Issuu on Google+


Nota do editor

ESCREVER NO CORPO

uma breve história sobre tatuagens

A palavra tattoo deriva do termo Samoano ‘tatau’ que significa ‘marcar alguma coisa’. Desde tempos ancestrais que o homem tem utilizado as tatuagens de variadas formas de cultura para cultura. As primeiras evidências de tatuagens conhecidas na Europa datam de 40000 AC em gravuras do Paleolítico Superior. A prova direta mais famosa de tatuagens data de cerca de 3300 AC e foi encontrada no corpo mumificado do homem do gelo Otzi descoberto nos Alpes. Otzi tinha um total de 61 tatuagens consistindo em 19 grupos de linhas pretas de 1 a 3 mm de espessura por 7 a 40 mm de comprimento ao longo da coluna vertebral e em redor dos pulsos e nas pernas. Outras múmias tatuadas foram descobertas em pelo menos 49 locais como Alaska, Sibéria, Mongólia, China Sudão, Filipinas, Andes e Egipto. Uma das mais famosas é a mumia egípcia de Amunet, sacerdotisa da deusa Hathor (dinastia XI cerca de 2134-1991AC) encontrada em Thebes. A múmia de Amunet exibe uma serie de formas em diamante pontilhadas na coxa direita, varias tatuagens nos ombros peito e cotovelo e uma extensa zona abdominal com pontos e traços

formando padrões elípticos. As tatuagens tiveram sempre um importante papel ritualista e nas tradições. No Borneo as mulheres tatuavam símbolos nos braços indicando as suas aptidões particulares. Uma mulher com vários símbolos era considerada por isso um bom partido para o casamento. No Japão, a tatuagem como factor decorativo e espiritual é considerada existente desde cerca de 10000 AC e foi disseminada em vários períodos quer pelos japoneses quer pelos povos Ainu. Com a unificação do Japão e o declínio do poder dos samurais as tatuagens vieram substituir as tradicionais armaduras de combate samurai e mais tarde tornaram se uma imagem de marca da sociedade Yakuza e das mafias japonesas. William Dampier é considerado o responsável pela reintrodução das tatuagens no ocidente. Explorador e marinheiro dos mares do sul, Dampier trouxe para Londres em 1691 um polinésio altamente tatuado chamado Prince Giolo (Painted Prince) o qual foi exibido como uma atracção que fez furor nessa época. Entre 1766 e 1779 as viagens realizadas ao Pacifico


do Sul pelo capitão James Cook contribuiram para a divulgação dos povos tatuados da polinésia e a introdução do termo tattoo. Muitos dos marinheiros de Cook regressaram com tatuagens, tradição que rapidamente ficou associada aos homens do mar. Em 1891, Samuel O’ Riely patenteou a primeira máquina de tatuar eléctrica, baseada na caneta elétrica de Edison cujo design básico ainda hoje se mantém nas máquinas modernas. Durante grande parte do século XIX e XX as tatuagens foram consideradas com descrédito e associadas a grupos marginais e fonte de transmissão de doenças como a hepatite. Nos anos 60 dá se novamente o renascimento da arte através de Lyle Tuttle. Tuttle abriu a sua primeira loja de tatuagens em S. Francisco, a qual esteva aberta durante 35 anos. Tuttle tatuou vários músicos actores e celebridades, entre os quais Janis Joplin, Cher, Henry Fonda, Joan Baez e muitos outros. Desde os anos 70 que as tatuagens tem se tornado uma realidade na moda e cultura ocidentais, comuns a ambos os sexos e em todas as idade e estratos sociais. Para os jovens modernos a tatuagem foi perdendo o character de exclusão social e tornando se uma forma aceitável de expressão. Este ressurgimento motivou um afluxo de novos artistas tatuadores muitos deles com conhecimentos técnicos e artísticos elevados, o que associado aos avanços técnicos dos pigmentos e dos equipamentos levou ao aumento da qualidade das tatuagens realizadas. Nos anos 2000 a presença das tatuagens tornou se evidente na cultura pop com séries televisivas como Miami Ink e La Ink. Nos EUA estima se que cerca de 36 % de jovens entre os 18 e 25 anos tenham pelo menos uma tatuagem, sendo que a industria das tatuagens é a sexta de maior crescimento na América. Não existem números concretos

de quantas pessoas poderão existir no mundo mas de acordo com a artista Denise de la Cerda serão mais de 3 biliões.

Tatuagens exibidas pelas múmias de Otzi (acima) de Amunet (em baixo).

Imagens de Lyle Tuttle um dos tatuadores mais influentes do séc. XX


Principais estilos de tatuagens

1.Tradicional O estilo tradicional também referido como tradicional americano ou old school é a forma mais antiga de tatuagem moderna que deriva das antigas técnicas tribais. No mundo moderno as tatuagens iniciaram se com este estilo, caracterizado por contornos pretos, paleta de cores básicas, pouco detalhe e muita precisão e bastante durabilidade. As imagens tradicionais incluem rosas corações, símbolos náuticos, craneos, punhais e cabeças de mulher.

Tradicional

2.Realismo Uma tatuagem que é exactamente a reprodução do mundo real, assemelhando se a uma fotografia sobre a pele.

Realismo

3.Aguarela Estilo actualmente muito popular a tatuagem aguarela simula a pintura com pinceladas de cor. Pode ser feita sozinha ou combinada com outros estilos com o realismo ou o estilo tradicional. Em geral são usadas cores fortes e temas da natureza.

Aguarela


4.Tribal É o mais antigo dos estilos. Normalmente de cor preta, utiliza simetrias e formas geométricas, aproveitando as formas naturais do corpo.

5.New

School

/

Nu

Skool

Tribal

Estilo baseado em designs de banda desenhada e influencia de grafitis e estilos e técnicas de hip hop. Formas de bolha, cores vibrantes e dimensões exageradas.

6.Neo-tradicional Usa os mesmos contornos espessos e sombreado do estilo tradicional, mas é mais detalhado mais colorido e com volume 2D. Pode combinar diferentes estilos e ser mais ou menos elaborado, experimental e customizado.

New school

7.Japonês Datando de cerca de 10000 AC o estilo japonês é um dos mais sagrados generos da arte. Consiste em desenhos detalhados cobrindo largas áreas do corpo, como costas e parte anterior do braço. Este estilo obedece a regras artísticas rígidas no que respeita ao posicionamento, imagens usadas, direção e cor de acordo com as antigas tradições. As imagens mais frequentes incluem flores de cerejeira, carpas koi, flores de lótus, ondas, dragões e geishas. Neo-tradicional


Pontilhismo Japonês

8.Pontilhismo Desenhos elaborados formados por inúmeros pequenos pontos.

9.Geométrico Desenhos elaborados feitos a partir de formas usando simetria e repetição para criar largos padrões. Pode ser combinado com estilo tradicional ou outros. Em geral a preto mas pode usar cores, criar um efeito 3D ou usar ponteado.

Geométrico

10.Escrito Desenhos de letras e frases. Em geral são usadas fontes góticas e com floreados Escrito


NEWFACE

Castella

No reino de

fotografia de mario santos modelo inĂŞs castella styling mario santos e inĂŞs castella


TATUAR ao som do coração Nasceu em Melgaço há 33 anos. Tatuadora e esteticista, define se como uma pessoa de essência, transparente, sensível, inconstante, lutadora...mas humilde...

IRINA CALDAS

fotografia de Mario Santos e Carlos Carreto styling de Mario Santos e Irina Caldas


“Sou formadora em estética e cosmetologia. Nas tatuagens iniciei-me com a micro pigmentação. Devido à procura acabei por tirar um curso em tatuagem artística”


“A tatuagem é um negócio em expansão, com cada vez mais estúdios e melhores artistas. Comecei a tatuar à 6 anos e desde então já fiz mais de 500 tatuagens”


“A minha especialidade são os estilos dotwork e neo tradicional. A fotografia é o meu 3º lado da vida devido às tatuagens”


“Gosto de vários estilos de música consoante o estado de espirito, hoje rebelde, amanhã chorona”


“Seria a primeira pessoa a aconselhar um filho a fazer uma tatuagem, e claro seria feita por mim�


“O meu maior sonho enquanto

tatuadora

seria obter o primeiro lugar

em

dotwork,

numa convenção onde já conquistei o segundo lugar”


Sexy Girl with

Tattoo “Sou uma rapariga que consegue ser tudo� Pyetra

fotografia de mario santos styling mario santos e pyetra


Bio: Fernanda Pereira ou Pyetra aka Princesa para a família, nasceu a 23 de Dezembro. Com 19 anos de uma vida preenchida de grandes episódios fazem dela uma jovem “antiga”


“Sou muito terra a terra e admito que gosto muito. Adoro a transparência”


“Sou muito feminina. Gosto de animais, da natureza, de ler, da moda…”


“Comigo é tudo ou nada. Não tenho barreiras nem limites”


Glorybound Tattoo Parlor

Situado no primeiro andar do Nº49 da Rua Almirante Cândido dos Reis em pleno centro histórico e do comércio tradicional das Caldas da Rainha, o Glorybound Tattoo Parlor é mais que uma loja de tatuagens, assumindo se como um espaço de tertúlia e convívio em ambiente retro. Sailor Marc, Paulo, Luis e André são os tatuadores de serviço e os nossos anfitriões deste ensaio.

Entrevista com Sailor Marc Fotografia de Mário Santos, Carlos Carreto e Filipe Oitavem

O

Glorybound Tattoo Parlor nasceu em 2009, fruto de um sonho/desejo de

voltar às origens e abrir um espaço diferente no que respeitava às lojas de tatuagens das Caldas da Rainha. Queríamos criar mais um “social” club do que uma loja (daí o nome de “Parlor”). A loja começou comigo e com o Paulo, à equipa juntou- se o Luís uns anos mais tarde, e mais recentemente o André que é o aprendiz neste momento. No que respeita a estilos, o New Traditional, American Traditional, Black Work e Japonês são os que preferimos tatuar.


Bio: Sailor Marc

Sailor Marc, um rapaz simples das Caldas da Rainha que sempre teve interesse nas subculturas, começou no skate, o punk rock veio por acréscimo. Até aos 13 anos nunca tinha tido um interesse acima da média em desenhar, e apesar da minha querida mãe guardar religiosamente um desenho de um barco que fiz com 4 anos, era bastante medíocre. Aos 13 no meu núcleo de amigos todos desenhavam relativamente bem, com alguma inveja/vontade, pedi a minha mãe para me comprar uma "sebenta" e a partir desse dia nunca mais parei. Mais tarde tirei o curso de design industrial, mas o primeiro contacto com


as tattoo foi por volta dos 14/15 quando ao lado da loja de lingerie da minha mãe, abri uma loja de tatuagens. Fui apanhado uma vez ou outra a copiar os desenhos da montra. Mas só depois de terminar o curso de design o interesse pela tatuagem de mostrou relevante. Após um contratempo com a empresa onde estagiei que me fez não querer exercer mais o design, e já na altura os meus desenhos todos tendiam para a tatuagem, com a ajuda de uma amiga consegui uma aprendizagem numa loja chamada Heart of Buda em Lisboa. Quatro anos passados e alguns países, resolvi abrir a loja com um amigo, na minha terra natal, a Glorybound.


Inked Ladies As modelos tatuadas Clรกudia, Dora, Liliana, Vera, Xana e Wanda aceitaram o nosso convite para mostrar a sua arte inscrita no corpo no ambiente retro do Glorybound Tattoo Parlor

Fotografia de Mario Santos, Carlos Carreto e Filipe Oitavem Agradecimentos ao Glorybound Tattoo Parlor


Inked Ladies

Claudia Lupin Dora Palmeiro Liliana Fernandes Vera Belchior Xana Cardoso Wanda Teixeira Pereira

Fotografado no Glorybound Tattoo Parlor por Mario Santos, Carlos Carreto e Filipe Oitavem


New Face beleza Beleza

Maquilhagem Produtos Essenciais

Hoje venho falar-vos de pincéis! Muitas são as dúvidas em relação aos mesmos. Para que serve este? E aquele? Com que pincel aplico isto e aquilo? Ora, pois bem! Vamos esclarecer  Falando de essenciais, na minha opinião os indispensáveis são:

Pincel de Base Sim eu sei, Beauty, Blender e etc! Não. Eu prefiro este pincel fantástico. É o que eu uso e não o troco.


Pincel para Pó É importante que seja muito macio e não muito denso. Gosto deles volumosos.

Pincel de Blush Quanto a este, todos conhecem e não há grandes dúvidas.

Pincel de Contorno Indispensável! Maquilhagem não é maquilhagem sem contorno. Pelos curtos e densos é muito importante, de forma a esbater bem.


Pincel de Eyeliner Para mim é o mais importante de todos. É aquele pincel que tem que ser perfeito porque senão o resultado nunca é satisfatório e ninguém gosta de eyeliner torto! Eu prefiro os angulares, facilitam imenso o trabalho.

Pincel de Esfumar O meu preferido é o 221 da Zoeva, não consigo trabalhar sem ele. No entanto tenho outros, diferentes formatos e densidades fornecem resultados diferentes. É importante haver variedade.

Pincel para o Iluminador Não é indispensável, pode colocar o iluminador com o dedo, o resultado é o mesmo. Há quem goste de usar o famoso pincel “vassoura” ou pincel “espanador”. Eu prefiro o da segunda imagem.


Pincel de Lábios Fica ao critério de cada um. Tal como o de Pincel de Iluminador, o Pincel de Lábios é dispensável a não ser que seja para uso profissional, aí sim é muito importante devido à higiene e precisão.

Pincel para Sobrancelha Essencial para quem gosta de definir as sobrancelhas com “brow pomade”. Para quem usa lápis, pode poupar nos euros.

Estes são os meus essenciais e aqueles que recomendo. Atenção! Este artigo baseia-se apenas na minha opinião e a minha opinião não é regra. Na maquilhagem não há regras e há várias formas de atingir o mesmo fim. Não interessa como lá chegamos, mas sim o resultado final. Até breve. Makeup by LUPIN@clupinmakeupartist


Departamento técnico Fotografia e conselhos

Lentes macro analógicas As lentes macro destinam se a trabalhos de reprodução com grande ampliação e pormenor, desde 1:2 a 1:1. No entanto a maioria destas lentes pode ser usada com grandes vantagens numa utilização normal quer como lentes de retrato quer de paisagem em casos particulares. A grande vantagem na utilização como lentes de retrato nas versões mais longas é a possibilidade de grande aproximação ao motivo e na realização de pormenores impossíveis de reproduzir com lentes de retrato standard sobretudo acima dos 90-100mm de distancia focal. Tornam se perfeitas para trabalhos de pormenor de produtos, ou de detalhes de rostos com maquilhagem. Em geral tem aberturas inferiores (2.5-3.0) às das lentes convencionais mas compensam essa menor luminosidade com uma nitidez superior nas mesmas aberturas e uma boa resistência ao “flare” em geral devido ao elemento frontal recuado. A compra de uma lente macro justifica se assim na dualidade de utilização, excepto nos casos em que é necessária uma luminosidade extrema. A grande facilidade de adaptação destas lentes às cameras digitais e sobretudo às cameras mirrorless faz delas uma óptima escolha a considerar. O facto de serem lentes macro faz com que a focagem manual não seja um impedimento já que em grandes ampliações não é aconselhável o uso do af. Outro aspecto que favorece a utilização de lentes macro analógicas é o preço que em geral as modernas lentes macro dedicadas tem no mercado. Por exemplo uma lente Fuji 60mm XF Macro fujinon f2.4 Lens tem um valor em novo de cerca de 600 euros e usada 400 euros em comparação com uma lente Nikon AFD Micro Nikkor 60mm F2.8 cujo valor ronda os 200-300 euros ou uma boa Tamron SP 90mm 2.5 (versão 52b mf) por cerca de 120 euros em comparação com a moderna versão Tamron 90mm 2.8 af por 400 euros.

Sem querer ser exaustivo na apreciação das lentes macro aqui ficam alguns exemplos cuja oportunidade tive de testar e que são as escolhas mais comuns no mercado nas várias montagens e nas focais mais comuns.


Lentes standard 50mm ou similares

KMZ Industar-61 50mm F2.8 L/Z

É uma pequena lente de origem soviética, de montagem M42 capaz de macro 1:1. A sua grande vantagem consiste no diafragma fluido que a torna ideal para filmagens. É uma lente com excelente definição, sem aberrações cromáticas e que produz um bokeh bastante agradável. Adapta se muito bem ao corpo das cameras mirrorless devido a sua pequena dimensão. Sharpness Aberrations Bokeh Handling Value

8.3 9.5 8.5 7.8 8.7

Olympus Zuiko 50mm 3.5

Lente macro muito compacta, adapta se facilmente ao corpo das câmeras mirrorless. Faz 1:2 na sua versão normal e 1:1 com um tubo de extensão de 25mm. Cor saturada e muita definição são as principais características. Foi a primeira lente macro a utilizar elementos flutuantes, tendo sido desenhada para uma performance óptima a uma ampliação de 0,1 x, enquanto os elementos flutuantes corrigem as aberrações a outras ampliações.


Vivitar (Panagor) 55mm 2.8 (Komine version)

A Vivitar ou Panagor 55mm 2.8 é uma lente de grande qualidade de construção, muito sharp e sem aberrações cromáticas. Excelente bokeh e cores. Faz macro 1:1 Sharpness Aberrations Bokeh Handling Value

9.4 9.2 9.6 9.6 9.8

Nikon micro Nikkor 55mm 2.8 e micro nikkor 60mm 2.8

As Nikkor micro são as lentes standard macro de montagem nikon e uma referência no mercado. Ambas as versões, 55mm mf e 60mm af são muito similares no seu rendimento embora os puristas prefiram a versão manual. Ambas são super definidas e podem ser utilizadas como lentes normais de retrato ou macro fazendo 1:1.


Mamiya/Yashinon 60mm 2.8

Lente super rara de fabrico Tomioka disponível em montagem M42. Faz macro 1:1. Rendimento em cor particular e um desfoque bastante suave, conferem a esta lente umas características próprias de utilização, não sendo talvez tão sharp como as restantes lentes macro mas acima de tudo muito naturais.

Lentes de retrato de 90mm ou acima

Tamron 90mm SP 2.5 É considerada a lente macro mais standard do mercado nesta focal e uma referência de vendas.

Versão 52b/52bb 2.5 Sharpness Aberrations Bokeh Handling Value

Versão 72b 2.8 9.1 8.7 8.7 8.8 9.3

Sharpness Aberrations Bokeh Handling Value

10.0 8.0 9.0 9.5 10.0

A Tamron 90mm macro está disponível em todas as montagens, quer na versão adaptall quer em montagens fixas e existem várias versões ao longo do tempo, quer em focagem manual quer af e com diferentes aberturas (2.5 e 2.8). As versões manuais mais conhecidas 52b/bb e 72b fazem macro 1:2 na versão normal existindo um tubo de extensão dedicado que permite atingir 1:1. As versões af fazem 1:1 sem necessidade de acessórios.


Sigma 90mm 2.8

Lente muito sharp, bokeh delicado e cores fantásticas. Versão af é lenta e ruidosa.

Vivitar Series 1 90mm 2.5 (Tokina version 37xxxx aka Bokina)

Verdadeira lente de culto também denominada “bokina” devido ao extraordinário bokeh produzido, possui grande rendimento em cor, embora sobressaturada para alguns devido ao elevado contraste. Faz macro 1:1 com a junção de um tubo extensão dedicado. Sharpness Aberrations Bokeh Handling Value

9.9 9.1 10.0 9.1 9.5

Existem várias versões desta lente consoante os fabricantes (Kiron e Tokina) e está disponível em várias montagens.


Cosina (Vivitar) 100mm 3.5 Considerada a macro dos pobres existe em versões af e mf para várias montagens, sendo as versões mf ruidosas e lentas a focar em relação as versões mf mais bem construidas. Na sua forma simples faz macro a 1:2 dispondo de um filtro dedicado que permite a macro a 1:1. Bom rendimento em cor e definição e uma excelente relação qualidade preço.

Sharpness Aberrations Bokeh Handling Value

9.0 8.7 8.7 7.8 9.8

Nikon Micro Nikkor 105mm 2.8 ais ou 2.8D (antiga versão 105mm 4.0 mf)

Tal como as versões mais curtas, uma lente extraordinariamente nítida e de grande qualidade.


Vivitar Series 1 105mm 2.5 macro Kiron version 22xxxx)

Lente de culto é considerada uma das lentes mais sharp do mundo, com a pontuação máxima no site pentax forums: Sharpness Aberrations Bokeh Handling Value

10.0 9.4 9.6 8.8 9.8

Disponível em várias montagens, é uma lente pesada e muito bem construída (656g) que em aps c se converte numa extraordinária 160mm 2.5 macro.

Grandes angulares close focus (não verdadeiras macro mas muito próximas de macro) Poderá parecer um contrasenso mas existem algumas grandes angulares com acapacidade de focar muito próximo do objecto, o que lhes confere propriedades próximas de lentes macro em ampliações não excedendo 1:4. Aqui ficam dois exemplos que vale a pena salientar:

Sigma Super wide 24mm 2.8 Disponivel em versões af e mf para quase todas as montagens a Sigma 24mm é uma grande angular de grande recorte, baixa distorção e foca a muito curta distancia (macro 1:4) tornando a no melhor de dois mundos, sobretudo em aps c. A versão af é um pouco lenta e ruidosa em relação a versão mf mais bem construída.


Sharpness Aberrations Bokeh Handling Value

9.2 8.3 8.6 7.8 8.8

Vivitar 28mm 2.0 MC close focus (komine version28xxxx)

Excepcional nitidez mesmo na abertura máxima, rendimento em cor e bokeh atribuem a esta lente as mais elevadas classificações no site pentax forums: (https://www.pentaxforums.com/userreviews/vivitar28mm-f2-0-mc-close-focus-wide-angle-series.html) Sharpness Aberrations Bokeh Handling Value

9.6 9.6 9.6 9.4 9.8

Muito bem construída (285g) foca a apenas 23cm de distancia é das melhores grande angulares que se pode adquirir, desde que se encontre uma devido á sua relativa raridade, em relação à versão mais comum 28mm 2.8 close focus.


Quer fazer parte das próximas edições da Revista New Face? Então envie-nos a sua proposta dentro dos temas que a revista contempla para: revistanewface@gmail.com

Procuramos modelos, maquilhadoras, estilistas, fotógrafos e designers que queiram colaborar em futuras edições.

https://www.facebook.com/RevistaNewFace/


NEWFACE Nº2 | FEV17