Issuu on Google+

NoHall Entrevista Delfim abre o jogo: História, o Curso, Aposentadoria... não deixamos passar nada

NoHall +

Comunicaras

A coluna social da Comunicação

+

Deu no twitter

O que de mais intesante rola no microblog

+

Cultura, Jabá e 3°Andar Recomenda


A T S I V E R A S NOS Um dia, por aí, me disseram que Comunicação se faz é no hall. É nesse espaço em que você conversa sobre todo e qualquer tipo de assunto. Futebol, a saída do fim de semana, sobre professor picareta. É ali onde você pode reconhecer calouros e ver os velhos veteranos, é ali onde você matará aula com uma, duas ou com a sua sala toda. Nesse local você poderá ver também gente vendendo ingressos das tão esperadas festas do curso, e também verá gente comentando sobre a última festa que aconteceu no fim de semana ( quem passou mal, quem pegou quem, que deu show, dentre outras novidades). Pode paquerar, namorar, fazer novos amigos, conhecer o curso inteiro, ver gente normal, esquisita, de outros cursos. De repente, pode rolar uma esfera pública com discussões sobre greves e boicotes. De vez enquando, conversar sobre as matérias, saber qual o próximo trabalho, comentar da prova que acabou de acontecer. Falar sobre o novo trabalho, vagas de estágio, palestras interessantes, também são assuntos que rolam no hall. Isso é ou não é fazer Comunicação? Isso é ou não é comunicar? Chame de o que você quiser: Gigabyte, savassinha, 3º andar, hall. Nossa ideia é trazer tudo isso pra dentro da nossa revista, para que todos saibam o que acontece e deixar tudo registrado, e digo “nossa” porque ela será toda colaborativa. Tem alguma foto comprometedora de alguma festa? Mande pro “ComuniCARAS”. Dicas legais de sites, livros, eventos? Mande para sessão “Cultura”. Dúvidas sexuais: “Na cama com o Japa” responde. Reclamações, cornetadas, alguma crônica que você escreveu quando não estava fazendo nada, divulgação de algo seu (Jabá), mande tudo o que você quiser, pois queremos ajuda de quem faz parte do hall. Enfim, a NoHall é para todos nós, seja PP, RP, Jornalismo ou RTV, diurno ou noturno, é só ler para entender.

BATERAM O PONTO Edição - Rafael Andrade Projeto Gráfico - Rafael Andrade e Luiza Garcia Revisão - Fábio Mitsuru Conteúdo - Rafael Andrade, Luiza Garcia, Fábio Mitsuru, Illan Carvalho e Rafael Rodrigues

Luiza Garcia @Luizagarcia_

Colaboração: Maurício Paulucci, Maria Navarro, Saulo Assunção, Henrique Terra, Rafael Amador, Gabriel Zaidan, Paula Costa Val e Paula Lopes. Agradecimentos: Paulo B., Delfim Afonso Jr., Enderson D’Assumpção e todos os entusiastas do projeto que nos ajudaram pacas... E, lógico, aos frequentadores do Hall.


? Ô V O C N O R P ENTREVISTA - Delfim Afonso Jr pelos alunos do Hall

HUMOR

3

- Saga / MEMECOM - Esotérico - Na cama com o Japa - Artigo - Separados no Nascimento

5

COMUNICARAS

4

Deu PT nas festas de comunicação? Pode olhar que você tá lá

11

CULTURA - Cultura PASSA A BOLA

15 16

13 14

- 3° Andar Recomenda - Jabá

- O meio (campo) é a mensagem - Maria Chuteira comunica:

MIXIDÃO

9 10

- Deu no Twitter - Sobe e Desce - Cornete Já

- Crônica

17 18

- Fechando a Tampa


HUMOR

MEMECOM

Começo do semestre na aula de Teorias...

Hoje eu assisto essa aula ate o fim!

10 minutos depois... Fábio Mitsuru e Gabriel Zaidan

SAGA DO ETERNO CALOURO 1º período

a justificativa

Sou uma pessoa muito comunicativa.

o encanto

a ilusão

Faculdade... minha vida começa agora!

Lugar de grandes debates e pesquisas acadêmicas!

frida

personal jesus style

Illan Carvalho

êm em

G

piã o Es cor

Li

bra

Época boa para podar sua juba. Fica a dica Diego.

Se você não consegue chegar nem perto dos anéis de Saturno, vem aí a festa da Fantasia Sexual, é a sua chance.

Esterlinas fecham em alta de 3,75%.

Você anda com a bundinha empinada? Cuidado, tem muita gente observando sua retaguarda.

Pe ixe s

io Aq

Ca

pri c

Capricórnio Também não é recomendável relacionamentos sérios. Junte-se ao Touro e caia na folia.

uár

órn

io

Tempo bom para libertar sua metade animal.

Veja na página ao lado.

Vi rg

Le

o git ári

Sa

ão

Câ nce

Tempo bom para parar de fumar. Esse é o nosso toque, mas não se preocupe que o exame de próstata é só depois dos 50.

eos

o

To ur

Tempo não recomendável para relacionamentos sérios. Se sua testa começar a doer não vá dizer que eu não avisei.

r

Ár

ies

ESOTÉRICO Que porra é essa?

O Divã da Comunicação

que vergonha

teatro mágico mongobloco

Paulo Coelho

NA CAMA COM O JAPA

Procure pelo seu Peixe.

Procure pelo seu Aquário.

Quando o BigBen não sobe o azulzinho resolve? R: Depende do valor da hora

Cabelo raspadinho, estilo Ronaldinho, cabelo pintado ou VO? R: Estilo Hitler Na hora do amor, qual a melhor trilha sonora? R: Tomate Qual a possibilidade de 1 dos 3 sair insatisfeito em um ménage? R: Quando for 2 gays e 1 mulher Tem que tirar os sapatos antes de entrar num motel? R: Quem dispensa uma lambidinha no dedão? Inseguro(a) na Hora H? Mande suas dúvidas para revistanohall@gmail.com


?

m

NASCIMENTO no Fa s: re ça vi um sta a noh Fa a m ll@ íli g a m Fe a liz il.c o

SEPARADOS NO

e-

a

Illan Carvalho - @carvalhoillan revistanohall@gmail.com

-

1 m ?

aj ud

, r ?

que são pisados por todo o curso. Tradições são tradicionalmente quebradas: A Primeira só se aplica no ditado velho. A Recepção quando os calouros já estão formando. Fantasia Sexual, nem o Delfim (e seus movimentos repetitivos com a mão no bolso) se anima. A Festa do Bigode é a única seguida à risca na Comunicação, pelas mulheres. É no Hall que se aprende que estagiário é aquele que ganha bolsa-mendigo. Que o máximo de McLuhan que você vai aprender é o nome dos times. Que a Cria nos mostra que reunião não é só pra quem ganha dinheiro, é pra quem finge que ganha algo também. Que os poucos héteros ainda pegam menos mulheres que os gays. Que só se aprende Jornalismo no Facebook, e Publicidade organizando festas. Que o curso é ridiculamente fácil, mas você ainda vai tomar pau (de uma forma que não gostaria). Que mesmo quem não curte rock, curte Sergey. Que até os professores são picaretas e que Projetos é como seu coração, não é tão simples quanto pensa. E se agora você acha que Comunicação só tem maconheiro, viado, picareta, canalha, piriguete-do-chico, tilelê do samba-rock... tá enganado, tem o Igor também.

Danton Mello Ator Global

o, o, ?

Sacoleiros - 8°Período

o ? o

Esse pout-porri de odores mil que nos leva a uma viagem astral, digna da melhor bosta nova tilelê samba-rock, passando pelo cheirinho de antropologia, quitutes da Márcia, comidas vegans estragadas... até o clássico chá, o chá das 10, 11, 4:20. É onde um gatinho caga e desce ao segundo andar para virar estrogonofe do almoço. O Hall é onde os alunos se reúnem, de Comunicação principalmente. Há um provérbio delfiniano que diz: “Do Stuart, eu só conheço o Hall”, há outro que diz: “Chupo gostosinho, todo dia 4:20”(esse, marcado num banheiro). O Hall é onde se trocam idéias, preguiças, cochilos e insultos. É onde se pixam e anexam movimentos esquerdistas, revolucionários e de siglas partidárias obscuras que só a galera do Anel conhece. É onde os rapazes mascam as porosas, os rapazes mascam os rapazes e onde Diego masca todo mundo. Há quem diga que a Comunicação é apenas gays, artistas frustrados e camisas xadrez. Na verdade ninguém diz isso, mas estaria certo. Estaria certo também se dissesse que, além disso, é feito de tradições. Tradições que os calouros (independente do semestre) adoram pisar com a mesma força com

Guido

A

Hall

4


5

O carioca-mineiro Delfim batepapo: Afonso Jr, 65, professor e chefe do Dpto, nos concedeu preciosas 3h do seu dia frenético para um papo franco e descontraído. Falou sobre juventude, televisão, Lapa, casamento, novo currículo, cerveja, globo, passarinhos, aposentadoria, futuro e mulherzada... Mas aí, isto é segredo nosso...

por Rafael Andrade, Maurício Paulucci e Fábio Mitsuru

Fale sobre o Delfim Afonso quando era Júnior: Eu nasci no bairro de Botafogo,

no RJ. Na minha adolescência, eu trabalhava no comércio com meu pai. Eu era de uma geração, que achava que o mundo ia ser completamente diferente depois de nós (...) Que

lugares você gostava de frequentar lá? Eu me lembro das aulas que eu matava,

na Lapa, Rio de Janeiro, durante o ensino médio(...). Lá, todo mundo queria ser escritor, pintor, musico ou cineasta (...) Então era divertido, era bom.

“Ia todo mundo, junta-

va um dinheirinho pra rachar uma fatia de pizza...” Então você era da turma do fundão na escola e matava aula? Nunca sentei na primeira fila, mas ano-

tava muita coisa. (Matar aula), às vezes, era melhor do que ficar numa sala de aula e me estrupiar com física, química e matemática. Eu não tinha nada a ver com isso(...) fiz até um supletivo...

Como você se interessou por Comunicação? Quanto a meus interesses por

comunicação, eu tinha interesse em várias áreas como qualquer pessoa que com 15 anos se interessa. Eu gostava de artes plásticas, literatura, filosofia, desenho industrial, história (...) e no meio disso tudo tinham 2 áreas que me interessavam muito especialmente que era cinema e música (...) o cinema que me atraia muito, foi a isca que me chamou pra área da comunicação. Enfim, eu não via nenhuma relação do mundo do comércio com o mundo da comunicação (...) Então, nos anos 60, através do McLuhan e do Décio Pignatari, apareceram para mim os estudos da Comunicação e as profissões de Comunicação.

Jornalismo, Publicidade ou RP? O

engraçado que eu não me formei em jornalismo, não me formei em publicidade, não me formei em relações públicas... O curso(na UFRJ) tinha o nome de “Comunicação social” com habilitação em comunicação. Engraçado, mas é verdade.

E a TV? Como foi na Globo? Eu fui trabalhar lá porque a coisa mais perto do cinema que encontrei foi a TV(risos). Mas assim, “...a televisão é o contrario de todo aquele sonho adolescente...” que vai pro cinema e fica fazendo

aqueles filmes mentais, sentados com os amigos na mesa de bar, sobre aquelas coisas incríveis que querem realizar. A televisão está debaixo da busca pela audiência e isso é feito a vários preços... No fundo não me adaptei aquilo.

Então você virou professor? Quando eu

escolhi ser professor eu escolhi uma atividade profissional que ia me atender em algo fundamental: dialogar(...) Aí, fiz meu mestrado em Brasília e surgiu a possibilidade de vir dar aula na PUC (em 77). Eu comecei a dar

aula e a descobrir que a atividade do professor me agradava muito, porque eu tinha uma possibilidade de troca entre pessoas que no comércio ou na TV não se realizava do mesmo jeito. Você teria

sido mais feliz se tivesse feito cinema? Eu acho que não (...) eu acho que

eu escolhi uma atividade e dei sorte, ela dá muita independência e liberdade. Agora exige uma postura ética bastante exigente e você tem que ser um cara generoso.


E a UFMG? “Minha história aqui começou há muitos e muitos anos, no tempo em que os bichos falavam”, Há mais ou menos 25 anos... E o nosso curso? O novo currículo... Porque acabaram com a habilitação de RTV? Olha, eu não sou um arquiteto do novo currículo, porque na época eu tava envolvido com meu doutorado.... Mas a gente tinha que fazer uma escolha, continuar com RTV do jeito que estava não dava mais... Infelizmente ela virou uma cobra de duas cabeças onde o rádio ia pra lá e a tv vinha pra cá... Havia também, em meados de 2007, a ideia da criação de uma habilitação que se chamaria “Audiovisual” Que acabou não sendo aprovada porque ela pedia um investimento alto.

Se você tivesse R$1,000,000 pra investir no curso... Com um milhão a

gente teria uma razoável condição de mexer na estrutura material do curso; e até de recursos humanos. Agora, o curso de comunicação precisava ter mais professor visitante. São pessoas que entram e saem periodicamente. Isso é importante como uma nova estratégia dentro do curso. Eu acho que a nossa graduação tinha que ser mais porosa. Estarei abrindo(no fim do ano), se tudo der certo, 2 vagas para professor visitante, que já é uma porta, entendeu? Serão 2 professores, por 2 anos fazendo isso...

Qual a disciplina de todas que você já ministrou que você mais gostou?

As três que eu acho que tive mais afinidade, de fato, foram “semiologia”, “cultura brasileira” e História Social dos Meios de Comunicação é uma disciplina pela qual eu tenho gosto especial. Mas e a vibe de dar aulas pra

calouros, eles não estão muito crus? “Eu acho que jamais alguém fique totalmente cozido”(...) Eu tenho espe-

cial interesse por esses momentos em que as pessoas podem fazer descobertas, entendeu? Sim. Eu nunca olhei pros alunos da graduação como pessoas cruas ou que não tivessem o que acrescentar (...) Quando a gente é jovem e eu sou até hoje um cara muito jovem, ne?(risos) A gente tateia, a gente acerta, a

gente erra, eu acho que isso é próprio das pessoas (...)

Você tem algum aluno que te marcou? Eu sou uma pessoa que como a

minha vida é uma multidão, eu sempre sinto falta de ficar sozinho (...)me lembro de uma aluna que uma vez ficou revoltadíssima comigo porque eu fiz um comentário muito crítico, mas fiz aquilo com tanta espontaneidade (...)E tem um outro também muito engraçado porque ele disse: “ah, quer saber de uma coisa? Você tá se colocando aí no pelourinho...” ele começou a me dar conselhos(risos)...mas eu achei aquilo muito interessante E você ouviu? Claro que sim (...) e a gente tá nesse mundo só pra ouvir os outros mesmo (...) Algum aluno já virou seu brô? Se vocês perguntam: alunos que marcam (...) eu tenho realmente admiração pelos alunos que passaram (...) pelo convívio comigo, entendeu? Encontrei, por exemplo, o Tadeu (7º período)(...) o Tadeu é um cara assim que um dia chegou com uma frase do Millôr Fernandes: “a imprensa é oposição, o resto é armazém de secos e molhados” (...) e eu: pô que bacana, essa frase é ótima (...) Eu sou um cara que gosta muito dos alunos... Adoro conversar com os alunos nos corredores...

Qual a importância do Hall do 3° andar pro curso? Ele pode ser considerado uma esfera publica?: O Hall

teve, recentemente, um momento de esfera pública quando se organizou o apoio à greve dos professores estaduais, acho que aquilo é o que se entende como esfera publica (...) Agora no dia a dia, acho que é um lugar de certas trocas. “É

uma espécie de mercado ou de point”, onde as

pessoas circulam, onde tem os bancos (...) Ali é uma coisa feito uma praça, ali se transa de tudo, ali se paquera, se procura por alguém (...) Mas ele não é uma esfera publica o tempo todo no sentido de ter uma coisa organizada. Felizmente, é um lugar muito desorganizado.

6


Você ia muito pra farra? E aprontava? Eu não sou uma pessoa de aprontar. Sou tímido. Eu me arriscava ir às festas, mas eu prefiro às vezes ficar calado do que falar(TRUCO!), por incrível que pareça.

E as droguinha?: Eu não era uma pessoa aficionada. Sempre desconfiei dessa coisa de que você tem que fazer aquilo que todo mundo ta fazendo. Sou uma pessoa na minha. Nunca tive esse troço de que eu “tenho que fazer isso”. Nunca achei que era por aí (...) E as tchuca? Loira, morena...? Ah... Isso

aí varia do dia e da hora (risos). Qualquer uma interessante que me interessa. Eu acho que o que faz uma pessoa se interessar por outra são outros elementos (...) Talvez é o olho.

Como está o s2? Sabemos que é separado... Meu coração, se é que existe, é

o seguinte: Eu, durante um bom tempo eu fiquei muito desiludido. Por causa do fim do Casamento? Sim, uma hora na sua vida, você também vai chegar nesta inacreditável decisão(risos)... mas eu não sou uma pessoa impermeável à atração e ao interesse pelo amor feminino... eu hoje não me vejo, de fato, com uma pessoa. “Descobri que esse

negócio dos amores passageiros é uma coisa muito interessante...”

Sabemos que está muito ocupado de segunda à sexta... O que você faz no sábado e no domingo? O sábado e o

domingo são os dias que eu posso sentar pra ler os trabalhos dos alunos. E seu lazer? Como que fica? Eu chego em casa e gosto muito de tomar um vinho tinto. Não sou daqueles que beeeebem... Pode ser também um suco de maçã. E a cerveja? ”A cerve-

ja é um elemento que detona o aspecto abdominal, principalmente dos homens...” então a cerveja é gostosa

mas eu tirei um pouco a cerveja da minha vida... (...) Queríamos saber como é o

Delfim de bermudão e chinelo, vendo TV... No momento, por incrível que pareça, eu estou sem televisão, ”eu resolvi viver esta aventura de ficar sem tv...” Eu moro num lugar que gosto muito,

no bairro Luxemburgo. Meu apartamento tem uma palmeira que cai pra dentro da minha casa. Eu vejo o sol nascer, passarinho, galo cantar, cachorro latir...

Há boatos que está chegando ao fim o seu ciclo como professor e chefe do departamento. O que o Delfim fará depois de aposentar? Eu tenho

feito uma campanha de marketing falando o quanto eu quero aposentar. Mas eu tenho oscilado também, comigo mesmo, em relação a isto. E sem dúvida, porque é uma decisão estranha (...)A primeira coisa que eu queria fazer era fazer nada. mas o que eu quero mesmo fazer é isso que eu fiquei pensando: gente, eu vou pintar. Eu vou comprar quadro, tinta e pincel... pra nada, eu quero pintar...

Você poderia criar um twitter pra gente te acompanhar, te seguir... Eu

Foto: Gustavo “Kassamba”

Ah, então o Delfim é canalhão? (...) Momento de Gravador desligado... Foi mal galera, mas essa fica só entre a gente e o nosso “Don Juan de Marco”...

7

acho que eu não tenho muita coisa pra ninguém me seguir... Mas eu tenho um problema hoje de administração que eu não estou metido em nenhuma rede social. Mas isso vai mudar né? Sim


Depois da aposentadoria, tem alguma vontade de retornar ao Rio de Janeiro ou planeja ficar em BH?

é de dançar, escolher coisas, poder pensar loucuras (...) Há um número muito pequeno de alunos que não sabem o que estão fazendo aqui. Acho que a gente não tem que esperar de pai, mãe, patrão,escola, emprego, partido político, nada para resolver a vida da gente não. Aquela coisa de “Faça Você Mesmo”, aquela coisa dos Punks de você ter que pôr a mão nas coisas pra resolvê-las (...)

O Rio de Janeiro e Minas Gerais tiveram entre si, desde os tempos do Tiradentes, muita conexão (...) É muito difícil quando a gente nasce num lugar e vive muito tempo em outro (...) Há um lado geminiano, essa dualidade, essa coisa de estar em dois lugares ao mesmo tempo. Eu gosto muito dessa idéia,de ser essa pessoa meio dupla, acho que não seria totalmente eu se ficasse só lá ou aqui (...) eu gosto do troço que vai e vem (...)

E se pudesse deixar um legado, o que você gostaria que as pessoas absorvessem de melhor do Delfim? “Elas ouvirem um passarinho cantar e nada mais do que isso. Eu acho que isso seria tudo.”

Se você pudesse dar um conselho para um aluno, calouro ou formando, qual seria? Eu não daria conselhos...

Mas o momento em que se está na faculdade

Play Offs: TV

x Rádio

Rock x MPB

TV

Cerva x Refri Israel x tina

x Refri

Rock

1a Fase

xPalestina

Pales-

Matar xMorrer Busão xMetrô

2a Fase Morrerx PT MetrôxPanicats

Semi-final TV xMorrer Palestina xPanicats ser um cara do meu Morrer x“Vou tempo, vou ficar com as Panicats”

PT

x PSDB

Panicatsx Chacretes

Rapidinha do Delfim Sexo, Drogas ou Rock n’Roll? Música... Rock n’Roll Filme Woodstock - Um belo filme Cantor João Gilberto Governo Brasileiro Manga Rosa FAFICH Flores e Moças Bonitas Reitoria Palacio Homofobia Politicamente Incorreto Maconha Não uso(risos) Eu não uso drogas Ditadura Estupidez Atroz Calvície Meu Charme

8


MIXIDAO o-

: r e t t i w T o N u e D

@

TADAS RES T WIT

eguir

Quem s

IO

SO ME DO NOS

E PIO

Timeline ielaa: @gaab ! so gostoo

ORES

AS MELH

aomunic em na C ncontra m o h a lt e Fa se aDepreo: mundo? A deprê n @MuieD m e a hom ional ção? Falt ntro Reg m o c n E o e d aqui ia: Twittearção - Este ano será r o it V m @Erecodantes de Comunoicvembro do dos Estu e 11 a 15 de N cardápio Sd scubra o e d Vitória-E e a MG: Sig

s é mai o o o h in

id !! Rap

oooo Golaço

ody o de b j u s o tá tod elular c u e m ereira: mariip

@ shot

omida

: só c chigab

@

liz de e faz fe

izer???

recisa d

all: P @No_H

_UF @Fumpandejão dia do B

e verdad

ação

m

l

r o ane

pega casa e

munic o C s c i p nding To

Tre

estudantes... O Encontro contará com mesas sobre Tecnização do Ensino e Criminalização de Movimentos Sociais, Oficinas, Exposição de Trabalhos, Grupos de Discussão, as incríveis Culturais(Cachaçada) e até uma visita ao festival Prato da Casa, uma espécie de Comida di Buteco Capixaba. Mais informações?

@ErecomVitoria www.enecos.org/erecomvitoria2011

................. > > > >

Aí Ximangada, Novembro ta aí... tá afim de pegar uma prainha e de quebra participar de um puta encontro de Comunicação? Sabia que sim! Marque na sua agenda aí: de 11 a 15 de Novembro acontece o ERECOM (Encontro Regional dos Estudantes de Comunicação Social). O evento será em Vitória, no ES, e terá estudantes de comunicação de todo o sudeste. Quem organiza o encontro é a ENECOS, a Executiva Nacional dos

C

lít

M

L

N

Po

no

desce >

erecom (ES)

lfim #FicaDe ode ltar pra o v o ig ??? da com ho #DiadoB en É Que Sabe” a N : J n o i iB ell nã @Gab rado no cam WTF “Su VouEu!!! que eu s e r s a Lá ? e g todo #Erecom e do ComuniCA de 2 m o i r á s r d e anive Cadê a r nalha itter : r ol b m i e b t a . lfimCa ovo Car do e @g N n D e # X G v i o a v M c UF stou m No ndo vou na im, e e do, termina Carol Se rras s o b e n hu eu b rma #StreetC oraes: e e está se fo urso público m n a n c @re con o beb que nã passando em ay. e t n e g , igo é g E o i m b a m u â e c om cês. o inter uzi que e molho fran d e d de u E osto d ncês é coisa dunz: g a R m e e t r a @And ue o sêmen er molho fr q b Ele diz bem que be sa todos gay.

Pr su


festa a fantasia sexual

................. > > > >

>

É dia 1/11 (Véspera de feriado, não tem desculpa!) que vai acontecer a festa mais sensual da Comunicação, da UFMG, quiçá do mundo! É lá mesmo que você vai ver aquele bumbum que sempre sonhou em ver no curso e nunca rolou. As musas e os musos do hall estarão em trajes mínimos mostrando todo seu corpo cultivado pelas cervejas de sexta no Real. Pra não perder esta pouca vergonha, fiquem atentos: Os ingressos da festa estão sendo vendidos a R$25 pelos Sacoleiros. É calouro? Não conhece Sacoleiros? Dá uma ligadinha pro Gabão e pegue seu ingresso:9144-3945

ítica e Volta de Tradições

Mesa fantasma do hall Laboratório dos Macs NoHall :)

sobe

ComuniCA - Organização Po-

E

Portaria 34/11 - que barrou

nossas queridas Calouradas

Velho Casarão - Ninguém aguenta mais festa lá.

ComuniCA - Sujeira

Preço do Bandeco - quer subir. Se subir, “desce”.

dia do bigode Rolou no último sábado à noite, 22, no Stúdio Bar, a festa mais charmosa da Comunicação. De Freddy Mercury a Salvador Dalí, de Chaplin a Pancho Villa e de Elvis a Rauzito; todos os estilos estiveram presentes no Dia do Bigode. A festividade reuniu m u l h e r e s , homens, calouros, dinossauros e até gente que não tinha nada a ver com Comunicação(e só queria ver os RedHot Covers), todos em volta de um único objetivo: Ser eleito o melhor bigode da noite e ganhar a enorme quantia de Um baldinho de Heinenken (hummm)... A eleição do bigode mais bonito foi muito contestada, pois o bigode vitorioso era mais falso que uma nota de 3 reais. E, cá entre nós, a NoHall tinha dois representantes com mustaches originais e bem graúdos: os Rafaeis... poderiam ter ganho. Agora, quem perdeu (a festa e a disputa), resta esperar o ano que vem...

CORNETE JA Professores Picaretas!

Mercadologia e Fundamentos da Análise Sociológica - tá difícil viu???

PF da Fafich

Cantina vacilou ao acabar com o “Serve-Serve” Vândalos do ComuniCA

O C.A. é sua casa, não a casa da mãe Joana! Repúdio à rata antropofágica, ao “marche” pixado no chão e ao roubo da rede... Aqui não PicaPau!!!

mande sua cornetada para @No_Hall ou revistanohall@gmail.com

10


1010

12

11

13

14

15

16

17

Na pior: 10-Jabuticaba ou Caloura Patrimônio. Vai amiga, você consegue. Um japa e um negão.

13-Rodrigo Suellen, curtindo a balada.

11- Olha a cara de desolamento dessas pobres pessoas.

15 e 16 - Objeto não identificado.

12- Alguns acham que isso é tá bem. hein.

17-Victor e Diego.

14- Tequilinha pra galera

12

Na Lama: Calouro do Noturno. Precisa fazer algum comentário?


Passa a Bola O meio ( campo) é mensagem. Para quem achava que na Comunicação Social só tem perna de pau, o Troféu McLuhan está aí para comprovar o fato. O tradicional torneio de futsal conta com diversas equipes cada uma de um período do curso. E essa edição tem tudo para manter o bom futebol arte brasileiro. Para os amantes da pelota, o CEU se torna uma boa oportunidade aos sábados, já que a piscina fica rodeada de jovens da UFMG e há também outros campeonatos de futsal com um nível mais agradável de se ver. É claro que o curso de comunicação possui boleiros que honram suas camisas. Além disso, o futebol do Troféu McLuhan é uma verdadeira caixinha de surpresas. Aluno jogando de samba-canção, de abadá, de óculos,de all star, time sem uniforme, juiz que não comparece, jogadores de outro time completando para outros e lances capazes de aparecer no bola murcha da semana. Se alguém quiser ficar famoso,

esportes

essa é a sua chance de aparecer no Fantástico. O torneio da comunicação tem como objetivo a integração dos alunos e a saudável prática esportiva. Bom, se o futebol de alto nível é difícil de ser observado no McLuhan, esses dois aspectos são mais ainda. É comum jogadores bebendo e fumando, antes, durante e depois dos jogos. Antes e durante principalmente. Além disso, a boa convivência e o fair play dos jogadores só ocorrem mesmo no hall da Fafich. Rivalidades e dedo no olho (melhor falar olho mesmo) marcam esse amistoso torneio. Será um árduo caminho para os times até o fim da competição, para alguns mais ainda. Serão vários sábados com alunos jogando de ressaca, chegando atrasado aos jogos ou até mesmo a boa prática do wo. Até o fim do ano, todos esperam pelo campeão, pelo vice, pelas merecidas férias e é claro, pelo Churrascom. Fábio Mitsuru


Maria Chuteira comunica: Um dia, no meu querido primeiro período, resolvi procurar por homens no curso. Campeonato de futebol me pareceu um evento interessante. Sim, eu achei homens: uns barrigas de chopp, sem fazer a barba, jogando de samba-canção, mais no banco do que em quadra, com cara de quem acabou de acordar e nem arrumou o cabelo. Com o passar dos períodos, resolvi aceitar que era isso o que tinha mesmo. Maria chuteira que é Maria chuteira quer duas coisas. Jogador e Futebol Arte. E ser Maria Chuteira na Comunicação é fazer um esforço pra extrair isso dos nossos peladeiros de plantão e, com sorte, se consegue uma emoção de torcedora. Um gol ali, uma falta pesada, uma discussão de macho, uma defesa brilhante pode-se ver por aqui. Pode-se ver também mulher jogando melhor que esses muleques, no nosso digníssimo Taça Vera França, mas isso eu deixo pra homem comentar. Melhor dar algumas dicas de sobrevivência e eu já começo com duas. Dica 1: Mantenha o seu ângulo de visão da cintura para baixo dos jogadores. Você pode ter a sorte de ter um peladeiro que malha no dia e ver algumas coxas. Dica 2: Posicione - se de frente para a quadra, gire a cabeça para o lado. Você vai avistar outra quadra que poderá ter alguns jogadores da Engenharia. Melhor falar de resultados, certo?! Vamos aos placares. 1ª rodada (10\09) FFFF 5x2 Calouros Chiquititas 8x2 RBD Coalhados 8x2 ECG

4ª rodada ( 01/10) Sacoleiros 3 x 1 Calouros FFFF 3 x 4 SEQS SolCapimCanela 5 x 6 ECG

2ª rodada (17\09) Sacoleiros 6x4 EBA Coalhados 4x2 Chiquititas SolCapimCanela 9x2 RBD

Jogos Adiados

3ª rodada (24\09) EBA 2x1 SEQS Coalhados 6x2 RBD

EBA 11 x 2 Calouros RBD 2 x 6 ECG FFFF 17 x 6 Sacoleiros SolCapimCanela 1 x 10 Chiquititas Luiza Garcia @Luizagarcia_ revistanohall@gmail.com

14


15

BAILE DA SAUDADE: É todo segundo

sábado do mês, em um galpão no bairro Venda Nova, que acontece uma “festa” para todos aqueles que curtem soul, funk e black music. Dançarinos profissionais, que levam a sério a música e a dança e incorporam os verdadeiros bailes dos anos 50, 60 e 70.

C

ultura

James Browm, Gerson King Combo, Toni Tornado, Tim Maia entre outros são sempre as músicas de atração da noite. Os dançarinos vão bem vestidos, com terno, gravata e sapato bicolor para ensinar e divertir a noite de quem é novato no baile. End: R. Padre Pedro Pinto, 6.100. Venda Nova. Telefone: 3456-6595

FIQ 2011: De 9 a 13 de novem-

bro acontece o 7° Festival Internacional de Quadrinhos de BH. O FIQ 2011 contara com estandes, autografos, exposicoes e lancamentos em todo universo dos quadrinhos.

Divulgação

DUELO DE MC’S: O Duelo de MC’s acontece desde 2007 e é uma ótima atração para sexta-feira à noite. Acontece debaixo do Viaduto Santa Tereza, com diferentes manifestações do Hip-Hop. Com batalhas de enfrentamento de improviso, de conhecimento, de rimas e de dança. Além disso, os grafiteiros e DJ’s exibem suas performances do melhor do hip-hop. Confira mais da programação semanal do Duelo no blog: http://duelodemcs.blogspot.com/

O FIQ terá nomes como: Bill Sienkiewicz, Will Conrad e muitos outros. Dentre eles, os mineiros Eduardo Damasceno e Luís Felipe Garrocho e o nosso incrível Felipe Assumpção, ex aluno do curso e criador do Botamem. Atenção aos estande 4 do evento (o do Sunça) e Saiba mais em: http://fiqbh.com.br/


° 3

Por Delfim Afonso Jr. a IDADE

- Andar WEBSITE: www.youtube.com

Recomenda

BAR: O antigo bar

ÁLBUM: Eivets Rednow;

“Redentor” - por ser um pedaço do RJ em BH

de Stevie Wonder, de 1968

BEBIDA: O

vinho “Merlot Terroir” que é de uma vinícola do sul do Brasil (”Miolo”) - Eu nunca bebi, mas vou recomendar por que deve ser muito bom.

LIVRO: O Verão, Bodas;

de Albert Camus

O livro de 1986 fala sobre o povo argelino e sua incrível semelhança com os brasileiros.

www.facebook.com/swag

Jabá

Arte + Inovação = Belô Artes www.beloartes.com.br “Tudo Menos Amado”

Banda “romântico-brega” da Comunicação. Ainda há vagas Procurar @andraderafa1 e @rafaelsorza

Grupo de StandUp Comedy Toda segunda às 20:30 Choperia Artesamalt www.uaisocomedia.com.br

Quer sua ideia neste espaço lindo? Faça seu Jabá: revistanohall@gmail.com

16


Crônica Calourice é crônico Eu sei que é difícil de entender que o mundo não gira mais do mesmo jeito depois de tantos tsunamis e terremotos nos últimos dez anos, em cinqüenta então, complicadíssimo. Mas entender que as gerações do curso mudam com mais freqüência e sem desastres deveria ser mais simples. O currículo não é mais o mesmo, o vestibular agora é ENEM, Fábio Martins não dá mais aulas, a FAFICH não é mais na Carangola... mais alguma catástrofe? Não culpo os mais veteranos de rabugentice, quando nos cornetam falando desse passado perdido como se fossem tragédias, afinal, todo mundo quer ter seu tempo de felicidade perpetuado. E os calouros não sabem dar valor aos sentimentos de saudade dos seus veteranos, as chamadas tradições. Só que os formatos mudam, exatamente por que novas pessoas estão aí movimentando os velhos legados sobreviventes aos desastres naturais (incluindo meteoros) da Comunicação. E por mais que ensinemos nossos calouros a dar valor às tais tradições eles sempre serão burros e nunca vão aprender, nunca. Aí eles

criam outras, sempre piores, ou desvirtuam as antigas. O problema é que somos calouros até o nosso 7º período, somos burros quase o curso todo. Então nós, burros, que mesmo sem saber festa, sem boteco não-sei-onde, sem dia-de-não-que, nos divertimos, bebemos, brigamos e amamos esse curso cheio de caricaturas que reciclam a tão tradicional Comunicação Social da UFMG. E agora que o McLuhan não é mais o mesmo? E agora que os calouros não têm mais bigode para o tão esperado dia 22 de outubro? E o Carol que pode ter um projeto gráfico? E agora que inventaram a NoHall? Da próxima leva de calouros o mundo não passa, certeza. Ninguém tem “Tradições Universitárias” no primeiro período do curso, nunca se parou de fato para pensar antes de criá-las. Elas são calourisses. As tradições e tudo mais que envolve a Comunicação nasce ali, durante os intervalos ou matando aula, no hall. Rafael Rodrigues @rafaelsorza revistanohall@gmail.com


FECHANDO A TAMPA O curso de Comunicação Social da UFMG comemorará ano que vem 50 anos de existência. 50. Uma idade que a maioria dos leitores dessa revista sequer estão próximos de chegar e também nem imaginam o que serão quando completarem essa marca. Por outro lado, outros eram até grandinhos nesse tempo, sendo que vários profissionais hoje presentes no curso ajudaram a construir essa trajetória. Dentro desses 50 anos, foram várias as mudanças que marcaram a his-

tória do curso da UFMG. Como imaginar uma aula de História Social dos Meios sem o Delfim? Como seria o torneio McLuhan antigamente? Como era o comportamento dos alunos no hall da Fafich? Era necessário decorar o seu número de matrícula sempre que o aluno fosse no colegiado? Essa constante mudança de gerações que torna importante a celebração dentro do curso. Assim, a preservação da memória e o resgate do passado poderia se tornar uma caminho importante para articular as questões atuais da área de comunicação. Além de conhecer mais o seu curso e tudo que o envolve, quem sabe você ainda não consegue um bolinho e um refrigerante nas comemorações?

www.facebook.com/com50anos


colabore

NoHall

revistanohall@gmail.com @No_Hall


NoHall #1