente em Fortaleza-Ce. 30


31


TATUAR NÃO É A MESMA COISA QUE UMA FOLHA DE PAPEL! TATUAR MI FAZ IR ALÉM DO DESENHAR!

RABISCA

COSTUMAMOS DIZER QUE PARA SER UM BOM TATUADOR É NECESSÁRIO SABER DESENHAR. MAS UM BOM TATUADOR NA MAIORIA DAS VEZES ENTRA EM UM PROCESSO DE APRENDIZADO COM TÉCNICAS, MAQUINA AGULHAS, PIGMENTO NA PELE E ATÉ BIO SEGURANÇA. NOS TATUADORES TENTAMOS ENTENDER COMO A PELE E TÃO SENSÍVEL E AO MESMO FORTE, POR TER UMA DERMO PIGMENTAÇÃO TÃO CONCENTRADA QUE PODE PASSAR ANOS, E O QUE PODE ACONTECER E UM SIMPLES CLAREAMENTO NO PIGMENTO QUE FOI APLICADO NA PELE. ALGUNS TATUADORES BUSCAM CONHECIMENTO E PRATICAS EM AEROGRAFIA, PINCEL, TEXTURA, E COM ISSO COMEÇAM A CONHECER A RIQUEZAS DAS CORES, DESCOBRIR COMO SE APLICA UM BOM DEGRADE DE CORES SEM MACHUCAR O QUE OS TATUADORES TÊM DE, MAS PRECIOSO. “A PELE HUMANA”. NELA PODEMOS EXPRESSAR SENTIMENTOS EM FORMAS DE DESENHOS QUE NUNCA IRÁ SER ESQUECIDO. ISTO E UMA PEQUENA PARTE DA HISTORIA DE UM BOM PROFISSIONAL, UM BOM TATUADOR QUE ADMIRA E EXPRESSA SENTIMENTOS DE SEUS CLIENTES, AMIGOS, NA PELE EM FORMA DE SUA CRIAÇÃO DE ARTE NA PELE! POR QUE PELE NÃO É PAPEL! AUTOR: JUDANTATTOO

32


33


Tatuador: Jackson Tattoo Fortaleza-CE

34


Tatuador: Jackson Tattoo Fortaleza-CE

35


Manoel Corpes

36


Manoel Corpes ME FALA TUA HISTÓRIA, MEU CHAPA.... E a ew pessoal blz?? Chamo-me Manoel Corpes, conhecido também por “Corpes”. Nasci em novembro, dia 02, nos idos 1975, aqui mesmo em Fortaleza/CE. Sou filho de pais separado, atualmente casado e pai de uma linda filha, hoje com 14 anos.

Bom, minha infância foi muito dura, tinha que ajudar minha mãe que era lavadeira de roupas e, às vezes, a acompanhava na sua lida diária. Tive uma infância no sentido de diversão completa, na 37


escola logo me destaquei entre os outros colegas pelo fato de já me interessar pelo desenho artístico. Eu era aquele garoto que fazia a capa dos TRABALHOS escolares, então, acabei me popularizando entre os demais. Na adolescência, por influência de amigos que ouviam Heavy Metal, me apresentaram a outro mundo: o do Rock e suas belíssimas ilustrações de capas de vinil, camisetas, etc. O que mais me chamava à atenção eram “as tatuagens”, foi a partir daí que entrei de cara nesse novo mundo. A partir dai, desenhava todos os dias, tudo que poderia se referir à tatuagem. Os amigos: Fui apresentado ao Cleber tattoo , que já tatuava em casa. Daí fizemos uma parceria bacana. Eu desenhava e ele tatuava. Depois de certo tempo, um de seus clientes pediu pra que eu o tatuasse e que com o aval do grande Cleber assim fiz a minha primeira tatuagem, sendo um Grifo. Veja ia neste link, caro leitor: http://amitologianahistoria.blogspot.com. 38


39


br/2010/07/mitologia-grega-monstros-o-grifo.html. Daí em diante não parei mais. Abri minha 1ª loja em meados de 1996 com o nome de Krannius tattoo, que algum tempo depois tive que baixar as portas, pois naquela época não era tão fácil encontrar bons materiais pra tatuagens profissionais. No mesmo ano fiz meu 1º Curso de Desenho Artístico e publicitário pelo SENAC, mais tarde aperfeiçoamento do mesmo. Em 2002 fui convidado para integrar a equipe do já famoso Kaleidoscope Studio, do mestre Jr .Animal, onde fiquei até 2004. Logo em seguida tive a honra de trabalhar ao lado do talentoso Jack Tattoo, ambos na Galeria Pedro Jorge. Durante a 5ª edição de uma convenção de tatuagem aqui de Fortaleza, em 2005, tive o prazer de conhecer um tatuador e body piercing de Belém, meu grande amigo e parceiro Luck Tattoo, que em troca de favores me ofereceu um curso de Body Piercing lá em Belém. Fiz o curso. Após alguns contratempos surgiu 40


a necessidade de oferecer aos amantes da body art um Studio que unisse qualidade, preço justo e respeito a todos. Foi assim que nasceu o Anticorpus Tattoo Custom, no finalzinho de 2005. Influências artísticas Ao longo da minha carreira tive a influencia de grandes nomes na cena artística como: Maurício Teodoro, Cigano, Marcelo Mordenti; e os internacionais: Horiyoshi III , Guy Aitchison , Jimme Litwalk, Filip Leu e mais recente Shinge. Pessoal: Não me considero um torcedor, apenas uma simpatia pelo time do Ceará Sporting Club, mas nada que me defina como torcedor. Nas horas de lazer em casa sou Gamer um verdadeiro apreciador de jogos tanto online quanto no modo campanha. Gosto também de receber os amigo em nossa casa e não tenho preferência musical aprecio todos os gêneros. 41


Profissional : Hoje, no Ceará, em Fortaleza de um modo geral, a arte da tatuagem cresce e a cada dia revela novos nome e grandes talentos. Pessoas comuns que foram descobertas, incentivadas a tatuar por amigo, e que hoje estão lutando por uma oportunidade de crescimento profissional e pessoal. Sempre que posso participo todos os anos de convenções nacionais e internacionais de tatuagens É minha fonte, aonde vou para adquirindo experiências novas e afzendo novas amizades. Em várias delas já fui premiado, inclusive. Por exemplo: 1º Lugar Biomecanic – Fortattoo, em 2005; 1º lugar Realismo ( 2010). Na 5ª Convenção Internacional de Tatuagem de Natal 2º lugar melhor Costa (2010). Na 5ª Convenção Internacional de Tatuagem de Natal O Movimento: Não existe união entre tatuadores aqui em Fortaleza no sentido de organizar se para o bem comum. Existe, sim, um individualismo com poucas alianças. Falta união 42


entre os tatuadores. Uma liderança. Alguém que seja imparcial, neutro. Preconceito: Hoje, a discussão sobre o preconceito é abordado de forma mais suave, ainda existe, porém, com menos força. Não vejo os meios de comunicação como algo desrespeitoso para com a tatuagem e os tatuados de um modo geral, muito pelo contrário. Alguns programas e reality show promovem a tatuagem a um patamar bem melhor. Dão outra visão sobre o assunto. Programas como o Big brother Brasil , a Fazenda e muitas novelas exibem artistas famosos ou anônimos com belas imagens gravadas no seu corpo. As mulheres e a Tatuagem: Encontrar mulheres tatuando é mais comum do que se imagina. Aqui mesmo no Ceará tenho grandes nomes e muito mais Brasil afora. Como clientes, elas são a maioria nos Studios. Fazem desde pequeníssimas estrelinhas a fechamento de Costas inteira e são responsáveis por quase 80% do faturamento de algumas lojas. Um mercado em alta expansão. Abs,

43


Manoel Corpes Anticorpus Tattoo Custom Av.Ministro Albuquerque Lima ,Nยบ 894 sl 02 - Conjunto Cearรก - Fortaleza /Ce Contato: 3489.7175

44


Tatuador: Manoel Corpes Fortaleza-CE

45


Tatuador: Nilton Vassoura Fortaleza-CE

46


Tatuador: Nilton Vassoura Fortaleza-CE

47


Tatuador: Ricardo Araujo Fortaleza-CE

48


Tatuador: Ricardo Araujo Fortaleza-CE

49


Tatuador: Tiago HC Fortaleza-CE

50


Tatuador: Tiago HC Fortaleza-CE

51


AZ lu ur Ă­i za i on 52


Old School

De Sailor Jerry ao nosso comedor de rapadura, Aluízio Zurian Quando falamos da técnica Old School ou, simplesmente, da velha escola da tattoo, é impossível não arremessar na testa o nome do marinheiro Norman Sailor Jerry Collins (1911- 1973), o velho Sailor. Este marinheiro como todo bom vagamundo – quem se aventura mundo a fora sem destino – era um bom boêmio, frequentador de bares e botecos. Sailor aproveitou muito bem essas incursões, aprimorando sua técnica com seus comparsas

marinheiros, soldados, bêbados e outras figuras que andavam pelos bares do mais diversos portos espalhado pelo mundo e visitados por ele. O desenho era simples, um traço de tatuagem de linhas grossas, sem contar com a minuciosidade nos detalhes muito vistos hoje. A temática rondava em cima de elementos básicos como âncoras, navios, símbolos de sorte e azar, garrafas de rum, taças, corações, desenhos com fitas (pergaminos) entorno de um lema, nome ou 53


data especial, imagens das forças armadas, as famosas “andorinhas” e, como não poderiam faltar, corações e mulher, muitas mulheres. Um universo de mulheres, de todos os tipos, raças e cores. Um paraíso. Resumindo. Não há como não se encantar com estes traços simples e únicos, porém que nem todo tatuador é capaz de reproduzir. Por aqui, na terrinha do Padím Cícero, do imortal Chico Anísio, da velha e boa rapadura e demais marmotas, o maior ícone desta técnica atende pelo nome de A l u í z i o

Zurian..

Zurian é um cearense nato de 33 anos que aos 19 anos despertou para o universo do desenho na pele. E foi folhando a revista Metal Head Tattoo que o encanto entrou pela veia e não saiu mais. Para completar uma visita, quase que despretensiosa, em uma convenção de tatuadores no Pirata Bar, isso nos idos anos 90. Pronto. O vírus se espalhou. Ele já era fã de desenho. O tinha como hobbie, mas tudo feito de forma artesanal, sem estudo, 54


De espírito brincalhão, ele disse viver “numa eterna festa”. Considera-se boêmio incorrigível e amigo da Ypioca. “Também pego o “irmão” dela, o Red Laber”, brinca, mostrando estar por dentro da negociação que envolveu a venda da cachaçaria Ypioca para o grupo britânico Diageo, detentora das marcas de uísque Jonny Walker, da vodca Smirnoff e da cerveja Guinness. 55


apenas pelo pulso e dom. “Para viver no mundo da arte, é que virei tatutador”, enfatiza. No entanto, entre querer e poder sempre existe um caminho a se percorrer. Após trabalhar em diversas áreas, decidiu entrar na faculdade de Artes Plásticas em 2001. Ainda estudando, entrou para um pequeno estúdio que ficava no Monte Castelo. Dois anos depois ganhava seu primeiro prêmio nacional. Tirou o segundo lugar em tatuagem Comics. Um evento que aconteceu na cidade do Recife. Logo ali. Pelas suas andanças e curiosidade nata, Zurian foi passando a adquirir conhecimentos em várias técnicas, porém, tinha chegado a hora de assumir um estilo e, desde 2004, começou a especializar-se em Old School. “Sabes qual é o pior estilo? É o tatuador que não têm estilo. Sempre digo isso para os interessados e iniciantes”, alfineta. Para ele, o que mais o atraiu na técnica adotada é a simplicidade no traço. “O Old School é um paradoxo. O traço é simples, porém a linha tem que ser perfeita, as cores intensas, a sombra pesada, pois se passar do ponto estraga. São cores específicas, bem definidas”, ensina. Entre os maiores tatuadores adeptos dessa técnica, Zurian cita o velho Sailor, o alemão Sebastian Domaski e PMA Tattoo Xtetex. Embora seja referencia no Ceará tratando-se de Old School, Zurian mantém a humildade e disse que ainda 56


57


tem muito por aprender. “Eu desenho, no mínimo, quatro horas por dia. Faço 20 tatuagens por mês, nesse estilo. E estou me preparando para passar uma temporada nos Estados Unidos, onde irei aprimorar minha técnica”, nos revela. De espírito brincalhão, ele disse viver “numa eterna festa”. Considera-se boêmio incorrigível e amigo da Ypioca. “Também pego o “irmão” dela, o Red Laber”, brinca, mostrando estar por dentro da negociação que envolveu a venda da cachaçaria Ypioca para o grupo britânico Diageo, detentora das marcas de uísque Jonny Walker, da vodca Smirnoff e da cerveja Guinness. Ao lado da mulher, Isabelle, com quem está casado faz sete anos, da filha, Estela, de apenas cinco aninhos, Zurian define-se como um lutador incansável. Conta que há dois anos ficou quebrado depois de um roubo. “Já cai sete vezes e me levantei oito”. Esse é o grande, literalmente, em todos os sentidos, Aluízio Zurian. 58


Agulhadas do Zurian “O tatuador novo que quer evoluir não pode usar muita droga e beber demais, senão fica leso e prejudica seu trabalho e dos outros” “Tem muito mercenário andando por ai, só atrás de dinheiro fácil e rápido. Por exemplo, tem carinha que começa distribuindo panfleto e depois vira tatuador, ou melhor se diz tatuador, sem ter nenhuma técnica. Começa fazendo uma estrelinha e por ai vai. Uma merda pra quem busca estudar e estar atualizado sempre” “70% das tatuagens que faço são de “cover up” – cobrir uma tattoo com outra – Tudo por causa de uns incompetentes.” “Lamentavelmente a classe é desunida. Não conseguimos nos organizar. E sabes por quê? É um com ódio do outro por nada. Que bosta” “Uma vez quis organizar o pessoal. Cobrava R$ 20,00 por mês só para as despensas básicas. O povo cheio de miséria, não quis dar. Porra, isso não paga nem a cachaça que eles tomam na semana” “Quem tem preconceito com pessoas tatuadas só pode ser um ignorante mesmo, sem noção das coisas. Um babaca” essa e a história e palavras de Aluízio Zurian.

59


Tatuador: Caio Carvalho Fortaleza-CE

60


Tatuador: Caio CArvalho Fortaleza-CE

61


Tatuador: Jackson Tattoo Fortaleza-CE

62


Tatuador: Caio CArvalho Fortaleza-CE

63


Tatuador: Ricardo Araujo Fortaleza-CE

64


Tatuador: Caio Carvalho Fortaleza-CE

65


Tatuador: Imberto Sousa Fortaleza-CE

66


Tatuador: Imberto Sousa Fortaleza-CE

67


Obstinação e perseverança à flor da pele Vencer o preconceito com ginga e bom humor é a arma utilizada pela microempresária, Francileide da Silva Tavares. Uma fortalezense no auge de seus 53 anos, portadora de diabetes, e com um incrível gosto pela tatuagem. Uma mulher paradoxo para os desavisados e preconceituosos de plantão. Se não fosse pela sua gana de viver, liberta de qualquer opressão e com uma determinação admirável, Fracileide nem teria feito a primeira tatuagem. Tudo isso há dois anos. “Foi um pequeno floral no pé. Tudo mundo ficou contra achando que tinha ficado gagá. Só meu filho e minha nora me apoiaram, inclusive, ele me levou ao estúdio”, relembra em entrevista exclusiva para a RevisTattoo. De lá para cá, à vontade e o gosto pela arte na pele cresceu e hoje ostenta com orgulho dezenove desenhos espalhados pelo corpo. A preocupação da família não pode ser esquecida, pois, afinal, 68


o diabetes é uma doença crônica que merece extremos cuidados, principalmente com os ferimentos que carreguem sangramento. “Assisto a palestras no Centro dos Diabéticos e leio muito sobre minha doença. Procuro manter cuidados extremos com minha higiene pessoal”, ressalta. E como não poderia ser diferente na vida dela, o apoio veio pela arte aconteceu da forma menos esperada: o filho e a nora. Ela nos conta que tanto seu marido, suas duas filhas, incluindo, os pares delas, não gostavam e continuam reclamando das tatoos. “Meus clientes e funcionários admiram minha coragem e meu jeito de ser. Sou muito espontânea nas coisas que faço. Mas, isso não significa que não ligue para os comentários contra, só não tenho vergonha daquilo que faço”, enfatiza com veemência. Yoga e romantismo Para desopilar do estresse diário Francileide costuma praticar atividades físicas com frequência. Entre suas preferidas estão o yoga, pilates e hidroginástica. Complementando seu momento zen, ela ouve músicas românticas em companhia do maridão e gosta de mergulhar em uma dos inúmeros paraísos praianos de nosso Ceará. “É um prazer que tenho. Adoro me bronzear, mas não gosto de viajar para fora do estado, somente nas praias daqui”, 69


nos conta. Para se ter uma ideia da paixão pelo litoral cearense, para ela a melhor viagem que já fez foi no réveillon de 2009, quando em companhia de toda a família aportaram na praia de Lagoinha. “Totalmente inesquecível”, disse, lembrando-se dos bons momentos passados com os filhos e as duas netinhas. PRECONCEITO Arranque e rebeldia costumam acompanhar os amantes da tatuagem. Arranque na coragem de driblar preconceitos ou opiniões contrárias e rebeldia para se fizer o que pinta na cabeça, sem medo de se expor ou, simplesmente, no intuito de desafiar velhos conceitos e ir contra qualquer paradigma. Nessa linha, nossa entrevistada é craque. De acordo com ela, a primeira tatuagem teve a intenção de testar o maridão. “Queria ver a cara dele quando aparecesse com uma tatuagem. Acontece que acabei me apaixonando pela arte e hoje não sei mais parar. Faço desenhos românticos e pessoais. Faço com prazer”, relata. 70


Quem pensa que nunca ela passou por uma saia justa engana-se rotundamente. Uma vez durante um cheque up de rotina ouviu dois senhores comentando sobre suas tatuagens. “Eles falavam que como uma mulher idosa não tinha vergonha de pintar todo o braço e sair por ai se exibindo. Que a Bíblia condenava tal comportamento pecaminosos e tal”, relembra. Sua saída foi a mais elegante possível nesse tipo de situações. “Eu simplesmente olhei e passei enfrente. Não iria me trocar nem puxar discussão com pessoas que jamais vão entender. Bem, o que eu digo hoje é que preconceito está na cabeça de quem só vê o mal e não uma arte belíssima”, disse nos deixando um ensinamento difícil de ser esquecido: o exercício da tolerância.

71


Tatuador: Caio Carvalho Fortaleza-CE

72


Tatuador: Caio Carvalho Fortaleza-CE

73


74


revistattoo@gmail.com 75



Revistattoo 1ª EDição