Page 1


Editorial

Página 2 >>>>>>

Perspectivas modestas

É um quadro difícil, mas há um

do que foi no ano passado. “Teremos um

horizonte do ponto de vista econômico

superávit superior a R$ 25 bilhões em

para a recuperação. Um ano de menor in-

2016 e deveremos ter um desempenho

flação, de menor queda do PIB (Produto

do setor público, possivelmente com as

Interno Bruto), um ano de maior expan-

contas públicas equilibradas, ao contrário

são das exportações em relação às impor-

do ano de 2015. São alguns indicadores

tações, um ano de contas públicas equili-

que diferenciam 2016 do que foi o ano de

bradas. Ou seja, 2016 será o ano em que o

2015.

Brasil estará melhor preparado para poder

retomar a recuperação econômica. É um

mobilizando para exportar e acaba de

horizonte de preparação, em 2016, para o

conceber a Câmara do Comércio Exterior

crescimento em 2017.

do Alto Tietê. Ainda com foco no merca-

Possivelmente teremos um nível

do internacional a Deltas Ensino de Idio-

de atividade maior do que foi o de 2015. A

mas e a Agência de Desenvolvimento do

economia vai cair em 2016, mas em ritmo

Alto Tietê - Adrat, colocaram em prática

menos intenso, mais suave, do que o que

um intercâmbio multicultural, criado para

foi verificado em 2015 – embora a gente

desenvolver e valorizar a formação pro-

não saiba ainda como foi a queda do PIB

fissional com visitas técnicas, passeios

em 2015, teremos uma queda em 2016 en-

ecológicos e jogos de aventura.

tre 0,5% e 1,5%.”

A região do Alto Tietê está se

Boa leitura...

O desempenho comercial do

Márcio Junior

Brasil com o exterior deve ser muito maior

publisher Exper News

Expediente Publisher: Márcio Junior MTB 59904-SP, Diagramação: Editora Off, Colunistas: Bruno Genovezzi, Matéria de Capa: Beth Cataldo, Distribuição: Gratuita Tiragem: 10 mil exemplares, Foto Capa: Arquivo Pessoal, E-mail: exper@expernews.com.br. Publicidade: 11 2819-4457 Exper News é distribuído nas Indústrias e Comércios do Alto Tietê. O jornal não se responsabiliza pelo conteúdo dos anúncios. As opiniões emitidas em artigos assinados são de responsabilidade dos autores.


Sustentabilidade

Página 3 >>>>>>

A importância da logística verde

A

tualmente, a preocupação da sociedade com o meio ambiente torna a logística verde ainda

mais importante dentro do contexto das empresas. Trata-se da área da logística que se preocupa com os impactos ambientais das atividades sobre o entorno, tanto das pessoas quanto do ambiente em que está inserido. A preocupação com o meio ambiente, além de ajudar a sociedade, tende a atrair mais consumidores. Para o vice-

cialista em soluções de logística, existem

presidente do Conselho Americano de

questões importantes a serem monitora-

Negócios Sustentáveis, Richard Eidlin,

das pelas empresas que desejam adotar

com o crescimento da preocupação com a

melhores práticas de gestão ambiental.

natureza, as marcas passam a investir em

Entre elas, estão a vida média dos pneus

processos e ações sustentáveis, e tendem

utilizados para transporte de cargas, a

a ganhar credibilidade com o público.

quilometragem por galão de combustível

tica verde que a diferenciam da logística

No entanto, ele afirma que é pre-

utilizado, o total de aproveitamento de es-

reversa.

ciso ficar atento quanto às reais práticas, e

paço de carga pelos veículos e metas de

não apenas ao que as companhias alegam.

redução de resíduos de embalagens.

das indústrias. Em comum, ambas prezam pela

E aí, gostou de saber mais sobre

reciclagem, pela remanufatura e por ques-

a logística verde e sua importância? Essa

“Muitas empresas gastam mais tempo e

Uma confusão bastante comum

tões como embalagens reutilizáveis. Mas

área da logística tem como objetivo cen-

dinheiro com marketing para alegar que

quando o assunto é logística diz respeito

enquanto a logística reversa se encarrega

tral cuidar do impacto ambiental gerado

são sustentáveis do que de fato imple-

a nomenclatura. Afinal, logística verde

da devolução dos produtos e do retorno

cadeia produtiva. É importante frisar que

mentando medidas verdes”, alerta Eidlin.

e logística reversasão a mesma coisa? A

comercial por parte das empresas – obe-

a logística reversa é uma parte integrante

De acordo com o especialista, interesses

resposta é não. Embora tenham aspectos

decendo ao conceito “do berço à cova” -,

da logística verde, e não a mesma coisa.

de lobistas e de quem se opõe às práticas

semelhantes, e ambas sejam norteadas

a logística verde possui aspectos mais am-

Se você aprovou o artigo, não deixe de

sustentáveis podem levar a casos como

pela preocupação com o meio ambiente,

plos, como a preocupação com a redução

compartilhar o conteúdo com seus ami-

esses. De acordo com o LogCluster, espe-

existem alguns aspectos próprios da logís-

de embalagens e do impacto ambiental

gos, colegas e colaboradores.


Matéria Capa

Página 4 >>>>>>

A revolução IP não pára mais

C

ada vez mais empresas que que-

viços em campo, funcionários em filiais

a adoção em maior escala do modelo de

rem crescer e continuar móveis

e em casa ou trabalhadores externos, que

cobrança “Flat Fee” para Voz e volume de

está modernizando tanto seus

recebem um escritório inteiro no bolso da

Dados trafegados. A perda financeira de-

sistemas de telefonia quanto suas redes

jaqueta em forma de um stick UBS. Dessa

verá ser focada para serviços e conteúdo.

de dados. “Com uma rede IP consolidada

maneira, podem acessar os dados corpo-

para dados e voz, a empresa pode dimi-

rativos rápidos e confiavel de qualquer

verão assumir maior responsabilidade em

nuir os custos para a administração, ma-

lugar e também podem conectar-se com

relação ao anonimato dos fraudadores ao

nutenção e operação de sua rede dupla.

a rede de voz rápida da empresa, suave e

lidar com os conteúdos ilegais trafegados

Ao mesmo tempo, a empresa pode abrir

economicamente, salienta Ronaldo Ionta,

em sua rede, tais como: conteúdo porno-

um novo mundo de comunicações para os

diretor da RCOM Telecom.

gráfico, terrorismo, pedofilia e lavagem de

funcionários e parceiros de negócios, sa-

Essa nova independência de lo-

dinheiro. No mundo IP novas ameaças se

lienta Ediney Ramalho, diretor da RCOM

cal e o acesso conveniente e seguro dos

fazem presentes, ameaças essas que vão

Telecom.

dados corporativos dá às empresas a opor-

além das perdas financeiras, tais como:

Hoje em dia, a interação técnica

tunidade de reduzir espaços de escritórios

de TI e telecomunicações já produziu um

redundantes e de transformar o espaço de

grande número de estilos de trabalho pre-

trabalho necessário no local em salas e es-

viamente inconcebíveis. A virtualização

tações de trabalho para utilização flexível.

forma, exponencialmente a quantidade de

um disfarce ideal para o tráfico de drogas,

faz com que o trabalho seja mais móvel

O trabalho de equipe também

dados para serem analisados, correlacio-

o crime organizado, o terrorismo e a lava-

Empresas de seguro, por exem-

está se tornando mais eficiente graças às

nados de e para diferentes fontes de dados.

gem de dinheiro.

plo, começaram a basear seus sistemas de

redes IP. Um exemplo é a Comunicação

telecomunicações inteiro na rede. Telefo-

Unificada, nas quais vários canais de co-

aos fraudadores um leque variado de no-

devido ao consumo de recursos da rede:

nes “não inteligentes” podem acessar in-

municação e aplicações são agrupados

vos meios para cometer fraudes ainda não

DoS, Spam, Malware.

dependentemente funções e os clientes se

num sistema comum e conectados direta-

previstas, tais como as que acontecem na

beneficiam com a distribuição inteligente

mente à rede TI. Dessa maneira, funcioná-

internet.

manipulação de indicadores de qualidade

de sua chamada para o consultor certo,

rios podem iniciar chamadas ou reuniões

A natureza IP dos serviços de

de serviço, onde Provedores de Conteúdo

que imediatamente acha o arquivo da pes-

espontâneas com chats e acesso conjunto

nova geração possibilitará a concorrência

cobram por qualidade de serviço não ofer-

soa que faz a chamada em sua tela. “Mas

de dados diretamente do Outlook. O novo

de atividades paralelas pelo assinante e a

tado.

a rede IP pode fazer muito mais. É capaz

mundo de IP também está ajudando a re-

maior complexidade da cadeia de valor

de disponibilizar dados e aplicações em

duzir o stress de viajem e o bloco de custo

terá como consequência:

e conteúdos, realizando a revenda não au-

qualquer lugar. Por exemplo, para ser-

associado com reuniões.

torizada de conteúdos de terceiros.

Telepresence refere-se a tecnolo-

trole para os sistemas de nova geração

gia de vídeoconferência que pode ser ins-

deverá ser em maior número e mais com-

radora, devido a Interrupção de Serviço,

talada regionalmente ou no mundo todo,

plexos. A interação da monitoração dos

provocando perda (Churn) de assinantes

onde os participantes da reunião têm a

assinantes com a monitoração de uso da

lucrativos.

impressão de estarem sentados na mesma

rede. O gerenciamento de vulnerabilida-

mesa. A percepção de “uma sala única”

des nesse ambiente convergente onde os

final (ringtones, filmes, etc.), quando da

é produzida pela tela de alta resolução, a

mundos de telecom e datacom se encon-

ocorrência de problemas no terminal celu-

mobília idêntica das salas de conferência,

tram, inclui as ameaças do mundo data-

lar e não existência de política (serviço) de

sistemas de áudio de alta qualidade e a

com, tais como: Hacking; Spoofing; Tro-

backup oferecido pela operadora. Sabota-

transmissão por banda larga sem nenhum

jan-Horses; Denial of Service; Malware;

gem de Serviços em geral.

retardo de tempo.

entre outros.

Neste ambiente surge como ten-

ca relacionada ao anonimato de atividades

e voz oferecem uma variedade de novos

dência a ocorrência de fraudes cada vez

ilegais, tais como: Pedofilia, Pornografia,

serviços e novos meios para as tecnolo-

mais técnicas e uma diminuição de per-

Terrorismo, Lavagem de Dinheiro.

gias de redes celulares aumentando, desta

das financeiras para as operadoras devido

Ediney Ramalho, diretor da RCOM Telecom

A convergência da mídia, dados

Ronaldo Ionta, diretor da RCOM Telecom

Por outro lado as operadoras de-

Falsificação de Identidade, onde

o usuário esconde sua identidade através de um assinante real, funcionando como

Esta miríade de opções oferece

A necessidade de pontos de con-

Perda de Qualidade do Serviço

Violação de SLA por meio da

Utilização imprópria de serviços

Deterioração da imagem da ope-

Perda de conteúdo pelo usuário

Responsabilidade Social e Políti-

Segue de quem é a responsabi-


Matéria Capa

Página 5 >>>>>> da informação.

A rede é global. Depende da si-

tuação geográfica em que se encontra o cliente. Para o cliente não importa qual a conectividade que você está usando, e sim qual o tipo e a qualidade dos serviços em nível global.

Hoje o custo para o cliente é me-

nor, isso é uma tendência mundial. Você passa a ter hosting feito de um lugar para o mundo inteiro. Você passa a ter uma rede gerenciada desse tipo em que o cliente pode até comprar esse serviço, e não prelidade pela segurança nas redes móveis

A RCOM Telecom tem um por-

no México, e continua das 8 da manhã até

cisa tê-lo dentro de sua empresa. Então, o

IP? Provedores de Rede; Provedores de

tfólio de produtos muito bom, baseado

às 8 da noite na China. Isso faz com que

que está acontecendo é que, dado o fator

Acesso à Rede (LAN, ADSL, Fibra, Rá-

em IP. “Estamos trazendo vários clientes

o ciclo de design para desenhar um carro,

econômico dessas propostas, dada a capa-

dio); Provedores de Serviço e Conteúdo;

para esse portfólio. Temos que fazer mais

que era de oito meses, passe a ser quatro

cidade de uma rede como a nossa, de po-

Provedores de Serviço de acesso à Inter-

do que vínhamos fazendo. O objetivo prin-

ou cinco. Isso promove um ganho de pro-

der transmitir essa tecnologia para aonde

net; Fabricantes de Terminais; Usuários

cipal é dar foco, e aumentar a represen-

dutividade muito grande, que é a grande

você quiser, na transição de um produto

e Assinantes. No caso dos fabricantes de

tatividade para o crescimento de nossos

área em que todo mundo quer investir.

para outro, o cliente acaba até compran-

terminais, com o acesso livre à internet e

clientes”, salienta Ediney Ramalho, dire-

No mercado norte -americano

do mais aplicativos pelo mesmo dinheiro.

um ambiente não proprietário e fechado,

tor da RCOM Telecom.

ainda existe um grande volume de chama-

Por isso, é que existe o aumento de pro-

eles deverão dar uma atenção muito maior

A globalização da manufatura le-

das de longa distância, de voz. Esse balan-

dutividade. Porque o custo nominal que o

à segurança dos terminais.

vou à globalização de aplicações, e nós so-

ço as próprias empresas americanas estão

cliente tem é o mesmo, mas a quantidade

As operadoras não deveriam atuar

mos o agente promotor disso, o facilitador.

fazendo agora. O mesmo acontece com

de aplicativos que ele tem é muito maior.

passivamente em relação às ameaças (ví-

Porque, agora, com a tecnologia IP, tanto

aplicação de voz. Ou, exemplo mais radi-

rus, spam, etc.), pois podem derrubar sua

faz aonde você está. Uma empresa que

cal ainda: a mudança que houve do telefo-

logia, existe um crescimento muito grande

rede e afastar seus assinantes lucrativos. No

tem um design center no México e outro

ne analógico para o digital. Está havendo

na área de IP, na transferência de produtos

nível de infraestrutura de rede, começam a

na China, e trabalha 24 horas por dia para

uma transição, e essa mudança está indo

da linha de ATM para a linha de IP. E a

se equipar para monitorar e filtrar conteú-

desenhar um carro. Ele começa a desenhar

de ATM para IP. E com isso está havendo

posição atual da RCOM Telecom está ali-

dos corrompidos, spams e vírus.

às 8 horas da manhã até às 8 horas da noite

uma consolidação do IP com a tecnologia

nhada a essa tendência mundial.

Pensando em transição de tecno-


Cacomex-AT

Página 6 >>>>>>

Exportação de ovos em 2015 cresce 53,5%

C

onfirmando o bom momento da

natura no ano passado, foi o grande desta-

avicultura, as empresas exporta-

que, com vendas superiores a 1,5 mil tone-

doras de ovos (in natura e pro-

ladas. Além de ser um ‘passaporte’ para a

cessados) do Brasil embarcaram 53,5%

abertura de novos mercados, visto o nível

mais produtos em 2015, em relação ao ano

de exigências imposto para a realização

de 2014. Com isto, conforme a Associação

das exportações, a forte demanda de pro-

Brasileira de Proteína Animal (ABPA), os

dutos para o mercado japonês deverá gerar

embarques chegaram a 18,74 mil tonela-

saldos ainda melhores em 2016”, destaca

das nos doze meses do ano passado.

Ricardo Santin, vice-presidente de aves da

O saldo positivo favoreceu o re-

ABPA. O principal destino são os Emi-

ao aumento da produção, tendo em vista

mês beiram os 10% na Grande Belo Ho-

sultado cambial das vendas de 2015, tota-

rados Árabes, participando com 73% (ou

que as galinhas botam mais com os dias

rizonte e no Rio de Janeiro, com as mé-

lizando US$ 24,1 milhões, número 43,2%

10,7 mil toneladas) do volume total ex-

mais longos. Porém, o forte calor nos últi-

dias a R$ 80,42/cx (+9,2%) e a R$ 80,34/

superior ao registrado em 2014.

portado nos dez primeiros meses do ano.

mos meses prejudicou tanto a quantidade

cx (+9,6%), respectivamente. Em relação

“O setor de ovos recuperou-se da

Outro mercado que vem ganhando espaço

produzida quanto a qualidade da casca e

ao mesmo período de 2014, os preços es-

retração das vendas para Angola em 2014,

é o japonês, que importou 968,6 toneladas

tamanho dos ovos, ao mesmo tempo em

tão 41,9% e 38% maiores. Colocados na

investindo na abertura de novos mercados

de janeiro a outubro, ante apenas 93 tone-

que elevou a mortalidade de galinhas mais

Grande São Paulo, os ovos vermelhos pas-

e fortalecendo seus laços com o Oriente

ladas em igual intervalo de 2014.

velhas, reduzindo a oferta.

saram para a média de R$ 79,01/cx no dia

Médio”, destaca Francisco Turra, presi-

25, aumento de 9,1% no balanço do mês e

dente-executivo da ABPA.

leiros de ovos geraram US$ 18,9 milhões

dia 25), o preço médio dos ovos tipo ex-

de 41,1% no comparativo anual.

Consolidados como principais

nos dez primeiros meses deste ano, mon-

tra, branco, a retirar em Bastos (SP), subiu

destinos do setor exportador de ovos do

tante 58,8% maior que o obtido em igual

5,6%, com a caixa com 30 dúzias passan-

colocado na Grande São Paulo, a valori-

Brasil, os países do Oriente Médio impor-

período de 2014. Desse total, US$ 12,4

do para R$ 66,94 no dia 25 – valorização

zação é de 5,6% na parcial do mês e de

taram 14,22 mil toneladas no ano passado,

milhões ou 65,6% foram provenientes das

de 48,5% frente ao ano passado (sem ser

41,7% em um ano, com a caixa com 30

volume 56% a mais em relação ao saldo

vendas aos Emirados Árabes. Em outubro,

considerada a inflação do período). Para

dúzias passando para a média de R$ 72,56

de 2014. Os Emirados Árabes Unidos fo-

a renda total foi de US$ 4,3 milhões, 88%

os ovos vermelhos, o aumento é de 7%

nessa quarta. O produto colocado em Belo

ram o “carro-chefe” das vendas no ano,

acima da registrada há um ano, ainda con-

ao longo do mês e de 38,6% frente a 25

Horizonte encerrou o dia 25 na média de

com 13,77 mil toneladas.

forme números da Secex.

de novembro do ano passado, com a caixa

R$ 73,79/cx, e, no Rio de Janeiro, de R$

Segundo pesquisadores do Ce-

tendo média de R$ 73,30/cx nessa quarta-

73,78, respectivas altas de 5,9% e 6,3% no

vendas para a Ásia apresentaram cresci-

pea, neste período do ano, as cotações

feira. Nas negociações que incluem a en-

comparativo com o encerramento de outu-

mento de 861%, chegando a 2,06 mil. “O

domésticas tenderiam a diminuir devido

trega do produto (com frete), as altas de

bro e de 45,2% e 41%, nesta ordem, sobre

Japão, aberto para exportação de ovos in

à maior concorrência com o ovo caipira e

preços do vermelho extraacumuladas no

igual data do ano passado.

Ocupando o segundo lugar, as

Em receita, os embarques brasi-

Na parcial de novembro (até o

Para o ovo tipo extra, branco,


Educação

Página 7 >>>>>>

Nº de brasileiros estudando nos EUA cresce 78%

M

atrículas de brasileiros nos

Estados Unidos foram de

do Zuniga, afirmou que “o Brasil é muito

13.286 para 23.675. Brasil

importante e está se tornando mais impor-

já é o 6º país que mais envia alunos para

tante para as instituições de ensino supe-

universidades americanas.

rior americanas”.

O número de universitários bra-

À época, o cônsul-geral, Ricar-

O número de estudantes dos Es-

sileiros estudando nos Estados Unidos

tados Unidos matriculados em institui-

cresceu 78% entre 2013 e 2014, fazendo

ções brasileiras, porém, não seguiu o mes-

com que o Brasil pulasse da 10ª para a 6ª

mo ritmo de crescimento. Entre os anos

posição no ranking de países que mais

letivos de 2012-2013 e de 2013-2014 (o

enviam intercambistas para os EUA. Se-

IIE sempre publica as estatísticas sobre

gundo o relatório anual Open Doors, do

os americanos com um ano de atraso), a

Instituto de Educação Internacional (IIE,

sileiros em se matricular em instituições

completo de estudantes de graduação vin-

quantidade de matrículas de alunos ame-

na sigla em inglês), divulgado nesta se-

americandas.

do aos Estados Unidos com bolsa de estu-

ricanos no Brasil ficou estagnada (foi de

gunda-feira (16), entre os 25 países no

O relatório faz parte de um cen-

dos do programa de mobilidade científica

4.223 para 4.226).

topo desta lista, nenhum cresceu a uma

so anual que o IIE conduz desde 1919, e

do governo brasileiro, além de um inte-

velocidade tão alta quanto o Brasil.

desde 1972 a pesquisa é feita em parceria

resse crescente de estudar nos EUA entre

na opção de destino dos intercambistas

Segundo o instituto, no ano leti-

com o setor de Educação e Assuntos Cul-

os alunos brasileiros”, afirmou a entidade,

americanos (no ano passado, ele ocupava

vo de 2014-2015 os Estados Unidos regis-

turais do Departamento de Estado ameri-

em um comunicado.

a 14ª colocação). No mesmo período, a

traram 23.675 brasileiros matriculados no

cano.

A procura por universidades e

África do Sul, a Argentina e a China re-

ensino superior americano. No ano letivo

Atualmente, o Brasil ultrapassou

faculdades americanas como destino de

gistraram queda na entrada de estudantes

anterior, o número era de 13.286. Os bra-

o México, o Vietnã, o Japão e Taiwan, e

graduação de brasileiros não caiu por

americanos, de 6,9%, 5,5% e 4,5%, res-

sileiros atualmente representam 2,4% do

está atrás apenas de cinco países em quan-

causa da alta do dólar neste ano. Em se-

pectivamente.

total de estudantes estrangeiros nos EUA.

tidade de intercambistas: China, Índia,

tembro, o Consulado dos Estados Unidos

Coreia do Sul, Arábia Saudita e Canadá

em São Paulo registrou uma participação

intercambistas: 135.130 em 2014-2015,

mais uma vez, ao programa Ciência sem

“O Brasil subiu para o número

recorde de 86 instituições americanas par-

um aumento de 11,1% em relação ao ano

Fronteiras (CSF), criado pelo governo fe-

seis entre os países de origem [dos estu-

ticipando da edição de São Paulo da Edu-

anterior. O segundo estado é Nova York,

deral em 2011. Mas também lembrou o

dantes] (comparado ao número 10 no ano

cationUSA, a maior feira de intercâmbio

com 106.758. O Texas veio em terceiro

“interesse crescente” dos estudantes bra-

anterior), refletindo o terceiro ano letivo

do governo americano.

lugar, com 75.888 intercambistas.

O IIE creditou esse aumento,

O Brasil representa o 15º país

A Califórnia é o estado com mais


Núcleo Jovem

Página 8 >>>>>>

O poder do storytelling no empreendedorismo endedores descobriram essa ferramenta,

mesmo inconscientemente. Um jovem

recente ou nos primórdios, como criança.

usando-a inicialmente com a mesma fina-

que nunca conseguiu se adequar ao mo-

Um momento marcante ou vários mo-

aiba como usar a ferramenta para

lidade: contar a sua história para atrair a

delo formal e rígido de ensino pode ter

mentos que se repetem, criando um pa-

identificar uma oportunidade de

simpatia de consumidores e, assim, vender

decidido abrir uma escola. Uma pessoa

drão, desejado ou indesejado, que explica

negócio e fazer uma conexão com

mais produtos. Mas agora o storytelling

que tem saudades das histórias que seu pai

a origem das ideias do empreendedor -

seu propósito, seus sonhos, seus ideais

encontrou outro objetivo – unir a história

contava pode inaugurar um negócio de ar-

uma dor, uma necessidade, um problema

do empreendedor e do seu negócio com a

tefatos para a hora de dormir. Uma moça

a resolver. A segunda parte, ‘nós’, serve

nha como sonho colocar um telefone em

identificação de uma missão e propósito.

cujos pais eram obrigados pela profissão a

para criar empatia. É quando se inclui

cada casa do Brasil. Para isso, ele fundou

O Instituto Empreender Ende-

mudar de cidade ou país a cada dois anos

outras pessoas na história, ajudando, atra-

uma empresa que levava linhas para todos

avor foi uma das primeiras instituições

pode montar uma agência de viagens e

palhando, completando. Neste momento,

os lugares, inclusive cidades que eram tão

no Brasil a usar o recurso de storytelling

mudanças.

temos um encontro do empreendedor com

distantes e tão pequenas que não justifica-

para disseminar a cultura empreendedora

as pessoas que ouvem seu relato, que se

vam o investimento da empresa. Mesmo

no país. Por meio da série de vídeos in-

ideia de negócio para montar, resgate

identificam em pontos da história.

assim, ele insistia em levar as linhas - e

titulada ‘Day1’, vários empreendedores

seus valores na sua história de vida, nas

chegava mesmo a se pendurar nos postes

contam suas histórias, a maioria carrega-

experiências que viveu, nas pessoas que

chamado para a ação, o momento da co-

para conectar aquela cidade com o mun-

da de emoção, para inspirar mais jovens a

conheceu, nos lugares que frequentou.

nexão do ‘eu’ e do ‘nós’ com uma causa,

do.

buscarem a carreira empreendedora como

Encontrar uma oportunidade de negócio

um propósito, representando uma ligação

opção de vida.

nessas circunstâncias torna a empresa não

que vai despertar, na publicidade, o dese-

decidir comprar uma linha telefônica des-

O que pouca gente sabe é que

só mais crível, mas com mais significado

jo do consumidor de ter aquele produto.

sa empresa do que acreditar em um anún-

a prática do storytelling é um caminho

e valor, pois o empreendimento pode res-

Ou, no caso da empresa, é onde se atribui

cio em panfletos de outra companhia, não

bastante útil para o futuro empreendedor

gatar coisas boas que você viveu ou resol-

um significado para o projeto ou negócio

é? Bem, essa companhia usou storytelling

identificar uma boa oportunidade de ne-

ver problemas que você enfrentou.

que o empreendedor está montando.

para vender linhas telefônicas, um recurso

gócio e descobrir seu senso de propósito

cada vez mais usado na publicidade para

e missão. Ao narrar sua história, ele mer-

se nos três componentes do storytelling:

segue criar sua narrativa com esses três

despertar o desejo de compra dos consu-

gulha no passado e enfatiza pontos impor-

o EU, o NÓS e o chamado. A primeira

componentes interligados e bem amar-

midores, envolvendo-os em histórias sen-

tantes da sua vida, que acabam por definir

parte, o ‘eu’, serve para criar o clima da

rados, ele consegue encontrar a fonte de

síveis, que geram empatia e com as quais

a pessoa que o empreendedor se tornou.

história e situar o empreendedor na narra-

inspiração de suas ideias, seu propósito,

os futuros consumidores se identificam.

Muitas dessas experiências passadas po-

tiva, começando sempre por algum even-

seus ideais, seus sonhos. É quando surge a

dem influenciar a escolha do negócio, até

to importante em sua vida, seja na idade

energia que alimentará sua determinação.

por Marcos Hashimoto

S

Era uma vez um senhor que ti-

Bonita história, não? É mais fácil

Mais recentemente, os empre-

Se você está procurando uma

Ao preparar a sua narrativa, pen-

A terceira parte é sempre um

Quando o empreendedor con-

Jornal Exper News  
Jornal Exper News  

Edição Número 09

Advertisement