Issuu on Google+

REGIÃO REDENTORISTA DO SURINAME Unidades do Brasil são as responsáveis por esta missão O Provincial de Campo Grande, Joaquim Parron, em nome da U.R.B. (União dos Redentoristas do Brasil), junto com Jorge Tarachuque, esteve visitando pastoralmente a Região Redentorista do Suriname por oito dias. A seguir descrevemos um pouco da história e do processo como os brasileiros tornaram-se os responsáveis por esta missão.

BREVE RELATO HISTÓRICO: Esta região foi assumida pelos Redentoristas holandeses em 1865 e tornou-se vice-Província mais tarde, tendo mais de cinqüenta confrades atuando neste país. Em 1997, após o Capítulo Geral, em West End, USA, os holandenses apresentaram ao Governo Geral o pedido para que a URB (União dos Redentoristas do Brasil) assumisse esta missão. Depois de muito diálogo, todos os (vice) Provinciais brasileiros assinaram uma carta (Compromisso das Unidades da CSsR no Brasil com a Região do Suriname – Belo Horizonte, 21 de setembro de 2001) junto com Joseph Tobin, assumindo uma comunidade internacional no Suriname. Em 13 de junho de 2008 o Conselho Geral emitiu o Decreto passando a Região do Suriname para a URB (Prot n. 282/2007, Roma, 13 de junho de 2008). Em setembro de 2010, os (vice) Provinciais brasileiros expressaram ao Governo Geral as dificuldades com esta missão. No entanto, o Conselho Geral, em sua carta insistiu na permanência da URB nesta região (Cf. Roma, 10 de janeiro de 2011. Prot. 0061 193/2010). Desde então, os Redentoristas Brasil têm uma responsabilidade pastoral com o povo católico do Suriname.

A CONFERÊNCIA REDENTORISTA DA AMÉRICA LATINA E AS MISSÕES INTERPROVINCIAIS No XXIV Capítulo Geral (2009) foi decidido que a América Latina/Caribe forma uma Conferência, subdividido em três subconferências: URB (as Unidades do Brasil), URNALC (União dos Redendoristas do Norte da América Latina/Caribe: As Províncias do Equador, Colômbia, Venezuala...) e URNSAL (União dos Redentoristas do Sul América Latina: As Províncias do Paraguay, Argentina, Chile...). Cada sub-conferência ficou com uma missão interprovincial: A URB ficou com a Região do Suriname, a URSAL ficou com a missão no Uruguay e a URNALC ficou com a missão em Cuba. REDENTORISTAS NO SURINAME HOJE Atualmente são três brasileiros (Pe. Ronaldo Faria CSsR da Província do Rio, Pe. R. Croon CSsR da Província de São Paulo e Pe. Gilson Silva CSsR da Vice da


Bahia). Chegam para esta missão o Ir. Jorge Tarachuque CSsR da Província de Campo Grande e Pe. José Ribeiro CSsR da Província de Porto Alegre. Também estão nesta região dois Redentoristas surinameses, Pe. Waldi, com 76 anos de idade e Pe. Moessai, com 85 anos de idade. Pe. Moessai está alojado num asilo muito pobre e o Pe. Waldi, ainda debilidado, cuida de uma área pastoral. Os Redentoristas brasileiros são responsáveis de uma área pastoral na região de Latour (periferia de Paramaribo) onde está a população mais pobre. Além dos católicos surinameses desta região, segundo as estatísticas são mais de 60 mil brasileiros sem assistência religiosa católica (a Igreja Assembleia de Deus e a Igreja Universal estão conquistando muitos brasileiros que eram católicos no Brasil). O último Redentorista holandês deixou a região nos meados de 2010. Os Redentoristas atuais lamentam o fato dos holandeses terem vendido todas as propriedades e não terem deixado um patrimônio para os Redentoristas que estão chegando. SÍNTESE DA VISITA NO SURINAME

Tarachuque com o bispo De Bekker no barco na romaria

Bispo De Bekker e Gilson CSsR - túmulo de Pedro Donders

Joaquim Parron CSsR e Jorge Tarachuque CSsR estiveram visitando a região por oito dias. Primeiramente tiveram um encontro com a comunidade religiosa Redentorista e também uma reunião com o bispo local (De Bekker). O bispo foi muito acolhedor e tem o desejo que os Redentoristas brasileiros reforcem a missão nesta diocese. Quando o bispo soube que J. Tarachuque tem experiência de trabalhos na área da ética social e direitos


humanos o convidou para fazer parte da Comissão de Justiça e Paz da diocese. Também foi visitado a Batávia, lugar onde o Bem Aventurado Pedro Donders trabalhou com os leprosos. É um local distante da capital (Paramaribo) e ainda têm sinais da atuação do bem aventurado Redentorista Donders. Mensalmente é feito romarias para este local sagrado. Finalmente foi visitada a paróquia de Saramaco onde atua o Redentorista surinamês Waldi. É uma paróquia no meio da floresta onde ele atende os povos indígenas e imigrantes.

Gilson CSsR, Irmã, Croon CSsR, Ronaldo CSsR, Tarachuque CSsR e Waldi CSsR No final da visita foi elaborado, com a comunidade local, um plano para ser apresentado na reunião da URB. O plano tem em vista que em 10 anos esta missão possa ser auto-sustentável e ao mesmo tempo tenha vocações nativas para levar adiante o trabalho evangelizador. Este plano também inclui duas celebrações anuais, em todas as igrejas/santuários pastoreados pelos Redentoristas no Brasil, conscientizando o povo e os confrades sobre o nosso compromisso com a Missão no Suriname. PERSPECTIVAS VOCACIONAIS Pe. Ronaldo Faria CSsR, jovem Redentorista da Província do Rio afirmou: “As Unidades do Brasil que enviarem confrades para esta missão serão abençoadas com vocações, pois esta atitude abre para uma realidade nova. Toda abertura gera ‘vida’ e todo fechamento gera ‘morte’. Além do mais, nossa vida apostólica aqui nesta terra do Bem Aventurado Pedro Donders vai gerar sinais para o Reino e será uma bênção Ronaldo Faria CSsR, superior da missão para a Congregação.” Ir. Jorge Tarachuque CSsR, da Província de Campo Grande ressaltou: “Nossa presença apostólica nesta região vai promover a defesa da vida e também a revitalização da Congregação neste meio. Pedro Donders é um exemplo radical de vida apostólica.” De fato, os confrades brasileiros estão


empenhados no trabalho pelo Reino nestas terras e sem dĂşvida, a abertura para esta missĂŁo vai motivar mais o trabalho vocacional tanto no Brasil como em Suriname. Bem aventurado Pedro Donders, rogai por nĂłs! ]


Suriname 2012