Page 1


/ZK /ƌŵĆůĞŶĂŝŶŝ 

KZEKKZ'E/KKWZK:dK ŽŽƌĚĞŶĂĚŽƌĂWĞĚĂŐſŐŝĐĂĚŽƐŶŽƐ/ŶŝĐŝĂŝƐĚŽŶƐŝŶŽ&ƵŶĚĂŵĞŶƚĂů DĂƌŝĂĞĐşůŝĂ,ĞůĂů

yhK WƌŽĨĞƐƐŽƌĂƐZĞŐĞŶƚĞƐĞŽŽƌĚĞŶĂĚŽƌĂWĞĚĂŐſŐŝĐĂĚŽƐŶŽƐ/ŶŝĐŝĂŝƐĚŽŶƐŝŶŽ &ƵŶĚĂŵĞŶƚĂů

hdKZ^ ƐƚƵĚĂŶƚĞƐĚŽƐŶŽƐ/ŶŝĐŝĂŝƐĚŽŶƐŝŶŽ&ƵŶĚĂŵĞŶƚĂů WƌŽĨĞƐƐŽƌĂƐĚŽƐŶŽƐ/ŶŝĐŝĂŝƐĚŽŶƐŝŶŽ&ƵŶĚĂŵĞŶƚĂů

Zs/^K DĂƌŝĂĞĐşůŝĂ,ĞůĂů

WZdhZ^W1dh>K^ ƌŝĂĕĆŽĐŽůĞƟ ĂĚŽƐĞƐƚƵĚĂŶƚĞƐŶĂƐĂƵůĂƐĚĞƌƚĞƐ WƌŽĨĞƐƐŽƌĂDƀŶŝĐĂĞnjĞƌƌĂĚĞůŵĞŝĚĂ>ŽƉĞƐ

WZKhK'Z&/ ĞůĞŽŵƵŶŝĐĂĕĆŽĞWƌŽĚƵĕĆŽƵůƚƵƌĂů>ƚĚĂ

/'ZDKKZ'E/K ĞůĞŽŵƵŶŝĐĂĕĆŽĞWƌŽĚƵĕĆŽƵůƚƵƌĂů>ƚĚĂ ĂĚŽƐ/ŶƚĞƌŶĂĐŝŽŶĂŝƐĚĞĂƚĂůŽŐĂĕĆŽŶĂWƵďůŝĐĂĕĆŽ;/WͿ &NØWFSF"GPSNBÎÍPEBTFNPÎÜFT1SPEVÎÜFTMJUFSÈSJBTFBSUÓTUJDBT EPTFTUVEBOUFTEPBPBOPEP$PMÏHJP/PUSF%BNF* QBOFNB 0SHBOJ[BÎÍP.BSJB$FDÓMJB)FMBM 1PSUP"MFHSF"MHP.BJT(SÈmDB&EJUPSB-UEB  QJMDPMPS 9DN $PMFÎÍP+PSOBEJOIB-JUFSÈSJB  *4#/ $PMÏHJP/PUSF%BNF*QBOFNB&NØWFSF +PSOBEJOIB-JUFSÈSJB*5ÓUVMP**5FYUPT***$PMÏHJP/PUSF%BNF*QBOFNB


 WZ^EdK  ŵ ĚŝĄůŽŐŽƐ ƚĞĐŝĚŽƐ ŶĂƐ ĚŝĨĞƌĞŶƚĞƐ ĐŽŵƉĞƚġŶĐŝĂƐ ĐŽŵ ŽƐ ĞĚƵĐĂĚŽƌĞƐ Ğ ĞƐƚƵĚĂŶƚĞƐ͕ ŵŝŐƌĂŵŽƐ ĐŽŵ ŶŽƐƐĂ /ŶĨąŶĐŝĂ ƉĂƌĂ Ă ĐŽŵƉĞƚġŶĐŝĂ ^ŽĐŝŽĞŵŽĐŝŽŶĂů͕ ƚƌĂĕĂŶĚŽ ĚŝĨĞƌĞŶƚĞƐ ĐŽŶĞdžƁĞƐ ĐŽŵ Ž ŶŽƐƐŽ WƌŽũĞƚŽ ŵſǀĞƌĞ ƌƵŵŽ Ă ŶŽƐƐĂ :ŽƌŶĂĚŝŶŚĂ͕ϮϬϭϵ͘ EŽ ĚĞƐĐŽŵƉĂƐƐŽ ĚĂƐ ďĂƟĚĂƐ ĚĞ ƐĞƵƐ ĐŽƌĂĕƁĞƐ͕ ŶŽƐƐŽƐ ĞƐƚƵĚĂŶƚĞƐ ĨŽƌĂŵ ĚĞƐĂĮĂĚŽƐĂĞdžƉŽƌ͕ĞdžƉĂŶĚŝƌƐƵĂƐŝĚĞŝĂƐ͕ĞŵŽĕƁĞƐ͕ƐƵĂƐĐƌŝĂĕƁĞƐ͕ƐĞƵƐƉƌŽďůĞŵĂƐ ĞĚĞƐĞũŽƐ͕ĚĂƌƵŵƚŽŵĐŽůŽƌŝĚŽĂŽƉĞŶƐĂŵĞŶƚŽ͕ƚŽƌŶĂŶĚŽͲƐĞĞƐĐƌŝƚŽƌĞƐŶŽĂƚŽĚĞ ĞŵŽĐŝŽŶĂƌͲƐĞ͕ĚĞƉĞŶƐĂƌĞĚĞĞƐĐƌĞǀĞƌ͘ ƚĂƌĞĨĂĚĂůŝƚĞƌĂƚƵƌĂƉĞŶƐĂƌĞĞƐĐƌĞǀĞƌƐĞŵůŝŵŝƚĞƐ͘ŽŶƚĂƌĂƉƌſƉƌŝĂŚŝƐƚſƌŝĂ͘ ^Ğƌ /ŶĨąŶĐŝĂ ŶĂ ƉƌſƉƌŝĂ ƉĞƌŐƵŶƚĂ͕ ŶŽ ƉƌſƉƌŝŽ ĂƚŽ ĚĞ ŝŶƚĞŝƌĞnjĂ͕ ĚĞ ƐĂďĞĚŽƌŝĂ  Ğ ĞƐƉŽŶƚĂŶĞŝĚĂĚĞ͕ĞƐĐƌĞǀĞƌ͘ WĂůĂǀƌĂƐ ƋƵĞ ƋƵĞďƌĂŵ Ă ŝŶĠƌĐŝĂ ƌĞƉĞƟƟǀĂ ĚĞ Ƶŵ ŵƵŶĚŽ ƐĞŵ ƉŽƐƐŝďŝůŝĚĂĚĞƐ ĚĞĞdžƉƌĞƐƐĂƌͲƐĞĞĚĞĞŶĐĂŶƚĂƌͲƐĞĐŽŵĂǀŝĚĂ͕ĐŽŵĂƐŇŽƌĞƐ͕ĐŽŵŽŵĂƌ͕ĐŽŵŽĐĠƵ͕ ĐŽŵĂƐƉĞƐƐŽĂƐ͕ŶĂƐĞŶƐŝďŝůŝĚĂĚĞĚĞĞƐĐƵƚĂƌĐŽŵŽĐŽƌĂĕĆŽŽƉĞŶƐĂŵĞŶƚŽ ƋƵĞŇƵŝ ĞƐĞĐŽŶĞĐƚĂĐŽŵŽĞƐĐƌĞǀĞƌ͘ KƐ ƚĞdžƚŽƐ ƋƵĞ ƐĞŐƵĞŵ ĂƐƉŝƌĂŵ ƵŵĂ  ŝŶĨąŶĐŝĂ ůŝǀƌĞ͕ ĚĞ ŶŽƐƐŽƐ ƉĞƋƵĞŶŽƐ ĞƐĐƌŝƚŽƌĞƐ͕ ůŝďĞƌƚĂ ĚĞ ĚŝƐĐƵƌƐŽƐ͕ ƉƌĞĐŽŶĐĞŝƚŽƐ͕ ĐŽŵ ƐŝŵƉůŝĐŝĚĂĚĞ ĚĞ ĂůŵĂ͕ ďĞŶĞǀŽůġŶĐŝĂ͕ ƉƵƌĞnjĂ ĚĞ ƉĞŶƐĂŵĞŶƚŽ͕ ƉĂŝdžĆŽ Ğ ĂŵŽƌ ƉĞůŽ ƋƵĞ ƉĞŶƐĂŵ Ğ ƚƌĂŶƐĨŽƌŵĂŵĞŵƉĂůĂǀƌĂƐŽďĞůŽĞƉƌĞĐŝŽƐŽƚĞdžƚŽ͘ dŽĚŽĂƚŽĚĞĞƐĐƌĞǀĞƌĨŽŝĨƌƵƚŽĚĞŝŶƚĞƌĂĕĆŽ͕ĚĞĚŝĄůŽŐŽƌĞůĂĐŝŽŶĂĚŽăĂƟƚƵĚĞƐ Ğ ăƐ ĞŵŽĕƁĞƐ ǀŝǀĞŶĐŝĂĚĂƐ͘ hŵ ƚƌĂĕŽ ŝŶĚĞůĠǀĞů ĚĞ ďĞůĞnjĂ Ğ ĚĞ ƵŵĂ ǀĞƌĚĂĚĞŝƌĂ ĐĞůĞďƌĂĕĆŽĚŝǀŝŶĂĞŚƵŵĂŶĂĚĞĂƉƌĞŶĚŝnjĂŐĞŵ͘ WĂƌĂďĠŶƐĚƵĐĂĚŽƌĞƐĞƐƚƵĚĂŶƚĞƐĚŽEŽƚƌĞĂŵĞ/ƉĂŶĞŵĂ͘  /ƌ͘ůĞŶĂŝŶŝ ŝƌĞƚŽƌĂ



3


 >ZsKK  KĐĞŶĄƌŝŽĞŵƋƵĞǀŝǀĞŵŽƐ EŽƐŵŽƐƚƌĂĐĂŵŝŶŚŽƐĐŽŵŵƷůƟƉůĂƐĨĂĐĞƚĂƐ ĞƚĞƌŵŝŶĂĚŽƐƉĞůŽƚĞŵƉŽ EĂĐŽŶƐƚƌƵĕĆŽĚĂĞdžŝƐƚġŶĐŝĂŚƵŵĂŶĂ͘  ͞ƵĮĐŽĐŽŵĂƉƵƌĞnjĂ ĂƌĞƐƉŽƐƚĂĚĂƐĐƌŝĂŶĕĂƐ ĂǀŝĚĂ͕ĠďŽŶŝƚĂ͕ĞĠďŽŶŝƚĂ͟ ƐƐŝŵĚŝnjŝĂ'ŽŶnjĂŐƵŝŶŚĂŶĂĐĂŶĕĆŽ >ĞŵďƌĂŶĚŽƋƵĞĂǀŝĚĂƉŽĚĞƐĞƌǀŝƐƚĂƉŽƌĚŝĨĞƌĞŶƚĞƐſƟĐĂƐ ^ŽĨƌŝŵĞŶƚŽŽƵĂůĞŐƌŝĂ͕ĨĞůŝĐŝĚĂĚĞŽƵůĂŵĞŶƚŽ ŽŵŽŶŽƐĚĂƌĐŽŶƚĂĚŽŽƵƚƌŽĞĂĐŽůŚĞƌ ^ĞƌŵĂŝƐĐĂŶĕĆŽĚŽƋƵĞƚƌŝƐƚĞnjĂ͍  EŽ͞KƵƚƌŽ͟ŚĂďŝƚĂŽƌĞŇĞdžŽĚĞŶŽƐƐĂĚŝǀŝŶĚĂĚĞ ^ĞƋƵŝƐĞƌŵŽƐŶŽƐĞŶĐŽŶƚƌĂƌ͕ŝƌƉĂ ƌĂĚĞŶƚƌŽĚĞŶſƐŵĞƐŵŽƐ ŶĞĐĞƐƐĄƌŝŽĞŶƚĞŶĚĞƌĞĂĐŽůŚĞƌĂƐŶĞĐĞƐƐŝĚĂĚĞƐĚŽƉƌſdžŝŵŽ ƉĂƐƐĂŐĞŵĚſŝ͕ŝŶĐŽŵŽĚĂ͕ŵĂƐƚĂŵďĠŵĨĂnjƐŽƌƌŝƌ KƉƌŽĐĞƐƐŽĚĞŝƌĞǀŝƌŶŽƐƚŽƌŶĂŐƌĂŶĚĞƐ͕ĂĨĞƟǀŽƐ͕ĚŝǀŝŶŽƐ &ĂnjĞƌŵŽƌĂĚĂŶŽKƵƚƌŽ͕ĞŵŶŽƐƐĂƐĚŽůŽƌŽƐĂƐďƵƐĐĂƐĚĞĂƚĞŶĕĆŽ ĂƵƚŽĚĞƐĐŽďĞƌƚĂ͕ĠŚƵŵĂŶŽ͕ƐŝŶĂůĚĞĞŶĐŽŶƚƌŽ͕ĚĞĨĞůŝĐŝĚĂĚĞ ĞƐĞŶƐŝďŝůŝĚĂĚĞŵŽǀŝĚĂƉĞůŽĂŵŽƌ͕ƉĞůŽƐĞƌŐĞŶĞƌŽƐŽĞďĞŶĞǀŽůĞŶƚĞ͘  KĚĞƐĂĮŽĚĞƚƌĂďĂůŚĂƌĂƐĐŽŵƉĞƚġŶĐŝĂƐƐŽĐŝŽĞŵŽĐŝŽŶĂŝƐ ĐĂƉĂĐŝĚĂĚĞĚĞƵƟůŝnjĂƌŽƐĐŽŶŚĞĐŝŵĞŶƚŽƐ ƌŐƵŵĞŶƚĂƌĐŽŵďĂƐĞŶŽƐĨĂƚŽƐ͕ĞdžĞƌĐŝƚĂƌĂĞŵƉĂƟĂ͕ŽĚŝĄůŽŐŽ ƌĞƐŽůƵĕĆŽĚĞĐŽŶŇŝƚŽƐ͕ĂŐŝƌĐŽŵĂƵƚŽŶŽŵŝĂĞƌĞƐƉŽŶƐĂďŝůŝĚĂĚĞ ŽŵŇĞdžŝďŝůŝĚĂĚĞ͕ƌĞƐŝůŝġŶĐŝĂĞĚĞƚĞƌŵŝŶĂĕĆŽ EŽƐƌĞŵĞƚĞŵĂŽWƌŽũĞƚŽDſ sZ ŽůĂƟŵ͕ĞdžͲƉĂƌĂĨŽƌĂĞŵſǀĞƌĞʹŵŽǀĞƌ͕ĂůĕĂƌǀŽŽ͘  ŵſǀĞƌĞŶŽƐŚĂďŝƚĂĞĐŚĞŐĂĂƚĠŽƐŽůŽƐĂŐƌĂĚŽĚŽŶŽƐƐŽĞƵ EŽĐŽƌĂĕĆŽĚŽKƵƚƌŽ



4


EĂƐĞŶƐŝďŝůŝĚĂĚĞƉĂƌĂŽĨĞƌƚĂƌĐŽŶĨŽƌƚŽĞĐƵŝĚĂĚŽ EŽĞdžĞƌĐşĐŝŽƌĞǀĞůĂĚŽƌĚĞĂŵĂƌƐĞŵŵĞĚŝĚĂ EŽĂƉƌĞŶĚŝnjĂĚŽƋƵĞŚƵŵĂŶŝnjĂĞĞŶƌŝƋƵĞĐĞ EŽĂďƌĂĕŽƋƵĞĂĐŽůŚĞĞĨŽƌƚĂůĞĐĞ EŽĂƵƚŽĐŽŶŚĞĐŝŵĞŶƚŽƋƵĞĂƉƌŝŵŽƌĂ EŽǀşŶĐƵůŽŐĞƌĂĚŽƌĚĞĞŵŽĕĆŽ͘  ŽŶĞĐƚĂƌͲƐĞ ^ĞƌŶŽĞĐŽŵŽƵƚƌŽ EĆŽƉĞƌŵĂŶĞĐĞƌĞŵƉŽƵƐŽ DĂƐ͕ĂůĕĂƌǀŽŽ͊  ůŐŽŶŽǀŽĞŵŶŽƐƐĂs/ŶŽƐĂĐĞŶĂ EĆŽŚĄĂůƚĞƌŶĂƟǀĂƉĂƌĂĂůŝĞŶĂĕĆŽ͕ĞŐŽşƐŵŽ͕ǀŝŽůġŶĐŝĂ WƌĞĐŝƐĂŵŽƐŵĂŝƐĞŵĂŝƐĚĞůĂĕŽƐŚƵŵĂŶŽƐ͕ĂĨĞƟǀŽƐ͕ĨƌĂƚĞƌŶŽƐ ĚĂĐŽŵƉƌĞĞŶƐĆŽĞŵŶŽƐƐĂƐĨƌĂŐŝůŝĚĂĚĞƐĞĐŽŶǀŝǀġŶĐŝĂƐ͘  DMsZ͊ŽŵĞĐĞƉŽƌsK͊ ůĐĞǀŽŽĂƚĠŽŝŶĮŶŝƚŽĚŽKhdZK͊   /ƌ͘ůĞŶĂŝŶŝ ŝƌĞƚŽƌĂ

 



5


^hDZ/K ƉƌĞƐĞŶƚĂĕĆŽĚĂĐŽůĞĕĆŽ:ŽƌŶĂĚŝŶŚĂůŝƚĞƌĄƌŝĂ͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘ϯ ϭǑĂŶŽ ͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘ϳ ϭǑĂŶŽ͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘Ϯϭ ϭǑĂŶŽ͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘ϯϯ ϭǑĂŶŽ ͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘ϰϳ ϮǑĂŶŽ͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘ϱϵ ϮǑĂŶŽ ͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘ϳϯ ϮǑĂŶŽ ͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘ϵϭ ϮǑĂŶŽ ͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘ϭϬϱ ϮǑĂŶŽ͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘ϭϮϭ ϯǑĂŶŽ͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘ϭϯϵ ϯǑĂŶŽ͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘ϭϲϭ ϯǑĂŶŽ͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘ϭϴϳ ϯǑĂŶŽ ͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘ϮϬϱ ϯǑĂŶŽ ͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘ϮϮϭ ϰǑĂŶŽ͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘Ϯϰϭ ϰǑĂŶŽ͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘Ϯϳϱ ϰǑĂŶŽ͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘Ϯϵϵ ϰǑĂŶŽ ͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘ϯϮϱ ϱǑĂŶŽ͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘ϯ ͘ ϱϱ ϱǑĂŶŽ͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘ϯϴϵ ϱǑĂŶŽ͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘͘ϰϭϯ


a7DE


8


O QUE ME EMOCIONA? Cátia Ranieri, professora do 1° ano A

O 1° ano A se sensibilizou com o nosso projeto trazendo as emoções "a flor da pele". A turma teve a oportunidade de experimentar sensações, ouvir, contar e trocar ideias. Nesse processo a sensibilização esteve presente, buscando cultivar nos estudantes sentimentos bons e descartar os ruins, tornando a vida melhor, mais leve, saudável e feliz. Tudo começou com um passeio pelo colégio. Os estudantes buscaram respostas para desvendar um grande mistério: "O que significava a palavra Emóvere?". As peças do quebra-cabeça estavam ali, em cada corredor, em cada mural, em cada cantinho conhecido e desconhecido. Os olhos das crianças brilhavam ao encontrar uma pista e não precisou terminar o trajeto para que descobrissem que estávamos falando sobre emoções. Depois de tantas descobertas, foi a hora de assistir ao vídeo institucional sobre o Projeto Emóvere. Nesse instante, já percebíamos o envolvimento de cada um, mas era só o começo, muito ainda estava por vir. Em Ensino Religioso e Filosofia os nossos estudos se desenvolveram a partir de muito diálogo e ensinamentos da palavra de Deus. A turma, sempre muito participativa, compartilhava situações do dia a dia e relacionava essas vivências com o que aprendia. Carinhas que evidenciavam os sentimentos de pessoas, os chamados emojis, foram criadas pelos estudantes que fizeram questão de expor suas obras no mural para que todos pudessem apreciar. O filme "Divertidamente" fez parte do nosso embasamento, trazendo questões importantes do comportamento de uma criança. Inspirados no assunto, um nome para a turma foi escolhido, depois de uma votação secreta. O voto sigiloso deixou a brincadeira mais empolgante! Por fim, depois de construir um gráfico revelando quais sentimentos receberam mais votos, tivemos um vencedor, e para surpresa de muitos, o sentimento "ORGULHO" foi eleito. 9


Foi através das histórias da "Chapeuzinho Vermelho" e "O Menino que Aprendeu a Ver" que conversamos sobre MEDO, AMOR, CORAGEM, ALEGRIA, ORGULHO e tantos outros sentimentos citados pelos estudantes. Com desenvoltura, empolgação e entusiasmo, a turma interpretou a história da Chapeuzinho para o Pré II da Educação Infantil assistir. Todos os envolvidos desempenharam muito bem o seu papel, tornando esse momento especial e repleto de emoções. Em cada aula especializada, seja de Artes, Música, Inglês, Educação Física ou Informática, o PROJETO EMÓVERE esteve presente. Em alguns momentos por meio de propostas e outros de atitudes. Sim, colhemos muitos frutos do nosso trabalho. Depois de tanto estudo, discussão e aprendizado, chegou a hora de criar, colocar no papel histórias e ideias que contribuíram com essa obra. E para uma proposta tão grandiosa, os estudantes foram convidados a pensar sobre "O QUE ME EMOCIONA?". Eles tiveram a oportunidade de refletir sobre tudo que vivemos na escola e sobre suas vivências fora do ambiente escolar. Foi emocionante participar desse processo tão rico! Ah, e por falar em histórias... Essas não são as maiores, mas são as melhores. Aquelas que marcam o início de uma trajetória linda, cheia de magia e encanto. Se deliciem e se emocionem nessa gostosa leitura!

10


AMOR Alek Doherty de Albuquerque Cavalcanti

PARQUINHO Clara Machado da Silveira

Quando eu vou ao parquinho fico emocionada. Eu brinco de escorrega e de balanço. Eu vou com a minha mãe e minha mãe brinca de pega-pega comigo. Eu gostaria que meu pai fosse no parquinho comigo.

       11


FELIZ Davi Mannarino dos Santos

Eu gosto de ir ao cinema porque tem pipoca. O cinema é legal. Eu gosto quando o bem vence o mal. Eu fico feliz com esse final. Eu gostei de ver “Vingadores: Ultimato” porque todos os Vingadores voltam.

MEU IRMÃO Felipe Guedes Laus Brodbeck

Eu gosto de ir ao clube. Eu vou à sala de jogos com o meu irmão. O meu jogo favorito é Mário. Eu fico feliz quando eu fico com o meu irmão. Eu gosto de ir ao parquinho e eu gosto de brincar de pique pega.

       12


 O ANIVERSÁRIO Gabriel Vidal Costa Damm

O meu aniversário me emociona. Eu fico curioso para abrir os presentes. Quando eu abro, eu tomo um susto de alegria. Eu gosto dos doces da festa porque tem muito chocolate. A hora do parabéns é divertida. Eu gosto do bolo.

PRIMEIRO DIA Gabriela Mesquita Coutinho Marques

Um dia eu andei a cavalo no hotel. Eu fiquei emocionada no primeiro dia que eu andei a cavalo. Eu fiquei muito feliz quando eu andei nele. Eu segurei um coelho e achei ele fofo. Ele tinha olhos vermelhos e pelos brancos.

13


AMOR Giovanni Motta David Ghetti O amor me emociona. Na minha casa tem amor. Eu amo minha mãe, meu pai e meu irmão. Eu jogo com o meu irmão “poker”. Eu sinto alegria quando brinco com o meu irmão. Eu gosto de jogar futebol com o meu irmão no clube. Meu pai, minha mãe e meu irmão são muito legais.

O DIA ALEGRE Henrique Fliege Simil Schneider Stuchert

Era uma vez um menino que foi ao Lego Lend com a sua dinda, com seu primo, com seu pai, com sua mãe e com a sua prima. O menino construiu um Homem Aranha grande de Lego. Ele brincou com o brinquedo. Foi emocionante!

14


O DIA DO PÔNEI Isabela Bamonde Rollemberg

A felicidade me emociona de tanta felicidade. Um dia eu estava em um hotel e fui à fazenda do hotel e andei de pônei. Eu gostei muito, foi bem legal. Eu fiquei arrepiada de emoção. O pônei era fofo, ele tinha um pelo macio e marrom.

ALEGRIA Isabella Pereira Donato Eu fico muito feliz quando a mamãe me dá um beijinho e cheirinho. Eu fico muito feliz quando eu vou ao Museu do Amanhã porque tem um globo. Eu acho bonito. Eu fico muito feliz quando eu vou na vovó, porque eu brinco com as minhas primas. A felicidade é uma emoção boa.

15


A EMOÇÃO Isabella Ramires de Andrade Cardoso

Um dia meus pais fizeram uma surpresa para mim. Eles me levaram ao Beto Carrero. Quando eu fui à Roda Gigante, meu pai me deu um abraço bem forte e eu fiquei emocionada. Eu gostei também quando eu vi um motoqueiro descer e aparecer do outro lado. Foi muito legal!

   MINHA FAMÍLIA Juliana Belfort Saade Eu gosto de ficar com toda a minha família reunida, todo mundo junto. Eu sinto orgulho de todos. Eu também gosto de ver um filme com o meu irmão. Eu fico feliz. Eu gosto de viajar com a minha família de avião.

16


AMIGOS Larissa Martins Cavalcante Meus amigos me emocionam. Eu fico feliz. Eu gosto de brincar com os meus amigos. Eu gosto de brincar com os amigos da escola de pique parede. Eu gosto de pegar.

    EMOÇÕES DA MINHA FAMÍLIA Laura Diniz Gonçalves Amorim Eu me emociono quando a minha mãe me dá um abraço. Quando eu vejo um filme triste, eu fico emocionada. Quando eu brinco com o meu irmão eu fico feliz, porque eu gosto dele. Eu gosto de brincar com o meu irmão de pique e pega na minha casa e o meu pai também brinca com a gente.





     17


MINHA FAMÍLIA NO NATAL Maria Alice de Mattos Babo

O Natal me emociona porque eu estou com a minha família e porque eu gosto deles. Eles sempre estão do meu lado. É uma data muito especial. Eu gosto de comer bacalhau. É muito bom! A minha casa fica arrumada com árvore de Natal, luzes, comida e presente.

MINHA IRMÃ Maria Beatriz Marinho de Neves-Manta Eu me emociono em pensar que a minha mãe um dia vai ter um filho. Eu quero brincar com a minha irmã. Eu e ela vamos ver filme juntas. E todos os dias ela vai dormir comigo e a gente vai se encontrar na escola.

18


PASSEAR COM A MINHA MÃE Maria Luisa Colmenero Arantes Quando eu deito no sofá com a minha mãe, ela me abraça e eu fico emocionada. Gosto quando eu brinco com a minha mãe de passear na rua. Nós compramos lanche e comemos juntas.

A VIAGEM PARA A FRANÇA Maxence Jérome Blomme Fui para a França com meu pai e meu irmão. Fui visitar minhas avós e foi muito legal e também fui para a piscina. No outro dia fui a um restaurante e comi uma comida gostosa. Eu fiquei muito feliz!

19


O DIA QUE ANDEI DE BICICLETA Rafael Paiva Matos Eu me emociono quando eu ando de bicicleta, porque eu sinto vento na cara. Eu vou muito à praia porque meu irmão gosta e minha mãe fica apavorada. A minha mãe tem medo que eu caia da bicicleta, mas eu gosto muito da velocidade.

   

20


a7DE


22


NOSSAS LEMBRANÇAS Ana Beatriz Freitas, professora do 1º ano C Em uma tarde, na Biblioteca, nossa turma ouviu a história do livro “O Monstro das Emoções”. A história contava sobre as emoções e que cada uma delas tinha o seu lugar. Cada potinho tinha uma cor e cada cor era uma emoção, assim as crianças contaram e escreveram o que as deixavam alegres, tristes e calmas. Foi assim que demos início ao Projeto Emóvere. A partir daí a turma ouviu várias histórias em que cada personagem tinha suas próprias características, cada um com seu jeito e com sua maneira de lidar com as emoções. Todos se sentiam importantes por suas ações com os amigos, com a gentileza, o bom trato e o respeito uns com outros. A cada história ouvida e em cada conversa, as crianças recordavam sobre alguns momentos em que tinham sentido diferentes emoções, nas situações vividas em família, com os amigos, com os professores. Inspirados nesses relatos, nossos pequenos estudantes construíram histórias que hoje se transformaram no livro da turma. Que estas histórias possam ser lidas, partilhadas com cada um que esteve, de certa maneira, presente na narrativa deles. Aproveite cada minuto para também revisitar suas emoções e quem sabe não venha por aí uma nova história!

23


HISTÓRIA DE AVENTURAS Beatriz Cury Valladao de Arriaga Teles da Silva de Menezes

Um dia, eu fui para um lugar com a minha mãe que tinha vídeo game. O meu brinquedo preferido foi a montanha russa. Eu me senti muito feliz na montanha russa. Minha mãe ficou enjoada na montanha russa. A montanha russa era muito rápida. Eu era a única que não ficava enjoada. Eu sou corajosa e não me senti mal.

OS MELHORES DIAS DO MUNDO Benjamin Borges Gava Todo dia, eu vou à praia. Eu fico muito alegre quando eu brinco de bola na água com o meu pai, brinco de futebol com meu pai e meu irmão e quando vou para Curitiba com a minha família. Eu fico com medo quando tenho pesadelo. Eu vou para a cama da minha mãe porque ela tira os meus pesadelos. Ela tira os meus pesadelos passando a mão na minha cabeça. É muito forte as emoções.

24


AMIGO LEGAL Caio Vitor Carvalho da Cruz Meu papai fala para viajar para Arraial. Foi um dia bom porque eu fiz muita coisa. Brinquei com o Dudu na piscina. O Dudu é meu amigo, ele é muito legal. Porque eu brinco com ele todo dia que eu vou para Arraial. Amigo é bom para não ficar sozinho.

O PASSEIO EM ANGRA Camila D Alincourt Carvalho Um dia, eu fui para Angra dos Reis. Fui passear no barco da minha dinda. Fui na água e fiquei muito alegre. Eu brinquei de boneca com a filha da amiga da minha mãe que se chama Beatriz. Eu fui embora e fiquei com saudade. Eu queria ir de novo. A emoção é o que a gente sente.

25


UM DIA FELIZ Guilherme Otaviani Rodrigues Um dia, eu estava no aeroporto procurando meu avô que vinha do Espirito Santo. Ele já tinha chegado no aeroporto e quando eu vi fiquei muito feliz. Eu me sinto alegre quando ele em me visitar. Como ele mora no Espirito Santo, não o vejo sempre. Ele é muito legal. Sentimento são nossas emoções.

O PASSEIO MAIS LEGAL Isabella Vianna Corrêa

Eu estava passeando com a minha mãe e encontrei a minha escola antiga. Eu entrei na escola e fiquei muito feliz e brinquei com a minha professora de inglês. Ela me dava aula, eu sentia saudades, mas agora não sinto tanto. Porque eu estava indo muito lá por isso que eu não sinto mais tanta saudade, mas eu senti alegria e felicidade.

26


A PEDRA PRECIOSA Júlia De Brito Bruno Cardoso Eu fui no parquinho mágico da rua arco-íris. Eu brinquei e achei uma pedra preciosa. A pedra tinha o poder de se tele transportar, eu fui do Rio até Brasília. Depois eu voltei para o Rio, fiquei muito feliz. Emoção é o que faz a gente ter os sentimentos.

O BARULHO MISTERIOSO Júlia Fonseca Fontes Um dia, eu estava assistindo HI-5, aí “Ponnnm” alguém me assustou e era um barulho lá do nono andar. Eu achava que tinha acabado a luz do nono andar. Eu fiquei um pouco irritada aí eu respirei um pouco e me acalmei. Emoção é sentimento e essa história é divertida.

27


O ANIVERSÁRIO DA LARA Lara David Prata

No meu aniversário a minha família foi cantar parabéns. Nós gostamos muito e eu também gostei do bolo, achei muito lindo e fofo. Gostei muito do meu aniversário. Brincamos de pique-parede eu brinquei muito com a minha família. Eu fiquei emocionada porque eu me diverti.

UM PASSEIO EMOCIONANTE Maria Júlia do Amaral Altenfelder Silva Um dia, eu fiz um passeio emocionante. Aí começou, eu estava indo para a praia de carro e no caminho eu tive que ir por uma floresta que tinha aranhas gigantes e insetos. Uma aranha subiu na cabeça do meu primo, uma aranha gigante. Meu amigo Murilo caiu nas pedras, chegamos na praia e entramos na água. Sentimento para mim é uma coisa muito forte.

28


A AVENTURA DE EMOÇÕES Maya Jacques Vidal Barcellos

Quando eu fui ao Beto Carrero, eu fui em uma montanha russa e minha mãe morreu de medo, mas eu fiquei muito feliz. Eu fui em outra montanha russa e minha mãe também ficou com medo. A minha mãe é medrosa e eu não sinto medo, eu gosto de coisas radicais. Eu fiquei emocionada porque a montanha Russa era muito longa e dava para sentir muitas emoções.

UM DIA MUITO LEGAL Thor De Almeida Halvorsen

Um dia, fiquei muito alegre porque minha mãe voltou de férias. Ela viajou para São Paulo, ficou muitos dias e eu fiquei com meu pai. Eu abracei minha mãe e fiquei muito feliz. Emoção é sentimento.

29


A ILHA DA FELICIDADE Tom Ribeiro De Souza Dantas Um dia, eu fui para uma ilha na praia, e pensei que estava na ilha que tinha muitas árvores, mas as ondas é que estavam formando a ilha. Eu fui duas vezes e eu contei para a minha mãe e para o meu pai. Eu estava feliz porque eu não sabia que existia ilha no mar da praia. Eu fiquei emocionado porque, normalmente as ilhas o chão é de pedra e a que eu fui o chão era de areia. A ilha era muito longe da praia e eu fiquei muito feliz.

OS SENTIMENTOS Valentina Campos Villaça

Um dia, minha mãe dormiu na casa dela e eu fiquei com saudades. No outro dia, eu estava tomando banho e um monstro apareceu na janela e eu fiquei com medo, mas eu vi que não era um monstro. Era a sombra da árvore e eu nunca mais fiquei com medo. Eu senti medo e saudade essas foram minhas emoções.

30


O MELHOR DIA DO UNIVERSO Vitor Gasiglia Sevidanes

Um dia, eu fui ao jogo do Vasco, foi o melhor jogo do mundo e eu me senti alegre, nunca tinha ido antes. Foi o melhor jogo da minha vida, assisti ao jogo do Vasco e Palmeiras. Eu senti alegria porque eu nunca tinha ido a um estádio antes. Emoção é um sentimento.

A VOLTA DO TOMÁS Tomás Sendra Radler de Aquino

Um dia, eu voltei para o meu colégio eu fiquei muito feliz. Eu morava no Rio e me mudei para São Paulo e depois eu me mudei de volta para o Rio. Eu voltei para o meu colégio e ele é muito legal.

31


AS COISAS APAVORANTES QUE ACONTECERAM COM A HELENA Helena Motta Aguinaga

Uma noite, minha mãe pediu para o meu pai não sair, mas o meu pai desobedeceu e saiu. Quando ele voltou, eu fiquei preocupada, pois ele estava preso no elevador. Ele ligou para o porteiro, o porteiro pegou uma chave e abriu o elevador. O meu pai saiu do elevador. Eu fiquei alegre em ver meu pai fora do elevador. Emoção é você fazer uma coisa que você gosta.

32


a7DE


34


O QUE ME EMOCIONA? AS EMOÇÕES QUE NOS MOVEM! Roberta Nogueira, professora do 1º ano D

Iniciamos o trabalho assistindo ao vídeo do EMÓVERE e perguntando que emoções sentimos? Que lembranças eu tenho? O que me fez feliz? O que me deixa triste? Chateado? O que eu gosto e não gosto de fazer? Depois dessa conversa, começamos pela literatura, diversas histórias foram ouvidas como: A Caixa de Retalhos, O homem que amava caixas, Quando eu fico bravo eu vou embora, Quando eu fico triste eu choro, Chapeuzinho Amarelo.... E muitas histórias e lembranças sobre os nossos sentimentos, os nossos medos, nossas atitudes, nossas emoções... E assim começamos a pensar sobre o que nos emociona. As crianças refletiram e perceberam o que acontece quando ficam com raiva, tristes, chateados, alegres.... Cada um falou como se sentia quando acontecia algo que era ou não era do seu agrado. Reconhecer que precisamos dar atenção ao que o outro sente, embora as vezes para nós não tenha tanta importância! Cada um pôde expressar suas experiências e assim diversas lembranças foram aparecendo... Brincadeiras, viagens, passeios, a chegada de irmãos e primos, partidas de futebol.... Tantas histórias, risos e conversas gostosas e os textos foram surgindo. E cada um foi retratando suas emoções! E relembrando cada momento vivido e o que ele despertou. Logo que as crianças se tornam capazes de reconhecer cada uma das emoções que vivem nas diferentes situações, sabendo nomeando as corretamente, podemos ajudá-las a guiar adequadamente cada uma que enfrenta. E assim encerro meu texto com um trecho dessa linda canção Emoções de Erasmo Carlos e Roberto Carlos, feliz em poder acompanhar e participar do crescimento de cada aluno nessa trajetória da alfabetização.

35


Quando eu estou aqui Eu vivo esse momento lindo Olhando pra você E as mesmas emoções sentindo São tantas já vividas São momentos que eu não esqueci Detalhes de uma vida Histórias que eu contei aqui...

36


MINHAS BRINCADEIRAS Ana Laura de Souza e Melo Assunção

Quando a minha prima Maria Luiza nasceu eu fiquei muito feliz depois a minha irmã Amanda nasceu e eu também fiquei muito feliz. Depois a minha outra prima Isabela nasceu eu também fiquei muito feliz. Elas cresceram e eu brinco, brinco muito até hoje. Hoje eu brinco com elas e eu amo. As minhas primas e a minha irmã são minhas melhores amigas.

EU SOU FELIZ Catarina Nabuco de Oliveira Eu fico feliz quando eu vou brincar com a minha melhor amiga. Gosto de jantar com meus pais. Viajar com minha família. Brincar com meus primos na Serra.

37


EU SOU FELIZ João Angelo de Paiva Brandão Miranda Quando a minha irmã nasceu eu fiquei muito feliz porque eu ficava toda hora sozinho e queria muito ter uma irmã. Quando eu tô perto da minha família e quando também eu vejo a natureza eu fico feliz. Quando eu vou à praia com a aminha família, eu surfo e brinco na areia e depois eu como na praia. Gosto de ir no jogo do Vasco porque é o meu time.

VIAGENS Felipe Linhares de Carvalho Barboza Eu me emocionei quando viajei para Uruguai e Chile. No Chile eu fui para o Zoológico com a vovó e no Uruguai eu fui no estádio do Uruguai com meu amigo Pedro. Eu me diverti muito no Chile e no Uruguai. Gosto de passear com a minha irmã, com meu pai e com a minha mãe. Fico feliz quando vejo avião no Santos Dumont com meu pai de bicicleta e de jogar futebol com ele na Lagoa e no Aterro. E eu gosto de ir no Maracanã e em São Januário ver o Vasco da Gama ganhando.

38


AMO A MINHA FAMÍLIA Juliana Botacin Pereira Quando a minha prima nasceu eu fiquei feliz. Eu gosto de ficar com os meus pais. Fico feliz quando meu irmão brinca comigo e quando meu pai conta história eu me divirto. Eu amo fazer picolé com a mamãe. Amo ficar com minha família!

KIARA, MINHA IRMÃ Katarina Gracie Goraib Quando a minha irmã nasceu, nossa família estava com a camisa do meu tio porque teve uma luta. Fico feliz quando meu tio luta. Eu gosto de viajar com minha família. Gosto de ir no Beach Park. Gosto de dormir no quarto dos meus pais e brincar com minha irmã Kiara.

39


FAMÍLIA Leonel Gonçalves da Cunha Calife Quando jogo bola com meus amigos. Quando viajo com a minha família. Quando eu vou ao supermercado e quando eu passeio de carro eu fico feliz. Gosto de brincar com minha família e ver filme. Não gosto quando minha irmã mais nova me bate. Eu amo minha família.

AS VIAGENS DO LUCAS Lucas Campos Villaça Quando eu fui no Maracanã ver com meu primo o Jogo Flamengo e Bangu. O Flamengo venceu de 2 a 1. Foi minha primeira vez! Foi muito legal! Eu me emocionei quando viajei para o Chile e lá eu vi o Santhis e o Arturo Vidal e comi comida peruana. Gosto de brincar com minha família e de viajar. Gosto de viajar para os lugares e ver minha mãe nos Estados Unidos e quando vou no Animassom brincar com minha avó e tomar sorvete.

40


A MINHA FAMÍLIA Maitê Nader Hidalgo Eu fico feliz quando eu viajo com minha família. A gente pula na piscina porque minha família é bem legal comigo. O meu avô é muito divertido! Quando eu viajei para o Beto Carreiro foi muito legal. Lá foi a minha festa de seis anos. Eu fui na montanha russa e foi muito legal, fui no carrinho bate bate, e também fui na xícara e na roda gigante. Te amo família. Te amo de coração.

A AMIZADE COM MEUS PAIS Maria Bela Azevedo Sauerbronn Eu fico emocionada quando encontro com os meus primos e com a minha avó. Fiquei feliz quando eu viajei para Portugal. Vi a minha prima, o irmão dela e os meus tios. Fico muito feliz quando eu vou para minha fazenda, mas fico triste quando os pintinhos viram galinhas. Eu gosto de viajar com meus pais e também de ver televisão com eles. Quando minha mãe pinta minha unha, o meu pai as vezes borra!

41


O MELHOR DIA DA MINHA VIDA Maria Clara Moschen Carvalho Eu gosto de viajar com a minha família. Um dia eu viajei no meu aniversário de três anos e eu me diverti muito porque eu fui na Disney. A minha mãe é a melhor mãe do mundo! E o meu pai é o melhor pai do mundo!

HISTÓRIA DE AMOR Maria Vitória Ferreira Castelo Branco Eu gosto de ficar com minhas duas mães. Gosto de dar beijinho. A Adriana lê histórias e a Rozi faz banana para mim. Eu me emociono quando dou comida para os pobres. Quando encontro a Dina. Fico feliz quando eu estou de férias. Me faz muito feliz ficar com toda a minha família.

42


EU SOU FELIZ Nina Menezes Vieira de Moraes Eu passeio com a minha família. Eu brinco com meu pai de futebol. Eu me emociono quando eu viajo. Eu brinco com a aminha irmã. Fico feliz quando viajo para Minas. Lá eu como pipoca e doce de leite. Minha mãe faz brigadeiro e fico feliz. Eu gosto de ficar com minha cachorra Mel. E também gosto de brincar no parquinho com a minha cachorra e a Lud.

MEUS PASSEIOS Pedro Waldemar Filho Coutinho Evangelista Eu me emociono quando passeio com a minha família. Também gosto de dar comida para os bichos. Também gosto da tia Roberta. Eu aprendi a letra cursiva. Gosto de encontrar meus amigos. Gosto de passear com minha família, de jogar futebol. E eu gosto muito de comer picanha com arroz junto com a minha família.

43


MINHAS BRINCADEIRAS Tainá Nunes Mansur Gosto de jantar com a minha família, ir no shopping e viajar para Belo Horizonte. Lá na casa da minha madrinha eu vou na piscina, durmo lá e faço bagunça. Quando minha mãe aparece na escola eu fico feliz. Quando eu ganho presente e fico com minha família fico muito feliz. Gosto de brincar com meu irmão Arthur. Estudar matemática, eu fico feliz também!

O QUE ME EMOCIONA Thiago Matogrosso Kallut Eu gosto de ficar com minha família. Gosto de ficar junto com meu pai e minha mãe. Quando eu fico com minha professora Roberta eu fico esperto. Quando fico com meus amigos e quando eu estou jogando futebol e ganho um abraço, fico feliz. Quando fico com toda minha família junta é muito legal. Gosto de ficar na piscina do meu tio Ney e gosto de ouvir música de onda.

44


FELIZ Vitor Santos de Andrade Pinto

Quando a vovó vem me buscar e vejo o papai e a mamãe e recebo abraço dos meus amigos fico muito feliz. Gosto de ir no parcão. Minha brincadeira favorita é com a minha bola. Não gosto quando falam do Lobo Mau.

45


46


a7DE!


48


EMOÇÕES Maria Vitória Corrêa, professora do 1º Ano E Falar de emoções com crianças pequenas, desafio EMÓVERE proposto pelo Colégio Notre Dame este ano de 2019. Através de histórias como “O pequeno herói da Holanda” e “Seu feliz”, despertamos em nossos estudantes os sentimentos aflorados de diferentes formas. Comemorando o Dia Nacional do Circo, a figura do palhaço veio “na ponta do nariz” trazer a alegria para a turma do primeiro ano E, apelidada através de uma eleição feita com eles como “turma dos palhacinhos”! Conhecendo também a figura do mais famoso palhaço do Brasil, Piolim, através de um retrato observado pelo grupo, notamos os olhos tristes do palhaço que, embora nos alegre e nos faça sorrir, esconde um sentimento no nariz vermelho. Sempre presente em nossas rodas filosóficas também estavam os questionamentos sobre nossas ações e sensações e falar sobre isso virou rotina. Diante de tantas inspirações partimos para a escrita de nossas histórias carregando um pouco as nossas impressões e tentativas de exprimir sentimentos! Com vocês e com muita emoção: os textos do primeiro ano E!

49


OS MEUS SENTIMENTOS Alice Genuíno de Oliveira Victorino

Eu tenho felicidade. Eu amo os meus amigos. Eu estou feliz de estar aqui na minha escola. Tenho amigos que de vez em quando um deles é um pouquinho bravo mas eu gosto deles mesmo assim. Eu também fico um pouquinho brava mas quando eu me acalmo eu fico bem. Eu apertava asbochechas dos meus amigos. A Kátia me ensinou que pode machucar, eu parei e tive um monte de amigas e amigos. De vez em quando eu fico com medo porque tudo é um mistério na vida. Eu fico com medo porque me deixam sozinha no escuro sem proteção nenhuma mas que bom que já passou, agora minha mãe me faz companhia.

A MAIOR FELICIDADE DO MUNDO Antônio Vian Forain Teixeira de Lima O Lucas é um garoto feliz porque ele dá muitas risadas e brinca muito feliz. Eu fico triste quando me batem. Eu adoro a professora Vitória porque ela ensina coisas boas para os alunos. Eu fico malhumorado quando riem de mim. Eu gosto da auxiliar Bia porque ela é legal.

50


A MENINA ADORÁVEL Flora Folly Era uma vez uma menininha que se chamava Suri e toda vez que a Suri olhava para o mato e a natureza ela se emocionava. Por que? Porque ela gostava muito da natureza. Mas a Suri gostava tanto que ela sempre passeava na natureza. Ela via os animais, comia as frutas das árvores e gostava muito de jabuticabas. Ela dividia as jabuticabas e se emocionava.

EU ME EMOCIONO Joana Pertusier Kemmelmeier

Eu sempre vou para o meu balé e para o meu inglês mas no balé tem final do ano. Todo o balé dança e me emociona. Quando eu subo no palco eu me emociono e quando eu saio do palco eu vou dar beijinhos na minha mamãe e ela fica muito emocionada. Eu fico com medo quando eu não durmo na cama da minha irmã, eu sei que eu estou segura mas eu também fico com medo.

51


O MUNDO FELIZ João Alberto Campana Ferreira da Costa

Eu adoro brincar com as cartas Pokémon com os meus amigos na sexta. Às vezes eu ganho e às vezes eu perco mas não choro porque o importante é me divertir. Eu fico feliz demais e às vezes eu fico triste demais. Depois eu me acalmo, fico feliz e ganho. Às vezes eu fico com raiva e às vezes eu fico feliz. Eu fico brincando e quando fico com raiva é porque não tem ninguém para brincar e jogar comigo.

PROFISSIONAL SURFISTA João Gabriel Sparano Goraieb Barbosa

O João é um surfista profissional. Eu já dei um tubo e fiquei muito feliz e também já dei um aéreo e fiquei muito animado. Depois eu fui para bateria e para a Indonésia. Meu pai ficou muito feliz e depois vivemos felizes para sempre.

52


DIA FELIZ Lucas Espindola Lemos Coelho Meu pai vai comprar o “Volcanion EX” e quando a minha vó chegar eu vou ficar muito feliz porque assim eu vou ter mais chances de ganhar. Eu vou ajudar ele e vou ficar tão feliz que não vou ficar tão cansado como normalmente. Vou poder comprar página para o livro e vou poder batalhar. Eu gosto do João Gabriel porque ele vai me dar o “Tapu bulu GX” de graça.

OS DIAS QUE SE PASSARAM Luísa Vieitas Carreira Era uma vez um campo com flores e uma menininha que morava nesse campo. Ela rodava o vestido e ficava muito lindo porque o vestido era lindo. Ele tinha flores e era rosa pink. Ela adorava o campo com flores porque era lindo. No campo tinha uma cachoeira azul claro. Muito linda a cachoeira. Eu gosto de flores. Quando eu era pequena eu tinha medo de leão. Também quando eu era pequena eu dei comida para os patos e foi muito legal. Que pena que se passaram.

53


BRINCADEIRAS Lys Zurli Gonçalves dos Santos Eu tenho muitos amigos. Eu me emociono e adoro eles. São muitos os meus amigos e eu adoro quando eles estão lá para brincar. Eu adoro a minha mamãe porque ela é engraçada. Ela briga comigo mas eu gosto dela mesmo assim. Eu brinco com ela e a gente não para nunca.

AS EMOÇÕES Manuela Chermont de Miranda Petersen

Eu gosto de ouvir música com o fone de ouvido. Isso me emociona muito. Feliz eu ouço em casa. É muito legal, demais e bacana. Eu escuto Rock and Roll. A minha mamãe dorme com o meu pai. Um dia eu acordei e fiquei com medo, fui para o quarto da minha mãe e eles me apertaram.

54


LIVRO DOS UNICÓRNIOS Mariella Tumolo de França Eu fico feliz quando viajo e me divirto. Eu viajo para o país do meu unicórnio e lá tem neve. Eu brinco com os meus amigos que são os unicórnios. Eles gostam muito de mim. A gente brinca de pegar pauzinhos. Isso acontece nas férias.

O PRESENTE Nicholas Camara Machado Lins

Eu fico com raiva e também fico feliz. Eu fico com raiva quando meu irmão pega no meu pé. Eu fico feliz quando ganho presentes. Não é sempre que eu ganho presentes mas eu fico feliz mesmo assim porque eu fico feliz com tudo que eu tenho.

55


O MEU AMIGO Pedro de Oliveira Rattes

O meu amigo João Alberto é bom e eu gosto muito dele. Eu gosto dele porque ele gosta de mim, me chama sempre para brincar e é engraçado. A gente brinca todo dia no pátio de futebol, totó e basquete e é muito legal. A gente é muito amigo e são brincadeiras muito legais.

O QUE EU MAIS GOSTO Sofia Santos Mombelli Eu me emociono com as músicas do Rodrigo e a minha mãe canta as mesmas músicas dele. Eu também me emociono com a natureza. Eu ouço as músicas na minha casa e com a natureza eu me emociono com os bichos. Eu sou feliz quando eu vou para a casa da minha melhor amiga de São Paulo. Eu fico com raiva quando meu pai briga comigo. Eu amo a minha família. Eu nunca fiquei com mau humor.

56


A NATUREZA Victoria Fragoso de Freitas A natureza emocionava a menininha que morava em uma casinha em que tinha um belo jardim. Quando acordava via a natureza cheia de animaizinhos e ela se emocionava muito. Seu coração adorava porque era uma coisa linda. Quando botava seu vestido passeava pelo lindo jardim, pegava flores belas e dava para brincar o dia inteirinho.



57


58


a7DE


60


HISTÓRIAS DE AMOR Renata Costa, professora do 2º ano A No início do ano de 2019, começamos o Projeto Emóvere – a formação das emoções, com o objetivo de desenvolver a inteligência emocional nos estudantes e contribuir para a formação de indivíduos mais integrados ao convívio social e capazes de lidar de forma mais equilibrada com as emoções. Ao longo do desenvolvimento do projeto, os estudantes participaram de atividades diversificadas, envolvendo vídeos, histórias, leitura de imagens, músicas e brincadeiras. Puderam experimentar diversas sensações e aprender a lidar com os sentimentos, colocando em prática atitudes positivas. Refletiram sobre a importância do equilíbrio das emoções e elaboraram cartazes para expressar suas ideias. O tema escolhido para a escrita dos textos foi o AMOR e as produções basearamse nas relações e nas experiências afetivas vivenciadas no meio escolar e familiar. Para dar suporte ao projeto, alguns livros foram usados, em sala de aula, com os estudantes. O livro O caderno de rimas do João foi utilizado para tratar dos sentimentos e emoções de um jeito divertido e dinâmico. Na ocasião foi possível receber, em nosso colégio, a visita do autor Lázaro Ramos, para um bate papo. O livro Drufs, de Eva Furnari, também fez parte do nosso trabalho. Foi usado para apresentar os grupos familiares, levando os estudantes a refletirem sobre as particularidades de cada família, considerando que todas são constituídas de emoção. O livro Minha casa azul, de Alain Serres, foi importante para a reflexão sobre os cuidados com o planeta Terra, que é a nossa casa. Os estudantes fizeram uma visita ao Planetário da Gávea e compreenderam a necessidade de se construir um ambiente mais sustentável. Na Biblioteca, os estudantes conheceram a história O monstro das cores, de Anna Llenas. Eles ajudaram o monstro a arrumar a bagunça que tinha feito com as suas emoções. Concluíram que, para cada emoção positiva experimentada, existe uma reação otimista e confiante. Descobriram também que não é bom acumular emoções negativas, pois elas desencadeiam sentimentos desagradáveis.

61


O trabalho desenvolvido foi muito prazeroso, pois as ações pedagógicas colocadas em prática possibilitaram o desenvolvimento das competências socioemocionais de forma lúdica, proporcionando aos estudantes a expressão de suas emoções. “Ainda que eu falasse a língua dos homens E falasse a língua dos anjos Sem amor eu nada seria.” Trecho da música Monte Castelo, de Renato Russo, 1989.

MEU AMIGO PREFERIDO Akira de Almeida Soda O Enrico é um amigo legal, porque ele me ajuda em todas as situações. Um dia, na brincadeira do Coelho na toca, o Enrico trocou de lugar comigo. Eu já fui à casa do Enrico jogar vídeo game e ele já foi na minha casa também. No Parcão, eu brinco de Polícia e ladrão com o Enrico e é muito divertido! Hoje eu vou à casa do Enrico de novo. E amanhã ele irá na minha casa. Eu gosto do Enrico, porque ele me trata muito bem e não briga comigo. O Enrico sempre divide o lanche e me chama para brincar! No terceiro ano, eu ainda vou querer ser amigo do Enrico e continuar estudando com ele.

62


O MEU AMIGO ARMANDO Alexandre Borges Mocellin Eu gosto de você, Armando! Você é meu amigo número um. Você gosta de mim? Eu gosto de você, Armando! Você é meu amigão! Eu adoro brincar com você! Armando, você é meu companheirão! Eu gosto de ir à sua casa brincar com você e com a sua cachorrinha Sofia. A sua cachorrinha Sofia é muito fofa! O seu irmão é muito legal! Armando, eu gostei muito de ir à sua casa e brincar de espada com você. Armando, lembra quando você foi à minha casa? Nós brincamos de cabana e eu adorei ver vídeos com você. Armando, espero que a nossa amizade dure para sempre!

MINHA AMIGA MIRANDA Alice Mazza Moreira Minha amiga Miranda, eu gosto muito de você! Eu gosto muito de desenhar e de brincar com você. Você está no meu coração! Eu fico muito feliz quando eu estou com você no colégio. É muito legal quando nós lanchamos juntas! Eu gosto de brincar com você no recreio. Eu quero mandar muitos beijos e abraços para você, Miranda. Amiga Miranda, eu te amo!

63


MINHA CACHORRINHA SOFIA Armando Augusto Lopes Coelho Eu tenho uma cachorrinha que se chama Sofia. Ela tem onze anos e é muito bonita! A Sofia brinca comigo todo dia! Eu acho a Sofia muito legal e divertida! Eu amo a Sofia, porque ela está sempre comigo e é minha fiel amiga. Todos os dias, eu vou passear com a minha cachorrinha na rua e nós andamos na calçada. Quando está chovendo, eu não levo a Sofia para passear. A Sofia gosta de comer ração. Se ela comer ossinho, fica com dor de barriga e tem que tomar um monte de remédios. Eu amo a minha cachorrinha e cuido muito bem dela!

A MÃE E A FILHA Carolina Garcia Louzada Pires de Morais Carmo A minha mãe se chama Ana. Ela é a minha melhor amiga! Ela gosta de me levar ao shopping para passear e tomar sorvete. Eu gosto da minha mãe, porque ela me dá amor e carinho. Um dia, eu fui ao cinema com a minha mãe e nós vimos o filme “Liga da justiça”. A minha mãe compra roupas para mim e me leva para almoçar no restaurante. Nas próximas férias, eu vou viajar com a minha mãe e vai ser muito divertido. Eu amo muito a minha mãe!

64


A MINHA MÃE Enrico Nathan Zampaglione Maselli A minha mãe é muito legal, carinhosa e divertida. Ela se chama Bárbara, é alta e sorridente. Eu amo a minha mãe, porque ela me ajuda sempre que eu preciso. Ela me trata muito bem, me dá carinho e muito amor. Nós gostamos de brincar, ver televisão e jogar cartas. Quando eu estou de férias, nós viajamos, vamos à praia e ao clube. Nós também gostamos muito de visitar a nossa família que mora na Itália. Quando eu viajo para a Itália, visito os meus tios, primos e avós. Nós passeamos com a família toda e nos divertimos muito. A minha mãe adora estar comigo e com a minha família, por isso que eu a amo de montão!

MINHA MELHOR AMIGA Gabriel Gustavo Costa de Araújo Eu tenho uma amiga que se chama Miranda. Ela tem sete anos e veio do México morar no Brasil. Eu gosto muito da Miranda! Nós brincamos de pique-pega no recreio. Na brincadeira, também brincam a Sophia, o Lorenzo e o Pedro Miguel. Um dia, na biblioteca, eu joguei o jogo de dama com a Miranda. Foi muito legal jogar com ela! Eu gosto muito da Miranda, porque ela foi a primeira pessoa com quem eu brinquei no recreio, quando começaram as aulas. Ter a amizade da Miranda é muito importante para mim, porque nós entramos juntos no colégio.

65


MELHORES AMIGAS Isabela Lopes Ricci Eu tenho uma amiga que se chama Carolina. Ela é muito legal comigo! Eu adoro me sentar ao lado da Carol na sala de aula e estudar com ela. No recreio, nós brincamos de muitas coisas divertidas, como por exemplo, de boneca, de escolinha e de pique-pega. A minha amiga Carolina tem sete anos. Ela ama brincar de boneca! Essa é a brincadeira preferida dela. Um dia, a Carolina foi brincar na minha casa. Nós brincamos de cabeleireiro, de slime e de boneca. A Carolina já dormiu duas vezes na minha casa. Na primeira vez, ela dormiu no meu quarto. E na segunda vez, nós fizemos um acampamento na sala. Eu gosto muito da Carol, porque ela é a minha melhor amiga.

O MEU SUPER PAI Lorenzo de Menezes Stolarczuk O meu pai se chama Raphael. Eu gosto muito do meu pai, porque ele é divertido! Eu gosto de passear no shopping com o meu pai e com a minha família. O meu pai é muito legal, porque ele brinca de me jogar na cama. Eu gosto de ir à praia com o meu pai, apostar corrida e fazer castelo de areia. No dia dos pais, eu gosto de acordar cedo e sair para ver o nascer do Sol na praia com o meu pai. Eu amo o meu pai! Ele é o meu amigo favorito! Se o meu pai fosse um super herói, ele seria o Hulk, porque ele é forte e corajoso. Papai, você é o melhor pai do mundo! Eu te amo!

66


AMOR Lucas Perri Neves A minha mãe se chama Mariana, tem quarenta e seis anos e nasceu em Brasília. Ela mora no Jardim Botânico, em um apartamento, no quarto andar. Eu gosto dela, porque ela brinca de “Uno” comigo e de jogo da memória. Uma das coisas que a minha mãe gosta de fazer é jogar jogos no computador. Ela também gosta de ver filmes na televisão. A minha mãe cozinha muito bem! Ela faz arroz, carne, macarrão, peixe, batata doce e lasanha. A minha mãe tem um sítio que fica em Carmo de Minas. Ele fica a trezentos metros de altura. Às vezes, eu desço o morro do sítio com o meu pai e acho isso bem divertido! Eu amo a minha mãe, porque ela é muito legal e é a melhor mãe do mundo!

A MINHA AMIGA Maria Eduarda Pacheco Gomes Eu tenho uma amiga que se chama Rebeca. Ela tem sete anos e estuda na minha escola. A Rebeca gosta de brincar de boneca e de slime. Gosta de comer batata frita no lanche e bolo de chocolate. Eu gosto muito dela, porque ela me trata bem e é a minha melhor amiga. A Rebeca sempre me convida para brincar! No recreio, nós costumamos brincar de pique de bola. A minha melhor amiga é muito bonita e corajosa. Nós entramos juntas no Colégio Notre Dame. A coisa que a Rebeca gosta mais de fazer é brincar de slime. A Rebeca tem um caderno caprichado e a letra dela é muito bonita. Ela faz aniversário no mês de agosto e eu faço em outubro. Um dia, eu vou convidar a Rebeca para ir à minha casa brincar e ver os vídeos do Lucas Netto e do Felipe Netto. 67


MINHA AMIGA REBECA Maria Luiza Rocha Pinto Monteiro da Silva A minha melhor amiga se chama Rebeca. Ela gosta de brincar de slime e de comer. No recreio, a Rebeca gosta de brincar de piqueparede. A Rebeca entrou esse ano no Notre Dame. Ela tem sete anos e vai fazer oito anos em agosto. Eu acho a Rebeca bonita e inteligente. Ela estuda comigo e me ajuda nos deveres. Eu gosto de me sentar ao lado dela para lanchar e brincar. Ela gosta de ver o Lucas Netto e o Felipe Netto na televisão. A data comemorativa preferida da Rebeca é o Natal. Eu quero continuar estudando com a Rebeca no terceiro ano, porque ela é uma amiga muito legal! Quando eu voltar das férias, vou convidar a Rebeca para brincar na minha casa de LOL e de slime. Eu acho que ela vai adorar!

MEU MELHOR AMIGO Mauro Azevedo Chiara Eu tenho um amigo que se chama Arthur. Ele é muito inteligente e criativo. O meu amigo Arthur gosta de fazer gibis. Os gibis que ele faz são de histórias de aventura. Eu gosto de brincar com o Arthur e de ler os seus gibis. O Arthur é um amigão, porque ele me convida para brincar e é muito legal comigo! Eu gosto muito do Arthur e faço tudo com ele. Como ele estuda no Integral e eu também, nós podemos passar o dia juntos. O Arthur é meu amigo do coração. Eu amo o meu amigão!

68


AS MINHAS IRMÃS Miranda Andrea Juarez Hernandez O meu nome é Miranda. Eu tenho duas irmãs que se chamam Michell e Montserrat. A Michell tem vinte e quatro anos. Ela é muito legal, porque sempre brinca comigo. Já a Montserrat tem vinte anos. Ela também é legal, mas só brinca comigo às vezes. Nós gostamos de passear na Lagoa e ir à praia no fim de semana. As nossas brincadeiras favoritas são pique-pega e corre-corre. O que eu mais gosto de fazer com as minhas irmãs é cozinhar. Eu amo as minhas irmãs, porque elas sempre estão presentes na minha vida.

MINHAS PROFESSORAS AMADAS Pedro Miguel de Sousa Silva A Renata e a Paula são professoras muito queridas e especiais. Elas são as melhores professoras do mundo! Todos os dias, eu me encontro com elas no Colégio Notre Dame Ipanema para estudar. Elas são muito legais e dão uma aula bem divertida! Eu aprendo muitas coisas importantes nas aulas. A matéria que eu mais gosto de estudar é Língua Portuguesa. Eu já aprendi a escrever as palavras, as frases e as histórias. Eu também sei separar as sílabas das palavras! Eu amo as minhas professoras, porque elas me ensinam tudo! Eu amo estudar no Colégio Notre Dame Ipanema!

69


A MELHOR MÃE DO MUNDO Pedro Silveira Ventura A minha mãe se chama Larissa. Ela é a melhor mãe do mundo, porque é muito carinhosa! Eu adoro ficar com a minha mãe e jogar jogo de tabuleiro com ela. Eu gosto de ir à praia com a minha mãe e fazer castelo de areia. Eu vivo muito feliz com a minha mãe e com o meu pai. A minha mãe é a número um no meu coração. O amor que eu sinto por ela é muito grande. No aniversário da minha mãe, eu fiz uma surpresa para ela! Eu levei café da manhã na cama e dei muitos presentes para ela. Mãe, eu te amo de montão!

A MINHA AMIGA Rebeca Brandão Santana Moreira Eu tenho uma amiga que se chama Maria Luiza. Ela gosta de LOL, de unicórnio e de slime. A Maria Luiza tem sete anos, é bonita e criativa. Ela estuda comigo no segundo ano e nós gostamos de brincar juntas. Ela gosta de ver os vídeos Lucas Netto e o Felipe Netto. Ela adora comemorar o Natal e o dia das crianças com a família dela. A Maria Luiza gosta de comer picolé de chocolate. Na festa junina do Notre Dame, nós brincamos de pique-pega e de piqueesconde juntas. Depois das brincadeiras, nós comemos e sobrou um tempinho para nós brincarmos de slime. Eu gostei de brincar com o Pedro, irmãozinho da Maria Luiza, na festa junina. Eu gosto muito da Maria Luiza, porque ela é legal e divertida!

70


UM AMOR DE MÃE Sophia Conceição Santos Matos Eu gosto da minha mãe, porque ela é legal e divertida. Eu adoro dar um beijo e um abraço na minha mãe. A minha mãe faz arroz, farofa e carne para eu comer. Eu gosto de escrever cartinhas para a minha mãe. Eu gosto de ver o céu e a natureza com a minha mãe. A minha mãe é a melhor mãe do mundo! Mãe, eu te amo! Eu te adoro! Eu quero te amar para sempre!

71


72


a7DE


74


Projeto Emóvere Andréa Luiza Verano O ano de 2019 inicia-se com o Projeto Emóvere, EX – para fora e MOVERE – mover, movimento, colocar as emoções para fora, falar das emoções. Um desafio e tanto! Começamos com o vídeo organizacional que explica para as crianças o projeto do ano, depois fomos para os livros infantis que falam das emoções, filmes, conversas até chegarmos na dinâmica para a escolha do nome da turma. TURMA da ALEGRIA! Realmente, o nome representa muito bem eles! São alegres, felizes, parceiros, envolvem-se com as atividades, com as propostas, além de serem muito carinhosos. No livro Emocionário, da autora Cristina Núñez Pereira, o sentimento da alegria tem a seguinte definição: “Alguns chamam de “deleite” ou “contentamento”. A alegria é causada por algo prazeroso e, por isso, é especialmente agradável. Como é agradável trabalhar com eles! Cada dia que passava conversávamos sobre as emoções e principalmente sobre a ALEGRIA. A importância de termos sempre presente a ALEGRIA no nosso dia a dia. Chegou o dia das crianças escreverem suas próprias histórias. Histórias de ALEGRIA, de dias que vivemos, viveremos ou até mesmo histórias inventadas, mas recheadas de ALEGRIA. Foram muitas idas e vindas até o texto ficar pronto com título e desenho da história feita. Tudo pronto! Então, convido vocês para lerem as historinhas recheadas de ALEGRIA. Que vocês se emocionem com as historinhas deles como eu me emocionei!

75


As histórias escritas pelas crianças do 2º ano B Levou-me a refletir mais sobre a importância de Estar alegre, ser feliz e estar bem. Geralmente, estamos apressados e ansiosos e não Reparamos como a alegria é Importante! Ela nos move, nos impulsiona A alcançarmos os nossos objetivos com mais leveza e tranquilidade. Por isso, sejam mais ALEGRES lendo essas histórias cheias de significados!

76


O TOURO E O SAPO Alice Pereira Lima Era uma vez um sapinho que estava descansando na lagoa. De repente, chegou um touro que estava passando. Logo depois, chegou um tigre. O touro e o tigre começaram a brigar e de repente o touro deu uma chifrada. O tigre saiu correndo! Quando o sapinho chegou em casa, falou assim com o pai: — Hoje, eu vi um touro muito forte! — Meu filho, não precisa ser igual a ele! O sapinho pensava que o pai não sabia de nada. Ele ficava inchado porque estava tentando ficar forte para se exibir para os outros. O sapinho achava que era importante ser forte. Até que um dia, de tanto inchar, apareceu uma das suas vinte e cinco irmãs e falou para ele que não precisava ser daquele jeito, pois o mais importante era ser cada um do seu jeito. O sapinho entendeu que não precisava ser forte e saiu pulando muito feliz para a lagoa.

A BRINCADEIRA Ana Beatriz Barroso Magno Moreira No mês de julho, vou convidar a Grazy, Bettina, Manuela e Alice para irmos ao parque e depois vamos brincar de Lol Surprise. Chegou o grande dia! A campainha da minha casa tocou e as minhas amigas chegaram! Começamos as brincadeiras e meu irmão chegou para brincar com a gente. Quando a brincadeira com a Lol acabou, fomos ao SPA. Chegando no SPA, fizemos 77


massagem relaxante, pintamos a unha e arrumamos o cabelo. Saímos do SPA e fomos ao clube da Lagoa. Foi muito divertido! O grande dia acabou e as minhas amigas foram para suas casas.

A DEFESA ÉPICA Antônio Corrêa e Castro Cavalcanti Ribeiro Era uma vez um menino chamado Bruno que era loiro como um leão. Ele era o goleiro do time de futebol do colégio Bull Blues. Nesse colégio, todo dia mudava-se de ano! Aconteceu uma Copa de Futebol dos colégios e Bruno era o reserva. O jogador titular, que jogava na mesma posição do Bruno, estava para se aposentar. Chegou o dia do time do Bruno jogar no Parque dos Príncipes. O juiz apitou, o Bull Blues chutou do meio do campo e saiu o gol. Ficou 1 x 0 para os Bull Blues! O juiz colocou a bola novamente no meio do campo e o Red Bulls deu a saída. Nos 93 minutos de partida, o juiz marcou um pênalti para os Red Bulls e o Matheus bateu. Ele errou o pênalti, porque Bruno agarrou. O Bull Blues ganhou a Copa com o placar de 1 x 0. Foi um dia alegre!

78


O DIA ALEGRE Bettina Alves Muniz de Medeiros Amanhã, eu vou convidar as minhas amigas Ana, Alice e Manuela para virem na minha casa. Chegou o dia delas virem. Que alegria! Quando elas chegaram, abrimos um brinquedo novo, brincamos de boneca e depois nós fomos para praça. Chegando lá, encontramos a tia Andréa. Foi muito divertido! Tomamos sorvete de chocolate e fomos comprar arco para enfeitar o nosso cabelo. Compramos arcos roxos e de unicórnio! Fomos para outras lojas de fantasias. Gostamos da fantasia da Tiana e compramos. Voltamos para casa e brincamos de fantasia. No final do dia, todas foram para suas casas e foi muito alegre esse dia!

QUANDO EU GANHEI A COMETA Catharina Gomes Fogaça Sombra de Albuquerque Um dia, eu estava na hípica quando passou um cavalo preto. Fiquei pensando que poderia ser meu, mas era improvável, pois era meu pai que conduzia o cavalo e fiquei me perguntando: — Será que meu pai está trabalhando na hípica? Meus pais chegaram mais perto de mim com o cavalo e disseram: — É seu! Eu fiquei tão feliz! Ela era fêmea. Dei- lhe o nome de Cometa e foi muito legal! Fomos no lavadouro para dar banho nela. Joguei água na barriga e no resto do corpo. Depois do banho, coloquei para secar ao sol. Quando ela ficou sequinha,

79


levei ela para a baia. Atualmente, eu vou para a hípica terças e sextas e faço adestramento com ela. São dias sensacionais de muita alegria!

A VISITA DA MINHA PRIMA Felipe Feitosa Val Um dia, eu estava em casa sem nada para fazer quando alguém bateu na porta. Era a minha prima Yasmin. Ela veio brincar na minha casa! Fiquei muito alegre e muito feliz em vê-la nas minhas férias. Nós brincamos muito, muito, muito e nos divertimos “pra caramba”. Nós brincamos de várias coisas como: carrinho, boneco, pular corda e jogamos jogos no meu tablet. Depois disso, fomos para a piscina e brincamos muito. Fizemos uma competição de quem tinha o salto melhor. Voltamos para a minha casa e assistimos televisão. Vimos muitos desenhos legais! Quando os desenhos terminaram, fomos dormir. No dia seguinte, nós saímos de casa e fomos ao shopping e compramos vários brinquedos legais e voltamos para casa. Esses foram os melhores e mais alegres dias da minha vida.

O JOGO DE FUTEBOL Gabriel Chicanel Malheiros Um dia, o meu time de futebol estava treinando e se preparando para um jogo. Durante a preparação, nós fizemos altinho, corrida e chute a gol. Quando o treino terminou, nós fomos para um jogo treino. Nós ganhamos de 3 x 2 e, quando terminou a partida, nosso time foi 80


convidado pra disputar um campeonato. O jogo começou e o time adversário marcou um gol. Só que o meu time, mesmo com a marcação, deu um jeito e fizemos o primeiro gol da partida. Saímos correndo e comemorando o gol! Bola ao centro e o juiz apitou. Nós marcamos o outro time e saímos correndo e fizemos outro gol. Nós saímos correndo de novo e comemoramos o gol! Nós fomos ganhando, ganhando e fomos para a final. Na final, ganhamos de 4 x 1 e levantamos a taça. Esse dia foi muito feliz e nós nos divertimos muito!

MINHA MUDANÇA Grazyela da Costa e Cunha Pato Alonso Era uma vez uma menina que se chamava Grazyela que se mudou para o Rio de Janeiro. Ela mudou de casa, de escola e conheceu sua prima, sua tia e seu tio. Ela mudou porque seu pai arranjou um emprego, mas a mãe não arranjou. O pai a colocou na natação! Um dia, foram para um sítio e brincaram alegres. Foram na piscina, brincaram de boneca, fizeram um baile de Carnaval e depois se divertiram com as cachorras. No final do dia, foram dormir! No dia seguinte, foram no YouTube para ver vídeos de boneca e voltaram para casa. Foi muito feliz mudar para cá.

81


A ALEGRIA Isabela do Espírito Santo Paiva Era uma vez uma menina chamada Isabel. Um dia, Isabel resolveu passar na casa da sua amiga Renata para convidá-la para andar de bicicleta. Elas andaram de bicicleta e depois foram à padaria. Na padaria, tinha uma moça que não podia pagar o pão e Isabel pagou o pão para a moça. Quando estavam a caminho de casa, tinha um moço que não tinha dinheiro e estava com fome. Isabel deu o seu pão e ficou muito feliz. O moço também ficou muito feliz. A mãe de Isabel ajudou e a casa ficou limpinha. No final, elas ficaram felizes com o que fizeram!

O JOÃO FELIZ João Gabriel Vasconcelos Esteves Eu sou o João Gabriel. Sou muito feliz. Lá na minha casa, gosto de jogar videogame e de brincar sozinho com meus brinquedos. Eu gosto de ir à casa da minha avó. Por mim, eu iria lá todos os dias. Minha avó é muito legal! Ela me deixa usar o seu IPAD. Ela me faz carinho. Eu também gosto de ir ao aeroporto ver os aviões.

82


JOÃO PEDRO E JOÃO MARCELO João Marcelo Silva Correia Era uma vez dois meninos chamados João Pedro e João Marcelo. Eles se conheceram na escola quando estavam jogando futebol. Eles ficaram amigos! No outro dia, eles foram jogar Play Station na casa do João Pedro. Depois que terminou o videogame, eles foram jogar bola na praça. João Pedro convidou o João Marcelo para dormir na casa dele. Foi uma noite muito legal!

O GAROTO ITALIANO João Pedro Greven Lyra Magalhães Era uma vez um menino que era italiano. Eu só encontrei com ele no 2º ano, no Colégio Notre Dame, pois eu estudo lá. O nome dele é Timóteo! Ele era muito legal, bacana e o único problema dele era que não gostava de falar, mas todos os dias ficava perto da gente. Um dia, na Educação Física, estava acontecendo um cabo de guerra. Chegou a vez do Timóteo jogar. Ele venceu! Todo mundo que estava torcendo para ele, levantou e abraçou o “Timo”. Nós ficamos muito alegres e depois fomos para sala. Na hora do recreio, nós jogamos futebol. Um time era formado pelo 2º ano B e o outro pelo 2º ano A. Durante a partida, o 2º ano B fez 5 gols. Nós ganhamos nesse dia! Esse foi um dia muito alegre!

83


OS DIAS MAIS ALEGRES Lucas Rodriguez Era uma vez uma menina chamada Luiza que tinha 8 anos. Ela tinha se mudado há pouco tempo para o Rio de Janeiro. Ela gostava muito de andar de bicicleta. Um dia, ela estava em casa quando a campainha tocou. Foi atender a porta e era o Lucas que estava de bicicleta. Luiza ficou muito feliz, pois viu Lucas com a bicicleta e logo pensou: — Vai ser um dia muito feliz! Ele me convidou para andar de bicicleta. Luiza pegou sua bicicleta e foi andar no parque junto com Lucas. O passeio foi muito divertido! Luiza voltou para sua casa e Lucas para sua casa também. No dia seguinte, eles foram andar de bicicleta de novo e foram à praça. Brincaram muito com a bicicleta e foi mais um dia de muita alegria

VIAGEM PARA LONDRES Manuela Nascimento Tardin Martins Um dia, eu fui viajar com as minhas amigas para Londres. Quando chegamos lá, vi minha tia Maria Claudia. Fomos para o hotel “Londres City”. Estávamos na rua e encontramos a rainha Elizabeth. Ela estava indo para o palácio. Ela falou com a gente para ficarmos um dia no palácio. Eu fiquei muito feliz porque estava imaginando 84


quantos doces eu iria comer. Cheguei no palácio, deitei na cama real e dormi. Quando eu acordei, fui ver o trono da rainha. O trono era muito confortável e grande. Tomei um banho quentinho na banheira, escovei meus dentes e fui ver TV. Uma hora depois, a gente foi almoçar. Já era cinco e meia da tarde e fui jantar na sala do trono. Depois eu dormi. Foi um dia incrível!

ALEGRIA Matheus Moraes Jermann Um dia, Rafael estava jogando bola, quando as pessoas valentonas começaram a fazer “bulling” com ele. Ele foi para casa e ficou muito triste. Rafael não gostava muito da escola, porque maltratavam ele. Um dia, seus pais falaram que iriam se mudar para os Estados Unidos. Ele ficou muito feliz em saber disso! Ele achou muito legal! Chegando lá, encontraram uma casa grande e confortável e uma escola que era maravilhosa. Ele adorava a Disney! Depois de muito tempo, ele se casou e nasceu um filhinho. Seus pais já estavam velhinhos e acabaram morrendo. Ele chorou muito! Seu filho então disse: — Pai, eu sei que seus pais eram muito legais, mas pense em coisas boas! Olhe tudo que você tem! Você tem casa, tem comida, tem roupa! Olhe as pessoas na rua passando fome! — Filho, você me deu uma grande lição! Depois do dia da grande lição, Rafael só pensava na alegria!

85


TOMÁS E O LEGO Otávio José Ferreira da Rocha Eu sou o Tomás e vou me mudar para Prudente de Morais. A mamãe prometeu que iria comprar lego para eu montar várias coisas, pois me divirto muito e faço com minha imaginação o que quero. Eu fico muito feliz quando brinco com minhas brincadeiras. Eu posso ser um super-herói Batman, Superman, Homem Aranha ou ser o super-herói mais forte do planeta Terra. Quando estou brincando, visito outros planetas do Sistema Solar! Eu me divirto muito indo para outros planetas. Viajo no meu foguete de Lego e derroto alienígenas que invadem o planeta Terra. As peças do Lego que são pessoas viram amigas e brincam juntas. A minha mamãe também brinca comigo e eu fico muito feliz.

O LEÃO Pedro Santiago Nogueira Era uma vez um garoto que estava na floresta. Ele estava passeando quando um leão apareceu. O menino correu, correu, correu e o leão continuava seguindo o menino. Ele revê a ideia de se esconder. Ligou para os caçadores que deram a ideia de um plano. O plano era um caçador ficar de um lado do leão e o outro ficar do outro lado do leão e outros dois caçadores ficarem na frente do leão. Eles gritaram: — Nós pegamos o leão! 86


O plano foi um sucesso, pois pegaram o leão e o menino não foi devorado por ele. O menino ficou muito alegre por não ter sido devorado pelo leão e agradeceu aos caçadores por ele estar vivo.

O MENINO QUE JOGA FUTEBOL Rodrigo Santos Molina Micaelo Um dia, um menino foi jogar futebol. Ele fez um gol e gritou: — Gooooool! Ele ficou muito feliz e fez mais um gol e mais um gol até que o jogo acabou. No outro dia, ele jogou mais uma partida. Quando terminou, foi treinar mais. Ele treinou, treinou, treinou e fez uma pausa. Bebeu água. Voltou para o campo e treinou mais. Ele foi para mais um jogo e mandou muito bem! Durante a partida, ele tocou a bola para o amigo dele finalizar com um chute na trave, depois disso, o goleiro adversário chutou a bola para frente. O menino pegou a bola, driblou os adversários e chutou para o gol. Ele saiu correndo e comemorou mais um gol dele. Ganhou um troféu e ficou muito feliz.

87


O MENINO ALEGRE Timóteo Gasperini Um dia, um menino de nome Pedro, estava na escola e sua professora deu uma prova de Matemática. O menino Pedro pegou a prova e começou a fazer. No outro dia, recebeu a nota que foi 10. Foi para o recreio e brincou de futebol com seus amigos. Eles ganharam! Chegou a hora da saída e Pedro foi para a casa com a mãe e o pai. Ele mostrou a nota e ficaram muito felizes! Ele foi para a aula de esporte. Ele jogava futebol. Quando começou a partida, ele deu a bola para um amigo, só que o menino deu um “carrinho” nele e foi falta. Ele cobrou a falta e fez um gol. A partida ficou 1 x 0. Acabou o primeiro tempo com esse placar. No segundo tempo, ninguém fez gol e a partida acabou 1 x 0. Ele foi para casa, comeu, escovou os dentes e foi dormir. Foi um dia muito, muito feliz!

O CLUBE E MEUS AMIGOS Tomás Orro Cuttiño Quando eu conheci o Clube Piraquê fiquei tão alegre que eu não quis sair mais de lá! Eu cresci e conheci meu primeiro melhor amigo e depois vários outros amigos. Fiz sete anos e comecei a fazer natação e futebol. Durante esse tempo todo, levei meus familiares ao Clube para eu brincar no terraço e jogar videogame. 88


Quando o meu pai me chama para ir embora, eu choro porque não gosto de ir embora. Eu peço para o meu pai para ele me dar mais vinte minutinhos e quando acabam os vinte minutinhos que meu pai me deu eu desço sem chorar. Aí, vou embora calmamente e quando chego em casa, só fico imaginando o dia de amanhã para ser mais um dia alegre no Clube.

89


90


a7DE


92


NOSSAS EMOÇÕES Cristiane Azevedo, professora do 2º ano C O Projeto Emóvere convidou-nos a um mergulho profundo em nosso interior. Dia a dia somos mobilizados pelas emoções e elas nos envolvem. Tocamos e somos tocados! Afetamos e somos afetados! No mover de tantas emoções, a AMIZADE falou mais alto e esse tão nobre valor deu nome ao 2º ano C: Turma da Amizade. O nome escolhido pela turma trouxe uma excelente oportunidade para uma gostosa conversa com os estudantes, onde cada qual pode expressar o significado desse valor que tanto nos envolve e os sentimentos desfrutados a partir dele. O relato de cada estudante sobre as experiências de amizade e todas as emoções que dela emanam encheram de cor e vida nossa sala de aula e a partir de então os estudantes iniciaram seus registros. Como foi bom percebê-los como protagonistas de sua própria história! Ao redigir, viajavam no tempo e pinçavam deliciosas lembranças que, como relíquias, estavam gravadas na memória. Cada memória tem o sabor de uma emoção e elas têm o poder de nos transformar. Simplicidade, inocência e pureza estão presentes em cada texto. Tais virtudes atuam como um poderoso convite para que nossas vidas também sejam pautadas sobre elas. Deixemos que nossas emoções aflorem! Elas traduzem a vida que existe em nós!

93


EU E A MINHA AMIZADE Alice Ribeiro de Sousa

Amizade para mim é quando as pessoas me ajudam, brincam comigo e se lembram de mim. Eu tenho amizade com a minha família e com os meus amigos. No primeiro dia que eu entrei na escola conheci a Victória. Ela é muito legal e é a minha melhor amiga. Nós gostamos de brincar de pique-pega, slime, dançar e cantar. Quando eu estou perto da Victória me sinto muito feliz porque já nos conhecemos há muito tempo e sabemos o que a outra gosta. Fazemos tudo juntas e quando a gente se encontra logo começamos a tagarelar. A gente adora se encontrar. Às vezes, no sábado ou domingo, combinamos com as nossas mães para a gente brincar na praça. É uma felicidade! A gente brinca tanto que até esquecemos que a mães estão ali. A Victória é minha melhor amiga e eu nunca vou esquecê-la!

A AMIZADE E O RESPEITO Alicia Thompson Kohler A amizade para mim é um monte de pessoas se gostarem do jeito que elas são e fazerem muitas coisas juntas, como viajar e ir ao parque. Um dia eu estava na praça com minha amiga e ela queria brincar de uma coisa e eu não queria. Ela me respeitou e brincou do que eu queria. Eu achei a atitude dela fofa, gentil e amigável. Adorei! 94


Na amizade nós precisamos nos esforçar para escutar e entender o que os outros acham e viver o amor e a bondade entre todos nós, porque quando isso acontece todos ficam felizes.

É BOM TER AMIZADE Ana Cecília Costa Pereira e Silva A amizade é lealdade, é sabedoria. A amizade é coisa séria, não se compra por aí, ao contrário, é uma conquista. Um dia eu estava triste porque minha bisa tinha morrido. A minha amiga já sabia, então ela me deu um abraço. Eu me senti feliz e grata. Por isso eu a amo muito. Nós gostamos muito de brincar juntas. Eu admiro muito essa minha amiga porque ela tem um coração bom e feliz, mesmo quando ela está triste.

JUAN, MEU MELHOR AMIGO Antônio Bento Mattoni Pimenta Amizade para mim é ter muitos amigos e respeitar cada um deles. É ter carinho com eles e ter algumas brigas também, pois toda amizade é assim. Na amizade também tem raiva e tristeza. Um dia eu estava triste e meu melhor amigo Juan estava perto de mim. Então ele me perguntou por que eu estava triste. Respondi que minha bola tinha caído no lago. Já está perto do seu aniversário. Vou te dar uma de presente – disse meu amigo Juan. Ter amigos é um tesouro! Principalmente quando se tem amigos como o Vitor, a Juliana, a Suri e o meu melhor amigo Juan. 95


A AMIZADE É LINDA Caetana Otto Hid Oliveira Von Sperling A amizade é mais do que só dizer que é amigo, é provar a sua amizade pelo outro. Como diz o ditado, “falar é mais fácil do que fazer”. Então, sempre mostre a sua amizade ao outro, revelando o amor, a alegria, a tristeza e a confiança. Só essas emoções podem te fazer bem e você nunca vai se sentir do mesmo jeito que antes, nem mais triste, será sempre muito mais feliz. É como eu e a Stela. Ela é muito minha amiga. Ela não fala muito, mas eu sei que ela é uma pessoa muito legal e importante. Uma vez ela se machucou e eu a levei para a enfermaria. Eu sempre a apoiei e sempre vou apoiá-la. Eu a admiro muito pela sua inteligência! Ao lado dela me sinto bem. Ela é a minha melhor amiga, a preferida da minha sala de aula. Sempre a acompanho e isso me faz feliz!

AMIZADE Gabriel Carrazedo Rodrigues de Oliveira A amizade é querer ficar perto das pessoas que você gosta. O João e o Yuri são meus melhores amigos da turma. Eu me aproximei deles porque achei que seria uma boa amizade. Eu gosto de brincar com eles na hora do recreio e de conversar sobre o que fizemos no Minecraft. Isso me deixa muito alegre! No dia da Páscoa o João me deu um ovo do Homem Aranha e eu gostei muito. Nas férias, eu e o Yuri fomos ao cinema assistir a um filme, “O Rei Leão”. Foi tudo muito legal, tirando a despedida.

96


A AMIZADE João Pedro Nogueira Carneiro Santos de Souza A amizade para mim é muito importante, pois dá para fazer amigos. Sem eles é um tédio, tudo é solidão. Eu adoro ter amigos! Com eles eu brinco, converso, conto piadas, jogo videogame e faço muitas outras coisas. Tenho alguns amigos especiais: Gabriel, Yuri, Davi, Arthur e Miguel. Gosto muito do Gabriel! Com ele ao meu lado eu não sinto medo de nada. Hoje a gente ficou contando o nome dos nossos bichos do Minecraft. Eu admiro uma coisa muito boa nesse meu amigão, que é o amor. Porque amigos têm esse lance de amor!

LIVRANDO O MEU AMIGO Juan Ricardo Raposo Pedemonte Seixas Carneiro da Fontoura Amizade é uma coisa muito importante. Eu gosto muito da amizade e o melhor amigo da história é o Bento e o Vitor. O Bento é esperto e legal. Nós gostamos de jogar futebol e brincar de pique-corrente. Um dia, o meu amigo Bento estava sendo atacado pelas meninas da outra turma e eu o salvei. Amigos são assim, cuidam sempre para que o outro não fique triste e não se machuque.

97


A HISTÓRIA DA MINHA AMIZADE Juliana D Alincourt Carvalho Assef A amizade é coisa séria! A amizade tem que ser valorizada, pois ela é muito importante. Na amizade você tem que ser muito sincero, não se pode mentir. Se mentir, você está muito errado. Um dia eu fui à praça com umas amigas, mas elas me excluíram. Eu fiquei muito triste, mas depois elas pediram desculpas e eu aceitei. Com o pedido de desculpas das minhas amigas eu senti duas emoções: a alegria e o medo. Alegria, porque eu gostei do pedido de desculpas e medo, porque fiquei nervosa com a situação. Na amizade nós não podemos magoar os outros porque, senão, a gente acaba perdendo um amigo que gostamos muito.

POR QUE A AMIZADE É IMPORTANTE? Luca da Costa Mendes A amizade é importante para ter uma pessoa confiável por perto, mesmo que às vezes esteja distante. Certo dia eu estava passeando no Shopping, quando encontrei meu amigo. Nós brincamos muito lá. Ele é legal, brinca comigo quando eu quero. De vez em quando ele me irrita, mas ele é legal.

98


AMIGAS PARA SEMPRE Monalisa Lisboa Sarmento Amizade é uma coisa legal, é quando a gente tem um amigo para nos ajudar, brincar juntos, contar segredos. A amizade é quando a pessoa fica sempre junto com você e brinca todo dia. A Thamyris é uma grande amiga. Ela adora se divertir comigo. Nós lanchamos juntas, vamos ao cinema, vou à casa dela para ela não ficar sozinha. Eu gosto muito dela porque é uma amiga legal e está sempre ao meu lado. Se eu pudesse fazer um pedido, pediria para ela ficar sempre junto comigo, porque ao lado dela sinto muita alegria.

O AMIGO LEGAL Pedro Carloni Zeni Santos A amizade para mim é ter confiança uns nos outros e respeitar os colegas. Um dia tinha três meninos e um deles estava com uma bola na mão. Eu perguntei para eles se eu poderia jogar e eles disseram que não. O meu amigo ouviu isso e então falou para eu jogar bola com eles, senão chamaria o meu pai. Eu senti que o meu amigo foi muito legal comigo porque ele conseguiu fazer os outros meninos mudarem de ideia.

99


O MEU MELHOR AMIGO Sofia de Farias Hins A amizade para mim é uma pessoa que trata bem a outra, é ter alguém para brincar, é amar, é ajudar a perder o medo, é ser quase uma família. Um dia eu estava no Mc Donald’s e encontrei um menino que não conhecia. Perguntei o nome dele e ele me disse que era Vitor. Também falei meu nome para ele. Nós pedimos um sorvete e a casquinha sujou o nariz dele. Foi muito engraçado. Depois disso nos tornamos grandes amigos. Estou sempre do lado dele e isso me dá muita alegria.

A AMIZADE Stela Perez Barbosa A amizade é ter amigos que são muito queridos! A amizade é importante porque eu sinto saudades dos meus amigos do Colégio Notre Dame. Eu gosto de lanchar com eles e de brincar de pega-pega e esconde-esconde.

100


A AMIZADE Suri Meneses Moreira A amizade é uma coisa rara. Se você conhece alguém, vira colega. Mas se a pessoa vai a restaurante, se fica mais próxima de você, aí vira amigo. E ser amigo é mais difícil do que você imagina! A Júlia, a Juliana e a Alicia são minhas grandes amigas. A Júlia gosta de ajudar e a Alicia e a Juliana gostam de fazer slime. Uma vez eu caí e minha amiga me ajudou. Eu fiquei muito feliz com a ajuda da minha amiga porque a maioria dos meus amigos me deixa sozinha e vão brincar. É bom ter amigos por perto. Eles trazem alegria ao nosso coração.

EU E MEU AMIGO Teo da Silva Oiveira A amizade para mim é sentir amor, respeitar os outros, fazer novos amigos, ajudar os colegas, não falar algo que o amigo não goste, não chutar, brincar muito, pedir licença, convidar os amigos para uma festa de aniversário e ficar perto deles. Um dia, no parque, eu encontrei meu amigo e ele estava muito triste porque os pais dele estavam brigando muito. Eu disse que isso já ia passar e que, rapidinho, os pais iam parar de brigar. Certo dia eles pararam de brigar e meu amigo ficou muito feliz!

101


O AMOR Thamyris de Farias Portella Pinho A amizade é muito boa para o mundo inteiro. Muita gente respeita os outros, mas, às vezes, não. Amizade é quando a gente marca um tempo para lanchar no Mc Donald’s, como eu lanchei com a Monalisa. Amizade é também brincar juntas. A Ana Cecília, a Monalisa e eu fomos brincar na praça e foi muito legal. Se eu pudesse daria a minha opinião para que as pessoas não brigassem. É muito triste quando a gente vê um amigo brigando e isso machuca o nosso coração. Por isso, é muito importante ter amor no coração.

A AMIZADE Victória Calmon Valerio Alves A amizade é coisa séria. Com ela não se brinca. Se a gente não leva a sério a amizade, podemos ficar sem os amigos. Eu gosto muito de ter amigos porque na minha casa não tem nenhuma criança para eu brincar. Às vezes minha mãe convida minhas amigas para brincar comigo: a Alicia, a Jujuba, a Alice e a Suri. Quando elas vão à minha casa nós brincamos no meu quarto. É muito divertido! Eu gosto muito das minhas amigas porque elas são legais e divertidas. A amizade me deixa feliz e o meu coração fica cheio de alegria.

102


AMIZADE DESCONHECIDA Vitor de Assumpção Vargens Amizade para mim é quando um amigo está sempre do seu lado, te ajuda quando você tem problemas, te protege e sempre brinca com você. Um dia eu estava com a minha mãe na praça. Eu estava de patinete e a praça estava cheia de poças d’água. Eu estava andando muito veloz e acabei caindo. Meu joelho ralou e uma moça se ofereceu para ajudar a minha mãe a me limpar. Eu fiquei muito feliz com a ajuda da moça que me ajudou porque eu percebi que ela era uma pessoa boa e amiga das pessoas. Percebi que ela era uma pessoa do bem, por isso me senti um pouco melhor. Com o que aconteceu comigo, entendi que amizade é ajudar e se preocupar com os outros.

AMIZADE Yuri Pinto Abrão Moualla A amizade para mim é amor, é ajudar os outros. Amizade é coisa séria. Um dia eu estava passando pela Lagoa e estava meio triste porque estava com saudades do meu cachorro. Uma pessoa que também estava lá me perguntou por que eu estava triste. Eu respondi que estava com saudades do meu cachorro porque ele tinha morrido. Depois eu agradeci a moça por ter me ouvido e me ajudado. Na amizade é assim, a gente ajuda as pessoas quando elas precisam. Eu me senti muito bem com a ajuda da moça. Então, sempre que meus amigos precisam, eu também ajudo. É muito bom ter amigos por perto. Estar perto deles me dá muita alegria!

103


104


a7DE


106


A GENTILEZA DESPERTA EMOÇÕES Roseane do Carmo Brasil Ferreira Caputo (2ºD)

Eu decidi escrever sobre a “Gentileza”, pois é uma virtude que desperta muitas emoções positivas. Gentileza deriva do Latim gentilis, “da mesma família ou clã, de gens, grupo de famílias definido no início da formação de Roma”, trazendo uma ideia de nobreza, de bem - tratar os outros. É uma virtude! É de extrema abrangência para a vida em sociedade, visto que, torna o dia a dia mais nobre, leve e feliz! Dela, deriva-se muitas emoções, porque se transfigura em gestos e ações simples, mas de um imenso poder de tornar a vida mais alegre e significativa. A gentileza é sentida através de um sorriso sincero, um aperto de mão carinhoso, um abraço singelo e confortante, um olhar sincero, uma palavra de consolo...É uma atitude que faz a diferença na vida de quem é gentil e na do beneficiado com as ações de gentileza. Assim como, ao contrário, traz emoções desagradáveis e conotações ruins! Penso que, a gentileza, deve ser uma escolha para a vida cotidiana, assim como, o amor, a solidariedade, a alegria, a felicidade... A Gentileza, conforme definição no dicionário “é a qualidade do que é gentil, do que é amável. É uma amabilidade, uma delicadeza praticada por algumas pessoas.” Mas expandindo o seu significado, gentileza é ajudar ao próximo em um momento de dificuldade, ser grato e reconhecer o valor das pessoas, principalmente, daquele que é gentil com você. Acredito que, a gentileza é capaz de transformar as relações, de torná-las mais solidárias. Ela é a arma potente na luta contra a intolerância, a falta de respeito e o egoísmo entre os seres humanos. E propicia o cuidado com o próximo, desinteressadamente, enxergando-o como seu semelhante. A gentileza, o amor, a alegria, enfim, as emoções positivas, são capazes de mudar a vida das pessoas e deixar o mundo bem melhor. Que sejamos gentis, amáveis, alegres, mesmo que as coisas não tenham saído como esperávamos e até mesmo, quando não são gentis conosco. Desejo profundamente que, a vida seja repleta de gentileza e amor. E prevaleçam na nossa rotina, logo, teremos dias e pessoas mais felizes. Por efeito dominó, teremos então, uma sociedade mais feliz, tolerante, solidária e conectada ao que de fato faz o homem evoluir integralmente, tornando-se mais humanizado. 107


Vale ressaltar que, agir de forma humanizada é cumprimentar as pessoas, sorrir para quem não conhece, amar os amigos e família, tratar bem os animais, ser verdadeiro nas suas palavras e relações. Enfim, são pequenos gestos, mas de grande dimensão para o universo, pois, geram energias positivas, felicidade, logo, contribui para uma psicosfera universal coroada de harmonia. O 2º ano D do Colégio Notre Dame Ipanema, elegeu a Gentileza como o nome da turma, no Projeto Emóvere, projeto institucional da Rede de escolas Notre Dame. Sendo assim, exploramos a virtude através da frase extraordinária “Gentileza gera Gentileza!” E que nos remeteu ao Profeta Gentileza, representante dessa virtude, visto que, “foi um pregador urbano brasileiro que se tornou conhecido por fazer inscrições peculiares nas pilastras do Viaduto do Gasômetro, na cidade do Rio de Janeiro, e se tornou uma espécie de personalidade carioca.” A escolha dela, se deu justamente por ser uma disparadora de emoções que alegram o coração e dão leveza ao nosso ser. A “Gentileza” adorna a vida das pessoas com emoções puras e verdadeiras. Para conhecer de forma mais abrangente o termo gentileza, pesquisamos o seu significado em dicionários, trabalhamos com a música da Marisa Monte, poesias, frases, depoimentos familiares, vídeos, histórias em quadrinhos acerca da virtude em voga e das diferenciadas emoções. Após esse contato com múltiplas fontes, o grupo, de forma individual foi capaz de elaborar o seu texto, ou seja, falar da emoção que lhe tocou o coração. E, concomitantemente, refletir sobre a gentileza e o que é ser gentil! E em seguida, criaram desenhos que ilustraram os seus escritos, colorindo-os. Foi um trabalho extenso, porém, feito em etapas, que propiciou exercitar o uso do parágrafo, manusear dicionários, pesquisar em fontes diferentes, enfim, foi possível ter contato com conceitos e conteúdos específicos para a aprendizagem, nesse ano letivo. Penso que foi enriquecedor, aprender e ter contato com linguagens e textos diferentes, mas, acima de tudo, pensar sobre como ser uma pessoa mais humana, solidária, amável e gentil. E como os pequenos gestos, trazem consequências benéficas para a rotina e, ao mundo. Foram ensinamentos e aprendizagens para a vida, eficazes para a formação de cidadãos mais conscientes que possam pensar e agir numa lógica coletiva, logo, num futuro breve, deixar a lógica egoísta no passado. E assim, contribuir para a construção de uma sociedade mais justa, menos discrepante e mais correta em todas as instâncias da vida. Desejo que possamos escolher a gentileza e o amor para transformar o nosso país, consequentemente, o mundo! Seja gentil e ame muito, para que experimente

108


uma felicidade indescritĂ­vel, transcendental, e assim, contribua para um futuro mais bonito, significativo e humanizado. Escolha a gentileza e o amor! “Gentileza gera Gentileza!â€? Amor gera Amor!

109


MEDO Alice Knupp Franco Eu vou falar do medo porque adoro sentir medo! Um belo dia, estava andando na rua com minha amiga Elisa, quando passamos por um portão e, um cachorro bravo latiu e rosnou para nós. Então, pulamos para o lado, sentindo muito medo! Eu adoro sentir medo, mas é uma emoção que mexe com o coração. O medo vem quando vemos filmes de terror ou quando jogamos jogos desagradáveis. O medo faz parte da vida, mas, sou corajosa!

MEU SENTIMENTO É O AMOR Ana Clara Corrêa Manhães O amor é um sentimento bom e eu amo o amor! Eu sinto amor pelos meus gatinhos, minha família, meus brinquedos e meus amigos, principalmente, o Pedro Régis, meu melhor amigo! O meu coração bate forte quando tenho amor. Eu tenho amor pela minha professora Roseane. E amo o meu Colégio Notre Dame! Eu amo festas de pijama, aniversário, Páscoa, Natal e Haloween. Eu penso que o mundo vai mudar com a gentileza e o amor!

110


UM DIA COM AS AMIGAS Carolina Laupman Ferraz Mutti A emoção que escolhi foi a alegria! A alegria é um sentimento bom de sentir. Eu, Belinda e a Gigi, estávamos muito alegres, porque nós fomos ao cinema, assistir o Rei Leão. Depois fomos à piscina e comer. Nós, também tomamos sorvete e fomos ao parque. Depois de muita diversão e alegria, fomos embora. Num outro dia, estávamos no shopping e, me senti alegre! A alegria é um sentimento importante!

UM DIA AGRADÁVEL Eliza Cortazio Escoto Eu vou escrever sobre o sentimento “Felicidade”, porque gosto de ser feliz! Num dia, eu estava com a Carol e a Gigi, nós fomos para o cinema ver Aladdin. Depois fomos brincar no parque e lanchamos. Depois de lanchar, brincamos mais um pouco de piquepega. Logo depois de brincarmos, a Carol e a Gigi foram para a minha casa e vimos outro filme. Eu fiquei muito feliz, os filmes trouxeram a felicidade! Eu me sinto feliz quando faço a gentileza! Eu sou gentil quando dou boa noite e, quando ajudo a minha mãe. Quando estou feliz, fico muito animada e pulando!

111


ALEGRIA Eric Querino de Souza Siqueira A alegria é o que sinto, quando o Pedro vai à minha casa. Amanhã ele deverá ir e brincar comigo. Nós jogamos videogame, lanchamos pipoca e ele vai me ajudar a zerar, ou seja, terminar o jogo. Ele mora perto de mim, por isso que, além de sermos amigos, brincamos muito. Estar com meus amigos me traz muita alegria! Ser gentil quando ajudo o meu amigo e dou bom dia, me traz muita alegria. Ficar alegre me faz sentir alegria. Eu amo a alegria!

UM DIA FELIZ! Giovanna Bandeira Binenbojm Rubino

Eu escolhi a felicidade porque sou feliz com a Cacá e a Belinda. Quando a Belinda e a Cacá foram ao parque comigo, brincamos muito. Nós brincamos no balanço, fomos ao pula-pula e também fomos ao barco. Foi muito legal! Eu sinto a felicidade quando sou gentil com o meu pai, quando ajudo ele a fazer o exercício da fonoaudióloga. Quando fico feliz, eu fico muito animada, pulo e dou muitas gargalhadas.

112


O AMOR Júlia Tomé de Menezes Gamba Amor é sentimento muito importante. O amor é ser gentil, ser amável e bom, porque se você amar uma pessoa, ela vai te amar também. É assim que funciona! Eu sinto muito amor no Natal, porque eu dou presentes e o outro agradece. Damos abraços um no outro, transmitimos amor para a família e amigos, por isso, eu amo o Natal! O amor, podemos demonstrar com a gentileza. Somos gentis quando tratamos as pessoas com respeito e carinho. Ter gentileza, faz de nós, pessoas mais amáveis. O amor não devia faltar no mundo! A FELICIDADE NA FLORESTA Júlio César Chaves Curvêlo Eu escolhi escrever sobre a felicidade porque é um jeito de tornar a vida melhor, mais feliz! Um dia, eu fui para a floresta, encontrei um saco de pipoca e comi tudo. E aí, vi os meus amigos, eles também estavam comendo pipoca. Esse acontecimento trouxe a felicidade! A felicidade é um sentimento que me deixa alegre. Eu fiquei com felicidade quando encontrei os amigos na floresta, quando viajei e brinquei. A felicidade vem no meu coração quando sou gentil com os amigos e as pessoas. Um sorriso, um abraço, emprestar algo, comer pipoca com os amigos, me traz felicidade. A felicidade deixa a gente radiante!

113


A ALEGRIA, SENTIMENTO BOM Lucas de Castro Saldanha Muxfeldt Guterres Alegria é a emoção que escolhi! Um dia, fiquei alegre, mas tão alegre, que eu até comi pizza. A alegria era tanta que imaginei que era um lobo bonzinho e gentil. Eu dava dinheiro pra todo mundo, até que uma hora, salvei uma vida. Isso aconteceu ontem na minha imaginação. Mas um dia, também fiquei muito alegre porque ganhei um videogame. Isso aconteceu, há dois anos atrás. Eu fico muito alegre quando são gentis comigo, então também sou gentil. Ajudar os idosos, respeitar e dizer obrigado, me deixa alegre. Eu sinto alegria quando ganho o amor de alguém e quando fazem alguma coisa boa para mim que eu gosto muito. É tão bom ficar alegre! ALEGRIA EM FAMÍLIA Maria Clara Sotelo Eu vou escrever sobre a alegria porque é um sentimento mágico! A alegria é muito bom de ter, e nós, em família, nos divertimos, porque é a diversão que traz a felicidade. A alegria é muito importante! Um dia, estava com as minhas amigas, foi bem legal e divertido! O dia ficou lindo! Amo a alegria, ter alegria é muito gostoso e todo mundo deveria sentir. A minha família é muito alegre! Um belo dia, fui para São Paulo com a minha família. Foi uma viagem divertida e alegre. Nós fomos ao parque, gostamos muito. Depois fomos almoçar num restaurante. A comida estava deliciosa! Nós fomos para lá de avião, e a partir daí,

114


já estávamos muito alegres. Voltar para casa também trouxe alegria. A alegria é bom sentir e me faz uma criança feliz!

A ALEGRIA COM MEU CACHORRO Nicolas de Oliveira Queiroz Eu vou falar sobre a alegria, porque me faz lembrar um dia bem feliz! O dia bem feliz, foi o dia que ganhei o meu cachorro. Ele é brincalhão. A raça dele é SHIHTZU, é pequeno. A cor dele é branco e marrom. Nós brincamos muito quando chego em casa. O nome do meu cachorro é Bolinha. Eu ganhei ele do meu avô, há dois anos. Ele me faz companhia. Eu fico muito alegre quando estou com ele. Eu sou muito gentil com o meu cachorro, quando às vezes, dou água e comida para ele. Quando estou alegre, fico sorrindo!

UM DIA ALEGRE Nina Ribas Barcellos Eu escolhi escrever sobre a alegria, porque é maneira e muito divertida! Um dia, fui ao Game XP, foi legal e divertido! Eu fui com a minha prima Fafá. Depois nós brincamos bastante de pique-parede e, fomos na roda gigante. Esses momentos deixaram, eu e minha prima, alegres. A alegria me deixa feliz! Ela deveria ser sentida por todo mundo. Eu acho a alegria um sentimento bom de sentir.

115


A DEMONSTRAÇÃO DO AMOR Pedro Borseau Valladares Eu vou demonstrar uma coisa na vida, o “AMOR!” É quando é mais forte e você não sabe controlar. Então eu vou mostrar com aquela saudade da mãe ou do pai, isso é um tipo de amor. Ah! Eu me lembrei que dar muito carinho para o seu animal de estimação, é amor! Se você não tem tudo, mas dá um abraço na sua mãe ou no seu pai; é também um outro tipo de amor. Eu estou escrevendo isso, porque já passei por tudo isso. Quando eu ficar mais velho, porque hoje eu tenho sete anos, quero dar amor, dando um pouco do meu dinheiro para os pobres. Demonstrar o amor é ser gentil, é quando ajudo o próximo e sou grato. Demonstre o amor!

O JOGO Pedro Regis de Moura Costa da Cruz Eu vou falar sobre a alegria, porque gosto muito desse sentimento. Eu estava querendo um jogo do PS4, quando pedi para o meu pai, ele comprou. Fiquei muito feliz! E jogava muito com ele. Eu também chamava vários amigos, e nos divertimos muito. Às vezes, brincamos de minecraft, lego, Word e etc. Quando fico feliz, minhas mãos tremem. Eu também fico feliz por estudar aqui no Notre Dame. Eu me sinto feliz também, quando sou gentil. E sou gentil quando visito os meus avós, vou com o meu amigo à enfermaria e ajudo a arrumar o quarto. É agradável sentir a alegria!

116


O AMOR Rafael Botacim Pereira Eu vou escrever sobre o ”AMOR”. O amor é o sentimento que eu gosto, porque amo todos aqui da minha sala, principalmente, a minha professora Roseane e a Kátia. Eu também tenho amor pela minha amiga Giovanna e minha família. Eu sinto amor quando brinco com os meus amigos e com a minha família; quando dou um presente para uma pessoa e também quando faço uma gentileza. O amor é um sentimento muito bom! Eu adoro o amor.

A RAIVA GIGANTESCA Raphael Carvalho Trindade Eu escolhi a raiva, porque briguei com o meu amigo. Isso aconteceu no ano passado, na educação física. Eu deixei esse sentimento de lado, porém, fiquei com muita raiva na época. Mas consegui me acalmar. E eu não conseguia parar de mexer os meus pés e minhas mãos. Depois consegui ficar calmo. A raiva não é boa porque nos deixa nervoso, agitado... Cultivar o amor e a gentileza é bem melhor!

117


O AMOR PELA MINHA CACHORRINHA Sofia Vaisberg Del Bianco O amor é um sentimento muito importante, que todo mundo tem. O meu coração é bem grande e cabe todos. E no coração de todos, também o amor é mais importante do que você pensa. Escolhi o amor porque o amor é muito grande, principalmente, quando eu ganhei a minha cachorra. O nome dela é Elsa, ela é muito importante, adorável e fofa! Se o mundo tivesse mais amor e gentileza, o mundo seria melhor!

A CORAGEM Thales Belchez de Souto Costa Eu vou escrever sobre a coragem porque é o sentimento que escolhi. A coragem foi escolhida porque eu, Ana Clara e Pedro Régis, temos muita coragem. É porque a nossa vida é cheia de aventuras, exploração e desafios. Um dia me enchi de coragem e tentei subir num touro de verdade. Mas não consegui!É muito difícil subir num touro. Foi muito bom tentar, pelo menos, fui corajoso! Todo mundo devia ter coragem porque na vida tem muitos desafios!

118


AMOR PELO MEU PAI Theo Salgado Sbano O meu pai é o amor da minha vida. Nós brincamos e passeamos! Meu pai é legal, ele cuida de mim e também faz comida com amor. O meu pai me ama muito e eu o amo muito mais! Eu amo brincar de cosquinha com o meu pai. O amor é amar!

119


120


a7DE!


122


PROJETO EMOVERE Andréia Venancio de Oliveira, professora do 2°ano E

Iniciamos o trabalho nesse projeto conversando sobre os diferentes tipos de sentimentos e como lidamos com cada um eles. Pegamos na Literatura, alguns livros que falam sobre essa temática e também alguns livros específicos que falavam sobre os medos. A coleção “Meus Medinhos”, do Pedro Bandeira, contribuiu muito para a melhor organização e estruturação desse trabalho, pois assim o medo foi concretizado em forma de personagens que despertaram o imaginário, inspiraram e possibilitaram a criação desses textos. Pegamos essa temática e exploramos bastante antes de iniciarmos a escrita dos nossos textos para a Jornada Literária. Fizemos várias brincadeiras e dinâmicas com o objetivo de desenvolver as capacidades socioemocionais e a turma participou de todas essas propostas com muito envolvimento, entusiasmo e alegria, dando vazão a todas as emoções. Observei durante o trabalho nesse período, que a turma apresentava muitos medos... as crianças de uma forma geral, possuem muitos medos, que mudaram muito no decorrer do tempo, principalmente no que se refere às mudanças, aos cuidados e à presença daqueles que os cercam. Eles falaram muito que o maior medo era perder o pai e/ou a mãe. O medo da violência e o medo da morte, também foram muito discutidos. Refletimos bastante sobre o que é medo, como me sinto quando estou assim, os medos que já tivemos, os nossos medos atuais, os medos dos outros , como lidamos com os nossos medos e como podemos fazer pra superá-los. Vivenciamos momentos únicos, onde o diálogo era a livre expressão de ideias e sentimentos, aprendemos a nos conhecermos um pouco mais, para assim, convivermos melhor, repeitando a singularidade de cada um e o turbilhão de emoções que vivemos ao longo da nossa existência. Que vocês também possam se emocionar, assim como eu, após a leitura de cada um dos textos, que estão repletos de significado e autoria.

123


MEDOS TERRÍVEIS Alicia Mai Kato Simas Sentir medo para mim é muito ruim, eu fico paralisada e começo a chorar. Quando eu tinha cinco anos, eu tinha muito medo de aranha e sempre aparecia aranha lá em casa, porque antes eu pensava que ela ia me picar, mas eu já superei esse medo e fiquei muito melhor. A minha mãe tem muito medo de cobra porque se for venenosa a cobra, pode picar e ela pode morrer. Atualmente, eu não gosto de violência, de Palhaço Assassino, porque ele anda com uma faca. Não gosto da Annabelle, porque quando eu olho nos olhos dela me dá medo, mas eu vou enfrentar esses medos e vou ficar corajosa. Me ajuda muito quando eu rezo todos os dias e falo com Deus. Eu sei que ele vai me ajudar muito.

MEDOS QUE TINHA E MEDOS QUE TENHO Augusto Barros Ferreira O medo para mim é difícil eu não me sinto bem, é uma sensação ruim, eu não gosto de sentir essa sensação porque eu me sinto péssimo e eu não me sinto bem mesmo. Quando eu era pequeno, eu tinha medo de quebrar o braço porque eu não ia poder agarrar a bola. Aos 4 anos, eu tinha medo de lacraia porque ela pica. Aos 6 anos eu tinha medo de usar óculos, porque achava esquisito. Meu pai tem um medo que ele me perca ou perca meu irmão, porque ele iria ficar muito triste e chateado. A minha mãe tem horror de escorpião!

124


Atualmente, eu tenho medo que meus pais e avós morram, porque eu não consigo viver sem eles e ficaria triste demais. Ficar embaixo da água sem poder respirar também dá muito medo. E o outro medo que tinha, era ver a Annabelle à noite, porque ela pode fazer maldade comigo. Para superar meus medos, eu respiro e me acalmo, aí o medo começa a passar.

OS MEDOS Bernardo Bianco Soares de Meirelles Augusto Medo para mim é uma coisa muito chata, porque quando sentimos medo é difícil lidar com ele. É tipo você ter uma coisa que é muito difícil de tirar de você, também às vezes você tem que pedir ajuda para alguém como um adulto. No ano passado (eu acho) eu tinha medo da Momo, mas depois eu descobri que ela não existia, eu também tinha medo da Maria Sangrenta e da Loira do Banheiro, eu também descobri que eles não existiam. Muitas vezes, tinha medo de coisas bobas como: pombo e altura. Eu tenho medos atuais, como: do It a coisa e da Annabelle, porque para mim eles são muito assustadores, por exemplo, a Annabelle eu só tenho medo dela por causa dos olhos dela. E do It não posso nem ouvir falar dele que já me dá medo. Para eu, superar meus medos eu peço ajuda para um adulto é muito difícil, mas dá certo sempre.

125


MEDOS Carolina Azevedo Castelão Sentir medo para mim é uma coisa muito ruim e quando eu sinto medo eu fico muito triste e choro muito. Eu já tive muitos medos quando era pequena... quando eu tinha cinco anos eu já tive medo de escuro e quando chegava a hora de dormir eu ficava chorando no meu quarto e toda a noite eu ia para o quarto da minha mãe e ela me levava para a cama e me acalmava, conversando e dormindo comigo. Agora, os meus medos são da morte, porque quando a gente morre acaba tudo e isso me assusta demais. E eu tinha medo da Momo só que um dia eu descobri que ela não era verdadeira e era só uma escultura. A minha amiga tem medo de escuro, quando ela está no escuro, ela chora mas eu sempre ajudo ela a superar o medo e o meu amigo tem medo de altura e quando ele está no alto ele fica triste e eu também o ajudo a superar esse medo e eu procuro sempre ajudá-los em todos os momentos.

OS MEUS MEDOS Carolina Parrilha de Sá Medo para mim é uma coisa arrepiante, porque quando vejo alguma coisa que eu tenho medo, posso gritar ou até chorar. Medo para mim não é um sentimento bom. Medo é um sentimento horrível. Não tenho medo de tantas coisas, eu acho que tenho mais de cinco medos. Quando eu tinha seis anos, tinha medo de lagartixa, mas agora acho que é um bicho inofensivo e que não faz mal a ninguém. Também tinha medo do Bicho-Papão quando tinha três anos, mas agora 126


já sei que ele não existe! Quando tinha cinco ou seis anos, também tinha medo do Homem do Saco, mas eu já superei esse medo. O meu irmão tinha medo de polícia, porque quando ele via um policial ele ficava morrendo de medo. Minha mãe tem medo da morte, porque quando o meu avô morreu ela ficou muito, muito triste, porque ela gostava muito dele. Hoje em dia, tenho medo do escuro, de Palhaço Assassino e da Annabelle, porque eles são aterrorizantes e é por isso que eu tenho medo deles. Tenho medo também da Maria Sangrenta e da Mulher de Branco. Para superar os meus medos, peço ajuda para a minha mãe e para o meu pai e tento relaxar o máximo que eu consigo e aí o medo vai embora.

MEUS MEDOS Davi Jantsch Lempert Para mim medo é um sentimento nem muito ruim, nem muito bom, eu acho que o medo é doido, algo diferente e esquisito. Quando eu sinto medo, fico com um frio na barriga e sinto o coração batendo “badubrum” lá no fundo dele. Já tive medo do escuro, porque parece que vai vir um monstro de filme de terror no meio do escuro e isso é assustador. Também tive medo de fantasmas, porque eles são espíritos e também de lugares esquisitos, por achar esses lugares medonhos. Hoje eu tenho medo de barata, porque é nojento, tenho medo de altura, porque posso cair e, medo da morte de todos, pois é ruim e triste. A minha mãe também tem medo de barata e de perder o filho e, o meu pai tem medo de perder o trabalho e o filho. Eu posso superar os meus medos tentando esquecê-los, fechando os olhos e parando de vê-los e também posso ficar com os meus pais até o medo passar.

127


MEDO Julia Barbosa Barreto O medo para mim é quando a pessoa fica arrepiada e chorando, muito triste. Eu quando estou com medo, me sinto sozinha e me tranco no quarto. Já tive medo do It, a coisa, da Annabelle e da Samara. Tenho medo do polvo porque ele é feio e do escuro, porque não gosto de ficar sozinha. O meu maior medo é do polvo, porque ele me assusta bastante. A minha mãe tem muito medo de barata e também nojo, quando aparece uma na minha casa, a minha babá mesmo com medo, mata. Quando estou com medo, eu bebo água e converso com a minha mãe, que diz que eu não preciso ter medo, que essas coisas não existem.

MEDOS PARA MIM Lara Rocha Romay O medo é um sentimento muito ruim, porque o meu coração fica com dor e muito apertado, fico com uma sensação muito triste. Quando isso acontece eu peço para os meus pais me ajudarem, o medo passa, fico feliz e durmo. Eu já tive medo de quando os meus pais saiam à noite e eu pensava que eles não iam mais voltar, mas isso passou e agora eles saem e eu fico bem, mas às vezes eu ainda vou para a cama deles durante a noite. Tenho muito, muito medo de ver a Momo, a Annabelle e o Palhaço Assassino, chego a ter pesadelos. Também tenho medo de ficar sem respirar na água do mar.

128


A minha mãe não gosta de brinquedos que balançam muito, ela tem medo de passar mal. Para ter confiança e superar os meus medos, eu respiro fundo e penso em coisas boas e o medo desaparece.

ÁRIAS FACES DO MEDO Larah Jobst Strauch O medo para mim é complicado de sair da minha cabeça, porque eu fico medrosa demais e tenho muita vontade de chorar. Já tive medo de barata, mosquito e borboleta, eu ficava muito medrosa, quando os via. Tenho muito medo do escuro, porque vejo alguns monstros e fico assustada. Também tenho medo que o marimbondo me pique, porque deve doer muito e o mosquito da dengue pode me passar doença. A minha irmã tem medo de barata porque ela acha que é quase um monstro e ela grita demais. Para superar os meus medos, tento esquecer eles dentro da minha cabeça e também converso com a minha mãe e os medos passam.

129


MEDOS ATRAPALHAM Laura de Oliveira Louro Sentir medo para mim é uma sensação que me deixa paralisada. Medo é a pior coisa que eu já tive, porque eu quase choro! Quando eu tinha 5 anos, eu tinha medo de escuro, do Palhaço Assassino e da Loira do Banheiro. Porque eles são assustadores. Atualmente, eu tenho medo da Momo, porque ela aparece nos vídeos que falam dela e eu não gosto de assistir. Quando sinto medo, procuro ficar calma e tranquila e eu derroto esse medo que sempre me atrapalha, me irrita e me chateia. A minha família também tem medos. A minha mãe tem muito medo de lacraia, o meu pai tem medo da morte e a minha avó tem medo da violência, porque eles acham isso muito perigoso para mim. Eu sempre vou superar os meus medos horrorosos! Porque eu quero ser forte e corajosa.

O MEDO É MUITO CHATO Leonardo Costa Cordeiro O medo não é uma coisa boa, ele é muito ruim, eu fico triste e choro direto, precisando de ajuda do meu pai e da minha mãe. O medo também faz muito mal para o meu coração, para o meu corpo e para todo o meu ser. Eu tinha medo de aranha quando eu tinha três anos mais ou menos, também tinha medo de cair de uma altura grande e me machucar ou do meu pai ou minha mãe morrerem. O medo de se afogar também já passou pela minha cabeça. 130


Atualmente eu tenho medo de ser preso, de ser atropelado, de cair da janela, ficar sem ar ou água, cair de um avião ou prédio, bater com a boca na borda da piscina, cair de um balão, mas o meu maior medo é de morrer. A minha mãe tem medo de me perder, porque ela vive falando que eu sou o amor da vida dela e o meu pai, a mesma coisa. A minha avó morre de medo de levar outro tombo, pois ela já caiu um monte de vezes. Para vencer os meus medos eu respiro fundo e boto a mão no coração, também vou com a minha mãe para um lugar que não sinto medo, ela diz para eu me acalmar e depois eu consigo ficar quieto no meu cantinho, sem ninguém do meu lado.

MEDOS Lucas Zambrone Mignani Eu tenho medo de altura, porque não gosto de coisas altas e íngremes, fico com muito medo. Quando eu era bebê, tinha medo de escuro porque eu achava que estava sozinho, mas agora eu não tenho mais medo de escuro, porque eu cresci. A minha mãe tem medo de barata, porque ela é muito nojenta e fedida, também porque ela mora no esgoto. Hoje, tenho medo de morcego, porque eles são muito nojentos e me dão uma sensação horrível. Para superar os meus medos, eu peço ajuda para os meus pais e bebo um copo de água e aí supero os meus piores medos.

131


MEUS MEDOS E PREOCUPAÇÕES Luisa Maciel da Costa Reis Eu sinto medo de muitas coisas, para mim o medo é o pior sentimento que existe, porque o meu coração fica acelerado, a respiração fica com dificuldade e a minha voz fica trêmula. Quando eu era bebê, eu tinha medo de lagartos e com quatro ou cinco anos eu tinha medo de altura e do Homem do Saco, porque eu pensava que nunca mais ia ver a minha família. Hoje em dia, eu tenho medo de uma pessoa da minha família morrer, esse é o meu maior medo. Tenho medo de morrer antes da hora! Também tenho medo da Momo, porque ela pode me matar. A minha mãe tem medo de barata e de rato, porque ela tem nojo e eu também tenho. O meu pai tem medo do dente dele cair e a minha irmã não gosta do escuro, esses todos são os medos da minha família. Quando eu tenho medo de alguma coisa eu grito pedindo ajuda aos meus pais e aos meus avós, aí vou em frente, enfrento meu medo e consigo vencê-lo.

MEDOS Manuela Brotherhood Cassano O medo para mim é um sentimento ruim porque quando vem na nossa cabeça, não consegue sair. Eu já tive medo de insetos e cemitério, porque insetos são nojentos e cemitérios são medonhos. O meu irmão tem medo do Lobo Mau, porque ele acha que come as crianças, ele sai correndo para o seu quarto e bate a porta.

132


Atualmente eu tenho medo da Momo, medo do escuro, das doenças sem cura e o meu maior medo é da morte. Eu acho a boca da Momo assustadora e acho que ela vai sair do meio do escuro. As doenças sem cura podem causar a morte de pessoas. Para vencer os meus medos, eu enfrento cara a cara, até os medos passarem. Eu amei escrever sobre os meus medos!

MEDO É MEDO Manuela Elias Bastos Para mim, medo é quando meu coração fica muito apertado e pra mim o meu medo chega rápido demais e quando eu sinto medo eu grito: — Mamãe, papai, vovó, Vanessa, Cátia, Cris ou Be! Eu com quatro ou cinco anos tinha medo de lagartixa, minhoca e barata, porque a lagartixa era assustadora, a minhoca eu pensava que queimava e a barata muito nojenta e aí eu gritava: — Mamãe, papai, vovó, Vanessa, Cátia, Cris ou Be! E eu tinha medo do Homem do Saco, mas eu superei. Também tinha medo da Momo, mas também superei esse medo. Bom, hoje em dia eu tenho medo que alguém da minha família morra e eu tenho medo de tiros e de altura, o meu maior medo é cair de um avião! Tenho pesadelos com isso!!! No Shopping Leblon,tem um vidro que eu morro de medo de passar perto. Para eu superar meus medos, eu faço o contrário do meu medo, e várias outras coisas, como pedir ajuda aos meus pais e a outros adultos. Eu consigo enfrentar os meus medos e vencê-los.

133


MEUS MEDOS SUPERADOS Maria Ana Garcia Tâmega Eu sinto muitos medos, medo para mim é um sentimento que a gente fica muito nervosa e no canto sozinha e por isso a gente tem que superar os nossos medos! Eu tenho medo de escuro e no escuro eu penso que tem uma porção de monstros. A minha avó tem muito medo de barata, porque ela acha um bicho muito nojento e também acha que ela, a barata, é um monstro porque ela tem pavor de barata, uma barata é um bicho que não faz bem para ela e eu entendo que ela não gosta de baratas. Eu tinha medo de várias coisas, mas agora superei! Agora sou uma menina madura e eu não tenho mais medo de coisas quesão muito bobinhas, agora a minha mãe me deu coragem para vencer esses medos e minha mãe falou que fazem isso só para assustar as crianças e agora sei que isso é só uma bobagem.

MEDOS ATUAIS E MEDOS QUE JÁ TIVE Matheus Loff Motta Caldeira O medo é uma coisa chata que me atrapalha demais e me deixa muito chateado, porque eu fico pensando nisso e cada dia me dá um sentimento ruim, porque eu fico pensativo e cada dia, me dá mais medo. Aos cinco e seis anos, tinha medo de escuro, aos três anos tinha medo de lagartixa, porque ela fica se rastejando no chão. 134


Eu tenho medo da Momo, pois ela aparece em vídeos de violência e também de alguém da minha família morrer. A minha bisa tem medo de viajar, ela já está bem velhinha, ela só viaja de carro e quando a família se encontra em janeiro, quando meu primo vem da França. A minha avó tem medo quando chegamos tarde da noite em casa, porque ela acha perigoso. Para superar esses medos, eu conto para um adulto, é bem difícil, mas eu falo e me sinto melhor, porque um adulto já sabe das coisas.

MEDO É HORRÍVEL Mel Carlson Munhoz O medo para mim é quando eu me sinto desconfortável, esquisita, etc. É um sentimento muito ruim de sentir, porque preciso me esconder. Quando eu era pequena, eu tinha medo praticamente de tudo, porque eu era medrosa demais e chorava muito. Hoje em dia, não tenho tanto medo assim... tenho medo de ficar sozinha no meu quarto, porque pode sair algo debaixo da minha cama e pegar o meu pé. Também tenho medo do escuro e de rato que acho nojento e assustador. Os palhaços também me assustam, porque já vi um filme e ouvi histórias de Palhaço Assassino e fiquei traumatizada. A minha mãe não tem medo de nada, mas a minha amiga Duda tem medo das mesmas coisas que eu, mas eu acho ela muito mais corajosa. Para superar os meus medos, eu pego uma coberta e fico escondida embaixo dela até o medo passar, às vezes também escrevo bilhetes para saber se tem alguém embaixo da minha cama. Sentir medo é uma coisa muito horrível!

135


MEDO É RUIM Miguel Ilarri Diniz Gonçalves Eu não gosto de sentir medo porque eu não consigo dormir quando chega à noite, eu me cubro com um lençol e o medo melhora. Eu não tenho medo quando eu estou com os meus pais e quando está de dia, porque eu me sinto mais seguro. Quando eu era pequeno, eu tinha medo de monstro e de escuro, eu tinha medo de escuro porque eu pensava que coisas ruins iriam acontecer e eu tinha medo de monstro porque eu pensava que os monstros iriam aparecer. A minha mãe tem muito medo de barata, porque ela acha que a barata vai pular em cima dela, aí ela grita! Os meus medos atuais são só do escuro, pelo menos eu só tenho um, ao invés de dois medos, porque já superei os outros medos. Eu supero os meus medos me cobrindo debaixo do lençol, assim eu penso que as coisas ruins do escuro vão desaparecer e que os monstros iriam ver que eu não estava no quarto e iam sair.

136


MEDOS QUE JÁ TIVE, MEDOS ATUAIS E COMO SUPERAR O MEDO Pedro Venturin Ramos Simão O medo para mim é uma coisa muito fácil de ter em mim, sempre paraliso e no outro dia eu fico com mais medo ainda e em todo lugar, eu fico com muito medo e nunca quero ir sozinho para alguns lugares. Eu já tive medo de bruxa, monstros, leão e dinossauro, eu nunca quis sair de casa porque eu tinha muito medo, eu tinha medo também de fantasma. Eu tenho medo de Boneca Assassina, tenho medo da minha mãe e do meu pai morrerem, tsunami, terremoto, maremoto, violência, tubarão, barco e filme de terror, mas o meu maior medo, é mesmo, de tsunami. Eu também tenho medo de escuro porque vem um medo que alguma pessoa apareça de repente. Eu sempre quero ir com alguma pessoa aos lugares, mas quando alguma pessoa fala daquele lugar, mas eu fico com muito medo e eu nunca mais quero ir lá. Minha irmã tem medo de escuro, de ficar sozinha e de ficar de castigo. Ela chora, porque ela não gosta. Chora pouco, e às vezes chora muito mesmo, porque é muito ruim e ela faz muito barulho. Eu rezo para eu não ficar com medo, mas algumas vezes não dá certo, ou é só as pessoas falarem coisas que assustam e algumas vezes os meus primos também fazem isso, falam coisas que eu fico com medo e também acho engraçado.

137


MEDOS Thomás dos Santos Frazão O medo é muito ruim, porque eu fico triste com vontade de ir embora para a minha casa, porque lá tem a minha família que me deixa seguro. Quando eu tinha quatro anos, eu tinha medo de monstros, porque eles são assustadores. Hoje eu tenho medo de ursos e tigres porque eles fazem barulho alto e são muito grandes. Também tenho medo de escuro, porque vejo sombras assustadoras. Eu acho que os meus pais não tem medo de nada, porque eles são muito corajosos. Quando estou com medo, peço ajuda ao meu pai e a minha mãe, eles acendem as luzes e dizem que eu não preciso ter medo, porque eles estão e estarão ali sempre comigo..

138


a7DE


140


MANIA DE EXPLICAÇÃO Juliana Saboia de Moraes, professora do 3º ano A Nomear é algo que buscamos fazer sempre. Precisamos dar nomes à objetos, pessoas, lugares... O ato de nomear tem ascendentes ancestrais. As primeiras palavras, a necessidade de se fazer entender e ser entendido nos levaram a buscar nos substantivos a representação de seres e objetos. Nos parece mais seguro e saudável quando sabemos com o que ou quem estamos lidando. Como se, ao darmos um nome, tudo estivesse plenamente resolvido ou em vias de se resolver. Não seria diferente com os nossos sentimentos não é mesmo? Mas, nos ficam as perguntas: alcançamos sempre o sucesso esperado ao se tentar expressar o que sente? Quantas vezes nos faltam palavras para descrever emoções? Felicidade, tristeza, euforia, decepção, angústia... Preencheríamos um cem número de páginas com nomes e mais nomes. Me arrisco a dizer que escrevêlas é tarefa das mais fáceis, já senti-las e expô-las... E se resolver com elas? Esse misto fica ainda mais intenso e interessante quando pensamos que cada uma das emoções que sentimos provoca uma reação no outro com quem se convive. E, claro, o contrário também. Atingimos e somos atingidos tantas vezes ao longo de um único dia que, por vezes, é difícil lidar com toda a carga que nos chega ao coração. Se para os adultos falar sobre as emoções que os atingem é tarefa árdua, o que dizer das crianças? Aos adultos é dada uma colher de chá. Já passaram por experiências diversas que provocaram emoções diferentes, ora saboreadas com prazer, ora degustadas com dificuldade. E, ainda assim, não se pode dizer que são peritos no quesito expressar sentimentos. Às crianças resta o desafio de sentir tudo pela primeira vez. A cada novo momento experenciado, uma nova caixinha parece ser cuidadosamente elaborada dentro delas. Mas, como sabemos bem, as “faxinas” são constantes e essas caixinhas se misturam sempre e cada vez mais. Essa nossa mania de explicação parece não atingir as crianças. Talvez pela intensidade com que sentem e se permitem sentir, sem as sanções a que nos colocamos ao longo de nossas vidas, elas nomeiam sem nomear. Confuso? Permita-me explicar. Que adulto nunca presenciou uma situação de conflito entre duas ou mais crianças e tendeu a querer solucioná-lo rapidamente? Mais: a solução não veio de prontidão porque para aquele grupo o que sentiam era tão mais forte que expuseram em longas explicações tudo que se passou? Uns mais outros menos, quem convive com criança sabe que momentos como esses não são exceção, são regra. Elas não resumem sentimentos, elas os descrevem. Uma única 141


palavra não é suficiente. Por vezes são sentimentos diversos sentidos todos de uma única vez. Talvez leiamos os textos que se seguem em busca de um sentimento literalmente expresso. Já adianto que precisarão ler nas entrelinhas. Cada um expôs um momento que, de alguma forma, lhe tocou. Seja ele verídico ou elaborado a partir de alguma vivência, são histórias que primeiro traz o autor como mote e, depois, algo que ele viveu ou gostaria de ter vivido. Muitos deles trazem os amigos de escola como coparticipantes, outros trazem a família o que confirma nossa suposição inicial: emoções se vivem com o outro. Foi nessa busca de compreender as emoções que os textos se desenvolveram. Esperamos que apreciem e vejam em cada um deles os rostinhos dos próprios autores. Afinal, cada um está nessa busca incansável de sentir e se perceber no mundo e, para isso, precisarão entender que “crescer não é uma tarefa fácil. Afinal, o coração precisa crescer no mesmo ritmo que os ossos.” (Chmielewska, Iwona. 2017)

142


O OUTRO LADO DA LAGOA Ana Luiza Ribeiro de Paiva Meu nome é Ana Luiza, tenho 9 anos, gosto de assistir vídeos sobre jogos no Youtube, de jogar tênis e brincar de pega-pega. Também gosto de contar histórias e vou contar uma história que é metade verdade e metade imaginação. Um dia fui à uma festa na Lagoa mas estava ficando chato e resolvi ir à beira da Lagoa com meus três amigos Camilla, Antonio e Lucas. A gente se conhece há muito tempo mesmo. Os meninos eu conheci no tênis e a Camilla na escola onde eu estudo, chamada Notre Dame que fica em Ipanema. Nós descemos por um tipo de coluna e achamos uma caverna escura. Quando entramos, vimos uma luz azul e era uma pedra preciosa. Ela era brilhante, média e nós ficamos muito felizes em encontrar esse diamante. Quando saímos estávamos em um lugar desconhecido, o outro lado da Lagoa. Tinham árvores bem altas e muitos animais como na primavera. Lá, tinham outras cavernas com pedras preciosas que também levavam para outras florestas com climas diferentes. Só que uma grande caverna tinha todas as joias e o Lucas disse: — O que vamos fazer com essas joias? — Dividir. – Dissemos. E cada um ficou com uma joia. Eu resolvi vender a minha joia para um vizinho. Ele ficou maravilhado mas pediu um tempo para pensar. Depois ele resolveu comprar. Eu fiquei satisfeita porque a joia era muito cara e com ela deu para ganhar muito dinheiro. E fim.

143


OS SALVADORES DO CASTELO Antonio Pietro Nuti Dantas Um dia um menino chamado Antonio foi viajar com uma amiga chamada Giovana e um amigo chamado Fernando. O Antonio era muito aventureiro, ele gostava de viajar, conhecer novos lugares etc... Chegou o dia em que ele ia viajar com os amigos. Ele estava muito ansioso porque eles iam viajar para o Hotel Fazenda. Antonio nunca viajou com os amigos, então, ele estava muito feliz mesmo. Quando eles chegaram lá, eles foram dormir porque estavam cansados. Quando acordaram, eles ficaram cara a cara com um portal! Eles entraram e se viram num gramado e na frente deles tinha um castelo sendo construído por vários mini homens que se protegiam do “Troll” da noite. Eles queriam voltar mas o portal não estava mais lá. Então, eles foram ajudar. Mas tinha uma pessoa chorando chamada Maria. Eles perguntaram o que tinha acontecido, mas ela não respondeu. Então resolvemos ajudar. Conversamos com ela gentilmente e ela respondeu que o Troll da noite roubou o pai dela. Logo chegou o Troll da noite. Todos correram desesperados sem saber o que fazer, então, pensaram em lançar um raio laser no Troll. Todos falaram juntos: — SIM! Eles lançaram o raio e o Troll morreu. Então, todos jogaram-se de alegria e Maria agradeceu por eles a terem ajudado.

144


UMA VIAGEM FORA DE SÉRIE Betina de Oliveira Marques Aguiar Olá, meu nome é Betina, tenho 9 anos e adoro desenhar, assistir diversas séries, jogar basquete, andar de patins, etc. Eu adoro minha melhor amiga então pensei: por que não contar uma emocionante, aventureira, divertida e desafiadora história? Julia (minha melhor amiga) e eu estávamos brincando em minha casa quando minha mãe entrou no quarto dizendo uma ótima notícia: — Eu conversei com a mãe da Julia e ela a deixou viajar comigo, você e o tio Naldo (meu pai) para Brasília. Estávamos muito animadas mas quando chegamos no hotel o coração foi parar na garganta. Estávamos repletas de fome, então, como estava na hora do lanche, subimos, nos trocamos e descemos. Só não sabíamos que eles serviam morango com chantili e chocolate com sorvete. No final do “banquete”, nós comemos todos os doces que podíamos imaginar. Depois do lanche, nós fomos dar uma volta. No caminho, encontramos um museu e decidimos visitá-lo. Em seguida ao museu, fomos para uma praça de alimentação pois todos estavam com fome. Então, depois, encontramos um Zoo onde vimos gorilas, girafas, jacarés, tigres, elefantes, leões, etc. Voltamos ao hotel e, como ainda eram 17h30, nós fomos para a tirolesa de lá. Após muitas idas e vindas na tirolesa, já eram 19h00 então fomos correndo para o jantar. Tivemos uma tremenda surpresa quando vimos aquela mesa farta. Depois de comer, já eram 20h30 então corremos para o quarto, tomamos um banho e fomos para a cama. No dia seguinte, acordamos cedinho já que era nosso segundo dia. Percebemos que, já que era feriado, podíamos voltar na segunda-feira para casa e, para aproveitar mais ainda, decidimos ir embora só 12h00. Assim, trocamos de roupa, escovamos os dentes e fomos comer. Depois do café da manhã, fomos para o parquinho e brincamos até 14h34. Também fomos até a piscina mas foi uma surpresa quando descobrimos que tinham três piscinas lá. A primeira para bebês, a segunda e a terceira para os maiores.

145


Depois, nós fomos conhecer os pontos turísticos. Quando voltamos já eram 18h30, então subimos para o quarto, tomamos um banho e descemos para o parquinho. Mais ou menos 19h37 fomos jantar e, em seguida, às 20h00, fomos olhar as estrelas. Quando percebemos que já eram 23h00 corremos para o quarto e tomamos banho. No fia seguinte, fizemos nossas malas e fomos para o aeroporto. Já no avião, meu pai nos surpreendeu: — Amei essa viagem, foi com certeza a melhor de todas!

O MENINO PODEROSO Camilla Alves da Silva Olá, sou a Camilla, tenho oito anos, gosto de brincar, de fazer esportes, de passear com meus amigos e minha mãe. Gosto, também, de contar histórias para as pessoas e hoje vou contar uma bem legal sobre um menino. Era uma vez um menino chamado Miguel. Ele era um menino super educado e bem estudioso, frequentava a escola e tinha muitos amigos. No final da aula, ele sempre ia para casa ficar no quarto mas tinha um problema. Sua mãe o avisou: — Filho, tenho uma coisa para te falar, estou falando sério. Seu médico me ligou e falou que você tem hipermotilidade. Miguel falou: — O que é isso? — Te explico amanhã de manhã. – Disse a mãe. No outro dia... — Mãe, ontem você falou que ia me contar o que é hipermotilidade. — É um super poder de força, reflexo e, também, poder da água. – Ela respondeu. Miguel achou muito estranho porque ele não sabia que esses poderes existiam. Quando ele se acalmou, pensou que poderia salvar o mundo um dia porque o mundo estava poluído e com muita violência e Miguel entendeu que ele poderia ajudar quem precisasse. 146


Dois anos se passaram... Ele tinha vinte anos e já que tinha hipermotilidade pensou em fazer uma roupa para ele e salvou o mundo.

NOSSAS VIDAS Daniel Balduino Machado Moreira Todos sabem que nossas vidas hoje em dia são ruins mas precisamos ter coragem, amor, coração, amizade, felicidade. Mesmo assim, todos têm um pouco de tristeza, medo, raiva e nojo. São bandidos por aí, ladrões por aí... Ah, me esqueci. Olá, sou o Daniel. Gosto de brincar, estudar mas o que eu gosto mais é da justiça. Para mim justiça é ter segurança, confiança e felicidade. Hoje em dia, nós temos muita injustiça com várias coisas. Nós já lutamos pela justiça e devemos continuar lutando mas temos que lutar por tudo, árvores destruídas e habitats de animais destruídos... Nós não podemos deixar jogar lixo no chão nem no mar porque isso prejudica todos nós e a vida do planeta Terra. Nosso planeta é muito bonito e maravilhoso. Por isso que devemos cuidar dele. Não podemos deixar a vida de lado, nós convivemos com o mal e não podemos deixar isso acontecer. Devemos ter confiança, esperança no ser humano, felicidade, ainda mais amizade. Devemos lutar contra o mal e espero que nós consigamos. Boa sorte para todos nós.

147


O HOTEL LE CANTON Dominique Benhamou L. Olivieri Meu nome é Dominique e eu gosto de brincar, desenhar e fazer esportes. A minha comida preferida é a japonesa. Meu pai sabe cozinhar muito bem. A minha mãe é professora de yoga. Eu tenho 8 anos e estou no 3º ano A. No recreio da escola eu brinco de pique-pega com as minhas amigas e, as vezes, ajudo em casa e também assisto TV. Então, no ano de 2018 eu viajei para um hotel maravilhoso chamado Le Canton. Lá tinha piscina e quarto arrumadinho. Na piscina, tinha uma cachoeira, cadeiras na parte rasa e uma jacuzzi quentinha bem no meio. A parte mais legal foi ir na boia de gelo. No começo fiquei com muito medo mas meus pais me encorajaram para eu ir e fiquei feliz à beça. E ia de novo, cada vez mais e meus pais também. Depois, fui com minha mãe no trem fantasma, num palácio de metal incrível. No dia seguinte, tinha um buffet que servia café da manhã e jantar. Depois do café, fui em um castelo cheinho de jogos. Meus pais e eu jogamos boliche até tarde. Na hora de dormir, assistimos um pouco de TV e adormecemos. No terceiro dia fomos de van até uma fazendinha onde tinham cabras, ovelhas, porcos, jumentos, cavalos, coelhos, patos e um barzinho onde bebi algo e fiquei no balanço que tinha em frente. Então voltamos de van para o hotel, arrumamos as malas e retornamos para casa com o carro do papai.

148


EMOÇÃO Eduardo da Cunha B. Pereira Um momento em que eu me emocionei aconteceu na escola em 2019. Eu estudo no colégio Notre Dame Ipanema. Quem participou foram meus colegas de turma. Eu senti muita felicidade porque todos gostam de mim. Eu gosto da Ana Luiza porque ela é minha melhor amiga. A gente brinca junto de Pokémon. Eu acho divertido. Eu adoro a hora do recreio porque eu crio jogos. Um jogo que eu criei foi de chutar a bola na parede. Quem chutar mais forte, ganha. Também gosto de falar sobre Super Mário porque eu adoro os jogos do Mário. O Mário usa roupa vermelha com colete azul e o Luidy usa roupa verde e com o mesmo colete do Mário. O Boser Junior é malvado mas eu gosto dele mesmo assim. Também gosto dele porque ele é bem fofinho. Esse texto é para todos os meus amigos porque eles são os melhores.

O MEU CACHORRO SALVADOR Florencia Reveco Meu nome é Flor, tenho 8 anos e meu aniversário é 2 de março, nasci em 2011. Meu pai e minha mãe se chamam Fabian e Sol. Nasci na Argentina e morei lá dois anos. Depois, fui para o México e morei lá cinco anos. Em seguida, vim para o Brasil, onde vivo agora e sou muito feliz com os meus novos colegas. Em um dia eu tive um momento muito emocionante, no Rio de Janeiro, dia 13 de junho de 2018 no shopping Rio Sul. Ao lado da entrada foi onde encontrei meu primeiro cachorro. Fiquei muito feliz, quase chorei mas fiquei feliz por tê-lo. Era tão pequeno que veio numa sacola grande, ele era tão fofo!

149


Depois ele cresceu, cresceu, cresceu. Ele é um adulto mas eu ensinei a ele a ajudar os outros, os cegos e muitas coisas mais. Estou muito feliz pelo meu cachorro porque ele ajudou a polícia em muitas coisas. E agora eu estou orgulhosa pelo meu cachorro porque ele é muito inteligente , lindo, etc. O meu cachorro está dentro do meu coração. Quando recebi o meu cachorro eu estava com as minhas duas irmãs, minha mãe e meu pai. Passamos um momento muito, mais muito especial, emocionante. O mais emocionante é que meu cachorro ajuda, é solidário e tem muito amor no coração para amar a todas as pessoas.

DIAS NO CRUZEIRO Guilherme Ribeiro Amaral Teixeira O meu nome é Guilherme, tenho 8 anos. Os nomes dos meus pais são Leonardo e Daniela. Eu moro em São Conrado. Gosto de jogar bola e brincar no vídeo game. Os jogos que mais curto são Fifa, Minecraft e Mario cart. Tenho um melhor amigo chamado Rafael mas eu chamo ele de Rafa. Ele é um menino engraçado e me faz feliz. Uma vez fui a um cruzeiro para Búzios, Salvador e Bahia. Fui nesse cruzeiro com minha tia e alguns autores porque ela tem uma gráfica de livros. Lá fui para a piscina que era grande e bonita. Não fiz amigos da minha idade porque sou envergonhado. Mas fiz com os autores. Um deles se chama Fran e ele jogou Pokemon Go comigo. Achei divertido. Fiquei sete dias no cruzeiro. Comi comidas que não eram muito diferentes das que eu como em casa mas eram gostosas. Nessa viagem eu dormi melhor do que o dia-a-dia porque o navio balançava e me deixava com sono. De noite fui a um karaokê mas não quis cantar. Então, fiquei ouvindo outras pessoas cantarem. Algumas cantavam bem engraçado e outras cantavam bem. Tudo isso fiz junto com minha tia. Ela é legal, divertida e me faz feliz. Para mim a viagem ia durar um mês, mas durou só sete dias. Eu queria ficar mais tempo porque foi minha primeira vez em alto-mar. Não enjoei e não

150


estranhei ficar num navio esses dias. Quando voltamos minha mãe foi me buscar. Eu contei que foi muito legal e que gostaria de voltar.

EU TENHO UMA TARTARUGA OU MINHA AMIGA QUE TEM? Joana Freire Maranhão Meu nome é Joana Maranhão, tenho 8 anos e gosto de abrir Lols e depois de brincar com elas. Também gosto de brincar com o celular, de bonecas, mini pôneis, especialmente da nova coleção, de desenhar e só. Só com isso que gosto de brincar. Amo minha família e meus amigos. Não gosto de provas, de violência e de maus-tratos. Amo o amor porque é lindo. Gosto de como nasci e cresci, gosto de mim assim. Gosto de jogos de terror tipo: Fnaf 1, Fnaf e, Fnaf 3, Fnaf 4, Fnaf 5, Fnaf 6 e Fnaf 7. Também gosto de gravar vídeos, ver vídeos, jogar e gravar enquanto jogo. Os animais que quero ter um dia são gato, lobo e peixe. Um dia estava na piscina e olhei para baixo. A água estava borbulhando e eu pensei que era o calor, mas a boia estava pulando e eu disse: — Só pode ser zu-ei-ra! Eu liguei para a Mica e disse para ela: — Mica! Está um calor! Eu estou virando uma batata assada. Ela disse: — Eu gosto de uma batata assada como você diz. Eu fiquei com raiva pelo que ela falou e desliguei na cara dela. Sai da piscina e fui me secar. Foi nesse momento que eu vi uma tartaruga no rio que ficava perto do lugar onde eu estava. Ela estava subindo pelo lado do rio e antes de jogar ela de novo no rio pensei e disse: — Mas espera... Eu tenho uma tartaruga? Como ela subiu se eu fiquei na piscina a noite inteira? Ah... Eu dormi! Kkk Tudo isso foi um sonho. Então, se você chegou até aqui quer dizer que eu te entreti.

151


A VOZ MALÍGNA João Felipe de A. Maranhão Dib Meu nome é João Felipe, gosto de futebol, praia e tenho 9 anos. Tenho vários amigos e meu melhor amigo é o Nicola. Eu adoro jogar vídeo game com ele porque ele gosta dos mesmos jogos que eu. Eu estava na praia com Nicola e João Pedro. Estávamos pegando onda mas chegou a onda maior do universo e nos enterrou dentro de uma caverna. Ela era escura, assustadora e feita de uma areia preta. Ela ficava na Itália num lugar chamado Vulcano. Lá nós ouvimos uma voz maligna que disse assim: — Vocês têm que passar por alguns desafios. O primeiro deles é a sala fechada. Encontre a saída! Depois de uma hora falaram: — É uma armadilha. Logo em seguida, voltaram para sala e haviam três respiradores e três portas, uma delas cheia de gás venenoso, água e fogo. Nós botamos a máscara e fomos pela porta de gás. Não aconteceu nada. Falamos: — Que milagre! Foi quando ouvimos de novo a voz malígna que disse: — Último desafio! Ele é fácil! Construa a saída. Então, pegamos a picareta, batemos no teto mas ele era muito duro e precisamos usar toda a nossa força para fazer a saída. Depois de uma hora construímos a saída. Assim, fomos surfar.

152


PRAIA LOUCA João Pedro Nepomuceno Lins Meu nome é João Pedro, tenho 8 anos, nasci em 23/01/2011. Tenho uma irmã de 5 anos. Gosto de jogar futebol com meus amigos. Meu time é o Flamengo, torço muito para ele. Adoro jogar vídeo game principalmente xadrez. A minha história foi real. Onde tudo começou? Bem, eu e Nicola, meu amigo, fomos à Búzios. Teve muito trânsito, demoramos três horas para chegar lá. Quando chegamos, brincamos com a minha irmã e a amiga dela. Nós dormimos, acordamos e fomos todos à praia. Nicola e eu corremos para o mar com nossas pranchas. O mar estava bem forte e decidimos parar um pouco para jogar futebol. Depois, voltamos para o mar e meu pai me chamou. Tinha uma cobra de verdade na areia. Ela era rápida e fugiu. Aí, fui para o mar de novo e Nicola ficou bebendo mate. Logo depois, minha irmã quase se afogou, mas eu a peguei bem na hora. Ela pegou minha prancha sem pedir e foi para o fundo. Veio uma onda e a prancha soltou da mão dela. Primeiro fiquei com raiva porque ela pegou minha prancha. Depois, fiquei preocupado porque ela poderia ter se machucado. Ficamos das dez da manhã às 16h da tarde e voltamos muito cansados. Fim.

153


A PEÇA DO TEATRO Kauãn Vinicius de Paula Oi meu nome é Kauãn. Tenho onze anos, gosto de jogar bola e estudar. Gosto de fazer atividades de Matemática e Português. Adoro ficar em casa porque durmo quentinho com travesseiro macio e cobertinha peludinha. Gosto de ir na casa da minha avó todos os dias porque lá é legal, posso ver televisão, tomar café cheiroso e comer comidas boas. O teatro me deixa feliz. Gosto de assistir peças e vou falar sobre a peça do Alladin. Nessa peça tem o Jaffar e os outros personagens: a Jasmin, o tigre, o Alladin, o papagaio, pai da Jasmin e o gênio que ficava numa lâmpada mágica. Esse gênio fazia três desejos se realizarem. Um dia o Alladin encontrou o gênio e esfregou a lâmpada. Aí, o gênio falou: о Não posso fazer dois pedidos: ressuscitar os mortos e namorar uma pessoa. O Alladin respondeu: о Eu quero virar um príncipe, casar com a Jasmin e te libertar. Teve um momento que o gênio e o Allandin brigaram e o Jaffar pegou a lâmpada, esfregou e fez três pedidos: о Ficar muito forte, ficar mais forte ainda e o terceiro ficar mais forte que o gênio. Aí o Allandin pegou a lâmpada e colocou o Jaffar preso lá dentro. Só no fim da história que o Allandin falou para o gênio: оVou te libertar! E assim, acabou. Eu gostei da peça porque o gênio ficou cantando, o cenário era bonito, os atores eram legais e felizes.

154


O AVIÃO DE LEGO Kenzo de Almeida Soda Oi, eu sou o Kenzo. Tenho nove anos, gosto de jogar futebol e vídeo game. Moro com meu pai, minha mãe e meu irmão. Quando eu chego em casa faço a lição da escola e brinco com meu irmão. Tenho cinco amigos, mas apenas dois vão participar da história que eu vou contar. Isso aconteceu na minha casa com o João Pedro e com Sophia. Eu comecei a montar um avião de Lego. Eu montei sozinho o avião até a página vinte do manual. A Sophia e o João Pedro me ajudaram até a página cinquenta. Meu irmão Akira e eu montamos juntos até a página setenta. O avião estava ficando muito legal, todo mundo ajudou. Com toda essa ajuda, chegamos na página cem mas foi aí que algo aconteceu: viramos bonecos de Lego e tínhamos que terminar de montar o avião. Foi estranho porque os bonecos de Lego não tem dedos e as pernas se mexem mais dura. Nós montamos o avião muito rápido e já estávamos na página cento e vinte quando percebemos que ficamos cansados, mas conseguimos terminá-lo e todos voltaram ao normal. O avião era vermelho e branco e tinha duas asas grandes. Começamos a brincar com ele fingindo que a gente estava voando num avião de verdade. Foi bem legal porque fizemos muitas manobras radicais. Esta história foi emocionante.

155


UM ATO DE SOLIDARIEDADE Lia da Costa Facure Soares Meu nome é Lia e eu tenho 8 anos. Minha mãe se chama Renata, meu pai Alessandro e minha irmã Laís. Gosto de brincar, ler livros, dormir e jogar jogos de adivinhação. Minhas melhores amigas são Dominique, Camilla, Marina e Betina. Adoro brincar com elas no recreio. Estudo no Notre Dame e sou feliz. Em um dia de março, eu e minha mãe estávamos almoçando em um restaurante. Porém tinha sobrado comida e colocamos numa sacola. Depois, saímos andando do restaurante. Enquanto a gente caminhava, a gente viu várias coisas como o metrô, o cinema, livraria, várias pessoas em uma feirinha e vários carros. Tinha, também, um ponto de táxi. Mas, teve uma coisa que chamou minha atenção. Em frente a uma lanchonete, tinha uma família com uma mulher e três filhos. Eles estavam vendendo paçoca (eles eram de rua). Então, eu resolvi dar a comida e a bebida para eles. A moça falou uma coisa bonita. Ela falou que ficou muito feliz e que Deus nos protegesse sempre. Em seguida, as crianças vieram correndo comer a comida. Depois disso, eu pensei que devemos fazer o bem sempre! Sempre devemos ajudar a quem precisa! Porque a gente pode estar ajudando as pessoas só com uma coisa mas para ela estaremos ajudando com mais dez.

156


O NASCIMENTO DA MARIA Marina Almeida V. de Oliveira Meu nome é Marina, tenho 8 anos e moro no Vidigal. Tenho uma irmã, a mamãe, o papai e a minha sobrinha. Eu esqueci, é essa história que vou contar hoje. Na escola Notre Dame Ipanema a minha irmã estava estudando e estava fera. Um dia, elas sentiu muita dor no corpo inteiro e a mamãe levou-a para o doutor. Ele fez um raio X e o médico disse: — A Fernanda está grávida. Ela tinha vinte anos. A minha mãe ficou muito brava com ela. Elas contaram para gente. Resolvemos ajudá-la a sustentar a bebê, dar amor, compreender o que não pode e comprar o que ela precisasse, tudo com amor e carinho. Maria nasceu. Tivemos muitos problemas gente, mas conseguimos da à ela saúde, amor, carinho, uma casa e alegria. Essa história é sobre vivência em família.

157


DIVERSÃO NA PRAIA DE BÚZIOS Nicola Zampaglione Maselli Meu nome é Nicola, tenho 8 anos, dois irmãos, minha mãe e meu pai. Gosto de jogar futebol, meu time do coração é o Fluminense. Gostaria de ir mais vezes em estádios para ver os jogos. Meu irmão é flamenguista mas a gente não briga por causa disso. Outra coisa que eu gosto é jogar vídeo game porque posso jogar com meus amigos e isso é bem divertido. João Pedro e eu viajamos para Búzios. Lá, fomos em uma praia bem escondida, quase sem nenhuma pessoa e um salva-vidas. Fomos lá para nos divertir. Era um passeio que gostaria de fazer porque eu poderia brincar com meu amigo. João Pedro e eu surfávamos de quarenta em quarenta minutos e parávamos para beber mate. Horas depois de surfar e jogar futebol nos chamaram da água para ver uma cobra debaixo da areia. Era preta e pequena. Eu não me assustei com isso porque não estava tão perto dela e um moço que estava perto de nós nos ajudou afastando a cobra. Depois de tanta brincadeira fomos surfar de novo. Vinte minutos depois, vimos uma garota e a mãe se afogando. Então, eu fui ajudar e salvei as duas junto com o salva-vidas. Eu me senti honrado e fiquei feliz e orgulhoso de mim mesmo. Depois, colocamos água na garrafa de mate, limpamos os pés e fomos para casa. Foi um dia divertido, legal e maluco porque eu não esperava que a gente passaria por tudo isso.

158


MEUS DIAS BONS Rafael Augusto Cardoso de Simone Meu nome é Rafael, tenho 9 anos. Gosto de jogar bola com meu pai e minha família e de jogar tênis. Eu treino esse esporte na AABB do Leblon. Lá é um lugar legal porque tem um parquinho e muitas outras coisas legais. No meu prédio estão construindo uma grade nova na fachada e isso me deixa feliz porque vai impedir de pessoas desconhecidas entrarem no prédio. Gosto muito de festa, especialmente quando a festa é minha. Então, vou contar sobre minha festa e outras coisas de que gosto. Minha festa foi numa recreação e o tema era de terror Five nigth et Fred. Também tinha um treinamento militar só para meninos além da brincadeira com narf. Aconteceu no dia 17/05. Eu ganhei vários presentes. Fiquei emocionado com isso e também muito feliz! Eu pensei: “Caraca eu estou muito feliz! Ganhei vários presentes e eu vou me agitar muito!” Também tinham várias experiências para fazer slime, e as pessoas gostaram muito. A minha slime ficou com muitas bolinhas de isopor, a cor dela era branca com muito gliter. No espaço da minha festa tinha um outro espaço pequeno para se esconder e para descer tinha uma corda. Foi difícil para eu descer porque eu não consigo ficar preso, fixado na corda. Estou estudando numa escola muito legal. Ela se chama Colégio Notre Dame. Adoro o recreio porque brinco com meus amigos e é muito legal. Um dia fui para os Estados Unidos visitar minha tia. Ela mora lá e eu aproveitei para ir à Disney. Eu tirei várias fotos, construí Legos e assisti a um jogo entre Baia e Chile. Teve Gooooooooll! Um gol tão lindo! Fiquei muito feliz porque estava torcendo para o time que fez o gol. Foi emocionante.

159


UMA VIAGEM À ARGENTINA Sophia Velozo Alves Meu nome é Sophia , moro no Rio de Janeiro, na Lagoa Rodrigo de Freitas. O nome dos meus pais são Mariane e Rodrigo. Um dia, meu pai estava vendo uma passagem para Argentina mas o voo não era direto, tinham três paradas. Eu fiquei muito feliz. A gente demorou mas algumas horas depois, chegamos. Nós ficamos em quatro hotéis. Lá arrumei uma amiga que falava espanhol. Eu entendia algumas coisas, outras não. Teve um dia que eu fui com a minha mãe no shopping e lá tinham várias coisas. Nós almoçamos e depois meu pai foi no cassino e minha mãe e eu fomos dar uma volta no shopping de novo. Encontramos um parquinho e minha mãe disse: — Vou colocar cinquenta reais e nada mais. A gente viu um cara que conseguiu dois mil tickets. Brincamos no basquete , carrinho bate-bate, moto, carro e um jogo que ficava apertando um botão e tinha que ficar entrando as bolinhas dentro do espaço. Nós ganhamos muitos tickets naquele jogo, foi muito legal. O que a gente mais jogou foi o basquete e carrinho bate-bate. Tinha um jogo que você controla o avião e ele fica girando em várias voltas. A gente colocou uns quatro reais para ir no basquete de novo porque só sobrou isso e finalmente acabou. Eu acho que depois de uma hora que acabou, minha mãe disse para o meu pai: — Parecia que não acabava nunca. Ela disse isso para mim também. Depois de sair do primeiro hotel, fomos para o segundo e ficamos três dias. Quase esquecemos de ver nosso saldo de tickets. Voltamos e descobrimos que tínhamos duzentos. Peguei uma massinha, um doce e uma bola. Foram dias muito divertidos! Nós fomos para terceiro hotel e finalmente para o quarto. Depois de quatro dias fomos embora e demorou menos que a ida. Eu gostei muito, foi muito legal. Fim.

160


a7DE


162


SOLIDARIEDADE, AUTOCONHECIMENTO E EMOÇÕES Carla Carvalho, professora do 3º ano B Somos seres emocionais desde que nascemos, dotados de uma capacidade imensa de nos colocarmos no lugar do outro e de nos emocionarmos desde bem pequenos, mas sabemos que o autoconhecimento, a empatia e o controle das emoções precisa ser praticado e pode ser ensinado por meio de reflexões. A inteligência emocional desempenha um papel de destaque em nossas vidas, contribuindo para a nossa melhor integração ao convívio social e nos deixando mais equilibrados frente aos conflitos da vida e o Projeto Emóvere, desenvolvido esse ano em nossa escola, vem nos desafiar a educar as nossas emoções. Sendo assim, as turmas do 3º ano B foram envolvidas em atividades para a identificação de suas próprias emoções, criando momentos de autoconhecimento, sensibilizações e práticas ao assistirem filmes, participarem de dinâmicas, lerem histórias e depoimentos emocionantes, cultivando bons sentimentos para o desenvolvimento das competências socioemocionais. Escolhemos a palavra solidariedade para nortear as nossas discussões e muitas histórias surgiram. Tivemos oportunidade de colocar em prática as nossas melhores atitudes e habilidades ao vivenciarmos a solidariedade em nosso ambiente escolar quando ajudamos o colega no recreio, relembramos um momento emocionante em família ou até mesmo quando estabelecemos uma relação entre a realidade e as histórias fictícias que conhecemos. De forma lúdica, conseguimos estimular o autocontrole das emoções, a vontade de alcançar objetivos, de demonstrar empatia, de manter relações sociais positivas na escola e em família, além de tomar decisões de maneira responsável. Dessa forma, os estudantes puderam produzir histórias encantadoras que falam sobre os momentos emocionantes que viveram e nos fazem pensar sobre as relações familiares, os valores associados à solidariedade, à amizade e à superação. Tenho certeza de que vocês, leitores, irão se deixar emocionar com a superação pessoal alcançada por cada estudante ao produzir textos únicos e ilustrações criativas. Boa leitura!

163


CIDADE DA SOLIADARIEDADE Beatriz da Rocha Grisolia Meu nome é Beatriz e tenho 9 anos. Quando era bebê, eu era muito fofa, adorava ir à piscina e amava ficar com a minha família. Agora que cresci, adoro brincar, correr, jogar e ajudar os outros. Eu moro na Barra da Tijuca com minha mãe, meu pai e meu irmão. Quando estou com eles, fico feliz. Adoro minha família e meus amigos. Sou feliz com eles e os amo com todo o meu coração. Esse ano, resolvi contar uma história que irá acontecer na cidade. Nessa cidade tem muitos prédios, mas tudo é calmo e silencioso e quase todas as pessoas que vivem nela são calmas também, menos uma delas que se chama Beatriz e é muito sapeca, brincalhona e adora ajudar os outros. Na escola, estou aprendendo sobre o Projeto Emóvere que fala sobre as emoções e, nessa história, vou contar sobre a solidariedade. Os meus amigos Catherine, Eduardo, Sarah, Giovanna, Gabriela, Carol, Vahina e Julia, também participam me ajudando a ser solidária com as pessoas. A minha família me ajuda me dando amor e carinho. Essa história aconteceu em uma manhã ensolarada nas férias enquanto tudo estava calmo e todos estavam ajudando uns aos outros e sendo felizes, mas de repente, aconteceu um problema e ninguém mais queria ajudar. Nós precisamos ensiná-los a serem solidários. Então, falamos assim: — Moradores dessa cidade, precisamos ajudar uns aos outros para termos um mundo melhor! Todos entenderam o que nós havíamos explicado e começaram a ajudar. No final, todos aprenderam que é divertido e bom ajudar os outros. A minha mãe, a Catherine e a Sarah anunciaram: — Já que na nossa cidade todo mundo está ajudando uns aos outros e está virando um mundo ideal para as pessoas, a partir de hoje irá se chamar Cidade da Solidariedade. Todas as pessoas que chegavam àquela cidade, eu, minha família e meus amigos, ensinávamos a elas a serem solidárias e a terem solidariedade dentro de si. Assim, todos ficaram felizes. Falando sobre as férias que eu e a minha família tivemos em janeiro de 2019, nós viajamos para Porto Seguro e eu vou contar para vocês um pouco sobre o que vivi nessa viagem. 164


Antes de chegar em Porto Seguro, ficamos em Vitória, no Espírito Santo. A viagem demorou muito porque eram 7 horas de carro nos dois dias e aí tivemos que dormir em outro lugar. Eu viajei com a minha mãe, meu irmão, meus avós, minhas amigas, os pais delas que são amigos da minha mãe, meus dindos, minha prima e avó dela. Todos nós fomos de carro e houve um troca-troca para não ficar cansativo. Eu e minhas amigas inventamos uma música de tão animadas que nós ficamos depois das 7 horas de viagem! Quando chegamos em Porto Seguro, ficamos em um hotel chamado Porto Belo. Tinha uma piscina com cachoeira e ponte, os quartos eram confortáveis e era um lugar bem agradável de ficar. Conhecemos muitas praias e brincamos com areia e água. Fizemos muitos passeios de barco e conhecemos uma ilha chamada Ilha do Pirata. Tivemos que ajudar uns aos outros e sermos solidários para que tudo desse certo. Na Ilha do Pirata tinham animais vertebrados e invertebrados, como a moreia, os peixes e os tubarões. Quando vimos a moreia falamos assim: — Nossa! Que bicho feio! Já na hora das piranhas, achamos elas bonitas e fofas, mas quando lemos o que elas faziam, ficamos assustados. Na vez do tubarão, um adulto entrou no aquário e ficou brincando com eles e nós falamos assim: — Meu Deus, ele é muito corajoso! Para ajudar as pessoas também é preciso ter muita coragem. Esse dia foi muito legal! Essa viagem foi inesquecível!

165


A SOLIDARIEDADE Bernardo Bellizzi Gonçalves Um dia, eu fui ao cinema e fiquei emocionado porque consegui assistir ao filme Ultimato e tinham poucas vagas para a sessão. O filme começou às três horas da tarde e as pessoas que participaram desse passeio foram: eu, meu pai Eduardo, minha tia Luciana, minha outra tia Márcia, meu tio Fernando e meu outro tio Luís. A gente saiu do cinema conversando sobre o filme e muito felizes. Nós conversamos sobre quem era o vingador mais forte e foi uma discussão divertida. Ainda no shopping, lanchamos e estava muito bom. A pipoca foi tamanho giga para todo mundo no sabor meio salgado e meio doce. Nós achamos o filme muito bom e foi um dos melhores filmes das nossas vidas. Foi um programa muito bom com a minha família, entre meus tios, minhas tias e o meu pai. Depois do passeio, fomos dormir na casa do meu tio e encontramos os meus primos que estavam lá. Eles se chamam: Bárbara, Gabriela e Breno. Sabe quantos anos eles têm? A Bárbara tem 22 anos, a Gabriela tem 18 anos e o Breno tem 22 anos! São muito mais velhos, mas são meus amigos. Eles me ajudam e sabem muito sobre solidariedade e me ensinam também. Eu aprendo sobre a solidariedade na escola com o Projeto Emóvere também. Quando um amigo machuca a perna, eu o levo para a enfermaria da escola. Quando alguém estiver triste, eu posso ajudar também, conversando para ele se acalmar. Se a pessoa estiver com a roupa rasgada, eu não falaria que ela é pobre. Eu ficaria quieto e iria ajudar com doações. Na minha família também tem coisas assim. Nós estávamos na minha casa, no Natal, comemorando juntos e nós estávamos muito felizes. Tinha comida na minha casa à noite e tinha mate. A minha prima estava lá com as minhas duas tias e o meu tio. A minha mãe, o meu irmão, a minha avó e o meu “avôdrasto” também. Nós comemos e bebemos mate. Eu brinquei com a minha prima e joguei videogame. Conversamos e ganhamos presentes. Fomos para a casa da minha avó e brincamos com o cachorro da minha dela, o Mickey. O meu tio Guilherme implicou comigo e com a minha prima. Nós dormimos na casa da minha avó e ficamos acordados a noite toda. No dia seguinte, saímos para praticar a solidariedade e minha família ajudou algumas pessoas mais pobres que vivem perto da casa da minha avó com doações.

166


UMA HISTÓRIA MUITO LOUCA Carolina Royo Iser de Brito Eu me chamo Carolina, sou branca com o cabelo castanho, sou legal e engraçada. Sou muito feliz, brigo um pouco, às vezes, e choro quando fico triste ou irritada. Eu moro próxima de um palácio e tenho um irmão chamado Simba. Perto da nossa casa tem uma grande floresta. Simba gostava de uma princesa do palácio chamada Jane que tinha sido transformada em estátua pelo grão-vizir chamado Jaba. Simba foi comigo na floresta e seguimos um caminho para encontrar um olho mágico que era chamado de “O olho que tudo vê”. Simba queria ajudar a princesa que estava encantada em forma de estátua. Nós andamos muito até que encontramos o olho mágico e Simba perguntou: — “Olho que tudo vê”, como salvo a princesa? O olho mágico respondeu: — Existe um bracelete e três joias que você precisa encontrar para salvá-la. Mas, tome cuidado com os obstáculos no caminho! Simba continuou caminhando pela floresta para encontrar as joias até que encontrou uma placa que indicava a moradia de um monstro. O monstro se chamava Crick e tinha uma cabeça de leão e um corpo de dragão. Simba ficou apavorado, mas lembrou da princesa e resolveu continuar ajudando. Ele lembrou do que aprendeu sobre solidariedade e tentou se colocar no lugar da princesa e, assim, tomou coragem para enfrentar o monstro, mas estava muito difícil. Apareceu outra placa escrita assim: “Se sair dessa trilha, vira estátua”. Nesse momento, eu pedi o olho mágico e perguntei: — “Olho que tudo vê”, como passamos pelo Crick? O olho mágico respondeu: — Vá para a direita e depois engane o monstro entrando para a esquerda. Eu e Simba conseguimos enganar o monstro e pegamos as joias e o bracelete. Conseguimos completar a missão e eu perguntei: — Simba, será que a princesa vai ficar agradecida por tudo o que fizemos por ela e irá se casar com você? — Vamos ver quando chegarmos no palácio – Simba respondeu. Caminhamos de volta e, quando chegamos no palácio, conseguimos derrotar o grão-vizir com a ajuda o olho mágico. Salvamos a princesa que voltou a ficar linda! A princesa se casou com Simba e tiveram filhos super lindos e eu também fiquei muito feliz porque era doida para ser tia. Eles viveram felizes para sempre. 167


UM DIA DIFERENTE DOS OUTROS Catherine Dambroysk Muniz Meu nome é Catherine, eu amo ler, escrever textos e várias coisas diferentes. Eu tenho 7 anos e estou no terceiro ano. Vou contar uma história que aconteceu em um dos melhores lugares que já fui na minha vida. Em um lindo dia, minha mãe e as mães das minhas amigas Bia e Júlia combinaram de irmos juntas ao shopping. Minha mãe falou: — Vamos combinar de as meninas se encontrarem no shopping mais tarde, às 20:16h? As mães da Bia e da Júlia concordaram e eu fiquei muito animada. Minha mãe desligou o telefone e veio me falar: — Catherine, vamos ao shopping mais tarde e amanhã vamos ao viajar até o parque Bernaqua que tem toboáguas, parquinho com água e muito mais. Só tem uma coisa de ruim: não pode levar celular no Bernaqua. Catherine, cadê você? Acho que ela já foi para o shopping. Eu tinha ido ao shopping sem a minha mãe perceber e saí de carro, sem carteira de motorista. Fui dirigindo até o shopping e quando cheguei, falei surpresa: — Eita! A loja Melissa abriu! Oba! Vou lanchar no McDonald’s e ligar para as minhas amigas. Elas não me atendiam e percebi que não poderiam me encontrar no shopping, mas tudo bem. Eu andei pelo shopping e voltei para casa. Quando cheguei, minha mãe perguntou se eu havia gostado de passear com as minhas amigas sozinha. Eu expliquei que elas não apareceram e eu fiquei sozinha mesmo, mas tinha gostado da experiência. Eu aprendi a lidar com as minhas emoções no Projeto Emóvere da escola. Assistimos filmes e conversamos sobre a importância de lidar bem com os sentimentos e, por isso, não fiquei triste. Eu saí correndo para o meu quarto, peguei uma almofada, um capacete e a minha bike para sair e perguntei à minha mãe: — Mãe, é amanhã que iremos viajar? A minha mãe me contou que tinha mudado a viagem para hoje e eu fiquei muito animada. Arrumamos as malas e entramos no carro para viajar, mas dessa vez minha mãe dirigiu o carro até o aeroporto. Pegamos o avião até a Suíça, onde fica o parque Bernaqua. Chegando lá, fui conhecer o parque e vi que tinha muitos brinquedos com água. Foi demais! Eu brinquei muito, descansei e comi muito também. O Parque 168


Aquático Bernaqua oferece às famílias diversão pura na água! Piscinas cobertas e ao ar livre, água doce e salgada, escorregadores gigantes, um desfiladeiro de água branca e uma área atraente para crianças pequenas garantem diversão, jogos e relaxamento. Voltamos dessa viagem muito felizes e corri para contar para as minhas amigas Bia e Júlia. Foi um dia bem diferente dos outros.

UM MENINO SOLIDÁRIO Eduardo Lopes de Rosa Eu sou o Eduardo Lopes, tenho 8 anos e estudo no terceiro ano no Colégio Notre Dame Ipanema. Moro no Leblon com o meu pai e a minha mãe e tenho uma história para contar. A minha história começa assim: eu estava brincando com os meus amigos quando tropecei e caí. O meu melhor amigo se chama Jeff. Nós gostamos de brincar juntos e é muito divertido. Quando eu caí, o meu melhor amigo me ajudou e foi muito solidário. Certa vez, minha mãe precisou operar os joelhos e o médico pediu para ela ficar de repouso, deitada no sofá e sem poder andar, mas ela não descansou e ficava em pé o tempo todo. Durante o repouso da minha mãe, eu ajudei várias vezes. Fui visitar minha mãe com o meu pai e com os meus avós no hospital e ajudei em casa também. Minha mãe já se recuperou e está bem agora. Eu fui muito solidário durante o repouso da minha mãe assim como o meu amigo Jeff foi solidário comigo.

169


CONTANDO UM POUQUINHO SOBRE A MINHA VIDA Eduardo Vergara Vorsatz

Eu sou o Eduardo e quando era bebê, pesava 3 quilos e 98 gramas e media 51 centímetros. Agora, eu peso 45 quilos e meço 1 metro e 39 centímetros. Eu tenho cabelo castanho escuro, olhos castanhos escuros e completei 9 anos. Eu gosto de animais e da minha família. Também gosto de passear. Eu tenho uma cachorrinha que se chama Amora. Sou engraçado e, às vezes, divertido. Tenho vários amigos e várias amigas. No Natal que aconteceu no dia 25 de dezembro de 2018, eu fui para a casa do meu tio, da minha tia e da cachorrinha que se chama Cindy. Depois, chegaram meus outros tios e a minha família inteira, menos os seus cachorrinhos porque a Cindy, que morava na casa, não gostava. Minha mãe foi comigo, com o meu irmão, a minha avó e as minhas dindas. Eu e a minha prima brincamos muito e foi muito legal. Eu me diverti muito naquele dia. No dia seguinte, eu estava na rua para brincar com a bicicleta que havia ganhado de presente de Natal e lá tinham pássaros, cachorros, pessoas, bicicletas, casas, calçadas e uma rua larga que se chamava Alberto de Campos. O dia estava com sol e um céu azul. Eu estava andando de bicicleta com a minha mãe e estava vindo um carro que levava uma velhinha para a casa dela. Ela estava sozinha e era bem velhinha porque deveria ter uns 90 anos. Ela estava precisando de ajuda. Eu coloquei a bicicleta no chão e fui ajudá-la. Eu disse para a minha mãe: — Mãe, você pode me ajudar a tirar essa senhora do carro? Ela respondeu: — Claro que sim, filho! Nós conseguimos ajudar a senhora a sair do carro e ela ficou emocionada. A senhora agradeceu e nós fomos andar de bicicleta novamente. Eu aprendi que sempre é bom ajudar aos outros porque não custa nada ser solidário. Eu fiquei muito feliz quando fiz essa caridade.

170


O MEDO DE GABRIELA Gabriela Paiva Rodrigues Eu me chamo Gabriela Paiva Rodrigues, tenho olhos castanhos, cabelos castanhos, sou tímida, tenho ciúmes dos meus amigos, mas eles não ficam bravos comigo. Adoro usar pulseiras de linha no braço esquerdo. Eu gosto de fazer pulseiras de elásticos e doar para os meus amigos. Eu adoro brincar de slime na casa do meu pai porque ganhei um quinto pote de slime de presente de aniversário. Eu faço aniversário no dia 21 de maio e completei nove anos esse ano e estou estudando no terceiro ano. Vou contar sobre a minha família uma história bem engraçada. Eu estava em casa assistindo televisão, a minha mãe estava dormindo e o meu padrasto André estava tomando banho. Estava tudo indo bem, em paz, até às 5 horas da tarde. Eu havia acabado de chegar da escola, já tinha tomado banho e estava assistindo Netflix. Minha mãe acordou mais tarde e foi lavar roupa e o André estava tomando banho após chegar do trabalho. Estávamos com o nosso coelho, nosso cachorro e imaginem: uma barata! Minha mãe tinha acabado de lavar a roupa e estava indo para o quartinho dos fundos colocar a roupa na caixa das roupas. Quando ela fechou a porta do quartinho, não percebeu que a barata tinha saído junto. Eu estava assistindo televisão em paz, a minha mãe sentou comigo e nós não sentimos aquela barata chegar. A barata ficou andando na gente e tomamos um grande susto. Saímos correndo, tiramos a roupa e fomos tomar outro banho. A barata correu e se escondeu. A minha mãe chamou a dedetização e ficou tudo bem. No dia seguinte, fui à escola e contei essa história para as minhas amigas que morreram de rir. A minha escola tem três pátios, salas decoradas, biblioteca, sala de música, aulas de Inglês e muitos lugares divertidos. Uma pena que não podemos mais brincar no parcão porque já estamos no terceiro ano e ele é um parque para crianças pequenas, mas não tem problema para mim porque gosto da escola mesmo assim. Eu estava conversando com a Giovanna, a Vahina, a Sarah, o Eduardo, a Júlia, a Catherine e a Bia e, depois, fomos brincar de pique-alto na hora do recreio. A Giovanna caiu da escada e se machucou. Eu fui ajudar e a levantei do chão para levá-la na enfermaria. Eu fiquei muito preocupada com ela porque ano passado eu quase quebrei o tornozelo nessa mesma escada. Ela ficou um tempão na enfermaria, até o final do recreio e eu fiquei na porta esperando por ela. O sinal tocou e eu não me importei de perder aula e matéria 171


porque só sairia de lá quando ela tivesse saído da enfermaria bem. Fiquei esperando até a metade da aula e, finalmente, ela saiu. Ela ficou surpresa porque eu ainda estava esperando. Eu dei um abraço nela e subimos para arrumar o material para ir embora. A Carla deu o dever que perdemos e falou que era muito bom ser solidário com a dor do outro. A Giovanna foi para casa e eu fui para o integral. Eu só fiquei pensando na minha amiga. No dia seguinte, ela estava melhor, mas não podia correr. Eu tinha levado uma boneca LOL para ficar brincando durante o recreio com a minha amiga e ficamos conversando um pouquinho sobre a minha vida também.

DIVERSÃO NO FUTEBOL Gael Feitosa Moreno Barbeito Meu nome é Gael e nesse final de semana eu fui para Teresópolis com o meu pai, minha mãe e o meu irmão. Foi muito legal porque tinha um pula-pula e uma piscina. Brincamos muito o dia todo e a gente passou um tempo em família. Brincamos com os amigos até jogamos tênis e futebol, mas no ano passado, eu e minha família chamamos alguns amigos para ver a final da Champion na minha casa de Teresópolis. Quando o jogo Liverpool X Real Madrid começou, logo no início, o Sérgio Ramos empurrou o Salah. O juiz parou o jogo, marcou a falta e isso foi muito justo. O Salah se machucou na partida e isso era muito ruim porque ele era o melhor jogador do Liverpool. O Salah tentou jogar, mas não aguentava aquela dor intensa e então foi confirmada a sua saída pelo treinador. Ele saiu chorando porque era a primeira final de Champion dele e esse era um jogo muito importante. Ele queria jogar muito mesmo! O jogo continuou e aconteceu um momento inesperado: o Sérgio Ramos levou o Salah para a arquibancada e ficou ao seu lado. Eu me emocionei com a cena do Sérgio Ramos levando o seu adversário Salah para a arquibancada e sendo solidário com a sua dor. O Liverpool acabou perdendo de 3 a 1, mas pelos menos eu estava com os meus amigos e os meus pais em Teresópolis. Eles me apoiam quando eu preciso e eu os apoio também. Eu amo a minha família e a minha vida e isso é muito bom.

172


A FAMÍLIA DE GIOVANNA Giovanna Oliveira Gonçalves Me chamo Giovanna, sou um pouco bagunceira e sou brincalhona. Gosto de fazer amizades e sou sapeca. Sou morena e gosto de ir à praia para pegar um sol. A minha vida começou assim: o nome da minha mãe é Alessandra e nome do meu pai é Germano. Os meus pais são muito especiais para mim porque eles fazem comida, me levam à praia, me levam à piscina, me levam para brincar na praça e na Lagoa também. O meu pai e a minha mãe brigam comigo, mas é para o meu bem porque eles só querem que eu tenha atenção nos estudos. Eu sou uma filha muito carinhosa e ajudo a minha mãe a lavar o banheiro em casa, ajudo a lavar a louça e a fazer a comida. Quando a minha mãe está doente, eu ajudo a cuidar dela com carinho até ela ficar bem. Nós somos uma família unida e sempre apoiamos uns aos outros. Uma vez, eu e a minha família fizemos uma viagem para João Pessoa, lá no Nordeste do Brasil. Lá moram os meus primos, minhas avós, minhas tias e os meus tios e é muito legal porque eu posso falar “oxente”. Na Paraíba eu posso andar sozinha na rua, mas aqui não posso andar sozinha e nem falar “oxente” porque tenho vergonha. Em João Pessoa conheci as melhores piscinas do Nordeste, o Vale Verde e o Rancho da Ema. Eu gostei tanto da viagem que fiquei com vontade de morar lá porque não é perigoso como aqui. Só não gostei muito quando fui jogar futebol com o meu primo. Bati o dedão no chão e sangrou muito, mas logo todos correram logo para me ajudar. A minha família é grande e unida. Ajudamos uns aos outros e somos solidários quando precisamos.

173


AS AVENTURAS DE HENRIQUE Henrique Oliveira Santos

Eu sou o Henrique e gosto de muitas coisas. Eu sou esperto e sou bom em muitas coisas como futebol, mas tem gente que é melhor do que eu e isso é divertido para ficar competindo. Se todo mundo fosse igual que graça teria. Eu também sou muito corajoso e amo a minha família. Um dia, eu me perdi dos meus pais e fiquei solitário no meio da praia e eu fiquei com muito medo. Eu estiquei os meus braços para saber onde era o Norte, o Sul, o Leste e o Oeste porque aprendi a me orientar pelos pontos cardeais na escola. Nessa hora, eu vi uma pessoa gritando de medo e eu corri atrás dela para saber o que havia acontecido. Foi aí que eu descobri que aquela criança estava perdida também e perguntei: — Qual é o seu nome? A criança falou que se chamava Pedro. Eu me apresentei e contei que também tinha me perdido dos meus pais. Mostrei a ele como estava me orientando e ele falou que eu estava certo. Na praia, tinha uma pedra bloqueando o nosso caminho e eu falei: — Vamos escalar a pedra e vamos para o Sul. Nós escalamos a pedra e fomos para a direção Sul até que avistamos a cidade e eu falei para o Pedro: — Nós conseguimos! Vamos logo! Na cidade, a rua estava movimentada de carros e de pessoas. Eu estava tentando lembrar o número das nossas casas quando, de repente, eu gritei: — Olha lá os nossos pais! Devem estar nos procurando! Assim que encontramos os nossos pais, o Pedro me deu um presente de agradecimento por ter ajudado a encontrar o seu pai e a sua mãe. Ele me presenteou e nós voltamos para as nossas casas felizes. Quando eu cheguei na minha casa, percebi que o presente era muito pesado. Eu tive que pedir a ajuda do meu pai e da minha mãe para conseguir abrir. Quando nós conseguimos abrir, eu vi que era uma televisão e usei com muito carinho o presente. Eu aprendi a solidariedade com os meus pais e sei que todo mundo precisa de uma ajudinha. Isso que é solidariedade.

174


Para comemorar o meu reencontro, minha família me levou para o Beach Park no dia seguinte. Eu sempre quis ir nesse parque aquático e fiquei emocionado. Eu estava com os meus irmãos, o meu pai, a minha mãe e os meus primos. Quando eu cheguei no Beach Park coma minha família, eu fui aos brinquedos chamados Insano e Vai Encarar com os meus irmãos. Nós nos divertimos muito juntos e foi muito legal ir tão rápido nos brinquedos. Foi tanta adrenalina ir com a minha família nesse parque que nunca vou me esquecer.

UM NOVO AMIGO Jeff Guntert Miranda Eu sou o Jeff, sou legal, divertido e tenho 10 anos. Eu estudo no Colégio Notre Dame Ipanema e moro no Rio de Janeiro. Eu sou loiro, magro, baixo e fofo. Gosto de brincar de cards e de cartas Pokémon. A minha escola é muito legal porque eu aprendo muitas coisas e brinco com os meus amigos. Eu gosto de ajudar as pessoas. Nas férias, fiz uma viagem incrível com a minha família para Porto Seguro. Eu, minha mãe e minha irmã ficamos em um hotel e lá encontramos um amigo. Quando eu acordei, fui para a piscina e vi um garoto sozinho. Eu falei com ele para brincarmos de vampiro. Ele disse que sim e nós pulamos na piscina, mas ela era muito funda e saímos de lá o mais rápido possível. A gente se escondeu no quarto e ficamos jogando vários jogos. O menino disse que queria voltar para a piscina e eu saí correndo e pulei na piscina de novo. Ele fez a mesma coisa e pulou também. O tempo passou rápido e nós fomos tomar banho. Depois, nos encontramos para bater nas portas dos quartos vizinhos e sair correndo. Nós ficamos amigos e o menino me agradeceu pelo dia legal. Eu fui para o meu quarto dormir porque já ia voltar para a escola no dia seguinte.

175


RIMANDO COM JOÃO João Felipe Maier Pinheiro Meu nome é João Felipe, sou um garoto com 8 anos e estudo no Colégio Notre Dame, em Ipanema. Tenho vários amigos e vou contar uma história bem longa. Um dia, no colégio, estávamos estudando matemática e tocou o sinal para o recreio. A gente foi lanchar e, dez minutos depois, tocou o sinal do recreio e nós fomos foi para o pátio brincar de pegapega. Eu estava pensando em quando a gente foi ao clube brincar de escondeesconde e foi muito legal porque eu me escondi em um lugar muito bom que tinham muitas pessoas, mas ninguém me viu. Esse dia foi no domingo, dia 30 de junho de 2019. Eu senti várias emoções nesse dia. Depois da brincadeira, nós fomos almoçar e eu comi só coisas que eu gosto. Comer também me deixa emocionado com os sabores. De volta ao recreio da escola, eu fiquei feliz porque peguei o Nicola, mas eu fiquei triste porque o Gael caiu e se machucou. Eu ajudei o Gael a levantar porque sou muito solidário. Ele se levantou, foi até a enfermaria e passou pomada. O Nicola pegou o Thiago e depois ele queria me pegar, mas eu corri o mais rápido possível e o Thiago não conseguiu me encontrar para me pegar. Tocou o sinal para o final do recreio e o Thiago pegou o Antônio bem no finalzinho. Depois do recreio, continuamos o que estávamos fazendo na aula até a hora da saída. Na sala de aula, estávamos conversando sobre as emoções e eu aprendi no Projeto Emóvere que os sentimentos são bons e importantes para o nosso desenvolvimento.

176


QUANDO EU ME MUDEI PARA O RIO DE JANEIRO João Pedro do Carmo Lira Eu sou o João Pedro, tenho 8 anos e moro na Lagoa. Eu morava em Brasília e quando me mudei para o Rio de Janeiro, no começo de agosto, a minha avó veio me visitar depois do primeiro dia de aula. Eu estudava na escola Ideal que fica em Águas Claras e tinha muitos amigos lá, mas o meu pai recebeu uma proposta de emprego para trabalhar no Centro e nós viemos morar no Rio de Janeiro. Agora, o meu pai trabalha com o pai do Eduardo Lopes. Ele indicou o Colégio Notre Dame para o meu pai e, agora, eu estudo aqui. Eu já gostei muito da escola nova porque aqui eu aprendi com os meus amigos novos, com a professora Carla e com a nossa auxiliar. Eu brinco de bola no recreio com o outro João, o Thiago, o Bernardo, o Henrique e o Gael. O João e o Thiago foram os meus primeiros amigos porque eu estava chegando na escola, no primeiro dia, e a tia me levou até o pátio, me apresentou a turma e eles puxaram conversa comigo e eu gostei. Eu achei que eles foram solidários comigo porque viram que eu estava sozinho e vieram me ajudar. Na minha escola nova, eu ainda não conheço todos os lugares porque ela é muito grande, mas aos poucos vou conhecer com a ajuda dos meus colegas e dos professores. Eu gostei muito da aula de música porque sempre quis saber tocar flauta. Minha mãe também gostou muito da minha nova escola. No final de semana, eu fui conhecer a praia do Leblon e brinquei muito lá. Nadei e fiz um castelinho de areia. Depois, minha mãe comprou tinta para eu poder pintar um quadro e eu pintei o Cristo Redentor. À noite, a gente foi ao shopping para jantar e depois fomos para casa dormir. No dia seguinte, eu ganhei uma cachorrinha nova chamada Luna. Ela é pequena e fica brincando com a minha outra cachorra chamada Kiara. Eu aprendi na minha escola nova uma coisa bem legal sobre a solidariedade que é ajudar o outro, respeitar o outro e ser gentil. Eu espero que a minha escola seja muito boa para mim e acho que todos estão sendo solidários comigo.

177


AS VIAGENS DE JÚLIA COM A FAMÍLIA Júlia Goytacazes Braga Eu sou a Júlia e nasci em Juiz de Fora. Minha mãe se chama Leandra, meu pai se chama Rodrigo e meu irmão se chama Lucas. Minha família é muito especial. Eu me emocionei quando fizeram uma festa para mim. Eu falei surpresa para a minha mãe: — Isso tudo é para mim? Ela respondeu: — É sim, filha! A festa foi muito legal e eu me diverti muito com as minhas amigas. Foi muita gente e a festa estava linda. Eu comi, dancei e brinquei muito. No outro dia, a Catherine perguntou: — Como foi a festa, amiga? Eu respondi que foi muito legal e que todos foram solidários comigo e com a minha família. A solidariedade é quando você ajuda uma pessoa, tipo: uma criança cai e você ajuda. Eu aprendi isso na escola e me lembrei que a solidariedade faz parte de todos. Eu sou esperta e estudo muito, mas também gosto de ajudar a todos. Eu também me emocionei quando aminha mãe falou que íamos viajar para Orlando. Foram comigo nessa viagem a minha mãe, o meu pai e o meu irmão. A viagem foi muito boa e fomos em vários brinquedos de água e do ET. Eu me emocionei muito. Quando voltamos ao Brasil, o meu avô foi me visitar em casa e a gente se divertiu muito vendo os presentes que ganhei na minha festa e conversando. Depois, fui até a cidade de Aparecida visitar o meu outro avô e foi muito legal. Fomos até a cidade de Anta, passamos a noite lá e a minha tia chegou. Nós saímos para comer e eu brinquei no pula-pula até cansar. Nós comemos depois de brincar e fomos para a nossa chácara. Eu me diverti muito com o meu cachorro quando cheguei na chácara. Foi uma viagem emocionante! No outro dia, eu voltei de viagem e fui para a escola estudar, ler e brincar. Quando cheguei em casa, fui fazer o dever de casa e tive um pouco de dificuldades. Então, fui tomar banho, assistir televisão e esperar a minha mãe chegar. Quando ela chegou, eu falei para ela: — Mamãe, me ajuda no dever de casa, por favor? Ela respondeu: — Sim, Júlia! O que é que eu tenho que fazer? — Um barco de dobradura para eu escrever uma história de aventura – eu respondi. 178


Eu escrevi uma história de aventura que contava sobre as viagens da minha família e sobre solidariedade.

UMA HISTÓRIA COM A MINHA FAMÍLIA CHEIA DE SOLIDARIEDADE Leonardo Fonseca Diniz Eu me chamo Leonardo, tenho 8 anos e tenho vários amigos. Eu tenho um amigo que se chama Guilherme, outros que se chamam Bernardo, Ricardo e Henrique. Eu adoro jogar futebol de salão e de areia. Eu tenho 1 metro e 40 centímetros e estou crescendo rápido. Quando eu tinha entre 2 e 4 anos, estava dormindo e já era tarde, de madrugada. De repente, eu caí da cama e a minha mãe, que é bem legal, viu que eu estava chorando porque o meu queixo tinha machucado. Ela foi para o meu quarto e viu que seu estava sangrando. Ela pegou um pano e colocou no meu queixo para parar de vazar sangue. Imediatamente, ela pediu para a minha vizinha descer até a minha casa. A minha vizinha é legal e veio ajudar. Ela ajudou a cuidar de mim e depois, não sei se foi o meu pai ou o táxi que levou a gente para me socorrer. Nós chegamos ao hospital e o médico disse que era preciso levar alguns pontos no queixo. Eu chorei, mas depois a dor passou e ficou tudo bem. Até hoje eu me sinto feliz por tudo que a minha família e a minha vizinha fizeram por mim. Depois de muitos anos, quando eu tinha 6 ou 7 anos, viajei para um hotel fazenda chamado Vassouras Eco Resort. Lá, eu ia dormir, tomar café e dar pão para os peixes e para os gansos. A gente ia na fazenda, na piscina, no restaurante para almoçar, jogar futebol e jantar. Em um dia ensolarado, eu estava na fazenda correndo quando tropecei em uma pedra. Eu comecei a chorar muito e os meus pais decidiram me levar ao médico. A médica disse que era para usar cadeira de rodas por dois meses porque eu tinha quebrado a perna. Depois de dois meses, eu fui ao médico de novo para devolver a cadeira de rodas e ficou tudo bem comigo. Agora, eu estou com 8 anos, estudo no terceiro ano e estamos aprendendo sobre educação emocional. No Projeto Emóvere da escola, eu aprendi sobre as emoções, sobre a solidariedade e sobre a importância de ajudar os outros. Eu pude perceber quanto a minha família me ajuda e é solidária comigo.

179


A MINHA VIAGEM Leonardo Gama Rubert A matéria que eu mais gosto é Ciências Naturais porque eu gosto de ir ao laboratório fazer experiências e porque lá a gente pode fazer experimentos e provar quando fazemos comida. Gosto, também, de contar minhas histórias. Quando fomos viajar para Vila Velha, eu estava muito feliz. Chegamos na casa do meu primo às 10h23 da manhã. Assim que arrumamos tudo, ajudei-o a fazer o dever de casa, brincamos de polícia e ladrão e vimos televisão. Depois fomos à praia, brincamos na água de fazer buracos na areia e nadamos. Gostei muito de ter ido à praia porque, como eu não vejo meu primo sempre, fiquei bastante tempo com ele e isso me deixou feliz. Meu primo e eu chamamos o Lucas e fomos nadar. Aí, pegamos muitas ondas, brincamos na areia, fizemos buracos e, depois, voltamos para a casa dele. Quando chegamos na casa dele, jogamos em seu vídeo game um jogo chamado Fortnit. O jogo é divertido porque temos várias armas para nos equipar e ganhar a partida. Dias depois, voltei para casa e fiquei com saudades. Gostaria de voltar para ficar mais dias com Lucas. Espero voltar nas férias.

180


EMOÇÕES E RIMAS Lucas Santiago Nogueira Eu sou bem feliz e gosto de amar. Tenho paz no coração e eu gosto de andar. Passo andando com carinho, amando a minha vida. Tenho felicidade e uma das minhas coisas preferidas é comer muita comida. Tenho uma família sensacional. Fazer o bem é muito legal. Sou um menino especial. Sou sapeca, arteiro e gosto muito de Cristo. Fico triste porque a água que Deus criou está sendo jogada no esgoto. Tenho muita coisa na minha vida a aprender. Tenho vontades e virtudes: amo Deus, Jesus e o Espírito Santo poderoso. Não tenho muita coisa em comum. Eu não gosto de ser poderoso! Quero paz no mundo, não quero guerra, nem desafiar Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo. Não quero sofrer porque quero ter liberdade e muita fé. Ajudar os outros é muito legal e agrada a Deus. Agora, vou falar das emoções que conheço: raiva, tristeza, alegria, amizade, amor, medo, nojo, susto, aborrecimento e confiança são emoções que moram no coração. Minha família me ajuda a lidar bem com as minhas emoções. Há um ano, no município do Rio de Janeiro, eu e a minha família fomos viajamos juntos e ficamos hospedados no hotel chamado Club Med. Na minha família tem seis pessoas: meus irmãos Pedro, Isabela e Maria Clara e meus pais Priscilla e Roberto. No hotel, comemos comidas gostosas, fomos à piscina, à praia, andamos de caiaque e vestimos fantasias. No sábado à noite teve caça ao tesouro para as crianças. No Club Med tinha várias atividades legais e divertidas. Tinha toboágua e escorrega de água para as crianças se refrescarem. Esse hotel foi o que eu mais gostei e, com certeza, minha família voltará outro dia.

181


MEU ÁLBUM DE HISTÓRIAS Pedro Barros Corrêa Um dia, eu fui à casa da minha avó, meu irmão, minha mãe e meu pai. Montamos uma piscina e brincamos muito. Eu acho que brincamos uma hora na piscina juntos. Chegou o almoço, comemos tudo e descansamos cerca de 40 minutos. Eu não me lembro quando isso aconteceu, mas acho que foi em 25 de março de 2018. Dormimos na casa da minha avó e eu acordei primeiro que todo mundo. Depois, fomos tomar café da manhã para voltar para a nossa casa. Fomos para casa, tomei um banho e me deitei na cama para dormir. Quando bateu a fome, corri até a cozinha para comer. Eu moro com o meu pai, a minha mãe e o meu irmão. Meu pai é muito divertido, mas ele não tem tempo para ficar com a gente para ver filmes porque ele só chega meia noite. Minha mãe é uma cozinheira e tanto. Tudo o que entra na cozinha sai lindo, cheiroso e gostoso. Meu irmão estuda onde estudo e eu o amo como ele me ama. Sem ele, eu não queria ter existido! Somos muito amigos e ele joga comigo. Ele é o pedaço que falta em mim. Nós estudamos no Colégio Notre Dame e na minha escola aprendi sobre um projeto chamado Emóvere. A minha professora falou que precisamos aprender a controlar as emoções para sermos mais felizes. Eu gostei desse projeto e estou aprendendo muito. Nas férias, depois de um ano e cinco meses, viajamos para Orlando. Fui com o meu irmão, meu pai, minha mãe, meu avô e minha avó. Lá tem um lugar pequeno por fora e grande por dentro chamado Polo Tropical. Compramos Lego e um drone do Star Wars que tem as seguintes funções: seguir você, falar com você e você pode controlá-lo. Eu gostei muito dessa viagem e vou guardar todas essas histórias no meu álbum de histórias de família.

182


UMA FAMÍLIA CHEIA DE AMOR Sarah Arêas Dias Eu me chamo Sarah Arêas Dias e quando nasci, pesava 3,07 quilos e media 49,5 centímetros. Eu era bebê, gostava de mamar e fazia muitos sorrisos. Fui crescendo e, hoje, peso 42 quilos, meço 1 metro e 38 centímetros e tenho 8 anos. Eu gosto de brincar de boneca, de slime e faço ginástica artística. Meu cabelo é cacheado e castanho, meus olhos são castanhos também. Eu sou uma menina alegre, divertida e legal. Tenho muitos amigos e amigas. Nos finais de semana, eu ajudo a minha mãe a fazer comida. A minha mãe se chama Miriam e é legal e divertida. O meu pai também é legal e divertido. Eu moro no Rio de Janeiro e aqui tem encantos mil. Eu e minha família vamos para Três Rios passar o Natal porque a minha avó e o meu avô moram lá. Nós sempre passamos em Petrópolis no caminho e à noite fica muito iluminado com vários símbolos de Natal. Eu e a minha família chegamos no dia vinte e três, mas o Natal é no dia vinte e cinco de dezembro. Nós saímos para almoçar e a comida é muito gostosa. Depois, passamos na praça da cidade que tinha vários brinquedos como: gangorra, balanço, escorrega e trepa-trepa. Eu resolvi ir ao balanço e vi uma menina caída no chão. Eu ajudei a menina a levantar e perguntei: — Está tudo bem? — Sim. Eu estava balançando rápido demais e, por isso, caí – disse a menina. — Eu aprendi na escola, no Projeto Emóvere, que ajudar os outros é muito importante – eu disse para a menina. Ela me agradeceu e eu expliquei que solidariedade é ajudar o próximo com respeito às suas diferenças. naquele dia, eu pratiquei a solidariedade com a menina que caiu do balanço e me senti feliz com isso. Eu e aminha família voltamos para a casa do meu avô e da minha avó e esse dia foi muito divertido. Eu adoro estar com a minha família! Chegou o dia vinte e cinco de dezembro e passei o dia brincando com os meus primos. Eles são mais velhos do que eu, mas muito divertidos comigo. à noite, tinha várias comidas e meia-noite o Papai Noel chegou no terraço do vizinho trazendo vários sacos de presentes. Os adultos distribuíram os presentes de cada criança da nossa família. O Natal é uma época do ano em que Jesus nasce e o Papai Noel sempre me dá presentes legais. A nossa família sempre tem o mesmo esquema: viajamos até a casa dos meus avós comemorar essa data tão cheia de amor. 183


O DIA EM QUE VIAJEI PARA O HAVAI E FIZ UMA BESTEIRA Sofia Freire Maranhão

Meu nome é Sofia, eu gosto de pônei, de assistir televisão e de estudar ciências porque gosto de fazer experiências. Eu tenho duas irmãs: uma irmã gêmea chamada Joana e uma irmã mais velha chamada Júlia. Minha mãe trabalha na Apple, uma loja de telefones e o meu pai é um delegado de polícia. Um dia, eu estava dormindo quando aminha mãe e o meu pai foram me acordar e as minhas irmãs também. Eles disseram para a gente se arrumar porque íamos para o aeroporto viajar. Quando chegamos ao aeroporto, entramos no avião para começar a viagem. Quando eu estava sentada na cadeira do avião, no meio da viagem, passei limão no meu cabelo e ficou parecendo o cabelo da Lisa Simpson do seriado da televisão. Quando chegamos ao Havaí, conheci vários lugares e foi uma viagem incrível. Depois de passarmos 102 dias no Havaí, a gente foi embora e eu não queria voltar porque estava muito legal, mas o meu pai pediu um táxi e eu falei: — Mãe, tem internet no tablet? Minha mãe respondeu que ele estava descarregado e que eu deveria ser mais compreensiva e para de fazer tanta besteira. Ela me lembrou do que aprendemos na escola sobre educar as nossas emoções e sobre a solidariedade. Eu aprendi que o trabalho do Projeto Emóvere é importante para a nossa educação.

184


VIAJANDO COM THIAGO Thiago Pereira Barcelos Eu sou o Thiago e tenho 8 anos. Eu estudo no Colégio Notre Dame e estou no 3º ano B. A minha altura é 1,37 m e calço de 33 até 34. Um belo dia, eu, minha mãe Adriana, meus avós, meus tios e minha prima Isabela resolvemos passar o Carnaval em Búzios. Todo mundo colocou suas malas no carro e partimos para Búzios. A viagem foi legal porque eu conversei, comi, dormi e curti até chegarmos ao Resort. Quando eu cheguei lá, achei o lugar lindo e aconchegante. Tinha piscina, sinuca, futebol, hidromassagem, praia privativa e a casa de frente para o mar. Brinquei os cinco dias com a minha prima Isabela nesse lugar espetacular. Chegando de viagem, cada um foi para a sua casa. No outro dia, eu fui visitar a minha avó e recebi a notícia de que ia viajar para os EUA. Fiquei animado e o tempo passou rápido até o dia da viagem que aconteceria no final do ano. Durante a viagem, eu estava no avião assistindo televisão, joguei no celular e depois dormi. Chegando lá, eu me emocionei com a casa de tão grande que era. Eu fui para o parque aquático Volcano Bay brincar. Vi um menino que estava se afogando na piscina e salvei o menino. O menino disse: — Obrigado! Eu disse que não precisava agradecer porque eu era muito solidário e gostava de ajudar. Depois, a minha família comemorou o Natal e o aniversário da minha avó nos EUA. Cantamos parabéns, comemos bolo e a gente voltou para casa. Nas férias, eu joguei videogame, celular e assisti televisão com os meus amigos Gael, João, Léo e Nicola. Quando voltei aos estudos no colégio, tive vários amigos novos e vi como é bom ter solidariedade.

185


MOMENTOS EMOCIONANTES Vahina Marie Alliat Dupâquier Meu nome é Vahina, tenho 8 anos, sou loira e baixa. Gosto de montar a cavalo e tenho muita imaginação. Atualmente, meço 1 metro e 30 centímetros e peso 23 quilos. Eu moro no Rio de Janeiro, em Ipanema, na rua Vinicius de Moraes em um apartamento pequeno com a minha mãe, o meu pai e o meu irmão. Uma semana depois do meu aniversário de 8 anos chegou o nosso coelhinho. Agora, ele vai ficar comigo. Minha mãe, minha tia, meu pai, meu irmão e eu nos apaixonamos por ele. Meu pai me ajuda a cuidar dele e minha mãe e eu fazemos carinho nele todos os dias. Isso que é solidariedade! Meu irmão me ajudou a achar um nome para ele e combinamos de chamá-lo de Chocolate porque ele é meio branco e meio cor de chocolate. Até hoje eu cuido dele porque acho tão fofinho. A gente o leva para passear na pracinha de vez em quando, mas na maioria das vezes, ele corre mesmo na nossa varanda. Um dia, nós pegamos o carro e lá fomos nós viajar. Paramos nos Três Picos em Itatiaia e acampamos no jardim do parque com o Chocolate (meu coelho). Meu pai estava no volante, minha mãe estava ao lado dele, eu, meu irmão e o Chocolate estávamos no banco de trás. As bagagens estavam no cofre quando de repente...Bum, Bum e Bum! Que estrada estreita! Quando chegamos, o moço que estava lá chamado Gabriel nos dias que podíamos acampar. Achei muito legal e pensei: que bom que trouxemos a nossa barraca. À nt, fizemos uma fogueira. Eu e meu irmão brincamos que eu era um cavalo e, depois do jantar, jogamos War, um jogo de tabuleiro. A lua brilhava como nunca havia visto antes. No dia seguinte, de manhã, esperamos o papai voltar da corrida para brincarmos juntos. À tarde, fomos caminhar e acabamos subindo um morro. Vimos vacas e cavalos e foi muito legal. Foi mesmo um momento emocionante!

186


a7DE


188


TURMA DA CURIOSIDADE E A ALEGRIA Paloma de Oliveira Xavier, professora do 3º ano C “Nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas”. Cora Coralina

Vocês já imaginaram um mundo sem emoções? As emoções trazem ao ser humano um colorido especial para a vida. Viver exige autoconhecimento. Foi pensando na conexão com o nosso interior que iniciamos o projeto da Jornadinha Literária 2019. Todos os estudantes, do 3º ano C, já no primeiro dia de aula foram envolvidos ao Projeto Emóvere. Projeto para mover reflexões e práticas sobre Inteligência Emocional. Entendemos que para ter uma vida equilibrada precisamos identificar as nossas emoções e lidar com elas da melhor forma possível, vencendo desafios e buscando o nosso melhor nas relações interpessoais. Ao longo do processo, em busca de uma identidade para a turma, os estudantes juntos à psicopedagoga, dialogaram e identificaram as principais características socioemocionais do grupo. Com a dinâmica, escolheram um nome especial. Surgiu, então, a Turma da Curiosidade. Mas, como desenvolvemos este tema tão abstrato com as crianças? Todas as crianças nesta faixa etária gostam de brincar e ouvir histórias. Assim, os estudantes foram apresentados às literaturas que envolvem sentimentos. Iniciamos com “A revolta dos gizes de cera”, seguimos para os “Monstros na barriga”, “Emocionário” e assistimos ao filme “Divertida Mente”. Também, brincamos e desenhamos muito! Após todo este repertório de aprendizagens, os estudantes contaram e escreveram histórias sobre as próprias emoções. Lembraram momentos em que os deixaram tristes, alegres, medrosos, irritados e ciumentos. De todas emoções citadas, aquela que transbordou mais entusiasmo para a escrita foi a ALEGRIA! Ao falarem sobre a alegria, imediatamente, os estudantes citaram os momentos mais marcantes e felizes juntos aos amigos, familiares e bichinhos de

189


estimação. Estes momentos foram narrados a partir de viagens, passeios, festas e presentes especiais. Convido-os para suspirarem com esta linda coletânea de textos infantis, narrados por crianças muito criativas e sensíveis!

190


UMA VIAGEM INCRÍVEL PARA DISNEY Bento Leonardi Santos

Essa história é para todos que gostam de alegria. No ano passado eu viajei para Disney. Eu estava muito feliz com os meus três primos e o meu irmão. Daí eu e meus três primos fomos no lugar que eu não sei o nome, acho que era Wallmart. Harry Potter foi parte que eu mais gostei! Eu gostaria de voltar na Disney, pois nós fomos em todos os brinquedos e estou com saudades de lá. Compramos muitos brinquedos e voltamos para o Brasil. Na volta eu fiquei um pouco triste porque teve um probleminha e nós ficamos presos no aeroporto. Ufa! No final deu tudo certo e ainda deu tempo de ir à aula.

AMIZADE ETERNA Eduarda Silveira Rouxinol Vilar Essa história é dedicada para todos que gostam de alegria e amizade. Vou contar uma história de uma amizade verdadeira. No meu 1º dia de aula no Notre Dame, tímida eu entrei na sala de aula e a professora disse: - Oi, qual é o seu nome? Aí eu respondi: - Oi, me chamo Eduarda.

191


Depois disso fiz uma amiga que se chamava Gabriela e vi uma outra garota bem tímida. Fui falar com ela e perguntei: - Qual é o seu nome? Ela me disse: - Oi, o meu nome é Maria Eduarda, mas pode me chamar de Dudinha. E qual é o seu nome? - Ah, o meu nome? - Sim!! -Me chamo Eduarda, mas me chame de Duda, quer ser minha amiga? - É claro que sim! Aí a professora disse: - Agora iremos ao parquinho. Eu e a Dudinha brincamos muito, muito e tanto que viramos melhores amigas até hoje!

FÉRIAS DE FELIPE Felipe Duarte Gomes

Todo mundo estava feliz naquele dia, pois eu, Felipe, viajei para Paris. Teve um dia com muita alegria, era um lugar com muita magia. Quer adivinhar? Esse lugar é de matar, lá você aprende a amar e tinha tudo lá. Vamos começar? A primeira letra é D, muito especial, era para lá de legal. A próxima letra é I e a terceira combina com S. Esse lugar tem cor e emoção que solta o seu coração. Essa palavra também tem NEY que termina tudo dando... DISNEY! Lá na DISNEY tinha Mickey e Carros, mas o meu parque favorito foi o do Piratas do Caribe. Eu amei porque tinha minha dinda Carla e o meu meio primo João Pedro. Foi muito legal viajar para PARIS e ver a Torre Eiffel.

192


UMA VIAGEM INCRÍVEL EM LONDRES Felipe Nogueira Marinho

Essa história é para todas as pessoas que gostam de ler sobre a alegria. Há cinco anos atrás, eu soube que eu ia para Londres e eu fiquei bastante feliz com a notícia. Eu, meu pai e a minha mãe fomos para o avião. A viagem demorou doze horas. Foi a melhor viagem da minha vida! O lugar que eu mais gostei foi a Legoland. Pois eu amo Lego e tinha várias coisas legais! Eu só tive um pequeno problema, pois fiquei com febre no avião. Minha mãe me deu um remédio, então, eu melhorei rápido. Eu gostaria de voltar à Londres porque tem aquários, Legoland, ônibus de dois andares, London Eye e a Hamleys, uma loja gigante! Quando eu voltei para casa eu fiquei com saudades de Londres.

ALEGRIA NO AQUARIO Gabriel dos Santos Pamplona Essa história é para pessoas que gostam de ler sobre alegria. Um dia, a minha mãe disse que a gente ia para o AquaRio. Foi muito legal, pois a gente viu curiosidades sobre os animais aquáticos. Também vimos um tubarão. Ele era bem grandão! Depois, vimos um polvo, águas vivas, plânctons e vários peixes. Lá deu tudo certo! Na volta fomos de

193


VLT, que é um tipo de trem muito lento, mas é bem legal! Eu vou voltar nesse lugar para visitar as salas que eu não fui e descobrir coisas novas.

UMA VIAGEM PARA O BEACH PARK Gabriel Machado Waquim Essa história é para as pessoas que gostam de ler sobre alegria e diversão. Um dia, eu fui viajar para o Beach Park com a família da minha mãe. Fomos eu, a minha tia de Londres, meu tio de Ouro Preto, a minha dinda, o meu dindo, o meu primo e a minha prima. Foi muito legal! O hotel era dentro do Beach Park e era muito chique. A gente ia na piscina de boia. O que eu mais gostei foi a piscina de ondas. Que pena que eu tive que ir embora! Eu e a minha prima entramos no avião, com spiner na mão. Foi muita diversão!

UM DIA ALEGRE DE FESTA Gabriela Moraes de Araujo Essa história é para todos os públicos alegres que gostam de ler sobre festa, filme e alegria. Num belo dia, eu fui ao cinema comemorar o aniversário da Isabella. Foi festa à fantasia e me fantasiei de líder de torcida. Na festa da Isa, eu, Levi e Giovana sentamos juntos para ver o filme mais esperado do momento.

194


O problema foi que ninguém ficava quieto e nós chamamos a mãe da Isa para pedir para que todos ficassem quietos. Eu gostaria de viver este dia de novo, pois assisti Hotel Transilvânia 3 e, depois, fui à praia com a minha mãe. Foi muito legal! Na praia eu fiquei na água e brinquei de futebol com o meu grande amigo Tiago.

UM CAMPEONATO DE ALEGRIA Giovana Conrado Nobre Bertonha Campos Essa história é para todo mundo que gosta de ler sobre esporte. Um certo dia, ganhei um convite de um campeonato de judô, no Clube Naval. Fui com os meus pais, meu vovô e meu irmão. O problema foi que eu fiquei com medo, mas o meu professor me disse que não precisava ficar assim. No final eu fiquei muito feliz, pois ganhei uma medalha de bronze. Quero ter outro dia igual a esse! Meus pais se orgulharam muito de mim, agora quero ter uma medalha mais alta, a de prata ou a de ouro.

195


ALEGRIA NA CASA DA MOEDA Igor Hayne Lassance Castello Essa história é para as pessoas que gostam de visitar museus e ficam alegres com o passeio. Um certo dia, eu e a minha turma, junto com a professora Paloma fomos à Casa da Moeda. Lá aprendemos várias coisas, como ver se a nota é verdadeira ou falsa, os animais que aparecem nas notas e, também, vimos dinossauros extintos. A Casa da Moeda fica localizada no Centro do Rio de Janeiro. Não tive nenhum problema na minha visita ao museu, pois deu tudo deu certo! Eu adoraria voltar lá e visitar outras exposições. Eu recomendo este museu para todo mundo! A ALEGRE VIAGEM POR PARIS Isabella Motta Aguinaga Essa história é para as pessoas que gostam de alegria. Esse ano, eu, Isabella, viajei para Paris. A viagem demorou mais ou menos três horas, contando com o táxi que fomos. Os quartos do hotel eram enormes! Já estava ficando tarde e bateu um vento, então, eu e minha irmã tomamos um banho quente para comprar comida com a minha mãe e o meu pai. Primeiro fomos à Torre Eiffel e eu convenci o meu pai a subir de escada. Depois, no outro dia, fizemos uma visita rápida ao Museu de Louvre. Lá havia muitas coisas legais! Eu adorei a Mona Lisa! E, finalmente, fui à maravilhosa Disney. E essa foi a melhor viagem!

196


UMA VIAGEM DIVERTIDA PARA DISNEY Lara Gonçalves da Cunha Calife Essa história é para todas as pessoas que gostariam de saber mais sobre alegria e diversão. Um dia, depois do meu aniversário de 8 anos, meus pais resolveram ir para Disney com meus irmãos e eu. Em uma manhã, eu, meus pais e meus irmãos saímos do hotel e fomos nos divertir no parque. Nós fomos na montanha russa, no carrinho bate-bate e, quando chegou à noite, eu e meu pai fomos num brinquedo que o tema era Avatar. Tivemos um problema: a fila estava muito grande! Eu e o meu pai ficamos mais de uma hora nela, mas no final entramos num barco e foi lindo! Eu adoraria voltar lá!

A VIAGEM FELIZ Levi Fernandes Blanke Essa história é para todo mundo que gosta de alegria. Há um ano atrás, eu fiz uma viagem para Caxambu com os meus amigos Felipe Gomes e Gabriel Pamplona. Eu viajei com o Felipe porque meus pais iam só no domingo. Quando a gente chegou em Caxambu tomamos café. Depois fomos ao sítio do hotel e almoçamos. Após o almoço eu comi doce de leite, daí, quando o Felipe e o Gabriel terminaram o almoço, a gente foi para piscina térmica relaxar! Essa viagem foi muito divertida e quero voltar, com certeza.

197


A PRAIA DA FELICIDADE Liz Paiva do Carmo O meu conto é para todos que lerem irão ficar felizes. Um belo dia, resolvi desenhar Angra, uma praia com água limpinha e com peixes. A minha tia perguntou para a minha mãe se eu e ela queríamos ir até lá. Eu disse que sim e a minha mãe disse que não, então, só eu fui. Eu me diverti muito com a minha prima Lara, a gente brincou muito. Nós mergulhamos na água e vimos o cardume. Passeamos de lancha, teve churrasco, teve guerra de balão de água e, à noite, teve mímica de filmes. Eu fiquei muito feliz! Eu queria muito voltar lá, pois foi muito legal passear com a minha tia e o meu tio. Mas, da próxima vez, quero ir com a minha mãe.

A VIAGEM DA DISNEY Lucas Fontenelle Garcia Teixeira Essa história é para todos os públicos que gostam de ler sobre alegria. Há um ano atrás eu fui para à Disney. Será que foi legal, divertido ou chato? Meus pais falavam que era legal e eu acreditei neles. Eu estava no aeroporto e queria tanto viajar para lá que eu li tudo na internet. Quando eu cheguei, eu amei e queria viver lá! Fui em vários Parques, como a Universal, Disney e vários outros. Depois, fui na loja de brinquedos.

198


Eu fui no restaurante lá no parque que era uma lanchonete e que tinha um hambúrguer delicioso! Lá dentro eu vi um jogador de futebol lanchando e, depois, eu vi uma máquina de refrigerante. Também gostei muito dos outros parques. O mais legal para mim foi a Universal. Não teve nenhum problema, graças a Deus foi tudo ótimo. Eu queria voltar lá, talvez no próximo ano.

O PASSEIO INCRÍVEL Luken Canoro Irurzun Esse texto é para todos aqueles que adoram histórias. Um certo dia, em Mar del Plata, meu avô e meu pai me falaram que iríamos a um zoológico. Quando eu cheguei no zoológico com meu avô, meu pai, meu irmão e meu primo vimos vários animais. O primeiro animal foi uma tartaruga. Depois vimos aves, não me lembro de todas elas, só me lembro dos flamingos. Eu vi mais animais e fiquei muito alegre ao ver os pinguins, os golfinhos e os papagaios. Eu já não estava mais aguentando de tanta alegria! Eu não tive nenhum problema, até fui comer uma comida deliciosa. Eu gostei muito do passeio e adoraria ir de novo! Depois, entramos no carro para voltar para casa e falei para todos que eu estava muito feliz com o passeio.

199


EU AMO MINHA FAMÍIA! Maitê da Costa Carvalho Cysne Essa história é para todo mundo que gosta de alegria e família. Um belo dia, os meus primos e os meus dindos vieram para o Brasil, então, eu ganhei muitos presentes. Eu gostei de todos os presentes, mas o que eu mais amei foi que eles vieram para cá porque tem dois anos que eu não vejo eles. Nós passeamos e fomos para a casa da tia Meire. Minha tia e eu fizemos muita bagunça e eu enchi minha barriga de tapioca natural, pois é o sabor que eu mais amo. Com certeza a minha família vai voltar e vamos fazer novos passeios no Rio de Janeiro. UMA VIAGEM ALEGRE À DISNEY Maria Eduarda Santiago David Essa história é para o público que gosta de ler sobre alegria e viagem. No mês de fevereiro foi um dos momentos mais esperados da minha vida, pois eu viajei para a Disney com a minha família. Na entrada do parque tem uma fila de carros para comprar os ingressos, com uma placa escrito Magic Kingdom Park e um castelo em cima. Teve um momento especial, foi quando eu tirei foto com o Mickey Mouse. Ele é fofo e divertido! Mas teve um problema na volta para o Rio de Janeiro, pois o voo atrasou. Também, lá no aeroporto de Fortaleza não tinha ar condicionado. Que calor! Eu amei a Disney! Lá é incrível e eu gostaria muito de voltar!

200


A PATINAÇÃO NA DISNEY Matheus Busnardo Nery da Costa Era uma vez, há muitos anos atrás, num belo dia, eu e minha prima Sofia fomos numa patinação da Disney. Esta viagem foi nas minhas férias de quatro anos. Quando a gente estava patinando, quase sentamos no gelo da pista de patinação. Depois, eu fui sair para comprar pipoca sozinho! Eu senti uma alegria enorme nesse dia, pois foi a primeira vez que andei de patins no gelo! Ah, depois passei mal porque senti falta do pão com requeijão, que só tem na minha casa, no Brasil. Na volta para casa, eu e minha prima Sofia pegamos um avião bem grande! Eu amei esta viagem! Quero voltar lá para patinar de novo, só que agora estarei mais crescido. UM DIA DE ALEGRIA NO MUSEU NACIONAL Miguel Marques Mendes Essa história é para todas as pessoas interessadas com a emoção e alegria ao visitarem um museu. Um belo dia perguntei para a minha mãe se nós poderíamos ir até ao Museu Nacional, pois era um lugar que eu tanto queria conhecer. Então, no aniversário do meu pai nós fomos até lá para ver o que tinha. Fiquei surpreso! Tudo deu certo e foi muito divertido conhecer todas as obras de artes, como as esculturas e o esqueleto de dinossauro. Foi muito legal e queria voltar lá!

201


O MEU PRIMEIRO ANIVERSÁRIO NA CASA DE FESTA Miguel Octávio Oliveira Lins Peixoto Essa história é para todos os públicos. Há um ano e três meses foi o meu primeiro aniversário na casa de festas. Quando a festa começou eu já estava atrasado e o meu pai foi dirigindo na “velocidade da luz”. Eu fui o último a chegar. Neste dia estavam eu, meu pai e minha mãe. Enquanto eles estavam conhecendo o lugar, eu fiquei brincando no parquinho. O nome do lugar é GIROLELÊ e fica em Goiânia. Quando a festa acabou, nós fomos para casa. Ah, se eu tivesse a opção de fazer festa todo dia...

ALEGRIA NA DISNEY Olívia Barreto Ferreira Essa história é para todas as pessoas que gostam de dias alegres. Um belo dia, eu, meu pai e minha mãe fomos para Disney, na França. Nós três fomos num brinquedo de pirata. O meu pai ficou assustado. Já eu e minha mãe ficamos encharcadas, pois tinha muita água em volta. Depois, nós fomos em um brinquedo que tinha vários bonecos cantando, foi muito legal! Mas lá, quando estava ainda claro, todas as crianças já estavam dormindo e fiquei triste. No dia seguinte, eu fui de novo para Disney. Eu queria uma bota da Ana, mas não tinha o meu tamanho. Aproveitei e vi as princesas. Deu até vontade de voltar...

202


ALEGRIA NO HOTEL FAZENDA Pedro Henrique de Lima Gomes Essa história é para quem gosta de ler sobre alegria. Um certo dia, estávamos em casa e resolvemos viajar. Então, preparamos as malas e fomos para um hotel chamado ‘’Hotel Fazenda’’. Eu estava muito alegre porque eu queria muito ir. O meu irmão, o meu pai e a minha mãe foram comigo. Tivemos um problema no caminho, pois a viagem era longa e a minha mãe não tinha levado tanta comida. Eu fiquei com fome até chegar lá. Na verdade, eu até comi dois sanduíches... Ao chegar, cochilamos um pouco e fomos almoçar. Eu vi a tia de lá alimentando as galinhas. Depois, eu e o meu irmão jogamos bola e comemos churrasco. No dia seguinte, fizemos quase a mesma coisa. No terceiro dia, andamos a cavalo, fomos à piscina, pegamos as malas e voltamos para casa. Chegamos em casa e descansamos dessa viagem longa e divertida!

O DIA MAIS FELIZ DA MINHA VIDA Pedro Oliveira Hernandez Essa história é para todo o público que gosta de saber sobre a alegria de ganhar um bichinho. Em um belo dia, eu achei uma caixa na sala da minha casa. A minha mãe falou para eu abrir. Então, eu abri e chorei de felicidade porque era um gatinho com três meses! Eu achei muito fofo e hoje ele já tem nove meses.

203


E não foi só isso, pois o meu pai também estava lá e nós três brincamos com o gatinho. Dei a ele o nome de Trovão. Eu não tive nenhum problema com o Trovão porque ele sempre foi saudável! Eu gostaria que acontecesse de novo para eu ter mais de uma fofura! Eu recomendo todos terem um bichinho de estimação.

204


a7DE


206


“ALEGRIA” Maria do Carmo Maia Cruz, professora do 3º ano D A turma D começou o ano letivo com muito entusiasmo e desafios para trabalhar o projeto “Emóvere. ” Aproveitando esse interesse e motivação, falamos das várias formas de emoções que existem e sentimos. Dentro e fora da sala de aula, realizamos atividades que permitiram o envolvimento dos estudantes, possibilitando a criatividade e colocação espontânea com propriedade sobre as emoções vivenciadas por eles. O trabalho diário de conscientização sobre a importância de deixarmos fluir os nossos sentimentos e fazer percebê-los que em tudo que fazemos, falamos ou sentimos está associado as emoções. Após várias vivências e debates, o terceiro ano escolheu como tema: “Alegria”. Refletimos e chegamos à conclusão que essa emoção é a mais prazerosa e presente no dia a dia de nossos pequenos. Viajando nessa alegria, os alunos foram desafiados a expressarem através debates, dramatizações, músicas e escrita, momentos em que eles vivenciaram esse tipo de sentimento. Como demonstração de gratidão e carinho os estudantes escreveram textos narrativos, onde cada um teve a oportunidade de apresentar um pouquinho sobre suas vivencias. Então, convidamos você leitor, a viajar e a se emocionar na leitura das produções elaboradas por nossos estudantes, e a refletir sobre o quanto vocês fazem parte dessas emoções.

207


O DIA NA PISCINA Alice Costa Visconti Cavalleiro Para todas as pessoas que estiverem lendo este texto, foi muito divertido!!! Nas férias de domingo eu fui num parque aquático com meu pai e adorei. Nós fomos à vários brinquedos aquáticos. Mas, depois de brincar muito nós tomamos sorvete e voltamos a brincar. Quando tivemos que ir embora eu fiquei triste, mas eu aproveitei muito e adorei ter ido lá. ක

QUANDO EU FUI PARA SÃO PEDRO DA CERRA Alice Sauwen Fasanello Eu, minha mãe, meu pai e meu irmão fomos para São Pedro da Serra nas férias do ano passado. Nós chegamos de carro e vimos umas casinhas lindas e um parquinho lindo. Nós subimos mais um pouco e chegamos na casa da minha tia. Mas, ela não estava na cidade. Lá estava muito frio, mas mesmo assim depois do almoço nós descemos e tomamos picolé no parquinho. Na hora do jantar nós jogamos bola e depois fomos comer num restaurante. Depois, voltamos para a casa e tomamos banho e vimos vários filmes. Todos os dias a gente passeava e fazíamos várias coisas. No último dia nós arrumamos as malas pela manhã, depois almoçamos. Na hora do lanche, nós fomos em um outro parque e depois voltamos para o Rio de Janeiro. Foi muito legal! ‫پ‬

208


O QUE A ALEGRIA CAUSA? Ana Flor Costa de Luna

Eu quero que a minha família, a tia Ju e as duas meninas desastradas saibam dessa história e todas as pessoas que quiserem saber. Isso foi do dia 20, quinta-feira até o domingo, dia 23 de junho de 2019, quando eu viajei com a minha amiga Daniela, minha mãe e o meu pai. Nós viajamos para Secretária. Ao chegarmos lá, saímos do carro e os donos da casa foram nos receber. A tia Ju e o tio Luca. Eles guiaram os meus pais até o quarto que eles iam ficar e, eu e a Dani dormimos no último andar da casa, que era o 3° andar. Meus pais dormiram no 2° andar. Mas lá não tinha só nós duas crianças, também tinha a Greta. Nós brincamos e fizemos uma casa na árvore no 3° andar. Todos os dias tinha um café da manhã delicioso! Depois do café, nós ficávamos torcendo para fazer sol, para nós podermos ir à cachoeira. Quase todos os dias nós íamos à cachoeira. Na casa tinha dois cachorrinhos bebês, um Golden que era uma cachorra e um outro cachorro que se chamava Jack. Esses dois eram filhotes da Belinha, uma cachorra vira-lata. Os dois cachorrinhos bebês se chamavam Urso e Pipa. Toda vez que a gente ia na cachoeira os cachorros iam correndo atrás do carro. A Greta deu a ideia de fazer um filme e nós concordamos. O nome do filme era: “As três desastradas”. O filme teve trailer e ficou muito engraçado. No penúltimo dia fizemos uma fogueira de São João e dançamos quadrilha. No dia seguinte fomos mais uma vez na cachoeira e a água estava transparente. Também brinquei com a gatinha da ti a Ju. Eu fiquei muito feliz com muita alegria no coração!

209


A FESTA DOS SONHOS Bernardo Gardini Dantas

No dia 15 de março, fiz uma festa com todos os meus amigos. Meus pais prepararam uma festa de aniversário para mim. A festa aconteceu no condomínio dos meus avôs, estava indo tudo ótimo na minha festa, eu estava me divertindo muito com os meus amigos, jogando futebol, brincando no parquinho etc... Mas, a coisa mais legal da festa é que ninguém esperava que ia chover. Quando começou a chover, nós fomos correndo nos divertir na chuva, jogar bola, brincar na chuva e pular nas poças d`água. Teve gente que até foi à piscina. Depois que acabou a diversão chegou a hora mais esperada da festa, a hora do “PARABÉNS” Todos estavam animados! Chegamos à mesa e começamos a cantar: “Parabéns para você nesta data querida muitas felicidades muitos anos de vida!”. Depois dos parabéns ainda não tinha acabado a festa. Alguns pais não deixaram os filhos brincarem na chuva, mas já outros deixaram. Quem pôde brincar foi jogar bola e ir na piscina, quem não foi, ficou conversando. Quando acabou a festa, eu corri e dei um mega abraço nos meus pais e agradeci pela festa maravilhosa. Esse foi dia mais legal, alegre, feliz e divertido da minha vida!

210


UM DIA DE ALEGRIA Caio Mesquita Nunes

Aos meus queridos amigos, quero dizer que foi muito divertido jogar Roblox com vocês na festa de aniversário do Eduardo... Em abril, no mês do aniversário do meu amigo Eduardo chegou. Ele me convidou e convidou e o meu amigo Lucas e o meu amigo Heitor. A festa do Eduardo foi na casa dele, que fica na Rua Farme de Amoedo. Infelizmente o Lucas não pode ir à festa, porque ele estava doente. Então, só fomos eu e o Heitor. Lá foi muito legal!!! Eu e o Heitor levamos nossos tablets e, além de levar meu tablet, levei o meu celular. A gente jogou Roblox no Mad City. Depois da festa, nós ficamos muuuuuuuuuuuuuuuuuuito cansados. Nós fomos para as nossas casas e lá, continuamos jogando Roblox juntos. Foi um dia muito especial para mim.

UM PASSEIO DIVERTIDO Daniela Miranda ObedIente Milarde As férias de julho foram legais. Eu viajei com a minha família, tomei um café da manhã, fui na estátua da liberdade. Foi muito legal em Nova York! Eu me diverti no aquário e depois voltei para a casa da minha vó. Em todos dias das minhas férias eu fiquei muito feliz! 211


A VIAGEM EMOCIONANTE Eduardo Henrique Villas Pereira Quando viajei para Búzios eu fiquei muito feliz porque lá tinha piscina. Eu estava de férias e fui para Búzios no dia 15/12/2016. Quando cheguei lá meus primos me deram um susto. Estava anoitecendo eu e meus primos fomos jantar num japonês. As férias acabaram e eu fiquei um pouco triste. Mas o importante é se divertir e isso me deixou muito alegre. Eu adoro passar as férias com os meus primos.

A VIAGEM DE BARCO Francisco Laudo Monte Razo De Camargo Minha querida família, foi muito legal viajar com vocês! Isso me alegrou muito porque eu estava com vocês. Aconteceu nas férias, no dia 22 de dezembro de 2015. Eu fui nos brinquedos aquáticos, nas piscinas e tomei picolé. Fiquei cansado porque eu brinquei muito, mas o mais importante foi que eu fiquei muito feliz!

212


UMA FESTA DE ALEGRIA COM MEUS AMIGOS Heitor Amaral Cypriano Aos meus melhores amigos. Comemorar com meus melhores amigos a minha festa foi a melhor coisa e um dia muito feliz para mim. Quando meus melhores amigos chegaram eu fiquei muito feliz! No sábado do dia 16 de março, foi a minha festa. Eu adorei a minha festa com as pessoas que mais gosto. Nós jogamos Minecraft, Roblox e Mario. No meio da festa cantamos parabéns. Quando a festa acabou, fiquei cansada e com sono. Mas o dia foi muito legal para nós!

O ANIVERSÁRIO DO BERNARDO Gabriel Lima Ferreira Rolla Para o Lucas Campos, que não foi à festa do Bernardo. Eu e o Francisco estávamos indo para o aniversário do Bernardo, a festa foi no dia 15 de março de 2016. Nós chegamos no condomínio do avô do Bernardo para a grande festa. Eu brinquei de futebol, pique Jason, pique esconde e na chuva. No final do dia nós cantamos parabéns. Quando acabou a festa fui embora para casa dormir e pensei: “Esse foi o melhor dia da minha vida!”.

213


O JOGO 6 A 1 Giovana Schumm Castelo Branco Eu quero contar essa história do meu jeito para os meus pais. No dia 16/06/19, eu tinha um jogo de futebol na Barra, pelo Monte Líbano contra os Novos Talentos, às 9:00 h. Quando chegamos não demorou muito para começar o jogo. O juiz apitou e começou o jogo. Nós começamos ganhando 1 a 0. Depois eles empataram 1 a 1. Aí nós melhoramos no jogo e conseguimos fazer um gol 2 a 1. Em seguida, a gente fez 3 a 1, 4 a 1, 5 a 1 e por último 6 a 1. Eu me diverti por ter feito 2 gols e por nós termos jogado em equipe. Valeu a pena ter ido! Foi um dia que marcou minha vida como jogadora de futebol. UM DIA DE DIVERSÃO Júlia Souza De Castro Barbosa As minhas amigas Letícia e Estela. No sábado 22 de julho de 2019, eu e minhas amigas fizemos um passeio no Hot Zone. Nós fomos na montanha russa e eu fiquei com um pouco de medo. Também, fomos no Cabum, na Realidade Virtual e no final do dia, nós comemos em um restaurante maravilhoso. Que dia divertido! Quando acabamos o passeio nós ficamos felizes e cansadas, mas o dia foi muito divertido. Eu amei!

214


UM DIA NO CINEMA DE MUITA ALEGRIA João Saviolo De Oliveira Amigos queridos, foi muito legal o filme Toy Story, eu fiquei muito alegre! No feriado dia 20 de junho, eu vi um lindo filme com os meus queridos amigos. Nós fomos ao cinema e quando acabou o filme nós fomos no parque. Que dia muito legal! Quando acabamos de brincar ficamos cansados, mas valeu a pena!

A ALEGRIA DE VIVER NO RIO DE JANEIRO Lucas Campos De Souza Carvalho

Nas férias eu passeei com a minha família no Rio de Janeiro, isso foi no dia 15 de dezembro. Nós fomos na Quinta da Boa Vista, jogamos bola na praça e andamos da bicicleta no calçadão. No final do dia ficamos felizes e muito emocionados com esse dia tão lindo.

215


O MENINO FELIZ Lucas Ramos Agualusa Rodrigues

No Rio de Janeiro tinha um menino muito feliz, que se chamava Lucas e adorava o Rio. Ele tinha uma maravilhosa família e ótimos amigos. Em 2010 ele nasceu e viu pela primeira vez a sua mãe. Lucas estuda no 3°ano e fez um texto para a sua família com muita alegria. Quando ele acabou ficou muito feliz. Lucas Ramos ama a sua família, ela é a coisa mais importante e alegre da vida dele.

AS VIAGENS PARA A DISNEY Manuela Mirabelli de Almeida Corrêa Spínola Este texto é para as crianças e adultos que não foram à Disney. Em 2017 fiz um lindo passeio pela Disney que durou 25 dias. Meu pai e minha mãe também foram e, no segundo dia fomos para o parque. Nós visitamos vários parques, compramos muitos picolés que tinha a cabeça do Mickey, fomos em várias montanhas russas e tirei várias fotos. Amei tudo e, até fiquei hospedada no hotel da Disney! Quando chegou o último dia da viagem, nós estávamos acabados e muito felizes. Foi muito emocionante quando chegamos no aeroporto e minha família toda estava lá. Que alegria e emoção!

216


A VIDA É UMA ALEGRIA, AINDA MAIS EM NY! Maria Eduarda Borges Rodrigues Teixeira

Essa história é para todos os americanos que gostam de ver as pessoas alegres. Nas férias eu viajei com as pessoas que amo. Viajamos e fomos em seis musicais. Nós no musical do Aladim, do Rei leão, do Cast, do Fantasma da ópera, os miseráveis etc. Também comemos em muitos restaurantes e visitamos muitas lojas. Quando o passeio estava terminando, ficamos um pouco tristes, porque estava chegando a hora de ir embora. Mas, tudo que é bom acaba! Foi muito especial, foi mágico! Eu fiquei alegre e amei muito!

A ALEGRIA E A EMOÇÃO Maria Flor Coelho De Souza Essa história é para minha amiga Duda que eu amo tanto. Nas férias eu fiz um lindo passeio com ela, nós brincamos na casa dela e foi muito legal!! Depois fomos na festa do João, no dia 18 de maio de 2018, nós nos divertimos muito também. Quando acabou a festa, nós ficamos muito emocionadas e felizes nesse dia. Eu amo a minha amiga Duda!

217


VIAGEM PARA DISNEY Maria Luísa Soares Maravalho Para meus pais queridos Foi muito legal e me diverti muito na Disney. Nas minhas férias eu pulei e brinquei muito. Foi muito legal!! Quando eu cheguei no hotel minha cama estava toda arrumada e tinha muitos brinquedos lá. Na hora do jantar eu comi o prato da Rapunzel e depois fui dormi numa cama maravilhosa. Parecia um sonho eu estar na Disney com meus queridos pais! Foi um dia e tanto!!! Amei o meu dia na DISNEY!!!!

O QUE EU SINTO COM A ALEGRIA Micaela Coccarelli Caiuby Para os meus familiares quero dizer algumas coisas que eu sinto às vezes. Então... espero que gostem. No sábado eu fiquei muito triste não sabia porque, mas não sentia mais nada só tristeza. Isso foi no dia 15/12/2018. Eu viajei na imaginação e procurei a alegria. Falei com cada emoção, mas nada da alegria. Quando eu encontrei a alegria fiquei feliz na hora. Na hora eu me perguntei: “O que eu sinto com a alegria?”. Minha imaginação respondeu: “Você se sente uma pessoa mais alegre do que antes!”. Então eu agora sei que sou uma menina muito alegre e feliz!

218


QUANDO EU FUI NO BEATCH PARK Sofia Paixão Guimarães Léo Para a minha família. Eu adorei ir no Beatch Park com a minha família. Nas férias eu brinquei muito com meu irmão, nós brincamos no Beatch Park. Nós ficamos num hotel muito legal! Era um hotel com recreação, tinha uma comida boa e uma cama muito confortável. Foi muito legal eu fiquei feliz! UM PASSEIO DIVERTIDO Sofia da Costa Santos Maluly Um dia minha tia convidou a gente para um passeio na Lagoa. Era um domingo e o passeio na Lagoa com a minha mãe, minha tia e meus primos me deixou muito feliz. Nós brincamos muito no pedalinho, bebemos água de coco, andamos de bicicleta, patinete e tomamos sorvete de açaí. Foi um dia que todo mundo ficou muito cansado. Mas, o melhor foi que foi o dia mais feliz da minha vida!

219


A MINHA VIAGEM Valentina Oliveira Freitas de Andrade Pereira Quando viajei para Angras dos Reis, eu fui à piscina, à praia e no santuário. Na hora que passei a mão na tartaruga marinha, fiquei muito feliz! Mas na praia eu vi uma água-viva. Depois eu brinquei na piscina e dei muitos mortais. Quando fui para o quarto, eu fui tomar banho na banheira, fiz espuma e entornei muita água no chão. Na hora de jantar comi batata frita, um hambúrguer e de bebida uma coca cola. Depois fui dormir na cama beliche, dormi na parte de cima. Essa foi a rotina da minha viagem. Espero que tenha gostado. Eu amei a minha viagem!

220


a7DE!


222


CORAGEM PARA SENTIR Luciana Carvalho de Castro Santos, professora do 3º ano E O projeto Emóvere é a base do sistema educacional do nosso colégio. Ele tem como propósito desenvolver nos estudantes suas competências socioemocionais, fazendo com que eles saibam reconhecer suas emoções. Ao analisar a etimologia da palavra emoção, notamos que ela é originária do latim ex movere, que logo nos remete ao nome do nosso projeto. A expressão latina significa “mover para fora”. É o que temos que fazer para analisar o que sentimos. Os estudiosos divergem bastante a respeito da quantidade de emoções existentes. Robert Plutchik indica que são oito, já Paul Eckman diz que são seis, mas o que importa mesmo é senti-las e respeitá-las, sem se importar com a quantidade. O importante é permitir se emocionar, se jogar ao que sente e saber lidar com suas reações. A partir dessa compreensão, a turma da Coragem conversou sobre as emoções que podemos sentir em cada situação e descobriu que nem sempre essas emoções podem trazer-nos bons sentimentos. Aprendemos, também, que não tem problema algum em passar pelos sentimentos ruins, desde que possamos usar essas experiências para algo positivo. Mesmo assim, falar de sentimentos e expressar as emoções é muito difícil e abstrato. Às vezes, podemos o fazer em pequenos gestos e/ou atividades, sem nem perceber. Assistimos a um filme da Disney, o “Divertidamente”. Nele, são retratadas, de forma bem lúdica, as emoções da Riley, uma menina de onze anos que passou por grandes mudanças repentinas. Após o filme, pudemos discutir sobre cada emoção e em qual momento sentimos cada uma, traçando comparações com o que vimos. Com o direcionamento da psicopedagoga, surgiu a escolha do nome da nossa turma. Através de muitas perguntas, os alunos perceberam que é preciso ter muita coragem para deixar fluir os sentimentos e encará-los de frente. Eles puderam, também, resolver questões que ainda estavam em aberto acerca do tema, facilitando o entendimento, através de conversas reflexivas. Após toda essa coleta de dados, entendemos, juntos, que as crianças já estavam prontas para pôr em prática tudo que foi aprendido, podendo desenvolver através da confecção de textos. Para deixá-las realmente livres para se emocionarem, não quis determinar uma emoção em específico, para que não fosse algo amarrado ou indicado. Portanto, deixei uma pergunta para elas:

223


Como foi um dia emocionante com sua família? A partir desse momento, estavam livres para deixar correr o sentimento e buscar na memória algum dia que tenha sido marcante pela emoção que o embalou, boa ou ruim. Durante a confecção, os estudantes foram tomados por momentos de nostalgia, alegria, tristeza, coragem, demonstrações de amor e carinho. Todos transmitiram suas emoções de alguma forma. O que vocês verão a partir de agora, são textos produzidos pelas crianças, em que a emoção percorreu um longo caminho, do coração de cada um deles para a folha de papel. Portanto, serão textos bem diversos, com assuntos diferentes e com uma linguagem só deles. Antes de começar a leitura, embale na emoção que os inspirou, através dos versos de “Era uma vez”, de Kell Smith. Dá pra viver Mesmo depois de descobrir que o mundo ficou normal É só não permitir que a maldade do mundo te pareça normal Pra não perder a magia de acreditar na felicidade real E entender que ela mora no caminho e não no final

224


UM PASSEIO NA PRAIA Alice Lins Leonetti Meu nome é Alice, eu tenho 8 anos e moro com a minha mãe, o meu pai e a minha irmã. A gente gosta de passear no shopping, porque na praia a gente vai poucas vezes. Bom, era uma vez uma praia cheia que era no Leblon. Minha mãe, meu pai, minha irmã e eu fomos no sábado reretrasado. Eu cavei um buraco muito fundo, peguei meu baldinho, botei água lá dentro, misturei com areia e fiz um castelinho. Quando a gente saiu da praia, a gente foi para um restaurante japonês que tinha um rolinho de chocolate branco. Depois a gente foi pra casa. Eu fiquei muito feliz porque eu estava com a minha família. A gente se divertiu muito.

O ANIVERSÁRIO DA MINHA AVÓ Ana Beatriz de Jesus Terra Vieira Meu nome é Ana Beatriz, eu tenho 9 anos e moro em Ipanema com minha bisa, meu biso e minha cachorra. Num certo dia, em junho de 2019, aconteceu o aniversário da minha avó. Foi a minha família inteira. Foi muito legal! Fomos no shopping tomar sorvete e fazer compras que precisavam para fazer a festa. De manhã, depois que chegamos do shopping, enrolamos docinhos, botamos na fôrma e nos arrumamos para descer. Como estávamos em Campo Grande, na casa da minha avó, lá fora tinha um balanço grande, churrasqueira e muitas pessoas. Nós todos comemos churrasco. Tinha arroz, farofa, pudim e torta de limão. Também tinha bebidas como: 225


refrigerantes, vinhos e H2O. Todo mundo que estava na festa comeu bastante. Deu a hora do parabéns. Cantamos parabéns e depois comemos docinho e o bolo. Depois do bolo, as crianças ficaram brincando e os adultos conversando. Todos ficaram muito felizes.

A AVENTURA DA FAMÍLIA CANDEIAS Ana Sofia Candeias Amaral Eu sou Ana Sofia, tenho 9 anos e moro com a minha mãe, o meu pai e meu irmão, e minhas babás cuidam de mim todo dia. Em fevereiro de 2019, a minha cachorra, que se chamava Bolinha, estava muito doente. Eu não podia aguentar então eu decidi viajar para Itaipava. Assim que eu cheguei de viagem a minha cachorra não estava nada bem. A minha mãe disse que ela estava sofrendo, toda doida, porque ela queria me ver, porque eu era a mãe dela e ela me viu nascer. Eu pensei assim: Por que eu fui pra essa viagem? Eu podia ficar com ela! Poxa vida! No dia seguinte ela morreu. Meu pai, mesmo assim, a levou ao veterinário. O médico botou o soro na veia dela, mas era tarde demais. O meu pai ligou para mim, para minha mãe e para meu irmão para dizer a notícia. Eu chorei, mas chorei tanto, que eu não tinha mais nenhuma lágrima. Foi tão triste! A gente quis cremar para jogar no jardim da minha vó, que mora em um prédio. Ela mora no último andar. Mas mesmo assim a gente ainda sente muita saudade dela. O tempo foi passando e a gente foi ficando melhor, mas foi um momento muito triste. Você sempre estará em nossos corações.

226


A PRAIA Beatriz da Costa Carvalho Cysne Eu sou Beatriz, a maioria dos meus amigos e a minha irmã me chamam de Bia, e o meu pai e a minha mãe me chamam de filha. Eu tenho 8 anos e moro em Ipanema. Num certo dia eu estava no calçadão de Copacabana com meu pai, minha mãe, minha irmã e meu dindo. Nós andamos muito! Depois paramos para ir à praia. Eu e minha irmã ficamos de biquíni e meu dindo ficou de sunga. Minha avó ficou sentada na areia com as nossas roupas. Meu pai ficou sentado lá em cima, no banquinho, com a minha mãe, bebendo água de coco. Meu cachorro, que se chama Zé, ficou bebendo água. Eu, minha irmã e meu dindo estávamos na água, nadando. Veio uma onda enorme. Passamos por baixo, depois veio mais outra, passamos por cima e assim por diante. Teve uma hora que a minha vó chamou a gente para a gente ir embora. Nos secamos e fomos embora para a nossa casa. Ficamos muito felizes porque a gente foi na praia, aproveitou e fomos pra nossa casa descansar.

227


ALEGRIA É BOM Bernardo Gama Muniz de Campos Essa história é sobre mim, Bernardo, que tenho 8 anos e moro em Ipanema com meu pai, minha mãe e meu irmão. Num certo dia eu estava muito alegre porque eu e minha família fomos ao AquaRio. Nós fomos de táxi e foi rápido. Lá tinham tantas coisas legais! Então nós primeiro entramos na fila para comprar o ingresso. A primeira exposição tinha as baleias, duas estátuas. Uma delas explicando sobre elas. Depois tinha uma régua, que era na verdade o tamanho da maior tartaruga e também a régua servia para ver o tamanho máximo das tartarugas. Então, como eu dizia, no final da exposição nós vimos a nova atração: ”A Era do Gelo”. Lá tinha um tatu gigante, um alce e um tigre dente de sabre. Como o mamute era muito grande, tiveram que botar no início do passeio, junto com a baleia Jubarte. A exposição era de estátuas de antigamente que não podia tocar. Lá também tinha uma parte que podia tocar nos animais, incluindo o tubarão, que era a parte final, para finalizar tudo. Foi muito legal porque ensinava sobre a vida marinha e sobre as partes do corpo dos animais marinhos. Eu fiquei feliz porque eu gosto de passear com a minha família.

228


NATAL EM FAMÍLIA Carolina Gama Benevides Lisbôa Reid Meu nome é Carolina e todo mundo me chama de Carol. Eu tenho 8 anos, moro em Ipanema com a minha mãe, com meus irmãos e com o meu cachorro, o meu pai mora em uma casa diferente. O dia 24 de dezembro é quando a família toda fica junta na casa da minha mãe, que é o Natal, a data comemorativa mágica. Eu e minha família comemoramos todo ano. Nós esperamos para o Natal chegar e até que chegou o dia. Minha família trazia comidas e todos começaram a chegar. Todo mundo estava conversando, e eu e meu primo brincando de cabana. Chegou a hora da ceia e todos comiam comigo. Depois de todo mundo comer, chegou a hora do amigo oculto. Depois eu fiquei brincando com o meu primo até que o interfone tocou e o Papai Noel chegou e distribuiu os presentes. Eu fiquei um pouco nervosa quando tocou o interfone, porque fazia tempo que eu não via o Papai Noel, mas depois que eu vi, eu fiquei feliz porque esse momento é de Deus, de refletir.

229


UM DIA DE ALEGRIA Cecília Pereira Blanco Meu nome é Cecília, tenho 9 anos, moro em Ipanema com minha mãe, meu vô e minha vó. Em janeiro de 2019, eu, minha mãe, meu vô, minha vó, minha tia Graça e o Tom, meu cachorro, fomos a São Paulo. Quando nós saímos de casa, nós fomos buscar minha tia Graça, de carro. Então seguimos viagem. Vimos vacas, cavalos, bois, etc... Nós tivemos que pagar cinco ou seis pedágios, mas nós chegamos bem na nossa casa em São Paulo. Eu abri aquela casa e vi o tão grande que ela era. No primeiro dia nós limpamos a casa inteira, que foi bem divertido. No segundo dia nós fomos em um lugar que vende várias coisas, tipo o bairro da Liberdade. Eu comprei pinceis de maquiagem, arcos de cabelo e etc... No terceiro dia nós fomos ao shopping e compramos muitas coisas, como canetas, várias coisas de material escolar, um tênis para a minha mãe e eu vi a melhor coisa da minha vida: algodão doce de unicórnio! Nós compramos um gift card. No quarto dia fomos embora de volta pro Rio. Quando eu cheguei em casa, eu até fiz um livro de aventuras sobre São Paulo. Foi muito bom e eu fiquei feliz em ter ido para São Paulo, porque finalmente eu conheci a nossa casa de lá.

230


UM PASSEIO NO SHOPPING Eduardo Ferraz Fernandes de Mello Meu nome é Eduardo, mas todo mundo me chama de Dudu. Eu tenho 8 anos e moro na Lagoa com meu pai, meu irmão e com a namorada do meu pai. Num certo dia, eu, minha avó e meu amigo fomos no shopping Leblon de carro e aproveitamos para ir na Centauro para comprar a minha nova chuteira, que é azul. Depois a gente foi no cinema assistir Toy Story 4, que foi bom e a gente comeu pipoca com suco de uva. Nós fomos embora do shopping e fomos pra casa da minha vó, que mora em Ipanema, de carro. Depois, eu e meu amigo fomos jogar bola na rua, até 11 horas da noite. Eu fiquei feliz porque eu ganhei de 11 x 0 do meu amigo. Eu e minha avó dormimos juntinhos e assistimos um filme, bebendo água de coco. Foi muito bom, porque eu gosto de ir pra casa da minha avó.

NA MINHA MELHOR VIAGEM Eduardo Moreira de Queiroz Hippólito Meu nome é Eduardo e a maioria das pessoas me chama de Hippólito. Eu tenho 9 anos e moro no Leblon com meu pai, minha mãe e a minha irmã. Num certo dia, meu pai contou que a gente ia viajar para Angra dos Reis. Todo ano a gente vai pescar e andar de barco. Aconteceu em 2018. Todos que iam ficaram muito felizes. Nós sempre vamos de carro. Na ida demora mais, mas na volta é rapidinho. Fomos eu, minha mãe, meu pai, meu tio, minha tia, minha vovó, meu outro tio e, claro, minha prima. Eu, meu tio, minha vó e a Gabi, minha prima, fomos antes. 231


No primeiro dia fomos andar de barco. À noite, pescamos e fomos no shopping jantar. No dia seguinte, fomos à praia. Eu brinquei muito de nadar e brinquei muito na areia. Meu tio, a vovó e a prima ficaram mais tempo, e eu também. Eu fiquei feliz porque a praia ficava em frente ao hotel e eu estava com a minha família. Foi um dia muito divertido.

O MEU ANIVERSÁRIO Isabela de Castro Saldanha Muxfeldt Gutterres Meu nome é Isabela, praticamente todo mundo me chama de Isa ou Bela. Tenho 8 anos, moro em Copacabana com minha mãe , meu pai, meu irmão, minha avó e meu avô. Em agosto de 2017, eu e minha família fomos para um parque na Lagoa que tem tirolesa, escalada e mais um monte de coisas, porque era meu aniversário. Então, enquanto os convidados não chegavam, eu fiquei brincando com a minha prima. Meus convidados chegaram. Eles eram a Isadora, minha prima, Laura, minha melhor amiga, Julia, minha amiga, Gabi, minha amiga e Mariana, também minha amiga. Começamos a brincar na escalada, depois lanchamos e fomos para a tirolesa com a minha mãe e meu pai. No final dessa festa eu abri os presentes e brinquei mais na praia. E assim foi a melhor festa, porque a gente brincou e depois ainda foi pra praia. A minha prima foi também, e ela nunca vai, porque ela mora em Porto Alegre. Eu fiquei muito feliz porque a minha prima foi e depois nós fomos pra Petrópolis.

232


O NATAL Joana Cunha Vasco Cotrim Meu nome é Joana, eu tenho 8 anos, moro com a minha mãe, minha avó e meu avô em Ipanema. Num certo dia de Natal, eu estava na casa da minha bisa Nini, que fica em Coelho Neto. É uma casa grande. Eu fiquei até 11h30min da noite e ganhei um patinete e um par de patins. Eu estava com minha mãe, avó, avô, primos, tios, tias, tios avôs e avós. Eu perguntei pro meu primo Lucas se o Papai Noel, a Fada do Dente e o Coelhinho da Páscoa existem, e ele disse que não existe. Eu acreditei no que ele falou porque eu nunca vi ele contando mentira. No início desse ano perguntei à minha mãe e ela falou que não existe. Eu não liguei e não falo a ninguém. Eu me senti alegre porque eu estava no Natal com a minha família.

DIA DE VERÃO Luiza Pina Fraga Eu sou Luiza, tenho 8 anos e moro com minha mãe, meu pai e meu irmão, em Copacabana. Num certo dia eu estava com minha família, na minha casa, no Rio de Janeiro, mas ninguém estava animado. Estava tão quieto que eu tive uma ideia brilhante de irmos viajar a Búzios, para um hotel e todos concordaram. Fomos no carro do meu pai. Nós nos lançamos à estrada. O dia estava lindo! Cheio de sol, sem nuvens de chuva. No caminho, a minha mãe falou para a gente passar o protetor solar porque a gente estava chegando na Praia das Ferraduras. Quando chegamos na praia todos ficaram bem felizes, menos eu, porque não gosto do mar. Sempre que eu mergulho sou queimada por uma água viva ou vejo 233


um peixe morto. Desta vez eu perdi o trauma e fui no mar. Andei de caiaque, pesquei um peixão e fiz passeio de barco. Depois de uma semana curtindo, voltei à escola que eu amo de montão. Foi um passeio muito alegre! Eu fiquei muito feliz com esse passeio porque foi muito divertido.

HOJE ESTAVA JOGANDO VIDEOGAME Marcello Melchisedeck Mungioli Eu sou o Marcello, tenho 8 anos, moro com o meu pai e a minha mãe, num apartamento em Ipanema. De manhã eu estava na sala, jogando videogame com o meu pai. O jogo estava legal. Depois fui almoçar com minha mãe e com meu pai hoje em casa. Nós comemos macarrão. Depois fui para escola de táxi. Fui estudar. Eu gosto muito de ir para a escola porque eu gosto de estudar, brincar e jogar bola. Foi hoje de manhã, hoje, 14 de agosto de 2019. Eu fiquei feliz porque eu estava jogando videogame com meu pai.

O FERIADO MAIS LEGAL DA MINHA VIDA Maria Paula Lima Mariano Eu sou Maria Paula, tenho 9 anos, moro com a minha mãe, minha vó e minha irmã, em Copacabana. Num certo dia, eu, a minha amiga, a mãe dela e a minha mãe fomos na praia de Copacabana. A água estava cheia de alga vermelha e gelada, mas não teve problema. A gente brincou muito na água. Isso foi no dia 14 de abril de 2019,

234


um dia depois do meu aniversário. Ficamos na praia até 5h30min da tarde. Foi muito legal! Neste dia, a gente ainda fez um piquenique na Lagoa, mas a minha família preparou uma festa só para os familiares. A minha mãe me levou ao parque de diversão. Eu, ela, minha irmã e meu irmão fomos na montanha russa com looping. Eu vomitei e fiquei tonta. Foi muito engraçado! Foi um dia muito feliz e alegre porque eu quase sujei o nariz do meu irmão de chocolate do churros e eu estava com a minha família. Eu gosto de ficar com a minha família.

UM CERTO DIA... Nicolle Machado Domingues de Oliveira Eu sou Nicolle, tenho 9 anos. Às vezes eu fico com a minha mãe e às vezes fico com a minha avó. A minha vó mora em Copacabana e a minha vó mora na Barra. Acordei animada! Isso foi em 2016 e sabe por que eu estava tão alegre? Porque nesse dia eu, minha mãe e minha avó íamos viajar para Aracaju para ver minhas primas Maria Clara e Eduarda e minha tia Lelê. Quando chegamos lá fiquei mais animada ainda. Eu e minhas primas brincamos muito e foi muuuito legal! Eu e minhas primas fizemos várias coisas. Vou dar exemplos super legais: fomos na piscina, brincamos e nos divertimos muito mesmo! Nós brincamos também com o Snow White, o gatinho lindo delas e super carinhoso. Ah! Você sabe por que esse é o nome do gatinho? Porque ele é branco como a neve. Dava até para ele se camuflar se existisse neve aqui no Brasil. Ele já me arranhou mas eu nem liguei porque sei que é só um gatinho inofensivo, que não faz mal para ninguém. Eu amei passar esses dias lá! Foi incrível!

235


DIA DE BRINCAR Nina Félix Assaf Gonçalves Eu sou Nina, tenho 8 anos, moro com a minha mãe, meu padrasto e mais ou menos com a minha irmã, porque ela mora em São Paulo. Num certo dia, estava chovendo e tinha uma mãe, um pai e uma filha. A filha se chamava Nina e ela queria brincar. Ela estava triste porque não podia sair de casa, então ela se lembrou que tinha um jogo favorito: Uno. Mas, sua mãe não queria brincar, queria mesmo era dormir. Então, depois de muito tempo, o pai da Nina e a Nina, conseguiram fazer a mãe brincar. Mas não demorou muito tempo para trocar de jogo. O próximo foi mímica, depois jogo da memória e depois outros jogos. Até que depois de tantas, tantas, mas tantas brincadeiras, todos caíram no sono. Acabou que foi um dia muito legal para Nina e seus pais! Eu fiquei muito feliz porque eu fiquei com a minha família, brincando muito.

COPACABANA PALACE Nina Magalhães Lupi Meu nome é Nina Magalhães Lupi. Tenho 8 anos, quase 9! Moro no Rio de Janeiro. Num certo dia, minha mãe me falou que o meu pai ia fazer uma grande surpresa para mim. Eu fiquei animada e, claro, muito curiosa. Ele mandou levar roupa, bola e muito mais. Eu já fui arrumar a mochila. Chegou a hora de sair. Eu e minha mãe pegamos o metrô e fomos para Copacabana. Chegamos lá, e eu, que sou muito curiosa e não aguento surpresa, já cheguei perguntando para o meu pai aonde iríamos. Uns minutos depois ele falou que a gente ia ao Copacabana Palace.

236


Como era muito perto, a gente chegou rapidinho. Meu pai foi lá na recepção e eu fiquei pulando na frente da bancada, vendo o que tinha atrás. Chegamos no quarto. Eu mal cheguei e já pulei em cima da cama. Era tão fofa que quase afundei! O quarto era tão bom que tinha brigadeiro grátis. Eu, que não sou boba nem nada, já pedi para o meu pai para a gente ir na piscina. E fomos. A água estava muito boa e o almoço também. No segundo dia fomos à piscina de novo. Foi bem legal! No final do dia meu avô foi lá. Nós nos divertimos muito! O terceiro dia era o último. Minha mãe foi, mas ela não entrou na piscina. Comemos muito. Na sobremesa do jantar eu comi o melhor pudim do mundo! Eu nunca vou esquecer desse passeio em 2018. Foi incrível!!!!

AS MINHAS EMOÇÕES Pedro Gomes Magalhães Eu sou Pedro, tenho 8 anos, moro com a minha mãe, na Gávea e no final de semana eu vou pra casa do meu pai, em Nova Iguaçu. Num certo dia eu estava na praia de Leblon com meu pai e meu primo, no mar, brincando de pular as ondas. Eu estava muito feliz! No outro dia, eu estava na areia. Estavam minha mãe e algumas pessoas da minha família. A gente estava em Búzios! Estava tudo muito legal! Eu quis contar momentos com o meu pai e com a minha mãe. Eu vivo momentos muito bons com a minha família, mesmo eles sendo separados.

237


A MINHA VIAGEM Rodrigo Haydt de Pina Meu nome é Rodrigo, tenho 8 anos, moro com meu pai , minha mãe e minha cachorra Fi, em Copacabana. Um dia, nas minhas férias, fui para Búzios com o vovô de carro. Quando cheguei, vi a minha vó Marta e a minha cachorra Lua, que é um filhote. Era uma gostosura, brincadeira, doces, divertido e também eu brincava com a Lua de noite. E quando dormia, eu via televisão. Quando acordava, aparecia um sol lindo e assim apareciam uns homens que montavam a casa, porque ela estava em obra. E no dia que meus pais foram me buscar, depois dos quinze dias de férias, fiquei um dia com meu pai e minha mãe em Búzios. E depois desse dia, tomamos o café da manhã em Búzios e depois fomos embora. O vovô e a vovó ficaram lá, mas eles não moram lá. Eles estavam viajando, por causa de trabalho da obra Eu gosto muito de ir pra Búzios porque é legal, tem um espaço grande pra cachorro correr e para nós passearmos. Eu fiquei feliz porque foi uma viagem muito legal, emocionante e eu me diverti.

A CÓPIA DE PORTUGAL Sofia Bravim Bergmann Meu nome é Sofia, eu tenho 8 anos, moro com a minha mãe, meu irmão e meu pai. Eu moro no Leblon. Num certo dia eu e minha família fomos com o grupo da catequese na igreja que é a cópia de uma igreja de Portugal. Foi em junho de 2019. Quando chegamos lá, eu fui numa loja. Eu comprei um caderninho, meu irmão comprou um terço e minha mãe comprou uma cruz com Jesus pregado, para colocar na porta. Então o padre falou com minha família. Eu e meus amigos rezamos o terço. 238


Depois, fizemos um piquenique. Cada um levou um pouco de comidinha como biscoito waffer, passatempo, bolinhos, cachorro quente, refrigerante, sucos e água. Tiveram várias pessoas dançando . Eu e minha família ficamos mais tempo que todo mundo porque a gente viu o pôr do sol. Foi legal. Teve até uma mini festa junina. Tinha jogo de argola, boca do palhaço, pescaria e algumas comidinhas. Depois fomos embora. Nós ficamos muito alegres. Foi muito legal porque eu rezei o terço pela primeira vez.

A TRILHA Tadeu Franco dos Santos Eu sou o Tadeu, tenho 9 anos, moro com a minha mãe, o meu pai e a minha irmã, em Ipanema. Num certo dia de manhã, eu, meu pai, minha irmã e minha mãe fomos numa trilha em Copacabana. Estava um dia de sol no Rio de Janeiro, no final de semana. A gente foi de bicicleta para a orla. Quando entramos, tinha uns quadros da evolução de Copacabana, de 1930 até 2015. Entramos na verdadeira entrada para a trilha. O chão era de pedra. Tinha mata nos dois lados, menos no meio. Quando começamos a subir, já tinham aparecido dois micos e eu sabia que iriam aparecer, porque meu pai já tinha ido comigo. Quando chegamos no topo da trilha tinha canhões e tinha uma bandeira do Brasil gigante. Foi demais! Fiquei muito cansado porque a trilha era enorme, principalmente na subida. Eu fiquei muito feliz com a trilha porque foi um passeio muito legal com a minha família.

239


240


a7DE


242


TANTOS MEDOS! Rosana Maria de Andrade Bandeira de Mello, professora do 4º ano A Ao iniciar a escolha por uma emoção que norteasse os textos para a Jornadinha Literária, os estudantes expressaram que gostariam de escrever contos de assombramentos. Desta forma, concluiu-se que o medo apareceria em todas as produções. Alguns encaminharam suas criações passeando por outras emoções, como amor ou alegria, contudo antes de um desfecho “feliz”, ou surpreendente, uma pontinha de suspense, adrenalina ou fatos sobrenaturais apareceriam nas narrativas. No decorrer do processo criativo, os conflitos da estrutura textual, às vezes, se misturavam com anseios de cada um por fazer o seu melhor, narrar o conto mais impactante ou o que apresentasse situações ficcionais das mais variadas. A leitura feita por um colega, que opinou e fez sugestões, permitiu o enriquecimento dos textos, além da percepção do leitor, demonstrando a emoção transmitida pelas linhas escritas. Trabalhar com as emoções foi um trabalho desafiador e ao mesmo tempo gratificante, pois ao desenvolverem suas narrativas, a cada retomada, novas nuances iam surgindo, tornando os textos mais ricos e interessantes. Apropriar-se da arte de levar ao leitor aquilo que os pensamentos construíam, por meio da escrita, sempre é uma tarefa que, dentro da turma do 4º ano A, traz animação e envolvimento; gostam de escrever, pois têm muitas histórias que, por vezes, não cabem no papel; são intensos em suas “contações de casos”, expressando intimidade com a oralidade criativa. Queridos estudantes, sinto-me bastante orgulhosa de vocês, cada um do seu jeitinho. Concluir esse documento é uma tarefa de responsabilidade, que fizemos com leveza e compromisso. Para mim, é um presente ver o crescimento de todos. Muito obrigada e um beijinho no coração de cada um!

243


A CASA MALUCA Alino Gasperini Numa ilha, onde há uma casa habitada por monstros assustadores, malucos, grandes e fortes, tem um rei, que também é um monstro assustador, o maior do mundo. Um dia, três meninos chegaram até aquela casa e descobriram que os monstros são mais de um milhão. Jack, o menino mais velho, disse: — Temos que pegá-los. Matteo, o do meio, falou: — Não vamos pegá-los sozinhos, temos que chamar a polícia. Jack reconsidera: — A polícia não vai acredita que achamos uma casa de monstros assustadores e malucos. — É verdade... — concorda Matteo. Gio, o mais inteligente, disse: — Eu posso construir um carro com o poder de transformar os monstros em pessoas normais. — Quanto tempo vai demorar para construir, Gio? — pergunta Jack. — Nem um segundo, já tenho ele pronto! Matteo comemora: — Que bom! Vamos lá! Quando entraram na casa, os monstros os avistaram. Os três pararam de tanto medo e pensaram em sair pela porta, mas uma aranha-gigante fechou todas as portas e janelas. Gio consegue pegar o carro e transformar um monstro em pessoa. Porém, quando o monstro toma a forma humana, os outros humanos o levam até o rei dos monstros, que olhou para aquele humano e disse: — Levem-no para a cozinha. —Não, para a cozinha, não! Por favor! — gritava o humano. — Está bom! Você não vai para a cozinha, mas será comido agora! — disse o rei. Assim, foi devorado pelos monstros.

244


Os três meninos nem olhavam aquilo e tentavam sair daquele lugar. Quando Gio pegou o carro e colocou a mão na porta, ela transformou-se em um cachorro. Os meninos correram o máximo que podiam, escapando naquele momento de tudo aquilo. Mas espere! A história não acaba por aqui... Depois eu conto o resto!

O ACAMPAMENTO MAL-ASSOMBRADO Ana Clara Silvares Morais Furtado Ferreira Em uma tarde de verão, uma família com três pessoas foi passar a noite em um acampamento. Era um casal com uma filha que se chamava Ana, que tinha doze anos e adorava ler. O pai era o Rodrigo, tinha cabelos pretos e olhos verdes, era muito esperto. Já a mãe, era a Luísa, tinha cabelos longos e ruivos, assim como a filha. No caminho para o acampamento, estava todo mundo feliz, cantando e se divertindo, achando que ia ser uma tarde superdivertida. Mas, quando Ana , Rodrigo e Luísa chegaram, viram tudo destruído e horrível. Porém, Ana sempre pensa pelo lado bom. Tentou dar uma ajeitada aqui, outra ali, para ver se melhorava. Estava tudo quebrado, árvores cortadas, fogueira apagada, luzes piscando. Até que, do meio do nada, atrás do arbusto, pulou um homem, mas ele era legal e se apresentou para a família e a família para o homem. Seu nome era Pedro Henrique. Pedro mostrou o acampamento para a família e perguntou se eles queriam saber porquê o acampamento estava daquele jeito. Eles disseram que sim. Então, Pedro falou que explicaria depois, à noite. Horas depois, a família se reuniu na fogueira. Pedro chegou atrasado, mas chegou. Ana gritou: — Começa logo! Pedro, então, começou.

245


—Há muitos anos, nesse mesmo lugar já existia esse acampamento. Mas, diz a lenda, que aqui existia um monstro com o nome de “Porcoburso”. Era um porco misturado com porco. Ele tinha nariz e orelhas de porco, dentes e garras de urso. Fazia um som muito estranho... Dizem que ele sequestrava crianças. Por isso esse lugar ficou assim, sem ninguém. No total, sequestrou cem crianças. E o pior: não se sabe o que fazia com as crianças. Depois de ouvir a história, fora dormir, mas começaram a escutar uns sons. Ana Beatriz, sempre curiosa, foi ver o que era. Viu um homem estranho, botando uma máscara. Uma máscara de “Porcoburso”. Depois de tantos anos, afinal o “Porcoburso” era uma pessoa fantasiada. Ana foi até a pessoa e perguntou-lhe por que ela fazia isso e onde deixava as crianças. O homem logo respondeu: — Eu faço isso para ter companhia. Eu vivo sozinho! E sobre as crianças, as levo para um lugar maravilhoso e elas têm tudo o que querem. Ana, então, dá a sua opinião: — Você não precisa sequestrar crianças. É só fazer novos amigos. Afinal, as mães das crianças ficam preocupadas. O moço, então, responde: — Eu não sabia que isso acontecia. Por favor, desculpe-me. Ana diz: — É claro que eu posso te desculpar!! Assim, a partir daquele dia, o moço misterioso nunca mais sequestrou crianças e o acampamento voltou a ser bonito e nada assombrado.

246


A EQUIPE DO EMÓVERE Angelina Dambroysk Muniz Hoje, eu vou contar para vocês Uma história em português, Como o medo surgiu E as emoções descobriu. Em um lugar muito distante, Com crocodilos e rinocerontes, Em uma humilde casa, Ali estava, O pequeno bebê Roleue. Quando Roleue nasceu Sua mãe, Cristoy, morreu Pois tinha uma doença, Muito grave. Roleue, quando estava saindo, Engatinhando, do hospital, Com lágrimas escorrendo em seu rosto, Ouviu de sua mãe: — Roleue, meu lindo filho, Agora preciso partir! Mas lembre-se do que precisa descobrir, Se quer que seus sonhos se realizem, Basta encontrar sua bondade, Isso vai alertar seu conhecimento, Irá só ajudar. O pai de Roleue pegou-o no colo E levou-o até o carro. Colocou-lhe o cinto de segurança E foram para casa. Seu pai, chamado Jeferson, 247


Chorava sem parar, Pela esposa que tinha morrido. Anos depois, Roleue com 18 anos, Seu pai lhe contou Que com essa idade, Sentiria uma nova emoção: O medo... Roleue, sem entender a história, Perguntou: — Pai, mas, se eu tiver medo, Não terei outra emoção? Seu pai suspirou e respondeu: — Não, filho, você tem o sentimento do amor, que tudo supera! À noite, Roleue pegou sua mochila, Colocou algumas coisas dentro E decidiu fugir de casa. Quando amanheceu, Roleue acordou Em uma nova casa. Nela fez amigos, Que também tinham emoções. Dias depois, Roloeue e seus amigos Encontraram o Sr. Jeferson. Juntaram-se e fizeram uma equipe: A equipe Emóvere. Nela, todas as emoções são recebidas Sem medo e com inteligência.

248


O MEDO DE CANTAR Erik Guedes Laus Brodbeck Em um dia, um menino de rua chamado Clayton estava fazendo apresentações para ganhar um pouco de dinheiro. O menino saiu para comprar comida, e , quando estava andando, viu um cartaz e foi ver o que era. O cartaz anunciava um concurso de música. Ele pegou aquele papel e botou-o no bolso. Voltou para sua barraca, cansado, e foi dormir um pouco. Acordou pensando no concurso e já começou a treinar. Mas ele morria de medo de palco. Ficou muito nervoso, mas se ele ganhasse o concurso, poderia sair da rua e morar em uma casa. Ele só tinha três dias para treinar. Pegou seu pouco dinheiro e fez dois dias de aulas de canto. No terceiro dia, pegou sua melhor roupa, vestiu-se e foi correndo apresentar-se. Quase não conseguiu, mas fez sua inscrição e esperou por sua vez. Ao ser chamado, entrou no palco e começou a cantar. Achou que ia desmaiar, porém, respirou fundo e cantou muito bem. Os jurados adoraram! Clayton conseguiu passar para a última fase, disputando com pessoas muito melhores. Então, foi o primeiro a apresentar-se, vencendo o seu medo. Deu o seu melhor, mas não tinha certeza se conseguiria vencer. No final, a vitória chegou! Clayton saiu da rua, como sonho, mas continuava triste, porque via muitas pessoas sem casa. Então, o menino teve a ideia de montar um lar para moradores de rua. Chamou vários mendigos, deu comida, ofereceu banho e roupas, além de remédios para algumas doenças. Entre os mendigos, tinha uma família, com um bebê muito doente. Clayton levou-o a um hospital, onde foi tratado e curado, voltando para o lar.

249


O VÍDEO-GAME ASSOMBRADO Evie Porfirio Lama Tom estava muito feliz! Finalmente, ele conseguiu cem reais para comprar o seu XBOX Experience VII. Ele foi à loja de celulares e viu o seu precioso XBOX, e foi falar com o atendente: — Oi –oi-eh... — ele disse olhando para o crachá do homem — Roberto Guimarães, eu queria jogar esse X-BOX Experience VII. Custa cem reais, né? —Oh! É cem reais mesmo! — ele disse, tirando o foco do celular. — Cenzinho! — Olha, eu tenho cem reais aqui — disse pegando quatro notas de 20, onze moedas de 1 real, uma nota de 5 e mais duas de 2. Roberto examinou e a conta estava certa: CEM REAIS!! Pegou o dinheiro e deu a caixa do XBOX para Tom que deu pulos de alegria. Tom entrou correndo em casa e ligou a TV. Abriu o XBOX, conectou tudo como via nos vídeos do Youtube. A tela apareceu com várias opções de experiências. — Acho que vou querer... Prisão medieval Experience! Assim que ele clicou em OK, a tela ficou preta e a TV o sugou! Quando percebeu, estava em pixels e com uma armadura de cavaleiro. Ele viu quatro crianças e disse: — Quem são vocês? — Corvor, o príncipe dos sete reinos. – falou o menino loiro. — Guira, o gigante-criança!- exclamou o menino de mechas verdes. — Lorelai, a feiticeira. Também sou princesa. – respondeu uma garota negra. — Hanniah, a arqueira. — Você foi enganado e terá que nos ajudar a derrotar o dragão, para que nós cinco possamos sair daqui - disseram em coro. — Qual é o seu nome? – perguntou Lorelai animada. — Eu sou...o cavaleiro Tom.. —Vamos? – perguntou Corvor. — Vamos!- disseram todos juntos e Tom um pouco depois. Depois de passarem pela Floresta Negra, pelo Bosque das Fadas (que são mais malvadas do que parecem) e um “pitstop” no Bar do Barilon, eles finalmente chegaram à Caverna do Dragão e foram batalhar. 250


Trinta horas depois, eles conseguiram! E voltaram para suas casas. Tom voltou para casa e desligou a TV. Tom nuca mais jogou no XBOX e sempre se lembrava da aventura!

FAMÍLIA MEDROSA Fabio Rodrigues de Britto Edde Era uma vez um menino chamado Felipe. Ele tinha muito medo de andar de avião. O pai, chamado Ricardo, e a mãe, Fernanda, sempre o apoiavam. Ele foi crescendo e superando o medo. Quando ficou adulto, casou-se com uma moça chamada Luiza. Tiveram dois filhos, Rodrigo e Daniel. Eles eram gêmeos. Na primeira viagem que fizeram, tiveram muito medo, assim como o pai. Eles eram muito felizes e amigos. Mas, um dia, os pais brigaram e duas semanas depois se separaram. Daniel ficou com a mãe e Rodrigo com o pai. Ficaram muito triste. O pai e a mãe namoravam com outras pessoas e viajavam muito. Assim, os filhos perderam o medo de avião, mas começaram a ter medo de escola. Na escola, eram chamados de “os irmãos medrosos”. Dois anos depois, os pais arrumaram empregos em que tinham que viajar por quase todo o Brasil. Como não tinham ninguém para ficar com os filhos, eles iam também, mesmo que ainda com medo. Para piorar, antes de viajarem, ligaram a televisão e viram que um avião havia caído. O medo voltou a crescer! Na quinta viagem, o medo de Rodrigo foi tão grande, que ele não aguentou e morreu. Todos choraram muito. Os pais largaram seus empregos e nunca mais viajaram. Um dia, Daniel ficou sozinho em casa e começou a ouvir barulhos. Vinham de todos os lugares. De repente, saiu um homem da varanda e sequestrou Daniel. Os pais pediram ajuda à polícia, que procurou, procurou e procurou por Daniel. Depois, veio a triste notícia: Daniel foi encontrado morto.

251


Os pais sem os dois filhos, ficaram muito tristes. E como aquela família parecia estar marcada, após dois anos, os pais sofreram um acidente de carro e morreram também.

MEU MEDO Felipe Ribeiro Franco Era uma vez, há algum tempo, um menino chamado Luís. Ele era muito medroso. No caso, esse menino sou eu. Um dia, fui para uma escola nova. Eu era um aluno novo e fiquei com medo de as pessoas olharem para mim e rirem. Pensei que nenhuma pessoa da minha turma iria querer sentar do meu lado. Fiquei sentado sozinho. A professora disse para eu sentar com o menino mais comportado da sala e eu não quis. Tudo por medo. Quando saí da escola, fiquei mais calmo. Agora, mais um problema... Fiquei com medo ao ver um ladrão na rua. Corri e me acalmei ao chegar em casa. Quando foi na hora de dormir, o problema era o escuro. Achava que um monstro estava debaixo da minha cama. Minha mãe contou uma história e me tranquilizei. Ao acordar, fiquei feliz. Era feriado! Não precisaria sair para a escola. Pedi à minha mãe para deixar a porta com cadeado, trancado, além de colocar outra tranca, por segurança. Minha mãe colocou o cadeado, mas não aceitou colocar outra tranca. Para a minha sorte, amanhã é final de semana e podia me acalmar, sem o medo da escola e de ser aluno novo. Mas, na hora do almoço tínhamos que sair para comer fora, em um restaurante com minha comida preferida: churrasco. Lá vou eu para a rua com meu medo. Pelo caminho, minha mãe me ensinou coisas que seu tio havia lhe ensinado. Ela me disse que a mente é igual a um ímã, o que pensamos vai atrás de nós. Falou, ainda, de uma coisa chamada redoma, que ela pode ajudar a superar medos. Pensei em tudo que ela me disse, mas o medo continuava. Então, minha mãe me levou a um psicólogo. Ele, para minha sorte, era o meu dindo Handerson. 252


Fiquei muito feliz! Ele conseguiu me fazer superar os meus medos e levar uma vida mais calma e melhor.

UM IRMÃO ESQUISITO Francisco Domingues Mantellatonos Era uma vez, há muito tempo, um menino chamado Pedro que fazia muita bagunça na cidade. Ele vivia com sua mãe, chamada Catarina. Todas as pessoas reclamavam de Pedro, menos o seu amigo João. Um dia, a mãe de Pedro perdeu a paciência e foi morar no campo. No começo foi triste para Pedro ficar longe de João, mas foi se acostumando. Em um dia de chuva, no jantar, a campainha tocou e era um bebê... sozinho! Olhando para os lados, Catarina não viu ninguém e decidiu colocá-lo dentro de casa. Vários dias se passaram e ninguém apareceu procurando pelo bebê. O tempo passou e o menino foi crescendo. Não sabia muito das coisas, até o dia que sumiu. Pedro decidiu partir para procurara seu “irmão adotado”. Partiu com a esperança de encontrá-lo No caminho, caminhando pela densa floresta, Pedro estava cansado e com sono, pois já havia anoitecido. Não tinha forças para segurar suas flechas e seu arco, quando viu uma coisa: dois olhos brilhantes, garras afiadas e espinhos nas costas. Deu um rugido enorme. Pedro corria e os rugidos continuavam. Para azar de Pedro, começou a chover uma chuva muito forte, fortíssima, mas um raio caiu e assustou a fera, afastando-a. No caminho, Pedro achou uma cabana abandonada, cheia de teias de aranha. Pedro entrou e, para sua surpresa, viu a criatura dormindo lá dentro. Devagar, subiu as escadas e ficou arrasado quando viu as roupas de seu “irmão” espalhadas pelo chão. Saiu correndo feito uma flecha, voltando para casa. Ao chegar, Catarina disse que ia deixá-lo em casa com um cão de guarda. À noite, Pedro levantou-se para ir ao banheiro e viu manchas vermelhas no espelho, onde estava escrito: “a realidade é uma ilusão”. Nisso, deparou-se com a 253


criatura, a mesma de antes, que partiu a persegui-lo. Pedro tentava fugir e ia derrubando os móveis, tropeçando, até que a criatura o alcançou e o abraçou, virando seu “irmão”. Quando Catarina voltou, nem acreditou naquilo tudo. Ficaram muito felizes e voltaram a morar na cidade.

PRESO NA ESCOLA Giuseppe Motta David Ghetti Era uma vez um menino chamado Gabriel. No primeiro dia de aula, ele ficou meio tímido quando chegou. Era constrangedor. Na hora de ir para casa, a professora trancou Gabriel dentro da sala, e a escola fechou logo depois. Ele tentou arrombar a porta... POFT, POFT, POFT!!! — Consegui! O menino conseguiu, mas ele ainda estava com muito medo. Ficou zanzando pela escola e encontrou muitas armadilhas para quem tentasse entrar na escola. Ele começou a ficar com medo novamente, pois alguém entrou na escola e desarmou as armadilhas. Ele acendeu as luzes e era a diretora. Gabriel foi falar com ela: — Diretora, quando terminou, a professora se esqueceu de mim... — Bom, agora não precisa mais ter medo! — Tudo bem! — Venha ao meu escritório – disse a diretora. Então, eles foram e lá ficaram a noite toda. No dia seguinte, Gabriel ficou na sala esperando todos chegarem, na sala. Quando a professora chegou na sala, encontrou Gabriel sentado na cadeira. Então, ela perguntou: — O que você está fazendo aí, Gabriel? — Professora, ontem, quando acabou a aula, você me esqueceu e me trancou dentro da sala. — Desculpe-me, Gabriel! — Tudo bem! 254


Sua mãe chegou e viu Gabriel lá. Ela chorou de alegria por ter encontrado seu filho. — Filho, como você está? — Ah, mãe! Estou ótimo. Então, Gabriel e sua mãe foram para casa, Gabriel contou tudo para ela e aprendeu que não precisava ter medo de ir à escola, porque lá tinha amigos. E as aulas foram seguindo!

O LENHADOR E A VOZ SINISTRA Gustavo Soares Nascimento Era um dia lindo! Pássaros cantando, flores desabrochando... Em um dia como esse, o lenhador estava perdido em uma floresta e encontrou uma casa desabitada, que resolveu visitar. Depois de três dias na casa, ele começou a ouvir uma voz assustadora: — Você está onde eu queria, agora, vou te devorar! O lenhador ficou com medo e esperou pelo o que poderia lhe acontecer. Mas, nada... Não ouviu mais aquela voz. Sete meses depois, ele ouviu de novo, mas mais alto: — Você está onde eu queria, agora, vou te devorar! Passaram sete anos e novamente ouviu, mas mais alto ainda. O medo só crescia. Porém, mesmo assim, seguiu a voz para encontrar o sujeito dono da voz. Saiu da cabana, foi para o telhado e começou a procurar. A voz vinha do norte. Então, ele ouviu o seu elefante de estimação, o Groch, morrendo, viu o seu sangue... O lenhador ganhou coragem para matar o monstro dono da voz assustadora. Continuou seguindo o som e chegou à outra cabana em Labscot. — Você está me seguindo? — disse o monstro. — Você não tem a menorzinha chance de poder me impedir de matar a floresta. O lenhador disse seu nome. E o monstro também disse o seu nome ironicamente: — Chamo-me fantasminha do terror e estou aqui para te devorar. 255


O lenhador foi devorado e nunca mais se teve notícias do “fantasminha do terror”, pois ele já estava satisfeito e foi hibernar.

O AMOR PROIBIDO Karen Ferreira Ahlert Era uma vez, uma menina linda chamada Sophia. Ela era uma princesa e gostava do Talo, que era um jovem camponês. Ele era muito pobre e também gostava de Sophia, mas o pai dela não deixava ela se apaixonar por ninguém. Todos os dias, eles se encontravam às 2 horas e 30 minutos da manhã em um parque abandonado, que falavam que era mal assombrado e que tinha um monstro. Num belo dia, eles estavam indo para um trem quebrado, Talo viu uma coisa, olhou para os dois lados e disse: — Sophia, você viu algo? Parece um monstro! — Seu bobo! Eu não vi nada! Estavam indo e, mais à frente, de repente, o carrinho parou. Eles estavam com medo, mas uma voz sussurrando dizia: — Minha filha, cadê você...? Eles começaram a correr, mas era o seu pai. Ele a pegou e trancou-a no quarto mais alto da torre. Ela chorou muito, mas ela se lembrou do parque e Talo estava lá. Ela gritou: — Socorro, Talo!!! Me ajude... Talo chegou correndo e tentaram fugir, mas o rei mandou guardas até o fim do mundo atrás da princesa, porém nunca a acharam. Depois de sete anos, eles se casaram, fizeram quatro casas, em todos os reinos, e tiveram 50 filhos. Assim, todos viveram felizes para sempre.

256


A CASA MAL-ASSOMBRADA Laís Reis Credie Towrkowska Passos Era uma noite de HALLOWEN e dois garotos supercorajosos estavam andando pelas ruas do Rio de Janeiro. Um estava fantasiado de BATMAN, ele se chamava Haroldo, e o outo estava fantasiado de Carneiro, era o mais engraçado da turma, o Luiz. Eles estavam pedindo doces e, de repente, encontraram uma casa que nunca ninguém viu. No quintal, tinha dois grandes cachorros, com dentes superafiados. Quando Haroldo teve coragem de bater na porta, a casa se mexeu e engoliu o pobre menino. Luiz não queria ficar lá sozinho, então bateu na porta e também foi engolido pela casa. O tapete da casa era vermelho, era a língua, as duas janelas eram os olhos e a porta era a boca. Quando os dois meninos estavam dentro da casa, perceberam que tinha uma gosma verde florescente e com certeza era a baba. Os dois entraram em uma porta, que era do corredor e lá tinha um “zilhão” de escadas. Quando terminaram de descer, encontraram mais baba, e todas as coisa que a casa tinha engolido. Lá no final do quarto, tinha uma grande jaula e dentro uma mulher, morta. Ela estava presa com um cadeado. Os meninos subiram aqueles um ”zilhão” de escadas novamente, para encontrar a chave e conseguir abrir o cadeado, mas, sem querer, fizeram cosquinha na língua- tapete e a casa espirou. Os meninos caíram no quintal onde estavam dois cachorros. Um dos cachorros começou, a morder a perna do Haroldo. Luiz foi bem sortudo, pois o outro só lambia a perna dele, que caiu na gargalhada. — Acabou de dar meia- noite! — disse Luiz. A casa começou a se mexer, criando pernas e braços. A casa começou a andar sozinha! Haroldo e Luiz ficaram supernervosos. Pararam para pensar, e descobriram que talvez podia ser aquela mulher morta que controlava a casa. Depois de procurar muito, perceberam que poderia estar em algum lugar perto da casa. Encontraram a chave em um arbusto perto da casa. Quando a casa parou para descansar, os meninos subiram, novamente, aquele um “zilhão” de escadas e abriram aquela jaula. 257


A mulher que estava lá disse que não se lembrava de nada e foi para o hospital. A casa que estava lá, virou uma mansão. Haroldo e Luiz voltaram para a casa com 10.000.000 reais, ficaram ricos e se mudaram para os Estados Unidos. — O que você acha que aconteceu à mulher, depois que voltou do hospital? — O que você acha que aconteceu com a mansão? — O que você acha que ela fez? Essas perguntas, até hoje, estão sem respostas.

QUATRO AMIGOS E UMA CASA DE HORRORES Luna Rognoni Vieira Em um dia de sol, quatro crianças estavam brincando no parque. Seus nomes eram: Luiza,Carlos,Mia e Antônio. Naquele mesmo dia, Antônio tinha feito um desafio para Mia. —Mia, eu duvido que no halloween você vai à casa do nosso vizinho e diga: “Gostosuras ou Travessuras?” Mia respondeu: — Mas l-lá é a casa mais assustadora d-do bairro! Não quero ir! Antônio exclamou: —Tudo bem! Sou mais corajoso que você mesmo... Irritada, Mia gritou: — O quê?!?! Se você quer assim eu aceito! Depois disso, Mia ficou com calafrios o dia I-N-T-E-I-R-O! Não parava de pensar no desafio que Antônio tinha feito para ela. Mas aí...chegou o dia... e Mia começou a pensar... — Ai, meu Deus! Estou com muito medo, não sei se q-quero i-ir! Naquela mesma hora, Luíza e Carlos entraram no quarto de Mia, e, bem preocupados, Luiza começou a falar com ela. — Amiga, não se preocupe! Estamos com você! Eu aposto que ele nunca iria naquele lugar horripilante... Teve uma hora em que Mia começa a se acalmar... e respondeu: — É verdade! Agora, estou bem mais calma... e com mais coragem para ir lá!

258


E Mia não teve coragem só por causa de Luiza, ficou corajosa porque o Halloween era um dia de festa, com várias fantasias de arrepiar, pedir doces de porta em porta e muito mais! Então, Mia desceu com uma fantasia de vampira e disse a Antônio: — Estou pronta, e você vai ver que não é o único corajoso aqui! E respondeu-lhe Antônio: — OK! Vamos lá, mas eu irei ficar te espionando atrás de uma árvore. Assim, Mia começou a andar até a casa. Tremendo de medo disse gaguejando: — Gostosuras o-ou t-travessuras?!

A CASA MAL- ASSOMBRADA Maria Clara Soares Fontoura Era uma vez uma menina chamada Mariana Veltri. Ela era uma menina muito esperta e corajosa. Seu amigo Renan também era, mas tinha medo de escuro. Elas tinham um mascote, um cachorrinho que se chamava Bolinha. Ele era bem gordinho, por isso seu nome era Bolinha. Um dia, elas estavam brincando, até que Bolinha começou a latir muito. Mariana perguntou para Renan: — O que houve com o Bolinha? Renan respondeu: — Não sei! Mariana, decidida, exclamou: — Vamos descobrir! Renan concordou: — Vamos! Então eles foram em busca do que era e Renan começou a ficar com medo, pois viu algo estranho, parecia ser um bicho. Começou a passar mal e desmaiou. Mariana já estava lá na frente e, quando percebeu, voltou para fica com amigo. Ele aos poucos foi acordando. Renan não sabia o que era aquele bicho, era metade leão, metade onça ou jaguar. Renan perguntava: — Cadê o monstro? Onde ele está? Para onde ele foi? 259


Mas o monstro já tinha ido embora. O tempo passou e numa noite, Renan e Mariana ouviam um barulho estranho. Foram ver o que era. O barulho vinha da casa do lado, que diziam ser malassombrada. Era meia-noite, e os dois resolveram ir até a casa. Quando entraram, a porta se fechou lentamente. Novamente, Renan sentiu medo, mas Mariana, não. Continuaram andando e ouviram um novo barulho, extremamente, assustador. Renan suando frio e Mariana nem aí! Encontraram uma escada enorme e começaram a subi-la. Lá em cima, viram uma menina que disse que seu nome era Karen. Os dois começaram a correr, mas Karen começou a correr atrás deles. Foram alcançados. Karen só queria conversar. Assim, tornaram-se amigos e ficaram felizes para sempre, mas até hoje não sabem o que assustou Bolinha e não descobriram nada sobre o barulho da velha casa assombrada.

A MENINA LUIZA E SEUS AMIGOS Maria Eduarda Uchoa Lauria Era uma vez uma menina chamada Luiza. Ela tinha 7 anos e tinha muitos amigos: a Giovana, o Gabriel, a Laura e o Pedro. Eles eram amigos muito legais. Luiza morava em uma casa e todos os finais de semana os seus amigos iam pra lá. Luiza também tinha sua mãe, Flávia, seu pai, Joaquim, e seu irmão, Enrique, de 9 anos. Um dia, Luiza e seus amigos foram com a mãe de Luiza, a Flávia, ao cemitério. Eles foram lá porque foi ali que o avô da Luiza, pai da Flávia ficou. Eles foram visitar o pai da Flávia. Flávia se emocionou tanto que achou melhor ir embora para casa. Quando eles estavam bem na saída, Luiza ouviu um grito de uma pessoa vindo lá do fundo do cemitério. Luiza e seus amigos ficaram assustados, e até Flávia ficou assustada. A Luiza falou: — Vamos sair daqui! O Gabriel falou: —Não! Vamos explorar! A Luiza disse: 260


— Tá! A Flávia ficou tremendo, e as crianças, só no sorriso, querendo saber o que era aquilo. Cada vez que eles chegavam mais perto, ia ficando mais escuro, e o barulho aumentando cada vez mais. Mas, quando eles chegaram lá no fundo do cemitério, não havia ninguém e estava muito escuro, estava noite. Fundo do cemitério, tinha um barzinho, que estava fechado, mas havia uma pessoa lá dentro. Essa pessoa não parecia uma pessoa normal parecia um fantasma. A Luíza falou: — Vamos embora! E a Flávia disse: — Sim! Vamos! E eles foram.

A CASA MAL-ASSOMBRADA Mariana Bandeira de Oliveira Fernanda, João, Larissa, Júlia e Fernando eram muito amigos. Saíam todos os dias para andar de bicicleta e costumavam passavam na frente de uma casa mal-assombrada. Sempre eles escutavam muitos barulhos estranhos, mas a coragem estava acabando. No dia seguinte, Fernanda, Larissa, João, Júlia e Fernando decidiram entrar na casa mal assombrada, com alguns objetos para se proteger. Quando entraram, a porta fechou... PÁ! Os cinco morreram de medo. Então, cada um se escondeu em um lugar. Fernanda abriu uma porta que levava ao porão, João se escondeu na cozinha cheia de sujeira, Larissa se escondeu na sala. Do nada, o telefone dela tocou. Era um número desconhecido, então ela desligou o celular. Júlia correu para o segundo andar, e Fernando tinha ido junto com a Júlia. Então, a Fernanda chamou todos: —GENTE, GENTE! Venham até a porta. Todos responderam: — OK! 261


Eles tentaram abrir a porta duas vezes, mas não conseguiram e começaram a ficar desesperados. Fernanda disse: — Ai, meu Deus! A gente nunca vai sair daqui. Ela começou a chorar. Subiu até o segundo andar como se fosse a sua casa. Enquanto subia, ouvia vozes, passos e via pessoas estranhas, como se os antigos donos daquela casa estivessem ali. Júlia e os outros conseguiram abrir a porta. Então chamou Fernanda. — Fernanda! — disse gritando — Vem! A gente conseguiu abrir a porta. Fernanda respondeu: — Saiam daqui e me deixem em paz! Júlia e os outros amigos estranharam, mas saíram daquela estranha casa e nunca mais entraram lá. Fernanda nunca mais foi vista.

O MEDO DE ESCURO DE MARINA Mariana Braz Jabur Era uma vez uma menina chamada Marina. Tinha 7 anos, era muito linda e corajosa. Mas, ela tinha medo de escuro, porque ela achava, à noite, bem na hora de dormir, que uma bruxa ia atacá-la e à irmã, Luiza, também. Luiza não tinha medo de nada, então todas as noites dormia com Marina. O medo de Marina aumentou muito depois de um mês e Luiza cansou de dormir no quarto de Marina. Tentou conversar com a irmã: — Marina, olha, não precisa ter medo de bruxas, elas não existem, e nem de escuro. Se você quiser, eu compro uma luzinha para você. Que tal? Marina respondeu: — Eu não estou confiante! Melhor não. Luiza saiu do quarto de Marina triste e solitária, pois não deixou a irmã feliz. Marina e Luiza foram passar uma semana fora de casa. Mas ao chegar à casa que ficariam acharam que a casa era mal-assombrada. Marina não queria nem descer do carro de tanto medo, e até desmaiou por um minuto, acordando desesperada. 262


Luiza teve uma ideia para Marina superar o medo de escuro: entrou antes na casa e colocou uma fantasia de Samara, segurando uma faca. Quando Marina abriu a porta e viu a Samara... BUMMM! Perfeito! Marina gritou: — Aaaaaaaa! Samara!!! Então, Marina lembrou-se do que Luiza falou, que não existe Samara, fantasma e nem bruxa. Luiza tirou a fantasia e também gritou: — Buuuu! KKKKKKK! Marina percebeu que tudo são histórias. Agradeceu à irmã e voltaram para casa felizes. Depois de um ano, Marina, já com 8 anos, é a garota mais corajosa do mundo. Um dia foi ao cemitério, à noite, e viu que foi tudo bem. Hoje é até mais corajosa do que Luiza.

A MULA-SEM-CABEÇA Mariana Marques Veltri Era uma vez, na Floresta do Perigo, estavam duas caçadoras chamadas Ana Clara e Mariana Veltri. Elas eram muito corajosas e valentes. Um dia, elas acharam, em uma pesquisa muito difícil, um animal que ninguém nunca tinha achado, em Cibruk, na Flórida. Então, as duas valentes e corajosas resolveram ir à floresta perigosa onde elas já estavam acostumadas a ir. Mas, para achar o quê? Um animal chamado mula-sem-cabeça, que era um bicho muito estranho. Precisariam de reforços e, então, chamaram mais duas garotas valentes: Mariana Bandeira e Evie. As duas não eram tão valentes, às vezes eram medrosas, mas faziam de tudo para ajudar as amigas. Assim, resolveram ir para lá. Quando chegaram, encontraram vários bichos fofos e tranquilos, mas na parte funda e escura da floresta moravam bichos muito estranhos. As meninas estavam com um pouco de medo, tinham que superá-lo e ver o que havia por lá. — Meninas, não vamos ficar com medo, vamos criar coragem e entrardisse Mariana Veltri. Então, Evie comentou: 263


— Tá-tá-tá tá bom, meninas. Vamos criar coragem e entrar. —Vamos! – falaram juntas. As meninas mesmo com medo, foram em frente, tentando achar o bicho, que diziam ser muito feio e malvado. Mas, elas tinham que achar. Era o único bicho que faltava para elas completarem a coleção. Se elas conseguirem, o pai delas, que já foram caçadores, irão ficar orgulhosos. Era o único presente que iria lhes deixar mais feliz do que eles já são. Saíram em busca e encontraram uma caverna, onde viviam diversos animais estranhos. Entraram na parte mais funda e encontraram a mula-semcabeça. Andaram para lá e para cá e, do nada, TAC! Pegaram o monstro e correram para mostrar aos pais, que começaram a chorar de orgulho e emoção. Muitos abraços e mais um missão cumprida pelas quatro amigas!

A MEDONHA CASA MAL-ASSOMBRADA! Marina Heineman de Castro Era uma vez uma menina chamada Júlia. Ela adorava assistir a filmes de terror e caçar fantasmas. Um dia, ela descobriu uma casa malassombrada, muito assustadora. Ela convidou alguns amigos, mas nenhum quis ir, pois estavam com medo, exceto Beatriz, sua melhor amiga. No dia seguinte, se prepararam para ir para lá. Chegando, Beatriz disse: — Você primeiro, Júlia! — Está com medo? — Claro que não! — Está bom, então! — disse Júlia desconfiada. Ao tentar abrir a porta, Júlia não conseguiu e falou: — Está emperrada! — Deixe-me tentar, Júlia! — ofereceu-se Beatriz. E BUMM! A porta caiu para frente, batendo no chão. As meninas levaram um susto! — Então?! 264


— Vamos entrar!— disse Júlia decidida. Quando entraram na casa, viram tudo feio e assustador. Elas subiram para o 2º andar, por uma escada também feia e assustadora. Mas o pior foi visto! Um caixão preto! Decidiram abri-lo. De dentro, saiu um morcego. Beatriz gritou: — Aahh! Um vampiro! Socoorrro! — É só um morcego! Fique calma! — disse Júlia. Rapidamente, o morcego transformou-se em um homem de capa preta, pele pálida e dentes afiados. Uma figura de dar medo! As duas saíram correndo para a porta, gritando de pavor! Assim, prometeram nunca mais voltar. O CASTELO DAS ESCOLHAS Mateus Cohen Guimarães Era uma vez quatro amigos: Pedro, João Marcus e Gustavo. João tinha 18 anos e era superbrincalhão, morava em um prédio. Pedro tinha 20 anos, era muito inteligente e morava em uma bela casa. Marcus tinha 25 anos, era muito forte e morava com seu pai. Gustavo tinha 18 anos e morava em um hotel. Eles decidiram ir a um castelo malassombrado e quando entraram nele, as portas se fecharam. Lá havia uma TV dizendo: — Olá, meus invasores! Agora, como punição, vocês irão quebrara a cabeça com meus desafios. E a TV continuou: — No girau há quatro portas. Em um certo momento uma porta levará à liberdade. Aí, do nada, ela apagou. Lá no castelo, havia quatro lampiões, um para cada amigo. Na primeira porta, havia uma cadeira elétrica. Porém, vale lembrar que não tinha eletricidade no castelo. Na segunda porta, encontrava-se lava de vulcão. A porta 3 escondia uma sala de gelos. Nela, o frio era tão grande que quem entrasse morria. A quarta porta era um metro quadrado de espinhos. 265


Então, foram na cadeira elétrica, todos, menos Marcos que se arriscou na quarta porta e morreu ensanguentado nos espinhos. Mas as portas não acabavam por aí. Em uma outra sala, viam-se mais três portas. A primeira avisava que nela estava um assassino de 1950. A porta 2 dava em um corredor onde ficava um atirador de flechas. Já as paredes do corredor da sala 3 soltam raios de laser. Gustavo abriu a porta 3 e morreu com as flechas do atirador. Pedro e João arriscaram a sorte na sala do assassino, que já estava velho e bem fraco. Conseguiram sair daquele assombrado castelo e procuraram pela polícia para fazer uma denúncia. Depois, voltaram para casa tristes pelos amigos que morreram, mas continuaram as suas vidas. Às vezes, passavam pelo cemitério para dar um “oi” aos amigos, que agora estavam no céu, e, por vencerem o medo, viram que essa aventura não valeu muito a pena.

266


O ASSASSINO DA MEIA-NOITE Pedro Arthur Ribeiro de Sousa Leão Prado Em 1997, um menino chamado Jonas desapareceu, sendo encontrado morto após 22 anos. Parecia ter sido um suicídio. Então, a família, com a ajuda do seu irmão, que era investigador e repórter, e de policiais, começaram a procurar por pistas. Descobriram que Jonas tinha feito uma casa e nela deixou uma carta que dizia: “Se eu morrer, sempre voltarei mais medonho, mais pavoroso e mais horrível! Quantas vezes me queimarem sempre vou voltar.” Quando acabaram de ler, foram direto para onde ele morava, em 1997. Lá, encontraram um boneco que era um coelho azul, que tinha o tamanho de uma criança de 7 anos de idade. Essa era idade de Jonas quando desapareceu. Então, levaram o boneco para a casa do irmão de Jonas, Call. Uma noite, Call ouviu alguém cantando: “Eu quero tanto é te matar, mal posso esperar, você chegar, mas você vai sentir muitas dores até morrer!” Call foi voando com uma arma de choque e com uma pistola 18 glock, mas não encontrou nada, só o boneco, lá parado na sala. Então, voltou a dormir. Foi acordado com um outro barulho: “cot.cot,cot”. Abriu os olhos e viu o boneco com uma tesoura, cortando o peito e tirando alguma coisa de dentro. Call olhou melhor e viu que era uma faca com o nome de Jonas escrito com sangue. Rápido, Call pegou sua arma, ao mesmo tempo que o boneco pegava a faca. Carregou a arma, enquanto o boneco falava, antes de atacar: – Você vai pagar pelos seus crimes. – arrasando a faca pelo chão do quarto. Call disse: – Que crime? E o boneco respondeu: – Não se lembra, irmão, quando você me matou na floresta? Foi, então, que Call atirou, mas o boneco atirou-lhe a faca na cabeça, atingindo Call e matando-o. O boneco estava com um sentimento bom, de vingança. Tirou a faca de Call e saiu por aí matando mais pessoas. Foram tantas, que passou a ser procurado. Mas será que tudo isso acabou? Não! Ele não vai parar de matar.

267


OLHA O MEDO! Pietro de Lourenzo Franco Olha o medo! Apenas de contar um segredo Até de fazer um texto... Para que tanto medo? Chegou o medo! Tem medo de ser observado Até de escrever um trecho de um texto. Para que tanto medo? Só precisa de um pouco de medo e basta! E por que você tem medo de fechar uma pasta? Não precisa ter tanto medo, Se não você acaba envergonhado. Tem medo de pisar em inseto, De subir no teto, E até de falar o seu emprego secreto. Para que tanto medo? Tem medo de pedir um desejo, Porque não tem mais dinheiro. Arrisque-se Em um pouco d’água, negreiro. Lá vem o medo De usar uma furadeira, Para não fazer sujeira. Para que tanto medo? Olha o medo De não falar a frase verdadeira. Sim, a falsa... Quanta tremedeira!

268


De vez em quando, Nem eu entendo o meu medo! O que era de papel, molhou-se... O que era de vidro, quebrou-se... Vitória! Vitória! Acabou-se a história E com ela o medo foi-se embora!

BUU!!! Rafaela Ramos Rassi Era uma vez... uma menina chamada Esther. Ela morava numa rua bem estranha. Em um belo domingo, viu uma vila muito pequenininha, com grades todas horríveis. Aquela vila pequena estava toda abandonada. Lá, tinha uma cadeira e um urso de pelúcia muito grande. Ela se assustou e uma moça de cabelo ruivo falou: – O que foi, pequenina?? E Esther respondeu: – Nada, senhora! Quando Esther voltou para casa, subiu as escadas da sala e foi para o quarto correndo... Esther viu tudo girar e quando acordou estava na cama de um hospital. Sua mãe estava do lado e tinha um médico com um crachá escrito: Doutor Renato. Ela ficou muito assustada e sua mãe disse: – Filha, vai ficar tudo bem, meu amor. Esther respondeu: – Ok! Sua mãe percebeu que aquele “ok” foi com uma voz muito nervosa e viu que Esther estava tremendo. Segurou a mão dela e Esther viu que o Doutor Renato estava anotando alguma coisa no computador, mas ela não podia ver, porque estava, ainda, na cama do hospital. Então, se passaram algumas horas, minutos e 269


segundos e elas saíram do hospital. Foram para casa e no caminho Esther ficou olhando para aquela vila suja e abandonada, ainda sem saber direito se aquilo era real ou sonho.

UMA CASA MAL-ASSOMBRADA Renan de Souza Bermudes Era uma vez uma casa que era toda quebrada. Todas as pessoas que passavam por lá olhavam. Até que um dia, três pessoas decidiram entrar pra ver o que tinha lá dentro. Acharam um corpo cheio de sangue e um boneco sem um olho e sem cabeça. Havia também algumas coisas verdes no boneco. O boneco chamou as três pessoas para brincar e começou a cantar: “lá, lá, lá, lá, lá”, mas as pessoas não foram. Saíram correndo. No outro dia de manhã, às 9h30, o boneco foi crescendo e ficou maior do que eles. Estavam com armas e fuzil. O boneco virou pessoa e depois voltou novamente para o corpo de boneco. Todos ficaram com medo, porque o boneco estava com armas mais fortes do que a deles. Aí, o boneco falou: – Eu vou matar vocês. Eles saíram correndo e o boneco correu atrás deles até a porta da casa. Voltaram no outro dia. Agora, eles perderam o medo. Entraram na casa, pegaram as armas. Mas o boneco virou humano novamente. Para a surpresa de todos, ele ficou conversando com as pessoas.

270


A LOUCURA DENTRO DO CEMITÉRIO Ryan Sá de Rose Na cidade, havia um senhor que se chamava José. Ninguém gostava dele, porque ele era mentiroso. Ele também não gostava de ninguém, só dos familiares, como seus netos e filhos que já estavam formados na faculdade. No dia do enterro de seu José, foram todos os seus familiares e também quem não gostava dele. De repente, saiu uma mão da terra. Todos começaram a gritar. Veio, então, logo depois, uma música, zumbis e um esqueleto dançante. Todos correram, não sobrou ninguém. No dia seguinte, os familiares contaram para todos, mas ninguém acreditava neles. Ficaram tristes por isso. Então, no final de semana, eles estavam na praia, dentro d’água, nadando e todo mundo saiu correndo. O guarda-vidas estava dando o alerta de tsunami. Assim, todos morreram, acabando com a família de seu José.

271


O CEMITÉRIO ASSOMBRADO Sophia de Oliveira Silva Há muitos e muitos e muitos tempos atrás, existia um menino chamado Lucas. Ele tinha 11 anos e era muito medroso. Teve um dia, que seus pais morreram. Como ele tinha muito medo, não conseguia se cuidar e foi morar com seus avós. Passaram dois anos e seus avós morreram. De repente, chegou uma notícia no correio e quando Lucas leu a carta: – Por quêêêê? – Lucas berrou. Na carta estava escrito de tia Mila para Lucas: “Oi, Lucas! Tenho uma notícia para te dar... Seus avós morreram na ida ao mercado.” Lucas, com tanto medo e tristeza, resolveu ir visitar seus avós e seus pais no cemitério. Chegando lá, com muito medo, ficou parado do lado do portão do cemitério pensando se entrava ou não entrava. – Pelos meus avós e meus pais. Por que minha mãe foi enterrada logo aqui?!!!! – Lucas reclamou, bravo. Tomou coragem e entrou, ele estava ouvindo sons estranhos como trovões, mas lá não estava chovendo, e nem trovejando. De repente, viu um homem muito feio saindo de um caixão. Já era noite. Aquele homem era todo cheio de sangue preto. Lucas deu um grito tão alto e pulo, também bem alto, porque o medo era grande. Desmaiou. Na verdade, não havia ninguém ali. Era o medo de Lucas que o fazia até ver coisa. Era uma ilusão. Uma moça que passava por ali, viu Lucas, pegou-o e ligou para a ambulância. No hospital, o médico disse que estava tudo bem. Luas contou sua história para a moça que resolveu adotá-lo. Então Lucas viveu mais e feliz.

272


TÓKIO GHOUL Tales do Amaral Mello de Freitas Na cidade de Tóquio, eu nasci Gakeri Arioki. Tenho 12 anos, estudo na Escola Sagrado Coração de Maria. Mayuko é a garota que eu gosto e, por incrível que pareça, ela lê os mesmos livros que eu lia. Hoje, eu vou sair com ela, às 13h, na Praça Hilton. Mas o pior aconteceu: ela tentou me devorar. Vi na televisão que o surto ghoul estava afetando pessoas, que passam a se alimentar de seres humanos. Corri, corri, corri e cheguei em uma construção com a estrutura enferrujada. De repente... BUUMMM! Mayuko morreu e eu fiquei muito ferido, sendo levado a um hospital. Na sala de cirurgia, implantaram um órgão dela em mim. Quando acordei, perguntei: – O que aconteceu comigo? O cirurgião me explicou: – Você foi encontrado quase morto em uma construção toda enferrujada. Se você estiver com fome, tem comida aqui. E saiu. A comida tinha um gosto horrível! Três semanas depois, finalmente, fui para casa. Perguntei à minha mãe: – Mãe, por que você não me visitou no hospital? – Eu estava trabalhando. – Por três semanas? Existe final de semana, sabia? Minha mãe mudou de assunto e me mandou tomar banho e dormir. “Por que ela não me visitou?”, eu pensava. No dia seguinte, fui ao mercado. Como eu gosto desse lugar... E escuto: – Oi, garoto! Vem comigo. Então, me vi preso. – O que aconteceu? Por que estou preso? – Bom, digamos que vamos nos divertir um pouco. Háháhá! Eu gritava: – Por que está fazendo isso? Meu joelho! – Isso! Grita! E lembre-se que só estamos nós aqui... Qual o seu nome? – Gakeri. 273


– Nome legal. Por que seu cabelo está todo branco? – Por que agora eu sou um ghoul. E parece que o jogo vai virar. Acabei com ele... Realmente, o jogo virou! E você que está aí, lendo a minha história, cuidado com a noite... Ela está chegando.

274


a7DE


276


Professora Patrícia Lancellotti 4º ano B O projeto Emóvere despertou nos estudantes, emoções, como: a preocupação com o outro, com familiares, amigos, ao falar de sentimento pensaram na tristeza de uma pessoa doente, a dor da perda de um ente querido, na aflição de quem passa fome e no temor de quem mora pelas ruas desertas e escuras da cidade. Os estudantes do 4ºB num momento de tempestade de sentimentos perceberam o quanto suas vidas eram maravilhosas, pois mesmo diante de algumas dificuldades podiam contar com o apoio carinhoso de seus familiares e amigos, pois através da família eram beneficiados de uma vida confortável, estudavam numa bela escola, suas casas são agradáveis, uma alimentação equilibrada e muita saúde. Os estudantes ficaram comovidos com as percepções daquele momento e em seguida concordaram uns com os outros que eram um grupo muito feliz e que deviam ser gratos por tanta felicidade. A partir deste dia por várias manhãs cantamos a “Felicidade” na voz do cantor e compositor Seu Jorge, é a forma feliz do 4ºB iniciar o dia. Através desta inspiração os estudantes nos presentearam com textos que trazem histórias de FELICIDADE.

277


O REINO DA FELICIDADE Arthur Bernacchi Ridzi Era uma vez um lugar feliz. O povo convivia bem. Nesse reino tinha o dragão da felicidade para combater as invasões. O reino da felicidade sempre ganhava, porque todo mundo naquele reino era feliz. Um dia outro reino foi atacar o reino da felicidade, estavam treinando quando o outro reino estava vindo atacar, quando o outro reino chegou, o rei soube porque o barulho estava muito alto, o rei mandou as tropas e ganhou a guerra. Comemoraram muito, celebraram e melhoraram a estrutura do reino da felicidade, mas tinha o último guerreiro que era o chefão e batalharam por trinta horas. O reino da felicidade ganhou. A partir de agora ninguém ataca mais o reino da felicidade.

A VOLTA FANTÁSTICA Giovanna Assad Gaspar Era uma vez, uma cidade onde viviam as emoções, nesse lugar existiam quatro amigos: Raiva, Medo, Alegria e Tristeza. Eram as emoções da cabeça de uma menina de nove anos que se chamava Bianca Amaralde, ela era bem alegre e tinha felicidade de sobra. Bianca morava em uma cidade chamada Tókio, as emoções dela, um dia, se perderam em algum lugar. Alegria e Tristeza estavam perdidas e os 278


outros estavam na cabeça de Bianca. Alegria e Tristeza começaram a andar e acharam o boneco favorito de Bianca que os ajudou a sair dali e a voltar para cabeça dela. Ele disse: - Venham por aqui, vou mostrar a saída! - OK! Vamos por onde? - Elas responderam. - Vamos passar pelo táxi emocionado, pela cidade do algodão doce e também pelo mundo das medalhas e troféus, e assim elas conseguiram encontrar o caminho de volta.

A MAIOR EMOÇÃO DO MUNDO Beatriz Riéra Ramos Lima Era uma vez, uma menina chamada Luz, ela era muito feliz e gostava muito de cantar, a música preferida dela era “Felicidade”, pois ela falava que aquela música tinha algo em comum com ela. Um dia a mãe dela falou: -Filha a gente vai ter que viajar, pois, só há tristeza aqui e não tem sua música preferida. A mãe dela era o melhor sentimento do mundo, sabe qual era? Felicidade! Era uma rainha em busca de felicidade, então elas tiveram várias ideias e uma quase deu certo, depois elas tiveram a melhor ideia do mundo, elas cantaram e dançaram a música, felicidade, foi tudo aos poucos algumas pessoas e depois outras, e depois tudo estava colorido e lindo!

279


SOMOS IGUAIS Valentina Severo Reis Gonçalves Veras Oi! Meu nome é Mary, e hoje eu vou compartilhar com vocês um assunto sério, o racismo, eu sofri muito por causa dele. A história é assim: Eu tinha acabado de mudar de escola, estava pensando em como me apresentar, ouvi risos, pensei que alguém tinha contado uma piada. Quando entrei na sala, alguém gritou: - Olha o carvão! Comecei a chorar, mas, quieta fui ao meu lugar. A aula começou normalmente até a hora do lanche, onde todos jogaram caixas vazias de suco e achocolatado, apenas peguei meu paninho, e me cobri para não ser mais incomodada. Nem desci para recreio por precaução de não me baterem, até que uma pessoa tipo eu só que um pouco mais clara disse: -Oi, que ajuda? Meu nome é Gabi! Ela parecia legal e preocupada comigo, então respondi: -Meu nome é Mary, e você me ajudaria muito se aceitasse ser minha amiga. Ficamos conversando por um bom tempo! Ela era realmente legal como também era dócil e amigável. Outro dia esbarramos com uma das pessoas que riu de mim, que surpreendemente disse claramente: -Desculpa por aquele dia. Tudo bem se não me desculpar, é que... Antes que terminasse de falar eu o desculpei, pois todos merecem uma segunda chance. Nos tornamos amigas para sempre.

280


FELICIDADE, É NOSSO TEMA. Felipe Duailibe Marques Baroni Muitas pessoas, não tem felicidade em si, então todos que têm felicidade ajudam aos que não têm. Era uma vez um garoto que se chamava Guilherme, ele era uma das pessoas que não tinham felicidade, quando ele ia para escola, no recreio, ficava parado no meio de todo mundo brincando, ele tinha um amigo o Jorginho, ele era diferente, ele tinha felicidade e todos os dias ele falava. – Vamos brincar? Jorginho ignorava, muito triste, chegou um dia que Jorginho fez uma piada e o Guilherme riu tanto que dominou a magia da felicidade. Passou um dia e ele ainda continuava com a felicidade, desse dia em diante começou a brincar com os amigos no pátio.

281


AS SEIS JOIAS DAS EMOÇÕES Felipe Diniz Gonçalves Amorim Há muitos anos, existiam seis joias ultra, mega, poderosas, elas eram as joias da felicidade, do medo, da calma, da tristeza, da raiva e do “emóvere”. - Nossa, que livro emocionante! - Que livro é esse? - disse seu irmão Adansasuke. - É um livro que desenterrei sem querer. – respondeu Anaruto - Se você desenterrou isso, vamos ler logo! – disse Adansasuke Eles foram lendo cada vez mais, e exatamente a sexta página sumiu, onde estavam a localização das joias. Perceberam que tinha uma página não lida, e ela dizia que para conseguir reunir seis pessoas em uma roda, cada pessoa tinha que viver de um jeito diferente, uma que vivia feliz, uma que vivia calma, uma triste, uma raivosa, uma que vivia com medo e uma que vivia equilibradamente. Eles correram pelo bairro e juntaram todas as pessoas que eles conheciam em uma roda, de repente caiu um asteroide que tinha a sexta página das localizações e uma máquina de viagem interdimensional. Eles pegaram tudo e levaram para casa, então viajaram até a dimensão “bob feliz 2000”, “gliese 8873 B”, pegaram a joia da felicidade e conseguiram completar a página do livro que estava faltando.

282


O GAROTO QUE FICOU FELIZ Gabriel Rezende Bussinger Antônio era um adolescente triste, ele era rico, mas não tinha amigos. A vida dele era chata. Um dia Antônio estava olhando pela janela da sua mansão e viu um senhor simples que era muito feliz, Antônio decidiu ir falar com ele. Quando Antônio desceu perguntou: - Você pode me ensinar como ser feliz? O senhor respondeu sorrindo: - Claro que sim! - Me siga! - Disse o senhor. O senhor os levou até o parque de diversões, e disse: - É aqui, onde você vai aprender a ser feliz. Eles foram em todos os brinquedos do parque, até as montanhas Russas o que foi muito legal, contudo Antônio adorou os brinquedos aquáticos. Quando chegaram à mansão de Antônio, ele agradeceu muito ao senhor por ter o feito feliz. E para o resto da vida eles ficaram amigos.

283


ARTHUR E FELIPE João Guilherme Avelino Render Leal Em uma cidade bem distante havia dois meninos, Arthur, que era sempre feliz e tinha também Felipe, que toda hora ficava triste. Eles eram inseparáveis. Todo dia eles conversavam no recreio, eles comiam juntos, eles jogavam juntos... E essa era a única coisa que fazia Felipe ficar feliz. Vários anos se passaram e uma coisa muito triste aconteceu: Arthur foi para a Espanha ficar por três anos! Felipe ficou extremamente triste, pois estava sozinho. Em um dia de tristeza ele encontrou outras pessoas tristes e falou: -Tente superar a tristeza de você. Sejam felizes! E todos ficaram felizes, incluindo o Felipe.

OS MENINOS FELIZES João Felipe Madalosso Robredo Um dia um menino chamado Pedro comprou uma bicicleta e ficou muito feliz, Pedro todo dia andava na sua bicicleta para ir ao seu colégio, lá ele jogava futebol e era muito bom, todo mundo torcia por ele. Um dia, Pedro foi para a escola e encontrou um garoto novo, ele era muito chato, irritante e bobo, e Pedro fez com que ele ficasse feliz, alegre e se livrasse daquele comportamento ruim. 284


Pedro e seu novo amigo passaram a ser muito felizes juntos e todos os dias iam juntos para a escola. Jogavam futebol depois da escola, eles iam para uma casa na árvore acima da casa de Pedro, lá eles brincavam de lego, peteca, pique-esconde e pique-pega. Eles são muito amigos, uma amizade que durará para sempre.

UM MENINO QUE ADORAVA FUTEBOL João Guilherme Valentim Gonzalez João sempre foi um menino muito feliz que adorava jogar futebol. Ele também gosta muito de fazer novas amizades. Após a mudança de turma João fez novos amigos e percebeu que seus novos amigos também gostavam de futebol. Ele também soube que esses seus novos amigos gostam de jogar vídeo game. Nossa quanta coisa legal! Essa mudança de turma me fez muito bem, pois foi muito bem acolhido e todos têm, mais ou menos o mesmo gosto por jogos, espero que os aniversários sejam muito animados.

285


SURPRESA Leonardo Monteiro Rodrigues Leonardo era um menino feliz, que amava brincar no parquinho. Um belo dia de sol, a mãe de Leo resolveu fazer uma surpresa para ele, convidando seus melhores amigos para uma tarde divertida no parque. Arthur, Miguel, Felipe Baroni, Pietro, Nathan, Luiz Gustavo, Vitor, Felipe Amorim, Francisco, João Guilherme, Carolina, Teixeira, João Felipe, Betina, Valentina, Valentina Veras, Giovana, Maria Eduarda Lami, Maria Eduarda Vital, Nicolly, Maria Eduarda Fonseca, Manu e Leo compartilharam este momento de grande felicidade. Brincaram no pula-pula, no escorrega, jogaram bola, brincaram de pique pega e até de esconde-esconde. Ao final deste dia incrível, fizeram um delicioso piquenique. Leonardo gostou tanto da surpresa que aguarda ansioso pela próxima!

286


SORVERTE MÁGICO Maria Eduarda Zafalon Pereira da Fonseca Era uma vez uma menina que se chamava Stela, ela adora sorvete. Um certo dia uma amiga chamou Stela para tomar sorvete. O sorvete era tão colorido que ela amou de paixão, foi o dia mais feliz da vida dela. Teve uma ocasião em que ela ia para montanha russa e disse: - Meu Deus será que vou ter medo ou felicidade? - O que será que eu vou sentir? Stela passou na frente de seus amigos que estavam com medo, ficou com coragem e adorou, cantou assim para seus amigos: “ VOCÊS TIVERAM MEDO FOI MUITO LEGAL LA, LA, LA, LA FOI MUITO LEGAL EU NÃO TIVE MEDO VOCÊS TIVERAM” Seus amigos disseram: - Desta vez você foi mais corajosa. Pelo menos eles reconheceram. Stela adorava cozinha. Cantava uma musiquinha assim: “BOLHAS E BRILHOS, BOLHAS E BRILHOS, SOU BAGUNCEIRA, SOU, SOU CONZINHEIRA, SOU CONZINHEIRA...” Assim ela cantava e fazia seus sorvetes maravilhosos, todos viveram felizes para sempre tomando sorvete.

287


FELICIDADE CONTRA A TRISTEZA Raquel de Farias Cândido Era uma vez uma cidade cheia de felicidades. Todos vivem em harmonia, mas um dia a tristeza chegou na cidade. - Como vocês entraram aqui? – Perguntou Manueliz. - Não tinha nada escrito que a gente podia entrar! – Falou o rei da tristeza. Para a tristeza sair de lá teve uma grande guerra. A felicidade deu seu maior poder, que chama Naega e assim começou a batalha. -Naega poder da felicidade! - Gritaram todos da felicidade. Mas a tristeza era bastante forte e não atingiu ninguém. - Acho que temos que dar várias felicidades para outras pessoas. - Vamos! – Falou a rainha da felicidade. A rainha estava certa. Foram para terra em uma escola chamada Colégio Notre Dame em Ipanema, usaram uma sala 4º ano, e a felicidade foi a emoção daquela turma. Votando da guerra. A rainha falou: - Vamos fazer as pazes, por favor. - Vou perdoa. – Falou o rei perdoando. E a tristeza virou felicidade.

288


O DONO DAS EMOÇÕES Maria Eduarda Uchoa Lami Pereira Em um lugar muito distante havia uma pequena vila chamada Zambardica. Nesta vila morava um mago que se chamava Ulisses. Ulisses era estudioso e todos o admiravam menos Theodoro. Theodoro era um mago que não gostava de Ulisses e morava na vila de Anêganápis. Um dia uma poção errada se misturou com água e se formarão emoções. Tristeza, Alegria, Raiva e Calma. Theodoro, quando descobriu isso, resolveu fazer uma guerra para poder fazer mal para Ulisses. Ulisses então soltou de casa a Alegria e a Calma. Então a guerra parou e Ulisses ficou amigo de Theodoro. Moral: Não tenha inveja dos outros.

A CALMA DE RAIVA Maria Eduarda Vital de Lima Era uma vez, uma cidade chamada Emociolândia, uma cidade cheia de pessoas, cada uma com suas emoções. Os nomes das emoções são: Feliz, medo, raiva, tristeza, angústia, solidariedade e Maria da Paz é a rainha. Um dia Maria da Paz ordenou a Feliz, seu irmão. - Feliz, procure a raiva e diga a ela para vir até mim, quero lhe fazer algumas perguntas. Feliz, cantando, foi à casa da Raiva, 289


quando Feliz chegou, Raiva estava mais raivosa do que nunca, quebrou vasos, derrubou móveis, arrebentou fios elétricos. Ao ver toda situação, Feliz perguntou: - O que está acontecendo? - Primeiro medo veio correndo e depois tristeza veio aqui chorando à minha casa, inundou, angústia veio me irritar o que explica tudo isso, e você veio me chamar para falar com Maria da Paz, diga a ela tudo o que lhe falei antes que eu exploda de raiva. - Agora vá! Surpreso com o comportamento da Raiva, Feliz se recusou e disse: Primeiro se acalma e arruma esta bagunça, depois conversa com a Maria da Paz, ela vai te entender.

FELICIDADE Nicolly Aparecida Mendes Rappini Era uma vez, uma cidade onde ninguém era feliz, todo mundo só sentia as seguintes emoções: Tristeza, raiva, medo e ódio. A cidade era da cor cinza, mas sabe por que essa cidade era assim? Essa cidade era comandada pela bruxa das emoções ruins. Um dia duas fadas estavam andando por um bosque, a fada Alegria, que se chama Joy, e a fada do amor que chama Love, juntas com seus poderes espalhavam alegria por onde passavam. Juntas formavam a dupla das emoções! Do Bosque onde as fadas vivem avistaram uma cidade muito triste, e quiseram torna-la feliz. Na cidade elas viram a torre onde a bruxa morava, então elas foram até o andar onde ela estava e tentaram conversar com a bruxa para tornar a cidade feliz, mas não adiantou, então, juntas, com os seus poderes derrotaram a bruxa. E assim puderam deixar a cidade, agora todos estavam felizes. 290


O JOGO Miguel Shmid Amaral De Sousa Um dia Miguel foi à uma loja de games antigos e notou algo incomum, uma coisa que havia procurado desde quando começou a conhecer games. Street figter xyc, mesmo sendo antigo Miguel se surpreendeu com o jogo, viu que a loja estava abandonada, então deixou o dinheiro lá e foi para sua casa. Ao chegar à casa, Miguel não esperou um segundo e começou a jogar, assim que ligou apertou o botão e acabou sendo sugado para dentro do jogo. Dentro do jogo começou a lutar, achou que não havia chance, pois ele iria lutar contra o mais forte dos jogos. - Luiz contagem regressiva para o início da luta! Passou o primeiro tempo e Miguel foi ficando a cada passo mais feliz, só que veio a grande jogadora, Vitória, como já era esperado a torcida adversária aplaudiu de pé, e Miguel ficou satisfeito em participar e feliz com as suas jogadas. Voltou para casa e ficou um bom tempo longe dos jogos. A ALEGRIA Luiz Gustavo da Silva Ribeiro Conheci um menino famoso que viajou para Itália. O garoto era chato andava sempre com a cara fechada, porque o coração dele havia diminuído, depois foi para a cidade passear com o seu cão, no Natal. O menino conheceu um homem que adorava festejar, e começou a correr para longe, o menino até pensou em roubar o Natal para mais ninguém festejar. O menino continuou seu plano, e quando 291


as pessoas acordaram e não encontraram a festa de Natal, o homem pediu para todos começarem a cantar. O garoto não entendeu o canto, mas as pessoas começaram a entregar seus presentes, e o Natal voltou. O menino percebeu que não pode tirar a alegria das pessoas e passou a comemorar também.

O CAMPEONATO Nathan Rocha Lage de Sousa Um dia quando eu fiz um gol de bicicleta no campeonato, fiquei muito feliz, a torcida ficou gritando: - Nathan tu tu tu Nathan tu tu tu Nathan... Fique me sentindo que estava num estádio Maracanã, o estádio mais popular do Brasil, disputando uma partida de futebol Eu queria conhecer o Neymar, e o meu sonho virou realidade, conheci meu ídolo que se chama Neymar, eu gosto dele, porque eu gosto de driblar e dar lambreta. Fiquei emocionado e feliz, com o convite de conhecer a casa do meu ídolo, conheci o filho dele chamado Davi Lucca, ele é muito legal, joguei bola com eles e voltei para casa realizado, aprendi fazer zerinho, botar a bola na cabeça e nas costas. Essa história é um sonha que me emociona e me faz feliz.

292


FRIENDS Carolina Miranda Peixoto Nunes Um dia um garoto chamado Felipe, novo na cidade, não tinha amigos, por isso ficava sozinho em casa, só saia para tomar um ar. Num dia bonito, ele saiu para tomar um ar, o triste garoto olhou para o chão, e viu um gato com pelos arrumados, laranjas, olhando para o garoto, com um olhar feliz e alegre, o garoto triste pegou o gato. - Olha! Um gato, vou pegá-lo! - Miau. Com carinho, o gato parecia conversar com o menino. - Nós seremos muito felizes juntos! Disse o gato. - Olha meu gato fala! – falando para a mãe, e o gato só falava miau. Felipe deu nome ao gato, Max. Max e Felipe viveram muitas aventuras juntos, vulcão em erupção, lago de lágrimas e muito mais, o garoto triste passa a ser alegre, com seu novo amigo!

293


O ESPÍRITO DA ALEGRIA Pietro Bocco Era uma vez um colégio chamado Notre Dame. Ele era tão famoso que tinha mais de 1700 estudantes, porém esse colégio passou por algumas dificuldades, mas todas as pessoas apoiaram. Um dia, o colégio cheio de alegria passou por momentos de desânimo, dois anos depois, todas as crianças foram possuídas pelo espírito da alegria, eles eram muito felizes com seu Colégio, superou as dificuldades e construíram mais um colégio maravilhoso. Quando terminaram, todos ficaram felizes procurando os responsáveis, não sabiam que foram eles mesmo, os estudantes que juntos construíram uma nova escola. Quando entraram no colégio estava lindo, incrível e maravilhoso viram as salas, corredores, as brincadeiras e os pátios. Para celebrar reinauguração do Colégio Notre Dame fizeram uma comemoração com muitas pessoas felizes, uma grande festa, muita coisa boa, foi incrível, isso é a felicidade.

294


AS IRMÃS Teixeira Lukenie Fernandes Vaz Era uma vez, as irmãs gêmeas, uma delas se chama Emília, ela sempre estava triste na escola no parque, na casa, em todo lugar, até no parque de diversão. A outra irmã muito animada, adorava tudo o que fazia, mas num dia muito lindo a Joana viu a Emília sorrindo para tudo. Joana foi e começou a brincar de pega-pega, elas adoravam e todos os dias viveram felizes para sempre.

MINHAS EMOÇÕES Valentina Oliveira Bustamante de Lucena Eu penso que em minha cabeça existe as seguintes emoções: alegria, raiva, tristeza e o medo. A emoção que eu mais sinto geralmente é a alegria, eu amo essa emoção, e a que eu menos sinto é o medo. Meu nome é Valentina e eu sinto alegria quando doo coisas, recebo e ajudo. Sinto medo quando não gosto de fazer aquela coisa que dá medo. Gosto de estar com meus amigos e a emoção que sinto é a alegria e sinto prazer, não gosto de perder, porque me sinto triste. Outra coisa que me dá alegria é brincar com minha irmã Maitê, é muito prazeroso. Na verdade, sou uma menina alegre e feliz.

295


A FELICIDADE MOVE O MUNDO Vitor Santos Soares Todos dizem que a felicidade move o mundo e eu acho verdade, a felicidade está em todos que começam o dia com um sorriso no rosto, e muitas pessoas começam assim felizes, e isso é o que move o mundo, algumas pessoas são conhecidas por serem muito simpáticas e felizes, assim como a personagem desta história. João é o nosso protagonista deste ano, simpático e feliz como eu disse no parágrafo anterior. João conhecia todos os seus vizinhos e todos os seus vizinhos conhecem João. Mas um certo dia sua mãe falou: - Filho nós vamos viajar e passar por cinco países diferentes. João ficou feliz porque ele nunca saiu do seu próprio estado, então isso seria espetacular para ele. Já no dia da viagem João estava animado demais para respirar, então sua mãe o acalma, João se prepara para entrar no avião, mas espera um pouco. Para onde eles vão? Bom! Como a mãe dele disse eles vão viajar para cinco países diferentes e eles irão passar pela França, Canadá, Suíça, Alemanha e EUA. O avião levanta voo e chega à França e lá ele conhece um garoto chamado Fernando, ele era meio chateado, mas João usou sua felicidade e mudou o comportamento dele. No Canadá, ele conheceu uma garota chamada Amy, ela era triste, mas a felicidade de João também a ajudou. Já na Suíça, ele conheceu um cadeirante chamado Guilherme ele era depressivo por não ter o movimento das pernas, mas João também o ajudou. Na Alemanha e nos EUA conheceu Luiz e Roberto e ele ajudou a resolver a emoção dos dois. João nos ensinou que a felicidade é tudo, e tem razão, ela move o mundo.

296


BRUNINHO, O HERÓI Francisco Corrêa e Castro Cavalcanti Ribeiro Era uma vez um menino chamado Bruno, mas todos chamavam ele de Bruninho. Bruninho era um menino muito feliz e a música predileta dele era felicidade, do Seu Jorge, ele sempre escutava essa música. Depois de várias vezes escutar essa música ele ganhou poderes de felicidade, mas um menino chamado Jonas ganhou poderes de tristeza, então significa que Bruninho tinha um rival. Bruninho deixava todas as pessoas que estavam com sentimentos negativos, com sentimentos positivos e Jonas o contrário. Até que um dia Bruninho passou por um bairro, e viu o local inteiro triste, pois não sabia que Jonas estava fantasiado, quando Bruninho deixou todas as pessoas felizes percebeu que só uma estava triste e essa pessoa era Jonas, mas teve uma coisa que ele não sabia, ela estava fugindo dos raios de felicidade, então Jonas se revelou e disse: -Eu sou Jonas o rei da tristeza! – Gritou Jonas. -E eu sou Bruno o rei da felicidade! – Exclamou Bruno. Então começou uma briga, teve raios de felicidade, raios de tristeza, mas Bruninho acertou um raio e Jonas virou uma pessoa feliz e nunca mais ficou triste.

297


FELICIDADE Betina Soares de Almeida Miliauskas Carneiro Era uma vez uma menina que espalhava felicidade por onde passava, na escola ela é muito importante, pois nos alegra nos momentos difíceis. A menina tinha duas melhores amigas, que estavam sempre felizes. Na hora do recreio elas buscavam crianças que estavam sozinhas, chamavam para brincar, e quando reparavam era um grupo enorme de meninos e meninas, pois brincar traz felicidade. Quando os colegas estavam chateados por algum motivo, a menina cuidava para não deixar a tristeza chegar. Sou muito feliz por ser amiga dessa menina feliz.

298


a7DE


300


PROJETO CORRESPONDÊNCIA Fernanda R. Delate Bitencourt, professora 4º ano C.

Em 2019, Colégio Notre Dame realizou o projeto EMÓVERE baseado nas emoções. Esse projeto envolveu todo o grupo e fizemos atividades que despertaram os sentimentos e as sensações nos alunos. No primeiro momento, os alunos relataram nos textos experiências pessoais que acordaram emoções relacionadas ao amor, alegria, felicidade, tristeza, carinho, amizade... No segundo momento, para finalizarmos a escrita do nosso texto, trabalhamos com o livro CORRESPONDÊNCIA, de Bartolomeu Campos Queirós. Na proposta do livro, o autor “adormece” e “acorda" palavras necessárias para vivermos em um mundo melhor. Os alunos trocaram cartas "acordando" emoções que desejavam para os amigos e presenteando-os com elas. Lendo as cartas da turma, percebemos o envolvimento com o projeto e a proposta. Os alunos falam das emoções com a simplicidade e a sinceridade que somente uma criança poderia transmitir.

301


AMIZADE, CONFIANÇA E FELICIDADE. Alice Mendonça Conceição Rodrigues Silva Rio de Janeiro, 27 de junho de 2019. Querida amiga Maria, desde quando cheguei à escola gostei logo de você, mas atualmente posso te falar tudo, pois eu confio muito em você. Por isso, os sentimentos que sinto por você são: companheirismo, carinho, afeto e amor. Por sermos amigas gostaria de despertar as seguintes palavras para você: AMIZADE eterna, pois se viajarmos para locais distantes, nossa amizade irá continuar. CONFIANÇA, pois se eu contar qualquer coisa, você vai guardar em segredo. FELICIDADE, pois posso estar em um momento triste, mas vou continuar feliz, porque você estará ao meu lado. Que você continue sendo minha “girafinha”! Um forte abraço, Alice

302


FÉ, IGUALDADE, AMIZADE. Antonio Laudo Monte Razo De Camargo Rio de Janeiro, 27 de junho de 2019. Caro Luca, eu acho você legal, gosto de jogar futebol, brincar de pique esconde, pique pega, jogar video game e assistir televisão na sua companhia. Você é o meu melhor amigo na escola. O mundo está cheio de coisas ruins, por isso eu quero acordar três palavras para você: Fé, amizade e igualdade. Te desejo FÉ, pois você é bom na aula de catequese e presta atenção nas aulas. As pessoas precisam acreditar em Deus para a vida melhorar. IGUALDADE, porque você não liga para quem é rico ou pobre. É importante ter igualdade para o mundo ser mais justo. AMIZADE, porque você é legal e é um bom amigo para alguém ter. A amizade une as pessoas e ajuda a acabar com as brigas. Um abraço, Antonio

303


AMIZADE, PAZ, ALEGRIA, CONFIANÇA E JUSTIÇA. Daniel Augusto Carvalho Mendonça Rio de Janeiro, 24 de junho de 2019. Querido amigo Davi Freitas, você é muito gentil, engraçado e divertido. Por você ser um amigo atencioso e se preocupar comigo nas situações difíceis, gostaria de te presentear com palavras que me lembram de algumas emoções. Eu queria acordar algumas palavras como: A AMIZADE, pois nós brincamos todos os dias. A PAZ, pois todo mundo tem que viver em paz e harmonia. A ALEGRIA, pois é muito importante ter alegria. A CONFIANÇA, pois nós dois confiamos um no outro. A JUSTIÇA, pois ela faz tudo não ser injusto. Um forte abraço, Daniel Augusto

304


FÉ, AMOR E FELICIDADE. Davi Alves Julião do Nascimento

Rio de Janeiro, 24 de junho de 2019. Querido amigo Igor, gosto muito de você! Você é uma pessoa muito esperta e inteligente.

Eu

quero

despertar

seis

palavras para termos um mundo melhor: amor, felicidade, esperança, fé, coragem e carinho. Gostaria de presenteá-lo com as seguintes palavras: FÉ, para acreditar em Deus. AMOR, para você receber de todas as pessoas que você ama. FELICIDADE, para alegrar mais a sua vida. Querido Igor, que sua família fique bem! Desejo boa sorte para você e seus amigos. Um forte abraço, Davi Alves

305


AMOR, PAZ E AMIZADE. Davi de Paulo Freitas

Rio de Janeiro, 24 de junho de 2019. Querido amigo Daniel, você é um dos meus melhores amigos! Nós brincamos e jogamos juntos. Eu recebi um recado que é para acordar três palavras para você: Paz, amizade e amor. AMOR: Para amar as pessoas. PAZ: Para você espalhar pela nossa cidade acabando com a violência. AMIZADE: Para nós nos unirmos e melhorarmos o mundo. A importância da nossa amizade é que juntos ajudamos os outros.

Nós

podemos fazer amizade com outras pessoas e chamar outros amigos para lutar contra a violência. Você é muito legal e me ajuda quando preciso. Um forte abraço Davi Freitas

306


FELICIDADE, PAZ E AMOR. Igor Mauricio Araujo Harouche Rodrigues Rio de Janeiro, 27 de junho de 2019. Querido amigo Davi Alves, eu te conheço desde o 2º ano, tem horas que nós brigamos e brincamos, mas mesmo assim somos muito amigos. Nas horas que você mais precisar de mim eu estarei do seu lado, mas se você estiver sendo injusto com alguém eu ficarei do lado à outra pessoa injustiçada. Gostaria de te presentear com três palavras: Felicidade, paz e amor. FELICIDADE: para sua vida ter vários momentos felizes. PAZ: para você não ter uma vida corrida e agitada. AMOR: para você amar o próximo. Até breve, Igor Mauricio

307


DIVERSÃO, AMIZADE E IGUALDADE. João Vitor Ventura Costa Rio de Janeiro, 24 de junho de 2019. Querido amigo Nikko, meu amigo, eu gosto muito de você. Você é muito especial para mim, porque foi meu primeiro melhor amigo. Você sempre me ajuda quando eu preciso, por isso vou escrever três palavras boas para você: amizade, igualdade e diversão. DIVERSÃO, porque você fala e faz coisas engraçadas. AMIZADE, porque nós sempre brincamos juntos. IGUALDADE, porque jogamos o mesmo jogo, temos o mesmo personagem e usamos óculos. Com essas palavras você poderá se sentir feliz e espalhar alegria para os outros! Um grande abraço, João Vitor

308


GENTILEZA, AMOR E RESPEITO. Laiz Thayná Horta de Araujo

Rio de Janeiro, 24 de junho de 2019. Querida Maria Fernanda, te desejo três palavras de boas: gentileza, amor e respeito. GENTILEZA, para mostrar que é a pessoa e gentil e amigável. AMOR, para demonstrar que é uma pessoa amorosa e carinhosa. RESPEITO, para respeitar todos. Gentileza, respeito e amor, às três palavras que escolhi para você lembrar o que é bondade. Um abraço, Laiz Thayná

309


PAZ, ESPERANÇA E HARMONIA. Luca da Costa Barbará

Rio de Janeiro, 24 de junho de 2019. Querido amigo Antonio, você é um amigo muito especial. Eu acho você

muito

legal

divertido

e

piadista. Gosto muito de jogar futebol, video game e conversar com você. Eu quero que você tenha paz, esperança, harmonia e tudo que há de bom que você quiser na vida. Por isso, irei te presentear com as seguintes palavras: PAZ, porque você é uma pessoa boa e não implica com ninguém. ESPERANÇA, porque você confia, tem fé e acredita que o melhor vai acontecer. HARMONIA, porque você é muito gentil com os outros e transmite tranquilidade para seus amigos. É muito bom ser seu amigo porque eu posso contar sempre com você.

Um forte abraço, Luca Barbará.

310


AMOR, COMPAIXÃO E AMIZADE. Maria de Andrade Conceição Guarischi.

Rio de Janeiro, 24 de junho de 2019. Querida amiga Alice, quero que você tenha tudo que precise e que cada dia da sua vida seja bom. Quero você sempre seja minha amiga. Que você coma muitas pizzas de calabresa, yakisoba e que você jogue muitos jogos no Roblox. Sempre me lembrarei dos momentos bons da nossa amizade e os ruins nós esquecemos. Você me faz sempre rir, por isso é muito bom estar ao seu lado. Quero que carregue nas suas jornadas da vida: O amor, a compaixão e a amizade. O AMOR para você ser sempre essa linda menina. A COMPAIXÃO para você sempre ser colocar no lugar da pessoa ao seu lado. AMIZADE para você sempre ser minha pequenina joaninha. Que você sempre seja a minha joaninha! Maria Guarischi

311


PAZ, ESPERANÇA E BONDADE. Maria Eduarda Lopes Rodriguez Rio de Janeiro, 24 de junho de 2019. Cara Dudinha, você é uma grande

amiga,

inteligente,

companheira,

divertida,

legal

e

especial. Eu gosto muito de estar com você, pois me faz feliz. Adorei ir ao cinema com você. Nós nos divertimos muito. Dudinha estou pensando a algum tempo em palavras... Tive um sonho de presenteá-las. Vou te falar... Espero que pense nessas palavras com muito carinho e amor. PAZ, para ser uma pessoa mais calma e feliz. ESPERANÇA, para nunca desistir de nada que você quer. BONDADE, para ser uma pessoa boa. Coisas que você já tem e com isso você consegue ser uma pessoa agradável e gentil. Sem você eu não seria completamente feliz. Eu tenho muita sorte de ter uma amiga como você. Com carinho sua grande amiga, Duda Lopes

312


FELICIDADE, ALEGRIA E HARMONIA. Maria Eduarda Oliveira Saggese Fonseca

Rio de Janeiro, 24 de junho de 2019. Querida amiga Pietra, você é uma ótima amiga

e me entende. É

companheira nos momentos ruins e bons. Divertida, porque quando você faz uma piada, eu sempre acabo rindo. Minha amiga Pietra, às vezes você é um pouco desastrada, percebi isso quando nós estávamos no recreio, o guaraná derramou todo em você e na sua roupa. Como você é minha amiga por causa disso eu te desejo: FELICIDADE, você merece muita felicidade na sua vida. ALEGRIA, para nunca faltar alegria. HARMONIA, para que a sua família junto com você tenha harmonia. Quero que tudo de bom aconteça com você! Um beijo de sua amiga e um bom ano! Maria Eduarda Fonseca

313


FRATERNIDADE, IGUALDADE E PAZ. Maria Eduarda Pimentel Sá de Oliveira

Rio de Janeiro, 24 de junho de2019. Cara Duda Lopes, como você é uma grande amiga, vou lhe dizer que este

mundo

muitas

vem adormecendo

palavras.

Então

decidi

despertar algumas palavras que espero que alegrem o seu dia: fraternidade, igualdade e paz. Essas palavras estão um pouco adormecidas, por isso mando-as para que você me ajude a despertá-las pelo mundo dando amor, carinho e felicidade, porque sei que você é uma menina doce, que gosta de ajudar as pessoas que precisam de atenção e amor. FRATERNIDADE, para que você tenha um amor fraternal em sua vida. IGUALDADE, para que você saiba que hoje nós precisamos de igualdade. Paz, para que você tenha paz no seu dia a dia. Te digo isso, porque sinto muito carinho por você! Você é uma grande amiga! Com carinho Duda Oliveira.

314


AMIZADE, AMAR E AJUDAR. Maria Fernanda dos Santos Barbosa Frassetti.

Rio de Janeiro; 24 de junho de 2019 Querida amiga Laís Thayná, você é uma pessoa única, porque sua maneira de ser é extraordinária. Você é uma pessoa muito legal! Tenho certeza que todos à sua volta amam você! Com muito carinho eu quero te dizer 3 palavras para que você nunca mais as esqueça. Elas são: AMIZADE: ser amigo de todos, sem exceção. AMAR: você tem que amar a todos como você se ama, porque todos somos iguais. E por último... AJUDAR: Você tem que ajudar a todos como nos te ajudamos. Você é uma boa amiga. Eu sei que você é um pouco tímida, mas não tem problema, se fosse concurso para eu ser assim tão “quietinha” como você, eu não iria conseguir.

Um forte abraço, Maria Fernanda.

315


AMIZADE, IGUALDADE E ALEGRIA. Miguel Corrêa de Souza

Rio de Janeiro 24 de junho de 2019 Querido amigo Miguel Lellis, nossa amizade é grande! Eu nunca irei esquecêla. Você é meu melhor amigo! Você é divertido, legal e engraçado, por isso mandarei três palavras de presente para você: amizade, igualdade e alegria.

AMIZADE, porque nossa amizade é imensa. IGUALDADE, porque todos somos iguais de um jeito diferente. ALEGRIA, para que você seja feliz! Eu lhe dou sinceramente essas palavras meu amigo Miguel Lellis. Um forte abraço do seu amigo, Miguel Souza

316


UNIÃO, AMIZADE E AMOR. Miguel Lellis Campos de Freitas

Rio de Janeiro, 24 de junho de 2019. Querido amigo Miguel Souza, quero acordar muitas palavras e fazer dormir muitas outras. Algumas palavras ofendem as pessoas e outras podem agradá-las. Com uma pequena carta podemos fazer uma carta maior, passar emoções boas e para incentivar sentimentos bons. Te mando três palavras: União, amizade e amor. A UNIÃO para nos unirmos. AMIZADE, porque você é um bom amigo. AMOR, porque todos temos que ter amor! Minha emoção se torna feliz por ter você como amigo. Fico alegre por ter um amigo, legal, esperto e engraçado.

Um abraço, Miguel Lellis

317


AMOR, PAZ E CARINHO. Natalia de Saldanha da Gama Fischer Escobedo

Rio de janeiro, 24 de junho de 2019. Querida amiga Thalia, eu adoro muito você! Você é muito divertida, fofa e gentil. Hoje eu te digo três palavras que eu gostaria de acordar: amor, paz e carinho. AMOR, porque você é muito amorosa. PAZ, porque você vive em harmonia. CARINHO, porque você é muito carinhosa. Por favor, com amor e carinho, acorde essas palavras que acabei de presenteálas. Nossa amizade é uma coisa que nunca pode quebrar. Eu te dou estas palavras, porque eu acredito que você consegue acordá-las. Um forte abraço, Natalia.

318


DIVERSÃO, IGUALDADE E AMIZADE. Nikko de Paula Rosa Pellegrino

Rio de Janeiro, 24 de junho de 2019. Querido amigo, João Vitor, estou enviando essa carta, pois você é um amigo muito bom e divertido. Ser seu amigo me deixa muito feliz. Quero despertar algumas palavras para você: Amizade, Diversão e Igualdade. DIVERSÃO, porque faz piadas muito engraçadas e faz brincadeiras muito legais. IGUALDADE, porque jogamos o mesmo jogo gostamos das mesmas brincadeiras e usamos óculos. AMIZADE, desde quando te conheci, nós somos amigos até hoje e nunca irei deixá-lo. Com essas palavras você poderá deixar o mundo melhor. Um abraço, Nikko

319


PAZ, ALEGRIA E HARMONIA. Pietra Figueiredo Sena de Oliveira

Rio de Janeiro, 24 de junho 2019. Querida amiga Duda Fonseca, você é legal, divertida,

engraçada

e

verdadeira.

Nos

momentos bons ou ruins, você sempre está lá ao meu lado me animando em todos os momentos. Temos umas coisas em comum, as duas são desastradas e tem Oliveira no nome. Estou te dando estas palavras, pois você é uma amiga muito especial. Essas palavras são: paz, alegria e harmonia. PAZ, para que você tenha tranquilidade. ALEGRIA, para você ser sempre alegre. HARMONIA, para que você sempre esteja de bem com a vida. Você é uma ótima amiga e companheira. Um beijo, Pietra

320


AMOR, PAZ E CARINHO. Thalia Pereira de Mesquita

RIO de Janeiro, 24 de junho de 2019 Querida amiga Natalia, você é uma amiga especial! Eu gosto muito de você e hoje vou te dar três palavras: AMOR, porque você é muito amorosa com as pessoas. Quando eu preciso, você sempre está lá para me dar amor. PAZ, porque você tem muita paz, então leve isto para as pessoas. CARINHO, porque você é uma pessoa muito carinhosa. Quando os nossos amigos estão tristes você sempre dá um abraço neles, para tentar alegrá-los. Eu te dou todo o amor, porque você é uma amiga muito especial para mim. Desde o dia em que te vi, quis ser sua amiga. Com amor, Thalia

321


AMIZADE, CARINHO E AMOR. Théo Cruz Mello

Rio de janeiro, 24 de junho de 2019. Theo Lucas, você é meu melhor amigo e companheiro. Você sempre está ao meu lado quando preciso. Eu desejo o melhor para você, por isso irei te presentear com as seguintes palavras: amizade, carinho e amor. AMIZADE porque você é leal. CARINHO porque você é uma pessoa gentil com todos e merece ser tratado com cuidado. AMOR porque você colhe o bem e recebe o bem. Um abraço, Théo Cruz

322


PAZ, FELICIDADE E ALEGRIA. Theo Lucas Monteiro de Almeida

Rio de Janeiro, 24 de junho de 2019. Theo Cruz, você é muito companheiro e legal, mas as vezes você é um pouco chato. Eu sempre te perdoo e nós ficamos de “boa”. Você é muito meu amigo e nós vamos sempre nos perdoar. Porque você sempre me acompanhou nas minhas dificuldades e situações difíceis. As minhas palavras para você são: PAZ, porque você me dá paz e sempre faz muitas coisas por mim. FELICIDADE, porque você é gentil, fiel com os outros e muito mais que isso... ALEGRIA, porque você é uma pessoa muito alegre com os outros e merece ser feliz também. Você é muito meu amigo e sempre será! Um forte abraço, Theo Lucas

323


324


a7DE


326


AS EMOÇÕES EM NOSSAS VIDAS Ana Patrícia Santos, professora do 4º ano D "Qualquer um pode zangar-se, isso é fácil. Mas zangar-se com a pessoa certa, na medida certa, na hora certa, pelo motivo certo e da maneira certa não é fácil.” (Aristóteles) Durante a escolha do nome para a nossa turma, o 4º ano D intitulou-se de “A Turma das Emoções Infinitas”, um grupo intenso, diversificado e cheio de vida! Diante disso, não entramos em um consenso em nossas discussões sobre a escolha de uma emoção para a criação dos textos da Jornadinha, afinal, segundo os próprios estudantes, nossa turma possui infinitas emoções! Assim, optamos por falar de todas as emoções que nos envolve. Em nossas aulas, conversamos sobre a importância de reconhecer as nossas emoções e de falar sobre elas sempre que possível. Os estudantes foram convidados a compartilhar os momentos mais marcantes de suas vidas e as emoções que permearam cada vivência. Esse foi o pontapé inicial para o nosso trabalho. Nossos textos são narrativas que expressam os diferentes sentimentos que permeiam nosso cotidiano. Cada estudante foi desafiado a escrever sobre uma emoção, podendo narrar uma história real ou fictícia, desde que envolvesse o sentimento escolhido.

327


MELHORES AMIGAS NO SHOPPING Alice do Amaral Altenfelder Silva Falar de felicidade para mim é pensar na minha turma de escola, minhas amigas e minha família. Tudo isso me faz bem. Pensar nelas me faz bem. Na história a seguir, vou contar quando eu fui ao shopping com as minhas melhores amigas. Para mim, este é um momento de grande felicidade. Era terça-feira, um dia comum. Eu, Tunica e Mila saímos juntas do vôlei que fazemos no colégio. Estávamos tentando convencer a minha mãe, a mãe da Mila e a avó da Antonia a nos levarem a algum lugar. E não é que conseguimos, acabou que fomos nos arrumar cada uma na casa e fomos pegar o carro da minha mãe. Quando terminamos e estava todo mundo no carro, fomos brincando até o local de destino. Nós chegamos lá muito animadas. Primeiro íamos comprar pipoca, mas acabamos vendo um filme chamado Trolls e comemos pipoca doces. Foi muito legal! Depois, fomos brincar e passear. Logo, tínhamos a solução perfeita: um carrinho com cara de bicho (os adultos odeiam e as crianças amam). A minha mãe e a mãe da Mila ficaram meio sem jeito e nos deixaram ir, a Antonia usou isso como desculpa. Eu também adorei. Em seguida, fomos no Animason e quando saímos estávamos morrendo de fome e fomos no MC Donalds. Nossos pais resolveram que tínhamos que ir embora e estava tarde. Nós queríamos fazer uma festa do pijama, mas elas não deixaram. Enfim, foi muito divertido e eu fiquei muito feliz de estar com minhas melhores amigas. Eu as adoro e amei muito. Esses momentos são tão importantes, que ficam para sempre guardados na memória.

328


AMOR Ana Julia Canedo de Souza Quando penso em amor lembro de um dia muita especial para mim e para minha família: o nascimento meu irmão . E para mostrar como esse momento é especial, vou contar para você um pouco desse momento especial. Um dia eu estava na Disney e vi que a maioria das pessoas tinha um irmão ou uma irmã. Então, pensei que seria legal ter um. Falei com a minha mãe, e ela respondeu que iria demora para ter um irmão, pois daria muito trabalho. Mas eu queria tanto um irmão, que eu não desisti. Sempre que eu via um poço dos desejos, pegava uma moeda e pedia um. Quando eu rezava, pedia um. Até quando eu fazia aniversário, adivinha só, eu pedia um irmão. Um ano depois, minha mãe ficou grávida de um bebê. Fiquei tão feliz! Finalmente eu teria um irmão, um parceiro para a vida! Chegou o dia de decidir o nome do bebê , eu queria João Felipe e minha mãe, João Arthur. O motivo da minha escolha, é que o meu melhor amigo se chama João Felipe e ele me acompanhou a vida toda. Ele foi meu primeiro amigo no prédio. Já a minha mãe, queria que o nome do meu irmão combinasse com as iniciais do meu nome. Decidimos que o nome seria João Felipe. Chegou o dia do médico e ele falou que o nascimento do João seria no dia primeiro de abril. Neste dia, fui a primeira a vê-lo. Eu senti tanto amor por ele. O meu coração se apaixonou e até hoje é repleto de amor.

329


FILMES DE TERROR Anna Ogino e Guedes Quando penso em medo, eu sinto medo. Mas não sei do que. A história que você verá a seguir, conta como eu superei esse medo. Certo dia, eu estava vendo desenho com meu irmão até que ouvi um grito vindo do quarto dos meus pais então eu e meu irmão fomos correndo para lá e perguntei: - Quem gritou aqui? - Eu!- disse minha mãe. - Ata, mas por quê?- perguntou meu irmão. - Porque ela ficou com medo do filme. – respondeu meu pai rindo bastante. Naquela noite, vi TV até tarde e pensei: Quais são esses filmes que dão medo? Depois fui dormir e quando acordei a minha TV estava com lançamentos de filmes de terror então, eu descobri o medo. Teimosa, cliquei para ver o trailer de um desses filmes pois não tive coragem de ver um filme todo. Algumas semanas depois, uma amiga da minha mãe, que eu considero uma tia, foi lá em casa. Aproveitei que ela adora esse tipo de filme e pedi para ver um desses filmes, estávamos escolhendo um filme e eu vi um filme que me chamou muita atenção chamado “A freira”. Meu irmão de 5 anos não ficou com medo e eu de 9 anos fiquei com MUITO medo . O filme que nós vimos foi assim: Uma freira ficou sabendo que uma freira do mal estava rondando pela cidade. Um tempo depois, uma freira aprendiz chega. E acontecem diferentes situações de medo. Depois desse dia, aprendi a lição. Sempre que há filme de terror, evito ver. Assim tudo fica bem!

330


NUNCA DESISTA DOS SEUS SONHOS Beatriz Alves Hugues Era uma vez uma menina chamada Bianca. Ela morava no Rio de Janeiro com seu pai. Sua mãe morreu num acidente de carro quando Bianca tinha 3 anos, mas isso não impedia que Bianca fosse feliz. Para Bianca a felicidade era um sentimento especial pois tudo que ela fazia ela botava um pouco desse sentimento. Bianca foi crescendo e cada vez se tornado mais independente e esquecendo da morte da mãe. Na escola, era amiga de todo mundo, muito alegre e não deixava a morte de sua mãe atrapalhar na sua vida. Alice era sua melhor amiga que sempre estava com Bianca sendo em qualquer lugar. Um dia Bianca estava na casa de sua melhor amiga Alice elas estavam vendo tv, quando apareceu uma propaganda de uma viagem para os Estados Unidos quem gravasse o melhor vídeo clipe ganhava a viagem. Bianca e Alice ficara super animadas. Então, elas tiveram a ideia de gravar o vídeo clipe, quem sabe elas ganhavam. Começaram a pensar na letra da música. Depois de um tempo, elas decidiram fazer uma música sobre a alegria seu pai já tinha chegado para busca a Bianca então elas combinaram de continuar no Colégio. No dia seguinte Bianca e Alice conseguiram fazer a música toda no recreio como elas estudam de manhã Alice foi na casa de Bianca para gravar o vídeo clipe. Depois de um tempão elas terminaram de gravar o vídeo clipe, então elas postaram o vídeo. Alice pediu a sua mãe para dormir na casa de Bianca. Já no dia seguinte, que era fim de semana, elas receberam a resposta e a de que tinham ganhado. Elas morreram de felicidade o pai de Bianca já sabia disso tudo e ele ficou muito feliz por elas. Só que aí o pai de Bianca pensou: e os dólares, Bianca e Alice ficaram tranquilas pois a viagem dava dólar, moradia, ingressos para parques e comida CLARO. Depois de um tempão chegou o grande dia, Bianca e Alice estavam superfelizes. Elas já estavam dentro do avião quando ele decolou! 331


Essa história serve para você NUNCA DESISTIR DE SEUS SONHOS, foi assim que Bianca e Alice conseguiram ir para Disney.

A FESTA DE ANIVERSÁRIO Beatriz Saldanha Alves Pereira A história que você vai ler a seguir conta a vida de um grupo de amigas que passaram num dia de muito medo. O medo é uma emoção de escuridão. É quando você tem medo de altura e vai em uma tirolesa e sente um frio na barriga, isso é medo. A história que você vai conhecer, conta exatamente a história de superação do medo. Em um dia, 5 garotas chamadas Bia, Sofia, Bibi, Rafaela e Karen iam dormir na escola, elas tiveram que achar um tesouro e uma coisa aconteceu: as luzes se apagaram e a professora caiu na mochila de uma aluna. As 5 garotas tiveram que ligar suas lanternas. Quando foram a biblioteca central viram que tinha uma pessoa muito grande e uma cruz estava de cabeça para baixo. Elas ficaram com muito medo, depois voltaram ao dormitório às três horas da manhã. Em seguida, entraram na capela e viram que era uma surpresa, pois era o aniversário da Bibi e que tudo foi armado. Depois do grande susto, só restava curtir a festa.

332


CAETANO E SEUS AMIGOS UM CONTO DA MORTE Caetano Portugal A história que eu vou contar é de medo. O medo é uma coisa que incomoda as pessoas deixando-as com mais medo e com menos coragem. O medo pode ser sentido quando estamos em perigo ou em outras ocasiões como filmes de terror e pesadelo. A história a seguir, é uma história que narra um momento de terror vivido por um grupo de amigos. Era uma vez um garoto chamado Caetano, ele não sabia que um vulto rondava a localidade em que ele vivia. O Caetano foi levado para uma floresta sombria por esse vulto, lá era um lugar com cópias de tudo nessa terra e seus amigos Marcelo, Iker e Lucas também foram levados. Em numa cela e o Caetano conseguiu raquiar o sistema das selas e eles não sabiam que as cópias que tinham eram sombrias. Elas tem formato de ser humano, Marcelo e seus amigos socaram as cópias eaí aquele vulto colocou mais cópias para matar. Caetano e seus amigos já sabiam do que iriam perder. Mas eis que surge o poder da coragem, o Caetano ganhou a felicidade da coragem. O Marcelo ganhou super força da coragem, o Iker abriu um portal para nós fugimos das cópias para aniquilar a bruxa sombria e aí o Caetano fez um furacão com sua velocidade e o Lucas e o Marcelo fizeram um ataque em grupo o Lucas lançou o Marcelo para dar um soco na bruxa sombria. E o Lucas fez o mesmo com o Iker, lançou ele para dar uma espadada, e ai, o Caetano parou de fazer o furacão, pois tinha um outro golpe na manga: um ataque duplo, Caetano chamou os seus amigos e ai fizeram o ataque em dupla, e ai aniquilaram a bruxa sombria.

333


QUANDO SURGIU A FELICIDADE EM MIM? Carolina Catarino Borges Quando penso em felicidade, imagino-me cantando, fazendo ginástica, dando piruetas, correndo e me divertindo. Ao longo dos dias tento manter este sentimento em mim. Quando nasci minha jornada começou e ouve uma confusão de sentimentos que nem consigo explicar. Mais o sentimento que mais apareceu e se expandiu foi a felicidade estrema no meu coração. Minha família é pura felicidade, mas cada um tem o seu jeito de demonstrar este sentimento: Minha mãe trabalha em casa muito feliz, tão feliz que até canta. Meu pai brinca muito comigo. Meus avôs me alegram contando piadas e minhas avós me falam para eu nunca desistir dos meus sonhos. Cada vez fico mais feliz de fazer parte desta família maravilhosa sempre crescendo mais e mais feliz. Tenho 2 primos de 15 anos e 1 de 12 que me ajudaram muito a ser feliz e ser quem eu quero ser, não me importar com o que os outros dizem de mim. Minha mãe diz que se você cresce em um ambiente de afeto, de felicidade e amor você será uma pessoa amorosa, carinhosa e feliz foi exatamente o que aconteceu. Quando era menor recebi carinho e felicidade, agora que nasceram primas/os novas/os, posso passar o que aprendi com minha família e amigos para os menores, dando o exemplo para quando eles crescerem terem tudo de bom que aprenderam comigo para virarem pessoas boas, com muita felicidade. Portanto sigo instruções dos meus familiares de como ser feliz e manter a alegria no meu coração para transmitir a outras pessoas e assim vou passando a felicidade.

334


MINHAS FÉRIAS NA DISNEY Carolina Peixoto Affonso Ferreira Alegria para mim é quando eu fico alegre, de bom humor e agitada. Isso aconteceu quando eu fui para a Disney. Um belo dia eu minha mãe e meu pai estávamos arrumando porque iríamos viajar. Para essa viagem, minha mãe comprou equipamentos de frio, roupas e etc. No dia seguinte eu estava super animada para a grande viagem, pois nunca tinha ido à Disney. Meu pai levou a gente no aeroporto, fizemos o check-in, embarcamos as malas e fomos tomar um lanche. Quando levei meu pai até à saída, subimos e entramos no avião. Eu estava muito animada. Na decolagem, fiquei vendo desenho até chegar em casa. Mudamos de avião e horas depois, chegamos ao nosso destino: Atlanta. Nessa viagem, eu fiquei muito feliz e animada. Adorei viajar com a minha mãe. Foi um sentimento de alegria, aventura, adrenalina e diversão.

335


MEDO Gabriella Petruzzellis Azevedo Em um dia, às três horas da manhã eu estava dormindo. Como sempre, num sono bem profundo, pensando se eu ia bater meu record no Free Fire, mas eu estava com sede, então eu resolvi ir na cozinha pegar um copo d`água, mas quando eu cheguei lá eu estava ouvindo alguns barulhos estranhos. Isso me fez sentir muito medo. Pra mim, medo é tipo um cheiro estranho no ar. Então eu fui pro banheiro e fiz o desafio da loira do banheiro que é assim bate na porta 3 vezes, dar descarga 3 vezes, gritar Catarina 3 vezes e quem apareceu? A loira do banheiro apareceu, então, eu saÍ correndo de lá. Quando cheguei no meu quarto, percebi que tinha imaginado tudo isso. Comecei a rir de tudo e iniciei o jogo do Free Fire. Para mim, não há momento mais agradável que ficar no meu quarto imaginado situações engraçadas e às vezes de terror. A imaginação tem dessas coisas, nos faz sentir diferentes emoções sem sair do lugar.

336


AS JOIAS DAS EMOÇÕES Guilherme Coutinho Rodrigez de Britto Era uma vez um menino chamado Piter, ele era zoado na escola pois era odiado em seu colégio. Porém, um tempo depois, ele perdeu a paciência e saiu da escola. Em sua nova classe, conheceu outros amigos que tinham amor no coração: Shuri, Thomas e Tobi, um robô super-herói. Shuri era um superheroi que tinha 518 anos e Thomas um superherói que carregava a joia da ALEGRIA. Em um dia comum, os quatro ouviram uma explosão. Era Tomi lançando um meteoro da tristeza. Metade da cidade ficou sem alegria e os heróis não derrotar ele, então falaram para Piter se transformar em um super- herói. Piter aceitou e os heróis todos os dias o treinavam para vencer o mal. Com o tempo, ele se transformou em super-herói. Os heróis decidiram ir ao planeta de Tomi, em Marte, e fizeram uma nave para essa viagem. Thomas encontra Tomi, que tenta pegar a joia das emoções. Shuri pega a joia e lança um lazer da alegria mas Tomi evita usando o lazer do ódio. Nessa batalha, Shuri se sente odiada e perde a joia e a força de Tobi pega a joia. Mas Tomi joga a joia para longe e Piter pega a joia e lança o lazer supremo... nesse momento, derrota Tomi e assume a joia da alegria.

337


O DIA DO AMOR Iker Alves Hughes Esse texto foi escrito pensando no sentimento amor, pois ele ótimo, para todas as pessoas do mundo. O natal para mim representa amor, porque foi quando o Jesus nasceu, o nosso Salvador. Lembro de um natal muito especial da minha família. Na terça de dezembro de 2018, eu minha família estávamos na casa da minha avó juntos para comemorar a véspera de natal e com o coração batendo de amor. E chegou o grande dia, o Natal. Eu e a toda minha família acordamos com o coração apertado, nós esperamos horas e horas para o momento e fomos lá comemos, assistimos tv e relembramos a paixão no natal da minha família. Esse, sem dúvida, é um momento onde todos nós estamos repletos de sentimentos bons, principalmente o amor.

338


MINHA AMIGA SOPHIA Isadora Campana Ferreira da Costa Quando eu penso em emoções, me baseio em um fato real muito triste: quando uma das minhas amigas faleceu. Ela morava na favela, a mãe dela morreu quando ela era pequena, mesmo assim ela era muito feliz, ela emprestava tudo e era muito gentil. O nome dela era Sophia. Em 2018 ela foi minha dupla nas carteiras da escola por mais ou menos três meses. Como a vó dela (que cuidava dela) era dona de uma papelaria, ela tinha vários materiais diferentes e sempre me emprestava tudo. Eu tinha muita sorte de ter tido uma amiga tão boa e especial como ela. Quando eu fiz 7 anos, comemorei com uma festa do pijama e ela foi. Como foi muito divertido, ela sempre me perguntava quando faria mais uma. Talvez eu faça esse ano e queria sentir como se ela estivesse lá. No dia que a minha mãe me contou sobre a partida da Sophia, eu estava com a minha tia de 12 anos que mora em Volta Redonda. Chorei muito. Minha tia me consolou, dizendo que uma vez a amiga dela estava sentindo dores no corpo e só depois descobriram que ela estava com câncer, e então, ela morreu. Na missa dela, eu não consegui ir, senão ia voltar encharcada de tanto chorar. No início, quando eu não conseguia aceitar, eu rezava para ela todas as noites. Esse foi o maior marco de tristeza na minha vida. Nunca esquecerei da minha amiga Soso. Eu a amo muito!

339


A VIAGEM DE MEI João Pedro Quaresma Cordeiro A história que você lerá a seguir, conta a vida de uma menina de 14 anos chamada Mei, que passou por um momento de tristeza, porém teve esperança mesmo com dificuldades. Em um certo dia, Mei foi viajar para a Rússia com seus pais. Eles estavam se divertindo muito na viagem, quando de repente, o avião perde o controle e começa a cair. Todo mundo começou a gritar, algumas desmaiaram, mas Mei ficou quietinha chorando e repetindo: -A gente vai morrer! A gente vai morrer! Então quando o avião caiu no meio do mar, Mei chorou mais um pouco e quando percebeu que estava entrando água no avião, correu para fora. Quando ela não estava mais aguentando nadar, lembrou que quando era menor, ia para o trabalho de mecânico do pai dela. Então montou um barco a motor com as partes do avião. Ela usou a carcaça para fazer a base e as paredes e a turbina para fazer o motor. Em seguida viajou com seu barco para procurar ajuda. Depois de um tempo navegando, encontrou um porto, então decidiu parar lá. Ela foi recebida com muita educação. Ela explicou o que tinha acontecido e foi levada para o orfanato. Depois de três semanas, os avós dela souberam e vieram busca-la. Então ela viveu o resto da vida com os avós.

340


A SORTE DE SER AMADO Júlia Cardoso De Niemeyer A história que eu vou narrar conta um pouco de uma menina que passou por momentos de tristeza e conseguiu encontrar a felicidade. A tristeza é um sentimento não tão bom, mas sempre nos tráz uma lição. Existia menina chamada Daniele e sua melhor amiga se chamava Anna Luiza elas tinham uma amizade muito forte e os pais de Daniele se chamavam Aline e Leonardo. Daniele sofria de Bullying no seu colégio pela sua forma física por ser mais gordinha que as outras meninas ela só podia confiar na sua melhor amiga , elas eram grudadas uma na outra. Ela ia da escola para casa e de casa para a escola. Ela sofria muito, mas por sorte e com a ajuda de seus pais, ela não entrou na depressão. Eles a encorajavam todas as horas. Eu escrevi essa história para falar que amigo é aquele que sempre quer o seu bem e eles são amigos até na hora do sufoco.

341


OS MELHORES AMIGOS Lucas Adrião Motta Esse texto foi escrito foi escrito pensado no sentimento alegria. Quando penso em alegria é brincar com os meus amigos e abraçar a minha família. Meus melhores amigos são Iker, Gui e Rodrigo. E a minha família é minha mãe, minha vó e meu tio. Eu e meus amigos sempre jogamos videogame depois da aula. Sempre jogamos juntos. Minha família sempre é muito divertida e alegre, sempre com a melhor alegria. Um dia meus amigos e eu queríamos ganhar o torneio de basquete, mas primeiro precisaríamos treinar para o torneio. Eu estava treinando, quando percebi que já era o torneio . Nosso time estava treinando. Quando terminamos de treinar fomos para o jogo. Primeiro, Iker fez dois pontos, depois, Gui fez três pontos e ganhamos o jogo. Sempre jogamos juntos, um ajudando o outro. Esses momentos juntos nos deixam muito felizes.

342


A AMIZADE É MAIS FORTE. Marcelo Monteiro Tavares A história que você lerá a seguir, conta sobre uma pessoa que vivia com muita raiva e descobriu a Felicidade! O nome dele era Terencio. Ele morava sozinho, não tinha filhos nem amigos. Ele não gostava de ninguém pisando no seu quintal e na sua grama. Um dia, Terencio saiu de casa e deixou a janela aberta. Thomas, menino curioso, estava jogando bola com seus companheiros de rua perto da casa de Terencio. A bola entrou pela janela aberta. Como ele era curioso ele vasculhou a casa inteira. Ele viu que Terencio estava chegando, se escondeu em um armário. Do nada, Terencio abriu o armário. O Terencio ficou muito bravo, mas, Thomas explicou para ele só queria pegar a bola e que era um menino de rua, mas que mesmo morando na rua, era muito feliz. Terencio ouvia atentamente o que Thomas falava. Em um determinado momento, o menino disse que o seu grande sonho era possuir uma família. Emocionado, Terencio o convidou para passear. Os dois conversaram durante toda a tarde. A partir de então, Terencio deciciu adotar Thomas. Foi um pouco difícil, mas eles conseguiram. Quando Thomas cresceu, teve um cachorro e dois filhos. Virou escritor deixando todos felizes.

343


SEMPRE SORRIA Maria Câmara Xavier de Brito Esse texto foi pensado na tristeza e na dor do bullying e na alegria dele acabar mais alguns só acabam quando ficam adultos... Eu sou a Gaby e minha irmã se chama Melissa... ela junto com sua amiga Rafaela fazem bullying comigo. Minha avó que infelizmente faleceu falou para eu sempre sorrir e eu fiz isso.A minha irmã tem a menor educação com a nossa mãe depois fomos a nossa nova escola quando chegamos e fui a o terraço e a Rafaela me chutou e as duas ficaram rindo de mim. Depois disso eu não esperava que uma menina estava observando a gente! Ela chamou o diretor: - Diretor acredita que elas são irmãs!? Era a Emy, eu sabia que se seguisse minha vó conseguiria. A Emy era minha amiga desde da maternidade, minha mãe disse que a minha primeira palavra foi Emy. Bom, ela tinha se mudado para Portugal, fui perguntar porque ela tinha voltado. Ela me disse que estava tendo uma e a tia dela morava lá e melhorou, eu falei para ela que estava apaixonada pelo primo dela e ela falou que ele também estava apaixonado por mim. Anos depois tivemos uma filha, a minha se chamava Mel e a dela se chamava July. A Melissa e a Rafaela se desculparam e tiveram um filho Rafael e Miguel.

344


COMO EU TIVE UM GATO Mila Mello Crelier Quando eu penso em felicidade imagino que é ser feliz, ter uma família e um bichinho de estimação. Esse texto foi escrito e pensado no sentimento de felicidade porque eu me inspirei no meu gato, eu o amo. Um dia minha mãe estava voltando para casa depois do trabalho, quando um gato apareceu na perda da minha mãe, e foi acompanhando ate a casa da mãe. Ele era preto então todos achavam que dava azar, mais minha mãe falou - Nós só vamos alimentá – lo Então meu pai disse: -OK ! Então, tá. Minha mãe alimentou o gato, mas ficou com muita pena dele, então resolveu ficar com ele, meu pai com inveja. Passou um dia e ele ficou com minha mãe em casa, mas meus pais descobriram que ele estava doente, então levavam ao médico. O médico disse que não era nada além de que o rabo dele estava torto mais depois de um tempo ele já estaria melhor. Até hoje o rabo do meu gato tem uma pontinha que estava machucado. Passou anos e eu nasci e o Jimmy sempre me quis proteger. Quando eu cresci só me preocupava com meu gato e até hoje. E é por isso que hoje sou muito feliz com meu gato, e sempre ele vai me acompanhando eu na escola e ele lá em casa.

345


O SONHO DE LILY Nicolas Yabrudi Deseta Quando eu penso em felicidade imagino que é ser feliz, ter uma família e um bichinho de estimação. Esse texto foi escrito e pensado no sentimento de felicidade porque eu me inspirei no meu gato, eu o amo. A historia que irei contar é sobre um robô um pobre robô um pobre robô que foi criado e arquitetado por cientistas para fazer suas tarefas, ele sempre concordava se discordasse ia ser desmontado aquela sensação era horrível como todos sabem robôs não tem emoções mas esse era diferente ele teve um projeto para transforma-lo em humano mas logo foi descartado mas esqueceram de tirar as emoções. Em um belo dia ele acordou para fazer as tarefas de casa dos cientistas, mas quando ele começou a fazer as tarefas ele sentiu que não servia para nada ate que o filho de um cientista viu a situação e foi lá falar com o robô. Não se menospreze, quer ser meu amigo? E pela primeira vez em todo o seu histórico ele sentiu uma coisa, uma emoção: o amor. A partir dali tudo mudou para aquele robô, ele já não se sentia mas menosprezado e sozinho aquele garoto viu potencial Naquele robô e não importa a aparência se você e feio bonito rico ou pobre o que e importante e você ter um amigo por perto.

346


O SONHO DE LILY Nicole Tavares Rodriques A história que você lerá a seguir, conta a vida de uma menina que conseguiu realizar o sonho de viajar para o lugar onde morava o seu pai. Isso a deixava com um sentimento enorme de alegria. Um dia uma menina chamada Lily estava acordando. Quando ela estava levantando da cama, ela viu duas passagens de avião para o dia oito de dezembro. Lily pegou as passagens e foi mostrar para sua mãe. Lily perguntou para sua mãe para quem era aquelas passagens. A mãe dela falou que era para ela e seu pai que estava para chegar. Lily ficava com um grande sentimento de alegria. Lily ficou toda a semana contando as horas porque ela tinha ficado um ano inteiro sem velo. Finalmente havia passado uma semana e estava no dia do pai dela chegar! Lily estava com muita agonia, mas a mãe dela falava que passar o dia todo com agonia iria fazer mal para ela. O coração de Lily estava muito emocionado quando o pai dela havia chegado. Esses dias Lily precisava aproveitar o pai dela. No primeiro dia Lily foi a praia com seu pai e ficaram lá de 10:00 horas da manhã até as 19:00 horas da noite. De manhã eles foram a casa de Lily para arrumar as malas e ir viajar com seu pai. Neste dia, foi um dia que a Lily transbordou de alegria por ficar com seu pai.

347


EU E MINHA FAMÍLIA Olivia May Ribeiro Price Falar de amor é sentimental. Quando penso em amor, eu sinto que mesmo que eu me machuque acho que tudo é legal e divertido. Esse texto foi escrito pensando no sentimento amor. A história que você lera a seguir conta a vida de uma pessoa que amava a todos. Um dia, minha mãe teve a ideia de ter um cachorro. A Elza minha babá gostou da ideia e falou para a minha mãe que ter um cachorro é muito legal, mas já o meu avô não gostou nada da ideia porque tem que ter muita responsabilidade e ele disse que se entrasse cachorro ele saia de casa. Sexta-feira depois da conversa, eu e minha mãe fomos para a casa da tia Eliane. No meio do caminho vimos uma moça com o nome de Marcela com um cachorro enrolado em um cobertor quase sem pelo e com sarnas. Minha mãe pediu o celular da Marcela para adota-lo. Alguns dias depois, eu fui dormi na casa da minha amiga mas antes, eu e minha mãe fomos ver o cachorro com o nome de Muffin. Quando voltei domingo da casa da minha amiga ela me ajudou a arrumar a casa para meu cachorro não pegar as coisas da casinha de brinquedo. Quando fomos pegar o cachorro ele já estava bom das sarnas e já estava brincando bastante. Adotamos ele e até agora somos uma família feliz. Muffin chegou para completar a nossa família.

348


UMA BRIGA DE IRMÃS Rafaela Mayolino de Almeida Quando eu penso em raiva eu imagino uma pessoa brigando com a outra , que não consegue ficar feliz. Alguns anos atrás eu e minha irmã tivemos uma briga muito forte, que ficamos dias sem nos falarmos. No começo eu tinha muita raiva dela mas depois eu comecei a sentir que eu falei muito alto com ela e quis pedir desculpa para ela, mas eu ainda sentia raiva dela. Mas eu pensava: -Será que ela vai aceitar minhas desculpas? Alguns dias se passaram eu comecei a pensar o que eu podia fazer para ela se sentir feliz e eu planejei que ia ser, guerra de travesseiros! Eu fui lá na porta do quarto dela e falei: -Correio chegando. Ela não falou nada então fui da maneira mais difícil. Guerra de travesseiros! Então comecei a jogar os bichinhos de pelúcia nela...ela ficou com tanta raiva que falou para a mamãe e para o papai. E é claro eu fiquei de castigo e ela também. Nós tivemos que pedir desculpa uma para a outra. E é claro que uma briga de irmãs nunca acaba!

349


O MUSEU Rodrigo Lima de Mendoza A história que eu vou contar é sobre o medo. Para mim o medo é uma emoção em que você sente temor de algo como os lugares, das coisas, ou das pessoas. Uma vez eu estava em um museu em um dia chuvoso estava em uma sala de múmias e de repente a luz se foi e me senti muito medo. Depois senti que me cutucaram e eu pelo medo de um chute na coisa ou pessoa e sai dessa sala rápido e fui para uma sala maior mas era algo melhor. Mas naquele museu não tinha quase ninguém e fiquei pensando será que dei um chute na minha mãe ou no meu pai?! Fiquei curioso e voltei para a sala onde eu estava e fiquei ainda mais perdido passaram 1 hora e durante isso fiquei andando pela sala e depois e sentei em um canto da sala esperando que a luz volte e depois a luz volto e achei os meu pais e voltei para a casa com os meus pais.

350


O ACAMPAMENTO Sofia Feitosa Peçanha de Holanda Cavalcanti Pacheco de Aragão Felicidade é um sentimento muito bom, para mim felicidade é amor e alegria juntos, é estar com a família, se sentir feliz. A seguir você vai conhecer um momento da minha vida, que narra um acontecimento de felicidade. Há alguns anos, no primeiro ano em uma sextafeira todos os primeiros anos estavam na escola no Colégio Notre Dame, eu estava com minhas amigas Rafaela, Raiana e Laís estávamos muito ansiosas, quando chegamos no dormitório arrumamos nossas colchoes e fomos brincar. Algum tempo depois, estávamos com fome comemos, pipoca, batata frita e cachorro quente bebemos mate e suco de uva, depois fomos para o parcão achar o saco de doces e achamos depois, voltamos para os dormitórios, conversamos e era hora de ir para a piscina eu não concordei porque fomos para a piscina 10 horas da noite mas entendi que tinham muitas turmas. Nós trocamos de roupa e fomos ver um filme, estávamos conversando e todo mundo estava virado de costas para o outro lado então decidi ir dormir quando acordei a Rafaela estava virada para mim, ainda era de madrugada, depois vi um pouco do filme e voltei a dormir, quando acordei a Rafaela estava virada para mim, quando acordei de novo a Rafaela ainda era de madrugada, depois vi um pouco de filme e voltei a dormir, quando acordei de novo a Rafaela estava deitada no meu colchão, levei o maior susto. E perguntei a Rafa porque você está deitada no meu colchão, ela disse: -A Raiana pegou meu cobertor, travesseiro e o meu bichinho de pelúcia. Mas no final de tudo dormimos bem, esse dia foi uma memória muito legal e divertida.

351


O DIA ENGRAÇADO Sthefanie Simões Levany Um dia de sábado eu acordei para passear com minha mãe e meu cachorro na Lagoa, eu fui tomar água de cocô junto com meu cachorro Sonic, depois disso fomos andar um pouco ... Depois de andar fomos sentar e eu vi minha amiga com seus pais, sua irmã e seu cachorro Hulk, ao ver ela nossos cachorros se encontraram mas... O Hulk ficou com um pouco de medo do Sonic e essa parte foi muito engraçada, mas depois eles foram se entendendo melhor, depois minha amiga foi termina sua caminhada com o Hulk. Depois eu e minha mãe fomos sentar na grama para ver o pôr do sol e ficamos lá enquanto isso não acontecia, minha mãe forrou a canga. Em seguida, minha amiga passou por lá novamente e o Hulk e o Sonic se encontraram novamente e brincaram muito, depois fomos todos para casa.

352


ALEGRIA Antonia de Souza Capitulo Caminha

Hoje vou contar para vocês um dos meus momentos de alegria com a minha prima. Tudo começou quando o pai da minha prima ligou para a minha casa e avisou que eles iam passar o Natal aqui no Rio de Janeiro e eles moram em Manaus eu fique bastante animada para passar o natal com uma das minhas primas favoritas. Em quanto ela não chegava eu já estava planejando tudo que a gente ia fazer eu ate fiz uma lista. Quando ela chegou agente foi bricar na praia e depois comer pizza no restaurante, eu amei essa tarde com a minha prima. Quando a noite chegou minha prima foi dormir na minha casa agente ficou acordada a noite todo, fazendo varias coisas legais tipo: a gente fez pipoca, ouviu histórias de terror comeu chocolate, fez cockk e mexeu no celular e vendo tv.

353


354


a7DE


356


PRISCILA DE OLIVEIRA SAMPAIO DE FREITAS “Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos.” Antoine de Saint-Exupéry É com essa citação que daremos início a uma leitura que vai além das limitações da Língua Portuguesa. Hoje, ao escrever essa introdução constato que a nossa busca transcende o que de fato, os olhos podem ver. Somos luz, somos sentimentos, somos emoção antes mesmo de sermos razão. Como é bom e prazeroso realizar um trabalho onde a essência da criança, tão delicada é revelada e lapidada ao ponto de podermos expressá-la na escrita. Foi assim, que os nossos alunos do 5º ano, corajosamente o fizeram. Dentro da inocência e simplicidade própria de cada criança, poderemos perceber diante de várias reflexões que foram trabalhadas em aula, ao longo do ano nas disciplinas de Filosofia e Religião, que, nossos alunos foram muito além das páginas dos livros. Foram tantas experiências, desabafos, choros, sorrisos em uma construção da compreensão do nosso olhar para com o outro e de nós mesmos para conosco. A nossa grande preocupação, não foi escrever um texto enorme, mas trabalhar para que eles pudessem expressar através de composições poéticas, e narrativas, a percepção da inocência infantil nas histórias a seguir. Como diria, Antoine de Saint-Exupéry, “Preparar o futuro significa fundamentar o presente” . E, assim pude perceber ao ver o resultado final das produções, que é preciso ter muita coragem para compartilhar publicamente um pouco do que guardamos no coração, é necessário ser empático para querer contribuir através de reflexões sobre quem somos, o que pensamos, e como vemos o mundo, com os leitores deste livro. A obra inteira, a produção deste livro por completo, nos mostra uma mudança de valores.

357


Portanto, hoje, convido você leitor, a mudar seu olhar da percepção sobre a vida! Os convido para juntos navegarmos na essência sincera e cativante que somente quem é puro de coração, consegue de fato, transmitir.

“Deixai as criancinhas virem a mim e não as impeçais, pois delas é o Reino de Deus. Em verdade vos digo, aquele que não receber o Reino de Deus como uma criancinha, não entrará nele” (Mateus 19,14)

358


A GENTILEZA Adriano Augusto Campos de Medeiros Valentim Um dia a gentileza corria solta, Na cidade do Rio de Janeiro, Cada pessoa andava de boa, Na rua chamada lagoa. Todo mundo precisava de lar para morar, Pelo menos essas pessoas vão se abrigar, Tem gente de outras cidades, Que vem e só traz coisa ruim para cidadãos. Mas quem faz isso, é preso na cadeia do Rio Para assim nenhuma pessoa se sentir magoada, Mas, se você acha que as pessoas que vão para a cadeia são maltratadas Então você acha errado! Na verdade, elas são disciplinadas, Para se tornarem mais gentis. É assim, que é a vida das pessoas na cidade do Rio de Janeiro.

359


O QUE VAI VOLTA Ana Carolina Privitera da Costa Há muitos anos atrás na época da segunda guerra mundial, existiam dois irmãos muito próximos. Eles eram alemães. Tinha um menino chamado João, de doze anos e uma menina chamada Júlia de sete anos. Um dia quando estavam indo para a escola Julia tropeçou e caiu, no meio de sua queda, viu um cachorro abandonado e disse ao amigo João: -João! Olha aquele cachorro! Nossa! É mesmo Júlia, vamos lá ver. Respondeu comovido o amigo. Quando chegaram, viram que era uma fêmea com oito filhotinhos, então eles levaram os cães ao veterinário que ficava do outro lado da rua, pois sentiram-se penalizados com a situação dos animais. Após a consulta na clínica, os dois amigos perceberam que a família dos cachorrinhos não tinha lar. Então, comovidos com a situação, eles resolveram adotar os animais. E, com isso, puderam dar muito amor e carinho aos cães. Passaram-se alguns anos, os cães já estavam grandes e formosos, foi quando Júlia e João foram passear no parque com os cachorros. De repente, apareceram dois homens malvados e estavam pedindo todo o dinheiro e os celulares. Foi aí, que a sua cachorra percebeu o perigo que os seus donos estavam passando e surpreendeu-os derrubando os bandidos no chão. No meio da confusão, João e Júlia conseguiram recuperar todas as suas coisas de volta. Sendo assim, o menino ficou emocionado com a atitude da cadela, pois ele percebeu que os animais também têm sentimentos!

360


O MONSTRINHO DAS EMOÇÕES Ana Laura Mattos Em um reino muito distante, em ANIMALÂNDIA havia um monstro chamado Monstrinho das Emoções. Ele trabalhava para uma agência que ajudava as pessoas tristes fazendo com que se sintam mais felizes. Certo dia, ele recebeu uma missão de seu chefe, para ajudar uma menina chamada Valentina, que estava muito triste porque perdeu uma competição, onde o vencedor ganhava uma viajem para a Disney. Então, a agência resolveu enviar o Monstrinho das Emoções para a casa de Valentina. Ao anoitecer ele pegaria sua nave e iria direto para a Terra. O Monstrinho costumava estacionar sua nave no telhado para que ninguém percebesse, então apertava o botão para que nave ficasse invisível, e como ele era de outro reino, conseguia entrar na casa atravessando as paredes. Quando a pessoa estava dormindo ele entrava no sonho dela e cantava sempre a mesma música: “Me conte seu problema que eu resolvo em um instante, não adianta ficar bravo pois sou muito falante. Vou falar com você até você aprender que a vida é ganhar e também perder.“ Depois que ele terminou de cantar a música ela acordou imediatamente, o Monstrinho saiu do sonho desesperadamente para ela não vê-lo e voltou para sua nave correndo. Chegou na agência, e falou para seu chefe que não conseguiu completar a missão. Ele ficou muito bravo com o Monstrinho e reclamou: -Volte lá amanhã e resolva o problema dela!!! No dia seguinte... voltou lá à noite novamente, e foi tentar ajudar a menina outra vez. Quando ele entrou no quarto da Valentina foi para o lado dela, pisou em um brinquedo e sem querer a acordou. Valentina, levantou assustada, porém percebeu que o Monstrinho, era simpático. Ela então o agarrou tão forte, que ele não teve como fugir. Depois de um tempo começaram a conversar, e a partir desse momento ela ficou muito feliz pois, havia achado seu melhor amigo. O Monstrinho ligou para a agência e disse que não queria trabalhar mais lá, pois achou sua melhor amiga, e passaram o resto da vida compartilhando as emoções. Afinal, quem tem um amigo, tem um tesouro! 361


AMOR A PRIMEIRA VISTA Ana Luisa Figueiredo

Num belo dia de sábado, em Paris, uma mulher chamada Pietra estava passeando quando deixou sua carteira cair no chão, e um belo homem, bonito e gentil pegou a carteira e deu com a maior delicadeza na mão dela. Logo de primeira, ela se apaixonou por esse homem super gentil. Então, Pietra curiosa perguntou seu nome. - Meu nome é Theo! Respondeu o rapaz educadamente. - Você quer sair comigo? Perguntou Theo, encantado com a moça. É obvio que ela aceitou o convite. No dia seguinte Pietra estava se arrumando para o grande encontro, quando de repente ela o viu chegando em sua casa. Se arrumou super rápido e de qualquer jeito, e Theo estava muito bonito para o jantar romântico. Quando ele chegou, levou um grande susto pois a menina que ele esperava estar bonita não estava muito arrumada para a ocasião. Mas, ele nem ligou, porque estava apaixonado por ela também. Eles dois eram feitos um para o outro, os dois eram super gentis e nunca brigaram. Claro, que às vezes eles se desentendiam, mas no final, sempre voltavam ao normal. Depois de alguns anos, eles finalmente se casaram. Tiveram dois filhos e uma casa muito bonita. Certo dia Pietra, Theo e seus dois filhos foram passear em uma praça. Quando chegaram lá, viram um cachorro sozinho, e logo quiseram ajudar. Eles pegaram o cachorro e cuidaram dele com muito amor e escolheram seu nome que foi Alegria, pois quando pegaram o cachorro sentiram muita felicidade em seus corações! A família se sentiu tão bem em ajudar o próximo, que resolveram que até o final da vida eles iriam ajudar ao máximo os animais!

362


A HISTÓRIA DE ZUMBI E DANDARA Ana Luiza Soares Tapajos Jansen Essa história começa na África, Zumbi dos Palmares é escravizado e vem diretamente de Angola separando-se de sua mãe, seu pai, seus irmãos e principalmente de sua aldeia. Quando chegou no Brasil, Zumbi foi vendido ao Padre Firmino, que dependia de um coroinha para lhe ajudar. Zumbi cresceu, e desde sempre foi muito bem educado. Um dia, houve uma denúncia, e Zumbi se abrigou em um quilombo que estava em construção. Zumbi era adolescente e conheceu Dandara, uma negra do quilombo. Dandara é brasileira! Com a mãe africana e o pai português, negava ser escrava, então fugiu para o quilombo. Zumbi e o quilombo exerceram um protesto contra o chefe do quilombo, o grande Ganga Zumba, pois por leito de “paz” ele teria que entregar todos os fugitivos do quilombo. Ganga Zumba morreu e no seu lugar elegeram Zumbi e Dandara como os novos chefes do quilombo que até então não tinha nome. Zumbi e Dandara contribuíram para várias modernidades no quilombo, eles atacavam brancos que queriam fazer denúncias contra o quilombo, assim ficando com armamentos mais fortes. O amor deles foi infinito! Tiveram três filhos sendo duas meninas e um menino. Um dia, Francisco Lopes Soares, o fiel escudeiro de Zumbi, foi capturado e revelou o esconderijo de Zumbi. Era 28 de fevereiro e Zumbi foi atacado, e foi dado como destino a forca. Zumbi foi decapitado na praça no centro da atual capital de Alagoas, Maceió. Os portugueses fizeram questão de levarem alguns dos seus escravos para verem o que acontece com os revoltados com os seus superiores. O quilombo não acabou! Foi finalmente dado um nome, sendo assim, Quilombo dos Palmares. Já que, àquela praça era envolta de milhares de palmares. Dandara seguiu forte! A perda foi muito sentida para ela e seus filhos, porém ela continuou com a luta do seu marido! Era dia 6 de fevereiro do ano de 1694 e Dandara foi capturada, logo após esse fato ela cometeu suicídio. Depois de um tempo, na mesma época, o quilombo foi destruído por bandeirantes. Triste! 363


Os negros lutam até hoje por igualdade, e tudo isso porque o Mundo agrega nele pessoas preconceituosas que acham que a cor defini o caráter, exemplo disso na formação de alunos com as cores negras ou pardas em faculdades, no salário em empresas onde o homem branco ganha várias vezes a mais que um homem negro. Enfim, igualdade é o que eu quero, um país que não está no retrato!

O HOMEM TRISTE QUE FICOU FELIZ Antônio Moreira Ketter Em um dia eu, meu pai, minha mãe e meu irmão, estávamos indo para o laboratório onde minha mãe trabalhava. Até que nós vimos um homem, que parecia triste e raivoso. Então eu e minha mãe fomos ver porque ele era assim. Quando chegamos no lugar onde ele trabalhava, descobrimos que ele também mexia em laboratório e o engraçado que era igual o da minha mãe. Fiquei intrigado com aquele senhor tristonho! Em outro dia, nós voltamos a visitar o trabalho da minha mãe. Foi então que pensei em procurar aquele senhor ranzinza e mal educado. Depois de muito tempo procurando-o eu o encontrei. Me disfarcei e fui ao encontro do senhor no seu laboratório. Lá, tinham vários papéis falando que esse homem tinha bebido uma poção que fez ele ficar assim, triste e raivoso. Então, eu fui correndo ao laboratório da minha mãe para ver se eu conseguia fazer uma poção que mudasse aquela situação, depois de eu sujar minha mãe e até o computador, eu consegui! Fui correndo até ele e falei: -Tome essa poção senhor, que aí você volta ao normal! E o homem todo feliz me deu um abraço me agradecendo! E foi então que eu descobri que independente da pessoa, tente dar sempre o seu máximo para ajudar!

364


A FELICIDADE UM AO OUTRO Bernardo Becker Mothé Existem hoje em dia muitas pessoas, que se desprezam que maltratam os outros e muitas outras coisas de ruim. Mas, se nós tivéssemos um mundo que ninguém se maltratasse onde ninguém se ofendesse e nada de mal acontecesse. Seria um mundo bem melhor! Com emoções felizes de alegria, gratidão e amor. Hoje em dia as pessoas fazem muitas coisas de errado, elas poluem o ambiente, maltratam os animais da floresta e domésticos, as pessoas se sacrificam, tem gente que mata pessoas, sequestros e etc. Vamos pensar sobre o que aconteceria se o mundo fosse só dessas emoções boas, se não tivessem assaltos e violência. Vamos construir um mundo melhor!!!

AMOR E O RESPEITO Bernardo de Araújo Gorgulho Dahoui O amor é um Sentimento de felicidade Alegria e gratidão. O amor é um tipo de alegria Que a pessoa não ganha ela Adquire. O respeito é a gratidão Que toda a pessoa tem que Ter. O respeito é muito importante Para a vida porque ele ensina Várias coisas.

365


TERREMOTO ASSUSTADOR Bruno Gonçalves Nogueira Menescal de Holanda Em um dia nublado, o chão começou a tremer, era um terremoto! Depois de um tempo, o terremoto parou. Uma família que morava ali por perto saiu de casa para salvar algumas pessoas que precisavam de ajuda. Depois de alguns minutos, encontraram um homem que estava sendo esmagado por um grande bloco de pedra. A família puxou a pedra e libertou o homem. Perguntaram o nome dele e ele respondeu que seu nome era Marcos Vinicius. Perguntaram em seguida, onde a família dele estava e onde ele morava, ele respondeu que não tinha família nem casa, e saiu andando normalmente. Depois de um tempo, uma repórter foi entrevistar algumas vítimas do terremoto, e um dos entrevistados foi ele. Na entrevista perguntaram o que ele estava sentindo em relação ao terremoto, e ele respondeu: –Está tudo bem, não me importo. Então a família ficou surpresa com aquela resposta e foi em busca daquele rapaz. Depois que acharam ele, perguntaram: –Como assim você não se importa com esse terremoto depois de tanta destruição? – E ele respondeu: – Eu não tenho nem sentimentos nem emoções. A família perguntou: –Por que? – E ele respondeu: – Eu não sei, depois que meus pais me abandonaram eu não sinto mais nada, nem fisicamente nem emocionalmente. Abatidos, a família perguntou: – Você quer vir morar na nossa casa? –E ele respondeu: –Quero sim, muito obrigado! A família levou-o para casa e deu banho e comida para ele com muito carinho e amor. O tempo foi passando e o Marcos foi ”melhorando” cada vez mais e a família descobriu que ele só não tinha sentimentos porque ele nem amava nem era amado por ninguém. Ame alguém, seja amado! Emóvere-se você também! 366


UM NOVO PROJETO Clara Pessoa Foch Marinato Vou te contar uma história, um projeto bem legal Aconteceu na minha escola Foi uma ideia sensacional! Emóvere é seu nome E é o amor que te consome Emóvere é respeito, é compaixão, é alegria! Emóvere é amizade, é fraternidade é harmonia! Ser emóvere é ser bom, é ter espaço para outros no coração Emóvere é reconhecer o outro, Ajude-o como se fosse um irmão! Emóvere pode virar dia a dia Se praticar com simpatia Então não pense duas vezes Emóvere-se você também!

367


O DOG Davi Gama Pereira Numa tarde de sol uma família resolveu lanchar em uma pizzaria. Ao saírem do prédio se depararam com um cachorro branco chorando muito! Sentiram muita pena do animal que resolveram pegar ele e alimentá-lo. No dia seguinte, o cão sumiu. Desesperados a família resolveu procurá-lo e ao encontrarem ele, o levaram ao veterinário, pois o animal estava além de muito magrinho, muito doente. Porém, o animal não resistiu e morreu. Mas descobriram que ele tinha filhotes e a família cuidou deles. O amor muda pessoas que mudam o mundo!

368


RESPEITAR É MUITO BOM Diego Sabbad Guedes de Oliveira Um dia um menino combinou de ir para o restaurante normal. Porém seu cão passou mal e seu pai teve que levar o cachorro ao veterinário. Só puderam ir ao restaurante depois que o cão foi atendido. Chegando ao restaurante todos puderam conversar e comer bastante, porém sobrou muita comida, então decidiram levar para casa. Ao saírem do restaurante se depararam com uma família pedindo comida e quiseram dar a comida. A família ficou muito feliz! No outro dia, o pai ficou pensando em uma forma de ajudar aquela família, e então resolveu oferecer um emprego aquela a moça. E assim foi feito, passaram-se alguns anos e aquela família pobre conseguiu muito dinheiro. Em um dia a esposa da família que o ajudou passou muito mal, e precisou de uma cirurgia de emergência, mas eles não estavam mais tão bem economicamente e não tinham esse dinheiro todo. Desesperados no hospital se depararam com uma daquelas crianças que era filha da moça de rua que eles ajudaram. Eles souberam o que estava acontecendo e resolveram ajudar a pagar tudo. Quando o homem viu aquilo ele agradeceu muito a família que pagou! Sua esposa pode se recuperar e as famílias se tornaram grandes amigas, afinal, gratidão é um ato de amor!!

369


OS IRMÃOS Eduardo Lopes Djahjah

Em um belo dia, dois irmãos chamados João e Bruno foram passear em um parque. Eles tinham 15 anos. Quando eles chegaram lá, eles viram uma família que estava em situação de rua. Essa família era composta por uma mãe, um cachorro e dois filhos. Um de 7anos e o outro de 8 anos. Como eles eram solidários eles voltaram para a casa deles e pegaram alguns agasalhos para doar. Quando eles voltaram para o parque, eles deram os agasalhos e a família ficou muito feliz, e até rezou para os irmãos. Os dois irmãos ficaram muito felizes com as suas ações solidárias que começaram a fazer isso uma vez por mês com outras famílias pobres. Caro leitor seja assim também! Tente se colocar no lugar dos outros. Confio em você!

370


GRATIDÃO Fernanda Balduino Machado Moreira

Um dia, uma família estava saindo de um shopping e se deparou com uma menina, sozinha na rua, suja e com uma aparência de que não comia há dias. Então, a filha se afastou da família em direção à menina. Ela pegou uma das roupas que a mãe tinha comprado para ela, uma sopa e deu para a menina. Rapidamente, a menina que estava sentada na calçada se levantou pegou a sacola e saiu correndo. O pai tentou ir atrás dela mas não adiantou. Trinta anos depois a mãe como estava idosa, precisou fazer um tratamento nos pulmões, mas eles não tinham dinheiro para pagar o hospital, sem muito o que fazer, cinco anos depois, a mãe faleceu. A filha, já adulta, muito triste, teve uma doença grave e foi internada no hospital. O pai desesperado rezou a Deus para que o ajuda se a curar a filha. O pai foi ao quarto da filha no hospital para dar à ela uma linda rosa, quando viu uma carta na cama. Lá dizia que todas as despesas estavam pagas com apenas uma sacola com roupas a um prato com sopa. Nesse momento, o pai lembrou anos no passado, onde sua filha havia dado a uma menina na rua sua roupa nova e um prato de sopa, e percebeu uma grande lição... “tudo que vai volta”.

371


UM BELO DIA Gabriela Silveira de Moraes Um belo dia, saí com minha mãe para ir à praça. Daí, vi uma pessoa pedindo comida ou dinheiro para comprar algo para comer, então minha mãe deu um pouco de comida e um suco. Mais tarde, quando voltamos ele pediu mais dinheiro, minha mãe deu mais cem reais para ele. No outro dia minha mãe ficou doente então essa pessoa que estava pedindo perguntou se a gente queria ajuda. Eu respondi “Queremos sim!” e o rapaz devolveu os cem reais que a minha mãe tinha dado para ele. Ele ajudou-as, depois disso a senhora ficou melhor e agora esse homem não mora mais na rua e sim no seu coração.

372


ME AJUDA? Izabela Da Rocha Vaz Costa Era uma vez, uma velhinha muito fofa, calma e doente que morava com seu neto Luiz, seu nome era Laiz. Só que Laiz estava prestes a morrer porque não tinha todos seus remédios e não tinha com quem deixar Luiz . Até que um dia, a luz, a água, a energia tudo acabou! Eles tiveram que morar na rua por conta disso, Luiz tinha apenas três anos, e teve que parar de estudar. Então, uma moça de cabelos ruivos, olhos azuis e com um jeito todo meigo, viu aquela senhora e a criança e não pode aguentar. Essa cena era muito ruim! Pegou a criança e falou para a idosa, “Venha para minha casa senhora!”, agora vou te ajudar e ajudar seu neto. Levou-os para a sua casa, comprou os remédios que ela precisava, adotou acriança e a colocou numa creche e assim eles foram felizes! É sempre bom ajudar a quem precisa!

373


AS DUAS FAMÍLIAS AMIGAS MAIS DIFERENCIADAS João Paulo Zafalon Pereira da Fonseca

Em um belo dia ensolarado, uma família conhecida como família Carrara estava indo passear com seu pai Augustinho. Seu filho Robson estava se trocando, ficou pronto e falou: -Pai ,vamos almoçar ? Estou com fome. -Já vou Robson. Respondeu o pai. Então, os dois foram almoçar e quando estavam quase na esquina acharam uma família que estava morrendo de fome, eles pararam o carro e chamaram aquela pobre família para almoçar junto com eles. Augustinho já no restaurante perguntou seus nomes e eles responderam, Felipe e Adriana. Depois Felipe e Adriana agradeceram muito e as duas famílias seguiram seu caminho. Então, pense sempre no próximo com vontade de ajudar e serás feliz!

374


É O AMOR Julia Ventura Arosa

Amor é amar E amar é amor Se você amar alguém É o amor que está dentro de você. Se você consegue amar, Você consegue criar O amor dentro de você.

Tente, você consegue Ter o amor e amar ao mesmo Tempo. Amor é a melhor palavra Que tem na vida Seja qualquer coisa mais é A melhor palavra. Quando você fala Amor o seu cérebro muda Porque essa palavra é poderosa.

375


VAMOS TRANSFORMAR Letícia Quartin Valentino da Silva

Vem transformar com a gente, Mudar o mundo, Fazer ficar melhor e contente, Vamos fazer juntos, Vamos nos unir, Trazer emoções de alegria, Fazer o melhor para sorrir, Vamos viver em harmonia, Fazer a justiça, Desejar o bem, Não ficar com cobiça, Para o amor seguir além.

376


A VIDA QUE VIROU AO CONTRÁRIO Lara Reis Credie Tworkowska Passos

Tudo aconteceu numa enorme confusão, Era um menininho que dava sempre perdão. Que estava sentado em um banco da praça, Enquanto as crianças lhe faziam mal dando língua Ou lhe irritavam com pirraça. Era época de Natal, Que para as crianças era bem especial. Para aquela criança não apareceu um brinquedo ou um cão, Nem um presente ou cartão, Que deu tristeza em seu coração! Não tinha ninguém, nem um amigo. Foi naquele Natal que ele foi esquecido. Pior que ele nem tinha pais, irmãos e nem casa ele tinha. Era a pior infância para uma criancinha, Sim, ele era órfã. Ele fugiu do orfanato como se tivesse uma asa. Mas, ele espiou na janela de uma casa. Via as pessoas enchendo a pança. E, ele lá fora espiando a comilança, Com fome! Ele sabia muita coisa de religião. Também estava acostumado com a enorme solidão. Tão triste! Nem brincava! 377


Pois também ninguém o apoiava, Ou lhe ajudava. Até que apareceu um rei bem Disfarçado. Testando as crianças, Para escolher como filho. Mas, as crianças egoístas nem lhe deram um pedaço de milho. Até que ele foi aquele menininho que foi educado e Lhe deu muito carinho. O rei impressionado gritou: - Pela minha lei... Você é o próximo rei! O menino até ganhou um presente Então, ele viveu feliz para sempre! A FAMÍLIA ITALIANA Luigi Vieira Dinelli Paolino

Um dia, de noite, a família italiana foi jantar em um restaurante típico, e essa família tinha um filho e um cachorro. Ao sair do restaurante, encontraram uma criança perdida; então a família tentou achar os pais dele. Procuraram no bairro inteiro e colocaram cartazes para ajudar o menino, porém ninguém ligava. Mas, a família não desistiu e continuou procurando. Um ano depois, eles conseguiram, encontraram os pais do menino e então colocaram os pais na faculdade e o menino na escola. Trinta anos se passaram, e o menino já morava sozinho, então ele foi visitar a família. Quando ele chegou, a família deu 10.000.000.000 reais que ganharam na loteria, e uma casa de luxo na beira da praia. Então pessoal, vamos lembrar que, ajudar o próximo é fazer o bem! 378


SUAS AÇÕES TÊM CONSEQUÊNCIAS Luiza Kaori Wakabayashi

Um dia, no ano de 2018, a minha amiga viajou e eu fiquei sozinha no recreio e comecei a andar por aí. Eu fiquei assim uns dois dias, mas no terceiro dia eu encontrei uma menina do quinto ano (um ano mais velha já que eu estava no quarto) que se chamava Melissa. Eu passei a andar com ela; já que ela fazia integral e a gente se conheceu bem fácil, porém, eu percebi que quando voltávamos da natação as garotas do quinto ano fugiam dela e ela no recreio ficava cada vez mais triste e eu não conseguia fazê-la sorrir nem com as minhas tolices. Até que um dia, ela me disse que uma garota jogou uma latinha de mate nela e disse “Lixo no lixo” ofendendo-a. Eu fiquei super, hiper, mega irritada me deu vontade de bater nelas eu quase me explodi de raiva! Como se não bastasse, outro dia, elas estavam escovando os dentes junto comigo e elas falaram para eu deixar de ser amiga dela; depois disso elas passaram a mentir sobre a menina todo dia -como descobri? Eu perguntei para a professora delas, né?- Um mês depois ela me contou uma coisa boa e ruim ao mesmo tempo... e ela ia se mudar de escola eu fiquei feliz, pois ela não ia sofrer bullying, mas triste pois ela ia embora, mas era melhor isso do que ela ficar triste. Quanto as meninas, as professoras ficaram curiosas e me pediram para explicar e no final as meninas levaram uma bronca danada e não falaram mais comigo (ainda bem); e eu fiz uma nova amiga super legal. Como dizia o grande poeta Carlos Drummond de Andrade, “Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade.”

379


PRATIQUE A GENTILEZA Maria Clara Mourão Heredia de Almeida Vou contar uma história Que quando vi fiquei surpresa Uma menina bem novinha Já praticando a gentileza, A história é bem assim: Eu estava num banco da praça Mexendo no celular Quando passou uma menina andando Com um triste olhar Ela havia visto uma pessoa em situação de Rua. Pois bem, a menina decidiu ajudar. Foi comprar uma comida Para ele ter o que comer, Comprou uma bebida Para ele ter o que beber. Quando voltou com aquilo tudo, O homem começou a agradecer. Faminto como estava, Ele começou a comer. A menina ficou alegre, Com o que acabara de fazer! Então, levantei e fui elogiá-la. Este ato tão bonito, Que ela teve de ajudar. Fiquei tão emocionada, Que comecei a chorar! Vendo aquela linda cena... Praticando o Emóvere teremos um mundo melhor!

380


RESPEITO COM TODOS! Maria Luisa da Costa Prado

Um dia uma pessoa de origem afrodescendente estava passando quando foi agredida na frente de sua casa por homens “brancos” com socos. Seu amigo Ronaldo Silva apareceu e socorreu o amigo, ajudou-o a ir ao hospital, e deu uma carona para ir embora. Ronaldo perguntou: - Quem fez isso com você? - Foram uns caras maus! No outro dia,eles foram para onde os caras maus sempre ficavam. O Ronaldo falou: - Porque vocês batem no meu amigo? Eles responderam: - Porque ele é negro. -E qual é o problema? Retrucou Ronaldo irritado com o que acabará de ouvir. - Ah eu não sei! Responderam. - Então parem de bater nele, ele é igual a você! Os homens ficaram surpresos e refletiram sobre o que o Ronaldo havia conversado com eles. Moral da história: Nunca trate ninguém mal mesmo sendo alto, baixo, negro ou branco, pois todos nós somos filhos de Deus nunca despreze alguém, em razão de sua religião ou gênero, porque todos devem ser respeitados!

381


UMA FAMÍLIA GRATA Pedro Belford Saade

Em uma bela noite, uma família americana que saía de seu país por causa de um desastre natural, estava passeando e comprando roupas no shopping e parou para fazer um lanche no restaurante Burger king. Ao terminarem de comer sobrou comida. Quando a família americana saiu do shopping se depararam com uma adulta e uma criança em situação de rua. A família ficou muito triste e decidiu dar a sobra da comida do Burger king e alguns agasalhos para eles. Eles gradeceram muito se vestiram e foram comer a comida maravilhosa do Burger king. A família americana voltou para casa e foi direto para a cama dormir. Muitos anos depois a criança já tinha completado seis anos de idade e a família tinha envelhecido. Mas eles se depararam no mesmo lugar que haviam se encontrado antes. A mãe americana matriculou a criança na escola e o pai arranjou um emprego para a mulher. Uns anos depois, o pai americano sofreu um acidente e ficou internado no o hospital e a família que estava em situação de rua, ajudou-o pagando metade das contas do hospital com o dinheiro que a mãe havia conseguido em seu trabalho. Depois disso, as duas famílias se tornaram melhores amigas, e é assim que o emóvere se realiza.

382


UMA VIDA DE RESPEITO. Nicole Levy Oliveira

Um certo, dia eu e minha família fomos ao parque passear e brincar, foi então que vimos um menininho que se perdeu da mãe. Nós fomos ajudar e quando encontramos a mãe, ela foi muito desrespeitosa com a gente! Mas tudo bem. Ficamos felizes em poder ter ajudado! Quando fomos embora, a mãe do menino pediu desculpa, pois percebeu que foi muito mal educada naquela hora. Depois de quatro anos, eu e minha família encontramos essa mãe novamente e dessa vez ela agiu com respeito e educação e o filho dela estava bem maior e ele pode agradecer. Afinal, encontramos a mãe dele! E, todos nós fomos nos divertir. Como dizia o Sócrates, “para conseguir a amizade de uma pessoa digna é preciso desenvolvermos em nós mesmos as qualidades que naquela admiramos.”

383


GENTILEZA Pedro Souza Rodrigues

Num dia de inverno do Rio de Janeiro, dois irmãos estavam voltando para casa, até que encontraram uma pessoa na rua procurando comida no lixo. Esses meninos ficaram muito tristes, eles pegaram cem reais e deram para o homem comer alguma coisa. O homem ficou muito agradecido e deu um abraço neles. Depois de dez anos eles se reencontraram, aí os irmãos o ajudaram novamente, e ele ficou muito feliz. Após alguns anos, um dos irmãos teve um problema no coração e precisou de uma doação de sangue, pois corria risco de morte. Foi então, que o homem que foi ajudado pelos irmãos resolveu ajudá-los doando seu sangue. Um ato de generosidade, que salvou a vida do irmão! Afinal, gentileza gera gentileza!

384


AMIGOS Rafael Belfort Yamamoto

Num belo dia, dois amigos vieram para a escola, no caminho eles brincavam de corrida e sempre se divertiam, mas num dia, um novo menino entrou na escola, porém ninguém dava bola para ele, e ele não conseguia se adaptar. Depois de uma semana os dois meninos perceberam que ele estava muito triste, e então eles foram ver o que estava acontecendo: -Por que você está chorando? Um dos meninos perguntou. -Eu estou chorando porque nesta escola eu não tenho nenhum amigo e eu estou sozinho. Disse o menino. -Nós podemos brincar com você e podemos te ajudar a se adaptar. Vem, levanta daí. Depois que eles brincaram o menino não se sentiu mais tão sozinho e desde então, eles viraram bons amigos, e ele também fez outros amigos. Eles sempre brincavam juntos e nunca se separavam. Sempre se divertiam juntos. E essa amizade foi longa e duradoura até a fase adulta deles. Como diria Santa Júlia “Tudo irá bem se deixarmos o Bom Deus agir”.

385


GENTILEZA GERA GENTILEZA Rafael Lustosa Castilho de Albuquerque

Era uma vez, dois amigos chamados Victor e Gabriel. Eles faziam tudo juntos. Jogavam bola, vídeo game e até estudavam. Um belo dia, os meninos foram á uma sorveteria após um jogo de bolo na pracinha. Quando estavam voltando para casa uma mulher sem querer esbarrou no Victor, que caiu no meio da rua e fora atropelado. Desesperado Gabriel correu para socorrer o amigo, que fora levado de ambulância para o hospital. Vitor foi submetido a uma cirurgia, e ao acordar ele ouviu uma conversa dos médicos dizendo que ele ia ficar sem andar. Então, Vitor começou a chorar muito! Seu amigo Gabriel ficou o tempo todo ao seu lado e sempre motivando e dando esperança para ele. As fisioterapias começaram, e aos poucos, Vitor foi se recuperando. E, após seis meses, ele voltou a andar e voltou para a escola. Seus amigos o receberam com uma super festa surpresa de boas vindas. A amizade é o amor fraterno!

386


AMOR AO PRÓXIMO Zoi Salamandranis

Oi! Para você que está lendo meu texto. Um ato de bondade sempre começa por você. Meu texto irá falar sobre amar ao próximo, respeitar e resolver conflitos dialogando. Agora vou contar uma história para vocês refletirem onde vocês estiverem. Em um dia ensolarado, uma família composta por uma mãe, um pai, uma menina de dez anos, um menino de dez anos e um bebê de seis meses foram fazer uma excursão a um orfanato. Porém, o orfanato não oferecia boas condições: em vez de colchões eram várias tábuas de madeira, os quartos eram sujos e a comida era vencida. As crianças Carla e Gabriel olharam e sussurraram um para o outro: - Nossa que condições ruins esse lugar oferece! Disse Carla. - É! E a gente reclama quando não temos o que queremos. Disse Gabriel Uma das crianças que mais chamou a atenção da família, a Katy, uma menina cadeirante de olhos azuis, cabelos castanhos claros e muito gentil. A Carla e o Gabriel perguntaram a ela o que havia acontecido com ela e então a menina respondeu: - Eu era bem pequena, foram os donos do orfanato que me disseram o que ocorreu, pois uma jovem me trouxe até aqui e ela viu tudo que aconteceu. Bom, minha mãe e eu estávamos atravessando a rua quando um caminhão de carga veio sem controle e nos atropelou. ...Infelizmente minha mãe não resistiu e morreu. Mas eu sofri alguns ferimentos, e um deles foi na minha perna, o que me fez parar de andar. Carla e Gabriel ficaram muito tristes depois de ouvir a trágica história de Katy e então, foram correndo perguntar aos seus pais se podiam dar uma festa lá no orfanato para afastar as más lembranças... E, então seus pais responderam: - Claro! É uma ótima ideia. Depois de tudo pronto (quando a festa ia começar) as crianças que ficavam no orfanato chegaram e então ficaram muito felizes pelo fato de fazerem esta festa especialmente para eles. Katy começou a chorar de tanta felicidade. Na festa tinha bolo de chocolate brigadeiro, brincadeiras, risadas e muita diversão. Quando a festa havia acabado Carla e Gabriel perguntaram para Katy: - Você gostaria de ir na minha casa para brincar e depois dormir lá? 387


- Sim, eu adoraria! Disse Katy muito animada . Quando chegaram na casa de Carla e Bernardo viram um filme de comédia, comeram pipoca, brincaram de pique esconde pela casa e jogaram um jogo de tabuleiro. Katy, Carla e Gabriel ficaram muito cansados depois de um dia cheio de brincadeiras e diversão . No dia seguinte, Katy acordou bem cedo e sussurrou para ela mesma: - Como eu gostaria de ter uma família assim, cheia de risadas e brincadeiras. Carla e Bernardo ouviram o que ela tinha acabado de falar e perguntaram aos seus pais: - Podemos adotar a Katy? Por favor! Ela é uma menina tão legal! Ela merece ter uma família para amá-la e dar apoio a ela. - Sim, podemos! Disseram os pais de Carla e Bernardo orgulhosos dos filhos, por pensarem na Katy. E, assim eles formaram uma família linda e feliz!

388


a7DE


390


EMOÇÕES Ana Sophia Knaul Kowalska

Amor é uma palavra Romântica onde não Tem dor e sim a Cor vermelha. Para ter felicidade Não tem idade , É só ser feliz E ser o aprendiz Da vida. Brinque com alegria E só ria. Com animação, Todos têm uma boa ação! As cores Expressam tudo Com amores!

391


FELICIDADE Bernardo Pizzatti Barbosa Fonseca Felicidade é uma emoção, O colégio está com o Emóvere, Eu já me “emóverei” e vocês se emóveram? Felicidade tem amor, Que tem compaixão, Eu trato os meus amigos, Como eu trato o meu cão. Estou fazendo esse poema, Tentando deixar bem mais fofo, Do que um cachorro. Com os meus amigos, Pode ter briga, Mas com um toque de amor, A amizade sempre prevalecerá.

PODEMOS MUDAR O MUNDO Caio Ventura Arosa O Emóvere é um projeto que incentiva as pessoas a fazer o bem sem olhar a quem. A se tornarem pessoas mais amorosas, carinhosas, felizes e boas de coração. Se todos fizerem isso, podemos mudar o mundo com todas essas ações em forma de emoções. Vamos juntos construir um mundo melhor!

392


O FRUTO DA AMIZADE Camila Lacerda Pereira Fernández A amizade é muito boa Porque atrai felicidade Uma amizade forte Pode se tornar irmandade A amizade pode brilhar Com a força que ela tem O sentimento nunca acabará Agora vou falar um pouco da Felicidade que é parecida com a amizade Porque sem a amizade Não tem prosperidade.

A VOZ DO SILÊNCIO Felipe Cabral de Sousa

Hoje eu vou contar uma história de quando eu era mais novo, isso aconteceu há alguns anos atrás. Quando eu era do 6º ano praticava bullyng com uma menina, só que ela se destacava dos outros só porque era surda, e os meus ´’amigos” não gostavam disso. Os anos foram se passando e todo o bullyng que eu fiz com ela de alguma forma, não sei como, se voltou para mim. Me senti tão mal, que fiquei pensando como estaria aquela menina que eu ajudei a ofender. Depois de muitos anos, tive um sonho. Nesse sonho, eu estava em uma escola e me reencontrei com a menina que eu maltratava. Na língua dos sinais, me desculpei com ela! Então, eu acordei

393


com minha irmãzinha me chamando para o café. Levantei e fui em direção á cozinha, tomei café, me arrumei e fui para escola. Chegando lá, vi um menino conversando com um colega da minha classe, ele estava pedindo a bicicleta do meu colega, ele não emprestou. Então eu falei para o rapaz que poderia emprestar a minha, ele me agradeceu muito feliz e foi embora. Na saída, percebi que o menino não havia devolvido a bicicleta, fiquei um pouco decepcionado, mas logo outro colega da escola apareceu e resolveu me animar. Depois disso, eu e aquele menino ficamos melhores amigos! Íamos ao cinema, comíamos juntos, íamos para casa um do outro e trocávamos mensagens toda hora. No dia seguinte, chegando na escola a pé, eu vi o menino que havia emprestado a minha bicicleta de novo. Ele me agradeceu por tudo e me deu um abraço, nessa hora eu senti um novo sentimento a amizade! Senti então uma vontade enorme de procurar aquela menina que eu havia feito mal, na outra escola. E nesse mesmo dia perguntei as meninas da minha sala onde, aquela menina que eu maltratava estudava e elas disseram que era em uma escola perto dali. Então, fui lá o mais rápido possível, e consegui encontrá-la. Meu coração ficou um pouco nervoso, mas eu pedi desculpas a ela e perguntei se poderia ser seu amigo. Ela respondeu que também queria ser minha amiga. Foi aí que descobri um novo sentimento, o amor!

394


O QUE SERÁ QUE É? Giovanna Silva Gentil

Quando você escuta a palavra Emóvere O que você imagina? Talvez afeto e carinho? Ou isso não combina? Sim, combina. Emóvere é amor, Respeito e lealdade. E com isso, Minimizamos a crueldade Transformando o mundo Em um lugar de mais Amizade.

O QUE É EMÓVERE ? Guilherme Espírito Santo Paiva

O que é Emóvere? São emoções como: felicidade, amor, amizade, tristeza, entre outras. Ela tem o objetivo de demonstrar as suas utilidades e eu vou citar umas. Felicidade serve para que todos que amam se sintam bem, ela sempre te alegra quando está em um momento difícil ou quando está triste. A tristeza você não pode evitar. Quando alguém sofre, quando briga com seus pais ou quando vê desastres.

395


Confiança sempre te ajuda na hora de falar, acreditar e votar. Esperança então, é a última que morre. Ela te ajuda a superar as dificuldades que você vive, pois te faz acreditar que aquilo pode mudar. Vergonha, sempre te espera para te humilhar, na hora de falar só a confiança para te salvar. O amor prefiro não comentar, mas para dar quinze linhas vamos lá! Amor é aquilo que você sente quando gosta de alguém, exemplo sua família e seus amigos também! O medo ao seu lado já está. Quando vê um filme de terror e fala “Baseado em fatos reais”, não tem como não arrepiar! É isso e muito mais que forma o Emóvere! Um sentir, compartilhar e mudar!

O QUE É ALEGRIA? Guilherme Saboia Rodrigues de Albuquerque

Alegria sempre foi a melhor emoção. Quando eu ouço isso, ponho a mão no coração. Junto com a minha ação Se não prestar atenção, caminho para um lugar Em vão. Agora, se eu prestar atenção valorizo minha criação.

396


EMOÇÕES A SUA VOLTA Hannah Teles Pons

Emóvere, o que você Pensa que é isso? Uma forma de Amor e carinho? Ou um abraço quentinho? Ouvir seu coração e Se abrir faz muito bem, Porque você se sente Mais livre também. As emoções estão Sempre na nossa vida, Mesmo querendo ou não. Aparece em toda a nossa rotina. Se você tem um sonho, Você tem que lutar por ele. Construa um caminho E siga em frente.

397


NUNCA GUARDE SEUS SENTIMENTOS Joana Ninhaus de Freitas Villaça

Tem uma menina Que sempre fica aflita, Por causa do irmão Sempre chorava, Mas esses sentimentos, Ela guardava. Ela sempre rezava Para isso acabar, Sempre se esforçava Para melhorar. Ela chorava de tanta raiva, Uma raiva que não sabe explicar, Por ela isso não existia, Mas ela não para de recordar De uma lembrança horrível que ela tem. O Emóvere vai ajudar, Mas acho que isso É só idade, Eu tenho fé Que vai encerrar. Mas mesmo assim Ela ama ele, O amor prevalece Sempre! Mesmo se o seu Irmão ou irmã te irritar, Pare e fale com ele, Isso vai ajudar!

398


EMOÇÕES Júlia Gandra Botelho Silva

Emoção, emoção, emoçãozinha Grande ou pequenininha tem Que se expressar e não pode guardar. Porque se guardar pode te machucar. Se expresse com amiga ou amigo Irmã ou irmão e sempre terá uma solução. Uns dos sentimentos que você não pode guardar, É a raiva ou a tristeza porque Senão você pode entrar em depressão. Guardar os sentimentos não faz bem! Então, sempre se expresse como ninguém!

399


EMOÇÕES Letícia Bianchi Santos Teixeira

Amor é, eu te amo!

UM MUNDO MELHOR Maria Luiza Monteiro Miguel de Lima

O caminho do carinho é sempre bom. E pra completar, Ele parece doce como um bombom. E por isso existe o Emóvere. Um projeto da minha escola Que eu acho muito show de bola! Vamos todos nos unir, Para um mundo melhor. Em uma corrente do bem, Discutir o amor também!

400


EMÓVERE Maria Eduarda Frébet Arada e Oliveira Santos Fala de vários sentimentos e momentos como paz, amor e união. Em um caminhão de emoção. Na escola aprendemos sobre o Emóvere, e que brigar não adianta nada. Raiva só traz sentimentos ruins e provocando as brigas e tristeza. Mas, com o Emóvere, aprendemos que podemos espalhar amor, alegria e beleza!

401


O AMOR Maria Vitória Alves dos Santos

O amor é bonito O carinho e a paixão Todos estão unidos Lá no fundo do meu Coração! O mundo é bem grande, Igual aos meus amigos Que a cada dia que passa Nos fazem ficar mais unidos! E para isso, vamos esquecer o pior E lembrar sempre O que há de melhor!

402


A DOR QUE ENFRAQUECE Mariana Duarte Diab Jorge

Boneca de dor não traz felicidade, Mas traz a cor da lealdade. Cantando com carinho, Olhando para o caminho, Corrente de amizade, Se torna irmandade. O que atrai o amor, enfraquece a dor, E se torna fraqueza. Felicidade é também caridade. Sentimento que serve de bom Experimento. O Emóvere é a emoção, Que transborda do coração, Nos deixando felizes e motivados A ajudar o irmão!

403


O EMÓVERE Marina Pentagna Neves O amor é um sentimento de romance, paz, união. Transformando as pessoas com carinho e emoção. A felicidade traz carinho, amor União, paz e alegria. Tudo isso é mais gostoso, quando se está perto da família. Já a raiva traz sentimentos ruins Provocando maus momentos Que causam dor e afins.

404


A VIDA É DIFÍCIL Myrian Maria Salamandranis

A vida não é fácil pode acreditar! Nada cai do céu você tem que ir buscar! Dinheiro não brota em árvore, Para tê-lo tem que trabalhar. Trabalhar bem duro, Para não se encrencar. Para criar uma amizade, Precisamos de muita felicidade. O amor é tudo na vida Sem vida você não ia existir. Por isso, temos que ter Uma razão para amar e sorrir!

405


UMA AVENTURA Olivia Rardman Leite Valle

Num sábado de manhã fiz muitas coisas. Eu fui à piscina, depois fui ao cinema e vi um filme muito legal. Ao chegar em casa, tentei assistir televisão porém, quando liguei o aparelho, percebi que a luz tinha acabado na cidade inteira. Disseram que alguém desligou a luz e por isso a cidade esta sem energia. Curiosa, quis descobrir quem desligou a luz. Então, chamei dois amigos para me ajudar, Luiza e Pedro. Quando chegamos ao lugar, apareceu um homem muito estranho e quando fomos religar a luz, ele nos viu e prendeu a gente em uma cápsula. O homem disse que ninguém gostava dele e que por esta razão provocou um apagão. Nós estávamos presos. Mas, Luiza conseguiu sair por uma porta escondida e conversou com o homem. Sugeriu a ele que ao invés dele causar um apagão, poderia primeiro tentar ser legal com as pessoas. Ele refletiu sobre isso e resolveu nos tirar da cápsula. Devolveu a luz e seguiu os conselhos de Luiza, começou a ser bom com as pessoas. Quando acordei vi que tudo tinha sido um sonho, mas nunca esqueci o que Luiza disse e comecei a ser mais legal com as pessoas também. Afinal, gentileza gera gentileza!

406


O MELHOR SENTIMENTO O AMOR Rebeca Kurrik Sophia

Amigo perfeito não É verdade, porque Todo mundo tem defeito. Amor verdadeiro Todo o mundo sabe, É só querer. A paz mundial Talvez só dependa De você! Agora eu vou Te falar logo De uma vez Pra você pensar e Refletir. Pra ter um mundo Melhor é só aceitar Nem precisa pensar. Um pequeno ato seu Pode fazer a diferença. De amor aos que não tem Porque o melhor sentimento É esse, o amor! Já doou amor pra alguém?

407


OS SENTIMENTOS Theo Pinho de Mello Nielsen Dreier

O amor é uma das Melhores emoções. Porque você protege E da carinho para quem ama. A raiva é muito Chata porque ela Obriga a gente gritar Com as pessoas. E a tristeza faz A gente chorar E deitar sem fazer nada.

408


CONEXÕES COM OS SENTIMENTOS DE OUTRAS PESSOAS João Miguel Nascimento Belchior Simões

Como podemos conectar as pessoas no mundo? Penso muito nessa frase e percebo que existe uma forma de unir as pessoas. E é através dos sentimentos! Mas, como assim todos os sentimentos? Será possível isso? Me questiono também. Percebi que essas respostas não são tão fáceis, porém, acredito que as atitudes podem fazer a diferença. Por exemplo, se estou alegre, posso promover e contagiar as pessoas que estão ao meu redor, e essa pode ser uma forma de fazer a conexão entre todos. Queria unir pessoas com ideias divertidas, com palavras positivas, pensamentos amorosos, entre tantas outras coisas. Essas atitudes mudam as pessoas e as pessoas mudam o mundo. E, assim poderemos promover uma convivência melhor, um mundo melhor!

409


O AMOR Victor Ghuerren Marinho Se você quiser amor, Terá primeiro que transmitir o amor. Talvez demore um dia Um mês, um ano Ou até mais tempo. Mas com certeza, O amor que um dia Dedicou a alguém, Vai acontecer pra você também! Talvez você receba muito, pouco Quem sabe? O importante mesmo É fazer a caridade!

410


AS CRIANÇAS DA RUA PRECISAM DE AJUDA Victor Nogueira Peixoto Nós estamos confortáveis, Mas tem pessoas que não. Então temos que fazer doações adoráveis Porque essas crianças nesse estado estão. Temos que doar agasalhos, Dar um pouco de dinheiro para ajudar, Porque algumas só tem galhos, Por isso precisamos doar Assim, faremos Um mundo melhor. Para eles e para você, Então, não vamos deixar pior! Obrigado por me escutar! Então vamos ajudar E nessa pobreza botar ordem, Para o amor espalhar!

411


OS SENTIMENTOS Valentina Soares Leite da Silva Santos

Vou falar sobre caridade, Que pode se tornar irmandade. Para você o que é pouco, Pode ser felicidade. Com você tudo pode se tornar melhor, Porque tem gente em uma situação Pior! O carinho, Te proporciona um caminho, De várias amizades. E com carinho, Você será fofinho, E dará abracinhos.

412


a7DE


414


ALEGRIA Patrícia Lancellotti da Silva Santos

O projeto Emóvere desperta o “mover da emoção”, ou seja, as emoções colocadas de dentro para fora, através dos mais diversos sentimentos, como: alegria, tristeza, medo, raiva, amor, nojo, felicidade... Os estudantes do 5ºC verbalizaram que o período da Festa Junina foi muito marcante e trouxe para o grupo “alegria”, desejo de ser feliz, na voz de Ivete Sangalo, cantaram o amor, a união, que explodiu por fim, em ALEGRIA. Inspirados na “alegria” trazida através da música os estudantes Notre Dame narraram diversas histórias fictícias ou não, que irão contemplar esta nova edição da nossa Jornadinha.

415


MILA E A ALEGRIA Alexandra Carvalho Diniz

Um dia, uma menina chamada Mila era muito solitária, não tinha nenhuma amiga na cidade todo mundo fazia bullyng com ela. Certa vez, ela foi se queixar com a mãe. Falou que poderiam se mudar para Teresópolis, para a casa do tio que faleceu. Quando Mila chegou à casa, foi explorar, e achou uma carta do tio falando de alegria. A partir daquele dia, ela começou a se comunicar mais com as pessoas. No parque, encontrou uma garota, Emily, que era muito alegre e muito sábia. Ali, Mila percebeu que aquela era a pessoa certa para ajudá-la. Passou o tempo e elas começaram a ser melhores amigas, uma ajudando a outra. A partir daquele dia, a vida de Mila teve mais alegria.

416


A EMOÇÃO TOMA O CORAÇÃO Antônio Abreu Mascarenhas Em um belo dia, um menino estava muito alegre, porque ia viajar com sua família. O menino João, sua mãe, Josefa, e seu pai Erik, irão fazer um tour pela floresta da Austrália. No avião a alegria tomava o coração do menino. Ao chegar à Austrália, sua mãe tropeçou em um leão, que vinha em sua direção, o menino fugiu e ela, rapidamente, subiu em um galho. O feroz leão bateu no galho, sua mãe tentava pular para outro, mas, não conseguia, estava encurralada. A alegria veio no coração do menino, que com um sorriso no rosto espantou o leão e ajudou sua mãe a descer do galho. O menino sempre soube que a alegria batia no seu coração mais forte do que a tristeza, e por isso é capaz de espantar o mal.

417


ALEGRIA Antonio Guerrera Hargreaves A alegria é um sentimento que todos merecem ter, não importa se é rico ou pobre, bonito ou feio, todos nós somos humanos e merecemos esse sentimento maravilhoso. Eu vou dar alguns exemplos desse sentimento: quando alguém da sua família nasce, quando ganha um prêmio, quando se apaixona, entre outros. Um dia, eu já fiquei extremamente feliz foi há um ano, quando meu primo nasceu. Esse foi um dos melhores momentos da minha vida, é um exemplo de felicidade. Outro dos melhores momentos de uma pessoa ser feliz é quando faz seu primeiro amigo ou amiga, pois assim a pessoa e seu amigo ficam um bom tempo juntos e isso é um momento mágico. Outra coisa desse sentimento maravilhoso e mágico é quando se ganha um prêmio de um campeonato, por exemplo, a natação. Quando uma pessoa desde pequena quer conseguir realizar esse sonho e consegue, isso é muito bom para ela.

418


A CASA COM MUITA ALEGRIA Gabriel Braune Sabino de Almeida Dentro de uma casa tinha muita alegria, para cá e para lá e muita diversão. No café da manhã, era a hora que as pessoas mais gostavam e onde tinha mais alegria. A família conversa em harmonia e sem brigas. Mas, à noite, na hora do futebol, é muita confusão, briga para cá e para lá, e é claro que no final sempre tudo vira diversão. Na hora do almoço é a parte sagrada do dia. Eles rezam bastante, agradecem o melhor, a comida que ninguém sabe fazer. As crianças Tick, Carl e Rico adoram, principalmente porque a vovó Jessy quem faz aquela maravilhosa refeição. E depois do almoço, com grande animação, eles cantam uma música da Ivete Sangalo: “ALEGRIA”.

419


O GAROTO POBRE QUE FICOU RICO Gabriel Schweitzer Guyot e Castro Vou contar uma história de um garoto chamado Lucas, ele era muito pobre, porém alegre, pois ele tinha vários amigos e uma escola ótima. Um dia, Lucas resolveu pedir um console eletrônico aos seus pais, mas como os pais dele não tinham dinheiro, eles disseram que iam comprar, porém iria demorar. Mas o que Lucas não sabia e nem desconfiava que, na verdade, eles já tinham comprado. Quando Lucas menos esperava, os pais dele deram o console eletrônico para ele, o menino ficou muito alegre. Depois desse dia, um amigo de Lucas disse a ele que tinha um torneio eletrônico e que valia dinheiro. Quando ele ouviu isso, logo se inscreveu. Lucas acreditava no seu talento, pois ele era muito bom. Começou a treinar para ficar ainda melhor! No dia do torneio, Lucas jogou, e, depois de tudo, ele, finalmente, venceu e ganhou o dinheiro. E desde então, Lucas nunca mais foi pobre e também ajudou os amigos que estavam na mesma situação, com o dinheiro que ganhou do prêmio do torneio.

420


TRISTEZA PARA A ALEGRIA Gabrielle de Miranda Moura Lopes Havia uma garota chamada Ana Luiza, que tinha depressão. Ela tinha 10 anos, e tinha depressão desde os 8 anos de idade. Ela já foi levada a vários médicos e todos eles disseram que para a depressão que ela tinha não existia cura. Os pais dela a levaram para vários psicólogos e nenhum curou aquela depressão. Em um dia, ela estava na escola e conheceu um menino chamado Pablo. Ele também tinha 10 anos, mas, era de uma sala diferente, mas, em todos os recreios brincavam e comiam o lanche juntos. Ana estava ficando mais feliz, mas ainda não tinha curado sua depressão e também, não havia contado para Pablo do problema que tinha. Um dia, ela encontrou o Pablo que lhe perguntou: – Por que você anda sempre triste? Ao ouvir a resposta, Pablo ficou assustado, e disse que iria ajudá-la a se curar dessa doença que ela carregava há 2 anos. Ele foi alegrando a Ana cada vez mais, nos dias seguintes. Um dia, Ana não estava se sentindo mais triste, percebeu que Pablo tinha a ajudado a se curar da sua doença e agradeceu a Pablo por tê-la ajudado a voltar a ser alegre.

421


DANI E O PODER DA ALEGRIA Georgia Franco Abreu  Era uma quarta-feira e Daniela estava atrasada para sua escola. Sua mãe entrou em seu quarto falando: — Filha, acorda! Já são 7 horas e 15 minutos. Sua aula começa às 7 horas e 40 minutos. Dani levanta rápido para ir tomar banho e se arrumar. Enquanto arruma a sua mochila, lembrou que tinha que ensaiar um texto de Filosofia sobre alegria. Quando ela chegou à escola, todos os seus colegas estavam super preparados para tirar uma nota alta. Os textos de cada um deles estavam falando sobre o que gosta. Todos sobre um assunto diferente. Então, Dani achou errado e falou: — Vocês não podem gostar de outras coisas, tem que gostar da mesma coisa que eu! E sua amiga Manuela disse: — Não, Dani! Cada pessoa tem um gosto diferente! Então, a partir daquele dia, Dani aprendeu que a alegria, se pode ter de vários modos, cada um com seu jeitinho! Ela aprendeu sobre a alegria, tirou um DEZ e ficou muito feliz!

422


UM MENINO DIFERENTE Guilherme Romeiro Dias Em um mundo diferente, morava um menino que era muito alegre. O nome dele era Sérgio, mas o mundo dele era melancólico e lá todos eram tristes, então achavam ele esquisito. Um dia, no colégio, ele tentou ajudar os amigos a serem alegres, mas eles não entendiam. Algumas pessoas achavam que ele tinha uma doença. Um dia, algumas pessoas começaram a segui-lo, querendo queimá-lo, mas ele conseguiu chegar à casa. Ele já estava cansado de ser perseguido, então, ele chamou seus amigos e resolveu dar a festa mais alegre que a cidade já teve. Mas, os seus amigos dificultaram, pois eles não sabiam o que era alegria. Ele ensinou o máximo que podia e eles entenderam. Chegou o dia, todos estavam no centro, esperando. Aí, começou a festa, aviões passavam por cima jogando balões, robôs estavam pintando as coisas e muitas coisas legais estavam lá. Quando acabou a festa, todos estavam alegres e eles ficaram assim para sempre.

423


LICIDADE Isabela Pertusier Kemmelmeier Era uma vez um homem muito triste, ele era solitário e morava sozinho. Em um belo dia, ele foi para o seu trabalho e seu chefe mandou que ele fizesse um texto sobre alegria. Ele tinha somente duas semanas para terminar tudo e entregar para o seu chefe. Então, quando ele chegou em casa, foi começar o seu texto sobre alegria, mas ele pensou: “se eu não sou alegre não conseguirei fazer o trabalho.” Assim, ele resolveu ser feliz. Ele não resolveu ser feliz só por causa do texto de felicidade que ele precisava fazer. Resolveu ser feliz porque, sempre quando ele andava na rua, ele olhava várias pessoas felizes e ele também gostaria de ser uma pessoa feliz. A partir desse dia, a vida mudou. E mudou para melhor.

424


A ALEGRIA E A TRISTEZA Isabella Ribeiro Roso Em um belo dia, uma menina chamada Alegria conheceu uma garota que se chamava Tristeza. Alegria ajudava Tristeza a ficar feliz. Ajudava a Tristeza brincando com a Tristeza, convidando ela para o aniversário, dando o sorvete, mas nada funcionava. Enquanto os dias se passavam, Alegria ficava muito desanimada. Um dia, Alegria descobriu o segredo da Tristeza. Ela era tão triste, porque o irmão da Tristeza tinha viajado para muito longe e a Tristeza sentia muita saudade. Então, depois, Alegria falou com a mãe dela e pediu o telefone do irmão da Tristeza. Após cinco dias, Alegria pediu para o irmão visitá-la e fazer uma festa para ela, porque ela está sentindo saudades. No dia da festa, fingiram para Tristeza que era uma festa para a mãe dela, e, depois de três minutos, o irmão dela chegou, e ela ficou muito feliz. E, dessa forma, mudaram o nome da Tristeza para Felicidade. A Felicidade curtiu muito a festa e o irmão nunca mais viajou para tão longe. Depois da festa, Alegria chamou ela para brincar e assim afastaram toda a tristeza.

425


O REENCONTRO DE AMIGOS João Henrique de Amorim Crepaldi Em um belo dia, um menino chamado André, o pai chamado Gustavo e a mãe chamada Adriana foram passar as férias em um hotel, com piscina, campo de futebol e outras unidades esportivas. Quando chegaram ao hotel, começaram a correr, jogaram bola, pularam na piscina e brincaram com os pais. No outro dia, o menino não estava muito contente, porém o pai, aproveitava a piscina, a mãe estava caminhando e curtindo a vista. No outro dia, o menino pediu para ir embora do hotel, mas os pais não concordaram. Eles combinaram de ir embora, dois dias depois e o filho aceitou. No dia seguinte, pela manhã, o menino encontrou um amigo que não via há cinco anos. O menino ficou feliz que assim poderia brincar com alguém. Os pais combinaram ficar mais uns dias, para o filho aproveitar e brincar bastante.

426


VINGANÇA DA TRISTEZA Lais Schmitz Caetano Vou contar a história de dois irmãos. A menina Maria e o menino Joaquim. Eles são adotados, mas nem se importam. Na escola, ninguém sabia e, para eles, era melhor assim. Como em toda escola, temos melhores amigos e há aqueles que não falamos tanto. Um dia, Maria levou seu diário para a escola, pois ia dormir na casa da sua amiga. Porém, tinha uma menina muito invejosa que pegou o diário. Descobriu que eles eram adotados e contou para todos. Depois disso, as suas vidas mudaram, e para melhor. Eles já não estavam mais aguentando aquele sentimento. A menina invejosa chamada Gertrudes gritou o segredo e os irmãos, gritaram juntos: — Ei, esse diário é nosso, o que você está fazendo com ele? Nesse momento, todos olharam. A Gertrudes foi parar na diretoria e quase levou uma suspensão. Ela só não levou suspensão porque o Joaquim convenceu a Maria de dar uma chance para Gertrudes. No final, os irmãos perdoaram a Gertrudes e ela parou de fazer maldades, mas precisou de um tempo, terapia, dedicação e muito amor das pessoas que estavam em volta dela. Mas, muitas pessoas não estavam entendendo o que havia acontecido. Joaquim, Maria, Gertrudes e a diretora foram ao centro do pátio com o microfone e reuniram todos para os escutarem e falaram: — Vou falar a lição do que aconteceu. Quase sempre a vingança ou a inveja não é a melhor solução dos nossos problemas. Depois desse dia, as vidas dos irmãos e da Gertrudes mudaram, agora os acontecimentos pararam de ser tristes e agoniantes. Para acontecimentos de alegria, agora os irmãos são mais felizes no ambiente escolar.

427


SER ALEGRE É BOM Lucas dos Santos Barbosa Frassetti Quando eu faço alguma coisa que gosto, eu fico muito alegre. Por exemplo, quando eu vou à escola, quando eu jogo futebol, quando eu me divirto em família. Para mim, quando eu fico em comunhão é muito bom e alegre. Ser alegre é muito bom. A minha alegria dura para sempre. Eu sou feliz porque tenho Deus, uma família muito boa e amigos muito bons. Alegria é ser alegre para sempre. Nos Salmos de Davi está escrito assim: “O senhor é meu pastor e nada me faltará”. Então, alegria é o que nunca me faltará.

428


A ALEGRIA MUDA A SUA VIDA Maria Eduarda Alves Vaz De Mello Numa bela manhã, dois irmãos gêmeos que se chamavam Polly e Jack, eles todos os dias levantavam às seis da manhã para ir à casa de todos que moravam numa cidade pequena na Croácia. Eles se prepararam, às seis e meia da manhã, e vão para a casa das pessoas que acordam mais cedo da cidade e batem na porta, e logo quando chegam, Polly sempre pergunta se as pessoas estão bem. As sete da manhã eles chegam à casa de uma senhora chamada Claudia, quando eles chegaram Polly pergunta: - Olá, você está bem? Dona Claudia respondeu: - Gente eu não estou bem, estou muito triste, vocês podem me ajudar? Jack com um sorriso no rosto falou: - Claro que nós podemos te ajudar, primeiro passo você tem que lembrar de coisas alegres, segundo passo, você tem que fazer coisas alegres ao longo do dia. A dona Claudia com uma cara de agradecida respondeu: - Muito obrigada de verdade, até a próxima! Ao longo do dia eles foram à casa do Jorge, da Elena que era professora, do Luís, da Lourdes. Lembra da senhora Claudia, ela era jornalista e divulgou Polly e Jack, e eles viveram muito famosos, foram morar nos Estados Unidos, abriram uma empresa dos sentimentos e viveram felizes para sempre.

429


A ALEGRIA DO BONECO Maria Eduarda Amaral Gaspar Em um belo dia, havia um menino muito triste, que passava todos os dias de sua vida pensando nessa grande tristeza. Em um dia chuvoso, ele teve uma grande ideia de fazer um pequeno boneco de pano para lhe fazer companhia, porque seus pais eram pobres e não podiam comprar um boneco para ele. Ele começou a fazer seu boneco e ficou lindo, botou para secar do lado de fora. Minutos se passaram e ele lembrou que estava chovendo. Foi correndo para ver o boneco, e ele estava encharcado. Ele ficou muito triste e acabou desistindo, saiu chorando. Seu pai chegou e falou: — Filho, não fique assim e nunca desista. O menino respirou fundo e fez seu boneco, parte por parte. Quando chegou à noite, o boneco estava pronto e foi dormir. De madrugada, o boneco ganhou vida e sussurrou no seu ouvido: — Não seja triste, seja alegre! Depois daquele dia, ele nunca mais ficou triste, e foi considerado o menino mais feliz do mundo.

430


A MENINA QUE VIVIA ALEGRE Maria Eduarda Fusco Martins Em um belo dia, uma menina chamada Ana, que tinha 11 anos, acordou muito alegre. Tudo o que ela fazia que era chato, ela dava um jeito de ficar legal. Um dia, a menina recebeu uma notícia que ela gostou muito, mas ao mesmo tempo não, porque ela ia morar em São Paulo. Ela morava no Rio de Janeiro. Depois de dois dias, os pais falaram para ela que iriam morar em São Paulo, só por um tempo. Ana ficou cheia de alegria, porque ela gostava de São Paulo, então ficou alegre. Passou um mês e ela foi para São Paulo. Ela se divertiu muito, fez novos amigos, etc. Passou um ano e ela voltou para o Rio de Janeiro. Ela reencontrou todos os amigos e contou tudo sobre São Paulo para eles.

431


ALEGRIA E A TRISTEZA Maria Fernanda Nogueira Carneiro Santos Me chamo Maria Fernanda, tenho dez anos e, quando fico triste, penso logo em me alegrar, mas às vezes não sei como, então vou logo pensando o que fazer para esquecer a tristeza. A tristeza me faz tão antipática, porque mexe com os meus sentimentos e me deixa assim, tão mal-humorada! Quando eu fico triste é por algo sério, quando os meus pais brigam com alguém, quando matam animais, etc... A alegria é uma coisa inexplicável, que traz uma felicidade maravilhosa e faz muito bem. Quando eu fico alegre, é quando eu escuto uma música que eu gosto, quando eu vou para a escola, quando os meus pais fazem jantar em família, etc... Então, eu não vou esquecer da alegria, porque ela sempre me faz bem e me deixa muito e muito feliz.

432


ALEGRIA NO CORAÇÃO Matheus Amado Pimenta D Aguiar

Um homem que se chama Jerid estava desempregado, sem família, depressivo. Um dia, ele estava andando pela rua, até que ele esbarrou num dos melhores empresários do mundo. Caíram todos os papéis e bolsas. Jerid ajudou a recolher os papéis e bolsas, Jerid falou: — Uau, você é o Whinderson um dos melhores empresários do mundo! Whinderson respondeu: — Sou sim, o que você quer? Jerid respondeu: — Você pode me dar um emprego? Whinderson respondeu: — Depende de quanto você vai cobrar pelo seu serviço, quanto vai ser? Jerid respondeu: — Posso ganhar dois mil reais. Fechado? Whinderson respondeu: — Fechado! Ele ficou muito alegre, ficou milionário e encontrou o amor de sua vida. Viveu o melhor da vida.

433


A MENINA TRISTE Natália Rodrigues Jennings Bramly Era uma vez uma menina muito triste. Ela sempre usava roupas pretas e escuras, ouvia músicas tristes e não tinha se quer um amigo. Ela queria ter amigos, mas nunca conseguia. Todo mundo na escola a odiava. Os pais dela tentavam fazê-la feliz, mas também não conseguiam. Nos finais de semana, ela se trancava em seu quarto e ficava escrevendo poemas tristes e vendo filmes que a deixavam ainda mais triste. Ela nunca saía, só para ir à escola. Um ano se passou e uma nova pessoa entrou na classe dela. Ela continuava com a vontade de fazer amigos, então, perguntou ao menino se ela queria ser seu amigo. Ele disse: — Sim! Claro! Então, eles começaram a ser amigos e a ficar sempre juntos. Ela começou a ficar alegre. Muito alegre! Passou a usar roupas claras e coloridas, a fazer poemas de alegria, não se trancava no quarto, convivia com os pais, passeava, saia de casa e começou a fazer novos amigos.

434


UMA ATITUDE MUDA UMA VIDA Pedro Henrique Cardoso Cainelli Em um belo dia, um menino estava jogando um jogo de celular, quando a mãe o chamou para comprar pão. O menino não queria ir, mas a mãe o obrigou, para sair um pouco do celular. No meio do caminho, ele parou e olhou para um menino, esse menino estava jogando bolinhas de gude. A mãe dele o chamou: —Venha, filho! Vamos comprar o pão. O menino queria saber o que eram aquelas bolinhas, que o outro menino estava jogando. Na volta da padaria, ele foi até o menino e perguntou: —O que é isso, o que você está jogando? E o menino respondeu: — Isso são bolinhas de gude que eu achei no lixo ali na esquina! O menino disse curioso! —Eu posso jogar? E como se joga? O menino respondeu: —Você dobra os seus dedos assim e faz força. Os dois ficaram duas longas horas jogando com a mãe do lado. O menino viu que o outro garoto estava com fome e ofereceu o pão, o menino aceitou. Um senhor famoso olhou essa atitude, gravou e postou. Os dois ficaram famosos e começaram a ganhar presentes. Agora, moram juntos e são praticamente irmãos. Essa atitude mudou a vida do menino.

435


UNS MENINOS MUITO ALEGRES Pedro Henrique Carvalho Chevrand Em um dia muito ensolarado, nasceu um menino muito fofo e bastante alegre. O nome dele é Pedro Henrique. Ele tem um irmão que nasceu cinco anos depois, que também é muito fofo e alegre, o nome dele é Bernardo. Os dois se amam muito, ninguém nunca os viu brigando, fazem tudo junto, todas as festas, jogos, praia e tudo mais. Eles, também têm uma família muito alegre. Seu pai, Plínio, e sua mãe, Giselle, de família alegre, se amavam mais do que tudo. No dia do natal, até os parentes de mais longe se unem à família de Pedro. Era um dia muito legal, até que os irmãos começaram a brigar porque receberam um presente escrito: “Para dividir”. Bernardo queria ficar com o presente só para ele e Pedro também queria ficar. Depois de brigarem e conversarem muito, eles acabaram dividindo, e a família ficou feliz por eles terem resolvido. Nunca mais brigaram, ficaram sempre alegres e juntos para todo o sempre.

436


437


438


439


440


Profile for Colégio Notre Dame Ipanema

Emóvere - A formação das emoções!  

Apresentação Por Irmã Elena Bini Em diálogos tecidos nas diferentes competências com os educadores e estudantes, migramos com nossa Infânc...

Emóvere - A formação das emoções!  

Apresentação Por Irmã Elena Bini Em diálogos tecidos nas diferentes competências com os educadores e estudantes, migramos com nossa Infânc...