Page 1

BRASÍLIA, OS 50 ANOS DA CAPITAL Revista de informação ANO VI — Nº 71 OMNI EDITORA

www.revistafale.com.br

R$

9,00

O ator Nelson Xavier que interpreta no cinema a fase madura de Chico Xavier

Chico Xavier,

um campeão de bilheteria

Chico Xavier, O Filme, já arrebatou um público de mais e 2,5 milhões de espectadores e quer mais, entrar para o recorde de bilheteria


ISSN 1519-9533

REVISTA DE INFORMAÇÃO

EDITOR&PUBLISHER Luís-Sérgio Santos EDITOR SENIOR Isabela Martin Editor Associado Luís Carlos Martins EDITOR DE ARTE Jon Romano DESIGN GRÁFICO Bruno Aôr EDITORES DE ARTE ASSISTENTES Eduardo Vasconcelos, Cinara Sá e Lívia Pontes WEBDESIGNER Germano Hissa REDAÇÃO Adriano Queiroz COLABORADORES Fernando Maia, Roberto Martins Rodrigues e Roberto Costa IMAGEM Agência Brasil, AE, Reuters REDAÇÃO E PUBLICIDADE Omni Editora Associados Ltda. Rua Joaquim

Sá, 746 n Fones: (85) 3247.6101 e 3091.3966 n CEP 60.130-050, Aldeota, Fortaleza, Ceará n e-mail: fale@ revistafale.com.br n home-page: www.revistafale.com.br Fale! é publicada pela Omni Editora Associados Ltda. Preço da assinatura anual no Brasil (12 edições): R$ 86,00 ou o preço com desconto anunciado em promoção. Exemplar em venda avulsa: R$ 9,00, exceto em promoção com preço menor. Números anteriores podem ser solicitados pelo correio ou fax. Reprintes podem ser adquiridos pelo telefone (85) 3247.6101. Os artigos assinados não refletem necessariamente o pensamento da revista. Fale! não se responsabiliza pela devolução de matérias editoriais não solicitadas. Sugestões e comentários sobre o conteúdo editorial de Fale! podem ser feitos por fax, telefone ou e-mail. Cartas e mensagens devem trazer o nome e endereço do autor. Fale! é marca registrada da Omni Editora Associados Ltda. Fale! é marca registrada no Instituto Nacional de Propriedade Industrial. Copyright © 2010 Omni Editora Associados Ltda. Todos os direitos reservados. Impressão Gráfica Cearense n Impresso no Brasil/Printed in Brazil. Fale! is published monthly by Omni Editora Associados Ltda. A yearly subscription abroad costs US$ 99,00. To subscribe call (55+85) 3247.6101 or by e-mail: df@fortalnet.com.br

Vem aí O Livro do Ano 2009-2010. A história é de quem faz. O mais completo documento de 2009 e os cenários para 2010. Mais um lançamento da Omni Editora.

www.omnieditora.com.br


ArenaPolítica TalkingHeads Online BrasíliaOff Blogosfera

||Pause

POLÍTICA

16Em busca do voto

Nos últimos seis meses, as movimentações de Dilma e Serra, os dois principais concorrentes ao Palácio do Planalto se intensificaram. Viagens pelo país e pelo exterior, gravações de programas políticos, reforço nas estratégias de marketing, reuniões intermináveis para fechar alianças.

Chico

||Pause

Xavier,

agora ele emociona nos cinemas do Brasil

32

No dia em que o maior médium brasileiro completaria 100 anos, chegou aos cinemas uma das maiores produções cinematográficas da história nacional, inspirada na vida do mineiro Chico Xavier. Orçado em R$ 12 milhões, Chico Xavier, o filme, é dirigido por Daniel Filho

economia

O crescimento, em Fortaleza, do mercado de luxo, voltado para as classes A, B e eventualmente C está atingindo também o segmento da panificação

66Brasília, 50

Há 50 anos, a construção de Brasília vislumbrava a grandeza do futuro do Brasil. Hoje, para muitos, a capital federal é o retrato da corrupção e razão para a descrença

SEÇÕES

8 Talking Heads 10 Arena Política capa: foto Ique Esteves

11 Online 12 Periscópio 55 Persona

foto Ricardo Stuckert

49Pão com grife

imagem DIA DO ÍNDIO

“Não conhecemos na história nenhum momento em que uma nação indígena invadiu a terra de outro para tomar conta, pelo contrário, o que acontece normalmente são os outros invadirem as terras indígenas tentando se apossar de uma terra que não é deles.” No dia do Índio, 19 de abril, Lula visitou a Terra Indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima. Ele disse que interessa ao governo federal o crescimento econômico do estado, mas sem tirar o direito dos índios.

Nós atingimos um grau de maturidade em que a gente não pode, por conta de uma eleição, afrouxar o controle da economia e deixar a coisa desandar, senão não controla mais.

lula

www.revistafale.com.br

abril de 2010 | Fale

!

|

7


||Pause

Foto JARBAS OLIVEIRA

TalkingHeads EDIÇÃO Cinara Sá

Ninguém mantém uma estrada fechada só porque vão dizer que estão inaugurando antes do tempo. Seria ridículo. Esse é um fenômeno só brasileiro. É coisa de espírito de porco. ex-governador de São Paulo e candidato do PSDB ao Palácio do Planalto, rebatendo as críticas de que estaria inaugurando obras que não estariam prontas para utilidade pública

josé serra,

Dizem que Serra não gosta do Nordeste. E dizem até que eu não me dou bem com ele. É verdade que eu não o acho bonito e nem cheiroso, mas na época em que ele foi ministro do Planejamento ele ajudou a fazer o Castanhão. tasso jereissati, senador (PSDB -CE), sobre a verba federal liberada para o açude Castanhão quando José Serra era ministro do governo FHC Foto Antonio Cruz_ABr

O Brasil não é uma voz isolada. Essa é uma percepção equivocada de uma imprensa que não lê o noticiário internacional. São países importantes como a Turquia e a China que têm posição diferente dessa.

Marco Aurélio Garcia, o assessor para Assuntos Internacionais da Presidência da República, sobre a defesa do diálogo com o Irã e a oposição às sanções contra o país

d e s l i z e

É preciso que a gente assuma o papel de partido político e decida o nosso destino, não ficar permitindo que o nosso destino fique correndo de tribunal para tribunal. presidente lula, criticando

a Justiça e as multas que recebeu do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que o condenou por campanha eleitoral antecipada a favor de sua candidata

8 | Fale!

|

abril de 2010

d e

Eu não tenho nenhuma simpatia por Ciro Gomes. Zero! Acho que ele fala demais, cai freqüentemente na bravata, é de uma espantosa arrogância, confunde falta de educação com autenticidade.

reinaldo azevedo, jornalista e colunista da revista Veja, em um post de seu blog

l u l a

O presidente da República deve ser um espelho para todos os cidadãos e, por este motivo, não pode estimular a sociedade a desobedecer as decisões judiciais, o que levará certamente ao descrédito da própria democracia.

Ophir Cavalcante, presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, sobre as declarações do Presidente

“Recebo a homenagem como um reconhecimento ao Governo do presidente Lula e porque ajudou a construir uma parceria republicana no Ceará como a parceria do governador Cid Gomes com a prefeita Luizianne Lins.”

Dilma Rousseff, candidata do PT ao Palácio do Planalto, agradecendo o título de cidadania de Fortaleza, na Câmara Municipal

www.revistafale.com.br


s

e

ç

ã

o

Culpar as chuvas pelas mortes no Rio é comodo.Pq n culpar a ´politica criminosa de dar barracos em troca de votos? vasques landim,

deputado estadual (PSDB-CE), pelo endereço twitter/ Vasques_Landim

DILMA ROUSSEFF,

candidata do PT à Presidência da República, pelo endereço twitter/ dilmabr

No discurso de Serra, eis o que faz a diferença: Quanto + mentiras nossos adversários falarem sobre nós, + verdades nós falaremos sobre eles.

Foto Alex Brandon

Eu tenho orgulho de dizer que sou um homem homossexual. Eu sou muito abençoado em ser como sou. Rick Martin, cantor latino, em nota no seu site oficial

Barack Obama,

presidente dos EUA, após a cúpula de Segurança Nuclear, realizada em Washington, quando líderes mundiais firmaram compromissos em torno da questão nuclear

Pelo o que eu joguei até então, não mereço ir para a Seleção. Isso é claro.

É minha crença pessoal que os Castros não querem ver o fim do embargo e não querem ver a normalização com os Estados Unidos, porque eles perderiam todas as suas desculpas pelo o que não aconteceu em Cuba nos últimos 50 anos.. Hillary Clinton, secretária

de Estado norte-americana, acreditando que o fim do embargo econômico dos Estados Unidos contra o regime cubano não é interessante para os irmãos Castro

Quando as forças internacionais conseguiram entrar no imóvel, encontraram os corpos de quatro civis — duas mulheres, uma criança e um idoso — e quatro homens, suspeitos de ser insurgentes. otan, em comunicado da Força Internacional de Assistência à

Segurança (Isaf), admitindo que seus aviões mataram inocentes no Afeganistão Foto VALTER CAMPANATO_ABR

secretário de Desenvolvimento do governo paulista (PSDB), pelo endereço twitter/ geraldoalckmin_

RUBENS BARRICHELLO,

piloto de fórmula 1, pelo endereço twitter/ rubarrichello

A melhor coisa que Lula da Silva fez como presidente foi nada. the wall street journal, jornal norte-

americano, em editorial que critica duramente o presidente Lula, quem costumava elogiar

Quando falam em política, ele abaixa a cabeça.

Alberto Fraga, deputado federal (DEM -DF), descrevendo o estado de José Roberto Arruda, solto pelo STJ

geraldo alckmin,

Bom é isso aí. Na F1 você é tão bom quanto sua última corrida. Hoje falam mal, amanhã batem palma. To calejado já.

ronaldo, atacante do Corinthians, reconhecendo que seu atual desempenho é desfavorável à sua convocação para a Copa do Mundo

||Pause

A quem interessa criar interpretações falsas sobre as minhas palavras? Não importa, a verdade se impõe.Vou seguir em frente.

“Graças às medidas que tomamos o povo americano estará mais protegido e o mundo será mais seguro.”

Sei que o presidente Lula já fez muito por este país, em especial pelos pobres. O desafiaria a ser um herói, que lidere o mundo para um novo paradigma de desenvolvimento sustentável. A construção [da hidrelétrica de Belo Monte] não é uma resposta adequada.

cineasta, se dirigindo ao presidente Lula. O diretor do filme Avatar participou de uma manifestação em Brasília contra a construção da hidrelétrica de Belo Monte, na Amazônia

James Cameron,

www.revistafale.com.br

Uma campanha eleitoral é sempre difícil, mas nós temos que persistir, porque as mulheres podem vencer.

Ségolène Royal, líder socialista francesa, presidente do conselho regional da região de Poitou-Charentes e ex-candidata presidencial na França, durante encontro com a candidata do PT, Dilma Rousseff abril de 2010 | Fale

!

|

9


||Pause

ArenaPolítica

as origens da crise na candidatura de ciro gomes

Trecho do artigo do cientista político Murillo de Aragão postado no blog do Noblat: “A possibilidade de Ciro Gomes (PSB) disputar a presidência da República pelo PSB é altamente incerta. Diante dessa mesma percepção, ele escreveu duro artigo criticando seu próprio partido e a aliança PT-PMDB.” E continua Aragão: “A realidade é que a candidatura de Ciro perdeu consistência quando o bloco formado por PDT, PCdoB e PSB implodiu. As duas primeiras legendas decidiram apoiar a candidatura de Dilma Rousseff (PT) ao Planalto atendendo apelo do próprio presidente Lula.”

Pacto pela Vida no ceará quer diagnóstico sobre Drogas

O Conselho de Altos Estudos e Assuntos Estratégicos da Assembleia Legislativa do Ceará divulga o Pacto pela Vida — com foco no problemas das Drogas. A articulação pretende reunir órgãos governamentais, ONGs e membros da sociedade civil, para diagnosticar a situação das drogas no Ceará e fazer um plano estratégico de políticas públicas em busca de soluções. Serão coletados dados das diversas instituições que realizam ações de prevenção, tratamento, repressão ao tráfico e ressocialização dos dependentes químicos no Ceará. A iniciativa tem o apoio do Sindicato dos Médicos do Ceará, da Central Única das Favelas (Cufa) e da Associação Cearense de Imprensa (ACI). Mais informações no site www.al.ce. gov.br/conselho/pactopelavida e pelo telefone (85) 3277.3743. 10 | Fale!

|

abril de 2010

novo governo do df nas mãos do stf

O

procurador-geral da República, Roberto Gurgel, con-

tinua defendendo a intervenção no Distrito Federal. Para ele, mesmo com as eleições indiretas que escolheram Rogério Rosso (PMDB) como o novo governador do DF, a coisa continua como dantes. E é verdade. São os mesmos quadros da política numa espécie de raposa fazendo auditoria no galinheiro. Rosso, ex-secretário do Governo deposto, promete que irá conversar com Gurgel e ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) para convencê-los de que a medida não é mais necessária. “Não fui procurado ainda. Se for, vou recebê-lo. Mas minha posição dificilmente vai mudar porque a intervenção independe da pessoa do governador mas sim do processo pelo qual ele foi escolhido”, afirma Gurgel. “Não tenho nada contra a pessoa. A intervenção é um remédio amargo, mas é o único caminho diante da gravidade da situação”. As eleições indiretas realizadas pela Câmara Legislativa do DF agravaram a situação de Brasília, assegura Gurgel. “A eleição antes de apontar para a normalização, aponta para um agravamento. Dos 13 deputados que votaram em Rosso, oito são pessoas envolvidas no pro-

Rogério Rosso (PMDB), governador eleito do DF impós um ritmo austero cesso.” A política do Distrito Federal entrou em profunda crise política desde que a Polícia Federal deflagrou, em novembro de 2009, a Operação Caixa de Pandora sobre um esquema de distribuição de propina no governo distrital, envolvendo o primeiro escalão do Executivo local. As denúncias levaram à prisão e afastamento, por determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ), do então governador José Roberto Arruda.

Para Lula, oposição quer o apagão Para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva os críticos da construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte — projetada para ser construída no Rio Xingu, no Pará — torcem para que ocorra um apagão no Brasil, como o registrado em 2001. Segundo Lula, há uma entidade não governamental, ligada a partidos de oposição, insinuando ameaças de racionamento e crise energética. O presidente negou o risco de ocorrer um novo apagão. “Orgulhosamente, eu www.revistafale.com.br

digo para vocês: ‘não terá apagão no Brasil’. A não ser que haja uma catástrofe. E aí, contra a catástrofe, ninguém pode. Só Deus é que pode resolver.” Lula: “nós já fizemos, em oito anos, 30% do total de linhas de transmissão feitas em quase 125 anos”, disse. “Portanto [as usinas de] Belo Monte, Jirau, Santo Antônio são coisas que os nossos adversários torcem para não dar certo. Eu vi um cidadão dizer que isso é política. Quem não quis fazer política fez o apagão.”


Online

Nokia e seus smartphones

A Nokia tentava há algum tempo concorrer com a líder no setor de aparelhos móveis para e-mails corporativos, a RIM, fabricante do Blackberry. Para se fortalecer nesse desafio, o maior fabricante de celulares do mundo lançou três modelos de smartphones. O C3, C6 e E5 são aparelhos mais baratos - seus preços variam de R$ 215 a R$ 525 - e vão concorrer diretamente com o Blackberry, que assusta pela faixa de preço. O surgimento desse novo cenário - mais competitivo foi facilitado pela crescente demanda por esse tipo de produto. Os novos modelos vêm com ferramentas de redes sociais, mensagens, e-mails e contatos, o que deverá popularizar ainda mais os serviços de comunicação pelo celular. Os três apresentam teclado QWERTY completo. O novo modelo C3, segundo analistas, será uma das grandes apostas da Nokia nesse ano. Com conexão wireless, tela de 2,4” e suporte para cartão de memória de até 8GB, virá nas cores rosa choque, ouro branco e preto. O C6, mais avançado, tem tela de 3,2” e uma câmera de 5MP com auto-foco e flash, além de oferecer boa navegação na internet. Estarão disponíveis nas cores branco e preto. Já o E5 é direcionado para profissionais que usam o celular como ferramenta de trabalho. Com display de 2,4”, tem conectividade Wi-Fi, Bluetooth, GPS e suporte para memória externa de até 32GB. Até junho, deverão estar nas lojas os modelos C3 e C6. O prazo para o E5 estar disponível para compra é até setembro.

Spam no Twitter?

não fiquem comprometidos. São oferecidas transmissões com três níveis de qualidade para atender tanto quem tem equipamentos mais modernos como conexão discada. Para assistir às peças, basta se cadastrar no portal e comprar créditos para fazer o download. Os ingressos são a partir de 10 reais, podendo chegar, no máximo, à metade do valor do espetáculo tradicional. Talvez seja um bom começo para a “inclusão cultural”.

O QUE É NOVO

O projeto Portal Cennarium, bancado pela empresa de mídias digitais Nortik, pretende facilitar o acesso da população ao teatro. A intenção é promover uma “inclusão cultural”, disponibilizando, para quem tiver computador conectado à internet, os principais espetáculos do eixo Rio-SP, onde a movimentação teatral é mais intensa. As filmagens são feitas com tecnologia digital de alta definição para que os elementos cenográficos

O Twitter relutou, mas acabou se rendendo à publicidade. O site lançou o serviço Promoted Tweets, que permite empresas comprarem tweets promocionais que aparecerão nas páginas de resultados de buscas. Será exibido apenas um anúncio por página – no mesmo formato das mensagens comuns – e, de início, apenas 10% dos usuários terá seu espaço dividido com esses textos. Alguns dos primeiros anunciantes são Best Buy, Red Bull, Starbucks e Virgin America. Para um site que ainda não dá lucros, o projeto é uma iniciativa importante nesse sentido. Porém, muitos usuários já temem que o serviço se torne uma fábrica de spams – aquelas mensagens que quase nunca são bem vindas. Não demorou também para que a notícia do novo serviço – divulgada no blog de Biz Stone, cofundador da empresa – se tornasse um dos assuntos mais comentados do site.

Pen drives em clima de Copa. A empresa A-DATA desenvolveu a linha Soccer Jersey USB Drive, que oferece pen drives em formato de camisas de seleção. Seis países participantes da Copa da África do Sul receberam a homenagem: Brasil, Alemanha, Itália, www.revistafale.com.br

Eleições 2010

As eleições presidenciais de 2010 ganharam uma nova ferramenta para ajudar eleitores, políticos e imprensa a entenderem a dinâmica eleitoral. O site Observatório da Web, idealizado pelo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para a Web (INWeb), tem o objetivo de coletar informações sobre o que se fala dos presidenciáveis em vários ambientes — desde jornais e revistas que estão presentes na internet até redes sociais — organizá-las e apresentar resultados interativos para o internauta. Com esses dados os visitantes podem analisar o desempenho dos candidatos sob vários aspectos e entender o contexto em que ele se forma. O endereço é www.observatorio. inweb.org.br.

||Pause

Teatro na rede

Coréia, México e Estados Unidos. Emborrachados, os gadgets têm material resistente à água e impactos externos. Sua capacidade de armazenamento é de 4GB. Mais informações no site www.adata.com.tw, que informa onde seus produtos são vendidos. abril de 2010 | Fale

!

|

11


||Pause

Periscópiofernando maia Quem te viu

Uma vergonha a entrevista concedida pelo deputado Chico Lopes, no dia 6 de abril, a repórteres no Aeroporto Pinto Martins. O importante é ser governo, deixou claro. Isso seria até normal se o seu partido não fosse o PC do B, velha raposa cansada. O comunista renunciou o passado para adotar uma linha fisiológica de fazer corar franciscano. Candidato a deputado federal, Lopes foi além da conta na louvação ao governador, marcando posição para garantir votos.

NOVO Endereço

Até agosto o senador Tasso Jereissati estará mudando o seu tradicional escritório da Santos Dumont, para a torre que constrói junto ao Iguatemi onde ocupará todo um andar. E com ele, outros empresários acompanham o poderoso chefão do PSDB. Beto Studart, nome mais lembrado para assumir o partido depois que o Senador ensarilhar armas, é um deles. Vai de malas e bagagens levando para lá a sua holding, mas fez exigências. Quer os mesmos privilégios de Tasso: elevador privado para garantir a segurança. O edifício é o metro quadrado mais caro de Fortaleza para evitar o desembarque de pequenos empresários que queiram se aproveitar da boa vizinhança.

Mau agouro

Ferve o caldeirão do Dem. Chiquinho Feitosa não conseguiu segurar o bloco autêntico da agremiação. Rui Câmara e Erivelto Souza, vice e secretário geral, discreparam dos arranjos feitos pelo presidente do partido vomitando a bílis do descontentamento. Depois que garantiu para ele próprio a primeira suplência de Tasso, Feitosa entregou também o partido. Mas só o cartório. A tropa garante que ele não subirá a rampa do Senado sem antes ouvir o canto do mau agouro. 12 | Fale!

|

abril de 2010

Humildade controlada

H

ildo Furtado Leite foi líder político do sertão cearense e deputado federal por mais de 30 anos, mantendo o domínio da sua região até quando Deus o levou. Ensinava aos seus seguidores, “a humildade controlada”, sistema que consiste no domínio da política com uma máxima que sempre gostava de repetir: “Em política, não existe divisão. Ou vocês estão do meu lado, ou contra mim. Quero somar e multiplicar, dividir, nunca”. Antonio dos Santos, seu genro e seguidor, deputado estadual, ex-presidente da Assembléia Legislativa, governador em exercício algumas vezes, cita o exemplo do “Marechal”, como Hildo era chamado pelos jornalistas, para justificar a estratégia de Cid Gomes, reagindo as pressões do PT. O governador não pretende dividir o poder com ninguém. Qualquer investida contra o seu determinismo pessoal e de Chefe de Estado apontam para mudanças políticas, desembarcando os “aliados” que o contrariem do poder. O seu compromisso de dar a vice aos petistas poderá ser cumprido a risca, desde que os seus pseudos aliados acatem os entendimentos acordados antes de eleger-se governador. O PT contraria a máxima do “seu Hildo”, e quer dividir o poder indicando não só o vice da chapa majoritária, mas também o candidato ao Senado. Cid Gomes quer liberdade para decidir por ele e pelo estado, quem deve ser o segundo candidato ao Senado da República, já que o primeiro, Eunicio Oliveira, entrou nos entendimentos com os petistas. O governador tem pelo deputado José Pimentel, estima e respeito, mas falta a ele, Pimentel, o amor que os Ferreira Gomes dedicam ao senador Tasso Jereissati. A “ humildade controlada” do Chefe do Executivo não o torna incapaz de dividir, como tem feito, mas não implica numa submissão que o deixe alijado desta escolha, acatando a indicação de um candidato contra a sua vontade. Nesse caso, abraçar os ensinamentos do seu Hildo buscando a soma e a multiplicação, não

Agripec

Eunício Oliveira e Cid Gomes está fora de propósito. A chapa Cid Gomes, para governador, Domingos Filho, para vice, Eunicio e Tasso Jereissati para o Senado contrapondo-se as ameaças dos petistas, já está na prensa para ser rodada. Esse quadro poderá mudar se o PT aceitar a cristianização da candidatura José Pimentel ao Senado, mas o ex-ministro da Previdência é uma questão pessoal do presidente Lula para derrotar Tasso. Se vencer essa queda de braço, o governador promoverá uma nova “União pelo Ceará”, juntando numa mesma panela a esquerda e a direita da política estadual, fazendo o PT perdoar Tasso e vice e versa, mas se não conseguir os seus objetivos pacificadores, Cid Gomes deve escolher de que lado quer ficar. Se com Pimentel e Lula, ou com Tasso e Serra. n

Vendida a um grupo australiano pelo empresário Beto Studart por 1 bi, a Agripec acaba de ter 20% do seu capital adquirido pelo grupo nipônico Sumitomo. A boa aceitação dos seus produtos nos mercados europeu e asiático incentivou a compra por um valor não revelado, mas especula-se que, proporcionalmente, é superior à soma disponibilizada pelas ações da primeira transação. www.revistafale.com.br


Periscópio FERNANDO MAIA

A perigo

Se valer a manifestação livre do eleitorado para as próximas eleições, o deputado Fernando Hugo, maior Ibope da TV Assembleia, será reeleito. O tucano, presença diária na tribuna com palavreado contundente e hilário ao mesmo tempo, agrada ao povão. Mas não soube agradar a “Lindona”, - é assim que chama a prefeita Luizianne que minou o seu eleitorado colocando na regional de Messejana o vice Tin Gomes.

Fisiologismo

Marinheiros

Em êxtase, era como se poderia definir o vereador Acrísio Sena, durante a solenidade de cidadania fortalezense para a ex-ministra Dilma Rousseff. A propósito, atentem para a semelhança de Acrísio com o marinheiro Brutus, que disputa o amor de Olívia Palito com outro marinheiro, o Popey, aquele que come espinafre.

Metralhadora

Indignado, o deputado

na tribuna da Assembleia Legislativa que a Prefeitura de Fortaleza sonegou informações em relação à construção do novo local

para vendedores ambulantes. Quem deu o dinheiro foi Cid Gomes. Rapidamente, o deputado Artur Bruno reconheceu o equívoco no comercial de TV que trata do centro de Pequenos Negócios.

Sacrifício

Dobradinha

Ivo Gomes denunciou

Feito candidato para preencher um espaço em nome do PC do B, que dessa forma achou a maneira mais fácil de fugir a compromissos de não apoiar o PT, não desagradar a Tasso nem ao governo, o advogado Hélio Leitão aceitou a indicação do seu nome por puro espírito democrático. Sabe que não terá a menor chance de eleger-se senador. Faltam-lhe verbas para tocar a campanha e lhe faltam também os amigos que o cercavam na presidência da OAB-Ce.

Leva Eu

Não se sabe ainda quem vai usar no Ceará o jingle “Leva Eu” – adaptação do sucesso do cantor Zeca Pagodinho – composto por Duda Mendonça para a campanha de Dilma Rousseff. O PT quer Cid Gomes, mas essa possibilidade torna-se cada dia mais distante. Vai depender da candidatura do insistente Ciro Gomes que não abriu mão da disputa e guarda mágoas do Planalto.

Famoso pelo seu jogo de cintura, o vice-prefeito Tin Gomes, que colocou à disposição da eleição do primo Cid 30 vereadores em Fortaleza, não está cobrando a conta, mas será ajudado na sua campanha para deputado estadual pelo governador. Recente pesquisa o aponta como o mais votado na capital. E com ele, Mário Feitosa, que já encomendou a fatiota para tomar posse na câmara dos Deputados.

Proscrição

Ciristas justificam o silêncio com que foi acolhida a proscrição do seu líder invocando conveniências táticas de Lula. – Não seria bom para o Presidente permitir a eleição de Ciro. Se isso acontecesse, o seu caminho de volta em 2014 seria mais difícil do que lá estando a Dilma.

www.revistafale.com.br

Empresários e profissionais liberais que buscam locação no Pátio Dom Luís, queixam-se das exigências para ocupar o prédio. Não é permitido qualquer atividade que possa incomodar locatários já instalados, operários não podem usar elevadores no horário de expediente, nem usar ferramentas que façam barulho. Broca e martelo, pode sim, desde que silenciosamente. Como fazer para furar buracos e bater pregos, ninguém sabe. Mas essa política parece agradar, porque a procura tem aumentado.

Derrota

Roberto Pessoa encara as próximas eleições como a maior derrota sofrida pela democracia no Ceará, desde a revolução de 64, quando os governantes eram nomeados. Sem adversários para confrontar o seu programa de realizações, o governador busca institucionalizar a sua administração para a continuidade da democracia cearense, que é diferente da desejada pelo povo, a quem não caberá escolha. Ex-candidato a proporcionar uma sadia disputa eleitoral, Pessoa considera que paira no ar um desvão de consciência.

Deficiência

Aprovado em Plenário pela Câmara dos deputados, Projeto de Lei da deputada cearense Gorete Pereira, que permite às pessoas com deficiência se aposentarem com menos tempo de contribuição à Previdência Social. Se valer deficiência moral, mais da metade da Câmara será beneficiada.

Blefe

Do deputado Eli Aguiar sobre o Secretário de Segurança Pública: “Esse homem é um blefe. Não entende nada de segurança. Só quem não admite é o governador para não passar recibo do erro que cometeu ao escolhê-lo para o cargo.” abril de 2010 | Fale

!

|

13

||Pause

Osmar Baquit, homem de confiança e líder do governo Tasso na AL, conquistou também a confiança de Cid Gomes e será um dos mais votados do PSDB. Chamado pelos colegas de Rei do Fisiologismo, se fez íntimo do poder abraçando as causas do governador com mais fervor do que qualquer outro aliado, garantindo trânsito livre em novos colégios eleitorais. Recuperou Quixadá, sua principal base política, pela incompetência do “prefeito laranja” eleito por Ilário Marques, que continua mandando na administração municipal.

SilÊncio


10Perguntaspara

PATRÍCIA CALDERÓN

E

la nasceu para ser o centro das atenções. A paulista Patrícia Calderón já demonstrava o seu potencial de liderança na escola. Timidez ela nunca conheceu e nem também o medo de trabalhar. Já aos 14 anos começou a ganhar o próprio dinheiro. Para completar adorava as aulas de Português. Uma combinação de características assim poderia fazer sucesso em muitas profissões ligadas às Ciências Humanas, mas foi ainda melhor para quem almejou desde cedo trilhar nos rumos do Jornalismo. E foi essa vocação que ela descobriu e aperfeiçoou. Chegou à poderosa Rede Record, em 2002, menos de quatro anos depois da formatura na Universidade São Judas Tadeu. Antes disso, passou ainda pela rádio Transamérica, pela Editora Abril, pelo jornal Folha de S. Paulo e pelo SBT, além de ter feito trabalhos em assessoria de imprensa. Já na emissora do bispo Macedo ela apresentou programas jornalísticos de grande audiência como o “Fala Brasil” e o “Edição de Notícias”. Isso sem falar no sucesso que teve como repórter policial do programa Cidade Alerta da TV Record de São Paulo. Mas não se contentou em ficar na zona de conforto e aceitou um desafio novo: apresentar um telejornal, o “Jornal da Cidade”, e integrar um dos projetos mais bem sucedidos da afiliada cearense da Record, o “Riquezas do Ceará”. Desde que o programa foi ao ar pela primeira vez, Patrícia e sua equipe já percorreram mais de quinze mil quilômetros pelo Ceará – mostrando as peculiaridades de um município diferente, a cada edição – e, mais recentemente, acompanhando a saga de cearenses que venceram em metrópoles como São Paulo e Rio de Janeiro. Pois é a mais de três mil quilômetros de sua terra natal onde, desde 2006, brilha a estrela de Patrícia Calderón. Por Adriano Queiroz

||Pause

Hoje acredito ter conquistado um lugarzinho ao sol e feito amizades verdadeiras por aqui.

Quais as melhores lembranças da época de faculdade e o quê você só viu e aprendeu depois de sair dela, em termos de jornalismo? Patrícia Calderón. Desde o primeiro ano da faculdade, tive a sorte de trabalhar na área. Comecei na Rádio Transamérica e ganhava R$ 200 por mês, bem pouquinho, não dava nem pra pagar a faculdade, mas ia trabalhar feliz da vida. Queria crescer e trabalhar na área, desde o início, e todo o esforço valeu a pena. Evidente que as técnicas utilizadas na década de 90 já estão ultrapassadas. Na época mesmo, utilizei no meio jornalístico muito pouco do que aprendi na faculdade no dia a dia. Mas o aprendizado, as teorias que se aprende na faculdade, em algum momento são utilizadas. Você já atuou como repórter policial [no programa Cidade Alerta], o que é preciso para não cair no sensacionalismo, em pautas por si só já tão chocantes? Patrícia Calderón. Ser obrigado a lidar com a banalidade da violência cotidiana, em busca da audiência, é realmente complicado. Trabalhei no programa “Cidade Alerta” em uma época que ele era líder no horário, em 2002. Por isso, a cobrança em cima da equipe era dobrada. Os repórteres iam para rua e só podiam voltar pra redação com quatro ou até cinco reportagens feitas. A maior preocupação era com a quantidade e não com a qualidade. Na época, eu estava no início de carreira e claro que o profissional acaba se adequando ao que a chefia pede, manda. Óbvio que as matérias só eram destaque se houvesse um toque de sensacionalismo e muito sangue. Nunca me esqueço de uma cena que vivi durante uma externa. Trabalhava 14 | Fale!

|

abril de 2010

www.revistafale.com.br


no período da madrugada e a equipe foi chamada para cobrir uma chacina com mais de cinco mortos, entre as vítimas estavam três bandidos. No momento em que eu fazia a narração dos fatos, próximo aos cadáveres, o celular de um dos mortos começou a tocar. A polícia atendeu. Acredite se quiser, do outro lado da linha estava uma mãe desesperada por notícias do filho. Era a mãe de um dos bandidos. O policial, irônico, virou e disse: “minha senhora o seu filho partiu desta para uma melhor”...E caiu na risada. Aquilo me fez acreditar em como os crimes se tornaram banais, principalmente para quem lida com isso diariamente, como é o caso da polícia.

antes da polícia descobrir que a mesma era a mandante do crime. Quem são seus grandes ídolos ou musas dentro da profissão? Patrícia Calderón. Caco Barcelos é um deles. Outro grande nome do jornalismo, em minha opinião, é Marcelo Canellas, para mim, o mestre na arte de escrever um texto que emociona a gente. Texto em que você se sente fazer parte de tudo o que está sendo narrado. Como surgiu a oportunidade de vir ao Ceará e trabalhar na TV Cidade de Fortaleza? Patrícia Calderón. Foi quando eu ainda fazia parte do núcleo de repórteres da TV Record em São Paulo. O senhor Miguel Dias, dono do Grupo Cidade de Comunicação, fez uma visita na redação, em São Paulo, e me reconheceu. Disse que sempre acompanhou o meu trabalho no “Cidade Alerta” e que gostava do jeito como eu buscava a notícia: com muita determinação. Poucos dias depois, me convidou para conhecer a TV Cidade e comentou que buscava uma jornalista para apresentar um novo produto que seria lançado pela TV. Tudo isso aconteceu em 2006. Há quatro anos à frente do “Jornal da Cidade” e do “Riquezas do Ceará”. Não me arrependo de ter jogado tudo para o alto e arriscar um novo caminho.

Quais as principais razões para este sucesso que o Riquezas do Ceará faz? Patrícia Calderón. Amo fazer o “Riquezas do Ceará”. Trato-lhe como a um filhinho meu. O programa me proporciona sair do peso que são as notícias diárias sobre a violência e o cotidiano, no geral, para me levar a um mundo do fascínio, do que é belo de se ver, de conhecer. Lugares bonitos, pessoas interessantes, uma culinária diferente. O “Riquezas”, em minha opinião, não é apenas um programa de viagens. É um mix de cultura, lazer, turismo e muita, muita curiosidade. Já viajamos mais de 15 mil quilômetros no decorrer de quase dois anos de programa. O que a Patrícia Calderón ainda quer conquistar? Patrícia Calderón. Sinto-me feliz com tudo o que conquistei até aqui. Tenho saúde, uma família linda, um bom trabalho, mas ainda busco respeito, valorização e o principal: reconhecimento. Digo isso porque às vezes é gostoso ouvir que você faz um bom trabalho. Elogio é bom e todo mundo gosta. Mas sou aberta às críticas também, elas me fazem crescer. n

Acredita que seja possível estabelecer grandes amizades no meio televisivo ou a competitividade atrapalha você? Patrícia Calderón. Sim, é possível. Tenho dezenas de belas e firmes amizades dentro das Tvs. O meio jornalístico é um mundinho que dá muitas voltas. Um dia você está numa Tv, trabalhando com uma pessoa, momentos depois você pode cruzar com essa mesma pessoa em outro lugar. www.revistafale.com.br

abril de 2010 | Fale

!

|

15

||Pause

Você realizou há pouco tempo uma grande entrevista com o governador Cid Gomes, sobre a violência no Ceará. Em sua avaliação essa foi uma de suas maiores entrevistas? Patrícia Calderón. A minha entrevista com o governador Cid Gomes marcou bastante. Na mesma semana da entrevista com o governador cearense, tive a oportunidade de falar também com o governador de São Paulo, José Serra. Eles são grandes personalidades, homens inteligentes, importantes, cultos, e chefes de estado. No caso do governador Cid Gomes eu me senti bem à vontade. Criei com o governador um excelente vínculo profissional. Eu o admiro e ele acredita no meu trabalho. Quando há uma empatia entre entrevistado e entrevistador, não há como nada dar de errado, tudo flui, é ótimo. Já com o governador José Serra, tive a oportunidade de entrevistá-lo em outras ocasiões, já que sou de São Paulo. Não posso me esquecer de outro momento que me comoveu bastante que foi conseguir uma sonora com o Presidente Lula, no dia em que ele foi eleito presidente do Brasil. Repórteres estavam todos a postos em frente à casa dele, no ABC Paulista, e na sede do PT, em São Paulo. Assim que soube da notícia, o presidente chamou a imprensa e fez o primeiro pronunciamento como presidente eleito. O presidente chorou e não teve como não se arrepiar, foi emocionante. Afinal de contas um ex-metalúrgico, um sindicalista, se tornaria o homem mais importante do país. Foi marcante. Num outro oposto está uma entrevista que eu fiz com Suzane Von Richthofen, acusada de ser a mandante do crime contra os seus pais, que também marcou. Gravei com ela

No dia em que tamanha violência não me chocar mais, penduro o microfone e me aposento.


O Ceará na mira dos Nos últimos seis meses, as movimentações dos dois principais concorrentes ao Palácio do Planalto se intensificaram enormemente. Viagens pelo país e pelo exterior, gravações de programas políticos, reforço nas estratégias de marketing, reuniões intermináveis para fechar alianças. Tudo isso somado à preocupação de não desrespeitar a legislação eleitoral que proíbe a campanha antecipada. Nesse quesito um foi criticado por demorar a assumir a candidatura, a outra por não escondê-la de ninguém. Mas, discreta ou indiscretamente, a luta pelo eleitorado já estava na pauta do tucano José Serra e da petista Dilma RousseFf

Política 16 | Fale!

|

ABRIL de 2010

www.revistafale.com.br


os presidenciáveis desde o fim das eleições municipais de 2008. E em 2010, o Ceará e o Nordeste terão um papel fundamental na definição de quem vai ganhar essa disputa. Isso porque o estado e a região estão entre os principais redutos eleitorais do presidente Luiz Inácio Lula da Silva – o que em tese favorece Dilma Rousseff – e do presidenciável Ciro Gomes – o que, no caso da desistência do pessebista, pode favorecer José Serra. Eles sabem disso e não se esqueceram de passar por aqui para marcar posição. Fale! acompanhou as mais recentes visitas dos dois oponentes e captou as ideias que estarão em debate nos próximos seis meses. Por Adriano Queiroz www.revistafale.com.br

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

17


POLÍTICA ideias. José Serra fala para empresários e políticos cearenses em evento do Centro Industrial do Ceará no auditório da Federação das Indústrias FOTOS jarbas oliveira

18 | Fale!

|

ABRIL de 2010

www.revistafale.com.br


SERRA FOTO JARBAS OLIVEIRA

e os sete pontos para o desenvolvimento

A

última visita de José Serra, do PSDB, ao Ceará, foi ainda como governador de São Paulo, em fins de 2009, a convite do Centro Industrial do Ceará – CIC. Na ocasião, Serra fez questão de enfatizar sua relação com o Nordeste, desde os tempos em que era ministro do Planejamento – entre 1995 e 1996 – e de negar a fama de anti-nordestino, sem, no entanto, se inibir de criticar o que considera o fracasso da nova Sudene. Sempre acompanhado do correligionário senador Tasso Jereissati, ele classificou-se como um “político nacional” e não apenas paulista, destacando sete aspectos importantes que serão enfatizados na política governamental que pretende implementar, caso seja eleito: investimentos estruturantes, política macroeconômica, política de financiamento, desenvolvimento regional, segurança, saúde e educação. Conheça um pouco mais do pensamento do tucano candidato à presidência da República. www.revistafale.com.br

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

19


POLÍTICA

METROFOR. “Quando eu era ministro do Planejamento, conseguimos um financiamento japonês para começar o metrô de Fortaleza. Não sei em que pé está, se já está circulando. [risos da platéia] Não tem trem rodando? Juro que não fiz ironia. Mas são 15 anos.”

Investimentos estruturantes

Falta uma política de investimentos estruturantes no Brasil. Segundo um estudo do BID, há um subinvestimento nas grandes fronteiras agrícolas. Poderíamos estar produzindo 30% mais e exportando mais com os investimentos de infraestrutura adequados. Tem-se investido muito pouco. Quando eu era ministro do Planejamento, conseguimos um financiamento japonês para começar o metrô de Fortaleza. Nós estamos fazendo quatro linhas em São Paulo, uma com quatro quilômetros. Esses quatro quilômetros custam R$ 2 bilhões, porque é tudo túnel. A desapropriação é caríssima. Mas cada cidade de mais de 500 mil habitantes devia começar a fazer um metrô, porque em céu aberto é fácil, a desapropriação é mais barata. Aqui, quando o Tasso era governador, aconteceram investimentos estruturantes. Eu tive ligado a vários deles, como o Castanhão. Eu era o ministro do Planejamento e foi nessa época que veio primeiro o

20 | Fale!

|

ABRIL de 2010

Quando a gente governa, tem que ter uma espécie de estrabismo cívico: um olho no presente e outro no futuro. JOSÉ SERRA

dinheiro para esse projeto. Com o Porto do Pecém foi a mesma coisa. O porto é o maior exportador de frutas do Brasil e tem potencial para ser um hub, para o qual convergem muitos fluxos de transporte, para ser um distribuidor em escala internacional. O Aeroporto foi feito via Prodetur, que foi inventado pelo Paulo Renato, exministro de Educação – na época gerente www.revistafale.com.br

do BID. O Prodetur seria financiado em parte pelo governo federal e em parte através da contrapartida dos estados do Nordeste. Os estados não tinham dinheiro para dar a contrapartida na época. Eu fiz com que o BNDES fizesse isso no lugar dos estados. Criou-se, então, uma infraestrutura aeroportuária no Nordeste. O investimento estruturante dá uma direção ao desenvolvimento. E ele tem que ser materializado. As perspectivas daqui são: a siderúrgica, a refinaria e a Transnordestina, que é uma ideia que não vingou. Os investimentos não se realizaram no seu potencial, não se materializaram. Isso se multiplica pelo Brasil. Tem que ter um plano em que possa se associar o capital privado.

Política macroeconômica

O Brasil era um país apoiado na exportação de produtos primários, hoje chamados de commodities. Com a crise de 30, foi havendo uma mudança, o Brasil se industrializou. Não deixou de fazer a exportação de produtos primários, mas tam-


FOTOS jarbas oliveira

INVESTIMENTOS. Presidente Nacional do PPS, Roberto Freire, o Presidente da Fiec, Roberto Macêdo, e o senador tucano Tasso Jereissati, ratificam a necessidade de amplicação de investimentos estruturantes na economia do Brasil, propostos por José Serra, durante a palestra. bém diversificou muito a sua economia. Eu me pergunto: nós vamos optar por voltar àquele modelo ou continuar com uma economia aberta, puxada pelo crescimento doméstico da produção e do emprego, tendo a exportação como complemento necessário para também gerar emprego e trazer as divisas que o país precisa? Eu acho que a política macroeconômica praticada nos últimos anos tende a levar o Brasil de volta à condição de economia primária-exportadora, por causa da política de juros e a política cambial. O Ceará exporta frutas, vestuário, calçados, produtos do mar, castanha de caju. Uma boa parte da renda do Ceará vem das exportações. O que acontece é que o exportador faz um esforço tremendo para aumentar sua produtividade, mas a política cambial provoca perdas crescentes, em todo o país. Esse modelo tende a enfraquecer a posição do país como player do jogo econômico internacional. Nos últimos anos, as exportações cresceram, mas basicamente em produtos primários, o que aconteceu também como fruto de uma alta de preços

Falam que eu sou um político paulista, mas eu sou um político nacional. Sempre me guiei numa visão global. JOSÉ SERRA

inusitada. Mas nós não estamos num período de explosão de preços de produtos primários. E nós continuamos tendo uma das maiores taxas de juros da América Latina, senão a maior. Caiu, mas a dos outros caiu primeiro. Nós demoramos de três a quatro meses para abaixar os juros, caso único no mundo inteiro. Quando o câmbio chegou num nível satisfatório, não se www.revistafale.com.br

manteve isso. Esse é um preço grande para a nossa economia. Quando a gente governa, tem que ter uma espécie de estrabismo cívico: um olho no presente e outro no futuro. Não é possível concentrar apenas no presente, pois o dia de amanhã poderá trazer problemas, uns previstos, outros que surpreenderão porque não enxergaram adiante. Ao mesmo tempo, isso está ligado a uma política fiscal. No plano federal, temse privilegiado o aumento de gastos de custeio, inclusive permanentes. Para sair da crise, nós fizemos em São Paulo uma política de incentivo à demanda: reduzimos impostos, abrimos linha de crédito no banco estadual, antecipamos compras, fizemos o impossível para evitar o desabamento da atividade econômica. O governo federal também fez, a meu ver, isenção de impostos e expansão de crédito do BNDES. Mas, ao mesmo tempo, houve um aumento de gastos de custeio que são permanentes e que vão terminar barrando a redução de juros e uma condição mais favorável no comércio exterior. ABRIL de 2010 | Fale

!

|

21


POLÍTICA FOTOs jarbas oliveira

FUTEBOL. Presidente do CIC, Robinson de Castro e Silva presenteia Serra com camisa do Ceará Sporting Clube, recém promovido a 1ª divisão do Campeonado Brasileiro em 2010. Serra torce pelo Palmeiras. E vamos ter claro o seguinte: os chineses não são campeões de exportação apenas porque são eficientes. A indústria de calçados brasileira é mais eficiente. Eles levaram técnicos para lá e aprenderam a fazer sapato. Eles não fazem melhor que a gente, mas tem um câmbio mega-desvalorizado. Se o real tivesse o valor do yuan em relação ao dólar, o dólar seria quatro reais e meio. Isso dá pra competir com qualquer coisa. Não estou achando factível isso no Brasil, estou apenas querendo entender o problema e comparar com a China e a Índia, campeões de crescimento econômico. São países que tem um projeto nacional de desenvolvimento a médio e longo prazo consistente.

Política de financiamento

Fui co-responsável por duas fontes de financiamento. Uma é o FAT – Fundo de Amparo ao Trabalhador – que resultou de uma Emenda Constitucional que eu aprovei na Constituinte, criando o fundo 22 | Fale!

|

ABRIL de 2010

Tentam espalhar que o Serra não gosta do Nordeste. Mas praticamente todas as obras estruturais que vieram para cá foram dadas pelo Serra. TASSO JEREISSATI

como fonte para pagamento do segurodesemprego e, ao mesmo tempo, com aplicação através do BNDES. O BNDES expandiu muito por causa dos recursos do FAT. E tem o Fundo de Desenvolvimento do Nordeste, com dois por cento do FPM – Fundo de Participação dos Municípios. Este fundo teve uma importância decisiva e eu me pergunto: o que aconteceria se ele www.revistafale.com.br

não existisse? Houve a crise econômica e os estados e municípios não puderam emitir dívidas. Nenhum governo estadual ou municipal pode emitir papel e pegar dinheiro para investir e melhorar a economia. O governo federal pode. Eu tenho um dado, calculado pelo economista José Roberto Afonso, de que 70% dos investimentos no Brasil, excluindo os da Petrobras e outras empresas estatais, vêm dos estados e municípios. É curioso isso. Vem a crise e eles não podem aumentar os investimentos. Aí, eles têm queda de receita e tem que apertar o orçamento. Como não podem apertar os salários, apertam os investimentos. Isso explica porque o investimento no Brasil continua muito baixo, seja do ponto de vista do emprego, seja do ponto de vista estrutural.

Desenvolvimento regional

Foi refeita a Sudene e criou-se uma expectativa, pelo menos para mim. Minha expectativa era de que a Sudene fosse um


grande centro de coordenação da política regional no Nordeste. Mas a criação da Sudene não deu em nada. Há uma visão torta de que incentivo é só tributário, mas é também investimento em estrutura, em qualificação de mão de obra, energia, remuneração por desempenho e também tributário. Havia uma ideia, a qual eu dei ênfase quando era ministro, que era o fortalecimento do BNDESPar, de participação direta de empresas. Era uma idéia importante, que foi por água abaixo. É um instrumento relevante e, em geral, dá lucro. O BNDES não sairia perdendo, não.

Segurança

Em São Paulo, o orçamento da segurança é de R$ 13 bilhões e a violência diminuiu muito, desde o segundo governo do Mário Covas. Diminuímos a violência para a metade e o índice de homicídios é metade da média brasileira, o que antes era a média. Mas continua a sensação de insegurança. Porque ainda há muito que avançar. A segurança exige três coisas fundamentais: dureza, respeitando direitos individuais; planejamento e investimento em tecnologia, já que não adianta aumentar o número de homens e sim aumentar a eficiência; e combater o contrabando de armas e drogas. Hoje, uma das fontes do crime é esse contrabando. Isso é responsabilidade do governo federal. Sessenta por cento das drogas entram pelo mar. O Brasil não produz cocaína. Isso é uma demanda de ação federal. Os estados são os principais responsáveis pela segurança, mas não vão dar conta, porque a prosperidade do crime é alimentada pelo contrabando de drogas e de armas.

Saúde

Quando ministro, eu me baseei numa experiência do Ceará, a do agente comunitário de saúde. Nós tínhamos 50 mil agentes no Brasil e levamos pra 150 mil, especialmente para o Nordeste. Desenvolvemos um programa que derivou dos agentes: o Programa de Saúde da Família (PSF). Eram 1.700 equipes e multiplicamos por nove. Aqui no Ceará, eram 200 equipes e deixamos 1.200 equipes. O primeiro atendimento é crucial. Mas há um estrangulamento no Brasil. Em saúde, a demanda está sempre na frente. A gente vai sempre correndo atrás. E o que a gente quer é que o hoje seja melhor que o ontem e amanhã melhor que hoje. Temos que procurar soluções. Por exemplo, em São Paulo havia o

Em São Paulo, fixamos uma meta para cada escola. Quem cumpre ganha salários a mais. Toda a escola ganha, da limpeza à direção. JOSÉ SERRA

problema para conseguir uma consulta de especialidades. Criamos um novo tipo de unidade de saúde, o ambulatório médico de especialidade, que só faz consulta e alivia os hospitais. Temos que avançar na organização da saúde e voltar a procedimentos abandonados, como os mutirões. Na área de medicamentos, nós criamos os genéricos. Hoje, eles ficaram em 25% de participação no mercado, porque acabou o ativismo governamental. Não houve mais promoção, para mostrar que o genérico tem a mesma qualidade. Eu lamentei muito também porque a ANVISA não participa mais do reconhecimento de patente. Isso foi suprimido.

que criar oportunidades para esses alunos. Eu peguei 70 mil estudantes em cursos técnicos e estamos levando para 170 mil. Aumentamos a variedade também. Eram apenas 30 especialidades e hoje são 80. Ao mesmo tempo, as faculdades de tecnologia formam o tecnólogo em três anos. Isso dá oportunidade para a juventude e é economia. Tendo potencial em algo, devemos formar gente nessa área, até para serem empreendedores. Isso tem que ser feitos pelos estados, com ajuda dos municípios e bancado pelo governo federal. Já houve experiências importantes aqui no Ceará. O mais crucial é que a gente possa refletir. n

Educação

A educação é a área social que mais une preocupações da população e dos empresários. Estou convencido pela minha experiência na prefeitura e no estado de São Paulo que o problema da educação está na sala de aula. Transporte, merenda, prédio, material escolar mais ou menos funcionam, mas o problema está no aprendizado. Nas faculdades de pedagogia, pelo menos em São Paulo, as teses são todas metateorias, filosofia...não há pesquisa sobre melhoria da qualidade de ensino. Empresas deveriam financiar teses de mestrado e doutorado com temas prédeterminados. Em São Paulo, fixamos uma meta para cada escola. Quem cumpre ganha salários a mais. Toda a escola ganha, da limpeza à direção. São até três salários a mais por ano. Ganha quem faltar menos, ter menor rotatividade e fazer uma prova de conhecimentos. Os sindicatos são contra, mas a população é a favor. As famílias acham legítimo que a remuneração seja proporcional ao desempenho. Outro lado da educação é o ensino técnico, que é fundamental para os alunos de Ensino Médio. Temos www.revistafale.com.br

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

23


POLÍTICA ideias. Dilma durante o discurso no IV Congresso do PT em fevereiro de 2010 FOTO José Cruz _ ABr

24 | Fale!

|

ABRIL de 2010

www.revistafale.com.br


DILMA,

FOTO JARBAS OLIVEIRA

os desafios e as oportunidades da década

A

ex-ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, esteve pela última vez no Ceará graças a um motivo polêmico. No dia 12 de abril, ela foi agraciada com o título de cidadã fortalezense, pela Câmara Municipal, graças à propositura do vereador Acrísio Sena, que assim como ela, integra o PT. A oposição questionou a legitimidade de se conceder tal honraria a quem pouco esteve na cidade durante sua trajetória política. Tentando justificar o prêmio, Dilma lembrou até da influência que teve de escritores e mulheres ilustres do estado em sua formação intelectual, além de ter destacado os projetos do governo Lula em parceria com o governador Cid Gomes e com a prefeita Luizianne Lins. Em termos nacionais e até globais, a pré-candidata petista apostou na transformação do país na quinta economia do mundo até o fim da década. Veja como ela acredita que isso será possível. www.revistafale.com.br

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

25


POLÍTICA

SANEAMENTO. “Para vocês terem uma ideia, em 2002, o investimento em saneamento não chegava a R$ 300 milhões de reais. Hoje uma cidade como Boa Vista, em Roraima, tem um investimento de R$ 500 milhões, sem falar nos investimentos de bilhões de reais que nós investimos aqui em Fortaleza”.

Mulher, família e Lei

Orgulhou-me receber essa homenagem porque essa é uma terra de mulheres guerreiras, que estão inscritas na história desse país e na história de Fortaleza, que elegeu a primeira mulher prefeita de capital. Uma mulher cearense que eu também considero muito especial é a Maria da Penha Maia Fernandes, ela inspirou pela sua coragem, pela sua indignação, pelo seu inconformismo, uma lei muito importante para 52% da população brasileira. Nós mulheres somos 52% da população e mães dos 48% restantes. E a Maria da Penha inspirou essa legislação de proteção à mulher. E eu quero dizer que nós não recuaremos nessa luta contra a violência que afeta e que atinge a mulher. Eu falo isso ainda no plural porque eu vivi isso dentro do governo Lula. Ao atingir a mulher, atinge a família. E uma nação será sempre avaliada e julgada pela capacidade de proteger a família, os filhos, as mulheres. Esta é uma legislação que atinge o coração do Brasil

26 | Fale!

|

ABRIL de 2010

Estou convencido Habitação e saneamento Os últimos projetos de envergadura de de que a Dilma vai habitação popular remontam ao BNH – Banco Nacional de Habitação. E mesmo ser a próxima presidente naquela época, no auge, acumulando todas do Brasil. A campanha está as intervenções, foram feitas 500 mil casas. De lá para cá, as populações se aglomeraram nas grandes cidades. Como não apenas começando, vai tinha política habitacional foram para beicomeçar mesmo a partir ras de rios, fundos de vales, beiras de córregos, encostas de morros, todos os lugares de junho. O Brasil está eminentemente arriscados, em termos não só de qualidade de vida, mas, sobretudo, de parabéns por ter os da própria vida por serem locais onde as pessoas podiam morrer. candidatos que tem. Esse processo nós começamos a alterar, LULA

porque mais que ferir a mulher, quando a mulher é espancada, o que se fere é toda a família. É um exemplo que corrói, é um exemplo que destrói. Por isso, nós jamais retrocederemos um passo na lei Maria da Penha. www.revistafale.com.br

entre outras coisas, porque nós investimos de forma significativa em saneamento. Para vocês terem uma ideia em 2002, o investimento em saneamento não chegava a R$ 300 milhões de reais. Hoje, uma cidade como Boa Vista, em Roraima, tem um investimento de R$ 500 milhões, sem falar nos investimentos de bilhões de reais que


FOTO agência petrobras

estratégia. A campanha de Dilma Rousseff deverá ser embalada pelos investimentos do Programa para Aceleração do Crescimento (PAC) e pela alta popularidade do presidente Lula. O grande desafio é conseguir associar a imagem de Dilma ao governo Lula. nós investimos aqui em Fortaleza. Isso em coleta a tratamento de esgoto. Como uma cidade vai poder ser desenvolvida, se não tiver tratamento de esgoto e coleta? Como uma cidade vai poder proteger seus moradores se não puder oferecer moradias e casas dignas? Como uma cidade vai poder fazer a prevenção de enchente se ela não tiver ou se o governo federal não tiver uma política de drenagem?

Foco no Nordeste

Eu acho que o Brasil sempre olhou o Nordeste com olhares brasileiros. É chegada a hora de o Nordeste olhar para o Brasil com olhares nordestinos e com olhar cearense. Eu acho que o presidente Lula, de certa forma, fez isso. Ele olhou para o Brasil, com um olhar que vinha aqui do Nordeste, de uma pessoa que foi retirante. Daí porque nós temos esse imenso compromisso com o Bolsa-Família. Daí porque nós tivemos esse compromisso com o Luz Para Todos. Porque não é só garantir que as pessoas comam três vezes ao dia, o

XIX, sem luz elétrica. Eu acredito também No Brasil que o Ceará tem essa característica que o José do Patrocínio chamou de “Terra da combinamos Luz”. Essa luz que ele se referia era outra a de quem primeiro aboliu a escraviessas duas luzes: luz, dão. Então, no Brasil combinamos essas levar luz elétrica para doze duas luzes: levar luz elétrica para doze milhões de famílias e ao mesmo tempo iluminar essa questão da libertação e da emancimilhões de famílias e ao pação do povo. mesmo tempo iluminar essa no Nordeste questão da libertação e da Infra-estrutura Nós tivemos o cuidado de modificar a forma como se investe em infraestrutuemancipação do povo. ra no Brasil. É por isso que o presidente dilma rousseff

que é fundamental. É pouco? Mas é muito para um país em que se achava que não devia fazer isso, que primeiro era preciso desenvolver para depois distribuir. Mas eu acho outra coisa fantástica é a percepção do “Luz Para Todos”, que é trazer pessoas do século XIX para o século XXI. Elas estão no século www.revistafale.com.br

Lula não descansa e nenhum ministro descansa enquanto não se implanta a transnordestina, porque a transnordestina vai ligar o Porto do Pecém ao Porto de Suape, mas também ao de Eliseu Martins. Vai construir um eixo de desenvolvimento, de escoamento da produção de grãos, de minérios e de bens energéticos. Nós também estamos fazendo a transposição de bacias, apesar de termos sido ABRIL de 2010 | Fale

!

|

27


POLÍTICA FOTOs jarbas oliveira

aliança. A candidata ao lado do vice-presidente José Alencar e do presidente Lula, em fevereiro, no Congresso do PT. No evento, foram discutidas as alianças políticas, as táticas eleitorais e o programa de governo de Dilma muito criticados pela interligação da bacia do São Francisco, que vai permitir que mais de 20 milhões de pessoas que moram no semi-árido brasileiro tenham acesso à água, utilizando um percentual pequeno da água do rio. Eu queria lembrar que aqui em Fortaleza tinha termelétrica e não tinha gás suficiente. Em algum momento podia ser necessário que essas termelétricas funcionassem e não tinha gás para isso. Por isso foi instalado aqui esse terminal de regaseificação e por isso também nós acabamos de concluir o gasoduto do Nordeste que liga a malha do Sudeste à malha do Nordeste. Por isso, o Brasil vai estar interligado de gás, de Fortaleza à Porto Alegre. E agora o petróleo do pré-sal, o petróleo da Bacia de Campos e, inclusive, o petróleo que vem da Bolívia pode chegar aqui, o que antes não podia. Aqui antes era uma ilha em relação a todo o fornecimento de gás do Brasil. Daqui também vai poder vir o gás importado dessa unidade de regaseificação e chegar ao resto do Brasil.

Nordeste como protagonista 28 | Fale!

|

ABRIL de 2010

Eu acho que houve uma modificação da situação. Eu cresci ouvindo que o Nordeste precisava de ajuda, que precisava do apoio dos brasileiros das outras regiões. Mas o que nós vemos hoje depois de sete anos do governo Lula? Nós vemos o Nordeste ajudando o Brasil a crescer. Pela primeira vez o Nordeste não só é parceiro, como é protagonista do desenvolvimento do Brasil. Os economistas dizem que nessa crise de 2008 para 2009, que foi a maior crise depois de 1929, aconteceu que aqui no Nordeste o crescimento do comércio varejista se deu em taxas que a gente chama de asiáticas, chinesas. Aqui o Brasil cresce mais rápido e cresceu mais rápido. As estatísticas estão aí para se ver. É fruto de uma mudança na forma de ver a economia do nosso país. É fruto do novo padrão de desenvolvimento que combinou duas coisas: crescimento com distribuição de renda pessoal, portanto social, e regional. Não foi só a mudança na distribuição pessoal da renda, mas também uma quantidade muito expressiva de investimentos começou a ser feita aqui no Nordeste. Juntou-se isso ao empreendedorismo www.revistafale.com.br

do próprio Nordeste e se configurou uma realidade em que o mercado interno foi quem segurou a nossa economia diante da crise. E por isso, com certeza, se nós tivemos uma das situações menos graves diante da crise se deveu ao fato de que aqui no Nordeste não houve um declínio tão pronunciado como houve em outras regiões do país. Não só o consumo aqui foi muito significativo, com o comércio varejista aqui no Ceará, por exemplo, atingido níveis extremamente altos, mas também o crescimento industrial, o investimento. Para se ter uma ideia, o Ceará teve a maior taxa de crescimento do emprego em 2009. Dos 955 mil empregos que nós criamos no ano da crise, uma grande parte foi gerada no Nordeste e aqui no Ceará. Quem contribui para isso? O BolsaFamília contribuiu porque uma parte que não consumia passou a consumir. O aumento do salário mínimo acima da inflação também contribuiu. O crédito também contribuiu. Esse era um país estranho. O crédito no Brasil não chegava a 400 bilhões de reais, no início de 2003. Hoje, o volume de crédito, com dados de fevereiro, é de 1 trilhão e 400 bilhões de reais. Ou seja, nós


aumentamos R$ 1 trilhão em recursos, injetamos na economia e sem obras de infraestrutura. Isso é muito importante porque por trás de tudo isso o que importa são as pessoas. É o homem, a mulher e a criança desse país. Nesse período a renda do nordestino cresceu 77%.

Mobilidade social

O que é, de fato, esse tal de desenvolvimento com distribuição de renda? É o desenvolvimento com o povo melhorando, subindo de vida, é a mobilidade social que tira mais de 24 milhões de brasileiros da situação de miséria e que tira da classe D e E mais de 30 milhões de brasileiros. Isso faz com que hoje, se você somar as classes A, B e C nós tenhamos algo como 70% da população nessa faixa de renda e mais de 53% disso na classe média. Isso significa comprar carro, computador, celular, casa. Porque ninguém terá condições de ter segurança pública se não tiver segurança pessoal, se não tiver um lar, se não tive onde criar seus filhos.

Quinta economia do mundo?

Nós temos que olhar essa década que entramos como sendo a década em que nós vamos acabar com a pobreza no Brasil. Há um exercício internacional tanto de revistas e jornais de economia, como de consultorias, dizendo que o Brasil vai ser a quinta economia do mundo. O prazo é variado, mas cabe nessa década entre 2010 e 2020. Uns dizem que é 2014, outros que dizem que é 2016, outros que dizem que é 2018. Ser a quinta economia do mundo significa passar a França e a Alemanha, o que não é uma coisa trivial, nem tampouco simples. Mas eu acho que o potencial da economia brasileira é para isso. Nós modificamos as condições até da educação que vai ser uma variável estratégica, porque sem educação, sem escolas profissionalizantes, que nós voltamos a abrir, sem universidades, sem ensino básico fundamental nós nunca chegaremos a ser a quinta economia. Isso é fundamental e o presidente Lula tornou prioritário e por isso nós teremos também os recursos do pré-sal para a educação. A gente tem de ter clareza de uma coisa, para nenhum de nós vale a pena ser a quinta economia com o seu povo na décima nona, na quinquagésima posição. Para um país ser a quinta economia do mundo, o seu povo tem de acompanhar os benefícios dos seus ganhos. Foi isso que nós aprendemos e foi isso que nós provamos ser possível. A tese de que a

Pela primeira vez o Nordeste não só é parceiro, como é protagonista do desenvolvimento do Brasil. dilma rousseff

gente, primeiro tinha de crescer para depois distribuir, se provou equivocada. O que nós percebemos é que quando a gente repartiu o ganho se operou o crescimento do bolo e não uma diminuição. Quanto mais a gente repartir o bolo, mais capacidade de investimento e consumo vai ocorrer nesse país. E 190 milhões comendo o bolo é o que transforma esse país em uma grande nação.

Lula não é continuidade

Nós do projeto do presidente Lula, temos uma visão de que continuar esse projeto é fazê-lo avançar, mas estamos conscientes de que tem uma distinção que é a seguinte: nós criamos uma diferença em relação a toda história dos últimos vinte e cinco anos. Muitos querem dizer que houve uma continuidade, que nada mudou no Brasil, que tudo continuou o mesmo, nós não concordamos com isso. Nós achamos que o presidente Lula abriu o caminho para uma nova era de prosperidade para o futuro do nosso Brasil. n

O Brasil e os BRICs

Porque essas economias dos BRIC’s são denominadas emergentes? O que as distingue? Distingue o fato de serem países continentais, distingue o fato de serem geralmente países ricos. No Brasil, por exemplo, nós temos uma imensa riqueza na área agrícola, uma imensa riqueza no petróleo, uma imensa riqueza em termos de indústria diversificada. Temos hoje um agronegócio muito forte, competitivo internacionalmente. Temos uma agricultura familiar se expandido e sendo a base democrática no campo. Temos também 190 milhões de brasileiros, chegando a 200 milhões. Aliás, todos esses países são distinguidos pelo tamanho dos seus mercados internos. Porque muitos dos emergentes não têm o tanto de petróleo ou o tanto de agricultura que nós temos, mas têm mercado interno, são economias populosas. Nós temos de cuidar de transformar esses 190 milhões de brasileiros em consumidores, em trabalhadores, em empreendedores do campo e da cidade e isso é pré-condição para que eles se tornem cidadãos plenos de direitos. E aí nós temos outra característica muito importante, já somos a maior democracia desse grupo de países. Entre todos eles, somos a democracia mais estabilizada, com práticas mais abertas. Somos uma sociedade onde a liberdade de expressão prevalece, onde prevalece o direito de liberdade de imprensa. www.revistafale.com.br

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

29


POLÍTICA FOTO JARBAS OLIVEIRA

EXPERIENTE. Serra deverá explorar seu vasto histórico político nas campanhas eleitorais.

Conheça a história política de josé serra Nasceu em São Paulo, no dia 19 de março de 1942. Tem formação como economista e está filiado ao Partido da Social Democracia Brasileira – PSDB – desde sua fundação em 1988. Em 2006 foi eleito governador do estado de São Paulo, sendo até hoje o único eleito já em primeiro turno. Ocupou o cargo de governador do estado no período de 1 de janeiro de 2007 até 2 de abril de 2010, quando renunciou ao cargo para se candidatar pela segunda vez à Presidência da República. Na juventude foi eleito presidente 30 | Fale!

|

ABRIL de 2010

da União Nacional dos Estudantes – UNE – e perseguido pelo regime militar instalado em 1964 foi para o exílio na Bolívia, França e Chile, quando chegou a ser preso, além de Itália e Estados Unidos. Serra exerceu também os mandatos de deputado federal constituinte, entre 1987 e 1991, deputado federal, entre 1991 e 1995 e senador, entre 1995 e 2003, os cargos de Secretário de Planejamento de São Paulo, entre 1983 e 1986; de ministro do Planejamento e Orçamento, em 1995 e 1996; de ministro da

Saúde, entre 1998 e 2002 e ainda prefeito de São Paulo, nos anos de 2005 e 2006. José Serra foi candidato à Presidência da República pela coligação PSDB-PMDB em 2002, tendo sido derrotado no 2º turno por Luiz Inácio Lula da Silva. Serra tornou-se o único précandidato a Presidência da República pelo PSDB para as eleições brasileiras de 2010, diante da desistência oficial de seu competidor, o governador de Minas Gerais, Aécio Neves, anunciada em 17 de dezembro de 2009. n

www.revistafale.com.br

É melhor estar em dúvida entre dois grandes candidatos do que ter que inventar um, como o Lula fez. TASSO jEREISSATI, critica antecipação do nome de Dilma Rousseff e sobre a candidatura para o PSDB para presidência em 2010


FOTO JOSÉ CRUZ _ ABR

técnica. Dilma tem pouca experiência eleitoral, mas seus conhecimentos técnicos e gerenciais são reconhecidos

Conheça a história política de DILMA ROUSSEFF Nasceu em Belo Horizonte no dia 14 de dezembro de 1947. Tem formação como economista e está filiada ao Partido dos Trabalhadores PT – desde 2001. Foi ministra-chefe da Casa Civil do governo Lula até o dia 31 de março de 2010, e é a précandidata apoiada pelo atual governo para as eleições à Presidência da República deste ano. Nascida em família de classe média alta, de origem búlgara, logo após o Golpe Militar de 1964 passou para a luta armada contra o regime,

tendo integrado as organizações COLINA e VAR-Palmares. Ficou quase três anos presa, entre 1970 e 1972, quando chegou a ser torturada. Reconstruiu sua vida no Rio Grande do Sul, onde junto com o companheiro Carlos Araújo ajudou na fundação do Partido Democrático Trabalhista – PDT. Exerceu o cargo de secretária municipal da Fazenda de Porto Alegre no governo Alceu Collares e mais tarde foi secretária estadual de Minas e Energia, tanto naquele governo como no de Olívio Dutra, no

meio do qual se filiou ao PT. Participou da equipe que formulou o plano de governo na área energética na campanha de Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência da República em 2002, onde se destacou e foi indicada para titular do Ministério de Minas e Energia no ano seguinte. Novamente reconhecida por seus méritos técnicos e gerenciais, foi nomeada ministra-chefe da Casa Civil após o escândalo do mensalão, que levou à renúncia do então titular da pasta José Dirceu. n

www.revistafale.com.br

Dilma tem duas coisas importantes: competência com debate político, e uma mulher sem rancor, sem mágoa, depois de passar pela barbárie da tortura que ela passou. presidente lula

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

31


Cultura o dia em que o maior médium brasileiro completaria 100 anos, chegou aos cinemas uma das maiores produções cinematográficas da história nacional, inspirada na vida do ícone do espiritismo no Brasil, o mineiro Chico Xavier. Orçado em R$ 12 milhões, Chico Xavier, O Filme foi dirigido por Daniel Filho e tem interpretações de nomes consagrados na dramaturgia brasileira, como Nelson Xavier, Ângelo Antônio, Luis Melo, Letícia Sabatella, Pedro Paulo Rangel, Tony Ramos, Christiane Torloni, Cássia Kiss, Paulo Goulart, Anselmo Vasconcelos, Ana Rosa, Giulia Gam e Giovana Antonelli. Baseado no livro As vidas de Chico Xavier, de Marcel Souto Maior, o filme é um campeão de bilheteria. “Sou ateu, assim como o Nelson [Xavier] e o Daniel [Filho]. Talvez por isso o filme tenha ficado como ficou: uma reconstituição dos altos e baixos da trajetória de Chico Xavier que é contada sem a intenção de converter ou de explicar a doutrina”, diz Marcel. O sucesso do livro se amplia agora no cinema.

N

Chico

Xavier,

agora ele emociona nos cinemas do Brasil 32 | Fale!

|

ABRIL de 2010

www.revistafale.com.br


imersão. Nelson Xavier em soberba interpretação de Chico Xavier FOTO Ique Esteves

www.revistafale.com.br

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

33


E

ra o dia 2 de abril de 1910 na pacata cidade mineira de Pedro Leopoldo. Nascia naquela data aquele que se tornou, anos depois, o maior nome do espiritismo no Brasil. Mais que isso, Francisco de Paula Cândido, o médium Chico Xavier, tornou-se a maior referência mundial dessa doutrina desde a morte de seu decodificador, o francês de pseudônimo Allan Kardec. No dia 2 de abril de 1966, no Rio de Janeiro, nascia — coincidentemente no aniversário de 56 anos de Chico Xavier — aquele que seria o principal biógrafo do espírita, Marcel Souto Maior. Ligando esses dois personagens definitivamente – embora talvez um pouco menos por coincidência – no dia 2 de abril de 2010 – feriado cristão da sexta-feira da Paixão – estreou o longa-metragem “Chico Xavier, O Filme”, dirigido pelo cineasta e todo-poderoso executivo de televisão da Rede Globo, Daniel Filho. Isso porque o roteiro do filme – redigido por Marcos Bernstein, o mesmo roteirista de “Central do Brasil” – é uma adaptação da biografia “As Vidas de Chico Xavier”, publicada por Marcel em 2003. A plateia restrita que assistiu, em Fortaleza, a película, três dias antes da estreia oficial do longa-metragem, pôde rir, chorar e divagar com as muitas passagens da vida do médium mineiro retratadas no filme. Tudo isso ao lado de alguns dos responsáveis por levar a figura de Chico Xavier para o cinema. Dois dos atores que interpretaram o líder espírita em diferentes fases do personagem estiveram na cidade divulgando a produção: Matheus Costa, que encenou o médium quando menino, e Nelson Xavier que, além do sobrenome em comum, conferiu um realismo impressionante ao representar Chico maduro e contou com a ajuda de um bom trabalho de caracterização realizado pela equipe técnica do 34 | Fale!

|

ABRIL de 2010

www.revistafale.com.br

filme. Também estiveram na capital cearense divulgando o longa-metragem, os atores André Dias e Anselmo Vasconcelos, que interpretaram, respectivamente, o guia espiritual Emmanuel e o médium Perácio – que introduziu Chico Xavier no espiritismo. Além de Fortaleza foram exibidas avant-premières de “Chico Xavier, O Filme” em Pedro Leopoldo e Uberaba — cidades mineiras onde morou o espírita — bem como em Paulínia, no interior de São Paulo, e nas capitais Porto Alegre e no Rio de Janeiro. Nelson Xavier foi um dos que mais se envolveu com o enredo. Tendo no currículo, entre outros prêmios, o de melhor ator, no Festival de Brasília – pelas interpretações em “A Queda”, de 1978, e “O Mágico e O Delegado”, de 1983 – e também de melhor ator no Festival de Gramado – por “O Testamento do Senhor Nepomuceno”, de 1998 – Nelson já interpretou outro forte personagem da história brasileira,


MAKING OF. O diretor Daniel Filho conversando com os atores Nelson Xavier e Ângelo Antônio no cenário das gravações o lendário cangaceiro Lampião – no filme para TV “Lampião e Maria Bonita”. Mas para o ator foi mesmo atuando em “Chico Xavier, O Filme” que ele viveu seu maior personagem. Ele representou o intervalo da vida do líder espírita que vai de 1969 até 1975. “O trabalho foi feito com grande entrega. Conhecer a figura de Chico Xavier foi uma experiência única. Comecei procurando um homem e acabei descobrindo um santo”, emociona-se. Aliás, a própria escolha de Nelson Xavier para interpretar o médium foi envolta em muitas emoções e experiências, no mínimo, intrigantes. Ele revelou em diversas entrevistas que se sentiu escolhido por Chico Xavier para interpretá-lo, pois muito antes do filme começar a ser gravado, o ator foi abordado por um espírita que o interpelou dizendo que Nelson ainda faria esse papel. Tempos depois, o próprio biógrafo do médium mineiro, mandou para o

palavra de quem viu

ator um livro de Chico Xavier acompanhado “Tive a oportunidade de assistir duas pré-estreias do de um bilhete em que filme Chico Xavier e desde a primeira vez que vi, já o incentivava a inter- comecei a fazer propaganda. Um filme muito bem feito pretar seu biografa- e que não deixa a desejar a nehuma superprodução. do um dia. Nelson Consegue mesclar humor e drama e mostrar fatos Xavier disse também interessantes e marcantes da vida desse grande que nunca antes, em humanista que foi Chico Xavier. Destaco as atuações do sua extensa carreira, ator Nelson Xavier e dos atores Cristiane Torloni e Tony pediu para fazer um Ramos. De emocionar. Com certeza deve agradar ao personagem, mas que público espírita e não-espírita. Tocante, mostra como não conseguiu ficar somos ainda tão pequenos e como o amor pode vencer parado ao saber que barreiras. Recomendo porque sei que um filme desse o filme seria rodado tipo tem o poder de mudar alguma coisa dentro de e ligou para o diretor cada um. Pra melhor. E o mundo está precisando de Daniel Filho pedindo mais amor.” Ariane Cajazeiras, jornalista o papel. Quando os preparativos para as gravações começaram o envolvimento sonagem, o personagem me tomou. Foi de Nelson com o personagem só cres- a primeira vez que me aconteceu isso”, ceu. “A onda de emoção que me tomou emocionou-se o ator. à medida que eu me aproximava desse No último dia de gravações em uma universo era tão intensa e forte que tor- cena gravada no jardim da casa em que nou tudo fácil. Eu não construí um per- morou Chico Xavier, Nelson, emociowww.revistafale.com.br

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

35


Uma breve biografia de Chico Xavier

Nascido de uma família pobre em Pedro Leopoldo, região metropolitana de Belo Horizonte, era filho de Maria João de Deus e João Cândido Xavier. Educado na fé católica, Chico teve seu primeiro contato com a Doutrina Espírita em 1927, após fenômeno obsessivo verificado com uma de suas irmãs. Passa então a estudar e a desenvolver sua mediunidade que, como relata em nota no livro Parnaso de Além-Túmulo, somente ganhou maior clareza em finais de 1931. O seu nome de batismo Francisco de Paula Cândido foi dado em homenagem ao santo do dia de seu nascimento, substituído pelo nome paterno de Francisco Cândido Xavier logo que rompeu com o catolicismo e escreveu seus primeiros livros, e mudado oficialmente em abril de 1966, quando da segunda viagem de Chico aos Estados Unidos.

nado, começou a chorar profundamente. A atriz Renata Imbriani, que é espírita e se diz médium, chegou a afirmar que sentiu a presença imaterial do líder do espiritismo em volta de Nelson Xavier durante as gravações. “Estava aguardando a minha vez de entrar em cena e o Nelson estava gravando. De repente, vi uma porta entreaberta de onde saiu uma luz muito grande. Era o Chico. Ele apoiou o braço direito do Nelson e ficou todo o tempo energizando”, declarou. A propósito, Nelson Xavier não foi o único protagonista de histórias misteriosas que envolveram os bastidores do filme. Até mesmo o ateu convicto diretor Daniel Filho viveu uma experiência para a qual ele não tem explicação. Daniel Filho disse que no dia em

36 | Fale!

|

ABRIL de 2010

que tomou a decisão de dirigir o longa-metragem foi contar isso à esposa, Olívia Byngton, e mesmo muito feliz, as lágrimas não paravam de lhe escorrer dos olhos. Outros fatos que mexeram com a emoção dos envolvidos nas gravações foram as interrupções abruptas de chuvas no início de algumas gravações e a suposta manifestação mediúnica de uma figurante em cena. Mistérios e ceticismos à parte, o filme foi produzido com muito profissionalismo graças, em parte, à visão não-religiosa do diretor. Na verdade, justamente por tratar de um líder religioso, Daniel teve um receio inicial em dirigir a produção, mas foi convencido pelo diretor geral da distribuidora Columbia TriStar do Brasil, Rodrigo Saturnino, a aceitar o desafio,

www.revistafale.com.br

em memória do ex-diretor de televisão Augusto César Vannuci — espírita, amigo de ambos.

Escolhas.

Aceito o desafio, Daniel Filho começou a montar o elenco. Isso, claro, excluindo Nelson Xavier, que pediu para fazer o papel e ficou incumbindo de representar fatos que ocorreram na vida de Chico entre 1969 e 1975. Baseado no roteiro de Bernstein, que estava estruturado em três fases da vida do médium mineiro, o diretor escolheu os outros dois atores para representar Chico Xavier. Ângelo Antônio foi escolhido quase intuitivamente, devido às semelhanças físicas e interpretativas com Nelson, para repre-


O mais conhecido dos espíritas brasileiros contribuiu para expandir o movimento espírita brasileiro e encorajar os espíritas a revelarem sua adesão à doutrina sistematizada por Allan Kardec. Sua credibilidade serviu de incentivo para que médiuns espíritas e não-espíritas realizassem trabalhos espirituais abertos ao público. Chico é lembrado principalmente por suas obras assistenciais em Uberaba, cidade onde faleceu. Nos anos 1970 passou a ajudar pessoas pobres com o dinheiro da vendagem de seus livros, tendo para tanto criado uma fundação. Segundo biógrafos, a mediunidade de Chico teria se manifestado pela primeira vez aos quatro anos de idade, quando ele respondeu ao pai sobre ciências, durante conversa com uma senhora sobre gravidez. Ele dizia ver e ouvir os espíritos e conversava com eles. Aos 5 anos conversava com a mãe, já desencarnada. Na casa de sua madrinha, foi

muito maltratado, chegando a levar garfadas na barriga. Aos sete anos de idade, saiu da casa da mesma para voltar a morar com o pai, já casado outra vez. Ele, para ajudar nas despesas da casa trabalhava e estudava em escola pública. Por conseqüência, dormia apenas sete horas por dia. No ano de 1924, terminou o curso primário e não voltou a estudar, começando a trabalhar como auxiliar de cozinha em um restaurante no ano de 1925. No mês de maio de 1927, participou de uma sessão espírita onde vê o espírito de sua mãe, que lhe aconselha ler as obras de Allan Kardec, em junho ajudou a fundar o Centro Espírita Luiz Gonzaga, e em julho inicia os trabalhos de psicografia escrevendo 17 páginas. Em 1928, aos 18 anos, começou a publicar suas primeiras mensagens psicografadas nos jornais O Jornal, do Rio de Janeiro, e Almanaque de Notícias, de Portugal. Em 22 de maio de 1965, Chico

pinga-fogo. Tony Ramos interpreta Orlando, diretor da TV Tupi www.revistafale.com.br

Xavier e Waldo Vieira viajaram para Washington, Estados Unidos, a fim de divulgar o espiritismo no exterior. Lá estudaram inglês e lançaram o livro The World of The Spirits. Chico Xavier faleceu aos 92 anos de idade em decorrência de parada cardíaca. Conforme relatos de amigos e parentes próximos, Chico teria pedido a Deus para morrer em um dia em que os brasileiros estivessem muito felizes, por isso ninguém ficaria triste com seu passamento. De fato, o país festejava a conquista da Copa do Mundo de futebol de 2002 no dia de seu falecimento. Chico foi eleito o mineiro do século XX, seguido por Santos Dumont e Juscelino Kubitschek. Antes de sua morte, ele havia deixado uma espécie de código com pessoas de sua confiança para que pudessem ratificar sua presença quando houvesse um contato. Já nos aproximamos do décimo ano de sua morte e nenhum contato foi confirmado. n

sentar o intervalo entre 1931 e 1959. Já Matheus Costa, após enfrentar uma maratona de testes foi aprovado para viver nas telas a infância do líder espírita entre 1918 e 1922. O jovem ator teve de aprender até a rodar pião e aprendeu o sotaque mineiro em um workshop promovido pelos produtores do longa. Outro escolhido por meio de testes foi o ator André Dias, até então com destaque apenas no teatro. Em entrevista à Fale! André Dias repetiu o entusiasmo de Nelson Xavier e qualificou o seu respectivo personagem – o guia espiritual Emmanuel – como o ponto alto de sua carreira. “Ninguém sai de um mergulho na vida de Chico Xavier, nem da oportunidade de contracenar com dois atores do calibre de Ângelo Antônio e Nelson Xavier impunemente, sem uma grande transformação. Eu acho que as pessoas vão passar por essa transformação ao assistir a esse filme (...) que resgata os grandes valores perdidos pela humanidade”, aposta o ator. São, aliás, as intervenções de seu personagem os momentos mais descontraídos do filme, pois o caráter disciplinador de EmmaABRIL de 2010 | Fale

!

|

37


C U LT U R A

Frases de Chico Xavier

1.

Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim.

2.

O Cristo não pediu muita coisa, não exigiu que as pessoas escalassem o Everest ou fizessem grandes sacrifícios. Ele só pediu que nos amássemos uns aos outros.

3.

Sonhos não morrem, apenas adormecem na alma da gente.

nuel contrasta ironicamente com o bom humor ingênuo do médium. Mas se “Chico Xavier – O Filme” revela bons novatos, o filme reuniu uma verdadeira constelação da dramaturgia nacional. Luis Melo interpreta o pai do médium; Letícia Sabatella vive a mãe que se comunica espiritualmente com o filho; Giulia Gam interpreta a madrinha que fica responsável pelo garoto Chico por determinado tempo – quando comete brutalidades com o menino; Giovana Antonelli vive a madrasta, que se torna uma segunda mãe para o líder religioso; Anselmo Vasconcelos e Ana Rosa interpretam os médiuns que iniciaram Chico Xavier na doutrina espírita; Pedro Paulo Rangel interpreta o pároco da cidade de Pedro Leopoldo, amigo do espírita. Integram ainda o elenco, Christiane Torloni, Tony Ramos, Cássio Gabus Mendes, Cássia Kiss, Paulo Goulart, Rosi Campos, Carla Daniel e Ailton Graça. Ótimo elenco, diretor consagrado, história rica e polêmica baseada em fatos reais, emoção a cada cena, orçamento milionário – estimado em R$ 12 milhões – e um público potencial enorme, entre espíritas, simpatizantes e curiosos, com essa combinação o resultado não poderia ser outro. Já no fim de semana de estreia do filme veio a consagração com o recorde de espectadores no cinema brasileiro do período denominado de “retomada” – iniciado em 1994, com o filme “Carlota Joaquina, Princesa do 38 | Fale!

|

ABRIL de 2010

4.

Cada dia que amanhece assemelha-se a uma página em branco, na qual gravamos os nossos pensamentos, ações e atitudes. Na essência, cada dia é a preparação de nosso próprio amanhã.

5.

Lembremo-nos de que o homem interior se renova sempre. A luta enriquece-o de experiência, a dor aprimora-lhe as emoções e o sacrifício temperalhe o caráter. O Espírito encarnado sofre constantes transformações por fora, a fim de acrisolar-se e engrandecer-se por dentro.

6.

Tudo que criamos para nós, de que não temos

BELAS IMAGENS. O filme conta com Nonato Estrela assinando a direção de fotografia

www.revistafale.com.br

necessidade, se transforma em angústia, em depressão...

7. 8.

Deixes algum sinal de alegria, onde passes.

A questão mais aflitiva para o espírito no Além é a consciência do tempo perdido.

9.

Agradeço todas as dificuldades que enfrentei; não fosse por elas, eu não teria saído do lugar. As facilidades nos impedem de caminhar. Mesmo as críticas nos auxiliam muito.

10.

A felicidade não entra em portas trancadas.


A julgar pelo êxito dos projetos anteriores de Girão, não há mesmo motivos para duvidar. Além de ter criado a Estação da Luz, ele organiza há dez anos a Mostra Brasileira de Teatro Transcendental. Junto com o próprio biógrafo e jornalista Marcel Souto Maior, Girão organiza ainda a Semana Chico Xavier, que em 2010 esteve na sua quinta edição.n

Brasil”, de Carla Camurati. Nada menos que 590 mil pessoas lotaram as 377 salas de cinema em que o longa-metragem foi exibido no país. Até o dia 18 de abril já tinham assistido ao filme cerca de 2 milhões de pessoas. O Ceará tinha até então o terceiro maior público geral. A distribuição está sendo feita em parceria entre a Columbia, a Sony Pictures e a Downtown Filmes – a mesma de “Lula, O Filho do Brasil”.

cearense.

Produzido para ser flexibilizado, a fim de se desdobrar em microssérie de televisão, a versão para as telonas ficou em 125 minutos. O viés televisivo deveu-se às produtoras Globo Filmes e Lereby – de Daniel Filho. Mas o que nem todos sabem é que há uma produtora cearense envolvida no projeto. É a Estação da Luz, do empresário e produtor de cinema Luiz Eduardo Girão – que investiu cerca de R$ 1 milhão. A produtora foi chamada para trabalhar em cima do longa-metragem, devido à experiência com a temática espírita e, principalmente, devido ao sucesso inesperado que fez um de seus filmes, “Bezerra de Menezes, O Diário de um Espírito”. Com baixíssimo orçamento e concebido inicialmente para ser um documentário, o filme foi visto por mais de 500 mil pessoas e já vendeu mais de 45 mil cópias em DVD. Girão acredita que está se consolidando uma nova tendência no cinema nacional. Depois de tantos filmes ambientados em favelas — com destaque para Cidade de Deus – tendo a criminalidade como temática principal, ele vê um potencial muito grande para produções que abordem a espiritualidade. “Esse tipo de filme é o nosso verdadeiro pré-sal. Essa temática está em evidência no mundo inteiro. Na literatura, por exemplo, Zíbia Gasparetto tem 10 milhões de exemplares vendidos. O Divaldo Franco que é considerado um sucessor do Chico Xavier, o maior médium brasileiro depois de Chico, já vendeu 8 milhões de exemplares. A movimentação dos espíritas é fundamental, mas a divulgação na grande mídia facilita o alcance a um público de todas as religiões”, explica o produtor. De fato, para este ano estão previstas novas produções. Os cineastas cearenses Glauber Filho e Joe Pimentel, associados ao cineasta brasileiro, radicado nos Estados Unidos, Gerson Saginatto, começaram, em Guaramiranga, as gravações de “As Mães de Chico Xavier”, inspirados

Luiz Eduardo Girão. Empresário cearense que investiu cerca de R$ 1 milhão no filme sobre Chico no segundo livro do jornalista Marcel Souto Maior, “Por Trás do Véu de Ísis”, que narra histórias verídicas de mulheres que perderam os filhos e encontraram consolo nas cartas psicografadas pelo médium mineiro. Na nova produção do cinema transcendental cearense, o ator Nelson Xavier repete a interpretação de Chico. Mas o filme que já está alvoroçando os apreciadores do cinema espiritualista é “Nosso Lar” – com estreia prevista para setembro – baseado no livro mais vendido de Chico Xavier. O livro teria sido ditado por um médico falecido no início do século XX, chamado André Luiz, e narra o cotidiano de uma cidade espiritual. Prometem-se muitos efeitos especiais para retratar as cenas desse mundo imaterial. Quanto à “Chico Xavier, O Filme”, Girão acredita que o longa-metragem tem potencial para ultrapassar a marca de 6 milhões e pode superar o filme de maior bilheteria da “retomada”, “Se eu Fosse Você 2”, que teve 6,13 milhões de espectadores. Para o produtor, “o filme será uma invasão de amor nas telas. Ele vai mostrar que o amor vale a pena. As pessoas estão sedentas por isso. Vai ser juntar a fome com a vontade de comer. Acredito que as pessoas irão aos montes para o cinema”. www.revistafale.com.br

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

39


ConexãoÁfrica Educação 40 | Fale!

|

ABRIL de 2010

www.revistafale.com.br


O

ano de 2010 fará muita gente ouvir falar sobre o continente

africano, afinal a próxima Copa do Mundo de futebol será realizada em uma das suas mais prósperas nações. Mas para além de vuvuzelas – uma corneta típica dos torcedores africanos – craques do esporte e grandes animais, a África abriga meia centena de nações que desejam deixar as incômodas últimas posições nos rankings de desenvolvimento humano e econômico. Cinco delas são lusófonas, compartilhando com Brasil e Portugal o idioma: Cabo Verde, Guiné Bissau, São Tomé e Príncipe, Angola e Moçambique. Mas se não bastasse a língua em comum, temos raízes históricas que ligam o Brasil a esses países. Em nosso passado, muitos africanos foram trazidos como escravos para cá. E apesar da extrema violência física, social e cultural a que foram submetidos, conseguiram deixar um grande legado para nossa nação.

Hoje, os africanos que vêm para o lado de cá do oceano Atlântico trazem a esperança de um futuro melhor, não só para eles como indivíduos, como também para suas nações de origem, já que a maioria retorna levando novos conhecimentos, ao fim dos estudos. Somente

No século XX foi comum ouvir dizer que o Brasil era o país do futuro. Nos anos mais difíceis chegou-se a dizer que esse era “o país do futuro que nunca chega”. No início da segunda década do século XXI, com o Brasil reconhecido internacionalmente como uma das potências emergentes, alguns países africanos querem aprender com o gigante sul-americano como abandonar o subdesenvolvimento e ganhar o respeito do mundo. As dificuldades são enormes, mas as maiores esperanças dessas nações estão depositadas sobre jovens estudantes que tentam encontrar – muitas vezes a milhares de quilômetros de casa — os caminhos da educação superior, do profissionalismo e até do engajamento político-ideológico. — Por Adriano Queiroz

no Ceará, residem cerca de 1.000 estudantes de diversos países da África, inclusive de nações anglófonas ou francófonas – que tem como idiomas oficiais o inglês e o francês, respectivamente. A maior comunidade é a de Guiné Bissau – aproximadamente 500 universitários – seguida pela de Cabo Verde – em torno de 250 estudantes. Entre outras razões, a proximidade do Ceará com o continente – especialmente com essas duas nações lusófonas – explica o grande número de jovens inscritos anualmente em programas de convênios que permitem o aproveitamento de vagas ociosas em universidades locais. Essas vagas se distribuem entre universidades públicas e privadas e abrangem diversos cursos, através das iniciativas do Ministério da Educação do Brasil, PECG e PEC-PG, respectivamente, Programa

de Estudantes-Convênio de Graduação e Convênio de Pós-Graduação. Criados ainda durante o regime militar, esses convênios do Brasil com países subdesenvolvidos – ou em desenvolvimento – permitem que estudantes, entre 18 e 25 anos, após a participação em seleções prévias realizadas em seus respectivos países, tenham acesso à bolsa integral para cursos de nível superior. Para isso, os pais precisam também comprovar a capacidade de arcar com despesas como alimentação, moradia e transporte dos estudantes no Brasil. Além dos beneficiados com esse tipo de incentivo, outros estudantes africanos são atraídos por divulgações – nem sempre muito realistas – de outras instituições feitas no exterior. Assim, a crescente participação de cawww.revistafale.com.br

bo-verdianos, guineenses, tomeenses, angolanos, moçambicanos, entre outros, na comunidade acadêmica cearense levou ao surgimento de uma associação, sem fins lucrativos, que visa atender a demanda desses jovens no Estado. A Associação dos Estudantes Africanos no Ceará – Aeac – foi fundada em 28 de fevereiro de 2009 e, apesar das desconfianças iniciais de setores do próprio corpo estudantil, vem se firmando como legítima representante desse grupo social que cresce a cada novo semestre letivo. À frente dela está o doutorando em Saneamento Ambiental e engenheiro químico Fernando Pedro Dias, que veio de GuinéBissau para o Ceará em 2001. “Quando cheguei aqui tinha uma média de 10 a 12 ABRIL de 2010 | Fale

!

|

41


educação estudantes africanos aqui no estado”, lembra. Ele acompanhou o crescimento no número de estudantes africanos no Ceará e o nascimento da idéia de criar a Aeac. “Comecei a conversar com alguns colegas que estavam aqui sobre a possibilidade de articularmos manifestações culturais. Então foram surgindo festinhas de aniversário dos colegas, datas comemorativas dos países africanos, etc. A partir de 2006 teve um fluxo maior de estudantes e eu chamei alguns colegas que aqui estavam para tentarmos criar uma associação”, conta Fernando. As primeiras tentativas, no entanto, foram infrutíferas. “Em 2007 fizemos uma tentativa, que falhou. Em 2008, fizemos uma nova tentativa que também não deu certo. Mas em 2009 resolvemos mudar a estratégia de trabalho, adotando a política de conversar com pessoas que eram os for-

madores de opinião de cada comunidade, levando em conta as suas nacionalidades de origem. Dessa vez realmente foi levado a sério um trabalho de estruturação, de mobilização, de buscar as ferramentas necessárias para essa ideia dar certo, tais como os fins dessa associação, a questão do estatuto e fora algumas atividades culturais”, relata. As reuniões costumam ocorrer aos domingos à tarde, no Centro de Humanidades da Universidade Federal do Ceará – UFC – e estão abertas a todos os estudantes africanos. Além dessa IES pública, também há quantidades significativas de jovens universitários de origem africana na Uece, Fanor, Unifor e UVA, mas devido à posição geográfica central daquele campus, tornou-se o ponto de encontro da recémcriada associação. Sem se focar em uma única bandeira, a Aeac tenta dar suporte aos estudantes africanos nos mais diferentes aspectos: desde a troca de conhecimentos à luta contra a discriminação racial ou à xenofobia, passando pela regularização dos que estão ilegalmente no país; recepção, acomodação e acompanhamento dos recém-chegados; além de iniciativas que facilitem o intercâmbio da cultura africana com a cultura brasileira. Em maio, por exemplo, a entidade apóia a Semana da África no Ceará, promovida pela Ong Travessia, e pretende organizar comemorações paralelas nesse sentido, em 2010. Contudo, a integração dos estudantes africanos ao estado vai além das salas de aula, da representação da Aeac ou de eventos pontuais. Há quem já esteja ganhando destaque na cena cultural cearense. Que o 42 | Fale!

|

ABRIL de 2010

Cabo Verde Guiné Bissau

São Tomé e Príncipe

Países Emissores Cabo Verde, Guiné, São Tomé, Angola e Moçambique tem alunos estudando no Ceará

Angola Moçambique

Estudantes africanos formam relevante comunidade em Fortaleza. Da esquerda para a direita: (em pé) Alezino Gomes, Massude Afonso, Fernando Pedro Dias, Willy Obama, (sentados) Maza Fernandes, Benjamin Santos, Alexandra Mane e Cadija Embalo diga o estudante cabo-verdiano Andy Monroe, que é também guitarrista da banda de samba rock, Cordel do Conto do Vigário. O grupo é formado ainda por um músico carioca e por três cearenses e nasceu entre viagens de seus integrantes à praia de Jericoacoara – na região norte do Ceará, a 305 km de Fortaleza. Aliás, a música – principalmente a bossa nova – e as atrações turísticas eram as maiores referências que o estudante de publicidade tinha do Brasil. Outra referência eram as informações de conterrâneos www.revistafale.com.br

dele que visitavam o nosso país e de brasileiros que viviam em Cabo Verde. “Todos os que eu conhecia me pareciam pessoas legais. Isso chamou minha atenção e de muitos em meu país. Se você for à avenida Beira Mar só o que você vai ver é cabo-verdiano. Até porque Cabo Verde é muito perto de Fortaleza, são 3h30 de avião”, aponta Andy. Apesar disso, foi impossível, para ele, evitar o choque diante da grandiosidade territorial e populacional do Brasil. “De início foi complicado. Lá em Cabo Verde eu mal an-


dava de ônibus. Do bairro onde eu morava para o centro da cidade levava uns vinte ou trinta minutos a pé. Então lá é tudo bem próximo e eu chego aqui e a cidade é dez vezes maior que a minha, com muita gente, muita gente. Uma das coisas que me deixou impressionado foi entrar em um terminal de ônibus. Lá não tinha terminal de ônibus e eu entrei no terminal daqui e vi aquele montão de gente”, relembra Andy. Vale lembrar que a área total do arquipélago de Cabo Verde é de 4.033 km2 e – equivalente ao município de Tauá e 30% menor que a área da Região Metropolitana de Fortaleza – e a população é pouco superior a 500 mil habitantes – cerca de quatro vezes inferior à do município de Fortaleza. Entre os países africanos lusófonos, além de Cabo Verde, também Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe possuem pequena dimensão territorial.

Angola, por sua vez, tem área comparável à do Pará e Moçambique à de Mato Grosso. Outro estudante que enfrentou dificuldades semelhantes, principalmente na chegada ao Brasil, foi o tomeense Massude Madre de Deus Afonso. Também egresso da iniciativa PEC-G ele foi o primeiro daquele país a vir estudar no Ceará, em 2004. Massude cursou inicialmente física, mas em 2005 ele mudou para a engenharia química, ambos os cursos na Universidade Federal do Ceará. O estudante lembra que logo quando chegou ao Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza, se deu conta de que não tinha feito reserva em nenhum hotel da cidade. “Eu peguei um táxi e o taxista me perguntou: - Você quer que eu te leve para onde? Eu disse: Me leva para qualquer canto. (risos) E ele me levou para uma boa pensão na Rua Barão de Aratanha. Desde esse dia me encantei com o Ceará e a hospitalidade de seu povo”, confessa Massude. Mas mesmo dizendo que já sente um cearense, Massude, não esquece suas origens. Ele nos conta que o povo tomeense é jovem e alegre, assim como o brasileiro e que o país é calmo, tendo grande potencial turístico e petrolífero. Para ele a maior dificuldade é a distância da família. Falar sobre a África e sobre a realidade dos negros em nosso país é algo até corriqueiro entre a chamada elite intelectual brasileira e a comunidade acadêmica. Mas o que será que os próprios africanos pensam sobre temas polêmicos como a discriminação racial e a adoção de cotas raciais para o ingresso nas universidades públicas no Brasil, sobre as conquistas negras mundiais

sons. O aluno do intercâmbio Andy Monroe, de Cabo Verde concilia a vida acadêmica com a atividade musical

mais recentes, como a ascensão de Obama e a realização do primeiro grande evento esportivo na África, a Copa do Mundo de 2010? Para ter uma ideia geral de como essas discussões repercutem na comunidade africana que reside em Fortaleza, Fale! conversou com três deles: o presidente da Aeac e doutorando em saneamento ambiental, Fernando Pedro Dias, o músico e estudante de publicidade Andy Monroe e o estudante de engenharia química Massude Madre de Deus Afonso, respectivamente de Guiné-Bissau, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe — países com as maiores colônias africanas no Ceará. Confira.

E

A África não é um país e não é pobre

ntre várias visões comuns talvez a que mais aproxime os africanos que residem no Brasil esteja paradoxalmente relacionada à necessidade de se esclarecer a pluralidade da África. Afinal são 53 nações independentes, 6 territórios e uma infinidade de etnias, idiomas e crenças religiosas. Para Fernando Pedro Dias é difícil ainda para os brasileiros compreenderem que “um guineense tem características diferentes de um cabo-verdiano, um tomeense, um angolano, um moçambicano, um senegalês, em termos culturais, tais como música, linguagem, esportes favoritos. É como se quisessem comparar o brasileiro com um norte-americano. Todos são americanos, mas são diferentes. Então é errada essa identidade que se dá aqui aos africanos”. www.revistafale.com.br

Já o músico Andy lembra que as nações colonizadoras europeias tinham essa mesma visão unificada com relação aos povos africanos quando dividiram arbitrariamente o continente entre si, em fins do século XIX. “A África é rica, o problema vem lá de trás na história. Exploraram muito o continente e foram fazer as divisões territoriais que fizeram, deixando o continente pessimamente estruturado, com guerras étnicas e tudo mais. Em qualquer lugar do mundo poderia ter acontecido algo parecido”, pondera. Andy lembra ainda que “mesmo assim muitos países africanos têm crescido bastante nos últimos anos como a África do Sul, o Egito e até Angola e Moçambique. Só que quando a gente fala sobre a África para as pessoas e diz que lá tem cinqüenta e tantos países, as pessoas ainda dizem com espanto: sério?”, lamenta Andy. A mesma contrariedade demonstra o tomeense Massude. “É incrível como as pessoas no Brasil desconhecem a África e acham que ela é um país. Isso nos deixa profundamente chateados”, admite.

Discriminação racial existe, sim, senhor

O

desconhecimento sobre a África é, infelizmente, a faceta menos desagradável com a qual os estudantes africanos se deparam no Brasil. Excluindo as dificuldades concretas com acomodação, adaptação ao novo país e eventuais problemas financeiros, o mais difícil é conviver com o preconceito duplo: por serem negros e estrangeiros. O presiABRIL de 2010 | Fale

!

|

43


educação

Unidos por um continente. Estudantes se reúnem para discutir assuntos de interesse comum.

dente da Aeac, Fernando Pedro Dias lembra que já ouviu muitos estudantes brasileiros declarando-se contra a concessão de vagas ociosas nas universidades para os africanos sob a alegação de que se estaria roubando o lugar de um brasileiro. Ele também disse já ter ouvido relato de estudantes que foram buscar estágio em uma grande loja de eletrodomésticos da cidade e ouviram de funcionários que a mesma não contratava negros. Esses e outros comentários ou ações de que seriam vítimas os estudantes africanos, levam o engenheiro químico a contestar o antigo mito da democracia racial brasileira. “Muitos negam que existe, mas tem várias formas de você identificar isso na sociedade. Alguns falam: - Na África do Sul tinha o apartheid, que o branco fazia isso e aquilo. Mas aqui também existe um que ninguém deixa identificar porque existe uma lei federal que proíbe essas manifestações racistas”, argumenta. Fernando disse ainda que há sutileza nesse racismo à brasileira, mas isso não o descaracteriza como algo nocivo. “Lá na África nós não conhecíamos termos como marrom bombom, marrom chocolate, que ainda dizem aqui que é termo carinhoso. Que carinhoso é esse que faz com que a gente não seja chamado pelo nome com o qual a gente é registrado?”, questiona. Ele lembrou ainda que o Brasil é o segundo país com a maior população negra do 44 | Fale!

|

ABRIL de 2010

mundo, com aproximadamente 90 milhões de negros – incluindo, de acordo com o IBGE, pretos e pardos – perdendo apenas para a Nigéria que tem cerca de 150 milhões. Andy Monroe concorda que existe racismo em nosso país. Ele disse que no Ceará, por exemplo, é comum observar as pessoas atravessarem a calçada ou levantar os vidros das janelas dos carros quando cruzam com negros. Mas o músico lembra que o problema da discriminação racial não é só do Brasil e relata um caso que aconteceu com ele em Cabo Verde, país africano onde também há grande miscigenação. “O negro sente essa discriminação. Eu lembro que eu tinha um professor de história, que era português e estava ensinando, em Cabo Verde, a história da África, eu já achei isso muito contraditório, a priori. Uma vez ele fez um comentário que eu não gostei e gerou uma discussão em sala de aula. Ele disse: - Os negros sempre gostam de falar que tem orgulho de ser negro. Isso é besteira. Nunca falem algo parecido. Aí eu disse: - Como assim? Você alguma vez foi negro? Passe um dia de negro para você ver”, redarguiu na época, o hoje estudante de publicidade. Andy e Fernando são favoráveis às políticas afirmativas adotadas nos últimos anos no Brasil, tais como o sistema de cotas raciais para a entrada em universidades públicas. Os dois recorrem ao passado e ao presente para justificar esse apoio. Para Andy www.revistafale.com.br

“no Brasil ainda há a ideia de associar o negro à coisas ruins, de que negro não quer estudar. Eu apóio as cotas porque aqui se chega ao ponto de o negro não ter oportunidade mesmo de estudar, porque tem que ajudar à família, porque não tem acesso à emprego e salário dignos, mas isso não significa que a pessoa não queira estudar ou que seja preguiçosa”. Já Fernando ressalta que “às vezes o homem negro fazendo a mesma função que o branco ainda ganha menos. E como a sociedade brasileira não discute como acabar com isso e nega oportunidades a pessoas que não têm condições de ingressar no ensino superior? Isso é uma forma de discriminação. Além disso, a história do Brasil nos mostra que aos negros e aos índios sempre foi negado o direito de acesso à escola”. Sem entrar em polêmicas maiores, Massude diz que não sofreu preconceito, em seis anos no Ceará. Contudo, ele não nega que exista discriminação racial no Estado ou no Brasil como um todo. “Existe sim, mas a pessoa que vier me discriminar vai perder o seu tempo. Para mim o preconceito vem de uma ignorância, de um desconhecimento da pessoa. Como eu me considero com certa formação intelectual esse tipo de coisa não me atinge. Portanto, acho que isso também é um pouco uma questão de atitude que devemos ter perante essas pessoas racis-


tas”, defende.

Uma vez me Legado da Copa do Mundo de perguntaram se a 2010 para o continente esporte pode ser uma ferramenta para África do Sul ficava perto a mudança da percepção do mundo em relação à África. Essa é a apos- de Cabo Verde. ta dos estudantes entrevistados pela

O

Revista Fale! sobre o legado – para o continente – da Copa do Mundo de 2010, a ser realizada entre junho e julho na África do Sul. Mas apesar de enxergarem o evento como positivo, temem que seja reforçada a ideia de que a África é uma coisa só. O guitarrista Andy Monroe nos contou que já lhe perguntaram se a África do Sul ficava perto de Cabo Verde. Detalhe: a nação insular, tem maior proximidade de Fortaleza que da sede do próximo Mundial. Mesmo diante de perguntas como essa, o músico disse acreditar que “as pessoas vão acabar mudando esse preconceito e essa ideia distorcida de que África é muito tribal e que não tem condições de se desenvolver. Eu vejo ainda como uma proposta para que outros países da África se inspirem”. O engenheiro químico tomeense Massude Afonso também acredita que a Copa do Mundo de 2010 vai “realçar a África. Isso vai mostrar um outro lado do nosso continente, que não apenas o da pobreza. A Copa vai abrir mais oportunidades, principalmente para a África do Sul. As pessoas vão conhecer mais aquele país e continente como um todo.” Na mesma linha de raciocínio, o também engenheiro químico Fernando Pedro Dias destaca que um evento como a Copa do Mundo “traz informações, traz investimentos, traz turismo, traz desenvolvimento. Sevocê for ver a história da África do Sul, o que Nelson Mandela passou... E mesmo assim ele usou o esporte para unir a sociedade sulafricana, tem até um filme em cartaz agora, o ‘Invictus’. Então, nós africanos sim temos capacidade de realizar grandes eventos”. Ele lembrou ainda que as mesmas pessoas que questionam a capacidade de um país africano receber uma competição desse porte não se preocuparam diante de problemas como a tensão entre as duas Coreias em 2002. “Todo mundo sabe que a Coréia do Sul, ao lado da Coreia do Norte, é um barril de pólvora. Mas foi realizada a Copa lá. Aqui no Brasil foi realizada em 1950 e vai ser realizada em 2014, mas a gente sabe que esse país tem problemas sociais grandes”, enumera Fernando.

Andy Monroe, guitarrista cabo-verdiano que mora no Brasil.

O

descendente de quenianos Barack Obama, presidente da maior potência do planeta, os Estados Unidos, é motivo de orgulho para eles, mesmo com eventuais erros cometidos no início do mandato. “Eu acho que ele ainda está indo bem, apesar de alguns criticarem a política militar no Afeganistão, mas eu pergunto: a Al-Qaeda quer atacar só os Estados Unidos ou toda a sociedade ocidental? Muitos ataques foram na Europa, na Ásia, na África. E se não existisse os Estados Unidos para bater de frente com essa organização terrorista, como ficaria o mundo?”, interroga Fernando Pedro Dias. Já o músico Andy Monroe enalteceu a identificação de Obama com sua raízes africanas. “Ele, assim como todos os negros norte-americanos, é de origem africana e o Obama não esqueceu suas origens, como acontece muito, mas ele fez questão de voltar para o Quênia e comemorar isso com o avô. O mundo olhou para a África porque os Estados Unidos é uma potência mundial e a posição do negro em qualquer continente que não seja a África é vista de forma diferenciada. Então, se ele lutou e mostrou que o negro pode chegar aonde Obama chegou, isso serve de exemplo para todos”, sentenciou. Massude vai mais longe e diz que além de símbolo para os negros, a eleição de Obama foi “uma derrota para o fascismo norte-americano, uma quebra de paradigmas em um país onde ainda há tanto racismo”. n

Obama na Casa Branca, um símbolo para os africanos www.revistafale.com.br

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

45


Entrevista

prefeita do Centro Ainda principal destino comercial da cidade, o Centro de Fortaleza carrega problemas estruturais que mancham sua imagem e ainda ofuscam seu valor histórico. A advogada Luiza Perdigão, secretária do Centro, fala sobre alguns desses problemas, como revitalização, insegurança, lixo e comércio ambulante

É

só um começo. É assim que a secretária do Centro de Fortaleza, Luiza Perdigão, avalia os

boa

46 | Fale!

saúde.

primeiros resultados do processo de requalificação da região. Sim, requalificação. O termo revitalização, comum aos ouvidos do fortalezense, não é adequado no entender da Secretaria. O Centro esbanja vida, apenas está tentando recuperar sua

Formada em Direito e integrante do governo municipal desde 2006, Luiza também coordenou a Comissão de Projetos Especiais e a Comissão de Bens Imóveis da Prefeitura. Em suas palavras, a secretária revela seu otimismo em relação aos problemas do Centro e alerta que é fundamental a colaboração de seus frequentadores, comerciantes e da sociedade em geral no sentido de resolver tais problemas. Para 2010, a prioridade é reorganizar o espaço público, tratando das questões dos camelôs, catadores de lixo, estacionamentos e bancas, além do Plano de Habitação do Centro, que pretende tornar a região mais atrativa como moradia. Sobre a Copa de 2014, quando Fortaleza será uma das subsedes, a Secretária reforça o alerta aos que gostariam de oferecer um Centro agradável aos olhos dos turistas. Apontando para um trabalho em conjunto, com o apoio e a consciência de todos. Luiza trata o “abandono” da região, que guarda grande parte da história do Estado, como uma questão cultural. “O Centro, que é de todos, parece que não é de ninguém. Não acreditamos que este tesouro que é o Centro pode nos ajudar a ganhar dinheiro sem destruir, a nos divertir sem sujar. E não acreditamos também, sociedade, empresas e o poder público, que somos capazes de mudar. O desafio é desenvolver pessoas para

|

ABRIL de 2010

www.revistafale.com.br


fazer a cidade crescer.” Acrescente-se ao otimismo de suas palavras o apego com que Luiza Perdigão abraça os problemas do Centro. A entrevista se revela um convite à sociedade para participar desse abraço e valorizar esse espaço. Fale! Quais são as prioridades da Secretaria, neste ano, em relação ao processo de revitalização do Centro? Luiza Perdigão. O Centro tem uma vida muito intensa, não precisa de revitalização, como imagina ser necessário o fortalezense que deu as costas para esta área privilegiada da cidade, inclusive os poderes públicos, levando dela não a vida mas a qualidade desta vida. Então, a Secretaria está mais preocupada em priorizar a requalificação, a reabilitação como ocorreu e ocorre em várias cidades, de vários países. Como prioridade, estamos devolvendo os espaços públicos ao público, reorganizando a participação dos camelôs, dos catadores de lixo, o disciplinamento dos estacionamentos e bancas de revistas. Em paralelo, estamos executando o Plano de Habitação do Centro, para que o fortalezense possa viver numa área perto da praia, com esgoto, transporte, inclusive metrô, comércio, serviços, etc, e a custo mais baixo que é o que todo mundo quer. Fale! Já é possível visualizar resultados positivos desde o início desse processo? Luiza Perdigão. A Secretaria do Centro passou de extraordinária a executiva e a volta do Paço Municipal para o Centro recoloca não só o Poder Executivo no Centro, mas sobretudo o Centro no Poder Executivo, o que facilita a visualização dos problemas e a tomada de decisões. As praças Pedro II e José de Alencar foram devolvidas à cidade, todas as praças estão passando a ter manutenção permanente; duas pesquisas que fizemos, sobre o lixo e sobre os camelôs, deram pela primeira vez uma noção exata do que estamos enfrentando. Organizamos o comércio ambulante, provisoriamente, na rua José Avelino, estamos transferindo os que ocupam a praça da Lagoinha e, finalmente, os comerciantes do Beco da Poeira vão ter um lugar digno para atrair mais clientes. É só um começo. Fale! Quais são os planos para resolver o problema do despejo de lixo nas ruas e da falta de manutenção em determinados monumentos, calçadas e bancos de praças?

Do jeito que está, até parece que o lixo no Centro não é um problema, é uma opção. O que nos cabe é exigir o cumprimento da lei e vamos ser rígidos. Não adianta recolher a certa hora e a cada duas horas a rampa de lixo está formada outra vez, como ocorre agora. Luiza Perdigão. Esta é uma pergunta que deve ser feita também a quem joga o lixo, a quem prefere ter a porta de seu estabelecimento sujo e mal cheiroso, atraindo doenças e afastando novos negócios. A quem produz o lixo numa atividade lucrativa e não reserva uma ínfima quantia para cumprir a lei que obriga à coleta particular em caso de grandes quantidades. Do jeito que está, até parece que o lixo no Centro não é um problema, é uma opção. O que nos cabe é exigir o cumprimento da lei, da empresa contratada aos grandes produtores, e vamos ser rígidos, porque o problema é muito grave. Não adianta recolher a certa hora e a cada duas horas a rampa de lixo está formada outra vez, como ocorre agora. E você não acha que é preciso primeiro retirar o camelô da praça, para em seguida tapar os buracos deixados, os bancos quebrados? É assim que estamos agindo. Fale! O Centro abriga lugares com grande valor turístico, como o Theatro José de Alencar e o Mercado Central. Porém, lugares como a Praça do Ferreira e o Passeio Público nem sempre estão incluídos nas rotas de viagens. Existe algum plano para explorar o potencial turístico www.revistafale.com.br

de mais locais? Luiza Perdigão. Estamos requalificando o Centro para quem vive e trabalha no Centro, para quem deseja voltar a usar o Centro, e o que estamos conseguindo é um sinal de que o turismo e outros ramos de atividade podem usar os equipamentos e atrativos que estão de portas abertas. Mas essa é uma decisão da iniciativa privada, que aliás poderia se integrar à luta que estamos empreendendo, ao invés de só ficar esperando pelo poder público. Onde a parceria acontece tem dado certo. À medida que a avançarmos, vamos sugerir a exploração de roteiros pelos mais de 30 equipamentos culturais; o corredor histórico da Catedral à Estação João Felipe; as praças que contam nossas lutas de liberdade; o roteiro das compras; dos mercados públicos e até o cemitério São João Batista pode virar ponto de visitação. Fale! De que forma a Secretaria está trabalhando para garantir mais segurança aos freqüentadores do Centro? Luiza Perdigão. Estamos fazendo em tempo recorde com a AMC um novo projeto de iluminação do Centro. Isso vai deixar o Centro mais bonito e mais seguro à noite. E com a Guarda Municipal estamos instalando 13 câmeras de monitoramento 24 horas por dia, para identificar comportamentos suspeitos, antes que ocorram crimes contra o patrimônio. Aumentamos o rigor com a fiscalização dos prédios que estão fechados e correm o risco de desabar ou pegar fogo – isso também é segurança. Ao lado dessa linha de prevenção, atuamos com inteligência, em parceria com a Secretaria de Segurança Pública. Queremos aumentar a presença e a atuação do poder público no Centro, para assim banir a atividade marginal, porta de entrada do crime organizado. Hoje somos um “problema”, por exemplo, para quem usava o Beco da Poeira para vender CD e DVS piratas. Fale! Quais as garantias e a estrutura que vão cercar os permissionários do Beco da Poeira e do Terminal Rodoviário Engenheiro João Thomé no Centro de Pequenos Negócios? Luiza Perdigão. O novo Centro de Pequenos Negócios vai enterrar o Beco da Poeira, que foi útil para abrigar camelôs na época da Maria Luiza (1986-1989), mas que foi abandonado nas gestões seguintes. Hoje o que temos lá são industriais, atacadistas, corretores que fazem parte da nossa economia e precisam de ABRIL de 2010 | Fale

!

|

47


um espaço para trabalhar com mais segurança, conforto e conveniências que vão atrair novos e melhores clientes. Você, por exemplo, vai ter vontade de aproveitar os bons preços do Novo Beco, como estão chamando. Perto do metrô, com banco, lotérica, praça de alimentação e o mais importante: a presença da Secretaria do Centro, que volta a administrar o mercado e apoiar os permissionários, depois que uma entidade se apropriou indevidamente do espaço público e aplicou um golpe milionário com a venda de boxes que não existiam. Fale! Qual a situação dos ambulantes das outras áreas? Luiza Perdigão. O ambulante é parte da nossa economia, é da nossa vocação comercial, é um atrativo a mais do Centro. Isto está comprovado na pesquisa minunciosa que encomendamos. Os clandestinos, para nossa surpresa, são menos que imaginávamos. O que é grave? É a ocupação de alguns espaços públicos, algumas atividades que sujam muito e a desorganização que não é boa nem para eles. Estamos restabelecendo a relação do município com o camelô. Quem estava na praça Pedro II está em galpões da Rua José Avelino. Quem estava na José de Alencar foi provisoriamente para a Lagoinha e, daí, para uma área bem localizada e com estrutura que eles estão escolhendo. Quem trata com a prefeitura, automaticamente recebe o apoio para entrar no Empreendedor Individual. Fale! Existe uma tendência de despolarização do setor comercial, quais são as ações da Secretaria para tornar o Centro mais competitivo e continuar atraindo consumidores? Luiza Perdigão. Não é mais uma tendência, é uma realidade, que cada Regional tenha seus corredores de comércio. Veja a BR 116 até Messejana, a José Bastos até Parangaba e a Osório de Paiva, a Godofredo Maciel até Mondubim, a Bezerra de Menezes até Antônio Bezerra, entre outros exemplos. A Aldeota e entorno também têm seu comércio, isso é bom, é a conveniência. No Centro temos uma atividade econômica crescente, seja no comércio ou nos serviços. Veja os novos restaurantes que surgem todo dia, as lojas de confecções e calçado das melhores marcas, o comércio especializado em eletrônica, tecidos, couro, aviamento. Pergunte ao Carlos da Eletrônica Israel 48 | Fale!

|

ABRIL de 2010

O maior problema do Centro não é do Centro, é de toda a cidade. Não temos uma relação de pertencimento ao território da nossa cidade, parece que vivemos num espaço que não é nosso e que não merece da nossa parte o zelo, a admiração, o carinho mesmo. se ele não quer outro ponto no Centro. O Renato da Ban Ban Calçados já abriu três lojas. É por aí. Fale! Quais serão os benefícios para a infra-estrutura do Centro advindos dos preparativos para a Copa de 2014? Luiza Perdigão. Respondo com uma pergunta, qual é o Centro que nós cearenses queremos mostrar para os milhares de turistas que vão nos visitar daqui a apenas 4 anos? Se for o do lixo, da venda de produtos piratas, do camelô clandestino, das fachadas históricas tapadas e da espada do General Tibúrcio ou do relógio da Praça do Ferreira surrupiados, vamos ficar mal vistos e mal falados para o resto dos tempos. Se for de uma cidade onde o espaço público esteja assegurado para uso comum, da história representada nos prédios e praças, de uma sociedade limpa, alegre e organizada, esse desejo tem o nosso total apoio. Se você quer saber sobre obra temos projetos de acessibilidade, fiação subterrânea, drenagem urbana, com recursos já assegurados, sem falar nas duas linhas de metrô, obra do Governo Federal com a participação do Estado e com apoio do município. Fale! Numa escala de valores, qual o problema mais crítico do Centro www.revistafale.com.br

da cidade na sua opinião? Luiza Perdigão. O maior problema do Centro não é do Centro, é de toda a cidade. Não temos uma relação de pertencimento ao território da nossa cidade, parece que vivemos num espaço que não é nosso e que não merece da nossa parte o zelo, a admiração, o carinho mesmo. O Centro, que é de todos, parece que não é de ninguém. Outro lado desta mesma questão é, que, não se sentido parte, não vemos que no Centro está o marco zero da nossa geografia e da nossa história, não enxergamos nos prédios e praças as nossas marcas que vão ser, ou não, impressas nos nossos filhos e netos. E, finalmente, não vendo e não valorizando, não acreditamos que este tesouro que é o Centro pode nos ajudar a ganhar dinheiro sem destruir, a nos divertir sem sujar. E não acreditamos também, sociedade, empresas e o poder público, que somos capazes de mudar. É uma questão cultural que precisamos todos enfrentar. O desafio é desenvolver pessoas para fazer a cidade crescer. n


Economia

Quem disse que padaria é só pão?

O crescimento, em Fortaleza, do mercado de luxo, voltado para as classes A, B e eventualmente C está atingindo também o segmento da panificação. Prova disso é a inauguração do espaço de conveniênciagourmet Empório do Pão, ocorrida no último dia 8 de abril. A casa traz conceitos inovadores para o consumidor cearense, tais como a autêntica baguette francesa e uma espécie de restaurante interativo, onde o cliente pode reservar tempo e espaço para exercitar seus dotes de mestre-cuca Por Adriano Queiroz | Imagens Jarbas Oliveira

I

magine num mesmo local tomar café da manhã, se deliciando com a receita original do mais famoso pão francês, e preparar uma bela massa para amigos especiais. Imagine ainda que nesse mesmo espaço você possa comprar de chá verde a camarões, comer sushi ou pizza, escolher entre os melhores vinhos importados e as melhores cachaças brasileiras. Bem se você é um amante da culinária, fortalezense ou de férias na capital cearense, não terá muita dificuldade em encontrá-lo. No último dia, 8 de abril, dois empreendedores com sucesso no ramo da panificação, um cearense e um mineiro, juntaram as mais modernas tendências do segmento, no que autodenominaram uma conveniência-gourmet, e deram vida ao Empório do Pão. O negócio nasceu de uma parceria entre o político e empreendedor cearense, Alexandre Pereira – que é também presidente da Associação Brasileira

www.revistafale.com.br

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

49


ECO N O MI A & NEG Ó C I O S

original. A legítima baguete francesa com receita original foi trazida da Association des Compagnons Du Devoir da Indústria de Panificação, a Abip, e do PPS-CE – e o empresário e consultor mineiro, Márcio Rodrigues – que é também presidente do Conselho Diretor do Instituto Tecnológico da Panificação e Confeitaria, o ITPC. Os dois ainda firmaram parceria com uma das mais respeitadas escolas de panificação francesa, a “Association des Compagnons Du Devoir”, ou Associação dos

Companheiros do Dever, para trazer pela primeira vez ao Ceará, a legítima baguette francesa. Mas se não bastasse a ousadia dos sócios em inovar no modelo de empreendimento, o endereço escolhido também foi uma aposta. O Empório do Pão fica no mais novo shopping center da cidade, o Pátio Dom Luís. O próprio centro de compras está inserido num contexto inovador, em um comple-

sócios. Alexandre Pereira, presidente da Abip e do PPS-CE, e Márcio Rodrigues, presidente do Conselho Diretor do ITPC, se uniram para abrir o Empório do Pão 50 | Fale!

|

ABRIL de 2010

www.revistafale.com.br

xo de edifícios que integra residências, escritórios e lojas. O espaço tem mais de quatro mil itens de delicatessen, um restaurante sofisticado que está aberto a interação com o público, como veremos adiante, uma excelente adega de vinhos, além das mais variadas bebidas, queijos, frios, biscoitos e temperos finos, hortifrutigranjeiros, laticínios variados, sorvetes, chocolates, bombons e, é claro, pães diversos. Além disso, a casa conta com serviços de sushibar e pizzaria. O foco inicial é o consumidor das classes A, B e, eventualmente, C. No evento de inauguração do espaço, estiveram presentes, entre outros representantes desse público seleto, o ex-governador Lúcio Alcântara, o deputado federal Raimundo Matos, o deputado estadual Adahil Barreto, o prefeito de Maracanaú, Roberto Pessoa, o presidente da Associação Brasileira da Indústria Hoteleira no Ceará, Régis Medeiros, o presidente da Federação das Indústrias do Ceará – FIEC – Roberto Macedo, o presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Ceará – FCDL-CE , Honório Pinheiro, o presidente da CDL de Fortaleza, Francisco Freitas Cordeiro, a presidente do Centro Industrial do Ceará, Roseane Medeiros, o coordenador de publicidade da Prefeitura de Fortaleza, Demétrio Andrade e o ex-jogador da seleção brasileira de futsal, Manoel Tobias. Para Márcio Rodrigues, “o consu-


sofisticado. Com foco no segmento AB, o Empório do Pão fica no mais novo shopping center da cidade, o Pátio Dom Luís midor AB de Fortaleza carecia de um ambiente em que encontrasse de uma só vez um conjunto de serviços como delicatessen, pizzaria, loja de conveniência, espaço gourmet, além de produtos de padrão internacional. Nesse sentido, uma novidade que trouxemos foi um restaurante onde nossos clientes não só tem a possibilidade de se deliciar com variadas opções de café da manhã, almoço e jantar, como também vão poder reservá-lo com antecedência para receber amigos e convidados em um ambiente aconchegante, onde podem participar do preparo dos próprios pratos que quiserem servir e degustar”. Quem supervisiona tão interativa cozinha é a chef Bia Leitão. O ambiente do restaurante é de fato muito agradável. Na decoração, há a predominância dos tons creme e marrons, com sutis referências. n

www.revistafale.com.br

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

51


ECO N O MI A & NEG Ó C I O S

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Ela está no seu cotidiano A empresa cearense de Tecnologia da Informação Chip é uma das lideranças em desenvolvimento de soluções tecnológicas específicas para o mercado corporativo e grandes órgãos públicos

D

iariamente, todas as grandes empresas e órgãos produzem milhares de documentos em suas redes de computadores que necessitam de controle, a partir da digitalização da informação. Hoje, serviços críticos para o cidadão comum passam pelo desenvolvimento da Tecnologia da Informação, desde o uso do celular ao atendimento eficiente em hospitais. Mecanismos de controle, armazenamento e processamento de dados, com o grande volume de informação gerada a todo segundo, se tornam necessários para evitar a eventual perda de informações essenciais.

A empresa cearense de Tecnologia da Informação Chip é uma das lideranças em desenvolvimento de soluções tecnológicas específicas para o mercado corporativo e grandes órgãos públicos lidando com esse grande volume de dados. Comemorando 25 anos no mercado, a empresa tem forte atuação no Ceará e é exemplo da importância e utilidade da tecnologia de informação para a eficiência de empresas a nível estrutural e também no atendimento de clientes e cidadãos em situações delicadas; no caso da Chip, no contato com a polícia e em hospitais cearenses. Pioneira em uma época em que a di-

gitalização dos meios de comunicação, principalmente da telefonia, apenas engatinhava, a empresa acompanhou o processo de mudança no setor de perto, atuando nas novas necessidades das empresas atendidas. Dennis Bentes, Engenheiro Elétrico com formação em TI e sócio, fala com orgulho da solidez da empresa e dos projetos desenvolvidos com sucesso, como o aplicado no Ronda do Quarteirão do governo do Estado, que facilita o monitoramento das ligações pela base policial e transfere as ligações de cidadãos para as viaturas. “O cidadão liga para um número fixo, nossa plataforma reconhece o número, vê para qual viatura ele está associado (na verdade, o sufixo do número é o número da viatura), encaminha essa chamada para a viatura diretamente,

Banda larga para todos “Banda larga não é luxo. Banda larga é feito alfabetização. Todo mundo tem que ter”

B

anda larga para todos. Esta é a meta do Plano Geral de Banda Larga, que está em elaboração

52 | Fale!

|

ABRIL de 2010

pelo governo, que deverá ser totalmente implementado até 2014, como assegura o ministro da Secretaria de Comunicação do Palácio do Planalto, Franklin Martins. “A Telebrás será recuperada para “fazer a banda larga neste país”, diz o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “O Brasil em alta www.revistafale.com.br

velocidade” é o título da proposta de Plano Nacional de Banda Larga - PNBL. Durante audiência pública na Comissão de Ciência e Tecnologia do Senado, Franklin Martins disse que “o plano está sendo concebido para ir até 2014 e é evidente que não será todo realizado este ano. É evidente que parte dele será


O setor de TI no Brasil Receita Líquida (2006)

Fabricação de máquinas de escritório, de contabilidade e de informática R$

12.816.457 mi

Fabricação de transmissores de rádio e televisão e de equipamentos para linhas telefônicas e de telégrafo R$

25.532.466 mi

Telecomunicações R$

88.781.311 mi

Fonte: IBGE

tipo de inteligência corporativa pode entrar em cena para localizar dados específicos e fazer cruzamentos com outras bases. Isso que faz a mineração de dados, um produto novo que procura a agulha no palheiro virtual de informações. Tudo isso, facilitando o cotidiano de todos, que, hoje, anda lado a lado com as tecnologias digitais. n desenvolvimento. Dennis Bentes é o presidente da empresa Chip grava essa chamada e permite que o centro de operações policial, se quiser, entre na chamada para dar algum tipo de orientação ou algum tipo de registro, até de estatística, como quanto tempo a viatura leva para chegar ao local que é necessário atendimento”, detalhou. O processo será implantado também em outros estados, como Pernambuco e Maranhão. Grande parte da pesquisa para as tecnologias utilizadas provém de cientistas da Universidade Federal do Ceará (UFC), em convênio com o Instituto Atlântico. Em parte de iniciativa cearense, os softwares e produtos desenvolvidos são feitos pela Dígitro, parceira da Chip em Santa Catarina desde a fundação da empresa, e adequados à demanda dos clientes.

feito este ano.” De acordo com ele, a banda larga não pode ficar restrita a apenas alguns segmentos da sociedade. “A banda larga não é luxo. Banda larga é feito alfabetização. Todo mundo tem que ter, todo mundo tem que ter acesso a informação, aos conteúdos, às trocas que existem na banda larga.” Martins disse ainda que o

Outra situação em que a TI é imprescindível é no atendimento em hospitais. No Ceará, o Hapvida, sistema de saúde, que concentra em Fortaleza a base de seu atendimento, requer grandes cuidados em seu sistema eletrônico de atendimentos nos hospitais que não pode ser interrompido, e por isso requer um contingenciamento; se um site falhar, outro entra em ação. Tudo isso, com monitoramento remoto da Chip, que projetou a forma como as chamadas dos atendimentos são transferidas, e seus dados, para todos os lugares do Brasil onde o Hapvida opera, com mais de 700 mil clientes. Em órgãos públicos com bases de dados gigantescas como a Secretaria da Fazenda e o Tribunal de Justiça, um

governo vai usar as redes de fibra óptica que pertencem à Telebrás. Isso, assinalou, poderá ser usado para “aumentar a competição, derrubar preços e fazer com que os serviços fiquem mais baratos na ponta”. O coordenador do Plano Geral de Banda Larga é Cezar Alvarez, assessor especial da Presidência da República. Numa entrevista no ano passado ao jornal O Estado de S. Paulo,

www.revistafale.com.br

Alvarez disse que “é difícil promover inclusão digital quando se trabalha com uma população de mais de 190 milhões de habitantes em um país com desigualdade de renda e proporções continentais, em que a infraestrutura de telecomunicações ainda está bastante concentrada. n

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

53


Cultura

IX Bienal do Livro do Ceará

M

“Um evento para o povo”

aurício de Souza, Ziraldo, Thiago de Mello, Carlos Heitor Cony, Paulo Markun, Calé Alencar, Arnaldo Antunes, Erasmo Carlos. Esses foram apenas alguns dos nomes que participaram da IX Bienal Internacional do Livro, realizada entre os dias 9 e 18 de abril, no Centro de Convenções de Fortaleza. Com o tema “O Livro e a Leitura dos Sentimentos do Mun-

do”, o evento teve uma proposta bem mais popular que edições anteriores, com estrutura de organização descentralizada. Em 2010, a Bienal homenageou, ainda, o centenário do nascimento da escritora cearense Rachel de Queiroz, com ambientes inspirados em obras, personagens e cenários descritos em livros da “imortal”.

Eu fui duas vezes só nessa edição e nos últimos dias, foi quando houve mesmo um verdadeiro clamor de pessoas por livros e eu gosto muito de ver isso. Antônio Rodrigues Filho, economista

A cada edição, a Bienal tem sido palco de muitos lançamentos literários e artísticos. Vejo também número crescente de admiradores de uma das mais importantes formas de arte do mundo, que é a literatura. Elder Costa, advogado e

Havia pessoas de todas as classes sociais querendo uma oportunidade de descobrir os livros. Nós temos que resgatar toda essa cultura do livro que está sendo perdida hoje por causa das novas tecnologias. Mariane Diogo,

professor

expositora

54 | Fale!

|

ABRIL de 2010

Dava para encontrar livros muito bons com preços melhores ainda. A Bienal é sempre um momento muito esperado por mim e eu gosto muito de vir. Aline Campos, graduanda em Ciências Biológicas

Teve muitos temas interessantes e livros com preços bons. Muitos romances interessantes, mas também muitos bons livros nas áreas técnicas e ligadas à minha profissão. Israel Felipe, graduando em Ciências Contábeis

www.revistafale.com.br

Eu achei que houve uma diversidade ampla na maioria dos conteúdos, embora tenha visto poucos livros de iniciação à Medicina, mas vi muitos livros avançados. Tatiana Pinheiro, graduanda em enfermagem e vestibulanda em Medicina


Nada de círculos restritos a pequenos grupos de iniciados no universo literário. No que dependeu dos organizadores da IX Bienal Internacional do Livro do Ceará, a edição 2010 do megaevento literário esteve muito mais próxima dos anseios do cidadão comum. “O que a gente queria era fazer esse evento para o povo, para o cidadão cearense. Quando você faz uma Bienal com intelectuais da América Latina desconhecidos por 80% a 90% da população você não quer fazer um evento popular. Porque eu vou fazer uma Bienal para a minoria como foi a de 2008?”, questionou Karine David, coordenadora de Políticas de Livros e Acervos, da Secretaria de Cultura do Ceará – Secult. Assim, em vez de autores estrangeiros, desconhecidos do leitor cearense médio, nomes locais e

Eu não sabia antes da Bienal do Livro do Ceará. Acho que poderia ser mais bem divulgada nacionalmente, mas é sempre muito bom participar de uma Bienal como essa. Sara Haddad, professora da Universidade Federal do Piauí

Vimos muitos colégios trazendo seus alunos para que eles tenham acesso a bons livros capazes de fazer com que essa criançada tome gosto pela leitura. Pedro Jorge, professor

nacionais de grande reconhecimento mostraram porque suas obras atraem tantos

Dentro do livro estão todos os sentimentos que a gente tem: amor, igualdade, liberdade, fraternidade, coleguismo, saudade. Karine David, coordenadora de Políticas de Livros e Acervos, da Secretaria de Cultura do Ceará – Secult.

A Bienal é um evento essencial para os estudantes e devia ser anual porque ela alimenta e sacia a vontade de obter conhecimentos, e aumentar sua intelectualidade. Igor Félix Almeida, estudante universitário

O Centro de

Convenções está ficando pequeno para um evento desse tamanho, mas com o novo Centro de Eventos e Feiras, prometido pelo governo do Estado, eu acho que ela só tem a crescer. Carol Martins, jornalista Devia trazer livros com preços

www.revistafale.com.br

novos leitores. Os organizadores do evento optaram ainda por não inflar o evento com atrações múltiplas e só inseriram outras manifestações artísticas em consonância com o mundo dos livros. Outra estratégia para aumentar a presença de público foi reforçar o trabalho de comunicação. A assessoria de imprensa do evento ficou a cargo da AD2M e o marketing ficou por conta da Inova. A descentralização do planejamento também foi uma aposta da Secult, tanto que nessa edição não houve a indicação de um curador geral, mas sim de um grupo curador, composto pelo escritor Raimundo Neto, pela presidente do SindiLivros, Mileide Flores, e pela própria Karine David. Formar novos leitores foi também, claramente, um dos

mais acessíveis para as pessoas que tem poucas condições financeiras. O livro do Dan Brown está com mesmo preço que em qualquer livraria de shopping. Francisco Neto, estudante de Ensino Médio

Eu achei interessante a Bienal

do Livro como instrumento para fomentar a cultura em uma terra em que as pessoas leem pouco. Aqui elas tiveram acesso à bons livros, à boas revistas, à leitura em geral. Carlos Jarbas, servidor da Assembleia

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

55


C U LT U R A

grandes objetivos da IX Bienal. Para isso, não faltaram alguns ícones da literatura infanto-juvenil e dos gibis, tais como Pedro Bandeira, o autor de literatura juvenil mais vendido no país; Ziraldo, o criador do personagem o “menino-maluquinho”; e Maurício de Souza, pai da “Turma da Mônica” e o escritor mais solicitado nas pesquisas realizadas pelos organizadores da Bienal. Na verdade, a preocupação com os pequenos e jovens leitores foi muito além do convite de personalidades ligadas a esse universo. No último dia da Bienal, houve uma programação voltada essencialmente a esse público, aproveitando a celebração do Dia Nacional do Livro Infantil. Além disso, no planejamento dos espaços que integraram a IX Bienal foi reservado para crianças e adolescentes todo o “Bloco F Superior” do Centro de Convenções de Fortaleza. Com um espaço reservado tão grande, a Secult – por meio da Coordenadoria de Políticas de Livros e Acervos – Copla – aproveitou para promover, em parceria com a Coelce, a visitação de aproximadamente 46 mil estudantes de escolas públicas e particulares, durante os dez dias do encontro literário – 9 a 18 de abril. Mas como livro bom é aquele que se torna propriedade do leitor, os estudantes receberam também um vale – a “notinha-legal” – que deu direito a aquisição de livros infanto-juvenis nos valores de R$ 1,00 a R$ 5,00. A participação dos estudantes foi incentivada, ainda, por um concurso de redação, que trouxe como tema “Ser culto é a única forma de ser livre”, inspirado em 56 | Fale!

|

ABRIL de 2010

frase do poeta cubano José Martí. E por falar em tema, o da Bienal foi “O Livro e a Leitura dos Sentimentos do Mundo”. Segundo Karine David a ideia foi justamente reforçar esse aspecto emocional que permeia o universo das palavras escritas. “Dentro do livro estão todos os sentimentos que a gente tem: amor, igualdade, liberdade, fraternidade, coleguismo, saudade. Mesmo que seja um livro científico, por exemplo, tem sempre a coisa do sentimento embutida, quer seja a curiosidade, a aprendizagem”, defendeu. Sintonizada com o tema esteve a homenagem deste ano. Ninguém melhor para representar os sentimentos que se colhem nas linhas de um livro que a escritora cearense, Rachel de Queiroz, falecida em 2003. Ainda mais quando se comemora, em 2010, o centenário do nascimento da primeira mulher a entrar na Academia Brasileira de Letras, tornando-se uma “imortal”. A propósito dessa homenagem, todos os ambientes da IX Bienal foram nomeados com títulos que remetem a livros, personagens ou cenários descritos por Rachel de Queiroz em seus livros, como, por exemplo, o salão “O Quinze” e a sala “Três Marias”.

SEMINÁRIO.

Logo na abertura do evento – que contou com a presença do governador Cid Gomes, do secretário da Cultura, Auto Filho, e do ministro da Cultura, Juca Ferreira – familiares da escritora receberam uma comenda alusiva à data especial. Paralelamente ao evento literário, foi realizado o seminário “Cem Anos de www.revistafale.com.br

Rachel de Queiroz”, com depoimentos de pessoas próximas à autora, performances teatrais e musicais, além de palestras com especialistas na obra da homenageada. Além disso, durante todos os dias da IX Bienal, no espaço “Não me Deixes”, houve uma mostra com fotografias, documentos e livros referentes à vida e ao trabalho de Rachel de Queiroz. Também não ficaram desapontados aqueles que quiseram conhecer um pouco mais sobre a cultura e sobre a história de Fortaleza. É que na edição 2010 do maior encontro literário do Ceará, houve uma feliz coincidência de datas e o aniversário da capital do estado marcou também o quinto dia do evento. Por conta disso, os organizadores da Bienal prepararam uma programação especial para a terça-feira, 13 de abril. n


Mauricio de Sousa, 50

O mundo mágico da Turma da Mônica foi um ponto alto da IX Bienal do Livro coincidindo com o Dia ingresso no mundo Nacional do Livro Infantil, com a presença simbólico da leitura. do quadrinista Mauricio de Sousa, com A partir dessa leitura a palestra “Mauricio 50 Anos: Como fazer A IX Bienal curta mas muito Quadrinhos e Dar Certo no Brasil?”. Maurício de Internacional do Sousa começou a desenhar histórias em quadrinhos colorida, ele vai Livro do Ceará facilmente encetar no final dos anos 50, quando uma história do Bidu, homenageou a grandes aventuras seu primeiro personagem, foi aprovada pelo jornal escritora Rachel de lecturais.” em que trabalhava. As tiras em quadrinhos com Queiroz e dedicou a O jornalista um cãozinho Bidu e seu dono, Franjinha, deram Sala As Três Marias e escritor Ítalo como centro dos origem aos primeiros personagens conhecidos Gurgel, Lourdinha eventos relativos a da era Mônica. Essa é a primeira vez que Leite Barbora e Aíla Rachel. O seminário Sampaio, falaram sobre Mauricio de Sousa vem ao Ceará depois Cem Anos de Rachel de os romances da escritora. do sucesso da série “Turma da Queiroz, teve depoimentos Duas palestras, “Rachel de Mônica Jovem”. de Ana Miranda, José Augusto Queiroz: Múltiplas faces”, com o Bezerra e Socorro Acióli. Vicência escritor Antônio Torres, e a palestra Jaguaribe e Batista Lima irão falaram “Rachel, Rachel”, com Heloísa Buarque sobre as obras que a escritora destinou ao de Holanda finalizaram as homenagens. público infantil. Além de “O menino mágico” e As escritoras Heloísa Buarque de Holanda, “Andira”, livros para crianças, Rachel de Queiroz Ana Miranda e Fernanda Cotinho, participam também escreveu “Cafute e Pena de Prata”. do lançamento e um bate-papo sobre o livro A Diz Batista de Lima sobre “Cafute e Pena de Trilogia Rachel de Queiroz: Rachel de Queiroz: Prata”: “O livro torna-se, então, uma preparação uma escrita no tempo (ensaio), A Lua de Londres do pequeno leitor para a grande aventura do (crônica) e Do Nordeste ao Infinito (crônica). n

Rachel, seminário

www.revistafale.com.br

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

57


C U LT U R A

Auto Filho, secretário da Cultura

SEMEADOR DE LIVROS Em sua gestão, ele distribuiu 3,5 milhões de livros para 192 bibliotecas públicas do Ceará, o único estado brasilerio com bibliotecas públicas em cada um dos seus municípios

N

a esteira da IX Bienal Internacional do Livro e do último ano do atual mandato do governador Cid Gomes, a Fale! entrevistou o secretário de Cultura do Ceará, o filósofo e bibliófilo Francisco Auto Filho, professor de Economia Política da Universidade Estadual do Ceará. Mas longe de ser apenas uma conversa sobre balanços e prognósticos, o gestor toca em pontos polêmicos, tais como a qualidade da literatura de Rachel de Queiroz, a principal homenageada dessa edição do encontro literário e fala também sobre o seu desejo de não permanecer no caso de uma eventual reeleição do governador Cid Gomes. Confira.

O que o secretário destaca como sendo o maior mérito da programação da IX Bienal em relação à VIII? Auto Filho. Em primeiro lugar, uma maior e mais significativa participação dos escritores brasileiros consagrados pelo público leitor. Em segundo lugar, um destaque maior para os autores cearenses, selecionados pelo Fórum de Literatura do Ceará e pela Academia Cearense de Letras. Em terceiro, a ampliação do programa Visitação Escolar, que este ano atendeu a 50 mil alunos da rede pública, filantrópica e comunitária de todo o Estado, com destinação de R$ 250 mil reais para a chamada “notinha legal”, vale-livro dado a cada um dos participantes. Enquanto leitor contumaz, quais os maiores méritos que o senhor atribui à literatura da homenageada dessa edição da Bienal, a escritora Rachel de Queiroz? Auto Filho. Se entendi bem, a pergunta é dirigida ao professor e não ao Secretário da Cultura. O Secretário da Cultura considera a homenagem pela passagem do seu centenário de nascimento inteiramente justa. Como leitor, não compartilho da opinião de outros leitores e de alguns críticos segundo a

58 | Fale!

|

ABRIL de 2010

qual Rachel de Queiroz é uma das maiores escritoras brasileiras. Entre os escritores nordestinos, dou preferência a Graciliano Ramos. No Ceará, o melhor ficcionista é Durval Aires e o grande contista é Moreira Campos. No conjunto da literatura brasileira, meu escritor predileto é Machado de Assis e meu romancista preferido é Lima Barreto. O grande destaque que a programação infantil recebeu na Bienal em 2010 teve que motivações principais? Formar novos leitores seria a maior delas?

Auto Filho elogia Cid, mas diz que deixará o cargo ao fim de 2010 www.revistafale.com.br

Auto Filho. As pesquisas sobre formação de leitores feitas no Brasil e em outros países têm revelado que a melhor política de formação de leitores é aquela que dá prioridade à criação do “hábito de leitura” a partir da primeira infância, tanto na escola como no lar. A programação infantil da Bienal teve como propósito mobilizar a infância cearense para participar ativamente da Bienal e motivar a meninada a ler. Porque o livro ainda é tão caro no Brasil? O que a Secult tem feito ou pretende fazer para facilitar o acesso do cearense aos livros? A interiorização dos investimentos em bibliotecas públicas pode ser uma boa alternativa? Auto Filho. O livro continua caro no Brasil porque as tiragens são ainda muito pequenas. Só quando for criado um mercado permanente para os livros não didáticos, envolvendo dezenas de milhões de leitores novos, poderemos baixar o preço do livro. O Governo Cid Gomes vem promovendo a maior e mais ousada política de democratização do acesso ao livro não didático já feita no Brasil. Graças a essa iniciativa, tanto o Ministério da Cultura quanto as Secretarias de Culturas de diversos Estados alteraram suas políticas, passando a dar destaque à política do livro e leitura, com a instalação de bibliotecas públicas nos municípios. No Ceará já são 192 bibliotecas públicas em 184 municípios. Ainda temos os programas de bibliotecas escolares (tocado pela Seduc), bibliotecas comunitárias, bibliotecas empresariais e bibliotecas temáticas. A intenção é constituir, ao longo dos próximos de anos, um acervo de 12 milhões de livros no Ceará, superando o tamanho da população, que é 8,4 milhões de habitantes. Considerando que este é o último ano desse mandato do Governador Cid Gomes, que balanço o senhor faz do trabalho desenvolvido em termos de incentivo à lei-


tura e, de um modo mais geral, do seu trabalho à frente da Secult? O Senhor gostaria de permanecer no cargo caso o Governador seja reeleito? Auto Filho. Confesso que sou excessivamente autocrítico, nunca estou satisfeito com o que faço. Nessa perspectiva, prefiro falar sobre o que falta e não sobre o que fiz. A política do livro e da leitura precisa dar continuidade ao programa de aquisição de livros para o sistema de bibliotecas públicas municipais e criar estratégias para que a sociedade ajude a montar os sistemas de bibliotecas comunitárias, empresariais e temáticas. Também é necessário ampliar significativamente o programa agentes de leitura, que hoje atua em 30 municípios cearenses e 10 bairros de Fortaleza. Por último, criar o Instituto do Livro e da Leitura na forma de Organização Social para cuidar de toda a política estadual para este setor fundamental da cultura. No tocante aos demais setores sob responsabilidade da Secult ficaria muito extenso expor tudo que será encaminhado ao Governador até o final do ano. No entanto, posso destacar duas coisas: primeiro há necessidade de criar uma política forte de defesa do patrimônio histórico-cultural. Aqui é preciso ir além para criar o Instituto Estadual de Defesa do Patrimônio Histórico-Cultural, com um quadro de profissionais altamente especializados, três grandes e modernos laboratórios com capacidade para mapear e proteger os sítios e fornecer certificação para os grandes empreendimentos econômicos que pretendam se instalar em áreas litorâneas e sítios históricos de nosso Estado. Segundo, reabrir a Pinacoteca do Estado para funcionar como cabeça de rede de um sistema estadual de pinacotecas municipais. Isso levaria a nossa arte ao povo e ajudaria a criar um mercado público permanente para nossos artistas visuais. Quanto à pergunta se “gostaria de ficar”, devo esclarecer que trabalhar com Cid Gomes tem sido uma experiência gratificante, pois ele apóia com entusiasmo tudo que a comunidade artística e intelectual tem sugerido ou reivindicado. Mas, paradoxalmente, é muito doloroso, do ponto de vista da saúde, o exercício da gestão pública no primeiro escalão do poder executivo. Quando tentamos voltar a máquina pública para servir

Precisamos criar uma política forte de defesa do patrimônio históricocultural ao povo, encontramos uma montanha de obstáculos burocráticos, legais e contábeis. Isso gera estresse e afeta a saúde de quem assume a missão de corpo e alma. Em síntese, o Estado burguês é por demais insalubre. Por isso, vou trabalhar para que o mundo artístico e intelectual cearense ajudar a reeleger o Cid, mas não vou fazer qualquer movimento para permanecer no cargo. n

Auto Filho: “É muito doloroso o exercício da gestão pública” www.revistafale.com.br

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

59


Estilo

Para degustar com moderação Há cerca de 5000 anos, entre egípcios, mesopotâmios e sumérios, a cerveja já era conhecida. Em Roma, o vinho era a bebida alcoólica preferida e a cerveja era considerada bebida de bárbaros - grupo étnico tido como inferior. De lá para cá, o consumo da bebida se difundiu e sofreu transformações ao passar dos anos e ao sabor dos elementos de cada região, como os hábitos e o clima. Mais uma vez, então, seu consumo está sendo reinventado

A

disseminação do consumo de cerveja no Brasil é de conhecimento geral. De norte a sul, ela tem seu público consumidor garantido. A bebida, popularizada no país por volta da metade do século XX, faz parte dos hábitos dos brasileiros, para quem não faltam motivos - se precisar - para frequentar bares, restaurantes ou ficar em casa para tomar uma “gelada”. Mas o que poucos sabem 60 | Fale!

|

ABRIL de 2010

ainda é que a bebida, do gosto popular, invadiu outro espaço: o paladar refinado dos brasileiros. Em uma comparação simples, a cerveja chegou ao mesmo “patamar” dos vinhos, por exemplo. Seus vários tipos e maneiras de ser consumida, permitem que ela entre no mercado de um público que aprecia boa gastronomia. Uma visão mais conservadora pode enxergar essa “tendência” com certo preconceito. A relação bebida&gastronomia sempre pertenceu aos vinhos e a sociedawww.revistafale.com.br

de se acostumou com isso. Mas a imensa variedade de cervejas que se vê hoje em restaurantes, bares e supermercados, oferece inúmeras possibilidades de harmonização. Clara ou escura, com baixo ou alto teor alcoólico - ou sem ele - quente ou fria, a cerveja tem, agora, a maneira certa de ser consumida, ou melhor, saboreada. Ela pede copo específico, temperatura adequada e o acompanhamento certo. Não é apenas o sabor que diferencia seus tipos. O aroma, a cor, o brilho e a espuma também são levados em conta na degustação. Essa nova estrutura de consumo


www.revistafale.com.br

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

61


E S T IL O

Kaiser

Ranking do fabricante

Itaipava 6,2%

AmBev lidera a lista dos maiores fabricantes de cerveja seguida pela Schincariol segundo dados da AC Nielsen

Nova Schin

10,3%

Femsa 7,2% Outras Petrópolis 1,6% 9,6%

3,1%

Bavária

2,2% Sol

0,5%

Skol

32,7%

Antarctica

12,3%

Schincariol 11,6% AmBev

4% Crystal

70%

Brahma

18,5%

Mercado brasileiro de cervejas As principais marcas são lideradas pela Skol, seguida pela Brahma e Antarctica, todas da AmBev. Fonte: da AC Nielsen

vem inspirando admiradores da cerveja, fazendo emergir vários clubes dedicados à sua apreciação. Este é o ponto interessante dessa nova forma de consumir cerveja. A bebida mais popular do mundo - comumente encontrada em barzinhos e botecos, servida sem espuma - esta essencial para preservar certos elementos da bebida - e em copos nada simpáticos, pelo menos aos mais exigentes,

vem ganhando um novo status. Nada mais atraente para o mercado cervejeiro. Se ele já é grande e competitivo, essa sua expansão é bem-vinda. Assim, cada vez mais empresas trazem marcas importadas para diversificar o mercado nacional. O mercado brasileiro é liderado pela AmBev, a maior cevejaria

Tipos de cerveja

De uma forma geral, as cervejas podem ser divididas em duas grandes famílias. A tipo Ale, mais antiga, é de alta fermentação, o que lhe confere mais sabor, criando um aroma frutado - pode ser comparado ao tinto, no mundo dos vinhos. O tipo Lager, mais comum, é de baixa fermentação, geralmente de cor clara, com sabor e cheiro que lembram malte e lúpulo — voltando à comparação, é similar ao vinho branco. Lager

Sua origem é alemã e sua fermentação acontece a baixas temperaturas — de até 2º C. Seus aromas e sabores lembram malte e lúpulo. Em geral, tem a cor clara e pode ser comparada ao vinho branco.

Ale

Produzida na Bélgica e na Inglaterra. É mais encorpada e tem seu processo de fermentação feito em temperatura ambiente, o que lhe confere um aroma frutado. É o tipo de cerveja mais antigo e pode ser comparada ao vinho tinto. A pilsen é uma variação da Ale. 62 | Fale!

|

ABRIL de 2010

www.revistafale.com.br

da América com 2 milhões de postos de venda na América Latina e dona das marcas mais conhecidas, como An-


Harmonização

A satisfação do paladar de cada um é o que importa. Mas algumas harmonizações viraram consenso por estarem de acordo com o refinamento da alta gastronomia. A seguir, algumas sugestões. n A tipo Pilsen, como Brahma, Antarctica e Skol, são boas companhias para aperitivos, carnes vermelhas e pratos orientais. n Carnes brancas e saladas combinam com cervejas Light, como a Brahma Light n As cervejas feitas de trigo, como a Bohemia Weiss, são ideais para pratos frios, defumados e alemães n As Stout, como a Caracu, vão bem com mariscos, ostras e crustáceos. Chocolate também é uma boa combinação n As tipo Ale, como a Bohemia Royal, combinam com carnes vermelhas e pratos codimentados tárctica, Brahma e Skol. A multinacional também é responsável pelas de caráter especial, como a tradicional Bohemia - a primeira cerveja brasileira - e a Original. São dezesseis rótulos de cerveja — sem contar com as suas variações — oferecidos pela empresa. Dessas, sete são importadas: Quelmes, Stella Artois - carro chefe das cervejas Premium da AmBev e, dessa categoria, é a mais vendida no Brasil - , Franziskaner, Holgaarden, Leffe, Norteña e Patricia. O abastecimento desse mercado não é exclusivo de grandes cervejarias. Desde a segunda metade do século XX, as microcervejarias vem se instalando nesse ambiente. Com modalidade de produção e comércio específicos, elas ainda participam de forma tímida do mercado cervejeiro, mas estão em expansão. De forma artesanal, suas instalações produzem pequenas quantidades de cerveja, geralmente para consumo local ou, eventualmente, para outras regiões ou estados. No Brasil, as microcervejarias se concentram nas regiões Sudeste e Sul - esta última por conta da forte influência da cultura alemã na população local. Em Campos do Jordão, no estado de São Paulo, a microcervejaria Baden Baden, um dos pontos turísticos da cidade, produz

n Bolo de chocolate e de frutas acompanham bem as cervejas Lambic, Schwarzbier (como a Bohemia Escura), e as produzidas com malte torrado e notas de toffee, como a Caracu n Carnes mais leves, como as de coelho, vitela e pato são ideais para as cervejas tipo Abadia, como a Bohemia Confraria n As Bock, como a Brahma Bock, são bebidas fortes e produzidas em duas épocas do ano: primavera e outono. Para harmonizar, as sugestões são queijos, pratos quentes e pesados

Cada cerveja, um copo

Depedendo do copo utilizado, as características de cada cerveja são ressaltadas e mantidas juntamente com manualmente suas cervejas de forma que elas guardem característcas bastante peculiares. Dos seus onze tipos de cerveja, sete são “regulares”, que são produzidas durante todo o ano. Para aumentar o caráter especial, as quatro marcas restantes - chamadas “sazonais” - são elaboradas para serem consumidas em três épocas específicas do ano: verão, inverno e Natal. Assim como em vinícolas, eles abrem as portas para visitantes acompanharem o processo de fabricação das cervejas, degustarem e receberem sugestões de harmonização, que também podem ser encontradas nos próprios rótulos de suas garrafas. A combinação com os alimentos, pela imensa particularidade de paladares, pode ter muitas possibilidades. Mas, no momento de harmonizar, os sabores da comida e da bebida devem ser complementares para que não haja predominância de nenhum. Portanto, a boa percepção do aroma, uma das características principais da cerveja, é essencial para uma combinação adequada. Apesar das variedades de preferências por conta da liberdade do paladar humano, existem harmonizações que foram aprovadas por muitos e viraram “consensos”. É o que especialistas e pessoas mais afinadas www.revistafale.com.br

seu frescor. Ale. Copo com formato mais alongado e a parte superior mais bojuda para evidenciar a espuma, mantendo o aroma e o sabor. Lager. Devem ser servidas nos

conhecidos copos de chop — muitos confudem com a tulipa — ou em pequenas canecas, pois ressaltam o brilho, a cor e a cremosidade da espuma, além de reter aromas.

com a bebida defendem: não há regra, são apenas sugestões para que o consumidor se familiarize com o requinte da cerveja e depois siga o caminho que desejar. Experimentá-las talvez seja uma boa ideia para quem pretende se iniciar nesse novo mundo cervejeiro. n

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

63


Autos&Máquinas Por Roberto Costa

LIVINA X-GEAR Prático e confortável

N

issan Livina X-Gear,fabricado em São José dos Pinhais (PR), chegou ao mercado com a pretensão de aquecer o já disputado seguimento dos monovolumes no país. O espaço destinado aos passageiros é generoso não somente para os ocupantes dos bancos dianteiros, mas também para os que viajam atrás, onde quatro pessoas se acomodam confortavelmente podendo transportar uma quinta sem grandes dificuldades. O acabamento se destaca por bancos anatômicos e volante com regulagem de altura revestidos em couro, detalhes cromados nas portas, pára-sol com espelho de cortesia para motorista e passageiro, além de banco traseiro bipartido que facilita a acomodação de bagagens sem perder a possibilidade de continuar transportando passageiros. O painel tem leitura fácil com seus três relógios bem posicionados e ainda recebendo rádio AM/FM/CD player com função MP3, entrada auxiliar para MP3/iPod e quatro alto-falantes, relógio digital in- de segurança estão air-bags para motoristegrado ao display do equipamento de ta e passageiro e travamento automático áudio, os controles do eficiente sistema das portas com o veículo em movimento. de ar condicionado, vidros com acio- Externamente, o mono-volume da Nisnamento elétrico e um espaçoso porta- san traz grandes faróis que integram toluvas, além do console com porta-copos das as funções de iluminação e segurança, na frente e atrás. Entre os equipamentos tela cromada com o símbolo da marca ao 64 | Fale!

|

ABRIL de 2010

www.revistafale.com.br

centro, sendo que nesta versão o párachoque envolvente recebe na parte inferior uma moldura aluminizada. Visto de perfil, além das quatro portas com grande ângulo de abertura que facilitam o acesso especialmente para o banco de trás, notam-se protetores pintados de preto, espelhos retrovisores na cor do carro. Na traseira, uma ampla porta dá acesso ao porta-malas, com capacidade para 449 litros, traz um pára-brisa de tamanho regular com desembaçador e limpador de série ladeada pelas lanternas trapezoidais e o pára-choque também recoberto por travessa em alumínio. Dirigir o Livina X-Gear na cidade ou na estrada é tarefa fácil. Sua direção com auxílio elétrico, seu tamanho compacto, além da boa visibilidade traseira e lateral, auxiliada pelos bons retrovisores que tentam neutralizar o ponto cego


gerado pela larga coluna traseira, trazem conforto e segurança mesmo para os jovens motoristas. A versão avaliada por Autos & Máquinas tinha motorização 1.6 – 16 válvulas Flex que desenvolvem 104 cavalos - que se mostrou suficiente para o modelo mesmo quando trafegamos em estradas serranas no interior do Paraná. Mas para quem achar pouco existe a opção 1.8 com 125 cavalos. O câmbio mecânico de cinco velocidades tem engates rápidos e precisos e apenas pareceu longo na quinta marcha, demonstrando a opção da montadora por economia em velocidades mais altas, fazendo com que - em algumas situações, especialmente em aclives

cinco passageiros a bordo, quando bastante solicitados em aclives, o desempenho e o consumo de combustível se mostrou coerente com perfil de veículo familiar. Com o intuito de complementar sua linha de produtos, a Nissan acaba de colocar no mercado mais uma versão para a família Lívia, Grande Livina e X-Gear, com pacote denominado S que traz uma série de equipamentos como air bag, destravamento das portas por controle remoto, rádio com função MP3 e entrada auxiliar, entre outros, com preços variando de R$ 48.690,00 (Livina), R$ 58.890,00 (Grand Livina) e R$ 51.700,00 (X-GEAR) Diante destes atributos, a Nissan pretende fazer do Livina um grande

VW Saveiro Cross Na Saveiro Cross, o caráter aventureiro é marcado, na dianteira, pelos parachoques com grandes faróis auxiliares de dupla função incorporados. Nas laterais, as caixas de rodas têm as linhas acentuadas por molduras pretas exclusivas para esta versão, unidas por um friso que percorre todo o comprimento do veículo, ressaltando também as rodas de liga e os pneus “All Terrain”. Um santantônio de alumínio, com acabamento em preto fosco, criado especialmente para esta versão, se prolonga do teto até a borda da caçamba, unindo funcionalidade ao efeito estético. A Saveiro Cross foi concebida para atender a um consumidor com estilo de vida e comportamento diferenciados, que busca um veículo prático, capaz de transportar seus equipamentos esportivos e de lazer e, ao mesmo tempo, busca sofisticação, diferenciação e conforto. A Saveiro Cross é oferecida exclusivamente com cabine estendida e utiliza motor VHT 1.6 Total Flex e transmissão manual, com cinco marchas. IVECO NA SEDUC A Iveco entregou o primeiro lote de 15 microônibus CityClass 70C16 à Seduc – Secretaria de Educação do Estado do Ceará. A marca foi uma das ganhadoras de uma licitação do governo cearense e será responsável pelo fornecimento de um lote inicial de 50 unidades do modelo, que serão utilizadas no transporte de alunos carentes que residem em regiões de difícil acesso. Os outros 35 microônibus serão entregues à Seduc ainda em 2010. Além disso, a Navesa comercializou mais 26 unidades do CityClass a prefeituras locais, em uma venda total de 76 modelos.

- fosse conveniente a utilização da quarta marcha. Como opcional é disponível um câmbio automático de quatro velocidades. O comportamento dinâmico chega a surpreender em se tratando de uma mini-van, já que mesmo em velocidades relativamente altas, mantém-se bastante neutro e praticamente sem adernar nas curvas com a suspensão trabalhando de forma firme mas sem gerar desconforto ou transmitir as imperfeições do solo aos passageiros. Os freios são um capítulo a parte com discos ventilados na frente e tambor atrás auxiliados por sistema antitravamento ABS, que imobilizam Livina X-GEAR em pequenos espaços sem qualquer mudança de trajetória ou travamento. Durante a avaliação somente do Nissan Livina X-GEAR não rodamos em estradas de terra e trafegamos bastante nas excelentes estradas do Paraná, onde se paga os pedágios mais caros do Brasil. Mesmo com

player, especialmente na disputa do mercado com Kia Soul, Honda Fit, Citroën XTR, além de Fiat Idea Adventure e Peugeot 207 SW Escapade. n

 ABIAUTO Em assembleia geral foi eleita a nova diretoria da Associação Brasileira de Imprensa Automotiva. A presidente é a jornalista paulista Célia Murgel, que terá como vicepresidente o jornalista brasiliense Saulo Moreno. “Nossa meta é dar continuidade ao crescimento da Abiauto, com ainda mais união e credibilidade. Pretendemos que seja cada vez mais uma entidade de serviço ao jornalista especializado e aos segmentos correlatos. Para isto, iremos fazer várias parcerias para promover a assistência social, cultural e

recreativa de seus associados”, discursou Célia. São membros da diretoria os jornalistas Ricardo Hernandes/ SP (Tesoureiro), Ricardo Caruso/SP (2º Tesoureiro), João Alberto Otazú/SP (Comunicação), Sueli Osório/SP (Secretária), Fábio Amorim/AL (2º Secretário), Paulo Cruz/ MS (Conselho Fiscal), Roberto Nasser/DF (Conselho Fiscal) e Marcondes Viana/CE (Conselho Fiscal). www.revistafale.com.br

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

65


brasília, 50 anos

Pérola do

Planalto Central Há 50 anos, a construção de Brasília vislumbrava a grandeza do futuro do Brasil. Hoje, para muitos, a capital federal é o retrato da corrupção e razão para a descrença de muitos brasileiros no destino do País. A visão de Juscelino e de seus colaboradores, porém, era bem diferente — Por Lívia Pontes

66 | Fale!

|

ABRIL de 2010

www.revistafale.com.br


História

P

ara aqueles nascidos após 1960, nada mais natural do que afirmar: ‘a capital do Brasil é Brasília’. Essa simples frase foi motivo de um embate nacional há mais de cinquenta anos, dividindo o país com o ceticismo daqueles que, com razão, duvidavam da construção de uma cidade inteira, equipada para receber os centros de decisão do Brasil, em menos de quatro anos. Do outro lado, estavam aqueles que embarcaram numa missão inédita e, por sua magnitude, digna de tanto ceticismo. Atraídos pela liderança de Juscelino Kubistchek, a legião que comandou a construção de Brasília era heroicizada e difamada ao mesmo tempo, enquanto a nova capital era erguida.

A ambição política e um projeto de redistribuição populacional guiavam o 21º presidente da república, cujo governo foi marcado pela construção de uma nova capital federal para estimular o desenvolvimento usufruir de suas próprias construções. As do centro-oeste, ainda pouco habitado. más-condições de trabalho, as longas jorAntes mesmo de ser presidente, Brasília nadas e o posterior isolamento dos trabaera ponto chave do plano desenvolvimen- lhadores nas regiões periféricas de Brasília tista de JK. O sucesso ou fracasso desse antes mesmo de sua inauguração, são a plano dependia da construção da cidade parte mais sombria das memórias da for– o legado governista e o futuro político mação da cidade. do presidente Bossa Nova dependiam da Quando, em 1956, o Congresso Nainauguração triunfante de uma Brasília cional aprovou a criação da nova capital moderna e veloz. e da Companhia Urbanizadora da Nova Mobilizando os quatro cantos do País, Capital do Brasil, a Novacap, todo o proo projeto colossal foi iniciado. Para isso cesso se deu com uma velocidade estranha vieram os candangos do norte e nordeste, às obras públicas. Só naquele ano JK tinha trabalhadores que construíram a cidade visitado a região que seria a capital pela trabalhando dias inteiros, mesmo nos primeira vez. A mata fechada do cerrado, fim de semana e feriados, e não puderam a falta de rodovias ou ferrovias dificultava

www.revistafale.com.br

! ! 67| 67

março ABRIL de 2010 de 2010 | Fale | Fale|


HI S T Ó R I A e encarecia a construção, até hoje sem estimativa confiável de seu custo astronômico, que acarretou em déficits sentidos pelo sucessor de Juscelino, Jânio Quadros. Mas as obras não podiam parar, e a burocracia do governo inexistia para as construtoras e fornecedores de Brasília. Para a nova capital, tudo era exceção. Os envolvidos na empreitada de JK, por pouco mais de três anos, só tiveram olhos para o cerrado. Alguns deram a vida por isso, como foi o caso do diretor da Novacap, Bernardo Sayão, atingindo por um tronco de árvore nas obras. A convicção inabalável no projeto, que representava muito mais do que somente uma cidade, era necessária. Surgiu então a noção do “Espírito de Brasília” - todos os trabalhadores da construção foram tomados por ele, e uma parcela significativa do País apoiava os mudancistas. Construir Brasília representava um feito inédito no mundo àquela época; em menos de quatro anos, transformar o pó do cerrado em metrópole era motivo de orgulho num país onde tudo era difícil e demorado. O Chefe do Departamento de Urbanismo e Arquitetura da Novacap, Oscar Niemeyer, via a capital como a chance para um protótipo socialista de urbe, onde todos, independente de classe, compartilhavam dos mesmos bens materiais. E foi assim que viveram por algum tempo durante a construção, quando os acampamentos e a comida eram iguais para o idealizador de Brasília e os operários. Lucio Costa, vencedor do concurso do Plano Piloto, elaborou o projeto com a perspectiva de cidade definitiva: “Era uma mudança definitiva e eu

68 | Fale!

|

ABRIL de 2010

concebi uma capital, uma cidade, com características de capital, uma escala de capital e capital. De modo que quando um carioca ou um paulista que fosse lá, mesmo no início... não se sentisse numa cidadeprovíncia”, disse certa vez em entrevista. Menos celebrado do que seu colega Niemeyer, Costa foi o urbanista responsável pelo projeto de Brasília. Com um trabalho ambicioso e moderno, o arquiteto obteve pouco reconhecimento em vida, e morreu esquecido no Rio de Janeiro em 1998, com uma pensão modesta de servidor público. Vencendo todos os obstáculos, Brasília desafiou os opositores ao ser inaugurada na data prevista pela lei do Congresso, aprovada para desmoralizar o presidente na ocasião, certa para os opositores, de atraso e esquecimento da obra. A oposição sabia que, eventualmente, tudo aquilo seria deixado para as moscas, como tantos outros projetos já feitos no País. Com a aproximação da data de inauguração, e claros indícios da vitória de JK, a oposição udenista tentou manobras até a última hora para impedir a mudança para a nova capital, o triunfo de JK e tudo o que ele representava. Liderada por Carlos Lacerda, que já havia declarado, “Ou Juscelino acaba com Brasília, ou Brasília acaba com ele!”, a UDN, e até facções do próprio PTB, partido aliado ao presidente, ainda no mês da inauguração, à 21 de abril de 1960, lutavam para instalar CPIs e inquéritos sobre os gastos das obras e a possível corrupção das construtoras envolvidas, as quais nunca ocorreram devido a falta de provas. Para acabar com as teorias conspiratórias, montou-

www.revistafale.com.br


De Pampulha à Brasília eu segui o mesmo caminho, preocupado com a forma nova, com a invenção arquitetural. Fazer um projeto que não representasse nada de novo, uma repetição do que já existia, não me interessa. E nesse sentido, até Brasília eu caminhei. Mas senti que tinha que explicar as coisas, às vezes não era compreendido, que havia mesmo uma tendência a contestar essa liberdade de formas que eu prometia. Oscar Niemeyer

Do pó ao aço. A estrutura do Congresso Nacional em fase de construção. www.revistafale.com.br

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

69


HI S T Ó R I A

A gente tem que sonhar, senão as coisas não acontecem. Oscar Niemeyer

nasce brasília. Do sonho de Juscelino Kubitschek e Oscar Niemeyer (foto abaixo) nasceu Brasília sob a crítica acirrada da oposição

70 | Fale!

|

ABRIL de 2010

www.revistafale.com.br


GENTE DE TODO O PAÍS. Uma gigantesca frente de serviço, candangos fizeram Brasília à mão, ferro e fogo

www.revistafale.com.br

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

71


TU Ó R IAA CHI US LT

Obrigado pela profissão, iniciei uma série de artigos esclarecendo nosso trabalho, nossas dififculdades e atropelos, artigos que se foram somando, ampliando, até sugerirem a alguns amigos a possibilidade de os organizar em forma de livro que permanecesse como um documento honesto e espontâneo do empreendimento. Oscar Niemeyer, sobre o livro que lançou em 1961, ‘Minha experiência em Brasília’

72 | Fale!

|

ABRIL DE 2010

www.revistafale.com.br


Espero que BrasĂ­lia seja uma cidade de homens felizes: homens que sintam a vida em toda sua plenitude, em toda sua fragilidade; homens que compreendam o valor das coisas simples e puras um gesto, uma palavra de afeto e solidariedade. Oscar Niemeyer

www.revistafale.com.br

abril de 2010 | Fale

!

|

73


HI S T Ó R I A

A vida é importante, a Catedral de Brasília: Na Catedral, por exemplo, evitei as soluções usuais das velhas catedrais escuras, lembrando pecado. E, ao contrário, fiz escura a galeria de acesso à nave, e esta, toda iluminada, colorida, voltada com seus belos vitrais transparentes para os espaços infinitos. oscar Niemeyer

O DF em números hoje População 2.455.903hab Densidade Demográfica 354,3hab/

Km² Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) 0,844 (0-1) Analfabetismo 4,35% Participação no PIB brasileiro 3,8% 74 | Fale!

|

ABRIL de 2010

www.revistafale.com.br


Fiz o que quis. Juscelino Kubitschek nunca me disse para projetar cúpulas no Congresso, rampa no Planalto, parlatório. Até que ficou direitinho. Se não houvesse parlatório, os presidentes ficariam acenando para o povo de uma janela, como se fossem papas. Seria ridículo. oscar Niemeyer

www.revistafale.com.br

do espaço. Brasília foi fotografada do espaço por um engenheiro da Nasa, o astronauta Soichi Noguchi, que faz parte da equipe que orbita a Terra na Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês). Feita na penúltima semana de abril mostra, com detalhes, o formato de avião do Distrito Federal. Noguchi postou a imagem em seu twitter @astro_ soichi.

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

75


HI S T Ó R I A poderes. Executivo e Legislativo e Judiciário, na Praça dos Três Poderes

se uma indústria pró-Brasília: um noticiário radiofônico sobre o andamento das obras informava todos os cidadãos da veracidade do compromisso do governo, acalmando ânimos. Dezenas de edições da Revista Brasília foram publicadas com o mesmo objetivo, e palestras eram ministradas nas cidades sobre a construção. No dia 20 de abril, Juscelino deixava o Rio e o Palácio do Catete para o evento político que definiu seu legado, bem ou mal. A mudança da capital significava uma nova era na política brasileira, esperavam muitos. A Brasília de hoje, com mais de 2 milhões de habitantes – número inimaginável para Juscelino – preparava uma grande comemoração para os 50 anos da cidade de construções monumentais, feita para deslumbrar seus visitantes em frenético ritmo urbano. Paul McCartney ou Madonna, era essa a dúvida no governo do Distrito Federal para o grande show de comemoração, quando o 76 | Fale!

|

ABRIL de 2010

escândalo do ex-governador José Roberto Arruda, amplamente noticiado, diminuiu o ritmo e a magnitude dos eventos. A agenda oficial de comemoração conta agora com artistas brasilienses e nacionais, com destaque para Daniela Mercury e Paralamas do Sucesso na Esplanada dos Ministérios. Entre 17 e 21 de abril, o governo do DF desembolsou até R$10 milhões de reais na comemoração da capital. A metade da verba inicialmente prevista. Niemeyer, o escultor da cidade, ainda a presenteia com novas obras, mas as cidades-satélites, a poucos kilômetros do Plano Piloto, mostram o lado perverso do convívio urbano, que desde sua inauguração no meio do cerrado há 50 anos, isola e esquece a população necessitada, e continua a prestigiar a classe política que habita as ruas pré-planejadas de Brasília. n

www.revistafale.com.br


cronologia Cidade

em construção

1823. Brasília começou a existir na primeira Constituinte no Império Brasileiro, em

1823,

numa proposta colocada por José Bonifácio de Andrada e Silva, argumentando quanto à necessidade da mudança da Capital para um ponto mais central do interior do país e sugerindo ainda para a cidade o próprio nome com o qual foi batizada posteriormente.

1892. Nomeação da Comissão Exploradora do Planalto Central , a Missão Cruls, que dois anos depois demarca uma área de 14.400 km2 considerada adequada para a futura capital. Esta área ficou conhecida como o “Quadrilátero Cruls”. 1922. Em 7 de Setembro deste ano, é lançada a pedra fundamental de Brasília, próxima a Planaltina. Só em 1956 as obras se tornariam realidade, pelas mãos de Juscelino Kubistchek.

1955. Juscelino Kubistchek, candidato à presidência da República, lança o projeto de mudar a capital federal do Rio de Janeiro para uma cidade totalmente pré-planejada no Planalto Central. A capital resultaria em integração nacional, impulsionando fluxo migratório para o centroeste. A Comissão de Localização da Nova Capital Federal (que havia sido criada em 1953) escolhe o local definitivo onde será construída Brasília - o “Sítio Castanho”. 1956. Eleito, o presidente Bossa Nova inicia o planejamento da nova capital. A Companhia

Urbanizadora da Nova Capital do Brasil, a NOVACAP, é fundada e as obras são iniciadas em pouco tempo. Da Companhia, seriam funcionários Lúcio Costa e Oscar Niemeyer. Nesse ano, também foi lançado o edital do Concurso do Plano Piloto.

1957. O projeto do urbanista Lucio Costa para o plano piloto foi escolhido vencedor. Nesta data, construções como a do primeiro aeroporto e a do Palácio do Alvorada já haviam sido iniciadas. 1958. Iniciado o primeiro asfaltamento. Nesse ano, foi fundada Taguatinga (atualmente a mais importante cidadesatélite do DF), a primeira cidade-satélite de Brasília.

1959. Os cinco primeiros funcionários públicos da União tinham se mudado para Brasília, por meio de ato de JK. O presidente enfrentava problemas de financiamento para concluir a nova capital, símbolo de seu governo.

21 de abril 1960. Após três anos de obras, a nova capital, Brasília, é inaugurada por JK, com apenas a estrutura básica da cidade edificada. Às 9:30h do dia 21, os Três Poderes da República se instalaram simultaneamente em Brasília. 1961 – 1964. Durante os Governos de Jânio Quadros e de João

Goulart, a construção da cidade e a transferência de órgãos da antiga capital (Rio de Janeiro) fica quase estagnada. A partir de 1964, Castelo Branco e os demais presidentes militares que o sucederam consolidam Brasília como a capital de fato do País.

Fontes: infobrasilia.com.br e gdf.df.gov.br

www.revistafale.com.br

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

77


HI S T Ó R I A

P rimeira pessoa ... E foi nessa ocasião que conheci Juscelino Kubistchek, candidato a prefeito de Belo Horizonte. Fiz o projeto, que mostrei a Benedito, mas o assunto só foi retomado meses depois, quando JK, prefeito da cidade, novamente me convocou. No dia combinado voltei a Belo Horizonte com Rodrigo. Tornei a conversar com JK, que me explicou: ‘Quero criar um bairro de lazer na Pampulha, um bairro lindo como outro não existe no país. Com cassino, clube, igreja e restaurante, e precisava do projeto do cassino para amanhã’. E o atendi, elaborando durante a noite no quarto do Hotel Central o que me pedira. OSCAR NIEMEYER, em 1940, quando Conhece o prefeito de Belo Horizonte, Juscelino Kubitschek, que o convida a desenvolver o projeto do Conjunto da Pampulha

78 | Fale!

|

ABRIL de 2010

www.revistafale.com.br


Entrei para a Escola Nacional de Belas Artes em 1929, quando ainda morava na casa de Laranjeiras. Gostava de desenhar e o desenho levou-me à arquitetura. Lembro-me que ficava com o dedo no ar desenhando. Minha mãe perguntava: ‘o que está fazendo menino?’ ‘Desenhando’, respondia com a maior naturalidade. Realmente, fazia formas no espaço, formas que guardava de memória, corrigia e ampliava, como se as tivesse mesmo a desenhar. Nos primeiros anos de escola, pouco compareci às aulas. Ajudava meu pai na tipografia e somente nas horas de folgas podia freqüentá-las. Mas em pouco tempo os assuntos da arquitetura — com a aprovação de meu pai — absorviam-me inteiramente. Passei os cinco anos da Escola Nacional de Belas Artes sem problemas, e fiz boas amizades. Amigos para toda a vida como Hélio Uchôa, Carlos Bittencourt, Milton Roberto, João Cavalcanti, Fernando Saturnino de Brito e outros. OSCAR NIEMEYER, que em 1929 Matricula-se na Escola Nacional de Belas

Artes do Rio de Janeiro, que seria dirigida, a partir de 1931, por Lucio Costa

Hoje, sábado, num desses momentos de ócio, lembrei que poderia escrever um livro contando minha vida e meus problemas de arquiteto, nesse curto passeio que o destino oferece. Um livro que definisse minhas atitudes e marcasse as razões e os sentimentos mais íntimos que influenciaram minha existência tão pouco importante de ser humano. O meu apego aos problemas da vida, deste universo fantástico em que vivemos sem para isso termos sido convidados. Um livro que mostrasse ter eu sempre encontrado tempo para pensar maior, sentir como a vida é injusta, como nossos irmãos mais pobres são explorados e esquecidos. Nele contaria minhas origens, defeitos e qualidades, minha descrença diante deste mundo absurdo e minha determinação de juntar-me aos mais bravos e com eles tentar melhorá-lo um pouco. E falaria também desse ser oculto que a informação genética inventou e dentro de nós existe, responsável em parte pelas nossas ações e atitudes. OSCAR NIEMEYER, No livro de memórias As curvas do tempo, 1998 www.revistafale.com.br

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

79


HI S T Ó R I A

começo de uma amizade. A foto abaixo, de 1940, quando Conhece o prefeito de Belo Horizonte, Juscelino Kubitschek, que o convida a desenvolver o projeto do Conjunto da Pampulha. Na evolução das coisas, Niemeyer contruiu sua maior obra, a cidade de Brasília, com ícones como a catedral (acima) e o Congresso Nacional

80 | Fale!

|

ABRIL de 2010

www.revistafale.com.br


www.revistafale.com.br

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

81


HI S T Ó R I A

brasília, 50 anos

Oscar Niemeyer e Brasília

Criador versus criatura Coitada de Brasília. Para Oscar Niemeyer, ela está aí tão somente para manter ocupado o seu escritório sem risco de concorrência. — Por Sylvia Ficher

C

oitada de Brasília, Oscar Niemeyer não gosta mais dela. Infelizmente, não dá mais para ignorar a realidade que aí está. Infelizmente, não dá para encontrar outra explicação para o estrago que o grande arquiteto federal vem fazendo, já há algum tempo, em sua principal obra, aquela que lhe rendeu suas mais altas honrarias, aquela que lhe garantiu uma posição ímpar no ranking dos arquitetos do século XX.

Tudo começou devagarzinho, primeiro a Praça dos Três Poderes sendo comida pelas bordas com o Panteão da Pátria, predinho sem graça e sem uso, verdadeira câmara escura que só serve para atravancar o espaço e impedir a vista… O Superior Tribunal de Justiça, a Procuradoria Geral da República e o Anexo do Supremo vieram na seqüência, bem mais pretensiosos e ainda mais fora de escala, com suas formas gratuitas e suas metragens gigantescas – afinal, quantos mais metros quadrados, melhor o honorário. E assim, de projeto em projeto, cada vez mais intervindo na escala monumental da

cidade, cada vez mais rompendo a graça e elegância da Esplanada dos Ministérios, chegou a vez do Complexo Cultural da República, com sua nanica biblioteca – nanica, talvez, por conta de um inconsciente desinteresse por edifícios úteis – e sua cúpula-museu – nem tão cúpula assim, menos ainda museu. De quebra, a bela Catedral Metropolitana perdeu sua 82 | Fale!

|

ABRIL de 2010

ambientação urbana e, para piorar, foi estrangulada pela gravata de concreto que lhe dá uma rampa sem rumo ou razão. Há coisa de dois anos, uma robótica pomba — isto mesmo, uma pomba! — seria o principal elemento da praça que, segundo o arquiteto, estava faltando no Plano Piloto: a Praça do Povo. Repetindo a ausência de paisagismo do vizinho www.revistafale.com.br

complexo cultural, a cidade iria ganhar mais um árido calçadão, mais um inóspito vazio onde desde sempre havíamos convivido sem maiores problemas com um modesto gramado… E lembremos o que fora previsto para o local por seu legítimo idealizador: um espaço desimpedido destinado a atividades ocasionais, como paradas militares, desfiles esportivos ou procissões; nas próprias palavras Lucio Costa, “o extenso gramado destina-se ao pisoteio…” (“O tráfego de Brasília”, 1960). Ao que parece, Oscar Niemeyer se esqueceu da sua dileta pomba, aquela que, como afirmara veementemente à época, deveria ser a sua derradeira contribuição para Brasília e sem a qual o seu opus brasiliense estaria inconcluso. E parece que se esqueceu também do “povo”; agora, no mesmo local a praça será da “soberania”. Lá deverá ser erigido um prédio imprescindível, seja para o povo, seja para a soberania: o Memorial dos Presidentes. E um Monumento ao Cinqüentenário de Brasília, a ser comemorado em 2010; para que ninguém deixe de entender a sua complexa simbologia, nada melhor do que um chifre de concreto, de cem metros altura, descrito como obra de grande ousadia tecnológica. Tanta construção apenas para encobrir um estacionamento subterrâneo… De quebra, na maquete eletrônica (incidentalmente, o novo tipo de empulhação


Brasília – arquitetos Lucio Costa e Oscar Niemeyer – como complementações necessárias ao Plano Piloto original … (Portaria nº 314, 8/10/1992, Art. 9º, § 3º ). Tal qual o bordão de uma famosa personagem de programa humorístico, “Oscar Niemeyer pode!!“ Coitada de Brasília. Para Oscar Niemeyer, ela está aí tão somente para manter ocupado o seu escritório sem risco de concorrência. Coitada de Brasília, cujo plano piloto foi escolhido transparentemente por concurso público, agora sujeita a decisões tomadas nos gabinetes de seus governantes. Coitada de Brasília, fadada a ser conhecida daqui por diante não mais como Patrimônio Cultural da Humanidade, porém como Capital Mundial dos Unicórnios. n Sylvia Ficher é arquiteta, doutora em história e professora da Universidade de Brasília arquitetônica que

nos oferece o maravilhoso mundo da informática) é contrabandeado um antigo projeto vetado pelo IPHAN por desrespeitar em muito o gabarito estabelecido legalmente para o local – uma altíssima cobertura

curva para abrigar shows de música popular, a qual implacavelmente lembra “as curvas do corpo da mulher amada”, só que com redondinhos seios de silicone e já buchuda. Coitada de Brasília. Afinal, apesar de tombada, há uma portaria do IPHAN que autoriza tudo isso: Excepcionalmente, e como disposição naturalmente provisória, serão permitidas quando aprovadas pelas instâncias legalmente competentes, as propostas para novas edificações encaminhadas pelos autores de

Oscar Niemeyer, já era um arquiteto consagrado quando, em 1956, foi convidado pelo presidente da República para projetar Brasília e seus edifícios. “Oscar, desta vez vamos construir a capital do Brasil. Uma capital moderna. A mais bela capital deste mundo!” disse-lhe, na ocasião, Juscelino Kubitschek de Oliveira. Niemeyer aceitou apenas tratar das questões arquitetônicas da cidade, recusando a autoria do plano urbanístico da futura capital. Andrey Rosenthal Schlee e Graciete Guerra da Costa www.revistafale.com.br

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

83


Uma revista com a cara de Brasília.

A revista de informação de Brasília. Toda grande cidade merece uma grande revista.

www.revistafale.com.br/brasilia

(61) 3468.5697

BSB e d i t o r a

Endereço SHIN CA 05 Bloco I Loja 112 Ed. Saint Regis — Lago Norte  CEP 71.503-505, Brasília, Distrito Federal


Pensata

Em cada cabeça uma sentença

Q

Por Wilson Ibiapina

uando o deputado mineiro Paulo Delgado voltou de uma viagem à China trouxe na cabeça um provérbio tibetano, que ele ouviu por lá: “Quem fala bem de nós nada nos ensina”. O deputado petista, professor e didático, explicava: o elogio fácil piora o caráter do elogiado. O ex-deputado cearense Carlos Virgílio Távora carregava na agenda esses versos de Álvaro Moreira; “Um dia acreditei na vida/ E ela em mim/ Depois

mas os ditos sentenciosos, você encontra hoje em dia, com a maior facilidade, até na Internet. Muita gente gosta de citar provérbios, e faz com tanta propriedade que encaixa na conversa como luva em mão. O colunista Gilberto Amaral, que vive dizendo que “caixão não tem gaveta”, podia escrever que o jornalista Pedro Rogério disse que “O cão sonha com o osso”, que todas acreditariam, pois tem o jeito dele. Esse, italiano,“A sabedoria vem de escutar; de

“Difícil é ganhar um amigo em uma hora; fácil é ofendê-lo em um minuto”. “Se você quer manter a sua cidade limpa, comece varrendo diante de sua casa”. “Há três coisas na vida que nunca voltam atrás: a flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida” Os árabes também sabem se expressar de forma sucinta e rica em imagem: “Em dia de vitória ninguém fica cansado” ´ “Não é o que possuímos, mas o que gozamos, que constitui nossa

desandamos a rir/ Um do outro”. Anexim era peça de resistência dos famosos almanaques que os laboratórios de medicamentos distribuíam, como brinde, nas farmácias de todo o país. A expressão “cultura de almanaque” era usada para identificar de forma pejorativa as pessoas falantes que citavam fatos históricos e provérbios para demonstrar conhecimento. As Seleções também usavam e abusavam de máximas como “Estava triste porque não tinha sapato. Ao virar a esquina vi um homem que não tinha pé”. Ou Confúcio: “Não me preocupo quando as pessoas não me conhecem, mas sim, quando não as conheço”. Os provérbios nunca saíram de moda. Os almanaques, como o Capivarol , desapareceram,

Quando o Sol surgir no horizonte, não importa se você é leão ou gazela. Corra. 

abundância.” E os judeus? “Não há melhor negócio que a vida. A gente a obtém a troco de nada.” Provérbio turco: “Quando o machado entrou na floresta as árvores disseram: o cabo é dos nossos”. Um russo: “Saber demasiado é envelhecer prematuramente”. E para sua reflexão: “Toda manhã, na África, uma gazela acorda. Ela sabe que deverá correr mais rápido do que o leão, ou morrerá”. “Toda manhã, na África, um leão acorda. Ele sabe que deverá correr mais rápido do que a gazela ou morrerá de fome.” Quando o Sol surgir no horizonte, não importa se você é leão ou gazela. Corra.n

falar, vem do arrependimento”, parece com o reservado Toninho Drummond. Jorge Ferreira, do Feitiço Mineiro, não disse mas podia dizer, que não pareceria estranho: “Pega-se o touro pelos chifres, o homem pela palavra e a mulher pelo elogio”. Os provérbios traduzem a sabedoria dos povos. Os chineses são mestres em sentença moral: www.revistafale.com.br

Wilson Ibiapina é jornalista, diretor do jornal Diário do Nordeste em Brasília ABRIL de 2010 | Fale

!

|

85


persona

Fernanda Paes Leme

Natural e desinibida

A

penas de short jeans e exibindo seu bronzeado, é assim que Fernanda Paes Leme está estampada na cada da revista Homem Vogue da edição de abril. A atriz de 26 anos - com 1,62m de altura e 50 quilos – esbanja sensualidade e forma física em dia. Segundo a revista, as fotos do ensaio quase não tiveram tratamento de imagem. Sua beleza está exposta de forma natural. Fernanda iniciou sua carreira na televisão aos 15 anos, quando participou do seriado Sandy e Júnior da Rede Globo, emissora onde permanece até hoje. Já participou de novelas, especiais e minisséries globais e agora está encarando um novo desafio: o teatro. Atualmente está em cartaz com a peça Dona Flor e Seus Dois Maridos, onde substituiu a atriz Carol Castro no papel principal. Segundo seu companheiro de cena, o ator Marcelo Faria, a Dona Flor interpretada por Fernanda é mais “safada”. Filha do jornalista esportivo Álvaro José, da Rede Bandeirantes, a atriz já tem certa experiência em trabalhos sensuais. Em 2005, aos 22 anos de idade, também foi capa da revista Playboy e, desde o começo do ano, aparece em cenas de nudez como Dona Flor. “Lido com isso de forma tranquila. Não é um tabu nem uma dificuldade.”, diz Fernanda sobre sua nudez no palco. Natural e desinibida. n

www.revistafale.com.br

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

87


persona L u i z Carlos M ar t i n s

reconhecimento. O ministro Ubiratan Aguiar e a presidente da Associação dos Agentes Comunitários, Maria Edilza, foram agraciados com a Medalha da Abolição em solenidade no Theatro José de Alencar. Fotos IRATUÃ

Vice-governador Francisco Pinheiro entrega diploma ao Presidente do TCU, Ubiratan Aguiar

Ivens Dias Branco, Sérgio Machado e Roberto Macêdo

Antônio dos Santos, Guedes Neto e Fernando Maia

Érika e Assis Martins

Rejane e João Batista Fujita e Luís Sérgio Vieira

Eliardo Rodrigues, Ubiratan e Terezita Aguiar e Lourdinha Rodrigues 88 | Fale!

|

ABRIL de 2010

Maria Edilza, também homenageada com a mais alta comenda do Estado

Sellene Bezerra, Mônica Arruda e Terezita Aguiar www.revistafale.com.br

Ana Juaçaba e Maria José Ferreira Gomes

Adauto Bezerra e Silvana

Luís Marques e Hermeto de Paula


HOMENAGEM DA CIDADE. Por propositura do vereador Machadinho, o deputado Eunício Oliveira foi agraciado com a Medalha do Mérito Municipalista em cerimônia na Câmara Municipal de Fortaleza. Fotos IRATUÃ FREITAS

Eunício Oliveira e presidente da Câmara Salmito Filho

L u i z Carlos M ar t i n s

Vereador Machadinho Neto entrega distinção a Eunício Oliveira

Eunício Oliveira, Salmito Filho, Francisco Pinheiro e Tin Gomes

A alegria do homenageado

persona

Convidados na cerimônia cívica

Homenageado entre vereadores Acrísio Sena e Walter Cavalcante

Carlomano Marques e vereadora Magaly Marques

Paes de Andrade

Homenageado com autoridades www.revistafale.com.br

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

89


persona L u i z Carlos M ar t i n s

PÃO COM ESTILO. Prestigiada inauguração da padaria Empório do Pão, com espaço gourmet, sushi bar e maravilhas gastronômicas. Fotos JARBAS OLIVEIRA

Alexandre Pereira, com a mãe Alice e esposa Isabel Pereira

Convidados na inauguração da loja

Alexandre Pereira e Roberto Pessoa

Isabel Pereira, Tânia e Roberto Macêdo e Maria Luiza Ary

Régis Dias, Verônica Perdigão e Roseane Medeiros

Tales de Sá Cavalcante

Renata e Liliana Brígido

Manoel Victor, Beatrice e Paulo Ary e Alice Pereira

Demétrio de Andrade e Alexandre Pereira

Márcio Rodrigues e Luiz Machado

90 | Fale!

|

ABRIL de 2010

www.revistafale.com.br


persona L u i z Carlos M ar t i n s

Alexandre Pereira e Lúcio Alcântara

Jaime Cavalcante e Wilson Vicentino

Wilson Vicentino, Ruy Câmara, Erivelto Sousa e Luís-Sérgio Santos

Alice e Ricardo Pereira

A benção da nova loja

Roberto Pessoa, Marcos Montenegro e Esio Caracas

Mila Ary e João Walter

João e Roseane Medeiros

Aguiar Junior, Raimundo Gomes de Matos, Alexandre Pereira e Demétrio de Andrade

Roberto Macêdo e Raimundo Gomes de Matos

Pompeu Vasconcelos e Marília Quintão

Luiz Carlos Martins. De A a Z no Caderno Linha Azul, jornal O Estado Fale! 91 dezembro de 2009

|

|


persona L u i z Carlos M ar t i n s

desembargador Antonio Carlos Chaves Antero comemorou seu aniversário (70 anos), com impecável jantar no Salão Mucuripe do Hotel Gran Marquise, reunindo a família e os amigos mais chegados. Fotos Auston

No rol dos setentÕES. o

Ademar e Angélica Bezerra, Antonio Carlos (aniversariante) e Lillian Antero, Nazaré e Cláudio Pires

Pedro Chaves Antero e Fernando Ximenes

Lisiane Antero e Socorro França

Marília Studart e Assis Antero

Emmanuel e Luiza Furtado

Sabino e Auxiliadora Henrique

Rebeca e Cândido Albuquerque, Marcos e Giovana Albuquerque

Lúcia e Sérgio Liebmann

Lilian Antero, Silvio de Castro e Osmar Pontes


BRINDE. Advogado Fernando Férrer ganhou festa dos amigos no Fagulha, ao som da banda DJones, motivado pelos seus 41 anos. Fotos IRATUÃ FREITAS

persona L u i z Carlos M ar t i n s

Priscila e Fernando Férrer e Vanessa Queiroz

Luiz Carlos Martins, Cleto Gomes e Paulo Régis Botelho

Christiano Alencar, Fernando Férrer e Valdetário Monteiro

Hermano e Beth Queiroz

Deuzmar Queiroz, Fernando Férrer e Gaudêncio Lucena

Alberto Bardawil, Lavanery Wanderley, Fernando Férrer e Antônio Pompeu Vasconcelos e Marília Quintão Parente da Silva

O melhor dos anos 80, com uma pitada de jazz.

www.revistafale.com.br/falefm www.revistafale.com.br

ABRIL de 2010 | Fale

!

|

93


ÚltimaPágina

Defensoria pública e exame de Ordem

A

inserção constitucional de órgão jurídico destinado à defesa dos interesses dos necessitados explicita a linha da Carta de 1988, no sentido de estabelecer a função social do Direito como instrumento de realização do princípio da isonomia (tratamento igual dos iguais e desigual dos desiguais na proporção pertinente - lição de Rui Barbosa). A Defensoria Pública é definida, pela nossa Constituição, como”instituição essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a orientação jurídica e a defesa, em todos os graus dos necessitados...”. A Defensoria é sucessora da Assistência Judiciária aos Necessitados, prestadora de relevantes serviços aos que não podem arcar com advogados particulares para o seu acesso à Justiça. Estruturada e equipada com o indispensável à realização de seu nobre mister, a Defensoria demonstra a vocação dos realizadores de suas importantes atividades para um tipo de advocacia mais ligado à principal função do Direito, como regra e dinâmica da efetivação da Justiça. E, em que pese ao tratamento remuneratório não de todo adequado ao nível, à complexidade e aos fins do trabalho de seus componentes, a Defensoria vem crescendo e acentuando sua participação na construção democrática dos princípios constitucionais mais eminentes, nomeadamente os que visam assegurar os direitos dos excluídos da cidadania completa. Na Defensoria, a advocacia é plena e majestática. Enobrece quem a exerce. E mostra, nas suas variantes, a verdadeira função

94 | Fale!

|

ABRIL de 2010

Por Roberto Martins Rodrigues

Na defensoria, a advocacia é plena e majestática. Enobrece quem a exerce. E mostra a verdadeira função do advogado

 social do advogado, como defensor de ordem jurídica bem aplicada e, por isso, justa, exigida pelo social. Por outro lado, a Constituição de 1988 define, igualmente, o advogado como peça indispensável à administração da justiça, dando-lhe a segurança da inviolabilidade no seu exercício profissional. A Constituição situa, ainda, a Ordem dos Advogados do Brasil como fonte geradora de preenchimento de vagas nas cúpulas do Poder Judiciário, o que coloca a instituição como entidade de índole constitucional, ocupando patamar fundamental na árvore da Lei Maior, dando-lhe competência para atuar como defensora direta da ordem jurídica. Daí a importância das funções da OAB, reclamada a sua presença como instrumento importante na realização da ordem democrática e da defesa de seus cânones. Por essas razões, não se pode negar à Ordem o dever de zelar pelo exercício da advocacia, estabelecendo critérios e procedimentos para o ingresso em seus quadros dos que pretendem, portadores dos diplomas pertinentes, exercer a profissão. A competência da Ordem, para tal, não pode, entretanto, ir além do necessário para a avaliação

www.revistafale.com.br

da qualificação dos aspirantes à advocacia. É o que está, por sinal, na Constituição, quando prescreve a liberdade de trabalho e profissão, avaliadas as qualificações profissionais estabelecidas em lei. O chamado exame de ordem, em que pese a manifesta intenção de seus idealizadores, não tem sido, a rigor, um instrumento válido de avaliação das qualificações profissionais do candidato a advogado. Tem sido, na verdade, um mero e clássico vestibular (aliás, em boa hora, substituido pelo chamado “Enem”), com questões mais destinadas a um “market” contra os cursos de Direito. Gerador da indústria vitoriosa de novos cursinhos, o Exame de Ordem não prova o que interessa à advocacia: além do conhecimento técnico e o embasamento teórico (teoria geral do direito), principalmente a vocação e a ética, que só o fazer diário pode demonstrar. No mercado dos livros dedicados ao dito exame, já existe até “DVD” sob o título: “Como passar no Exame de Ordem”. Por que não obrigar aos formados em Direito, que querem advogar (a OAB afirma que mais de setenta por cento não pretendem advogar) a um estágio de um ano, pelo menos, em órgão da Defensoria Pública? Ficaria demonstrado, no estágio, até sob a fiscalização e apuração dos resultados pela OAB, a vocação do candidato, sua conduta ética e o conhecimento do fundamental para o exercício da profissão. Defensoria e Ordem têm missão irmã, do ponto de vista constitucional. Por que não fazer um trabalho conjunto, considerando-se, ainda, que a Defensoria Pública tem permanente necessidade de pessoal? n Roberto Martins Rodrigues é advogado


a revista de informação do Ceará.

CEARÁ: MODA PRAIA E SURF, UM SUCESSO Revista de informação ANO VI — Nº 69 OMNI EDITORA

www.revistafale.com.br R$ 9,00

9 771519 953002 00068>

Francisco Pinheiro, vice-governador do Ceará

O HOMEM DO PT NO GOVERNO CID

os leitores da revista Fale! são decisores, pessoas que não abrem mão de informação de qualidade. política e economia são os principais temas da revista de informação. Fale! Quem decide, lê.

w w w.revistafale.com.br


Revista Fale! Edição 71  

Revista Fale! Edição 71. Matéria de capa: Chico Xavier, um campeão de bilheteria

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you