Page 1

O

A melhor informação da actualidade nacional, mundial e desportiva

Semanal Português

Jornal em-linha da comunidade portuguesa em Montreal

29 de Outubro de 2011 - Nº 1

SÁBADO

DOMINGO

SEGUNDA FEIRA

TERÇA FEIRA

QUARTA FEIRA

MÁX

MÁX

MÁX

MÁX

MÁX

7ºC

7ºC

9ºC

10ºC

11ºC

-3ºC

1ºC

-1ºC

-2ºC

3ºC

MIN

MIN

MIN

MIN

MIN

Primeira edição

A vinda do Halloween


Filarmónica Portuguesa de Montreal A Filarmónica Portuguesa de Montreal vai começar a sua escola de música no dia 18 de Outubro. Pode deixar o vosso nome e número de telefone a FPM: 514-9820688. Os cursos de nível 1 serão às terças-feiras e nível 2 serão às quartasfeiras. Festa de Halloween A Associação Portuguesa do Canadá organiza a Festa de Halloween na Igreja St-Enfant Jésus no 29 de Outubro pelas 19h. Haverá um jantar, espectáculo, máscaras, baile e surpresas. A festa será animada pelo DJ XMen e Eddy Sousa com a participação do Rancho folclórico da Nazaré. Para mais informações: 514844-2269. Jantar de Halloween O Clube Oriental Português de Montreal organiza um jantar de Halloween sábado dia 29 Outubro pelas 19h30 na sua sede animado pelo DJ Memórias. Haverá um concurso de mascaras. Informações: 514-342-4373.

OSemanal

Português

Le journal hebdomadaire Portugais

Directrice Natércia Rodrigues Rédacteur-en-chef Marie Moreira Infographiste Mario Ribeiro Hebdomadaire Fondé le 29-10-2011 Tél.: (514) 299-1593 Courriel.: osemanal@live.ca Distribution gratuite. Tous droits réservés. Toute reproduction totale ou partielle est strictement interdite sans notre autorisation écrite. Les auteurs d’articles, photos et illustrations prennent la responsabilité de leurs écrits.

2

O Semanal Português


Os 14 funcionários da Academia Almadense têm parte do vencimento do mês passado em atraso, confirmou à Lusa o presidente da colectividade, garantindo que a situação será resolvida em Novembro. Domingos Torgal disse à Lusa que a colectividade “está a atravessar algumas dificuldades”, mas que “não se trata de nada de assustador” nem de “singular no País ou entre as outras colectividades”. O presidente afirmou ainda que esta situação não vai inviabilizar as obras de reabili-Moradores exigem unidade de saúde tação do edifício do antigo teatro, há anos devoluto e

Energia eólica, que é das mais aproveitadas em Portugal, está entre os temas a serem debatidos

Lisboa, sede da sustentabilidade Água, energia e o desenvolvimento sustentável são os temas que estão em debate no Fórum Lisboa 21. O encontro, que decorre na Sociedade de Geografia de Lisboa, vai reunir oradores de vários sectores da sociedade, nacionais e internacionais. “Queremos unir os esforços de todos para mostrar os avanços europeus em sustentabilidade, para serem apresentados na próxima Cimeira da Terra Rio + 20, a realizar em 2012 no Rio de Janeiro”, lê-se no site da organização. Aliar empresas, media, universidade e sociedade civil

num esforço conjunto para a criação de um plano de acção para a sustentabilidade é o grande objectivo A 10.ª edição do Fórum Mundial Lisboa 21 escolheu Lisboa como sede. De acordo com o impulsionador deste projecto, Amalio de Marichalar, Portugal foi escolhido pela “imagem internacional que o País tem ao nível dos avanços em inovação, sobretudo, no que toca às energias renováveis”. Como razão estão também as “raízes históricas, culturais, e a sua tradição”, esclareceu o presidente do Foro de Soria 21.

degradado, que se espera que seja casa da Companhia de Dança de Almada em 2013. “É verdade que os nossos funcionários – seis do quadro e oito trabalhadores eventuais, monitores nas nossas actividades culturais e desportivas – têmmetade do vencimento do mês passado em atraso, mas eles têm sido pacientes e o problema vai ser resolvido no máximo até 10 de Novembro”, disse. A Academia Almadense foi fundada em Março de 1895. Tem um orçamento anual de cerca de 200 mil euros, que obtém com as quotas dos sócios e aluguer de espaços.

Noticias

Academia deve salários

Chefs vão às escolas As Escolas de Hotelaria e Turismo de Lisboa e do Estoril participam hoje nas actividades do Dia da Biblioteca Escolar, data integrada no “Mês Internacional da Biblioteca Escolar”. Vários autores ligados ao sector vão apresentar os seus livros às escolas e à comunidade envolvente. A iniciativa é do Turismo de Portugal e decorre nas escolas das cidades de Lamego, Mirandela, Porto, Coimbra, Lisboa, Estoril e Faro. Hélio Loureiro e Luís Lavrador são alguns dos chefs que

O Semanal Português

estarão presentes nas actividades e que vão divulgar os seus livros técnicos, mas também contactar directamente com os alunos. Actividades O Dia da Biblioteca Escolar assinalou-se esta semana por todo o País. Escolas de Hotelaria e Turismo de Lisboa: Joana Moura apresenta às 15h, o livro “Uma Cozinha com Ciência e Arte”, da CookingLab, e editado pela Bertrand. Escolas de Hotelaria e Turismo do Estoril: Hugo Silva apresenta, às 11h, o livro “250 Cocktails”, editado pela Impala. Mais info em www.escolas.turismodeportugal.pt

3


Noticias

Universidades são via para contactos O reitor do Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE), Luís Antero Reto, congratula-se com o actual “despertar de Portugal para a diplomacia económica” e defende as universidades como “um parceiro fundamental” nesse esforço. Segundo salienta o responsável, “as relações que se criam nas universidades sãomais afectivas e permitem estabelecer contactos e relações de confiança que normalmente não é possível por outras vias”. Bruxelas: Portugal “vai no bom sentido” As medidas tomadas por Portugal para combater a crise “vão no bom sentido”, disse ontem Durão Barroso, em Estrasburgo.

4

Segundo o presidente da Comissão Europeia, “pode ver-se que há uma recepção muito favorável ao caminho que Portugal está a tomar”. “É essencial para Portugal que se mantenha a confiança dos seus parceiros, para poder voltar aos mercados, para poder ter crédito internacional”, disse num debate sobre o resultado do último Conselho Europeu e cimeira da Zona Euro. Por seu turno, o Comissário Europeu dos Assuntos Económicos confirmou as declarações de Durão Barroso, elogiando os passos dados por Portugal e pela Irlanda para controlar a dívida pública. “Portugal está a realizar bons progressos, no âmbito do programa externo, para garantir a sustentabilidade orçamental e melhorar a competitividade”, disse Olli Rehn em Berlim.

Acordo está mais perto O presidente francês disse que os líderes da Zona Euro estão prestes a chegar a um “acordo alargado” para reforçar os poderes e as verbas do fundo europeu de resgate. Em conferência de imprensa no fim da Cimeira Europeia de ontem, Nicolas Sarkozy acrescentou ter esperança que a próxima reunião, na quarta-feira, chegue a um acordo que “acalme a crise” das dívidas soberanas. Sobre o reforço do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF) Sarkozy disse que “um acordo muito alargado está em vias de ser desenhado”, mas faltam ainda “longas horas” de negociações. Isto porque há dois modelos em discussão e nenhum deles, de acordo com a chanceler alemã, envolve o Banco Central Europeu, a principal divergência en-

tre a França e a Alemanha. Em discussão na reunião de chefes de Estado e de governo da União

Europeia esteve também a recapitalização dos bancos. Angela Merkel disse haver já um “consenso geral neste ponto”, mas sublinhou que, este, por si só, não vai resolver a crise. A líder alemã destacou o crescimento económico. “Tudo o que fizermos em termos de consolidação orçamental ou em termos

de estabilização do euro para superar a crise está ligado com a forma como a Europa vai ser capaz de gerar crescimento económico”, sustentou. Este foi também o mote do presidente da Comissão Europeia. “Se não agirmos decisivamente no sentido de estimular o crescimento e a competitividade das nossas economias, arriscamos entrar numa recessão, ou conseguir crescer, mas sem criar emprego ou podemos mesmo enfrentar uma década perdida”, disse Durão Barroso. Já o primeiro-ministro português, Pedro Passos Coelho, negou ter intenção de “nacionalizar os bancos” e que caso a banca decida recorrer ao fundo de resgate de 12 mil m€ para se recapitalizar, o Estado será um “accionista silencioso”.

Mobilidade jovem com site

O projecto Ponto de Informação sobre Mobilidade (PIM) tem desde sábado um espaço na Internet que disponibi-

liza informação online para divulgação de novas oportunidades que visam motivar a mobilidade internacional entre os jovens. Segundo a coordenadora do projecto, Margarida Madureira, o objectivo é reunir num portal toda a informação necessária aos jovens que anseiam participar em acç õ e s

O Semanal Português

fora do País, como programas de curta ou longa duração, estágios, projectos de voluntariado, cursos e workshops, desde que estejam relacionados com a mobilidade internacional jovem. “Apercebemo-nos de que há informação, mas que está espalhada em vários sítios, o que dificulta o conhecimento aos jovens”, disse a responsável à Lusa. Assim, o PIM pretende “sistematizar, condensar a informação e reunir todas as propostas existentes para que sejam de mais fácil acesso aos jovens”.


O primeiro-ministro defendeu hoje que Portugal deve reduzir o peso da despesa pública para 40 por cento do PIB em duas legislaturas e que essa redução deve estar associada a uma revisão das funções do Estado.

“Nós precisávamos, sem dúvida nenhuma, num prazo de duas legislaturas, de atingir um valor de cerca de 38 a 40 por cento do peso da despesa medida em função da nossa capacidade de criar riqueza”, declarou Pedro Passos Coelho. Essa redução implica “durante todo este processo

repensar as funções do Estado”, acrescentou o primeiro-ministro, numa intervenção na cerimónia de apresentação da associação Plataforma para o Crescimento Sustentável, no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, em Lisboa. Passos Coelho respondeu aos que acusam o seu Governo de não cortar nas “gorduras” do Estado na proposta de Orçamento do Estado para 2012, referindose em concreto ao economista João César das Neves. O primeiro-ministro defendeu que “não é exatamente assim”, mas que é preciso “ir ainda muito mais longe” nesses cortes, o que “não se faz num ano”, disse. “Isso significa que a sociedade tem de encontrar outros processos, mais eficientes, do que aqueles que passam pelo Estado, para satisfazer as suas necessidades”, considerou. Passos Coelho entende que, “em regra, não é o Estado que melhor capacidade crítica tem para pensar estes processos”, e associações como a Plataforma para o Crescimento Sustentável, criada pelo vice-presidente do PSD Jorge Moreira da Silva, podem ter um papel importante neste debate. Na sua intervenção, o primeiro-ministro afirmou que “são bem vindas” as ideias desta associação, porque “ninguém é dono das melhores ideias e ninguém tem sempre razão a vida toda” e, ainda, que “o debate cívico é hoje mais importante do que nunca”. Ainda quanto ao peso da despesa pública, Passos Coelho referiu que atualmente este é superior a 50 por cento, “quando os impostos e as contribuições não excedem os 38 por cento do produto” interno bruto (PIB), e lembrou a meta inscrita no Documento de Estratégia Orçamental do Governo. “Nós temos de entrar numa trajetória nos próximos anos que nos conduza até 2015 a um peso da despesa pública que não seja superior a 43 por cento, e mesmo assim ainda teremos défice para cobrir. As nossas metas até 2015 são metas importantes, mas não são metas finais. Nós ainda teremos de superar essas metas nos anos subsequentes”, defendeu.

O Semanal Português

Noticias

Governo: Passos Coelho defende redução da despesa pública para 40 por cento em duas legislaturas

5


Noticias

6

Euro/Crise:

Trichet defende intervenção direta da UE nos países que violem regras da estabilidade O presidente cessante do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet, defendeu hoje em Berlim uma intervenção direta das instituições internacionais na gestão dos países em sistemáticas dificuldades para controlar as finanças públicas, propondo que se possam “substituir aos governos”. “Os esforços que estão a ser feitos atualmente para

impôr condições estritas aos países que pediram ajuda financeira por não terem acesso aos mercados de capital são justificados”, disse Trichet em discurso sobre o futuro da Europa, na Universidade Humboldt, resssalvando, porém, que esses países “devem ter o direito de tentar inverter a sua situação”. Tais tentativas, porém, “devem ter limites claros” e numa segunda fase, se um país persistir em falhar os objetivos dos programas de ajustamento financeiro, “terá de haver contra medidas por parte das entidades que concedem a ajuda internacional”, sublinhou Trichet. Assim, nesses casos, as instituições da zona euro “devem ter um papel mais importante e mais autoritário na formulação das políticas econó-

micas” dos Estados prevaricadores, “substituindo-se aos próprios governos”, propôs o presidente do BCE, assumindo que isso “tornará, no entanto, inevitável uma alteração dos tratados europeus”, lembrou. Tal como Trichet, o governo alemão tem insistido na alteração dos tratados para que se possa não apenas aprofundar a união política, e pô-la em consonância com a união monetária, mas sobretudo impôr uma maior disciplina orçamental aos países da moeda única para evitar crises como a atual. O presidente do BCE voltou a propôr também a nomeação de um ministro das finanças da zona euro, como já tinha feito em junho, em Aacen, ao receber o prémio Carlos Magno, pelos seus méritos na construção europeia. “Não considerado que seja demasiado atrevido considerar a a possiblidade de criar um ministério das finanças europeu, o que é demasiado atrevido seria não pensar em criar uma instituição deste género”, afirmou. Trichet aproveitou ainda para defender a compra de dívida soberana de países da zona euro em dificuldades financeiras através do BCE, alegando que esta transação se destina a melhorar a relação entre a política monetária e a economia, “tanto mais que os mercados de títulos são cruciais” para o trabalho do banco central. Neste sentido, rejeitou que o programa de compra de títulos da dívida pública do BCE tenha carácter inflacionário, e lembrou que, ao contrário do que fazem outros bancos centrais, o objetivo não foi injetar liquidez na economia. “É importante perceber que as decisões políticas do BCE durante a crise estiveram em linha com o nosso mandato de garantir a estabilidade dos preços”, afirmou Trichet.

O Semanal Português


O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Cesário, inicia nesta terça-feira uma visita de nove dias ao Brasil e à Venezuela. Segundo nota do gabinete do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas enviada hoje à agência Lusa, José Cesário estará naqueles dois países sul-americanos entre esta terça-feira e o dia 02 de novembro. Nesta terça-feira, o governante deverá reunir-se com o cônsul-geral de Portugal no Rio de Janeiro, António José Emauz de Almeida Lima, às 19:30h, seguindo-se, uma hora depois, um encontro com três conselheiros eleitos da comunidade portuguesa na mesma cidade. Na quarta-feira de manhã, às 09:00, José Cesário deverá visitar a chancelaria do Consulado Geral de Portugal em São Paulo, e às 11:00h visitará a comunidade portuguesa de Niterói. Durante a tarde do mesmo dia, às 15:00, fará uma visita à Obra Portuguesa de Assistência - Hospital Egas Moniz. Às 20:00, terá uma reunião com os membros do conselho consultivo da área consular e outras personalidades da comunidade, na mesma cidade. Na quinta-feira, ainda em São Paulo, estará presente, às 19:30, nas comemorações do 99.º aniversário da Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil. Na sexta-feira, às 10:00, visitará o Instituto Piaget na cidade de Suzano, no estado de São Paulo. Às 13:00 deverá reunir-se com o cônsul geral de Portugal em São Paulo, José Guilherme Queiroz de Ataíde, e uma hora depois com o cônsul honorário de Portugal em Santos, Arménio Mendes. Um encontro com os conselheiros da comunidade

portuguesa eleitos pelo círculo São Paulo/Santos está previsto para as 16:30 do mesmo dia. No sábado, José Cesário vai participar, entre as 15:00 e as 23:00, num seminário dirigido a dirigentes associativos e jovens luso-descendentes, organizado pelo Conselho da Comunidade do Estado de São Paulo. No domingo, o secretário de Estado juntar-se-á à comitiva do ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, na visita que este fará à Venezuela (e depois à Colômbia). Às 18:00, está previsto um encontro de Paulo Portas e da sua comitiva com a comunidade portuguesa radicada no país dirigido por Hugo Chávez. No dia 31 de outubro, Portas e Cesário vão ter “diversas reuniões com membros do governo da Venezuela”, indica a mesma nota. No dia 01 de novembro, José Cesário acompanhará a comitiva de Paulo Portas durante a manhã, mas, durante a tarde, tem um programa próprio: partirá para Valência, onde, às 16:00, visitará a Casa Portuguesa Venezuelana do Estado de Carabobo, e, às 17:10, o Centro Social Madeirense. Às 19:00, já em Maracay, deverá visitar o Lar Geriátrico LusoVenezuelano. O dia terminará com uma deslocação à Casa Portuguesa do Estado Aragua, às 20:00, seguida de jantar na Casa Portuguesa do Estado Aragua. Para o dia 02 de novembro de manhã está ainda previsto um encontro com os conselheiros das comunidades portuguesas em Caracas, capital da Venezuela, antes do regresso de José Cesário a Portugal.

O Semanal Português

Noticias

Secretário de Estado José Cesário desloca-se ao Brasil e à Venezuela

7


Noticias

Michelle Obama promove cozinha saudável em livro

A primeira-dama norte-americana, Michelle Obama, vai promover a alimentação saudável e contar como funciona a horta que tem instalada na Casa Branca no seu primeiro livro que será publicado em abril de 2012, anunciou o editor. No livro, intitulado “American Grown: How the White House Kitchen Garden Inspires Families, Schools and Communities”, Michelle Oba-

ma explica os benefícios da alimentação saudável e dos alimentos frescos e cultivados em hortas como a que instalou nos jardins da Casa Branca em março de 2009, dois meses depois de chegar à residência presidencial. A primeira-dama irá doar os direitos que receber do seu primeiro livro a obras de caridade e conta também que as grandes mentoras da horta na Casa Branca foram as filhas Malia e Sasha.

Hillary Clinton elogia o papel EUA desmontam no Texas a última bomba nuclear da Turquia no Afeganistão A secretária de Esta- 1800 soldados patrulhan- da Guerra Fria

8

do americana, Hillary Clinton, elogiou a Turquia como uma força positiva nesta quintafeira, antes de viajar até Istambul para assistir a uma conferência sobre o Afeganistão. O Departamento de Estado afirmou que Hillary participará da reunião em Istambul prevista para a próxima quartafeira, que irá analisar o futuro do Afeganistão, enquanto as tropas americanas se preparam para deixar aquele país no fim de 2014. Hillary afirmou que a Turquia, único membro de maioria muçulmana da Otan, e que conta com mais de

do o Afeganistão, tem Especialistas nuclea“uma grande habilidade res do Estado do Texas se preparavam terçafeira para desarmar a maior, a mais poderosoa e mais antiga bomba do arsenal americano da era da Guerra Fria. A última bomba B-53 - construída em 1962, o ano da Crise dos Mísseis com Cuba - será despara se comunicar” tanto montada na usicom o Paquistão quanto na Pantex. com o Afeganistão. O desarmamen“A Turquia tem credibi- to desta bomba lidade junto a um grande é “significativo em ranúmero de países. Por- zão de se tratar da últitanto, sua participação ma deste tipo de armas é de grande ajuda para multimegatónicas que nós”, disse Hillary no as potências nucleares Comitê de Relações Ex- costumavam construir teriores. durante a Guerra Fria”, O Semanal Português

disse Hans Kirstensen, diretor do projeto de informação nuclear da Federação de Cientistas dos Estados Unidos, à AFP. “O mundo será um lugar mais seguro após a desmontagem desta

arma”, disse Thomas D’Agostino, diretor da Administração Nacional de Segurança Nuclear, em um comunicado divulgado pela Pantex.


O presidente norte-americano, Barack Obama, anunciou hoje (segunda-feira nos Estados Unidos) medidas para refinanciar as hipotecas das famílias com problemas e contrapôs ações do Governo pela inatividade crescente do Congresso. “Os que não entendem as pessoas é porque alguns em Washington parecem não compartilhar o mesmo sentido de urgência que estas pessoas sentem nas suas próprias vidas”, explicou Obama quando visitava o Nevada, oeste dos Estados Unidos. O presidente disse não haver tempo para “esperar que um Congresso cada vez mais inoperante faça o seu trabalho”. Obama apresentou uma reforma do Programa de Refinanciamento que inclui o aumento dos prazos das hipotecas, das condições de acesso e a eliminação de alguns custos financeiros dos empre´stimos concedidos pelas companhias nacionalizadas como a Fannie Mae e Freddie Mae. Barack Obama escolheu Las Vegas, no Nevada, uma das cidades mais afetadas pela crise imobiliária e onde o preço das habitações caiu 50 por cento desde 2008, para anunciar as novas medidas. Muitas das condições

para aceder a um refinanciamento da hipoteca exige que a perda de valor da habitação não ultrapasse os 25 por cento, pelo que muitas pessoas não puderam aceder a taxas de juro mais baixas impulsionadas pelo Go-

Noticias

Barack Obama anuncia medidas para refinanciar hipotecas

verno Federal. Com as novas medidas, a Casa Branca espera que um milhão de famílias aceda ao programa de refinanciamento.

Estátua da Liberdade celebrou 125 anos antes de fechar para manutenção A Estátua da Liberdade, símbolo de Nova York e do “sonho americano” para milhões de imigrantes, comemora esta semana seus 125 anos antes de fechar durante 12 meses para manutenção. O monumento chamado “A Liberdade iluminando o Mundo” foi oferecido em 1886 pela França aos Estados Unidos em sinal de amizade para celebrar, com dez anos de atraso, o centenário da declaração de independência americana, em 4 de julho de 1776. Na sexta-feira, 125 imigrantes procedentes de mais de 40 países serão

aberta com a execução do hino americano, seguido do francês. A atriz Sigourney Weaver lerá “The New Colossus” (O Novo Colosso), poema de Emma Lazarus, que tem um trecho inscrito na base da estátua. Depois, o secretário americano do Interior, Ken Salazar, entregará um presente ao cônsulgeral da França, Philippe Lalliot, em agradecimento àquele recebido 125 anos atrás. Cinco câmeras instaladas recentemente na tocha serão ativadas permitindo apreciar uma sul de Manhattan. Durante a cerimônia ofi- “nova vista da Liberty cial para comemoração Island e da baía de Nova do aniversário, que será York”, segundo Stephen naturalizados americanos na Liberty Island, ilha onde fica a estátua, na foz do rio Hudson, ao

O Semanal Português

Briganti, presidente da Fundação da Estátua da Liberdade e do museu da imigração de Ellis Island. Após comemorar 125 anos, o monumento será fechado ao público durante 12 meses a partir de 29 de outubro para trabalhos de manutenção. A estátua já tinha sido fechada em 1984 para permitir uma primeira restauração antes do centésimo aniversário. A partir de 29 de outubro, os turistas não poderão mais entrar na estátua e ter acesso à escadaria que leva até sua coroa, embora possam continuar visitando a Liberty Island.

9


Açores e Madeira

AO LARGO DA ILHA TERCEIRA Cientistas visitam vulcão da Serreta para estudo de “balões de lava” Uma missão oceanográfica ao vulcão submarino da Serreta, ao largo da ilha Terceira, volta a estudar os pouco conhecidos “balões de lava”. Uma análise que encontra paralelismos em ilhas italianas e nas Canárias. Nesta expedição, foram encontradas estruturas vulcanotectónicas desconhecidas, cuja origem será alvo de futura investigação. Cientistas açorianos e europeus estiveram envolvidos, na semana passada, numa expedição ao vulcão submarino da Serreta com vista ao aprofundamento

dos vulgarmente apelidados “balões de lava”. Segundo o Centro de Vulcanologia e Avaliação de Riscos Geológicos (CVARG), da Universidade dos Açores, nesta nova missão oceanográfica à área do vulcão submarino da Serreta, denominada de “Missão FAIVI”, os trabalhos abrangeram um “largo leque de áreas científicas da Geologia à Biologia”. A missão, integrada no âmbito de um projecto europeu, financiado pelo programa Eurofleets, contou “com a participação de investigadores italianos, espanhóis e de outras unidades de investigação portuguesas, nomeadamente o Departamento de Oceanografia e Pescas (DOP) e Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG). “Balões de lava” desconhecidos “Neste contexto, o projecto pretende garantir uma visão multidisciplinar do fenómeno eruptivo e dos processos pós-eruptivos que ocorreram na região afectada pela erupção”, refere nota informativa

10

do CVARG que explica ainda que na erupção da Serreta, que ocorreu entre 1998 e 2001 gerou-se “um tipo de produto vulcânico até então desconhecido para a ciência que os investigadores açorianos baptizaram de «balões de lava»”. “Estas estruturas, hoje referenciadas na bibliografia internacional da especialidade, são formadas por uma fina película de lava basáltica que envolve um grande volume central, parcial ou totalmente oco. Desde então, os balões de lava têm sido alvo de estudo ao nível de diferentes iniciativas e a missão FAIVI, que decorreu a bordo do navio francês L’Atalante, teve como principal objectivo continuar a aprofundar tal investigação, assim como estabelecer um paralelo com outra erupção submarina ocorrida ao largo da ilha italiana de Pantelleria em 1891, cuja descrição é semelhante à da erupção ocorrida na Serreta”. Mas o estudo encontra igualmente paralelismos nas Canárias: “mais recentemente, também a erupção ao largo da ilha El Hierro, nas Canárias, parece evidenciar uma fenomenologia à descrita pelos investigadores da Universidade dos Açores”. Estruturas “desconhecidas” “Além de uma intensa campanha de amostragem do fundo marinho, a missão FAIVI permitiu realizar um levantamento batimétrico de elevada resolução de toda a região circundante à ilha Terceira e em particular da crista submarina da Serreta. Os trabalhos possibilitaram. Ainda, a recolha de informação relativa ao processo de recolonização da área afectada pela erupção”. Segundo, José Pacheco, investigador do CVARG e coordenador da parte nacional do projecto, as primeiras conclusões da missão FAIVI permitem afirmar que o principal foco eruptivo da erupção de 1998-2001, se encontra parcialmente colapsado para o flanco sul da Crista Submarina da Serreta, tendo-se reconhecido os diferentes tipos de produtos decorrentes da erupção e as respectivas dispersões. “Entretanto, os investigadores identificaram ao largo da ilha Terceira um conjunto de estruturas vulcanotectónicas desconhecidas e cuja origem será alvo de futuros estudos”, conclui o CVARG.

O Semanal Português


Tiago Lopes encabeça a lista nas eleições para a secção regional dos Açores da Ordem dos Enfermeiros. O enfermeiro especialista em Enfermagem de Reabilitação, presentemente a exercer a actividade no Hospital de Santo Espírito de Angra do Heroísmo, deixa claro ao nosso jornal as linhas orientadoras da sua candidatura. Aproximar a Ordem dos Enfermeiros aos cidadãos e modernizar a estrutura interna da mesma são alguns dos princípios fundamentais no contexto do programa de acção nacional. As eleições estão marcadas para o dia 12 de Dezembro próximo. Boas práticas de cidadania activa e intervenção regular junto das entidades políticas e sindicais são os princípios fundamentais no contexto do programa de acção nacional para a secção dos Açores da Ordem dos Enfermeiros (OE). O cabeça de lista, Tiago Lopes, salienta as linhas orientadoras da sua lista que, em conjunto com outra, seguem na corrida às eleições marcadas para o próximo dia 12 de Dezembro. “As pessoas deixaram de se rever na sua OE, e, por isso, a nossa ideia é trabalhar no sentido de aproximar o organismo aos cidadãos. A equipa é composta por gente nova e no activo. Isso é importante tendo em conta que quem está no activo conhece melhor as práticas e as dificuldades que costumam surgir no dia-a-dia da classe de enfermagem”, considera, em declarações à “a União”, o enfermeiro especialista em Enfermagem de Reabilitação, presentemente a exercer a actividade no Hospital de Santo Espírito de Angra do Heroísmo (ESEAH), sublinhando que estamos a falar da “maior classe de profissionais de saúde no país”. Tiago Lopes lança críticas ao presente cenário vivido a nível regional dizendo que a passividade prejudica tudo e todos. Os exemplos, indica, são sobretudo a nível de

formação, colocações e estruturação da carreira sendo fundamental a precaução face ao futuro desses profissionais. Afirma que, apesar da evolução académica, paradoxalmente, diz, a visibilidade e reconhecimento social não são correspondentes. “As alterações necessárias terão de passar, inevitavelmente, pela formação. Estamos longe entre aquilo que o discurso teórico define e aquilo que a realidade objectiva o demonstra. É necessário agilizar o conceito do modelo de desenvolvimento profissional, que apresenta ainda muitas dificuldades em engrenar”, defende acrescentando que, a nível do continente, existe uma excessiva proliferação de escolas e uma mercantilização das mesmas. “A Saúde tornou-se num negócio também ao nível da formação. Temos, anualmente, “fornadas” de Enfermeiros a saírem directamente para o desemprego”, frisa. Já a nível regional, Tiago Lopes diz ser necessário a interpretação das carências, necessidades, bem como saber as expectativas dos enfermeiros e das instituições e comunidade, “sob pena de a curto prazo termos o mesmo cenário desolador no que concerne à empregabilidade na região”. Actualmente, a região Açores conta com cerca de 1900 enfermeiros estando à volta de 300 em formação nas escolas superiores de enfermagem de Ponta Delgada e Angra do Heroísmo. “Muitas políticas de saúde são definidas sem a representação ou apenas de um enfermeiro”, critica. O cabeça de lista da OE pelos Açores, que integra a candidatura nacional do candidato a Bastonário, Germano Couto, refere que, em termos globais, seguem na corrida 31 listas e 220 candidaturas no território português. A OE está no activo há 13 anos e, passado o mesmo período, os Açores contam com duas listas.

O Semanal Português

Açores e Madeira

ELEIÇÕES A 12 DE DEZEMBRO Ordem dos Enfermeiros nos Açores quer aproximar-se dos cidadãos

11


Açores e Madeira

NA TERRA CHÃ Infestação do bichado da castanha diminuiu A infestação do bichado da castanha na Terra Chã apresenta valores mais baixos em relação ao ano passado, segundo dados da Universidade dos Açores (UAç) referentes à monitorização levada a cabo em quatro quintas da freguesia. De acordo com a observação levada a cabo de Junho a Outubro, 81,57% das parcelas em zona baixa – menos de 130 metros de altitude –, 74% em zona média – 153 metros de altitude, e 82,60% nas zonas altas -230metros – não se encontram infestadas.

A infestação pode ser visível, quando é possível observar a olho nu furos na castanha ou oculta quando não apresenta sinais exteriores mas ao abrir tem a lavra lá dentro, sendo esta a mais prejudicial porque é a que chega ao consumidor final. Fazendo a devida separação, os dados da UAÇ referem que dos 18,43% de casos de infestação em zonas baixas, 2,90% são da variante oculta, valor que sobe para os 6,60% na zona média e volta a cair para os 3,40% na zona alta.

12

Ana Santos, da Universidade dos Açores e uma das responsáveis pelo trabalho de campo, explica que o controlo da infestação do bichado da castanha “ é muito complicado” porque a lavra entra e permanece no solo durante os meses de inverno e primavera, e só no principio do verão se transforma em borboleta que, posteriormente, põe ovos nas folhas do castanheiro, junto ao ouriço. “O problema é detectar os ovos e pulverizar na altura certa”, afirma, acrescentando que este ano, a equipa testou um novo produto que mata por ingestão e que é aplicado nas folhas, cujo sucesso está dependente de ser aplicado na altura certa em que as larvas saiem. A equipa da Universidade dos Açores fez três pulverizações, duas em Setembro e outra no início deste mês, mas segundo Ana Santos, não é possível afirmar com certezas que a quebra nos níveis de infestação seja fruto da aplicação deste novo produto. A técnica acrescenta que os resultados positivos deste ano irão ter repercussões para 2012 “pois com menos lavras vamos ter necessariamente menos adultos” mas a erradicação total da infestação é uma missão que se avizinha complicada. “O que podemos fazer é continuar a monitorizar, a colocar armadilhas de forma a diminuir progressivamente a infestação”. Em relação à qualidade da castanha deste ano, Ana Santos diz que a falta da chuva levou a que os produtores temessem que este não tivesse o calibre habitual, mas pelo que pode observar no terreno “a chuva ainda veio a tempo de termos uma produção interessante”. A equipa de monitorização é constituída por oito elementos da Universidade dos Açores em parceria com a direcção regional do Desenvolvimento Agrário e o apoio da Fruter e da Junta de Freguesia da Terra Chã.

O Semanal Português


Berto Messias Na verdade, a decisão de reduzir a emissão da RTP/Açores a umas meras quatro horas diárias tinha sido tomada muito antes da administração da empresa entregar o plano de reestruturação ao Governo da República. Mas mais do que isso. Até hoje, nenhum responsável, seja da RTP ou do Governo, dedicou-se a explicar, com dados concretos, o que se poupa com esta redução de emissão,

do de argumentos técnicos e financeiros para basear uma decisão política. Fez tudo ao contrário e, ainda por cima, foi mal criado. O senhor ministro Miguel Relvas tinha, há semanas, agendada uma reunião com uma delegação da Assembleia Legislativa sobre o futuro da RTP/Açores. Não era uma reunião entre partidos. Era uma reunião entre um órgão de governo próprio dos Açores, com representantes de todos os partidos representados no Parlamento dos Açores, e o Governo da República. O senhor ministro Miguel Relvas desrespeitou as bases desta relação institucional e, uma hora antes, aprovou o plano de reestruturação proposto pelo Presidente da RTP. Foi uma atitude provocatória, deliberada e na linha da sua postura nos últimos tempos. Sendo assim, um comportamento político deste nível não favorece o diálogo de boa-fé, no sentido de se conseguir uma solução para a RTP/Açores, com base no que está previsto na lei: o direito a um serviço público de rádio e televisão suportado, integralmente, pelo Estado.

Quem não deu hipótese para qualquer tentativa de quantos funcionários vão ser dispensados e que diálogo foi este Governo da República que, não só vai assegurar tecnicamente a emissão. Continu- não quis encetar um processo genuíno entre duas parará a cargo do centro regional ou passará para tes, como fez questão de desrespeitar os Açores. Na verdade, estes comportamentos recentes do ministro Lisboa?

Não havendo explicações técnicas públicas que sustentem a decisão, não existem grandes dúvidas que se está perante um processo de intenção puramente político. O Governo do senhor ministro Miguel Relvas tomou a decisão e não se importou de a justificar técnica e financeiramente. Em bom rigor, deveria ter sido exactamente ao contrário. Deveria, sim, ter-se muni-

Miguel Relvas foram um desrespeito total à RTP/ Açores e aos seus trabalhadores, tratados como algo dispensável, apenas e só, porque sim. Esta é uma intenção deliberada de asfixiar a RTP Açores que tem como propósito concretizar a agenda escondida do Governo da República de acabar com os Centros Regionais da RTP.

O Semanal Português

Açores e Madeira

Asfixiar a RTP/Açores

13


Açores e Madeira

Paulo Sousa acredita em fármacos não em marcas

Paulo Sousa, ex-representante da Ordem dos Farmacêuticos na Região, acredita em fármacos e não em marcas. Pelo que considera não fazer sentido as declarações prestadas ontem pelo bastonário da Ordem dos Médicos que se manifestou contra a troca de genéricos nas farmácias, alertando que têm diferentes substâncias e impurezas que podem por em risco a saúde dos doentes. Contactado pelo JORNAL da MADEIRA, Paulo Sousa, farmacêutico e proprietário da Farmácia de Santo António,disse não fazer sentido uma coisa destas, tendo em conta que estamos a falar do mesmo princípio activo, da mesma dosagem e na mesma forma de apresentação. “No entanto, isto é uma situação de

certo modo polémica e vem de há muitos anos. Não é uma novidade”, acrescentou Paulo Sousa, o qual considera que esta posição do bastonário está relacionada com a proposta de lei do Go-

verno de prescrição por Denominação Comum Internacional (DCI)que será votada, sexta-feira, no Parlamento nacional. “Quando existem vários medicamentos com o mesmo princípio activo, a mesma dosagem e a mesma forma de apresentação, quem sou eu, enquanto farmacêutico, para por isso em cau-

sa?”, questiona Paulo Sousa. Bastonário dos Médicos pensa diferente Já o bastonário da Ordem dos Médicos tem opinião bem diferente. Cumprindo a lei “os genéricos com o mesmo princípio activo podem ter variabilidades grandes entre si”, afirmou José Manuel Silva. Segundo o bastonário, “os genéricos podem não ser bioequivalentes entre si: têm diferentes métodos de fabrico, têm diferentes excipientes [substâncias sem actividade terapêutica], têm diferentes impurezas e por isso muitos doentes sentem o efeito dessas modificações”. “O que está em causa nesta proposta de lei não é a alteração de um original por um genérico, nem é sequer aumentar

a taxa de genéricos em Portugal. O que está em causa nesta lei é induzir a substituição de um genérico prescrito por um médico por outra marca do mesmo genérico escolhida pela farmácia”, explicou o bastonário da Ordem dos Médicos. O que os médicos pedem para “estimular a prescrição de genéricos é que, quando um médico prescreve um genérico, essa marca não seja substituída na farmácia”, justificou José Manuel Silva. “Para proteger o doente de mudanças sucessivas de marcas que podem por em risco a vida do próprio doente, o médico pode ser levado a prescrever um medicamento de marca sem genérico para evitar essas trocas nas farmácias”, admitiu José Manuel Silva.

Dicionário-Enciclopédico da Madeira Vera Luza Trata-se de uma obra monumental destinada a «actualizar e a internacionalizar todos os saberes e conhecimentos da história, literatura, ciências da Madeira, entre muitas outras áreas, com a maior abrangência possível». O projecto, lançado pela Associação de Promoção da Cultura Atlântica (APCA) e com o apoio especial da Direcção Regional dos Assuntos Culturais (DRAC), tem a liderança científica do Prof. José Eduardo Franco e conta com o trabalho de vários investigadores, madeirenses e continentais. É um trabalho em cinco volumes, que deverá ficar pronto daqui a cinco anos, para assinalar os 600 anos da descoberta oficial da Madeira. Além da equipa de especialistas e intelectuais que, neste momento, já está a receber “for-

14

mação” sobre o contexto regional (foto ao lado), há também a considerar na elaboração deste DicionárioEnciclopédico «o contributo de todos os estudiosos que se dedicam a investigar a cultura e a história da Madeira, e que queiram associar-se ao projecto.» Para esse efeito foi criada a “plataformal digital”: global.madeira@gmail.com» Com esta iniciativa «pretende-se um saber democraticamente constituido e o mais abrangente possível. Não visamos concorrer com outros, antes, agregar e receber contribuições particulares ou específicas, com o máximo de rigor, para que esta obra possa chegar bem longe, no contexto global em que vivemos», disse José Eduardo Franco ao JM. A obra será editada em papel, mas também em ebook, e será um importante instrumento para «manuais escolares, para o turismo e uma nova História.»

O Semanal Português


A Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC) vai gues na sede do Núcleo Regional da LPCC, Edif. promover, entre desta sexta-feira e 4 de Novembro Elias Garcia I, Bloco II – 1 A, no Funchal, ou enpróximo, o habitual peditório que visa gerar fontes tão transferidos para a conta bancária com o NIB 003800012026329177146, segundo indicou esta organização através de um comunicado enviado às redacções. Este sábado, véspera do dia Mundial da Prevenção do Cancro da Mama, a LPCC leva a cabo mais uma edição da campanha “Pequenos passos GRANDES GESTOS”, a qual tem por objectivo incentivar os cidadãos a realizar pequenas caminhadas nas localidades onde residem. No Funchal, segundo o comunicado desta ONG, a caminhada parte, pelas 10h00, dos jardins do Teleférico, estando que previsto o seu término no Largo do Colégio, pelas 12h00. Sensivelmente a esta hora, tem lugar uma palestra dedicada ao tema “Cancro da mama – prevenção e apelo ao rastreio e estilos de vida saudáveis”, no Salão Nobre da Câmara Municide receitas que permitam a esta ONG, que detém o pal do Funchal. Esta ocasião será aproveitada para o lançamento do estatuto de Utilidade Pública, cumprir com os objectivos traçados para apoiar os doentes oncológicos e livro da autoria de Sandra Santos, “Sinuosidades da vida”, um testemunho de como venceu o cancro. suas famílias. Os donativos monetários podem ser entre-

Funchal combate violência doméstica

percorrido todos os concelhos regionais. Iniciada em 2010, a campanha chega ao fim no próximo dia 22. Até lá, estão previstas diversas acções. Entre eles, a criação de um viveiro ‘Só bem-me quer’, agendado para 2 de Novembro, no Parque de Santa Catarina. Para além das acções de sensibilização, a campanha inclui a panha contra a violência inauguração de uma esdoméstica intitulada ‘Só cultura e a pintura de bem-me quer’ arrancou, portas, na zona Velha da esta quinta-feira, no Fun- cidade. chal. A iniciativa tem Na recta final, a cam-

Açores e Madeira

Liga Portuguesa Contra o Cancro promove peditório nacional

Jovens emigram cada vez mais e sem noção dos perigos Com o intuito de alertar os mais jovens, sobretudo os “grupos de risco” como os alunos dos cursos profissionalizantes, “mais permeáveis ao abandono precoce da escola” e a procurarem “soluções financeiras mais apressadas”, o ex-director do SEF, José Felisberto Almeida, abordou, na Escola Jaime Moniz, o tema da migração ilegal e tráfico de pessoas. À margem da conferência, frisou que, devido à fragilidade económica, “mais jovens estão a partir, no sentido de poderem agilizar e corresponder às expectativas frustradas dos pais, nomeadamente ao nível do ensino profissionalizante”.José Felisberto

O Semanal Português

Almeida disse ainda que o mercado laboral, neste momento, em Portugal oferece “cada vez menos perigos”, já que as ofertas de emprego são cada vez menores. “Isso incentiva os estudantes ou pretensos estudantes para que abandonem e se dirijam normalmente para o Reino Unido, Suíça, Luxemburgo, França”, frisou, apontando, no entanto, que, na Região, são poucos os casos de exploração envolvendo madeirenses. “São poucos, mas são traumáticos, alguns deles”,continuou, alertanto para o facto de poder haver um incremento devido à situação actual do país.

15


Saúde

Outubro - Mês de Prevenção do Cancro da Mama Outubro é o mês internacional de Prevenção de Cancro da Mama, estimando-se que na Europa surjam todos os anos 430 000 novos casos e que uma em cada 10 mulheres venha a desenvolver a doença antes dos 80 anos. A 30 de Outubro comemora-se do Dia Nacional de Prevenção do Cancro da Mama e a Liga Portuguesa Contra o Cancro, como entidade que há mais anos desenvolve actividades de medicina preventiva nesta área, irá promover a nível nacional um conjunto de iniciativas que visam a sensibilização para esta problemática. O cancro da mama é o tipo de cancro mais comum entre as mulheres (não considerando o cancro da pele), e corresponde à segunda causa de morte por cancro, na mulher. Em Portugal, anualmente são detectados cerca de 4500 novos casos de cancro da mama, e 1500 mulheres morrem com esta doença. É uma das doenças com maior impacto na nossa sociedade, não só por ser muito frequente, e associado a uma imagem de grande gravidade, mas também porque agride um órgão cheio de simbolismo, na maternidade e na feminilidade. São conhecidos alguns factores de risco para o cancro da mama, muito associados aos estilos de vida e a características reprodutivas inerentes à vida moderna e ocidentalizada.

16

De notar que há entre 5 a 10% dos cancros da mama diagnosticados que aparentam características genéticas e hereditárias que, caso sejam confirmadas, obrigam a um acompanhamento mais precoce e cuidadoso dos familiares. O Semanal Português


Detectar precocemente o cancro da mama aumenta as hipóteses de cura. Saiba como. O que é o cancro da mama? O cancro da mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. É muito mais frequente nas mulheres, mas pode atingir também os homens. O cancro da mama apresenta-se, muitas vezes, como uma massa dura e irregular que, quando palpada, se diferencia do resto da mama pela sua consistência. Que cuidados se devem ter para detectar o cancro da mama? O diagnóstico precoce do cancro da mama é fundamental, pois aumenta as hipóteses de cura. Evita que o cancro se espalhe para outras partes do corpo, favorecendo o prognóstico, a recuperação e a reabilitação. Para que seja diagnosticado precocemente, é importante que: • Faça um auto-exame das mamas mensalmente, após o período menstrual; • Vá ao médico especialista em patologia mamária uma vez por ano; • Participe em programas de rastreio. O exame clínico da mama pode confirmar ou esclarecer o seu autoexame. Quais são os sintomas mais comuns no cancro da mama? • Aparecimento de nódulo/endurecimento da

mama ou debaixo do braço (na axila); • Mudança no tamanho ou no formato da mama; • Alteração na coloração ou na sensibilidade da pele da mama ou da aréola; • Corrimento pelo ma-

também a palpação das mamas com as mãos, pois só assim poderá sentir a presença de um nódulo. O médico poderá solicitar alguns exames, tais como: • Mamografia: o principal exame das mamas,

tar sempre a mamografia e informa se o nódulo é sólido ou contém líquido (quisto). • Citologia aspirativa: com uma agulha fina e uma seringa, o médico aspira certa quantidade de líquido ou uma peque-

milo, com ou sem sangue; • Retracção da pele da mama ou do mamilo. Ao sentir qualquer alteração nas mamas deve consultar o seu médico. Como é feito o diagnóstico clínico do cancro da mama? Para fazer o diagnóstico, o médico submeterá a mulher a um cuidadoso exame clínico e fará algumas perguntas sobre a história familiar. Fará

realizado através de raios X específicos para examinar as mamas. Como é muito preciso, permite ao médico saber o tamanho, localização e as características de um nódulo com apenas alguns milímetros, quando ainda não poderia ser sentido na palpação. Faça uma mamografia de rotina sempre que solicitada pelo seu médico. • Ultrassonografia (ecografia): deve complemen-

na porção do tecido do nódulo para exame microscópico. Esta técnica esclarece se é um quisto (preenchido por líquido), que não é cancro, ou de um nódulo sólido, que pode ou não corresponder a um cancro. • Biópsia: procedimento (cirúrgico ou não) para colher uma amostra do nódulo suspeito. O tecido retirado é examinado CONTINUAÇÃO NA PÁGINA 18

O Semanal Português

Saúde

Compreender o Cancro da mama

17


Saúde

Compreender o Cancro da mama ao microscópio pelo patologista. Este procedimento permite confirmar se estamos perante um cancro da mama. • Receptores hormonais (estrógenio e progesterona): caso a biópsia permita o diagnóstico de um cancro, estes testes de laboratório revelam se as hor-

monas podem ou não estimular o seu crescimento. Com esta informação, o médico pode decidir se é ou não aconselhável incluir no plano de terapêutico um tratamento à base de antagonistas daquelas hormonas, isto é, medicamentos que contrariam o seu efeito. A amostra do tecido do tumor é colhida durante a biópsia. Caso a biópsia detecte um tumor maligno, outros testes laboratoriais serão feitos no tecido para que se obtenham mais dados a respeito das características do tumor. Também poderão ser solicitados exames raios X, exames de sangue, ecografia, cintilograma (exame no qual uma pequena quantidade de

18

um produto radioactivo é utilizado para obter imagens) ósseo, provas de função hepática etc. - para verificar se o cancro está presente em outros órgãos do corpo. Todos os testes e exames solicitados e a definir pelo médico têm como objectivo avaliar a extensão e o estádio da doença no organismo. O sistema de estadiamento do cancro da mama leva em conta o tamanho do tumor, o envolvimento de gânglios linfáticos da axila próxima à mama e a presença ou não de metástases à distância. Há vários tipos de cancro da mama? Sim. O tratamento e o prognóstico variam de doente para doente e em função do tipo de tumor. Quase todos os tumores malignos da mama têm origem nos ductos ou nos lóbulos da mama, que são tecidos glandulares. Os dois tipos mais frequentes são o carcinoma ductal e o carcinoma lobular. • Carcinoma ductal “in situ” (CDIS): é o tumor da mama não invasivo mais frequente. Praticamente todas as mulheres com CDIS podem ser curadas. A mamografia é o melhor método para diagnosticar o cancro da mama nesta fase precoce. • Carcinoma lobular “in situ” (CLIS): embo-

ra não seja um verdadeiro cancro, o CLIS é, por vezes, classificado como um cancro da mama não invasivo. Muitos especialistas pensam que o CLIS não se transforma num carcinoma invasor, mas as mulheres com esta neoplasia têm um maior risco de desenvolver cancro da mama

dos cancros da mama invasores (ou invasivos) são carcinomas ductais. • Carcinoma lobular invasor (CLI): tem origem nas unidades produtoras de leite, ou seja, nos lóbulos. À semelhança do CDI, pode disseminar-se para outras partes do corpo. Cerca de dez por cento

invasor. • Carcinoma ductal invasor (CDI): este é o cancro da mama mais frequente. Tem origem nos ductos e invade os tecidos vizinhos. Nesta fase pode disseminar-se através dos vasos linfáticos ou do sangue, atingindo outros órgãos. Cerca de 80 por cento

dos cancros da mama invasores são carcinomas lobulares. • Carcinoma inflamatório da mama: este é um cancro agressivo, mas raro. Há ainda outros tipos de cancro da mama mais raros, como o Carcinoma Medular, o Carcinoma Mucinoso, o Carcinoma Tubular e o

O Semanal Português


Existem vários tipos de cirurgia para o cancro da mama, que são indicados de acordo com a fase evolutiva do tumor, a sua localização ou o

pia hormonal actua nas células do corpo todo. •Reabilitação: vem auxiliar os métodos de tratamento para que a paciente tenha melhor

qualidade de vida. É feita através da cirurgia plástica de reconstrução e dos serviços médicos de apoio (fisioterapia, psicologia, etc.).

que conserva a mama. A radioterapia é aplicada após a cirurgia. • Mastectomia simples ou total: é a cirurgia que remove apenas a mama. Às vezes, no entanto, os

O tratamento cirúrgico é para tirar a mama? Não necessariamente. Há diferentes tipos de cirurgia usados no tratamento de cancro da mama: • Tumorectomia: é a cirurgia que remove apenas o tumor. Em seguida, aplica-se a terapia por radiação. Às vezes, os gânglios linfáticos das axilas são retirados como medida preventiva. É aplicada em tumores mínimos. • Quadrantectomia: é a cirurgia que retira o tumor, uma parte do tecido normal que o envolve e o tecido que recobre o peito abaixo do tumor. É, pois, um tratamento

gânglios linfáticos mais próximos também são removidos. É aplicada em casos de tumor difuso. Pode manter-se a pele da mama, que auxiliará muito a reconstrução plástica. • Mastectomia radical modificada: é a cirurgia que retira a mama, os gânglios linfáticos das axilas e o tecido que reveste os músculos peitorais. • Mastectomia radical: é a cirurgia que retira a mama, os músculos do peito, todos os gânglios linfáticos da axila, alguma gordura em excesso e pele. Raramente utilizada.

O Semanal Português

Saúde

Tumor Filóide Maligno, tamanho da mama. • Radioterapia: utilientre outros. za raios de alta energia Como se trata o can- que têm a capacidade de destruir as células cancro da mama? A escolha entre as di- cerosas e impedir que versas opções de tra- elas se multipliquem. tamento depende do Tal como a cirurgia, a estádio da doença, do radioterapia é um tratatipo do tumor e do es- mento local. A radiação tado geral de saúde da pode ser externa ou inpaciente. O especialista terna. • Quimioterapia: é a em patologia mamária é o profissional médico utilização de drogas que mais indicado para ava- agem na destruição das liar e escolher o trata- células malignas. Podem mento mais adequado a ser aplicadas através de injecções intramusculacada caso. Dependendo das ne- res ou endovenosas ou cessidades de cada do- por via oral. • Hormonoterapia: tem ente, o médico poderá optar por um ou pela como finalidade impedir combinação de dois ou que as células malignas continuem a receber a mais tratamentos. • Cirurgia: é o trata- hormona que estimula o mento inicial mais co- seu crescimento. O tratamento pode inmum e o principal tratamento local. O tumor da cluir o uso de drogas, mama será removido, que modificam a forma assim como os gânglios de actuar das hormonas, linfáticos da axila. Estes ou a cirurgia, que remogânglios filtram a linfa ve os ovários - órgãos que flui da mama para responsáveis pela prooutras partes do corpo dução dessas hormonas. e é através deles que o Da mesma maneira que cancro pode alastrar. a quimioterapia, a tera-

19


A cantora cabo-verdiana Cesária Évora já regressou a Cabo Verde, depois de ter estado hospitalizada cerca de um mês em Paris, no PitieSalpetriere, na sequência de um acidente vascular cerebral (AVC), anunciou fonte da sua promotora. “Cesária Évora está bem, e chegou sexta-feira a Cabo Verde”, disse fonte da Tumbao, a promotora que a representa em Portugal. A mesma fonte afirmou “que, para evitar comoções” à cantora quando da chegada a Cabo Verde, não foi feito qualquer anúncio da sua alta hospitalar. “Iria muita gente ao aeroporto contente por a receber, e Cesária ia emocionar-se e podia ser prejudicial à sua recuperação que prossegue em casa”, disse a mesma fonte. Cesária Évora deu entrada no hospital francês a 23 de setembro, um dia depois de ter anunciado que punha fim à carreira por razões médicas. “A cantora decidiu, de acordo com o seu produtor e manager, José da Silva, que iria pôr termo definitivamente à sua carreira”, anunciou na altura a Tumbao que explicou à Lusa que, “apesar da tristeza de Cesária [Évora], que não queria abandonar os palcos”, por conselho médico viu-se forçada a tal. No dia 26 de setembro, José da Silva, em entrevista à Lusa, disse que a cantora ainda estava “fraca mas o perigo maior já passou”. José da Silva declarou também que Cesária Évora está afastada dos palcos, mas “não é de excluir que possa vir a gravar” de novo e a colaborar com outros cantores. Cesária Évora nasceu no Mindelo a 27 de agosto de 1941 e é considerada a “embaixadora da morna”, música tradicional das ilhas cabo-verdianas, tendo já editado 24 discos, entre originais, espetáculos ao

vivo e parcerias com outros artistas como Caetano Veloso ou Marisa Monte. A 10 de maio do ano passado, Cesária Évora foi submetida a uma cirurgia de urgência ao coração,

também em França, onde permaneceu um mês em recuperação. A 16 de junho desse ano, a “diva dos pés descalços”, como é referenciada pela imprensa francesa, regressou à cidade onde nasceu para “descansar” e para que os cabo-verdianos vissem que estava bem, disse na altura à Lusa. Pouco tempo depois, tornaria a cantar com os seus músicos habituais e a preparar um novo disco de originais. Este trabalho não tem data certa para sair, “talvez em 2012”, disse a cantora à Lusa no mês passado.

O Semanal Português

Cultura

Cesária Évora teve alta hospitalar e já regressou a Cabo Verde

21


Literatura

Dicionário Luís de Camões sai na segunda quinzena de novembro

O Dicionário Luís de Camões, o primeiro dedicado à vida e obra do poeta, elaborado por especialistas nacionais e estrangeiros sob coordenação de Vítor Aguiar e Silva, chega às livrarias na segunda quinzena de novembro numa edição da Caminho. A obra, que resulta de uma maratona editorial de

cinco anos, envolveu 69 colaboradores de várias nacionalidades e reúne cerca de 200 artigos sobre aquele que é considerado “o poeta da nacionalidade”, pelo facto de ter escrito a epopeia moderna “Os Lusíadas”. “Para nós portugueses, Camões cria a única mitologia cultural digna desse nome ainda viva e, apesar das aparências, mais viva do que nunca como texto profético da nossa perenidade sempre em instância do naufrágio”, escreveu o pensador Eduardo Lourenço num ensaio sobre o dicionário publicado na revista Ler de outubro. Ao longo de mil páginas, o Dicionário de Luís de Camões, considerado o grande acontecimento edito-

22

rial de 2011, fornece aos leitores informação rigorosa e atualizada sobre a biografia, a obra lírica, épica, dramatúrgica e epistolar de Camões, a respetiva contextualização histórico-literária, os seus problemas filológicos e a influência e a crítica camonianas nos diversos períodos da literatura portuguesa. O primeiro dicionário dedicado ao poeta quinhentista inclui ainda informação sobre a receção da sua obra nas principais literaturas mundiais, da espanhola à brasileira e à norte-americana. Filho de Simão Vaz de Camões e Ana de Sá e Macedo, Luís Vaz de Camões terá nascido em 1524-25 não se sabe exatamente onde e morreu a 10 de junho de 1580, em Lisboa. Do pouco que se conhece da sua vida, esta terá sido atribulada: pensa-se que estou Literatura e Filosofia em Coimbra, combateu em Ceuta, onde perdeu o olho direito, esteve na Índia, depois regressou a Lisboa, passou a frequentar o Paço, mas viveu com dificuldades, de uma pensão régia exígua, e o mérito nunca lhe foi reconhecido em vida. Só após a morte, devido à perda da independência de Portugal – que seria até 1640 governado pelos Filipes, de Espanha – e ao facto de a sua epopeia intensificar tal sentimento, é que se afirmou a sua reputação como grande poeta. Apesar de ter escrito também teatro, dedicou-se sobretudo à poesia lírica, com grande variedade de géneros (sonetos, canções, éclogas, redondilhas, etc.) e é apontado como o grande poeta do maneirismo português, pela filiação na tradição clássica à maneira renascentista, mas sensível ao conhecimento adquirido através da experiência que a época e as viagens lhe proporcionaram. Se, por um lado, a escassez de documentos e registos autobiográficos da sua obra levou à construção de uma imagem lendária de poeta miserável, exilado e infeliz no amor – exaltada pelos românticos -, por outro, ele surge como um homem determinado, humanista, pensador, aventureiro e viajado que se deslumbrou com a descoberta de novos mundos. Dele diz, a esse propósito, Jorge de Sena: “Se pouco sabemos de Camões, biograficamente falando, tudo sabemos da sua persona poética, já que não muitos poetas em qualquer tempo transformaram a sua própria experiência e pensamento numa tal reveladora obra de arte como a poesia de Camões é”.

O Semanal Português


Conhecida por muitos como a marca que lançou os netbooks no mercado, neste comparativo foi a marca que mais quis arriscar a nível tecnológico, embora tenha sofrido com o facto de apresentar o netbook mais caro aqui presente, e talvez o menos original no plano estético. No entanto, para quem está farto do desempenho limitado dos processadores Intel Atom e da baixa resolução dos ecrãs de 10 polegadas, a Asus tem neste EeePC 1215B a solução. Equipado com a nova plataforma AMD Brazos, constituida pela APU (Accelerated Processing Unit) E350 Dual-Core de 1,6GHz e controladora gráfica integrada (na própria APU) AMD Radeon HD 6310M, que garante um bom desempenho a nível de reprodução de conteúdos em alta definição. Naturalmente que

com um ecrã de 12,1” dificilmente conseguirá reproduzir conteúdos em 1080p, pois a resolução máxima é de 1366×768 pixéis, sendo necessário usar a saída HDMI incluída para reproduzir esses conteúdos num televisor FullHD. Curiosamente, devido à dimensão do monitor, este EeePC não cumpre os requisitos da Microsoft para poder usar o Windows 7 Starter, daí que venha equipado com o mais dispendioso (mas mais completo) Windows 7 Home Premium, de 64 bits. A contribuir para o bom desempenho desta máquina, estão disponíveis 4 GB de memória DDR3, um disco rígido de 500 GB SATA e um sistema de som integrado de alta definição. Um pormenor curioso desta plataforma da AMD é o facto de suportar nativamente ligações de alta velocidade, como USB 3.0 (com duas portas disponíveis) e Bluetooth 3.0, suportando ainda uma ligação 802.11n e ethernet Lan. A nível de autonomia, este 1215B poderá não ser o modelo mais impressionante da Asus, mas a bateria de seis células de iões de lítio consegue garantir até 8 horas de funcionamento, valor que fica na média dos restantes modelos aqui comparados. Por fim, falta referir que o teclado tem um tamanho normal (sem o teclado numérico) e formato de teclas isoladas, com um funcionamento muito agradável, ao contrário do touchpad que funcionava de forma irregular

Depois das disquetes, CDs e DVDs as pendrives USB tornaram-se no meio de eleição para o transporte de dados de um computador para outro. Estes pequenos meios de armazenagem de dados usam memória FLASH muito mais resistente a danos que a superfície magnética das disquetes ou zona reflectiva dos discos ópticos. Ainda assim, podem deixar de funcionar sem nenhuma razão aparente. Se isso acontecer dê uma vista de olhos a este guia antes de deitar a pendrive para o lixo. Neste guia parte-se do principio que está a usar o Microsoft Windows XP ou 7. Ligue a pendrive a uma porta USB do seu computador. Em principio será detectada e aparecerá na janela Meu Computador. Clique com o botão direito do rato no ícone da pendrive. No menu que aparece escolha formatar. Ao escolher esta opção vai apagar todo o conteúdo da drive. Após concluido o processo de formatação poderá continuar a usar a pendrive. Pode também tentar este método: 1. Desligue o computador 2. Ligue a pendrive a uma porta USB da sua máquina 3. Ligue o computador 4. Prima a tecla F8 para aceder ao BIOS do seu computador (em certos modelos de computadores pode ter que usar a tecla F2 ou Del para aceder ao BIOS) 5. No BIOS, certifique-se que a máquina está a arrancar a partir da drive óptica. Se não estiver configure o sistema de arranque para que isso aconteça. 6. Insira o CD ou DVD do sistema operativo na drive óptica e reinicie o computador. 7. Siga o processo de instalação do sistema operativo. Quando chegar à parte que respeita à formatação das drives, escolha a que corresponde à sua pen USB e formate-a usando o sistema NTFS 8. Depois de ter formatado a pendrive, interrompa o processo de instalação do sistema operativo, retire o CD ou DVD de instalação e reinicie o computador que deverá arrancar do disco rígido como sempre. Não instale o sistema operativo para a pendrive porque a sua máquina pode deixar de funcionar correctamente. Se este método não funcionar tente usar uma ferramenta de reformação própria para pendrives como a HP USB Disk Storage Format Tool ou pode contactar o fabricante para averiguar se existe algum utilitário para injectar um novo firmware na drive. Pode também tentar desmontar a pendrive para verificar se os fusíveis de protecção estão queimados (são as pequenas peças rectangulares que devem ter cor branca. Se estiverem escuras é porque estão queimados). Se for o caso terá que mandar a pendrive para ser reparada.

O Semanal Português

Tecnologia

Asus EeePC 1215B Recupere uma pen drive USB

23


Viagem

24

Destinos CaraĂ­bas O Semanal PortuguĂŞs


Cuba é um paraíso para os sentidos. Há músi- como de sedutor. Basta, aliás, sair à rua por alguns ca por todo o lado, as cidades são decrépitas mas minutos com olhar atento para desnudar os primeiros belas, os cubanos são amáveis e extrovertidos, as praias de areia branca e água tépida, cheira a café, a guarapo, a rum, a tabaco. Cuba. De Havana a Viñales, de Trinidad a Remédios, passando pelos cayos e ignorando Varadero, Cuba é um destino de viagem imperdível. Até ver.

Viagem

Cuba, um paraíso escondido para férias...

UMA CUBA PARA ALÉM DO ÓBVIO Intrigante e fascinante são algumas das palavras que ocorrem à mente do viajante assim que chega a Cuba e emerge nas ruas de Havana. Mas não é fácil definir Cuba. Porque Cuba não é preto nem branco, não é água nem azeite, antes uma mescla de sensações antagónicas, uma terra de extremos. Porque tem

tanto de caduco como de fotogénico, tanto de incompreensível como de maravilhoso, tanto de miserável

contrastes, levantar um rol interrogações sobre a resistência e determinação humanas, sobre a capacidade de improvisação e desenrasque, sobre o que será afinal essa tal “felicidade” que todos buscam durante as suas vidas. Gente que sorri mesmo quando pouco tem para comer, mas gente que anda de cabeça bem levantada. E essa, juntamente com as praias, a arquitectura e a música é porventura a maior beleza de Cuba: o seu povo. Em Cuba, tudo que o olhar vê são imagens fortes e contraditórias. Em menos de nada, todo o turista repara num Chevrolet dos anos cinquenta com a chapa carcomida pela ferrugem que percorre os buracos rodeados de asfalto numa rua de Havana. De todas as

O Semanal Português

CONTINUAÇÃO NA PÁGINA 26

25


Viagem

Cuba, um paraíso escondido para férias...

portas e janelas ecoam os sons alegres da salsa, o ritmo linda e decadente, Cuba é alegre e deprimente, Cuba mais popular da música cubana, tocados com instru- é um pouco de tudo e o seu contrário. E vale mesmo mentos a pedir reforma. A arquitectura das fachadas a pena conhecer! revela uma cidade outrora imponente e cintilante que REMÉDIOS, UM NOVO DESTINO está praticamente em ruínas. A comida dos cubanos NA ILHA ENCANTADA DAS CARAÍBAS é racionada e vendida em lojas governamentais que Em Portugal, entra-se numa agência de viagens mentêm as prateleiras quase vazias. Os jineteros sussucionando a palavra Cuba e, muito provavelmente, a pergunta virá pronta: Havana ou Varadero? Como se não houvesse mais ilha para além da provocadora mas bela Havana e da paradisíaca mas castradora língua de areia branca com águas transparentes de Varadero. Restarão, porventura, no olhar brilhante dos vendedores de sonhos, as excursões organizadas a partir de

ram “Queres puros cubanos? Cohiba, Monte Cristo? Faço bom preço” ou então “Procuras casa particular, paladar (restaurante particular), lagosta?” tentando ganhar algum dinheiro extra com os turistas. As mulheres caminham com a sensualidade dos trópicos, de sorriso estampado na face mas bolsos vazios. O povo tem pouco, muito pouco, mas continua a gritar, alto e bom som: “Viva Fidel! Viva a Revolução!”. E parece realmente feliz. Para o viajante, certo é que ninguém fica indiferente a uma viagem a Cuba, e essa é uma das razões porque a ilha é um destino tão apaixonante. No regresso, cada um traz a “sua” Cuba na memória, única e pessoal, mas sempre marcante e inesquecível. Cuba é

26

ambos os lugares, nomeadamente desde Havana até ao verdejante vale de Viñales, com as suas plantações de tabaco e as paragens obrigatórias numa fábrica de produção de puros cubanos e no miradouro do hotel Los Jazmines para apreciar as formações rochosas a que chamam mogotes; e uma longa viagem de auO Semanal Português


lorida chega a roçar o deprimente. Mas há mais Cuba para além de Havana e Varadero, Viñales e Trinidad, que possa interessar ao forasteiro? Sim, há. Lugares possíveis de visitar numa curta estadia de oito dias? Sim. Vamos então a isso, com uma sugestão, apenas, no centro do país, para que cada viajante se sinta instigado a partir à descoberta da “sua” própria Cuba. Sejam pois bem-vindos a Remédios. PARRANDAS DE REMÉDIOS, AS MAIS CONCORRIDAS DE CUBA Local praticamente desconhecido das rotas turísticas internacionais, Remédios é uma espécie de Trinidad em ponto pequeno mas com personalidade muito própria. É uma povoação acolhedora, com uma praça

Viagem

tocarro a partir de Varadero até ao centro histórico de Trinidad, a pérola colonial de Cuba classificada Património Mundial pela UNESCO, périplo que inclui uma rápida paragem para fotografar o memorial a Che Guevara, em Santa Clara, e o inevitável show nocturno na escadaria da Casa da Música de Trinidad que, de tão orientado para o turista da pulseirinha co-

central agradável chamada Parque Martí onde gente de todas as idades repousa nos bancos de jardim, e uma catedral lindíssima - a Paróquia de São João Batista de Remédios - que possui no seu interior uma curiosa figura da Imaculada Conceição grávida; para além da Igreja da Nossa Senhora da Boa Viagem, dedicada a todos os que arriscam a vida nos mares. Remédios é a típica cidadezinha de interior, pequena e bem cuidada e cujos habitantes, sempre simpáticos e prestáveis, não regateiam um sorriso aos forasteiros durante as tardes quentes passadas nas arcadas do café El Louvre. Mas não se pense que tão pacato lugar seja uma pasmaceira. Quanto a animação, as Parrandas de Remédios estão no topo da lista de festas populares do país. Na noite de 24 de Dezembro, os dois bairros da povoação - San Salvador e El Colme - disputam uma encarniçada e barulhenta “guerra” na malha urbana, com epicentro na praça central, lugar que divide geograficamente Remédios em duas facções. O objectivo é fazer o mais ensurdecedor barulho que for

possível, com recurso a foguetes. O aspecto visual não tem muita relevância na contenda - o importante são mesmo os decibéis. “Quando são os de San Salvador a lançar os foguetes, correm todos para este lado; quando são os de El Colme corre tudo para San Salvador”, contou, a propósito, entre dois golos de um mojito caseiro, Alberto Molina, simpaticíssimo anfitrião em Remédios e cuja casa fica no “lado” de El Colme. “É uma festa bonita, só é preciso ter cuidado para não se queimar com os foguetes”, avisa, em jeito de alerta a algum turista mais incauto. Para além da pólvora queimada, há também uma

O Semanal Português

CONTINUAÇÃO NA PÁGINA 28

27


Viagem

Cuba, um paraíso escondido para férias... espécie de desfile de carros alegóricos pelo povoado, que o bairro vencedor ganha o direito de encabeçar, contagiando de alegria vencedores e vencidos (a certa altura da festa o resultado da disputa já pouco importa). Em Remédios, essa é uma noite em que ninguém dorme e à qual acorrem visitantes de todas as partes de Cuba, mas o clima de excitação instala-se mal Dezembro toma conta do calendário. Nas semanas que antecedem o evento, os dois bairros iniciam os preparativos para as festividades e, nas ruas, não se fala de outra coisa. Quando lá estive, precisamente

chamam aos fogos os de Remédios. “Fique para a festa”, desafiou o velho Nicolau. “Pelo menos vá ao museu”, insistiu o seu comparsa das manhãs à porta da igreja, senhor Fernando. Combinado. Não podendo assistir às festividades, a sugestão é bem-vinda e o tempo bem empregue numa visita ao pequeno Museu das Parrandas Remedianas (Rua Máximo Gómez, 71) para saber mais sobre as tradições, máscaras e rituais das Parrandas de Remédios. SOL E RUM NO CAYO SANTA MARIA Não muito longe de Remédios fica Caibarién, po-

no mês de Dezembro, havia pequenas altercações no coreto da praça central entre jovens dos dois bairros, que esgrimiam em alta voz argumentos sobre a vitória nas Parrandas deste ano, desafiando verbalmente os oponentes do outro bairro. Foi o que me explicou o senhor Nicolau com a sabedoria dos seus 79 anos e muitas Parrandas no corpo, à porta da Paróquia de São João Batista de Remédios, enquanto tractores traziam pesadas estruturas de ferro onde são instalados os “trabalhos” para as Parrandas - assim

voação portuária desinteressante onde tem início El Pedraplén, a estrada de 45 quilómetros construída mar adentro que permite levar os visitantes às mais populares ilhas do Arquipélago de Sabana-Camaguey (mais conhecidas por Cayerías del Norte), nomeadamente os cayos Las Brujas, Ensenachos e Santa Maria. Caso o viajante não se importe com a pulseirinha colorida com que cada resort “marca” os seus clientes, saiba que em Las Brujas, Ensenachos e Santa Maria existem infra-estruturas hoteleiras de

28

O Semanal Português


pleno Parque Martí, o coração do povoado. De referir que, em alternativa aos hotéis, pode também ficar alojado em casas particulares, uma opção totalmente legal que, embora mais simples em termos de condições, proporciona uma experiência de viagem muito mais autêntica e um estreito contacto com os anfitriões que, regra geral, são pessoas afáveis e muito hospitaleiras. Elas são a nossa “escolha acertada”. Recomenda-se vivamente a casa de Cuca e Alberto Molina (+53 42 395789), um casal com

o hóspede pudesse passar vários dias relaxado mas tendo a sensação de estar sempre ocupado, com actividades junto à piscina como aulas de step, hidroginástica, jogos de voleibol aquático, mesas de bilhar e pingue-pongue à disposição e um show musical nocturno diferente a cada dia. A vida é boa e sem preocupações num resort “Tudo Incluído”. Infelizmente, de Punta Cana a Cancún, de Ocho Rios a Varadero, os resorts das Caraíbas pouco diferem entre si - são uma espécie de mundo fechado e isolado da realidade do país em que se inserem. Cabe ao viajante, porém, a iniciativa de sair do hotel e conhecer os locais envolventes, as comunidades, os povoados, fazer com que a estadia num resort de Cuba possa, de facto, valer a pena. Porque as praias, essas, já se sabe que são absolutamente maravilhosas, com muito sol, areia fina e água tépida. OTÉIS E RESORTS EM CUBA Nas Cayerías del Norte, as opções de alojamento variam do três estrelas Cayo Las Brujas, localizado no homónimo ilhéu, até ao super exclusivo e dispendioso Royal Hideaway Cayo Ensenachos. As opções intermédias situam-se no Cayo Santa Maria, com relevo para os três hotéis da cadeia Sol Meliá - Sol Cayo Santa María, Meliá las Dunas e Meliá Cayo Santa Maria. Todas as opções nas ilhas são resorts que praticam o regime de estadia “Tudo Incluído”. Por fim, em Remédios, as opções são menos abundantes, sendo o Hotel Mascotte um hotel recomendável. Fica num edifício colonial de grande beleza em

estupenda boa disposição que mora bem próximo do centro de Remédios. Se quiser pernoitar em Havana no início ou final da viagem sugerem-se, entre outras, a casa de Pepe & Rafaela (+53 7 862 9877) em Habana Vieja, a Casa Mercedes em Centro Habana e a Casa de Ana, em Vedado. GASTRONOMIA CUBANA No que toca à gastronomia local, saiba que a típica comida crioula, muito popular em Cuba, consiste em carne de porco, frango ou peixe acompanhado por arroz, feijão e vianda, normalmente frita (tubérculos como yuca ou boniato, muito saborosos), para além de salada. Aproveite, sempre que possível, as refeições nas casas particulares e muito provavelmente será surpreendido pela positiva. Antes de se despedir de Cuba, duas recomendações imbatíveis para jantar no centro de Havana. O restaurante Los Nardos, em frente ao Capitólio é absolutamente imperdível, com refeições muito bem confeccionadas, doses fartas e preços justos; não muito longe, o restaurante Hanoi serve pratos saborosos a um preço aceitável. VIDA NOCTURNA EM HAVANA E REMÉDIOS Em Remédios, a única opção é o ARTex Las Leyendas, centro cultural localizado na porta ao lado do café El Louvre, debaixo de umas arcadas no Parque Martí. No Cayo Santa Maria, por seu turno, não há que enganar: cada resort possui a sua pista de dança com animação nocturna.

O Semanal Português

Viagem

qualidade e padrão internacional capazes de satisfazer os clientes mais exigentes. São os resorts de luxo em regime “Tudo Incluído”, porventura impessoais e demasiado estandardizados, mas que nas Cayerías del Norte não sofrem ainda com as enchentes de Varadero, a mais frequentada estância balnear de Cuba - o que, por si só, é uma preciosa vantagem. No resort do cayo Santa Maria onde o viajante mochileiro se transformou em ovelha de rebanho durante um par de dias, tudo estava pensado para que

29


Gastronomia

Biscoitinhos de Baunilha

Ingredientes:

Preparação:

• 170g de farinha de trigo • 100g de manteiga à temperatura ambiente • 60g de açúcar • 1/2 colher (chá) de fermento • 1 pitada de sal • 1 colher (café) de baunilha em pó (não coloquei, substitui por raspa da vagem da baunilha) • 3 gotas de extrato de baunilha (coloquei 6) • Açúcar baunilhado

Pré-aquecer o forno a 160ºC e forrar um tabuleiro com papel vegetal ou com um tapete de silicone. Misturar todos os ingredientes numa tigela - fiz à mão para ser mais simples. Fica uma massa lisa que não se agarra às mãos. Fazer pequenas bolinhas e achatar um pouquinho. Colocar no tabuleiro e levar ao forno até dourarem levemente. Ainda quentes, passá-las por açúcar baunilhado e deixar arrefecer.

30

O Semanal Português


Ingredientes: Para a massa folhada: 250 gr. de farinha; 1,5 dl. de água; 250 gr. de margarina para folhahos; Uma pitada de sal. Para o bife: 400g de lombo; 400g de cogumelos laminados; 100 grs bacon laminado; Pasta de fígado; Mostarda inglesa; 200g de massa folhada pronta; 2 gemas de ovo; 1 dente de alho picado; Sal e pimenta; Azeite Preparação: Comece por preparar a massa folhada. Deite a farinha peneirada e uma pitada de sal para uma tigela. Junte a água, a pouco e pouco, e amasse muito bem até obter uma massa homogénea. Tape e deixe repousar 10 minutos. Sobre a pedra da mesa polvilhada com farinha, estenda a massa com o rolo, de forma a obter um quadrado. No meio coloque a margarina, cortada em bocadinhos. Dobre as pontas da massa sobre a margarina, amachuque com o rolo e estenda num rectângulo com cerca de 6 mm de espessura. Dobre as pontas da massa para o centro e volte a dobrar, obtendo assim 4 camadas. Retire o excesso de farinha com uma trincha. Dobre as pontas da massa para o centro e torne a dobrar, mas agora no sentido perpendicular ao indicado

Gastronomia

Bife Wellington

no passo anterior. Embrulhe a massa em película aderente e deixe descansar no frigorífico durante 30 minutos. Findo este tempo, estenda de novo a massa com a ajuda de farinha e repita as operações descritas no passo anterior e neste mais duas vezes. A massa está pronta a ser utilizada, após ter sido estendida e dobrada 3 vezes. Prepare então a carne. Pré-aqueça o forno a 200ºC. Numa frigideira, coloque um fio de azeite. Logo que comece aquecer, deite o lombo já temperado e deixe cozinhar até que fique corado, mas mal passado - com uma cor rosada por dentro, para manter os sucos da carne. Deixe arrefecer e barre com um preparado feito de pasta de fígado misturado com cogumelos picados, o bacon - previamente salteado - e mostarda inglesa. Aromatize com salsa e tempere com sal e alho. Depois de o lombo barrado, colocar sobre a massa folhada e fechar com a própria massa. Corte excessos. Decorar a gosto, pincelar com gema batida a massa, guardando-a por 5 minutos. Leve ao forno, a 200ºC, por 35/40 minutos. Deixe descansar entre 8 a 10 minutos antes de cortar a carne. Sirva com batata assada e legumes e acompanhe com o molho da própria carne.

O Semanal Português

31


Lendas de Portugal

O Senhor Jesus de Ponta Delgada A origem da construção da igreja do Senhor Jesus da Ponta Delgada tem origem num milagre que aconteceu há muitos, muitos anos, quando esta cidade era apenas ainda uma pequena povoação que pertencia a Vila Franca do Campo, na ilha de S. Miguel, nos Açores. Andava uma mulher a apanhar lapas nas rochas junto ao mar quando viu de repente um crucifixo com uma imagem de Cristo em tamanho natural a boiar nas águas. Como o acesso à imagem não era fácil, decidiu voltar à povoação, onde avisou o padre do que tinha visto. Impressionado, o sacerdote acompanhou a mulher à praia e verificou com os seus próprios olhos a veracidade do sucedido. O padre entrou dentro do mar e retirou a imagem que foi levada em procissão pela popula-

tro da igreja.

ção, que, entretanto se tinha juntado na praia, até à capela de Ponta Delgada. No dia seguinte, perante o espanto geral, o crucifixo foi encontrado enterrado a prumo na areia da praia, perto do local onde tinha sido achado. A população tornou a levá-lo em procissão para a capela, mas apenas horas mais tarde aparecia de novo na praia e, desta vez, o crucifixo estava rodeado de canas como que a delimitar a área de um templo. Respeitando a vontade de Cristo, os habitantes nunca mais retiraram a imagem e iniciaram ali mesmo a construção de uma igreja que se veio a tornar na paróquia de Ponta Delgada. Foi construído um muro para proteger o templo da fúria das águas do mar, mas, diz a lenda, embora as águas ultrapassassem o muro e chegassem ao adro, nunca se atreveram a entrar den-

Lenda da Dama Pé de Cabra D. Diogo Lopes, nobre senhor da Biscaia, caçava nos seus domínios, quando foi surpreendido por uma linda mulher que cantava. Ofereceu-lhe o seu coração, as suas terras e os seus vassalos se com ele se casasse. A dama impôs-lhe como única condição a de ele nunca mais se benzer. Mais tarde, no seu castelo, D. Diogo apercebeu-se que a dama tinha um pé forcado como o de uma cabra. Viveram muitos anos felizes e tiveram dois filhos: Inigo Guerra e Dona Sol. Um dia, depois de uma boa caçada, D. Diogo premiou o seu grande alão com um grande osso, mas a podenga preta de sua mulher matou o cão para se apoderar do pedaço de javali. Surpreendido

32

com tal violência, D. Diogo benzeu-se. A Dama de Pé de Cabra deu um grito e começou a elevar-se no ar, com a sua filha Dona Sol, saindo ambas por uma janela para nunca mais serem vistas. Com o desgosto, D. Diogo decidiu ir guerrear os mouros durante anos, tendo ficado cativo em Toledo. Sem saber como resgatar o pai, D. Inigo resolveu procurar a mãe que se tornara, segundo uns, numa fada, segundo outros, numa alma penada. A Dama de Pé de Cabra decidiu ajudar o filho, dando-lhe um onagro, uma espécie de cavalo selvagem, que o transportou a Toledo. Aí, o onagro abriu a porta da cela com um coice e pai e filho cavalgaram em fuga, mas, no caminho, encontraram um cruzeiro de pedra que

fez o animal estacar. A voz da Dama de Pé de Cabra instruiu o onagro para evitar a cruz. Ao ouvir aquela

liu o animal. Com o susto, pai e filho desmaiaram. D. Diogo, nos poucos anos que ainda viveu, ia todos

voz, depois de tantos anos e sem saber da aliança do filho com a mãe, D. Diogo benzeu-se, o que fez com que o onagro os cuspisse da cela, a terra tremesse e abrisse, deixando ver o fogo do Inferno, que engo-

os dias à missa e todas as semanas se confessava. D. Inigo nunca mais entrou numa igreja e crê-se que tinha um pacto com o Diabo, pois, a partir de então, não havia batalha que não vencesse.

O Semanal Português


A arte muçulmana

Na Península Ibérica, os muçulmanos vão distinguir três grandes áreas geográficas: a Região Central; o Sharqal-Andaluz (províncias orientais) e o Garb-Al-Andaluz (território ocidental). Na província do Garb-Al-Andaluz havia, até ao século XI, vários distritos, sendo de salientar, no território actualmente português, os de Beja, Évora e Mértola. O novo território, denominado Al-Andaluz, integrou-se no Islão como emirato dependente do califado de Damasco, estabelecendose a sua capital em Córdova. Com a chegada à Península, em 756, de Abderramão, único sobrevivente da dinastia dos Omeias, massacrada pelos abássidas, inicia-se a independência de Córdova, convertida em emirato independente em relação a Damasco. A sua subida ao poder, como Abderramão I, marcou o início de um período de muitas conturbações na Hispânia muçulmana, mas também de muito desenvolvimento, devido à sua grande riqueza, conseguida graças ao contacto contínuo com as rotas comerciais do Oriente. Estas grandes conturbações só vieram a terminar passado um século, com a unificação operada por Abderramão III, que levou à criação de um califado independente. Durante o reinado de Abderramão III a capital do califado (Córdova) consolidou-se como a mais florescente de todas as cidades do Ocidente. Notáveis inovações no campo de medicina, da alquimia, das matemáticas, das artes aconteceram na capital muçulmana. As suas bibliotecas converteram-se em grandes centros culturais, aos quais acudiam os intelectuais cristãos para conhecer os autores clássicos e muçulmanos. Contudo, pouco tempo depois de as vitórias de Almançor (fins do século X) terem levantado bem alto o poder do califado, este deixou de existir como estado, por consenso dos nobres, para se fragmentar numa multitude de pequenos estados politicamente independentes entre si, conhecidos como reinos de taifas. No Garb, mantiveram-se os poderes existentes antes de surgir o califado. Clãs fixados no território desde o século VIII e aceites por Córdova em altos cargos vão aproveitar a conturbação para se imporem. As taifas do Garb entram em declínio irreversível em meados do século XI e podem considerar-se, pela fragmentação de poderes que representam, o início da longa decadência do Islão no ocidente peninsular.

A arte muçulmana expandiu-se por todo o império e recebeu influências de cada território ocupado, embora tenha características comuns que a definem com clareza. É uma arte de forte feição decorativa. Os materiais utilizados na construção eram habitualmente pobres, como o tijolo, mas os artífices muçulmanos recobriam-nos com placas de gesso ou com azulejos decorados com formas vegetais ou geométricas. Um dos traços arquitectónicos mais marcantes é o arco em ferradura, com grande variedade de formas, e as mesquitas e os palácios são as construções mais significativas. A escultura e a pintura com figuras humanas ou animais são quase inexistentes, já que a sua representação estava, em parte, proibida por motivos religiosos.

A arte rupestre

Convencionou-se chamar «arte rupestre» a todas as formas gráficas, peritadas ou gravadas, feitas sobre rocha (rupes significa, em latim, pedra). Os temas presentes nas gravuras e pinturas são pouco variados e parecem ser, até, alvo de cuidadosa selecção. A representação de animais, isolados ou em grupo, é uma constante. A figura humana parece ser a do feiticeiro, do herói ou de uma divindade. A maior parte dos exemplares conhecidos são, no entanto, constituídos por sinais ou símbolos, imagens geométricas. Até há pouco tempo, eram célebres em Portugal, entre as muitas localidades de arte rupestre identificadas e publicitadas, apenas duas - a gruta do Escoural (distrito de Évora) e o Mazouco (concelho de Freixo-de-Espada-à-Cinta, em Trás-os-Montes). Recentemente, com a descoberta do complexo de arte rupestre paleolítica do vale do Côa, conclui-se que Portugal possui uma das maiores estações de ar livre de gravuras paleolíticas. A maioria das mais de trezentas localidades de arte rupestre conhecidas em Portugal estão localizadas a norte do Tejo. A grande maioria das figurações remete para uma economia de caça, onde se incluem simbologias ligadas, não só ao acto venatório, mas também à fertilidade e fecundidade da terra.

O Semanal Português

Historia de Portugal

A administração do território

33


Comunidade

39º Festival do Outono Noites prometedoras no Solmar Sylvio Martins Nas últimas semanas Portugal é “rei da televisão”. A emissão televisiva está mesmo a ba-

ter certo em Portugal. Mostrando a língua, a cultura e a gastronomia através do programa “Occupation Double”. Vi mesmo na internet cursos sobre Portugal e como viver à portuguesa no Facebook, na TVA e etc. Nada acontece por

34

azar. Sábado tive um encontro bastante agradável com o senhor David Dias, falando do que está a acontecer e do empenho que ele fez através dos anos para dar a conhecer

restaurante Solmar. Anos depois, nos útlimos tempos, dois restaurantes portugueses aumentaram a sua quali-

o restaurante Solmar está aqui para as pessoas que gostam de se sentir em Portugal. Nesta altura chegamos

dade. Podemos nomear o restaurante Café Ferreira com a sua cozinha “nouveau-genre” e o Portus Calle que de uma maneira mais suave, entrou na fi na cozinha portuguesa. Apesar destes dois, o único que guarda a tradição mais à portuguesa continua a ser o restaurante Solmar. Às vezes estes dois restaurantes, podem surpreender os portugueses apesar de serem bastante apreciados através da nossa comunidade mas, no fi nal,

ao Festival do Outono no Solmar Durante uma linda noite de Outubro, e pela primeira vez, fui sábado ao restaurante Solmar, onde há sempre fado. Fui lá para apreciar Fado e o grande artista Fernando d’ Almeida. Eu, já o encontrei o ano passado e surpreendeume, pelo estilo e a as suas canções. Fernando d’Almeida é o artista convidado, tal como a grande Fadista da nossa comunidade Marta Raposo, o famoso José João

a cultura e a gastronomia portuguesa em Montreal. Através das décadas, se podemos ter uma referência será através do

O Semanal Português


talento, é muito bom para poder realmente encantar o público. Falando com o artista, pudemos ver um pouco do seu mag-

Mouraria’, ‘Gaivota’, ‘Uma Casa Portuguesa’, e vários outros, tal como o fado Joaquim Campos, etc. Fernando d’Almeida te com os seus fados para Namorico da Rita, Maria conhece 5 línguas, EspaMadalena, Canto o Fado nhol, Francês, Inglês, Itatodos os gostos. Já lá vão tempos infi ni- onde toda a sala cantou liano e, claro, Português. Combinado com o seu tos que não a via, 5 anos em harmonia.

nífi co estilo e apreciar a boa música de Charles Aznavour, Becaud, Joe Dassins grandes clássicos da música francesa. Este festival vai ser mais um passo à frente para o restaurante Solmar.

em Portugal, e foi bastante incrível como ela desenvolveu tanto, dando uma energia na sala que foi “wow”. Com as canções “vianinha” na letra do Padre José Maria Cardoso. Ainda cantou A Margem,

O Semanal Português

Comunidade

Os grandes apreciadores, puderam e poderão apreciar alguns Fados bem conhecidos de Amália Rodrigues como ‘Ai

viola clássica e Liberto Medeiros na guitarra portuguesa. Eles tiveram a oportunidade de cantar e encantar toda a sala e, na minha opinião, o público também os encantou. Marta Raposo animou esta noi-

35


Comunidade

Viva Rabo de Peixe Sylvio Martins Após a última festa em Montreal no ano 2009 e no ano 2010 em São Miguel, este ano voltaram a organizar, em Montreal esta lindíssima festa sábado, no 8 de Outubro. É raro dizer mas, tinha muitas sau-

vam expostas em diaporama, fotografias, muito bem estruturado. As boas-vindas foram feitas pelo presidente do Círculo dos Amigos de Rabo de Peixe, Carlos Pereira. Foi oferecida uma placa de reconhecimento pelo incansável contributo, tanto no passado como no presente, ao senhor Francisco Andrade. Pudemos também notar a presença dos presidentes dos Círculos dos Amigos de Rabo de Peixe dos Estados Unidos, Domingos Leite, e de Ontário, Artur Macedo.

dades destes Rabopeixenses Este ano, o incansável Círculo dos Amigos de Rabo de Peixe, levou a efeito a majestosa oitava edição da festa Rabopeixense dirigida pelo mestre de cerimónia. Tivemos o grato prazer de tomar parte neste evento na prestigiosa sala de recepção Château Classique, em Saint-Leonard, no qual

participaram cerca de 800 pessoas. Logo à entrada da sala, esta-

36

O Semanal Português

O entretenimento esteve igualmente à altura, com Jeff Gouveia (J.G. Night Productions) no seu melhor. Actuaram também, Giana Soares e José Nazario vindo dos Estados Unidos que fizeram


realmente um “show” sensacional para todos os gostos que obrigou todos a irem à pista de dança. Tivemos, também a honra de ter connosco Cirilo Pacheco que representava a Irmandade das festas de Caridade vindo directamente

le adeus onde todos disseram ter gostado da comida, que foi excelente, e da animação que os fez bater o pezinho até bastante tarde. Parabéns ao “Círculo dos Amigos de Rabo de Peixe do Quebeque” e aos seus executivos Carlos Pereira, presidente; Francisca Reis, vice-presidente; Claurincio Brum, tesoureiro; Olivia Paiva, secretaria; Alice Macedo, directora.

Comunidade

apreciaram. Foi sem dúvida uma grande festa. No lado de fora, o tempo estava fresco, mas no interior da sala reinava o calor humano. No final, ao despedirem-se uns dos outros, notava-se muita alegria, mas também um pouco de tristeza, naque-

dos Açores, São Miguel, Rabo de Peixe. O cônsul-geral de Portugal em Montreal, o presidente da Casa dos Açores do Quebeque e o presidente do Centro Comunitário de Anjou estavam presentes nesta linda noite “familial”. Também assistimos à actuação da linda marcha do Círculo dos Amigos de Rabo de Peixe do Quebeque que todos

O Semanal Português

37


Comunidade

Fernando Mendes comeu ou não? nando Mendes. É claro Sylvio Martins Sexta-feira, 7 de Outu- que ter este “ícone” das bro tivemos a honra de comédias em Montreal não foi gratuito, tudo tem o seu preço. Mas valeu a pena, pois o espectáculo que assistímos na bela sala do Plateau Hall, 3710 Calixa Lavallée, foi uma noite de riso e alegria. Inovar na tradição é a receita, com os ingredientes necessários para um grande espectáculo:

ter um visitante gordinho. O, já bem conhecido, Fernando Mendes. Mais conhecido pelo seu programa “O Preço Certo”. Mas,… desta vez não foi o programa televisivo que nós conhecemos, mas, uma retrospectiva bastante divertida dos 30 anos de carreira de Fer-

38

representação bem temperada (Cristina Areia e António Vaz Mendes), porções de música portuguesa peneirada(Luís Portugal), pitadas de

espectáculo? Muito contentes pelos temas que lhe tocou mas, por outro lado, fi caram na dúvida. É claro que uma retrospectiva

adoçante (bailarinas), tudo muito bem misturado pelo chefe Fernando Mendes. A pergunta mais importante foi se gostaram do

profissional do Fernando Mendes é bastante ligada a Portugal, e nos últimos 10 anos a nossa comunidade está mais informada sobre os problemas polí-

O Semanal Português


preenderam, isto causou, de uma certa maneira, a incompreensão do conteúdo, mas na geral o es-

ver a família e ir à praia, Os problemas políticos e sociais não nos tocavam, então, como este “show”

pectáculo foi bom. Parabéns aos organizadores e obrigado Fernando Mendes por esta sexta-feira

Comunidade

ticos e sociais em Portugal do que antigamente. Quando íamos à Portugal passar férias era para

se baseava no que se pas- bastante memorável. sa lá, muitos não com-

O Semanal Português

39


Comunidade

40

O

SemanalPortuguĂŞs O Semanal PortuguĂŞs


OSemanal

Português

Comunidade

OSemanal O seu jornal, todos os sábados 41 Português

O Semanal Português


Halloween

A Vinda do Halloween A origem do halloween remonta às tradições dos povos que habitaram a Gália e as ilhas da GrndeBretanha entre os anos 600 AC. e 800 DC., embora com marcadas diferenças em relação às atuais abóboras ou da famosa frase “Gostosuras ou travessuras”, exportada pelos Estados Unidos, que popularizaram a comemoração. Originalmente, o halloween não tinha relação com bruxas. Era um festival do calendário celta da Irlanda, o festival de Samhain, celebrado entre 30 de Outubro e 2 de Novembro e marcava o fim do verão(samhain significa literalmente “fim do verão”). A celebração do Halloween tem duas origens que no transcurso da História foram se misturando: Origem Pagã: A origem pagã tem a ver com a ce-

celta. A “festa dos mortos” era uma das suas datas mais importantes, pois celebrava o que para nós seriam “o céu e a terra” (conceitos que só chegaram com o cristianismo). Para os celtas, o lugar dos mortos era um lugar de felicidade perfeita, onde não haveria fome nem dor. A festa era celebrava com ritos presididos pelos sacerdotes druidas, que actuavam como “médiuns” entre as pessoas e os seus antepassados. Dizia-se também que os espíritos dos mortos voltavam nessa data para visitar seus antigos lares e guiar os seus familiares rumo ao outro mundo. Origem Católica: Desde o século IV a Igreja da Síria consagrava um dia para festejar “Todos os Mártires”. Três séculos mais tarde o Papa Bonifácio IV (†615)

lebração celta chamada Samhain, que tinha como objetivo dar culto aos mortos. A invasão das Ilhas Britânicasp los Romanos (46 AC.) acabou mesclando a cultura latina com a celta, sendo que esta última acabou minguando com o tempo. Em fins do século II, com a evangelização desses territórios, a religião dos Celtas, chamada druidismo, já tinha desaparecido na maioria das comunidades. Pouco sabemos sobre a religião dos druidas, pois não se escreveu nada sobre ela: tudo era transmitido oralmente de geração para geração. Sabe-se que as festividades do Samhain eram celebradas muito possivelmente entre os dias 5 e 7 de novembro (a meio caminho entre o equinócio de verão e o solstício de inverno). Eram precedidas por uma série de festejos que duravam uma semana, e davamo ao ano novo

transformou um templo romano dedicado a todos os deuses (panteão) num templo cristão e o dedicou a “Todos os Santos”, a todos os que nos precederam na fé. A festa em honra de Todos os Santos, inicialmente era celebrada no dia 13 de maio, mas o Papa Gregório III(† 741) mudou a data para 1º de novembro, queera o dia da dedicação da capela de Todos os Santos na Basílica de São Pedro, em Roma. Mais tarde, no ano de 840, o Papa Gregório IV ordenou que a festa de Todos os Santos fosse celebrada universalmente. Como festa grande, esta também ganhou a sua celebração vespertina ou vigília, que prepara a festa no dia anterior (31 de outubro). Na tradução para o inglês, essa vigília era chamada All Hallow’s Eve (Vigília de Todos os Santos), passando depois pelas formas All Hallowed Eve e “All Hallow Een” até chegar à palavra atual “Halloween”.

42

O Semanal Português


Etimologia: Posto que, entre o pôr-do-sol do dia 31de Outubro e 1° de Novembro, ocorria a noite sagrada (hallow evening, em inglês), acredita-se que assim se deu origem ao nome actual da festa: Hallow Evening => Hallowe’en => Halloween. Rapidamente se conclui que o termo “Dia das bruxas” não é utilizado pelos povos de lingua inglesa, sendo essa uma designação apenas dos povos de lingua (oficial) portuguesa. Outra hipotese e que a Igreja Católica tenha tentado eliminar a festa paga do Samhain instituindo restricoes na vespera do Dia de Todos os Santos. Este dia seria conhecido nos países de lingua inglesa como All Hallows of Eve. A relação da comemoração desta data com as bruxas propriamente ditas teria começado na Idade Média no seguimento das perseguições incitadas por líderes políticos e religiosos, sendo conduzidos julgamentos pela Inquisição, com o intuito de condenar os homens

ou mulheres que fossem considerados curandeiros e/ ou pagaos. Todos os que fossem alvo de tal suspeita eram designados por bruxos ou bruxas, com elevado

mortos, mas com um caracter completamente distincto do que tinha ao princípio. Além disso foi sendo pouco a pouco incorporada toda uma série de elementos estranhos tanto a festa de Finados como a de Todos os Santos. A celebração do 31 de Outubro, muito possívelmente em virtude da sua origem como festa dos druidas, vem sendo ultimamente promovida por diversos grupos neopagãos, e em alguns casos assume o carater de celebração ocultista. Hollywood fornece vários filmes, entre os quais se destaca a série Halloween, na qual a violência plástica e os assassinatos acabam por criar no espectador um estado de angústia e ansiedade. Muitos desses filmes, apesar das restrições de exibição, acabam sendo vistos por crianças, gerando nelas o medo e uma idéia errônea da realidade. Porém, não existe ligação dessa festa com o mal.

O Semanal Português

Halloween

sentido negativo e pejorativo, devendo ser julgados pelo tribunal do Santo Ofício e, na maioria das vezes, queimados na fogueira nos designados autos-de-fé. Essa designação se perpetuou e a comemoração do halloween, levada até aos Estados-Unidos pelos emigrantes irlandeses (povo de etnia e cultura celta) no século XIX, ficou assim conhecida como “dia das bruxas”, uma lenda historica. Actualmente: Se analisarmos o modo como o Halloween e celebrado hoje, veremos que pouco tem a ver com as suas origens: so ficou uma alusão aos

43


Desporto

Taça da Liga: Belenenses vence Gil Vicente com penálti tardio Uma grande penalidade convertida por Victor Lemos, a um minuto do fim, permitiu ao Belenenses vencer o Gil Vicente por 2-1, em encontro da primeira “mão” da segunda fase da Taça da Liga de futebol.

Rodrigo António (6 minutos) marcou o outro tento dos “azuis”, enquanto o brasileiro Guilherme (40) apontou, também num castigo máximo, o golo dos “galos”, numa eliminatória que terá sequência a 12 de Novembro, em Barcelos. Os gilistas tentavam recuperar da hecatombe de Alvalade, onde na segunda-feira foram goleados pelo Sporting (6-1), mas encontraram pela frente um Belenenses muito convicto das suas ideias e que lutou quase sempre pela conquista do triunfo. A prova da ambição belenense apareceu logo aos seis minutos, quando Rodrigo António surgiu na “cara” de Jorge Baptista e deu vantagem aos “azuis”, que continuaram a dominar o jogo, perante a postura mais expectante do Gil Vicente. Apesar da maior qualidade de jogo do Belenenses, a formação de Barcelos acabaria por chegar ao empate, 10 minutos depois: Pedro Ribeiro derrubou Guilherme dentro da área e o próprio médio brasileiro converteu o castigo máximo. O conjunto do Restelo não sentiu o golo e manteve-se na busca da vantagem, só que, até ao intervalo, apenas se registou mais um lance de perigo, precisamente para os da casa, num lance em que Rodrigo António foi demasiado egoísta e permitiu a defesa de Jorge Baptista. Após o descanso, seria o Belenenses a dar o primeiro sinal de perigo, novamente por Ro-

44

drigo António, e apenas aos 70 minutos se viu uma réplica gilista, com Roberto a atirar cruzado para a defesa de Coelho. Dez minutos depois, os mesmos intervenientes no lance e novamente Coelho a negar um golo quase certo a Roberto, sendo que, na sequência, seria Rui Varela a falhar de forma escandalosa o tento dos “azuis”. Quando tudo indicava que a igualdade se manteria até final, o árbitro Duarte Gomes assinalou nova grande penalidade (duvidosa), desta vez na área dos gilistas, e Victor Lemos não desperdiçou a oportunidade. Jogo no Estádio do Restelo, em Lisboa. Belenenses - Gil Vicente, 2-1. Ao intervalo: 1-1. Marcadores: 1-0, Rodrigo António, 06 minutos. 1-1, Guilherme, 16 (grande penalidade). 2-1, Victor Lemos, 89 (grande penalidade). V. Setúbal impõe-se (1-2) na Figueira Jogo muito fraco, marcado pelas más condições do relvado e vento forte, que limitaram os jogadores. Dentro de 15 dias há mais, no Bonfim. Golos: Bruno Amaro (34), Jorge Gonçalves (67) e Simplício (85). Resultados da primeira mão da segunda fase da

Taça da Liga de futebol: União da Madeira (LH) – Marítimo (L), 2-3 Penafiel (LH) – Académica (L), 1-1 Santa Clara (LH) – União de Leiria (L), 3-1 Naval 1.º Maio (L) – Vitória de Setúbal (LH), 1-2 Portimonense (LH) – Feirense (L), 1-0 Moreirense (LH) - Beira-Mar (L), 2-2 Estoril-Praia (LH) – Olhanense (L), 4-3 Belenenses (LH) - Gil Vicente (L), 2-1 Nota: A segunda fase da Taça da Liga é disputada entre as equipas apuradas da primeira fase e as seis equipas classificadas entre os nono e 14º lugares da Liga 2010/2011. Segunda mão dos encontros é disputada entre 9 e 13 de Novembro de 2011.

O Semanal Português


FC Porto e Benfica prosseguem o braço de ferro no topo da Liga de futebol, recebendo adversários acessíveis nos jogos da nona jornada da prova, enquanto o revigorado Sporting espera por um improvável deslize dos rivais para se aproximar. O campeão nacional e o “vice” da época passada defrontam em casa o Paços de Ferreira e o Olhanense, respectivamente, com expectativas de se isolarem no comando graças a uma escorregadela alheia, mas os estados de espírito das duas equipas são bem diferentes. O FC Porto passou a jogar sobre brasas desde o empate sem golos concedido no terreno do Feirense, à passagem da quinta jornada, e a contestação ao treinador Vítor Pereira, substituto de última hora de André Villas-Boas, tem aumentado a cada resultado negativo. Os portuenses vão abrir a ronda na sextafeira frente ao Paços de Ferreira, que ocupa a 11.ª posição, dois pontos acima da zona de despromoção, e ainda não conquistou qualquer triunfo fora de portas (três derrotas e um empate). A goleada por 5-0 imposta ao Nacional na jornada anterior aliviou a pressão e Vítor Pereira contará com a equipa na máxima força (Iturbe e Emídio Rafael são os únicos lesionados), mas o técnico poderá poupar alguns jogadores para o encontro de terçafeira com o Apoel, da Liga dos Campeões, na qual o FC Porto tem acumulado resultados comprometedores, incluindo o empate com os cipriotas. O Benfica também estará condicionado pelo embate da quartafeira seguinte com os suíços do Basileia, que pode valer aos “encarnados” a qualificação antecipada para os oitavos de final, mas está motivado pela série de cinco vitórias seguidas, contando todas as provas, e jogará um dia depois, no sábado, já conhecedor do resultado dos portuenses. Por outro lado, o defesa Maxi Pereira

continua a recuperar de uma lesão e a equipa lisboeta vai encontrar no Olhanense uma das surpresas da competição, instalado na sexta posição, graças a duas vitórias consecutivas por 1-0, a última das quais deixou o histórico Vitória de Guimarães com a “lanterna vermelha”. A série de sucessos do Sporting é ainda mais impressionante, com um total de nove triunfos, o último com direito ao resultado mais volumoso da Liga, ao “despachar” o Gil Vicente por 6-1, mas o início de época titubeante ainda mantém os “leões” a três pontos de FC Porto e Benfica, no terceiro lugar. O Feirense parece ser o adversário ideal para os lisboetas se manterem no domingo na rota dos êxitos, pois são uma das duas equipas que ainda não venceram perante o seu público, tal como acontece com Beira-Mar, mas ao contrário dos aveirenses também ainda não perderam, somando quatro empates caseiros. Em igualdade pontual com o Sporting e o Marítimo, o Sporting de Braga enfrenta no sábado uma deslocação complicada, a Coimbra, onde a Académica, sétima classificada, conquistou três vitórias (duas das quais por robusto 4-0) e cedeu apenas uma derrota, perante o FC Porto. O Marítimo é a última equipa daquele trio a entrar em ação, na segunda-feira, na partida de encerramento da jornada, ao deslocar-se ao reduto do Gil Vicente, que ainda não perdeu em casa e procura apagar a má imagem deixada pela pesada derrota sofrida em Alvalade. O Guimarães e Rio Ave encontram-se no estádio D. Afonso Henriques, num confronto entre os dois últimos posicionados, enquanto Nacional e Beira-Mar, em igualdade pontual, mas separados por três lugares, medem forças na Madeira e a “aflita” União de Leiria, antepenúltima colocada, procura contrariar a campanha positiva do Vitória de Setúbal.

O Semanal Português

Desporto

FC Porto e Benfica mantêm braço de ferro com revigorado Sporting à espreita

45


Revista Semanal  

Revista Semanal

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you