Page 46

ESPECIAL HIPISMO

Talento e treinamento

considerar o valor de um animal com nível olímpico (cerca de U$ 1,5 milhão). Nesse sentido, segundo afirma, o aprimoramento da raça ‘Brasileiro de Hipismo’ (BH), um cavalo de salto desenvolvido no Brasil, tornou o esporte mais acessível e motivou um desenvolvimento do esporte nos últimos anos. Esse avanço pode ser medido a partir do número de conjuntos que participam das provas organizadas. “Em provas fortes, com saltos de 1,5 m, por exemplo, já conseguimos

“O Além do dom para o esporte, acesso a cavalos competitivos e provas com elevado nível técnico qualificam competidores

46

|

registrar 50 conjuntos, e em provas de 1,35 a hipismo brasileiro disputa em igualdade

1,40 – que chamamos de provas intermediári-

de condições, com equipes da América

as – temos que limitar o número de competi-

Latina, e quando se fala na América do

dores, devido à grande procura”, diz.

Sul, temos supremacia em praticamen-

Apesar de um intenso calendário nas

te todas as categorias. Temos talentos, ex-

provas destinadas às categorias de base, ain-

celentes resultados em provas de até 1,45

da há uma carência no que diz respeito a pro-

m, mas nos falta, ainda, grandes cavalos para

vas de nível internacional, que contribuem com

as provas fortes, que começam a partir de

o aperfeiçoamento dos competidores de alta

1,50”. A afirmação de Luiz Cassettari, juiz de

performance. Cassettari explica que as provas

provas e proprietário de uma escola de hipis-

de um Concurso de Salto Internacional Oficial

mo em Florianópolis, dá uma ideia do está-

(CSIO) podem ter de uma a quatro estrelas (que

gio em que se encontra o esporte no Brasil,

classificam o nível de dificuldade que a prova

e o que pode ser considerado como um obs-

apresenta). “CSIO quatro estrelas, no Brasil, te-

táculo a se transpor.

mos apenas uma prova, que é o The Best Jump,

Em quase 40 anos trabalhando com

em Porto Alegre, que reúne competidores dos

cavalos, Cassettari acumulou uma experiên-

Estados Unidos, do Canadá e da Europa. Parti-

cia invejável tanto no que diz respeito aos ani-

cipar de uma prova assim melhora a qualifica-

mais quanto ao talento dos praticantes do

ção do atleta”, justifica. Nas principais provas,

esporte, desde os primeiros momentos em

basileiras, são trazidos armadores estrangei-

que se lançam nas competições. Segundo

ros, que agragam novidades em termos de

explica, a idade ideal para se começar a pra-

traçado nas provas, contribuindo para aumen-

ticar o esporte é perto dos sete anos, quan-

tar o nível técnico das competições.

do seus osos e musculatura já estão prepa-

Aos poucos essa especialização co-

rados para a prática. Nesta fase, o treinador

meça a dar resultados, em todas as categori-

precisa prepará-lo não apenas tecnica men-

as. Se os pequenos competidores catarinen-

te, mas também emocionalmente para as

ses trilham um caminho de vitórias, também

competições.“Me impressiona a rapidez com

nas categorias mais avançadas o Estado co-

que esses novos talentos estão absorvendo a

meça a marcar posição. Na categoria Sênior,

técnica e conquistando resultados nas cate-

com saltos a partir de 1,45m, por exemplo,

gorias de base, mas nas categorias de alta

Santa Catarina nunca havia conseguido mon-

performance o hipismo torna-se um esporte

tar uma equipe para competir, mas em 2012

muito seletivo, e às vezes temos excelentes

a situação mudou. "Pela primeira vez conse-

competidores, que se não conseguirem um

guimos montar uma equipe, e conquistamos

patrocinador acabam ‘morrendo na praia’”,

o vice-campeonato brasileiro. Este ano

explica. De acordo com Cassettari, quando se

estamos registrando resultados muito bons

busca a profissionalização, o investimento fi-

até 1,45, e com isso nos qualificamos nova-

nanceiro é grande, e para exemplificar, basta

mente para o disputar o pódio", explica.

Novembro/Dezembro - 2013

32ª Edição - Revista O Empresário  

32ª Edição - Novembro/Dezembro 2013 - Revista O Empresário

32ª Edição - Revista O Empresário  

32ª Edição - Novembro/Dezembro 2013 - Revista O Empresário

Advertisement