Page 64

que nasceu surdo e por isso nunca teve o cérebro estimulado terá um resultado pior do que o de um bebezinho de 1 ano. O ideal é que o implante seja feito o mais cedo possível”, afirma Bento.

altO desempeNhO

DE Fibra O campeão paraolímpico

sul-africano Oscar Pistorius fará história se competir na Olimpíada de Londres

Entre as próteses internas mais bemsucedidas está o ouvido biônico. Com um procedimento conhecido como implante coclear, pessoas com surdez parcial ou total são capazes de voltar a receber estímulos sonoros. Desenvolvido desde o início da década de 80, o ouvido biônico funciona a partir de duas unidades, uma externa e outra interna. A primeira é um processador de som. Captada por um microfone, a frequência sonora é digitalizada e enviada por meio de uma antena FM para a unidade interna. Instalado dentro do ouvido, na região da cóclea, esse dispositivo transforma os dados recebidos em impulsos elétricos, que estimularão o nervo auditivo responsável por levar as informações ao cérebro. Processado por um software, o som que chega aos ouvidos parece uma voz robótica. Segundo o médico otorrinolaringologista Ricardo Ferreira Bento, 66 / INFO Maio 2012

IN316_Ciborgue.indd 66

coordenador do Grupo de Implante Coclear da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, o procedimento cirúrgico para a colocação da unidade interna é simples. “Um pequeno corte é feito atrás do ouvido para a instalação da unidade interna. A cirurgia demora cerca de uma hora e meia e o paciente sai do hospital no mesmo dia.” Fabricado por quatro companhias, o ouvido biônico custa 60 mil reais. Mais de cem mil pessoas já fizeram o implante coclear no mundo. No Brasil, são realizados 800 procedimentos por ano. Só no Hospital das Clínicas de São Paulo, a equipe do doutor Bento realiza aproximadamente dez implantes por mês. Ainda que o número de usuários seja alto, nem todas as pessoas que perderam a audição podem realizar o implante coclear. “O desenvolvimento do córtex cerebral deve ser levado em conta. Um indivíduo com 20 anos de idade

Mesmo com tantos recursos tecnológicos, as próteses biônicas não são a única opção para as pessoas que perderam membros. É o que explica Ian Guedes, diretor do Centro Marian Weiss, de São Paulo, especializado na reabilitação de amputados. “A prótese mais avançada eletronicamente não é necessariamente a mais indicada. Precisamos sempre pensar quais são as necessidades e a expectativa do paciente.” Um bom exemplo disso são os pés fabricados em fibra de carbono, como os desenvolvidos pela empresa Össur. Chamados Cheetah, são destinados a atletas e funcionam como molas. As próteses absorvem o impacto e devolvem essa energia na forma de impulsão. “Nesse caso, não podemos pensar em sistemas eletrônicos, pois não resistiriam aos choques intensos sofridos com o solo”, diz o fisioterapeuta José André Carvalho. O atleta Alan Fonteles, 19 anos, já está acostumado a essa rotina de choques intensos. Nascido no Pará, o jovem sofreu uma biamputação abaixo dos joelhos quando tinha apenas 21 dias de vida, devido a uma infecção intestinal que se alastrou pela corrente sanguínea. Mas a amputação nunca lhe foi um empecilho. Com próteses mecânicas aprendeu a andar e a correr. Conheceu o atletismo aos 8 anos. “Era doido para fazer algum esporte e, como alguns amigos praticavam atletismo, resolvi correr também. Em 2005 comecei a competir e em 2008 entrei para a seleção principal paraolímpica”, diz Alan, que conquistou duas medalhas de ouro no Mundial

foto reuters/johannes eisele

4/25/12 9:54:25 PM

MAI-316  

Revista INFO 316, de MAIO de 2012

Advertisement