Page 1


EDITORIAL

ISSN 1983760-7

www.felizcidade.net

Quem somos

FelizCidade é a única revista semanal da Região Metropolitana do Vale do Paraíba. Tem como objetivo veicular matérias das mais diversas que informe, sensibilize e traga satisfação aos leitores, especialmente os de nossa região. Nossa preocupação maior é a de levar boas notícias, qualidade editorial e excelência quanto à forma, linguagem e conteúdo.

Conselho Gestor

Carlito Paes - Erich Prates - José Luiz Ovando Lázaro Carvalho – Marcos Madaleno

Nossos problemas mundiais

Editores

Erich Prates - Mariana Madaleno

Mariana Madaleno Equipe Editorial

Coordenação Executiva Erich Prates

facebook.com.br/mariceruks @mari_crks

Jornalista responsável

Talyta Grandchamp – MTB 57.760

Revisores

Aline Costa - Viviane Godoy - Wellington Bega

Direção de Arte Felipe Cavalcanti

Projeto Gráfico

Allan Marcel - Erich Prates

Designers

Lucas Anacleto - Júlio César Silva – Wagner Bonfim Fernando Lopes - Evelyn Ribeiro

Fotos

Acervo de fotografia Felizcidade

Foto Capa

Bruno Fraiha

Anuncie (12) 3911-2228

anuncie@felizcidade.net - Márcio Keske

Informações

(12) 3941-4108 contato@felizcidade.net Rua Euclides Miragaia, 548 - Centro – CEP: 12245-820 São José dos Campos - SP A Revista FelizCidade é uma publicação semanal da Editora Inspire em parceria com a PIB em São José dos Campos. As publicidades contidas nesta edição são de única e exclusiva responsabilidade dos anunciantes, não cabendo a Editora Inspire qualquer obrigação de responder sobre o conteúdo e veracidade de tais peças. Fica também a critério da Editora Inspire selecionar as propagandas que serão veiculadas. O conteúdo e informações contidos nas matérias e artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos articulistas.

Circulação

Caçapava, Jacareí, Jambeiro, Paraibuna, São José dos Campos e Taubaté

Impressão

Allcor Gráfica

Distribuição

3.500 exemplares Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização prévia. Para solicitar autorização envie e-mail para revista@felizcidade.net

Auditagem __________________________________________________

Diretor Executivo Márcio Keske

Diretora de Redação

Mariana Ceruks Madaleno

Coordenação Editorial Viviane Godoy

O

cristianismo tem, ao longo de sua história, atuado de maneira intensa em iniciativas de ajuda humanitária. A ação da chamada sociedade civil, seja por meio de instituições fundadas em fé ou não, tem se alastrado nos últimos anos, juntamente com a proliferação das ONGs. Contudo, é interessante lembrar que, muito antes do estabelecimento de leis humanitárias internacionais, organizações cristãs já atuavam na assistência aos mais necessitados. Afinal, a ajuda aos pobres, o serviço e o amor ao próximo são valores fundamentais do credo judaico-cristão. Hoje, enquanto muitas organizações cristãs atuam fortemente em seu contexto local, diversas delas têm dado contribuições crescentes no cenário internacional. Essa tem sido uma realidade aqui, em nossa cidade. Nossa matéria de capa apresenta duas iniciativas de ajuda humanitária internacional encabeçadas pela PIB em SJC, em parceria no território haitiano, com a M.A.I.S. Conheça detalhes sobre as missões joseenses enviadas ao Haiti, a quinta realizada até então, e à Bolívia, que contou com a participação de sete adolescentes. Na selva boliviana, o grupo de trinta e uma pessoas experimentaram as limitações de um país assolado pela desigualdade social. No Haiti, os voluntários lidam com a triste realidade de um país desolado – e, ainda assim, garantem: há esperança para o povo haitiano. Numa conversa bastante aberta com nosso entrevistado da semana, Ruben Celeti, você vai conhecer a história do jovem missionário, hoje residente no Haiti. Celeti conta sua jornada até a decisão de se mudar para o país e os maiores desafios que tem encontrado ali. Ainda sobre desafios de países subdesenvolvidos ou em desenvolvimento, traremos, na editoria Saúde, a notícia sobre uma nova vacina contra a dengue, recém-lançada pelo laboratório francês Safori SA. A nova vacina tem mostrado resultados inéditos na prevenção contra a doença e deve começar a ser comercializada em 2015. Atualmente, mais de 220 milhões de pessoas são infectadas pelo vírus por ano, dentre elas, um número significativo de crianças. Em uma outra matéria importante para as gerações mais novas, você vai saber mais sobre pesquisas recentes que revelam que a exposição ao som alto, além dos conhecidos estresse e danos ao aparelho auditivo, pode interferir na capacidade de aprendizado e memorização. Por isso, diminua o volume antes de curtir uma boa música! A edição desta semana, de uma forma ou outra, nos faz refletir sobre a responsabilidade. É o senso de que os problemas, nesse grande mundo plano, são compartilhados. Nunca é cedo ou tarde demais para se engajar em uma ação social, um trabalho voluntário, uma viagem de ajuda aos necessitados. Ao final, somos nós que mais recebemos em uma experiência como essa. Como Celeti bem coloca, é impossível viajar a um lugar assim e “voltar a mesma pessoa”. Aqui vemos que há muito o que fazer, e que, tanto eu como você, somos responsáveis por isso. Que, nessa leitura, você reflita, pesquise e se engaje! Aproveite!

Gerente Financeiro Natália Albuquerque

Informações

(12) 3911 2228 contato@editorainspire.com.br www.editorainspire.com.br felizcidade.net | 3


Fala leitor! Mudanças

“A cada dia a revista vem ganhando mais credibilidade, é prazeroso separar um tempo do dia pra ler os artigos inspiradores que a revista traz a cada semana. Meu destaque para a coluna ‘Crer e pensa’, que me fez refletir sobre o fluxo de mudanças em meio a vida, tais mudanças são fundamentais quando queremos chegar a novos lugares!” Cássia Gabriela – Aux. Administrativo

Em todo o Brasil Queremos sua participação no conteúdo da revista Felizcidade. Envie suas sugestões de matérias e faça parte da revista. e-mail: revista@felizcidade.net ou comente no Facebook. Você pode estar na proxima edição.

“Mesmo morando em Curitiba, quase toda terça leio a revista on-line. Gostei muito de ver que a revista traz matérias que informam o que acontece na região e no mundo. Mostra que é possível ser uma igreja na cidade, para a cidade”. Wesley Senna - designer

Você também pode acessar as edições anteriores da revista FelizCidade pelo site www.felizcidade.net e conferir todo nosso conteúdo.

SUMÁRIO

07 09 11 13 14 15 21

Entrevista Rubem Celeti Gastronomia As diversidades das massas Universo Masculino Saúde financeira Crer é Pensar... A liderança e a atitude Pais e Filhos O aprendizado diário do bebê Plano Daniel Cuide da memória Tecnologia Abaixe o som para não perder a memória

22 25 26 28 29 31 34

Desenvolvimento O crescimento saudável de uma igreja Meio ambiente Bagaço vira “ouro” na indústria Saúde Enfim, vacina contra dengue Cotidiano Antigas profissões em alta Moda Tricô - básico e elegante Esporte SJC na Copa do Mundo 2014 Pense Bem Carlito Paes

17

Bolívia e Haiti

Ajuda em países que lutam por mais dignidade

felizcidade.net | 5


ENTREVISTA

A solidariedade corre nas veias e no coração desse homem Depois de viver no Senegal com os pais, o jovem brasileiro dedica a vida para ajudar o Haiti “Filho de peixe, peixinho é”. Essa expressão não era bem o que o menino Ruben esperava para ele. Desde os cinco anos no Senegal viveu com os pais missionários e seus três irmãos e, com a certeza de que não seria missionário. Se formou em relações internacionais e fez pós-graduação em gestão ambiental. Mas, desde os quatro anos, quando se batizou, algumas coisas mudaram e, depois de receber uma declaração certa de Deus para estar no Haiti, obedeceu ao Pai. Conheça um pouco mais de Ruben Celeti, missionário no Haiti. Desde quando atua no Haiti? Estou diretamente envolvido com o Haiti desde 11 de março de 2010. Exatos dois meses depois do terremoto que destruiu Porto Príncipe, Leogan e grande parte do Sul do país. Por que foi para lá? Já havia estudado sobre a atuação do exército brasileiro no Haiti, mas fui muito tocado por uma série de reportagens mostrando a condição precária das pessoas. Depois de tentativas frustradas de fazer algo por esse povo em 2009, entendi que Deus estava me guardando de estar aqui durante o terremoto. Encontrei com o pastor Mario Freitas no dia que ele retornou de sua primeira viagem de socorro às igrejas haitianas que estavam sofrendo com a catástrofe. No mesmo dia fui desafiado a vir, fui liberado do trabalho e comecei a me preparar.

Viemos em março e passamos duas semanas distribuindo comida, água e fazendo uma conferência para pastores que ainda sofriam muito com póstrauma. Na volta ao Brasil, o pastor Mario me perguntou se eu não estaria disposto a me mudar para o Haiti e, depois disso Deus fez o resto! Qual a situação atual? O Haiti hoje já saiu do momento pós-catástrofe de ajuda humanitária e voltou à realidade de sofrimento crônico que castiga este país há muitas décadas. É uma conjuntura de fatores individuais, sociais, religiosos, econômicos e sistêmicos que mantém as pessoas em uma luta diária pela sobrevivência. Como vivem as famílias? A maioria delas não vive, elas sobrevivem. Geralmente, são muitas pessoas morando em um ou dois cômodos de casas alugadas ou, então, em abrigos de madeira ou lona. Isso porque parentes mais pobres do interior mandam seus filhos para ficarem com familiares na capital. O pouco dinheiro que possuem geralmente é enviado por algum parente que conseguiu ir para Miami, Paris ou Quebec. Qual o ponto mais crítico? É muito difícil apontar o ponto mais crítico. É possível apontar um ponto mais crítico para o setor econômico, político, religioso e, mesmo assim, seria apenas um ponto dentre muitos. Talvez

o ponto mais crítico para as ONGs e missões atuando no país é de encontrar o equilíbrio nas ações, de forma que traga alívio ao sofrimento e, ao mesmo tempo, desenvolva as pessoas sem torná-las dependentes. Você estava lá quando aconteceu o terremoto? Como foi? Estava no Brasil durante o terremoto. Não é possível descrever a destruição física do país e o abalo emocional das pessoas depois do terremoto. Hoje as pessoas já superaram esse trauma, mas ainda relembram tudo quando acontecem tremores em menor escala. Como as pessoas estão reconstruindo a vida? Não sei como as pessoas estão reconstruindo a vida. É impressionante como os haitianos passam tanto tempo louvando a Deus e agradecendo.Talvez estejam reconstruindo a vida com a gratidão. O Remy, que é haitiano, perdeu sua irmã no terremoto e sofreu muito, mas hoje vejo ele alegre, construindo sua vida e se dando pelos outros. Talvez seja dando a vida pelos outros que se construa a vida. O que essa situação traz de lição para vida de quem visita o país? Não dá para vir ao Haiti e voltar a mesma pessoa. Aqui vemos que há muito que fazer e que tanto eu como você, somos responsáveis por isso. Confira na íntegra: www.pibnet.com.br

felizcidade.net | 7


GASTRONOMIA

As massas e suas origens Chef Marco Antonio Pinheiro

P

raticamente todos os brasileiros gostam de comer uma boa massa. Pode ser aquela macarronada de domingo ou, atire a primeira pedra quem nunca comeu, um bom macarrão instantâneo. Apesar de os macarrões em geral fazerem parte da nossa cultura, a sua origem remete a centenas de anos atrás. Cada região na Itália tem sua própria teoria sobre a origem das massas. Os sicilianos têm a firme convicção de que a massa chegou à sua ilha através dos gregos ou dos árabes nos tempos medievais. Em Nápoles, tudo isso não passava de histórias, pois a massa dos gregos ou dos árabes não era mais do que pedaços de uma massa grosseira e só os engenhosos cozinheiros dos maccheroni napolitanos fizeram da massa aquilo que ela representa hoje: uma verdadeira paixão nacional. Seja como for, certo é que hoje existem mais de 300 variedades de massa, constituindo um dos pratos mais apreciados na cozinha mundial. Devemos distinguir dois tipos: a massa seca (pasta secca): uma massa à base de sêmola de trigo duro e água e a massa fresca (pasta fresca): à base de farinha de trigo, ovo e eventualmente um pouco de água ou vinho branco. Existe também uma massa fresca de fabricação caseira que não leva ovos. A massa seca é um produto já pronto que, graças à sua tradição incontestada, consegue se esquivar, de uma forma elegante, à controvérsia sobre os prós e contras dos alimen-

tos pré-preparados. Mesmo a dona de casa mais dotada e o cozinheiro mais ambicioso preferem deixar a fabricação da massa seca à indústria de massas. A massa seca se divide em dois grupos: massa longa (pasta lunga) e massa curta (pasta corta). Ao primeiro grupo pertencem os tipos de massa com mais de dez centímetros de comprimento como o espaguete, espaguetini ou tagliatelle. No grupo da massa curta são inclusos os imponentes penne, os farfalle, entre outros. Ao contrário da massa seca, geralmente de fabricação industrial, a massa fresca constitui a obra individual de um cozinheiro. A receita base permanece praticamente imutável: para cada 100g de farinha, adiciona-se um ovo. Ela pode ser recheada ou não. Colorida com tinta de lula, espinafre moído, extrato de tomate, sumo de beterraba ou açafrão. A ideia de que a massa engorda não passa de um preconceito, pois 100 gramas de massa seca crua não têm mais que 325 calorias, enquanto que a mesma quantidade de massa fresca tem cerca de 365 calorias. Além do mais, a massa fornece preciosos hidratos de carbono, minerais importantes, bem como vitaminas B1, B2 e niacina. O importante é não exagerar na quantidade e evitar mo-

Aproveite a receita a seguir para fazer um macarrão bem gostoso e diferente!

Pesto Alla Genovese 1 maço de manjericão 1 dente de alho 100g de castanhas do Pará 50g de queijo parmesão ralado 100ml de azeite Sal à gosto

Preparo

Lave o manjericão e escorra. Pique o manjericão, o alho e as castanhas. Misture com o queijo até obter uma massa homogênea. Por fim, adicione o azeite até obter uma massa cremosa. Acerte o sal. Misture com a massa escolhida na hora de servir.

felizcidade.net | 9


UNIVERSO MASCULINO

O CICLO DA SAÚDE FINANCEIRA Por Lázaro Carvalho – Especialista em finanças

É

interessante que em quase tudo há um ciclo. Se pensarmos no ser humano esse ciclo é determinado pelas faixas etárias da vida: infância, adolescência, juventude, adulta e melhor idade. Para a ciência do marketing, é a criação – desenvolvimento e maturidade. Já, para se ter uma boa saúde na área financeira e, como bem conceitua o escritor, educador e terapeuta financeiro Reinaldo Domingos, no livro “Ter dinheiro não tem segredo”, o ciclo se divide em “Diagnosticar, Sonhar, Orçar e Poupar”. Possuir saúde financeira é uma questão de escolha; se escolhe ter ou não boa saúde financeira. Primeiramente, é preciso um estudo pessoal, descobrir o seu “Eu” financeiro, saber de suas disponibilidades financeiras (dinheiro), ter um “retrato” de suas despesas e controle de suas receitas e despesas. A isso chamamos de “Diagnóstico”. Em segundo lugar, vem os sonhos. Sonhar em finanças não é proibido, pelo contrário. Os sonhos, quando colocados em movimentos, geram realidades. Os sonhos também precisam de cronogramas para se tornarem reais; por isso, o ideal é que eles sejam pensados para curto, médio e longo prazo, para que não haja atropelos. Mas não se esqueça: você precisa saber quanto custa o seu sonho, o quanto precisa guardar para realizá-lo e quanto tempo precisa para concretizá-lo. Em terceiro lugar, precisa orçar. Isso significa descobrir o valor do sonho antes de realizá-lo. Podemos chamar essa fase como o famoso “Planejamento”, que é saber o padrão de vida permitida em função de suas receitas. Gastos superiores às

receitas significam “doença financeira”, e essa doença carrega inúmeras consequências e até óbitos financeiros (concordata, falência e insolvência civil). Além de muitas outras questões indesejáveis, como baixa autoestima pessoal, problemas familiares, de saúde física e emocional. Então, orçar é fundamental para uma boa saúde financeira. Em último lugar vem o poupar; lembre-se: provisionar é sempre melhor do que gastar! Quando poupa, você abandona a “pobreza de gastar” e adere à “riqueza do guardar” e, poupar, ainda, é viver o hoje sem esquecer o amanhã; é construir base para um futuro melhor e mais tranquilo. Mas vou precisar me privar de muitas coisas para poupar? A ideia não é essa, mesmo porque essa matéria fala de sonhos e esses precisam estar presentes agora e no amanhã. Há, sim, possibilidades de viver os sonhos no presente, basta ter juízo financeiro e começar a projetar a realização de seus planos do futuro, mas com certeza para eles serem concretizados, é preciso passar pelo hábito de poupar hoje. Leia com atenção os conceitos acima e, se precisar, releia-os. Será de grande utilidade para a sua boa saúde financeira, com certeza!

DICAS MASCULINAS Homens fortes em tempos difíceis Edwin Louis Cole

A ampliação da lacuna social entre realização tecnológica e declínio moral obriga os homens de coragem, integridade e verdadeira hombridade a se fortalecerem. Em busca de satisfação, muitos homens têm esquecido o significado de hombridade e abandonado ideais para ceder espaço a coisas imorais, ilegais, antiéticas ou irresponsáveis. Os tempos difíceis de hoje exigem que os homens superam princípios morais perigosos e devolvam a esperança, a dignidade e a ordem para um mundo desesperadamente necessitado de indivíduos dispostos a serem heróis.

felizcidade.net | 11


CRER É PENSAR...

Leão ou elefante: a liderança nasce de uma atitude

S

eja qual for sua carreira, para se desenvolver com excelência, você vai depender muito do padrão de liderança que exerce. Dinamicamente, a vida à todo tempo pede mudanças, melhorias em algo. Porém, infelizmente, acreditamos que as mudanças precisam acontecer no outro, nos gestores e chefes, no cônjuge, nos filhos e familiares, nos produtos que compramos e serviços que contratamos! Pensar assim, fatalmente, vai fazer com que a gestão de sua vida e carreira fracasse! Afinal, a mudança precisa acontecer em uma única pessoa: em você mesmo! O mundo nos serve como nosso espelho. Aquilo que criticamos e julgamos no outro é justamente o que recusamos mudar em nós mesmos! Posso falar por conhecimento de causa, em meu trabalho 90% dos clientes que buscam tratamento, se queixam dos outros por não se conhecerem o suficiente, para assumir suas próprias necessidades de mudanças na vida pessoal e profissional. Em geral, as pessoas simplesmente existem! Acordam, trabalham, comem, dormem, vão a igreja, passeiam, viajam, descansam e vivem vidas que são, muitas vezes, reprise de outras pessoas que conheceram, numa repetição de padrão que beira uma psicose. A maioria das pessoas acha assustador se olhar no espelho e encarar pontos para mudanças e por conta disso, muitas nem o fazem. Vivem vidas inteiras sem realmente conhecerem quem de fato são e, tragicamente, desperdiçam os melhores anos de suas vidas. Pensando nisso, convido você a entrar no mundo selvagem, onde Deus escolheu um animal emblemático para sintetizar a essência da liderança, através de Jesus Cristo, que comprovou ser o

maior líder de homens. Ele é o Leão da Tribo de Judá! O leão é chamado o rei da floresta, embora suas características naturais sejam desfavoráveis para receber esse título. Afinal, ele não é o maior animal, nem o mais forte, nem o mais inteligente, o mais rápido e o mais poderoso e tão pouco o mais trabalhador em relação aos outros animais da selva. Por outro lado, existe um animal que faz jus ao título de rei. Se pensou no elefante, acertou! O elefante é fascinante, pode viver 60 anos ou mais, pesa cerca de 7.5 toneladas, com uma força descomunal e é extremamente inteligente. Curioso é que com toda essa força e poder, o elefante não seja o rei da floresta! Já se questionou por que o leão é o rei e, o elefante, sendo tão poderoso, é o súdito? Pelo simples motivo de como exercem a liderança! Isso, os diferencia um do outro. O elefante é mais inteligente, mais forte e mais poderoso que o leão e, assim mesmo, não consegue se opor a ele por muito tempo. Sua percepção é diferente. Quando ele olha para o leão vindo em sua direção, ele se esquece de tudo o que ele é e o que ele tem e, foge! O leão o afugenta com sua presença. Quando o elefante olha para ele, pensa: “lá vem o rei, e se eu não fugir agora mesmo, ele vai me ferir, me matar e me comer!” Diferentemente, o leão olha em sua volta e sua visão do mundo é totalmente diferente. Ele olha o elefante maior, mais forte e mais pesado do que ele, sabendo que pode matá-lo em uma pisada. E mesmo assim, o leão ataca o elefante! Ele vê o elefante e pensa: “aquele é o meu almoço!” E seguindo os seus instintos, ele ataca o elefante e o vence!

Vivian Cristina Nuñez Salas Business & Executive Coach Psicóloga & Palestrante Analista Comportamental Pós-graduada em Teologia & Psicologia Transpessoal e Mestranda em Gestão de Pessoas com Coaching

O que faz do leão o líder, não é seu tamanho, força ou inteligência e sim a sua atitude. Isso se aplica em sua vida? O líder não tem uma atitude baseada no que ele olha, mas baseada no que ele pensa, crê e vê interiormente! O segredo da liderança é a atitude, como a do leão! A sua atitude sempre vai ser o produto da sua crença, o resultado daquilo que você pensa e acredita ser. É justamente o seu sistema de crenças que gera as suas ações, sejam elas medíocres como do elefante ou ousadas, como as do leão. Jesus, constantemente dizia: “se creres...” Incrivelmente, Deus quebra os paradigmas, provando que a atitude não é resultado das caraterísticas físicas, sociais, cognitivas e experimentais. O que torna você um líder é a atitude precedida de uma crença positiva! Adoro dizer que: “um exército de ovelhas lideradas por um lobo vence um exército de lobos liderados por uma ovelha!” Deus diz que assim como você pensar em seu coração, assim você é! A liderança de sua vida vai além do que você é para aquilo que você acredita que é! Creia e aja!

felizcidade.net | 13


PAIS E FILHOS

Sete coisas que você ensina ao seu bebê todos os dias e nem percebe Por Silmara Camillo 1. Ele pode contar sempre com você Cada vez que você responde ao choro do seu bebê por comida, atenção ou troca de fraldas, ele aprende que tem alguma importância na sua vida e que pode contar com a sua ajuda. 2. Ele pode contar consigo mesmo Em vez de entrar no quarto cada vez que ouvir um barulhinho, experimente esperar alguns segundos pra ver se ele volta a ficar em silêncio. Uma hora, o bebê vai achar uma posição confortável e pegar no sono sozinho. Sem ter que levantar da cama, você ensinou ao seu filho que ele pode se virar de vez em quando. E você também aprendeu algo: às vezes, ser uma boa mãe significa fazer menos pelo seu bebê, não mais. 3. Ele pode se equilibrar Carregar seu filho nos braços ou no sling estimula o desenvolvimento do equilíbrio do corpo dele. Quando já souber sentar, passeie com o carrinho sobre lugares com superfícies diferentes, como o piso de cascalho, uma calçada lisinha ou um gramado. Isso vai desenvolver o equilíbrio e fortalecer os músculos que o mantém sentado. 4. Ele pode se movimentar Quando seu bebê finalmente levou os pezinhos à boca, pegou uma bolacha no pote ou deu seus primeiros passinhos, você com certeza sorriu e aplaudiu, mostrando que ele tem um motivo para se orgulhar. Ser reconhecido é essencial no aprendizado da criança e, não existe nenhum segredo para seu filho desenvolver as habilidades motoras. Tirar os obstáculos do chão já é quase o suficiente. O que mais falta? Comemorar!

14 | felizcidade.net

5. Ele pode aprender como funcionam as palavras Ler o jornal em voz alta, conversar com o bebê como se fosse gente grande, contar pra ele como foi seu dia e até cantar são atitudes que ajudam no desenvolvimento verbal do seu filho, conforme ele percebe o tom de voz e o ritmo em que você fala. Palavras curtas e assuntos infantis são agradáveis, mas não necessários. 6. Cada um tem sua vez Sabe brincadeira de esconder? Primeiro você esconde o rosto; depois, é a vez do seu bebê. Quando você e seu filho se revezam nas brincadeiras e atividades do dia a dia, você está ensinando a ele a importância de dividir, sociabilizar e cooperar com os outros. 7. É saudável fazer bagunça Enquanto estiver cozinhando, experimente deixar seu bebê brincar com uma tigela de plástico e uma colher. Ele vai fazer um montão de descobertas: “Será que a colher vai caber na tigela?” “Com que força eu preciso bater a colher até fazer barulho?” “Quanto barulho eu posso fazer até a mamãe se irritar?”


PLANO DANIEL

“Sabe que ultimamente ando me esquecendo de me lembrar de cuidar da memória?” Por Viviane Franco Jallais

A

s queixas sobre falhas de memória são tão frequentes atualmente que muitos pesquisadores se voltam para o assunto em busca de solucionar o problema. E encontram, no estilo de vida, as respostas para esse mau que parece atingir a todos sem preconceitos. A memória é um processo que depende do bom funcionamento de vários sistemas cerebrais e o principal deles (hipocampo e região) continua sua multiplicação de células ao longo da vida. Por isso, é natural que ocorram alterações com o passar do tempo. Mas, nos dias atuais, essas alterações acontecem cada vez mais cedo, devido ao enorme volume de agressões que nosso organismo sofre com um estilo de vida estressante, alta exposição a metais pesados (chumbo, arsênico e mercúrio), elevado consumo de gorduras trans e, uma saúde intestinal prejudicada que altera a produção de diversos hormônios (leptina, grelina, GLP-1, insulina, entre outras). E, novamente, a alimentação saudável pode nos auxiliar a prevenir, controlar e até mesmo reverter esse mau. Dentre os nutrientes e compostos benéficos à memória citamos:

Colina: nutriente presente em ovos, fígado, germe de trigo

e leite materno; é essencial para produção das gorduras (fosfolipídios) participantes da membrana celular ao longo de toda a vida e na formação do cérebro de fetos.

Curcumina: presente no açafrão da terra, um dos tempe-

ros que compõem o “curry”, muito usado na culinária indiana. É capaz de prevenir a morte dos neurônios por doenças neurodegenerativas. Taurina: aminoácido bastante abundante em alimentos de origem animal, atua como fortalecedor no desenvolvimento do sistema nervoso central, mantém a integridade da membrana, facilita a ação do cálcio no cérebro e protege de intoxicação chumbo e outras substâncias. L-teanina e cafeína: presentes no chá preto. Melhoram o desempenho cognitivo e a atenção, mas atuam melhor quando em conjunto, como encontrados nos chás. W-3 e DHA: previnem a demência e o declínio cognitivo, fortalecendo as sinapses (ligações entre neurônios), diminuem o processo inflamatório subclínico (crônico) e os riscos de doenças cardiovasculares. Encontrados em peixes, algas, castanhas e óleos vegetais. Nosso organismo é capaz de produzir DHA, mas não em quantidades suficientes. Flavonoides: compostos fenólicos presentes em vegetais diversos como: cebola, alho-poró, brócolis, salsa, aipo, soja e seus derivados, frutas cítricas, tomates, chá verde, chocolate, vinho tinto e frutas vermelhas. Melhoram a memória, o aprendizado e a cognição. Protegem os neurônios vulneráveis, estimulam e induzem a formação de novos neurônios. Atuam suprimindo inflamações e desintoxicam o cérebro e outros tecidos. Se você também, ao ler essa matéria, se lembrou de que sua memória não anda bem...consuma mais dos alimentos aqui citados e caminhe em busca de uma vida mais tranquila, pois o estresse é outro grande vilão que nos rouba nossas lembranças.

felizcidade.net | 15


CAPA

Solidariedade no Haiti e na Bolívia Ajuda humanitária em países com necessidades urgentes

D

ois países que perderam a dignidade ao longo da história e hoje lutam para recuperar o perdido. No Haiti, país de belas paisagens, a exploração errada dos recursos naturais resultou na miséria extrema de grande parte da população. Depois do terremoto, há mais de 2 anos, a situação se agravou. Eles lutam para sobreviver, sem alimentos, com esgoto a céu aberto, sem água limpa para beber. Na Bolívia, os recursos e belezas naturais também se destacam, mas o país sabe explorar o que tem. E justamente o gás e a soja, são os principais produtos para economia boliviana. Com 60% da população indígena, os desafios contra a violência e a disputa pelo poder são grandes. Em meio a todo esse cenário, pessoas viajam para tentar oferecer toda ajuda possível e mudar a vida dessas pessoas para melhor.


Haiti na luta para viver

Um país em busca da recuperação de bens materiais, mas principalmente da dignidade perdida há muito tempo, já antes do terremoto, que deixou milhares de pessoas desabrigadas e matou cerca de 300 mil, há mais de dois anos. Suas belezas naturais, que poderiam ser visitadas por turistas, foram exploradas de forma enganosa. O país que tem atualmente apenas 2% da floresta original reflete na população o resultado de tantas brigas travadas pelo governo, pela oposição e gangues. Dependente da importação de alimento e água potável, o aumento no preço dos produtos levou a população à pobreza extrema. Milhares não têm o que comer e fazem mistura de barro, com manteiga e sal para se alimentar. A falta da comida gerou muitas guerras internas. Por isso, há alguns anos, o Exército Brasileiro trabalha para ajudar na segurança da população. Saneamento básico é coisa rara, água para beber e tomar banho é artigo de luxo. “A maioria dos esgotos corre a céu aberto, e a empresa de coleta urbana de dejetos retira menos de 50% do lixo diário gerado na grande Porto Príncipe; ou seja, a condição é muito precária”, afirma Ruben Celeti, missionário no Haiti. De acordo com dados da Rede Haitiana de Direitos Humanos, somente 48% dos haitianos desabrigados pelo terremoto têm acesso à água potável, condição que explica a rápida expansão

da epidemia de cólera no país, que já causou quase 7.000 mortes e, contaminou mais de 520 mil pessoas. O país vive um abismo socioeconômico, em que 2% da população controla 69% da riqueza. Mais da metade dos haitianos é analfabeta. A taxa de mortalidade infantil é alta, 60 para cada 1.000 nascimentos, e a incidência do vírus da Aids na população entre 15 e 49 anos é de 2,2%. Cerca de 95% da população está desempregada. É com o comércio informal que se movimenta a agonizante economia do Haiti, onde somente 200 mil das 4,2 milhões de pessoas em idade economicamente ativa têm um emprego formal. Desiludidos com a situação caótica do país, alguns haitianos se mudam para o Brasil em busca de “viver” e não apenas, “sobreviver”.

Ações de apoio no Haiti

A exemplo de anos anteriores, a Primeira Igreja Batista em São José dos Campos e a M.A.I.S (Missão de Apoio à Igreja Sofredora) se envolvem na ajuda aos haitianos e têm enviado recursos materiais e pessoais. Para o Pr. Mário Freitas, diretor da missão M.A.I.S, a escolha simplesmente aconteceu. “Não escolhemos o Haiti, foi o Haiti que nos escolheu! Nos envolvemos no início, logo após a catástrofe, visando simplesmente a oferecer algum apoio emergencial. Com o tempo, foi ficando cada vez mais difícil sair de lá. As demandas eram muitas, e as bênçãos também. Hoje, sabemos que o Haiti é o lugar onde Deus quer que a MAIS esteja”, explica. Nesta semana, a quinta equipe de voluntários enviados pela PIB está no Haiti. O ministro Lucas Pacheco, líder do Propósito de Missões, reforçou a importância das equipes enviadas ao país. “A maior carência desse povo é receber amor através da disposição em ensiná-los e também no aprender com eles. Precisamos tirá-los da inércia. Despertar os que estão dormindo, retirar as escamas e todo peso causado pela exploração e escravidão, da rejeição e inferioridade. Pessoas são iguais, culturas são diferentes”, expõe. “As ações de ajuda são de suma importância, pois trazem um alívio ao sofrimento e devem incentivar o desenvolvimento das pessoas”, reforça Ruben Celeti, missionário fixo, da MAIS, no Haiti.


Bolívia: economia se recupera, mas população ainda sofre

Um país que também dispõe de recursos naturais e belas paisagens. Mas que, ao contrário do Haiti, usa boa parte deles. A região leste da Bolívia concentra os estados mais ricos do país graças à produção de gás e soja. O departamento de Tarija, por exemplo, possui mais de 80% das reservas de gás bolivianas. Em contraste, a região oeste concentra a população indígena, que atualmente representa 60% dos 10 milhões de bolivianos. O país mostra enorme abismo econômico, já que existem pessoas muito ricas e outras extremamente pobres. Os índios estão nesse segundo grupo, esperam que o governo ou pessoas que vão ao país para ajudar levem alimento. O país sempre sofreu com atos violentos de oposição ao governo, com participação dos índios Ayoreos para enfrentar essa desigualdade. O governo de Evo Morales, a exemplo de anteriores a ele, sofre com a pressão dos manifestantes, que chegaram a ameaçar a exportação de gás responsável pela maior renda do país - em torno de US$ 2 bilhões por ano. Só o Brasil recebe diariamente cerca de 31 milhões de metros cúbicos do gás boliviano. A economia tem ido bem. Apesar das pressões, a indústria boliviana teve vendas de US$ 932 milhões no primeiro semestre de 2012 de acordo com o último relatório do Instituto Nacional de Estatística. Um crescimento de 44% em relação a 2011. No entanto, as exportações de minerais caíram 19% em comparação o mesmo período.

Ações de apoio à população

Na última semana, uma equipe da PIB de 31 pessoas —,sendo sete adolescentes —,embarcou para a Bolívia. O grupo foi, com objetivo de ajudar as crianças bolivianas e os índios Ayoreos a conhecer mais de Deus, a Rincón Del Tigre, numa região da selva boliviana, próxima à Puerto Suarez. A equipe da PIB ficou cinco dias na região que abriga 300 pessoas e sentiu como são os desafios diários dos moradores: “os desafios eram extremos: culturas e línguas diferentes, a distância de casa, a alimentação, a água um pouco salgada, a convivência com pessoas diferentes, a limitação da energia elétrica, a falta de conforto”, disse Andrei Alves, líder da ação. A população local enfrenta repressão quando se trata de fé. Quem decide ser cristão, e seguir a palavra da Bíblia, é expulso de casa e vira motivo de chacota entre os outros amigos e colegas. Crianças que estudam na região vivem em um regime duro e severo. “Elas são forçadas ao trabalho doméstico e externo, também são privadas das atividades de lazer. A obrigação em relação às notas e à postura as tornam em uma espécie de robô, sem qualquer expressão”, finalizou o líder.

Bolívia

10 milhões – População 60% - entre 15 a 64 anos 55% - indígenas 15% - branca 80% - alfabetizados

Haiti

Emprego no país

17,1% - ocupação plena e adequada 24% - moderadamente precário 58% - extremamente informais * Levantamento publicado pelo jornal boliviano El Diario

9,8 milhões – População 52,9% -alfabetizados 58% - população subnutrida 19% - tem acesso à rede de esgoto 1,3 - leitos hospitalares para cada mil habitantes *Fonte: Indexmundi


NOTÍCIA

Música alta pode afetar memória PESQUISAS REVELAM QUE OS DANOS CAUSADOS POR EXPOSIÇÃO AO SOM ALTO PODEM ATRAPALHAR O APRENDIZADO E A CAPACIDADE DE MEMORIZAÇÃO

O

uvir música alta, bem alta - quando, até mesmo com fone de ouvido, é possível escutar, de longe, o som que está “rolando” e fica impossível falar com a pessoa – tem sido um costume cada vez mais comum, principalmente entre adolescentes, que ficam com o som no “último” durante os estudos e em momentos de lazer. Os equipamentos, cada vez mais modernos e dinâmicos, trazem essa facilidade para eles. Mas, esse costume que parecia apenas atrapalhar a comunicação entre pais e filhos pode ter mais efeitos nocivos do que parecia. Estudos anteriores já revelaram que a exposição ao som alto pode causar deficiência auditiva, cardiovascular e do sistema endócrino (além de stress e irritabilidade). Recentemente, cientistas da Argentina mostraram mais efeitos através de experimentos com ratos. O som alto pode afetar a memória e os mecanismos de aprendizagem de animais em desenvolvimento. O trabalho foi publicado na revista Brain Research e realizado com camundongos de idade entre 15 e 30 dias, o que corresponde a uma faixa etária entre 6 e 22 anos nos humanos. “Nós usamos ratos pois eles têm um sistema nervoso semelhante aos seres humanos”, disse à BBC Mundo, Laura Guelman, coordenadora do projeto e pesquisadora do Centro de Estudos Farmacológico e Botânico (Cefybo) da Universidade de Buenos Aires (UBA).

Os experimentos foram realizados com intensidades de ruído entre 95 e 97 decibéis (dB), mais altos do que o patamar considerado seguro (70-80 dB), porém, abaixo da intensidade de som que produz, por exemplo, um show de música (110 dB). A conclusão do experimento revela que, depois de duas horas de exposição, os ratos sofreram danos irreversíveis nas células cerebrais. Segundo os pesquisadores, foram identificadas anormalidades na área do hipocampo, uma região associada com os processos de memória e aprendizagem. “Tal evidência sugere que o mesmo poderia ocorrer em humanos em desenvolvimento, embora seja difícil de provar, porque não podemos expor as crianças a este tipo de experiência”, disse Guelman.

Danos

É a primeira vez que tais alterações morfológicas são detectadas no cérebro. “Pode-se supor a partir dessa descoberta que os níveis de ruído a que as crianças são expostas nas ‘baladas’ ou ao ouvir música alta com fones de ouvido podem levar a déficits de memória e cuidados de longa duração”, disse Maria Zorrilla Zubilete, professora e pesquisadora da Faculdade de Medicina da UBA. Uma das curiosidades reveladas pelo estudo é que, para as crianças, uma única exposição a ruídos altos pode ser mais prejudicial do que uma exposição prolongada. “É possível que os estímulos do cérebro já não tenham tempo para reparar tais ferimentos”, disse Guelman.

felizcidade.net | 21


DESENVOLVIMENTO

15 anos de crescimento e expansão Dados revelam crescimento numérico e qualitativo na PIB em SJC

T

udo o que é saudável cresce. A Primeira Igreja Batista em SJC tem confirmado essa premissa de forma muito visível. Completando o seu 70º aniversário em 2012, a igreja passa nesse ano por novas e intensas mudanças, que resultam da última década e meia de intenso crescimento e expansão. Há poucas semanas ocupou um novo espaço, batizado como Campus Colina – uma área de mais de 200 mil metros quadrados. A igreja hoje conta com mais de 6.000 membros filiados. Além disso, tem uma frequência semanal de mais de 10.000 pessoas.

22 | felizcidade.net

A história da PIB em SJC remonta ao início da década de 40, numa São José dos Campos pré-industrial, a qual abrigava a pequena comunidade batista na rua Humaitá. Em 1997, sob a liderança de Carlito e Leila Paes, a igreja, com então 600 membros, saiu de seu antigo templo na rua Euclides Miragaia para um novo espaço na Av. José Longo. Foi o início de um período de grande crescimento numérico e de novas iniciativas. Foram nesses últimos 15 anos que a igreja fundou uma editora e uma produtora, adquiriu uma das rádios mais

tradicionais da cidade - hoje intitulada Rádio Cidade AM1120. Promoveu megaeventos como o “Auto de Páscoa” e fundou novas extensões em diferentes regiões da cidade, incluindo Taubaté, Jacareí, Jambeiro, Caçapava e Paraibuna. A ação da ABAP (Associação Beneficente de Ajuda ao Próximo) também cresceu, contando hoje com ações como o mercado solidário, os cursos profissionalizantes e a gestão de duas creches municipais em bairros carentes da cidade. Essas são apenas algumas das conquistas enumeradas até esse ano.


O poder do voluntariado

A igreja tem mostrado que, mais do que promover um ajuntamento de pessoas em suas celebrações, tem trabalhado para que essas pessoas atuem de forma intencional em na comunidade. O número de voluntários que servem em diversos ministérios e ações sociais da igreja é também expressivo. Segundo Carmen Rangel, líder da base de Comunhão da PIB, hoje já são mais de 1.500 pessoas servindo ativamente em diversas frentes, como o berçário, estacionamento, ação com moradores de rua e capelania

hospitalar, dentre outras. “Apenas nos últimos dois anos, tivemos um crescimento de quase 50% no número de voluntários”, comemora. São 74 serviços voluntários, com uma rede de pessoas que servem há mais de 30 anos. A mudança para a nova sede, fez com que a PIB criasse o “ministério carona”, que visa facilitar para que as pessoas que não possuem veículos cheguem à igreja. Além desse, existem os serviços voluntários de visita a crianças e adultos em hospitais, para levar alegria e apoio. Também há os de ajuda a pessoas com HIV positivo, entre tantos outros.

Ritmo acelerado

Nos últimos 15 anos, a PIB em SJC tem mostrado um crescimento médio de 22% ao ano. Tal curva de crescimento é condizente com o aumento dos evangélicos, nos últimos dez anos. No Brasil, conforme dados divulgados pelo Censo de 2010, são 42,3 milhões de pessoas que declaram essa fé. O Censo aponta para um crescimento de 65% dos evangélicos na última década.

Número de membros

felizcidade.net | 23


MEIO AMBIENTE

Sustentabilidade em alta: bagaço de cana de açúcar vira fibra de carbono Pesquisadores da UFRJ descobriram a forma de transformar o bagaço em “ouro”

V

ocê já imaginou usar o bagaço da cana de açúcar para fazer carcaças de aviões, eletrônicos, peças de carro, materiais da indústria de petróleo e até armações de óculos? Pois é, cientistas brasileiros conseguiram descobrir uma forma de usar o “lixo do agronegócio”. Uma tonelada da planta usada para produção do etanol resulta em 140 kg de bagaço. Todo esse material é queimado pelas indústrias, como forma de geração de energia, mas se não for armazenado de forma correta pode se transformar em poluidor ambiental. O grupo da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) desenvolveu um método que extrai a lignina - uma importante molécula “estrutural” dos vegetais, responsável, entre outras coisas, pela sustentação do bagaço da cana e a trata para que ela seja transformada em fibra de carbono. “Não é como transformar garrafa pet em tapete ou em árvore de Natal. É uma reciclagem com alto valor agregado, que pode gerar boas oportunidades, porque o Brasil ainda não tem produção industrial de fibra de carbono”, diz Verônica Calado, coordenadora do trabalho e também do Núcleo de Biocombustíveis, de Petróleo e de seus Derivados da UFRJ. Novas técnicas já permitem que o bagaço da produção de etanol seja tratado quimicamente e usado para dar origem a

mais álcool, a chamada segunda geração. Mas é desse “lixo do lixo” que a pesquisa trata reaproveitamento total da planta. Últimos passos - A fibra de carbono é obtida depois que o bagaço passa por vários processos. No fim, obtém-se a fibra, que é laminada e pode ser vendida para as mais diversas aplicações. Esta é dez vezes mais forte do que o aço, mas ainda maleável e com elevada resistência à temperatura. A fibra de carbono é um material muito valorizado no mercado, com preços que podem variar entre US$ 25 e US$ 120 por kg, por ser derivado do petróleo com muitos aditivos. “A fibra de carbono pelo reaproveitamento da cana também é sustentável nesse sentido, porque vai diminuir a dependência do petróleo para mais um uso”, avalia Verônica, da UFRJ. No mundo, já existem outras iniciativas experimentais, mas o grupo conseguiu usar menos aditivos e obtém um “extrato” mais puro e com maior potencial de transformação. O trabalho carioca ainda está nos laboratórios, mas a técnica já se mostrou funcional. A coordenadora do estudo diz que não há ideia do preço final da fibra, mas que “com certeza ela será mais barata do que a vinda do petróleo”. Agora, os cientistas estudam a melhor maneira de patentear o projeto.

felizcidade.net | 25


SAÚDE

Após 70 anos de espera, a primeira vacina do mundo contra dengue tem êxito LABORATÓRIO FRANCÊS DESENVOLVE MEDICAMENTO E REALIZA TESTES COM PRODUTO. LANÇAMENTO DA PRIMEIRA VACINA CONTRA DENGUE PARA O MERCADO PODE OCORRER EM 2015

A

primeira vacina contra a dengue pode acabar com a luta de sete décadas da população, do governo, dos profissionais da saúde e cientistas. A novidade, desenvolvida pelo laboratório francês Sanofi SA, mostrou capacidade de proteger contra três dos quatro tipos virais causadores da doença, de acordo com resultados de um aguardado teste clínico na Tailândia. A prova de eficiência é um marco importante nessas sete décadas de luta para desenvolver uma vacina viável contra a dengue, e os resultados também confirmam que a fórmula é segura. Os testes de imunização foram realizados em 4.000 pacientes na Tailândia, e outros estão em andamento em 31 mil pessoas de vários países, inclusive do Brasil. A dengue, transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti, ameaça quase 3 bilhões de pessoas no mundo, sendo milhões delas no Brasil. A contaminação por uma cepa viral não garante imunidade contra as outras três. A vacina criada pela empresa francesa gerou uma resposta imunológica às quatro cepas, mas só houve comprovação da sua eficácia contra três delas.

Dados da doença

Cerca de 220 milhões de pessoas são infectadas, por ano, pelo vírus da dengue. Exemplificando, seria a população do Brasil e de Portugal juntas. Os dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) revelam, ainda, que quase 2 milhões, a maioria crianças, desenvolvem a forma hemorrágica, que é a mais grave e letal da dengue. No Brasil, os números de infecções deste ano são menos expressivos, talvez resultado de investimentos do Ministério da Saúde de R$ 92,8 milhões em qualificação dos profissionais, prevenção e controle da doença em 1158 municípios. Em comparação de janeiro a junho de 2010 para este ano, a redução foi de 80% no número de mortes, causadas pela dengue.

Lançamento da vacina

A distribuição comercial deve acontecer apenas em 2015, já que há necessidade de encontrar a proteção contra o quarto tipo do vírus, disse o analista Mark Clark, do Deutsche Bank. «Mais positivamente, como a proteção contra pelo menos três dos quatro tipos virais foi demonstrada, os dados amparam a possibilidade de lançamento dessa enorme necessidade clínica não atendida», disse Clark em nota de pesquisa.

Investimento

A empresa francesa, Sanofi Pasteur, unidade de vacinas do laboratório, já investiu 350 milhões de euros (R$ 873 milhões) em uma nova fábrica na França para produzir a vacina, que é administrada em três doses. A empresa prevê um faturamento anual de 1 bilhão de euros com o produto.

26 | felizcidade.net


Dengue Casos graves

Mortes

2010 – 11.845 2011 –  8.630 2012 –  1.083

2010 - 467 2011 - 374 2012 -  74 * Fonte: Ministério da saúde

Como funciona

A nova vacina usa um vírus atenuado, mas ainda vivo. Uma vez no corpo, ele não chega a provocar a doença, mas gera uma resposta do sistema imunológico, que começa a produzir anticorpos. Se, no futuro, a pessoa for de fato infectada pela dengue, seu organismo já vai ter a defesa «memorizada», o que evita o avanço do vírus. Nos testes, a imunização é feita em três doses, que devem ser tomadas com seis meses de intervalo. Os resultados ainda são preliminares, mas já animam os pesquisadores. “A dengue não tem tratamento específico ou remédio que consiga eliminar o vírus. Basicamente, são feitos cuidados para manter o paciente bem até que o ciclo da doença termine”, diz a médica Rosana Richtmann, presidente da SPI (Sociedade Paulista de Infectologia). “Por isso, a vacina tem uma importância tão grande. Ela é algo que, definitivamente, nós estamos esperando há muito tempo”, completa ela.

Cuidados

Por enquanto, os dados do estudo foram apenas divulgados pela fabricante e não estão publicados em revista especializada. Segundo a Sanofi, isso deve acontecer até o fim deste ano. A empresa também não informou quais foram os sorotipos com imunização eficaz. «A vacina é um grande passo, mas é preciso que ela funcione para os quatro sorotipos», diz Alberto Chebabo, infectologista do hospital universitário da UFRJ. «O resultado, teoricamente falando, pode ser um risco aumentado de dengue hemorrágica, que acontece em geral quando a pessoa é infectada após já ter tido um outro sorotipo da doença. Se o paciente for contaminado pelo pelo vírus para o qual não houve imunização e já tiver os anticorpos por conta da vacina, o efeito pode ser semelhante”, avalia.

Fumaças podem perder efeito

Inicialmente, os inseticidas usados nas nebulosidades feitas em bairros da cidade para acabar com criadouros do mosquito trouxeram resultados positivos. Já que fazem com que o mosquito demore mais tempo para chegar à fase adulta, com menor capacidade de acasalar, colocando menos ovos e ingerindo menos sangue em uma picada. A conclusão é dos pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz (IOC), que fizeram testes em mosquitos coletados em cinco cidades. Mas eles afirmam que o uso de inseticidas em grau elevado pode causar o desenvolvimento de um mosquito superforte. O pesquisador Ademir Martins faz um paralelo com a questão da resistência bacteriana provocada pelo uso de antibióticos. «Se alguém dá um espirro, não vai usar antibiótico. O mesmo cuidado deveria ter com o inseticida», diz o pesquisador, que desenvolveu o estudo com a estudante Camila Ribeiro e outros pesquisadores dos Laboratórios de Fisiologia e Controle de Artrópodes Vetores e de Biologia Molecular de Insetos do IOC/Fiocruz. Ele acrescenta que o uso doméstico de inseticidas tem contribuído para essa resistência. “Hoje tem um grande problema em condomínios que contratam o carro ‘fumacê’ para passar todo dia. Existem evidências de que grande parte da resistência se dá pelo uso doméstico.”

felizcidade.net | 27


COTIADIANO

Profissões antigas voltam a brilhar em regiões do país ÁREAS QUE PARECIAM PERTENCER AO PASSADO ESTÃO COM VAGAS SOBRANDO. EM VÁRIAS REGIÕES DO PAÍS, CURSOS QUALIFICAM PROFISSIONAIS PARA ESSES SEGMENTOS

C

osturar, acordar - ainda pela madrugada - para fazer o pãozinho da manhã, ou, até mesmo, transformar a madeira em móveis de utilidade e beleza. Tais profissões estavam esquecidas na mente de muitos profissionais na ativa, principalmente dos jovens, mas são elas que oferecem vagas. As “antigas profissões” estão mesmo em alta. A necessidade é tanta que o Sesi criou uma escola-móvel que qualifica profissionais como costureiras, quituteiras, bordadeiras e serralheiros, ofícios que eram passados de pai para filho e hoje oferecem poucos profissionais. Só em 2012, 430 pessoas fizeram o curso de costureiras. O mercado tem muitos modelistas, cortadores e estilistas, formados em faculdades, mas as costureiras estão em falta. No segundo semestre, a produção de roupas sempre aumenta por causa do Natal, o que deve gerar três mil vagas em todo o país até o fim do ano. Outra profissão com falta de mão e obra é a de padeiro. Algumas padarias têm treinado funcionários de outras áreas para exercer a função. Atualmente, são mais de 25 mil vagas disponíveis em todo o Brasil. Só no estado de São Paulo, a construção civil emprega 860 mil trabalhadores, a maioria pedreiros. Porém, há vagas sobrando. Segundo o sindicato da categoria, seriam necessários mais 40 mil profissionais para atender o aumento da demanda.

Região

Alguns conservam as características. Hugo Rocha trabalha no ambiente antigo e atrativo aos olhos, em meio a tecidos e carretéis coloridos, aos 65 anos, ele conta que trabalha desde os 15 fazendo roupas masculinas sob medida. Mas, nesse período, viu a profissão ser esquecida. Hoje é um dos únicos em Taubaté a trabalhar de forma tão manual. O que antes era um glamour, afinal, poucos podiam produzir roupas artesanalmente, agora

Depósito Betânia Materiais para Construção

Tel: (12) 3907-6786 e-mail: depositobetania@gmail.com Estrada do Bairrinho, no 1.300 - Santa Hermínia - São José dos Campos-SP 28 | felizcidade.net

não é mais: ele trabalha em uma casa localizada próximo à rodoviária velha da cidade, em um cômodo adaptado que é dividido com um chaveiro. “Antes dessa máquina, tínhamos que fazer tudo à mão”, conta ele. Há 25 anos em Taubaté, Hugo assistiu a seu posto mudar diametralmente de função. “Antes, se fazia muitas peças. Já, hoje em dia, faço apenas consertos”. Apesar da experiência de seu Hugo, a tecnologia está aí, e as vagas conhecidas como “antigas” estão em alta, sim, mas precisam de especialização e atualização no mercado de trabalho. Nossos municípios acompanham essas necessidades. Só em São José dos Campos, são 6 vagas para carpinteiro, 8 para serventes de obras, 10 para corretores de imóveis, entre tantas outras. Mas, o que antes bastava ser um costume de pai para filho, hoje se exige mais. Até mesmo as costureiras, para quem bastava apenas ter a tradição na família, sofrem exigências com habilidades em novas máquinas, afinal, hoje existem máquinas específicas para bordar. Os pedreiros também precisam de outras habilidades, já que hoje a tecnologia atua diretamente em todos os setores.

Endereços PAT (Posto de Atendimento ao Trabalhador) São José dos Campos Rua Pedro Ernesto, 111, Vila Sanches. Atendimento das 8h às 17h, de segunda a sexta-feira. Informações pelo site: www.sjc.sp.gov.br Taubaté Largo Santa Luzia, 25, bairro Santa Luzia.

Jacareí Rua Alfredo Schürig, 283, Centro. Atendimento de segunda à sexta-feira, das 8h às 17h. Caçapava Rua Ladeira São José, 90, Centro. Atendimento das 8h30 às 16h


MODA

TRICÔ – O básico que é peça chave neste inverno Por Paula Talmelli

O

tricô nos acompanha nas estações mais frias do ano há muito tempo. Quem não tem um cachecol ou uma blusa tricotada pela vovó, não é mesmo? E, neste ano, as blusas de tricô – também chamadas somente de “Tricô” - apareceram nos desfiles de diversas marcas nacionais e internacionais, e caíram no gosto das mulheres que buscam um visual quentinho e confortável; principalmente, porque vieram em uma modelagem mais solta, o que cai bem em praticamente todos os tipos de corpo. O tricô é uma peça curinga, e que, dependendo dos complementos, vai do trabalho a um passeio de final de semana.

E como usar?

No trabalho, as blusas de tricô são um ótimo acompanhamento para as calças e saias de alfaiataria. E, se você quer fugir da monotonia da roupa social, use um tricô de cor forte (pink, verde, vermelho, roxo) com uma peça de tom neutro (calça preta ou cinza, por exemplo). Outro look que fica lindo é a sobreposição do tricô sobre uma camisa de cor clara.

Nesse caso, opte por um tricô curto, e implemente com uma calça de alfaiataria para o trabalho, ou um jeans para um compromisso mais informal. Um ponto muito importante é manter o equilíbrio do look! Você precisa manter as proporções entre a parte inferior (cintura para baixo) e a superior (cintura para cima) do seu corpo. Para isso, combine sempre uma peça mais larga com uma mais justa. Por exemplo, se você vai usar um tricô larguinho, combine com calça jeans, legging, ou uma saia lápis. Não use esse tipo de tricô com calças largas e saias rodadas. E, se o tricô for comprido, você pode também usar como vestido, complementando com um cinto e meia calça. Mas, se você vai usar um tricô mais fininho e justo, combine-o com peças mais soltas na parte inferior, como uma calça pantalona ou uma saia plissada. O tricô é uma ótima pedida para este inverno. Siga nossas dicas e invista sem medo de errar!

Para mais dicas, acesse: www.glammais.com.br

felizcidade.net | 29


temos tudo pro seu Arraia!

Talheres Doces Típicos Roupas típicas Copos térmicos Cumbucas para Caldinho Uma variedade imensa em enfeites em geral Loja 1- Rua Bacabal, 820 - Parque Industrial - (12) 3933-5667 Loja 2- Rua Siqueira Campos, 109 - Centro - (12) 3911-9978 Loja 3- Av. Cassiopéia, 446 - Jardim Satélite - (12) 3931-9475

Temos nota eletrônica e faturamos pra empresa


ESPORTE

Martins Pereira na Copa do Mundo 2014 Foto: Adenir Britto

A definição dos investimentos acontece somente em dezembro de 2013

O

segundo maior evento esportivo do país vai passar pela região. São José dos Campos está oficialmente inclusa para sediar equipes na Copa do Mundo de 2014. O pré-contrato foi assinado com a FIFA, a cidade vai sediar um Centro de Treinamento de Seleções. “O estádio Martins Pereira e o clube dos oficiais do CTA foram os locais oferecidos para os treinos. Além dos hotéis Blue Tree Towers e Promenade Enterprise como hospedagem”, afirmou o secretário de Esporte e Lazer, Sérgio Francisco Theodoro. As duas empresas contratadas pela FIFA fizeram vistorias, mas não especificam o motivo da escolha. A prefeitura acredita que a localização e estrutura da cidade tenham se destacado. “A cidade oferece aeroporto internacional, segurança, mobilidade urbana, além de estarmos no eixo Rio-SP”, disse o secretário. Investimentos – Somente em dezembro de 2013, a Secretaria de Esportes vai saber quais delegações vão se hospedar na cidade. Até lá, nenhum investimento nesse sentido será feito, já que cada delegação tem exigências específicas. “Ainda não podemos afirmar o quanto e como vamos investir, mas com certeza isso vai acontecer”, falou Théo. Com 7 mil leitos em 45 hotéis, a cidade vai investir em hotéis de cinco estrelas para atender a demanda de turistas. Além de

capacitar profissionais para rede gastronômica e hoteleira. Nessa corrida, o Sinhores (Sindicato dos Hotéis e Restaurantes) já iniciou curso de capacitação para trabalhadores da região. O governo do estado de São Paulo deve abrir linha de financiamento para as cidades relacionadas. Com disponibilidade de R$ 300 milhões para financiar hotéis, pousadas, reformas, equipamentos, centros de treinamento privados e públicos. Turismo – A previsão é de que mais de 10 mil turistas venham com as delegações, além de cerca de 20 mil torcedores. Isso vai trazer benefícios para toda região. “A maioria desses turistas querem aproveitar para conhecer tudo, então, com certeza - tendo o benefício da Serra do Mar e da Mantiqueira tão perto, além do Vale Histórico , toda a região vai ganhar com essa escolha. Só em São José, quatro mil novos empregos devem ser criados para atender a demanda”, finalizou o secretário. Outras sub sedes na região - Caraguatatuba, Campos do Jordão, Taubaté e Guaratinguetá mantêm a esperança de serem escolhidas pelo comitê da FIFA. Taubaté, Guará e Campos, se escolhidos, precisam fazer melhorias e adaptações nos estádios. Já Caraguá tem um projeto de ampliação, ainda no papel, do complexo esportivo Ubaldo Gonçalves.

felizcidade.net | 31


PARA INSPIRAR

/// LIVRO

A Batalha de todo homem Um guia para homens sobre como vencer as tentações sexuais. Chamados por Deus para viver o sexo em sua forma mais pura – através do casamento -, muitos cristãos (inclusive líderes de igrejas) fazem pouco caso de um problema com potencial para destruir casamentos e ministérios. Esta denúncia dá o tom de A batalha de todo homem, um sucesso de Stephen Arterburn e Fred Stoeker que até hoje frequenta as listas de livros cristãos mais vendidos nos Estados Unidos.

/// LIVRO

Quebre os mitos que te fazem sofrer Não são poucas as pessoas que estão sofrendo por ideias, pensamentos e sofismas que não passam de mitos escravizadores. Inclusive, dentro das próprias igrejas existem pessoas que sofrem desses males, e muitos deles continuam oprimidos por anos. Existem mais pessoas assim perto de você do que possa imaginar. Leia, conheça e aplique os princípios apresentados nesta obra. Para qualquer mito que gera sofrimento para a vida das pessoas, a Palavra de Deus tem poder para libertar e curar!

/// LIVRO

A pequena peregrina O que você faria se fosse convidada para um baile com o Príncipe Supremo, em seu maravilhoso castelo? No caminho, aventuras fabulosas aguardam você, fazendo da viagem um desafio que poucas crianças conseguiriam vencer. Cristina, uma menina esperta e corajosa como você, aceitou o convite e quer que você a acompanhe nesta, que é a mais incrível das aventuras. Do mesmo autor de O pequeno peregrino.

/// LIVRO

Beijos de alegria para mulheres Atualmente nos faltam modelos de fé perseverante. Essa leitura presenta uma visão sincera do que significa ser mulher e transforma as experiências do cotidiano em poderosas reflexões de amor, alegria e fé. É reconfortante ler o testemunho de mulheres que decidiram compartilhar suas tristezas, comemorar seus sucessos e nos permitir rir de suas extravagâncias, enquanto aprendemos com elas verdades bíblicas preciosas.

EM NOTA

Vagas abertas para o Projeto Guri em SJC

São 1.449 vagas para cursos de música na cidade. As aulas começam no dia 13 de agosto. Para participar o candidato deve ser estudante da rede pública ou particular. As vagas são para jovens de 6 a 18 anos. As inscrições seguem até 10 de agosto. Mais informações pelo telefone (12) 3941-6129.

Retorno das operadoras de celular

Depois de uma semana sem poder vender em todo Brasil, as operadoras Claro, Oi e TIM foram liberadas pela Anatel para retornar os serviços. O órgão alegou que as empresas apresentaram relatórios satisfatórios para melhorias no atendimento ao consumidor.

Necessidade de doação de leite

Os bancos de leite da região registraram queda nas doações nos últimos meses. Em SJC a redução chegou a 38% e em Taubaté segue com queda de 50%. É muito importante ajudar os bancos, já que eles atendem hospitais da região e recém-nascidos que precisam deste único alimento. Mais informações: SJC (12) 3901.3507 e Tté (12) 3621-3400.

32 | felizcidade.net

Aluguel famílias do Pinheirinho

O governo do estado renovou convênio com a Prefeitura de São José dos Campos para liberar mais seis meses de aluguel social aos exmoradores do Pinheirinho. Ao todo 1.750 famílias estão inclusas no benefício de R$ 500 mensais, desde fevereiro. O novo convênio soma R$ 3.9 milhões.

Previdência Social reajusta pagamentos

O INSS anunciou que vai reajustar o benefício de aposentados por incapacidade, invalidez, auxiliodoença ou pensão por morte. O reajuste vale a partir de janeiro/13, um impacto anual de R$ 728 milhões por ano nas contas da Previdência Social.

Bloqueio do financiamento para MRV

A Caixa Econômica Federal suspendeu a concessão de crédito para a MRV, uma das principais construtoras do programa Minha Casa Minha Vida. A medida foi necessária depois do cadastro de 118 empregados no Ministério do Trabalho, com denúncia de trabalho escravo. A MRV disse que vai resolver a questão.


felizcidade.net | 33


PENSE BEM

CRÍTICA: Quando LIGAR e quando DESLIGAR

I

nicio este artigo de forma bem humorada, citando a frase do escritor irlandês Oscar Wilde: “Nos melhores dias da arte não existiam os críticos de arte”. Normalmente lidamos mal com críticas, gostamos delas quando se refere aos outros. Geralmente temos a tendência de autoproteção e defesa, o que não é de tudo ruim, pois em muitos casos, as críticas são unilaterais e maldosas e podem nos paralisar. É muito comum ser criticado e elogiado pelas mesmas pessoas, depende da posição que você se encontra na vida, em algumas profissões isto é ainda mais evidente, como no caso dos técnicos esportivos. Veja por exemplo Jesus: no denominado, “Domingo de Ramos” Jesus foi recebido pelos judeus de Jerusalém com mantos e palmas pelas ruas da cidade; na sexta-feira da mesma semana foi acusado, preso e condenado pelo mesmo povo que preferiu soltar o criminoso Barrabás em seu lugar. Assim, com relação à crítica, não podemos absolutamente generalizar, precisamos refletir quando lidamos com este assunto e, depois devemos literalmente “desligar” ou em alguns casos, “ligar” na crítica alheia. Você precisa tratar o assunto com sabedoria e prudência, até porque como disse o músico finlandês Jean Sibelius “Não devemos dar demasiada atenção ao que os críticos dizem. Nunca foi erguida uma estátua em honra de um crítico” Para o nosso benefício pessoal e das pessoas que amamos, que estão perto de nós ou sob nossa liderança, quando devemos dar a devida atenção à crítica que recebemos ou devemos simplesmente ignorar? Vejamos, dentro outros, alguns sinais vitais para cada situação:

- Quando o crítico não conhece absolutamente nada de você; ele tem não uma crítica parcial e sim um julgamento pessoal. Você precisa discernir a situação, porque lamentavelmente muitas críticas são motivadas por questões de inveja e maledicência pessoal. Muitos críticos não são inteligentes, são pequenos e mesquinhos. - Quando o crítico é um nobre anônimo e está querendo utilizar-se de sua visibilidade e liderança para ganhar alguns minutos de exposição pública, isto acontece muito na mídia e nas redes sociais. Muito cuidado para não cair na estratégia do seu crítico, tudo que ele quer é uma manifestação sua para alimentar a discussão e sua permanência na carona da sua visibilidade. - Quando há motivações e questões financeiras e outros interesses pessoais envolvidos. Existem pessoas que usam da crítica para se chegar a outros; isto é: atacam seu opositor gratuitamente para agradar você. Muito cuidado, esta pessoa não é de confiança, não têm convicções e sim más intenções. - Quando feitas por pessoas completamente ignorantes da área de discussão em foco, na cultura popular brasileira todos tendem a serem doutores da profissão do outro. - Se desligue de críticas de fundamentalistas religiosos, puritanos xiitas que criticam simplesmente porque eles fariam diferente, não deixe ninguém lhe parar por causa de seus gostos e preferências pessoais; cuidado com o falso moralismo, Cristo foi duro com este tipo de gente em seu tempo, os chamou de “sepulcros caiados”. Só tem beleza por fora.

Carlito Paes Pastor Sênior da Primeira Igreja Batista em São José dos Campos/SP

reais e claras que fica difícil de ouvir e encarar, todavia são remédios divinos para nossa alma doente. Seguramente são as únicas pessoas que farão estas críticas, mas para o seu bem. - Quando feitas por pessoas de caráter e motivação verdadeira e podem ser que não sejam pessoas tão próximas, todavia tem integridade e imparcialidade, são pessoas reais, comprometidas com o bem comum e tem uma história de responsabilidade social. - Quando feitas por pessoas com liderança sobre sua vida: são pais, líderes espirituais, professores, patrões, gente que não tem motivação de lhe destruir e sim o ajudar. Dê atenção e honre estas pessoas. - Quando feitas por especialistas nas áreas onde você está errando. Você não sabe tudo e uma virtude realmente aliada em nossa vida é a humildade para saber que nunca dominamos tudo e que, sempre precisamos de coração aprendiz para continuar crescendo. Decida a quem você vai dar ouvido em sua única vida. O escritor cristão norte-americano Rick Warren escreveu em seu livro Uma Vida com Propósitos: Sinais para se desligar das críticas “Eu não sei o segredo do sucesso, mas a - Quando o crítico está claramente ledo fracasso é tentar agradar a todas as vando a situação para o pessoal. Isto é: Sinais para se ligar a críticas pessoas.” Ouça as pessoas que amam a quando está ressentido e amargurado - Quando são feitas por pessoas que amam Deus e amam você; estes ao invés de com você por causa de alguma situação você; geralmente da sua família ou de críticas preferem aconselhar, ouça-os! do passado. círculos pessoais de amizade. São tão Pense bem nisto!


Revista FelizCidade - Ed. 31 - Solidariedade Internacional  

Revista FelizCidade - Ed. 31 - Solidariedade Internacional - Joseenses se unem para ajudar crianças nos países mais pobres das Américas