Page 1


3

A internacionalização das instituições de

onde se incluem já o chinês e o árabe,

ensino superior tem hoje uma importância

por exemplo, e, a muito curto prazo, o

decisiva, sendo simultaneamente reflexo

ensino curricular da língua russa. De modo

e gerador de maior qualidade.

recíproco, é preciso enfatizar o propósito

Reflexo pelo que representa de capacidade

e a nossa firme determinação em garantir

de atração de estudantes e de trabalhadores

que os estudantes estrangeiros que nos

do conhecimento. Gerador pelo ambiente

escolhem voltem aos seus países com

multicultural de aprendizagem e de vivência

uma proficiência sólida em português,

no Campus, pelo alargamento das redes,

uma língua com crescente importância no

pelo acréscimo da exigência e pela

mundo global em que vivemos. Porque a

maior visibilidade.

internacionalização tem dois sentidos ou, melhor, múltiplos pontos de encontro.

A evolução da presença estrangeira na

Manuel António Assunção Reitor da Universidade de Aveiro

UA, nos últimos quatro anos, ultrapassou

Em paralelo, deveremos tirar o máximo

significativamente as metas que havíamos

partido dos programas de mobilidade e

inscrito, contando já com 1400 estudantes

de outras oportunidades de promover

de 77 nacionalidades, número até há

estágios internacionais, designadamente

pouco tempo, inimaginável. Mas é

dos programas Erasmus + e o Erasmus

necessário fazer mais e melhor, em todas

Mundus, e PLI-Programa de Licenciaturas

as áreas de atividade.

Internacionais e Ciência sem Fronteiras, com o Brasil. E também das múltiplas

É fundamental, primeiro que tudo, aumentar

redes em que estamos presentes, como

o número de estudantes internacionais,

o ECIU, a India Platform, o COLUMBUS, a

tanto de formação inicial como de pós-

EuroUniverCities e todas as colaborações

-graduação, isto é dos que se deslocam

que decorrem dos projetos de

para estudar em Aveiro. Dispomos

investigação e da mobilidade dos nossos

agora de novos instrumentos e de sinais

docentes e investigadores.

externos que devemos saber mobilizar a nosso favor: o "Estatuto do Estudante

Temos vindo a desenvolver uma

Internacional", recentemente aprovado;

política de alianças e relações

o compromisso, assumido pelo Governo,

preferenciais com universidades

de disponibilizar verbas específicas

estrangeiras, consolidando-se os

para apoio à internacionalização das

laços já existentes e alargando-os a

universidades; e o protocolo assinado

outras instituições, escolhidas tendo

entre o CRUP e a AICEP onde se consagra,

em consideração as áreas geográficas

pela primeira vez, o reconhecimento de

e os domínios do conhecimento mais

que o Ensino Superior português, que se

relevantes para o projeto da UA.

Editorial

encontra nos trinta primeiros do mundo (24° segundo o ranking da Universitas

Este é um trabalho, bem se vê, a realizar

21 / Universidade de Melbourne), é

em frentes plurais, mas em que cada

exportável. Para isso precisamos de

membro da Comunidade UA, dos

disponibilizar mais enquadramento e

docentes aos estudantes, aos antigos

apoio - nomeadamente ensino em língua

alunos, tem – deve ter – uma participação

inglesa- para os estudantes que nos

cada vez mais ativa, dando a conhecer

escolhem e não dominam o português.

a qualidade do que se faz na UA,

E temos também que dotar os estudantes

alimentando as parcerias existentes

portugueses com mais competências de

e criando novos nós nesta rede,

trabalho em ambiente multicultural e de

atraindo novos estudantes para os

domínio de línguas, não só do inglês, mas

nossos Campi. Contamos com todos

de outras que vimos disponibilizando,

para este efeito.


linhas

maio 2014

03

EDITORIAL

16-20

Manuel António Assunção

PERCURSO SINGULAR Isabel Alarcão

Reitor da UA

06-10

OPINIÃO 2013-2020 – A estratégia nacional para o mar e a ua

21 22-27

EDIÇÕES

PERCURSOS ANTIGOS ALUNOS Patrícia Albergaria Almeida

Lei de Bases do Ambiente revista:

Fábio Silva

simples e sucinta, mas controversa

Carlos Gomes da Costa

AAAUA – Um percurso não linear

11-15

28-31

DOSSIER UA, ninho de inovação e valorização do

DISTINÇÕES

conhecimento


5

32-37

INVESTIGAÇÃO

47

COOPERAÇÃO

Música: esse grande coração! Investigação-ação de Estudos Culturais

38-39

48-49

CULTURAL

alarga-se ao empreendedorismo no

Uma festa que mudou o destino

terceiro setor

de um bairro

ENSINO

50-53

Valoriza-te: vem, vive e volta

CAMPUS EXEMPLAR UA é visitada anualmente por milhares de pessoas

40-45

ENTREVISTA COM... Manuel António Assunção

54-57

ACONTECEU NA UA


linhas

maio 2014

2013-2020 A estratégia nacional para o mar e a ua

Amadeu Soares Professor Catedrático e Diretor do Departamento de Biologia, Diretor-adjunto do CESAM

No passado dia 12 de fevereiro foi publicada em DR a

marinhas e (iv) recursos biológicos

Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 (ENM2013-2020).

marinhos-, que são desenvolvidas em

É dito que a ENM2013-2020 apresenta um novo modelo

várias unidades de investigação da UA

de desenvolvimento do oceano e das zonas costeiras que

(e.g. CESAM, CICECO, IT, GEOBIOTEC,

permitirá a Portugal responder aos desafios colocados para

GOVCOPP, IEETA, QOPNA,TEMA).

a promoção, crescimento e competitividade da economia do

A prioridade “mar” da UA também

mar, nomeadamente as importantes alterações verificadas no

se reflete na criação da Plataforma

âmbito político e estratégico a nível europeu e mundial.

Tecnológica do Mar (PTM), que se

O regresso de Portugal ao mar depende da execução de uma

enquadra na aposta da Universidade

estratégia assente no conhecimento e progresso tecnológico

em criar redes de competências

e na dimensão e geografia do território nacional, emerso

direcionadas para setores-chave da

e imerso, incluindo a nova dimensão alargada resultante

economia nacional, dando continuidade

da submissão apresentada para a extensão da plataforma

à investigação de excelência produzida

continental além das 200 milhas marítimas.

na UA neste setor, apostando-se em estratégias inovadoras para trabalhar em

Esta estratégia surge no âmbito da Diretiva nº 2008/56/CE do

conjunto com um diversificado número

Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de junho, designada

de parceiros empresariais. O ECOMARE

por Diretiva Quadro Estratégia Marinha (DQEM), que determina

– Centro de Pesquisa para a Inovação e

o quadro de ação comunitária, no domínio da política para o

Sustentabilidade da economia do mar,

meio marinho, no âmbito do qual os Estados-membros devem

como que fecha a tríada estratégica do

tomar as medidas necessárias para obter ou manter um bom

mar dentro da UA. Em parceria com a

estado ambiental no meio marinho até 2020.

Câmara Municipal de Ílhavo e com o Porto de Aveiro e atualmente em fase

A ENM2013-2020 pretende ser uma rota para o desenvolvimento

de construção, é uma infraestrutura

numa perspetiva essencialmente intersectorial, fundada

que é também um projecto âncora do

no conhecimento e na inovação em todas as actividades e

Cluster do Conhecimento e Economia

usos do mar, promovendo uma maior eficácia no uso dos

do Mar, dinamizado pela Oceano XXI-

recursos num quadro de exploração sustentada e sustentável.

-Associação para o Conhecimento e

Nesta perspectiva, a Universidade de Aveiro está presente e

Economia do Mar. Está organizado em

consubstancia a prioridade científica “Mar” na criação do Aveiro

duas subunidades: Centro de Extensão

Institute for Marine Science and Technology (AIMare) que terá

para a Pesquisa Marinha e Ambiental,

como missão coordenar e agregar as competências científicas

onde fundamentalmente se desenvolverá

da UA no que diz respeito à gestão do litoral e à investigação

investigação pluridisciplinar/

do mar, promovendo sinergias com os setores público e

multidisciplinar e muito direcionada

privado ligados ao mar. O AIMare organizado em quatro áreas

para problemas e ou oportunidades

estratégicas -(i) ambiente saudável e sustentável, (ii) recursos

da “economia real” ligada ao mar e

minerais e energéticos marinhos, (iii) tecnologias de aplicações

ao chamado crescimento azul (e.g.


7

opinião

"Nos últimos anos tornou-se evidente que os predadores de topo são extremamente sensíveis a alterações específicas no meio marinho, mas acima de tudo são um dos melhores indicadores para alterações crónicas e de caráter generalista e difuso do bom estado ambiental"

atividades aquícolas, com objetivos de

momento Portugal conseguirá definir os

nos últimos 300 anos; declínio e quase

produção alimentar ou de exploração de

valores de referência, mas para continuar

extinção de comunidades reprodutoras

potencialidades para uso em cosmética

a assegurar o cumprimento dos seus

de airos e tordas devido ao advento da

ou farmacêutico); Centro de Pesquisa e

compromissos legais, terá que encontrar

pesca com redes de nylon; alterações

Reabilitação de Animais Marinhos, mais

novos mecanismos de financiamento

na distribuição e uso de espaço por

virado para aspetos conservacionistas

paralelos ao programa LIFE, algo que terá

cetáceos, e aves marinhas, devido

e de sensibilização ambiental, sem

que ser acautelado no âmbito do Plano

à depleção de recursos alimentares;

no entanto descurar as relações

de Monitorização da DQEM, atualmente

alterações significativas na composição

entre a conservação e a economia do

em discussão nacional e para o qual a UA

da dieta em cetáceos e aves devido

mar, como as pescas e a exploração

tem competências relevantes.

à modificação da disponibilidade de recursos alimentares; aumento de

sustentada dos recursos. Também aqui a UA tem e continuará a ter um papel

Predadores de topo do meio marinho

zoonoses infeciosas devido ao aumento

primordial a nível nacional. De facto, ao

estão entre os grupos mais sensíveis a

da acumulação de poluentes perigosos

abrigo das Directivas Habitats e Aves,

alterações do bom estado ambiental,

(cádmio, mercúrio, PCB's); diminuição

bem como devido à participação em

porque podem ser afetados por uma série

da condição fisiológica e de taxas

acordos internacionais, desde 2001 que

de fatores de pressão que vão desde

reprodutivas devido a biotoxinas. Assim,

Portugal deveria manter programas de

causas naturais (como tempestades) até

nos últimos anos tornou-se evidente

monitorização que permitissem avaliar

fatores de pressão de origem humana

que predadores de topo, como alguns

a evolução do estatuto de conservação

(poluentes, lixo, pescas, etc). Ao longo dos

cetáceos, aves marinhas e tartarugas

de espécies prioritárias. Para o meio

últimos anos com a melhoria dos meios

são extremamente sensíveis a alterações

marinho, tal esforço só foi iniciado

de investigação, com a criação de redes

específicas no meio marinho, mas acima

em 2005 para as aves e em 2008

de arrojamentos profissionalizadas, com

de tudo são um dos melhores indicadores

para os cetáceos, muito por trabalho

a criação de bancos de tecidos, centros

para alterações crónicas e de carácter

desenvolvido na UA, sendo que para

de reabilitação e desenvolvimento de

generalista e difuso (que muitas vezes

tartarugas marinhas só em 2011 é que

métodos autónomos de monitorização

passam completamente despercebidas

se iniciam os primeiros trabalhos. Até

(sistemas acústicos, de seguimento por

quando monitorizados por outros

2015 e através de um Projeto LIFE,

satélite, etc) o conhecimento sobre a

parâmetros) do bom estado ambiental.

coordenado pelo Departamento de

bio-ecologia destas espécies aumentou

A UA, através dos seus investigadores

Biologia e CESAM, será possível recolher

de forma significativa. Este aumento de

e pela recente criação do AIMare, da

informação de base para definir os

conhecimento tem permitido verificar

PTM e do ECOMARE terá cada vez

valores de referência em termos de

que diversas espécies destes grupos

mais um papel crucial na coordenação

conservação destas espécies. A partir

faunísticos funcionam como verdadeiros

e investigação nesta área, contribuindo,

de 2015 a recolha de dados sistemáticos

organismos sentinela do meio marinho,

mais uma vez, para que a tal aposta

que visem avaliar o bom estado de

havendo cada vez mais evidências em

nacional e estratégica no Mar seja algo

conservação das espécies alvo deve

diversas relações causa-efeito, tais

solidamente ancorado no desenvolvimento

ser assegurado por verbas dos próprios

como: isolamento populacional do boto e

e aplicação do conhecimento científico

Estados-membros. Assim, neste

especiação devido a alterações climáticas

das várias valências do mar.


linhas

maio 2014

Lei de Bases do Ambiente revista: simples e sucinta, mas controversa Foi publicada, no passado dia 14 de

Contudo, Portugal enfrenta ainda vários desafios importantes.

abril, a Lei de Bases do Ambiente, Lei

Desde logo, importa concluir o processo de infraestruturação

19/2014. O diploma, que revoga a Lei

nos domínios da água e saneamento, ou seja, a implementação

n.º 11/87, alterada pela Lei n.º 13/2002,

de políticas de primeira geração. Por outro lado, é fundamental

foi aprovado apenas com os votos da

também garantir uma maior eficácia na gestão das políticas

maioria PSD/CDS.

e sistemas ambientais, em particular numa ótica de gestão integrada do ambiente. Portugal precisa assim de consolidar as

Carlos Borrego Professor Catedrático e Diretor do Departamento de Ambiente e Ordenamento da UA. Membro do Conselho Consultivo para a revisão da LBA, fevereiro a julho 2012

A revisão da anterior Lei de Bases

políticas ambientais de segunda geração, como as alterações

do Ambiente (LBA), aprovada em 7

climáticas e o desenvolvimento sustentável.

de abril de 1987 pela Assembleia da República, justificou-se plenamente

No entanto, a política ambiental evoluiu sobremaneira nas

porque a primeira LBA foi concebida

últimas duas décadas. É hoje considerada geradora de

numa época em que praticamente não

desenvolvimento económico moderno e competitivo.

existia política de ambiente em Portugal

Acresce que princípios de política ambiental como os

e o país estava ainda nos primórdios da

princípios da integração e da precaução são, hoje, património

integração europeia. Ela surgiu 11 anos

incontestado da política europeia de ambiente, com

depois da consagração do artigo 66º,

consagração nos Tratados europeus.

sobre o ambiente, na Constituição da República Portuguesa.

Por isso, a revisão da LBA foi útil e necessária. Mas uma revisão ambiciosa da LBA deveria assentar necessariamente

Esta LBA foi considerada, à época,

num processo participado que refletisse as melhores práticas

avançada quanto ao seu conteúdo e

da política ambiental e visar a obtenção de um amplo consenso

opções que tomou, se bem que muitas

político e social em torno das suas opções. Isso não aconteceu,

delas só tardiamente foram executadas

por culpa das forças partidárias. Todos se mantiveram nas suas

e outras nunca saíram do papel.

posições (leia-se, nas suas propostas de lei…), esquecendo o

Tal não significa que não se lhe

interesse nacional e que o ambiente é demasiado importante

reconheça mérito e vantagens na sua

para servir interesses partidários. Mais uma vez o interesse

existência. A LBA de 1987 constituiu

nacional foi esquecido pelos partidos.

um marco de grande importância nas políticas de ambiente em Portugal

A lei contém princípios básicos para resistir à erosão do tempo.

e assumiu um papel pedagógico,

Por isso, os planos nacionais estratégicos na área do ambiente

definindo termos e estruturando

não foram ali acolhidos, sendo preferencialmente aprovados por

conceitos que ainda hoje prevalecem

outras leis. Em termos de componentes ambientais naturais,

no direito do ambiente português.

nota-se a relevância dada ao recurso ar, em que a sua gestão engloba a preservação e melhoria da qualidade do ar ambiente

Volvidos 27 anos, Portugal dispõe de

e a garantia da sua boa qualidade no interior dos edifícios.

um extenso quadro jurídico-institucional em matéria de política ambiental. O país

A mesma lógica de princípios gerais foi seguida para a área das

conheceu inúmeras melhorias em termos

Alterações Climáticas. Defende que a política de combate às

de política e qualidade do ambiente,

alterações climáticas implica uma visão integrada dos diversos

como foi reconhecido pela revisão do

setores socioeconómicos e dos sistemas biofísicos através de

desempenho ambiental da OCDE em 2011.

uma estratégia de desenvolvimento assente numa economia


9

"Uma revisão ambiciosa da LBA deveria assentar necessariamente num processo participado que refletisse as melhores práticas da política ambiental e visar a obtenção de um amplo consenso político e social em torno das suas opções"

competitiva de baixo carbono, de acordo com a adoção de medidas de mitigação e medidas de adaptação. Uma das apostas da nova lei é a de reforçar os instrumentos económico-financeiros ambientais, através de princípios, como o princípio do poluidor-pagador e do utilizador-pagador, que foram tidos em conta na regulamentação de outros domínios. Também contempla a necessidade de todos os planos estratégicos terem uma avaliação de risco a longo prazo, baseados em cenários sobre o futuro, bem como, no caso da avaliação ambiental, os projetos suscetíveis de causarem impactos ambientais adversos significativos estarem sujeitos a análise do ciclo de vida. A Lei de Bases do Ambiente responde aos grandes desafios futuros, mesmo havendo aspetos em que poderia ser mais ousada. Como acontece com muitas leis, não são as opções de fundo que estão erradas, mas sim a aplicação que é inexistente ou por vezes distorcida, o que leva ao descrédito das leis e da autoridade do Estado. Que não aconteça com esta o que aconteceu com a anterior neste campo! É uma lei simples, sucinta, que serve de guião, e não uma lei regulamentadora. Mas foi controversa. Podia, e devia, ter sido uma manifestação de maturidade do Parlamento, mas foi a oportunidade perdida pela Assembleia da República de ter aprovado também esta lei sem votos contra, como aconteceu com a anterior!

opinião


linhas

maio 2014

AAAUA – Um percurso não linear A Associação dos Antigos Alunos da Universidade de Aveiro

No ano passado a AAAUA esteve

(AAAUA) tem tido alterações substanciais nos últimos anos, fruto

envolvida na organização da

das mudanças dos tempos, das necessidades, das vontades das

comemoração do dia do antigo aluno,

gentes, das crises e modas, e dos seus dirigentes.

integrada nas atividades do 40 anos da UA, tendo tido um papel crucial no

Carlos Pedro Ferreira Presidente da Associação dos Antigos Alunos da UA

Todos temos a consciência de que as coisas não estão fáceis,

sucesso desta iniciativa a repetir, que

e que nos momentos difíceis é que a união e solidariedade

serviu também para reforçar as ligações

são absolutamente necessárias, e também por isso a AAAUA

com a equipa Reitoral e perceber quem

deve ter um papel ainda mais ativo, na ajuda à superação de

está de facto na rede.

dificuldades dos antigos alunos, e apresentar-se como uma associação que tem sentido existir.

Organizámos cinco sessões sobre Empreendorismo e Internacionalização,

Estamos certos disto, mas, no entanto, encontramos uma

do Porto a Lisboa, convidando

dificuldade extrema, que atravessa transversalmente toda a

personalidades nacionais e

sociedade, que é a crise do movimento associativo, como

internacionais de relevo, mostrando

sussurrando que não vale a pena a união por coisas importantes,

que, com uma boa rede de contactos,

que a união não faz a força. Estamos cientes das dificuldades

podemos juntar quem quisermos e onde

do dia-a-dia dos antigos alunos e do seu provado desinteresse

quisermos. Durante dois meses tivemos

numa participação mais ativa, mas certos que uma associação

no ar, uma vez por semana, um programa

só se faz com associados, que superar dificuldades e obstáculos

de rádio, na Terranova, designado Rede

se faz com união e vontade, com posições flexíveis e tendo como

Alumni UA, que serviu para mostrar o

lema, que amanhã, qualquer um poderá estar do outro lado da

que é a AAAUA e o papel da nossa rede

linha que separa os bens sucedidos dos restantes.

e da nossa marca UA.

Na vida, esta linha não depende, muitas vezes, de algo que

Este ano iremos continuar com as

fizemos, da nossa vontade, do nosso empenho no sucesso

tertúlias, convidando antigos alunos

e na felicidade, mas de fatores exógenos a nós e, por isso, a

que se destacaram na UA, e tentar

existência de redes é um amparo de aconchego para todos.

fazer um roteiro dos locais simbólicos da academia dos anos 90 e 2000 para

Os que estão bem, deveriam ajudar os que pior estão, e os que

memória futura, com concursos de

necessitam agradeceriam, devendo saber ambos que facilmente,

ideias e ainda focar a nossa atenção

feliz ou infelizmente, poderão trocar de posição, e muito

na Responsabilidade Social e todos os

rapidamente, como em tudo, neste novo milénio.

modelos que giram à sua volta.

Poderá haver maior alegria ou ventura que estar na

A criação, dentro da AAAUA, de um

rede, sempre a dar, sem nunca necessitar de buscar por

núcleo de Responsabilidade Social é já

necessidade, dar sem pensar receber, e por isso mesmo

uma realidade, e o suporte à Plataforma

receber a recompensa incomensurável de se ser útil?

(4iS) de interação multissetorial para a criação de projetos de Inovação Social

O drama é que a maior parte de nós não tem essa consciência

também foi já formalizado.

e age como se existisse um predestino que atira uns para o insucesso e uma sorte que catapulta outros para o sucesso.

Este é um balanço simples do que fizemos e iremos fazer neste mandato, sendo que

Pois, mas não é assim, nada está determinado, nem os sucessos

o mais difícil tem sido a mobilização dos

nem os contrários, mas certo é que juntos somos mais fortes e,

antigos alunos e da sociedade em geral

conectados em rede, tocamos mais pontos e encontramos os

que se esquece que o futuro somos nós e

caminhos por mais difíceis que eles possam parecer. Não há

que o presente já passou.

impossíveis e é isto que queremos demostrar nesta rede que gostaríamos que crescesse e se tornasse cada vez mais forte.


11

opinião distinções

DISTINÇÕES

DESIGN DA UA É UM DOS 50 MELHORES CURSOS DA EUROPA Pelo segundo ano consecutivo o curso de Design da Universidade de Aveiro foi selecionado para figurar na restrita lista da revista Domus como um dos 50 melhores cursos na área a nível europeu. A listagem com referência à Licenciatura e Mestrado em Design do Departamento de Comunicação e Arte (DeCA) da academia de Aveiro foi publicada numa edição da revista italiana, uma das mais importantes SELOS DE QUALIDADE ECTS E DS ATRIBUÍDOS NOVAMENTE À UA

publicações mundiais dedicadas não só

A Universidade de Aveiro conseguiu a renovação da certificação Europeia ECTS

ao design como também à arquitetura

(European Credit Transfer and Accumulation System) e DS (Diploma Supplement) até

e à arte.

2016. O selo de qualidade ECTS atesta a qualidade da informação prestada sobre a oferta formativa e a gestão da mobilidade de estudantes, por parte de instituições de

A renovada presença do Design da UA

ensino superior. O selo DS certifica a qualidade da informação constante do suplemento

na edição da Domus especialmente

ao diploma entregue ao estudante no final de um ciclo de estudos.

dedicada aos melhores cursos e escolas “é o reconhecimento da aposta

Estes selos de qualidade são concedidos pela Comissão Europeia, através da Agência

séria que a Universidade fez há quase

Executiva para a Educação, Audiovisual & Cultura. De referir que a UA detém o ECTS

duas décadas na área do design, mas

Label (Selo ECTS) desde 2004 e o DS Label (Selo DS) desde 2009 (os diplomados pela

também a valorização da singularidade

UA recebem desde essa data um suplemento ao diploma que cumpre as regras da

da formação que prestamos”. Álvaro

Comissão Europeia).

Sousa, diretor do Mestrado em Design da UA, garante que o curso se afirmou

Em Portugal, obtiveram renovação do ECTS Label apenas a Universidade do Minho e o

“muito para além da área geográfica

Instituto Politécnico de Tomar, além da UA. A renovação do DS Label aconteceu na UA,

de influência da Universidade, sendo

Universidade do Minho, Instituto Politécnico de Tomar, Universidade da Beira Interior e

hoje identificado como uma marca de

Instituto Superior de Psicologia Aplicada.

formação de excelência”.


linhas

maio 2014

em Engenharia Eletrotécnica, também pela academia de Aveiro, em 1993, José Carlos Pedro é atualmente professor catedrático no DETI. DOCENTE DA UA ELEITO PARA COMITÉ DE GESTÃO DAS PLATAFORMAS TECNOLÓGICAS EUROPEIAS Rui Aguiar, professor da Universidade de Aveiro e investigador do Instituto de Telecomunicações, foi eleito para o Comité de Gestão das Plataformas Tecnológicas Europeias (PTE) Net!Works e ISI (Plataforma Tecnológica Europeia em Comunicações Móveis). O investigador é um dos seis membros académicos – e único de nacionalidade UA PERMANECE ENTRE AS 100

INVESTIGADOR NOMEADO

portuguesa – de um comité que irá

MELHORES E MAIS JOVENS DO

DISTINGUISHED MICROWAVE

liderar, ao longo da próxima década,

MUNDO SEGUNDO O THE

LECTURER PELO IEEE

toda a investigação europeia em

A Universidade de Aveiro integra o

José Carlos Pedro foi nomeado

comunicações móveis.

ranking Times Higher Education (THE)

Distinguished Microwave Lecturer pelo

das 100 melhores universidades

Institute of Electrical and Electronics

“Esta nomeação vem permitir que tanto

com menos de 50 anos, pelo terceiro

Engineers (IEEE). A distinção atribuída

eu, como toda a comunidade científica

ano consecutivo e está entre as 500

ao cientista e docente no Departamento

portuguesa, possamos ter uma posição

melhores no ranking de Leiden.

de Eletrónica, Telecomunicações e

privilegiada e uma palavra a dizer no

Informática da Universidade de Aveiro

processo de definição das linhas de

A UA surge na posição 79 no ranking

segue-se à sua nomeação como IEEE

investigação e desenvolvimento para

THE das universidades com menos de 50

Fellow Member, o maior grau a que

os próximos anos”, congratula-se Rui

anos, sendo muito evidente a subida das

um membro pode ascender na mais

Aguiar. Ao fazer parte do Comité europeu

instituições de ensino superior asiáticas,

importante e representativa organização

envolvido na definição da Agenda

como reconhece a própria equipa de

mundial na promoção do conhecimento

Estratégica de Investigação, participará

investigadores que concebe esta lista

nos campos da engenharia eletrotécnica,

também na definição da matriz

ordenada. A Pohang University of Science

eletrónica e da computação.

orientadora para a Associação 5G-PPP,

and Technology (Postech), da Coreia do

uma parceria público-privada ligada à

Sul lidera o ranking.

investigação na área das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC).

No ranking de Leiden 2014, a UA aparece na posição 446. As seis universidades

FC PORTUGAL 3D É TRICAMPEÃ DA

portuguesas que são classificadas neste

EUROPA DE FUTEBOL ROBÓTICO

ranking, colocam-se entre a posição 379,

A equipa FC Portugal 3D, projeto

da Universidade do Minho, e a posição

conjunto das Universidades de Aveiro,

513, da Universidade de Coimbra.

Porto e Minho, venceu o RoboCup German Open 2014, que equivale a

Neste ranking, a UA lidera a nível nacional

Como DML, José Carlos Pedro terá a

um Campeonato Europeu de Futebol

quanto ao número de citações em

missão, durante três anos, de divulgar

Robótico, na liga de Futebol Robótico

relação ao total de publicações na área

em palestras e discussões perante os

Simulado 3D. O RoboCup German

“Matemática, Ciência de Computadores

grupos regionais do IEEE a nível global

Open 2014 decorreu entre 3 e 5 de abril,

e engenharia” e quanto a publicações

o estado-da-arte dos vários ramos

em Magdeburgo, Alemanha. Esta foi a

em colaboração com empresas,

da engenharia eletrotécnica e as suas

terceira vitória consecutiva da equipa FC

contabilizando todas as áreas científicas.

previsíveis direções futuras. Doutorado

Portugal 3D nesta prova anual.


13

distinções

A FC Portugal 3D mostrou uma eficácia

Symposium on Corusology, Choral Art

Os três autores desta joelheira gostariam

a toda a prova, marcando 83 golos, sem

- Singing - Voice", pelas instituições que

agora de encontrar parceiros de

sofrer nenhum. A equipa teve 12 vitórias e

organizaram o evento: a Associação de

negócios para tornar este projeto viável e

dois empates nos 14 jogos disputados.

Maestros de Coro da Croácia e o Instituto

disponibilizar este dispositivo no mundo

Na fase final, a equipa FC Portugal derrotou

Internacional de Canto Coral.

da Fisioterapia.

forma de movimentar um robô humanoide

MEMBROS DA COMUNIDADE UA

JOÃO ROCHA NO CONSELHO

de forma estável. Desafia também os

VENCEM SAPO CODEBITS 2014

EDITORIAL DO PERIÓDICO

investigadores a criarem metodologias de

Uma equipa de três pessoas que inclui

“CHEMISTRY – A EUROPEAN

coordenação de equipas de robôs, tais

uma aluna e um antigo aluno e funcionário

JOURNAL”

como formações, trocas de posições,

da Universidade de Aveiro venceu a

O diretor do Centro de Investigação

táticas ou jogadas estudadas.

edição de 2014 do concurso Sapo

em Materiais Cerâmicos e Compósitos

Codebits com uma joelheira inteligente

(CICECO), laboratório associado da

que pretende melhorar a qualidade

Universidade de Aveiro, é novo membro do

de vida (e indiretamente o tempo de

Conselho Editorial do periódico “Chemistry

recuperação) das pessoas que precisam

– A European Journal”, sendo João

de usar um “joelho metálico” para curar

Rocha o único português entre quase 70

ou recuperar o joelho.

membros, originários de vários países do

a equipa Photon (Rússia) por 9-0 na meia-final, e venceu a equipa magmaOffenburg (Alemanha) por 2-0 na final. A Liga de Simulação 3D é uma competição em que duas equipas de 11 robôs humanoides virtuais jogam futebol através de um simulador. Os robôs simulados são totalmente autónomos durante os jogos, não havendo qualquer intervenção humana depois do jogo começar. A liga desafia os investigadores a encontrar a melhor

mundo, entre os quais dois prémios Nobel. Trata-se do projeto “500 Nelo: Wearable

Esta é uma das mais prestigiadas revistas

Open Hardware for Polio Patients”,

europeias na área geral da Química, sendo

da autoria de Pedro Leite (atual aluno

patrocinada pelas sociedades de química

do Departamento de Eletrónica,

de 16 países europeus.

FILIPA LÃ RECEBE PRÉMIO PELA

Telecomunicações e Informática e antigo

CONTRIBUIÇÃO CIENTÍFICA NO

colaborador dos Serviços de Tecnologias

“A minha nomeação para o

ESTUDO DA VOZ

de Informação e Comunicação da UA)

Conselho Editorial do Chemistry é o

Filipa Lã, professora de música na

e Ana Carolina Correia (antiga aluna de

reconhecimento natural da atividade

Universidade de Aveiro, recebeu

Novas Tecnologias de Comunicação e

científica do meu grupo ao longo de

um prémio do “International Choral

atual aluna do Mestrado em Comunicação

mais de duas décadas sendo, portanto,

Institution” em colaboração com a

Multimedia, também na UA).

acolhida com grande satisfação”, afirma

“Croatian Choral Directors Association”,

Da equipa vencedora faz também parte

João Rocha que tem amplos interesses

numa conferência na Croácia, dia 25 de

o programador Basílio Vieira.

científicos nas áreas da Química

abril, homenageando a sua contribuição

Inorgânica e de Materiais, Nanociências,

científica no estudo da voz em contextos

O projeto NeLo é uma joelheira inteligente

Ressonância Magnética Nuclear,

performativos de ensamble.

que tem vários modos de mobilidade e

Difração de Raios-X e Fotoluminescência.

consegue alternar automaticamente entre

Considera ainda que “a visibilidade e as

Trata-se de um diploma de

estes modos graças a um giroscópio e a

excelentes condições" que encontra no

reconhecimento do contributo do seu

um sensor de pressão que conseguem

Laboratório Associado CICECO "terão

trabalho ao longo dos anos na progressão

detetar se a intenção é caminhar,

certamente ajudado” à sua nomeação.

das áreas de pedagogia e ciência vocais.

repousar ou apoiar.

O prémio foi atribuído na conferência "ARS CHORALIS 2014 – “International


linhas

maio 2014

ESTUDANTES DE FÍSICA DA UA

TERAPIA FOTODINÂMICA DA UA

preletores nacionais e estrangeiros de

ARRASAM NA EUROPEAN BEST

EM DESTAQUE NO GREEN PROJECT

formação multidisciplinar.

ENGINEERING COMPETITION

AWARDS PORTUGAL 2013

A Universidade de Aveiro é a grande

O projeto de investigação dá pelo nome

O desenvolvimento do dispositivo

vencedora da fase nacional dos European

de “Terapia fotodinâmica na inativação

médico descrito na comunicação

Best Engineering Competition (EBEC).

de microrganismos em águas residuais:

premiada, que resulta de um trabalho

Ventoinhas de papel e um motor elétrico

uma tecnologia eficaz, de baixo custo

foi realizado no Serviço de Neurologia

que geram energia para iluminar um

e de reduzido impacto ambiental” e

do Centro Hospitalar Entre Douro e

hospital durante um corte de luz e

acaba de ganhar uma menção honrosa

Vouga, está a ser continuado pela

um barco salva-vidas inspirado em

na 6ª edição do Green Project Awards

Endeavour Lab, uma startup da

caranguejos para permitir um acesso

Portugal 2013. Coordenado por Adelaide

Universidade de Aveiro.

seguro às turbinas eólicas através de

Almeida, docente do Departamento de

garras e de um sistema elevatório foram

Biologia e investigadora do Centro de

os projetos made in UA que conquistaram

Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM)

o primeiro lugar, respetivamente, nas

da Universidade de Aveiro, o projeto foi

categorias Team Design e Case Study

distinguido na categoria 'Investigação e

daquela competição europeia. Da autoria

Desenvolvimento`. Este projeto resulta

de duas equipas de estudantes de Física

de uma colaboração com uma equipa

e de Engenharia Física da academia

da Unidade de Investigação QOPNA do

de Aveiro, os jovens cientistas vão

Departamento de Química da UA.

representar Portugal na fase final europeia da competição que se realiza em Riga,

A terapia fotodinâmica já é usada há

Letónia, no próximo mês de agosto.

muito tempo na clínica, em particular

NYSE EURONEXT LISBON DISTINGUE

no tratamento de alguns tipos de

TRABALHO DE INVESTIGAÇÃO

ECOINCER VENCE 1º PRÉMIO NA

cancro. Nas duas últimas décadas o

REALIZADO EM COAUTORIA POR

CATEGORIA “CRIAR FUTURO(S)”

conhecimento obtido na área oncológica

DOCENTES DA UA

A EcoInCer, ideia de negócio em

tem estado a ser aplicado na inativação

O estudo do efeito do sentimento dos

desenvolvimento na Incubadora de

de microrganismos.

investidores no mercado bolsista motivou

Empresas da Universidade de Aveiro

a atribuição do prémio de melhor artigo

(IEUA), que se dedica à transformação,

EQUIPA COORDENADA POR VÍTOR

científico da NYSE Euronext Lisbon

valorização e comercialização de matéria-

TEDIM CRUZ VENCE 1º PRÉMIO

a “Does sentiment matter for stock

prima cerâmica resultante da incineração

COMUNICAÇÃO ORAL NO 8º

market returns? Evidence from a small

de resíduos sólidos urbanos venceu o 1º

CONGRESSO PORTUGUÊS DO AVC

European market”, publicado no Journal

prémio do concurso “CriAtividade 2014”,

Uma equipa coordenada por Vítor

of Behavioral Finance, da autoria de

organizado pelo Sines Tecnopolo.

Tedim Cruz, membro do Gabinete de

Carla Fernandes do Instituto Superior

Investigação Clínica (GIC) e docente

de Contabilidade e Administração da

Os vencedores do concurso foram

da Secção Autónoma de Ciências da

UA (ISCA-UA), Paulo Gama Gonçalves

conhecidos no evento final “Prova

Saúde da Universidade de Aveiro (SACS),

(Universidade de Coimbra) e Elisabete

Criatividade”, que se realizou no dia 16

venceu o 1º Prémio Comunicação Oral

Vieira (ISCA-UA). O NYSE Euronext

de abril. A EcoIncer foi a vencedora na

no 8º Congresso Português do Acidente

Lisbon Award de melhor dissertação de

categoria “Criar Futuro(s)”, que leva o

Vascular Cerebral (AVC), com o trabalho:

mestrado foi para “O Herding Behavior

projeto vencedor a uma cidade europeia

“Impacto do feedback vibratório no

e o Sentimento: Evidência no Mercado

para acompanhamento, consultoria e

desempenho de tarefas motoras

Português”, de Márcia Pereira, trabalho

apoio à internacionalização pela equipa

após enfarte cerebral: ensaio clínico

realizado no âmbito do mestrado em

técnica de uma das incubadoras da rede

aleatorizado”.

Economia da UA, ramo Finanças, sob

EBN (European Business Innovation

orientação de Elisabete Vieira.

Centre Network), a maior rede na Europa

O prémio foi atribuído no 8º Congresso

dedicada a incubadoras com base na

Português do AVC, organizado pela

Neste artigo analisa-se em que

inovação, abrangendo mais de 200 locais

Sociedade Portuguesa do Acidente

medida o sentimento dos investidores

operacionais.

Vascular Cerebral, que decorreu na

apresenta capacidade de previsão das

cidade do Porto nos dias 6, 7 e 8 de

rendibilidades do mercado acionista

Fevereiro e onde estiveram presentes

português, ao nível agregado e setorial,


15

distinções

e se existem efeitos de contágio do

competição europeia “Best Content

científica, usando o modelo de um

sentimento dos investidores americanos

for Kids – European Award”, depois de

cérebro e a falar da relação entre o

no mercado português.

ter ganho a nível nacional, na categoria

neocórtex e o número de amizades que

de Profissionais Adultos. O prémio foi

conseguimos estabelecer, um tema que

entregue, a 11 de fevereiro de 2014, em

há algum tempo a atraía.

Bruxelas, numa cerimónia promovida pela Comissão Europeia e pelos Centros

Marta Santos conseguiu, em três minutos,

Internet mais Segura, que visou assinalar

o tempo atribuído a cada participante,

o Dia da Internet Segura e premiar os

sem ajuda de PowerPoint, explicar a

melhores conteúdos disponíveis na

relação entre o tamanho do neocórtex,

Internet para crianças, a nível nacional

a parte exterior do nosso cérebro, e o

e europeu.

número de amizades ou relações sociais que conseguimos estabelecer e ainda

Nesta iniciativa europeia estiveram

abordou as grandes questões que ainda

UA EM DESTAQUE NAS JORNADAS

representados 27 países, que

se colocam a esta área de estudo. Para

DA FUNDAÇÃO PARA A COMPUTAÇÃO

apresentaram conteúdos considerados

além da clareza da explicação, teve

CIENTÍFICA NACIONAL

benéficos para o desenvolvimento

apenas o apoio de um modelo do cérebro

A equipa dos Serviços de Tecnologias

educativo das crianças.

cedido pela Escola de Saúde da UA.

da Universidade de Aveiro alcançou

Criada em 2010, a Edubox S.A., é

A investigadora e divulgadora consultou

o primeiro lugar nos "The Security

uma empresa de base tecnológica e

os estudos do antropólogo e biólogo

Games", um concurso organizado pelas

de Investigação & Desenvolvimento,

evolucionista Robin Dunbar, que

Jornadas de 2014 da Fundação para a

especializada no desenvolvimento de

fundamentaram o chamado número de

Computação Científica Nacional (FCCN)

software educativo e na conceção de

Dunbar, fixado em 150, que representa

que decorreram na Universidade de

recursos educativos digitais. É uma das

uma média nos humanos, um limite

Évora a 5, 6 e 7 de fevereiro e onde a

empresas graduadas da Incubadora de

cognitivo de indivíduos com quem se

academia de Aveiro apresentou cinco

Empresas da UA.

consegue estabelecer uma relação

de Informação e Comunicação (sTIC)

comunicações. O encontro, que no ano

estável. Para pessoas mais extrovertidas

passado se realizou na UA, reuniu os

e sociáveis, este número de relações

representantes dos serviços e centros de

estáveis pode ser superior, pessoas

informática de todas as instituições de

mais tímidas não conseguirão manter um

ensino superior que têm um papel ativo

número tão elevado.

na FCCN. A investigadora de pós-doutoramento Estas jornadas, promovidas pela FCCN

desenvolve trabalho na área dos sistemas

e pela Fundação para a Ciência e a

complexos, aplicando a Teoria dos Jogos,

Tecnologia constituíram a continuidade

sob orientação dos investigadores Sergey

dos Encontros de Centros de Informática

Dorogovtsev e José Fernando Mendes,

que tiveram início no final da década de

INVESTIGADORA DE "PÓS-DOC" EM

no Departamento de Física da UA. Ao

90 e têm sido um motor do espírito de

FÍSICA VENCE CONCURSO FAMELAB

vencer o concurso nacional, Marta Santos

partilha e cooperação de conhecimento

Investigadora de pós-doutoramento da

foi escolhida para representar Portugal na

interinstitucional na prestação dos

Universidade de Aveiro (UA) a desenvolver

final internacional de 3 a 5 de junho, em

serviços TIC (Tecnologias da Informação

investigação numa área da Física que se

Cheltenham, Inglaterra.

e Comunicação) de suporte ao ensino e

dedica ao estudo de sistemas complexos

à investigação.

e, neste caso, aplicando a Teoria dos Jogos, Marta Santos venceu a edição

APLICAÇÃO DA EDUBOX CONQUISTA

nacional do concurso Famelab.

2º LUGAR NO “BEST CONTENT FOR KIDS – EUROPEAN AWARD”

A investigadora, que adora o desafio

A aplicação Centum Square, criada

de explicar temas de ciência, venceu

pela Edubox, spin-off da Universidade

a versão portuguesa do concurso

de Aveiro, conquistou o 2.º lugar na

internacional mais popular de divulgação


linhas

maio 2014

Isabel Alarcão “Se queremos mudar o mundo, temos de apostar na Educação” Nelson Mandela

Nasceu menina de ouro. Pois que outro título poderia ter uma bebé com cinco irmãos rapazes que a rodeavam de mimos? Mas davam-lhe bonecas e não sabia brincar com elas. “Não me interessavam porque eu gostava era de jogar à bola com os meus irmãos”, recorda. Por isso a pequena Isabel até tinha uns sapatos para estragar, mesmo que um guarda-redes - posição de qualquer garoto sem jeito de pés para assuntos de bola – não precise muito de os usar. Enganaram-se os irmãos nos motivos pelos quais a colocavam a irmã à baliza. Mas acertaram na posição. Uma equipa só ganha, um professor só ensina, um líder só avança e faz avançar se na retaguarda sentir segurança. A missão sempre assentou que nem uma luva a Isabel Alarcão, antiga Reitora da UA e referência nacional na área da Educação e Formação de Professores, que só muito a custo deu na vida a cara às luzes da ribalta.

Não foi no campo que a princesinha Isabel veio à luz mas é o verde a cor que recorda ter pintado a sua infância. O centro de Coimbra dos anos 40 do século passado era então um mundo feito de árvores e jardins onde a pequena Isabel cresceu. Passou a infância num sorriso do Jardim da Sereia para o Botânico, de lá para cá e de cá para lá nos baloiços, na vertigem dos escorregas e nas imensas tardes a defender (ou a tentar) os remates à baliza dos irmãos no quintal da casa. “Era um bocadinho a princesinha da família. Mas isso não quer dizer que tenha sido estragada com mimo”, avisa desde já Isabel Alarcão. A infinita quantidade de beijos e abraços com que a benjamim foi brindada pelos pais e pela rapaziada lá de casa durante toda a infância não a 'estragaram'. Mas marcaram-lhe indelevelmente o rosto com um ar de menina que, sem esforço, torna fácil imaginá-la traquinas com as trancinhas rebeldes atrás da bola. “O que eu gostava mesmo era de andar na brincadeira com os meus irmãos”, descreve. Depois, e já lá vamos aos pormenores, a pequena Isabel saiu da infância igualmente tocada para sempre na forma como admirava os irmãos e como achava estar aquém das qualidades (nomeadamente das intelectuais) de cada um deles.


17

percurso singular

Sorri de novo. Sorri muito. “Éramos muito felizes e tínhamos

educadora de infância”. Fugia assim à Universidade de

muita liberdade mas éramos uma família muito disciplinada

Coimbra e apontava o destino para Lisboa, pois só aí havia

onde até imperava uma certa austeridade”, recorda Isabel

escolas que qualificavam aquelas profissionais. Mas uma

Alarcão. Numa família de seis filhos, num cenário económico

apendicite com peritonite trocou-lhe as voltas à vontade. Aos

e social pautado pela II Guerra Mundial, as dificuldades e os

14 anos esteve seis dias em perigo de vida e no ano seguinte

condicionamentos para alimentar uma mesa enorme, porém,

teve de regressar à sala de operações. Muito fragilizada

não chegaram para quebrar lá em casa nenhum sorriso e muito

durante meses, os pais viam com preocupação a ideia da

menos nenhum futuro. Pelo contrário, se há uma trave mestra

jovem ir estudar para longe. Aquiesceu, disse não a Lisboa e à

na vida de Isabel Alarcão, para além do rosto iluminado, é a

educação de infância e resolveu terminar o secundário. Mas o

organização que aprendeu a ver em casa e a usar desde então

bichinho da educação estava lá…

como uma valiosa ferramenta na vida. Terminou o liceu na área de Letras/Línguas. Um pouco A Universidade de Coimbra, e o consequente meio académico,

contrariada, ingressou mesmo em Germânicas na Faculdade

serviram igualmente de bússola a Isabel Alarcão. A referência, uma

de Letras da Universidade de Coimbra. Corria o ano de 1957.

1941 – Isabel Alarcão ao colo do irmão mais velho

1960 – Cortejo da Queima das Fitas em Coimbra (à direita, Isabel Alarcão)

constante na vida da jovem conimbricense não só pela presença

Poderia ter escolhido outro curso superior? Claro que sim.

física da academia mas também nas carreiras académicas que

Ao contrário do que pensava, podia ter escolhido qualquer um

todos os irmãos foram seguindo à semelhança do avô e do pai,

porque aptidões não lhe faltavam. Na Matemática, por exemplo, era

não constituía, no entanto, fonte de desejo. Pelo contrário. “Achava

excelente. “Os professores diziam que nos números eu era muito

que a Universidade era para os meus irmãos pois eles é que eram

boa, mesmo”, lembra. Causou por isso no colégio um espanto geral

muito bons, eles é que eram os intelectuais. Eu, em termos de

por não ter seguido aquela área. “De facto eu adorava matemática

intelectualidade, achava que era um bocado a ovelha ranhosa da

mas para seguir ciências tinha de ter Química que eu detestava,

família”, graceja. As circunstâncias da época, que levaram cada

porque os meus professores só me faziam decorar fórmulas”,

um dos irmãos a estudar no Liceu D. João III, uma referência

justifica-se. Ainda hoje, reconhece, tem alguma pena de não ter ido

nacional do ensino, cujo acesso era, ao tempo, vedado a raparigas,

para Matemática. Relembra o gosto pela geometria no espaço: “Via

atiraram-na, no final do ensino primário, para uma outra escola de

aqueles planos todos à minha frente”, diz.

Coimbra bem menos conceituada. Quanto às forçadas Germânicas, estas foram, como previa, “Todos eles tiveram excelentes professores e cresci

uma certa desilusão. “Não gostei do curso”, recorda. Porém,

maravilhada a ouvir as histórias que traziam das aulas”, lembra.

gostou de viver a universidade nos anos 60 em que tudo

Por outro lado, também era a mais nova da casa e, por isso,

estava em ebulição. Fora das salas de aula, Coimbra fervilhava.

“sabia sempre muito menos coisas do que eles”.

“Gostei muito da vida académica mas mais a da parte extracurricular”, aponta. Conheceu muita gente, conversou

As voltas do destino

muito, muito e envolveu-se intensamente na vida associativa,

Talvez influenciada por alguma tendência genética numa

principalmente na Juventude Universitária Católica (JUC)

família com propensão para o professorado “queria ser

onde diz ter ganho competências no trabalhar em equipa, na


linhas

maio 2014

1961 – O colega David Vieira ensina Isabel Alarcão a fazer o grelo corretamente depois de lhe ter dado nas unhas com a colher de pau como manda a praxe

1967 – No dia da formatura, a praxe de cortar a gravata às raparigas. Isabel Alarcão (à esquerda) com a colega Adelaide Pegado, o vizinho e amigo Barbosa de Melo e o irmão Rui

responsabilização do trabalho individual em prol do grupo e

muito bem informado, sabia que Isabel Alarcão tinha feito um

no pensar nos outros. “Era uma altura em que sentíamos que

mestrado na área da didática das línguas, disse-lhe que a jovem

havia qualquer coisa que ia ser diferente. Em Coimbra era difícil

academia precisava muito dessas suas qualificações.

escolher o que se ia ver. A riqueza de conferências, de reuniões, de filmes nos cinemas era tanta, tanta, tanta que tínhamos

A caminho de Aveiro

dificuldade em escolher. Foi uma grande escola de vida”,

Aceitou o desafio e chegou a Aveiro em abril de 1976 com a

recorda Isabel Alarcão.

premissa de dar um contributo no arranque da academia e de voltar em seguida para a docência no ensino secundário. “Isso era

Não tinha ainda concluído o curso e já um professor lhe

ponto assente, pois para continuar na Universidade teria de fazer o

indicava uma vaga de trabalho na empresa alemã Bayer, nos

Doutoramento e eu já estava farta de estudar”, lembra.

escritórios de Lisboa. Recusou. Afinal queria mesmo era ser professora. Assim foi. Nos sete anos seguintes lecionou na

Mas o destino uma e outra vez… “Comecei a envolver-me muito

Póvoa de Varzim, na Figueira da Foz e em Coimbra. Não se

na área da formação de professores e a dada altura o Professor

enganou. "Vi logo nos primeiros anos enquanto professora que

Fernandes Thomaz, Vice-reitor à época, disse-me que gostavam

era mesmo isso que queria fazer para o resto da vida", lembra

muito de mim mas que para continuar na UA tinha mesmo de fazer

Isabel Alarcão. À paixão por ensinar os jovens estudantes juntou

o doutoramento”. E o coração, que batia já forte pela UA ganhou,

igualmente o prazer da formação de professores. Mais do que

como sempre, à razão. Não resistiu e foi para a Universidade de

uma vocação, o amor por esta última área descobriu-o quando

Liverpool, em Inglaterra, doutorar-se em Educação. E ficou, até

foi colocada no Liceu D. João III – o tal em que não pode

se aposentar, na UA como uma das grandes obreiras do trabalho

estudar à semelhança dos irmãos por ser menina – e o Reitor da

que tornou a academia um farol nacional na área da didática e

instituição lhe confiou a orientação de estágios de alemão, com

formação de professores. Uma referência que começou a ser

o seu grande mestre, o professor Leitão de Figueiredo. Adorou

construída em 1977, ano em que a UA foi visitada por peritos do

a experiência de acompanhar e ensinar futuros docentes,

Banco Mundial que, face ao modelo de formação de professores

"uma forma indireta de se chegar aos alunos trabalhando com

em vigor na instituição e ao empenhamento e ideias manifestados

adultos". E o amor foi tal que cedeu ao desafio de concorrer

nas reuniões, decidiu propor ao Ministério da Educação um

a uma bolsa para fazer o mestrado em "Curriculum and

projeto inovador: a criação do Centro Integrado de Formação de

Instruction" na Universidade do Texas. Viajou para os Estados

Professores (CIFOP). O novo organismo interdisciplinar da UA, de

Unidos em agosto de 1974 "com pena de não poder continuar no

cujo nascimento Isabel Alarcão foi uma das parteiras no papel de

país para viver a construção pós-25 de abril".

membro do primeiro grupo de trabalho e, mais tarde, presidente da primeira comissão coordenadora e de gestão, assumia a

Um ano depois regressa para dar aulas no Liceu da Figueira da

missão de organizar e coordenar a formação de professores

Foz. Mas por pouco tempo. Uma nova etapa se avizinhava, mais

de todos os níveis de ensino, a relação com as escolas e a

uma vez empurrada pelas circunstâncias. “Lembro-me bem de

investigação educacional.

ter visto um anúncio para assistente convidada na UA na área da didática de línguas”, diz. Não concorreu mas o mapa estava-lhe

Professora catedrática desde 1990, Isabel Alarcão desempenhou

já traçado para lá. Pouco tempo depois recebeu um telefonema.

igualmente cargos de gestão universitária de grande

Do outro lado da linha um dos membros da Comissão

responsabilidade na UA. Para além dos que assumiu no CIFOP,

Instaladora da UA, que a conhecia do curso de Coimbra e que,

foi presidente do Conselho Científico, Vice-reitora e Reitora na


19

percurso singular

sequência da nomeação, para Ministro da Educação, de Júlio

a British Educational Association, a Sociedade Portuguesa de

Pedrosa. Na vice-reitoria coordenou o importante processo de

Ciências da Educação ou o Centro de Investigação, Difusão

desenvolvimento curricular intitulado Repensar os Currículos e

e Intervenção em Educação. É membro do Conselho Editorial

incentivou a introdução do modelo de aprendizagem à base de

de revistas nacionais e internacionais e codiretora da Coleção

projetos na Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda.

NovaCIDInE, editada pela Porto Editora.

Integra, desde a sua criação em 1993, a Unidade/Centro de Investigação Didática e Tecnologia Educativa na Formação

Pesada uma vida inteira dedicada à causa da Educação,

de Formadores.

não admira que Isabel Alarcão, que em menina achava que a Universidade não era para ela, seja hoje uma referência, no país

Com intensa atividade na orientação de assistentes,

e no estrangeiro, na concetualização do papel das didáticas

mestrandos e doutorandos, tem participado em inúmeros júris

específicas na formação de professores e na área da Supervisão.

de provas académicas, desenvolvido projetos de investigação, apresentado comunicações e proferido conferências em

Reformada há 10 anos não parou. “Tenho muitos convites para

reuniões científicas no país e no estrangeiro. De entre as

escrever livros e capítulos de livros, artigos e conferências e às

suas publicações destacam-se nove livros, 35 capítulos de

vezes ainda pedem para dar uma ou outra aula de mestrado e

livros e cerca de uma centena de artigos. Paralelamente,

doutoramento”. Como gosta de citar, Nelson Mandela escreveu

Isabel Alarcão tem também exercido funções de consultoria

um dia: “Se queremos mudar o mundo, temos de apostar na

e peer review e atuado como membro de instituições com

Educação”. E estamos a consegui-lo? “Não sei… Acho que

destaque para a American Educational Research Association,

temos de ser mais exigentes”.

A primeira senhora Reitora da UA “Costumo dizer que passei pela Reitoria”, graceja. Os seis meses em que teve nas mãos os destinos da UA, que este ano comemora 40 anos de vida, talvez sirvam para compreender a fugaz e modesta análise da antiga Reitora que apenas faz jus à quantidade de tempo e não à qualidade do trabalho desenvolvido. De julho de 2001 a janeiro do ano seguinte, a Vice-reitora Isabel Alarcão, substituindo Júlio Pedrosa, que no último terço do segundo mandato foi chamado pelo então PrimeiroMinistro António Guterres para liderar o Ministério da Educação, assumiu a missão que se viria a tornar “uma das experiências mais gratificantes” da sua vida: ser Reitora da UA.

2001 – O ministro da Educação Júlio Pedrosa e a Reitora Isabel Alarcão durante a sessão de comemoração do aniversário da UA

Peixe na água na retaguarda dos líderes,

Pedrosa. A boa disposição, um estado

– “Não me faça perguntas”, disse-lhe

tremeu com o convite repentino. “Fui

que lhe assenta em permanência,

enigmaticamente Lurdes Ventura da

apanhada por um telefonema a meio

sofria naquele e nos próximos dias um

Reitoria e portadora da missiva.

de uma viagem de autocarro entre

interregno abrupto.

Londres e Oxford onde ia participar

Curiosa mas muito receosa com o pedido

numa conferência”, recorda. Do dia

– ”Não me digam que o Reitor vai para

urgente – estava mesmo a suspeitar que

lindo, “daqueles raros em Inglaterra”,

ministro!?”, respondeu uma surpreendida

uma trovoada estava a caminho – entra em

esperava tudo menos um recado para

Isabel Alarcão lembrando-se dos “zuns

contacto com o Reitor que do outro lado da

falar urgentemente com o Reitor Júlio

zuns” que já circulavam no país.

linha não perde tempo:


linhas

maio 2014

- “Isabel, queria que me substituísse na

“Senti que a comunidade académica,

o que seria da escola e dos professores

Reitoria”, atira-lhe. Confirmava-se. Júlio

quer os professores, quer os

sem as redes que na retaguarda os

Pedrosa aceitara o convite de António

funcionários e os estudantes, esteve

suportam? – aguardavam-na. “É mesmo

Guterres. O Ministério da Educação era a

ao meu lado. E os meus colegas

longe dos holofotes que gosto de

próxima paragem de um Reitor que ainda

vice-reitores e pro-reitores foram

trabalhar”, sublinha entre risos.

tinha alguns meses de mandato na UA e

extraordinários e ajudaram-me imenso a

a preocupação primeira de que o trajeto

fazer uma reitoria muito colegial, a única

Vestir a camisola da UA

da academia em nada sofresse com a

que se impunha, uma vez que eu vinha

Olhando para trás, até 1976, ano em que

mudança (ver Linhas nº20).

de entre eles”, homenageia.

chegou à UA, Isabel Alarcão faz “uma

Não conseguiu dormir nesse dia. “Foi

E que estratégia adotou enquanto

a academia aveirense tem percorrido,

a única noite da minha vida que não

Reitora? “Seria muito estranho dizer que,

quer em termos da qualidade do ensino,

preguei olho”, recorda hoje Isabel

naquelas circunstâncias de transição,

quer em termos da investigação que

Alarcão. “Adoro ser a segunda figura e

eu implantei uma linha estratégica

aqui se tem produzido”. A antiga Reitora

detesto ser a primeira porque não tenho

minha”, aponta. Assim, em cima da

não esquece também a forma como

confiança em mim para sentir toda

mesa da nova Reitora estiveram dois fios

a UA se tem ligado à comunidade,

a responsabilidade”, confessa quem

condutores de trabalho. “O primeiro era

nomeadamente ao tecido empresarial,

quase sempre fez trabalho de retaguarda

continuar o caminho que estávamos a

uma ponte cujos primeiros alicerces

porque, por outro lado, tem “muita

seguir desde a fundação da UA e de que

foram plantados há 40 anos “numa altura

confiança para ajudar a pessoa que está

o próprio Professor Júlio Pedrosa era

em que não era muito habitual fazer-se

em primeiro plano”.

partidário”, descreve. A segunda missão

isso nas universidades”.

avaliação de excelente do caminho que

abraçada por Isabel Alarcão “consistiu Na pesada insónia dessa noite gritava-

em criar as condições para que se

A osmose recíproca entre a UA e o

lhe ao ouvido a certeza de que não

realizassem eleições para eleger o novo

meio que a envolve, sublinha, é mesmo

podia negar o pedido. Do confronto da

reitor”, um escrutínio que acabou por

a chave do sucesso de uma academia

razão e emoção, desse “dilema terrível”

acontecer em dezembro de 2001 e que

que soube crescer e afirmar-se dentro

entre o não e o sim, decidiu um coração

fez de Helena Nazaré a Reitora que se

e além-fronteiras. “Na sua constante

aberto ao desafio para o qual muito

seguiu na cadeira maior da academia.

abertura à comunidade, a UA influencia a

contou com o apoio da restante equipa

sociedade mas, por outro lado, também

reitoral. “Devo dizer que foi para mim

Houve, contudo, uma premissa que

deixa que a sociedade a influencie. Esta

extraordinariamente difícil aceitar. Mas

Isabel Alarcão, e toda a restante equipa

é uma casa que tem estado sempre

disse que sim porque senti uma enorme

reitoral, assumiu durante aqueles seis

muito aberta ao que está a acontecer

responsabilidade e um compromisso

meses: a Universidade não podia ficar

para se poder adaptar e ter a resposta

com uma espécie de cidadania

parada à espera das eleições. “Sendo

certa”, aponta Isabel Alarcão.

universitária”, lembra.

um período de interregno poderia haver a tendência para se aguentar o barco no

Nesse sentido, e de olho no futuro,

Uma experiência gratificante

mesmo local à espera que o novo reitor

Isabel Alarcão “gostava que a UA

Os receios da nova Reitora, a primeira

fosse eleito para decidir. Pelo contrário,

continuasse na trajetória que tem

na UA e uma das pioneiras a assumir

nós achámos que a UA não podia

seguido, uma trajetória com visão, que

tamanho cargo no ensino superior

parar e que tinha de continuar na sua

visa a qualidade e em que as pessoas

português, revelaram-se, afinal,

dinâmica”, afirma.

se sentem empenhadas na participação

infundados. “Foi uma experiência muito

na vida universitária”. Mais, a antiga

boa. As pessoas ajudaram-me imenso”,

Com o leme nas mãos de Isabel Alarcão,

responsável “gostava que no futuro

recorda. Sentir o coletivo de pedra e cal

ainda que a prazo, a equipa reitoral tomou

as pessoas continuassem a vestir

em seu redor é mesmo a memória mais

todas as decisões como se o mandato

a camisola da Universidade como

grata que guarda no baú de mais de 30

fosse continuar. No final, soltou as rédeas

até aqui tem sido vestida”. E deixa o

anos ao serviço da UA: “Creio que toda

da instituição, entregou-as a Helena

repto: “É preciso que todos se sintam

a comunidade universitária percebeu

Nazaré, e regressou ao não menos

identificados com a ideia da UA para a

que eu aceitei o desafio porque, ainda

importante segundo plano da academia

poderem continuar a construir”.

que eu quisesse dizer que não, não tinha

onde sempre gostou de estar. A Didática

coragem para o recusar”.

e a Supervisão, as áreas da sua paixão, –


EDIÇÕES

A UNIVERSIDADE DE AVEIRO E OS SEUS

UNIVERSIDADE DE AVEIRO – QUARENTA

TURISMO NOS PAÍSES LUSÓFONOS:

CONTEXTOS (1973-2013)

ANOS DE ARQUITETURA

CONHECIMENTO, ESTRATÉGIA E

Autoria Jorge Carvalho Arroteia, docente

UNIVERSITY OF AVEIRO – FORTY YEARS OF

TERRITÓRIOS Vol. II

aposentado do Departamento de Educação da UA

ARCHITECTURE

Autor Carlos Costa, Rui Costa e Zélia Breda,

Edição UA Editora

Autor(es) Jorge Arroteia, Nuno Portas e Michel

docentes no Departamento de Economia, Gestão

ISBN 978-972-789-390-4

Toussaint (texto); Rui Morais de Sousa (fotografia)

e Engenharia Industrial da UA e Filipa Brandão,

Ano 2013

Edição Mainvision

docente na área de Turismo na Universidade

ISBN 978-989-20-4629-7

Portucalense Infante D. Henrique.

Ano 2014

Editora Escolar Editora

MANUAL DE GUIONISMO Autor João de Mancelos, docente do curso livre

ISBN 9789725924105

de Escrita Criativa na UA

O SEGREDO DOS CANDEEIROS

Edição Edições Colibri

Autor Filipe Monteiro, antigo aluno da UA

ISBN 9789896893668

Editora Chiado Editora

SERMÕES DE INCIDÊNCIA POLÍTICA DA

Ano 2013

ISBN 978-989-51-0828-2

OBRA COMPLETA DO PADRE ANTÓNIO

Ano 2014

VIEIRA – Volume XII

FAZ-ME ACREDITAR

Ano 2014

Autor Padre António Viera; direção de José

Autor Lia Costa, investigadora do CESAM,

PETRÓLEO E ENERGIAS RENOVÁVEIS:

Eduardo Franco e Pedro Calafate; introdução

laboratório associado da UA

PORTUGAL NA ENCRUZILHADA

por Luís Machado de Abreu, docente do

Editora Chiado Editora

Autor José Lopes Velho, docente no

Departamento de Línguas e Culturas da UA

ISBN 978-989-51-0873-2

Departamento de Geociências da UA

Editora Círculo de Leitores

Ano 2013

Editora Ex-Libris

ISBN 9789724248745

ISBN 978-989-98577-8-0

Ano 2014

"FORMA BREVE" – EDIÇÃO Nº 10 DEDICADA

Ano 2014

À NOVELA

SERÁ MESMO INADMISSÍVEL “DESPEDIR

Diretor António Manuel Ferreira, docente

PRODUTOS E COMPETITIVIDADE DO

FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS”? – REFLEXÕES

no Departamento de Línguas e Culturas da ua

TURISMO NA LUSOFONIA Vol. I

EM TORNO DO ACÓRDÃO DO TRIBUNAL

Edição Universidade de Aveiro/Departamento

Autor Carlos Costa, Rui Costa e Zélia Breda,

CONSTITUCIONAL Nº474/2013, DE 29 DE

de Línguas e Culturas

docentes no Departamento de Economia, Gestão

AGOSTO

ISSN 1645927x

e Engenharia Industrial da UA e Filipa Brandão,

Autor Miguel Lucas Pires, docente do

Ano 2013

docente na área de Turismo na Universidade

Departamento de Ciências Sociais, Políticas

Portucalense Infante D. Henrique.

e do Território da ua

DESIGN et AL – DEZ PERSPECTIVAS

Editora Escolar Editora

Editora Almedina

CONTEMPORÂNEAS

ISBN 9789725924112

ISBN 978-972-40-5575-6

Autor Francisco Providência e Vasco Branco,

Ano 2014

Ano 2014

docentes do Departamento de Comunicação e Arte da UA, entre outros, com coordenação de

ESTÓRIAS QUE O DEMO ME SOPROU

Emílio Távora Vilar, docente na Faculdade de

Autor Pedro Fontoura, aluno de mestrado da ua

Belas Artes da Universidade de Lisboa

Editora Sinapsis Editores

Editora Dom Quixote

ISBN 978-989-691-194-2

ISBN 9789722053969

Ano 2014

Ano 2014


Patrícia Albergaria Almeida

linhas

maio 2014

Na Comissão Europeia em prol de mais e melhor Educação É investigadora no Joint Research Centre (JRC) da Comissão Europeia onde integra a equipa do Centre for Research on Lifelong Learning, um grupo que se dedica a estudos maioritariamente quantitativos relacionados com a área da Educação na União Europeia (UE). Chama-se Patrícia Albergaria Almeida, tem 37 anos, e em 1999 licenciou-se em Biologia e Geologia (Ensino de) na UA. A Didática, área na qual tirou um doutoramento e um pós-doutoramento na academia de Aveiro, é uma paixão que abraça todos os dias em Ispra (Itália), cidade na qual está sediado o JRC onde chegou em maio de 2013.


23

percurso antigo aluno

Após a conclusão da licenciatura em

dar formação a professores timorenses

frequência, reuniões em Bruxelas

1999, Patrícia Almeida deu aulas durante

de Ciências”. Da missão, é-lhe difícil

onde, trabalhos em desenvolvimento,

um ano no ensino básico. “Fui professora

explicar por palavras o significado

são discutidos”, acrescenta.

de Ciências Naturais na Escola Básica de

dessa experiência, especialmente a

Montargil. No ano seguinte dei aulas na

quem não conhece Timor-Leste. “Senti

Com a UA no coração

Escola Superior de Educação (ESE) de

que o trabalho que desenvolvi em

“A licenciatura na UA forneceu-me

Leiria. Este foi um ano desafiante por ter

Timor-Leste era verdadeiramente útil e

as bases essenciais para entrar no

a meu cargo seis disciplinas pelas quais

valorizado”, resume.

mercado de trabalho, bem como a

era totalmente responsável”, lembra a antiga aluna da UA.

capacidade de me adaptar a diferentes Dos seus alunos timorenses, eles

situações. Forneceu-me ainda a

próprios também professores,

capacidade de iniciativa necessária para

Outro dos desafios que nessa época

lembra que “estavam sedentos de

não ter receio de correr riscos, assim

teve de enfrentar relacionavam-se com

conhecimento”, apesar de todas as

como capacidade de perseverança”,

a pouca diferença etária entre a jovem

dificuldades profissionais e pessoais

lembra a investigadora Patrícia

professora e os seus alunos. “Acabei

com que tinham de lidar. “Não foram

Almeida. “Considero que desenvolvi

por saber usar o que poderia ser uma

os meus melhores alunos em termos

a capacidade de reflexão necessária

desvantagem a meu favor e criar um

de resultados de aprendizagem, mas

para ir aprendendo ao longo do

ambiente de proximidade que contribuiu

foram, os meus melhores alunos”,

meu percurso profissional e tirar o

para um ambiente de sala de aula

regozija-se. Foi a forma como esta

máximo partido de todas as situações

descontraído e responsável”, recorda.

experiência em Timor-Leste a marcou

profissionais com que me deparei,

Estava a trabalhar na ESE de Leiria e

que fez Patrícia Almeida submeter à FCT

incluindo as menos boas”, adianta.

concorreu a um lugar de bolseira de

um projecto de investigação relacionado

investigação na UA. Foi aceite.

com a reestruturação do ensino

E o que mais marcou Patrícia Almeida

secundário em Timor-Leste.

na passagem pela UA? “O professor

De regresso à casa que a formou

O projeto recebeu financiamento, mas

José Teixeira Dias, do Departamento de

integrou a equipa de um projeto que

a investigadora acabou por abandonar

Química, que me acompanhou de forma

estudava o questionamento dos

a UA antes da missão arrancar. “Apesar

muito próxima durante o doutoramento e

estudantes no ensino universitário.

de o trabalho que desenvolvia na UA me

que me permitiu colaborar com ele, mais

Entretanto candidatou-se a uma

preencher, dada a conjuntura nacional,

recentemente, enquanto equiparada a

bolsa de doutoramento da Fundação

acabei por tomar a decisão de sair do

Investigadora Auxiliar, é claramente a

para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

país”, justifica.

pessoa que mais me marcou na UA”,

Assim, foi bolseira de doutoramento

refere já que “o contacto próximo que

até 2007, altura em que concluiu a

Investigar em Itália para a UE

durante vários anos tive com o professor

tese intitulada “Questões dos alunos

A próxima paragem seria a Itália onde,

Teixeira Dias permitiu-me crescer

e estilos de aprendizagem – um

no Centre for Research on Lifelong

enquanto pessoa e aprender muito”.

estudo com um público de Ciências

Learning, tem desenvolvido investigação

no ensino universitário”. Seguiu-se um

na área da educação. “A título de

“Muito mais do que conhecimentos

pós-doutoramento, de 2007 a 2009,

exemplo, terminei recentemente um

científicos, com o professor

onde também se debruçou sobre

estudo sobre a literacia de leitura nos

Teixeira Dias aprendi a escutar, a

estratégias de ensino e aprendizagem

países da UE e estou agora a iniciar um

refletir, a ponderar, a saber que

no ensino superior. De 2009 a 2013 foi

novo trabalho de investigação sobre

independentemente das dificuldades

equiparada a Investigadora Auxiliar

estratégias de ensino também nos países

com que me possa vir a deparar, não

no Centro de Investigação Didática e

da UE”, explica.

há outra opção a não ser ser fiel aos

Tecnologia na Formação de Formadores da UA.

meus princípios”, lembra. Patrícia O dia-a-dia de trabalho de Patrícia

Almeida aponta também a professora

Almeida assemelha-se ao de qualquer

Isabel Martins, do Departamento de

Timor: uma experiência inesquecível

investigador: leitura, brainstorming,

Educação, que diz ser “uma pessoa

Em 2011, recorda, teve a experiência

análise, escrita de artigos e relatórios,

muito especial”. “O seu bom senso e

de trabalho mais enriquecedora do seu

reuniões de trabalho, participação

a confiança que depositou em mim

percurso profissional: “integrei uma

em encontros científicos. “Por

foram-me fundamentais para os

equipa de docentes e investigadores da

ser investigadora da Comissão

momentos menos sorridentes”,

UA que se deslocou a Timor-Leste para

Europeia tenho também, com alguma

diz a investigadora.


maio 2014

Fábio Silva

linhas

O físico que abraçou a Arqueologia Há um ano Fábio Silva revelava a origem do nome da maior montanha de Portugal continental. O arqueoastrónomo desvendava que as entradas dos dólmens construídos há seis mil anos em volta da maior montanha da Serra da Estrela estão todas viradas para o lugar onde, no horizonte, a estrela Aldebarã nascia em abril. Um facto que, segundo Fábio Silva, físico pela UA, explica o nome da Serra. Investigador no Institute of Archaeology da University College London e professor na University of Wales, recebeu na passagem pela UA as bases para se tornar uma figura incontornável da arqueoastronomia europeia.


25

percurso antigo aluno

Em criança tinha fascínio por duas

estudantes” do curso. “Como fomos

dentro da Arqueologia, tem abrangido dois

coisas: civilizações antigas e o espaço.

pioneiros na licenciatura, e não éramos

temas. “Por um lado estudo a relação entre

“Durante o ensino secundário estive

muitos, rapidamente estabelecemos uma

os monumentos megalíticos pré-históricos,

indeciso entre seguir Biologia [a

forte relação entre nós, e mesmo com os

as sociedades que os construíram e o céu.

Genética também o fascinava] ou Física,

professores do departamento”, diz.

Em particular tenho-me focado nas antas

especialmente Astronomia”, lembra

e dólmens do nosso país, principalmente

Fábio Silva que, aconselhado por amigos

Episódios made in UA que jamais sairão

as da região centro-norte embora tenha

e professores acabou mesmo por rumar

da memória de Fábio Silva existem

agora também começado a estudar as

à UA para tirar a Licenciatura em Física

vários, “centenas mesmo”, envolvendo

do Alentejo”, explica. Estes estudos,

concluída em 2006.

colegas e até professores. “As situações

descreve, “envolvem muito trabalho de

eram de tal modo hilariantes que um

campo que implicam medir a orientação

Quando tomou a decisão de seguir

colega nosso criou um blogue onde

da entrada das antas, a análise desses

Astronomia/Astrofísica os únicos cursos

colocava as então chamadas Daily

dados e a reconstrução virtual dos céus

que tinha ao alcance estavam no Porto

Jokes, mas onde todos os intervenientes

pré-históricos”.

ou em Lisboa. “Nesse mesmo ano abria

tinham um nome de código, para não

o curso de Física em Aveiro que iria ter

serem identificados por terceiros”,

Por outro lado, e num campo mais

várias cadeiras de astronomia. Como

lembra. “Ainda hoje se procurarem no

teórico, “tenho desenvolvido métodos

tinha um gosto pela Física mais vasto do

Google por “Daily Jokes O Livro” irão

computacionais para simular as grandes

que a Astronomia resolvi dar uma chance

encontrar a compilação de quatro anos

migrações humanas pré-históricas,

a outras áreas para me convencerem e,

de episódios”, desafia divertido.

como seja a difusão da prática agrícola,

como nasci e cresci em Ílhavo, resolvi fazer o curso na UA”, lembra.

através de dados arqueológicos, Formado em Física, no entanto, “hoje

nomeadamente bases de dados de

já não me considero um Físico, mas

datações por radiocarbono”. Este

E o curso correspondeu às expectativas

confesso que nunca suspeitei que viria a

trabalho “envolve a colaboração com

de Fábio Silva? “Superou-as”, afirma

trabalhar em Arqueologia”, diz Fábio Silva.

especialistas locais na elaboração das

a pés juntos. “Adorei o curso, em

bases de dados e subsequente análise

particular devido à diversidade de

Em Inglaterra rumo às estrelas

conteúdos, temas e abordagens”,

Quando terminou a licenciatura obteve

descreve. A licenciatura proporcionou-

uma bolsa da Fundação para a Ciência

Um local de trabalho fantástico

lhe um background num vasto leque de

e a Tecnologia (FCT) e mudou-se para

A University College London onde

métodos matemáticos, computacionais e

Portsmouth, em Inglaterra, para fazer

investiga é considerada umas das cinco

laboratoriais “invejável”.

um doutoramento em Astrofísica. “No

melhores universidades do mundo. O seu

terceiro ano iniciei, em paralelo e à

campus principal, tal como o da UA, “é

“A abrangência de conteúdos da

distância, um mestrado em Astronomia

um lugar vibrante e cheio de vida, onde

licenciatura, desde física teórica a

Cultural, isto é o estudo interdisciplinar

estudantes e investigadores de todas as

computação e programação, deu-me

da relação entre o céu e diferentes

áreas se cruzam todos os dias”.

um vasto leque de conhecimentos e

culturas e sociedades”, descreve.

métodos que podem ser aplicados em

estatística e modelação informática”.

Do Institute of Archaeology diz ser

diversas áreas, incluindo a Arqueologia”,

Em 2010, com o término do

também um excelente local para

descreve. Mas, mais do que isto, Fábio

doutoramento, rumou para Londres

fazer investigação. “Não só é um dos

Silva, hoje com 29 anos, diz que a Física

onde conseguiu uma posição como

maiores departamentos de Arqueologia

“é uma forma especial de ver, e pensar,

investigador no Institute of Archaeology

do mundo mas também um dos mais

o mundo, os objetos e as relações entre

da University College London.

antigos. A variedade de locais e épocas

os mesmos”. O investigador não tem

Entretanto também foi contratado pela

que são investigadas no departamento

dúvidas: “Esta forma de ver o mundo

University of Wales para dar aulas no

é complementada pela pluralidade

segue-nos para o resto da vida”.

mestrado em Astronomia Cultural,

metodológica”, diz.

especificamente para dirigir a cadeira Anos marcantes em Aveiro

de Arqueoastronomia.

Dos anos que passou na UA Fábio

“É um local onde a multidisciplinariedade é encorajada o que, para alguém com um

Silva recorda com especial apreço

Atualmente divide o seu tempo entre as

background numa ciência exata como

“a irmandade que foi criada entre os

aulas que leciona e a investigação que,

eu, é bastante motivador”, congratula-se.


Carlos Gomes da Costa

linhas

maio 2014

O menino que ousou ser engenheiro quer alavancar Portugal Queria ser engenheiro. O sonho do pequeno Carlos era irreal para quem, como ele, tinha nascido na Póvoa do Paço, uma pequena localidade de Aveiro, “onde há 50 anos atrás se trabalhava e brincava descalço”. Estudar era um luxo. As universidades de Coimbra e Porto, as mais próximas, estavam demasiado longe para a modesta família pensar sequer em ter um dos quatro filhos a estudar fora de casa. Mas como no poema de Gedeão, o sonho comanda a vida. Hoje, o menino que ousou sonhar alto, é empresário, investidor e dinamizador de associações que têm em mãos a missão de “alavancar o nosso Portugal”.


27

percurso antigo aluno

“Fui um dos três privilegiados da minha

da sua posterior fulgurante carreira como

Gomes da Costa integrou o conjunto de

turma que saíram da então 4ª classe para

empresário.

novos sócios que adquiriu a empresa

fazer o exame de admissão à Escola

Eixometria que se dedica ao fabrico de

Industrial e ao Liceu”, lembra Carlos

Colegas extraordinários

componentes para a aeronáutica

Gomes da Costa. Escolheu a Escola

“O que mais me marcou na UA foi a

e biomédica.

Industrial e tirou o designado Curso de

generosidade dos meus colegas mais

Formação de Montador Eletricista. “Tinha

inteligentes”, faz questão de dizer. “Estes,

Projectar Portugal no mundo

15 anos e empreguei-me na Companhia

de forma gratuita, generosa com espírito

Com a formação da Associação

Portuguesa de Celulose (CPC), em Cacia,

de partilha, sem competição, tiravam

de Embaixadores Tecnológicos –

enquanto terminava curso”, diz.

apontamentos nas aulas que facultavam

Geisertech, criada em 2014 por empresas

aos colegas que os solicitassem”.

que querem construir um cluster

Mas a sorte abençoa sempre os audazes.

tecnológico HITECH, Carlos Gomes da

Nascida em 1974, a UA mudou o rumo da

Assim, Carlos Gomes da Costa deixa

Costa, fundador e um dos responsáveis

vida de Carlos Gomes da Costa. “Foi para

a homenagem: “A minha licenciatura

pela instituição, muda o foco das suas

mim uma grande sorte a academia ter

deve-se principalmente a dois colegas,

atenções profissionais.

nascido pois proporcionou-me frequentar

hoje docentes na UA: a Beatriz Santos

o ensino superior” sem necessidade de ir

e o José Alberto Fonseca”. A primeira,

“A minha atividade atual é preenchida

para fora da cidade onde vivia

“além de tirar exímios apontamentos,

com a missão de projetar globalmente

e trabalhava.

também traduzia os livros em inglês de

nos negócios HITEC a região de Aveiro

eletrónica e tudo facultava aos colegas”.

através da excelência dos quadros

“Devido à política da CPC, que

Quanto a José Alberto Fonseca, este

formados na nossa Universidade, escolas

incentivava os seus trabalhadores a

“dava explicações em casa”. E tudo

profissionais, escolas secundárias e

estudarem obtive uma classificação

isto, sublinha, “sem vaidades e sem

principalmente da excelência dos nossos

superior a 14 valores no 7º ano, o

cobranças monetárias ou morais”.

empresários”, descreve. Dentro desse

que conjuntamente com o privilégio

desígnio “luto para que os empresários

de ser trabalhador, me permitiu a

Carreira profissional notável

e as empresas se aproximem das

matrícula direta na UA após uma pré-

Com a licenciatura concluída

universidades e centros do saber, de

-seleção realizada por uma entrevista

começou a assumir cargos de grande

modo a criar uma partilha lucrativa para

conduzida pelo Professor António

responsabilidade na CPC. De 2005

todos e principalmente para o nosso

Ferrari em 1975”, conta. Entrou na

até hoje, deixou de trabalhar por conta

maravilhoso país”.

licenciatura de Engenharia Electrónica e

de outrem e passou a ser empresário,

Telecomunicações da UA, um curso que

investidor em empresas e dinamizador

Assim, para além de embaixador

concluiria em 1980. Anos mais tarde, já

de associações.

tecnológico na geisertech, Carlos Gomes

em 2007, voltaria à academia para realizar

da Costa ajudou a fundar em 2014 a

um Mestrado em Gestão da Tecnologia,

Em 2006 formou uma empresa

Associação de Business Angels Clube. A

Inovação e Conhecimento.

de consultadoria em contratação

organização, onde faz igualmente parte

internacional. Em 2007, a convite do

dos corpos gerentes, nasceu para injetar

“A licenciatura correspondeu às minhas

grupo Bresimar, adquiriu 20 por cento da

capital nas ideias e projetos que surgem

expectativas”, garante. “Esperava

empresa Exatronic. Apoiado pelo Export

da criatividade de quem não tem dinheiro.

aprender a teoria e a prática na

Group do Báltico fundou também em

“Estou agora a iniciar a coordenação do

Universidade e isso aconteceu com

2007 a Optieng Soluções Otimizadas, uma

núcleo de Aveiro da Associação Cristã

professores brilhantes, esforçados

empresa que exporta conhecimento na

de Empresários e Gestores, para que

e laboratórios com equipamentos e

área do controlo de processo e energia.

tudo no mundo empresarial se faça com

componentes de excelência”, recorda

ética e respeito pelo outro”, diz. Não

Carlos Gomes da Costa que nos dois

Ficou por aí? “Nada disso!”. Em 2013,

se esqueça ainda que “deu formação

últimos anos da licenciatura chegou

levou a Optieng para Moçambique

profissional, na ESTGA e na UA, quer

mesmo a ser monitor da UA. O percurso

e, com um conjunto de acionistas e

como assistente convidado no DEGEI

na academia aliada à prática que o

com o know-how do engenheiro da

quer como formador dos Cursos de

trabalho que exercia lhe facultou deu-me

UA Jorge Tavares, fundou a Harpia

Especialização Tecnológico na ESTGA”.

“capacidades técnicas extraordinárias

Tech, uma empresa que se dedica ao

para o desenvolvimento” quer da

ID&T de naves pilotadas remotamente.

E o futuro só agora começou para Carlos

empresa onde trabalhava na altura quer

Nesse ano de grandes negócios, Carlos

Gomes da Costa.


linhas

maio 2014

UA, ninho de inovação e valorização do conhecimento Do Sapo, há cerca de 20 anos, à recente impressora 3D, passando pelo Vital Jacket, apenas para referir algumas das mais emblemáticas criações de membros da comunidade académica da Universidade de Aveiro, muito aconteceu e mudou quanto à estratégia de promoção da inovação e apoio ao empreendedorismo. De facto, a marca "universidade geradora de inovação e valorizadora do conhecimento por si produzido" tem raízes na génese da instituição, desde o início ligada ao tecido económico, mas tem vindo a colar-se cada vez mais à performance e ao dia-a-dia da Universidade. A posição de liderança da Universidade de Aveiro no conjunto

conhecida a mais recente edição do ranking de Leiden (http://

das universidades portuguesas quanto ao número de pedidos

www.leidenranking.com/ ), que de Leiden atribui a liderança

de proteção de propriedade intelectual, por cada 100 docentes,

nacional à UA considerado o indicador MCS (Mean Citation

entre 2008 e 2012, está em linha com o também maior número

Score: “The average number of citations of the publications of

de pedidos com entrada no Instituto Nacional de Propriedade

a university”) na área “Mathematics, computer science, and

Intelectual (INPI) em 2013, em número de 19. Entre 1994 e 2013,

engineering”, que mede o impacto (citações) das publicações

contabilizando pedidos de registo de propriedade intelectual,

da universidade. Por outro lado, Aveiro lidera ainda no critério

incluindo pedidos nacionais e internacionais, a UA soma um

que mede a proporção de publicações em colaboração

total de 272 na vertente “invenções” (patentes e modelos de

com empresas, considerando todas as áreas científicas,

utilidade), 267 na vertente “marcas e logotipos”, 61 no tipo

designado indicador PP (UI collab) proportion of collaborative

“direitos de autor” e 22 em “desenho ou modelo (design)”. Esta

publications with industry: “The proportion of the publications

dinâmica muito deve à atividade da Unidade de Transferência de

of a university that have been co-authored with one or more

Tecnologia da UA (UATEC) – ver esquema 1 e caixa.

industrial partners”.

Estes números são indissociáveis da posição, também de

A evolução do Sapo e a recente projeção e bom desempenho

liderança no conjunto das universidades portuguesas, da

da impressora 3D são expressão das conquistas e da excelência

UA quanto ao número de publicações per capita. Em abril foi

nas áreas de intervenção da UA, considera José Paulo Rainho,


29

dossier

coordenador da UATEC. Há 40 anos, a UA começou com a Engenharia Eletrónica e Telecomunicações que se tornou uma área de referência. É neste contexto que surge o Sapo – Serviços de Apontadores Português. As outras áreas de aposta

Proteção e gestão de direitos de propriedade intelectual

Apoio à criação de empresas de base tecnológica

ainda não tinham reconhecimento internacional. “A atual Impressora 3D inova nos materiais, no design, tem implicações

uatec

sociais. É expressão da evolução que a UA teve noutras áreas para além das TICE: Materiais, Design, Energia, Ambiente, Agroalimentar, entre outras. As áreas de ponta articulam-se com outras e isso traduz-se em novos projetos de

Valorização da propriedade intelectual

investigação, em produtos e serviços

Apoio à promoção da inovação empresarial

a transferir para a sociedade, quer em termos de licenciamento, quer de novas empresas”. O próprio Francisco Mendes, criador da impressora 3D com Jorge Pinto, é formado em Engenharia Eletrónica

Esquema 1: áreas de intervenção da UATEC

e Telecomunicações e pós-graduado em Engenharia de Automação Industrial, dois

de incubação de ideias de negócio e

facultando-lhes competências que lhes

cursos da UA.

um quadro comunitário que “facilitou e

permitam empreender a sua própria

apoiou essa transferência e valorização

ideia de negócio, sendo uma iniciativa

De facto, a maior presença da UA

do conhecimento”. A UATEC tem feito

no âmbito das atividades da Incubadora

em redes nacionais e internacionais

um esforço para a maior articulação

de Empresas da Região de Aveiro

de investigação e inovação, neste

entre a equipa da UATEC e o grupo

(IERA) e um projeto envolvendo a UA

caso envolvendo também agentes

de investigação na identificação de

e os 11 municípios da Comunidade

económicos, e uma ainda mais estreita

invenções passiveis de proteção

Intermunicipal da Região de Aveiro. O

ligação à sociedade e à região têm

através de mecanismos de registos de

curso CEBT Ibérico – Competências

sido uma constante nas prioridades

propriedade intelectual.

Empreendedoras de Base Tecnológica

da Reitoria e tido correspondência

envolve as Universidades de Aveiro,

na estratégia adotada interna e

No contexto da formação para o

Beira Interior e Coimbra, em parceria

externamente, de acordo com os

empreendedorismo e de apoio às ideias

com o Conselho Empresarial do Centro

responsáveis por estas áreas

de negócio dos membros da Academia,

(CEC), com a Fundación General de la

na Universidade.

alunos ou docentes, Carlos Pascoal

Universidad de León y la Empresa, com

Neto refere várias medidas. Nos últimos

a Fundación General de la Universidad

Aposta na formação

anos introduziu-se o ensino formal do

de Salamanca, com a Fundación General

Nesta linha, a posição invejável da

empreendedorismo numa boa parte dos

de la Universidad de Valladolid e a

UA muito deve ao que Carlos Pascoal

cursos de todos os ciclos de estudo.

Universidad Pontificia de Salamanca. Boa

Neto, Vice-Reitor da UA, designa

Ao nível da formação, a UA ministra

parte das ideias surgidas nestas iniciativas

“adequada articulação da cadeia de

11 unidades curriculares relacionadas

de formação, evoluem para projetos

geração, transferência e valorização do

com a temática do empreendedorismo

empresariais na Incubadora da UA (IEUA).

conhecimento”. Esta alteração inclui

frequentadas por mais de 600 alunos.

um “esforço para promover o registo

A IEUA, que não se resume à cedência

de propriedade intelectual e aposta

Treinar para criar negócio

de espaços para projetos empresariais.

na valorização dessa propriedade”, o

Entre várias outras, surgem iniciativas

A Incubadora da UA tem, como missão,

incentivo à “interação com o tecido

de formação e promoção de ideias

incentivar a criação, o desenvolvimento

empresarial” – no qual destaca o

de negócio. O Laboratório de

e o crescimento sustentado de ideias

Portefólio de Competências e Serviços

Empreendedorismo (LabE) pretende

de negócio inovadoras, através da

da UA” – a formação, um novo programa

formar potenciais empreendedores,

promoção de ações de capacitação,


linhas

maio 2014

de disponibilização de espaços, de serviços e de uma rede de parceiros para criação de valor. A estratégia está implementada

DUAS OU TRÊS COISAS SOBRE PROPRIEDADE INTELECTUAL

há cerca de três anos. Com tal sucesso, que a estratégia se alargou à região, através da IERA.

O que é a propriedade intelectual? Em termos gerais, a propriedade intelectual protege os

“Notei uma evolução muito grande nos últimos três anos”, afirma

direitos inerentes às criações da mente humana. Compreende

Francisco Mendes, CEO da Beeverycreative que comercializa a

criações de caráter técnico (invenções), criações estéticas

impressora 3D Beethefirst. “Percebeu-se que a estratégia deve

(design), sinais distintivos do comércio (marcas, logótipos,…)

passar por um apoio muito maior, ajudando não só spin offs

e obras do domínio literário, científico e artístico.

mas também start ups. Nestes últimos três anos, aumentaram os recursos humanos da IEUA, com profissionais de diversas

Que modalidades de propriedade intelectual existem?

áreas que dão apoio administrativo, contabilístico, entre

As invenções, dependendo das suas características, podem

outros, investiu-se nas condições logísticas e de acolhimento,

ser protegidas através do pedido de registo de patente e/

reabilitando um espaço antigo (Edifício 1 do campus de Santiago

ou modelo de utilidade. Os sinais distintivos de comércio

e expansão para o antigo edifício da Fábrica de Moagens) e a

são contemplados nos registos de marcas, logótipos,

IEUA tem agora mais espaço. Por outro lado, as parcerias que a

denominações de origem, indicações geográficas. O design é

IEUA foi estabelecendo permitem agora um apoio mais eficaz aos

protegido através do registo de desenho e modelo. As obras

projetos, mais especializado e dedicado. Todas essas condições

do domínio literário, científico e artístico são contempladas

associadas ao trabalho da direção, que tem uma rede vasta de

pelos direitos de autor. Os direitos de PI têm carater territorial,

contactos, e que se disponibiliza para usar essa rede sempre que

pelo que o seu registo pode ser de âmbito nacional e/ou

há uma situação nova… Tudo isto tem melhorado ao longo do

internacional.

tempo”, conclui o empresário e antigo aluno da UA. Porquê e para quê pedir o registo de Propriedade

Situação muito diferente do que se passava há 20 anos, quando

Intelectual? O que se pretende defender com o registo

surgiu o Sapo. “Hoje há financiamentos, há oportunidades,

e que vantagens tem?

programas, capital de risco… Nada disso existia. Nós criámos

Embora o registo (pedido de proteção) junto das entidades

uma empresa que funcionou onde está hoje instalada a

competentes não seja obrigatório, este confere inúmeras

IEUA, mas não existia incubadora”, recorda Benjamim Júnior,

vantagens. De facto, o registo confere um direito exclusivo

membro da equipa criadora do Sapo. “O apoio tecnológico,

que permite impedir que terceiros, sem o consentimento do

a rede nacional em que a UA estava inserida e o facto de

titular do direito, produzam, fabriquem, vendam ou explorem

sermos trabalhadores-estudantes no Centro de Informática

economicamente a criação protegida. Por outro lado, permite

da UA, foi muito importante”. “A UA estava integrada na rede

valorizar o esforço financeiro e o investimento em capital

nacional e tinha acesso a tecnologia que não existia noutros

humano e intelectual utilizado na conceção de novos produtos

meios. E houve abertura, da parte dos responsáveis da UA,

ou processos e impede que outros protejam o mesmo

para que essa tecnologia fosse usada com criatividade. Isso é

produto ou processo ou utilizem os meios o processo objeto

muito importante! É muito diferenciador!”, sublinha. Para além

de proteção. É também através do registo que se garante a

da ponta de sorte, que existe em todos os casos de sucesso

possibilidade de transmitir o direito ou de conceder licenças

e expresso, para o Sapo, no contexto institucional favorável

de exploração a favor de terceiros, a título gratuito ou oneroso.

a novas ideias, Benjamim Júnior identifica mais dois fatores fundamentais para o sucesso, que podem ser entendidos como

Como pedir? A quem? O que se deve fazer para pedir o

conselhos para quem começa a trilhar estes caminhos: uma

registo?

equipa apta e com saberes para resolver os problemas que

O processo de proteção dos direitos de propriedade

surgem; pessoas determinadas.

intelectual na Universidade de Aveiro é efetuado através da UATEC, e inicia-se com o preenchimento da Comunicação de

Ninho acolhedor e pontes para o exterior

Invenção/Criação/Obra. A UATEC interage com as entidades

O processo de apoio ao empreendedorismo e às ideias de

oficiais (ex. INPI) e com os inventores/criadores durante todo

negócio, atualmente, pressupõe várias fases e avaliações

o processo.

periódicas. Após o preenchimento da apresentação da ideia de negócio ao “consultório de empreendedorismo” e do diagnóstico subsequente, há lugar a uma proposta de adesão ao programa de incubação “IEUA Start”, durante um máximo de 150 semanas


31

dossier

(ver esquema 2). Se aceite, inicia-se o programa IEUA Start. Dependendo da fase de desenvolvimento, poderá haver a passagem pela fase Pre start, de pré-incubação, ou avançar logo para a fase Start up, seguindo-se as fases Start play e Start go. As empresas que concluem este processo com sucesso estão capacitadas para desenvolverem a atividade autonomamente, podendo, ainda, “alavancarem-se” através do programa IEUA Graduate, ao longo de um período máximo de 100 semanas. As 17 empresas em incubação na IEUA, a 31 de dezembro de 2013, garantiam 100 postos de trabalho, quase o dobro de 2012, e registavam um volume de negócios de quase 4 milhões de euros. Alcançou em três anos um crescimento exponencial de um número de empresas em incubação (+231%), do volume de negócio (+681%) e do número de postos de trabalho criados (+370%). Trata-se de toda uma estratégia que tem vindo a ser construída nos últimos anos que consolida uma dinâmica assente desda a génese da instituição – o primeiro curso começou logo em articulação com uma empresa, a Portugal Telecom – e na estrutura orgânica da UA, também considerada influente nestes resultados pelo Vice-Reitor da UA. As Plataformas Tecnológicas que têm vindo a ser apresentadas – Agroalimentar, Alta Pressão, Mar, Moldes e Plásticos, Comunidades Inteligentes, já apresentadas, e as previstas nas áreas Esquema 2: programa de incubação da IEUA

de mobilidade suave, bicicleta, Design Thinking e Habitat – são a tradução, no concreto, da relação da UA com o

determinado setor. As Plataformas são

espécie de “corolário desta estratégia de

tecido económico nos vários setores ou

redes e estruturas informais, sobretudo de

longo prazo que a UA tem vindo a seguir”,

fileiras. “A UA criou os departamentos

valorização dos intangíveis, competências

assinala Carlos Pascoal Neto. “Passamos

para as necessidades pedagógicas, as

e recursos humanos, que já existem e

a ter uma estrutura em que a UA tem uma

unidades investigação para investigação,

trabalham em conjunto para responder às

presença muito forte, parte integrante

mas o mundo mudou e há necessidades

necessidades do mercado”, explica José

do campus, em proximidade física e

do exterior que requerem respostas

Paulo Rainho.

contiguidade, que são fundamentais, que

multidisciplinares para as soluções de

reforça a relação da UA com as empresas

mercado, respostas que já não dependem

O Creative Science Park – Aveiro Region,

e a região, promove a inovação e o

tanto de um só departamento, mas de

gerido pela Sociedade Anónima PCI –

crescimento económico.”

equipas multidisciplinares focadas num

Parque de Ciência e Inovação, é uma


linhas

maio 2014

Música: esse grande coração! O entusiasmo com que toda a plateia da pequena sala se levantou a aplaudir a atuação, associado ao genuíno agradecimento de uma das vozes da assistência, em nome dos que “amarguram” na prisão expressavam a importância que a música pode desempenhar, para além das funções que lhe são habitualmente atribuídas. Música na comunidade… e no coração, dir-se-ía. O conceito tem vindo a ser estudado e trabalhado por um grupo do Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro.


33

investigação

Entre os convidados para o espetáculo estava também a estudante de doutoramento Inês Lamela que tem vindo a trabalhar com reclusas em Santa Cruz do Bispo (EPESCB). Inês Lamela e Pedro Costa, com orientação de Paulo Maria Rodrigues, têm vindo a construir um corpo de conhecimento e de práticas, na UA, em que a música desempenha funções sociais e psíquicas para além das que habitualmente lhes estão associadas, envolvendo públicos com necessidades específicas. O docente de Música no Departamento de Comunicação e Arte (DeCA), um agrónomo doutorado pela Universidade de East Anglia em Bioquímica e Genética Aplicada que optou por aprofundar a formação adquirida em Canto no Conservatório de Lisboa, foi responsável pelo Serviço Educativo da Casa da Música até 2010 e autor de diversas criações no âmbito da chamada “música na comunidade”. É compositor residente da Companhia de Música Teatral, tendo criado recentemente a “constelação” “Anatomia do Piano” (que além do espetáculo homónimo inclui ainda a instalação “Pianoscópio”, ambos dedicados aos mais jovens), e várias peças do projeto “Opus Tutti”. Na UA foi responsável pelo projeto "Bach2Cage", que entre 2001 e 2003 teve um espetáculo em digressão pelo país, e mais recentemente pelo “Projeto X”. Paulo Maria Rodrigues estudou em Londres, na Royal Academy of Music, onde realizou uma pós-graduação em Ópera. Ainda em Inglaterra, participou como cantor em inúmeras óperas, concertos e recitais; em Portugal, foi membro do Coro de Câmara de Lisboa e do Coro Gulbenkian. Na área da composição, Paulo Maria Rodrigues foi premiado no Concurso de Jovens Compositores da Juventude Musical Portuguesa, passando a dedicar-se à composição durante os Paulo Maria Rodrigues, Inês Lamela e Pedro Costa junto a um piano

seus estudos em Inglaterra, sob a orientação de Rolf Gehlhaar.

desconstruído usado em "Pianoscópio"

Música como veículo para reorganização pessoal O “Projeto X”, citando o texto de apresentação, parte do princípio segundo ao qual “as atividades educativas nos O espetáculo no Estabelecimento Prisional de Aveiro (EPA)

estabelecimentos prisionais são instrumentos importantes

decorreu a 20 de fevereiro de 2013, por ocasião do 20º

para o processo de reeducação. As experiências musicais,

aniversário da Magna Tuna Cartola, e nele participaram

em particular, são ferramentas para a (re)construção da

ativamente alguns reclusos do EPA, para além dos músicos e

individualidade e para a ligação do ser humano com o mundo

amigos da “Cartola”. Participou também um grupo ligado aos

exterior, e a música tem a capacidade de poder chegar todos

cursos de Música do Departamento de Comunicação e Arte da

os indivíduos, independentemente da sua condição social,

UA, que tem vindo a realizar vários projetos na comunidade, e

idade, género ou cultura. Está largamente documentado o

um grande conjunto de atividades e de criações que envolvem

poder da música em contexto prisional enquanto promotor de

música dirigida a públicos específicos.

bem-estar, desenvolvimento humano e meio reconciliador de culturas, funcionando como um mecanismo de recuperação/

Entre os músicos desse espetáculo estava Paulo Maria

reorganização pessoal”.

Rodrigues, docente da UA que há anos tem vindo a trabalhar o conceito de “música na comunidade”, e Pedro Costa, membro

Com a disciplina de Música, Comunidade e Educação, uma

da Magna Tuna Cartola que apresentou recentemente uma

opção no plano curricular do Mestrado em Música, os alunos

dissertação de mestrado nesta área, na qual o workshop e

têm a oportunidade de realizar trabalhos de música na

subsequente espetáculo da “Cartola” foi uma das ações.

comunidade. "O Projeto X" pretende articular e aprofundar as


linhas

maio 2014

Como já lhe explicaram as reclusas, as aulas de piano são vistas como recargas de autoestima e de ânimo para enfrentar as agruras do dia-a-dia numa prisão. Também no caso de Pedro Costa e do trabalho no Estabelecimento Prisional de Aveiro as expectativas foram superadas, resultando num grande envolvimento dos reclusos, na construção de algumas composições próprias e na gravação de um CD que acaba por ser mostrado a amigos e familiares dos reclusos. A música neste caso, sublinha Pedro Costa, funciona como meio para dar empowerment aos participantes, ou seja, para lhes dar esperança e fazer com que acreditem novamente. O papel do “chuvador” e do “chilreador” Nas criações de Paulo Maria Rodrigues são também comuns as atividades e espetáculos especialmente dirigidos a crianças e no seu léxico surgem termos como "música cénica" e "teatro musical" que definem a amplitude das estéticas exploradas pela Companhia de Música Teatral. Ou instrumentos como o “rugidator”, o “chuvador”, ou o “chilreador”, construídos e usados pelas próprias crianças. “Opus Tutti” é um projeto artístico e educativo que visa a "Anatomia do Piano" nos Festivais de Outono

conceção de boas práticas de intervenção na comunidade dirigidas à infância e primeira infância e que conta com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian. Integra ações dirigidas

valências desenvolvidas quer no DeCA, quer no EPESCB e

a diversos públicos-alvo para criar modelos de trabalho

no EPA, cruzando estes três universos na construção de uma

direcionados à primeira infância, oferece oportunidades de

experiência profunda de música na comunidade. O projeto

fruição artística e interação social, desenvolve modelos de

desenvolve-se em três núcleos autónomos numa primeira

formação “imersiva” e “implosiva” na área artística e intervem

fase, que depois se encontram numa segunda, que dá origem

ao nível das práticas culturais e educativas das famílias e

a apresentações públicas onde o palco é partilhado por

profissionais de forma a contribuir para o seu sucesso e

reclusos do EPA, reclusas do EPSCB e alunos da UA. “No

enraizamento social. O Jardim de Infância do Roseiral, em

universo hermético que é cada um dos estabelecimentos

Lisboa, tem vindo a servir de unidade piloto deste projeto,

prisionais, o poder emocional da música enquanto ferramenta

onde se testa a reação do público – as crianças – às propostas

de desenvolvimento humano é singular: cataliza emoções, abre

criativas que vão sendo idealizadas.

canais de comunicação e interação entre indivíduos fechados ao mundo e sobre si mesmos, dá uma identidade única a cada

Para além de “Anatomia do Piano”, “AliBaBach”, “Andakibebé”

participante”, explica-se num texto sobre o "Projeto X".

ou “Bebé PlimPlim” apresentados em festivais nacionais

Na perspetiva dos músicos, estas experiências são um desafio

e internacionais e na UA, no âmbito da Semana Aberta da

à “formatação” do habitual ensino musical de conservatório

Ciência e Tecnologia e dos Festivais de Outono, outro projeto

e de escolas de música e apelam a aptidões mais fundas,

emblemático é o “Gamelão de Cerâmica e Cristal”, exposto e

considera Paulo Maria Rodrigues; tudo a ver com a “relação

experimentado nos jardins da Gulbenkian, no Museu de Aveiro

entre a música e as pessoas”, portanto…

e no Centro Cultural de Belém. O instrumento resulta de uma parceria entre o DeCA, o Departamento de Engenharia de

No trabalho individualizado, à volta do piano, que tem vindo a

Materiais e Cerâmica da UA e a Vista Alegre.

fazer com quatro reclusas de Sta. Cruz do Bispo, no âmbito do seu doutoramento, Inês Lamela não partiu de um programa

O escritor António Lobo Antunes disse um dia que “o

pré-definido, resultando antes de uma conjugação entre a

objetivo da educação é dotar as pessoas com instrumentos

vontade das alunas e o que tem para lhes ensinar. Algo que

de construção de felicidade para a vida”. A frase inspira

a doutoranda considera extremamente gratificante, sendo

assumidamente o projeto Opus Tutti, mas também, de certo

recebida com sinais de grande simpatia e de agradecimento.

modo, todas as outras atividades de música na comunidade.


35

investigação

Programa Doutoral da UA e UMinho forma primeiros doutorados

Investigação-ação de Estudos Culturais alarga-se ao empreendedorismo no terceiro setor

Uma espécie de novo ecossistema académico de investigação e ação começou a estruturar-se há quatro anos, em torno da cultura e das suas muitas possibilidades de estudo e intervenção, tal a diversidade dos elementos que constituem o Programa Doutoral e as redes que tem vindo a estabelecer. O estudo das questões culturais alarga-se agora ao empreendedorismo no terceiro setor.


linhas

maio 2014

Culturas em diálogo nos Estudos Culturais: simbologia amazónica no quatrocentista claustro do Museu de Aveiro.

É como se de uma “conceção ecológica”

com todas as condições para abrir uma

na UA, é o “espectro muito largo”

de Programa Doutoral se tratasse,

novíssima abordagem aos estudos da

onde confluem um vasto leque de

ou seja, um ambiente académico de

cultura em Portugal, superando uma visão

áreas do saber, tanto ao nível do

investigação, expressão usada pela

clássica, quase estereotipada, das ciências

corpo docente, quer da formação

coordenadora na UA e professora do

sociais e humanas sobre a relação entre

académica dos estudantes, o que

Departamento de Línguas e Culturas,

a cultura e a sociedade”, considera outro

implica equipas muito coesas na

Maria Manuel Baptista, dado que os

aluno, Manuel Costa, diretor da Biblioteca

orientação das teses concebidas à

doutorandos imergem num ambiente

da Póvoa do Varzim, num testemunho

medida dos interesses e da experiência

diverso e dinâmico. Associados ao

incluído no trabalho de pós-doutoramento

de cada doutorando. Tal como a “alta-

Programa estão uma rede de instituições

-costura” concebe “vestuário à medida”,

e espaços culturais, jornadas, congresso

40 ANOS DE LIBERDADE

graceja Maria Manuel Baptista. Neste

anual, revista digital bilingue e uma

EM CONGRESSO

Programa Doutoral confluem não só

página Internet, numa permanente

O IV Congresso Internacional em Estudos

a comunicação e a sociologia, áreas

atitude de troca entre diferentes

Culturais: Colonialismos, Pós-colonialismos e

naturais da Universidade do Minho,

percursos académicos e diversas

Lusofonias decorreu no Museu de Aveiro, no

como as humanidades, que constituem

experiências de vida.

final de abril, foi marcado pelos 40 anos da Re-

o contributo direto da Universidade de

volução dos Cravos, e precedido por um ciclo

Aveiro, mas também a arte e história

Os primeiros “organismos vivos”

de curtas-metragens intitulado “A Liberdade

de arte, a antropologia, o jornalismo, a

deste ecossistema, os primeiros

que Temos”, em parceria com o Cineclube de

animação cultural, entre várias outras.

doutorandos, estão agora a sair do

Avanca e a recém-criada IRENNE, ONG para

ambiente de ensino-investigação

promoção do empreendedorismo na área de

Os títulos das teses, algumas já

e começam a demonstrar as suas

Estudos Culturais.

defendidas, são os mais diversos: “A

aptidões na investigação, na gestão e

importância das religiões na literatura

programação cultural, na comunicação,

moçambicana”; “Envelhecimento e

na estruturação de políticas culturais,

em Estudos Culturais de Wladilene Lima.

luto em idosos institucionalizados”;

na criação artística, na educação e,

Esta encenadora, atriz e cenógrafa, mas

“Identidade nacional no cinema de João

dentro de pouco tempo, também no

também professora e investigadora na

Canijo”; “Políticas públicas para a cultura

empreendedorismo social.

Universidade Federal de Belém do Pará,

– o caso de Serralves”, entre outros.

Brasil, conduz um estudo sobre a formação O Programa Doutoral em Estudos

de investigadores nesta área em Portugal.

Culturais nasceu num ambiente de

Os participantes chegam ao Programa com formação académica em todas

multidisciplinaridade através de uma

Espectro largo de saberes,

essas áreas e procuram competências

parceria entre as universidades de Aveiro e

orientação focada

de investigação e reflexão nas áreas em

do Minho. “Este é o primeiro doutoramento

Um dos pontos fortes do Programa

que já trabalham, mas também buscam

verdadeiramente em Estudos Culturais,

Doutoral, na perspetiva da coordenadora

maiores competências para ação cívica


37

investigação

e política. “Eu acho que quem estuda no

e órgãos diretivos é composta por

O caso das rotas museológicas na

Doutoramento de Estudos Culturais ou

alunos e professores do Programa

região de Aveiro, estruturadas por Sara

mesmo trabalha na investigação na área

Doutoral em Estudos Culturais UA/

Vidal Maia, também doutoranda, são

de Estudos Culturais, vem com vontade

UMinho. A atividade da IRENNE

um caso curioso de empreendedorismo.

de adquirir essa densidade da ação

visa compreender mais e melhor as

Os conteúdos foram concebidos e

política mesmo, com esta perspetiva

sociedades e os cidadãos, bem como

podem ser disponibilizados para uso dos

de intervenção.”, explica a escritora

os lugares de conflito e as relações

interessados em diversos suportes. Uma

brasileira e investigadora Anne Ventura,

de poder que aí se desenvolvem, para

empresa de Coimbra está a preparar

uma das alunas do Programa Doutoral

propor e implementar estratégias de

uma plataforma para disponibilizar os

em Estudos Culturais.

reequilíbrio e diminuição da violência

conteúdos na Internet. Sara Maia procura

e da exclusão. Por isso a IRENNE

neste Programa Doutoral o debate que

Anne Ventura é uma das doutorandas

privilegia projetos de investigação-ação

resulta da multidisciplinaridade depois

brasileiras, entre vários outros de países

multidisciplinar com ênfase nos estudos

da passagem pela História de Arte e pelo

lusófonos, expressão do “forte vínculo

culturais, sociais, e artísticos, mas em

mestrado em Gestão e Planeamento em

com a Lusofonia”: para além da revista

colaboração transversal com todas as

Turismo, ramo Turismo e Cultura na UA:

(que é lusófona), dos congressos, livros

áreas do conhecimento científico. As

“Eu venho da História da Arte, passo

e artigos já publicados em colaboração

estratégias de ação passam pelas artes

pelo Mestrado em Turismo Cultural,

com investigadores lusófonos, há alunos

performativas, comunicação e TIC,

mas não queria ficar presa numa área

de Portugal, Brasil, Cabo Verde, Angola,

audiovisual, de entre outras linguagens.

específica, queria um doutoramento que

Moçambique e até de língua materna

me permitisse conjugar várias áreas.

inglesa e francesa, a quem foram

E a multidisciplinaridade dos Estudos

atribuídas bolsas FCT, mas também

Culturais permite precisamente isso.”

financiados pelos organismos de apoio à investigação dos seus países, “num

Ao Programa Doutoral está ainda

claro reconhecimento da relevância e

associada uma rede de espaços

qualidade deste Programa Doutoral”,

e promotores culturais. A Rede de

considera a coordenadora na UA.

Estudos Culturais, assim designada, envolve instituições do Norte e Centro

Preparar empreendedores para o terceiro setor

do país e mais duas de abrangência Anne Ventura

nacional – Culturgest e Fundação

No próximo ano letivo vai iniciar-se

Calouste Gulbenkian. Pretende-se,

uma nova disciplina: trata-se de

explica Maria Manuel Baptista, que

empreendedorismo cultural e social,

contribua para a divulgação de eventos,

com a colaboração do Departamento de

para o estudo e reflexão sobre questões

Economia, Gestão e Engenharia Industrial

culturais em estreita articulação com o

da UA, para dotar os participantes do

Programa e ainda para a realização de

Programa Doutoral de competências

estágios doutorais.

ao nível do chamado terceiro setor, contribuindo também para uma

O Programa Doutoral em Estudos

colocação mais fácil no mercado de trabalho nos casos em que os doutorando

Culturais – UA/UM, que no próximo ano Manuel Costa

ainda não têm ocupação profissional.

lectivo entra na sua 5ª edição, conta já com mais de uma centena de alunos em doutoramento, estágio doutoral

É neste âmbito que surge, na esfera

e pós-doutoramento, envolvendo de

dos Estudos Culturais, a primeira spin

cerca de seis dezenas de docentes de

off, designada IRENNE – Associação

ambas as universidades, bem como

de Investigação, Prevenção e Combate

de duas dezenas de investigadores

à Violência e Exclusão. Trata-se de

internacionais que co-orientam as

associação de direito privado sem fins

investigações em curso. Entre os alunos

lucrativos que pretende apoiar projetos

está o aluno mais idoso da UA: Brasilino

e impulsionar o empreendedorismo

Godinho, de 86 anos.

na área do terceiro setor e cuja equipa

Sara Vidal Maia


linhas

maio 2014

UNAVE e UINFOC unem-se em prol da excelência na formação contínua

Valoriza-te: vem, vive e volta Há 28 anos no mercado da formação contínua, a Associação para a Formação Profissional e Investigação da Universidade de Aveiro (UNAVE) está a associar a sua longa experiência ao vasto know-how da Unidade Integrada de Formação Continuada (UINFOC), em matéria de creditação de formações, de modo a dar forma – e conteúdo – ao conceito de “University Lifelong Learning”, entendido como aprendizagem ao longo da vida de nível universitário. Daí, o lema: "Valoriza-te: vem, vive e volta".

Centrada na oferta de formação contínua de nível universitário, com o selo de

A equipa da UNAVE, afirma José Alberto

qualidade e a excelência do ensino da Universidade de Aveiro, a equipa da UNAVE/

Fonseca, está ciente de que existem

UINFOC, liderada, desde dezembro do ano passado, por José Alberto Fonseca –

arestas por limar, mas muito trabalho já

docente no Departamento de Eletrónica, Telecomunicações e Informática da UA

foi feito desde a sua nomeação. Algumas

–, está apostada em proporcionar aos formandos todas as condições, no seio da

ideias foram surgindo e vários projetos

instituição, para que se sintam "verdadeiramente em casa", salienta o diretor.

estão a decorrer com o intuito de


39

ensino

proporcionar aos formandos o acesso às

diferentes áreas científicas – e muito

pessoal, como, por exemplo, nas TIC”.

mesmas ferramentas e infraestruturas de

diversas.

“Esta é uma aposta estratégica para

que dispõem todos os estudantes da UA.

a UNAVE por se tratar de uma área a A proposta de ações de formação

que os professores são habitualmente

De forma a potenciar a ligação "que se

transversais a várias áreas do saber

expostos, durante a sua formação

pretende cada vez mais forte e transversal

passa, assim, a ser uma constante da

inicial”, argumenta José Alberto

entre a oferta formativa da UNAVE e as

oferta formativa da UNAVE, sendo que

Fonseca, acrescentando ainda que “a

múltiplas áreas científicas da UA", José

o acesso a bibliotecas e mediatecas,

formação com imersão nas empresas é,

Alberto Fonseca escolheu uma equipa

onde é possível consultar informação

pois, um objetivo a alcançar.”

pluridisciplinar, constituída por pessoas

específica ou mais abrangente, a

com formações diversas, com qualidades

laboratórios e demais infraestruturas

Créditos ECTS para ações de formação

e caraterísticas que se complementam.

disponíveis no campus é uma mais-

Entretanto, a UNAVE, através da

-valia para este tipo de formação.

UINFOC, está a dar os primeiros passos

José Alberto Fonseca é proveniente da

Transversalidade que a direção pretende

no sentido de poder vir a atribuir créditos

área das engenharias e tem ligações ao

estender para além dos limites físicos

de formação universitária (ECTS) às

mundo empresarial; Luís Miguel Ferreira é

da UA, conquistando-se a comunidade

ações de formação contínua que não

docente do Departamento de Economia,

envolvente, através do estabelecimento

conferem grau académico.

Gestão e Engenharia Industrial e tem

de protocolos de colaboração e

um forte vínculo à área da gestão de

parcerias estratégicas com empresas,

Esses ECTS poderão, mais tarde,

cadeias de abastecimento; Maria Eugénia

escolas e outras entidades formadoras,

ser utilizados pelos formandos, na

Pereira é docente do Departamento de

com municípios e respetivas associações

eventualidade de ingressarem numa

Línguas e Culturas e detém uma larga

regionais, ou de fim específico, e

licenciatura ou num mestrado da UA.

experiência na coordenação de cursos

movimentos associativos.

livres e de formações de Português

Por forma a contrariar eventuais inibições

Língua Estrangeira; e Lucília Santos é

no momento do ingresso ou no regresso

docente do Departamento de Física,

A UNAVE está a dar os

à Universidade, os formandos da UNAVE

possui uma inigualável experência na

primeiros passos no sentido

vão passar, muito em breve, a usufruir

ligada, há anos, à investigação na área do

de poder vir a atribuir

de complemento à formação, situado no

“University Lifelong Learning”.

créditos de formação

centro da cidade de Aveiro.

Pessoas e empresas

universitária (ECTS) às

O conhecimento da realidade física e

Focada nas pessoas e nas necessidades

ações de formação

a identificação dos formandos com a

da UNAVE contempla três áreas

contínua que não conferem

é outro desígnio da UNAVE, pelo que

fundamentais – comportamental, técnica

grau académico.

a receção aos novos alunos incluirá,

formação contínua de professores, e está

das empresas, a nova oferta formativa

e cultural – e três regimes –presencial, blended-learning e e-learning –,

de um novo espaço, destinado a ações

cultura da instituição que frequentam

sempre que possível, afirma José Alberto Fonseca, visitas ao Campus

multiplicando, deste modo, a liberdade

“Paralelamente, estamos, por exemplo,

Universitário de Santiago, conhecido

de escolha dos formandos.

a preparar ações de formação

pela sua arquitetura única e assinada

mais técnicas, direcionadas para a

pelos melhores arquitetos nacionais, aos

A transversalidade é outra das marcas

reconversão profissional de professores,

laboratórios e demais espaços da UA

que a equipa de gestão da UNAVE

uma classe profundamente afetada

(ver texto na secção Campus Exemplar

pretende introduzir na sua oferta

pelo desemprego, já que a oferta é

neste número da Linhas), dos quais

formativa, promovendo o envolvimento

nitidamente superior à procura”, refere

poderão vir a usufruir.

dos diversos departamentos da UA –

José Alberto Fonseca.

embora não se pretenda abandonar

No dizer do presidente da direção da

a formação em áreas específicas,

Para o presidente da Comissão

UNAVE, “a relação entre a instituição

fortemente especializadas.

Executiva da UNAVE, faz sentido “fazer

e as pessoas é fundamental”, quer-se,

a reconversão de professores em

pois, continuada e em linha com o lema

Estranho seria isso não acontecer numa

áreas onde, nas empresas com quem

“Valoriza-te: vem, vive e volta”, que a

universidade que reúne saberes de

a UA trabalha de perto, existe falta de

UNAVE ostenta.


linhas

maio 2014

Reitor da UA inicia segundo mandato

Manuel António Assunção sonha com uma Universidade Cívica

Reeleito Reitor da Universidade de Aveiro, Manuel António Assunção acredita que ter sido candidato único pode refletir, de alguma forma, o reconhecimento do trabalho feito. Para enfrentar os grandes desafios do mandato iniciado, não se cansa de insistir no reforço da qualidade da investigação e do ensino e da ligação à sociedade, da internacionalização e na necessidade de falar mais inglês no campus. Não esconde que gostaria que o conhecimento das universidades estivesse mais presente na sociedade e na formulação e concretização das políticas e confessa o sonho de uma Universidade Cívica. Com um gosto especial por plantas e bicicletas, Manuel Assunção tem esperança que, no Verão, possa vir mais vezes sobre duas rodas para a UA.


41

entrevista

No contexto atual de incerteza de

demográfica: onde pode e deve a UA

recorrendo ao estatuto referido, é um

dificuldades de gestão orçamental

ir buscar os seus alunos para manter

dos elementos importantes, se bem

– redução da dotação que vem da

os níveis de qualidade, tendo em

que o tempo de preparação disponível

administração central e consequente

conta que para isso é preciso escala

para este ano letivo que se avizinha

redução de despesas para acomodar

mínima? Os alunos estrangeiros

seja muito escasso. A política de língua

os cortes, com reflexos nas verbas

podem ajudar? O Estatuto do

que preconizo inclui mais aulas em

destinadas a manutenção de

Estudante Internacional pode vir

inglês, que funciona como fator de

infraestruturas, por exemplo –,

a cumprir esse objetivo? Se assim

atração para estudantes provenientes

é preciso coragem para, se

for, é preciso haver mais aulas em

de algumas áreas do globo; mas isto –

candidatar a um novo mandato! Terá

inglês… (Entre os seus objetivos

adquirir mais competências em inglês

sido por estas dificuldades que não

consta “Mais UC em língua inglesa

-, é também muito relevante para os

surgiram outras candidaturas, ou

(80% no 3º ciclo, 30% nos mestrados,

estudantes nacionais, um requisito

porque é institucionalmente aceite

mobility windows de ≥ 30 ECTS

praticamente indispensável. Contudo,

que deve haver um segundo mandato

no 1º ciclo)”).

a questão das línguas não se esgota

de cada reitor?

aqui: a possibilidade de proporcionar A questão demográfica tem duas

aos estrangeiros que nos escolhem

Cada pessoa, neste contexto de

componentes: uma quebra no número

um domínio da língua portuguesa é

abertura e de possibilidade de

de jovens em idade de ingressar no

uma mais-valia com crescente procura

candidaturas de professores ou

ensino superior, que já ocorreu, e uma

internacional, que devemos valorizar

investigadores, de várias proveniências,

outra que ocorrerá a prazo. No entanto,

como política e como fator de atração;

nacionais ou estrangeiros, fará a sua

se tivermos em consideração que dois

de modo análogo, proporcionar uma

avaliação. Eu apenas posso referir os

terços da população que conclui o

aprendizagem de uma outra língua

motivos da minha recandidatura: dar

9.º ano não acede ao ensino superior,

estrangeira, seja o russo, o chinês, o

continuidade ao percurso que a UA vem

vemos que há uma considerável

árabe, ou outra, tem cada vez mais valor

fazendo há quatro anos; dar sequência

margem de atuação para aumentar

no mundo global em que nos movemos,

a diversas linhas de atuação destes

a frequência do ensino superior,

e deve ser posto crescentemente ao

últimos quatro anos, que permitiram,

essencial, aliás, para aproximar o

serviço dos nossos estudantes.

por exemplo, proceder a um significativo

nível de qualificação dos portugueses

reequipamento científico e recrutar

do resto dos europeus. Mas há

investigadores, através do MaisCentro,

outra questão, talvez mais profunda,

contribuindo assim para minorar o efeito

que é a conjugação da distribuição

Que reflexos práticos teve a

da redução do número de posições de

geográfica da população com o facto

readaptação às novas exigências

Investigador FCT. Mas também, olhando

das universidades, designadamente por

orçamentais? Foi apenas na redução

para o futuro, afirmar a UA como

razões económicas, recrutarem na sua

das despesas de manutenção e

escola reconhecida de pós-graduação,

região envolvente a grande maioria dos

subsequente degradação em alguns

contribuir para que a UA aproveite

estudantes. E, neste aspeto, a UA sofre

aspetos das instalações, como já

da melhor formas as oportunidades

os efeitos de estar inserida uma bacia

referiu? Conseguiu-se “cortar nos

que os programas 2020 representam

de recrutamento muito menor que as do

anéis e poupar nos dedos”?

e torná-la ainda mais internacional,

Porto, Minho ou Lisboa, nomeadamente.

atraindo mais estudantes estrangeiros,

UA RESISTE AOS “ABANÕES”

Desde muito cedo introduzimos uma

proporcionando mais oportunidades

As estratégias de captação de

estratégia de grande rigor em termos

de mobilidade à Comunidade UA,

alunos são várias mas passam todas,

de gestão de recursos humanos, com

participando de forma mais ativa nas

necessariamente, por uma oferta de

alguma redução na massa salarial

redes já estabelecidas, criando novas

grande qualidade, em todas as áreas.

global da UA, delegando nos Diretores

parcerias estratégicas. Ter sido o

Claro que há vários instrumentos de que

responsabilidades neste domínio.

único candidato interno talvez possa

temos que tirar melhor partido, desde

Também houve ajustes noutras

representar também, de alguma forma,

o dar a conhecer o que fazemos, e

despesas e aqui importa elogiar o

o reconhecimento do trabalho feito no

sobretudo o que fazemos de diferente,

comportamento da UA no seu todo.

primeiro mandato.

a melhorar as nossas condições de

De facto, a grande consequência

acolhimento e a programas de estímulo

da redução continuada, ao longo

Nos desafios expressos no Programa

ao recrutamento dos melhores alunos.

de anos, da dotação orçamental

de Ação 2014-2018, refere-se à crise

O trabalho na frente internacional,

real, incidiu nas outras despesas


linhas

maio 2014

de funcionamento. Isto porque foi

um número significativo de edifícios

A UA tem estado a par, com outras

necessário optar, e a nossa opção foi

e orgulhamo-nos de ter sido possível

universidades portuguesas, nos

não deixar de realizar investimento no

não descontinuar nenhuma atividade

principais rankings internacionais, não

reequipamento científico - replicando

essencial no cumprimento da missão

só no THE, mas no de Leiden, no de

de algum modo o programa Ciência

da universidade, aí incluindo as

Taiwan ou no mais recente U-Multirank,

de três décadas atrás - porque

componentes da intervenção cultural e

promovido pela União Europeia. Aliás,

entendemos ser uma das condições

da divulgação científica.

em termos de valor absoluto, temos

"A área dos materiais

A UA surge pelo terceiro ano

A área dos materiais, por exemplo,

consecutivo no ranking THE

situa-se em 20.º lugar na Europa. E se

da UA, por exemplo,

para as universidades com menos

se reparar, as melhores universidades

situa-se em 20.º lugar

de 50 anos, ocupando a segunda

portuguesas aparecem, sempre,

posição entre as universidades

muito próximas umas das outras.

na Europa".

portuguesas. Lembro-me de

Trata-se de um aspeto muito positivo

o Reitor ter dito que a boa

para o ensino superior português (o

necessárias de sustentabilidade

prestação a UA e outras instituições

ranking de Melbourne coloca-o no

no médio prazo. Não fazê-lo seria

portuguesas de ensino superior se

24.º lugar mundial), transmitindo uma

comprometer o futuro! A redução em

devia a um aposta consistente e

imagem muito positiva do que se faz

mais de 30% das outras despesas

continuada na ciência nos últimos

em Portugal e funcionando como

de funcionamento foi conseguida

anos e que ainda deu frutos até há

um elemento de atratividade. Cada

quer à custa da eliminação de alguns

um ou dois anos atrás. Será que as

ranking tem a sua metodologia própria

desperdícios (há que reconhecê-lo) ou

dificuldades orçamentais recentes

e deve ser, naturalmente, analisado em

de despesas de segunda prioridade,

já se estão a refletir nas avaliações

conformidade. Dando a devida atenção

quer através de um maior integração

mais atuais, nomeadamente na

aos rankings há que não lhe atribuir

entre ensino e investigação, quer,

última? Como manter – ou melhorar

importância excessiva. Há elementos

ainda, pela redução nas despesas de

– os níveis de qualidade neste

relacionados com a reputação que têm

manutenção, “os anéis”, já referidas.

contexto e voltar à posição cimeira

um peso significativo no ranking do THE

Apesar de tudo conseguimos reabilitar

que a UA já teve?

e outros aspetos que requerem trabalho

melhorado os nossos indicadores.


43

entrevista

ao longo de um tempo significativo.

No mandato que terminou o que terá

instituições de ensino superior têm

Um dos elementos comuns à maioria

corrido menos bem e o que acha que

pela frente, nomeadamente o desafio

dos rankings é a qualidade da

poderia ter corrido melhor?

demográfico?

do número de citações que cada

Há sempre aspetos que poderiam ter

Defendo que cada instituição deve ter

publicação científica recolhe; e aqui

corrido melhor. Uma das questões

o seu projeto próprio, a sua identidade.

é preciso uma atenção permanente e

que muitas das pessoas referem

No projeto UA fez sentido, e continua

redobrada para manter o nível onde nos

é a necessidade de melhorar a

a fazer, construir e desenvolver uma

situamos, promovendo o impacto da

comunicação interna, em particular

rede regional de ensino, de cooperação

investigação e valorizando, cada vez,

sob este novo modelo de governo e

e, crescentemente, de investigação,

mais a qualidade do que se publica

gestão, com órgãos de menor dimensão

como forma de mobilizar as valências

e as revistas onde se publica. Um

e processos de decisão com menos

da UA para responder às necessidades

decréscimo na nossa posição relativa,

intervenientes. É algo que merece uma

da região e do País, e delas tirar mais

que pode ser pontual, não deixa de

atenção particular mas que requer a

partido. Esta organização permite

constituir uma chamada de atenção e

participação de todos: a comunicação

colocar alternativas mais diversas

um elemento de reflexão. Por outro lado

não tem, não deve ter, um único

aos estudantes, não só no momento

é claro que nós, como a generalidade

sentido. Pretendemos também reforçar

inicial de escolha, mas ao longo

por um retorno demasiado incerto.

a vertente da qualidade em todos os

de todo o seu percurso formativo.

Nenhum país desenvolvido tem as

domínio da missão da Universidade e

Simultaneamente, permite oferecer

nossas taxas de alteração dos termos

nos serviços de apoio, algo que não

diferentes perfis aos empregadores,

de referência com que nos governamos.

foi possível dinamizar com a rapidez e

bem como dinamizar uma rede que

os meios que desejaríamos. E temos,

se estende a todas as atividades. Foi

A tutela já afirmou publicamente que,

todos, que ter sempre a humildade de

o caminho que escolhemos, no qual

na essência, este será um regime para

reconhecer que em muitos aspetos se

continuamos a acreditar e para o qual

manter. Naturalmente não esquecemos

poderia ter feito diferente e melhor.

vimos trazendo um número sempre

investigação produzida, aferida através

das universidades em Portugal, temos muito trabalho pela frente em matéria de sucesso escolar e no que respeita ao número de anos que os estudantes demoram a terminar os cursos. MELHORAR NOVO MODELO DE GOVERNO E GESTÃO Que balanço faz da gestão sob o regime fundacional? Deve manter-se? Tenho afirmado repetidamente, em público e em diversos círculos, que este regime, no que refere à autonomia, não deve ser alterado; ainda menos sem uma avaliação séria sobre a experiência destes últimos anos. Não devemos, em Portugal, continuar a mudar sem avaliar, porque isso é um processo em que se gasta imensa energia, tempo e dinheiro,

que a opção tomada foi devidamente

crescente de parceiros empenhados:

contratualizada com o Governo,

Esta vocação dupla da UA de ensino

autarquias, empresas, associações.

que este, ou melhor, os sucessivos

universitário e ensino politécnico tem

Mas é um caminho que exige, também,

governos, não cumpriram a sua parte

dado bons resultados? Aconselharia

uma cultura e motivações próprias,

e que, mesmo assim, a UA superou os

a outras instituições, tendo em

que foram sendo apuradas, e que não

objetivos estipulados.

conta os grandes desafios que a

resultaria por decreto.


linhas

Já disse que é necessário clarificar a solução de Cursos Superiores Tecnológicos que está proposta para o ensino politécnico… Clarificar em relação à oferta de CET que poderão ser oferecidos fora do ensino superior… Mas, em princípio, concorda com a nova oferta. Que vantagens poderão vir dos Cursos Superiores Tecnológicos? A formação mais longa – dois anos em vez de 1,5 ano – poderá ser uma vantagem? Os TESP, novos ciclos de ensino superior curtos, poderão vir a ter o seu lugar próprio, à semelhança do que sucede noutros países. Gostaria que o processo tivesse sido conduzido de modo diferente, com um tempo que nos permitisse, eventualmente, pensar adequadamente numa oferta já para o próximo ano letivo e em que a diferenciação e as semelhanças entre CET e TESP fossem claras desde início, não apenas para as instituições, mas em especial para os potenciais estudantes e para os potenciais empregadores. Aliás, a coexistência dos dois tipos de cursos curtos não faz, quanto a mim, qualquer sentido. SAÚDE: TIRAR MAIS PARTIDO DO QUE JÁ EXISTE Dos objetivos estratégicos apresentados no Programa de Ação, entre outros, surge: agregar e consolidar a área da saúde. Que perspetiva tem para a área da Saúde na UA? “Agregar” e “consolidar” como? Tenho dito que a área da saúde é uma das áreas em que existe mais trabalho feito, mais competências e maior potencial na UA. A grande maioria dos nossos departamentos inclui investigação em saúde e investigação relacionada com a saúde mobilizando conhecimentos que vão desde a química e biologia, naturalmente, à física, à eletrónica, telecomunicações

maio 2014


45

entrevista

"O que proponho

aplicação. Mas muitas vezes este

de uma mesma área de interesse

(na Saúde) é tirar mais

conhecimento não é usado no debate

mútuo. A Plataforma Tecnológica

público, na formação e informação

para a Bicicleta e Mobilidade Suave

partido do que já existe

das populações, na formulação e

é um desses casos que congregará,

de forma ainda algo

concretização das políticas. É algo que

desde logo, a ABIMOTA e a Federação

depende muito da pró-atividade dos

Portuguesa de Ciclismo com gente

fragmentada, ganhando

docentes e investigadores, e que gostaria

nossa da Engenharia Mecânica, do

capacidade de trabalho

de ver reforçado. Algo que faz parte de

Design, das Políticas, dos Materiais,

um conceito de Universidade Cívica, que

do Desenvolvimento do Produto, etc.,

em conjunto".

tenho avançado. Ainda que tal compita

etc.; e é óbvio que me dará um gosto

com tantas outras solicitações que

especial o êxito, certo, desta iniciativa.

e informática, aos materiais, à gestão

enfrentamos e dependa, também, da

e às políticas públicas, ao ambiente,

própria recetividade dos interlocutores e

às línguas e à educação, não se

dos órgãos de comunicação social, bem

esgotando nesta lista. O que proponho,

como da dinâmica da sociedade de que

e esse foi o desafio que lancei a um

fazemos parte, devemos esforçar-nos por

grupo coordenado pelo Professor

assumir mais e melhor esse papel crucial

Que avaliação faz destes primeiros 40

Júlio Pedrosa, é tirar mais partido

de que falava o Prof. Veiga Simão.

anos da UA (com especial enfoque na

do que já existe de forma ainda algo

BALANÇO DE 37 DOS 40 ANOS DA UA

atualidade da academia)?

fragmentada, ganhando capacidade

Sabemos que tem uma grande paixão

A UA soube construir uma ideia

de trabalho em conjunto, escala e

pela bicicleta… E pelas plantas

coerente de Universidade que cresceu

visibilidade, para responder de forma

também… Consegue usar a bicicleta,

através de um processo evolutivo

melhor às necessidades da sociedade,

pelo menos ao fim de semana? Tem

sem descontinuidades. Um projeto

não só no presente, mas num futuro já

pena de não poder vir de bicicleta

que se baseou, desde o momento

muito próximo. E em que a utilização

para a UA? A Plataforma Tecnológica

inicial, na procura do pioneirismo e

integrada de conhecimentos de

da Bicicleta e Mobilidade Suave,

da complementaridade: fazer o que é

diferentes áreas é a chave. A UA já

em preparação, terá um significado

antecipado como necessidade, futura,

demonstrou fazer isto bem em muitos

especial para si…

da sociedade; e que as escolhas que

domínios. Entendo que é absolutamente

fazemos, em lugar de constituírem

prioritário fazermos isto em saúde e as

Eu tenho, realmente, uma grande paixão

repetições do que já há, possam trazer

Unidades de Investigação na área da

pela bicicleta, não só pelo pedalar com

algo de novo ao que o País já possui.

Saúde, entretanto candidatadas, são um

as minhas pernas mas também pelo

E realizar com a preocupação pela

exemplo, bom, desse tecer em conjunto

ciclismo, em geral. Costumo dizer que

qualidade de tudo o que fazemos e

que importa concretizar. E que não

aprendi a ler com as reportagens sobre

da gente que o faz: hoje como há 40

deixará de ter consequências benéficas

a Volta à França e a Volta a Portugal!

anos! Esse é o grande mérito da UA: ter

nas Unidades Prestadoras de Cuidados

As bicicletas e as plantas estão aliás

afirmado um projeto universitário, dos

de Saúde à nossa volta.

muito ligadas porque o ciclismo é um

melhores em Portugal e reconhecido

desporto de espaços abertos que

a nível mundial, em que muito pouca

José Veiga Simão disse numa

permite uma grande cumplicidade

gente acreditava 40 anos atrás! E cá

das últimas entrevistas que deu

com a natureza. E eu sou, ainda, o

estamos preparados para outras tantas

– publicada na revista Linhas

rapaz que nasceu e cresceu no campo.

décadas e mais.

nº20 – que “As universidades têm

Não ando de bicicleta tanto quanto

um papel crucial a desempenhar

gostaria e é, de facto, uma pena que

Que memória mais grata tem

na situação em que o país se

não haja boas condições para mais

destes anos?

encontra”. Concorda? Como pode ser

gente vir de bicicleta para o trabalho;

As memórias boas e gratificantes, em

desempenhado esse papel crucial?

no entanto, com a aproximação do

que se misturam afetos, realizações

Verão, vou passar a vir mais vezes.

pessoais e êxitos coletivos, são tantas

As universidades são instituições

Quanto às Plataformas Tecnológicas

que, honestamente, não consigo

especiais, trabalhando na fronteira

elas constituem um excelente meio

singularizar nenhuma: são 37 anos da

do que é humanamente conhecido,

para pôr em contacto, informal

minha vida, caramba!

debatendo, criando novo conhecimento,

mas estreito, gente da indústria,

transmitindo-o, fomentando a sua

professores e outros agentes, à volta


linhas

maio 2014


47

cooperação

"Connected Communities" parcerias para cidades sustentáveis

Pessoas e coisas, instituições e entidades públicas, tudo ligado, equipamentos que assumirão tarefas hoje humanas, sensores integrados no corpo, processamento de informação multimodal e redes sociais. O futuro está enunciado. Para organizar a resposta da Universidade de Aveiro (UA) a estes desafios da sociedade foi criada a Plataforma Tecnológica Comunidades Inteligentes/Connected Communities (PTCI).

A PTCI apresentada a 16 de maio, no âmbito do UA Innovation Clubbing, promovido pelo projeto Aveiro Empreendedor e em colaboração com o Parque de Ciência e Inovação (Creative Science Park – Aveiro Region), é a quinta parceria sectorial/temática a ser apresentada pela UA, organizando as competências para responder de modo mais eficaz aos desafios da sociedade do futuro. A PTCI inclui as várias valências da UA que exploram as Tecnologias da Informação, Comunicação Eletrónica (TICE) para respostas societais, tais como Mobilidade, Economia, Ambiente e Qualidade de Vida, enquadrando-as em estratégias de Políticas Públicas. Estas competências cobrem

- Ambiente e recursos naturais (smart environment), com gestão sustentável de recursos, prevenção de poluição, proteção ambiental; - Capital social e humano (smart people), melhorando a diversidade, criatividade e a participação na vida pública e associativa; - Qualidade de vida (smart living), com exploração das TICE para melhoria de equipamentos culturais, a qualidade de vida, saúde e segurança; - Gestão e governança das Comunidades (smart governance), englobando perspetivas e estratégias políticas, eficiência, transparência e participação comunitária nos processos de decisão.

vários Laboratórios Associados, Unidades de Investigação, Departamentos, Escolas e outras Unidades de Interface da Universidade de Aveiro. Tal como as restantes quatro Plataformas Tecnológicas já apresentadas (Mar, Moldes, Agroalimentar e Altas Pressões), a PTCI é criada para se assumir como parceiro dos polos e clusters a nível regional e nacional e terá um papel determinante no aproveitamento das verbas do próximo Quadro de Financiamento Comunitário – Portugal 2020. “This is not rocket science” A PTCI procurará informar as políticas públicas e conduzir ao desenvolvimento regional sustentável, articulando múltiplos

Neste enquadramento a PTCI ambiciona desenvolver atividades multidisciplinares, multi-regionais, com capacidade de intervenção nas grandes linhas de desenvolvimento para toda a região, congregando os esforços de diferentes entidades para o lançamento de projetos bandeira para toda a região envolvente. Como sublinhava Rui Aguiar, professor do Departamento de Eletrónica, Telecomunicações e Informática e coordenador da PTCI na sessão de apresentação, “estamos a falar de TICE para a sociedade, de produtos e serviços transformadores da sociedade envolvente: ‘This is not rocket science’”. Os projetos enquadráveis na PTCI poderão ter financiamento público (nacional ou internacional) e/ou industrial.

centros e diferentes atores, em termos geográficos e temáticos, aplicando as TICE. A PTCI irá, progressivamente, estabelecendo relações privilegiadas com entidades externas e terá como principais áreas de intervenção: - Competitividade inteligente (smart economy), focando

aspetos como aumento da produtividade, empreendorismo e capacidade de transformação; - Mobilidade integrada (smart mobility), endereçando infraestruturas TICE aplicadas no desenvolvimento de sistemas de mobilidade sustentáveis);

Como qualquer recém-nascido, acautelava Rui Aguiar na apresentação, ninguém conseguirá ter certezas sobre o que vai ser, mas as espectativas são sempre grandes. “Ambicionamos que as força vivas da região tenham interesse em envolver-se e nos ajudem a transformar esta criança num adulto muito útil à região”. Entretanto, a PTCI aguarda sugestões e ideias sobre como poderá operacionalizar o relacionamento com todas as entidades interessadas pelo endereço ptconnectedcommunities@ua.pt.


linhas

maio 2014

Kola San Jon – Património Cultural Imaterial com o apoio da UA Uma festa que mudou o destino de um bairro Tudo começou em Cabo Verde, não

Instituto de Etnomusicologia – Centro de

Assim, em 2008 Ana Flávia partiu para a

se sabe ao certo quando. As danças,

Estudos em Música e Dança (INET-md),

Cova da Moura onde efetuou um amplo

cantares e artefactos em honra de S.

Ana Flávia Miguel.

trabalho de campo. Nesse mesmo ano,

João Batista percorreram o oceano e

em junho, viajou até Cabo Verde, onde assistiu in loco ao Kola San Jon.

chegaram a Portugal nos anos 80 do

Há alguns anos atrás Ana Flávia Miguel

século passado, trazidas para o bairro

tinha de escolher um tema para a sua

Cova da Moura por imigrantes dessas

dissertação de mestrado em Música com

Desde esse ano, fez trabalho de campo

ilhas. O que, inicialmente, não passava

especialização em Etnomusicologia. Por

para a dissertação de mestrado que

de uma prática local é hoje Património

sugestão da professora Susana Sardo,

concluiu em 2010. Mas o trabalho de

Cultural Imaterial de Portugal e pode ser

fez trabalho de campo preliminar no bairro

pesquisa no bairro não se esgotou

o garante da sobrevivência de um bairro,

da Cova da Moura. Nessa altura, durante

nessa etapa académica. Ana Flávia

localizado numa zona muito apetecível

uma visita à Associação Cultural Moinho

Miguel continuou a estar presente em

em termos imobiliários. Uma classificação

da Juventude (ACMJ), a pergunta “Quer

momentos importantes da comunidade

que antecipa a candidatura a Património

ir a Cabo Verde com o Kola San Jon?”

cabo-verdiana, a fazer trabalho

Cultural Imaterial da Humanidade e

determinou o futuro do seu trabalho.

de campo e de pesquisa com os

que contou com a colaboração da

Escolheu a prática performativa cabo-

participantes no Kola San Jon e a

Universidade de Aveiro, através da

verdiana Kola San Jon como tema central

acompanhar o grupo em viagens e em

investigadora do polo de Aveiro do

da sua dissertação.

participações em diversos eventos.


49

cultural

No final de 2011, a ACMJ decidiu avançar com o processo de candidatura de Kola San Jon a Património Cultural Imaterial Português. Para tal, constituiu uma equipa de trabalho e pediu apoio a duas instituições académicas para a conceção e realização do processo de identificação, estudo e documentação da candidatura: o INET-md polo da Universidade de Aveiro e o Gestual/Ciaud da Universidade Técnica de Lisboa. Na UA, Ana Flávia Miguel trabalhou com outro colega do INET-md, Rui Oliveira, que captou imagens dos espaços exteriores do Bairro, recolheu depoimentos em vídeo, recuperou imagens de arquivo e editou o filme da

alimentos, bandeiras diversas (Cabo Verde,

historicamente, a comunicação social

candidatura, tendo também desenvolvido

Portugal, PALOP, ACMJ) e as pessoas

apenas se tem interessado por notícias

o conceito de documentário visual.

que transportam ramos construídos com

que são construídas a partir de uma

alimentos frescos e secos.

única e singular perspetiva que coloca

O culminar desta investigação resultou

os moradores e o próprio bairro numa

na inclusão desta prática performativa no

Atrás dos músicos seguem as koladeiras,

posição fragilizada. Tenho esperança de

Inventário Nacional do Património Cultural

mulheres que efetuam a dança da

que esta candidatura possa contribuir

Imaterial e a publicação da classificação

umbigada, às quais se vão juntando os

para a construção de um futuro mais

em Diário da República, a 16 de outubro

intervenientes que queiram participar no

plural”, defende.

de 2013.

ritual. O som dos tambores acompanha todo o percurso e é, juntamente com o

Esta classificação poderá constituir

Festa em honra de S. João

golpe da umbigada e os movimentos

também o “início de uma nova etapa”. “A

O Kola San Jon é uma prática performativa

ondulantes dos navios, um dos elementos

legislação prevê que se coloque em prática

cabo-verdiana introduzida em Portugal

mais distintivos do Kola San Jon.

um plano de salvaguarda que foi definido

através de imigrantes que hoje residem

por todos nós e, daqui a dez anos, será

fundamentalmente no bairro da Cova

Todo o processo de organização e prepa-

feita a avaliação deste processo”, explica.

da Moura, mas “adquiriu um significado

ração deste ritual é da responsabilidade

Ou seja, esta classificação, ao ter como

singular porque é feito e partilhado

da ACMJ.

património associado o próprio Bairro,

por todos os habitantes do bairro,

pode ter “salvo” a Cova da Moura dos

independentemente da sua origem pré-

Assim, a ACMJ foi a instituição

migratória”, salienta Ana Flávia Miguel.

proponente da candidatura da festa

diversos interesses que o tentam destruir…

de Kola San Jon a Património Cultural

Ana Flávia Miguel é licenciada em Ensino

Esta festa é celebrada em honra de

Imaterial em Portugal. Esta associação

de Música (Piano) pela UA. Defendeu a

São João Batista, em junho, e inclui

apoiou Ana Flávia Miguel e Júlia Carolino,

sua dissertação de Mestrado em Música

dança, música e artefactos. Durante a

do Gestual, que tiveram como tarefa fazer

em Junho de 2010, na UA, exatamente

performance os intervenientes, liderados

o processo de identificação, estudo e

sobre a prática performativa Kola San

por um grupo de tamboreiros dirigidos

documentação da candidatura.

Jon. Neste momento é investigadora

pelo toque de um apito, percorrem as

do projeto "Skopeofonia – Pesquisa

ruas do bairro seguidos de um cortejo

Além das implicações legais com esta

Participativa e Dialógica sobre as

constituído por indivíduos que querem

classificação, os moradores do bairro

Práticas Musicais no bairro Kova M.".

partilhar a performance. Junto dos

“sentem que a sua música, a sua

músicos segue o “navio” (um barco de

dança, a sua cultura e o lugar onde

Paralelamente, está a concluir o

madeira conduzido por um participante

vivem é reconhecido e respeitado

doutoramento em Música, também na

no ritual que o transporta em torno do

pelos portugueses e pelo país de

UA, com a orientação de Susana Sardo

corpo), vários estandartes que ostentam a

acolhimento (nalguns casos) e pelo

(UA) e de Samuel Araújo (Universidade

imagem dos santos juninos ornamentados

seu próprio país (noutros casos)”,

Federal do Rio de Janeiro).

com colares de flores de papel e

frisa a investigadora. “Sabemos que


linhas

maio 2014

Um campus revisitado UA é visitada anualmente por milhares de pessoas O que leva 65 cidadãos de Taiwan a

Na UA encontram-se reunidas num único espaço a maioria das

visitarem o campus da Universidade de

infraestruturas de estudo e investigação, de apoio, culturais,

Aveiro? E o que motiva Rita, de 13 anos,

quantos fazem parte da comunidade académica.

a vir conhecer a UA com os seus pais,

desportivas e de lazer, oferecendo condições únicas a todos

Com projetos assinados pelos melhores arquitetos nacionais, os

diretamente de Torres Vedras? E porque vêm

mais de 70 hectares do Campus, área de Santiago e Crasto, são

ao campus 250 alunos de Paços de Ferreira

um autêntico cartão-de-visita da região e uma mostra do que melhor se faz na arquitetura portuguesa contemporânea

e Leiria? Os primeiros querem conhecer os edifícios, da autoria de conceituados

As peças de arte pública de artistas plásticos de renome, como

arquitetos nacionais. Rita quer experimentar

entre outros, a marinha Santiago da Fonte onde ainda se produz

a ciência que se faz por cá. E os alunos das

sal por métodos tradicionais e as soluções de sustentabilidade

escolas secundárias pretendem conhecer

possíveis motivos para visitar a UA.

uma universidade com “ótimas instalações”

Paulo Neves, José Penicheiro, Manuel Patinha, Xico Lucena,

e de eficiência energética adotadas no Campus são outros dos

Um museu ao ar livre

e “muito dinâmica”. A UA recebe todos com

Assim, a UA conta com edifícios da autoria dos mais

programas de visitas à medida que permitem

conceituados arquitetos portugueses. Eduardo Souto Moura

um contacto direto com a Universidade.

da arquitetura") é o responsável pelo projeto do edifício do

(vencedor do Prémio Pritzker 2011, considerado o "Nobel Departamento de Geociências; Álvaro Siza Vieira (Prémio Pritzker em 1992) projetou a Biblioteca e o Depósito de Água; a conceção do edifício da Reitoria coube a Gonçalo Byrne; a Ponte Pedonal que liga o Campus de Santiago ao do Crasto é da autoria de João Carrilho da Graça; a arquitetura de alguns blocos de residências são da autoria de Adalberto Dias; os Departamentos de Engenharia de Materiais e Cerâmica e de Química foram projetados por Alcino Soutinho, e o refeitório do Crasto foi concebido por Manuel Aires Mateus e Francisco Aires


51

campus exemplar

Mateus, apenas referindo alguns autores

Francesco Cancelliere, arquiteto italiano

sobretudo pelas formas e pelo partido

entre vários outros arquitetos (Rebello

radicado no Porto e um dos organizadores

que Siza tira da iluminação natural,

de Andrade & Espírito Santo, Firmino

da viagem dos alunos até Portugal.

através das claraboias. Agora que o

Trabulo, Pedro Ramalho e Luís Ramalho,

visitámos, estamos muito satisfeitos

José Maria Lopo Prata, Fernando Gomes

Da Alemanha veio, também, um grupo

por podermos ver estes pormenores;

da Silva, Vítor Figueiredo, Jorge Kol de

de arquitetos propositadamente para

esta é, de facto, uma Biblioteca muito

Carvalho, Alfredo Matos Ferreira, Joaquim

conhecer edifícios de Siza Vieira e Souto

interessante", afirmou Henry Chang,

Oliveira, João Almeida e Victor Carvalho,

Moura: “O Campus Universitário de

um dos visitantes.

Bernardo Ferrão, etc), responsáveis pelos

Aveiro é muito conhecido na Alemanha,

mais de 65 edifícios do Campus. O Plano

porque reúne num único espaço

Alunos do ensino secundário

do Campus é da autoria de outro nome

obras de conceituados arquitetos

antecipam o seu futuro na UA

internacionalmente reconhecido nas áreas

portugueses. Siza Vieira e Souto Moura

Um outro tipo de público procura

da Arquitetura e Urbanismo: Nuno Portas,

são dois autores de renome mundial

regularmente a UA: os estudantes

doutor Honoris Causa pela UA.

e não poderíamos deixar de visitar

do ensino básico e secundário. Os

as suas criações”, justificou Beatrix

Serviços de Comunicação, Imagem e

Todos os edifícios são motivo de inúmeras

Mohri-Diedrich, uma das responsáveis

Relações Públicas (SCIRP) organizam

visitas de estudantes e arquitetos de

pela visita.“Estamos fascinados com

e acompanham, as inúmeras visitas

vários países e até de grupos de turistas

a vista e com o conceito. Este é um

destes estudantes, que procuram o

apreciadores de arquitetura. Por exemplo,

Campus aberto, construído para as

Campus e são recebidos nos diversos

um grupo de mais de uma centena de

pessoas circularem, conviverem e

departamentos, unidades e laboratórios,

estudantes da Faculdade de Arquitetura

desfrutarem. Tem espaços de estudo, de

pelos docentes e investigadores da UA.

do Politécnico de Milão, em Itália, visitou

contemplação e de descanso; é muito

recentemente o Campus. O motivo,

diferente da organização que vemos na

Trata-se essencialmente de grupos de

simples: “Como na UA há efetivamente

Alemanha”, observaram os visitantes.

alunos potenciais candidatos ao ensino

ótimos exemplos de arquitetura

superior, que vêm conhecer a oferta

contemporânea portuguesa, onde temos

De muito mais longe (Taiwan) vieram

formativa em áreas tão diversas como

obras dos mais importantes mestres

65 turistas com um interesse particular

as ciências, as engenharias, o design, as

contemporâneos, seja Siza, Souto Moura

pela arquitetura. O grupo passeou-se

humanidades e a educação. Mas também

ou Alcino Soutinho, este Campus é uma

pela Alameda da UA e visitou o edifício

para verem um pouco da investigação

etapa obrigatória, daí o interesse didático

da Biblioteca. “Estávamos muito

que se faz por cá. Os departamentos

de estarmos na UA», explicou na altura

interessados em conhecer este edifício,

e laboratórios organizam atividades


linhas

maio 2014

específicas tendo em conta as áreas de

“Os alunos tiveram contacto com algo

é fantástica, muito boa, agradável e com

estudo dos estudantes.

que não se consegue transmitir na sala

professores ótimos! Tem vento, mas é

de aula”, explicava, sublinhando de

muito agradável estudar aqui”, frisou.

Para todos eles, os SCIRP efetuam

seguida: “A proximidade entre a escola e

Também Arlindo Lourenço, professor de

um conjunto de tarefas e contactos

a universidade deve ser incentivada para

Matemática, que frequentou a UA nos

com unidades internas e externas que

que o aluno tenha uma ideia do que se

idos de 1982, transmitiu aos alunos de

podem incluir reservas de transporte, de

faz e do que se produz na universidade,

Paços de Ferreira previamente a ideia de

refeições ou outras questões logísticas

porque isto não é puramente teórico.”

que a UA tem “ótimas instalações e é uma

como encaminhamento para visitas guiadas à cidade e à região.

universidade muito dinâmica”. Já em março, um outro grupo destacou-se: cerca de 250 jovens provenientes

Mas o que acharam estes estudantes

Assim, os laboratórios da UA estão

do colégio Dr. Luís Pereira da Costa,

do que viram e viverem num dia inteiro

habituados a receber, com regularidade,

de Monte Redondo, Leiria, e da Escola

na UA? O Espetáculo de Química, que

visitas de escolas que procuram

Secundária de Paços de Ferreira,

decorreu de manhã, impressionou-os,

precisamente exemplos de tradução

estudantes da área de ciências e

com experiências que normalmente não

concreta da ciência aqui feita.

tecnologias, escolheram a UA para a

podem fazer nos laboratórios da escola,

visita anual a uma universidade. Apesar

por falta de condições e materiais. Já

Em fevereiro de 2014, cerca de 60

de não ser a escolha mais óbvia, tendo

de tarde, o Espetáculo de Física, que

alunos da Escola Secundária Joaquim

em conta os locais de residência, ambas

percorreu vários ramos desta ciência,

de Carvalho, da Figueira da Foz, que

as instituições decidiram apostar na

como Ondas, Mecânica, Termodinâmica

frequentam a disciplina de Psicologia no

Academia Aveirense. No caso de Paços

e Eletromagnetismo, também encantou

12º ano, visitaram a UA para umas horas de

de Ferreira, o facto de dois dos docentes

os jovens, principalmente quando foram

contacto com a investigação nesta área.

que acompanharam os alunos terem

chamados para ajudar nas experiências.

cá concluído os seus cursos pode ter

Mas o que terá feito mais sucesso junto

influenciado na escolha da UA para a visita.

destes futuros estudantes universitários

Após visita às Unidades Laboratoriais Neurolab, Stresslab e Chrono/Basic Lab

foi o futebol robótico CAMBADA,

do PsyLab (Laboratório de Psicologia

A professora Célia Oliveira estudou

do Departamento de Eletrónica,

Experimental e Aplicada da UA), jovens e

Biologia e Geologia (ensino de) na UA,

Telecomunicações e Informática (DETI).

professores deram por bem empregue o

entre 1990 e 1995. E não podia ser

seu tempo: “Positivíssimo!”, comentava

melhor embaixadora da casa que a

Catarina Costa, aluna do 10º ano de

Fernando Lopes, professor de Psicologia.

formou: “Dizemos aos alunos que a UA

Paços de Ferreira, considera esta vinda


53

campus exemplar

à UA como muito importante para o

e igualdade de oportunidades

experiências e as coisas que aprendeu,

seu futuro: “Está a ser uma experiência

para todos”, diz Gracinda Martins,

com a matemática a brincar, etc...”.

diferente, que nos permite evoluir e

coordenadora do Gabinete Pedagógico

pensar no nosso futuro. Já cá tinha

da academia de Aveiro. E como as

Assim, finalmente em 2014, e já com

estado nas competições de matemática,

necessidades educativas especiais

13 anos, a Rita vai poder concretizar

mas agora pude ver como funciona

assumem formas variadas, a UA prefere

o sonho de frequentar a Academia de

mesmo a UA por dentro, os laboratórios

antecipar-se e conhecer as necessidades

Verão. Apesar de ainda não ter idade

e instalações. Na escola fazemos

dos alunos previamente para fazer as

para dormir no Campus da UA, os pais

certas experiências, mas aqui o nível é

devidas adaptações ou mudanças antes

vêm com ela para Aveiro durante esses

diferente!”, destacou.

do início das aulas.

dias, em julho, de modo a poderem

Neste dia, os jovens de Leiria e Paços

A mais incomum das visitas veio de

Rita, muito provavelmente, fará parte do

de Ferreira visitaram também alguns

Torres Vedras. Um casal espera há vários

futuro desta universidade!

laboratórios do Departamento de Biologia,

anos que a filha, agora com 13 anos,

como o Laboratório de Ecologia Marinha

possa participar na Academia de Verão.

e Molecular, o Laboratório de Genética e

E porquê a escolha pela UA, quando

o Laboratório de Transdução de Sinais,

não têm qualquer tipo de relação com

ficando, assim, com uma vista bastante

Aveiro? Carmelita Osório, mãe da jovem

ampla da investigação que se faz na UA.

Rita explica: “Comecei por ver entrevistas

proporcionar-lhe uma experiência única.

OS NÚMEROS DAS VISITAS À UA

dos alunos da UA nos noticiários, com

Em 2013 a UA recebeu cerca de 2500

Visitas pela inclusão

experiências novas e apresentações de

visitantes. 65 visitas foram de público

Mas também o Gabinete Pedagógico

projetos. Ficou debaixo de olho. Depois

português e as restantes 21 de diversos

organiza visitas ao Campus para as

conheci uma tuna masculina da UA que

públicos estrangeiros (Alemanha;

escolas secundárias que tenham alunos

veio cantar a Oeiras, ainda a Rita andava

Angola; Brasil; Bruxelas; China; Escócia;

com necessidades educativas especiais

de carrinho de bebé… A posição que a

Espanha; Holanda; Indonésia; Japão

a frequentar o 12º ano e que pretendam,

UA ocupa nos rankings a nível mundial

e Polónia). Em termos nacionais,

no ano letivo seguinte, candidatar-se à

também influenciou”.

a maioria dos visitantes veio dos distritos

UA. A visita é aberta não só aos próprios

de Aveiro, seguindo-se o Porto, Braga

estudantes, como também aos respetivos

Com a curiosidade aguçada, o passo

e Lisboa.

professores e encarregados de educação

seguinte foi consultar a página internet

E esta parece estar a ser uma aposta

que têm uma tarde inteira para conhecer

da UA, onde conheceu a Academia

ganha pela UA, uma vez que cerca de

uma academia cada vez mais apostada

de Verão. Mas Rita era muito nova.

90 por cento dos lugares disponíveis em

em ser um espaço acessível a todos.

Entretanto a filha de Carmelita frequentou

cursos da UA são ocupados anualmente:

uma atividade de tempos livres, na

90 por cento em 2012/2013 e 89 por

“Esta ação enquadra-se nas políticas

Escola Secundária Sebastião e Silva, em

cento em 2013/2014, entre as duas

de inclusão da UA, que tem procurado,

Oeiras, “completamente inovadora: os

tipologias de ensino oferecidas pela

dentro do possível, criar as condições

professores e os melhores alunos eram

instituição: universitário e politécnico.

necessárias para uma melhor educação

os animadores e a Rita delirou com as


linhas

maio 2014

ACONTECEU NA UA O ministro da Educação e Ciência esclareceu depois: "Gostaria de transmitir o nosso compromisso de que não está em causa a autonomia do regime fundacional, mas apenas em discussão qual a melhor estrutura jurídica para garantir que essa autonomia fundacional não dependa, ano a ano, da Lei do Orçamento do Estado". Da nova Equipa Reitoral que tomou posse nesta sessão, destacam-se dois novos membros que assumem o cargo de Pró-reitor: Filipe Teles, professor do Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território, e Marlene Amorim, professora do Departamento de Economia e Gestão Industrial. REITOR TOMA POSSE COM UA 2020 NO HORIZONTE E AMBIÇÃO DE MAIOR COMPETITIVIDADE

CONSTRUÇÃO DO ECOMARE TEM

Uma espécie de “UA 2020” no aproveitamento dos fundos comunitários; o reforço das

CONCLUSÃO PREVISTA PARA

alianças estratégicas com as outras universidades e da internacionalização; uma UA

DEZEMBRO

como referência na formação bilingue ao nível da pós-graduação. Estas são algumas

Em dezembro de 2014 que, se tudo

ideias avançadas pelo Reitor da UA, durante a tomada de posse para o segundo

correr como previsto, será concluído

mandato, que traduzem a vontade em reforçar a competitividade da instituição e de a

o ECOMARE, um novo centro de

tornar ainda mais útil à sociedade.

investigação e transferência de tecnologia dedicado às questões do mar, com

Antes, o presidente do Conselho Geral dera posse ao Reitor para o novo mandato,

condução científica da Universidade de

após um discurso apelando à clarificação e reforço da autonomia das instituições de

Aveiro e da Sociedade Portuguesa de Vida

ensino superior, à maior articulação entre essas instituições, à necessidade de definir

Selvagem. Constituído por duas unidades,

o perfil de quem se forma no país, alertando para o elevado abandono escolar até ao

o Centro de Extensão e de Pesquisa

ensino secundário e para os poucos trabalhadores nas carreiras profissionais. Por

Ambiental e Marinha (CEPAM) e a Unidade

isso, Alexandre Soares dos Santos considerou necessário trazer mais alunos para o

de Pesquisa e Recuperação de Animais

ensino politécnico.

Marinhos (UPRAM), irá estar localizado entre o Porto de Pesca Costeira/Lota e o

Também o presidente do Conselho de Curadores, que considerou o trabalho

Jardim Oudinot, em Ílhavo.

desenvolvido até aqui como prestigiante para a UA e para as universidades portuguesas, apelou ao reforço da autonomia. “Melhor universidade requer sempre

Resultado de uma parceria entre

maior autonomia e maior flexibilidade”, afirmou Murteira Nabo, sendo necessário

a Câmara Municipal de Ílhavo, a

ajustar o atual regime fundacional às necessidades de melhor relacionamento entre

Universidade de Aveiro e a Administração

os órgãos universitários, aumentando o prestígio da instituição e estreitando a relação

do Porto de Aveiro (APA), este projeto

com o mundo empresarial.

funciona como um laboratório de


55

aconteceu na ua

espécies marinhas e uma unidade

colaboração entre todos os agentes,

elaboração de projetos educacionais

veterinária para tratamento animais

comenta Filipe Teles, também professor

a serem desenvolvidos entre os

marinhos, identificando-se como uma

do Departamento de Ciências Sociais,

participantes dos programas fomentados

mais valia para a Universidade e como

Políticas e do Território da UA.

pela Capes.

impulsionador do dinamismo económico da região. Pretende ainda desenvolver a prestação de serviços de I&DT+I e transferência de tecnologia a empresas e organizações governamentais e internacionais, no âmbito do mar, com vista ao aproveitamento sustentável dos recursos marinhos. PARCERIA ESTRATÉGICA ENTRE UA E A REGIÃO ENQUADRA

ANDRÉ REIS SUBSTITUI TIAGO

INVESTIMENTOS DO PRÓXIMO

DOCENTES BRASILEIROS EM

ALMEIDA À FRENTE DOS DESTINOS

QUADRO COMUNITÁRIO

FORMAÇÃO INTENSIVA NA UA

DA AAUAV

A parceria, única no género a nível

A Universidade de Aveiro recebeu,

Os novos Órgãos Sociais da Associação

nacional, entre a Universidade de Aveiro

em janeiro, um grupo de professores

Académica da Universidade de

e a região, para a elaboração de uma

brasileiros para uma formação

Aveiro (AAUAv) tomaram posse

Estratégia de Desenvolvimento Territorial

intensiva de 15 dias nas áreas da

dia 17 de janeiro. A cerimónia, que

que vai enquadrar as candidaturas

Física e Educação. A vinda dos

apresentou igualmente os recém-

aos financiamentos comunitários, está

docentes integrou-se no "Programa

-eleitos responsáveis pelos núcleos da

concluída. O processo, na sequência de

de Formação de Professores de Nível

Associação, decorreu no Auditório da

uma relação com a região que já vem de

Avançado" da Fundação Coordenação

Reitoria da UA. Dos responsáveis pelos

trás, desenrolou-se ao longo de 2013,

de Aperfeiçoamento de Pessoal de

destinos da Associação destaca-se André

com reuniões em todos os municípios

Nível Superior (Capes), Brasil.

Reis, o novo presidente dos estudantes

envolvidos e com diversos stakeholders

Os professores selecionados

da academia que ocupa o lugar de Tiago

regionais que se prolongaram até ao

participaram no Curso de

Almeida. Vencedor das eleições de 17 de

mês passado.

Aperfeiçoamento e Atualização de

dezembro, o estudante de Economia no

Física ou no Curso de Aperfeiçoamento

Departamento de Economia, Gestão e

O documento contém a Estratégia de

e Atualização de Educadores de

Engenharia Industrial (DEGEI) quer uma

Desenvolvimento Territorial e um Plano

Infância.

AAUAv que incremente a luta por um

de Ação, necessariamente alinhados

ensino superior mais justo e inclusivo e

com as orientações europeias, nacionais

O curso teve como coordenadores, no

aposta no reforço do projeto associativo

e regionais do período de programação

Departamento de Física, os docentes

dos estudantes da academia de Aveiro.

que se avizinha. O Quadro Comum

Maria do Rosário Correia e António

de Investimentos da Região de Aveiro

Luís Ferreira e no Departamento de

Natural da Póvoa de Lanhoso (Braga),

define, como prioritárias, as áreas de:

Educação, Gabriela Portugal.

André Reis chegou à UA em setembro

Mar e Ria; Tecnologias de Informação,

de 2010; foi, em junho de 2013, eleito

Comunicação e Eletrónica (TICE); Setor

A formação teve como objetivos

para o Conselho Geral da UA, órgão

Agroalimentar e florestal; Materiais.

valorizar os docentes que atuam na

máximo de governo da Universidade,

rede pública de educação básica no

enquanto candidato pela 1ª circunscrição

Tratou-se, assinala Filipe Teles,

Brasil; proporcionar uma experiência

(licenciaturas). Em dezembro último,

coordenador do trabalho, pela UA,

de desenvolvimento profissional noutro

após três anos na UA dedicados em

de um caso único a nível nacional de

país; estimular o uso de tecnologias

grande parte ao associativismo, decide

parceria interinstitucional – envolvendo

educacionais na construção de

avançar com uma candidatura à AAUAv

uma universidade e a região – para

estratégias didático-pedagógicas de

enquanto líder do movimento “Juntos

elaboração de um trabalho destes. Dado

caráter inovador; promover a troca

Somos Academia”, culminando numa

o historial de cooperação existente, o

de experiências entre professores

vitória e na respetiva eleição para

enquadramento facilitou o processo,

da educação básica brasileiros e os

presidente da direção da AAUAv.

permitindo uma estreita e frutuosa

docentes portugueses e possibilitar a


linhas

maio 2014

JÚLIO PEDROSA E ILÍDIO PINHO NOMEADOS CURADORES DA UA Júlio Pedrosa, antigo reitor da Universidade de Aveiro e ex-ministro da Educação, e Ilídio Pinho, engenheiro, foram nomeados para o Conselho de Curadores da Fundação Universidade de Aveiro por Despacho do Ministério da Educação e Ciência, com efeitos desde o DEPUTADOS DE TIMOR LESTE NA

UA LANÇA PLATAFORMA

UA PARA CONHECER PROCESSO

TECNOLÓGICA MULTIDISCIPLINAR

DE ELABORAÇÃO DOS MANUAIS DO

DE ALTA PRESSÃO

Além de Júlio Pedrosa e Ilídio Pinho, o

ENSINO SECUNDÁRIO DAQUELE PAÍS

Com o objetivo de dinamizar e

Conselho de Curadores integra também

Uma delegação parlamentar de

catalisar a investigação fundamental e

Francisco Murteira Nabo, Isabel Jonet

Timor-Leste esteve dia 31 de março na

desenvolvimento industrial da aplicação

e Ricardo Salgado, cujo mandato teve

Universidade de Aveiro para se inteirar

da tecnologia de alta pressão, a

início em 2009.

do processo final de elaboração dos

Universidade de Aveiro (UA) apresentou

manuais do ensino secundário daquele

a Plataforma Tecnológica Multidisciplinar

A escolha das cinco personalidades

país; para conhecer um pouco da gestão

de Alta Pressão, baseada numa

que compõem este órgão tem a ver

financeira da academia aveirense e

tecnologia que tem suscitado elevado

com mérito e experiência profissional

para agradecer a colaboração da UA na

interesse nas últimas duas décadas.

especialmente relevantes. São nomeadas

criação de uma Faculdade de Ciências

dia 7 de fevereiro de 2014.

pelo Governo sob proposta da UA.

Exatas em Timor Leste. A delegação teve

O crescente número de equipamentos

ainda tempo para conhecer o campus e

a operar industrialmente por todo o

Ao Conselho de Curadores compete

encontrar-se com estudantes

mundo é prova deste facto sendo a

aprovar os Estatutos da UA, sob

bolseiros timorenses.

tecnologia de alta pressão a nova

proposta da Assembleia Estatutária, e

tecnologia de conservação de alimentos

sujeitá-los a homologação do ministro

Após o encontro com o Reitor da UA,

com maior crescimento na indústria

da tutela do Ensino Superior; proceder

Manuel Assunção, e com a coordenadora

nos últimos 20 anos. A cerimónia de

à homologação das deliberações

do projeto “Falar Português –

lançamento da Plataforma, iniciativa

do Conselho Geral de designação e

Reestruturação Curricular do Ensino

integrada no Encontro UA Innovation

destituição do reitor; propor ou autorizar,

Secundário Geral em Timor-Leste” na

Clubbing, decorreu no dia 27 de março,

conforme disposto na lei, a aquisição ou

UA, Isabel Martins, e o coordenador

no Auditório da Livraria da UA e contou

alienação de património imobiliário da

adjunto, Ângelo Ferreira, os deputados

com a presença de vários oradores

instituição, bem como as operações de

visitaram o campus, o Centro de

convidados.

crédito; nomear e destituir o Conselho de

Investigação em Materiais Cerâmicos

Gestão e homologar as deliberações do

e Compósitos (CICECO), reuniram com

Com esta Plataforma a UA quer

estudantes bolseiros timorenses e no

posicionar-se como um parceiro de

Conselho Geral.

final do dia encontraram-se ainda com

excelência a nível internacional para

COMPETIÇÕES NACIONAIS DE

o presidente da Câmara Municipal de

realizar investigação e desenvolvimento

CIÊNCIA EM REDE REÚNE 11800

Aveiro, Ribau Esteves.

industrial, possuindo um portefólio

ALUNOS

de três equipamentos de elevada

As Competições Nacionais de

polivalência e abrangência em termos

Ciência em Rede, promovidas pelo

funcionais, incluindo produção para

Projeto Matemática Ensino (PmatE)

testes de mercado.

da Universidade de Aveiro, foram dinamizadas por 136 escolas de norte a sul do país, e moveram a participação de cerca de 11800 alunos distribuídos por 5916 equipas nas mais diferentes áreas disciplinares, do primeiro ciclo ao ensino secundário. Este evento permitiu a realização de provas,


57

aconteceu na ua

em rede, nas áreas de matemática,

jovens refugiados sírios para que

terrenos mais a sul da área total do PCI,

português, física, química, biologia,

possam continuar os estudos, Ihsan

apenas ocorrerá após estar garantida a

geologia e literacia financeira.

Khalifa, Ahmad Kalthoum e Hazem Hadla

ocupação total da área da primeira fase.

estão já a frequentar, respetivamente, Dinamizado localmente pelas várias

o Mestrado em Engenharia Civil,

escolas, que, apesar de dispersas

a Licenciatura na mesma área e o

geograficamente, se encontravam

Doutoramento em Engenharia Eletrónica.

nesse dia ligadas on line, este evento

Os três jovens fazem parte do grupo

tem como objetivo envolver toda a

de meia centena de sírios que chegou

comunidade escolar em torno da

ao país dia 1 de março para prosseguir

promoção e divulgação da ciência,

os estudos em universidades e escolas

contribuindo para ajudar a combater

politécnicas portuguesas.

o insucesso e o abandono escolar. Promover o uso de computadores e da internet, incentivando a sua utilização ao

NEUROCIRUGIÃO ANTÓNIO

serviço da aprendizagem e na difusão

TRABULO VENCE PRÉMIO LITERÁRIO

do conhecimento, é outra das grandes

ALDÓNIO GOMES

metas das Competições.

O vencedor da terceira edição do Prémio Literário Aldónio Gomes 2014 é o neurocirurgião António Trabulo, com a coletânea de contos “Ofício de contar”. A distinção, promovida pela Universidade de Aveiro, foi anunciada CREATIVE SCIENCE PARK TEM

durante o II Congresso Internacional

NOVOS ÓRGÃOS SOCIAIS E AVANÇA

“Pelos mares da língua portuguesa” que

DO LADO DE ÍLHAVO

decorreu no Departamento de Línguas e

A assembleia geral da Sociedade

Culturas (DLC) da academia.

Anónima Parque de Ciência e Inovação que ocorreu a 18 de fevereiro elegeu

António Trabulo, que iniciou a sua

ESTUDANTES REFUGIADOS SÍRIOS

novos órgãos sociais e estabeleceu

atividade literária em 2003, tem-se

ACOLHIDOS NA UNIVERSIDADE DE

a estratégia para concretização do

dedicado essencialmente à ficção

AVEIRO: NENHUMA GUERRA PODE

Parque, oficialmente designado Creative

com base histórica. O escritor tem 11

MATAR O SONHO

Science Park-Aveiro Region. O Reitor

livros publicados, entre os quais a obra

Tal como gerações inteiras de milhões

da Universidade de Aveiro, Manuel

“Retornados”, que lhe valeu em 2009 o

de jovens sírios, interromperam os

António Assunção, continua a presidir à

Prémio de Ficção “Fialho de Almeida”

estudos porque colocar um pé na rua

Sociedade Anónima e o presidente da

atribuído pela Sociedade Portuguesa de

se tornou demasiado perigoso. Ihsan

Câmara Municipal de Ílhavo, Fernando

Escritores e Artistas Médicos.

Khalifa, Ahmad Kalthoum e Hazem Hadla

Caçoilo, lidera a Mesa da Assembleia.

chegaram recentemente à Universidade

O júri, constituído por Carlos Morais

de Aveiro (UA) porque nenhuma

Dado que o Creative Science Park fica

(presidente e diretor do DLC), Madalena

bomba consegue derrubar o essencial:

localizado parte no município de Ílhavo

Pinheiro (em representação da Câmara

a esperança num futuro pacífico e

e parte no de Aveiro, foi estabelecido

Municipal de Aveiro), Gracinda Martins e

desenvolvido. E acolhidos pela academia

que o projeto será concretizado em duas

Conceição Lopes (em representação da

de Aveiro vão continuar a estudar para

fases, avançando a primeira de imediato,

Reitoria) e Ana Margarida Ramos e Isabel

concretizarem todos os sonhos que

no concelho de Ílhavo. Esta fase incluiu

Cristina Rodrigues (em representação

trouxeram na bagagem.

a criação das condições para instalação

do DLC) justificou a entrega do prémio

e infraestruturação do Parque em Ílhavo,

a António Trabulo tendo em conta que

Recebidos no âmbito da Plataforma

a intervenção no município de Aveiro

“Ofício de Contar” integra um conjunto

Global de Assistência Académica

(cujo processo de licenciamento ainda

de contos que surpreendem o leitor

de Emergência a Estudantes Sírios,

está a decorrer) e ainda a conclusão

e o deixa imerso na descoberta dos

uma iniciativa do ex-presidente Jorge

da infraestruturação no município de

segredos que moram nos seus contos”.

Sampaio que quer trazer para Portugal

Ílhavo. A segunda fase, que incidirá nos


pós-graduação mestrados cursos de especialização cursos de formação avançada programas doutorais

ARTES E HUMANIDADES Curso de Especialização Estudos Editoriais Tradução Especializada – Alemão Tradução Especializada – Espanhol Tradução Especializada – Ferramentas de Tradução Tradução Especializada – Francês Tradução Especializada – Francês e Alemão Tradução Especializada – Francês e Espanhol Tradução Especializada – Inglês Tradução Especializada – Inglês e Alemão Tradução Especializada – Inglês e Espanhol Tradução Especializada – Inglês e Francês Mestrado Criação Artística Contemporânea Design Estudos Editoriais Línguas, Literaturas e Culturas* Música Promoção da Literatura e Bibliotecas Escolares Tradução Especializada Programa Doutoral Design Estudos Culturais* (em associação com a Universidade do Minho) Música Tradução e Terminologia (em associação com a Universidade Nova de Lisboa)

CIÊNCIAS ECONÓMICAS E SOCIAIS Curso de Especialização Contabilidade e Auditoria Contabilidade e Fiscalidade Contabilidade Pública Finanças Línguas e Relações Empresariais* Mestrado Administração e Gestão Pública Ciência Política Contabilidade Economia* Estudos Chineses (em associação com o Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa – Instituto Universitário de Lisboa) Gestão Gestão e Planeamento em Turismo Gestão e Políticas Ambientais (em associação com as Universidades de Évora e Nova de Lisboa) Línguas e Relações Empresariais* Marketing* Planeamento Regional e Urbano Psicologia da Saúde e Reabilitação Neuropsicológica Curso de Formação Avançada Contabilidade e Auditoria Gestão da Tecnologia, Inovação e Conhecimento Gestão Industrial e Logística Gestão para Executivos Turismo

Programa Doutoral Contabilidade (em associação com a Universidade do Minho) Estudos em Ensino Superior (em associação com a Universidade do Porto) Marketing e Estratégia (em associação com as Univ. da Beira Interior e do Minho) Políticas Públicas Psicologia Turismo CIÊNCIAS DA ENGENHARIA E TECNOLOGIAS Curso de Especialização Comunicação Multimédia Temas de Engenharia Cerâmica Mestrado Biotecnologia Comunicação Multimédia Engenharia Civil (mestrado integrado; marca eur-ace) Engenharia de Automação Industrial Engenharia de Computadores e Telemática (mestrado integrado) Engenharia de Materiais Engenharia do Ambiente (mestrado integrado) Engenharia e Design de Produto Engenharia e Gestão Industrial Engenharia Eletrónica e Telecomunicações (mestrado integrado; marca eur-ace) Engenharia Física (mestrado integrado; marca eur-ace) Engenharia Geológica Engenharia Mecânica (mestrado integrado) Engenharia Química (mestrado integrado; marca eur-ace) Estudos Ambientais** (Erasmus Mundus – JEMES em associação com as Universidades de Aalborg, Autónoma de Barcelona e Tecnológica de Hamburgo) Functionalized Advanced Materials and Engineering** (Erasmus Mundus – FAME em associação com o Instituto Nacional Politécnico de Grenoble e com as Universidades de Augsburg, Bordeaux 1, Catholique de Louvain, Liege and Technische Darmstad) Geoinformática International Master in Advanced Clay Science** (Erasmus Mundus – IMACS em associação com as Universidades de Poitiers, Creta, Ottawa e Porto Alegre) Materiais e Dispositivos Biomédicos Sistemas de Informação Sistemas Energéticos Sustentáveis Curso de Formação Avançada Computação Móvel Eficiência Energética e Energias Renováveis Gestão Ambiental nas Organizações Poluição e Gestão Ambiental Projeto de Sistemas Rádio** Sistemas de Gestão Ambiental e Auditoria Programa Doutoral Ciência e Engenharia de Materiais Ciência e Tecnologia Alimentar e Nutrição (em associação com as Universidades do Minho e Católica Portuguesa) Ciências e Engenharia do Ambiente Engenharia Civil Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química (em associação com as Universidades de Coimbra, Nova de Lisboa, do Porto e Técnica de Lisboa) Engenharia e Gestão Industrial Engenharia Eletrotécnica Engenharia Física* Engenharia Informática Engenharia Mecânica


universidade de aveiro

investigamos

candidaturas 2ª fase › 14 a 31 de julho de 2014 3ª fase › 15 a 17 de setembro de 2014

www.ua.pt posgrad@ua.pt tel. (+351) 234 370 211

Engenharia Química Geotecnologias (em associação com a Universidade de Coimbra) Informação e Comunicação em Plataformas Digitais (em associação com a Universidade do Porto) Informática** (em associação com as Universidades do Minho e Porto) Nanociências e Nanotecnologia Telecomunicações** (em associação com as Universidades do Minho e Porto) Território, Risco e Políticas Públicas (em associação com as Universidades de Coimbra e Lisboa) CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS Curso de Especialização Ilustração Científica Mestrado Biologia Aplicada* Biologia Marinha Biologia Molecular e Celular Bioquímica* Ciências do Mar e das Zonas Costeiras Ecologia Aplicada Física Geomateriais e Recursos Geológicos (em associação com a Universidade do Porto) Matemática e Aplicações Matemática para Professores Meteorologia e Oceanografia Física* Microbiologia Química Toxicologia e Ecotoxicologia Curso de Formação Avançada Ciências do Mar Estratégias de Avaliação de Contaminação Estratégias de Proteção do Solo Geo-Engenharia de Reservatórios Carbonatados (em colaboração com as Universidades de Lisboa, Técnica de Lisboa, Estadual de Campinas, Estadual Paulista, a Galp Energia e a Petrobras) Hidrogeofísica Reabilitação de solos Programa Doutoral Biologia Biologia das Plantas (em associação com as Universidades do Minho e Porto) Biologia e Ecologia das Alterações Globais (em associação com a Universidade de Lisboa) Bioquímica* Ciência, Tecnologia e Gestão do Mar (em associação com as Universidades do Minho, de Trás-os-Montes e Alto Douro e a Universidade da Corunha, Vigo e Santiago de Compostela) Ciências do Mar e Ambiente (em associação com a Universidade do Porto) Ciências do Mar** (Erasmus Mundus – MARES em associação com as Universidades de Ghent, Bremen, Bolonha, Algarve, Plymouth, Gdansk, Klaipeda, Pavia, Paris Marie Curie e com os Institutos Galway Mayo Institute of Technology, Flanders Marine Institute and Royal Netherlands Institute for Sea Research) Física** (em associação com as Universidades do Minho e Porto) Geociências (em associação com a Universidade do Porto) Gestão Marinha e Costeira** (Erasmus Mundus – MACOMA em associação com as Universidades de Cádiz, Algarve, Bolonha e Estatal Russa de Hidrometeorologia) Matemática Matemática e Aplicações (em associação com a Universidade do Minho)

Química Sistemas Energéticos e Alterações Climáticas CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS DA SAÚDE Curso de Especialização Medicina Farmacêutica Mestrado Biomedicina Farmacêutica* Biomedicina Molecular* Ciências da Fala e da Audição Enfermagem de Saúde Familiar (em associação com o Instituto Politécnico de Bragança e a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro) Fisioterapia Gerontologia* Tecnologias da Imagem Médica Programa Doutoral Ciências e Tecnologias da Saúde Gerontologia e Geriatria (em associação com a Universidade do Porto) EDUCAÇÃO Mestrado Ciências da Educação Didática Educação Pré-Escolar e Ensino no 1º Ciclo do Ensino Básico Ensino de Artes Visuais no 3º Ciclo do Ensino Básico e no Ensino Secundário Ensino de Biologia e de Geologia no 3º Ciclo do Ensino Básico e no Ensino Secundário Ensino de Educação Musical no Ensino Básico Ensino de Educação Visual e Tecnológica no Ensino Básico Ensino de Física e de Química no 3º Ciclo do Ensino Básico e no Ensino Secundário Ensino de Inglês e de Língua Estrangeira (Alemão/Espanhol/ Francês) no 3º Ciclo do Ensino Básico e no Ensino Secundário Ensino de Inglês e de Língua Estrangeira (Alemão/Espanhol/ Francês) no Ensino Básico Ensino de Matemática no 3º Ciclo do Ensino Básico e no Ensino Secundário Ensino de Música Ensino do 1º e do 2º Ciclo do Ensino Básico Ensino do Português e de Línguas Clássicas no 3º Ciclo do Ensino Básico e no Secundário Ensino do Português no 3º Ciclo do Ensino Básico e no Ensino Secundário e de Língua Estrangeira (Alemão/Espanhol/Francês) no Ensino Básico e Secundário Supervisão Programa Doutoral Educação História das Ciências e Educação Científica (em associação com a Universidade de Coimbra) Multimédia em Educação

todos os cursos da UA são acreditados pela A3ES; a UA possui os ECTS e os DS LABELs; * cursos parcialmente lecionados em inglês ** cursos integralmente lecionados em inglês


linhas

maio 2014

Linhas 21  

Ano 11, Junho 2014

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you