Page 25

Ilustrar alguns momentos da missa das dez horas tem um objetivo, evangelizar os pequenos, mas também conquistá-los para continuarem na caminhada de Deus. Por esse motivo existe uma grande necessidade de que “a cada semana a mensagem seja passada de uma forma muito gostosa”, reforça o Padre Bernardo. Ele ainda lembra o carinho retribuído pelas crianças após a Celebração. “Depois das missas elas fazem questão de cumprimentar o padre, as personagens ou os fantoches que ajudam na Celebração”. O querer estar perto do sacerdote lembra a citação bíblica: “Deixai vir a mim as criancinhas e não as empeçais, porque o Reino de Deus é daqueles que se parecem com elas.” (Lc 18,16) Hoje a tecnologia, em sua diversidade, faz-se presente na vida de cada um, que por sua vez conquista facilmente também o mundo infantil, seja com o vídeo game, celular ou internet. Os slides com as músicas e as orações também são um diferencial nessa missa. É a tecnologia a favor da Evangelização. Com o uso de letras coloridas e "gifs animados", os olhares se fixam no telão e na ludicidade e a evangelização acontece. “Nós, com fantoches, com pessoas fantasiadas, vestidas de santo, anjos, freiras ou palhaços, com slides animados, ainda cativamos as crianças para virem à nossa Celebração”, garante o padre. Ele também relata que a ideia de evangelizar com ilustração dá certo pelo fato das crianças serem simples no brincar e agir. Sendo assim, se a mensagem for transmitida na linguagem delas e com a mesma simplicidade dos pequeninos, é possível chegar ao coração de cada uma, o grande amor de Deus. A liturgia e a diversidade inclusiva Na missa das dez, a Paróquia Espírito Santo tem o privilégio de contar com a liturgia inclusiva, a partir da colaboração do Grupo Vem Ser Feliz, que tem por função trabalhar com crianças especiais, acolhê-las e inseri-las, se quiserem, em alguma pastoral adequada, evangelizando na diversidade. Na Celebração, elas estão presentes, seja para participarem ou para atuarem em teatros e na iturgia, em parceria com a Catequese. “Elas sempre estão entre nós, e dentro do possível

acolhemos a todos”, enfatiza o sacerdote. Outro grupo que em parceria com a Catequese participa e atua na Celebração, são os irmãos da Pastoral dos Surdos. Pessoas especializadas na linguagem de sinais traduzem a missa do início ao fim, inclusive a homilia e/ou teatro, para que possam participar tranquilamente da Santa Missa, bem como explicam à comunidade o que eles fazem quando participam nos momentos da liturgia. “Ë gratificante ver e sentir o amor e a presença de Cristo em cada palavra, em cada gesto, em cada olhar”, destaque o padre. O primeiro passo deve acontecer em casa Evangelizar é uma atitude que deve ser iniciada em casa pelos pais ou responsáveis pela criança. Dessa maneira, elas se desenvolvem conhecendo as práticas, regras e histórias da Igreja. “É preciso conduzir pela mão e despertar a paixão a Jesus Cristo e à sua Igreja. O primeiro catequizar e evangelizar deve e tem que ocorrer em casa, com a família. Quem deve ensinar aos filhos o Sinal da Cruz, o Pai Nosso e a Ave Maria são os pais. A criança guarda na memória tudo o que lhe é ensinado”, afirma Padre Bernardo. Após a missa, é responsabilidade da família continuar uma vida de fé. “De nada adianta os responsáveis levarem o filho para a Igreja, e depois buscá-lo. Se os pais participam com a criança, em algum momento da semana ela vai conversar sobre a missa, sobre alguma coisa que aconteceu com as personagens, vai perguntar algo que tenha acontecido na Celebração. Isso faz com que as crianças se aproximem de Deus e queiram viver conforme a vontade de Dele. Precisamos buscar Jesus Cristo em FAMÍLIA”, alerta o padre. A Pastoral da Catequese e o Coral Encanto estão sempre disponíveis para acolher as crianças. Venha, traga seu filho para cantar, para participar do teatro e, principalmente, da Santa Missa que acontece todos os domingos, às dez horas, na Paróquia Espírito Santo. Padre Bernardo conclui. “Será motivo de prazer e de imensa alegria, a sua presença e de sua família em nossa missa, em nossa comunidade”.

Ed. 02 - Abril 2013  
Ed. 02 - Abril 2013  

Revista edição 02

Advertisement