Page 1

Págs 36 à 39

Pág 10

Págs 06 e 07

Págs 16 à 35


Sumário

08

52

SELEÇÃO MILITAR

CALENDÁRIO 2016

Acompanhe os passos da seleção militar brasileira até o CISM 2016

Veja os principais eventos de mar/abr 2016

11 ORIENTISTAS EM FOCO

Saiba o que fazer quando o prisma sumir da pista

50 PRISMA DA DEPRESSÃO Uma forma divertida de ver a Orientação.

12

48

ATLETA DESTAQUE Uma homenagem a Tatye Veríssimo

SEM PALAVRAS Veja as melhores imagens do mês, registros feitos durante os eventos em todo o Brasil

14 ORIENTISTA EM ROTA Interessante texto sobre como usar o GPS para analisar o seu percurso de Orientação

46 PORTUGAL 2016

42 POR TRÁS DAS LENTES Conheça Camila Neves, orientista do Paraná que ama registrar os principais momentos dos eventos de orientação.

45

Conram um resumo do que melhor aconteceu nas competições em Portugal 2016.

DICAS DE NUTRIÇÃO Acompanhe as dicas do nutricionista Rafael Soares, especialmente para as mulheres


Editorial Olá amigos e amigas orien stas, estamos lançando com muito orgulho mais uma revista PrisMagazine. Gostaria inicialmente deixar um agradecimento especial à todas as federações, clubes e atletas que contribuíram para a realização dessa edição, sem a ajuda de vocês nada disso seria possível. Começamos 2016 com bastantes novidades e surpresas para vocês. A Revista PrisMagazine terá nosso presidente em exercício Luis Sérgio Mendes como um dos colaboradores fixos. Com sua coluna mensal, o presidente pretende estreitar a ligação da CBO com os atletas. O diretor técnico da CBO, Gilson Schropfer, também será nosso colunista mensal. Ele trará informa vos técnicos sobre orientação. Se você tem alguma dúvida e gostaria de debatê-la com o Gilson ou com os demais atletas, nos envie um email. Nesse ano de 2016, teremos o Campeonato Mundial Militar (CISM), onde uma das modalidades é a Orientação. A seleção Brasileira Militar já está se preparando, treinando e viajando pelo Brasil, a fim de adquirir experiência em terrenos diversos. A PrisMagazine estará acompanhando todo esse treinamento e repassando para vocês todas as a vidades realizadas. A temporada de compe ções de orientação no Brasil já começou e na coluna Como Foi, você irá acompanhar toda a cobertura feita por nós. Neste mês teremos a cobertura da primeira etapa do Campeonato Paraibano de Orientação, com a par cipação de 450 atletas e a cobertura fotográfica da Odete Rech. Ainda teremos cobertura especial da Revista PrisMagazine a 1ª Etapa dos campeonatos Po guar, teremos também tudo que aconteceu no Goiano, Baiano, do Circuito da Lagoa do Jirau, do Distrito Federal e de Curi ba. É orientação por todo o Brasil! Fizemos uma matéria especial do Torneio Sudeste de Orientação, realizado no Rio de Janeiro e que pontuou para os Campeonatos do Rio de Janeiro, Paulista e Mineiro. Realizado em 3 dias, o Torneio Sudeste foi um sucesso e separamos algumas das melhores imagens do evento para vocês. Vejam ainda nossas colunas fixas como a Orien stas em Foco, Orien stas em Rota, Atleta em Destaque, com uma homenagem a atleta Tatye Veríssimo, Atrás da lentes, Dicas de Nutrição, Prisma em Depressão e nosso calendário especial. Ufa, muita coisa não? Então aproveitem e se mantenham bem informado com a REVISTA PRISMAGAZINE.

Boa leitura para todos

Jeremias Araújo Diretor de Edição

Expediente Equipe Edição Jeremias Araújo Rafael Dantas José Alexsandro

Diagramação, arte e criação Jeremias Araújo - jqcaraujo@gmail.com

Colaboradores Marcos Paulino - mpaulino74@hotmail.com Luiz Sergio Mendes - preside.cbo@gmail.com Felipe Toledo - felipetgoliveira@gmail.com Rafael Soares - rafaelsoaresnutri@gmail.com Josias Cavalcan - josias.cavalcan @gmail.com Junior Dias - otaciliodias-bsb@hotmail.com Vitor Chiapino o - vitor.chiapino o@hotmail.com Antonio Neto <arapo 2@gmail.com> Marcia Libânea - marciaventuras@yahoo.com.br Ricardo Ribeiro - ricardo_aribeiro@hotmail.com Joaquim Margarito - orientovar.blogspot.com.br Camila Neves - camiladellapasqua@gmail.com Marcelo Malato - marcelomalato@hotmail.com Gilson Schropfer - diretortecnicocbo@yahoo.com.br André Nascimento - andreh_nascimento@hotmail.com Orien staemRota - orien staemrota@gmail.com

Contato Comercial: (83) 9-8878 - 6800 Email: revistaprismagazine@gmail.com Site: www.primagazine.com.br Facebook: h ps://www.facebook.com/revistaprismagazine Instagram: revistaprismagazine


PALAVRA DO PRESIDENTE Caros orien stas A CBO agradece a PrisMagazine pela oportunidade de criar esse contato com vocês. Com pouco tempo de existência, a revista já se tornou uma importante ferramenta sobre o nosso esporte. Parabéns aos editores. Nesta mensagem a vocês vou tratar de três temas relevantes para o momento: nosso novo site, as visitas da CBO e a par cipação das mulheres em nosso esporte. NOVO SITE A CBO está inaugurou um novo site no úl mo dia 11 de março. É uma nova ferramenta de comunicação com vocês. Não é, no entanto, um site acabado, mas algo que estará em desenvolvimento con nuo, sendo adaptado, ajustado e reorganizado visando atendê-lo da melhor maneira possível. Uma das principais novidades é um calendário onde você pode encontrar todas as provas em realização no país em cada mês do ano. Aproveite. VISITAS DA CBO Como presidente da nossa confederação, assumi um compromisso de levar a CBO até nossas federações ao longo deste ano. O calendário espor vo já começou e já acompanhei a primeira etapa do Campeonato Goiano e o Troféu Sudeste de Orientação. Esta a tude tem por obje vo conhecer as realidades locais e ouvir o que têm a dizer os atletas e dirigentes de cada região de nosso país. Nosso desenvolvimento tem que ser feito por meio do diálogo e da par cipação de todos. Cada presidente de federação ou clube é um líder de uma comunidade que tem aspirações no esporte e é dele a responsabilidade maior pela mobilização e crescimento da orientação. A captação de novos atletas só é possível graças ao trabalho incansável dessas lideranças, par cularmente nos clubes, onde trabalham com poucos recursos, mas muita cria vidade, para se equilibrar na di cil gestão das en dades de prá ca. Neste aspecto, lembramos que as leis federais que regulam en dades de prá ca e administração do esporte mudaram recentemente e estão mais exigentes. Assim, todos devem buscar a adequação à Lei Pelé, para o seu correto funcionamento. Duas caracterís cas principais da lei são fundamentais para um bom gerenciamento: democracia e transparência na gestão. Assim, concito a todos que busquem a adaptação de seus estatutos à Lei Pelé e as suas atualizações ocorridas no final de 2015. Peço a você, que agora lê este ar go e é atleta, que par cipe da vida social e espor va do seu clube, fiscalizando, cobrando e, principalmente, colaborando com as suas a vidades. Portanto, se você quer um clube melhor, ajude a construí-lo, pois, esperar que os outros façam não mudará a realidade. Lembre-se: para os outros, você é o “outro”. DIA INTERNACIONAL DA MULHER Desde o nascimento da orientação, que tem a data mais aceita como 31 de outubro de 1897, até os dias de hoje, o nosso esporte cresceu muito. No início, apenas homens par cipavam. A primeira compe ção que se tem no cia de par cipação de mulheres ocorreu em 1925, em Gotemburgo, Suécia. O primeiro campeonato mundial, organizado na Finlândia, em 1966, já contou com a par cipação de ambos os sexos.


No Brasil, o primeiro percurso que se tem no cia ocorreu em 1956, mas o esporte começou a se difundir com a ida de alguns militares à Europa em 1970. As mulheres começaram a par cipar na década de 90. O primeiro Campeonato Sul-americano, realizado em 1995, em Santa Maria-RS, já teve a par cipação delas. De lá até os nossos dias a par cipação das mulheres aumenta a cada dia. Hoje, elas já representam mais de 1/3 dos par cipantes. Não é pouca coisa. Para um esporte muito exigente fisicamente e com diversas condicionantes à sua par cipação, nossas mulheres demonstram cada vez mais que são capazes de vencer a qualquer desafio que lhes seja imposto. E ganham mais espaço a cada dia. A CBO já conta com duas das suas 14 federações comandadas por mulheres, Márcia Libânea, na Bahia e Odilene Moura, recém-eleita no Mato Grosso do Sul. Isso é uma demonstração clara de que as mulheres vão ocupar mais e mais espaço em nosso esporte, e isso é bom. As mulheres possuem uma visão diferente das coisas e carregam consigo atributos importantes que facilitam o gerenciamento de pessoas, sendo a sua capacidade de congregar uma das mais importantes. A orientação é um esporte di cil e que exige muito contato social para manter as pessoas par cipando, já que a dureza dos percursos pode deses mular. Assim, o crescimento da orientação no Brasil, passa, obrigatoriamente, pela maior par cipação de nossas mulheres. E isso em todos os aspectos; como atletas, organizadoras, técnicas, gestoras, etc. A CBO aproveita esta oportunidade para felicitar a todas as orien stas brasileiras no mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher. Desde 8 de março de 1857, quando trabalhadoras de uma indústria de Nova Iorque fizeram uma greve por igualdade de direitos trabalhistas para mulheres e foram violentamente reprimidas, sendo queimadas dentro da fábrica, até o presente, a sua luta tem sido incessante, assim como as suas conquistas. A CBO torce para que nossas orien stas ocupem cada vez mais o papel de liderança a que têm direito na orientação e que colaborem com o desenvolvimento de nosso esporte trazendo seu carisma, energia, beleza, simpa a e alegria para as nossas florestas. Por fim, deixo a todos vocês, orien stas do Brasil, um recado de ânimo e confiança no desenvolvimento da orientação. Acreditamos que o ano de 2016 será um ano de muitas adaptações, 2017 um ano de início de colheita de resultados e 2018 o ano da consolidação. Com a união de todos, tudo será possível. Luiz Sergio Mendes Presidente da CBO


08

49° CAMPEONATO MUNDIAL DE ORIENTAÇÃO MILITAR 2016

Por Gilson Schropfer.

Neste ano o Brasil volta a ser o palco do maior evento Militar de Orientação, o Campeonato Mundial Militar de Orientação, compe ção esta que será realizada na região dos lagos RJ de 10 a 16 de novembro (49th CISM World Military). Esta será a 4ª edição do referido campeonato a acontecer em nosso País.. Nossos atletas da equipe militar brasileira já estão em preparação para este evento, dispersados cada um dentro de sua Força (Exército, Marinha e Aeronáu ca), esperando as sele vas que se realizarão nos próximos meses, em Brasília, sob a coordenação da Comissão Despor va Militar do Brasil – CDMB, para a formação da equipe que nos representará. Compe ção esta que exige elevado preparo sico, qualidades morais e técnicas, requisitos básicos da profissão militar. O mundial de orientação é coordenado pelo CISM(Conselho Internacional do Esporte Militar), organismo que congrega e dirige, no âmbito das Forças Armadas, as a vidades espor vas entre os países a ele filiados. Teve a sua origem nos anos seguintes à Segunda Guerra Mundial, visando propiciar aos Soldados das unidades estacionadas na Europa, uma forma de a vidade que aliviasse o tédio do longo período do afastamento de seus lares. Este organismo tem seu lema “AMIZADE ATRAVÉS DO ESPORTE” e CDMB(Comissão Despor va Militar do Brasil), en dade ligada ao Ministério da Defesa, responsável por organizar os eventos espor vos no Brasil.

Para entendermos a origem da orientação nas Forças Armadas e no Brasil. A história da orientação brasileira tem origem em 1970, onde foi designada uma equipe de militares brasileiros, para observar o IV Campeonato Mundial Militar de Orientação do Interna onal Military Sports Concil (CISM), realizado na Dinamarca, com o obje vo de implantar esta modalidade nas Forças Armadas do Brasil. Em 1983 foi realizado em Curi ba-PR, o 18° Campeonato Mundial Militar de Orientação do CISM, com a par cipação de 14 países. Este evento contribuiu para o desenvolvimento do desporto entre militares e civis, tendo em vista ter sido realizado paralelamente ao mesmo, um estágio para professores. Em 1992 foi realizado em Brasília-DF, o 25° Campeonato Mundial Militar de Orientação do CISM, contribuindo sobremaneira para o desenvolvimento do esporte na região centro-oeste do Brasil.


09 Em 2016 voltamos a ter o Campeonato Mundial Militar em nosso país, como reconhecimento do trabalho que vem sendo feito por nossas ins tuições no desenvolvimento da modalidade no Brasil. Passados todos estes anos, muitas evoluções ocorreram na nossa modalidade. Nós brasileiros, aprendemos muito e hoje temos pessoas com uma larga trajetória de compe ções nacionais e internacionais, o que permite que tenhamos um maior conhecimento de causa. Em 2002, presidido pela Comissão Despor va Militar do Brasil (CDMB), foi organizado o I Campeonato Sul-Americano Militar de Orientação, realizado nos Municípios de Guarapuava e Pinhão, Estado do Paraná. A qualidade da organização deste evento gerou o convite do CISM para o Brasil organizar o 39º Campeonato Mundial Militar de Orientação. Em 2006 foi realizado na cidade do Faxinal do Céu- PR, o 39° Campeonato Mundial Militar de Orientação do CISM, região onde foi fundada em 1999 em Guarapuava-PR, a Confederação Brasileira de Orientação. Em 2011 no mês de julho foi realizado na cidade do Rio de Janeiro os 5° Jogos Mundiais Militares, “Jogos da Paz”(evento organizado pelo CISM a cada 4 anos), foi o maior evento espor vo militar realizado no Brasil, com par cipação de 5.650 atletas de 88 países em 20 modalidades. Na modalidade Orientação o palco do evento se desenrolou na cidade de Paty do Alferes e Seropédica, onde o Brasil obteve o 7° lugar geral na modalidade, tendo a equipe feminina conquistada na prova do revezamento uma medalha de bronze inédita para o Brasil na modalidade. A equipe que responsável pela medalha era formada pelas Sargento WILMA BARBOSA(Força Aérea), Cabo TÂNIA MARIA DE JESUS(Marinha) e Cabo MIRIAN PASTURIZA(Marinha).

Os atletas do passado hoje são dirigentes e técnicos que conseguem agregar mais qualidade na formação de seus atletas. Fruto de todo este trabalho que ao longo destes anos foi engajado por muitas pessoas, é que hoje podemos dizer que já temos alguns medalhistas a nível mundial em nossa modalidade. Como conseqüência, estamos vendo que cada geração de atletas brasileiros tem vindo com um desenvolvimento técnico melhorado, já que esta é uma das principais deficiências de nossos compe dores. Por fim, nos próximos informa vos passaremos a apresentar os nossos atletas e conhecer cada equipe (Marinha, Exército e Aeronáu ca) para entendermos melhor como eles estão se preparando para o 49° Campeonato Mundial de Orientação. Tenham desde já a certeza de que os melhores atletas que temos no Brasil estarão no campo de batalha.


10

Informativo Técnico CBO

Houve na ul ma assembléia algumas alterações de nossas regras, e uma que foi alterada após muitos pedidos foi a Regra 126 das RGOP que trata do uniforme de orientação. Regra 126 - O uniforme de compe ção deve atender aos seguintes requisitos: 1.Em provas clássicas é obrigatório ao compe dor u lizar calças que cubram o corpo da cintura até abaixo do joelho e camisetas de mangas curtas ou longas; 2.Nas provas nacionais, estaduais e regionais é obrigatório o uso do número de filiação na CBO, como número de iden ficação que proporcione visualização clara, centralizado na frente da blusa de compe ção; 3. O atleta deve usar traje com mo vos relacionados ao esporte de orientação e seus patrocinadores (caso haja); 4.Em provas de Sprint poderão ser usados calção e camiseta cavada, exceto quando informado o contrário no bole m do evento. 5.Além dos logos do clube, federação, CBO e patrocinador oficial não serão permi dos outros logos e símbolos. Obje vo das alterações realizadas: As mudanças na regra foram feitas visando evitar diferentes interpretações e discussões já ultrapassadas pelo costume, o texto foi alterado para dirimir defini vamente dúvidas na interpretação. Foi re rado itens que não cabiam mais sua referencia e atendido um pedido de liberação de um uniforme mais livre para as provas de Sprint como é de costume em outros países, e que causava estranheza por vezes quando recebíamos visitas em nossos eventos. Foi autorizado o uso do calção e camiseta, porém os atletas devem prestar atenção no bole m informa vo da compe ção, pois se o árbitro achar que o terreno não é adequado para uso de tal uniforme será informado a não autorização. Por outro lado foram man dos os padrões de trajes com mo vos relacionados ao esporte e suas ins tuições. Pedimos a todos os dirigentes e atletas que atendam estas mudanças para evitar qualquer po de desconforto.

Gilson Schropfer. Diretor Técnico CBO


11

ORIENTISTA EM FOCO O prisma sumiu? E agora...? Os confetes funcionam da seguinte forma: em cada confete é impresso o número do ponto de controle a qual representa, e é lançado no chão em volta do prisma ou fixado no objeto a qual representa no dia do evento. No momento que o orien sta percebe que a base eletrônica ou picotador não está no local, o atleta recolhe um dos confetes e con nua o percurso, no final da prova o confete e entregue na apuração e comunica a equipe organizado o ocorrido. Este método evita que o atleta seja eliminado por não ter comprovado a sua passagem, sendo obrigação do mesmo, comunicar o desaparecimento do prisma no primeiro momento que observar um integrante da equipe de organização.

Beleza orien sta, aqui é o Junior Dias, e nesta edição vamos falar sobre o que devo fazer se o prisma desaparecer. Isso mesmo, esta que é uma das principais dúvidas de qualquer atleta. Você já se imaginou procurando um ponto de controle que não estava mais lá? Isso sim pode gerar um grande estresse durante uma compe ção. E ocorre por dois mo vos, ou de forma involuntária que é quando alguma pessoa que não conhece o esporte ou animal (cavalo, cachorro e etc.) re ra o prisma do lugar por curiosidade ou por descuido, ou pela forma voluntária que é quando uma pessoa re ra o ponto controle para favorecer alguém ou a si mesmo, neste caso é considerado como uma falta gravíssima e está sujeito a desclassificação, por ser considerado como uma a tude an despor va. As compe ções oficiais apresentam uma série de m e d i d a s p a ra e v i ta r c o n f u s õ e s o c a s i o n a d a s p e l o desaparecimento de algum prisma, que são: nos momentos que antecedem a prova o árbitro do evento checa todos os pontos de controle, conferindo se estão no local certo, se as bases eletrônicas ou picotadores estão funcionando corretamente e se há os confetes em volta do prisma, alias são estes confetes que servem para comprovar que você passou por ali, no caso do prisma tenha sido re rado.

Então orien sta, caso você não encontre o prisma no primeiro momento, fique calmo, analise se realmente a rota está certa, e em seguida procure os confetes, caso a prova não tenha fornecido este recurso, tente pegar algo de especial da área onde o prisma deveria esta ou faça uma marca, no caso se o prisma deveria está em uma pedra, pegue outra pedra e realize uma marca, assim, comprovado o desaparecimento do mesmo, você terá a garan a da conclusão do percurso.


12

A T E L T A E HOMENAGEM U Q A T S DE TATYE VERÍSSIMO

A atleta destaque dessa edição será um pouco diferente. Ao invés de contarmos a história da atleta que se destacou no mês, iremos homenagear uma atleta em destaque. A Tatye Veríssimo é nossa atleta homenageada de Março, mês das mulheres. Nascida na região fria do Sul do Brasil conseguiu nas altas temperaturas baiana o calor do povo Nordes no, que lhe abraçou e onde conseguiu desenvolver um belíssimo trabalho com a Orientação no Colégio Militar de Salvador. M a s a g o r a a Ta t y e par u para a Irlanda em busca de novos desafios, deixando muitas saudades de seus amigos, onde todos estão contentes com a nova face de sua vida, mas na expecta va de seu retorno. Fiquem agora com alguns depoimentos de amigos...


13

Valdemar Caumo (CBM): O CBM teve a honra de acolher uma atleta admirável, com muitos tulos e uma pessoa que muito engrandece a nossa comunidade. Sua simpa a e lisura valeram-lhe a grande es ma de que é alvo. Tatye: obrigado por ter estado conosco. Deus te abençoe e guarde teus passos em qualquer azimute. Ênio Paulo (Caa nga Trekkers): Tatye, par cularmente, tenho na memória cenas de uma ó ma atleta que, correndo na categoria Elite, por vezes nos encontramos atacando pontos dentro da nossa caa nga, um bioma especial que testa nossa orientação. Na Orientação foi onde a conheci e será onde guardarei as melhores lembranças desta grande atleta. Everton Brito: (Caa nga Trekkers): Tatye, nossa família se alegrou muito com sua presença aqui em casa e nas compe ções. Que Deus a acompanhe por onde você es ver. Matheus (CMS): Tatye obrigado por todo apoio prestado ao CMS. A orientação da Bahia ganhou muito com sua experiência. Que sua nova fase seja repleta de sucesso) Márcia Libânea (FBO): Em nome da maior parte dos baianos orien stas, queremos expressar nossos agradecimentos a Ta ana Viríssimo, a Tatye, por este período em que ela escolheu a Bahia como ponto de moradia, pois és uma atleta conhecida em todo o Brasil. Apaixonada pela Orientação, pessoa cheia de qualidades: Batalhadora, centrada, disciplinada, correta, é ca, guerreira, presta va, simples, diver da, sempre disposta a contribuir, buscar, melhorar e aperfeiçoar seus conhecimentos e não hesita em repassálos. Nossa corredora da Elite, que viajou muito para compe r, tanto no Brasil quanto no exterior. Está seguindo sua jornada de crescimento, deixando na Bahia muitos amigos e orien stas orgulhosos por tê-la conosco, pois nos momentos mais importantes relacionados ao crescimento da Orientação baiana, ela deu sua contribuição. Que Deus con nue a abençoando e protegendo. Carlos Arildo (CMS): Tatye, pessoa simples, sempre pronta a colaborar, com você a equipe da Bahia ganhou muito, passamos diversos momentos de alegria, de compe ção, de trabalho, de lazer, etc. Américo (CBM/Coiote): Tatye Virissimo, nós desejamos sucesso nessa nova jornada e aproveitando a oportunidade para te agradecer por tudo que você fez pelo clube e pela orientação da Bahia. Sucesso, Tchê.


14

Como usar o GPS para analisar seus percursos de Orientação

Olá, orien stas. Hoje vamos tentar ajudar os colegas que, vez ou outra, me perguntam sobre como faço para incluir as rotas ob das em GPS nos mapas de orientação. Aproveitando, vamos falar um pouco sobre programas de análise de rotas e o que a tecnologia oferece em termos de equipamentos para gravação de seus percursos. Como o assunto é extenso, vamos dividi-lo em partes. Boa leitura!

Orientistas em Rota O GPS portá l para mapeamento não é prá co para quem está se deslocando em velocidade, por questões óbvias. Além disso, as configurações para gravação da rota e cronometragem não são tão prá cas como nos GPS de pulso. Os aparelhos de celular e smartphones carecem de proteção sica. Mas até os GPS de pulso possuem restrições. Uma delas é o preço, que gira em torno dos U$300,00 para modelos mais modernos.

PARTE 1 - Programas de Análise e Disposi vos Os principais programas de análise são o QuickRoute (somente para ambiente Windows) e o QDRoute (ambiente Mac). Basicamente, são programas que sobrepõem os dados de GPS no formato GPX ou TCX num mapa em formato JPEG.

Modelos de GPS de pulso. Fonte: h p://www.dcrainmaker.com/

QuickRoute. Fonte: h p://www.matstroeng.se/ Como a maioria das organizações das provas aqui no Brasil não disponibilizam os mapas tal qual acontece em outros países, você pode: 1) escanear o mapa ou 2) fotografá-lo com o disposi vo que lhe convier.Já a obtenção da rota em GPS exige um aparelho que grave suas posições, preferencialmente, a cada segundo. Para tanto, você precisa de um GPS data logger. Que pode ser desde um GPS portá l para mapeamento, um aparelho de celular com esta funcionalidade ou um GPS de pulso daqueles u lizados por corredores e que, provavelmente, você já viu ou ouviu falar.

Cada fabricante tem suas especificações e, obviamente, suas vantagens e desvantagens. Preço, tamanho, fator de resistência a água, durabilidade da bateria, formato de gravação das rotas, comunicação com outros aparelhos, resistência a impactos, entre outros, são fatores básicos que devem ser observados por aqueles que desejam adquirir um destes equipamentos. Vale alertar que a IOF restringe o uso de equipamentos gravadores de rota que possuem visor. Transcrevemos abaixo a regra 21.3 da orientação pedestre:


15 21.3 During the compe on the only naviga onal aids that compe tors may use or carry are the map and control descrip ons provided by the organiser, and a compass. 21.4 Compe tors may not use or carry telecommunica on equipment between entering the pre-start area and reaching the finish in a race, unless the equipment is approved by the organiser. GPS data loggers with no display or audible feedback can be used. The organiser may require compe tors to wear a tracking device. Esta regra, embora clara, é alvo de discussão em vários fóruns de Orientação, pois o uso dos GPS de pulso, na opinião de alguns, não promove auxílios adicionais. Além disso, dizem, pode afetar a popularização da modalidade (aqui uma discussão sobre o assunto no A ackpoin: h p://www.a ackpoint.org/discussionthread.jsp/message_651965 ). Numa avaliação simplista, os GPS de pulso poderiam, teoricamente, proporcionar vantagem adicional a seus usuários. Especificamente na medição de distâncias. Entretanto, opinião par cular, na prá ca essa vantagem não se confirma, pois tanto a medição de distâncias quanto outras funcionalidades exigem demasiado tempo de observação do aparelho, além da precisão reduzida em se tratando de pequenas distâncias em terreno diverso. Além disso, o bom orien sta há de concordar que a contagem de passos, a leitura de carta e terreno e a percepção espaço-temporal são habilidades incompa veis com os atuais recursos tecnológicos existentes. Par cularmente, quando está explícito no regulamento da prova o cumprimento da regra 21.3, u lizo o GPS Data Logger I-gotU GT600. Compacto, a prova d'água, preciso e com duração de bateria excepcional. Holux, Qstarz, i-Blue e iTrail são exemplos de outras marcas disponíveis no mercado. Nas outras provas e, principalmente, nos meus treinos, atualmente u lizo um Suunto Ambit2, o qual está sucedendo a contento um Garmim 405cx. Indiscu velmente, os Garmim são os mais conhecidos e populares. Os maiores inconvenientes são quanto à pouca proteção à água (fator IPX 7) e quanto à resistência a choques, que, em nossa opinião, é de leve a moderada. Também estão na lista os Polar, Timex e, como dito anteriormente, os smartphones. Quanto aos rastreadores (GPS Trackers), estes já estão em uso em provas internacionais, como o Jukola e o O-ringen. Com eles é possível fazer o acompanhamento do orien sta ao vivo. A IOF vem trabalhando para introduzir o esporte na transmissão televisiva. O que é fator considerável para popularização e inclusão da Orientação como modalidade olímpica. Aqui você pode assis r a um exemplo de transmissão de compe ção de orientação com rastreamento dos compe dores:

I-gotU GT600. Fonte: BHPhoto

E aí? Gostou do assunto? No próximo exemplar vamos falar mais especificamente sobre os programas QuickRoute e QDRoute. Boas rotas \o/ orien staemrota Texto e fotografias: Antônio Carlos Texto publicado no site: h p://www.orien staemrota.com.br/


16

Por Marcos Antônio Paulino, Presidente COSEC

A primeira etapa do VI Campeonato Goiano de Orientação (VI CamGOr) foi realizada no úl mo dia 21 de fevereiro de 2016, na Fazenda Santa Luzia, localizada no município de Cristalina – GO. Inicialmente não estava prevista para acontecer, até novembro de 2015, quando o Sr Alvim José Pereira, Presidente da Federação de Orientação de Goiás, em consulta aos presidentes de clubes de orientação de Goiás (COER, COSEC, COCER e COVAP) para definição de um local para realização da 2ª Conferência de Clubes, visualizou a possibilidade de ser realizar a 1ª etapa do Campeonato Goiano de 2016 em Cristalina – GO, cabendo ao COSEC esta organização. Foi uma compe ção que contou com a par cipação de 111 atletas dos Estados de Goiás, do Distrito Federal e do Paraná. Os atletas do DF veram um percentual de mais de 50% dos atletas par cipantes, tendo em vista a proximidade de Brasília e Cristalina. A que se destacar ainda, a par cipação do Sr Luiz Sérgio Mendes, Presidente da CBO, com o obje vo de aproximar mais os clubes e federações daquela Confederação, relatando ainda, que este ano pretende par cipar ou terá um representante da CBO par cipando de pelo menos uma etapa de cada campeonato estadual por este Brasil.

Foto cedida por Marcos Antônio Paulino

A P A T 1ª E 2016 Campeonato Campeonato Goiano Goiano de de Orientação Orientação

A prova foi realizada na Fazenda Santa Luzia, distante 15km de Cristalina, a qual tem áreas de reflorestamento (eucaliptos) e mata na va (cerrado), com diversas variações, sendo cortado por diversas trilhas e cercas. O terreno é pouco movimentado, mas a variação do po de vegetação propiciou que fossem traçados excelentes percursos, sendo isto digno de muitos elogios por parte dos atletas. Nem o sol forte nem o calor escaldante foram obstáculos para que os atletas a ngissem seus obje vos, o de completar a prova. O vencedor da categoria H21E realizou o seu percurso num tempo de 1:04:49, para uma distância de 7,2km. A categoria com maior número de inscritos foi a H50A, contando com 12 atletas inscritos. Não podemos deixar de destacar as demais categorias e principalmente por contarmos com a par cipação de uma atleta de 87 anos de idade, do Clube de Orientação Tiradentes (COTi) de Brasília – DF. A senhora VITÁLIA foi um exemplo para todos os par cipantes desta etapa.

Foto cedida por Marcos Antônio Paulino

Ao final da etapa pode se notar que os orien stas estavam sa sfeitos com a prova e puderam começar o ano pra cando o nosso esporte um pouco mais cedo. Ficou a certeza da par cipação na próxima etapa do Campeonato Goiano, que será válida pelo percurso médio da 2ª etapa do CamBOr, a ser realizada na cidade de Rio Quente – GO, no dia 19 de junho de 2016.


18

1ª Etapa Circuito Lagoa do Jirau Por Josias Cavalcan ,

Olá amigos, Que etapa!!! Que sol!!! Ouvimos alguns atletas dizerem que havia um sol exclusivo para cada atleta. A primeira etapa do Circuito de Orientação Lagoa do Jirau abriu oficialmente o calendário dos eventos da Federação Cearense de Orientação. Foi uma etapa com elevado nível técnico e com um desafio extra: o clima extremamente quente. Tivemos 186 atletas inscritos divididos nas categorias individuais e em duplas. As categorias elite veram os seguintes resultados: D21E --> 1o. lugar: Cris ne Medeiros Antunes --> 2o. lugar: Anne Maiane Ferreira H21E --> 1o. lugar: Éverton Luís Navarro De Almeida --> 2o. lugar: Walton Avila Ferreira --> 3o. lugar: Assis Rubens Montenegro

O resultado completo de todas as categorias pode ser visto no link h p://helga-o.com/webres/?lauf=1448 Destacamos o grande engajamento da comunidade de Porteiras (Paripueira - Beberibe - CE). Eles par ciparam no dia anterior de uma oficina de apresentação ao esporte promovido pela organização da etapa. No domingo par ciparam em duplas e algumas crianças nas categorias acompanhadas. Agradecemos a todos os atletas que par ciparam de nossa etapa, a comunidade de Porteiras e aos apoiadores. Esperamos revêlos no próximos eventos de orientação e também em nossa próxima etapa que será em 5 de junho. Equipe Orien stas Lagoa do Jirau


20

I Etapa Campeonato Metropolitano de Orientação de Curitiba Por Ricardo Ribeiro, Presidente COC

Nos dias 12 e 13 de março de 2016, aconteceu a 1ªEtapa do Campeonato Metropolitano de Curi ba. O evento foi realizado pelo Clube de Orientação de Curi ba na cidade de São Luiz do Purunã (região metropolitana). No sábado (12) foi realizado um percurso noturno no Rancho das Pedreira, oportunidade onde muitos orien stas veram contato com esse po de percurso. Os percursos noturnos precisam ter seu planejamento levando em conta que o campo de visão e a segurança do atleta ficam reduzidos. Tudo correu perfeito e a diversão foi garan da. No domingo foi realizada a prova tradicional. São Luiz do Purunã é conhecido na região pela grande quan dade de pedras e pelo desnível do terreno o qual oferece inúmeros talvegues e colinas ó mas para serem exploradas no nosso esporte. O local da prova contava ainda com uma grande malha de trilhas o que acabava exigindo atenção maior do orien sta para não escolher o caminho errado. O pessoal das categorias Alfa e Elite puderam explorar seus conhecimentos e escolhas de rota pois a mata na va permi a ó mos cortes no percurso garan ndo minutos preciosos aos atletas mais técnicos. Par ciparam do evento 260 orien stas de clubes do Paraná e Santa Catarina. O CMOC nasceu como um treino de Orientação para o pessoal de Curi ba. Com o tempo, tendo provas organizadas pelo COC e COGA, acabou se tornando uma compe ção com provas de ó mo nível técnico atendendo os atletas Elite em desafios à altura e oportunizando aos novos orien stas em vivenciar um ambiente completo de compe ção.

Fotos da matério por Nina Waldow


22

I Etapa - Campeonato de Orientação do Distrito Federal Por André Nascimento, Árbitro de Proba

No dia 13 de março de 2016 fizemos a abertura do XX Campeonato de Orientação do Distrito Federal com o percurso tradicional organizado pelo Clube de Orientação do Colégio Militar de Brasília (COMIB). O campeonato será composto por seis etapas sendo três tradicionais e três sprints sendo cada clube responsável pela organização de uma tradicional e uma sprint. E no fim do campeonato teremos uma etapa que não será validade sob responsabilidade da FODF para a premiação do ano e congraçamento entre os atletas. Esta etapa foi a primeira e foi importante pois vemos a par cipação de um total de 272 atletas, sendo um aumento significa vo comparado à média de 2015 que era de aproximadamente 180 atletas por etapa, e também a importância desta etapa pois foi o primeiro percurso após o nosso curso de iniciação que havia ocorrido na semana anterior a etapa. Além disto, adotamos a par da dos atletas sem a base de start, o que gerou descontentamento por parte de alguns atletas, mas que no evento fluiu sem maiores problemas e é algo que pretendemos implementar em todo o nosso campeonato tanto para adaptar os orien stas do Distrito Federal como preparar nossas equipes de organização para os grandes eventos que receberemos neste ano, CamBOR e WRE.

Foto: André Pivoto

Foto: André Pivoto

O percurso aconteceu na Região do Park Way, na Granja do Ipê, e no dia de nossa etapa contamos com um bom tempo, entretanto durante a semana e principalmente no dia anterior a etapa houve fortes chuvas no DF que alguns locais do mapa ficaram bastante alagados, assim a mata estava alta que dificultava a progressão dos atletas, pois estávamos em local com mata na va e cerrado que para os percursos da Elite o tempo de prova ficou superior aos 86 minutos conseguidos por Leonardo Vieira de Oliveira, atleta do COTI. Conseguimos nesta etapa a sa sfação de nossos atletas que ao finalizar o percurso, estavam bastante sa sfeitos de terminar um percurso desafiador comentando com os organizadores da etapa que já começamos o ano muito bem e também através de nossas redes sociais agradecendo pela organização da etapa e também pelo ó mo percurso. A próxima etapa do CODF será no próximo mês, no dia 17 de abril, e será etapa Sprint organizada pelo Clube de Orientação do Rocha (COR/DF)


24

1ª Etapa do Campeonato Baiano de Orientação Por Matheus Gasiorowski, presidente do COCMS

Foi realizado no dia 06 Marco de 2016 na Escola de Formação complementar do Exercito e Colégio Militar de Salvador a I Etapa do Campeonato Baiano de Orientação. Com a Par cipação de 361 atletas de 09 Clubes de Orientação. O Clube de Orientação da Escola de Formação Complementar do Exercito e Colégio Militar de Salvador se preparou durante todo o ano de 2015 para organizar a I Etapa do Campeonato Baiano 2016. A Área do Colégio Militar é um misto de área urbana e Mata Atlân ca. Devido as par cularidades o mapa foi confeccionado em 1:4000 pelo mapeador Matheus Gasiorowski Billodre. O traçado dos percursos ficou com o Diretor Técnico da prova Júlio Cesar dos Santos, sendo responsável por u lizar as diversas áreas disponíveis exigindo em alguns momentos a parte técnica e outras a parte sica dos Orien stas. A escolha de rotas foi o fator determinante nas principais categorias. Na Elite sagrou-se campeão o atleta do CBM/Coiote Neilton Moreira de Assis e no feminino a atleta Ta ana Verissimo do Clube de Orientação da Escola de Formação Complementar do Exercito e Colégio Militar de salvador foi a grande vencedora do dia. Por clubes o grande vencedor foi o Clube Carcara Expedições e aventura. A etapa contou com apoio da EsFCEx/CMS e alguns patrocinadores. Foi disponibilizada uma área de lazer com restaurante e muitas frutas e água gelada para os atletas na chegada. O dia ficou marcado pelas homenagens ao Bombeiro Eduardo Goes que morreu em Serviço, Eduardo foi um dos pioneiros da Orientação na Bahia. Como também a entrega de uma placa de agradecimento pelos serviços prestados na orientação baiana para a Ta ana Veríssimo, atleta que irá passar um período de estudos na Irlanda, a placa foi entregue pela mãos da presidente da Federação a Márcia Libânea.

Foto re rada do facebook de Tatye Veríssimo

Foto: Antônio Neto


Campeonato Brasileiro de Orientação - 2016

I Etapa 21 a 24 de abril Rio Negrinho - SC

Informações: www.cbo.org.br


Para saber mais, acesse o site: www.cambor.site


28

1ª Etapa do VI Circuito Potiguar de Orientação Por Felipe Toledo G Oliveira, Vice-Secretário do COP

Caros amigos orien stas, No dia 28 de fevereiro foi realizada a 1ª etapa do VI Circuito Po guar de Orientação CiPOr 2016. O evento foi realizado em Jenipabu no município de Extremoz, região norte da grande Natal. A etapa homenageou o aniversário do 17º GAC (Grupo de Ar lharia de Campanha - Exército Brasileiro), grande parceiro da orientação no nosso estado, que mais uma vez esteve presente e se mostrou fundamental no sucesso do evento. O local escolhido tem como principal atração as belezas naturais da Lagoa de Jenipabu e as imponentes dunas que tanto afamam o município. É o cenário perfeito para sair da ro na, seja na companhia de uma boa água de coco ou para a prá ca de esportes de aventura, ou seja, perfeito para um domingão de esporte orientação.

Foto: Jeremias Araújo

Outros desafios ainda maiores foram surgindo, principalmente na região inferior do mapa, próximo aos prismas 121 (ponto 3) e 111 (ponto 11). A persistência recompensou a todos que se u lizaram das técnicas e buscaram pontos de ataque a par r da cerca ou até por baixo, através das trilhas. Os grandes campeões das categorias elite foram Joacil Carlos Viana Bezerra (H21E - 5800m em 2:03:15) e Suenia Miliano da Cruz (D21E - 4800m em 1:59:46), ambos do clube paraibano CORELE (Clube de Orientação do Extremo Leste).

Foto: Jeremias Araújo

A região de Jenipabu é repleta de florestas densas, trilhas, opções de rota e interessantes pernadas, ideal para orientação em alto nível técnico. O desafio se iniciou já nos primeiros pontos onde, devido à riqueza de detalhes, muitos atletas em alta velocidade veram dificuldades para encontrar a rota correta - nada que um orien sta atento não tenha se adaptado rapidamente

Troca de conhecimento ou apenas um papo descontraído. A par r da esquerda: Joacil Carlos (campeão da H21E) e os organizadores Rodrigo Camara, Jonathas Souza e Oscar Moritz.


29 A experiência e nível técnico deles foram fundamentais no sucesso da etapa. Foi fantás co observar também a chegada de atletas com cerca de quatro horas em pista, uma forte demonstração de garra e resistência, ainda mais notável sob o implacável calor da cidade do sol.

Esta foi uma etapa muito complexa de se organizar. Eudes Franklin Silvestre, presidente do COP e principal mapeador da etapa, enfrentou dificuldades diversas para atualizar o m a p a p o i s a s á re a s c o n st r u í d a s e v e g e tã o m u d a ra m significa vamente. A diretoria do clube esteve em ritmo acelerado até o úl mo momento na finalização dos detalhes. Tudo foi recompensado no fim do dia quando recebemos diversos comentários e comentários posi vos quanto ao nível técnico e de mapeamento. Foto: Jeremias Araújo

Como não poderia deixar de ser, o clima de confraternização tomou conta do local a medida que os atletas iam chegando. Entre risadas e boas conversas, muita troca de conhecimento entre os mais novos e os mais experientes. Com um ó mo clima, fechamos mais uma etapa com sa sfação e dever cumprido. Ah, a temporada está apenas começando. PIAU. “COP, pequeno mas com conteúdo”. (Diretoria do clube)

Foto: Jeremias Araújo


32

1ª Etapa X Campeonato Paraibano de Orientação

A orientação na Paraíba deu seu pontapé inicia e foi com o pé direito. Com a responsabilidade de abrir as a vidades oficiais de 2016, o Clube de Orientação Rumos e Rotas, junto com a Federação de Orientação da Paraíba, ficaram com a responsabilidade de realizar a 1 Etapa do X Campeonato Paraibano de Orientação. Famoso pela quan dade de atletas par cipantes, uma das preocupações da diretoria de prova era manter o mesmo nível de anos anteriores e tentar captar a mesma quan dade de atletas para essa etapa. Sendo que essa etapa teve um grande diferencial, ser realizada próxima a uma data muito importante, o Dia Internacional da Mulher que ocorre todo dia 08 de março. Sendo assim, as ins tuições organizadoras decidirão que esse evento teria como propósito homenagear todas as mulheres e em especial as nossas orien stas.

Nesta etapa conseguimos um importante apoio de empresas privadas. Deixamos nosso agradecimento as empresas que nos ajudaram com o evento! Obrigado a Minds English School, Pizza Mestre, Brasa Sul, Maria Brasileira, Mareall Mareall moda Surf, Supermercados San ago e da Prefeitura do Conde.

Foto: Odete Rech

Foto: Déa Cajú

Após muita preparação e contando com a paixão dos atletas pelo nosso esporte, chegamos ao fim do terceiro prazo de inscrições com a marca de quase 450 atletas inscritos. Com esse número nosso Campeonato se mantém como um dos maiores do Brasil!

A concentração do evento foi nas dependências do Condomínio Privê Coqueirinho, que dispõe de uma ó ma estrutura para os atletas e familiares, contando com parque para as crianças, banheiros sempre limpos (graças ao trabalho da Maria Brasileira) e um mirante de aproximadamente 20 metros de altura, que proporcionou uma vista maravilhosa da praia de coqueirinho. Como novidade para essa etapa foi a presença de foodTrucks e foodBikers que venderam no evento deliciosos churros (que fez a festa da criançadas) e deliciosos pratos de massas, uma novidade que pelo visto chegou para ficar, sendo essa a tude elogiada por todos os atletas que pudemos conversar. Como parte evento teve homenagem ao dia internacional da mulher, a diretora Carla Glausi, que completa 30 anos de prá ca de orientação em 2016, disponibilizou na secretaria do evento o seu acervo de 30 anos de mapas e registro de todos os eventos de orientação par cipados. Quem teve a oportunidade de folhear um das 12 pastas, teve grandes surpresas com a quan dade e diversidade de mapas de orientação, nacionais e internacionais.


33 Homenagens feitas é hora da orientação. A par r das 9 os atletas se dirigiram para a par da, onde dali, com mapa e bussola na mão, entraram em um terrento com uma grande presença de plantação de bambu. Ainda com um sol imponente e um calor forte, a pista foi desafiante e desgastante, sendo uma prova para o corpo e mente.

Foto: Déa Cajú

Às 8hs a diretora de prova a Ten Coronel Carla Clausi deu início a programação do evento com a execução do hino nacional e logo após se iniciou o breafing dando as informações aos atletas sobre a pista e sobre a programação do evento. Logo após, a prefeita da cidade do Conde com a palavra agradeceu a oportunidade e a importância em apoio um evento espor vo para as novas gerações. Ainda teve tempo para a FOP com a representação de seu presidente, José Alexsandro, homenagear as mulheres que mais influenciaram a nossa orientação nos 10 anos de Campeonato Paraibano de Orientação. Na ocasião a diretora da prova Carla Clausi, a fotografa oficial da Paraíba Déa Cajú e as atletas de elite a Suênia Estrela e Wilma receberam da mãos do presidente da FOP uma camisa comemora va dos 10 anos da CPO com o nome e o número de CBO das atletas.

Foto: Déa Cajú

A chegada se mostrou um mix de cansaço e dever cumprido. Infelizmente os atletas após a chegada, ainda veram que caminhar alguns metros para poderem tomar água e comer frutas, pois a mesa ficou dentro das dependências do condomínio. Essa escolha foi feita pois a chegada era a margem da PB008 e a organização achou que a concentração de atletas nesse local poderia trazer algum risco aos mesmos.

Foto: Odete Rech

Outro ponto bastante discu do pelos atletas, principalmente dos pais de crianças que par cipam das categorias HN1,2,3 e DN1,2,3. Onde o fato mais reclamado, além do horário de par da ser tarde por conta do sol forte, foi o tamanho e desafios dos mapas dessas categorias. Os pais e crianças acharam que o traçado e o tamanho do percurso (em torno de 2.7 km) era muito grande para uma categoria que foi criada mais com intuito de iniciação de crianças no esporte. Tudo foi discu do com a diretora Carla Clausi e ela já aproveitou o momento e conversou com Presidentes de clubes e da federação para melhorias futuras.


34

Foto: Carla Clausi

Todas as mulheres par cipantes receberam medalha como par cipação e homenagem ao seu dia. Próximo das 13 horas, com mais de 70% da apuração realizada, foi dado início a premiação das categorias H/D21E, H/D21A e H/D21B com troféus e brindes de nossos patrocinadores. Além dos campões dessas categorias, foram premiadas a atleta com maior idade e com menor idade que par ciparam da prova. A premiação para a atleta mais nova foi acirrada, pois haviam 3 princesas com 6 anos de idade, sendo a campeã decidida no mês de nascimento.

Foto: Odete Rech

No final o saldo foi posi vo, apesar de pequenos contratempos. Toda a equipe do Clube de Orientação Rumos e Rotas agradece a todos que par ciparam da I Etapa do X Campeonato Paraibano de Orientação. Saibam que tudo foi feito com muita dedicação e carinho. Agora passamos o bastão ao Clube de Orientação do Extremo Leste e de ante mão já convidamos todos a par ciparem da II Etapa!

Foto: Odete Rech


36

VIII Torneio Sudeste de Orientação

Por Márcelo Malato, Presidente da FORJ

Foi realizado nos dias 04 a 06 de março de 2016, no município de Paty do Alferes, na Região Centro-Sul Fluminense, o VIII Troféu Sudeste de Orientação, tendo como organizadores as Federações de Orientação do Rio de Janeiro (FORJ), São Paulo (FOSP) e Minas Gerais (FMO) e os Clubes COMPASS e Elite CO. Troféu Sudeste de Orientação teve sua origem no Troféu Rio-SP, em 2008 e, nesta ul ma edição, contou com a par cipação de aproximadamente 400 atletas, vindos de várias regiões do Brasil. Na cerimônia de abertura, es veram presentes, o Presidente da FORJ, Marcelo Malato, os Presidentes da FMO e FOSP, Evandro Prieto e Joaquim Picardo por mo vo de doença não puderam par cipar, mas enviaram seus representantes, além dos Presidentes de Clubes e atletas par cipantes da FORJ, FMO e FOSP es veram presentes atletas de vários outros estados do Brasil. Também es veram na cerimônia a VicePrefeita de Paty do Alferes, Lenice Duarte Vianna, a Secretária de Educação, Amine Elmor, o Secretário de Esportes, Denilson Ligeirinho e o Secretário de Turismo, Jarbas Macedo e ainda, em torno de 200 alunos da rede pública municipal. Este momento especial foi abrilhantado pela tocata da Banda de Música do 32º Batalhão de Infantaria Motorizada, o Batalhão do Imperador, após as palavras do organizador da prova, do Hino Nacional tocado pela banda, e das palavras da viceprefeita, o presidente da FORJ deu as boas vindas aos atletas, informou sobre algumas provas importantes que haverão no Rio de Janeiro e fez então a abertura oficial da Prova.

A compe ção foi dividida em três partes: No primeiro dia (04 de março de 2016), foi desenvolvido um percurso Sprint, com largada do Parque de Exposições, abrangendo a localidade de Avelar. A par da em massa foi maravilhosa, uma grande correria conjunta dos atletas, um drone filmou todo o evento e logo o vídeo estará disponível para que todos possam compar lhar deste momento, a prova causou excelente impressão a recepção calorosa da comunidade local, especialmente porque a cidade passou por um recente alagamento ocasionado pelas chuvas de verão, entretanto, pairava no ar a alegria e a gen leza daqueles moradores, felizes com a realização do evento no local.

Foto: Ricardo Lorençato

É interessante observar alguns pontos nega vos da prova, no primeiro dia, antes da largada do Sprint não havia pressa, pois a largada era em massa, mas os atletas estavam tendo dificuldade de re rar seus chips alugados, pois nem todos estavam separados por grupos, algumas bases eletrônicas não estavam funcionando corretamente o que atrapalhou a apuração verificar o resultado de alguns atletas, entretanto logo que as bases foram iden ficadas o problema foi corrigido no sistema, o percurso longo, de sábado, em algumas categorias não houve pontos d'agua suficientes para suprir a necessidade dos atletas.


37

A segunda e a terceira etapas do Troféu (05 e 06 de março) desenvolveram-se na Fazenda da Posse, também em Avelar. Na fazenda os atletas puderam comprar comidas, lanches e açaí, o que tornou bem mais prazerosa a estadia dos atletas no principal local de prova. Para a cidade a prova foi muito proveitosa, cada atleta trouxe alguém consigo, e isto deu um grande volume de par cipantes, que lotaram a rede hotelaria de Avelar. Os percursos longo e médio foram o ponto alto do evento, pois estes percursos cumpriram o obje vo principal do Esporte Orientação: o contato com a natureza. Atletas dos mais diversos clubes e categorias aceitaram o desafio dos percursos e confraternizaram-se durante a premiação na tarde de domingo. O Presidente da Confederação Brasileira de Orientação estava presente em todos os dias da compe ção e encerrou o evento com um discurso esclarecedor sobre a sua gestão na recém assumida diretoria da CBO, após as palavras do Presidente da CBO o Presidente da FORJ também teceu comentários sobre a CBO e sobre sua confiança no que está sendo desenvolvido, durante os dois discursos duas palavras foram exaltadas: “Democracia e Transparência” pois estes são os dois pilares da nova CBO, e certamente deve ser os pilares de nossas Federações e Clubes.

Foto: Ricardo Lorençato


TSO em Foco Por Ricardo Lorenรงato


9 anos de tradição na Orientação da Paraíba

Venha fazer parte dessa família https://www.facebook.com/rumoserotas/


Por Ana Paula Matukiwa

42

POR TRÁS DAS LENTES Especial Dia Internacional das Mulheres

Camila Neves Eu, fotógrafa? Não. Sou advogada!!!!

Em 2013, um amigo de corrida rús ca, me convidou para uma confraternização. Lá chegando, percebi que tratava-se de premiação da final de um evento regional. Não conhecia pra camente ninguém, dos presentes. No momento em que iriam premiar esse meu amigo, convidaram “a esposa”, para que se dirigisse ao pódio e entregar o troféu ao campeão, no caso, eu. Constrangida e sem alterna vas, aceitei o encargo sorridente. Para resumir, alguns meses depois nos noivamos e casamos. Neste ínterim, acompanhando-o em outros eventos de orientação, fiquei cada vez mais intrigada, como um esporte tão benéfico e contagiante não era divulgado. Como numa cidade com 300 mil habitantes, todas as pessoas me perguntavam, após verem fotos que eu publicava em redes sociais: Que esporte é esse, que nunca ouvi falar? Como não se encantar com tanta beleza da natureza criada por Deus. Entre um prisma e outro de minha rota, as vezes chego a parar para registrar uma flor, um lago, a praia, uma árvore diferente, um ninho, uma pedra... Não é a toa que Orientação é o Esporte da Natureza.

Meu marido, Cleder Augusto Neves, conheceu o esporte no Exército Brasileiro, há 24 anos. Insis a para que sanar todas as minhas dúvidas, eu deveria conversar com “Tasca”, que ele me explicaria melhor. Tal dia chegou, oportunidade surgiu e descobri que a paixão que o então presidente do Cobra Clube de Orientação de CascavelParaná, cargo que ocupou por longos 16 anos, era sublime, encantadora. Nossa conversa iniciou com um: Você, um mapa, uma bússola e a natureza. Esses são os requisitos mínimos para um esporte que vem ganhando bastante espaço entre os brasileiros, nas corridas oficiais o percurso deve ser completado na ordem estabelecida pela organização, porém o atleta pode optar pela rota de fará para chegar em cada ponto de controle. Encerrou-se com falta divulgação, falta patrocínio!!! Conheci ainda um preparador sico, muito renomado no atle smo local, prof. Broe o, este, numa viagem para compe r, passou singelas três horas do trajeto, me explicando dida camente e detalhadamente as regras do esporte. Pronto. Bastou. Eis aqui, mais uma apaixonada pelo esporte Orientação.

Déa Cajú

Minha filha, Gabriela Vitória, seguindo os ensinamentos do padrasto e do técnico Prof. Broe o, está a cada dia mais encantada com o esporte. Orientação é prioridade, cancela qualquer compromisso, para a prá ca do esporte. Para nosso casamento, claro, não poderia faltar um prisma, bússola, mato. Faz parte da nossa história. O esporte da Natureza, virou esporte da nossa família. A ansiedade na par da, os tombos no trajeto, euforia na chegada. Amizades novas e belas que construímos e espírito de solidariedade entre os atletas, exemplo do que seria uma sociedade perfeita. E cada um destes eventos mereceu e merece um registro especial, uma foto, um vídeo. Por amor, apenas por amor ao nosso esporte, contribuindo com imagens para divulgação.

Camila Pereira Della Pasqua Neves Cobra Clube de Orientação Cascavel – Paraná


Forca Nordeste

de Orientacao

aguardem ...


45

Dicas de Nutrição para Mulheres Por Rafael Soares - Nutricionista Esportivo – CRN 16412

Alimentação e suplementação para mulheres Os padrões esté cos femininos mudaram e hoje o desejo de ter um sico mais "forte e definido" é crescente. Tanto que no mínimo 60% dos meus pacientes são do sexo feminino. Com poucas exceções, o desejo é o mesmo: "Aumentar coxas, glúteos, aumentar massa muscular e perder barriga!" Parece fácil, mas não se enganem. Para alcançar esse obje vo é preciso muita determinação no treinamento e uma dieta com algumas peculiaridades: 1. Conter proteínas distribuídas adequadamente em todas as refeições diárias 2. Apresentar uma correta distribuição dos carboidratos de baixo/médio índice glicêmico ao longo do dia. 3. Não negligenciar a ingestão de gorduras boas "especiais" 4. Quanto à suplementação alimentar, ressalto que o fator determinante não será o sexo, mas sim a intensidade do exercício. Ou você pensa que um homem com um treino "leve" deve suplementar melhor do que uma mulher com um treino "forte", apenas pelo fato de ele ser homem? Dentro da academia, visando grandes obje vos, não existe essa história de sexo frágil! Agora, devemos considerar a diferença entre as intensidades nos treinamentos para a região inferior e superior. Normalmente, os treinamentos para a região inferior são mais intensos e exigem, obviamente, uma suplementação proporcional. 5. A única parte do corpo da mulher que não vai responder a um bom programa de treino/dieta são os seios. Quem deseja mais ou menos volume deve recorrer a um bom cirurgião plás co. No período pós-cirúrgico, que torna impossível a prá ca de exercícios, deve-se manter a dieta. A principal diferença será na redução do consumo de carboidratos. O consumo de proteínas tem que ser man do, inclusive, para auxiliar no processo de cicatrização. Essas foram apenas algumas dicas. Se você busca resultados com saúde e qualidade de vida, nada melhor do que procurar um bom treinador e um nutricionista espor va.


46

PORTUGAL 2016 Jornada Internacional de Orientação Pedestre Dezassete dias, doze etapas de Orientação e cinco concelhos de Portugal visitados por quase quatro milhares de orien stas dos quatro cantos do planeta. Tal é, em resumo, o grande balanço da jornada internacional de Orientação Pedestre que transformou Portugal, uma vez mais, no epicentro da modalidade a nível mundial.

Texto: Joaquim Margarido

Everton Daniel Markus

Com as atenções repar das pelos concelhos de Lisboa, Oeiras e Sesimbra, o Lisbon Interna onal Orienteering Mee ng 2016 abriu a tripla jornada internacional de Orientação Pedestre em Portugal. Com a assinatura organiza va do Clube Português de Orientação e Corrida, este foi o único dos três eventos a contar com a presença do líder do ranking mundial masculino, o suiço Daniel Hubmann. Sem surpresas, Hubmann viria a ser o grande vencedor no escalão Homens Elite, depois duma vitória na etapa inaugural – um fabuloso Sprint levado a cabo no popular bairro de Alfama e pontuável para o ranking mundial - e de dois segundos lugares nas etapas seguintes, uma Distância Média no Parque dos Poetas, em Oeiras, com vitória do português Tiago Gingão Leal e uma Distância Longa, igualmente pontuável para o ranking mundial, em Sesimbra, onde o sueco Fredrik Bakkman foi o mais rápido.

Elaine Dalmares Lenz

Foto: Joaquim Margarito

Quanto aos atletas brasileiros, Everton Daniel Markus (COSM) alcançou um honroso 20º lugar no conjunto de 60 par cipantes no escalão Homens Elite, enquanto nas Damas Elite a melhor “canarinha” foi Elaine Dalmares Lenz (ADAAN), 13ª classificada num total de 28 atletas classificadas.

As três etapas veram igualmente vencedores dis ntos no escalão de Damas Elite, com a finlandesa Marika Teini a dar a nota de surpresa ao vencer o Sprint inaugural, quedando-se a russa Galina Vinogradova e a britânica Catherine Taylor – esta úl ma ocupando a terceira posição do ranking mundial feminino – com os triunfos nas restantes etapas. Contas feitas, a atleta russa viria a garan r a vitória no evento, seguida de Marika Teini. Catherine Taylor

Campeões do Mundo vencem Portugal O' Mee ng Ponto alto desta tripla jornada, o Portugal O' Mee ng 2016 teve lugar em Penamacor e foi organizado pelo Clube de Orientação do Centro. Quase 1500 atletas experimentaram o desafio da Orientação em terrenos de enorme exigência técnica e sica, nos quais o Campeão do Mundo de Distância Longa, Thierry Gueorgiou e a Campeã do Mundo de Distância Média, Annika Billstam, se sen ram “como peixe na água”.

Galina Vinogradova Foto: Joaquim Margarito


43 Thierry Gueorgiou

Gueorgiou e Alexandersson triunfam em Castelo de Vide

Foto: Joaquim Margarito

Em busca da sua quinta vitória no Portugal O' Mee ng, Gueorgiou não deu quaisquer hipóteses à concorrência no escalão de Homens Super Elite, alcançando um pleno vitorioso nas quatro etapas disputadas. Par cularmente saboroso, o seu triunfo na etapa pontuável para o ranking mundial – uma Distância Longa no terceiro dia de compe ção – foi alcançada ante o sueco Albin Ridefelt, que viria a ser o segundo classificado no cômputo geral, a mais de 15 minutos do vencedor. No setor feminino, foram quatro as vencedoras em outras tantas etapas disputadas, com destaque para o triunfo da sueca Helena Jansson na etapa pontuável para o ranking mundial e para a maior consistência de outra sueca, Annika Billstam, vencedora da etapa de Distância Média no segundo dia e a mais rápida no somatório final, com quatro minutos exatos de vantagem sobre a checa Eva Jurenikova. Helena Jansson

Annika Billstom Foto: Joaquim Margarito

Colocando um ponto final em três fins de semana consecu vos, plenos de emoção e de muita e boa Orientação, o Norte Alentejano O' Mee ng elegeu uma vez mais os terrenos do muncípio de Castelo de Vide como “palco das festas” para assinalar a sua 10ª edição. Organizado pelo Grupo Despor vo dos Quatro Caminhos, o evento foi, entre os três referidos, aquele que conseguiu atrair o mais valioso leque de atletas do ranking mundial da modalidade, entre os quais os números 2 masculino e feminino, Thierry Gueorgiou e Tove Alexandersson. Daí que a vitória de ambos no somatório das duas etapas de Distância Média que preencheram o programa do evento, mais não tenha sido do que a confirmação do favori smo que lhes era atribuído à par da. Sem dar hipóteses à concorrência, Tove Alexandersson levou de vencida as duas etapas por margens confortáveis a rondar os três minutos. Em ambos os casos, Marika Teini foi a segunda classificada, enquanto a melhor atleta brasileira no conjunto das duas etapas foi, ainda e sempre, Elaine Dalmares Lenz, na 52ª posição. No setor masculino, Thierry Gueorgiou entrou a ganhar mas acabou por ser surpreendido na derradeira etapa pelo sueco Emil Svensk. Este aparente percalço em nada beliscou o triunfo final do atleta francês, concluindo com uma vantagem próxima dos dois minutos e meio sobre o norueguês Olav Lundanes. Ricardo Cavalcan Ferreira (COSC) ocupou a 26ª posição final no escalão de Homens Elite e foi o melhor atleta brasileiro.

Os melhores brasileiros foram de novo Everton Daniel Markus e Elaine Dalmares Lenz, alcançando, respe vamente, a 35ª posição em Homens Elite e o 46º lugar em Damas Elite.

Foto: Joaquim Margarito


Foto: Nina Waldow

Foto: André Pivoto

Foto: Ricardo Lorençato Foto: Camila Neves

Foto: Odete Rech

Foto: Camila Neves Foto: Odete Rech

Foto: Ricardo Lorençato

Foto: Jeremias Araújo

Foto: Jeremias Araújo

SEM PALAVRAS ...


Foto: Odete Rech

Foto: Nina Waldow

Foto: Jeremias Araújo

Foto: Nina Waldow

Foto: Antônio Neto

Foto: André Pivoto

Foto: Antônio Neto

Foto: Odete Rech Foto: Joaquim Margarito

Foto: Joaquim Margarito

Foto: André Pivoto

Foto: Camila Neves

Foto: Ricardo Lorençato

Foto: Nina Waldow


Prisma da DepressĂŁo As mais vistas do mĂŞs

Para ver mais acesse facebook/prismadepressao


www.adesivomix.com.br Entregamos em todo o Brasil


AGENENDTOAS

MAR/ABR

2016

DE EV Abril Local: Taubaté - SP

Abril

dia 10

2ª Etapa do V CIRCUITO POTIGUAR DE ORIENTAÇÃO

COP

2ª Etapa do CAMPEONATO PAULISTA DE ORIENTAÇÂO

NAVEGAR

dia 03

Local: Parnamirim - RN

dia 10

Local: Silva Jadim - RJ

Abril

dia 17

1ª ETAPA DO XII CAMPEONATO CEARENSE DE ORIENTAÇÃO Local: Aquiraz - CE

dia 17

Local: Brasília - DF

Abril

dias 22 a 25

1ª Etapa do XVIII CAMPEONATO BRASILEIRO DE ORIENTAÇÃO Local: Rio Negrinhos - SC

ORIESC

2ª Etapa do CAMPEONATO DE ORIENTAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL

COR-DF

Abril

COFORT

2ª Etapa do XXIII CAMPEONATO DE ORIENTAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ADAAN

Abril

Estamos disponibilizando um calendário completo de todos os eventos de 2016. Confira no link abaixo. Caso deseja que seu evento esteja em nosso calendário entre em contato conosco. https://calendar.google.com/calendar/embed?src=revistaprismagazine%40gmail.com&ctz=America/Fortaleza


Revista PrisMagazine Nº 007 Ano I - Março 2016  

A revista de março de 2016 vem com bastante novidade para vocês leitores. A coluna do Gilson direto técnico da CBO. Acompanhe os detalhes da...

Advertisement