Issuu on Google+

ANO 17 • Nº 145 • MAIO/JUNHO 2012


ÍNDICE

FERNANDO HIRO

20

NOVOS PROJETOS

GRAVADO EM AMBIENTE INTIMISTA, OITAVO PROJETO DA CARREIRA DE JOÃO BOSCO & VINICIUS CONTA COM 12 MÚSICAS INÉDITAS, QUATRO REGRAVAÇÕES DE CLÁSSICOS E PARTICIPAÇÕES ESPECIAIS

LUIZ BRAGA

.RECADO. 06 .ZECA BALEIRO. 08 .LEILA PINHEIRO. 10 .DINHO OURO PRETO. 11

HYPE PARAENSE

NOVA MUSA POP, GABY AMARANTOS LANÇA PRIMEIRO DISCO OFICIAL, EMPLACA HIT EM ABERTURA DE NOVELA DA REDE GLOBO E ANUNCIA GRAVAÇÃO DE DVD

.MANU GAVASSI.14 .FALAMANSA. 16

17

.THIAGUINHO. 18 .LUAN SANTANA. 22 .JADS & JADSON. 24 .MAIRIPORÃ PROMS. 26 .LUIZ MIGUEL & DANIEL. 28 .TOPETÃO. 30

UM ANO MARCANTE

4

.SUCEDE. 34 .AXÉ MUSIC. 38

46

.E-MUSIC. 40 .ECAD. 42 .ABMI. 49 DIVULGAÇÃO

APÓS AMARGAR QUASE UMA DÉCADA DE CRISE, GRAVADORAS SE RECUPERAM E PREVEEM QUE, A PARTIR DE 2012, SETOR TERÁ CRESCIMENTO CONSTANTE

.EDUARDO MALUF. 53 .REGIS DANESE. 54 .CLIQUES. 56

CRESCENTE EVOLUÇÃO

AGÊNCIA PRODUTORA CONTRATA RPM E CHARLIE BROWN JR., AMPLIA ESTRUTURA EMPRESARIAL E PROMETE PARCERIA COM MULTINACIONAL

.CENTRAL. 52

.MOVIMENTO. 58

50

.CIAS. DISCOGRÁFICAS. 62 .IVIS & CARRARO. 62


A

pós uma década enfrentando crises e se adaptando às novas regras do mercado e novos modelos de negócios, finalmente a indústria da música no Brasil parece ter se recuperado de maneira integral. Em 2011, não foi só a área de shows que se destacou positivamente. O segmento de venda de discos e música digital teve um saudável aporte. Segundo dados da ABPD, a indústria brasileira de música gravada cresceu 8,47% em relação a 2010, movimentando R$ 373,2 milhões. As vendas físicas (CDs+DVDs+Blu-Rays) registraram elevação de 7,6%, com a movimentação de R$ 312,3 milhões em 2011. Já o faturamento dos modelos de negócio da área digital foi 12,8% maior que o exercício anterior, representando R$ 60,9 milhões. E para este ano, a aposta é de que o setor continue em alta. Os executivos de gravadoras acreditam no êxito das novas plataformas de comercialização digital que entraram ou entrarão em operação no país, casos de iTunes, Spotify, Deezer e Oi Rdio. Matéria a partir da página 46 desta edição aborda o assunto. O aumento no consumo de música reflete também na elevação da arrecadação e distribuição de direitos autorais. Em entrevista (páginas 42 a 44), a superintendente do Ecad, Glória Braga, afirma que o escritório distribuiu, em 2011, R$ 411 milhões a 92 mil titulares. O valor foi 18% superior ao distribuído no ano anterior. Esse bom momento do mercado musical é fruto basicamente da estabilidade econômica vivida pelo Brasil. Segundo dados do IBGE, nos últimos anos, cerca de 50 milhões de brasileiros ascenderam socialmente. Desse total, 40 milhões de pessoas passaram a integrar a classe C (ou média baixa). Esses cidadãos

ganharam a oportunidade de consumir produtos e serviços antes inacessíveis, como CDs e DVDs originais e celulares - por onde costumam pagar pelos downloads de singles, ringtones e outros produtos relacionados à música nacional. A ascensão social dessa grande massa populacional da margem à emersão de artistas e gêneros mais populares. Afinal, o consumidor da nova classe média fomenta o crescimento da música sertaneja, do forró, do arrocha e também do brega. Gaby Amarantos é prova viva desse fenômeno cultural e social. Com 15 anos de carreira, só agora conseguiu sucesso em nível nacional – porque a Rede Globo notou o potencial e a facilidade que ela tem em dialogar com o povo. Por isso, tratou de contratá-la para o cast da Som Livre e inserir sua música Ex-mai love na abertura da novela Cheias de charme (leia mais na página 31). Sendo assim, podemos dizer que o Brasil vive um momento histórico importante. Enquanto as classes desfavorecidas passam a ter acesso a bens culturais e ao crédito, aumenta também a exposição e importância de movimentos artísticos antes marginalizados. O sertanejo, definitivamente, foi abraçado por todas as camadas da pirâmide social. E no mesmo caminho estão o rap paulista, o funk carioca, o forró e o brega. Esses ritmos, além de agradar os antigos admiradores, estão invadindo redutos elitistas, como clubs e casas de shows sofisticadas. De certa maneira, estamos repetindo o processo que aconteceu na indústria musical dos EUA, que há décadas tem no suburbano hip hop um dos seus pilares de sustentação.

SUCESSO! é uma publicação bimestral da EDITORA ESPETÁCULO LTDA • ISSN 1415-5508

editores Tom Gomes tomgomes@espetaculo.com.br GilmAR lAURiNDo gilmar@espetaculo.com.br repórteres / redatores HelDeR mAlDoNADo helder@espetaculo.com.br GUsTAVo GoDiNHo gustavo@espetaculo.com.br mARcio FURUNo marcio@espetaculo.com.br

editor THomAZ RAFAel thomaz@espetaculo.com.br

administração VANessA ANDRADe vanessaandrade@espetaculo.com.br

arte e mailing eletrônico DeNise mello denise@espetaculo.com.br GABRiel RAmos gabriel.ramos@espetaculo.com.br isABellA PAciUllo isabella@espetaculo.com.br

assistentes administrativos FlAViA limA flavia@espetaculo.com.br DANúBiA AmoRim danubia@espetaculo.com.br

www.portalsucesso.com.br

colaborador JUAReZ FoNsecA arte TAmiRis FeRReiRA | JUNioR cARVAlHo artefinal@espetaculo.com.br circulação e assinaturas GeUZA Dos sANTos geuza@espetaculo.com.br WANDeRleY oliVeiRA wanderley@espetaculo.com.br Impressão - iNTeRGRAF Jornalista responsável GilmAR lAURiNDo

Gilmar Laurindo e Tom Gomes assistentes de Vendas NúBiA moReiRA nubia@espetaculo.com.br eDeRli silVA ederli@espetaculo.com.br

aNo 17 • Nº 145 • maIo/JuNho 2012

6

recado

A músicA e As clAsses sociAis

assistente Financeira cARoliNe meNDes financeiro@espetaculo.com.br

são PAUlo Presidente Tom Gomes diretor e editor GilmAR lAURiNDo Publicidade leANDRo De oliVeiRA (São Paulo) leandro@espetaculo.com.br ViViANe FReiTAs (rio de Janeiro) vivifreitas@espetaculo.com.br ViViANe RoDRiGUes (Brasil/estados) viviane@espetaculo.com.br

rua João Álvares Soares, 1660 ceP 04609-004 Fone: (55-11) 2165-5155 Fax: (55-11) 5093-1519 Rio De JANeiRo rua Gildásio amado, 55, cj. 302 ceP 22631-020 Fone: (55-21) 3486-5155 Fone/Fax: (55-21) 2495-0369


Zeca Baleiro LaNça NoVo dISCo, FeITo PoR 15 PRodUToReS, aBUSa de MISCeLÂNeaS MUSICaIS e aPoSTa eM CLIPe CoMo MeIo de dIVULGação

P GaL oPPIdo

ara coroar os 15 anos de carreira, o maranhense Zeca Baleiro lança O disco do ano, com gravações inéditas, em que abusa de experimentalismos. Ele chamou 15 produtores diferentes para trabalhar nas faixas. Como forma de divulgação, Zeca deu start na nova turnê, Calma coração, que passará pelas principais cidades brasileiras, e gravou um videoclipe dirigido por Fred Ouro Preto. O artista fala sobre o título do álbum: "é uma alusão irônica à obsessão dos formadores de opinião em criar eleições dos melhores lançamentos do ano. Não vejo justiça nisso, todo esse

8

CoNTeMPoRÂNeo

Megalomania organizada conceito é muito efêmero. Acho que os formadores de opinião deveriam abrir a cabeça do público para novas experiências e novos modos de produção”, explica. Lançado pela Som Livre, o novo trabalho de Zeca Baleiro quase não chegou a sair no formato tradicional de mídia física. A gravadora propôs para o músico o lançamento das canções em um pen-drive. Porém, na última hora, Zeca declinou da ideia. “Realmente foi uma boa proposta, mas optei em lançar pelo formato tradicional", diz ele, afirmando que provavelmente colocará em prática a sugestão do pen-drive num próximo trabalho. Pode até soar como megalomania, mas Zeca Baleiro escalou 15 produtores para trabalhar nas 12 faixas inéditas deste novo álbum (exceto a regravação de Nada além, presente no último disco de Frejat, Intimidade entre estranhos). “Eu realmente queria provocar um tipo de caos em O disco do ano. Causar diferenças sonoras e ideias divergentes. Mas, em meio a tudo isso, vejo uma harmonia singular, porque todas as composições são minhas e a mixagem foi feita por apenas um profissional, o engenheiro de som Gustavo Lenza”, detalha Zeca, responsável pela coordenação de toda essa turma. “Fui uma espécie de gerente de produção do projeto. Administrei o trabalho alheio, prazos e, às vezes, até sugeri outros instrumentos e formatos de edições”, explica. É claro que essas 12 faixas vêm no melhor estilo Zeca Baleiro – mesclando diversos gêneros e culturas, com arranjos que vão de baladas românticas ao rap paulistano. E isso agrega valor à obra do artista. “Em trabalhos passados, essa falta de singularidade atrapalhou minha carreira. Mas, agora que sou conhecido, esse caráter se tornou um grande trunfo. Quem consome minha música espera ouvir essa saladas de ritmos e gêneros”, acredita ele. Como não poderia deixar de ser, o disco traz algumas participações especiais. Chorão dá o ar da graça na canção O Desejo; Margareth Menezes, em Último post e Andreia Dias, em Meu amigo Enock.

› conTrolador reQuisiTado

Zeca Baleiro (e a capa do cd) "Quem consome minha mÚsica, espera ouvir essa salada de riTmos e gêneros"

Em 15 anos de carreira, Zeca Baleiro já fez parte do cast de várias gravadoras, e agora, na Som Livre, parece realmente ter encontrado o seu lugar. “Mantenho total controle do que acontece em minha carreira. Sou centralizador e gosto de participar de todas as etapas do disco. Desde a capa até os formatos de divulgação. Classifico essa minha atitude como uma forma de ser independente, mesmo estando em uma grande discográfica”, justifica. É importante frisar que dessa vez não foi Zeca Baleiro quem escolheu a capa de seu disco. “Ela foi eleita por uma votação dos


praças que mais consomem suas músicas, além do eixo Rio-São Paulo. “Na realidade, sempre tento fazer shows de estreia fora de São Paulo e Rio de Janeiro. Já comecei turnês por Manaus e por Belo Horizonte. Brasília sempre acolheu de forma carinhosa meu trabalho. Agora faremos alguns shows no nordeste, devido às festas de São deco gedeon, da fidellio produções João, além de Turnê do novo show Teve início em Brasilia e apresentações no agora segue para o nordesTe e ouTras praças sul e sudeste. Será um ano bem produtivo na questão de shows ao vivo. O set-list será baseado no repertório do CD, com destaque para as canções como Nada além, Tattoo, Último post, Ela não se parece com ninguém e Calma aí, coração. Recupero também faixas menos conhecidas de discos anteriores, como Mundo dos negócios e Comigo”, finaliza Zeca Baleiro. (Por Gustavo Godinho)

Redação

fãs. Criamos um hotsite através do qual disponibilizamos três opções de capas, para o internauta indicar sua favorita", explica ele, acrescentando que, durante o processo, os fãs também puderam acompanhar o andamento da produção do CD, através de vídeos e posts diários. Zeca Baleiro prefere divulgar O disco do ano de maneira tradicional e aposta em um videoclipe para alavancar a vendagem do produto. O primeiro single, Calma aí, coração, começou a ser trabalhado por São Paulo. “Admiro muito o trabalho do Fred Ouro Preto e por isso o convidei para dirigir o clipe. Eu o conheci durante as gravações do premiado clipe Então toma, do Emicida, no qual eu fiz uma participação. Em Calma aí, coração, Fred trouxe a ideia genial de me transformar em um velhinho, que se apaixona por uma simpática idosa. Gostei da ideia e o resultado final ficou ótimo", diz ele. O clipe pode ser conferido em alguns canais de música, como o YouTube. Mesmo preocupado com formas e fórmulas para divulgar esse novo disco, Zeca Baleiro é um dos artistas mais requisitados quando o assunto é trilha sonora de filmes e novelas. Só na Globo, ele já emplacou dez canções em diferentes folhetins. “Não tenho uma fórmula mágica para isso. Nunca fiz nenhum lobby para acontecer. Ora os diretores escolhem faixas que constam do meu repertório, ora encomendam canções específicas, como foi o caso de composições que entraram nos filmes Bicho de sete cabeças e Celeste e a estrela”, relembra. Organizada e comercializada pela Fidellio Produções, a nova turnê de Zeca, Calma aí coração, teve início no dia 14 de abril, em Brasília (DF). O cantor escolheu a cidade por ela ser uma das


ENVOLVIDA EM VÁRIOS PROJETOS E TRABALHANDO DE FORMA INDEPENDENTE, LEILA PINHEIRO RECLAMA DA FALTA DE ESPAÇO DA MPB NO RÁDIO E NA TV

A

LEILA PINHEIRO "GRAVO MEUS DISCOS E VOU PRO PALCO, QUE É ONDE GANHO DINHEIRO"

FERNANDO PETTERMAN

s chances de se ouvir Leila Pinheiro cantando no rádio e na televisão são bem pequenas. Mas ela nunca trabalhou tanto em 30 anos de carreira. A rigor são 32, pois começou a contá-los em 1980, quando fez o primeiro show em Belém, sua terra, e não em 82, quando gravou o primeiro disco – relançado pelo selo Discobertas no ano passado. No momento, Leila anda às voltas com a divulgação do novo (17º) álbum, Raiz, em que interpreta só compositores da Amazônia. Está atenta ao lançamento na Europa e Japão de Céu e mar, disco inédito feito com o guitarrista Nelson Farias, que acaba de sair pelo selo inglês Far Out Recordings. Começa a circular pelo Brasil com o show Leila canta mulheres. Se prepara para a turnê nacional, em junho, do espetáculo promovido pelo Prêmio da Música Brasileira, com Arlindo Cruz, Alcione e João Bosco. E logo voa para shows no Japão e em Londres, com Roberto Menescal. Não é pouca coisa. “Este ano começou muito melhor do que o ano passado”, reconhece a cantora. “Não posso parar, dependo só de mim mesma, não tenho patrocínios". Leila se considera desde sempre uma artista da MPB. “Nesses 30 anos, fiz um caminho. Meu último disco está umbilicalmente ligado ao primeiro, que já tinha Tom, Caetano, Donato. Sempre gravei músicas atemporais. Tenho um nome, uma trajetória, uma dedicação obsessiva para que tudo saia direito, busco sempre a beleza”, afirma. Mas, como se diz, há um porém: “O mercado virou uma zorra, a MPB não tem espaço na tevê, no rádio; disputamos mercado com o sertanejo, o axé, uma concorrência quase desleal. A grande mídia só se interessa por coisas descartáveis, o popularesco e o dançante. Nada tenho contra os artistas desses segmentos, mas não é justo que a mídia só se ocupe disso, como se nada mais existisse”. No disco Raízes, lançado no Brasil pela Atração, e que sairá também no Japão (onde já é bem conhecida), Leila canta autores como os paraenses Nilson Chaves, Vital Lima, Márcio Montoril; Eliakin Rufino, de Roraima, e a pajé marajoara Zeneida Lima, compositora e ativista social de 70 anos, que o Brasil precisa conhecer. E ao lado dos compositores do Norte, ela reserva duas faixas-bônus para

10

MPB

Da AMAZÔNIA ao JAPÃO

o ídolo Tom Jobim, muito ligado à natureza: Domingo azul do mar e Sempre verde – esta, a primeira versão em português de Forever green, feita por Paulo e Daniel Jobim, filho e neto de Tom. O Maestro Soberano também está no álbum Céu mar, gravado em 2010 com produção direcionada ao mercado internacional, no formato voz e guitarra eletroacústica, com músicas de Ivan Lins, Dori Caymmi, Guinga, Edu Lobo, Gilberto Gil, Djavan e Marcos Valle, que foi quem indicou o trabalho para a Far Out. As gravações são importantes, mas têm o papel de suporte. “Gravo meus discos e vou pro palco, que é onde ganho dinheiro”. Para estar sempre em atividade, ela criou várias alternativas de shows, a maioria de voz e piano. É o caso de Leila canta mulheres, cujo roteiro vai de Chiquinha Gonzaga a Adriana Calcanhotto, Maysa, Marisa Monte, Marina e Mart’Nália; Leila Pinheiro canta e toca João Gilberto e Leila canta Dalva de Oliveira. Tem ainda o show com Menescal, relativo ao disco Agarradinhos (2007) e o show com banda, do CD Meu segredo mais sincero (2010), com músicas de Renato Russo. (POR JUAREZ FONSECA)

LIBERDADE ARTÍSTICA E PARCERIAS A Tacacá Music, selo e produtora criados por Leila Pinheiro, atua como centro administrativo da carreira dela. No que diz respeito aos discos, sempre associada a outro selo ou gravadora, como a Biscoito Fino e a Atração, pelos quais saíram os álbuns mais recentes. “A Tacacá existe para que eu tenha liberdade artística em meus trabalhos”, argumenta. “Entrego o disco pronto, pois gravo em meu estúdio, e depois

discuto o projeto gráfico, a fabricação, a distribuição. A forma de trabalhar com parcerias é a melhor. Meu escritório não teria nem como pensar em distribuição, por exemplo”. MPBista até a raiz, Leila revela ter desistido de fazer associações com as grandes gravadoras desde que a Universal propôs que ela gravasse música eletrônica. “Queriam que eu fizesse um disco de drum & bass”, relata.


ROCK

Complexo de Napoleão

Dinho ouro preto laNça teRCeiRO disCO sOlO e aNuNCia gRavaçãO de pROjetO que COmemORa Os 30 aNOs de CaRReiRa dO Capital iNiCial

divulgaçãO

Dinho ouro preto artista quer criar selo para lançar novas bandas de rock

Inicial para divulgar o projeto. O temor era de que Dinho agisse como na década de 90, quando debandou do Capital para promover o CD Vertigo (1994), que foi um retumbante fracasso. Acordo fechado, o cantor foi para o estúdio. Ele imaginou que, por se tratar de um disco de versões, o processo de gravação seria veloz e dinâmico. Mas não foi bem assim. Dinho demorou cinco meses para finalizar o projeto. Nessa fase, ele raramente conseguiu ir ao estúdio mais de uma vez por semana. Mesmo assim, o CD, batizado de Black heart, tornou-se realidade. O repertório traz regravações de clássicos do rock como Suspicious mind (Elvis Presley), Love will tears us apart again ( Joy Division), Lovesong (The Cure), e There is a light that never goes out (The Smiths), Hallellujah (Leonard Cohen) e Nothing compares 2 U (composta por Prince e imortalizada por Sinead O'Connor). Mexer com esses hinos da música mundial foi uma atitude ousada. Dinho tinha consciência de que sofreria críticas dos fãs dos artistas homenageados. Mas resolveu encarar de peito aberto o desafio. Em entrevistas recentes, o roqueiro assume que muitos fãs fervorosos foram tirar satisfação com ele, alegando que as versões eram um insulto. Mas o cantor não se importou com esse comportamento. Para Dinho, gravar esses clássicos "tem gosto de algo meio proibido".

Para promover o trabalho, o cantor vai manter o combinado com a Sony. Dará prioridade para os shows com o Capital Inicial, que ocorrem semanalmente, às sextas e sábados. Às quintas e domingos, ele pretende realizar apresentações intimistas com o repertório de Black heart mais outras músicas que ficaram de fora do CD, como Don't look back in anger, do Oasis, e Over the hills and far away, do Led Zeppelin. Essa turnê tem início em meados de maio. E, ao contrário da outra oportunidade em que Dinho arriscou lançar um disco solo, dessa vez ele nem pensa em deixar o Capital de lado. Nem que seja temporariamente. Tanto que, em julho, interromperá a agenda para gravar um disco em comemoração aos 30 anos de Capital Inicial. A banda, fundada em Brasília na década de 80, lançará alguns projetos especiais para celebrar essa data. Por enquanto, toda uma aura de mistério ronda essas novidades. Mas a partir de agosto, a banda promete revelar parte das novidades. "A agenda do Capital Inicial é nossa prioridade. Vamos lançar um novo CD da banda ainda em 2012 e já existem planos fechados com o quarteto até o ano de 2016", resume Rommel Marques, diretor da Sony Music.

› Selo prÓprio Em paralelo à divulgação de seu disco solo e dos projetos em comemoração aos 30 anos de carreira do Capital, Dinho Ouro Preto pretende ser empreendedor no mercado discográfico. O cantor quer criar o próprio selo musical. A inspiração para a ideia é o Banguela Records, fundado na década de 90 pelos integrantes do Titãs em parceria com Carlos Eduardo Miranda. Entre outros nomes, esse selo atrelado à Warner revelou Raimundos, Maskavo Roots, Graforreia Xilarmônica e Little Quail. Dinho pensa em criar uma parceria nos mesmos moldes. Mas, dessa vez, os sócios seriam o produtor David Crocus e a gravadora Sony (que ficaria responsável pela distribuição). Entre as bandas com as quais Dinho tem interesse em trabalhar estão Selvagens à Procura de Lei, Vespas Mandarinas (do VJ Chuck Hipolitho) e Vivendo do Ócio. Para ele, a criação de um selo nesse formato seria providencial para dar novo fôlego ao rock nacional. (Por Helder Maldonado)

11

C

omplexo de Napoleão. Essa é uma expressão que serve para descrever pessoas que são instigadas a supercompensar uma incapacidade percebida. No caso de Dinho Ouro Preto, a incapacidade era a de gravar um disco solo. Ele não encontrava espaço na agenda para colocar o projeto em prática. Até que em agosto do ano passado resolveu consultar a Sony Music sobre a viabilidade do projeto. A gravadora concordou, desde que o cantor se comprometesse a não largar o Capital


pop

Boas novidades

Cantora-revelação Manu Gavassi anunCia a gravação de seu segundo disCo e Comenta o atual Cenário do pop roCk naCional

14

cho. Os leitores da publicação incentivaram Manu a continuar compondo e lançando coisas novas. "O público se identificou com minhas letras. Às vezes, o jovem sente falta de artistas que falem sobre experiências parecidas com as dele", completa. Isso aconteceu em 2009, mesmo ano em que Bonadio resolveu finalmente abrir as portas da gravadora Midas para a cantora. O primeiro disco gravado através dessa parceria emplacou sucessos como Planos impossíveis e Garoto errado. Essa última obteve grande êxito nas rádios e ampliou a base de fãs da garota em todo o país. E, para aproveitar o sucesso entre os adolescentes, a Midas na sequência negociou a criação de uma linha de produtos com a marca da artista. Essa estratégia de marketing reúne dezenas de itens, como canecas, camisetas e outros acessórios. Todos contam com mensagens relacionadas ao primeiro CD de Manu ou apenas ao nome da cantora. "É mais uma maneira de fidelizar fãs – além, claro, de garantir uma renda extra para investimento no desenvolvimento da carreira", analisa ela. Ainda em 2012, a ideia é expandir essa loja virtual e incluir uma linha de roupas desenvolvida pela própria artista.

sHoWs e seGundo Cd Não é novidade para ninguém que o mercado de pop rock vive um momento de retração. Por conta disso, artistas desse segmento dependem muito da agenda de festivais, aniversários de cidade e parcerias com emissoras de rádio para mostrar-se ao público. "É difícil ser uma representante desse estilo no Brasil. O espaço é restrito, mas felizmente temos várias alternativas, como os rodeios e festas agropecuárias, que agora também incluem artistas de pop em suas programações", analisa ela. E será exatamente esse segmento que a cantora tentará desbravar na divulgação de seu segundo Manu disco, programado para sair em Produzido Por rick julho. O trabalho contará com Bonadio, novo cd da artista será uma estratégia de divulgação lançado em julho diferenciada. Até o mês de junho, três singles serão lançados na iTunes Store. O que obtiver maior sucesso entre os fãs será escolhido com primeira faixa de trabalho do novo CD. "Outra novidade será a reformulação do site da artista. Quando ele entrar no ar, começarei a gravar e a postar vídeos do meu cotidiano. Será uma espécie de 'meu diário", conta. (Por Helder Maldonado) divulgação

D

esde o surgimento do Jackson's Five, na década de 1960, o segmento teen passou a ter importância especial dentro da indústria musical. Seus produtos, em geral, são sinônimo de lucratividade. Basta analisar fenômenos recentes, como Justin Bieber, Miley Cyrus e Jonas Brothers para comprovar tal afirmação. No Brasil, as coisas não são diferentes. Sandy & Junior, Restart e Fiuk são alguns dos cases de sucesso no segmento teen. Por isso, há cerca de três anos Rick Bonadio tem investido nessa área. Em 2009, ele fechou parceria com a revista Capricho, da editora Abril. Desde então, todo talento musical que desponta nos concursos culturais realizados pela publicação, passa a ser empresariado e produzido por Bonadio. A primeira artista dessa leva foi Manu Gavassi. "Com menos de dois anos de divulgação, o trabalho da cantora alcançou um relevante nível de popularidade e ela já lota casas do porte do Via Funchal, em São Paulo", ressalta Bonadio, que contratou o também cantor teen Bruno Anacleto através do mesmo processo. Segundo o produtor, o sucesso de Manu está relacionado a seu talento artístico multifacetado. Além de cantora, essa jovem de 19 anos compõe, dança e interpreta como uma artista experiente. "Ela é completa. Está exatamente no nível dos astros internacionais", compara Bonadio. Apesar de jovem, Manu se envolve com música desde a infância. Foi nesse período da vida que aprendeu a tocar violão com seu pai. E, ouvindo ídolos da música pop norte-americana, como Taylor Swift, ela começou a compor. "Sempre fiz isso apenas com acordes básicos. Quando meu pai ouviu uma das minhas composições, me encorajou a gravar em estúdio e enviar CDs-demo para as gravadoras", recorda. À época com 13 anos, Manu logo entrou em contato com Rick Bonadio. O produtor gostou do que ouviu, mas resolveu esperar um pouco mais para investir na garota. "Ele me achava muito nova. Dizia que eu precisava amadurecer pessoal e profissionalmente antes de iniciar uma carreira", conta. Nesse ínterim, Manu continuou compondo e fazendo versões. Algumas dessas músicas ela registrava em vídeo, e depois postava o material no site da Capri-


Thรกbata

c a m i n h a n d o

p a r a

o

s u c e s s o


forró

Homenagem ao mestre

Falamansa lança CD EM HoMEnagEM ao CEntEnário DE luiz gonzaga E fEstEja auMEnto DE aprEsEntaçõEs para o MErCaDo Corporativo

16

Falamansa → com disco e show em homenagem a Luiz gonzaga, grupo espera fechar 2012 com 150 apresentações

tudando a possibilidade de lançar em julho a grife Ecofala. Serão roupas feitas de materiais recicláveis que levarão nossa marca”, adianta o vocalista. Iniciada em 14 de abril, em Tibagi (PR), a nova turnê percorrerá todo o Brasil. “Nossa meta é fechar o ano com 150 apresentações. Estamos confiantes porque trata-se de um show novo, com temática oportuna (por conta dos 100 anos de Gonzagão)", afirma Tato, que tem planos de transformar As sanfonas do rei em DVD. “Estamos registrando várias apresentações em vídeo. As imagens farão parte do making of desse projeto. Pretendemos gravar o DVD no dia 13 de dezembro, em Pernambuco, para comemorarmos o aniversário do rei do forró em seu estado natal”.

› sHOW e FOrmatOs Além de unanimidade em todas as festas de São João que acontecem no norte e nordeste, Tato explica que o Falamansa também faz muitos shows na área corporativa. “Conquistamos esse mercado devido à interatividade da banda com o público. Após as primeiras canções, o show vira uma grande festa. Convidamos pessoas da plateia e fazemos uma espécie de karaokê ao vivo, com os participantes e o público cantando conosco”, explica Tato, que comemora o aumento deste tipo de apresentação na agenda da banda. “Os shows corporativos aumentaram 50% em 2011 e, de acordo com a nossa expectativa, aumentará ainda mais com a divulgação deste novo CD. A obra de Luiz Gonzaga é nacionalmente conhecida e esse gancho ajudará na venda de datas para eventos empresariais”, comenta. Além de apresentações corporativas, a banda também realiza muitos shows em aniversários de cidade. Segundo Tato, isso acontece porque o som do Falamansa não tem contra-indicação. “Conseguimos nos destacar com a onda do forró que aconteceu há 10 anos e desde então nosso público só tem crescido. Temos admiradores entre fãs de sertanejos, pagode e até de rock”, analisa. “Aliás, estamos conseguindo bom espaço no line-up de eventos rurais, como feiras agropecuárias. Quando nos apresentamos nesse tipo de evento, mudamos um pouco o repertório e, além dos sucessos próprios, tocamos também versões de hits do momento. O show fica bem animado, próprio para dançar”, finaliza Tato. (Por Gustavo Godinho) Div ulg açã o

O

s forrozeiros ecológicos do Falamansa estão fazendo uma justa homenagem ao rei do baião, Luiz Gonzaga. A banda acaba de lançar As sanfonas do rei, CD cujo repertório é todo baseado em canções do pernambucano e que conta com várias participações especiais. O lançamento originou um novo show, na estrada desde abril. Se estivesse vivo, Gonzagão completaria 100 anos em 2012. E o Falamansa, que gravou canções do artista em praticamente 70% dos seus discos de carreira, não quis deixar a data passar em branco. As sanfonas do rei foi produzido em estúdio e conta com as participações de Elba Ramalho, Dominguinhos, Jorge du Peixe (Nação Zumbi), Trio Nordestino, Trio Virgulino, Janaína Pereira, Miltinho Edilberto e Meninos do Morumbi. “Gravamos 16 faixas, sendo 15 do Gonzação e uma inédita, que empresta nome ao álbum e foi escrita por mim em homenagem a ele. Procuramos manter os arranjos bem fiéis aos originais, mas implementando o estilo Falamansa”, diz o vocalista Tato. É importante ressaltar que o Falamansa está indo na contramão da já batida "tendência de mercado", de lançamento simultâneo de CD e DVD com o mesmo título. Além do formato CD, As sanfonas do rei foi lançado também em vinil. E, quem comemora o lançamento no formato de bolacha são os DJs de forró. “As casas temáticas contratam DJs para animar as pistas e muitos desses profissionais trabalham apenas com vinil. Grandes clássicos do forró ainda não foram vertidos para CD, por isso apostamos na boa venda do vinil de As sanfonas do rei”, analisa Tato. Após a colocação do produto no mercado, o Falamansa mergulhou na produção de sua nova turnê. Como de costume, o cenário é sustentável, todo feito de material reciclável – assim como o figurino da banda. “Estamos es-


ESPECIAL

LUIZ BRAGA

TREME nas aparelhagens SENSAÇÃO DA MÚSICA BREGA, GABY AMARANTOS LANÇA CD PELA SOM LIVRE E FESTEJA O MELHOR MOMENTO DE SUA CARREIRA de maio, com distribuição e divulgação da Som Livre. No disco, Gaby gravou tecnobrega, bregão tradicional e outros ritmos com influência caribenha. O álbum também conta com participações especiais. Fernanda Takai aparece em Pimenta com sal, Dona Onete em Mestiça e a Gang do Eletro toca em Galera da laje. "O disco tem muitos hits. Xirley foi o primeiro single e ganhou clipe. Ela serviu para criar um vínculo com o público, principalmente aquele que assiste MTV e Multishow. Já Ex-mai love estourou por conta da novela", explica Gaby. Para divulgar o disco, Gaby fará a maior tour de sua carreira. Com agenda praticamente fechada nos próximos seis meses, a cantora prepara-se para tocar em ambientes diversificados. Ela se apresentará em feiras e exposições agropecuárias, centros de cultura regional (como o CTN, em São Paulo, e a Feira de São Cristóvão, no Rio) e no circuito de casas e festivais alternativos. "O show será diferente daqueles que eu realizava anteriormente. Agora, estarei acompanhada por uma banda com seis integrantes. A presença deles no palco ajudará a reproduzir ao vivo os elaborados arranjos do disco", certifica Gaby. Além do CD, Gaby tem mais algumas novidades para esse ano. Uma delas é um dueto com o rapper Emicida. A cantora, que participou do clipe Zica, vai lá, convidou Emicida para rimar em uma regravação de Canção das três raças, de Clara Nunes. Outra é o lançamento do seu primeiro DVD. A ideia é gravar um show numa aparelhagem, balada tipicamente paraense. "Quero divulgar para todo Brasil esse espaço tão popular na minha terra. Só alcancei a fama graças ao sucesso que atingi nesses recintos. Por isso sou eternamente grata às aparelhagens", adianta Gaby. Em paralelo à faceta artística, Gaby se preocupa em investir em outros nomes paraenses. Através do escritório Aparelhagem, tocado por ela e Priscilla Brasil, Gaby gerencia a carreira da cantora de MPB Lia Sophia. "Mas a intenção é ter um cast com até cinco artistas. Vivemos um momento muito prolífico na cena musical paraense, no qual temos grandes artistas surgindo, como Felipe Cordeiro e Gang do Eletro, entre outros. Por isso, queremos ajudar quem não tem oportunidade de contar com uma estrutura profissional de divulgação para seu trabalho", admite Gaby. (POR HELDER MALDONADO)

17

G

aby Amarantos já tocou para mais de 90 mil pessoas no Pará. Na Globo, ela aparece desde 2002, quando participava constantemente do programa Brasil Total, apresentado por Regina Casé. Em 2010, se tornou uma celebridade instantânea ao ficar conhecida como a Beyoncé do Pará. Contudo, essa exposição ao longo dos anos na TV e na web não garantiu sucesso em nível nacional à cantora. Mas sempre despertou a atenção dos críticos. Tanto que, nos últimos anos, Gaby se transformou na queridinha do circuito alternativo brasileiro, se apresentando em festivais produzidos pela Abrafin e Fora do Eixo e em casas indies, como Studio SP. Só agora, em 2012, a cantora reconhece que seu trabalho está prestes a se tornar popular em nível nacional. E da forma que ela queria: atingindo o povão. Esse sucesso é fruto principalmente da inserção da música Ex-mai love como trilha de abertura da novela Cheias de Charme, da Rede Globo. Um dos curadores do folhetim, Hermano Vianna, foi o responsável pela escolha da faixa. A seleção dessa música não poderia ser mais acertada. Afinal, a trama conta com algumas personagens espalhafatosas e com perfil popular. Com a inserção na novela, em quatro dias a faixa se tornou uma das mais vendidas do iTunes brasileiro. "Estamos vivendo nosso melhor momento. A música tem sido bem aceita e os contratantes já começaram a nos procurar. Para junho, praticamente não há datas livres na agenda, tamanha a procura para as festas regionais de São João", comenta a manager de Gaby, Priscilla Brasil. Financiado pelo Conexão Vivo, o CD demorou mais de um ano para ser finalizado e foi produzido numa parceria entre Carlos Eduardo Miranda (direção musical), Cyz Zamorano (arranjos e direção vocal), Felix Robato (produção), Waldo Squash e SM Negrão (bases eletrônicas). Esse timaço criou uma atmosfera moderna e cool para o repertório brega da cantora. "Pela primeira vez, um lançamento desse gênero recebeu um tratamento de estúdio tão profissional. Não é porque é popular que precisa ser ruim, padronizado, feito de qualquer jeito. Eu quero vender algo de qualidade para o meu público. Acredito que só assim o artista consegue consolidar uma carreira", acredita Gaby. Batizado de Treme, o CD chegou às lojas na primeira semana


samba

Ótimo começo

Esbanjando popularidade, Thiaguinho grava primeiro cd/dvd, com várias participações especiais, e começa sua aguardada tour solo

Fotos: Fred Pontes

taram por seguir carreira solo encontraram dificuldades – alguns até sumiram do mercado. Você chegou a avaliar essa questão quando decidiu em deixar o grupo? Thiaguinho – Não posso ter medo de fazer o que mais amo, que é cantar. Resolvi seguir o meu sonho e vou continuar mostrando minha música para meus fãs. Vou me esforçar ao máximo nessa nova empreitada e espero continuar agradando, como aconteceu durante toda a minha carreira com o Exaltasamba. »» Quando vocês anunciaram ao vivo, no Faustão, o recesso do Exalta, deu a impressão de que essa decisão não agradou o Brilhantina e o Thell. Essa pausa da banda foi planejada de comum acordo? Todo a decisão tomada no Exaltasamba imagens da gravação do dvd, no credicard hall (são Paulo) era de comum acordo. Chegou uma hora Produto sairá pela Som Livre e traz participação de Gilberto Gil, Ivete Sangalo e Neymar em que, tanto eu como o Péricles, tivemos vontade de embarcar em uma nova onda musical. Nos respeitamos cantor Thiaguinho gravou em meados de abril seu pribastante e todos entenderam tanto minha decisão quanto a do Péricles. meiro CD/DVD solo, que sairá ainda no primeiro semestre pela Som Livre. Sob o título de Ousadia e alegria, »»Você esteve envolvido diretamente em todas as etapas de o trabalho já ganhou grande repercussão na mídia graças às partiprodução de Ousadia e alegria? cipações especiais. Dividiram o palco com o cantor, o craque NeySim. Desde as letras e arranjos até a produção dos shows que deram mar, Ivete Sangalo, Gilberto Gil e Rodriguinho – este último, seu origem ao CD/DVD. A iluminação, por exemplo, foi um item com o parceiro nos megahits Fugidinha e Se intrometeu. qual me preocupei muito. Trabalho com música de corpo e alma desde Com a carreira administrada por Fabio Francisco (Inopequeno e, em todos os grupos de pagode de que participei, me envolvi vashow), Thiaguinho já está com a agenda praticamente fechada desse jeito. E, como a gravação desse projeto solo era um sonho, dessa até o final do ano. Serão, em média, 15 apresentações mensais, a vez não poderia ser diferente. maior parte em aniversários de cidades e eventos rurais, como exposições agropecuárias. “Não tenho problema em dividir o »»O fato de Neymar ter participado da gravação, de alguma palco com atrações sertanejas. A união de gêneros é sempre forma aumenta o apelo popular do CD/DVD? bem-vinda. Ambos são ritmos populares, com a única intenção A mídia abre enorme espaço para os grandes craques da bola. Eu acrede entreter e animar o público”, declara o sambista. dito que os jogadores são figuras influentes no mundo todo e seus fãs Thiaguinho também é atualmente um dos artistas mais requiquerem apreciar o que eles gostam de ouvir. Então, vendo por essa ótica, sitados pelo mercado publicitário. Além de estrelar a campanha claro que a presença do Neymar torna os produtos mais populares. do Guaraná Antártica, ao lado de Neymar, ele tornou-se em abril um dos três novos garotos propagandas da Lacta – junta»»Quais são suas principais influências e qual seu ritual para mente com Luan Santana e Ivete Sangalo. compor uma canção? Em entrevista à SUCESSO!, Thiaguinho fala de sua expectaMuitas de minhas canções nascem no violão. Em um momento de destiva nesta fase solo e coloca um ponto final na polêmica de que os contração, começo a dedilhar e deixo as coisas fluírem serenamente. outros membros do Exaltasamba (exceto Péricles, que também Quanto às minhas influências, sou uma pessoa bem eclética. Prefiro seguiu carreira solo) não teriam concordado com o fim do grupo. listar gêneros a nomes. Além de pagode, ouço muita música sertaneja, gospel, R&B e rap. (Por Gustavo Godinho) »»SUCESSO! – Muitos vocalistas de grupos de samba que op-

18

O


fotos: fernanDo Hiro

Dupla João Bosco & Vinicius lança oitavo projeto Da carreira, o cD/DvD em casa, com 12 músicas inéDitas, gravaDo De forma intimista

N

ão é possível apontar com certeza quem criou a sonotadas na residência do compositor e empresário da dupla, Euler ridade do sertanejo universitário. Afinal, muitos artisCoelho, em Sorocaba. "Já lançamos três DVDs e todos contam tas, compositores e produtores implantaram simultacom produções grandiosas. Queríamos mudar esse conceito e neamente uma linguagem mais pop nesse som rural. Contudo, a gravar em um espaço mais intimista, com amigos nossos na plapopularização do gênero Brasil afora deve-se ao trabalho de teia. Fora isso, a proposta representa bem o sertanejo atual, um duplas como César Menotti e João Bosco & Vinícius. Elas ajuestilo versátil e que encontra espaço em circuitos diversos. A era daram para que o sertanejo saísse do gueto e invadisse espaços dos grandes shows continua, porém cada vez mais temos realionde nunca tinha entrado anteriormente, como as baladas volzado apresentações em espaços menores e similares à locação da tadas às classes sociais mais abastadas. gravação", explica João Bosco. Essa mudança de paradigmas teve início há pouco mais de dez Com produção de Dudu Borges e Jaques Junior, o projeto anos. Nesse período, João Bosco & Vinicius lançaram sete discos será lançado em julho. Entre as 16 músicas do repertório, 12 e três DVDs, ganharam um Grammy Latino e viram seu públisão inéditas. Completam a lista as regravações de Sem palavras co crescer consideravelmente. Mas o grande feito da dupla foi (Chico Rey e Paraná), Uma vez por mês e Avião das 9 (Trio ter emplacado o sucesso Chora, me liga, extraída do CD Curtição, Parada Dura) e Escravo do Amor (Gian e Giovani). Além da de 2009. A música, que foi a mais tocada no ano de lançamento, dupla, participam da gravação Xande Avião (em Querendo até hoje é uma das que mais arrecadam direitos autorais em apreColo), Leo Verão (pot porri) e Kleo Dibah & Rafael (Essa Noisentações ao vivo. Em 2011, ela ficou na terceira colocação, sete). Esse é o primeiro trabalho dos rapazes a ser lançado de gundo levantamentos do Ecad. Sem soar hiperbólico, pode-se afirmar que trata-se de um clássico moderno do gênero. "Para nós, ela tem a importância de É o amor para Zezé Di Camargo & Luciano", compara Vinicius. Além da dupla, inúmeros artistas, famosos ou não, incluem a música no set list de seus shows. Além do sucesso nacional, Chora, me liga atingiu êxito na América Latina, sendo regravada por artistas estrangeiros como a banda mexicana Play e o grupo argentino Los Palmeros. E, agora, a dupla pretende ser expoente de mais um marco na música sertaneja. João Bosco João Bosco & Vinícius, durante a graVação & Vinicius acabam de gravar o CD e Dupla se envolveu totalmente na concepção e proDução DVD Em casa, que teve as imagens cap- Do projeto, que será lançaDo De forma inDepenDente

20

capa

Mais uM passo


maneira independente, após o final do contrato com a Sony Music, em 2011. "Estamos vivendo um momento de independência. Isso fez com que nos envolvêssemos em todas as fases da gravação desse projeto, por exemplo. É importante estar atento à área administrativa de nossa carreira e ter maior participação na produção dos discos", garante Vinicius.

› sHoWs João Bosco & Vinicius já passaram daquela fase de ter que provar aos contratantes que realizam shows de qualidade. Hoje, a dupla se apresenta de 180 a 200 vezes por ano, no Brasil e em alguns países da América Latina. E os espaços explorados são variados. De abril a setembro, o duo se apresenta basicamente em feiras agropecuárias, exposições e rodeios. No segundo semestre, a agenda fica mais variada. É o momento do ano em que eles abrem espaço maior para festivais de música sertaneja, baladas de público endinheirado e eventos corporativos. "Hoje, nosso show atinge todas as classes sociais. Há apresentações em que o ingresso tem preços populares e outras em que um camarote pode custar R$ 2,5 mil. Nossa música é muito democrática", analisa João Bosco. Mas a dupla acredita que só tem toda essa gama de opções para explorar por apresentar um dos melhores repertórios da atualidade. "Temos muitos sucessos e fazemos algumas versões interessantes. Se não tivéssemos essa qualidade de repertório, de nada adiantaria apresentar um show cheio de efeitos e fogos de artíficio. O público atual é muito exigente. Se não oferecermos duas horas de boa música, dificilmente ele volta a nos prestigiar", confirma Vinicius. (Por Helder Maldonado)

a duPLa "nossa mÚsica É muito Democrática; nosso sHoW atinGe toDas as classes sociais"


SOCIEDADE

NEGÓCIOS EM ALTA

LUAN SANTANA E SEU MANAGER, ANDERSON RICARDO, AMPLIAM FRENTES DE ATUAÇÃO E QUEREM FAZER DE LONDRINA A CAPITAL DA MÚSICA SERTANEJA

Q

ANDERSON RICARDO ALÉM DE AMPLIAR CAST ARTÍSTICO, ELE PRETENDE ABRIR, EM SOCIEDADE COM LUAN (DESTAQUE), CASAS NOTURNAS EM SÃO PAULO E GOIÂNIA DIVUL GAÇÃO

22

REDAÇÃO

ual é a capital da música sertaneja no Brasil? Goiânia, dirá a maior parte das pessoas. Mas Londrina, no Paraná, está muito interessada neste título. Recentemente, a Prefeitura procurou o escritório de Luan Santana, que funciona na cidade, pedindo ao cantor e a seu manager, Anderson Ricardo, colaboração nesta empreitada. Além de Luan, vários outros artistas têm ligacão com a cidade paranaense, como as duplas Fernando & Sorocaba e Thaeme e Thiago. Isso sem falar que a Expo Londrina é hoje, em faturamento, o segundo principal evento rural do Brasil (atrás da Expo Esteio, no RS) e o primeiro no ranking, quando a classificacão envolve negócios e atrações musicais – na exposição da cidade gaúcha não há programação de shows. "A edicão deste ano da Expo Londrina movimentou mais de R$ 350 milhões. Por tudo isso, o prefeito Barbosa Neto nos convidou para promover o municipio junto ao mercado sertanejo, para que mais artistas façam suas produçoes e gravem seus DVDs na cidade, e até mesmo se mudem para lá, como eu e o Luan fizemos", explica Anderson. A parceria foi efetivada após as autoridades locais decidirem conferir a Luan Santana o título de "Cidadão Londrinense", no dia 10 de abril, devido à promocão espontânea que ele faz do município em suas entrevistas – por ser sua base pessoal e profissional. Um novo ato deste acordo entre as partes se dará no dia 15 de agosto, quando a Luan Santana Producões gravará, no Lago Igapó, importante parque público de Londrina, o primeiro DVD de Conrado & Alecsandro, dupla pertencente ao escritório comandado por Anderson Ricardo. "Será uma superproducão, para

100 mil pessoas, com entrada franca e as participações de Thaeme e Thiago, Fernando & Sorocaba e do Luan", explica o manager. Naturais de Dourados (MS), Conrado e Alecsandro estão há nove meses morando em Londrina e sendo empresariados pelo escritório de Luan. "A dupla está crescendo de forma surpreendente, o público se identificou com os meninos. Eles já estão fazendo cerca de 20 shows por mês – em estados das regiões Centro-Oeste e Sul, além de Minas e interior de São Paulo. Por conta da grande procura e da melhora na estrutura e logística das apresentações, o cachê da dupla já se aproxima do valor cobrado por grandes nomes do mercado", festeja Anderson.

› REINVESTIMENTO Mesmo satisfeito com o crescimento de Conrado & Alecsandro, o manager garante que, nem ele, nem seus sócios no projeto - entre eles Luan – estão tirando proveito em termos financeiros. "Continuamos reinvestindo 100% do faturamento na carreira da dupla, seja em producão ou ações promocionais. Hoje em dia, só é possível manter os produtos em alta quando se trabalha e se reinveste constantemente", ensina Anderson, garantindo que o mesmo se aplica a Luan. "Embora com o nome consolidado, reinvestimos metade dos nossos ganhos na carreira do artista". Entre os próximos investimentos de Anderson Ricardo e Luan Santana previstos para este ano estão a inauguracão de um escritório artístico a abertura de uma casa noturna, ambos na capital paulista. "Continuaremos baseados em Londrina, porém a venda de shows será feita pela filial paulistana", explica o empresário, cujo escritório paranaense conta hoje com 80 profissionais,entre os que trabalham de forma interna e os "de estrada". Com a abertura da unidade paulistana, Anderson e Luan pretendem ampliar o cast de contratados e atuar na comercialização de atrações para eventos variados. "Recebemos mensalmente dezenas de convites e consultas de artistas, famosos ou não, interessados no nosso trabalho de management. Acho que chegou a hora de ampliar nosso business. Até o final do ano, deveremos fechar exclusividade com dez nomes, cinco deles bastante conhecidos no mercado", antecipa Anderson. Mas esse não será o único investimento deste ano do manager e Luan. Ambos estão fechando a compra de uma casa noturna no bairro dos Jardins, em São Paulo, para transformá-la em balada sertaneja com capacidade para 1000 pessoas. "Não queremos investir em negócios variados, sobre os quais não temos conhecimento – para não correr maiores riscos. Estamos tentando focar apenas nas áreas com as quais nos identificamos", explica Anderson, que planeja abrir em breve mais duas unidades da casa, uma delas em Goiânia. (POR GILMAR LAURINDO)


de 0 0 0 00. tube 0 . 3 de o You s i ma ews n vi


RAIZES MODERNAS

MUSICALIDADE SINCERA DUPLA JADS & JADSON LANÇA NOVO DISCO, NO QUAL FLERTA COM O SERTANEJO MODERNO SEM PERDER O ESTILO RAIZ QUE A CARACTERIZA

N

atural de Catanduvas (PR), mas revelada em Campo Grande (MS), a dupla Jads & Jadson está no melhor momento de sua carreira. Desde 2003 na estrada, ela orgulha-se de ser uma das poucas duplas que conseguiu adequar-se às tendências modernas do mercado, sem, no entanto, descartar o estilo raíz que sempre a caracterizou. “Tanto na área fonográfica quanto no show business, o sertanejo animado e dançante está predominando. No nosso novo CD, mais uma vez conseguimos encaixar essa levada nos arranjos, sem esquecer nossa origem caipira”, conta Jads. De fato, no novo disco dos rapazes (de título homônimo), nota-se em muitas faixas a mistura de viola com guitarras. A primeira música de trabalho, que ganhou as rádios de vários estados, foi a "marota" Eucalípto, que mistura violão, guitarra e sanfona. Aliás, não à toa, a dupla João Carreiro & Capataz – cujo trabalho segue a mesma linha –, faz uma participação especial no disco. A parceria entre os brutos do sertanejo e Jads & Jadson vem de longa data. “Somos amigos e sonhávamos gravar juntos um dia. Aproveitando a produção do CD novo, convidamos a dupla para dividir o palco com a gente em Pra acabar com tudo”, explica Jadson, parceiro de João Carreiro no hit Bruto, rústico e sistemático. "A participação de JC&C agregou muito em nossa carreira. Passamos a ser conhecidos em outras praças", festeja

24

DIVULGAÇÃO

JADS & JADSON DUPLA PROMOVE SINGLE EUCALÍPTO E FESTEJA O MELHOR MOMENTO DA CARREIRA

Jads. Além dos "brutos", o disco também traz a participação do cantor Rominho. "Ele é nosso amigo e faz parte do nosso escritório. Rominho compôs e canta conosco o divertido arrasta-pé Vou Beber”, completa Jadson. Por conta do novo projeto, a dupla deu uma repaginada no visual, o que pode ser conferido nas apresentações ao vivo e no DVD que ela pretende lançar até o final do ano.

› NEGÓCIOS SERTANEJOS A propósito, os principais mercados consumidores do show de Jads & Jadson são os estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Paraná, São Paulo e Goiás. “É gratificante alcançar sucesso nessas praças – afinal, são as mais importantes do país em termos de sertanejo", avalia Jads, completando que outros mercados aos poucos estão sendo abertos. "Às vezes, a agenda apertada e a logística das viagens não permitem atender a consultas vindas de lugares mais distantes", lamenta ele, que, ao lado do parceiro, faz entre 15 e 20 apresentações por mês. Sobre a turnê atual, a dupla informa que um dos diferenciais é a cenografia e os efeitos especiais. "Se você for a um show nosso hoje, com certeza amanhã vai encontrar uma outra concepção de iluminação e cenários", explica Jadson. "Depois de quase dez anos de estrada, estamos orgulhosos da estrutura que conseguimos. Viajamos com paineis de Led, luzes e cenários próprios e com uma equipe de 24 profissionais", explicam. O repertório do show reúne os sucessos da dupla (Na sua estante estante, Coração idiota, Cara na porta e outros) e clássicos de Tião Carreiro e Pardinho, Milionário e José Rico e Ronaldo Viola, entre outros. Para promover esse novo disco, os sertanejos resolveram apostar em uma nova alternativa de marketing. A ideia é focar o trabalho em redes sociais e dar respaldo especial para os fãs já arrebanhados pela dupla. “Temos uma equipe de assessoria que faz somente esse serviço. Apostamos nesse tipo de contato mais pessoal e direto. Além de fortalecer os laços de fidelidade com os fãs antigos, atrai novos interessados ao nosso trabalho”, avalia Jads. “E sempre desenvolvemos parcerias com rádios, sites, revistas e jornais, de modo a promover nossa discografia e ganhar novos admiradores", finaliza Jadson. (POR GUSTAVO GODINHO)


Há quatro décadas no mercado, Mairiporã proMoções é o único escritório artístico a trabalHar apenas com o sertanejo de raiz redação

maurício âmbar

O

sertanejo universitário está na moda. Menos na Mairiporã Promoções. Na empresa, são os artistas clássicos desse gênero rural que dominam o cast. Fundada há 40 anos, a Mairiporã dedica-se a manter o mercado de sertanejo de raíz sempre aquecido. No Brasil, não há outro escritório que atue exclusivamente com esse segmento musical. Na década de 70, a Mairiporã esteve à frente da carreira de Tião Carreiro e Pardinho. Foi com essa dupla que ela começou a atuar no show business. Já nos anos 80, tra- os eMpresários Mairiporã e cloDoalDo (coM as irMãs Galvão) tem dez nomes exclusivos, entre os quais a dupla feminina, balhou com Chitãozinho & cast inezita barroso, liu & léu e pedro bento e zé da estrada (destaque) Xororó. Na época, a dupla paranaense, que só tinha sucesso no interior, estourou em nível › aGeNDas recHeaDas nacional com o megahit Fio de Cabelo. De acordo com os managers, em Durante todo esse tempo, um homem esteve à frente da emmédia, cada artista da Mairiporã presa – o mesmo que dá nome ao escritório. Cantor e composirealiza dez shows mensais. Grande tor famoso na década de 60, Mairiporã, quando se tornou emparte acontece no interior do país, presário, teve a sorte e o talento de popularizar e conduzir a principalmente nas regiões Sul, Sucarreira de duas das mais importantes duplas da história do serdeste e Centro-Oeste. Já os espaços tanejo. Desde a década de 80 tocando a empresa ao lado do filho que abrem as portas para esses mestres da música nacional são Clodoaldo, ele tem notado as mudanças no mercado nessas quaos mais variados. "Tocamos em aniversários de cidade, eventos tro década, mas não pensa em investir em outros gêneros. "A corporativos, festas particulares e nas unidades do SESC. Os história e o valor cultural da música de raíz são inestimáveis. governos estadual e municipal de São Paulo são grandes entuEnquanto puder, darei preferência a esse estilo, o mais legitimasiastas da cultura e também promovem alguns eventos nos quais mente brasileiro", afirma Mairiporã. somos convidados", detalha Clodoaldo. Hoje, o escritório conta com dez artistas de renome no cast Já a parte de divulgação em mídia é uma tarefa mais inglória. exclusivo, como Inezita Barroso, As Galvão, Pedro Bento & Zé da Segundo Mairiporã, quase não há espaço para o sertanejo de raíz Estrada, Mococa & Paraíso e Liu & Léu. Além disso, também na TV, nas rádios e na mídia impressa. As exceções são os pronegocia shows de Léo Canhoto & Robertinho, Gaúcho da Frongramas Viola, minha viola e Senhor Brasil (ambos da Cultura). teira e Cacique & Pagé, entre outros. "No agenciamento exclusivo, "Dessa maneira, temos que contar com o espaço que nos dão em nos responsabilizamos pela venda e produção de shows, gerenciaveículos de comunicação regionais. Infelizmente, a mídia mais mento de carreira, logística e manutenção de site e redes sociais. abrangente só oferece espaço para artistas veteranos que trabaAbraçamos a carreira de forma integral", define Clodoaldo. lham com MPB", critica Mairiporã. Entre os contratados da empresa, dois lançarão projetos neste Outro fator que preocupa o empresário é a tímida renovação da ano: Pedro Bento & Zé da Estrada e As Galvão. O primeiro DVD música sertaneja de raíz. Esse gênero continua sendo representado da dupla influenciada pela música mexicana será gravado em Vabasicamente por artistas com mais de três décadas de carreira. linhos, com o apoio da TV Século 21. Em paralelo, será lançada a "Isso é preocupante. Entre os mais jovens, apenas João Carreiro & biografia da dupla. "As Galvão também gravarão seu DVD. EstaCapataz, Mayck & Lyan e Bruna Viola representam a música de mos buscando parceiros para concretizar o projeto. Antes, porém, raíz. Os outros modernizaram demais o gênero sertaneja", lamena dupla lançará um novo CD", determina Mairiporã. ta Mairiporã. (Por Helder Maldonado)

26

comemoração

40 anos de sucesso


dupla luiz Miguel & daniel lança primeiro disco e anuncia projetos que serão colocados em prática ao longo de 2012

P

aranaense de Toledo, a dupla Luiz Miguel & Daniel tem apenas cinco anos de existência. Mas esses irmãos já trabalham em parceria há quase duas décadas. Oriundos de uma família de músicos, tocam em bandas de baile desde a infância. Nos últimos anos, decidiram formar a dupla sertaneja, já que o gênero está em alta e sempre foi o mais apreciado na casa da família. "Dificilmente ouvimos outra coisa. Diferentemente dos artistas atuais, não temos influências de outros ritmos. Nosso som é baseado apenas no sertanejo mesmo", pontua Luiz Miguel. Como não poderia deixar de ser, o início da carreira da dupla não foi simples, tendo que se apresentar em barzinhos de universidades e outros espaços semelhantes. Mas em 2011, o público começou a crescer e o empresário Liverson Costa se interessou pelo trabalho dos irmãos. Nessa aproximação, eles firmaram uma parceria e montaram o escritório LMD Produções. Só então a dupla conseguiu se profissionalizar e lançar o primeiro CD da carreira, o independente Us mininu tão chegando. Disponibilizado em outubro passado, o disco traz 18 canções de autoria tanto da dupla, quanto do empresário e de outros compositores. "As músicas que já trabalhamos na mídia são O que já era meu e Vem que eu faço. Ambas repercutiram bem, principalmente nos estados de São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo e em cidades fronteiriças do Paraguai, Uruguai e Argentina", comenta Daniel. Mas apesar do disco ter saído há pouco tempo, a dupla já se prepara para lançar um segundo álbum de estúdio. O novo projeto encontra-se em fase de pós-produção e deve chegar às lojas até julho. O repertório é uma mistura de músicas do primeiro CD com algumas inéditas. O primeiro single será a divertida Mina papapá. "É mais uma daquelas letras de duplo sentido que fazem tanto sucesso no sertanejo atual", aposta Luiz Miguel. Em agosto, a dupla gravará o primeiro DVD da carreira. "As imagens serão captadas durante uma apresentação intimista, com plateia formada apenas por convidados. Se tudo der certo, lançaremos o registro até o fim do ano", prevê Daniel.

helder maldonado

novidade

a hora e a vez deles

luiz Miguel & daniel dupla prepara novo cd, cujo single é a dançante mina papapá

› geRenCiaMenTO O empresário Liverson Costa tem investido muito na divulgação da dupla. Tanto que, no primeiro semestre de 2012, ele decidiu realizar o mínimo de shows possível para ter mais tempo para visitar rádios e outros veículos. "O início da turnê vai acontecer em julho, quando faremos 15 apresentações em cidades do Maranhão", revela. E para criar cases eficientes para promover Luiz Miguel & Daniel em nível nacional, Liverson chegou até mesmo a adquirir uma empresa de marketing e publicidade. A Epub, com sede em Campinas, está responsável por toda a divulgação em mídia e gerenciamento de redes sociais. Além da dupla, a Epub trabalha atualmente a imagem de mais 15 artistas. (Por Helder Maldonado)


SAIBA POR QUE SOMOS A PRINCIPAL EDITORA DO MERCADO MUSICAL BRASILEIRO! Revistas e Guias

Websites

Newsletters diรกrios

Evento Corporativo

(11) 2165-5155 Sรฃo Paulo | (21) 3486-5155 Rio de Janeiro


Graças a projeto empresarIal sólIdo, ToPeTão consolIda-se como um dos prIncIpaIs artIstas brasIleIros focados no públIco InfantIl ToPeTão trupe do artista tem 80 integrantes, boa parte oriunda de comunidades carentes

dIvulGação

O

Brasil já viveu uma fase áurea na produção de grupos e programas infantis. Entre as décadas de 80 e 90, o país presenciou o surgimento de fenômenos como Trem da Alegria, Balão Mágico, Atchim e Espirro, Xuxa, Angélica, Eliana, Mara Maravilha, Sergio Mallandro, Sandy & Junior e TV Colosso. Mas esse foi um nicho que sofreu pouca renovação entre 1995 e 2005. Só nos últimos sete anos é que surgiram novos projetos de sucesso nessa área. Entre os exemplos, estão Patati Patatá, Galinha Pintadinha, Cocoricó e um dos mais populares artistas da atualidade, o Palhaço Topetão. O personagem foi criado pelo ator e diretor Renato Ferreira. Além de dar vida ao palhaço, ele dirige a Companhia Upleon, responsável por administrar as turnês do Circo do Topetão. Nascido e criado na comunidade carioca de Vigário Geral, Renato teve uma infância sofrida e, para se sustentar, atuou em subempregos. Na adolescência, se formou na Escola Nacional de Circo e na escola de teatro Martins Pena. Em 1991, conheceu um casal europeu que o convidou para se apresentar de monociclo num parque da Alemanha. Nesse intercâmbio, Renato aprendeu a maneira de administrar seu próprio negócio e chegou a montar um circo com o qual viajou pela Europa. Viveu por lá durante sete anos. Quando voltou, foi convidado para participar do programa Xuxa Parque, na Globo. A partir dali, tornou-se conhecido em todo o Brasil. “Entre 2004 e 2005, aprendi muito ao comandar o Circo do Topetão, na Rede Record. O programa era exibido aos domingos pela manhã, mas teve vida curta. Agora, negocio minha volta à TV. Será no formato de seriado, apresentado semanalmente, em uma emissora fechada”, anuncia. Renato credita seu sucesso ao fato de ter incorporado a qualidade técnica europeia em suas apresentações. Hoje, sua trupe passa cerca de metade do ano se apresentando sem interrupções em shoppings do Rio de Janeiro; na outra metade, reveza-se em shows em outras capitais e também na Europa. “No velho continente, nos apresentamos no Europa Park (Alemanha), Grona Lunds, Furuvik, Liseberg (Suécia) e em navios da Cia Siljaline, fazendo a rota Estocolmo/Helsinque/Turku. Em todos esses países, adaptamos o texto para o idioma local”, ressalta.

30

InfantIl

Palhaço com vIsão

E entre os 80 profissionais que compõem a trupe do Circo do Topetão, estão artistas que, assim como Renato, têm origem humilde. Eles são oriundos de projetos como Afroreggae, Crescer e Viver, Fábrica de Sonhos, Se Essa Rua Fosse Minha e Escola Nacional de Circo. “Isso faz toda a diferença, pois permite a inclusão artística e abre o leque de possibilidades para o cidadão ter contato com a arte. Com isso, muda-se o ângulo de visão dessas pessoas simples, que jamais teriam um olhar diferente sobre certos segmentos artísticos”, analisa Renato.

› PRoJeToS e ShoWS Além das apresentações convencionais, Topetão também se apresenta com frequência em eventos corporativos. Segundo ele, esse nicho cresceu exponencialmente nos últimos anos. “O segmento empresarial representa grande parte da nossa agenda nestes últimos anos. Essas apresentações são direcionadas para a família e proporcionam a alegria do circo no local de trabalho dos profissionais”, resume. Na área de produtos, Topetão já lançou os CDs e DVDs Alegria, Alegria (2003), Tá na hora (2005) e o kit Circo de brincar. O último item, disponiblizado em 2011, marca a primeira parceria do palhaço com a Som Livre. “Em 2012, lançarei também livros de literatura infantil e um DVD com episódios da série que será veiculada na TV a cabo”, adianta. (Por Helder Maldonado)


VENDAS DE SHOWS (31) 3291-5010 / (31) 9294-6469 (Tim) / (31) 7813-5687 ID: 88*4085

www.relbereallan.com.br

(31) 9987-5822


DIVULGAÇÃO

SUCEDE

LUXO INÉDITO

A

praia de Jurerê Internacional (SC) é um reduto de luxo e glamour. Durante os últimos anos, a trilha sonora local sempre foi a música eletrônica. Mas aos poucos, o sertanejo vem caindo no gosto dos frequentadores dessa praia. Em março, aconteceu o evento Weekend Sertanejo, que apresentou shows de Gusttavo Lima, Fabio Dunk, Humberto & Ronaldo, Israel Novaes e Jorge & Mateus. A última dupla, aliás, optou por gravar seu novo DVD por lá. Filmado no dia 24 de março, no club P12, o projeto se transformará no quarto DVD da carreira dos artistas goianos. O repertório de 20 músicas é composto basicamente por faixas inéditas (ou nunca antes lançadas em projetos oficiais). A exceção fica por conta da releitura de Cartaz, de Raimundo Fagner. Produzido por Dudu Borges e dirigido por Anselmo Trancoso, o show foi filmado a céu aberto, parte de dia e parte à noite. Os destaques são as canções Flor, Prisão sem grade, Não demora a perceber e o single Duas metades. Esse não será o único projeto da dupla para 2012. Jorge & Mateus confirmaram que gravarão um DVD no Royal Albert Hall, em Londres, no mês de outubro. Palco dos eventos mais importantes da Inglaterra, a casa, que comporta oito mil pessoas, receberá pela primeira vez em sua história uma dupla sertaneja.

34

DIVULGAÇÃO

A

pós 15 anos na Som Livre, o italiano Luciano Bruno se desligou da gravadora e criou o selo Volare Music, pelo qual acaba de lançar seu novo disco, Un giramondo italiano. Com 13 faixas, o trabalho conta com arranjos de Luis Avellar. O repertório é formado por clássicos como Let me try again e Et si tu n'existais pas), e músicas escritas pelo próprio Luciano, como Due parole. A grande surpresa fica por conta da participação de Pepino di Capri em Dicintello vuie. "Gravamos parte do CD no Brasil e parte na Itália", explica ele, que fechou parceria com a Sony DADC para distribuição do produto. Para divulgar Un giramondo italiano, Luciano Bruno fará turnê pelo Brasil, Itália e alguns países da América do Sul. Além da presença em festas da colônia e apresentações em clubes, o cantor confirma que grande parte de sua agenda é dedicada a shows corporativos. Por outro lado, Luciano reclama da falta de renovação da música italiana consumida no Brasil. Com a criação do selo Volare, ele pretende mudar esse quadro e investir pela primeira vez na revelação de talentos jovens. Sua ideia é lançar discos e promover turnês de artistas da nova geração da música italiana e de outros países europeus, como Espanha e França.

Novidade MPB e pop

C

om certeza, você já ouviu alguma composição de Dudy Cardoso interpretada por artistas famosos. Ele é autor, por exemplo, de sucessos como Vai (do Alma Djem e inserida na trilha da novela Maria Esperança, do SBT), Mexe a massa (gravada pelo Batom na Cueca) e Máquina digital (interpretada por Wanessa). Agora, esse compositor requisitado também está investindo na carreira de cantor. Recentemente, lançou o primeiro disco, Bela imperfeição. Com uma sonoridade MPB pop, o trabalho tem influências de Lulu Santos, Vanessa da Matta, Zélia Duncan e Claudio Zoli. Das 14 músicas do disco, 12 são de autoria do próprio Dudy. "É um cartão de visitas tanto para os contratantes de shows como para os fãs", explica. Mas nos shows, Dudy insere também versões de grandes sucessos da MPB e do pop rock nacional. "Quero tocar em espaços maiores. Artista em início de carreira que opta por apresentar um show autoral, invariavelmente fica preso ao circuito de casas intimistas", justifica Dudy. Apesar de se concentrar em sua carreira-solo, Dudy não deixou de lado o trabalho como compositor. O cantor Marcelo Mira divulgará um novo produto que conta com músicas do artista. E em breve, a banda Biquíni Cavadão lançará um CD com metade do repertório composto por Dudy.

DIVULGAÇÃO

Com Pepino di Capri


CAMINHO ABERTO

A

35

DIVULGAÇÃO

driano Ribeiro é a nova aposta da Warner Music. A companhia já promove em todo o Brasil Batucada, primeiro CD do cantor e compositor. Mal foi lançado, o disco já conseguiu um grande destaque na mídia. O primeiro single, Cenário de novela, entrou na trilha sonora de Malhação (Globo) e logo passou a figurar entre as mais tocadas no Rio de Janeiro. “A emissora precisava de uma música que sugerisse um romance entre um garoto da favela e uma patricinha. Meu produtor (Wagner Viana) indicou Cenário de novela e a canção foi aprovada”, comemora Adriano. Além da canção já citada, o disco de estreia do artista traz outras 13 faixas – em sua maioria inéditas e compostas pelo próprio Adriano. Há de se destacar a versão em samba de Reza vela, d'O Rappa. “Sempre toquei essa versão nos meus shows,”, justifica Adriano, que aposta na faixa Curtindo a vida para ser o segundo single. O plano da Warner é lançar também um "box" especial de Batucada, contendo, além do CD, um DVD-documentário sobre toda a história artística de Adriano Ribeiro. “A gravadora quer me apresentar ao grande público. Sou respeitado no meio do samba, mas é interessante que outras tribos também conheçam meu trabalho”, analisa. No documentário, Alcione, Xande de Pilares, Bira Presidente e Rildo Hora endossam o trabalho do artista. Adriano Ribeiro tem 30 anos, mas compõe desde os 15. Nascido e criado em Cacique de Ramos (subúrbio carioca), já foi gravado por grupos como Fundo de Quintal (Pela hora), Sorriso Maroto (Tarde demais), Turma do Pagode (Primeiro lugar) e Bom Gosto (Camará e Curtindo a vida). “Antes de gravar meu primeiro CD, vivia de direitos autorais e de shows em pequenos espaços”, relembra o sambista, que gravou o primeiro álbum por insistência dos amigos e admiradores. Enquanto ele cumpre uma boa agenda de shows (em maio, serão 15), a Warner cuida da divulgação do CD em todo o Brasil. “Já tenho diversos programas de TV e shows de rádios agendados. Preciso me mostrar em nível nacional”, conta Adriano, que planeja gravar o primeiro DVD da carreira até o início de 2013.


36

SUCEDE

BENDITA DANCINHA

P

ara alcançar o sucesso, é preciso talento, trabalho e sorte. Muita sorte, de preferência. Nesse quesito, a dupla João Lucas & Marcelo não pode reclamar. Para atingir o estrelato em nível nacional, os cantores contaram com uma ajuda providencial do craque Neymar. Ao comemorar o 100º gol da carreira, ele dançou a música Eu quero tchu, eu quero tcha,, de João Lucas & Marcelo. Resultado: a faixa se transformou em hit nacional e o telefone do escritório que gerencia a carreira da dupla não parou mais de tocar. Na sequência, a Som Livre fechou contrato de três anos com os artistas e emplacou a música na trilha da novela Avenida Brasil.. A gavadora percebeu que a mistura de gêneros praticada pelos rapazes é uma das novas tendências do sertanejo universitário. Já nesse primeiro sucesso, eles se aproximaram do arrocha e do funk carioca. Inusitado? Não para a dupla, que, em outras faixas, aposta no mix de sertanejo com pagode, forró e axé. Esse hibridismo musical poderá ser notado no próximo CD, em fase de pré-produção.

Demorou, mas veio

F

azia três anos que Isabella Taviani não lançava um novo disco. Nesse período, a cantora teve tempo para criar um repertório variado que resultou no álbum Eu raio-x. Produzido por André Vasconcellos, o trabalho será lançado de forma independente. Com esse direcionamento, ela pode ousar nas composições e beber em fontes nada convencionais para a sua carreira, como a música celta, o blues e ritmos havaianos. "Minha relação com a Universal (sua ex-companhia) sempre foi ótima. Mas dentro de uma empresa com um cast tão grande, a divulgação de novos produtos nunca é feita de uma maneira efetiva. Em média, gasta-se dois meses com esse processo – o que considero pouco. Por isso resolvi partir para a independência e fazer as coisas do meu jeito, com dedicação total", avalia Isabella. O disco também traz as primeiras parcerias de Isabella com a cantora mineira Myllena. Essa artista, que tem um trabalho mais roqueiro, foi coautora de quatro faixas e ainda participou de A imperatriz e a princesa. Além dela, outros músicos aparecem no projeto. Max Vianna toca violão em Estrategista e Junior Tolstoi (guitarra) e Marcos Suzano (pandeiro) participam em Encaixotei a minha paz. A turnê do álbum contará com um cenário inusitado, montado com chapas de raio-x enviadas pelos próprios fãs. A ideia é rodar o Brasil com esse show durante todo o ano de 2012. Depois, Taviani pensa em lançar um disco com versões dos Carpenters.

Independente e feliz

M

ais conhecida banda gospel do Brasil, a Catedral deu um importante passo em sua carreira. Após mais de 23 anos lançando discos por gravadoras, ela optou pela independência. E, para coroar essa nova fase, lançou M.I.M – Maior idade musical, o disco azul (foto). O projeto consiste num disco com 14 canções inéditas, acompanhado de um livro, com textos, partituras e fotos. O produto saiu com a tiragem de três mil exemplares e está sendo distribuído pelo selo Performance Music. Assim que as três mil cópias forem vendidas, a ideia do vocalista Kim e seus colegas é dar continuidade ao projeto, criando um novo produto ligado à banda para acompanhar a venda do CD de inéditas. “A segunda tiragem trará o disco encartado com uma revista-pôster e uma camiseta”, adianta Kim. “Até o final do ano, a cada dois meses, queremos inventar um novo produto para acompanhar o CD”, completa ele. Fora isso, o trio também criou uma rede social voltada somente para os catedráticos (nome dado aos fãs da banda). “É um importante canal de comunicação com os nossos fãs, para sabermos o que eles pensam dos nossos projetos e o que esperam da banda em termos artísticos", finaliza Kim.


axé music mantém-se em alta, mas vive momento de reformulação, com bandas como Jammil e babado apresentando novas formações

C

om o fim do carnaval, a axé music vive seu tradicional período de entressafra. E algumas bandas entraram em processo de reformulação, com mudança de vocalista e até, em alguns casos, de todos os integrantes. Uma das primeiras a sofrer baixa foi a banda Jammil. Em abril do ano passado Tuca Fernandes anunciou sua saída para iniciar carreira solo, levando junto o guitarrista Beto Espínola. Apesar do baque, Manno Goes, principal compositor e único remanescente da formação original, tratou logo de recompor o grupo. “Eu e Paulo Borges (empresário do Jammil) queríamos uma pessoa com personalidade musical forte”, explica ele, referindo-se ao posto de vocalista. O escolhido acabou sendo Levi Lima. O jovem cantor foi pinçado da banda baiana Via Circular. “Eu e Levi já nos conhecíamos, por isso o entrosamento entre nós está sendo maravilhoso! Temos afinidade artística e gostos parecidos”, derrete-se Manno, destacando que o processo criativo do grupo ficou fortalecido com o novo vocalista. Como compositor, Levi já emplacou a música Palácios e castelos, gravada por Luan Santana. Ao lado dele e dos novos músicos, todos na faixa dos 20 anos, Manno confessa que se sente um verdadeiro “paizão” da rapaziada. Para apresentar oficialmente a nova formação, o grupo acaba de lançar o CD e o DVD Na real, cujo repertório tem como destaques a música Colorir papel, que entrou na trilha da novela Fina estampa, e as participações de Ivete Sangalo (O Povo brasileiro), Daniela Mercury (Tapa pandeiro) e Cesar Menotti & Fabiano (Terra da paz). Já o DVD traz os clipes de 10 músicas e um documentário sobre o grupo percorrendo e se apresentando ao longo da Estrada Real, que ligava Parati (RJ) a Diamantina (MG) e era utilizada no período colonial para exploração e escoamento de ouro e diamantes. Por sinal, a estrada é o ambiente onde o grupo deve estar nos próximos meses por conta da divulgação dos dois trabalhos e os shows da nova turnê. Para Manno, será a ocasião ideal para estreitar o entrosamento com os novos integrantes. “A cada dia, estamos nos conhecendo melhor em cima do palco”, resume.

38

axé music

Dança dos microfones › MUDaNÇa GERaL

Já para os lados do Babado Novo a mudança foi geral. Depois de revelar Claudia Leitte e ter, nos últimos dois anos, os vocalistas Guga de Paula e Igor Di Ferreira, a banda vem com sua terceira formação, desta vez comandada por Marielle Antunes. A bela morena começou a soltar a voz na banda de baile Lordão, onde atuou durante três anos. Em 2010, ela criou a banda Sarypa, com a qual despontou de vez dentro do concorrido mercado soteropolitano. O talento da moça chamou a atenção do empresário do Babado Novo, Manoel Castro, que a convidou para liderar a banda. Após o carnaval deste ano, ela e outros integrantes da Sarypa passaram a trabalhar no Babado. Sobre os projetos futuros da banda, o empresário faz mistério.

› ESTaBILIDaDE Se por um lado o movimento tem sido intenso nos bastidores de algumas bandas, em outras – outrora agitadas – reina a estabilidade. Um exemplo é a Banda Eva. Uma das instituições da música baiana, responsável por revelar Ivete Sangalo e Emanuelle Araújo, o grupo segue há um bom tempo sem mexer em sua formação, comandado por Saulo Fernandes, que em 2012 completa 10 anos na posição de titular do microfone. “Saulo é um cantor moderno, que também tem crescido muito como compositor. Ele é antenado, criativo – e suas composições têm forte pegada pop. Por tudo isso, temos apoiado totalmente seu trabalho”, pontifica Ricardo Martins, um dos empresários da banda. Depois de mais uma bem sucedida temporada de carnaval, em que faturou os prêmios de Melhor Cantor, Melhor Música (Circulou) e Melhor Bloco, o Eva volta ao trabalho para divulgar o CD duplo CNRT (Conexão nagô rede tambor), lançado pela Som Livre. Em Conexão nagô, o Eva mostra “canções com um sotaque mais baiano nas letras e ideias”, enquanto Rede tambor traz um lado “lúdico e romântico”, com uma “linguagem mais abrangente”. ← Eva

graças ao talento e carisma de saulo Fernandes, banda mantém pegada dos tempos de ivete sangalo


fotos : divulG ação

JaMMIL, DE MaNNO GOES com levi lima nos vocais, banda lança cd e dvd (destaQue) com participaçÕes de daniela mercurY e ivete sangalo

jetos, como Evanave – evento em que se apresenta nas principais cidades do país em um palco móvel por controle remoto, ficando bem próximo do público –, e Trinave, em parceria com o projeto Trivela, do Asa de Águia. “Vamos fazer também edições pelo Brasil do Eva convida, evento conceitual que rolou no verão de Salvador deste ano. É uma festa para cerca de três mil pessoas em que Saulo faz um show de três horas, interagindo com o público”, completa o empresário. Com tudo isso, a banda ainda vislumbra a possibilidade de fazer uma turnê pela Europa em agosto.

› RITMO DE CONCENTRaÇÃO

MaGaRY LORD revelaçÃo do carnaval baiano em 2012 comprova renovaçÃo da aXé music

← CHEIRO DE aMOR

banda prepara cd duplo e planeJa turnÊ na europa

pertório do DVD. Nós o trabalhamos no ano passado, e agora estamos nessa transição para o disco novo, que terá só músicas inéditas. O repertório tem ainda faixas-bônus recentes, como Me agarra, ainda sem registro em áudio", explica Alinne. Quanto à agenda de shows, a banda não tem do que reclamar. Tanto que a empresária Dib Kraychete, da Cheiro Produções, também discorda daqueles que afirmam que o axé perdeu um pouco de sua força. “Os nomes conhecidos trabalham intensamente e os artistas emergentes estão buscando seu espaço", comenta. “Há mercado para todos os segmentos da nossa música. Grades de programação de grandes festas incluem sertanejo, axé, pop, rock, samba, de modo a agradar a todos”, diz ela, em tom conciliador. E, se tudo correr como planejado, a banda embarca em junho para uma turnê na Europa. (POR MARCIO FURUNO)

39

O projeto foi feito em uma casa em Itapuã, onde a banda se reuniu de março a novembro de 2011. Todo o processo de ensaio, criação e gravação foi sendo registrado no site www.cnrt.com.br, pelo qual foram disponibilizados vídeos e áudios de algumas das músicas. “Foi um projeto totalmente inovador. Em muitos lugares onde a banda se apresentou ao longo do ano, o público já conhecia as músicas novas", destaca Martins. O CD duplo reúne 30 músicas de estilos variados. O empresário não acredita que o gênero axé esteja em queda. “Além de artistas consagrados como Ivete, Daniela, Claudinha, Chiclete, Eva, Asa e tantos outros, a música baiana tem apresentado novos artistas, em um bom processo de renovação – como Banda Mammeto, Filhos de Jorge, o novo Jammil (com Levi Lima) e Magary Lord”, afirma. Este último, inclusive, já vem contando com apoio da própria banda Eva, por meio da agência 8 Bisz – sociedade entre a Eva Produções e a empresa Licia Fabio Produções. Em tempo: o cantor Magary Lord levou o prêmio de Artista Revelação no carnaval baiano deste ano. Além disso, segundo Martins, o mercado de show business para os artistas do gênero segue aquecido. “Toda festa grande inclui atrações baianas no line-up", explica. "Isso sem falar nas micaretas e outras festas do gênero, todas baseadas na cultura da axé music“. Paralelamente à turnê do novo CD, a Eva deve manter a agenda ocupada com seus outros pro-

Outra veterana que segue com sua formação inalterada é a banda Cheiro de Amor. Desde 2003 a titularidade vocal está com Alinne Rosa. Atualmente o grupo está em ritmo de concentração para seu novo trabalho. “Posso adiantar que será um CD duplo. Um disco com músicas pra dançar e outro com baladinhas românticas. Para mim, será algo muito especial, porque me envolvi diretamente nesse trabalho, desde a seleção de repertório até a criação dos arranjos de todas as músicas. Estou muito feliz com o resultado”, antecipa a vocalista. Mas enquanto o disco novo não vem, a banda segue com o show do mais recente trabalho, o CD/DVD Axé Mineirão, lançados em 2010. “Na verdade, ainda utilizamos como base o re-


A

GABRIEL WICKBOLD

música eletrônica já é realidade nos grandes eventos populares. Vários DJs estão se dando bem com as multidões, muitas vezes tocando no mesmo dia de atrações renomadas do sertanejo, axé e outros gêneros. É o caso de nomes como Hands Up, 2 Fuel, Aircraft e Rafael Diefentaler. Além de divulgar seu trabalho, estão ampliando seu público para além dos limites das pistas de dança. Felipe Fernandes, empresário do Hands Up, destaca a tendência de crescimento dos eventos populares, o que ajuda a re-

HANDS UP FENÔMENO DO MERCADO ELETRÔNICO, DUO TEM REGISTRADO MÉDIA DE 200 APRESENTAÇÕES POR ANO

forçar a já gorda agenda do projeto. Criado há quatro anos em Curitiba/PR pelo DJ Ber Bush e pelo percussionista Gutto Serta, o Hands Up é um dos fenômenos do segmento eletrônico: o duo tem registrado a impressionante média de 200 apresentações por ano. “Temos algumas datas fechadas para o Rodeio Super Bull, que realiza 150 edições por ano no Brasil, com presença de mais de 40 mil pessoas”, revela Felipe, acrescentando que neste ano o duo já fez shows em Marília/SP e no badalado beach club P12 (Florianópolis/SC), ao lado de Michel Teló. Festas de peão constam no cardápio do 2 Fuel, projeto paulista surgido em 2008 e formado pelo multi-instrumentista Aldo D’Isep e pelo produtor/compositor/vocalista Felipe Tass. “Sempre tocamos em eventos populares, principalmente em camarotes de grandes festas e de artistas como Claudia Leitte e Ivete Sangalo.

Não negamos nada”, relata o bem humorado Aldo. Ele observa que a procura por música eletrônica aumentou no último ano graças a David Guetta e Swedish House Mafia – dois nomes internacionais, já bem conhecidos pelo público brasileiro, que recentemente fizeram tours pelo país. “Organizadores de eventos entenderam que existe um público diferenciado que realmente gosta de música eletrônica e que, muitas vezes, vai a eventos populares por causa de um determinado DJ ou artista. Resumindo, esses eventos acabam atraindo um público novo que não iria se não houvesse uma tenda eletrônica”, completa o músico. Rafael Carvalho, empresário do Aircraft, ressalta que, ao fazer shows em eventos populares, o projeto vem conseguindo “converter” o grande público em fãs da eletrônica. “Desde a idealização do projeto, um dos nossos objetivos era trazer mais pessoas para a house music. Muitos dos nossos fãs são pessoas que antes eram verdadeiros leigos no gênero e hoje se encontram nesse universo rico de informações e conteúdo”, apregoa o empresário, que também trabalha com o cantor Gusttavo Lima.Com pouco mais de um ano de carreira, o Aircraft, formado pelo DJ/produtor Rafael de Paula e pela violinista Karla Carvalho, é uma das sensações do mercado de e-music, graças a um intenso trabalho na internet e redes sociais. Em suas apresentações, o projeto mescla música e vídeo com um espetáculo de luzes e efeitos, a cargo do Robocraft, que circula entre o público com sua roupa de leds disparando sua “arma” de laser. A possibilidade de transitar por eventos de perfis diferentes é um aspecto que tem pautado a carreira do DJ Rafael Diefentaler, que vem incrementando sua agenda com shows em camarotes de carnavais fora de época e festivais. “Isso é fundamental no trabalho de expansão do meu nome e ajuda muito a abrir mercado”, afirma ele, residente dos badalados clubs paulistanos Mynt Lounge, B4 e Clash e do weekend party La Locomotive. Habilidoso, Diefentaler esbanja técnica em suas apresentações ao usar simultaneamente quatro decks.

AIRCRAFT E O VOCALISTA AMERICANO JESSE HART MÚSICA NOVA NIGHT AWAY ENTROU NO CALDEIRÃO DO HUCK, DA REDE GLOBO

GABRIEL WICKBOLD

DJS E ARTISTAS DA E-MUSIC AMPLIAM MERCADO AO CONSEGUIR ENTRAR NA PROGRAMAÇÃO DE EVENTOS POPULARES; CONFIRA ALGUNS EXEMPLOS

40

ELETRÔNICA

Para ALÉM das PISTAS


DIVULGAÇÃO DIVULGAÇÃO

Dado o perfil abrangente dos eventos populares, DJs e artistas eletrônicos obrigam-se a montar um repertório mais acessível ao grande público, tarefa que eles cumprem de bom grado. “Nosso desafio é entretê-lo e fazê-lo dançar. Isso é muito instigante e divertido”, destaca Diefentaler. A visão é corroborada pelo empresário do Hands Up. “É uma experiência diferente. Isso porque as pessoas não estão ali somente pelo som, e acaba se tornando um desafio ainda maior envolvê-las durante a apresentação”, atesta Felipe. O empresário do Aircraft também concorda e diz que o projeto tem conseguido até dar um toque diferenciado em seus shows populares. “Com o tempo fomos ganhando liberdade para criar uma identidade mais conceitual, saindo um pouco do mainstream e nossos fãs foram aderindo a essa mudança. Hoje, quando tocamos para o público dos eventos populares, levamos coisas novas, para surpreendê-lo e cativá-lo", explica Rafael. Já o 2 Fuel acredita não haver grandes diferenças em tocar nos eventos populares. “Pelo fato de eu 2 FUEL trabalhar com músiDUO TEM SE DESTACADO NAS PISTAS COM ca há muitos anos e REMIXES DE U2 E PARALAMAS DO SUCESSO de já ter me apresentado com bandas de rock em grandes festivais, encaro com tranquilidade. Não me apego a um estilo, apenas faço música e coloco toda minha verdade naquilo que estou fazendo”, sentencia Felipe Tass. “O que importa é perceber se a galera está curtindo. Hoje em dia, notamos que o pessoal que vai a uma festa quer realmente aproveitar o momento, não importa se gastou muito ou pouco”, analisa Aldo.

› REFRÕES MARCANTES Na programação dos eventos populares, é cada vez mais frequente a presença de atrações de diferentes gêneros. Em meio a essa salada de sons, a turma da e-music acredita que o grande público tem assimilado cada vez mais o gênero. “A música eletrônica é dançante, animada e alto astral – bem a cara do povo brasileiro. Quando se apresenta coisas novas e de bom gosto, todos se rendem”, diz Rafael Carvalho, empresário do Aircraft. Felipe, do 2 Fuel, destaca que hoje a música eletrônica está mais cantarolável. “Percebo que, por meio das tracks atuais, com mais vocais, linhas mais melódicas e refrões marcantes, a música eletrônica virou ‘música’, e com isso aproximou-se de outros estilos de fácil assimilação”, assinala. “A partir do momento que o DJ topa se apresentar num evento popular, ele tem que adequar seu som e até o modo de se

comunicar, só assim conseguirá se sair bem e entreter o público. Tem DJ, por exemplo, que se irrita com perguntas do tipo: ‘oi, você pode tocar a música do Chiclete com Banana?’ Isso é muito comum”, relata Diefentaler. Felipe, empresário do Hands Up, aponta outros fatores que têm contribuído para a popularização da e-music junto ao grande público. “DJs top gringos, como David Guetta, têm ajudado nesse processo. Bem como os programas Big Brother Brasil, que na maioria das suas festas teve a presença de algum DJ, e A Fazenda, no qual o Hands Up já tocou”, completa.

› MÚSICA EM NOVELA

RAFAEL DIEFENTALER DJ FAZ APRESENTAÇÕES EM CARNAVAIS FORA DE ÉPOCA E CAMAROTES FAMOSOS

Além de shows em eventos populares, DJs e artistas eletrônicos também miram a grande mídia, movimentando-se nos bastidores para tentar emplacar seus trabalhos. O Aircraft, por exemplo, acaba de lançar o novo single Night away, com vocal do americano Jesse Hart. “A música vem sendo executada no Caldeirão do Huck, TV Xuxa e outros programas da Rede Globo. E estamos em negociações para incluí-la na trilha de uma novela da emissora”, revela o empresário Rafael Carvalho. Felipe Fernandes, manager do Hands Up, salienta que emplacar músicas na TV é uma tarefa trabalhosa. “Não é algo tão simples. Além da e-music ter características específicas, nesse mercado conta muito a rede de contatos que você tem. Por mais que você saiba quem é a pessoa certa, se não for por indicação de alguém, dificilmente vão avaliar a sua música”, decreta.

› REMIXES Outra frente na qual vários DJs costumam se empenhar é a produção de remixes. Na hora de dar uma bela turbinada em uma música ou hit, artistas famosos recorrem aos "donos" dos decks. Nesse sentido, o DJ Rafael Diefentaler anda bem requisitado. “Como também sou músico, sempre gostei de explorar outros estilos musicais em minhas produções. Oficialmente tenho propostas para remixar dois grupos famosos e outro novo. Portanto, vem coisa boa por aí nos próximos meses”, faz mistério o DJ. A procura já vem rolando também para os lados do 2 Fuel. “Já tivemos especulações e cotações, mas ainda não rolou nada. Estamos abertos a esse tipo de negociação. Aliás, eu gostaria muito de poder fazer algo diferente com artistas de outras vertentes musicais”, diz Aldo. Em suas apresentações, o 2 Fuel tem conquistado o público de pop/rock com seus remixes e bootlegs de hits de grupos como U2, Paralamas do Sucesso, Kings of Leon, Gnarls Barkley, Lenny Kravitz, Cranberries e Live, dentre outros. “Como crescemos ouvindo rock, do pop ao mais pesado, esses remixes foram o nosso cartão de visitas na música eletrônica”, explica o multi-instrumentista. Por sua vez, o Hands Up tem focado mais em remixes para outros DJs, como Carlo Dallanese, o duo Mora & Naccarati, o projeto Vácuo e artistas estrangeiros, dentre eles Ron Carrol e Steven Quarre. (POR MARCIO FURUNO)

41

› ADEQUAR REPERTÓRIOS


Direitos

Mais de R$ 411 milhões superintenDente Do ecad fala sobre o valor DistribuíDo pelo órgão eM 2011 e prevê arrecaDação De r$ 612 Milhões eM 2012

N

o final de março, o Ecad anunciou os números de arrecadação e distribuição de direitos autorais referentes a 2011. E mais uma vez os artistas tiveram motivos para comemorar. "Distribuímos R$ 411,8 milhões a 92.650 compositores, intérpretes, músicos, editores e produtores fonográficos – um crescimento de mais de 18% em relação ao ano anterior", explica a advogada Gloria Braga, superintendente executiva do órgão. Segundo ela, os segmentos com maior participação no valor total distribuído foram Rádio e Direitos Gerais (provenientes dos locais que utilizam sonorização ambiente), com 36,27%; TV Aberta (26,42%) e Show (15,25%). "Nesta última rubrica, o bom resultado foi reflexo do crescimento da quantidade de shows realizados no Brasil e do aumento da estrutura de gravação do Ecad, resultando na melhora da qualidade da distribuição realizada. Somados, esses segmentos representam quase 80% dos valores distribuídos em 2011. O aumento da cobertura de gravação de shows/eventos também se refletiu na distribuição dos segmentos de Carnaval e Festa Junina", detalha Gloria Braga. Os segmentos de Casas de Festas e Mídias Digitais também se destacaram. O primeiro se consolidou como importante rubrica para os artistas, devido ao incremento da arrecadação e porque muitos deles têm suas músicas executadas somente em Casas de Festas (e similares). O segmento de Mídias Digitais se destacou, principalmente, pelo início da distribuição proveniente das músicas executadas no canal de

42

o çã Da re

← GlORia BRaGa

"Nos últimos ciNco aNos, a distribuição de direitos autorais cresceu 64,38%, ou seja, a remuNeração aos titulares cresceu mais que o dobro da iNflação deste período, que foi de 30,15%"

vídeos YouTube. Nos últimos cinco anos, a distribuição de direitos autorais cresceu 64,38%, ou seja, a remuneração aos titulares cresceu mais que o dobro da inflação deste período (o índice IPCA-IBGE apurado foi de 30,15%). Na entrevista a seguir, Gloria Braga faz uma análise dos resultados e estima que a arrecadação em 2012 deverá crescer 12,1% em relação ao ano passado. Confira: » SUCESSO! – Alguns organizadores de grandes eventos, como festivais e feiras agropecuárias, reclamam do que consideram "aumento exagerado" na cobrança por parte do ECAD – de alguns anos para cá. Alegam que o nível das atrações e a quantidade de público mantém-se o mesmo, porém o valor do Ecad chega a ser dez vezes maior que o cobrado há cinco ou seis anos. O sistema de cobrança e aferição de faturamento mudou? GLORIA BRAGA – O parâmetro de cobrança se mantém o mesmo há anos. O cálculo do direito autoral é realizado de acordo com os critérios estabelecidos no Regulamento de Arrecadação e sua Tabela de Preços (do Ecad). No caso de shows em que há cobrança de ingresso, o valor da retribuição autoral é calculado de acordo com um percentual sobre a receita – no caso, 10% sobre a bilheteria. Temos intensificado o trabalho de apuração in loco da receita de bilheteria, principalmente desse tipo de show. » Por outro lado, percebe-se que os compositores têm festejado esse crescimento e apoiado a sistemática de cobrança e arrecadação do Ecad... É verdade. A evolução do Ecad tem contribuído, especialmente, para aprimorar a qualidade do seu trabalho em prol da classe artística, especialmente no que tange à distribuição de direitos autorais. Prova disso é que, nos últimos cinco anos, a distribuição de direitos cresceu 64,38%, ou seja, a remuneração aos titulares cresceu mais que o dobro da inflação deste período (o índice IPCA-IBGE apurado foi de 30,15%). Vale ressaltar que, atualmente, cerca de 40 artistas de renome nacional e internacional, apoiam o direito autoral e o trabalho do Ecad e das associações de música, participando gratuitamente da campanha Vozes em defesa do Direito Autoral. E que vozes!. Apenas como exemplo, eis alguns nomes: Sandra de Sá, Fagner, João Roberto Kelly, Alcione, Saulo Fernandes (Banda Eva), Durval Lelys (Asa de Águia) Sérgio Reis, Martinho da Vila, Roberto Menescal, Dudu Nobre, Paulo Juk, Serginho Moah (Papas da Língua), Rafa Machado (Chimarruts), Victor Chaves (dupla Victor & Leo), Ramon Cruz, Alexandre Peixe, Tato (Falamansa) e Dorgival Dantas. » A música Ai se eu te pego foi lançada no final de agosto passado, tocou no último trimestre em todo o Brasil e outros países, virou megahit e no entanto não desponta entre as 10 maiores arrecadações. Por quê? A distribuição pode ser realizada mensalmente, no caso de shows;


trimestralmente, no caso de rádio, TV, música ao vivo e direitos gerais (referentes às músicas de sonorização ambiente); e semestralmente, no caso de TV por assinatura e mídias digitais. Portanto, se uma música for executada hoje, não significa que os direitos serão pagos imediatamente. O intervalo entre o período de captação e pagamento ao titular é necessário para que sejam recebidas e analisadas as informações sobre a execução da obra (gravações, roteiros, planilhas com programação musical), bem como para que seja feita a pesquisa para a correta identificação das obras e fonogramas. Como exemplo, no segmento de rádios, tendo sido a música Ai se eu te pego muito executada no final do último trimestre de 2011, provavelmente aparecerá nos próximos rankings. Vale afirmar que o Brasil é um dos poucos países que realizam distribuições mensais e trimestrais. Na maioria dos países, a distribuição é realizada apenas semestralmente ou anualmente.

municações) da PUC-Rio será responsável pela captação e identificação automática das execuções musicais provenientes das programações das emissoras de televisão abertas e fechadas (por assinatura). A partir de um banco de dados de áudio, cadastrado internamente no Data Center do Ecad, cada execução captada na programação será comparada e identificada imediatamente. A família Ecad. Tec CIA será expandida a seguir para o desenvolvimento dos projetos CIA Obra Musical e CIA Internet.

» Qual a meta de arrecadação para 2012? » O Ecad tem como meta arrecadar R$ 612,4 milhões, um crescimento de 12,1 % em relação a 2011. Em 2011, o escritório arrecadou R$ 540,5 milhões, registrando crescimento de 24,8% em relação a 2010, o melhor desempenho dos últimos dez anos. Os excelentes resultados só puderam ocorrer devido às estratégias bem sucedidas de arrecadação, como a conscientização dos usuários de música, o aumento da capilaridade do Ecad no país, a maior presença no interior dos estados, o crescimento da recuperação de usuários inadimplentes, além da assinatura de novos contratos com usuários de grandes redes. A realização de grandes shows como os do festival Rock in Rio, Paul McCartney, U2, Eric Clapton, Justin Bieber, Aerosmith, Britney Spears, Rihanna e Iron Maiden também contribuiu substancialmente para o aumento da arrecadação dos direitos autorais em 2011, o que ratifica a importância do Brasil no cenário musical internacional. A arrecadação de cerca de R$ 118,7 milhões proveniente das ações judiciais, também teve importante papel nesse resultado recorde, mostrando uma maior aceitação por parte do Judiciário às teses de defesa dos direitos autorais.

» Em entrevista à SUCESSO! no início de 2011, executivos do Ecad informaram que 45% das emissoras de rádios não pagavam direitos sobre execução. Esse percentual baixou em 2011? Mais: quais são os estados onde há maior índice de adimplência e maior índice de inadimplência em relação às rádios? Em 2011, a inadimplência de rádio foi de 37,7% e o valor inadimplente foi de, aproximadamente, R$ 38 milhões. Na verdade, houve um crescimento dos valores arrecadados em relação a 2010, de 8,8%, representando algo perto de R$ 60 milhões do total arrecadado. Os estados com maior índice de adimplência de rádio estão localizados nas regiões Sul e Sudeste, com destaque para São Paulo, Santa Catarina e Paraná. Já os estados com maior inadimplência estão localizados nas regiões Norte e Nordeste, com destaque para Amapá, Pará, Piauí e Amazonas. Percebe-se uma queda no índice da inadimplência das emissoras de rádio, reflexo do trabalho de conscientização que vem sendo realizado com o apoio e parceria de importantes entidades, como a Abert e a Abratel. Todavia, se levarmos em consideração que a música é fundamental para que as emissoras de radiodifusão sejam o que são, concluiremos que os percentuais de inadimplência ainda são muito elevados.

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

sorocaba Victor chaVes roberto carlos thiaguiNho paul mccartNey djaVaN caetaNo Veloso NaNdo reis luaN saNtaNa erasmo carlos

*coNsideraNdo shows e eVeNtos, rádio, tV, música ao ViVo, soNorizaçã ambieNtal etc.

autORes cOm maiOR RendimentO em shOws 1

sorocaba

2

paul mccartNey

3

johN leNNoN

4

Victor chaVes

5

thiaguiNho

6

durVal lelys

7

jorge beN jor

8

carliNhos browN

9

roberto carlos

10 maNNo góes

fotos: Divulgação

aRtistas que mais aRRecadaRam em 2011*

» E as negociações com emissoras de TV, como andam? Poderia citar as emissoras adimplentes (canais abertos e fechados), as que pagam em juízo e as que não pagam? Fale ainda sobre as ações judiciais contra algumas emissoras.

43

» Fale sobre o Ecad Tec Cia Audiovisual. Como será o monitoramento propriamento dito? Mais: existe alguma outra novidade em termos tecnológicos a caminho? O lançamento está previsto para o final de 2012. O software desenvolvido em parceria com o CETUC (Centro de Estudo em Teleco-

» Quanto representou em termos percentuais a arrecadação proveniente das mídias digitais? » Em 2011, o segmento de mídias digitais representou 0,7% do total do valor arrecadado. Mesmo sendo pouco representativo no universo dos valores arrecadados, houve um crescimento de 48,5% em relação a 2010.


Direitos

"Em 2011, a arrecadação

» O Ecad busca junto ao Judiciário o devido pagamento dos direitos autorais dos autores das músicas executadas nas emissoras de TV. Os maiores índices de inadimplência que hoje existem no Ecad são provenientes das emissoras de TV, que devem mais de R$ 1 bilhão aos autores e artistas. A inadimplência de TV por assinatura, por exemplo, em 2011, foi de 98% e da TV aberta foi de quase 70%. São valores expressivos, que mudariam a vida de muitos artistas. Exemplos de emissoras de TV aberta que estão discutindo em juízo o pagamento de direito autoral: RedeTV!, MTV, TV Brasil (EBC), TV Globo (realiza depósito judicial de parte do pagamento devido), SBT (idem à Globo). Já entre as emissoras de TV por assinatura que estão discutindo em juízo o pagamento de direito autoral estão a Net (realiza depósito judicial de parte do pagamento devido); TVA (idem à Net); SKY, Telefônica TV, Oi TV e Claro TV.

ciário às teses de defesa dos direitos autorais dos artistas. Entre os destaques de 2011, podem ser citadas as vitórias contra empresas do segmento de TV por assinatura. O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro condenou a DIRECTV ao pagamento de 2,55% do seu faturamento a título de direitos autorais, ratificando, assim, a aplicação do Regulamento de Arrecadação do Ecad pelo Judiciário. A outra importante vitória foi contra a NET SP. O êxito obtido pelo Ecad nos mandados de segurança contra as prefeituras de Florianópolis, Criciúma e Rondonópolis também merece destaque, pois o Judiciário decidiu que as leis municipais editadas por essas prefeituras contra o pagamento de direitos autorais a ser feito por determinados segmentos de usuários de música não estão acima da lei federal 9610/98, que rege o trabalho do Ecad e protege os direitos dos artistas

proveniente das ações judiciais foi de cerca de R$ 118,7 milhões. Isso mostra uma maior aceitação por parte do Judiciário às teses de defesa dos direitos autorais dos artistas."

» Em 2011, o Ecad conseguiu importantes vitórias em ações movidas contra o não recolhimento de direitos. Pode destacar algumas? A arrecadação proveniente das ações judiciais foi de cerca de R$ 118,7 milhões. Isso mostra uma maior aceitação por parte do Judi-

músicas mais executadas em shOws 1

fugidiNha (rodriguiNho / thiaguiNho)

2

e daí? (daNN NascimeNto)

3

chora me liga (euler coelho)

4

praieiro (maNNo góes)

» Como andam as discussões acerca da possibilidade de cobrança sobre execução em sites e blogs que trazem links com o YouTube? Vocês ficaram de rever essa questão, que se tornou polêmica. Como caminham as discussões a respeito? As mídias digitais representam uma nova possibilidade de recebimento de direitos autorais pelos seus titulares. Todavia os modelos de negócio do segmento são muito dinâmicos e por isso precisam de constantes análises. Desde 29 de fevereiro, as cobranças de webcasting estão sendo reavaliadas.

5

meteoro (sorocaba)

6

100% Você (alexaNdre peixe e beto garrido)

7

país tropical (jorge beN jor)

8

Na base do beijo (alaim taVares e rita meNdes)

9

Não quero diNheiro (tim maia)

10 beijar Na boca (blaNch VaN gogh e roger tom)

» Por acaso, o Ecad realiza algum tipo de trabalho de apoio a autores com dificuldade financeira ou problemas de saúde? O papel do Ecad é centralizar a arrecadação e a distribuição de valores provenientes de execução pública musical. O Ecad, como dizem vários compositores, é o “braço técnico-operacional das associações”. Por esse motivo, não cabe a ele praticar atividades desta natureza. O trabalho de relacionamento com os titulares é realizado exclusivamente pelas associações de música. (Por Gilmar laurindo)


R UGA L º 1

SBACEM HOMENAGEIA SOROCABA

A

SBACEM - Sociedade Brasileira de Autores, Comprositores e Escritores de Música - homenageia o compositor e intérprete FERNANDO FAKRI DE ASSIS (SOROCABA), seu associado, pelo alcance do primeiro lugar no ranking geral de recebimento de direitos autorais de execução pública musical no ano de 2011.

Sorocaba, da dupla Fernando e Sorocaba, foi o campeão do ranking que contempla as músicas executadas em shows, rádios, TV, música ao vivo e sonorização ambiental.

(21) 2220-3635 | 2220-5685 www.sbacem.org.br


relatórios da associação Brasileira dos Produtores discoGráficos (aBPd) mostram que as vendas físicas do mercado cresceram 7,6% em 2011 em relação ao ano anterior; na área diGital, o aumento foi de 12,8%

Gustavo Godinho

A

crise que assolou o mercado fonográfico está definitivamente superada – pelo menos por aqui. É isso que comprovam os dados divulgados pela ABPD (Associação Brasileira dos Produtores Discográficos). Em 2011, a indústria brasileira de música gravada cresceu 8,47% em relação a 2010, movimentando R$ 373,2 milhões. As vendas físicas (CDs + DVDs + Blu-Rays) registraram crescimento de 7,6%, com a movimentação de R$ 312,3 milhões em 2011. Já o crescimento do faturamento dos diversos modelos de negócio da área digital foi de 12,8%, representando R$ 60,9 milhões. Em recente conferência da indústria, Edgar Berger, presidente da Sony Music Internacional, ressaltou que tal levantamento coloca o Brasil no top 3 dos mercados que estão mostrando crescimento explosivo no mundo. Os grandes responsáveis por esse bom resultado foram os discos de Paula Fernandes, Padre Marcelo Rossi e da britânica Adele. Esses artistas lideraram grande parte dos rankings nacionais em 2011, seja nos formatos físico ou digital. Mas o segmento infantil também teve destaque nessas listas. DVDs de Xuxa, Patati Patatá e Balão Mágico estiveram entre os dez mais vendidos no ano passado. Conforme opiniões de executivos brasileiros do setor, esse crescimento está ligado ao desempenho satisfatório da economia do nosso país e ao consumo interno aquecido. O preço do disco, que hoje dificilmente supera os R$ 20, foi outro fator que determinou o bom resultado. Dessa maneira, CDs e DVDs originais voltaram a ser consumidos também pelas classes mais baixas. "Eu diria que conquistar as classes C, D e E sempre foi uma grande preocupação das gravadoras. Isso tem que ser levado em consideração quando se trata de buscar grandes volumes de vendas. Obviamente que aí também está implícito identificar e contratar talentos populares", analisa José Éboli, presidente da Universal Music.

eboli, Da universal Redução no valoR final de Cds e dvds ajudou a indústRia a ConquistaR Classes C, d e e

DaDos Da reCuperação Da inDústria

46

mercado

Crescimento sustentável

Mercado digital

FaturaMento cresciMento ParticiPação no Mercado

2007 R$ 24 milhões 185% 8%

2008 R$ 43 milhões 79% 12%

2009 R$ 42 milhões -1,7% 12%

2010 R$ 53 milhões 26% 15%

2011 R$ 60 milhões 13% 16%


2010 2011 Variação

sCHiavo, Da sonY satisfeito CoM o ÓtiMo deseMPenHo da divisão GosPel da GRavadoRa

Hoje, os CDs representam 53% do faturamento do mercado. Os vídeos musicais, que incluem DVDs e Blu-Rays, ficam com 31% de participação. Já o formato digital chegou à casa dos 16% (alta de 13% comparado ao ano de 2010). E é exatamente esse segmento que deve crescer com maior velocidade nos próximos anos. Isso porque o iTunes foi instalado no país no fim de 2011 e novos players, como Spotify e Deezer, devem entrar no mercado local ao longo do ano. "Este é um momento único. Com a venda física estável, temos chances, num futuro próximo, de crescer aceleradamente nos segmentos digitais", prevê Alexan-

FaturaMento

unidades Vendidas

R$ 290 milhões R$ 312 milhões 7,6%

24,7 milhões 24,9 milhões 0,76%

dre Schiavo, presidente da Sony Music do Brasil. E a aposta faz sentido. Com relação às receitas advindas da internet, houve crescimento em quase todos os formatos de negócios digitais, com destaque para os downloads de músicas avulsas (+ 310,7%), álbuns completos (+ 51,2%) e subscrição de serviços de streaming (+ 20,6%). Na área de telefonia móvel, o crescimento foi impulsionado principalmente por Master Ringtones (+12,6%) e Ringback Tones (+2.516,3%). "Essas receitas vêm mantendo o ritmo de crescimento constante e sustentável. As perspectivas para 2012 e para os anos seguintes são bastante positivas, se levarmos em conta que os principais lançamentos de novos serviços digitais se deram já no último trimestre do ano passado, como Oi Rdio (streaming) e o iTunes (downloads). Ou seja, os resultados destes e outros novos serviços digitais só serão realmente contabilizados em 2012", enfatiza Paulo Rosa, presidente da ABPD. Mas não é por conta disso que o download ilegal deixou de ser um problema para as gravadoras. Da mesma maneira que a venda de música teve um crescimento, a pirataria online continua sendo um grande empecilho. Segundo o relatório da IFPI (International Federation of the Phonographic Industry), um quarto de todos os usuários de internet no mundo baixam arquivos ilegais. Por isso, alguns países têm buscado endurecer as leis contra o compartilhamento de arquivos. A França tem desde 2009 a chamada Hadopi, que gerou uma queda de 26% no compartilha-

CDs Mais venDiDos eM 2011 artista

1 2 3 4

Padre Marcelo rossi Paula Fernandes Paula Fernandes luan santana

5

Padre roBson

6 7 8 9 10 11 12 13 14

Padre FÁBio de Melo Padre reginaldo ManZotti adele daMares caetano Veloso e Maria gadÚ BeYoncÉ reBeldes [Brasil] ladY gaga Marisa Monte

15 Justin BieBer 16 17 18 19 20

Pastora ludMila FerBera ludMer Victor & lÉo seu Jorge Padre reginaldo ManZotti aMY WineHouse

ÁlBuM

graVadora

Ágape musical ao vivo Pássaro de fogo ao vivo no Rio

sony Music universal Music universal Music som livre

nos braços do Pai

som livre

no meu interior tem deus (ao vivo) Milhões de vozes ao vivo 21 diamante Multishow ao vivo 4 Rebeldes (Brasil) 2011 Born this way o que você quer saber de verdade

sony Music som livre sony Music sony Music universal Music sony Music eMi Music universal Music eMi Music

under the mistletoe

universal Music

o poder da aliança amor de alma Músicas para churrasco vol. i em deus um milagre Back to black

som livre sony Music universal Music som livre universal Music

47

Gustavo Godinho

MerCaDo FÍsiCo (CDs, DvDs e bluraYs)


redação

› GÊneros preDoMinantes O mercado de discos encolheu muito nos últimos anos. Antes, atingia a marca média de 90 milhões de unidades vendidas por ano. Atualmente, a média é de 26 milhões de unidades. Mas ainda assim alguns gêneros e artistas não sentem tanto o efeito dessa retração. É o caso do sertanejo. Renovado por uma leva de talentosos e carismáticos cantores, o gênero emplacou quatro artistas entre os 20 mais vendidos em 2011: Gusttavo Lima, Victor & Leo, Paula Fernandes e Luan Santana. Mas não há como negar que o segmento mais importante para a indústria é o religioso. Seja católico ou evangélico, os discos desse gênero dominaram a lista dos 20 mais vendidos nas categorias CD e DVD. Padres Marcelo Rossi, Robson, Fabio de Mello, Reginaldo Manzotti, pastora Ludmila Ferbera Ludmer, Damares e Diante do Trono figuram entre os mais consumidos. A Sony, gravadora que apostou nesse tipo de música ao criar um selo exclusivo, comemora o resultado. "Temos 86 artistas no cast, dos

48

mercado

mento de arquivos via P2P (conexão entre computadores sem a presença dos servidores). Através desse sistema, o governo envia notificações de alerta aos usuários que compartilham arquivos. Na terceira notificação, a conexão à internet do usuário é cortada. E agora os Estados Unidos estão prestes a implementar a polêmica SOPA - Stop Online Piracy Act. Essa legislação é acusada de restringir os direitos de comunicação e a liberdade na internet, porém, de acordo com a IFPI, será uma ótima ferramenta para frear os compartilhamentos ilegais. Por aqui, outra perspectiva positiva para manter o crescimento da indústria está na possibilidade de aprovação de imunidade tributária para a música brasileira, o que vai beneficiar tanto o mercado físico quanto o digital de conteúdo musical nacional. O Senado promete colocar esse assunto em pauta ainda em 2012.

paulo rosa, Da abpD "ReCeitas diGitais deveM CResCeR Mais ainda eM 2012, PoR Conta da entRada do itunes"

quais 30 são gospel. Em pouco tempo, chegamos à posição de segundo maior selo desse segmento, o que é importantíssimo para nós e para a indústria em geral", comenta Schiavo. E, de maneira surpreendente, Roberto Carlos continua vendendo cerca de um milhão de cópias por ano. O cantor, que não lança disco inédito há mais de uma década, tem até hoje seu catálogo comercializado intensamente pelas redes atacadista e varejista. (POR HELDER MALDONADO)

DvDs Mais venDiDos eM 2011 artista

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

Paula Fernandes adele luan santana Patati PatatÁ Balão MÁgico XuXa Padre reginaldo ManZotti VÁrios XuXa u2 Padre FÁBio de Melo louVor diante do trono caetano Veloso e Maria gadÚ gusttaVo liMa BeYoncÉ aMY WineHouse VÁrios iVete sangalo diogo nogueira roBerto carlos

ÁlBuM

graVadora

ao vivo live at the Royal albert Hall ao vivo no Rio Coleção (4 dvds) a turma do Balão Mágico volumes 1 ao 8 Milhões de vozes ao vivo elas cantam Roberto Carlos só para baixinhos vol. 11 u2 360° at the Rosebowl no meu interior tem deus (ao vivo) diante do trono 14 - sol da justiça Multishow ao vivo Gusttavo lima e você ao vivo live at Roseland: elements of 4 i told you i was trouble Galinha pintadinha 2 ao vivo no Madison square Garden sou eu emoções sertanejas

universal Music sony Music som livre som livre sony Music som livre som livre sony Music sony Music universal Music sony Music som livre universal Music som livre sony Music universal Music som livre universal Music eMi Music sony Music


Classe

ABMI tem nova diretoria

ThoMAs RoTh assume presidênCia da entidade e promete atuar pelo aumento dos assoCiados e pela promoção dos selos no exterior

Gustavo Godinho

LucIAnA PegoReR e ThoMAs RoTh ex e atual presidente da aBMi; na prática, os dois coMandarão a entidade, pois ela passou a ocupar a diretoria executiva

se momento. Então propusemos um cargo remunerado em que ela daria continuidade ao trabalho iniciado em sua gestão e montaríamos um conselho diretor forte. Caberá à Luciana propor as pautas, debater com o conselho diretor e na sequência executar o que for deliberado”, relata. Thomas aposta que sua figura pública ajudará a promover a ABMI. "A entidade, através do esforço de alguns abnegados, tem alcançado vitórias importantes. Mas quero aproveitar minha visibilidade para explicar aos selos e gravadoras independentes que a ABMI pode trazer respostas a muitas de suas necessidades. Quanto mais forte for a ABMI, melhores serão as condições de negociação, maiores serão as oportunidades. As pessoas precisam entender que a ABMI abriga empresas com visões, práticas e atuações diversas. Temos um grande número de selos e gravadoras cujos proprietários são os próprios artistas. E temos empresas que são sócias dos artistas, não apenas na confecção de CDs, DVDs, mas nos shows, na administração de suas carreiras”, detalha.

› nÚMeRos e MeTAs Atualmente há aproximadamente 100 selos associados à ABMI, mas a ideia da cúpula é fazer esse número aumentar consideravelmente. Segundo recente levantamento feito pela entidade, há por volta de 340 gravadoras no Brasil, que representam em torno de 5800 artistas. “Mas eu, pessoalmente, estimo que existam 600 empresas, entre selos e gravadoras – e a nossa ideia é seduzir o máximo possível delas. Nessa nova gestão ofereceremos oportunidades efetivas de crescimento, inserção no cenário internacional e, com a ajuda de associados, alavancaremos a distribuição e divulgação”, conta Thomas. É importante frisar que a ABMI tem sido procurada por players nacionais e internacionais para negociar um conceito coletivo de inserção na mídia. “O iTunes é o maior exemplo disso. A Apple não quer negociar selo a selo a inserção de músicas em sua loja virtual”, complementa. Mais: a ABMI começa ativar sua atuação no exterior. Segundo Thomas, a entidade tem participado de todas as principais feiras de negócios que acontecem fora do Brasil. “Nos tornamos signatários do Merlin e da Win, duas entidades internacionais de gravadoras independentes. Iremos atuar como representantes dos nossos associados junto às sociedades coletoras de direitos no exterior, com o intuito de resgatar valores arrecadados que, por inúmeras razões, não estão chegando aos seus proprietários no Brasil. A música brasileira continua tendo um apelo muito forte no mundo todo. Além disso, agora que o Brasil é a bola da vez, com toda essa 'onda positiva' a nosso favor (também na área da música), tem muita gente, lá fora, olhando para o nosso mercado, em busca de parceiras e de conteúdo. A venda física pode até estar em queda, mas se avolumam os negócios e possibilidades em outras direções. Não podemos, não queremos e não vamos ficar de fora", conclui Thomas. (Por Gustavo Godinho)

49

E

m março último foi empossada, em São Paulo, a nova diretoria da Associação Brasileira de Música Independente (ABMI). Thomas Roth (Lua Music) foi eleito presidente, tendo como vice Wilson Souto (Atração Fonográfica). Entre as principais plataformas da nova diretoria estão a reconquista de sócios dissidentes e a prospecção de novos associados. Logo nas primeiras plenárias entre a chapa vencedora e membros votantes, ficou decidido que seria de extrema importância a criação de um cargo remunerado de diretor executivo da entidade. E, para assumir essa tarefa, ninguém melhor que a ex-presidente da ABMI, Luciana Pegorer (Delira Music). “A gestão da Luciana serviu para deixar transparentes todas as atividades e decisões da ABMI. Ela organizou tudo e hoje sabemos com clareza o que temos, o que precisamos, quantos e quem somos. A Luciana conseguiu colocar ordem na casa, por isso, nada mais justo do que ela assumir esse cargo e, junto com a nova plataforma, dar continuidade na política que ela criou há dois anos”, conta Thomas. O fato do cargo ser remunerado é justificado de forma clara pelo presidente. “Luciana terá muitas ocupações à frente do cargo, e consequentemente ficará com menos tempo para administrar a própria gravadora. Entretanto, não podíamos prescindir dela nes-


AgênciA PRodutoRA faz contrataçõeS importanteS, inveSte em eStrutura e anuncia para Breve parceria com multinacional GuStavo Godinho

A

Agência Produtora sempre foi considerada um das grandes empresas no mercado de agenciamento artístico e venda de shows. E, para fazer valer esse título, o escritório mudou de endereço, investiu em mega estrutura e contratou três grandes nomes da música brasileira. A nova sede, no bairro paulistano da Bela Vista, prima pela ótima estrutura. “Essa mudança é definitiva. Nossa sede tem agora mais de mil metros quadrados, incluindo três estúdios de gravação de primeira linha. No mesmo espaço, conseguimos acomodar as equipes de vendas, marketing e divulgação, e os departamentos financeiro, jurídico e contábil", detalha Julio Quattrucci, sócio da empresa. Mas a grande novidade da Agência são as novas contratações. O escritório abriu as portas para três bons produtos – dois com relevância nacional e o terceiro com uma consolidada carreira no exterior. A primeira contratação de 2012 foi a banda RPM. Segundo Quattrucci, o namoro entre as partes era antigo. “Fomos procurados pela banda, quando ela anunciou sua volta aos palcos. Apresentamos nossa proposta, mas os integrantes optaram pela Ghetto Produções. No início deste ano, eles voltaram a nos procurar e acabamos fechando contrato. Trata-se de uma banda fantástica, que está num momento especial”, explica Quattrucci. No final do ano passado, o RPM lançou Elektra, primeiro disco com canções inéditas desde 1988. “É a época certa para planejarmos uma nova turnê”, declara o executivo. Outra contratação de peso da empresa neste ano foi o Charlie Brown Jr. A assinatura de contrato foi feita no início de março. "Chorão estava procurando uma estrutura maior, para gerir a carreira da banda em parceria com o escritório do Charlie Brown Jr. A banda é ótima, tem um grande público e uma boa agenda de shows. Além disso, está de volta com a formação original, com exceção do baterista”, explica Quattrucci. O "gancho" da volta da formação original resultou na gravação de um DVD e CD (com 28 e 15 faixas respectivamente). De acordo com Raul Jr., da Radar Records, responsável pela distribuição dos produtos – nas lojas desde maio –, a expectativa em termos de vendas é a melhor possível. "Estamos focados em pontos de vendas como livrarias, hipermercados, atacados, lojas especializadas e pequenos varejos de todo o Brasil", declara Raul Jr. "O CD e o DVD contêm as melhores músicas da trajetória da banda, em registros de shows realizados em Santos e Curitiba. E a

50

Show BuSineSS

Reis do mercado

os sócios WilliAm e Julio Nova sede da agêNcia Produtora, em são Paulo, abriga três estúdios de gravação

bonus-track Céu azul aparece com destaque nas listas de mais tocadas em várias partes do Brasil", acrescenta Jr. A terceiro contratado pela Agência em 2012 foi o renomado músico João Donato. O escritório coordenará sua carreira e responderá pela venda de shows no Brasil e no exterior. “Vamos dar todo o amparo que a carreira deste mestre merece", conta Quattrucci. Vale ressaltar que, além dos três artistas citados, a Agência Produtora tem outros 17 nomes exclusivos. “Há dois anos começamos uma reformulação em nosso cast. Fizemos ajustes e agora, além de termos o maior cast exclusivo do Brasil, nos orgulhamos de contar com a 'fina flor da música brasileira”, declara Quattrucci. Entre os principais nomes estão Guilherme Arantes, Paula Lima, Tiê, Ultraje a Rigor, Oswaldo Montenegro, Renato Teixeira e Sérgio Reis. “Por exemplo, o trabalho feito com o Oswaldo Montenegro, vem dando ótimos resultados. Ele já vendeu mais de 20 mil cópias do seu último disco, De passagem, e está fazendo aproximadamente 120 shows anuais”, afirma Quattrucci. “Mas, sem dúvida, Sérgio Reis é nosso produto de ouro. Ele é uma pessoa incrível, vende shows no Brasil inteiro e tem aceitação junto a todos os tipos de público. Seguramente é o maior artista nacional depois de Roberto Carlos”, complementa o sócio William Wagner.

› sHoWs, eQuiPes e PRodutos Assim que fecharam com o RPM, os donos da Agência decidiram pela criação de um novo show para a banda. Como ambos (principalmente Quattrucci) são fãs dos roqueiros, o trabalho acabou tendo um certo tom de diversão. E essa brincadeira resultou em um grandioso projeto, que inclui um megapalco para Paulo Ricardo e cia. fazerem suas performances. “O palco terá


cHARlie BRoWn e RPm roqueiros juNtam-se ao cast da emPresa, hoje formado Por 20 Nomes; além das baNdas, o músico joão doNato foi recém-coNtratado

seRgio Reis, um dos AstRos do cAst sertaNejo estreará Nova turNê em juNho, com show No villa couNtry, em são Paulo

nal. Na sala ao lado, se reuniam pela primeira vez a banda Funk Como Le Gusta e João Donato. “Nossa nova estrutura permite esse tipo de encontro. Eles estão fazendo uma jam em um dos nossos estúdios e esse registro certamente será lançado em algum formato, assim como foi feito com o show entre Sérgio Reis e Renato Teixeira”, diz Wagner. “Aliás, esse foi o case de maior sucesso desde que assumimos a Agência", complementa.

› gestÃo e modelo 360 Com a nova estrutura da Agência Produtora, fica fácil para os empresários empregar o modelo 360 graus em seus negócios. Com base no funcionamento de escritórios dos EUA (como a Creative Artists Agency), a dupla Quattrucci e Wagner conseguiu centralizar todas as frentes em apenas uma sede. Além de empresariar e vender artistas, eles criaram um selo e, recentemente, inauguraram três salas de estúdio. “Empregamos tecnologia de ponta nessas salas. A partir de agora, todo o artista que quiser, poderá gravar seu disco na Agência. Mas é bom deixar claro que, em um primeiro momento, esses estúdios estarão somente abertos aos nossos artistas”, conta Quattrucci. “Essa nova estrutura, que comporta os estúdios, facilitou muito o trabalho de todo mundo, pois quando preciso acompanhar uma gravação, é só descer para o andar de baixo. Sem falar que os custos de produção caíram consideravelmente”, completa. O selo, por sua vez, funciona como apoio aos artistas exclusivos. “Não queremos concorrer com as companhias. Utilizamos o selo para fazer todo o processo que as gravadoras faziam anos atrás. Cuidamos das licenças, captação em áudio e vídeo, mixagem, masterização e, com o produto pronto, subimos o conteúdo para o iTunes. No caso da distribuição física, trabalhamos em parceria com a Microservice”, detalha Wagner. Ainda neste ano, a Agência Produtora deverá expandir seus negócios através de uma união com uma gigante do mercado. A empresa, cujo nome é mantido em segredo pelos empresários, entrará como sócia na Agência Produtora. As operações devem ter início no segundo semestre. “Esse namoro vem de tempos e agora está em vias de ser fechado. Não queríamos uma sociedade na qual a multinacional passasse a tomar conta dos nossos negócios. Muito pelo contrário, nós descobrimos um modelo de gestão que vem dando certo e essa nova sociedade terá de segui-lo. Será bom para as duas partes e também para o mercado musical como um todo. Essa parceria será anunciada com a contratação de mais um grande artista”, finaliza Wagner. (Por Gustavo Godinho)

51

fotoS: divulGação

também um elevador central e aquela famosa pirâmide verde, só que dessa vez feita com laser de verdade. Um diretor de cinema cuidará de dinamizar as imagens e animações que serão projetadas nos telões de LED”, conta Wagner. Segundo a dupla de empresários, a contratação do RPM foi um dos maiores acertos da gestão. "A banda tem mercado próprio, porém nossa ideia é inseri-la também no circuito de rodeios e feiras agropecuárias. O mercado popular está dialogando com outros estilos, e o pop rock não fica de fora. Criamos um show ímpar para o RPM, que, com certeza, será bem requisitado também por produtores de eventos rurais", acredita Quattrucci. “Além disso, atenderemos também eventos corporativos, embora este não seja o foco principal. Nossa intenção com o RPM e os outros contratados é trabalhar para que gravem novos discos, ampliem a base de fãs, apresentem-se nos espaços convencionais e – quando houver adequação – realizem, aí sim, apresentações fechadas para o mercado corporativo”, completa Wagner. Além do RPM, o sertanejo Sérgio Reis também terá novidades em suas apresentações neste ano. Ele, que está em estúdio gravando novo disco, estreará em breve o show que dará origem a uma nova turnê. “A apresentação acontecerá em junho, no Villa Country (São Paulo). Além de seus grandes sucessos, o Sérgio irá incluir na nova tour algumas músicas inéditas do trabalho que está gravando”, enfatiza Quattrucci. No momento em que os empresários concediam entrevista à SUCESSO!, acontecia ali uma parceria inédita na música nacio-


GeriDa Por sete mulheres, Central Brasileira de shows consoliDase no mercaDo De aGenciamento e começa a montar cast exclusivo

A

Quest, Michel Teló, Fernando & Sorocaba e Luan Santana. Um dos principais focos do escritório é a produção de shows corporativos. A empresa já foi responsável por festas do Banco Santander e da operadora Nextel, entre outros. “Oferecemos um atendimento personalizado aos nossos clientes. Antes do evento acontecer, acerto todos os detalhes com o contratante e a Central se responsabiliza por tudo. Vamos atrás do espaço, terceirizamos os serviços e locamos toda a estrutura para que o contratante não se preocupe com nada”, detalha a executiva, que cita a banda Jota Quest e a cantora Claudia Leitte como seus representados que mais realizam esse tipo de apresentação. Uma das metas da Central para este ano é ganhar espaço junto a eventos rurais. “Temos negociado com algumas festas e estreitado nosso relacionamento com os produtores deste tipo de evento em todo o país”, garante Amanda.

› eXClUsiVidade Além de intermediar shows entre contratantes e os principais artistas do Brasil, a Central também tem seus representados exclusivos – Novotoke, Renner, Rodrigo Rios e a dupla Davi & Fernando. “Nosso trabalho, nesses casos, vai além da negociação de datas. Ele envolve promoção e divulgação junto às rádios e outros veículos", explica Amanda. Desta forma, a Central conseguiu dar uma boa alavancada na carreira de Davi & Fernando. “Triplicamos a agenda da dupla e a ideia é fazer isso também com os outros produtos exclusivos”, afirma. (Por Gustavo Godinho) DivulGação

manda Loreto assumiu recentemente o comando da Central Brasileira de Shows e colocou toda sua equipe para trabalhar. Além dela, o escritório conta com mais seis mulheres, que negociam com concert promoters e managers de todo o Brasil. Embora a empresa tenha conquistado o mercado de shows corporativos, a meta agora é conseguir penetração maior nos eventos agropecuários e promover os artistas que compõem seu cast exclusivo. A Central foi criada como uma extensão da DM Promoções, de Leonardo Dias e Emanuel Junior, em São Paulo. “Na verdade, o Junior me contratou para ser vendedora de shows em 2000. Ele gostou do meu trabalho e, depois de um tempo, me propôs sociedade em um escritório que a DM abriria em São Paulo. Topei na hora e então fundamos a Central”, relembra Amanda, que recentemente tornou-se a única dona do escritório artístico. “Junior me ensinou a trabalhar no show business e por isso o respeito bastante. Embora não sejamos mais sócios, ainda continuamos fazendo negócios”, comenta. Como o próprio nome já diz, a Central é um escritório que agencia shows dos principais artistas do Brasil – de segmentos musicais variados, como sertanejo, pop, rock, samba e axé. “Nosso trabalho é baseado em telemarketing ativo. Minha equipe faz uma pesquisa sobre todas as festas de cidades e feiras agropecuárias do Brasil e depois entra em contato para oferecer datas dos artistas que fazem parte do nosso cast”, explica Amanda. Entre os nomes que ela agencia estão Claudia Leitte, Skank, Jota

52

Destaque

PoDer feminino

amanda loreto e sUa eqUipe EmprEsa nEgocia shows Em todo o país E tEm ExclusividadE sobrE a agEnda dE nomEs como a dupla davi & FErnando


Negócios

EmPRESÁRiO de respeito importaNte Nome do mercado sertaNejo, EDuARDO mALuf aposta em Nova dupla e peNsa em expaNdir fraNquia da balada villa mix

artista no norte e nordeste. “Gusttavo gravou um DVD em abril, no Credicard Hall, em São Paulo. Vamos divulgar o produto em todo o Brasil, mas a meta é colocar o artista nas festas juninas. Assim, além de angariar novos fãs, queremos estreitar relação com concert promoters das regiões norte e nordeste”, analisa. Outro produto da parceria entre Eduardo e Marquinhos é o Villa Mix, balada sertaneja de sucesso em São Paulo e em Goiânia. “É uma casa destinada ao público classe A. Tem um bom palco e abriga aproximadamente 1.500 pessoas”, explica Maluf, que já pensa em expandir os negócios nesta área. “Estamos estudando abrir filiais em capitais como Curitiba, Belo Horizonte e Campo Grande”, detalha. Eduardo também comenta a importância do Villa Mix para artistas novos, tanto os lançados por ele em parceria com a AudioMix quanto os contratados de outras empresas. “Além de possibilitar que os artistas se mostrem para um público formador de opinião, a casa funciona como termômetro, ou seja, se uma música faz sucesso no Villa Mix, é certo que emplacará também em outros palcos”, comenta Eduardo. Além do ramo musical, Eduardo Maluf é também um “golden boy” no marketing esportivo. Por ser amigo pessoal do jogador Neymar, ele é o responsável por criar e administrar a loja virtual do craque, a Neymar Store – que está disponível no site oficial do atleta. “Temos todos os tipos de produtos oficiais do craque. Desde brinquedos e roupas até materiais escolares”, propaga. (Por Gustavo Godinho) gustavo godiNho

E

duardo Maluf é um dos principais empresários da nova safra que tomou conta do mercado musical. Manager de Maria Cecília & Rodolfo entre 2008 e 2011, ele foi o principal responsável pela relevância nacional da dupla. Através de seu escritório, a DUT'S Eventos, Eduardo gerencia a carreira dos emergentes Henrique & Diego e, em sociedade com a AudioMix, cuida do cantor Gusttavo Lima. Além disso, é também um importante investidor do mercado esportivo e ainda arranja tempo para estar à frente de uma casa sertaneja de shows. Ao contrário do que se propaga no mercado, a “separação” entre Maria Cecília & Rodolfo e o manager foi amigável. “Respeito muito os dois como pessoas e profissionais e aceitei a decisão que tomaram de deixar o escritório. Continuo no mercado com a DUT's e posso dizer que mantenho bons artistas no casting”, diz ele, cuja aposta principal no momento é a dupla Henrique & Diego. Segundo o manager, graças ao talento dos rapazes e à sua ótima carteira de clientes, Henrique & Diego devem fechar o ano com 150 apresentações. "Construí uma história dentro do mercado e me orgulho de ter muitos parceiros – entre radialistas e contratantes de shows –, alguns dos quais se tornaram verdadeiros amigos”, relata. O primeiro CD da carreira de Henrique & Diego vem sendo trabalhado de forma promocional nas principais regiões do país. “Fiquei impressionado com a qualidade dos dois. Finalizamos esse trabalho em 45 dias e obtivemos um resultado ímpar. O primeiro single, Às 5h da manhã, já está sendo executado nas rádios, com bons resultados em várias cidades de São Paulo, Goiás e Paraná”, comemora. “Até o final de junho pretendo fechar a distribuição desse disco com alguma gravadora”, diz ele que, audacioso, anuncia para o segundo semestre a gravação do primeiro DVD da dupla, com participações de Gusttavo Lima e Humberto & Ronaldo. “Temos que começar a trabalhar a imagem dos meninos. Para isso, a gravação do DVD é fundamental”, acredita o manager.

EDuARDO mALuf sócio da balada Villa Mix e da audioMix (na carreira de GusttaVo liMa), ManaGer aposta na dupla Henrique & dieGo (destaque) divulgação

Eduardo Maluf é um dos empresários do cantor Gusttavo Lima – ele divide o agenciamento do artista com seu amigo pessoal e parceiro de trabalho Marcos Araújo (AudioMix). “Marquinhos sempre foi um ótimo companheiro dentro do show business. Trabalhamos juntos há muitos anos e sempre nos relacionamos muito bem”, explica Maluf. Sobre Gusttavo Lima, ele e Marquinhos Araújo planejam focar a promoção do trabalho do

53

› POR TRÁS DAS ESTRELAS


GOSPEL

MILAGRE CARISMÁTICO FOTOS: DIVULGAÇÃO

REGIS DANESE LANÇA PRIMEIRO DISCO PELA MK MUSIC E REALIZA TURNÊS QUE ABRANGEM IGREJAS, CASAS DE SHOWS E FEIRAS AGROPECUÁRIAS

REGIS DANESE ARTISTA DENUNCIA CONTRATANTES "APROVEITADORES", QUE FAZEM FALSOS ANÚNCIOS, INCLUINDO SEU NOME NO LINE-UP DE EVENTOS

R

egis Danese é um fenômeno relativamente recente do segmento gospel. Mas esse artista mineiro não é novato no mercado musical. Debutou em 1989, ao lado do então colega de dupla sertaneja Raí, lançando um álbum pela gravadora BMG. Em seguida, entrou para o Só Pra Contrariar, onde foi backing vocal durante cinco anos e se destacou compondo sucessos do próprio grupo, como Te amar sem medo, Nosso sonho não é ilusão e O samba não tem fronteiras, entre outros. Na década de 90, Regis também foi autor de canções que atingiram sucesso com Daniel, Leandro & Leonardo, Gian & Giovani, Chrystian & Ralf, Vavá, Belo, Elymar Santos e Alcione. Mas no início da década passada, o cantor converteu-se ao protestantismo, após passar por uma crise no casamento. Na sequência, deixou de compor para artistas seculares e deu início a uma bem-sucedida carreira como cantor gospel. Logo no terceiro disco, Compromisso (Line Records), superou a marca de um milhão de cópias vendidas e emplacou o maior sucesso da sua carreira até hoje, o hit Faz um milagre em mim. Após lançar sete discos pela Line, Régis se desligou da gravadora no final do ano passado. Na sequência, uniu-se à MK Music para o lançamento de Tudo novo. Este projeto – no mercado desde dezembro – tem como música de trabalho a faixa Tu podes. "Quero ainda lançar um novo DVD até o final do ano, sobre o qual abrirei mão dos meus direitos em prol de uma instituição que cuida de crianças com câncer. Tenho uma filha que se curou de leucemia e sei o quanto essa doença é complicada”, explica.

çam a abrir mais espaço e a reconhecer a importância de cantores e bandas gospel na indústria cultural nacional. O próprio Regis Danese já participou de programas de auditório de apresentadores como Xuxa, Eliana e Raul Gil, entre outros. Ele explica que, além do aumento do número de evangélicos no país, o público secular também tem perdido o preconceito contra a música religiosa. “Isso tem despertado a curiosidade das gravadoras, rádios,TVs e de toda mídia secular. A música gospel está crescendo a cada dia e crescerá muito mais em todos os aspectos, inclusive em relação à qualidade dos produtos”, aposta Danese. Essa abrangência do trabalho do cantor garante também que ele se apresente em eventos de prefeituras, feiras agropecuárias e casas de shows convencionais – além das igrejas. Contudo, Régis denuncia que existem pessoas de má fé no segmento de shows religiosos. Segundo ele, alguns contratantes de atrações do gênero não pagam o cachê dos artistas, além de fazer anúncios falsos de shows. “Apesar dessa prática ter diminuído nos últimos anos, afirmo, sim, que já fui vítima de calotes – tanto em igrejas como em eventos convencionais. Mas o que me incomoda muito ainda são os falsos anúncios de shows. O contratante local divulga um festival e informa que vou estar no line-up. Depois inventa uma história e diz que tive que cancelar minha apresentação. Isso é um desrespeito com os fãs e comigo, que não posso nem me defender”, reclama Regis. Apesar disso, ele tem motivos para comemorar. A recente inclusão de projetos envolvendo a música gospel na lei Rouanet é vista com bons olhos pelo cantor. “A lei até que demorou para ser aprovada. Elegemos candidatos evangélicos com esse propósito mesmo – o de criar leis que beneficiem o povo de Deus. Só tenho a comemorar”, comenta. (POR HELDER MALDONADO)

54

› DEUS ONIPRESENTE

O Brasil passa por um momento de expansão do movimento neopentecostal. Dessa maneira, veículos de comunicação come-

COM OS PADRES MARCELO ROSSI E FÁBIO DE MELO E A CANTORA XUXA ADMIRADO TAMBÉM PELO PÚBLICO SECULAR


CLIQUES

Fernanda Paes Leme

Gilberto Gil, Fábio Francisco e Flora Gil

César Menotti

56

GRAVAÇÃO DO NOVO DVD DE THIAGUINHO 05/04 Thiaguinho em momento do show

FOTOS FRED PONTES O cantor Thiaguinho (ex-Exaltasam-

ba) gravou, no Credicard Hall (SP), entre 5 e 7 abril, Ousadia e alegria, primeiro

DVD de sua carreira solo. Na plateia, sobraram personalidades, como o craque Neymar, o desenhista Mauricio de Sousa e o cantor Gilberto Gil.

O repertório foi marcado por canções

próprias, como Buquê de flores e Resenha, composições de terceiros e a regravação de Mamão com mel, de Gonzaguinha.

Thiaguinho também fez um set só com

sucessos do Exaltasamba, cantando Valeu, Mauricio de Sousa e Ivete Sangalo

Fernanda Vasconcellos

Cacau BBB

Livre pra Voar, Fugidinha e Tá vendo aquela lua.

Péricles e Thiaguinho

Bruno Rezende e Neymar

Levi Lima (Jammil)


GRAVAÇÃO DO NOVO DVD DE ALEXANDRE PIRES 11/04 Só Pra Contrariar

FOTOS ROSA MARCONDES

Xuxa

Bruno e Alexandre Pires

Amaury Junior e sua esposa Celina

Aconteceu no dia 11 de abril, nos Es-

túdios Quanta (SP), a gravação do novo

DVD de Alexandre Pires, Eletro Samba. A plateia foi formada somente por convi-

dados e a apresentação contou com a participação do craque Neymar, Claudia

Leitte, Sabrina Sato, Xuxa Meneguell e do grupo Só Pra Contrariar. O repertório

Julio Baptista e Elano (com esposas)

foi composto por 18 faixas, incluindo Mi-

nha solução, Recordações, Maluca virada e Eu vou pra cima. Com direção geral de

José Paulo Vallone, supervisão artística de

Aldo Ghetto e produção musical do pró-

Claúdia Leitte e Ellen Jabour

Neymar

Juliani e Saulo Houston

prio artista, o DVD chegará às lojas de todo o Brasil em junho.

Guilherme e Alexandre Pires

57

Sabrina Sato


FOTOS: DIVULGAÇÃO

MOVIMENTO

GRAVAÇÕES INÉDITAS DE 20 cantoras brasileiras já podem ser conferidas em A Voz da mulher na obra de Guilherme Arantes, CD que presta bela homenagem ao cantor e compositor. O projeto, lançado inicialmente na internet (via iTunes), está chegando ao mercado através da gravadora Jóia Moderna. Destaque para as releituras de Amanhã (com Ângela RoRo), Planeta água (com Fafá de Belém), Cheia de charme (Silvia Machete), O melhor vai começar (Marcia Castro), Loucas horas (Verônica Sabino) e Meu mundo e nada mais (Zizi Possi). Revelações da MPB, como Tiê e Daniela Procópio, também foram "escaladas" para a homenagem, cantando respectivamente os hits Pedacinhos e Canção de amor.

DOSE CERTA NA UNIVERSAL

A vez de Arthur Danni

EVENTO EM SÃO PAULO marcou a assinatura de contrato entre os pagodeiros do Dose Certa e a Universal Music. A reunião aconteceu na sede paulistana da gravadora, com direito a coquetel, pocket-show da banda e a presença do presidente da companhia, José Eboli. Pelo acordo, a Universal lançará em breve o CD do Dose Certa, Pra sempre samba. A a banda promete fazer história no gênero, usando um contrabaixo marcante e arranjos modernos, repletos de efeitos.

EM CONTAGEM REGRESSIVA para o lançamento de seu álbum de estreia, o cantor Arthur Danni, de 15 anos, acaba de emplacar a música Se você me der na trilha da novela Cheias de Charme (Globo). Mistura de forró e eletrônico, a faixa é tema dos personagens Chayene (Claudia Abreu) e Fabian (Ricardo Tozzi). Descoberto em março de 2011 por uma equipe de produção do Domingão do Faustão enquanto tocava sanfona em um bar em Pato de Minas (MG), Arthur Danni lançará seu primeiro CD pela Som Livre. Com 13 faixas, o disco terá participações do Padre Reginaldo Manzotti (na regravação de Romaria, de Renato Teixeira) e do grupo Sorriso Maroto (em Café com leite). A produção é assinada por PH Castanheira e Zé Henrique (vocalista da banda Yahoo).

A arte de divulgar CRISTIANO MUNHOZ, DA DIVULGABRASIL, é conhecido no meio artístico como um dos principais divulgadores de rádio do país. Atua sobretudo em Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e São Paulo. "Estou nesse ramo há muitos anos e tenho bom relacionamento com quase todos os radialistas. Vou pessoalmente nas emissoras promover o CD do artista para o qual estou trabalhando", afirma Cristiano, cujo principal cliente no momento é o cantor Luan Santana. "É fácil divulgar músicas novas do Luan porque o garoto é um fenômeno e faz um trabalho de qualidade. Trabalhar com ele abre espaço para eu apresentar também outros artistas no mercado", finaliza.

58

GUSTAVO GODINHO

CANTORAS HOMENAGEIAM GUILHERME

José Augusto em CD e DVD APROVEITANDO A REPERCUSSÃO do seu hit Estória de nós dois na trilha de Avenida Brasil, José Augusto lançou o CD/DVD Na estrada ao vivo. Distribuído pela Universal Music, o projeto traz o registro do show feito pelo artista em novembro de 2011, no Chevrolet Hall, em Recife. No repertório, sucessos como Fantasia, Sonho por sonho, Sábado, Fui eu e Aguenta coração.


SUA MÚSICA NAS RÁDIOS DE TODO O BRASIL!

O caminho mais curto para você: - ser notícia nos jornais e revistas - se apresentar nos principais palcos do Brasil - aparecer na televisão Diariamente - tocar nas rádios em mais de 100.000 endereços eletrônicos de todo o mundo!

São Paulo (11) 2165-5155 | Rio de Janeiro (21) 3486-5155 sucesso@espetaculo.com.br


A DUPLA VICTOR & LEO gravou no final de março, em Florianópolis, seu quarto projeto ao vivo. A produção contou com as participações especiais de Thiaguinho, Paula Fernandes, Zezé Di Camargo & Luciano, Pepeu Gomes e Nando Reis. Todos os convidados dividiram com os irmãos mineiros o palco montado na Beira Mar Continental, uma das principais avenidas da capital catarinense. Intitulado Ao vivo em Floripa, o projeto será lançado ainda neste semestre pela Sony Music em CD, DVD e blu-ray.

60

MOVIMENTO

Victor & Léo em Florianópolis

Baron abre estúdio BASTANTE CONHECIDO NO MERCADO do sertanejo universitário, Orlando Baron trabalhou como produtor e diretor musical em projetos de Luan Santana, Fernando & Sorocaba e Jads & Jadson, entre outros. Recentemente, inaugurou em São Paulo o Estúdio Mix, espaço destinado à masterização e mixagem. "Quando quero gravar alguma música, levo os artistas para o Gravodisc, com quem tenho ótimo relacionamento", diz. Entre os primeiros artistas a mixar no estúdio de Baron estão as duplas emergentes Marcos & Claudio e Evandro & Agnaldo.

DUPLAMENTE FELIZ DJAVAN ESTÁ EM ESTÚDIO, no Rio, gravando seu novo disco de inéditas. O 21º trabalho da discografia do artista chegará às lojas no segundo semestre. "Estou animadíssimo. O repertório é ótimo e os arranjos estão deixando o disco feliz e 'pra cima", afirmou. Em paralelo, Djavan festeja o lançamento de seu último trabalho como produtor – no caso, o novo álbum de Mart’nália.

Nova vocalista e novo CD LEVAR O MELHOR DO sertanejo em ritmo de forró para todo o Brasil já faz parte da rotina do Bonde do Forró. O que já era bom, ficou ainda melhor com a contratação da vocalista Xandrely, no final do ano passado. "Sempre fui fã do Bonde do Forró e, quando recebi o convite do DJ Maluco, não pensei duas vezes", conta ela, que trabalhava em bandas de baile. E agora, o grupo festeja mais um lançamento recheado de sucessos (Forró mais sertanejo do Brasil), distribuído pela Radar Records. "A empresa dá valor aos nossos produtos, por isso fechamos mais este contrato de distribuição", afirma o gerente artístico DJ Maluco. "Nosso desafio é levar a boa música para todos os pontos de venda do Brasil. As lojas estão muito seletivas quanto aos produtos que colocam em suas prateleiras, com espaços reduzidos, e por isso procuramos tomar o máximo de cuidado na escolha dos nossos distribuídos. Este disco do Bonde está muito bem cotado e deve apresentar ótima vendagem", avalia Luis Parra, diretor comercial da Radar (na foto, com a banda, o dono da companhia, Raul Jr., e o divulgador Bip Bip).

EDU LENCIONI EM ALTA BASTANTE CONHECIDO EM São Paulo, Minas e Paraná, graças ao hit Eu tô filé do boi, Edu Lencioni começa a ganhar fama em outras regiões, graças a seu novo single, Você. A agenda de shows também vem aumentando. Em junho, por exemplo, Lencioni tem três apresentações marcadas em Tocantins – estará em Santa Tereza (no dia 1º), Palmas (dia 2) e Tocantins (dia 9). Na segunda quinzena do mês, retornará a São Paulo, com shows em Tupã (dia 12), São José do Rio Preto (dia 19) e Votorantim (dia 23). Antes, no mês de maio, cantará nos municípios paulistas de Indaiatuba (dia 6) e Cerquilho (dia 27).


cias. discográficas

› Acit / Antídoto (54) 3223-3588 • Caxias do Sul

› Fieldzz (11) 3057-2129 • São Paulo

› Rob Digital (21) 2195-4600 • Rio de Janeiro

› Aconchego (81) 3361-5363

› Hellion (11) 5083-2727 • São Paulo

› SDR Music (11) 3868-2728 • São Paulo

Jaboatão dos Guararapes

› Ingazeira (81) 3325-3718 • Recife

› Seven Music (21) 2496-3667 • Rio de Janeiro

› Aliança (11) 5077-7200 • São Paulo

› LAB 344 (21) 2286-7332 • Rio de Janeiro

› Silver Music (11) 3289-9199 • São Paulo

› Arlequim Discos (11) 3085-7299 • São Paulo

› LGK Music (21) 2553-5487 • Rio de Janeiro

› Som Livre (21) 2323-3312 • Rio de Janeiro

› Art Mix (11) 6955-7400 • São Paulo

› Line Records (21) 2125-1700 • Rio de Janeiro

› Atração Fonográfica (11) 2188-0944 • São Paulo

› Lua Music (11) 5051-6979 • São Paulo

› Sonhos & Sons (31) 3281-3356 • Belo Horizonte

› Azul Music (11) 5181-0610 • São Paulo

› Luanda (21) 2540-0332 • Rio de Janeiro

› Sony Music (21) 2128-0600 • Rio de Janeiro

› Band Music (11) 3742-8911 • São Paulo

› MCD (11) 3237-0207 • São Paulo

› Biscoito Fino (21) 2266-9300 • Rio de Janeiro

› Midas Music (11) 2256-9999 • São Paulo

› ST2 (11) 3662-1225 • São Paulo

(11) 3383-4500 • São Paulo

› Borandá (11) 2936-8094 • São Paulo

› Mills Produções (21) 2232-9691 • Rio de Janeiro

› 3 Plus Music (11) 3376-9900 • São Paulo

› Bossa 58 (21) 3154-0089 • Rio de Janeiro

› MK Music (21) 3891-9300 • Rio de Janeiro

› Trama (11) 5502-1000 • São Paulo

› Building (11) 2821-6000 • São Paulo

› Movieplay (11) 3115-6833 • São Paulo

› Tratore (11) 3085-1246 • São Paulo

› Circuito Musical (11) 5071-9555 • São Paulo

› MZA Music (21) 2431-7725 • Rio de Janeiro

› Trilhos.Arte (21) 2226-0320 • Rio de Janeiro

› Codimuc (12) 3186-2700 • Cachoeira Paulista

› Obi Music (11) 5548-8575 • São Paulo

› Twistar (11) 3318-3119 • São Paulo

› Conect Music (62) 3239-4195 • Goiânia

› Orbeat (51) 3218-5891 • Porto Alegre

› Unimar (11) 2189-3400 • São Paulo

› Coqueiro Verde (21) 2132-7118 • Rio de Janeiro

› Panttanal (67) 3324-0633 • Campo Grande

› Universal (21) 2108-7600 • Rio de Janeiro

› Dabliú Discos (11) 3079-1843 • São Paulo

› Paulinas Comep (11) 5081-9333 • São Paulo

› Deck (21) 3299-7000 • Rio de Janeiro

› Paulus (11) 5575-7362 • São Paulo

› Visom Digital (21) 3322-1226 • Rio de Janeiro

› Delira Música (21) 2431-3773 • Rio de Janeiro

› Performance (21) 2226-7289 • Rio de Janeiro

› Vozes (54) 3214-4400 • Caxias do Sul

› Dubas Música (21) 2532-6963 • Rio de Janeiro

› Planet Records (21) 2224-2126 • Rio de Janeiro

› Walt Disney Records (11) 5504-9400

› EMI (21) 3433-5600 • Rio de Janeiro

› Polydisc (81) 3327-6667/7950 • Recife

São Paulo

› Radar Records (11) 2081-3501 • São Paulo

› Warner (21) 2103-3150 • Rio de Janeiro

(11) 3555-3650 • São Paulo › Fábrica Discos (19) 3255-7789 • Campinas

› Ramax (21) 2156-0377 • Rio de Janeiro

(11) 3889-5800 • São Paulo

(11) 3383-4871 • São Paulo

ampliando mercados Estratégia dE IvIs & carraro é apostar sobrEtudo Em singlEs virtuais

62

ponto final

(11) 5505-6726 • São Paulo

I

vis & Carraro é a mais nova dupla a fazer sucesso nas rádios do Centro-Oeste do Brasil. Os irmãos conseguiram emplacar duas canções entre as mais tocadas na região, Que cachaça é essa e Coração em alerta – esta última, dá título ao DVD da dupla, lançado no final de 2011 pela Di Paula Produções. Coração em Alerta, o DVD, contou com as participações especiais de Cristiano Araújo, Franco Levine, Carlos & Jader, Pedro Paulo & Matheus e Israel & Rodolfo. “Acertamos essas participações graças aos contatos feitos pela Di Paula Produções e pelo nosso diretor artístico, Alex Vieira (Alex Comunic aç ão)”, explica Carraro, que, junto com seu irmão, vem colhendo os frutos desse trabalho. “Vamos continuar a divulgação do DVD até IvIs & carraro DUPLA TAMBéM VALORIZA PARCERIA COM RáDIOS PARA AUMEnTAR BASE DE FãS

o final do ano, quando deveremos gravar outro produto. Por enquanto, as coisas estão dando certo. A canção Que cachaça é essa, por exemplo, foi sucesso no carnaval de Goiás, Minas e interior de São Paulo”, completa. A dupla faz em média 15 shows por mês, em Goiás, São Paulo, Tocantins, Pará, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul. “O próximo passo será a divulgação em programas de TV, o que está previsto para começar até junho. "Dessa forma, nosso trabalho e o nome da dupla ganharão visibilidade ainda maior”, declara Ivis. Apesar do principal mercado de shows da dupla ser o de feiras agropecuárias, os irmãos estão conseguindo destaque também no circuito de baladas sertanejas. “Adaptamos a estrutura para tocar nesse tipo de espaço. O repertório e os arranjos são os mesmos – inclusive levamos todos os nossos músicos. Deixamos de lado somente os cenários”, fala Ivis. Mesmo na estrada, a dupla ainda consegue tempo para produzir material novo. Recentemente postou em seu site oficial as canções A danada vem que vem e Vou te pegar de jeito. “Nosso público pede essa atualização de repertório. Estamos lançando um single virtual por mês e fazendo um trabalho de divulgação nas rádios. Dessa forma, o repertório se recicla e conseguimos agradar os fãs”, diz Ivis. (por Gustavo Godinho)



SUCESSO! - Edição 145