Page 1

Sob o comando da advogada Dr.ª Caroline Balbino, empresa apresenta sua nova identidade visual

Foto: Cássio Fotografias

EDIÇÃO 91 - ANO 8 - JULHO / 2019 - UBÁ - MG / R$ 11,90


OUTLET


C apa

Por Vanessa Santos

Foto: Cássio Fotografias Beleza: Alerrandro Martins Locação: Unierre Planejados

COM NOVA IDENTIDADE VISUAL, EMPRESA DESPONTA NO MERCADO SOB O COMANDO DA ADVOGADA DR.ª CAROLINE BALBINO

04

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91

O

ponto de partida de qualquer conquista é o desejo", já dizia o atemporal Napoleon Hill. E foi movida pelo anseio de empreender que, há mais de 10 anos, a advogada Dr.ª Caroline de Paula Balbino decidiu colocar em prática todo o seu conhecimento e experiência em esferas do campo jurídico dando origem à Legalizar. “Fiz uma reflexão sobre o meu papel na função de terceirizada em várias empresas de consultoria ambiental e segurança do trabalho, cuja maior parte dos ‘erros’ identificados eram fruto da ineficiência e falta de habilidade e conhecimento de seus prestadores de serviços. A partir daí, com a sabedoria de como evitar essas falhas e, consequentemente, as multas, resolvi montar minha própria equipe técnica e, em 2011 surgiu a primeira empresa do Grupo, a Legalizar Consultoria Ambiental”, conta. Apesar do foco nas questões envolvendo o meio ambiente, o escritório se fundamenta sobretudo no Direito Empresarial, tendo este como o alicerce para as mais diversas negociações. “Lidamos com sérios e milionários processos de licenciamento e autos de infração, portanto, a Blindagem Patrimonial, o Planejamento Sucessório, o Direito Empresarial e Contratual estão na

base dos trâmites que o Grupo movimenta”, afirma a advogada ao enaltecer a Legalizar como uma marca completa por conta da gama de serviços oferecidos, os quais foram reforçados quando Caroline viu na crise uma oportunidade de expansão. “Diante dos desafios impostos pelo mercado em 2015, toda a crescente empresarial estagnou e passei a inovar introduzindo áreas como a engenharia (civil e ambiental), a topografia, e na sequência a segurança do trabalho e mineração, além de palestras e treinamentos nos referidos segmentos”, pontua. Com a excelência no trabalho desenvolvido, a aceitação do público se mostrou na mesma proporção. Formada por quinze colaboradores que passam por constantes atualizações, a empresa atende toda a Zona da Mata Mineira no que envolve a parte técnica, já no aspecto jurídico, palestras e treinamentos, a abrangência se dá a nível nacional. “Iniciamos uma caminhada de sucesso que teve muita adesão e certamente serviu de inspiração para nossos concorrentes. Passei a mentorar diversos profissionais, professores e escolas técnicas, pude fazer uma carreira de sucesso, referenciando-me na área ambiental e trazendo todo esse know-how para chancelar nossa gama de serviços especializados”, declara a diretora do Grupo que, além do conhecimento e prática, procura cativar o cliente assimi-


C apa lando e correspondendo a sua real necessidade, viabilizando descontos promocionais por fidelidade e ações que o promovam.

A FUNDADORA DO GRUPO, DR.ª CAROLINE BALBINO

A NOVA IDENTIDADE VISUAL DA MARCA Há quase 12 anos no comando da Legalizar, Dr.ª Caroline Balbino enxergou no momento desfrutado pela empresa, o ensejo para despontar e alçar voos cada vez maiores, lançando a nova identidade visual no intuito de transmitir a amplitude e competência dos serviços oferecidos. “Nós nos consolidamos muito especificamente no quesito meio ambiente e hoje está mais do que certo de que esse não é nossa única expertise, logo, tornou-se necessário dar um upgrade na logomarca a fim de melhor comunicar nosso trabalho e nosso público alvo: o segmento empresarial”, explica a advogada ressaltando os atendimentos realizados pelo Grupo. “Somos um escritório de atividades multidisciplinares que deseja fornecer ao mercado resultados de excelência com o menor custo possível”, completa. A nova identidade que, segundo a empreendedora, procura transmitir uma ideia mais forte, sóbria e neutra do negócio, foi lançada oficialmente em um coquetel no dia 27 de junho, ocasião em que também foram apresentados os serviços incluídos recentemente na cartela do escritório, além da mais nova empresa, a spin-off do Grupo: a Legal Mining Auditoria e Consultoria Minerária. “Visando suprir cada vez mais demandas de nossos clientes, inserimos o atendimento no ramo de Arquitetura em 2019, assinado pela profissional Amanda Veríssimo, ampliamos a atuação no âmbito de Direito Empresarial, e agora contemplaremos também as áreas de

mineração com a nova empresa Legal Mining Auditoria e Consultoria Minerária”, afirma movida pela vontade de se superar a cada investimento. Representada pelo LEÃO, figura que traduz a garra e o desejo de blindar o cliente em todas as esferas, a logomarca ratifica a missão do Grupo Legalizar: garantir resultados que surpreendam e sejam tão grandiosos quanto cada demanda dos seus clientes. “Não somos os melhores à toa; sem arrogância digo que nosso escritório é não só o melhor, mais bem equipado e de melhor estrutura, mas o que mais investe em satisfação e conhecimento/capacitação. Obviamente, somos errantes, no entanto, todo empenho é em fazer acontecer nossa proposta de valor: BLINDAR E GARANTIR O MELHOR SERVIÇO PARA OS NOSSOS CLIENTES!”, conclui a profissional, que já planeja o futuro franqueamento da marca.

O QUE DIZEM NOSSOS CLIENTES “Ao percebermos a presença efetiva da Legalizar no acompanhamento dos processos de regulamentação de seus clientes, nós procuramos o escritório a fim de obter o Licenciamento Ambiental para Mineração. O resultado foi um trabalho excepcional e acima do esperado. Só temos elogios e agradecimentos à empresa pelo zelo nos serviços prestados”. (Eduardo Sigilião e Renato Furtado, sócios na Mineração Guaraciaba) “Contratamos a Legalizar no intuito de organizar a parte ambiental da nossa empresa e o resultado tem sido muito positivo! Estamos admirados com a honestidade, competência e foco presentes no Grupo”. (Rogério Almada, diretor comercial do Pastificio Fasson) “Frente à necessidade de uma auditoria ambiental, precisávamos de uma empresa que pudesse nos atender nesse sentido. A partir daí, fizemos uma pesquisa de mercado e a Legalizar foi melhor caracterizada nos aspectos como responsabilidade e comprometimento. O trabalho está em andamento e estamos otimistas, pois acreditamos no potencial desse renomado Grupo”. (Angela Aparecida – Gerente do Grupo Recreio BH Veículos, que tem como Presidente o Deputado Estadual Bráulio Braz)

“Conhecimento para mim é PODER!”. É regida por essa máxima que a advogada Dr.ª Caroline de Paula Balbino (35) trabalha incansavelmente em busca de seus ideais. Especialista em Direito Ambiental, Agrário, Direito do Trabalho, Previdenciário e Empresarial, a ampla formação não a intimida a parar. Fundadora do Grupo Legalizar, onde atua com assessoria empresarial e gerência geral acompanhando os processos administrativos e judiciais, ela tem no Grupo sua grande paixão. “É mais do que um negócio. A Legalizar é minha vida, minha casa, meu sonho realizado, meu sonho superado e acima de tudo compreende hoje minha principal renda, é onde me fiz como pessoa e profissional”, declara ao revelar ainda que parte do faturamento será destinado a cultura local, além do patrocínio a movimentos sociais e apoio a ONGs, instituições de proteção aos animais e à natureza. Paralelo à direção do Grupo, em que atualmente conta com o auxílio de Elaine Marques, atual Gerente Geral, Dr.ª Caroline aposta no desenvolvimento de seu trabalho como palestrante e treinadora de equipes, além de gerenciar o Portal Verde, startup em que atua como CEO, desempenho que inclusive trouxe-lhe o PRIMEIRO LUGAR do prêmio Startup Weekend do Google, além de finalista no Programa Lemonade da FAPEMIG. Conhecida e reconhecida por conta de seu profissionalismo, a advogada atribui o êxito as suas origens e a resiliência frente aos incontáveis obstáculos encontrados pelo caminho. “Os desafios pessoais, profissionais e organizacionais são muitos, mas a determinação e fé são minhas bases. Vim de uma família de valores bem definidos e foi isso que me tornou a mulher e profissional que sou. Venci preconceitos, barreiras financeiras, culturais, machismo, dentre outras, tal como a gestão de pessoas; a contratação é uma das dificuldades de qualquer empresário. Sigo confiante no ser humano, mas fé somente em Deus. Sem Ele nada disso seria possível”, conclui repleta de projetos para seguir adiante.

05

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


Í ndice

Foto: Cássio Fotografias

Foto: ASPUV

Panorama da edição

04

14

CAPA

COMPORTAMENTO

EDUCAÇÃO

Entenda sobre o corte de verbas na educação

Foto: Divulgação

A paixão pelas séries e um amor chamado NETFLIX

Foto: Cássio Fotografias

Foto: Miguel Araújo

Sob o comando da advogada Dr.ª Caroline Balbino, a empresa Legalizar apresenta sua nova identidade visual

06

34 POR TODA A MINHA VIDA Conheça a história de superação de Antônio César Filho

08 - Expediente 10 - Espaço Jurídico - Cesar Lara 12 - Falando de Negócios - Patrícia Souza 18 - Arquitetura - Anna Arquete 20 - Falando de Negócios - Minas Bar 21 - Fato Esportivo - Guilherme Bonissate 22 - Organiza-se - Jô Caciano 27 - Beleza e Estética - Fran Mendes

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91

24

37 CASA & DESIGN

Confira o que rolou no coquetel de lançamento da edição

30 - Psicologia - Júlio Custódio 32 - Economia - Michel Pires 40 - Trend 42 - Conectados - Rafaela Namorato 43 - Gestão e Negócios - Nathália Carvalho Costa 44 - Fato Fashion Day 46 - Fique Ligado

60 REPORTAGEM ESPECIAL O impacto da descriminalização e da legalização da maconha

48 - Meu Dia D 50 - Abrindo o Closet 54 - Editorial de Moda 64 - A imagem Fala - Larissa Simões 68 - Contabilize - Paulo Marcos Marques Roque 70 - Giro Social - Juliana Campos


E xpediente

Arquivo Pessoal

90

S

08

usanne Andrade, autora do livro “O poder da simplicidade no mundo ágil” introduz o capítulo 10 da seguinte forma: “Flexibilize, inove e dê adeus ao medo de errar”. Confesso que esse foi um dos trechos que mais me chamou atenção nesta obra que posso chamar de um dos meus manuais para o caminho do sucesso. Ganhei esse livro de presente de uma cliente muito especial, motivo pelo qual, não contive a ansiedade em logo que o ganhei, começar a lê-lo. Natalia Médice, proprietária da empresa Art’s Ninah Fotografia é uma daquelas empresárias que surpreende. Com toda sua simplicidade e inteligência, enxergo nela e em Nívia, sua super dupla uma força enorme quando o assunto é INOVAÇÃO. A Art’s Ninah chegou trazendo mudanças para o cenário fotográfico da Cidade Carinho e de toda região. Em seu livro, Susanne afirma que o profissional de sucesso hoje, é aquele que flexibiliza, que possui abertura para mudanças, e também saiba inovar. Confesso que não foram poucas as vezes que ao conversar com pessoas de diferentes realidades sociais, me deparei com frases do tipo “Eu não sei como vocês dão conta”... ou “Vai dar tempo de vocês respirarem antes do próximo evento?”. Ouço, processo cada uma dessas frases e sigo refletindo que o caminho para o sucesso não é fácil, mas que a zona de conforto jamais fará parte da minha realidade e se um dia isso acontecer, eu certamente buscarei por novos caminhos.

Dar adeus ao medo de errar é difícil sim, mas é também libertador e acredito que seja o primeiro passo para conseguirmos desbravar e atingir melhores resultados. E é com base na busca por novas metas e objetivos que sigo com coragem e sem medo de errar. Busco usar o dom da criatividade que Deus me deu de presente para agregar com a base do meu negócio, a revista. Confesso que às vezes considero minhas idéias ousadas e bate aquele friozinho na barriga, mas a vontade de fazer o melhor e proporcionar um resultado diferente ao cliente sobressai qualquer insegurança que bata na porta. Essa edição, além de um conteúdo exclusivo preparado para vocês pela nossa equipe de jornalismo e também pelo nosso time de colunistas, traz a cobertura de três projetos que somaram de maneira muito positiva para a marca Fato no primeiro semestre, que é o Fato Fashion Day, o Papo de Buteco e o Especial Casa e Design. A sensação de orgulho e alegria que temos ao olharmos para o primeiro semestre de 2019 é indescritível. O segundo período do ano começou com tudo e o desejo é o de que continuemos seguindo com coragem, amor e principalmente gratidão. Continuo o meu propósito inovando e criando estratégias para que os meus projetos dêem certo, tanto em minha vida pessoal, como em minha vida profissional. Encerro essa carta, a você, caro leitor, parafraseando um trecho que fecha o capítulo 10, da obra citada no início deste editorial: “O poder da simplicidade é a base para o nosso sucesso, em sintonia com a felicidade”. Tenham uma excelente leitura.

Direção Juliana Campos e Bráulio de Paula Edição Vanessa Santos | Scarlett Gravina Diretora Administrativa Juliana Campos Artes Natália Meireles | Bráulio de Paula Redação Vanessa Santos | Natália Meireles Scarlett Gravina Diagramação Bráulio de Paula Comercial Juliana Campos Fotos Cássio Fotografias | Pedro Roque Fotografia Miguel Araújo | Servando Lopes Colaboração Alexandre Gouvêa | Pedro Roque | Paulo Marcos Marques | César Campos Lara | Scarlett Gravina Larissa Simões | Anna Arquete | Nathália Carvalho Costa | Servando Lopes | Luciano Lachtim | Vanessa Santos | Rafaela Namorato | Cássio Cândido | Michel Pires | Miguel Araújo | Natália Meireles | Dr.ª Lorena S. Queiroz | Jô Caciano | Júlio Custódio | Camila Santos Guilherme Bonissate Gráfica Olps Gráfica Redação

(32) 3531-2335

(32) 9 8868-2335

revistafato@gmail.com CNPJ: 28.105.134/0001-96 Av.Padre Arnaldo Jansen, 626, Santa Luzia, Ubá - MG @revistafatouba www.revistafato.com facebook.com/RevistaFato

TO! EVISTA FA

RA DA R

DIRETO

DIRETOR

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91

A FATO! DA REVIST

Nota:

Os textos escritos por colunistas, profissionais convidados e empresas que divulgam seus trabalhos em nossas páginas são de total responsabilidade de seus autores originais.


E spaço Jurídico Foto: Fotografe

OAB/MG 108.555; pós-graduado em Direito Tributário, Direito Militar e pós-graduando em Direito e Processo do Trabalho pela Universidade Anhanguera. Advogado membro do escritório Pacheco & Sousa, Assessoria Jurídica e Empresarial. Contato: camppss@bol.com.br

Cesar Lara

Capitalização da

PREVIDÊNCIA UM FRACASSO EM 60% DOS PAÍSES

10

A

o que parece, a reforma da previdência social está batendo à porta, causando um verdadeiro dissenso entre os legisladores e a população brasileira, uma vez que existem aqueles que defendem e os que são totalmente contrários as mudanças propostas. Entre as alterações, a capitalização da previdência é uma das novidades que, caso aprovada a reforma, poderá entrar em vigor no ordenamento jurídico brasileiro, contudo, a ideia não vem encontrando adeptos por aqui, visto que muitos estão temerosos diante do que aconteceu no Chile, cujos idosos têm passado por sérios problemas em decorrência da capitalização. O referido sistema liquida o princípio da cooperação entre os trabalhadores. Nele o contribuinte faz a própria poupança para sua aposentadoria, ou seja, capitalizar a previdência significa que a pessoa poderá escolher uma agência bancária de sua confiança e depositar mês a mês o valor contribuinte, ao passo que, implementados os requisitos legais para obtenção da aposentadoria, o trabalhador irá desfrutá-la dentro do numerário que conseguiu juntar durante toda a sua vida. Já o sistema em vigor referente ao regime geral de previdência social tem a solidariedade como uma de suas características. Todo mês os colaboradores efetuam os valores junto ao INSS o qual faz uso das contribuições para pagar as demandas de inúmeros benefícios previdenciários (pensão por morte, aposentadoria por invalidez, aposentadoria por idade, aposentadoria por tempo de contribuição, auxílio-doença, entre outros). Em contrapartida, na capitalização da pre-

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91

“O sistema de capitalização liquida o princípio da solidariedade entre os trabalhadores. Nele o contribuinte faz a própria poupança para sua aposentadoria, ou seja, capitalizar a previdência significa que a pessoa poderá escolher uma agência bancária de sua confiança e depositar mensalmente o valor contribuinte”. vidência a pessoa terá como retorno a título de aposentadoria, o equivalente àquilo que somou ao longo do tempo, no entanto, referido instituto traz alguns empecilhos que não podem ser esquecidos tanto na tomada de decisão quanto à sua adoção. Em primeiro lugar não podemos deixar de mencionar a suposta falência da empresa em que os valores estão depositados, eis que o indivíduo contribui ao decorrer de anos para se aposentar através da capitalização, porém, o fundo garantidor poderá não resguardar o dinheiro de forma satisfatória. Outra circunstância que deve ser levada em consideração é o imprevisto que pode ocorrer na vida de qualquer um, como no caso de desemprego ou surgimento de alguma doença incapacitante na própria pessoa ou alguém de sua família a ponto de impossibilitar o pagamento

mensal dos valores. Em vez de ser destinado para investimentos, como dizem os propagandistas da reforma, o trabalhador contribui para uma conta individual associada a um fundo controlado por um banco e o patrão não contribui, nem o governo. Segundo um estudo realizado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), dos 30 países que adotaram a capitalização, 18 já desistiram desse sistema. De acordo com a economista Maria Lúcia Fattorelli, “esse novo modelo nem pode ser chamado de previdência, porque não tem segurança social alguma. Não tem garantia de que as pessoas vão ter qualquer benefício futuro. Vai depender do funcionamento do mercado financeiro. Na Argentina, o gasto com a transição para o sistema de capitalização foi maior que o PIB do país e, aqui no Brasil, poderia alcançar até R$9,0 trilhões”. Outro dado significativo é o Estudo Estatísticas Vitais, do Ministério de Saúde e do Instituto Nacional de Estatísticas (INE) do Chile. Entre 2010 e 2015, 936 adultos maiores de 70 anos tiraram a própria vida. O levantamento – que não contempla o agravamento detectado até mesmo pela mídia privada no último período – aponta que os maiores de 80 anos apresentam as maiores taxas de suicídio: 17,7 por cada 100 mil habitantes – 70% superior à média do continente, seguido pelos segmentos de 70 a 79 anos, com uma taxa de 15,4, contra a média nacional de 10,2. Assim sendo, a exemplo do Chile, fique atento a essa tendência na reforma da previdência, analise todos os aspectos e pense bem antes de decidir pela capitalização do seu futuro.


F alando de Negócios

Por Scarlett Gravina Foto: Cássio Fotografias

DA PAIXÃO PELA MAQUIAGEM AO SUCESSO PROFISSIONAL

O

gosto pela maquiagem, assim como o poder da transformação que ela é capaz de proporcionar, fez com que Patrícia Souza Casal apostasse no ramo da beleza e fizesse de um hobby sua profissão. “Aos 14 anos fiz minha primeira maquiagem para uma amiga que iria a um casamento e queria algo mais elaborado. O trabalho que eu fiz ficou ótimo e foi

12

muito elogiado, então foi naquele momento que eu percebi que meu sonho de ser maquiadora poderia se tornar realidade”, conta a maquiadora, que se profissionalizou no Instituto Embelleze em Juiz de Fora e hoje soma sete anos de profissão.

“Ser maquiadora pode parecer um trabalho glamoroso, mas a realidade envolve muita dedicação, trabalho duro, estudo e muita pressão. É abandonar festas, finais de semana e até mesmo momentos com a família. Maquiagem é mais que uma profissão, é uma arte, é o que eu amo e quero fazer pro resto da vida” Aos poucos, Patrícia foi conquistando seu espaço, com dedicação e competência. Atendendo em sua residência em um lugar reservado e preparado com todo zelo para receber suas clientes, o desejo de poder oferecer conforto, privacidade e segurança se tornou sua motivação para se empenhar a cada dia em seu local de atendimento, onde presta serviços de maquiagem, penteados, escova modelada, design de sobrancelha, aplicação com henna e cursos de maquiagem. “Hoje eu conto com a parceria de algumas pessoas, como a Débora Silva que é hair stylist e a Joyce Araujo, cabeleireira domiciliar, que sempre me auxiliam nos penteados e me ajudam a deixar as clientes ainda mais bonitas. O meu esposo Mauro Lúcio também sempre me

Revista Fato! - Junho 2019 Edição #90

ajuda na organização do meu espaço, na limpeza de pincéis e nas fotos e filmagens, além de recepcionar e servir aquele cafezinho fresquinho que as clientes adoram”, afirma. Certa da evolução constante do universo da beleza no mercado, Patrícia acredita que o caminho do sucesso profissional está no comprometimento com as clientes bem como na busca de atualização do seu trabalho. “Diariamente vemos novos produtos e técnicas, por isso sempre procuro participar de workshops e cursos de especializações. A internet hoje também é uma grande ferramenta, então procuro aproveitá-la vídeoaula e lives nas redes sociais das principais personalidades do mundo da moda e beleza que nos ajudam a aplicar as dicas em nossa profissão”, comenta. Acerca dos desafios da carreira na área da beleza, Patrícia acredita que tanto a fidelização de clientes quanto a concorrência, são fatores importantes para seu aperfeiçoamento como profissional. “Nós temos que lidar com gostos, personalidades e jeitos distintos, entretanto, é um desafio constante oferecer sempre uma opção diferente que se adéque a cada uma dessas pessoas. O segredo de se tornar sólido em qualquer profissão é sempre tratar bem e com humildade cada cliente e estar atualizada com as tendências do mercado. Minhas clientes podem esperar sempre muita dedicação, qualidade, produtos de primeira linha, um espaço aconchegante com ambiente climatizado e o que há de mais atual no mundo da beleza, com técnicas sempre avançadas. No meu espaço, todas as clientes são tratadas com muito carinho e atendimento personalizado”, declara. Realizada com a profissão, Patrícia não esconde o orgulho por seu trabalho e especialmente em ver em cada cliente um sorriso de satisfação no resultado final da produção. “Ser maquiadora pode parecer um trabalho glamoroso, mas a realidade envolve muita dedicação, trabalho duro, estudo e muita pressão. É abandonar festas, finais de semana e até mesmo momentos com a família. Maquiagem é mais que uma profissão, é uma arte, é o que eu amo e quero fazer pro resto da vida”, finaliza.


C omportamento

Por Vanessa Santos Fotos: Arquivo Pessoal

Um amor chamado

E A PAIXÃO PELOS SERIADOS

14

L

ogar no aplicativo e ficar horas navegando no universo de opções que inclui filmes, séries e documentários de todos os tipos. Que atire a primeira pedra quem nunca perdeu a noção de tempo na Netflix, seja assistindo a um tão esperado lançamento ou “maratonando”, como dizem os usuários que veem vários episódios de forma ininterrupta. O fato é que, o serviço de streaming, caracterizado pelo acesso ao conteúdo multimídia sem a necessidade de baixá-lo, conquistou milhares de adeptos nos últimos anos, tornando-se inclusive uma ameaça para a TV aberta, a qual tem procurado reinventar sua programação. Segundo informações da Netflix, são 139 Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91

milhões de assinantes espalhados pelo mundo, o que tem possibilitado investimentos cada vez maiores. Além das atrações do cinema hollywoodiano, a plataforma conta com produções próprias, revelando grandes talentos do cenário artístico, e trazendo para perto estrelas do cinema como o comediante Adam Sandler, que teria assinado um contrato de US$ 250 milhões para atuar em quatro filmes da empresa. Entre os sucessos na rede, House of Cards foi a primeira produção independente da Netflix, abrindo caminho para tramas como Narcos, protagonizada pelo brasileiro Wagner Moura, The Corwn, inspirada no reinado de Elizabeth II, além da compra e reformulação de séries já existentes, transformando-as em verdadeiros sucessos na plataforma. Em contrapartida, alguns enredos foram palco de diversas discussões por seu aspecto

polêmico. Um deles é 13 Reasons Why (Os 13 porquês) produção alvo de debates ao abordar temas como o bullying e o suicídio, chegando a ser associada ao crescente número de adolescentes que atentaram contra a própria vida nos Estados Unidos. Segundo os amantes da Netflix, a plataforma traz à luz interpretações importantes envolvendo política, cultura e comportamento, além do toque de humor e romance para os que desejam apenas descontrair. Entretenimento para uns, supérfluo para outros, no total, o serviço de streaming tem tido um saldo positivo, sobretudo para os usuários que trocaram as baladas pelo cobertor, pipoca e seriados, e não se arrependem do tempo gasto em frente à telinha.


C omportamento

Amante de série “raiz”, a advogada e maquiadora Larissa Silva Vieira é do tipo que já esperou horas a fio para assistir a um único episódio. “Quando acabava o capítulo era um sofrimento, pois tinha que abrir outro e esperar carregar”,

recorda a jovem que apesar de ter se fidelizado a plataformas como a Netflix e a Globoplay, admite sua ligação com o modelo antigo de produção cinematográfica. “Ainda estou me acostumando com as séries atuais, minhas grandes paixões são as criações americanas e bem extensas, mas já assisti vários conteúdos da própria Netflix e gosto bastante, amo todo tipo de história!”, completa ao afirmar ainda que perpassa do romance ao terror. Embora tire um tempo diário para se dedicar à programação, Larissa afirma que jamais deixou afazeres de lado por conta do referido hábito, mas também não se preocupa em cronometrar o tempo que passa em frente à tela: “trabalho tanto... Jamais limitaria algo que me agrega conhecimento e me dá prazer”, comenta ao pontuar o número de séries que já acumula em sua lista. “Comecei em 2005, assistindo Grey’s Anatomy e, em 14 anos, já assisti mais de 100 séries!”, revela a moça que adora “maratonar” aos finais de semana e feriados. Apesar da expectativa depositada em cada capítulo que vê e por vezes até repete, a advogada garante que distingue bem a romantização encenada da vida real. Entretanto, ela chama atenção para temas que retratam a sociedade e provocam importantes discussões. “Ficção para mim, é ficção.

Porém, já assisti séries com abordagens muito fiéis a realidade como Mecanismo, que faz alusão ao esquema da Lava Jato, e Sob Pressão, que evidencia as mazelas do sistema de saúde brasileiro. Isso pode gerar influência sobre as pessoas, mas é sempre válido se perguntar até que ponto essas interpretações correspondem verdadeiramente aos fatos”, conclui.

15

Desde a adolescência a prática de assistir

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


C omportamento

16

séries faz parte da rotina da jovem Karoline Liquer Ferreira. A auxiliar escolar conta que sempre viu nesse tipo de entretenimento, um meio para descansar a mente e, ao mesmo tempo, refletir sobre assuntos importantes. “A primeira série que eu conheci e me apaixonei foi One Tree Hill. Imaginem uma trama que destrincha todos os assuntos do cotidiano, como depressão, problemas familiares, sociais, escolares e afins”, lembra ao revelar que mantém o hábito religiosamente, e inclusive está revendo os episódios de How I Met Your Mother, Jane the Virgin e Vikings. Apaixonada por produções da Netflix, ela admite que não se aquieta enquanto não termina um seriado original da plataforma, mas procura fazer com que a prática não a atrapalhe. “Com a correria diária, só quero chegar em casa, tomar um banho, me desligar um pouco da nossa realidade e mergulhar em um mundo imaginário”, declara ao pontuar que apesar do aspecto ficcional, as histórias podem impactar realidades. “Em 13 Reasons Why, que conta a saga de uma adolescente que suicida, isso mostra tanto como os pais devem prestar mais atenção em seus filhos, quanto o lado da adolescente, que buscou numa atitude radical um meio para ‘aliviar’ a própria dor”, ressalta.

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91

teresse e bastante curiosidade”, afirma a assinante que acompanha pelo menos quatro capítulos por dia e adora “maratonar”. Apesar do gosto pelo streaming, Luara conta que procura adaptar a prática à sua rotina da forma mais salutar possível, equilibrando o hobby com seus afazeres. “Já limitei bastante meu tempo na Netflix e precisei mudar muitos hábitos, mas organizei meus horários para não deixar de ver meus episódios diários”, diz. Para ela, não há nenhum prejuízo nessa prática, desde que haja moderação. “Já perdi a conta de quantas histórias tenho em mente, porém, sempre com a consciência de que a vida não gira em torno das telas. Deixar-se envolver em um drama é importante, porque te ajuda a enfrentar esse mundo louco em que existimos, desde que isso não interfira na sua vida pessoal e profissional”, finaliza. Que os amigos de Luara não estejam lendo, pois ela já desmarcou compromisso com eles só para assistir o final de uma série. (Quem nunca?!) Brincadeiras à parte, a jornalista que “viaja nas telas”, como ela mesma diz, adora dividir a pipoca e curtir a Netflix. “Eu vejo que a direção pensa nos mínimos detalhes e faz com que as histórias fiquem muito bem amarradas, o que desperta in-


C omportamento

Já imaginou assistir a final de uma série em um bar? Foi o que aconteceu com Pedro Paulo Corrêa Rocha, quem jamais cogitou que algo do tipo ocorreria no Brasil, porém, alega ter sido uma experiência super bacana sair do conforto de casa no intuito de ver alguns episódios de Game of Thrones. Para o bacharel em direito, o streaming se tornou uma forma de aproximar pessoas dentro de suas afinidades. “Quando você conhece alguém, é muito provável que a pessoa assista pelo menos uma série que você acompanha”, diz sobre a troca de experiência que os seriados proporcionam. Segundo ele, cada gênero da programação lhe desperta algum sentimento. Black Mirror e Law & Order SVU o levam a boas refle-

xões, mas quando quer relaxar, nada melhor do que ver (pela milésima vez) a um capítulo de Friends. “Eu acho que o hábito de assistir séries é muito enriquecedor se você alia o mínimo de curiosidade e senso crítico ao conteúdo que consome. Será que essa história é real? Aconteceu desse jeito? O que será que o autor quis transmitir? Onde é esse lugar que o cenário representa? Essas perguntas me vêm à mente com frequência e eu sempre aprendi muito procurando as respostas”, comenta acerca da interpretação que a temática permite. Para Pedro, é interessante a ligação feita com os fatos como em American Horror Story: Cult, do canal FX, que traz o fanatismo e a polarização do cenário político americano para o centro do debate. “Historicamente é comum que a arte seja uma das formas de expressão mais importantes de uma geração que passa por uma quebra de paradigmas. (...) Hoje, acho que as séries são os principais veículos de influência social, se tratando de entretenimento e arte. Contudo, é preciso observar quando as produções romantizam demais determinadas realidades”, conclui.

ANTES DE DAR O PLAY, FIQUE ATENTO A ALGUNS CUIDADOS... Apesar dos incontáveis benefícios que os amantes de séries apontam, o psicólogo Júlio Custódio salienta importantes questões. Segundo ele, a dica é balancear a prática, e não substituí-la por outras que são fundamentais ao bem-estar como as atividades físicas e o convívio social. “De acordo com um estudo realizado por pesquisadores da Universidade do Texas*, o exagero de tempo em frente à tela pode estar relacionado com fadiga física, obesidade e demais problemas de saúde. Além disso, as pessoas podem começar a negligenciar o trabalho e os relacionamentos. Pesquisas indicam que há possibilidade do isolamento social estar ligado à depressão, problemas de aprendizagem, de atenção e de tomada de decisões. Portanto, assista séries sem prejuízo a outros afazeres, como a prática de exercícios, sair com amigos, dialogar com familiares, ler um bom livro, estar em contato com a natureza e dormir bem”.

17

*Fonte: "A Bad Habit for Your Health? An Exploration of Psychological Factors for Binge-Watching Behavior," por Yoon Hi Sung , Eun Yeon Kang and Wei-Na Lee

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


A rquitetura Foto: Cássio Fotografias

Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), está à frente de seu escritório há quatro anos, desenvolvendo projetos arquitetônicos, comerciais, institucionais, projetos de reformas, especifi cação de acabamentos e interiores. Contato: @anna.arquete_arquiteta; (32) 98811-5266.

Anna Arquete

por que ter um na sua casa?

M

18

uitos o consideram o melhor lugar da casa, outros já não julgam necessária a sua presença. Mas e aí? Quais as vantagens e utilidade desse local? As tendências do mercado mostram que dispor cozinha e salas de forma separada está cada vez mais em desuso, e o ambiente que vem conquistando os moradores é o espaço gourmet. Muito além de uma simples área para receber amigos, trata-se de um local que une, ao mesmo tempo, uma cozinha bem equipada, salas de jantar e de estar. Precisa ser aconchegante e permitir a integração de todos. INTEGRAÇÃO, inclusive, é a palavra-chave para assimilar o conceito dessa área que surgiu no intuito de conectar pessoas em um único ambiente, possibilitando que o “chef ” interaja com seus convidados. Outra vantagem do espaço gourmet é que ele pode ser feito em qualquer lugar da casa, o que varia de acordo com a rotina de cada família e com a melhor utilização do terreno. Quando bem integrado ao corpo da residência, pode ser usado como um complemento ou se tornar aquela cozinha do dia a dia a fim de deixar o interior da casa sempre limpo e livre dos odores e gorduras. Quando pensado de forma independente, pode ser totalmente isolado do restante da residência criando um ambiente único e aconchegante que recepciona poucas pessoas bem como maiores comemorações. Então, se você tem o dia super corrido, e quando quer receber visitas, ou até mesmo no seu cotidiano (no caso dos espaços internos), gosta de cozinhar e ao mesmo tempo estar próximo de todos, o espaço gourmet é uma boa pedida na hora de projetar sua casa.

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91

Espaço Gourmet no interior da edificação. Projeto autoral.

Espaço Gourmet Externo. Integrado com toda área externa e piscina, possui ainda um acesso independente. Projeto autoral.

Espaço Gourmet Interno e super integrado tanto com o interior da edificação como área externa descoberta. Projeto autoral.


F alando de Negócios

Por Scarlett Gravina Foto: Pedro Roque Fotografias Beleza: Kelvin Tomaz

REUNINDO A CULINÁRIA MINEIRA COM O BOM ATENDIMENTO

20

E

ntre paisagens, histórias e segredos, Minas Gerais também é conhecida por sua culinária eleita como uma das mais saborosas do Brasil, apreciada por seus sabores e aromas marcantes. Pensando nas referências do estado, o empresário Tiago Martins Goulart fez do seu gosto pelo comércio e o desejo de empreender, um lugar de aconchego com gostinho de comida caseira. “Meu desejo era transformar o Minas Bar em um lugar que fizesse alusão ao estado de Minas Gerais, tanto na decoração quanto na comida mineira”, conta. Há dez anos no mercado, além da marca mineira registrada, o restaurante também guarda lembranças saudosas e significativas para Tiago. “Na época, meu pai estava desempregado, e um dia eu passei perto do imóvel, onde é o restaurante hoje e ele estava disponível para aluguel. Comentei com o meu pai, como ele não estava trabalhando dei a ideia de montar um barzinho e começar aos poucos, já que não tínhamos muito dinheiro pra investir. E assim o bar foi dando início, com a dedicação do meu pai e meu irmão”, relembra. Com a aptidão e amor pelo que faz, Tiago deu continuidade ao empreendimento, inovando e mostrando competência pelo árduo trabalho de administrar um negócio próprio. Comandando o restaurante e conciliando o gerenciamento das duas unidades do negócio, Tiago conta com a ajuda de sua mãe Cleusa da Consolação Martins Goulart

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91

e sua esposa Aline Aquino Oliveira. Em um ambiente aconchegante, prezando pela qualidade do atendimento, o bar e restaurante reúne a culinária mineira com a boa receptividade do ambiente. Com um cardápio possuindo várias opções tradicionais para um almoço em família ou petiscos para um momento descontraído durante a noite, o Minas Bar oferece uma cartela de pratos para diferentes gostos e ocasiões, como o famoso mexidão, que é o carro chefe do local, macarrão, porções, panquecas e o feijão tropeiro, um dos pratos típicos da casa. Satisfeito com o que vem construindo com a ajuda de sua equipe de colaboradores e de sua família, Tiago não esconde tamanha admiração pelo trabalho. “O Minas Bar é minha vida, já são dez anos de história, onde passo o dia e a noite, praticamente minha casa. Estou sempre à procura de algo novo, de fazer o diferente para o restaurante. Sou feliz pelo empreendimento, mas ainda falta muita coisa pra fazer e me realizar”, finaliza. Os administradores do Minas Bar, Tiago Goulart e sua esposa, Aline Aquino Oliveira.


Foto: Pedro Roque

F ato Esportivo

Guilherme Bonissate

S

21

Guilherme Bonissate é jornalista, mineiro natural de Ubá, amante da família e dos amigos, metido a boleiro, doido por futebol, resenha e churrasco. Um fã do Garrincha que não viu jogar e do Romário que viu muito bem. Atualmente trabalha na TV Integração de Juiz de Fora e edita o blog www. malucosporfutebol.com.br. Contato: guilherme.bonissate@gmail.com

Não aguento mais ouvir falar de

e você é um ser humano que vive no planeta Terra, é bem provável que já tenha ouvido falar de Neymar. Se gosta de futebol então, certamente, nos últimos tempos, só ouviu falar do jogador brasileiro. Neymar é notícia no Brasil e no mundo, mas ultimamente a carreira do craque tem rendido mais manchetes fora de campo do que nas quatro linhas. Confusões na vida amorosa, desavenças com adversários e companheiros, agressões a torcedor, lesões e uma grave acusação de estupro que está sendo investigada pela polícia. No que se refere ao futebol, acredito que poucas vezes vimos um atleta brasileiro reunir tantas qualidades técnicas num mesmo jogador como em Neymar. De fato, o camisa 10 da seleção brasileira chama atenção desde novo, e por onde passou e mostrou seu desempenho, foi destaque. Fora de campo, sua vida pessoal também atrai holofotes. Estilo pop star, o que não é novidade para jogadores de futebol, ele sempre foi adepto de festas, romances e amizades com outros integrantes do mundo das celebridades. Sinceramente, eu não vejo problema algum nessa badalação, desde que a principal atividade, que é o futebol, não seja prejudicada. Ouço muitas críticas ao Neymar, no entanto, a grande maioria dos que o condenam adorariam levar a vida que ele leva. Rico, por mérito do seu trabalho, famoso, com idade e disposição para aproveitar o lado bom das coisas... Mas aqui no Brasil fazer sucesso incomoda, por vezes até ofende. E nas redes sociais, principalmente, o ódio é espalhado com um avatar e alguns poucos cliques. Eu não conheço o Neymar pessoalmente (até gostaria) para avaliar sua personalidade. Não

“Ouço muitas críticas ao Neymar, no entanto, a grande maioria dos que o condenam adorariam levar a vida que ele leva. Rico, por mérito do seu trabalho, famoso, com idade e disposição para aproveitar o lado bom das coisas... Mas aqui no Brasil fazer sucesso incomoda, por vezes até ofende. E nas redes sociais, principalmente, o ódio é espalhado com um avatar e alguns poucos cliques”.

sei se é simpático, boa gente, arrogante ou qualquer outro adjetivo, por isso, não me sinto no direito de julgá-lo ou condenar suas atitudes. O fato é que a imagem do atacante está arranhada pelos adversários, que muitas vezes não o suportam e partem para a porrada em campo, pela opinião pública, que o idealiza como um “super-herói” brasileiro – como Pelé, Senna e tantos outros esportistas –, e até mesmo por nós, seres humanos comuns, que não aguentamos mais ouvir falar do jogador. E a prova de que ele é assunto em todo lugar está aqui, uma coluna inteiramente dedicada a comentar sobre o astro. Obrigado pela paciência e pela leitura. Mês que vem prometo que não falaremos de Neymar. Aliás, tentaremos. Grande abraço! Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


O organize-se Foto: Pedro Roque

Graduada em Administração de Empresas pela Faculdade Governador Ozanam Coelho - FAGOC. Especialização em Personal Organizer incluindo Gerenciamento e Padronização de Arquivos e Organização de Mudanças. Contato: fluitapersonalorganizer@gmail.com

Jô Caciano

Organização x

EXPOSIÇÃO DE PRODUTO VOCÊ SABIA QUE FAZ TODA A DIFERENÇA?

22

U

m produto exposto de forma correta pode aumentar significativamente as vendas, seja ele de forma física ou em redes sociais. A maneira como divulga e como o coloca para o seu cliente podem ter ligação direta com a venda e de como isso vai impactar no faturamento mensal da empresa. Pode até parecer algo simples, mas de fato, conhecer alguns segredos quando se trata de organização de mercadorias é uma forma eficiente de aumentar o ticket médio de vendas de maneira considerável. Com isso, a exposição de mercadorias deve ser feita estrategicamente para facilitar o acesso aos produtos. A análise bem feita da exposição de produtos facilita o acesso dos clientes a ele e direciona melhor as vendas. O ideal é que a distribuição seja categorizada e dividida e, que os mesmos se relacionem. Quando for planejar a exposição, analise sempre os produtos que se complementam. Os produtos devem ser expostos juntos, isso ajuda a estimular a venda casada, use sempre sua base de dados para a identificação do comportamento de seu público, saiba quem são seus clientes, o que eles gostam, veja de que forma pode fidelizar e criar um relacionamento com ele, se conseguir fazer com que ele pense primeiro na sua empresa na hora de buscar um produto terá conseguido avançar e muito, pois, já será pra ele sinônimo de qualidade e bom atendimento. Um fator também muito importante, é o campo de visão do seu cliente, veja se está colocado de forma correta, se está harmônico e o mais

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91

“Busque sempre ter um padrão dentro da sua empresa. Quando falamos em organizar ambientes, deve-se entender que é um assunto de extrema importância e que impacta diretamente toda a organização e a equipe! leve possível porque o excesso também atrapalha a venda. Quando falamos em redes sociais, acredite, a forma como vem trabalhando essa GRANDE ferramenta pode transformar uma empresa quando já se tem uma base que funcione e que entenda que o processo de organização está inserido em todo entorno e está envolvido em todos os departamentos da empresa. A forma com que você mostra seus produtos online, como alimenta essa rede, como res-

ponde e em quanto tempo responde seu cliente, pode impactar e muito nas compras por impulso, por exemplo. Muitas pessoas compram porque viram uma ótima oportunidade e muitas vezes se não houver uma interação naquele momento pode ser uma venda perdida. Invista em divulgação de promoções de forma estratégica, reforçando as vantagens de se comprar naquele momento. Ter um estoque organizado, com produtos bem expostos, alinhados e bem identificados, diminui as perdas e aumenta as vendas, porque faz com que todos visualizem o que ainda tem armazenado. Isso facilita e agiliza o atendimento ao cliente, melhora o fluxo e o giro de produtos. Busque sempre ter um padrão dentro da sua empresa. Quando falamos em organizar ambientes, deve-se entender que é um assunto de extrema importância e que impacta diretamente toda a organização e a equipe!


E ducação

Por Scarlett Gravina Foto: ASPUV

Ato público toma conta da Avenida Santa Rita em Viçosa.

24

UNIVERSIDADES:

REDUÇÃO DE BOLSAS E PREOCUPAÇÃO COM O ATUAL CENÁRIO EDUCACIONAL DO PAÍS

O

dia 15 de maio ficou marcado por uma grande mobilização contra os cortes na educação anunciados pelo Ministério da Educação (MEC) e registrado como o primeiro protesto nacional durante o governo do presidente Jair Bolsonaro. Professores, estudantes e trabalhadores de todo o país foram às ruas em defesa do investimento nas universidades públicas, após o comunicado de um bloqueio de recursos que atinge a educação infantil até a pós-graduação com suspensão de bolsas de pesquisas. Segundo o governo, o corte foi aplicado aos chamados gastos discricionários, que são as despesas não obrigatórias, como água, luz, equipamentos e realização de pesquisas. “Falar dos danos que os cortes estão causando às universidades são estratégias importantíssimas de estar próxima a população e de alertá-la que o que é nosso por direito, corre risco de ser precarizado. Sou uma incentivadora assídua das Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91

manifestações, não há conquistas nesse país sem muita luta. E quando conseguimos trazer a população para lutar conosco, estamos conseguindo demonstrar a importância que a Universidade pública tem no desenvolvimento social. O engajamento cada vez maior da população nessas manifestações é nossa maior conquista. Só resistiremos se formos vistos e ouvidos pelos gestores deste país”, declara a professora e diretora da UEMG da unidade de Ubá, Kelly da Silva.

O IMPACTO DA REDUÇÃO DAS BOLSAS DE MESTRADO E DOUTORADO NO DESENVOLVIMENTO DE PESQUISA A decisão do governo que bloqueia bolsas de mestrado e doutorado oferecidas pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) impede que novos candidatos as recebam, o que segundo a Associação Nacio-

nal de Pós Graduandos (ANPG), afeta o desenvolvimento da ciência do país. A medida chama atenção de professores e alunos selecionados nos processos seletivos. “Nenhum país se desenvolve sem investir na ciência, no conhecimento e no ensino. Sabemos que os cortes são uma decisão política, não resultado da falta de dinheiro, o argumento da crise alimenta o viés ideológico de uma gestão que valoriza as instituições privadas. Nos escolheram para sofrermos cortes para precarização da Universidade pública e lucro dos grandes donos das instituições privadas. É uma questão de outros interesses que prevalecem em detrimento do desenvolvimento do país. A nossa produção cresceu muito por causa da Capes, desde que foi criada na década de 1950. Tendo uma interrupção dos recursos para as bolsas, falamos indiscretamente de consequências catastróficas”, argumenta Kelly. Para Kelly, os danos causados pelos cortes atinge tanto a ciência quanto o desenvolvimento do país, já que a interrupção de projetos causa perda dos recursos investidos, assim como um


E ducação grande impacto na economia, saúde e em setores que necessitam da ciência para a inovação. “Estamos falando da interrupção da preparação de vacinas, da produção de energia. A maioria da população não tem conhecimento, mas podemos perceber que o recurso público investido em produção científica é algo que significa retorno para o país.

CORTES NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS (UEMG) Assim como as universidades federais, as estaduais também sofrem com os cortes de recursos públicos. Segundo Kelly, estão sendo exigidos pelo governo a redução de 20% da folha dos técnicos da instituição, além de 10% na verba de custeio. “O orçamento da UEMG atualmente é o mesmo ao executado em 2013 quando a universidade tinha em torno de cinco mil alunos. Hoje são mais de 21 mil alunos, nas 20 unidades em 16 municípios ao longo do estado. Deveríamos estar discutindo designações e concursos públicos para dar a possibilidade de os professores terem um plano de carreira, mas estamos lutando pela

manutenção do orçamento mínimo da Universidade. Estamos lutando pela nossa sobrevivência e as consequências são desastrosas. A primeira análise que um governo deveria fazer é pensar na educação como investimento e não como custo para o desenvolvimento do Estado”, afirma. Acerca da infraestrutura da universidade, Kelly declara que caso o contingenciamento seja mantido, os serviços básicos e demandas dos cursos poderão também, ser afetados. “Não há no orçamento da universidade, recursos para reformas ou construções, e o escasso meio que possuímos não atende as demandas das vinte unidades no que se refere em sua manutenção básica, assim como a reitora Lavínia Rosa Rodrigues evidencia: ‘a UEMG faz o máximo com o mínimo’, mesmo com todo processo de desmanche da instituição pública, atuamos na formação de excelência, colocando no mercado profissionais disputados em suas áreas de atuação e que saem direto para a pós-graduação dando continuidade aos seus projetos de pesquisa, o que nos aflige é saber até quando poderemos resistir ao ataque as instituições e nos manter”, salienta. Diante de um cenário alarmante e atual das universidades públicas, entre a preocupação da qualidade do ensino superior, estudantes e

Professora e diretora da UEMG da unidade de Ubá, Kelly da Silva.

professores lutam pela democracia e educação no país. “A escola pública e a universidade são ainda uma das poucas possibilidades de a classe popular ascender socialmente e construir uma vida digna, que lhe garantam acesso aos direitos conquistados com anos de luta pelos trabalhadores desse país. Não há bom gestor se este é inimigo da educação, seja ela em qualquer nível. E não há erros quando se investe em educação, o resultado é o desenvolvimento, social econômico, político e cultural da população que é beneficiada. Continuemos lutando pelo direito a educação gratuita e de qualidade em todos os seus níveis e que cada vez mais a classe popular tenha acesso aos conhecimentos produzidos por e para nossa diversidade do povo brasileiro”.

25

Convênios Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


E ducação

26

“Os cortes na educação brasileira não é algo novo. Ao longo dos últimos anos o orçamento das universidades públicas foi reduzido drasticamente, induzindo aos reitores a adoção de um novo modelo de administração que busca minimizar os impactos na qualidade de ensino e pesquisa. Como mestrando de uma universidade federal, estou diante de um atual cenário afetado pelo corte de verbas que dificulta a aquisição de materiais para a realização dos ensaios experimentais e restringe a manutenção e aquisição de novos equipamentos. Além disso, o corte de bolsas inviabiliza a permanência de alunos com dificuldades socioeconômicas, assim como desestimula a inserção dos alunos de graduação na pesquisa. Acredito que uma parceria com a iniciativa privada poderia minimizar as deficiências orçamentárias e em contrapartida, gerarem resultados relevantes para as empresas financiadoras.”

“Estou no primeiro período de design, ainda estou conhecendo como é estar dentro de uma universidade. Mas desde sempre, os veteranos nos alertam da questão dos cortes e fechamento da UEMG, o que nos deixa bem apavorados, pois, algo que lutamos muito para conseguir pode vir a ser "tomado" de nós. Sempre que possível ajudo nas manifestações, já que poucos tomam frente. Os cortes podem interferir muito nos materiais que precisamos dentro da unidade, como a infraestrutura, projetos de pesquisa e uma série de coisas que podem vir a prejudicar a universidade e isso pode levar ao fechamento, resultado da falta de verbas, o que se torna impossível manter uma universidade de portas abertas”

Henrique Godoi – 26 anos; aluno do programa de pós-graduação em engenharia civil da Universidade Federal de Ouro Preto

Vanessa Santos Oliveira – 21 anos; estudante de design da UEMG – Universidade do Estado de Minas Gerais

Revista Fato! - Junho 2019 Edição #90


Foto: Fotografe

B eleza e Estética

Especialista em micropigmentação de sobrancelhas - (32) 9.9916.6806. Rua Gorasil de Castro Brandão, 54, Cibraci, Ubá/MG. Av. Raul Soares, 180, Centro, Ubá/MG. (Shalom Cabeleireiros).

Fran Mendes

MICROPIGMENTAÇÃO

X tatuagem: qual a diferença?

A

27

dúvida constante entre a micropigmentação e a tatuagem é comum para quem não entende do assunto. Apesar dos procedimentos serem confundidos, eles possuem técnicas e resultados diferentes. Para quem deseja mudar, a micropigmentação é uma opção mais acessível e com uma duração menor que a tatuagem, ou seja, ela não é definitiva. Ficou curioso? Tire suas dúvidas! RF: Sendo uma técnica semidefinitiva, a micropigmentação promete corrigir as falhas da sobrancelha assim como deixar o olhar ainda mais expressivo. Visto que o procedimento implanta um pigmento na pele, ela pode ser considerada uma tatuagem? FM: Na verdade, a tatuagem já se difere da micropigmentação por ser uma técnica definitiva, já a micro se trata de um procedimento semidefinitivo. Nela, a implantação da tinta ocorre na camada basal da epiderme e no princípio da derme, já a tatuagem, a tinta se alonga totalmente na derme. RF: Qual a diferença entre a maquiagem definitiva usada na sobrancelha e a micropigmentação? FM: A maquiagem definitiva, que hoje já caiu em desuso, nada mais é do que uma tatuagem, diferente da micropigmentação, que se trata de um procedimento mais delicado, com prazo de duração de média de um ano. (Podendo variar para mais ou para menos de acordo com o tipo de pele e a técnica usada). RF: Há uns anos a tatuagem era bastante usada como técnica para corrigir as sobrancelhas e hoje a micropigmentação tem sido a melhor escolha para quem deseja preencher ou dar

um novo formato a elas. Essa técnica ainda é usada? Qual o risco dela? FM: A tatuagem ainda é usada por alguns profissionais que infelizmente não tem embasamento teórico para tais procedimentos, uma vez que não é a melhor opção uma tatuagem nas sobrancelhas. O pigmento quando implantado totalmente na derme (tatuagem) ele tende a expandir mais rápido e não “obedecer” o limite desejado para o designer, ficando então, com o tempo, um trabalho grosseiro e sem delimitações! Já a micropigmentação, tende a fixar na pele temporariamente, sendo degradada e clareando aos poucos até que saia totalmente da pele, o que nos permite retocar e refazer fios tão naturais quanto o original. RF: Diferente da tatuagem, o pigmento usado na micropigmentação perfura a camada da pele? FM: Tanto na tatuagem quanto na micropigmentação, o pigmento adentra na pele após a perfuração, porém, a tatuagem atinge uma camada mais profunda da pele em relação a micropigmentação. RF: Ela dura quanto tempo? FM: A duração de uma micro varia de acordo com a técnica aplicada, do profissional e sua habilidade e principalmente a pele e os cuidados pós procedimento do cliente. Mas em média, tende a durar 1 ano RF: O que é preciso estar atento quanto à escolha da micropigmentação? Existe algum risco? FM: É de suma importância que o cliente pesquise e escolha um bom profissional, pesquisar a conduta, os materiais utilizados durante o procedimento, se realizou bons cursos em boas escolas e aí sim decidir com quem realizara técnica. Fazendo essa pesquisa o cliente já terá bons indícios de qualidade, evitando assim possíveis riscos. Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


P apo de Buteco

Por Vanessa Santos Fotos: Fotografe

COM ATRAÇÃO A NÍVEL NACIONAL, EVENTO SE CONSOLIDA COMO UMA DAS MELHORES FESTAS OPEN BAR E OPEN FOOD DE UBÁ E REGIÃO

28

A

Após quatro edições consecutivas com um público crescente, a quinta dose do Papo de Buteco superou todas as expectativas dos butequeiros. A aposta deste ano ficou por conta do Grupo Molejo, que se apresentou pela primeira vez no evento. Além da atração a nível nacional, a festa se completou com a brilhante participação dos artistas locais, Sambasô e Dennis & Cristiano. Junto à programação atrativa, o evento ficou ainda mais especial com o open food de porções típicas da culinária mineira, como o pastel de feira, pastel de angu e torresmo pururuca, além do jiló frito, anéis de cebola e mandiquinha. Já o open bar foi composto das cervejas Brahma, Antarctica e a tradicional caipirinha patrocinada pela Cachaça Guaraciaba. Como de praxe, o grupo Sambasô foi o primeiro a subir ao palco, a partir das 16h, abrindo a festa em grande estilo. Na sequência, o Molejo deu um show histórico seguido pela dupla Dennis & Cristiano que garantiu a animação do público até as 23h, encerrando a noite com um repertório eclético e empolgante. Confiram os registros do evento feitos pela Fotografe.

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


P apo de Buteco

29

Patrocinadores Schletz Semijoias; Embarque Viagens; Frigorífico Cruzeiro do Sul; O Trem das Festas; Óticas Precisão; Minasa; Previ-Seg; Buffet Parthenon; Fotografe; Hotel Fazenda Canário da Terra; Fiorela; Barbearia Vip; Certa Soluções; Lash Design; Papão Lanches; Cachaça Guaraciaba; Torno Delta; Minas Bar; Fábula Planeja; Silk Color Personalizados.

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


P sicologia Foto: Pedro Roque

Graduado em psicologia pela UFSJ. MBA em Gestão Estratégica de Pessoas pela UFJF. Terapeuta certifi cado internacionalmente pela AIHCE (Espanha) em Hipnose Clínica. Master em Hipnose Terapêutica. Certifi cação em Psicologia Positiva. Coautor do livro Hipnose Terapêutica 2, organizado pela Dra. Inês Marcel. Contato: custodiojulio@yahoo.com.br

Vamos falar de Júlio Custódio

S

30

audações, querida e apaixonada pessoa que me lê agora! Junho chegou ao fim, mas por aqui seguimos refletindo sobre o mês mais romântico do nosso calendário, período em que se procura de todas as formas encantar o coração do ser amado, e todo o esforço é pouco para encontrar novas maneiras de dizer “eu te amo”. Podemos afirmar que grande parte das pessoas deseja viver um grande amor. Além de termos um impulso biológico para encontrar um parceiro, somos bombardeados desde a infância com as mais lindas histórias contadas por nossos pais, nossos amigos e pelo cinema. Quem nunca desejou ser uma princesa da Disney salva por um príncipe encantado? Ou então sonhou em encontrar uma princesa em perigo para poder salvá-la? Quem nunca desejou viver um romance de Nora Roberts ou suspirou com a trilogia “Cinquenta Tons de Cinza”? Ao encontrarmos o eleito ou a eleita, começamos a acordar e dormir certos de que sabemos o que é o amor. E é lindo poder dizer que “o amor é fogo que arde sem se ver; é ferida que dói, e não se sente; é um contentamento descontente; é dor que desatina sem doer”*. A dificuldade é que a maioria dos contos de fadas retrata duas pessoas que se conhecem; do esforço para a conquista; da troca de olhares; da primeira aproximação, seguido pelo mágico

“As mais belas histórias não falam do que acontece por trás do ‘felizes para sempre’, que passa pela rotina, pelo excesso de trabalho, por filhos, doenças, dificuldades financeiras e afins”. primeiro beijo. Ora ou outra ouvimos sobre as batalhas dos amantes a fim de que o romance seja aceito ou para enfrentar as primeiras dificuldades, as quais são vencidas pela paixão. Então as histórias terminam com a frase final: “e eles foram felizes para sempre”. Diante dessa afirmação, os suspiros acontecem e recitamos, em meio a flores e melodias: “o amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta”**. Entretanto, depois que o primeiro momento do relacionamento passa e, junto com ele o fluxo intenso de adrenalina, dopamina e serotonina no cérebro, as pessoas têm uma surpresa: o ser amado não parece o mesmo do início do

namoro; a sensação é de que o amor mudou ou até mesmo acabou. E muitas vezes as desilusões começam, pois as mais belas histórias não falam do que acontece por trás do “felizes para sempre”, que passa pela rotina, pelo excesso de trabalho, por filhos, doenças, dificuldades financeiras e etc. Elas ensinam que o amor vem de fora, é dado pelo outro a nós, assim, nós o responsabilizamos por não conseguir manter a chama do sentimento acesa. Mas a verdade é que o amor precisa vir de dentro: o muito falado e perseguido amor próprio. Dessa forma, quando a ilusão acaba, permanece a realidade da vida: somos todos humanos! Isso significa que temos virtudes e dificuldades, luz e sombras. Todas as pessoas possuem feridas do passado, mas também muitas alegrias (quando se permitem interpretar a vida assim). Então a convivência passa a ser um desafio diário, que pode ser prazeroso ou sofrido, dependendo das expectativas que temos em relação às atitudes de nossos companheiros. Assimilar a maneira como o outro enxerga a realidade é trabalhoso, mas não necessariamente difícil, muitas vezes bastando, para isso, o interesse genuíno de compreender o próximo ao invés de julgá-lo. O amor verdadeiro existe. Acredite, enamorado leitor! Apenas lembre-se de que para que se possa amar o outro, primeiro precisamos amar a nós mesmos, pois é impossível oferecer algo que não temos. Portanto, ame! O amor torna você melhor e também o mundo em que vivemos.

CRP 04/24.742

Hipnoterapia e ênfase em Psicologia Positiva

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


E conomia Foto: Servando Lopes

Diretor da Modecor; Vice-presidente do Intersind. mhp@modecor.com.br; www.modecor.com.br

Michel Pires

C

32

onforme costumo analisar por aqui, mais um aspecto que atrasa o Brasil em relação a outros países é a burocracia, a qual, inclusive, muitos alegam que “atrasa, mas gera empregos”, o que eu discordo, pois são exatamente esses trâmites que afastam investimentos internos e externos. Muitas pessoas ou empresas deixam de apostar em nosso mercado ao perceber a dificuldade existente para obter aprovações, lidar com inspeções e outros problemas. Fato é que a burocracia de conferir tudo e ainda complicar o que está em andamento não chega a 5% do volume que poderia ser gerado com a redução. Já falamos sobre isso anteriormente, mas vivendo nos EUA por um período, tenho passado por algumas situações até estranhas, como no que se refere ao emplacamento de veículos. Escolhi um carro em uma loja e fui sair para testá-lo, o curioso é que esse e todos os automóveis do estabelecimento estavam sem placa, até os usados, pois aqui a placa é do dono, você a tem e, quando troca de veículo, somente a coloca em outro, ou seja, ela é sua e não do carro. Mas como não tinha placa, como pude sair para o teste? A loja tem placas para isso, identificadas apenas com o nome do estabelecimento e usadas especialmente para test drive. Dei uma volta e gostei do carro, retornei ao local, conversei sobre preço, pagamento e fechei negócio. O dono, o simpático Sid, virou um amigo, sentou no computador, preencheu os dados

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91

do veículo, os meus dados, e logo imprimiu uma placa provisória que vale por um mês, tirou uma foto do carro, passou para a seguradora e pronto! Eu já podia sair dali rodando com o automóvel emplacado e segurado. Questionei sobre a placa definitiva e fui informado de que em no máximo 20 dias ela chegaria e, quando chegasse, eu seria avisado. Em meio ao bate-papo, comentei com o Sid sobre a dificuldade que há no Brasil para a obtenção de vistorias, selos, lacres, seguro e outros detalhes nos carros, e mais uma vez escutei a mesma história: “nos Estados Unidos ninguém quer fazer nada errado, pois será descoberto e vai pagar caro por isso, a lei aqui é para todos e é para ser cumprida”. Agora, além da facilidade em comprar e emplacar um veículo, é mais tranquilo ainda para pagar. Eu poderia financiar, fazer um leasing – aluguel em que ao final de 36 meses decidimos se ficamos ou devolvemos o carro – ou até negociar um financiamento a longo prazo com juros de apenas 5% ao ano. No entanto, o que mais me surpreendeu foi o valor do emplacamento, foram 225 dólares pelo registro, já incluído a placa definitiva e 95 dólares de IPVA (Reg Annual Tax) – aqui os automóveis pagam por peso e não por valor de mercado, um sedan, coupé ou até as minivans pagam 95 dólares ao ano. Seguro obrigatório e taxa de expediente anual não existem, você tem que ter o seguro particular do seu carro. Se trocar de veículo, vai ter que informar pela internet os dados do novo modelo, pegar a placa do seu antigo e colocar no carro novo. Como a taxa da placa já está paga, não

precisa desembolsar mais nada. Ao vencer o ano, você só paga novamente a taxa e vai chegar pelo correio um selo amarelinho com validade de mais 12 meses para ser colado na placa. Além disso, o documento do carro não é impresso em papel moeda, mas em uma folha branca normal podendo ser emitido em qualquer impressora. Aí você pensa, se adotarmos isso no Brasil, quantos despachantes e quantos vistoriadores da polícia vão perder seus empregos? Em contrapartida, serão criadas muitas outras oportunidades, como nas agências de automóveis, pois várias pessoas vão trocar de carro com mais frequência, tendo em vista que se trata de um processo simples e barato. Com toda essa praticidade, você não vai precisar preencher o recibo com assinatura de vendedor e comprador para reconhecimento em cartório, no entanto, tirando as vistorias, quantos veículos não poderão rodar com placas clonadas? Quantos carros roubados não irão circular “legalmente”? Esse é o problema de flexibilizar o processo no Brasil, enquanto as pessoas alimentarem o sentimento de que “o crime compensa”, não poderemos desburocratizar, pois se com todas as inspeções alguns já conseguem burlar o sistema, se as diminuirmos, teremos um caos. Até que a crença do nosso povo mude, vamos sonhando que pelo menos o dinheiro pago com IPVA, que não é barato, auxilie na manutenção de estradas, assim vamos dando um passo de cada vez, para depois reduzir o valor, diminuir os juros na compra de um carro e, dessa forma, caminharemos rumo a um Brasil mais justo para todos.


P or toda minha vida

Por Scarlett Gravina Fotos: Miguel Araújo

UMA HISTÓRIA SOBRE RESILIÊNCIA E FÉ NA VIDA

R

esiliência: é a capacidade de se adaptar às mudanças; considerada uma virtude humana. As pessoas resilientes são otimistas, conseguem controlar suas emoções diante das adversidades, são resistentes e fazem de uma experiência negativa um grande aprendizado para a vida. Mas não é sempre que estamos dispostos a traçar um novo caminho, às vezes é mais confortável nos transformar em vítimas dos nossos próprios dilemas do

34

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91

que criarmos formas de enfrentar as batalhas que diariamente batem em nossa porta. Sabemos que existem situações que são imutáveis, mas o que faz a diferença é a forma como você as enxerga e como decide encarar os desafios. A resiliência é algo para ser aprendido ou desenvolvido. Há os que demoram a encontrá-la, os que fazem de cada pequena conquista uma vitória e há aqueles que se tornam o grande herói ou, simplesmente, a fonte de inspiração que faltava. Vez ou outra me esbarro em histórias que me obriga a ter um olhar mais demorado sobre o tempo e sobre como o determinamos, se estamos vivendo do jeito que é preciso ou se estamos apenas existindo. Quem me ensinou recentemente o real significado da palavra resiliência foi o simpático Antônio César Filho, com uma entrevista que acabou se transformando em um bate-papo informal sobre a vida. Aos 30 anos, César é daqueles que sabe cativar, que com alguns minutos de conversa é possível identificar sua capacidade de levar alegria e de sempre arrancar um sorriso de alguém. Leva o codinome de Cesinha, que não condiz com sua altura, mas corresponde ao tamanho da sua força, da sua coragem e, sobretudo, da sua fé. Seja para se distrair ou trabalhar, as atividades físicas sempre estiveram presentes em sua vida, o gosto pela prática do esporte foi o grande responsável por uma mudança que o fez se encontrar profissionalmente. Trancar um curso na faculdade, desistir de ser professor de matemática e seguir sua intuição, são algumas das atitudes determinadas que o levaram ao caminho da realização profissional: se tornar um dedicado educador físico. A sua entrega por cada escolha e a confiança depositada em si mesmo, foram essenciais para uma batalha que incansavelmente ele se propôs a lutar. “Em 2016 comecei a sentir muitas dores de cabeça, acordava no meio da noite, tomava remédio praticamente todo dia, isso foi durante uns três meses e a dor só ia piorando. Não conseguia malhar e como dava aula cedo e sempre fui uma pessoa muito animada,

as pessoas percebiam, ficava cabisbaixo e evitava conversar muito, não aguentava de tanta dor, até nas aulas eu comecei a faltar. Até que um dia eu fui ao médico, ele pediu uma tomografia da cabeça e ela já mostrou uma mancha, foi diagnosticado um câncer e hidrocefalia”, explicou-me cuidadosamente cada detalhe, com cautela e firmeza na medida que ia contando. Foi aí que a vida de César tomou outra direção. Um novo vocabulário surgia, com nomes complexos, laudos, noites mal dormidas e as intermináveis horas em salas de hospitais. Entre a incerteza e o medo, a força que descobria aos poucos, era maior que os obstáculos que precisaria encarar. Baterias de exames e cirurgias arriscadas começaram a fazer parte de uma corrida contra o tempo. “Fiquei 28 dias internado em Belo Horizonte, fiz a cirurgia de hidrocefalia e retirada do tumor. Voltamos para Ubá e durante o tempo de repouso comecei a perder o movimento das pernas, sentia dores insuportáveis. Comecei a fazer fisioterapia, mas a dor só ia piorando, até que chegou um ponto que eu não estava conseguindo mais andar. Voltei para BH, nesse meio tempo estava andando com a ajuda de um andador ou cadeira de rodas. Fiz uma consulta e o médico constatou que eu estava com trombose venosa profunda”, relatou. Entre medicações e sessões de radioterapia, após um ano de tratamento uma nova descoberta aparecia: o tumor havia voltado, dessa vez na região do cerebelo, onde ocorre o controle da coordenação dos movimentos. Diante do susto de encarar mais uma cirurgia e da incerteza do novo, César atravessava com coragem mais uma etapa. “Retirei o tumor, com dois dias que estava internado comecei a sentir novamente muita dor e não sentia o movimento das minhas pernas. Fiz uma ressonância da coluna e vimos que havia constatado seis metástases espalhadas, foi isso que fazia perder o movimento e sensibilidade. Comecei a fazer radioterapia ainda no CTI, fiz todos os tratamentos, fisioterapia e quimioterapia. Aos poucos as dores foram parando e fui voltando com os movimentos. No final da minha radio, estava na cadeira de rodas e eu consegui ficar de pé. Meu médico disse que eu era o milagre do ano, por-


P or toda minha vida que eles achavam que eu não poderia andar mais e talvez pudesse ficar paraplégico”, relembrou com o olhar vitorioso. Mais uma vez César mostrava valentia diante de uma árdua batalha que parecia não terminar. Para ele, a fé e sua vontade de viver, era o que lhe dava força para continuar e não desistir de si mesmo. Ele precisava da sua alegria constante, do seu sorriso fácil e da sabedoria de reconhecer as vitórias. “Hoje com a graça de Deus eu estou bem, o tumor não tem cura, eu consigo deixá-lo adormecido, então sempre tenho que fazer o controle. Apesar de tudo que passei, eu nunca parei minha vida, a prática de atividade física ajudou muito na minha recuperação. Às vezes sinto algumas dores,mas não paro, sigo firme e forte. Eu sempre tive muita fé em Deus, mas havia vezes que eu não sabia como suportar o que eu estava vivendo. Lembro-me de um momento que me marcou muito, era um dia que eu estava no quarto do hospital muito angustiado e comecei a chorar e rezar. Nesse momento, eu senti uma paz muito grande e uma alegria dentro de mim que não consigo explicar. Eu senti a presença de Deus e foi nesse momento que eu tive mais força ainda pra continuar e vencer os meus medos”, detalhou. A fé inabalável e a positividade estampada

em cada palavra dita com firmeza e naturalidade mostram a capacidade de César em lidar com os obstáculos e, mais que isso, evidencia sua gratidão pela vida, pelos ensinamentos que lhe foram apresentados, pela simplicidade e pelas pessoas que estiveram e estão presentes em sua jornada. “Lembro-me, que na época, na minha primeira cirurgia, eu não tinha plano de saúde, todos os procedimentos ficaram muito caros e um amigo meu, o Fabrício, fez uma campanha na academia para render rifas, conseguimos uma boa quantia só de ajuda. Um antigo professor que hoje é treinador do time do flamengo também doou uma camisa autografada pelos jogadores, eu não sabia de nada que estava acontecendo, já estava internado em Belo Horizonte e quando minha família me contou do envolvimento das pessoas e dos meus amigos, eu fiquei muito emocionado e serei eternamente grato”, pontuou. A necessidade de recomeçar e uma mudança de percepção diante do seu olhar pela vida o permitiram enxergar a importância de cada instante, de um simples momento com quem ama, dos pequenos gestos e de como decide aproveitar os segundos. “Acredito que fiquei mais humano, em todos os sentidos. Tudo me comove muito hoje em dia, o que eu posso fazer para ajudar al-

guém eu faço. Minha fé hoje é indestrutível e sei que o que eu precisar sentir ou o que aparecer na minha vida, Deus está comigo o tempo todo. Aprendi a dar mais valor para as coisas pequenas e, principalmente, em querer estar mais próximo aos meus familiares. Eu pensava muito em futuros projetos ou o que eu poderia planejar para o amanhã. Agora eu penso no hoje, no que eu estou vivendo. Quando estava internado conheci muitas pessoas, algumas infelizmente não estão mais aqui, mas eles tinham a mesma coisa que eu, a vontade de viver. Foi com elas que aprendi que precisamos dar importância para cada instante e simplesmente fazer a vida valer a pena”, declarou. Não foi preciso muito tempo ou horas de conversa para entender o que César tem de tão especial. Talvez fosse a simpatia, a animação ou o sorriso que surge com facilidade em um semblante sereno, o que posso dizer ser contagiante. Mas o que descobri no momento que soube da sua história, foi que aquele rapaz que nutre uma força descomunal dispõe de uma missão que lhe foi dada, talvez ele não compreenda, mas possivelmente, a arte de cativar seja sua maior aptidão. Que você César, continue escrevendo sua história do jeito que sabe, com alegria e com sua habilidade inexplicável de ter fé na vida.

35

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


C asa e Design

Por Vanessa Santos Foto: Cássio Fotografias

Coquetel de Lançamento

EVENTO PROMOVE NETWORKING E APRESENTA EDIÇÃO ESPECIAL DA REVISTA FATO!

T

endo a inovação como um de seus pilares, a Revista Fato! promoveu na quinta-feira, 13 de junho, um coquetel de lançamento no intuito de apresentar sua edição especial Casa & Design, trabalho este que incorporou grandes nomes do mercado de arquitetura e engenharia de Ubá e região. Na ocasião, além da entrega da revista, o evento reuniu os profissionais envolvidos no projeto em um momento de descontração e networking. A noite, celebrada no charmoso Chefs Steakhouse, teve como um de seus pontos altos a inserção da treinadora de vendas Genaína Queiroz. A convite dos organizadores do evento, a juiz-forana provocou o público com diversas questões envolvendo os bastidores do mundo dos negócios. “A mensagem foi clara: independente do seu estado atual, se não houver cuidado com a carteira de clientes, ela vai acabar. Para que isso não ocorra, é necessário manter viva sua rede de relacionamentos”, pontua sobre a abordagem realizada durante o coquetel. Com vários trabalhos desenvolvidos em Ubá, Genaína vê com bons olhos a ação promovida pela revista e acredita no grande potencial do município. “Esses movimentos não podem parar. Percebo excelentes possibilidades na região, falta estreitar relações, aproximar áreas afins e incentivar parcerias para gerar cada vez mais negócios. Expandir sua rede de contatos é fundamental para se manter vivo no mercado. Nossa querida Zona da Mata só tem a ganhar com isso”, completa otimista a profissional. Presentes em diversos eventos assinadas pela Fato!, os responsáveis pela Delazari Projetos, Lu Delazari e Pedro Delazari, comentam sobre a satisfação em compor mais essa iniciativa. “Vimos na edição Casa & Design a possibilidade de apresentar nossos serviços e conscientizar o público sobre a importância de um bom profissional,

além da economia e praticidade em ter todos os serviços em um único escritório. E nada melhor do que falar sobre isso em um meio de comunicação tão prestigiado”, declaram. Para eles, a entrega das revistas em uma embalagem personalizada mostrou todo o carinho e respeito para com o cliente. “Sentimo-nos valorizados e até ‘mimados’ (no bom sentido) pela Fato!”, brincam ao enaltecerem o resultado positivo do projeto. “O coquetel agradou em todos os aspectos, do carinho na recepção à qualidade do serviço de restaurante, além da interatividade da atração e a organização como um todo”, afirmam. Adentrando o mercado ubaense, a Bravo Arquitetura também compôs o time de empresas presentes na noite. Sob o comando dos sócios Braulio Cruz e Bárbara Maximiano, o escritório multidisciplinar localizado em Juiz de Fora, enxergou na oportunidade uma excelente vitrine para se aproximar da Cidade Carinho. “Agregar e compartilhar conhecimento no meio em que você trabalha é sempre bom. E esse evento, em especial, foi algo dinâmico e que trouxe visibilidade para uma área tão promissora quanto a arquitetura, às vezes pouco conhecida pelas pessoas da forma como deveria”, comentam os profissionais. Para Bráulio, dois momentos do acontecimento lhe despertaram a atenção de forma específica. “O primeiro deles, a logística das mesas para proporcionar o networking. A princípio, parecia um pouco incômodo estar com pessoas desconhecidas, o que acabou se tornando muito divertido e válido com o passar do tempo. O segundo momento certamente foi o bate-papo com a Genaína, mesmo que rápido, achei bem dinâmico e interessante”, destaca sobre as interações ocorridas. Colhendo os frutos do sucesso de mais uma iniciativa, o casal diretor da Revista Fato!, Juliana Campos e Bráulio de Paula, afirma que o intuito do Projeto Casa & Design foi, além de enaltecer a marca dos profissionais envolvidos, promover o relacionamento entre eles, movi-

37

Genaína Queiroz foi a convidada da noite para palestrar para os convidados. Ela é Treinadora de Vendedores e Líderes. É Criadora do Método Vender de Verdade e é Apaixonada por Vendas e Vinhos.

mentando o setor em que atuam. “Começamos a observar que proporcionar aos nossos clientes a oportunidade de networking é algo que agrega muito mais para o investimento da publicidade que eles fazem em nossas ações, por isso estamos saindo da zona de conforto que é ‘apenas’ vender anúncio para revista, e somando, além de outras mídias de divulgação, encontros presenciais que impulsionem e fortaleçam o segmento em questão”, revelam. Com a receptividade e o feedback positivo do ramo de arquitetura e construção civil, os gestores já almejam estreitar parcerias em novos eventos direcionados para o setor. “Todos os profissionais envolvidos ficaram muito satisfeitos, o que para nós, é motivo de alegria, pois trabalhamos no sentido de melhor atender nossos clientes. Ainda vale ressaltar que o encontro gerou repercussão na cidade e região, despertando a curiosidade e o interesse por essa edição especial da revista”, finalizam já anunciado a primeira Mostra Casa & Design, mais um evento com a a assinatura Fato! e que promete movimentar o mercado no ano de 2020. Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


C asa e Design

Mota Planejados

M² Home Design

Itaci Braga Arquitetura e Interiores

Projetse Arquitetura | Engenharia

Colpany Vidros | Thaís Queiroz Designer de Produto e Interiores

Unierre Planejados

Trena Arquitetura e Interiores

Gabriele Barros Arquitetura e Interiores

Magnacor | Studio Schaf

Juliana Campos e Bráulio de Paula Diretores da Revista Fato!

Evento reuniu arquitetos, engenheiros e fornecedores da construção civil.

Vanessa Santos conduziu a cerimônia do evento.

Genaína Queiroz.

Equipe Fato, Conceito Assessoria e o fotógrafo Cássio Cândido.

Lia Abreu e Bruno Cássio Conceito Assessoria de Eventos.

38

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


C asa e Design

Due Corbelli Arquitetura e Urbanismo

Anna Arquete Arquitetura

Ambientallis

Mundial Acabamentos

Unir Design e Engenharia

Ronnia Arquitetura e Interiores

39

C3 Arquitetura | Engenharia

Amanda Veríssimo | Grupo Legalizar

Ômega Gesso

Unlimited

Bravo Design | Arquitetura | Entretenimento

Delazari Projetos

Sorteio Ambientalis.

Sorteio da poltrona da M² Home Design.

Sorteio peça decorativa M² Home Design. Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


T rend

Por Scarlett Gravina Fotos: Pedro Roque Fotografia

4

14 5

9

2

5

IDEIAS PARA MONTAR UM LOOK JUNINO Quem não curte quitutes juninos, aquele friozinho do mês e um bom arraial para aproveitar? A festa junina se estende para o mês de julho até agosto e, o que não falta, são comemorações temáticas para entrar no clima. Escolher um look moderno e criativo sem sair do convencional não é tão difícil, basta soltar a criatividade e se jogar nas estampas xadrez, flores e acessórios coloridos. Entre tantas opções, fica ainda mais divertido montar uma produção cheia de estilo e personalidade sem sair do tema.

40

10

7

Ficha-Técnica Beleza: Patrícia Souza Casal Make Up; Modelo: Samara Goulart; Fotos: Pedro Roque; Look: Camila Braga; Calçado: Arpel. Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91

1


T rend

3

6

11

41

8 13

12

1. Bota Marrom Luz da Lua – Arpel – R$ 500,00 | 2. Arco chapéu caipira – Madame Biju –R$ 10,00 | 3. Arco lacinho – Madame Biju - R$10,00 | 4. Pregador de cabelo chapéu – Madame Biju – R$ 10,00 | 5. Pregadores chapéu com laço – Madame Biju – R$ 10,00 | 6. Pregador chapéu – Madame Biju – R$ 10,00 | 7. Gravatinha quadrilha – Madame Biju - R$ 10,00 | 8. Pregador lacinho com flores – Madame Biju - R$ 10,00 | 9. Brincos xadrez – Madame Biju - R$ 10,00 | 10. Camisa Xadrez - Hering - R$ 159,00 | 11. Camisa amarração – Loja Camila Braga - R$ 66,00 | 12. Bota cano curto preta Cecconello – Arpel - R$ 300,00 | 13. Cachecol – Madame Biju - R$ 10,00 | 14. Cropped xadrez – Loja Camila Braga - R$ 130,00 .

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


C onectados Foto: Fotografe

Jornalista, especialista em Assessoria de Comunicação, Gestão da Comunicação nas Organizações e pós-graduanda em Gestão de Pessoas e Coaching. É uma verdadeira apaixonada por internet e pelas mídias sociais. Além disso, é dona do Boteco Feminino (www.obotecofeminino.com.br).

Rafaela Namorato

Figurinhas do

WhatsApp:

uma nova forma de comunicação! Será?

N

42

ão preciso começar o texto falando que a forma como nos comunicamos está mudando dia após dia, não é mesmo?! Não demora muito e lá vem uma novidade que altera, quase que por completo, a maneira como nos expressamos, especialmente na Internet. E, o fenômeno da vez são as tais figurinhas do WhatsApp. Tecnicamente essas figurinhas recebem o nome de stickers (adesivos) e já faziam algum sucesso em outras redes sociais como o Facebook, o Messenger e o Telegram. No WhatsApp, no entanto, elas só foram lançadas em outubro de 2018 e, desde então, viraram uma verdadeira febre. Com a chegada dessas figurinhas no comunicador, os usuários passaram a ter à disposição pacotes prontos com diversas imagens e, para utilizá-las, bastava baixá-los nas lojas de aplicativos. Mas, o bom do uso do recurso só veio mesmo quando o WhatsApp liberou a utilização de figurinhas personalizadas. E como o brasileiro não tem limites para a criatividade, já sabemos o que aconteceu! Não há nada, nem ninguém, que não seja passível de se tornar um sticker. Os famosos estão entre os alvos favoritos. Quem aqui nunca recebeu uma figurinha do Neymar, da Gretchen (que por sinal, já comentou em várias entrevistas sobre o assunto, que utiliza as figurinhas com suas fotos em todas as suas conversas), da Fátima Bernardes entre tantos outros por aí? Não tem como escapar! Mas, não precisa achar que somente as personalidades têm esse privilégio não. Quem tem um amigo viciado em fazer essas figurinhas sabe

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91

"A verdade é que, mesmo as figurinhas tendo sido criadas para deixar as conversas menos informais e mais divertidas (uma espécie de quebra gelo), vai existir sempre aquela linha tênue entre o divertido e o exagerado; entre a liberdade de enviar as figurinhas e a liberdade de não querer recebê-las”.

muito bem que, mais cedo ou mais tarde, vai acabar virando um adesivo também! A lógica das figurinhas é a mesma dos MEMEs, dos GIFs e dos emojis: deixar as conversas mais divertidas. O que acontece é que elas estão, simplesmente, substituindo a comunicação verbal, ou seja, os textos e os áudios. Inclusive, já existem pessoas capazes de estabelecer um “diálogo” usando somente figurinhas. É impressionante como elas têm um exemplar para qualquer tipo de reação, sentimento ou assunto. A coisa tem ganhado tamanha proporção que, há quem pare uma conversa para encontrar uma figurinha que responda ao que está sendo dito pelo outro contato. E é isso que tem incomodado alguns usuários. E, por isso, essa relação de amor e ódio. Como existe quem ame se comunicar por meio das figurinhas há quem deteste também. Algumas pessoas ainda preferem conversar por textos e até mesmo por áudio, e quase têm uma crise nervosa quando recebem uma figurinha como resposta. A verdade é que, mesmo as figurinhas tendo sido criadas para deixar as conversas menos informais e mais divertidas (uma espécie de quebra gelo), vai existir sempre aquela linha tênue entre o divertido e o exagerado; entre a liberdade de enviar as figurinhas e a liberdade de não querer recebê-las. E você, de que lado está? Será que estamos prontos para lidar com isso ou será só uma fase até a próxima novidade chegar? Aguardemos as cenas dos próximos capítulos! Até lá!


G estão e Negócios Foto: Pedro Roque

Bacharel em Administração e Licenciatura em Matemática. MBA em Gestão Estratégica de Pessoas. Mestre em Economia Doméstica. Doutoranda em Educação. Sócia-Administradora da Clínica Ser Natural e Professora da FAGOC. Contato: nathaliacarvalhoadm@gmail.com

Nathália Carvalho Costa

Gestor, como você tem utilizado o

para se

43

É

comunicar?

fato que o WhatsApp facilitou a vida de muita gente e ampliou a comunicação de forma eficiente, além de ser menos custoso que uma ligação e muito mais ágil e dinâmico que o SMS. Hoje, essa ferramenta é utilizada por mais de um bilhão de pessoas em mais de 180 países e, nela, podem ser compartilhados textos, fotos, vídeos, mensagens de voz, documentos, localização e tem até uma versão business, utilizada por diversas empresas para se comunicarem com os clientes. Existem pessoas que chegam a compartilhar milhares de mensagens em um único dia, fazendo do WhatsApp seu principal meio de comunicação e interação com as pessoas. Nessa onda, muitos gestores também o utilizam para se comunicar com a equipe de trabalho, direcionando atividades, cobrando metas, enviando lembretes e muito mais. Porém, nem sempre essa comunicação entre gestores e equipe tem sido guiada de maneira a se obter os melhores resultados para a empresa em consonância ao bem-estar dos trabalhadores. Por que digo isso? Percebo que muitos “chefes” não estão utilizando essa ferramenta aliada ao bom senso, ou seja, nessa era de conectividade as pessoas estão 24 horas de posse do celular e com ele, fazendo algum tipo de leitura, bate-papo, assistindo ou gravando vídeos, tirando fotos, etc. O que faz com seja fácil enviar ou receber uma mensagem pelo WhatsApp e, no caso de recebimento, ela não deixar de ser percebida e às vezes lida de imediato. Mas será que é conveniente enviar uma mensagem para seu subordinado em um sábado

à noite ou em um domingo de manhã, por exemplo? Se não é para a pessoa responder, então por que enviar a mensagem fora do horário de expediente ou final de semana? Não estou mencionando isso por questões de horas extras, meus questionamentos vão além de algo material e que pode ser pago no contracheque. Estou referindo ao bem-estar, ao direito do trabalhador a desconexão, mesmo estando online. Por mais que se recuse a ler uma mensagem no momento em que a recebe, o simples fato dela estar ali e o remetente ter sido o chefe, já causa certo desconforto. Estamos em tempo de altas taxas de desemprego, quem em sã consciência vai deixar seu gerente sem respostas? Além disso, estamos em uma era de pessoas dinâmicas, atarefadas, que atuam diariamente sob pressão, que possuem inúmeras responsabilidades e que dificilmente não levam trabalho para casa. Seria uma questão de respeitar os limites entre trabalho e família, algo a cada dia mais difícil de equilibrar. Porém, não estou dizendo que não se devem manter contatos profissionais fora do horário de expediente, penso apenas que analisem qual o tipo de conversa estabelecer com um subordinado, para evitar constrangimentos e momentos de tensão desnecessários. O líder precisa determinar e atribuir responsabilidades aos seus liderados e cobrá-los pelos resultados. E você, gestor, como tem usado essa ferramenta na comunicação com seus liderados? Pense nisso, afinal uma pessoa sadia, física e mentalmente, produz resultados muito mais satisfatórios e promove o crescimento da sua empresa. Pode acreditar!

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


F ato Fashion Day

Por Juliana Campos e Natalia Meireles Fotos: Servando Lopes

EVENTO APRESENTA AS PRINCIPAIS TENDÊNCIAS DA MODA EM NOITE FASHIONISTA NO PARTHENON

44

E

mais uma vez a Revista Fato! colocou em prática um projeto inovador que movimentou o comércio local e entusiastas do cenário fashion da cidade de Ubá e de toda a região. Modelos, digitais influencers, nomes de expressão da Cidade Carinho e clientes das lojas participantes marcaram presença somando um público de 550 pessoas na primeira edição do Fato Fashion Day, que aconteceu no dia 09 de maio no espaço de eventos, Parthenon. O desfile contou com sete lojas da cidade (Linda Maria Moda Infantil, Estilo Camila Braga, Annas Semijoias, Medida Certa Moda Plus Size, Óticas Carol, Sou Fitness Moda e Atelier Daiane Rodrigues). Convidado de honra da noite para compor o time de mestres de cerimônia do evento, convocamos o produtor cultural Aurélio Pimenta que brilhou ao lado das jornalistas Scarlett Gravina e Vanessa Santos. De maneira extrovertida e dinâmica, o trio conduziu todos as apresentações e merchandising da primeira edição do Fato Fashion Day. Esbanjando fofura e estilo, quem abriu os desfiles da noite foi a loja Linda Maria, revendedora da marca Tyara, com as modelos kids e teens. Estampas que traduzem toda a doçura da infância além de looks arrojados para as mais blogueirinhas com texturas e transparências encantaram os presentes. A segunda loja de roupas a desfilar foi a Estilo Camila Braga que apresentou as tendên-

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91

Os diretores da Revista Fato!, Juliana Campos e Bráulio de Paula ladeados pelas jornalistas Scarlett Gravina, Vanessa Santos e Natalia Meireles.

cias do outono/inverno em peças clássicas, com brilho e belíssimas variações em tricô para uma aposta casual, além de acessórios que deram um toque todo especial as produções. Em seguida, a marca Anna’s Semijoias encantou com suas peças levando, com exclusividade, a Coleção Essence, que traduziu a essência da mulher através de peças exuberantes, reunindo tendências como pedras, cartiê e medalhas de proteção. Na sequência, a loja Medida Certa, referência em moda Plus Size, subiu na passarela e deu um show em conceito e elegância através de marcas exclusivas e tendências como animal print, listras, poá, xadrez, paetê e jeans. Os destaques também ficaram por conta dos conjuntos e das calças pantacourt. Logo após foi a vez das Óticas Carol trazerem as tendências de grifes nacionais e internacionais, como Arnette, Michael Kors, Ral-

ph Lauren, Oakley e Vogue, reunindo os modelos de óculos de grau e solar que prometeram ser sucesso na estação. A Sou Fitness Moda também fez um maravilhoso trabalho na passarela, trazendo peças que atendem aos mais diversos gostos e ocasiões, da academia a opções casuais. Tendências no neon, nude e rosê encantaram a mulherada pelo estilo e conforto. E para fechar a noite o Atelier Daiane Rodrigues invadiu a passarela com muito glamour e brilho trazendo a Coleção Encanto com vestidos bordados em predarias e cristais, peças de alta costura desenvolvidas com exclusividade para noivas, madrinhas, debutantes e formandas. E fechamos o evento em grande estilo com o merchandising da L’Áqua di Fiori na passarela do evento em parceria com o Atelier Daiane Rodrigues.


F ato Fashion Day “Participar do Fato Fashion Day foi uma experiência ímpar. Para nós que trabalhamos com moda, eventos no segmento é de grande valor. O desfile acrescenta e é de extrema importância a participação do nosso atelier em eventos dessa natureza, pois torna uma ponte para que possamos estar em contato com os clientes e possíveis parceiros. Foi uma excelente oportunidade poder mostrar o meu trabalho, assim como divulga-lo. Fiquei muito feliz com a participação no desfile e já estou colhendo os frutos. Espero que seja apenas o início de uma parceria duradoura. Agradeço de coração o convite e desejo estar junto a Revista Fato! por muito tempo”. DAIANE RODRIGUES ATELIER

“Participar do primeiro Fato Fashion Day foi um divisor de águas para a nossa loja. Completamos há pouco tempo o nosso primeiro ano e ganhamos uma grande visibilidade após o desfile. Foi muito gratificante receber o retorno dos convidados comentando sobre a nossa coleção e sobre a organização do evento como um todo. Agradecemos a Juliana, ao Bráulio e a toda equipe da Fato! pelo apoio e pelo profissionalismo!”

45

CAMILA BRAGA

Ficha Técnica Organização: Juliana Campos Bráulio de Paula; Decoração da Passarela: Fábula Planeja; Cerimonial: Isabela Coelho Cerimonial; Mestres de Cerimônia: Vanessa Santos, Scarlett Gravina, Aurélio Pimenta; Locação: Parthenon; Coordenação do backstage: Natalia Meireles; Buffet: Fênix Buffet; Fotografia: Servando Lopes; Apoio: Larissa Simões Consultoria e Imagem; Maquiadores: Ana Carolina Miquillito, Alerrandro Martins, Bia Alves MakeUp, Beatriz Couto MakeUp, Casa da Beleza Bráulio Coiffeur, Jonas Sperandio, Glauci Dini, Gilmara Freitas, Isabela Matias, Ju Bolandini, Kelvin Tomaz, Larissa Vieira, Marisa Ribeiro, Naire Rufato, Patrícia Souza Casal e Joyce Costa.

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


F ique Ligado

Por Vanessa Santos Fotos: Arquivo Pessoal

ERRA SEM 46

D

esde que o jogador Neymar divulgou em sua rede social a conversa – já excluída pelo próprio Instagram – contendo fotos íntimas da modelo Najila Trindade, que o acusa de estupro, o caso trouxe à tona novamente uma velha discussão: os crimes cibernéticos. Muitos caracterizam a rede como “terra sem lei”, em que tudo pode ser publicado e compartilhado. Mas, na prática, não é bem assim. A principal regulamentação nesse sentido está designada pela Lei dos Crimes Cibernéticos (12.737/2012), também conhecida como Lei Carolina Dieckmann, que ganhou notoriedade para ser aprovada quando a atriz teve imagens de Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91

EI?

cunho íntimo divulgadas na internet. A norma prevê penas que variam de três meses a dois anos de reclusão conforme a tipificação do crime. Apesar da amplitude que envolve o universo virtual, é preciso ter responsabilidade em relação a ofensas, compartilhamento de conteúdo impróprio ou violação de dados. Afinal, hoje em dia, nada do que é feito na web passa despercebido, e a legislação vem se fortalecendo de forma gradativa, conforme explica o advogado e professor de direito Dr. César Campos Lara.

Calúnia, estelionato e simulação de identidade. Não é raro identificar casos como esses

na mídia. Frequentemente pessoas são expostas ou passam por golpes financeiros fruto de documentos vazados na rede. Segundo o advogado Dr. César Lara, essas são algumas das maiores incidências na internet. “Dentre os diversos atos comumente retratados, é possível elencar os crimes contra a honra (calúnia, injúria e difamação), estelionato através das práticas de furto de dados, invasão de dispositivo informático, plágio, falsa identidade, discriminação, pedofilia e apologia ao crime, entre outros”, lista o profissional.

Para evitar constrangimentos afins, o


F ique Ligado professor de direto aconselha alguns cuidados e artimanhas no intuito de escapar da mira dos criminosos virtuais, como o uso de senhas fortes e programas de antivírus. “É aconselhado a utilização de password com letras e números variados e que não correspondam a datas de aniversário ou nomes dos titulares; antivírus sempre atualizados; atualização de softwares, sendo que, a aplicação de patches (programas que corrigem os softwares) reduz significativamente a probabilidade de você se tornar uma vítima”, diz. Segundo ele, nas redes sociais, o ideal é manter o máximo de discrição acerca de informações particulares, “além da proteção da rede doméstica com uma senha de criptografia forte e uma VPN – Rede Particular Virtual”, completa ao reforçar ainda que, a qualquer sinal de estranhamento, é preciso comunicar as autoridades para investigação.

Dr. César explica que as punições variam conforme o tipo de delito efetuado, contemplando as mais diversas práticas. “A título de exemplo,

quanto ao crime de ameaça, a pena de detenção pode variar de 1 a 6 meses ou multa. Já no caso de falsa identidade, a pena oscila de 3 meses a 1 ano ou multa e assim por diante. Ademais, na esfera cível, reparação por danos morais e materiais podem ser originados”, salienta ao lembrar sobre o compartilhamento de fotos de vítimas acidentadas ou vilipêndio (desrespeito) a cadáver, sendo este último enquadrado no art. 212 do Código Penal, com detenção de 1 a 3 anos.

falsificação de cartão de débito ou crédito, invasão de dispositivo informático, interrupção ou perturbação de serviço telegráfico, telefônico, informático, telemático ou de informação de utilidade pública”, pontua sobre a regulamentação que proíbe o extravio de mensagens, fotos e vídeos obtidos sem consentimento.

47

Enquanto o Marco Civil da Internet fica a cargo da regulação do uso da rede no Brasil assegurando dados, direitos e deveres dos usuários, além da análise da retirada de conteúdos do ar, a Lei Carolina Dieckmann – nome atribuído à Lei 12.737/2012 é responsável por uma série de alterações no Código Penal Brasileiro, conforme explica o advogado. “A partir da referida norma, passaram a ser tipificados alguns crimes como:

Em cidades de grande porte, existem delegacias especializadas em crimes virtuais, além de ONGs que atuam em parceria com o governo. No entanto, caso não haja acesso a tais recursos, o profissional aconselha a procura pela autoridade mais próxima para a breve coleta de provas e efetivação do boletim de ocorrência. De acordo com o site do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), denúncias anônimas sobre publicações discriminatórias e abusivas podem ser realizadas via internet pelo endereço http://new.safernet.org.br/denuncie informando o link da referida publicação.

O D O N T O L O G I A CROMG8249

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


Meu dia D

Por Scarlett Gravina Foto: Servando Lopes

UMA NOITE INESQUECÍVEL DE PRINCESA

D

48

iante da emoção que tomou conta da noite do dia 31 de maio, Ana Luíza compartilhou com seus amigos e familiares momentos inesquecíveis em sua tão esperada festa de 15 anos. A boate Lotus foi escolhida como o local para o debut, onde a princesa da noite junto de seus pais Waléria Arruda e Paulo Furtado e da irmã Júlia, recepcionaram cerca de 200 convidados. Com dois looks desenhados pelas mãos do estilista Mário Coelho, Aninha brilhou com um vestido dourado e um rosa para o grande momento da valsa. A ornamentação ficou por conta da empresa Projet Class, comandada pela decoradora Alessandra Silva, responsável por dar um toque todo especial para que o grande dia fosse um verdadeiro conto de fadas. “Quando fui contratada para realizar os 15 anos da Júlia, já comecei a elaborar em mente a festa da Aninha, pois, no primeiro contato eu já havia percebido que seria um projeto diferente, com um ar de menina delicada. Quando sugeri a cor azul tiffany, sua mãe me disse que era exatamente a cor que ela queria e daí foi surgindo toda a criatividade, mantendo a ideia com a essência dela, com uma certa delicadeza e com uma pegada moderna, cada detalhe pensado com carinho para que realmente fosse um dia inesquecível. Segundo Waléria, eu superei todas as expectativas e isso me torna completamente realizada”, afirma Alessandra. Para a aniversariante, cada detalhe da festa ficou do jeitinho que ela sonhou e rendeu grandes momentos inesquecíveis, assim como a valsa, que dançou com seu pai, seus amigos e tios ao som do hit Photograph do cantor Ed Sheeran e da canção All of me, de John legend. “Eu estava muito ansiosa para festa, principalmente enquanto me arrumava no salão. Tudo ficou do jeito que eu esperava. O momento mais marcante foi o da valsa e das homenagens que recebi dos meus pais e das minhas amigas, que falaram lindas palavras”, relembra. Responsável por registrar a noite, Servan-

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91

Ficha-Técnica Nome da aniversariante: Ana Luíza Arruda Furtado Data de nascimento: 25/05/2004 Nome dos pais/irmãos: Waléria Arruda, Paulo Furtado e Júlia Data da festa: 31/05/2019 Local da festa: Lotus Ubá Vestido: Mário Coelho Decoração: Alessandra Silva Fotógrafo: Servando Lopes Atração musical: DJ Bruno Oliveira Buffet: Buffet Feital Cerimonial: Cirlene Crimonial Demais fornecedores: Luciana Seghetto, Jaque Ferreira, Aline e Amanda Albano Personalizados, KL Ateliê das Forminhas, Doces Finos - Marina Silva e Marta Bolos

do Lopes fotografou cada momento eternizando a festa em belíssimas imagens como forma de recordação do grande dia. “Fotografar o aniversário da Aninha foi um prazer enorme, porque ela é uma menina muito querida, amorosa e simpática, fiquei muito satisfeito com o resultado das fotos, foi fantástico, foi um trabalho de muito empenho, mas com muita leveza e carinho, principalmente por estar novamente junto da família. Já havia feito as fotos do aniversário da Júlia, sua irmã, que foi também um momento muito marcante. São pessoas muito especiais e que tive a honra de participar de um dia tão importante quanto os 15 anos das meninas”, declara. Realizada e feliz com a linda festa, Aninha faz questão de agradecer e deixar seu carinho a sua família e a todos os responsáveis por deixarem seu aniversário inesquecível. “Queria agradecer a minha irmã, que me inspirou a fazer uma festa de 15 anos, aos meus pais e, também a todos que foram prestigiar esse momento tão importante, todos que estiveram presentes são pessoas muito especiais pra mim”, finaliza.


F alando de Negócios

Por Vanessa Santos Foto: Miguel Araújo

CHOPPERIA SE CONSAGRA COMO O PONTO DE ENCONTRO UBAENSE

D

ois amigos e um sonho: montar uma chopperia. Foi assim, de forma despretensiosa, que em 2018 tudo começou. Trabalhando no próprio lava a jato, o jovem Tiago de Souza Castro (30) queria fazer do local um bar no estilo happy your, quando resolveu propor a ideia a alguns amigos. A princípio, muitos demonstraram interesse, mas Luccas Claudino Peluso (27) foi quem acreditou realmente na parceria. “Nosso objetivo era oferecer apenas um lugar para as pessoas descontraírem depois do trabalho, então nos reunimos e fizemos um cálculo do investimento inicial que, na prática, acabou sendo três vezes maior”, contam sobre o momento em que decidiram convidar Bárbara Bonoto de Aguiar (31) para completar a sociedade. Situado em um ponto estratégico da cidade, o BARRIL inaugurou atraindo um público diversificado que se encantou pelo atendimento aliado aos preços e qualidade dos serviços. “Nosso contato com o público é bastante informal, tanto que muita gente nem sabe que somos os donos. Fazemos de tudo um pouco e deixamos nossos garçons bem à vontade para realizarem um atendimento de acordo com a identidade deles, mas sem perder a eficiência”, comentam sobre a naturalidade no relacionamento com os clientes. Entre os atributos do local, o cardápio também chama atenção. A costela, receita do próprio Tiago que foi repassada às cozinheiras, é certamente o carro-chefe da casa, no entanto, as opções são variadas abrangendo porções como a de

Da esquerda pra direita, os sócios: Tiago Castro, Bárbara Bonoto e Luccas Peluso.

tilápia, o tradicional filé com fritas e o trio mineiro. Entre as bebidas, além do chopp servido trincando e as cervejas mais procuradas do momento, a cartela de drinks oferece caipirinha, gin, dry martini, rum, vinhos e doses de vodka e whisky. Mantendo um valor justo e proporcionando um misto de simplicidade e acolhimento em cada detalhe, a demanda de público foi tamanha que concedeu aos sócios a oportunidade de expandir, investindo em fortes atrações e uma estrutura modernizada. “Na verdade, não imaginávamos que as coisas tomariam essa dimensão, tanto que quando montamos o BARRIL, parte da área externa seria estacionamento, mas tivemos que fechá-la para ampliar o espaço. Fizemos a varanda, tão disputada no verão, e agora, como chegou o inverno, implementamos três lareiras para aquecer o ambiente”, pontuam sobre o local que também recebeu palco e melhor iluminação.

Com ampla área externa, o espaço se caracteriza pela informalidade aliada ao atraente custo-benefício dos serviços e a excelência no atendimento.

37

Procurando absorver as críticas e transformá-las em melhorias, Tiago, Luccas e Bárbara se dividem na administração do empreendimento, contudo, sempre concentrando o pensamento na mesma direção. “Todas as reformas que fizemos foram necessárias e nos deram um retorno positivo. Temos diversos planos para a chopperia, porém, precisamos amadurecer muita coisa. Seguimos dando um passo de cada vez, mas sem parar de inovar”, declaram, ressaltando a preocupação em surpreender o público: “temos clientes que frequentam a casa de quinta a domingo e sempre se deparam com algo especial. Nosso objetivo é que cada vez que você vá ao BARRIL seja diferente e melhor do que a anterior, desfrutando de uma nova experiência a cada noite”, completam. Agradecidos com a fase atual e cheios de ânimo para o futuro do negócio, os jovens que iniciaram no empreendedorismo timidamente, hoje se veem diante do desafio de perpetuar o local que caiu no gosto e no coração dos ubaenses. “Desde o começo, todos os ventos sopraram ao nosso favor, da construção e reforma de cada canto, até a formação da nossa equipe de trabalho... Jamais idealizamos tudo o que está acontecendo hoje, o BARRIL é uma realização que veio para mudar as nossas vidas”, celebram.

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


A brindo o Closet

50

Ficha-Técnica Nome: Livia de Lucca Siqueira Garcia Idade: 36 Profissão: Empresária Um sonho realizado: Meu filho Pietro Um sonho a se realizar: Ver o cumprimento de todas as profecias bíblicas

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91

Por Natália Meireles Foto: Servando Lopes Beleza: Alerrandro Martins


A brindo o Closet

E

la tem seu jeito “menininha” de ser, mas é um mulherão alto astral, simples, caprichosa e dedicada com tudo que se propõe a fazer. Para ela a modernidade está sempre presente em sua forma de vestir, o brilho e um look jovial é sua opção para o dia a dia. Empoderada, firme e decidida, a Livia ou Livinha do ovo, maneira carinhosa como todos a conhecem, apesar da rotina agitada abriu o closet para a Revista Fato! e nos recebeu para um bate-papo e uma tarde descontraída. Confira!

51

POR DENTRO DO CLOSET Dona de uma personalidade forte, Livia gosta de se vestir de maneira prática e confortável, seu estilo esportivo e moderno dão a ideia de uma mulher descontraída e vaidosa. No trabalho ela opta por um look neutro e confortável e para assitir a reunião no Salão do Reino das testemunhas de Jeová a composição fica por conta das saias e salto alto. Embora não se inspire em nenhuma personalidade na hora de se vestir, ela afirma estar sempre

Revista Fato! - Junho 2019 Edição #90


A brindo o Closet atualizada no universo da moda. “Estou sempre por dentro do que vejo na internet e tento acompanhar uma tendência, pois, não quero estar desatualizada, mas eu gosto de seguir o meu próprio estilo e escolher hora e lugar onde devo ir com determinado look”, ressalta. Seus gostos em relação às cores variam de acordo com seu estado de espírito, tem momentos em que adora roupas mais coloridas e com brilho, porém, o pretinho básico tem seu lugar especial. “O que mais se encontra em meu closet são saias pretas, tenho de diversos tipos e jeitos que se pode imaginar”, revela. Para Livia ter estilo é se sentir bem com a roupa sem se preocupar com as outras pessoas e principalmente possuir personalidade. “Considero-me estilosa, pois não tenho medo de ser feliz, quando eu quero usar algo eu coloco e pronto. A meu ver, moda é meu estado de espírito e estar feliz com minhas escolhas”, explica.

POR DENTRO DO TRABALHO

52

A empresária se formou em bacharel em matemática, porém, segundo ela, nunca quis realmente cursar a área, entretanto, na sua cidade havia poucas opções. Sua vontade era trabalhar em banco, interagir com pessoas, fazer contas e então o curso poderia abrir esta porta. “Não era esse meu desejo, sou enérgica e fui feita para trabalhar com pessoas e vendas. Hoje eu atuo na distribuição de ovos em Ubá e região, com atacado e varejo”, ressalta. Sua rotina à frente da Uovo Distribuidora é agitada e cheia de responsabilidade, pois trabalha com um produto de alto giro e se desdobra para oferecer um bom atendimento a seus clientes. Além disso, Livia também ajuda a fazer entregas, atende e cuida da administração que muitas das vezes é feita durante a madrugada, “que é a hora em que consigo me concentrar mais”, conta. Ela destaca que ter uma empresa não é fácil, enfrenta dificuldades todos os dias, mas procura ver as prioridades, respirar fundo e resolver. A empreendedora ressalta que é uma mulher realizada profissionalmente, além disso tudo ser respeitada e solicitada pelo seu esforço em oferecer o melhor a seus clientes. “Gasto a maior parte da minha energia com meu serviço, e faço com muito prazer, tenho muito carinho pelo meu produto. Quando comercializo o ovo, eu não quero oferecer apenas uma mercadoria, eu quero vender energia e saúde, quero que o cliente leve um ovo fresco, quando acontece algum imprevisto eu fico arrasada, eu gosto de perfeição e uma palavra que me descreve é intensidade”, destaca.

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91

POR DENTRO DA INTIMIDADE Apaixonada por musculação, Livia conta que após o dia exaustivo de trabalho, ir para a academia e tirar um momento para si com o WhatsApp deligado, ver seus professores e escutar uma música, fazem parte de uma rotina que ela faz questão de seguir. Contudo, seu amor e principal hobby é pedalar. “Eu quis pedalar, pois o esporte ao ar livre junto com a natureza é maravilhoso, fui testemunha disso, pois meu marido fazia trilha de moto e eu morria de inveja dele, pois não tinha condições de ter uma moto de trilha por ser baixinha, então quando percebi que havia mulheres pedalando, foi como realizar um sonho, porque a bicicleta eu aguento carregar, então fui para o mato fazer trilha”, conta sobre como foi começar a praticar o esporte há seis anos.

A empresária afirma que tem o privilégio de integrar o grupo Colinas Rurais e que é maravilhoso sair e descontrair com mulheres na mesma situação,durante o pedal conversamos e fazemos desse momento uma terapia. Ela também ressalta que elas fazem cicloturismo e quando possível participa também. Por ter uma rotina bem ativa a empresária se desdobra para poder se cuidar como mulher e ter o momento para fazer as sobrancelhas, ir ao dentista, fazer massagem entre outras coisas. “Não deixo passar nada, pois quero estar bem cuidada e no estilo. Sou muito vaidosa, não sou de estar sempre maquiada, mas tento ficar apresentável, tenho uma relação ótima com minha autoestima e me sinto muito bem”, destaca. Segundo Livia, a relação com sua família e seu filho é de sempre dar o seu melhor, ser uma mãe presente para o Pietro e por ter o privilégio de trabalhar em casa, ela consegue leva-lo para a escola e ainda buscar. “Tudo o que posso fazer por ele eu faço. Eu me dediquei também exclusivamente ao meu marido enquanto eu fui casada, cuidei muito dele e tento dar o máximo de atenção a minha família, pois tenho apenas uma irmã e meus pais, então me desdobro na rotina para que eu possa cuidar de todos eles”, ressalta emocionada. Para a empreendedora, o seu defeito mais evidente é ser teimosa. E suas melhores qualidades é ser amiga, prestativa, persistente e bem intensa. “Não sei explicar quem é a Livia, mas as pessoas costumam dizer que sou uma figura, porque sou muito palhaça e alto astral, apesar de ter meus momentos difíceis, meu pensamento positivo é sempre presente. Sou também muito religiosa e transpareço muito isso, pois, tento estar em paz e é isso que me motiva a continuar”, conclui.


E ditorial de Moda

54

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


E ditorial de Moda

55

Ficha-Técnica Body: LJ Lingerie Acessórios: Anna’s Semijoias Make & Hair: Ana Carolina Miquilito Fotos: Cássio Fotografias Modelo: Andressa Vasconcellos Locação: Ginásio São José Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


E ditorial de Moda

56

Ficha-Técnica Body: LJ Lingerie Calça: Arsenal Acessórios: Anna’s Semijoias Make & Hair: Ana Carolina Miquilito Fotos: Cássio Fotografias Modelo: Andressa Vasconcellos Carro: Karmann-Ghia Locação: Ginásio São José Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


E ditorial de Moda

57

Ficha-Técnica Colete: Occasioni Calça: Arsenal Acessórios: Anna’s Semijoias Make & Hair: Ana Carolina Miquilito Fotos: Cássio Fotografias Modelo: Andressa Vasconcellos Carro: Karmann-Ghia Locação: Horto Florestal Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


E ditorial de Moda

58

Ficha-Técnica Body: LJ Lingerie Calça: Occasioni Acessórios: Anna’s Semijoias Make & Hair: Ana Carolina Miquilito Fotos: Cássio Fotografias Modelo: Andressa Vasconcellos Carro: Karmann-Ghia Locação: Ginásio São José Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


E ditorial de Moda

59

Produção: Revista Fato! Agradecimentos: Arpel, City Shoes e Sidônio Ferreira Afonso, proprietário do carro Karmann-Ghia. Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


R eportagem Especial

Por Scarlett Gravina Imagens: Divulgação

LEGALIZAÇÃO DA MACONHA NO BRASIL: 60

QUAIS SERIAM SUAS CONSEQUÊNCIAS NO CENÁRIO JURÍDICO E SOCIAL?

F

alar sobre a liberação da Cannabis Sativa no Brasil, popularmente conhecida como maconha, não é um assunto tão fácil de ser discutido, já que divide opiniões e gera debate entre as possíveis consequências no caso da sua legalização. Embora possa ser usada para fins medicinais, a discussão que gira em torno da substância causa uma visão negativa, considerando sua relação com o tráfico de drogas. Em alguns países, como o Uruguai e Canadá, a erva é liberada para uso recreativo e, em outros, a maconha segue censurada, mas descriminalizada para uso pessoal e, no Brasil, embora seja considerada a droga mais consumida no país, é proibido cultivar a planta e de acordo com a lei, quem produz a cannabis para consumo pessoal está sujeito à prestação de serviços à comunidade. O uso terapêutico de canabidiol foi autorizado pela Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária em 2015 e, desde então, a utilização da maconha medicinal tem crescido no Brasil. A substância é indicada para tratar sintomas de diversas doenças, como epilepsia, dor crônica, entre outras. Para ter acesso aos produtos derivados da maconha é preciso obter uma autorização da Anvisa junto a uma prescrição médica, o que não é considerado um processo simples, já que é necessário passar por Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91

várias etapas até conseguir a licença para comprar os produtos em sites internacionais e encaminhar a permissão de entrada para a Receita Federal, assim como o Dr. Drauzio Varella explica em seu site. Diante de tantos aspectos, nota-se um avanço no mercado da maconha medicinal no Brasil, apesar de ainda provocar reações negativas quanto ao seu benefício. Entre tantos argumentos e propostas recentes que envolvem a legalização da maconha para uso medicinal e recreativo no Brasil, são gerados inúmeros questionamentos acerca do tema: o país está preparado para a legalização da maconha? Como o poder público atuaria com a maconha legalizada? Como o comércio seria controlado? Com a legalização o tráfico reduziria no país? O juiz de Direito Luiz Eduardo Oliveira de Faria, respondeu algumas questões em relação a descriminalização e legalização da maconha no Brasil. Confira a entrevista a seguir. O Juiz de Direito, Luiz Eduardo Oliveira de Faria.


R eportagem Especial RF: Antes de qualquer debate sobre a política de drogas, é importante sabermos o significado de descriminalização e legalização. Qual a diferença entre essas duas políticas? LE: Descriminalização significa simplesmente revogar as disposições penais que tornam o tráfico e o porte de drogas para uso próprio em crimes, ou seja, é tão somente revogar os Arts. 28 e 33 ambos da Lei 11.343/06. Já a legalização é algo mais amplo. Pressupõe a descriminalização, mas traz em si a ideia de regulação da produção, distribuição e consumo dos materiais hoje tidos como ilícitos, ou seja, as drogas. RF: Acredita que o Brasil teria condições de legalizar a maconha assim como o Uruguai e o Canadá? LE: Creio ser perfeitamente possível a descriminalização e a posterior legalização da maconha no Brasil, já que há ambiente político, social, científico e jurídico para tanto. Acredito comovidamente que a legalização da maconha teria a total condição de eliminar o comércio ilegal da droga já que o Estado estabeleceria regras jurídicas claras para o controle desta atividade, sem falar que os fatos ilegais já não mais seriam atrativos aos olhos do consumidor. RF: Os países que adotam a legalização da maconha, em alguns lugares sua comercialização é feita em farmácias em cultivo individual. No Brasil funcionaria? Como deveria ser feito? LE: No Brasil, com a legalização da maconha, os produtos seriam vendidos em estabelecimentos específicos e controlados pelas autoridades fiscais, sanitárias e de saúde pública. Creio que a pequena produção artesanal não se mostraria atrativa aos consumidores eis que a disponibilidade do produto, em rede comercial regular, seria viável, segura e confiável. 61

RF: Quais seriam os prós e contras da legalização? LE: Não há efeitos contrários à legalização das drogas, hoje tidas como ilícitas, já que tudo o que se advoga neste sentido é fruto de moralismos de ocasião, desinformação e graves preconceitos. Já os efeitos da legalização são incontáveis. Posso exemplificar a possibilidade de tratamento regular dos consumidores que têm problemas com a drogadição, tal como é feito com os alcoólatras. Posso igualmente apontar que a legalização implica no correlato enfraquecimento das atividades criminosas que hoje detêm o monopólio desta atividade comercial. RF: A maconha é considerada uma droga ilícita, a seu ver, o Brasil teria suporte hospitalar para o uso abusivo levando em conta a realidade da saúde pública do país? LE: Nosso país tem plenas condições de tratar a questão das drogas em todos os níveis, seja médico-hospitalar ou sócio-jurídico. O Sistema Único de Saúde (SUS), por mais que se fale ao contrário, até de maneira difamatória, desinformada e preconceituosa, possui suficientes ferramentas para lidar com a questão, em todas as suas nuances. Neste norte, considero que a legalização das drogas é algo que afeta muito mais a política e seus obscuros interesses, do que a infraestrutura clínica e social. RF: Recentemente a Anvisa aprovou propostas para liberar o cultivo de maconha para fins medicinais e científicos. Além disso, estão comprovados os efeitos medicinais da droga Acredita que por conta do tabu da sociedade, pode interferir nas conquistas dos avanços da medicina? LE: A questão da proibição e criminalização das drogas no Brasil não advém diretamente de conclusões científicas. Ela provém de temáticas substancialmente políticas e visa atender interesses dos que lucram com a Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


R eportagem Especial ilegalidade hoje vivenciada. Em nosso país, em suma, ganha-se muito dinheiro com a chamada Guerra

62

às Drogas, cujo alvo é, em sua imensa maioria, a população pobre, negra e periférica. Assim, a tratativa das drogas, com feição belicista e policialesca, acaba sendo um pretexto para se promover a exclusão social, a burla de direitos fundamentais e a manutenção e o controle dos indesejáveis. E todo esse quadro verdadeiramente genocida, legitimado hipocritamente pela classe média e pela elite nacional, atravanca qualquer discussão sobre os avanços científicos que poderiam ser alcançados se o enfoque dado às drogas evoluísse para outros parâmetros, com a eliminação dos danos correlatos. RF: Qual a sua opinião sobre a legalização da maconha? LE: A legalização da maconha é algo urgente. Na verdade, o Brasil precisa se desvestir da hipocrisia e reconhecer, por exemplo, que o consumo de álcool é que é uma epidemia nacional, não o das drogas. Aliás, tal conclusão foi claramente obtida de um recente estudo da Fiocruz (III Levantamento Nacional sobre o Uso de Drogas Pela População Brasileira, 2017), que teve vetada sua divulgação pelo governo federal. Logo, resta-nos indagar. Por quê? Quais os interesses que são

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91

"A legalização da maconha é algo urgente. Na verdade, o Brasil precisa se desvestir da hipocrisia e reconhecer, por exemplo, que o consumo de álcool é que é uma epidemia nacional, não o das drogas..." Juiz de Direito, Luiz Eduardo Oliveira de Faria

prestigiados com esta ocultação? É preciso deixar bem claro que o atual cenário da já mencionada Guerra às Drogas é algo perdido, ineficiente, fracassado e que só faz reproduzir e incrementar a violência, desigualdade social e as mortes. A legalização da maconha, neste quadrante, é algo que pertence à ordem do dia.


A imagem fala Foto: Arquivo Pessoal

Consultora de Imagem e Estilo formada pelo SENAC Minas e especialista em Cores – Método Sazonal Expandido também pelo SENAC. Palestrante sobre atendimento e comportamento. Contato: larissasimoesdesouza@yahoo.com.br. Instagram: @larissasimoesss

Larissa Simões

O SEU GUARDA-ROUPA INTELIGENTE

S

64

e você é o perfil de consumidor que compra muito, mas vive com a sensação de que nunca tem o que vestir, saiba que é hora de rever seu guarda-roupa! Primeiramente, é preciso se conscientizar de que isso não acontece pela falta de roupas, e sim, pelo excesso delas. Comprando de forma desorientada e sem analisar a utilidade da peça, a tendência é que o seu closet seja repleto de itens sem sentindo e que ficarão guardados eternamente. No intuito de resolver esse problema tão comum, surgiu o armário cápsula, que pode ser eficaz para quem deseja praticidade e redução de gastos através de um consumo consciente. Mas como isso funciona na prática? O armário cápsula, também chamado de guarda-roupa inteligente, é aquele que só possui peças que amamos e que retratam nossa identidade. Para facilitar, ele pode ser formado a partir de um tema: casual, clássico, colorido ou referente a alguma estação específica. O primeiro passo é assimilar o seu estilo, quais itens melhor te representam e valorizam seu corpo. O que compõe um armário cápsula? • O ideal é definir uma quantidade de peças de roupa que você gosta e que combinem entre

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91

“Comprando de forma desorientada e sem analisar a utilidade da peça, a tendência é que o seu closet seja repleto de itens sem sentindo e que ficarão guardados eternamente”.

si. Por exemplo: 33 peças para serem usadas durante 3 meses; • Pesquise looks que façam referência ao seu estilo, isso irá inspirá-lo na seleção dessas peças e em maneiras diferentes de utilizá-las. (Lembre-se: pense em formas inteligentes de fazer os elementos escolhidos funcionarem juntos); • Liste os itens que farão parte do seu armário cápsula começando pelas partes de baixo: Quais peças de baixo você mais usa? (shorts, calças, saias, etc) Quais delas funcionam melhor para o trabalho?

E para ambientes mais informais? Por fim, que peças de baixo você pode adquirir pensando em ter mais versatilidade? Faça o mesmo com as peças de cima, seus sapatos e acessórios, mas não precisa limitar a quantidade, pois essa relação é apenas para quem almeja um guarda-roupa minimalista, ou seja, só com o necessário. Explore os itens com os quais você se identifica e experimente novas formas de utilizá-los!


C ontabilize Foto: Fotografe

Contador; consultor tributário; professor de graduação no curso de Ciências Contábeis. Site: www.pmrassessoria.com.br; Contato: (32) 9 8846.4050 / E-mail: pm@pmrassessoria.com.br.

Divulgação

Paulo Marcos Marques Roque

o contador é um grande aliado

S

68

abemos que atualmente as empresas têm cada vez mais desafios para se manterem com resultados satisfatórios e lucratividade reconhecidamente interessante. A concorrência está alastrada, a precificação (considerando que se saiba fazê-la de forma eficiente) é cada vez mais complexa, enquanto, do outro lado, a carga tributária segue apertando... Enfim, todas as vertentes estão mais dinâmicas e, nesse contexto, muitos empresários se veem sozinhos. Porém, é aí que mora o X da questão: o empresário não pode ficar sozinho! E nem tem sentido ficar, considerando que cada estabelecimento no Brasil, obrigatoriamente, tem que contar com um profissional de contabilidade. Além do mais, ao ter alguém que o auxilie nas questões burocráticas, você está muito perto de encontrar o caminho para a solução dos seus negócios. Acontece que atualmente o mercado contábil passa por uma mudança interessante, cujos profissionais habilitados pelo CRC (Conselho Regional de Contabilidade) estão se aperfeiçoando em gestão empresarial, BPO Financeiro, entre outras ferramentas que fazem com que o trajeto a ser percorrido pelos empreendimentos tenha novas alternativas de maneira que o resultado patrimonial esteja não apenas garantido, mas dentro de uma consequência natural, fruto de uma administração e visão em tempo real e estratégico das oportunidades. O contador já não fica apenas registrando os fatos, atos e números de um negócio. Ele vem se atualizando em áreas como administração, consultoria e até mesmo tecnologia. Na verdade, todas essas frentes é que estão se convergindo em direção à contabilidade. Tais âmbitos têm se re-

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91

“Ao ter um profissional que o auxilie nas questões burocráticas, você está muito perto de encontrar o caminho para a solução dos seus negócios”. volucionado acoplando ao controle patrimonial, de resultado, diversos índices, fluxos de informações e demais estratégias que já estão enculturadas no cotidiano contábil. A questão é que você precisa se preocupar de fato com o funcionamento do empreendimento, com as vendas, entregas e publicidades,

pois isso promove a busca por recursos. No entanto, se ficar acomodado, sem saber provisionar e canalizar as ferramentas, você corre o risco de quanto mais vender, aumentar o prejuízo.

FATO É Hoje a contabilidade e, por consequência, o seu contador, podem te conduzir à perpetuidade do seu negócio. Por isso, cole nesse profissional, combine ações que vão levar à empresa a melhor desenvolver sua gestão, e aja, pois só tem resultados diferentes quem pratica atos diferentes!


G iro Social

Graduada em Comunicação Social - Jornalismo pela Fagoc; Sócia Diretora da Revista Fato! e da Fato Produções e Eventos. Contato: revistafato@gmail.com

Revista Fato!

Juliana Campos

70

A empresária e fonoaudióloga da Audiocentro, Renata Maciel ao lado do Prefeito Edson Chartuni.

O Prefeito de Divinésia Antônio Geraldo, ao lado da primeira dama, Cláudia Januzzi.

Click com Lilah Bortot, proprietária das Óticas Precisão.

Foto com a linda e querida, sócia proprietária dos restaurantes Japa Temaki e Chef’s, Ana Flávia Ribeiro.

Click com o querido e competente designer, Matheus Vieira.

Pausa na pista de dança para foto com a mais nova parceira da Fato!, Rosane Bressan, do Arabesco Espaço de Festas.

Registro com a cliente Lívia de Lucca, proprietária da Uovo Distribuidora.

Selfie com a querida amiga, a Delegada Dr.ª Deise Lúcia de Oliveira Fernandes.

Ao lado do meu esposo Bráulio de Paula e da empresária e fonoaudióloga Renata Maciel.

Click com esta cliente de longa data, a empresária, proprietária da Localiza, Maria Edith Santos.

Pausa para registro com a cerimonialista e parceira da Revista Fato!, Sabrina Brunetti.

Registro com o afilhado Nícolas, os empresários e papais Mário Coelho e Thays Dias, a cerimonialista Sabrina Brunetti e meu esposo Bráulio.

Registro com os amigos, Renata Maciel e Wagner Crispi.

A Família Januzzi marcou presença na Feijoada Vip 2019.

Registro da família Bortot – Óticas Precisão, clientes e parceiros da Revista Fato!

Como de praxe, não poderia faltar um registro na feijoada com a Dainna Gregório, da Fiber Piscinas.

Pausa para registro com as maravilhosas, Amanda Veríssimo, Renata Maciel, Caroline Balbino, Elaine Marques, Amanda Siqueira e Pidi Vieira.

Revista Fato! - Julho 2019 Edição #91


Profile for Revista Fato!

Revista Fato!  

Advertisement