Page 1

Págs 18 à 20

Págs 10 à 12

Pág 22 e 23


Sumário

06 PALAVRA DO PRESIDENTE Conra as palavras do presidente da CBO para todos os leitores.

07

45 CALENDÁRIO 2017 Veja os principais eventos de Abril 2017

INFORMATIVO TÉCNICO No informativo técnico desse mês o Gilson aborda a posição da CBO perante a doping em nosso esporte.

09 COMUNICADO CBO Reveja Reveja aa matéria matéria da da atleta atleta de de maior maior destaque destaque durante durante oo ano ano de de 2016, 2016, Franciely Franciely Chiles. Chiles.

14 TRANNING CAMP Veja mais detalhes sobre esse projeto.

30 COMO FOI

24 DESAFIO SPRINT AUDAZES DE AÇO Conra detalhes desse que foi um maravilhoso evento de sprint.

Conra os que rolou no principais campeonatos de orientação do Brasil em fevereiro e março


Editorial Editorial Olá amigos e amigas orien stas! Estamos com saudades de vocês. Primeiramente gostaríamos de nos desculpar novamente pela não publicação da edição de fevereiro. Passamos por um mês com muitas a vidades paralelas e uma baixa quan dade de matérias para edição. Mas com bastante felicidade estamos publicando a revista PrisMagazine do mês de Março 2017, número 18, ano II. Nesta edição preparamos matérias de que deveriam ser publicadas em fevereiro e outras quen nhas, saindo do forno. Como coluna fixa de nossa revista, trazemos para vocês o nosso presidente CBO, o Sr. Luiz Sergio Mendes em sua coluna “Palavra do Presidente”, destaque também para um comunicado da CBO falando sobre as mudanças no CamBOr para 2019. Também temos a coluna “Informa vo Técnico”, sempre assinada pelo diretor técnico Gilson Schropfer, que fala do posicionamento da CBO quando o assunto é doping em nosso esporte. Acompanhe nesta edição detalhes dos eventos que movimentaram os úl mos dois meses na coluna “Como Foi”, destaque para a Copa Sul e o Troféu Sudeste de Orientação. Veja também a matéria sobre o Desafio Sprint Audazes de Aço, realizada no Rio de Janeiro. Temos como atleta destaque o campeão elite da Copa Sul, Everton Markus. Esperamos não deixar vocês sem novidades novamente, estamos trabalhando para compar lhar mais e mais informações do nosso mundo Orien sta. Aproveitem e se mantenham informados com a REVISTA PRISMAGAZINE.

Jeremias Araújo Diretor de Edição

Expediente Equipe Edição Jeremias Araújo Rafael Dantas José Alexsandro

Diagramação, arte e criação Jeremias Araújo - jqcaraujo@gmail.com

Colaboradores Luiz Sergio Mendes - preside.cbo@gmail.com Gilson Schropfer - diretortecnicocbo@yahoo.com.br Douglas Schmitz - douglas-schmitz@hotmail.com Piau! Esporte & Natureza - piau.esporte@gmail.com Isaac Miranda - sgtmirandapqdt@yahoo.com.br

Everton Markus - everton.markus@hotmail.com Samantha Bresani - sagutemberg@terra.com.br Ricardo Ribeiro - coc.curi ba@gmail.com Aislan - comunicacao@fmo.esp.br Amilcare José Satler - amilcarejs@yahoo.com.br

Contato Comercial: (83) 9-8878 - 6800 Email: revistaprismagazine@gmail.com Site: www.primagazine.com.br Facebook: h ps://www.facebook.com/revistaprismagazine Instagram: revistaprismagazine


PALAVRA DO PRESIDENTE Caros amigos orien stas Estamos prestes a iniciar o ano espor vo na maioria das federações e já realizamos o primeiro evento regional de 2017; a Copa Sul. Copa esta que completa o grupo de regionais e vem se somar à COPANE, TSO e TCO. Por esta razão, se trata de uma no cia importante, pois estamos inaugurando uma nova fase na orientação brasileira. Com a decisão de mudar o CamBOr, a par r de 2019, tornando-o um campeonato com etapa única, os regionais assumirão um papel que hoje cabe ao CamBOr, isto é, eles serão eventos de grande porte. E o CamBOr subirá ainda mais, permi ndo a par cipação de mais atletas, já que será realizado uma única vez ao ano. Outra mudança é que os regionais passarão a ter o acompanhamento da CBO, com a nomeação dos árbitros, contrato, etc., já a par r de 2018. Portanto, as no cias deste início de ano são boas, mostrando que estamos trilhando um caminho que possa atender a mais pessoas e com mais qualidade. Ainda no primeiro semestre, teremos o Dia Mundial da Orientação. Será no dia 24 de maio, uma quartafeira. E será em um dia de semana porque o principal foco do WOD (na sigla em inglês) é realizar eventos em escolas, priorizando a par cipação de crianças e adolescentes. No entanto, é muito importante destacar que são válidas todas as inicia vas visando divulgar e atrair novos atletas para o nosso esporte. E aí, claro, não há preocupação com a idade dos par cipantes. O WOD é um projeto de criação da Comissão de Desenvolvimento Regional e da Juventude da IOF e foi criado em 2016 com o obje vo de projetar o nosso esporte no ambiente escolar e entre os jovens. No ano passado vemos a par cipação de mais de 250 mil pessoas, que veram a oportunidade de se diver r fazendo orientação. Neste ano, queremos que o Brasil tenha um papel mais relevante, pois em 2016 vemos a par cipação de cerca de 4 mil brasileiros. Para a ngirmos este obje vo de cresciemento, temos que contar com a colaboração de cada um de vocês. Assim, o nosso pedido é que vocês nos ajudem, organizando eventos na sua cidade, tendo em mente o lema do WOD 2017: PENSE GLOBALMENTE, AJA LOCALMENTE! Desta forma, tudo o que você realizar no seu local repercu rá no mundo todo. Então, organize um evento nesse dia, seja na sua escola, universidade, empresa, no seu bairro ou no seu clube. O evento não precisa ser grande e nem ter a par cipação de dezenas de pessoas. O importante é termos gente correndo. Também não é necessária uma organização totalmente formal. Se você não tem prismas, crie alguns com cartolina. Se faltam picotadores, improvise com outro po de material ou não u lize picotadores. O controle de tempo também não é necessário, pois o foco é par cipar, se diver r e conhecer o esporte. Se uma comparação ajuda, pense no futebol. Os campeonatos são organizados, possuem mes com camisa, árbitro, etc., mas uma pelada é muito diver da e é futebol também. A CBO traduziu as diretrizes do WOD, que foram publicadas em inglês e elas estão disponíveis no nosso idioma no link: h p://np.netpublicator.com/netpublica on/n86084231. Lá você pode encontrar ideias de como organizar o seu evento, como registrá-lo no site do WOC e muito mais. Se você precisar de ajuda, contate o coordenador nacional do WOD, Luciano Oliveira, pelo e-mail: cbocursos@gmail.com e você receberá as orientações necessárias. Então, mãos à obra para começar a planejar o seu evento. Assim você par cipa do crescimento do nosso esporte de maneira efe va, pois é você quem faz a diferença! A CBO e o mundo orien sta agradecem! Com fraternal abraço! LUIZ SERGIO MENDES Presidente da CBO


07

INFORMATIVO DIRETOR TÉCNICO CBO Por Gilson Schropfer Diretor Técnico CBO

CBO CONTRA DOPAGEM NA ORIENTAÇÃO

CBO Texto: Gilson Schropfer, Direto Técnico CBO

Considerando o compromisso que a CBO tem com desenvolver a orientação com responsabilidade, atendendo a todas as exigências legais, para ficar de acordo com as regras estabelecidas pela Agência Mundial An dopagem, Regras da IOF e Código Brasileiro An dopagem, que regulam a luta contra a dopagem no esporte, estamos na luta pela erradicação do Doping no esporte brasileiro cumprindo todos os requisitos exigidos para estarmos em dia com todas as obrigações. É necessário que atletas, técnicos e dirigentes entendam que estamos mudando de patamar e a CBO, como en dade de administração nacional do esporte, vem cumprindo a sua parte, mas precisamos da compreensão e colaboração de todos neste processo. Se quisermos um dia obter patrocínios, captação de recursos públicos e até o retorno da Bolsa Atleta, não existe outro caminho a não ser nos adaptarmos as legislações vigentes. Nada é garan do, mas estando em dia com o cumprimento das normas, nossas chances aumentam. Sabemos que muitos estão tendo surpresas com mudanças de procedimentos que nunca foram adotadas em nossa modalidade, más entendam que é preciso. Foi encaminhado aos atletas de Elite e aos Dirigentes um formulário de consen mento, que todo o atleta de ELITE(D/H 16, 18, 20 21), deve preencher se comprometendo a respeitar as regras an dopings. O atleta deverá preencher, assinar, escanear e remeter de volta para a CBO. Estes documentos serão arquivados, com os emails que os remeteram (para posterior prova de remessa, caso seja necessário). Assim, damos mais um passo no sen do de estarmos de acordo com as normas internacionais. Informamos que este documento será obrigatório para que o atleta par cipe em nossos eventos sendo ele de qualquer categoria ELITE(D/H 16, 18, 20 21). O Formulário está disponível em: h p://www.cbo.org.br/regras/4.Legislação Complementar/ 6. Formulário de consen mento Aproveitamos a oportunidade para alertar a todos os atletas, técnicos e dirigentes para que procurem esclarecimentos sobre o doping para que possam agir de maneira correta dentro das regras estabelecidas principalmente no que tange a Lista de Substância Proibida, Métodos Proibidos e procedimentos no uso de Medicamentos Terapêu cos. Todas as informações podem ser encontradas em www.abcd.gov.br e www.cbo.org.br/regras. “É dever pessoal de cada atleta assegurar que nenhuma substância proibida entre em seu corpo e nenhum método proibido seja u lizado.” “O atleta que confia em si mesmo não precisa de dopagem, mas de treino, esforço e garra. Alcançar os melhores resultados nas compe ções e poder bater no peito e dizer: SOU+EU, SOU LIMPO!!!”


09

COMUNICADO CBO Por Gilson Schropfer Diretor Técnico CBO

CAMPEONATO BRASILEIRO DE ORIENTAÇÂO 2019

CBO

Texto: Luis Sérgio Mendes, presidente CBO

Caros orien stas O Brasil é um país con nental. Quantas vezes ouvimos isso? Muitas, com certeza, mas nem sempre nos damos conta do significado disso. Viajar pelo Brasil é caro, muito caro, e isso se reflete na par cipação em nossos eventos nacionais. Recentemente, a CBO anunciou uma alteração importante na organização do CamBOR, que passa de três para uma etapa por ano, a par r de 2019. Esta mudança tem origem em uma proposta da Federação Paranaense de Orientação, que apresentou uma análise, que, dentre outras, trouxe as seguintes razões para propor as mudanças: as dimensões do Brasil, as dificuldades financeiras e logís cas dos atletas se deslocarem três vezes por ano por distâncias enormes, fortalecer o esporte a nível regional e aumentar o número de par cipantes. A proposta foi analisada e aprovada pelos presidentes de federação. Antes de tecer crí cas à mudança, é importante analisar com cuidado a proposta e as consequências de sua adoção. Inicialmente, se tem a impressão que teremos uma diminuição nas compe ções, no entanto, as ideias de base da proposta são a diminuição dos gastos pessoais dos atletas, que poderão se planejar para par cipar de um único grande evento nacional. Isso evita que o atleta deixe de compe r porque não tem recursos para par cipar das três etapas. Tendo em vista uma só prova, o planejamento individual fica mais fácil e o número de par cipantes aumentará. Os campeonatos regionais (Copa Sul, Copa Nordeste, Troféu Sudeste e Troféu Cerrado) passam a ter maior importância, pois serão oportunidades mais próximas, e menos dispendiosas, para os atletas destas regiões compe rem em um campeonato que contará pontos importantes para o ranking nacional e também internacional, pois algumas receberão provas válidas para o ranking mundial (WRE). Outra ideia atrelada ao evento único é a possibilidade de se realizar três campeonatos dentro de um só, ou seja, uma prova especial para a Elite, um campeonato juvenil e um campeonato de másters. Para entender melhor como fica a reorganização teremos o tulo de campeão brasileiro saindo apenas do CamBOr e os campeonatos regionais, aliados ao CamBOr e aos campeonatos estaduais indicarão os melhores orien stas de cada temporada. Atualmente, o campeão brasileiro somente é conhecido após o término da temporada e todos os resultados computados. Assim, a nova proposta aumenta a compe vidade e dá a oportunidade de termos uma par cipação maior nos campeonatos regionais, pois o ranking que envolve estes campeonatos será permanente e poderemos saber quem é o melhor orien sta da temporada consultando o ranking. Para isso, alguns ajustes terão que ser feitos na sistemá ca atual de pontuação. A CBO tem buscado ouvir e discu r as propostas que lhe são apresentadas e todas as decisões se baseiam no debate e na votação cole va. Em tudo o que envolve eventos, regras, calendários, etc. a decisão é colegiada, ou seja, as federações são consultadas e se posicionam. A CBO não toma decisão monocrá ca nestes assuntos, pois está ciente de que elas afetam a todos indis ntamente e cabe à cole vidade decidir o que é melhor para o conjunto. A responsabilidade pelo crescimento da orientação nacional é de todos nós e somente será possível com o entendimento de que é necessário opinar e par cipar das decisões que afetam a nossa vida espor va.


EVERTON EVERTON MARKUS MARKUS

A T E L AT E U Q A T S DE


11 Meu nome é Everton Daniel Markus, natural de Panambi – RS, atleta de alto rendimento da Força Aérea Brasileira, filiado ao Clube de Orientação de Santa Maria (COSM), atleta da categoria H21E. Conheci o esporte em 2006, através do professor de Educação Física Nairon Oberto da Silva, responsável pelo Clube de Orientação de Panambi (COPAN). Na época a prefeitura do município incen vava financeiramente viagens para campeonatos de nível estadual e nacional o que me incen vou a par cipar do esporte. Foi no ano de 2012 que decidi começar a treinar para enfrentar a tão temida categoria H21E, neste mesmo ano fui contemplado pelo programa Bolsa Atleta do Ministério dos Esportes através de resultado que ob ve na categoria H18E. Fui contemplado por este bene cio apenas um ano, mas este foi fundamental para ter apoio financeiro para par cipar de compe ções e treinamentos para crescer no esporte. O marco principal da minha história foi no ano de 2014, quando me tornei atleta profissional de alto rendimento pela Força Aérea Brasileira, tendo assim todo apoio necessário para me dedicar integralmente ao esporte. Nesse mesmo ano par cipei da minha primeira sele va para os Jogos Mundiais Militares. Em 2016 ve minha primeira par cipação em campeonatos de nível mundial. No início daquele ano par cipei de três eventos em Portugal, tendo como melhor resultado uma 14º colocação em um percurso médio realizado no Parque dos Poetas na Cidade de Lisboa. Ainda naquele ano, viajei para o Chile para o campeonato Sul Americano onde consegui o bronze na prova de sprint e a prata no percurso médio. O Mundial Militar 2016, realizado no Estado do Rio de Janeiro, foi uma ó ma experiência no qual ob ve a 38º colocação no percurso médio e a 68º colocação no percurso longo. Foram provas fisicamente desgastantes, em área de reflorestamento e mata na va, sendo que o nível dos concorrentes era muito alto e foi muito bom correr junto com os melhores do mundo. A Copa Sul foi um ó mo evento para início de temporada. Sobre o percurso longo, o clima estava agradável com temperaturas abaixo do normal para o período do ano, o que ajudou para um bom desempenho sico durante todo percurso, um conjunto de mata na va, campos abertos e semi abertos, áreas de reflorestamento, além de uma interessante área aberta cheia de pedras e penhascos fez deste um dos percursos mais técnicos que já corri no Brasil consagrando-me campeão da Copa Sul de Orientação 2017.


14

O TRIANING CAMP Por Gilson Schropfer Diretor Técnico CBO

“Ideias e pensamentos surgem no ambiente que se vive”

(Auto desconhecido) Texto: Edvan Régis Kammler Fotos: Cedidos por Edvan Régis Kammler

O “O' “Training Camp” foi uma ideia sugerida ao meu amigo Roberto Dias Torres, após o regresso ao Brasil da viagem que patrocinou aos atletas juniores destaques na Orientação do ano de 2015 para par ciparem do Portugal O'Meee ng (POM 2016), Norte Alentejano "O" Mee ng (NAOM 2016) e Lisbon Interna onal Orienteering Mee ng (LIOM), nas cidades de Penamacor, Castelo de Vide e Lisboa, respec vamente, quando me foi oportunizado o encargo de planejar todas as a vidades, coordenar a execução e conduzir o grupo, o qual me sen muito honrado e gra ficado pelos resultados ob dos pelos atletas. Em terras lusitanas fomos recebidos e apoiados pelo José Pires, José Bolrão, Fernando Costa, entre outros amigos que nos entregaram mapas indenizáveis de alguns campos de treinamento na Região de litorânea de Portugal, ao qual conseguimos executar algumas a vidades de treinamentos nos intervalos das compe ções, com uma equipe técnica completa (Roberto Cunha, Rodrigo Machado, Elaine Lenz). A inspiração de montar um Campo de Treinamento no Brasil foi imediata e durante a V Etapa do Campeonato Gaúcho na Fazenda Faxinal em São Francisco de Paula, realizada pelo Clube COPA, transformou-se em transpiração, pois o local apresentava bons desníveis, mata na va permeada com reflorestamento, excelente arena e um bom local para acampamento. O estopim do planejamento e divulgação de datas surgiu da Larissa Schneider, destacada atleta júnior que também nos acompanhou na viagem ao velho con nente, ao ques onar sobre a possibilidade de par rmos para a execução do que discu amos já há algum tempo. A ideia vicejou com o entusiasmo e alegria!

PLANEJAMENTO O desafio, a disposição, a alegria, a servidão, compõem o universo do atleta de orientação e de sorte que passamos a consultar alguns amigos com conhecimentos técnicos mais aprimorados sobre treinamentos para o esporte de Orientação Edivan Kammler, Égon Zôrzo e Renato Cavalcante - para apoiarem na parte técnica do planejamento, pois o suporte logís co e administra vo seria de nossa atribuição. O Edivan Kammler, por ter sido o mapeador da área e traçador dos percursos da prova, estava mais familiarizado com o local e pode dispor os fundamentos técnicos à distância e explicar detalhadamente as etapas. As primeiras perguntas surgiram: como realizar um “Training Camping”, sem registros históricos no país, sem uma pessoa com experiência nessa área e sem um planejamento base para usar como modelo? Com o tempo fomos apropriando-nos dos conhecimentos de atletas que par ciparam de treinamentos e compe ções em Portugal, dos relatórios das equipes militares de Orientação do Brasil, das experiências adquiridas pelos orien stas nas viagens internacionais, do suporte na área administra va. Definimos o período de 12 a 23 de dezembro e criamos um grupo na rede social para convidar os atletas juniores do Brasil para aprimorarem algumas técnicas de Orientação na Serra Gaúcha. A divulgação e o convite não alcançaram a todos os atletas do Brasil por falta de tempo e inexperiência, mas logo se apresentaram: Gelson Andrey Togni, Carlos Henrique, Raquel Sales, Larissa Schneider, Maisa Franco, Elaine Lenz, João Pedro e, mais tarde uniu-se ao grupo a Emily Zambelli. A responsabilidade pelo crescimento da orientação nacional é de todos nós e somente será possível com o entendimento de que é necessário opinar e par cipar das decisões que afetam a nossa vida espor va.


15 De início fixou-se os principais obje vos: 1 - aprimorar técnicas de orientação com e sem mapa; 2 - pra car as a vidades fundamentais de execução de um evento de orientação; 3 - desenvolver o espírito de equipe e a camaradagem; 4 - implantar uma área de treinamento fixa na Serra Gaúcha; e 5 - mostrar que, através de Campo Treinamento Permanente, a prá ca do esporte de Orientação poderá melhor evoluir no país com um custo menor. O planejamento, a busca de apoio, o convite de atletas, a reunião de material para as a vidades foi realizado no prazo nas duas semanas que antecederam o evento. No planejamento foram definidas as seguintes a vidades: - Organização do Camping Training: Douglas Schmitz; - Planejamento das a vidades técnicas: Edivan Kammler; - Execução, montagem e apuração: Gelson Andrey Togni; - Material técnico: Clubes COPA e COSM; - Apoio para as a vidades diversas: Roberto Torres e José Barros; - Disponibilidade de áreas de treinos: Fazenda Faxinal, Fazenda Ipê e Parque Caracol;

ATIVIDADES O cronograma seguiu da seguinte forma: Dia 01. (12-12/segunda): Chegada dos atletas, montagem de barracas, construção de sanitários e locais de banhos, compras de alimentos, definição de cardápio, impressões de mapas, ambientação com o local, palestra de boas vindas, apresentação do cronograma e obje vos a serem trabalhados. Dia 02. (13-12/ terça). Manhã: Corrida Orientada: todos os atletas realizaram uma corrida sob a linha pon lhada traçado no mapa, com comentários sobre as principais formações de relevo. Finalidade: iden ficar as diversas formas de relevo encontrado pelo atleta. Tarde: Curva de nível: atletas, em dupla, realizaram um percurso com um mapa redondo constando apenas curva de nível. Finalidade: realizar o trajeto apenas com o fundamento da curva de nível. Noite: debate sobre os treinos do dia, instruções sobre o próximo dia e comentários específicos sobre a importância de entender o relevo para realizar percursos de orientação. Dia 03. (14-12/quarta). Manhã: Curva de nível: Cada atleta u lizou um mapa redondo com todas as informações que normalmente existe no mapa, exceto estradas e cercas. Finalidade: realizar o percurso u lizando a curva de nível e algum outro fundamento que achar necessário para facilitar o deslocamento no trajeto. Tarde: Coloca e Tira: Dividiu se dois grupos de atletas – um masculino e outro feminino- e cada grupo com quatro mapas diferentes e dois prismas cada atleta. Cada um montou e desmontou dois percursos diferentes, com velocidade e precisão. Finalidade: montar os percursos corretamente no menor tempo possível e trabalhar o psicológico no fator de compe vidade com outros atletas. Noite: comentários sobre os treinos do dia e Palestra- Instrutora Maísa- sobre a área de condicionamento sico do atleta. Dia 04. (15-12/quinta). Manhã: Descanso, Palestra- Instrutor Carlos Alberto - Sobre seus treinamentos e montagem do percurso longo do turno da tarde. Tarde: Percurso longo: Cada atleta executou um percurso longo com bússola, mas sem estradas e cercas. Finalidade: exercitar os fundamentos já conhecidos e os trabalhados nos dias anteriores. Noite: Percurso Noturno: Os atletas, individualmente, executam o percurso noturno, com auxílio de bússola e lanterna. Finalidade: calcular o azimute e distância em tempo no menor tempo possível.


16 IMPRESSÕES DOS ATLETAS PONTOS POSITIVOS - Aprimorei significa vamente o fundamento da curva de nível, o qual, antes deste treino, eu só u lizava caso não houvesse alterna va. Agora, sinto-me segura para encontrar um ponto de controle u lizando as especialmente curvas de nível do mapa. -Isso também me ajudou - e seguirá me ajudando - na escolha de rotas, de modo que agora evito subir grandes al tudes, quando possível. -Ainda sobre a parte técnica, também fui instruída sobre conceitos. Entendi a diferença entre um espigão e um platô, e aprendi a visualizar um muro de terra (107 e 108), entre outros. -Em termos de afeto, os atletas nham certo cuidado uns com os outros, e se importavam com o bem estar do próximo. Isso certamente contribuiu para que eu sen sse como se es vesse entre amigos, apesar de nunca antes ter conversado de fato com os par cipantes da equipe. -Em um dos três dias em que treinei, o apoiador Roberto Torres desenvolveu um dos obje vos do “camping”: “apresentar as a vidades de execução dos eventos de orientação”. A ideia foi mostrar que a montagem de uma etapa do campeonato gaúcho, por exemplo, demanda tempo e bastante dinheiro. Assim, entendi algumas das dificuldades pelas quais o esporte passa aqui no Brasil, um pouco diferente do modelo europeu. OPORTUNIDADES -Sobre o pequeno número de juniores presentes no evento, certamente uma das causas foi o fato de o camping ter sido realizado em época de ves bulares, o que dificultou para que muitos dos atletas mais novos par cipassem dos treinos. -Sinto dificuldades em áreas de árvores esparsas (402 e 404) e de florestas (406, 408 e 410). Isso pode ser mais desenvolvido em uma edição futura do evento. -Cheguei apenas no período da manhã do 9º dia de treino, mas logo já comecei algumas a vidades. -Não consegui, ou melhor, preferi não tentar acompanhar os treinos tais quais estavam sendo realizados pelos demais atletas. Primeiramente, por que tenho pouco condicionamento sico e, além disso, creio que outro fator tenha sido o fato de eu ser a única jovem da categoria Alfa, apesar de já pra car o esporte há quase três anos. -Assim, realizei os mesmos mapas dos outros atletas, porém exclui alguns pontos, para que meus percursos fossem mais curtos e não levasse muito tempo para terminá-los e, dessa forma, evitei um possível atraso das a vidades. - Agradeço pelo convite e a todos os par cipantes pela camaradagem. Emilly Zambelli

RESULTADOS PONTOS POSITIVOS - Evolução técnica dos atletas com poucos treinamentos (Larissa, Maisa e Emilly); - Aprimoramento técnico dos atletas mais experientes (Carlos e Gelson); - Desenvolvimento de ritmo de prova dos atletas (Douglas, João, Elaine e Raquel); - Aprendizado teórico e pra ca da execução de um evento de Orientação; - Desenvolvido a fator psicológico no quesito da segurança e confiança do atleta em suas virtudes e qualidades; - Criado o espírito de equipe, de família no grupo, além de ser demostrado a importância da FÉ em “um ser superior”; - A qualidade nas a vidades realizadas, bem como o profissionalismo e a seriedade na execução por parte de todos os envolvidos; - A importância do apoio dos diversos amigos, família e en dades; - A importância da par cipação em equipe na execução do “ Training Camp”, bem como suas qualidades individuais, a tudes e ideias; - Redução de despesas se comparado o período, a quan dade e a qualidade do evento; - Reuniões diárias para debater os treinos e das decisões de forma cole va; - Realização em período de férias escolares; - A importância de uma Liderança Técnica na equipe; - A importância da realização do primeiro Camping Training no país; PONTOS NEGATIVOS - O planejamento realizado vésperas do evento; - Po u c a d i v u l ga ç ã o e n ã o c h e g o u a o conhecimento de todos os atletas do país; - O montante das despesas só calculado depois das a vidades; - Os atletas veram que montar e desmontar os percursos por falta de efe vo; - Os atletas veram um desgaste maior por realizar múl plas a vidades; - Não foi implementada o desenvolvimento da preparação sica individualizada.


17 AGRADECIMENTOS O presente treinamento só foi possível devido ao esforço conjunto de algumas pessoas ao qual somos muito gratos. Coordenação: - EDIVAN RÉGIS KAMMLER - Responsável Técnico Atletas: - GELSON ANDREY TOGNI- Montagem técnica e atleta; - CARLOS HENRIQUE - MAISA FRANCO - RAQUEL SALES - LARISSA SCHNEIDER - EMILLY ZAMBELLI - ELAINE LENZ - JOÃO PEDRO- Montagem de percursos, confecção de refeições, palestras diversas e Suporte Técnico - ROBERTO DIAS TORRES - material eletrônico (SPORTident); - CLUBE DE ORIENTAÇÃO DE PORTO ALEGRE- material para a hospedagem; - CLUBE DE ORIENTAÇÃO DE SANTA MARIA- prismas. - JOSÉ BARROS – material espor vo; - CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ORIENTAÇÃO – divulgação e apoio. - FAZENDA FAXINAL – Paulo Flores

VIII - CONCLUSÃO Acredita-se que os principais obje vos foram alcançados, acrescidas de outras de outras diversas a vidades que se desenvolveram ao longo do evento. Sugere-se um planejamento prévio com o mínimo um mês de antecedência da data de início do evento, que se disponha de uma equipe apenas para compor uma comissão técnica independente e os que fundamentos técnicos devem ser proporcionais ao condicionamento sico de cada atleta. Na parte logís ca recomenda-se que os valores das despesas sejam recolhidos antes da realização do evento. Ao final nomeamos o local como ÁREA DE TREINAMENTO KAMMLER - ATK. “Sucesso significa fazer o melhor que podemos com o que temos. O sucesso está no fazer, não na conquista. Na tenta va, não no triunfo. O sucesso é um padrão pessoal, que almeja o melhor do que está em nós, tornando-nos tudo o que podemos ser.” (Zig Zaglar). Esperamos que a u lização de áreas de treinamento fixas seja o início de um novo método, já u lizado em outros países, para qualificar os atletas e divulgar nossa a vidade de modo a almejar que um dia o Brasil figure entre os grandes países do Esporte de Orientação com um alto nível de seus integrantes.


18

I TROFÉU SUDESTE DE ORIENTAÇÃO

Fotos: Aislan Bacha

Fotos: Emerson Gomes

A IX edição do Troféu Sudeste de Orientação (TSE-O) ocorreu nos dias 11 e 12 de março de 2017, na cidade de Santa Luzia-MG. O evento foi realizado pela Federação Mineira de Orientação sob a coordenação do Clube de Orientação do Colégio Militar de Belo Horizonte (COCMBH). Contou ainda com o apoio irrestrito do 12º Batalhão de Infantaria e do Colégio Militar de Belo Horizonte. O TSE-O teve sua origem no Troféu Rio - SP, em 2008. E hoje, representa as primeiras etapas dos Campeonatos Mineiro, Carioca e Paulista de Orientação. Es veram presentes 276 atletas nas mais diversas categorias. Os atletas que se destacaram na categoria Elite foram Denise Paiva Lucas Campo e Sidnaldo Farias Sousa, ambos da ADAAN. Nos dias de compe ção, os atletas experimentaram a dificuldade da topografia da área, que fica situada num Campo de Instrução Militar, porém o clima ajudou muito e todos completaram suas pistas com tempos muito bons. O Secretário da CBO, Antônio Dmeterko representou o Presidente da Confederação Brasileira de Orientação, Luis Sérgio Mendes e reforçou que a CBO acredita muito nos eventos Regionais por permi r o intercâmbio dos atletas de outros estados, aumentando o nível dos Estaduais.

Também es veram presentes no evento os presidentes das Federações Mineira, Paulista e do Rio de Janeiro, os Senhores João Alves Sobrinho, Joaquim de Jesus Picardo e Marcelo Tavares Malato, respec vamente. E os Comandantes das Organizações Militares apoiadoras, os Coronéis Ricardo Luiz Loureiro Signorini e Laurence Alexandre Xavier Moreira. O ambiente da prova estava muito alegre como toda prova bem organizada e o responsável pelo som apresentou um repertório variado de músicas, incluindo o ritmo da Salsa, que provavelmente veio na bagagem de algum atleta que par cipou do Sul americano no Chile em 2016. A maior delegação de atletas foi a do Clube de Orientação da Escola de Sargentos das Armas (COESA) com 42 integrantes, o que contribuiu, juntamente com os demais Clubes Mineiros, para a vitória da Federação Mineira de Orientação. Porém o clube campeão do Troféu Sudeste 2017 foi o COMPass da cidade de Miguel Pereira-RJ, afiliado da FORJ acostumado a acumular vitórias. A FMO e o COCMBH agradecem o apoio e a par cipação de todos os atletas, parabenizando-os pelas excelentes condutas no evento, cumprindo as regras do esporte, principalmente no que tange as normas ambientais.


9 anos de tradição na Orientação da Paraíba

Venha fazer parte dessa família https://www.facebook.com/rumoserotas/


22

Fotos: sgt Dilamar Lewiski Texto: OSCAR MORITZ, Diretor técnico da FORN

Cerca de 300 atletas, oriundos de 10 estados movimentaram a cidade nos dias 27, 28 e 29 de janeiro. A compe ção somou pontos para o ranking nacional da modalidade. A compe ção organizada pelo Clube de Orientação Gralha Azul (COGA), da cidade de Curi ba, contou com apoio do 15º GAC AP, do Ins tuto Ambiental do Paraná e da Prefeitura Municipal da Lapa. Orientação é um esporte no qual o percurso está marcado em um mapa. Com auxílio somente do mapa e da bússola, o atleta deve planejar sua rota e encontrar os pontos de controle no menor tempo possível. Pode ser pra cado em ambientes urbanos ou na natureza, em campos e matas. Após o percurso treino na sexta-feira, os atletas foram desafiados com um sábado repleto de a vidades. Foram 3 provas em um único dia, começando pelo Percurso Médio pela manhã, na região do Parque do Monge. Na tarde, o percurso MicroSprint atraiu a atenção de quem passava pelo Parque Linear, com um percurso muito curto e rápido, mas tecnicamente desafiante. Já no escuro da noite, foi a vez do percurso noturno, realizado no centro histórico, obrigando os atletas a usarem lanternas para ler o mapa durante a corrida. No domingo, o percurso longo foi realizado em região rural, obrigando os atletas a enfrentarem florestas, regiões com muitas pedras e desnível. O belo visual das matas da Lapa, e a incrível vista das regiões mais altas encantaram os atletas, que além de compe rem, também aproveitam o contato com a natureza e a prá ca do turismo. A grande quan dade de atletas movimentou ainda a rede hoteleira e os restaurantes da cidade, garan do um considerável retorno para a economia do município.

Uma grande parcela dos atletas ficou alojado no Parque de Exposições, em barracas, como é costume neste po de compe ção. Apenas 2 atletas inscritos residem aqui na cidade. A grande maioria é de fora do estado do Paraná. RELATOS PUBLICADOS NO FACEBOOK: Gostaria de desejar um Parabéns a toda equipe da organização pelo brilhante evento realizado neste fim de semana! Organização impecável em todos os quesitos, mapas excelentes e desafiadores! Um evento a servir de exemplo! (Leandro Nascimento – atleta) Como já disse pessoalmente aos dirigentes da Copa Sul, foi uma enorme sa sfação par cipar da I Copa Sul de Orientação. A equipe do COGA an giu um nível que supera as expecta vas dos atletas e isso é muito salutar. Parabéns a todos que es veram envolvidos neste grande evento, que realmente marcou o nosso regional, sorriso de sa sfação em cada pista concluída foi muito fácil de encontrar entre os atletas. Show de prova. Sucesso nos eventos futuros. (Plínio Nascimento – Presidente da Federação Paranaense)


24

DESAFIO SPRINT AUDAZES DE AÇO

Texto: Isaac Miranda, Diretor Técnico.

Nos dias 18 e 19 de fevereiro de 2017, foi realizado no Município de Paracambi-RJ, o 1º Desafio Sprint Audazes de Aço, com a par cipação de um pouco mais de 100 atletas, que se dispuseram a enfrentar o forte calor e encarar 4 pistas com mapas confeccionados de acordo com a ISSOM, nas escalas 1:4.000 e 1:2.500, mas com percursos um pouco mais longos que o de um Sprint normal. O evento contou com o apoio da Prefeitura Municipal de Paracambi, por intermédio da Secretaria de Cultura e Turismo e da Superintendência de Turismo, além da Federação de orientação do Rio e Janeiro. Além dos atletas inscritos que concorriam aos troféus, o evento foi aberto aos moradores da cidade que podiam se inscrever na hora e fazer um pista escola. Foi uma grande oportunidade para divulgarmos o esporte e envolver a comunidade no evento. O obje vo é que em todo início de ano, quando não há previsão de compe ções estaduais, realizar um Desafio Audazes de Aço em cidades do Estado do Rio de Janeiro e criar uma tradição, uma compe ção desafiadora, intensa, mas principalmente diver da, que tenha a cara do Clube de Orientação Audazes.

Fotos capturadas do Facebook do Clube Audazes

Ao todo foram 3 pistas no sábado, uma pela manhã, uma no final da tarde e uma a noite. Esta úl ma em par cular, os atletas puderam correr dentro da an ga Fábrica Têx l Industrial Brasil, fundada em 1871, construída no es lo inglês, oferecendo becos, escadas, áreas de passagens e pequenas entradas onde foram colocados os pontos de controle. Ao final desta prova muitos era tão notória a sa sfação e empolgação dos atletas que muitos deixaram de beber água e consumir as frutas oferecidas para discu r sobre os pontos, percursos e mapa. Encerrando o evento, no domingo pela manhã os atletas puderam realizar o úl mo Sprint e concluir o desafio. É verdade que alguns ficaram pelo caminho...(risos). Pelo feedback recebido, pelo sorriso no rosto e brilho nos olhos dos atletas, concluímos que o evento foi um sucesso e tem tudo para se tornar uma tradição do Clube, da federação e quem sabe do Brasil. Agradecemos a todos que aceitaram o desafio e os aguardamos no próximo ano.


30

CAMPEONATO PERNAMBUCADO DE ORIENTAÇÃO

Texto: JOSÉ LUIZ PETROCELI – 1º Vice Presidente FGO 2015/2016

O retorno do Campeonato Pernambucano de Orientação

Fotos: Odete Rech e Ana Paula Matukiwa

Numa manhã de chuva na Região Metropolitana do Recife no domingo, dia 12 de março, após cinco anos de jejum, a Federação de Orientação de Pernambuco (FEOPE) realizou a 1a etapa do VII Campeonato Pernambucano de Orientação (CAMPORI). A compe ção foi realizada na Fazenda Mussaíba, no Bairro do Curado, e contou com mais de 150 atletas inscritos oriundos dos estados de Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte. O retorno das compe ções no Estado de Pernambuco foi muito festejado pelos atletas locais e seus agregados. O presidente da FEOPE, Flávio Lins agradeceu a presença de todos, e convidou para o hasteamento do Pavilhão Nacional e da Bandeira de Pernambuco, os atletas mais experientes da categoria Vip Sr Nemésio Gomes e Musa Holanda, que representaram os demais atletas apaixonados por Corrida de Orientação nas terras de Maurício de Nassau.

O responsável pelo mapa e percursos desta 1a Etapa foi Herivelton Sant'Ana, que explorou a área de forma precisa fazendo os atletas navegarem pelos mais variados terrenos, vegetações e experimentarem muitos desníveis. A FEOPE contou ainda com o apoio do Exército Brasileiro, por intermédio do Centro de Preparação de Oficiais da Reserva-Recife, do 7o Grupo de Ar lharia de Campanha e da 2a Companhia de Guardas. A próxima etapa do VII CamPOri será realizada no dia 30 de julho de 2017.


32

XII

CAMPEONATO METROPOLITANO DE ORIENTAÇÃO No dia 12 de março de 2017, aconteceu a 1ªEtapa do Campeonato Metropolitano de DE CURITIBA Curi ba. O evento foi realizado pelo Clube de O r i e nta çã o d e C u r i b a n a c i d a d e d e Matulão/Tijucas do Sul (região metropolitana). A região de Matulão é conhecida pelo desnível do terreno, já que fica próximo a serra do mar, com grande quan dade de pedras, inúmeros talvegues, colinas e vários ramos de rios e nascentes, ó mas para serem exploradas no nosso esporte. O local da prova contava ainda com uma grande malha de trilhas o que acabava exigindo atenção maior do orien sta para não escolher o caminho errado. O pessoal das categorias Alfa e Elite puderam explorar seus conhecimentos e escolhas de rota pois a mata na va permi a ó mos cortes no percurso garan ndo minutos preciosos aos atletas mais técnicos. Sagrou-se Campeão na categoria Elite Masculina - Gelson Luiz Togni - COGA, e na Elite Feminina a vencedora da prova foi Le cia da Silva Saltori - COGA. Par ciparam do Evento 200 orien stas de clubes do Paraná, Santa Catarina e Brasília. Está é a XIX Edição do CMOC, que neste ano terá como novidade a criação do Campeonato Metropolitano de Sprint (CMOC Sprint), que como o Campeonato tradicional será realizado em 4 provas sendo duas organizadas pelo COC e duas organizadas pelo COGA. Texto: Ricardo Ribeiro, Presidente COC

Foto gen lmente cedido por Aislan Bacha


36

Fotos gen lmente cedidos por Aislan Bacha

I CIRCUITO SUL MINEIRO DE ORIENTAÇÃO

Texto: Aislan Bacha

A primeira etapa do I Circuito Sul Mineiro de Orientação (I CSMO) foi realizada dia 5 de março de 2017, no Restaurante Espraiado II, localizado às margens da rodovia Fernão Dias em Três Corações-MG. O Circuito foi idealizado pelos Clubes de Orientação do Sul de Minas (COESA, COVAR e COFERD) para fomentar o esporte aos iniciantes e servir como treinamento aos mais experientes, na preparação para as etapas dos Campeonatos Brasileiro e Mineiro. Além de permi r a pontuação, no nível municipal, no Ranking Nacional da CBO aos seus filiados. Na Assembléia Geral da FMO, realizada em novembro de 2016, conseguimos o apoio de outros 2 (dois) Clubes Mineiros, o COEPCAR e COSELE, que também sediarão etapas do Circuito, totalizando 7 (sete) eventos. Em nossa primeira prova, contamos com a presença de 179 atletas inscritos, oriundos de 11 Clubes, dentre eles, clubes de outros estados como o COCAFA de São Paulo, COMPASS do Rio de Janeiro. Atribuímos o sucesso de público ao Sistema CBO integrado ao site da FMO, que facilitou o acesso às informações e às inscrições. Ambos obje vos da Etapa foram a ngidos, pois vemos mais de 60 novas filiações temporárias no SisCBO para o evento, demonstrando a par cipação dos novos atletas. E mais de 100 par cipações de atletas já filiados à CBO, que receberão suas pontuações no Ranking Nacional, no nível municipal. No intuito de valorizar o desafio dos novatos de completarem sozinhos um Percurso Tradicional de Orientação, os organizadores resolveram premiar com medalhas de par cipação todos que finalizarem a prova. E a felicidade de receber sua primeira medalha, após essa grande conquista pessoal, ficou registrada nas imagens do evento.

Outra novidade para o público mineiro foi a adoção da par da livre, em que os atletas podem iniciar a prova quando desejarem, no intervalo de 3 em 3 minutos. Essa flexibilidade foi muito interessante aos novatos que ficam à vontade para par r quando se sen rem preparados, reduzindo o nível de tensão em sua primeira prova. Além de permi r aos atrasadinhos de sempre não precisarem se desculpar com o Árbitro de Par da. O padrão unificado de categorias foi u lizado, conforme o Regulamento de Compe ções 2017 da CBO. E o vencedor da categoria H Adulto E, foi o experiente atleta Odacir Fernandes, com o tempo de 1:10:07. A categoria com maior número de inscritos foi a H Adulto B, com 45 atletas. Não podemos deixar de destacar a presença dos atletas da categoria VIP na compe ção: a senhora Vera Lúcia Teixiera Darge e os Senhores Djair Braga Maranhoto (Presidente do COCMBH), João Alves Sobrinho (Presid ente da FMO) e Murilo Geraldo de Souza Cabral, exemplos para todos os orien stas O sucesso da etapa só foi possível porque contou com o apoio da ESA, EsEFEx e dos patrocinadores da FMO: a Lex Corretora de Seguros, GF Supermercados, FrutBRAS, Serra Verde e Madeireira Belato & Pagani.


www.adesivomix.com.br Entregamos em todo o Brasil


40

1ª 1ª ETAPA ETAPA DO DO CIRCUITO CIRCUITO PARANAENSE PARANAENSE DE DE ORIENTAÇÃO ORIENTAÇÃO

Fotos gen lmente cedidos por Amilcare José Satler Texto: Amilcare José Satler Presidente do ORIESC

Em 15 de dezembro de 2016, a Federação Catarinense de Orientação – ORIESC, realiza a sua Assembléia Geral para duas finalidades: a O Bole m Informa vo da Etapa, lança Prestação de Contas 2013-2016 e a Eleição da nova gestão para o quadriênio todos dos dados do evento. Regulamento e como 2017-2020. se inscrever, ON LINE ou através da velha planilha do Excel encaminhada por e-mail.... Eleita a nova gestão na FCO, o primeiro passo é a var o Circuito Catarinense de Orientação – CiCOr 2017. Logo do CiCOr 2017 criado pelo Luciano Oliveira, flyers de divulgação são lançados na Copa Após conversas e discussões a respeito da retomada da Orientação Sul de Orientação na Lapa – PR, pelo facebook Catarinense, se contata em janeiro de 2017 o mapeador e organizador de orientação Brasil e pelo Federação Catarinense de eventos, o Orientador Gelson Togni, que propõe a realização de 4 etapas, Orientação, bem como pelo watsaap. A mídia é num calendário de eventos que intercale o Campeonato Paranaense, o explorada pelos quatro cantos. Campeonato Gaucho, o Campeonato Brasileiro, e o Circuito de Aventura. O Tempo urge e avança a passos largos. Sendo discu do as 4 etapas, se inicia que locais realizar: a primeira Hora de voltar a área para se definir os pontos de etapa seria na região Sul do Estado (Criciúma) , seguido por uma etapa na controle e e quetar. região Oeste em 09 de julho (Xanxerê), outra etapa na região Central em 10 de setembro (Curi banos) e a úl ma etapa no litoral dias 09 e 10 de O planejamento inicial é cumprido e tudo dezembro, junto ao Ciclo Costa Esmeralda de Orientação – Troféu Tijucas. sai como planejado. O número de inscritos cresce a cada dia...e se chega a 141 atletas, um número Definido os locais se procura as áreas, e no Sul do Estado, os contatos acima do esperado. são inviabilizados e se parte para uma segunda opção, Norte do Estado e se define o Município de Barra Velha, 05 de março - Domingo. A semana que antecede ao evento medalhas, mapas e material são preparados. O ano se inicia, 03 de janeiro – marcamos uma reunião em Mandirituba – PR e discu mos o regulamento, locais e como fazer o CiCOr Na manhã de 04 de março, um belo dia de 2017...pé na estrada para os primeiros contatos – Parque Aquá co Gralha sol – Parque Aquá co Gralha Azul...se inicia a Azul, com o proprietário Sr Antonio, que aceita e nos orienta quanto aos montagem da par da, colocação das bases de proprietários de áreas vizinhas. controle, e os atletas já começam a chegar...ansiosos para a abertura do Circuito Contatos feitos, autorizados ....as redes sociais divulgam a volta do Catarinense de Orientação. CiCOr... inciam iniciamos o mapeamento. Tarefa árdua e cansa va no verão – de 06 a 10 de fevereiro, mas já se percebe a cara do mapa. Ao mesmo tempo Na manhã de domingo, 05 de março, logo o site da Federação entra no ar WWW.oriesc.org.br, com cara nova, cedo se finaliza a chegada e se abre os portões para divulgando uma nova era para o esporte em Santa Catarina. a recepção dos atletas, que se encantam com o local e o belo dia de verão.


41 O calor inesperado causa um desgaste maior aos atletas, mas o brilho do evento, o sorriso de todos em voltar a compe r em solo catarinense supera tudo. A prova inicia as 10:00horas e se percebe a empolgação de todos inscritos. O evento atende as expecta vas de todos...e a cerimônia premiação acontece a par r das 14:00h, quando se faz uma breve homenagem ao orien sta nº 1873 JUSCELINO ALENCAR KARNIKOWSKI, o Karnica como era conhecido. Durante mais de 10 anos foi atleta de elite das Forças Armadas e representou o Brasil na equipe nacional militar nos Campeonatos Mundiais Militares de 2006, 2007, 2009, 2010, 2011, 2013, 2014 e 2015. Em 2009 foi Campeão do Campeonato de Orientação das Forças Armadas (CAMORFA). O Karnika terminou o ano de 2016 na 9ª colocação do ranking da CBO. Os vencedores nas diversas categorias sobem ao podium e o momento contagia a todos experientes e novatos, novos e an gos, crianças, jovens, adultos e idosos. Na categoria Homens Adulto Elite o vencedor foi Andrey Gelson Togni, do BAVECO e na categoria Damas Adulto Elite a vencedora foi Sara Fabrina Soares, do COGA. Contamos com todos para a segunda etapa dia 09 de julho em Xanxerê. Piauuuuuuuuuuuuuu....!!!!!!!!


AGENENDTOAS

DE EV Abril

45

ABRIL 2017

dia 02

Local: Varginha - MG

Local: João Pessoa - PB

Abril

2ª Etapa do CAMPEONATO PAULISTA DE ORIENTAÇÃO Local: Horto Florestal - SP

dias 06 e 07

Abril

2ª Etapa do CAMPEONATO MINEIRO DE ORIENTAÇÃO Local: Prados- MG

1ª Etapa do CAMPEONATO BRASILEIRO DE ORIENTAÇÃO

Abril

FMO/COSELE

dias 06 a 09

Local: Tiradentes - MG

Abril

Local: Fortaleza - CE

Local: Bom Despacho - MG

dias 23 a 31

WORD MASTER GAMES 2017

dia 23

1ª Etapa do CAMPEONATO CENTRO OESTE MINEIRO DE ORIENTAÇÃO

IOF

Abril

Abril COS

Local: Santiago - RS

dia 23

2ª Etapa do CAMPEONATO CEARENSE DE ORIENTAÇÃO

dia 23

2ª Etapa do CAMPEONATO GAÚCHO DE ORIENTAÇÃO

dia 9

Local: Auckland - Nova Zelândia

Informações retiradas do portal oficial da CBO: www.cbo.org.br

COFORT

Local: Curitiba - PR

Abril

COGA

2ª Etapa do CIRCUITO PARANAENSE DE ORIENTAÇÃO e OriSPRINT

dia 12 FOSP

RUMOS E ROTAS

dia 02

1ª Etapa do CAMPEONATO PARAIBANO DE ORIENTAÇÃO

Abril

COVAR

2ª Etapa do CIRCUITO SUL MINEIRO DE ORIENTAÇÃO

COSELE

Abril

dia 2

CODIV

Local: Feira de Santana - BA

Abril

ACAAT

2ª Etapa do CAMPEONATO BAIANO DE ORIENTAÇÃO


Revista PrisMagazine Nº 018 Ano II – Março 2017  

Estavamos com saudades de vocês. Primeiramente gostaríamos de nos desculpar novamente pela não publicação da edição de fevereiro. Mas com...

Advertisement