Page 72

RECURSO LITERÁRIO: REVIRAVOLTAS E REVELAÇÕES

DICA DO ESCRITOR

Por Débora Falcão

72

ce. Em outros momentos, a reviravolta pode estar no final, na conclusão da hisComo redatora-chefe da revista tória, e isso também é algo que acontece Geração Bookaholic, coordenando as bastante, como um vilão se reerguer, ou o seções de cada edição, recebo vários mocinho que estava praticamente derroartigos, colunas, resenhas de livros, tado ter uma carta na manga, ou coisas manuscritos etc, e acabo lendo todos mais complicadas. Vai da cabeça do eseles antes da publicação. Este trabalho critor. acabou por revelar um recurso literário Já as revelações são algo bem diinteressante, e outro um tanto ruim, e os ferente. A revelação é quando uma infordois acabam se confundindo um pouco. mação oculta ao leitor passa a ser conheÉ o caso das “Reviravoltas” e das cida. Esta revelação, geralmente, tem di“Revelações” numa história. cas espalhadas por todo o enredo até o Foi aí que percebi que alguns seu “momento” chegar, digamos assim. É escritores abusam em demasia de um quando o escritor dá dicas não muito cladesses recursos literários, e outros _ confundem um com o outro, e acabam por achar que estão lendo algo “legal”, ou escrevendo algo “inovador”, na verdade estão caindo num erro que se torna repetitivo e cansativo para o leitor. “Como assim?”, você deve estar se perguntando. Primeiro, precisamos saber distinguir as duas coisas.

gens, e não nos demos conta que eles estiveram durante bastante tempo na trama no local exato que procuravam. Isto é uma revelação. Claro, no livro de Dan Brown existiram outras revelações menores, que nos levaram diretamente à revelação maior que se deu nas últimas páginas. A questão é: a revelação e a reviravolta são dois recursos literários bem diferentes entre si. Uma revelação na história pode gerar uma reviravolta, uma mudança de rumo. Mas a reviravolta por si só não pode gerar uma revelação. O que me levou a escrever este ar_

REVIRAVOLTAS E REVELAÇÕES Apesar de confundirem muita gente, as duas coisas são bem diferentes. É possível identificá-las, sabendo qual é a premissa básica de cada uma. As reviravoltas aparecem num texto quando a história, que está seguindo um determinado curso, acaba se deparando com um acontecimento, ou um fato, ou um personagem, e o seu curso muda completamente, e a história passa a seguir outro rumo. Por exemplo: Em Guerra dos Tronos, a história seguia um curso. Ned Stark se torna a mão do rei Baratheon, e a vida da casa Stark segue um rumo esperado. Quando Ned Stark é assassinado, uma reviravolta acontece. A casa Stark, que era aliada do trono, passa a ser perseguida, e o destino de alguns membros dessa família são totalmente mudados, como o destino das irmãs Sansa e Arya Stark. Uma reviravolta na história não é ruim. Na verdade, é um recurso literário muito interessante a ser usado. Trata-se de algo que vai mudar as perspectivas de futuro, e vem para surpreender o leitor, que seguia uma linha de raciocínio e passa a mudar sua visão diante de um novo acontecimento. Geralmente a reviravolta faz parte do conflito da história, que gera justamente a própria história, como uma mola propulsora que guia o enredo ao seu ápice

Geração Bookaholic – Sua Revista Literária

ras do que está por vir e, em determinado momento da história, a revelação vem, e o leitor passa a se lembrar das dicas que haviam antes e percebe que não vira o que estava diante de seu nariz. Um exemplo do uso de revelação está no livro “Código da Vinci”, de Dan Brown. Em determinado momento da história, recebemos uma revelação acerca do paradeiro do túmulo de Maria Madalena. Percebemos que as evidências da história apontavam o tempo todo para aquele local, mas estávamos muito envolvidos com outras buscas dos persona___

tigo foi uma resenha que li a respeito de um livro de um autor iniciante. A resenha informava que a trama estava “cheia de reviravoltas”, e tratava esta característica como um elogio. Não sei dizer se a pessoa que fez a resenha confundiu revelações com reviravoltas, mas o que posso dizer é que uma trama cheia de reviravoltas não é uma trama bem construída. Imagine uma história cheia de umdanças de curso, de rumo. É como se, o tempo inteiro, houvesse mudanças de decisão, como se o personagem decidisse mudar seu rumo a cada capítulo, ou sofresse algo que mudasse sua vida radicalmente a cada página. Isso são reviravoltas, e uma história cheia delas não é uma história bem construída. Talvez o que a pessoa quis dizer fosse que a trama estava cheia de revelações ao longo do texto, e isso pode ser possível, afinal, se for um texto no estilo mistério e suspense, várias revelações poderão ocorrer ao longo da história. A Dica do Escritor é: evite exageros nas reviravoltas. Escolha bem as revelações durante a trama e faça um roteiro antes de começar o livro. Assim, você poderá saber, de antemão, o que revelar e onde, pontualmente; causar uma reviravolta, surpreendendo o leitor sem cansá-lo, e sem parecer um escritor amador e clichê. ■

Revista Geração Bookaholic Edição #7  

A Revista Literária mais completa do Brasil traz em sua sétima edição uma reportagem especial e entrevista exclusiva com a autora Thalita Re...

Advertisement