Page 1

REVISTA

ipê REVISTA TRIMESTRAL - DISTRIBUIÇÃO CONTROLADA

ANO IV - Nº 13 - OUT/NOV/DEZ 2016

LIS BLEU:

TURISMO Programe-se para 2017 com uma prévia do calendário de Tiradentes

Escolha perfeita para quem almeja tranquilidade em Tiradentes

TIRADENTES TECNOLOGIA

Chalés sofisticados e vista privilegiada para a Serra de São José criam uma atmosfera romântica na pousada

Robôs com alta tecnologia são testados em grandes combates

EQUIPE TROIA E MAIS: CONSÓRCIO: SEGURO, EFICIENTE E ACESSÍVEL SE, O QUE FAZER? COMPASSO

LAVRAS FASHION DAY

RECEITA DE BOLO NATALINO

BANDA SOFRANZ

FESTIVAL DE BALLET

EM TEMPOS DE CRI-

COZINHA CONCEITO

PELAS TRILHAS DE ITYRAPUAN

DANÇA

CINEMA: ROAD MOVIES


O Cenário dos Sonhos 15 ANOS • CASAMENTOS • FORMATURAS • EXPOSIÇÕES • PALESTRAS • DESFILES • COQUETÉIS • PREMIAÇÕES • WORKSHOPS

• Projeto Mateus Monteiro

Agende já sua data para 2017 / 2018 35 98831.2545 | 99979.7830 - Rod. Lavras / Luminárias, km 1 - Distrito Industrial - Lavras/MG Instagram: Camuá Eventos | camuaeventos@gmail.com | www.camua.com.br


CALÇADOS, ROUPAS E ACESSÓRIOS PRAÇA LEONARDO VENERANDO PEREIRA, 400 | LAVRAS - MG AIX-EN-PROVENCE BUENOS AIRES CANNES JOHANNESBURG MIAMI LAS VEGAS NICE ORLANDO PUNTA DEL ESTE RIO DE JANEIRO SÃO PAULO 550 LOJAS - 18 PAÍSES


@carmensteffens CarmenSteffensOnline

Carmen Steffens


Nossa Capa Pousada Lis Bleu Cidade: Tiradentes/MG

EXPEDIENTE

8

PROJETO EDITORIAL Édison Marques Júnior DESIGN E PROJETO GRÁFICO Édison Marques Júnior JORNALISTAS Camila Caetano Marina Alvarenga Botelho JURÍDICO Édison Marques FOTÓGRAFOS Daniel Rocha Fotografias José Henrique (Cia da Foto) REVISÃO Pauline Freire Pimenta REDAÇÃO Ana Carolina Siqueira Abe-Sáber Camila Caetano Derivan Ferreira de Souza Helder Tobias José Márcio Farias Marina Alvarenga Botelho Leandro Rezende

COMERCIAL Édison Marques Júnior Contato: (35) 9143-4125 contato@revistaipe.com.br www.revistaipe.com.br EDIÇÕES AVULSAS E ESPECIAIS contato@revistaipe.com.br Edição nº 13. Distribuição controlada

SIGA A REVISTA IPÊ

@REVISTAIPÊ

EDITORIAL

COMECE 2017 COM O PÉ DIREITO! Para fechar o ano com chave de ouro é preciso colocar as ideias em ordem e se sentir motivado para mais uma etapa. Por isso, nossa matéria de capa traz a Pousada Lis Bleu, em Tiradentes. Um lugar charmoso e sofisticado, contemplado com a vista da Serra de São José, que oferece tranquilidade para quem deseja repensar a vida e idealizar novos projetos. Mas, para que o ano comece bem é preciso ir além da reflexão, é necessário ter um planejamento na vida financeira. Sendo assim, o professor Paulo Henrique Leme, da Universidade Federal de Lavras (Ufla), também coordenador geral da empresa Ufla Júnior Consultoria, traz algumas dicas, na matéria “Em tempos de crise, o que fazer?”. Ainda na área econômica, a revista contempla nesta edição uma matéria sobre as vantagens de se fazer um consórcio seguro, eficiente e acessível, sendo capaz de resolver as suas necessidades e ainda realizar os seus sonhos. Após ter um tempo de paz na pousada Lis Bleu, planejar a vida financeira para 2017, que tal iniciar aulas de dança? Nesta edição, conheça o projeto da Ufla Dança Compasso e ainda o Studio Camila Bibiano. Também aprecie a banda Sofranz, de três irmãos mineiros que têm conquistado o cenário nacional. Além das músicas próprias, a banda possui um repertório eclético, com muita energia e interação com o público. Conheça ainda o trabalho realizado pela equipe Troia, formada por estudantes da Ufla que desenvolvem robôs com alta tecnologia, testados em grandes combates. A equipe participará em 2017 da Robogames, a olímpiada mundial da robótica, que acontece na Califórnia. Pensando nas comemorações de final de ano, surpreenda toda a família com um bolo natalino, prático e saboroso. Ainda nas celebrações, aprenda a preparar bebidas refrescantes: ponche, sangria e clericot. Enfim, que este seja o momento de festas, bonanças e sucesso. Nós, da Revista Ipê, desejamos aos nossos leitores um Feliz Natal e Ano Novo, que possamos continuar contando com vocês em 2017, pois nosso conteúdo é sempre pensando em surpreendê-los da melhor maneira possível. Édison Marques Júnior Diretor da Revista Ipê

FB.COM/REVISTAIPÊ Artigos assinados são de responsabilidade dos respectivos autores. Autoriza-se a reprodução, desde que citada a fonte.

Errata edição 12ª • Na 12ª edição, editoria homenagem, matéria “Homenagem a Francisco Rodarte”, por Marina Alvarenga Botelho, pág.18, faltou mencionar Nayra Andrade Rodarte, neta mais nova de Francisco Rodarte, filha de Négis Rodarte.


REVISTA

ipê

Out/Nov/Dez 2016 SUMÁRIO

CAPA Com chalés aconchegantes e o café da manhã servido em um deck com vista para a Serra de São José, a pousada Lis Bleu torna-se uma das mais fascinantes de Tiradentes.

36

ARQUITETURA

DIVERSÃO & BEM-ESTAR

A arquiteta Cristina Menezes traz nesta edição um novo espaço: Cozinha Conceito, com diversas funcionalidades que podem ser aplicadas na sua residência.

Conheça o projeto Dança Compasso, com aulas gratuitas à comunidade de Lavras e região. Uma oportunidade de liberar as emoções e conhecer novas pessoas.

58

48

ESPAÇO GOURMET

TECNOLOGIA

INVESTIMENTOS

Nas comemorações de final de ano, surpreenda toda a família com o bolo natalino, prático e saboroso, da cozinheira gourmet Ana Carolina Abe-Saber.

Equipe Troia da Ufla desenvolve robôs de alta tecnologia para grandes combates nacionais e mundiais. A próxima competição será a Robogames, na cidade de Pleasanton, Califórnia.

Entenda as vantagens do consórcio da Robens. Seguro, confiável, sem juros, menos burocrático e com aprovação de crédito de forma fácil e rápida.

72

28

18

SEÇÕES TRILHAS

16

SAÚDE

22

TRILHAS

16

SAÚDE

22

CULINÁRIA SAUDÁVEL

32

TIRADENTES

44

CULTURA

ECONOMIA

50

Camila Bibiano promoveu em Lavras o ballet Cinderella, um clássico dos contos infantis.

JURÍDICO

54

MÚSICA

60

CINEMA

64

14


CARTAS

10

EDIÇÃO 12

Envie comentários, sugestões e opiniões para serem publicados nesta seção Revista Ipê contato@revistaipe.com.br www.revistaipe.com.br A Revista Ipê foi criada para dar uma nova roupagem a este segmento. Uma revista visionária com profissionais capacitados e dedicados em trazer o melhor da região ao nosso alcance. Com notícias variadas, consegue despertar o interesse de todos os leitores. A revista tem tudo que o leitor precisa para se manter informado. Rica em informações e em conteúdo, a Revista Ipê, nos seus detalhes modernos e descontraídos, mostrou que veio para ficar!

Gerson Alvarenga Administrador Público

Conheci a Revista Ipê através da reportagem sobre a Unidade de Pronto Alegramento (UPA) da Universidade Federal de Lavras (Ufla), desde então passei a acompanhar a publicação. Acho muito válido para o município manter um veículo de comunicação ativo que apresenta as potencialidades e novidades sobre a cidade. O setor de comunicação passa por reformulações, é importante que a revista siga firme informando a população e contribuindo com o crescimento de Lavras.

Luiz Trevisan

Médico Veterinário A revista Ipê traz conteúdo de qualidade e diversificado. Para nossa região é muito importante termos uma revista compromissada com o leitor, com dicas e importantes informações que valem para toda a família.

Nathani Paiva Jornalista

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016

Sou leitora da Revista Ipê, por sinal muito bem elaborada, séria, com reportagens interessantes, que abrangem assuntos diversificados com um vocabulário rico e de fácil entendimento às diversas classes. Além de possuir belas ilustrações. Acredito no potencial da revista, que por inúmeras vezes traz publicações de interesse coletivo, como saúde, culinária, práticas esportivas e empreendimentos, tudo de grande relevância à população de Lavras e entorno.

Marlene C. Aguiar

Tive o privilégio de conhecer a revista Ipê e sua equipe no mês passado. Fiquei muito satisfeito com a qualidade da matéria feita sobre veganismo e de toda a revista. Lavras e região merecem este ótimo veículo que, além de trazer conteúdo, também oferece uma ótima qualidade visual e gráfica. Parabéns!

Anderson Rodrigues Diretor Executivo Vida Veg

É uma satisfação poder contar com um veículo de comunicação de extrema qualidade na nossa cidade. Na última edição, fiquei admirado com a matéria do aniversário de Lavras, com tantas curiosidades e histórias surpreendentes.

Luiz Gonzaga Pereira Contador

Quando o editor da Revista Ipê, Édison Marques, fez uma visita à Assessoria de Comunicação da Universidade Federal de Lavras, para apresentar o projeto da revista, em 2012, ressaltamos a magnitude desse desafio. Visionário e persistente, fez com que o veículo de comunicação se consolidasse na comunidade de Lavras e região, tornando-se uma leitura agradável e de referência. Com projeto gráfico atrativo e profissionais qualificados, a Revista Ipê apresenta, a cada edição, conteúdo relevante, informativo e diferenciado. Como jornalista, tenho acompanhado a evolução dessa publicação e a força de seu profissionalismo. Equipe Ipê, vocês venceram a primeira e mais difícil etapa do desafio. Agora, com raízes fortes, certamente terão flores em abundância. Um orgulho para Lavras e um exemplo para a área de comunicação.

Cibele Aguiar Jornalista UFLA


SHOW ROOM MODAFEMININA & MASCULINA

Showroomlavras Praça Leonardo Venerando, 436, loja 105, Edifício Dr. João Lacerda - Centro - Lavras/MG - (35) 3826-6028


COLABORADORES

12

RAIZES PIVOTANTES Os colunistas da Revista são como as raízes pivotantes dos ipês, imprescindíveis para o florescimento da nossa estrutura. Nutrem os leitores com conteúdos e informações de qualidade, constroem pontes, e estabelecem novas conexões, permitindo a disseminação de mentes férteis e brilhantes.

LEANDRO REZENDE Administrador

MARINA ALVARENGA BOTELHO Jornalista

HELDER TOBIAS Publicitário e Designer Gráfico

ANA CAROLINA S. ABE-SÁBER Chef de Cozinha

DERIVAN FERREIRA DE SOUZA Barman

Empresário, Administrador, Proprietário da Agência LL Comunicação e Design. Presta consultoria paragrandes empresas de Lavras e Região. Expertise em Branding, Campanhas, Design de Embalagens e Redes Sociais.

É jornalista, formada pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Especialista em Cinema pela Estácio de Sá e Mestre em Educação pela Universidade Federal de Lavras (Ufla). Atualmente é professora dos cursos de Publicidade e Propaganda e Administração da Fadminas.

Iniciou sua carreira profissional na Universidade Federal de Lavras (Ufla), onde atuou por mais de 15 anos nas áreas de comunicação e marketing. Atualmente presta consultoria e assessoria de comunicação e marketing para empresas e trabalha no Centro Universitário de Lavras (Unilavras), atuando com publicidade e marketing digital.

Nasceu em Lavras, formou-se em Turismo pela Newton Paiva em Belo Horizonte. Fez o curso de Cozinheiro Profissional do SENAC BH e Gastronomia Internacional pela escola de culinária Mausi Sebess de Buenos Aires. Foi chef da confeitaria do restaurante francês Alice Braserrie de Brasília, onde abriu seu restaurante.

Derivan Ferreira recebeu o Prêmio Barman do Ano – da Revista Veja São Paulo em 2004, e Prêmio Barman do Ano da Revista Gula em 2005, 2006 e 2007. Expert em drinks, tem quase quarenta anos de profissão. Mestre Derivan – como é conhecido, é uma das maiores referências sobre drinks no Brasil. É formado pela I.B.A –International Bartenders Association e pela Hostess Schol - Instituto de Hotelaria Ernesto Maggia –Stresa –Italia. Tem oito livros publicados sobre bebidas e drinks.

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


CULTURA

14

FESTIVAL DE BALLET ENCANTA LAVRAS Camila Bibiano, formada pelo Royal Academy of Dance, aplica nas aulas o método da academia inglesa Foto: Alex Bernardes

M

ais atrações culturais em Lavras. O Studio de dança Camila Bibiano apresentou na cidade a remontagem do ballet Cinderella, um clássico. O roteiro do espetáculo, realizado pela dançarina e diretora de ensino do Studio, Camila Bibiano, baseou-se nas versões de Cinderella feitas pelo San Francisco Ballet e pelo Ballet da Opera de Paris, além de contar com momentos inspirados nos contos da Disney. O elenco teve a participação de 73 alunos do próprio Studio de dança Camila Bibiano, mais a participação do bailarino Leandro Avelino, convidado para o papel de príncipe. A diretora de ensino do Studio relata que durante o ano são realizados um ou dois festivais, sendo o principal nos últimos meses, como este, realizado no final de novembro. Para Camila, o festival é uma forma de o aluno mostrar o aprendizado adquirido durante todo o ano, prática conquistada com muito trabalho, estudo

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016

e dedicação. “Ficou a saudade dos ensaios, mas com ele a expectativa do próximo festival, bem como do próximo ano letivo”, comenta. Camila Bibiano é formada pelo Royal Academy of Dance. Há cerca de dois anos, ela trabalha o método da academia inglesa em Lavras. “Para o próximo ano já temos o cronograma que inclui algumas novidades como o exame internacional da Royal aqui na cidade de Lavras, apresentações de ballet na região e participações em eventos da Royal na cidade de São Paulo”, afirma a dançarina. O festival contou também com o trabalho de outros profissionais, fundamentais na realização do evento. Entre eles, a equipe de filmagem e fotografia; de cenografia; costureiras e figurinistas, além de amigos e familiares que se envolveram e emocionaram com a produção mágica desse conto de fadas que ficará eternizado na memória de todos que prestigiaram.

Novos alunos poderão se matricular entre 9 de janeiro e 3 de fevereiro de 2017.

Av. Av. Jucelino Kubitscheck, 268, centro, Lavras/mg 35 3821-8111 Studio de Dança Camila Bibiano bibianoballet@yahoo.com.br


O QUE MAIS APROVA

UMA AVENTURA ACADÊMICA

Família Gammon

MA PR OG RA IAD O DI FE RE NC O DE EN SIN ÊS DE IN GL

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


TRILHAS

16

ITYRAPUAN N

esta edição vamos para Ityrapuan, comunidade rural que fica a 10 km de Lavras, sentido Itumirim. Ityrapuan é palavra de origem indígena que significa morro redondo. Referência às muitas serras que podem ser vistas dali. Esta trilha é um circuito, ou seja, vai e volta sem passar pelo mesmo lugar. Passaremos por estradas de terra, trilhas e asfalto. Saindo do centro de Lavras, vamos até o Distrito Industrial, cruzamos o Bairro Bela Vista e pegamos a estrada de terra sentido Itumirim. É um “estradão” tranquilo, sem subidas difíceis. É um trecho agradável, com a Serrinha (Serra da Bocaina) à nossa direita o tempo todo e a típica paisagem rural da nossa região. Após pedalarmos por 10 km, chegamos a Ityrapuan, uma comunidade rural composta por fazendas, algumas casas, uma escola municipal, REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016

uma capela (São Judas Tadeu), mercearias, uma estação de trem abandonada e o Colégio Adventista. A estação ferroviária, inaugurada em 1923 e ativa por muitas décadas, encontra-se abandonada e em ruínas desde o fim da era do trem de passageiros na região. Cruzamos a linha de trem e, em frente à portaria do Colégio Adventista, pegamos à direita, indo por uma estrada de terra. Um pouco adiante, uma subida não muito forte e um bom trecho praticamente plano, passando por vegetação de Cerrado e um cafezal. Belos exemplares de palmeira macaúba podem ser vistos ao longo da estrada. Ao final desse cafezal, saímos da estrada e pegamos uma trilha (finalmente uma trilha!) à direita, passando por uma pequena porteira e descendo por uma cava, totalmente coberta pelas copas das árvores. Ao sair-

mos dessa cava, damos início a uma subida leve, cruzando um Cerrado típico. A princípio, a vegetação do Cerrado pode parecer pobre, sem atrativos. No entanto, o Cerrado é um bioma com grande biodiversidade e abriga uma flora cuja beleza surpreende e encanta. Para usufruir dessa beleza, é preciso se aproximar, descer da bike, caminhar na vegetação e observar com atenção. Muitas vezes, as plantas com as flores mais belas não ultrapassam a altura de nossos joelhos. As árvores ali presentes são típicas dessa vegetação, ou seja, de pequeno porte, tortuosas e de casca grossa, como o pequizeiro e o barbatimão. A lobeira (ou fruta-de-lobo) chama a atenção por sua abundância, suas belas flores roxas e seus grandes frutos. Até esse ponto, já pedalamos por 14 km.


LEGENDA 01 - Cava 02 - Capela Sao Judas tadeu 03 - Cachoeira do Basalto 04 - Estação de trem

ITYRAPUAN Após essa subida, pedalamos por um trecho plano da trilha, conhecido como “Trilha das gabirobas” por causa da abundância dessa espécie naquele local. A gabiroba é uma fruta típica do Cerrado, saborosa e rica em vitamina C, que amadurece em novembro-dezembro. Vários pássaros, peixes e répteis (como o lagarto-teiú) também apreciam essa fruta. Outra espécie frutífera presente nesse trecho é o araçá. E com muita atenção e um pouco de sorte, você poderá encontrar o cajuzinho-do-Cerrado, que também frutifica no final do ano. Ao final desse trecho, viramos à direita e descemos 500 m em direção a uma cachoeira que recebe várias denominações, entre elas, Cachoeira do Basalto. A queda d’água é pequena, assim como o poço, mas é água suficiente para dar uma refrescada. A mata ciliar em volta

do poço tem belas árvores, como o guanandi, a copaíba e o breu. Voltamos para a trilha das gabirobas e seguimos nosso caminho por uma estrada de terra em meio a um eucaliptal. Passamos por uma fazenda e chegamos à Rodovia MG-354 (que liga Lavras a Luminárias), a poucos metros da entrada do Parque Ecológico Quedas do Rio Bonito. Nesse ponto, já pedalamos por 18 km. Daí pra frente, só asfalto. Como essa rodovia não tem acostamento, devemos pedalar com muito cuidado. Mais 12 km e estamos de volta ao centro de Lavras. Total: 30 km. É uma das melhores opções de passeio de bike na nossa região. Como sempre, caso decida fazer esse pedal, é bom estar acompanhado, pelo menos na primeira vez, por alguém que conheça o caminho.

30km

Percurso (ida e volta)

02:15:00

José Márcio Faria Professor da UFLA

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


INVESTIMENTOS

18

Os representantes da Rodobens, Leandro Costa Cunha e Juliana Costa

CONSÓRCIO: SEGURO, EFICIENTE E ACESSÍVEL Uma nova aposta para investidores Por Camila Caetano

S

em pagamentos de juros, menos burocrático e com aprovação de crédito de forma fácil e rápida. Essas são algumas das vantagens do consórcio, que pode ser utilizado para diversas finalidades, sendo capaz de resolver as suas necessidades e ainda realizar os seus sonhos e, o melhor de tudo, de forma planejada. O consórcio é seguro e confiável, visto que é um setor da economia regulado pelo Banco Central, possuindo legislação própria. Entretanto, é fundamental estar atento ao escolher uma administradora. Esta deve ter credibilidade e representantes altamente profissionais. Lavras conta com Leandro e Juliana Costa, representantes da Rodobens Consórcio, uma das maiores e mais antigas empresas independentes do setor. Com 50 anos de

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016

história, ela foi responsável pelo primeiro consórcio de imóveis do Brasil e a primeira a formar grupos nacionais. Desde sua fundação, é filiada à Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac), cumprindo assim todas as exigências impostas pelo Banco Central. Leandro e Juliana, profissionais conceituados, já realizaram consórcios com diversos empresários e investidores de Lavras e região. Nesta edição da Revista Ipê, eles explicam os inúmeros benefícios de se fazer um consórcio. NÃO HÁ JUROS? Isso mesmo, no consórcio você não paga juros nas mensalidades, pois estas são formadas pelo fundo comum (que é o valor do bem), mais o seguro e a taxa administrativa. Es-

ses valores são divididos pelo período de duração do consórcio. É válido ressaltar que ainda há administradoras no mercado que cobram por um fundo de reserva, o que não ocorre na Rodobens. VALORES PARA TODOS OS PERFIS Os valores das prestações são acessíveis ao perfil de cada pessoa, pois é o cliente que decide quanto pode investir mensalmente. AJUDA NA NEGOCIAÇÃO Quando contemplado você ainda pode aproveitar o dinheiro em mãos e negociar a compra do seu bem à vista, com desconto. Sendo assim, aquele plano de comprar o imóvel dos seus sonhos é concretizado.


AO SER CONTEMPLADO, VOCÊ PODE PEGAR O CRÉDITO EM DINHEIRO As pessoas pensam que o consórcio vale apenas para a aquisição de bens, entretanto, é possível receber o valor do crédito em espécie, ou seja, em dinheiro. Além disso, é possível quitar um financiamento com o crédito da contemplação. Hoje, a legislação permite essa quitação total de financiamento com o crédito recebido na contemplação de consórcio. FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO Para você que não está conseguindo fazer o financiamento imobiliário, o consórcio também é uma ótima saída. Você pode fazer a adesão, sem um valor de entrada, pagando somente as parcelas do plano escolhi-

VEJA OS TIPOS DE CONSÓRCIO E O QUE VOCÊ PODE ADQUIRIR:

do, e aguardando sua contemplação por sorteios e lances menores. POUPANÇA E INVESTIMENTO Se você é do tipo de pessoa que não consegue poupar, o consórcio é uma das melhores opções. Pois você passa a ter a disciplina de fazer uma reserva todos os meses! Sendo assim, além de economizar, você estará investindo. O consórcio também reúne inúmeras vantagens nesse quesito, permitindo que você realize um investimento de forma segura, sem taxa de adesão, fundo de reserva e isento de imposto de renda, apenas taxas administrativas. Além disso, ao ser contemplado, você poderá ter um lucro de até 1,2% ao mês no valor da sua carta. Assim, o seu crédito ficará rendendo sobre o valor total a receber. Neste caso, você poderá optar por deixar o valor render mensalmente até o

• Casas • Lotes • Terrenos • Reformas (mão de obra e material) • Automóveis

momento em que queira usá-lo ou até o final da última parcela do consórcio, resgatando o valor da carta mais o rendimento total.

LJS

Consórcios FICHA TÉCNICA LJS - Consórcios Leandro e Juliana Costa Há 9 anos trabalhando com consórcio www.ljsconsorcios.com.br/ (35) 9 8848.9998

• Festas • Motos • Viagens • Cirurgia plástica • Casamentos, etc.

DEPOIMENTOS DE CLIENTES RODOBENS

Paulo Luciano de O. Carlos ADVOGADO

Investir em consórcios foi uma decisão muito importante, pois além do retorno financeiro, comecei a ver os sonhos tornarem-se realidade. Mas tão importante quanto investir nos meus sonhos foi a escolha dos profissionais. Com o Leandro e a Juliana da LJS senti total segurança em investir, não uma vez, mas várias. Certamente recomendo!

Livian Moura EMPRESÁRIA

Optei pelo consórcio por vários motivos, destaco dois que me chamaram a atenção: fico livre dos altos juros de um financiamento e, quando eu for sorteada, vou decidir o que fazer. Destaco também a comodidade e atenção que me deram. Percebi que a Rodobens é uma empresa séria, por isso já indiquei a amigos e penso em adquirir outra cota quando terminar de pagar esta.

Marco Antônio Andrade Júnior MÉDICO

O melhor do consórcio é que não pago juros e posso fazer minhas compras programadas! Já fui contemplado e enquanto decido o que vou fazer com minha carta, ela está rendendo. Gostaria de parabenizar a Empresa Rodobens pelo excelente atendimento, e por ter ótimos profissionais trabalhando junto a ela. E agradecer em especial a LJS representante Rodobens que me deu um excelente atendimento.

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


22

A SAÚDE COMEÇA PELA BOCA SAÚDE

E

Nasser Abdallah Zorkot Cirurgião Dentista Especialista em Implantodontia Rua Francisco Sales, 585 - SL 01 - Lavras/MG (35)3821-4522

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016

scovação adequada dos dentes e uso correto do fio dental, assim como visitas ao seu dentista, podem ajudar a prevenir doenças gengivais que podem estar relacionadas a outras doenças do seu organismo. Foram encontradas uma série de relações entre infecções que ocorrem na boca e problemas cardiovasculares, diabetes, obesidade, câncer, osteoporose, parto prematuro e nascimento de bebês abaixo do peso. A ideia de relacionar a saúde bucal com problemas em outras áreas do corpo surgiu no início do século XX. Nessa época, acreditava-se que infecções com origem na boca poderiam ser a causa direta de outras doenças – nascia aí a tese da infecção focal, várias pessoas tiveram os dentes arrancados desnecessariamente. Acreditava-se, sem qualquer base científica, que arrancar os dentes com problemas evitaria que a infecção fosse disseminada. Na década de 1970, o dentista americano Steven Offenbacher realizou pela primeira vez um teste clínico que ligava processos inflamatórios na boca com a ocorrência de parto prematuro, o que fez a relação boca e corpo ser levada a sério novamente. Teve início, então, uma onda de novas pesquisas científicas em busca de quaisquer relações com as demais inflamações do corpo. Dezenas de estudos conseguiram confirmar os achados de Offenbacher e encontraram ainda conexões dos males bucais com diabetes, doenças cardiovasculares, pulmonares, de próstata, osteoporose e câncer. As infecções bucais podem causar prejuízos aos demais órgãos por dois processos inflamatórios diferentes. No primeiro e mais simples, a bactéria da gengiva viaja pela corrente sanguínea até as veias coronárias (que levam sangue ao coração) e se alojam ali, infeccionando a membrana da válvula. No segundo, o sistema imunológico libera diversas substâncias no organismo. enquanto luta para exterminar as bactérias invasoras que tiveram origem na boca. Isso causa um desequilíbrio químico, elevando os níveis de substâncias que interferem no funcionamento de órgãos, do metabolismo e de sistemas inteiros do corpo. É o caso, por exemplo, do diabetes. O processo inflamatório na gengiva não causa a doença, mas ajuda a desequilibrar o balanço químico do organismo, dificultando, assim, o controle dos níveis de glicose. Mas a relação entre as condições é uma via de mão dupla. O diabetes, por si só, pode piorar quadros de inflamação gengival. Esse mesmo desequilíbrio químico pode estar relacionado ainda com problemas como câncer, parto prematuro e nascimento de bebês abaixo do peso, artrite reumatoide e obesidade. Prestar atenção ao que acontece na boca, pode ser não só uma boa maneira de evitar doenças, mas também de detectá-las.


REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


ANSIEDADE E PREOCUPAÇÕES EXCESSIVAS

24

A ansiedade pode se tornar um fenômeno patológico, prejudicial ao nosso funcionamento psíquico (mental) e somático (corporal).

A

SAÚDE

ansiedade se caracteriza por uma preocupação excessiva com situações triviais do dia a dia. É um estado afetivo caracterizado por um sentimento de insegurança; é um desejo ardente, uma incerteza quanto ao amanhã. É a sensação, às vezes vaga, de que algo desagradável está para acontecer. Eliminar este hábito é complicado, já que as pessoas acreditam que a sua preocupação lhes protege. Relacionada com o futuro, a ansiedade nega o presente, o que tem agora. Tudo o que está relacionado com o daqui a pouco, o amanhã, é ansiedade. Em pequenas doses é saudável, mas em demasia se torna uma doença. Quando você está extremamente ansioso, dificilmente sua mente vai atuar a seu favor. Resultado: seu desempenho cai, seu prazer e a sua sensibilidade ficam comprometidos. Para colocar fim à preocupação crônica e à ansiedade gerada pela crença de que a preocupação tem um efeito positivo, deve-se tentar enxergar que a preocupação é o problema e não a solução. Adiante listamos as principais dicas para recuperar o controle da mente preocupada:

Psicólogos

Rodrigo Pablo de Oliveira Milene Campos Duarte Vaz Clínic Centro Médico Rua: Costa Pereira, 108, Centro, Lavras/MG (35) 3013-4777

• Respirar profundamente; • Conversar consigo mesmo, mantendo o diálogo interno; • Obter informação sobre o que o está preocupando; • Identificar os sintomas; • Diminuir as expectativas; • Identificar o que causa insatisfação; • Identificar se depende apenas de você modificar a situação, se depende de outra pessoa, ou se não há como mudar algo no momento presente. Isso é importante para que você não desperdice sua energia, nem seu tempo, com aquilo do qual você não pode mudar ou ter o controle; • Ter consciência que só poderá mudar o que depende de você; • Procure ocupar-se e manter seus pensamentos no momento presente, não se “pré-ocupando”; • Evitar relacionamentos negativos e/ou pessoas críticas; • Permanecer no presente, permitindo-se sentir cada momento como se fosse único; • Parar com a necessidade de querer ter controle sobre tudo, você pode não ter controle sob o amanhã, mas você poderá ter controle sobre seus comportamentos hoje; • Valorizar todas suas conquistas. Tire proveito das suas experiências positivas em vez de ficar lembrando e/ou lamentando as negativas. • Fazer psicoterapia – autoconhecimento; Fundamentalmente o tratamento da ansiedade é realizado por um psicólogo, através de psicoterapia, na correção de pensamentos automáticos negativos e crenças disfuncionais, em casos mais severos, o trabalho conjunto com médico psiquiatra se faz necessário.

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


Foto: Divulgação

TECNOLOGIA

28

EQUIPE TROIA: DE LAVRAS PARA O MUNDO Tecnologia, Robótica, Otimização e Inteligência Artificial Combate na RoboGames, maior competição de robótica do mundo

Por Camila Caetano Fotos: Daniel Rocha Fotografias

A

pós intensa pesquisa, estudantes da Universidade Federal de Lavras (Ufla) desenvolvem robôs com alta tecnologia, que são testados em grandes combates nacionais e mundiais. Esta é uma das finalidades da equipe Troia: Tecnologia, Robótica, Otimização e Inteligência Artificial. Mas, a guerra de robôs em si é apenas um espetáculo à parte. O robô visto na arena é somente a ponta do iceberg de seu desenvolvimento. Para chegar a este ponto, os membros das equipes de robótica desenvolvem amplos projetos, principalmente nas áreas das engenharias mecânica e eletrônica, que encontram grande aplicação na sociedade. “Existem exemplos, tais como, o desenvolvimento de eletrônicas controladoras de motores elétricos, que foram utilizadas para o controle

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016

de cadeiras de roda motorizadas; a criação de um robô de inspeção de oleodutos na indústria petroleira, e recentemente a tentativa de implementação de um sistema de navegação autônomo aplicado à agricultura. Todos estes partiram de tecnologias desenvolvidas por equipes de robótica e aplicadas primeiramente nos combates. Somos como a NASA, nem todo foguete desenvolvido traz contribuições diretas para a sociedade, contudo a tecnologia por trás consegue alavancar vários campos da engenharia”, explica o capitão geral da equipe Troia, Mateus Rodrigues Santos, 20 anos, estudante de Engenharia de Controle e Automação. Para o capitão geral, todo combate é um crescimento pessoal para cada membro da equipe. “Não saberia descrever em palavras o senti-

mento de ver um projeto que trabalhamos horas a fio, planejando cada detalhe e construindo com nossas próprias mãos. Não importa quantas competições participamos, o frio na barriga é sempre o mesmo, e é maravilhoso independente do resultado da luta”, comenta. Além disso, Mateus considera primordial a interação que há com o público durante as competições. Ele explica que várias pessoas comparecem aos eventos em busca de conhecer melhor o cenário da robótica, e, é claro, assistir ao grande show dos combates. “O que acho mais legal é como essas competições motivam o público jovem a seguir estudando, visto a possibilidade de um dia desenvolverem máquinas como aquelas que eles assistem. Como “robôs” é um tema que desperta a curiosidade em mui-


ta gente, os eventos sempre contam com aqueles que são leigos, mas que têm muito interesse”, afirma. Atualmente, a equipe Troia está em fase de preparação para participar em 2017 da Robogames, a olímpiada mundial da robótica, que acontece todos os anos em abril, na cidade de Pleasanton, Califórnia. Competem mais de 30 países, em mais de 50 modalidades diferentes de jogos. “A equipe nunca foi a esse evento, porém, visto o acúmulo de excelentes resultados no cenário nacional, achamos que é hora de expandir nossos horizontes e participar

dessas competições”, relata Mateus. Essa será a oportunidade de mostrar a tecnologia de Troia para o mundo, alavancando o nome da Ufla e de Lavras no cenário mundial da ciência e tecnologia, conquistando ainda mais espaço no cenário da robótica. O INÍCIO DE TROIA Tudo começou em meados de 2011, quando dez alunos do curso de Engenharia de Controle e Automação da Ufla reuniram-se com o objetivo de construir um robô de combate para participar das com-

petições promovidas pela empresa RoboCore. O grupo foi nomeado de NemecaBotz. Paralelamente, três alunos, também do curso de Engenharia de Controle e Automação, reuniram-se com o intuito de construir um robô para participar das competições de sumô autônomo da RoboCore. Este grupo foi nomeado de Ctrl-A, Controle, Tecnologia, Robótica e Lógica Aplicada. Ambos levaram certo tempo para produzir o seu primeiro protótipo, pois não possuíam conhecimento técnico na área da robótica, nem mesmo estrutura física e recursos suficientes. Os grupos só tomaram conhecimento um do outro dois meses antes da primeira competição da qual iriam participar: a Winter Challenge 2012, que ocorreu em Jaguariúna (SP). A partir do encontro casual iniciaram uma nova parceira, tornando-se uma equipe mais forte. No dia 27 de junho de 2012, criaram a equipe de robótica Troia. Com um custo de aproximadamente R$ 400,00 construíram o primeiro robô, o Kamikaze, da categoria de combate até 5,44 quilos. Com o tempo, eles foram aperfeiçoando o robô, que já está em sua quarta geração, além de outros dez robôs na família. A equipe foi se aprimorando cada vez mais, até chegar ao Aquiles (combate - até 27,2kg), avaliado

Equipe de robótica da Universidade Federal de Lavras TROIA

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


TECNOLOGIA

30

Robôs da equipe TROIA

em R$ 15.000,00. Desde então, ela vem projetando, desenvolvendo e construindo vários tipos de robôs, de diferentes categorias. “Apostamos na ideologia de que nada é bom o suficiente que não possa ser melhorado, e todo desenvolvimento é válido”, afirma o capitão geral. Atualmente a equipe conta com 34 estudantes, sendo que nesses anos já passaram ao todo 59. E quem pensa que esse tipo de habilidade é apenas para homens está muito enganado. Já estiveram na equipe Troia 13 mulheres. Hoje, há oito, que fazem toda diferença na equipe. “Cada vez mais a mulher está se inserindo no mundo da robótica. Acredito que, hoje em dia, nós mulheres estamos combatendo de frente aquele antigo preconceito de que éramos excluídas nas áreas de ciência e tecnologia. Pouco a pouco, estamos conquistando nosso espaço e descobrindo como REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016

o mundo funciona. A robótica nos instiga a engenhar, pensar e criar a solução de um problema. O preconceito existe, mas ele está deixando de se tornar um obstáculo. Nas competições é visível uma grande discrepância na relação quantidade de homens e mulheres, somos poucas, mas garanto que não estamos nem um pouco atrás deles”, comenta a líder de gestão da equipe Troia, Isadora Ceotto de Oliveira, 20 anos, estudante de Engenharia Mecânica. DISCIPLINA E PLANEJAMENTO Com apenas quatro anos de estrada, Troia já é considerada a oitava maior equipe de robótica do Brasil, competindo de igual para igual com aquelas “velhas de guerra”, de 10 a 15 anos. Esse cenário se fez possível com amplo trabalho e dedicação de seus membros. E uma equipe só tem um bom

funcionamento se estiver em plena sintonia, por isso tudo deve ser bem dividido e alinhado. Sendo assim, a Troia possui três setores, sendo eles: Gestão, responsável por obter patrocínios, realizar contatos, analisar os editais; Mecânica, que estuda todos os materiais necessários para a construção dos robôs, além de desenvolver a estrutura dos mesmos: e Eletrônica, que executa a construção das placas de controle e de potência, além de fazer a programação dos robôs autônomos. Cada área tem um respectivo líder que coordena as atividades. A equipe ainda tem um conselho, que reúne os principais representantes para a tomada de decisões em conjunto. Além disso, todos participam obrigatoriamente de uma reunião de sua respectiva área e de uma reunião geral, para o repasse das atividades. “A equipe é muito dinâmica, nos encontramos praticamente todos os dias e desenvolvemos nossas atividades em nosso laboratório. O clima é de muita amizade e companheirismo. Somos como uma família”, comentam os integrantes. A equipe relata que o tempo médio de construção de um robô depende principalmente da restrição financeira. “Sempre estamos procurando parceiros e patrocinadores que apoiem nosso trabalho e nos ajudem a transformar nossos projetos em realidade. Se não houvesse tal limitação, a construção de um robô poderia ocorrer em aproximadamente dois meses (desde projeto mecânico e eletrônico virtual até a construção do protótipo). A cada competição muitas vezes alteramos algumas partes do projeto, então nossos robôs estão em constante fase de melhoria”, afirma Troia. Mesmo sendo jovem, a equipe tem conseguido uma evolução extraordinária, isso deve-se à excelência no trabalho em equipe e na aplicação dos conhecimentos adquiridos na Universidade. DESTAQUES A equipe Troia já acumula troféus em competições nacionais e internacionais de robótica. Confira alguns dos destaques ao longo dessa história:


2013 • A equipe Troia foi recebida pelo reitor da Ufla, professor José Roberto Scolforo. O reitor parabenizou a equipe pelo desempenho na Winter Challenge, maior competição de robótica da América Latina. Eles conquistaram a 2ª e 3ª colocações, superando equipes de tradicionais universidades brasileiras. O robô Pé de Pano foi o segundo colocado na categoria hobbyweight até 5,5 kg, com cinco vitórias e duas derrotas. Já o robô Kamikaze ficou com a terceira colocação, com seis vitórias e duas derrotas. 2014 • A equipe Troia recebeu da Prefeitura de Lavras e da Câmara de Vereadores do município um Certificado de Mérito Técnico-Científico pelos resultados alcançados na Olimpíada Internacional de Robótica – a “STEM Tech Olympiad 2014”, realizada nos Estados Unidos. Na competição eles conseguiram alcançar o primeiro lugar na categoria hobbyweight, além de outro, estreante, que ficou em 3º lugar na categoria lightweight. • Novamente na Winter Challenge, e com um destaque ainda maior. Dessa vez, o robô Pé de Pano venceu a competição na categoria hobbyweight – para robôs de até 5,5 kg. 2015 • Voltaram para casa com o título de primeiro lugar na categoria

featherweight do torneio robótico Submarino URC (Ultimate Robot Combat), promovido durante a XIII Campus Party. Venceram com um dos robôs mais recentes, o Pegasus, na categoria 13,6kg. • A equipe também teve um desempenho destacado no III Summer Challenge, maior evento da América Latina em combates de robôs. Dessa vez, realizada nos Ginásios da Ufla. Troia subiu no pódio três vezes. Conquistaram o título do hockey sobre o time Olympus, da equipe ThundeRatz, além de outras duas medalhas em categorias de combate: Pé de Pano (até 5,44kg) venceu o Orthus, conquistando o ouro, e o robô Aquiles (até 27,2kg) ficou em 3º lugar na categoria lightweight. 2016 • Participaram novamente do Winter Challenge, e conquistaram dois ouros, uma prata e um bronze. Obtiveram o ouro na categoria hockey vencendo a equipe ThundeRatz (USP), que era a atual campeão mundial na categoria. O outro ouro veio com o robô Cavaco, primeiro colocado na categoria beetleweight (até 1,36kg). Além disso, na categoria sumô, o estreante Pumba conseguiu a segunda posição. Conquistaram também o terceiro lugar com o Kamikaze, na categoria hobbyweight (até 5,44kg).

OS COMBATES Durante os combates, os robôs devem imobilizar ou destruir o adversário. Cada um deles possui as suas estratégias e armas, como martelos, hélices, serras, lança-chamas, e tudo é feito por meio de controles remotos. Assim como em qualquer competição há diversas regras a serem seguidas. Uma delas é a divisão dos robôs por categorias. • COMBATE: com robôs de até 55kg controlados por rádio, ela é dividida nas categorias: beetleweight, hobbyweight, featherweight, lightweight e middleweight. A disputa ocorre entre dois robôs, que devem resistir ao máximo em rounds de três minutos. • SUMÔ: o robô deve empurrar o oponente para fora do ringue. Há quatro grupos distintos: mini-sumô com unidades de 500g autônomos, robôs radiocontrolados de até 3kg, robôs autônomos de até 3kg e robôs autônomos Lego de até 1kg. • SEGUIDOR DE LINHA: os competidores devem seguir um trajeto identificado no chão de forma autônoma e no menor tempo. • HOCKEY: há dois times, cada um com três robôs que competem tentando fazer gols. Os robôs possuem 6,8kg. Vence a equipe que conseguir fazer mais gols durante o tempo estabelecido. • TREKKING: há uma programação prévia e o robô é autônomo, devendo chegar a lugares já definidos.

FICHA TÉCNICA Equipe TROIA Equipe de robótica da Universidade Federal de Lavras TROIA youtube/equipetroia @equipetroia facebook.com/equipetroia Algumas conquistas ao longo dessa história REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


CULINÁRIA SAUDÁVEL

32

SAÚDE NA COZINHA Chefinhos Fotos: Milena Fráguas

A

nutricionista Priscila Bergamim e a chef Jihan Mendonça festejam o sucesso do primeiro workshop de culinária infantil em Lavras, revolucionando a maneira de ensinar e desmistificar a ideia de que comer saudável pode sim ser prazeroso. Patrocinadores: • Kasa Engenharia e Arquitetura • Gelateria Italiana • A Granel Armazem • Verde Campo • Dona Santa Restaurante • PitieTico • Priscila Bergamin (Nutricionista) • Casa da Embalagem • Dr. Chicre A. Abi-Saber Miguel (Dentista) • Papelaria Crepaldi • Mais Saudável • Fit+ • Mr. Bacana • Dra. Luciana Giarolla (Pediatra)

Agradecimentos:

DECORAÇÃO FEITA POR BUFFET FAZENDO A FESTA

• Casa da Dieta Natural • Hiper Verdurão

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


36

LIS BLEU:

CAPA

Escolha perfeita para quem almeja tranquilidade em Tiradentes Chalés sofisticados e vista privilegiada para a Serra de São José criam uma atmosfera romântica na pousada

Por Camila Caetano Fotos: Wladimir Loyola

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


CAPA

38

T

iradentes é aquele tipo de cidade que você chega e não quer mais sair, é o local perfeito para dar uma pausa na vida e aprimorar todos os sentidos. Além da viagem pelo tempo, entre igrejas barrocas e museus, a cidade é contemplada pela charmosa pousada Lis Bleu, que permite uma hospedagem marcante. Foi fundada em 2011, pelos empresários Leonardo e Tatiana Cestari, que vieram de São Paulo, fugindo do caos do centro urbano à procura de tranquilidade. O casal relata que o nome da pousada é inspirado na plantação da flor de Lis que há no local desde que escolheram a proREVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016

priedade. Os empresários contam que tudo na Lis Bleu foi selecionado com muito apreço, sempre pensando no bem-estar dos hóspedes. Leonardo e Tatiana já possuíam experiência no ramo da hotelaria, por isso, toda a pousada foi bem projetada, procurando unir sofisticação e prazer em um só lugar. Vários elementos foram feitos a partir de materiais de demolição, permitindo que sobressaísse uma decoração rústica e charmosa. A pousada é uma das privilegiadas pela vista encantadora da Serra de São José. Mesmo preservando a quietude da natureza, Lis Bleu fica a apenas 700 metros do centro histó-


rico, assim os hóspedes podem deixar o carro de lado e admirar todas as maravilhas de Tiradentes a pé ou até mesmo de charrete. Além disso, está a somente 100 metros da antiga estação ferroviária. Em poucos minutos é possível chegar à famosa Maria Fumaça e fazer um passeio indescritível até São João Del Rei, surpreendendo-se com toda a natureza que permeia o trajeto. A pousada também foi pensada para aqueles que mesmo nos dias de descanso precisam trabalhar, por isso, todas as dependências da Lis Bleu, inclusive os chalés, possuem acesso à internet com rede wi-fi.

Lis Bleu possui um clima intimista, com 12 chalés, e detalhes que fazem toda a diferença na hospedagem, como banheiras de hidromassagens individuais ou para o casal. O conforto é algo primordial, por isso todos os chalés são espaçosos, com lareiras, cama queen size, lençóis de puro algodão 250 fios, frigobar, ar condicionado, TV LCD, além de uma decoração sofisticada. É válido ressaltar que os chalés estão localizados em uma área inigualável e resplandecente, com uma vista deslumbrante do bosque nativo.

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


CAPA

40

O conforto na pousada está além dos dormitórios, na área externa há uma aconchegante piscina climatizada com hidromassagem e uma sauna. Já o café da manhã tem um toque a mais de sofisticação, pois é servido no ponto mais alto da pousada, em um deck sedutor com a companhia da majestosa Serra de São José, com seus paredões de rocha de até 1.100 metros. Para permitir uma hospedagem ainda mais completa e harmoniosa, todo o café da manhã é produzido na própria pousada: geleias, pães, pão de queijo, bolos, dentre outros alimentos típicos de Minas Gerais, todos fresquinhos. Outro destaque é que o fogão a lenha fica à disposição dos hóspedes, que podem esquentar os pães e derreter os queijos, enquanto contemplam a natureza em um clima mais que romântico.

FICHA TÉCNICA Pousada Lis Bleu Rua Ovidio de Abreu, 152, Tiradentes - MG (32) 3355-1434 (32) 3355-1453 pousada@lisbleu.com.br lis bleu pousada pousadalisbleu www

lisbleu.com.br

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


TIRADENTES

44

TIRADENTES: UMA VIAGEM PELO TEMPO Por Camila Caetano Fotos: Alberto Lopes

V

iajar pelo tempo, deslumbrar-se pela história, e ficar fascinado com a arquitetura e o charme. Estas são algumas das sensações ao conhecer Tiradentes, considerada uma das cidades mais encantadoras de Minas Gerais. Tiradentes é aquele tipo de cidade que oferece atração para todos os gostos e idades. A viagem pode ser romântica, aventureira ou cultural. Casais, amigos, família. Todos são sempre bem recepcionados. Pelas ruas de pedras pé-de-moleque, construídas pelos escravos na época da exploração do ouro, é possível fazer uma caminhada ou um passeio de charrete, contemplando a história do Brasil, apreciando as belas igrejas e casarões.

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016

As paradas turísticas são infindáveis, e algumas são primordiais: as igrejas Matriz de Santo Antônio, Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, Nossa Senhora das Mercês dos Pretos Crioulos; os museus Padre Toledo, Sant’Ana, Liturgia; o Chafariz de São José, dentre outros pontos essenciais e fantásticos na história de Minas Gerais. E em cada lugar é possível vislumbrar a imponente Serra de São José, que emoldura toda a cidade. Conhecer Tiradentes é entrar na história. Os restaurantes, bares, antiquários, lojas e pousadas preservam os casarões de séculos atrás. Não é à toa que a cidade já foi escolhida como cenário de muitas novelas. Tiradentes vai além dos monu-

mentos históricos, para conhecê-la melhor é preciso saborear a culinária local: frango com ora-pro-nóbis, feijão tropeiro, frango ao molho pardo, tutu, além dos doces de leite, ambrosia, pé de moleque, dentre tantos outros. Também é essencial conhecer o artesanato da região, realizado em pedra sabão, madeira, latão, estanho, ferro, papel machê, etc. Nos diversos ateliês localizados nas ruas da Direita e da Câmara é possível apreciar toda a criatividade dos artesãos. Para os mais aventureiros, a cidade contempla belíssimos mirantes da serra, com paisagens encantadoras a 1.100 metros de altitude. As caminhadas podem durar de duas a cinco horas.


Foto: Turista

UMA PRÉVIA DO

CALENDÁRIO DE TIRADENTES Fotos: Cesar Reis

A

lém de tudo, Tiradentes tem se tornado o palco cultural da região. Os mais renomados eventos acontecem na cidade no percorrer do ano, como a Mostra de Cinema e o Festival de Cultura e Gastronomia. Diversificados eventos ocorrem ao longo do ano, por isso é preciso se programar antecipadamente para não perder nada. A Prefeitura de Tiradentes disponibilizou para a Revista Ipê uma prévia do que ocorrerá em 2017 na cidade. *Eventos já confirmados:

JANEIRO

2017

• 07/04 (sexta) – Procissão de Nossa Senhora das Dores (29 a 31/03 – 03 a 06/04 Celebração das 7 Dores Nossa Senhora). • 14/04 (sexta) a 16/04 (domingo) – Feriado Semana Santa • 21/04 (sexta) a 23/04 (domingo) – Feriado “Inconfidência”.

MAIO • 19/05 a 27/05 – 5º Tiradentes em cena-Mostra de Teatro de Tiradentes

JUNHO

• 24/02 a 28/02 – Carnaval

• 02/06 a 12/06 – Jubileu da Santíssima Trindade. • 13/06 (terça) – Dia de Santo Antônio (Feriado Municipal). • 15/06 (quinta) a 18/06 (domingo) – Feriado “Corpus Christi”. • 21/06 a 25/06 – BikeFest Tiradentes / blues e jazz.

MARÇO

JULHO

• 22/03 a 26/03 – Foto em Pauta

• 07/07 a 09/07 – 1º Festival de Artes e Tradições de Tiradentes. • 30/07 – IV Encontro de Congado Nossa Senhora do Rosário e Escrava Nastácia (Largo das Forras)

• 19/01 (quinta) – Aniversário da Cidade • 20/01 a 28/01 – Mostra de Cinema

FEVEREIRO

ABRIL • 01/04 (sábado) e 02/04 (domingo) Solenidade do Senhor Bom Jesus dos Passos.

SETEMBRO

• 7/09 (quinta) a 10/09 – Feriado Independência. • 14/09 a 24/09 – Festival Artes Vertentes • 30/09 a 1º/10 – XTERRA

OUTUBRO • 06/10 a 08/10 – Festa do Carro de Bois e Tropeiros.

NOVEMBRO • 02/11(quinta) a 05/11(domingo) – Feriado Finados • 15/11(quarta) – “Proclamação da República”

DEZEMBRO • 01/12 a 06/01 – 3º Natal Barroco

É válido ressaltar que alguns eventos ainda serão agendados, como o Festival de Gastronomia, cuja data ainda não foi confirmada por parte dos promotores, dentre outros que ainda poderão ser incorporados ao calendário da cidade. *A Revista Ipê não se responsabiliza por qualquer modificação no calendário de eventos de Tiradentes. REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


MODA FESTA

Celebridade Rua Dr. รlvaro Botelho, nยบ 423

Centro - Lavras/MG Tel.: (35) 3013-1862 Cel.: (35) 99256-8670 @linaracelebridade


DIVERSÃO & BEM-ESTAR

48

M DANÇA COMPASSO Aulas gratuitas de dança promovem bem-estar à população de Lavras e região Por Camila Caetano Fotos: Daniel Rocha Fotografias

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016

uitos dizem que dançar é o melhor remédio. E algumas pesquisas já comprovaram os inúmeros benefícios que esta atividade provoca. Além da diversão, ela é responsável por melhorar o condicionamento, a coordenação motora, a flexibilidade, além de ajudar na perda de peso. O International Journal of Neuroscience apontou recentemente que a dança tem grande impacto na melhora do estresse psicológico por meio da regulação dos níveis de serotonina e dopamina no corpo. Ou seja, “quem dança seus males espanta”, como dizem os mais sábios. O estudo releva que a atividade ajuda a liberar todas aquelas emoções


Os monitores responsáveis, William Colvara e Gabriela Cundari

que estão reprimidas, fazendo com que a depressão passe longe. E em Lavras não há desculpas. Com dinheiro ou não é possível tirar as sapatilhas do armário e se libertar na dança. A Universidade Federal de Lavras (Ufla) oferece aulas gratuitas de dança, dos mais variados ritmos, toda semana, por meio do projeto de extensão Dança Compasso. Participam pessoas de todas as idades, e muitos vêm de outras cidades para frequentar as aulas. Quatro monitores são responsáveis pela instrução dos participantes durante as aulas e, atualmente, a coordenação do projeto é realizada pela professora do Departamento de Educação Física da Ufla, Priscila

Carneiro Valim Rogatto. As aulas são realizadas de segunda a quinta-feira no Centro de Integração Universitária (Ciuni), e qualquer interessado em participar pode comparecer ao Ciuni no horário das aulas para conversar com a equipe de monitores. Para Gabriela Dias Cundari, uma das monitoras, o projeto promove dança e alegria entre as pessoas. “A socialização, harmonia e descontração é evidente entre as pessoas que frequentam nossas aulas. Grandes laços de amizades foram formados durante esses anos, muitos alunos estão com a gente acompanhando desde o começo do projeto. As pessoas interagem bastante durante as aulas, são muito esforçados e se

adaptam fácil ao grupo todo semestre”, relata Gabriela. O estudante de Engenharia de Controle e Automação, Harisson Alvarenga, 21 anos, entrou no grupo de dança da Ufla aos 17 anos, logo após ingressar na Universidade. “Já na primeira aula adorei. A dança de salão, por ser algo feito a dois, requer que você interaja com quem dança. O contato próximo melhorou rapidamente a minha habilidade de relacionar com as pessoas. E a paixão pelo forró ficará pelo resto da vida, atividade que descobri no grupo de dança e que hoje não consigo me imaginar sem”, enfatiza Harisson.

FICHA TÉCNICA As aulas são realizadas de segunda a quinta-feira no Ciuni: Segunda-feira (18h): forró. Terça-feira (18h): ritmos. Quarta-feira (18h): dança aeróbica Quinta-feira (18h): dança livre. REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


ECONOMIA

50

EM TEMPOS DE CRISE, O QUE FAZER? Por Camila Caetano Fotos: José Henrique / Cia da Foto

N

a atual conjuntura econômica, é preciso estar preparado para enfrentar as dificuldades e principalmente resolver os eventuais problemas de gestão empresarial. As dificuldades estão por todos os lados, afinal, os clientes estão mais exigentes, e as contas, por sua vez, não param de chegar. Neste contexto, o empresário deve buscar colocar as finanças da empresa em dia, sem descuidar dos planos de marketing, já preparando o terreno para a recuperação da economia no médio e longo prazo. São decisões muito importantes, pois se referem à sobrevivência no curto prazo, e ao crescimento no futuro. Para isso o primeiro passo é compreender o que se deve fazer e o que é necessário evitar na gestão de seus negócios. Com esse intuito, a Revista Ipê realizou uma entrevista com o professor Paulo Henrique Leme, do Departamento de Administração e Economia da Universidade Federal de Lavras (Ufla), também coordenador geral da empresa Ufla Júnior Consultoria.

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016

Professor Paulo Henrique Lemos

1 Como sobreviver a um mercado altamente competitivo, com um consumidor que está comprando cada vez menos? Somente fazendo uma boa gestão financeira. Quando está em tempos de bonança muitos tendem a perder o controle financeiro. Por isso, nunca fique se endividando com terceiros, não faça emprésti-

mos seguidos, e faça uma consultoria financeira. Infelizmente as pessoas procuram a consultoria quando já estão em crise, em uma situação crítica, de maneira que vai demorar anos para se recuperar. Se o consumidor está valorizando mais o dinheiro, você tem que achar mais formas de atraí-lo, para que você possa fazer o seu estoque


girar. Por isso, é importante que o empresário tenha noção que com a crise é preciso repensar as estratégias de gestão, financeira, marketing. E a consultoria poderá te guiar nesse caminho.

E SEMPRE VERIFICAR AS SEGUINTES QUESTÕES: • Como está o meu estoque? • Será que estou fazendo a minha contabilidade corretamente? • Como está a minha gestão financeira? • Será que os meus funcionários estão motivados? • Será que estou com o meu financeiro bem alinhado com a produção, com as minhas vendas? • E minhas vendas, estão sendo bem realizadas pelos meus funcionários? • Como está a satisfação do meu cliente?

2 Patrimônio pessoal x patrimônio da empresa. Como lidar? O que mais observamos é que na maioria das vezes não há uma separação entre o dinheiro da empresa e o da família. Isso é muito grave. Muitas vezes eu vejo o empresário falar que o seu negócio não está lucrativo. Mas, ao fazer uma análise você verifica que esta empresa dá lucro, só que não o suficiente para que a família tenha um elevado padrão de vida. Ninguém quer alterar esse padrão de vida e acaba sugando cada vez mais da empresa. Com isso a empresa vai à falência e acaba com o sustento da família. O empresário tem que tomar muito cuidado com essa situação. 3 O empresário deve estar atento à contabilidade? Quando você tem um bom consultor contábil, ele vai lhe mostrar qual é o valor de imposto justo a se pagar. E já é um passo para se organizar as contas. Além disso, com um bom consultor contábil, a primeira coisa a se fazer é separar o patrimônio pessoal do da empresa. Nada impede, por

Equipe da Ufla Júnior Consultoria

exemplo, de no final do ano, ao verificar que a empresa está com um caixa de R$100 mil, você fazer uma retirada para um gasto pessoal, e posteriormente realizar mais investimentos no negócio. Mas, tudo tem que ser planejado e bem estruturado. 4 Qual o perfil do empreendedor brasileiro, no geral? A meu ver, o brasileiro infelizmente é um empreendedor por necessidade, e não por oportunidade. E com este perfil, o empresário faz o máximo possível com o mínimo de dinheiro que possuir, tentando aproveitar ao máximo. Então aparecem aqueles que não optam por um bom ponto, outros que não possuem um estoque adequado, e que posteriormente acabam por fechar as portas. 5 Quais as principais vantagens da consultoria? A consultoria ajuda o empresário a pensar em tudo isso que mencionamos. Qual o capital de giro que preciso para fazer a minha empresa funcionar? Qual o pró-labore correto que eu posso tirar da minha empresa? O que eu posso fazer para melhorar o meu investimento? Como está o meu marketing? No final da consultoria o que esperamos? Que o cliente tenha em mãos a empresa. 6 O que fazer antes de abrir o meu negócio? Antes de abrir uma empresa é preciso pelo menos conversar com um consultor, procurar saber quais

os produtos são importantes, quais serviços podem ser realizados, procurar os cursos do Sebrae, que também auxiliam muito para visualizar as condições de mercado. Há muitas ferramentas, não há desculpas. É fundamental utilizar de um bom marketing e uma boa consultoria. Estes são investimentos e não gastos. Só vai ser um custo se você contratar um serviço que não tem qualidade. Fuja dos pacotes prontos, dos consultores que têm uma solução mágica. Procure por um consultor atencioso, que vai atender ao seu problema e ajudar a resolvê-lo. E não existe consultoria eterna, ela deve ter início, meio e fim. O cliente tem que aprender a andar sozinho após a consultoria. UFLA JÚNIOR CONSULTORIA Há 16 anos no mercado, com mais de 170 projetos realizados para empresários de Lavras e região, sempre orientados por professores doutores da Universidade Federal de Lavras (Ufla), com um serviço de qualidade e preços acessíveis. Esta é a Ufla Júnior Consultoria Administrativa, que tem como objetivo transformar e melhorar os negócios de micro e pequenos empresários. As empresas juniores iniciaram na França em 1967 e são compostas exclusivamente por estudantes universitários. Através do conhecimento adquirido nos cursos, os empresários juniores possuem a capacidade de prestar um serviço REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


ECONOMIA

52

de qualidade e disseminar a atitude empreendedora. A Ufla Jr possui uma equipe de 20 a 30 jovens empreendedores, estudantes de Administração, com foco na busca de soluções personalizadas para cada modelo de negócio. Além do professor Paulo Henrique que coordena a empresa, há ainda o auxílio de outros, de distintas áreas da administração e economia, que acompanham cada demanda. Por meio da consultoria é possível perceber diversos detalhes financeiros que passam despercebidos aos olhos do empresário. “Às vezes há coisas simples que fazem muita diferença no montante final, mas que o dono da empresa não percebe. Tivemos um caso em que o empresário cobrava R$300 de um serviço e R$250 de outro. Assim, ele focava na maioria das vezes no de R$300 por achar que era mais lucrativo, contudo, ao analisarmos vimos que o custo neste era muito maior que no de R$250. Fizemos uma projeção a longo prazo e mostramos que não era bem o que ele pensava”, comenta o presidente da Ufla Júnior, Luciano Zakhia. Entre todos os serviços prestados pela Ufla Jr, um dos carros chefes é a pesquisa de mercado, contudo, com a atual crise econômica Luciano explica que muitos gestores passaram a solicitar orientações na gestão financeira. “Manter uma saúde financeira positiva é algo indispensável para qualquer empresa”, comenta Luciano. REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016

Veja como funciona a gestão financeira e as demais áreas da administração que a Ufla Jr contempla: GESTÃO FINANCEIRA: Você tem controle do real faturamento de sua empresa? Sabe quais são os custos? Não sabe o motivo de suas contas não baterem no final do mês? Com a intenção de garantir a prosperidade do seu negócio, a Ufla Jr oferece serviços na área financeira que irão diagnosticar a situação da empresa, potencializar os lucros, dar segurança nas tomadas de decisões, além de melhorias na gestão de estoque e qualquer outra atividade que seja benéfica para a empresa. GESTÃO DE MARKETING E VENDAS: Conheça seu público, avalie sua imagem, foque no cliente e alavanque suas vendas. Através de estratégias mercadológicas, a Ufla Júnior Consultoria Administrativa coleta informações que direcionam as estratégias da empresa para melhorar as vendas e inserir no mercado, além de agregar valor aos serviços e produtos oferecidos. A Ufla Jr auxilia no fortalecimento, reposicionamento e lançamento do negócio, através de pesquisas de mercado juntamente com um plano de marketing estratégico. GESTÃO ESTRATÉGICA:

Quais são seus objetivos para esse ano? Melhorar com faturamento? Aumentar as vendas? Refazer seu portfólio de produtos? Para alcançar esses objetivos, você precisa de um plano, de gestão estratégica, que proporcionará maneiras para atingir seus objetivos com foco em resultados esperados. Definir o seu objetivo é o primeiro passo para alcançá-lo. GESTÃO DE PESSOAS: O que fazer para motivar os funcionários? Como contratar pessoas qualificadas para a sua empresa? Sua equipe veste a camisa da empresa? É essencial saber gerenciar e motivar os funcionários para que sua empresa tenha sucesso no mercado. Além disso, é possível ter conhecimento e controle do clima de seu negócio. Os serviços da Ufla Jr auxiliam o empreendedor com as melhores alternativas de gestão para que os objetivos da empresa sejam atendidos.

FICHA TÉCNICA Departamento de Administração e Economia/UFLA consultoria@uflajunior.com.br @uflajunior facebook.com/uflajr (35) 3829.1766


SHOW ROOM MODAFEMININA & MASCULINA

Praça Leonardo Venerando, 436, loja 105, Edifício Dr. João Lacerda, Centro, Lavras/MG - (35) 3826-6028


Foto: José Henrique / Cia da Foto

JURÍDICO

54

EMPRÉSTIMO CONSIGNADO Cobrança abusiva aos servidores e pensionistas do Estado de Minas Gerais

T

em-se verificado casos de cobranças abusivas de instituições financeiras que contratam empréstimos consignados com servidores públicos e pensionistas do Estado de Minas Gerais. As instituições financeiras têm promovido cobranças, inclusive com negativação do nome do consumidor em órgãos de proteção ao crédito, quando, após a contratação do empréstimo, em decorrência de algum problema técnico, não há o respectivo desconto na folha de pagamento para quitação da parcela avençada. É cediço que, para o deslinde das controvérsias envolvendo prestação de serviços bancários, aplica-se o disposto no art. 14 do Código de Defesa do Consumidor, que estabelece a responsabilidade, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços. A Lei do Estado de Minas Gerais nº 19.490/2011, que dispõe sobre consignação em folha de pagamento de servidor público ativo ou inativo e pensionista do Estado, estabelece que uma vez contratado empréstimo e autorizado pelo Consignado (pensionista ou servidor), eventuais REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016

problemas técnicos referentes à realização dos descontos só podem ser imputados ao Consignante (órgão estatal responsável pela folha de pagamento) ou ao Consignatário (instituição financeira). Nesse sentido já se pronunciou o Tribunal de Justiça de Minas Gerais: EMENTA: Apelação Cível - Ação de Cobrança - Contrato de Empréstimo - Consignação em Folha de Pagamento - Servidor Público - Descontos Iniciais não Realizados - Problemas / Dificuldades Técnicas de Processamento / Realização - Ausência de Obrigação do Consignado. Nos termos da Lei Estadual nº 19.490/2011 e do Decreto Estadual nº 46.278/2013, uma vez contratado e autorizado pelo consignado o desconto em sua folha de pagamento, as obrigações referentes ao processamento ou realização dos descontos recaem sobre o consignante e o consignatário, inexistindo possibilidade de se responsabilizar o consignado por problemas ou dificuldades técnicas que os atrasem ou inviabilizem. Recurso não provido. (TJMG - Apelação Cível 1.0024.13.1628026/001, Relator(a): Des.(a) Veiga de Oliveira, 10ª CÂMARA CÍVEL, julga-

mento em 14/03/2016, publicação da súmula em 13/05/2016). Mesmo nos casos de falta de margem de consignação para quitação do empréstimo, a cobrança seria indevida, pois a Lei do Estado de Minas Gerais nº 19.490/2011, acima referida, em seu art. 19, § único, estabelece que na hipótese de a consignação referente à amortização de empréstimos e financiamentos não poder ser integralmente efetivada por falta de margem consignável, será utilizado o saldo disponível, e os valores que eventualmente o ultrapassarem serão incorporados ao saldo devedor da operação, incidindo sobre eles os encargos contratuais pactuados e descontados por ocasião do vencimento da operação de crédito, com a prorrogação do prazo das prestações. Conclui-se, então, que, depois de formalizado o contrato e autorizados os descontos em folha de pagamento, a responsabilidade por sua regular realização é do Consignante (órgão estatal responsável pela folha de pagamento), e não do Consignado (pensionista ou servidor). Quaisquer eventuais problemas de ordem técnica referentes ao seu processamento devem ser sanados pelo Consignatário (instituição financeira) perante o Consignante (órgão estatal responsável pela folha de pagamento). Assim, constatada a cobrança indevida, com negativação do nome do consumidor em órgãos de proteção ao crédito, deve o pensionista ou servidor ser indenizado pela instituição financeira tanto materialmente quanto moralmente.

FICHA TÉCNICA Renato Godinho Lopes OAB/MG nº 98.836 Rua: Costa Pereira,26, sala 301, centro, Lavras/MG E-mail: renatogodinholopes@hotmail.com Contato: (35) 3821-6604


REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


Foto: José Henrique / Cia da Foto

JURÍDICO

56

Lorrainy Pereira MakeUp Contato: (35) 98882-4261 Salão Cabelos ao Vento Contato: (35) 99136-1447

CONHEÇA OS DIREITOS DA PESSOA COM CÂNCER Entenda alguns benefícios que a legislação assegura a todos os pacientes

S

egundo estudos realizados pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), uma estimativa para o Brasil, biênio 2016-2017, aponta a ocorrência de cerca de 600 mil novos casos de câncer. Com o aumento no número de diagnósticos de pessoas com a doença, se faz necessário conhecer os direitos daqueles que são afetados bem como seus familiares. Posso exigir que o poder público custeie o meu tratamento? A Constituição Federal assegura que “Saúde é direito de todos e dever do estado”, com isso entende-se que todos, acometidos por qualquer doença, inclusive o câncer, tem direito a tratamento pelos órgãos de assistência médica mantidos pela União, pelos Estados e pelos Municípios. Esse tratamento compreende em consultas, remédios, cirurgias, exames laboratoriais e de imagem, radioterapia, quimioterapia. No caso do câncer de mama o Sistema Único de Saúde - SUS garante a reconstituição da mama, através da cirurgia reparadora.

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016

É possível requerer aposentadoria ou outro tipo de auxílio previdenciário? Quanto à previdência social, o doente que ficar incapacitado para seu trabalho ou atividades habituais por mais de 15 dias terá direito ao auxílio doença. Para requerer o benefício é preciso preencher um requerimento e agendar uma perícia médica junto à Agência da Previdência mais próxima. O auxílio doença será pago até a recuperação da capacidade para o trabalho ou pela transformação em aposentadoria por invalidez. A aposentadoria por invalidez só é possível caso o paciente não possua possibilidade de voltar ao trabalho, ou seja, ter a doença não é pré-requisito para aposentadoria. Tenho direito ao saque do FGTS Fundo de Garantia por Tempo de Serviço? Poderá realizar o saque do FGTS o trabalhador diagnosticado com a doença, desde que possua saldo disponível. Também pode ser sacado pelo titular da conta que

possuir dependente – esposo (a), companheiro (a), pais, sogros, filho e irmão menor de 21 anos ou inválido – pessoa com câncer, desde que esteja registrado como dependente na Previdência ou na Declaração de Imposto de Renda. Além dos benefícios que citamos acima, o portador da doença possui isenção de alguns impostos, andamento judiciário prioritário, dentre outros benefícios concedidos pelo Estado. Caso tenha seu direito desrespeitado pelo ente público, o paciente poderá recorrer ao judiciário para garantir o seu cumprimento.

FICHA TÉCNICA • Patrícia de Lourdes Santos OAB/MG 155.196 • Angelina Bento Rosa da Silva OAB/MG 46.755 • Adriana Reis OAB/MG 167.648 • Luciane Rogeria Silva Nepomuceno Contato: (35) 3821-1065 E-mail: escritorioav@outlook.com.br


Se você procura uma empresa comprometida para a administração, locação ou comercialização de seu imóvel, nós podemos lhe ajudar. Faça-nos uma visita e conheça você mesmo nossa excelência na administração imobiliária.

35 3821 2975 // 99226 7812

liderimobiliarialavras.com.br

Rua Santana, n°189 sl 02 / Centro REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


ARQUITETURA

58

Arquiteta Cristina Menezes

COZINHA CONCEITO Projeto exibido na Casa Cor Minas Gerais mostra o design da cozinha do futuro. Por Camila Caetano Fotos: Jomar Bragança

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016

D

esta vez a arquiteta Cristina Menezes traz um novo olhar e uma nova forma de projetar uma cozinha, como um espaço multifuncional e multiuso: A Cozinha Conceito, planejada para atender aulas de gastronomia, exibida na Casa Cor Minas Gerais 2016. Todos nós sabemos que a cozinha é a alma de uma casa em todos os diferentes universos e culturas, por isso, apesar da Cozinha Conceito ter sido desenvolvida para atender a cursos de gastronomia, diversas funcionalidades desse projeto podem ser aplicadas na sua residência. Atualmente, a tendência é que a cozinha seja um espaço camaleão e, assim, possibilite o multiuso, tornando tudo mais prático. Neste sentido, na Cozinha Conceito, ilus-


trada nesta edição da Revista Ipê, o chef de cozinha é a grande estrela do espaço, sendo assim, terá tudo o que precisa para preparar os seus pratos, à mão. Para isto, há duas grandes bancadas (com cinco metros cada) paralelas que abrigam todos os eletros, ingredientes, cubas, panelas, etc. As bancadas paralelas facilitam a movimentação do chef na hora do seu trabalho. Para que isso fosse possível, a Cozinha Conceito foi projetada com um layout simétrico e paralelo para facilitar o uso do espaço como cozinha e garantir a mesma visão interna de todos os pontos do ambiente. Além disso, ela é privilegiada com a vista da orla da Pampulha, Patrimônio Cultural da Humanidade. Ressalta-se que nenhum elemento ver-

tical veda a vista da lagoa e todos os equipamentos estão ocultos para possibilitar diferentes usos desta bancada, como mesa ou como apoio para uma reunião. Pensando nas aulas de gastronomia, a Cozinha Conceito possibilita que todos os alunos tenham os seus lugares ao redor das bancadas. No lado externo, as aulas são projetadas em um painel do tipo Magnésio Pan Board, permitindo que os visitantes também acompanhem todos os detalhes. Além disso, possui uma iluminação cênica, teatral, assim quando o chef for servir aos seus alunos haverá uma luz para cada prato. Outro detalhe que deve ser destacado é que as cores dos espaços são neutras para que o grande destaque seja os alimentos.

Com esse novo projeto, a arquiteta Cristina Menezes reforça o que é a tendência de design da cozinha moderna, com toda a praticidade que o dia a dia exige. Ela comenta que a expectativa é de que, futuramente, os equipamentos sejam comandos pela tecnologia touch e com multifunção através dos circuitos abaixo das bancadas.

FICHA TÉCNICA Cristina Menezes Contato: (31) 3291-0309 www.cristinamenezes.com.br cristina@cristinamenezes.com.br REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


MÚSICA

60

POWER TRIO: Banda SOFRANZ consagra-se no universo musical

Por Camila Caetano Fotos: João Torres Lima

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016

T

rês irmãos que possuem a música como essência, um dom enraizado na família. SOFRANZ é composta pelos gêmeos João Paulo Lima (voz, violão e baixo), Christiano Lima (guitarra) e o irmão mais novo, Helton Lima (bateria). Já são 20 anos de trajetória e os primeiros ensaios começaram em casa, na cidade de Mateus Leme, Minas Gerais. Os três jovens tiveram o destino traçado pela música desde a infância. Quando crianças, ensinados pelo pai, José Francisco Lima, o talento já era visível, e a influência da família sempre foi um diferencial na formação da SOFRANZ. Por sinal, o nome da banda carrega o apelido do pai dos músicos. “Nosso pai, que também é artista, chama-se José Francisco Lima e sua assinatura é “Franz Placas” e, por sermos filhos, criamos a SO-


Guedes, dentre outros. Mas, para os irmãos, o momento mais marcante na carreira da SOFRANZ foi quando compartilharam o mesmo palco com simplesmente Milton Nascimento, em Três Pontas. Hoje, a sede da SOFRANZ, com estúdio próprio, fica em Belo Horizonte. Mas, a banda também possui uma forte ligação com Lavras. O pai José Francisco Lima é lavrense e por isso os músicos possuem vínculos afetivos na cidade. Além disso, já foram vários momentos em que a banda esteve tocando por aqui, entre festas, calouradas e casas de shows. “Um show que ficou marcado foi o da Exposição de Lavras, dividimos o palco com artistas nacionalmente conhecidos como Capital Inicial, Chitãozinho e Xororó entre outros”, relatam. E é assim a história da banda SOFRANZ, que procura sempre levar energia, talento e carisma por onde passa, conquistando cada vez mais o reconhecimento e a fidelidade do público. A expectativa dos irmãos, para os próximos anos, é de gravar um segundo disco e aumentar a popularidade, a nível nacional.

FRANZ”, comentam. Além do pai, o dom da música também está presente em tios paternos e maternos. O Power Trio é a terceira geração de músicos da família Lima. “Ter uma banda entre irmãos tem seu lado positivo e outro nem tanto. Como temos a mesma origem, sempre escutamos e descobrimos novos sons juntos, e temos muita liberdade no momento de criar e levar nosso trabalho para o palco. O ‘nem tanto’ é que essa liberdade às vezes é demais”, comentam com risos. Os irmãos lançaram em 2015 o primeiro CD da banda – Sem Final, com oito músicas autorais, sendo cinco inéditas. Destas, os músicos destacam “Uma Bela História”, que conta com a participação de Play Gerson (backing vocal do Jota Quest) e “Flores Invadem”, que originou no primeiro videoclipe da banda, dispo-

nível no Youtube. Sem Final também contou com a participação de Marcus Nogueira (teclado nas faixas 2 a 7), Hugo Silva (baixo na faixa 5), e Marcos Flávio (trombone faixa 6). Além das músicas próprias, SOFRANZ possui um repertório eclético, com muita energia e interação com o público. Apresenta clássicos do rock nacional e internacional das décadas de 80 e 90, pop, rock, e Música Popular Brasileira. Em todas as apresentações a banda faz um registro musical de qualidade surpreendente. 

 A banda já soma em sua trajetória centenas de shows por diversos estados. Alguns com mais destaque, com a participação em shows de músicos consagrados como Paralamas do Sucesso, Jota Quest, Raimundos, 14 Bis, Zé Ramalho, Engenheiros do Havaí, Skank, Biquini Cavadão, Flávio Venturini, Beto

FICHA TÉCNICA Banda Sofranz Gênero Rock / Pop Membros JP - Voz, violão, baixo Christiano - Guitarra Helton - Bateria @sofranzbanda facebook.com/sofranzbanda youtube/sofranz


CINEMA

64

CAINDO NA ESTRADA Como os road movies ficaram no imaginário popular como sinônimo de liberdade. Por Marina Alvarenga Botelho / Jornalista e especialista em cinema Fotos: Divulgação

S

abe aquela vontade incontrolável de viajar, de descobrir novos lugares, de conhecer novas culturas e pessoas? Pelo menos de vez em quando, sentimos que precisamos sair do nosso lugar de conforto ir em busca de novas experiências. De acordo com a Wikipedia, esse desejo tem nome: “wanderlust”. A palavra vem do alemão, “wandern”, que significa “caminhar”, e “lust”, cujo sentido é “desejo”. No universo fílmico esse desejo é presente em muitos filmes que marcaram gerações e ficaram guardados no imaginário do público como soluções para fugir de uma vida opressiva, ou como sinônimo de liberdade. São os chamados “road movies”, ou filmes de estrada, que exploram o papel da estrada como um refúgio, como um elemento simbólico que representa não só esse desejo por viajar, mas pela liberdade e pelo desconhecido. REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016

A jornada em si já tem esse seu papel na literatura há muito tempo – desde a Grécia antiga, com a “Odisséia”, de Homero, passando por clássicos como “As Aventuras de Huckleberry Finn”, de Mark Twain ou Na Estrada, de Jack Kerouac, pautando a geração beat. No cinema, as primeiras indicações de uma jornada, nesse sentido de uma viagem redentora, surgem nos anos 40, com filmes como “Vinhas da Ira” (John Ford). No entanto, como gênero cinematográfico, o road movie ganha seu espaço somente no final dos anos 60, junto a movimentos de contra-cultura e rebeldia, que ansiavam por desprender-se de convenções sociais e culturais da época. Um dos maiores símbolos dessa época foi o “Sem Destino” (Easy Rider; Dennis Hopper, 1969), que trouxe a ideia da motocicleta como liberdade – e que, até hoje, está no imagi-

nário popular como um estilo de vida. Em termos de inovações cinematográficas, o gênero trouxe novos movimentos de câmera, uma trilha sonora regada a rock n’ roll, mas, acima de tudo, uma montagem e uma narrativa mais aberta, sem tanta causa e efeito, permitindo-se finais mais abertos e personagens mais à deriva dos acontecimentos. A popularização do road movie com certeza teve a ver com a do carro e do veículo próprio. Nos anos 70, acontecem algumas releituras dos filmes de estrada que exploram o “dirigir” e a jornada dentro da própria cidade, como Taxi Driver (Martin Scorcese, 1976). Outro clássico foi Thelma e Louise (Ridley Scott, 1991), que fez parte também de um movimento de libertação feminina. Mais recentemente, essa narrativa de estrada ganhou excelentes adaptações, ou “recriações”, da literatura para o cinema, em “Na Estrada” (Walter Salles, 2012) e “Na Natureza Selvagem” (Sean Penn, 2007). Ambos exploram esse desejo de fuga da sociedade, mas também de redescobrimento de si mesmo. No Brasil, esse imaginário também está presente em grandes filmes como “Central do Brasil”, do amante de road movies, Walter Salles, “O Céu de Suely” (Karim Aïnouz, 2006) e “Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo” (Karim Aïnouz e Marcelo Gomes, 2009). No entanto, no Brasil, mais do que um ato de rebeldia, a jornada está, por vezes, como uma redescobrimento do próprio país e de sua identidade, levantando questões como quais são os nossos brasis possíveis? Onde é que eles se encontram? Por fim, os road movies trazem esse desejo de sair do lugar, essa wanderlust. Afinal, viajar é o fim em sim mesmo – não chegar a algum lugar, mas viver o que a estrada e a jornada têm a oferecer. Nas palavras de Guimarães Rosa, “Digo: o real não está na saída nem na chegada: ele se dispõe para a gente é no meio da travessia”. Minhas indicações para essa edição, para além dos filmes citados, perpassam um pouco de cinema brasileiro, de cinema independente e um filme atual de humor um tanto ácido.


TERRA ESTRANGEIRA (Walter Salles, 1995)

O cinema brasileiro contemporâneo tem explorado o sertão em busca também dessa identidade brasileira que, muitas vezes, fica de fora do que é mainstream. Um alemão viaja pelo sertão brasileiro, em 1942, tentando vender aspirina para os moradores das pequenas cidadezinhas. Para isso, exibe filmes e propagandas em seu projetor. Na estrada, acaba fazendo amizade com o nativo Ranulpho, interpretado por João Miguel.

PEQUENA MISS SUNSHINE (Jonathan Dayton, Valerie Faris, 2006)

ESTRANHOS NO PARAÍSO (Jim Jarmusch, 1984)

Um dos melhores filmes brasileiros desse diretor fantástico que já contabiliza, pelo menos, cinco road movies na carreira, Terra Estrangeira repensa a própria questão da identidade brasileira. Estrelando Fernanda Torres, o filme conta a história de um brasileiro que, após a morte da mãe, decide conhecer sua terra natal, Portugal. Lá conhece a personagem vivida por Fernanda, e passa a viver experiências inesperadas. CINEMA, ASPIRINAS E URUBUS (Marcelo Gomes, 2005)

Um filme que explora esse estado à deriva dos personagens: um não lugar de satisfação e insatisfação, de não saber para onde se está indo, de deixar-se levar pelos acontecimentos bizarros da vida. Um filme independente e de baixo orçamento, que foi ovacionado de pé no Festival de Cannes no ano de seu lançamento. Não dá para não lembrar da imagem de um trio de outsiders, de rebeldes (?) que não se encaixam, como em “Bande à Part” (Jean-Luc Godard, 1964) ou em “Jules et Jim” (François Truffaut, 1962).

Little Miss Sunshine surpreende por sua leveza, pelo seu humor ácido, pela confusão familiar e pela dificuldade de encarar a vida como ela é. Enquanto os adultos da família de Olive tentam lidar com suas frustrações pessoais, a garota (que não se encaixa nos padrões tradicionais de beleza) se inscreve em um concurso de Pequena Miss na California. Os pais decidem que toda a família irá levá-la em uma Kombi. No caminho, Olive vai ensaiando seus números para apresentar e o caos vai tomando conta da viagem. A maior surpresa é a apresentação de Olive!

Marina Alvarenga Botelho Jornalista e especialista em cinema REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


MARKETING

68

O PODER DA COMUNICAÇÃO NA GESTÃO DO MARKETING Inserida no marketing, que é o responsável por toda a gestão mercadológica de um negócio, está a comunicação: ferramenta estratégica fundamental para captar e reter clientes, gerar diferenciação e atrair resultados.

Q

uando falamos de marketing normalmente temos um consenso de que é por meio dele que são disseminadas informações sobre determinado negócio. É importante lembrar, no entanto, que o seu significado vai muito além dessa ideia. O marketing é o responsável por todas as estratégias mercadológicas para manter um produto ou serviço sustentável no mercado. No conceito tradicional, ele é sustentado por quatro pilares, os famosos quatro P’s, (Produto, Preço, Praça e Promoção), que são os responsáveis, juntos, por garantir que esses produtos/serviços cheguem até os seus consumidores finais. Um desses pilares, a Promoção, diz respeito às ações estratégicas para a divulgação dos produtos/ serviços, o despertar de interesse nos consumidores, a criação de diferenciais competitivos e, é claro, atrair resultados (vender). Neste contexto, a comunicação tornou-se essencial no direcionamento de ações para que os objetivos estratégicos da organização sejam alcançados.

Helder Tobias PUBLICITÁRIO E DESIGNER GRÁFICO Iniciou sua carreira profissional na Universidade Federal de Lavras (Ufla), onde atuou por mais de 15 anos nas áreas de comunicação e marketing. Atualmente presta consultoria e assessoria de comunicação e marketing para empresas e trabalha no Centro Universitário de Lavras (Unilavras), atuando com publicidade e marketing digital. Redes sociais: @heldertobias Blog: www.heldertobias.com

Comunicação interna - Essencial para desenvolver a equipe de colaboradores, bem como contribuir para a melhoria do clima organizacional. A comunicação interna bem conduzida possibilita, entre tantas coisas, incentivar os colaboradores a dedicarem-se em suas funções e a se comprometerem cada vez mais com resultados. Soluções e ações: Jornais e boletins (impresso e digital); reuniões periódicas; festividades; comunicados; intranet; grupos do WhatsApp ou Facebook; jornais-mural. Comunicação externa - É o trabalho que mais “aparece”, pois o vemos comumente em forma de publicidade. Para que esse trabalho seja bem conduzido, a observação e a estreita relação com os stakeholders (clientes internos e externos; gestores; fornecedores; parceiros; concorrentes; etc.) são indispensáveis. Soluções e ações: site interativo; assessoria de imprensa e relações públicas; merchandising; publicidade e propaganda; identidade visual; presença nas mídias sociais (Facebook, Instagram, Twitter, Linkedin, Pinterest, YouTube, Snapchat, etc.); promoções; ações de marketing direto; ações de marketing digital; atendimento; presença em ambientes do convívio social do público alvo (eventos, parcerias, etc.); Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC). Essas estratégias devem ser elaboradas em todas as empresas, de pequeno, médio ou grande porte e devem ser coordenadas por profissionais com amplo conhecimento em marketing e comunicação (contratação ou consultoria), mas, o mais importante é entender que não se deve investir em comunicação sem antes conhecer o seu real objetivo, os problemas que perpassam o seu mercado e, principalmente, sem entender o seu funcionamento. Nas próximas edições, abordaremos temas relacionados às ações de comunicação, e como cada uma delas poderá ser implementada em seu negócio.

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


REDES SOCIAIS

70

O PODER DAS REDES SOCIAIS

N

ão é novidade que nós, brasileiros, adoramos rede social.

Só no Facebook, o País está em 2º lugar atrás dos EUA e à frente da Índia, de acordo com os dados da Socialbackers (empresa de estatísticas relacionadas às mídias sociais). Desde 2012 o Brasil foi o que mais cresceu se tratando de usuários. Com o avanço das tecnologias de comunicação, o acelerado crescimento das redes sociais nos últimos anos vêm sendo uma grande oportunidade para usar plataformas a favor do seu negócio. Hoje, as redes sociais não servem apenas para manter ou obter novos contatos, mas se tornou fonte de informação, conhecimento, notícias e busca. Observamos que também já existem distinções entre plataformas e classes sociais, o que nos auxilia na percepção do direcionamento de público alvo. Por isso, a participação interativa dos consumidores, que estão sempre conectados, se torna cada vez mais um canal de prospecção de negócios e publicidade nas redes, sendo possível alcançar resultados expansivos com investimentos cada vez mais personalizados.

Leandro Rezende

Empresário, Administrador, Proprietário da Agência LL Comunicação e Design Presta consultoria para grandes empresas de Lavras e Região Expertise em Branding, Campanhas, Design de Embalagens e Redes Sociais

Av. Álvaro Algusto Leite, 775, Monte Líbano, Lavras/MG (35) 9 9812 1536 - 3826 4774

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016

Nós podemos lhe auxiliar em todos os quesitos nas redes sociais, desde a criação dos posts até o direiconamento da campanha almejada. Trabalhamos com cronogramas alternativos, de acordo com o perfil de seu negócio para captarmos resultados expressivos.


35 3821 1023 R. Santana,110 - Lavras/MG

clubbxvintage


ESPAÇO GOURMET

72

BOLO NATALINO Foto: Daniel Rocha Fotografias

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


INGREDIENTES • 4 ovos • 5 colheres (sopa) de manteiga • 1 xícara de açúcar • 7 colheres (sopa) de rum • 2 1/2 xícaras de farinha de trigo • 1 colher (sopa) de fermento em pó • canela em pó a gosto • 2 bananas maduras picadas em cubos • 2 maçãs sem casca picadas em cubos • 100g de gotas de chocolate meio amargo • 100g de passas pretas • 100g de nozes quebradas MODO DE PREPARO Bater as claras em neve e reservar. Bater na batedeira as gemas com a manteiga e o açúcar até formar um creme esbranquiçado. Acrescentar o rum, a farinha de trigo e o fermento. Bater novamente. Irá formar uma massa bem pesada. Juntar as bananas picadas, as maçãs, passas, nozes, chocolate e canela. Finalizar com as claras em neve incorporando com cuidado. Colocar em uma forma de 22 cm de diâmetro e assar em forno preaquecido a 160ºc. Pode ser servido com café, chá ou chocolate quente e até mesmo quente com sorvete!

Ana Carolina Abe-Saber Cozinha Gourmet (35) 99168.5895

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


ESPAÇO GOURMET

74

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


PONCHE, SANGRIA OU CLERICOT? Afinal, qual a diferença entre elas?

CLERICOT INGREDIENTES • 500 ml de vinho branco seco

Foto: Mauro Holanda

A

pesar de consumidas o ano todo, é nas festas de fim de ano que elas se tornam o destaque das comemorações, e fazem a alegria de todos. Bebidas refrescantes, à base de frutas com mistura de vinhos de mesa ou espumantes e acrescidas de licores, brandy, dentre outras bebidas. Elas têm muito em comum: são consideradas bebidas coletivas, pois são servidas em poncheiras ou em jarras, para atender ao maior número de convidados; possuem baixo teor alcoólico e são ricas em sabores e cores, provenientes das frutas e dos licores usados. PONCHE De origem asiática, a bebida ponche é considerada uma das mais antigas. Ela foi levada para a Califórnia por imigrantes e tornou-se símbolo de comemorações entre os catadores de frutas, que vinham de várias partes do mundo. Seu nome ficou conhecido como Planter´s Ponche (o ponche dos plantadores). Originalmente o que formava a sua base era o rum, que se misturava com outras bebidas alcoólicas e ou suco e pedaços de frutas. Ao longo do tempo surgiram muitas variações, tanto das bebidas base, quanto do suco utilizado. SANGRIA De origem Ibérica, a sangria era servida a toda família, nos almoços de domingo, embaixo dos parreirais, em mesas longas, utilizando o próprio vinho, que a família mesmo produzia. Em sua origem, mis-

turavam-se ao vinho as frutas que tinham no momento, como laranja, abacaxi e maçã, adoçavam com mel e acrescentava muita água, pois além dos adultos também era servida aos jovens e às crianças, como um acompanhante das refeições. Nos dias atuais as receitas mudaram, acrescentando outras frutas e até especiarias. CLERICOT Em cidades como Punta Del Este, Floripa, ou qualquer praia que tenhamos los Hermanos uruguaios e argentinos, a bebida que predomina é o Clericot. Considerada a bebida do verão que os ingleses levaram para o Uruguai como “claret cup”, rebatizada de “clericot”. Clericot foi inventada em meados do século XIX no sudeste do Punjab Índia, sendo preparada para o Raj, administrador da colônia britânica, que sofria com o calor da região e tomava a bebida refrescante em suas reuniões, sendo o primeiro brinde em honra ao rei ou à rainha da Grã-Bretanha. Enquanto a sangria é preparada com o vinho tinto, clericot é feita com o branco seco ou espumante. Normalmente usam-se frutas brancas e amarelas para seu preparo, para dar certo destaque e diferenciá-la de outras bebidas. Para aquele momento especial de encontro com os familiares, amigos e festividades de final de ano, apresento, para os leitores da Revista Ipê, uma receita fácil de preparo, porém muito saborosa. Espero que vocês gostem e BOAS FESTAS!

• 80 ml de Stock Curaçau Fino • 30 ml de Kaly pêssego • 1 carambola fatiada • 1 fatia inteira de abacaxi em cubos pequenos. • 1 maçã verde picada • 1 laranja picada sem casca e semente • 300 ml de soda • 3 aniz estrelado

MODO DE PREPARO Em uma jarra de 2 litros, coloque as frutas, o licor e o kaly, acrescente gelo, em seguida o vinho branco, complete com a soda. Misture bem, sirva com uma colher de pau comprida e decore com o aniz estrelado.

Derivan Ferreira de Souza Barman

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


LAVRAS FASHION DAY

SOCIAL

76

Há seis anos promovendo tendências, novidades e inspirações. O desfile Lavras Fashion Day tem alcançado um público cada vez mais significativo. Já são seis anos de sucesso. O evento, que começou com iniciativa da proprietária da loja Única moda feminina, iniciou de forma tímida, porém bastante arrojada para uma cidade interiorana. Desde então, o desfile virou aposta certa em todos os anos, sempre com lançamentos de coleção, desfile de belas modelos, brindes para clientes, boa música e um requintado coquetel promovido pelo Buffet Ana Sartori. Neste ano, o evento ocorreu em novembro, e contou com apresentação da coleção de verão das lojas Unica, Silvia Calçados, Piti e Tico, e Essencial Fitness, procurando trazer a Lavras tendências, novidades e inspirações para a próxima estação. Uma noite leve, diferente, e atrativa para os lavrenses. A decoração ficou a cargo da R2 Decorações e toda estrutura e iluminação por Ilumifest Lavras. Além disso, várias empresas e profissionais do ramo participaram ativamente do evento, com stands, brindes, produção do evento e beleza das modelos.

REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016

Fotos: Adriano Salgado


REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


organiza talk show na loja de lavras

C

lientes VIP’s da loja Carmen Steffens

de Lavras tiveram uma noite inesquecível durante o evento Talk Show, comandado pelo consultor de imagem Henrique Kamizão – que entre muitas dicas de estilo, esclareceu as principais dúvidas das clientes sobre as tendências da temporada, como fazer combinações, as cores do momento, entre outras. As exigentes fãs da marca também tiveram a oportunidade de experimentar looks da coleção mais recente e colocar em prática durante o descontraído Talk Show as dicas exclusivas do consultor.


REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


e um

PRÓSPERO ANO NOVO


REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


REVISTA IPÊ | OUT/NOV/DEZ/2016


Revista Ipê 13 Edição  
Advertisement