Page 67

exoesqueleto criado por empresa americana permite que pessoas que perderam os movimentos voltem a andar pico. Esta foi a palavra encontrada pela mexicana Tamara Mena, 25 anos, para descrever um momento que jamais acreditou que viveria novamente. Moradora da Califórnia desde os 13 anos, ela e o namorado, Patrick, estavam num táxi em Rosarito Beach, na fronteira com o México, quando o carro atropelou um cavalo na estrada. O impacto lançou o animal para o ar. Ele caiu sobre o automóvel, matando na hora o motorista e Patrick. Tamara ficou paralisada do peito para baixo. Era 2005 e, conformada de que nunca mais andaria, Tamara seguiu em frente. Concluiu o curso de comunicação na California State University e passou a fazer palestras e dar apoio a pessoas que vivem situação como a dela. Foi num desses encontros que conheceu um projeto criado pela empresa Ekso Bionics. “Estava em um hospital e uma paciente comentou sobre um aparelho que estava sendo criado para pessoas paraplégicas”, disse Tamara a INFO. “Fui procurar mais informações e descobri uma tecnologia inimaginável.”

foto gabriela hasbun

IN316_Ciborgue.indd 69

Fundada em 2005 na cidade de Berkeley, na Califórnia, a Ekso Bionics desenvolveu o Ekso, um exoesqueleto robótico capaz de devolver o movimento às pessoas que sofreram algum tipo de paralisia nos membros inferiores. Alimentados por duas baterias de íon de lítio, os quatro motores e quase 30 sensores espalhados pela estrutura de alumínio recriam os passos humanos. Com duas muletas, os pacientes ficam em pé e caminham, ainda que não tenham a sensibilidade do movimento. “A primeira vez que usei o Ekso tive medo de cair. Era uma sensação diferente, já que não sentia as pernas. Parecia estar flutuando”, conta Tamara. “Após cinco anos e meio sem poder andar, era impressionante ver o meu pé tocando o solo, o joelho se dobrando. Estava caminhando, avançando.” Tamara tornou-se “piloto de testes” da companhia desde fevereiro de 2011. Inicialmente, a concepção do exoesqueleto tinha fins militares. No ano 2000, a Darpa, agência americana vinculada ao Departamento de Defesa, iniciou o projeto Exoeskeletons for Human Performance Augmentation, que pretendia criar poderosas máquinas

capazes de gerar mais força e resistência aos soldados no campo de batalha. O processo de desenvolvimento comercial dos exoesqueletos começou em 2005, quando Homayoon Kazerooni, Russ Angold e Nathan Harding, professores do Laboratório de Engenharia Humana e Robótica de Berkeley, fundaram o que seria a Ekso Bionics. Em 2008, foi lançado o HULC (Human Universe Load Carrier), equipamento militar comprado pela empresa bélica Lockheed Martin. Três anos mais tarde seria a vez de a companhia anunciar o Ekso, versão “civil” do exoesqueleto. Desde fevereiro deste ano, o Ekso está sendo vendido a hospitais americanos especializados no tratamento de pacientes com mobilidade comprometida. Por aproximadamente 130 mil dólares, o equipamento tem autonomia de três horas e necessita do auxílio de um especialista, responsável por ativálo e acompanhar os passos do usuário. “Não tinha nenhuma esperança de voltar a caminhar, mas tive essa oportunidade. É algo monumental, épico”, afirma Tamara Mena. Agora, a jovem mexicana já tem planos para o futuro: “Adoraria voltar a dançar”. ↙ Maio 2012 INFO

/ 69

4/25/12 9:54:51 PM

MAI-316  

Revista INFO 316, de MAIO de 2012

Advertisement