Page 1

w w w. r ev i s t a f o r ç a .c o m . b r ano II - nº 11 agosto/setembro de 2011 R$ 7,50

agosto de 2011 • FORÇA • 1


4 • FORÇA • agosto de 2011


agosto de 2011 • FORÇA • 5


Índice Edição 11 | Ano 2

8 | Entrevista Fernando Ferreira Costa

ESPECIAL CAPA 18 | Arena de Bilhões

Testemunha do bom basquete

Arena de bilhões PÁG. 18

PÁG. 92

22 | Editorial 23 | Rápidas

ECONOMIA

DICAS DE CONSTRUÇÃO

24 | Vai viajar? Por terra pode sermais caro 30 | A raça completa 35 | Conhecimento que vale ouro 42 | Aceita um chá?

45 | Com o que revestir?

JURÍDICO

Vai viajar? Por terra pode ser mais caro

49 | A prova testemunhal no direito do trabalho 52 | Documento eletrônico O que é isso?

PÁG. 24 MODA 54 | Textil Canatiba: Uma história de inovação e visão de futuro 56 | Branquinho básico!

5 maneiras de evitar insônia PÁG. 100

6 • FORÇA • agosto de 2011

Mundo sem fios PÁG. 80


Índice

DENIMS CANATIBA, EM HARMONIA COM O MEIO AMBIENTE

Os denims produzidos pela marca contribuem com a ecologia quanto ao sistema de produçã especialmente na etapa de acabamento, com a introdução de resinas especiais nes processo que proporcionam melhor solidez ao produto e por agregar economia para processos posteriores de beneficiamento nas peças confeccionadas em jeans.

Os processos de industrialização incluem a utilização de insumos químicos de alta qualidad que reduzem a quantidade de água, além do reaproveitamento da mesma, e reduzem també a emissão de gases (CO2), otimizando o processo e possibilitando ainda uma significati economia de energia. A redução do consumo de água e do uso de energia durante o proces de produção dos denims são considerados hoje dois dos mais importantes pilares de um indústria realmente sustentável.

ÓRIA DE INOVAÇÃO DE FUTURO

Outro fator sustentável é quanto ao acabamento dos denins Canatiba que contrib significativamente para a redução de consumo de água e de energia durante o desenvolvimen dos diversos efeitos que são elaborados nos jeans em lavanderia industrial, multiplicando diferenciais de sustentabilidade dos produtos Canatiba.

Sete passos para lidar com o filho pré-adolescente

DO ÇÃO TENDER

PÁG. 71

são os Denims TURISMO uintes linhas de 64 | Paraíso a poucos KMS de casa s com elastano ajuste perfeitos XFIT, denim com PEDAGOGIA extremo conforto 70 | Onde está nosso bem estar? EMIUM, denims 71 | Sete passos para lidar com o filho pré-adolescente o; OREGON SLIM de e densidade e NFORT, linha de SOCIAL composição que toque macio.73 Os| 25ª Festa do Peão de Americana 79 | Oswaldo Bachin Junior ser encontrados e PREMIUM;. REVISTA FORÇA INDICA versas ações de 76 | Dica para seu programa mo participação etor, campanhas diferenciais de TECNOLOGIA xclusivo no qual 80 | Mundo sem fios s dos principais ências da moda, GASTRONOMIA tos de denim.

Textil Canatiba: Uma PÁG. 54 história de inovação e AÇÃO SOCIAL No âmbito social, a Textil Canatiba apoia visão de futuro o projeto “Planeta Água, Mata Atlântica e Paisagens: um bem para todos”, realizado em parceria com o Ministério da Educação e ESPORTE Cultura, no qual a empresa fornece subsídio 85 | Mundo no prato fi nanceiro para o transporte de alunos desalto do hipismo 94 | O 90 | Alimentação saudável escolas municipais até as tendas, onde fora de casa profissionais do Projeto apresentam peças de teatro e oficinas. HISTÓRIA DE MINHA VIDA 92 | Testemunha do bom basquete

#FICA A DICA 96 | Adenite Equina (Garrotilho)

SAÚDE 100 | 5 maneiras de evitar insônia 103 | Contra o bulliyng

ORAÇÕES 106 | Dia 16 de julho comemora-se Orações o dia de Nossa Senhora do Carmo

junho de 2011 • FORÇA • 7


Entrevista FERNANDO FERREIRA COSTA UM REITOR VISIONÁRIO A internacionalização passa a ser prioridade absoluta entre as universidades que buscam a excelência

O

médico Fernando Ferreira Costa tomou posse como reitor da Unicamp para o período

2009-2013 em cerimônia realizada no dia 17 de abril de 2009, no Centro de Convenções da Universidade. Antes de ser eleito reitor, ele já havia ocupado os cargos de coordenador geral da universidade e pró-reitor de Pesquisa da Unicamp. Costa graduou-se pela Faculdade de Medicina da USP em Ribeirão Preto (1974), onde, após fazer residência médica, mestrado (1979) e doutorado (1981), atuou como docente de 1985 a 1989. Entre 1987 e 1989 cumpriu estágio de pós-doutorado na Yale School of Medicine, Yale University, EUA. Em 1990 ingressou na Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp (FCM), no Departamento de Clínica Médica, onde em 1996 foi aprovado em concurso público para professor titular em Hematologia e Hemoterapia. Foi diretor da FCM no período de 1994-1998. Tem cerca de 200 trabalhos publicados em periódicos de circulação internacional e recebeu vários prêmios pela produção científica, entre os quais se destaca o prêmio de Mérito Científico e Tecnológico do Governo

8 • FORÇA • agosto de 2011


Entrevista do Estado de São Paulo, em 2000, e o Prêmio Scopus, em 2006, concedido aos profissionais que têm se destacado pela elevada produção científica. É membro da Academia Brasileira de Ciências (ABC) e pesquisador I-A do CNPq desde 1990. relações de consumo no País. O senhor acaba de completar dois

Desde os anos 1970, a universidade tem contribuído para o desenvolvimento social e econômico do Brasil,

anos à frente da Unicamp. Quais

sua preferência. O programa criou 120 novas vagas de graduação destinadas aos melhores alunos das 96 escolas públicas de ensino médio de Campinas. O objetivo foi oferecer a esses jovens uma formação sólida e abrangente. Trata-se de um programa piloto e, conforme os resultados que apresentar, o número de vagas do ProFIS poderá ser ampliado nos próximos anos. Além de testar uma

as principais realizações alcança-

nova forma de ingresso na universi-

das nesse período?

anualmente em revistas indexadas na

dade pública de qualidade, o ProFIS

R. O biênio foi marcado por diver-

base de dados ISI/WoS (Information

visa oferecer aos estudantes uma vi-

sas realizações em todos os setores

Sciences Institute), dos Estados Uni-

são geral do conhecimento universi-

da vida acadêmica. Na graduação, o

dos, que monitora dez mil revistas

tário, antes de eles se decidirem por

número de alunos matriculados su-

internacionais

uma carreira específica. A primeira

biu de 15.360 em 2009 para 16.059

2010, esse desempenho correspondeu

turma ingressou já em 2011.

em 2010. Houve ainda avanços sig-

a 8% da produção nacional. Nesse

No que diz respeito à produção

nificativos, com destaque para a im-

contexto, a Unicamp ocupou posições

científica, como a Unicamp se insere

plantação do Programa de Formação

de destaque em diferentes avaliações

atualmente no contexto nacional?

Interdisciplinar Superior (ProFIS),

internacionais, colocando-se entre as

R. A pesquisa e a inovação sempre fo-

curso que criou 120 novas vagas e

principais universidades brasileiras e

ram muito importantes na Unicamp.

uma nova forma de acesso à univer-

da América Latina.

Desde os anos 1970, a universidade

sidade para alunos das escolas públi-

especializadas.

Em

Poderia detalhar um pouco mais so-

tem contribuído para o desenvolvi-

cas de ensino médio de Campinas. Na

bre o ProFIS?

pós-graduação, praticamente metade

R. Desde o início o ProFIS desper-

fornecendo tecnologia que tem sido

dos cursos apresenta nível de excelên-

tou interesse público por dois aspec-

fundamental para o desenvolvimen-

cia internacional, segundo Avaliação

tos inovadores no meio acadêmico:

to de campos como a telefonia digi-

Trienal 2010 da Capes (Coordena-

possibilitar aos melhores alunos das

tal, fibra óptica e suas aplicações nas

ção de Aperfeiçoamento de Pessoal

escolas públicas de ensino médio em

comunicações e na medicina, farma-

de Nível Superior), o que garantiu à

Campinas, preservando os critérios

cêuticos, químicos, lasers, processos

Unicamp a maior proporção de exce-

de mérito, a chance de ingressar numa

de engenharia e controle biológico

lência entre todas as universidades do

universidade pública de excelência e

de pragas. Atualmente, a pesquisa na

Brasil. A Unicamp também manteve

oferecer a estes estudantes um cur-

Unicamp está estruturada em torno

a liderança entre as universidades

so multidisciplinar, com duração de

de aproximadamente 700 grupos de

brasileiras no que diz respeito ao nú-

dois anos, após o qual poderão optar

pesquisa, envolvendo a participação

mero de artigos per capita publicados

pela formação específica na área de

direta de cerca de dois mil pesquisa-

mento social e econômico do Brasil,

agosto de 2011 • FORÇA • 9


Entrevista FERNANDO FERREIRA COSTA dores, do quais 89% com titulação

duação. A qualidade do ensino ofere-

cas alcançaram um montante de R$

mínima de doutor, responsáveis pelo

cido pela Unicamp está intimamente

106 milhões. Os recursos provieram

desenvolvimento

aproximada-

relacionada com a proximidade entre

de fontes orçamentárias, do tesou-

mente cinco mil projetos de pesqui-

ensino e pesquisa. Cerca de 96% do

ro do Estado e de fontes extra-orça-

sa e que atuam em todas as áreas do

corpo docente têm um doutorado, e

mentárias diversas, como FINEP,

conhecimento. Nos últimos anos, a

90% trabalham em regime de dedi-

empresas, Ministérios e Secretárias

Unicamp vem mantendo a liderança

cação exclusiva. Os professores que

de Estado. Foram intensificados, so-

entre as universidades brasileiras no

ministram as aulas são os mesmos

bretudo os investimentos na gradua-

que diz respeito ao número de artigos

que, em seus laboratórios, desenvol-

ção. Somente em manutenção geral, a

per capita publicados anualmente em

vem a pesquisa que tornou a Unicamp

Universidade destinou R$ 5 milhões,

revistas indexadas na base de dados

conhecida e respeitada. A atitude de

sem contar as grandes obras, que têm

ISI/WoS. Em 2010, esse desempenho

descoberta e pesquisa é parte inte-

dotações próprias. No final de 2010,

correspondeu a 8% da produção na-

grante da educação da universidade.

por exemplo, a universidade lançou

cional.

Os próprios alunos de graduação são

edital de chamada interna, no valor

Em sua opinião, qual o principal

frequentemente envolvidos em pro-

de R$ 4 milhões, para projetos rela-

motivo dessa liderança?

jetos de pesquisa e, portanto, bem

cionados à qualificação e melhoria

R. Certamente isso se deve à quali-

preparados por ela para terem uma

dos ambientes de ensino. Os recursos

dade de nós pesquisadores, professo-

atitude crítica.

estão sendo aplicados pelas unidades

res estudantes. Também é importan-

Contam também com infraestrutu-

de ensino na aquisição de equipa-

te destacar o desempenho da nossa

ra de ensino e pesquisa adequada?

mentos, mobiliários e informática. O

pós-graduação, que concentra 48%

R. Certamente.

Nos últimos dois

restante foi usado para a compra de

de nossos alunos. Unicamp apresen-

anos, os investimentos em obras físi-

equipamentos de laboratório, multi-

de

ta 126 cursos nesse segmento, dos

mídia e sistemas de climatização e

quais 66 de mestrado e 60 de dou-

segurança, entre outros. Além dos

torado, correspondendo a 3% dos

R$ 5 milhões destinados à infraes-

cursos do País e a 7% das teses de doutorado produzidas no Brasil. A Universidade se destaca no cenário nacional por sua elevada excelência nos programas de pós-graduação. Praticamente metade dos cursos da Unicamp (46,8%) apresenta nível de excelência internacional: conceitos 6 e 7 na Avaliação Trienal 20072009 da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). Outro fator de destaque é a inserção dos estudantes nas atividades de pesquisa desde a gra10 • FORÇA • agosto de 2011

A Unicamp também já liberou recursos para novos projetos que atenderão às atividades de ensino e pesquisa

trutura, outros R$ 20 milhões foram liberados para a valorização dos espaços no ensino de graduação. Nesse contexto, incluem-se as reformas das salas de aula do Ciclo Básico II e das salas de aula do Instituto de Estudos da Linguagem (IEL), além da criação de um novo espaço para o Serviço de Apoio ao Estudante (SAE). Brevemente também será iniciada a construção de uma nova sede para o Centro de Ensino de Línguas (CEL) e instalado um elevador no Ciclo Básico II.

Jun-


Entrevista tamente com as obras no campus de

dos mais concorridos do vestibular.

plará espaços para acervo, exposi-

Campinas, foram alocados perto de

O projeto inicial, que previa investi-

ções temporárias, área técnica, área

R$ 30 milhões para o novo campus de

mentos da ordem de R$ 1,1 milhão,

administrativa, auditório, café e área

Limeira, que abriga a Faculdade de

foi ampliado e recebeu um aporte ex-

para exposições acadêmicas. Isso re-

Ciências Aplicadas (FCA), incluindo

tra no valor de R$ 1,5 milhão. O pré-

presentará em torno de 2.800 m² de

três grandes construções: o prédio de

dio terá aproximadamente 1.100 m²

área construída. A segunda, que será

ensino 2, com anfiteatros para rece-

de área construída. O início das obras

executada logo que for possível, terá

ber turmas de 120 alunos; o refeitório

está previsto para o segundo semestre

perto de 4 mil m² e contará com no-

universitário; e a conclusão do prédio

de 2011. Também está prevista a re-

vos auditórios e um espaço para ex-

de laboratórios. Toda a infraestrutu-

forma e ampliação do Departamento

posição permanente.

ra viária, galerias de águas pluviais

de Artes Plásticas, obra orçada em R$

Ao contrário dos países desenvolvi-

e instalações elétricas e hidráulicas,

1,1 milhão. A Unicamp também já or-

dos, o Brasil incluiu tardiamente a

exigirão investimentos de R$ 11 mi-

ganizou as bases para a fundação do

questão da inovação tecnológica em

cola. A expectativa é de que o prédio,

seu Museu de Artes Visuais (MAV).

sua política de Estado. Como a Uni-

que terá 5.700 m² de área construída

O projeto arquitetônico já está pron-

camp tem respondido a esta nova

e capacidade para 350 lugares, seja

to e a licitação para as obras físicas

postura?

entregue até o final da atual gestão.

em pleno andamento, prevendo-se o

R.

Já estão empenhados para o projeto

início da construção para o segundo

consolidou posição de destaque no

R$ 5,7 milhões. Outra obra relevante

semestre e a sua conclusão no prazo

ambiente nacional de inovação. En-

será a construção de um prédio pró-

de um ano. O projeto prevê duas fases

tre 2009 e 2010, foi responsável por

prio para o curso de Midialogia, um

de construção. A primeira contem-

103 pedidos de patentes nacionais,

lhões. Além dessas, há outras obras previstas? R. A Unicamp também já liberou recursos para novos projetos que atenderão às atividades de ensino e pesquisa. Já está licitada, por exemplo, a obra que requalificará a Praça do Ciclo Básico e os seus arredores, resgatando a sua importância como local de integração sociocultural do campus de Barão Geraldo. A intervenção será ampla e custará aproximadamente R$ 4,5 milhões. O local também contará com estrutura para receber pequenos espetáculos culturais. Entre as obras previstas, um dos destaques é a construção do Teatro-Es-

Nos últimos anos, a Unicamp

agosto de 2011 • FORÇA • 11


Entrevista FERNANDO FERREIRA COSTA uma média de 50 pedidos ao ano, que

gias com depósito internacional em

entrada para as demandas tecnológi-

a levou ao número de 600 patentes

cinco anos. Esses resultados come-

cas e de serviços do empresariado e

vigentes em dezembro de 2010. No

çaram a surgir com maior destaque

do setor público, com ênfase para as

mesmo período, a universidade foi

a partir da criação da Agência de

chamadas parcerias estratégicas. O

responsável por 16 pedidos via PCT

Inovação da Unicamp (Inova), em

objetivo é estabelecer redes de coo-

(Tratado de Cooperação em Matéria

2003.

Primeira do gênero no País,

peração com a sociedade, capazes de

de Patentes), totalizando 46 tecnolo-

a Inova nasceu para ser uma porta de

incrementar as atividades de ensino e pesquisa no interior da universidade, além de estimular e orientar o registro de patentes por pesquisadores da Unicamp, ampliando assim a liderança da universidade nessa área. Nesse contexto, a Inova vem obtendo resultados expressivos. Em que áreas a Inova mais se destaca? R. Entre as atividades de destaque que a Agência realiza, está a transferência de tecnologias, realizada principalmente por meio de contratos de licenciamentos estabelecidos com empresas em diversos setores, tais como: farmacêuticas; empresas de petróleo, gás e energia; biocombustíveis; automobilísticas e autopeças; além de diversos projetos com o setor público. Nos anos de 2009 e 2010, a Agência manteve sua liderança nacional na transferência de tecnologias desenvolvidas na universidade, com 11 licenciamentos celebrados que envolvem know how, programas de computador e patentes, totalizando 43 contratos de licenciamentos ativos em dezembro de 2010. A Unicamp tem destacado a importância da internacionalização. Por que o senhor elegeu a internaciona-

12 • FORÇA • agosto de 2011


Entrevista lização da Unicamp uma das prio-

por acaso, as universidades de maior

Américas Latina e do Norte, da Euro-

ridades de sua gestão?

prestígio no mundo, como Harvard

pa e da Ásia.

R. É cada vez mais evidente que o

e Cambridge, apresentam elevado

Quais as principais ações adotadas

progresso de qualquer país depende

grau de internacionalização. A Uni-

pela Unicamp para ampliar o seu

diretamente da existência de uni-

camp está entre as três melhores uni-

grau de internacionalização?

versidades de excelência capazes de

versidades da América Latina e por

R. Em julho 2009 instituimos um

formar líderes e realizar pesquisa na

isso já é, de maneira geral, bastante

Grupo de Trabalho para incrementar

fronteira do conhecimento. No Bra-

conhecida e respeitada no exterior.

a internacionalização da universida-

sil, a Unicamp é uma das universi-

Mas, para que a Unicamp se torne

de (GTI), composto por representan-

dades com condições de equiparar-se

de fato uma universidade, de classe

tes das pró-reitorias de Graduação

às melhores instituições estrangeiras

mundial, comparável às melhores do

de ensino e pesquisa. Entre as várias

mundo, é preciso que o conhecimento

prioridades de uma universidade de

gerado em algumas de suas unidades

excelência de classe mundial,

de ensino e pesquisa tenha maior re-

inclui-se o investimento em interna-

percussão fora do Brasil. Além disso,

cionalização. Universidades em todos

a Universidade precisa enviar mais

os países, como China, Cingapura,

professores e alunos para outros paí-

Japão, Estados Unidos e Europa,

ses e receber um número maior de es-

também estão fazendo isso. Quanto

trangeiros interessados em trabalhar

melhores e mais internacionalizadas

ou estudar aqui. Pelo menos 70% dos

forem as universidades de um país,

quase 2 mil professores da Unicamp já

mais bem preparado ele estará para

tiveram algum tipo de experiência no

sobressair no mundo globalizado em

exterior. Muitos cursaram doutorado

que vivemos hoje.

fora, outros fizeram pós-doutorado,

Quais são as principais caracterís-

no entanto, essa porcentagem ainda

ticas de uma universidade inter-

pode aumentar. No que diz respeito

nacionalizada e o que falta para a

ao intercâmbio de estudantes, que-

Unicamp alcançar essa posição?

remos que 30% dos nossos alunos de

R. As universidades com elevado grau

graduação e 10% dos de pós-gradua-

de internacionalização são aquelas

ção passem no mínimo seis meses em

que mantêm intenso intercâmbio de

alguma instituição estrangeira antes

(PRG), Pós-Graduação (PRPG) e

alunos e professores com instituições

de concluírem seus cursos. Também

Pesquisa (PRP), bem como da Coor-

estrangeiras, professores brasileiros

queremos ter as mesmas porcenta-

denadoria de Relações Institucionais

e estrangeiros, além de numerosas e

gens de estrangeiros entre nossos alu-

e Internacionais (Cori). Após um

produtivas cooperações de pesquisa.

nos de graduação e pós-graduação. É

mapeamento das principais dificul-

São universidades nas quais a diver-

por isso que estamos tentando – de

dades, o GTI apresentou um plano

sidade cultural é muito grande e as

maneira muito agressiva – estabele-

de metas e ações para o período de

ideias circulam com facilidade. Não

cer convênios com universidades das

2010 a 2012, incluindo os seguintes

A Unicamp está entre as três melhores universidades da América Latina e por isso já é, de maneira geral, bastante conhecida e respeitada no exterior.

agosto de 2011 • FORÇA • 13


Entrevista FERNANDO FERREIRA COSTA itens: ampliação da visibilidade in-

universidades e agências de diversas

começamos a discutir a inclusão da

ternacional da universidade; criação

partes do mundo é outro ponto que

Unicamp nesse grupo e um acordo

de um International Office, a partir

merece destaque. Em 2010, consegui-

de cooperação com a Universidade

da expansão e adequação da Cori,

mos concretizar vários acordos com

do Arizona Também é importante

dimensionado e preparado para o de-

universidades, como, por exemplo, a

ressaltar o fortalecimento da partici-

vido suporte às atividades de interna-

Rice University, nos Estados Unidos,

pação da Unicamp no programa Eras-

cionalização; melhoria das condições

e a Feïe University, na Alemanha. Vá-

mus Mundos, da Comissão Europeia,

e busca e criação de novas oportuni-

rios outros convênios tiveram origem

e em entidades internacionais como a

dades para mobilidade e intercâmbio

em visitas de estrangeiros à Unicamp,

Associação de Universidades Grupo

internacional de alunos e pro-

Montevidéu (AUGM) e a Asso-

fessores/pesquisadores; maior

ciação Universitária Ibero-ame-

participação destes em redes,

ricana de Pós-graduação (AUIP),

consórcios e convênios internacionais; e uma maior internacionalização dos programas de pós-graduação. Que balanço o senhor faz deste primeiro ano de implantação do plano? R. Houve progressos consideráveis nesse período. Desde setembro, quem navega pelo Portal da Unicamp encontra informações detalhadas sobre a Universidade em inglês e espanhol. Embora pareça uma

Além disso, trazer pesquisadores de fora permitirá incrementar o intercâmbio acadêmico com instituições de pesquisa no exterior.

cuja primeira reunião no Brasil ocorreu em novembro na Sala do Conselho Universitário (Consu). Nesse mesmo mês, realizamos na Unicamp um fórum sobre internacionalização e excelência universitária e um simpósio sobre o Processo de Bolonha, ambos com a participação de renomados convidados estrangeiros. Isso mostra que o tema internacionalização vem sendo amplamente discutido dentro do campus. Outra conquista signifi-

coisa simples, a divulgação de

cativa foi o resultado da última

informações em idiomas dife-

avaliação da pós-graduação con-

rentes do português é essencial

duzida pela Capes. Nossa meta

para dar mais visibilidade no exterior

como a do cônsul-geral da França em

era aumentar a proporção de cursos

a uma universidade brasileira que de-

São Paulo, Sylvain Itté, e a do diretor-

de pós-graduação da Unicamp con-

seja atrair estudantes e professores de

-geral da Escola Superior de Eletrici-

siderados de nível internacional – ou

outros países. Além disso, os procedi-

dade [Supélec, na sigla em francês],

seja, avaliados com conceito 6 ou 7

mentos burocráticos para alunos es-

Alain Bravo. Mais recentemente, a

– de 37% para 50% do total até 2013,

trangeiros cursarem disciplinas foram

partir da visita do diretor-executivo

mas em 2010 já chegamos a 46%. Há

simplificados. O esforço que estamos

do Consórcio para a Colaboração no

ainda o Programa Professor Visitan-

fazendo para estabelecer intercâmbio

Ensino Superior da América do Nor-

te, por meio do qual professores do

real de estudantes e professores com

te (Conahec), Francisco Marmolejo,

exterior altamente qualificados po-

14 • FORÇA • agosto de 2011


Entrevista dem passar até dois anos na Unicamp

frente de grupos de pós-graduandos;

Gabriel Porto (Cepre), o Centro de

exercendo atividades de ensino e pes-

e o segmento sênior, formado por

Investigação em Pediatria (Ciped) e a

quisa.

acadêmicos com reputação de des-

Como funciona esse programa?

taque em suas áreas de atuação, por

área de atendimento da Faculdade de

R. Um dos objetivos é melhorar o

suas publicações e dedicação à acade-

conceito de cursos de pós-graduação

mia. Até maio de 2011, seis pesquisa-

da universidade que ainda não obti-

dores haviam sido selecionados pelo

veram os conceitos 6 e 7 na avaliação

programa. Eles poderão ficar um ou

trienal realizada pela Capes, um dos

dois anos na Unicamp. Se a unidade

caba, Rio Claro e Mogi Guaçu. Estas

requisitos para que a instituição seja

mantiver o interesse pelo professor

unidades formam um dos maiores

considerada de nível internacional.

após esse período, deverá abrir con-

complexos hospitalares do Brasil, co-

Além disso, trazer pesquisadores de

curso na área de pesquisa do docente,

fora permitirá incrementar o inter-

para dar a ele – e a outros que se in-

brindo uma área de 90 municípios e

câmbio acadêmico com instituições

teressem – a oportunidade de se fixar

de pesquisa no exterior. Para viabili-

na universidade.

zar o programa, um grupo de traba-

A Unicamp também é referência na

lho coordenado pela PRP publicou,

área de saúde. Que papel a univer-

de outubro de 2009 a abril de 2010,

sidade desempenha atualmente no

disponibilizaram em média 830 leitos

cinco anúncios de oportunidades de

contexto regional e nacional?

que propiciaram, realizaram aproxi-

emprego na Unicamp em revistas de

R. O exemplo mais visível da inte-

madamente 70 mil internações, cer-

grande importância e circulação no

ração da Unicamp com a sociedade

ca de 1,1 milhão de consultas, 62 mil

meio científico, como Nature e Scien-

é sem dúvida a área hospitalar, refe-

ce. Como resultado, entre outubro de

rência para o sistema público de saú-

cirurgias, 9,5 mil partos, 6 milhões

2009 e outubro de 2010, foram rece-

de da região e não raro o único ponto

bidos 235 currículos. Numa segunda

de apoio da população que não dis-

etapa, foram publicados de janeiro a

põe de convênios médicos ou de fácil

abril de 2011 outros dois anúcios nas

acesso a outros serviços. Esse papel

revistas Nature e Science, o que re-

a Unicamp tem cumprido exemplar-

cas da Unicamp conquistar em 2010 o

sultou no recebimento de mais 172

mente através de suas duas unidades

prêmio “Destaque em Transplantes”,

currículos. Nas duas fases, o recruta-

no campus de Campinas – o Hospital

como uma das unidades recordistas

mento foi direcionado a profissionais

de Clínicas e o Hospital da Mulher

com perfis específicos: pesquisadores

Professor Doutor José Aristodemo

do interior em números de transplan-

com título de doutor adquirido recen-

Pinotti (Caism), do Hospital Esta-

temente e que possam atuar como

dual de Sumaré (HES) e das demais

pós-docs; jovens pesquisadores com

unidades de pesquisa e serviços em

pós-doutorado que já possuem uma

saúde: o Gastrocentro, o Hemocen-

linha própria de pesquisa e já publi-

tro, o Centro de Estudos e Pesquisas

caram, orientaram alunos e atuaram à

em Reabilitação Professor Doutor

Odontologia de Piracicaba (FOP). Acrescente-se a esse complexo os Ambulatórios Médicos de Especialidades (AMEs) em Limeira, Piraci-

uma população superior a cinco milhões de habitantes, inclusive de outros estados. Nos últimos dois anos, as unidades de saúde da universidade

de exames laboratoriais e quase 500 transplantes de córnea, medula óssea, rim e fígado. O desempenho nessa área propiciou ao Hospital de Clini-

tes e captações de rins e fígados. O Caism, por sua vez, voltou a estar entre três entre os melhores hospitais-maternidade públicos do Estado de São Paulo na avaliação dos usuários do Sistema Único de Saúde. agosto de 2011 • FORÇA • 15


16 • FORÇA • agosto de 2011


agosto de 2011 • FORÇA • 17


Especial > Capa

ARENA DE BILHÕES O mercado bilionário das festas de peão

G

osta de festa do peão? Todos os anos é presença garantida, nem que seja por um dia, em uma dos milhares de eventos do gênero espalhados por todo o país? Então saiba que você é um dos fragmentos de um mercado de sucesso. Um mercado bi-li-o-ná-rio! As estatísticas sobre esse gênero de festa no país ainda são poucas, mas já revelam números expressivos. Ou vai negar que atrair, anualmente, 30 milhões de pessoas é pouco? Por todo o Brasil, as festa de peão atraem mais público do que a população de muitos países da América do Sul. Esse número é duas vezes maior do que a população do Chile e três vezes maior do que a população de Cuba e Bolívia, por exemplo. Os números impressionam. Mas, nem sempre esse tipo de evento foi tão grande assim. Uma breve volta ao tempo explica como festa

18 • FORÇA • agosto de 2011


do peão virou um ótimo atrativo de diversão e dinheiro. Tudo começou em 1955, na cidade de Barretos. Um grupo de amigos fundou o clube “Os Independentes”. Um grupo de rapazes solteiros e auto-suficientes, como era a regra, ligados a agropecuária local, teve a idéia de promover festas inspiradas na lida das fazendas, com o objetivo de arrecadar fundos para as entidades assistenciais da região. Em 1956, em uma arena de circo alugada, centenas de pessoas acompanharam uma competição de doma do gado e uma série de gincanas e apresentações musicais. O evento durou dois dias. Ali nascia a Festa do Peão de Barretos. Pioneira, a festa de Barretos foi a primeira do gênero em toda a América Latina. Já na primeira festa, a principal atração foi o rodeio. Ninguém poderia imaginar que a partir daquele ano a história dos peões de boiadeiro mudaria para sempre, e que o destino de Barretos seria o de se tornar a capital do rodeio brasileiro. Tudo que ali era realizado servia como modelo para outras cidades que também começavam a promover suas festas. Tanto é verdade que na década de 60 o número de eventos ligados ao rodeio no Brasil havia crescido muito, principalmente no estado de São Paulo. Muitos peões acabaram se transformado em competidores e corriam de uma festa para outra atrás dos prêmios. Mas era em Barretos que todos tentavam a “sorte grande”. A cada ano a Festa de Barretos crescia. Em 1960, já era conhecida em todo o país. E hoje é conhecida mundialmente. Já são 55 anos de história. Com atrações culturais, gastronômicas, shows e baladas, ela arrasta a cada temporada cerca de 800 mil turistas para a cidade e seus arredores. Barretos é, sem duvida, o fragmento mais importante na história de sucesso das festas do peão do país. Mas, a simples festa embaixo da lona de circo ganhou ares de

superprodução, virou negócio e tomou proporções gigantescas. Assim como o público é grande, a proporção que a festa tomou em todo o território nacional faz jus a sua história. Já são mais de 1500 cidades com festa de peão. “Muitos municípios vêem no rodeio sua tábua de salvação. No mês do evento, há um aumento grande da receita com a ampliação do comércio, turismo, postos de gasolina, tudo”, afirma Tiago Romero, diretor de marketing da CNAR (Confederação Nacional de Rodeio). Ao menos duas cidades da RMC (Região Metropolitana de Campinas) fizeram escola com Barretos e figuram entre as principais festas do peão do país. De acordo com a eleição anual da CNAR, o troféu” Arena de Ouro” – que elege os melhores profissionais do ano no mundo do rodeio –, em 2011 Jaguariúna foi eleita como o melhor rodeio do país, com 28 votos, seguida por Americana, com 17.

Na prática, as duas cidades mostraram porque merecem o título. Na edição deste ano, Jaguariúna contou com a montaria Iron Cowboy, mata-mata entre os peões com prêmio de 100 mil reais. Já, Americana além de ter sediado uma das etapas do circuito nacional da PBR (Associação Profissional de Montaria em Touros), arrebatou um público de 316 mil pessoas, em sua edição comemorativa de 25 anos. (Incluir quadro sobre festa de Santa Bárbara próximo dessa parte do texto). Qual seria o segredo de tanto sucesso? O quem manteve, e mantém, o sucesso das festas de peão é o rodeio. Bastante comuns nos Estados Unidos, México, Canadá e Austrália, os rodeios são um espetáculo na arena que atrai olhares em todo o mundo. Aqui no Brasil o surgimento do rodeio, é claro, está totalmente ligado à Barretos. Antigamente, não existia caminhões para transportar o gado que precisava ser transportado de um estado para outro. A

agosto de 2011 • FORÇA • 19


Especial > Capa boiada ia a passos lentos. Os peões acompanhavam os bois em cima dos cavalos. Demoravam dias e, até mesmo, semanas. Estes homens não tinham qualquer tipo de diversão. Por este motivo, inventaram um desafio: quem conseguisse ficar mais tempo sobre os animais selvagens ganhava a disputa. Como tudo no universo country tomou grandes proporções, com os peões de rodeio não foi diferente. A montaria virou profissão regulamentada e os prêmios chegaram à casa dos milhões de reais. São oito (eternos) segundos em cima do touro para faturar boladas. Fácil assim? Longe disso! Ganhar R$1 milhão em oito segundos não é para qualquer peão que disputa o circuito da PBR, por exemplo - o maior campeonato de montaria em touro do mundo. Quem conta com propriedade de causa é o peão aposentado Adriano Morais, tricampeão mundial (1994, 2001, 2006) de montaria em touros. “São oito segundos eternos. É preciso muita técnica. Parece rápido, mas segurar as rédeas ali requer muito treinamento e sorte. Tem peões que saem do brete e já caem”, conta em entrevista. Com sorte e muita técnica, é possível ficar milionário em oito segundo. Adriano Moraes, por exemplo, é o terceiro cowboy que mais acumulou riquezas até hoje na PBR. Com mais de 3 milhões de dólares (cerca de R$ 6 milhões), ele é o primeiro brasileiro na lista, seguido por Guilherme Marchi. Os brasileiros estão em alta no Brasil e no exterior. Os primeiros oito eventos deste ano tiveram sete diferentes vencedores. Entre eles estão dois brasileiros. A temporada de abertura em Nova Iorque sagrou Valdiron de Oliveira como vencedor. Guilherme Marchi é o único montador que venceu mais de uma competição. Ele foi campeão em Portland e St. Louis. É para ver o rodeio que as Festa de Peão atrai um público seleto e já tradicional. Mas, uma um novo público vem toman20 • FORÇA • agosto de 2011

Guilherme Marchi, campeão em Portland e St. Louis.

do conta da arena: os jovens. Sim, eles também são fragmentos do sucesso das festas de peão e, acredite, contribuem com uma grande parcela. A razão para a constante presença de jovens nos recinto não é o rodeio. São os shows. Com tanto crescimento, de algum tempo para cá as festa do peão adquiriram outras características. Incorporaram música sertaneja e outros estilos, que em nada tem a ver com rodeio, para arrebatar outra parcela da população. Hoje, Festa do Peão e grandes shows formam a receita do sucesso. Quer um exemplo? Até meados de 2007, o sertanejo era um estilo musical rejeitado pelos jovens. “Brega” era a definição comum, e até a dupla Sandy & Júnior, que se consagrou cantando “Maria Chiquinha”, já havia deixado as raízes para trás e adotado uma roupagem mais pop. Mas cantores como Victor & Léo, Jorge & Mateus, e Luan Santana trouxeram cara nova à música sertaneja e se tornaram fenômenos da indústria musical brasileira. Luan e Jorge & Mateus, por exemplo, fo-

ram os responsáveis pela quebra de recorde de público da Festa do Peão de Americana em 2010 e 2011, respectivamente, com mais de 55 mil pessoas presentes. O boom do sertanejo universitário movimentou também a festa típica do interior de alguns estados do Brasil, e levou para a balada dos jovens um universo que antes só pertencia às novelas. A estudante Gabriela Dias, de 21 anos, já morou em Americana. Mudou-se para Osasco, mas não perdeu o espírito da cidade. E Gabriela retorna todos os anos para curtir o rodeio. “A gente vem todo ano. Também vamos ao de Jaguariúna e de Barretos. O sertanejo é de lei, rodeio mesmo eu não curto”, conta. Por falar em Jaguariúna, No primeiro final de semana, a edição de 2011 reuniu cerca de cem mil pessoas, e muitas saíram de São Paulo para curtir a festa. E o que dizer, então, dos artistas? São eles também um fragmento importantíssimo desse sucesso bilionário. É inegável que grandes shows atraem grandes públicos. E para isso, vale apostar até em outros gêneros, como rock, pagode e em atrações internacionais, como Mariah Carey em Barretos, em 2010. Somados todos esses fragmentos: o começo das festas de peão em Barretos, o rodeio, o público e as atrações, temos um mercado que movimenta por ano três bilhões de reais, segundo dados da CNAR. Números que facilmente serão superados nos próximos anos. Por um lugar ao sol Próxima de Jaguariúna e conurbada com Americana, a cidade de Santa Bárbara d’Oeste começa a dar os primeiros passos para integrar o seleto cenário das melhores festas


Especial > Capa

do peão do país. Empenho para tal feito não falta. De 17 a 21 de agosto, a região terá suas atenções voltadas para a cidade barbarense. Estarão aqui as principais atrações da Festa do Peão de Barretos. Um bom começo para quem também quer fazer escola. Passarão pelo recinto da 3ª Expo Rodeio Ricardo & João Fernando (17 – entrada 1kg de alimento não perecível), João Carreiro & Capataz (18), Maria Cecília & Rodolfo (19), Léo Magalhães (20) e Eduardo Costa (21). “Esse ano estamos dando continuidade ao projeto da Expo Rodeio, estamos na terceira edição e o nosso objetivo é crescer”, conta Claudinei Santos, um dos organizadores. Mas, não é somente a grade de shows que aparenta imponência. A estrutura que vai abrigar a Expo Rodeio é digna de super produção. Ao todo serão mais de 60 mil m², com ampla praça de alimentação, arquibancadas e camarotes (para 10 pessoas) cobertos, estacionamento para quatro mil carros com segurança, montarias, bailão e DJs todas as noites. Tudo o que as melhores festas do país têm. Além da locução oficial de Gilberto Chicote. O local também foi pensado estrategicamente. O recinto será às margens da Avenida Santa Bárbara, atrás da sede Administrativa do Corpo de Bombeiros. “O local também foi pensado de forma estratégica. Estamos no coração da cidade. Local de fácil acesso. Tanto para o Centro, para a Zona Leste, quanto para quem vem de outra cidade, já que é perto da SP-304”, explica Santos. Mais informações da 3ª Expo Rodeio de Santa Bárbara d’Oeste pode ser obtida através do e-mail exporodeiosbo@hotmail.com e no 19 9317-9600. agosto de 2011 • FORÇA • 21


Editorial www.revistaforça.com.br

COLABORADRES

REVISORES

INFORMAÇÕES

Dr. Luiz Alberto Lazinho

Jéssica Carvalho Nilzamara Sartori de Oliveira Sérgio Luis Margato MTB 50.946 Vera Lucia Argente Prando

www.revistaforça.com.br Sugestões / Críticas / Elogios

Dr. Marco Antonio Pizzolato Dr. Reinaldo César Spaziani CONSELHO EDITORIAL

Dr. Luis Fernando Matsuo Maeda

Luís José Sartori Maurício Borte

Gabriela Alves Corrêa Sartori

EDITOR

Ângela Carrascosa Storolli

Osmídio Antônio Buck de Godoy

Luís José Sartori

Para assinar ligue: (19) 3026.6365

Michele Trevisan RESPONSÁVEL PELO PROJETO

DIRETOR ADMINISTRATIVO

JORNALISTA

Maurício Borte

Juliana Leone - MTB 26449/RJ

DIRETOR DE REDAÇÃO

DESIGN GRÁFICO E EDITORAÇÃO

Luís José Sartori

REPORTAGENS

revista@revistaforca.com.br

Thiago Sallati

Força Contábil Ltda Cnpj 09.414.196/0001-35 COMERICAL

revista@revistaforca.com.br 19 3026.6365 • Ramal 213

Nos dias de hoje e de alguns anos atrás, verdadeiros empreendedores sacaram uma nova tendência mercadológica, que era unir entretenimento moderno com o estilo caipira de festas tradicionais em propriedades rurais, que aconteciam de maneira voltada apenas para diversão. Anos depois, além de diversão, as festas de peões eram consideradas verdadeiras provas para desafiar o medo dos participantes frente ao risco das provas de montaria em touros e cavalos. Como todo esporte, as festas de peões se tornaram paixões de muitos, e as oportunidades começam a aparecer de forma frenética, ou seja, onde se aglomeram pessoas, surgem necessidades de consumo, nem que sejam supérfluas. Nesta edição, trazemos uma cobertura sobre o mundo do rodeio, visto em uma ótica tradicionalista e também de oportunidade em negócios rentáveis para investidores. A partir deste mês incluímos também a nova editoria de Turismo, que levará a você leitor uma apresentação dos atrativos de laser que possuímos em nossa região e seus arredores. A novidade no eixo de economia que havíamos prometido fica por conta de uma nova linguagem destinada aos empresários que é a Educação Corporativa. É através dela que se inicia um processo de retenção de talentos nas organizações, e é por ela, que os conglomerados têm investidos milhões de reais no desenvolvimento de pessoas. O corporativismo visto aos olhos dos colaboradores é demais importante na construção de bases sólidas para a gestão de pessoas nas organizações. Boa leitura e fiquem com Deus. Luís José Sartori Diretor Editorial 22 • FORÇA • agosto de 2011


Rápidas FOTO DIVULGAÇÃO

Acho que isso é um avanço, um processo de evolução. PRESIDENTE DILMA ROUSSEFF, pede para base votar a favor de fim do sigilo de documentos no Senado

Sei que não sou amado há muito tempo. FOTO DIVULGAÇÃO

Minto que sou uma atriz pornô.

ARIANNY CELESTE, conversando com seus seguidores no Twitter, ela afirmou que nem sempre é reconhecida, e quando isso acontece não perde a chance de dar boas risadas

Morre Amy Winehouse aos 27 anos. AMY, foi encontrada morta em sua residência e deixa uma legião de fãs inconsolados

FOTO DIVULGAÇÃO

FOTO DIVULGAÇÃO

CHICO BUARQUE, que se apresentou em um estúdio montado em sua casa, com transmissão via internet.

agosto de 2011 • FORÇA • 23


Economia

VAI VIAJAR? POR TERRA PODE SER MAIS CARO Em muitas regiões, viajar de avião é mais barato do que de carro

V

ai viajar? Antes de levar o carro para a revisão faça as contas de quanto vai gastar com pedágio e combustível e compare com o preço de uma passagem aérea. Em alguns casos, a viagem é mais barata

24 • FORÇA • agosto de 2011

por ar do que por terra. O preço mais acessível das passagens aéreas e o aumento no preço dos pedágios e do combustível no estado levam cada vez mais pessoas a optarem por viajar de avião, do que de carro e ônibus. Quem comparou o custo e optou pelo

avião garante que, além de economia de dinheiro, outro benefício vem da economia no tempo de viagem entre o ponto de partida e o destino. Atualmente, o estado tem 239 pontos de pedagiamento em 98 cidades. Tomando como ponto de partida a Capital,


Economia

em diferentes comparações ligando ao norte, à região central do estado e ao sul de Minas, os pedágios tornam o custo da viagem de avião mais vantajoso. Depois de comparar os gastos com uma viagem até Ribeirão Preto, distante 316 quilômetros da Capital, o administrador de empresas Enrico Guimarães optou pelo avião. “É mais cômodo e mais rápido. Às vezes não é mais barato, mas vale mais a pena. Para Ribeirão, por exemplo, eu gastaria cinco horas de caro, sendo que de avião fui em 54 minutos”, conta o administrador, acostumado com viagens pelo estado. As vantagens que Enrico teve ao viajar de avião não se refletem apenas na

economia de tempo. Elas se refletem em números. Em sua última viagem para Ribeirão Preto, o valor pago pela passagem aérea, segundo Enrico, foi de R$ 108. Se a viagem fosse feita de carro, o administrador teria gasto R$ 43,35 em oito praças de pedágio e pelo menos mais R$ 43 de combustível, caso abastecesse com álcool. Se o veículo fosse movido à gasolina, o custo do combustível seria de R$ 57. Na comparação, o custo total da viagem de carro ficaria próximo de R$ 100 e cinco horas de estrada; R$ 8 a menos do que a passagem aérea. Não é só de São Paulo a Ribeirão Preto que a melhor opção é a aviação. Se você está em Campinas e tem como destino Uberaba, vá de avião! De acordo com o site Mapeia.com, especializado em calculo de viagens, por terra o percurso de 391 quilômetros custaria R$ 115, enquanto que a passagem aérea custa R$ 89 até a cidade mineira. Percorrer o trecho leva uma hora e meia de avião ou cinco de carro – que custaria R$ 26,70 a mais. “Eu prefiro pagar um pouco mais, mas ter conforto e eliminar boas horas de viagem” garante a agente de turismo Beatriz Senegale. Outros levantamentos apontam vantagens na escolha de pacotes aéreos. De São Paulo a Presidente Prudente, por exemplo, a passagem aérea sai por R$ junho de 2011 • FORÇA • 25


Economia 99. De automóvel, o valor ficaria em R$ 138. O gasto com combustível fica próximo de R$ 73, se for álcool, e o de pedágios em R$ 65. Além de mais barato, o vôo dura perto de uma hora e 30 minutos, ante sete horas de viagem de carro. Para ir da capital paulista a Bauru (330 quilômetros) também é mais econômico o avião. A passagem aérea mais barata pode ser encontrada por R$ 65, contra R$ 88,33 de gasto com automóvel. Quase a metade, R$ 44,20, fica nos pedágios. O passageiro demora 58 minutos de avião e por volta de quatro horas de carro. No valor das passagens aéreas não

26 • FORÇA • agosto de 2011

estão incluídas as taxas de embarque cobradas pela Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero). As taxas variam de acordo com os serviços oferecidos no local de embarque. Em aeroportos classificados pela Infraero como categoria 3, como o de Bauru e de Presidente Prudente, a taxa é de R$ 13,44. Em São José do Rio Preto, Campinas, Ribeirão Preto e Uberaba, cujos aeroportos são categoria 2, a tarifa fica em R$ 16,23, e nos aeroportos de São Paulo, categoria 1, em R$ 20,66. POR TERRA É A ÚNICA OPÇÃO Se a única opção de viagem é por ter-

ra, o jeito é pagar pelo novo reajuste nos pedágios. Os pedágios cobrados nas rodovias concedidas do estado de São Paulo estão até 9,77% mais caros desde julho. O reajuste anual foi aprovado pela Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo). Esse percentual foi aplicado às tarifas cobradas nas rodovias cujos contratos de concessão foram assinados entre 1998 e 2000. Para as rodovias cujas concessões foram efetivadas entre junho de 2010 e maio de 2011, o percentual de reajuste é menor, de 6,55%. P “Os pedágios estão muito caros, é um absurdo. E olha que as estradas


Economia

não têm tanta manutenção assim”, reclama o professor de usinagem Adriano Santos, que diariamente se desloca de Santa Bárbara d’Oeste até a cidade de Valinhos. “Mas, não tem outra opção. Tem que pagar”, pondera.

agosto dede 2011 • F•ORÇA agosto 2011 FORÇA• 27 • 27


Economia SE VOCÊ VAI VIAJAR POR TERRA, SAIBA COMO FICA O PREÇO DOS PEDÁGIOS PAULISTAS COM O REAJUSTE: NOVOS VALORES DOS PEDÁGIOS DAS RODOVIAS PAULITAS CONCEDIDAS RODOVIA

PRAÇAS PEDÁGIO

LOCAL

PREÇO

Via Anhanguera

Perus

025+495

R$ 7,00

Via Anhanguera

Valinhos

082+000

R$ 6,90

Via Anhanguera

Valinhos

081+000

R$ 6,90

Via Anhanguera

Nova Odessa

118+000

R$ 6,20

Via Anhanguera

Limeira

152+000

R$ 4,70

Via Anhanguera

Campo Limpo

039+047

R$ 7,00

Via Anhanguera

Caieiras

036+200

R$ 7,00

Via Anhanguera

Itupeva

077+430

R$ 6,90

Via Anhanguera

Sumaré

115+520

R$ 6,20

Via Anhanguera

Limeira

159+550

R$ 4,70

Via Anhanguera

Osasco

018+000

R$ 3,20

Via Anhanguera

Barueri

020+000

R$ 3,20

Via Anhanguera

Riacho Grande

031+116

R$ 20,10

Via Anhanguera

Piratininga

032+381

R$ 20,10

Via Anhanguera

Itaquaquecetuba

032+900

R$ 2,60

Via Anhanguera

Guararema

057+800

R$ 2,40

Via Anhanguera

São José dos Campos

092+500

R$ 2,40

Via Anhanguera

Caçapava

114+000

R$ 1,90

Fonte: Artesp/ Para consultar outras tarifaz, acesse: www.artesp.sp.gov.br/download/artesp_tarifaz_ pedagios_ julho_2011.pdf

28 • FORÇA • agosto de 2011


agosto de 2011 • FORÇA • 29


Economia

A RAÇA COMPLETA Conheça o Red Angus e o que faz dele a carne de elite mais procurada pelos melhores paladares

Guilherme Barreto

U

m boi de pelagem avermelhada, sem chifres e de pequeno porte está chamando a atenção dos pecuaristas brasileiros pela excelência em sua criação, desenvolvimento e corte. Trata-se do Red Angus, uma espécie da raça escocesa Aberdeen que chegou ao 30 • FORÇA • agosto de 2011

Brasil no início do século passado, mas só agora desbrava as fronteiras do país. Além das habilidades morfológicas de desenvolvimento dos bezerros, como precocidade e rusticidade, as fêmeas têm uma habilidade materna elevada, os machos uma fertilidade comprovadamente superior, sem falar no marmoreio da carne, grande diferencial que faz com que especialistas a consi-

derem como a mais nobre do mundo. “Marmoreio é o depósito de gordura entremeado nas fibras musculares, que, em contato com o calor, derrete e dá a maciez e a suculência inquestionáveis”, explica Tito Rubens Mondadori, zootecnista, técnico da Associação Brasileira de Angus e responsável pela Extensão e Fomento do Núcleo Paulista de Criadores de Angus na cidade paulista


Economia

de Promissão, distante cerca de 300 kilômetros de Campinas. A raça surgiu em meados do século XIX nos condados de Aberdeen e Angus, na Escócia, vindo para a América por volta de 1880. O Brasil recebeu as primeiras cabeças já no século XX, trazidas da Argentina por criadores gaúchos. Foi a partir de 1976, por meio da inseminação artificial e da inserção da tecnologia na agropecuária, que o boato de que os bons churrascos só podiam ser feitos no sul do país começou a ser refutado e a raça veio para o sudeste. Hoje o Brasil conta com 24 mil cabeças registradas, 450 estabelecimentos rurais que criam gado Angus registrado e 37 leilões chancelados para venda da raça, segundo dados da ABA (Associação Brasileira de Angus). 80% do

plantel da raça ainda está concentrada no sul do país (principalmente no Rio Grande do Sul), mas já se veem criadores paulistas e mineiros com força no mercado, como é o caso de Eloy Tuffi. Ele é dono da Fazenda MC, propriedade bicentenária de 957 hectares (ou cerca de 10 milhões de metros quadrados) desde 2001, quando resolveu sair da cidade grande e expandir seus negócios no interior paulista. Foi em Espírito Santo do Pinhal, a 90 kilometros de Campinas, que o empresário aliou a vontade de viver a tranquilidade do interior com a possibilidade de retorno financeiro por meio do investimento em agronegócio. Amante de carnes nobres, passou a pesquisar o que havia de melhor no mercado e encontrou na raça Angus a opção ideal para seus objeti-

vos. “Para isso fui buscar animais nas melhores cabanhas do Brasil, também comprei sêmen dos melhores reprodutores do mundo, coletados dos principais campeões brasileiros, argentinos, canadenses e americanos e contratei um especialista em transferência de embrião, barriga de aluguel”, conta Tuffi. Hoje a criação do pecuarista é a melhor do país, segundo ranking definido em junho pela Feicorte 2011 (Feira Internacional da Cadeia Produtiva de Carne). A Fazenda MC conta com 700 cabeças de Red Angus, sendo 400 matrizes puras (fêmeas usadas no melhoramento genético com sêmen de uma outra raça de elite, como os zebuínos ou os Nelore). A ideia é fazer com que as características intrínsecas à raça não sejam perdiagosto de 2011 • FORÇA • 31


Economia das com o tempo e com a procura pelo atendimento à demanda comercial da carne, ainda pouco conhecida no país, mas em compensação o produto de corte número um em exportação para os Estados Unidos, segundo o pecuarista Paulo de Castro Marques, presidente da ABA. “O conjunto de suas particularidades a torna completa: fertilidade e longevidade, precocidade, rusticidade, facilidade de parto e habilidade materna. Tudo, atendendo às exigências do mercado moderno: animais com idade jovem e que tenham camada de gordura suficiente”, afirmou por meio da assessoria de imprensa. Além das características que distinguem o Angus de qualquer outra raça, sua capacidade de adaptação ao ambiente é muito grande. Natural de clima temperado, os gados chegaram aos trópicos e impuseram sua presença sem grandes dificuldades. Mesmo aqui no sudeste, região que possui uma temperatura mais elevada, as criações de Angus se desenvolvem com a mesma habilidade e necessitam apenas de alguns cuidados específicos. “Para o bom desenvolvimento de uma criação no sudeste devem-se adotar algumas formas de manejo referente ao controle de ectoparasitas (carrapatos e piolhos), nutrição, utilizando-se pastos com bons índices nutricionais e sombra suficiente para abrigar os animais nas horas mais quentes do dia”, resume Mondadori. O bem estar animal é outra preocupação dos criadores de Angus no Brasil. Fábio Henrique Garcia Costa, veterinário responsável pela genética dos gados na Fazenda MC há seis anos, defende a criação cuidadosa dos animais para que eles cresçam confortáveis. “O animal deve ser criado com o menor estresse possível. Se você não pensar no bem estar deles, eles não chegam no 32 • FORÇA • agosto de 2011

limite do peso e consequentemente na produtividade esperada”, aponta Costa, em observância ao fato de que o crescimento (e o abate) do Angus é precoce (enquanto um Nelore é abatido com três anos, um Angus já está pronto aos 16 meses). A inserção da raça no rebanho nacional, portanto, ocorre em escala superior ao de outros gados, uma vez que o perído de criação é menor e a fertilidade dos animais é maior. MERCADO A raça Angus é uma das mais valorizadas do mercado, tornando-se investimento com retorno praticamente garantido a qualquer um dos segmentos de mercado que se invista: a pecuária ou o melhoramento genético. Os selecionadores, como são chamados os criado-

res que buscam o lucro na reprodutibilidade da raça, participam de exposições levando seus animais para julgamento em busca de comercialização de sêmen, por exemplo, prática que faz com que o Angus ocupe a segunda colocação no ranking nacional de venda de sêmen com cerca de 2 milhões de doses vendidas em 2010 e um crescimento de 192% no mercado de inseminação nos últimos três anos, segundo dados da ABA. Já os pecuaristas utilizam a genética para criar animais que serão comercializados para os frigoríficos. Além da qualidade da carcaça (apenas 45% dos restos mortais são descartados, um dos menores índices do mercado, segundo Costa), é possível conseguir, por meio da tecnologia, até 15 prenhezes no prazo de um a dois anos. “É como multiplicar o capital investido por 15. Nenhuma outra aplicação gera tamanha rentabilidade”, conclui Tuffi. Para investir na raça, no entanto, o interessado precisa de um bom capital inicial. Cada cabeça de fêmea matriz custa em média 7 mil reais, além das despesas com a criação. Para facilitar o negócio de futuros empresários, firmar parcerias financeiras e ainda expandir o rebanho da raça no pais, Eloy Tuffi resolveu “alugar” a Fazenda MC e todo o aparato técnico para a criação de gado de terceiros por meio de um serviço de hospedagem. “Mediante uma taxa


Economia

mensal, a Fazenda MC fornece alimentação, vacinas, manejo e reprodução, pois o animal pode ser prenhado, coletado (embriões e FIV – fecundação in vitro) e participar de exposições e leilões”, explica o empresário. Além da criação de gado, há 3 anos Tuffi resolveu tornar acessível ao paladar do brasileiro o sabor inigualável do Angus e montou uma rede de restaurantes, que inclusive possui uma unidade no bairro Cambuí, em Campinas. “Quero mostrar que o Brasil não é só o maior, mas também o melhor produtor de carne do mundo. Tem uma demanda reprimida que precisa ser trabalhada”, aconselha o empresário. Além de iniciativas privadas, como a de Tuffi, a Associação Brasileira de Angus considera como as principais ferramentas utilizadas para difundir a raça pelo país “as parcerias firmadas com grandes fazendas de produção e de venda de genética por meio dos programas “Fomento Angus” e “Carne Angus Certificada” que, desde 2003, incluem também acordos com importantes indústrias de alimentos e redes de varejo para beneficiamento e venda da carne ao consumidor final”, afirma Marques. Mesmo com todas as ações implementadas, a participação da raça no rebanho nacional ainda é tímida. “Hoje não há muita expansão. Falta crescimento”, alerta Costa. Para Tuffi, “é preciso mais criadores da raça e mais divulgação em outros estados além das regiões Sul e Sudeste”, completa. agosto de 2011 • FORÇA • 33


34 • FORÇA • agosto de 2011


Economia

CONHECIMENTO QUE VALE OURO Saiba como a informação e a disciplina podem levar você a administrar suas finanças e a ganhar muito dinheiro.

Tempo é dinheiro”. Esta má-

nanceiro a fim de diagnosticar como

do Valle é um deles. Ele é sócio da

xima, famosa na corrida pela

está a saúde das finanças pessoais.

X4 Invest, uma corretora e assesso-

audiência

vira

Após detectar todas as possibilida-

ria financeira em Campinas, e presta

prioridade quando o afetado

des, é hora de pensar em aplicar os

auxílio para vários tipos de clientes,

é o bolso do cidadão. A sensação de

excedentes e transformar os sonhos

desde universitários que estão come-

olhar para trás e perceber o quanto

de hoje em realidade no futuro.

çando a ganhar dinheiro e precisam

deixou de ganhar é tão ruim ou pior

Se o problema for o complicado

de um rumo para suas aplicações até

do que ver o salário evaporado antes

“economês”, o mercado está reple-

clientes que necessitam de um em-

do fim do mês. Para isso, o primeiro

to de profissionais aptos para ajudar

purrãozinho para consertar rombos

investimento para quem quer econo-

os necessitados a sanarem todas as

na carteira. Para ele, a principal dica

mizar e ainda fazer um “pézinho de

dúvidas sobre investimentos e finan-

para quem precisa de ajuda financeira

meia” é realizar um planejamento fi-

ças. O economista Fernando César

é o conhecimento. “A gente procu-

televisiva,

ra saber de tudo na vida, menos na agosto de 2011 • FORÇA • 35


36 • FORÇA • agosto de 2011


agosto de 2011 • FORÇA • 37


Economia parte de finanças”. O motivo? “Tudo

mento é aquele que permite você dor-

baixa volatilidade. Os produtos reco-

que a gente não conhece a gente tem

mir tranquilo”, segundo o portal de

mendados são os de renda fixa, como

medo”, afirma Valle.

educação financeira Como Investir.

os Títulos Privados e os Fundos de In-

O medo generalizado do povo brasi-

Para tanto, deve ser levado em conta

vestimento, com alta taxa de liquidez,

leiro em se tratando de dinheiro vem

o perfil e os objetivos de cada aplica-

ou seja, a disponibilidade de transfor-

se dissipando nos últimos anos pela

dor, como idade, tolerância ao risco

mar o lucro em dinheiro vivo em um

estabilidade econômica e a confiança

(ou seja, quanto você está disposto

prazo menor. Os Títulos Privados são

no governo. Segundo a ANBIMA –

a perder), metas de rentabilidade,

aqueles emitidos por instituições fi-

Associação Brasileira das Entidades

prazos para o retorno financeiro. A

nanceiras, como bancos e corretoras,

dos Mercados Financeiro e de Ca-

partir daí, de preferência com a aju-

visando a captação de recursos com

pitais, a estabilização do mercado e

da de um profissional, são estabele-

rendimentos e prazos

o aumento da concorrência entre as

cidos os melhores produtos para que

pré-determinados. Os mais vantajo-

instituições financeiras diversifica-

as necessidades daquele cliente sejam

sos para um retorno a curto prazo, se-

ram as opções e incentivaram a apli-

atendidas. Valle atenta para os peri-

gundo Valle, são o CDB (Certificado

cação em vários tipos de investimen-

gos de administrar o patrimônio sem

de Depósito Bancário) e o LCI (Letra

tos. O mito de que só investe quem é

conhecimento e sem a assessoria de

de Crédito Imobiliário). O CDB é uma

rico e tem dinheiro sobrando é cada

especialistas. “É sempre bom, no co-

espécie de empréstimo para o banco,

vez mais desmentido pelo farto rol de

meço pelo menos, fazer (a aplicação

com o acordo de devolução corrigida

possibilidades lucrativas que o mer-

financeira) com a assessoria de um

a uma taxa de juros determinada no

cado atual de investimentos oferece.

profissional. O que acontece muitas

momento da aplicação inicial. A ren-

Para a tristeza dos aspirantes a in-

vezes é a compra de uma ação pela

tabilidade gira em torno dos 12% ao

vestidores, a resposta mágica para a

aposta de um amigo que achava que

ano, sem o recolhimento do Imposto

pergunta “Onde investir para ganhar

ela iria subir e ela cai muito”, adverte.

de Renda, que faz com que o lucro

mais

sem correr grande risco?”

Mas afinal, onde devo investir o meu

caia para a faixa dos 9 a 10%. O LCI

não existe. “O melhor

dinheiro? Para responder essa per-

consiste num título de crédito priva-

investi-

gunta, o economista Fernando do

do que utiliza o dinheiro aplicado em

Valle dá algumas dicas para as varia-

financiamentos imobiliários. Ele é

das necessidades dos investido-

mais vantajoso por ser isento do IRPF

res:

e render a taxa líquida de aproximadamente 10,7% ao ano (segundo da-

38 • FORÇA • agosto de 2011

Curto Prazo (até 10

dos dos últimos 12 meses), oferecen-

meses):

do uma rentabilidade até 70% maior

Os clientes mais con-

que uma poupança, por exemplo. Já a

servadores geralmen-

aplicação em Fundos de Renda Fixa

te procuram a preser-

consiste na compra de uma cota de

vação do patrimônio

um grupo de investidores organizado

por meio de um in-

sob a forma de pessoa jurídica, como

vestimento sólido e de

um condomínio. A gestão e a admi-


nistração faz a negociação de títulos e ações a partir de uma meta de retorno financeiro. Dependendo do fundo e do comprometimento da gestão, a rentabilidade dos cotistas pode chegar a até 13% ao ano. Além desta vantagem, a aplicação em Fundos de Renda Fixa se torna a melhor opção para um retorno a curto prazo com menor risco pelo fato de ser muito mais difícil todo um grupo de investidores quebrar do que apenas uma instituição (no caso da aplicação em CDB ou LCI). Médio Prazo (de 10 meses a 3 anos): Clientes moderados são aqueles que buscam atingir resultados acima da média e têm estrutura para assumir algum risco. A dica do assessor financeiro para este tipo de investimento é a aplicação em Fundos Imobiliários, uma novidade que vem aquecendo o mercado de investimentos e enchendo o bolso de vários cotistas. A proposta é simples: você compra uma cota de um empreendimento de capital aberto, seja um complexo comercial ou um shopping center, e passa a ser dono

agosto de 2011 • FORÇA • 39


Economia de parte do negócio, “recebendo, todo

rentabilidade do imóvel é zero).

mês, em sua conta da corretora, um

tureiro dos arrojados. É o produto financeiro de renda variável de maior

aluguel referente aos aluguéis pagos

Longo Prazo (mais de 3 anos):

lucratividade, esta diretamente pro-

pelos inquilinos do empreendimen-

A categoria mais ousada de investi-

porcional ao risco de perda. Comprar

to”, explica Valle. Segundo dados da

dores se encontra nos dois produtos

uma ação de uma empresa significa

BM&F Bovespa, a média de valoriza-

que oferecem as maiores lucrativida-

possuir um pedaço dela, recebendo,

ção das cotas dos fundos imobiliários

des e os maiores riscos: a Carteira de

em troca, os dividendos pela sua valo-

nos últimos 12 meses é de 19,77% ao

Ações e os Títulos Públicos. Investem

rização. É importante conhecer a em-

ano, com uma rentabilidade média de

neles quem quer ter retornos muito

presa, confiar na valorização de suas

13,22%. O total de rendimentos em

expressivos e suporta riscos elevados,

ações e ter um pouco de sangue frio.

fundos imobiliários nos últimos 12

como acontece em aplicações em

Os Títulos Públicos são a aposta para

meses é de, portanto, quase 33% ao

áreas de especulação do mercado. É

quem quer se arriscar na Renda Fixa

ano. A aplicação financeira em fun-

necessário ter em mente que perdas

a longo prazo. Com um rendimento

dos imobiliários oferece um lucro lí-

no presente podem gerar uma va-

fixo de 12,5% ao ano nos últimos 12

quido final cerca de 64% maior que a

lorização no futuro, pois é grande a

meses, segundo dados da BM&F Bo-

compra de imóveis, além da despreo-

vulnerabilidade do mercado de ações.

vespa, consiste na compra de títulos

cupação com a inadimplência de in-

Sua oscilação, ao mesmo tempo em

do Tesouro Nacional com a finalidade

quilinos, infraestrutura e períodos de

que assusta os investidores mais con-

de captar recursos para financiamen-

“entresafra” de inquilinos (em que a

servadores, alimenta o ímpeto aven-

to da dívida pública e de atividades

40 • FORÇA • agosto de 2011


Economia do governo, como educação, saúde

* Investidores conservadores:

pessoalmente, diga que leu a Revista

e infraestrutura. “Risco menor que

60% de aplicações conservadoras

Força e ganhe uma assessoria finan-

esse não tem”, aponta Valle, que com-

30% de aplicações moderadas

ceira gratuita.

10% de aplicações arrojadas

X4 Invest - afiliada a

* Investidores moderados:

XP Investimentos

40% de aplicações conservadoras

R Coronel Quirino, 542 -Cambui

30% de aplicações moderadas

campinas@xpi.com.br

pleta: “Até o Brasil quebrar, todos os bancos já quebraram”. A importância da diversificação:

19 3045 3700 Diagnóstico de sucesso O pediatra e nefrologista de 45 anos Fernando Angeloni Pedron não sabia nada sobre o mercado financeiro até dois meses atrás, quando adquiriu, por meio de um site de compras coletivas, um curso de iniciação ao mercado de ações. A partir daí, com a ajuda de uma consultoria especializada, passou a investir seu patrimônio em diversos produtos que “salvaram minha situação”, como ele afirma. Em menos de 60 dias, ele já aumentou em 7% a aplicação inicial no mercado de ações, fundos imobiliários e no mercado futuro. Parece que o investimento na assessoria

A divisão das aplicações em ativos conservadores e arrojados pode ser

30 % de aplicações arrojadas

especializada valeu muito a pena.

a melhor solução para um investi-

* Investidores arrojados:

“Eles me ensinaram a ter calma, pa-

20% de aplicações conservadoras

ciência, disciplina e aprender a inter-

30% de aplicações moderadas

pretar gráficos e entender o mundo

50% de aplicações arrojadas

financeiro. Não sei se vai demorar 5,

mento que suporte prováveis perdas de um lado por meio de ganhos em outro. A diluição de riscos pode ser a saída ideal para a oscilação do mercado. Fernando do Valle, de acordo

10 ou 15 anos para eu ter tempo de

com os variados perfis de investi-

Quer aprender a administrar suas

administrar meus bens sozinho, mas

dores, aponta como receita para as

finanças?

enquanto for preciso, vou contar com

aplicações o mix ao lado:

Ligue para a X4 Invest ou compareça

o conhecimento da assessoria”. agosto de 2011 • FORÇA • 41


Economia

ACEITA UM CHÁ? Os três passos para você fazer a diferença

Conhecimento Habilidade Atitude

V

ivemos num tempo

com

de constantes mu-

a

danças, onde, esta-

pacidade de

mos cada vez mais

uma pessoa realizar

ca-

expostos as pressões, as exigências

algo como desempenho notável.

da vida moderna. E, em algum mo-

Um retireiro(profissional que faz

mento nesta trajetória, podemos

a ordenha) que diariamente tira o

ter a sensação de que não há saída.

leite, é um bom exemplo. O bom

Então vem a pergunta: E agora? O

retireiro torna-se competente no

que faço? Será que existe uma saí-

ofício, através da experiência prá-

da?

Quem já não se viu numa si-

tica. Ele não precisa de formação

tuação de dúvida? Onde a solução

acadêmica para ter um desem-

pareceu estar distante da capaci-

penho notável. Portanto, compe-

dade de entendimento e resolução?

tência é um conjunto de atitudes

É nessa hora que muitas pessoas

inerentes ao indivíduo, que geram

começam a questionar os valores

valor a ele próprio e ao ambiente ao

e crenças que norteiam suas vidas,

qual pertence. Voltando ao exem-

chegam a duvidar da sua própria

plo do retireiro, o mesmo só terá

competência. A propósito, é im-

desempenho notável se contribuir

portante refletir sobre a palavra

de maneira eficaz no processo da

competência! Competência é di-

ordenha, realizando seu trabalho

ferente de formação acadêmica;

com excelência. Isto certamente

competência tem relação direta

culminará num resultado final sa-

42 • FORÇA • agosto de 2011

tisfatório

em

todo o processo. Contudo, para alcançar desempenho notável, qualquer pessoa tem que - e esta é uma condição - “querer”. Perceba que o querer está atrelado, necessariamente, à motivação. Ou seja, a pessoa tem que ter um motivo que a faça agir. Daí a palavra motivação – ter um MOTIVO para a AÇ ÃO. Ação vem do verbo agir, lembra movimento. E movimentar-se só é possível, de maneira consciente, através de uma decisão pessoal que se dá com atitude. Logo, atitude é também uma ação consciente e que traz consigo um motivo que leva o indivíduo a agir. Simples não é? Só depende do querer! Lembra do


Economia CHÁ que mencionei no começo do

nhecimento adquirido, a resposta é

diretamente ligada à motivação.

texto? Então, é um acróstico que

qualquer coisa próxima de: “Ainda

reúne os três passos para qualquer

não estou trabalhando, não me sin-

Habilidade, por sua vez, está re-

pessoa fazer a diferença.Perceba

to preparada” Ou então: “Só encon-

que a palavra atitude é a última, na

tro vagas muito à quem do meu co-

disposição do acróstico, portanto

nhecimento e com baixo salário”.

pode ser lembrada como sendo a

Provavelmente, estas, são pessoas

as situações. E por fim o conhe-

base. Desta forma, ela é a princi-

que não desenvolveram a carac-

cimento, que pode ser adquirido

pal característica, não a única, mas

terística de ter atitude como base.

a principal característica que uma

Talvez prefiram viver no que cha-

com a experiência prática, através

pessoa deve ter. As três juntas for-

mo de zona de conforto (este tema

mam a receita do sucesso, porém

será abordado na próxima edição).

sem desenvolver atitude, de nada

Pessoas assim podem ter buscado

adianta conhecimento, nem tão

conhecimento, podem ou não ter

afirmar que, para uma pessoa fazer

pouco habilidade.

habilidades

po-

realmente a diferença, onde quer

Outro exemplo interessante são

rém, os três passos devem, prefe-

aquelas pessoas que adquirem

rencialmente, caminhar juntos e

que esteja é preciso agir. Somente

muito conhecimento, cursam vá-

neste exemplo da empregabilida-

rias faculdades, pós graduações,

de é a atitude de buscar emprego

MBA e no momento em que são

que vai determinar se a pessoa

questionadas sobre onde estão tra-

terá ou não sucesso profissional.

com amor e...SUCESSO PARA

balhando para empregar todo o co-

Percebe-se então que atitude está

VOCÊ!!! Até a próxima edição.

desenvolvidas,

lacionada com a estrutura emocional que uma pessoa constrói, ou seja, a capacidade de lidar com

de formação acadêmica ou profissionalizante, ou ainda de maneira autodidata. Desta forma, é certo

assim você tornará realidade todos os seus objetivos. Tome agora o seu CHÁ...prepare

Regina Pocay - É coordenadora e consultora de treinamentos. Especializada em Programação Neurolinguística, Renascimento ou Ribirthing e Hipnose Ericksoniana. Atua no segmento de Educação Corporativa desde 1997. reginapocay@novaodessa.com.br

agosto de 2011 • FORÇA • 43


44 • FORÇA • agosto de 2011


Construção

COM O QUE REVESTIR? O revestimento certo para cada ambiente

U

ma das etapas mais aguardadas de uma obra é o acabamento. É nesse momento que o imóvel começa a ganhar identidade. E se tratando de acabamento, quando o assunto é revestimento existem inúmeras opções no mercado. Mas, beleza não é quesito fundamental na escolha do piso. É preciso ter cautela para comprar um dos itens fundamentais para a casa, afinal, para cada ambiente existe um piso certo. Se você está construindo ou reformando, algumas características ajudam a identificar qual o revestimento certo para o seu projeto. Se você quer economizar nesta etapa da obra, revestimentos cerâmicos não são boas opções. Mas, têm suas vantagens. Os chamados pisos frios – onde além da cerâmica se enquadram a pedra e o metal -, em geral, têm boa resistência e estão disponíveis no mercado com versões anti-derrapantes e apresentam estética agradável. São, porém de alto custo, baixa absorção acústica e reposição difícil, as cerâmicas não resistem a grandes variações de temperatura e tendem a rachar. Além disso, tornam o ambiente frio e úmido, não sendo indicados para locais onde o inverno é rigoroso. Já os pisos metálicos, novidade no mercado, têm como principal vantagem o alto poder de resistência, mas também

baixa absorção acústica e são muito impessoais e frios. Outro ponto a considerar quando optar por esse tipo de piso são as cores. Pois dependendo da luz usada, o piso poderá apresentar uma variação de nuances, nem sempre agradáveis. “Quem quer um ambiente com muita absorção acústica, um ambiente mais aconchegante, íntimo, não deve optar por esse tipo de revestimento. Eles são muito impessoais”, explica a arquiteta Lisamara Fernandes. Ambientes com intensa atividade e que precisam de pouco ruído podem usar o revestimento vinílico a seu favor. Esse tipo de piso tem como ponto positivo a maleabilidade, durabilidade, custo, colorido resistente e a facilidade de manutenção. Se o problema maior é a limpeza, com pisos vinílicos isso não será problema. “Esse tipo de piso é de fácil limpeza e, além disso, quem precisa de um piso resistente - em função do fluxo de pessoas que caminham de um lado pro outro – pode optar sem medo por eles”, destaca a arquiteta. Existem vários tipos de revestimento vinílicos se destacando no mercado, sendo eles o piso Paviflex - o mais conhecido e utilizado, com muitas cores, duradouro e resistente ao fogo. Porém, mancha com facilidade e tem média absorção acústica. Já o piso Decorflex é mais macio que

o Paviflex e com conforto térmico, porém mais caro e não resistente ao fogo; enquanto que o piso Vulcapiso é semelhante ao Paviflex, mas resiste menos ao cigarro. Mas, se a intenção é revestir o interior do imóvel o mais indicado são os produzidos de borracha – conhecidos como elastômeros – e podem ser encontrados nas versões Plurigoma e Gomaplac. O primeiro apresenta superfície pastilhada, estriada ou lisa e é indicado para áreas de tráfego intenso. Tem bom custo, boa absorção acústica e fácil manutenção. É de fácil reposição por vir em placas, mas dificulta a circulação dos carrinhos de livros e deixa o ambiente pouco aconchegante. O piso de borracha Gomaplac é indicado para áreas com tráfego normal. Quando lavado com água sua fixação fica comprometida, por isso não pode ser usado em áreas úmidas e em rampas. E o piso de madeira? Bom, esse tipo de revestimento apresenta vários inconvenientes. Primeiro porque necessitam de tratamento constante, como cera, aspirador e vassoura, além de não absorverem bem os ruídos e serem, algumas vezes, os próprios produtores destes ruídos. Outro grande problema dos pisos de madeira é a sua sensibilidade à umidade e a deterioração fácil, por fungos, bactérias ou insetos (cupins, formigas e carunchos). É agosto de 2011 • FORÇA • 45


Construção

Vilão: piso de madeira apresenta vários inconvenientes. Precisa de tratamento constante com cera, aspirador e vassoura, não absorve bem os ruídos, é sensível à umidade e a proliferação de fungos, bactérias e insetos.

necessário que o local tenha boa ventilação, pouca umidade e o piso deve ficar longe do contato com o solo. A água deve ser evitada na limpeza, sendo necessário

46 • FORÇA • junho de 2011

o uso de um impermeabilizante. O mais indicado para quem está construindo ou reformando é que o revestimento seja muito bem estudado no pro-

jeto, para que o custo e o beneficio sejam validos. Além disso, para que se tenha segurança quanto à durabilidade do revestimento”, finaliza Lisamara Fernandes.

junho de 2011 • FORÇA • 46


48 • FORÇA • agosto de 2011


Jurídico

Dr. Reinaldo Cesar Spaziani

A PROVA TESTEMUNHAL NO DIREITO DO TRABALHO

Q

uando uma pessoa é intimada a ser testemunha num processo trabalhista ou quando comparece espontaneamente para prestar depoimento testemunhal, logo é advertida que mentir em juízo é crime, passível, inclusive, de prisão. Deve falar o que sabe, não

mentindo a respeito dos fatos que estão sendo tratados no processo. Inclusive se é ou não parente ou amigo ou inimigo de uma das partes, o que induz pensar que, em caso positivo, a testemunha tem interesse no processo. Portanto testemunhar em juízo é coisa séria e deve ser respeitada por todas as

partes – depoentes, partes processuais, advogados, juízes. Todavia, não se pode dizer que conhecendo ou não a lei, algumas pessoas não agem dentro da lei ou tentam burlá-la. Vejamos uma parte de relato de fato ocorrido e trazido nas folhas do jornal Valor Econômico: agosto de 2011 • FORÇA • 49


Jurídico “Com o monitoramento do site de relacionamentos Orkut, uma empresa de confecções do Rio Grande do Norte conseguiu se livrar de uma acusação de assédio moral na Justiça do Trabalho. Ao entrar na página de uma ex-funcionária, descobriu que ela havia marcado um encontro com uma testemunha do processo trabalhista em um shopping de Natal. Com isso, a testemunha foi descartada. Os desembargadores do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 21ª Região, no Rio Grande do Norte, entenderam que o diálogo presente na rede social traria indícios de que ambas conversaram e combinaram, pessoalmente, os fatos a serem relatados perante o juízo trabalhista.” Há também os casos em que o empregador tenta impingir à testemunha a falta de isenção para testemunhar quando a testemunha tem ação de reclamação trabalhista contra o mesmo empregador. Nesse caso, a Justiça Trabalhista entende que há a possibilidade de a pessoa dar seu testemunho. O ajuizamento de reclamação trabalhista em face do mesmo empregador não impede que o trabalhador sirva como testemunha em outro feito. O mero ajuizamento de ação não classifica o trabalhador como inimigo de seu empregador. Entendimento em contrário resultaria, por via oblíqua, em negativa de acesso ao Poder Judiciário. O posiciona-

50 • FORÇA • agosto de 2011

mento apontado é o dominante em nossos tribunais, como se vê do E. 357 do TST. Do mesmo modo, a alegação de troca de favores não basta para impedir o depoimento da testemunha, por não constar de previsão legal. Por serem cerceadoras de direitos, as hipóteses de impedimento e suspeição de testemunhas não podem ser ampliadas. A alegação de troca de favores há de ser apurada no caso concreto, devendo o julgador cotejar os termos do depoimento da testemunha com os demais elementos de convicção. Caso seja constatado que a testemunha mentiu para beneficiar uma das partes deverão ser tomadas as

medidas coercitivas pertinentes. A mesma razão para invalidar o depoimento das testemunhas do autor poderia ser suporte para infirmar o depoimento das testemunhas do reclamado, pois, em tese, o seu depoimento poderia estar viciado ante o temor de desagradar o seu empregador. Desse modo, o crime de falso testemunho se sujeita à prisão em flagrante delito, como expressamente autoriza o artigo 319, III do Código de Processo Penal (CPP). Não há dúvida que o falso testemunho é delito grave praticado contra a administração da justiça, sujeito à pena de reclusão e multa.


agosto de 2011 • FORÇA • 51


Jurídico

Dr. Marco Pizzolato

DOCUMENTO ELETRÔNICO: O QUE É ISSO?

A

o começar escrever esta matéria já salta aos olhos a diferença entre os documentos dos dias de hoje e os de antigamente. Ao primeiro não estou usando papel, não estou usando tinta e, só sei que estas palavras estão sendo registradas em um componente do computador (HD) em números binários que, ao depois vão sendo interpretados por um programa (interface gráfica) que dá a forma por nós conhecida como letra e permite a leitura ou a impressão. Nos métodos tradicionais de produção de documentos, o conjunto de ideias toma corpo na medida em que a pena ou o tipo da máquina toma contato com o papel. O papel é o tradicional elemento

52 • FORÇA • agosto de 2011

físico depositário das letras, das ideias, dos compromissos, das juras de amor, das mensagens, das notícias, etc. Hoje já não mais. Nos dias de hoje já se formula o conceito de que uma pessoa alfabetizada não precisará saber escrever na forma manuscrita, bastará saber digitar, ler que, será detentora do saber da alfabetização. Foi-se o tempo de treinarmos para termos uma caligráfica elegante, ou de precisarmos trocar o tipo de uma máquina para obtermos uma letra diferente. Hoje tudo é feito com um simples click. Essa revolução exige a mudança das leis e, principalmente do nosso conceito sobre documentos e, como usar dos mesmos para fazer prova. A ideia imediata é a de que basta imprimir

um arquivo para termos um documento. Não, este impresso não é o documento em si, mas sim um extrato do documento, já que o documento mesmo, a ideia impressa está no arquivo digital e, tanto é verdade que o arquivo poderá ser passado, internet para outro computador e, poderá ser autenticado por uma “assinatura digital”. O artigo 365, por seu “caput” e inciso “V” do Código de Processo Civil, declara expressamente que: “Art. 365. Fazem a mesma prova que os originais:” e que, “V — os extratos digitais de bancos de dados, públicos e privados, desde que atestado pelo seu emitente, sob as penas da lei, que as informações conferem com o que consta na origem;”.


Jurídico

Daí concluímos que a impressão no papel é somente um “extrato” do original e não o próprio documento. Neste passo, uma eventual perícia sobre a validade de um documento não seria realizada no documento papel, mas sim, no meio físico onde está depositado o documento. No campo contábil a pergunta que se impõe é a de que uma “contabilidade” feita no computador trata-se de uma contabilidade escritural ou eletrônica? Por qual normatização é regida? Qual o conceito de livros fiscais a partir de então Qual o órgão autenticador de tais documentos? A declaração de imposto de renda já se trata de um documento eletrônico e vale aquilo que está estruturado em informações ali registradas, inde-

pendentemente da impressão no papel. As notas fiscais, em quase sua maioria, já são eletrônicas. O órgão autenticados dos documentos fiscais, via de regra são Fazenda Nacional, Fazenda Estadual e Fazenda Municipal. O Código Civil, de recém edição, por seu artigo 1.179 deter mina que: “Art. 1.179. O empresário e a sociedade empresária são obrigados a seguir um sistema de cont abilid ade,

mecanizado ou não, com base na escrituração uniforme de seus livros, em correspondência com a documentação respectiva, e a levantar anualmente o balanço patrimonial e o de resultado econômico”. Da leitura deste dispositivo já temos que a escrituração pode ser eletrônica, posto que a contabilidade pode ser “mecanizada ou não”. Já o artigo seguinte, ou seja, o art. 1.180 do mesmo estatuto legal determina que os livros tradicionais de contabilidade possam ser substituídos por fichas no caso de escrituração mecanizada ou eletrônica. Ora, já no artigo subsequente, no texto literal do artigo 1.181 da lei material, dispõe sobre a imposição legal de que os livros obrigatórios serem “autenticados” pelo Registro Público de Empresas Mercantis (no caso do estado de São Paulo a JUCESP). Ai começa uma questão que merece ser debatida, já que, as fichas eletrônicas não comportam prévia autenticação. Como atender tal exigência legal? A lei virou letra morta? (continuamos na próxima edição)

agosto de 2011 • FORÇA • 53


UMA HISTÓRIA DE INOVAÇÃO E VISÃO DE FUTURO UMA DAS MAIORES PRODUTORAS DE DENIM DO MUNDO INVESTE CONTINUAMENTE EM INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E PESQUISA DE MODA PARA ATENDER AS PRINCIPAIS GRIFES JEANSWEAR DO PAÍS Com mais de quatro décadas de atuação, a Textil Canatiba é sinônimo de inovação, qualidade e modernidade. Desenvolvendo e produzindo matéria-prima para um dos segmentos mais importantes da moda mundial contemporânea – o jeanswear –, a Canatiba está posicionada como marca top, ostentando entre seus clientes as principais grifes de jeanswear do país. A receita deste sucesso é pesquisa permanente de tendências da moda e de consumo, investimento em novas tecnologias e análise do comportamento do mercado. Tudo isto com o objetivo de atender a um consumidor cada vez mais exigente.

A especialidade da Canatiba são os Denims PREMIUM, divididos nas seguintes linhas de produtos: MEGAFLEX, tecidos com elastano que proporcionam caimento e ajuste perfeitos para todas as modelagens; SEXFIT, denim com alta elasticidade que oferece extremo conforto e liberdade de movimentos; PREMIUM, denims rígidos com alto valor agregado; OREGON SLIM FIT, denims com alta elasticidade e densidade e tingimentos intensos; e HI-CONFORT, linha de produtos com Tencel® em sua composição que oferece conforto permanente e toque macio. Os produtos HI-CONFORT podem ser encontrados nas linhas MEGAFLEX, SEXFIT e PREMIUM;.

Contando atualmente com três unidades fabris em Santa Bárbara d’Oeste (SP) e um showroom de produtos no Centro Empresarial Mega Polo, na capital paulista, a Canatiba está entre as maiores produtoras de denim do mundo. Além de comercializar seus produtos no Brasil, a empresa também está presente em diversos países da Europa, América do Sul, América Central e África.

A empresa realiza também diversas ações de marketing em todo o país, como participação nos principais eventos do setor, campanhas institucionais com foco nos diferenciais de seus produtos, e um evento exclusivo no qual apresenta aos confeccionistas dos principais polos do país as principais tendências da moda, de lavagens e de beneficiamentos de denim.

54 • FORÇA • agosto de 2011


DENIMS CANATIBA, EM HARMONIA COM O MEIO AMBIENTE

Os denims produzidos pela marca contribuem com a ecologia quanto ao sistema de produção, especialmente na etapa de acabamento, com a introdução de resinas especiais nesse processo que proporcionam melhor solidez ao produto e por agregar economia para os processos posteriores de beneficiamento nas peças confeccionadas em jeans. Os processos de industrialização incluem a utilização de insumos químicos de alta qualidade, que reduzem a quantidade de água, além do reaproveitamento da mesma, e reduzem também a emissão de gases (CO2), otimizando o processo e possibilitando ainda uma significativa economia de energia. A redução do consumo de água e do uso de energia durante o processo de produção dos denims são considerados hoje dois dos mais importantes pilares de uma indústria realmente sustentável. Outro fator sustentável é quanto ao acabamento dos denins Canatiba que contribui significativamente para a redução de consumo de água e de energia durante o desenvolvimento dos diversos efeitos que são elaborados nos jeans em lavanderia industrial, multiplicando os diferenciais de sustentabilidade dos produtos Canatiba.

AÇÃO SOCIAL

No âmbito social, a Textil Canatiba apoia o projeto “Planeta Água, Mata Atlântica e Paisagens: um bem para todos”, realizado em parceria com o Ministério da Educação e Cultura, no qual a empresa fornece subsídio financeiro para o transporte de alunos de escolas municipais até as tendas, onde profissionais do Projeto apresentam peças de teatro e oficinas.

agosto de 2011 • FORÇA • 55


Moda

BRANQUINHO BÁSICO! Estranharam esse tema? Talvez sim, mas vão acostumando, pois o branco está à tona, é ele quem assume o posto de cor mais clássica, sofisticada e atual.

56 • FORÇA • agosto de 2011

D

epois de ter tomado conta das passarelas de inverno 2011, o branco ganhou as ruas, e se tornou um grande concorrente do pretinho básico, cor que predominava em eventos e tapetes vermelhos. O que antes era sinônimo de ano novo agora é uma ótima pedida para iluminar os dias frios e cinzas de inverno. Vale apostar em casacos, tricôs, calças e vestidos. Invista em looks all white, principalmente se as peças forem de alfaiataria. A produção fica clean e chique! Agora se você quiser colocar um pouco mais de cor, as bolsas e acessórios pesados de tom nude ou até mesmo coloridos são ótimos complementos.


Moda

Uma ótima pedida são looks brancos com babados, camadas delicadas, peças fluídas, treanch coats, bordados e peças com modelagens inusitadas. Outra cor que tem se falado muito, é o verde. Dizem que o verde também é o novo preto. Bolsas, calças, blazers, acessórios, trazem essa moda que convenhamos, é de babar. O verde se tornou uma cor preferida para os bons entendedores de moda. Ei você, use e abuse também, sem medo!

SAIA LONGA: O NOVO DESEJO! O que antes era sinônimo de hippie, hoje conquistou o guarda roupa das fashionistas e se tornou peça desejo da estação para as mulheres. A saia longa é super versátil e aparece em vários modelos, basta saber combiná-la com seu tipo de corpo e os complementos ideais para um look perfeito. A saia longa é perfeita para afinar e alongar a silhueta quando usada na mesma cor da peça superior e com o comprimento bem próximo ao chão, arrastando mesmo. Ela aparece em vários tecidos,

cores, estampas e com muita de- que ser mais larguinha e com um mocracia! Toda mulher pode usar cinto por cima. e combina em várias situações, Nos dias mais frios invista em um desde praia até festa. casaquinho, blazer ou jaqueta mais Uma saia longa preta é peça chave ajustada ao corpo. em qualquer guarda-roupa e pode Os sapatos são muito importantes compor desde looks diários e cas- na hora de montar a produção, uais até os mais glamorosos e el- aposte em plataformas, sapatilegantes, uma aquisição poderosís- has, clogs e rasteirinhas. Procure sima; apenas evitar sapatos sociais e Pra deixar o look mais feminino sandálias finas. aposte em cintos, que marcam Portanto pessoal, não deixem de a silhueta. As blusas podem ser ter pelo menos uma peça dessas usadas por dentro ou por fora da em seus guarda-roupas, aposto saia, mas se for usar por fora tem que não vão se arrepender. agosto de 2011 • FORÇA • 57


Moda TRIO FANTÁSTICO... Como podemos perceber, quem tem tomado conta das ruas é o trio dos lenços, echarpes e cachecóis, não importa qual deles você escolha, todos são um charme. Então o que você está esperando para usar e abusar dessa moda? Eles dão um toque a mais no look, aquele detalhe que faz a diferença. Combinam com tudo e realçam o visual. Desde os mais fininhos, até os mais pesados, que dão várias e várias voltas em nosso pescoço. Sabe aquele tipo de acessório que pode fazer maravilhas por seu look? Pois é! O trio fantástico é assim. Um look básico, com uma simples camisetinha e um jeans, acaba ganhando vida nova com acréscimo destes maravilhosos aliados. Agora confira como usar os lenços, para você não desperdiçar essa moda e arrasar a cada dia: • Os lenços podem combinar com seu look ou contrastar totalmente com ele sendo o destaque do mesmo. • Imagine uma camisetinha branca usada com um lenço preto de bolinhas ou listras brancas (um belo exemplo de como usar lenços combinando). Ou usando uma camisetinha branca com listras azuis com um lenço branco, dando o tchan, em outro look bem básico. • A maneira de usar lenços contrastando é totalmente o contrário da anterior. Imagine um look em 58 • FORÇA • agosto de 2011


Moda

tons neutros com um lenço vermelho, por exemplo, fazendo todo o contraste (ele estará dando um up em seu visual e será o destaque do mesmo). • Fuja das amarrações certinhas, a moda é jogar ele em volta do pescoço e pronto, nós estão em baixa; • Se o lenço for fininho usar dois e dar aquele volume up é mais do que permitido, criatividade é tudo. • As baixinhas e gordinhas devem ter cuidado na hora de escolher seus lenços. As baixinhas não devem usar lenços muito grandes e volumosos; já as gordinhas também devem ter cuidado com o volume dos lenços, nada nem muito volumoso, nem muito delicado. • Uma gordinha só deve optar por um lenço com volume se tiver o corpo triangular (muito quadril e ombros ou busto pequenos), para que o lenço fininho não destaque ainda mais o quadril grande. • Misturar estampas e texturas é uma das grandes pedidas da moda inverno 2011. Aproveitar os lenços para esse tipo de combinação é uma boa pedida. • A oferta de lenços em lojas baratinhas como C&A, Renner, Marisa, por exemplo, é enorme e bem variada. Vale à pena ficar de olho. Nada melhor do que bons acessórios na hora de compor um look e nesse quesito nosso trio fantástico são grandes apostas, úteis e lindos. Aproveite!

DÚVIDAS E SUGESTÕES: Qual assunto gostaria de ler? Encaminhe um e-mail para: moda.consultoria@yahoo.com.br

Bárbara Mello Consultora e produtora de moda

agosto de 2011 • FORÇA • 59


60 • FORÇA • agosto de 2011


agosto de 2011 • FORÇA • 61


Leo Tailor Made


Foto: Lúcio Cunha

Entre junho e novembro deste ano, 7 cidades brasileiras farão parte do Limpa Brasil Let’s do it!. Esse movimento de cidadania e cuidado com o meio ambiente pretende incentivar a mudança de atitude da sociedade em relação aos resíduos sólidos. Seja você também catador por um dia e ajude a limpar sua cidade. Tão importante quanto o lixo que vamos retirar é a mudança de atitude que esse gesto pode gerar. Inscreva-se no site limpabrasil.com

Chico Buarque, músico e escritor, fotografado por Cesar Netto.


Turismo

PARAÍSO A POUCOS KM DE CASA Conheça o Royal Palm Plaza Resort, em Campinas

S

e você já trafegou pelo entroncamento das rodovias Anhanguera e Santos Dumont, em Campinas, certamente uma construção imponente, pintada em um tom de rosa, puxado 64 • FORÇA • agosto de 2011

para o salmão, chamou atenção. E não é pra menos. Muros, árvores e coqueiros percorrem toda a extensão do terreno. E que terreno. São mais de 13 mil m² a perder de vista. Por detrás de toda essa suntuosidade existe um

paraíso chamado Royal Palm Plaza Resort. Um resort repleto de opções de lazer para todas as idades. E o melhor, a poucos quilômetros de casa. O Royal Palm Plaza Resort Campinas não é boa opção somente para


Turismo

quem mora na RMC (Região Metropolitana de Campinas). O complexo fica em uma localização privilegiada, com acesso pelas rodovias Anhanguera, Bandeirantes, Santos Dumont e D. Pedro I. Para quem prefere vir pelos ares, o paraíso fica poucos minutos do aeroporto de

65 • FORÇA • agosto de 2011

Viracopos. Quer mais um motivo para planejar o seu final de semana no resort campineiro? O Royal Palm Plaza não perde em nada para os melhores resorts do país. Ao todo, o complexo abriga o Royal Palm Resort e o recém-inaugurado hotel boutique The Palms. Ambiente de re-

quinte e exclusividade. Juntos, os dois hotéis possuem mais de 500 acomodações, divididas em 384 apartamentos no Royal Palm Plaza - categorias Luxo, Luxo Plus, Super Luxo e Suítes Especiais -, e 116 no The Palms - todas de padrão Master. “O resort é o destino ideal para as famílias que buscam muitas opções de lazer, assim como para as empresas que prezam por locais com a melhor infra-estrutura para a realização de seus eventos”, diz o comunicado enviado pela assessoria de imprensa do complexo. Se a visita ao resort é para relaxar, prepare-se para diversão e tranquilidade. Na área de lazer, são três piscinas climatizadas, sendo uma com hidromassagem ao ar livre, ginásio poliesportivo coberto e climatizado, quatro quadras de tênis, saunas, sala de jogos, fitness center com ampla área de musculação, cinema, biblioteca, sala de TV. Para o público infantil e pré-adolescente, duas

agosto de 2011 • FORÇA • 65


Turismo

áreas temáticas: Miniville, destinado às crianças de 3 a 6 anos, e o Kata Kuka, uma expedição destinada à crianças a partir dos 9 anos, com parede de escalada, arvorismo e tirolesa, no qual a criatividade acompanha lado a

Serviço: Informações e reservas pelos telefones: 19 2117.8002 0800 7276925 reservas@royalpalm.com.br Localização: Entroncamento das rodovias Anhanguera e Santos Dumont, a Av. Royal Palm Plaza, 277, Jd. Nova Califórnia, em Campinas. Acesso pelas rodovias Anhanguera, Bandeirantes, Santos Dumont e D. Pedro I 66 • FORÇA • agosto de 2011

lado os mais de 4.500m² de pura aventura. Mas, se a visita for para tratar de negócio e para eventos institucionais, a infra-estrutura é completa. O resort ainda oferece 5.400m² de salas e foyers para eventos, que atendem até 3.700 pessoas em um total de 36 salas, e a Casa de Campo que, com uma agradável varanda, propicia contato visual direto com todo o paisagismo do complexo, além de ser um ambiente descontraído, com forno a lenha para pizzas e grelha para churrascos. Independente do motivo da visita, o certo que é os paladares mais exigentes serão surpreendidos. O complexo Royal Palm Plaza oferece sete opções entre bares e restaurantes, com cardápios elaborados por grandes chefs de cozinha e uma adega de padrão internacional. Exemplo de que imponência e suntuosidade que não se refletem apenas na arquitetura do resort, mas sim em toda sua acomodação.


Jaguariúna é a número

em geração de empregos na RMC

Levantamento de dados realizado pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego revela que, das 19 cidades da Região Metropolitana de Campinas (RMC), Jaguariúna foi a que mais gerou empregos proporcionalmente à sua população em 2010.


68 • FORÇA • agosto de 2011


agosto de 2011 • FORÇA • 69


Pedagogia > Reflexão

ONDE ESTÁ NOSSO BEM ESTAR?

E

sses dias andando em um shopping parei em frente a uma livraria, avistei a capa de um livro não tão fino e nem tão grosso, apenas bonito, e seu título era Bem estar, e o desenho que ilustrava este título eram duas pessoas passeando pela praia, na verdade fazia uma relação entre o que você come, seu peso, a felicidade e a satisfação. Gostaria de saber se realmente estes itens estão ligados, e possuem relação, quero dizer passear na praia e comer sanduíches lighit, estão relacionados ao bem estar e a felicidade? Existem modos de vida, e de alimentação que estão relacionados diretamente com a felicidade e a satisfação de viver? Talvez se acreditássemos assim poderíamos dizer que uma pessoa, seja ela homem ou mulher, não poderia ser feliz ou encontrar satisfação, se não procedesse dessa maneira, (passear na praia ou comer sanduíches). De qualquer forma refletir sobre este assunto é importante, uma vez que essas ideias permeiam nossa sociedade, e povoam nossas cabeças. Será

70 • FORÇA • agosto de 2011 2011 junho de

que quando a pessoa diz estar bem consigo mesma ela está realmente feliz? Bem, se levarmos em consideração que uma pessoa não vive sozinha e precisa de relacionamentos e de uma boa convivência com a sociedade, então na verdade me parecer que o bem estar e a satisfação hoje depende muito mais de uma boa convivência com o meio onde vivemos e suas tradições do que com o “estar bem consigo mesmo”. O fato de estar no peso ideal ou quase lá é uma questão subjetiva pois hoje após estudos se vê que a pessoa está anciosa, logo ela poderá comer demais, se esta triste também, maus momentos podem causar um prejuízo enorme a balança, então uma série de outros “itens”, devem ser observados. Se ela passear na praia e comer sanduíches light não significa que será feliz, todos temos possibilidades de sermos felizes. Quais então seriam os

itens necessários para estar realizados? Bom mas com certeza um dos lugares onde a felicidades não está são nas preocupações e no preconceito. Termino com a mesma pergunta do começo, ONDE ESTÁ O NOSSO BEM ESTAR? Edne Cristiane Ortiz – Pedagoga e Prós Graduada em Educação Especial.


SETE PASSOS PARA LIDAR COM FILHO PRÉ-ADOLESCENTE Como agir com filhos entre oito e 12 anos

O

bserve quantos pais deixam seus filhos na porta de uma escola do Ensino Fundamental. Observe ainda quantos filhos aceitam o beijo carinhoso da mãe ou quantas meninas entram abraçadas com uma boneca. Se tratando desse tipo de escola, a probabilidade de ver uma cena dessas é praticamente nula. Isso porque é nessa fase, entre oito e 12 anos, que crianças começam a mudar o comportamento. É a transição para a adolescência. E, a partir daí, a boneca é substituída por bolsa e maquiagem e a mãe, que antes deixava o filho na porta do colégio e se despedia com um beijo, passa a deixá-lo na esquina. O beijo? O pré-adolescente ainda aceita, mas desde que os amigos não vejam. Pais que têm filhos nessa idade começam a conviver com esse tipo de mudança. E não adianta querer que o comportamento volte a ser como antes. Essa é a tendência. Cada vez mais precoce, a adolescência chega cedo e os pais precisam se adaptar rápido às mudanças. Então, a pré-adolescência é o melhor momento. “As crianças estão cada vez mais precoces e a pré-adolescência chega cada vez mais cedo. É nessa fase que começam a curiosidade, a descoberta e certo medo do que vem pela frente. Por isso, os pais não devem pressionar, e sim ajudar os filhos a passarem por esse momento da melhor maneira possível”, orienta a psicóloga, especialista em comportamento, Camila Zanunciane. agosto de 2011 • FORÇA • 71


Pedagogia Se seu filho está nessa fase, cuidado, jamais o chame de criança. Pois é... Apesar de ainda não serem adolescentes, eles não gostam de serem taxados como crianças. Estão no meio do caminho e precisam mais do que nunca de compreensão. Afinal, como lidar com essas mudanças? Como seu acostumar com essa “nova” pessoa em casa? Como dar responsabilidade na medida certa? Como dar liberdade e não perder o controle? “Não existe regra para a educação dos filhos e nem técnicas infalíveis, mas algumas regras e, claro, muito amor e paciência podem ajudar a passar por essa fase sem grandes transtornos”, explica a psicóloga. Algumas dicas de como agir em situações freqüentes nessa idade são fundamentais para o bom convívio. Afinal, se seu filho sair sem avisar qual será sua reação? Brigará com ele assim que ele colocar o pé dentro de casa? Esse não é o melhor caminho. Confira sete passos – listados pela psicoterapeuta Ana Gabriela Andriani para lidar com essas situações: Sair sem avisar: Ter pulso firme é importante, mas jamais deve ser controlador. É preciso expor a preocupação e deixar claro o risco desta atitude, mas sem ameaças. Trate-o como um adulto. A palavra de ordem é manter os combinados para reforçar a relação de confiança. Saiba com quem seus filhos vão sair, onde e como. Além disso, determine um horário para voltar. O ideal é estabelecer naturalmente os limites sem bater de frente.

72 • FORÇA • agosto de 2011

Briga com namorado(a): Não se deve tomar partido. É preciso respeitar a individualidade. Mas ficar neutro perante uma briga não é estar indiferente, deve-se estimular o filho(a) a encontrar seu próprio caminho e refletir sobre o fato. Neste processo é o jovem que deve traçar seu próprio rumo. Brigas com namorado e até com amigos farão com que ele repense sua atitude e seus valores – tão imprescindíveis neste momento de busca da identidade. Conduza, sem determinar o trajeto. Rejeição na escola: Ser discriminado na adolescência é doloroso, pois a formação de um grupo tem grande valor, pois traz uma sensação de pertencer a uma sociedade. Cabe aos pais ficarem atentos ao isolamento e as dificuldades de estabelecer amizades. Não se pode ignorar e achar que se trata de um momento passageiro. Mas atitudes radicais como tirar o jovem da escola, tomar para si sua dor e partir em defesa não devem ser tomadas. É preciso observar o que de fato está acontecendo, dialogar na escola e solicitar a ajuda de um profissional que facilitará todo o processo. Ficar bêbado: Experimentar os limites, inclusive na bebida, é pré-requisito para qualquer adolescente. Não adianta tentar conversar enquanto seu filho estiver bêbado, espere o porre passar, para depois ter pulso firme e ter uma conversa franca, trazendo exemplos reais do que o uso abusivo do álcool significa, assim

como os riscos aos quais ele fica submetido quando está bêbado. Não punir e lidar sobre o assunto de maneira aberta desde o inicio é importantíssimo. Segundo Danielle Gaspar: “A questão não é negar a existência de bebidas em sua casa ou no seu convívio, mas revelar através de sua atitude os limites para o uso”. Uso de drogas:É importante enfatizar que mesmo tendo afinidades com o grupo (gostos musicais/ esportes/estilo), ele é o senhor de suas próprias decisões. E é isto que o faz único, logo, tão especial. Reforce sua individualidade no dia-a-dia, elogie e apóie. O ideal também é que esclareça os tipos de drogas e suas consequências e no primeiro sinal, o mínimo que for, buscar ajuda de um profissional. Videogame e internet sem limites: Horários e regras são imprescindíveis no tempo de utilização desses aparelhos, para que o adolescente não fique muitas horas nestas atividades. Não se deve invadir a privacidade do adolescente, pegando senhas de acesso ou rastreando pelos sites que andam sendo acessados. Respeitar e confiar são grandes elos para a confiança. Escolha da profissão: Pressionar, omitir os fatos e tentar direcionar um caminho, não colabora. Seja cúmplice nas incertezas e dúvidas, ajude-o a buscar dentro de si o que pode lhe dar mais prazer e satisfação. Emita opiniões e fale de sua própria experiência no trajeto da busca.


Social

25ª FESTA DO PEÃO DE AMERICANA 1

A Região de Campinas respirou ares de rodeio entre os dias 17 e 26 de junho. A Festa do Peão de Americana roubou a cena na região e comemorou seus 25 anos. Em oito noites, mais de 350 mil pessoas passaram pelo recinto, confirmando que Americana possui uma das maiores festa do gênero no país. Confira o clique de quem esteve por lá, nas fotos de Soraya Agostini Teizen.

2

1 - Camila Amaral, Natália Damasceno, Joyce Romero 2 - Jaqueline Batista, Aline Domingues, Bruna Sebastião 3 - Luciana Ferrari, Roberto de Campos, Tatiana e Claudio Rocha, Adilson, Selma, Letícia 4 - Maria Aparecida e Waldemar Jorge Denadai 5 - Felipe Comelato e Franciele Parato 6 - Augusto Simeone, Felipe Zaramelo, Isabel Martins 7 - Adriana Pereira, Barbara Nubia, Nelson Ariani, Fabiana e Rafael Lourenço 8 - Francisco, Edneia e Ana Beatriz Torino 9 - Karina, Augusto, Mônica, Maria Eduarda e Gilda 10 - Franco Silvestre, Marcelo Laroze, Ciça, Maria

Júlia e Carlos Laroze 11 - Vanessa Fasionato Vicentin e Mariane Castro 12 - Jori Ricardo Aguci, Camila Mareto 13 - Nilson e Giovana Ricardo 14 - Rodrigo Agostini em clique com a modelo Mirella Santos agosto de 2011 • FORÇA • 73


9 3 6 4

5

7

8

74 • FORÇA • agosto de 2011


11

12

13

10

14 agosto de 2011 • FORÇA • 75


www.revistaforça.com.br

Indica Churrascaria RED ANGUS

Rua General Osório, 2.310, Cambuí . Campinas 19 3253.0006

www.restauranteredangus.com.br

Vinho ADEGA RED ANGUS

Rua General Osório, 2.310, Cambuí . Campinas 19 3253.0006

www.restauranteredangus.com.br

Massas CANTINA FELLINI

Av. Cel. Silva Telles, 514, Cambuí . Campinas 19 3252.0845

www.cantinafellini.com.br

Parmegiana BAR DO ALEMÃO

Rua Emílio Ribas 160 Cambui . Campinas 19 3254.5544

76 • FORÇA • agosto de 2011

www.bardoalemaosp.com.br


www.revistaforça.com.br

Indica Choperia VILLA SCAMBOO

Avenida Paulista, 75, Americana . Jardim Paulista 19 3408.3031

www.villascamboo.com.br

Panificadora BELLA PANE

Av. Monte Castelo, 648/650 Vila Alves - Sta. Bárbara d`Oeste 19 3454.7582 | 3629.7582

www.bellapane.com.br

Sopas ROMANA

Rua Cel. Silva Telles, 463, Cambuí - Campinas 19 3252.7000

www.confeitariaromana.com.br

Peixes VIVENDA DO CAMARÃO

Praça alimentação Tivolli Shopping Avenida Santa Bárbara, 777 Sta. Bárbara d`Oeste 19 3458.2599

www.vivendadocamarao.com.br

agosto de 2011 • FORÇA • 77


78 • FORÇA • agosto de 2011


Social > Personalidades

OSWALDO BACHIN JUNIOR Nome: Oswaldo Bachin Jr Nascimento: 16 de Agosto de 1963 Profissão: Jornalista (Apresentador do TeleJornal Santa Bárbara e Narrador do SPORTV) á que se deve a escolha pela profissão? A possibilidade de fazer muitos amigos, como Waldir Peres (foto), por exemplo, emocionar as pessoas com a minha voz e ajudar a construir um mundo melhor e mais justo Em qual narrador se espelha? Na verdade dois: Jota Jr e Milton Leite Fato engraçado durante transmissão: Quando ainda era narrador de Rádio. Nossa equipe chegou tarde ao estádio e iniciei a transmissão sem tempo de prepará-la. Resulta-

do: As equipes com uniformes semelhantes, narrei por cerca de 3 minutos o jogo com os times invertidos Qual técnica usa para voz? Não abusar do gelado, boa respiração e tom na medida certa Momento marcante na carreira? Os acessos de Rio Branco e União Barbarense à 1ª Divisão, que tive o prazer de narrar pelo Rádio, e minha estréia no SPORTV no jogo Palmeiras x Ituano, em 2008 Na vida? Os nascimentos dos meus filhos Amanda e Guilherme E no esporte? As primeiras conquistas mundiais do nadador barbarense Cesar Cielo Ídolo: Meu pai, já falecido

Estádio que mais gostou de conhecer? Orange Bowl, em Miami (EUA) É melhor falando de futebol ou jogando? Sem discutir, falando! O que assiste na televisão? Telejornais e esportes Comida preferida: Pela descendência, a italiana Hobbie: Jogar tênis e confraternizar com os amigos Frase: “Se queremos progredir, não devemos repetir a história, mas fazer uma história nova” Um sonho: Ter minha própria empresa de comunicação e garantir independência profissional Nota 10 para: Os sinceros e amigos de verdade Nota 0 para: Aproveitadores e mentirosos

Bachin Jr ao lado do ex-jogador e comentarista do SPORTV, Waldir Peres agosto de 2011 • FORÇA • 79


Tecnologia

MUNDO SEM FIOS A transição de fios e tomadas para uma geração wireless

Repare como de algumas décadas para cá a quantidade de fios e cabos diminuiu na sua casa. Essa observação é simples, veja o número de tomadas que estão inutilizadas. Certamente ali já foi o lugar do rádio, do computador e do telefone. Agora observe como seus hábitos mudaram. Quando as tomadas eram utilizadas, era naquele cantinho que você ficava horas no computador ou falando ao telefone. Hoje, o computador – que virou notebook - fica no sofá enquanto você está deitado, assistindo TV e falando ao celular. Tudo sem fios. Não dá para negar que o século 21 é regido pela mobilidade. Mas, a cada ano, essa frase ganha ainda mais sentido. Isso porque já é possível interligar equipamentos eletrônicos com poucos comandos. Chegar em casa e controlar a TV, o aparelho de som e a geladeira com alguns cliques já é realidade. Apertar o alarme e ao mesmo tempo travar o carro e desligar o rádio também. O porta re80 • FORÇA • agosto de 2011

trato, q u e fica na estante, muda de foto sem que você coloque a mão nele. Todas essas facilidades já são acessíveis, seja em maior ou em menor escala, e nos próximos anos tendem a fazer arte do cotidiano gradativamente. Essa revolução deve a três tecnologias já conhecidas: Bluetooth, Wi-Fi e WiMAX. O Bluetooth, utilizado basicamente em sistemas caseiros para integrar equipamentos eletroeletrônicos, é um padrão de transmissão por radiofrequência, potente o bastante para atravessar paredes e outros obstáculos. Permite um alcance máximo de 10 metros entre os dispositivos. O Wi-Fi, ou wireless fidelity (fidelidade sem fio), possibilita a conexão sem fio à internet em banda larga a uma distância de até 50 metros, por meio de ondas eletromagnéticas. Já o WiMAX, uma evolução do Wi-Fi, tem alcance de até 50 quilômetros (em áreas de alta densidade populacional, essa distância cai para 10 quilômetros) e está em fase de testes no Brasil.


Tecnologia Graças ao Bluetooth, por exemplo, já é possível trabalhar com computadores caseiros que não precisam de fios para se comunicar com o mouse, o teclado ou com a impressora. E quem disse que não dá para levar o computador para o banheiro? Usando notebooks equipados com a tecnologia Wi-Fi, é possível se conectar de qualquer lugar da casa. Logo o incômodo de lares e escritórios

invadidos por aparelhos eletrônicos com dezenas de fios e cabos fará parte do passado. Teremos um mundo completamente wireless. Um mundo sem fio. “Se você gasta um bom dinheiro em um televisor de última geração ou num bom tocador de MP3, não vai querer colocá-lo onde existe uma tomada, e sim numa parte da casa mais confortável para você”, disse Jeff Harris, diretor de tecnologia da General Atomics, ao jornal USA Today.

Copa do Mundo e Olimpíadas sem fio. A mobilidade será uma das tendências para a Copa do Mundo no Brasil, em 2014, e para as Olimpíadas do Rio, em 2016. Daqui a três anos, no mínimo três milhões de brasileiros e estrangeiros já assistirão a Copa em seus tablets. Em 2016 a demanda será muito, muito

anuncio_força FECHADO.pdf 1 11/07/2011 15:29:48

www.globalproject.com.br

Sua empresa ainda esta fora da Internet?

Internet com Resultado! Consultoria e Agência WEB

Global Project - Consultoria e Agência Web | Rua Doutor Miguel Penteado, 910 - Jd Chapadão - Campinas/SP | (19) 3243-4922 / 3368-0001


maior. Estima-se que ao menos 20 milhões de usuários de tablets assistam ao vivo as provas olímpicas de qualquer lugar do mundo. Tudo sem fio. Em cinco anos, o Brasil pode ter mais de 50 milhões de usuários da plataforma. O futuro potencial da tecnologia é depositado nos tablets. Essa plataforma, pouco conhecida na atualidade, poderá produzir uma nova revolução na comunicação pessoal. Além de lermos jornais, revistas e livros em sua tela, também assistiremos programas de TV aberta ou por assinatura, filmes, transmissões esportivas e filmes. Mas, as opções serão ainda mais vastas do que as que estamos acostumados a utilizar nos smartphones. Os tablets prometem ser nossa nova opção de cartão de crédito, de prontuário médico, de carteira eletrônica, de mobile-banking, de biblioteca virtual, de servidor portátil de todos os conteúdos que nos possam interessar, a qualquer momento, em qualquer lugar – com perfeita visibilidade até à luz do sol.

82 • FORÇA • agosto de 2011


agosto de 2011 • FORÇA • 83


ESTACIONAMENTO GRÁTIS NO ATO DA COMPRA

RUA GENERAL OSÓRIO, 1236 - CENTRO- CAMPINAS - TEL. 3367 8397 ( ESQUINA AV. ANCHIETA) AV. BRASIL, 131 - GUANABARA - CAMPINAS - TEL. 3232 7776 ( PROX. OROZIMBO MAIA) 84 • FORÇA • agosto de 2011

www.oticasdiniz.com.br


Gastronomia

Mundo no prato As baixas temperaturas deixam o paladar ainda mais aguçado. Em meses frios, como o de agosto, nada melhor do que explorar as inúmeras opções de bares, restaurantes, lanchonetes, chopperias, casas noturnas e doçarias da RMC (Região Metropolitana de Campinas). Por isso, nesta edição a Revista Força preparou um guia especial com as melhores opções da cozinha internacional na região. Mas, se você não quer sair de casa, que tal saborear pratos da culinária francesa, italiana ou japonesa que mesmo você preparou? Confira as receitas e não deixe de traçar o seu roteiro gastronômico.

agosto de 2011 • FORÇA • 85


86 • FORÇA • agosto de 2011


Gastronomia Culinária Francesa:

Cassoulet Ingredientes: 1/2 quilo de feijão branco 4 costeletas de porco 400 g de carne de porco defumada 1 paio 2 salsichões vermelhos 100 g de toucinho defumado 2 dentes de alho 2 cebolas 2 cravos-da-índia 4 tomates sem pele e sem sementes 2 cenouras 2 colheres (sopa) de azeite de oliva sal e pimenta a gosto 1 folha de louro tomilho e manjerona

Modo de preparo: Deixar o feijão de molho na véspera. Levar ao fogo com água, juntando o tomilho, a manjerona, o louro e cozinhando até amaciar. Refogar no azeite o alho, uma cebola e o toucinho picados. Colocar no feijão, acrescentando as carnes picadas, os tomates, o sal, a pimenta, as cenouras e uma cebola inteira com os cravos-da-índia espetados. Cozinhar até as carnes ficarem macias. Retirar a cebola inteira e servir.

Culinária Italiana:

Filé de Frango Recheado Ingredientes: 8 filés de frango 1 lata de aspargos 8 fatias de presunto 2 colheres (sopa) de azeite de oliva 1 copo de vinho branco seco sal e pimenta a gosto 1/2 xícara de água Modo de preparo: Temperar o frango e colocar uma fatia de presunto em cada filé e dois pedaços de aspargo. Enrolar e prender com um palito. Refogar no azeite, colocar o vinho e um pouco de água. Cozinhar em fogo brando até evaporar todo o líquido. agosto de 2011 • FORÇA • 87


Gastronomia

Culinária Japonesa: Tori Mizutaki Modo de preparo: Cortar o filé de frango em fatias muito finas. Temperar com sal e refogar na manteiga. Acrescentar a acelga cortada em pedaços, a cenoura em tirinhas, a cebolinha verde em rodelas, o cogumelo em fatias e o tofu em cubos. Juntar o açúcar, o shoyu, o saquê, o mirin, o dashi e a água. Cozinhar durante 10 a 15 minutos. Colocar numa tigela grande e servir.

Ingredientes: 600 g de filé de frango 1 colher (chá) de sal 50 g de margarina 1/4 de maço de acelga 2 cenouras 4 folhas de cebolinha verde 4 cogumelos brancos grandes 100 g de tofu 3 colheres (sopa) de açúcar 4 colheres (sopa) de shoyu 4 colheres (sopa) de saquê 2 colheres (sopa) de mirin 1/2 xícara (chá) de dashi 1/2 xícara (chá) de água

Culinária Mexicana: Salada Mexicana de Inverno Ingredientes: ¼ xícara de chá de pimentão vermelho em cubos ¼ xícara de chá de pimentão amarelo em cubos ¼ xícara de chá de pimentão verde em cubos 2 xícaras de chá de feijão preto cozido ¼ xícara de chá de salsinha picada ¼ xícara de chá de cebola picada ¼ xícara de chá de água ¼ xícara de chá de suco de limão 2 colheres de sopa de cominho em pó 2 colheres de sopa de coentro em pó 3 colheres de sopa de azeite 1 colher de sopa de orégano 2 coheres de chá de mel salgadinhos de milho para acompanhar 50 gramas de tâmaras picadas

DIS CONTRA

RIR! 88 • FORÇA • agosto de 2011

Um dia a tia pergunta para a sua sobrinha: -Quando voce crescer e for bem grande igual a titia o que voce vai fazer? -Um regime.

Modo de preparo:

Ferver as tâmaras com a água por 2 minutos e deixar repousar por 1 hora. Colocar no liquidificador e juntar o limão, azeite, orégano, mel, cominho e o coentro. Bater bem. Colocar uma tigela e misturar o feijão, os pimentões, a cebola e a salsinha. Temperar com sal e pimenta a gosto. Colocar num prato e enfeitar com os salgadinhos de milho. Um caipira fala para o outro: - Oi cumpade teu cavalo fuma? O outro caipira responde: - Não por que? E o outro caipira fala: - porque sua cochera ta pegando fogo.

Duas patricinhas conversando: - Ai Bruna, nem me fala do Rafa! Tipo assim, esse garoto me cansa, cara! - Lóóógico né, Camila… Você vive correndo atrás dele! …


agosto de 2011 • FORÇA • 89


Gastronomia

S ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL FORA DE CASA Brasil Wok apresenta um novo conceito de alimentação 90 • FORÇA • agosto de 2011

e você faz parte dos mais de 90 milhões de brasileiros que comem fora de casa diariamente, certamente ingere muito mais produtos industrializados e frituras do que o recomendado. A explicação é simples: o tempo para as refeições é curto e os fast foods são sempre refeições rápidas. Aliado à correria, está a ideia de que lanche, batata frita e refrigerante são sempre mais gostosos do que um prato colorido, com vegetais e grãos. Tudo bem, gosto não se discute. Mas, saúde se discute. Um terço da população brasileira sofre ou tem tendência a sofrer problemas de saúde em função da má alimentação. Já que alimentar-se fora de casa, muitas vezes, é a única opção, esse tipo de refeição deixou de ser si-


Gastronomia

nônimo de maus hábitos. Agora, é uma opção. Apesar da oferta por fast foods ser grande, o mercado já conta com empresas e profissionais preocupados com a saúde dos mais de 51% da população brasileira, que segundo pesquisa da GKF Brasil, come fora de casa. A rede de restaurante Brasil Wok é uma delas. Almoçar no shopping com a família, por exemplo, já não é sinônimo de pratos industrializados. Optar por refeições saudáveis também pode ser muito prazeroso. “É saudável, mas também é gostoso”, garante a nutricionista Regina Serrano, tirando o estigma de que tudo o que é natural não tem sabor. O segredo da refeição saudável, e não menos saborosa, no Brasil Wok está na matéria-prima. Todos os ingredientes são frescos e, por isso,

preservam suas propriedades nutritivas. Ideal para quem quer manter a forma, cuidar da saúde, mas não tem tempo de comer em casa. “Aqui (na Brasil Wok) nós trabalhamos com alimentos in-natura. São mais ricos em minerais. Aqui a manipulação dos ingredientes é mínima”, explica a nutricionista. Quem aderiu a esse tipo de alimentação é a lojista de um centro de compras em Santa Bárbara d’Oeste, Camila Favaro, de 19 anos. “Como trabalho aqui no shopping de segunda a sábado, acabo comendo aqui na praça de alimentação na maioria dos dias. E pra falar a verdade estou enjoada de lanche e parmegiana. Eu acabo indo no Brasil Wok porque consigo diversificar bastante as refeições e fazer com que ela seja saudável”, relata. A mãe da jovem, a também lojista Fátima Favaro, apóia a iniciativa da filha. “Eu até prefiro que ela se alimente dessa maneira. Ela acabou me convencendo a comer também. Como não comemos em casa, precisamos ter cuidado com a saúde”, destaca. Esse novo conceito em alimentação, além de saudável, é rápido e virou tendência mundial. Na Brasil Wok, explica Regina Serrano, quem se serve é o cliente. Em poucos minutos a refeição está pronta. São mais de 40 itens a escolha entre vegetais, verduras, grãos e massas. “O cliente se serve a vontade na cumbuca e de-

pois escolhe a carne e o molho. Os ingredientes da cumbuca passa pela panela Wok, são juntados ao molho e a carne. Em seguida, o cliente pode acrescentar alimentos funcionais, como linhaça e gergelim, arroz e farofa de aveia, por exemplo,”, conta a nutricionista da unidade do Shopping Parque Dom Pedro, em Campinas. Tem carne na culinária saudável? Regina Serrano tem a explicação: “A gente ‘abrasileirou’ esse tipo de alimentação para reforçar que a carne também pode ser saudável. É uma opção comer carne e dentro de um contexto ela é saudável, sim. Tudo na medida certa. Além do mais, para as carnes usamos óleo de girassol, que é uma gordura boa, bom pro coração, pro colesterol. Os molhos também são saudáveis. São calculados. Têm teor nutricional. E a panela que usamos (Wok) distribui o calor de forma uniforme e preserva os nutrientes, pois os alimentos ficam pouco tempo em contato com o calor”, conta Regina Serrano. A rede Brasil Wok ganhou franquias em várias partes do país. Uma opção saudável e acessível que agrada a todos os paladares. “Aqui tudo é saudável, o preço é acessível, a refeição é rápida. Tem a visita tanto de vegetarianos como de pessoas que apreciam uma boa alimentação”, finaliza a nutricionista Regina Serrano. agosto de 2011 • FORÇA • 91


Histórias de minha vida

TESTEMUNHA DO BOM BASQUETE Denis Viana relembra com carinho a época áurea do basquete

92 • FORÇA • junho agostode de2011 2011


Histórias de minha vida

H

á pelo menos cinco dé-

disputei não ganhei uma. Mas, o fato de

75 anos o barbarense ainda é frequen-

cadas o basquete vivia

estar lá já valia. Dali surgiu os maiores

tador assíduo de treinamentos e campe-

sua fase áurea. Ginásios

craques do Brasil na época e eu vivi e

onatos. “Eu treino ao menos três vezes

sempre cheios, brasi-

convivi com todos eles. É uma pena que

por semana. E todos os anos eu disputo

leiros entusiasmados com o esporte,

o basquete tenha ficado muitos anos ‘jo-

o Campeonato Brasileiro Master. Nes-

inúmeras conquistas internacionais e

gado às traças’, sendo comandado por

se ano estou na categoria 70+ porque já

muitos talentos lapidados. De lá para cá

quem não entende”, diz.

passei dos setenta (risos). Meu time é o

muita coisa mudou. O basquete perdeu

Denis Viana garante que, apesar de fal-

Rio de Janeiro”, relata com bom humor.

forças no cenário nacional e deixou de

tar incentivo à modalidade, se jogasse

Do basquete Viana não guarda apenas

ter lugar cativo no coração dos brasilei-

nos dias de hoje teria ido muito mais

recordações e medalhas. O esporte lhe

ros. Hoje, a modalidade reluta para re-

longe. “Na época em que jogava eu

rendeu ligações ainda mais profundas.

tomar os incentivos e à boa fase. O bar-

não pensava em me profissionalizar no

Foi na época de atleta que surgiu o ca-

barense Denis Viana, hoje com 75 anos,

basquete. Naquele tempo os jogadores

samento com Rosali Domingues Viana,

é testemunha da boa fase do basquete e

ajudavam a limpar a quadra, fazíamos

que também defendia Santa Bárbara

relembra com carinho a época áurea do

de tudo. Se eu tivesse os recursos que se

d’Oeste nas competições de basque-

esporte.

tem hoje teria tido condições de chegar

te. Da união nasceram três filhos, que

Ainda jovem Denis Viana integrou a

a um patamar bem melhor”. Uma das

herdaram dos pais o gosto pelo espor-

Seleção Barbarense de Basquete. Ao

grandes vantagens de jogar basquete

te. “Meus filhos até tentaram jogar,

longo da carreira amadora como jo-

hoje, em comparação às décadas passa-

mas pararam cedo. Mas, todos eles são

gador, disputou 13 Jogos Abertos, foi

das, segundo Viana, é a estrutura. “Hoje

adeptos à atividade física. Minha filha

tricampeão paulista universitário pela

se joga em ginásios cobertos. Na minha

até hoje bate uma bolinha com a gente”,

Escola de Educação Física de São Car-

época jogávamos em quadras abertas”,

orgulha-se.

los, jogou pelo Nosso Clube de Limeira,

exemplifica.

O segredo para tanta disposição para

pela Ponte Preta de Campinas. Conquis-

Mas, quem disse que o veterano não

viver e jogar? O barbarense explica em

tas que na época serviam de estímulo

aproveita a estrutura dos ginásios co-

poucas palavras: “Vem do esporte”. “Eu

bertos e as melhorias em quadra?

digo sempre que todo tipo de exercí-

Do início da carreira como

cio físico ajuda. Todos devem reservar

para dar continuidade aos treinamentos. “Muitas

com-

jogador, em 1951, pas-

o mínimo de tempo que seja para se

petições

que

sou-se exatos 60 anos

movimentar. Melhora a disposição, o

disputávamos

e, ainda assim, Denis

humor e a qualidade de vida”, enumera

valia como

Viana faz parte do bas-

Denis Aparecido Viana, que dá nome a

i nce nt ivo.

quete. Isso porque aos

dois ginásios na cidade.

Naquela

época os Jogos Abertos

eram

nacionais e das 13 vezes

que

Eu treino ao menos três vezes por semana... ...já passei dos setenta (risos). Denis Viana

agosto junho de 2011 • FORÇA • 93


Esportes

O SALTO DO HIPISMO Amadores são responsáveis pelo crescimento do esporte; mercado hípico movimenta R$ 7,3 bilhões

S

e tratando de esporte, hipismo é considerado, assim como o golfe - por exemplo, esporte elitizado. Para endinheirados. Faz sentido quando comparado com os primeiros praticantes. No século XVI, quando foi criada como prática de guerra, a equitação ganhou adeptos da nobreza e da aristocracia, sobretudo inglesa, em atividades como a caça à raposa. Mas, de 94 • FORÇA • agosto de 2011

lá para cá muita coisa mudou. Inclusive no perfil dos praticantes do hipismo. Isso porque são os praticantes amadores os responsáveis pelo salto do esporte. Nos últimos cinco anos, a procura aumentou 50% e o mercado hípico movimentou cerca de R$ 7,3 milhões. Fato curioso é saber que a que boa parcela desses amadores pertence à classe média. A explicação para tanto crescimento não está na me-

lhora do poder aquisitivo das famílias brasileiras. O que mudou foi o acesso a pratica da equitação. Os principais centros hípicos do país, que antes funcionavam como clubes fechados, abriram suas cocheiras para não sócios. Resultado? Muito mais gente movimentando esse mercado. Afinal, agora não é mais preciso desembolsar R$ 90 mil pelo título da Sociedade Hípica Paulista, como fez o casal Álvaro


Esportes Affonso de Miranda Neto, o Doda, e sua mulher, a bilionária Athina Onassis. Para usufruir da estrutura do local basta pagar mensalidades que variam de R$ 150 a R$ 500, dependendo do porte da hípica. Mas, o amadorismo pode virar coisa séria. Sem ser sócia de nenhuma hípica, Maria Luiza Giugni, de 18 anos, chegou à equipe brasileira de hipismo e representou o país nos Jogos Equestres Mundiais, ocorridos em outubro do ano passado em Kentucky, nos Estados Unidos. A jovem treina diariamente o volteio, modalidade que parece uma ginástica olímpica sobre o lombo de um cavalo, para sincronizar seus movimentos com os do cavalo. “Esse esporte é minha grande paixão”, conta ela em entrevista. Atualmente, Maria Luiza treina na escola do Clube Hípico de Santo Amaro — o título de sociedade da entidade sai por nada menos do que R$ 50 mil. Para praticantes profissionais ou amadores, a região de Campi-

nas abriga um verdadeiro oásis equestre. Especificamente na cidade de Indaiatuba. O local atrai aprendizes e já foi palco de uma das maiores competições do circuito nacional: o Grand National. No final do ano passado, a Hípica de Indaiatuba investiu cerca de R$ 1 milhão em estrutura. Tudo para receber as estrelas do esporte: os cavalos. Esses sim são de propriedade de endinheirados. Os animais de competição custam entre 116 000 e 700 000 reais. Em geral, têm nacionalidade alemã, belga ou holandesa. Chegam ao país de avião. Com manutenção estimada em 4 000 reais por mês, eles pesam de 550 a 650 quilos, consomem entre 4 e 6 quilos de ração e até 10 quilos de feno por dia, além de tomar 50 litros de água diariamente. Esse valor pode ser maior se massagem e acupuntura fizerem parte de sua rotina. Mas, isso não que dizer que apenas os ricos montam em supercavalos. Hoje é

cada vez mais comum cotas de patrocínio. O cavaleiro olímpico César Almeida é um dos exemplos de atletas que conseguiu pujança na carreira através de patrocínio. “Na época em que comecei a prática do hipismo, os valores cobrados eram muito elevados, e eu não tinha todo aquele dinheiro para fazer as aulas que eu desejava. Como minha família não era do esporte, comecei um pouco mais tarde do que os outros cavaleiros, e isso fizeram com que eu não tivesse nenhum título de jovem cavaleiro, mini mirim, etc”, conta em entrevista ao “Mundo Equestre”. Mesmo vindo de uma família que não era do esporte, Almeida quebrou todos os paradigmas e é prova de que não somente os (muito) ricos podem se dedicar ao hipismo. “Por tudo isso, fica o conselho: ninguém chega a lugar algum sem realmente se dedicar aquilo que gosta”, finaliza

O lado nobre do esporte 7,3 bilhões de reais é o valor movimentado no mercado equestre brasileiro. São Paulo responde por 63% desse total (4,6 bilhões de reais). O montante contabiliza desde a venda de uma ferradura até cavalos arrematados em leilões 5,8 milhões é o número de cavalos no Brasil, sendo 1 milhão deles animais de competição 3,2 milhões de empregos diretos e indiretos são criados pelo setor no país 116 000 a 700 000 reais, em média, é quanto custa um cavalo de competição, importado de países como Alemanha, Bélgica e Holanda

agosto de 2011 • FORÇA • 95


#fica a dica

ADENITE EQUINA (GARROTILHO)

A Adenite equina, também vulgarmente conhecida como Garrotilho, coriza contagiosa, gurma e estreptococia equina, é uma enfermidade infecto contagiosa aguda dos equídeos.

S

eu agente etiológico é uma bactéria gram + beta hemolítica o Streptococcus equi. É caracterizada por uma inflamação mucopuru-

96 • FORÇA • agosto de 2011

lenta das vias aéreas superiores, associando-se a linfadenite abscedativa, ou seja, formação de abscessos principalmente nos nódulos linfáticos submandibu-

lares e retro faríngeos. Tal enfermidade credita a literatura Médico Veterinária a Jordanus Ruffus em 1251. A importância de se conhecer e tratar esta enfermidade, é que o cavalo como outrora e, ainda hoje, é um animal muito utilizado e de interesse militar, no transporte, na agricultura e mais recentemente no laser, em provas de hipismos, rédeas, tambor, corridas, laço, performance, rodeios e outras atividades, que inequivocadamente despertam o interesse do estudo, interesse este que vem desde o inicio do século XIX. A Adenite equina esta disseminada por todo o globo terrestre e é extremamente contagiosa, porém não é uma zoonose (não passa para os humanos). O contágio entre os animais, se dá pela penetração nas vias aéreas, por inalação das gotículas, entre um animal sadio e um doente, podendo também ser por via oral, por intermédio de tratadores ao lidarem com os animais nos estábulos, ou mesmo por fômites infectados. Podemos caracterizar as fômites como: alimentos, cama,


agosto de 2011 • FORÇA • 97


água, ar, utensílios de estábulos, sondas gástricas, endoscópios, além de insetos, que podem participar como fontes de disseminação da bactérias. O agente patológico é bastante resistente às condições ambientais, permanecendo nas secreções purulentas por várias semanas e até meses com capacidade infectante. É comumente chamada de Garrotilho, pelo fato de que os animais não tratados apresentarem uma sintomatologia como se estivessem sendo estrangulados, ou seja, garroteados, isso em decorrência da obstrução da faringe ocasionado pelos linfonodos aumentados de volume. Epidemiologicamente a enfermidade acomete os equinos de todas as idades, sendo maior a incidência em animais jovens. A literatura traz uma variação etária, afetando potros de aproximadamente de dois meses e raramente os equinos com mais de dois anos. Segundo Sweeney et al. (1987), observou-se que a faixa etária de equinos acometidos 98 • FORÇA • agosto de 2011

pela doença, variou de um mês a vinte e cinco anos de idade. Porém há de se ressaltar que os surtos ocorrem mais entre os animais jovens mantidos em baias com super lotação. A morbidade é bastante significativa e alta, chegando de 99 a 100%, porem a mortalidade varia de 2 a 3%, quando devidamente tratados à tempo de eliminar as bactérias, sem causar tanta lesão nos linfonodos. Há que se ter em mente, que pela ação da imunoglobulina IgA, o animal adquire uma certa resistência (i mu n id ade) porém segundo a literat ura médica ele poderá adoecer mais de uma vez. A p a t oge n i a , se caracteriza por infectado em condições naturais, que incubam o

agente, manifestando-se a enfermidade de 4 à 8 dias, após ter acesso a cavidade nasal ou oral, aderindo a bactéria nos epitélios das cavidades nasais, orofaríngeas e tonsilas. Clinicamente apresentam sintomas como febre alta chegando por vezes de 40 a 41°C, anorexia (falta de apetite) depressão, dificuldade para respirar e corrimento nasal seroso (catarro), este no período de 2 a 3 dias torna-se purulento (com pus) de coloração amarela, expelido bilateralmente em abundância, quando o animal espirra ou tosse, mostrando sinal de dor na região oro faríngeo e na maior parte das vezes, mantem a


cabeça baixa e estendida, dificultando a deglutição. Por vezes pode apresentar conjuntivite catarral, ou catarral purulenta. Os gânglios da face (submandibulares) o os retrofaringeos, apresentam-se bastantes ingurgitados (edemaciados) quentes e dolorosos a palpação, inicialmente firmes e depois da abscedação, são flutuantes e bastantes volumosos podendo ocorrer fistulação para o meio exterior. Esta patologia é bastante característica apresentado um quadro acentuado de rinite, faringite e em alguns casos até de laringite aguda, acompanhados de bastante exsudato purulento, hiperemia e edema de mucosas. O tratamento varia de acordo com o estágio da doença, e se realiza através da antibiótico terapia. Porém há que se fazer uma escolha do antibiótico a ser administrado em cada caso. Geralmente, o protocolo de tratamento a ser elaborado pelo Médico Veterinário, é que nos animais que apresentam sintomatologia de infecção por

Streptococcus equi, sem abscedação dos nódulos linfáticos, a doença pode ser inibida pelo uso da terapia com Penicilina G, na dose de (15.000UI/ Kg p.v., de 12 em 12 horas). Nos casos onde houver abscedação dos linfonodos, a penicilina pode retardar a progressão da enfermidade, sendo neste caso contra indicado. Deve-se então ser tratados preferivelmente, acelerando a maturação dos abscessos com iodo e aplicação de compressas quentes, até que venham a furo espontaneamente, ou drenados cirurgicamente. Outros antibióticos como a oxitetraciclina associados com sulfa + trimetropim, a eritromicina, poderão ser usados, com menos eficiência. Ressalta-se ainda que quando o animal apresenta, anorexo, apático, febril e dispnéico, a aplicação de antibiótico, será necessária. Havendo complicação do quadro clínico, deverá ser adotado um tratamento de suporte com fluidoterapia, expectorantes e antimicrobianos em dosagens superiores a recomendadas. Em quadros extremos, poderá ser necessária a traqueostomia para melhorar a respiração do animal. O garroti-

lho, entre as muitas afecções respiratórias que acometem os equinos, se exponência pela alta morbidade, além de deixar por vezes sequelas, o que o torna, uma das mais importantes patologias que acomete os cavalos, devendo ser, portanto, além das medidas terapêuticas, ser tomadas medidas de cunho profilático e de perfeito manejo, no rebanho de equinos, principalmente dos que vivem em estábulos. O resultado da imunização (vacinação) não são totalmente seguros, podem falhar. Foi comprovado que cavalos vacinados no período de incubação da doença, tiveram uma reação muito mais severa. Recomenda-se que animais sadios que por ventura tiverem contato com os doentes, devem receber o “SORO VACINAÇÃO”.

Elisabete de Lima Segantini Advogada atuante em matéria Criminal e Família Graduanda em Medicina Veterinária (10ª sêrie)

agosto de 2011 • FORÇA • 99


Saúde

5 MANEIRAS DE EVITAR A INSÔNIA Distúrbio do sono pode afetar o sistema imunológico, a coordenação motora e reduzir a expectativa de vida

Q

ue passar a noite em claro é um dos fatores que mais contribuem para a alternância de humor todos já sabem. Que essas noites deixam olheiras no dia seguinte também. Mas, a insônia esconde muito mais riscos à saúde do que as marcas superficiais das olheiras ou o mau humor. Quem sofre com distúrbios crônicos do sono pode perder parte da capacidade motora, reduzir a resistência do sistema imunológico e até reduzir a expectativa de vida. A insônia se caracteriza por uma incapacidade em conci-

100 • FORÇA • agosto de 2011

liar o sono e pode ter causas orgânicas ou psíquicas. Dormir menos do que o necessário pode diminuir a imunidade, abrindo as portas para infecções. Também afeta o humor e prejudica a coordenação motora, o tempo de reação e julgamento. Alguns estudos relacionam os problemas do sono com uma redução na expectativa de vida e com o desemprego – há redução no desempenho e aumento no número de licenças médicas. De acordo com um estudo apresentado pela Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos, a insônia crônica pode estar associada à morte

prematura, independente de outros problemas de saúde, como doenças cardíacas ou diabetes. Dados do estudo – que avaliou duas mil pessoas – apontam que a mortalidade é três vezes maior em pessoas com insônica crônica. Ao menos quatro tipos de insônia pertencem ao grupo de risco: dificuldade para pegar no sono; dificuldade para voltar a dormir; acordar várias vezes durante a noite; e acordar cedo demais. Segundo a pesquisadora Laurel Finn: “A insônia é um sintoma opressor e tem um impacto negativo sobre a qualidade do sono, o que deve levar as pessoas a procurar tratamento. A identificação da insônia como um fa-


Saúde

agosto de 2011 • FORÇA • 101


tor de risco para a mortalidade pode ter implicações clínicas e elevar o nível de prioridade dos tratamentos para a insônia”, concluiu. Ter uma boa noite de sono é o que busca pelo menos 20 milhões de pessoas no Brasil – número estimado de brasileiros que sofrem com a insônia. O número de vítimas desse tipo de distúrbio não para por aí. Algumas pesquisas afirmam que 42% da população mundial tem algum problema para dormir e que em cerca de um terço das consultas médicas os pacientes reclamem da qualidade do sono. Se você tem dificuldade para dormir ou algum distúrbio que prejudica uma boa noite de sono, mudanças no estilo de vida podem ajudar a combater a insônia, mesmo quando ela é crônica. Conheça dez maneiras de evitar esse mal, tiradas do livro “50 Coisas que você pode fazer para combater a insônia”, de Wendy Green, da Editora Larousse. 1- Faça atividade física: Praticar qualquer tipo de atividade física, seja ir à 102 • FORÇA • agosto de 2011

academia ou fazer tarefas domésticas, até cinco horas antes de dormir ajuda o corpo a relaxar. Isso acontece porque a atividade física libera endorfina e aumenta a temperatura do corpo e o metabolismo, que tendem a cair depois de cerca de cinco horas. É nesse período que o corpo começa a se sentir sonolento e pronto para dormir. 2- Tenha horário para dormir e acordar: Ter um horário para dormir e acordar pré-definido auxilia o funcionamento do relógio biológico do organismo. Dessa maneira, o corpo começa a ter regularidade e passa a reconhecer as etapas do dia e, consequentemente, a hora do sono. 3- Faça atividades relaxantes antes de dormir: Nada de ficar agitado antes de dormir. O ideal é que, uma hora antes de dormir, atividades relaxantes sejam prioridade, como ouvir músicas calmas, ver um programa tranquilo na TV ou mesmo fazer respirações de yoga ou técnicas de relaxamento. É importante ainda só deitar quando for dormir, já que

deitar para ‘esperar o sono’ pode gerar ansiedade – o que deixa ainda mais difícil conseguir dormir. 4- Transforme seu quarto em um ambiente tranquilo: Sabe aquela sensação de tranquilidade, em uma ambiente de cores claras, e conforto, com lençóis e camas confortáveis? Então, esse é o quarto ideal para os insones. Isso significa que dormir do lado de uma rua barulhenta ou em um quarto cheio de estímulos pode prejudicar ainda mais o hábito de dormir. 5- Tenha uma alimentação saudável: Uma alimentação saudável auxilia no bom funcionamento de todo o organismo. Poucas horas antes de dormir é preciso cuidar da alimentação. Ingerir alimentos com cafeína e álcool poucas horas antes de dormir prejudicam a qualidade do sono. É ideal ainda que se evite alimentos de difícil digestão ou em grandes quantidades, porque o processo digestivo pode causar pequenas interrupções no sono.


Saúde

CONTRA O BULLYING A iniciativa do cirurgião plástico Marcelo Souza de Assis em operar, de forma voluntária, crianças com orelha de abano

H

á quem duvide que ainda existam profissionais interessados em aplicar seus conhecimentos de forma voluntária. Se a iniciativa partir no campo da medicina há quem duvide ainda mais. E se eu falar que em Campinas, um cirurgião plástico opera, há dois anos, crianças com

orelha de abano de forma gratuita? A iniciativa do cirurgião plástico Marcelo Souza Assis visa outro tipo de ”lucro”, que não o financeiro: “Ver uma criança feliz não tem preço”, afirma. Mas, há quem duvide que tanta bondade seja verdade. “As pessoas ficam desconfiadas se tem alguma pegadinha de marketing. Mas, quando a família é atendida, vê que o trabalho é sério e totalmente filantrópico”. A iniciativa voluntária do médico campineiro é tão séria que se transformou no Projeto Orelhinha. O objetivo é privar crianças com orelha de abano, de 7 a 15 anos, do bullying – atos que ofendem, humilham, discriminam, intimidam, perseguem, aterrorizam e até mesmo agridem fisicamente crianças e adolescentes nas escolas - e fazer com que tenham agosto de 2011 • FORÇA • 103


Saúde vida social. “Eu tenho casos de crianças

rurgia, outro requisito é a avaliação psi-

fazemos gratuitamente com as crianças”.

que têm problemas sociais, que não vão

cossocial. Assis alerta que a vontade em

Para participar do projeto existem duas

à escola. Casos de crianças introvertidas,

corrigir as orelhas precisa ser da criança

formas: a primeira é entrar em contato

de meninos que têm cabelo comprido ou

e não dos pais. “Tem muitas famílias que

usam boné para cobrir a orelha, de mãe

chegam ao consultório e estão mais an-

com o Rotary Clube Campinas Oeste

que já colocou cola para grudar a orelha

siosas do que os filhos. Quando percebo

da filha”, conta o cirurgião. O Projeto

que são os pais que querem mais com os

Orelhinha tem apenas três meses. Mas,

filhos digo para esperarem. É a criança

os trabalhos voluntários de Marcelo As-

quem tem que estar preparada. Por isso

sis já têm longa estrada. Há dois anos

trabalho com essa faixa etária”. Quanto

mações podem ser obtidas no (19) 3201-

o cirurgião passou a fazer a cirurgia de

à cirurgia, o cirurgião conta que o pro-

3781 e no (19) 3201-3782. Sobre o “lucro”

correção do abano,chamada de otoplas-

cesso é simples: “A cirurgia é simples

que falamos no início da reportagem, ele

tia, de forma gratuita. De lá para cá, mais

e é feita na clínica mesmo, a nível am-

não vem em espécie, mas em gratidão e

de 150 crianças superaram problemas so-

bulatorial. Fazemos uma sedação leve.

histórias emocionantes não faltam. “Teve

ciais. Só no Projeto Orelhinha, 40 crian-

A criança fica sonolenta e a anestesia é

o caso de um menino, de nove anos, que

ças carentes já foram operadas. “O proje-

local. A cirurgia demora 40 minutos e o

to atende crianças de toda região e tenho

paciente vai embora poucas horas depois.

perdeu um ano na escola. Ele é retraído

recebido ligações até de outros estados.

Por quatro dias ele fica com uma faixa na

Decidi fazer esse projeto pelo fato da ore-

cabeça. Com dez dias tiramos os pontos”,

lha de abano causar problemas sociais, e

detalha. Adultos que queiram reparar as

porque o SUS (Sistema Único de Saúde)

orelhas de abano também podem ser

e planos particulares não cobrem. Uma

atendidos pelo cirurgião Marcelo Assis.

família carente e até de classe média não

“Às vezes os pais trazem os filhos e tam-

fala emocionado.“Embora seja uma ci-

têm condições de pagar esse tipo de ope-

bém têm orelha de abano. Também faço

rurgia simples o ganho físico e psicoló-

ração”, explica Assis. Hoje, uma cirurgia

a cirurgia neles. E para isso cobro um

gico é muito grande, pois a criança recu-

de abano custa em média R$ 5 mil. Além

valor simbólico de R$ 500. Esse valor

pera a sua auto-estima, tornando-se um

de não ter condições para bancar a ci-

é para ajudar no custo das cirurgias que

adultoconfiante e sem traumas”, finaliza.

para se inscrever. A entidade é a responsável pelo processo de captação e triagem dos pacientes. Ou entrar em contato com a Clínica Marcelo Assis. Mais infor-

e nunca tinha falado comigo. No dia em que operou, ele veio falar comigo e disse: ‘Dr. eu gostaria de falar um coisa’. E disse: ‘Hoje é o dia mais feliz da minha vida’. É isso que motiva a fazer mais”,

Dr. Marcelo Assis explica: O que é orelha de abano? Orelha de abano é uma deformidade das orelhas que se projetam para fora da cabeça. Alguns casos são muito evidentes e bem abertas, mas outros dependem da avaliação subjetiva de cada um. Ocorre em 2 a 5% das pessoas. São mais frequentes em ambas as orelhas, mas em alguns casos afeta apenas uma delas. Afeta mais as mulheres do que os homens. Orelhas de abano chamam mais atenção do que orelhas muito grandes ou muito pequenas. São mais perceptíveis nas crianças e ainda mais nos meninos, que não conseguem disfarçá-las com o cabelo curto, que tentam escondê-las usando bonés ou cabelos compridos. As orelhas cumprem um curioso papel na estética da face. Enquanto os olhos, o nariz, a boca e os cabelos são alvos de elogios ou de críticas, as orelhas abertas causam deboches, apelidos e humilhação, conhecido como bullying, gerando um sentimento de insegurança. As crianças são as principais vítimas de apelidos e brincadeiras cruéis,resultando num dano psicológico e gerando um adulto introvertido e com traumas sociais, o que justifica a sua correção. 104 • FORÇA • agosto de 2011


Orações

SALMO 91 Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará. Direi do SENHOR: Ele é o meu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza, e nele confiarei. Porque ele te livrará do laço do passarinheiro, e da peste perniciosa. Ele te cobrirá com as suas penas, e debaixo das suas asas te confiarás; a sua verdade será o teu escudo e broquel. Não terás medo do terror de noite nem da seta que voa de dia, Nem da peste que anda na escuridão, nem da mortandade que assola ao meio-dia. Mil cairão ao teu lado, e dez mil à tua direita, mas não chegará a ti. Somente com os teus olhos contemplarás, e verás a recompensa dos ímpios. Porque tu, ó SENHOR, és o meu refúgio. No Altíssimo fizeste a tua habitação. Nenhum mal te sucederá, nem praga alguma chegará à tua tenda. Porque aos seus anjos dará ordem a teu respeito, para te guardarem em todos os teus caminhos. Eles te sustentarão nas suas mãos, para que não tropeces com o teu pé em pedra. Pisarás o leão e a cobra; calcarás aos pés o filho do leão e a serpente. Porquanto tão encarecidamente me amou, também eu o livrarei; pô-lo-ei em retiro alto, porque conheceu o meu nome. Ele me invocará, e eu lhe responderei; estarei com ele na angústia; dela o retirarei, e o glorificarei. Fartá-lo-ei com longura de dias, e lhe mostrarei a minha salvação.


cymk


108 • FORÇA • agosto de 2011

REVISTA FORÇA EDIÇÃO AGOSTO  

Edição da Revista Força de Agosto/Setembro

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you