Page 1

petpop revista

ano 01 • edição 02 • nov|2013

ribeirão

Raça do mês Conheça um pouco mais sobre Yorkshire Terrier

Diz aí, Doutor Vet Saiba o que pode estar acontecendo quando seu cão manca com a pata traseira

Petpop Crystal, atração nas provas de agility na cidade

Social Pet Cobertura dos eventos pet em Ribeirão e região

Turismo Pet Saiba mais sobre a documentação necessária para viajar com seu pet.

AdotePet

Companheirismo

Os animaizinhos que precisam de um lar com amor e carinho

A relação de respeito com o pet em todos os momentos


Expediente

Editorial

Diretor e Editor Luis Inácio do Amaral Galvez Jornalista Responsável Márcia Rosseto Mtb: 21.701.90-45-SP Consultora de Conteúdo e Revisão Patrícia Teixeira de Almeida Fotografia Shutterstock Foto de Capa Ivete Freitas Projeto Gráfico e Editoração Krearis Editorial

Mais uma edição finalizada, impressa e entregue.

CNPJ 18.861.145/0001-42

Tiragem: 5.000 exemplares Impressão e Acabamento Brussegraf Fale conosco Pelo Facebook: RevistaPetpop Pelo Twitter: @revistapetpop Por e-mail: revistapetpop@gmail.com Faça o download da revista pelo ISSUU através do link: www.issuu.com/revistapetpop Anuncie Para anunciar na Revista Petpop Ribeirão ligue para (16) 98161-8048 ou (16) 99131-9339 ou se preferir envie um e-mail para revistapetpop@gmail.com A Revista PetPop Ribeirão é uma publicação mensal de Krearis Editorial, e é distribuída gratuitamente em Pet Shops, Clínicas Veterinárias, eventos e lugares de gande circulação de pessoas em Ribeirão Preto. Não nos responsabilizamos pelos conceitos emitidos nos artigos assinados ou por qualquer conteúdo publicitário e comercial, sendo estes de inteira responsabilidade dos anunciantes. Reservamos-nos o direito de não publicar qualquer conteudo não condizente com a linha editorial definida. Ninguém além de seu editor tem autorização pra falar em nome da Revista PetPop Ribeirão. É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem autorização escrita do editor. © 2013 Krearis Editorial. Todos direitos reservados.

Fiquei extremamente feliz com o resultado da primeira edição da revista Petpop. Todos gostaram do projeto, e um dos elogios que mais ouvi, foi sobre a quantidade e qualidade do conteúdo. Esse feedback é importante para sabermos onde estamos acertando e onde estamos errando, melhorando sempre para transformar a Petpop em uma publicação de referência no setor pet. Muito ainda precisa ser feito até que essa meta seja alcançada, mas tenho certeza de que estamos caminhando na direção certa para conseguir. Gostaria de agradecer à todos que direta, ou indiretamente, estão ajudando a revista a caminhar. Nesta edição, contamos com a colaboração do Dr. Marcelo Henrique que nos informa um pouco mais sobre a claudificação das patas traseiras e o que devemos fazer para evitar. Já no Manual do Pet Viajante publicamos tudo o que você precisa saber sobre a documentação exigida para transporte de animais tanto em viagens nacionais, quanto internacionais. Na Raça do Mês você conhecerá um pouco mais sobre o Yorkshire Terrier, suas principais características, e os cuidados que devem ter para que esse animalzinho conviva bem em família. E pensando no assunto “viver bem”, divulgamos na seção Adote Pet, os animais que estão esperando para serem adotados, neste mês a ONG escolhida foi a Focinhos S.A., e gostaria também destacar o excelente trabalho fotográfico realizado. Falando em trabalho fotográfico, temos nesta edição a primeira foto de capa tirada por uma profissional. Numa sessão fotográfica em seu estúdio, Ivete Freitas fez as fotos da cadelinha Crystal para a capa e para o perfil do Petpop do Mês. Essa é uma importante melhoria no sentido de trazer mais profissionalismo para revista. Por último, e não menos importante, fizemos a cobertura de três eventos pet: a Cãominhada da OAB que teve como objetivo divulgar o trabalho da Comissão de Defesa e Direito dos Animais, fomos a um desfile de pets no condomínio Vida Plena e também em uma interessante palestra sobre comportamento animal realizada pelo zootecnista Alexandre Rossi e sua ajudante Estopinha. Espero que desfrutem de momentos agradáveis lendo mais essa edição da Revista Petpop.

Diretor e Editor


VETE Freitas Fotógrafa de Pet s

ivete.freitas@uol.com.br

www.movimentosdasartes.comm.br

Fones: 16 3911.4632 16 9214.9165

offset e digital

offset • folhetos • catálogos • revistas • folders • malas-direta • agendas • cartões de visita • calendários • embalagens

digital

A parceria que você precisava para fazer de seu negócio um caso de sucesso

• impressão colorida 31x44 cm • mini banner 297x1200 cm • cartazes • convites de casamento • lembrancinhas • apostilas • cardápios • adesivos papel • santinhos • encadernações (capa dura, plástica ou papel, espiral e wire-o)

promoção especial isita

Cartão de v

0g • couchê 30 • 8,5 x 4,5cm /V F iz rn F/V • ve • impressão /V F fosca • laminação ondado d re ar o • cant ades e: 1.000 unid • quantidad

R$ 150,00 • arte final não inclusa • prazo a combinar

Rua Paranapanema, 1327 Monte Alegre - Rib. Preto 3963-1621 | 3442-3595 3442-3597


Índice

05

Diz aí, Doutor Vet

07

Companheirismo

08

Turismo Pet

O que acontece quando cães mancam com a pata traseira

O sentimentos de carinho e respeito pelo seu pet

Manual do Pet Viajante 02 Informações sobre a documentação para viagem

10

Raça do mês

11

AdotePet

12

Social Pet

15

PetPop do mês

Yorkshire terrier

Veja os animaizinhos que estão querendo encontrar um novo lar.

Cãominhadas, desfiles e uma palestra com Dr. Pet

Crystal, adestrada e praticante de agility


Diz aí, Doutor Vet Meu cão está mancando a pata de trás Por Marcelo Henrique de Oliveira

A claudicação do membro posterior pode se dar por vários motivos, sejam eles por alterações ósseas ou nos tecidos moles que envolvem músculos, tendões e ligamentos ou até mesmo por alteração no controle dos nervos. Quando um animal leva um escorregão e fica mancando a pata de trás, e essa claudicação dura somente um dia, tudo bem. Mas quando o problema persiste por mais de um ou dois dias, significa que há algo errado, ou o problema é um pouco maior. Um veterinário deve ser procurado para um exame mais detalhado, para que possa ser corretamente diagnosticado. O problema pode ser desde uma simples distensão muscular até uma alteração mais grave como a ruptura de um dos ligamentos do joelho. A ruptura deste ligamento é uma das causas mais comuns de claudicação dos membros anteriores. O ligamento rompe e como consequência gera uma grande instabilidade no joelho. Essa instabilidade, quando o animal pisa, é muito dolorosa, por isso é que ele “manca”. Essa ruptura do ligamento ocorre normalmente quando o animal faz um esforço muito grande com uma das patas ou quando leva uma queda, principalmente quando o animal é obeso ou se já tem algum processo degenerativo na articulação. Por esse motivo, o tratamento da ruptura vem sendo estudado há muitos anos. As técnicas cirúrgicas tradicionais visam eliminar o movimento de gaveta cranial por meio da substituição do ligamento rompido. A dica é a seguinte: mantenha seu animal com o peso ideal, alimentando-o corretamente. Visite o veterinário pelo menos uma vez ao ano para as vacinas e um exame geral e nunca dê Cataflan ou Voltarem para seu cão, esses medicamentos são úteis para o ser humano, mas bastante irritativos para a mucosa gástrica dos cães.

Marcelo Henrique de Oliveira CRMV-SP 6892 Veterinário da Amigo Bicho Clínica e Cirurgia Veterinária Especialista em Ortopedia pela UNESP – Jaboticabal

06

petpop


O sentimento de amor e cuidado pelo animal de estimação Por Tatiana Junqueira

A arquiteta Thatiana Maggian Mourashima, perdeu Penélope de 14 anos, há uma semana. Segundo ela, no momento que o animal adoeceu, sua primeira iniciativa foi a de procurar um serviço de enterro ou cremação em Ribeirão Preto - SP, cidade que reside. “Assim que a Penélope ficou doente, já sabia que ela não resistiria, e não queria destiná-la ao Centro de Zoonoses ou simplesmente enterrar em um terreno. Por isso, procurei alternativas. Afinal, ela era como um membro de minha família. Foram 14 anos juntas. Ela dormia no meu quarto, sempre a levava em viagens. Os animais nos ensinam muito e eu precisava dar um fim digno a minha cachorrinha”, afirma. No dia que Penélope morreu, Thatiana optou pelo serviço de cremação. “Eu descobri que em Ribeirão Preto havia o serviço de traslado de animais para o crematório Parque São Francisco de Assis em Campinas-SP. Eu não queria enterrá-la, pois sabendo dos riscos ambientais, decidi que a minha cachorrinha seria cremada. Fazendo o que eu gostaria que fizessem comigo, guardei as cinzas para jogá-las em um jardim, em um lugar bem bonito”, ressalta.

“A Penélope viveu com a minha família por tanto tempo. Ela era parte de nós. Não seria justo eu simplesmente enterrá-la em qualquer lugar. Não faríamos isso com outra pessoa. Ela tinha que receber o mesmo tratamento que nós. Quando optei pela cremação, tive a sensação de missão cumprida. Acompanhei o processo e saí satisfeita com o serviço. Foi o melhor a ser feito”, completa Thatiana. A preocupação da arquiteta é comum a milhares de pessoas no mundo. Mas o que fazer com o animal na hora da despedida? Hoje, no Brasil, há serviços particulares de cremação e enterros de animais, tornando-se uma alternativa simples para quem não gostaria de destinar seu animal, parte do amor de sua família, a um aterro sanitário. O amor vai muito além!

desde ração à manicure especializada, terapias e lojas sofisticadas vendendo bombons e jóias, o mercado movimenta R$ 12,5 bilhões por ano no país, com um custo médio de R$ 400,00 mensais em cuidados com eles. Dados que comprovam a dedicação e amor aos animais de estimação como membros da família. Segundo informações da APPMA, nos últimos 10 anos, em países desenvolvidos como os EUA, a indústria de produtos e serviços pets teve um aumento de 100%, sendo que deste montante, 10 %, deve-se a um novo segmento, tais como crematórios e funerárias que também incluem velórios e objetos de memorização como urnas e placas. Um final digno que seu animal tanto merece!

O mercado de Pets Estima-se, que hoje existam 101 milhões de animais domésticos no Brasil, movimentando um dos mercados mais crescentes. Centenas de produtos e serviços mostram o quanto a relação do homem com os animais é amor:

Tatiana Junqueira Jornalista - MTB - 66365 tatianajunqueira.assessoria@gmail.com


Turismo Pet Manual do Pet Viajante • parte 02 Informações sobre o que fazer com seu pet ao viajar Por Turismo 4 patas Uma série de documentos são necessários quando vamos viajar como nosso pet, tanto em destinos nacionais quanto internacionais. Saiba mais sobre quais são esses documentos e programe seu passeio.

A primeira documentação a ser providenciada é a carteira de Vacinação devidamente regularizada e assinada pelo seu Veterinário. Dê especial atenção à vacinação anti-rábica pois ela é indispensável para viagens de qualquer esfera. A vacina é exigida para animais acima de 90 dias de idade, deverá ter sido aplicada pelo menos 30 dias antes da data da viagem, no caso da primeira dose, e é válida por um ano. Se a aventura for em alguma cidade do Brasil, segundo a Instrução Normativa nº 18, de 18 de Julho de 2006, estabelecida pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, os cães e gatos, não sendo consideradas espécies de peculiar interesse do estado, ficam dispensados da exigência da GTA (Guia de Trânsito Animal); devemos apresentar apenas um “Atestado de Saúde” ou “Certificado Sanitário” emitido por médico veterinário devidamente registrado no Conselho Regional de Medicina veterinária da Unidade Federativa de origem do animal e contendo as seguintes informações: raça, nome e origem do animal (informações do Pedigree se houver); estado geral de saúde; nome do proprietário (qualificação completa) e destaque para a comprovação de imunização anti-rábica. Agora, se o passeio ultrapassa as fronteiras do nosso país, devemos apresentar o (CZI) Certificado

08

petpop

Zoosanitário Internacional, emitido gratuitamente pelo Ministério da Agricultura, nos aeroportos internacionais ou na sede do Ministério da Agricultura de cada Estado. Veja um modelo de Formulário do Certificado Zoosanitário Internacional (CZI) no site Turismo 4 Patas. Para obter o CZI, é preciso realizar uma consulta com o médico veterinário do Ministério da Agricultura localizado no Aeroporto Internacional ou na sede do Ministério, mais próximo da sua casa. Em alguns estados, é possível agendar a consulta, por telefone ou pessoalmente. Mas, na maioria dos locais, o atendimento é feito por ordem de chegada. No processo de obtenção do CZI, é necessário apresentar o “Atestado de Saúde” ou “Certificado Sanitário” emitido por médico veterinário (com validade máxima de 03 dias) e atestado de vacinação, com especial atenção à vacina anti-rábica segundo critérios citados acima. A validade média do CZI para transportes aéreos é de dez dias, mas esse prazo pode variar de acordo com o destino da viagem. Por exemplo, para a América Latina são 7 dias, EUA são 10 dias e União Européia são 4 meses. No caso de transporte marítimo ou rodoviário, a validade do certificado será estabelecida tendo em vista o tempo estimado da viagem. Ainda em caso de viagem internacional, verifique se seu pet atende à todas as normas vigentes exigidas pelo Serviço de Sanidade Animal que controla e orienta as atividades da importação e exportação de animais no Brasil.


Mais informações podem ser obtidas no site do Serviço de Gestão da Vigilância Agropecuária (www.dfasp.gov.br) ou contato prévio com a VIGIAGRO (Vigilância Agropecuária Internacional). E verifique também nas embaixadas ou consulados as exigências específicas de cada país de destino para entrada de pets. Alguns destinos estabelecem regras um tanto complicadas para a entrada de pets. Se formos para a União Européia, por exemplo, o pet deve ter um microchip de identificação aplicado e fazer um teste de titulação de anticorpos da raiva em algum laboratório autorizado. Isso tudo pelo menos 90 dias antes da nossa viagem. Alguns países possuem uma legislação ainda mais rígida, como é o caso de: Reino Unido, Irlanda, Suécia, Noruega, Malta, Japão, Nova Zelândia, Austrália, Havaí (nos EUA), África do Sul, Singapura, entre outros.

Em muitos destinos, é exigido um período de quarentena para as autoridades certificarem-se que o animal não apresenta nenhuma doença. Esse período pode variar bastante de acordo com o país. E ainda existem aqueles países onde eu serei barrado de qualquer maneira, pois eles não aceitam a entrada direta de animais procedentes do Brasil. Caso o nosso destino seja um destes, é melhor conversar com um especialista ou até mesmo contratar os serviços de um Pet Despachante. Assim nos asseguramos de que farão uma boa viagem e sendo bem-vindos em seu destino.

Texto publicado por Turismo 4 Patas no site: www.turismo4patas.com.br contato@turismo4patas.com.br

LOCAÇÃO DE TOALHAS HIGIENIZADAS PARA BANHO E TOSA

Você sabia que se as toalhas não forem higienizadas adequadamente, o seu animalzinho estará exposto a vários tipos de doenças de pele, bactérias, pulgas, carrapatos e etc ? Por isso a Dry-Pet traz a você pet-shop, segurança, praticidade e economia. Nossas toalhas são higienizadas profissionalmente e embaladas uma a uma. (16) 3624•6238 www.dry-pet.com • drypet@live.com

Pet shop que usa Dry-Pet pensa no bem estar do seu animalzinho


Raça do mês Yorkshire terrier Por Guia das Raças

Aparência Geral

O Yorkshire tem uma aparência, alegre e inteligente, seu olhar é penetrante, suas orelhas são pontudinhas. Quem vê um Yorkshire pela primeira vez, pode ter a impressão de estar vendo um ‘ursinho’ de pelúcia. Apesar da aparência frágil, o Yorkshrie Terrier é um cachorro forte, compacto e bem proporcionado. Os exemplares da raça Yorkshrie terrier portam sua cabeça erguida, com uma atitude confiante e imponente. O peso de um Yorkshire adulto não ultrapassa os 7 kg, mas há muitos exemplares menores que podem pesar menos de 3 kg.

Temperamento

O Yorkshire Terrier é um cachorro que parece ignorar seu tamanho pequeno. Este pequeno terrier é altamente entusiasmado, corajoso, inteligente e louco por aventura. Muitos proprietários demoram algum tempo para aprender como lidar com sua personalidade. O Yorkshire é um companheiro maravilhoso, carinhoso com sua família, mas para que não se tornem excessivamente dominantes, é necessário ensiná-los desde pequenos. A raça Yorkshire Terrier precisa de donos que tenham pulso firme e saibam impor limites. Nunca deixe que seu Yorkshire demonstre agressividade, em nenhuma circunstância. Repreendê-lo adequadamente enquanto filhote é uma escolha muito mais acertada do que aceitar que ele mande em você e tome conta da situação.

Saúde e cuidados

Todo filhote precisa de cuidados especiais, principalmente nos primeiros meses de vida. No caso do Yorkshire, devido ao seu tamanho pequeno, é importante redobrar estes cuidados.

O Yorkshire Terrier é um cachorro que deve viver dentro de casa, prefere viver em locais de clima temperado e não gosta de frio. O Yorkshire não solta muito pelo mas, mesmo assim, a pelagem exige algum cuidado. Procure escovar os pelos do seu cachorro pelo menos duas vezes por semana. As rações mais indicadas para os cachorros da raça Yorkshire Terrier são, preferencialmente, as de linha super-premium. Oferecer uma ração de boa qualidade é muito importante para manter os cães da raça Yorkshire com boa saúde, ajudando até mesmo na prevenção de doenças. Lembre-se que apesar de ser uma ótima raça para criar em ambientes com menos espaço, como aparatamentos, o Yorkshire é muito ativo e precisa de exercícios, brincadeiras e passeios diários.

Texto publicado por Guia das Raças no site: www.guiaderacas.com.br

10

petpop


AdotePet Aqui, publicamos as fotos dos animais que estão para adoção por meio da ONG Focinhos SA. Os interessados podem entrar em contato atravéz dos contatos abaixo.

Bigode: idade - 1 ano e meio. Muito carinhoso, ativo e brincalhão. Adora brincar com outros gatos e convive bem com cachorros.

Calvin: idade - 1 ano. Carinhoso e brincalhão, aprende truques com facilidade. Porte pequeno a médio.

Lila: idade - 2 anos. Muito brincalhona e se dá bem com cachorros machos. É uma ótima companhia para caminhadas e corridas. Porte médio a grande.

Leão: idade - 2 anos. Bastante calmo, carinhoso e amigo. Porte médio.

Paquita: idade - 3 anos. Muito alegre, carinhosa e companheira. Porte médio.

Drica: idade - 4 anos. Alegre e companheira, se dá bem apenas com cachorros machos. Porte médio.

Fotos: Melissa Bosi

Mamma e Mia: adoção conjunta. Mãe e filha resgatadas juntas, são inseparáveis. Mamma tem 8 anos e Mia tem 3 anos. Super dóceis e carinhosas. Porte pequeno.

Theo: idade - 2 anos. Tranquilo e amoroso, convive bem com outros cachorros. Porte médio.

Serena: idade - 2 anos. Bastante alegre, brincalhona e carinhosa. Se dá muito bem com outros cachorros. Porte médio/grande.

Lis: idade - 1 ano e meio. Alegre e cheia de energia, se dá bem com cachorros machos. Porte pequeno.

www.facebook.com/focinhos.sa

petpop 11


SocialPet Cãominhada OAB Na “Semana dos Animais” dois importantes eventos, foram promovidos pela 12ª Subseção da OAB/SP organizada pela CDDA (Comissão de Defesa e Direito dos Animais). No dia 03 de outubro, uma importante discussão sobre a utilização de carroças de tração animal e suas consequências, bem como uma análise da questão social dos envolvidos, a criação irregular de animais de grande porte na cidade, e outros temas. Já no dia 06 de outubro, como encerramento dessa semana, aconteceu a 1ª Cãominhada da OAB. O evento começou com um delicioso café da manhã para 150 participantes, seguido por um passeio nos arredores da OAB no bairro Jardim São Luiz, finalizando com sorteio de brindes. Participaram e apoiaram o evento a ONG Cãopaixão, Focinhos SA, representantes da Farmina, do Cemitério e Crematório de Animais Parque São Francisco de Assis, Ribsilk e SAM’s Club.

Abertura do evento com os organizadores da OAB

Trecho da caminhada na subida da Rua Jarbas Vieira de Souza.

Café da manhã oferecido aos participantes

Sérgio e Isabela com Boris, um Pastor de Shetland

Alexandre com o pug Tufi

Samantha e Eduardo com seus pets, Filó e Bartô.

Participantes do evento antes da Cãominhada

12

petpop

Glauco com Bella, Pastor de Shetland


SocialPet Vida Plena Pet No dia 13 de outubro a Revista Petpop esteve no desfile realizado no condomínio Vida Plena. O evento foi organizado pelos próprios condôminos, e teve como objetivo a socialização dos moradores que tem um pet no apartamento. Para abrir o evento, uma palestra foi dada para informar sobre que práticas devem ser adotadas para que os pets possam conviver bem com os demais moradores. No decorrer da manhã, houve uma apresentação de agility, com Danilo e a border collie Crystal, um delicioso café da manhã foi proporcionado pela organização do evento, seguido por um sorteio de brindes e o desfile de cães. Tivemos até, a participação de um coelho e uma calopsita.

Organizadores e patrocinadores do evento

Palestra sobre práticas de boa convivência entre pets e moradores

O evento teve o apoio e patrocínio da ração Premiatta, o petshop Dog’s Fashion, o Canil Cãofiel, elevadores Otis e padaria Santa Mônica. Café da manhã para os donos de pets

Mascote Chérie e sua amiguinha Luna assistindo o desfile

Café da manhã para os pets

Orientações sobre comportamento

Participantes de uma das etapas do desfile

Espaço onde foi feito o desfile Participantes assistindo a demonstração de agility

Demonstação de adestramento com um cachorro nunca adestrado antes

Demonstação de adestrameto

petpop 13


SocialPet Palestra Dr. Pet No sábado, dia 19 de outubro, a revista Petpop esteve em mais um evento. Desta vez, fomos à palestra de Alexandre Rossi, o Dr. Pet, zootecnista, apresentador de TV e especialista em comportamento animal. Rossi também está à frente do CãoCidadão, uma franquia que reune adestradores com o objetivo de adaptar um cachorro à vida em sociedade, promovendo maior qualidade de vida ao animal. Também estava presente, Estopinha, a simpática cadelinha que o ajuda em suas demonstranções.

Rossi e Estopinha, especialmente para a Revista Petpop

Segundo Rossi, a base do adestramento está em recompensar o cão ante um comportamento positivo e frustar as tentativas quando esta não for adequada. Muitos cachorros latem pedindo comida quando os donos vão a mesa, e o que normalmente ocorre, é que o dono cede aos latidos e dá a comida, reforçando o comportamento errado do cão. O correto é ter paciência e ignorar, para que o cão veja que não terá nenhuma comida latindo, mas antes que esse comportamento se extingua, o cão intensificará a latida, e é neste momento que devemos ter paciência e não ceder. Essa lógica serve para quase tudo quando se trata de adestramento. Outro ponto focado, foi na necessidade que um cão tem de se exercitar. Um lobo gasta 70% do seu tempo caçando alimento, e um cachorro, por carregar esse comportamento instintivo, também tem essa necessidade, e como não se movimentam para caçar, acumulam essa energia e a consome de forma errada, correndo pela casa, roendo os móveis, chinelos e outros. A solução está em aumentar a atividade física do pet saindo para passear, escondendo a comida para que ele possa procurar ou colocando dentro de Konggs de borracha.

Rossi durante a palestra

Rossi e Estopinha em demonstração de adestramento

Muitas outras informações foram passadas, como a preferência do cão de ficar onde tem mais cheiro do dono, a necessidade de deixar o lugar onde urinam e defecam sempre limpos, além da demonstração prática de como proceder para ensinar ao cão como ele deve se portar. O evento ocorreu no cinema da Loja 02 do Supermercado Savegnago em Sertãozinho e foi organizado pela equipe da Purina, marca de produtos alimentícios pet da Nestlé.

Estopinha, ajudante nas demonstração e atração principal da palestra

14

petpop

Rossi com a Revista Petpop


PetPop do mês Nome: Crystal Canil Cão Fiel

Raça: Border Collie

Idade: 3 anos

Hobbie: Praticar agility

Manias engraçadas: Gosto de pular na piscina para me refrescar

Comida Preferida Adoro comer ração e ossinhos

Dica de beleza Para manter meus pêlos sempre brilhantes, tomo banho uma vez por semana

Palavras finais:

Fotos: Ivete Freitas

Amo meus donos porque eles me dão o carinho que preciso e eles me amam porque estou sempre ao lado deles. Adoro brincar, treinar, fazer shows e praticar agility. Fico muito mais feliz quando durante meus shows a galerinha me aplaude. Sempre quando meu dono marca um evento pra fazer, eu já pressinto e fico anciosa para ir.

Danilo Barato junto com a Crystal, seu filho Denner e sua esposa Patrícia.

petpop 15


13 anos de bons serviços ao mercado pet

• logística adequada com 13 anos de duros testes • visitas técnicas com os melhores profissionais do mercado • as melhores marcas do segmento • treinamento e aperfeiçoamento de parceiros • assessoria em marketing e desenvolvimento • garantia e segurança de produtos e de transações comerciais

Revista petpop edição 02 nov2013  

Sobre A Revista PetPop Ribeirão é uma publicação de distribuição gratuita com 5.000 exemplares para todos aqueles que tem animais de estimaç...