Page 1

w w w. r ev i s t a f o r ç a .c o m . b r

ano II . nº 14 . fevereiro de 2012 R$ 7,50

fevereiro de 2012 R evista • Força •

1


2 • R evista Força • fevereiro de 2012


fevereiro de 2012 R evista • Força •

3


4 • R evista Força • fevereiro de 2012


fevereiro de 2012 R evista • Força •

5


Indica Revista Força

Churrascaria Churrascaria gaúcha

Rua José Volpato, 276 - Jd. América II Americana - SP 19

3467.1322

Pizzaria O Casarão

Rua Guaianazes, 1779 - Sta. Rita Santa Bárbara D’Oeste - SP

3467.1322 www.ocasarao.com.br 19

Massas Gramado Fest Food Rua Osmio, 699 - Tivoli Shopping Santa Bárbara D’Oeste – SP

3457.5270 www.gramadobuffet.com.br 19

À La Carte Cachaçaria Brasil

Rua Dona Prisciliana Soares, 233 Cambuí Campinas - SP 19

6 • R evista Força • fevereiro de 2012

3255.0234


Indica Revista Força

Baby Beef Churrascaria Santa Gertrudes Av. Cel. Silva Telles, 600 , Cambuí Campinas, SP19 19 3255.5511

À La Carte

Rosário Rua General Osório, 941, Centro - Campinas - SP

Porções

19 3232.8400

Cachaçaria Água Doce

Av. R afael Vitta, 880 - São Domingos - Americana – SP 19 3255.5511

americana@aguadoce.com.br

Comida Árabe Papai Salim Avenida Benjamin Constant, 1307 - Centro - Campinas - SP 19 3255.5511

www.papaisalim.com.br

fevereiro de 2012 R evista • Força •

7


Índice Edição 14 | Ano 2

6 | Revista Força Indica 10 | Entrevista Paulo Skaf Especial Capa 16 | De tijolo em tijolo 20 | O futuro já começou 26 | Rápidas

20

Especial Capa

Economia 28 | Negócio além da fantasia 32 | A importância do comitê da

O futuro já começou

qualidade nos programas de gestão da qualidade

Dicas de Construção 36 | A dança das molduras

Jurídico Entrevista

10

42 | Contrato com aprendizes - 2ª parte

Paulo Skaf

Moda 46 | O jeans do verão

Turismo 51 | Rota dos queijos e dos vinhos

Comportamento 54 | Não deixe para 2013 57 | A arte de aprender 59 | Aprendi com minha avó

8 • R evista Força • fevereiro de 2012


Índice Personalidades 62 | Fabiana Coelho

Tecnologia

64

Até que a rede social os separe

gastronomia

Saúde

67 | Cardápio de 15 minutos

78

As unhas também falam

Esporte 72 | O exemplo que vem de Londres

Saúde 76 | R.P.G. na fisioterapia 78 | As unhas também falam

Moda

46

O jeans do verão

Histórias de minha vida 82 | A evolução da construção civil Orações 84 | Política para quem? fevereiro de 2012 R evista • Força •

9


‘‘

NÃO VEMOS NENHUMA GRANDE MUDANÇA PARA 2012 Em entrevista à Revista Força, Paulo Skaf fala do desempenho da indústria e dos entraves burocráticos e estruturais que impedem o avanço industrial no país

‘‘

Entrevista

Paulo Skaf

Sexta maior economia do mundo, atrás apenas de Estados Unidos, China, Japão, Alemanha e França, o Brasil tem enorme potencial de crescimento, mas poderia estar numa posição muito mais confortável do que a atual. “O setor produtivo nacional sofre com a perda de competitividade há alguns anos. O desempenho da indústria de transformação, e consequentemente da economia do país, poderia ser muito melhor do que tem sido, caso os entraves estruturais que impedem o avanço industrial fossem removidos”. Quem fala com propriedade de causa é o empresário e presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Paulo Skaf, que em 2011 viu a indústria de transformação cresce apenas 0,3%. Em entrevista à Revista Força, ele fala das perspectivas nada animadoras para 2012 e aponta os principais entraves para o desenvolvimento econômico do país. REVISTA FORÇA - Antes de falarmos de fato sobre as perspectivas econômicas do país para este ano, é preciso entender o ‘sistema’ que há por de trás da indústria. E de como o país é visto no mercado internacional. De fato somos uma economia em 10 • R evista Força • fevereiro de 2012


Índice

PAULO SKAF - Desde que as economias dos países mais ricos começaram a sofrer com a crise deflagrada em 2008, os países emergentes assumiram papel de condutores do crescimento mundial e mesmo o de agentes capazes de tirar os principais mercados da crise. E, entre os emergentes, o Brasil assumiu uma posição privilegiada pelo seu enorme potencial de crescimento. Temos recursos naturais abundantes, disponibilidade de energia e um enorme mercado interno em rápida expansão. Os efeitos dessas mudanças já se fizeram presentes na divulgação, em dezembro último, de que o Brasil já é a sexta maior economia do mundo, ultrapassando o Reino Unido e ficando atrás apenas de EUA, China, Japão, Alemanha e França. Apesar disso, o setor produtivo nacional sofre com a perda de competitividade há alguns anos. O desempenho da indústria de transformação, e consequentemente da economia do país, poderia ser muito melhor do que tem sido, caso os entraves estruturais que impedem o avanço industrial fossem removidos. Os juros reais brasileiros continuam a ser os maiores do mundo apesar da melhora da avaliação do país pelos investidores internacionais, o que deveria trazer nossos juros para níveis mais baixos numa velocidade maior. Com os juros altos, a taxa de câmbio se mantém valorizada encarecendo nossas exportações em relação aos importados. Além disso, as importações também são incentivadas por estados que concedem

benefícios fiscais aos produtos estrangeiros. A esses fatores somam-se a carga tributária, a complexidade burocrática para o recolhimento dos tributos, a infraestrutura deficitária e o elevado custo da energia. Portanto, esses obstáculos impediram um protagonismo maior do Brasil e de sua indústria no cenário internacional. RF - Uma das principais queixas dos empresários é alta carga tributária do Brasil. Um cenário que impede o

obstáculos ‘‘impediram um

vel da carga. Além de elevada, essa carga tributária é distribuída de forma muito distinta conforme o setor da economia, e é proporcionalmente muito maior na indústria de transformação do que no restante da economia. Embora responda por 16,6% do PIB, a indústria de transformação contribui com 37,6% da carga tributária. Assim, a carga tributária da indústria de transformação é 126% maior que a participação do setor na economia. Na média de 2005 a 2009, a carga tributária da indústria de transformação foi de 59,5% do seu PIB. E se não bastasse a elevada carga tributária com que as empresas devem arcar para produzir no Brasil - o que significa, para a indústria de transformação, 40,3% do preço dos produtos - elas arcam também com excessivos custos para pagar os tributos (como veremos na questão 6) e não têm uma contrapartida de serviços públicos adequados. De fato, as indústrias têm gastos acima de seus concorrentes internacionais seja por conta dos transportes e logística ineficientes, seja porque têm dispêndios para suprir deficiências do serviço público. Para reverter esse quadro, no âmbito tributário, é fundamental a desoneração da produção e do investimento, bem como a simplificação das normas tributárias e a redução da burocracia, de forma a proporcionar isonomia para a indústria brasileira diante da concorrência externa. O Brasil não pode mais prescindir de uma reforma tributária que reduza o peso dos impostos para a sociedade, favorecendo a criação de empregos e a geração de renda.

protagonismo maior do Brasil e de sua indústria no cenário internacional

‘‘

ascensão? Qual o posicionamento da indústria brasileira no mercado internacional? Poderíamos estar numa posição mais confortável, senão houvesse tantos impedimentos burocráticos e estruturais?

crescimento mais rápido da economia privada e que acaba prejudicando o empresário, o trabalhador e o crescimento econômico. Como reverter esse cenário? PAULO SKAF - Dentre os elementos que prejudicam a competitividade da indústria, um dos mais importantes é a tributação. Como se sabe, a carga tributária no Brasil é muito elevada. Em 2010, se encontrava em aproximadamente 33,6% do PIB, superando os países com os quais competimos no comércio internacional, cuja carga não ultrapassava 25,5%.Entretanto, o problema não se resume ao ní-

RF - Hoje o Brasil vive um momento favorável para a aprovação de uma reforma tributária, mesmo que em fevereiro de 2012 R evista • Força •

11


Índice etapas, visto que a presidente Dilma Rousseff tem maioria na Câmara, no Senado e no Congresso? Há algum projeto em trâmite?

exemplo, pouca coisa mudou da década de 70 para cá. Como a Fiesp vê esse problema e de que forma ele prejudica a indústria e a economia?

PAULO SKAF - Sempre tivemos como objetivo uma reforma tributária ampla. Contudo, interesses divergentes impedem o andamento dessa reforma. Assim, estamos empenhados na aprovação do Projeto de Resolução do Senado Federal nº 72/2010, que prevê uma única alíquota de ICMS (4% é a que defendemos) nas saídas interestaduais de produtos importados. É absurdo que alguns estados concedam incentivos do ICMS para importações de mercadorias, em prejuízo

PAULO SKAF - Os diversos gargalos dos principais aeroportos do Brasil geram altos custos de transporte e armazenagem para as indústrias e usuários em geral, refletindo diretamente no valor dos produtos, na qualidade dos serviços e na competitividade do país. A FIESP acredita que a concessão dos aeroportos à iniciativa privada é a solução mais apropriada para o Brasil. Entretanto, é preciso ter um marco regulatório bem definido e uma agência forte e efi-

como modernizar e ampliar os principais aeroportos, para atender à crescente demanda de passageiros e carga. Como referência, o número de passageiros no Aeroporto de Guarulhos cresceu 23% entre os anos de 2009 e 2010, subindo para 26,8 milhões. Estima-se que em 2014, este número seja de 38,9 milhões de passageiros. Em 2011, 8,7 milhões de brasileiros utilizaram o transporte aéreo pela primeira vez. Além da concessão dos atuais aeroportos, é importante considerar a construção de novos aeroportos com investimentos privados, ampliando a competitividade no setor. RF - Além dos aeroportos vemos que os outros eixos de escoamento de produção – portos, ferrovias e rodovias – também enfrentam o problema de falta de investimentos e reestruturação. Os projetos ainda são antigos e o fluxo de pessoas e cargas por esses eixos mais do que triplicou com o passar das décadas. Apesar de se tratar de um problema quase que ‘crônico’.

dos produtos brasileiros. Tais incentivos transferem postos de trabalho do Brasil para outros países, o que é inaceitável. RF - O Brasil, principalmente o Estado de São Paulo, enfrenta um sério problema com seus aeroportos. Seja para o transporte de carga ou passageiros, o que se vê é uma estrutura defasada, com poucos investimentos e que não cresceram junto com a evolução econômica do país. No Aeroporto Internacional de Guarulhos, por 12 • R evista Força • fevereiro de 2012

caz na fiscalização. É importante também que o modelo busque a redução de custos para o setor. Nos editais de concessão, lançados recentemente, o consórcio ganhador será obrigado a ter um parceiro com experiência em gestão aeroportuária internacional. Isso é muito importante pois, no Brasil, a exclusividade do setor público na gestão e operação fez com que a iniciativa privada não desenvolvesse esse tipo de experiência. Devem-se tomar medidas urgentes,

PAULO SKAF - Os investimentos em infraestrutura são de grande importância estratégica para qualquer país. Nos últimos quatro anos, o investimento na infraestrutura de transportes tem sido em torno de 0,5 a 0,7% do PIB ao ano, um índice muito aquém da nossa necessidade, especialmente porque, nos últimos 20 anos, encontramos um cenário de crescimento econômico e de déficit no investimento. Se tivermos o objetivo de chegar aos padrões dos países asiáticos, seria necessária uma taxa de investimento superior a 5% do PIB. Fica evidente a necessidade da maior presença da iniciativa privada nos investimentos, por meio de concessões ou parcerias público-privadas. Precisamos também de uma mudança no ordenamento logístico e, para isso, esses investimentos devem estar garantidos por uma


RF - Todos os problemas citados, como a burocracia, a guerra fiscal, a infinidade de impostos que o empresário paga, a estrutura defasada dos aeroportos, portos, ferrovias e rodovias, faz o país ser menos competitivo. Como a indústria enfrenta esse cenário? PAULO SKAF - O setor industrial brasileiro é onerado por diversos elementos de custo, cujos níveis encontram-se acima do vigente na maioria das economias desenvolvidas e em desenvolvimento. Isso resulta em expressivo prejuízo à nossa competitividade.Esses elementos de custo dizem respeito aos tributos, ao custo de capital, energia elétrica e logística, entre outros. O ponto comum é serem fatores cujo impacto as empresas dificilmente conseguem neutralizar ou reduzir – ou seja, trata-se de fatores sistêmicos, e

‘‘

‘‘

segurança regulatória e financeira, que possibilite novos eixos de escoamento da nossa produção. O sistema regulatório deve ser forte e independente, deixando o investimento e a operação com os empresários do setor. Para obtermos uma integração consistente dos diversos modos de transportes é necessário o aperfeiçoamento normativo e institucional do setor. Outra questão importante é a ambiental; precisamos de regras claras e um processo administrativo ágil para termos um licenciamento ambiental rápido e conclusivo, sem burocracia. Somente com a melhoria das condições de logística (rodovias, ferrovias, aeroportos e portos) é que a produção interna será escoada de maneira mais eficiente para atender aos consumidores domésticos e aos mercados internacionais. Com isso, diminuímos os custos e elevamos nossa competividade e nossas taxas de crescimento econômico.

se tivermos o objetivo de chegar aos padrões dos países asiáticos, seria necessária uma taxa de investimento superior a 5% do PIB

sua solução depende fundamentalmente de políticas de Estado. Quanto à burocracia, diante do elevado número de tributos e das suas distintas aplicações, as empresas brasileiras são obrigadas a contratar serviços adicionais (seja pela contratação de funcionários qualificados ou terceirizando), dos quais não precisariam se estivessem operando em países cujo sistema tributário é mais simples. O Departamento de Competitividade da FIESP estima que os custos diretos e indiretos do pagamento dos tributos representam 2,6% do preço final dos produtos industriais, o que, somado à carga tributária, significa 42,9% do preço. A FIESP também estimou o custo médio da burocracia no Brasil: entre 1,47% a 2,76% do PIB, isto é, de R$ 46,3 bilhões a R$ 86,7 bilhões (em reais de 2009). A respeito da guerra fiscal, o ponto mais crítico é que vários estados brasileiros concedem incentivos à importação por meio de redução/isenção de ICMS, na chamada Guerra dos Portos. Nos últimos anos, somada à valorização cambial favorecida pelas altas taxas de juros, a

Índice Guerra dos Portos fez com que as condições de competição da produção nacional frente aos importados fossem muito desiguais. Diante disso, o aumento das importações de bens aumentou muito, gerando grande impacto na produção e no emprego no Brasil. A Guerra dos Portos custou para a economia nacional, tanto direta como indiretamente, pelo menos 771 mil empregos até 2010.Além dos postos de trabalho que deixaram de ser criados por aqui, a prática desestimula a inovação e os investimentos das empresas nacionais, prejudicando ainda mais a sua competitividade. No total, os benefícios garantidos por vários Estados para os produtos importados reduziram o crescimento do PIB nacional em R$ 18,7 bilhões – o que equivale ao PIB total de Estados como Alagoas ou Sergipe, ou cidades como Campinas/SP, Fortaleza/CE ou Camaçari/BA. No que tange à infraestrutura, o baixo investimento público realizado nas últimas décadas coloca o Brasil em situação muito desvantajosa. Por exemplo, tomando-se várias dimensões da infraestrutura em 139 países avaliados pelo Fórum Econômico Mundial, o Brasil está classificado em: • 41º em Logística • 76º em Telefonia Celular • 82º em Procedimentos alfandegários • 87º em Ferrovias • 93º em Aeroportos • 105º em Estradas • 123º em Portos Além disso, a energia elétrica no Brasil encontra-se entre as mais caras do mundo. A redução dessas tarifas é tema de intensa mobilização da FIESP. A campanha Energia a Preço Justotem o objetivo de mobilizar a opinião pública e pressionar as autoridades para que a lei seja cumpridae sejam realizados leilões para fevereiro de 2012 R evista • Força •

13


Índice

RF – No ano passado o país estava sob o efeito da transição de governo, como a indústria se comportou nesse período? Como foi o ano de 2011 para a indústria? PAULO SKAF - A indústria de transformação teve um desempenho pífio em 2011. As indicações apontam para uma variação positiva de apenas 0,3% em 2011 sobre o ano anterior, ou seja, de um ano para outro a indústria não cresceu. Dentre os graves problemas que a indústria de transformação tem enfrentado nos últimos anos, o expressivo aumento das importações ganhou notória dimensão, retirando competitividade e aprofundando o processo de desindustrialização brasileiro. Dessa forma, o comportamento da indústria foi anêmico, deixando muito a desejar e muito distante do seu papel de líder do desenvolvimento do país. RF - Qual o real potencial da indústria se, ainda que utopicamente, o Brasil tivesse um cenário com juros baixos, redução da carga de impostos, estrutura de alto nível para importar e exportar e uma legislação que beneficiasse os empresários? Neste cenário, 14 • R evista Força • fevereiro de 2012

‘‘

o potencial de crescimento do país depende da competitividade da sua produção no mercado interno e externo

país, de 12,5% em 2003 para 21,8% em 2010, fruto da valorização cambial (favorecida em boa medida pela alta taxa básica de juros) e também da Guerra dos Portos, entre outros fatores. Apenas em função de aumento na penetração de importados, de acordo com estimativa da FIESP, a produção nacional da indústria deixou de aumentar em R$ 125 bilhões e, pelo encadeamento do setor, o nível de atividade na economia como um todo deixou de aumentar em mais R$ 152 bilhões (efeito total da ordem de R$ 277 bilhões). Com isso, 3,5 milhões de postos de trabalho deixaram de ser gerados direta e indiretamente na economia.

o Brasil estaria competindo no mesmo nível desses países?

RF - De volta à situação real do mercado brasileiro, ainda que o país tenha tantas complicações para que haja um crescimento econômico ainda maior, a indústria tem tipo, aparentemente, um desempenho pujante nos últimos anos. O que explica esse desempenho? Quais são as projeções e perspectivas para a indústria e para a economia em 2012?

PAULO SKAF - A questão primordial para o desenvolvimento da indústria no Brasil se refere a isonomia, e não a benefícios. Se o ambiente sistêmico no Brasil fosse equiparado ao encontrado nos demais países (isto é, menor carga tributária, taxa de câmbio adequada, baixo custo de capital, baixo custo da energia elétrica, infraestrutura eficiente, entre outros fatores), a indústria brasileira com certeza recuperaria sua competitividade no mercado interno e externo, gerando maior crescimento da produção, da renda e do emprego, contribuindopara o maior crescimento da economia. O efeito potencial dessa melhoria do ambiente sistêmico é muito significativo. Considere-se o aumento na penetração de produtos importados ocorrido no

PAULO SKAF - Esse desempenho pujante da indústria a que você se refere ficou para trás com a eclosão da crise internacional em 2008. No ano seguinte, a produção industrial apresentou forte retração (-7,4%). Assim, o crescimento de 10,5% em 2010, que à primeira vista parece um forte avanço, foi na verdade apenas uma recuperação aos níveis anteriores à crise. A indústria encontra-se praticamente estagnada desde o segundo trimestre de 2010. O fato alarmante é que, de julho de 2006 até dezembro de 2011, a produção cresceu apenas 12,6% enquanto as vendas do comércio varejista aumentaram 68,8%. Algo anormal está ocorrendo e trata-se da falta de isonomia de competição entre os produtos nacionais e os importados, com vantagens para estes últimos. Segundo estudo da

‘‘

as concessões de energia elétrica que vencem a partir de 2014. Por competir num mercado globalizado, seja no exterior ou no Brasil (com a concorrência dos bens importados), a indústria continua investindo em modernização, aumento da capacidade produtiva e elevando seus esforços de inovação. Entretanto, por maiores que sejam os esforços empresariais do setor industrial, os ganhos de produtividade e competitividade ficam comprometidos pelo ambiente sistêmico hostil, isto é, alta carga tributária, alto custo de capital, alto custo da energia elétrica, infraestrutura deficiente, entre outros fatores.


Índice FIESP, o coeficiente de importação da indústria de transformação saltou de uma média de 15,2% no período entre 2006 e 2007 para 22,3% no 3º trimestre de 2011, um aumento de 46,7% no período. Essa avalanche de importados foi a responsável pelo descolamento entre a demanda doméstica e a produção. Portanto, a indústria não está apresentando esse desempenho pujante há alguns anos. A desmontagem das medidas macroprudenciais, redução dos juros, aumento real do salário mínimo e algumas desonerações, ainda que tardias, são bem vindas. No entanto, caso não seja feito nada para aumentar a competitividade do setor produtivo, essa ampliação da demanda continuará sendo alimentada por importações, gerando emprego e renda fora do Brasil. Portanto, não vemos nenhuma grande mudança para 2012 que se possa comemorar. Esperamos um aumento de apenas 1,5% para a indústria de transformação neste ano. RF - Como os empresários devem se preparar para este ano? A competitividade internacional vai exigir que os empresários sejam arrojados ou cautelosos? PAULO SKAF - Não se trata de arrojo ou cautela por parte dos empresários. A indústria brasileira, apesar da perda de participação no PIB, ainda mantém uma estrutura competitiva, diversificada e eficiente em seus processos de produção. O que o país precisa é de uma política industrial forte que retire os entraves estruturais ao avanço da indústria, que facilite o ambiente de negócios e estabeleça isonomia de concorrência com os produtos estrangeiros. Resolvendo o problema do ambiente de negócios, oferecendo infraestrutura para escoar a produção, uma legislação tributária que não restrinja a produção doméstica, custo de capital adequado à prática internacional, os empresários e a indústria farão sua parte

com mais investimentos, mais empregos e mais geração de riquezas. RF - Para o leitor da Revista Força, o debate sobre a indústria e a economia brasileira é valido e construtivo dentro da democracia. Para finalizarmos, não dá para negar que o país tem crescido e dado passos importantes. O lema é: acreditar no potencial de crescimento e competitividade do país? PAULO SKAF - O potencial de crescimento do país depende da competitividade da sua produção no mercado interno e externo. Por sua vez, o aumento da competitividade somente ocorre se houver contínuos esforços do setor público e privado. Em qualquer país, inclusive no caso do Brasil, o crescimento econômico recente não assegura maior crescimento no futuro. Assim, o desempenho da economia brasileira, ou seja, o desenvolvimento sustentado, não será produto de crenças mais ou menos otimistas. Dependerá,

isto sim, de esforços concretos para remover os entraves ao desenvolvimento, especialmente a melhoria do ambiente sistêmico, com redução da carga tributária, do custo de capital, do custo da energia elétrica e melhoria da infraestrutura, entre outros fatores.


Especial Capa DE TIJOLO EM TIJOLO Construção Civil deve fazer 1,6 milhões de moradias em 2012

A

dois anos de sediar a Copa do Mundo de Futebol e a quatro de receber as Olimpíadas, o Brasil pode ser considerado um país em obras - no sentido literal da palavra. Quebra daqui, constrói dali. Demoli o que não dá para ser reaproveitado e por aí vai. São melhorias na malha viária, nos estádios, nas instalações turísticas. Enfim, todo tipo de reforma que se possa imaginar. Um cenário de encher os olhos de qualquer engenheiro e construtora. Mas, não é só em função dos grandes eventos esportivos que as obras estão a todo vapor. De tijolinho em tijolinho, até o final deste ano deverão ser construídas 1,6 milhões de moradias. Nada mal para a construção civil, que há alguns anos vem mantendo o mercado (bem) aquecido. O boom da construção civil no país tem explicação: cré-di-to! Nem a crise econômica mundial, que cada vez mais se aproxima do Brasil, nem a forte valorização dos imóveis nos últimos três anos vão segurar o mercado imobiliário em 2012. Os brasileiros que pretendem adquirir sua casa própria ou mesmo trocar de imóvel para um maior e mais confortável não terão problemas por falta de crédito. Isso porque, as projeções são de que, somadas todas as linhas disponíveis no mercado, serão disponibilizados cerca de 160 bi-lhõ-es de reais para aquisição de imóveis prontos, construção e reforma. Um recorde! O valor é 23% maior que o aplicado até o fim do ano passado, de quase R$ 130 bilhões. “Os grandes eventos esportivos que o Brasil vai receber nos próximos anos contribuíram para esse bom momento da construção civil. Mas, mesmo antes disso, o país já vinha demonstrando grande potencial no mercado. Tudo graças os brasileiros que conseguiram comprar a casa própria ou ampliar aqueles dois cômodos que haviam feito provisoriamente para morar. O fato de boa parte da classe D e E ter migrado para C é a melhor explicação para a construção civil estar vivendo um de seus melhores momentos. Uma realidade que também se reflete nas linhas de crédito. Tudo está interligado”, explica o engenheiro civil, responsável 16 • R evista Força • fevereiro de 2012


Especial Capa por uma construtora com cinco empreendimentos em andamento na RMC (Região Metropolitana de Campinas), Silvério Belutti. Parte do otimismo se deve aos reflexos do Programa Minha Casa, Minha Vida e do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), ambos do Governo Federal. “Nós (construção civil) somos um dos elementos da economia que ajudarão o país a não sofrer todos os efeitos negativos da crise”, garante o presidente da Cbic (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), Paulo Safady Simão. “Não temos problemas de recursos, de regras e nem de modelos ou projetos. E o mercado imobiliário tem batido recorde atrás de recorde, contando com recursos da poupança e do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço)”, conta Paulo Simão A costureira Amarilda Gomes, é exemplo do fenômeno chamado crédito. Há mais de 20 anos no ramo, só há dois, ela conseguiu se estabelecer como autônoma e, finalmente, financiar a tão sonhada casa própria. “Eu nunca tive condições de comprar um imóvel. Faz 20 anos que casei e faz 20 anos que pago aluguel. Era difícil porque nem eu e nem o meu marido conseguíamos comprovar renda. Fui atrás e consegui abrir firma como autônoma. Não demorou muito e surgiu um apartamento que financiava pelo Minha Casa Minha Vida, aqui no meu bairro mesmo. Graças a Deus consegui”, comemora a americanense que entre o final de 2013 e o começo de 2014 recebe as chaves do apartamento localizado no bairro Praia Azul. As facilidades de crédito e os programas para famílias de baixa renda já surtiram os primeiros resultados. E, claro, não só para a Dona Amarilda. Na cidade de São Paulo, por exemplo, um em cada quatro inquilinos que devolvem as chaves do imóvel alugado se mudou para a casa própria, diz levantamento da imobiliária Lello. Os inquilinos preenchem um formulário no ato da entrega onde informam o motivo da desocupação. Entre janeiro e novembro de 2011, 26% dessas pessoas disseram ter comprado um imóvel. De acordo com o 4º Relatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos do Desenvolvimento do Milênio, o déficit habitacional brasileiro passou de 6,3 milhões de domicílios, em 2007, para 5,8 milhões em 2008. Número que deve ser zerado até 2023, através de políticas de habitação e dos atuais programas do governo, como o Plano Nacional de Habitação (Planhab), Programa de Aceleramento do Crescimento (PAC) e Minha Casa, Minha Vida. De acordo com o Planhab, voltado para políticas de habitação, a previsão é que sejam construídas 35 milhões de moradias até 2023. Já o Minha Casa, Minha Vida, que tem por objetivo central combater o déficit habitacional, pretende contratar cerca de três milhões de projetos para a construção de novas residências, de acordo com o Ministério das Cidades. Esse cenário favorável se mantém há pelo menos oito anos. Desde 2004, o setor vem registrando, de acordo com a Cbic, “incremento consistente em suas atividades, deixando para trás décadas de dificuldades”. Os números provam que uma nova era foi alçada na construção civil. Em 2010, o PIB da construção registrou desempenho recorde, com crescimento de 11,6%. “Em 2011, nosso setor cresceu 4,8%. Trata-se de um crescimento extremamente importante, apesar de menor do que o registrado no ano anterior, porque 2010 representa fevereiro de 2012 R evista • Força •

17


Especial Capa

uma base de comparação muito elevada”, avalia Simão. A situação pode ficar ainda melhor, caso se confirme a expectativa de entrada de capital estrangeiro na construção civil brasileira. “Ainda virão muitos recursos do exterior, porque esses investidores estão sem condições de investir nos outros mercados, principalmente no europeu. Isso é muito bom para nosso setor. E as medidas adotadas recentemente pelo governo favorecerão ainda mais esses investimentos (estrangeiros) em infraestrutura”, acrescentou o presidente da Cbic, ao se referir às medidas que reduziram de 6% para zero a alíquota do Imposto 18 • R evista Força • fevereiro de 2012

sobre Operações Financeiras (IOF) sobre aplicações de estrangeiros em títulos privados (debêntures) de longo prazo, com prazos de vencimento superiores a quatro anos. Essa dinheirama deverá financiar cerca de 1,6 milhão de unidades neste ano em todo o país, conforme estimativas da Cbic e da Caixa Econômica Federal, que é responsável por 75% desse mercado. A maioria, R$ 100 bilhões, beneficiará a classe média — consumidores ou famílias com renda a partir de R$ 5 mil — e os recursos virão dos depósitos da caderneta de poupança. Outros R$ 60 bilhões são do Fundo de Garantia do Tempo de

Serviço (FGTS) e de outras fontes, como o Fundo de Arrendamento Residencial (FAR) e Fundo de Desenvolvimento Social (FDS), com recursos orçamentários da União. Os clientes dessas linhas de crédito, administradas pela Caixa, são os trabalhadores com renda familiar de até R$ 5,4 mil. Desse total, 72% vão para a nova classe C — famílias com renda até R$ 4,6 mil, conforme classificação da Fundação Getulio Vargas, utilizada pelo governo federal. Só a Caixa estima emprestar, em 2012, quase R$ 100 bilhões, incluindo R$ 38 bilhões da poupança destinados à classe média, para financiar 1 milhão de mo-


Especial Capa

radias, 15% mais que neste ano. “É um crescimento bastante robusto, considerando a carteira da instituição, de 75% do mercado”, afirma o vice-presidente de Governo da Caixa, José Urbano Duarte, em entrevista à imprensa. Realidade que tem feito muitos brasileiros adquirirem o primeiro imóvel cada vez mais cedo, até os 35 anos, conforme os dados da Caixa, líder no segmento. Em 2000, essa parcela mais jovem da população representava 51% do total que tomou empréstimo para a casa própria. Em 2011, a faixa dos consumidores até 35 anos passou a abocanhar 57,3% do volume financiado. Em 2010, ano de maior crescimento do setor, eles ficaram com 59,2% de todo o crédito imobiliário. Aos 24 anos, a pedagoga Jacqueline Matos de Carvalho já garantiu o seu primeiro apartamento. Ela comprou o imóvel ainda na planta, em Nova Odessa, e pretende pagá-lo em 12 anos e meio. “Assinei o contrato de promessa de compra e venda há algumas semanas e estou muito

feliz. Agora, tenho um lugar que é meu”, comemora. E não vai ser o único: “Pretendo comprar outros. Espero que esse seja apenas o primeiro”, almeja a jovem que postergou a data do casamento até que o imóvel fique pronto, em meados de 2014. Seja para a Copa do Mundo, para as Olimpíadas ou simplesmente pelo fato oferecer a milhões de brasileiros a casa própria, a construção civil comemora a boa fase, que se depender do crédito imobiliário, vai continuar construindo milhões de moradias ao ano. Sabe qual a explicação? Ainda há muito espaço para ampliar as linhas de crédito. Segundo o presidente da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), Luiz França, o Brasil aplica apenas 5,1% do Produto Interno Bruto no setor. França estima que os financiamentos possam atingir 11% do PIB em 2014. E assim vai... De tijolo em tijolo a construção civil avança como um dos setores mais promissores do país.

fevereiro de 2012 R evista • Força •

19


Especial Capa

O FUTURO JÁ COMEÇOU Cientes da crescente demanda do mercado, empresas apostam em tecnologia e sustentabilidade

N

este ano está prevista a construção de 1,6 milhões de moradias. Isso sem contar outras importantes obras por todo o país, como as que fazem parte dos projetos para a Copa do Mundo e para as Olimpíadas e as obras de infra-estrutura - como a construção de estradas, pontes, etc. O fato é que a construção civil tem trabalhado bastante e num ritmo cada vez mais acelerado. Mas, existe estrutura para tanta demanda? Ainda existe! Cientes da crescente demanda do mercado, empresas do setor apostam em tecnologia e sustentabilidade. O lema é: produzir mais, em menos tempo e, claro, sem agredir o meio ambiente. Tarefa difícil, não tão rápida de ser implantada, mas que é inerente ao futuro do setor.

20 • R evista Força • fevereiro de 2012


Especial Capa É com essa postura visionária que a maior fabricante de telhas do país, a Eurotop, está no mercado. Há pelo menos dois anos, a empresa automatizou a produção da telha de concreto e está preste a automatizar a produção da telha de cerâmica. Tudo com tecnologia italiana. Exemplo a ser seguido de perto pelo setor. “Nós já estamos nos preparando para o aumento da produtividade do setor. A Eurotop já está pronta para o futuro. Desde que foi 100% automatizada, a fábrica da telha de concreto expandiu a produção de 500 mil telhas por mês, para um milhão e meio”, explica o gerente comercial e administrativo da Eurotop, Ângelo Marton. E não é só isso! Se trabalhar em dois turnos, a produção de telhas pode chegar até dois milhões e meio por mês. Um número alto, mas que representa a tendência de crescimento do mercado em um futuro bem próximo. “Antes de chegarmos ao ponto de automatizarmos as fábricas, fizemos uma pesquisa mercadológica de comportamento do consumidor e vimos que a tendência é de muito crescimento”, conta Marton, acrescentando que o poder aquisitivo do brasileiro melhorou e, consequentemente, fez a demanda aumentar. “As classes D e E vieram para a classe C. Com mais dinheiro para investir, os brasileiros têm colocado uma telha melhor em suas casas, como a de concreto e a de cerâmica”. Tanta tecnologia investida tem explicação: para sanar o déficit habitacional e atender às necessidades das novas famílias até 2022, a produtividade média da construção civil deve passar de 1% para 3% ao ano, segundo o diretor de Economia do Sinduscon-SP (Sindicato da Construção Civil), Eduardo Zaidan. Na prática, significa que é preciso elevar a produtividade do País. Segundo o Sinduscon, para o PIB (Produto Interno Bruto) potencial crescer mais, é preciso equiparar juros, taxa de câmbio e inflação aos patamares da eco-

nomia mundial, estimular novas fontes de financiamento, para garantir investimentos, reduzir a carga tributária, investir na formação de mão de obra e aprimorar o ambiente de negócios e investimentos, diminuindo a burocracia e eliminando excessos de leis e regras do setor. Além de investir massiçamente na tecnologia e nas ações sustentáveis.

“Uma das grandes preocupações das empresas deverá ser com a preservação e respeito ao meio ambiente, promovendo alterações em seus métodos produtivos. A Eurotop e a Selecta, empresas do Grupo Estrutural já fazem isso, haja visto, que exploram sua matéria prima de jazidas devidamente licenciadas pelos órgãos ambientes, com planos de recuperação futura fevereiro de 2012 R evista • Força •

21


Especial Capa das áreas degradadas.Também só utilizam de Gás Natural como combustível em seus processos industriais. Num futuro a nosso ver muito próximo, os consumidores só comprarão produtos de industrias inseridas nesse contexto”, analisa Marton. De 2010 a 2023, será preciso disponibilizar 23,5 milhões de unidades habitacionais. Dessas, mais de 3,627 milhões devem eliminar a precariedade de moradias existentes, 2,640 milhões devem reduzir os índices de coabitação e mais de 17,222 milhões de unidades devem ser construídas para atender às novas famílias. Para atingir a meta, de acordo com a Fiesp (Federação da Indústria de São Paulo), serão necessários R$ 3 trilhões em investimentos, sendo R$ 2 trilhões em infraestrutura e outros R$ 1 trilhão em capacitação de mão de obra. No total, devem ser investidos R$ 54,9 bilhões por ano em reformas e R$ 203,9 bilhões em novas moradias até 2022. Um investimento que, sem dúvidas, passa pelo mercado de telhas. “A Eurotop vai mostrar que as telhas de concreto não são somente para as classes A e B, também são de acesso a esses novos clientes, valorizando seus imóveis. Avaliação do mercado imobiliário diz que o imóvel com uma telha de concreto valoriza em até 20% seu preço”, comenta o gerente comercial e administrativo. Marton, que também é engenheiro civil, completa: “O potencial de crescimento é muito grande de acordo com as projeções demonstradas na reportagem. As telhas Eurotop cerâmicas devem crescer devida sua qualidade muito superior aos concorrentes, e principalmente pelo seu tamanho maior, 10,5 telhas por m2, que proporcionam economia na execução do telhado, com gasto de menos madeira (ripas), menor mão de obra, economia de frete, etc. Amparada em todos esses dados a empresa Eurotop projeta uma crescimento de 20% para as telhas de concreto e 15 % para as cerâmicas em curto prazo”, finaliza. 22 • R evista Força • fevereiro de 2012


Especial Capa

fevereiro de 2012 R evista • Força •

23


24 • R evista Força • fevereiro de 2012


fevereiro de 2012 R evista • Força •

25


www.revistaforça.com.br

R ápidas

‘‘ MEU

CONSELHO EDITORIAL

Luís José Sartori Maurício Borte

DRAGÃO REAGIU. VOMITEI FOGO

COLABORADRES

Dr. Luiz Alberto Lazinho Dr. Marco Antonio Pizzolato Dr. Reinaldo César Spaziani Dr. Luis Fernando Matsuo Maeda Gabriela Alves Corrêa Sartori

‘‘

Osmídio Antônio Buck de Godoy Regina Pocay EDITOR

Luís José Sartori

RITA LEE, sobre o conflito com a polícia no show de despedida da sua carreira, em Aracaju (SE)

DIRETOR ADMINISTRATIVO

Maurício Borte DIRETOR DE REDAÇÃO

JORNALISTA

Michele Trevisan MTB 66.001 DESIGN GRÁFICO E EDITORAÇÃO

Thiago Sallati Giovana Scarazzatti REVISORES

Nilzamara Sartori de Oliveira Gabriela A. C. Sartori

REPORTAGENS

Michele Trevisan MTB 66.001

‘‘

NÃO ESTRAGARAM MINHA FESTA NÃO. O SANTOS É FORTE, VAI SUPERAR

‘‘

Luís José Sartori

NEYMAR, após ser derrotado pelo Palmeiras de virada pelo Campeonato Paulista no dia em que marcou o 100º gol e completou 20 anos de idade.

INFORMAÇÕES

www.revistaforça.com.br Sugestões / Críticas / Elogios

Para assinar ligue: (19) 3026.6365

RESPONSÁVEL PELO PROJETO

Força Contábil Ltda Cnpj 09.414.196/0001-35

COMERICAL

revista@revistaforca.com.br 19 3026.6365 • Ramal 213

26 • R evista Força • fevereiro de 2012

‘‘ SAIO DE

CABEÇA ERGUIDA

‘‘

revista@revistaforca.com.br

MONTENEGRO, ao deixar o ministério


R ápidas

É UMA OPINIÃO. SÓ ISSO. CADA [UM] TEM A SUA. NÃO CUIDA DO BBB, ALFINETOU BONINHO, diretor do BBB 12, rebateu a opinião do apresentador Faustão, de que deveria ser aberta uma votação pública para decidir se participante envolvido em polêmica deveria voltar à atração.

‘‘

‘‘

‘‘SE PUDER ESCOLHER,

VOU FICAR DANÇANDO PELADA

‘‘

NICOLE BAHLS, ex-panicat foi entrevistada por Danilo Gentili no programa ‘Agora é Tarde’

fevereiro de 2012 R evista • Força •

27


Economia

NEGÓCIO ALÉM DA FANTASIA

V

Com cara de butique, sex-shops perdem conceito vulgar e ganham o mercado

amos voltar uma década e meia para trás. Qual mulher, no final da década de 90, assumia as visitinhas as sex-shops? Certamente poucas e para uma ou duas amigas, no máximo. Quinze anos depois, o cenário mudou. Hoje, grande parte das mulheres entram, compram e não fazem questão de esconder. Mas, afinal, qual a explicação para tanta mudança? A evolução cultural e a transformação da imagem das lojas de artigos eróticos. As sex-shops vulgares deram lugar á butiques sensuais luxuosas e discretas e, consequentemente, começaram a ter maior aceitação feminina. Até quem nunca frenquentou esse tipo de loja rendeu-se ao novo conceito. “Eu confesso que nunca quis entrar em uma sex-shop. Sempre tinha medo do que as pessoas iam falar. De que lá não era lugar para mulher certa. Mas, depois que vi umas lojas em São Paulo de muito bom gosto, discretas, pensei: por que eu não posso entrar? Sou casada, bem resolvida. É para os momentos que tenho com o meu marido’”, conta a bancária Liliane Baldassini, de 36 anos, casada há oito anos e mãe de um casal de filhos. Mulheres como Liliane estão espalhadas por todo o país, graças à transformação das sex-shops em butique sensual. Um ramo sedutor que tem abocanhado uma grande fatia do mercado. 28 • R evista Força • fevereiro de 2012


“Quem abre hoje uma sex-shop com o conceito de butique está entrando em um mercado promissor. Com grande retorno”, adianta Paula Aguiar, Guia de Negócios Sex Shop, uma publicação dirigida a empresários, em entrevista. Quer um exemplo? Voltamos há pensar a uma década e meia atrás. Em 1997, na primeira edição da Erótika Fair – maior feira do setor no país – as vendas totalizaram apenas 300 mil reais. Uma década e meia depois, foi registrada a marca de 700 milhões de reais, o que comprova a verdadeira expansão do setor. “O Brasil está entrando numa terceira fase dos negócios eróticos”, explica Paula Aguiar, autora do Guia. “A primeira, foi a descoberta desses produtos por quem viajava para o exterior. A segunda, a criação de fábricas, a maioria familiar. Um comércio mais intuitivo”. Nos próximos dez anos, Paula aposta na expansão qualitativa, principalmente com relação ao

design e ao conceito de luxo, discrição e atendimento personalizado. Um negócio promissor que tem despertado o interesse dos empresários. Até quem nunca fez parte desse mercado, resolveu investir. A americanense Isabela Capozzi é um claro exemplo de mulher que nunca havia tido contato com produtos sensuais e que, ao tomar conhecimento do mercado, não pensou duas vezes em investir. “É um mercado novo, tem muito para explorar. Mas, quis entrar na área para oferecer para o público um conceito diferente do que a maioria acha que é uma sex-shop. Aqui tudo é discreto, prezando a sensualidade e não a vulgaridade”, conta enfatizando a característica da loja D’Amore, localizada – acredite – em um centro de compras da cidade. A escolha do local para abrigar a loja tem tudo a ver com o conceito de butique. “Eu quis trazer para um shopping para

Entrada da butique sensual em um shopping de Americana fevereiro de 2012 R evista • Força •

29


Economia mostrar que esse tipo de comércio pode sim fazer parte da vida das pessoas. Trouxe para cá (shopping) porque eu não acho feio. Eu não vendo sacanagem, eu vendo amor”, enfatiza Isabela. “Além do mais, chamo de butique sensual porque não vendemos somente artigos, mas também ofereço curso de danças sensuais, palestras motivacionais. Esse tipo de coisa tem quebrado paradigmas, faz a mulher se sentir mais feminina”, emenda, justificando que os produtos constrangedores ficam numa área mais reservada da loja. Aos olhos do consumidor, somente lingeries, óleos e artigos afrodisíacos. O negócio tem dado tão certo que Isabela pretende expandir. “A ideia é expandir a D’Amore para franquias. Percebi que não é preciso esconder esse tipo de comércio quando abri a loja no fundo de uma loja de roupas femininas de uma amiga. Não deu certo. Aí sim que as pessoas ficavam constrangidas. Em dois meses mudei para

Quebrando paradígmas: A vitrine D’Amore

o shopping”, relata. Em todo o país, 80% do público consumidor das lojas de artigos sensuais é feminino. Mas, não é só de butique sensual que vive o mercado erótico brasileiro. Entre produtos eróticos, filmes e sites, o setor movimenta 1 bilhão de reais por ano, quantia superior ao faturamento total dos fabricantes de brinquedos, que nos últimos anos esteve na casa dos 963 milhões de reais. Pode-se deduzir que os números reais são mais musculosos, porque os cálculos da Abeme (Associação Brasileira das Empresas do Mercado Erótico e Sensual) não incluem algumas produtoras de filmes, como a Brasileirinhas - maior do gênero no país. Também não abrangem o dinheiro que circula por motéis e casas noturnas. O crescimento é grande. O mercado brasileiro está aquecido, mas ainda assim, é tími-

Filme, De pernas para o ar, retrata de maneira cômica o universo sensual aos olhos das mulheres

30 • R evista Força • fevereiro de 2012


Economia do, sobretudo se comparado com os Estados Unidos, onde a circulação é de 12,46 bilhões de dólares ao ano, ou 22% do mercado mundial. O certo mesmo é que nessa guinada do mercado erótico no Brasil, investir em produtoras de vídeo já não é tão rentável como antes. Há alguns anos os vídeos respondiam por mais de 50% do faturamento do mercado erótico, hoje não representam sequer 30%. Quem está na área garante, o grande filão do mercado é a butique sensual. D’Amore: Aos olhos das clientes com produtos não constrangedores

fevereiro de 2012 R evista • Força •

31


Economia

A IMPORTÂNCIA DO COMITÊ DA QUALIDADE NOS PROGRAMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

32 • R evista Força • fevereiro de 2012


N

o mercado atual a volatilidade é uma realidade presente e, sem dúvida, a certeza que temos são as constantes mudanças e as Organizações têm uma necessidade de adaptação para a evolução que deve acontecer em relação à Gestão e a Tecnologia. Dentro desse novo contexto estamos constatando que as Empresas precisam buscar qualidade nos produtos e serviços. A escolha da alta direção em priorizar na Empresa a qualidade antes do crescimento, em minha opinião, é essencial para a sustentabilidade empresarial. Definir um “padrão de qualidade” é definir uma nova cultura. Quando o Sr. Chung Mong-Koo (CEO da Hyundai-Kia) decidiu colocar a qualidade em 1º lugar, transformou a Empresa em uma das montadoras de veículos líderes no mundo. O lema de qualidade da Hyundai (que foi baseado no foco de qualidade da Toyota) é “Fazer com que todos analisem os problemas e encontrem soluções.” A frase dele mais conhecida é “A qualidade é fundamental para nossa sobrevivência.” A qualidade certamente gera “valor” percebido pelos Clientes, tanto quanto prazo de entrega, quantidade ou preço. Além do comprometimento da Alta Direção, a Empresa pode organizar um grupo de pessoas para auxiliar nesse desafio da mudança cultural na Empresa. Esse grupo pode ser formado por auditores internos da qualidade, representan-

tes da Diretoria e Gestores da Empresa. Para a implementação de um Programa de Gestão pela Qualidade Total, ou mesmo para certificação da ISO 9001:2008, existe a necessidade de um planejamento detalhado, que pode contar também com um comitê diretivo ou comitê da qualidade. Dentro do conceito da governança corporativa a Empresa ainda pode escolher a participação de consultores e auditores independentes, tanto para a formação, quanto na participação efetiva do comitê. Na seqüencia destaco as principais atividades e responsabilidades de um comitê e da liderança da Empresa para trilhar os caminhos da gestão pela qualidade total em busca da excelência. Para escrever o texto abaixo utilizei como referência bibliográfica o livro Organização, Sistemas e Métodos e as Tecnologias de Gestão Organizacional: Volume 2/Luis Cesar G. de Araujo. – 2ª Ed. 3. reimpr.-São Paulo:Atlas,2008. Estabelecimento de Comitê da Qualidade ou Diretivo É a criação de um corpo gestor constituído pelos membros da alta administração e pessoas que podem ser consideradas fundamentais no processo de transição da Organização para o Sistema de Gestão pela Qualidade Total e Certificação da ISO 9001:2008. A formação do comitê envia uma mensagem para toda a Organização sobre a importância da “Qualidade” na Gestão da Empresa.

fevereiro de 2012 R evista • Força •

33


Economia Abaixo relaciono as principais atividades desempenhadas pelo Comitê: • • • • • • • • • • • •

Identificar e quantificar as principais áreas de desperdício; Avaliar as ocorrências, reclamações , sugestões e elogios dos Clientes e as não conformidades de produtos e processos; Fazer uma avaliação básica da posição atual da empresa; Desenvolver um plano de implementação associado a métodos de mudança; Avaliar e planejar cursos de treinamentos e de educação; Integrar o esforço de melhoria, sugestão de investimentos, ações preventivas e melhorias contínuas; Encorajar as pessoas a trabalharem de acordo com o novo processo; Alinhar o sistema de motivação/recompensa/benefícios e gestão por competências com o esforço da melhoria contínua; Prover os recursos necessários; Servir como líderes e orientadores ativos; Selecionar os principais projetos dirigidos pela alta direção; e Desenvolver e implementar os indicadores de desempenho voltados para a estratégia da Empresa.

As reuniões desse comitê devem ser registradas e formalizadas, além da definição da periodicidade dos encontros, que devem ser compatíveis com a realidade da Empresa. Além dessas atividades o comitê tem como objetivo liderar a evolução cultural e demonstrar para a Organização a necessidade dessa nova cultura organizacional que deve ser saudável e sustentável para os profissionais que trabalham na Organização, Stakeholders e principalmente no foco de servir aos Clientes. Algumas mensagens que o comitê deve transmitir para todos na busca da excelência:

a) b) c) d) e) f)

Desenvolver e viver a estratégia de voltar a Empresa para o Cliente; Acreditar e investir nas pessoas; Todos devem ser eternos estudantes; Colocar o Cliente em primeiro lugar; Fazer a equipe trabalhar dentro do esperado; Manter o foco.

34 • R evista Força • fevereiro de 2012


fevereiro de 2012 R evista • Força •

35


Construção

A DANÇA DAS MOLDURAS

Aprenda como colocar na parede todos os quadros que se tem em casa

E

stá difícil achar um lugar para todos os quadros da casa? Saiba que esse não é um problema só seu! Dez entre dez decoradores de primeira viagem têm dúvidas sobre como dispor tantas molduras. Quando elas têm tamanhos diferentes, então, vira um verdadeiro quebra-cabeça. É aí que começa a dança: maior de um lado, menor de outro. Troca tudo porque não ficou legal. Achar a posição ideal dos quadros é sempre um dilema. Mas, o que poucas pessoas sabem é que na hora de colocar quadros na parede, quase tudo é permitido: gravuras no chão, fotos em prateleiras, molduras de todos os tipos e tamanhos. Lembre-se, quase tudo é permitido, pois mesmo não havendo regras, é preciso alcançar beleza e equilíbrio. Por isso, um ponto de vista é unanimidade entre arquitetos e decoradores: não dá para ditar regras. “Para quem decora uma casa, uma das tarefas mais difíceis é tentar colocar or36 • R evista Força • fevereiro de 2012

dem em todos aqueles quadros comprados especialmente para a ocasião ou acumulados ao longo dos anos. Por isso, seguir fórmulas prontas nem sempre dá certo”, diz a decoradora Esther Giobbi. “É melhor usar menos técnica e mais sensibilidade.” Existem, porém, alguns truques que tornam mais fácil a vida do decorador de primeira viagem. Antes de pensar na disposição dos quadros na parede, os trabalhos devem ser agrupados de acordo com a téc-


Construção nica usada. “É melhor juntar gravura com gravura, guache com guache”, diz Esther. “Mas não precisa ser o mesmo tema, tamanho ou moldura. O importante é que haja um equilíbrio entre os elementos.” Combinar molduras diferentes requer um pouco de prática, segundo a decoradora Maria Amélia Shimabukuro. “Se as imagens forem parecidas, pode funcionar. Mas é mais difícil.” Para visualizar o resultado final, um bom truque é colocar os quadros no chão, em um piso liso. “A idéia é fazer um quebracabeça, testando diferentes combinações”, explica Maria Amélia. “Você também pode fazer o molde do quadro em papel e

colar na parede, mas não é a mesma coisa, porque o efeito não depende só da área, mas do peso, volume e cor. Por isso, a melhor coisa é colocar no chão.” Pendurar na altura do olho é uma regra básica. “Um quadro acima ou abaixo do olho incomoda terrivelmente”, conta Esther Giobbi. “Pense na altura de um observador médio, 1,70 m, e coloque o quadro de maneira que o olho bata no meio.” Se forem vários, um deles deve ser escolhido como principal, diz. “Ele deve ficar no centro, e os outros vão sendo colocados em volta.” Não se esqueça de levar em conta a posição do suporte do quadro, ou acabará colocando-o mais alto do que planejou. Outro detalhe: as molduras de tamanhos diferentes devem estar alinhadas por baixo, e não por cima. Às vezes, móveis ou portas servem como referência. “Hoje em dia, muita gente coloca quadros acima do sofá, deixando uma distância de 10 centímetros”, relata Esther. Há uma regra que manda dividir a parede acima do móvel em três partes: o quadro deveria ficar na parte central. “Mas, se for muito pequeno, isso não vai funcionar.” Alinhar com algum elemento da decoração também pode ser uma solução. “Eu gosto de alinhar com portas e estante. Mas a altura ideal é aquela em que você consegue visualizar melhor a obra”, finaliza Esther.

NA PAREDE ATRÁS DO SOFÁ 1

Segundo Maria Amélia Shimabukuro, o jeito clássico de pendurar o quadro é centralizá-lo em relação à largura do sofá. Centralize-o também na altura, dividindo ao meio o espaço entre o topo do estofado e o teto. “Assim temos a simetria total”, diz. É o que se vê no ambiente abaixo. Quem preferir uma disposição mais moderna poderá deslocar a tela na parede. “Nesse caso (foto 1), fixe o quadro a 5 cm da lateral do sofá”, afirma Maria Amélia. A decoradora lembra que é fundamental considerar a proporção da obra em relação ao fevereiro de 2012 R evista • Força •

37


Construção

estofado. Se você tem quadros pequenos demais, uma solução é associá-los num arranjo que preencha bem a parede - como na foto 2 -, posicionado a pelo menos 25 cm de distância do topo do móvel.

2

EM UMA PAREDE LIVRE

3 Sem móveis recostados ou outras interferências, uma parede livre é um ótimo local para brincar com vários quadros, sendo que alguns deles podem ser fixados numa altura próxima ao piso. A sugestão é buscar algum elemento para criar um alinhamento. No caso do ambiente acima, foi o batente da porta. “Também gosto de deixar espaços em branco para a chegada de novas obras”, explica a designer de interiores Lia Strauss. 38 • R evista Força • fevereiro de 2012


Construção

fevereiro de 2012 R evista • Força •

39


Construção ACIMA DO APARADOR E NA SALA DE JANTAR A disposição clássica é pendurar um quadro sobre o móvel, centralizado tanto na largura como na altura. Outra opção é uma mistura de obras maiores e menores, distribuídas dentro da área delimitada pela largura do aparador. “Procure fixar primeiro o quadro maior, alinhando-o com uma das laterais do móvel. Em seguida, monte o outro lado da parede, brincando com os quadros menores até descobrir a melhor arrumação. Novamente, o alinhamento com a lateral precisa existir”,

40 • R evista Força • fevereiro de 2012

4


Construção ensina Maria Amélia. Ela dá mais uma dica: o arranjo precisa ficar pelo menos 20 cm acima do tampo do aparador, pois assim não atrapalhará a colocação de objetos sobre a peça. Se houver um aparador no ambiente, basta seguir as indicações (foto 4). Porém, caso a parede destinada a receber os qua-

dros não tenha mobília recostada, é importante pendurá-los um pouco mais alto do que o habitual porque a sala de jantar é uma área em que as pessoas circulam com as mãos ocupadas com alimentos, louças e copos e um esbarrão numa moldura pode causar um acidente. “Em espaços exíguos, nos quais as paredes ficam muito próximas aos móveis, recomenda-se fixar os quadros 10 cm acima do espaldar das cadeiras”, diz a decoradora. Isso permite afastar as cadeiras sem que elas batam nas molduras. Segundo a profissional, para otimizar a circulação no ambiente, o ideal é ter uma mesa centralizada e um quadro idem na parede principal da sala de jantar.

QUARTO DE CASAL 5

Trabalhar com um par de quadros, alinhado com as laterais do colchão, é a sugestão para quartos de casal. No ambiente da foto 5, as obras ficam apenas apoiadas na cabeceira - na verdade, uma caixa de 20 cm de profundidade, que serve de prateleira. “Quando as obras não estão presas, é mais fácil mudá-las de lugar, dando um novo charme ao ambiente”, afirma. Esta proposta é uma variação do jeito mais usual de pendurar quadros em quartos: uma obra centralizada na parede atrás da

cama. A decoradora, por sua vez, defende que esse espaço deve permanecer livre para que as obras não disputem a atenção com a cabeceira, que, segundo ela, é um item de decoração que está cada vez mais valorizado. “As novas cabeceiras são muito bonitas. Por isso, é melhor eleger uma parede vazia para colocar os quadros”, aconselha. “Até porque, assim, o casal que está deitado na cama poderá apreciar melhor as obras”, finaliza Maria Amélia Shimabukuro. fevereiro de 2012 R evista • Força •

41


Jurídico

CONTRATO COM APRENDIZES 2ª PARTE

DR. REINALDO CESAR SPAZIANI

Após um período de férias retorno aos Senhores Leitores dando continuidade ao nosso último artigo que analisa a contratação de aprendezis à luz da legislação vigente, especialmente à Instrução Normativa 75 do Ministério do Trabalho.

42 • R evista Força • fevereiro de 2012

N

ossa última análise interrompeuse com o valor devido ao FGTS sobre a contratação de aprendizes. Voltamos nossa análise sobre as escolas técnicas e entidades sem fins lucrativos que podem, na hipótese de os serviços nacionais de aprendizagem não oferecerem cursos ou vagas suficientes ou inexistindo curso que atenda às necessidades dos estabelecimentos, a demanda poderá ser atendida pelas seguintes entidades qualificadas em formação metódica, que são:


Jurídico

• •

escolas técnicas de educação; entidades sem fins lucrativos, que tenham por objetivo a assistência ao adolescente e à educação profissional, registradas no Conselho Municipal do Direito da Criança e do Adolescente (CMDCA) e inscritas no Cadastro Nacional de Aprendizagem do MTE.

As entidades mencionadas neste artigo deverão contar com estrutura adequada ao desenvolvimento dos programas de aprendizagem, de forma a manter a qualidade do processo de ensino, acompanhar e avaliar os seus resultados. Caberá à inspeção do trabalho verificar a insuficiência de vagas ou inexistência de cursos junto aos Serviços Nacionais de Aprendizagem. Confirmada a insuficiência de vagas ou inexistência de cursos, a empresa fica autorizada a matricular os aprendizes nas escolas técnicas de educação e nas entidades sem fins lucrativos, independentemente da anuência ou manifestação dos Serviços Nacionais de Aprendizagem. O auditor fiscal do trabalho, ao inspecionar as entidades sem fins lucrativos que contratam aprendizes, em conformidade com o art. 431 da CLT, verificará se estão sendo cumpridas as normas trabalhistas e previdenciárias decorrentes da relação de emprego especial de aprendizagem, especialmente a assinatura da Carteira de Trabalho e Previdência Social e respectivo registro, bem como:

• • • • •

a existência de certificado de registro da entidade sem fins lucrativos no CMDCA como entidade que objetiva a assistência ao adolescente e a educação profissional, quando algum de seus cursos se destinar a aprendizes menores de 18 (dezoito) anos, bem como a comprovação do depósito do programa de aprendizagem no CMDCA; a existência de programa de aprendizagem e sua adequação aos requisitos estabelecidos na Portaria MTE nº 615/2007; a regularidade do curso em que o aprendiz está matriculado junto ao Cadastro Nacional de Aprendizagem; a existência de declaração de frequência do aprendiz na escola, quando esta for obrigatória; contrato ou convênio firmado entre a entidade responsável por ministrar o curso de aprendizagem e o estabelecimento tomador dos serviços; e os contratos de aprendizagem firmados entre a entidade e os aprendizes.

Deverão constar nos registros e nos contratos de aprendizagem firmados pelas entidades sem fins lucrativos a razão social, o endereço e o número de inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) da empresa tomadora dos serviços de aprendizagem. A fiscalização da execução e regularidade do contrato de aprendi-

zagem deverá ser precedida de emissão de nova Ordem de Serviço (OS). Na hipótese de inadequação da entidade sem fins lucrativos, após esgotadas as ações administrativas para saná-las, o auditor fiscal do trabalho, sem prejuízo da lavratura de autos de infrações cabíveis, adotará as providências indicadas no art. 21 desta instrução normativa. No caso de inadequação da entidade sem fins lucrativos a autoridade regional competente encaminhará também cópia do relatório circunstanciado à Secretaria de Políticas Públicas de Emprego (SPPE), solicitando a adoção das providências cabíveis quanto à regularidade da entidade e de seus cursos no Cadastro Nacional de Aprendizagem. Na próxima edição finalizaremos a análise sobre o tema. Até breve. fevereiro de 2012 R evista • Força •

43


44 • R evista Força • fevereiro de 2012


fevereiro de 2012 R evista • Força •

45


O JEANS DO VERÃO Canatiba apresenta novo conceito “DenimArt” com ação de grafiteiro do Projeto Quixote e lançamentos de denims inovadores

A

presentando sua nova Campanha de comunicação inspirada no conceito “DenimArt”, a Textil Canatiba foi destaque no Espaço Denim do “Première Brasil Verão 2013”, realizada nos dias 18 e 19 de janeiro, no Expo Center Norte, em São

Paulo (SP). Inspirada na Street Art a nova comunicação da marca é valorizada pela visão de que produzir denim é uma arte, um meio de expressão criativa, através de um produto cada vez mais comprometido com a preservação dos recursos naturais e com a responsabilidade social. Durante a feira, o stand da Canatiba esteve no clima da nova campanha com ação especial em parceria com o Projeto Quixote, na qual o arte-educador e artista plás46 • R evista Força • fevereiro de 2012

tico do projeto, Enivo, grafitou o ambiente. Marli Vernillo, gerente de marketing da Canatiba, declara: “Tivemos uma visitação ótima tanto, nacional quanto internacional de países como Argentina, Bolívia, Chile, Paraguai, Peru, Portugal, República Dominicana, Uruguai, entre outros.” E completa: “A mudança do evento para o Expo Center Norte foi muito positiva para o sucesso desta edição, pois a localização é melhor e a infraestrutura também”.


Moda WaterZERO® A Textil Canatiba lança a inovadora Linha WaterZERO® composta por denims ecológicos fabricados através de um processo especial eco-friendly que reduz o consumo de água nas etapas da produção em até 99,98% e, consequentemente, reduz tam-

a sustentabilidade do planeta. Portanto, reduzir o volume deste recurso durante a produção – mantendo inalterado o padrão de qualidade - é fundamental para desenvolver produtos eco-friendly. Destaque para a nova linha Canatiba MEGAFLEX COMFORT® com a tecnologia LYCRA®lastingFIT, que marca o lançamento da plataforma

de fibras nobres, tingimentos exclusivos, acabamentos especiais e efeitos de fios em novos sistemas operacionais que privilegiam o conforto e permitem visuais diferenciados. São produtos em uma ampla gama tonalidades como azuis, cinzas, blacks e PTs – Prontos para Tingir – que seguem as principais tendências da moda para a estação. Com diferenciais de sustentabilidade e conforto, a linha Canatiba Hi-Comfort® é composta por denims que possuem em sua composição a fibra Tencel®, matéria prima da Lenzing Fibers elaborada a partir da polpa de madeira de florestas certificadas. Canatiba MEGAFLEX COMFORT® com a tecnologia LYCRA®lastingFIT

bém o consumo de energia, de insumos e o tratamento de efluentes, resultando em um menor impacto ambiental. A utilização de água no processo produtivo é um dos itens que mais comprometem

LYCRA®lastingFIT nas bases em denim no mercado brasileiro. A coleção verão 2013 da Canatiba apresenta denims em diversos pesos, estruturas high density e composições com misturas

A linha Canatiba MEGAFLEX COMFORT® com a tecnologia LYCRA®lastingFIT é composta por denims desenvolvidos com o fio LYCRA® T400®. Os lançamentos proporcionam elasticidade diferenciada com stretch suave, mantendo o conforto, a mobilidade e a memória na forma das peças, possibilitando a criação de novas modelagens e revolucionando o conceito do jeanswear, com estilo e modernidade. As roupas confeccionadas com denim MEGAFLEX COMFORT® com a tecnologia LYCRA®

fevereiro de 2012 R evista • Força •

47


Moda

lastingFIT ganham leveza diferenciada, vestibilidade e não perdem a forma após várias lavagens. Os produtos da linha MEGAFLEX COMFORT® da Canatiba foram testados e homologados pela INVISTA e estão dentro do padrão de qualidade exigido para proporcionar ao produto final - a peça jeans - os benefícios de conforto, liberdade de movimentos e facilidade de manuseio que são tradicionalmente oferecidos pelo fio LYCRA®. Os produtos confeccionados com a linha MEGAFLEX COMFORT® da Canatiba são autorizados a utilizar a etiqueta internacional de qualificação da peça com a tecnologia LYCRA®lastingFIT. A etiqueta é fornecida gratuitamente para as confecções cadastradas no sistema de homologação da INVISTA e clientes da Canatiba. A Canatiba ofereceu aos seus clientes no “Première Brasil Verão 2013” folder com informações sobre a linha MEGAFLEX COMFORT® com a tecnologia 48 • R evista Força • fevereiro de 2012

LYCRA®lastingFIT e disponibilizará modelagens das peças confeccionadas com o novo denim desenvolvidas pelo SENAI que também estarão expostas no stand. CANATIBA HI-COMFORT: DENIMS ECOLÓGICOS Dentro de sua filosofia de investir permanentemente em inovação tecnológica para oferecer produtos diferenciados e que atendam aos desejos dos consumidores contemporâneos, a Textil Canatiba amplia sua linha de denims Hi-Comfort, que destacam em sua composição a presença de Tencel®, marca da fibra Liocel da Lenzing Fibers. A linha Hi-Comfort é composta por tecidos de diversos pesos, tingimentos e acabamentos. Lançamentos Canatiba Verão 2013 Os produtos foram expostos em espaços: Hi-Comfort® - denims ecológicos com

Tencel®, fibra celulósica da Lenzing Fibers; Premium Denim® - denims rígidos; MEGAFLEX® - denims stretchs; MEGAFLEX COMFORT®, nova linha de produtos com a inovadora tecnologia LYCRA®lastingFIT; Canatiba Lab, com peças desenvolvidas pelo consultor europeu Ricardo Batista e pelo designer parceiro Jairo Duarte, do Studio Denim & Jeans, que estarão no Book Canatiba Lab Verão 2013. Entre os lançamentos, destaque para: Canatiba Guinza Denim, Canatiba Karachi Megaflex Over Dyed, Canatiba Mandarim Megaflex Brilhante e Canatiba Triball Megaflex. O stand da Canatiba contou com três totens interativos individuais para que os visitantes verificassem informações de pesquisas de tendência de moda e beneficiamento dos consultores internacionais parceiros da Canatiba. Entre os temas da estação: Tribal Mix – influência étnica com valorização do artesanal em um mundo cada vez mais tecnológico; Tropical Feelings – inspiração na década de 1950 com ares tropicais; Mod Movement – modernista, com reflexos da década de 1960, uma estética limpa com volumes diferenciados; Sport Sensation – peças esportivas para serem usadas no dia a dia, trabalha principalmente com a ideia de conforto; e Acqua Way – inspiração no fundo do mar que aborda a sustentabilidade como essencial para a sociedade contemporânea. Uma das líderes mundiais em seu segmento, a Canatiba investe permanentemente em inovação tecnológica e tendências da moda para atender aos desejos dos consumidores contemporâneos, que buscam denims com alto valor agregado.


fevereiro de 2012 R evista • Força •

49


50 • R evista Força • fevereiro de 2012


ROTA DOS QUEIJOS E DOS VINHOS Serra Negra ganha cada vez mais adeptos do turismo rural

A

s mais de oito fontes de água mineral que abastecem a cidade de Serra Negra, no Sul de Minas, sempre foi o cartão de visitas da cidade, em função de suas propriedades terapêuticas - indicadas para os mais diversos tratamentos de saúde. O turismo de aventura também está ligado ao desenvolvimento turístico do município. E faz muito sucesso entre os jovens. Mas, de alguns anos para cá outra modalidade de turismo despontou com força: o turismo rural. Milhares de pessoas percorrem todos os finais de semana, a famosa ‘Rota dos Queijos e dos Vinhos’ na área rural da cidade. Um programa que reúne a família e até visitas escolares. Como o próprio nome diz, a rota apresenta uma das facetas mais saborosas de Serra Negra. É nela que fica a Fazenda Chapadão, onde

fevereiro de 2012 R evista • Força •

51


Turismo

são produzidos os mais famosos queijos finos artesanais da região e também café tipo exportação. Ainda faz parte da rota o Sítio Bom Retiro, da família Carra, responsável pela fabricação de vinhos artesanais. Em

52 • R evista Força • fevereiro de 2012

ambos os espaços, o turista tem a oportunidade de conhecer a produção e degustar os produtos artesanais. “Mesmo morando no interior, estando acostumado à área rural, eu confesso que

não me canso de visitar a “Rota dos Queijos e dos Vinhos”. Eu gosto de conhecer como a produção é feita e, além do mais, tive a oportunidade conhecer e experimentar o que há de melhor em queijos e vinhos artesanais na região”, conta o aposentado americanense Antônio Rodrigues Teixeira, que pelo menos uma vez por ano visita a cidade e a rota rural. Não é para menos que o americanense se encantou com as belezas rurais de Serra Negra. Em uma visita à Fazenda Chapadão, por exemplo, é possível ordenhar as vacas, alimentar os bezerros, acompanhar a produção de laticínios e o processo da cafeicultura premiada. Passeio que têm atraiu muitas escolas da região. “As crianças se encantam com tanta natureza. É tudo muito diferente para elas. Muitas nunca estiveram perto de um bezerro”, comenta a pedagoga Elisangela Caieiras. “Sem contar que os queijos são maravilhosos”, completa. E pensar que tudo começou como um ho-


Turismo bby. A Fazenda Chapadão nasceu há mais de quarenta anos, quando Athos Dini plantou a primeira muda de café na parte mais alta e plana de suas terras, daí o nome Chapadão. Já a produção de queijo veio mais tarde. Já na década de 90, Athos e Suely, sua esposa, mudaram-se para a fazenda. Aproveitando o leite de duas ou três vacas que tinham, dona Suely fazia alguns queijinhos e vendia para suas amigas professoras. O que era apenas um hobby virou coisa séria... O queijo era muito bom e a procura começou a aumentar. Diante disso, compraram-se mais vacas, instalou-se uma queijaria artesanal, aprimorou-se a receita, conseguiu-se aprovação da Vigilância Sanitária. Os Queijos Fazenda Chapadão já eram bem conhecidos e apreciados quando o patriarca Athos veio a falecer num trágico acidente

enquanto trabalhava com um trator em meio a sua lavoura de café. Abalada com o acontecimento, dona Suely pensou em parar com tudo, mas com o apoio de seu filho José Antônio, resolveu continuar. A partir daí se iniciou também os investimentos na produção de Queijos Finos, na

melhoria da cafeicultura (certificação Projeto Qualidade do Café) e no Turismo Rural, como forma de agregar mais valor aos produtos e à fazenda. A fazenda está de “porteiras” abertas diariamente das 10 às 17h. A taxa de entrada é de R$ 5,00 por adulto e já inclui visita monitorada e uma porção de 36 tipos de queijos finos. Depois do queijo, a rota segue rumo aos vinhos. Ou melhor, rumo ao Sitio Bom Retiro, da família Carra. Lá o turista vai conhecer elaboração das mais finas variedades de destilados, fermentados e derivados de cana-de-açúcar, da uva e saborear as frutas da estação e as bebidas artesanais. E se tratando de vinho, as uvas são selecionadas no Rio Grande do Sul, qualidade que mantém há décadas a tradição do Vinho Família Carra. Mais informações sobre o Sítio Bom Retiro podem ser obtidas através do telefone 19 3892.3574.

fevereiro de 2012 R evista • Força •

53


NÃO DEIXE PARA 2013 Adiar tarefas e protelar sonhos pode ser uma doença psíquica

54 • R evista Força • fevereiro de 2012

V

ocê tem mania de deixar tudo para depois? Que atire a primeira pedra, então, quem nunca deixou para amanhã o que podia ser feito hoje. Ou para depois do Carnaval, para o segundo semestre, para o ano seguinte. Adiar as tarefas por minutos, as obrigações por semanas, as pendências pessoais por meses e a dieta e o exercício físico por anos é uma característica com a qual metade da


Comportamento humanidade se identifica. O problema é quando isso, o ato de procrastinar, se torna um ciclo vicioso e passa a trazer danos para o dia a dia. “Quem o faz de forma crônica tem seus afetos, trabalho e até a saúde, prejudicados”, alerta o especialista em gestão de tempo Christian Barbosa, que está escrevendo um livro sobre o tema (que foi adiado por um bom tempo por pura falta de disposição). Se você se identificou com o ato de procrastinar, saiba que não está sozinho. Um levantamento feito pela Sociedade Brasileira de Psicoterapia e Medicina Comportamental apontou que 33% dos funcionários brasileiros gastam duas horas da jornada sem fazer nada de efetivo. E 52% admitiram deixar atividades necessárias para a última hora. Números que comprovam a fama do brasileiro de “deixar para depois”. Por isso, saber por que se procrastina e como lidar com a enrolação para não chegar ao nível crítico é uma boa tarefa para tempos de lis-

tinhas de promessas de fim de ano. Mas, afinal, por que é que a gente é assim? O professor de informática Francisco Fronza, de 28 anos, não sabe ao certo. Mas sabe que sempre foi enrolado. Muito antes da internet, um dos principais fatores de distração ao lado da televisão, ele já dava um jeito de fazer tudo em cima da hora. Quanto tinha 10 anos, sempre parava qualquer tarefa para ir ver televisão. Interrompia a leitura no meio e ia fazer um desenho. Voltava para o dever de casa e, pouco depois, já estava jogando video­game, assistindo à tevê ou brincando. Quase 20 anos depois, pouca coisa mudou. E, embora afirme que não vê nada de útil em postergar seus trabalhos, diz que mesmo deixando tudo para em cima do prazo, conseguiu um equilíbrio de vida graças à procrastinação. “Se enrolasse menos, faria muito mais coisas, mas também seria bem mais estressado”, acredita. Sua maneira preferida de adiar o trabalho, diz ele, é assistir a vídeos engraçados na internet.

A psicóloga Ana Paula Baccetti aponta três típicos perfis de enrolador: o otimista, o impulsivo e o perfeccionista. O primeiro sempre acha que vai dar tempo de fazer tudo. E tende a se desesperar no final. O segundo só quer o prazer imediato e, por isso, deixa toda atividade chata para depois. E o último é aquele que nunca acha que o momento é o ideal para fazer a tarefa porque quer fazê-la com calma e da melhor maneira possível. Quem se reconhece no último tipo de “enrolador” é a estudante Jéssica Coracini. Longe de casa por conta da faculdade, ela mora sozinha e, ainda, trabalha fora. Ao contrário de Fronza, ela não deixa nada do trabalho para depois. Em compensação, as tarefas domésticas e os deveres da faculdade ficam sempre por último. “Gosto da casa muito limpa, quero fazer tudo com muito cuidado, aí acabo não fazendo nada”, lamenta-se a estudante de jornalismo e atendente de uma livraria. É tanta roupa

fevereiro de 2012 R evista • Força •

55


Comportamento para passar, louça para lavar e banheiro para limpar que ela fica perdida e nem sabe por onde começar. E a casa vai ficando suja. A mesma coisa acontece com a faculdade. “Quero aprender tudo, ler cada texto e livro, mas me distraio fácil demais e nunca leio nada.” Segundo Ana Paula, falta de energia e, acredite, medo do sucesso podem ser dois motivos ocultos no ato de adiar tarefas. Comer mal e levar uma vida sedentária tiram o ânimo para se empenhar nas atividades cotidianas. “Quem pratica mais esportes faz mais coisas e sempre no prazo”, diz a especialista. Já o medo do sucesso tem a ver com projetos grandiosos, com os sonhos. Baccetti cita como exemplo uma pessoa que quer montar uma empresa ou escrever um livro, mas que morre de preguiça só de pensar na trabalheira que vai dar, caso a ideia vingue. Para uma minoria, postergar tarefas pode estar ocultando algo mais grave. Segundo a psicóloga, quem nunca consegue cumprir prazos e está sempre atrasado em tudo pode ter alguma doença psíquica séria como depressão e transtorno de ansiedade. “Nesse caso, a ajuda de um profissional da saúde se faz urgente”, diz ela. Para os demais casos, incluindo Jéssica e Francisco, pequenas atitudes já ajudam a organizar a rotina. A começar por levar mais a sério a listinha de promessas para 2012.

Chega de enrolar!

12 dicas valiosas para não adiar as metas de 2012 1. Tenha uma agenda. E use-a. 2. Crie metas realistas e estabeleça as prioridades. 3. Faça duas listas. Uma com a que você quer (foco) e outra com o que você não quer mais. 4. Faça uma reunião com você mesmo, a cada bimestre, para revisar os planos. 5. Compartilhe as metas com alguém de confiança para ajudar a manter a motivação. 6. Faça agora: nada de deixar aquelas metas para depois do Carnaval. 7. Incorpore a atividade física no seu dia a dia para garantir mais energia. 8. Desligue a TV e ganhe mais tempo livre e uma mente relaxada. 9. Tire os entulhos da sua vida, sejam eles roupas e objetos ou pessoas negativas. 10. Estimule a criatividade em atividades cotidianas, seja na hora de cozinhar ou se vestir. 11. Exercite os “músculos das decisões”. Decida duas coisas importantes por dia. 12. Foque no positivo, para não deixar as preocupações tomarem conta da sua mente.

56 • R evista Força • fevereiro de 2012


Comportamento

A ARTE DE APRENDER

O

aprendizado acontece quando realmente estamos dispostos a aprender. Bom, até então o mundo ainda não acabou e parece realmente que só Deus sabe a hora disso acontecer. Enquanto tal dia não chega que possamos aprender coisas novas e edificantes em 2012. Que sejamos mais tolerantes com as diferenças, mais persistentes com nossos sonhos. Que possamos perdoar sem guardar mágoas, e onde exista dúvidas possam haver certezas. Que os erros não pesem mais que os acertos. Lembre-se somos todos alunos da professora “vida” e todo dia é dia de aprendizado. Que nosso comportamento seja cheio de valores e princípios, que haja propósito em nossas vidas. Não se esqueça de ir para o trabalho feliz, pois existem muitos querendo estar em seu lugar e durante o percurso observe a beleza das coisas, dos lugares e das pessoas e vá desejando a si mesmo um bom dia, faça do seu dia o melhor. Só por fazer? Não! Mas para se viver mais e melhor! Se acontecer algumas desventuras e mazelas, elas não serão suficientes para tirar da mente seus objetivos e sonhos, confesso que podem atrapalhar, mas darão mais força ao seu intuito. Não faça amizade com a derrota e nem dê ouvidos a insatisfação.

fevereiro de 2012 R evista • Força •

57


Comportamento

Que possamos aprender com os mais experientes, (muitas vezes por falta de ouvi-los é que erramos onde eles já não erram mais), não só escutar, mas ouvir conselhos de pessoas que nos querem bem! Que eu possa aprender com meus familiares, amigos, com as crianças com quem trabalho... afinal quem ensina não deve apenas ensinar, mas ensinar tendo a capacidade de junto

aprender com as pessoas. Nunca deixemos de acreditar nelas e no que elas podem nos ensinar. Valorizar momentos únicos e genuínos e absorver todas as cores, podem fazer com que a vida não passe assim fragmentada, como um filme que é editado para mostrar apenas o lado bom, mas como um presente divino.

Edme Cristiane Ortiz | Pós - graduada em Educação Especial | christianeortiz@bol.com.br 58 • R evista Força • fevereiro de 2012


Comportamento | Regina Pocay

APRENDI COM MINHA VÓ fevereiro de 2012 R evista • Força •

59


Comportamento

A

inda posso sentir o cheiro gostoso de pão saindo do forno, a manteiga derretida na fatia que soltava fumaça... hummm que delícia!!! Era assim que minha avó nos esperava quase todas as tardes... com um café gostoso.

GRANDE FELIZ, é preciso deixar viva dentro de nós a CRIANÇA LIVRE que fomos um dia. O passar do tempo é isto, ele tem o poder de fazer com que coisas que existem deixem de existir para que outras, que não existiam, venham a existir... se o tempo não tivesse passado minha

todos nós vamos creScER e meu desejo é que esta seja uma experiência MARAVILHOSA para cada ser humano!!! Para ser maravilhosa, a vida não necessariamente precisa ser perfeita, para ser maravilhosa ela tem que apenas ser bem aceita... porque a tua experiência será exatamente como permitir que seja.

Eu era ainda uma criança, mas passava horas a ouvir as histórias da Vó Maria (nós a chamávamos carinhosamente assim)... quanta experiência de vida compartilhada em contos envolventes, ficávamos inebriados!!! Ela tinha um tom de voz doce, seguro, dava a sensação de que tudo que ela viveu, toda experiência que ela partilhava conosco, através de seus contos, eram experiências ótimas... aliás a imagem que eu tinha da minha avó, era de que ela era uma criança bem grandona, minha amigona macia, cheirosa... eu adorava recostar a cabeça naquele colo e absorver toda a doçura que ela transbordava... Tenho certeza que foi com minha avó que aprendi que para ser GENTE

avó não teria crescido e logo eu não existiria!!! Por isto minha avó cresceu, tornou-se mãe e depois avó, e assim foi possível eu estar agora, aqui, contando o que aprendi. É este o ciclo da vida...

“Assim é o que lhe parece” e “Só se vê bem com o coração”, disse Saint Exupéry no livro “O pequeno príncipe”. Desfrute de uma vida plena na maturi-

60 • R evista Força • fevereiro de 2012


Comportamento dade, busque longevidade, reaprenda a viver!!! Cada pensamento nosso, gera uma emoção e cada emoção mobiliza um circuito hormonal que tem impacto direto no nosso sistema celular e isto afeta positiva ou negativamente (dependendo do tipo de emoção que sentimos) os aspectos da nossa saúde física, social, emocional e espiritual. É exatamente por isto, que muito se tem falado e estudado sobre a Qualidade de Vida na maturidade ou melhor idade. Neste sentido então, torna-se necessária uma mudança de atitudes ou manutenção de atitudes (para aqueles que já tem o hábito de ter atitudes saudáveis, como tinha minha avó). Do ponto de vista da saúde física, um dos fatores mais importantes é o cuidado com a alimentação, pois uma alimentação saudável supre o organismo com nutrientes que permitem o bom funcionamento e prevenção de várias doenças. Outro fator importante são as visitas regulares ao médico, chamamos isto de saúde preventiva. Exercitar-se é palavra de ordem, respeitando, é claro, as limitações físicas individuais, faça caminhadas leves, ao ar livre, se possível freqüente uma academia... hoje temos várias academias comunitárias sem custo. “Corpo são, mente sã”. Uma maneira simples e gratuita de manter-se ativo é cuidar bem do seu pulmão... respirAR...!!! Note que quase nunca percebemos se respiramos bem ou não, mas tente parar de respirar por alguns segundos e você certamente perceberá a importância do AR para manutenção da VIDA. Fazer respirações profundas, de maneira ritmada, tranqüila, oxigena nosso cérebro nos mantendo mais atentos, mais ativos. Imprescindível também é a atividade sexual como fator na manutenção da saúde, é importante salientar que os valores associados à atividade sexual, nesta fase da vida, são

diferentes dos jovens: o que importa não é a virilidade, mas a intimidade, a sensação de afeto e carinho presentes na relação. Perceba que cuidando da saúde física, estamos garantindo também a manutenção da saúde social, emocional e espiritual, pois estaremos preparados e dispostos à vivermos bem, e isto garante energia para nos relacionarmos socialmente, garante também controle emocional e disposição para dedicarmos tempo à nossa saúde espiritual. Para isto é necessário que tenhamos compromisso com nosso EU. Tenho por hábito, em meus textos, de desconstruir algumas palavras para provocar uma reflexão mais atenta à determinados aspectos. Vamos desconstruir a palavra “compromisso”: com-promisso, nos remete à “com-promessa”, ou seja, eu assumo comigo mesma a promessa de fazer a l g o melhor, fazer da minha v i d a u m a v i d a mais plena, uma vida feliz, uma vida que eu possa partilhar experiência com meus queridos... por isto vale à pena refletir na frase: “A vida só é digna de ser vivida, quando se faz algo pela vida, em vida”... como dizia minha avó!!!

Regina Pocay reginapocay@novaodessa.com.br fevereiro de 2012 R evista • Força •

61


FABIANA COELHO Quem é a Fabiana Coelho? Formada em Arquitetura, mãe de duas lindas meninas, esposa e dona de casa. Cake designer, autodidata, há 7 anos dedicada a transformar açúcar em belas esculturas. Você é um dos nomes mais conhecidos na região quando o assunto é confeitaria. A que se deve esse reconhecimento? Acho que à dedicação, à entrega a cada projeto como se fosse único. A tentar realizar cada desejo de cada cliente, realizar cada sonho, sonhar junto! Sempre quis trabalhar nessa área? Não, nunca imaginei que fosse trabalhar com doces, foi por acaso. Resolvi incrementar uma festinha das minhas filhas fazendo eu mesma os docinhos para decorar a mesa.Começaram a surgir encomendas, virou um hobbie,que foi ficando sério, e virou minha profissão!Tornei-me Cake Designer.

62 • R evista Força • fevereiro de 2012


Social | Personalidades

De qual criação mais se orgulha? Da que está na bancada, sendo produzida!

muitas vezes uma vida deve ser projetada num simples bolo de dois andares. Lembro-me de uma cliente que queria resumir a historia dela, do marido e do filho, todos aniversariantes do mesmo mês, num único bolo. O marido deveria estar escalando uma montanha vestido de alpinista e ao lado de cavalos; ela correndo num bosque com agasalhos cor-de-rosa e rabo de cavalo; e o filho vestido com shorts, camiseta e boné, brincando com aviões e pipas. Tudo minuciosamente detalhado! Quando é assim a pessoa já tem o bolo todo prontinho na cabeça, e fica muito difícil reproduzi-lo a contento.

Algum cliente pediu algo curioso? Todo cliente tem seu desejo, seu sonho e

Vamos saber um pouco sobre suas particularidades. O que assiste na televisão?

Qual a marca registrada dos seus docinhos? Fazer tudo nos mínimos detalhes! (risos) Quais são suas inspirações na hora de criar? Às vezes consulto revistas especializadas, mas procuro me inspirar ao máximo nas imagens e peças originais do que estou criando, assisto sempre aos lançamentos dos filmes infantis e claro, a concentração e o silêncio sempre é um aliado importante.

Gosto muito de ver Telejornal para me manter atualizada. E assisto sempre Ace of Cakes, da FoxLife, e a guerra dos Cup Cakes e Cake Boss, do Discovery Travel & Livin. Comida preferida? Massas sempre e uma boa carne. Hobbie? Não tenho meu trabalho já é prazeroso como um hobbie. Frase: “A genialidade é 1% inspiração e 99% transpiração.” (Thomas Edison)

fevereiro de 2012 R evista • Força •

63


Tecnologia

ATÉ QUE A REDE SOCIAL OS SEPARE... No Reino Unido facebook é a causa de 33% dos divórcios

V

ocê tem facebook? Está em um relacionamento sério? Alguma briga entre você e seu companheiro teve como motivo principal a rede social? Certamente sim! “Eu vivia em ‘pé de guerra’ com o Marcos (Aguiar, namorado). Ele tinha ciúmes de quem eu adicionava no facebook. E eu ciúmes do que ele fazia também. Então, decidi excluir o meu perfil e fiz ele excluir o dele“, conta a estudante de fisioterapia Raissa Donato, que desde o início do ano deixou a rede social. As brigas por conta da rede social não aconteciam somente no relacionamento de Raíssa. É assim com milhões de casais em todo o mundo, que na maioria das vezes optam por abandonarem os perfis na internet. O problema é quando a briga parte para outro estágio: a separação. O facebook, por exemplo, foi o pivô de 33% dos divórcios no Reino Unido, em 2011. Uma empresa britânica que facilita o divórcio pela internet analisou os casos de cinco mil pessoas: 20% delas apontaram a rede social como causa principal ou secundária do desgaste da relação. E no Brasil não é diferente. As redes sociais geram conflitos entre os casais, que brigam e até mesmo se separam por causa de ciúme ou traição. “Se alguém quer ter um caso ou um flerte com alguém do sexo oposto, então uma rede social é o melhor 64 • R evista Força • fevereiro de 2012


fevereiro de 2012 R evista • Força •

65


Tecnologia lugar para fazer isso”, justifica Mark Keenan, porta-voz do Divorce-Online, empresa de advocacia responsável pelo estudo. O Facebook tem se tornado um dos grandes pivôs de divórcios hoje em dia. A empresa de advocacia conduziu um estudo junto a seus cerca de 5 mil clientes, e percebeu que, nos últimos dois anos, as ações que citam o Facebook apresentaram crescimento de quase 50%; a rede social foi citada como um motivo para a separação em um em cada três processos no Reino Unido em 2011. Os números referem-se às petições em que o “comportamento não-razoável” é uma das justificativas da separação. Bruna Rinaldi de Carvalho, advogada especializada em direito de família, afirma que imagens e relatos publicados na internet já podem ser usados como recursos dentro de um processo de separação. “O juiz precisa de provas para dar a sua sentença. O texto de uma rede social pode ser usado, porque trata-se de uma prova lícita”. Para a psicóloga Ana Olmos, as redes sociais não conseguem determinar sozinhas nenhuma mudança na vida de um casal. “O mundo virtual é apenas mais um fator que influencia na vida das pessoas. O veículo em si é fantástico, mas o uso que você fará dele vai depender do seu mundo mental”. A lista de principais reclamações que a empresa especializada em divórcios apurou começa com mensagens inapropriadas enviadas para pessoas do sexo oposto. O segundo item inclui as mensagens ofensivas que parceiros separados escrevem um sobre o outro. A terceira principal queixa seria de amigos, condenando o comportamento do casal. A pesquisa do Divorce-Online ainda apurou que o Twitter foi mencionado em apenas 20 doas 5 mil processos analisados. Na maior parte das vezes, a reclamação era de uso do microblog para falar mal do ex-parceiro ou da 66 • R evista Força • fevereiro de 2012

ex-parceira.

Sobre esse tipo de comentários, o porta-voz da empresa de advogados faz um alerta. “As pessoas precisam ter cuidado com o que postam em seus murais, pois estes posts estão sendo usados, em corte, como evidência em disputas financeiras e de guarda de filhos”, afirma.


fevereiro de 2012 R evista • Força •

67


Gastronomia

CARDÁPIO DE 15 MINUTOS Se a falta de tempo impede que você incremente o cardápio com pratos diferenciados e gostosos, a Revista Força traz uma solução. Que tal um cardápio diferenciado com até 15 minutos de preparo, recomendadas por restaurantes e chefs? A lista conta com iguarias doces e salgadas. Entre elas estão brigadeiro de milho, bolo de caneca de laranja, omelete clássico, bolinho de risoto recheado com mussarela de búfala e massa Alfredo. Basta conferir os ingredientes e o modo de fazer. Depois, é só reunir a família e os amigos e saborear as novidades. Principalmente se o tempo for curto e a fome grande.

68 • R evista Força • fevereiro de 2012


Gastronomia Omelete Clássico Ingredientes 4 ovos sal e pimenta-do-reino manteiga

Modo de preparo Com um fuet (batedor), misture os ovos e tempere com sal e pimenta-do-reino. Em uma frigideira, aqueça a manteiga e coloque os ovos. Deixe secar. Dica: Dá para usar a criatividade e incrementar com o que tiver na geladeira (queijo, azeitonas, alcaparra, tomate, cheiro-verde etc).

Bolinhos fritos de risoto recheados com mussarela Ingredientes 200g a 300g de sobras de risoto 50 g de molho de tomate caseiro queijo parmesão ralado a gosto 60 g de mussarela de búfala (bola) farinha de trigo para empanar 1 litro de óleo de canola Modo de preparo Em uma frigideira funda, misture as sobras de risoto com o molho de tomate e o parmesão. Se precisar, corrija o sabor, com sal e outros temperos. Abra na palma da mão um pouco do arroz e acrescente um pedaço da mussarela no meio e feche, formando um bolinho. Empane na farinha de trigo e frite no óleo pré-aquecido. fevereiro de 2012 R evista • Força •

69


Gastronomia M assa A lfredo Ingredientes 300 g de penne ou fetucine 1/2 xícara (chá) de queijo parmesão

Molho 500 ml de creme de leite fresco 1 colher (chá) de sal 1 colher (chá) de alho granulado 1/4 de colher (chá) de pimenta calabresa 1/2 colher (chá) de shoyu 1/4 de colher (chá) de pimenta preta em pó

Modo de Preparo Cozinhar a massa até que fique “al dente”. Molho: Misture todos os ingredientes. Em uma frigideira, deixe o molho ferver até reduzir um pouco. Acrescente a massa e misture. Sirva em prato fundo e cubra com queijo parmesão ralado.

Brigadeiro de Milho Ingredientes 1 lata de leite condensado 3 espigas de milho ou 300g de grãos já cozidos 3 colheres (sopa) de chocolate em pó 1 xícara de flocos de milho comum ou de chocolate Modo de Preparo Bata o milho cozido no liquidificador até ficar bem cremoso. No fogo baixo, em uma panela, coloque o leite condensado, o creme de milho e o chocolate. Mexa bem (o doce fica espesso). Espere a massa esfriar, molhe as mãos para não grudar e molde as bolinhas. O acabamento é com os flocos de milho. 70 • R evista Força • fevereiro de 2012


Gastronomia Bolo de caneca de laranja Ingredientes 1 ovo pequeno 4 colheres (sopa) de leite 3 colheres (sopa) de óleo 2 colheres rasas (sopa) de açúcar 4 colheres rasas (sopa) de farinha de trigo 1 colher rasa (café) de fermento 2 gotas de essência de baunilha suco de 3 laranjas espremidas Modo de Preparo Coloque o ovo em uma caneca e bata bem com um garfo. Adicione a essência de baunilha para tirar o gosto forte do ovo. Acrescente óleo, açúcar, leite e bata mais um pouco. À parte, esprema as laranjas e coloque o suco em uma panela no fogo para que o volume do líquido reduza à metade. Em seguida, coloque na caneca e acrescente a farinha de trigo, o fermento e mexa delicadamente até a massa ficar homogênea. Leve por três minutos ao forno micro-ondas na potência máxima.

DIS CONTRA

RIR!

Na sala de espera do Hospital, o médico chega para o cara muito nervoso, e diz: – Tenho uma péssima noticia para lhe dar…A cirurgia que fizemos em sua mãe… – Não, Doutor. Ela não é minha mãe…minha sogra! – Nesse caso, então, tenho uma ótima notícia para lhe dar…

O sujeito entra num banco e vê todo mundo andando de um lado para o outro, olhando para o chão a procura de alguma coisa. Para satisfazer a sua curiosidade, ele vira-se para o único senhor que está em pé, parado e pergunta: - O que está havendo por aqui? - Foi um rapaz que deixou cair uma nota de 100 Reais e está todo mundo procurando! - E o senhor? Por que não se mexe também? - Porque o dinheiro está debaixo do meu sapato! fevereiro de 2012 R evista • Força •

71


Esporte

O EXEMPLO QUE VEM DE LONDRES Cinco meses antes, Londres já está pronta para receber os jogos olímpicos de 2012

E

ficiência! Se tem uma palavra para representar os esforços britânicos para a realização das Olimpíadas de Londres, essa palavra é eficiência. Faltando pouco mais de cinco meses para o início da maior competição esportiva do mundo, a cidade já está pronta. Estrutura hoteleira pronta! Estrutura logística pronta! Estrutura esportiva pronta! Tudo pronto! Tanta pontualidade não é de hoje, estava quase tudo pronto um ano antes,

72 • R evista Força • fevereiro de 2012


Esporte

com prazos e valores seguidos à risca; um exemplo para o Rio de Janeiro, que em 2016, vai sediar a competição. Mas, o segredo de tanta pontualidade? Planejamento. Em Londres, acredite, os preparativos começaram sete anos atrás, quando a capital inglesa foi escolhida para sediar as Olimpíadas. Tempo suficiente para que na contagem regressiva para o início da competição, todas as instalações esportivas sejam testadas. “A última etapa de preparação, com um ano de duração, está sendo dedicada exclusivamente à testagem das construções e equipamentos”, explicou o embaixador do Reino Unido, Alan Charlton, durante coletiva de imprensa. Se tratando de estrutura esportiva, Londres não vai deixar a desejar em nada à Pequim, com construções suntuosas e

de primeiro mundo. Mas, quem mais vai ganhar com toda essa estrutura serão os britânicos. Isso porque o parque olímpico de Londres foi erguido no antigo bairro industrial de Stratford, que estava decadente. Agora revitalizado, o bairro ganhará até uma escola. “O bairro tinha muitos problemas e o solo estava contaminado. Fizemos uma oportunidade para revitalizar esse bairro. Decidimos transformar Stratford num bairro novo, que será um dos grandes legados dos jogos olímpicos”, apontou Charlton. Tudo em Londres se transformará em legado para a população. Material de construção desmontável é uma das estratégias que a organização das Olimpíadas de Londres 2012 está usando para que as obras não se tornem “elefantes brancos” após o evento. Além disso, as

casas que os atletas vão ocupar na Vila Olímpica também prometem ter destino certo: serão postas a venda para famílias. Além disso, o governo inglês já negocia com clubes esportivos locais um esquema para utilização das instalações após os jogos. Um exemplo de gestão esportiva em megaeventos, como conta Gustavo Grisa, especialista em gestão de cidades e consultor de planejamento dos jogos no Brasil: “Os ginásios de basquete e pólo aquático estão sendo construídos para serem temporários, segundo relatório oficial, porque não foi identificada necessidade de uma arena permanente na região. No caso da arena de basquete, estima-se que dois terços dos materiais poderão ser reutilizados ou reciclados”, conta. fevereiro de 2012 R evista • Força •

73


Esporte A maior parte das construções está sendo realizada na região do Lower Lea Valley, onde ficam bairros pobres e pouco atendidos por serviços públicos como Stratford e Bromley. Com o objetivo de revitalizar a área, uma estação de trem será levada para as proximidades. O transporte levará ao centro de Londres e terá uma ligação com a EuroStar (que liga Londres e Paris). As casas da Vila Olímpica serão postas a venda a partir de 2011 para serem ocupadas em até três anos. “Eles vão transformar um bairro pobre num dos locais mais desejados para se morar”, elogia Grisa. O exemplo que vem de Londres é apontado como boa lição para o Rio. Diferente de Londres, no Rio a maior fatia dos investimentos irá para um bairro nobre, a Barra da Tijuca. Até por isso, o maior desafio aqui é aproveitar os jogos para suprir falhas de estrutura, em especial nos transportes. O projeto carioca pretende, também, recuperar a Zona Portuária. Essa sim, mais degradada e pouco atendida por serviços atualmente, vai receber um centro de lazer e será a futura sede do Comitê Olímpico Brasileiro. Além disso, o Rio prevê a preservação da floresta da Tijuca, considerada a maior floresta urbana do mundo, onde

74 • R evista Força • fevereiro de 2012


deverão ser plantadas mais 24 milhões de árvores até 2016. Apesar das dificuldades que a capital carioca apresenta o engenheiro Natanael Jardim garante que tudo ficará pronto a tempo. “É claro que eu não estou por dentro da obra, não faço parte do comitê e de nada ligado aos jogos, mas como engenheiro, digo que o Rio tem uma vantagem, já tem várias construções prontas por conta do Pan-Americano (de 2007). Mais de 60% do necessário já existe. Os organizadores estão conscientes dos desafios e dos problemas de transporte, que é uma coisa muito importante. Ainda tem muito tempo até os jogos. Há tempo suficiente para fazer tudo isso”, garante. Prazo a parte, o certo é que antes das atenções se voltarem para o Brasil, o mundo vai acompanhar o espetáculo londrino. A Olimpíada de Londres receberá 10.500 atletas de mais de 200 países, distribuídos em 26 modalidades esportivas. Serão 5 mil dirigentes e técnicos, além de 20 mil profissionais de imprensa. Para tudo isso, foram construídos cinco novos complexos permanentes e dois temporários.

fevereiro de 2012 R evista • Força •

75


Saúde

R.P.G. NA FISIOTERAPIA

R

.P.G. (Reeducação Postural Global) é um método fisioterápico desenvolvido na França em 1980 e tem como objetivo o tratamento das desarmonias do corpo humano, com uma abordagem corretiva e preventiva, fundamentada na biomecânica e neurofisiologia moderna, levando em consideração as necessidades de cada pessoa, já que cada organismo reage de maneira diferente às agressões sofridas. Os problemas mais comuns de postura estão localizados na coluna e são a Hiperlordose, quando a coluna vertebral vai para trás, arrebitando os quadris; a Hipercifose: quando os ombros estão caídos para frente; e a Escoliose: quando a coluna pende para um dos lados. Ninguém tem uma postura perfeita, porque a vida moderna é tão estressante, que quase todas as pessoas mantêm os músculos em constante tensão (hipertonia), que se manifesta por dores. A pessoa então adota uma postura incorreta para aliviar a dor. O tratamento inicia-se, após uma avaliação individual, sistemática e criteriosa, levando em conta a história do indivíduo e a sua alteração postural, sua função muscular, visando estabelecer as causas das dores ou sintomas. A duração da sessão de R.P.G. é de uma hora. A freqüência das sessões nos casos crônicos é de uma vez por semana e nos casos agudos, duas. O paciente é tratado como um todo, ou seja, de forma global, onde terá resultado surpreendente do seu corpo, tanto fisicamente, quanto psicologicamente. Com a nova postura adquirida, as dores tendem a desaparecer. Esse tratamento visa atender também aqueles que desejam encontrar um melhor equilíbrio e harmonia corporal, como

76 • R evista Força • fevereiro de 2012


forma de prevenção. Assim sendo, pode ser aplicado em pessoas que praticam atividades físicas regularmente, evitando atitudes viciosas e melhorando a estabilização muscular, o que previne lesões e dores após as atividades.

Eduardo Pousa Maziero - Fisioterapeuta. Atende em sua clínica, situada à Avenida Tiradentes 1110 - Santa Bárbara d´Oeste - SP Fone: 19 3463.2556 fevereiro de 2012 R evista • Força •

77


Saúde

AS UNHAS TAMBÉM FALAM Saiba interpretar possíveis problemas de saúde através das unhas

E

ntre as crendices populares brasileiras, uma das mais famosas diz respeito ao aspecto das unhas. Há quem acredite que as manchinhas, que surgem de uma hora para outra, significam a chegada de boas-novas. Em certas regiões do país, o povo garante que elas aparecem na mesma proporção das mentiras que contamos. Coincidências e lendas à parte, o fato é que essas marquinhas querem nos avisar de algo muito mais importante: que precisamos ouvir rapidamente a opinião de um dermatologista, para ver o que há de errado em nosso organismo. Mais do que refletirem hábitos pessoais e o cuidado com a aparência, as unhas desempenham – muito bem por sinal – a função de espelho da saúde. Qualquer alteração do organismo certamente será refletida nas unhas. Não é à toa que muitos médicos pedem para ver as mãos dos pacientes durante o exame clínico. “Qualquer alteração patológica nas unhas deve ser observada com rigor, pois sinalizam desde falta de nutrientes, estresse e micoses até problemas mais sérios, como cirrose hepá78 • R evista Força • fevereiro de 2012

tica, insuficiência renal e endocardite (a inflamação do revestimento interior do coração, geralmente provocada por bactérias)”, garante a dermatologista Thalita Lima Ferreira. Thalita explica que as unhas podem apontar, ainda, a causa de males como dermatite de contato, lupus eritematoso (doença crônica que causa inflamações em várias partes do corpo) e até mesmo problemas circulatórios periféricos, cardiológicos e intestinais. “Eu sempre digo que as manicures, além de cuidarem da beleza das unhas, viraram profissionais


Saúde de saúde. São elas (as manicures) que sempre avisam as clientes sobre alguma alteração. Elas têm tido um papel importante, porque a maioria das mulheres não fica com as unhas sem esmalte o que dificulta a observação”, explica. “Por isso é mais fácil identificar as alterações nas unhas dos homens”, garante. Mas, antes de se desesperar com qualquer manchinha nas unhas, é preciso interpretar as alterações. Na maior parte das vezes, as manchinhas esbranquiçadas e pequenas são resultado de batidas leves que provocam pequenos traumas na matriz ungueal (local onde as células de queratina que formam a unha são produzidas), segundo a demartologista. Assim como aquelas linhas finas e verticais (faixas hemorrágicas) decorrentes do rompimento de vasinhos minúsculos, essas marcas somem sozinhas e nem sempre são motivo de preocupação.

Porém, se elas tomam quase toda extensão da unha e não desaparecem, vale a pena consultar um médico especialista. A presença desses sinais pode indicar inúmeros problemas de saúde, possíveis ameaças ao bom funcionamento do organismo e até o uso de determinados medicamentos. “Os remédios quimioterápicos e alguns antibióticos usados para tratar infecções bacterianas, por exemplo, impulsionam a manifestação de manchinhas nas unhas. Daí a importância de procurar ajuda de um profissional da saúde”, garante o médico Yuri Casagrande, especialista em saúde. Segundo o especialista, observar alterações na coloração é o primeiro passo para um autodiagnóstico inicial. “Por exemplo, se o leito (a pele que fica logo abaixo da lâmina, que é a parte mais visível da unha) estiver arroxeado, é preciso vigília dobrada. A cor escura

demonstra que o sangue não está circulando direito nas mãos e pode indicar possíveis disfunções cardíacas. Além da mudança na cor, é preciso ficar atento à forma e textura das unhas”, conta As temidas micoses (infecções por fungos) se manifestam pelo aumento da espessura da unha, descolamento ou alteração da cor. Quando a causa é orgânica, a infecção surge nas mãos e nos pés. Se não tratadas a tempo, com remédios orais ou tópicos, leva à perda da unha — que demora mais de seis meses para crescer. Quanto às unhas com ondulações, vale um alerta. Segundo artigo de Robert Baran, criador do primeiro centro de diagnóstico e tratamento das doenças das unhas, publicado na revista Scientific American Brasil, as convexas e sem brilho são típicas de portadores de doença cardíaca ou pulmonar crônica. E as unhas côncavas, especialmente em

fevereiro de 2012 R evista • Força •

79


Saúde crianças, podem indicar um possível déficit de ferro no organimso. Especialistas ressaltam, porém, que o diagnóstico de uma doença não se faz valer apenas do aspecto das unhas. “Geralmente outros sinais denunciam primeiro uma doença. Problemas pulmonares, por exemplo, geralmente se caracterizam por um “assobio” ao respirar,e portanto, a aparência das unhas intervém como uma manifestação posterior. No entanto, inúmeros médicos se utilizam desta aparência para completar o seu diagnóstico ou então, para orientar a sua pesquisa, com o objetivo de ganhar um pouco tempo e ter uma primeira impressão geral”, finaliza Casagrande. Por isso, a regra é: procurar ajuda de um especialista. Pois, é possível também que uma pessoa sofra de distúrbios cardíacos e não tenha unhas avermelhadas assim como o oposto, que ela tenha unhas avermelhadas, mas não possua distúrbios cardíacos.

O que as unhas revelam sobre a saúde Manchas esbranquiçadas

Anemia, carência de zinco e proteínas, dermatites de contato (alergias a esmaltes, sabões, detergentes...), psoríase, micoses, intoxicação por metais pesados, insuficiência renal.

Manchas amarelas ou unhas amareladas

Frequentes em fumantes, também indicam uso crônico de antibióticos, ingestão em excesso de betacaroteno (precursor da vitamina A, encontrado em cenoura, beterraba, mamão...), diabetes, micoses e males do fígado.

Ondulações, que, no caso das mulheres, ficam aparentes mesmo com duas camadas de esmalte Geralmente indicam traumas (a espátula de empurrar cutícula é usada com força). E ainda: anemia e doença cardíaca ou pulmonar.

Fracas, secas, quebradiças, com tendência à descamação

Falta de cálcio, além de zinco e vitaminas A, B e E, nutrientes que constituem a unha. Anemia, hipotireoidismo.

80 • R evista Força • fevereiro de 2012


Saúde

Arroxeadas

Micoses, tumores, uso de remédios coagulantes, males cardíacos, lupus eritematoso.

Esverdeadas ou com inchaços, vermelhidão e dor que se expande ao redor dos dedos Infecções bacterianas e micoses.

Faixas negras

Disfunções hormonais, micoses, tumores na matriz ungueal, câncer de pele (melanoma).

Amarelada, espessa e sem crescimento Distúrbios pulmonares.

Metade branca, metade avermelhada Problemas renais.

fevereiro de 2012 R evista • Força •

81


Histórias de Minha Vida

A EVOLUÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL Há mais de meio século no ramo, José Bacchin acompanhou de perto a evolução do setor

E

le já teve bar, sorveteria e restaurante. Comércios bem localizados no centro de Santa Bárbara d’Oeste em meados da década de 40. Mas decidiu fechar as portas do estabelecimento em busca de outro desafio: a construção civil. Sem deixar de lado o talento e o gosto pelo comércio, José Bacchin abriu – junto com um irmão - uma casa de material de construção: a Comercial Bacchin Ltda, uma das lojas do ramo mais an82 • R evista Força • fevereiro de 2012

tigas da cidade. Nos 54 anos da loja, o comerciante testemunhou a evolução da construção civil. (Agosto de 1958 fundou a empresa). “Mudou muita coisa”, conta. E como mudou. Há 50 anos, loja de materiais de construção era raridade em cidades pequenas. Hoje, o comércio se popularizou. “A concorrência aumentou demais. Nessa linha de raciocínio, a matemática é clara: quanto mais concorrência, menores são os preços. Bom para o consumidor que tem opções de escolha e ruim para o comerciante que ‘didive’ as vendas com os concorrentes. Mas, mesmo com as dificuldades da concorrência – realidade que não é exclusividade só na construção civil - assistir à evolução do setor foi perceber que o mercado é um dos mais estáveis para se investir. “A construção civil já teve momento melhor. A loja já vendeu mais, principalmente na época do plano militar”, fala Bacchin,


Histórias de Minha Vida com propriedade de causa. “Mas em todo esse tempo percebemos que é um mercado estável. O investimento é alto, mas o retorno também. Só é preciso ter paciência e se diferenciar da concorrência”, completa o comerciante. Diferenciar-se da concorrência, inclusive, é um dos pontos favoráveis à loja do Seu José Bacchin. Isso porque além de ser uma das mais tradicionais de Santa Bárbara d’Oeste, ao longo do tempo

cação? O consumidor. Os clientes passaram a ser mais exigentes com a qualidade e com a variedade de opções dos materiais que investem em suas casas. Afinal, até bem pouco tempo atrás nem os clientes mais antenados em decoração, por exemplo, procuravam pastilhas coloridas para revestir os banheiros. Hoje, esse produto é obrigatório em casas do ramo. Uma clara mudança no gosto e no comportamento do consumidor. A evolução da construção civil, no ramo das casas de material, não se deu somente na popularização desse tipo de comércio e na mudança de comportamento do consumidor. Desde que as facilidades de crédito assumiram posição de destaque na economia brasileira, as vendas aumentaram significativamente. “Nós percebemos que muitas pessoas passaram a vir na loja porque estão conseguindo reformar a casa,

Da direira para esquerda. Loraine (filha) , Sr.Jose, Dorys (esposa) Christiane (filha), Eliani (filha)

a loja foi agregando componentes que supriam outras necessidades dos clientes, como um setor da loja dedicado a acabamento. “Além da matéria-prima da construção civil, nós passamos a trabalhar com a parte de acabamento. E também com linhas para banheiros, cozinhas, áreas de lazer”, bricolagem etc. Agregar novos componentes à loja de material de construção é um exemplo claro da evolução da construção civil nas últimas décadas. Mas, qual a expli-

construir”, analisa José Bacchin, citando que as famílias de baixa renda melhoram seu poder aquisitivo. “No final do ano (dezembro de 2011) as vendas cresceram bastante para esse público”, justifica. Se depender da vontade de José Bacchin, ele vai acompanhar muitas outras evoluções do setor, prestes a deslanchar de vez com as obras para a Copa do Mundo, em 2014, e para as Olimpíadas em 2016. Com mais de sete décadas vividas, ele não pensa em sair de trás do balcão. “Por enquanto não quero me aposentar dessa função (risos). Enquanto minhas forças derem quero continuar”, finaliza, para em seguida confessar que mesmo que deixasse de trabalhar na loja, não conseguiria se manter longe do local. O amor que move o trabalho também move a paixão pela família, principalmente pelos netos. José Bacchin é exemplo de vitalidade, de empreendedor, de pai e avô. fevereiro de 2012 R evista • Força •

83


Orações

POLÍTICA PARA QUEM? Vamos conversar um pouco sobre o sentido da Política em nossas vidas, e a compreensão de Política no contexto filosófico. Quando se fala em Política logo sabemos que estamos diante de um conceito sem muita importância para muitas pessoas. É claro que de modo geral este conceito se estende ao dia-a-dia de todos nós, nas decisões, nos negócios que fazemos, nas nossas atitudes entre outros. Toda decisão que a pessoa toma, seja qual for o assunto, é uma decisão política. Mas nos interessa aqui o sentido estrito

Padre Cláudio César de Carvalho

84 • R evista Força • fevereiro de 2012

da palavra, ou seja, a política com o governo do povo. Na concepção grega, a o termo político deriva de Polis cidade. Assim, cidade é entendida como a comunidade organizada, formada pelos cidadãos livres e iguais, portadores de direitos inquestionáveis: a igualdade perante a lei e o direito de expor e discutir em público suas opiniões sobre os assuntos da cidade. Para Aristóteles a Política tem como objetivo a felicidade humana e deve se fundamentar nos princípios da ética. Em uma de suas principais obras políticas o filósofo fala que o objetivo de toda comunidade é proporcionar o bem comum, através da harmonia no convívio social. Assim a cidade, comunidade de pessoas, precisa ser o lugar onde todos en-


Orações

contrem meios para serem felizes. Ora, quem está à frente no governo precisa trabalhar para isso uma vez que exerce tal atividade não para si, mas como representante do povo, que a ele confiou este encargo. Infelizmente, muitas pessoas já não acreditam mais na Política como meio de resolver os problemas da sociedade e fazer com que sua cidade, Estado ou País seja próspero por meio da ação dos políticos. Podemos dizer que é a própria realidade que faz com que os conceitos de política perca a credibilidade entre os cidadãos. E isso se reflete em um dos momentos mais importantes da democracia: na hora de votar. A sociedade assiste, estarrecida os próprios representantes fazendo do poder político um meio para se enriquecer, se promover e tirar vantagens, sem se importar com os problemas do povo.

Diante disso, realmente se torna difícil acreditar que podemos eleger alguém que quando se vê políticos tirando a roupa em assembléia, carregando dinheiro nas roupas intimas, desviando dinheiro da educação, da merenda escolar e da saúde para construir mansões e castelos. Só para citar alguns dos inúmeros crimes contra a sociedade que se pratica nos gabinetes e nos plenários do universo político. Tal realidade nos deixa indignados e revoltados, pois quando tais fatos acontecem, não é apenas uma parte dos recursos públicos que deixam de ser aplicados. Significa a vida de pessoas em jogo porque quando o dinheiro da educação, da saúde, do trabalho deixa de entrar, pessoas morrem de alguma forma por falta deles. Não podemos testemunhar calado as

festas que são feitas com o dinheiro público. Queremos algum dia assistir os telejornais sem ver ao menos uma vez as repetidas notícias de corrupção, fraudes, enriquecimentos ilícitos e desrespeitos com os cidadãos. Queremos festa sim, mas a festa da democracia; da ética, da justiça e do bem comum. Isso não é somente sonho, mas é uma realidade possível, na medida em que a sociedade se organiza recupera o sentido da verdadeira política e faz dos cargos políticos uma oportunidade de servir aos cidadãos da sociedade e não usurpar o que lhes é de direito. Temos instrumentos poderosos para isso, alcançados ao longo da história, com luta, sacrifício e a própria vida dos que acreditaram num país melhor.

fevereiro de 2012 R evista • Força •

85


86 • R evista Força • fevereiro de 2012


fevereiro de 2012 R evista • Força •

87


88 • R evista Força • fevereiro de 2012


:: REVISTA FORÇA EDIÇÃO FEVEREIRO/MARÇO 2012 ::  

Edição de fevereiro/março da Revista Força

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you