Page 1

ISSN 1679-7620

OS MAIORES CONDOMÍNIOS DO BRASIL

OPERADORES LOGÍSTICOS ano 34 • número 267 • Janeiro 2013 capa anuncios 267.indd de 1 1 página.indd 6

27/12/2012 18:58:51 14:02:05 11/01/2013


CEGE

Curso de Especialização em Gestão para Engenheiros PROGRAMA SIMILAR AO DE UMA PÓS-GRADUAÇÃO

O IMAM, há mais de 33 anos desenvolve programas para aperfeiçoamento profissional, transmitindo conhecimento de valor. Com o objetivo de preparar o profissional do futuro, foi desenvolvido um programa abrangente e prático, alinhado com as tendências e necessidades dos engenheiros/tecnólogos em carreira de liderança, gerência, etc. O programa é resultado de anos de desenvolvimento de programas de treinamento empresarial, equilibrando o conhecimento teórico e aplicação prática das técnicas de administração. Se você está pensando em sua atualização profissional, um relacionamento de alta sinergia em ambiente adequado a sua formação, o CEGE é a alternativa mais eficaz.

ESCOLHA O FORMATO DE REALIZAÇÃO DE SUA PREFERÊNCIA: 1) INÍCIO EM 11/03/2013 Aulas noturnas às segundas e quartas-feiras até novembro 2013 2) INÍCIO EM 08/04/2013 4 fases de 48 horas cada: 8 a 13 de abril; 10 a 15 de junho; 9 a 14 de setembro; 4 a 9 de novembro

CONTATE-NOS: 11 5575-1400 | www.imam.com.br

anuncio cege 2012.indd 1

29/10/2012 15:50:29


EDITORIAL

Bem-vindo a 2013!

N

o fim de 2012, a presidente Dilma Roussef anunciou o “Programa de Investimento em Logística: Portos” com o objetivo de levar à maior movimentação possível de cargas com o menor custo possível. Na ocasião, ela chegou a afirmar: “Não estou dizendo que o objetivo é a menor tarifa...O objetivo é a maior movimentação de cargas possível com a menor tarifa possível”. O plano ainda tem como objetivos aprimorar o marco regulatório para que os investidores se sintam fortalecidos, protegidos e com horizonte para investir e incentivar a parceria entre os setores público e privado para modernização da estrutura portuária. Se o programa for de fato concretizado, todos ganharão e o País será mais competitivo. É com essa expectativa que começamos 2013.

Assistente: Débora de Andrade Conselho Editorial: Antonio C. Rezende, Eduardo Banzato, Eliane Oliveira, Kalid Nafal, Luiz Roberto Fonseca, Sidney Trama Rago e Wagner Salzano Colaboração: Alex Casado, Antonio Carlos Rezende, Carlos Santana, Cynthia Chiconi, Daniel Garcia, Dilson Campos, Fábio Regiani, Fábio Souza, Felipe Guimarães, Filipe Silva, Gilberto Pimenta, Guilherme Almada, José Carlos Rezende, Kalid Nafal, Leandro Fiorani, Luiz Fonseca, Mariana Picolo, Mauricio Lopes, Sidney Rago e Wagner Salzano Comercial: Alexandra Sicchieri

ara solicitar edições anteriores que não estiverem esgotadas: imam@imam.com.br. Assinaturas: imam@imam.com.br | Fone: (11) 5575.1400 | www.imam.com.br

www.revistaintralogistica.com.br

http://twitter.com/intralogistica

Publicidade: comercial@imam.com.br | Fone: (11) 5575.1400

a 1a revista de Logística, Movimentação e Armazenagem de Materiais, é uma publicação mensal. Registro no Cartório de Títulos e Documentos sob no 1086, em 16 de abril de 1980.

www.youtube.com/intralogistica

www.facebook.com/revistaintralogistica

Associado à

ISSN

1679-7620

não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos assinados ou entrevistas. Não publicamos matérias redacionais pagas. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte do conteúdo desta revista poderá ser reproduzida ou transmitida, por qualquer meio e de qualquer forma, sem a autorização do Editor. O anunciante assumirá responsabilidade total por sua publicidade.

editorial.indd 3

encontre-nos na rede

Comentários, sugestões, críticas a reportagens, artigos e releases devem ser encaminhados a: Rua Loefgreen, 1400 - Vila Mariana 04040-902 | São Paulo - SP | e-mail: redacao@imam.com.br

Editoração e edição de arte: Kátia O. Gomes e Gabriele Freire dos Santos Circulação: Daniel Covo

Boa leitura e feliz ano novo!

fale conosco

Diretor responsável: Reinaldo A. Moura Redação: Sylvia Schandert – MTb 32131 e Thaís de Paula – MTb 68655

E como no ano novo as esperanças se renovam, acompanhe nesta edição especial o raio-X dos segmentos de operadores logísticos e Condomínios Industriais /Logísticos. Mais uma vez publicamos a tabela TOP 100 dos Operadores Logísticos, seguida de uma análise da pesquisa e das perspectivas do setor. Sobre os condomínios logísticos e industriais, conheça os fatores que levam às empresas a se instalarem em um condomínio, os lançamentos do setor entre outros destaques. Planos, perspectivas, inaugurações e novas instalações ainda são a bola da vez! Todos ganham: investidores, locadores e locatários.

A Revista intraLOGÍSTICA é uma publicação do Grupo

27/12/2012 10:43:04


ÍNDICE Número 2 67 | j a n e i r o 2 0 1 3

ESPECIAL OPERADORES LOGÍSTICOS

OS MAIORES CONDOMÍNIOS DO BRASIL

S É R I E S 50 Segurança na MAM 52 Gestão da SCM 54 Logística pelo mundo

SEÇÕES 57 Literatura Técnica 58 Dicas da Consultoria 59 Destaques Internacionais 60 Mercado 66 Ponto de Vista 6 O cenário dos condomínios logísticos para 2013 12 O que atrai os operadores? 16 A vez da Região Norte 20 Condomínio multissetorial na Região Sul

50

23 Grande empreendimento no Sudeste 24 Pesquisa 2012: perfil dos operadores 32 Tabela de operadores logísticos 38 O que mudou? 42 Fusões e aquisições movimentam o setor 48 Logística no comércio eletrônico

52

R E P O R TA G E N S 62 Arquitetura organizacional nas empresas 64 Desafio Renault Experience

indice 267.indd 4

27/12/2012 10:19:05


Localização privilegiada (A 5 minutos do Aeroporto Internacional); Galpões modulares de 571 m² à 1.790 m²; Escritórios | Estacionamento interno | Segurança 24 horas; Restaurante | Lanchonete | Quadra poliesportiva; Menu de serviços diferenciado aos locatários; Clientes: Kuehne Nagel, DHL, TAM, TNT, Dufry, Cummins, Dachser;

ALUGAM-SE GALPÕES E ESCRITÓRIOS

Rua Estrela d´Oeste 124 | Cumbica - Guarulhos - SP | Distância de São Paulo: 18 km

cumbica@gwirealestate.com.br

globalcumbica.com.br

anuncios de 1 página.indd 1

21/12/2012 18:03:32


condomínios logísticos/industriais

perspectivas

O cenário de condomínios logísticos para 2013 Intermodalidade, taxa de vacância equilibrada e mais serviços são alguns dos destaques para os próximos anos

A

ssim como acontece em muitos segmentos da economia brasileira, os condomínios logísticos (CLs) e industriais estão começando a colher os frutos do crescimento do setor, o que implica em localizações mais estratégicas, estruturas mais modernas, serviços personalizados e eficiência energética. Muito disso poderá ser visto no decorrer de 2013 e 2014, quando boa parte dos empreendimentos em andamento ou em planejamento serão inaugurados. Este ano, por exemplo, muitas das obras que reduziram o ritmo em 2012, em razão das chuvas e do reflexo da crise europeia, serão inauguradas, o que provavelmente tornará 2013 um recorde em número de inaugurações no setor. Só no estado de São Paulo, por exemplo, são previstos 1,2 milhão de m2, segundo informações da Ello, especializada no mercado imobiliário corporativo. De acordo com dados da empresa, esse número é 33% superior ao registrado no ano passado, quando o setor inaugurou cerca de 900 mil m2. A

6

expectativa é ainda maior para a Herzog, especializada em imóveis industrias e comerciais. Segundo estudo divulgado pela empresa, São Paulo receberá mais 1,7 milhão de m2 este ano. Embora a oferta cresça, a taxa de vacância não sofrerá grandes alterações, principalmente em estados carentes de empreendimentos de alto padrão. “Isso aponta que muitos desses condomínios nascem para atender uma demanda já existente”, explica Simone Santos, diretora de serviços corporativos da Herzog. Segundo ela, o que deve mudar no setor é a possibilidade de escolha entre os locatários, onde os empreendimentos mais completos ganham destaque. “Os condomínios logísticos precisarão atender algumas especificações básicas para atrair as empresas, como piso com capacidade superior a 5t/m², pé direito superior de 12 m, docas, amplo estacionamento, pátio para carretas e, principalmente, localização que ofereça fácil acesso pelas principais rodovias do País”, acrescenta Simone.

janeiro 2013

Condominio Logístico_cenario.indd 6

27/12/2012 10:53:58


Metros quadrados Com cerca de 500 mil m² em condomínios logísticos, a Fulwood espera ultrapassar 1 milhão de m² em 2014. Segundo Fernando Pasmanik Schilis, gerente comercial da Fulwood, este ano serão entregues 200 mil m², que inclui duas ampliações e dois lançamentos, sendo três no estado de São Paulo e um em Minas Gerais, na região de Extrema. Já para o ano de 2014, a empresa pretende acrescentar mais 365,6 mil m² a sua estrutura, sendo duas ampliações e três novos empreendimentos. A GLP Brasil (Global Logistica Properties) segue no mesmo ritmo. Com cerca de 1 milhão de m² em condomínios logísticos e centros de distribuição, a empresa planeja construir 600 mil m², entre esse ano e o próximo, quando somará 1,6 milhões de m². Já a expectativa da Capital Realty vai além de 2014. Segundo Rodrigo

Para alguns operadores logísticos, esse é um bom momento para negociações, já que os preços podem oscilar em benefício dos locatários Demeterco, presidente da empresa, o Grupo conta com mais de 400 mil m² de área construída no Paraná, em Santa Catarina, no Rio Grande do Sul e em São Paulo. “Nosso objetivo é entregar mais 200 mil m² de área construída e aumentar esse espaço em 56% nos próximos cinco anos”, acrescenta o executivo. Sem inaugurações previstas para este ano, a Retha concentrará seus lançamentos em 2014, quando deve inaugurar 120 mil m² em condomínios logísticos, totalizado uma estrutura de 620 mil m² em CLs, localizados em São Paulo. Segundo Marino Mario, diretor

da Retha, a empresa pretende ampliar sua participação no território nacional, com construção de um condomínio logístico no Rio de Janeiro. “Estamos na fase de prospecção de terreno na região de Duque de Caxias”, explica Mário. “O estado carioca é carente de CLs e os investidores já notaram isso.” Um dos maiores crescimentos do setor ficará por conta da GR Properties. A empresa deve elevar em 400% sua estrutura, saltando dos atuais 100 mil m² para 400 mil m² em 2014. No total a empresa terá seis novos empreendimentos localizados em regiões estratégicas de São Paulo.

Com expectativa de crescer 400% até 2014, a GR Properties deve registrar o maior aumento em metros quadrados do mercado

Condominio Logístico_cenario.indd 7

27/12/2012 10:54:15


São Paulo Os investimentos da GR Properties são justificáveis. O estado de São Paulo ainda concentra o maior números de empreendimento logísticos e esse cenário não devo mudar nos próximos dois anos. Isso porque os investidores sabem que as empresas de logísticas preferem operar em regiões onde há fácil acesso a aeroportos, ferrovias, portos e estradas, exatamente o que o Estado e a região Sudeste dispõem. Para o olhar do investidor de mercado imobiliário corporativo, São Paulo oferece menos riscos e rápido retorno sobre o investimento. Embora pareça saturado, o Estado ainda tem espaço para crescer. É o que acredita Simone, da Herzog. Segundo ela, há alguns anos o mercado paulista de condomínios logísticos estava concentrado entre o eixo Barueri, Capital e Campinas e, atualmente, está se direcionando para a região do Rodoanel, incluindo áreas próximas as rodovias Regis Bittencourt, Anhanguera e Bandeirantes. Para se ter ideia de como a região ainda está em desenvolvimento, um estudo da Herzog, que contempla cidades localizadas em um raio de até 150 km da capital paulista, aponta que 72% dos CLs inaugurados nos próximos 14 meses estão no interior do Estado. É o caso da GR Properties, que até o momento restringiu sua atuação em um

raio de 120 km da capital paulista. “Alinhados a essa estratégia, pretendemos aumentar nossa participação percentual no inventário total do Estado de São Paulo, o qual apresenta uma excelente perspectiva de crescimento nos próximos anos”, aponta André Cardinali, gerente de incorporação da empresa. A região também é atrativa para empresas que estão se iniciando no mercado. A Tópico, com experiência em coberturas para armazéns e centros distribuição, inaugurou em 2012 seu primeiro condomínio logístico, localizado em Embu. Administrado pela Retha, o Tópico Centro Logístico tem as características que os clientes paulistas começam a exigir, como fácil acesso as principais vias do Estado, vagas privativas para automóveis, piso de doca em concreto, iluminação zenital e renovadores naturais de ar. O empreendimento tem 21.379 m2 de área construída e blocos. Mesmo quando as empresas especializadas em CL decidem explorar novos estados, busca-se a opção mais próxima ou de fácil acesso a São Paulo. A Fulwood é um exemplo. Com a aquisição de um imóvel em Extrema, Minas Gerais, há aproximadamente 100 km da cidade de São Paulo, a empresa não só mantém a estratégia de atuar em um raio de 150 km da capital como aproveita as vantagens logísticas de operar em outro estado. “É a cidade mais próxima

GLP construirá 800 mil m2 em condomínios logísticos até 2014. Este, em Guarulhos, será inaugurado ainda em 2013

8

Rodrigo Demeterco, presidente da Capital Realty: “Investiremos R$ 300 milhões no Sul como resposta à procura por espaços de qualidade para estocagem”

a São Paulo em Minas Gerais e conta com excelentes incentivos fiscais e grandes perspectivas de crescimento”, explica Fernando.

Brasil Em um ritmo menos acelerado do que São Paulo, as demais regiões do País também apresentam crescimento em número de empreendimentos e devem receber, mesmo que pontuais, novos CLs tanto este ano quanto em 2014. “As regiões Norte e Nordeste estão crescendo, mas passam pelo mesma fase que São Paulo viveu há uma década, com poucas opções para locação”, detalha Simone. Diferente de São Paulo, onde o retorno sobre o investimento é mais certo, essas regiões em desenvolvimento estão sendo testadas pelo mercado e o resultado tem sido positivo, o que demonstra que novos investimentos no setor devem surgir. A Hines, por exemplo, inaugurou em 2010 o condomínio logístico Distribution Park em Manaus, capital amazonense, e repetiu o mesmo feito dois anos depois, com a inauguração do Distribution Park Manaus II (veja reportagem na página 12). Ambos os empreendimentos da Hines estão a menos de 18 km de dis-

janeiro 2013

Condominio Logístico_cenario.indd 8

27/12/2012 10:54:38


tância do Aeroporto Internacional Eduardo Gomes e do Distrito Industrial, o que comprova a importância da infraestrutura logística para o desenvolvimento do setor em determinadas regiões, como o Nordeste. O Porto de Suape, em Pernambuco, foi um dos motivos que atraiu a Cone Suape Condomínios de Negócios a se instalar no Estado. Com cerca de 15 milhões de metros quadrados, o complexo logístico industrial está localizado a 15 km do aeroporto de Recife e a 9 km do cais do Porto de Suape. Segundo o Grupo Cone, responsável pelo empreendimento, a localização do Porto permite acesso às principais rotas marítimas nacionais e internacionais. O complexo ainda contará com acesso aos modais rodoviários e ferroviários, como a Transnordestina, mas ainda não tem previsão de entrega. Para Alfredo L. Schulthais, diretor comercial da Ello, os estados de São Paulo e do Rio de Janeiro continuam

COMO DEVEM SER...

...A maioria dos condomínios logísticos a serem inaugurados este ano e em 2014

Mais condomínios com o selo LEED (Leadership in Energy and Environmental Desing, Liderança em Energia e Arquitetura Ambiental) ou selos compatíveis;

Uso de novas tecnologias para adoção de iluminação natural;

Revestimento de telhado com Face-Felt (proteção térmica-acústica);

Ventilação cruzada com seis trocas de ar por hora;

Tratamento próprio de água e esgoto;

Maior potencial para reuso de água ou aproveitamento de água de chuva;

Projetos para melhor modulação de estruturas de estocagem;

Sistemas modernos de prevenção de incêndio;

Tecnologia de segurança mais precisa;

Bicicletário e ciclovia.

Fonte: IMAM Consultoria Ltda.

sendo os mais atrativos, devido a grande demanda no setor logístico, mas as regiões Nordeste, Centro-Oeste e Sul do País tem apresentado crescimento

considerável em CLs. E é isso que justifica os investimentos da Capital Realty na região Sul. Com empreendimentos no Paraná, em Santa Catarina e no Rio

Dificuldades com sua logística interna, com a administração de fretes ou com sua frota? Conte com mais de 20 anos de experiência embarcadas nas soluções de WMS e TMS da Sythex.

Veja mais em www.sythex.com.br ou ligue para 11 5506-0861

Condominio Logístico_cenario.indd 9

janeiro 2013

9

27/12/2012 10:54:45


Grande do Sul, a empresa aplicará R$ 300 milhões na construção de novos empreendimentos e na ampliação dos que já fazem parte do portfólio. “Esses novos investimentos são uma resposta à procura por espaços de qualidade superior para armazenagem”, aponta Rodrigo.

Mercado Em razão da concentração de lançamentos no primeiro semestre de 2013, a taxa de vacância entre condomínios logísticos deve sofrer uma alteração, passando a casa dos 10%. Mas esse movimento durará pouco. Para Simone, boa parte desses lançamentos atende a uma demanda específica e, alguns, já começam a ser ocupados antes mesmo da inauguração. De acordo com a diretora da Herzog, o período para absorção de novos condomínios logísticos dura entre zero e seis meses, após esse período o mercado tende a se estabilizar. Para alguns operadores logísticos, esse é um

10

bom momento para negociações, já que os preços podem oscilar em benefício dos locatários – mas não espere grandes vantagens, esse é mercado de preços equilibrados. Observando o cenário paulista, Alfredo acredita que a taxa de vacância deve continuar baixa na capital, onde no primeiro semestre de 2012 registrou 2,26%, contra 3,42% em 2011. Essa queda também foi observada no Estado, passando de 12,13% em 2011 para 10,31% no primeiro semestre deste ano. “Em 2013, este cenário deverá continuar devido ao grande numero de operadores logísticos e especulativos”, indica o executivo. Ainda segundo ele, os valores de locação devem cair. “Com o aumento do número de metros quadrados, os valores devem reduzir ainda mais, já que entre 2010 e 2011, em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, a media de locação era de R$ 25,00 por metro quadrado e no ano de 2012

Alfredo L. Schulthais, diretor comercial da Ello, “Regiões Nordeste, CentroOeste e Sul do País têm apresentado crescimento considerável em CLs”

houve redução nos valores”, explica Alfredo. “Por isso acredito que em 2013 estaremos nos valores ideais de mercado, entre R$20,00 e R$23,00 por metro quadrado.”

janeiro 2013

Condominio Logístico_cenario.indd 10

27/12/2012 10:55:06


anuncios de 1 pรกgina.indd 2

21/12/2012 18:04:08


condomínios logísticos

localização

O que atrai os operadores logísticos? Condomínios têm se tornado um pacote de conveniências para OLs cada vez mais preocupados com eficiência operacional

O

desenvolvimento econômico tem impulsionado os operadores logísticos (OL) a buscar novos espaços para ampliar a área operacional sem afetar o planejamento dos clientes. No entanto, o que antes poderia ser resolvido com a locação de um espaço grande o suficiente para receber a operação, já não atende a necessidade desse novo perfil de OL, que está mais direcionado a melhoria operacional (na essência do negócio) do que na administração ou na construção de armazéns e centros de distribuição. A alternativa para muitos desses operadores são os condomínios logísticos (CLs), que oferecem vantagens como localização estratégica, pacote de serviços administrativos e estrutura desenhada para atividades logísticas. Segundo dados da Herzog, empresa especializada no mercado imobiliário corporativo, só em São Paulo os

12

operadores logísticos já ocupam 50% dos condomínios industriais disponíveis no Estado. Na carteira de clientes da GLP Brasil (Global logistics Properties), com nove condomínios em cinco estados brasileiros, os OLs são 26% do total. Nomes como AGV Logística, Brado Logística, Movicarga e Movimentar, entre outros, já têm atividades em diferentes condomínios logísticos e essa lista tende a crescer. Mas quais vantagens essas estruturas oferecem? Infraestrutura. Desenhados para atender atividades com o perfil logístico e industrial, esses edifícios têm em sua maioria pé direito de 12 m e piso preparado para suportar mais de 5 t por m2. Em alguns casos, são construídos com docas nas duas laterais do prédio para facilitar operações de cross docking, além de estacionamento e espaço para manobra de veículos. Conveniência. Salas de reunião, sala de treinamento, portaria, segurança, ambulatório, iluminação exter-

na, serviços gerais (limpeza de área comum), restaurante, sala de repouso para caminhoneiros, jardinagem, manutenção são alguns dos itens que muitos dos condomínios logísticos oferecem, com a vantagem de poder ratear os custos com os demais usuários do CL e sem gerar encargos trabalhistas. Expansão. Os CLs são construídos para permitir flexibilidade entre os espaços, o que facilita para operadores logísticos com planos de expansão moderada. É comum que clientes aumentem o volume operacional, exigindo essa flexibilidade entre os OPLs. Contrato. Não há particularidades contratuais para operadores logísticos, no entanto, os CLs entendem o perfil desses OPLs e a importância de associar o prazo de locação ao prazo de contrato com o cliente ou a possibilidade de ampliar o espaço locado. Localização. A região onde os condomínios logísticos estão instalados é, sem dúvida, um dos pontos mais

janeiro 2013

Condominio Logístico_localizacao.indd 12

27/12/2012 10:56:16


Condomínio da Laguna, localizado em São Carlo, foi ampliado seguindo normas ambientais LEED

O QUE ATRAI OS OPERADORES LOGÍSTICOS atrativos para a comercialização. Por esse motivo, as empresas responsáveis pela construção e gestão desses empreendimentos despendem tempo até encontrar o terreno mais próximo e de fácil acesso às principais estradas, portos e aeroportos do País, evitando áreas próximas às restrições de trafego de caminhões e problemas para circulação de carga.

Mais sustentáveis, mais econômicos Outro ponto que tem justificado a escolha de condomínios por operadores logísticos é a sustentabilidade. Não apenas por uma questão de marketing, mas por uma forte relação com os custos. Por serem mais eficientes, esses edifícios permitem redução no consumo de água e energia e oferecem melhor qualidade de trabalho aos funcionários. Bom para o bolso e bom para os olhos e as metas dos clientes dos OLs, que cada vez mais precisam atin-

Empresas apontam quais os itens que mais atraem OLs na hora de locar espaço em condomínios: 1. Localização 2. Preço 3. Tamanho (área e pé direito) 4. Infraestrutura 5. Serviços 6. Flexibilidade contratual

gir objetivos de redução de emissões de GEE (Gases de Efeito Estufa). O condomínio sustentável GR Campinas foi inaugurado pela GR Properties em novembro de 2011 e, atualmente, já possui 70% de sua área ocupada pelas operações da Expresso Mirassol. “Nossos empreendimentos logísticos são certificados com LEED janeiro 2013

Condominio Logístico_localizacao.indd 13

13

27/12/2012 10:56:35


(Leadership in Energy and Environmental Design, Liderança em Energia e Arquitetura Ambiental), o que significa que atendemos inúmeros itens de sustentabilidade, como iluminação natural dos galpões, piso em cor clara para evitar zonas de calor, bicicletário, eficiência energética, aparelhos de ar condicionado especiais com baixo consumo, coleta seletiva de lixo, entre outros aspectos”, explica Alexandre Selegatto, engenheiro da GR Properties. A Laguna também está apostando em condomínios sustentáveis para atrair operadores logísticos. A última ampliação da empresa, entregue em 2011, está sendo certificada pelo LEED. Segundo Isabel Raad Carneiro, gerente comercial da Laguna, a empresa ainda planeja a ampliação de outros módulos em mais 17.000 m2 e todo o processo seguirá as normas LEED. Segundo Marino Mário, diretor comercial da Retha, só os sistemas de reaproveitamento de água de chuva para banheiros e irrigação de jardim permitem que os condomínios da empresa reduzam entre 70% e 80% o consumo de água. “Nossos empreendimentos também estão adotando lâmpadas de

Alexandre Selegatto, engenheiro da GR Properties: “Modelo de condomínio logístico sustentável GR Campinas atrai OPLs interessados em reduzir o impacto ambiental das operações” 14

Espaço disponível

Das empresas consultadas para a reportagem, seis apontaram as áreas disponíveis para locação. No total são 1,02 milhão de metros quadrados, concentrados principalmente nas regiões Sul e Sudeste e localizados próximos a importantes rodovias para o transporte de cargas e acesso a portos e aeroportos. Alguns dos empreendimentos serão inaugurados no decorrer de 2013. Condomínio

Área m2

Localização

Retha

140.929

Diversas cidades (SP)

GLP Guarulhos

100.000

Guarulhos (SP)***

GLP Gravataí

40.000

Gravataí (RS)***

GR Campinas II

36.540

Campinas (SP)

Master Business Park Jundiaí*

27.322

Jundiaí (SP)

GLP Campinas

25.000

Campinas (SP)

Master Business Park Sorocaba*

24.640

Sorocaba (SP)

Laguna

17.000

São Carlos (SP)***

Extrema Business Park*

15.377

Extrema (MG)

GLP Ribeirão Preto

14.000

Ribeirão Preto (SP)***

*Condomínios Fulwood, **Condomínios Capital Realty, ***Inauguração prevista para 2013, NI – Não Informado

LED na área externa, que consumem até 10 vezes menos do que o modelo convencional”, acrescenta Mário. Os CLs sustentáveis são construídos seguindo parâmetros socioambientes para garantir que não afetem o meio ambiente e a comunidade ao redor durante a obra. É o que explica Mariana Schilis Viotti, gerente administrativa da Fulwood. “Buscando facilitar o processo de construção sustentável e reduzir custos desde o início do projeto, nossos empreendimentos respeitam requisitos como: tratamento de resíduos de obra, sistema construtivo com estrutura de pilares em concreto pré-moldado e preocupação com a área de preservação ambiental, catalogando todas as árvores ao redor da construção”, aponta.

Benefícios da intermodalidade A oferta de modais menos agressivos ao meio ambiente também afeta

a sustentabilidade dos condomínios logísticos. O Mega Intermodal Esteio (RS), da Capital Realty disponibiliza um terminal ferroviário integrado, com embarque diário ao Porto de Rio Grande (RS). “A intermodalidade ajuda a reduzir o impacto ambiental das operações de transporte”, aponta Rodrigo Demeterco, presidente da Capital Realty. “Com o uso integrado de diferentes modais há uma diminuição no uso de caminhões e, consequentemente, no consumo de combustíveis fósseis, já que um trem carrega sozinho mais de três mil t de produtos em uma única viagem, substituindo quase 100 caminhões”. Para ele, em países com dimensões continentais, como o Brasil, esse conceito tem amplo espaço para crescer. Por esse motivo, o Mega Intermodal Canoas (RS), que será inaugurado em abril de 2013, também terá opção de transporte intermodal.

janeiro 2013

Condominio Logístico_localizacao.indd 14

27/12/2012 10:56:43


anuncios de 1 pรกgina.indd 3

21/12/2012 18:04:53


condomínios logísticos

lançamento I

A hora e a vez da Região Norte Empresa investe na segunda unidade de condomínio logístico na cidade amazônica e planeja iniciar a construção de um terceiro

A

Hines, empresa que atua na construção de edifícios industriais, comerciais e residenciais, inaugurou a segunda unidade de seu condomínio logístico Distribution Park, em Manaus (AM). Tendo como parceira durante a construção a RD Engenharia, a companhia construiu um empreendimento com espaços modulares de 3.200 m² a 6.170 m².

16

O empreendimento oferece uma área total locável de 68,8 m. Os galpões têm pé direto de 12 metros livres e capacidade de piso de 6 t/m². “Terminamos a construção há alguns meses. A obra levou, aproximadamente, um semestre. Nenhum terreno é 100% eficiente, por isso, 68,8 mil m² da área é locável. Além de empresas logísticas, também receberemos empresas industriais. Por coin-

cidência, as empresas que atendemos nesta segunda unidade trabalham com o mesmo tipo de produto que as empresas do primeiro Distribution. Neste condomínio já temos duas empresas de logística e uma de produção de plásticos”, conta Jeremy Smith, diretor de Projetos da Hines. O condomínio é composto por dois galpões, sendo que no primeiro há três módulos com 11.813 m² de espaço

Ma Ada fina

janeiro 2013

af_anuncio

Condominio Logístico_Hines.indd 16

27/12/2012 10:59:20


para armazenagem e 1.260 m² de área administrativa. Já no segundo galpão, são 18 módulos com 42.075 m² de espaço para armazenagem e 6.120 m² de área administrativa. Está localizado na Estrada do Tarumã, a 8 km do Aeroporto Eduardo Gomes e a 18 km do Distrito Industrial. As empresas que estarão no condomínio terão a disposição uma infraestrutura composta por áreas administrativas, refeitórios e vestiários. Além disso, a área tem 85 docas para embarque e desembarque de carretas, caminhões e demais veículos de carga. O estacionamento pode abrigar até 123 carretas e 257 veículos leves. “Trouxemos para Manaus a mesma qualidade de serviços e telecomunicação das nossas unidades no Rio de Janeiro e em São Paulo. Empresas de logística dependem de sistemas de gerenciamento que funcionam via in-

Jeremy Smith, diretor de Projetos da Hines e Eduardo Bo, diretor senior de gestão de propriedade da Hines

ternet. Cada companhia instala os aparelhos e a infraestrutura que precisa. Até o momento, tudo tem operado normalmente, pois deixamos a tecnologia disponível para que possam utilizar as ferramentas que necessitam”, declara Eduardo Bo, diretor senior de gestão de propriedade da Hines.

vinigalpão

Maior espaço interno. Adaptável para diversas finalidades.

Fone: (11) 2139 2888

af_anuncio intralogistica galpao mostarda.indd 1

Condominio Logístico_Hines.indd 17

• • • • • • •

O empreendimento já está 50% ocupado, tendo as empresas Panalpina e Sony DADC. O Distribution Park, segundo Jeremy Smith, diretor de Projetos da Hines, é um sistema de galpões com tecnologia de ponta e infraestrutura de alta qualidade que geram economia. Ainda, de acordo com o diretor,

®

Sem colunas intermediárias facilitando operações logísticas. Montagem rápida. Totalmente desmontável. Vão livre de 09 a 40 metros. Pé direito de 5 a 8 metros. Atendemos projetos especiais. Assistência técnica em todo Brasil.

e-mail: comercial@sansuy.com.br

www.sansuy.com.br

18/07/2012 11:00:53

27/12/2012 10:59:40


foram investidos R$ 100 milhões na construção do condomínio. A Panalpina assinou contrato no dia 1º de novembro de 2012. Duas semanas depois, no dia 14, começou a operação ocupando 9 m² de área em três módulos do galpão dois. A empresa suíça já está há 23 anos em Manaus. Seu antigo endereço ficava a 4 km de distância do atual, num armazém alugado, que tinha 4 m². “Investimos meio milhão no condomínio, pois precisávamos de mais espaço para fazer o transporte, a importação e a exportação marítima e aérea das cargas de nossos clientes”, conta Jaime Cortez, gerente de operações da Panalpina. “Com a mudança, ampliamos a armazenagem e movimentação. Antes, 50% do volume era de armazenagem. Agora, no novo endereço, 75% dos negócios será armazenagem. Movimentamos eletroeletrônicos, tanto componentes quanto o produto final. Com a nova estrutura teremos 25% de agilização e aumento de performance”, declara Jaime Cortez, gerente de operações da Panalpina.

Desafio “Quando chegamos ao mercado tínhamos demanda ao dobro. Por isso, escolhemos construir um segundo e um terceiro Distribution Park em Manaus, cidade que recebe 10% dos investimentos da Hines. As empresas 18

Pólo industrial de Manaus (PIM) tem demanda líquida anual de cerca de 90 mil m² por galpões pagam R$ 22 o m² por mês e R$ 1,20 de IPTU por m² por ano e o contrato tem duração de cinco anos. O terceiro condomínio será construído próximo ao Distrito Industrial. Investiremos 300 milhões e as obras começarão no final de 2013. Manaus é uma cidade muito interessante, por isso também pensamos em investir no mercado residencial e comercial”, comenta Jeremy Smith. Ainda segundo o diretor, “sempre analisamos os mercados na região norte, como o de Belém. Já na região Sudeste iniciamos a construção de um segundo Park em Embu das Artes (SP). Também vamos investir R$ 100 milhões, mas a área locável será de 600 mil m². No final de 2013, iniciaremos outro Park em Vargem Grande Paulista (SP), com 90 mil m² e investimento de R$ 180 milhões. A previsão de término é para o final de 2014”. Aspectos sustentáveis não são deixados de lado durante a construção dos condomínios logísticos da Hines. De acordo com Jeremy, a empresa sempre acrescenta em seus projetos recursos como reuso da água, conhecida como “água cinza” (água residual, ou seja, não-industrial, a partir de processos domésticos como lavar louça, roupa e tomar banho) usada para regar e utilização da luz natural.

“Guido Nardi, diretor administrativo Cal-Comp Eletronics, instalada em um galpão no Distribution Park I, comenta sobre a experiência vivida na outra unidade. “Estamos em um galpão inteiro e num segundo galpão, ocupando quatro módulos. Somos fabricantes de eletrônicos, HD, placa mãe, aparelhos de recepção de TV digital. O interessante de estar num condomínio é a segurança e a estrutura. Para nossas necessidades, a melhor opção foi a Hines. Além disso, como a estrutura é modular podemos adaptar. Éramos pequenos então fomos comprados por um grupo. Atendemos a todo o País”, completa. O diretor da Hines revela que o principal atrativo do Distribution Park é o projeto que foi desenvolvido pensando em características como quantidade de docas, proporções que permitem uma melhor circulação de empilhadeiras. Também estamos construindo galpões para locação. “A prioridade foi construir prédios com manutenção livre e mais econômicos. Desenhamos o teto com custos baixos, mas também nos preocupamos com a qualidade do piso, que influencia na manutenção da empilhadeira. O condomínio oferece melhores condições de segurança e manutenção”, comenta.

janeiro 2013

Condominio Logístico_Hines.indd 18

27/12/2012 10:59:49


anuncios de 1 pรกgina.indd 4

21/12/2012 18:05:29


condomínios logísticos

multisetorial

Mais que um condomínio Maior conjunto de prédios multissetorial do Brasil fica em Joinville

J

oinville (a maior cidade do estado de Santa Catarina) sedia o maior condomínio multissetorial do Brasil: o Perini Business Park. São quase 100 empresas instaladas, com projeção para dobrar esse número nos próximos 12 anos. “Trabalham no complexo cerca de 7.500 pessoas. É uma cidade dentro de outra”, afirma Marcelo Hack, presidente do Grupo Perini. O Perini Business Park foi inaugurado em 08 de março de 2001, fruto da visão do italiano Fabio Perini, que chegou no Brasil para abrir uma subsidiária de sua empresa italiana que fabrica máquinas para conversão de papel na linha Tissue (papel higiênico/ toalha). Mais tarde, a Fabio Perini Máquinas, empresa que deteve mais de 70% do mercado mundial em seu ramo de atuação, foi vendida ao grupo alemão Koerber.

Hoje o Perini Business Park tem 2,8 milhões de m2 de terreno e 260.000 m2 de área construída 20

perini park.indd 20

Fabio Perini resolveu então trazer para o Brasil outras empresas ligadas a ele e o caminho para isso foi pensar grande e criar um condomínio, que inicialmente abrigou três projetos do próprio Grupo Perini e conquistou, a partir de seu excelente padrão, um seleto grupo de empresas, entre as quais: Bosch, Siemens, Buhler, Whirlpool, Voith, Benteler, Aços Vilares, Allflex, Brenntag, Wetzel, Schultz, Sherwin Williams, Brunswick, Brascola Termomecânica, Sil Fios e Cabos, entre outras tantas. Hoje o Perini Business Park tem 2,8 milhões de m2 de terreno e 260.000 metros quadrados de área construída. A soma dos faturamentos das empresas instaladas neste parque representa 2,65% do PIB de Santa Catarina, o que equivale dizer 19% do PIB da cidade de Joinville (dados de 2008). O primeiro passo deste arrojado projeto foi criar, em 1997, a empresa que construiria os outros galpões, a Perville Construções e Empreendimentos S/A, que introduziu um modelo pioneiro no Brasil de construção industrial, que utiliza painéis pré-fabricados que incorporam em seu interior placas de EPS garantindo às construções conforto termoacústico. Além

disso, esses painéis pré-fabricados em concreto têm acabamento granilhado, dispensado a necessidade de pinturas regulares e mantendo sempre uma ótima aparência. Um sistema de cobertura exclusivo de patente registrada pelo grupo entrega um ambiente com iluminação e exaustão natural que, em média, garante no verão joinvilense 5º C a menos de temperatura do que um sistema convencional – sem gastar energia com isso. Os elementos pré-fabricados em concreto criam condições para a coleta de águas pluviais por meio de tubulações embutidas.

janeiro 2013

27/12/2012 11:00:53


Radiografia das empresas

Como 78% da área ocupada é destinada à industria, a maioria dos prédios tem estrutura para pontes rolantes de até 20 toneladas. A capacidade padrão de piso é de 3 t/m2. Outro grande diferencial do Perini Business Park fica por conta da quantidade de serviços que são fornecidos aos condôminos: portaria com controle de acesso, vigilância pessoal e eletrônica, manutenção, conservação, limpeza e jardinagem das áreas comuns, amplas vagas de estacionamento em áreas controladas, ambulatório médico e odontológico, biblioteca, padaria, estação de tratamento de esgoto, res-

perini park.indd 21

102 empresas instaladas

260.000 m² é o total de área construída, correspondendo a cerca de 50% da capacidade total projetada do parque

78% da área construída atual é ocupada pela indústria, 18% por comércio (principalmente logística) e 4% representam o serviço

Os principais setores representados são: metalmecânico, eletroeletrônico, construção civil, automobilístico, naval, plástico, logística, químico, fundição, serviços e agronegócio

Do total de empresas, 33% são matrizes e 67% filiais. A origem é mundial: Alemanha, Bélgica, Brasil, Coreia, EUA, França, Itália, Portugal e Suíça

• Juntas, as empresas geram uma riqueza equivalente à Joinville e 2,65% do PIB de Santa Catarina

19%

do PIB de

27/12/2012 11:01:08


Clientes do Perini Business Park Empresa

Principais ramos de atividades

Activas Plásticos

Distribuição de resinas termoplásticas

Allflex

Brincos para rastreabilidade de rebanhos

Big Tools

Ferramentas para usinagem

Binário

Integradora de conectividade e telecomunicações, mobilidade

Bomi Brasil

Operador logístico

Boxcar

Soluções alternativas de transporte

Brascola

Fabricante de adesivos e selantes

Brenntag

Serviços logísticos de químicos

Brunswick Boat Group-Brasil

Produção e distribuição de embarcações

Bühler

Fabricante de tecnologia para a indústria alimentícia

Bulonfer

Distribuidora de produtos industriais: aço, ferramentas, etc

Cirius

Comercialização de metais não ferrosos e produtos químicos

Cisa Brasile

Fabricante de autoclaves

CMI

Projeto e fabricação de equipamentos para o ramo siderúrgico

Comercial Cometa

Produção e comercialização de ferros para o mercado de fundição

Eecon

Empresa da Embraco de controles eletrônicos

Eletro Motores Curitibanos

Solução em eletricidade e fundição

Eurosonics

Fabricante de tecnologia para união de termoplásticos

Futura

Máquinas e serviços para indústrias de conversão de papel tissue

Grupo Orbenk

Distribuidora de produtos de higiene e limpeza

Joifer

Ferramentas especiais para usinagem

Leas Industrial

Produz conectores para refrigeração

Minipa

Indústria e comércio de instrumentos de medição

Molda Moldes Industriais

Fabricante de moldes e matrizes, usinagem

Nova Data Center

Informática, gestão de documentos

Nova Motor.

Fabrica e vende motores elétricos, geradores síncronos, etc

OBR Equipamentos Industriais Comercialização de produtos de automação industrial Perville Construções

Indústria de pré-fabricados

PPE Fios Esmaltados

Fundição de materiais não ferrosos e suas ligas

RHBrasil Serviços

Serviços de RH

Risa

Administração de restaurantes

Robert Bosh

Tecnologia automotiva/industrial, bens de consumo

Schulz Compressores

Soluções em ar comprimido

Sesi

Serviço Social da Indústria

Sherwin Williams

Produção de tintas e vernizes

Shuttle

transporte e logística

Sil Fios e Cabos Elétricos

Fabricante de fios e cabos elétricos

SOCIESC

Educação

Spectrochem

Fabricante de aditivos para a indústria química

Stam

Indústria de máquinas perfiladoras e linhas de corte

TAC – Tec. Auto. Catarinense

Fabricante de veículo automotor

Tec Italy

Ar condicionado

Unicargo Transportes

Transporte de cargas aéreas e rodoviárias

Universal Leaf Tabacos

Indústria de tabacos

Villares Metals

Aços especiais de alta liga

Wetzel

Fundição e usinagem de peças em ligas de alumínio

Whirlpool

Desenvolvimento e produção de eletrodomésticos

XPM Soluções Logísticas

Logística para produtos de saúde

22

perini park.indd 22

taurantes (atualmente seis), salas de treinamento, serviços bancários, treinamento de brigadistas para eventual combate à incêndios, seguro predial incluso na taxa de condomínio, além de uma importante gama de prestadores de serviços como contabilidade, advocacia, correio, seguradoras, empresa de recrutamento e seleção, empresa de limpeza. “Fazemos de tudo para que nosso cliente possa ter foco no seu negócio”, afirma Emerson Edel, diretor de operações. “Administrar este condomínio é como ser prefeito de uma média cidade”, completa. A localização é estratégica quando se leva em conta a logística portuária (quatro portos num raio de 80 km), aérea (três aeroportos em 100 km de raio) e rodoviária, além dos próprios operadores logísticos situados neste cluster garantirem um fluxo contínuo desde o recebimento até a distribuição de insumos ou produtos acabados. “Muitas empresas saíram dos grandes conglomerados urbanos, como São Paulo, em busca de menores custos e mais qualidade de vida. Encontraram isso em SC, além de descobrirem um polo empreendedor e com excelente mão de obra. Procuramos manter sempre uma visão de futuro em mais longo prazo, ao investir em soluções com base em experiências de grandes negócios. Imaginando Joinville daqui a 15 anos, prevemos no condomínio um cenário de aproximadamente 15 mil funcionários em mais de 200 empresas”, finaliza Hack.

janeiro 2013

27/12/2012 11:01:13


condomínios logísticos

lançamento II

Mais um grande empreendimento São 26 galpões modulares que já estão com 70% de sua capacidade ocupada

A

construtora MBigucci e a Retha Imóveis & Serviços inauguraram no bairro Piraporinha, em Diadema (SP), o MBigucci Business Park Diadema, um condomínio industrial e logístico que abrigará empresas de diversos segmentos. O condomínio está bem localizado, pois a cidade fica entre as rodovias dos Imigrantes e Anchieta, o que facilita o acesso ao Porto de Santos, ao Rodoanel, ao aeroporto de Cumbica em Guarulhos (SP) e às rodovias Dutra e Fernão Dias. “Este condomínio é o nosso primeiro empreendimento logístico. Es-

colhemos Diadema por ser uma região com potencial para se desenvolver muito. Acreditamos no Grande ABC, que pulsa fortemente. Não é uma região apenas para construir imóveis residenciais. Precisamos investir no segmento logístico”, comentou Milton Bigucci, proprietário da construtora. O prefeito de Diadema, Mário Reali, declarou que “a indústria local ainda é responsável por 60% dos empregos dos moradores. A cidade abriga negócios diversos como perfumaria, plástico, borracha, entre outros”. No empreendimento, que foi construído com princípios sustentáveis, foram investidos R$ 63 milhões. A área

total do terreno é de 36.929,30 m², pé direito de 12m, piso de alta resistência, com capacidade para 6 t/m² e 26 galpões modulares, sendo 20 do tipo “A” (área total de 1025 m²) e seis do tipo “B” (área total de 911 m²). “Prestamos assessoria na concepção do projeto, mas nossa participação será na implantação e na administração do condomínio. O terreno levou um ano para ficar adequado a construção. Foi necessário estaqueá-lo e elevá-lo para evitar as enchentes do Ribeirão dos Couros. Em Diadema, um terreno nessas proporções é um privilégio, já que os valores dos terrenos na região do ABC estão cada vez mais caros”, comentou Marino Mário da Silva, sócio diretor da Retha. Mesmo antes da inauguração, 70% dos galpões já estavam ocupados por empresas como a Intelisense Radiocomunicação, a New LG Transportes, Logística, a TCS Agenciamento de Cargas e Logística e a SIM Industries Brasil, que trouxe seu centro de treinamento de pilotos, com simulador de voo Full Flight de última geração e salas de aula para a região do ABC. De acordo com Simone Santos, diretora de serviços corporativos da Herzog Imóveis Industriais e Comerciais, “o único imóvel com as condições ideais para atender às necessidade operacioonais da SIM foi o empreendimento MBigucci Business Park”. janeiro 2013

mbigucci.indd 23

23

27/12/2012 11:01:45


operadores logísticos

PESQUISA

Top 100 Perfil dos Operadores Logísticos 2012 Pesquisa aponta OPLs com mais posições paletes, menos colaboradores terceiros e mais empilhadeiras Brasilmaxi aumentou em 40% o número de posições paletes em 2012

P

elo segundo ano consecutivo, a revista intraLOGÍSTICA apresenta a pesquisa Perfil de Operadores Logísticos. Os pesquisadores consultaram mais de 100 empresas de serviços de transporte, armazenagem ou

24

movimentação de carga. Informações sobre quantidade de posições paletes, volume de empilhadeiras, regiões atendidas e número de colaboradores ajudam a desenhar um retrato da categoria e identificar dados que mostram os rumos do serviço logístico no País.”

Cobertura nacional é realidade em 34% dos prestadores de serviços logísticos

janeiro 2013

operadores logisticos_pesquisa.indd 24

27/12/2012 11:03:30


Posição Palete

AS CINCO MAIORES EM POSIÇÕES PALETES

Número de PP cresce 6% De acordo com o Perfil de Operadores Logísticos 2012, o volume de posições paletes (pp) entre as empresas que responderam a pesquisa chegou a 2,64 milhões. O resultado é 6% maior do que o registrado na edição de 2011 e mostra um setor de serviços logísticos mais maduro, que acompanha o crescimento da economia e evolui de acordo com a demanda. É o que acredita Edmundo Schroeder, diretor da Coopercargo. O executivo justifica o crescimento de 33% no número de posições palete da empresa à demanda dos clientes e ao investimento proporcional da companhia. A Coopercargo passou de 2.000 para 3.000 pp em 2012. E, assim como outras empresas que também elevaram o volume de posições, a Coopergargo optou por otimizar a estrutura já existente. “O investimento na verticalização se torna mais barato do que horizontalizar a área física”, acrescenta Edmundo. O mesmo aconteceu nas operações da Brasilmaxi, que saltou de 12.000 para cerca de 20.000 pp em 2012. Segundo Fausto Montenegro, diretor

Empresa

Unidades

Posição palete

AGV Logística

66

296.000

Mclane

4

250.000

Bomi Farma

6

115.000

Grupo Toniato

14

104.000

Arfrio

9

103.000

comercial da empresa, o aumento de 40% ocorreu depois de uma análise sobre os armazéns atuais da companhia. “Observando o volume de ocupação desses armazéns foi possível identificar a possibilidades de aumentar o número de posições paletes em nossa estrutura atual”, explica Fausto. A quantidade de empresas com posições paletes entre 50.000 e 100.000 também cresceu em 2012, passando de 14% em 2011 para 20% do total de respondentes. Já o número de empresas com até 10 mil pp caiu 20 pontos percentuais, passando a ser 29% do total.

Distribuição de posições paletes (pp) entre operadores logísticos 8% acima de 100.001 pp

20% entre 50.001 e 100.000 pp

29% até 10.000 pp

43% entre 10.001 e 50.000 pp

janeiro 2013

operadores logisticos_pesquisa.indd 25

25

27/12/2012 11:03:47


Empilhadeira OPLs aumentam número de máquinas

AS CINCO MAIORES FROTAS DE EMPILHADEIRAS

Se a pesquisa de 2011 mostrava que a maioria dos operadores logísticos respondentes usavam até dez empilhadeiras na frota, os resultados de 2012 podem ser considerados animadores. O número de empresas com mais de dez veículos industriais diminuiu 26 pontos percentuais, caindo de 58% na primeira edição da pesquisa para 32%, em 2012. Já a participação de empresas com frota entre 11 e 50 empilhadeiras aumentou de 29% para 47% em 2012. Um crescimento de 18 pontos percentuais. Ambos os resultados exemplificam o avanço no número de empilhadeiras nas operações e o aumento da eficiência na movimentação, que busca reduzir o trabalho manual onde máquinas são mais bem sucedidas. Embora os dados de vendas de veículos industriais em 2012 ainda não tenham sido divulgados, algumas empresas assistiram esse crescimento em suas operações, como a Art Services, que elevou o

Empresa

Empilhadeiras

Celere (Movicarga)

500

Manserv

450

CSI Cargo

405

JSL

403

AGV Logística

216

número de empilhadeiras de 18 para 35; a Bomi Farma, que passou de 17 para 45 máquinas; e a Manserv que saiu de 400 para 450 máquinas em 2012. Os aumentos estão ligados a conquista de novos clientes, ampliação de área física e reestruturação operacional. No caso da Manserv, por exemplo, o aumento faz parte da estratégia da empresa de crescer em média 35% ao ano e da instalação de um centro de distribuição na capital paulista.

Número de empilhadeiras entre OPLs 12% acima de 101 empilhadeiras

9% entre 51 e 100 empilhadeiras

Frota Cresce opção por veículo próprio O número de caminhões próprios (pesado, médio ou urbano) cresceu dez pontos percentuais entre os respondentes do Perfil de Operadores Logísticos 2012. A pesquisa de 2011, apontava que 53% dos veículos das empresas consultadas eram próprios, já em 2012 esse número saltou para 63%. No entanto, a quantidade de empresas com frota mista também aumentou, passando de 80% para 88% do total. Segundo Claudio Fonseca, gerente sênior de operações da FedEx, o que justifica a preferência por veículos próprios é a possibilidade de garantir a regularidade e a confiabilidade do equipamento, graças a manutenções preventivas e ao controle direto das decisões quanto à operação dos ativos e o desempenho dos motoristas. Para a FedEx Express, com 920 veículos próprios, o modelo de aquisição de caminhões é fundamental para o perfil da companhia, já que o motorista é parte integrante da FedEx. É justamente o profissional atrás do volante quem tende a motivar operadores logísticos pela escolha de veículos próprios. Com a Lei que regulamenta a profissão de motorista, em vigor desde junho de 2012, as empresas enxergam na aquisição do

32% até 10 empilhadeiras

63% 47% entre 11 e 50 empilhadeiras

26

da frota dos prestadores de serviços logísticos é composta por veículos próprios

janeiro 2013

operadores logisticos_pesquisa.indd 26

27/12/2012 11:03:56


caminhão, a possibilidade de melhor controlar a rotina do profissional. Itens previstos na Lei, como repouso de 11 horas a cada 24 horas e jornada de trabalho de oito horas, são mais fáceis de acompanhar quando há um veículo próprio e monitorado. Para Luiz Alcântara, diretor de operações da Gefco, que possui 500 veículos próprios, a opção por frota própria atende principalmente a demanda do transporte internacional. “O modelo serve para equilibrar fluxos, como estabilização operacional, medição de tempos e produtividade”, explica Luiz. A Brasilmaxi, que mantém um modelo misto de frota, com 320 veículos próprios e 28 agregados, varia o uso dos caminhões de acordo com a rota adotada. Segundo Fausto Montenegro, diretor comercial, a empresa utiliza os caminhões

As cinco maiores frotas de caminhões Empresa

JSL

Própria

Agregada

Total

8.168

800

8.968

160

4.600

4.760

4.711

NI

4711

TNT

2.403

1.066

3.469

Atlas

1.312

823

2.135

AGV Logística Tegma

NI – Não informado

próprios para viagens longas, em razão da diluição do custo variável, enquanto que para viagens curtas, o modelo de agregados é mais viável. O acesso a linha de créditos para compra de caminhões, o aumento do capital de investimento e a preocupação em reduzir as emissões

de gases de efeito estufa entre os operadores logísticos também têm impulsionado a compra de veículos próprios. A idade média dos veículos da Gefco, por exemplo, não passam de sete anos, enquanto entre a Brasilmaxi e a FedEx a média está entre quatro e cinco anos.

janeiro 2013

operadores logisticos_pesquisa.indd 27

27

27/12/2012 11:04:11


Retrato da frota dos operadores logísticos Modelo de aquisição

Distribuição de próprios por OPL 4%

7%

5%

apenas frota própria

apenas frota agregada

5% entre 1001 e 1500

acima de 1501

53% até 100 veículos

12% entre 501 e 1000 veículos

26%

88%

entre 101 e 500 veículos

mantêm frota mista

Mão de obra Cai contratação de terceiros Embora o número de profissionais terceirizados no Brasil represente 24% do total de empregados com carteira assinada e tenha 22% de frequência na logística, segundo dados da Asserttem (Associação Brasileira das Empresas de Serviços Terceirizáveis e de Trabalho

Temporário), os prestadores de serviços logísticos parecem ter perdido o interesse no modelo de contratação. De acordo com os dados do Perfil de Operadores Logísticos, o total de profissionais terceirizados caiu cinco pontos percentuais, variando de 13% em 2011 para 8% em 2012. Por outro lado, cresce a contratação direta, que já conta com 92% do total de profissionais apontados na pesquisa.

Perfil de contratação de profissionais

AS CINCO MAIORES EM PROFISSIONAIS DIRETOS Empresa

JSL

14.163

FedEx Express

9.500

TNT

7753

DHL Supply Chain

7.500

MRS Logística

6.800

AS CINCO MAIORES EM PROFISSIONAIS TERCEIROS

8% terceirizados

Empresa

92% diretos

28

Diretos

Terceiros

Hipercon

1.500

Tegma

1.458

Celote

950

Franco

652

Translovato

500

janeiro 2013

operadores logisticos_pesquisa.indd 28

27/12/2012 11:04:28


Distribuição de agregados por OPL 3% 12%

entre 1001 e 1500

Do total de veículos

1% acima de 1501

56% até 100 veículos

37%

63% Próprios

Agregados

entre 501 e 1000 veículos

28% entre 101 e 500 veículos

Esse resultado exemplifica um setor que está mais interessado em ser mão de obra terceirizada, quando assume a operação de seus clientes, do que contratar profissionais não especializados na rotina e na essência da empresa.

Regiões 34% atendem todo o Brasil

Dos operadores logísticos que responderam a pesquisa, 34% atuam

ou mantém operações em todos os 26 estados brasileiros. O número é três pontos percentuais maior do que o registrado em 2011 (31%). O Perfil de Operadores Logísticos 2012 também aponta um mercado ainda muito concentrado nos grandes centros. Entre as empresas que não atuam em todo o País, 73% delas têm o estado de São Paulo na rota de atendimento, sendo que 30% desse montante só atende a região Sudeste.

Os prestadores de serviços logísticos com cobertura nacional são taxativos ao afirmar que, embora haja desafios na gestão da operação, atuar em todos os estados coloca a empresa em um anglo de maior competitividade. Para Daniel Souza, gerente das operações da UPS, o Brasil, por seu tamanho e diversidade regional, tem um enorme potencial para negócios. “Por isso, ter operações em todo o território nacional permite que um número maior de opor-

Golden Cargo optou por instalar centros de distribuições em regiões com forte crescimento no setor agrícola

janeiro 2013

operadores logisticos_pesquisa.indd 29

29

27/12/2012 11:05:01


Onde atuam os operadores 34% todo território nacional

66% estados e regiões específicas

Das empresas que não atendem todo o Brasil 27% não atendem São Paulo

73% atendem São Paulo

tunidades possam ser aproveitadas”, aponta Daniel. No caso da Golden Cargo, especializada na logística de defensivos agrícolas, a cobertura nacional permitiu, por exemplo, que a empresa se tornasse uma das únicas do setor a atuar na região agrícola que mais cresce no País, a Mapitoba (que engloba os estados do Maranhão, Piauí, Tocantins e Bahia). “Nessa região dispomos de centros de distribuição em Luís Eduardo Magalhães (BA), Araguaina (TO) e Balsas (MA)”, explica Mauri Mendes, diretor comercial da empresa. Para Marcelo Flório, diretor da Braspress Logística, há muito mais vantagens em atuar no território na30

janeiro 2013

operadores logisticos_pesquisa.indd 30

30

cional, pois se permite que a operação melhore a produtividade dos recursos e aumente a capacidade tecnológica e operacional da empresa. Marcelo também lembra que há desvantagens e que essas devem ser corrigidas para um melhor desempenho do setor. “Vejo desvantagens nas questões tributárias, na falta de infraestrutura rodoviária em determinadas regiões, na deficiência de infraestrutura tecnológica em todo o território nacional e, em algumas regiões ainda de forma precária”, exemplifica o executivo. “Isso apenas contribui para que ainda seja difícil encontrar meios de operar nacionalmente e manter a relação custo-benefício satisfatória.”

janeiro 2013

27/12/2012 11:05:22


TREINAMENTOS IMAM 2013 Preparamos eventos especiais, em destaque: • CEGE - Curso de Especialização em Gestão para Engenheiros Dois formatos: aulas noturnas às segundas e quartas-feiras até novembro 2013 (início 11 de março); ou em 4 fases de 48 horas cada: 8 a 13 de abril; 10 a 15 de junho; 9 a 14 de setembro; 4 a 9 de novembro • Seminário LOGMAM com visita técnica em: Recife (20 de março); e Joinville (22 de março)

E mais de 75 cursos disponíveis nas áreas: • • • • • • • • • • •

Desenvolvimento Organizacional Supply Chain / Logística Administração de Materiais / Suprimentos Planejamento da Produção / MRP Movimentação e Armazenagem de Materiais / Embalagem Qualidade e Produtividade Engenharia Industrial Segurança e Ergonomia Manutenção Industrial Custos e Finanças Cursos In-Company

SINOPSE DE CURSOS

IMAM 2013

A P E R F E I Ç O A M E N TO P R O F I S S I O N A L

Solicite já a sua Sinopse de Cursos com a programação completa!

Consulte-nos sobre EAD - Ensino a Distância

Informações 11 5575-1400 imam@imam.com.br - www.imam.com.br

Siga o IMAM: @intralogistica

anuncio-sinopse2013.indd 1

www.facebook.com/grupoimam www.facebook.com/revistaintralogistica

intralogistica

29/11/2012 11:50:29


TOP 100

pesquisa

Colaboradores Operador Logístico

Telefone

Estados onde opera

Nª Filiais

Diretos

Frota

Terceiros

Própria

Agregada

ADEZAN

(11) 3789-5000

AM, DF, MT, PR, PE, RJ, RN, SC, SP

6

980

60

1

35

AGM

(21) 2103-4680

RJ, PR E AM.

7

540

120

30

128

AGV

(19) 3876-9000

Todos, exceto AL, CE, ES, PB, PI, RN, SE, TO

66

3.500

NI

160

4.600

ARFRIO

(11) 5501-6600

DF, RJ,SC,SP

10

580

150

NI

NI

ARM

(21) 3654-8116

RJ

2

35

125

NI

30

ART SERVICES

(11) 2923-3800

TODO O BRASIL

11

467

20

200

NI

ATIVA

(11) 4143-8727

ES, MG, PR, RJ, SC, SP

23

900

NI

80

700

ATLAS

(11) 2795-3100

TODO O BRASIL

56

3.500

175

1.312

823

AURORA

(15) 3235-4800

AM, SP

1

235

60

20

3

AUSTRAL

(71) 2109-7388

AL,BA, PB,PE, RN, SE

1

100

40

0

50

BOMI BRASIL

(11) 4143-7100

TODO O BRASIL

4

500

80

400

Não

BPLOG

(41) 3014-9822

PR, RS, SC, SP

0

100

21

2

2

BRASILMAXI

(11) 2889-6100

NI

5

193

78

320

28

BRASPRESS

(11) 5061- 0555

TODO O BRASIL

108

6.478

216

1.200

800

BRUCAI

(12) 3909-2900

BA, MG, PR, RJ, SP

6

120

30

100

15

CARGOSOFT

(41) 3665-7000

DF, ES, GO, MG, PR, RJ, RS, SC, SP

7

150

30

92

20

CARVALHÃO & KARGA RIO

(21) 2775-1712

RJ

2

320

30

270

0

CÉLERE

(11) 5670-5670

TODO O BRASIL

3

400

NI

Não

Não

CELOTE

(11) 4391-8800

TODO O BRASIL

12

990

950

543

151

CEVA

(11) 2199-6700

NI

9

6.500

NI

80

1.100

COMFRIO

(17) 3344-7777

SP, MG e PR  

8

718

150

NI

NI

CONFIANCELOG

(11) 2296-9433

SP

1

60

30

8

16

COOPERCARGO

(47) 2105-1800

NI

6

304

12

720

45

CRAGEA

(11) 4746-7500

SP

2

380

100

NI

NI

CSI CARGO

(41) 3381-2300

MG, PR, RS, SP

12

2.200

NI

30

172

DEUGRO BRASIL

(21) 3553-2889

AM, ES, MA, MG, PR, PE, RJ, RS, SC, SP

2

24

0

n/a

n/a

DHL SUPPLY CHAIN

(19) 3206-2200

AM, BA, DF, GO,MG, PR, RJ, SP

40

7.500

NI

NI

NI

DIAMANTE

(11) 4357-2339

ES, GO, PR, RJ, RS, SP

8

190

40

135

45

ELBA

(31) 3555-2600

MG, ES

5

1.396

3

559

10

ELEMAR

(11) 5581-0077

TODO O BRASIL

4

120

60

18

15

ELOG

(11) 3305-9999

PR, RS, SP

21

1.940

196

203

68

ENIVIX

(11) 3032-1567

SP, ES, SC

4

210

100

NI

20

EXPRESSO NEPOMUCENO

(35) 3694-9900

BA, ES, MS, MG, PR, PE, RJ, RS, SP

12

3.700

350

1.400

350

FEDEX EXPRESS

(11) 5514-7364

TODO O BRASIL

50

9.500

NI

920

NI

FEROZ

(11) 4789-5998

SP

1

30

300

10

200

FIRSTLOG

(48) 3037-0500

SC

0

50

20

Não

NI

FRIOZEM

(11) 4789-8200

CE, MG, PE, SP

6

781

0

50

70

NI = Não Informado

32

janeiro 2013

tabela opl_revisada_2012.indd 32

27/12/2012 11:29:34


a

VUC (%)

Nº Unidades

Área total (m2)

Área construída (m2)

Volume de estocagem (m3)

Nº Paletes

Nº Empilhadeiras

Nº Posições

10%

6

160.000

57.000

468.000

10.000

41

7.000

0%

12

88.000

NI

60.000

NI

37

55

NI

66

515.000

353

NI

NI

216

296.000

NI

9

215.500

60.000

585.000

NI

107

103.000

50%

4

60.000

15.000

150.000

5.000

5

8.000

30%

81

84.700

77.000

107.800

64.000

35

64.000

70%

23

68.340,77

32.208,23

NI

NI

NI

NI

5%

56

625.000

208.000

2.165.000

61.200

95

53.000

NI

1

125.500

35.000

81.000

NI

15

20.000

20%

1

5.000

3.300

26.400

4.000

2

3.000

7%

6

155.000

112.000

1.344.000

90.000

45

115.000

NI

2

2.000

2.000

13.000

NI

2

2.800

0%

4

6.000

NI

NI

1.000

23

20.000

30%

108

650.000

350.000

NI

4.000

3

5.000

5%

4

50.000

18.000

144.000

10.000

12

18.000

12%

7

12.000

5.000

3.000

NI

5

NI

5%

6

80.000

26.000

180.000

3.500

17

33.000

Não

11

Não

NI

NI

NI

500

NI

NI

8

64.000

50.000

40.000

12.000

15

8.000

NI

5

450.000

NI

NI

3.100

NI

86.900

NI

8

562.000

67.000

367.000

77.000

NI

77.000

20%

2

10.000

3.500

4.000

3.000

4

2.500

5%

6

326.000

62.000

720.000

5.000

15

3.000

NI

NI

250.000

60.000

NI

NI

45

18.000

2%

5

256.000

64.000

52.000

NI

405

NI

NI

NI

NI

NI

NI

NI

NI

NI

NI

40

700.000

NI

NI

NI

NI

NI

NI

7

58.000

40.000

420.000

38.000

12

43.000

0

5

399.000

64.000

NI

60.000

50

80.000

15%

4

1.1000

11.000

13000

11.000

5

11.000

NI

12

3.975.000

321.500

NI

NI

160

NI

NI

NI

32.000

27.000

70.000

25.000

18

25.000

5%

6

60.000

15.000

90.000

NI

110

NI

NI

195

150.000

700

80.000

NI

NI

80.000

5%

1

3.000

400

2700

1.000

1

2.000

NI

1

22.000

20.000

380.000

10.000

12

17.065

69%

6

NI

NI

446.563

79.000

NI

79.000

janeiro 2013

tabela opl_revisada_2012.indd 33

33

27/12/2012 11:31:27


TOP 100

pesquisa

Colaboradores Operador Logístico

Telefone

Estados onde opera

Nª Filiais

Diretos

Frota

Terceiros

Própria

Agregada

GAFOR

(11) 2107-3100

TODO O BRASIL

NI

300

NI

NI

NI

GEFCO

(21) 2103-8127

TODO O BRASIL

13

505

NI

500

NI

GOLD

(11) 4785-5555

TODO O BRASIL

1

120

30

NI

NI

GOLDEN CARGO

(11) 2133-8800

TODO O BRASIL

11

420

120

270

150

GRECCO

(11) 4512-6000

BA, DF, ES, GO,MT, MS, MG, PR, RJ, RS, SC, SP

13

405

22

415

257

GRUPO NELSON HEUSI

(47) 3404-4000

PR, PE, RJ, RS, SC

6

180

0

24

60

“GRUPO TONIAT

(24) 2106-3032

MG, RJ, SP

16

1.280

NI

550

180

GRUPO TPC

(71) 2108-9700

16

3.100

0

10

130

HARDLOG

(42) 3229-2365

PR

2

40

6

1

5

HIPERCON

(13) 3228-4100

MT, MS, MG, PR, RJ, SC, SP

12

452

1.050

121

231

ID LOGISTICS

(11) 3809-3400

NI

NI

3.439

78

NI

720

ILOG BRASIL

(11) 2085-9991

MG, RJ, SP

4

130

220

52

120

INTERMARITIMA

(71) 2202-5535

BA, ES, MG, SE

10

740

500

20

140

ISS LOGISTICS

(11) 2195-8780

AM, BA, ES, MG, PR, PE, RJ, RS, SP

4

3.150

0

0

12

JAMEF

(31) 2102-8888

TODO O BRASIL

NI

2.200

NI

NI

NI

JSL

(11) 2377-7000

121

14.163

500

8.168

800

KARNEKEIJO

(81) 2121-8899

PE

1

500

0

70

10

KATOEN NATIE

(19) 2116-1550

SP

NI

1.350

NI

NI

NI

KEEPERS

(11) 4151-9030

TODO O BRASIL

2

500

50

0

0

KMC

(11) 4496-5577

BA, DF, GO, MG, PR, RJ, RS, SE

9

100

15

79

0

KUEHNE + NAGEL

(11) 3468-8000

TODO O BRASIL

31

1.700

113

131

300

LIBRA

(11) 3392-1253

TODO O BRASIL

4

80

30

30

25

LIMEIRA

(81) 2122-0070

NORDESTE

5

280

165

130

200

LOCAESPAÇO

(15) 3262-8100

TODO O BRASIL

2

42

35

NI

NI

LOGISTOCK

(41) 3204-4485

PR, RS, SC

3

70

12

2

12

MANSERV

(11) 4225.5800

TODO O BRASIL

6

5.000

0

45

0

MARTIN-BROWER

(11) 3687-2800

TODO O BRASIL

5

794

349

310

57

MCLANE

(11) 2108-8800

SP, RJ, RS

4

1.600

0

0

0

MCR

(11) 5567-3909

TODO O BRASIL

3

89

5

11

13

MIRA

(11) 2142-9000

DF, GO, MT, MS, MG, PR, RJ, SC, SP, TO

6

55

NI

NI

NI

MOVING

(55) 3412-6134

RJ, RS, SC, SP

1

6

10

2

6

MRS

(11) 3648-8928

SUDESTE

NI

4.557

NI

NI

NI

MULTILOG

(47) 3341-5000

SC

1

450

50

3

50

MULTITEX

(31) 2551-3030

SUDESTE

6

138

87

26

72

MUNDIAL LOGISTICS

(11) 2489-3000

TODO O BRASIL

3

600

100

Não

392

Todos, exceto AP, AM, CE, ES, PR, PE, PI, RN, SC, TO

AL, BA, ES, GO, MT, MS, MG, PR, PA, PE, RJ, RS, SC, SP, TO

NI = Não Informado

34

janeiro 2013

tabela opl_revisada_2012.indd 34

27/12/2012 11:32:19


a

VUC (%)

Nº Unidades

Área total (m2)

Área construída (m2)

Volume de estocagem (m3)

Nº Paletes

Nº Empilhadeiras

Nº Posições

NI

NI

NI

NI

NI

NI

NI

NI

13%

3

685.800

NI

25.000

NI

8

4.100

60%

1

100.000

17.000

100.000

22.000

10

17.000

0%

11

175.000

80.000

105.000

85.000

15

85.000

0%

7

255.000

110.000

660.000

NI

44

NI

87,5%

3

16.500

3.600

27.400

3.000

1

3.000

NI

14

NI

108.366

NI

104.000

141

104.000

0%

13

200.000

NI

NI

NI

NI

NI

NI

2

40.000

11.000

72.500

2.000

6

27.000

23%

7

240.000

65.000

NI

NI

48

NI

10%

27

432.000

432.000

NI

NI

100

NI

80%

4

15.000

6.500

45.000

2.200

2

2.200

NI

8

885.000

86.300

725.000

110.000

89

79.650

0%

3

34.000

22.000

92.000

350

32

45.000

NI

NI

NI

NI

NI

NI

NI

NI

25%

10

708.600

121.560

425.460

NI

403

NI

0%

1

46.196,46

11.064,20

45.000

15.500

6

15.120

NI

NI

NI

NI

NI

NI

NI

NI

0%

2

30.000

25.000

300.000

25.000

12

25.000

9%

7

90.000

52.000

NI

NI

20

NI

29%

40

54.867

NI

NI

NI

NI

19.456

10%

3

6.000

4.000

28.000

2.200

2

1.200

99%

5

22.000

16.000

29.760

10.000

18

15.500

NI

2

22.000

8.000

16.800

8.000

16

8.000

80%

3

25.000

15.000

137.000

18.000

3

12.000

2%

3

90.000

35.000

87.000

40.000

450

40.000

7%

5

86.500

22.950

223.548

25.387

17

25.387

0

4

360.000

260.000

500.000

250.000

60

250.000

22%

3

3.866

3.380

15.900

2.836

2

1.684

NI

7

212.350

NI

NI

NI

12

NI

2%

1

3.000

1.500

NI

NI

2

NI

NI

NI

NI

NI

NI

NI

NI

NI

20%

7

740.000

105.000

1.260.000

60.000

18

60.000

NI

9

353.000

141.200

425.600

45.000

86

NI

65%

NI

132.000

60.000 mil

190.000

70.000

15

60.000

janeiro 2013

tabela opl_revisada_2012.indd 35

35

27/12/2012 11:32:41


TOP 100

pesquisa

Colaboradores Operador Logístico

Telefone

Estados onde opera

Nª Filiais

Diretos

Frota

Terceiros

Própria

Agregada

NEOVIA SOLUTIONS

(11) 3979-1930

MG, SP

2

100

NI

NI

NI

NEW ROBÓTICA

(11) 2147-0595

SP, RJ, ES, MG, PR

5

160

80

80

20

NPL

(41) 3078.5301

PR, SC

5

37

90

30

82

PACER

(21) 3161-8600

TODO O BRASIL

33

640

NI

20

350

PENSKE

(11) 3738-8200

NI

NI

2.300

NI

NI

NI

PINAMAK

(21) 2126-2800

Todos, exceto AC, AP, DF, GO, MT, MS, PI, RO, RR, TO

2

300

15

20

0

PRONTO EXPRESS

(71) 2108-9700

BA, DF, GO, MA, MG, PA, PE, RJ, RS, SP, SE

43

3.000

0

NI

359

REFRIO

(11) 2132-9350

RS, SC, PR, SP, MG E PE

7

1.133

38

NI

56

RODOBORGES

(11) 2195-3636

AL, BA, CE, DF, GO, MG, PB, PR, PE, RJ, RN, SC, SP, SE

9

240

235

190

180

SATLOG

(12) 4009-9400

ES, GO, MG, PR, RJ, RS, SP

5

328

20

573

90

SCHENKER

(11) 3318-9200

SP, RJ SC, RS, PR, ES, MG, DF, BA PE, CE, PA, AM

19

590

NI

25

NI

SETE ESTRADAS

(11) 4391-8800

TODO O BRASIL

12

990

950

543

151

SNELLOG

(19) 3837-6100

TODO O BRASIL

1

230

70

0

50

SUPPORTE

(34) 3228-9500

TODO O BRASIL

5

150

20

120

22

TARGET

(11) 2142-9009

7

55

NI

740

NI

TEGMA

(11) 4346-2500

TODO O BRASIL

12

5.086

1.458

4.711

NI

TERCA

(27) 3331-5000

ES

2

200

150

4

6

TGESTIONA

(11) 3618.5069

TODO O BRASIL

5

1.214

474

67

523

TNT

(11) 3573-7700

TODO O BRASIL

123

7.753

NI

2.403

1.066

TRAFTI

(11) 4358-7000

SP, PR, MG, RJ, DF, GO

7

328

30

280

180

TRANSBUENO

(12) 3955-1100

TODO O BRASIL

NI

139

NI

NI

NI

TRANSMIRO

(51) 3470-8600

PR, RS, SC, SP

8

170

6

173

63

TA

(19) 2108-9000

46

3.500

NI

1.250

NI

TRANSLOVATO

(31) 2564-9400

NI

21

2.000

500

1.000

1.000

TRANSPORTES FRANCO

(16) 3209-1434

TODO O BRASIL

5

28

652

16

835

TRANSPORTES VT

(32) 3422-2488

MG, RJ, SP

4

300

50

40

20

UPS BRASIL

(11) 5694-6600

TODO O BRASIL

15

618

19

104

NI

VELOCE

(11) 3905-7000

MG, PR, RJ, RS, SC, SP

25

399

25

465

871

AC, AP, AM, DF, GO, MT, MS, MG, PR, PA, RJ, RO, RR, SC, SP, TO

RS SC, PR, SP, RIO, MG, ES, BA, PE, CE, AM, DF, GO

NI = Não Informado

36

janeiro 2013

tabela opl_revisada_2012.indd 36

27/12/2012 11:33:09


da

VUC (%)

Nº Unidades

Área total (m2)

Área construída (m2)

Volume de estocagem (m3)

Nº Paletes

Nº Empilhadeiras

Nº Posições

I

NI

5

NI

NI

NI

NI

NI

NI

0

10%

6

22.000

16.000

90.000

12.000

8

12.000

2

15%

1

5.000

3.800

22.400,00

300

3

NI

0

75%

16

40.000

13.000

150.000

5.000

NI

5.000

I

NI

NI

NI

NI

NI

NI

NI

NI

0

90%

6

100.000

60.000

150.000

30.000

10

30.000

9

65%

NI

NI

NI

200.000

80.000

NI

NI

6

52%

7

238.000

76.000

650.000

15.000

58

85.000

0

8%

9

145.620

45.000

320.000

14.500

6

14.500

0

10%

6

100.000

35.000

56.000

24.000

10

21.000

I

NI

NI

NI

NI

NI

NI

NI

NI

1

NI

8

64.000

50.000

40.000

12.000

15

8.000

0

15%

1

56.000

26.000

332.800

30.000

17

32.000

2

0%

3

300.000

60.000

600.000

40.000

6

50.000

I

NI

6

212.350

96.500

NI

NI

12

NI

I

NI

5

NI

125.000

NI

NI

NI

NI

6

0%

5

600.000

55.000

600.000

31.000

55

45.000

3

90%

14

300.000

215.712

2.200

21.700

20

21.700

6

15,3%

71

709.745,38

226.221

1.715.739

NI

47

NI

0

12%

10

215.000

75.000

60.000

40.000

12

30.000

I

NI

NI

NI

NI

NI

NI

NI

NI

3

4%

3

150.000

12.500

9.300.000

4.000

5

7.500

I

NI

10

NI

65.700

671.712,00

63.000

37

61.550

0

15%

80

315.000

114.000

NI

NI

NI

NI

5

1%

NI

NI

NI

NI

NI

NI

NI

0

30%

4

10.000

2.500

NI

NI

4

NI

I

95%

NI

NI

NI

NI

NI

NI

NI

1

1%

2

55.600

44.000

12.600

NI

15

NI

janeiro 2013

tabela opl_revisada_2012.indd 37

37

27/12/2012 11:33:20


operadores logísticos

expectativas

2013: uma logística

de cara nova

Anúncios de investimento no setor, novas empresas e crescimento econômico desenham um novo cenário logístico para o próximo ano

S

e 2012 não foi o ano da logística, ao menos foi o ano que mudou a forma como o setor é visto pelo mercado brasileiro. A imagem apagada de um segmento que só gerava custos foi substituída pela imagem de

38

“a bola da vez dos investimentos”. O anúncio de planos do governo para melhoria e ampliação de estradas, ferrovias, portos e aeroportos, a lei de regulamentação da profissão de motorista, a fusão de grandes empresas, como FedEx e Rapidão Cometa,

ajudaram a trazer a logística de volta à pauta. Mas diante desse cenário de mudanças, o que estão pensando as prestadoras de serviços logísticos? Quais são as expectativas dessas empresas em relação aos novos investimentos em infraestrutura? Para res-

janeiro 2013

operadores logisticos_expectativas.indd 38

27/12/2012 11:53:04


Investimentos em infraestrutura incentivam multimodalidade no setor de serviços logísticos

ponder essas questões, a reportagem de intraLOGÍSTICA consultou alguns dos principais operadores logísticos do País. E, para eles, a expectativa é de crescimento.

Além dos gargalos O Plano Nacional de Logística do Governo Federal, lançado em agosto do ano passado, espera construir e recuperar 10.000 quilômetros de ferrovias, duplicar 7.500 quilômetros de rodovias e aumentar o número de arrendamentos e terminais de uso privativo em portos e elevar os acessos hidroviários, rodoviários e ferroviários nos 18 portos públicos brasileiros. Observando esses números, Edmundo Schroeder, diretor da Coopercargo, acredita que as expectativas para 2013

são positivas. “Os investimentos nos portos vão gerar mais produtividade e a procura por serviços logísticos certamente vai aumentar”, projeta. Mas, ainda segundo o executivo, os investimentos anunciados vão apenas desafogar o gargalo logístico. Opinião compartilhada por Bernardo Figueiredo, presidente da EPL – Empresa de Planejamento e Logística criada pelo governo para gerir os planos do setor. De acordo com declarações de Bernardo, desde o ano passado os investimentos em transporte passaram a ser de R$ 20 bilhões ao ano. No entanto, estudos apresentados por ele mesmo indicam que o governo precisaria investir entre R$ 80 e R$ 100 bilhões ao ano para cobrir o déficit do setor. Mesmo que insuficiente, as empresas de logística estão interessadas em aproveitar esses investimentos. “Qualquer melhoria em rodovias pode beneficiar nossa operação”, aponta Mauri Mendes, diretor comercial da Golden Cargo. “Sem contar que todas as aplicações do governo e da iniciativa privada podem ter um efeito positivo na cadeia logística do agronegócio como um todo, afetando diretamente o nosso negócio.”

Oportunidades Já Fausto Motenegro, diretor comercial da Brasilmaxi, enxerga os planos de infraestrutura logística com outra perspectiva. “O governo em si é um dos principais mercados que demandam serviços logísticos, por isso monitoramos constantemente a abertura de licitações para participarmos e, desta forma, interagirmos com essas empresas”, explica Fausto. Para ele, a expectativa de demanda por serviços logísticos será “imensa”, graças aos projetos em andamento. Segundo Marcelo Flório, diretor-superintendente da Braspress Logística, a criação da EPL fez com que as empresas revissem os investimentos para os prójaneiro 2013

operadores logisticos_expectativas.indd 39

Assistência técnica em todo o Brasil.

39

27/12/2012 11:53:16


ximos anos. “Já tínhamos o planejamento de 2013 definido, mas, com a criação da EPL foi necessário repensar e aumentar ainda mais os investimentos em infraestrutura de armazéns e terminais, quantidade de veículos, tecnologia e melhoria de processos”, aponta. A possibilidade de aumentar a flexibilidade entre os modais de transporte de carga também atrai as empresas, principalmente depois do anúncio da abertura das linhas ferroviárias a mais de uma empresa de transporte. Com a mudança, a Valec, órgão do governo federal, deixa a construção de ferrovias, na qual não apresentou bom desempenho, carregando obras com mais de três anos de atraso, e assume o papel de gestora da malha ferroviária, podendo comprar a capacidade de tráfego e vender a empresas interessadas, o que tende a reduzir o valor das tarifas. A construção de novas linhas será entregue ao setor privado, exceto a finalização da Ferrovia Norte-Sul, sobre o trecho de Anápolis, Uruaçu e Palmas e da Integração Oeste-Leste, de Ilhéus até Caetité, que será mantida na Valec. Atrasadas, as obras da Ferrovia Norte-Sul devem ser entregues em setembro de 2013.

Marcelo Flório, diretor Braspress Logística: “Esperamos um grande crescimento este ano, pois já percebemos o aumento da procura por serviços logísticos entre nossos clientes”

40

Para a Golden Cargo, outros modais, como o ferroviário, não estão preparados para o transporte de produtos químicos

Embora a FedEx ainda não opere no Brasil por meio de ferrovias e portos, a empresa acredita que a possibilidade de comercialização de um desses modais traz reflexos positivos aos demais. Segundo Cláudio Fonseca, gerente sênior de operações, o que se transporta por mar, muitas vezes, é vendido pelo potencial e a amostra de outros modais. “Um dos nossos maiores objetivos é promover o acesso de pequenas e médias empresas ao mercado internacional e a infraestrutura é peça fundamental desse ciclo”, acrescenta Cláudio. Opinião dividida por Luiz Alcântara, diretor de operações da Gefco. Segundo ele, a expectativa da Gefco é elevar a agilidade das operações, principalmente portuárias, onde a empresa tem maior atuação. Segundo Mendes, da Golden Cargo, a multimodalidade não conseguirá atender a todos os segmentos da indústria. “A legislação de transporte de produtos perigosos, por exemplo, é muito específica e rigorosa e outros modais, como o ferroviário, não estão preparados tecnicamente para atender essa demanda”, completa. Na visão da UPS, independente do tipo de transporte, seja ele rodoviário ou aeroviário, os investimentos direcionados a infraestrutura perdurarão por muitos anos. “Estruturas sólidas são importantes para futuros negócios inter-

nacionais, pois agregam valor ao produto brasileiro e permitem que a economia cresça de modo natural e sustentável”, exemplifica Daniel Souza, gerente das operações da empresa.

Crescimento Para Marcelo, da Braspress Logística, a criação do Plano Nacional de Logística é apenas um dos itens que amplia as expectativas para 2013. “Outros fatores econômicos e a proximidade dos eventos esportivos, como Copa do Mundo e Olímpiada, nos faz acreditar ainda mais no potencial do setor de serviços logísticos”, explica. “Esperamos um grande crescimento este ano, pois já percebemos o aumento da procura por serviços logísticos e nossos clientes já apontam sinais de crescimento”. Na opinião do executivo, o mercado tem necessitado de mais atenção logística, principalmente por

Para a Coopercargo, os investimentos em portos aumentarão a produtividade e a procura por serviços logísticos

janeiro 2013

operadores logisticos_expectativas.indd 40

27/12/2012 11:53:36


conta das fusões e aquisições de empresas nacionais e a vinda de empresas internacionais para o Brasil. Muitas dessas empresas estão de olho em um crescimento constante da economia brasileira, que deve ser mantido em 2013. Segundo Ingo Plöger, presidente da IP Desenvolvimento Empresarial e Institucional, o PIB (Produto Interno Bruto) deste ano deve ser superior ao do ano passado, com um crescimento entre 3% e 4%. Esse cenário tem motivado prestadores de serviços logísticos com tradição em transporte de carga e encomendas expressas a ingressar no segmento de movimentação e armazenagem de materiais, a exemplo da Braspress. Em 2012, a empresa iniciou a operação da Braspress Logística, com a inauguração de um centro de distribuição, localizado em Barueri, São Paulo, e a oferta de serviços in-house. A expectativa da

Mauri Mendes, diretor comercial Golden Cargo: “Os investimentos do governo e da iniciativa privada podem ter efeito positivo na cadeia logística do agronegócio”

nova empresa é faturar cerca de R$ 24 milhões no primeiro ano. A Expresso Mirassol segue o mesmo caminho. A empresa começa 2013 com a responsabilidade de am-

pliar a participação da recém-criada Mirassol Logística, especializada em armazenagem, gestão de embalagens, movimentação interna, carregamento, entre outros serviços. Para isso, a empresa deve aplicar R$ 4,5 milhões em Campinas, São Paulo, com objetivo de construir um pátio de 30.000 m2 para recebimento e expedição de máquinas. A Mirassol Logística ainda prevê a construção de uma unidade de 53.000 m2, sendo 8.000 m2 de armazém, em Pindamonhangaba, São Paulo. Os investimentos de R$ 30,5 milhões também incluem a construção e a ampliação de um centro de distribuição de 14.000 m2 dentro da unidade da empresa em Guarulhos, grande São Paulo. Se essas e outras expectativas estiverem certas, talvez 2013 finalmente seja o ano da logística. É trabalhar para ver.

janeiro 2013

operadores logisticos_expectativas.indd 41

41

27/12/2012 11:53:53


operadores logísticos

MERCADO

Com aquisição da Rapidão Cometa, a FedEx Express no Brasil passa de seis para 51 filiais e de 600 para 9,6 mil funcionários

Fusões movimentam o setor Forte demanda impulsiona empresas a somarem forças e ampliarem a capacidade operacional

A

lém da criação de uma empresa federal voltada ao desenvolvimento logístico e o anúncio de investimentos para a melhoria e a construção de portos, aeroportos, ferrovias e estradas, o ano de 2012 foi marcado pela fusão de importantes empresas do setor, que não só movimentaram milhões como estão mudando o cenário

42

de serviços logísticos no País. De acordo com dados da KPMG, especializada em auditoria, foram realizadas 22 transações em segmentos que envolvem o setor logístico, sendo oito transações em transportes e 14 em portos e aeroportos. Em 2011, essas movimentações registraram 23 operações, 12 em transportes e 11 em portos e aeroportos. Para Luís Motta, líder da área de fusões e aquisições

da KMPG Brasil, embora os números mostrem que o cenário se manteve estável, o perfil das transações mudou e está mais concentrado entre grandes operações, interessadas em suprir a demanda gerada por gargalos que afetam o desenvolvimento do País. Essas aquisições também estão atreladas ao desenvolvimento da economia e ao estimulo à indústria brasileira,

janeiro 2013

operadores logisticos_fusoes.indd 42

27/12/2012 13:24:41


que atraiu tanto investimento externo quanto interno e impulsionou a instalação de novas empresas e indústrias no País. O anúncio da primeira fábrica da BMW em Santa Catarina, a 14º fábrica da Siemens em território brasileiro e os planos de investimento da Bayer CropScience e da Volkswagen são exemplos de um mercado externo interessado em crescer por aqui. De acordo com o relatório de clima divulgado pela Câmara Brasil-Alemanha (AHK-São Paulo), por exemplo, 77% dos associados da Câmara afirmam ter planos concretos de investimento no País. Essa aposta na economia brasileira exige uma estrutura de serviços compatível, que inclui eficiência em infraestrutura e logística. No entanto, diante de um mercado pulverizado e da pressão por rápido crescimento, o setor logístico enxerga nas fusões a alternativa para fortalecer a operação e se tornar mais competitivo.

operadores logisticos_fusoes.indd 43

A Cosan, produtora de açúcar, seguiu esse raciocínio ao comprar 5,67% do capital da ALL, operador logístico ferroviário, por R$ 896 milhões. A negociação realizada em fevereiro do ano passado, fortalece a parceria entre as empresas. A ALL já prestava serviços à Cosan, por meio da braço operacional da empresa, a Rumo Logística, que utiliza, além da malha ferroviária da ALL, outros sistemas multimodais para exportação de açúcar e outros graneis sólidos. O surgimento e o crescimento de novos mercados, como o comércio eletrônico, também tem impulsionado aquisições no setor, afinal o e-commerce eleva a movimentação de cargas fracionadas principalmente entre pequenas empresas, o que de certo modo desperta o interesse entre os operadores logísticos. É caso da FedEx, que em julho do ano passado adquiriu a Rapidão Cometa para se fortalecer no mercado de pequenas encomendas. “O Brasil é

Troy Maxey, diretor da FedEx Express: “A integração da FedEx e da Rapidão Cometa será baseada em sinergias e semelhanças existentes”

27/12/2012 13:25:04


um lugar cada vez mais favorável para o investimento na América Latina, com destaque para pequenas e médias empresas, que representam 98% dos 5,5 milhões de empresas no País”, explica Troy Maxey, diretor executivo de operações internacionais para o Mercosul da FedEx. “Por isso, esse mercado será um dos nossos focos em 2013, já que temos programas dedicados à exportação de produtos desse perfil.” Segundo a DGB, holding de logística e distribuição do Grupo Abril, o mercado de pequenas encomendas e entrega de e-commerce cresce cerca de 30% ao ano e faturou R$ 12 bilhões em 2011. Esses números impulsionaram a DGB na aquisição da Total Express, especializada em e-commerce. A negociação foi realizada em novembro de 2011 e já no ano passado, a holding anunciou investimentos de R$ 8,8 milhões para a compra de um sistema automatizado de separação que deve quintuplicar a capacidade da Total Express em 2013 de 50 mil para 250 mil unidades por dia. A DGB encerrou 2012 com receita líquida de R$ 560 milhões, sendo que a Total Express representa 25% desse total. A Tegma segue o mesmo caminho e já registra resultados positivos depois de adquirir 80% da Direct Express em 2011 e a LDT em fevereiro de 2012, ambas especializadas em e-commerce. A empresa faturou R$ 464,3 milhões no primeiro trimestre do ano passado, sendo o seg-

TOTAL EXPRESS • Adquirida por: DGB (Grupo Abril) • Negociação: novembro de 2011 • Atuação: e-commerce • Sinergia: ampliação da capacidade de investimento e implantação de um sistema automatizado para separação de carga.

44

Marca Rapidão Cometa, com mais de 70 anos, deve ser descontinuada até 2014

mento de e-commerce responsável por R$ 36,3 milhões desse montante. Para entender como essas aquisições refletem no mercado e o que esperar dessas “novas” empresas em 2013, a reportagem de intraLOGÍSTICA mostra três casos recentes de fusões no setor.

FedEx Express 600 para 9,6 mil funcionários O processo de fusão da FedEx Express e da Rapidão Cometa deve durar mais 18 meses, no entanto já aponta mudanças. Além de ampliar a capacidade operacional, acrescentando 45 filiais, 145 pontos de distribuição, 770 veículos e 9 mil colaboradores, a FedEx já atende as demandas dos clientes brasileiros, oferecendo um serviço de logística e soluções de transporte de cargas nacionais e internacionais. Com a aquisição, a FedEx Express do Brasil tem como objetivo se tornar um dos maiores provedores logísticos no País. Mas para isso terá o desafio de integrar uma marca com mais de 70 anos de história que, embora tenha desenvolvido uma estrutura profissionalizada, ainda mantém traços familiares em sua cultura. Como vantagem, a FedEx já soma 12 anos de parceria operacional com a Rapidão Cometa, o que

tem facilitado o processo de integração. Essa relação, fez com que Américo Pereira Filho, então presidente da Rapidão Cometa, assumisse também a presidência da FedEx no Brasil. Um movimento comum para reduzir conflitos culturais. Segundo Troy, ambas as empresas têm cultura parecidas. “A integração das duas empresas será baseada nas sinergias e nas semelhanças existentes entre a FedEx e a Rapidão Cometa”, completa o executivo. Já está definido que a mudança da marca deve acontecer. Até o final de 2013 ou início de 2014 o nome Rapidão Cometa será descontinuado. De acordo com Troy, essa será uma das últimas etapas do processo e as equipes de integração das empresas ainda estão

FEDEX EXPRESS •

Adquiriu: Rapidão Cometa

Negociação: julho de 2012

Atuação: encomendas expressas

Sinergia: ampliação da capacidade operacional da FedEx no Brasil e facilidade para envio de remessas internacionais.

janeiro 2013

operadores logisticos_fusoes.indd 44

27/12/2012 13:25:12


estudando o modo como a Rapidão Cometa assumirá a marca FedEx. Questionado sobre as expectativas de aumento de operações para o mercado externo da FedEx Brasil, já que a empresa atua em mais 220 países, Troy evitou falar em números, mas afirmou que há expectativa de crescimento com a aquisição e a integração completa das operações. “Nossos clientes já utilizam o serviços de entregas para fora do Brasil, a vantagem é que tudo será feito de uma forma mais rápida, com o benefício de ter o sistema de rastreamento e o serviço de atendimento ao cliente da FedEx”, aponta Troy. Quanto a possíveis investimentos, embora nada esteja definido, a FedEx garante que serão feitas aplicações eventualmente para a melhoria de serviços ou para o aumento da frota, conforme a necessidade.

Tegma De olho no e-commerce Além de ocupar a liderança no transporte de veículos novos, a Tegma se tornou um importante player no setor de e-commerce após a aquisição da Direct Express e da LTD, essa últi-

Com a aquisição da LTD, Tegma pode atrelar experiência no setor automotivo ao segmento de cargas fracionadas

TEGMA •

Adquiriu: LTD

Negociação: fevereiro de 2012

Atuação: e-commerce

Sinergia: flexibilidade às empresas de e-commerce interessadas em concentrar pedidos em uma só operadora.

ma em 2012. A escolha da LTD não só aumentou a capacidade da empresa, como ampliou o perfil de atendimento da Tegma, incluindo a operação de encomendas com peso acima de 30 kg, um segmento não atendido pela Direct, com atuação restrita entre carga com peso inferior a 30 kg. Segundo a Tegma, a fusão desses dois modelos de operação em uma só empresa oferece mais flexibilidade às empresas de e-commerce e permite concentrar os pedidos em uma só operadora. Embora a empresa já tenha registrado aumento de faturamento com as aquisições recentes, Gennaro Oddone, diretor presidente da Tegma, acredita que o início das sinergias de custos e venda cruzada entre as duas

Luís Motta, da KMPG Brasil: “O perfil das transações mudou e está mais concentrado entre grandes operações”

companhias se concretizará em 2013. “A partir deste ano haverá maior foco em sinergia por conta da finalização de grande parte do plano de expansão da Direct”, explica Gennaro. Esse plano de expansão conta com a automatização da Direct, que inclui novos centros operacionais e a instalação de um separador automático de pacotes, que faz a pesagem, a triagem e a separação dos volumes em transportadores contínuos com leitores de código de barras. Segundo um fabricante e distribuidor de separadores automáticos, esses equi-

COSAN

(RUMO LOGÍSTICA) •

Adquiriu: 5,67% da ALL

Negociação: fevereiro de 2012

Atuação: transporte ferroviário

Sinergia: fortalecimento da capacidade de transporte ferroviário da Cosan para exportação de açúcar e outros granéis.

janeiro 2013

operadores logisticos_fusoes.indd 45

45

27/12/2012 13:25:31


fugiria do escopo da empresa e poderia fazer sentido em médio prazo.

Mitsui e Veloce Foco no setor automotivo

Paulo Guedes, presidente da Veloce Logística: “No longo prazo, implantaremos novas tecnologias e outros modais de transporte”

pamentos podem elevar em cerca de 200% a produtividade das empresas. O crescimento previsto também deve impulsionar investimento na ampliação da frota da LTD. A empresa conta com 60 veículos de carga próprios e 200 agregados. De acordo com Gennaro, esses números não se alteraram em 2012. “Já em 2013, a ampliação estará atrelada a perspectiva de aumento de volume”, completa. Quanto às marcas, Gennero é objetivo. Não haverá mudanças e ele justifica. “A ideia é a junção das duas operações, principalmente das áreas administrativa, comercial e armazenagem”, acrescenta. “No entanto, na etapa de entrega, os serviços têm características distintas, o que impede a fusão das operações.” Com a experiência no mercado automotivo, muitas questões surgiram quanto à possibilidade da Tegma explorar o novo know how em mercadorias fracionadas e oferecer novos serviços às montadoras, como distribuição de peças sob demanda. Embora não confirme a oferta, Gennaro aponta que esse seria um serviço que não 46

Com atuação em 67 países, mas restrita ao setor portuário e de locação de vagões ferroviários e entrepostos aduaneiros no Brasil, a Mitsui enxergou na Veloce uma oportunidade de entrar no mercado automotivo nacional. A experiência da multinacional japonesa no setor, apontava o Brasil como um mercado em expansão. E foi justamente a divisão automobilística da Mitsui que, em janeiro de 2012, adquiriu a Veloce, com 85% do seu faturamento ligado ao mercado automotivo. O processo de fusão entre as duas empresas começou em março com planos de curto e longo prazo já determinados. “Em curto prazo estamos focando no aumento da satisfação de nossos clientes, através de serviços cada vez mais eficientes”, explica Paulo Guedes, diretor presidente da Veloce Logística. “No longo prazo, implantaremos novas tecnologias, novos conceitos logísticos e outros modais de transporte, além de contribuir para a melhoria da infraestrutura do País e, se possível, de países vizinhos.” Além de ampliar a participação entre as montadoras, a Veloce quer

Veloce • Adquirida por: Mitsui • Negociação: janeiro de 2012 • Atuação: setor automotivo/ transporte de carga

• Sinergia: aumento da participação no mercado automotivo e estudo de soluções de intermodalidade.

As fusões e aquisições do segmento logístico em 2012 provocaram mudanças e despertaram o mercado para novas oportunidades aumentar a atuação em outros setores, como o alimentício e o de bens de consumo. “Recentemente criamos uma área comercial voltada para o estudo e o desenvolvimento de operações nos segmentos de eletroeletrônico, bens de consumo duráveis e de tecnologia de informação”, acrescenta Paulo. Já para o setor automotivo, a empresa planeja o desenvolvimento de novos serviços, como operações “in-house”, por exemplo. Outro item que pode apresentar mudanças com a aquisição da Veloce é a gestão de frota. Atualmente, a empresa utiliza apenas veículos agregados, o que segundo Paulo, é um modelo mais produtivo. No entanto, embora não exista um plano definido, a empresa já estuda a possiblidade de adotar veículos próprios, principalmente com o Novo Estatuto do Motorista. A sinergia entre a experiência da Mitsui no Brasil com o setor ferroviário e as operações da Veloce, caracteristicamente rodoviária, não estão descartadas. “Na medida que nossos estudos concluírem que outros modais trazem benefícios para os clientes e aumentam a eficácia da logística, sem dúvida, eles serão implementados, assim como serviços prestados atualmente pela Mitsui também poderão ser oferecidos aos nossos clientes atuais ou futuros”, conclui Paulo.

janeiro 2013

operadores logisticos_fusoes.indd 46

27/12/2012 13:25:39


ASSINE JÁ

a Revista intraLOGÍSTICA Para se manter atualizado sobre tudo de logística!

A

Revista intraLOGÍSTICA é a única revista brasileira que abrange supply chain, logística e intralogística, incluindo reportagens sobre embalagens, movimentação, armazenagem, centros de distribuição e condomínios logísticos, tecnologia da informação aplicada à logística e transportes e serviços, além de séries e artigos exclusivos.

A Revista intraLOGÍSTICA destaca-se pelo editorial apurado e orientado por profissionais experientes. As matérias são relevantes e tornam-se fonte de consulta permanente.

Efetue a compra on-line pelo www.assine.revistaintralogistica.com.br

Siga o IMAM: @intralogistica

assine ri.indd 1

www.facebook.com/grupoimam www.facebook.com/revistaintralogistica

intralogistica

Informações 11 5575-1400 imam@imam.com.br - www.imam.com.br

27/12/2012 14:30:01


serviço

distribuição

e-Commerce em alta Especialista fala sobre atuação da logística na gestão da cadeia de suprimentos do comércio eletrônico

L

ojas virtuais ganham cada vez mais espaço na preferência nacional. De acordo com uma pesquisa divulgada em 2012 pelo IBOPE Nielsen Online, o Brasil, quinto maior país do mundo em extensão, tem cerca de 83,4 milhões de pessoas que acessam a internet e navegam, em média, 60 horas e 17 minutos mensalmente. Ainda segundo o estudo, em 2012, o comércio eletrônico nacional arrecadou em torno de R$ 19 bilhões.

48

keepers.indd 48

Levando esses dados em consideração, o e-commerce (comércio eletrônico) é muito atraente, já que oferece condições para explorar todo o potencial mercadológico da web. Por isso, muitas empresas de diversos setores investem neste segmento sem planejar a gerencia do projeto. Antes de pensar no visual do site da loja virtual, é importante desenvolver um projeto que preveja o atendimento e a disponibilidade dos produtos. A logística por trás do site deve ser eficiente e rápida para

garantir que os compradores recebam os produtos adquiridos. A Keepers Logística existe há 17 anos e atua no Brasil há uma década. No segmento de e-commerce, trabalha há três anos e atende empresas como Construfast e Grupo Fitta, entre outras. De acordo com Felippi Perez, diretor de projetos da Keepers e autor do livro ‘Vantagens competitivas no e-commerce através da logística’, publicado pela Editora Lexia, “existem diversos tipos de lojas virtuais. Há lo-

janeiro 2013

27/12/2012 13:26:33

missao jap


jas que trabalham tendo uma parte do estoque, outras têm uma parte do estoque em uma loja física e outras lojas trabalhar sem ter o estoque”. Por ser um mercado diferente, a loja virtual precisa também de uma logística própria, já que é necessário ter flexibilidade para lidar com pedidos fracionados, estoque, carregamento, destino, entre outros fatores. No caso de empresas que trabalham com o e-commerce, como o varejo, quem define os pedidos são os clientes. Quando um cliente faz a compra em um site tem, na mesma proporção, desconfiança e expectativa. “A logísti-

A logística tem um papel fundamental para tornar viável o comércio eletrônico

42ª

ca para e-commerce começa quando há o planejamento da compra e passa pelas fases de recebimento, faturamento, embalagem e envio. Há casos ainda em que o produto é recebido pelo cliente com alguma avaria, o que pode causar a logística reversa”, comenta Felippi Perez. O diretor comenta ainda que “implantar a logística no e-commerce torna a entrega do produto mais rápida. As pessoas aceitam pagar mais, mas não aceitam esperar. O ponto chave para esse comércio é a agilidade, ser mais rápido que o concorrente. No Brasil, as pessoas compram algum produto em uma loja virtual e esperam recebê-lo no dia seguinte. Já na Europa, por exemplo, as pessoas aguardam uma semana. Eles costumam fazer compras programadas, comprando hoje para receber em uma determinada data. Há uma série de variáveis que

MISSÃO DE ESTUDOS AO

JAPÃO

Felippi Perez, diretor de projetos da Keepers: “No Brasil, o cliente espera receber o produto que compra em uma loja virtual no período de um dia.”

podem influenciar o tempo de entrega como problemas com chuva e alagamentos, pagamento não processado e falta de produto”.

Conheça a gestão aplicada à qualidade, produtividade, logística, recursos humanos, inovação e sustentabilidade das melhores empresas de Tokyo, Kyoto, Nagoya e Osaka.

11 a 23 de outubro de 2013

$

Preço especial para inscrições até 31/07/2012

Informações e inscrições: 11 5575-1400 - imam@imam.com.br - www.imam.com.br

keepers.indd 49 missao japao 2013.indd 1

27/12/2012 27/11/2012 13:26:48 14:57:10


série

SEGURANÇA NA MAM | 10ª parte

Segurança: cabos de aço Conheça as principais causas do rompimento deste acessório

S

ão várias as causas do rompimento dos cabos de aço. Antes de apresentá-las, serão apresentadas a seguir algumas normas referentes ao número permissível de pernas quebradas para cabos de aço usados em equipamentos de levantamento de pesos: • Seis arames quebrados aleatoriamente, distribuídos em um passo; • Três arames quebrados em uma perna, no espaço de um passo; • Se um terço dos arames externos apresentam desgaste ou desintegração em qualquer lugar do cabo. 50

CAUSAS Uso de um cabo de aço com resistência insuficiente para o trabalho; Uso de acessórios não apropriados; Dobras; Lubrificação não apropriada. Armazenamento permitindo ferrugem, corrosão ou abrasão interna; Exposição a calor extremo. Esmagamento no tambor de enrolamento do cabo; Uso de tambor ou polias de diâmetro insuficiente ou ranhura incorreta; Atrito sobre quinas cortantes e outros objetos fixos; Contato com corrente elétrica

Sinais de deterioração •

• • •

Redução do diâmetro do cabo, abaixo do seu diâmetro nominal, devido a perda da alma de suporte, corrosão interna ou externa ou desgaste dos arames externos; Arames externos quebrados e grau de distribuição ou concentração de arames quebrados; Arames externos apresentando excessivo desgaste; Cabo corroído, enferrujado ou quebrado nas fixações; Dobra, corte, esmagamento e/ou desfibramento severo.

A o

Vão

w

janeiro 2013

B_AnTopi

Serie_Segurança na MAM_10ªparte.indd 50

27/12/2012 13:27:25


Os cabos deverão ser substituídos quando apresentarem: • Uma perna rompida; • Dobras; • Amassamento; • Torceduras; • Corrosão; • Superaquecimento; • Desgastes dos terminais ou presilhas;

Tipos de deterioração Os tipos de deterioração pesquisados nos exames dos cabos de aço são os seguintes: arames quebrados, desgaste, corrosão, fadiga, fragilidade superficial e danos por deformação permanente. Cada uma destas formas de deterioração tem um modo de desenvolver uma falha, afetando as variáveis operacionais dos sistemas de movimentação de cargas, até se tornar uma falha estrutural. Algumas destas formas de deterioração

podem ser descritas por funções de distribuição de probabilidade que medem a confiabilidade, a taxa de falhas e o tempo médio até falhar. A fragilidade superficial ocorre quando os arames não deslizam livremente, e a fricção entre os arames devido às altas tensões eleva a temperatura superficial e em seguida um resfriamento brusco torna a superfície quebradiça. Como não controlamos esta ocorrência e nem conseguimos medir, não podemos julgar como condição segura o e ainda aceitar a sua confiabilidade em serviço. Os danos por deformações permanentes são inaceitáveis em serviço porque as sobrecargas e as cargas de choque que surgem durante os ciclos de carga podem ir além do limite de resistência, mas a região deformada pode não suportar as cargas abaixo da carga de ruptura. Nesta

OS FENÔMENOS DE DETERIORAÇÃO E MODO DE FALHA Processo Físico

Distribuição de probabilidade

Fratura

Exponencial

Escoamento

Exponencial

Fadiga

Weibull

Corrosão

Rayleigh

Ferrugem

Rayleigh

Desgaste

Normal

Fluência

Normal

região a ductilidade do material e a flexibilidade estão comprometidas para as cargas de flexão e dobramento nas polias. Continua nas próximas edições.

LOCAÇÃO E VENDA DE GALPÕES

Armazenamos o que realmente importa: o patrimônio da sua empresa.

Armazenagens | Eventos | Infláveis

Vão totalmente livre de 5 a 40 metros I Rápida entrega e montagem I Lona de maior resistência e durabilidade

Acesse o nosso site:

www.topico.com.br B_AnTopico_210x140mm_Intralogistica_JUNHO_AF 2.indd 1

Serie_Segurança na MAM_10ªparte.indd 51

Fale com a Tópico:

+55 11 2344.1200 18/11/12 22:34

27/12/2012 13:27:42


série

gestão da scm | 10ª parte

Preencha a lacuna Mudanças nos papéis de liderança e dedicação a atividades culturais diminuem carências no perfil profissional entre diferentes gerações

A

lguma vez você já se perguntou como detectar o sinal de um conflito negativo, entre colaboradores de idades diferentes, que possa desestabilizar a organização onde trabalha? Neste artigo, mostraremos formas para evitar este problema. Vamos começar com perguntas que ajudam a refletir sobre como estreitar a lacuna que há entre as diferentes gerações de profissionais que trabalham com supply chain.

Resultados esperados • Seu processo de criação

produz ideias adequadas em áreas como tecnologia, processo e pessoas?

• 52

A empresa onde trabalha incentiva,

com entusiasmo e emoção, o desenvolvimento de inovações viáveis?

Na maioria das situações, as ideias que surgem não são bem pensadas e geram retrabalho ou quando surgem ideias melhores, elas excedem o tempo de aplicação disponível? Existem paradas frequentes durante o trabalho, falta comunicação, surgem mal-entendidos e há tempo gasto em trabalho improdutivo? Existem sinais claros de falta de confiança e de colaboração dentro da equipe? Um líder que seja jovem, mas profissional e experiente, pode ter problemas para resolver questões desta magnitude?

Existe dificuldade em reter o talento dos colaboradores por razões como impaciência, promoções e planos de carreira claros?

Há diversidade suficiente na equipe em termos de educação, experiência e exposição e não apenas a diversidade cultural e étnica?

Os colaboradores têm suas qualidades reconhecidas e a especialização funcional é promovida para eliminar as lacunas entre eles?

Os colaboradores de diferentes gerações são pessoas que demonstram franqueza durante um diálogo, compartilham ideias e pensamentos com respeito e confiança?

janeiro 2013

Serie_Gestão da Supply Chain_10 parte.indd 52

27/12/2012 13:28:25


Incentivos, recompensas, reconhecimentos e medidas para promover a cultura podem colaborar com a mudança de postura das diferentes gerações de colaboradores?

forma colaborativa é mais eficaz do que trabalhar individualmente.

Papel de líder Após refletir sobre as questões apresentadas um líder previdente, precisa antecipar sentimentos e aliviar tensões que existem entre os membros da equipe. O chefe deve estar atento à pistas visuais, comunicação, inclusão e abertura de diálogos. Confira outras características positivas que um líder deve desenvolver: • Demonstra o estilo de um verdadeiro líder, pois é justo e promove práticas de diversidade de pensamentos entre diferentes gerações. Gerencia a equipe de forma eficaz por meio da criação de metas de crescimento, estabelece uma direção clara e presta contas aos colaboradores de sua equipe.

Motiva a equipe por entender que precisa investir seu tempo pessoal para explorar os melhores aspectos dos colaboradores. Emprega uma estratégia diferenciada para conscientizar a equipe que trabalhar de

Tem capacidade de influenciar, uma habilidade fundamental. Outra característica é ser diligente para que sua equipe queira aprender e se desenvolver. Influenciando e sendo influenciado, esse chefe promove o trabalho em espírito de equipe e coloca as metas à frente de objetivos pessoais. Todos ganham no final.

Serve como exemplo e modelo de ética, confiança, respeito e promove colaboração entre seus pares e subordinados. Conversa com equilíbrio, sendo apartidário de qualquer geração e demonstra o comportamento que esperar de sua equipe.

Desempenha o papel de árbitro e decide de forma justa impasses entre gerações de colaboradores diferentes. Além disso, é um bom ouvinte, usa o estilo de questionamento socrático (estratégia que o falante busca desafiar o pensamento do ouvinte) e combina subjetividade e objetividade para desempenhar o papel de pacificador fazendo a ponte entre duas gerações.

Desempenha o papel de um conselheiro, que usa situações da vida real para ensinar um ponto de vista. O chefe deve fornecer treinamento e orientação, compartilhar ideias e dar feedback. Além disso, precisa informar quais as “regras não escritas para o sucesso” melhorando o desenvolvimento da equipe e o crescimento pessoal e profissional dos colaboradores.

Atua como um facilitador que orquestra e organiza a configuração cultural da equipe, misturando educação, conhecimentos e experiências para promover a diversidade. Ele também promove o diálogo para entender o que está funcionando na equipe e cria atividades e tarefas que exigem colaboração.

Assume o papel de mentor, quando apropriado, o papel do advogado do diabo para ajudar a sua equipe a pensar em decisões importantes e estratégicas. Expande a rede de contatos de sua equipe, aumentando a sua capacidade de conduzir às mudanças. Cria apoio e recursos com base nas necessidades dos membros da equipe.

Pode ser um provedor de apoio, recursos e ferramentas para a sua equipe ser bem sucedida. Talvez esta seja uma das suas tarefas mais importantes. Isso precisa de uma compreensão profunda dos pontos fortes, das lacunas e dos esforços para fazer um bom trabalho.

Shekar Natarajan e Ron Hammond são especialistas em Supply Chain.

janeiro 2013

Serie_Gestão da Supply Chain_10 parte.indd 53

53

27/12/2012 13:28:42


Logística pelo mundo

Uma movimentação de materiais verde O centro de distribuição recém modernizado da Lifetime Brands se destaca como modelo de conservação de energia

Q

uando a Lifetime Brands Inc. decidiu construir um centro de distribuição inteiramente novo em Robbinsville, New Jersey (Estados Unidos), a fabricante de produtos para o lar sonhou alto: ela consolidou suas três operações de distribuição manual em uma única instalação eficiente e

54

Logística pelo Mundo.indd 54

automatizada. Mas este não era para ser um centro de distribuição comum. Numa estratégia em etapas que levou oito anos, a empresa ampliou não só o tamanho físico da instalação – expandindo o espaço total área 65.000 m 2 para atender ao crescimento dos negócios – mas também escolheu transportadores contínuos e equipamentos de separação e classifi-

cação que otimizam o uso de energia com confiabilidade e altos tempos de operação.

Crescimento estimula a expansão A Lifetime Brands é uma das principais empresas da América do Norte que projeta, desenvolve e comercializa utensílios de cozinha, cutelaria,

janeiro 2013

27/12/2012 13:29:50


tábuas de cortar, utensílios para assar, cozinhar e para despensa, mesas, decoração, porta-retratos e acessórios para banheiro. A empresa comercializa seus produtos com marcas bem conhecidas, incluindo KitchenAid, Farberware, Mikasa, Cuisinart, Calvin Klein e Nautica, além da EcoWorld com produtos ecologicamente corretos. A instalação recém modernizada de Robbinsvile trata das linhas de utensílios para cozinha da Lifetime Brands, distribuindo nacionalmente cerca de 7.600 SKUs de artigos de preparação de alimentos, como produtos para assar, acessórios de cozinha, aparelhos de jantar, utensílios para bar, tábuas de cortar e cutelaria.

Tudo em seu lugar Noventa e cinco porcento dos 7.600 SKUs da Lifetime Brands entram no centro de distribuição

O centro de distribuição de Robbinsville mostra que se deve, em grande parte, a origem de sua eficiência aos seus sistemas de classificação e de transportadores contínuos em contêineres. Os contêineres são abertos e os produtos são paletizados. Em seguida, são enviados ao estoque ou utilizados para atender aos pedidos existentes usando o cross-docking. Um sistema de gerenciamento de armazéns (WMS, “warehouse management system”) ajuda a direcionar as separações, bem como o reabastecimento de produtos, dos paletes estocados. As ondas em lote são utilizadas por meio do processo de separação e classificação e as caixas completas compõem a maioria dos produtos necessários para os

pedidos. Os artigos de grande volume são selecionados diretamente nos transportadores contínuos em cinco torres de separação de múltiplos níveis usando etiquetas de separação. Cerca de 20 porcento dos produtos do centro de distribuição, incluindo utensílios para cozinha e artigos de preparação de alimentos, são separados manualmente em caixas fracionadas e escaneados nos carrinhos usando a tecnologia de radiofreqüência. Em seguida, os produtos são avançados para o sistema de classificação. A instalação embarca a maioria dos produtosem carga paletizada. Entretanto,

janeiro 2013

Logística pelo Mundo.indd 55

55

27/12/2012 13:29:59


DVDs trei namento Armazenagem de Classe Mundial VID083 – 23 minutos

0,00 R$10

os artigos em caixas fracionadas são separados e embalados para uma loja específica.

O vídeo “Armazenagem de Classe-Mundial” é uma turnê virtual dos melhores centros de distribuição e armazenagem nos EUA, Europa e Japão. O vídeo apresenta visualmente as melhores práticas em recebimento, estocagem, separação e expedição.

(SCM) Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento VID093 – 32 minutos

0,00 R$15

Este vídeo aborda o gerenciamento da cadeia de abastecimento e seu impacto em três empresas: na Hewlett Packard, onde os custos de inventário estão diminuindo através do gerenciamento da cadeia de abastecimento.

Adquira já! Tel.: (11) 5575-1400 www.imam.com.br

A nossa equipe da Consultoria está a disposição para esclarecimentos e apoio na implementação.

Controle de volume O centro de distribuição de Robbinsville mostra que a origem da maior parte de sua eficiência está nos seus sistemas de classificação e de transportadores contínuos, o que reduz a mão de obra manual. Incluiu-se a conservação de energia em todos os sistemas de movimentação de materiais. A Lifetime Brands consegue determinar quando um produto está sendo movimentado em qualquer parte da instalação. Ela pode desligar uma seção do sistema automaticamente quando não está em uso, em seguida religar cada seção quando o volume de produtos retorna. O sistema de gestão e controle, usa fotocélulas localizadas estrategicamente ao longo dos transportadores contínuos. O sistema opera junto com temporizadores para que os equipamentos só operem em intervalos planejados. O resultado é um módulo de conservação de energia simples e eficaz. O centro de distribuição da Lifetime Brands usa dois classificadores de sapatas corrediças de alta velocidade. Taliscas intercaladas de alumínio extrudado nos classificadores oferecem uma superfície de transporte ampla e plana que evita atolamentos e atende a classificação de uma variedade de tamanhos e tipos de produtos. 56

Logística pelo Mundo.indd 56

O centro de distribuição usa transportadores contínuos de acumulação com pressão zero para interromper, conter e liberar temporariamente a movimentação dos materiais para dentro e para fora dos classificadores. Os transportadores contínuos permitem que os produtos se acumulem ao longo de uma fila sem acúmulo de pressão. O módulo de conservação de energia, os transportadores contínuos e as funções de classificação da instalação operam com o sistema de controle de armazéns SortDirector da Dematic, que se integra ao WMS da Robbinsville e coordena todas as movimentações dos produtos dentro do centro de distribuição.

O retorno do investimento O centro de distribuição de Robbinsville da Lifetime Brands movimenta 45.000 caixas por dia, a uma taxa de acurácia dos pedidos extremamente alta. A eficiência na conservação de energia atingida na instalação de New Jersey ajudou a reduzir os custos operacionais de distribuição. Reduziu-se os gastos em 3,75% ao longo dos últimos cinco anos. Os tempos de operação com confiabilidade também são críticos na operação de um centro de distribuição eficiente. Um indicador-chave operacional que é medido é o tempo de operação do sistema e em Robbinsville é mais de 99%. Grande parte da acurácia do estoque também é atribuída aos sistemas implementados.

janeiro 2013

27/12/2012 13:30:08


LITERATURA TÉCNICA Estruturas de estocagem A Bertolini apresenta um portfólio de soluções em sistemas para estocagem. Em seu catálogo, a empresa apresenta os seguintes produtos: porta-paletes, porta-paletes deslizante, drivein, rack metálico e intainer, drive-in dinâmico, mezanino passarelas, push back, porta-paletes leve, cantilever, divisórias industriais, porta-bobina, estrutura autoportante e flow back. www.bertolini.com.br / (54) 2102-4999

Carregadores A KM, fornecedora de carregadores de baterias, traz em seu catálogo a linha tracionaria composta por equalizador /dessulfador indicado para manutenção de baterias com um display que possibilita a visualização das grandezas (corrente, tensão, temperatura, tempo e falhas). O equipamento vem com o software LoggerKm que gera gráficos das últimas 20 cargas. www.kmcarregadores.com.br/ (19) 3886-8044

Automação A SEE Sistemas apresenta em seu catálogo soluções inteligentes em movimentação de materiais. Fazem parte de seu portfólio linhas de separação de pedidos (picking), separadores automáticos (sorter), equipamentos para movimentação, sistemas de movimentação de paletes, além de outras linhas de produtos. www.seesistemas.com.br / (11) 3623-6500

Plástico A empresa PLM, que oferece soluções em unitizadores, apresenta em seu catálogo paletes e contentores produzidos com material reciclável, resistentes a até –35ºC de temperatura, com opções de cores diferentes, patas ovais para facilitar a entrada do garfo da empilhadeira, furos de drenagem para eliminar o acúmulo de água e design que permite empilhamento com economia de espaço. www.plm.com.br / (11) 2886-3350

janeiro 2013

Literatura tecnica 267.indd 57

57

27/12/2012 13:31:05


DICAS DA CONSULTORIA Confira as dicas dos profissionais da IMAM Consultoria para este mês:

Reaproveitamento

A empresa espanhola de arquitetura James&Mau em parceria com a chilena Infiniski, criou a Casa Manifesto, um imóvel feito a partir de contêineres marítimos e paletes de madeira. Os 160 m² da residência têm placas solares e um sistema de isolamento térmico de celulose reciclada, feita a partir de jornal, e as paredes foram revestidas com paletes de madeira, o que gera 70% de economia energética.

Vermelho Em qualquer operação, um dos fatores mais importantes é a segurança. Por isso, o uso de cores fortes nos equipamentos faz diferença. Assim, os colaboradores conseguem evitar acidentes, já que a cor proporciona uma sinalização adequada. Um exemplo da utilização de tons fortes na pintura são garfos de empilhadeira customizados na cor vermelho Ferrari.

Cesta acoplável Os franceses que frequentam a rede supermercados Champion, do grupo Carrefour, usam um carrinho plástico que pode ser montado e desmontado. Ele é composto por duas cestinhas que, eventualmente, são carregadas manualmente para pequenas compras. O carrinho intercambiável é de baixo custo, por isso, algo parecido pode ser desenvolvido para fazer o picking em armazéns.

Óculos com internet Um vídeo no YouTube apresenta o Google Glasses. No trailer, um jovem acorda cedo e já recebe um convite de um amigo, na lente dos óculos, que o aguarda em uma livraria. Assim que sai de casa, o óculos mostra a temperatura. Depois, ele é avisado sobre um problema inesperado no metrô, que o levaria ao seu destino, e imediatamente recebe uma nova rota. No final, o rapaz conversa com a namorada, que aparece tendo Rio Hudson (Nova Iorque) ao fundo. Na intralogistica esta inovação poderia ser usada na separação de itens em um armazém.

Engate Embora não tenham sido projetado para isso, empilhadeiras ociosas, o reboque de materiais com uma carretinha industrial pode ser adaptado. Esse kaizen é indicado para empresas que não tenham intensidade de fluxo muito grande. Além disso, a sugestão é econômica quando comparada com um rebocador. O projeto, ainda em estudo na Scania, deve contemplar o almoxarifado da empresa.

58

Dicas_consultoria.indd 58

Plataforma fluante

O escritório Kenjo construiu, na Suécia, uma plataforma flutuante movida a energia solar que se desloca por um lago, utilizando a energia produzida por painéis fotovoltaicos instalados em seu telhado. Além disso, também abastece a iluminação LED. Esse projeto pode servir para aumentar a área de um galpão localizado próximo a água.

janeiro 2013

27/12/2012 13:31:53


DESTAQUES INTERNACIONAIS Guindaste

LÍDER DE MERCADO, TRABALHAMOS COM O QUE TEM DE MAIS MODERNO E A MAIS ALTA TECNOLOGIA, GARANTINDO MAIOR PRODUTIVIDADE E SEGURANÇA

O 12MO Evolutive da Mobilev é compacto e prático, dada a sua capacidade (1250 kg). O guindaste com o mesmo princípio de um transpalete elétrico oferece, ao mesmo tempo, mais agilidade e facilidade na operação. Um anel giratório, colocado na ponta do mastro, permite o movimento lateral do gancho 300 milímetros para a esquerda e para a direita. Além disso, opera com uma bateria elétrica e tem um sistema estabilizador. mobilev@revistraintralogistica.com.br

portas rápidas

Transpaletes na câmara fria A Nissan lança a linha de transpaletes elétricos RPX Walkie para câmaras frias. A limpeza adequada e a manutenção frequente de porta paletes é cara e demorada. Por isso, o equipamento de movimentação de materiais precisa ser durável e oferecer o menor custo de operação. Os tranpaletes RPX Walkie foram especialmente projetados para suportar exigências severas da indústria de processamento de carnes. nissan@revistaintralogistica.com.br

As portas rápidas automáticas RP são autorreparáveis, tem manta exclusiva com estabilidade vertical.

portas frigoríficas

Manuseio em CD’s A SpanTech Sortation Technologies, nova divisão da Span Tech LLC, oferece o TranSorter, projetado especificamente para a cadeia de suprimentos. O equipamento é flexível, adaptável e acessível, o que torna a operação em um centro de distribuição eficiente. Sua manipulação é suave, o resultado é preciso, 100% modular e resistente. spantech@revistaintralogistica.com.br

As portas rápidas automáticas desta linha são desenvolvidas para câmaras e antecâmaras frigoríficas.

niveladores de docas

Carrinhos contentores A Cannon oferece o carrinho contentor Pallet Buster que não requer complementos para operar; é mais ergonômico, já que reduz as lesões crônicas associadas à flexão e elevação de itens fora de paletes; como é feito de aço, não é inflamável; não contêm materiais tóxicos em sua composição; protege a carga e reduz o roubo de produtos. cannon@revistaintralogistica.com.br

Os Niveladores de Docas são utilizados para compensar a distância entre o caminhão e a doca, agilizando o processo de carrregamento

seccional e abrigo

Dois andares O veículo de transporte Emons Cargo da 2WIN tem uma plataforma basculante e elevatória que se transforma em rampa para o acesso da carga e possibilita acomodar a carga em dois níveis. As vantagens que o equipamento oferece são o aumento da capacidade de carga, redução drástica no número de movimentos, economia de material de embalagem e menores custos de transporte.

As portas Seccionais são desenvolvidas para serem aplicadas nas docas de expedição e recebimento de mercadorias. Os Abrigos de Docas são retráteis e permitem o encaixe da maioria dos caminhões.

Nossas soluções atendem todas regulamentações dos principais órgãos nacionais e internacionais de controle de cargas.

emons@revistaintralogistica.com.br

janeiro 2013

Destaques internacionais.indd 59

59

www.rayflex.com.br Tel.: 11 4645.3360 Fax: 11 4645.0566

Fornecedor oficial do CREA

Empresa 100% Brasil Ative o QR Code com o seu celular e conheça nossa linha completa de produtos ou acesse: www.rayflex.com.br

27/12/2012 13:32:44


MERCADO Nova distribuidora Com o intuito de inovar e abranger novas parcelas do mercado, a Usemaq se tornou distribuidora exclusiva do fabricante Chery Heavy Industry CO. Ltd., que pertence ao grupo chinês Chery Automotive. Como distribuidora exclusiva, a Usemaq é responsável pela comercialização e suporte de empilhadeiras de garfo de 1,0 a 16,0 toneladas elétricas, diesel e GLP/ gasolina com componentes importados de controle de tração e hidráulico, com sistema elétrico simples e confiável, sem placas eletrônicas de controle.

Compra de ações A Intermec Technologies Corporation, fornecedora de soluções de captura de dados e gerenciamento de informações, anunciou um acordo definitivo sob o qual a Honeywell International (EUA) vai adquiri-la no valor de U$ 600 milhões. Sob os termos do acordo, que foi aprovado pelos conselhos de ambas as empresas, a Honeywell irá adquirir todas as ações em circulação da Intermec por U$ 10 cada ação. A transação, que representa 48% das ações da Intermec, está sujeita à aprovação dos acionistas e será concluída até o final do primeiro semestre de 2013.

Reposicionamento

Já está em funcionamento o novo programa de Inteligência Operacional no primeiro pátio do Tecondi em Santos (SP). Com a implantação do wi-fi, a definição do posicionamento dos contêineres no pátio passa a ser feita de forma automatizada. Cada operador pode trabalhar com um tablet e o sistema define onde cada contêiner deve ser posicionado.

Encerado de algodão

A Sansuy lança o encerado de algodão para caminhões Cotonlona. Confeccionado com lona n° 8, o encerado de algodão foi desenvolvido para atender a um nicho do mercado que exige produtos com características específicas, como veículos urbanos de carga (VUC) e caminhões do tipo truck ou toco.

Prêmio

A Marksell recebeu o “Prêmio GLP de Inovação e Tecnologia”, na categoria Aplicações do GLP, pelo desenvolvimento da plataforma MKS200PEG, voltada para a movimentação de cilindros de gás modelo P45. A solução foi produzida em parceria com a Ultragaz. O custo foi de R$ 50 mil e já foi instalado em 120 caminhões da Ultragaz.

Sistema de alarmes

A recepcionista me disse que este rapaz novo tem muita experiência em estocagem de peças pequenas

60

Mercado.indd 60

A RJP Automação, empresa especializada em soluções personalizadas e integração de sistemas, desenvolveu o Sésamo® Alarmes, central de alarmes computadorizada para situações em que há necessidade de visualização da área monitorada em tempo real. Indicado para apurar ocorrências de forma eficiente e preservando o potencial humano, o sistema conta com tecnologia personalizada para cada tipo de estrutura.

janeiro 2013

27/12/2012 13:33:34


Palete de isopor A Termotécnica, indústria transformadora de EPS (isopor®), lança o palete Upally®, fabricado de EPS (poliestireno expandido) e termoformado. O produto chega ao consumidor com vantagens como a leveza, não-proliferação de fungos e bactérias e facilidade de higienização. Estes fatores geram benefícios na aplicação nas áreas farmacêuticas, de alimentos e câmera fria. Existe também a possibilidade de customização do produto com a identidade visual do cliente, pode ser colorido e possui versões de duas ou quatro entradas, com ou sem haste metálica.

Nova sede A BMC - Brasil Máquinas de Construção conta com uma nova sede em Duque de Caxias (RJ). A operação dará suporte a fábrica BMC-Hyundai no município de Itatiaia (RJ), prevista para março de 2013, resultado de uma joint-venture com a companhia coreana. A operação já detém aproximadamente 20% de market share em escavadeiras hidráulicas acima de 12 toneladas. A empresa espera um crescimento de 20% no próximo ano.

Gestão de frota A Sofit, empresa desenvolvedora de softwares como serviço e especializada em gestão da manutenção de frotas, oferece solução via web para empresas frotistas que reduz custos e aumenta a vida útil dos pneus. Com o aplicativo, o frotista pode comparar a durabilidade do pneu considerando as recomendações dos fabricantes, identificar facilmente as condições de uso, controlar a vida útil e prevenir desvios e furtos. Uma gestão de pneus aumenta entre 20 e 25% a vida útil deste item.

Web service A Gollog, unidade de negócios de cargas da GOL, lança um serviço exclusivo em comércio eletrônico. O e-Gollog foi desenvolvido para aperfeiçoar o sistema de logística de empresas que operam com venda de produtos e distribuição de encomendas porta a porta. Além disso, também oferecerá diversas vantagens, como a integração com outros sistemas via Web Service, Seguro GOL para clientes que não possuem seguro próprio, entrega no endereço de destino, monitoramento especial e alguns outros serviços adicionais tarifados. janeiro 2013

Mercado.indd 61

61

27/12/2012 13:33:48


ti

softwares

WMS 100% web

Braspress Logística investe em sistema de gerenciamento de armazéns via web da Sythex

A

Sythex forneceu para a Braspress Logística, braço logístico do Grupo H&P, o SILT WMS (“warehouse management system”, sistema de gerenciamento de armazéns). O centro de distribuição da Braspress, que tem 20 mil m² e dez mil posições paletes, fica no Bairro Alphaville Industrial (Barueri, na região metropolitana da Grande São Paulo). Marcelo Flório, diretor-superintendente da Braspress, conta que a empresa atua há 35 anos com transporte e, atualmente, criou a divisão Logística, que entrou efetivamente em operação em novembro de 2012. “Por isso, não tínhamos uma experiência anterior. Detectamos a Sythex como o melhor do mercado em tecnologia. Já tínhamos experiência em logística, adquirida ao longo dos anos”, completa. “O sistema fornecido pela Sythex para atender às necessidades da Braspress é nossa versão especialista em operadores logísticos e armazéns gerais, o SILT WMS. Esta versão é um produto já consolidado no mercado. Não foi desenvolvido sob encomenda, mas teve alguns ajustes e pequenas customizações para atender ao cliente”, explica Marcelo Franco, diretor comercial da Sythex. Ainda, de acordo com Marcelo Franco, “o WMS é específico para operadores e armazéns gerais e foi preciso fazer algumas pequenas customizações para atender os processos diferenciados da Braspress. O maior diferencial do sistema é ser 100% via web, o que o torna 62

braspress shytex.indd 62

janeiro 2013

27/12/2012 13:34:43


O WMS oferece a capacidade de implantação em diversos CDs de uma empresa e acelera a troca de informações disponível para replicá-lo nos outros CDs da empresa. Assim, é possível, de lugares distintos, fazer a gestão de contratos e de faturamento de clientes, consolidação fiscal, cria visões, relatórios e KPIS (“key performance indicators”, indicadores chaves de desempenho), ambiente muito amigável de fácil navegação”. “Começamos a implantar o sistema em junho. Levamos cinco meses para implantar na plataforma web em Java e coletores de dados por radiofrequência (aumenta a produtividade e inibe inter-

braspress shytex.indd 63

ferências). A equipe do CD é composta por colaboradores tanto interno quanto externos. Tivemos, até o momento, uma boa experiência com o sistema, que é amigável e na plataforma web”, diz Marcelo Flório, da Braspress. Sobre o futuro, de acordo com o diretor da Braspress, as expectativas de aumentar o uso do sistema e investir em outros centros de distribuição é grande. Marcelo Flório revela ainda que “a Braspress investirá em automação para acompanhar a tecnologia de separação como

picking by voice / light. O sistema da Sythex já está preparado para isso. Pretendemos abrir novos CDs em São Paulo e em outras localidades onde detectarmos necessidade, como regiões que tenham portos. Por isso, a característica de sistema ser web teremos facilidade em expandir a operação. Investimos, inicialmente, na divisão de Logística, R$ 5 milhões, com software, adequação do local, contratação de pessoas, entre outras coisas. Provavelmente, vamos investir a mesma quantia no futuro”.

27/12/2012 13:35:05


artigo premiação

Concurso Renault: reciclagem de veículos Experiência adquirida na IMAM Consultoria e apoio do Grupo foram essenciais à conquista do concurso organizado pela montadora

O

Desafio Renault Experience chegou à PUC-SP em março de 2012 com alguns temas pré-estabelecidos para o desenvolvimento de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso). Escolhemos o tema Reciclagem de Veículos em Final de Vida. A partir de então, foram sete meses de pesquisa intensa na área. O projeto apresentado pelo meu grupo consiste no estudo de viabilida-

64

case renault.indd 64

de técnica e econômica da implantação de um Centro de Reciclagem Automotiva, denominado CRA. Durante as pesquisas o grupo analisou o cenário global a fim de conhecer as leis e os processos de reciclagem existentes em outros países e detectou que há uma grande diferença entre o Japão, Europa, EUA e o Brasil. Com essa análise, viabilizou-se a ideia da implantação de um centro de reciclagem automotiva.

O Grupo Projeto elaborado por: Cynthia Chiconi, Ricardo Lucin e Andressa Parente

Professor orientador: Drº Fábio Delatore

Padrinho Renault: Sérgio Velez

janeiro 2013

27/12/2012 13:48:24


Partimos então para a etapa do desenvolvimento operacional, na qual o IMAM teve grande importância, pois consegui utilizar no projeto do Desafio Renault Experience a experiência que adquiri em um ano e meio atuando como trainee na equipe da IMAM Consultoria, o que gerou um grande diferencial, pois o projeto foi totalmente embasado em metodologia sólida e estudos conceituados.

O projeto Dentre as ferramentas utilizadas, fizemos primeiramente o estudo de localização geográfica para detectar o local ideal para a implantação da fábrica. O estudo foi feito com base na demanda de veículos emplacados em cidades da região sudeste. Esta metodologia é utilizada em diversos projetos que necessitam do ponto exato de localização para melhorar a viabilidade logística e econômica. Em paralelo ao estudo de localização, definimos as máquinas e equipamentos utilizados no processo de reciclagem após visita a uma feira do segmento de reciclagem realizada em setembro. A partir disso, fizemos reuniões com diversos fornecedores e aprovamos um cenário com uma máquina nacional. Os equipamentos de movimentação e armazenagem de materiais também foram definidos com base nas metodologias adotadas pelo IMAM, desde estruturas porta-paletes até o dimensionamento de talhas.

A conclusão de toda essa pesquisa é que a implantação do CRA é viável dos pontos de vista técnico e econômico

Definidos os equipamentos, partimos para o desenvolvimento do layout, uma das principais partes do projeto. Para isso, seguimos criteriosamente a metodologia do livro “Planejamento Simplificado do Layout”, publicado pelo IMAM, no qual são destacados e explicados os seis passos para o bom desenvolvimento do layout. O resultado foi realmente o esperado pela Renault. Com este layout definido partimos para o desenvolvimento de um vídeo em 3D para a simulação do projeto. Assim obtivemos uma melhor simulação de como funcionaria a fábrica após ser implantada, sem deixar de lado a atenção sobre detalhes, como dimensionamento de estoques, estruturas de armazenagens e embalagens para o melhor desempenho da operação. Fizemos também o cálculo da necessidade de docas de recebimento e expedição, bem como a área para o raio de giro dos caminhões. Definimos o número de colaboradores para a operação e partimos para os contatos comerciais, alguns de indicação da própria Renault, e outros desenvolvidos na feira do segmento de reciclagem que visitamos. Com essas informações em mãos, realizamos toda a análise financeira do projeto do Centro de Reciclagem Automotiva com o desenvolvimento de vários cenários, metodologia também aplicada nos projetos do IMAM. Após a análise de vários cenários apresen-

tamos apenas dois, pois o tempo das apresentações era limitado.

Reconhecimento A conclusão de toda essa pesquisa é que a implantação do CRA é viável tanto dos pontos de vista técnico quanto econômico. Como resultado desse trabalho, o projeto foi vencedor - obtivemos o primeiro lugar no Desafio Renault-, campeonato que envolveu 23 universidades da América do Sul (13 no Brasil, 5 na Colômbia e 5 na Argentina). Com isso ficou claro mais uma vez que a metodologia adotada pelo IMAM e por sua equipe de Consultoria é sólida. E que principalmente todo o conhecimento que adquiri na graduação de engenharia de produção foi complementado e consolidado pelo IMAM para a obtenção desse sucesso com o projeto. Trabalhar e fazer parte desta equipe de Consultoria foi uma das melhores oportunidades que já tive no crescimento profissional e pessoal. Aproveito a oportunidade para agradecer a todos que me auxiliaram no desenvolvimento do projeto. Cynthia Chiconi é graduada em Engenharia de Produção pela PUCSP e trainee da IMAM Consultoria

janeiro 2013

case renault.indd 65

65

27/12/2012 13:48:46


ponto de vista

Sonhos de meios de transporte Reinaldo Moura é fundador do Grupo IMAM

Invente alternativas, mas não exagere!

D

A

última é dizer que o TAV – Trem de Alta Velocidade – que o governo tanto quer viabilizar, transportará cargas! Ou cartas, já que os Correios deverão ser um acionista

e vez em quando surgem umas ideias - às vezes até inusitadas de equipamentos para transporte. Algumas até foram publicadas pela revista intraLOGÍSTICA, tais como as reportagens sobre meios de transporte de cargas indivisíveis (extra porte) ou até mesmo transporte de contêineres por dirigíveis. Todos reconhecem as limitações dos dirigíveis - que atualmente são utilizados como veículos aéreos de mídia – e que são seguros hoje, nem se comparam aos modelos do terrível incêndio com o Zeppelin no início do século passado sobre Nova Iorque. Pois bem: há 12 anos reapareceu a ideia de construí-los para empresas de transporte de grandes cargas, aliviando assim as interrupções em rodovias, além de evitar congestionamentos. Pelo que sabemos, a ideia não conquistou nenhum investidor e/ou construtor da era moderna, a iniciar-se pela lentidão de seu deslocamento. E se o mau tempo cruzar com um dirigível, como aterrissá-lo em um local seguro? Ou seja, mesmo com os recursos de auxílio à navegação dos dias de hoje, os efeitos provocados pela natureza não

são controláveis e até mesmo imprevisíveis em sua rota. Outra ideia mirabolante foi construir um conjunto de transportadores contínuos de correia côncava para o transporte de minérios e carvão do porto de Santos (Cubatão) até o topo da serra e vice-versa, fertilizantes etc, substituindo a antiga estrada de ferro no trecho de Paranapiacaba à Cubatão onde situa-se a atual Usiminas (antiga Cosipa). Naquela época (2007), enquanto o projeto era aplaudido, a concessionária das ferrovias já fazia planos. Alguns lembravam-se da ineficiência devido o ângulo de talude que o granel faria e que provocaria uma inviabilidade no seu deslocamento, além de transferência de diversas correias para outras, ao longo de seu percurso, isto sem contar com a carga e descarga nos extremo para um vagão carreta. Mesmo utilizando um transportador de correia tubular (em que a correia envolve o material) questionamos a sua eficiência. Agora, a última é dizer que o TAV – Trem de Alta Velocidade – que o governo tanto quer viabilizar, transportará cargas! Ou cartas, já que os Correios deverão ser um acionista.

Próxima edição: Guia de Fornecedores de Equipamentos de Movimentação e Armazenagem de Materiais e Serviços Logísticos Em março: Prévia CeMAT e Especial Empilhadeiras 66

Ponto de vista 267.indd 66

janeiro 2013

27/12/2012 13:53:27


agenciaAKM.com.br

1

9

7

2

5

0

anuncios de 1 pรกgina.indd 5

21/12/2012 18:39:21


CONSULTORIA 1.100 projetos realizados A melhor experiência desde o planejamento até a implementação em Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento e Logística

• • • • • •

Estratégias logísticas Localização, centralização, descentralização de fábricas e CDs Planejamento, programação e controle da produção (PPCP) Gestão de estoques e inventários Distribuição física e transporte Tecnologia da informação aplicada à logística

Conheça nossas outras competências: www.imamconsultoria.com.br 11 5575-1400

AnuncioConsultoria_julho2012.indd 3

26/11/2012 17:51:56

Revista intraLOGÍSTICA - Edição 267 - Janeiro/2013 - Top 100  

Top 100 Operadores Logísticos e Transportadoras; os maiores condomínios do Brasil; Guia de operadores e transportadoras; análise setorial do...

Revista intraLOGÍSTICA - Edição 267 - Janeiro/2013 - Top 100  

Top 100 Operadores Logísticos e Transportadoras; os maiores condomínios do Brasil; Guia de operadores e transportadoras; análise setorial do...

Advertisement