__MAIN_TEXT__

Page 1

Edição 01 - maio de 2016

www.eusouplus.com

ENTRETENIMENTO Conheça seis filmes que ajudam a elevar a sua autoestima >> págs. 48 e 49

JEITOS DE AMAR Amor livre e poliamor: gente que gosta de mais de uma pessoa ao mesmo tempo >> págs. 38 a 41

VIDA Dá para comer de tudo sem neura >> págs. 50 e 51

QUEM CAUSOU Latrice Royale é exemplo de que lacração não tem a ver com o tamanho do corpo >> págs. 8 e 9

ditadura Mulheres empoderadas deixam os padrões de beleza para trás, se afirmam como gordas e mostram que podem fazer o que quiserem >> págs. 12 a 17

REVISTA PLUS 1


2

REVISTA PLUS


REVISTA PLUS 3


guia

22

25. sua vez - por que plus? 26. você na plus - melhor look 28. quem causou - draGG, cadê? 10. web garimpo - as nove melhores lojas de roupas da internet 12. capa - #tátendogorda - gorda é sinônimo de não sauvável? 22. editorial - viva o amor 28. especial - sou 36. faça você mesma - acerte na cabeça 38. comportamento - jeitos de amar 42. beleza - de olho na make 43. coluna - ligar o foda-se é libertador 44. entretenimento - sete séries que toda adolescente deveria ver 48. entretenimento - cinema e autoestima 50. vida - saudável é ser feliz 52. trip - manhattan de papel 55. tech&games - melhores aplicativos para fotos 56. relacionamento&sexo - em busca de identidade 58. futuro - terminei a escola. e agora? 61. crônica - não tire o corpo fora

EXPEDIENTE

10 4 REVISTA PLUS

Editora e repórter Naiana Ribeiro (contato@eusouplus.com) Orientadora Carla Risso (carlaarisso@gmail.com) Revisora Letícia Scarpa (leticia@leticiascarpa.com.br) Colaboradores Clarissa Pacheco, Doris Miranda, Gabriela Cruz, Giulia Marquezini, Jorge Gauthier, Juliana Montanha, Lucas Seixas, Maria Ísis, Milena Abreu, Priscila Natividade, Ronney Argolo e Thais Borges.


Por que

plus E

u sou PLUS. E não sou apenas plus size (gorda, ou gordinha, como preferirem), sou ‘plus’ - mais, além - tudo. Sou PLUS porque tenho ‘algo mais’ - sou muito mais do que padrões engessados. Sou mais do que um corpo, um gosto, uma escolha ou uma religião. Eu e milhares de garotas desse país somos diferentes e, por isso, somos especiais do jeito que somos. Somos empoderadas. Somos feministas. Lutamos pelos nossos direitos e pela igualdade de gêneros. Somos contra qualquer tipo de preconceito. Somos nós mesmas e podemos andar, nos vestir, e fazer o que quisermos. Somos todxs PLUS porque somos - existimos. Enquanto existirmos lutamos pelas mudanças que queremos ver. E vivemos. Somos PLUS porque acreditamos em um mundo melhor e mais inclusivo. Esse foi o texto que postei no dia 16 de fevereiro no meu Facebook. Em menos de três meses, o que era apenas uma revista se tornou um movimento. E, quando escrevi, mal sabia eu a proporção que este projeto tomaria. Nesta primeira edição, a PLUS fala sobre o “Movimento Vai Ter Gorda” e também explora o universo das relações de poliamor. Falando em amor,

?

sua vez

tem também um editorial lindo, do fotógrafo Fernando Lopes, que aborda o tema, com diferentes casais. Em outro ensaio, especial, a modelo sou eu - nele, mostro que a força, o empoderamento, de agora, vem (também) das fraquezas. Se você se confunde com os termos relacionados a gênero (transgênero, transexual, cisgênero, etc), essa é a hora de esclarecer cada um dos conceitos. Na edição, tem ainda artigo sobre dragqueens plus size, crônica, matéria sobre saúde, dicas do que fazer depois da escola, opções de lojas virtuais para comprar roupas, aplicativos para edição de fotos, além de séries imperdíveis para você acrescentar na sua lista de maratonas. Também tem os melhores filmes do cinema que abordam autoestima. No nosso site (eusouplus.com), que já está no ar, você encontra conteúdos extras.

“Louvável iniciativa a desta revista. Que nosso olhar para o que é belo transponha as fronteiras dos estereótipos que nos sufocam e reduzem” Tárc io Carvalho, professor de Língua Portuguesa

Espero que vocês gostem! Beijinhos,

Nai

REVISTA PLUS 5


voce^ na plus

Melhor look A gente pediu para vocês postarem fotos dos seus cliques preferidos com a hashtag #eunaplus. Algumas imagens vocês conferem aqui. Outros looks lacração estão no nosso site, ok? Reportagem por Naiana Ribeiro

6

Fotografias Reprodução

Stefanie Mazucato

Luh Souza

@cacalitlle

Valquiria Monteiro

Bruna Nataliny

Joyce Silmarah

Susana Fontoura

@pahsenun

@rafaellavittorio

REVISTA PLUS


REVISTA PLUS 7


quem causou

ARTIGO

Sucesso A drag Latrice Royale é um exemplo de que lacração não Legenda Reo tem nada a ver com Repro duçãosj o tamanho do corpo kdsdjssdjjdjdsj

dsjsdjs Texto por Jorge Gauthier Fotografias Divulgação

DragGG, cadê? Legenda Reo Repro duçãosj kdsdjssdjjdjdsj

REVISTA PLUS PLUS 88 REVISTA


ARTIGO

Legenda Reo Repro duçãosj kdsdjssdjjdjdsj dsjsdjs Texto por Jorge Gauthier*

Fotografias Divulgação

O

espartilho aperta com força, comprime as curvas, e faz a respiração ficar difícil durante a dança. No palco, cada pedaço do corpo está coberto com tecidos leves, que escondem as formas – mas fazem bailados no ar. Camuflam o sofrimento do corpo corpulento que precisa se esconder nas formas “padrões”. Fecham as cortinas e vem o alívio: o afrouxar das faixas compressoras e o libertar das curvas escondidas. Reflexo do feminino, a arte do transformismo - que tem nas drags queens seus símbolos mais representativos - segue a mesma opressão de padrões do corpo da mulher. Uma pena! Pela essência da sua arte, os transformistas tentam, ao máximo, se aproximar da estética, jeitos e formas das mulheres. Nas suas expressões de arte, são raros os atores transformistas que deixam suas personagens assumirem as formas gordas. A extensa maioria acaba se submetendo às mesmas pressões que as mulheres na exigência pela aparência magra. Mas será que é difícil resistir à tentação – e a imposição da sociedade - da estética da “drag barbie magra”? Na capital da Bahia, Salvador, por exemplo (onde moro), há quem não esconda suas formas e ignore os olhares e comentários maldosos: as personagens Valerie O’rarah e Carolina Vargas estão entre essas. São raros exemplos em um largo universo onde a opressão pelo magro impera. Talvez seja por medo de haver uma aceitação menor do público. Ou não. No mercado internacional, contudo, há uma franca

diferença com expressões reais do corpo sem camuflagens exacerbadas. Nos Estados Unidos, por exemplo, há o reality show RuPaul’s Drag Race, que seleciona - desde 2009 - a melhor drag queen do país. Apesar de revelar muitas personagens magras, o programa alçou ao estrelato muitas drags plus size Uma delas, Latrice Royale, não esconde suas formas e valoriza seu corpo GG nos seus figurinos. “Eu sempre fui muito orgulhosa de mim mesma. Magra, gorda... Nada importa, nada me para de amar a mim mesma. É daí que vem a força”, declarou Timothy Wilcots, ator que dá vida à Latrice durante passagem pelo Brasil em entrevista à Revista Muza. Hoje, Latrice faz shows em diversos países onde exibe, sem vergonha, suas formas. A pressão pela modelagem do corpo mais slim começa já na busca pelo figurino e maquiagens e segue até o repertório. Acompanho

“Eu sempre fui orgulhosa de mim mesma. Magra, gorda... Nada importa, nada me para de amar a mim mesma. É daí que vem a força” Timothy Wilcots, ator que dá vida à drag queen Latrice

o cenário de drags desde 2005 e já presenciei diversos momentos em que artistas gordas foram criticadas por dublar músicas de cantoras magras. Se forem músicas de Beyoncé, por exemplo, que exigem mais da dança, as críticas aumentam exponencialmente. Junto com Latrice, a também drag norteamericana Darienne Lake provam em suas performances que é possível lacrar no palco independentemente do tamanho do corpo. Na prática, vale o talento e o grito da liberdade do corpo. Ou seja, sendo drag (ou não) e plus, desamarre o seu espartilho. Corpo livre é sinônimo de lacração.

SE LIGUE! Drag queen é a pessoa que se veste com roupas femininas estilizadas para realizar shows e performances artísticas. Já drag king se veste como homem com o mesmo fim. *Jorge Gauthier é jornalista , adora Beyoncé e não abre mão de uma boa fechação. Tem um canal LGBT - o Me Salte

REVISTA PLUS 9


web garimpo

As nove melhores lojas de roupas

da internet A PLUS indica lojas virtuais plus size que realmente valem a pena

1

A loja surgiu nos anos 80 como um pequeno atelier. A partir dos anos 90, a marca (www.loja.melinde. com.br) começou a trabalhar exclusivamente com moda plus size. A Melinde conta com itens variados - incluindo 1 praia, além de vestidos, shorts e blusas. Os preços também são diversos. Na foto: Cardigan Suede. Preço: R$ 179 (3x de R$ 59,67).

Texto por Naiana Ribeiro Fotos de Divulgação

S

e você veste manequim acima de 46, já deve ter passado pela dificuldade de encontrar uma roupa que fique realmente boa no seu corpo. Algumas lojas até têm peças do seu tamanho, mas parecem que foram feitas para alguém que não está nem aí para tendências, cores e estilo. A PLUS indica 9 lojas online para você garimpar roupas com a sua cara e ser feliz com itens do seu tamanho.

2

3

ELEGANCE

Entre as coleções da loja (www.eleganceplussize. com.br), estão peças no estilo pin-up, além de looks glam e casuais. A Elegance Plus Size tem ainda peças estampadas e coloridas, assim como itens cleans e básicos. No site dá para escolher os produtos através do seu biótipo. 10 REVISTA PLUS

MELINDE

XICA VAIDOSA

A marca (www.xicavaidosa. com.br) tem a mesma vibe da Chica Bolacha (5), com peças moderninhas. A loja tem ainda opções teen e com uma pegada pop.

4

OH, QUERIDA!

As estampas da loja (www. ohquerida.com.br) são lindas e modernas. O melhor é que a marca tem tamanhos até 5G. A Oh, Querida! tem ainda pijamas muito fofos.


7 45

CHICA BOLACHA

As peças moderninhas da marca de Porto Alegre (www.lojachicabolacha. com.br) são o ponto forte da loja, que conta com tamanhos de 38 a 60. A Chica Bolacha tem estampas coloridas e referências pop e vende desde vestidos a saias e camisetas. Na foto: Vestido I love Madagascar. Preço: R$ 179 (3x de R$ 59,67).

5 6

VK PLUS SIZE

A loja multimarcas (www. vkmodaplussize.com. br) é uma das maiores do Brasil. A VK Plus Size está sempre atenta às tendências para atender todas as mulheres que usam tamanho especial. Além de roupas, também vendem acessórios e modeladores. Vale a pena garimpar!

FLAMINGA

Com o tamanho a partir do 44, a loja (www.flaminga.com.br) se destaca por vender mais de 40 marcas. São peças de moda festa até praia com preços variados. No espaço “Provador”, dá para escolher as características do seu corpo e ver as melhores opções de acordo com seu perfil. 8

QUINTESS

Apesar de não ser uma loja plus size, a marca (www.quintess.com.br) tem uma linha especial com tamanhos maiores. São peças básicas, como vestidos, shorts e camisetas, com foco no conforto e preços variados. 9

ROUGE MARIE

Com tamanhos de 44 ao 60, a marca (www.rougemarie.com.br) conta com vestidos, blusas, macacões e muito jeans. Na foto: Macaquinho Xiquete. Preço: R$ 94 (3x de R$ 31,33).

6

REVISTA PLUS 1 1


capa

Linda, sim! Depois de processo de aceitação, a modelo plus size Rebecca Pontual dá grito de liberdade: “Sou gorda e sou maravilhosa”

#tátendo gorda 1 2 REVISTA PLUS


Juntas, mulheres empoderadas mostram que gorda não é xingamento. Participantes do movimento de afirmação defendem que as gordinhas, sejam elas jovens ou adultas, podem ser e fazer o que quiserem Reportagem por Naiana Ribeiro Fotos por Milena Abreu*

Baleia”, gritou um desconhecido no colégio. “Saco de banha”, disse outro. As risadinhas nas aulas de Educação Física eram constantes - até memes fizeram. Não pode usar biquíni. Nem short curto. Lembranças da repórter de 22 anos que vos escreve, mas que poderiam ter acontecido hoje com as estudantes Maria**, 15, e Liz Poletto, 17. A sorte de Maria e de Liz é que o “gorda” - antes visto como um xingamento - hoje é sinônimo de afirmação. Para algumas mulheres - que, juntas, estão deixando para trás julgamentos e dando um tapa na cara da sociedade - não importa o que os outros pensam (e impõem!). Miga, o corpo é seu: você não precisa ser magra para ser linda. Você é maravilhosa do jeito que é! Além de acreditar que as diferenças tornam as pessoas bonitas, Liz faz parte das jovens que consideram diversidade como a palavra da vez. Ela dá até lição de empoderamento. “O corpo é seu. Você tem o direto de fazer com seu corpo o que você quiser. Ninguém tem o direito de dizer que você não pode fazer isso ou aquilo porque não tem o ‘corpo ideal’ ”, afirma. Ela confessa que sempre teve que aguentar uma pressão para se encaixar nos padrões considerados ideais pela sociedade. “Já pensei em emagrecer porque as pessoas

*Milena é fotógrafa e estudante de comunicação. Muito tímida, utiliza da fotografia como uma forma de se expressar mais abertamente

** Maria pediu para não ser identificada. Mas, ao final da reportagem, esperamos que ela se arrependa

falavam, mas, a partir do momento que você se sente bem com seu próprio corpo, está tudo bem. Não importa o que as pessoas vão falar”, diz. Essa também é a filosofia das mulheres do movimento “Vai Ter Gorda”. Idealizado em 2012 pela produtora de eventos Érika Cadôr, 41, com o apoio da modelo plus size e produtora Helena Custodio, o evento “Vai Ter Gorda na Praia” - que começou no litoral de São Paulo - ganhou força e visibilidade neste ano em todo o país. A ação contou com atos em praias de Santos e Rio Claro (em São Paulo), Rio de Janeiro, Salvador, Recife, Maceió, Florianópolis e Fortaleza.

“A gente quer a inclusão da gorda na sociedade. No mercado de trabalho, por exemplo, as mais gordas sempre ficam de fora, inclusive no mercado plus size”, revela Érika. A professora de educação física Telma Teodora, 48, que também faz parte do movimento “Vai Ter Gorda” em Salvador, chegou a ser demitida por conta do peso. “Disseram que eu não fazia o perfil para trabalhar na escola de ballet”. Na época, ela sofreu por ser professora de educação física e ser gorda. “Não tenho problemas de saúde. Dou aulas, pratico atividades físicas e me sinto bem. Sou feliz”, relata Telma.

“O corpo é seu. Ninguém tem o direito de dizer que você não pode fazer isso ou aquilo porque não tem o ‘corpo ideal’ ”

Exemplo Érika Cadôr idealizou o evento “Vai Ter Gorda na Praia”, em Santos

Liz Poletto, estudante do Ensino Médio, tem 17 anos e é gordinha desde pequena

Foto por Ivy Freitas REVISTA PLUS 1 3


Maravilhosas Em ensaio exclusivo, modelos Adriana Santos (esquerda) e Rebecca Pontual (direita) mostram que são lindas independente dos seus corpos

A produtora Érika Cadôr também passou por um momento triste na vida: engordou 20 quilos e teve depressão. Em 2011, começou a trabalhar no mercado plus size como fotógrafa. Hoje organiza eventos para o segmento e pretende abrir uma agência para mulheres gordas. Segundo ela, é comum que a mulher gorda só se assuma do jeito que é depois dos 30 anos e que, por isso, veículos de comunicação conscientes são importantes para dialogar diretamente com o público adolescente. “São muitos jovens gordinhos e gordinhas. É a fase em que ainda estão se conhecendo. Existe o bullying na escola e também das mães, que tentam fazer as meninas emagrecerem. Os argumentos são muitos: não vai arranjar namorado, não vai poder fazer isso, nem aquilo, etc”, conta. Para Érika, falar “gorda” como algo normal é o primeiro passo para que as pessoas mudem a 14 REVISTA PLUS

“Queremos que as pessoas se valorizem e se amem como são ” Adriana Santos, 31 anos, é funcionária pública e modelo plus size e a primeira Miss Plus Size da Bahia realidade do termo. “Quem coloca o peso na palavras são as pessoas. Gorda não é ofensa, é a constatação de um fato”, explica, acrescentando que a sociedade impõe o gordo como feio. Junto com outras mulheres, a produtora vem lutando por mais direitos para as mulheres plus size. “Muitos comentários são maldosos. Queremos elevar a autoestima das gordas, mudar o modo

como elas se veem e mostrar que não é porque somos gordas que não nos amamos e não nos cuidamos”, explica. Em Salvador, o ato foi organizado pelas participantes do movimento “Vai Ter Gorda”, que soma mais de 1,6 mil pessoas no grupo do Facebook. “Queremos que as pessoas se valorizem e se amem como são”, explica a produtora e funcionária pública Adriana


“Do feminismo negro que vem a reivindicação que o corpo da mulher seja dela ” Paula Gonzaga, mestra em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo pela Ufba Santos, de 31 anos, que lidera o movimento na Bahia e organizou os atos na praia. “Nós existimos, temos a nossa beleza e lutamos para que nos enxerguem e proporcionem uma maior acessibilidade. Temos que trabalhar as políticas públicas de forma que atendam toda a diversidade”, argumenta ela, que também é modelo plus size e a primeira Miss Plus Size da Bahia.

Segundo a psicóloga Paula Gonzaga, esse movimento de afirmação é “extremamente necessário e legítimo” e precisa se expandir para além dos ambientes universitários, virtuais e de classe média. “Mulheres continuam sucumbindo a gordofobia naturalizada, um exemplo disso é que as academias estão cada vez mais cheias, as clínicas cirúrgicas idem. Esse

movimento de afirmação se forja em um dos momentos de maior investimento contra os corpos femininos”, argumenta ela, que é mestra em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo, pela Universidade Federal da Bahia (Ufba), e faz doutorado em Psicologia Social pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Ela ressalta que as contribuições do feminismo, principalmente do negro, são fundamentais para que as mulheres se organizem e questionem esse padrão de beleza e de saúde, que, segundo a especialista, é absurdo. “Ressalto o feminismo negro, pois é dele que vem a reivindicação que o corpo da mulher seja dela e que não tenha obrigação de satisfazer desejos e padrões externos. O movimento abre as portas para o questionamento dos modelos, dos interesses que fundamentam essas exclusões REVISTA PLUS 1 5


Aceitação Adriana Santos, de 31 anos, é referência plus size na Bahia

e redireciona para que outras pautas sejam levantadas, como a luta contra a gordofobia”, explica. Ela explica ainda que o movimento está muito ligado às redes sociais e à internet, que têm se constituído como um espaço de resistência. Uma das mulheres que luta contra a gordofobia na Bahia é ex-bancária Rebecca Pontual, 33, que começou a se aceitar como gorda apenas em 2014. “Lutava contra isso e tentava ser magra. Na adolescência, por exemplo, fiz loucuras para alcançar um padrão que nunca consegui ser. Tinha vergonha, me sentia desconfortável. Foi quando entrei em um grupo no WhatsApp em que as mulheres eram gordinhas e que passavam por conflitos assim como eu. Foi uma troca que abriu minha mente”, conta, 16 REVISTA 16 REVISTA PLUS PLUS

“Lutava contra isso. Fiz loucuras para alcançar um padrão que nunca consegui ser ” Rebecca Pontual, 33 anos, modelo plus size emocionada, ao falar sobre o processo de aceitação. “Eu pensei: Se quando eu era mais magra era admirada porque agora não posso? Eu posso e vou mostrar pro mundo que eu sou gorda e sou linda”, completa ela, que se tornou modelo depois de vencer o

concurso A Mais Bela Gordinha da Bahia em 2015. Rebecca ressalta que sentiu o preconceito de perto. “Instituiuse que a beleza é magra - como um dia já foi a gorda. Esse tipo de beleza, anoréxica, não é saudável”, argumenta. Ela acredita que as jovens estão ainda mais propícias a não se aceitarem por estarem em uma fase de transição. “Cada qual sabe da sua saúde e dos seus problemas. Não tenho nenhum - sempre acompanhei e cuidei da minha saúde desde criança. O meu Índice de Massa Corporal (IMC) não tem nada a ver com a minha beleza e com a minha saúde”. A modelo Adriana também dá aula de autoestima. “Se amem, vocês são lindas e podem ser o que quiserem, independente do corpo. Ser gorda não lhe


Jovem Dançarina, Liz Poletto, 17, conta que o peso não é uma barreira

Salvador Na capital baiana, não só gordas aderiram ao movimento, mas também parentes e amigos

Foto por Clarissa Pacheco

Foto de Arquivo Pessoal

“Se você não estiver gostando, mude. Mas se estiver e outra pessoa falar algo... Problema é dela” Liz Poletto, 17 anos, estuda e ama dançar hip hop impede de estudar, namorar, curtir a vida e de fazer tudo que uma adolescente magra pode fazer. Você pode ser modelo, advogada, nutricionista... Não permita que comentários preconceituosos e gordofóbicos lhe atinjam”, argumenta. “Não dê ouvidos a algo que não vai lhe levar a lugar nenhum”, completa. A pedagoga Susana Fontoura, 32, ressalta que cada pessoa tem a sua beleza. “As diferenças são importantes. São essas que fazem uma sociedade”, pontua. Ela lembra que a adolescência é uma fase conturbada, por isso as jovens estão mais propícias a sofrerem com o preconceito. “Além dessa indecisão, existe um processo hormonal. As adolescentes se importam mais com as coisas que a sociedade impõe. Não aceitem algo que

Diversidade Em Salvador, movimento não tem idade

Foto por Naiana Ribeiro

“Adolescentes se importam mais com o que a sociedade impõe. As diferenças são importantes ” Susana Fontoura, 32 anos, pedagoga não acreditam”. Por mais que hoje seja uma adolescente empoderada, Liz reconhece que é exceção. “Mas nós não estamos sozinhas. Tem muita gente que sofre as mesmas coisas que a gente e não precisamos nos sentir mal por isso”, diz, engatando que “a

questão é ser do jeito que você é, do jeito que você gosta”. “Se você não estiver gostando, mude. Mas se estiver gostando e a outra pessoa falar algo... Problema é dela”. Gordinha desde pequena, Liz já sofreu muito preconceito. “Estudei em um colégio que rolava uma zoeira. Mas, como eu era muito amiga das pessoas, ignorava. Quando mudei de colégio, percebi que o que acontecia não era legal. Nessa escola de hoje, as pessoas não ligam se você é gorda ou magra”, conta. Mas nem sempre foi assim. Até nesse colégio, Liz passou por uma situação nada agradável. “Eu tinha um grupo de amigas e descobri que elas faziam montagens com fotos minhas. A montagem, em si, me chateou, mas o fato de ter REVISTA PLUS 1 7


vindo delas doeu mais ainda. Eram minhas amigas, sabe? Eram pessoas que eu confiava. Cheguei em casa e chorei por dias. Depois pensei: ‘Não preciso delas pra viver’”, lembra. Hoje, ela nem é mais tão próxima dessas meninas. Essa foi apenas uma das histórias que a ajudaram a se dar mais valor e se aceitar do jeito que é. Dançarina de hip hop há 12 anos, Liz também já passou por situações constrangedoras por conta do seu peso. “Quando dançava em uma escola mais tradicional, destoava de uma forma não legal. Não me encaixava. Hoje, no Studio A, me sinto parte do todo. Ali tem de tudo”, revela. A mudança de escola de dança foi mais uma fase dela se aceitar do jeito que é. “Tem certos movimentos que não consigo fazer. Mas é normal, todo mundo ali tem alguma dificuldade”, confessa. Se antes ela ficava chateada ao destoar dos colegas nas coreografias, hoje ela até gosta. “Quando me apresento, alguns pais e familiares de amigos falam: ‘Não sabia que você conseguia dançar tão bem’. A gente se apresentou em uma escola para especiais e fui como um referencial para eles. ‘Ela é diferente, mas e daí? Ela consegue’”, conta. Outra vez foi na escola de uma amigo mais novo, que é gordinho, e ele 1 8 REVISTA PLUS

ficou feliz de ver uma conhecida, gorda, dançando. “Ele me abraçou, tirou foto, postou no face. É muito bom ser um diferente com que, de uma forma, alguns se identificam”, reflete.Como parte desse processo de aceitação, a estudante revela que passou a não se importar com a opinião alheia. “Não vou deixar de dançar porque sou gorda, mas também porque sei que eu dançando, sendo do jeito que sou, posso fazer com que alguém se inspire. Decidi que vou ter meus exames e me cuidar, mas meu corpo vai ficar do jeito que eu quiser. Se eu quiser continuar gordinha, vou continuar. Se não quiser mais, vou emagrecer. Simples. Gosto de mim do jeito que sou e não tem uma pessoa no mundo que me faça mudar. Se quiser gostar de mim, gosta. Se não quiser, não gosta”.

“Gosto de mim do jeito que sou e não tem uma pessoa no mundo que me faça mudar ” Liz Poletto, 17 anos, é dançarina e estuda

O que, para Liz, parece ser algo simples, para Maria é algo muito mais complexo. “Odeio ser gorda. Me olho no espelho e nenhuma roupa cabe. Minha mãe me fala para emagrecer o tempo todo. Queria, um dia, acordar e ser magra e feliz”, confessa. Segundo a psicóloga Paula Gonzaga, a pressão que a estudante Maria passa faz parte de um processo de sexualização dos corpos femininos. “Aprendemos desde cedo que nossa aparência é um aspecto imprescindível através o qual seremos julgadas. Por mais competente que uma profissional seja, sua aparência ainda será algo que está em avaliação. Existe uma sexualização dos corpos femininos que os reduz a um compromisso com a satisfação dos homens dentro da lógica patriarcal. É o mesmo sistema que culpabiliza a vítima do estupro, que aponta a gorda que usa roupa justa”, explica. Paula defende que os corpos femininos são vistos como objetos, produtos ambulantes na sociedade machista, na qual homens são potenciais interessados. “O peso, que é visto como desleixo no corpo feminino, é considerado charme no corpo masculino, porque este é socializado com um sistema de valores vinculados ao seu lugar de


DICAS - por Mara Carolyne, do Coisas de Carol

“O peso, visto como desleixo feminino, é charme no corpo masculino ” Paula Gonzaga, mestra em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo privilégio dentro da lógica sexista”, completa. No caso das adolescentes, essa pressão pela aparência adquire contornos ainda mais perigosos, porque é uma fase quando se deseja muito a aceitação do grupo onde se está inserida. “As críticas, humilhações, desrespeitos podem adquirir contornos de sofrimento e exclusão graves. É importante não incorrer no erro de culpar as garotas. Comentários como: ‘se está incomodada, por que não emagrece?’ ‘mas tem gordinha que se garante’, não ajudam em nada”, diz. Segundo Paula, é preciso salientar que emagrecer não é uma decisão simples e nem tampouco depende apenas da vontade própria. Também é fundamental pensar que, independente de como as pessoas reagem a ofensas, não ofender deve ser um princípio de respeito humano. “Se uma garota leva comentários ofensivos na esportiva, você não pode impor que todas assim o façam, nem admitir que, para essa garota, esse comentário não foi doloroso. Cada uma lida como pode e não é a conduta das meninas que devemos mudar, mas sim das pessoas que insistem em ofendê-las e humilhá-las”.

10 coisas que eu falaria para uma adolescente acima do peso:

1

Você pode ficar com quem você quiser. Não tem essa de que o carinha só pega as magras. Tem gosto para tudo. Saia, conheça gente nova. O mundo é muito maior que a sua escola.

2

Não se esconda atrás de roupas largas. Use as roupas a seu favor. Elas têm o poder de valorizar os seus pontos fortes e esconder os fracos. Use e abuse de cores e acessórios.

3

As pessoas da sua escola não importam tanto assim. Sei que quando o nosso mundo gira em torno do colégio, curso de inglês e casa. É complicado imaginar que o mundo é maior que isso. Mas acredite, é! A opinião dessas pessoas não interfere no seu mundo.

4

Todo mundo tem problemas. Ninguém está satisfeito. E nessa época da vida essa sentença é ainda mais real. Então relaxa…

5

Emagrecer é uma opção e não a solução. Seus problemas não irão sumir quando o ponteiro da balança cair, ok? Essa você guarda para vida.

Forme sua auto imagem com muito carinho, tenha um caso de amor eterno com o reflexo do espelho.

8

Dê valor para quem te valoriza. Nada de desprezar o nerd/baixinho da turma que te acha linda, legal e cheirosa. Desprezar quem te quer bem é burrice. Se você não quer ficar com ele tudo bem, converse e explique seus motivos para ele não se sentir mal. Ponha-se sempre no lugar do outro.

9

Cuide da sua saúde. Não sei como anda a saúde de todo mundo por aí. Mas eu fui uma adolescente super saudável, fazia academia, comia igual uma desesperada e não tinha nenhum problema. Tinha amiga magrinha com colesterol alto e outras taxas alteradas. Ou seja: peso não quer dizer nada quando o assunto é saúde. Depois de 20 anos acima do peso a minha saúde gritou e tive que mudar. Então fica de olho nos exames, tá?!

10

Não humilhe os outros para se sentir melhor. Vi isso acontecer e sei das consequências. Vai por mim, depois que você cria juízo e entende o que fez, rola o maior peso na consciência.

Você pode ser o que quiser. Liberte-se. Seja você. Se quiser emagrecer, vá em frente. Se não, tudo bem. Não limitese. Essa é a fase da vida que você tem para cometer seus erros. Crie seu caráter da melhor maneira possível. Experimente. Viva. Ria mais do que chore. E principalmente, lembre-se: VAI PASSAR.

7

*

6

Procure referências. Aproveite a internet e busque alguém para você se inspirar e se sentir linda.

Conselho bônus: O amor sempre chega. Ele vai acontecer para você. <3 REVISTA PLUS 19


capa

Gorda é sinônimo de não saudável?

A

pesar de ser verdade no imaginário de muita gente, a correlação entre peso e (não) saúde vem sendo questionada por representantes do Movimento Vai Ter Gorda e especialistas. “Tem muita gente que é gorda e é saudável. Ao mesmo tempo, tenho amigas que são super magras e têm problemas de pressão ou de coração”, conta a produtora Érika Cadôr. Quando o assunto é saúde, a modelo Adriana Santos, assim como boa parte das participantes do Movimento Vai Ter Gorda, afirmam que não é preciso ser magra para ser saudável. “Nos empoderamos e também praticamos atividades físicas e cuidamos da nossa saúde regularmente”, revela. Ela incentiva as mulheres a amarem seus corpos e a se cuidarem. Segundo o historiador Renato Souza, essa correlação entre gordo e não saudável faz parte

20 REVISTA PLUS

de uma construção histórica e é formada por uma articulação entre saberes médicos e as indústrias farmacêutica e da moda. “O que a medicina faz é se apropriar de um debate social e legitimá-lo socialmente. Nesse caso, identificar esse corpo como doença. Para a medicina, só existem dois caminhos extremos: cirurgia e medicamentos”, explica ele, que também estuda gordofobia. Souza afirma que esse processo, que existe em várias esferas, é chamado de medicalização do corpo. “Existe muito(a) gordo(a) saudável, sim. O corpo gordo como doença é mais um postulado da medicina do que - de fato uma questão aplicada”, afirma, ressaltando que a existência de um padrão que nega os corpos na sociedade é benéfica para várias indústrias. Souza defende que as estratégias que muitas pessoas adotam para chegar ao

padrão considerado ideal são desumanas. “A bariátrica, por exemplo, tem um alto índice de erros. Muita gente fala que ‘é uma questão de saúde’ e acha que os problemas estarão resolvidos se for mag... quer dizer, saudáveis. Mas querem mesmo é emagrecer para alcançar um padrão de beleza e não saúde”, pontua. Segundo o historiador, a sociedade não só acredita no discurso do magro e saudável como algo verdadeiro como constrói um imaginário que reflete em outros setores da vida social, como o trabalho. “O corpo gordo é associado a alguém preguiçoso ou menos capaz, o que não é verdade”, afirma. Para Renato, uma resposta a esse estigma social é uma ação política organizada. É o caso dos grupos de discussão sobre gordofobia, corpo, feminismo, etc. Ele cita as redes sociais como um local importante de debate. “É


preciso questionar e discutir o que é considerado natural. Só quando são mais velhas é que essas meninas começam a enfrentar os padrões naturalizados pela sociedade”. A psicóloga Paula Gonzaga, que tem mestrado em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo considera ainda que essas discussões devem ser levadas às escolas públicas, à formação dos profissionais de saúde e aos serviços da ponta do sistema. “A maioria das pessoas se informam pela TV ou por revistas sensacionalistas que cumprem uma agenda de patologização do que é diferente. Temos um programa televisivo na emissora de maior audiência do país que vincula diariamente reportagens que associam pessoas gordas à doença. Esse é um exemplo de porque as pessoas ainda acreditam que essa é uma relação indissociável”, explica. Ela ressalta que a insatisfação das mulheres com o próprio corpo compõe um nicho de mercado extremamente lucrativo, no qual reforçam a todo momento que estamos feias e doentes, para que o consumo de produtos e procedimentos continue aumentando. Paula pontua que ser gordo(a) não é determinante para que alguém adoeça. “As pessoas fazem discursos relacionando de forma determinista saúde e magreza. É preciso questionar as informações que são descaradamente e compulsivamente empurradas sobre nós. As pessoas reproduzem isso de forma irresponsável, negligente, gerando uma patrulha dos corpos alheios. A preocupação não é com a saúde, é com o controle”, argumenta. Apesar de não ser considerado ideal por muitos, o Índice

“O corpo gordo como doença é mais um postulado da medicina do que - de fato - uma questão aplicada ” Renato Souza é historiador e estuda o tema gordofobia de Massa Corporal (IMC) ainda é utilizado pelos médicos para classificar o peso. A endocrinologista Damaris Lopes explica que é considerado obesidade o resultado acima de 30. “Quando você tem sobrepeso, tem dificuldades em várias funções do organismo. Se isso vai se perpetuando, além das alterações metabólicas, aumentam as questões ortopédicas. Isso tende a piorar com o passar dos anos”, afirma ela, que atende na Clínica de Endocrinologia, Diabetes e Obesidade. A médica considera que obesidade é doença e precisa ser prevenida e tratada. “Tem pessoas que têm sobrepeso e todos os dados estão normais - isso é fato. Mas quanto tempo isso vai durar? Às vezes estão gastando a saúde antes da hora. Nenhum extremo é bom - nem ser muito magro nem muito gordo. É interessante que a pessoa tente manter um peso normal. Se ela tem obesidade nível 3, que tente abaixar um pouco e depois manter o peso”, pontua. Ela ressalta que o acompanhamento médico é essencial para todo mundo, independente do peso.

ROUPAS Ao entrar numa loja de roupas e pedir uma informação sobre uma peça escutar: “não tem pro seu tamanho” é um constrangimento constante para boa parte das gordas. “E realmente não tem, porque as roupas raramente são disponibilizadas em tamanhos grandes e, quando são, escondem o corpo, como se fosse algo do que se envergonhar”, conta a psicóloga Paula Gonzaga, que foi gorda a maior parte da sua vida. “A mulher gorda, assim como a mulher negra (o que me contempla duplamente), ocupa um lugar de desvalorização dentro do sistema sexista. É como se ser gorda, ser negra, lhe tornasse menos mulher”, completa. Ela conta que uma vez, na escola, organizaram um passeio para um parque aquático e uma colega a aconselhou a não ir. “Tudo para que eu não me se sentisse exposta, porque usaria biquíni”. A dificuldade para encontrar tamanhos plus size - que, no Brasil, inclui modelos a partir de 44 (pasmem!) - não é só de Paula. É também da estudante Liz Poletto, 17. “Ou você vai em alguma loja específica - que tem seu tamanho - o que muitas vezes é bizarro, porque as roupas não são legais; ou você tem que sair garimpando por aí aquela única peça que vai te caber. Tenho que ficar horas batendo perna”, conta. Ela critica o fato das lojas, plus size ou não, não possuirem roupas estilosas. “Não sei o que se passa na cabeça das pessoas. Pensam: ‘é gordinha, tem que se cobrir. Ponto, acabou’. Não é bem assim. Eu quero me vestir bem, quero estar bem com meu corpo. É um saco achar calça jeans, vestido e até a farda do colégio - não ligo de pegar o modelo masculino, mas tem muita menina que liga e fica triste”, revela. REVISTA PLUS 2 1


editorial

GEISE & NAYRI Conheceram-se em um curso feminista e tornaram-se companheiras para todas as horas desde coisas cotidianas a situaçþes existenciais mais complexas. 2 2 REVISTA PLUS


VIVA O AMOR

Texto por Naiana Ribeiro Fotos de Fernando Lopes

Projeto fotográfico mostra que o amor transpõe barreiras

Q

uebrar tabus. É esse o principal objetivo do fotógrafo Fernando Lopes de Araújo Neto, de 37 anos, ao idealizar o projeto Omnia vincit amor. Inspirado em uma frase em latim de autoria de Virgílio, o nome significa “o amor vence tudo, o amor tudo suporta”. “Proponho mostrar e divulgar as diferentes formas de amor - o amor sem fronteiras”, explica Lopes, que é membro do grupo fotográfico Salvador Imagem e Movimento (SIM). Nesse editorial, que é um projeto contínuo, o

“Proponho mostrar as diferentes formas de amor. É o amor que rompe barreiras, que transcende o tempo. O amor que a tudo vence ” Fernando Lopes, fotógrafo e membro do grupo Salvador Imagem e Movimento (SIM)

fotógrafo explora diversas manifestações de amor consensual. “É o amor que rompe barreiras, que transcende o tempo. O amor que a tudo vence”. Confira as fotos e conheça um pouco de cada casal. REVISTA PLUS 2 3


ALANA & RENIER Quando Renier conheceu Alana, ele tinha certeza que sua busca tinha chegado ao fim, mas precisava convence-la disso. Depois de vários meses, a implicância virou amor. Eles resolveram casar e montar a “república independente da nossa casa”, como eles intitulam a casa em construção.

24 REVISTA PLUS


FRANKLIN & MATEUS Franklin Masttor e Mateus Almeida, ambos de 23 anos, sรฃo graduandos e se conheceram em uma rede social. Eles vivem juntos hรก 4 anos. REVISTA PLUS 2 5


MARIA & NILSON Nilson Nunes do Nascimento, de 84 anos, e Maria das Dôres Moreira Nascimento, 80, são casados há 60 anos. Ela é de Itambé (BA) e ele de Serra (ES).

26 REVISTA PLUS


REVISTA PLUS 2 7


especial

2 8 REVISTA PLUS


sou Texto e Modelo Naiana Ribeiro Fotos de Lucas Seixas*

Ensaio fotográfico mostra os meus sentimentos mais profundos. Expor, compartilhar, também é empoderar

A

ntes de PLUS, apenas ‘sou’. Sou linda, poderosa, dedicada e entregue a tudo. Abraço o mundo. Sou forte. *Lucas é retratista e autor do fotolivro Identidades. Gosta de se redescobrir toda vez no olhar e contato com o outro

REVISTA PLUS 29


Mostro àquelas que se escondem que elas não precisam ter vergonha. Vocês podem ser quem quiserem.

30 REVISTA PLUS


Podem vestir e fazer o que quiserem. Isso não é da conta de ninguém.

REVISTA PLUS 3 1


Por trás de toda força, entretanto, lá no fundo há fraquezas. Por trás daquela armadura tem um ser humano sensível e frágil.

3 2 REVISTA PLUS


O mundo à minha volta parece não fazer sentido. A tristeza e a decepção dominam.

REVISTA PLUS 3 3


Penso em desistir. “Pra que tanto preconceito? Por que tantos julgamentos?”, penso. Dói, machuca.

34 REVISTA PLUS


Do fundo do poço, dou-me conta do meu lugar no mundo. Ressurjo. Renasço das cinzas e das dores. Ferida, mas cada vez mais forte. Se hoje existe a força é porque algum dia houve fraquezas. A força vem da fraqueza.

REVISTA PLUS 3 5


faca voce^ mesma

^

´

ACERTE na cabeça

36 REVISTA PLUS


PASSO A PASSO Descubra como um troféu de caça pode decorar sua casa e ainda virar um bom negócio Reportagem por Ronney Argolo* Fotografias de Arquivo Pessoal

J

á imaginou ter uma cabeça de veado de verdade na sua parede? Tomara que não, pois essa ideia é medonha. Mas e se for uma escultura de madeira ou papelão, que dá para decorar como você quiser? Pode aplicar tecido e deixar fofo, apostar em uma tinta neon-Lady-Gaga ou preferir o rústico: depende do seu estilo. Enfeitar o quarto ou a sala com algo que a gente mesmo fez mostra personalidade e, quando fica bonito, enche de orgulho. No caso dos troféus de caça, ainda dá para ganhar dinheiro. Os mais caros e imponentes, em madeira, são vendidos em lojas especializadas por até R$ 180. Contudo, para montar um, basta usar as ferramentas de casa e gastar R$ 100 em uma serra tico-tico. Ou seja: se quiser recuperar todo o investimento com a serra, é só fazer uma cabeça a mais e vender para um amigo. Dá até para lucrar. No passo a passo a seguir, Eduardo Barretto, designer de móveis e objetos do ateliê Little Sailor (instagram.com/ littlesailorssa), mostra que com paciência e boa vontade tudo é possível. *Ronney é jornalista, adora carpintaria e sorvete

Passo 1: Baixe o molde da cabeça pelo Facebook (littlesailorsalvador). Imprima em um papel resistente. Se quiser fazer seu troféu de caça com papelão, basta recortar tudo e encaixar as peças.

1

2 Passo 2: Quem optar pela madeira vai precisar de: serra tico-tico, martelo, 2 pregos, furadeira, máscara de proteção, lixa, compensado de 1cm de espessura, trena e lápis. 3 Passo 3: Desenhe o molde sobre o compensado, contornando-o com o lápis. É preciso ter mão firme, para o desenho ficar nítido e facilitar o uso da serra.

Passo 4: Com a serra, corte as peças - é normal errar um pouco no começo, então não desanime. Depois de cortados, os lados vão ficar ásperos. É só usar a lixa para fazer o acabamento.

4

5 Passo 5: Sobreponha as peças que se parecem com medalhões e centralize a cabeça sobre o medalhão menor. Risque os lados para identificar o centro.

Passo 6: Com a furadeira, faça furos leves nas placas sobrepostas, por trás de onde a cabeça será encaixada. Sobre esses furos, martele pregos para prender as peças.

6

Passo 7: Finalize encaixando os chifres e as orelhas. Se quiser mais firmeza, use pregos pequenos para fixá-los.

7

REVISTA PLUS 3 7


comportamento

Jeitos de

amar Reportagem por Clarissa Pacheco e Thais Borges* Fotografias Reprodução * Clarissa é jornalista, estuda História, adora futebol, dendê e coxinha. Thais também é jornalista e ama coxinha. Ela é autora do Guia de Sobrevivência da Adolescente e acha que amor devia ser vendido em potinhos

3 8 REVISTA PLUS

É

possível amar mais de uma pessoa ao mesmo tempo? Pois há quem garanta que sim. E isso não tem nada a ver com libertinagem, promiscuidade, safadeza ou seja lá qual for a palavra que alguém mais mente fechada tente usar. Também não tem nada a ver com a poligamia ou poliandria, proibidas no Brasil e até passíveis de cadeia! Veja, compartilhar o cônjuge (marido ou esposa) pode dar até três anos de prisão. Mas quem está falando de compartilhar um papel passado? Desde o início, aqui se fala de compartilhar amor – ou amores. O poliamor talvez seja uma das relações mais puras e sinceras que existe. Plussize, a psicóloga Normanda Vidal, de 27 anos, diz que é algo que transmite muito mais confiança, respeito e igualdade entre os envolvidos. “Um dia desses, uma amiga me falou que é gordinha, por isso não seria poliamor. Porque, se encontrar uma pessoa que goste de gordinhas está difícil, imagine mais de uma. Eu falei: ‘pois, minha filha,

Adeptos de práticas como poliamor e amor livre mostram que é possível, sim, gostar de mais de uma pessoa ao mesmo tempo

eu sou gorda e tenho duas pessoas e provavelmente uma terceira. Meu formato não comanda meu coração”. Para a pesquisadora Mônica Barbosa, autora do livro ‘Poliamor e Relações Livres: do amor à militância contra a monogamia compulsiva’, é comum comparar o poliamor a “uma ‘modinha’ dos que desejam ‘promiscuidade sem culpa’”. Mas não é nada disso. “O Poliamor tem na base de seu discurso o consenso entre todas as pessoas envolvidas e a equidade de direitos entre elas. Não há privilégios, mas acordos para que todos desfrutem das relações possíveis numa constelação sexual e afetiva”, escreveu, num texto para o blog Cultura e Sexualidade, do portal iBahia.

“Meu formato [corpo] não comanda meu coração ” Normanda Vidal, psicóloga


“Nunca senti ciúmes na vida, nem sei como é” Normanda Vidal, 27 anos, psicóloga A psicóloga Normanda Vidal, 27 anos, não tem dúvidas: a relação em que ela está hoje - poliafetiva - é a melhor que já teve na vida. Ela é casada com um homem há sete anos e, desde o início do ano, tem uma namorada que mora no Rio de Janeiro. Essa, por sua vez, tem outro namorado. “Fui monogâmica várias vezes, mas sempre soube que não me encaixo nos moldes. Nunca senti ciúmes na vida, nem sei como é”, conta Normanda, que teve sua primeira relação poliamorista aos 16 anos. “Embora eu prefira mulheres e me identifique como lésbica, eu o amo, ele (o esposo) é muito importante para mim. Vai além da coisa sexual. Minha namorada é alguém que me completa, eu a amo e ela me ama. Não tenho inseguranças e nem desconfianças. Tenho saudade, marco em fofurinhas no Facebook, me declaro todos os dias”. Com os dois, ela comemora datas, troca presentes… Para Normanda, o poliamor

“Minha mãe pergunta se ele (o marido) também tem namoradas por aí e eu digo ‘até tem, mas nada sério’ ”

sempre foi natural e tranquilo. Por isso, ela diz que não se sente pressionada a encarar uma relação mais “convencional” um dia. “Sempre pensei no amor como algo completamente livre, mas fui monogâmica simplesmente por respeitar a forma como os outros desejam se relacionar. Cada um escolhe a forma de relacionamento que lhe dá mais prazer e faz sofrer menos, ou não”. Por outro lado, nem todo mundo leva numa boa. Entre as pessoas por quem ela já se interessou, já teve quem deixasse de falar com ela e até a bloqueasse nas redes sociais. “Cada um sabe a dor e a doçura de ser quem é. Contudo, no geral, a experiência é boa, as pessoas procuram conhecer e entender. Algumas dizem que não conseguiriam, que não aguentariam, mas, na verdade, elas não têm ideia do quanto são fortes e podem, ao menos, tentar de tudo na vida. As pessoas se subestimam”.

A irmã, que, nas palavras dela, é feminista e vanguardista, sabe do poliamor e apoia. A mãe sabe que Normanda e o marido não têm um casamento convencional. “Ela até pergunta se ele tem namoradas por aí e eu digo ‘até tem, mas até agora, nada sério’. Ela já começou a entender o poliamor”. Quando os filhos - ela quer no mínimo três - vierem, a relação seria aberta. “Minha namorada não pretende ter filhos agora, mas ela seria a tia-madrinha deles e isso é mais do que suficiente”.

“Cada um escolhe a forma de que lhe dá mais prazer e faz sofrer menos, ou não ” REVISTA PLUS 39


“Quando me deparei com o desejo de ter mais um namoro, passei por uma autodepreciação”

Gustavo Ivo, 23 anos, estudante de Ed. Física

Mônica Rosa, 28 anos, advogada Não é raro que a advogada Mônica Rosa, 28 anos, encontre alguém que questione as relações em que ela está atualmente – um casamento aberto e outra “relação afetivo-sexual”, com mulheres nos dois casos. “Vira e mexe alguém questiona a minha posição de ‘mulher casada’ como um conflito frente à possibilidade de viver novas relações. Isso já foi colocado, inclusive, por pessoas que são adeptas de determinados tipos de não monogamia”, conta. Talvez por isso ela não fale sobre relações livres com qualquer pessoa. E, por incrível que pareça, a reação geralmente não tem nada a ver com a idade. “Já ouvi de uma parceira, de 20 anos, que é uma doença e que deveria buscar ajuda profissional, assim como já ouvi da minha avó, 76, que o importante é ser feliz”. Na família, a avó, assim como sua mãe, sabem como são seus relacionamentos. “Como é recente e não houve apresentação pessoalmente, não acho que seja o caso de colocar o tema em voga no momento”, diz. A advogada acredita que acabou cedendo à monogamia em seu primeiro relacionamento justamente porque não questionava imposições culturais. Apesar disso, ela diz que conseguia ter exemplos de que esse 40 REVISTA PLUS

“Amor livre é estar junto de quem você gosta. Se for mais de uma, qual o problema?”

tipo de relação também estava relacionado a um sistema de dominação machista. Mesmo tendo se relacionado com mulheres na maior parte do tempo, ela chegou a namorar um homem por três anos e, paralelamente, uma mulher - por um ano. “O fato de estar namorando um homem não impedia que desejasse ter experiências com mulheres. A questão da liberdade sexual para tal não foi um problema interno, mas quando me deparei com o desejo de ter mais um namoro, passei por uma autodepreciação que envolvia questionamentos acerca de minha capacidade de fazer alguém feliz e da visão social que se tem de que qualquer relação fora do padrão é libertinagem”. Ela pensa em ter filhos – com dupla maternidade, por conta do casamento. “Quando tiverem idade para discernir algumas coisas, a natureza da relação poliafetiva das mães deve ser esclarecida”.

“Já ouvi de uma parceira que é uma doença e que deveria buscar ajuda profissional ”

O estudante de Educação Física Gustavo Ivo, 23 anos, invoca a ativista lituana Emma Goldman quando perguntado sobre o tal do amor livre. “Amor livre? Como se amor pudesse ser outra coisa que não livre!”, dispara. Gustavo nunca namorou. “Não do jeito convencional”, diz – e explica: “Nunca tive esse contrato de exclusividade. Acredito que minhas influências sempre trabalharam um pouco a autonomia, liberdade e nunca me identifiquei com nada que me sentisse muito enquadrado”, afirma ele, que não se identifica muito com a nomenclatura poliamor. “Nas propostas não monogâmicas há mais possibilidade de ‘construir’ juntos um relacionamento, não é algo pré-moldado. Amor livre é estar junto de quem você gosta. Simples assim (ou não tanto). Se for mais de uma, qual o problema?”, questiona. Gustavo não se define como homossexual, mas diz que já se sentiu balançado para o lado da afetividade, de querer estar perto de alguém, não necessariamente pela questão sexual. Apesar de se sentir tranquilo em relação à liberdade do amor, ainda costuma se deparar com o estranhamento por parte de outras pessoas. “As pessoas não acreditam que seja possível. Rola uma repulsa até de dizerem que a gente não sabe o que é amor e uma série de preconceitos”,


conta. Mas com todo o préjulgamento, Gustavo diz se sentir pouco pressionado para relações convencionais – até da família, a pressão é pequena, embora saiba que seria difícil para eles compreender uma relação batizada de trisal – três pessoas. “Provavelmente mulheres sentem bem mais”. Aos 23 anos, Gustavo acha que a adolescência não é um momento para definições. “Pensem. Vivam. Experimentem. Respeitem. Eu acredito que a adolescência não é um momento para se afirmar nada, mas para conhecer, descobrir, ampliar, entender”, diz. Pelo contrário, ele acredita que este é um momento para pensar melhor e com visões mais abrangentes. “É o momento de entendermos que podemos sentir muita coisa boa além do que nos dizem, que nos tornem mais capazes emocionalmente, que nos ensinem a olhar, perceber e cuidar de si e do outro”.

“As pessoas não acreditam que seja possível. Rola até de dizerem que a gente não sabe o que é amor e uma série de preconceitos ”

“Como não existe uma bula pronta, é necessário diálogo para saber se está sendo saudável” Carolina Bloizi, 23 anos, estuda Arquitetura Até os 19 anos, a estudante Carol Bloizi, hoje com 23, se considerava monogâmica, já que na família nem se conversava sobre o assunto. Mas teve, aos 17, um relacionamento aberto, mas curto. “Hoje em dia eu vejo que a exclusividade (que é só um dos fatores problemáticos da monogamia) não serve pra mim e nunca serviu. Eu me mantinha em um relacionamento até sentir vontade de ficar com outras pessoas, achando que gostar de outras pessoas era não estar mais gostando da pessoa que eu estava namorando, e, como sempre achei errado a traição, terminava”, diz. Em geral, as pessoas acham tudo muito ofensivo, diz. É que Carol, além de não monogâmica, também se considera bissexual e não binária. No caso dela, existe a preocupação de não ter a aceitação dos familiares. Mas também há o preconceito geral com relação aos bissexuais: tanto no meio hetero como no bissexual. É como se fossem promíscuos, indecisas, ou só estivessem em uma fase. E as reações diante de um perfil como o dela são as mais variadas. Tem os mais tranquilos, mente aberta, a fim de conversar. Há os que acham que ela está disponível, automaticamente.

Há os que acham que é só uma fase e que ela vai acabar se aquietando. Alguns até acham legal, mas são ciumentos... Hoje, as irmãs de Carol sabem que ela não é monogâmica e não têm problemas com relação a isso. Mas ela mesma se sente pressionada a adotar um modelo, digamos, mais convencional. “A sociedade é monogâmica. Então, mesmo me identificando com esse sistema, grande parte das pessoas que me interessam são mono. Daí já me preocupo, quando vou ou quero me relacionar com uma pessoa, se ela vai ser de boa com minha não monogamia”, afirma. Com os relacionamentos que teve, aprendeu que o diálogo constante é fundamental, além da empatia e da desconstrução. “Como não existe uma bula pronta, é necessário diálogo para saber se o relacionamento está sendo saudável para todo mundo”, diz. A parte boa é que a palavra traição, para Carol, já não faz sentido algum. E que, quatro anos após não se considerar mais monogâmica, a estudante não se assusta com o conceito – nem vê motivo para que outras pessoas se assustem. “Eu diria que não é um bicho de sete cabeças. Se for como se sentirem mais confortáveis, vão lá, vale muito à pena não fechar seus sentimentos a padrões engessados”, garante.

“Não é um bicho de sete cabeças. Se for com se sentirem mais confortáveis, vão lá, vale muito à pena ” REVISTA PLUS 41


beleza

Inspirarda no blog Pausa para Feminices, a PLUS traz dicas para você - que tem a pálpebra gordinha (e para você que não tem também!) acertar no delineado de gatinho Texto por Naiana Ribeiro Foto Reprodução/ Blog Pausa para Feminices

Clássico Com prática, olho delineado pode ser coringa naquele dia de festa ou até no date com o/a crush

De olho na make

42 REVISTA PLUS


Q

uem nunca passou horas tentando fazer um delineado bonitinho? Não tem jeito: precisa treinar e insistir até o bendito sair. Às vezes, um simples cotonete pode te ajudar a iniciar ou finalizar o clássico olho gatinho - que nunca sai de moda. Uma forma de começar o traçado é aplicando o produto no canto interno e ir puxando para o externo. Não ligue se engrossar - é só dar um acabamento com um puxadinho mais reto ou para cima na direção da sobrancelha a partir do canto do contorno interno dos olhos. Tem gente que, antes mesmo de começar a fazer a make, prefere definir uma linha imaginária entre o fim do olho e o fim da sobrancelha usando um cotonete. Depois, pega o delineador e traça o risco nessa mesma direção. Nesse caso, começar o traço pela parte exterior do olho ajuda a fazer o risco proporcional nos dois olhos. Com a prática, você vai ver que deixar os olhos abertos ajuda a não errar. Siga sempre a raiz dos cílios. Quem já tentou, tentou, e não conseguiu, pode testar fazer com lápis de olho (queime a ponta para deixá-lo cremoso). Nesse caso, a dica é usar a haste de uma colher de chá para ajudar a desenhar a linha no olho. Ou ainda testar usar uma sombra da cor que preferir molhando um pincel mais fino.

O QUE VOCÊ VAI PRECISAR - Delineador em gel/líquido, lápis de olho ou sombra - Pincel Chanfrado (delineador em gel) ou fino (sombra) - Corretivo

Acesse o tutorial no nosso site

coluna Gabriela Cruz*

gabriela.cruz@redebahia.com.br

LIGAR O FODA-SE É LIBERTADOR Ainda me lembro do primeiro bullying que sofri por causa do meu peso. Tinha apenas 4 anos e já trazia comigo apelidos nada divertidos, dados pelos colegas da escolinha do bairro. Ser a aluna com as melhores notas só piorava a situação ano a ano. Quando fui estudar em um colégio maior, achei que as coisas seriam diferentes. Só que não. Para fugir das agressões verbais e gracinhas escrotas, quase não ficava na sala nos intervalos e não fazia questão de ter amigos. Dos meus tempos de Salesiano, não trago nenhum colega próximo. Não lembro dos rostos nem dos nomes. Mas guardo comigo, lá no fundo da memória, todas as situações constrangedoras que vivi. Passei por muitos outros momentos “inesquecíveis” – já teve um cara que abriu a janela do carro para me chamar de gorda e outro que, na plateia de um show, questionou a presença de “uma baleia” no local: “quem deixou entrar?”. Para me livrar dessa perseguição, decidi radicalizar e, há seis anos, me tornei uma gastroplastizada. Depois da bariátrica, brinco que deixei de ser um ponto de referência (“ali, perto daquela mulher obesa”) para virar uma gorda aceita pela sociedade. Mas mudar por fora não significa curar as feridas lá de dentro. A euforia dos quilos perdidos mascara a mágoa e, * Gabriela é jornalista por amor, está em busca da leveza, mas fugindo da dieta

“Focar em mim mesma me deu um prazer que jamais encontraria em (com) outra pessoa ” acredite, ela volta sempre que algo semelhante ao sofrido no passado volta a acontecer. Com o tempo, fui criando estratégias para fugir de situações “complicadas”, mas viver de “quase” não alimenta a alma. Evitar pessoas e lugares só adia o sofrimento, aumenta o medo e traz infelicidade. Demorei muito para perceber o óbvio, mas foi a tempo. Ligar o foda-se é libertador. Focar em mim mesma, independentemente do peso que tenho, me deu um prazer que jamais encontraria em (com) outra pessoa. Não estou falando de euforia, mas de maturidade para saber o que é melhor para mim e não me dobrar à vontade dos outros, coisa que muito gordo faz para ser aceito por um grupo. Vou te falar: não é fácil ser livre e não é todo dia que o sorriso se abre no rosto, mas viver nessa honestidade pessoal é o caminho para um mundo muito mais interessante, onde você é a protagonista. REVISTA PLUS 43


entretenimento

sete séries que...

toda adolescente d

Autora do Guia de Sobrevivência da Adolescente lista séries imperdíveis Texto por Thais Borges* Fotos de Divulgação * Thais é jornalista e autora do Guia de Sobrevivência da Adolescente. Não vive sem séries de TV e acha que amor devia ser vendido em potinhos (ela compraria todos!) **Você sabe que me ama, beijos. (#Ficadica de outra série: Gossip Girl)

A

credito profundamente que as séries de televisão têm muito a nos ensinar. E mais: que nossa vida pode ser muito mais fácil – e mais feliz! - com a ajuda delas. Nada no mundo é melhor do que uma maratona quando você está pra baixo, por exemplo. Ou quando você está bem, de folga, de férias, de boas, e quer que esse estado de espírito continue eternamente. Ou quando não tem nada para fazer. Ou quando até tem, mas ver séries é tão melhor… Tá. Agora você me diz que não conhece série nenhuma,

ou que elas não são para você. Corta essa, sister. Sabe aquele ditado que provavelmente é tão velho quanto a sua avó: todo pé cansado tem seu chinelo velho? Ou qualquer coisa assim? Pois, eu tenho minha própria versão: toda cabeça dura tem a série que vai fazer a mente se abrir e se apaixonar <3. Se você não se apaixonou ainda, é porque ainda não a encontrou. E, como a gente é bem legal, vamos te dar uma ajudinha. Pois, aqui vai uma lista com séries que merecem uma maratona agora. Obrigada, de nada. You know you love me, xoxo**.

1. Gilmore Girls Tenho uma pequena regra na vida: qualquer lista que envolva séries tem que incluir Gilmore Girls. E não só porque é minha série preferida de todos os tempos. É porque Gilmore Girls é mágica. É fofa, é cute, é maravilhosa, é dramática, é comédia, é envolvente, é educativa – e não no sentido chato da palavra. Ela te ensina a viver mesmo. Tudo começa com uma mãe solteira, Lorelai Gilmore (Lauren Graham), e sua filha, também Lorelai Gilmore (Alexis Bledel), que prefere ser chamada de Rory. Lorelai, que engravidou aos 16 anos, deixou a casa dos pais ricos 44 REVISTA PLUS

para viver em Stars Hollow, uma cidade fictícia no interior de Connecticut. No primeiro episódio, Rory consegue uma

vaga na Chilton Preparatory School, uma escola particular que Lorelai não tinha dinheiro para pagar – tendo, assim,


deveria ver “Gilmore Girls é mágica. É fofa, maravilhosa, dramática, comédia, é envolvente, é educativa. Ela te ensina a viver mesmo ” que recorrer aos seus pais ricos, Emily (Kelly Bishop) e Richard Gilmore (Edward Hermann). Ao longo da série, a gente vai acompanhando o crescimento de Rory, as confusões de Lorelai e dos moradores de Stars Hollow, que são, no mínimo, exóticos. Repare que eles incluem gente que despontou depois. #Plus: Gilmore Girls foi exibida entre 2000 e 2007, no extinto canal The WB. No Brasil, passou o SBT e no Warner Channel. Em tempo: a Netflix anunciou recentemente que vai produzir quatro “mini-filmes” de Gilmore Girls. Corre para fazer maratona antes que comece! #ficadica

2. Grey’s Anatomy

É bem possível que você já tenha ouvido falar da Shonda Rhimes. Essa pessoa é tipo a #DONA da televisão aberta americana. Também é bem provável que você conheça – talvez, até seja fã, louca, apaixonada – por How To Get Away With Murder, uma das séries feitas pela produtora dela, a Shondaland. Mas Shonda é mais do que isso. Ela é responsável por outras duas séries, Grey’s Anatomy e Scandal. Nada seria possível sem Grey’s Anatomy. Talvez você reclame que é série de médico, que é dramática demais, que muita gente morre, que isso, que aquilo… Mas foi com Grey’s que Shonda Rhimes começou a revolucionar a televisão americana. Vamos lá. A série começou com a chegada de uma nova turma de internos no programa de residência médica em cirurgia no hospital Seattle Grace (que

muda tanto de nome, que você nem liga mais). Entre os novos estudantes, está nossa protagonista, Meredith Grey (Ellen Pompeo). A mocinha – que de fofa e reluzente não tem nada – logo se apaixona por um médico que é o chefe da Neurocirurgia, Derek Shepherd (Patrick Dempsey). O legal mesmo é acompanhar o drama de todos os personagens. E aí que dona Shonda samba na cara da sociedade: tem casal lésbico, tem negros nas maiores posições do hospital, tem latina, tem adoção internacional… Ou seja: tem empoderamento na televisão americana. Você vai chorar? Provável. Mas também vai sorrir muito. Grey’s Anatomy vale a pena. #Plus: Grey’s é exibida desde 2005 pelo ABC Channel. Por aqui, já passou no SBT, tem no canal Sony e, claro, na Netflix. REVISTA PLUS 45


3. The O.C.

Ta aí a série que era febre quando eu era adolescente – não faz tanto tempo assim, tá? Ela começou em 2003 e se tornou uma das séries teens mais clássicas de todos os tempos. Exibida até 2007, foram quatro temporadas de muito drama, risadas e puro amor <3. A série conta a história de Ryan Atwood (Benjamin McKenzie), um garoto que tinha tudo para ir parar na cadeia (como aconteceu, logo no primeiro episódio), se não fosse resgatado pelo defensor público Sandy Cohen (Peter Galagher). Ryan é levado por ele para um mundo diferente, no meio da alta sociedade californiana. Pois, é lá que ele conhece seu futuro melhor amigo, Seth Cohen (Adam Brody) e a vizinha deles, Marissa Cooper (Mischa Barton), por quem se apaixona.

“Foram quatro temporadas de muito drama, risadas e puro amor ” Plus: Exibida pelo canal Fox, nos Estados Unidos, The O.C. foi criada por Josh Schwartz – que esteve envolvido com muita série legal depois, como Gossip Girl, Chuck e Hart of Dixie. 46 REVISTA PLUS

4. How I Met Your Mother

Há quem alimente uma rivalidadezinha entre HIMYM e a saudosa Friends. De fato, são duas séries que tem histórias parecidas… Mas, além de cada uma ter seu espaço no <3, bom… HIMYM é muito melhor. (Brinks. Ou nem tanto). A série começa no futuro. Ted Mosby (Josh Radnor) está contando aos seus filhos como conheceu a mãe deles – dãã – 25 anos antes do começo da história. E, assim, narra as aventuras dele e de seus amigos, logo após o bff Marshall Eriksen (Jason Segel) ficar noivo de Lily Aldrin (Alyson Hannigan), sua namorada desde a faculdade. Ted decide, então, que é o momento de encontrar o amor de sua vida. É aí que ele conhece Robin Scherbatsky (Cobie Smulders). Claro que Ted se apaixona instantaneamente por Robin… que não é a “mãe” da história, como o primeiro episódio mostrará. Ela passa a fazer parte da trupe, que conta ainda com o melhor personagem ever: Barney Stinson (Neil Patrick Harris). Só para dar uma ideia: é o responsável por dois dos mais famosos memes da internet – o #truestory e o #challengeaccepted. #Plus: HIMYM é fofa, é uma comédia romântica maravilhosa e tá na Netflix. Vale a pena encarar nove temporadas.

5. Glee

6. The Carrie Diarie Você já ouviu falar de Sex and The City? The Carrie Diaries é a série da personagem Carrie Bradshaw (Anna Sophia Robb) antes de ela dominar Nova York (NY). É curtinha, mas não dá vontade de parar. Assim como a série que a inspirou, a versão adolescente é baseada nos livros da americana Candance Bushnell. Dá para ver como Carrie, que nasceu no interior, se apaixonou por NY. É bem engraçado porque, como Sex and The City se passa nos anos 2000, Carrie foi adolescente nos anos 1980. Ou seja: a série é ambientada na época em que Thriller, do Michael Jackson,

er to Si In n M p d ad n ge p p rí ta en al sé af


“O coral é reinventado com alunos talentosos ” Provavelmente Glee é um dos maiores fenômenos, entre as séries de televisão para adolescentes, dos últimos anos. Mesmo que você não goste, não dá para dizer que não conhece, né? (Ok, você só está perdoada se vive em uma caverna). Logo quando começou, em 2009, Glee conseguiu atenção de todos – não só dos jovens. É uma comédia musical sobre um coral (conhecido como “glee club”) da escola William McKinley High School, que fica na cidade de Lima, em Ohio. Sob o comando do professor Will Schuester (Matthew Morrison), o

7. Supergirl

es

ra a música que mais ocava nas rádios. im, nas rádios. nternet? Acho que não, hein… Mas dá para perceber que alguns dilemas que as dolescentes passam não dependem de eração. Como o primeiro beijo, o pai que parece ser ígido demais… E ambém dá para ntender como lguns problemas érios, como a AIDS, fetaram a vida

Glee Club é reinventado, com a presença de alunos talentosos – mas que são considerados, na escola, os “losers” (fracassados). O mais legal de Glee é que a série logo dominou outras plataformas. Foram mais de 20 discos com as músicas da produção. Mas, infelizmente, em junho de 2013, a morte do ator Cory Monteith, que interpretava o quarterback Finn Hudson, um dos protagonistas, abalou todo mundo… Fãs, produtores, colegas de elenco. O ator teve uma overdose de álcool e cocaína. Monteith era namorado da atriz Lea Michele, que interpreta a protagonista Rachel Berry, seu par romântico na série. #Plus: Foram seis temporadas, até 2015, na Fox. O criador da série, Ryan Murphy, também é a mente por trás de séries como American Horror Story e Scream Queens.

“Thriller era a música do momento ” de muitos jovens naquela época. Produzido pela rede The CW, o seriado teve duas temporadas e foi exibido de 2012 a 2013, até ser cancelado, em 2014. #Plus: Josh Schwartz, de The O.C., é um dos produtores da série.

Quer uma série feminista? Que viva o empoderamento? Você quer Supergirl. Graças ao canal CBS, nós temos isso desde a temporada de 2015/2016. A Supergirl é Kara Zor-El (Melissa Benoist), prima biológica do Superman. Ela foi enviada de Krypton à Terra para proteger o então bebê Kal-El (Clark Kent), quando ainda tinha 12 anos. O problema é que a nave onde ela estava ficou presa por anos e, quando ela chegou, o primo já era o Superman. Assim, ela parece mais nova que ele. Kara passava os dias sendo atazanada pela chefe até que decide salvar um avião. E, aí, ela mostra a heroína que é: tem os mesmos poderes que o Superman. Igualdade entre os gêneros, baby.

E ela não precisa ser chamada de Superwoman (Supermulher). A própria chefe de Kara, Cat Grant (Calista Flockart), samba na cara dos haters: “O que você acha que é tão ruim em ser uma ‘garota’? Se você acha que ‘Supergirl’ é qualquer coisa menos do que excelente, talvez o problema seja você”. Recado dado. #Plus: Supergirl tem uma temporada (até agora). REVISTA PLUS 47


entretenimento

cinema e autoestima PLUS traz seis filmes que ajudam a elevar a sua autoestima

É

só cinema, você pode pensar: “Como vai me ajudar?”. Simples: à medida que divertem, filmes também sugerem outras sensações ao público e provocam reflexões, alteram posicionamentos e (por que não?) elevam nossa autoestima. Abaixo e ao lado alguns exemplos. Veja se é assim.

COMO SER SOLTEIRA (2016)

Texto por Doris Miranda* Fotos de Divulgação * Doris é jornalista desde sempre, mas bem que poderia ser costureira ou boleira (da que faz bolo mesmo e não a que admira futebol). Tem uma filha de oito anos e se descobriu mulherzinha com ela.... Ah, têm um mundaréu de gatos em casa e não vivem sem eles e sem as plantas que estão por todo canto. Agora, está fazendo mestrado em Cultura e Arte e cuidando do Guia Correio (do Jornal Correio*). Sim, sem chocolate não dá, né?

Quem gosta de moda e beleza tem em O Diabo Veste Prada, de David Frankel, uma incrível aula. A jovem jornalista Andrea Sachs (Anne Hathaway) queria arrumar um emprego. Mas, só conseguiu vaga como secretária da maior editora de moda dos Estados Unidos, a irascível Miranda Priestley (Meryl Streep). Incomodada com as humilhações, decidiu que ficaria ali um ano – para aprender. Mas se transformou em peça indispensável. O preço que ela pagou? Zero liberdade. Demorou, mas Andrea se libertou. E saiu daquela vida podendo muito: descobriu que era bonita, aprendeu a priorizar as coisas certas e, no fim, conseguiu o emprego que sonhava. 48 REVISTA PLUS

Ser gorda te incomoda? Então você precisa ver Rebel Wilson em ação. Não importa muito o filme: Missão Madrinha de Casamento, A Escolha Perfeita, Uma Noite no Museu 3 - O Segredo da Tumba ou o atual Como Ser Solteira. Ela está sempre vestindo a própria pele. E isso é bom, amiga. Porque a Wilson samba na cara das recalcadas: é cheia de humor, sexy, bem resolvida, fashionista, sabe extrair o

melhor de casa situação e lida com os boys com maestria. No filme, dirigido por Christian Ditter, ela está disposta a ensinar a uma amiga que levou um fora como ser independente. A ideia é oferecer uma boa reflexão sobre o dia a dia amoroso (ou íntimo) das garotas do nosso tempo, apresentando jovens que, no final das contas, estão tentando se encontrar ao invés de achar um grande amor.

O DIABO VESTE PRADA (2006)


VALENTE (2012) Merida é uma princesa. Deveria ser uma dama bem-educada, de natureza gentil e treinada para casar. Mas, não é isso que sua natureza realmente é: ela não quer casar (principalmente com alguém quem não escolheu), adora sair cavalgando com seu arco e flecha. Merida tem uma natureza selvagem, totalmente diferente do que sua mãe planejou para a princesa. A protagonista da animação Valente, dirigida por Brenda Chapman e Makr Andrews, dá uma aula de autoestima. Ela se gosta do jeito que é. O bacana aqui é que a Disney, pela primeira vez, não impôs uma história de amor romântico. O amor que Merida encontra é o familiar, aquele que sustenta todo o resto.

O DIÁRIO DE BRIDGET JONES (2001) Bridget Jones (vivida por Renée Zellweger) tem 30 e poucos anos, mora em Londres, é solteira, fumante, gordinha e está sempre brigando com sua autoestima. Para o novo ano, ela fez algumas resoluções. Uma delas é escrever um diário. Outra é tomar controle de sua vida. Uma terceira é encontrar o homem certo – ao menos dispensar os errados. Entre erros e acertos, a secretária que dá titulo à comédia O Diário de Bridget Jones faz o público dar muita risada, sim. Ela mostra também que se escravizou no que os outros vão pensar. As

amigas perguntam quando ela vai se casar, os pais se intrometem mais do que ela gostaria. No filme de Sharon Maguire, Bridget finge agir com naturalidade, mas, na verdade, morre de vergonha de estar fora do padrão. Um exemplo? Apertada numa calcinha enorme, ela se mete numa situação, digamos, romântica com o chefe. Quando ele descobre a lingerie plus size, não tem o menor pudor de sacanear. Felizmente, o antigo vizinho está logo ali para mostrar que o amor pode ser mais generoso.

VALENTE FROZEN (2013)(2012) Se a Merida é um exemplo de autoconhecimento, a princesa Elsa, de Frozen – Uma Aventura Congelante, dirigida por Chris Buck e Jennifer Lee, é o oposto. Por causa do dom de congelar, ela foi isolada, impedida de ter contato com a irmã, a princesa Anna, e cresceu achando que só fazia mal às pessoas. Resultado disso? Insegurança, falta de amor próprio e um desastre que transforma o reino numa geleira impossível de habitar. Com ajuda inesperada, a irmã ‘normal’ resolve salvar a outra e, por mais relutante que esta seja, vê que, sim, é querida apesar de seus profundos temores.

PEQUENA MISS SUNSHINE (2006) Nos Estados Unidos existe a cultura dos concursos de beleza infantis, que transforma garotinhas lindas em escravas da estética. Maquiagem elaborada, cabelos sempre feitos, figurino impecável e excelentes modos. Naturalidade? Nunca para elas. O que fazer, então, quando uma menina gordinha, dona de um figurino ímpar e com atitudes condizentes com seus 9 anos quer participar de um desses concursos?

Levar, claro, como se vê do maravilhoso Pequena Miss Sunshine, filme já clássico do cinema independente dirigido por Jonathan Dayton e Valerie Faris, que tem a Olive (Abigail Breslin) um exemplo do que é se gostar e ir até o fim para realizar seu sonho. No caminho, Olive tem uma crise. “Não sou bonita, vovô. Vão me odiar”. Mas o avô (Alan Arkin, ganhador do Oscar pelo papel) responde que é a diferença é que faz dela única.

REVISTA PLUS 49


vida

saudável é ser feliz E

la não é adepta de toda essa pressão que rola em torno do corpo perfeito sem estrias, celulites ou com aquela gordurinha que insiste em ocupar um espaço que não deve. Também não cai mais na pilha de quem acha que mulher bonita é mulher magra, apesar de ter sido gordinha na infância. Entre os vilões e mocinhos e os poderes das dietas milagrosas, Reportagem por Priscila Natividade* a estudante Brenda Borges, de 15 anos, prefere mesmo Fotografias Reprodução é comer saudável e se sentir bem, mas sem ter que surtar porque comeu uma coxinha * Priscila é jornalista por opção (e algum tipo de vocação). ou devorou uma barra inteira Deixou de acreditar em fadas de chocolate. “Eu já fiz dietas. em duendes, mas não deixa de acreditar no amor, nas pessoas, Quer dizer, já tentei. Por conta e naquela parte da história onde mora o felizes para sempre. Não da minha infância gordinha, eu dispensa uma sobremesa. fui ao médico e ele disse que eu tinha obesidade. Não foi bem legal ouvir isso. Aí eu decidi não lanchar mais na escola e passei a comer bem pouco. Mas percebi que isso me fazia mal. Agora, eu prezo pela minha saúde - como salada, frutas -, mas não deixo de aproveitar de tudo. Principalmente coxinhas. São coisas maravilhosas”, conta. “Eu acho que você tem que saber maneirar. Comer o que te faz bem e o que te faz feliz. Se você ficar gordinha ou magérrima e as pessoas não gostarem, problema delas”,

Nutricionista desmistifica o que é bom ou ruim quando o assunto é alimentação. Sorria, garota, dá para comer de tudo sem neura. Basta evitar os excessos e manter o equilíbrio

50 REVISTA PLUS

“Há sempre uma busca por um padrão que desconsidera as características de cada um ” Mariana Andrade, nutricionista argumenta a estudante. Ao invés de ficar pensando em quantas calorias estão sendo consumidas, a nutricionista Mariana Andrade garante que a vida é mais feliz para quem come sem culpa. “Quando se tem consciência do que é a alimentação, qual o seu papel, e quais os cuidados devem ser tomados, é possível consumir de tudo sem precisar se culpar”, afirma ela, garantindo que a culpa muitas vezes leva as pessoas comerem ainda mais “errado”. “O ideal é que haja uma mudança de hábitos pra manter uma rotina 80% saudável. Assim, o impacto das outras coisas que consumimos não é tão grande e podemos nos permitir momentos de prazer saboreando os alimentos - ao invés de estar pensando em quantas calorias


aquilo tem”. Mariana ressalta, no entanto, que é importante manter o equilíbrio na hora de montar o prato. “Todos os alimentos possuem efeitos bons ou ruins - depende de como são consumidos, em que quantidade e com que frequência. Cada corpo reage de maneira diferente a esses alimentos. Na alimentação, não há vilões nem mocinhos. Há uma equipe que trabalha unida, e que gera resultados bons ou ruins quando atuam dessa forma”, explica a especialista. Ela acredita que não vale a pena ficar na nóia de trocar o glúten por batata-doce, por exemplo. É preciso entender que os aspectos físicos podem até motivar, mas não devem ser o objetivo final da busca inalcançável daquele corpo perfeito. É importante se aceitar e, ao mesmo tempo, buscar uma melhor versão de si mesma, sempre. “A busca deve ser algo natural, consciente e prazerosa. As pessoas acham que mudar o corpo vai trazer felicidade, mas geralmente não é isso que acontece. Há sempre uma busca por um padrão inatingível, que desconsidera as características e particularidades de cada um”. Quanto às dietas milagrosas, duvide sempre do santo. “Não acredite em dietas da moda ou em milagres. Resultados permanentes necessitam de mudanças reais. Esteja disposta a adaptar o paladar, experimente novos alimentos, e coma mais comida de verdade e menos de pacote. Se tem dificuldade, procure um profissional para orientar como a alimentação pode ser usada a favor da saúde sem ser um sofrimento”, completa. Então, menina, desencana. Rolou alguma dúvida relacionada à alimentação? Manda um e-mail para a Mariana (nutmarianaandrade@ gmail.com) que ela responde.

QUEM É QUEM NO SEU PRATO Nem todo mundo é mocinho ou bandido, saiba por quê. Glúten – Não vamos culpá-lo por tudo, gente. Onde tem muito glúten há carboidrato, mas também muita fonte de energia. O problema não está no glúten e sim no excesso de consumo desses alimentos, associado ao sedentarismo, que colabora para o aumento de peso. Batata doce – A energia dela é liberada gradualmente no organismo, o que aumenta a sensação de saciedade. Tudo isso com apenas 0,1 grama de gordura. Tem mais: é fonte de vitamina C, fósforo e potássio. Ela ajuda, mas não sustenta o corpo. Leite e derivados - Fonte de vitaminas, minerais, gorduras e proteínas de alta qualidade. Mas também têm gorduras saturadas na composição. Evite os excessos e aproveite os benefícios. Café – Quando aquele cheirinho de café lhe chamar, não se faça de difícil. O café possui atividades antibacterianas e funções preventivas de doenças, além de fornecer energia. Mas tem limite. Café demais acarreta em insônia, desconforto no estômago, altera os níveis de açúcar no sangue e pode causar até dependência. Carne vermelha - É uma excelente fonte de aminoácidos e vitaminas, em especial a B12. Contêm uma boa dose de minerais, como o ferro, que tratam e previnem a anemia. O consumo em excesso pode trazer riscos como doenças cardiovasculares por conta do alto teor de gordura saturada. Carne branca – É, de fato, menos calórica que as vermelha e possui menos gordura saturada. Porém, contém menor quantidade de ferro, que previne a anemia. Chocolate – Não é um vilão, desde que consumido com moderação. Pode trazer benefícios, como prevenir o aparecimento da arteriosclerose, além de combater os radicais livres (amargo e meio amargo). Ajuda a diminuir o nível do LDL (mau colesterol). REVISTA PLUS 5 1


Bookmarc Papelaria e livraria criada por Marc Jacobs

trip

O paraĂ­so Manhattan 5 2 REVISTA PLUS

de papel

1


Um passeio pelas papelarias de Manhattan, em NY. Das mais clássicas, como a Moleskine, até as hipsters, tipo a Flying Tiger Texto por Gabriela Cruz* Fotos de Divulgação/Arquivo Pessoal

M

anhattan é o distrito mais antigo e badalado de Nova York, onde estão os principais pontos turísticos da metrópole norte-americana. Quem consegue tempo para visitar a cidade geralmente faz programas que vão além da Times Square, Central Park e Empire State Building e se joga em rotas gastronômicas, baladas, museus e espetáculos. No meu caso, a lista extra de endereços a visitar foi composta exclusivamente por papelarias. À primeira vista, a ideia pode até parecer sem graça, mas para os fanáticos por cadernos, canetas, adesivos, carimbos e afins, essa é a oportunidade de ver - e comprar (mesmo com o dólar nas alturas) - o que há de mais novo no ramo. Meu ponto de partida para esta aventura inusitada foi a Bookmarc [ver foto 1], misto de papelaria e livraria criada por Marc Jacobs. Aberta há cinco anos na 400 Bleecker Street, Soho, é um ponto pequeno e charmoso que vende cadernetas, agendas, canetas, lápis de cor, bloquinhos, marcadores, ecobags e um sem fim de outros objetos, além de livros escolhidos pelo próprio estilista. Se você é fã do trabalho dele, aproveite para circular pela região e visitar outras lojas da marca. Quase em frente à Bookmarc fica a Magnolia Bakery [ver foto 2], doceria especializada em cupcakes. Aproveite que está no Soho e siga até o Greenwich Village, onde fica a The Ink Pad [ver foto 3], 37 7th Ave, e seu acervo com mais de 2 mil

* Gabriela é jornalista por amor, está em busca de leveza, mas fugindo da dieta.

“Essa é a oportunidade de ver - e comprar - o que há de mais novo no ramo ” modelos de carimbos. Preparese para levar cerca de uma hora nesse garimpo e aproveite para conferir os adesivos e vários outros produtos para quem monta scrapbook. O preço é salgado - um carimbo médio custa U$ 10 dólares -, por isso pense bem antes de comprar. Você vai querer levar tudo. Por falar em tempo e dinheiro, o melhor lugar para perder o primeiro e valorizar o segundo é a Michaels [ver foto 4]. São duas lojas, uma na 808 Columbus Ave e outra na 675 Avenue of the Americas, oferecendo artigos de decoração, costura e papelaria. Fui na unidade da Columbus Ave, que fica em um shopping a céu aberto. No primeiro piso funciona a molduraria, com centenas de opções, inclusive de porta-retratos. No subsolo, uma emoção a cada corredor. Levei mais de duas horas percorrendo atentamente cada sessão. Quem curte uma pegada meio hipster vai amar os letreiros em metal com lâmpada. A letra custa U$ 28 dólares, mas tem coisa bem baratinha também. Por U$ 0,50 centavos você já leva uma plaquinha sinalizadora para decorar sua mesa.

2

Magnolia Bakery Doceria especializada em cupcakes

3

The Ink Pad Loja de carimbos. Tem mais de 2 mil modelos

4

Michaels Possui artigos de decoração, costura e papelaria

REVISTA PLUS 5 3


5

E TEM MAIS...

Paper Source Tem de tudo: cartões, agendas, calendários,etc

6

Paper Presentation Loja imensa, na mesma linha da Paper Source

7

Lee Art Shop Loja com quatro andares tem itens de papelaria e decoração

8

Moleskine Loja tem três unidades em Manhattan

54 REVISTA PLUS

Outro lugar dos sonhos para os aficionados é a Paper Source [ver foto 5]. A começar pela vitrine, decorada com o tema da vez. Como fui em outubro do ano passado, o destaque era o Halloween. A loja tem sessões de cartões de festas, scrapbook, agendas e calendários. Entre as opções, produtos de marcas badaladas, como Kate Spade (U$ 36 dólares a agenda), e de fabricação própria. O acervo de papel de presente é de enlouquecer. Tem até com glitter. O de carimbo também, mesmo sendo infinitamente menor que o da The Ink Pad, os preços são menores. Fique atento: sempre tem uma área com itens em promoção. São três unidades: 83 Spring St,102 Smith St e 309 Columbus Ave. Existem outras lojas na mesma linha da Paper Source, como a imensa e supervariada Paper Presentation [ver foto 6], 23 West 18th Street, a Papyrus (são várias unidades) e a Lee Art Shop [ver foto 7], 57 Street, com quatro andares (o primeiro e o terceiro são papelarias, o segundo tem móveis com design inusitado e o último tem itens de decoração para festas). Clássico da papelaria, a Moleskine [ver foto 8] tem três endereços em Manhattan - New York Time Warner Center (10 Columbus Circle), 75 University Pl e 436 W Broadway. Todos vendem a coleção completa da marca, com cadernos, canetas,

“A loja da Moleskine da Columbus Circle fica localizada perto do Central Park. A dica é exercitar a veia criativa por lá ” bolsas e acessórios digitais. A loja da Columbus Circle fica em um shopping localizado a poucos passos de um dos pontos de encontro mais conhecidos da cidade: o Central Park. Bem pertinho está o Museu de Arte e Design (MAD). A dica é comprar um Moleskine e exercitar a veia criativa por lá. Por falar em design, reserve um tempo para fuçar o acervo da Fish Eddy (889 Broadway). A loja vende principalmente pratos, copos, tigelas, guardanapos e outros itens de mesa, mas tem também objetos decorativos e quinquilharias fofas com design exclusivo, inusitado e bem-humorado. Na mesma pegada e bem perto está a unidade novaiorquina da dinamarquesa Flying Tiger (920 Broadway). Quem já conhece a marca - são mais de 400 filiais na Europa e no Japão - vai querer ir logo de cara. Os produtos são muito baratos - a maioria custa de U$ 1 a 5 dólares - e com design inédito, pelo menos por aqui.


tech&games

Melhores

aplicativos para fotos Confira cinco aplicativos para ajudar na hora de editar as imagens pessoais e com os amigos. Com elas, dá para retocar as fotos antes de publicar nas redes sociais. Ajuste brilho, contraste, aplique filtros, e mais Texto por Naiana Ribeiro

A

ntes de publicar uma foto no Insta ou no Face é bom checar se ela não precisa de uma clareada. Às vezes, o dia está nublado e você quer apenas dar um ar mais vivo e clean para aquela imagem com a amiga. Ou simplesmente editar a selfie, colocar um efeito, e amenizar as olheiras da noite passada. Nada de exageros, ok? (você é linda com ou sem filtro). Para te ajudar a arrasar nas fotos, selecionamos aplicativos (apps) de edição para você brilhar no Instagram. Confira. Disponível para Android ou iOS, o VSCO [ver imagem 1] é um dos editores de imagem mais completos para smartphones. Os filtros simulam fotos de câmeras profissionais e possuem mais qualidade do que outros apps dá para alterar a quantidade de efeito. Pode ainda fazer ajustes manuais. Outro app coringa é o Fotor [imagem 2]. Gratuito para

tech&games 1

VSCO, grátis para iOS e Android

2

Fotor, grátis para iOS e Android

3

Fotos Reprodução iOS, Android, Windows Phone e navegadores, possui uma variedade de recursos de edição, além de aplicação de efeitos, textos e montagens. Grátis para Android, iOS ou Windows Phone, o Pixlr [imagem 3] possui funções parecidas com as do VSCO e do Fotor. O destaque vai para o menu com “duas camadas” sobrepostas. São diversos efeitos disponíveis. Apesar de ter uma versão grátis, a versão completa do Camera+ [imagem 4], disponível apenas para iOS, custa U$ 2,99 dólares e tem recursos profissionais e manuais para captura e edição, além de efeitos já definidos. Dá para controlar tudo como se fosse uma câmera manual. Pago, o Facetune [imagem 5], para iOS e Android, vale cada centavo. É um dos apps mais poderosos para fazer retoques. Na Apple Store custa U$ 3.99 dólares e na Google Play sai por R$ 9,99.

Pixlr , grátis para iOS e Android

4

Camera+ , pago para iOS

5

Facetune , pago para iOS e Android REVISTA PLUS 5 5


relacionamento&sexo

Em busca de

IDENTIDADE Texto de Giulia Marquezini* Ilustração Reprodução/Blog I Semana de Psicologia da Uneb

Entenda melhor os conceitos de gênero, que vão além de ser registrado como mulher ou homem *Giulia é jornalista desde que se entende por gente nesse mundão. Tem o desejo de (re) criar a sua alma e conseguir tocar profundo corações por ai

56 REVISTA PLUS

J

á pensou se você parasse, se olhasse no espelho e não se reconhecece? Se fosse difícil pra você se aceitar, mas não pelo estético supostamente errado, e sim porque tem algo diferente do que você é na realidade da sua alma? Imagina você tem um “pinto” e querer ter uma vagina? ou ao contrário? Provavelmente, quase todos os transexuais já se sentiram assim. Mas pera aí, o que é ser transexual? O nome pode até parecer com homosexual, mas é só o nome, viu? No livro “Os Onze Sexos”, publicado pela Editora Gente, o psiquiatra Ronaldo Pamplona diz que o transexual, a princípio, não aceita a sua genitália, com a qual nasceu. Mas, com tantos termos e conceitos, a PLUS fez um glossário pra você não errar feio na hora de entender o outro ser humano apenas porque ele é diferente dos padrões ideais de homens fortes e provedores e mulheres que precisam ser protegidas. Confira ao lado.

TRANSGÊNEROS Nos Estados Unidos (EUA), transgênero e transexual são sinônimos para pessoas que se identificam com o sexo oposto ao atribuído no nascimento. No Brasil, o conceito de transgênero engloba todas as formas que fogem do padrão de gênero** tido como “normal”, incluindo os transexuais ** identidade adotada por uma pessoa de acordo com seus genitais, psicologia ou seu papel na sociedade


RELAÇÕES DE GÊNERO

TRANSEXUAL

DRAGQUEEN

Homem ou mulher que nasceu com o sexo do outro gênero. Pode ter feito ou não a cirurgia de adequação

O ator transformista é o homem que se veste como mulher para shows e performances. É como se fosse um personagem - que tem suas próprias características e vontades interpretado pelo ator. Existe o termo dragking para mulheres que se vestem de homens para shows

GENDERQUEER Ou sexo não binário. São pessoas que não se identificam com nenhum gênero ou transitam entre eles

CROSSDRESSER Gostam de se vestir como o sexo oposto ao designado no nascimento no dia a dia ou em situações de fetiche, mas não se identificam com o sexo oposto

CISGÊNERO

TRAVESTI

É uma pessoa que está feliz com a maneira com a qual foi registrada e designada quando nasceu. É considerada “alinhada” dentro do seu corpo

É termo usado no Brasil para designar quem se identifica com o sexo oposto ao do nascimento, faz alterações no corpo, mas não deseja realizar cirurgia de adequação sexual

INTERSEXO

Nasceram com malformação da genitália dos dois sexos biológicos. Hermafroditas não existem na raça humana REVISTA PLUS 5 7


futuro

Terminei a escola.

e agora?

Nem sempre faculdade é o melhor caminho. Escolher uma profissão demanda autoconhecimento e pesquisa Reportagem por Juliana Montanha*

M

uitas vezes escutamos pessoas com 30, 40 anos, ou mais velhas dizendo: “Nossa! Quem me dera ter 16, 17 anos novamente”. Sério?! Quem fala isso não deve se lembrar do turbilhão de emoções que passamos alguns anos depois dos 15. Vem o terceiro ano e é chegada a hora de deixar a rotina do colégio e perder o convívio diário que você tinha com amizades construídas ao longo dos anos, ou nos últimos meses. É chegada a hora de encarar milhares de cobranças e entre elas vem a mais punk: O que você vai fazer depois que terminar o Ensino Médio? A faculdade é o caminho mais comum para a maioria das pessoas. Mas quem disse que é fácil decidir que profissão

ONDE TEM AJUDA VOCACIONAL Teste vocacional online Núcleo de Estudos e Práticas Psicológicas (NEPPSI) - Unifacs. - Tel: (71) 3271-8119 Núcleo de Psicologia da Unime - Tel: (71) 3879-9114 Serviço de Psicologia da Ufba Tel: (71) 3235-4589 5 8 REVISTA PLUS

Ilustração alterada do Freepik

você quer ter para o resto da vida? E será que existe esse “para sempre” com profissão também? A estudante Mayra Carvalho tem 16 anos e está sofrendo muito com a dúvida. Ela está passando por um aperto de mente daqueles porque ainda não decidiu o curso que vai fazer e os familiares acham que podem escolher por ela. “Eles querem que eu faça Direito, Medicina, só que eu não me vejo nesses meios. Prefiro humanas, sabe? Como RH, RP ou Licenciatura em História”, conta Mayra, que mora no município de Wagner, no Centro-Sul da Bahia, onde não tem universidade federal ou estadual. No caso dela, entrar em uma faculdade pública implica ainda em sair de casa. Cadê agora aquela galera que diz que é fácil ter 16, mesmo? Para alguns, a escolha do que se quer fazer pode ser bem

natural, como aconteceu com o mercadólogo e produtor de eventos, Leo Oliveira, de 20 anos. “Desde os 10 eu organizo festas de grandes proporção". Segundo ele, os pais apoiaram bastante a escolha da profissão em Marketing quando ele tinha 16 anos. “Como passei no vestibular no começo do ano e já sabia o que queria, meus pais me incentivaram a concluir logo o terceiro ano”. Para isso, Leo fez os exames de um supletivo para concluir o Ensino Médio.

“As pessoas têm que seguir o coração no que elas se encontram ” Leo Oliveira, produtor de eventos


?

futuro HELP NA ESCOLHA *Juliana é jornalista, apaixonada por viagens, coxinha e risadas. Troca quase tudo por uma resenha com os amigos. Decidido Leo Oliveira,20, é exceção: desde cedo queria trabalhar com eventos

Foto por Marcelo Machado

O evento divisor de águas na vida dele foi o Troféu Prime. “Entrei na Canal 2, a maior editora de mídia segmentada do Norte/Nordeste, como estagiário e com dois meses apresentei o projeto de uma premiação voltada para o mercado de luxo em Salvador”. Com o sucesso do Troféu Prime, Leo foi convidado para assumir a gerência do departamento e, aos 17 anos, coordenar nove pessoas e conduzir importantes eventos. Atualmente no quinto semestre, Leo confessa que a faculdade tem sido coadjuvante na vida dele, por conta das demandas de trabalho. “As teorias são importantes para me ajudar a embasar um planejamento, mas muito do que sei foi na vivência da profissão. Acho que as pessoas têm que seguir o coração no que elas se encontram e projetam”.

Fazer testes vocacionais e procurar ajuda é um bom caminho para se ter uma ideia de que área seguir. “Como não é uma decisão fácil, o quanto antes você começar, melhor”, recomenda o especialista em Orientação Profissional e professor do Instituto de Psicologia da Universidade Federal da Bahia, Jorge Sales. “Hoje, os alunos se preparam o ano inteiro para tirar a maior pontuação possível no Enem. Em janeiro, com a inscrição do Sisu [Sistema de Seleção Unificada], eles tem que testar a pontuação nos cursos para checar onde podem entrar”. Segundo o professor, o problema é quando - só para entrar na faculdade -, o aluno acaba optando por um curso que não era bem o que ele queria. Ou até consegue um que quer, mas em outra cidade. “Quando a decisão sobre a área é antecipada, o estudante pode escolher possibilidades de curso e já negociar com a família se é possível se mudar para outra cidade, caso a melhor oportunidade esteja lá”. Dessa forma, o jovem pode até adiantar se prefere entrar naquele curso no qual passou ou continuar estudando para tentar a “faculdade dos sonhos” no próximo ano. Foi a orientação profissional que ajudou a jovem Roberta Chatisnet, hoje com 20 anos, a decidir aos 17 o que queria fazer. “Pelos testes que fiz, fiquei entre ADM e (pasmem!) Ciências Aeronáuticas. Eu gostava muito de voar, de avião - um amigo meu já fazia e eu ficava superinteressada com a ideia. Meu pai disse que eu poderia fazer, mas acho que ele esperava que eu fosse

mudar de ideia”, lembra. Roberta, que se formou recentemente e já é aviadora, cursou Ciências Aeronáuticas em uma faculdade de Salvador. Na sala dela, entre 50 que começaram o curso, existiam apenas três garotas. “Muita gente na minha família estranhou e se surpreendeu, já que é uma área onde não há muitas mulheres”. Sobre a sua escolha, ela diz que está super feliz. “Pilotar é a melhor sensação do mundo. Dá um frio na barriga, mas é uma delícia”. Agora que terminou a faculdade, a aviadora está se preparando para fazer um intercâmbio nos Estados Unidos, para aperfeiçoar seu inglês, uma vez que o idioma é uma das exigências da profissão. O intercâmbio também pode ser uma boa opção para quem não quer engatar uma faculdade logo na saída do colégio. Aprender um novo idioma e viver uma nova cultura é algo importante em qualquer momento da vida. Pode ser que a certeza não venha agora, quando há tanto para decidir, e a idade, principalmente, nos permite continuar tentando até encontrar a atividade que faça nossos olhos brilharem ou nos causar o friozinho da barriga. Decidir é importante. Buscar essa decisão é muito mais. Para te ajudar um pouco, colocamos alguns locais (página ao lado) onde você pode buscar essa ajudinha vocacional. Boa sorte na escolha! 59 REVISTA PLUS 59


60 REVISTA PLUS


Não tire o corpo fora

^ cronica

Texto por Maria Ísis*

P

ra mim, aquilo era a pessoa não ter vergonha. A menina entrou no ônibus deste jeito, deste jeito que eu estou te falando. Ela não leu 11 dicas de roupas para disfarçar a barriguinha e nem os 13 truques de moda para disfarçar braços gordinhos. Pouca roupa, muita pele. Mas pra ela? Aquela roupa era pra ela? Um shortinho jeans e o uniforme do Colégio Estadual atirado no ombro. Vou te contar! Um top que parecia lingerie. Era final da década de 90 em Salvador. Quem é que sabia o que era plus size? O coletivo se entreolhou. Claro. no horário de meio dia, o que mais tinha era estudante. Nazaré já era um bairro cheio deles. E juventude não deixa passar um deboche. Mas não deu. Ninguém riu. Ela entrou pelo fundo, pagou a passagem e agia tranquilamente. Sem afetação, sem constrangimento. O resto do ônibus esperando quem ia dizer primeiro. E aquela garota ali. Gorda, com a mochila nas costas, batom rosa e um adolescer solar. Numa performance ao som de Caetano. “É só um jeito de corpo / não precisa ninguém me acompanhar”. Os olhares começavam no piercing no umbigo e paravam na postura extremamente segura da garota. Uma senhora não tirava os olhos do pingente que sacudia na barriga junto

“A gente ouve desde cedo o que o nosso corpo pode ” com os solavancos do ônibus. Ficou mortificada quando a própria garota simpaticamente encarou de volta. Até o ponto em que eu saltei, ninguém falou nada. Nem sussurrado. A gente não entendia e não entende. A gente toda não suporta esse tipo de corpo. De corpo a corpo. Dá pra passar bem pelo corpo gordo que vive a miseen-scène da magreza: assistir a tática do desconforto, a calça sem folga na linha da cintura, a manga da blusa que enruga. Só quando estica os braços é que aparece a barriga. Agora, o corpo gordo assumido é difícil de olhar. A menos que ele pareça bem leve, com pés de Eliana Kertész. O corpo gordo, o corpo velho, o corpo pobre, o corpo descuidado, é anticorpo... Sobretudo para as mulheres, que recebem conselhos semanais diagramados. A gente ouve desde cedo o que o nosso corpo pode. O que serve. Ninguém diz que tudo bem amar o corpo possível, o corpo que se tem. Hoje tem a vibe Pugliesi, o “antese-depois”, o filtro do insta e,

*Maria é jornalista e quer que a filha, hoje com 5 anos, possa ser quem é. sem sofrer ou praticar discriminação

certas vezes, me pergunto se o plus size é mais um disfarce que performatiza as meninas gordas como se fossem magras. Quando a adolescência vai embora, a gente fica desconfiada. Eu lia a revista Capricho da minha irmã mais velha. Lembro do pôster de Johnny Depp na fase Winona Forever. Mas a revista não tinha nenhuma dica infalível como a que deu pra aprender com aquela cena do ônibus. Que você não use dublê de corpo. Sem Photoshop ou truque. Que você não tire o corpo fora, nem saia do corpo que te pertence. Só que - óbvio - esta lição chegou mais tarde. Até ali, aos 14, eu via aquela menina como uma pessoa sem vergonha. A compreensão chegou agora com essa lembrança. Outros 14 anos depois.

ACOMPANHE A PLUS eusouplus.com

@eusouplus

/arevistaplus

REVISTA PLUS 61


62 REVISTA PLUS


REVISTA PLUS 63


www.eusouplus.com 64 REVISTA PLUS

Profile for Revista PLUS

Revista PLUS - Edição única  

Nesta edição, a PLUS fala sobre o “Movimento Vai Ter Gorda” e também explora o universo das relações de poliamor. Falando em amor, tem també...

Revista PLUS - Edição única  

Nesta edição, a PLUS fala sobre o “Movimento Vai Ter Gorda” e também explora o universo das relações de poliamor. Falando em amor, tem també...

Advertisement