Page 69

Curiosidade

A criação de Emu é bem semelhante a de Ema, pois são aves que pertencem a um mesmo grupo conhecido como ratitas. Corredoras, atingindo cerca de 60 km por hora e não voam. Para iniciar uma criação dessas aves é necessário legalizar a atividade no Ibama. Podem ser criadas em pasto ou piquetes com 1,70 metro de altura, coberto por gramíneas e leguminosas. Uma parte do abrigo deve ter telhado de barro e chão de cimento.

continua a por ovos, mas não cruzam mais até um novo ciclo. Embora, podemos encontrar anúncios de vendas de ovos, filhotes e adultos de Emu, ainda há pouco estudo sobre a entrada desta ave no Brasil. Na internet, é possível encontrar sites de vendas anunciando só as cascas dos ovos para peças de artesanato.

Na Austrália, país de origem desta exótica ave, o Emu já foi considerado uma praga para a agricultura. O motivo? Por ser predominantemente vegetariano, chega a comer as plantações, além de destruir cercas, invadir e pisotear lavouras. Por muito tempo, a cabeça de um Emu valia recompensas, como se fosse um verdadeiro bandido. Muita perseguição e até campanhas de extermínio foram realizadas, mas esta triste história ficou no passado e hoje o Emu é considerado a ave nacional da Austrália. As penas desta ave estão presentes em roupas, acessórios e até calçados de grifes famosas.

Reprodução Além de ser menor, o macho também é responsável por chocar o ovo. O cruzamento acontece a cada um ou dois dias e no terceiro dia, a fêmea põe um enorme ovo verde escuro, casca grossa com peso de meio quilograma. Já no sétimo dia, o macho começa a chocar os ovos por um período de aproximadamente oito semanas. Nesse tempo, ele não se alimenta, bebe ou defeca, sobrevive apenas da gordura corporal armazenada, perdendo cerca de um terço de seu peso e chega a ficar com claros sinais de fraqueza e confusão. A única atividade do macho é se levantar para virar os ovos, isso acontece umas dez vezes ao dia. Mesmo o macho estando choco, a fêmea REVISTA MERCADO RURAL

67

Revista Mercado Rural  
Revista Mercado Rural  

Edição de Março de 2017

Advertisement