Page 1

Págs 36 à 37

Pág 16 à 19

Págs 10 à 12


Sumário

47

06 PALAVRA DO PRESIDENTE Conra as palavras do presidente da CBO para todos os leitores.

07

SEM PALAVRAS Veja as melhores imagens do mês, registros feitos durante os eventos em todo o Brasil

No informativo técnico desse mês o Gilson aborda dois temos diferentes mais mas muito muito atuais, Doping e Orientação Sprint

08

40

COMUNICADO CBO Leia o Edital de Convocação 02/2016, emitida pela CBO.

ORIENTISTA EM ROTA Esse mês o orientista em Rota destaca a difícil decisão do atleta em desistir ou não de uma prova.

Veja os principais eventos de Setembro 2016

44

INFORMATIVO TÉCNICO

14

CALENDÁRIO 2016

MUNDIAL MTBO 2016 Veja um release do produzida pelo nosso amigo Joaquim Margarido, sobre o Mundial de MTBO 2016

20 TCO EM FOCO

Conra algumas das imagens registradas por André Pivoto no registro do TCO 2016

22 COMO FOI - AGOSTO Conra os principais eventos de Orientação, que ocorreram em todo Brasil durante o mês de Agosto de 2016


Editorial Olá amigos e amigas orien sta! Estamos lançando com muito orgulho a revista PrisMagazine edição de agosto 2016, edição de número 12. Estamos muito perto de completar 1 ano de dedicação ao nosso esporte. Inicialmente quero agradecer a todas as federações, clubes e atletas que contribuíram para a realização dessa edição, em especial a contribuição do presidente da CBO o Luiz Sérgio Mendes, sempre nos ajudando no crescimento de nossa revista. A ajuda de vocês é de extrema importância para que possamos dar con nuidade a nossa revista. Nessa edição traremos todos os eventos realizados no mês de Agosto de 2016, um mês muito especial para todos nós brasileiros, pois pudemos presenciar um marco histórico para o esporte mundial, que foi a realização das Olimpíadas no Rio de Janeiro. Podemos nos orgulhar e ter a certeza que nesse evento tem um pedacinho da orientação, com a par cipação de vários orien stas no revezamento da Tocha Olímpica em todo o Brasil. A equipe PrisMagazine gostaria de parabenizar a todos que puderam par cipar dessa grande festa. Temos a coluna “Como Foi”, que trás os eventos por todo o Brasil, muito bom ver que em toda a parte do Brasil há orien stas pra cando esse que é um dos esportes que mais crescem no pais. Bom ver também que pistas de orientação para as crianças ainda estão acontecendo. Temos o nosso presidente em exercício Luis Sérgio Mendes como um dos colaboradores fixos, citando suas palavras sobre a orientação brasileira. O diretor técnico da CBO, Gilson Schropfer, também trás em sua coluna mensal. Nesse mês o Gilson abordou dois temas bastante atuais, que são o “Doping” e “Orientação Sprint”. Publicamos também um edital de convocação da CBO. A Confederação Brasileira de Orientação e a Prismagazine sempre trabalhando lado a lado. Ainda temos a atleta Camila Daronco como destaque dessa edição, atleta super experiente na orientação brasileira, Camila é uma das integrantes da equipe feminina da seleção militar de orientação e estará nos representando no CISM 2016, no Rio de Janeiro. Vejam ainda nossas colunas fixas como a Orien stas em Rota, Sem Palavras, Dicas de nutrição e nosso calendário especial. Nesse mês estamos lançando uma nova coluna, “Galeria PrisMagazine”, onde iremos publicar as mais belas fotos registradas pelas lentes da nossa equipe, nos eventos que estaremos presentes, vale a pena conferir. Ufa, muita coisa não? Então aproveitem e se mantenham bem informados com a REVISTA PRISMAGAZINE. Boa leitura para todos Jeremias Araújo Diretor de Edição

Expediente Equipe Edição Jeremias Araújo Rafael Dantas José Alexsandro

Diagramação, arte e criação Jeremias Araújo - jqcaraujo@gmail.com

Colaboradores Luiz Sergio Mendes - preside.cbo@gmail.com Gilson Schropfer - diretortecnicocbo@yahoo.com.br Orien staemRota - orien staemrota@gmail.com Andre Pivoto - pivotoandre@gmail.com Evandro Prieto - evandroprieto@gmail.com Marden Sousa - guerreiro_ef@yahoo.com.br

Josias Cavalcan - josias.cavalcan @gmail.com Camila Daronco - kaumilinha@yahoo.com.br Felipe Toledo - felipetgoliveira@gmail.com Rodrigo Oliveira - rbo51@outlook.com Almir de Oliveira - apiavila60@gmail.com

Contato Comercial: (83) 9-8878 - 6800 Email: revistaprismagazine@gmail.com Site: www.primagazine.com.br Facebook: h ps://www.facebook.com/revistaprismagazine Instagram: revistaprismagazine


PALAVRA DO PRESIDENTE Prezados orien stas Estamos nos aproximando de mais um evento nacional de grande importância no nosso calendário; o Campeonato Brasileiro Estudan l e Universitário de Orientação, que será realizado em Caldas Novas-GO, dias 27 e 28 de agosto. Este é um evento ímpar, que oferece uma oportunidade especial a alunos de escolas e universidades do país de par cipar de um evento desenhado exclusivamente para eles. A CBO vai focar cada vez mais os seus esforços na juventude e pretende mudar a forma de organização do CBEUO, tornando-o maior e com mais visibilidade no cenário nacional. Isso já deverá acontecer em 2017, quando o campeonato será realizado na Paraíba, sob a coordenação do FOP. Desejamos a todos os par cipantes boa sorte e sucesso nos percursos. Agradecemos à FOG e ao COER, organizadores de 2016, pelo esforço e dedicação em realizar mais este evento. Em setembro teremos a terceira e úl ma etapa do Campeonato Brasileiro de Orientação, a ocorrer em Brasília de 23 a 25. Durante este evento teremos a realização de duas clínicas da Federação Internacional de Orientação (IOF). Elas tratarão de arbitragem e mapeamento de eventos de grande porte. As vagas para as clínicas são limitadas estão sendo preenchidas pelas federações. As inscrições para a etapa con nuam abertas no site da CBO. Venha par cipar, você vai encontrar algumas novidades muito interessantes. A Revista Prismagazine está realizando um grande esforço para a ngir mais uma meta em seu crescimento; publicar uma edição impressa. Como todos sabem, trata-se de um trabalho di cil e que depende em grande parte da colaboração dos leitores. Se você tem disposição para ajudar o editor, acesse h ps://www.catarse.me/projects/28828/ e colabore. Os valores variam de dez a cinqüenta reais e a par r de doze reais vocês já têm direito a receber um exemplar impresso. Neste mês par ciparei da Assembleia Geral da IOF, a ser realizada em Strömstad, Suécia, no dia 26. Antes disso, farei uma apresentação sobre a situação da orientação no Brasil e na América do Sul para o Comitê de Desenvolvimento Regional da IOF. Será mais uma oportunidade para buscar apoio para o desenvolvimento técnico do nosso esporte, a exemplo das clínicas que serão realizadas em Brasília. Um dos nossos obje vos é buscar suporte para o desenvolvimento da orientação em bicicleta. Alguns contatos já foram realizados com o presidente da Federação Portuguesa de Orientação, que realizou o Campeonato Mundial da modalidade em 2016. O Brasil já foi instado a apresentar a candidatura para organizar um Campeonato Mundial de Orientação e esta pode também ser uma oportunidade para amadurecer esta ideia e termos aqui o maior evento da orientação mundial em 2021. A viagem promete trazer bons resultados. Nos vemos durante a III Etapa do CAMBOR. Até lá! Luiz Sergio Mendes Presidente da CBO


07

INFORMATIVO DIRETOR TÉCNICO CBO Por Gilson Schropfer

1ª Parte: Doping Diretor Técnico CBO

“ O atleta que cona em si mesmo não precisa de dopagem, mas de treino, esforço e garra. Alcançar os melhores resultados nas competições e poder bater no peito e dizer: SOU+EU, SOU LIMPO!!!

CBO

Texto: Gilson Schropfer, Direto Técnico CBO

Considerando o compromisso que a CBO tem com desenvolver a orientação com responsabilidade, atendendo a todas as exigências legais, para ficar de acordo com as regras estabelecidas pela Agência Mundial An dopagem, Regras da IOF e Código Brasileiro An dopagem, que regulam a luta contra a dopagem no esporte, informamos que entramos na luta pela erradicação do Doping no esporte brasileiro. Isso significa que em quaisquer eventos nacionais ou coordenados pela CBO poderão ser realizados testes de controles aos atletas das Categorias Elite. Foram feitos contatos com Organização Nacional An dopagem, a ABCD (Autoridade Brasileira para o Controle de Dopagem), responsável por conduzir os testes de controle, a gestão de resultados, inves gações e outras a vidades relacionadas à an dopagem, tendo como missão maior proteger todos os atletas que competem de forma limpa, apenas com seu talento, técnica e força de vontade. Sempre que se fala de dopagem as pessoas logo pensam em consumo de drogas terríveis e, por vezes, isto é mesmo realidade. Mas, a verdade maior é que a dopagem não é um assunto restrito às drogas de qualquer natureza, é sobre é ca, sobre valores. Quando um atleta usa substâncias ou métodos proibidos no esporte que pra ca ele está fraudando a compe ção, fraudando os outros atletas, aqueles que têm talento, técnica e força de vontade para dedicar sua vida aos treinos e às compe ções. Alertamos que é bastante comum o atleta se automedicar e acabar usando uma substância proibida. Até medicamentos para dor de cabeça podem conter drogas ilícitas para atletas. O doping pode estar bem perto de você e por este mo vo, os atletas de alto rendimento devem estar em contato com seus médicos para discu r o uso de medicamentos. Isso vai evitar possíveis problemas em nossos eventos de orientação que poderão trazer prejuízos significa vos para aqueles que, por desventura, testarem posi vamente. Lembramos também que, de acordo com o Código An doping da WADA: é dever pessoal de cada Atleta assegurar que nenhuma Substância Proibida entre em seu corpo e nenhum Método Proibido seja u lizado. Aproveitamos a oportunidade para alertar a todos os atletas, técnicos e dirigentes para que procurem esclarecimentos sobre o doping para que possam agir de maneira correta dentro das regras estabelecidas principalmente no que tange a Lista de Substância Proibidas, Métodos Proibidos e procedimentos no uso de Medicamentos Terapêu cos. Todas as informações podem ser encontradas em www.abcd.gov.br e www.cbo.org.br/regras.


08

INFORMATIVO DIRETOR TÉCNICO CBO Por Gilson Schropfer

2ª Parte: Orientação Sprint Diretor Técnico CBO

Os mapas de ISSOM em áreas urbanas trouxeram uma nova dinâmica para a orientação, permi ndo que a modalidade seja mais bem divulgada ao público e sejam aproveitadas áreas que antes se diziam muito pobre para a prá ca da modalidade ou simplesmente não se podia usá-las. Com o uso de obstáculos naturais e obstáculos ar ficiais, sendo aproveitados os que já têm construídos ou criando quantos mais forem necessários pelos organizadores de uma prova até que se construa um ambiente que apresente aquilo que um traçador de percurso imaginar para fazer seu trabalho na excelência dentro dos níveis almejados e dando uma graça especial nas provas de Sprint. Por ocasião da realização da prova de Revezamento da II Etapa do CamBor 2016 ocorreram algumas desclassificações. A prova foi realizada em área urbana no modelo Sprint, sendo muito bem aproveitada o que de melhor o ambiente oferecia com bom planejamento dos traçados dos percursos. Em decorrência da caracterís ca da prova alguns atletas infringiram as regras em alguns pontos. Penso que os problemas de desclassificação no Brasil em provas onde são impostos obstáculos para os atletas são principalmente a falta de prá ca em compe ções neste modelo, processo de desenvolvimento da modalidade e desconhecimento das regras desde os mais novatos até os mais experientes no esporte. Em con nuidade ao assunto faço referência à equipe do COC que produziu um belo trabalho para esclarecer aos seus atletas sobre desclassificações que ocorreram nesta prova, através da explanação de alguns exemplos de simbologias de provas de Sprint. Este trabalho demonstra o comprome mento com o desenvolvimento do esporte dentro do clube de orientação servido de referencia como um bom exemplo a ser seguido. Parabenizo aos profissionais Luciano de Oliveira – Diretor Técnico do COC e Colaboração Francisco Pamplona – COC, no qual segue abaixo o trabalho elaborado para conhecimento de todos. Um grande abraço e até breve. Gilson Schropfer


A T E L AT E U Q A T S DE CAMILA DARONCO


11 Comecei a orientação quando entrei na Escola de Especialistas de Aeronáu ca em 2008. Recém apresentada ao esporte, logo na primeira Olimpíada do Corpo de Alunos da EEAR já me surpreendi ao conquistar o primeiro lugar. Então segui na equipe da EEAR para a Maresaer durante os dois anos que es ve na escola, par cipando durante esse período também de algumas etapas do campeonato paulista e a primeira etapa de um CAMBOR que es ve foi em Grumari/RJ em 2009 na categoria D21B. Porém, após minha transferência para Floranópolis em 2010 não consegui con nuar no esporte por falta de atuação dos clubes e federação locais. Somente quase três anos depois, no final de 2012, retornei a pra car orientação após par cipar de uma sele va para a equipe de orientação da FAB. Desde então não parei mais.

Quem é a Camila? Acredito que é alguém que busca seus objetivos com muita vontade, disciplina e persistência.

O que é orientação pra mim? A orientação para mim é um esporte que vai além de uma simples compe ção, ela nos proporciona um contato ín mo com a natureza tanto externa quanto internamente, quero dizer que não ficamos mais próximos só de florestas, rios ou animais, também passamos a nos conhecer melhor e assim nos aperfeiçoar con nuamente.

Quem é a Camila? Acredito que é alguém que busca seus obje vos com muita vontade, disciplina e persistência.

Minha conquista mais recente é a vaga para par cipar da equipe do Brasil no Mundial Militar. Mas já alcancei outros obje vos pessoais como a formação em Jornalismo pela UFSM, a aprovação no concurso e posterior formação em Controle de Tráfego Aéreo da FAB e, em breve, terminarei o curso de Direito na UFSC.

Expecta vas para o CISM? Espero fazer uma excelente par cipação na minha primeira compe ção mundial de orientação. Além disso, farei o melhor possível para ajudar a equipe do Brasil a conquistar uma posição de destaque nesse evento tão importante para todos os atletas e amantes do nosso esporte. Acredito que compe r em casa será mais um fator de mo vação.


14

Quando é hora de desistir...

Orientista em Rota Um orien sta nunca desiste!

Essa é uma frase bastante comum em nosso meio. Vale como um incen vo para que o compe dor complete sua prova, já que a corrida de Orientação é um esporte de muita emoção e que só revela o resultado final depois que parte o úl mo da categoria. Esse incen vo é cultural e o orien sta o carrega solitariamente durante seu percurso. Ademais, aprendemos desde pequenos que desis r não é legal.

Texto e fotos: Blog do Orien sta em Rota Ocorre que em determinados momentos de uma prova de orientação, o corpo dá sinais de que o esforço pode prejudicar suas funções vitais. E consequentemente, a capacidade de raciocínio cai ver ginosamente. Entender estes sinais pode ser uma vantagem ao compe dor no que diz respeito à manutenção da sua saúde. Essa vantagem também se reflete, inclusive, numa melhor gestão da organização do evento, já que se os atletas possuirem melhor domínio da condição sica e mental, menor a probabilidade de acionamentos de equipes de resgate. Acompanhando as provas de Orientação, não são raros os momentos em que percebemos colegas chegando extenuados após horas na pista. Também é comum termos que acionar equipes para buscar aqueles que já estão fora do tempo limite (mais de 4h, na maioria dos eventos). Dentre os mo vos que levam um orien sta a ficar tanto tempo na pista, podemos citar a falta de aplicação das técnicas de navegação, erros de cartografia, lesões ou a fadiga sica e mental. Diferentemente de uma prova de corrida de rua, na Orientação não há uma rota clara e definida. Pra camente todo o campo de prova pode ser usado pelos orien stas. Além disso, a desorientação espacial pode ocorrer em vários momentos da prova. Outro aspecto peculiar é que as escolhas de rota podem tornar um percurso mais ou menos cansa vo.

Mas até que ponto o nunca desis r é bom para o compe dor e para a compe ção em si? Desis r de completar o percurso durante uma prova é realmente uma situação que não faz parte da vida de um orien sta? Quais fatores podem auxiliar o orien sta a decidir por con nuar ou interromper seu percurso? Desis r vem do la m desistere, significando interromper um propósito, deixar de. Desis r é, na maioria das vezes, entendido numa conotação pejora va. O mérito é dado àquele que persiste, que insiste mesmo diante das adversidades e, preferencialmente, obtém êxito. Já para o desistente, fica o mar rio da dúvida quanto ao que aconteceria caso con nuasse a empreitada. É bem provável que você, orien sta e leitor, já presenciou ou tomou conhecimento de algum colega que desis u de um percurso e julgou que o ato de parar foi uma espécie de covardia, de fraqueza. A prá ca despor va, independente da modalidade, exige do atleta basicamente dois fatores: o domínio técnico e o controle da junção mente-corpo. Na corrida de Orientação essa dualidade, quase tríade, fica mais evidente. Ao contrário de uma corrida normal, temos que monitorar sabiamente o grau de desgaste sico e o aspecto psicológico, para que seja possível raciocinar a contento decodificando a simbologia do mapa e definindo as melhores rotas a tomar.

Se numa corrida de rua o atleta que sofre com o desgaste sico é facilmente atendido, na Orientação há uma previsibilidade baseada na suposição de qual rota ele adotaria. Ocorre que essa suposição considera o raciocínio em boas condições sicas. Uma busca emergencial vai procurar o atleta, primeiramente, pelas rotas óbvias. É importante, portanto, procurar se manter nessas proximidades. Você, orien sta, deve observar em primeiro lugar como está sua capacidade sica. Sede excessiva, visão turva, dormência nas extremidades ou nos lábios, calafrios, visão de túnel, tonturas, cãibras, sensação de esmagamento do tórax, são sintomas que podem indicar que o momento é de dar uma pausa ou interromper por completo sua compe ção.


15 Diferentemente de uma prova de corrida de rua, na Orientação não há uma rota clara e definida. Pra camente todo o campo de prova pode ser usado pelos orien stas. Além disso, a desorientação espacial pode ocorrer em vários momentos da prova. Outro aspecto peculiar é que as escolhas de rota podem tornar um percurso mais ou menos cansa vo. Se numa corrida de rua o atleta que sofre com o desgaste sico é facilmente atendido, na Orientação há uma previsibilidade baseada na suposição de qual rota ele adotaria. Ocorre que essa suposição considera o raciocínio em boas condições sicas. Uma busca emergencial vai procurar o atleta, primeiramente, pelas rotas óbvias. É importante, portanto, procurar se manter nessas proximidades. Você, orien sta, deve observar em primeiro lugar como está sua capacidade sica. Sede excessiva, visão turva, dormência nas extremidades ou nos lábios, calafrios, visão de túnel, tonturas, cãibras, sensação de esmagamento do tórax, são sintomas que podem indicar que o momento é de dar uma pausa ou interromper por completo sua compe ção. Caso se depare com algum compe dor que claramente não apresente condições de seguir sozinho, deve buscar auxiliá-lo. Seja entrando em contato com a organização e informando sua localização, seja apoiando-o até a arena onde está a estrutura básica da compe ção. Alguns sinais, não tão óbvios, podem indicar necessidade de intervenção: lábios ou pontas dos dedos roxos (cianose), pálpebras e mãos esbranquiçados, pupilas dilatadas, falta de equilíbrio, sudorese excessiva, incapacidade de responder perguntas simples (data de nascimento, nome da mãe etc.). Persis r numa prova com os alertas dados pelo seu corpo de que algo não vai bem aumenta as chances de um colapso sico e mental. E numa prova de orientação, todos sabem que mente e corpo devem permanecer sãos até o pór co de chegada. O orien sta, por caracterís ca própria da modalidade, sabe avaliar contextos e tomar decisões. E aprende a lidar com as consequências de cada escolha. O que fica de lição, então, é que maior atenção deve ser dada aos sinais e sintomas sicos e mentais durante a compe ção ou treino. Respeite seus limites, inclusive se isso significar parar por um momento. Desis r pode ser um passo para sua próxima vitória. Desis r, em determinadas situações, é o que pode te garan r com saúde para compe r no futuro e, quiçá, chegar aos 95 anos tal qual nosso colega Rune Haraldsson.

Boas rotas \o/ orien staemrota www.orien staemrota.com.br


16

V TROFÉU CERRADO DE ORIENTAÇÃO

ACONTECEU NOS DIAS 23 E 24 DE JULHO A QUINTA EDIÇÃO DO TROFÉU CERRADO DE ORIENTAÇÃO. O EVENTO FOI ORGANIZADO PELO CLUBE DE ORIENTAÇÃO DO TRIÂNGULO MINEIRO, COM O APOIO DA FEDERAÇÃO MINEIRA DE ORIENTAÇÃO E FOI REALIZADO NAS INSTALAÇÕES DO CLUBE CAÇA E PESCA ITORORÓ DE UBERLÂNDIA, MG. Texto: Evandro Pires A compe ção iniciou-se no sábado as 14h com um desafiador Percurso de Sprint dentro da área social do clube. Os percursos exigiram uma boa leitura do mapa e foi uma prova de velocidade. Com o mapa na escala de 1:4000 os atletas foram desafiados a percorrer diferentes pos de terrenos e construções. Ao final, os atletas receberam uma bela medalha de par cipação. O menor tempo da Elite Masculina foi do atleta João Pedro Cardoso da ADAAN com 13min20s, seguido do atleta do COGA Carlos Henrique Souza com 14min37s e o terceiro colocado o atleta João Ba sta Silva do COMIB. Na elite feminina a primeira colocação ficou com a atleta do COMIB Michelle Caldas com 25min14s seguida da atleta Karen Cris ne do COR/DF com o tempo de 29min58s. A abertura oficial ocorreu no domingo pela manhã. Contou com a Presença do Vice-Presidente do Clube Caça e Pesca - Antônio Carrijo e do Diretor Marcos Suavinho que deram as boas vindas a todos os atletas. Os presidentes das Federações de Goiás - Alvim José Pereira e da Federação Mineira Evandro Pires Prieto fizeram uso da palavra e destacaram a importância do evento regional.

Fotos: André Pivoto O Secretário da CBO, Antônio Dmeterko representou o Presidente da Confederação Brasileira de Orientação Luis Sergio Mendes e reforçou que a CBO acredita muito nos eventos como o Troféu Cerrado. Eles congregam as Federações vizinhas e fortalecem a prá ca espor va na região. Após a abertura foi dada a par da para o percurso oficial. O terreno escolhido foi o cerrado no entorno do clube. Este tem cerca de 7 milhões de m² de área de cerrado na vo e margeia o rio Uberabinha. A organização conseguiu aproveitar bem a área em um mapa bem detalhado e um percurso bastante técnico e com velocidade reduzida devido à vegetação mais fechada. A cada atleta que chegava era possível ver o desgaste sico e ao mesmo tempo à sa sfação da conclusão de um percurso di cil.


17 O atleta André Fernando Pivoto fez o menor tempo da Elite masculina com 01h06m07s, seguido pelos atletas João Ba sta da Silva com 01h14m53s e Roberto Alves Carrijo 01h14m56s. Os três atletas são do clube COMIB. A elite feminina foi representada pela Michelle Caldas com o tempo de 1h54m59s. Um destaque foram as crianças que par ciparam dos dois de compe ção. O atleta mais novo foi o Felipe Oliveira Prieto, 4 anos fez a prova na categoria HN1 acompanhado de sua mãe. "O Felipe conseguiu fazer os dois dias de prova com facilidade. Ele percorreu e encontrou todos os prismas. No dia do Sprint foi até di cil acompanhar, queria fazer correndo o tempo todo." destaca Cláudia de Oliveira, atleta do COTRIM e mãe do Felipe. Por outro lado, no Domingo, vemos a Sra. Vitália Tavares do COTi com 87 anos de idade completando calmamente e com um grande sorriso no rosto o seu percurso. Que outro esporte a gente consegue ver isso em um mesmo dia com diferença de poucos minutos? A Sra. Vitália de 87 anos completando seu percurso assim como o Felipe de apenas 4 anos. E o melhor.. ambos SORRINDO.. E FELIZES pelo dever cumprido! destaca Evandro Prieto, presidente da Federação Mineira de Orientação.

O apoio da Diretoria do Clube Caça e Pesca foi de extrema importância. Além de ceder o espaço para o evento também ofereceu com toda a infraestrutura de acantonamento e alimentação dos atletas. Os dois dias transcorreram sem nenhum incidente e nenhum protesto. Os atletas saíram bem sa sfeitos com o evento. A premiação iniciou às 13h do domingo. A organização entregou um medalha de qualidade com a logo do evento. Ocorreu também a premiação do melhor clube e da melhor federação conforme o regulamento do TCO. A Federação campeã foi a Federação do Distrito Federal com 2059 pontos, seguida da Federação Mineira com 1928 pontos e da Federação de Goiás com 1292 pontos. O clube campeão foi o CODIV - Clube de Orientação de Divinópolis-MG com 1132 pontos, seguido pelos clubes do Distrito Federal COMIB e COR/DF com 762 e 697 pontos respec vamente. Por volta das 14h30m as delegações já estavam voltando para os seus des nos. O COTRIM encerrou o evento com maestria. Em 2017 o Troféu Cerrado é responsabilidade da Federação do Distrito Federal e em 2018 da Federação de Goiás.


TCO EM FOCO

Fotos: André Pivoto


22

VI CAMPEONATO DIVINOPOLITANO DE ORIENTAÇÃO I ETAPA - PROVA DE SPRINT A compe ção foi realizada no dia 21 de agosto de 2016 no parque de exposições de Divinópolis-MG. O evento teve a par cipação de mais 70 atletas sendo em sua maioria novatos que vieram conhecer nosso amado esporte. Também par ciparam atletas que irão compe r no CBEUO em Caldas Novas, o CODIV irá levar 40 atletas em sua delegação. Para a etapa usamos um mapa de Sprint 1:4000 feito em 2013, fizemos a reambulação do mapa a duas semanas da compe ção corrigindo as modificações do terreno que aconteceram após a produção do mapa. Foram feitos apenas 4 percursos para a etapa, um mais fácil para a pista treino dos novatos que veram instrução com o presidente do CODIV, o Professor Castro de Mello, 2 percursos que os novatos pudessem escolher qual correr e orientar sozinhos e um quarto percurso com 2,6 km de distância para os atletas mais experientes. Nesse link h ps://www.strava.com/ac vi es/683851990 meu trajeto na corrida. A etapa aconteceu junto a um feirão de veículos que acontece no mesmo local todas as manhãs de domingo. Isso foi muito bom que despertou a curiosidade dos populares que estavam no feirão. Tivemos pessoas que acharam o esporte muito interessante e até aceitaram a proposta de fazer nossa pista treino. Por fim vemos ó mos resultados na etapa, os atletas veteranos adoraram a compe ção e os novatos ficaram com gos nho de quero mais, muitos até já nos enviaram os dados para filiação. Muito obrigado pela oportunidade de divulgar nossos eventos na PrisMagazine e aproveitando queria também que nos ajude a convidar os atletas para a final do campeonato mineiro de 2016 que será realizada pelo CODIV nos dias 26 e 27 de novembro em bom despacho-mg, o mapa já está quase concluído, os mapeadores do CODIV estão com dedicação total para finaliza-lo, uma obra prima de 350 hectares com pistas e obstáculos para todos os gostos!!!! Será uma grande festa. Texto: Rodrigo Oliveira

O CODIV é atual clube campeão mineiro de orientação, estamos na corrida para o bicampeonato neste ano e recentemente vencemos o troféu serrado realizado em Uberlândia nos consagrando como o clube campeão do cerrado de 2016.


24

3ª ETAPA DO CAMPEONATO MUNICIPAL DE ORIENTAÇÃO DE SÃO BORJA Texto: Marlon Alexandro, presidente do COVOP

Foi realizada III Etapa do Campeonato Municipal de Orientação de São Borja/RS, sob organização do Clube de Orientação Voluntários da Pátria (COVoP) e apoio do 2° RC Mec, a compe ção foi realizada na Sí o Preserva, no interior do município, no dia 30 de julho de 2016 . Abertura oficial foi às 9h30min; e a par r das 10 horas, teve a par da dos primeiros atletas; às 12 horas ocorreu o almoço; às 13h30min a premiação da etapa no local da prova e às 14h30min o encerramento. Tivemos a par cipação de mais de 50 atletas, conforme relação em anexo. O COVoP é mais dos representante do Esporte de Corrida de Orientação na Fronteira Oeste do Estado do Rio Grande do Sul. Fotos gen lmente cedidos por Marlon Alexandro


26

Texto: Eldemar Luccas, presidente do COSC

3ª Etapa do Campeonato Gaúcho de Orientação - Rio Pardo-RS No dia 21 de agosto foi realizado a III Etapa do Campeonato Gaúcho de Orientação Foi escolhido uma área no município de Rio Pardo, mas não vemos a liberação, posteriormente foi escolhido a Fazenda Capivari, realizado um reconhecimento da área pela diretoria do COSC, juntamente com o mapeador EDIVAN REGIS KAMMLER, posteriormente foi solicitado a autorização da Área, após isto iniciou-se o trabalho do mapeador. Ao mesmo tempo em que iniciou-se o trabalho de mapeamento foi estabelecido contato com a Prefeitura de Rio Pardo-RS, que se pron ficou em colaborar com o evento, disponibilizando um ginásio para o acantonamento e o banho dos atletas, dois banheiros químicos no local do evento, além de 20 almoços para a organização do evento no dia 21 de agosto. O 7º BIB, situado em Santa Cruz do Sul apoiou no transporte do mapeador e do material do COSC para a realização do evento e para a montagem da compe ção. Na sexta feira dia 19 foi carregado todo o material para a 2ª Etapa do Campeonato Municipal de Santa cruz do Sul, realizado também em Rio Pardo, na Fazenda Santa Branca. Todo o material foi transportado no sábado de manhã e logo se iniciou a montagem da par da e chegada do Campeonato Gaucho, logo após foi montado a pista, a par da e a chegada do Campeonato Municipal. O local não possuía instalações que pudessem servir de apoio para a organização, somente conseguimos um apoio de energia elétrica para auxiliar na chegada e na apuração. Foram montadas no local, duas barracas canadenses, emprestadas pelo 7º BIB, que serviram como ves ário para os atletas. O clube alugou mais banheiros químicos, além dos apoiados pela prefeitura de Rio Pardo-RS. O COSC providenciou balizadores para controlar o estacionamento dos ônibus e carros. Providenciou-se também o hasteamento das bandeiras A par da foi feita no horário previsto (10:00), tendo uma boa área de aquecimento. A chegada ficou próximo ao local da par da, o que facilitou o controle e a comunicação da organização. Os percursos ocorreram dentro da normalidade, os percursos foram um pouco mais longos, a área era totalmente reflorestamento de eucalipto, com pouco desnível e uma corrida livre. O traçado do percurso foi essencial, pois a área nha poucos detalhes no terreno, havendo escolhas de rotas todo o tempo de pista, fato posi vo elogiado por muitos atletas.

Fato nega vo foi que vários copos de agua mineral distribuídos nos pontos de agua dos percursos estavam espalhados na floresta, longe dos referidos locais. Acarretando um trabalho a mais à organização, esse fato é chato pois como temos a natureza como nosso campo de jogo, temos que ter cuidado em sempre preservá-la. Após a realização da pista, vários atletas foram até a cidade de Rio Pardo, as margens do Rio Jacuí, almoçar comendo um peixe, ponto turís co do município. O COSC é um dos clubes mais tradicionais do RS, organizando etapas do campeonato gaúcho com um alto nível técnico, já organizou também um Campeonato Sul-Americano e possui também seu Campeonato Municipal. O Clube de Orientação de Santa Cruz do Sul COSC possui em sua diretoria atletas experientes e acostumados a organizar compe ções deste nível, ficou fácil organizar pois todos sabem o que devem fazer, assim fica fácil organizar uma compe ção como o campeonato gaúcho. A III Etapa contou com 250 inscritos, atletas de todas as partes do RS e também com alguns atletas de outros estados. O destaque na Categoria H21E foi o atleta Leandro Pasturiza e na D21E foi a atleta Elaine Lenz, ambos campeões das destas categorias.


9 anos de tradição na Orientação da Paraíba

Venha fazer parte dessa família https://www.facebook.com/rumoserotas/


28

XII CAMPEONATO CEARENCE DE ORIENTAÇÃO (CCO) 3ª ETAPA - PROVA DUQUE DE CAXIAS Texto: Marden Souza

Tradicionalmente, o Clube de Orientação Coqueiro juntamente com o Grupo Orien sta Lagoa do Jirau, organizam a Etapa do Campeonato Cearense de Orientação realizada no mês de agosto, uma vez que a Prova homenageia o Patrono do Exército Brasileiro, Duque de Caxias, cuja data de nascimento é comemorada no dia 25 de agosto – Dia do Soldado. Neste ano, a 3ª Etapa do Campeonato Cearense de Orientação – Prova Duque de Caxias – foi realizada no dia 21 de agosto, na Praia do Presídio, Aquiraz – Ceará. Por tratar-se de uma área nova, os trabalhos de mapeamento iniciaram-se com quatro meses de antecedência, em abril de 2016, com os reconhecimentos, obtenção e registro de dados do terreno. O predomínio de dunas e matas e a existência de trechos com curvas de nível acentuadas, em meio a uma vegetação, em boa parte, muito densa, permi u a montagem de percursos com variados graus de dificuldade. Os mapas foram disponibilizados em escalas de 1:10.000 e 1:7.500, com percursos que variaram entre 1,8 km e 6,4 km. Um dos diferenciais da Prova foi a montagem de um labirinto de orientação, ao lado da área de concentração, com os obje vos de aquecimento e treino, antes da par da. No dia, a solenidade de hasteamento das bandeiras deu início à Prova, seguida das tradicionais fotos dos vários grupos de atletas par cipantes. Na sequência foi dada a largada dos atletas mirins e dos demais atletas, totalizando 193 atletas inscritos. Contamos com o apoio do Exército Brasileiro que disponibilizou uma ambulância com equipe médica e pessoal de apoio, durante todo o tempo de duração dos percursos.

Além de água durante o percurso, ao concluir a Corrida, o atleta nha à sua disposição, frutas tropicais e líquidos para a sua hidratação. O uso do sistema HELGA possibilitou que os resultados individuais fossem entregues aos atletas e o resultado geral disponibilizado em vídeo “on line”. Às 11:00 horas, após a chegada de um grande número de atletas, passou a ser servida a nossa tradicional feijoada, com sucos, para todos os par cipantes e convidados, outro diferencial das provas do Clube Coqueiro. Nessa altura dos acontecimentos, o sen mento de alegria, sa sfação e até mesmo orgulho pelo sucesso do evento, já estava disseminado por toda equipe organizadora, que via todo o longo trabalho recompensado pelas inúmeras manifestações recebidas. Mais que isso, de imediato, toda equipe assumiu o compromisso de redobrar os esforços para organizar uma prova ainda melhor, no próximo ano.


30

5ª ETAPA CIRCUITO PARANAENSE DE ORIENTAÇÃO (CiPO) RIO NEGRO - PR

Texto: Luiz Borella, Diretor Técnico Domingo chuvoso e levemente frio, o que para muitos foi um belo incen vo para prolongar o sono no fim de semana ou então cur r o conforto de casa, para outros (cerca de 280 atletas) foi mais um dos ingredientes que tornaram a 5ª Etapa do Campeonato Paranaense de Corrida de Orientação – CIPO um evento ainda mais atraente. Disputado na manhã do úl mo domingo (7), a compe ção reuniu atletas de diferentes níveis técnicos e idades, da elite de nível nacional à crianças, duplas ou novatos que pela primeira vez disputaram uma prova da modalidade, a 5ª etapa do CIPO, em dias em que acompanhamos os jogos olímpicos do Rio de Janeiro, foi uma mostra bem próxima dos riomafrenses daquilo que chamamos de “espírito espor vo”, de integração de pessoas por meio do esporte e da demonstração de respeito e preservação da natureza.

Fotos: Odete Rech

clube que, demonstrando o real sen do da expressão “trabalho em equipe”, sacrificaram horas de seu tempo de descanso e convívio familiar para dedicar-se aos prepara vos (que são muitos) necessários à realização de um evento de tal porte. “Correr pelo terreno, passando por matas, percorrendo trilhas, áreas de plan o, vencendo elevações e declives, em busca de pontos de controle indicados por um mapa, u lizando-se para sua localização apenas de uma bússola, e munido de um espírito de aventura e saudável compe ção, o orien sta (o atleta) põe à prova o seu preparo,

Evento coroado de sucesso, demonstrado nas palavras das

desafia sua própria capacidade de orientação e

diferentes delegações de clubes par cipantes e que por esta razão levará o

resistência, busca a superação não só de adversários

nome de Riomafra para todas as cidades de origem dos compe dores,

mas de seus próprios limites, busca mais do que a

esta etapa organizada pelo Clube de Orientação Riomafrense – CORM,

glória de subir ao o pódio busca aquilo que está na

deve seu êxito à todos aqueles que de alguma forma auxiliaram sua

beleza de todo esporte e no ín mo de todo

realização, aos proprietários das áreas que as cederam gen lmente para a

despor sta, a simples (mas incomparável)

realização do evento, à direção da capela Santa Terezinha que possibilitou

sa sfação em pra car o esporte que ama.”

a u lização de sua instalações, ao apoio municipal com a presença da equipe de saúde e sobretudo, ao empenho dos próprios integrantes do


Orientação na Mídia


34

4ª Etapa do Circuito Potiguar

de Orientação

Texto: Dandara Queiroga - Fotos: Jeremias Araújo

No úl mo dia 07 de agosto, realizamos a 4ª etapa do VI Circuito Po guar de Orientação CiPOr 2016. Com cerca de 200 orien stas par cipantes, a disputa ocorreu no 16° Batalhão de Infantaria Motorizada do Exército Brasileiro, que nos cederam infraestrutura e veículos, além do 17º GAC do Exército, mais uma vez presente em toda a logís ca do evento. O grande evento foi realizado em área de reserva de Mata Atlân ca situada no Parque das Dunas, o segundo maior parque urbano do país e patrimônio ambiental da humanidade. O dia estava ensolarado e perfeito para as disputas que se seguiram. Em um terreno rico em verdes e curvas de nível os atletas puderam colocar à prova suas técnicas, em uma pista cheia de desafios! A organização da prova contou com os novos formados nos cursos de Árbitro de Orientação, Alicia Medeiros e traçadores de percurso de Orientação, Dandara Queiroga e Jalon Medeiros. A prova foi vencida por Joacil Carlos Viana Bezerra (H21E em 2:38:05) do CORELE/PB, e por Gerlane Iara da Silva (D21E em 3:30:42), do COMANE/RN. A ambos, o parabéns especial do COP, pela excelência técnica e bravura demonstradas durante a disputa.

Depois de um primeiro semestre intenso, já com quatro etapas realizadas pelo COP Clube de Orientação Po guar, daremos uma pausa na orientação pedestre. Não, o circuito não parou (falta a quinta etapa!), estamos apenas trazendo uma grande novidade: I Troféu Po guar de Orientação em Mountain Bike (MTBO), a ser realizado no distrito de Urucará, Município de Arez/RN, no dia 13 de novembro de 2016. Estamos ansiosos para promover essa grande modalidade, a primeira no nosso estado. São todos muito bemvindo, queremos receber os mais diversos atletas do nosso país nessa disputa que promete ser repleta de muita aventura e velocidade! Já em 25 de setembro iremos realizar a primeira clínica de MTBO. As inscrições já estão abertas, mais informações no nosso site www. cop.org.br.

Na ocasião, vemos ainda a 3° edição da Pista Kids, que abrilhanta e enche de doçura nossas etapas. Os pequenos orien stas contaram, além do percurso, com pista de corda montada no bosque para que as crianças vessem mais uma opção de diversão. Foi muito gra ficante ver a criançada se esbaldando na área infan l, é o nosso CiPOr cada vez mais ligado às famílias.

Somos gratos pelos presentes na etapa, todos aqueles que vieram par cipar, seja como atleta, voluntário da organização, ou seja como acompanhante. Esperamos nos encontrar em breve! Ó mas rotas a todas e todos, PIAU. “COP, pequeno mas com conteúdo”.


Galeria PrisMagazine 4ª Etapa do CiPOr - Natal(RN)


40

Campeonatos do Mundo de Orientação em BTT 2016 Texto e Fotos: Joaquim Margarito

Pela segunda vez em 14 edições, o Campeonato do Mundo de Orientação em BTT teve lugar em Portugal. Do conjunto de resultados, destaque para as três medalhas de ouro individuais alcançadas pelo russo Anton Foliforov e para as duas vitórias da britânica Emily Benham, igualmente nas provas individuais,

Conhecida pelas suas belas paisagens e pela gastronomia onde imperam o leitão e o espumante, a região da Bairrada acolheu, entre 23 e 31 de Julho, a 14ª edição dos Campeonatos do Mundo de Orientação em BTT. Em simultâneo realizaram-se os Campeonatos do Mundo de Juniores e os Campeonatos da Europa de Jovens nesta disciplina e ainda duas etapas pontuáveis para os World Masters Series 2016, certame dirigido aos escalões de Veteranos. Os quatro tulos em disputa – Sprint, Distância Média, Distância Longa e Estafeta – veram por palcos os municípios de Cantanhede, Águeda e Mealhada, atraindo um total aproximado de 400 atletas de 23 países.

Na Elite feminina, a Britânica Emily Benham e a Finlandesa Marika Hara travaram um duelo intenso do primeiro ao úl mo metro e que terminaria com a vitória de Benham pela escassa margem de dois segundos. Grande figura da Orientação mundial nos úl mos três anos, a Benham faltava uma medalha de ouro em Campeonatos do Mundo para completar um historial brilhante e eis que ela surgiu na tórrida jornada de Cantanhede, ante uma das melhores do Mundo, Marika Hara, que desta feita foi infeliz ao sofrer uma queda já muito próximo do final, perdendo assim a medalha de ouro.

Emily Benham e Anton Foliforov foram os brilhantes vencedores da prova de Sprint que abriu a compe ção. O italiano Luca Dallavalle par a na defesa do tulo alcançado em 2015 na República Checa, mas encontrou pela frente um supermo vado Anton Foliforov, Rússia, líder da Taça do Mundo e ansioso por recuperar um tulo anteriormente alcançado por duas vezes, em 2011 e em 2014. No final, a diferença entre ambos cifrou-se em trinta e dois segundos, um resultado que permi u a Foliforov saborear a sua sé ma vitória individual em Campeonatos do Mundo, tornando-se no atleta masculino mais “dourado” de sempre nesta disciplina. Atleta finlandesa Emily Benham


41 “Bis” da Rússia na final de Distância Média Para Vojtech Ludvik, a final de Distância Média dos Campeonatos do Mundo de Orientação em BTT disputada em Valongo do Vouga, no concelho de Águeda, dificilmente será apagada da sua memória. O jovem checo foi o primeiro a par r e, também, o primeiro a chegar; e desde logo com um tempo que viria a revelar-se excecional, cifrando-se em 47:18 para uma distância de 19,3 km. A verdade é que foram precisos nervos de aço para suportar a pressão de manter a liderança durante duas horas e meia, apenas desfeiteado pelo Russo Anton Foliforov, o penúl mo a par r, e que no final registaria um tempo superior em 43 segundos. Com este resultado, Foliforov revalidou o tulo mundial de Distância Média, alcançando a segunda medalha de ouro consecu va nos Campeonatos. Na Elite feminina, a vitória voltou a sorrir à Britânica Emily Benham. A atravessar um momento de forma verdadeiramente fantás co, Benham completou o seu percurso em 1:29:10, deixando a francesa Gaëlle Barlet na segunda posição, a uma diferença de 38 segundos. A viver igualmente um excelente momento, a Suiça Maja Rothweiller conclui na terceira posição a 2:25 da vencedora, arrecadando a sua primeira medalha individual desde que se estreou nestas lides, nos Mundiais de Ben Shemen, Israel, em 2009.

Vojtech Stransky

Gaëlle Barlet

Na Elite feminina, a Russa Olga Shipilova Vinogradova foi a grande vencedora com o tempo de 44:02 para um percurso de 14,5 km, confirmando que a paragem de dois anos a que se obrigou em nada afetaram a sua enorme qualidade. Segunda classificada, a Britânica Emily Benham, atual líder da Taça do Mundo, terminou a sua prova com mais três segundos que Vinogradova. Anterior Campeã do Mundo, a Francesa Gaëlle Barlet foi 5ª classificada, a 1:31 da vencedora.

Marika Hara Davide Machado conquista bronze histórico Entrados na reta final dos Campeonatos do Mundo de Orientação em BTT, a cidade de Águeda acolheu a úl ma final individual do programa compe vo. Traçada nas distâncias aproximadas de 40 km para os Homens e de 30 km para as Senhoras, a prova de Distância Longa revelou-se extremamente dura do ponto de vista sico, com desníveis muito acima dos quinhentos metros e sob temperaturas superiores aos 30º. No setor masculino, o Russo Anton Foliforov provou que “não há duas sem três”, arrecadando a sua terceira medalha de ouro consecu va nestes Mundiais e tornando-se no primeiro atleta a chamar a si todos os tulos individuais numa mesma edição dos Campeonatos do Mundo. Foliforov cumpriu o seu percurso em 1:41:10, batendo pela escassa margem de 32 segundos o Checo Krystof Bogar, regressado este ano à compe ção após três anos de interregno. O terceiro lugar coube ao português Davide Machado, a 44 segundos do vencedor, oferecendo à Orientação portuguesa a primeira medalha da sua história em compe ções Mundiais de Elite sob a chancela da IOF.

Anton Foliforov


42

República Checa e Finlândia fecham a compe ção com chave de ouro Foi em ambiente de festa que chegaram ao fim os Campeonatos do Mundo de Orientação em BTT 2016. Na Mealhada, com o seu Parque Urbano transformado no epicentro de todas as emoções, um total de 90 equipas lutaram pelos tulos Mundiais de Juniores e de Elite e ainda pelos tulos Europeus de Jovens. Na Elite masculina, a primeira nota de emoção foi dada pela turma portuguesa que, graças à excelente prestação de Davide Machado, liderava no final do primeiro percurso. O Finlandês Jussi Laurila foi o mais rápido no segundo percurso, “encostando” a Finlândia à turma da República Checa, que liderava então com uma vantagem de três segundos. A menos de um minuto da frente, a França seguia na terceira posição. Com um úl mo percurso alucinante, Krystof Bogar foi capaz de ir ampliando a vantagem para os seus mais diretos rivais, fixando-a no final em 1:51 sobre a Rússia, segunda classificada. A vitória dos checos com o tempo de 2:05:44 significa o recuperar dum tulo mundial que lhes escapava desde 2013. Vingando os rela vos insucessos das etapas iniciais, onde duas quedas a afastaram do ouro, a Finlandesa Marika Hara teve finalmente a oportunidade de festejar um tulo mundial nestes Campeonatos. Começou melhor a Áustria, com Michaela Gigon a fser a mais rápida primeiro percurso, mas logo a Finlândia e a Rússia assumiram o controlo das operações, par ndo na frente para o derradeiro percurso separadas entre si por escassos dois segundos, com a ligeira vantagem a pertencer à Finlândia. No derradeiro percurso, Marika Hara foi mais rápida que a sua mais direta adversária, Svetlana Poverina, concluindo a sua prova em 1:59:39 contra 2:00:01 das Russas e revalidando assim o tulo mundial, o que sucedeu pela quarta vez nas úl mas cinco edições dos Campeonatos do Mundo.

Luca Dallavalle

Davide Machado

Vojtech Stransky

Equipe da Finlândia


Forca Nordeste

de Orientacao

aguardem ...


Foto: Juliana Barreto

Foto: André Pivoto

Foto: Jeremias Araújo

Foto: Jeremias Araújo Foto: Juliana Barreto

Foto: Juliane Weiss Foto: Juliane Weiss

Foto: Jeremias Araújo Foto: André Pivoto

Foto: Jeremias Araújo

Foto: Odete Rech

Foto: André Pivoto

SEM PALAVRAS ... Foto: Odete Rech

Foto: Odete Rech


Foto: Juliana Barreto

Foto: Jeremias Araújo Foto: Odete Rech Foto: Juliana Barreto

Foto: Juliana Barreto Foto: Julia Weiss

Foto: André Pivoto

Foto: Julia Weiss Foto: Odete Rech

Foto: Julia Weiss Foto: Jeremias Araújo

Foto: André Pivoto

Foto: André Pivoto


www.adesivomix.com.br Entregamos em todo o Brasil


AGENENDTOAS

DE EV

SETEMBRO

2016

dias 10 e 11 dia 11 CONFORT

Setembro

CCO

6ª Etapa do CiPO 5ª Etapa do COPO 5º Etapa do OriSprint

4ª Etapa do CAMPEONATO CEARENSE DE ORIENTAÇÃO

Local: Bela Vista de Aparecida-PR

Local: Maranguape-CE

dia 11 FOSP

5ª Etapa do CAMPEONATO PAULISTA DE ORIENTAÇÃO Local: Agudos-SP

Setembro

Dia 18

4ª Etapa do CAMPEONATO BAIANO DE ORIENTAÇÃO Local: Salvador-BA

dia 18

4ª Etapa do CAMPEONATO PARAIBANO DE ORIENTAÇÃO Local: Lagoa Seca-PB

COTROB

Setembro

CARCARÁ

Setembro

Setembro

dia 18

2ª Etapa do CAMPEONATO DIVINOPOLITANO DE ORIENTAÇÃO

CODIV

Setembro

47

Local: Divinópoles-MG

dia 18

Local: Japery-RJ

Setembro

1ª Treino de ORIENTAÇÃO IOF Local: Brasília-DF

dias 22 a 25

CAMPEONATO BRASILEIRO DE ORIENTAÇÃO - Itamar Torezzam

FODF

Setembro

Local: Brasília-DF

Informações retiradas do portal oficial da CBO: www.cbo.org.br

dias 21à 23 IOF

6ª Etapa do CAMPEONATO DE ORIENTAÇÃO DO RIO DE JANEIRO

KAAPORÃ

Setembro


Revista PrisMagazine Nº 012 Ano I - Agosto 2016  

A revista de agosto de 2016 demorou, mas finalmente foi lançada. Mais uma vez fizemos com muito carinho para todos vocês leitores e orientis...

Advertisement