Page 1

Ano I – novembro/dezembro 2010

edição 04 - Cortesia

São Paulo – Zona Norte

Comportamento:

O prazer o perigo do sucesso

Alimentos:

Como escolher os mais saudáveis

Especial Vida de Cão:

A quem confiar nossos melhores amigos na hora de viajar?

Ronaldo Oliva:

Ator se prepara para viver vilão na próxima novela do SBT


Duas palavrinhas

Há algum tempo li um texto de Rubem Alves, um escritor de alma leve como pluma e coração de menino, no qual ele dizia que se pudesse existir poema de uma palavra só, para ele, seria “jardim”. Estranhei. Pensei. Sorri. Concordei. Não me esqueci mais. E isso aconteceu há mais de 10 anos. De fato ele tinha razão. Se pensarmos um pouco, concluiremos que essa palavrinha doce, quase que ingênua – jardim – carrega em si a essência do mundo ideal, almejado por cada um de nós. Afinal, como o próprio Rubem lembrou, segundo o criacionismo, tudo começou em um lugar como este – o Éden. É no jardim que mora a beleza, a abundância, a vida. Mas nenhum de nós ganha o seu de presente, até porque parte da graça de tê-lo está em construí-lo com as próprias mãos. É neste ponto que entra outra palavra mágica: coragem, aquela que representa força que move qualquer um dos nossos movimentos, que diz como será o nosso jardim. É preciso tê-la para pensar no que nunca foi pensado; para se expor; para se impor; para calar; para falar; para ir em frente; para parar. Talvez até seja ela o segredo dos gênios, dos bem-sucedidos, dos apaixonados, dos felizes... É por isso que ao invés de fazer votos aos outros, apenas, de sucesso, saúde, paz e amor, deveríamos desejar, também: CORAGEM! É dela que precisamos. É ela que nos conduz a tudo que sonhamos e desejamos. Foi ela que nos trouxe até aqui e é com ela que seguiremos o nosso caminho, que daremos os próximos passos.

Então, coragem a todos nós!

Até a próxima!

Editora: Claudia Sá Mtb 49233 claudia.sa@revistahibisco.com.br Reportagem: Juliano Picceli juliano.picceli@revistahibisco.com.br

Ano I – novembro/dezembro 2010

edição 04 - Cortesia

São Paulo – Zona Norte

Projeto gráfico e editoração: Sete Design Publicitário – Eduardo Garcia Marques arte@revistahibisco.com.br Publicidade: Flavio Rodrigues (vendas) flavio.rodrigues@revistahibisco.com.br Lilian Alves (vendas) lilian.alves@revistahibisco.com.br Renato Stefani (criação de anúncios) renato.stefani@revistahibisco.com.br

Circulação e Assinaturas: Jéssica Sá jessica.sa@revistahibisco.com.br Colaboradores desta edição: Christian Barbosa, Marcelo Restivo e Rita de Cássia Furlan de Faria Pereira. Hibisco é uma publicação mensal da Voz Ativa Press. As opiniões expressas em artigos assinados são de responsabilidade exclusiva de seus autores. É proibida a reprodução total ou parcial das matérias publicadas sem autorização prévia, por escrito, da editora. Endereço: Rua Conselheiro Moreira de Barros, 1880. Sala 5. Santana. São Paulo – SP. CEP: 02430-000. (11) 2389-9010 / 4304-4633.

Comportamento:

O prazer o perigo do sucesso

Alimentos:

Como escolher os mais saudáveis

Série especial Vida de Cão:

A quem confiar nossos melhores amigos na hora de viajar?

Ronaldo Oliva:

Ator se prepara para viver vilão na próxima novela do SBT

Foto da capa: Fernando Mazza


índice

06

perfil

11

comportamento

14

artigo

16

vida saudável

20

panorama

22

cultura e lazer

24

crônica

25

vida de cão


perfil

Ronaldo Oliva Ator se prepara para viver vilรฃo na prรณxima novela do SBT

Por Claudia Sรก Fotos: Fernando Mazza

06


em que se encontram a saúde, a educação... São irritantes, também, os mal-educados no trânsito, com belos carros e atitudes feias, pessoas que só pensam si. Mas, o que precisamos é fazer melhorar, cada um, individualmente, e parar de reclamar... Hibisco: Quando você começou a atuar no mundo artístico? Ronaldo Oliva: Comecei a trabalhar como modelo aos 19 anos. Fazia comerciais de TV, e nessa atividade

descobri que tinha vocação para atuar, então, depois de algum tempo, entrei para uma companhia de teatro amador, e, aqui estou, com 15 anos de experiência. Hibisco: Antes de iniciar a carreira artística, você chegou a se dedicar a outro ofício? Ronaldo Oliva: Trabalhei como produtor, com locação de estúdios... Mas foi por pouco tempo, comecei cedo a me dedicar completamente à interpretação.

perfil

Mais de 300 peças publicitárias, 10 espetáculos teatrais, cinco novelas. Este é o resumo, em números, da carreira do ator Ronaldo Oliva. Paulistano, nascido e criado na Vila Formosa, zona leste da cidade, ele conheceu o universo artístico aos 19 anos, fazendo comerciais para TV. Dois anos depois, resolveu enveredar pelo ramo da dramaturgia. Não parou mais. Nesta entrevista exclusiva, o ator, hoje aos 36 anos de idade e 15 de experiência, fala sobre sua primeira incursão pelo cinema, em “E a Vida Continua”, filme dirigido pelo Paulo Figueiredo, que ainda não tem data definida de estreia. Fala também sobre o desafio de interpretar o vilão Flávio, um professor de Literatura que é também traficante, na novela “Corações Feridos”, de Íris Abravanel, que estreia em novembro. Hibisco: Você gosta de viver em São Paulo? Ronaldo Oliva: Sempre morei em São Paulo. Amo essa cidade. Mas, ao mesmo tempo, acho muito estressante viver aqui. É uma relação ambígua... Hibisco: Do que você mais gosta? Ronaldo Oliva: É uma das melhores cidades do mundo. Gosto daqui pela diversidade cultural, de raças, crenças... Também pela culinária, pelos museus, salas de cinemas, teatros... Em São Paulo, há um pouquinho de cada lugar do mundo. Hibisco: E o que você menos gosta? Ronaldo Oliva: O que me desagrada é o que desagrada a todos, como o estado de abandono

“O que precisamos é fazer melhorar, cada um, individualmente, e parar de reclamar”

07


perfil

Hibisco: O que há de melhor em ser ator? Ronaldo Oliva: Gosto de poder “brincar” de ser outras pessoas, com histórias de vida diferentes da minha. Isso me ajuda na busca da compreensão da viagem de estar vivo e das relações humanas. Interpretar é entender a si próprio e ao outro.

Foi um trabalho que me emocionou muito fazer, porque ele tinha uma história muito forte. Não tinha pai, nem mãe, e lutava contra a pesca predatória. Defendia os recifes de corais. Também fiz parte do elenco de Malhação, na TV Globo, Luz do Sol, na Record, e Revelação, no SBT, que foram trabalhos muito interessantes para minha carreira.

Hibisco: Quais foram os trabalhos mais marcantes na TV? Ronaldo Oliva: Sem dúvida, o personagem mais marcante pra mim foi o pescador Zé Moréia, na novela “Vende-se um Véu de Noiva”, que fiz ano passado, no SBT.

Hibisco: E no teatro? Ronaldo Oliva: Amo todos os trabalhos que fiz no teatro. É um território onde não se ganha muito, financeiramente, então, as escolhas passam a ser baseadas no teor de prazer e no conhecimento que se

obtém no processo de concepção, gestação e execução dos personagens aos quais me entrego. Hibisco: Você trabalha bastante como garoto-propaganda... Ronaldo Oliva: Sim. Já fiz mais de 350 peças publicitárias. É uma área que gosto muito. Hibisco: E cinema, você já chegou a fazer? Ronaldo Oliva: Estreio em “E a vida continua”, de Paulo Figueiredo, com o personagem Túlio Mancini. Já foi gravado, mas ainda não sei quando chegará às salas de cinema. O filme é baseado no romance editado em 1968, da série de André Luiz, psicografado por Chico Xavier. Fala sobre a maneira como o plano espiritual resolve as pendências das atitudes que tomamos em vida. Hibisco: Como é o seu personagem? Ronaldo Oliva: É bastante denso. Ele está no plano espiritual imbuído de sentimentos de vingança contra a pessoa que o levou à morte com um tiro, até que encontra seu amor perdido, que o ajuda a se elevar e topar a reencarnação para aprender a perdoar. Hibisco: No que você está trabalhando, atualmente? Ronaldo Oliva: Estou gravando a próxima novela do SBT, “Corações Feridos”, que estreia em novembro.

“Gosto de poder ‘brincar’ de ser outras pessoas, com histórias de vida diferentes da minha. Isso me ajuda na busca da compreensão da viagem de estar vivo e das relações humanas”

08


Faço o vilão Flávio, um professor de Literatura, que também é traficante e cometerá uma série de erros. A ideia do meu núcleo é abordar a questão da dependência química na adolescência. Hibisco: É a primeira vez que você vive um vilão? Ronaldo Oliva: Sim. Hibisco: Qual é a sua expectativa em relação a este trabalho? Ronaldo Oliva: Muito boa. É um personagem que requerer muito de mim. Tenho certeza que vai ajudar muitas pessoas a entender e a lidar com o problema das drogas, que é cada vez mais recorrente entre jovens de todas as classes sociais. É uma belíssima história, muito bem escrita, emocionante. O trabalho vem sendo feito com muito carinho por toda a equipe. Acredito muito no crescimento do núcleo de teledramaturgia do SBT.

Em São Paulo, eu indico: Onde comer: no Rancho Nordestino, no Bixiga [Rua Manuel Dutra, 498]; nas barraquinhas da feira da Liberdade [Praça da Liberdade, Liberdade, região central]. O que comer: Gosto de tudo! E, como em São Paulo tem de tudo... Vou do arroz, feijão e churrasco aos pratos exóticos do oriente... Adoro conhecer sabores. Num prato de comida estão os hábitos, a trajetória, a história, as andanças e costumes de um povo, uma região, uma família, uma vida. O que visitar: A Pinacoteca [Praça da Luz, 2]; o Pacaembu, do meu Corinthians (risos) [Praça Charles Miller, S/N]; a livraria Cultura, na Paulista [no Conjunto Nacional - Avenida Paulista, 2073]; o teatro Sérgio Cardoso [Rua Rui Barbosa, 153 ]; o espaço Unibanco, da Augusta [Rua Augusta, 1475]. O que não reparar na cidade: Repare em tudo, porque tudo se comunica conosco. É uma pedra que rola, uma borboleta que voa, uma folha que cai na nossa mão...

“Amo todos os trabalhos que fiz no teatro. É um território onde não se ganha muito, financeiramente, então, as escolhas passam a ser baseadas no teor de prazer e no conhecimento que se obtém no processo de concepção, gestação e execução dos personagens aos quais me entrego”


Para que te quero?

Imagens: Banco de imagens Sxc.hu

Por Claudia Sá

comportamento

Sucesso

Antes de tê-lo, é a plenitude, o prêmio pelo qual vale lutar com todas as forças para conquistá-lo. Por ele, vale estudar muito, fazer graduação, especialização, mestrado, doutorado... Vale trabalhar sem dia nem hora para parar, perder noites de sono, engolir sapos, abrir mão de sair com os amigos, ausentar-se em eventos familiares... Tudo isso para alcançar o sonho dourado, hoje, mais conhecido como sucesso. Quando o encontram, há os que aninham perfeitamente com ele e o transformam, de fato, em felicidade. Mas, há também uma grande parcela de gente que depois que chega lá não sabe o que fazer com o tão desejado - e suado - êxito profissional, outros perdem o rumo da própria vida. Nestes casos, o triunfo é resumido a euforias ligeiras, que logo vira vazio, muitas vezes preenchido por

atitudes extremas e estilos de vida autodestrutivos. Como exemplo, é possível citar um sem-número de celebridades, como artistas e jogadores de futebol, que, vez ou outra, estão às voltas com a polícia: as norteamericanas Lindsay Lohan e Britney Spears, hoje, correm o risco de serem mais lembradas pelos escândalos do que pelo trabalho que as tornaram conhecidas mundialmente. A cantora britânica Amy Winehouse também é tão famosa pelo talento quanto pelo relacionamento estreito com as drogas. Aqui no Brasil, entre os casos mais famosos, está o do ex-goleiro do Flamengo Bruno, que teve sua carreira vitoriosa e promissora interrompida ao ser preso por suspeita de envolvimento no assassinato de sua ex-amante. Mas, o que explica esse tipo de comportamento? O que leva

11


comportamento

alguém a se tornar infeliz e desajustado ao conseguir tudo que sempre almejou? Afinal, sucesso é incompatível com felicidade? De acordo com a psicóloga Sheila Zambrini Santos, a resposta é não. “Sucesso e felicidade não se excluem. Essa exclusão implícita é resultado do ranço religioso de que devemos sofrer na terra para ser feliz no céu. Ou seja, ‘pobres aqui, ricos lá’”, diz. “Se eu for uma pessoa feliz certamente serei bem-sucedida, neste sentido o sucesso pode ser a própria felicidade”, completa.

tórias de executivos que abandonaram a carreira de sucesso para ‘viverem a vida’”, presumem os autores mais adiante. Tiro no pé

Eu tenho! Os conflitos emocionais, segundo Sheila, surgem quando passamos a confundir o que somos com o que temos. “Isto é um equívoco, pois por mais que alguém adquira bens materiais, relacionamentos, status, o vazio dentro dela vai continuar vibrando num compasso assim: falta... falta... falta...”, afirma. “Quando eu faço um movimento em direção ao que sou, posso me conectar com a fonte de onde a vida brota em mim e, então, abasteço-me dela continuamente. Quando não conheço este caminho, preciso me abastecer fora de mim”, completa. A especialista explica que existe uma tendência natural do ser humano de se apegar ao que é concreto, mesmo em detrimento próprio, o que, segundo ela, pode resultar na falsa expectativa de que a realização se faça de fora para dentro, e não o contrário. “É uma característica da espécie humana se identificar e se confundir com a forma material tanto de si, quanto de tudo o de que se apropria e, portanto, temos que ter o sucesso para dar algum sentido à vida”. Ela sustenta que não há nada de errado em buscar a prosperidade: “O problema é quando ficamos dependentes do que adquirimos na vida para preencher o vazio existencial que sentimos pela desconexão com a vida que somos”, diz. “O bom é quando deixamos a vida transbordar de dentro para fora de

12

nós, pois ela reflete em realização profissional, afetiva e pessoal”, completa. Eu faço! Na mesma medida em que muitos se esquecem de quem são, e passam a se definir pelo que têm, há também outros que, de tanto se dedicar à carreira, acabam por saber de si apenas as características e méritos profissionais. No entanto, cedo ou tarde, muitos acabam por descobrir que o “sacrifício” não vale a pena, como constatou a psicóloga e doutora em administração Betânia Tanure no livro “Executivos: sucesso e (in) felicidade”. A obra, escrita ao lado de Antonio Carvalho Neto e Juliana Andrade, é fruto de uma pesquisa com mais de mil executivos, que revelou que a maioria dos entrevistados diz ter orgulho de fazer parte de um seleto grupo de bem-sucedidos, mas, está insatisfeita com a falta de tempo para se dedicar a si mesmo e à família. Esse excesso de dedicação à carreira – que ela define como o “lado sombra” do sucesso, “quase retira das pessoas a possibilidade de investimento verdadeiro em outras dimensões da vida”, afirma um trecho. “Talvez isso explique o fato de já não serem mais incomuns as his-

Os autores também alertam que, segundo os próprios executivos, trocar a vida pessoal pela carreira também pode ser inútil e até contraproducente, comprometendo não apenas os relacionamentos, mas, pasmem: o desempenho do profissional. “Seja por filosofia, seja por pragmatismo, as empresas precisam contrabalançar sucesso com felicidade, pois a performance organizacional é impactada su-repticiamente pelo desequilíbrio dessas duas condições”, aconselham. O relato de um dos executivos, com 36 anos de idade, ouvidos pela autora, ilustra bem essa condição: “Acabei de ter um problema sério. Estava indo viajar e não consegui embarcar no voo. Me deu uma angústia, uma ansiedade incontrolável. Já senti isso dentro do avião e dentro do carro, mas naquelas ocasiões consegui me controlar. Porém, desta vez foi diferente. Travei!”. Outro entrevistado contou


O papel o sucesso O mapa para se chegar até esse “tesouro dos adultos” é vendido por muitos, por meio de livros, revistas, palestras, assessorias personalizadas entre outros meios. E são orientações válidas, certamente, senão, esse mercado não seria tão frutífero, nem renderia tanto aos que se arriscam a ensinar o caminho das pedras. Aliás, esta talvez seja uma das áreas mais seguras para se atuar - não sofre com altas e baixas da economia; não corre o risco de ficar obsoleta com os avanços da tecnologia; tampouco sai de moda. Quem não quer ser bem-sucedido? E para quem quer aprender como chegar lá, pouco importa se o método do

guru escolhido é mais ortodoxo ou mais exótico, mais moderno ou antigo – basta funcionar. Mas, o que fazer para que o que deveria ser um belo encontro não ser torne uma colisão, ou para que esse êxito profissional não se torne o “ouro de tolo”, do qual fala Raul Seixas na música de mesmo

nome? Um bom começo, segundo Sheila, é não cobrar do sucesso uma conta que não lhe cabe – a de ser fonte de felicidade. Esta, segundo a psicóloga, está dentro de cada um e não em nenhuma posse, prestígio ou outro fator externo e circunstância. O norte-americano Rick Warren, em seu livro “Uma Vida com Propósitos”, dá um conselho semelhante: “as maiores coisas da vida não são coisas. O significado é muito mais importante do que o dinheiro”, afirma em um trecho. Mais adiante, ele acrescenta: “não se conforme com uma boa vida, porque ela nunca é boa o suficiente. No fim das contas, ela não satisfaz. Você pode ter muito do que viver e, ainda assim, não ter para que viver”. O sucesso é, indiscutivelmente, muito gratificante, e tanto pode como deve, sim, ser buscado, porém, segundo muitos especialistas no assunto, é ele que tem que se adaptar ao nosso propósito de vida e não o contrário. Senão, é possível que acabemos por ficar sem uma coisa nem outra.

Livros: Sucesso e (in) felicidade - Betânia Tanure, Antonio Carvalho Neto e Juliana Andrade (Editora Elsevier). Uma Vida com Propósitos - Rick Warren (Editora Vida).

comportamento

uma passagem que ocorreu com ele quando a demanda da empresa onde trabalha estava muito alta. “Fiquei tão pirado num momento em que estávamos com uma carga de trabalho além de qualquer possibilidade humana (trabalhávamos 17, 18 horas por dia), que um dia percebi que estava fazendo contas de somar no teclado do telefone”.


artigo

Cinco formas de perder o controle da sua agenda

Por Christian Barbosa

visualizar claramente e, assim, desenhar sua estratégia para execução. Faça o que chamo de “Seção Descarrego”, tire tudo da cabeça e escreva o que deve ser feito na agenda ou computador, como for de sua preferência; • Lotar a segunda-feira - Uma segunda-feira mal planejada é a chave para estragar o restante da semana. Se você perder o controle das suas atividades no primeiro dia e não recuperar na terça-feira, dificilmente conseguirá manter o planejamento semanal. Além do quê, você pode ter o sentimento de improdutividade por não ser capaz de finalizar tudo o que pretendia;

Divulgação

• Planejar o dia - O dia não deve ser planejado, já é tarde demais para fazer isso, ele deve ser priorizado! O planejamento é antecedência, isso significa que você deve pensar nas suas atividades, no mínimo, dos próximos três dias, caso contrário será quase impossível reduzir as urgências previsíveis;

Saber a maneira correta de administrar a sua agenda é fundamental, mas entender aquilo que faz com que você perca o controle das atividades é o primeiro passo. Afinal, é preciso antes identificar o problema para depois solucioná-lo. Pensando dessa forma, para garantir que uma gestão do tempo tenha sucesso, com as tarefas separadas e cumpridas de acordo com a sua importância, torna-se necessária uma avaliação crítica dos métodos que você utiliza para se organizar. Porém, isso deve ser levado como uma forma de experimentação a fim de se saber quais são seus pontos produtivos e improdutivos. Porque gestão do tempo pessoal não tem receita a ser seguida, mas sim orientações de como encontrar o caminho para administrar melhor as atividades ao longo dos dias. Uma boa maneira de começar a mudança é descobrir quais os métodos que atrapalham a gestão. Abaixo, listo cinco deles que não levam à organização. • Não anotar suas demandas - Se você faz gestão de tempo por memória, é provável que as urgências e esquecimentos se tornem rotineiros. Isso porque é muito mais fácil e assertivo planejar algo que se consiga

14

• Trabalhar por E-mail - Quem paga seu salário não é o seu servidor de mensagens eletrônicas, logo, não trabalhe para ele. Quem define a sua rotina é você mesmo, e não as demandas que chegam pela Internet. É um grande erro ficar com o correio eletrônico aberto o tempo todo, por isso estipule alguns horários por dia para verificar a sua caixa; • Usar o calendário para anotar tarefas - Seu dia possui tarefas (tem um dia específico para serem executadas, mas não um horário pré-determinado) e compromissos (ficam na agenda e tem hora de início e término). Dessa forma, a adoção de um calendário não é uma boa alternativa. Isso porque este método não foi feito para agendar atividades ao longo do dia, muito e muito menos para realocá-las em casos de furo. Com estes cinco exemplos, reitero que os métodos errados podem arruinar uma agenda realmente eficaz. Não basta apenas focar no que uma boa gestão do tempo trará de benefícios, é importante, antes, verificar quais os meios adequados para chegar até ela e quais aqueles que devem ser evitados. Christian Barbosa é especialista em administração de tempo e produtividade, autor dos livros A Tríade do Tempo, Você, Dona do Seu Tempo, Estou em Reunião e co-autor do Mais Tempo, Mais Dinheiro. Sites: www.triadps.com.br e www.maistempo.com.br


vida saudável Banco de imagens Sxc.hu

Alimentos Por Claudia Sá

16

O que você precisa saber sobre eles


O que fazar para garantir qualidade dos alimentos

a

A nutricionista Gabriela Pimentel, do BSpace Health Center, de Vinhedo (SP), lembra que, além de escolher a comida mais saudável, é importante ficar atento a alguns cuidados, que vão da compra planejada à manipuplação e armazenamento dos produtos. A seguir, ela dá dicas que vão ajudar a manter as propriedades dos alimentos, evitar contaminação e, certamente, deixar os alimentos mais frescos, saborosos e saudáveis.

vida saudável

Na feira, melancias sem sementes, mangas sem fiapos, folhas de um verde tão impecável, que até parece pintura. No supermercado, as mesmas tentações e mais um semnúmero de produtos bem embalados, multicoloridos, que, além de bonitos, também prometem ser saborosos e saudáveis. Mas, como saber se o que se leva para casa é, de fato, a melhor escolha? De acordo com o ambientalista Fernando Neme, da consultoria Pra melhor Ambiental, para saber o que, de fato se come, é necessário investigar a origem dos alimentos, já que pela aparência, todos são idênticos. “Olhando a fruta, o legume ou verdura não é possível saber qual é o mais saudável, por isso é importante verificar a procedência do que se está comprando”, afirma. Dentre as técnicas de agricultura menos agressivas ao planeta e que trazem mais benefícios à saúde, Neme destaca a permacultural, a natural e a orgânica. “As diferenças entre elas são basicamente o trato e a interatividade com o ecossistema e o solo, além das diferenças de manejo e produtos utilizados no controle de pragas e doenças”, esclarece. Para ele, o ideal é optar por produtos certificados, pois, o selo regula formas de cultivo e manejo, além das técnicas utilizadas de produção industrial, no caso dos alimentos processados, como enlatados e congelados, entre outros. “Cada certificadora tem em seus estatutos os tipos de sementes autorizadas para plantio”, comenta.

A hora da compra – Na hora da compra, comece pelos alimentos não-perecíveis (latas, vidros etc.) e deixar por último os alimentos perecíveis (refrigerados, congelados, frutas, legumes e verduras). – Verifique se há um termômetro no freezer, indicando a temperatura, e se a temperatura de conservação indicada no rótulo do alimento está dentro da faixa encontrada no freezer. – Evite alimentos com cristais ou camadas de gelo ao redor, o que pode indicar que o alimento foi re-congelado em algum ponto compreendido entre a produção e sua exposição no supermercado. – Verifique a qualidade das embalagens. Se estiverem amassadas, estufadas, enferrujadas ou furadas não devem ser compradas. – No rótulo sempre é bom se certificar do prazo de validade do produto e procurar escolher os mais “novos”,

17


vida saudável ou seja, que possuam prazo de validade maior. – É importante ler a tabela de informação nutricional, que fornece informações sobre o valor energético e quantidade de carboidratos, proteínas, gorduras totais, gorduras saturadas, gorduras trans, fibra alimentar e sódio. – Na tabela, em relação à gordura trans vale ler a lista de ingredientes também, verificando se há a presença de gordura vegetal hidrogenada, que significa o mesmo que gordura trans. – Escolher produtos que contenham menos aditivos químicos (corantes, conservantes artificiais, realçadores de sabor, estabilizantes, etc), pois seu consumo constante não traz benefícios à saúde e pode levar ao aparecimento de alergias e intolerâncias. Manipulação e armazenamento – Os produtos perecíveis devem ser armazenados em geladeira ou freezer o mais rápido possível, já que um período longo fora da refrigeração favorece o crescimento de microorganismos. – Os ovos devem ser armazenados em geladeira a 5ºC, durante duas a quatro semanas, evitando a

18

multiplicação das bactérias. Não devem ser colocados na porta, pois a refrigeração não é adequada para esse alimento. Seu consumo deve ser totalmente cozido, pois elimina o risco de infecção pela bactéria Salmonella spp. Xô agrotóxicos! De acordo com a nutricionista, entre os alimentos com alto índice de agrotóxicos estão: pimentão, morango, uva,

cenoura, alface, tomate, mamão e laranja, sendo que os que oferecem mais riscos para a saúde são, principalmente, o pepino, pimentão, cebola, cenoura, tomate e a alface. Segundo ela, é impossível eliminar dos alimentos todos os vestígios dos venenos químicos utilizados no cultivo, pois, segundo ela, “grande parcela deles é absorvida pela planta, penetrando em suas estruturas e interior”, alerta. No entanto, ela indica cuidados para minimizar a quantidade de resíduos: – Retire as folhas externas e no caso de frutas de casca fina, descascálas. – Lave em água corrente um por um (no caso de folhosos, separe cada folha antes) e deixe de molho na água sanitária durante 15 minutos (para um litro de água filtrada, uma colher de sopa rasa de água sanitária). – Depois, lave o alimento com água filtrada. – Espere secar em peneiras ou escorredores, cobrindo com pano limpo ou papel toalha, e só depois guarde na geladeira devidamente embalados. – Para lavar os alimentos que contêm casca, utilize uma escova especial, que não as machuque.


panorama

Livros antigos Site reúne acervo de sebos de todo o Brasil

Banco de imagens Sxc.hu

Da Redação

PARA QUEM BUSCA LIVROS, SEJAM ELES antigos, raros, novos e seminovos, os sebos, que sempre foram uma opção econômica, agora, a também ficou prática. No site Estante Virtual (www.estantevirtural.com. br), é possível acessar acervos de alfarrábios de todo o Brasil e adquirir as obras escolhidas em poucos cliques. De acordo com informações da loja, lançada em outubro de 2005, com apenas 18 sebos on-line, conta hoje os mais de 1,7 mil sebos e livreiros de todo o País, englobando um acervo de cerca de 7 milhões de livros catalogados on-line. Os clientes cadastrados, que, além de comprar, podem vender os seus livros, já ultrapassam os 750 mil. Segundo pesquisa realizada pela empresa, comparando o preço dos 500 livros mais vendidos pelo portal com o valor desses mesmos livros nas principais livrarias convencionais do país, apontou uma economia

20

média na compra dos livros é de 55%. A lista, que chama a atenção por incluir vários lançamentos, em edições seminovas e mesmo novas, compradas das pontas de estoque das editoras, mostra que os acervos dos sebos hoje vão muito além das obras raras e fora de catálogo, como muita gente ainda pensa. “Nos últimos anos, os sebos se modernizaram e hoje ocupam uma lacuna deixada pelas livrarias convencionais, cada vez mais focadas na venda de bestsellers e últimos lançamentos”, argumentou o criador do portal André Garcia. E acrescenta: “Quem ainda vê os sebos como lugares onde há apenas de livros raros ou esgotados deixa de usufruir da grande diversidade de livros seminovos a um preço que em geral é a metade do preço da livraria”. A relação das 500 obras mais vendidas pode ser conferida na página principal do portal.


Divulgação

panorama

Santana Parque Shopping tem loja de adoção de cães e gatos DE LONGE, PODE PARECER APENAS UM petshop, mas, ao se aproximar, o visitante logo vê que há algo diferente na loja “Leva Eu”, situada no primeiro piso do Santana Parque Shopping (Avenida Conselheiro Moreira de Barros, 2780): trata-se de um espaço destinado à doação assistida de cães e gatos. O lugar, que comemorou um ano de funcionamento em agosto último, com desfile de cães e atividades para crianças e adultos, já deu novos lares para cerca de 600 animais. A iniciativa, segundo seus idealizadores, tem como principal objetivo estimular a adoção animais vítimas de abandono e maus tratos, além da guarda responsável. Para adotar um bichinho, basta ir até a loja, de

Da Redação

sexta-feira a domingo, com documento de identificação pessoal e comprovante de residência. O interessado passa por uma entrevista, que tem o objetivo de verificar se está disposto, de fato, a adotar. Os animais são doados já estão vacinados, castrados e vermifugados. O projeto é fruto de parceria entre o shopping e as organizações não-governamentais Clube dos ViraLatas e Natureza em Forma, que, juntos, são responsáveis por acompanhar a saúde e a adaptação dos animais em suas novas casas. Isso acontece por meio de e-mail, ligações. Outras informações podem ser obtidas pessoalmente, no local, pelo telefone (11) 2208-3002 ou no site www.santanaparqueshopping.com.br.

21


cultura s ó n e r t nee lazer ác

Teatro

Começa temporada de peças gratuitas em parques paulistanos

Apresentação do grupo Teatro Girandolá, na edição de 2009.

Da Redação

ATÉ 28 de novembro, os PAULISTANOS poderão assistir a peças teatrais, gratuitamente, em 41 parques públicos espalhados por todas as regiões da cidade. As apresentações fazem parte da segunda edição do projeto “Teatro nos Parques”, promovido pela Cooperativa Paulista de Teatro, que espera atingir cerca de 30 mil pessoas com os 96 espetáculos programados. O evento, segundo os organizadores, tem o intuito de difundir as atividades culturais, para pessoas de todas as camadas sociais. “Nosso objetivo é formar público para as artes”, disse o supervisor Ney Piacentini.

Participam da programação cerca de 200 artistas, entre atores, músicos e circenses, oriundos de grupos que já trabalham com a linguagem teatral voltada para espaços abertos ou alternativos. A agenda de espetáculos, endereço, sinopses e demais informações sobre as atividades podem ser conferidas no site: www.teatronosparques.com.br. Serviço: Teatro nos Parques Quando: de 4 de setembro a 28 de novembro. Onde: parques públicos de São Paulo Entrada gratuita.

Infantil

Divulgação

Peça trata das relações entre pessoas e bichos, no Sesc Santana Juliana Fagundes, Eliseu Paranhos e Cláudia Apóstolo em cena.

Da Redação O MUSICAL INFANTIL “HISTÓRIAS DE GENTE e de Bichos”, do dramaturgo Eliseu Paranhos, dirigido por Julio César Pompeo, após curta temporada no Sesc Interlagos, entrou em cartaz no Sesc Santana no dia 7 de novembro, e fica por mais três domingos (14 de novembro e 5 e 12 de dezembro). Para fazer a alegria das crianças estão no elenco Claudia Apóstolo, o próprio Eliseu Paranhos e Juliana Fagundes. A peça gira em torno das relações entre pessoas e seus animais de estimação e dos desdobramentos que estas relações terão em suas vidas. A utilização de vários instrumentos musicais apresenta a criança ao mundo da música de uma maneira divertida. O canto e a dança fazem parte da narrativa, de forma a estimular

22

as crianças a se interessarem pelo assunto. Com músicas e arranjos de Vinícius Davidovitch e Eliseu Paranhos o espetáculo segue com os mais variados ritmos: dos tipicamente brasileiros, como o baião e a moda de viola, aos universalmente conhecidos, como o rock, o pop e o erudito. Serviço: Histórias de Gente e de Bichos Gênero: Infantil Quando: aos domingos, de 14 de novembro a 12 de dezembro Horário: 15h30 Local: Teatro Sesc Santana Endereço: Avenida Luiz Dumont Villares, 579. Santana. São Paulo Capacidade: 345 lugares Ingressos: R$ 2,00 a R$ 8,00 Telefone para informações: (11) 2971-8700


cultura e lazer cá entre nós

Novo CD

Bruno & Marrone se apresentam em São Paulo, no Credicard Hall Da Redação OS GOIANOS BRUNO & MARRONE VOLTAM a São Paulo para três shows, nos dias 10, 11 e 12 de dezembro, no Credicard Hall. A dupla, tão conhecida do público por canções, como “Dormi Na Praça”, “Seu Polícia”, “Por Te Amar Demais”, apresenta também músicas do 17º e mais recente CD, “Sonhando”. Os ingressos já estão disponíveis e podem ser comprados pela internet (www.ticketsforfun.com.br), pelo telefone 4003-5588, na bilheteria do Credicard Hall e nos demais pontos de vendas espalhados pelo País. O novo CD foi gravado em formato acústico e de modo artesanal. Lançaram mão da tecnologia para gravar com equipamentos analógicos e captação de áudio em rolo. A idéia foi de captar todos os sons harmônicos emitidos por instrumentos e vozes, que muitas vezes se perdem na gravação em computador. São 16 faixas, dentre as quais há dois sucessos da banda nordestina “Garota Safada”, “Tentativas em vão” e “Hoje fecho o bar”, além de uma versão em

português de “No Lo Beses”, do mexicano Alejandro Fernandez, que na versão em português ganhou o nome de “Não posso evitar”. A trajetória dos amigos sertanejos, que para muitos parece recente, começou há mais de vinte anos, quando Vinícius e José Roberto, nomes de batismo, conheceram-se e foram unidos pelo sonho de seguir carreira artística. Mas, foi apenas em 2000 que o Brasil descobriu o talento da dupla, quando a canção “Dormi Na Praça”, originalmente lançada no primeiro álbum, Bruno & Marrone Vol. 1, foi regravada e caiu nas graças do público. Serviço: Show de Bruno e Marrone Quando: dias 10, 11 e 12 de dezembro Local: Credicard Hall Endereço: Avenida das Nações Unidas, 17.955. Santo Amaro Site: www.credicardhall.com.br Telefone para informações: (11) 4003-6464 Horário: sexta e sábado 22 horas; domingo 20h Duração espetáculo: aproximadamente 1h40

+ música

Arnaldo Antunes estreia “Ao Vivo Lá em Casa”, no Citibank Hall Da Redação EM CLIMA DE FESTA, ARNALDO ANTUNES faz show de estreia do projeto “Ao Vivo Lá em Casa”, no Citibank Hall, dia 21 de novembro. Os ingressos já estão disponíveis na bilheteria no Citibank Hall, pela internet (www.ticketsforfun.com.br), pelo telefone 40035588 e em pontos de vendas. No repertório, estão canções como “Invejoso”, “Envelhecer”, “Meu Coração” e “Sua Menina”, do álbum “Iê Iê Iê”; “Pra Aquietar”, de Luiz Melodia; “Vou Festejar”, de Jorge Aragão, Noeci Dias e Dida; além de “Americana” e “Consumado”. O DVD, gravado na residência do artista na comemoração de seus 50 anos, será lançado no mês de novembro. Rodeado de bons amigos, família e

convidados especiais, Arnaldo transformou seu próprio quintal em palco e deixou nas mãos de Andrucha Waddignton a direção do registro de toda essa festa. Ao seu, lado tanto no DVD como no show, a banda formada por Edgard Scandurra e Chico Salem nas guitarras, Betão Aguiar no baixo, Curumin na bateria e Marcelo Jeneci nos teclados completa o clima familiar. Serviço: Show de Arnaldo Antunes Quando: 21 de novembro Local: Citibank Hall Endereço: Av. Jamaris, 213 - Moema Site: www.citibankhall.com.br Telefone para informações: (11) 4003-6464 Horário: 20h Duração espetáculo: aproximadamente 1h30

23


crônica

Paradoxos entre a abundância e a escassez O MUNDO ESTÁ FEBRIL, CORRIDO, MALUCO. São muitas novidades, do MP3 ao MP30 foi muito depressa. Fala-se em impressora 3D para uso doméstico e de livro digital que promete interação entre leitores de um mesmo título, que têm poder de até modificar a história proposta pelo autor. Sem contar que se comunicar com desconhecidos pelas várias faces do planeta já se tornou algo totalmente banal. Os computadores se modernizam em uma velocidade quase impossível de acompanhar. Algumas empresas ao invés de comprar, locam seus aparelhos para diminuir os prejuízos causados pelos constantes avanços tecnológicos. Somos bombardeados constantemente por uma enorme quantidade de inovações, sempre com a proposta de interação entre as pessoas. Não que esses avanços tecnológicos sejam totalmente ruins, de jeito nenhum. Eles têm facilitado, em muito, a vida da gente. O problema é que ao invés de dominarmos as máquinas, são elas quem nos dominam e nos tornam parecidos com elas. O que incomoda, mesmo, é essa ânsia a qual nos acostumamos de sermos cada vez mais ligeiros em tudo, de não poder cometer o pecado de ficar sem fazer nada de vez em quando. Vivemos em meio a tantas opções, chega a ser incontrolável o desejo de desfrutar tudo o que é possível! Nossos filhos, geralmente, fazem as lições de casa, ouvindo música e com o computador ligado. Muitos pais até se orgulham com isso e acham graça, alegando que essa geração é versátil e inteligente! Devo acrescentar: além de versátil e inteligente, é imediatista, exageradamente prática, dialogam pouco, dispensam leitura extensa, não se interessam pela origem das coisas e, como tinha que ser, é impaciente e displicente. E é muito difícil se livrar desse vício de fazer tudo ao mesmo tempo. Realizamos muitas atividades simultaneamente, acreditamos que agindo dessa forma estamos produzindo coisas concretas. Não temos mais paciência para conviver

24

Arquivo pessoal

Por Zilma Caricati

com o silêncio, tão necessário de vez em quando. As pessoas falam pouco sobre o que precisa ser dito e ouvem menos ainda. O telefone toca o tempo todo, os finais de semana são intensos por causa dos eventos. Mesmo assim, muitas pessoas se sentem sozinhas e deprimidas. Precisamos tomar cuidado para não nos tornarmos superficiais. Abundância de informação pode causar escassez de conhecimento e de nós mesmos. Vamos cuidar dos nossos valores, da nossa identidade, vamos atrás da cura que existe dentro de cada um.


vida de cão

Na hora de viajar...

Arquivo pessoal

A quem confiar os nossos melhores amigos?

Por Rita de Cássia Furlan de Faria Pereira

AS FÉRIAS SE APROXIMAM, E É A MELHOR época para eleger o hotel que hospedará o pet da família. Se correr, os valores ainda são convidativos e você terá opção de parcelamento anterior à estadia, além da possibilidade de visitar vários estabelecimentos antes de fechar negócio. A preocupação com o bemestar dos peludinhos fez com que o mercado se adapte constantemente às exigências do consumidor. Cada vez mais aprimorados para receber todos os tipos de cães e gatos, as empresas inovaram o antigo conceito de “tomar conta”, e hoje existem à disposição verdadeiros hotéis “cinco estrelas”. Os animais são recebidos e tratados como celebridades. Nada mais justo, pois os preços praticados são os de hotéis de gente. Os serviços disponíveis são inúmeros, dog walker [profissional especializado em passear com vários cachorros], ofurô, esteira seca e molhada, adestramento básico, exercícios acompanhados por veterinários, box individualizados, alguns até climatizados, banhos medicinais e estéticos, massagem antiestresse, recreações, tudo na esperança de tornar a estadia o menos traumatizante para o bicho. Ainda assim, mesmo os hotéis bem estruturados, devem ser eleitos a dedo. Os animais poderão ser deixados durante todos os dias no maior abandono. Não ao ponto de lhes faltar água e ração, mas isolados e às vezes até com pouca higiene. Se resolver deixar seu pet em um hotel, visite vários, veja qual deles oferece também pronto-atendimento veterinário.

Não escolha pela aparência do proprietário, nem pela conversa do gerente. Obviamente eles só falarão bem do seu próprio negócio. Vá direto aos bastidores, converse com os profissionais menos preparados para responder em clichês todas as questões, ou seja, fale com os tratadores, com o pessoal da limpeza, eles sim é que vão cuidar de seu amiguinho. Preste atenção como estão sendo tratados os que já estão lá, observe a rotina, limpeza e forma de assepsia do local. Assim você deixará seu animal de forma responsável e segura. Ficam as dicas: - Uma empresa responsável fará a análise prévia de qualquer animal antes de sua entrada; - Fará um extenso relatório sobre as principais características, hábitos e saúde do bichinho; - Relacionará todos os pertences do hóspede; - Preparará um contrato; - Não aceitará animais com menos de três meses de idade ou muito velhos, doentes ou sem os comprovantes de todas as vacinas, e, necessariamente, aplicará nele um dos eficientes produtos contra pulgas e carrapatos. - Na saída, a empresa responsável deverá obrigatoriamente apresentar um relatório diário sobre alimentação, atividades, saúde e comportamento, além de devolver todos os pertences pessoais relacionados no contrato inicial além de solicitar ao proprietário que examine minuciosamente o animal antes de assinar a ficha de saída.

Tomando essas precauções, pode tirar suas férias sossegado, pois seu melhor amigo estará bem cuidado e por que não dizer, feliz. Rita de Cássia Furlan de Faria Pereira é especialista em comportamento de pets. E-mail: ritaconsultoriapet@gmail.com

25


Hibisco edição 4  

Revista distribuída na zona norte de São Paulo. É composta por reportagens sobre comportamento, bem-estar, lazer e cultura e cotidiano.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you