Page 1

revista

www.revistarodasp.com

Autonomia da pessoa com deficiência – Ano 1/no 1

Cultura para todos

Atrações acessíveis e imperdíveis na capital paulista

Tecnologia nacional se

Ro Equipamento UP mia no aumenta a auto de cadeirantes

A bela que é fera

Marinalva de Almeida mostra por que é admirada no esporte e na moda

Por uma São Paulo mais INCLUSIVA

Cid Torquato, futuro secretário da pasta da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida: "Acessibilidade universal não diz respeito apenas a esse segmento da população"

Transporte e infraestrutura para maior mobilidade urbana estão entre os desafios da nova gestão

CAPA.indd 1

30/11/2016 20:58:38


#sumรกrio

#su

6 sumario.indd 6

30/11/2016 18:55:58


#sumรกrio

7 sumario.indd 7

30/11/2016 18:55:59


#sumário

#su

14

Persona 8

Marinalva de Almeida conta sua trajetória como atleta paralímpica e modelo

Cultura

Os equipamentos públicos mais acessíveis de São Paulo

20 Políticas Públicas

Cid Torquato e a nova gestão das políticas públicas paulistanas para a população com deficiência

Tecnologia e Saúde

30 Novas da Cidade Eventos e novidades para a PcD na região metropolitana

EXPEDIENTE: Jussara Goyano: Publisher e Diretora Executiva. Monique Elias: Projeto e Diagramação. Lucas Vasques: Edição e reportagem. Neuza Silvera: Revisão Contatos com a redação: 11 - 3042 59 00. Conteúdo e pautas: contato@revistarodasp.com. Publicidade e parcerias: comercial@revistarodasp.com A revista #rodaSP não se responsabiliza pelo conteúdo de anúncios e artigos e assinados, sendo este, respectivamente, de responsabilidade de seus anunciantes e autores.

sumario.indd 4

26

Brasileiro e de baixo custo, aparelho auxilia na mobilidade e coloca o cadeirante na vertical com mais facilidade

Realização:

PONTO A comunicação • conteúdo • desenvolvimento humano • www.ponto-a.com • comunicacao@ponto-a.com • @PontoA_falecom ● Fone/fax: (11) 3042-5900 Rua Chicago, 100, C. 401 Granja Viana – Cotia, SP CEP 06710-590

30/11/2016 18:56:30


#sumário

CONFORTO E TECNOLOGIA QUE SE ADAPTAM A VOCÊ. E NÃO O CONTRÁRIO. NOVO CHEVROLET COBALT ELITE. COM ISENÇÃO DE IPI E ICMS.

TECNOLOGIA ONSTAR “EXCLUSIVE” Um ano gratuito com serviços de segurança, emergência, concierge, navegação e app/website.

COBALT ELITE

R$ 47.077 A PARTIR DE

SISTEMA DE SOM CHEVROLET MYLINK Tela LCD de 7” sensível ao toque com rádio AM/FM, USB e Aux-In, Bluetooth e aplicativos para smartphone.

TRANSMISSÃO AUTOMÁTICA DE 6 VELOCIDADES Com Active Select (sistema onde você escolhe entre trocas automáticas ou trocas manuais).

CONSULTE CONDIÇÕES EXCLUSIVAS NA REDE CHEVROLET.

Faça revisões em seu veículo regularmente. Cobalt Elite (conf. 5E692H), pacote R7V, ano/modelo 2016/2017, pintura Branco Summit ou Azul Blue Eyes, com preço público à vista a partir de R$ 68.990,00, com desconto de R$ 21.912,80 (isenção de IPI e ICMS concedida pelo Governo e desconto de montadora), com valor final de R$ 47.077,20. O valor acima anunciado foi calculado para venda direta a pessoas com deficiência com isenção de IPI e ICMS, com base na tabela de preço público vigente nesta data, que está sujeita a alterações a qualquer momento, sem aviso prévio. O faturamento só será realizado diretamente no CPF do PcD, mediante apresentação da documentação completa e regular exigida pela legislação vigente (autorização de isenção de IPI e ICMS) e pela montadora (laudo médico, documentos pessoais e comprovante de endereço). Por se tratar de venda direta, o proprietário deverá respeitar as regras de permanência mínima com o veículo, não podendo ser transferido a terceiro pelo prazo informado pela legislação vigente. Faturamento sujeito a disponibilidade em estoque. Os serviços OnStar dependem da disponibilidade da rede celular compatível com a rede OnStar e da disponibilidade do sinal de GPS. Os serviços de emergência funcionam como uma maneira de auxiliar na conexão entre o cliente e os Serviços Públicos de Emergência e dependem das regras, cobertura e disponibilidade deles. Visite www.chevrolet.com.br/onstar para verificar a área de cobertura dos serviços OnStar e do atendimento de emergência, bem como demais limitações dos serviços OnStar. Esta promoção é válida para as vendas com faturamento até 30/11/2016. Os veículos Chevrolet estão em conformidade com o Proconve - Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores. www.chevrolet.com.br - SAC: 0800 702 4200

7

sumario.indd 7 45905-005 Anúncio Vendas Diretas 20,5x27,5.indd 1

30/11/2016 18:58:21 11/17/16 5:10 PM


#editorial

Alvíssaras

E

stá on-line mais um canal de informações às pessoas com deficiência (PcD) e mobilidade reduzida. #rodaSP existe agora para colocar o setor em contato com iniciativas que atendam às suas demandas, com suas reivindicações, evidenciando personagens deste segmento. #rodaSP é gratuita, acessível e inclusiva, com vários canais digitais para que o leitor acesse seus conteúdos como lhe convier. Tratará de tecnologias assistivas e saúde, cultura, políticas públicas, mercado de trabalho, educação e acessibilidade, de maneira geral, ao longo de suas edições bimestrais. É um veículo aberto a sugestões e ao diálogo aberto com a PcD, seus cuidadores, educadores, familiares e prestadores de serviços para esse público, entre outros indivíduos que fazem parte desse cenário. Comunique-se conosco, a partir desta primeira edição, para que possamos, juntos, entrar em uma nova era da mídia voltada a esse público. Por hora, clique em nossos links e páginas e descubra o que está por vir na cidade de São Paulo, com a nova gestão que assumirá a prefeitura em 2017. Desvende o funcionamento do Up Rose, um aparelho que carrega, em si, inovação e uma história de empreendedorismo e amor de uma filha por sua mãe com mobilidade reduzida. Não deixe de revisitar ou conhecer os equipamentos culturais que oferecem total acessibilidade. Saiba quem são Cid Torquato, que assume agora como secretário municipal da pasta da Pessoa com Deficiência e mobilidade reduzida em São Paulo, e Marinalva Almeida, atleta e modelo de destaque. #rodaSP está aí e é sua. Acesse, comente, espalhe. Vamos adorar fazer parte do seu dia a dia e colaborar para que ele seja sempre melhor, por meio da divulgação de conteúdo de qualidade, que minimiza o preconceito, quebra barreiras e auxilia a disseminar iniciativas capazes de melhorar a qualidade de vida da PcD e seus convivas. Um abraço de toda a equipe!

www.revistarodasp.com www.facebook.com/RevistaRodaSP Twitter: @Revista_RodaSP

6 editorial.indd 6

30/11/2016 18:56:57


#sumário

Acessibilidade

Inclusão

Independência Cadeiras de rodas manuais, motorizadas, para banho e higiene, infantis, carrinhos posturais, carrinhos scooter para idosos.

Qualidade de vida

Rua General Lecor, 548, Ipiranga, São Paulo – SP (11) 2060

0805 | 2215 3960

vendas@casaortopedica.com.br

WWW.CASAORTOPEDICA.COM.BR

O portal líder em vendas de cadeiras de rodas em todo Brasil! sumario.indd 7

7 30/11/2016 18:59:36


#persona #persona

Brilho no esporte e nas passarelas

Mari de Almeida, alÊm de abraçar a carreira de modelo e ministrar palestras motivacionais, se destaca no esporte, disputando, inclusive, os Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro, na modalidade vela 8 persona.indd 8

Por Lucas Vasques

30/11/2016 21:03:15


D

Essa foi minha primeira participação em uma Paralimpíada e a experiência foi maravilhosa, principalmente porque a competição foi realizada no Brasil e pude contar com a intensa vibração da nossa torcida

imagens: divulgação

esdobrar-se entre as atividades de modelo, paratleta e palestrante não parece um grande desafio para Marinalva de Almeida, tal a sua desenvoltura em transitar por essas carreiras, aparentemente tão distintas. Mari acaba de concretizar um de seus maiores sonhos: participou dos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro, competindo na modalidade vela. “Essa foi minha primeira participação em uma Paralimpíada e a experiência foi maravilhosa, principalmente porque a competição foi realizada no Brasil e pude contar com a intensa vibração da nossa torcida”, resume. Mari ficou em oitavo lugar, a melhor colocação da vela paralímpica, desde que o Brasil passou a participar da modalidade. “Eu tinha a meta de ficar na sétima posição. Para mim, seria como conquistar uma medalha de ouro. Mas os concorrentes eram fortíssimos, já velejam há muito tempo e alguns vêm de famílias tradicionais na vela. Então, um oitavo lugar não foi tão ruim. Além disso, faz pouco tempo que passei a me dedicar aos treinos, em comparação com toda a experiência dos outros participantes”, ressalta. Inquieta, ela revela novos projetos para o futuro. “Estou me recolocando no esporte, iniciando agora os treinamentos em uma nova modalidade: a paracanoagem. Além disso, estou avaliando outros esportes para as próximas Paralimpíadas”. Em sua trajetória, Mari teve de enfrentar um grande desafio. Quando tinha apenas 15 anos, um grave acidente de moto fez com que ela perdesse a perna esquerda. “Eu morava em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Estava com minha irmã perto de casa e meu cunhado estava conosco. Ele tinha uma moto pequena e fiquei insistindo muito até que minha irmã também pediu para ele me emprestar. Eu disse que iria dar apenas uma volta na quadra,

9 persona.indd 9

30/11/2016 21:03:17


#persona

mas quando estava em cima da moto e senti aquela sensação de liberdade fui longe, quando aconteceu o acidente. Cinco dias depois, foi necessária a amputação, pois caso contrário eu poderia morrer, já que estava com uma evolução muito rápida de trombose. Sofri várias fraturas expostas”, relembra.  Como todas as pessoas, destaca, ela também se deparou com muitos momentos difíceis. Pensou, inclusive, em desistir. No entanto, demonstrou força interior, se recompôs e foi à luta. “Realmente, acredito que devemos ponderar o que verdadeiramente é importante em nossas vidas e não devemos desviar dos objetivos. Só assim alcançaremos nossos sonhos. No decorrer da minha vida, muitas pessoas foram importantes para o meu crescimento. Minha mãe é o maior exemplo de vida que tenho e é a pessoa que mais me deu força. Ela sempre fez muito com o pouco que tinha”.

Aos 39 anos, Mari é paranaense de Santa Isabel do Ivaí. Caçula de cinco irmãos, seus pais se separaram quando ela tinha quatro anos. “Minha mãe é uma mulher muito guerreira, não era alfabetizada, e trabalhamos na roça durante muitos anos para podermos ter o que comer e como morar com o mínimo de dignidade. Todos os

imagens: divulgação

Infância

10 persona.indd 10

30/11/2016 21:03:17


No decorrer da minha vida, muitas pessoas foram importantes para o meu crescimento. Minha mãe é o maior exemplo de vida que tenho e é a pessoa que mais me deu força. Ela sempre fez muito com o pouco que tinha meus irmãos trabalhavam para ajudar no sustento da família, inclusive eu, e para ser sincera, tudo era muito divertido. Trabalhar na roça nunca foi um problema. Na verdade, eu vivia competindo com meus irmãos e irmãs, para conseguir colher mais do que eles”. O esporte entrou na vida dela logo depois do acidente. “Fui levada a uma instituição chamada CEMDEF, em Campo

Grande. Foi então que tive meu primeiro contato com pessoas com deficiência e com o paradesporto. Lembro-me que, na época, fiz várias modalidades: arremesso de dardo, peso e disco. Após a perda da minha perna aprendi a nadar e até competi na natação. Também fiz halterofilismo, mas logo minha vida se voltou completamente para a família. Casei, tive filhos e o esporte não estava mais em meus planos”. Em 2014, já em Salto, interior de São Paulo, estava no Senai e conheci meu treinador Edmar Wilson (CriaBrasil). “Ele me dizia que eu era muito rápida e que poderia correr de muletas. Estranhei, mas depois de quatro meses de insistência decidi tentar. Minha primeira brincadeira foi a volta de Itu 10 km. Desde então, não parei mais. Cheguei a sair do meu emprego para investir no esporte. Hoje, tenho um contrato com o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) e meus treinos eram realizados em Niterói, Rio de Janeiro, com a orientação da Confederação Brasileira de Vela Adaptada (CBVA). O esporte foi fundamental para uma grande virada em minha vida. Não fosse ele, não teria o reconhecimento que tenho. O esporte, além de me ajudar fisicamente, fortaleceu o meu aspecto psicológico: Por conta das competições, precisava sempre estar melhor e me superar”.

Modelando

Paralelamente à carreira no esporte, Mari se destaca como modelo. “Tudo começou com uma grande amiga, que é fisioterapeuta. A Dariene Rodrigues criou

11 persona.indd 11

30/11/2016 21:03:18


várias peças de roupas, que facilitam a vida da pessoa com deficiência. Estou com ela desde a criação do projeto e hoje sou a modelo principal da loja virtual de moda inclusiva chamada Lado B. Já recebi propostas para desfilar no exterior, mas, por conta das Paralimpíadas, não foi possível conciliar os treinos e desfiles. Então, optei pela performance no esporte. Realizei um grande sonho ao participar da Paralimpíadas. Mas não desisti de desfilar no exterior”. Mari se orgulha de mostrar que a mulher pode ser sexy, sem tabus ou preconceitos. “A sensualidade vai muito além da roupa. Ser sensual significa se sentir confortável e confiante consigo mesma e segura de si mesma. Não existe nada mais atraente e sensual do que uma mulher autoconfiante e realizada. As pessoas devem procurar fazer coisas que as realizem. Essa é a chave para estar satisfeita consigo mesma”, recomenda. A dedicação à preparação para as Paralimpíadas também impediu que ela aceitasse uma proposta para protagonizar uma campanha de uma marca de lingerie. “O trabalho seria justamente durante os Jogos. E como havia questões ligadas a direito de imagem e outras questões, não pude participar. Mas isso não foi completamente descartado. Podemos rever e de repente uma nova campanha poderá ser criada”. A paratleta e modelo também ministra palestras motivacionais. “Acredito que isso pode ajudar as pessoas a usarem melhor o que têm. Mas também sei o quanto foi importante quando eu me tornei uma pessoa com deficiência. Encontrei pessoas que se destacavam e me mostraram que podemos ser felizes, independentemente de não termos tudo o que gostaríamos. Na verdade, seremos felizes se amarmos o que temos”. Hoje, Mari está namorando e não abre mão do tempo para curtir seus três filhos: Robert Almeida, de 20

imagens: divulgação

#persona

12 persona.indd 12

30/11/2016 21:03:18


A sensualidade vai muito além da roupa. Ser sensual significa se sentir confortável e confiante consigo mesma e segura de si mesma. Não existe nada mais atraente e sensual do que uma mulher autoconfiante e realizada

anos, Pedro Henrique, de 16, e Bento Constant, de oito.

Rotina

Em meio a tantas atividades, relacionadas a treinos, sessões de fotos, palestras, eventos, feiras, desfiles de moda inclusiva e convencional, a rotina não é nada fácil. “Voltei a morar em São Paulo e minha casa, muitas vezes, está de pernas para o ar. Eu não tenho tempo para organizar tudo como gostaria e quando tenho tempo, preciso descansar. Então, meus filhos têm de me ajudar, e me ajudam. Eles entendem tudo o que faço e me apoiam. Isso é fundamental para que eu possa fazer tudo o que faço. Eles me deixam livres para me sentir uma pessoa realizada e se realizam com os meus feitos. O principal é a família. Tudo o que faço é por eles”, conta. Mari detecta que a questão da acessibilidade está avançando. “Tudo isso se dá porque a pessoa com deficiência está se expondo mais. O fato de estarmos nas ruas faz com que as pessoas e os governantes percebam as necessidades que existem, e isso os direciona para as melhorias. Cada pessoa se apresenta como deseja. Caso a pessoa com deficiência se apresente como coitadinha, será tratada como tal. No entanto, se você se mostra como alguém que merece ser respeitado, pode ter certeza que será respeitado. Isso é uma regra, tenha deficiência ou não. Em relação aos planos e projetos, ela afirma ter vários. “Quero me graduar, aprender a tocar violão, inglês, entre outras coisas. No próximo ano tenho a intenção de treinar com a prótese para correr a São Silvestre. E, além disso, meu grande sonho se passa por conquistar uma medalha nas próximas Paralimpíadas”, completa.

13 persona.indd 13

30/11/2016 21:03:18


#cultura

Há opções para todos os gostos, como a Galeria Tátil de Esculturas Brasileiras, mantida pela Pinacoteca de São Paulo, ou a exposição Despertar a criatividade Jogos Paralímpicos, realizada no Museu da Inclusão Por Lucas Vasques

São Paulo

pulsa em ofertas

culturais 14 cultura.indd 14

30/11/2016 21:04:27


imagens: wikipedia/divulgação

A

cultura.indd 15

cena cultural de São Paulo é uma das mais atraentes do Brasil. Isso não é segredo para ninguém. O que nem todos sabem é que as opções da para o público com deficiência também são inúmeras e variadas, ou seja, há atrações para todos os gostos. Um dos exemplos marcantes é a exposição permanente na Galeria Tátil de Esculturas Brasileiras, mantida pela Pinacoteca de São Paulo, que deverá ficar à disposição do público até 2020. Quem explica os detalhes é Margarete de Oliveira, assistente de coordenação do PEPE (Programa Educativo para Públicos Especiais), do Núcleo de Ação Educativa da Pinacoteca: “A Galeria Tátil está localizada no segundo andar do museu, e foi especialmente elaborada e aberta em 2009 para garantir a visitação autônoma de pessoas com deficiência visual, com ou sem comprometimento de mobilidade. A seleção das esculturas foi realizada considerando a indicação do público com deficiência visual que participou de visitas educativas ao acervo do museu. Além disso, fatores como a dimensão, forma, textura e diversidade estética, que facilitam a compreensão e apreciação artística dessas obras ao serem tocadas, também foram adotados como critério para a escolha das esculturas”, revela. O equipamento é composto por 12 esculturas em bronze, produzidas nos séculos XIX e XX, e pertencentes ao acervo da Pinacoteca. Todas as obras são originais e foram liberadas ao toque, respeitando os critérios de conservação das peças. As visitas à Galeria Tátil são realizadas de forma autônoma ou em grupos. Para visitação autônoma o visitante com deficiência visual, ao chegar à Pinacoteca, solicita na recepção do museu o empréstimo de um audioguia e será conduzido até a área da visitação, onde poderá percorrer todo o espaço autonomamente. O acesso será orientado

Uma seleção de esculturas foi realizada considerando a indicação do público com deficiência visual que participou de visitas ao museu. Fatores como dimensão, forma, textura e diversidade estética foram adotados como critério para a escolha das obras O público com deficiência visual pode explorar, por meio do toque, todas as obras da Galeria Tátil

15 30/11/2016 21:04:28


#cultura

Um mapa tátil facilita o acesso dos visitantes aos locais para conhecer as obras no segundo andar da Pinacoteca

Equipamento é composto por 12 esculturas em bronze, produzidas nos séculos XIX e XX, e pertencentes ao acervo da Pinacoteca. Todas as obras são originais e foram liberadas ao toque, respeitando os critérios de conservação das peças

por piso tátil, que percorre e direciona toda a visita à exposição, além do uso do audioguia. As visitas também podem ser realizadas em grupos de, no máximo, dez pessoas com deficiência visual. Nesse caso deverá ser agendada pelo telefono (11) 3324-0945, com os educadores do Programa Educativo para Públicos Especiais. A receptividade dos visitantes em relação às obras é enfatizada por Margarete. “O público com deficiência visual pode explorar e conhecer, por meio do toque, todas as obras da Galeria Tátil, apresentadas segundo um criterioso padrão de acessibilidade e complementadas pelos seguintes recursos de apoio: comunicação visual e tátil por meio de textos e etiquetas em dupla leitura (letras ampliadas e braille) e mapa de localização espacial em relevo; acesso orientado por piso tátil que percorre e direciona toda a visita à exposição; toque seguro e confortável das esculturas selecionadas, posicionadas sobre bases adaptadas para facilitar a aproximação de pessoas com ou sem cadeiras de rodas; audioguia adaptado para o público-alvo, disponível na recepção do museu e preparado especialmente para conduzir, orientar e estimular a apreciação estética das obras. Ao término da visita, a pessoa com deficiência visual recebe gratuitamente um catálogo em tinta e em braille com letras ampliadas e um CD de áudio”, acrescenta. A ação é do Programa Educativo para Públicos Especiais. O objetivo do PEPE, segundo a assistente de coordenação, é promover a acessibilidade e garantir

O museu oferece um catálogo que mostra quais as esculturas que estão em exposição

16 cultura.indd 16

30/11/2016 21:04:31


ESCULTORES E OBRAS PERTENCENTES À GALERIA TÁTIL DA PINACOTECA Lélio Coluccini,

Rodolfo Bernardelli, Moema, 1895

Leda, 1950

Paulo Mazuccheli, sem título, sem data Décio Villares, Apóstolo São Paulo, sem data Amadeu Zani, Autorretrato, 1931 Ernesto De Fiori, Homem andando, cerca de 1945 José Pedrosa, Dois nus femininos entrelaçados, 1940 Eugênio Pratti, Gazela, sem data Victor Brecheret, sem título (Torso), 1930 Amílcar de Castro, sem título, 2000 Alfredo Ceschiatti, Guanabara, 1960 Bruno Giorgi, Prometeu acorrentado,

imagens: divulgação

sem data

Os quadros são colagens de folhas de revista e aparas de papel reciclado colorido sobre tela, que podem ser tocados. As obras foram produzidas durante oficinas que conscientizaram os artistas sobre a importância do esporte paralímpico na inclusão

a fruição da arte e do patrimônio presentes no museu para pessoas com deficiências sensoriais, físicas ou intelectuais e transtornos mentais, levando em consideração as potencialidades e necessidades de cada grupo e indivíduo participante. As ações propostas pelo programa incluem visitas educativas ao museu para públicos especiais e inclusivos; contação de histórias em Libras; curso de ensino da arte na educação especial e inclusiva; ação extramuros com grupo com deficiência física, entre outras.

Arte e esporte

Para aproveitar o clima ddas Paralimpíadas, que ocorreram recentemente no Rio de Janeiro, com um verdadeiro show brasileiro, o Memorial da Inclusão disponibiliza uma mostra sobre os Jogos, produzida especialmente por artistas com deficiência. A exposição Despertar a criatividade - Jogos Paralímpicos traz 20 quadros produzidos

17 cultura.indd 17

30/11/2016 21:04:31


#cultura por pessoas com deficiência intelectual, disponibilizando recursos táteis para cegos. O espaço do evento se localiza na sede da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Os artistas integram a Associação para Desenvolvimento, Educação e Recuperação do Excepcional (Adere), instituição que auxilia a entrada de seus usuários no mercado de trabalho. Os quadros são colagens de folhas de revista e aparas de papel reciclado colorido sobre tela, que podem ser tocados por pessoas com e sem deficiência visual. As obras foram produzidas durante oficinas que conscientizaram os artistas sobre a importância do esporte paralímpico na inclusão de pessoas com deficiência. Além das exposições temporárias, o Memorial da Inclusão tem um acervo fixo, que aborda cada uma das quatro deficiências - auditiva, visual, intelectual e física - e conta com atrações, como a Sala Preparatória dos Sentidos, que é um local escuro com painéis de texturas diversas, alteração de temperatura e sensores sonoros e olfativos. Inaugurado no dia 3 de dezembro de 2009, o Memorial da Inclusão: os Caminhos da Pessoa com Deficiência nasceu com a proposta de reunir em um só espaço fotografias, documentos, manuscritos, áudios, vídeos e referências aos principais personagens, às lutas e às várias iniciativas que incentivaram as conquistas e melhores oportunidades para as pessoas com deficiências.

Virada Inclusiva

Um show da cantora Maria Rita marcou a abertura da sétima edição da Virada Inclusiva, tradicional evento promovido pela Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência e gerido pela Abaçai Organização Social de Cultura. A Virada celebra o Dia Internacional da Pessoa com

As obras foram produzidas para conscientizar sobre a importância do esporte paralímpico na inclusão

Além das exposições temporárias, o Memorial da Inclusão tem um acervo fixo, que aborda cada uma das quatro deficiências – auditiva, visual, intelectual e física – e conta com atrações, como a Sala Preparatória dos Sentidos

18 cultura.indd 18

30/11/2016 21:04:33


O Memorial da Inclusão nasceu com a proposta de reunir em um só espaço fotografias, documentos, manuscritos, áudios, vídeos e referências aos principais personagens e às lutas que incentivaram as conquistas das pessoas com deficiências

SERVIÇO:

Exposição: Despertar a criatividade - Jogos Paralímpicos Data: até 29 de novembro Horário: de segunda a sexta-feira, das 10 às 17 horas, e no sábado, dia 26, das 13 às 17 horas

imagens: divulgação

Local: Memorial da Inclusão – Sede da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo Endereço: Av. Auro Soares de Moura Andrade, 564 - Portão 10 – Barra Funda – São Paulo/SP Entrada gratuita

A Virada Inclusiva permite que pessoas possam se reunir em ações nas ruas, praças e todos os espaços possíveis

Deficiência, comemorado em 3 de dezembro, e possibilita que pessoas com e sem deficiência possam se aglutinar em ações inclusivas nas ruas, praças, parques, museus, teatros, salas, metrô e todos os espaços possíveis. O evento conta com uma grande rede de parceiros e colaboradores voluntários, que realiza uma série de atividades culturais, esportivas e de lazer, criando uma extensa grade de programação acessível. Criada em 2010, a Virada Inclusiva oferece ampla gama de ações durante três dias, 2, 3 e 4 de dezembro, em diversos locais. A programação completa estará disponível no endereço http://viradainclusiva.sedpcd.sp.gov.br/#

19 cultura.indd 19

30/11/2016 21:04:35


#políticas públicas

Reconhecer para ampliar

Cid Torquato, futuro secretário municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida de São Paulo, admite avanços nas políticas públicas destinadas a este segmento, mas aposta em maiores investimentos no setor Por Lucas Vasques

20 politicas_publicas.indd 20

30/11/2016 22:19:27


R

imagens: divulgação/123rf

Torquato: “Nossa ideia é intensificar a utilização do Desenho Universal como requisito básico da mobilidade urbana”

“Vamos manter e ampliar as ações que estão dando certo e rever aquelas que não estão trazendo os resultados que deveriam. Já estamos realizando levantamento das ações empreendidas e, em breve, divulgaremos nosso planejamento estratégico”

econhecer os avanços dos últimos dez anos, mas com a consciência da necessidade de aprofundar as políticas públicas em prol das pessoas com deficiência, principalmente àquelas que impactam a população mais carente e vulnerável. É dessa forma que o futuro titular da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida de São Paulo, Cid Torquato, pretende iniciar seu novo desafio à frente da pasta. Com larga experiência nas esferas pública e privada, Torquato é o atual secretárioadjunto da Secretaria de Direitos da Pessoa com Deficiência do Estado de São Paulo. “Vamos manter e ampliar as ações que estão dando certo e rever aquelas que não estão trazendo os resultados que deveriam. Já estamos realizando levantamento das ações empreendidas por todas as secretarias e, em breve, divulgaremos nosso planejamento estratégico para os próximos anos”, explica. Mesmo ainda em fase de planejamento, o futuro secretário adiantou algumas questões pontuais importantes. Em relação ao Serviço de Atendimento Especial (ATENDE) de transporte público, ele destaca que precisa ser revisto. “Queremos que o programa, de fato, atenda ao público que mais precisa desse serviço. Estamos entrevistando gestores e usuários para entender quais as virtudes e defeitos no modelo atual”. Torquato destaca que já estão programados investimentos para contemplar adaptações urbanas. “Faremos um grande plano de calçadas, inicialmente nos pontos e regiões de maior tráfego de pedestres. Com isso, beneficiaremos as pessoas com deficiência e mobilidade reduzida, com certeza. Entretanto, o impacto será mais amplo, melhorando a qualidade de vida de todos os paulistanos. Temos de entender que, atualmente, acessibilidade universal não diz respeito, apenas, aos segmentos

21 politicas_publicas.indd 21

30/11/2016 22:19:27


#políticas públicas

“Temos de entender que, atualmente, acessibilidade universal diz respeito a toda sociedade. Hoje, o SUS gasta cerca de R$ 3 bilhões por ano, em todo o país, com vítimas de acidentes em calçadas. Já é uma questão de saúde pública”

A Central de Interpretação de Libras media a comunicação entre surdos, surdocegos e pessoas com deficiência auditiva no atendimento de órgãos públicos

acima, mas a toda sociedade. Hoje, o SUS gasta cerca de R$ 3 bilhões por ano, em todo o país, com vítimas de acidentes em calçadas. Já é uma questão de saúde pública”, adverte. Para ampliar as ações da secretaria, ele entende que o estágio atual em termos de legislação específica direcionada ao público com deficiência é positivo. “O importante, agora, é colocá-la em prática e fiscalizar sua aplicação pela sociedade”. Torquato garante que pretende dedicar mais atenção a equipamentos com infraestrutura inclusiva. “Esse é um processo já em curso. Nossa ideia é intensificar a utilização do Desenho Universal como requisito básico da mobilidade urbana, construindo gradativamente uma São Paulo realmente para todos”. O futuro secretário não foge à polêmica e fala sobre a mudança de ideia do prefeito eleito João Dória, que, inicialmente, disse que tinha a intenção de extinguir a Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida. Para ele, a discussão sobre a extinção da secretaria, na verdade, consolidou a visão sobre sua importância para a cidade de São Paulo. “Estamos absolutamente convencidos de que as pessoas com deficiência, de fato, ainda necessitam de políticas públicas específicas e urgentes, tendo em vista o passivo de falta de acessibilidade, a existência de preconceito e exclusão, que ainda limitam a vida de muita gente”, completa Torquato, que pretende liderar

22 politicas_publicas.indd 22

30/11/2016 22:19:29


esforços inclusivos. “Nosso desejo é intensificar a parceria com o Governo Estadual, com a União, mas também com as instituições da sociedade civil e empresas, para encararmos essa missão que interessa a todos”.

Legado

A atual gestão disponibilizou cerca de 70 espetáculos com recursos de acessibilidade (Libras ou audiodescrição) nas quatro edições da Virada Cultural

imagens: Divulgação-SMPED/123rf

Nesse momento de transição administrativa na capital paulista, além dos projetos para o futuro, é importante destacar o legado deixado pela gestão do prefeito Fernando Haddad em relação a iniciativas de acessibilidade e inclusão social de pessoas com deficiência e mobilidade reduzida. Qual seria o balanço da gestão que está terminando, principalmente em termos de melhoria de equipamentos e políticas já existentes e criadas, nas áreas de transporte público, investimentos em adaptações urbanas, novas legislações municipais, equipamentos com infraestrutura inclusiva etc. Segundo informações da assessoria de imprensa da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida, a acessibilidade para pessoas com deficiência e mobilidade reduzida melhorou nos últimos quatro anos na cidade de São Paulo, fato comprovado pelo Prêmio Reina Letizia de Acessibilidad Universal, concedido pelo governo

Entre as ações da atual gestão, destaca se a frota acessível de ônibus, que subiu de 59% para 87%, o que equivale a 12.866 veículos. Além disso, mais de seis mil abrigos de ônibus foram trocados e os novos respeitam as normas de acessibilidade

23 politicas_publicas.indd 23

30/11/2016 22:19:32


#políticas públicas

O serviço de transporte especial ATENDE foi ampliado com a inclusão de surdocegos e autistas como público-alvo, bem como com a inclusão de frota de táxis acessíveis

“Faremos um grande plano de calçadas, inicialmente nos pontos e regiões de maior tráfego de pedestres. Com isso, beneficiaremos as pessoas com deficiência e mobilidade reduzida, com certeza”

espanhol em 2016, como reconhecimento às iniciativas da prefeitura. Entre essas ações, destaca-se a frota acessível de ônibus, que subiu de 59% para 87%, o que equivale a 12.866 veículos. Além disso, mais de seis mil abrigos de ônibus foram trocados na cidade e os novos respeitam as normas de acessibilidade. Em relação à mobilidade a pé, a atual gestão foi a que mais investiu na construção de novas calçadas e na recuperação daquelas mais degradadas. Foram mais de 1 milhão de metros quadrados (1.032.621,06 m²) construídos, com prioridade para as centralidades dos bairros mais periféricos. Ainda segundo a assessoria, com a expansão das ciclovias e ciclofaixas, as pessoas em cadeiras de rodas possuem agora mais de 400 km de rotas seguras para se locomoverem e usufruírem dos espaços da cidade. O serviço de transporte especial ATENDE foi ampliado com a inclusão de surdocegos e autistas como público-alvo, bem como com a inclusão de frota de táxis acessíveis da cidade para realização

24 politicas_publicas.indd 24

30/11/2016 22:19:32


imagens: Divulgação-SMPED/123rf/youtube

Outro legado foi a promoção de mais de 100 oficinas voltadas para crianças de 0 a 6 anos, com o intuito de capacitar pessoas sobre práticas acessíveis do brincar PERFIL DO NOVO SECRETÁRIO Cid Torquato é advogado pela Faculdade de Direito do Largo São Francisco, da Universidade de São Paulo (USP), com especialização em Direito Empresarial. Entre outras atividades profissionais, foi executivo da Lowe & Partners América Latina e diretor de marketing e comunicação corporativa

Paulo Pinto/ Fotos Públicas

das viagens. O decreto lançado recentemente pela prefeitura, para regulamentar o transporte privado urbano por aplicativo, prevê desconto na taxa de quilometragem para carros adaptados a pessoas com deficiência. Em relação à acessibilidade comunicacional, a prefeitura de São Paulo lançou, em 2015, a Central de Interpretação de Libras - CIL, que realiza a mediação na comunicação entre surdos, surdocegos e pessoas com deficiência auditiva e o atendimento em qualquer órgão público instalado na cidade. Fora isso, ainda de acordo com a assessoria da secretaria, foram disponibilizados cerca de 70 espetáculos nas quatro edições da Virada Cultural nesta gestão, que tiveram recursos de acessibilidade (Libras ou audiodescrição). Já referente a esportes, entre 2014 e 2015, foram promovidas mais de 70 atividades esportivas inclusivas na Virada Esportiva, para garantir a participação de pessoas com deficiência. Outro legado foi a promoção de mais de 100 oficinas voltadas para crianças de 0 a 6 anos, com o intuito de capacitar pessoas sobre práticas acessíveis do brincar, incluindo técnicas corporais e manuais, que propõem um exercício de inclusão, principalmente às crianças na primeira infância. De acordo com os dados do último Censo do IBGE, 2,7 milhões de pessoas que moram na cidade de São Paulo declararam possuir alguma deficiência, sendo 810 mil em condições mais severas. Ou seja, segundo avaliação da atual gestão, apesar de todas as ações, ainda é necessário ampliar os projetos para tornar a cidade acessível para todas as pessoas.

da Starmedia Networks. Também atuou em Brasília como assessor de marketing da Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, responsável pelos principais projetos de internet do Governo Federal. Foi, ainda, consultor do International Trade Center (ITC), agência de cooperação do sistema ONU, em Genebra, na Suíça, bem como do Serae e Sofitex, no Brasil. Também exerceu a função de conselheiro da Aliança Pró-Modernização Logística do Comércio Exterior, fundou a Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico, Camara-e.net, e é autor de livros e estudos sobre internet e tecnologia. Em 2007, um acidente na Croácia o deixou tetraplégico. Antes de ser nomeado secretárioadjunto da Secretaria de Direitos da Pessoa com Deficiência do Estado de São Paulo, foi coordenador de Relações Institucionais da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo.

25 politicas_publicas.indd 25

30/11/2016 22:19:32


#saúde

#sa

Rosa, mãe e inspiração maior de Rosana para a criação do aparelho Up Rose, voltou a ficar de pé e a executar algumas tarefas simples do dia a dia

Em nome da mãe

Para viabilizar o sonho de ver sua mãe em pé e se deslocando novamente, comunicóloga estuda por duas décadas e cria o Up Rose, um aparelho locomotor multifuncional, que possibilita o transporte de paraplégicos e tetraplégicos

e

Por Lucas Vasques

criatividade e a necessidade são componentes imprescindíveis que alimentam os avanços da tecnologia assistiva. Esses dois fatores foram os principais responsáveis pela criação do aparelho locomotor multifuncional Up Rose, idealizado pela comunicóloga Rosana Antunes de Sousa. Trata-se de um dispositivo que possibilita o deslocamento e o transporte de paraplégicos, tetraplégicos e pessoas vítimas de traumas e doenças no aparelho locomotor. A motivação para a criação do equipamento foi muito especial. Tudo começou em 1991. “Minha família sofreu um grave acidente automobilístico e, em consequência, minha mãe ficou paraplégica. Desde então, passei a dedicar minha vida ao estudo e à pesquisa para a redução dos acidentes de trânsito e, ao mesmo tempo, comecei a buscar uma alternativa que pudesse diminuir o sofrimento dela. Sonhava em ver minha mãe um dia novamente de pé, realizando tarefas simples do dia a dia”, relembra Rosana. Extremamente sensibilizada com as limitações da mãe e com a falta de alternativas científicas

imagens: divulgação

A

p

26 saude.indd 26

30/11/2016 21:04:14


#saúde

Ao final de 2009, tomei a decisão de colocar em prática minhas ideias e conhecimentos acumulados ao longo dessas quase duas décadas. Foi então que desenvolvi o protótipo de um aparelho locomotor multifuncional, que permitia a ela ficar de pé, além de se locomover e executar várias tarefas

e médicas existentes no mercado, ela buscou obstinadamente, durante 19 anos, uma forma de oferecer melhores condições de vida a ela. “Ao final de 2009, tomei a decisão de colocar em prática minhas ideias e conhecimentos acumulados ao longo dessas quase duas décadas. Foi então que desenvolvi o protótipo de um aparelho locomotor multifuncional, que permitia a ela ficar de pé, além de se locomover e executar várias tarefas”. Assim, o sonho e o desejo profundo de minimizar o sofrimento da mãe se concretizaram. “Ela se chama Rosa e, como forma de homenageá-la, batizei o aparelho de Up Rose, que significa De pé Rosa”, explica. Rosana admite que não contou com ajuda de nenhum profissional especializado durante seu processo criativo. “Não sou médica, nem engenheira, mas tive o privilégio de adquirir, ao longo da minha infância e adolescência, no convívio com meu avô paterno, meu pai e minha família, uma série de conhecimentos e aprendizados práticos, que me proporcionou as habilidades necessárias para criar o Up Rose, como noções de medicina, homeopatia, marcenaria, funilaria, design, mecânica, engenharia, corte e costura, administração de empresas, o gosto pela leitura e, principalmente, a paixão por aprender um pouquinho de todas as ciências”. Depois da tecnologia pronta, que é totalmente nacional, Rosana mostrou o aparelho sendo utilizado por sua mãe. Para lançar o Up Rose no mercado, o equipamento passou por inúmeras provas, inclusive na Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, da Universidade Federal de Minas Gerais, que desenvolveu testes de segurança e os resultados foram animadores. “Os examinadores concluíram que o aparelho estava apto a ser utilizado em pisos/terrenos planos, com superfícies de diversas aderências, livres de irregularidades, apresentandose estável nessas condições. Dessa forma, respeitadas as indicações de uso constantes no manual, o Up Rose possibilita a mobilidade do usuário com a segurança necessária”, conta a criadora do aparelho, que, apesar de ter consumido 19 anos de desenvolvimento, no total, foram 25 anos até que o Up Rose pudesse ser disponibilizado para o consumidor final. Rosana conta que não encontrou resistência para colocar o produto no mercado. “Eu pensava quer isso poderia ocorrer e tinha muito medo, pelo fato de não ser médica. Temia que o maior desafio e resistência viriam por parte da comunidade médica e científica. Entretanto, para minha grande surpresa e alegria, foi onde eu encontrei mais apoio, incentivo, respeito e admiração”, avalia.

27 saude.indd 27

30/11/2016 21:04:14


#saúde

#sa

Funcionamento

O Up Rose, além de colocar a pessoa em pé, proporciona o deslocamento em várias direções, já que é motorizado e possui diversos comandos: para frente, ré, giro 360 graus para a direita e esquerda e ainda segue em frente e faz curvas para a direita e esquerda. Essas características promovem a acessibilidade a vários ambientes. Rosana enfatiza os ganhos com o uso do equipamento: “Os sociais são integração, participação e inclusão familiar, no lazer, no trabalho, na sociedade como um todo, o que, sem dúvida, melhora autoestima, qualidade de vida, autonomia, independência, entre outros aspectos. Em relação aos benefícios biológicos, depende de cada paciente e do tipo de trauma ou doença que acometeu o aparelho locomotor. Contudo, os mais evidentes são a melhora na locomoção do usuário em vários ambientes, além de facilitar a realização de atividades diárias, auxilia a fisioterapia, melhora a coordenação motora do tronco e dos membros inferiores, atua na prevenção de úlceras de pressão, melhora a circulação sanguínea, previne doenças pulmonares e deformidades das articulações, ajuda na diminuição da osteoporose, contribui para a melhoria das funções intestinais, entre outros”. A idealizadora do prtojeto explica que o Up Rose foi pensado especificamente para as pessoas paraplégicas e tetraplégicas, mas, segundo ela, a comunidade médica e científica percebeu que sua indicação atende uma série de lesões e doenças, como paralisia cerebral, microcefalia, lúpus, Acidente Vascular Cerebral (AVC), esclerose múltipla, além do uso para idosos e pessoas com diferentes níveis de dificuldade de locomoção, devido à efetiva redução da mobilidade, flexibilidade, coordenação motora, permanente ou temporária. A criadora do equipamento destaca que não há uma regra em relação ao tempo ininterrupto de uso do aparelho. “O médico do paciente é quem deve indicar a quantidade de horas e quais os acessórios que ele irá utilizar para promover a melhoria da sua saúde, tanto física quanto psicológica. É necessário que seja feita uma avaliação clinica para o uso”.

Não sou médica, nem engenheira, mas tive o privilégio de adquirir, ao longo da minha infância e adolescência, no convívio com meu avô paterno, meu pai e minha família, uma série de conhecimentos e aprendizados práticos, que me proporcionou as habilidades necessárias para criar o Up Rose

Empresa

A ideia do Up Rose deu frutos e acabou se transformando em uma empresa. “Eu desenvolvi o aparelho apenas para minha mãe e não tinha nenhuma intenção de abrir um negócio. Entretanto, alguns

28 saude.indd 28

30/11/2016 21:04:15


#saúde

Prêmios

Rosana, que também é pós-graduada em Elaboração, Gestão e Avaliação de Programas e Projetos para o Terceiro Setor e em Transferências de Tecnologias de Abordagens das Violências para a Construção da Paz, pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais, se considera uma autodidata e empreendedora social. Foi contemplada com inúmeras premiações por projetos inovadores, entre eles destaca-se o Prêmio Bom Exemplo 2016, promovido pela Rede Globo, na categoria Inovação, com a tecnologia Up Rose.

imagens: divulgação

Os examinadores concluíram que o aparelho estava apto a ser utilizado em pisos/ terrenos planos, com superfícies de diversas aderências, livres de irregularidades, apresentando-se estável nessas condições

médicos tiveram acesso à tecnologia, vislumbraram os benefícios que o equipamento traria para milhares de pessoas e me incentivaram a abrir a empresa para que outras pessoas pudessem ser ajudadas. Hoje, comercializamos para pessoas físicas, hospitais, clínicas, centros de reabilitação, asilos, entre outros”. O aparelho adulto custa R$ 14.800,00 e o infantil, R$ 13.800,00. Para facilitar a aquisição, Rosana lembra que o Banco do Brasil disponibiliza o crédito acessibilidade, que financia o aparelho em até 60 meses, com juros de 4 a 5% ao ano. Para ampliar ainda mais o acesso, ela acredita que, em breve, será possível viabilizar o Up Rose para o sistema público de saúde. “A Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte está desenvolvendo um tratamento maravilhoso com alguns pacientes graves, utilizando o Up Rose por algumas horas ao dia, com o objetivo de facilitar a saída dos pacientes da cama, para evitar recidivas aos CTIS e para que consigam obter alta. Creio que quando o Ministério da Saúde tomar conhecimento desse tratamento com o Up Rose, o aparelho chegará ao Sistema Único de Saúde (SUS)”. Além disso, Rosana estuda propostas de abertura de fábricas no exterior. A atuação de Rosana também rendeu a ela o título de madrinha do time de rugby de Minas Gerais, o Quad Rugby. “A empresa ajuda a equipe e tem atletas que atuam na seleção brasileira. Alguns já ganharam o Up Rose e estão fazendo uso, o que apresentou melhorias em relação à saúde, qualidade de vida e performance deles nos jogos”.

Por sua atuação no projeto do Up Rose, Rosana Antunes de Sousa recebeu o Prêmio Bom Exemplo 2016, promovido pela Rede Globo, na categoria Inovação

29 saude.indd 29

30/11/2016 21:04:15


#novas da cidade

#no

PcD no mercado de trabalho Por Lucas Vasques

da iniciativa foram debatidos durante um seminário realizado no auditório da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho do Estado de São Paulo.

Diálogo permanente

Desde o mês de março o programa passou por várias regiões de São Paulo, objetivando promover um diálogo permanente de debate referente à pessoa

30 novas_cidade.indd 30

30/11/2016 22:20:15

imagens: divulgação

O

Espaço da Cidadania, instituição sediada em Osasco, que visa estimular o debate sobre políticas públicas voltadas para a igualdade de oportunidades, desenvolveu o programa Diálogos sobre a empregabilidade da pessoa com deficiência. A ação foi encerrada recentemente, depois de quatro meses de movimentação. Os resultados


#novas da cidade com deficiência, a partir de temas específicos, com participação de representantes do governo, sociedade civil e iniciativa privada. “O programa foi muito bacana, foi uma troca de conhecimento”, avaliou o coordenador do Espaço da Cidadania, Carlos Aparício Clemente.

Palestras e visitas técnicas

A ação passou por sete cidades (Osasco, São Paulo, Avaré, Praia Grande, Jundiaí, Salto e Guarulhos), onde ocorreram palestras. O grupo que teve a oportunidade de participar pôde acompanhar, em seguida, visitas técnicas, para tomar conhecimento de bons exemplos de inclusão. José Carlos do Carmo, o Kal, coordenador do Projeto de Inclusão da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Estado de São Paulo (SRTE-SP), lembrou: “Nos encontros, ninguém ficou como papel de espectador, todos participaram das discussões. E foi isso que tornou o programa ainda mais enriquecedor para a luta pela inclusão de qualidade”.

imagens: divulgação

União por justiça

“No encerramento, todos tiveram a oportunidade de conhecer a visão dos outros e unir as ideias que surgiram nesses sete encontros. Com a união de todos, podemos criar um mercado de trabalho mais justo para as pessoas com deficiência”, ressaltou Marinalva Cruz, supervisora do Padef (Programa de Apoio à Pessoa com Deficiência o Estado de São Paulo).

Noite de Rap e Soul

Em outubro, Paulo Otávio, músico gaúcho e sobrinho de Paulo Abujamra, chegou à cena paulistana para divulgar o CD Supersoul Volume 2, com muito suingue e samba-rock. Sua banda se apresentou na casa noturna Grazie A Dio, na Vila Madalena, na presença de convidados como o rapper e militante do movimento SuperAção Billy Saga. Saga, por sua vez, divulgou composições do novo CD As ruas estão olhando, que circulou em turnê pela Inglaterra, com faixas que podem ser conferidas em vídeos e áudios a partir de seu site www.billysaga.com.br. Com Paulo Otávio, a parceria ocorre por conta do selo Copacabana Sounds, que oferece download socioambiental de músicas com parte da renda destinada ao SuperAção e ao Instituto Sebastião Salgado (saiba mais em http://copacabanasounds.com/).

No alto, banda Supersoul. Abaixo e ao lado, Paulo Otávio, com Denilson Nalin, diretor de Publicidade da revista D+, e Billy Saga, com a esposa e cantora Juliana Caldas

31 novas_cidade.indd 31

30/11/2016 22:20:16


#novas da cidade

#no

O objetivo foi reunir o maior número de pessoas interessadas na questão da empregabilidade da pessoa com deficiência

presenças de representantes de diversas entidades importantes, como Eduardo Santana de Araujo – CIF Brasil; Flávio Henrique de Souza – CONADE; Maria de Fátima e Silva – Instituto Rumo Inclusão e Sincovaga; Aline Morais – Santa Causa. A segunda mesa debateu o tema A inclusão do trabalhador com deficiência a Lei de Cotas, com participações de José Carlos do Carmo – Ministério do Trabalho e Emprego; Ramon Bezerra dos Santos – Ministério Público do Trabalho – 2ª Região; Carlos Aparício Clemente – Espaço da Cidadania.

Enfrentamento

Encontro anual

O Espaço da Cidadania promoveu outro evento em novembro. O 9º Encontro anual do Espaço da Cidadania e seus parceiros pela inclusão foi uma ação realizada no auditório do Ministério Público do Trabalho – 2ª Região, no Paraíso, em São Paulo. O encontro trouxe informações atualizadas sobre o trabalhador com deficiência, o cumprimento da Lei de Cotas e a utilização da Classificação Internacional de Funcionalidade e Saúde (CIF), como ferramenta para ampliar a inclusão.

Mesas de debates

A programação se desenvolveu em duas mesas de debates. A primeira foi sobre a CIF e sua aplicação prática, visando à inclusão de pessoas com deficiência, com

O encontro foi aberto a todos os interessados, especialmente representantes de empresas, sindicatos, órgãos públicos, entidades especializadas, educadores e demais pessoas que buscam informações para enfrentar mitos e preconceitos que envolvem deficiência e trabalho. O Espaço Cidadania foi inaugurado em 14 de fevereiro de 2001 e é fruto da parceria inicial entre o Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco e Região e o dirigente sindical Carlos Aparício Clemente, à época vereador. A entidade, ao longo dos anos, foi ampliando sua área de atuação nas questões relacionadas à inclusão social das pessoas com deficiência.

Jussara Goyano, publisher da revista #rodaSP, conhecendo Rosana Antunes, inventora do equipamento UP Rose, durante a Feira Mobility Show, que aconteceu no primeiro semestre deste ano, promovida pela revista Reação.

imagens: divulgação

Registro

32 novas_cidade.indd 32

30/11/2016 22:20:17


#novas da cidade

33 novas_cidade.indd 33

30/11/2016 22:20:18

Revista #rodaSP  

Revista voltada para as demandas da pessoas com deficiência na cidade de São Paulo.