Page 1

Living

CAMPO BELO

NOW

ano 2 • número 10

Distribuição gratuita nos condomínios e comércio em geral

Famoso quem?

vinícius

de moraes

Descubra quem são os polêmicos ditadores e políticos que já batizaram as ruas do Campo Belo

divirta-se

Fique por dentro das dicas mais quentes sobre música, games, literatura e entretenimento infantil

No centenário do Poetinha, descubra detalhes pouco conhecidos da vida de um dos maiores artistas brasileiros


Tudo em produtos de limpeza

Venha nos visitar

Agora com estacionamento pr贸prio ,uma loja mais ampla e com novos produtos. 5% de desconto nesta linha mencionando este anuncio

Acess贸rios

Produtos de Limpeza

Lixeiras

5% de desconto neste item mencionando este an煤ncio

Produtos da linha Bona

Toalheiros e Saboneteiras

Coletores Seletivos

Varais para apartamento

Rua Antonio de Macedo Soares, 1358 - 11 5561 3777 / 5536 5275 / 2368 9397 WWW.AKLIMP.COM.BR


Agnello Grill

o melhor espaço no Campo Belo para a confraternização de sua empresa*

faça já ! sua reserva

E em 2014 para assistir à copa do mundo *com ar condicionado, dois telões de alta definição (FULL-HD), mais 3 TVs e serviço de valet para estacionamento.

picanha no rechaud

Aberto para Almoço, Jantar e Happy Hour Ter. a Sáb. das 11h30 às 0h30 h - Dom. das 11h30 as 18h Rua República do Iraque, 1263 Campo Belo - Tel.: 2594 0010 - www.agnellogrill.com.br - contato@agnellogrill.com.br


4

A expansão da Fisio Action

Nomes polêmicos de ruas

famoso quem?

[14]

Divirta-se

Centenário de Vinícius de Moraes

capa

índice

[8]

[10]

[20]


editorial

Hora de acreditar

E

stamos de volta às ruas do campo Belo. Não, não é mais um protesto. Apenas a Living Now que volta a circular depois de um período de descanso.

Estamos chegando ao fim de mais um ano, e este de 2013 foi muito contur-

bado para todos. Mas, para nós da Living, o final de 2013 mostrou-se promissor e com esperança em um novo recomeço. Espero que esse sentimento seja compartilhado por todos os moradores e frequentadores do Campo Belo. Basta dar uma passeada pelas ruas e ver a quantidade significativa de novos comércios que chegaram e estão chegando ao bairro. Novos condomínios subindo. A cada hora que se olha, deparara-se com uma nova torre. Com isso novos moradores, novas vidas e novas expectativas. Nos recusamos a pensar em coisas ruins. Elas estão aí, mas vamos deixá-las de lado. Pensamento positivo. Tomara que seja um sinal que 2014 será – realmente - um ano próspero. A Copa do Mundo FIFA, e as eleições presidenciais, já são esperança de aquecimento no mercado e mudança nos rumos do Brasil. Que ambas se concretizem. Boa leitura e sempre prestigie o comércio de seu bairro.

Living Comunicação

conteúdo editorial

comercial Lauro B. Oliveira comercial@ revistalivingnow.com

Diretor comercial Lauro B. Oliveira

Estilo Livre Comunicação redacao@

A revista Living Now é uma

revistalivingnow.com

publicação bimestral da

Assessoria Júridica Essencial Assessoria

Living Comunicação. Editor de Arte renato canonico

Tel.: 11 4306.5803

Distribuição

Sugestões, críticas,

Espetacular Transportes

dúvidas

Ano 2 – nº10

Impressão

faleconosco@

nov/dez 2013 - jan 2014

uniongrafh

revistalivingnow.com

Revista Living Now

O conteúdo dos anúncios, texto e fotos, são de inteira responsabilidade do anunciante.

6


Untitled-4 1

03/02/2012 16:20:57


famoso quem?

Homenagens Polêmicas Saiba quem são as personalidades controvérsias que deram nomes as ruas do bairro do Campo Belo

A

partir desta edição vamos contar quem são as personalidades que dão nome a ruas, avenidas e praças do Campo Belo. Começamos com a Rua Gil Eanes, não pela importância da mesma ou do inspirador, mas por um fato curioso relacionado ao nome anterior. Até 1935, o bairro do Campo Belo pertencia ao município de Santo Amaro. Essa região, colonizada por alemães, era repleta de ruas com nomes impronunciáveis ou simplesmente de mau gosto (pelo menos para os dias de hoje). Isso porque os europeus residentes na região não tinham pudores em batizar as ruas com nomes de políticos fascistas, nazistas ou de figuras históricas de conduta reprovável. Isso passou a mudar quando a área foi integrada à cidade de São Paulo. Então, no final da década de 30 começou a troca de nomes de ruas, para evitar duplicidades e confusões. Adolf Hitler foi uma dessas figuras polêmicas que chegou a dar nome a uma via do bairro do Campo Belo. O ditador nazista foi homenageado anos a fio na atual Rua Gil Eanes. Até hoje, ninguém assumiu a responsabilidade pela honraria. A substituição aconteceu antes da 2ª Guerra Mundial e num momento no qual nosso presidente Getúlio Vargas ainda era um grande admirador do líder da Alemanha. “Jamais imaginei que morasse em uma rua que já havia levado o nome de Hitler. Para mim, foi uma surpresa ingrata. Porém, o caso não deixa de ser curioso”, explica o administrador de empresas Felipe Werneck que, coincidentemente, é descendente de germânicos. Antes de virar Gil Eanes, a rua recebeu o nome de Almirante Barroso. Mas como já existia outra rua com o mesmo nome no bairro do Brás, uma nova mudança teve que ser feita.

Gil Eanes... Quem? O motivo pela escolha do nome é incerto, mas sabemos que Gil Eanes foi um navegador português integrante da corte de Dom Henrique. Mais honesto e válido que Hitler? Obviamente. Porém Eanes era igualmente politiqueiro e talvez um tantinho mentiroso. Natural de Lagos (Algarves) tem uma biografia cheia de buracos. Mas do pouco que se sabe de Eanes, é que uma de suas principais metas de vida foi o desbravamento de mares agitados e inóspitos. Durante o século XV, no ano 1434, foi o primeiro navegador a superar o Cabo Bojador, também conhecido como Cabo do Medo. O local, que hoje pertence ao Marrocos e fica situado na costa do Saara Ocidental, sempre foi alvo de mitos. Isso porque muitas embarcações desapareceram quando contornavam a região. À época, começaram a surgir boatos de que o Cabo era habitado por monstros marinhos ou era simplesmente intransponível. Uma bobagem. A verdade é que era pouco explorado e alvo de assoreamento causado por milhares de anos de tempestades de areia que ocorriam no deserto do Saara. Por conta disso, mesmo em alto e mar e distante 25 quilômetro da costa do Bojador, a profundidade do mar pode ser de apenas dois metros. Esses bancos de areia foram responsáveis pelo encalhe de diversas embarcações durante séculos. Mas Gil Eanes diz que conseguiu superar o temível Bojador. Em seus relatos, afirma que superou o cabo do Medo a bordo de uma embarcação de 30 toneladas, um só mastro, uma vela redonda parcialmente coberta e movida a remos por uma tripulação de quinze homens. O feito inacreditável teria levado outros navegadores a desbravar mares nunca antes navegados. Mas a verdade é que até hoje se duvida da afirmação de Eanes. O navegador alegou que chegou a 50 léguas de distância do Bojador (o que historiadores acreditam ser um dado exagerado) e em seus relatos afirma ainda que a costa era inóspita, deserta, mas provavelmente habitada. Mesmo com essa descrição vaga, o Infante Dom Henrique adorou o feito de seu Escudeiro. De qualquer forma, melhor um mentiroso do que um ditador.

Gil Eanes e Gabrielle D’Annuzio celebridades históricas e controversas batizam as ruas do bairro até os dias de hoje

8

Outro ditador homenageado? O que pouca gente sabe no bairro é que outro ditador até hoje é homenageado em nome de rua. Trata-se de Gabrielle D’Annunzio. Hoje mais re-


“décima” (invento de D’Annunzio) conhecido como poeta, D’Annunzio representação dos “humanos sufoi na verdade um dos fundadores do periores” (heróis, poetas, profetas, pensamento fascista, que depois foi super-homens). A constituição deadotado por Benito Mussolini. “Penclarava também que a música era o sava que fosse apenas um poeta. Essa princípio fundamental do Estado. parte política e o fato de ser precursor Ali nasceu parte da cultura ditado fascismo é algo desconhecido de torial que Benito Mussolini aprengrande parte das pessoas que mora deu e imitou de D’Annunzio: seu na rua”, declara Débora Dantas, esmétodo de governo em Fiume, a teticista moradora da região, economia do estado corporativo, Em sua trajetória, D’Annunzio grandes e emotivos rituais nacionafoi um bem sucedido político. Seu listas, a saudação romana, seguidoideário nasceu em  Fiume  (hoje res devotados com camisas negras, Rijeka,  Croácia) onde liderou um respostas brutais e uma forte repequeno exército de combatentes Adolf Hitler pressão contra a dissidência. irregulares e soldados amotinados ditador austríaco que dominou a Alemanha deu nome à atual tua Gil Eanes, reduto da colônia alemã D’Annunzio defendia a política e ocupou a cidade, cujo controle em São Paulo; atualmente, apenas algumas casas expansionista italiana e aplaudiu a estava em disputa, estabelecendo- ainda preservam traços da cultura germânica -se como ditador. Reinou por 15 meses como “Duce” de invasão da Etiópia pela Itália. Talvez para a melhor definição sobre d’Annunzio teFiume, até que um bombardeio da marinha italiana o forçou a se retirar. Junto a Alceste de Ambris elaborou sua nha sido dada pela autora de sua mais recente biografia, própria  constituição. De Ambris foi autor da parte legal, Hughes-Hallet: “Ainda que d’Annunzio não fosse fascista enquanto D’Annunzio contribuiu como poeta. Essa consti- o fascismo era d’Annunziano”. Em 1892, ele havia escrito tuição estabelecia um estado corporativista, com nove cor- que “os homens serão divididos em duas raças. Aos superioporações para representar diferentes setores da economia res, que se terão erguido pela pura energia de sua vontade, (empregados, trabalhadores, profissionais), bem como uma tudo será permitido; aos inferiores, nada ou quase nada”. •

PEÇA 1 OU MAIS PIZZAS GRANDES E GANHE 1 BROTINHO DE CHOCOLATE

Borda recheada grátis! Não cobramos taxa de entrega! Rua Dr. Jesuíno Maciel,419 - Campo Belo Tels.: 5041 8987 / 8983 / 8991

Deixando seu dia-a-dia mais gostoso

Almoço: seg. a dom. das 11:30 às 15:00 Jantar: ter. a qui. e dom. das 18: às 23:00 sex., sáb. e feriados das 18:00 às 24:00


Maioridade aos 20 Ao completar 20 anos de carreira como fisioterapeuta, Ênio Kanayama conta um pouco de sua história

F

ilho de um grande mestre de judô, que foi preparado para seguir os passos do pai, atleta de carreira internacional, ganhador de vários títulos, Ênio Kanayama deparou-se com a difícil escolha na hora de optar pela carreira a seguir. Queria uma graduação que tivesse algo a ver com o esporte, onde pudesse colocar em prática tudo que o judô lhe ensinou: disciplina, dedicação e busca pela perfeição para poder ajudar ao próximo. Foi quando fez a escolha pela fisioterapia. “Prestei vestibular em 1988 na USP, e passei em segundo lugar”, conta Ênio orgulhoso. Mesmo cursando a faculdade, continuou a se dedicar ao esporte. Quando se formou em 1993, estando no auge da carreira como atleta (e sem a possibilidade de ter emprego fixo por conta dessa função), começou a exercer a profissão de fisioterapeuta atendendo em domicílio. Foi quando começaram a surgir os convites para atender em academias e clínicas de amigos, onde também passou a trilhar o caminho da área de gerência administrativa da Fisioterapia. Foi quando em 1997, sua vida tomaria um novo rumo. Motivado pelo acidente sofrido por um grande amigo, que acabou ficando tetraplégico, Ênio resolveu atuar na área neurológica, para poder ajudar esse amigo. Foi quando também planejou ter seu próprio centro de reabilitação e bem estar. Confraternização entre funcionários e clientes na inauguração da nova sede

10

Tatiana Caparelli e Ênio Kanayama

UMA FORÇA DO DESTINO Durante um trabalho voluntário de natação para portadores de deficiência física, conheceu a fisioterapeuta Dra. Tatiana Caparelli, que fazia a coordenação, tanto dos treinos quanto dos voluntários. Após algum tempo trabalhando


Fachada nas novas instalações da Fisio Action

juntos, surgiu em 2002 o convite por parte da Dra. Tatiana para que Ênio prestasse serviços de hidroterapia e RPG em uma clínica aqui no Campo Belo, onde incluiu atendimentos neurológicos na sala de RPG. Nesse meio tempo, Ênio e a Dra. Tatiana perceberam muitas afinidades profissionais, principalmente na primazia em atender os clientes, e muitas afinidades pessoais também. Dessas afinidades, surgiu um namoro e noivado relâmpagos, culminando com o casamento em novembro de 2004. “Ela sempre foi minha chefe, mas em casa quem manda sou eu! Até parece, né?” brinca. “Temos um lindo casal de filhos, o Enzo e a Bianca!”, derrete-se. Depois da união e do devido sucesso profissional alcançado, o espaço foi ficando pequeno e os atendimentos fora da piscina passaram a ser feitos em um conjunto comercial próximo. Em 2005, então, fundaram a Fisio Action. E agora, depois de oito anos de excelência profissional e bom atendimento, o espaço físico acabou ficando pequeno novamente. “Estamos muito felizes com nosso novo espaço. Mudamos para uma das maiores casas comerciais do Campo Belo, proporcionando muito mais conforto para nossos clientes e colaboradores”. A Fisio Action hoje conta com salas exclusivas para atendimento em suas diversas áreas de atuação, com quatro salas de pilates; sala de estética com uma gama completa de tratamentos, desde os tradicionais heccus, car-

boxiterapia, celutec e agora com os novíssimos aparelhos de lipocavitação e radiofrequência; sala de shiatsu e acupuntura; salas de atendimento ortopédico e reumatológico com destaque para o uso de laser; da bandagem funcional kinesio taping e técnicas de RPG e osteopatia; salão de tratamento neurológico com tablados , barra paralela e guincho elétrico para treino de marcha e um ginásio de musculação completo com três esteiras, três bicicletas e três elípticos, mais a plataforma vibratória. Além disso conta com estacionamento gratuito interno com dez vagas e manobrista. “Creio que este foi um momento certo para a mudança, nosso espaço anterior havia ficado pequeno e esperamos agora poder atender melhor a um número maior de moradores do bairro”. Com relação ao crescimento do bairro e ao momento que a economia atravessa, Ênio enfatiza: “Estamos muito otimistas com o futuro do Campo Belo. Nós que estamos há mais de dez anos atuando por aqui sentimos que cada vez mais há possibilidades de negócios surgindo, o que nos possibilita continuar trabalhando de forma séria e eficaz para atender a demanda de um público exigente que vem se mudando para cá. Minha única preocupação é com o crescente número de moradores de rua, viciados em drogas, que acabam cometendo delitos para obtenção dos entorpecentes. Acho que as autoridades, os moradores e os comerciantes do bairro deveriam se reunir para buscar soluções para este problema”. •

11


carnes • aves • peixes • frios R$

LINGUIÇA TOSCANA NA BRASA PERDIGÃO

9,90

PRESUNTO COZIDO SADIA SEM CAPA

R$

FRANGO ASSADO NA BRASA

kg

16,90 kg

R$

18,90 unidade

R$

FILÉ DE SALMÃO

34,90 kg


frios • assados • rotisserie R$

FILÉ MIGNON COM CORDÃO

28,90

QUEIJO PRATO OU MUSSARELA TRÊS MARIAS

R$

COXÃO MOLE, COXÃO DURO OU PATINHO

FILÉ DE PEITO FRANGO RESFRIADO

kg/peça

17,90 kg

R$

19,90 kg

R$

10,90 kg

Há pouco mais de quatro anos no Campo Belo, o Armazém 737 transformou-se em referência, não só em carnes, mas em qualidade e atendimento, com preços que agradam aos mais exigentes consumidores. São mais de 2.500 produtos para atender às necessidades de seus clientes. Dos mais comuns ao dia-a-dia, passando pelos cortes mais sofisticados de carnes nobres, uma das mais completas peixarias da região, até chegar a diversos produtos importados. Sem contar com os já tradicionais assados, de terça a domingo e feriados, que junto a uma rostisserie completa, tornam seu almoço em família ainda mais gostoso. Estacionamento com manobrista, gratuito para clientes. Delivery gratuito para toda a região. Aberto de 2ª a 6ª das 8h às 20h30 Sábados das 8h às 20h Domingos e feriados das 8h às 16h O Armazém 737 é uma empresa de varejo, por isso limita a quantidade de produtos por cliente. Ofertas válidas até 30/11/2013 ou enquanto durarem os estoques. Rua Vieira de Moraes, 737 Fone: 5044 0737


ca pa

Nosso poeta

camarada Neste ano, Vinicius de Moraes completaria 100 anos. Resolvemos homenageรก-lo e relembrar fatos e curiosidades sobre sua vida

14


N

essa volta às ruas do bairro, a Living Now não poderia trazer uma capa mais simbólica. No dia 19 de outubro, Vinicius de Moraes completaria 100 anos e fizemos uma homenagem a um dos maiores poetas do Brasil. Traçamos um perfil e analisamos sua vida, obra e entrevistamos algumas pessoas que, de uma forma ou de outra, fizeram parte da vida do Poetinha. Carioca da gema, Vinicius de Moraes teve uma vida intensa e regada de excessos. Amante nato e conhecedor profundo das mulheres, foi o poeta que mais chegou perto de desvendar a alma feminina. Junto com bons amigos da bossa nova e do samba, também tomou poucas e boas nos bares do Rio de Janeiro, Bahia e São Paulo (e de quase todo o mundo, para ser mais sincero). É até hoje referência em todas as frentes artísticas – foi poeta, músico e até arriscou algumas atuações no cinema e no teatro. E, o que pouca gente sabe. Vinícius foi também um cozinheiro de mão cheia! Vinícius teve uma vida fascinante. Nascido em 19 de outubro de 1913, logo aos 9 anos de idade resolveu que gostaria de mudar de nome e foi ao cartório localizado na rua São José (centro do Rio de Janeiro), acompanhado de sua irmã Lygia. Antes tinha o caxias nome de Marcus Vinitius da Cruz e Melo Moraes e, desde o ano 1921, passou a assinar somente Vinicius de Moraes. E não é só, ainda na infância, foi batizado na maçonaria pelo seu avô materno. Entre a infância e a adolescência, Vinícius sempre demonstrou habilidade para a poesia. Criado em uma casa aonde a mãe era pianista e o pai era poeta, o artista foi captando influências diversas e em 1936 teve o seu primeiro poema publicado, Ariana, a Mulher. É nesse ano que ele conhece os poetas Manuel Bandeira e Carlos Drumond de Andrade.

Mas o pulo do gato na vida do Poetinha aconteceu quando ele, após viajar para a Inglaterra a fim de estudar, volta ao Brasil em 1941 já empregado como crítico de cinema no jornal A Manhã e colaborador da revista Clima. Foi na década de 40 que ele publicou os livros Cinco Elegias (1943) e Poemas, Sonetos e Baladas (1946). Em meio a serviços burocráticos e diplomáticos, o Poetinha não parava de escrever e, em 1953, Aracy de Almeida gravou Quando Tu Passas Por Mim – primeiro samba de sua autoria escrito para sua primeira esposa Tati de Moraes. Foi então que a mágica musical começou. Os bons companheiros Como se sabe, a vida musica de Vinícius de Moraes sempre foi ladeada de bons amigos. Entre diversas parcerias significativas, a mais emblemática foi com outro ícone nacional, Tom Jobim. A amizade nasceu entre um gole e outro no bar Villariño, no Rio de Janeiro. Em entrevista concedida a um jornal carioca (em 1980), Tom relembrou o fato. “Vinicius já tinha me visto tocar piano e me chamou para conversar. Na ocasião, ele pediu para eu compor as músicas para sua ópera, Orfeu da Conceição. E é claro que eu aceitei”, recorda. A peça transportava a mitologia de Orfeu para a favela. A obra fez sucesso no teatro e foi adaptada para o cinema pelo francês Sacha Gordine com roteiro de Jacques Viot. Apesar de Vinícius criticar a adaptação francesa, o filme ganhou a Palma de Ouro no Festival de Cannes em 1959 e no mesmo ano também recebeu o prêmio de melhor filme estrangeiro nos EUA. E, aos amantes de Vinicius, uma dica de turismo. O Villariño ainda existe e conserva a mesma arquitetura da época em que o poetinha tomava seus tragos por lá. E o dono do bar está vivo e também é o mesmo. O espanhol Antonio

15


ca pa

Vásquez recorda que o poeta sempre que voltava de viagem, ancorava em seu balcão e pedia algumas doses de uísque – sua bebida predileta. “A exemplo de outros frequentadores cativos, Vinicius também tinha sua mesa. Ele sentava-se sempre no mesmo lugar. Antes e depois de algumas doses, ele era educado e atencioso. Estava sempre feliz e cantava com sua turma”, recorda. Mas não foi nesse botequim que o símbolo dessa união, a canção Garota de Ipanema, nasceu. A composição foi escrita no antigo bar Veloso (hoje, obviamente renomeado de forma homônima a música), localizado na rua Prudente de Moraes, em Ipanema. A canção foi escrita em 1962 para a então desconhecida Helô Pinheiro e hoje já foi gravada em mais de 240 idiomas. Talvez a versão mais curiosa seja Girl From Ipanema Goes to Greenland, uma brincadeira do B-52’s satirizando que a garota de Ipanema foi dar um passeio na Groelândia. Vinicius foi um artista de muitas parcerias. Ele compôs até mesmo com o rei do samba paulistano, Adoniran Barbosa. A canção Bom Dia, Tristeza (gravada primeiramente por Maysa) foi obra desse “raro” encontro. Tão raro que, na verdade, os dois nunca chegaram a se encontrar pessoalmente. O Poetinha rabiscou alguns versos em um guardanapo e, através de Aracy de Almeida, os escritos chegaram ao eterno Charutinho, que terminou a letra e fez a melodia. “Escrevo versos 24 horas por dia, mas quando o o negócio é bom, eu me lembro dele em outras ocasiões. E são esses que dão samba”, disse Vinícius em uma entrevista para a TV Cultura. Outra parceria marcante na história da música deu-se entre Vinícius e Toquinho. Os dois se conheceram em na Argentina, em 1970, e Toquinho brinca, dizendo que foi

16

ele quem fez o Poetinha se tornar paulista. “Ele sempre passeou por diversas cidades do mundo, mas quando começamos a compor, ele morou por um tempo no meu apartamento em São Paulo e adorou a cidade. Nossos amigos cariocas ficaram com ciúme de mim”, diverte-se Toquinho. Musicalmente, essa parceria foi até mais importante do que a feita com Tom Jobim. Nos primeiros anos em que Vinicius e Toquinho trabalharam juntos, chegaram a gravar dois discos por ano, compondo quase que diariamente. A pérola mor dessa união foi o disco O Poeta e o Violão, gravado na Itália, em 1975. Esse trabalho é um dos poucos em que Vinícius volta a interpretar seus maiores sucessos das décadas de 50 e 60. Recentemente, Toquinho desenterrou uma parceria inédita com Vinicius. Eles compuseram a canção Romeu e Julieta  e a letra tinha sumido. Só que, em meados do ano passado, o paulista achou os manuscritos. “Romântico como era, Vinicius tinha dado a letra a uma mulher, que a guardou todo esse tempo e agora resolveu me devolver. Musiquei novamente e já gravei a canção”, explica Toquinho. Regra 3 traz, além de uma linda letra e um violão bem tocado, uma história curiosa. A faixa foi escrita como um crítica do Poetinha para Toquinho. “Lembro-me que Vinicius chegou com uma letra e pediu pra eu musicar. Li e disse a ele que não tinha gostado muito. Veja só que loucura”, diverte-se Toquinho. “Então ele ficou realmente magoado comigo e no dia seguinte voltou  Regra 3,  dizendo que era pra mim.  Eu era muito mulherengo na época e ele disse que eu acabaria ficando sozinho. Acho lindo o verso  Mas deixe a lâmpada acesa se algum dia a tristeza quiser entrar. E uma bebida por perto porque você pode estar certo que vai chorar”, completa.


ca pa Ainda sobre a parceria com Vinicius, Toco (como era carinhosamente chamado pelo Poetinha) recorda as lições da vida que ganhou. “Ele era muito bondoso. Certa vez me levou em sua casa e me mostrou que criava cachorro, gato, passarinho e outros animas. Ele me olhou e disse que essas espécies conviviam em mais harmonia do que os seres humanos” recorda. Além dessas, Vinicius também compôs em parceria com Chico Buarque, Baden Powell, Carlos Lyra, Ary Barroso, entre outros. Mas, elas tiveram prazo de validade e, nas próprias palavras do Poetinha, que seja infinito enquanto dure. Em uma entrevista concedida ao jornalista Narceu de Almeida Filho, em 1979, ele fala sobre compor com outras pessoas. “É como um casamento, sabe. Acho que há um desgaste. Além disso, no tempo da bossa-nova, por exemplo, havia milhares de compositores fazendo música, e apenas uns poucos letristas. De maneira que eu não chegava para as encomendas: era o Tom, o Baden Powell, o Carlinhos Lyra. Depois, na geração 1963, pintaram o Edu Lobo, o Francis Hime. Tanto assim que eu sou um dos pouquíssimos compositores brasileiros que atravessou essas gerações todas. Eu fiz música com o Pixinguinha, o Ary Barroso, com o pessoal da geração do Antônio Maria, o Paulinho Soledade; depois peguei o Tom, o Baden, o Carlos Lyra, o Edu, o Francis e, em 1969, o Toquinho. E mesmo com caras mais jovens que o Toquinho eu já fiz música, como o Eduardo Souto Neto, o João Bosco”, disse Vinicius. As mulheres de Vinicius Fora os namorinhos e os paparicos, Vinicius de Moraes assumiu por nove vezes um relacionamento sério. Dos nove matrimônios, surgem nove histórias intensas e diferentes e diverso poemas – musicados ou não. Sua primeira esposa foi Beatriz Azevedo de Melo, que lhe deu os filhos Suzana e Pedro. O casamento durou onze anos e foi feito por correspondência, em 1938, quando o poeta estava estudando em Oxford. Foi com Tati que Vinícius “virou” poeta. Para ela, o poeta escreveu o Soneto da Fidelidade. Mas, de fiel o Poetinha não tinha nada e durante o casamento com Beatriz ele se casa secretamente com Regina. “Esta é Lila Bôscoli, este é Vinicius de Moraes... e seja o que Deus quiser”. Foi com essa frase que Rubem Braga apresentou Lila (bisneta de Chiquinha Gonzaga) ao Poetinha. Eles se casaram em 1952 e o casamento durou sete anos. A moça era moderna e bela e lhe deu duas filhas: Georgiana e Luciana. Foi para ela que Vinicius esqueceu o Soneto do Amor Total. Ela também é a musa inspiradora de Hora Íntima, Poema dos Olhos da Amada, A Brusca Poesia da Mulher Amada, entre outros. Pessoas próximas a Vinicius, consideram seu quarto casamento como o relacionamento mais maduro. De fato, o poeta deixa transparecer que Maria Lucia

18


Proença foi seu grande amor. Eles ficaram juntos por cinco anos e ele escreveu para ela Para Viver um Grande Amor. Em 1963, o casamento acaba quando Vinícius aparece como o “poeta da bossa nova”. Depois da separação, Vinícius tenta reatar com sua musa maior até o final de sua vida, mas nunca teve sucesso. Vinicius também foi amante das novinhas. Ele se casou com Nelita de Abreu, uma namorada de um aluno seu, quando ela tinha 19 anos. A mocinha ficou encantada com os galanteios do poeta e não se fez de rogada em fazer a fila andar. Na sequência, o artista se casou com Cristina Gurjão – que na juventude foi uma paquerada por ele e respondeu com uma guarda-chuvada. Anos depois se derreteu pelo poeta e tiveram a quinta e ultima filha de Vinicius, a Maria. Cristina inspirou o poeta a escrever Pela Luz dos olhos Teus. Já em 1969, Vinicius casou-se com Gesse. A cerimônia foi realizada no Uruguai e, em 1973, na Bahia. Durante o período que ficaram juntos, ela foi uma espécie de empresária, administrando os negócios, produzindo seus shows, e divulgando os espetáculos. Depois veio a argentina Marta Rodrigues Santamaria que tinha 40 anos a menos que Vinicius. Por último foi a vez de Gilda de Queiróz, com quem o ele viveu até o dia de sua morte. Entre goles e receitas Além de ser bom de copo, Vinicius de Moraes também tinha

muito zelo para cozinhar – já dizia o verso do poema Autorretrato: “Ajudo bastante em casa pois sou um bom cozinheiro”. Recentemente, a Companhia das Letras lançou o livro Pois Sou um Bom Cozinheiro, organizado pela filha do poeta, Luciana de Moraes – falecida em 2011. O projeto reúne as receitas que fizeram a cabeça e o estômago de Vinicius durante diversas fases de sua vida. As receitas foram feitas de acordo com depoimento de amigos e familiares do poeta. Há também receitas de pratos preferidos dele. Há também quitutes petiscos. “Na feijoada de Vinicius de Moraes ia de tudo o que se pode encontrar em Paris”, brinca Toquinho, referindo-se à época em que o Poeta morava na cidade francesa. • Abaixo, uma receita desenvolvida por Vinícius de Moraes: Ingredientes: 400 gramas de linguiça 1 fio de óleo 2 doses de cachaça Modo de preparo: Fure toda a superfície da linguiça com o garfo Esquente uma frigideira em fogo alto Despeje o fio de óleo e frite a linguiça até que doure (aproximadamente 5 minutos) Vire-a do outro lado e frite por mais 5 minutos Quando estiver sequinha, jogue a cachaça e flambe.


d i v i rta - s e

para ouvir

Personalidade forte

para ler

Quem é o assassino?

para jogar

por Rick Requinte

Pé na porta e soco na cara!

Após merecidas férias, Rick Requinte está de volta na praça! Nesses meses de (merecido) recesso, aproveitei para frequentar meu apartamento na Riviera de São Lourenço e descobrir novos talentos. Em meio ao meu garimpo musical (e alcoólico), conheci o primeiro trabalho de Camila Teixeira, Maldito Superego. Gostei tanto que entrei em contato com a artista para saber mais detalhes deste projeto – que foi gravado de forma independente. Há toda uma redoma curiosa cercando Maldito Superego, que teve seu embrião concebido nos EUA. A artista morou lá durante dois anos e revezava seu tempo entre ensaios e gravações e em manobrar carros. Isso mesmo, a artista era manobrista! De volta ao Brasil em 2012, ela entrou em estúdio e, através de parcerias e investimento financeiro pessoal, escreveu, arranjou e gravou Maldito Superego. A música que chefia o disco, Abre a Porta, é uma balada sorrateira, arrastada e sensual e fala sobre medo e libertação. Já a segunda música, Belavida, tem fortes influências de stoner rock e fala sobre um ex-amor que (provavelmente) não deixava a bela Camila em paz. Nesta faixa, atentem à bela voz da artista cantando o refrão: “Alguém aqui precisa de amor, pra ver que a vida não é sinônimo de dor”. Enfim, poderia aqui analisar faixa a faixa de Maldito Superego, mas provavelmente o editor limaria o texto – que ficaria enorme. O que posso dizer para sintetizar esse disco é que ele é realmente bom! Camila Teixeira, se for descoberta por uma grande gravadora, pode se tornar uma diva da atual MPB, colocando Tulipa Ruiz, Ana Cañas e cia no chinelo! E, como não poderia deixar de ser, se esse disco for ouvido acompanhado de algumas boas doses de uísque, casará muito bem com o momento e situação.

Quando visitei o Sebo do Messias em São Paulo, achei por acaso o livro Quem Tem Medo do Lobo (2009), da escritora norueguesa Karin Fossum. Ele estava caído entre uma estante e outra e só o notei por ter dado uma bela topada com ele. Como estava baratinho (R$20), resolvi colocar na sacola – e depois pagar, claro! E qual não foi a minha surpresa ao começar a leitura? É um dos melhores romances policiais que já consumi. A trama gira em torno de quatro personagens. Errki, um rapaz com distúrbios mentais; Kannick Snellingen, um gordinho que vive em um reformatório; Halldis Horn, uma senhora que vive isolada em uma cabana na floresta e Konrad Sejer, um policial prestes a se aposentar. Apesar dos personagens serem totalmente diferentes, seus destinos se encontram e a trama acontece em torno de dois crimes: um assassinato e um assalto a banco. Karin Fossum consegue, de forma leve e atraente, traçar um thriller psicológico dos bons! E ainda há espaço para um flerte de Sejer com uma bela médica psiquiátrica. Isso é tudo o que posso escrever. Se você é fã do gênero, corra para o sebo mais próximo ou então, se você quiser o exemplar zerado, desembolse por volta de R$50 em uma megastore.

Vídeo-game pode parecer coisa de criança, mas quando trata-se da saga Grand Theft Auto (GTA), a coisa muda de figura. Lançado em setembro, o quinto capítulo da série se tornou rapidamente popular e faturou mais de U$ 1 bi em três dias de venda mundial. Disponível para Playstation e Xbox, o jogo não foge muito à regra dos quatro números anteriores – matar, destruir, atropelar, roubar e não de descer o soco em velhinhas (nem tão) indefesas. Em meio a essas tarefas politicamente incorretas, o jogador, que assume o papel de três personagens diferentes do game, tem que cumprir tarefas para progredir no jogo. O que muda em GTA V são os gráficos. Dando uma forte impressão de imagem fotográfica, a Rockstar aproximou (de uma forma saudável, se isso é possível) o gamer da vida real. Em uma das missões, o jogador tem que invadir docas de Los Santos (simulando a planta de Los Angeles) e roubar um contêiner que, supostamente, está recheado de armamento secreto do governo. Indicado a maiores de 18 anos, a brincadeira não custa tão caro – na data de lançamento, o jogo custava R$199. E esse é o preço para você dar adeus à vida social. Pelo menos até zerar o game, que é realmente viciante.

20


A Fisio Action está em novo endereço. Toda a qualidade e excelência em fisioterapia, agora coma mais conforto, prticidade e segurança.

4 salas de pilates - sala de estética (heccus, carboxiterapia, celutec e novíssimos aparelhos de lipocavitação e radiofrequência)- sala de shiatsu e acupuntura - salas de atendimento ortopédico e reumatológico com o uso de laser - salão de tratamento neurológico - ginásio de musculação completo - estacionamento com 10 vagas e manobrista gratuito

Rua Dr. Jesuíno Maciel, 685 - Campo Belo - Tels.: 5093 3760 / 2373 3760 www.fisioaction.com.br


Terror em São Paulo

Gordinho sangue bom

para ouvir

Livro do rock

para ler

Os amantes do terror e carentes dos sustos podem preparar a adrenalina para viverem momentos horripilantes. O medo está de volta em São Paulo e o palco é a Cidade da Criança, parque histórico consagrado em São Bernardo do Campo, que inicia em novembro a primeira edição da Cidade do Terror. O parque, voltado para as crianças, é inserido em um grande bosque de aproximadamente 45 mil m², e à noite, dará lugar para a diversão dos mais velhos que adoram sentir um frio na espinha. Apesar de se tratar da primeira edição, o evento conta com a experiência de profissionais reconhecidos neste gênero. Com um elenco formado por 40 artistas, a ideia da Cidade do Terror é recriar uma Invasão dos Zumbis. Pensando em desenvolver um evento de terror com identidade própria, o parque quer conquistar o visitante com atrações criativas e bem produzidas. A linha das atrações segue o formato de labirintos, dark rides, monstros e pocket shows. O susto será garantido. SERVIÇO: Local: Cidade da Criança (Rua Tasman, 301 – São Bernardo do Campo – SP) Horário: das 19h às 21h. Informações: www.cidadedoterror.com.br.

para ir

d i v i rta - s e K I D S

Lembram do gordinho que se tornou meme de internet por interpretar a canção do Pintinho (e o pintinho, piu. E o pintinho, piu)? Ele se chama Dheymerson Farias e acabou de gravar um disco infantil – Festa Animal, lançado pela Atração Fonográfica. Idealizado com a ajuda do apresentador Gilberto Barros, o projeto traz canções indicada para crianças de até sete anos. Com letras engraçadinhas emulando o som de animais e semeando a amizade e o instinto de compartilhamento e igualdade, o trabalho traz também uma canção religiosa, O Melhor Amigo. E claro, traz também O Pintinho em duas versões: forró e infantil. Além dessas, merecem destaque também as engraçadas Festa Animal, A Dança da Careta e Depois da Escola. É valido como presente para o seu pequeno por ser lúdico e divertido.

Rock Para Pequenos – Um Livro Ilustrado Para Futuros Roqueiros é o primeiro lançamento de literatura infantojuvenil da Edições Ideal. A temática relacionada ao universo do rock and roll vem para honrar a vocação e o direcionamento da editora, mostrando que a tradição dos bons sons pode ser cultivada desde o berço. O livro nasceu da união entre duas paixões: rock e crianças. Sem muita firula, com textos diretos e ilustrações coloridas, o livro apresenta para os pequenos esse incrível mundo do rock e alguns dos seus ícones. Os “personagens” foram escolhidos a dedo pela autora Laura D. Macoriello: Jimi Hendrix, Elvis Presley, Janis Joplin, David Bowie, Angus Young, The B-52s, The Rolling Stones, Chuck Berry, Steve Harris (Iron Maiden), Ramones, Beatles, Kiss e Ozzy Osbourne. Laura, mãe da pequena Olívia, sabe como é difícil ensinar bons hábitos/maneiras para as crianças, e por isso usou a tática de mostrar os ídolos como bons exemplos. Assim, Hendrix incentiva a escovação dos dentes, Elvis recomenda cabelos bem penteados e Bowie mostra a importância de respeitar as diferenças. O encanto visual de Rock Para Pequenos é fornecido pelo traço do ilustrador mineiro Lucas Dutra. Ele deu vida e cores aos ídolos escolhidos pela autora, acrescentando detalhes que certamente vão agradar os pais roqueiros, que não resistirão a dar uma boa espiada no livro dos filhos. Eles vão curtir a caricatura estilosa do Joey Ramone, os detalhes na roupa do Steve Harris (camiseta do time West Ham!) ou o cuidado em retratar Chuck Berry com o modelo exato de guitarra que ele usa.

22


A melhor sobremesa para as Festas de Final de Ano e para todos os Dias

Bolos a partir de R$ 30,00 o kg.

Delivery 2367.4632

Rua Baronesa de Bela Vista, 282 - Campo Belo WWW.FATIMABOLOS.COM.BR


Revista Living Now 10  

Revista de entretenimento e variedades, direcionada aos moradores do bairro do Campo Belo - São Paulo - Brasil

Revista Living Now 10  

Revista de entretenimento e variedades, direcionada aos moradores do bairro do Campo Belo - São Paulo - Brasil

Advertisement