Page 1

Tempo de espera Economia começa dar sinais de aquecimento, mas somente deve ganhar fôlego no último trimestre

CASE DE NEGÓCIOS

CONSTRUÇÃO CIVIL

Primo Tedesco entra na briga com players do setor de sacos industriais

Construfair/SC acontece em agosto com mais de 200 expositores 1


Terezinha Bonfanti

EDIT ORIAL EDITORIAL

Caro leitor, Andreia Thives Borges

Expediente

D

epois de um primeiro semestre de economia fraca, os bons ventos devem voltar a soprar, mas o barco ganhará força mesmo no último trimestre do ano. Essa é a avaliação de economistas, empreendedores e líderes empresariais ouvidos em nossa reportagem de capa. A razão principal, apontam, são as medidas

adotadas pelo governo federal para estimular o consumo. No entanto,

DIREÇÃO Andreia Thives Borges JORNALIST A RESPONSÁVEL JORNALISTA

há um cuidado a tomar: consumo alto, para quem não tem fôlego de endividamento, pode se transformar em inadimplência. No âmbito das finanças públicas estaduais, as contas também

Carla Pessotto - MTb 21692 - SP

não estão fechando dentro do previsto e, por isso, o governo aposta

TEXT OS TEXTOS

em corte de gastos. Esse é um dos principais assuntos tratados na

Carla Pessotto - MTb 21692 - SP

entrevista exclusiva com o secretário da Fazenda, Nelson Serpa. Da meta

Luciane Zuê - SC 00354 -JP

de R$ 100 milhões anuais em economia, porém, até agora está garantida

Mateus Boing - SC 01850 -JP DESIGN GRÁFICO

apenas a redução de R$ 30 milhões. Há ainda muito a fazer. Em todas as edições, buscamos reunir diferentes nichos de

Luciane Zuê

negócios como forma de demostrar a diversidade e a força da economia

PLANEJAMENT O EXECUTIV O PLANEJAMENTO EXECUTIVO

catarinense. Nesta não está sendo diferente. Um exemplo é o case da

Andreia Borges Publicidade Ltda

Audiolab, uma microempresa recém-criada para atuar em um mercado

COMERCIALIZAÇÃO

relativamente novo, o de sound branding, que é a gestão sonora de

Andreia Borges Publicidade Ltda

uma marca. E, ao mesmo tempo, contamos os planos de expansão da

contato@revistaoempresário.com.br

DVA, uma das maiores do Estado e que está completando 40 anos de

andreia.revista@gmail.com

uma trajetória de sucesso. A construção civil, um dos temas que sempre

Virtual Brazil

terão destaque nas nossas páginas, traz os projetos das construtoras

FONES (48) 3034 7958 / 7811 1925

Belmmen e Pedra Branca, além de mostrar as novidades que estarão na Construfair 2012.

TIRA GEM TIRAGEM 8.000 exemplares

6

Boa leitura!


índice

08 entrevista 10 capa construção civil 14 case de negócios 30 case de negócios 42 44 coluna mercado 48 saúde 54 meio ambiente 59 crônicas do cotidiano 58 gastronomia Nelson Serpa, secretário estadual da Fazenda

Economia deve apresentar reação somente no último trimestre

Belmman – Pedra Branca – Construfair 2012 – Rex Decor

Primo Tedesco inaugura nova fábrica para o nicho de sacos industriais

DVA comemora 40 anos com planos de expansão

Negócios & tendências

Prodent amplia atuação no Sul do país

Projeto Route estimula práticas voltadas à sustentabilidade

“Passa “Dunque”, seu cão purgento...”, por Mário Motta

Restaurante Bate Ponto: pratos deliciosos e bela vista da Baía Norte

7


ENTREVIST A / Nelson Serpa ENTREVISTA

“Economia fraca atrapalha finanças O governador Raimundo Colombo tem sido enfático sobre a necessidade de reduzir as despesas do Estado, estabelecendo meta de R$ 100 milhões por ano em cortes. Segundo a Casa Civil, na primeira reunião do ano de prestação de contas, ocorrida em junho, o governo verificou que, com a aplicação de quatro dos sete itens do decreto que regulamenta o pacote de corte de gastos, já está garantida uma economia de R$ 30 milhões por ano. Fazem parte do pacote, por exemplo, a redução de 20% em serviços terceirizados e 10% em aluguel de carros. Ainda de acordo com a Casa Civil, cada secretaria terá que apresentar na próxima reunião os cinco maiores contratos, mais o de tecnologia da informação, e sugerir uma meta de redução. As reuniões fazem parte do modelo de gestão estratégica, implantado em abril e que prevê otimização dos gastos públicos. O corte de gastos é uma maneira de equilibrar as contas públicas quando a arrecadação de impostos fica abaixo do esperado, como ocorreu no primeiro semestre em Santa Catarina. Para o secretário Nelson Serpa, da Fazenda, a arrecadação ficou aquém do previsto em razão do fraco desempenho da economia. Nesta entrevista exclusiva, ele aborda ainda divisão de repasses aos Poderes e a dívida pública catarinense.

O Empresário - A economia brasileira está em desaceleração (o PIB do primeiro trimestre deste ano cresceu apenas 0,2% em relação ao último trimestre de 2011). Como isso afeta as contas públicas estaduais? Nelson Serpa - A principal fonte de arrecadação do

8

Estado é o ICMS, que incide sobre a circulação de mercadorias e sobre serviços de transporte intermunicipal e interestadual e serviços de comunicação. Com a redução do ritmo de crescimento da economia, ocorre uma redução do ritmo de crescimento da arrecadação do ICMS, afetando diretamente as contas do Estado. O governador R aimundo Colombo já externou preo Raimundo preo-cupação com a queda na arrecadação do ICMS (cer (cer-ca de 5% em maio em relação ao mesmo período de 2011). Existe uma previsão sobre o desempenho do tributo até o final do ano? O que é possível fazer para incrementar essa receita? NS - O orçamento do Estado é elaborado sempre levando em conta o histórico de crescimento da arrecadação e as perspectivas futuras em relação à econo-


ENTREVIST A / Nelson Serpa ENTREVISTA

do Estado” mia. Assim, quando foi elaborado o orçamento que hoje está em execução, a situação econômica era diferente da atual. Como este ano a economia tem apresentado um crescimento aquém do esperado, a arrecadação não tem sido suficiente para fazer frente ao orçado. A previsão para este ano, levando-se em consideração as informações sobre a economia veiculadas até o momento, é de que no segundo semestre haja uma pequena melhora, mas que poderá ser insuficiente para compensar o fraco desempenho do primeiro semestre. Quanto às medidas adotadas, o Estado tem utilizado um conjunto de medidas que permitem acompanhar de perto as atividades dos contribuintes, tanto no sentido de adotar medidas de incentivo à atividade econômica, quando necessário e possível, quanto no sentido de monitorar o correto cumprimento das obrigações tributárias dos contribuintes. OE - Uma questão já levantada pela atual gestão para garantir mais recursos para investimentos é redefinir o percentual de repasse aos P oderes (Judiciário, Poderes Legislativo, Ministério Público e T ribunal de Contas). Tribunal Isso está sendo discutido? Estará na L ei de Diretrizes Lei Orçamentárias (LDO) a ser votada no final do ano pela Assembleia? NS - Com referência à participação percentual dos Poderes na Receita Líquida Disponível, está previsto no projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2013, em tramitação na Assembleia Legislativa, a aplicação de um redutor de 2,65% na participação de cada poder e órgão. Este redutor deverá ser objeto de negociação do governador com os poderes. OE - A unificação do ICMS sobre produtos importados trará uma perda de cerca de R$ 1 bilhão para SC em 2013. Como o governo do Estado pretende atuar para substituir essa receita? NS - A minimização do impacto da unificação do ICMS

Secretário da Fazenda espera melhora para segundo semestre e aposta no corte de gastos

na receita poderá ser efetivada reduzindo despesas e construindo um novo modelo tributário que possa manter os negócios em Santa Catarina. Este novo modelo está sendo discutido com os empresários do setor e com as representações de classe. OE - Outro problema enfrentado por Santa Catarina é o montante da dívida pública, que fechou 2011 em R$ 9,9 bilhões. Qual o valor atual? Qual é a proposta catarinense e como está o processo de renegociação junto ao governo federal? NS - O saldo (atualizado até abril) está em R$ 9,807 bilhões. Os Estados estão tentando renegociar os encargos da dívida com o Governo Federal. Em 1997, quando os valores foram contratados, predominava uma cultura inflacionária no país. Na época, juros de 6% ao ano mais IGP-DI eram condições favoráveis. Hoje, com a realidade atual do mercado, as taxas incidentes devem ser reduzidas. Os Estados pleiteiam a redução de 6% para 2%. Além da redução da taxa de juros para a realidade atual, é necessário estabelecer um índice de correção que seja mais benéfico para os Estados. Assim, a utilização do IPCA ou o IGP-DI, o que for menor, poderá por fim às angústias e demandas dos Estados em relação a esse assunto. A situação requer a mobilização de todos os governadores e o empenho das bancadas estaduais junto ao Congresso Nacional para que se encontre um critério de atualização dessas dívidas que não penalize tanto as finanças dos entes federados. Essa medida deve vir acompanhada de um redutor do repasse mensal, que hoje é de 13%, para pagamento da dívida.

9


CAP A CAPA

Tempo de

espera

Mercado sinaliza otimismo em relação às medidas federais para superar fraco desempenho da economia, mas resultados concretos devem aparecer somente no quarto trimestre

O

fraco desempenho da economia bra-

gentes Lojistas (FCDL) apos-

sileira e o agravamento da crise

tam num segundo semes-

europeia no primeiro semestre acen-

tre de recuperação. “O va-

deram o sinal amarelo no governo federal,

rejo começou muito mal

Sérgio Medeiros

que anunciou investimentos públicos e to-

o ano”, diz o presiden-

Presidente da FCDL

mou medidas para estimular o consumo in-

te da FCDL/SC, Sergio

terno (veja quadro na próxima pági-

Medeiros. De janeiro

na). Segundo economistas, entida-

a abril, houve queda de 2% no número de

des de classe e analistas de merca-

consultas ao Serviço de Proteção ao Crédi-

do, os resultados irão aparecer ape-

to (SPC), processo realizado no ato da com-

nas no último trimestre do ano, mas

pra por 33 mil lojistas vinculados ao siste-

a estratégia já tem funcionado no

ma e que indica o nível de atividade no se-

sentido de criar um clima de otimis-

tor. “No segundo semestre, devemos ter

mo, ainda que moderado, na indús-

crescimento de cerca de 6%, fechando o

tria e no comércio. No entanto, se há

ano com 4,5%”, prevê ele, baseado no fato

consenso que as medidas darão fô-

que o comércio está com melhores preços

lego ao país no curto prazo, especia-

e condições de pagamento a oferecer. Con-

listas divergem quanto aos efeitos

firmando-se a estimativa, o segmento man-

que trará num período de tempo mais

terá a tradição histórica de ficar acima do

longo.

Produto Interno Bruto (PIB), que deve cres-

10

Em Santa Catarina, tanto a Fe-

cer 2,5% neste ano, de acordo com relató-

deração das Indústrias (Fiesc) quan-

rio do Banco Central divulgado no fim de

to a Federação das Câmaras de Diri-

junho.


CAP A CAPA

Barreiras protecionistas agravam situação da indústria Na indústria catarinense, a situação

Para Quaresma, as preocupações se

econômica atual não é boa, diz o diretor de

voltam às barreiras protecionistas de alguns

Relações Industriais e Institucionais da

países, principalmente da Argentina, ao grau

Fiesc, Henry Quaresma, mas as expectati-

de endividamento da população brasileira,

vas são otimistas. “De

aos custos de produção, à falta de fiscaliza-

acordo com o Índice de

ção sobre os importados e à escassez de

Confiança do Empresário

trabalhadores qualificados. Ele defende que

Industrial Catarinense de ju-

a saída para a indústria frente a esses pro-

nho, as perspectivas são positi-

blemas é buscar a inovação, diferenciando

vas para os próximos seis meses.

os produtos, e atrair novos parceiros comer-

A prorrogação da redução do Impos-

ciais, ampliando a carteira de clientes e for-

to sobre Produtos Industrializados (IPI)

Foto: Guilherme Ternes/Fiesc

necedores.

dará maior dinamismo ao segmen-

Embora considere boas as medidas

to de máquinas e equi-

adotadas pelo governo, Quaresma sinali-

pamentos de Santa

za que é “preciso ajustar os principais en-

Catarina, cuja linha

traves da economia brasileira, principal-

branca é repre-

mente no que diz respeito aos custos para

sentativa. Tam-

se produzir no país, incluindo-se aí ener-

bém impactará

gia elétrica e as despesas trabalhistas”.

Henry Quaresma

no de autopeças

Em relação ao emprego, ele ressalta que

Diretor de R elações Relações

tanto no segmen-

houve aumento de vagas em Santa

Institucionais da F iesc Fiesc

metalúrgico

Catarina até maio, com alta de 3% no ge-

quanto no de plástico

ral e de 4% na indústria da transforma-

e de móveis. A redução

ção. O crescimento do agronegócio e

de juros estimula o crédito no

eventos esportivos como a Copa de 2014

geral, aquecendo o consumo, e a

e as Olimpíadas de 2016 também geram

alta na cotação do dólar dá um ânimo

expectativas positivas, segundo Quares-

to

maior aos exportadores”, diz.

ma. (MB)

Segundo Medeiros, 2012 tem sido

rados apresentaram resultados superio-

um ano atípico em relação ao comporta-

res às expectativas da Federação. Tive-

mento do consumidor. “O cliente está se

mos crescimento de 5% nas datas pro-

segurando, esperando que os preços re-

mocionais. Não lembro de ter visto com-

duzam ainda mais”, afirma, acrescentan-

portamento igual nos últimos anos”, des-

do que esse consumo reprimido está sen-

taca.

do extravasado nas datas comemorativas. “Dia das Mães, Páscoa e Dia dos Namo-

Reportagem: Mateus Boing

11


CAP A CAPA

SAIBA MAIS

PROJEÇÕES PARA 2012

1º de dezembro de 2011 Anunciada redução da alíquota do IPI para produtos da linha branca e móveis (até o fechamento desta edição, a tendência era que a redução seria mais uma vez prorrogada, como já havia ocorrido em março).

Inflação

4,7%

PIB

2,5%

Fonte: Banco Central

23 de maio Publicados no Diário Oficial da União o decreto que reduz o IPI sobre automóveis e o decreto que diminui o imposto sobre Operações Financeiras (IOF) 15 de junho Anunciada criação de linha de crédito de R$ 20 bilhões para estados investirem em obras e equipamentos. 27 de junho É anunciado o PAC Equipamentos, plano de R$ 8,4 bilhões que prevê compras de máquinas e aparelhos (ambulâncias, ônibus, retroescavadeiras, tratores, tomógrafos, etc.) para mais de mil municípios, com preferência para fabricantes nacionais. Anunciada também a redução da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) de 6% para 5,5%.

EVOLUÇÃO DO DÓLAR EM 2012 (EM REAIS)*

JANEIRO

1,739

FEVEREIRO

1,709

MARÇO

1,822

ABRIL

1,892

MAIO

2,022

Fonte: F iesc Fiesc * No dia 15 de maio, o dólar chegou a R$ 2, patamar que não atingia desde 10 de julho de 2009.

EVOLUÇÃO TRIMESTRAL DO PIB

2010

2011

2012

1º trimestre 2º trimestre 3º trimestre

2.7% 1,6% 0,4%

4º trimestre

1,1%

1º trimestre 2º trimestre 3º trimestre

0.6% 0,5% 0,1%

4º trimestre

0,3%

1º T rimestre Trimestre 2º trimestre

0,2% a ser divulgado dia 31 de agosto

FONTE FONTE:: IBGE

12


CAP A CAPA

Estímulo ao consumo interno é saída para crise no exterior Para economistas, é preciso ter cuidado com o endividamento e inadimplência

E

tos estrangeiros. “O governo deveria estar aproveitando a crise internacional para atrair capitais que poderiam ser investidos em saúde, educação, pleno emprego. Mas se relaciona mal com o mundo e causa antipatia no mercado externo, com prejuízo ao investimento de longo prazo”.

stimular o consumo com o objetivo de aquecer a economia e assim evi-

PréSal ré-Sal

tar que turbulências internacionais

Já o professor de economia da Uni-

tenham forte influência no Brasil é uma es-

versidade Federal de Santa Catarina (Ufsc),

tratégia que já havia sido usada em 2008 e

Hoyêdo Nunes Lins, considera “interessan-

2009 pelo governo Lula. Para o economista

te o favorecimento fiscal ao consumo”. Ele

Celso Grisi, diretor-presidente do Instituto de

argumenta que, como a inflação não é ame-

Pesquisa Fractal, de São Paulo, esse estímulo

aça, ao estimular o consumo o governo

via consumo busca impulsionar emprego e

descarrega a produção interna, já que o

renda. “Mas não cria efeitos vigorosos por

mercado internacional está em baixa. A

causa do endividamento das famílias, que

médio prazo, o professor aposta nos divi-

estão na defensiva em relação a despesas”,

dendos que podem vir do pré-sal. “Tenho

diz. Segundo pesquisa, o percentual de fa-

muita expectativa com isso. A cadeia

mílias com dívidas subiu 1,4% em junho em

petroquímica é imensa e pode incitar diver-

relação ao mês anterior, alcançando 57,3%.

sas parcerias público-privadas”, afirma.

O economista defende que a solução

Lins faz uma ressalva, no entanto,

mais eficiente, embora mais lenta devido ao

quanto ao risco da doença holandesa, como

tempo consumido pela burocracia, é ampli-

é conhecido o fenômeno econômico em

ar os investimentos em estados e municípi-

que a exportação em enorme escala de uma

os. Isso o governo tem feito, reconhece Grisi.

única commodity, no caso o petróleo, traz

O problema, critica ele, é não criar condições

grandes volumes de moeda estrangeira e

para parcerias público-privadas. “Vivemos

valoriza a moeda local, prejudicando a ex-

um momento infeliz no plano de nossa di-

portação de outros bens. “A contrapartida

plomacia com países, governos, empresas

ambiental é outra questão a ser levada em

e investidores”, afirma. Segundo Grisi, no

conta na exploração do pré-sal. E é curioso

campo interno, o governo se indispôs com

que não se fale mais no biocombustível”,

montadoras, produtores rurais e setor ban-

diz. “Se conseguir evitar essas armadilhas,

cário, enquanto externamente, ao proceder

o país poderá usar o pré-sal para investir

intervenções nos mercados de juros e de

em outras áreas. Tenho esperança que o

câmbio, quebrou as regras do jogo, provo-

país atravesse uma quadra histórica muito

cando insegurança e afastando investimen-

boa até 2020”, completa. (MB)

Celso Grisi Diretor Diretor-- presidente do Instituto de P esquisa F ractal Pesquisa Fractal

Hoyêdo Nunes Lins

13


CONSTRUÇÃO CIVIL

Tudo de bom Residencial Grand Soleil tem diferenciais para agradar consumidores de alto padrão

A

Diretor

14

playground, academia de ginástica, home cinema, piscinas adulto e infantil e espaço gourmet – mas também alguns “mimos” personalizados, que demonstram a preo-

o falar sobre o mais novo empreen-

cupação da Belmmen com o conforto e a

dimento da Construtora Belmmen

qualidade de vida de seus clientes.

em Itajaí– o Residencial Grand Soleil

O Grand Soleil terá, também, biblio-

- Aguinaldo Lourenço da Silva, diretor da

teca, piscina aquecida com raia de 25 m

empresa na região, afirma, sem receios,

para natação, espaço mulher, salão de fes-

que esse será um marco para a constru-

tas infantil, garage band, ofurô, sauna úmi-

ção civil da cidade. “Trata-se do maior em-

da, brinquedoteca, além de pet place e pet

preendimento do gêne-

care.”Trabalhamos com projetos de vida,

ro em Itajaí, unindo o

com a realização de sonhos, e por isso pre-

que há de melhor em lo-

cisamos primar pelos nossos produtos”,

calização, qualidade e

explica Aguinaldo.

Fotos: Divulgação

Aguinaldo LLourenço ourenço da Silva

semelhante - como salão de festas,

acabamento”, afirma.

O Grand Soleil terá 192 unidades dis-

E não é exagero.

tribuídas em duas torres. Os apartamentos

Seguindo os mesmos

têm áreas de convívio social amplas e inte-

padrões de outros edifí-

gradas, com muito cuidado nos acabamen-

cios já entregues pela

tos, com piso em porcelanato e esquadrias

construtora, o Grand

da Stylo Alumínio, além de espera para split

Soleil agrega diferenciais

e hidrômetro individual, Há opções com

que buscam sintonia

três e quatro dormitórios, com uma ou duas

com uma nova realidade

suítes, respectivamente.

que se estabelece na ci-

Evidenciando a preocupação com o

dade, e têm como obje-

resultado final de seus empreendimentos,

tivo atender a um públi-

a Belmmen implementa, também, um di-

co que escolheu Itajaí para viver.

ferencial na administração das edificações.

Serão mais de 38 mil m² de área to-

“Somos uma das pouquíssimas construto-

tal, com áreas de uso comum entregues

ras que possui um engenheiro residente em

mobiliadas e decoradas, abrangendo não

cada obra, que está presente durante todo

apenas os espaços tradicionalmente exis-

o tempo”, salienta Aguinaldo, explicando

tentes em empreendimentos com padrão

que isso confere um perfeito acompanha-


CONSTRUÇÃO CIVIL

Parceria com fornecedores Um dos segredos da Belmmen para garantir o bom andamento das obras e a qualidade no acabamento de seus empreendimentos está nas parcerias firmadas com os fornecedores. “Trabalhamos sempre com empresas parceiras, que nos garantam qualidade nos materiais, respeito aos prazos e bom atendimento”, diz Aguinaldo. É o caso, por exemplo, da Stylo Alumínio, sempre presente nos empreendimentos da construtora, tanto na região de Itajaí, quanto na Grande Florianópolis, onde fica a matriz da Belmmen. “A exemplo de nossa atuação, a parceria com a Stylo não tem fronteiras, e tende a crescer”, finaliza.

SAIBA MAIS Residencial Grand Soleil

mento dos detalhes do empreendimento

Endereço: Rua Agostinho Fernandes Vieira - Bairro Fazenda – Itajaí

em cada uma das fases da construção. “Nosso lema é fazer bem para que nossos

Número de pavimentos tipo: 16

clientes sempre estejam satisfeitos”,

Número de unidades: 128 apartamentos de 3 dormitórios (uma suíte), com área de 150 a 165 m² 64 apartamentos de 4 dormitórios (duas suítes, dependência de empregada e lavabo), com área de 270 a 305 m²

complementa. ONDE ENCONTRAR www.belmmen.com.br

Preço médio: 3 dormitórios: R$ 390 mil (com 2 ou 3 vagas de garagens) 4 dormitórios: R$ 650 mil (2, 3 ou 4 vagas de garagens) Previsão de entrega: fevereiro de 2013

15


CONSTRUÇÃO CIVIL

Diferentes opções de distribuição dos ambientes internos e infraestrutura de lazer para toda a família fazem parte do Smart Residence, na Pedra Branca

C

da Pedra Branca é o acolhimento”, explica Valério Gomes, idealizador do empreendimento. Com a primeira fase de vendas totalmente comercializada no pré-lançamento, o mais recente lançamento residencial

onsiderada a cidade que mais cresce

do grupo, o Smart Residence, agrega de-

na Grande Florianópolis e dotada de

talhes que conferem conforto aos aparta-

beleza natural sem igual, Palhoça abri-

mentos e facilitam o dia a dia dos mora-

ga um empreendimento diferenciado, que

dores, como internet sem fio nas áreas de

busca oferecer praticidade e bem-estar às

lazer e um moderno sistema de janela pa-

famílias que escolhem o lugar para viver,

norâmica, que melhora a ventilação e ilu-

proporcionando a oportunidade de se ado-

minação dos ambientes.

tar um novo estilo de vida.

16

morar com qualidade de vida. “A proposta

O empreendimento é composto por

Na Cidade Sustentável Pedra Bran-

três torres – Smart 1, Smart 2 e Smart 3 -,

ca, que entra agora em sua terceira etapa

com opções de 2, 3 e 4 dormitórios, uma

de implantação, a pouca distância estão

ou duas vagas de garagem e inúmeras

edifícios residenciais, comerciais e empre-

opções de distribuição de ambientes, aten-

sariais, numa aposta de urbanismo sus-

dendo, desta forma, diferentes necessida-

tentável – onde todas as necessidades

des em relação ao espaço íntimo. São apar-

podem ser atendidas em um único espa-

tamentos adequados a um estilo de vida

ço - para tornar a vida dos moradores

moderno, no qual a palavra sustentabili-

muito mais ágil, sem perder, entretanto,

dade está sempre presente. O sistema de

as características indispensáveis para se

aquecimento de água, por exemplo, é


CONSTRUÇÃO CIVIL

SAIBAMAIS Endereço: O Smart R esidence fica na Cidade Universitária P edra Branca, em P alhoça. Residence Pedra Palhoça. Número de pavimentos: Smart 1: térreo + 11 pavimentos Smart 2: térreo + 10 pavimentos Smart 3: térreo (duplex) + 4 pavimentos Número total de unidades: 166 Metragem dos apartamentos: 2 dormitórios - 69 a 77m² 3 dormitórios - 80 a 85 m² 4 dormitórios: 109 a 111 m² Preços dos apartamentos: 2 dormitórios - a partir de R$ 265 mil 3 dormitórios - a partir de R$ 320 mil 4 dormitórios: a partir de R$ 443 mil Previsão de entrega: Julho/2015

composto por placas solares e apoio com aquecedores de gás natural, o que possibilita uma redução no custo condominial de até 30%. Com previsão de entrega para julho de 2015, o Smart Residence será integrado a um shopping a céu aberto – o Passeio Pedra Branca -, possibilitando o acesso a lojas, restaurantes, bancos e demais

res, que podem receber seus convidados

serviços. “Essa integração permite que

no espaço gourmet e lounge bar, e usu-

criar um senso de comunidade”, explica o

fruir do conforto do fitness e sauna.

arquiteto André Schmitt, um dos responsáveis pelo projeto.

Além desses espaços, o residencial possui também local apropriado para lei-

O empreendimento é dotado de

tura, praça de fogo, espelhos d’água e

infraestrutura completa para toda a famí-

horta, todos no Smart Square, e espaço

lia, com áreas divididas de acordo com os

apropriado para cuidados com animais de

interesses. Independente da idade, os

estimação. Ou seja, no Smart Residence

moradores podem usufruir do Smart Club,

tudo foi projetado para proporcionar não

onde encontram piscinas adulto e infantil

apenas as necessidades básicas, mas tam-

e spa. Os pequenos e adolescentes vão

bém confortos agregados, que garantem

se encantar com a sala de jogos, cinema,

a convivência saudável e qualidade de vida

lan house, brinquedoteca, biblioteca e

para todos os moradores.

playground que integram o Smart Play. Já no Smart Place, garantia de descontração

ONDE ENCONTRAR

e momentos agradáveis para os morado-

www.cidadepedrabranca.com.br 17


18


19


CONSTRUÇÃO CIVIL

Novidades à vista

Construfair/SC é espaço privilegiado para expositores apresentarem lançamentos e tendências

D

e 21 a 26 de agosto o Centrosul, em

implementadas pelos organizadores. Me-

Florianópolis, será palco da 19a edi-

recem destaque, por exemplo, a Expo Con-

ção do Salão do Imóvel e Construfair/

domínio e a Expo Decor Móveis, dois even-

SC, consolidado como o maior evento do

tos já agregados, com o objetivo de am-

segmento no estado, e que este ano ofe-

pliar o leque de atrações disponibilizadas

rece aos visitantes ainda mais opções para

aos visitantes.

quem deseja adquirir, construir, reformar ou

a partir de importantes parcerias firmadas

decorar um imóvel. “Se em 2011 o Salão do Imóvel já

pelo Sindicato da Indústria da Construção

contabilizou mais de 36 mil visitantes e cer-

Civil (Siinduscon-SC) e AC Feiras - respon-

ca de 200 expositores, este ano a expectati-

sáveis pela organização do Salão.

va é de números ainda mais expressivos”,

A Expo Condomínio é realizada há

afirma Antônio Carlos Troian, diretor-presiden-

três anos pelo Sindicato da Habitação de

te do AC Feiras e Eventos, organizadora do

Florianópolis/Tubarão e Jornal dos Condo-

Salão.

mínios, e tem como proposta apresentar Nos mais de 7 mil m de área desti-

as novidades do setor, em estandes nos

nada ao Salão, estarão expostos produtos

quais será possível encontrar produtos e

e serviços tradicionalmente encontrados no

serviços específicos para o segmento.

2

evento, além de uma serie de novidades

20

As duas atrações foram viabilizadas

Já na Expo Decor Móveis - promovi-


CONSTRUÇÃO CIVIL

da pelo Sindicato do Mobiliário da Grande Florianópolis (SIM), os visitantes terão contato com as novidades e tendências do segmento, e poderão negociar o mobiliário desejado diretamente com os fabricantes. ONDE ENCONTRAR www.construfairsc.com.br

SAIBA MAIS 19º Salão do Imóvel e Construfair/SC Data: de 21 a 26 de agosto de 2012 Local: CentroSul - em Florianópolis Endereço: Av. Gustavo Richard, 850 - Centro Preço: Entrada gratuita Credenciamento: O credenciamento antecipado pode ser feito através do site do evento, agilizando o acesso ao evento Horários de funcionamento: Dias 21 a 24 - das 15h às 22h Dias 25 e 26 - das 10h às 20h

21


CONSTRUÇÃO CIVIL

Tecnologia e para ganhar mercado Com reposicionamento, Rex Decor amplia portfólio e cresce 25% ao ano

Q

uando decidiram se transformar em uma empresa multimarcas na área de cortinas, persianas e toldos, Clóvis Moreira e Lidiane Helena Gomes,

proprietários da Rex Decor, apostaram na oportunidade de oferecer aos clientes um leque maior de alternativas de preços, qualidade e tecnologia. Assim, passaram a disponibilizar ao público, a maioria das vezes de forma exclusiva, produtos que são novidade no mercado e agregam diferenciais que pesam muito no momento da escolha final. Foi assim, por exemplo, com as Persianas Reflexa, produzidas com um tecido importado da empresa holandesa Verosol, a base de telas metalizadas. Essa característica confere ao produto uma alta performance no controle de calor e luminosidade, proporcionando, consequentemente, grande economia de energia e proteção ao ambiente, sem dispensar, entretanto, o cuidado com o acabamento e sofisticação, itens presentes em todos os produtos da Rex Decor. “Esse produto tem sido muito procurado por obras corporativas, tanto no setor público quanto privado, por atender a todos os requisitos exigidos em uma construção sustentável. Mas é também acessível a residências, uma vez que o custo-benefício compensa o investimento a longo prazo”, explica

22


CONSTRUÇÃO CIVIL

exclusividade Lidiane, que desde a fundação da empre-

O ponto forte

sa, há três anos, está à frente dos negócios

da empresa, segun-

em parceria com o marido, Clóvis.

do Lidiane, está no

As persianas Reflexa são o único pro-

atendimento perso-

duto no segmento certificado pelo Green

nalizado e cuidado-

Building, alcançando a pontuação necessá-

so dispensado a to-

ria para que a construção obtenha o certifi-

dos os clientes,

cado Leed (ver quadro). Em uma época em

além do acompa-

que os conceitos relacionados a um modo

nhamento pós-venda, que ao mesmo tem-

de vida que seja sustentável e não agrida o

po surpreende e agrada quem compra os

meio ambiente ganham força dia após dia,

produtos da loja . “Aqui

isso faz uma grande diferença.

somos todos detalhis-

Única empresa em Santa Catarina a

tas, e procuramos falar

comercializar o produto, a Rex Decor colhe

a língua do nosso clien-

os frutos da dedicação de seus fundadores

te. Isso faz muita dife-

e registra um crescimento de 25% ao ano,

rença”, ensina. “Minha

tanto em negócios fechados quanto em

meta é ser a maior re-

faturamento. “Conseguimos a exclusivida-

venda de cortinas e per-

de em nossos produtos a partir dos núme-

sianas

ros que apresentamos. Nosso trabalho e os

Catarina”,

resultados que alcançamos nos dão respal-

Moreira.

de

Santa emenda

do, tanto junto aos nossos fornecedores quanto aos nossos clientes”, explica

ONDE ENCONTRAR

Moreira, diretor técnico da empresa.

www.rexdecor.com.br

Quando a Rex Decor começou a funcionar, a atividade era centrada na produção de cortinas e persianas, mas o crescimento do negócio trouxe a diversidade de opções, e hoje a loja oferece também toldos, papéis de parede e tecidos para decoração. “Nosso foco é prestar consultoria em decoração, especialmente de janelas e paredes”, afirma Clóvis, que disponibiliza aos clientes cerca de 100 catálogos só de papel de parede, o que corresponde a aproximadamente 60 mil opções de composições.

SAIBA MAIS Grenn Buildng e Certificação Leed O sistema a certificação LEED foi criado pelo Green Building Council Institute (GBCI), que tem sede nos Estados Unidos, com o objetivo de transformar o setor de construção em um setor sustentável. Ele fornece padrões que definem o que é um “Green Building”. A certificação LEED é concedida a edifícios de alta performance ambiental e energética, não contemplando aspectos sociais. Vários itens são analisados, e a construção recebe o certificado se alcançar uma pontuação específica. A certificação é outorgada pelo GBCI, através da análise documental do empreendimento. Os pré-requisitos são distribuídos em sete categorias: Implantação Sustentável, Eficiência Hídrica, Energia e Atmosfera, Materiais e Recursos, Conforto Ambiental, Inovação e Projeto e Créditos Regionais.

23


24


25


OPINIÃO

Construção civil e o aquecimento da economia Acompanhando o bom momento da economia nacional, a indústria da construção civil da Região Metropolitana de Florianópolis vem passando por um boom imobiliário jamais experimentado. Prédios são erguidos em diversos pontos da região. O elevado déficit habitacional existente no Brasil aproximadamente de 6,5 milhões moradias - tem contribuído com o desempenho do setor. Porém, este bom momento se deve também ao ritmo do crescimento econômico do país (gerando renda e emprego); à ampliação da oferta de crédito, que está desencadeando um aquecimento sem precedentes no setor; aos programas governamentais de financiamento para pessoas com baixa renda (Minha Casa Minha Vida), além da criação de instrumentos que proporcionaram uma segurança jurídica no setor imobiliário. Constata-se hoje, a exemplo do que ocorreu durante os anos 70 do século passado, que muitas construtoras de outras cidades e estados do Brasil têm se deslocado para esta região, assim como empresários locais que atuam em outras áreas da economia começaram a investir no setor. Com a concorrência, melhorou o padrão e o tipo de construção ofertada, não só em termos de acabamento, mas também nos confortos oferecidos aos clientes, como por exemplo a ampliação do número de garagens, churrasqueiras, academia de ginástica, saunas, espaços para cozinhar ou gourmet, sala de cinema, lan house e diversos espaços destinados ao

lazer infantil e aos jovens, dentre outras modernidades, inclusive áreas para animais de estimação, buscando cativar os clientes. Mudou também o perfil consumidor, pois, além dos compradores da região - que ainda são maioria, tem-se clientes provenientes do interior do estado, de outros estados brasileiros e até do exterior, que investem significativamente neste mercado. Além disso, os adquirentes de imóveis estão mais exigentes e conhecedores dos seus direitos, principalmente no que diz respeito às questões ambientais. Estudos demonstram que a indústria da construção é, de certa forma, cíclica, pois tem períodos de altos e baixos, alternando alguns momentos de crise com outros de crescimento. O que se observa é que a expansão urbana alcançou um ritmo jamais constatado nesta região e que tem gerado renda e emprego, além de habitações. Porém, os empresários não devem desprezar as questões ligadas ao meio ambiente e à sustentabilidade, tanto na execução dos seus projetos quanto na execução de suas obras, pois a tendência é uma cobrança cada vez maior por parte dos seus clientes. Edson T elê Campos Telê Advogado, professor e doutor em Desenvolvimento Regional e Urbano.

Mobile payment e vendas diretas

A oferta de produtos e serviços pela internet, por meio de lojas virtuais, vem sendo alavancada por novas formas de pagamento, como o mobile banking, tornando-se um canal importante na hora de concretizar as vendas. A concorrência da web, porém, não ameaça um dos setores mais antigos do Brasil: a venda direta – ou de porta em porta como muitos falam –, que também pode ser beneficiada pelo mobile payment, no qual o celular substitui cartões ou dinheiro vivo. Agora, como o setor de vendas diretas pode se valer dessa nova tecnologia? Vendas diretas são aquelas feitas através do contato pessoal entre o vendedor e o cliente fora de um comércio ou estabelecimento fixo. Trata-se de um mercado poderoso, que segundo a Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD) no primeiro trimestre de 2011 cresceu 8,9% em relação ao mesmo período de 2010, com um volume nominal das vendas de R$ 5,8 bilhões. Negociar diretamente com o consumidor agrega valor ao produto, que é oferecido por meio do relacionamento pessoal estabelecido entre quem vende e quem compra. Apesar do crescimento das transações comerciais pela internet, muitos ainda preferem o contato “olho no olho” e avaliar “nas mãos” o que estão comprando de forma tradicional. Vender diretamente tem a vantagem de ir até o cliente onde quer que ele esteja com atendimento personalizado e diferenciado,

26

além da conveniência de hora e local para o consumo e compra de bens e serviços. E mais ainda, possibilita muitas vezes o cliente levar o produto na hora, diferentemente da compra pela internet. Agora com o mobile payment, qualquer profissional que trabalhe com vendas diretas poderá comercializar seus produtos com a ajuda do celular. O consumidor pode ou não pagar com cartões ou dinheiro, o que facilita as compras. Os vendedores que oferecem atendimento personalizado a esses clientes também serão beneficiados, ganhando agilidade nas ações de venda e tendo maior controle sobre aquilo que comercializam. Além da facilidade na hora de gerenciar os pagamentos, melhorando o sistema de compra e venda dentro do setor. Incorporar o mobile payment ao setor de vendas diretas irá unir uma das tecnologias mais avançadas no que diz respeito aos pagamentos atualmente ao sistema tradicional de vendas, baseado no contato pessoal junto aos clientes. Isto proporciona maior satisfação pessoal e qualidade no atendimento, rompendo barreiras e construindo um novo formato de negociação. João Moretti Diretor geral da MobilePeople, empresa especializada em soluções móveis corporativas.


,

27


Credibilidade como base do negócio

A

Sindicato da Indústria do Mobiliário da Grande Florianópolis busca agregar empresas de diferentes áreas de atuação

Foto: Terezinha Bonfanti

ASSOCIA TIVISMO ASSOCIATIVISMO

Orlíndio Silva Presidente do SIM

ideia de que no mercado todos compe-

com empresas da área de marcenaria, o SIM

tem com todos não é uma verdade abso-

verificou não apenas o desenvolvimento, mas

luta. O associativismo mostra que, ao con-

também a divisão e especialização do segmen-

trário do que se possa pensar em um primeiro

to. Em 1997, modificou seu estatuto e acolheu

momento, empresas que atuam em áreas se-

novas categorias econômicas, estabelecendo

melhantes podem, sim, concentrar esforços,

uma base sólida de atuação e agregando à en-

desenvolver ações conjuntas e, como

tidade conceitos ainda mais expressivos de éti-

consequência, experimentar o desenvolvimen-

ca, responsabilidade e comprometimento com

to de todas as envolvidas.

a clientela.

O Sindicato da Indústria do Mobiliário da

De acordo com Silva, a entidade está

Grande Florianópolis (SIM) trabalha com a pro-

sempre alerta à movimentação do mercado e

posta de agregar empresas que atuam em áre-

ao comportamento dos empresários do setor.

as diferenciadas - mas afins -, que conquistam

Neste momento, por exemplo, o SIM concen-

espaço de forma isolada, e que podem, juntas,

tra esforços em uma campanha pró-moralização

fortalecer os segmentos e tornar as marcas ain-

da categoria, com o objetivo de alertar consu-

da mais atraentes para o público.

midores a respeito de questões relacionadas à

“O tempo que as empresas estão em

contratação e prestação de serviços. Para ele,

atuação, com suas histórias conhecidas e re-

problemas localizados colocam em cheque a

gistradas, é o maior medidor da credibilidade

idoneidade de empresas do setor, e embora o

que conquistaram junto aos consumidores, e

sindicato não seja responsável pelas ações das

isso deve pesar muito no momento de se con-

empresas associadas, acaba servindo como

tratar um serviço. Em um mercado competiti-

uma espécie de referência para o público.

vo, milagres não existem”, afirma o empresário

O estatuto do SIM estabelece não ape-

Orlíndio Silva, que preside o sindicato. Segun-

nas as áreas agregadas, mas também diretri-

do afirma, cerca de 70 a 80% das vendas no

zes de atuação aos seus associados. Isso signi-

segmento são referentes a retorno de clientes,

fica que as empresas associadas precisam dia-

que às vezes anos após a realização de um ser-

logar com o mercado de forma semelhante, o

viço, buscam o mesmo fornecedor. “Com isso

que de certa forma confere uma espécie de

temos a comprovação da importância atribuída

“chancela” às empresas associadas. “Empresas

à confiabilidade de uma empresa”.

ruins não conseguem se estabelecer no mer-

Fundado em 1987, inicialmente apenas

cado e nem no sindicato”, explica, acrescentando que a função da entidade é informativa, e

SAIBA MAIS

objetiva orientar e proteger tanto a empresa

Cuidados na hora de contratar a prestação de serviços: Firmar contrato por escrito, especificando os detalhes relacionados ao serviço que será prestado (material a ser usado, forma de pagamento, prazo de entrega e garantia); Visitar a empresa; Verificar o contrato social da empresa; Conferir certidões negativas em âmbito federal, estadual e municipal; Conferir certidão negativa de Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS);

quanto o seu cliente. “Qualquer pessoa precisa

28

saber quem está contratando e para quem está trabalhando”, finaliza Orlíndio. ONDE ENCONTRAR www.simgf.com.br


29


CASE DE NEGÓCIOS

Na briga

Primo Tedesco ingressa no mercado de sacos industriais apostando na expertise e no aquecimento de mercado

H 30

á sete décadas produzindo papel e

Indústria de Cimento, principal consumidor

celulose, a Primo Tedesco, de Caça-

de sacos industriais no país, as vendas de

dor, ingressou no mercado de sacos

cimento alcançaram 66,8 milhões de tone-

industriais apenas este ano, mas já com pla-

ladas entre junho do ano passado e maio

nos que o novo negócio aumente em 50%

deste ano, uma alta de 9,7% em relação ao

o faturamento da empresa até o fim de 2013.

período anterior, de junho de 2010 a maio

A meta se baseia tanto na expertise adquiri-

de 2011.

da como fabricante de papel kraft, papel

“É o aumento da renda da popula-

reciclado e embalagens de papelão ondula-

ção. Principalmente das classes C e B, que

do quanto na alta do mercado de sacos in-

estão comprando ou reformando casas e

dustriais – segundo o Sindicato Nacional da

apartamentos, incentivados pelas medidas


CASE DE NEGÓCIOS

do governo federal, como juros menores,

não é afetada, pois so-

prazos de pagamento maiores e progra-

mos autossuficientes”,

mas como Minha Casa Minha Vida”, afir-

garante Tedesco, que já

ma o presidente Júlio Tedesco, que inves-

negocia exportação para

tiu R$ 60 milhões na fábrica de sacos in-

Uruguai, Colômbia, Peru

dustriais.

e Bolívia.

Fotos: Divulgação

com players Operando desde março e oficial-

O empresário con-

mente inaugurada em junho, a linha de pro-

ta que, assim que a linha

dução conta com uma máquina alemã de

de produção começou a

tecnologia exclusiva no Brasil e capaz de

operar, a fábrica passou

fabricar 2,1 mil toneladas de sacos indus-

a receber dezenas de pe-

triais por mês. “Nossa previsão é dobrar a

didos para testar a quali-

produção até o fim de 2013, aumentando

dade dos sacos de papel.

em 50% o faturamento atual da empresa

“Os sacos que produzi-

e alcançando 12% do mercado brasileiro”,

mos foram aprovados

diz Tedesco. No ano passado, a empresa

com louvor em todos os

cresceu 8% em relação a 2010.

testes realizados”, garan-

Júlio TTedesco edesco

Segundo ele, embora o mercado de

te o diretor-superinten-

Presidente

sacos industriais tenha players consolida-

dente Elton Pigozzi. A fá-

dos, a experiência no segmento de papel

brica já abastece mais de 50 clientes em

e celulose faz da Primo Tedesco uma das

todas as regiões do Brasil, que, além de

seis indústrias do país a dominar todo o

cimento, embalam argamassa, cal, ração

processo produtivo, pois conta com gera-

e sementes.

ção própria de energia elétrica, áreas de reflorestamento e fábrica de celulose. “Não sofremos com a vulnerabilidade do

ONDE ENCONTRAR

mercado. Se houver uma crise energética

www.primotedesco.com.br

ou oscilações de preços pelos fornecedores de matérias-primas, nossa produção

Reportagem: Mateus Boing

31


CASE DE NEGÓCIOS

Foto: Divulgação

OPORTUNIDADE para crescer Regulamentação do mercado de TV por assinatura cria ambiente para Cianet incrementar receita

João F rancisco dos Santos Francisco Presidente

O

empresa, João Francisco dos Santos. A empresa espera chegar a 2015 com 40% do faturamento relacionados à oferta de serviços. Hoje esse percentual é de 5%. Se a competência técnica é um dos fatores de sucesso da Cianet desde o início, em 1994, a excelência administrativa é a aposta recente para levar a empresa

portunidade e competência fize-

muito mais além. Em 2010, sócios-funda-

ram a Cianet, empresa de Floria-

dores e acionistas, em conjunto com o

nópolis que fabrica equipamentos

Criatec (fundo de investimentos do BNDES

para internet de banda larga, cres-

e Banco do Nordeste que se juntou ao ne-

cer 321% nos primeiros quatro meses des-

gócio em 2009), decidiram profissionalizar

te ano em comparação ao mesmo período

a gestão, criando diretorias e contratando

do ano passado. A oportunidade surgiu

executivos experientes, como o atual pre-

com a abertura do mercado de TV por as-

sidente João Francisco, há mais de 30 anos

sinatura, que foi regulamentada em junho

no segmento.

do ano passado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Para o sócio-fundador Ricardo May, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento, a

Segundo a Associação Brasileira de

iniciativa está dando certo. “Estou muito

TV por Assinatura (ABTA), o mercado cres-

satisfeito com o processo de profissio-

ceu 30% no ano passado e deve aumentar

nalização, com os resultados que já obti-

pelo menos 20% neste ano – e a expansão

vemos em várias áreas. Foram soluciona-

veio acompanhada de um ciclo de renova-

dos gargalos que impediam o crescimen-

ção, com operadoras e provedores de

to da empresa e isso já repercute no incre-

internet atualizando suas redes de banda

mento constante de faturamento e cum-

larga, a maioria optando por equipamen-

primento das metas propostas no planeja-

tos que transmitem dados, áudio e vídeo

mento estratégico mês a mês”, diz.

com tecnologia de fibra ótica.

No ano passado, a Cianet ficou em

E foi justamente equipamentos des-

45º lugar no ranking das pequenas e médi-

se tipo que a Cianet, que detém 20% de

as empresas que mais cresceram no país,

participação no mercado em que atua, lan-

segundo pesquisa da consultoria Deloitte

çou no ano passado. Além disso, passou a

e revista Exame PME. A empresa faturou

oferecer serviços. “A oferta da tecnologia

R$ 14 milhões em 2011 e espera chegar a

por meio de soluções, que envolvem tam-

R$ 60 milhões em 2015.

bém o desenvolvimento de projetos de

32

acordo com a necessidade do cliente foi

ONDE ENCONTRAR

outra novidade”, disse o presidente da

www.cianet.ind.br


33


34


35


CASE DE NEGÓCIOS

Novo mercado posicionamento de

Marcelo (E) e F ernando Scherer Fernando Sócios

Mudança de marca, investimentos e abertura do processo de franquia são estratégias da F.Scherer Fitness

A

berta em 2003 no Beiramar Shopping, em Florianópolis, a academia de ginástica que leva o nome do ex-nadador

olímpico Fernando Scherer sempre foi apontada como uma das mais modernas de Santa Catarina. A partir deste ano, porém, ficou difícil compará-la com as demais opções do mercado. Um investimento de R$ 1,2 milhão transformou completamente o espaço – a começar pelo nome, que mudou para F.Scherer Fitness. “Nós observamos o mercado, buscamos as diferenças e fomos além”, diz o empresário Marcelo Scherer, irmão de Fernando e sócio no negócio.

36


CASE DE NEGÓCIOS

Fotos: Jane Lima/Divulgação

Ir além, no caso, significou procurar referências fora do país – Scherer cita a americana Equinox e a inglesa Gymbox, cujo mote é ser diferente de qualquer outra academia de ginástica. Significou, também, contratar uma equipe liderada pela designer Gabriela Mager para pensar as mudanças – um processo que contou até com estudos antropológicos e de semiótica. Trocando em miúdos, o espaço físico foi ampliado de mil para 1,8 mil metros quadrados e equipado com aparelhos de ponta. Por exemplo, uma esteira com TV a cabo, entrada USB e ventilador com ar direcionado. As novidades incluem ainda

dando como exemplo uma aula de ginás-

iluminação com lâmpadas LED coloridas

tica a que assistiu na Gymbox, em Lon-

instaladas segundo os preceitos da

dres, com professor e alunos vestidos de

cromoterapia, brinquedoteca para quem

Lady Gaga.

precisa levar os filhos pequenos para a

Segundo ele, a clientela cresceu

malhação e móveis de design, como lus-

40% desde janeiro, quando a reforma foi

tres infláveis e poltronas Barriguda.

concluída, e a academia conta atualmen-

Outra inovação foi instalar mesa de

te com 1.860 sócios. “Nossos planos para

som e contratar DJ residente para animar

o ano que vem são abrir uma unidade na

as sessões de exercícios. Fisioterapeuta,

região continental da Grande Florianópolis

nutricionista e especialistas em avaliação

e depois iniciar processo de franquia”, afir-

física são os demais profissionais empre-

ma Scherer.

gados pela academia, além dos professores. “Até o fim do ano vamos passar a ofe-

ONDE ENCONTRAR

recer aulas irreverentes”, conta Scherer,

www.fscherer.com.br

37


Foto: Klaus Schlickmann/Divulgação

CASE DE NEGÓCIOS

Música para tocar o coração do consumidor

Q

Dupla de jovens empreendedores cria a Audiolab, que oferece gestão sonora de marcas para o varejo e setor de serviços

Lucas Moreira (E) e Carlos Costa Sócios da Audiolab

uem nunca entrou numa loja e

simples, como músicas de ritmo mais len-

ficou incomodado com o volume

to pela manhã e mais agitado em períodos

ou mesmo o tipo de música que

de promoção, quando a loja está cheia, a

está tocando? Foi uma situação assim que

programação vincula a música ao perfil da

despertou no DJ Carlos Costa a ideia de

marca, incluindo canções de vanguarda,

criar seleções musicais que, em vez de

pouco conhecidas, para lojas em que os

afastar, induzem o cliente ao ato da com-

clientes buscam novidades tecnológicas ou

pra. “Vejo uma falta de preocupação com

de design, por exemplo.

o estilo do som e alinhamento da marca

A empresa também desenvolveu

em alguns lugares. Eu vivo de música e ela

um programa próprio para gerenciar alguns

cumpre um papel importantíssimo em tudo

aspectos da seleção musical. Ele nivela o

que percebo. Não consigo ficar num lugar

áudio, atualiza a seleção de forma online e

se a música está ruim”, conta Costa, que

permite escolher listas e incluir publicida-

em março deste ano, em parceria com o

de entre as músicas, mas impede que o

sócio Lucas Moreira, pôs em operação a

volume seja zerado ou que faixas sejam

Audiolab, uma das quatro empresas do

trocadas.

mercado nacional especializadas em sound

Moreira conta que, em geral, os lo-

branding (gestão sonora da marca, em por-

jistas resistem à ideia de sound branding

tuguês).

num primeiro momento, mas logo perce-

A Audiolab cria seleções musicais

bem a eficácia da estratégia musical. “Da-

de mais de 40 horas de acordo com o per-

mos aos lojistas um prazo de experiência

fil de cada negócio, oferecendo também

de um mês. Mas até o momento tem sido

listas direcionadas para datas especiais do

assim: passa uma semana e eles já que-

comércio e determinados horários do dia.

rem fechar conosco”, garante.

Para definir a seleção musical, a empresa

A empresa já atende clientes como

monta equipes de trabalho que incluem

Imaginarium, The Coffee Shop e uma gran-

DJs e especialistas em varejo. “Visitamos

de rede de varejo que, segundo Moreira,

a loja pela manhã, à tarde e à noite. Faze-

prefere não ser identificada. Ele conta que

mos pesquisas para saber como a marca

a meta é firmar a Audiolab no mercado na-

é percebida, qual o perfil do consumidor e

cional rapidamente e já pensa em esten-

a estratégia comercial. Os dados nos le-

der a atuação para a outros países da Amé-

vam a estruturas sonoras diferentes”, afir-

rica do Sul.

ma Moreira, que está concluindo o curso de Administração de Empresas na Udesc. Segundo ele, além de estratégias

38

ONDE ENCONTRAR www.audiolab.mus.br


39


ARTIGO

Recuperação Judicial

A Recuperação Judicial vem se mostrando um meio moderno e eficaz para a superação da crise econômico financeira das empresas. Em vigor no Brasil desde o advento da lei 11.101/2005, ela substituiu a ineficiente concordata preventiva, então regida pela arcaica legislação de 1945. Inspirada em experiências estrangeiras de sucesso, a nova legislação brasileira encampou a visão de

que as situações de crise econômica necessitam de soluções previsíveis, céleres e transparentes, protegendo os interesses dos credores e estimulando a preservação do patrimônio empresarial, garantindo o cumprimento de sua função social, o emprego, a fonte produtora e a renda. Na recuperação judicial a empresa elabora um plano de recuperação, abrangendo todos os seus credores, inclusive trabalhistas, instituições financeiras, titulares de garantia real e outros privilégios, propondo-lhes a adoção de todas as medidas úteis e necessárias para a superação de sua crise, como planos de pagamento, venda de ativos, reorganização societária e administrativa, dentre outras. A concordata preventiva possibilitava apenas parcelamento dos créditos quirografários (sem privilégios) em até 24 meses. Um dos fatores que provocou certo receio dos empresários lançarem mão da recuperação judicial é a necessidade de submeter seu plano à aprovação dos credores. Mas o sucesso dos casos tem demonstrado a eficiência do instituto e o encorajamento dos empresários, motivando a salvação de muitas empresas. Há um decréscimo constante no número de decretação de falência no Brasil: 969 em 2008, 908 em 2009, 732 em

40

2010, 732 em 2011 e 641 em 2012. No mesmo período, foram concedidas (aprovadas e homologadas) 48 recuperações judiciais em 2008, 151 em 2009, 215 em 2010, 151 em 2011 e 38 no primeiro trimestre de 2012. O número de recuperações judiciais é determinado tanto pelas vicissitudes da economia, mas também pela credibilidade que o instituto vem conquistando. A orientação é a realização de um trabalho multidisciplinar para a elaboração de um eficiente e convincente plano de recuperação e sua condução até a aprovação, abrangendo as áreas jurídica, financeira, contábil e comercial. Esta multidisciplinariedade, somado à existência de regras que impõem prazos para conclusão do feito, tem contribuído para que a legislação atinja os seus propósitos de estimular a atividade econômica. O instituto vem suprindo as expectativas de viabilizar a efetiva recuperação das empresas em dificuldades, apresentando um futuro ainda mais promissor. Ao contrário da antiga concordata preventiva, a recuperação judicial não é a porta de entrada da falência, mas a sua porta de saída.

Marcos Andrey de Sousa Advogado, doutor e mestre em Direito Comercial pela PUC, autor da obra Comentários à Nova Lei de Recuperação de Empresas e Falências São Paulo: Quartier Latin, 2005.


41


CASE DE NEGÓCIOS

Quatro décadas de

sucesso A

Expansão para outras regiões é uma das estratégias da DVA para se manter entre as líderes

berta em novembro de 1972 pelo gru-

vai inaugurar outra filial, em Joinville, até o

po gaúcho Savar para atuar como con-

fim do ano. Há planos para continuar a ex-

cessionária de caminhões e ônibus

pansão em Balneário Camboriú e Chapecó.

Mercedes-Benz em Santa Catarina, a Distri-

Na história da empresa, um dos pri-

buidora de Veículos Autodiesel, mais conhe-

meiros feitos comerciais ocorreu no fim da

cida como DVA, incorporou os segmentos

década de 1970, como contou Toniolo na

de pneus e automóveis ao longo de sua tra-

primeira edição da DVA Magazine, publica-

jetória de quase 40 anos, tornando-se uma

ção lançada em 2010: “Foi a venda de um

das maiores empresas do gênero no Esta-

lote de 84 caminhões para o DER (Departa-

do, com faturamento de R$ 250 milhões em

mento de Estradas de Rodagem) ali pelo ano

2011 e estimativa de crescimento de 8% a

de 1978 e a venda de 54 caminhões para o

10% neste ano. “O mercado catarinense

Corpo de Bombeiros. Naquele tempo não

continua em franca expansão”, diz Paulo

havia o preço como fator preponderante nas

Toniolo, sócio-fundador do Grupo DVA, com-

licitações e a qualidade contava bastante.

posto pelas unidades de veículos, automó-

Por isso, a opção sempre foi pelos produ-

veis e pneus.

tos Mercedes-Benz”.

“Em Santa Catarina, somos a maior

Outro ponto marcante na trajetória da

revendedora de pneus Michelin, lideramos

DVA foi a aquisição, em 1996, da AutoStern,

a venda de peças genuínas Mercedes-Benz

que revendia automóveis importados da

e a primeira do ranking de oficina de cami-

Mercedes-Benz. Com a compra, surgia a DVA

nhões da marca, com mais de 1 mil atendi-

Automóveis, que mais tarde passou a

mentos por mês”, afirma Toniolo. O grupo

comercializar também as marcas Chrysler,

abriu loja em Blumenau no ano passado e

Dodge, Jeep e Ram. Atualmente, o maior volume de vendas vem do Mercedes-Benz Classe C, com preço a partir de R$ 126 mil. Já o carro mais caro é o esportivo SLS AMG Roadster, que custa em torno de R$ 1 milhão – em um ano, três unidades foram vendidas. “Importante também é o crescimento que estamos tendo com a Chrysler, detentora das marcas Jeep, Dodge e Ram”, conta Toniolo, explicando que a entrada de novos modelos fez aumentar as vendas em 40% em relação ao ano passado. ONDE ENCONTRAR www.grupodva.com.br

42


43


MERCADO

Fogão movido a biogás

Perfil do administrador

A Mueller, fabricante catarinense de eletrodomésticos

agosto, o Conselho Regional

sediada em Timbó, está investindo em pesquisas de fontes de energias renováveis. A empresa adaptou um fogão de sua linha de produção para que funcione com biogás e o instalou na casa de um agricultor familiar em

de Administração (CRA-SC) realiza o ADM Fórum 2012, em sua sede, em Florianópolis. Na oportunidade, fará o lançamen-

Marechal Cândido Rondon

to da pesquisa “Perfil, forma-

(PR), cooperado a Cooper-

ção, atuação e oportunidades

biogás. A Cooperativa de Pro-

de trabalho do administrador

dutores de Agroenergia do

no Estado de Santa Catarina”,

Paraná administra o projeto

que busca identificar as

Condomínio de Agroenergia para Agricultura Familiar da

potencialidades e deficiências

Microbacia da Sanga Ajuri-

de formação do profissional da

caba. Entre os parceiros do

área, as oportunidades de mer-

projeto estão a Itaipu Bina-

cado e as necessidades do

cional e o Centro Interna-

empresário catarinense. Se-

cional de Energias Reno-

gundo o presidente do Conse-

váveis – Biogás. “Ter pro-

lho, “um dos aspectos mais

dutos que funcionem com

importantes é que iremos des-

energias alternativas é es-

cobrir quais as necessidades

sencial para contribuirmos

dos empresários e os perfis

com o meio ambiente e a

adequados às economias e ao

sustentabilidade. A indústria

desenvolvimento regional. Se

também precisa fazer sua

cada região tem uma vocação

parte” comenta Robison de

econômica e uma cultura, é

Azevedo, diretor industrial da linha fogões. A Mueller pretende viabilizar a utilização dos fogões adaptados por todas as 33 famílias do Condomínio, que fazem parte do projeto. Em www.mueller.ind.br.

Setor de TI busca profissionais

44

Entre os dias 29 e 31 de

correto formarmos administradores com o mesmo perfil para todo o Estado?”, questiona. Em www.crasc.org.br.

em Florianópolis, onde há maior demanda por profissionais, as empresas de base tecnológica terão mais de 3,5 mil postos de trabalho no período. Atu-

Até 2015, 11.771 novas vagas serão abertas

almente, 10.098 pessoas atuam no setor. O estudo

em nove microrregiões do Estado, conforme a se-

foi elaborado entre outubro e dezembro de 2011 e

gunda edição do Mapeamento de Recursos Huma-

participaram da pesquisa, 354 empresas de TIC lo-

nos em TICS de Santa Catarina, apresentado em

calizadas em Florianópolis, Joinville, Blumenau,

junho, pela Associação Catarinense de Tecnologia

Chapecó, Criciúma, Tubarão, Rio do Sul, Jaraguá

(Acate), em parceria com o Governo do Estado. Só

do Sul e Lages. Em www.acate.com.br.


MERCADO

Solução para a indústria moveleira Especializada no desenvolvimento de soluções para a indústria moveleira, a RPSavi desenvolveu com GeneXus um software web para ser acessado via dispositivos móveis. O GNI – Controle Industrial permite controlar em tempo real o funcionamento das máquinas das indústrias de móveis. “O software ajuda a gerenciar se as máquinas estão dando muita manutenção e precisam ser trocadas, além de medir se as máquinas estão atingindo sua capacidade total. Os empresários podem controlar e programar a produção com maior eficiência, além de aumentar a produtividade da indústria em pelo menos 20%”, explica o diretor de TI da RPSavi, Leandro Vicente Penha. Em www.rpsavi.com.br.

Sertanejo com luxo

Fórum de Esportes Acontece de 18 a 20 de ju-

tema Esportivo Brasileiro e

O músico Sorocaba (foto)

lho, em Florianópolis, no Centro de

Catarinense, bem como cursos

é um dos sócios da nova casa no-

Eventos do Hotel Cambirela, a 11ª

de capacitação e atualização pro-

turna de Florianópolis, a Fields,

edição do Fórum Internacional de

fissional. Palestrantes vindos dos

que aposta no conceito de casa

Esportes, tendo como tema cen-

Brasil e exterior farão diferentes

de luxo para o estilo sertanejo.

tral “Legislação e Financiamento

abordagens sobre o esporte e o

Inaugurada no início de julho, o

do Esporte”. O evento é organiza-

meio esportivo, com foco no tema

do pela Unesporte e traz em sua

central do evento.

programação palestras, plenárias

Em www.unesporte.org.br/forum.

empreendimento tem ainda como sócios Duda Cunha, Eduardo Phillips e Ricardo Tolazzi (do Grupo Green Valley, de Balneário Camboriú), Fabiano Steil (do Gru-

de discussão de temas e encontros de instituições ligadas ao Sis-

po Maria’s), Gabriel Rocha e PC D’Ávila. Com 1.500 m², a Fields capacidade para 1,2 mil pessoas e área vip com dez camarotes. Em www.fieldsfloripa.com.br.

Estação de Vinhos e Sabores Até 15 de julho, o Supermercados Imperatriz realiza a Estação de Vinhos e Sabores, no vão central do Beiramar Shopping, na Capital. Além de 300 rótulos de vinhos nacionais e internacionais, estão ali queijos especiais, massas, azeites importados, entre outros produtos. Segundo o presidente da rede, Tiago Vital Lohn, a previsão de vendas no evento é na ordem de 15% em volume. Das 16h às 22h, de segunda a sábado, e das 14h às 20h, aos domingos. Em www.superimperatriz.com.br.

45


46


47


SAÚDE

Expansão como foco

Alejandro Herbón Pérez Vice -presidente comercial Vice-presidente

mercado está cada vez mais competitivo, o que leva as operadoras a prestarem mais atenção à satisfação do usuário. Por isso, investimos pesado tanto em tecnologia quanto em pessoas, ampliando as áreas operacionais e o relacionamento com clientes e usuários”, explica Alejandro Herbón

Prodent, especializada em assistência odontológica, inaugura duas unidades no Sul e planeja outras três até o final do ano

C

tecnologias e processos operacionais. “O

Pérez, vice-presidente comercial da Prodent. O principal produto da Prodent são os planos empresariais, que correspondem a aproximadamente 70% da carteira da operadora, mas a empresa também mar-

riada em São Paulo há 22 anos, a

ca presença com os chamados “planos

Prodent, empresa especializada

massificados”, vendidos por meio de re-

em

assistência

des de lojas e cartões de crédito de ban-

odontológica, firma-se como a quinta mai-

cos. Essa estratégia é um item facilitador

or empresa do país no segmento, e expe-

da expansão da operadora, que hoje con-

rimenta em 2012 um período de expansão

ta com aproximadamente 550 mil associa-

territorial. A operadora acaba de instalar

dos e oferece cerca de 17 mil opções de

duas novas filiais no Sul do Brasil –

profissionais e entidades credenciadas em

em Florianópolis e Porto Alegre – e

todo o país. “São números que se modifi-

planeja a inauguração de mais três

cam a cada dia, pois estamos em perma-

unidades no segundo semestre, em

nente crescimento e buscamos alternati-

estados que a empresa por enquan-

vas de atendimento em todo o Brasil, uma

to prefere manter em segredo.

vez que nossos planos têm atendimento

planos

de

A busca pelo bom posicionamento da empresa no mercado faz

nacional, independente do local em que foram contratados”, acrescenta Pérez.

parte da filosofia implantada já na fundação da Prodent, e envolve ações de

ONDE ENCONTRAR

constante atualização de produtos,

www.prodent.com.br

Segmentação garante excelência Para ele, o fato de a Prodent operar exclusivamente

possui um serviço de atendimento 24 horas via telefone (0800) e

com serviços odontológicos faz com que a empresa se

no site. Para as empresas contratantes, a operadora disponibiliza

destaque no segmento, uma vez que o dedicação a esse

ferramentas de gestão e informações atualizadas em tempo real,

tipo de serviço faz com que todos as ações da empresa

que abrangem desde a movimentação da carteira até os relatóri-

sejam focadas na excelência do atendimento e nas vanta-

os de acompanhamento dos procedimentos.

gens oferecidas, seja aos usuários ou aos contratantes.

48

Segundo Alejandro, a variedade de planos e benefí-

Para exemplificar, Pérez cita o Plano Master - produto

cios tem como objetivo atender as necessidades específi-

que lidera as comercializações da empresa -, que oferece aos

cas dos mais variados públicos. “Nossos clientes não po-

usuários cerca de 90 itens de atendimento a mais do previsto

dem ser considerados apenas números difusos, e temos

no rol da Agência Nacional de Saúde (ANS). Além disso, a Prodent

que ser bons no que fazemos”, diz.


49


SAÚDE

Os benefícios da bambuterapia

Massagem de origem france-

que renova a célula e, assim, combate o

sa, é feita com bambus de diferentes

envelhecimento. É indicada para eliminar

tamanhos que agem como um pro-

toxinas de alguns órgãos por ativar a ener-

longamento dos dedos, alcançando

gia dos chacras. E, como todo tratamento massote-

assim uma maior extensão das regi-

rapêutico, requer a análise da ficha de

ões do corpo. Bambuterapia é uma técnica

anamnese, uma vez que o bambu apresen-

que está sendo muito procurada por

ta as mesmas contra indicações da mas-

pessoas que querem perder medidas,

sagem modeladora, relaxante e da drena-

relaxar e delinear o corpo, melhoran-

gem linfática.

do a oxigenação, nutrição, promovendo aquecimen-

Indicação:

to, vasodilatação, limpeza cutânea, renovação celu-

- Eliminação de toxinas;

lar, desintoxicação, drenagem venosa, circulação

- Estimulo à tonificação muscular;

arterial e libera aderências. Também induz ao relaxa-

- Melhora da oxigenação e nutrição celular;

mento, renovação celular, estimula a diurese,

- Promoção do aquecimento, limpeza cutânea;

sudorese, tonificação muscular e melhora a

- Redução da celulite, flacidez e gordura localizada,

permeabilidade dos ativos (óleos essenciais). É uma

- Diminuição de edemas, promovendo uma melhora

massagem muito completa e bastante eficiente.

na circulação.

A massagem começa pelos pés, estenden-

Márcia R eis Reis

do-se pelo corpo todo. Por último, é a vez do rosto,

Terapeuta holística naturopara – Sint/SC 051

que atua como redutor de marcas de expressão já

marciareis@hotmail.com

A saúde vocal do professor A voz é o som básico emitido pela laringe atra-

tos sintomas acima, ou seja,

vés da vibração das pregas vocais. E o professor é um

água para lubrificar as pregas

profissional que apresenta um esforço vocal muito gran-

vocais, não realizar abuso

de da laringe, principalmente se a turma for muito gran-

vocal como gritar, pigarrear,

de e barulhenta, podendo causar problemas como rou-

não fumar, não fazer uso de

quidão, pigarros, ardência na garganta, fadiga vocal,

bebidas alcoólicas, enfim,

tensão na musculatura cervical, bem como, irritabilidade

cuidar da sua voz.

no fim do dia.

já é indício de alteração nas pregas vocais. Se você

exige do professor um esforço vocal muito grande para

sentir dúvidas com relação a sua voz, procure um

ser ouvido, e isso, faz com que ele abuse de sua voz,

fonoaudiólogo e faça uma avaliação vocal.

agredindo assim suas pregas vocais. Existem estudos e pesquisas que relatam que as disfonias, ou também chamados distúrbios da voz, são os principais problemas diagnosticados em professores. Sendo assim, é fundamental e de grande importância que estes profissionais que utilizam a voz em demasia, façam uma higiene vocal para prevenir cer-

50

E lembrem-se, rouquidão por mais de 15 dias

Muitas vezes, a sala de aula com muitos alunos

Dra. Suani Bueno CRFa 8047-SC/Audiologia 5601/2011 Fonoaudióloga e especialista em Audiologia Clínica e Ocupacional suanibueno@ig.com.br


51


SAÚDE

Chegou o friozinho!

Com o frio, vêm as comidas quentes, roupas elegantes, programas a dois debaixo das cobertas... e o temido resfriado! Quando logo pela manhã levantamos com aquela dorzinha de cabeça chata, a garganta arranhando e o nariz fungando, é certo que fomos pegos por algum vírus de resfriado. São mais de 200 vírus, a maioria da família rinovírus. Tinha que escolher logo nosso nariz pra entrar! O nariz e todo o trato respiratório superior, por serem ambientes úmidos e quentes, favorecem o crescimento dos vírus. Eles chegam por gotículas expelidas por tosse ou espirro ou são carregados pelas mãos e objetos comuns do dia a dia (canetas, maçanetas, brinquedos). O resfriado é uma doença de curta duração, po-

rém não há tratamento para curá-lo. O ideal é prevenir este incômodo. Portanto, neste caso, a prevenção é o melhor remédio. Lave as mãos ou use álcool 70% esfregando bem. Cubra o rosto com as mãos ou lenço ao espirrar/tossir. Prefira ambientes ao ar livre, evitando assim a contaminação com os vírus. Beba bastante líquido e tenha uma alimentação saudável, não fume e não consuma bebidas alcoólicas. Além disso, pratique atividade física regular, mantendo a imunidade sempre em forma! Mesmo depois que o inverno passar, mantenha esses hábitos e garanta saúde para o corpo e mente o ano todo! Dra R oberta Shirasaki Roberta CRM 13612 - Médica

Adicione aveia em sua alimentação diária A aveia é um cereal muito nutritivo, fonte de carboidrato, proteína, minerais e vitaminas, além de ser rico em fibras. A fibra existente na aveia é solúvel, o que merece destaque, pois está relacionada à diminuição dos níveis de colesterol total e LDL no sangue e ao bom funcionamento intestinal. Para ser eficiente, a aveia tem que ser consumida regularmente, sendo recomendadas duas colheres de sopa diariamente. Alguns benefícios da aveia: · Diminui o colesterol total e LDL colesterol, por consequência prevenindo doenças cardiovasculares; · Por ser rica em fibras, é muito boa para quem tem intestino preguiçoso; · É indicada para controle do diabetes, pois estabiliza o nível de açúcar no sangue; · Melhora o sistema imunológico, prevenindo infecções; · É um excelente alimento para quem deseja emagrecer, pois promove a saciedade, retardando o esvaziamento gástrico e controlando o apetite. A aveia pode ser encontrada em forma de farinha, farelo e flocos (fino e grosso). Ela pode ser consumida em sucos, leite, frutas, iogurtes e preparações como bolo, biscoitos e pães. Podemos usar a aveia como uma aliada ao coração diminuindo o colesterol - devendo estar associada a uma boa alimentação e atividade física.

52

Um bom jeito de consumir alimentos saudáveis é adicioná-los na sua receita. Segue ainda outra sugestão de consumo

Biscoito de aveia e passas Ingredientes 1 xícara de aveia em flocos | 1 xícara de uva passas 1 ½ xícara de farinha de trigo integral | 1 colher de sopa de fermento químico em pó | 1 pitada de sal | 4 colheres de sopa de açúcar mascavo | 4 colheres de sopa de óleo | ½ xícara de água Modo de preparo Colocar em um recipiente a farinha de trigo integral, a aveia, a uva passas, o sal, o açúcar, o óleo, a água e o fermento em pó. Misturar bem, fazer pequenas bolinhas e achatá-las. Levar os biscoitos ao forno preaquecido e assá-los em forno médio por 30 minutos aproximadamente ou até ficar dourado. Deixá-los esfriar antes de colocá-los em um recipiente bem vedado. Edineide S S.. P. Deschamps Nutricionista - CRN1710 Especialista em Nutrição Clínica www.edineidenutricionista.com.br


53


AMBIENTE

Por uma cultura

sustentável Projeto Route estimula debates e práticas voltadas à conscientização

N

54

“De certa forma, caminhamos na contramão do mercado tradicional, mas nossa proposta é ajudar a desenvolver uma consciência ambiental, mostrando que existem alternativas de vida e consumo não

o momento em que comemora seu

necessariamente mercadológicas e, sobre-

primeiro ano de atuação, o Projeto

tudo, sustentáveis”, explica Simão Pedro,

Route experimenta a reestruturação

ex-estudante de Publicidade, que em par-

e ampliação de suas atividades e passa a

ceria com o amigo Márcio Gerba, transfor-

ser uma “marca”, sem perder o foco de sua

mou suas inquietações sobre consumo em

atuação, centrada no estímulo às discus-

um projeto ecológico, que conta com o tra-

sões sobre questões ambientais e sociais.

balho de 15 voluntários, entre arquitetos,


AMBIENTE

advogados, designers e biólogos. Além

nea e chama a atenção de empresários”,

desses, por meio das redes sociais o Route

explica. Para ele, isso funciona, por exem-

conquista parceiros em países como Esta-

plo, como ponto de partida para

dos Unidos e Ilhas Canárias. São os “Em-

questionamentos a respeito de como seri-

baixadores Route”, que derrubam as fron-

am os processos de produção inteligentes

teiras das ações do projeto.

e sustentáveis, nos quais é possível evitar

Route significa rota e traduz em uma palavra a intenção de mostrar caminhos e

a sobra de matéria-prima. “A base de todo o processo é o questionamento”, afirma.

alternativas para um mundo melhor, pos-

Há muitas ações programadas e será

sibilidades essas que passam, necessari-

possível acompanhá-las pelo novo site, re-

amente, por uma mudança de cultura. Não

centemente lançado e totalmente

é por acaso, portanto, que o público-alvo

reformulado. Além das três equipes de co-

do projeto são os adolescentes e pesso-

leta de lixo (Cação, Tatuíra e Marisco, que

as entre 18 e 25 anos, abertas a novas pos-

atuam em baixo da água, nas restingas e

sibilidades e às mudanças. “Queremos

costões, respectivamente), o Route tam-

preparar as futuras gerações de uma for-

bém possui a equipe Minhoca, responsá-

ma diferente”, defenâde Simão.

vel pelo plantio de árvores frutíferas, e a

Desde que deu início às suas ativi-

ideia é até dezembro promover pelo me-

dades, o Projeto Route tem desenvolvido

nos um evento de limpeza por mês.”O

uma serie de ações, todas elas usando o

Route parte de uma filosofia de vida, e acre-

lixo e atividades de conscientização eco-

ditamos que ainda há tempo para correr

lógica como ferramentas de conscien-

atrás do tempo perdido”, finaliza Simão.

tização. Entre coletas de lixo nas areias das praias, separação e análise do conteúdo

ONDE ENCONTRAR

recolhido, discussões a respeito do meio-

www.projetoroute.com.br

ambiente, além do plantio de mudas, o Route segue com sua proposta de disse-

NAS REDES SOCIAIS

minar mudanças na cultura de consumo.

@ProjetoRoute

De acordo com Simão, há uma van-

www.facebook.com/sejaroute

tagem facilitadora desse trabalho. “O as-

www.youtube.com/projetoroute

sunto está na moda, gera mídia instantâ-

www.vimeo.com/projetoroute

55


OPINIÃO

Rio Araújo e outros rios...

Alguém afirmou que um

tranquilamente sem dores,

“rio é algo mais que um aci-

sem estremecimentos e rapi-

dente geográfico, uma linha no mapa, uma parte do terre-

damente, entra em decomposição, daí o mau cheiro do rio

no imutável, ele não pode ser

Araújo e de tantos outros que

retratado adequadamente em termos de topografia e geolo-

são vítimas do próprio homem.

gia. Um rio é um ser vivo, um

Na natureza a regra ge-

ser dotado de energia, de movimento, de transformações”.

ral é a proteção de seus recursos. Os animais, mesmo os ir-

Na verdade, o rio é vivo

racionais, alimentam-se do

na medida em que contém infraestruturas vivas. Como o sangue que cir-

que lhe é oferecido sem magoar os demais seres vivos.

cula em nossas veias, ele contém células que

Um rio, além de fonte ideal de água e

se nutrem e que respiram oxigênio. Quando morto, essas células perecem e ele se decom-

alimento, é também um veiculo natural de transportes, como embarcações, madeiras e

põe; proliferam, então, os seres que produzem a sua degradação, exalando os odores

substâncias indigestas à sua vida. Em vista disso, o homem deposita toda a sorte de

mefíticos da putrefação. O rio poluído é um

substâncias tóxicas e dejetos, acelerando a

rio morto. Um rio pode morrer por falta de alimen-

sua vida útil e provocando a sua morte. Talvez um dia, o homem entenda que o rio é um

to, como qualquer ser vivo, e também como

bem gratuito que a natureza lhe entregou gra-

qualquer ser vivo, pode morrer de indigestão. À indigestão segue-se a asfixia, isto é, o oxi-

ciosamente.

gênio disponível torna-se insuficiente à sua respiração, ou seja, a oxigenar (oxidar) todo o alimento que foi ingerido. Aí ele morre

56

Ivani Zechini Bueno Professor, mestre em Engenharia e Agronomia e gestor ambiental.


Coan

57


OPINIÃO

Mandela e o respeito pelas diferenças Como tudo que é construído culturalmente pela so-

entre negros e brancos, mas, sim, os

ciedade, a tradição surge a partir de um ponto qualquer,

aspectos que poderiam unir a nação

claro ou indefinido. Com o jazz nos Estados Unidos ou com

sul-africana. Mesmo sob os olhares re-

o samba no Brasil, a tradição aparece também pelo res-

ceosos das duas principais cores de

peito das diferenças entre as pessoas, pois sempre é ne-

pele nacionais, o presidente aceitou

cessário olhar para o passado de modo quase sempre

em seu governo os antigos e os no-

solene. Jazz e samba investigam as raízes que os forma-

vos funcionários, iniciando uma reforma que é sempre a

ram, intimamente ligados às origens africanas, mas com a

mais difícil: a do pensamento.

inequívoca presença do novo - no caso, a América em cons-

Aos poucos, a África do Sul se tornou a Nação Arcoíris, belo exemplo multicolorido que traz a integração como

tante formação. Com Nelson Mandela, talvez a mais célebre figura

seu maior símbolo. É claro que o preconceito ainda exis-

no que tange ao encontro do velho com as novidades, o

te, não só lá como também em toda a parte do mundo,

caminho é mais ou menos parecido. Condenado à prisão

mas a ideia construída a partir do governo de Mandela

perpétua em 1964, Mandela ganhou a liberdade novamente

tem o mesmo vigor daqueles movimentos históricos que

em 1990. E a África do Sul, um país então tradicionalmen-

permitiram o fim da escravidão entre os povos e o direito

te conhecido pelo apartheid racial, teve a sua chance de

às liberdades da mulher.

ser solene e nobre, deixando ressentimentos de qualquer ordem apenas para os mais exaltados. Um ano após sua soltura, Nelson Mandela foi eleito presidente e, de imediato, percebeu que o único cami-

O exemplo de Mandela é uma ótima inspiração para qualquer empresário que possui responsabilidade social e sabe que as diferenças são, verdadeiramente, a única semelhança que todos possuímos. Evandro Duarte

nho possível era o da conciliação. Não lhe interessava as poucas dessemelhanças

Jornalista - evandroarte@gmail.com

Anúncio Rosso Restro

58


CRÔNICA

Passa “Dunque”, seu cão purgento... Todos a conheciam por Zéfa. Zéfa de Generosa. Nascida Maria José Eleutéria de Mendonça, perdeu o pouco de tudo que os pais deixaram, ou seja - um pequeno sítio e uma casinha de material num bom bairro da cidade. Seu pai, Coronel Eleutério, morreu vítima de um enfarto fulminante, sendo seguido pela esposa Generosa, a mãe de Zéfa, também do coração. Coração que parecia não ajudar Zéfa a encontrar companhia. E ela foi virando Zéfa - Zéfa de Generosa, a solteirona. Teve duas irmãs. Casaram-se há tempos, partiram prá longe e nunca mais voltaram a vê-la. E aos poucos, quase ninguém mais se lembrava que ela era filha de um coronel. O nome da mãe - Generosa - acoplado ao seu apelido - era mais que uma identificação da origem, passando a ser o sentimento pelo qual ela era adjetivada por toda a região do Passo do Macuco, desde as roças de Juca Pelado, até a Vila Farinha, lá no final da segunda curva, após a mangueira grande. Zéfa de Generosa... Zéfa e seu inseparável companheiro Duque. Ah! desculpem, o Duque ainda não foi apresentado. Um velho cachorro peludo que mais parecia um carneiro fugitivo de todas as tosas do mundo e que, já velho, quase cego, insistia em acompanhar Zéfa de Generosa por onde fosse neste mundão de meu Deus. Zéfa de Generosa no pedaço, Duque por perto. E como ela não desenvolveu o costume de cuidar de si própria, imagine se encontrava tempo para cuidar do Duque. Seu “perfume” era, por assim dizer o de um sempre “cachorro molhado”, sabe como?... Uma fissura labiopalatal de nascença, fez com que Zéfa de Generosa “chiasse” quando pronunciava a maioria das palavras e aquele som meio “fanhoso”, mais parecia o forte vento nordeste cortando as folhas do bambual lá de perto do Riacho dos Bugres. Por isso, o cachorro era carinhosamente por ela chamado: - “Dunnnque”, venha cá sxeu caxshoro sxafado! Aprendeu a benzer com a avó Das Graças, que tinha receita para tudo, desde espinhela caída, nó nas tripas, até ventre virado. Era sempre a primeira a aparecer quando morria alguém. Tinha muito jeito para preparar o corpo do defunto ou defunta.

Mesmo sendo uma senhora, todos a obedeciam quando o assunto era a preparação para o velório. Morreu alguém? Podia contar, lá estava Zéfa de Generosa. Muitas vezes chegava a tempo de ajudar o quasemorto a segurar a vela da extrema unção. Tinha faro prá coisa. E o fazia com uma determinação que era digna do maior respeito. E quando o assunto era a Poderosa Novena de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro? Zéfa percorria as várias casas – uma a cada Sexta feira - comandando a reza, chovesse ou fizesse lua “inteira” ou “quebrada” lá no céu. - Afe Maria, schxeia de graça, o shxenhor é convoxsco... E o coro respondia: - Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós os pecadores... E assim, a vida corria solta lá pelas bandas do Passo do Macuco, desde as roças de Juca Pelado até Vila Farinha... Certa vez chovia que Deus mandava. A novena era na pequenina casa de Tião e Lindinha, jovem casal que apesar da boa vontade, não podiam oferecer muito espaço para o grande público que vinha prestigiando a série naquele ano. Zéfa de Generosa caprichava na chamada fervorosa da novena, quando pela porta entra Duque. Não pede licença - esfrega-se em todo mundo, cheio de água e lama no pelo acarrapichado e começa a esfregar-se nas pernas cansadas de Zéfa de Generosa, que ajoelhada em frente ao pequeno altar não perde a postura, nem o ritmo da oração: - “Afe Maria, schxeia de graça, o shxenhor é convoxsco... Sxeu caxshoro purguento... Passa Dunnnque... Passa Dunnnque ! (respira fundo)... Bendxhito é o fruto do vossxo ventre Jessxus...” E como o cão não atende, Zéfa perde toda a estribeira que quase não existe : - Passa Dunnque, caxshoro laxzarento, filho da p... Sxafado... (respira fundo, recompondo-se) O pão nossxo de cada dia nos daí hodje...” Mário Motta Comunicador e educador mariomottatv@gmail.com

59


CUL TURA CULTURA

Incentivo Reconhecido pelas esculturas feitas com ferro velho e solda, Vinícius Basso busca patrocínio para realizar oficinas com crianças

L

ogo que finalizou sua exposição “Intentional Processe”, que ficou no Museu Histórico Municipal de São José

até o final de maio, o artista plástico Vinícius Basso confirmou um desejo antigo de realizar oficinas direcionadas a crianças e adolescentes, nas quais pudesse repassar sua experiência e estimular o uso da arte como forma de expressão e incentivo ao desenvolvimento pessoal. Em São José, além da exposição que durou cerca de 15 dias, Vinícius - que trabalha com a transformação, por meio da solda, de sucata em peças de arte – teve a oportunidade de oferecer oficinas a crianças matriculadas na rede municipal de ensino, utilizando a cola como ferramenta alternativa à solda. “A arte é um estímulo ao desenvolvimento de aptidões naturais, e as crianças deixam a criatividade voar quando oferecemos materiais e oportunidade”, explica Basso. Com o fim da exposição, o inquieto artista nascido no interior de São Paulo viu crescer a vontade de trabalhar com crianças, e está buscando alternativas para custear o desenvolvimento do projeto, que não deve ficar limitado às oficinas de escultura, mas

60


CUL TURA CULTURA

à criação artística ra, mosaico e trabalhos com a utilização de madeira e materiais recicláveis. “O que eu quero é utilizar o ateliê como espaço para essas oficinas e mostrar que não existe idade para se manifestar artisticamente”, diz. Nesse processo, Vinícius pretende

Foto: Rogério Amendola

abranger, também, expressões como pintu-

utilizar o Espaço Cultural Vinícius Basso – que fica a uma quadra da praia, em Jurerê Tradicional –, um espaço lúdico e envolvente, onde estão expostos seus trabalhos e os de outros quatro artistas (Valdir Agostinho, Mauro Costa, Andréa Steudel e Ely Albernaz) com os quais pretende trabalhar nas oficinas. O Espaço Cultural foi construído aos poucos, com materiais doados por empresários, amigos e coletados pelo próprio Vinícius. “Cortei muito mato e carreguei muito bambu nas costas para fazer este lugar nascer. Mas contei também com a ajuda de muita gente: as portas de vidro, estrutura da cobertura, lonas e madeira foram doadas, e por isso tem a mão de muita gente aqui”, explica. Por esse motivo, explica, a ideia de “meu” não existe, mas sim a de um espaço para ser compartilhado, sempre com os portões abertos e pronto a receber. “O legal é que o Espaço é um museu a céu aberto, e aqui as crianças terão contato com muitas manifestações artísticas e poderão experimentar sensações diferentes das que sentiriam se estivessem em seus próprios ambientes. A arte precisa disso”, opina. ONDE ENCONTRAR www.viniciusbasso.com.br

Tainhas na rede Além do projeto das oficinas, Vinícius Basso fala com paixão também sobre o “Tainhas na Rede”, uma iniciativa do Grupo Habitasul em Jurerê Internacional. São 28 obras (20 painéis e oito totens) produzidas por diferentes artistas, cada um deles apadrinhado por uma empresa. Todas as peças estão expostas na orla e no Jurerê Open Shopping, integrando um circuito de arte urbana. Ao final da exposição será realizado um leilão, e parte do valor arrecadado será destinado a entidades beneficentes. “Meu trabalho tem 2,40 m, e foram utilizadas mais de 500 peças, de cadeados e chaves a tesouras e placas de ferro. Todos os trabalhos estão maravilhosos”, finaliza Vinícius.

61


GASTRONOMIA

De encher a boca e os olhos A

Restaurante Bate Ponto, além de pratos saborosos, oferece bela vista da Baía Norte 62

pesca artesanal, o cultivo de ostras

xonado por sua gastronomia. Murilo con-

e mariscos e a qualidade dos servi-

ta que, além do avô, quando recém havia

ços oferecidos atraem turistas do

estreado, o restaurante teve a ajuda dos

mundo todo a Santo Antônio de Lisboa, no

amigos Fernando Mansur, que participou

Norte da Ilha, um dos roteiros gastronômicos

de toda criação do espaço, e de Fausto

mais famosos da cidade, com restaurantes

Silva Junior, criador do nome do lugar.

de excelente qualidade. Um dos mais tradicionais do lugar é o Bate Ponto.

Além da qualidade e do profissionalismo da casa, o belíssimo cenário na-

Os frutos do mar, especialidade da

tural ajuda a deixar o estabelecimento ain-

casa, foram inseridos ao cardápio por in-

da mais agradável. Segundo Murilo, a pai-

fluência do avô de Murilo Mafra Filho, pro-

sagem do restaurante atrai o cliente a qual-

prietário do estabelecimento. Dário Mafra

quer hora do dia: “no almoço, nada me-

- o patriarca da família Mafra - era pesca-

lhor que uma refeição saborosa em frente

dor, nativo da Ilha de Santa Catarina e apai-

ao mar. De tarde, o pôr-do-sol é belíssimo


GASTRONOMIA

atrás das montanhas e, à noite, a iluminação é imperdível”, garante. Os pratos oferecidos pelo restaurante vão dos petiscos mais simples aos mais elaborados, acompanhados por vinhos,

FAÇA TAMBÉM

Tainha Recheada Bate Ponto Ingredientes 1 tainha fresca Sal a gosto

perfeitos para o paladar dos ingredientes

1 Limão

selecionados. Entre as especialidades da

Pimenta a gosto

casa estão os pratos a base de bacalhau

250g de camarão miolo eviscerado

como o ‘Açoriano’, que lembra muito aque-

200g de farinha de mandioca

la bacalhoada de páscoa, mas com maior sofisticação. O ‘Abençoado’, por sua vez,

Manteiga Azeite de oliva

leva purê de batata e lascas de bacalhau

Preparo

que dão um toque a

1ª parte

mais na hora de ser-

Limpar e abrir pela barriga uma tainha de 1,2kg (é importante que seja pela barriga, para que o fechamento dela fique mais discreto, deixando o prato mais bonito). Deixar a tainha marinando no sal, limão e tempero a gosto, de 10 a 15 minutos. Pré-aquecer o forno durante 10 minutos, a 220ºC.

vir, além, é claro, do ‘Gran Gnocchi de Bacalhau’,

uma

trouxinha da massa recheada com o peixe que com certeza agrada muitos pala-

2ª parte

dares.

Enquanto a tainha está marinando, preparar a farofa de camarão, que será o recheio do peixe: regar a panela com uma colher (de sopa) de manteiga e azeite de oliva, dourar os camarões e misturá-los com a farinha e os temperos. Acrescentar cheiro verde. Levar ao fogo por cinco minutos. Mexer os ingredientes cuidadosamente para não queimar.

O cultivo de ostras que fica pertinho do restaurante inspira Murilo a pensar, com a equipe da cozinha, deliciosas receitas. Ostra in natura, gratinada, ao bafo, entre outras formas de preparado, deixam o paladar aguçado. Os peixes frescos - e sempre da estação - são ingredientes importantes. Na época da tainha, por exemplo, o restaurante serve uma saborosa ‘Tainha Recheada’ com camarão.

ONDE ENCONTRAR www.bateponto.com

3ª parte Rechear a tainha marinada com a farofa de camarão, ajeitando-a com uma colher. É importante que a tainha não fique estufada, para que a finalização do prato seja bonita. Colocar o peixe de barriga para cima e fechar com palitos de dente, dando intervalos de 2 a 33 centímetros entre cada palito. 4ª parte Colocar a tainha em uma forma e levar ao forno pré-aquecido, durante 25 minutos. Monitorar o forno, regando a tainha com um fio de azeite de oliva para dourar o peixe e deixá-lo mais saboroso. O tempo de preparo é de 40 a 50 minutos. A receita serve pelo menos duas pessoas e tem o acompanhamento de pirão - outro prato típico da região - e arroz.

63


SOCIAL

Fotos:Terezinha Bonfanti

Jubileu de Prata da Acibig

A

Associação Empresarial e Cultural de Biguaçu (Acibig) completou 25 anos de fundação no dia 17 de junho, recebendo uma importante homenagem na Assembleia Legislativa de Santa Catarina. A solenidade foi proposta pelo presidente da Casa, deputado Gelson Merísio (PSD) e contou com a participação de autoridades e empresários do município. O atual presidente da entidade, Valério Juvenal da Silva, e os sete ex-presidentes receberam uma placa como homenagem do Parlamento catarinense, enquanto os 62 associados fundadores foram parabenizados com um certificado. A Acibig contabiliza hoje 430 1 associados.

2

3

4

5

7

8

6

9

1 - Gelson Merísio e Valério Silva | 2 - José Nei Ascari e Izamir Junkes | 3 - José Nei Ascari e Jucélio Jacob de Andrade | 4 - José Nei Ascari e Anselmo João da Silva | 5 - José Nei Ascari e Robson Rodrigo de Carvalho | 6 - José Nei Ascari e Renato Lazzarotto | 7 - José Nei Ascari e Aldo Rocha de Moura Ferro | 8 - José Nei Ascari e John Kennedy de Lara Costa | 9 - José Nei Ascari e Valério Silva.

64


SOCIAL

10

11

12

13

13

14

16

15

18

17

19

10 - Sônia Petry, Marco Aurélio Dias e Renato Petry | 11 - Nacet Thomaz de Souza e José Manoel da Cunha Junior | 12 - José Castelo e Alessandro Garbelotto | 13 - Desembargador Antônio Monteiro Rocha e representante do homenageado Renato Leal (in memorian), Felipe Leal | 14 - Valério Silva e José Nei Ascari |15 - Nacet Thomaz de Souza e Leandro Rodrigues | 16 - Marco Aurélio Dias e Nagib Garcia | 17 - José Castelo e Ananias Martendal | 18 - Valério Silva e representante da mãe homenageada, Edith Petry, senhora Zaida Petry | 19 - Valério Silva e Roberto Andrade

65


SOCIAL

Jubileu de Prata da Acibig

20

23

26

21

24

27

20 - José Castelo e Humberto Costa Dutra | 21 - Nacet Thomaz de Souza e José Braz da Silveira | 22 - Nacet Thomaz de Souza e Martinho Nunes Santana Filho | 23 - Valério Silva e Ronei Costa | 24 - Nacet Thomaz de Souza e Solange de Miranda | 25 - Valério Silva e Gustavo Roberto dos Reis | 26 - Marco Aurélio Dias e Orlando Sebastião Steffens | 27 - Valério Silva e representante da Cloro Química - | 28 - José Castelo e Antonius J. Gerardus Bovee

66

22

25

28


67


OPINIテグ

68

24ª Edição - Revista O Empresário  

24ª Edição - Julho/Agosto 2012 - Revista O Empresário

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you