Page 1

SéRIE ESPEcIAl: O fUTURO DA ENERGIA lIMPA DO bRASIl

www.empreendedor.com.br

ANO 18 N o 215

SETEMBRO 2012 R$ 9,90

Negócios criativos, inovadores e rentáveis

Os novos milionários da educação Urgência na capacitação de mão de obra impulsiona mercado de cursos de formação rápida e ensino a distância

IS SN 1414-0 152

Carlos Wizard, do Grupo Multi Holding, líder mundial no mercado de ensino de idiomas e cursos profissionalizantes

fRANqUIAS COMO FUNCIONAM AS VENDAS PElA INTERNET

PERfIl O CRESCIMENTO CONTÍNUO DA FlASH! IDIOMAS

MARcOS MARTINS PlANEJAR AUMENTA CHANCES DE SUCESSO EM 60%


NES TA EDI ç Ã O

20 | O PUlO DA EDUcAçÃO

empreendedor | setembro 2012

O problema da falta de mão de obra qualificada afeta 69% das empresas, segundo dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Embora a raiz da deficiência esteja no ensino básico, não dá para esperar que uma nova geração seja formada com qualidade. Como reverter esta situação e recuperar décadas de atraso em poucos anos? Problema para alguns, oportunidade de negócio para outros. A necessidade urgente de qualificação do trabalhador brasileiro tem atraído um grupo farto de empreendedores para o segmento da educação. Nunca se viu tantas universidades, escolas de idiomas e cursos profissionalizantes abrindo as portas no Brasil. Confira como governo e mercado têm se movido para melhorar a formação profissional do brasileiro.

6

28 | GRUPO MUlTI hOlDING Carlos Wizard dava início em sua própria casa ao grupo que hoje é líder mundial no mercado de ensino de idiomas e cursos profissionalizantes

30 | ANhANGUERA EDUcAcIONAl Maior grupo de ensino superior privado da América latina procura atender jovens que precisam trabalhar de dia e estudar à noite

32 | PREPARA cURSOS PROfISSIONAlIZANTES Metodologia de ensino exclusiva e individualizada de educação profissionalizante é sucesso entre estudantes e franqueados da rede


50 | PERfIl Paulo Macedo A capacidade de superar contratempos, somada à visão de negócios de Paulo Macedo, levou a Flash! Idiomas a um faturamento na casa dos milhões.

lEIA MAIS

34 | PANORAMA Bons ventos

O consultor e professor do Ibmec/ Rio afirma que a qualidade do empreendedorismo no Brasil pode aumentar com incentivo desde a escola e uso de planejamento.

O Brasil tem um dos melhores potenciais eólicos para produção de eletricidade no mundo, em grande escala e a baixo custo, especialmente na Região Nordeste e no Rio Grande do Sul. E, além de energia, os ventos trazem muitas oportunidades de negócio.

42 | fRANqUIA Forças somadas A popularização da internet, que possibilita à maioria dos brasileiros acesso a inúmeros produtos e serviços por meio do e-commerce, faz com que as redes tracem diferentes estratégias para evitar a concorrência entre os diversos pontos de venda nos ambientes físicos e virtuais.

NÃO DURMA NO PONTO

45

MEGAFONE

58

EMPREENDEDORISMOJÁ.COM

59

BANHO DE LOJA

62

PENSE GRANDE

64

ANÁLISE ECONÔMICA

46 56 60 66

FRANQUIAS PRODUTOS E SERVIÇOS LEITURA AGENDA

O que importa tem o poder de aumentar muito a eficácia do que funciona. Os vestígios serão decorrentes dessa escolha e decisão. Ficarão rastros ou pegadas.

Oferecer novas ideias agrega valor ao trabalho. Como a empresa pode oferecer diferenciais para os que trabalham com criação terem um momento de descontração para pensar fora da caixa?

Quem é o cliente? Uma pessoa como nós, como nossos parentes, vizinhos, amigos. Então vamos mudar de Relacionamento com o Cliente para Relacionamento com as Pessoas.

Tudo o que está em volta do produto afeta a percepção – isto é merchandising. Saber alinhar todas essas percepções e estímulos é fazer comunicação estratégica para construir marcas.

Para se tornar um empresário rico e feliz você tem, necessariamente, que assumir o papel de presidente. Então faça isso. Pense grande. Aja como presidente!

A atual conjuntura empresarial exige processos mais transparentes que possibilitem um ambiente com atmosfera de equidade e confiança.

empreendedor | setembro 2012

12 | ENTREvISTA Marcos Martins

10

7


ED I T ORI A l

empreendedor | setembro 2012

S

8

em inovação não há competitividade. Mas sem educação não há inovação. Sem educação tampouco há mão de obra qualificada, problema que atinge a economia brasileira devido à histórica falta de investimentos na formação educacional de pessoas. A falta de trabalhadores qualificados afeta 69% das empresas, segundo pesquisa elaborada em 2011 pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Um estudo recente do Instituto Global McKinsey mostra que, com a redução da força de trabalho no País, que crescia 2,5% ao ano na década passada e passará a crescer menos de 1% ao ano nos próximos anos, e a falta de profissionais altamente qualificados, o Brasil corre o risco de sofrer uma grave estagnação nos níveis de produtividade. Para mais da metade (52%) das empresas do setor industrial consultadas pela CNI, a má qualidade da educação básica é uma das principais dificuldades para qualificar os funcionários. Os números demonstram isso: 15% das crianças com oito anos ainda não estão alfabetizadas; 9,7% da população com mais de 15 anos é analfabeta; e 31% da população com 35 a 49 anos é analfabeta funcional. O Programa Internacional de Avaliação do Estudante (Pisa) de 2006 listou o Brasil em 49º lugar no teste de leitura e em 52º lugar em ciências, entre 57 países. Em matemática, a situação foi pior: o Brasil ocupou a 54ª posição. Os dados da CNI ainda mostram que o investimento por estudante nos três ciclos da educação básica representa apenas 20% do investimento médio dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (Ocde). E, no total, investimos menos do que eles (5,1% do PIB contra 5,3%), que já superaram boa parte dos obstáculos que o Brasil tem pela frente. Mas não dá para esperar a formação de uma nova geração, pois o problema é contemporâneo. Para se ter uma ideia, a falta de mão de obra qualificada no Brasil tem gerado um aumento significativo nas autorizações de trabalho para estrangeiros. De acordo com dados do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), nos primeiros três meses de 2012, os vistos concedidos a profissionais qualificados em caráter temporário cresceram 33% na comparação com o mesmo período do ano passado. Como reverter essa situação e recuperar décadas de atraso em poucos anos? A solução para o problema pode estar na ampliação e fortalecimento do ensino técnico e profissionalizante e das graduações de curta duração, que rapidamente podem colocar no mercado profissionais aptos a preencher as vagas existentes. Nos países da Ocde, por exemplo, a média é que 54% dos estudantes do ensino médio estão matriculados em cursos profissionalizantes ou pré-profissionalizantes. No Brasil, esse percentual não chega a 10%. Aqui, as matrículas em cursos superiores de curta duração correspondem a 10% das matrículas nos cursos superiores tradicionais, enquanto na média da Ocde essa proporção sobe para 25%. E, com o auxílio das tecnologias de ensino a distância, o alcance desses cursos torna-se significativamente maior, tanto pela questão geográfica quanto pela liberdade de horários proporcionada aos estudantes. Aprende, Brasil! Alexsandro Vanin

A Revista Empreendedor é uma publicação da Editora Empreendedor Diretor-Editor: Acari Amorim [acari@empreendedor.com.br] Diretor de Comercialização e Marketing: Geraldo Nilson de Azevedo [comercial@centralcomunicacao.com.br] Redação Editor-Executivo: Alexsandro Vanin [vanin@ empreendedor.com.br] – Repórteres: Ana Paula Meurer, Cléia Schmitz, Mônica Pupo, Raquel Rezende – Edição de Arte: Gustavo Cabral Vaz – Projeto Gráfico: Oscar Rivas – Fotografia: Arquivo Empreendedor, Carlos Pereira e Shutterstock – Foto da capa: Shutterstock – Revisão: Lu Coelho Sedes São Paulo Coordenador: J. A. Calderellyh – Executivo de Contas: Carlos Chagas [chagas@empreendedor.com.br] e Fernando Sant’Anna Borba [empreendedorsp@empreendedor. com.br] – Rua Pamplona, 1.465 – Conjunto 74 – 01405-002 – Jardim Paulista – Fone/Fax: (11) 3214-1020 / 3887-2193 Florianópolis Coordenador: Paulo Henrique Martins [anuncios@empreendedor.com.br] – Executiva de Contas: Joana Amorim [joana@empreendedor.com.br] – Rua Padre lourenço Rodrigues de Andrade, 496 – Santo Antônio de lisboa – 88050400 – Florianópolis – SC – Fone: (48) 3371-8666 Central de Comunicação – Rua Anita Garibaldi, nº 79 – sala 601 – Centro – Florianópolis – SC – Fone (48) 3216-0600 [comercial@centralcomunicacao.com.br] Escritórios Regionais Rio de Janeiro Triunvirato Empresarial – Milla de Souza [milla@triunvirato.com.br] – Caixa Postal nº 105.051 – 24230970 – Niterói – RJ – Fones: (21) 2611-7996 / 9607-7910 Brasília Ulysses Comunicação Ltda. [ulyssescava@ gmail.com] – Fones: (61) 3367-0180/9975-6660 – Condomínio Ville de Montagne, Q.01 – CS 81 – lago Sul – 71680-357 – Brasília – Distrito Federal Paraná Merconeti Representação de Veículos de Comunicação ltda – Ricardo Takiguti [ricardo@merconeti.com.br] – Rua Dep. Atílio Almeida Barbosa, 76 – conjunto 3 – Boa Vista – 82560-460 – Curitiba – PR – Fone: (41) 3079-4666 Rio Grande do Sul Nenê Zimmermann [nene@starteronline.com.br] – Floresta – 90440-051 – Porto Alegre – RS – Fone: (51) 3327-3700 Pernambuco HM Consultoria em Varejo ltda – Hamilton Marcondes [hmconsultoria@hmconsultoria.com.br] – Rua Ribeiro de Brito, 1111 – conjunto 605 – Boa Viagem – 51021310 – Recife – PE – Fone: (81) 3327-3384 Minas Gerais SBF Representações – Sérgio Bernardes de Faria [sbfaria@sbfpublicidade.com.br] – Av. Getúlio Vargas, 1300 – 17º andar – conjunto 1704 – 30112-021 – Belo Horizonte – MG – Fones: (31) 2125-2900 / 2125-2927 Departamento Financeiro Gerente: Claudia C. C. do Prado [financeiro@empreendedor.com.br] – Fone: (48) 3371-8666 Assinaturas Serviço de Atendimento ao Assinante – [assine@empreendedor.com.br] – O valor da assinatura anual (12 edições mensais) é de R$ 118,80 à vista. Renovação de Assinatura R$ 112,86 à vista. Produção Gráfica Impressão e Acabamento: Coan Gráfica Editora CTP – Distribuição: Dinap – Distribuidora Nacional de Publicações Empreendedor.com http://www.empreendedor.com.br Editora: Carla Kempinski


9

empreendedor | setembro 2012


NÃO DU R M A NO P O NT O

DEIXE PEGADAS, NÃO RASTROS Ao examinar as suas pegadas, um homem não gostou do que viu. Incomodado, começou a acelerar o passo. Porém, quanto mais acelerava, mais marcas deixava impressas no chão. E como não se orgulhava do que via, tratava de ir ainda mais depressa, querendo se afastar o quanto antes de seus próprios feitos. Foi assim que a pressa entrou em sua vida e foi assim que a vida passou tão depressa que nem deu tempo do homem desfrutar essa vivência. Nem deixar as suas melhores pegadas. Só restaram rastros passageiros, rapidamente apagados e esquecidos. É sutil a diferença entre rastros e pegadas. Ambos são vestígios, mas de diferentes sinais. Eles falam mais sobre nós do que os nossos discursos. Para saber quem uma pessoa verdadeiramente é, melhor levar menos em conta o que ela diz a respeito de si mesma e das suas intenções e considerar o que realiza, os sinais e marcas que deixa, depois de ter passado. São as suas pegadas, o seu legado. Vale para as pessoas, igualmente para as empresas e os negócios.

empreendedor | setembro 2012

Negócios vãos

10

Para muitos, o trabalho é um meio provedor de vida. Nada muito além de um jeito de assegurar o pão de cada dia. Esse entendimento, estendido aos negócios (e negócios não são mais do que projeções dos modelos mentais de seus empreendedores e líderes), gera empresas cujo propósito é o de sobreviver. Não são poucos os líderes que conduzem seus negócios concentrados apenas na luta pela sobrevivência. Vendem o almoço para pagar o jantar. Ganham em um semestre o que perdem em outro.

E não conseguem sair dessa roda-viva. Olham para fora e culpam a economia e o mercado, a competição predatória e as pessoas, sejam elas clientes ou empregados, fornecedores ou financiadores. Diante da competição desenfreada e do foco insano no afã de sobreviver, é muito tentador flexibilizar a ética e a estética. É nesse resvalo que as pegadas se transformam em rastros deformados e superficiais, nada que empolgue nem cause admiração em quem os vê. São marcas que não atraem bons seguidores, sejam eles clientes ou colaboradores. Não constroem negócios bem-sucedidos e perenes. Nada que ficará na história ou que seja razão de orgulho para os herdeiros. São negócios que vão do mesmo jeito que chegam. Negócios vãos.

Pegadas e legados

Consultei o Houaiss e ele define legado como o que é transmitido às gerações que se seguem. Oras! Quem vive o sustento e a sobrevivência fica estagnado no imediatismo, não pensa em futuro nenhum, muito menos nas futuras gerações. Quer salvar o seu e salvaguardar o que conquistou. Não pensa em legado nem está interessado nas pegadas que deixa. Vive o efêmero e o superficial. Essa visão de curto prazo tem criado empresas atrofiadas, que nada pensam e nada criam, embora sejam muito eficientes em se defender de ameaças reais e imaginárias. Jogam bem na retranca, mas sem lances criativos em busca do gol. No final, perdem todos os campeonatos. O mundo dos negócios pode ser visto, entretanto, como um ambiente recreativo, e o mercado como um lugar onde tudo ainda está para ser feito. São muitas

Quem caminha apressado anseia por alcançar algo que supõe estar do lado de fora. Faz do trabalho uma maratona sem propósito, que resulta apenas em rastros de sangue, suor e lágrimas

as necessidades, tantas as demandas, várias as oportunidades. Mas esse universo de possibilidades só é enxergado por quem tem em mente uma pegada, um legado a deixar. Sim, porque não existe realidade objetiva. A realidade depende do ângulo de visão. A realidade vista na pressa de quem só deixa rastros é muito diferente da realidade vista a partir da serenidade de quem deseja deixar a sua melhor pegada. Quem caminha apressado anseia por alcançar algo que supõe estar do lado de fora. Faz do trabalho uma maratona sem propósito, que resulta apenas em rastros de sangue, suor e lágrimas. Quem pensa deixar um legado coloca o coração na frente e o segue. Esse coração é representado pelo desejo de realizar algo, de contar uma história, de sentir orgulho da sua obra, de trazer outras pessoas para que todos, juntos, cruzem a mesma linha de chegada. O que essa pessoa tem dentro de si ela deixa por onde passa, a cada passo, na forma de pegadas. E muitos são os que querem seguir essas pegadas, caminhar juntos, participar da mesma andança, compartilhar o mesmo legado.

Faça a pergunta certa

Quando a preocupação é só com o sustento, logo se imagina a recompensa financeira. Existe uma relação direta entre uma coisa e outra. Quando se pensa em negócios, o que vem à mente é a riqueza econômica. Aqui também existe uma relação direta. Nessa visão simplificada, a pergunta geralmente feita é: como fazer para tudo funcionar e dar certo? Na busca do que funciona, troca-se o “porque” pelo “como”, o que importa pelo que funciona, os fins pelos meios. É nesse descuido que as pegadas se transformam em rastros.


por Roberto Adami Tranjan

Em vez de sair a esmo em busca do que funciona, pense no que verdadeiramente importa. Isso pode mudar o curso da história. Tem o dom de preparar um novo futuro. O que verdadeiramente importa? Qual a pegada que você gostaria de deixar? Estas são as perguntas certas! Para isso é preciso crer para ver. É difícil enxergar um legado quando não acreditamos que ele possa existir. Quando acreditamos, somos capazes de encontrar sem que seja preciso procurar. E, quanto menos esperamos, transformamos esse legado em pegadas, um traço único na forma de caminhar. O legado é e sempre será moldado por essa fé, capaz de promover os valores humanos, do que contribui com o mundo e ajuda na construção de uma obra maior. A recompensa financeira e econômica é e sempre será decorrência, nunca o propósito. O que funciona em nada garante o que verdadeiramente importa; mas o que importa tem o poder de aumentar muito a eficácia do que funciona. Os vestígios serão decorrentes dessa escolha e decisão. Ficarão rastros ou pegadas. Uns cobertos imediatamente pela poeira, tal qual um lápis branco que rabisca uma folha da mesma cor. Ou então inconfundíveis marcas para a eternidade.

Quem pensa deixar um legado coloca o coração na frente e o segue. Esse coração é representado pelo desejo de realizar algo, de contar uma história, de sentir orgulho da sua obra, de trazer outras pessoas para que todos, juntos, cruzem a mesma linha de chegada

empreendedor | setembro 2012

Educador da Cempre Conhecimento & Educação Empresarial (11) 3873-1953/www.cempre.net roberto.tranjan@cempre.net

11


ENTREvI S TA

Marcos Martins

MAIS E MElhOR Continua a crescer a quantidade de empreendedores no Brasil, mas a qualidade deles pode ser melhor com incentivo desde a escola e uso de planejamento por Ana Paula Meurer

empreendedor | setembro 2012

anapaula@empreendedor.com.br

12

No Brasil, 27 milhões de pessoas possuem seu próprio negócio ou estão envolvidas na criação de um. Atrás apenas da China e dos Estados Unidos, o País aparece em terceiro lugar no ranking de 54 países analisados pela pesquisa Global Entrepreneurship Monitor 2011 (GEM), realizada anualmente em uma parceria entre o Sebrae e o Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade (IBQP). Por outro lado, um levantamento do Sebrae aponta que 27% dos empreendimentos fecham as portas já no primeiro ano de atividade. Como o empreendedor deve agir para não fazer parte deste alto índice? Para o professor do MBA em Gestão de Negócios do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibmec), Marcos Martins, a resposta constitui-se no principal diferencial para avançar a gestão do negócio próprio: o planejamento. “É necessário fazer um plano de negócios, e não simplesmente sair fazendo da própria cabeça”, destaca. Na entrevista a seguir, Marcos Martins comenta quais as principais características que devem ser desenvolvidas para o empresário obter sucesso e o cenário do empreendedorismo no Brasil. Além de professor, ele é engenheiro mecânico formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e tem uma sólida carreira em consultoria de mercado. Atuou na Prudential Bradesco Seguros, como gerente de vendas, e foi consultor corporativo da Mony Consultoria. Martins também é professor do MBA em Gestão de Negócios do Ibmec e instrutor do Empretec. Recentemente, Martins e Fernando Alvite, sócios da empresa M11 Consultoria, desenvolveram uma ferramenta para auxiliar os empreendedores nessa atividade. Trata-se do Planeje-se, uma tecnologia, acessada pela internet, que indica opções de escolhas relacionadas a questões comuns do dia a dia corporativo, associadas às áreas de vendas, compras, administração, pessoal e finanças.


É possível uma pessoa se tornar empreendedor ou já se nasce com esse dom? Marcos Martins – Pela nossa experiência e dezenas de estudos e casos reais, podemos dizer que, em tese, qualquer pessoa pode se tornar um empreendedor. Temos vários casos de pessoas que entraram cruas e depois se desenvolveram e estão muito bem porque o que caracteriza um empreendedor são comportamentos, que podem ser desenvolvidos e aperfeiçoados. Na década de 1980, a ONU promoveu uma pesquisa junto à Universidade de Harvard que identificou que empreendedores de sucesso têm comportamentos comuns. O que vai diferenciar se uma pessoa vai se tornar empreendedora ou não é o tempo que levará para desenvolver essas características. O empreendedor brasileiro possui alguma característica que o diferencie dos demais? Martins – Com certeza. O brasileiro tem características importantes, como a persistência, a independência e a autoconfiança. Mas, por outro lado, a capacidade de estabelecer metas e de planejar é algo muito fraco, o que acaba sendo ruim porque se gasta muito recurso e energia. Outra diferença é que o brasileiro, na busca por informações, prefere ficar de forma mais remota atrás do balcão ou pela internet, não fazendo isso de forma pessoal. E quais são essas características? Martins – Baseadas no estudo da ONU, são as seguintes: capacidade de estabelecer metas, de planejar, de monitorar sistematicamente, de buscar informações pessoalmente, de identificar oportunidades e ter iniciativa de estudar e implementá-las, de correr riscos calculados, de buscar qualidade e eficiência

nos seus processos, de persuadir e formar redes de contatos; e a persistência, o comprometimento e a confiança.

em prática vai superar tudo isso com planejamento, cálculo de risco, estratégias, pessoas, e vai fazer acontecer.

Como a escola e a faculdade podem incentivar o empreendedorismo? Martins – Se as instituições de ensino começarem a se preocupar em, junto às disciplinas tradicionais, levar esse lado empreendedor e prático aos estudantes o cenário do empreendedorismo no Brasil pode ser bem mais positivo. As faculdades são verdadeiros celeiros de conhecimento. O Ibmec, por exemplo, oferece dentro de todas as cadeiras uma disciplina de Empreendedorismo, que permite que os estudantes tenham alternativas para o seu futuro que não somente a carreira executiva. Mas tudo isso deveria começar lá na base, no ensino fundamental. Ainda que haja algumas iniciativas tímidas em alguns colégios, os poucos casos que acontecem são somente na faculdade. Ou seja, ainda há muito por trilhar neste sentido.

Qual o papel principal das incubadoras tecnológicas nesse apoio? Martins – Elas exercem um papel fundamental no que se refere a iniciativas de jovens – no ato de empreender – estudantes e professores em trazer o seu conhecimento técnico e transformálo em negócios. É muito comum que esse público conheça profundamente seu ambiente, mas não tenha o lado da gestão de outras competências inerentes a qualquer um que queira montar um negócio, como conhecimentos na área operacional e marketing. O papel da incubadora é dar não só esse apoio, mas principalmente ajudar esses potenciais empresários a preparar um negócio para a competição séria que o mercado exige. Assim, você lida com o que há de mais avançado em termos tecnológicos, aproxima essas pessoas e consegue ajudá-las a estruturar o negócio com mais chance de sucesso.

Mesmo assim o Brasil é um país empreendedor? Martins – O Brasil vem ano a ano mostrando consistentemente que tem pessoas empreendendo, como mostra a pesquisa GEM. Se associarmos isso a melhores condições, como infraestrutura, educação, capacitação, o País vai passar por uma transformação ainda mais forte do que hoje em dia. Mas a carga tributária e a burocracia brasileira não impedem essa atividade? Martins – Eu diria que não impede. As questões externas, como a falta de mão de obra especializada e a falta de política, dificultam sim. Mas o empreendedor que coloca seus comportamentos

Que conselho o senhor daria para alguém que está pensando em empreender hoje? Martins – Eu diria para buscar informações não só do negócio que pretende abrir, mas também conhecer o mercado, os fornecedores, seu público-alvo. Além disso, estudar, organizar as ideias para que a empresa não feche em um curto espaço de tempo, como acontece com muitas até com menos de um ano de vida. É mais do que certo que o ato de planejar ajuda a aumentar, em média, 60% a chance de sucesso de um negócio. Quer ter 60% a mais de chance de ter sucesso? Então planeje.

empreendedor | setembro 2012

É mais do que certo que o ato de planejar ajuda a aumentar, em média, 60% a chance de sucesso de um negócio. Quer ter 60% a mais de chance de ter sucesso? Então planeje

13


empreendedores

Hadeliane Iendrike e Vanessa Nunes - SE7Ti

Sucesso precoce

empreendedor | setembro 2012

Com apenas dois anos de existência, a carioca SE7Ti já faturou R$ 2 milhões e conquistou clientes do porte da Petrobras, Mongeral Aegon e Centro de Tecnologia da Informação do Estado do Rio de Janeiro (Proderj). À frente desse sucesso estão Hadeliane Iendrike e Vanessa Nunes, sóciasdiretoras da empresa, ambas com grande experiência em projetos de consultoria de Tecnologia da Informação (TI). O objetivo

14

da SE7Ti é transformar pesquisa de ponta em produtos únicos e inovadores para seus clientes. “Muitas vezes, as pesquisas são excelentes, mas não têm aplicação prática no mercado. Nós estamos sempre pensando em inovações aplicáveis às empresas”, explica Hadeliane. Um dos serviços desenvolvidos pela empresa é o de transparência organizacional. A partir deste recurso, políticas são

definidas, processos estabelecidos, práticas adotadas e informações organizadas. Segundo Hadeliane, são métodos que garantem a implementação da transparência organizacional de forma completa, facilitando a vida das empresas que, hoje, são obrigadas a manter essa transparência. A SE7Ti também criou um programa que lê e organiza textos não estruturados – por exemplo, a troca de e-mails com informa-


Joel Santos - Sai de Baixo

Persistência premiada

empreendedor | setembro 2012

ções importantes. “Estas informações são transformadas em mapas mentais, diagramas, etc. Levamos seis meses para desenvolver essa ferramenta, depois de três anos de estudo”, comenta a empreendedora. Hadeliane lembra que o principal desafio foi transformar a acadêmica numa empresária. “De repente, era preciso pensar como empresa – desde a parte operacional, de montar o escritório físico, até todo o planejamento que precisa ser feito para se fazer uma empresa emplacar”, conta. “O fundamental para vencer nesse mercado competitivo é conhecer profundamente a área e aplicar esse conhecimento em serviços novos e eficazes”, conclui. www.se7ti.com.br

Não foi por acaso que Joel Santos batizou sua empresa de Sai de Baixo. Aguerrido, ele já havia passado por grandes desafios antes de obter sucesso com o atual negócio, uma rede de lojas de confecções presente no Rio de Janeiro, São Paulo e Pernambuco. Filho do meio em uma família de sete filhos, Joel já chegou ao mundo entendendo que as dificuldades fazem parte da vida. Acometido por uma paralisia infantil quando nasceu, enfrentou aos nove anos a morte prematura do pai. Era preciso ajudar a família e Joel começou a vender sacolé. O negócio deu certo e evoluiu para a venda de picolés nos trens da região. Mas um dia Joel teve toda a mercadoria apreendida por guardas ferroviários. Ele passou então a vender mandioca e linguiça de porta em porta até se estabelecer nas feiras livres da baixada fluminense. Um amigo convidou-o para trabalhar em uma banca e, em seis meses, Joel já era o melhor vendedor. O bom desempenho o motivou a montar sua própria loja, o Atacado Caxiense. Mas Joel não registrou a marca e logo a perdeu para outros empresários, que levaram também a clientela. O empreendedor não se deu por vencido. Vendeu seu carro, montou outra banca, passou a comprar mercadoria diretamente dos novos donos do Atacado Caxiense. As vendas estouraram e ele recuperou o investimento logo nas primeiras semanas. Assim surgiu a Sai de Baixo International Company. Hoje, a Sai de Baixo é uma empresa familiar, com 18 lojas próprias e está em pleno processo de expansão com a venda de franquias. www.saidebaixo.com.br

15


EMPREE NDED O R ES

Dick e Ângela Thompson Sítio do Moinho

vIDA SAUDávEl

empreendedor | setembro 2012

O carioca Dick Thompson chegou a ser sócio de um banco e de uma corretora de valores, mas em 1989 deixou para trás a agitação do mercado financeiro e, junto com a esposa Ângela Thompson, foi plantar alimentos orgânicos num sítio em Itaipava, na região serrana do Rio de Janeiro. Empreendedor nato, ele transformou sua nova atividade em um negócio bastante promissor, o Sítio do Moinho. A empresa cultiva e distribui verduras, legumes, ervas, laticínios, carnes, grãos, cereais, conservas e sucos orgânicos. Também importa massas, molhos, farinha de trigo sem aditivos químicos, além de uma linha de grãos germinados. O núcleo ainda acolhe a primeira panificadora orgânica do País, a Molino D’oro, certificada pelo IBD Certificações. De família inglesa, Dick nasceu no Rio de Janeiro e passou a infância em Copacabana, mas fez faculdade nos Estados Unidos. Chegou a ter que financiar seus estudos dando aulas de dança. Voltou ao Brasil na década de 1960 e começou a trabalhar como publicitário, porém logo se embrenhou pela área financeira, onde trabalhou ao lado de grandes executivos do setor, como Jorge Paulo Lemann. No final dos anos 1980, com quatro filhas pequenas, Dick se empolgava com a possibilidade de alimentar a família inteira com produtos saudáveis. O sonho se concretizou quando ele e Ângela decidiram comprar um terreno para construir uma casa de campo. Dos 40 hectares encontrados, sete foram destinados à plantação de hortaliças, sem o cultivo de pesticidas e adubos químicos. Passados mais de 20 anos, o Sítio do Moinho emprega cerca de 100 pessoas e comercializa mais de 500 produtos, todos orgânicos. As vendas são feitas por telefone ou pelo site da empresa, com entrega em domicílio. Os produtos também podem ser encontrados em diversas lojas especializadas nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte e Goiás, além do Distrito Federal. Mais do que um negócio, o Sítio do Moinho tornou-se uma filosofia de vida. Dick e Ângela cultivam a importância de produzir alimentos sem esgotar os recursos naturais. www.sitiodomoinho.com.br

16


17

empreendedor | setembro 2012


empreendedores

Reinaldo Varela - Divino Fogão

empreendedor | setembro 2012

Detalhes cruciais

18

Quem acha que é impossível ser bem-sucedido em duas carreiras ao mesmo tempo não conhece a história de Reinaldo Marques Varela. Piloto profissional de rali e fundador da rede de restaurantes Divino Fogão, Varela tem um segredo para manter sólida sua atuação nos dois segmentos. “O trabalho em equipe é fundamental para o sucesso de um empreendimento, e mesmo de uma corrida. O piloto nunca corre sozinho: ele precisa de um navegador que lhe dê tranquilidade para fazer o que sabe. O mesmo acontece nas empresas”, afirma Varela. Em seu currículo no automobilismo, ele coleciona mais de 300 corridas disputadas, com 100 vitórias. Nada mal. Entre

elas, o título mundial de Rali Cross Country, o sul-americano de Rali de Velocidade e sete campeonatos brasileiros de Rali Cross Country. O piloto ainda tem 14 participações no Rali dos Sertões, competição que lhe deu um título geral e cinco vezes o primeiro lugar em sua categoria. O sucesso nas pistas se estende para a carreira de empreendedor. A rede de franquias Divino Fogão tem 120 unidades em 20 estados brasileiros. As duas carreiras começaram em 1984. Como empreendedor, Varela abriu o restaurante São Paulo – que, 19 anos depois, viria a se chamar Divino Fogão. A infância na fazenda da família em Mirandópolis, interior de São Paulo, o ins-

pirou a servir comida bem brasileira. O piloto e empresário conta que a atenção aos mínimos detalhes é decisiva para o sucesso nas pistas e nos restaurantes. “Já ganhei uma prova por conta de milésimos de segundos, e percebi que há uma linha que separa sucesso e fracasso, e que tudo é decidido em detalhes.” Varela também aponta a inovação e a coragem como elementos fundamentais para os empreendedores. “Se você é o pioneiro, não pode parar. Procure sempre inovar, estar à frente dos outros, ter um diferencial para não perder espaço para potenciais concorrentes”, aconselha o piloto empreendedor. www.divinofogao.com.br


Thiago Pessoa e Aline Rabelo - Investmania

Aposta certeira

informação clara e sem intermediários”, conta Pessoa. Antes de apostar suas fichas como empreendedores, Pessoa, de 27 anos, e Aline, de 25, passaram por instituições renomadas do mercado financeiro. A expectativa é que o número de usuários do site cresça 20% até o final deste ano. O Investmania é uma aposta no segmento de start ups estruturadas no mundo virtual. Para Pessoa, este é um mercado que tem muito potencial de crescimento no Brasil devido às fortes vendas de dispositivos móveis no País, como smart­ phones e tablets. E, ao mesmo tempo, o Brasil é carente de propostas pioneiras nesta área. O cadastramento no Investmania é gratuito e a plataforma é amigável e criativa. www.investmania.com.br

empreendedor | setembro 2012

Em menos de oito meses, os empreendedores Thiago Pessoa e Aline Rabelo conquistaram 35 mil usuários para o Investmania, rede social criada pela dupla com o objetivo de aproximar investidores, especialistas do setor e empresas de capital aberto. O site permite aos participantes acompanhar o sobe e desce dos indicadores econômicos e ter acesso a relatórios e análises consistentes. “Temos uma missão concreta e complexa: ajudar a democratizar a educação financeira no Brasil, e acreditamos que, dentro deste universo, ainda temos muito a contribuir”, afirma Pessoa. Desde o dia 20 de agosto os participantes do Investmania podem conversar com os responsáveis pelas áreas de Relacionamento com Investidores (RIs) de algumas das principais companhias listadas em bolsa de valores. Os investidores terão acesso, em tempo real, às publicações, aos relatórios de análises e à divulgação de resultados das empresas em que investem ou nas quais pretendem investir. “Desenvolvemos este projeto pensando em atender a uma necessidade primordial do investidor na hora da tomada de decisão: o acesso à

19


empreendedor | setembro 2012

cA PA

20

Ponto crítico

Falta de qualidade no ensino fundamental e médio reflete na qualificação dos trabalhadores, prejudicando a competitividade das empresas brasileiras


por Cléia Schmitz

cleia@empreendedor.com.br

empreendedor | setembro 2012

Em Palhoça, município da Grande Florianópolis, um carro de som anuncia vagas para trabalhar numa indústria local. O que seria inusitado em outros tempos é hoje mais um indicador das dificuldades que o setor produtivo vem enfrentando para conseguir profissionais qualificados. O forte crescimento da economia brasileira na última década criou cerca de 18 milhões de novos empregos com carteira assinada. Ao mesmo tempo, escancarou ao máximo uma deficiência estrutural do País: a qualidade de nossa educação. Resolvemos um problema, o desemprego, mas ganhamos outro, a falta de trabalhadores qualificados para continuar crescendo. “Precisa-se” virou um jargão do chão de fábrica ao ponto de venda. O problema é que precisa-se não só de força física, mas de pessoas preparadas para operar as novas tecnologias disponíveis. “O mundo do trabalho demanda pessoas que sabem pensar”, afirma o professor José Pastore, um dos maiores especialistas brasileiros em

Álamo Engenharia diminui o nível de exigência nas contratações e compensa com treinamentos internos

21


CA PA

empreendedor | setembro 2012

Senai vai investir R$ 1,5 bilhão até 2014 para a construção de 100 novas escolas, 100 novas unidades de ensino móveis, 22 institutos de inovação e 40 institutos de tecnologia

22

trabalho e recursos humanos. “As empresas precisam de pessoas com bom senso, lógica de raciocínio, capacidade de se comunicar, de escrever, de entender o que está escrito. E isso vem fundamentalmente da educação básica”, ressalta Pastore. Eis o problema. Apenas 30% da população brasileira tem ensino médio completo. Nos Estados Unidos e na Alemanha, o percentual é de 90% e 80%, respectivamente. A situação não se restringe aos estados tradicionalmente considerados menos desenvolvidos. Em Santa Catarina, mais da metade dos 750 mil trabalhadores da indústria não tem escolaridade básica completa. “É um fator crítico para a nossa competitividade, mas que tem reflexos imediatos na renda do trabalhador”, afirma Glauco Côrte, presidente da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc). A situação se agrava porque muitos passaram pela escola, mas não aprenderam. De acordo com o Indicador de Analfabetismo Funcional (Inaf ), divulgado em julho pelo Instituto Paulo Mon-

tenegro, 20% dos brasileiros entre 15 e 49 anos conseguem, no máximo, ler e compreender textos curtos e familiares e fazer operações matemáticas simples. Entre os estudantes do ensino superior, 38% não têm capacidade para interpretar e associar as informações em suas leituras. Para especialistas, esse é o resultado de uma política que priorizou o acesso ao ensino mas não exigiu a qualidade. O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, apresentado pelo Ministério da Educação (MEC) em agosto, dá motivos para continuarmos preocupados: 39% dos municípios e 44,2% das escolas não atingiram as metas do MEC. Para Jairo Martins, superintendente da Fundação Nacional de Qualidade (FNQ), o problema é grave porque não há solução a curto prazo. “Precisamos começar agora para ter resultados daqui a dez anos. E temos que ter metas ousadas. A FNQ propõe uma mobilização nacional para a elaboração de um plano estratégico imune aos governos”, diz Martins. A ineficiência histórica do ensino

Pastore: precisa-se não só de força física, mas de pessoas preparadas para operar as novas tecnologias disponíveis


no Brasil criou disparates. Somos a sexta economia do mundo, mas a 46ª no ranking de produtividade. E as deficiências na educação básica trazem consequências para o ensino profissionalizante, outro gargalo enorme do Brasil. “As escolas profissionalizantes e as universidades têm o desafio de preencher a lacuna deixada pelo ensino anterior”, destaca Pastore. Em sondagem realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), 52% dos empresários reclamaram que têm dificuldades para capacitar seus funcionários por conta da má qualidade do ensino fundamental. A pesquisa também apontou que 69% das empresas consultadas enfrentam dificuldades com a falta de trabalhador qualificado, o que inibe o aumento da competitividade. Não resta alternativa senão treinar o trabalhador: 78% das empresas que sofrem com a falta de trabalhador qualificado veem a capacitação na própria empresa como uma das principais formas de resolver o problema. “Sem dúvida, investimentos nos funcionários têm

“Sem dúvida, investimentos nos funcionários têm reflexos diretos no produto”, diz Arruda reflexos diretos no produto”, destaca Sérgio Arruda, diretor regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) em Santa Catarina. Criado há 60 anos, o Senai já capacitou mais de 50 milhões de brasileiros. Por ano, são 2,3 milhões de matrículas. No ano passado, a entidade anunciou investimentos de R$ 1,5 bilhão até 2014 para a construção de 100 novas escolas, 100 novas unidades de ensino móveis, 22 institutos de inovação e 40 institutos de tecnologia. O Senai é também um dos principais executores do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), lançado no ano passado pelo

governo federal com o objetivo de qualificar o trabalhador brasileiro. A estratégia do governo inclui a expansão da chamada Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Em 2002 havia 140 escolas técnicas no País e um total de 160 mil vagas. A meta para o final de 2014 é chegar a 562 escolas e 600 mil vagas. Hoje são 354 unidades. Entre elas, o Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), que até 2006 tinha três campi e 3 mil alunos. Hoje são 21 campi (dois em implantação) e 18 mil estudantes. “Sempre fomos referência em educação profissional, mas atendíamos um número muito pequeno de alunos”, destaca a reitora Maria Clara Kascny Schneider. Ex-aluno do IFSC, o tecnólogo Fábio Dias Pereira, de 23 anos, concluiu o curso superior em Mecatrônica Industrial já empregado. Analista de qualidade da HigiePlus Cottonbaby, com sede em São José (SC), ele teve três promoções em pouco mais de um ano. Pereira conta que os convites de outras empresas são constantes, mas

empreendedor | setembro 2012

Glauco Côrte: mais da metade dos trabalhadores da indústria catarinense não tem escolaridade básica completa, um fator crítico para a competitividade com impacto direto na renda do trabalhador

23


CA PA

empreendedor | setembro 2012

Meta do governo federal é chegar ao fim de 2014 a 562 instituições de ensino técnico e tecnológico, com 600 mil vagas

24

Há dez anos na WEG, Silvane Bressolin dos Santos tinha 14 anos quando passou no processo de seleção para aprendiz

no momento prefere apostar na expansão da Cottonbaby. Responsável por atividades de treinamento, ele convive diariamente com o problema da falta de qualificação. “Estamos sempre com vagas abertas e treinando nossos colaboradores.” Para preencher as vagas, muitas empresas têm diminuído o nível exigência nas contratações. É o caso da Álamo Engenharia, prestadora de serviços prediais e infraestrutura. “Compensamos com programas de treinamentos internos”, afirma Roberta Campello, que coordena a capacitação na Álamo. Neste ano, a empresa criou uma grade com 30 cursos para qualificar seus 1,5 mil funcionários. “Já percebemos a diminuição do turnover. Acreditamos que os colaboradores se sentem mais motivados e com disposição para os novos desafios apresentados”, explica Campello. O caso da Álamo se contrapõe às empresas que relutam em investir em treinamento com medo de perder os funcionários capacitados. “Ninguém gosta de perder um colaborador depois de treiná-

lo, mas não há outra opção”, afirma Hilton José da Veiga, diretor de recursos humanos da WEG, fabricante de motores elétricos, transformadores, geradores e tintas. A empresa tem 26 mil trabalhadores e é uma referência em treinamento. Desde 1968 mantém o Centroweg, escola que já formou 2,6 mil alunos, dos quais 49% permanecem na companhia (8% são gestores). O Centroweg é uma escola de formação profissional que funciona numa das fábricas da WEG em Jaraguá do Sul (SC). São 20 laboratórios e seis salas de aula em 2.550 metros quadrados. Jovens entre 16 e 18 anos participam de um processo de seleção para entrar na escola, que tem aulas diárias, paralelas ao ensino médio. Durante o curso, os alunos recebem salário e têm praticamente todos os benefícios concedidos aos funcionários, inclusive participação nos lucros. Atualmente, são sete cursos de aprendizagem industrial, com um ou dois anos de duração. Há dez anos na WEG, a funcionária Silvane Bressolin dos Santos tinha 14 anos quando passou no processo de seleção


para aprendiz de eletrônica da Centroweg. “Eram 1.068 candidatos para 40 vagas. Até hoje guardo minha carta de aprovação, foi um mérito muito grande”, lembra Silvane. Para ela, os três anos que passou na escola foram fundamentais para o seu desenvolvimento profissional porque, além da formação técnica, aprendeu a ter disciplina e perseverança. Hoje, Silvane é chefe da seção de reparos e diz que está pronta para novos desafios na empresa. O colega Rodrigo Lux, 22 anos, trocou o emprego numa empresa de vestuário pela WEG justamente pela oportunidade de aprender. Ele fez o curso de aprendiz do programa de Qualificação Profissional de

Operadores de Produção (QPOP). “Neste programa contratamos jovens de até 24 anos só para estudar. Eles podem inclusive continuar trabalhando em suas empresas. Ao final do curso, de 400 horas, convidamos os alunos a serem funcionários da empresa: 83% ficam”, conta Veiga. Lux foi um deles e em pouco mais de um ano foi promovido a distribuidor de materiais. Os programas de treinamento da WEG fazem parte da estratégia da empresa para atingir as metas do plano 2020: chegar ao ano 2020 com um faturamento de R$ 20 bilhões e 50 mil trabalhadores. “Precisamos preparar e reter”, resume Veiga. A empresa investe por ano cerca de R$ 10 milhões em treinamentos, 0,2% da receita operacional líquida. Com metas ambiciosas e atuação consolidada no mercado internacional, a WEG também sofre as dificuldades da escassez de mão de obra qualificada, mas segue o que para o professor José Pastore precisa ser assimilado urgentemente. “As máquinas já são acessíveis para todos. O que faz a diferença é quem está por trás delas.”

Hilton José da Veiga, da WEG: investimento por ano de cerca de R$ 10 milhões em treinamentos

empreendedor | setembro 2012

“Já percebemos a diminuição do turnover. Os colaboradores se sentem mais motivados”, diz Campello

25


CA PA

A solução do problema A necessidade urgente de qualificação do trabalhador brasileiro tem atraído um grupo farto de empreendedores para o segmento da educação Problema para alguns, oportunidade de negócio para outros. A necessidade urgente de qualificação do trabalhador brasileiro tem atraído um grupo farto de empreendedores para o segmento da educação. Nunca se viu tantas universidades, escolas de idiomas e cursos profissionalizantes abrindo as portas no Brasil. Outro indicador de efervescência do setor é o forte movimento de fusões e aquisições registrado nos últimos anos. Só no ano passado foram 27 transações, segundo levantamento da consultoria KPMG. O campeão é o ensino superior privado, com mais de 200 transações na última década. E tudo indica que foi só o começo. Na edição 2012 da Análise Setorial do Ensino Superior Privado, a consultoria Hoper

empreendedor | setembro 2012

Em sete meses, Instituto da Construção abriu 30 unidades

26

Educação, responsável pelo estudo, estima que há perspectiva de mais de 100 negócios de fusões e aquisições no setor em 2012 e 2013. “Os 12 consolidadores possuem pouco mais do que 30% do mercado, mas podem e querem chegar a 50%, e dinheiro para isto não falta”, destaca o estudo. Um empecilho nesse caminho é a situação financeira desfavorável de grande parte das universidades privadas, o que torna o custo-benefício de aquisição pouco vantajoso para os investidores. “O processo de fusões e aquisições poderia ser maior se algumas instituições estivessem mais estruturadas financeiramente. Uma tendência que deve ocorrer mais nos próximos anos são fusões e aquisições entre os principais grupos

consolidadores do mercado, ou seja, entre as principais instituições que já se encontram melhor: com boa infraestrutura, sem dívidas trabalhistas, com folha de pagamento dentro dos parâmetros do mercado”, explica Alexandre Nonato, analista de comunicação e de estudos de mercado da Hoper Educação. O fato é que o Brasil é hoje o país com o maior número de instituições de ensino superior privadas, com fins lucrativos. Um segmento que movimenta quase R$ 29,8 bilhões anuais. São mais de 1 mil universidades em funcionamento. Em 2010, elas concentravam 73,2% dos alunos de graduação presencial do País – mais de 6 milhões de estudantes. No entanto, segundo Nonato, de um modo geral o ritmo


Os 12 consolidadores possuem pouco mais do que 30% do mercado, mas podem e querem chegar a 50% em 2012 a Unirondon, de Mato Grosso, e a Uniasselvi, de Santa Catarina. A companhia tem mais de 400 mil alunos de ensino superior e pós-graduação em 44 campi e 399 polos de educação a distância. Além disso, atua no ensino básico com 771 escolas associadas e cerca de 280 mil alunos. Uma das grandes apostas da Kroton é o ensino a distância (EaD), que representa quase 66% da base de alunos do ensino superior. No ano passado, a empresa pagou R$ 1,3 bilhão pela Unopar, do Paraná, precursora e referência nesta modalidade de ensino no Brasil. “O EaD vem crescendo em taxas muito maiores do que o ensino presencial”, afirma Rui Fava, vice-presidente de Educação a Distância da companhia. Para Fava, as principais razões para o crescimento do EaD são a capilaridade, ou seja, vai aonde o presencial não consegue chegar, a flexibilidade de estudar sem “atrapalhar” a agenda profissional e familiar e o custo menor das mensalidades. “O que falta para que esta ferramenta seja melhor aproveitada é acabar com os falsos mitos de que o EaD tem menor qualidade e é menos exigente quanto à cobrança do desempenho dos estudantes. Pelo crescimento e pela comprovação da qualidade, esses falsos mitos têm diminuído e o EaD, por sua escalabilidade, está contribuindo cada vez mais para a melhoria da qualidade do trabalhador brasileiro”, afirma Fava. Segundo o executivo, o aluno EaD é mais dedicado e isso é verificado no desempenho do Enade, no qual os conceitos dos alunos do EaD são melhores do que dos alunos do ensino presencial.

Franchising Rui Fava, da Kroton: “O EaD vem crescendo em taxas muito maiores do que o ensino presencial”

O segmento de educação também vem se destacando no sistema de franquias. De acordo com relatório da Associação Brasileira de Franchising (ABF), o setor faturou

R$ 5,9 milhões em 2011, um crescimento de 7,9% em relação a 2010. Outro indicador importante é a evolução do número de redes. Em 2011, 15 novas marcas ingressaram no franchising de educação e treinamento. Todos de olho na necessidade urgente de capacitação de profissionais em função dos eventos esportivos que o País vai sediar e na disposição da classe C em investir na própria qualificação. “Temos um novo país dentro do Brasil, uma classe emergente formada por 40 milhões de novos consumidores que, depois de alimentação e vestuário, querem investir em educação”, afirma Carlos Wizard Martins, presidente do Grupo Multi Holding (leia-se Wizard Idiomas), que atua no mercado de ensino de idiomas, informática e profissionalizante. Nos últimos três anos, a Multi promoveu uma série de aquisições, provando seu otimismo com o setor. Foram absorvidas as marcas Skill, People, SOS Computadores, Microlins, Bit Company, Quatrum e Yázigi (leia mais na página 28). O empreendedor David Pinto sentiu na própria pele a dificuldade da escassez de mão de obra qualificada e resolveu fazer do limão uma limonada. Em 2010, ele fundou a Doutor Resolve, rede de franquias especializada em serviços de reparos e reformas em imóveis. O negócio estourou e hoje são mais de 500 unidades franqueadas no Brasil inteiro. O problema é que os franqueados da marca começaram a reclamar da dificuldade em contratar profissionais preparados para atuar em suas unidades, como encanador, eletricista, pedreiro e pintor. Como bom empreendedor, Pinto decidiu resolver o problema criando outra franquia, o Instituto da Construção (IC), focado na qualificação profissional para o mercado da construção civil. Lançado no mercado em dezembro do ano passado, o IC fechou o primeiro semestre deste ano com 30 franquias vendidas. A meta para o ano é chegar a 60 unidades e faturar R$ 10 milhões. “Logo nos três primeiros meses tivemos 600 alunos matriculados na unidade de São José do Rio Preto (SP), que hoje está com 1 mil alunos”, conta Pinto. “Queremos resolver o problema da falta de mão de obra na construção civil, o setor que mais emprega no Brasil. A meta é 100 mil alunos em cinco anos.”

empreendedor | setembro 2012

de crescimento das matrículas vem diminuindo nos últimos anos. No início dos anos 2000, o crescimento anual era maior do que 10%. Hoje, a média de crescimento é menor que 5%. O número de vagas ociosas chega a 1,5 milhão. Paralelo a este cenário, o que se vê é que os três maiores grupos do segmento – Estácio Participações, Anhanguera Educacional e Kroton Educacional – têm mantido suas apostas sob a seguinte lógica de mercado: se o País sofre com a escassez de qualificação profissional e as universidades públicas não conseguem atender à demanda de brasileiros ávidos por uma graduação, há espaço para instituições privadas. Segundo estudo da Hoper, os “excluídos” pelo sistema universitário público chegam a 1,8 milhão de jovens por ano. A Estácio já fez cinco aquisições em 2012, as duas últimas foram anunciadas em agosto: a Faculdades Riograndenses (Fargs), de Porto Alegre, e a Uniuol, de João Pessoa. O grupo, controlado pela GP Investimentos, tem mais de 260 mil alunos e atua em 19 estados com 33 instituições de ensino superior. A Kroton, controlada pelo fundo americano Advent, comprou

27


CA PA

sem parar Há 25 anos Carlos Wizard dava início em sua própria casa ao grupo que hoje é líder mundial no mercado de ensino de idiomas e cursos profissionalizantes por Ana Paula Meurer

anapaula@empreendedor.com.br

empreendedor | setembro 2012

A gestão de diferentes marcas com a garantia de que cada uma delas tenha um posicionamento definido e portfólios de produtos complementares fazem com que o Grupo Multi Holding seja um dos grandes destaques no mercado educacional do Brasil. Entre escolas de idiomas, de informática, profissionalizantes e de reforço escolar, a companhia é atualmente dona de dez marcas distintas, número que a consolidou como uma das maiores franqueadoras no setor de educação no mundo. Atualmente, a empresa conta com mais de 3 mil escolas franqueadas, gera mais de 45 mil empregos e atende mais de 1 milhão de alunos. Sem nem imaginar, a própria casa do presidente Carlos Wizard Martins, fundador da rede que leva seu sobrenome, foi o ponto de partida para a impulsão da trajetória de sucesso do grupo. Foi lá que, depois do expediente no ano de 1987, o então funcionário de uma multinacional aproveitou a fluência e metodologia em inglês, adquirida após se formar na Universidade Brigham Young (EUA),

28

para começar a dar aulas de inglês a um colega de trabalho. “O número de interessados foi aumentando e decidi abrir a primeira escola Wizard, em Campinas (SP). Com o sucesso dos cursos, a estratégia inicial foi expandir o sistema de ensino através do modelo de franquia”, relembra o empresário. A iniciativa trouxe retorno positivo. Pouco a pouco, o reconhecimento do inovador método era divulgado, as matrículas aumentavam e o número de franquias da rede crescia. Em 1991, já eram 100 unidades em todo o Brasil. Atualmente, são mais de 1,3 mil escolas, posicionando a Wizard Idiomas como líder no segmento de ensino de idiomas. Com a consolidação da marca, Martins então quis ir mais longe. A transformação do negócio em um grupo de ensino foi a opção encontrada para manter a liderança no mercado de ensino de idiomas e conquistar a mesma posição no setor de ensino profissionalizante, mercados que atualmente crescem entre 20% e 25% ao ano no Brasil. Aproveitando o cenário de oportunidade, Martins conta que percebeu que era o momento de se consolidar. “Caso con-

trário, grupos estrangeiros aproveitariam e poderíamos ficar em uma condição vulnerável”, avalia. Buscando atingir essa meta, gradualmente foram sendo criadas ou adquiridas as outras marcas que hoje compõem a holding: Alps, Planet, Skill, People, SOS Computadores, Microlins, Bit Company, Quatrum e Smartz. No desafio de administrar empresas diferentes e concorrentes, Martins afirma que o grupo busca manter ao máximo a identidade, imagem, cultura e metodologia de cada uma. Para ele, esse diferencial é essencial para o sucesso e a perpetuação de cada unidade de negócios. Assim, enquanto as escolas da marca Alps, adquirida em 2011, são focadas no atendimento ao público que necessita falar inglês de forma rápida, as da Skill, negociada em 2007, têm como princípio básico a excelência educacional no ensino de idiomas e a formação cultural, social e profissional dos seus alunos. Os amplos mercados em que o grupo atua são outros motivos apontados pelo executivo como primordiais para alcançar a liderança nos negócios. “Estima-se que apenas 2% da população brasileira efetivamente fala inglês. Mas os universi-


Grupo Multi Holding Idiomas Wizard – Criada em 1987 Skill – Adquirida em 2007. Atualmente, é a segunda maior rede do grupo, com 300 escolas no Brasil Alps – Criada em 2001. Focada em atender um público que necessita falar inglês de uma forma urgente Quatrum – Adquirida em 2010. Foco em ensino de inglês para o público infantil Yázigi – Adquirida em 2010

Carlos Wizard: “Formar um time de profissionais talentosos é um passo essencial, pois ninguém jamais fez algo grande sozinho”

Ensino profissionalizante People – Adquirida em 2008. Rede de informática pioneira na educação profissional e tecnológica SOS Computadores – Adquirida em 2010 Microlins – Adquirida em 2010 Bit Company – Adquirida em 2010 Reforço escolar Smartz – Criada em 2011. Complemento escolar em português e matemática

empreendedor | setembro 2012

Ensino no exterior O Grupo Multi tem hoje 50 escolas de inglês no exterior, em oito países da América Latina, Estados Unidos, Europa e Ásia.

29


CA PA tários já perceberam que atualmente em um cenário globalizado dominar um segundo idioma é essencial para uma carreira de sucesso. Já os cursos profissionalizantes são uma forma rápida e viável para que o jovem ou até mesmo o adulto possa conquistar seu espaço no mercado de trabalho. No entanto, eu não diria que substituem a graduação. Creio que são propostas diferentes para interesses e públicos distintos.”

empreendedor | setembro 2012

Aumento da renda

30

Para este ano, a expectativa do presidente é manter o nível de crescimento tanto em faturamento quanto em número de escolas. Uma das justificativas consiste no aumento da renda da população, que faz com que os indivíduos possam suprir suas necessidades básicas de consumo, como vestuário e alimentação, e tenham uma parte do orçamento destinada para investir em sua formação. “Acredito que a evolução das escolas do Grupo Multi em todo o Brasil é um reflexo do aumento dessa procura”, destaca. Sua principal aposta, no entanto, é o setor de microfranquia. No ano passado, a multinacional lançou a rede Smartz, especializada no reforço escolar do ensino de português e matemática. Hoje, já são 55 unidades franqueadas em vários estados do Brasil, modelo que atende também aos interesses do pequeno investidor, já que com R$ 5 mil é possível instalar sua unidade de ensino. Para que sua história sirva de inspiração a outros empreendedores, Carlos Wizard Martins lançou recentemente o livro Desperte o milionário que há em você, que apresenta as sete chaves da prosperidade e descreve um passo a passo de como o indivíduo pode transformar um projeto comercial em um empreendimento bem-sucedido. “Certamente, formar um time de profissionais talentosos é um passo essencial, pois ninguém jamais fez algo grande sozinho. Todos os que venceram se uniram a mentes brilhantes e profissionais qualificados que fizeram parte do projeto e transformaram um sonho individual em um sonho coletivo.’’

Crescimento conjunto Anhanguera Educacional procura atender os jovens que precisam trabalhar de dia e estudar à noite e estão em busca de profissionalização por Raquel Rezende

raquel@empreendedor.com.br

Com foco na formação de profissionais qualificados para ingressar no mercado de trabalho, ofertando cursos mantidos por meio de mensalidades acessíveis a estudantes trabalhadores das classes C e D, a Anhanguera Educacional, maior grupo de ensino superior privado da América Latina, responde por cerca de 5% do mercado brasileiro de educação particular. Com 400 mil alunos matriculados em uma rede de 73 unidades espalhadas por oito estados e Distrito Federal, a missão do grupo está voltada para a realização do projeto de vida do jovem trabalhador. E um dos desafios é oferecer formação teórica consistente atrelada à prática profissional e atender à demanda do atual mundo do trabalho. O Brasil vem assumindo um papel de liderança no cenário mundial. E essa nova fase é marcada pelo aumento do consumo nas camadas populares e pela multiplicação de empresas e negócios. Diante deste cenário, a vice-presidente

acadêmica do Grupo Anhanguera Educacional, a professora Ana Maria Sousa, destaca que o País necessita, cada vez mais, direcionar investimentos para as áreas de educação, ciência e tecnologia a fim de sustentar o seu crescimento. “A Anhanguera Educacional entende que seu papel social é contribuir para essa expansão, ampliando o acesso ao ensino superior e atuando na formação de profissionais qualificados para atender à crescente demanda por mão de obra especializada no País”, afirma. A professora conta que o jovem trabalhador constitui a grande maioria dos alunos da Anhanguera que se distribuem em diferentes áreas e carreiras, como negócios, direito, educação, engenharia, saúde e tecnologia. “São alunos que trabalham durante o dia e estudam à noite. E o Grupo Anhanguera procura promover um ensino eficiente com um grau de qualidade necessário ao bom desempenho desses alunos em suas futuras atividades profissionais”, diz Ana Maria. Ela complementa que valores, como competência e ética, são transmitidos para


que os estudantes possam desenvolver seus projetos de vida como cidadãos conscientes de seus direitos, deveres e responsabilidades sociais. Além do conteúdo que compõe a estrutura dos cursos, Ana Maria destaca que o empreendedorismo é estimulado nas diversas ações desenvolvidas por alunos e professores como, por exemplo, a Feira do Empreendedor, quando os estudantes têm a oportunidade de colocar em prática o aprendizado em sala de aula, criando planos de negócios e apresentando ideias empreendedoras voltadas ao comércio de produtos e serviços. O grupo oferece, ao todo, 155 modalidades de cursos, sendo 15 licenciaturas, 52 formações para tecnólogos, 47 bacharelados, 41 cursos sequenciais, 12 de ensino a distância e 71 de pós-graduação. De acordo com a vice-presidente acadêmica do Grupo Anhanguera, a atuação da empresa está alinhada às necessidades do Brasil na área da educação. “Nos últimos anos o crescimento da Anhanguera, que mantém a premissa de promover a inclusão social via educação, à luz das necessidades do mercado de trabalho, tem contribuído para elevar o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH)”, relata. Segundo ela, a empresa educacional é reconhecida pelo compromisso com o desenvolvimento pessoal e profissional de todos os envolvidos no processo edu-

cacional. O Programa de Extensão Comunitária (PEC) é um exemplo de projeto desenvolvido pelo grupo, que propõe a interação de professores e estudantes da instituição com as comunidades onde as unidades de ensino da Anhanguera estão instaladas. Os projetos são desenvolvidos em parceria com organizações governamentais e não-governamentais e buscam levar as discussões sobre inúmeros temas que acontecem dentro da Anhanguera aos diferentes segmentos da sociedade. “Para os alunos, além do exercício da cidadania e a possibilidade de contribuir com a melhoria de vida das comunidades, o programa é uma grande oportunidade para aliar conhecimento teórico à prática da profissão escolhida”, observa Ana Maria.

Consolidação da liderança A visão do grupo está ligada ao propósito de ser a maior instituição de ensino superior privado do Brasil, oferecendo aos estudantes mais acesso à educação de qualidade para inclusão e ascensão social. “Por isso, a Anhanguera Educacional precisa ser uma organização consolidada, tanto financeiramente quanto academicamente, para que sejam viabilizados programas institucionais que façam a integração entre alunos, professores e comunidades do entorno das localidades onde está presente”, enfatiza

Ana Maria. E para concretizar esses objetivos, a Anhanguera tornou-se a primeira instituição de ensino superior da América Latina a realizar oferta pública de ações ou IPO (sigla em inglês para Initial Public Offer) no mercado de capitais. Uma das metas da empresa é duplicar o número de alunos até 2015 e estabelecer padrões de qualidade de educação. Boa parte do aumento no número de alunos matriculados em 2011 ocorreu com a aquisição da Universidade Bandeirante de São Paulo (Uniban), que possuía, em março, um total de 55,1 mil alunos, distribuídos em nove campi na região metropolitana de São Paulo, dois em Cascavel (PR) e um em São José (SC). A aquisição realizada envolveu cerca de R$ 510,5 milhões e permitiu a entrada da Anhanguera no Estado do Paraná e na região metropolitana de Florianópolis, avançando em sua estratégia de expansão nacional. Com três universidades, nove centros universitários, 73 unidades e mais de 500 polos de educação a distância, a organização procura unificar seus procedimentos para que toda a base universitária tenha o mesmo padrão educacional. Essa unificação baseia-se na implantação do currículo da Anhanguera nas instituições adquiridas e a ação tem ocorrido no prazo de quatro anos, mas a meta para 2012 e 2013 é concluir a integração em dois anos, no máximo.

empreendedor | setembro 2012

Um dos desafios é oferecer formação teórica consistente atrelada à prática profissional e atender à demanda no mundo do trabalho

31


CA PA

preparação precisa Metodologia de ensino exclusiva e individualizada de educação profissionalizante é sucesso entre estudantes e franqueados por Mônica Pupo

empreendedor | setembro 2012

monica@empreendedor.com.br

32

Fundamental para o desenvolvimento pessoal e a inovação corporativa, a educação também pode ser sinônimo de bons negócios. Que o diga o empresário paulista Rogério Gabriel, fundador da Prepara Cursos Profissionalizantes, rede de franquias com 504 unidades em operação em todo o Brasil. Premiado com quatro selos de Excelência pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), além do título de melhor franquia da área de educação segundo a revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios, o grupo transformouse num dos cases de maior sucesso do franchising brasileiro. Após faturar R$ 178 milhões em 2011, Rogério segue à risca um ousado plano de expansão, com o objetivo de inaugurar pelo menos 100 unidades por ano. “Até 2017, pretendo ter 1 mil escolas em funcionamento”, planeja o empreendedor. Inaugurada em 2004, a Prepara Cursos Profissionalizantes surgiu a partir da capacidade de Rogério em se adaptar às

mudanças e novas demandas do mercado. Formado em Análise de Sistemas pela Universidade de Campinas (Unicamp), em São Paulo, ele não demorou muito até decidir trabalhar por conta própria. “Atuei apenas dois anos como empregado e decidi que era hora de empreender”, orgulha-se. Em 1990, aos 25 anos, ele fundou a Precisão Informática, loja especializada em hardwares e softwares. Com o segmento de informática mais restrito e a venda de computadores limitada às lojas especializadas, Rogério viu seu negócio prosperar a ponto de comandar dez pontos de venda no interior paulista. Tudo ia muito bem até o faturamento entrar em declínio em 2001, motivado pelo boom da tecnologia e a entrada das grandes redes de varejo na concorrência. “Seria impossível competir em preço com as grandes redes, até porque em pouco tempo os computadores e periféricos tornaram-se commodities e passaram a ser vendidos em todo canto”, relembra o empresário. Nessa época, uma das unidades da Precisão estava começando a oferecer um

serviço extra de treinamento corporativo de informática. “Esses cursos eram muito procurados, porque os clientes adquiriam os computadores e programas, mas nem sempre sabiam como utilizá-los corretamente”, relata Rogério. Foi aí que ele identificou um novo nicho de mercado e a possibilidade de reinventar o negócio. “Percebi que era uma oportunidade de utilizar a tecnologia para baratear o ensino para as escolas e, ao mesmo tempo, torná-lo mais atrativo, eficiente e acessível aos alunos.” Decidido a oferecer cursos profissionalizantes para jovens em busca do primeiro emprego, Rogério aos poucos foi focando mais na educação e menos no varejo – até a total extinção das lojas, o que aconteceu em 2004, após a abertura da primeira unidade da Prepara Cursos Profissionalizantes, localizada em Catanduva (SP). “A aceitação do público foi ótima e abrimos dez unidades próprias antes de iniciar a expansão através do franchising”, conta o empreendedor, referindo-se à formatação do projeto de franquia colocado em prática em 2007.


Para se destacar num mercado dominado por grandes players, Rogério desenvolveu uma metodologia de ensino exclusiva e individualizada. “Dispomos de um aluno por computador, cada um seguindo o seu próprio ritmo e focando em objetivos específicos de aprendizagem”, detalha o empreendedor. As turmas contam com no máximo dez alunos, que seguem planos de aula personalizados e contam com uma série de facilidades, incluindo escolha de horário adequado, reposições e mudanças de horários, início imediato, acesso ao computador logo na primeira aula e a proposta de oferecer mensalidades acessíveis para atender todos. A metodologia aplicada pela rede prevê a apresentação do conteúdo dos cursos – sejam eles de qual área for – no formato de jogos eletrônicos. “A proposta é estimular a interatividade para que os alunos se divirtam enquanto aprendem, fugindo daquele esquema ultrapassado de aulas 100% expositivas, chatas e maçantes”, explica Rogério. Segundo ele, o resultado não poderia ser melhor: 98% dos alunos avaliam as aulas como boas ou excelentes. Individualizado, pautado pela tecnologia e de baixo custo, o modelo de ensino criado por Rogério mostrou-se um excelente negócio, conquistando mais de 500 franqueados em oito anos. Dos mais de 50 cursos oferecidos em diferentes áreas, o destaque fica por conta dos de tecnologia de informação, incluindo web designer, personal CAD, Excel avançado e montagem e manutenção de computadores,

que figuram entre os mais procurados. Há também os tradicionais cursos nas áreas de administração, vendas e atendimento, além daqueles voltados para segmentos mais específicos e em alta no mercado, como petróleo e gás, entre outros. Motivado pelos bons resultados, em 2011 Rogério diversificou os serviços com o lançamento de uma nova bandeira, a Aprenda Idiomas, que utiliza a mesma metodologia no ensino de idiomas. Lançada em agosto do ano passado, a rede já tem quase 400 unidades, que funcionam dentro das escolas da Prepara no modelo store in store – ou school in school, como Rogério costuma dizer. “Isso garante uma fonte de receita extra para os franqueados e atende aos desejos dos alunos, já que os cursos de inglês sempre foram muito solicitados”, explica o empresário, que até o ano que vem pretende oferecer também o ensino do idioma espanhol. Os investimentos do grupo continuaram em 2012. No último mês de fevereiro Rogério iniciou a operação da microfranquia Ensina Mais. Seguindo a metodologia consagrada da rede, a mar-

Individualizado, pautado pela tecnologia e de baixo custo, o modelo de ensino mostrou-se um excelente negócio

ca é especializada em aulas de reforço escolar para crianças e adolescentes do ensino infantil e fundamental. Em apenas seis meses, a bandeira já soma 69 unidades. A meta, segundo Rogério, é encerrar o ano com 100 escolas. Ao todo, mais de 200 mil alunos estão matriculados nos cursos oferecidos pelo Grupo Prepara. Para quem deseja embarcar no sucesso da rede, os preços das franquias variam de R$ 38 mil, no caso de modelos mais compactos como o Ensina Mais, a R$ 160 mil. A lucratividade gira em torno de 30% do faturamento mensal, com prazo de retorno estimado entre 18 e 24 meses. “É um mercado que só tende a crescer, pois a velocidade de transformação das empresas hoje é muito alta, exigindo capacitação e reciclagem constantes”, reflete Rogério, que foi um dos selecionados para integrar o painel internacional da Endeavor em 2012. Mas não foi só o objetivo pessoal de prosperar como empreendedor que Rogério atingiu. Através de convênios firmados com diversas instituições, o empresário realiza diariamente a missão de encaminhar jovens ao mercado de trabalho. Através do site www.programamaisemprego.com.br os alunos da rede podem acessar as mais de 5 mil vagas de emprego disponíveis em diferentes locais do Brasil. “Também oferecemos gratuitamente aos nossos alunos assessoria na hora de elaborar o currículo e dicas sobre como se comportar numa entrevista de emprego.” Tudo para que ele esteja muito bem preparado.

empreendedor | setembro 2012

Rogério Gabriel: “Dispomos de um aluno por computador, cada um seguindo o seu próprio ritmo e focando em objetivos específicos de aprendizagem”

33


PANOR A M A

empreendedor | setembro 2012

Energia para

34 HermĂ­nio Nunes/ACS Eletrosul


O

A Revista Empreendedor inicia uma série sobre o desafio de se manter uma matriz energética renovável e competitiva diante do crescimento econômico, populacional e do acesso à eletricidade no Brasil

Brasil possui a matriz energética mais renovável do mundo industrializado com 45,3% de sua produção proveniente de fontes como recursos hídricos, biomassa e etanol, além das energias eólica e solar, conforme dados do Ministério de Minas e Energia (MME). Vale lembrar que a matriz energética mundial é composta por 13% de fontes renováveis no caso de países industrializados, caindo para 6% entre as nações em desenvolvimento. Mas, com o crescimento econômico, populacional e também do acesso à energia, a demanda – tanto empresarial quanto residencial – tem se ampliado consideravelmente. Uma projeção da Agência Internacional de Energia (AIE) estima que até 2035 o consumo brasileiro de energia primária cresça 78%. Além disso, é preciso diminuir os custos da energia para que as empresas tenham mais competitividade. Dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI) informam que, ao preço médio de R$ 330 por megawatt/hora (o triplo da taxa dos Estados Unidos e Canadá e o dobro da cobrada na China, Coreia do Sul e França), a tarifa de energia elétrica para a indústria no Brasil é a quarta mais cara do mundo – inferior apenas à da Itália, Turquia e República Tcheca. Para Robson Braga de Andrade, presidente da CNI, uma redução entre 10% e 15% no valor da energia elétrica é um

bom número para ajudar a recuperar a competitividade da indústria brasileira. Tudo isso gerando desenvolvimento social e sem comprometer o meio ambiente, reduzindo significativamente a emissão de gases de efeito estufa. O Brasil, durante a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, realizada em Copenhague no ano passado, a COP15, se comprometeu a reduzir essas emissões entre 36,1% e 38,9% até 2020, em relação ao que emitia em 1990. Atualmente o setor energético, da produção ao consumo, responde por 23% dessas emissões no Brasil, índice inferior apenas ao do desmatamento e agropecuária (70%), segundo dados do Ministério do Meio Ambiente (MMA). A pergunta que fica é: como superar este desafio? E ainda: que oportunidades de negócio surgem deste desafio? É o que a Revista Empreendedor vai procurar responder a partir desta edição. Segundo o livro Perspectivas tecnológicas de energia 2012: caminhos para um sistema de energia limpa, elaborado pela Agência Internacional de Energia (AIE), os investimentos em energias limpas deverão ser duplicados até 2020 para limitar a 2˚C o aumento da temperatura global em longo prazo. Os estudos do Plano Decenal de Energia 2020 indicam uma expansão média anual de 12% das fontes alternativas reno-

váveis. Essas fontes e as usinas hidrelétricas são prioridade no horizonte de planejamento, não havendo indicação da utilização de combustível fóssil, destaca o MME – diretriz reafirmada pelo preço competitivo demonstrado nos últimos leilões de energia. De acordo com Moacir Bertol, secretário adjunto de Planejamento e Desenvolvimento Energético do ministério, a perspectiva do governo para 2020 é que a participação das fontes renováveis evolua para 47,7%, mantendo os altos níveis de uso de hidreletricidade e, simultaneamente, com o crescimento de biomassa, biocombustíveis e energia eólica. As reportagens da série Energia para crescer bem mostrarão o atual panorama do setor e as perspectivas de desenvolvimento, com base nas políticas e ações do governo e tendências de mercado nacionais e mundiais. O trabalho terá como foco as vantagens sociais, ambientais e econômicas de cada fonte energética e destacará as empresas inovadoras que atuam neste mercado. A primeira parte aborda a energia eólica, fonte alternativa que mais cresce no Brasil. Nas seis edições seguintes serão analisadas a energia solar, biomassa, energia do mar e outras fontes alternativas em pesquisa, energia hidráulica, biocombustíveis e, para finalizar, eficiência energética e redução do desperdício.

empreendedor | setembro 2012

crescer bem

35


PANOR A M A

gigantes campo de

Potencial energético dos ventos brasileiros gera cada vez mais eletricidade e oportunidades de negócio por Cléia Schmitz

empreendedor | setembro 2012

cleia@empreendedor.com.br

36

Demorou, mas finalmente o Brasil começa a se dobrar à geração eólica. Os bons ventos que sopram por aqui respondem por 1,39% de toda a eletricidade produzida no País. Sim, ainda é pouco, mas a quantidade de energia gerada cresce rápido. Em 2009, a participação eólica na matriz elétrica era de 0,6% e há 20 anos sequer tínhamos um aerogerador em funcionamento. Hoje são mais de 1 mil em atividade e se espera chegar a 4 mil até 2015. Estima-se que em 2020 os ventos respondam por 15% da energia produzida no Brasil. E ainda há muito espaço para crescer. O potencial eólico brasileiro é estimado em 300 gigawatts (GW ) e a capacidade instalada dos 79 parques em operação é de 1,734 GW, equivalente à metade de Jirau, hidrelétrica em construção no Rio Madeira, em Rondônia. Outros 60 empreendimentos estão sendo implantados e vão acrescentar 1,480 GW ao sistema. A perspectiva é chegar a 2016 com 8,4 GW de potência, representando 5,4% da matriz. “Já somos a segunda fonte mais competitiva no Brasil, atrás apenas da hidráulica”, destaca Elbia Melo, presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica). A consolidação da geração eólica no Brasil começou em 2009, quando aconteceu o primeiro leilão desta fonte no País. Desde então foram realizados quatro certames e contratados 6,7 GW a preços cada vez mais competitivos. No leilão de 2009, o preço médio de venda foi de R$

148,39/MWh. No último, em 2011, o valor médio ficou em R$ 99,54/MWh. “A inserção da energia eólica fortalece a estratégia do Ministério de Minas e Energia de manutenção do alto conteúdo renovável e de diversificação de forma sustentável da matriz elétrica brasileira”, resume Altino Ventura, secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do MME. O Global Wind Report 2011, relatório anual do Conselho Global de Energia Eólica (GWEC), coloca o Brasil entre os quatro países com maior crescimento do setor, atrás da China, Estados Unidos e Índia. O estudo, divulgado em abril deste ano, estima que, entre 2012 e 2016, a taxa média anual de crescimento da fonte eólica no País fique em torno de 40%, enquanto a taxa média global prevista é de 8%. Ao fim deste período, o Brasil deve ocupar a 10ª posição no ranking dos maiores produtores mundiais de energia gerada pelos ventos. Segundo dados do MME, em 2011 o crescimento da geração eólica foi de 24,2% em relação a 2010.

Cadeia produtiva O cenário favorável aguça o apetite das empresas que fazem parte da cadeia produtiva do setor. Segundo sondagem realizada pela ABEEólica, a indústria de equipamentos eólicos vai disputar um mercado de R$ 10 bilhões por ano. São fabricantes de pás, transformadores, semicondutores, inversores e drives, entre eles muitas empresas estrangeiras que se instalaram no Brasil nos últimos anos. “Até 2008 tínhamos apenas um fabricante de aerogerador; hoje são


empreendedor | setembro 2012

Renova Energia tem mais de 1 GW de capacidade instalada contratada em parques eĂłlicos no Brasil, entre eles o maior complexo da AmĂŠrica latina, no sertĂŁo da Bahia

37


panorama

empreendedor | setembro 2012

Elbia, presidente da ABEEólica: indústria de equipamentos eólicos vai disputar um mercado de R$ 10 bilhões por ano

38

11, o que representa maior competição, ganhos tecnológicos importantes e tranquilidade para os investidores”, ressalta a presidente da ABEEólica. O Brasil já ocupa posição de destaque nos negócios de muitos players globais do setor. É o caso da Arteche Turnkey Solutions. “O mercado eólico brasileiro gera em torno de 40% do volume de negócios da Arteche Brasil, o que representa aproximadamente 15% de faturamento para o grupo, em termos mundiais. Além disso, a experiência adquirida no Brasil está servindo como elemento propulsor para a estratégia de internacionalização da Turnkey Solutions em novos mercados potenciais da América Latina”, afirma a diretora comercial da empresa, Tânia Maira Aloisi de Souza. A Turnkey Solutions conta com 30% de participação na matriz eólica instalada no País atualmente. “Já fornecemos soluções para 16 parques e estamos construindo outros cinco complexos para os principais players do mercado, totalizando 1,17 GW de potência construída e em construção”, afirma Tânia Souza. Segundo a executiva, a empresa trabalha com a expectativa de acréscimo de potência na matriz energética

brasileira de 1,5 a 2 GW por ano, nos próximos 10 anos. “Avaliamos as perspectivas de expansão dos negócios relacionados ao mercado eólico brasileiro como muito promissoras, com geração de oportunidades em uma curva ascendente a longo prazo.” Tânia Souza destaca ainda a rápida capacidade de inovação e adaptação das empresas que atuam na cadeia eólica brasileira às demandas apresentadas pelo mercado nacional. “Evidenciamos fabricantes internacionais de aerogeradores estudando modificações em suas turbinas para adequação de suas máquinas ao comportamento de vento do Brasil e fabricantes de materiais e componentes desenvolvendo pesquisas no campo da engenharia de materiais a fim de lançarem materiais mais leves e resistentes às intempéries inerentes ao setor eólico.” Um exemplo do avanço tecnológico é a altura das torres, que nos últimos três anos passou de 50 para 100 metros. O potencial eólico brasileiro concentra-se nas regiões Nordeste e Sul, com destaque para os estados do Ceará, Bahia, Rio Grande do Norte e Rio Grande do Sul. Para a Renova Energia,

Tânia, da Turnkey Solutions: mercado eólico brasileiro gera em torno de 40% do volume de negócios da empresa no País

proprietária do maior complexo eólico da América Latina, localizado no interior da Bahia, a empresa é a maior prova de que a energia dos ventos é um excelente negócio. “Continuamos fazendo novos projetos. Isso significa que os resultados estão agradando aos acionistas”, destaca Rodrigo Bota, superintendente de implantação. “Antigamente a desconfiança era muito grande, mas as expectativas dos projetos feitos lá atrás se mostraram verídicas”, reforça o executivo.

Valorização atrativa A Renova Energia tem mais de 1 GW de capacidade instalada contratada em parques eólicos. O volume equivale ao consumo de 2 milhões de residências. Em 2010, a empresa fez seu IPO, oferta pública inicial de ações, e até hoje é a única empresa de geração de energia renovável com ações negociadas em bolsa. Desde então, as ações da companhia tiveram uma valorização de 73,4%. “Nós fomos pioneiros no segmento e hoje estamos colhendo os frutos por ter acreditado na eólica como uma fonte de energia importante dentro


Energia eólica no Brasil

Fonte: MME

Grandes números ao vento - 1,39% é a participação da energia eólica na matriz energética brasileira - 15% é a previsão da participação até 2020 - 79 parques eólicos estão em operação (1.734,52 MW) - 60 empreendimentos estão em construção (1.480 MW) - 24,2% foi o crescimento da geração eólica em 2011 - 300 GW é o potencial da energia eólica no Brasil

Leilões de energia eólica Leilão Energia contratada 2009 1.805,7 MW 2010 2.047,8 MW 2011 - A5* 976,5 MW 2011 - A3** 1.067,7 MW 2011 - reserva 861,1 MW

Evolução da capacidade instalada 2009 - 500 MW 2012 - 1.700 MW 2016* - 8 mil MW (*) Projeção

* Com início do fornecimento de energia cinco anos depois do leilão ** Com início do fornecimento de energia três anos depois do leilão

do Livramento, no extremo sul do Rio Grande do Sul. O Complexo Cerro Chato tem 45 geradores e capacidade instalada de 90 MW. É o primeiro empreendimento do leilão exclusivo de eólica, realizado em 2009, a entrar em operação. “Na época, oferecemos a menor tarifa, R$ 131/MWh, considerada inexequível pelo mercado. Mostramos que era possível baixar mais ainda”, afirma Airton Silveira, assistente da Diretoria de Engenharia. Com investimentos de R$ 1,8 bilhão, a Eletrosul está construindo mais 21 parques eólicos no Rio Grande do Sul, somando 480 MW de capacidade instalada.

energia elétrica no brasil 472 mil GWh foi o consumo nacional em 2011

736 mil GWh é a previsão da demanda em 2021

4,5% é a previsão de crescimento da demanda na próxima década Fonte: MME

São empreendimentos viabilizados no 12º Leilão de Energia Nova (A-3), realizado em agosto de 2011, e representam quase metade (44,16%) do total de energia eólica contratada no certame (1.067,7 MW ). A tarifa ficou em torno de R$ 100/MWh. Os parques serão implantados em Santa Vitória do Palmar (258 MW ), em Chuí (144 MW ) e em Sant’Ana do Livramento (78 MW ). As obras deste último já estão em andamento e devem ser entregues em janeiro de 2013. Os demais devem ser concluídos no início de 2014. Em pouco tempo, a geração eólica no Brasil deixou de ser uma aposta no futuro para se tornar uma fonte de energia viável e confiável, além de um excelente investimento. Hoje é impossível ignorar essa opção num país em que o consumo de eletricidade deve quase dobrar em dez anos. Por serem inconstantes, os ventos jamais substituirão completamente outras formas de geração, mas ganham um papel estratégico cada vez maior como fonte complementar no sistema elétrico brasileiro e ainda contribuem para manter limpa a matriz energética nacional. Que soprem bons ventos.

empreendedor | setembro 2012

da estratégia do País de investir em fontes renováveis”, destaca Bota. No início de julho, a Renova inaugurou no sudoeste da Bahia o Complexo Eólico Alto Sertão I. O empreendimento vai gerar 294 MW, representando um aumento de 29,4% na matriz eólica brasileira. O volume é suficiente para abastecer uma cidade de 2,16 milhões de habitantes. Foram investidos R$ 1,2 bilhão no complexo, formado por 14 parques e 184 aerogeradores. A energia do empreendimento foi comercializada no leilão de reserva de energia de 2009. Agora, a Renova parte para a construção de mais 15 parques eólicos, também na Bahia, com energia contratada nos leilões de 2010 e 2011. Seis deles, com capacidade de 163 MW, devem ser inaugurados em 2013; e os outros nove, com 212 MW de potência, em 2014. No Sul do País, os investimentos na fonte eólica marcaram o retorno da Eletrosul à geração de energia – em 1998, o parque de usinas da estatal foi totalmente privatizado. Desde dezembro de 2011, a empresa, do Grupo Eletrobras, opera comercialmente seu primeiro empreendimento eólico, localizado em Sant’Ana

Preço R$ 148,39/MWh R$ 130,86/MWh R$ 105,12MWh R$ 99,58/MWh R$ 99,54/MWh

39


panorama

você geração

empreendedor | setembro 2012

Resolução da Aneel permite que o consumidor possa gerar energia a partir de fontes renováveis e trocá-las num sistema de compensação com a distribuidora

40

Um novo mercado na área de geração de energia elétrica está despertando a atenção de empreendedores brasileiros e estrangeiros. É a microgeração de energia, uma modalidade que promete ganhar impulso com a aprovação da Resolução Normativa nº 482, publicada em abril pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). A resolução estabelece as condições para que o consumidor possa gerar energia a partir de fontes renováveis (eólica, solar, biomassa e pequenas centrais hidrelétricas) e trocálas num sistema de compensação com a distribuidora local. A eletricidade gerada pelos consumidores será descontada da conta de luz e o volume excedente transformado em crédito, beneficiando famílias, condomínios e pequenas empresas como hotéis e restaurantes. Quem acaba de chegar ao Brasil para explorar este mercado é a belga

Windeo Green Futur, líder em microgeração eólica e solar na Europa. “Estamos olhando o Brasil há muito tempo e vimos a Resolução 482 como um sinal positivo do governo para a microgeração. Achamos que o mercado ainda não está maduro, mas decidimos apostar mesmo assim”, afirma Alexandre Bretzner, diretor operacional da Windeo no Brasil. Ele aponta o crescimento do consumo de energia no Brasil, cerca de 5% ao ano, como um fator determinante para a decisão da Windeo de se estabelecer por aqui. “É quase meia Itaipu por ano”, destaca Bretzner. “Além disso, os ventos brasileiros são muito bons. O melhor ponto na Alemanha tem potencial 30% inferior do que o pior ponto de vento no Brasil.” Bretzner espera fechar o primeiro contrato da Windeo no Brasil neste mês de setembro. A empresa, que por

enquanto vai concentrar sua atuação na Região Sudeste, investiu R$ 2,5 milhões para entrar no mercado brasileiro e tem como meta chegar ao final de 2013 com um faturamento entre R$ 5 milhões e R$ 10 milhões. Na Europa, a Windeo tem 4,5 mil clientes e, em 2011, faturou 24 milhões de euros, 140% acima de 2010. A expectativa da empresa é que aos poucos o governo brasileiro aumente o rol de incentivos à microgeração, permitindo, por exemplo, a venda dos créditos de energia. “Isso aceleraria muito o retorno do investimento”, destaca Bretzner. A Windeo também defende a liberação de linhas de crédito específicas para investimentos em microgeração. Quem também aguarda novos incentivos a este mercado é o engenheiro Luiz Cezar Pereira. Ele começou sua aposta na microgeração há 15 anos, quando a energia dos ventos ainda era vista como


Pereira, da Enersud: com faturamento de R$ 2 milhões em 2011, empresa tem o maior número de turbinas eólicas de pequeno porte instaladas no Brasil

O melhor ponto na Alemanha tem potencial 30% inferior do que o pior ponto de vento no Brasil o vento. Não foi uma luta fácil, não”, lembra o engenheiro, curiosamente um egresso do segmento de energia fóssil. Antes de fundar a Enersud, ele trabalhou por 35 anos como funcionário da Petrobras. A Enersud investe cerca de 30% do faturamento em inovação. A empresa também mantém parceria com mais de 30 universidades brasileiras, além de escolas técnicas, Senai e Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

empreendedor | setembro 2012

um investimento para aventureiros. Nesse cenário pouco favorável, Pereira decidiu aplicar seu capital intelectual e financeiro num negócio focado na produção de aerogeradores e turbinas eólicas. Assim nascia a Enersud, instalada em Maricá (RJ). Com um faturamento de R$ 2 milhões em 2011, a empresa tem o maior número de turbinas eólicas de pequeno porte instaladas no Brasil. “Sou otimista. A expectativa é que se repita aqui o que aconteceu em outros países – um impulso no setor e uma redução de custos com o aumento da escala”, avalia o empreendedor. O tempo mostrou que Pereira estava mais para visionário do que aventureiro, apesar das dificuldades terem sido reais. “Pode-se dizer que eu vivi a préhistória da eólica, época em que estávamos aprendendo a lidar com uma das forças mais incontroláveis da natureza:

41


fRA NqUI A

forças empreendedor | setembro 2012

Soma de

42

Redes traçam diferentes estratégias para evitar a concorrência entre os diversos pontos de venda nos ambientes físicos e virtuais

por Raquel Rezende

raquel@empreendedor.com.br

A popularização da internet, a qual possibilita que a maioria dos brasileiros tenha acesso a inúmeros produtos e serviços por meio do e-commerce, está provocando mudanças na sistemática de mercado de alguns setores. Um deles é o franchising. As redes de franquias oferecem aos franqueados diversas opções de negócios que vão desde quiosques até lojas virtuais. E muitas marcas trabalham com os dois

canais de vendas: a loja física e a virtual. E, por isso, surge a preocupação de como realizar de forma justa a contabilidade das vendas dos produtos e serviços e ainda evitar a concorrência entre os diversos pontos de venda de uma mesma marca nos dois ambientes de comercialização. Na visão de Cris Franco, vice-presidente da Associação Brasileira de Franchising (ABF), os sites de vendas de produtos ajudam a divulgar a marca nos respectivos pontos de venda e contribuem para que vendam mais. A consultora do Grupo Bit-


tencourt, Claudia Bittencourt, tem a mesma opinião. E afirma que a maioria das franquias não tem como fugir de uma loja virtual. “A loja física e a virtual se complementam. E manter o canal de e-commerce só ajuda a divulgar ainda mais a marca”, analisa Claudia. Ela comenta também que geralmente o cliente compra na loja física, mas primeiramente pesquisa o produto ou serviço desejado na loja virtual. É exatamente esse o comportamento dos clientes da franquia Liga Retrô, especializada na produção e na comercialização de réplicas de camisas antigas de times e seleções de futebol, além de outros esportes. Marcelo Roisman, sócio da marca, explica que quando uma loja abre sua primeira unidade numa cidade, grande parte do público inicial dessa unidade é de clientes que conhecem a marca pelo site. “Há uma migração do cliente da loja on-line para a loja física”, constata. Diferente da maioria das marcas, a Liga Retrô teve início somente através do site, em maio de 2006, às vésperas da Copa do Mundo na Alemanha, quando colocou à venda 20 modelos de camisas de times e seleções. O sucesso foi instantâneo e veio acompanhado do crescimento do e-commerce no País. Roisman conta que, com

“A loja física e a virtual se complementam. E manter o e-commerce só ajuda a divulgar ainda mais a marca”, diz Claudia

Claudia Bittencourt: em geral o cliente compra na loja física, mas primeiro pesquisa na loja virtual

o tempo, havia muitos pedidos de uma loja física, já que o produto era novo no mercado e de vestuário – por isso muitas pessoas gostariam de sentir o tecido e ver o caimento. Diante disso, a primeira loja física foi inaugurada há cinco anos, em agosto de 2007. Na época, a marca tinha cerca de 50 modelos, mais que o dobro do início com 15 meses de vida. “No primeiro Natal da loja, as vendas explodiram e vimos que o crescimento da marca seria através de lojas físicas. Então começamos a procurar pontos em shoppings e não paramos mais”, lembra Roisman. E para não ter concorrência entre as próprias lojas, no ambiente físico e virtual, diferentes estratégias são traçadas. Os contratos de franquias realizados pela Liga Retrô, por exemplo, respeitam um determinado raio de atuação das lojas. E a venda na internet é feita somente pela franqueadora. “Há um estudo detalhado para cada cidade, delimitando onde podemos ou não ter novas lojas para que uma não afete a outra. Não é interesse de ninguém ter duas lojas competindo entre si”, afirma Roisman. A Nação Verde, rede de franquias de sustentabilidade que desenvolve e comercializa produtos naturais e orgâ-

empreendedor | setembro 2012

Marcelo Roisman e leonardo Klarnet, da liga Retrô: grande parte do público inicial da primeira unidade em uma cidade é de clientes que conhecem a marca pelo site

43


franquia

empreendedor | setembro 2012

Ricardo Cruz, da Nação Verde: “Apostamos na loja virtual para que os franqueados pudessem diversificar a sua atuação e alavancar o faturamento da unidade”

44

E-commerce permite novas possibilidades de negócios aos franqueados, diz Ricardo nicos com as linhas de alimentação, beleza, pet e higienização de carro e casa, também planeja evitar a concorrência entre as lojas da marca, delimitando as vendas de acordo com a localização dos pontos de venda. A empresa, criada em 2010 pelo empreendedor Ricardo Cruz, tem a proposta de estimular o hábito de consumo saudável e sustentável. O sistema e-commerce da rede foi criado recentemente. “Apostamos na loja virtual para que os franqueados pudessem diversificar a sua atuação e alavancar o faturamento da unidade”, destaca Cruz. O propósito da rede em integrar o e-commerce nos três modelos de franquias da marca – quiosque, loja e dealer (espaço maior) – é permitir novas possibilidades de negócios aos franqueados, conforme afirma Ricardo Cruz, fundador da Nação Verde. Toda a operação comercial das lojas físicas e virtuais é registrada em um software específico que realiza um cálculo e determina o valor vendido em cada loja. “Para que o empreendedor tenha total controle sobre a mercadoria vendida, o software permite gerenciar o estoque tanto da loja física quanto da on-line ao mesmo tempo.” Segundo Cruz, a loja virtual desenvolvida pela rede é considerada segura e de fácil manuseio. Ele explica que ao finalizar a compra o produto sai do estoque do franqueado e leva cinco dias para ser entregue ao cliente, dependendo da localização. O valor do frete não é cobrado a partir de R$ 150 em compras. O modelo virtual espera movimentar cerca de 30% do faturamento da franquia, que gira em torno de R$ 50 mil por mês. De acordo com a consultora do Grupo Bittencourt, é muito comum no mercado de franchising os franqueadores remunerarem os franqueados de acordo com as vendas realizadas na região onde o franqueado tem a preferência de atuação, inclusive as vendas na internet. Cris Franco complementa explicando que as marcas fazem uma equação para definir a distribuição e a entrega do produto no território do franqueado, dando um percentual para esse franqueado. Mas considera que a estratégia depende de cada rede. Claudia Bittencourt afirma ainda que o melhor caminho para não ter concorrência é a elaboração de contratos com regras bem claras para estabelecer a atuação das lojas físicas e virtuais pelas redes de franquias.


megafone

Aprenda a pensar “fora da caixa” Gosto de ideias de salas de descompressão inéditas e muitas vezes implementadas por empresas do mundo de tecnologia. O colaborador tem a possibilidade de jogar um game, disputar uma partida de totó ou pebolim, ouvir uma boa música e até mesmo desfrutar de massagens para relaxar. Dando um exemplo pessoal, eu gosto de cochilar 15 minutos após o almoço. Sou outro Rodrigo quando entra o segundo tempo! Mas nem sempre esta prática é vista com bons olhos! No Japão, por exemplo, isso é aplicado nas principais indústrias e vários estudos comprovam que os resultados melhoram. Outro ponto importante para ativar a criação é proporcionar momentos para que possam pensar fora da caixa. Não adianta manter a sua equipe dentro do escritório para achar soluções. Gosto do pensamento de “ir à rua e ver de perto!”. Conversar diretamente com o consumidor é uma prática que pode gerar novas ideias. Visitar o cliente e entrevistar as pessoas que estão envolvidas com determinada solução pode ser interessante também. Motivar as pessoas a praticarem os seus hobbies: tocar em banda, jogar golfe ou soltar pipa são ações que nos levam à nossa infância, auxiliam a resgatar na memória acontecimentos que nos proporcionam sentimentos felizes e importantes para o processo criativo de uma empresa e a busca por melhores resultados. A criatividade está na simplicidade de ver o mundo. Precisamos motivar as pessoas a praticarem atitudes que as deixem mais felizes com a vida! Isso ajuda muito não só no processo criativo, mas

por Rodrigo Geammal

Fundador e diretor-executivo da Elos Cross Marketing – agência brasileira pioneira no marketing de resultados de vendas, que tem o esporte e o entretenimento como conteúdo estratégico. rodrigo@eloscrossmarketing.com.br www.eloscrossmarketing.com.br (11) 3432-2028

nos resultados gerais das empresas. O clima melhora e, claro, os desafios não são vistos como problema e sim como adrenalina! Como falei, sou apaixonado pelas pessoas. As companhias precisam encarar que primeiro é necessário ter colaboradores felizes e depois alinhamos todas as outras demandas. Por isso, práticas esportivas e o entretenimento são indústrias de grande sucesso no presente, e no futuro essa tendência tende a se manter. São ferramentas que ajudam a pensar de forma diferente e buscar novas inspirações para os nossos desafios.

Não adianta manter a sua equipe dentro do escritório para achar soluções. Gosto do pensamento de “ir à rua e ver de perto!”. Conversar diretamente com o consumidor é uma prática que pode gerar novas ideias

empreendedor | setembro 2012

Oferecer novas ideias, sem dúvida, agrega valor ao trabalho. Neste sentido, como a empresa pode oferecer diferenciais para os funcionários que trabalham com criação terem o momento de descontração para pensar fora da caixa? Quem nunca teve uma brilhante ideia sobre um problema enquanto ainda está relaxando no seu quarto ou mesmo durante o banho? Isso acontece comigo frequentemente, principalmente quando estou pressionado para encontrar uma solução para determinado assunto profissional ou pessoal. Quando a nossa mente é mantida sob pressão, cada ser humano tem uma determinada reação. Tem gente que chora, outras pessoas ficam ansiosas e como impulso abusam dos doces e guloseimas. Há também gente que tem vontade de sumir do convívio com pessoas, enfim, cada um tem uma forma de ajustar o seu equilíbrio. Agora imagine os criativos das agências o quanto sofrem com os momentos de grande pressão na busca por grandes ideias para campanhas e ações promocionais. Essa galera, no português bem claro, sofre! Tem que ter muito equilíbrio para vivenciar essas situações. Venho acompanhando nos últimos anos os formatos de gestão dos empreendedores do mercado de agência e pouco vejo falar sobre novas técnicas de administração de equipe e gestão das pessoas. O que mais escuto é que o ambiente é de grande pressão, e caso o colaborador não esteja feliz tem todo direito de procurar novos caminhos. Eu sou fã do ser humano e acredito que o sucesso de qualquer negócio depende da felicidade das pessoas em participar do dia a dia de uma empresa. Não acredito em locais de conflito e de baixa valorização da equipe. Sabemos que o dia a dia hoje é repleto de pressão por busca de resultados, mas temos que encontrar soluções criativas para inovar.

45


f RA NqU I A

caminho inverso Enquanto muitas redes de franquias investem em formatos menores, a Fantasia, especializada em produtos Disney, está fazendo o caminho inverso e apostando no modelo de loja. Com um ano de existência, a rede começou a atuar apenas com o formato de quiosques. Hoje, são mais de 30 em 14 estados. A primeira loja deve ser inaugurada em novembro, em Mogi das Cruzes (SP). “Temos muitos franqueados pedindo uma loja Fantasia. Esta nova opção garante nossa consolidação no mer-

cado de franquias”, afirma Danielle Lyra, fundadora da marca. O modelo de loja tem investimento de R$ 300 mil. A taxa de franquia é de R$ 50 mil e a projeção de retorno é de 18 a 30 meses. O faturamento deve ficar em uma média de R$ 60 mil. A loja deve ter cerca de 45 m² e cinco funcionários. Já o formato quiosque custa R$ 194 mil, e a taxa é de R$ 50 mil e a projeção de retorno é de 18 meses com faturamento médio mensal de R$ 42 mil. Os quiosques têm 6 m², com

cerca de cinco funcionários por ponto. O investimento inclui instalação da unidade, estoque, treinamento e ferramentas para gestão do negócio para os dois formatos. A rede Fantasia oferece mais de 1 mil itens que vão de R$ 3 a R$ 300, como materiais de papelaria, brinquedos, eletrônicos, jogos interativos, livros, bolsas, roupas, artigos para a casa e cuidados pessoais. São fornecedores nacionais e internacionais licenciados, que atendem as exigências da Disney Company Brasil.

empreendedor | setembro 2012

com fermento

46

A expansão da Sodiê Doces, maior rede de franquias de bolo do Brasil, segue em ritmo acelerado. Para os próximos meses, estão previstos os lançamentos de 12 novas unidades no estado de São Paulo, além de duas lojas em Minas Gerais e uma em Mato Grosso do Sul. Primeiramente conhecida como Sensações Doces, a rede tem origem no interior paulista, na cidade de Salto,

e atua há mais de 13 anos no mercado, com mais de 90 lojas nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Mato Grosso do Sul e no Distrito Federal. “Estamos fortalecendo a marca em todas as regiões do Brasil. Nosso objetivo é ser referência ao oferecer produtos de qualidade e que atendam à expectativa de cada cliente”, afirma Cleusa da Silva, fundadora e proprietária da rede

Sodiê Doces. O grande diferencial da marca está no preparo artesanal dos bolos de acordo com a escolha do cliente. Em 2012, pela primeira vez, a Sodiê Doces recebeu o Selo de Excelência em Franchising, concedido pela Associação Brasileira de Franchising (ABF) às empresas que mais se destacaram no mercado durante o ano.


O faturamento das redes de franquias do setor de food service cresceu 17% em 2011 e alcançou o total de R$ 7,3 bilhões. O volume corresponde a 50,31% do faturamento do setor em geral. A expectativa para 2012 é ainda maior. “Espera-se 27% de crescimento em relação a 2011. As bases deste otimismo estão na abertura de novas lojas e em um segundo semestre mais ativo que o primeiro”, afirma João Baptista Jr, coordenador do Grupo Setorial de Redes de Alimentação da ABF. “O número de lojas deverá crescer cerca de 25% em 2012. Já em 2014, a previsão é de que tenhamos 75% mais lojas do que em 2011”, completa. Os dados constam da pesquisa Panorama Global das Franquias do Setor de Food Service, divulgada no último mês pela Associação Brasileira de Franchising (ABF) e ECD, consultoria especializada em food service. O objetivo do estudo é levantar

informações sobre as redes de alimentação, suas tendências, inovações e revelar a importância do segmento. A amostra teve a participação de 40 marcas que agregou 3.181 unidades de franquia, que representam 32% das que operam no mercado. “O setor de alimentação é muito importante dentro do franchising brasileiro. É o segmento que possui o maior número de associados à ABF, o que tem a maior quantidade de unidades e, sem dúvidas, o que mais gera empregos”, afirma Ricardo Bomeny, presidente da ABF. Foram analisados seis segmentos presentes no setor de redes de alimentação: comida asiática (10%), pizza/massas (12%), comida variada (45%); doceria (7%); snack/cafeteria (13%) e sanduíches (13%). “Dentre as 40 redes entrevistadas, o segmento de comida variada/grelhados/ outros, representa quase metade da amostra”, explica Baptista.

300 unidades A rede de franquias Seguralta alcançou a marca de 300 unidades no Brasil. Em 2012, a rede estreou em diversas cidades localizadas no Rio de Janeiro, São Paulo, Cuiabá, Paraíba entre outras. Focada em oferecer seguros em diversos ramos, a Seguralta Franchising se destaca nas áreas de vida, automóveis, imóveis, profissionais liberais, previdência privada, entre vários outros. Atualmente, a rede ocupa a nona colocação entre as franquias que mais venderam unidades em 2011. A Seguralta já está no mercado há mais de 40 anos, porém, apenas em 2008 aderiu ao franchising. A ideia partiu dos irmãos Reinaldo Zanon e Luis Gustavo Zanon, filhos do fundador, que visualizaram excelente oportunidade de expansão da marca. Desde então já foram vendidas 300 franquias no Brasil.

Nova marca Nova aposta do Grupo Boticário, a marca ‘quem disse, berenice?’, lançada em agosto, já conta com seis lojas abertas na capital paulista. A sétima unidade será inaugurada em outubro, também na cidade de São Paulo. A marca atuará no sistema de franquias e as lojas inauguradas serão operadas por franqueados da rede O Boticário que atuam na cidade. Com um portfólio de 500 produtos, ‘quem disse, berenice?’ também atuará com e-commerce a partir de setembro. “Com ‘quem disse, berenice?’ reforçaremos ainda mais a atuação do Grupo Boticário nos segmentos de perfumaria e cosméticos e nos consolidamos como um dos principais players do mercado. Atenderemos um perfil de consumidora que não focamos com O Boticário e nem com Eudora”, explica o presidente do Grupo Boticário, Artur Grynbaum. As lojas de ‘quem disse, berenice?’ vão operar em um sistema de autosserviço. Elas foram projetadas para que as consumidoras se sintam livres para experimentar todos os produtos, contando com a ajuda de uma consultora quando necessário. O e-commerce vai simular a experiência de compra de uma loja física, trazendo em um só lugar conteúdo e produtos de forma integrada. O portal quemdisseberenice. com.br foi planejado para se adaptar ao histórico de navegação da consumidora, oferecendo conteúdo, produtos e ofertas de acordo com o perfil de quem acessa. Também foi complementado com a presença expressiva nas principais redes sociais, sendo Facebook e Twitter as mais relevantes. O nome ‘quem disse, berenice?’ foi escolhido após um estudo de marca com a agência Santa Clara e pesquisas com consumidoras. O logo retrata uma boca com formato de coração, em alusão a ser uma marca que fala o que sente, verdadeira com o que acredita. Sua proposta de valor também reflete-se em ser um nome em português, com cara de bordão, fácil de entender e de lembrar.

empreendedor | setembro 2012

queremos comida

47


f RA NqU I A

empreendedor | setembro 2012

Pedra gelada

48

A Cold Stone Creamery, multinacional americana de sorvetes com mais de 1,9 mil lojas ao redor do mundo, inaugurou em agosto, em Curitiba, sua primeira loja no Brasil. Os sócios Leonardo Ribas Gomes, Joaquin Fernandez Presas, Rita Ribeiro e Benedito Gonçalves investiram cerca de US$ 2 milhões para trazer a marca para o País. A expectativa é abrir 30 unidades nos próximos quatro anos. Uma loja modelo será inaugurada em São Paulo até março de 2013. A rede aposta no produto como o grande diferencial: um sorvete Super Premium (classificação da americana FDA – Food and Drug Administration), elaborado a partir de matéria-prima selecionada e que pode ser customizado a partir de dezenas de ingredientes (mix-ins) escolhidos pelo cliente e misturados sobre uma pedra gelada. Daí o nome ‘Cold Stone’. Segundo a marca, é possível fazer 11 milhões de combinações. Além de sorvetes, bolos gelados, frozen yogurts, smoothies e milk-shakes de receita própria, são encontradas na loja opções de salgados e um menu de cafés Cold Stone, composto de bebidas quentes e frapês – os Frap’Stones, novidades para o Brasil que completam o cardápio.


Aposta certeira

100% baixo carbono A Associação Franquia Sustentável (Afras) reconheceu a Quatrum, rede de escolas de ensino de idiomas com foco em crianças e adolescentes, como a primeira franqueadora a ter 100% de adesão dos franqueados ao projeto Franchising de Baixo Carbono. O programa tem como objetivo reduzir e compensar os gases causadores do efeito estufa (GEEs). Entre as ações que foram adotadas pelos franqueados estão o uso de álcool nos veículos, coleta seletiva, utilização de lâmpadas econômicas, uso de fogão elétrico e a conscientização dos alunos em sala de aula. “A ideia foi rapidamente adotada pela franqueadora e franqueados da Quatrum, o que mostra a preocupação da rede em desenvolver ações que favoreçam o meio ambiente”, afirma Claudio Tieghi, presidente da Afras. Para o diretor de Operações da Quatrum, Claudio Arantes, o reconhecimento da Afras reforça o pioneirismo da escola, que conta com um método inovador para o ensino de idiomas para crianças. “A Quatrum tem um forte trabalho junto ao público infantil e tem a consciência de seu papel na educação dos alunos. Esse reconhecimento é uma conquista para nós”, diz.

Design do ano A Associação Brasileira de Franchising (ABF) anunciou no fim de agosto os vencedores do 3º Prêmio de Design ABF, uma parceria com o Retail Design Institute (RDI). A principal premiação – Design do Ano – ficou com a rede Bob’s. A franqueadora utilizou o design para transformar seu ponto de venda em um ambiente aberto, arejado, transparente e integrado com as características locais. O prêmio tem como objetivo reconhecer os projetos de design que contribuem para elevar a experiência de compra dos consumidores, a conquista de mercado e a melhoria de desempenho da rede, além de estimular o uso do design como ferramenta estratégica de negócio. Neste ano, 16 empresas concorreram à premiação. Confira os vencedores por categoria: 4Design do Ano – Bob’s 4Loja Pleno – Timberland (1º lugar) e Start Point (2º lugar) (a categoria engloba as redes com 10 ou mais franqueados e com no mínimo três anos de atuação) 4Loja Sênior – Scala (1º lugar) e Morana (2º lugar) (redes com 30 ou mais franqueados e com no mínimo cinco anos de atividade) 4Loja Máster – Bob’s (1º lugar) e Água Doce Sabores do Brasil (2º lugar) (redes franqueadoras com 60 ou mais franqueados e com no mínimo dez anos de atividade) 4Quiosque – Nutty Bavarian 4Menção Honrosa Pop Store – Chilli Beans 4Design Sustentável – Bob’s 4Inovação do Ano – Jelly

empreendedor | setembro 2012

Há 27 anos no mercado, com distribuição em mais de 70 lojas multimarcas, a Diletto, marca gaúcha de colchões, está investindo no segmento de franquias para expandir sua atuação. “O projeto inicial era de 30 lojas, mas pelo andamento acreditamos que esse número poderá ser facilmente ultrapassado”, afirma Alexandre Simionato, diretor comercial da Diletto. As primeiras unidades foram abertas em 2010, em Porto Alegre, e serviram como laboratório para o projeto de franchising. Hoje são 15 lojas, todas no Rio Grande do Sul, foco inicial da rede. Simionato explica que o objetivo da Diletto com o franchising é criar um modelo próprio de comercialização dos produtos da marca. “Nas franquias disponibilizamos um mix mais apurado, equipe treinada e preparada para o atendimento, uma forte identidade visual do ponto de venda e baixo investimento. O grande objetivo do projeto é disponibilizar uma grande rede de distribuição com baixo custo e estar próximo do consumidor final”, destaca.

49


perfi l

empreendedor | setembro 2012

Paulo Macedo e Ana Frony, fundadores da Flash! Idiomas

50

De olho nas

oportunidades


Capacidade de superar contratempos e visão de negócios de Paulo levou a Flash! Idiomas a um faturamento na casa dos milhões por Mônica Pupo

Paulo Macedo Empresa: Flash! Idiomas Idade: 52 anos Formação: Engenheiro elétrico, professor de inglês e tradutor juramentado Data de fundação: 1991 Ramo: Ensino de idiomas e tradução Sede: Rio de Janeiro Faturamento: R$ 3,5 milhões (2011)

Engenheiro elétrico por formação, o carioca Paulo Macedo começou sua carreira no segmento de escola de idiomas em meados da década de 1980, como professor da tradicional rede Brasas. Foi ali que conheceu e se apaixonou por Ana Frony, então sua aluna, e hoje esposa e sócia. Juntos criaram a Flash! Idiomas, empresa especializada no ensino de idiomas e prestação de serviços de tradução técnica, jurídica e juramentada. Há duas décadas no mercado, a companhia passou de um faturamento anual de menos de R$ 60 mil, em 1994, para mais de R$ 3,5 milhões no ano passado. Para 2012, as metas são ainda mais ambiciosas, com a expectativa de faturar pelo menos R$ 5 milhões. No início, o trabalho como professor de inglês servia apenas para garantir uma renda extra durante os tempos em que Paulo cursava Engenharia Elétrica na Universidade Católica de Petrópolis (UCP). Mas quando chegou a hora de optar por uma das carreiras, a paixão pelo ensino de idiomas falou mais alto. Em 1985, com duas promissoras oportunidades de emprego na mão – sendo uma delas na Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) e, a outra, no banco Itaú – Macedo não titubeou ao optar pelo ofício de professor. “Sempre gostei muito de estudar inglês e tenho certeza que foi esse o segredo do sucesso, pois se dedicar ao que se tem paixão é muito mais empolgante”, diz o empresário. No mesmo ano em que ele e Ana se casaram, em 1991, surgiu a chance de comprar uma escola de idiomas em parceria com mais três amigos, todos professores de inglês no Brasas. “Era uma escola

empreendedor | setembro 2012

monica@empreendedor.com.br

51


Alunos podem montar seus horários, individualmente ou em grupo, e optar por aulas na sede da Flash!, no Centro do Rio, na própria empresa, por telefone ou em suas residências

empreendedor | setembro 2012

perfi l

52

que já estava em funcionamento, chamada American Idiomas, localizada em duas salas alugadas num prédio comercial na Ilha do Governador”, detalha o empresário, que tinha 31 anos na época. Após mudar o nome para Flash! Idiomas e reformular toda a metodologia de ensino e a gestão do negócio, os sócios tiveram pela frente o desafio de ganhar a confiança dos quase 60 alunos herdados da antiga escola – o que não foi nada fácil, segundo o empreendedor. Um dos contratempos que surgiu referia-se ao aumento da mensalidade, ocasionando uma inevitável polêmica. “Com a reestruturação aumentaram os custos e precisamos subir o preço, até porque o valor praticado pelos ex-proprietários estava muito abaixo do mercado, comprometendo a qualidade do ensino e das instalações”, explica Macedo. Para agradar a todos, a saída foi oferecer um desconto generoso para os alunos que já estavam matriculados, de quase 90%. Ainda assim, menos da metade permaneceu na nova escola. “O pessoal debandou, sobraram pouco mais de 20 pessoas das 60 iniciais”, relembra o empresário. Para completar, os planos de Macedo de continuar trabalhando paralelamente como professor do Brasas foram por água abaixo. Assim que a direção da rede desco-

briu que ele e a esposa haviam se tornado proprietários de uma escola de inglês – e, portanto, concorrentes – o casal foi sumariamente demitido. “Tínhamos acabado de nos casar e não estávamos preparados para isso, mas hoje vejo que foi a melhor coisa que nos aconteceu: se não tivéssemos sido demitidos e continuássemos tocando a empresa apenas nas horas vagas, provavelmente teríamos ido à falência em pouco tempo”, reflete o empresário, que também ministrava aulas de inglês na Cultura Inglesa, de onde também foi demitido no ano seguinte, em 1992. Para atrair novos alunos, Macedo investiu pesado em publicidade, valendo-se da sua própria imagem e da dos sócios para promover a escola. “Como éramos professores dos melhores cursos do Rio de Janeiro, muita gente nos reconhecia pelas fotos ou pelo nome, o que foi fundamental para ganhar credibilidade nesse período em que éramos apenas um cursinho de bairro”, conta o empresário que, na companhia da esposa, assumiu a totalidade da empresa em 1997 após a saída dos sócios, que abriram outra escola de idiomas na Ilha do Fundão. A fase “cursinho de bairro”, como costuma dizer Macedo, durou quase uma década. Até que, em 1999, o empreende-


dor – que se considera, acima de tudo, um “eterno professor de inglês” – obteve autorização para atuar como tradutor juramentado, o que alavancou de vez os negócios da empresa. “Foi um divisor de águas na minha carreira e nos rumos da Flash!, pois nos especializamos em prestar serviços de tradução juramentada para empresas de petróleo e gás, incluindo a Petrobras e diversas outras companhias.” Hoje a empresa conta com uma equipe de 12 tradutores juramentados, além de mais de 100 profissionais que atuam no regime de freelancer em projetos de tradução técnica. Com a mudança da companhia para o Centro do Rio de Janeiro, em 2001, a Flash! Idiomas focou ainda mais no atendimento ao público corporativo – com ênfase nos cursos in company – e nos serviços de tradução técnica e juramentada, que atualmente correspondem a 80% da receita. Entre os cursos oferecidos estão o de Português para Estrangeiros, Inglês, Francês, Espanhol e Curso de Formação de Tradutores. Atualmente a escola soma 130 alunos. Segundo Macedo, o diferencial da área de ensino está no atendimento exclusivo aos alunos, que podem montar seus horários da maneira mais conveniente possível, individualmente ou em grupo, e

Participação em grandes eventos é a aposta de Paulo para manter crescimento de quase 100% ao ano optar por aulas na sede da Flash! – que foi transferida em 2010 para um andar inteiro no Centro do Rio de Janeiro – ou então na própria empresa, por telefone e até mesmo em suas residências. “O material utilizado em nossos cursos é totalmente personalizado. Muitas pessoas nos procuram querendo treinamentos rápidos para uma prova, uma entrevista, viagem ou intercâmbio que vão fazer. Então, desenvolvemos um programa em cima daquela situação específica”, explica. A empresa também mantém uma carteira com mais de 200 clientes, incluindo contratos para atender funcionários de grandes grupos como Statoil, Aalborg Industries, Modec, Vale, Stefanini, Fiocruz, Multirio, Petroclean, Hidroclean, Rolls Royce do Brasil, Odebrecht Óleo e Gás, Techint, Queiroz Galvão e Van Oord, sendo a maioria no setor de petróleo e gás.

“Nossa primeira empresa parceira foi a antiga Telerj, hoje Oi. A partir daí, nosso curso foi ficando conhecido pelo boca a boca dos funcionários e não paramos mais de crescer”, orgulha-se Macedo. Em 2011, a Flash! Idiomas venceu uma licitação do Ministério da Defesa e do Conselho Internacional de Esportes Militares (CISM) para realizar a tradução de todos os documentos, textos e releases do 5º CISM – Jogos Mundiais Militares. O evento, realizado no Rio de Janeiro entre os dias 16 e 24 de julho, contou com a presença de mais de 5 mil atletas militares de todo o mundo. “Foi o maior evento que já fizemos e foi determinante para o excelente resultado que tivemos no ano passado. Trabalhamos com 80 intérpretes em diversos idiomas, além do pessoal de apoio”, comemora Macedo. A participação em grandes eventos, com destaque para a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, é a grande aposta do empresário para manter o ritmo de crescimento que tem sido de quase 100% ao ano. “Estou muito otimista com o futuro, pois já comprovamos nossa capacidade em trabalhar neste tipo de evento e teremos muito a contribuir – e a lucrar – nessas ocasiões, que prometem movimentar o mercado carioca.”

empreendedor | setembro 2012

Empresa conta com uma equipe de 12 tradutores juramentados, além de mais de 100 profissionais freelancer em projetos de tradução técnica

53


54

empreendedor | setembro 2012


55

empreendedor | setembro 2012


PR ODU TOS E S ER v Iç O S

Impressão agilizada A Lexmark International, Inc. (NYSE: LXK), empresa que oferece produtos para impressão de imagens, software, soluções e serviços para ajudar empresas de todos os tamanhos a imprimir menos e economizar mais, lançou o Lexmark Scan to Hard Disk, um aplicativo que permite digitalizar rapidamente documentos e formulários utilizados com frequência, armazenando-os diretamente no disco rígido da multifuncional Lexmark para imprimi-los sob demanda. Além de armazenar os documentos no disco rígido, o usuário pode guardar em pastas públicas ou privadas, visualizar os documentos em miniaturas e mover, renomear ou excluir. Também é possível criar pastas para classificar os documentos, protegendo-os com senhas. A ferramenta é ideal para ambientes como lojas de varejo, entidades do governo e empresas que oferecem serviços de saúde como clínicas e hospitais. O Lexmark Scan to Hard Disk recupera documentos e formulários salvos no dispositivo multifuncional com rapidez para imprimi-los instantaneamente sob demanda, economizando tempo e dinheiro ao reduzir o desperdício de papel, pois só imprime as cópias necessárias. www.lexmark.com

clube de fãs Integrar os mundos on-line e offl-ine. Este é um dos grandes desafios das empresas nos dias de hoje e quem souber explorar esta integração sairá na frente. Percebendo essa oportunidade, a Gaudium – especializada em desenvolvimento de aplicativos para iPad, iPhone, Android e Web – criou o app GetLikes, que permite à empresa ou à marca aumentar o número de fãs em sua página no Facebook. Mas não se trata de qualquer fã. Quem curte é o cliente mais especial: o consumidor que já compra o produto da marca. O GetLikes funciona da seguinte forma: ele é instalado em um iPad, que fica disponível na loja ou em um evento, por exemplo. Ali mesmo, o cliente pode virar fã da marca em apenas três passos: tocar em “curtir”, inserir seu e-mail e senha – com segurança garantida – e dar ok. Automaticamente sua curtida é enviada à página da empresa e o cliente passa a receber as informações de sua marca preferida. A expectativa é chegar, nos três primeiros meses, a até 10 mil aplicativos GetLikes instalados. “Como o desafio de muitas empresas é estreitar esse dois mundos – on e offline – o objetivo do GetLikes é justamente aumentar a base de fãs que já são consumidores efetivos da marca. Com isso, ações de marketing como promoções e lançamentos, por exemplo, poderão ter retorno mais eficiente, pois atingirão o público que já se identifica com a empresa”, explica Bruno Muniz, sócio-executivo da Gaudium. O lançamento do aplicativo, cuja versão básica será gratuita, está previsto para a primeira quinzena de setembro, mas os interessados já podem fazer um pré-cadastro no site www.getlikes.com.br para receber, em primeira mão, a data em que ele estará disponível.

empreendedor | setembro 2012

Rastreamento russo

56

Líder na Rússia em soluções de rastreamento e monitoramento de veículos por satélite, a Russian Navigation Technologies (RNT) começou a atuar no mercado nacional. “Oferecemos aos interessados um mês de uso gratuito do sistema de rastreamento e do software de gestão. Assim, os clientes conseguem identificar melhor as maiores demandas na gestão de suas frotas e o quanto o sistema pode ajudar”, enfatiza Serge Demidov, CEO da MoveTracker Brasil. Os terminais da MoveTracker são baseados nos sistemas de localização por satélite russo Glonass, recém-lançado no Brasil, e norte-americano GPS, podendo funcionar com os dois ao mesmo tempo. Além disso, a empresa é uma integradora do ciclo completo, pois produz equipamentos e desenvolve softwares, podendo atender qualquer demanda, desenvolvendo soluções personalizadas com total garantia para o sistema. www.movetracker.com.br


Logística apurada cessidade da grande parte das edificações industriais. Mecanicamente, resistem a pressões de vento de até 120 quilômetros por hora. Segundo o diretor da Hörmann Brasil, o engenheiro Flávio S. G. Pinto, a Norma Europeia EN13241-1 regula os itens de série que devem constar na segurança da porta, evitando riscos de acidente durante o manuseio. Os principais dispositivos garantem a imobilização imediata da porta em caso de quebra de algum componente estrutural. Já o nivelador de carga, ainda pouco empregado no Brasil, é um equipamento essencial para distribuir produtos com rapidez. “De nada adianta aumentar vendas e produção se, por falta de uma rampa automática de nivelamento entre carroceria e piso da edificação, a carga não embarcar rápido nos caminhões que levarão os produtos ao destino”, explica o diretor da Hörmann Brasil. Produzidos sob a Norma Europeia EN 1398, os niveladores de carga são constituídos de mecanismo acionado por cilindros hidráulicos que movimentam uma plataforma de aço, funcionando como rampa de pas-

sagem entre edificação e veículo. Possuem capacidade dinâmica de carregamento entre 6 e 18 toneladas. “Podem ser encontrados com pestanas basculantes ou telescópicas. As pestanas funcionam como extensões da plataforma, acomodando-se na superfície da carroceria perfeitamente, evitando solavancos na passagem da empilhadeira”, detalha Flávio Pinto. Niveladores acionados por dois cilindros hidráulicos (ao invés de um apenas) proporcionam uma vida útil muito maior ao equipamento, além de ser mais estável ao operar (evitando riscos aos operadores). Segundo o engenheiro, para um projeto de porta seccional, a especificação começa com a análise do espaço interno da edificação. Conforme o tipo de construção, um modelo de guia específica. Para o nivelador de carga, o projeto deve basicamente ser especificado a partir das necessidades da operação que ele vai atender, devendo ser levadas em consideração as características da carga (peso, dimensões, frequência de uso, agressividade do ambiente aos componentes, entre outras). www.hormann.net.br

empreendedor | setembro 2012

Em sincronia com o crescimento econômico do País, alguns produtos chegam ao mercado da construção civil para melhorar a carga e descarga nas empresas e, ainda, contribuindo para a redução de gastos com manutenção predial. Esse é o caso dos produtos “porta seccional” e “nivelador de carga”, da Hörmann Brasil, que trabalham em conjunto em galpões logísticos. As portas seccionais, muito utilizadas na Europa, possuem a vantagem de utilizar pouco espaço nas edificações, trabalhar com alto grau de vedação acústica e térmica e, por seu conceito inteligente, resultar em gasto mínimo com manutenção ao longo do tempo. Com painel duplo de aço preenchido com poliuretano ecologicamente correto, a porta seccional possui guias laterais que acomodam os painéis na parte superior do vão, deixando-o totalmente aproveitável para a passagem. Possuem diversas opções de cores, visores e níveis de automação, podendo inclusive ser operadas por uma central de controle eletrônico, se necessário. Quanto às dimensões, podem ser produzidas com até 8 metros de largura e 7 metros de altura, atendendo à ne-

57


empreendedorismo já . c om

foco

empreendedor | setembro 2012

Relacionamento com cliente e com pessoas

58

Primeira pergunta: quem é o cliente? Uma pessoa como nós, como nossos parentes, vizinhos, amigos. Bem, uma pessoa. Então vamos mudar de Relacionamento com o Cliente para Relacionamento com as Pessoas. Perceba que uma das grandes habilidades das pessoas que se relacionam bem é a espontaneidade. Veja também que para exercer um relacionamento capaz de gerar frutos existem vários pilares elementares. Gostar de pessoas é um dos requisitos. As pessoas que gostam de pessoas são muito pouco julgadoras e procuram entendê-las da maneira que são, pois todos nós, em situações diferentes, acabamos expondo os pontos positivos e negativos. Normalmente, quando entrevisto candidatos, peço para colocar três pontos positivos e três negativos sobre si mesmos. Costumo pedir primeiro os positivos, que saem com enorme facilidade e rapidez. Logo após, peço os negativos. Aí começam os pensamentos, as confusões, os famosos “veja bem”. Muitas vezes, passam-se mais de cinco minutos e nem o primeiro ponto negativo sai. Esse comportamento é comum, pois as pessoas, principalmente os jovens, pouco se avaliam. Se eu perguntar a um amigo dessas pessoas os pontos negativos, sairão aos montes e rapidamente! Isso mostra o quanto julgamos e o quão pouco nos avaliamos de verdade. É preciso, sempre, avaliar com antecedência as necessidades esperadas das pessoas, pois características não são defeitos. Por exemplo, no geral gostamos mais de pessoas que ouvem àquelas que falam, pessoas sorridentes às soturnas, pessoas estáveis às alteradas, mas sabemos que

está longe do nosso alcance sermos da maneira que gostaríamos. Sendo assim, a habilidade de nos esforçar para compreender mais as pessoas é fundamental. Muitas vezes acabamos deixando de conhecer pessoas fantásticas por preconceito relacionado a características muito pequenas. Conheço algumas pessoas fantásticas das quais nunca consegui enxergar os dentes em um sorriso. Há também pessoas com um grande coração que não conseguem sequer olhar nos olhos, tamanha a submissão (não vamos confundir humildade com submissão). O que quero colocar para todos é que comecem a permitir que pessoas com características específicas que lhe desagradam possam se aproximar sem barreiras. É imprescindível deixar os julgamentos precoces de lado, mesmo que momentaneamente, pois também estamos sendo julgados por outras pessoas. Relacionar-se é o ato de promover permissões sem julgamento. É buscar a compreensão das características. É avaliar os seus defeitos com mais precisão que o outro e entender os anseios do seu interlocutor antes mesmo que ele se manifeste. É através do relacionamento que se faz a construção do conhecimento e que se torna possível a realização de sonhos, sejam eles profissionais ou pessoais. É importante entender que um ser sozinho, isolado, pode dar alguns passos rumo a um objetivo predefinido, porém, em determinado momento dessa caminhada, por essa pessoa não saber estabelecer relações, seu objetivo ficará cada vez mais distante e todo o esforço realizado terá sido em vão. No mundo dos negócios essa pre-

por Marcelo Ponzoni

Publicitário e diretor-executivo da agência Rae,MP, que atua há 23 anos no mercado; e autor do livro Eu só queria uma mesa, da Editora Saraiva. (11) 5070-1294 – marcelo@raemp.com.br www.raemp.com.br

missa é bastante verdadeira. O que seria das empresas e dos consumidores sem o estabelecimento de uma relação? Quando a empresa X deixa de ouvir dúvidas, anseios, reclamações, pedidos ou dicas oferecidos pelo seu público, acontece a quebra de confiança na relação estabelecida – por exemplo, no momento da aquisição de um produto determinado ou da prestação de um serviço. Costumo dizer que é no momento da apresentação de uma reclamação, da troca de um produto – seja qual for o motivo – ou quando o cliente se mostra insatisfeito com um fato determinado é que temos que demonstrar maior empenho para reverter a situação e fazer com que essa pessoa se sinta satisfeita por ter recorrido a nós. É nesse momento que provamos ao cliente sua importância para a empresa e, finalmente, reconstituímos as bases de uma relação de confiança possivelmente abalada.

Relacionar-se é o ato de promover permissões sem julgamento. É avaliar os seus defeitos com mais precisão que o outro e entender os anseios do seu interlocutor antes mesmo que ele se manifeste


banh o de loja

A invasão do luxo

Tudo o que está em volta do produto afeta a percepção sobre o mesmo – isto é merchandising. Saber alinhar todas essas percepções e estímulos é fazer comunicação estratégica para construir marcas, sejam elas de luxo ou não

code – o cliente pode baixar um app no smart­phone e registrar o local onde deixou o carro e não precisar da própria memória para encontrá-lo na volta. As comodidades não param por aí. Enquanto você faz compras num oásis de luxo (leia-se shoppings de alto luxo), você pode desfrutar o contato com a natureza com paisagismo estrategicamente posicionado na arquitetura. Ainda que esses espaços não estivessem “recheados” de tentações de consumo, valeriam o passeio pela arquitetura, só para ver a expressão do novo luxo, que em nada se parece com os palácios de Versalhes nem na carga de informação, muito menos na proporção de dourados ou rebuscamento. Mas Paris continua sendo grande referência, não só em espaços arquitetônicos mas em moda, em gastronomia... e nenhuma “invasão do luxo” seria completa se não se pudesse degustar iguarias como se estivesse na Champs-Élysées. A chegada da famosa pâtisserie francesa Ladurée, com seus macarons diretamente importados da França, consolida o luxo no chá da tarde. Luxo também é poder ir a um cinema 4DS que, além da conhecida tridimensionalidade do 3D, promete experiências com estímulos sensoriais. Sensação é uma palavra muito importante para construir espaços e marcas de luxo. A famosa experiência de compra assume proporção elevadíssima. Cada detalhe conta, desde o tamanho da vaga onde o cliente poderá parar sua Ferrari até a noção de quanto exclusivo é o produto e o

Por Kátia Bello

Kátia Bello é arquiteta, especialista em comunicação estratégica de varejo e sócia-diretora da Opus Design. katia@opusdesign.com.br

quanto ele é valorizado como pessoa e as reverências que o atendente pode fazer. Lojas de alto luxo entendem bem disso, da necessidade da abordagem ter um padrão de excelência do começo ao fim. Desde a aparência das vendedoras, a maneira como elas se comunicam ou gesticulam, até a maneira como o produto está exposto tem que estar alinhado com a proposta da marca. Tudo o que está em volta do produto afeta a percepção sobre o mesmo – isto é merchandising. Saber alinhar todas essas percepções e estímulos é fazer comunicação estratégica para construir marcas, sejam elas de luxo ou não.

empreendedor | setembro 2012

A expressão “invasão do luxo” tem sido utilizada pela imprensa para descrever o desembarque crescente de marcas de luxo globais na capital paulistana. Com a recente inauguração de mais um shopping de alto luxo, chegaram por aqui marcas consagradas mundialmente que definitivamente carimbaram nosso passaporte na rota internacional da classe “triple A”, ou seja, o topo da classe A. Esses empreendimentos de luxo são verdadeiros oásis na metrópole. Espaços que unem comodidades de tecnologia, tais como estacionamentos com sinais luminosos que indicam a direção que você deve ir para encontrar vagas, ao invés de deixar o cliente rodando em vão com o carro até encontrar uma vaga ou se irritar e desistir. Outra novidade no quesito “conforto para estacionamentos” é o mapeamento por QR

59


leitura

Jogos para ganhar dinheiro

empreendedor | setembro 2012

Cerbasi ensina, de forma lúdica, a usar a lógica e o raciocínio para fazer investimentos lucrativos

60

Especializado em finanças pessoais, o consultor Gustavo Cerbasi utiliza a metodologia dos jogos de lógica para ajudar os leitores a treinar a mente e identificar oportunidades de ganhos financeiros e possíveis riscos na hora de empreender. Através de desafios ao raciocínio, o autor pretende estimular o pensamento numérico, criativo, tático e estratégico, áreas fundamentais na hora de detectar um problema e suas soluções. Os exercícios incluem a simulação de situações distintas em que é possível aferir a criatividade e a capacidade para redução de gastos e prospecção de investimentos. O livro começa com um teste de autoavaliação de situação financeira. Em seguida está dividido nos capítulos “Pensando com números”, no qual pretende aquecer as

habilidades com números utilizando o raciocínio lógico, além de outras percepções visuais ajudando a estimular o cérebro; “Criatividade”, que, segundo Cerbasi, “é uma habilidade fundamental quando precisamos adaptar ao novo, ao inusitado e aos novos desafios”; e “Lógica”, que conduz o pensamento ao raciocínio para nos levar a uma resposta verdadeira, permitindo assim a compreensão correta sobre a ideia proposta. A seguir, o capítulo “Estratégia e tática” ajuda a captar o espírito do problema e a tirar vantagens das oportunidades sempre que elas apareçam. “Exercícios e reflexões” coloca em prática habilidades de pensamentos ensinados nos capítulos anteriores, e, finalizando, o capítulo “Soluções” traz respostas para as atividades apresentadas.

Estratégia

Thomas P. Ference e Paul W. Thurman Editora Saraiva R$ 49

Investidor-anjo: guia prático para empreendedores e investidores

A obra apresenta os conceitos básicos do planejamento estratégico para que seja possível planejar, justificar, implementar e medir qualquer novo produto, serviço ou conceito. Com base em cases de sucesso, os autores desenvolveram reflexões úteis para profissionais de diversas áreas, como gestão, marketing, finanças, contabilidade, operações e análise de dados. A proposta é transformar o pensamento estratégico num prático exercício de síntese, por meio do qual as ferramentas e os ensinamentos bá­ sicos adquiridos an­te­ riormente podem ser aplicados em conjunto.

Destinada a investidores e empreendedores em geral, a obra divulga um novo conceito de investimento e empreendedorismo no Brasil, o investimentoanjo. Os investidores-anjo são profissionais de diferentes áreas que apostam em projetos de organizações inéditas e inovadoras no mercado. Além de financiar as corporações, eles orientam os empresários, indicando possíveis clientes, fornecedores e parceiros. Nos Estados Unidos os investidores-anjo foram decisivos para o sucesso de diversas empresas contemporâneas, a exemplo do Google e Facebook.

Cassio A. Spina Editora nVersos – R$ 42

Investimentos inteligentes – 52 jogos de lógica e raciocínio para ajudar você a ganhar e multiplicar seu dinheiro Gustavo Cerbasi – Coquetel – R$ 39,90

Como convencer alguém em 90 segundos

Nicholas Boothman Universo dos Livros – R$ 29,90 Estabelecer confiança e respeito é fundamental na hora de fechar um negócio, seja ele qual for. Para auxiliar os empreendedores nesse processo, a obra ajuda a identificar diferentes perfis de interlocutores com o objetivo de aprimorar a comunicação na vida profissional e pessoal. O autor parte do princípio de que os primeiros 90 segundos de qualquer encontro não são apenas um momento para causar uma boa impressão, mas representam instantes preciosos para estabelecer conexão com a pessoa que está à sua frente. Apresenta ainda exercícios que utilizam todas as ferramentas do seu corpo – rosto, mãos, movimentos das pernas, além de atitude e voz juntamente com palavras e estilos linguísticos – para motivar e influenciar alguém.


61

empreendedor | setembro 2012


PE NS E G RA ND E

EMP RESáR I O R I c O E fEl I Z

O presidente

empreendedor | setembro 2012

Qual é a semelhança entre o empreendedor e o jogador de futebol? O jogador de futebol tudo o que sabe fazer na vida é jogar bola. E ama isso. Mas o jogador, quando se destaca, atrai empresários que passam a ter interesse em investir em sua carreira. Realiza-se um contrato e o empresário, com espírito investidor, se concentra na administração da carreira do jogador. Este bota sua alma na arte de jogar bola. Com isso, aumenta muito a possibilidade do craque sair de um time de várzea para jogar em times da série “A” do campeonato nacional. Por consequência, tornar-se rico e famoso. O empreendedor é igualzinho: é alguém que tem habilidade em algo, por experiência ou técnica (contabilista, engenheiro, cabeleireiro), e ama fazer isso. Ele decide abrir um negócio por conta própria. No entanto, diferentemente do caso do jogador, ele tem que empreender e ao mesmo tempo ser seu próprio empresário. É como se o jogador de futebol fosse o craque e, simultaneamente, o presidente do time. Eis a questão: como o empreendedor sabe qual papel está desempenhando? O papel de jogador, de técnico ou de presidente do time?

62

O JOGADOR – Você que está na lida do dia a dia empresarial sabe que a maioria dos donos de empresas funciona como se fosse um jogador de futebol. O que ele gosta mesmo de fazer é jogar bola, ou comparativamente ao mundo dos negócios, é o empresário que gosta de estar na operação do dia a dia do negócio. É a costureira que ama costurar, o engenheiro que gosta de construir, o dono do supermercado que adora comprar e vender, e assim por diante. É comum ele não prestar atenção à

linguagem empresarial: fluxo de caixa, contas a pagar e a receber, DRE, etc., que metaforicamente seria a função de um técnico do time de futebol, que a partir dessas informações organizadas e explicitadas poderia tomar decisões táticas para o time ganhar o jogo. O PRESIDENTE – Mais comum ainda é o empresário não se enxergar como um presidente de time, que representa os interesses dos investidores. Como presidente ele tem que prestar atenção em assuntos que um jogador nem se dá conta, como, por exemplo, o retorno do investimento, a lucratividade da operação e a acumulação de reserva financeira. E qual é a importância de se acumular reserva financeira? Na verdade, em termos de empreendimento empresarial com fins lucrativos a reserva financeira é a linha de partida e também a linha de chegada. Na linha de partida ela representa o montante de capital inicial investido. Na linha de chegada ela representa o retorno do capital investido. E o que o presidente faz com a reserva acumulada? Ele a divide em três partes: um terço destina para fazer reinvestimentos em seu negócio e mantê-lo sempre competitivo. Outro terço ele deixa para contingenciamentos, ou seja, para imprevistos, ou a continuidade de seu capital de giro. E com o último terço ele faz a distribuição de lucros. Numa grande empresa os lucros são distribuídos para os acionistas, que são os investidores e os verdadeiros donos da empresa. No âmbito da empresa por conta própria para quem são distribuídos os lucros? Eles vão para a pessoa física que investiu no empreendimento empresarial. Mesmo que você tenha investido apenas R$ 12 para comprar

O que o presidente faz com a reserva acumulada? Ele a divide em três partes: um terço para reinvestimentos em seu negócio, outro terço para contingenciamentos, e o último para distribuição de lucros

Por Joel Fernandes

Autor dos livros Eu quero ser empresário rico!, Empresário rico também vai para o céu e Sua pequena empresa: muito além da sobrevivência! e do site www.euqueroserempresariorico.com.br

balas numa lanchonete e revendê-las no semáforo, os R$ 12 equivalem ao seu capital inicial, fazendo de você o investidor de sua empresa e, como tal, tem direito aos lucros realizados. Presidentes de empresas prestam atenção a estes indicadores: lucros, retorno do investimento, reservas financeiras. A partir deles tomam decisões estratégicas em relação a clientes, produtos, preços, vendas e mercados. Para melhorar esses resultados é que faz sentido para presidentes de empresas sempre buscarem as melhores práticas de gestão. O EMPREENDEDOR – E você? Quanto de seu tempo tem reservado para o papel de presidente que cuida de assuntos estratégicos? Ou de técnico que toma decisões em relação às táticas empresariais? Ou você só tem jogado bola? Lembre-se: jogar bola ou estar no dia a dia da operação de seu negócio pode deixá-lo feliz, mas certamente não é suficiente para torná-lo rico. Para tornar-se um empresário rico e feliz você tem, necessariamente, que assumir o papel de presidente. Então faça isso. Pense grande. Aja como presidente!


63

empreendedor | setembro 2012


ANÁL I S E EC ONÔ MIC A

Governança corporativa em empresas familiares A atual conjuntura empresarial exige processos mais transparentes que possibilitem um ambiente com atmosfera de equidade e confiança

empreendedor | setembro 2012

Nos diversos tipos de mercado do mundo globalizado, a concorrência é uma característica marcante. Deste modo, cada vez mais as empresas necessitam encontrar fórmulas para aumentar produtividade e lucratividade. O Brasil não foge a essa regra. Depois de enfrentar décadas de inflação alta, endividamento e estagnação da economia, o País vive momentos de prosperidade, com estabilidade acompanhada de crescimento econômico sustentado. Ao adentrar a economia mundial de maneira voraz, o Brasil deparou-se com um cenário caracterizado por uma crescente complexidade, através da qual o mercado impõe desafios às organizações. Assim, aos empresários não basta sobreviver, mas vencer as complexidades da gestão. A atual conjuntura empresarial exige processos mais transparentes que possibilitem um ambiente com atmosfera de equidade e confiança. Devido ao crescimento das organizações familiares, surge a necessidade da profissionalização da gestão visando garantir a perpetuidade da empresa. Em linha a este pensamento, destaca-se a importância da governança corporativa nas empresas familiares. Tema que, nos últimos tempos, vem ganhando espaço em discussões, seja no mercado de capitais ou fora dele, despertando a

64

atenção para a relevância deste assunto. Diante da notável aplicação da governança corporativa em empresas de capital aberto, é cabível frisar que a utilização das práticas de governança não deve ser exclusividade destas, pois tanto empresas de capital fechado como as de controle familiar podem adotar tal metodologia. As organizações familiares apresentam diversos fatores positivos, a exemplo da agilidade na tomada de decisão, flexibilidade nos processos internos e clima organizacional positivo, além de uma atmosfera de “paixão” pelo negócio. No entanto, também existem pontos negativos que colocam em risco a longevidade do negócio como, por exemplo, limitação de capital para o desenvolvimento, ausência de plano de sucessão, exclusão de oportunidade a profissionais talentosos na organização por não possuírem vínculo familiar, falta de gestão profissional estratégica que possibilite a reinvenção da empresa para se confrontar às constantes mudanças no ambiente de negócios e baixa governança. No Brasil, ao longo dos anos, vivenciamos diversos exemplos em que grandes grupos empresariais de controle familiar pereceram ou mudaram de mãos devido a uma série de motivos, a exemplo de

Ao adentrar a economia mundial de maneira voraz, o Brasil deparou-se com um cenário caracterizado por uma crescente complexidade, através da qual o mercado impõe desafios às organizações. Assim, aos empresários não basta sobreviver, mas vencer as complexidades da gestão

más práticas de gestão ou ausência de um plano de sucessão estruturado, dentre outros. Grande parcela desses fracassos empresariais resulta ou de gestões heterodoxas – fora dos padrões – ou de condutas equivocadas, significando dizer que poderiam ter sido evitados caso as práticas de governança estivessem sendo adotadas. A adoção do conselho de família, a profissionalização da diretoria e a formação de um conselho de administração, em boa parte composto por conselheiros independentes, têm se mostrado como boas medidas para melhorar a governança. Essas iniciativas, muitas vezes, carregam a imagem de excessiva burocracia ou de impacto negativo em despesas pela exigência de controles internos mais rigorosos. Tal visão parece exprimir também um excessivo apego ao poder, naturalmente centralizado na empresa familiar. Em suma, cada empresário deve pesar prós e contras sobre a adoção das práticas da governança corporativa em sua empresa, de modo que se consiga sobreviver a este mercado complexo. O fato é que as empresas de controle familiar, em geral, costumam encontrar maior resistência às novas práticas de gestão e, consequentemente, maior risco de sucumbirem ao mundo empresarial.

por Dante Apostolico Bitelli Leme Investimentos


Nome Classe Ação All Amer Lat ON Ambev PN B2W Varejo ON BMF Bovespa ON Bradesco PN Bradespar PN Brasil Telec PN Brasil ON Braskem PNA BRF Foods ON Brookfield ON CCR Rodovias ON Cemig PN Cesp PNB Cielo ON Copel PNB Cosan ON CPFL Energia ON Cyrela Realty ON Duratex ON Ecodiesel ON Eletrobras ON Eletrobras PNB Eletropaulo PNB Embraer ON Fibria ON Gafisa ON Gerdau Met PN Gerdau PN Gol PN Ibovespa Itausa PN ItauUnibanco PN JBS ON Klabin S/A PN Light S/A ON Llx Log ON Lojas Americ PN Lojas Renner ON Marfrig ON MMX Miner ON MRV ON Natura ON OGX Petroleo ON P.Acucar-Cbd PNA PDG Realt ON Petrobras ON Petrobras PN Redecard ON Rossi Resid ON Sabesp ON Santander BR UNT N2 Sid Nacional ON Souza Cruz ON Tam S/A PN Telemar N L PNA Telemar ON Telemar PN Telesp PN Tim Part S/A ON Tim Part S/A ON Tim Part S/A PN Tran Paulist PN Ultrapar PN Usiminas ON Usiminas PNA Vale ON Vale PNA Vivo PN

Participação Bovespa 1,104 0,979 0,701 3,902 3,130 0,993 0,390 2,726 0,596 1,341 0,622 0,802 1,134 0,685 1,539 0,598 0,784 0,441 1,866 0,589 1,311 0,890 0,743 0,530 0,755 1,498 1,648 0,660 2,574 1,211 100,000 2,315 4,015 0,934 0,404 0,541 0,914 1,207 1,098 0,546 1,440 1,233 0,845 3,773 0,808 2,745 2,206 8,517 1,283 1,163 0,352 1,097 2,359 0,443 1,041 0,225 0,268 0,923 0,155 0,125 0,170 0,840 0,229 0,486 0,592 2,462 2,925 11,956 0,793

Inflação (%)

Até 31/08 Tipo de Ativo Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação 9 Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação Ação

Índice IGP-M IGP-DI IPCA IPC - Fipe

31/Agosto

Ano

1,37* 1,09* 0,37* 0,35*

6,00 6,32 3,14 2,29

* Os índices do IGP-M, IGP-DI, IPCA e IPC-Fipe do mês de Agosto de 2012 foram obtidos através de estimativas do Banco Central do Brasil, disponíveis na página oficial da instituição.

Juros/Aplicação (%) 31/Agosto CDI Selic Poupança Ouro BM&F

Ano

0,69 0,69 0,51 4,67

6,03 6,08 4,35 16,79

Indicadores Imobiliários (%) 31/Agosto TR

0,01

Juros/Crédito (%) 31/Agosto

30/Agosto

Desconto 1,50 Factoring 3,61 Hot Money 3,06 Giro Pré (taxa mês) 1,71

1,50 3,60 3,06 1,71

Câmbio

Até 31/08

Cotação Dólar Comercial Ptax R$ 2,0372 Euro US$ 1,2576 Iene (US$ 1,00) $ 78,3100

Mercados Futuros Dólar Juros DI

Até 31/08

Outubro

Novembro

R$ 2,039 7,35%

R$ 2,051 7,30%

Contratos mais líquidos Ibovespa Futuro

31/08 57.560

empreendedor | setembro 2012

Carteira Teórica Ibovespa

65


agenda De 18/09/2012 a 20/09/2012

FI South America

Expo Center Norte – São Paulo – SP www.fi-events.com.br

Realizada desde 1995 no Brasil, tornou-se o maior e mais completo evento para ingredientes alimentícios da América Latina. Proporciona oportunidades tanto para as empresas expositoras quanto para o público visitante, que pode ter acesso ao que existe de mais recente na área.

De 27/09/2012 a 29/09/2012

6ª Feira Internacional de Franquias

Riocentro – Rio de Janeiro – RJ www.riofranchisingbusiness.com.br

Uma das dez maiores feiras de franquias do mundo, é o espaço ideal para quem quer expandir sua rede ou ter seu próprio negócio. Alavanca o setor local e mostra a força do Rio de Janeiro como polo gerador de novas tendências para todo o Brasil. Também oferece o Fórum de Franchising.

De 27/09/2012 a 30/09/2012

9ª Feira do Imóvel, Construção, Condomínios, Arquitetura e Decoração

Maxi Shopping Jundiaí – Jundiaí – SP www.feiccad.com.br

Reúne segmentos como o ramo imobiliário, construção civil, incorporadores, condomínios verticais e horizontais, arquitetura e decoração. Em seu nono ano consecutivo, é o maior evento de Jundiaí e região. Com 100 expositores e palestras todos os dias, atrai um público médio de 15 mil visitantes.

De 28/09/2012 a 3/10/2012

empreendedor | setembro 2012

São Paulo Boat Show 2012

66

Transamérica Expo Center São Paulo – SP www.boatshow.com.br

Reúne os maiores expositores do setor náutico nacional e internacional, com os principais lançamentos do setor. Seu público-alvo é altamente qualificado, sendo considerado o maior evento náutico indoor da América Latina e a principal vitrine de lançamentos para os amantes do mar.

De 8/10/2012 a 11/10/2012

14ª Exposição do Setor de Telecomunicações e Tecnologia da Informação

Riocentro Rio de Janeiro – RJ www.futurecom.com.br

O maior e mais qualificado evento do setor de comunicações da América Latina tem como objetivo reunir as forças deste mercado, proporcionando às empresas e aos profissionais participantes um ambiente adequado e estimulante para o desenvolvimento de negócios, de relacionamentos e de conhecimentos. O Futurecom é composto por dois grandes blocos: o Congresso Internacional e o Business Trade Show.

De 16/10/2012 a 18/10/2012

11ª Feira Internacional de Produtos e Serviços da Linha Pet e Veterinária

Expo Center Norte São Paulo – SP www.petsa.com.br

Vitrine do setor pet e veterinário da América Latina, um dos mercados que mais cresce em todo o mundo. Atrai visitação qualificada, reunindo profissionais do setor, como médicos-veterinários, pet shops, distribuidores, fabricantes de ração e suprimentos, laboratórios, entre outros. Na edição do ano passado 200 marcas tiveram a oportunidade de fazer networking e 20 mil profissionais estiveram presentes.

negócios solares De 17/10/2012 a 18/10/2012

Solar Summit

Staybrigde Suites – São Paulo – SP www.informagroup.com.br/solarsummit Reunir executivos para discutir a viabilidade de negócios relacionados à energia solar é a proposta da primeira edição do Solar Summit. Em pauta, os desafios regulatórios, técnicos e financeiros na expansão da fonte solar na matriz energética brasileira. O evento apresentará casos pioneiros no País com geração para áreas isoladas e para os estádios da Copa. Um dos destaques da primeira edição do Solar Summit será o painel de casos práticos: estão programadas apresentações da Usina Tauá (MPX Energia), do Projeto Megawatt Solar (Eletrosul), dos Estádios Solares (Coelba e Light Esco), do atendimento a regiões isoladas (Eletrobras) e da geração híbrida solar-eólica na Ilha de Araras, no Pará (Celpa).

De 24/10/2012 a 26/10/2012

Feira das Américas

Riocentro – Rio de Janeiro – RJ www.abav.com.br

Considerada o principal evento do setor de turismo voltado para o trade turístico. Reúne, além de agentes de viagens e operadores turísticos com poder de decisão, compradores de corporações (hosted buyers) provenientes do Brasil e do exterior. São cerca de 800 empresas destes setores expondo seus produtos, serviços, destinos e aumentando ainda mais sua rede de contatos.

De 24/10/2012 a 4/11/2012

27º Salão Internacional do Automóvel

Anhembi Parque – São Paulo – SP www.salaodoautomovel.com.br

O maior e mais importante evento automobilístico da América Latina. Apaixonados por automóveis podem desfrutar as tendências do setor e o que há de mais moderno no mundo dos automóveis.


67

empreendedor | setembro 2012


68

empreendedor | setembro 2012

Empreendedor 215  

Edição n.215 da revista Empreendedor, setembro de 2012

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you