Page 1


Nesta Edição

>>>>>> Editorial...............................................4

Entrevista

Cláudio R. Ramos

08

Secretário de Indústria e Comércio da Prefeitura Municipal de Ferraz

Seguro..................................................6 Entrevista............................................8 Incubadora Tecnológica.....................11 Exper News.......................................12 Capa..................................................14 Grupos de Trabalho............................20 Destaque Empresarial........................21 Comunicação Organizacional...........22 Case de Sucesso.................................23 Meio Ambiente..................................24 Direito................................................26

Capa Ambientação Empresarial Detalhes que passam despercebidos afetando a produção

14

Projeto Renove Colabora com a despoluição do Tietê

24

Para expressar sua opinião, dar sugestões, enviar releases e fazer contato com a nossa redação, escreva para: redacao@revistaexper.com.br e siga-nos nas redes sociais:


40 ANOS CRESCENDO EM TECNOLOGIA E POTÊNCIA Nossa história começou há 40 anos com um sonho de pai e filho, hoje já na terceira geração a Gimi é uma prova de que trabalho em família gera CRESCIMENTO E SUCESSO. Instalada num moderno parque industrial de 3000m2 de área construída na cidade de Suzano, utilizamos as mais recentes tecnologias para transformar aço e cobre, através de máquinas CNC de última geração aliadas a um corpo técnico mecânico e elétrico competente, resultando então em produtos com tecnologia de ponta. Nossa linha de painéis de baixa e média tensão é totalmente testada em laboratórios oficiais (CEPEL e IEE-USP) conforme as normas pertinentes. Para a Gimi, não existe distribuição de energia sem qualidade, praticidade e sobretudo, segurança. Os preceitos das normas NBR IEC 62271-200 na média tensão, NBR IEC 60439 na baixa tensão e NBR ISO 9001 na padronização dos processo, são totalmente aplicados e alinhados com a NR-10.

BIMBO

PICCOLO noTTAbile MICROCOMPACT

MAGGIORE

A energia corre em nossas veias INDÚSTRIA, MONTAGEM E INSTALAÇÕES GIMI LTDA. Estrada Portão da Ronda, nº 3530 - Jd. Revista Suzano - SP CEP: 08694-080 PABX: +55 (11) 4752-9900

ESCRITÓRIO COMERCIAL Rua Itapura, nº 300 - Sala 1301 - Tatuapé São Paulo - SP CEP: 03310-000 Tel: +55 (11) 3306-3994

www.gimi.com.br


Editorial

>>>>>>

A edição Especial Indústrias e a iniciativa do CIESP de criar um canal de comunicação com as indústrias, foi um grande sucesso. A ideia de ter

Foto Divulgação

Um bom ambiente de trabalho favorece a produção uma mídia sempre foi um sonho, afinal, a quantidade de informação que passa por nossas mãos é tão grande, que era um desperdício não passar adiante. Neste ano que a entidade completa 50 anos, conseguimos, com grandes parceiros e profissionais compromissados tornar este sonho real. O primeiro passo foi dado e o segundo está repleto de novidades.

cesso produtivo com uma organização

nesta edição. Entrevistamos Cláudio

Poeticamente afirma-se que a indústria

espacial e sinalizações adequadas em

Roberto Ramos, Secretário de Indústria

orquestra a sinfonia do desenvolvimen-

cada setor. Nas questões ergonômicas

e Comércio do município de Ferraz de

to. Os industriais, como os maestros,

temos normas que estabelecem pa-

Vasconcelos e atual representante da

sabem, porém, que isso só se consegue

râmetros de conforto e de eficiência.

CONFINDUSTRIA das cidades da Ca-

com inspiração e muita transpiração.

Difícil é explicar para engenheiros de

lábria e da Sicília no Brasil.

Um bom layout não só favorece a pro-

produção que as cores influenciam no

Aproveitando que este mês

dução, como o trabalhador consegue

processo. Paulo Pinhal Arquiteto e Ur-

comemoramos o Dia Mundial do Meio

ter uma compreensão de todo o pro-

banista explica tudo isso e muito mais

Ambiente, Romildo Campelo, Secretário do Meio Ambiente do CIESP, fala sobre a melhor solução para o lixo, e

Expediente Publisher: Márcio Junior MTB 59904-SP, Conselho Editorial: CIESP Alto Tietê, Editoração Eletrônica: Offmktweb, Assessoria Jurídica: Marcelo Inocêncio, Colunistas: Romildo Campelo, Dr. Epaminondas Nogueira, Celso Campos e Bruno Barattino. Publicidade: 11 2819-4457 ou 11 9472-8104 / publicidade@revistaexper.com.br, Foto Capa: Interior da New Alfa International. A revista é distribuída aos associados do CIESP Alto Tietê, Fempi, SESI, SENAI, UMC, ACMC, ACE SUZANO, ACIDI, ACIFV, ACIP, Sebrae, Secretarias de Indústria e Comércio, Centros e Prédios Comerciais e algumas bancas. A revista não se responsabiliza pelo conteúdo dos anúncios e as opiniões emitidas em artigos assinados são de responsabilidade dos autores.

4 - Revista Exper

a Organização Bio-Bras, apresenta o Projeto Renova que colabora na despoluição do rio Tietê. Boa leitura.

Manoel Camanho Conselheiro Editorial


Revista Exper - 5


Seguro

>>>>>>

Segurança e Saúde no Trabalho

S

inval L. Campos corretor de seguros, Luiz Felix empresário e corretor de seguros e Júnior

Gurion consultor empresarial e corretor de seguros, todos especialistas na área de benefícios empresariais. Após inúmeras reuniões com empresários e líderes de RH, perceberam a necessidade de uma empresa séria e competente que ofereça um produto eficiente para atendê-las nas áreas de PCMSO, PPRA, além das 34 NRs obrigadas pela lei trabalhista. Sendo assim firmaram uma parceria entre Porto Seguro, Savelk Se-

Júnior Gurion, Sinval L. Campos e Luiz Felix

PCMSO, PPRA, ASO e Exames.

Desta forma, atender a legis-

guros e CIESP, para atender todos os

O produto está sendo muito

lação em vigor, buscar principalmente,

associados desta entidade oferecendo

bem aceito pelas empresas, hoje deze-

prever ou minimizar perdas decorrentes

descontos diferenciados, além de uma

nas delas estão sendo implantadas em

de doenças ocupacionais, acidentes de

prestação de serviço na área de saúde

nossa região. Eles chamam atenção

trabalho e despesas com processos jurí-

ocupacional quase única no País. Úni-

para algumas informações importantes,

dicos cíveis, trabalhistas e previdenciá-

ca porque conta com uma ferramenta

a partir deste ano a Previdência Social

rios. Estes programas são importantes

que apenas três grandes empresas pos-

junto com o Ministério do Trabalho co-

para manter as condições ambientais

suem no País. E a Porto Seguro é uma

meça a notificar e repassar as alíquotas

ocupacionais dentro dos limites de to-

delas, esta ferramenta é um software

para os impostos pagos pelas empresas

lerância, previstos em leis e normas

que gerencia toda a saúde ocupacional

que não estejam cumprindo com a re-

técnicas e promover o bem-estar do tra-

da empresa incluindo PCMSO, PPRA,

gulamentação da saúde ocupacional,

balhador.

Emissão de ASO e as 34 NRs, esta fer-

assim vão estar gastando com mais im-

ramenta é 100% on-line, facilita a vida

postos, além das multas que são cobra-

habilitado com 20 anos no mercado

do gestor de RH, oferece uma rede cre-

das pelos fiscais, segue exemplos:

segurador, a Savelk Seguros é especia-

denciada de âmbito nacional onde seus

• Ausência do PPRA, R$ 14.822,91;

lizada em benefícios empresarias tais

funcionários podem realizar exames em

• Ausência do PCMSO, R$ 8.927,79;

como: PCMSO, PPRA, Seguro Saúde,

qualquer parte do País, através de uma

• Ausência do ASO, R$ 13.343,81 por

Seguro de Vida, Odonto e Previdência

gestão simples e fácil, além de guardar

documento não emitido;

Privada. Acesse o www.savelk.com.br

por até 20 anos todas as informações

• Exames complementares, não realiza-

ou agende uma visita pelo telefone (11)

exigidas por lei, tais como relatórios de

dos, R$ 4.554,34 por cada um.

4735-3387.

6 - Revista Exper

Representada

por

corretor


Revista Exper - 7


Entrevista

>>>>>>

Cláudio Roberto Ramos Exper - Para que nossos leitores possam conhecê-lo melhor fale um pouco sobre sua trajetória política e quais as responsabilidades de um secretário de Indús-

Secretário de Indústria, Comércio, Ciência e Tecnologia de Ferraz de Vasconcelos, empresário de uma rede de lojas e representante da CONFINDUSTRIA das cidades da Calábria e da Sicília no Brasil.

tria, Comércio, Ciência e Tecnologia?

infraestrutura, treinar e qualificar mão

semodel Junior e vai abrigar 184 lojas,

Cláudio Ramos: Nasci dentro do comér-

de obra e oferecer recursos para as em-

3 lojas âncoras, 3 mega lojas, 1 cinema

cio, sou empresário de criação, sempre

presas. Tudo o que a Secretaria fez nes-

com 5 salas, 165 fast foods, 2 restauran-

estive ligado aos negócios da família

ses 6 anos, vai ficar eternizado para a

tes, 1 parque de diversões e estaciona-

no ramo de móveis, não sou político de

história da cidade, e quem vai colher os

mento para 1.285 veículos. No aspecto

carreira, por ter uma longa experiência

frutos deste trabalho é a próxima admi-

industrial a criação do SENAI e a inau-

empresarial e uma amizade de 30 anos

nistração, que terá um ICMS mais sig-

guração do SESI prevista para agosto.

com o Jorge Abissamra, aceitei o desa-

nificativo. Sempre tive uma visão de fu-

fio de ser Secretário de Indústria e Co-

turo, não fiz política, fiz o meu trabalho.

Exper - Como está a adesão dos pequenos empresários ao Micro Em-

mércio no Município de Ferraz de Vasconcelos. A cidade nunca teve esta pasta

Exper - Ferraz é um grande Polo de In-

preendedor

e nossa responsabilidade era tra-

dústrias e Comércios na região. A Se-

Cláudio Ramos: O Programa Micro

zer novas indústrias para a cidade

cretaria tem algum projeto que visa pos-

Empreendedor Individual foi criado

e manter as que estavam aqui, pois

sibilitar o crescimento da cidade, tanto

para que trabalhadores que atuam por

muitas tinham a pretensão de deixar

no aspecto comercial como industrial?

conta própria e faturem até R$ 3 mil/

a cidade. Desenvolvemos um Pro-

Cláudio Ramos: Com relação ao co-

mês ou R$ 36 mil/ano possam se le-

grama de Incentivo, através de leis,

mércio até o final do mês de julho esta-

galizar mediante uma taxa mensal de

decretos e começamos a trabalhar.

mos com o edital do shopping concluído.

até R$ 57,15, recolhida em um único

O empreendimento será construído no

carnê, que inclui todos os impostos fe-

Complexo Poliesportivo Gothard Kae-

derais, estaduais e municipais. Como

Exper - Secretário, quais os maiores avanços da pasta desde que o senhor assumiu a Secretaria? Cláudio Ramos: Trazer mais de 63 indústrias para uma cidade que não tem rodovia passando na porta e ilhada estrategicamente, é uma grande conquista. Nosso trabalho não é apenas oferecer insenções tributárias e doações de área, é preciso administrar tudo isso, é como um condomínio fechado, criar

8 - Revista Exper

Individual

(MEI)?


Revista Exper - 9


Entrevista

>>>>>>

Fotos: Renam Odorizi

exigente. São mais de 50 cursos gratuitos e com duração de um semestre. Exper - Quais são os recursos que a

Secretaria

panhar cado

as e

utiliza

para

tendências

estar

sempre

do

acommer-

inovando?

Cláudio Ramos: Nossa equipe de trabalho é muito eficiente, e uma estratégia que adotamos é caminhar ao lado do empresário, as dificuldades deles, são as nossas e vice-versa. Ninguém está sozinho nesse processo. Não utilizamos Diretor de Indústria Vanderlei Kerchner, Prefeito de Ferraz Jorge Abissamra, Secretário Ind. e Com. Cláudio R. Ramos e o Presidente da ACIFV Áureo do Carmo

pesquisa e muito menos estatísticas, an-

temos uma relação muito boa com a

tena de vagas e não temos mão de obra

Exper - Em sua opinião, a parceria

Associação Comercial e Industrial de

qualificada. Mas através da parceria

realizada entre a prefeitura de Fer-

Ferraz de Vasconcelos - ACIFV e com

que a Secretaria tem com o FIESP essa

raz de Vasconcelos e o Serviço Na-

os Sindicatos, essa parceria possibili-

realidade em breve será bem diferente.

cional de Aprendizagem Industrial

damos lado a lado com cada um deles.

(SENAI) foi uma grande conquista?

ta uma adesão muito significativa de Exper - Comente sobre a ascensão

Cláudio Ramos: Sim, não teríamos

econômica da cidade, o bem-estar e a

conseguido isso se não fosse pela pes-

Exper - Para o empresário que deseja

integridade do munícipe trabalhador?

soa do Paulo Skaff, criamos uma gran-

investir na cidade de Ferraz de Vascon-

Cláudio Ramos: O Polo Industrial

de amizade e sempre que a Secretaria

celos existe algum tipo de incentivo?

gera empregos e permite que o muní-

ou o município precisa do FIESP, ele

Cláudio Ramos: Todos os incenti-

cipe trabalhe próximo de sua casa. A

nos auxilia prontamente. Outra par-

vos que oferecemos aos grandes em-

UNITAF, organismo do Fundo Social

ceria grande que sempre tive foi com

presários, oferecemos aos pequenos,

de Solidariedade de Ferraz, desempe-

o próprio prefeito, ao me dar carta

claro que na sua devida proporção.

nha um importante papel social, qua-

branca para as decisões mais difíceis.

Hoje 50% das empresas estão aqui

lificando pessoas para competir num

Esta autonomia do prefeito para com

por doação de área e a outra metade

mercado de trabalho cada vez mais

o Secretaria facilita muito o processo.

pequenos empresários no Programa.

por incentivos que vão de 5 a 15 anos. Exper des

-

Quais

as

da

pasta

para

priorida2011?

Cláudio Ramos: Formação de mão de obra especializada, hoje tenho uma cen-

10 - Revista Exper

“A CONFINDUSTRIA é uma Federação de Empregadores Italianos que tem por objetivo ajudar o crescimento econômico da Itália. Como representante no Brasil, estarei no dia 1 e 2 de julho, ministrando Palestra na Taormina - Sicília, para as maiores indústrias da Itália.”


Incubadora Tecnológica

>>>>>>

Dinheiro existe, faltam projetos

M

uito se tem discutido a

editais, desperdiçando a chance e a

seguidos por empresas assistidas pela

propósito de financiamen-

oportunidade de aproveitar os recursos,

INTEC-MOGI já ultrapassam os qua-

tos para projetos voltados

como os supracitados, no desenvolvi-

tro milhões de reais.

à inovação tecnológica, e analisando as

mento de seus projetos.

Em vista disso, e como aspec-

alternativas disponibilizadas por órgãos

E é justamente neste contexto,

to primordial do trabalho prestado à so-

de fomento, tais como FINEP, CNPq,

como parte do apoio prestado pela in-

ciedade e principalmente às empresas

BNDES e FAPESP, por exemplo, con-

cubadora a seus associados, que a IN-

inovadoras de nossa região, a Incuba-

clui-se: “dinheiro não reembolsável (a

TEC-MOGI tem, em seu corpo de ges-

dora Tecnológica de Mogi das Cruzes

fundo perdido) existe, o que faltam são

tão, consultores qualificados no sentido

contribui na prospecção, no incentivo

bons projetos e bem elaborados”.

de detectar oportunidades de obtenção

e na orientação a projetos de inovação

Como exemplo do crédito dis-

das citadas verbas de fomento, esclare-

tecnológica de comprovada qualidade

ponível às Micro e Pequenas Empresas

cer dúvidas eventualmente surgidas e

que, naturalmente, durante seu desen-

através de editais, em se tratando de

orientar a elaboração dos projetos pelas

volvimento e amadurecimento, tornar-

“Recursos não Reembolsáveis”, pode-

empresas interessadas.

se-ão fortes candidatos à obtenção de

mos citar: •

Para se ter uma ideia, até a

Pesquisa Inovativa em Peque-

presente data, o total de aportes con-

recursos governamentais de fomento a fundo perdido.

nas Empresas – PIPE da FAPESP – até

Conheça os projetos atualmente apoiados pela INTEC-MOGI:

R$ 625.000,00; •

RHAE Pesquisador na Em-

presa do CNPq – até R$ 300.000,00 ; •

Subvenção

Econômica

à

Inovação da FINEP – no mínimo R$ 500.000,00; •

Fundos Setoriais da FINEP

- depende do edital, porém, em média R$ 500.000,00; •

FUNTEC do BNDES – não

existe limitação; •

Edital SENAI/SESI de Inova-

ção – até R$ 300.000,00 Muitas vezes, a falta de infor-

ATELIÊ ESPECIARIAS – “Perfume para Ambiente” AUTOMAÇÕES BARTOS & BARTOS – “Automação Industrial” BRVANT – “Veículo Aéreo Não Tripulado (VANT)” CONSERV – “Conservação de Energia” DSMA – “Desenvolvimento Sustentável e Monitoramento Ambiental” EXA-M – “Instrumentação Biomédica” HYDROPREMIER – “Equipamentos Geradores de Ozônio” ITSPRO – “Sistemas de Telemedicina Veterinária” MALTHA ECOKIMEA – “Lubrificantes Finos para Indústria Têxtil” MUTEKI – “Automação Industrial”

mação e de preparo faz com que diver-

SÉPIA – “Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos de Alta Tecnologia

sas empresas não tomem conhecimen-

nas Áreas Médica e Científica”

to das nuances existentes nos referidos

Revista Exper - 11


Exper News

>>>>>>

AÇÕES EDUCATIVAS

TERCEIRA IDADE

CURSO E WOKSHOP

Agenda Sociocultural SESI - Mogi das Cruzes

Crochê - 16 e 30 de junho, quintas das

Grupo de Convicência - Arco Íris

Palestras e Cursos

16h às 19h - Carga horária 12 horas,

Dias 13, 20 e 27 de junho. Todas as

Administre melhor o seu dinheiro.

valor do beneficário R$ 21,00, valor

segundas das 14h às 16h. Carga horária

A baixa produtividade e a falta de

não beneficiário R$ 42,00.

2h semanais.

motivação no trabalho muitas vezes

Applique - 20 e 27 de junho, terças das

Grupo de Canto Coral - Arco Íris

estão

16:30h às 19h - Carga horária 10 horas,

Dias 14, 21 e 28. Todas as terças das

financeiros. Por isso o SESI-SP criou

valor do beneficário R$ 18,00, valor

15h às 17h. Carga horária 2h semanais,

um programa de cursos e palestras que

não beneficiário R$ 36,00.

gratuito.

orienta os participantes a realizar um

Découpage - 15 e 29 de junho, terças

Grupo de Dança - Arco Íris

bom planejamento financeiro, manter

das 13h às 16h - Carga horária 12

Dias 15 e 29. Todas as quartas das 16h

suas contas em dia e sob controle e a

horas, valor do beneficário R$ 21,00,

às 18h. Carga horária 2h semanais,

evitar a inadimplência. Duração de

valor não beneficiário R$ 42,00.

gratuito.

1h30.

A importância dos Tiros de Guerra

relacionadas

a

problemas

Ver TV e Tuitar

Existem hoje mais de 200 TG’s

uma profissão e ingressar no mercado de

Assistir programas televisivos

distribuídos por quase todo o território

trabalho. “Alguns atiradores identificam-

e comentar a respeito das cenas exibidas

brasileiro. O Sub Ten Maass é o chefe

se e acabam seguindo a carreira militar.

sempre foi um costume dos brasileiros.

de instrução do TG 02-052 e tem sob

Outro dado interessante constatado em

Segundo a Nielsen, 76% dos adultos

o seu comando 100 atiradores. Esses

pesquisa, o Exército tem mais de 80% de

usuários da internet afirmam que

jovens recebem instruções militares,

aceitação na comunidade. Percebemos

navegam na web enquanto assistem à

lições de cidadania, patriotismo e de

isso quando participamos de desfiles,

TV. Desse percentual, 54% garante que,

civismo, sem falar que eles aprendem

eventos públicos e festas comemorativas”.

durante esse tempo, posta mensagens

a ter disciplina, lealdade, camaradagem

explica o subtenente Maass.

no Twitter, Facebook e nas demais redes

e responsabilidade, valores que levarão para sua vida pessoal e profissional. A Carreira Militar é mais uma opção, que os jovens têm de adquirir

12 - Revista Exper

Os TG’S devolvem para o

sociais, comentando a programação.

mercado jovens mais disciplinados,

Para o estudo, o Ibope Nielsen Online

dedicados e determinados a enfrentarem

considera um universo de internautas de

as barreiras e obstáculos da vida.

73,9 milhões de brasileiros.


Vera Lúcia assume Secretaria de Educação em Itaquaquecetuba Vera Lúcia Martins Garcia

citária e Marketing pela

assumiu a Secretaria de Educação no

Faculdade Casper Líbe-

lugar de Marina Della Vedova, que pas-

ro, e aluno do penúltimo

sa a acompanhar a deputada estadual

ano do curso de Direito,

Heroilma Soares Tavares. “A educação

já realizou vários traba-

no município vem melhorando a cada

lhos jornalísticos, co-

dia. A escola é um ambiente de ensi-

ordenou campanhas de

no-aprendizagem, pois comunidade e

marketing,

educadores se empenham em projetos

aulas e criou o Departa-

sócioeducacionais. Busco resultados

mento de Comunicação

positivos, através de muita dedicação e

nesta Secretaria.

ministrou

amor”, explicou a secretária. Em virtude da demanda de trabalho, Vera Lúcia terá ao seu lado o secretário adjunto de Educação Armando Tavares, o Armandinho, jornalista, pós-graduado em Comunicação Publi-

Vera Lúcia Martins, secretária de Educação de Itaqua ao lado de Armandinho, secretário adjunto de Educação.

Chery S18 será o primeiro flex chinês

Fim de visto

Compacto tem design mais

juntamente com outro veículo, o Fulwin,

Representantes do setor de

atual e motor 1.3 bicombustível. Estreia

que era cotado para ser o primeiro flex da

turismo norte-americano defenderam, em

ocorrerá no 2º semestre. A Chery terá a

marca anteriormente. Bem mais atual que

artigo publicado pela revista Time, que o

primazia de ser a primeira montadora

o QQ, o S18 é vendido na China como

Brasil entre para a lista de 36 países cujos

do país a ter um modelo flex em nosso

Riich M1, uma marca premium da Chery,

cidadãos não precisam de visto para fazer

mercado. É o novo S18, um hatch

mas no Brasil o hatch levará o logo da

viagens curtas aos EUA. Nos últimos

compacto que transita entre o pequeno

própria. A tendência é que S18 brigue

cinco anos, o número de pedidos de visto

QQ e o Face, hoje os modelos mais

na mesma faixa onde estão hoje o Gol

para viajar aos EUA cresceu 234% no

vendidos da marca por aqui. O S18 foi

e o Uno – modelos com espaço interno

Brasil, mais do que em qualquer outro

apresentado no Salão do Automóvel

razoável, mas preço mais acessível. Como

país. Mas só quatro cidades brasileiras

bom chinês, o novo hatch traz

têm consulados americanos: Brasília,

extensa lista de equipamentos

Recife, Rio de Janeiro e São Paulo. Em

que

ar-condicionado,

vez de esticar um tapete vermelho, os

trio elétrico, rodas de liga leve,

EUA fazem os brasileiros passarem

direção hidráulica, CD MP3

por um processo demorado e caro para

com USB, airbag duplo e ABS.

conseguir um visto.

inclui

Revista Exper - 13


ambientação empresarial detalhes que passam despercebidos afetando a produção

O

Por Paulo Pinhal

s empresários sabem que

rança das precariedades, improvisos e

da ambiência acaba ficando relegado

o ambiente de trabalho in-

o excesso de legislações trabalhistas e

a um segundo plano ou mesmo é en-

fluencia na produção, mas

ambientais faz com que os gargalos na

tendido como uma perfumaria para a

como a indústria brasileira tem a he-

produção sejam tantos, que a questão

fábrica.

14 - Revista Exper


O estudo das relações entre

a estagnação dos mercados de pós-

tos de humanização e flexibilidade nos

a tecnologia e as condições ambien-

guerra e pela exaustão dos modelos

levantamentos históricos da arquiteta

tais de trabalho é uma preocupação

de gestão da produção e do trabalho,

Eva Frigério em 1985.

que possui registro desde o século 16,

surgem movimentos de modernização

Os arquitetos brasileiros se

com a publicação dos estudos de Ge-

das relações industriais liderados pelo

esforçam para convencer os empresá-

orge Bauer em 1556, sobre doenças e

modelo Japonês de produção (Toyo-

rios da necessidade de ter um layout de

acidentes relacionados ao trabalho de

tismo, JIT/Kanban, Ohnoismo, etc.) e

chão de fábrica adequado para a produ-

mineiros e fundidores de ouro e prata.

pela corrente de humanização do tra-

ção, prevendo principalmente questões

Entretanto, foi a partir da publicação do

balho da escola sociotécnica, com suas

de fluxos da matéria-prima para o pro-

livro De Morbis Artificum Diatriba , do

experiências em países escandinavos.

duto final.

médico Italiano Bernardino Ramazzini

Destas mudanças, é possível estabele-

Um bom layout não só fa-

em 1700, que os estudos sobre o con-

cer relações entre arquitetura industrial,

vorece a produção, bem como para o

forto do ser humano nos ambientes de

como relata o pesquisador em produção

trabalhador ele consegue ter uma com-

trabalho são sistematizados.

industrial Oscar Orstman no caso da fá-

preensão de todo o processo produtivo

brica da Volvo em Kalmar, e os concei-

com uma organização espacial e sinali-

A partir da década de 60, com

Revista Exper - 15


tos, administração; por transferência de responsabilidade, eliminação ou redução. 5 - Descentralização dos estoques e de sua responsabilidade, transferindo-os para as subfábricas. 6 - Construção de layouts para trabalhos em grupos semi-autônomos, sem prescrição formal da relação área versus função. 7 - Incorporação de equipamentos multi-operações e com grau de automação que permita intervenção do operador no processo de trabalho e que possam ser operados indistintamente pelos operadores. 8 - Uso de sistemas automatizados para transporte e manuseio de materiais, tornando os corredores em sistemas de conexão funcional entre as subfábricas. zações adequadas a cada setor. Fábrica

nização do trabalho aliados às mudan-

organizada, melhora na qualidade dos

ças no cenário das relações econômicas

necessário verificar as questões ergonô-

produtos, mas existem outros fatores

e de produção de diversos países. Den-

importantes como às questões de ergo-

tre as direções, algumas parecem con-

nomia que contribuem para o aumento

sensuais entre os diversos profissionais

da produção com qualidade.

da área, tais como:

Os objetivos de um layout de fábri-

1 - Reorganização da fábrica em siste-

ca podem ser sumariados em:

mas menores e independentes.

a) Simplificar o fluxo de materiais;

2 - Aproximação dos estoques de mate-

b) Racionalizar o uso dos espaços;

riais dos locais de seu processamento.

c) Garantir boas condições de trabalho;

3 - Dedicação dos sistemas menores, ou

d) Manter a flexibilidade do processo

subfábricas, a produtos ou subsistemas

de produção.

de produtos mais complexos, fazendo a

agregação das subfábricas por unidades

Estes objetivos, embora se

mantenham independentes dos padrões

de produção.

dos sistemas de trabalho, passam a

4 - Minimização do tamanho da fábrica

agregar novas variáveis, em decorrên-

eliminando tarefas ou atividades com-

cia da evolução dos conceitos de orga-

plementares como serviços, suprimen-

16 - Revista Exper

Além das questões de layout é


micas e antropométricas dos funcionários. Ergonomia

Existem duas vertentes de er-

gonomia, a que tratava apenas dos aspectos físicos da atividade de trabalho sendo relacionada diretamente a antropometria e a que alguns estudiosos cunharam o termo “Fatores Humanos” de forma a incorporar os aspectos organizacionais e cognitivos presentes nas atividades de trabalho humano e seu ambiente.

A ergonomia começa a se pre-

ocupar com os fatores de temperatura, umidade relativa, ruído e iluminação dos ambientes de trabalho.

A responsabilidade dos diri-

gentes não permite mais que se confunda ambiente industrial com câmara de torturas. O ser humano suporta muito

rém, dentro de certos limites de intensi-

do Kaizen que é o programa de me-

calor, muito frio e muito barulho, po-

dade e de duração.

lhoria contínua com a presença de um

Nas questões ergonômicas

arquiteto como mediador, pois ele vai

temos normas que estabelecem parâ-

interpretar as necessidades do chão de

metros de conforto e de eficiência do

fábrica.

edifício. Mas fica faltando mais um

detalhe que a maioria dos engenhei-

nheiros de produção que as cores in-

ros de produção não compreende que

fluenciam no processo. É inquestioná-

a própria ambientação arquitetônica

vel o efeito psicológico que as cores

industrial vai além do layout, e a er-

dos móveis e cômodos causam às pes-

gonomia aumenta a motivação e con-

soas. Além disso, elas são meios auxi-

sequentemente melhora a produção,

liares na criação de efeitos de ilusão de

reduz desperdícios e retrabalhos e

ótica que, às vezes, são necessários, em

cria motivação junto aos funcionários

decorrência de alguma disfunção estru-

de produção.

tural do local.

É claro que não devemos im-

Difícil é explicar para enge-

A psicodinâmica das cores

por mudanças sem consultar os funcio-

merece um estudo mais aprofundado a

nários o qual recomendamos a técnica

respeito. Sabemos da importância que

Revista Exper - 17


a cor exerce na produção do bem-estar

cliente, como em conformidade com os

localização da informação, o seu po-

das pessoas. O peso aparente dos obje-

objetivos definidos pelo marketing. De-

sicionamento, o seu dimensionamento

tos aumenta ou diminui de acordo com

fine duas características funcionais im-

adequado às distâncias de leitura neces-

sua cor. As cores claras proporcionam

portantes: a facilidade de identificação

sárias, são fatores considerados. Inde-

a sensação de menor peso e assim por

e de leitura.

pendente destes aspectos funcionais, é

diante.

Entende-se por facilidade de

de grande importância a característica

Tem um caso no Rio Grande

identificação, proporcionar à sinaliza-

destes projetos em dotar os espaços de

do Sul que o arquiteto resolveu trocar a

ção destaque do ambiente. Isto pode ser

uma imagem. A história, a cultura deve

didos para identificar as casas. Esta dis-

obtido através de algumas ações: apli-

ser observada e podem ser expressas no

tinção semântica reforça e distingue a

car a sinalização sempre de uma mes-

ambiente.

prática profissional e teórica consciente

ma maneira (mesma altura, do mesmo

da prática essencialmente comercial.

lado da circulação, etc.) ou seja, a sua

cadas no ambiente e podem ser mescla-

Desenvolvem um sistema glo-

consistência e coerência. Outra ma-

das com outros recursos como áudios

bal possibilitando que as pessoas nave-

neira é a sua forma, que deve ser evi-

visuais, mídias interativas, objetos, etc.

guem por ambientes complexos. Inter-

dentemente diferenciada das demais

Podem ser efêmeras ou permanentes,

ferem no ambiente, tanto no sentido de

existentes no espaço. Como facilidade

internas ou externas. As informações

reforçar a identidade ou a imagem do

de leitura, pode-se estabelecer que a

interpretativas fazem interseção com

cor de uma das máquinas de verde para azul. O que ficou provado é que seis meses depois foi a máquina que menos deu manutenção, em seu entorno estava sempre limpo e sua produção elevou e qualidade dos produtos produzidos se elevou. A conclusão é que ela passou a ter um destaque dentro do chão de fábrica o que fez com que a equipe de operadores mudasse sua postura de trabalho. Marketing Interno

A necessidade de um arquite-

to ou designer gráfico ambiental passa ter importância dentro do processo. O profissional tem que ter o cuidado de moldar a informação ao seu contexto. Neste sentido, o termo design gráfico ambiental suplanta a ideia de sinalização. Sinalização sugere placas prontas, como os números prontos que são ven-

18 - Revista Exper

Estas informações estão apli-


a sinalização, e podem estar presentes

lação, e intangíveis : o conforto, a orga-

a compreender aquilo que a empresa

também no sistema de sinalização. Ain-

nização, a limpeza, as facilidades etc.

oferece, estabelecendo as expectativas

da no que se refere ao ambiente, algu-

O cenário de serviços pode

apropriadas. Existe a tendência mun-

mas considerações elaboradas do ponto

desempenhar vários papéis simultane-

dial de humanização do chão de fá-

de vista do marketing podem comple-

amente. Um exame sobre a variedade

brica, entretanto várias empresas vêm

mentar a compreensão da importância

de papéis que eles podem desempenhar

adotando a criação de praças e áreas de

do ambiente. Estudiosos consideram os

assim como a interação entre eles dá a

lazer dentro do chão de fábrica.

ambientes como cenários de serviços

dimensão da importância da adequação

Nossas universidades federais

e estaduais guardam um grande número de pesquisa que provam a eficiência do ambiente para o aumento da produtividade e qualidade dos produtos, mas as indústrias brasileiras não acreditam em nossas instituições. Nos Estados Unidos e Europa, isso não acontece.

Os arquitetos sofrem para

convencer os empresários da importância da qualidade do ambiente. Mas acredito que pelo conjunto de normas e leis, o empresário acabe fazendo alguma coisa em termos da ambiência. Os empresários que descobriram este fator, com certeza colhem bons frutos econômicos. Paulo Pinhal Arquiteto e Urbanista, formado pela UMC, Pós-graduado em Produtividade e Qualidade Total pela Escola (locais onde as pessoas executam ta-

da evidência física na estratégia do ser-

Federal de Itajubá, Mestre em Enge-

refas, e que são percebidos pelas suas

viço.

nharia de Produção pela Universidade

evidências físicas).

Se a evidência física for anali-

Federal de Itajubá, Doutorando pela

Evidência física é o conjunto

sada, planejada e implementada de for-

FAU - Universidade de São Paulo, Ti-

de características de cada ambiente. Po-

ma eficaz, além de auxiliar a redução de

tular do escritório Pinhal Arquitetura,

dem ser tangíveis: a arquitetura, a sina-

aspectos negativos na comunicação do

Presidente do Colégio de Arquitetos e

lização, o estacionamento, a paisagem,

espaço com o usuário, pode desempe-

Conselheiro da Associação dos Enge-

entorno, os equipamentos, o layout, a

nhar um papel de fundamental impor-

nheiros e Arquitetos de Mogi das Cru-

qualidade do ar, a temperatura, a venti-

tância nessa comunicação, ajudando-o

zes - AEAMC

Revista Exper - 19


Grupos de Trabalho

>>>>>>

Grupo de Recursos Humanos Newton Bianchi

www.grhaltotiete.com.br

Formado em Direito e Administração de Empresas, Supervisor de R.H. da Petrom e diretor do GRH do Ciesp Alto Tietê. Eleito um dos 10 RHs mais admirados do Brasil.

G

estão de Recursos Rumanos tem por finalidade se-

ewton Bianchi, diretor do GRH - Alto Tietê.

lecionar, gerir e nortear os colaboradores na dire-

Com o objetivo de conhecer a práticas de gestão de

ção dos objetivos e metas da empresa. É chamado

pessoas o grupo realiza anualmente pesquisas de salários e

Recursos Humanos o conjunto de colaboradores de uma orga-

benefícios, bem como proporciona cursos para o aperfeiçoa-

nização. A Gestão de Pessoas é uma atividade a ser executada

mento de seus membros. O grupo também está comprometi-

por todos os gestores de uma organização, contando com o

do com o desenvolvimento técnico e social em R.H. atuando

apoio do setor de Recursos Humanos, com a finalidade de al-

como facilitador nas funções de interesse na gestão de pesso-

cançar um desempenho que possa combinar as necessidades

as.

individuais das pessoas com as da organização. Valores do Grupo

O Ciesp Alto Tietê tem atualmente cinco Grupos de Trabalho, um deles se originou em 1987 com a fusão dos grupos informais GRESEP – Grupo de Recrutadores e Sele-

Comprometimento: Envolver-se com os assuntos abordados e de interesse do grupo.

cionadores de Pessoal, GASB – Grupo de Assistência Social

Relacionamento: Buscar maior entrosamento entre

e Benefícios e o GPS – Grupo de Profissionais de Salários,

os membros do grupo para facilitar a troca de informações e

nascia o GRH – Grupo de Recursos Humanos do Alto Tietê,

experiências.

formado por empresas da região do Alto Tietê como Mogi das Cruzes, Suzano, Poá, Ferraz de Vasconcelos, Itaquaquecetuba

Profissionalismo: Tratar os assuntos do grupo com seriedade e coerência. Atualização: Manter-se atualizado diante das diver-

e Aruja. “O objetivo do grupo é propiciar a troca de informações e experiências entre os profissionais da área de Recursos

sas e rápidas alterações na área de RH, visando benefício para o profissional, sua empresa e para o grupo.

Humanos, o grupo realiza mensalmente as suas reuniões or-

Solidariedade: Comprometer-se na ajuda entre os

dinárias, onde são abordados temas relacionados a áreas de

membros do grupo diante de suas solicitações e perante a co-

Recrutamento e Seleção, Treinamento e Desenvolvimento,

munidade.

Remuneração, Segurança e Medicina do Trabalho, Rotinas Trabalhistas e Sindicais, Benefícios e Serviços”, afirma Ne-

20 - Revista Exper

Ética: Agir dentro dos princípios morais na condução e participação dos assuntos pertinentes ao grupo.


Revista Exper - 21


Comunicação Organizacional

>>>>>>

O jornalzinho da empresa evoluiu Celso Campos Publicitário, Professor Universitário e Diretor-executivo da CCA Propaganda

N

ão há uma empresa que eu conheça que não tenha

adequados nos veículos certos para obter resultados.

pelo menos um “jornalzinho” mural falando de

Não importa se a empresa é grande, média ou

amenidades que interessem os seus funcionários:

pequena. Comunicação só é relevante se produz bons

aniversariantes do mês, a festa de final de ano e uma e outra

resultados para atingir seus objetivos enquanto empresa e

informação administrativa. Geralmente o mesmo é editado

agente social, se pensada de forma criativa e adequada.

pelo funcionário com mais facilidade para escrever e desenhar.

Para tanto é preciso que se tenha noção do que é a

Eu mesmo despertei para a comunicação porque na

comunicação em suas diversas modalidades: administrativa,

escola e empresas onde comecei a minha atividade profissional

interna, mercadológica e institucional e outra pouco estudada

era o que melhor se encaixava na função.

e considerada que é a comunicação interpessoal. Saber para

Mesmo para uma simples edição de informativo interno é preciso determinar alguns objetivos, sem o que o seu conteúdo pode ser irrelevante. Por exemplo: motivar os funcionários, disseminar os valores institucionais da organização de modo a que todos procedam com consciência no que se refere ao seu perfil, estilo, políticas e outros.

o que serve cada uma e desenvolvê-las com sentido de tirar delas o melhor proveito possível. A que setor cabe alinhavar um planejamento e desenvolver as ações pertinentes à comunicação? O ideal seria ter à frente desta tarefa um profissional de comunicação para fazer a gestão de um setor próprio

O “jornalzinho” evoluiu para a intranet e as redes

e mobilizar todos os demais setores da empresa. Na

sociais, mas trabalhados de maneira pouco técnica ou

impossibilidade de instalar um departamento interno, colocado

profissional em muitos casos continua sendo apenas uma

no organograma junto ao nível estratégico da organização,

forma de seguir a “moda” das comunicações do século XXI.

outra opção é a de terceirizar o serviço, contratando um

Sem controle e efeito prático, a não ser colocar a empresa

consultor ou uma empresa especializada.

ou outra organização em uma situação delicada. E isso é grave e perigoso. Claro que é importante utilizar os veículos mais eficientes para se atingir os públicos desejados. Mais fundamental do que isso é usar o conteúdo e linguagens

22 - Revista Exper

Alguém já disse que: “a organização é comunicação e comunicação é a organização”. Eu completaria: “planejada e adequada ao jeito e estilo de cada uma”.


Revista Exper - 23


Meio Ambiente

>>>>>>

Projeto Renove colabora com a despoluição do Tietê Realizado desde 2008 pela

Já na parte de Educação Am-

Organização Bio-Bras, o Projeto Re-

biental, a gestão dos recursos hídricos

nove expande agora o trabalho para a

pelos jovens e crianças, serão formados

despoluição do Rio Tietê pelo óleo ve-

Comitês Mirim de Bacia Hidrográfica,

getal, por meio da educação ambiental

res, que irão atuar como monitores, em

nos quais os educadores serão qualifi-

e orientação aos comércios e morado-

um trabalho de campo. Durante o es-

cados para repassarem aos alunos con-

res de Guararema, Salesópolis, Biriti-

tudo, eles irão aplicar um questionário

ceitos de preservação, equilíbrio ecoló-

ba Mirim, Mogi das Cruzes, Suzano,

nas residências de alguns bairros das

gico e sustentabilidade.

Ferraz de Vasconcelos e Poá. Para esta

sete cidades do Alto Tietê, para mensu-

grande expansão do projeto a Bio-Bras

rar a quantidade de óleo que é consumi-

Ao impedir que o óleo vegetal

conta com o patrocínio da Petrobras,

da em cada residência e qual o destino

polua diretamente o rio Tietê, o Projeto

por meio do Programa Petrobras Am-

final deste produto.

Renove colabora também com a reci-

biental.

Soluções

clagem deste produto. Neste caso, se A intenção é diminuir em até

engana quem acredita que o sabão feito

20% a quantidade de óleo de cozinha

com óleo é a melhor alternativa para

que chega ao Rio Tietê, uma vez que a

evitar o descarte. O óleo coletado pelo

gordura do resíduo é comprovadamente

projeto Renove serve de matéria-prima

prejudicial ao meio ambiente.

para a fabricação de produtos mais

Para atingir este objetivo, o

duráveis, como por exemplo as tintas,

Projeto Renove capacitou colaborado-

massa de vidro e até o biodiesel.

CIESP Alto Tietê sempre foi contra aterro Cerca de 50 representantes das

entidades

e

associações

que

integram o movimento “Aterro, não!”

Mudas plantadas

cinco mil balões para reforçar, junto à

O Dia do Meio Ambiente

população do Alto Tietê, a importância

foi comemorado no dia 5 de junho,

da participação popular no processo.

mas Mogi das Cruzes ganhou ações

se reuniram na sede da FIESP/CIESP

“Estamos buscando a união

na véspera. No Parque Centenário,

no dia 2 de junho para definir novas

de forças para impedir que esse

500 mudas de espécies nativas foram

estratégias de ações para a luta contra

aterro sanitário se instale no Taboão

plantadas.

a instalação de um aterro sanitário

e para deixar claro que a entidade,

Além disso, uma caminhada

no Distrito Industrial do Taboão, em

em São Paulo, respeita e apoia a

reuniu cerca de 9 mil pessoas pelas

Mogi das Cruzes. A busca de apoio das

nossa participação na luta”, destacou

ruas de Mogi das Cruzes. O objetivo

Prefeituras de Guarulhos e São José dos

o primeiro vice-diretor CIESP Alto

foi conscientizar os participantes

Campos, foi apresentada como uma das

Tietê, Renato Torquato Rissoni, que na

que preservar a natureza é o melhor

metas mais prioritárias do movimento

reunião representou o diretor Milton

caminho para um futuro com mais

neste momento, além da soltura de

Sobrosa Cordeiro.

qualidade de vida.

24 - Revista Exper


Reator de plasma transforma lixo em energia São produzidas por dia em

O Estado criou os aterros e

São Paulo, cerca de 55.700 toneladas

hoje são 283 aterros em situação ade-

de lixo, de acordo com a avaliação feita

quada, 169 controlados e 24 inadequa-

em 2010 pela CETESB. É preciso di-

dos. O Brasil gasta R$ 8 bilhões por

minuir essa quantidade de lixo disper-

não reciclar o que tem de ser reciclado,

diçada em aterros, onde muita coisa

segundo estudo do IPEA – Instituto de

poderia ser reaproveitada. Os aterros

Pesquisa Econômica Aplicada.

sanitários geram gás carbônico (CO2)

Os conversores de plasma em

e metano e que este segundo gás é ain-

seu nível mais básico, é um maçarico

da pior que o primeiro como causador

de plasma aplicado no lixo. Diferente

do efeito estufa. Se o cidadão pagasse

dos incineradores comuns, que usam

pelo volume de lixo gerado, em um mês ele mudaria o seu comportamento e colocaria o mínimo na porta da casa. Em alguns países o cidadão ao comprar um produto, deixa a embalagem no supermercado, pois a cultura é produzir o mínimo de lixo. Segundo Romildo Campelo, diretor de meio ambiente do Ciesp, “na

década de 70 o lixo era incinerado, e o crescimento populacional fez com que as incineradoras, até então isoladas, ficassem rodeadas de residências. Na época não havia filtros, e resíduos eram lançados ao ar. Ao invés de criar uma solução para o problema, marginalizaram e fecharam as incineradoras”.

combustão para quebrar o lixo, não existe fogo ou oxidação neste processo. Ele pode tratar lixo hospitalar ou químico e não deixa sobrar nada além de gases e escória. Estamos mais perto do que você imagina rumo à geração de eletricidade para nossas casas através da utilização de lixo, e o conversor de resíduo com plasma fará o trabalho.

Resíduos sólidos - As responsabilidades de cada setor A regulamentação da PNRS -

do CIESP e diretor titular adjunto de

de decidir sobre a implementação”, diz

Política Nacional de Resíduos Sólidos,

Meio Ambiente FIESP. O objetivo é

Silvano Silvério da Costa, secretário de

esperada por 21 anos, começa a sair do

apresentar as Leis que estabeleceram as

Recursos Hídricos e Ambiente Urbano

papel, após a publicação do Decreto nº

Políticas Nacional e Estadual de Resí-

do Ministério do Meio Ambiente. Hoje,

7.404, de dezembro do ano passado.

duos Sólidos, a responsabilidade com-

37% dos resíduos são secos; 70% úmi-

Os segmentos que obrigatoriamente

partilhada pelo ciclo de vida do produto

dos, o que significa que podem ser di-

integrarão o processo são os de agrotó-

é dos fabricantes, fornecedores de em-

recionados à compostagem, e o restante

xicos, eletroeletrônicos e seus compo-

balagens, distribuidores, consumidores

são rejeitos, que não podem ser reapro-

nentes, lâmpadas fluorescentes, óleos

e Prefeituras Municipais, acordos seto-

veitados.

lubrificantes e seus resíduos e embala-

riais e programas de logística reserva.

gens, pilhas, baterias e pneus.

O desafio para a implementa-

O encontro visa a minimiza-

ção da nova legislação será o país não

No dia 28 de junho, teremos

ção de resíduos e seus impactos. Todo

ter mais nenhum lixão e os aterros ab-

um Seminário no SESI, às 16 horas,

o esforço será voltado para reutilização

sorverem só rejeitos - que não sejam

com Edson Santos, gerente da Agência

e reciclagem. Se não houver iniciativa

reutilizáveis ou recicláveis, até o dia

Ambiental da CETESB e com Eduardo

dos setores para contribuir nos acordos,

2 de agosto de 2014 (prazo estipulado

San Martin, diretor de Meio Ambiente

o próprio governo tomará a iniciativa

pela legislação).

Revista Exper - 25


Direito

>>>>>>

A saúde do Povo e a do Tesouro Dr.

Epaminondas

Nogueira

Mogi das Cruzes - Av. Narciso Yague Guimarães, 664, Centro Cívico – Tel: (11) 4799-1510 São Paulo – Barra Funda Rua do Bosque, 1589 – Ed. Capitolium, Bl. II, Conj. 1207 - Tel: (11) 3392-3229

E

xtraio do jornal “Noticias Regionais”, edições 818,

deriam gerar e os terríveis sofrimentos a que são submetidas

de 28 de maio de 2011 a 03 de junho de 2011, página

as pessoas sem a indispensável assistência médica.

08. “A entidade tem dívida acumulada com fornecedores

e decorrentes de tributos, além de R$1,50 em ações trabalhis-

Custa crer que o povo que se revolta contra o sacrifício de cães abandonados, este mesmo povo assista, passivamente, tanto absurdo.

tas que não foram pagas. A maior dívida acumulada da Santa

Se o leitor cotejar o valor da diária de um segurado

Casa de Santa Branca – R$ 14 milhões são decorrentes de im-

em enfermaria com a despesa da lavagem do lençol, fronha,

postos com a Fazenda Pública Federal (INSS), hoje a entidade

papel higiênico, só esses itens, verá que só neste patamar os

esta impedida de firmar qualquer tipo de convenio, seja com

hospitais já ficam no vermelho.

estado, união ou município, segundo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo.” Se a dívida “particular” gira em torno de 2,5 milhões a que cabe ao tesouro é quase 07 (sete) vezes maior. Revela notar que a Santa Casa de Santa Branca como aliás todas as demais, presta serviço publico relevante. Santa Casa é instituição que através de gerações, já antes, da chegada dos primeiros colonizadores, tinha e mantém esta índole e este prestígio.

Quando se diz que a saúde é um direito de todos, também, se deve explicar à população que o foco da questão não é apenas este ou aquele paciente, mas, todos nós. Todos nós sim, porque o sujeito porventura não tratado sai por aí contaminando quem encontra nas ruas, conduções, bares, banheiros públicos, contatos sexuais, escolas, cinemas, estádios, etc. Só há uma forma de se defender a saúde de todos e esta é cuidar da saúde de cada um.

É um insulto, não ao povo, mas à inteligência dela

Por enquanto, os governos só têm cuidado da saúde

cobrar impostos porque a falta da saúde que ela poderia gerar

do tesouro e ainda assim sem inteligência como procuramos

atendendo a população, evidentemente, acarretará despesas

demonstrar.

absurdas com aposentadorias, pensões, indenizações de segu-

Isso tem que mudar.

ros, sem contar as receitas que os pacientes recuperados po-

Na saúde o certo é a universalização e a gratuidade.

26 - Revista Exper


28 - Revista Exper

Revista Exper  
Revista Exper  

Edição Número 09

Advertisement