Page 1

eua o declínio na popularidade de obama Revista de informação ANO X — Nº 76 OMNI EDITORA

SEÇÃO A NOVA CONFIRA

o Consum

www.revistafale.com.br

R$ 9,00

0 0 0 7 6>

ISSN 1519-9533

9 771519 95300 2

cabeças pensantes

Conheça as propostas dos candidatos ao Governo do Ceará. Saiba o que dizem Cid Gomes (PSB), Lúcio Alcântara (PR) e Marcos Cals (PSDB) sobre saúde, educação, transporte, segurança pública


REVISTA DE INFORMAÇÃO

EDITOR&PUBLISHER Luís-Sérgio Santos

EDITOR SENIOR Isabela Martin

Editor Associado Luís Carlos Martins EDITOR DE ARTE Jon Romano REDAÇÃO Yágara Schneider, Cinara

Sá, Liana Costa COLABORADORES Fernando Maia, Roberto Martins Rodrigues e Roberto Costa EDITORES DE ARTE Eduardo Vasconcelos, Cinara Sá DESIGNER GRÁFICO ASSISTENTE Breno Aôr GERENTE COMERCIAL Dena de Marchi n e-mail: dena@omnieditora.com.br MARKETING Mirza

Xenofonte JURÍDICO Mauro Sales SÃO PAULO Lilian Cardoso n Rua Paracatu, 309, sala 103 n CEP 04.302-020 São Paulo, SP n Fone (11) 2275.6787 BRASÍLIA (61) 8188.8873 SÃO PAULO (11) 6497.0424 IMAGEM Agência Brasil, AE, Reuters FINANCEIRO Fátima Souza REDAÇÃO E PUBLICIDADE Omni Editora

Associados Ltda. Rua Joaquim Sá, 746 n Fones: (85) 3247.6101 n CEP 60.130-050, Aldeota, Fortaleza, Ceará n e-mail: fale@revistafale.com.br n home-page: www.revistafale.com.br Fale! é publicada pela Omni Editora Associados Ltda. Preço da assinatura anual no Brasil (12 edições): R$ 86,00 ou o preço com desconto anunciado em promoção. Exemplar em venda avulsa: R$ 9,00, exceto em promoção com preço menor. Números anteriores podem ser solicitados pelo correio ou fax. Reprintes podem ser adquiridos pelo telefone (85) 3247.6101. Os artigos assinados não refletem necessariamente o pensamento da revista. Fale! não se responsabiliza pela devolução de matérias editoriais não solicitadas. Sugestões e comentários sobre o conteúdo editorial de Fale! podem ser feitos por fax, telefone ou e-mail. Cartas e mensagens devem trazer o nome e endereço do autor. Fale! é marca registrada da Omni Editora Associados Ltda. Fale! é marca registrada no Instituto Nacional de Propriedade Industrial. Copyright © 2010 Omni Editora Associados Ltda. Todos os direitos reservados. Impressão Prol Gráfica n Impresso no Brasil/Printed in Brazil. Fale! is published monthly by Omni Editora Associados Ltda. A yearly subscription abroad costs US$ 99,00. To subscribe call (55+85) 3247.6101 or by e-mail: df@fortalnet.com.br A Omni Editora não autoriza ninguém a falar em seu nome para angariar convites, presentes, empréstimos, permutas, benefícios de qualquer ordem. Qualquer relação comercial só terá validade sob contrato formal com a Omni através de sua diretoria.

DIRETOR EDITOR Luís-Sérgio Santos

TIRAGEM DESTA EDIÇÃO: 11.000 EXEMPLARES


||Pause foto antonio cruz_agência brasil

ArenaPolítica TalkingHeads Online BrasíliaOff Blogosfera

18

O que eles pensam

A um passo da decisão eleitoral, alguns candidatos majoritários e proporcionais apresentam suas propostas para melhorar a qualidade de vida da população e mostram quais prioridades devem ser atacadas e enfatizadas nos mandatos que se inciam em janeiro de 2011

40

Em declínio

Em sua primeira edição de setembro a revista semanal americana Time tenta explicar porque o prestígio do presidente Barack Obama chega aos índices mais baixos junto ao seu público interno

42

economia

Mídias sociais

As mídias sociais, através de suas ferramentas de ação e interação, criaram uma verdadeira onda de relacionamento e negócios dentro da web

SEÇ Õ ES

8 Talking Heads 10 Online capa: eduardo vasconcelos

13 Arena Política 14 Periscópio 57 Persona

dia da independência

Em Brasília, no dia 7 de setembro, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva abriu o evento que comemorou o dia da indepedência do Brasil. Com o tema “Viva o Brasil que existe em cada um de nós”, o desfile homenageou os estados brasileiros com apresentações de dança e música.

Este problema não será resolvido, porque os iranianos não vão recuar diante de ameaças.

fidel castro, líder cubano, em entrevista ao jornalista norte-americano Jeffrey Goldberg da revista The Atlantic, alertando para uma guerra nuclear entre os Estados Unidos e o Irã


||Pause

revistafale.com.br

Navegue no site da revista Fale! e acesse reportagens, entrevistas, vídeos, blogs, edições anteriores e suas versões digitais. Todo conteúdo é livre e na íntegra

VÍDEO

A corrida eleitoral

O candidato tucano à Presidência da República, José Serra, esteve em Fortaleza em maio. Na visita, Serra participou de uma palestra, que contou com a presença do senador Tasso Jereissati, e concedeu entrevista coletiva à imprensa local. Fale! acompanhou e registrou a vinda do presidenciável ao estado. Confira os vídeos no site. PRÊMIO

FALE! FM

Os 30 Cearenses Mais Influentes

O melhor dos anos 80 e jazz

Entre políticos, empresários, artistas e profissionais liberais, a revista Fale! elaborou, com a ajuda de seus leitores, a lista dos 30 cearenses mais influentes. No site, o internauta encontra a edição especial dedicada aos homenageados e acompanha a cobertura da cerimônia de entrega dos prêmios com fotos e vídeos.

 Toda a cobertura em vídeo da premiação está no site TWITTER

Fale! no Twitter

O site reserva um espaço para a rede social, onde cada tweet novo é exposto. As atualizações estão na página principal. Siga a revista em www.twitter.com/revistafale 6 | Fale!

|setembro de 2010

www.revistafale.com.br

Além de se informar, que tal ouvir uma boa música? A Fale! FM oferece músicas dos anos 80 ao Jazz, incluindo clássicos e novidades do cenário musical. O internauta pode conferir a programação em www.revistafale.com.br/falefm EDIÇÕES ANTERIORES

Conteúdo livre As edições anteriores da Fale! podem ser consultadas no site. Todo conteúdo tem acesso livre e está disponibilizado na íntegra. Para conferir as matérias passadas, acesse o endereço www.revistafale. com.br/edicoesanteriores. No site, também podem ser encontradas as versões digitais da revista.


Uma revista com a cara de Brasília.

A revista de informação de Brasília. Toda grande cidade merece uma grande revista.

www.revistafale.com.br/brasilia

(11) 6497.0424

BSB e d i t o r a

(61) 8188.8873


||Pause

TalkingHeads

Na minha campanha não tem clima de ‘já ganhou’ porque quem dá o clima da minha campanha sou eu. Dizer que a minha campanha tem salto alto, não tem não, porque eu não tenho salto alto.

dilma rousseff, presidenciável pelo PT, sem querer mostrar entusiasmo com as pesquisas de intenção de voto que apontam para uma vitória petista logo no primeiro turno

Só dissemos que eu e Lula somos políticos experientes, é uma verdade; que nossos nomes têm história, outra verdade; e por último, que eu tenho mais vivência do que Dilma, mais uma verdade indiscutível. josé serra, candidato do PSDB ao

Palácio do Planalto, rebatendo as críticas sobre a comparação entre ele, o presidente Lula e a candidata Dilma Rousseff, usada na campanha tucana

Fotos agência brasil

Se a história revela esse ponto de contato, não vejo por que ter que ser aviltado ou escondido. Obviamente, terei todo o cuidado de não fazer uso oportunista da imagem de quem quer que seja.

marina silva, candidata do PV à Presidência, ao ser questionada se pretendia usar a imagem do presidente Lula em sua campanha. Como “história”, Marina se refere à sua trajetória de 30 anos no PT

d e s t o a n t e

“Não precisa do Senado. Senado é coisa artificial. O país nunca foi federação, sempre foi unitário. É cópia dos Estados Unidos, só que lá funciona e aqui, não. Aqui é um valhacouto de caciques políticos.”

plínio de arruda sampaio, candidato do PSOL à Presidência, defendendo a extinção do Senado por considerá-lo o “reduto da oligarquia brasileira para impedir a aprovação de leis progressistas” Foto FABIO RODRIGUES-POZZEBOM_ABR

8 | Fale!

|setembro de 2010

www.revistafale.com.br


s

e

ç

ã

o

Educação é prioridade. Com R$ 250 milhões do aquário vamos implantar 100 escolas de ensino integral no Ceará.Lugar de jovem é na sala de aula. marcos cals,

candidato ao Governo do Ceará pelo PSDB, pelo endereço twitter/ marcoscals

roberto jefferson,

presidente nacional do PTB, pelo endereço twitter/ blogdojefferson

O político de verdade jamais tem medo do escuro. Tem medo é de claridade.

o s vi c e s d e b a t e m

no final do meu mandato. Quando você [Nelson Jobim] mandou o projeto, deveria ter mandado uma emendinha para mais uns anos de mandato.”

O Grupo Estado promoveu debate entre os candidatos à vicepresidência pelas chapas de Dilma Rousseff, José Serra e Marina Silva.

Essa pode ser a posição de Temer, mas não é de Dilma. Ela botou o boné do MST confraternizando com o pessoal deles.

presidente lula, em

tom de brincadeira, dirigindo-se ao ministro da Defesa, Nelson Jobim, durante a sanção do projeto de lei que dá poderes de polícia às Forças Armadas

INDIO DA COSTA,

Foto ROOSEWELT PINHEIRO_ABr

h u mor s e m c e n s u r a

Os comediantes finalmente estão na primeira divisão e estão sendo bem tratados e reconhecidos. Nada mais justo do que rever uma lei que vai totalmente contra a democracia e nos atinge em cheio. Lúcio Mauro Filho, ator, durante protesto no Rio de Janeiro, em frente ao Copacabana Palace, contra a lei eleitoral, já suspensa por meio de uma liminar, que proibia charges e sátiras de políticos durante o período de eleições. O movimento foi batizado de “Humor Sem Censura”

Foto gabriel alves

millôr fernandes,

escritor e humorista, pelo endereço twitter/ millorfernandes

Vi horario politico hj e to confuso. Todos sao bons, tem a melhor solucao pro pior problema. Todos tem boa intençao. Em quem voto hein! danilo gentili,

humorista e repórter do programa CQC da Tv Bandeirantes, pelo endereço twitter/ DaniloGentili

Humoristas são criaturas que não nasceram para organizar passeatas. Mas, diante de tamanha palhaçada no processo eleitoral brasileiro, alguém tinha que fazer alguma coisa. Mesmo que seja uma passeata de palhaços, o que não deixa de ser patético, mas animador. marcelo tas, jornalista e apresentador do programa humorístico CQC, sobre a manifestação em Copacabana

www.revistafale.com.br

candidato a vice-presidente na chapa de José Serra, rebatendo a declaração de Michel Temer, vice de Dilma, de que “não toleraria o que está fora da lei”

Vez ou outra se tentou reduzir um pouco o nível. Eu não entro no nível da redução do debate. Acho que o debate que interessa ao País é o debate técnico.

||Pause

Eu apoio Serra a pedido do Geraldo Alckmin. Sou Geraldo, não conheço o Serra. Só de ouvir falar.

“Está certo que está

michel temer, candidato a vice ao lado de Dilma Rousseff, referindo-se à postura de Indio da Costa

Não quero entrar nessa polêmica que se estabeleceu logo após a indicação do aguerrido deputado Indio da Costa, com seu arco e flecha. Mas é muito provável que o narcotráfico permeie, sim, a política brasileira. guilherme leal, vice de Marina Silva, procurando não se envolver com as acusações de Indio de que o PT teria relações com o narcotráfico

setembro de 2010 |

Fale!

|

9


||Pause

Online eReader brasileiro

Aproveitando que o mercado de livros digitais está em alta, a Positivo Informática lançou no Brasil o Alfa, primeiro leitor digital brasileiro. Com características bastante parecidas com o Kindle, da Amazon - como a tecnologia e-ink da tela, que não emite luz e imita a impressão do livro tradicional — o Alfa possui mais vantagens do que desvantagens em relação ao aparelho norte-americano. Para começar com os pontos positivos, o Alfa é menor e mais leve (240 gramas e 8,9 mm de espessura), o que torna a leitura mais confortável. Possui tela touchscreen e teclado virtual. Os 2GB de memória flash interna podem armazenar até 1500 livros e se expandir para até 32GB com cartão microSD, vendido separadamente. O contraste de tela do Alfa é semelhante ao do Kindle, mas com um detalhe que o coloca em vantagem: possui uma ferramenta que faz uma limpeza da tela, deixando o texto mais nítido. O sistema operacional dos dois é baseado

Motoristas, atenção

A mistura celular e direção custa muitas multas para milhares de brasileiros. Agora, um projeto de lei, de autoria do deputado federal Carlos Bezerra (PMDB-MT), pretende inibir ainda mais os motoristas infratores. De acordo com a proposta, a infração de dirigir falando ao celular passaria de média para gravíssima e a multa correspondente aumentaria de R$ 85,13 para R$ 191, 54. A punição não se refere somente ao uso de celulares, mas se estende também a outros aparelhos de comunicação, computação ou entretenimento, que não são tratados atualmente no Código de Trânsito brasileiro. O argumento do deputado autor do projeto é de que, manipulando aparelhos eletrônicos, o motorista põe em risco não só ele mesmo como também pedestres e outros motoristas. Além disso, ele afirma que “o uso de celulares exige atenção e procedimentos de controle motor detalhado, o que o torna totalmente incompatível com o ato de dirigir”.

no Linux, mas os meios de navegação do leitor brasileiro têm um visual mais agradável. Outra ferramenta interessante é o Dicionário Aurélio integrado: basta o usuário tocar em uma palavra para procurar o seu significado. Além disso, ao contrário do Kindle, o Alfa suporta o formato DRM – escolhido pelas maiores editoras brasileiras para proteger livros digitais de cópias não autorizadas. O aparelho ainda lê os formatos ePub, PDF HTML eTXT e possui uma bateria que dura 20 dias ou 10 mil páginas lidas. Passando para os pontos negativos, o Alfa não lê livros vendidos pela Amazon, não tem conexão com a internet - o usuário primeiro compra a publicação pelo computador e depois a transfere para o aparelho via USB -, seu sistema de buscas poderia ser mais rápido e a organização da biblioteca é deficiente em relação ao Kindle. Mas o pior de seus defeitos é o preço elevado: pode custar entre R$ 650 e R$ 750.

Proteção à privacidade Rígida quanto às suas leis de privacidade, a Alemanha quer agora proibir empresas de utilizar redes sociais para se informar sobre candidatos que estejam na disputa por uma vaga de emprego. A lei, que ainda será discutida pelo Parlamento, pretende proteger a privacidade dos candidatos durante o processo seletivo. Caso seja aprovada, as redes sociais mais populares do país - Facebook, schülerVZ, studiVZ e StayFriends - não poderão ser utilizadas por empresas para ter acesso à informações pessoais dos seus candidatos. Já o uso de redes sociais voltadas para perfis profissionais será permitido. O grande obstáculo será a aplicação da lei, pois será difícil fiscalizar seu cumprimento. A expectativa dos seus defensores é de que os gestores das corporações tenham consciência e respeitem as regras. Caso contrário, poderiam pagar uma multa de até 381 mil dólares.

O QUE É NOVO Headphones lendários. Rock Legends é a mais

nova coleção de headphones da Funko. Cinco modelos de fones de ouvido homenageiam músicos e álbuns históricos para a música mundial: Jimi Hendrix, Ramones, Horror Punk e Bob Marley - este recebe 10 | Fale!

|setembro de 2010

homenagem dupla, com duas versões. Cada headphone custa US$34,99 na pré-venda do site www.bigbadtoystore.com, que aceita encomendas do Brasil.

www.revistafale.com.br

Buscador chinês

Mais um capítulo da novela que envolve os gigantes China e Google. O governo chinês anunciou que criará um buscador para fazer frente ao site norte-americano no mercado local. A companhia Search Engine New Media International Communications foi criada para desenvolver o site, que será tocado pela operadora de telecomunicações China Móbile e pela agência de notícias Xinhua News Agency, todas controladas pelo estado. Uma tentativa parecida do governo chinês – de criar um buscador à sua maneira – aconteceu quando foi lançado o Goso, criação do jornal oficial do Partido Comunista. Mas a ferramenta não funcionou a contento, pois não chegou sequer a assustar o Google – que detém 24% do mercado chinês – muito menos o Baidu, que domina 70% do segmento. De acordo com o vicepresidente da agência Xinhua, Zhou Xisheng, a companhia criada “também trabalhará no desenvolvimento de negócios nos setores de internet, meios impressos e publicidade”. Não foram divulgados o valor do investimento nem a data em que o serviço será disponibilizado.


Online fonte: nmap.org/favicon/

Google

287 sites têm o alcance combinado de 91,79%

Facebook

21 sites têm o alcance combinado de 29,17%

Yahoo!

8 sites têm o alcance combinado de 27,61%

YouTube 16 sites têm o alcance combinado de 29,17%

The Empty File

20.130 sites têm o alcance combinado de 17,15%

Microsoft

10 sites têm o alcance combinado de 4,7%

Twitter

11 sites têm o alcance combinado de 4,69%

MySpace

6 sites têm o alcance combinado de 4,03%

Bing

15 sites têm o alcance combinado de 3,48%

LJ

LiveJasmin

31 sites têm o alcance combinado de 3,31%

RapidShare

MSN

6 sites têm o alcance combinado de 3,17%

Wikipedia

4 sites têm o alcance combinado de 2,96%

32 sites têm o alcance combinado de 12,97%

15 sites têm o alcance combinado de 12,54%

Orkut

Yandex

Wordpress

7 sites têm o alcance combinado de 2,65%

Gravatar

18 sites têm o alcance combinado de 2,53%

1.123 sites têm o alcance combinado de 6,31%

650 sites têm o alcance combinado de 5,03%

Yahoo! web hosting

43 sites têm o alcance combinado de 4,99%

Aol

Yandex

2 sites têm o alcance combinado de 2,42%

Flickr

Yahoo! Japan

4 sites têm o alcance combinado de 2,4%

eBay

13 sites têm o alcance combinado de 2,4%

1 site tem o alcance de 4,96%

32 sites têm o alcance combinado de 4,94%

Microsoft

23 sites têm o alcance combinado de 4,7%

Vkontakte Craiglist

18 sites têm o alcance combinado de 2,35%

vBulletin

2.346 sites têm o alcance combinado de 2,35%

Mail.ru

2 sites têm o alcance combinado de 2,1%

IMDb

4 sites têm o alcance combinado de 2,07%

LinkedIn

3 sites têm o alcance combinado de 2,02%

GO.com

1 site tem o alcance de 1,97%

Sohu

1 site tem o alcance de 1,93%

Megaupload

6 sites têm o alcance combinado de 1,88%

DoubleClick

2 sites têm o alcance combinado de 1,85%

Plesk

3.165 sites têm o alcance combinado de 1,79%

Apple

3 sites têm o alcance combinado de 1,75%

Hi5

1 site têm o alcance de 1,72%

About.com

6 sites têm o alcance combinado de 1,66%

Youku

3 sites têm o alcance combinado de 1,54%

Plesk

2.564 sites têm o alcance combinado de 1,53%

YouPorn

3 sites têm o alcance combinado de 1,53%

www.revistafale.com.br

MediaFire

2 sites têm o alcance combinado de 1,51%

Kaixin001

1 site tem o alcance de 1,45%

Megavideo

1 sites tem o alcance de 1,42%

Blogger

2.890 sites têm o alcance combinado de 1,42%

Soso

2 sites têm o alcance combinado de 1,40%

XVideos.com

1 site tem o alcance de 1,34%

ESPN

10 sites têm o alcance combinado de 1,33%

Adobe

12 sites têm o alcance combinado de 1,27%

Renren

3 sites têm o alcance combinado de 1,05%

Odnoklassniki

16 sites têm o alcance combinado de 1,04%

The Pirate Bay

6 sites têm o alcance combinado de 0,97%

RedTube

3 sites têm o alcance combinado de 0,96%

xHamster

1 site tem o alcance de 0,94%

FriendFinder Networks

39 sites têm o alcance combinado de 0,94%

Rediff.com

5 sites têm o alcance combinado de 0,94%

The New York Times

ImageShake

2 sites têm o alcance combinado de 0,93%

Rakuten

1 site tem o alcance de 0,92%

4shared

1 site tem o alcance de 0,91%

6 sites têm o alcance combinado de 1,24%

6 sites têm o alcance combinado de 1,22%

2 sites têm o alcance combinado de 1,16%

LiveJournal

6 sites têm o alcance combinado de 1,13%

Joomla

2.395 sites têm o alcance combinado de 1,13%

Travian

42 sites têm o alcance combinado de 1,06%

Digg

Clicksor The Weather Channel

3 sites têm o alcance combinado de 0,88%

TypePad

920 sites têm o alcance combinado de 0,88%

MyWebSearch

2 sites têm o alcance combinado de 0,84%

setembro de 2010 |

Fale!

|

11

||Pause

Os gigantes da web

Esse curioso mapa mostra os FAVIcons – ícones dos sites da web mais acessados. O arranjo é fruto de uma pesquisa realizada no início de 2010, utilizando o Scanner de Segurança NMap, software livre que testa as ports – ou portas – de servidores virtuais, descobrindo os usuários existentes em uma rede de computadores. A área de cada ícone é proporcional à soma do alcance de todos os sites que o utilizam. Quando o nome de um domínio e a sua webpage utilizam o mesmo ícone, somente um é contado. FAVIcons de destaque, como o Google, Youtube, Wikipédia, Facebook e Twitter são facilmente identificados. Os outros sites menores podem ser conferidos no Icons of the Web (http:// nmap.org/favicon), que permite arrastar e dar zoom na imagem.


||Pause

Online

A

O NEGÓCIO DAS MÍDIAS SOCIAIS

revista americana Business Week, publicou um levantamento mostrando que os EUA tem hoje mais de 30,000 empresários sociais, pessoas que tem negócios direcionados para sanar problemas da sociedade, como a pobreza, a poluição ou a desnutrição. Juntas, essas empresas representam um setor em ascensão que possui renda de 40 bilhões de dólares anuais. Em uma lista produzida pela revista americana ano passado dos 25 Empresários Sociais Mais Promissores, se encontra a americana de 25 anos Rachel Sterne, fundadora e editora-chefe do GroundReport.com, um site global de jornalismo colaborativo ou cidadão, que contribui para erradicar a barreira informacional em regimes ditatoriais ou repressivos, principalmente no oriente, veiculando novos pontos de vista sobre eventos globais que sofrem censura jornalística. Com mais de 4,000 colaboradores que são pagos por suas contribuições, o objetivo do site é trazer “uma perspectiva local em eventos globais que você não irá encontrar em outro lugar – com mais rapidez e profundidade do que na mídia tradicional”. Com isso, o GroundReport conseguiu distribuir para o mundo todo cenas dos protestos no Tibete, abusos no Afeganistão e, mais recentemente, dos protestos nas eleições iranianas. A iniciativa do GroundReport consegue alavancar o número de informações

sobre esses acontecimentos, enquanto lucra significativamente com a produção, através da venda de anúncios no site e parcerias. Adepta às mídias sociais para impactar positivamente e trazer mudanças, Rachel não deseja substituir a mídia convencional, mas “complementá-la com uma perspectiva um pouco diferente”, afirmou a jovem empresária, consciente do poder das ferramentas de comunicação digital no contexto global atual, tanto nas causas sociais como no mercado. Para Fale! ela deu dicas sobre como lidar com a convergência das mídias sociais com o mundo dos negócios, auxiliando, principalmente, o desenvolvimento de pequenas empresas pela comodidade e acessibilidade das novas mídias.

O depoimento de Raquel Sterne para Fale “A coisa

sua responsabilidade usar de clareza e repetição em todas as suas comunicações — de entrevistas na imprensa a atualizações no Twitter — para definir seu foco e sua proposta de valor. Você também pode usar plataformas de mídias sociais como YouTube, Vimeo, Flickr e Tumblr para trazer sua empresa à vida. Filme um vídeo de sua padaria e poste-o no Youtube. Tire fotos de seu time e coloque-as no Flickr. E faça com que tudo seja disponibilizado em ferramentas de blog centralizadas como Tumblr e WordPress. Finalmente, a melhor parte de várias destas ferramentas de mídia digitais é que elas são gratuitas!”

!

mais importante ao se construir uma estratégia midiática para pequenas empresas é ser acessível e consistente. Torne mais fácil para clientes, sócios e distribuidores lhe contatarem, e use ferramentas como Twitter, páginas do Facebook e ferramentas de blogs com comentário para introduzir seu negócio nos assuntos da indústria. Importante também é ser consistente. Se você tem uma pequena empresa ou negócio, a maioria das pessoas ainda não sabe o que você faz, como, ou o que lhe torna tão especial. É

12 | Fale!

|setembro de 2010

www.revistafale.com.br


ArenaPolítica

os pseudo formadores

o trabalho infantil no país

O trabalho infantil continua em queda em 2009, mas ainda há 4,3 milhões de crianças e adolescentes, de 5 a 17 anos, ocupados no Brasil. Em 2008, eram 4,5 milhões. O Nordeste se manteve no topo das estatísticas (11,7%), ainda que tenha conseguido reduzir em 5,2% o trabalho infantil. A menor taxa está no Sudeste (7,6%). Apesar do declínio detectado pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), especialistas estão preocupados, porque 123 mil crianças, de 5 a 9 anos de idade, continuam trabalhando no país.

D

ilma Rousseff, a candidata do PT à Presidência da República, assegura, eleita, promoverá ações para o desenvolvimento da Região Norte que apresentou desempenho muito aquém das demais regiões brasileiras em relação à desigualdade de renda, conforme mostrou a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), coletada em 2009 e divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatítica — IBGE. A região, de acordo com a Pnad, foi a única a apontar aumento da desigualdade. O índice de Gini, que considera os rendimentos do trabalho, era de 0,479, em 2008, e saltou para 0,490, em 2009, diferente das demais regiões que apresentaram diminuição. “É um esforço enorme que temos que concentrar agora na Região Norte porque tivemos uma situação sem mudança. Nós fizemos um empenho grande no Norte e no Nordeste. O Nordeste respondeu melhor, mas o Norte não. A pesquisa servirá para implementar políticas mais voltadas para essas regiões”, avalia Dilma. A diminuição da desigualdade de renda nas demais regiões é um claro sinal de que o país passou bem pela crise financeira mundial, segundo avaliação

de Dilma. “A prova de que não tivemos um tsunami [ondas gigantes] no Brasil, por conta da crise, é que o índice que mede a desigualdade de renda domiciliar caiu. Geralmente, na crise, a desigualdade aumenta muito”. Outro ponto destacado por Dilma como uma bom desempenho do Brasil diante da crise, é o fato de que a formalização do emprego continuou no país. “É importante notar que mesmo diante da crise a formalização continuou”, afirmou. Dilma também comenta os dados do analfabetismo no Brasil que demonstram uma redução muito lenta. A pesquisa mostrou que a taxa de analfabetismo passou de 10% para 9,7%, de 2008 para 2009, uma diminuição “leve”, na avaliação do próprio IBGE. Mesmo assim Dilma ainda viu um ponto positivo no perfil dominante do analfabeto brasileiro que é de pessoas com mais de 50 anos moradoras da zona rural. “É uma boa notícia não se estar criando o analfabetismo nas faixas de idade mais baixas. Portanto, o analfabetismo que existe no Brasil se deve ao processo de analfabetismo que ocorria no passado, quando essas pessoas tinham que ter escolarização e não tiveram.” n

Moçambique estuda importar modelo do Bolsa Família Depois de tentar reajustar preços de tarifas públicas por duas vezes em dois anos e ter que voltar atrás após manifestações populares, o governo de Moçambique está sendo encorajado pela comunidade internacional a tentar um novo caminho: implementar as chamadas “medidas de proteção social” em grande escala. Os doadores estrangeiros — que respondem por quase metade do Orçamento do país — defendem que criar ou manter subsídios para não aumentar preços pode sair “caro demais no futuro”. Um dos projetos que já foi estudado é o Bolsa Família, do Brasil. “Vamos aproveitar as www.revistafale.com.br

experiências que deram certo. Não é preciso inventar nada”, avalia o ministro moçambicano da Pesca, Victor Manuel Borges em nome do presidente de Moçambique, Armando Emilio Guebuza. “Já seguimos neste caminho como parte da nossa luta contra a pobreza, ao implementar o Papa [Plano de Ação para Produção de Alimentos]. Mas é preciso ir adiante.” A ideia de implementar o Bolsa Família em Moçambique é recorrente. Nos últimos anos os diplomatas brasileiros vem sendo consultados sobre o projeto. As maiores dificuldades, apontam os especialistas, são a logística e a fiscalização, consideradas complexas e caras. setembro de 2010 |

Fale!

|

13

||Pause

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva aponta sua metralhadora para os “pseudo-formadores de opinião pública” no Brasil. Para Lula o país está melhorando porque o povo passou a votar sem levá-los em consideração. “A minha alegria é imensa de saber que eu cheguei a presidente da República porque um dia vocês tiveram consciência política e não tiveram medo de votar em mim. Porque um dia vocês acreditaram em vocês mesmos. Eu acho que essa é a grande coisa que eu vou deixar quando eu sair da Presidência: que o povo trabalhador desse país, a classe média e os pobres aprenderam a pensar pela sua cabeça, a andar com suas pernas, a enxergar pelos seus olhos e a votarem pela sua consciência, e não pelos pseudo-formadores de opinião pública desse país. E é por isso que o Brasil tá melhorando.”

Dilma e as desigualdades regionais


||Pause

Periscópiofernando maia Glória com revanchismo

N

Oligarquia I

Acha o deputado Luis Pontes que o Ceará não tem por que julgar o Sr. Cid Gomes, de cujo governo brotou não uma democracia estável, mas uma sucessão de erros montados com base num ajuntamento de políticos fisiológicos que permaneceram com ele, mesmo depois de constatarem que o seu único interesse não era o bem do Ceará. Seu interesse e ra o bem dele mesmo, garantido por uma oligarquia que estava construindo à revelia do povo.

Oligarquia II

O Sr. Luis Pontes, que conviveu com esse regime, acreditava tratar-se de algo puro, mas diz que acordou antes do último ato. A ele e aos seus correligionários do PSDB foi apresentado um programa de governo visando o bem-estar social e a preservação das instituições partidárias, mas tudo não passava do arcabouço de um aparelho estatizante, assegura o deputado, orientado para fabricar e entronizar um Deus ao qual todos os políticos do estado deveriam se converter e adorar. Pulou fora.

Adesões

Para os governistas de Cid Gomes, a vitória nas urnas virá logo no primeiro turno. O deputado Mauro Filho, por exemplo, político arguto e compilador dos resultados eleitorais nos últimos 20 anos, afirma nunca ter visto no Ceará um festival de adesões como o que se registra atualmente. 14 | Fale!

|setembro de 2010

ão se conhece na história contemporânea

do Brasil qualquer candidatura que tenha logrado êxito lançada três meses antes de uma disputa eleitoral. No Ceará, há duas candidaturas nestas condições. O PSDB e o PR apresentaram seus nomes à sucessão estadual, quase que simultaneamente, no apagar das luzes da data limite para registro de candidaturas. Isso é brincar de fazer política. Para piorar, entregaram a dois jovens desconhecidos e inexperientes a tarefa hercúlea de secundar candidaturas que já estavam na bacia das almas esperando outubro para receberem a extrema unção. Isso é continuar brincando de fazer política. Contrastando essa situação que já nasceu anômala, Cid Gomes estava candidato desde o dia em que tomou posse como governador do Ceará em 2006. Trabalhou nos últimos quatro anos o objetivo de reelejer-se. Para facilitar a vida do governador, durante todo esse tempo, as principais lideranças do estado brincaram de fazer política, batendo palmas e dizendo sempre amém, cultivando o estranho hábito de não fazer oposição. Nove partidos aliados ficaram abrigados no frondoso guarda-chuvas do poder para continuarem elegendo os seus peões na moleza. O senador Tasso Jereissati, único que poderia liderar uma tropa no caminho oposto, foi contaminado pelo fisiologismo. Jogou a toalha e

www.revistafale.com.br

também partiu para engordar o batalhão real na esperança de ser respeitado. Não foi, e vai terminar fragorosamente derrotado nas urnas. Perdeu a sua força quando, sem qualquer acanhamento, aderiu para não se arriscar na oposição. Foi o seu grande erro. Findo o processo eleitoral, ele e o seu partido estarão soterrados pela avalanche cirista. A falta do contraditório em qualquer regime político transforma o governante em ditador. É frustrante para qualquer povo não ter direito à cidadania plena porque os seus líderes amarelaram, descumprindo o ritual nobre de representá-los também na derrota. Não temos contrários. Só temos gente a favor, como se a política fosse via de mão única. Essa prática nos leva à pior de todas as democracias, legitimando com o voto candidaturas do totalitarismo oportunista que o governador não pediu, ou mesmo desejava, roubando pela fraqueza dos homens, a palavra discordante. Os que não queriam o endeusamento do governador dizendo-se contrários a oligarquia que estaria em curso, foram os que mais contribuíram para glorificá-lo quando concordaram em servi-lo como aliado, deixando livre o caminho da reeleição. Agora basta empurrá-los contra a cerca velha que guarda o sítio do Cambeba, para o governador dar conteúdo revanchista a sua vitória nas urnas, impondo aos adversários uma severa e humilhante derrota logo no primeiro turno. n


Periscópio FERNANDO MAIA

Finalmente

Depois de muita luta desde que assumiu cadeira na Câmara Municipal, o vereador João Alfredo (PSOL) conseguiu ver aprovado o seu projeto para a criação do Sistema Cicloviário de Fortaleza. A cidade possui 200 mil ciclistas que necessitam de espaço próprio para se locomover.

foto alana andrade

novo cidadão de fortaleza

Em solenidade na Câmara Municipal de Fortaleza, o empresário Mario Feitoza recebeu no último dia 26 a mais alta comenda concedida pela Casa Legislativa: a Medalha Boticário Ferreira, entregue pelo deputado Gony Arruda. Natural de Tauá, Mario foi distinguido pelos serviços prestados a Fortaleza no que diz respeito à geração de emprego e renda. Dono do Grupo MCF, integrado por nove empresas, é considerado um gênio das finanças. Como executivo, inovou, reinventou e ajudou a expandir o BMC no Ceará e pelo Brasil durante 14 anos. A determinação e a coragem de Mário construíram uma imagem de executivo “vip”, fazendo dele um dos nomes mais respeitados no mercado financeiro paulista.

Para entender

cria vs criador

O que nós, “povo”, temos que respirar, se é que nos resta ainda pelo menos esse direito, é a fumaça que está ao nosso alcance para reagir a conchavos que se processam à revelia da nossa vontade para atender aos que pensam que mandam em nós. Êta coisa complicada. O ontem é o Tasso lapidando o Ciro Gomes, o hoje é a cria voltando-se contra o criador e o amanhã é a disputa de espaço para ver quem mandará daqui pra frente. Eles decidem a sorte do povo idiota e ignorante que sou eu e que é você, porque nem eu nem você acreditamos que a cidadania e a liberdade sejam responsabilidades nossas. Todos somos proprietários de um patrimônio que teimamos em desconhecer, mas que é meu, é seu e de todos que são solidários à desproposital e cômoda ignorância coletiva nacional.

reféns eleitorais

Mas quem será mesmo o meu dono, ou o dono do meu voto? Cid Gomes, Marcos Cals, Lucio Alcântara? Ao que parece, está provado que todos eles, menos a quem cabe a mecânica das urnas, que sou eu mesmo. Eles mandam, escolhem e eu cumpro, contra a minha vontade. Há coisas que os dirigentes partidários, por defesa própria e por interesse conveniente se recusam a revelar, e uma delas define o coração da disputa eleitoral. Na verdade, nós não somos corrompidos pelo dinheiro, mas nos tornamos reféns do tráfico de influência subordinado à interesses pessoais e de amizades, e por ufanismo reacionário, terminamos donos de um poder submisso, e como todo bom brasileiro, cumprimos uma missão de cidadania sem avaliar o processo, a escolha e a mentira que iremos legitimar. A gente sempre culpa os outros, mas na realidade, nós é que somos culpados.

isca petista

Há problemas internos entre os tucanos a resolver mais do que depressa, antes do vaticínio das urnas. Se a maioria do partido está disposta a solidarizar-se com o seu candidato, existe ainda gente em cima muro. A declaração de Cid Gomes apregoando uma união do PT com o PSDB depois da eleição, é um chamamento amaldiçoado que Tasso não quer sequer ouvir falar. É um canto de sereia intempestivo alimentando os caminhos tortuosos da traição, isca de peixe de beira d’água em lagoa barrenta. Depois do três de outubro, TJ não aceitará mais o caminho do passado. A idéia é construir um novo PSDB com as colunas sobradas do templo tucano que irá sumir nesta eleição. www.revistafale.com.br

Vejam só essa pequena amostragem da falta de firmeza e de oportunismo dos nossos políticos no interior. Em Aracati, o prefeito Expedito Ferreira, maior criador de camarão em cativeiro do país, coloca toda a sua tropa em defesa da chapa “PimenTasso”. Já o seu principal aliado, Felipe Costa Lima, que é vice-prefeito, apóia a dupla “EuniTasso”. Ambos asseguram que assim ninguém ficará triste nem haverá perdedores.

Advertência

Em palestra para universitários, o jurista, professor e escritor Djalma Pinto, ex-Procurador Geral do Estado, deu uma declaração até certo ponto surpreendente, mas lapidar, ao advertir que “o sistema partidário brasileiro ainda se encontra muito distante da verdadeira política com democracia e com ética”.

Traíra

O Sr. Esmerino Arruda, velho jequitibá da política cearense que conheceu e conviveu no Congresso Nacional com grandes nomes da política brasileira — como Benedito Valadares, Carlos Lacerda, Otavio Mangabeira, Tancredo Neves e tantos outros — jogou os bons exemplos desse convívio no buraco negro da escuridão. Demitiu-se do apoio aos tucanos e foi à procura de Cid Gomes no PSB de armas e bagagens, mas deixou o deputado Goni Arruda, seu filho, apoiando a candidatura de Marcos Cals. O Galeguinho não gostou, como era de se esperar. Cédula de duas cabeças não vale. setembro de 2010 |

Fale!

|

15

||Pause

Ao largo da disputa pelo governo do estado, trava-se o duelo do ontem que atropela o hoje e passa por cima do amanhã. Não se trata da disputa pelo “Seara” como território geográfico, capitania hereditária de Martins Soares Moreno. Trata-se do Ceará da República, regido por um regime democrático que tem os seus mandatários escolhidos pelo povo. Há três “povo” neste caminho que não são os povos regidos pela concordância verbal. Há o povo Tasso Jereissati, PSDB, o povo Cid Gomes, PSB, e o povo Luizianne Lins, PT, cada qual decidindo, a seu modo, quem é o “povo do social” que somos todos nós, mas que eles entendem como pessoal, deles... Dá para entender?

Repartindo o pão


10Perguntaspara

PRETO ZEZÉ

C

oordenador geral da Central Única das Favelas — Cufa-Ceará, vice-presidente

||Pause

da Cufa Brasil, membro do Conselho Nacional de Juventude, educador, produtor cultural, rapper, cineasta e escritor. A fama precede o nome do cearense Francisco José Pereira Lima. Preto Zezé, como é conhecido, milita nos palcos — e principalmente fora deles — há 19 anos. Zezé trabalha na Cufa ao lado de nomes como MV Bill e Celso Athayde, com quem produziu, em 2006, o documentário Falcão – Meninos do Tráfico, exibido pela TV Globo e lançado em DVD. Recentemente, lançou outro documentário — Selva de Pedra, a Fortaleza Noiada — onde investiga o consumo de crack pelos jovens da cidade. Para ele, a discussão sobre a pobreza já está ultrapassada. O verdadeiro desafio é combater a desigualdade social que alcança a formação da juventude. “Ou universalizamos as oportunidades, ou continuamos vendo o quadro difícil em que se encontram nossos jovens no país inteiro.”, diz. Fale! A Central Única das Favelas é uma organização reconhecida nacional e internacionalmente, com projetos premiados, inclusive, pela Unesco. Quais são as áreas de atuação da Cufa no Ceará? Preto Zezé. São várias. Temos programas nas áreas de esporte, lazer, comunicação, saúde, cultura e qualificação profissional. Todos eles têm o objetivo de democratizar as oportu Siga o Preto Zezé nidades de atuação do jovem nas suas comunidades, pois no Twitter somente acreditamos numa mudança se os que passam @pretozeze pelos problemas tomarem o rumo das soluções dos mesmos. Hoje atuamos em algumas frentes importantes. Temos o basquete de rua, que é nossa estratégia de inclusão social a partir do esporte. Temos também um programa de rádio, na Universitária FM, 107.9, que já está no ar há 11 anos e funciona como canal de expressão da produção musical, em particular do rap, se projetando como espaço de comunicação, denúncia e entretenimento. Estamos em fase de preparação para implementar outro projeto, em parceria com o Pronasci – Programa Nacional de Segurança Pública e Cidadania –, do Ministério da Justiça, que se chama Os Invisíveis. Ele vai utilizar o basquete de rua como estratégia de linguagem, inclusão e mobilização de jovens que estão em conflito com a lei. Por último, estamos nos preparando para lançar um grande movimento contra o crack. Fale! Há alguma parceria entre a Cufa e o poder público nos projetos desenvolvidos? 16 | Fale!

|setembro de 2010

www.revistafale.com.br


Fale! Na capa de seu livro está escrito “A epidemia do crack em Fortaleza”. Quais são as reais dimensões do problema do crack? Preto Zezé. Para as favelas, o crack já é pauta há uma década. Infelizmente, só virou manchete após atingir o asfalto. As mortes e tragédias do lado pobre da cidade são somente estatísticas ou, no máximo, pauta para aumentar a audiência dos programas policiais. Apesar de ser uma droga onde a maioria atingida são os pobres, principalmente a juventude, o crack rompeu as fronteiras e democratizou a tragédia para todos os lados. Sentimos os danos sociais do crack na segurança, na violência contra mulheres, crianças e idosos e, principalmente, na morte de dezenas de jovens que tombam dia-a-dia devido às dívidas e na tentativa de adquirir uma pedra de crack! No debate eleitoral ficou claro que nenhum dos candidatos soube responder sobre a questão do crack. Eles só reproduzem a denúncia de que o crack está matando

a nossa juventude. Isso não é novo! Como também não é nova a solução somente a partir das clínicas e da polícia. Ambas funcionam de maneira desarticulada e já se mostraram ineficazes. Estamos concluindo nossa pesquisa sobre o crack, que se iniciou ainda quando gravamos o documentário Falcão – Meninos do Tráfico. Depois de três longos anos, produzimos um vídeo documentário, um CD coletânea de rap, e eu estou concluindo um livro de mesmo nome, onde revelo os bastidores da gravação!

Quero discutir divisão de riquezas e oportunidades. Caso contrário, iremos compartilhar tragédias e tristezas. Fale! A relação entre drogas e violência é direta? Preto Zezé. Isso é relativo. Existe o consumo de algumas drogas que não tem ocasionado a violência. Mas hoje em dia todos os dados apontam o álcool como mola mestra de grande parte da violência. Fale! Como o senhor encara o desafio da inclusão social em Fortaleza? Preto Zezé. Como o maior que temos. Sem resolvermos esse desafio, todos os outros ficam comprometidos! Somos uma das capitais mais desiguais do mundo. Temos que superar a discussão sobre pobreza, pois não se trata mais disso. A questão central é como dividimos a riqueza e que valores vão nos guiar nesse processo. Não podemos achar normal que tenhamos casas granwww.revistafale.com.br

des e senzalas em nossa cidade e que isso caminhe tranquilamente com o discurso de que seremos a 6ª ou a 5ª economia do planeta. Ainda temos coisas básicas para resolver, como educação, saneamento, transporte, e, principalmente, temos que pensar em como superar o quadro complexo que é a morte de jovens, pretos de favela. Isso é grave demais a meu ver. Fale! Qual o déficit social hoje na Grande Fortaleza em relação aos jovens? Preto Zezé. Tivemos até um avanço em relação às políticas públicas para a juventude. Mas tudo ainda é muito novo. No âmbito federal, a questão da juventude e das políticas públicas tem somente cinco anos. A maioria dos gestores acha que qualificação profissional resolve o problema. Mas para os filhos dos pobres. Para os filhos dos ricos e classe média tem balé, cinema, teatro, literatura, natação, etc. Ou universalizamos as oportunidades, ou continuamos vendo o quadro difícil em que se encontram nossos jovens no país inteiro. Fale! De que forma podemos universalizar essas oportunidades? Preto Zezé. A cidade vai receber um grande evento, como a Copa do Mundo, por exemplo. Tudo bem que seja oferecido o curso de bombeiro hidráulico, mas não podemos tirar o sonho dos jovens que querem ser cineastas, webdesigners, advogados e engenheiros. As políticas públicas têm que elevar a auto-estima e o acesso às oportunidades em uma cidade rica como Fortaleza. Por que nossos jovens de escola pública não podem receber os estrangeiros que vêm ao Brasil, como ocorre em Sobral, por exemplo, onde, na Bienal de Dança, vi jovens falando inglês, espanhol e outros idiomas? Por que nossos jovens ao invés de ficar somente com um isopor na cabeça, não podem ser os nossos chefs, já que nossa gastronomia é rica em diversidade e reconhecida internacionalmente? Não podemos aceitar que o processo de desigualdade se agrave, por isso me recuso a ir discutir combate à pobreza. Quero discutir divisão de riquezas e oportunidades. Caso contrário, vamos compartilhar tragédias e tristezas. n setembro de 2010 |

Fale!

|

17

||Pause

Preto Zezé. Em parceria com o Governo Federal, desenvolvemos três projetos que julgamos fundamentais no momento. Um na área da saúde, que se chama Aliança Social Contra o Crack, onde, em parceria com a Secretaria de Saúde dos municípios e com o Ministério da Saúde, atuamos no sentido de reunir os usuários de crack e informá-los sobre os serviços que oferecemos. A ideia também é montar uma grande rede de articulação. Para isso utilizamos os elementos do hip-hop. Outro projeto, em parceria com o Ministério da Justiça, mais voltado para adolescentes e jovens da periferia de Fortaleza, tem como objetivo reduzir a letalidade e a incidência de jovens ameaçados de morte. O nome desse projeto se chama Na Limpeza. O nome já diz tudo. Queremos construir acordos que neutralizem os conflitos e o envolvimento dos jovens nas práticas de violência. E, mais recentemente, tivemos a realização de um projeto piloto, chamado Ronda Cultural, que foi feito numa parceria entre a Cufa, a Secretaria de Segurança Pública e a Secretaria de Cultura. A ideia é aproximar jovens e policiais, utilizando as ferramentas do hip-hop!


r e A revvista b t a acnanddiidnddaidtaotoossssssoeosrbeurseusu cacan s b

obr didiadat tos sorebsreu u b d o cancancdaincdaataoosssso rseusu b

l

b

diddidat tos sorebre n ndidatosso

nsca

ml

uns

malg ns agl u

u

malg ns

l mag

us

ml algu

ns c

m ns u n

agu ea r

án

adod Est o C

c açã

aúde, edu

malg ns malguns maagguns u

e r b o s s o t a d i d u s n e r o a s c os

vv

a s áreas de s

Segundo pesquisa Datafolha, Cid Gomes (PSB), candidato à reeleição ao governo do Estado aparece disparado na frente com 53% das intenções de voto, depois está Lúcio Alcântara (PR) com 20% e Marcos Cals (PSDB) com 9%. Para senador, Tasso Jereissati (PSDB) segue na liderança com 52%, Eunício Oliveira (PMDB) tem 31% e José Pimentel (PT), 27%. Empatados tecnicamente, estes dois últimos candidatos disputam a segunda vaga para o Senado.

farão p

nto region al. e m i v bli co e d e s e nvol ú p rte n o s a p r t e ç a n a o, segu r

su bre

a

A vistaF al l a

s so

A re ista F

so m l u e l c i a b o n s a r do o s pr o

www.revistafale.com.br

A revista F

a

le!conv Fa e!converer s ouco

|setembro de 2010

ArreevvisstataFa

!n

res irão às urnas no dia 3 de outubro para decidir quem serão os novos representantes no Legislativo Estadual e Federal e no Executivo Estadual e Federal. É mais uma eleição importante para a consolidação do processo democrático no Brasil. No Ceará, a disputa que incialmente parecia ter somente um candidato com potencial eleitoral, o governador Cid Gomes, candidato à reeleição, acabou se acirrando com o surgimento das candidaturas de Marcos Carlos (PSDB) e de Lúcio Alcântara (PR). Mas, do ponto de vista da intenção de voto, o favoritismo do governador Cid continou estável segundo pesquisas eleitorais.

18 | Fale!

AArevii staF F r s osuocouco

N

o Ceará, cerca de seis milhões de eleito-

ca n d i dato

s e r v A revistataFa a onve

Caminhadas, discursos e promessas são ações ostensivas dos candidatos na corrida eleitoral. Mas a acirrada corrida política está chegando ao fim. A um passo da decisão do eleitor nas urnas, alguns candidatos majoritários e proporcionais selecionados por Fale! apresentam suas propostas para melhorar a qualidade de vida da população e mostram quais prioridades devem ser atacadas e enfatizadas nos mandatos que se iniciam em janeiro de 2011

www.revistafale.com.br

AAreviistaF l!

os candidatos

algu ns

l le!conv e r uco Fa e!ec!oceoncnvv eerer rs osuscoouocoucom

pensam

CONFIRA A MATÉRIA NA ÍNTEGRA EM

l co le! conv e s alea!lee!ccoonnv eer sr rso souocouoco u co

SAIBA O que

c om

ara

ale! conv erso F a t s i e r v A u


po

o

pr

.El

stas

n tam o qu

es co

as

Apesar dos resultados, os eleitores estão indecisos. Doze por cento ainda não sabem em quem votar para governador e 6% votarão em branco e nulo. Para senador, a indecisão sobe para 20%, mantendo os 6% para brancos e nulos. Segundo a pesquisa, 69% não mudarão seu voto, mas 29% disseram que ainda podem mudar. Diante de tamanha indecisão, a revista Fale! conversou com alguns candidatos para saber suas propostas. Eles contam o que farão para solucionar os problemas do Estado nas áreas de saúde, educação, segurança e transporte público e desenvolvimento regional. Cid Gomes deu início à sua campanha com o slogan “Por um Ceará melhor para todos”. Entre as propostas do candidato estão a ampliação e o fortalecimento do Programa Ronda do Quartei-

rão, dos serviços de Defensoria Pública no estado e o aumento do número de delegacias da mulher. Mas sua prioridade ainda é segurança pública, com investimento e inovação. Lúcio Alcântara diz que uma de suas prioridades é dar continuidade ao trabalho do seu primeiro governo com o programa Saúde Mais Perto de Você, além de prometer criar a Secretaria Estadual Antidrogas, com ações voltadas para a prevenção. Marcos Cals apresentou propostas intituladas “Por um Ceará moderno e forte”. Nelas, o candidato promete cumprir metas, como o fim do analfabetismo infantil, da mortalidade infantil e materna e da taxa de homicídios, além da construção de escolas de tempo integral. Tasso Jereissati fala em suas propostas sobre o seu compromisso com a educação dos estudantes

www.revistafale.com.br

do Brasil e enfatiza que o estado do Ceará precisa de renovação e incentivo para geração de mais empregos. José Pimentel diz que mesmo que todas as propostas já apresentadas para segurança pública ressaltem a melhoria nos serviços existentes, é necessário uma cultura de paz, com ações conjuntas de combate às questões estruturais da violência. Ele também promete estar atento às ações educacionais e permitir mais investimentos para a área da saúde no Ceará. Já Eunício Oliveira, da Coligação “Um Ceará Melhor Pra Todos”, promete ações voltadas para as áreas de esporte e lazer. Fale! convidou candidatos com cargos eletivos ou não para opinarem sobre temas urgentes para a sociedade brasileira, tais como Segurança Pública, Desenvolvimento Regional, Educação, Saúde e Transporte. n

setembro de 2010 |

Fale!

|

19


GOVERNO Quem Cid Ferreira Gomes Último cargo político Governador do

Estado Coligação PMDB, PT, PC do B, PSDC, PHS, PDT,

Cid Gomes

PTB, PRB, PRTB, PSL, PSC, PT do B, PP, PTN, PMN “Por um Ceará Melhor para Todos” Vice Domingos Filho home page www.cid40.com.br

Quem Lúcio Gonçalo de Alcântara Último cargo político Governador do

Ceará

Lúcio Alcântara

Coligação PR, PPS “Para fazer brilhar o Ceará” Vice Cláudio Vale HOME PAGE www.lucio22.com.br

20 | Fale!

|setembro de 2010

SE G URAN Ç A P Ú BLICA

DESEN V OL V IMEN T O RE G IONAL

Segurança pública com investimento e inovação, continuará como uma das prioridades de Governo. Criação do Ronda do Quarteirão, nomeação de mais de 4 mil policiais, construção de 50 novas delegacias no Interior, nomeação de delegados e escrivães e duplicação no número de defensores públicos, aumento salarial acima da inflação para policiais. Ainda neste ano ficarão prontas a Delegacia da Divisão de Homicídios, a nova Academia de Segurança Pública — já ampliamos em 200 horas o treinamento atual de policiais — e a Perícia Forense, para assegurar melhor qualidade de formação dos policiais e garantir perícia com segurança científica. Agora, nesta campanha, estamos tratando com diversos segmentos sociais, com especialistas e estudiosos, os meios de aperfeiçoarmos as políticas públicas já implantadas e também novas ideias, programas e projetos inovadores, focados na melhoria da qualidade de vida de todos os cearenses.

Uma das prioridades é diminuir o desequilíbrio regional entre Fortaleza e o Interior. Isso está sendo enfrentado com ações de desenvolvimento socioeconômico. São exemplos: o projeto Cidades do Ceará, que está investindo R$ 130 milhões na Região Metropolitana do Cariri; a construção dos hospitais regionais do Cariri e do Norte, das 21 policlínicas e dos 16 centros de especialidades odontológicas; a implantação de 152 escolas de tempo integral com cursos profissionalizantes; a execução do Programa de Alfabetização na Idade Certa, em parceria com todos os municípios; o cinturão digital que vai permitir acesso à banda larga de 90% da população do Ceará; a construção e recuperação de estradas e de aeroportos no Interior, além do programa Governo Itinerante, que a cada mês visita cidades do Interior e acompanha de perto as demandas e ações em execução naquele município. A interiorização dos investimentos fortalece os municípios e proporciona melhoria das condições de vida e trabalho dos cearenses.

A meta do nosso governo será investir mais e melhor. O programa Ronda do Quarteirão será requalificado, retirando a ênfase nas ações “cosméticas” e fortalecendo a qualificação do efetivo e sua integração operacional com a Política Militar. Vamos criar a Secretaria Estadual Antidrogas, que concentrará não só as ações de repressão, mas também ações voltadas para a prevenção, atenção e reinserção de dependentes químicos na sociedade. Vamos ampliar a ação do Raio para a Região Metropolitana e interior do Estado e levar a Polícia para os distritos. Na mesma linha de ação da Secretaria, mas com o objetivo de estar mais próximo às comunidades, vamos instituir os Centros Integrados de Cidadania. Queremos também dar transparência a todas as informações sobre segurança no Estado, desde os índices estatísticos sobre criminalidade aos gastos públicos na área, através do Portal da Transparência da Segurança Pública.

O primeiro passo é estimular o crescimento econômico nos pontos fortes dos municípios. Nossa intenção é reduzir a burocracia e peso fiscal para atrair novos investimentos. Vamos criar estímulos ao desenvolvimento de centros regionais de comércio e serviços, integrando ações com os municípios, a partir das vocações naturais dos pólos regionais. Olhando para o empreendedor, vamos implantar o programa Qualifica Ceará, para formação dos trabalhadores, e recriar o Ceará Empreendedor, de apoio aos micro e pequenos empreendimentos. Criaremos o Instituto Politécnico de Pesquisa e Desenvolvimento, e manteremos um Banco de Talentos, pelo qual alunos da rede pública serão encaminhados ao mercado de trabalho, facilitando e democratizando a conquista do primeiro emprego. No que diz respeito ao desenvolvimento rural, vamos fortalecer a Ematerce e priorizar a retomada do programa Agente Rural, a fim de viabilizar os projetos de geração de renda e dar mais autonomia à agricultura familiar.

www.revistafale.com.br


EDUCA Ç Ã O

SA Ú DE

T RANSPOR T E

Temos uma imensa tarefa, mas, também, razões para otimismo. Nunca antes tivemos uma situação estrutural tão favorável. Entre os muitos pontos relevantes para a conquista da escola pública de qualidade, três merecem o melhor de nossa atenção: a ampliação e melhoria dos prédios e espaços com vistas à oferta de educação em tempo integral; a decisão de valorizar o magistério, atendendo as justas expectativas de melhores condições de trabalho e remuneração desses profissionais, ao tempo em que se refaz um “contrato de trabalho”, capaz de fortalecer o empenho de cada professor pelo sucesso escolar de seus alunos, e um forte compromisso de responsabilização de todas as partes, a saber, de alunos, famílias, professores e gestores, poder público e representações organizadas de forças sociais, econômicas e políticas. Na síntese de todos os fatores, medidas capazes de apoiar os jovens em seus esforços por escolarização, formação profissional e protagonismo social, cultural, político e econômico. É o que já fazemos e precisamos consolidar, ampliar e aperfeiçoar.

Quando assumimos o governo, duas medidas foram propostas e já realizadas: a construção de dois grandes hospitais regionais, no Cariri e na região Norte, que vão possibilitar a melhoria tanto no atendimento de urgência e emergência, como da medicina interna e cirurgia nas duas regiões; a construção de 21 policlínicas de especialidades médicas e 16 CEOs. E ainda a ampliação e reforma dos sete hospitais que integram a rede estadual (HGF, Messejana, César Cals, Albert Sabin, HSMM, São José, Waldemar Alcântara), a criação do primeiro Banco de sangue de cordão umbilical do Norte e Nordeste e iniciamos a implantação de 32 Unidades de Pronto Atendimento (UPAs). Na área da saúde, os nossos compromissos incluem ainda a universalização do SUS, a construção de um terceiro hospital regional, a aquisição de um hospital regulador de leitos para atender Fortaleza e Região Metropolitana e de um hospital de emergência para desafogar o IJF. Tenho a tranquilidade de afirmar que até 2014 teremos a rede de saúde pública mais eficiente do Brasil.

A ação do Estado na criação de infraestrutura de transporte já se mostra relevante nos fortes investimentos em rodovias, com restauração de 1.700km e construção de outros 1.300km até o fim desta gestão, o que corresponde a metade dos 6 mil km de rodovias cearenses. O Porto do Pecém, maior exportador de frutas frescas do Brasil, já está sendo quadruplicado para atender a demanda das termelétricas, siderúrgica e refinaria. O Metrô de Fortaleza começa a entrar em fase experimental ainda neste ano e será ampliado, integrando com os demais sistemas de transporte urbano. O projeto do Metrô de Sobral começa a sair do papel. Os trilhos da Ferrovia Transnordestina já estão sendo instalados no Ceará e aeroportos no Interior se tornam realidade. Novos projetos estão sendo pensados para eliminar a possibilidade de alguns municípios serem definidos como “fim de linha”. Novas rodovias serão abertas para que todos os municípios se viabilizem economicamente e socialmente.

A educação se configura como fundamental para o desenvolvimento. No meu governo, priorizei o aluno. Implantei o Programa Alfabetização é Cidadania que, em 2006, contabilizou cerca de 690 mil jovens e adultos alfabetizados, ou seja, 52% dos cearenses analfabetos tiveram a oportunidade de aprender a ler, colocando o Ceará em primeiro lugar no país em números absolutos de alfabetizados. Também voltei minhas preocupações para o ensino médio: em 2006, a rede estadual atendeu a 88% da matrícula deste nível de ensino. Cumprimos uma etapa. Agora, além do aluno, volto meu olhar para o professor. Vou priorizar a melhoria das condições de trabalho, garantir a implantação do piso salarial, promover a formação continuada para professores. Vamos financiar pesquisas das práticas pedagógicas e implantar nas escolas um programa de formação de lideranças. Iremos revistar o plano de cargos, carreiras e salário dos profissionais, além de oferecer, também, atendimentos psicológico e fonoaudiológico. No nosso governo construiremos, a partir da educação, uma rede de proteção social à infância, a Rede Criança.

Vamos continuar o trabalho iniciado no meu primeiro governo, que é a regionalização dos serviços. Daremos prioridade ao programa Saúde Mais Perto de Você, criado em meu governo, e que conseguiu reduzir em 26% a transferência de pacientes do interior para a capital. Com este programa, iremos aparelhar os hospitais, assegurando maior eficiência às clínicas médicas especializadas. Construiremos um grande hospital de urgência e emergência na Região Metropolitana de Fortaleza, e outro hospital na região centro-sul. Levaremos o SAMU para todas as 22 regiões do Estado. Ampliaremos a rede de captação de órgãos e o número de Centros Especializados de Odontologia (CEO’s). Uma das inovações será a criação do Disque Urgência, serviço de apoio às equipes municipais em situação de alto risco. Na atenção primária, vamos desenvolver as Redes Integradas de Atenção à Saúde, estruturando as microrregiões para realizar consultas e exames especializados, principalmente nas áreas de urgência-emergência, materno-infantil, saúde do idoso e saúde mental.

Vamos executar os planos estratégicos de desenvolvimento pensando na Copa de 2014. Em nosso governo, estão previstas a construção de um aeroporto na Região Metropolitana e a reforma e ampliação do aeroporto do Cariri. Vamos concluir as obras do Metrofor. Será construído o anel rodoviário estadual, ligando a BR-116 a CE-060, a CE065, a BR-020 e a BR-222. Para o fomento do turismo serão duplicadas a CE-040 (trecho Beberibe/Aracati), a CE-085 e a CE-060 (trecho Pacatuba/Aracoiaba e acesso a Baturité) para aliviar o tráfego pesado de cargas interestaduais. Os acostamentos de todos os acessos às praias do litoral leste e do litoral oeste serão recuperados e alargados. Para encurtar distâncias dentro do estado iremos implementar a ligação rodoviária norte-sul (Camocim-Crato, via Sobral) e a ligação rodoviária leste-oeste (Umari-Parambu), com consequente ligação entre os estados da Paraíba e Piauí. Também prepararemos o programa rodoviário do BID-CEARÁ IV, para recuperação e construção de rodovias.

www.revistafale.com.br

setembro de 2010 |

Fale!

|

21


GOVERNO SE G URAN Ç A P Ú BLICA

DESEN V OL V IMEN T O RE G IONAL

Vice Pedro Fiúza HOME PAGE www.marcoscals45.com.br

O Estado tem que prover Segurança 24 horas. Vamos implantar 72 Delegacias 24 horas, em todo o Estado, sendo 36 na Região Metropolitana de Fortaleza. É preciso integrar as polícias Militar e Civil e acabar com a divisão que cresceu com o Ronda do Quarteirão, minando o comando das corporações. O Ronda é apenas uma atividade meio e não o fim. O treinamento passará de três meses para um ano, reduzindo riscos de ações desastradas como a que tirou a vida de um garoto, recentemente. A vida não tem segunda chance quando se trata de bala desferida contra o cidadão, e logo por um policial. O Batalhão de Fronteira é outra ação essencial para evitar o crime organizado e a entrada de drogas no Ceará, assim como a criação da Central de Inteligência Policial, que mapeará as áreas onde o crime ganhou a guerra contra a cidadania. Nos últimos quatro anos, os homicídios aumentaram 64%, apesar de os investimentos terem crescido 64%. Uma triste coincidência. O Governo, pelo visto, gasta muito e gasta mal.

Na minha proposta, o Desenvolvimento Regional passa pela questão dos mais pobres. Para isso, lancei o Projeto Vida Melhor, que irá atender meio milhão de cearenses que sobrevivem na linha abaixo da extrema pobreza, aquelas que recebem, em média, R$ 60,00 por mês. Ou seja, sobrevivem com R$ 2,00 por dia. O cartão do Programa Vida Melhor assegurará R$ 50,00/mês a cada pessoa que esteja nessa condição, e esse Projeto será financiado integralmente com recursos do Fundo de Combate a Pobreza – FECOP, que atualmente estão pulverizados. Meu compromisso é que, ao final dos 4 anos de minha gestão, não existam mais cearenses abaixo da linha de extrema pobreza. Também é minha proposta criar o Mini Microcrédito, que se trata de linha de crédito do Governo do Estado para financiar pequenos negócios, com a concessão de empréstimo, a partir de R$ 50,00, sem juros. Simultaneamente, desenvolveremos um projeto de infraestrutura, educação, saúde, segurança e geração de emprego e renda. Assim teremos um Ceará moderno e forte.

Quem Marcelo Silva Último cargo político Secretário da

O principal aspecto a considerar na área da segurança pública é a questão da prevenção. Vamos investir em políticas de valorização da juventude, oferecendo trabalho, esporte cultura e lazer. Atuaremos fortemente no combate às drogas, que é a principal causadora da violência. Defenderemos a unificação das polícias civil e militar, transformando-as em uma única força combatendo com mais eficiência a criminalidade, por exemplo a pistolagem. Iremos buscar apoios junto às universidades, que podem oferecer uma enorme contribuição na área de pesquisas e projetos relacionados à inteligência. Teremos que levar em conta as particularidades regionais, e para isso vamos criar Observatórios Regionais da Segurança Pública. É necessário também investir na qualificação dos nossos policiais, preparando-os para as suas missões, desde as mais simples, como uma abordagem, até as mais complexas. O policial em nosso governo vai ter tratamento digno, recebendo salários compatíveis à importância e aos riscos de sua profissão.

Nossa gestão será baseada no desenvolvimento sustentável do território. Construiremos a governança com a participação da sociedade, fortalecendo os instrumentos participativos já existentes e fomentando a sua implementação onde ainda não existir. Descentralizando a gestão, teremos em cada região dotação orçamentária própria, espaços físicos e administrativos, onde estarão presentes as diversas secretarias que atuarão na região. Assim vamos possibilitar o reconhecimento e uma integração entre os Coordenadores e Administradores Regionais, além de estabelecermos uma sinergia nas ações pactuadas, rotineiras e estratégicas assegurando a eficiência e a eficácia da gestão. Teremos como foco o desenvolvimento sustentável. Vamos valorizar as nossas potencialidades locais, tanto nas zonas rurais como nos grandes centros urbanos. Investiremos no turismo, na indústria limpa, na agricultura e na pecuária fortalecendo a agricultura familiar. Nossa visão estratégica de governo será baseada na participação popular, trazendo a sociedade para as decisões acerca dos diversos aspectos governamentais.

Quem Marcos César Cals de Oliveira Último cargo político Deputado Estadual Coligação PSDB, DEM “Por um Ceará moderno

Marcos Cals

e forte”

Regional III Coligação PV “Juntos Pelo Ceará que Quere-

mos”

Marcelo Silva

Vice Aristides Braga HOME PAGE www.marcelosilvapv.blogspot.com

22 | Fale!

|setembro de 2010

www.revistafale.com.br


EDUCA Ç Ã O

SA Ú DE

Com R$ 250 milhões que seriam destinados ao aquário, construiremos 100 escolas de tempo integral, escolas de qualidade, abertas às comunidades, às famílias, aos pais, funcionando como centro de referência da vida no bairro e oferecendo aos alunos aulas de reforço com universitários. Essa é uma questão de prioridade, pois é inadmissível que cerca de 400 mil jovens na idade de 15 a 17 anos, em idade de cursar o Ensino Médio - que é responsabilidade do Estado - estejam fora da escola. Jovem na escola significa jovem fora do crime, jovem com potencial para o mercado de trabalho, jovem com dignidade respeitada. Mas essa missão só será possível com mestres bem pagos. Meu compromisso é pagar o piso nacional dos professores e premiar os alunos com bom desempenho, destinando a 40 mil jovens R$ 250/ano como incentivo ao seu esforço, premiação na qual serão investidos R$ 10 milhões, com recursos do Tesouro Estadual.

Da mesma forma que na Segurança e na Educação, a Saúde será 24 horas, sobretudo porque a vida não tem segunda chance. Por isso, o atendimento tem de chegar a tempo para evitar filas, hospitais lotados, consultas adiadas, exames sem data para serem realizados e, muitas vezes, vidas perdidas. Minha proposta é simples. Não precisamos de mais obras mirabolantes. Basta colocar para funcionar o que já existe, particularmente no interior, fortalecendo os hospitais municipais, os regionais e a rede de atendimento de emergência. Minha prioridade serão os pacientes e os profissionais da saúde, já que não adiantam grandes prédios sem os recursos humanos indispensáveis. Nesse esforço, os Agentes de Saúde, vitoriosa experiência criada no Ceará, serão fortalecidos e valorizados. E por entender que a questão da droga estrapola o aspecto de segurança, vamos implantar Clínicas de Recuperação de dependentes químicos, que serão administradas por entidades religiosas.

À frente do Governo, implantaremos um sistema educacional adequado às necessidades de nosso tempo. Nessa visão, vamos focar na qualidade da educação formal, e dar grande atenção ao ensino médio e técnico, com a expansão das redes já existentes. Teremos a preocupação de educar para a vida: assim vamos implantar um sistema de educação integral e inclusiva que leve em conta as dimensões afetivas, físicas e cognitivas do desenvolvimento das crianças e adolescentes. Iremos agregar ao ensino médio a aprendizagem da educação científica, das políticas socioambientais, da diversidade cultural e das tecnologias digitais. Sabemos que para qualquer serviço funcionar adequadamente é necessário a valorização profissional, trabalhando para que eles recebam a qualificação necessária e salários dignos, baseados no piso salarial de sua profissão. Outro aspecto fundamental é oferecer espaços agradáveis e confortáveis aos nossos alunos.

Nosso governo irá consolidar as políticas públicas de saúde com uma visão ampla. Para isso, vamos articular as três esferas de governo para atuar preventivamente no combate às doenças. Vamos universalizar e melhorar os serviços de Atenção Básica, aprimorar o Programa da Saúde na Família, visando estimular seu potencial humanizador. Investiremos na formação dos nossos médicos, enfermeiros, assistentes sociais, psicólogos, outros profissionais da saúde e agentes comunitários. Iremos estruturar serviços de baixa e média complexidade, criando uma rede de emergência de pequena e média urgência, que deverá passar pelos serviços pré-hospitalares ou hospitais de pequeno e médio porte. Vamos fazer também desospitalização dos transtornos mentais. Outra questão mais ligada à prevenção é a implementação de tratamentos e métodos mais simples e baratos como a fitoterapia e acupuntura, além de um amplo trabalho de reeducação alimentar, que vai contribuir significativamente para a redução das doenças e para a efetiva melhoria na qualidade de vida dos cearenses.

www.revistafale.com.br

T RANSPOR T E

Nossa proposta contempla a construção dos aeroportos regionais de Juazeiro do Norte e Sobral e um projeto de manutenção e construção de novas estradas. Mas no campo dos transportes, é inegável que há um grave problema no interior. Trata-se de atuação da CPRV, que de forma truculenta prejudicou milhares de trabalhadores, apreendendo suas motos. Por formação, sou cumpridor da Lei, mas não posso concordar com essa ação desastrada da polícia. No meu Governo, vamos perdoar as multas aplicadas pela CPRV, iniciar um processo de parcelamento das dívidas dos motoqueiros com o IPVA, implantar um Programa de Educação no Trânsito, ampliar os postos de atendimento do Detran e criar a Auto Escola Pública, que oferecerá seus serviços aos mais pobres, para que esses possam adquirir suas habilitações. Também fortaleceremos o sistema de transporte alternativo e o sistema de transporte público, ainda bastante carente.

A área do desenvolvimento do transporte passa invariavelmente por nossas rodovias. Teremos no nosso governo um programa permanente de recuperação e conservação de nossa malha viária. Em parcerias com as prefeituras, vamos agir nesse mesmo sentido nas estadas vicinais de todo o Estado, pois são por elas que grande parte dos cearenses transita. Outro fator relevante é a efetivação de uma política eficiente de sinalização e prevenção de acidentes, principalmente para combater esta epidemia dos acidentes de motos que causam prejuízos enormes ao Ceará, sobretudo às famílias. Além disso, resgataremos as nossas ferrovias, inclusive agregando-as ao nosso potencial turístico. Ampliaremos e modernizaremos os nossos aeroportos. Buscaremos maneiras de tornar mais eficiente o transporte coletivo das grandes cidades, notadamente Fortaleza. Para isso trabalharemos fortemente para concluir as obras do metrô, adequando-o às nossas necessidades atuais e futuras.

setembro de 2010 |

Fale!

|

23


DEPUTADO FEDERAL Quem Mário

Freitas

Feitoza de Carvalho

Último cargo político Filiado ao PMDB Coligação PRB, PDT, PT, PMDB, PSC, PSB e

PCdoB.

Mário Feitoza

HOME PAGE www.mariofeitoza.com.br

EDUCA Ç Ã O Os países que têm alcançado resultados significativos no aprimoramento da educação vêm pondo em prática medidas que não estariam fora do alcance do Brasil. Trata-se, em resumo, de conjugar iniciativas capazes de: elevar o nível de formação dos professores; estimular o acesso à faculdade de educação de candidatos com excelente histórico escolar; verificar a competência dos candidatos por meio de provas, entrevistas, regências de classe e estágios sérios acompanhados por mestres experientes; melhorar de forma significativa o salário inicial do professor; preparar vigorosa e rigorosamente os dirigentes, coordenadores e inspetores escolares. Além disso, seria necessário reunir a União, os estados e os municípios em esforço concentrado, já previsto na Constituição através do regime de colaboração, para generalizar as experiências promissoras já introduzidas em alguns pontos do Brasil.

24 | Fale!

|setembro de 2010

SE G URAN Ç A P Ú BLICA

DESEN V OL V IMEN T O RE G IONAL

O Governo Estadual tem investido na segurança, aumentando o efetivo e a estrutura da polícia. O Ronda alcançou aprovação da população e seus efeitos ostensivos e midiáticos foram capazes de reduzir a onda de criminalidade. Ocorre que o aumento das causas de violência é maior do que as medidas para evitá-la. Mais polícia nas ruas também significa maior poder de fogo. A proteção aos direitos civis dos infratores da lei não deve sobrepujar os direitos do cidadão de se informar e identificar os malfeitores. A onda de criminalidade tem como fonte originária a rede de proteção ao tráfico de drogas. As Forças Armadas devem se voltar para o seu papel constitucional de proteger as fronteiras nacionais e usar todos os meios físicos, tecnológicos e logísticos para evitar a entrada das drogas. O Congresso precisa se voltar para este problema. As causas do tráfico têm que ser enfrentadas na origem.

O Brasil tem novas fronteiras de desenvolvimento. O Centro Oeste, o oeste Baiano, o sul do Piauí e Maranhão. Toda a produção daquelas regiões segue, atualmente, para o Sudeste por estradas, ferrovias e hidrovias encontrando um gargalo de escoamento. Propus ao PMDB que no Plano de Governo de Dilma Rousseff fosse inserido o compromisso com a realização das obras de conclusão da BR 020. São pouco mais de mil quilômetros ligando Picos (PI) a Barreiras (BA), para oferecer uma saída da produção de proteína e grãos para o Porto do Pecém. Entendo que a solução viária e intermodal de transporte de alimentos aumentarão a exportação cearense que está bem mais próxima dos mercados consumidores da Europa, EUA, África e Ásia via canal do Panamá; atrairá insumos para a cadeia produtiva dos alimentos e oferecerá base industrial para a zona de processamento de exportações, além de reduzir os custos do frete de centena de produtos da cesta básica, criando indústrias da cadeia produtiva de alimentos na região.

SA Ú DE Nos últimos anos os Estados e Municípios estão sendo obrigados por decisões judiciais a arcar com os custos de exames e tratamentos médicos especiais, envolvendo materiais de alto custo. A judicialização da saúde consiste na edição de decisões judiciais que obrigam os gestores a pagar procedimentos que importam em custos sem qualquer previsão orçamentária. No Congresso Nacional vou defender a obrigatoriedade do atendimento a todos os pacientes do SUS, independente de decisão judicial, além de lutar, com a bancada do PMDB, para a criação de Fundo de Compensação de despesas de tratamentos médicos especiais de alto custo, que deverá ressarcir os entes responsáveis pelo atendimento aos pacientes, desde que o valor pago esteja limitado aos preços dos exames e tratamentos médicos e hospitalares registrados no Ministério da Saúde.

www.revistafale.com.br

T RANSPOR T E Todos os dias a população da Grande Fortaleza acorda ao amanhecer e começa sua jornada. Durante a semana perde vinte horas de suas vidas, é como se os cearenses tivessem passado quarenta dias por ano dentro de transportes públicos e privados. Propus ao PMDB que fosse inserido o compromisso com a realização das obras da linha do Metrô, ligando o centro da cidade ao Hospital Geral de Fortaleza e à Unifor, num montante de R$ 3 bilhões. No Congresso Nacional vou lutar para criar o Consórcio Público Metropolitano de Mobilidade Social, envolvendo a União, Estado e Municípios da Região Metropolitana para estudar soluções de transporte rápido, além de implantar faixas exclusivas de ônibus e lutar para criar recursos vinculados e empréstimos internacionais destinados à execução de soluções de transporte de massa para melhorar a qualidade de vida dos cearenses.


DEPUTADO ESTADUAL Quem Heitor Correia Férrer Último cargo político Deputado

Estadual

Heitor Férrer

Coligação PDT HOME PAGE www.heitorferrer.com.br

EDUCA Ç Ã O O Estado brasileiro tem oferecido à população escolas, mas não educação, embora constatamos avanços nos indicadores. Contudo, quanto ao IDEB 2009, somente cinco cidades das 5.498 existentes no Brasil têm nota 6,0, compatível a um país desenvolvido. Neste indicador, o Ceará ocupou a 10ª posição no ensino médio, com nota, diga-se de reprovação, 3,6, avançando 0,3 pontos na nota obtida, em 2005, isto é, 3,3. Diante desta realidade, a política educacional deve contemplar ações no combate ao analfabetismo, tarefa histórica que contabiliza insucessos, incluir novamente, no sistema educacional, jovens já com ensino fundamental ou médio concluídos, mas analfabetos, aumentar os investimentos na infra-estrutura escolar, capacitação de professores, inclusão digital dos alunos, garantia de bolsas escolas aos alunos do ensino médio com integração ao ensino profissional.

SE G URAN Ç A P Ú BLICA

DESEN V OL V IMEN T O RE G IONAL

A desigualdade social é a principal causa da violência no Brasil, por esta razão, a política de segurança pública deve integrar-se a outras ações, em especial, à educação de qualidade porque impacta a distribuição da renda. Os jovens de 14 a 24 anos são os principais atores e vítimas da violência no país e, o pior, o Estado não tem uma política para juventude que deveria focar a educação profissional, primeiro emprego e prevenção e tratamento dos drogados. Se os gastos com segurança pública aumentam, no Ceará, e crescem indicadores de criminalidade, então há erros até na estratégia de combate. Dos 8 milhões e 500 mil habitantes, temos no Ceará, 49,3% vivendo na linha de pobreza, ganhando até ½ salário mínimo. Na linha de miséria, com ganhos de até ¼ do mínimo, temos 23,7% dos cearenses. Portanto, metade de nossa população vive na linha de miséria e pobreza, com o agravante de, dentro desta pobreza, sermos uma área com os piores indicadores de desigualdade social.

O desenvolvimento econômico do Brasil causou desequilíbrios sociais e regionais. As intervenções estatais foram incapazes de corrigir a concentração da riqueza, a ponto de afirmarmos que o Estado do Ceará não tem uma Política de Desenvolvimento Regional PDR. As limitadas intervenções do Governo estadual - com base em incentivos fiscais - instrumentos do Fundo de Desenvolvimento Industrial – FDI - contribuíram para uma maior concentração das atividades produtivas na RMF. Por sua vez, colaboraram, também, erros na alocação dos investimentos públicos e até mesmo do FECOP. Temos de formular uma PDR, que desconcentre atividades produtivas criando oportunidades de investimento em outras regiões a partir da melhoria das economias externas, ou seja, investimentos em estradas, saneamento, energia e a interiorização das universidades com atividades de pesquisa e capacitação de mão-de-obra, coordenada por um organismo a ser criado, já que, por equívoco, foi extinta a Secretaria de Desenvolvimento Regional e Local.

SA Ú DE Atualmente, a grave questão de saúde a ser equacionada é o seu financiamento. A Constituição de 1998 garantiu a universalização dos serviços de saúde e a Emenda n° 29 os limites mínimos na alocação de recursos pela União, pelos estados e municípios; porém tais dispositivos não foram cumpridos. A OMS destaca a elevada participação do setor privado no financiamento da saúde que gira em torno de 40%. O movimento social luta pela regulamentação da Emenda n°29 e maior aporte de recursos, ao nível de 6% do PIB, hoje 3,34% com peso sobre estados e municípios. Melhorar a saúde dos cearenses é tornar mais eficiente a atenção básica e fazer o SUS responder a novos desafios em um ambiente de cuidados de saúde a mudar e a lidar com doenças não-transmissíveis como o câncer e outras associadas a riscos, daí a demanda por hospitais e especialidades médicas.

www.revistafale.com.br

T RANSPOR T E A infra-estrutura de transportes deficiente é uma limitação ao crescimento econômico, pois 75% da malha viária do país está precária face aos baixos investimentos públicos. Entendemos que o problema de transportes no Brasil é, sobretudo, o da população das Regiões Metropolitanas - RM. A falta de planejamento estratégico das cidades e o crescimento da população urbana conformaram o que chama de caos urbano. As pessoas necessitam realizar extensos deslocamentos casa – trabalho, sendo 2/3 em transporte público, embora cresçam os alternativos que afunilam em dois corredores de tráfego, mistos e intensos que poluem e elevam o tempo e custos das viagens. O Poder Público deve assumir o seu papel no planejamento urbano e na reorientação dos investimentos, em áreas, no transporte de massa - metrô - expansão da rede ferroviária intermunicipal e reestruturação de corredores inter-bairros.

setembro de 2010 |

Fale!

|

25


DEPUTADO FEDERAL Quem Artur José Vieira Bruno Último cargo político Deputado Estadual Coligação PMDB, PT, PC do B, PSDC, PHS, PDT,

Artur Bruno

PTB, PRB, PRTB, PSL, PSC, PT do B, PP, PTN, PMN “Por um Ceará Melhor para Todos” HOME PAGE www.arturbruno.com.br

Quem Francisco Lopes da Silva Último cargo político Deputado Federal Coligação PMDB, PT, PC do B, PSDC, PHS,

Chico Lopes

PDT, PTB, PRB, PRTB, PSL, PSC, PT do B, PP, PTN, PMN “Por um Ceará Melhor para Todos” HOME PAGE www.chicolopes.com.br

26 | Fale!

|setembro de 2010

SE G URAN Ç A P Ú BLICA

DESEN V OL V IMEN T O RE G IONAL

A segurança pública avançou nos últimos anos, especialmente com relação aos investimentos. O governo de Cid Gomes aplicou, em 2007, R$ 520 milhões em segurança pública, valor que já era muito superior ao montante aplicado em gestões anteriores; em 2008 esse valor subiu para R$ 485,5 milhões; em 2009 foi de R$ 887,8 milhões e a previsão é de que mais de R$ 500 milhões sejam aplicados este ano. Além disso, o Programa Ronda do Quarteirão, a construção de delegacias no interior, da Perícia Forense, reforma do Instituto Médico Legal e contratação de policiais militares são pontos que vão trazer resultados a médio e longo prazos. O que precisa ser feito ainda é capacitar melhor nossos policiais, oferecendo-lhes cursos para que possam estar melhor preparados para enfrentar a realidade da violência que ainda nos atinge de maneira brutal.

A criação da Secretaria das Cidades foi um importante passo para que não apenas Fortaleza e as maiores cidades do Ceará possam oferecer melhores condições de vida à sua população. Defendemos que os grandes projetos de infra-estrutura, como a refinaria, a siderúrgica e a Transnordestina precisam ser assegurados pelos governos estadual e federal para que novos nichos urbanos e novas cadeias produtivas sejam criados e beneficiem a população do interior do Estado. É preciso ainda garantir uma política responsável de incentivos fiscais, que possibilite a vinda de empresas para cidades do interior cearense com potencial para novos negócios, como energia eólica e produção de biodiesel. Dessa forma, se garantiriam empregos e uma ampliação da renda familiar das populações no interior.

A segurança começa por políticas públicas integradas e eficazes, desde a educação e a saúde, passando pela geração de emprego. O “x” do problema hoje está entre as pessoas com 12 e 25 anos. O crack está tendo um efeito devastador sobre a sociedade. Apesar de ter enfrentado problemas, o programa Ronda do Quarteirão representou um avanço. A polícia comunitária está nas ruas, com uma presença forte, o que teve papel bastante importante para inibir muitos crimes. Mas a violência urbana, os pequenos assaltos, muitos deles em função das drogas, continuam. Ressaltamos que o Governo do Estado investiu como nenhuma outra gestão nessa área. Claro que ainda precisamos de ações mais efetivas, principalmente no combate ao crack. É preciso “desmilitarizar” as polícias, promovendo uma cultura de integração, respeito e proteção ao cidadão. Também apoiamos, no plano federal, a PEC 300, garantindo uma remuneração digna aos policiais e bombeiros, o que vai gerar um grande avanço na segurança pública.

Estamos no caminho certo neste setor. A concretização de grandes empreendimentos, como o Projeto São Francisco, a Transnordestina e a Siderúrgica, abre novos horizontes para o Ceará. Temos que centrar esforços na formação de pessoal para aproveitar ao máximo os empregos que serão gerados e fazer com que a economia cearense seja movimentada a pleno vapor. É preciso investir em cursos de formação intermediária. Já se avançou muito, mas precisamos de mais investimentos nessa área. O desenvolvimento regional no Ceará passa por uma nova concepção, capaz de fazer com que os benefícios desses grandes empreendimentos provoquem efeitos positivos em todas as regiões do Estado. No governo Cid estamos tendo um avanço significativo nessa área, inclusive com a criação de um órgão específico.

www.revistafale.com.br


EDUCA Ç Ã O

SA Ú DE

T RANSPOR T E

A educação foi outro setor que teve importantes avanços neste Governo. A implantação de 125 escolas em tempo integral e o Programa de Alfabetização na Idade Certa (PAIC), que virou referência nacional, são pontos importantes para a melhoria no ensino público. Além disso, devemos festejar o fato de o nosso estado ter conquistado o primeiro lugar no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) na região Nordeste e ter ficado em sexto em todo o País, graças especialmente ao esforço de professores e estudantes. No entanto, ainda é preciso avançar, assegurando a implementação efetiva da Lei Nacional do Piso do Magistério, realizar a revisão do plano de cargos e carreiras dos professores, realizar concursos públicos para diminuir o número de temporários e ampliar a quantidade de escolas em tempo integral. Defendo ainda o aumento de 25% para 30% nos recursos da receita estadual investidos em educação.

Parte daquilo que precisa ser feito na saúde, na verdade, já vem sendo concretizado pela atual gestão, exemplos disso são a construção de unidades de atendimento primário e terciário no interior do Estado, de modo a desafogar hospitais de Fortaleza, em especial o Instituto Dr. José Frota. A construção de 21 policlínicas, 17 Centros de Especialidades Odontológicas e dos hospitais regionais do Cariri e da Zona Norte são, sem dúvida, obras que vão contribuir muito para melhorar a infra-estrutura da saúde em nosso Estado. Podemos citar ainda a expansão do Hospital Waldemar de Alcântara, reforma do Hospital Geral de Fortaleza, nova ala no Hospital São José e expansão do Albert Sabin. No entanto, é preciso ainda assegurar a realização de concursos públicos para as diversas áreas da saúde para que essas novas unidades possam funcionar não só com equipamentos de qualidade, mas com uma equipe de profissionais capacitados e prontos para prestar o melhor atendimento à nossa população.

Na questão dos transportes, defendo que sejam ampliados os projetos de construção de estradas no Ceará e sejam realizadas parcerias entre os governos estadual, municipal e federal para que a malha viária seja melhorada, de modo a ter uma vida útil maior do que a temos atualmente. O Ceará precisa melhorar cada vez mais a qualidade das estradas já existentes, abrir novas e investir em meios de transporte alternativo, como o ferroviário. Aliás, exemplo positivo de investimentos no transporte ferroviário é o metrô que liga os municípios de Juazeiro do Norte e Crato, que já vem funcionando e oferecendo transporte de qualidade, barato e seguro à população de todo o Cariri. É preciso ainda concluir de forma urgente a obra do Metrofor, que já é aguardada pela população cearense há mais de 15 anos.

O Ceará conquistou, quase que integralmente, a universalização do acesso à educação. O governo também vem trabalhando a descentralização dos investimentos no setor. As escolas hoje contam com mais recursos para suas demandas diárias. Temos os recursos do Fundeb, que vem ajudar na questão salarial. E essa ligação entre remuneração dos profissionais da educação e qualidade de ensino nunca pode ser esquecida. Com a aplicação da lei do piso salarial nacional do magistério – inclusive com a emenda de nossa autoria, que garante ao professor direito a um terço da carga horária para atividades extra-sala -, a qualidade da educação no Ceará com certeza apresentará evolução. Um professor não pode fazer um trabalho bem feito se não tem garantias quanto à própria sobrevivência com dignidade. O Estado precisa ainda ampliar os investimentos nas universidades, à proporção que precisamos de mais profissionais para os grandes empreendimentos que teremos nos próximos anos.

A saúde é um desafio para qualquer administração, inclusive no plano nacional, em que a criação do SUS representou um grande avanço. Agora, precisamos garantir uma maior injeção de recursos na saúde. Sem prejuízo para os gestores anteriores, a Secretaria de Saúde, no governo Cid, fez um bom trabalho. O Governo do Estado retirou do papel para a prática um discurso que há muito tempo era feito, por diversos governantes, mas nunca era transformado em ação: a construção de grandes hospitais no Interior, dotados de infra-estrutura suficiente para amenizar o grande fluxo de pacientes para a capital, responsável por estrangular o atendimento no Instituto Dr. José Frota. O governo avançou nesse ponto, embora a demanda continue desafiadora. Aqui, temos que avançar, seguindo no mesmo caminho e, principalmente, garantindo recursos para o setor, que tem custos bastante elevados.

É preciso quebrar o monopólio das empresas de ônibus. São poucas empresas explorando as linhas em todo o Estado, o que não é bom para o consumidor. O governo precisa ainda trabalhar em integração com a Prefeitura de Fortaleza, buscando melhorias para o transporte público e o trânsito em geral da capital. É preciso dar atenção prioritária a esse setor, em que houve conquistas importantes, como a manutenção do preço da passagem, beneficiando quem precisa do ônibus. Mas precisamos avançar quanto à qualidade do serviço. A conclusão do Metrofor será importante, mas não vai resolver tudo. É preciso um olhar sistêmico, de técnicos capacitados, para se pensar o trânsito na capital. E coragem política para tomar decisões em prol da qualidade de vida na cidade, como o planejamento urbano favorecendo a criação de núcleos de moradia, trabalho e lazer em áreas próximas, diminuindo a necessidade de deslocamentos e, em consequência, os engarrafamentos na capital.

www.revistafale.com.br

setembro de 2010 |

Fale!

|

27


DEPUTADO ESTADUAL Quem José Teodoro Soares Último cargo político Deputado

Estadual Coligação PSDB, DEM “Por um Ceará

moderno e forte”

Prof. Teodoro

HOME PAGE www.professorteodoro.com.br

Quem Tin Gomes Último cargo político Vice-prefeito de

Fortaleza

Tin Gomes

Coligação PP, PTB, PSL e PHS HOME PAGE www.tingomes.com.br

28 | Fale!

|setembro de 2010

SE G URAN Ç A P Ú BLICA

DESEN V OL V IMEN T O RE G IONAL

O conceito de polícia comunitária, que abriga o programa Ronda do Quarteirão, é uma ideia muito feliz que deve ser continuada. A segurança não pode se basear apenas na questão policial, nem tampouco na construção de presídios. O Brasil ainda não se deu conta de que só com investimentos maciços em educação será possível atacar de frente suas grandes mazelas. Se a questão da segurança está atrelada à da desigualdade social, só a educação de qualidade para todos, e não apenas para um segmento social, será capaz de igualar as oportunidades. Como é alto o índice de violência juvenil, as escolas de tempo integral são fundamentais para dirigir para o bem o grande potencial de energia dos jovens, cuja criatividade muitas vezes é desviada de suas finalidades por falta de opção e de direcionamento. Ao lado da boa formação policial e da proximidade da instituição com a população, creio que a saída imediata é investir mais na polícia comunitária e nas escolas de tempo integral.

O desenvolvimento regional tem sido buscado nos últimos tempos e houve mais planejamento no Ceará nos últimos governos, com relativo sucesso em relação ao desenvolvimento regional. No entanto, fala-se para muito breve num apagão de mão-de-obra. As empresas que aqui se instalam, e mesmo as que já estão aqui há mais tempo, se ressentem de pessoal qualificado para seus quadros. Com a modernização das plantas industriais, até o inglês está sendo considerado indispensável para leitura dos manuais dos equipamentos. Mesmo quando impresso na língua materna, a compreensão é difícil para quem não tem um nível razoável de leitura. Na busca do desenvolvimento regional, a interação institucional é essencial para que não desperdicemos investimentos como o estaleiro que será implantado em outro estado por causa de impasse causado por desencontros administrativos entre Estado e Prefeitura de Fortaleza.

Trata-se a segurança pública de uma das questões mais complexas que qualquer governante enfrenta nesse início do século XXI. Na minha visão, a política de segurança pública pressupõe a conjugação de esforços em três frentes principais: qualificação de pessoal, equipamentos e informação. O treinamento contínuo dos servidores públicos que lidam diretamente com a violência, inclusive com acompanhamento psicológico, aliado a uma permanente capacitação e reciclagem é a base para o sucesso de qualquer intervenção estatal. Aliado a este elemento humano, faz-se necessário um maciço investimento em veículos, fardamento, armas e até mesmo, porque não, em habitações específicas para policiais a fim de garantir conforto e tranquilidade para seus familiares. Qualificação de pessoal e equipamentos têm que estar aliados à questão da informação produzida por serviços de inteligência eficazes e organizados.

A Constituição Brasileira prevê como um dos seus mais importantes objetivos a erradicação da pobreza e da marginalização com a redução das desigualdades sociais e regionais (Art. 3º, III). É um objetivo-desafio de todos os níveis de governo, sobretudo da União, e o Estado tem um papel decisivo não só no investimento direto em programas de emprego e renda, capacitação e infraestrutura básica, mas também como coordenador regional dos esforços dos municípios nessa área. O desenvolvimento regional pressupõe, de igual modo, esforços no sentido de permitir aos irmãos do interior do estado a fruição dos direitos básicos à saúde, educação e assistência social em seus próprios espaços, tornando desnecessários os deslocamentos para a capital.

www.revistafale.com.br


EDUCA Ç Ã O

SA Ú DE

T RANSPOR T E

A educação tem que ser a prioridade. Sem ela não teremos desenvolvimento social e econômico. Na sociedade do conhecimento, estamos atrasados, vivendo ainda na era das trevas para um grande contingente de analfabetos. O analfabetismo é o principal desafio a vencer. Ele ficou intocável nos oito anos do governo Lula, o Brasil continua com 10% da população analfabeta. Esse índice dobra no Ceará e chega a quadruplicar em algumas zonas rurais. Até agora nada foi feito de eficiente para debelá-lo. A educação infantil, embora seja de responsabilidade municipal, deve ser induzida com o estabelecimento de parcerias. Nos primeiros anos é que se faz a diferença do aprendizado, é quando se determina o futuro intelectual. Quem cedo aprende parte na frente na corrida para se estabelecer e vencer na vida. O ensino superior é vital para o desenvolvimento do Estado, que não tem recursos para mantê-lo a contento. Saída: federalização das estaduais.

A transferência de enfermos para Fortaleza não só causa desconforto para os pacientes e familiares como superlota os hospitais da capital. O atendimento primário deve ser feito, de preferência, próximo a residência das pessoas. Por isso, deve-se dar ênfase ao Programa da Saúde na Família, que trabalha tanto no aspecto preventivo quanto curativo. É nesse nível que se encontram 80% dos problemas de saúde. A saúde também depende da educação. O maior feito do Ceará nos últimos anos foi a redução drástica da mortalidade infantil, fruto da ação dos agentes de saúde, que educaram a população no que se refere a noções básicas de higiene. A construção de hospitais de urgência e emergência tanto em Fortaleza e sua região metropolitana como em regiões do interior é uma necessidade da qual não se pode fugir, dada a urgência com que é reclamada. Por fim, lutar para aprovação no Congresso da emenda constitucional 29, que garante mais recursos para a saúde.

Fortaleza já está se tornando intransitável. Os engarrafamentos não se restringem mais a alguns pontos da cidade e nem somente aos horários de pico. A grande chance para fazermos uma intervenção urbanística é a vinda da Copa de 2014 para Fortaleza, que deve acelerar as obras do metrô e melhorar outras vias de acesso. Já se disse que governar é construir estradas. As rodovias cearenses devem pavimentar o desenvolvimento do turismo, grande vocação da terra cearense. As rodovias que levam aos principais pontos de atração turística devem receber maior atenção. A ampliação do anel viário que circunda Fortaleza deve servir para desafogar o tráfego da cidade. Além da estrutura viária, o transporte público não pode ficar à deriva com a omissão do poder público, como acontece agora em Fortaleza, com a greve dos motoristas de ônibus. A revitalização da malha ferroviária é outra saída para o problema do transporte, tanto urbano como intermunicipal.

Trata-se de um setor estratégico, que se relaciona diretamente com diversos segmentos, como segurança, saúde, esporte, turismo e cultura. Por isso mesmo, deve ser tratado como prioridade. É dever do poder público fomentar a educação básica de qualidade, incluindo desde as creches até as escolas do ensino fundamental. Outra importante política que deve ser aprofundada no Ceará diz respeito à educação em tempo integral. Ao longo dos próximos anos, cada vez mais escolas devem oferecer ensino integral, que além dos conteúdos regulares, também ofereça opções de atividades de esporte, lazer e cultura. Na outra ponta do processo educacional, pretendemos lutar para garantir aos jovens oportunidades de fazer cursos técnicos profissionalizantes ou ingressar no Ensino Superior. Dessa forma, vamos garantir mão-de-obra qualificada para o mercado. Mais do que educar para garantir emprego, devemos promover uma educação que prepare nossos cidadãos para os desafios da vida.

A questão da saúde tem estreita ligação com o desenvolvimento regional. A construção de clínicas especializadas e unidades hospitalares de referência em macro regiões do Estado é o principal desafio de qualquer governo que se disponha a enfrentar o problema, notadamente, para evitar os deslocamentos para atendimento de casos mais graves. De outro lado, investimentos de grande ordem em água, esgoto e saneamento básico em geral significa atuar na busca da melhoria da saúde da população e assim deve ser encarado.

Em Fortaleza, além de investimentos em ampliação, abertura de vias e construção de viadutos, deve-se priorizar a melhoria do sistema de transporte coletivo, sem esquecer a conclusão do Metrofor e os veículos complementares. A adoção dos Veículos Leves sobre Trilhos (VLT) também desponta como possibilidade viável de transportar passageiros com segurança, conforto, rapidez e a custo baixo. No Interior, o desafio é manter a malha viária existente em boas condições e ampliar a construção de novos trechos, facilitando o intercâmbio entre os municípios e a circulação de mercadorias e serviços. Assim como ampliar ou construir aeroportos em cidades essencialmente turísticas. Outra questão pertinente diz respeito à qualificação do trânsito nos municípios do Interior, através da criação de órgãos públicos que desempenhem uma função educativa, no sentido de capacitar melhor todos: pedestres, motoristas, ciclistas e motoqueiros.

www.revistafale.com.br

setembro de 2010 |

Fale!

|

29


SENADO Quem José Barroso Pimentel Último cargo político Ministro da

Previdência Social Coligação PMDB, PT, PC do B, PSDC, PHS,

Pimentel

PDT, PTB, PRB, PRTB, PSL, PSC, PT do B, PP, PTN, PMN “Por um Ceará Melhor para Todos” HOME PAGE www.pimentel135.com.br

EDUCA Ç Ã O Na Câmara dos Deputados, dedico atenção especial para a educação, uma área que o nosso governo Lula já promoveu grandes mudanças. Participei ativamente da criação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) que representa uma grande revolução para o país. Também participei de todo o processo que instituiu o piso nacional dos professores, hoje fixado em R$ 1.024,67. Quando fui relator do Orçamento Geral da União 2008, trabalhei em conjunto com o MEC para aportar os recursos necessários para promover os avanços nessa área, inclusive a expansão das escolas técnicas e universidades federais. Todas essas mudanças já estão sendo percebidas. O Ceará vem se destacando, resultado da parceria do governo Cid Gomes com o governo federal. Obteve o melhor resultado educacional do Nordeste, medido pelo Índice de Desenvolvimento da Educação (IDEB). As famílias cearenses podem contar comigo. Serei um atento senador a defender a Educação.

30 | Fale!

|setembro de 2010

SE G URAN Ç A P Ú BLICA

DESEN V OL V IMEN T O RE G IONAL

Os investimentos do governo federal e estadual têm sido relevantes na área da segurança pública. No Ceará, foi implantado o Programa Ronda do Quarteirão que atende a todos os municípios da Região Metropolitana de Fortaleza e as principais cidades das microrregiões do Ceará. O programa é uma experiência inovadora, baseada na ideia de uma polícia comunitária bem equipada e com profissionais capacitados para o desempenho de suas funções de proteção da sociedade. Apesar dos investimentos, é preciso reconhecer que a segurança pública no Brasil ainda é um grande desafio. É necessário um pacto entre os entes federativos por uma cultura de paz, com ações conjuntas de combate às questões estruturais da violência. Como senador, pretendo fortalecer o Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci). Também votarei pela criação do Fundo Constitucional de Segurança Pública e pelo piso salarial nacional dos policiais civis e militares, como já fiz este ano na Câmara dos Deputados.

O governo Lula trata o desenvolvimento regional como política nacional, visando o crescimento mais justo e equilibrado do país. A recriação da SUDENE, o trabalho realizado pelo BNB e pelo DNOCS tem importância fundamental. Em 10 anos (1997-2007), houve queda de 4,8% no índice de desigualdade da região Nordeste (Ipea). Isso está vinculado ao novo sistema de planejamento e de aplicação de recursos no setor produtivo – o que vem dinamizando as economias regionais. Desde 2003, a aplicação dos fundos constitucionais (FNE, FCO e FNO) cresceu de R$ 3 bi para R$ 14,8 bi em 2009. O BNB aumentou sua aplicação de recursos do FNE de R$ 254 milhões (2002) para R$ 9,1 bi, em 2009. Como senador do Lula, da Dilma e do Ceará, vou trabalhar para fortalecer os fundos constitucionais e para que as obras estruturantes, como a Transnordestina e a integração de bacias do São Francisco, tenham continuidade e sejam rapidamente concluídas, aumentando as oportunidades para o crescente desenvolvimento do Nordeste.

SA Ú DE O SUS é o maior sistema público de saúde do mundo. A criação dos programas Brasil Sorridente, Farmácia Popular e SAMU, além da expansão das equipes de Saúde da Família, a implantação das Unidades de Pronto Atendimento (UPA) e a regulamentação do trabalho dos agentes comunitários de saúde demonstram que grandes avanços já ocorreram desde a eleição do presidente Lula. No Ceará, a forte parceria com o governo federal resultou, dentre outras iniciativas, na construção dos hospitais regionais em Juazeiro do Norte e em Sobral e do hospital da mulher em Fortaleza. Quando fui relator-geral do Orçamento da União 2008, vi um grupo de 35 senadores (a maioria do Nordeste e um do Ceará) retirarem R$ 40 bilhões anuais da saúde, inviabilizando a regulamentação da Emenda 29 que destinava mais recursos para a Saúde. Como senador, eleito pelo povo cearense, quero fazer exatamente o inverso: votar pela regulamentação da Emenda 29, permitindo que mais investimentos sejam feitos e os serviços ampliados.

www.revistafale.com.br

T RANSPOR T E O Brasil está crescendo e necessita cada vez mais de infra-estrutura de transporte. Por isso, o presidente Lula criou o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Até 2009, foram construídos ou recuperados 4.916 km de estradas, 356 km de ferrovias e realizadas obras em sete aeroportos e quatro portos. No Ceará, estamos construindo a ferrovia transnordestina e o metrô de Fortaleza deve entrar em funcionamento neste semestre. O transfor, obra da Prefeitura de Fortaleza, será concluído até o final do ano, facilitando o deslocamento das pessoas. No Senado Federal, vou defender os projetos do Ceará para melhorar a área do transporte tanto na capital quanto no interior do Estado. Vou trabalhar com o governador Cid Gomes e com a prefeita de Fortaleza Luizianne Lins na busca de recursos para as obras de infra-estrutura necessárias para modernizar o transporte de passageiros e da produção.


SENADO Quem Alexandre Pereira Último cargo político Presidente do PPS

no Ceará Coligação PR e PPS “Pra Fazer Brilhar o

Ceará”

Alexandre

HOME PAGE www.alexandre234.com.br

EDUCA Ç Ã O Pesquisas do Laboratório de Estudos da Pobreza (Caen/UFC) revelam que a escolaridade impacta em até 69% na melhoria da renda das pessoas e em 63% na redução das desigualdades sociais nos Estados. O relatório Brasil Diagnóstico da Educação 2 assevera que o Programa de Avaliação Internacional de Estudantes classificou o Brasil em último lugar entre 40 países nos quesitos leitura, matemática e ciências. Por isso, no Senado Federal, trabalharemos para implantação da educação integral nas escolas públicas, com um inovador padrão nacional. Para o ensino fundamental mais cultura, esporte e acompanhamento escolar. Para o ensino médio educação profissional, aquela que garante o emprego para nossa juventude. Investir na formação dos nossos professores, melhorar os materiais didáticos e, principalmente, a metodologia de ensino, são iniciativas fundamentais para oferecermos ao nosso povo uma promissora perspectiva de futuro, educação, saúde e renda.

SE G URAN Ç A P Ú BLICA

DESEN V OL V IMEN T O RE G IONAL

A insegurança é sem dúvida alguma um dos maiores problemas brasileiros. No Ceará, atingiu índices alarmantes. A crise na segurança pode ser atestada pelos números de homicídios e os gastos crescentes com baixos resultados. Vários fatores contribuem para o aumento da violência. Por isso, pensamos ser leviano tratar segurança pública como repressão à criminalidade, pura e simplesmente. Ao invés do combate preferimos a ideia de segurança como um serviço público que deve ser universalizado. Existem dois “cases” que podem nos servir de exemplo, Nova York e Bogotá. No primeiro, o Prefeito Rodolf Juliani implantou uma filosofia de Tolerância Zero, onde os pequenos delitos não eram aceitos. Ao não tolerar os pequenos delitos, inibe-se os grandes crimes no seu nascedouro. Agregue-se a isso uma política de combate à impunidade. Na Colômbia, a estratégia foi investir maciçamente na área social, em especial na educação, inclusive, comunitária e cidadã. Por tudo isso, no Senado Federal proporemos a criação do Ministério da Segurança Pública e do Programa Nacional de Qualificação Policial.

Desenvolvimento Regional é uma questão estratégica para o Brasil. Por exemplo: Quais as iniciativas que efetivamente integram as economias do Nordeste? Qual o plano de desenvolvimento do Governo Federal para nossa região? Ninguém conhece. No Senado Federal, proporemos medidas que dinamizem as regiões estimulando a descentralização da economia, fomentando a criação de novos polos regionais de negócios e incrementando os já existentes. Apoiar as cadeias produtivas locais, as micro, pequenas e médias empresas e clusters de negócios devem ser uma preocupação. Localmente, não podemos esquecer que teremos aqui jogos da Copa do Mundo em 2014 e que estamos muito atrasados nos compromissos do caderno de encargos da FIFA para dotar Fortaleza e o Ceará de condições mínimas para receber os milhares de turistas que deverão nos visitar. No Senado Federal, cobraremos as obras da Copa do Mundo de 2014, porque acreditamos que eventos desse porte, podem mudar a face de uma cidade, a exemplo do que aconteceu com Barcelona, na Espanha, após as Olimpíadas de 1992.

SA Ú DE No Senado Federal, proporemos o Programa Vida Láctea, no qual o leite pasteurizado enriquecido será o veículo alimentar escolhido por suas características nutritivas. Vamos lutar pela implantação deste programa que tem como objetivo reduzir as deficiências nutricionais, desencadeando ações para a redução dos índices de mortalidade e desnutrição infantil. De quebra, essa iniciativa gerará emprego e oportunidade no campo, pois estimularia fortalecimento e organização das bacias leiteiras locais. Queremos privilegiar ainda as iniciativas de saneamento básico, complementação alimentar, difusão de práticas de higiene e vacinação, que produzem o máximo de resultado com o mínimo de custo. Outra proposta é vincular cada família ao sistema público através de um cadastro, fixando-as em células de atendimento, o que evita a migração para outras unidades e, consequentemente, o congestionamento de umas e o esvaziamento de outras. Isso em articulação com o Programa de Saúde da Família – PSF, que deve ser ampliado e fortalecido. www.revistafale.com.br

T RANSPOR T E Vamos trabalhar pela implantação de um programa chamado “Nosso Caminho” que terá por meta garantir a movimentação adequada de pessoas e bens no sistema viário nacional e estadual, a redução dos custos logísticos de transportes e a melhoria das condições competitivas para o escoamento da produção. E, ainda, atuar na ampliação e na recuperação da infra-estrutura de transportes nos setores rodoviário, ferroviário, aeroviário e marítimo. É necessário assim, priorizar recursos e planejar as ações imediatas e de médio e longo prazo. Nosso aeroporto está com sua capacidade quase exaurida. O Aeroporto Pinto Martins não atende mais nossas necessidades. Sobral e Juazeiro precisam urgentemente ampliar sua estrutura aeroviária. Não dispomos de uma malha ferroviária – aí incluindo metrô – que possa atender a demanda. Nossa estação portuária é absolutamente pífia. Vem aí a Copa do Mundo de 2014, como já mencionamos. Quatro anos passam muito rápido e logo passaremos pelo crivo da FIFA para adequação de suas exigências. O Ceará e Brasil ainda não estão preparados para isso.

setembro de 2010 |

Fale!

|

31


Saúde, Educação e Segurança pública

As maiores preocupações do cidadão brasileiro 41% dos brasileiros se preocupam com a saúde, mas eles se preocupam mais no Norte e no Centro-Oeste. 16% se preocupam com a educação, em especial na região Sul, e 13% com a segurança pública, sendo no Nordeste o maior índice

A

o se aproximar das eleições o Ibope realizou uma pesquisa para saber quais as maiores preocupações do brasileiro. A pesquisa apontou que 41% se preocupam com a saúde, mas essa preocupação predomina nas regiões Norte e Centro-Oeste. Segundo o Conselho Regional de Farmácia do Estado de Goiás, quase a metade dos municípios goianos não tem unidades de emergência. Com 16% vem em segundo lugar a educação. Esse tema é mais relevante na região Sul, segundo dados, os sulistas seguem uma tradição no bom ensino. A segurança pública ficou em terceiro lugar com 13%. Dessa vez quem se preocupa mais é o Nordeste, região onde tem os maiores índices de violência. Segundo o Instituto Sangari, com dados do Ministério da Saúde, entre 1997 e 2007, a taxa de homicídios no estado do Ceará é maior do que de toda a região Nordeste e também mais alta do que no Brasil. Mas o Nordeste também aparece em destaque na pesquisa em 4º lugar na área de emprego e salário, como a região com maior crescimento de renda familiar nacional. Os temas menos destacados, como 32 | Fale!

|setembro de 2010

custo de vida, seguem o 5° lugar com 9%, transporte público em 10º com 1%, seguido de infraestrutura em 9º, também com 1%, depois saneamento básico, meio ambiente e habitação. Para realizar a pesquisa o Ibope dividiu o país em quatro regiões, ficando Sul, Sudeste, Nordeste e, juntas, Norte e Centro-oeste. Foram 2.002 pessoas entrevistadas em 141 municípios, de ambos os sexos, com idade acima de 16 anos e de todas www.revistafale.com.br

Saúde Educação Segurança Pública FONTE: Ibope

as classes sociais. Os temas abordados foram: custo de vida, educação, emprego e salário, habitação, infraestrutura (estradas, portos e fornecimento de energia), meio ambiente, saneamento, saúde, segurança e transporte público. n


www.revistafale.com.br

setembro de 2010 |

Fale!

|

33


Clima de final A um mês das eleições, a corrida presidencial se acirra. Na reta final, os candidatos utilizam todas as armas para angariar pontos nas tão divulgadas pesquisas de intenção de voto. A principal delas, do Instituto Datafolha, é realizada desde o início das campanhas e prova que, quando menos se espera, a situação pode mudar

H

oje, a candidata Dilma Roussef LIDERA com

tranquilidade as intenções de voto diante de seus adversários, com 47% de pontos na pesquisa eleitoral realizada pelo Datafolha, no dia 23 de agosto. A petista venceria seus oponentes, José Serra, do PSDB, Marina Silva, do PV, e Plínio de Arruda, do PSOL, ainda no primeiro turno. Mas nem sempre a vantagem esteve do lado de Dilma. Antes do início da campanha eleitoral, quem liderava todas as pesquisas eleitorais era o então governador de São Paulo, José Serra, com 40% das intenções de voto, à frente de Dilma Roussef (26%) e Marina Silva

(11%). Dilma, que se candidatara a um cargo público pela primeira vez, ainda lutava pelo reconhecimento de sua relevância política, enquanto Serra já era um velho conhecido das disputas presidenciais. Depois que a campanha propriamente dita começou, no entanto, os índices do tucano começaram a baixar. O ponto crítico da queda de Serra foi o dia 1º de julho, quando nova pesquisa Datafolha

RETROSPECTIVA DA CORRIDA ELEITORAL Confira os principais momentos dos candidatos à Presidência da República

27/Abril Cúpula do PSB decide

13/Março O governador Aécio Neves

pede fim de “especulações” sobre sua possível candidatura. “Essa hipótese não existe. Sou um homem de partido”.

25/Abril A senadora Marina Silva

(PV) discursa em Washington, EUA, em ato pelas comemorações do Dia da Terra. À noite, janta com o diretor americano de cinema James Cameron, de Avatar, defensor de sua candidatura.

15/Fevereiro Durante o carnaval, o governador José Serra (PSDB - SP) entra no mar de roupa para conduzir uma banhista com deficiência física em Praia Grande. A ministra Dilma Roussef (Casa Civil, PT) vai ao sambódromo do Rio e dança com um gari.

34 | Fale!

|setembro de 2010

10/Abril José Serra (PSDB)

lança pré-candidatura, em Brasília. Com o slogan “Brasil pode mais”, procura destacar melhora ascendente nos últimos 25 anos, de modo a diluir importância do governo Lula.

www.revistafale.com.br

não ter candidato próprio nas eleições presidenciais, enterrando as pretensões do deputado federal Ciro Gomes.

13/Maio À noite, p do PT promove lança de Dilma Roussef na presidencial. A ex-m e Lula dividem dez m de programa, marca comparação entre o do PT e PSDB.


propaganda amento a corrida ministra minutos ado pela os governos

o Come-come do Planalto Serra

40

40 38

Dilma

26

30

31

Marina 11

10

10

47

42 30

37

12

39

38

37 36

12

29

10

9

10 dez / 09

fev / 10

mar / 10

abr / 10

mai / 10

jun / 10

jul / 10

ago / 10 FONTE: Instituto Datafolha

16/Maio Marina Silva lança

sua pré-candidatura em Nova Iguaçu e confirma o empresário Guilherme Leal, da Natura, como vice em sua chapa. Lança o slogan “Seja mais um e seremos milhçies”.

6/Julho No primeiro dia oficial

de campanha, Marina Silva (PV) inaugura comitê domiciliar em SP. Dilma Roussef (PT) faz campanha em Porto Alegre e reafirma que não tem compromisso com propostas polêmicas do PT. José Serra (PSDB), em Curitiba, promete dobrar o número de famílias atendidas pelo Bolsa Família.

10/Junho O Tribunal

Superior Eleitoral decide que a Lei da Ficha Limpa vale para as eleições desse ano, barrando, desta forma, as candidaturas de pessoas que forem condenadas por tribunais.

5/Agosto Acontece o primeiro debate

9/Agosto O Jornal Nacional

inicia um ciclo de entrevistas com os candidatos à presidência Dilma Roussef (PT), Marina Silva (PV) e José Serra (PSDB). O candidato do PSOL, Plínio Arruda, também foi entrevistado, mas gozou de menos tempo que os seus concorrentes.

entre os presidenciáveis, promovido pela Rede Bandeirantes. Participaram do encontro Dilma Roussef (PT), José Serra (PSDB), Marina Silva (PV) e Plínio de Arruda (PSOL).

17/ Agosto Tem 1/Julho Pesquisa Datafolha aponta empate

técnico entre José Serra (PSDB), com 39% das intenções de voto, e Dilma Roussef (PT), com 38%. Marina Silva (PV) aparece com 10%. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva bate recorde de popularidade, com 78% de aprovação.

www.revistafale.com.br

início o horário eleitoral gratuito no rádio e na TV. José Serra é o primeiro candidato a veicular sua propaganda, por ordem de sorteio.

setembro de 2010 |

Fale!

|

35


Fotos abr

OS PROTAGONISTAS Na pesquisa Datafolha, Dilma já ultrapassou José Serra, que havia iniciado o período eleitoral à frente das intenções de voto. Enquanto isso, a campanha de Marina Silva segue sem grandes evoluções. apontou um empate técnico entre o candidato e a candidata do PT. O crescimento de Dilma ocorreu na medida em que sua figura era, cada vez mais, associada à imagem do presidente Lula. Na mesma pesquisa Datafolha, Lula bate recorde de popularidade, com 78% de aprovação do povo brasileiro. Enquanto Serra e Dilma permaneciam tecnicamente empatados, a candidata do PV, Marina Silva seguia sem muitos avanços nas pesquisas eleitorais. Marina permanece na margem dos 10 pontos percentuais, com um eleitorado aparentemente já formado, composto, em sua maioria, por jovens e adultos com ensino superior completo. A ex-ministra do meio-ambiente aposta em novas formas de atrair votos, como a rede social twitter e os comitês populares, inaugurados na casa dos eleitores. “Ela claramente é um figura com imagem positiva, biografia respeitável e tem entrada em certos se36 | Fale!

|setembro de 2010

tores de esquerda, os mesmos aos quais Dilma se dirige”, disse o cientista político Fábio Wanderley Reis, professor emérito da UFMG. No início de agosto, Dilma ultrapassa José Serra pela primeira vez, confirmando o crescimento da candidata petista apontado em pesquisas eleitorais anteriores. A pesquisa Datafolha publicada no dia 14 desse mês mostra a candidata com oito pontos percentuais à frente do tucano. Dilma tem 41% das intenções de voto e Serra, 33%. A candidata do PT ultrapassa José Serra também nas simulações de segundo turno, à frente do candidato pelos mesmos 8 pontos percentuais. Enquanto outubro não chega, as oposições trabalham para diminuir a grande margem de pontos favoráveis à petista. Sérgio Guerra, coordenador da campanha de Serra à presidência, afirmou, segundo o jornal Folha de São Paulo, que o PSDB enxerga probabilidades do tucano crescer na corrida eleitoral www.revistafale.com.br

em Goiás, Minas Gerais, Paraná e São Paulo, estados atualmente priorizados pelo tucanato. “Há certos campos onde é mais fácil crescer do que outros. Crescer em Minas é provável, em São Paulo vai acontecer. Em Goiás é possível, e no Paraná também.” Guerra afirmou ainda que o crescimento de Dima nas pesquisas é apenas uma “onda”. Embora o PSDB endosse uma série de justificativas para a disparada de Dilma na preferência do eleitorado, não é o que os números indicam. De acordo com as últimas pesquisas divulgadas pelo Instituto Datafolha, a possibilidade de uma vitória de Dilma no primeiro turno se aproxima cada vez mais. Mas, segundo Márcia Cavalcanti, diretora-executiva do Ibope, qualquer fato na reta final pode causar grande impacto sobre as pesquisas. “A gente está entrando numa fase de campanha que é a fase onde nenhum candidato pode ser pego de surpresa”, avalia. n


Meio-Ambiente

A ESTRELA

DA NOITE

 ICID+18 A palestra de Jeffrey Sachs era a mais esperada do evento Foto _ JEFFERSON RUDY _ MMA

Figura ilustre da ICID+18, o economista americano Jeffrey Sachs lotou o auditório do Centro de Convenções em sua aula sobre pobreza, mudanças climáticas e sustentabilidade no semiárido. E deixou o alerta. “Podemos estar perdendo a batalha” Por Liana Costa SEM APLAUSOS. NÓS DEVERÍAMOS SIMPLESMENTE PÔR NOSSAS MÃOS NA CABEÇA”. Com essa frase, Jeffrey Sachs calou o auditório lotado de pessoas que se reuniram para assistir à sua aula magna, ministrada na II Conferência Internacional sobre Clima, Sustentabilidade e Desenvolvimento em Regiões Semiáridas, a ICID+18. Não há, no entanto, como não aplaudir Sachs. Nascido em 1954, em Detroit, Harvard para tornar-se diretor do pessoas mais influentes do munEstados Unidos, Sachs formou- Instituto da Terra da Universidade do, pela revista Time. Atualmen-se pela Universidade de Harvard, de Columbia, onde recebeu o título te, Sachs é conselheiro do secreuma das mais conceituadas insti- de Professor Quetelet. O america- tário-geral da ONU, Ban Ki-Moon. tuições de ensino do mundo. Ainda no foi também um dos criadores Na ICID+18, Jeffrey Sachs era em Harvard, ele concluiu mestrado das Metas de Desenvolvimento do um rock star. Sua aula, cujo tema e doutorado, tornando-se profes- Milênio, conjunto de metas desen- era “O enfoque da pobreza na dissor da universidade em 1980 e per- volvidas pela ONU para erradicar cussão das regiões secas do munmanecendo no cargo por mais de a pobreza extrema no mundo, sen- do”, era uma das mais aguardadas vinte anos. Em 2002, Sachs deixa do eleito, por isso, uma das 100 no evento. Em poucos minutos, www.revistafale.com.br

setembro de 2010 |

Fale!

|

37


MEIO -AMBIEN T E Sachs apontou a relação existente entre o clima e a pobreza, enfatizando que as regiões mais secas do mundo são as mais vulneráveis às mudanças climáticas e, também, onde há mais pobreza. “E isso não é coincidência”, apontou. Além disso, segundo o economista, são também nessas áreas mais secas onde se desenvolvem os conflitos armados mais violentos do mundo. Para Sachs, a política externa norte-americana contribui para agravar as mazelas existentes nessas áreas. “Os Estados Unidos culpam a Al Qaeda, mas é porque eles não entendem o que é crise alimentar. Imaginem US$ 100 bilhões investidos ao ano nas terras secas do Afeganistão?”, criticou, referindo-se ao gasto militar da guerra de combate ao terrorismo promovida pelos EUA e lembrando, em seguida, que os recursos não são investidos em escavações de poços de águas, mas em bombardeios. As críticas aos Estados Unidos também se estenderam às suas empresas de comunicação. Segundo Sachs, a imprensa americana não dá a devida importância a temas relativos às regiões semiáridas do planeta. “É tudo uma grande mentira. O que está acontecendo é um jogo de relações públicas financiadas por algumas empresas”, referindo-se ao “monopólio da informação” comandado pelo empresário australiano Rupert Murdorch, dono da News Corporation, um dos maiores conglomerados de mídia do mundo.

Mas a principal contribuição de Sachs aos participantes da ICID+18 foram suas quatro propostas dirigidas à Declaração de Fortaleza, documento redigido e assinado pelos participantes ao final do evento. A primeira proposta do economista era que a Declaração deve ser dirigida aos chefes dos Estados localizados nas áreas secas, alertando sobre os impactos das mudanças climá-

O que as pessoas precisam lembrar é que não se trata apenas de negócios. Trata-se do mundo ticas nessas regiões. “Os líderes devem entender que eles estão em um lugar especial do mundo. As mudanças climáticas os afetam de uma forma especial”, disse. Em seguida, Sachs sugeriu que a Declaração deveria propor o agendamento dos conflitos em áreas secas pelo Conselho de Segurança da ONU, solicitando uma reunião especial sobre o tema. “Mesmo que por apenas um dia, isso poderia

ajudar a mudar entendimentos e mentes”, afirmou o economista, que sugeriu também que a Declaração deveria propor uma aliança entre os países que possuem áreas secas. A idéia era que essa aliança trabalhasse em conjunto na Conferência das Partes da ONU sobre Mudanças Climáticas (COP-16), a ser realizada no fim deste ano em Cancún, no México. A atuação dessa aliança seria determinada por propostas também inclusas na Declaração de Fortaleza, segundo Sachs. Ações como a defesa por um financiamento destinado a adaptação às mudanças climáticas e a criação de uma taxa de carbono deveriam ser defendidas pelos países pertencentes à aliança. Para o economista, esses governos também deveriam concentrar boa parte de seus recursos na geração de energia solar em áreas desérticas, pois lá “é sol o dia inteiro”. As propostas apresentadas por Jeffrey Sachs foram, por fim, adotadas por aqueles que elaboraram a Declaração de Fortaleza. Sachs conseguiu, em apenas uma hora, pautar o documento central de discussões prolongadas durante todo o evento. Mas isso é sustentabilidade para o economista americano, algo simples. Segundo ele, os problemas ambientais do mundo têm solução e elas são conhecidas. O necessário é iniciar as mudanças. “O que as pessoas precisam lembrar é que não se trata apenas de negócios. Trata-se do mundo”. n

UMA DÉCADA PARA OS DESERTOS

Projeto da ONU promete salvar as regiões do planeta mais atingidas pela pobreza e pelas mudanças climáticas. Uma em cada três pessoas chama os desertos de lar. São cerca de 2 bilhões de pessoas vivendo em áreas secas. Uma população 25 vezes maior do que a da Etiópia, lar de Chuqulisa. “A seca é um problema sério agora. Doenças se espalham, crianças padecem, as pessoas não conseguem se alimentar. Viver tornou-se caro. Não há nada bom da desertificação”, diz. Assim como a Etiópia, outros 100 países enfrentam o problema da desertificação. São áreas férteis, de enorme biodiversidade, responsáveis pela maior parte da produção de cereais do mundo. Mas que estão perdendo, a cada ano, cerca de 12 milhões de 38 | Fale!

|setembro de 2010

hectares de terra. É uma área equivalente à de Benin, na África, terra natal de Luc Gnacdja, secretário-executivo da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação (UNCCD) e responsável pelo lançamento da Década das Nações Unidas para os Desertos e de Combate à Desertificação, no ICID+18, em Fortaleza. A Década é resultado do Ano dos Desertos e de Combate à Desertificação, realizado em 2006, e faz parte dos Objetivos do Milênio, conjunto de metas propostas pelas Nações Unidas no ano de 2000. A Década terá início em 2010 e vigorará até 2020. Nesse período, a ONU promoverá ações, em conjunto com os www.revistafale.com.br

governos dos países atingidos pela desertificação, para promover a melhoria de vida da população e dos ecossistemas residentes nas áreas desérticas. “Nosso objetivo, nesta década, é forjar uma parceria global para reverter e prevenir a desertificação e a degradação da terra, além de atenuar os efeitos da seca nas áreas afetadas, a fim de promover a redução da pobreza e a sustentabilidade ambiental.”, disse Luc Gnacdja, na conferência de abertura do ICID. Segundo Luc, atualmente, existem dois caminhos a serem trilhados. “Um deles é prejudicando o meio ambiente. O outro é a abertura de um canal de coletividade para minimizar os efeitos devastadores no semi-árido”. n


DECLARAÇÃO DE FORTALEZA Documento final produzido pelos participantes da ICID+18, a Declaração de Fortaleza é composta por 23 itens que reúnem, em tese, as conclusões tiradas de uma semana de discussões. O objetivo é transformar a Declaração em pauta na próxima reunião do Conselho-Geral da ONU. Confira abaixo os itens que compõem o documento

1

7

12

Estratégias e esforços de desenvolvimento das regiões de terras secas devem priorizar o uso sustentável da biodiversidade, assim como sua conservação

18

2

Para promover o bem estar das populações das terras secas, as sérias implicações da interface clima-pobreza-sustentabilidade devem ser amplamente discutidas.

8

13

19

Desenvolvimento sustentável das regiões secas deve ser o principal objetivo das ações nos planos internacional, nacional e local. Os desafios para o alcance desses objetivos se tornarão ainda maiores nas décadas seguintes, com o aumento da vulnerabilidade das regiões secas e de suas populações.

3

Estratégias de adaptação climática, por exemplo, devem reduzir a vulnerabilidade e aumentar a resiliência local através da construção de ativos para as populações pobres.

4

Mecanismos que criem condições favoráveis ao desenvolvimento sustentável das regiões de terras secas deverão ser criados ou reforçados por meio de ações integradas para combater a degradação do solo.

As Nações Unidas devem urgentemente considerar a atual situação de risco das regiões de terras secas, especialmente na África Subsaariana, na Ásia do Sul e no Oriente Médio, mas também em partes da Ámerica do Sul, do Caribe, da América do Norte, da Ásia Central e dos Pacíficos.

9

Atividades preparatórias para a Rio+20 devem ser organizadas em uma base dos ecossistemas globais, incluindo a convocação de uma reunião de cúpula sobre o tema do desenvolvimento sustentável das terras secas.

10

Oportunidades de investimento para explorar as vantagens comparativas naturais das áreas de terras secas devem ser aproveitadas.

Uma nova aliança geopolítica deve ser formada entre os países com terras secas para aumentar os esforços de resolver seus problemas e identificar e aproveitar suas oportunidades comuns em relação a clima, desenvolvimento e sustentabilidade.

6

11

5

É necessário institucionalizar a participação local na tomada de decisões e aumentar a representação da população das terras secas nas decisões tomadas.

0

1,750

3,500

Esforços devem ser intensificados entre os países de terras secas para elevar a preocupação interna a respeito desses problemas e oportunidades, além de gerar apoio para a ação.

7.000 Km

As sinergias devem ser maximizadas entre as intrervenções de natureza global, nacional, regional e local para mitigar e adaptar às mudanças climáticas, para conservar a biodiversidade e para desacelerar o processo de desertificação

14

Atividades de desenvolvimento sustentável sensível ao clima necessitarão de fontes financeiras adicionais

É necessária a concepção de um programa integrando pesquisa, observação, modelagem e aplicações associadas ao clima nas regiões de terras secas. Maiores insumos oriundos das ciências sociais são necessários para a compreensão das mudanças climáticas.

20

A distância entre a investigação científica-tecnológica e o conhecimento sobre os sistemas de produção precisam ser reduzidos.

15

21

16

22

Compromissos financeiros previamente assumido por parte dos países industrializados, com o objetivo de apoiar o desenvolvimento sustentável, devem ser cumpridos. As inovações financeiras para alcançar o desenvolvimento sustentável sob condições de mudanças climáticas poderiam incluir fundos específicos para financiar a adaptação e atividades associadas ao desenvolvimento sustentável em terras secas.

17

Educação de qualidade em todos os níveis deve ser uma prioridade nas áreas de terras secas.

Um maior intercâmbio é necessário, principalmente entre os países em desenvolvimento que enfrentam desafios e oportunidades similares. A compartimentalização das estratégias e programas de desenvolvimento devem ser corrigidas.

23

A urgência em responder às questões do clima, do desenvolvimento e da sustentabilidade perante os desafios e oportunidades, que se colocam para as regiões secas, não pode ser suficientemente enfatizada.

Geographic Coordinates, Resolution 30 arc minutes

Hiper Árido

Árido

Semiárido Seco

Climas Polares e Boreais

Oceanos

Limites dos Países

www.revistafale.com.br

Semiárido Úmido

Úmido, Sub-úmido.

setembro de 2010 |

Fale!

|

39


Política

o declínio de

obama

Em sua primeira edição de setembro, a revista semanal americana Time tenta explicar por que o prestígio do presidente Barack Obama chega aos índices mais baixos junto ao seu público interno

I

ncansável, prometendo e aspirando a uma nova América, Obama pregou seu discurso em 2008 dando esperan-

ças com grandes promessas. “Nós podemos escolher outro futuro, portanto junte-se a mim.” Hoje, esse ponto de vista é mais difícil de ser encontrado em Indiana (EUA), pois os Hoosiers, como são conhecidos seus moradores e que lembram ter votado em Obama, se sentem desanimados, frustrados e irritados com a economia do país. Com a taxa de desemprego local acima de 12% e subindo novamente nesse verão, cidadãos desanimam e desconfiam do trabalho do presidente Barack Obama. Julie Griffin, que votou em Obama em 2008, sentada na borda de uma sala, bem vestida e desanimada, conta que depois de 23 anos como administradora da folha de pagamento de uma empresa local, foi despedida e está sem trabalho há 18 meses. “Realmente, o que ele tem feito?”, disse a desempregada quando questionada sobre os esforços que Obama tem feito para ajudar pessoas na mesma situação que ela. “Eu não sei o que ele está fazendo”, reforça, numa reportagem da revista Time.

40 | Fale!

|setembro de 2010

www.revistafale.com.br

Essa é a mudança de percepção — de Obama como um salvador político para Obama como criatura de Washington. Quando Obama chegou ao cargo em janeiro de 2009, o seu índice de aprovação no Instituto Gallup foi de 68%, uma alta para um líder recém-eleito não visto desde John Kennedy em 1961. Hoje, a aprovação do seu trabalho está em


torno dos 40%, o que significa que pelo menos um em cada quatro americanos mudou de opinião. Assessores da Casa Branca explicam essa mudança como um reflexo inevitável, em grande parte, dos ciclos da história. Médias porcentagens são quase sempre más para presidentes no primeiro mandato. “O público está frustrado e irritado com a eco-

nomia”, diz Dan Pfeiffer, diretor da assessoria de comunicação, explicando a linha da Casa Branca. Nos momentos mais confiantes, os assessores admitem que o pico da popularidade de Obama pode ter sido inflado, um resultado fugaz de alegria com a perspectiva de mudança e de orgulho nacional na eleição do primeiro presidente africano-amewww.revistafale.com.br

ricano. Como disse um assessor, da Casa Branca citado por Times, “Era uma espécie de farsa”. A sensação de desapontamento, na fronteira com a traição, tem vindo a crescer em todo o país, especialmente em estados como Indiana, onde as pessoas agora dizem abertamente que não entenderam bem o presidente em quem votaram em 2008. “Nós compramos o que ele disse. Ofereceu muita esperança” diz Fred Ferlic, um eleitor de Obama e cirurgião ortopédico da cidade de South Bend que, irritado com a sua escolha, aponta falhas nos compromissos com a reforma da saúde, nos negócios e do alto crescimento dos gastos no governo. “Ele está tentando nos europeizar, e os europeus estão indo para outro lado”, continua Ferlic. Uma explicação para o declínio de Obama é que sua presidência repousa sobre o que Frank Newport, do Gallup, chama de “paradoxo” entre Obama e o eleitorado. Em 2008, observa Newport, sua confiança no governo federal estava em uma baixa histórica, caindo para 25%, onde ainda permanece. No entanto, Obama ofereceu o governo como a principal solução para a maioria dos males da nação, apelando para os grandes novos investimentos em saúde, educação, infra-estrutura e energia. Por outro lado, o salvamento das empresas de automóveis, o resgate da Wall Street e da nova regulamentação dos bancos e do setor financeiro aumentou o ceticismo da opinião pública. Agora, assessores do presidente esperam que as reformas controversas na área da saúde e as regras financeiras produzam benefícios. O ponto, resultando em deficits, que tem sido muito ampliado pela perda de receitas fiscais para o abrandamento econômico, tem assustado a todos que, simplesmente não confiam em Washington para solucionar os problemas que vem passando o país. Mesmo em Indiana, a decepção é acompanhada por um desejo real de um líder que pode fazer a diferença. “Acho que ele está tentando”, diz Julie Griffin, a desempregada que disse não saber o que Obama tinha feito por ela. “Ninguém pode mudar isso durante a noite”, enfatiza. n setembro de 2010 |

Fale!

|

41


Economia

Mídias Sociais

nova estratégia de interação

As mídias sociais, através de suas ferramentas de ação e interação, criaram uma verdadeira onda de relacionamento e negócios dentro da web. O crescimento corporativo, construindo parcerias entre empresas, que passam a oferecer os mesmos produtos ou serviços, tem sido uma vertanete. E um dos entusiastas e operadores de um deste canais, o twitter, é o jornalista Pompeu Vasconcelos que tem mais de 11 mil e 300 seguidores Por Yágara Schneider

A

s mídias sociais, definidas como

tecnologias usadas para disseminar conteúdos a partir do compartilhamento de opiniões, idéias, experiências e perspectivas, possuem diferentes formas de comunicação. Blogs, mensageiros, podcasts, wikis, videologs, MySpace, Facebook ou mashups, são algumas das ferramentas que permitem aos usuários liberdade de comunicação interativa. Elas unem pessoas com as mesmas afinidades e interesses, abrindo um leque de oportunidades, tanto para o meio social como empresarial.  Siga o Pompeu Vasconcelos no Twitter

@baladain

42 | Fale!

|setembro de 2010

www.revistafale.com.br

Para comprovar tal teoria, o colunista Pompeu Vasconcelos ministrou


uma palestra no CDL Jovem ressaltando a importância dessas mídias e como elas contribuem para o crescimento corporativo. Considerado uma das personagens mais badaladas da cidade, Pompeu migrou da engenharia civil, onde foi diretor das construtoras Ego e JPV, para o jornalismo da TV União, emissora que, considera, “tirou do anonimato”. Ex-colunista do jornal O Povo, hoje edita uma coluna do Diário do Nordeste, além de ser publisher do site Balada In e diretor da Balada Publicidade, Promoções e Eventos. Em sua palestra, mostrou que as mídias sociais, através dos sites de relacionamento e das ferramentas de pesquisa, têm grande importância para o crescimento corporativo, mas, para isso, o uso da internet, em sua visão, “a mídia do futuro”, deve ser interativo e convergente, já que a convergência corporativa se dá através de parcerias em que duas ou mais empresas se unem para oferecer produtos ou serviços de mesmo interesse. “Na minha visão, a mídia do presente e do futuro é a internet, mas tem que ser usada com interatividade e convergência sempre”. Segundo o palestrante, a convergência foi uma das estratégias usadas para o crescimento do seu site Balada In.

Na minha visão, a mídia do presente e do futuro é a internet, mas tem que ser usada com interatividade e convergência sempre. Ele explica que em três meses o site cresceu quase 50%, passando de 47 mil visitas no mês de abril para 99 mil em julho. As empresas o procuravam para organizar eventos e promover ações, assim, Pompeu entendeu que poderia unir parcerias com essas empresas e promover seus produtos. A partir dessas ações, o site cresceu e passou a fazer negócios. “Nosso crescimento aconteceu quando comecei a fazer parcerias com lojas e lugares que temos negócios, passei a usar seus produtos e a fazer promoções”. Mas para Pompeu, o diferencial também é uma importante estratégia. Frases chocantes e estrangeirismos deram um toque especial aos textos do site. “Nós também buscamos ser exclusivos. Usamos palavras para chocar e que tem duplo sentido”,

enfatiza Pompeu. O colunista ressalta que esse crescimento também foi devido ao uso das redes sociais como o Twitter e Facebook na esteira do incível crescimento do Google. Essas mídias promoveram um círculo onde todos interagem, se conectam e trocam idéias, levando milhares de visitantes do mundo ao site Balada In, ocasionando uma cadeia produtiva de dimensão global. “Nós estamos em 154 países”, afirma. “Os visitantes não vão ao site somente para se ver ou ver os outros, mas também para fazer negócios”. Pompeu diz que no site o visitante pode ter acesso a tudo que procura. “Se o usuário está satisfeito, nós temos visitas. As visitas geram patrocinadores e negócios, assim, todos estamos felizes.” n

O que é o Google Analytics?

O site BaladaIn tem seu tráfego medido pelo Google Analytics, que mostra como as pessoas encontraram o seu website, como o exploraram e como você poderá melhorar a experiência do visitante. Com estas informações do Google Analytics, é possível melhorar o retorno sobre o investimento do website, aumentar as conversões e rentabilizar a sua presença na rede.

Desempenho do BaladaIn

Site começou como extensão da coluna publicada em jornal impresso. Virou fenômeno de massa O site www.baladain.com.br surgiu após Pompeu Vasconcelos, na época colunista do jornal O Povo, compreender que não era possível publicar as fotos de todos que participavam dos eventos, o que gerava insatisfação para alguns. “A coluna é um espaço reduzido para fotos, por isso nós implantamos o site, para contemplar todos que não saíam na coluna. Com o site, nós pudemos publicar todas as fotos, fazer todos os comentários”. O que começou com uma simples postagem, foi se tornando de grande proporção, tomando espaço e conquistando seu público. Hoje, o site Balada In é clicado em 154 países por mais de 100 mil visitantes.

Páginas/visita 6.63 Taxa de rejeições 39,91% Tempo médio no site 00:06:11 Novas visitas 34,53%

www.revistafale.com.br

664.5aç5õe1s Visualiz a de págin

FONTE: Google Analytics

100.19s 5 Visita

setembro de 2010 |

Fale!

|

43


ECONOMIA& NEG Ó CIOS

A CRIANÇA E A

PROPAGANDA O presidente da Associação Brasileira de Agências de Publicidade (Abap), diz na reunião de Fortaleza que a publicidade para crianças é também uma ferramenta de informação e cidadania. “A proteção da criança é tarefa de grande responsabilidade e de alta complexidade.” A entidade “deplora as opiniões simplistas que pregam a contextualização da publicidade, por definição, como vilã”

“A

proteção da criança é um dever de todos, igualmente, e julga presunçosa, inconveniente e desalinhada dos propósitos de liberdade e democracia, toda e qualquer tentativa de fazê-la bandeira de propriedade exclusiva de determinados segmentos, entidades ou indivíduos.” Este foi o principal foco da Carta de Fortaleza que consolidou as teses da reunião da diretoria nacional e conselho diretor da AssoCarta de Fortaleza A Abap, Associação Brasileira das Agências de publicidade, diante da disseminação de conceitos, oriundos de setores pontuais, porém movidos por uma determinação afeita às organizações de vocação absolutista, e que buscam relacionar a imagem da atividade publicitária à ameças à proteção criança, declara: n Que a proteção da criança é um dever de todos, igualmente, 44 | Fale!

|setembro de 2010

e julga presunçosa, inconveniente e desalinhada dos propósitos de liberdade e democracia, toda e qualquer tentativa de fazê-la bandeira de propriedade exclusiva de determinados segmentos, entidades ou indivíduos. n Que a proteção da criança é tarefa de grande responsabilidade e de alta complexidade e, portanto, deplora as opiniões simplistas que pregam a contextualização da publicidade, por definição, como vilã. n Que a proteção da

ciação Brasileira de Agências de Publicidade (Abap), em Fortaleza.

Além da publicidade de produtos dirigidos à criança a Abap discutiu também a apresentação de projetos de lei sobre publicidade em tramitação no Congresso Nacional, a tributação da Bonificação por Volume — o chamado BV —, uma das principais fontes de receita das agências nacionais, e a tributação pelo PIS, Cofins e ISS, a avaliação da pesquisa Ibope “Como o brasileiro percebe e avalia a propaganda” para o mercado regional e também o patrocínio de publicidade para projetos culturais. O principal destaque foi a discussão sobre os aspectos e consequências da implementação da Lei 12.232, sancionada pelo presidente Lula em 29 de abril. A lei

criança, no que se refere ao uso da mídia publicitária, está contemplada na constituição federal, no código de defesa do consumidor e no código brasileiro de aurorregulamentação publicitária. n Que a proteção da criança deve ser, necessariamente, objeto de um debate global permanente e inspirador de propostas equilibradas, realistas e embasadas por uma percepção sóciocultural alinhada com a contemporaneidade. n Que a proteção da criança deve estar no

www.revistafale.com.br

foco de todos os profissionais de comunicação incumbidos de a ela se dirigirem, recomendando vigorosamente o uso responsável e criterioso dos recursos da publicidade e de seu inegável poder de sedução e influência. n Que a proteção da criança, no que diz respeito à publicidade, deve incluir a resistência às propostas alienantes, que sugerem proibições incondicionais, censura pura e simples e outras iniciativas que tenham, como princípio, a negação da informação.


Propaganda. Chico Gualbernei, presidente da Abap no Ceará e Luiz Lara, presidente da Abap nacional

dispõe sobre as normas gerais para licitação e contratação pela administração pública de serviços de publicidade prestados por intermédio de agências de propaganda. O presidente da Abap, Luiz Lara, assegura que a Lei foi um grande avanço para o setor. “A lei é um avanço por aliar técnica e preço nos processos licitatórios”, diz. “Em nosso segmento a técnica é requisito fundamental.” O rigor nas licitações públicas é uma reivindicação antiga do setor e evita a possibilidade de um eventual jogo de cartas marcadas. Para Dalton Pastore, presidente do Fórum Permanente da Indústria da Comunicação (ForCom) e presidente do Conselho da Associação Brasileira de Agências de Publicidade (Abap), a lei é mais uma demonstração de que a publicidade brasileira, além de brilhante, é digna, e sabe lutar pelo seu modelo próprio. “Quando surgi-

ram os escândalos do mensalão envolvendo algumas agências, a Abap foi à CPI dos Correios, como convidada, e apresentou sugestões para tornar os processos licitatórios mais protegidos contra possíveis vícios e as execuções dos contratos entre anunciantes públicos e suas agências mais seguras contra possíveis desvios”, relembra. Ao final da reunião a Abap divulgou a “Carta de Fortaleza”, documento onde o foco foi diretrizes e valores da entidade em relação à publicidade voltada para crianças, um polêmico tema que vem ganhando espaço e sendo amplamente discutido. A entidade se colocou contra proibição deste tipo de propaganda, defendendo uma auto regulamentação. O presidente do Conselho Executivo das Normas-Padrão (Cenp), Caio Barsotti, falou sobre as novas regras de certificação das agências de publiciwww.revistafale.com.br

dade, ainda em estudo pela entidade. “Sem as regras, as normas, o mercado fica pior do que com elas. Assim, nós elaboramos as normas, nos comprometemos a segui-las e nós nos expomos a sanções que nós mesmos determinamos”, ensina Barsotti. A reunião também foi importante para a divulgação do Projeto Nordeste 2011, um grande evento liderado pelo presidente do capítulo Bahia, Renato Tourinho, que vai reunir o mercado publicitário para discutir as oportunidades geradas pelo aumento do poder de consumo na região. “A bola da vez é o Nordeste”, diz Luiz Lara. “Enquanto os investimentos em mídia devem crescer 15% no Brasil, o Nordeste deverá apresentar crescimento de 20%.” O Brasil é o sétimo maior mercado de mídia do mundo, movimentando cerca de R$ 12,8 Milhões por ano. n setembro de 2010 |

Fale!

|

45


ECONOMIA& NEG Ó CIOS

A arte do bom

bacalhau Há 20 anos no mercado cearense, o chef português e proprietário do restaurante João do Bacalhau conta como tudo começou, sua experiência na gastronomia e suas especialidades

C

onhecido como

João do Bacalhau, o dono do prestigiado restaurante português, e o primeiro de sua geração a seguir a linha gourmet da família, João Carlos Oliveira entrou para a cozinha aos 17 anos, mas foi aos 20 que assumiu o papel de chef no restaurante Don Juan, em Lisboa, onde aprendeu a arte da culinária regional nortenha.

Nascido na Angola, continente africano, justifica porque escolheu o Brasil para ser sua segunda moradia. “A África tem um clima parecido com o do Brasil, e prefiro climas quentes a climas frios, por isso, resolvi vir para o Ceará”, revela. Tendo o bacalhau como sua especialidade, João conta que seu restaurante também tem uma cozinha diversificada. “A culinária portuguesa tem cerca de cinco mil pratos 46 | Fale!

|setembro de 2010

www.revistafale.com.br


diferentes, além de ter milhares de maneiras de preparar o bacalhau. É a mais completa mundialmente. Fazemos risotos, bacalhaus, carnes, ensopados, guisados, peixes, leitões, vitelas e frutos do mar. São muitos pratos e sabores. O bacalhau é um dos peixes que pode ser usado com qualquer tipo de condimento e tempero, além de ser o único a conter todas as vitaminas”, enfatiza. Com tanta variedade, João resolveu expandir os pratos lusitanos até as casas dos seus clientes, assim, recebe encomendas. O cliente pode escolher qual o menu que mais lhe agrada, encomendá-lo com antecedência e levar para casa. Seu carro chefe é o Bacalhau entre os Rios, prato feito à base de bacalhau, batatas e bastante azeite de oliva. Sua experiência o conduziu ao que é hoje. Antes de se tornar proprietário do restaurante, João conta que foi chef dos restaurantes lusitanos O Marquês e A Tasca do Marquês. Rigoroso com a qualidade da culinária, faz questão de acompanhar sua cozinha pessoalmente. “Sinto não poder fazer todos os pratos, mas controlo de 60 a 70% a minha cozinha. Tento manter o padrão de qualidade, pois com uma cozinha sem qualidade, a casa não cresce”, comenta. O fornecedor também é uma questão de prioridade

Carta de Vinhos O restaurante João do Bacalhau tem em sua carta de vinhos predominantemente portuguesa. Mas ela é pontuada também por bons vinhos de várias origens dentre os quais argentinos e chilenos. “Temos uma grande variedade de vinhos, os preços variam desde 25 até mil reais, como é o caso do vinho Barca Velha, top de linha. Os

qualidade. Na adega do João do Bacalhau, os vinhos são de várias origens para ele. “Eu faço todas as compras. Tudo é sempre fresco, eu prefiro dizer ao cliente que não tenho o que ele procura a servir algo que não presta, mas faço de tudo para isso não acontecer, por isso tenho fornecedores que me vendem com exclusividade o bacalhau Gadus Morhua, o top dos bacalhaus”, explica ele que também revela o segredo da fidelização de seus clientes. “Mantenho meus clientes com o padrão da qualidade dos serviços prestados. Nunca posso abrir mão da higiene, dos alimentos frescos e da equipe bem treinada, cada um tem sua função”. Após sua experiência em Fortaleza, João abriu uma filial em Teresina, Piauí, numa belíssima casa onde consegue controlar sua equipe indo

vinhos mais vendidos estão entre 60 a 120 reais”, explica. Apesar de ser um país pequeno, ser dividido por regiões de microclimas e ter grande variedade de castas, o vinho português passou a ter uma produção monocasta, ganhando destaque e evoluindo seu produto. Na última feira de vinhos mundial realizada em Paris em 2008, Vinalies Internationales, Portugal teve o vinho Syrah 2005

à cidade uma vez por semana. Mesmo resolvido a não abrir mais filiais devido à dificuldade em manter o controle de qualidade, o chef acabou de inaugurar o restaurante Timoneiro, especializado em frutos do mar. “Quero oferecer atendimento diferenciado pensando no cliente sempre. Tenho bons chefs, amplo espaço com área externa, salões climatizados. Todos os pratos são servidos a la carte”. Segundo ele, comida boa é aquela feita na hora. “Comida que se prez. Nunca a queira pronta. Espere, tudo tem o tempo certo para ser bem servido”, observa. n

João do Bacalhau. Rua República

do Líbano, 1079. Varjota, Fortaleza, CE  (85) 3267.0198 e (85)3267.3029

da Casa Ermelinda Freitas, de Palmela, considerado como o melhor vinho tinto do mundo. “Na feira tivemos o melhor vinho, estivemos entre os 50 melhores, depois entre os 10, entre os cinco e, por último, entre os dois. Portugal é um país pequeno, mas é competitivo e tem conhecimento do que faz”, ressalta. Como um bom sommelier, João do Bacalhau também fala

www.revistafale.com.br

sobre o progresso do vinho no Brasil e de seus benefícios para a saúde. “O vinho é bom para a saúde, apreciado sem exagero, em boas doses é melhor que qualquer bebida”, ensina. O consumo tem crescido nos últimos anos e “vai crescer mais”, assegura ele. “O Brasil está bem em termos de vinho branco”, lembra. “Champagnes, conhecidos como espumantes, tem qualidade excepcional.” n setembro de 2010 |

Fale!

|

47


Cultura

GUARDAR

UM LIVRO PARA

A edição de 2011 virá com cerca de 300 editoriais e todo o conteúdo em DVD

Pelo sexto ano consecutivo a Omni Editora edita o Livro do Ano, um dossiê com mais de 200 páginas, organizando os fatos mais importantes do ano e fazendo projeções para 2011 — em especial no cenário econômico. O Livro do Ano é principalmente uma referência histórica para pesquisadores e estudantes. Uma novidade na edição 2011, que circula em janeiro, é a versão digital com todo o conteúdo em DVD Por Yágara Schneider

j

á virou tradição. há seis anos a omni editora entrega ao

mercado leitor o Livro do Ano, um dossiê com o relato e a análise dos principais acontecimentos nacionais e internacionais, que está agora em sua sexta edição. O livro tem dois grandes capítulos, a Retrospectiva 2010 e as Perspectivas 2011 e, dentre eles, uma série de subdivisões. No capítulo Retrospectiva estão as seções Imagens do Ano, uma coletânea das fotografias marcantes assinadas por profissionais do mundo inteiro, numa parceria com a agência Reuters. Seguem-se as seções Frases, Brasil, Economia, Política e Adeus, aqui o obitário do ano. Em sua edição de 2011, o Livro do Ano mostrará importantes acontecimentos, como o crescimento econômico da China, o maior do mundo. A crise da Europa que, mesmo com altíssimo desenvolvimento econômico e bem-estar social, se balançou ao sofrer as turbulências do mercado. Nos Estados Unidos, dados desanimadores mostram a estagnação do país. Porém, no Brasil, o controle da inflação e o aquecimento do mercado de trabalho diminuíram a desigualdade social

48 | Fale!

|setembro de 2010

www.revistafale.com.br


Duas novidades na edição 2011: a distribuição nacional do Livro do ano e a versão digital com todo o conteúdo em DVD.

LUÍS-SÉRGIO SANTOS, editor e publisher da Omni Editora que edita o Livro do Ano

e inseriram o país no cenário mundial. Mas tudo poderá mudar. O brasileiro está a um passo de decidir quem serão seus representantes no poder público nas eleições que acontecerão dia 3 de outubro para presidente da República, governadores de estado, senadores, deputados estadual e federal, e, no Distrito Federal, deputados distritais.

Surpresas, derrotas e vitórias. Aconteceu o inesperado. Brasil perde para a Holanda. Apesar da decepção dos brasileiros, o 19º campeonato mundial é alegria para os espanhóis: a Espanha sagra

A quarta edição do Livro do Ano, em 2009

Primeira edição do Livro do Ano, em 2006

Segunda edição do Livro do Ano, em 2007

2008, sai a terceira edição do Livro do Ano

www.revistafale.com.br

setembro de 2010 |

Fale!

|

49


CULT URA

Páginas de abertura das seções Artes e Adeus

Aberturas das seções Ceará e Economia

-se, pela primeira vez, campeã da Copa do Mundo 2010. Na América do Sul, o vencedor da Copa Libertadores da América é o Internacional, que conquista seu segundo título na competição. Mas não foi só o futebol que fez sucesso no esporte. A primeira edição dos Jogos Olímpicos da Juventude aconteceu em Cingapura, o Rally Internacional dos Sertões teve sua quinta edição em Sobral. Fortaleza foi sede da 50 | Fale!

|setembro de 2010

segunda edição do ICID+18 - Conferência Internacional sobre Clima, Sustentabilidade e Desenvolvimento em Regiões Semiáridas. O evento reuniu representantes de 100 países para discutirem soluções de longo prazo para problemas ambientais e sociais em regiões de semiárido. Mortes, pânico e tristeza. O mundo sofre uma sucessão de tragédias causadas pelos fenômenos da natureza. A sequência de terrewww.revistafale.com.br

motos assolou o mundo. Na China, um sismo de magnitude 7,1 na escala de Richter provocou centenas de mortes. Na Turquia, outro terremoto destruiu casas e mesquitas, e, no Chile, houve um dos abalos sísmicos mais violentos dos últimos 100 anos. Outro fenômeno da natureza de grande impacto foi com a erupção do vulcão Eyjafjallajokull na Islândia, que causou cheias e degelo, espalhou nuvens de cinzas vul-


O Livro do Ano é ilustrado com infográficos, gráficos, mapas e farto material fotográfico

onda de calor no país provocou uma grande tragédia. No Golfo do México, a plataforma petrolífera Deep Water Horizon da BP explode e derrama mais de 25 mil barris de petróleo, espalhando-os pelas águas salgadas da América e formando uma das piores marés negras do mundo com mais de 1.600 km². Apesar de todas essas catástrofes, o eclipse solar anular de 2010 brilhou em sua aparição e teve a maior duração na fase anular no século XXI. Atingiu 11 minutos e oito segundos.

Cobertura global. O Livro do

cânicas pela Europa, causando caos aéreo. As tempestades também arruinaram milhares de vidas no México, Nicarágua, França, Portugal e Paquistão, onde a inundação foi considerada uma verdadeira desgraça para o país. O Brasil também sofreu com a violência das águas e o Rio de Janeiro entrou em estado de calamidade pública. Na Rússia, os fenômenos naturais castigaram e um incêndio causado pela maior

Ano cobre os eventos de A a Z. A maior capital do Brasil festeja seus 456 anos, muita festa e alegria para o paulistano. Atrações musicais trazem um dia diferente para São Paulo, uma cidade que não pára. A capital federal também encanta em seu cinquentenário na Esplanada dos Ministérios. Brasília é homenageada com grandes astros musicais, exposições e espetáculos de dança e teatro. Do outro lado, os norte-americanos acompanham a premiação do Oscar 2010: Guerra ao Terror derrota Avatar, Sandra Bullock ganha o prêmio de melhor atriz pela sua atuação no filme Um Sonho Possível e Jeff Bridges o de melhor ator com o filme Coração Louco. No Brasil, o Festival de Gramado elege Bróder como melhor filme, Caio Blat, o melhor ator e Simone Spoladore, a melhor atriz. A estreia do filme As Mães de Chico Xavier, dirigido por Daniel Filho, www.revistafale.com.br

foi um grande sucesso de bilheteria e a mexicana Jimena Navarrete foi escolhida em Las Vegas, Estados Unidos, Miss Universo 2010. Na Europa, os portugueses curtiram o Rock in Rio Lisboa, enquanto que em Fortaleza, a grande atração no Ceará Music será o Black Eyed Peas. Na festa dos Peões em Barretos, São Paulo, Mariah Carey conquistou e seduziu o público com seu talento. Mas o mundo também chora e lamenta. Israel ataca navio que trazia ajuda humanitária. O país matou mais de 10 pessoas que levavam ajuda a palestinos. Casos de pedofilia na Igreja Católica causam indignação nos fiéis. Divulgações apontam para abusos sexuais contra menores. A Rússia perde seu presidente, Lech Kaczynski, em um acidente aéreo, além de sua primeira-dama e alguns parlamentares que também estavam no avião. No Rio de Janeiro, o músico Rafael Mascarenhas, filho da atriz Cissa Guimarães é atropelado no Túnel Acústico e morre, comovendo o país. O túnel estava interditado, mas foi invadido por jovens que faziam “pega”. Sequestro, espancamento e tortura até a morte. Bruno, goleiro do Flamengo, é acusado de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, corrupção de menores, sequestro e cárcere privado pelo assassinato de sua ex-namorada Eliza Samudio. A barbárie impressionou o Brasil. Criminosos invadem hotel de luxo no Rio de Janeiro e deixam 650 hóspedes aterrorizados. A quadrilha fez 35 reféns, teve um de seus integrantes morto e deixou um policial ficou ferido.

Ciência e tecnologia.

Cada vez mais a tecnologia se encarrega de inovar e criar novas possibilidades que proporcionam a interação e a integração. Portanto, o avanço tecnológico e a globalização elevaram de forma significante o nível, a quantidade e a qualidade das trocas de informações, facilitando a comunicação. Pensando dessa maneira, a Apple apresentou o iPad, uma plataforma para navegar na Internet, ler e enviar emails, visualizar fotos, ver vídeos, ouvir música, jogar, ler e-books e muitas outras coisas. Mas não é o fim, tudo isso é apenas o começo de uma longa história. n setembro de 2010 |

Fale!

|

51


o m u s Con

Eles nos consomem! Arrojados e modernos, tradicionais ou inovadores. O brasileiro está de olho em itens sofisticados, atraentes e práticos. Grandes marcas inspiram e seduzem milhões de consumidores. A partir desta edição, Fale! abre espaço para a seção Consumo

M

aiores índices de confiança, menores taxas de desemprego e maior poder de compra são os responsáveis pelo aumento da aquisição de bens de consumo do brasileiro. Grandes marcas atraem o consumidor, desde o uísque americano Jack Daniels, agora com sua operadora no Brasil, até a pulseira duas voltas feitas com miçangas de metal e pérola grafite da Balangandã.

 Filmadora

Sony Digital Full HD Bloggie Branca

Ibyte R$ 799

Uma filmadora de bolso que oferece experiência completa com gravações de vídeo em Full HD e fácil compartilhamento através do upload para sites como: YouTube, Facebook e Picasa. Moderna e prática, a filmadora possui design fino e inovador, perfeita para quem tem uma vida social ativa.

52 | Fale!

|setembro de 2010

iPhone 4  Jack Daniels agora no Brasil 

Depois de conquistar a GrãBretanha, a Brown-Forman, dona do uísque americano, abre sua marca no país.

Galaxy Tab 

A tecnologia também enlouquece os consumistas. Já está liberado oficialmente pela Anatel para venda no Brasil o aguardado iPhone 4. Nele você pode conversar com vídeo, basta um toque e um tchauzinho pra quem está do outro lado.

Previsto para chegar em breve no mercado europeu, o computador em forma de prancheta da Samsung, lançado na IFA 2010, permite tirar fotos e conversar por meio de vídeo em câmeras frontais e na parte de trás. Sua tela é de 7 polegadas, pesa 380 gramas, tem conexões Bluetooth, Wi-Fi a/b/g/n e 3G. A Samsung ainda não divulgou os preços.

www.revistafale.com.br


Anel Domenica 

Vivara (preço sob consulta) Belíssima jóia feita com pedras brasileiras, é uma criação de Fabrizio Giannone.

Chevrolet Camaro V8 Para os mais ousados, a novidade é o lançamento do Chevrolet Camaro V8 no próximo Salão do Automóvel em São Paulo. O carro é equipado com o motor V8 de 6.2 litros e 32 válvulas, com bloco e cabeçotes feitos em alumínio e entrega mais de 400 cavalos de potência.

 Pulseira Pérolas

Grafite

Balangandã R$ 18 Linda pulseira de duas voltas feita com miçangas de metal e pérola grafite.

Blush Mineral Beauty 

Lavadora Esmaltec EW60 

Uma das mais modernas indústrias da América Latina aposta e inova no design dos fogões, refrigeradores e das lavadoras que agora vem com filtro de fiapos, trava de segurança e 7 programas de lavagem, inclusive turbo e expressa.

Boticário R$ 66,90 Cobre e disfarça pequenas imperfeições de forma suave e com fácil aplicação.

 Adega Climatizada

Prata

Spicy R$ 1.990 A Adega Climatizada comporta 30 garrafas de vinho, possui compressor, regulagem digital e prateleiras para frigobar com o encaixe perfeito. A temperatura pode variar entre 3ºC e 16ºC.

www.revistafale.com.br

Samsung Galaxy S 

Outro mimo da tecnologia é o Samsung Galaxy S, com memória interna de 16 GB e processador com frequência de 1 GHz, resolução de 480 por 800 pixels e 16 milhões de cores.

setembro de 2010 |

Fale!

|

53


Ensaio Por Leonardo Danziato, psicanalista, doutor em sociologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC), professor titular na Universidade de Fortaleza — Unifor

H

á algumas semanas fomos surpreendidos por mais uma medida jurídica polêmica, que modifica o “Estatuto da Criança e do Adolescente”, propondo uma proibição de qualquer tipo de castigo corporal dirigido à criança ou adolescente. Os pais que vierem a desobedecer esta restrição poderão sofrer penalidades, que vão desde uma mera advertência, até uma exigência de submissão a tratamentos psicológicos. Imagino que, no mínimo, uma hesitação ou uma incerteza sobre qual posição tomar diante desta polêmica surgiu para todos os que se depararam com a notícia. Não é para menos, pois parece haver uma polarização — que tentarei demonstrar ser restrita — entre duas interrogações pontuais: afinal, bate-se numa criança? Bater educa? A palmada traumatiza? Não bater seria demasiadamente permissivo? Qual a justa medida da palmada para uma boa educação?

Rapidamente os meios de comunicação convidam peritos e especialistas — psicólogos, psicanalistas, pedagogos, entre outros — para tomar parte na discussão; e o que vemos geralmente não vai muito além do que o senso comum poderia entoar. Isto porque o ponto crucial da polêmica não orbita em torno dessas indagações comuns e

Bate-se numa criança? A c

54 | Fale!

|setembro de 2010

www.revistafale.com.br


suas possíveis respostas. Vou propor-lhes outras perspectivas para, quem sabe, ampliarmos o ângulo deste exame. Inicialmente algumas interrogações de cunho mais sócio-político, mas não menos subjetivantes. São elas: por que o Estado é conduzido a intervir em questões que até pouco tempo, permaneciam no âmbito familiar? Por que o Estado precisa se interpor nessa esfera familiar, substituindo uma função simbólica antes exercida pelos pais? Quem deve determinar como se deve “educar” uma criança? O Estado deve, ou pode realmente legislar sobre esse aspecto pontual da vida cotidiana? Estaríamos aqui num impasse, num ponto litoral entre o público e o privado? Outras questões de ordem mais “subjetivas”, por assim dizer (isto porque não considero que sejam menos políticas): quais os efeitos dessa intervenção juridicista para pais e filhos? Não estaríamos destituindo os pais contemporâneos, já bastante fragilizados e sem autoridade, de uma função crucial para a subjetivação dos seus filhos? Como fica o lugar desses pais nesse processo de subjetivação e educação se não encontram no laço social uma garantia e um reconhecimento para exercer uma autoridade sobre seus filhos? E não estaríamos, assim, concedendo aos filhos mais uma via “reativa”

A tradição e a autoridade dos pais foram usurpadas pelo mercado do saber — e do poder — sustentado por essa cumplicidade fundamental entre ciência e capitalismo. mamente dos aspectos singulares e desejantes envolvidos nas relações entre pais e filhos, ou os dois. Não podemos desconsiderar os efeitos moralizantes que uma medida deste calibre pode produzir no âmbito social. Já posso imaginar a cena: a mãe ou o pai que em meio a seus conflitos conjugais, lançam mão desta lei, para acusar o parceiro de violência ou agressividade, dispondo o filho, de maneira completamente equivocada, em um lugar de mediador de um embate

em prol da violência doméstica, nem tampouco sendo condescendente com pais embrutecidos e agressivos com seus filhos. Da mesma forma quando me refiro ao poder que fora destituído dos pais, não estou dirigindo-me aquele de poder intervir ou simplesmente bater ou aplicar uma palmada “corretiva” em seus rebentos, mas a algo mais amplo, histórico e estrutural, ou seja, um poder-saber tradicional, simbólico, que se transmitia de pai para filho – e de mãe para filha – e que fornecia aos homens e mulheres um saber e um poder em suas posições futuras de pai e mãe. Este poder-saber implicava uma autoridade, especialmente a paterna, que se situava na família e no laço social na forma de uma alteridade de lugares e que tinha como função tranqüilizar a “economia psíquica” das crianças e especialmente dos adolescentes quanto ao que se sabia sobre o permitido e o interditado. Sabemos que as interdições e seus efeitos de perda, são fundamentais para a organização subjetiva da criança. Se essa alteridade/ autoridade implicava em promover castigos físicos nos filhos, não podemos interpretá-los como necessariamente equivocados, pois faziam parte de uma forma de educação e subjetivação própria da “modernidade tradicional”, e que estamos vendo

criminalização da palmada para que possam se opor oficialmente contra seus pais desautorizados pelo Estado? Lembro, a título de parênteses, que já existem processos judiciais de filhos contras seus pais, reivindicando uma indenização por considerarem que não foram por eles suficientemente cuidados ou amados. Eis a insuficiência do amor! Aliás, como sempre... Pois bem, pasmem! Como reivindicar amor e cuidados juridicamente? Ou se crê demasiadamente no jurídico, ou não se apercebe mini-

que diz respeito unicamente a eles (essa não é, entretanto, uma cena incomum nas separações). Ou por outra, pessoas comuns que passariam a moralizar publicamente uma intervenção mais dura de um pai ou uma mãe diante de seus filhos, reivindicando a legalidade – moral – da nova lei: não faça isso, que eu chamo a polícia! Os cidadãos de boa vontade serviriam como agentes da violência embutida nesta nova moral. Devo me apressar em dizer, contudo, que não estou argumentando www.revistafale.com.br

se dissolver gradativamente nessa época nomeadas por alguns de pós-moderna. Os sintomas sociais por excelência em nosso mundo, as adicções e as depressões, são muito ilustrativos da já difundida “falta de limites” no trato com o consumo dos objetos; ou seja, indicam um colapso da autoridade e das interdições familiares e, conseqüentemente, sociais. Autores dos mais variados campos – sociologia, filosofia, psicanálise, etc. – são unânimes em diagnosticar essa destituição dos poderes setembro de 2010 |

Fale!

|

55


ENSAIO subjetivantes dos pais, assim como da dimensão simbólico-social de nossa época. Capitalismo e ciência, numa cumplicidade histórica, produziram novas formas e poderes subjetivantes, que não são mais aqueles que se transmitiam de pai para filho. Hoje quem detém o poder-saber de subjetivação-educação das crianças e adolescentes são os médicos, – como sua nova moral bio-política, como denomina Foucault – mas também os “peritos da subjetividade” (pedagogos, psicólogos, psicanalistas, entre outros), e ainda, uma meia dúzia de canastrões que descobriram o filão da auto-ajuda; o que mostra como o “mercado” é o lugar de transmissão e de subjetivação por excelência nos dias de hoje, e não mais o que se aprendia através das nostálgicas conversas familiares de fim de noite. Aquele saber herdado simbólica e tradicionalmente, habita agora ao “mercado dos saberes” e os bancos universitários: os pais têm que pagar para recuperar o que lhes fora usurpado. Estarrecidos e fragilizados imploram nos consultórios desses peritos um saber que os ajude a recuperar suas competências parentais. Tarde demais. Como disse, historicamente a tradição e a autoridade dos pais foram usurpadas pelo mercado do saber – e do poder – sustentado por essa cumplicidade fundamental entre ciência e capitalismo. Para essa dupla não interessa um poder simbólico centralizado, porque faz mal aos negócios. Reis e rainhas perderam cabeças por conta disso. Agora chegou a vez dos últimos representantes de uma autoridade tradicional simbólica – e também imaginária. Não se trata, contudo, de nos mantermos numa nostalgia triste com relação à autoridade paterna, nem tampouco de criticar ingenuamente ciência e capitalismo. Trata-se simplesmente de acatar uma analítica do nosso mundo contemporâneo e aceitar que não estamos completamente bem... Nunca estaremos. Não dissolveremos o mal-estar no laço social e na relação com o outro, por meio do amor ao próximo, ou de medidas juridicistas, nem por uso de substancias psicofarmacológicas. 56 | Fale!

|setembro de 2010

A tradição e a autoridade dos pais foram usurpadas pelo mercado do saber — e do poder — sustentado por essa cumplicidade fundamental entre ciência e capitalismo.

Minha surpresa e espanto com essa medida decorre da ingenuidade e do cúmulo de juridicismo que nossa sociedade pode chegar, no intuito de gerir certa imagem idealizada da criança e da infância ou, por outra, em almejar uma resolução jurídica para o mal-estar nas relações parentais característico de nossos tempos. Seria possível para os burocratas entender ou considerar que uma criança em sua “atuação” muitas vezes demanda uma ingerência dos pais, mesmo que seja uma palmada? Não teríamos que considerar – como a clínica psicanalítica nos mostra – que os adolescentes atuais comentem os mais variados “atos”, muitas vezes perigosos, solicitando desesperadamente uma intervenção organizadora dos pais? Obviamente que não me refiro a espancamentos, mas a um posicionamento direto sustentado por uma autoridade simbólica, reconhecida pelos pais. www.revistafale.com.br

Se assim for, seus efeitos serão inevitáveis e importantíssimos para crianças e adolescentes. A violência, própria da condição estrutural do sujeito humano (perdoem a redundância) jamais poderá ser extirpada de nosso convívio. Cabe, contudo, que façamos por onde controlá-la, domesticando-a em prol da vida em coletividade e do laço social. Mas nunca conseguiremos a proeza de dissolvê-la completamente. Tomemos isto como um ideal? Contanto que não demonizemos esse aspecto obscuro de todos nós. A moral e o jurídico comportam funções sociais fundamentais, mas devemos saber que têm seus limites a aplicações específicas e que seus efeitos podem ser desastrosos e devastadores para a singularidade que nos faz acreditar numa liberdade e na vida. É muito importante que se constitua um movimento simbólico-social e de pensamento no sentido de constituir uma indagação acerca desses efeitos, e de inventar novas formas de transmissão de uma autoridade “legítima”. Teremos que repensar a família? Certamente que sim. Os fenômenos sociais em torno das novas configurações familiares já o fizeram. Mas seriam os juízes e advogados os autênticos representantes dessa nova autoridade? Resisto à idéia. Talvez seja bem melhor que os pais possam recompor suas posições, não mais reivindicando uma autoridade caduca, nem tampouco jurídica ou médica, mas que busquem uma reapropriação e responsabilização de seus saberes e poderes em subjetivarem seus filhos. Para tanto é necessário suportar os efeitos “ex-cêntricos” de ter um filho. Não é natural nem fácil ocupar esses lugares de pai e mãe; principalmente numa sociedade que retira suas ancoragens simbólicas. É necessário um trabalho singular e político (no bom sentido do político) de crítica e criação de novas sustentações para a autoridade simbólica dos pais, e não uma destituição precipitada por medidas burocráticas e equivocadas. Espero que este artigo possa ter ajudado como uma convocação para este trabalho, como disse, inevitavelmente singular e político. n


[ PERSONA ]

Sônia Bayma, Sávio Queiroz, Freitas Júnior e Alfredo Marques

Segundo TweetFor, um sucesso Entre inúmeras redes sociais, o Twitter é uma das mais populares. Uma das provas disso aconteceu em agosto no restaurante Colher de Pau, onde 300 usuários da rede social largaram por um tempo os seus perfis e se reuniram para o segundo TweetFor. Organizado por Alfredo Marques, Sávio Queiroz e Freitas Júnior, o encontro já tem em vistas sua terceira edição. Dia 6 de novembro é a data marcada para o próximo TweetFor, que será no bosque do Marina Park Hotel e pretende atrair, no mínimo, 600 pessoas. A idéia é oferecer atrações musicais e trazer grandes nomes nacionais que também foram pegos pela febre Twitter. Quem quiser participar deverá comprar uma camisa personalizada e poderá usufruir de uma parceria inédita: Omni Editora e TweetFor, que disponibilizará aos tuiteiros condições especiais para a publicação de livros de qualquer ordem. Mobilizações como essa consagram o Twitter como um fenômeno virtual. www.revistafale.com.br

setembro de 2010 |

Fale!

|

57


[ PERSONA | Luiz Carlos Martins ]

Alfredo Marques e Fernanda Luna

Tomás Figueiredo, Sérgio Brasilis e Pedro Fiúza

twetefor. A comunidade usuária do Twitter se reúne em Fortaleza no Restaurante Colher de Pau Fotos paulo figueiredo

André Linheiros, Ana Negona e Sávio Queiroz

Freitas Júnior, Fernanda Luna e Alfredo Marques

Paulo Figueiredo e Roberta Quaranta

Lia Alcoforado, Valdetário Monteiro, Olga Maria e Jeritza Gurgel

Carol Leite e Léo Bayma

58 | Fale!

| JULHO

de 2010

Paulo Figueiredo e Ricardo Bacelar

Lia Alcoforado, Letícia Sturdart e Flávia Benevides

www.revistafale.com.br

DJ Lilee Dias


[ PERSONA | Luiz Carlos Martins ]

Jeritza Gurgel, Cláudio Vale e Ana Negona

Felipe e Sônia Bayma

Sandra Mourão e Lia Alcoforado

Freitas Júnior e André Nogueira

Freitas Júnior e Clarisse Ilgenfritz

Confraternização durante o movimentado encontro

Gilberto Seffrair e Alfredo Marques

Telma Aguiar, DJ Lilee e Olga Maria

Freitas Júnior, Sávio Queiroz, Alfredo Marques e Olga Maria www.revistafale.com.br

Ana Negona e Excelsa Costa Lima JULHO de 2010 | Fale

!

|

59


[ PERSONA | Luiz Carlos Martins ]

Duplo Brinde. Vera e Alfeu Simões receberam grupo de amigos por conta dos aniversários de Carlos Castelo e Nicinha Ferreira. Fotos Auston

Isabela Castelo, Edgard Damasceno, Flávia, Carlos e Daniel Castelo

Des. Manoel Cefas com Carlos e Flávia Castelo

Vera e Alfeu Simões, anfitriões da agitada noitada afetiva

Francisco Ésio Caracas e Fernanda Pessoa

Excelsa e Arthur Costa Lima, Ricardo Sahd e Denise Roque

Marcos e Stella Sales

60 | Fale!

| JULHO

Vera Simões e Roberto Pessoa

Adriana Galvão e Renata Oliveira

de 2010

Nicinha Ferreira e Luiz Carlos Lima

www.revistafale.com.br

José Jorge Vieira e Tatiana Belfort


Entre colunistas. Durante o almoço do Colóquio da Crônica no Iate, o médico Cabeto Martins Rodrigues recebeu o Troféu Bayard. Fotos Auston

Edilmar Norões, José Rangel, Cabeto (homenageado do evento) e Gera Texeira

Beatriz Philomeno, cardiologista Cabeto Martins e Mônica Arruda

Rita Martins Rodrigues e Lêda Maria

Recebendo o cobiçado troféu

[ PERSONA | Luiz Carlos Martins ]

Lúcio Brasileiro entre Flávio Torres e Claudiane Juaçaba

Cláudio Cabral e Adriano Nogueira

Roberta Fonteles Philomeno, Marcondes Viana e Pompeu Vasconcelos

João Martins sauda o homenageado

Lúcio Brasileiro, Rossine Cartaxo e Francisco Campelo

Luiz Carlos Martins e Cabeto Martins Rodrigues

www.revistafale.com.br

Sellene e Max Câmara

JULHO de 2010 | Fale

!

|

61


[ PERSONA | Luiz Carlos Martins ]

DOUTOR honoris causa. Professor Álvaro Melo saudou o ministro César Asfor, agraciado com o título de Doutor Honoris Causa da UFC. Fotos Auston

O reitor da Universidade Federal do Ceará, Jesualdo Farias, abriu a solenidade prestigiada por personalidades do mundo jurídico

Ministros Napoleão Nunes Maia e Raul Araújo

César Asfor Rocha agradece a honraria

Julinho Ventura 62 | Fale!

| JULHO

Chiquinho Feitosa, Tasso Jereissati e Paulo Lustosa

Marcelo Teixeira, Tasso Jereissati e Ednilo Soarez

Edson Silva de 2010

Magda e César Asfor Rocha

Roberto Cláudio Júnior

Lúcio Alcântara, José Valdo Silva e Marta.

www.revistafale.com.br

Vera Lúcia Corrêa Lima

Salmito Filho

Ernani Barreira


solidariedade. Em grande festa no Mucuripe Club, a OAB-CE celebrou a entrega simbólica de latas de leite ao Iprede e ao Instituto dos Cegos.

[ PERSONA | Luiz Carlos Martins ]

Entrega simbólica com as representantes do Iprede e do Instituto dos Cegos

Ana Karine Moreira, Valdetário Monteiro, Cleto Gomes, Sheila Gomes

O evento também teve patrocínio da Revista Fale!

Renan Martins, Harley Ximenes e esposas

Christiano Alencar, Valdetário Monteiro e José Damasceno

Roberta Quaranta e Mozart Gomes

Fábio Ozório, Manuela Praxedes e Suely Ozório

Banda Santa Clara de Recife

José Damasceno, Leandro Vasques e Luís Carlos

Manuella Leite, Raquel Bezerra e Jamila Simões www.revistafale.com.br

JULHO de 2010 | Fale

!

|

63


[ PERSONA | Luiz Carlos Martins ]

Cintilante Noite. Colunista Lêda Maria festejou sua troca de idade com elegante e prestigiada festa no Athènée Buffet. Fotos Rodrigues

Aniversariante entre Wanda e Solange Palhano

Beth Cunha e Orlando Mota

Eridan Mendonça e Fátima German

Cristiane e Antonio Marques Cavalcante 64 | Fale!

| JULHO

de 2010

Célia e Roberto Smith

Eliseu e Flávia Barros

Tales de Sá Cavalcante e Jaqueline

Luís-Sérgio Santos e Isabela Martin

Geraldina e Geraldo Bizerra

Lucila e Edilmar Norões

Conceição e João Guimarães

www.revistafale.com.br

Vãnia e Aristófanes Canamary


[ PERSONA | Luiz Carlos Martins ]

João Alfredo e Liane Franco

Tânia e João Jorge Vieira

Paulo e Adélia Magalhães

Ana e Adyr Sampaio com Lêda Maria

José Cláudio e Neuma Carneiro

Eymard e Maria Amoreira

Aniversariante entre Lauro e Marildes Vinha Lopes

Antonio e Vera Costa

Branca e Josué de Castro

Newton e Alessandra Freitas www.revistafale.com.br

Bretis e Eliane de Castro

Cristina e César Betozi

Tomás Filho e João Batista Fujita

Flávia e Carlos Castelo

Renata e Marcelo Pinheiro JULHO de 2010 | Fale

!

|

65


Artigo

Escritores acreditam em convivência do livro de papel com novas plataformas digitais Por Carolina Gonçalves

C

oexistência é a expressão mais utilizada pelos autores que participam da oitava edição da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), no Rio, ao comentar o futuro do livro em papel e das novas plataformas digitais que permitem a leitura eletrônica, como o e-book. O inglês Peter Burke, autor de mais de 30 livros - entre eles A Fabricação do Rei, Uma História Social do Conhecimento e, em parceria com sua mulher (Maria Lúcia Pallares-Burke), a obra Repensando os Trópicos: Um Retrato Intelectual de Gilberto Freyre -, acredita que o livro de papel ainda resiste por mais 30 anos, mas, em longo prazo, pode desaparecer como gênero literário. “Como tantas inovações, isso tem o lado bom e o lado ruim. O lado bom é a acessibilidade e o lado ruim é a imaginação de crianças crescendo com a internet e lendo mais na tela que nos livros de papel. Eles vão ler de outro modo, diferente da minha geração. Para eles é fácil ler rapidamente para achar informações, mas lendo tudo na tela é muito difícil se entregar completamente à literatura. Para ler jornais, tudo bem. Para ler livros pequenos não há grande problema. Mas, não consigo ver alguém lendo na internet um livro como Guerra e Paz”, afirmou Burke. O autor cearense Ronaldo Correia de Brito, que tem suas obras caracterizadas pela mescla do imaginário sertanejo e da cultura popular nordestina, acredita que há espaço para todos. “Quando surgiu a imprensa e o livro, foi disseminada a escrita, mas isso não acabou com a oralidade. As histórias continuaram sendo narradas. Da mesma forma, acho que o livro vai continuar existindo enquanto houver celulose”. Da mesma maneira pensa o jornalista Sérgio Dávila, mediador de 66 | Fale!

|setembro de 2010

um dos debates promovidos pela Casa da Cultura. Ele acredita que assim como a televisão não acabou

Como tantas inovações, isso tem o lado bom e o lado ruim. O lado bom é a acessibilidade e o lado ruim é a imaginação de crianças crescendo com a internet e lendo mais na tela que nos livros de papel. Eles vão ler de outro modo. Para eles é fácil ler rapidamente para achar informações, mas lendo tudo na tela é muito difícil se entregar completamente à literatura. [...] Para ler livros pequenos não há grande problema. Mas, não consigo ver alguém lendo na internet um livro como Guerra e Paz. peter burke, em

palestra na 8ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty

com o rádio, os meios eletrônicos não devem ser, por enquanto, vistos como uma ameaça ao livro de papel e destacou aspectos insubstituíveis como a portabilidade e “o prazer tátil www.revistafale.com.br

que você tem ao ler um livro”. Segundo Dávila, a crise mundial que atingiu a literatura nos últimos anos está sendo mitigada por dois fatores. “O mercado do livro está em ascensão, principalmente nos países emergentes como Brasil, porque tem toda uma classe C e D que está consumindo livro pela primeira vez na vida. Isso pelo lado do livro em papel, formato tradicional. Por outro lado, as editoras estão vendo uma possibilidade maior de abrir o uso das plataformas eletrônicas. Acho que essas plataformas vão conviver”. Tiago Lacerda, que vive das ilustrações e quadrinhos e coleciona três publicações independentes, aposta que o livro é um elemento insubstituível. “O livro não vai acabar nunca. Um livro digital nunca vai substituí-lo. O e-book não é a evolução do livro. O livro já chegou ao topo e o e-book, na verdade, tenta simular um livro. Não poderia ser evolução, se copia”. O peruano Julio Villanueva Chang, editor da revista literária Etiqueta Negra e autor do livro de perfis Elogios Criminales, prefere não falar de futuro ou prever o que pode acontecer à indústria literária, mas lamenta que “jornais, revistas e impressos queiram se parecer mais com as páginas webs, twitters e redes sociais como o facebook”. Segundo ele, o desafio dos escritores hoje é maior porque vivemos uma época de “crise universal de atenção, que tem a ver com uma transformação paulatina de como percebemos o mundo por meio da tecnologia. Estou te respondendo aqui e, ao mesmo tempo, ouvindo a música que está tocando e a mulher que está conversando na minha frente. Vivemos uma época em que todos querem falar e ninguém escuta”. n Carolina Gonçalves é repórter da Agência Brasil


A revista de informação do Ceará.

CEARÁ: MODA PRAIA E SURF, UM SUCESSO Revista de informação ANO VI — Nº 69 OMNI EDITORA

www.revistafale.com.br R$ 9,00

9 771519 953002 00068>

Francisco Pinheiro, vice-governador do Ceará

O HOMEM DO PT NO GOVERNO CID

Os leitores da revista Fale! são decisores, pessoas que não abrem mão de informação de qualidade. Política e Economia são os principais temas da revista de informação. Fale! Quem decide, lê.

w w w.revistafale.com.br

Revista Fale! 76  

Edição de número 76 da revista Fale!, publicada pela Omni Editora.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you