Page 1

Ano XXXIV - nº 433 - Abril/2019

Distribuição Gratuita. Venda proibida.

A serviço da Igreja de Dourados, a Diocese do Coração


APRESENTAÇÃO: Queridos leitores, graça e paz! Jesus, luz que brilha nas trevas, Senhor da vida e Salvador dos homens! Na Páscoa de Jesus Cristo renova-se o nosso coração. Na certeza da ressureição exultemos de alegria, porque o Filho de Deus venceu a morte. Cristo ressuscitou, verdadeiramente, ressuscitou, aleluia! Na página Palavra do Pastor, Dom Henrique faz uma pertinente explicação sobre a espiritualidade da Semana Santa, nos ajudando a entender para viver bem o centro do mistério salvador de Cristo, do ano litúrgico, e consequentemente de nossa fé cristã. Também A Palavra do Papa, nos motiva a reafirmar, em nosso coração, a certeza da ressureição, que viveremos de modo profundo no Tríduo Pascal. O Dízimo quando bem entendido e assumido pelos cristãos, de nossa Igreja, se torna uma importantíssima via de evangelização e mútua acolhida entre os filhos de Deus, este tema é abordado na página Pastoral Diocesana. Pe. Fernando Lorenz, na Página Liturgia em Destaque, faz uma interessantíssima explicação sobre o Batismo, como primeira experiência Pascal do fiel, leia e aprofunde mais seus conhecimentos sobre a teologia batismal. Pe. Bruno Florindo, na Palavra de Vida, nos faz lembrar que a ressurreição operada por Cristo deve ser uma realidade vivida por nós, em todos os dias na nossa vida, caminhemos sempre junto d’Ele. A Igreja nunca deixou de entender que, independente de classificações que se faz da pessoa humana, ela tem sua dignidade, que deve ser defendida em qualquer circunstância, por isso nossa diocese não se omitiu das ações de acolhidas dos nossos irmãos venezuelanos que chegaram a Dourados, em busca de dias melhores. Para entender melhor sobre o tema, leia a página opiniões que fazem opinião. Não deixe de alimentar sua espiritualidade com os círculos bíblicos. Entenda um pouco mais sobre o Tempo da recepção dos sacramentos na Iniciação à Vida Cristã, na sessão Catequese Permanente, junto com o Pe. Alexsandro, o assessor diocesano da Catequese. Foi linda a participação de muitos dos nossos seminaristas e jovens do Caminho Neo Catecumenal na Jornada Mundial da Juventude, que ocorreu no Panamá em janeiro deste ano, confira nas páginas Espaço Jovem e Igreja em Serviço. Junto com o jovem comunicador Gabriel Fernandes. Leia com muita atenção a página Igreja é notícia, para saber dos acontecimentos da Igreja no mundo. Se encante com o belíssimo testemunho de vida de Santa Catarina de Sena. Deixe a criançada viver a criatividade na página criança em foco. Confira ainda a diocese em revista, e não perca os fatos marcantes de nossa caminhada como igreja diocesana. Enfim, fique por dentro da agenda deste mês. Em Unidade possamos testemunhar a alegria do Ressuscitado. Pe. Marcos Roberto P. Silva

2

padremarcosrobertop.silva@gmail.com

Abril de 2019

ÍNDICE

03

PALAVRA DO PASTOR

04

PALAVRA DO PAPA

05

PASTORAL DIOCESANA

06 07

LITURGIA EM DESTAQUE

08

OPINIÕES QUE FAZEM OPINIÃO

09

CÍRCULOS BÍBLICOS

13

CATEQUESE

14

ESPAÇO JOVEM

16

A IGREJA É NOTÍCIA

16 17 18 19

TESTEMUNHO DE VIDA

A espiritualidade da Semana Santa

O Tríduo Pascal

Dízimo, uma maneira de ser Igreja Batismo: primeira Páscoa do fiel

PALAVRA DE VIDA

Viver a alegria da ressurreição no dia a dia Operação Acolhida - Venezuelanos chegam a Dourados

Tempo da recepção dos sacramentos da Iniciação à Vida Cristã Seminaristas e jovens do Caminho Neo Catecumenal participam de JMJ no Panamá

Santa Catarina de Sena

CRIANÇA EM FOCO DIOCESE EM REVISTA FIQUE POR DENTRO!

EXPEDIENTE

Revista Elo - Abril/2019 - Ano XXXIV - nº 433 Presidente: Dom Henrique A. de Lima Diretor: Pe. Marcos Roberto P. Silva Equipe Revista Elo: Andreia Ramos, Estanislau N. Sanabria; Gabriel Fernandes S. Costa; Ir. Cristina Souza Silva; Ir. Denize Carvalho; Janete Favero; Luiz F. Torres, Ozair Sanabria; Pe. Adriano Ven de Ven; Pe. Alexsandro da Silva Lima; Pe. Bruno Florindo; Pe. Fernando Lorenz; Pe. Jander da Silva Santos; Pe. Otair Nicoletti; Suzana Sotolani; Diagramação e Projeto Gráfico: Michelle Picolo Caparróz Propriedade: Mitra Diocesana de Dourados Telefone: (67) 3422-6910 / 3422-6911 Site: www.diocesededourados.org.br Contatos e sugestões: contatorevistaelo@gmail.com Impressão: Gráfica Infante Tiragem: 15.820 exemplares


PALAVRA DO PASTOR

A espiritualidade da Semana Santa Queridos irmãos e irmãs, saudações em Cristo Jesus. Neste mês, quero refletir com vocês a grande riqueza de vida, amor, entrega e compromisso, paixão e ressurreição de Jesus. Quero convidá-los a fazer uma caminhada espiritual pela Semana Santa. DOMINGO DE RAMOS: Neste dia a liturgia recorda que, durante cinco semanas da Quaresma, preparamos os nossos corações pela Oração, pela Penitência e pela Caridade. Jesus realiza o mistério de sua morte e ressurreição, entrou em Jerusalém, sua cidade como um Rei do povo sofrido. Ele quis vivenciar isto, para que o povo O aclamasse como Rei. É uma grande festa e Jesus está consciente do que irá acontecer e está preparado. QUINTA-FEIRA SANTA: abertura do Tríduo Pascal! Neste dia acontecem dois ritos litúrgicos importantíssimos para a Igreja: Missa do Crisma ou dos Santos Óleos e a Instituição da Santa Ceia. a) Missa do Crisma: Dá-se a bênção do Óleo do Batismo, dos Enfermos e a Consagração do Óleo do Crisma. O bispo realiza a bênção e a consagração juntamente com seu clero e o Povo de Deus. Normalmente esta celebração é realizada na Catedral. A Renovação das Promessas Sacerdotais se dá por causa da Instituição da Santa Ceia. É oficialmente o dia do Sacerdote. Na diocese de Dourados a Missa do Crisma se dá na segunda-feira Santa. b) Instituição da Santa Ceia e o Lava-Pés: Liturgia realizada sempre à noite neste dia. Jesus mostra aos discípulos o dom da Autoridade e do Serviço. Cabem aos presbíteros o direito e o dever de ministrar e apresentar as oferendas a Deus e pedir a transformação do pão e do vinho em Corpo e Sangue de Cristo e distribuí-los entre vós. c) Vigília Pascal: Na Quinta Santa: na missa, após a Oração da Comunhão, as hóstias serão retiradas do Sacrário e colocadas no Altar da Vigília. As imagens serão cobertas e, é retirada a toalha do altar, relem-

brando a prisão de Jesus, no Horto das Oliveiras e todo o sofrimento que irá enfrentar até a morte na cruz. A Vigília Pascal é preparação para Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor Jesus. A Liturgia inicia com a invocação à Santíssima Trindade e, encerra com a bênção final no Sábado Santo, encerrando a Vigília Pascal. SEXTA-FEIRA DA PAIXÃO: Celebração da adoração de Cristo na Cruz. Esse dia é muito forte porque refletiremos e rezaremos a vida sofrida de uma pessoa inocente. Porém, devemos sempre lembrar que é um sofrimento que nos liberta de nossos pecados e nos leva à Luz pela Cruz de Cristo. Oportunizando-nos o recomeçar no discipulado. SÁBADO SANTO: último dia da Vigília, em que se realiza uma grande e lindíssima celebração, resgatando toda a História da Teologia da Redenção, passando pela Criação, Noé, Abraão, todos os Profetas, relembrando a aliança do Senhor Javé com seu Povo, que culmina na pessoa de Jesus, o nosso Salvador. Nesta noite, entoa-se o Glória solenemente. DOMINGO DA PÁSCOA: Dia da Ressurreição do Senhor Jesus. Toda liturgia quaresmal: Oração, Jejum e Penitência devem nos levar a este momento importantíssimo em nossas vidas e na vida da Igreja. Pela paixão, morte e ressurreição de Jesus, chamado de Mistério Pascal, nós recebemos o direto de sermos chamados de filhos amados de Deus. A Semana Santa é esse momento especialíssimo, para mergulharmos mais profundamente na compreensão do amor de Deus apaixonado pela humanidade, sua criação - Gêneses. Assim, cada detalhe litúrgico é muito rico e profundo. Esse gesto de Jesus deve-nos deixar apaixonados por Ele e por sua Missão. Feliz Páscoa a cada um de vós!

Dom Henrique A. de Lima, CSsR Bispo Diocesano

Abril de 2019

3


PALAVRA DO PAPA

O Tríduo Pascal Prezados irmãos, gostaria de parar para meditar sobre o Tríduo pascal... a fim de aprofundar um pouco aquilo que os dias mais importantes do ano litúrgico representam para nós, crentes. Gostaria de vos dirigir uma pergunta: qual é a festa mais importante da nossa fé: o Natal ou a Páscoa? A Páscoa, porque é a festa da nossa salvação, a festa do amor de Deus por nós, a festa, a celebração da sua morte e Ressurreição. E por isso, gostaria de refletir convosco sobre esta festa. Estes dias constituem a memória celebrativa de um grande e único mistério: a morte e a Ressurreição do Senhor Jesus. O Tríduo começa com a Missa da Ceia do Senhor, e terminará com as Vésperas do Domingo de Ressurreição. Ele marca as etapas fundamentais da nossa fé e da nossa vocação no mundo, e todos os cristãos estão chamados a viver os três Dias Santos — quinta-feira, sexta-feira, sábado; e domingo — entende-se — mas o sábado é a Ressurreição — os três Dias santos como, por assim dizer, a “matriz” da sua vida pessoal, da sua vida comunitária, como os nossos irmãos hebreus viveram o êxodo do Egito. Estes três Dias voltam a propor, ao povo cristão, os grandiosos acontecimentos da salvação, realizados por Cristo, e assim projetam-no rumo ao horizonte do seu destino futuro e fortalecem-no no seu compromisso de testemunho na história. No Tríduo pascal, a memória deste acontecimento fundamental, faz-se celebração cheia de gratidão e, ao mesmo tempo, renova nos batizados o sentido da sua nova condição, que sempre o Apóstolo Paulo exprime assim: «Se ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas lá do alto [...] e não... as da terra» (Cl 3, 1-3). Elevai o vosso olhar, fitai o horizonte, ampliai os horizontes: esta é a nossa fé, esta é a nossa justificação, este é o estado de graça! Com efeito, pelo Batismo ressuscitamos com Jesus e morremos para as realidades e para a lógica do mundo; renascemos como novas criaturas: uma realidade que pede para se tornar existência concreta, dia após dia. Caros irmãos e irmãs, disponhamo-nos a viver bem este Tríduo sagrado, já iminente para sermos cada vez mais profunda-

4

Abril de 2019

mente inseridos no mistério de Cristo, morto e ressuscitado por nós. Que nos acompanhe neste itinerário espiritual a Virgem Santíssima, a qual seguiu Jesus na sua paixão — Ela estava ali, olhava, sofria... — esteve presente e unida a Ele aos pés da sua Cruz, mas não se envergonhava do Filho. Uma mãe nunca se envergonha do filho! Estava ali, recebeu no seu Coração de Mãe a imensa alegria da Ressurreição. Ela nos alcance a graça de participar interiormente nas celebrações dos próximos dias, a fim de que elas transformem realmente o nosso coração e a nossa vida. E enquanto vos deixo estes pensamentos, formulo a todos vós os mais cordiais bons votos de uma feliz e santa Páscoa, juntamente com as vossas comunidades e os vossos entes queridos. E aconselho-vos: na manhã de Páscoa, levai as crianças à torneira e fazei com que se lavem os olhos. Será um sinal do modo como ver Jesus Ressuscitado. (Audiência Geral, Praça São Pedro, 28/03/2018. https://w2.vatican.va/content/francesco/pt/audiences/2018/documents/papa-francesco_20180328_udienza-generale.html)


PASTORAL DIOCESANA

Dízimo, uma maneira de ser Igreja

No intuito de bem cuidar dos Dizimistas e do Dízimo, a Diocese de Dourados, tem proposto, nos últimos dois anos, momentos de formação e espiritualidade para dinamizar a importância do Dízimo na Evangelização e Construção do Reino de Deus. Neste sentido realizou-se no dia 8 e 9 de fevereiro uma formação para o Clero, Religiosos e Religiosas, e no dia 9 a tarde com os membros das Pastorais do Dízimo de toda a Diocese, com o assessor André Luiz Moreira dos Santos. André propôs uma reflexão acerca da experiência de ser dizimista e a importância de uma gestão responsável e transparente do Dízimo. A experiência do Dízimo, é para o homem de fé, que conhece a Deus e se compromete com o seu Reino. “Por meio do Dízimo, que é uma contribuição motivada pela fé, os fiéis vivenciam a comunhão, a participação e a corresponsabilidade na evangelização.” (Doc 106, n.5) Ser Dizimista é oferecer a Deus a primeira e a melhor coisa. O Dízimo não é uma questão qualitativa e sim quantitativa, onde tudo que temos vem de Deus e por isto devolvemos uma parte para ele. O Compromisso de Fé e Experiência de Deus são os fundamentos que nos levam a alegria de ser dizimista. Portanto, se queremos levar os fiéis a uma experiência de ser dizimista, precisamos organizar a Pastoral do Dízimo de forma que acolha cada Dizimista,

conhecendo-o mais de perto, se colocando a serviço do mesmo, ou seja, uma pastoral para pastorear, e não somente seja uma pastoral de arrecadação, contribuindo assim para a gestão eclesial e alcançar uma excelência no gerir e no cuidar. O dom é feito a Deus, que dele não necessita, mas com o sentido preciso de socorrer as necessidades da comunidade, em termos de culto, de manutenção de serviços apostólicos, e de socorro aos irmãos mais necessitados. (Doc 8 Pág. 55) Sendo assim o Dízimo deve ser aplicado a partir de quatro dimensões: DIMENSÃO RELIGIOSA - Reconhecer que Deus é o Senhor de tudo; DIMENSÃO ECLESIAL - consciência de ser membro da Igreja; DIMENSÃO MISSIONÁRIA Partilha dos Recursos em Vista do Reino de Deus; DIMENSÃO CARITATIVA - Cuidar do mais necessitado, a serviço da caridade. Nesta caminhada, a Diocese de Dourados estará organizando uma equipe Diocesana, com assessoria do Pe Marcos, para edificarem e fortalecer um trabalho em unidade com todas as paróquias. “DÍZIMO, compromisso, partilha e gratidão!” Núcleo Diocesano de Pastoral

Abril de 2019

5


LITURGIA EM DESTAQUE

Batismo: primeira Páscoa do fiel

Caro leitor, você já se perguntou porque na celebração da Vigília Pascal se administra o sacramento do Batismo? O sacramento do Batismo é um mistério muito antigo, prefigurado na própria origem do mundo, quando “Deus disse: haja luz. E houve luz” (Gn 1,3). A palavra de Deus fez surgir, do nada, uma explosão de luz. Naquela primeira noite, a noite da criação, estão as raízes do mistério pascal que, após o drama do pecado, constitui a restauração e a coroação daquele instante inicial. Deus que nos cria, nos recria no Batismo e tem uma finalidade própria na vida do homem. Segundo São Tomás de Aquino, a água é por instituição divina matéria própria do Batismo. Pela razão de que o batismo é novo nascimento, para a vida espiritual. Até porque todos os viventes possuem alguma relação com a água. A água é adequada para significar a ablução dos pecados. Por sua frescura abranda o excesso de calor e assim corresponde ao efeito de mitigar o estímulo da concupiscência. No Novo Testamento reencontramos todos os grandes temas simbólicos presentes na Antiga Aliança, mas, agora, é a Cristo que eles se referem. Todas a figuras antigas encontram em Cristo a plenitude. A oração sobre a água, na liturgia da noite pascal lembra: Jesus que, sendo batizado nas águas do rio Jordão, demonstra a sua solidariedade com a humanidade e antecipa a sua obra redentora. Jesus que sendo levantado na cruz, verte do seu flanco sangue e água; finalmente, Jesus que envia os apóstolos para batizar.

Nas catequeses de São Cirilo A decoração dos batistérios simboliza o paraíso, de onde Adão foi expulso e onde o batismo o restaura. A forma do Batistério é octogonal, representa o número oito, que é símbolo da ressurreição. É no oitavo dia que o Cristão entra para o seu batismo. O ato de desvestir das velhas roupas aparece como ‘imagem do despimento do velho homem’. O desnudamento de Cristo sobre a cruz figura o ‘desnudamento’ do homem velho. O óleo possui uma ação medicinal. Ele cura a alma das manchas do pecado. É utilizado pelos atletas para fortificar o corpo. A descida na piscina batismal é a descida nas águas da morte. Após o Batismo recebe uma túnica branca, símbolo do homem novo. Portanto, o batismo é administrado na vigília pascal para evidenciar a atualização do mistério da páscoa de Cristo, que se prolonga na vida da pessoa. O batismo é a primeira páscoa do fiel, pois sintetiza todos os sofrimentos que serão vividos ao longo da sua vida, antecipa espiritualmente a morte terrena e anuncia o mistério da ressurreição, em Cristo Jesus. Todos os elementos celebrativos da Vigília Pascal afirmam a continuidade da páscoa de Cristo, na vida de todo batizado. É a luz de Cristo que invade a escuridão da nossa existência e nos conduz à plenitude da vida eterna.

Pe. Fernando Lorenz

6

Pároco da paróquia São João Batista

Abril de 2019


PALAVRA DE VIDA

Viver a alegria da ressurreição no dia a dia

“Por que buscais entre os mortos Aquele que está vivo?” (Lc 24, 5)

Neste mês teremos a graça de celebrar a Páscoa de Nosso Senhor. Para nos ajudar na reflexão contamos com o Papa Francisco. A pergunta, que o evangelista coloca, leva-nos a refletir se estamos realmente buscando ainda Jesus entre os mortos ou se conseguimos encontrá-lo entre nós “vivos”. Depois de termos realizado o percurso quaresmal, é hora de vivermos com Cristo as alegrias da ressurreição. A certeza na Ressurreição do Senhor nos dá «uma alegria autêntica, profunda, baseada na certeza de que Cristo ressuscitado já não morre, mas está vivo e age na Igreja e no mundo». Mas, muitas vezes, precisamos ouvir a pergunta: “Por que buscais entre os mortos Aquele que está vivo?” «Estas palavras constituem como que um marco milenar na história; mas também uma “pedra de tropeço”, se não nos abrirmos à Boa Notícia do Evangelho, se pensarmos que incomoda menos um Jesus morto do que um Jesus vivo! Quantas vezes nós procuramos a vida entre as coisas mortas, no meio daquilo que não pode dar vida, entre as coisas que hoje existem e amanhã já deixarão de existir, entre as coisas passageiras...» E o Santo Padre continua: «Hoje também a nós é dirigida esta interrogação. Tu, por que procuras entre os mortos Aquele que está vivo, tu que te fechas em ti mesmo depois de uma falência, tu que já não tens a força para rezar? Por que buscas entre os mortos Aquele que está vivo, tu que te sentes só, abandonado pelos amigos e talvez até por Deus? Por que buscas entre os mortos

Aquele que está vivo, tu que perdeste a esperança, tu que te sentes prisioneiro dos teus pecados? Por que buscas entre os mortos Aquele que está vivo, tu que aspiras à beleza, à perfeição espiritual, à justiça e à paz?» Por isso nos diz São João Crisóstomo: «Onde está tua vitória, ó inferno? Onde está o teu aguilhão, ó morte? Cristo ressuscitou e foste arrasada! Cristo ressuscitou e os demônios foram vencidos! Cristo ressuscitou e os anjos rejubilaram-se! Cristo ressuscitou e a vida foi restituída! Cristo ressuscitou e não ficou morto nenhum no túmulo!» A morte foi vencida! Busquemos em nossa vidas refletir as alegrias da ressurreição de Cristo. A morte, a dor e a tristeza foram dissipadas pela alegria da ressurreição do Senhor. Nossas atitudes de Cristãos devem refletir a realidade da vida nova, que o Pai nos concede. Neste mês, peçamos ao Senhor a graça de viver na verdadeira Alegria, que brota de uma vida voltada para a Palavra de Deus e para o amor Fraterno. Que a experiência de celebrar o Tríduo Pascal nos leve à convicção de que não podemos parar na Sexta-feira Santa, procurando Jesus entre os mortos! A vida do cristão se dá na vida que emana do domingo de Páscoa, do Cristo Ressuscitado.

Pe. Bruno Florindo brflorindo@icloud.com

Abril de 2019

7


OPINIÕES QUE FAZEM OPINIÃO

Operação Acolhida - Venezuelanos chegam a Dourados Neste início de ano, a nossa cidade de Dourados passa a fazer parte da “OPERAÇÃO ACOLHIDA”. Diante da evasão dos irmãos venezuelanos para os países vizinhos, em busca de melhores condições de sobrevivência, fugindo da crise humanitária daquele país. Sendo o Brasil um destino natural, Dourados não fica fora desse esforço e entra na terceira fase - da interiorização, ou seja, depois do acolhimento, triagem e regularização documental, são encaminhados para cidades do Brasil, com o mínimo de condições, para início de uma nova vida. No programa “Palavra do Pastor” que foi ao ar dia 25/01, o titular do mesmo, Bispo Diocesano Dom Henrique, recebeu no estúdio 2 da Rádio Coração, a comissão responsável em Dourados, por esta ação humanitária, para os esclarecimentos e orientações dos procedimentos adotados e como todos podem e devem auxiliar e participar dessa acolhida. Foram convidados e participaram do programa os representantes: da Igreja Católica, Diácono Carlos Afonso; da Cáritas Diocesana, Odair Laércio; da Igreja Metodista, Pastor Aguimar Gonçalves; da Igreja dos Santos dos Últimos Dias, Leide Alves. Foi ouvido ainda, por telefone direto de Boa Vista-RR, o Coronel Alexandre Carvalhaes. Em etapas, Dourados acolherá cerca de 400 irmãos venezuelanos.Sendo que no dia 3 de fevereiro o Exército desembarcou 100 venezuelanos na Catedral de Dourados, onde foi oferecido um delicioso almoço. E desta forma deu-se o início da acolhida nas paróquias, e em seguida organizando casas para morar, e vieram com emprego garantido. Esta matéria não visa discutir política ou regimes políticos, mas colaborar para uma reflexão social e humanitária, à luz do Evangelho e da Doutrina Social da Igreja. A Constituição Pastoral “Gaudium et Spes”, parágrafo 29, nos ensina: “As excessivas desigualdades econômicas e sociais entre os membros e povos, da única família humana, provocam o escândalo e são obstáculo à justiça social, à equidade, à dignidade da pessoa humana e, finalmente, à paz social e internacional”. Jesus nos fala: ”Era peregrino e me acolhestes” (Mateus 25, 35). Esta frase é precedida de um feliz convite da parte do Senhor: “Vinde, benditos de meu Pai” (Mateus 25, 34). Revelando-nos a importância do acolhimento cristão e de como Jesus está naquele que precisa da nossa acolhida. Assim, independente das causas, cabe-nos acolher, sem julgar se as pessoas são merecedoras ou não. Culpadas ou não. Importante é exercitar esta obra de misericórdia evangélica, sem olhar as razões, conside-

8

Abril de 2019

rando, sobretudo os sofrimentos que estes irmãos e seus familiares, são submetidos. Antes de sermos dessa ou daquela nação ou religião, raça, língua, cor, cultura, somos todos filhos de Deus. Assim, somos todos irmãos e devemos nos acolher para aliviar as dores de quem sofre, quase sempre como consequência do individualismo e autoritarismo de pessoas constituídas da autoridade de governar as nações. O Papa João XXIII, na Carta Encíclica “Pacem in Terris”, parágrafo 30, nos ensina: “no relacionamento humano, a determinado direito natural de uma pessoa corresponde o dever de reconhecimento e respeito desse direito por parte dos demais”. Temos o direito de acolhimento e vida digna, é justo que concedamos, a estes irmãos, este direito, que lhes é negado em sua pátria. “O mundo está doente. O seu mal reside menos na dilapidação dos recursos ou no seu açambarcamento por parte de poucos, do que na falta de fraternidade entre os homens e entre os povos”. Já nos alertava Paulo VI no parágrafo 66 da sua Carta Encíclica “Populorum Progressio”, promulgada em 26 de Março de 1967. Apesar dos avanços tecnológicos e científicos, conquista dos espaços, avanço da medicina e da ciência, o mundo continua doente. Uma vez que, o coração do homem ainda continua mesquinho, egoísta, usurpador e dominador, atitudes que provocam a falta de fraternidade entre os povos, causadora primeira e raiz principal da doença social, que ainda hoje assola a humanidade, originando guerras, êxodos em massa da própria pátria, e tantas outras formas de injustiças. A Igreja, em nenhum momento, descuidou ou deixou de alertar sobre estas questões e sempre traçou orientações claras, mostrou caminhos a serem trilhados, mas nem sempre, foi ouvida, nem considerados os seus apelos. Agora, aqui em Dourados, novamente se une e convoca os corações de boa vontade, para minimizar os sofrimentos dos irmãos venezuelanos. Sejamos solidários. É ao próprio Senhor Jesus que estamos acolhendo.

Luiz Farias Torres RCC Dourados


CÍRCULOS BÍBLICOS

1º ENCONTRO “Lavem-se, purifiquem-se! Aprendam a fazer o bem!” Acolhida: Bíblia, vela, flores, galho seco!

Todos: “Serás libertado pelo direito e pela justiça!” (Is 1,27).

Animador/a: Estamos aqui mais uma vez reunidos em torno da Palavra de Deus. Sejam todas e todos bem vindos! Iniciemos o nosso encontro Bíblico, cantando o Sinal da Cruz.

Leitor/a 1: “Comecemos em casa, na comunidade: Direito, justiça e paz entre nós! Depois nos abrimos a toda a humanidade!” (Papa Francisco).

Canto inicial: “Perdoai-nos, ó Pai, as nossas ofensas...” ABRINDO OS OLHOS PARA VER Animador/a: Estamos no tempo da Quaresma! Tempo de oração, jejum, misericórdia, de partilha, justiça e amor. Leitor/a 1: “Só a conversão autêntica dos corações ao Evangelho, pode levar os seres humanos ao amor fraterno e ao perdão!” (Papa Francisco). Animador/a: Já disse o profeta Isaías: Todos: “Lavem-se, purifiquem-se! Parem de fazer o mal; tirem da minha vista as maldades! Aprendam a fazer o bem!” (Is 1, 16 - 17).

Leitor/a 2: A Campanha da Fraternidade, no Brasil, acontece no tempo da Quaresma. O primeiro objetivo da Campanha da Fraternidade é “despertar o espírito comunitário e cristão no Povo de Deus, comprometendo, em particular, os cristãos na busca do Bem Comum!” Leitor/a 3: O segundo objetivo da CF é “educar o povo cristão para a vida em fraternidade, a partir do direito, da justiça e do amor, em vista de uma sociedade justa e solidária!” Daí o lema da CF de 2019:

ORAÇÃO INICIAL Animador/a: Peçamos perdão pelas vezes em que fomos omissos e não nos empenhamos em busca do Bem Comum. Leitor/a 2: Perdão, Senhor, pelas vezes em que fomos egoístas, esquecendo que vivemos em sociedade! Todos: Ajudai-nos a buscar o Bem Comum, defendendo e participando nas Políticas Públicas, compromisso de qualquer cidadão e cidadã! Despertai-nos para uma cultura de fraternidade, apontando princípios do direito e da justiça, denunciando violações da dignidade humana, defendendo caminhos de solidariedade e eliminando, desde já, o mal que nos fere e prejudica. ESCUTANDO A PALAVRA Leitor/a 1: “É necessário o compromisso de todos/as de agir em favor do Bem Comum, construindo uma sociedade justa e solidária. Cada um é corresponsável no bem e no mal!” (Papa Francisco). O profeta Isaías critica, com palavras duras, as autoridades de seu tempo. Canto: “Pela Palavra de Deus...” Leitor/a 3: Leitura do profeta Isaias 1, 16-18.21-23. (proclamar duas vezes). a) O que, nesta leitura, chamou mais sua atenção? b) “Aprendam a fazer o bem!” O que posso fazer concretamente pelo Bem Comum? ASSUMINDO A PALAVRA Animador/a: Políticas Públicas são

ações do governo, que têm por objetivo melhorar e promover o Bem Comum. Isto é: Vida Digna para todo cidadão e cidadã! Conforme a Constituição Brasileira, todos/as temos direitos: direito à saúde, educação, moradia, segurança, emprego... Por isso é essencial votar bem, conhecer os compromissos, assumidos pelos candidatos, e fiscalizá-los! c) Estou fazendo isso? REZANDO A PALAVRA (Oração da CF 2019) Leitor/a 1: Pai misericordioso e compassivo,/ que governais o mundo com justiça e amor;/ dai-nos um coração sábio/ para reconhecer a presença do vosso Reino entre nós. Todos: Em sua grande misericórdia,/ Jesus, o Filho amado, habitando entre nós,/ testemunhou o vosso infinito amor/ e anunciou o Evangelho da fraternidade e da paz. Leitor/a 2: Que seu exemplo nos ensine a acolher/ os pobres e marginalizados,/ nossos irmãos e irmãs,/ com políticas públicas justas,/ e sejamos construtores/ de uma sociedade humana e solidária! Todos: Que o Divino Espírito acenda em nossa Igreja,/ a caridade sincera e o amor fraterno;/ que a honestidade e o direito resplandeçam em nossa sociedade,/ e sejamos verdadeiros cidadãos/ do “novo céu e da nova terra”. Amém! Animador/a: Rezemos para que as Políticas Públicas satisfaçam as necessidades básicas de todos, a começar pelos mais pobres e necessitados! PAI NOSSO, AVE-MARIA, GLÓRIA ao PAI... BÊNÇÂO FINAL Todos: Que o Deus da vida nos proteja, nos guarde na palma de sua mão, e nos abençoe, PAI... Canto (Abraços).

Abril de 2019

9


CÍRCULOS BÍBLICOS

2º ENCONTRO O caminho da conversão Acolhida: Preparar o altar com a Cruz e uma faixa de tecido roxo sobre ela, e se possível o cartaz da CF 2019. Animador/a: Sejam bem-vindas e bem-vindos ao nosso encontro. Que o amor de Deus Pai, a graça de Jesus o Filho, e a luz do Espírito Santo estejam conosco. Louvemos a Deus por mais esta oportunidade de caminhar juntos, na preparação para a Páscoa de Jesus. Certos de que Deus sempre nos chama à escuta e à reflexão de sua Palavra, iniciemos cantando: Em nome do Pai... Canto: Hino da CF: “Eis que o Senhor fez conhecer a salvação, e revelou sua justiça às nações”. Que, neste tempo quaresmal, nossa oração, transforme a vida, nossos atos e ações. Pelo direito e a Justiça libertados, povos, nações de tantas raças e culturas. Por tua graça, ó Senhor, ressuscitados, somos em Cristo, hoje, novas criaturas. ABRINDO OS OLHOS PARA VER Animador/a: O tempo quaresmal que estamos vivendo, é um tempo forte, propício para a mudança interior; é um tempo de graça e salvação. Leitor/a 1: “O Caminho da Conversão”, é concebido por uma profunda mudança de vida. É uma estrada de renúncia, numa constante atitude de despojamento, em relação a tudo aquilo que venha ser a propaganda de nós mesmos ou de nossas próprias obras. Leitor/a 2: É um despojar-se de nós mesmos, de nossos desejos, de nossas ambições, de nossas satisfações pessoais, para irmos ao encontro daqueles, onde a vida está mais ameaçada.

10 Abril de 2019

A tua Palavra é fonte que corre, penetra e não morre, não seca jamais. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mt 6, 1-6.16-18.

ORAÇÃO INICIAL (CF DE 2019) Lado A: Pai misericordioso e compassivo, que governais o mundo com justiça e amor, dai-nos um coração sábio para reconhecer a presença do vosso Reino entre nós. Lado B: Em sua grande misericórdia, Jesus, o Filho amado, habitando entre nós, testemunhou o vosso infinito amor e anunciou o Evangelho da fraternidade e da paz. Lado A: Seu exemplo nos ensine a acolher os pobres e marginalizados, nossos irmãos e irmãs com políticas públicas justas, e sejamos construtores de uma sociedade humana e solidária. Lado B: O Divino Espírito acenda em nossa Igreja a caridade sincera e o amor fraterno; a honestidade e o direito resplandeçam em nossa sociedade e sejamos verdadeiros cidadãos do “novo céu e da nova terra”. Amém. ESCUTANDO A PALAVRA Animador/a: Jesus orienta seus discípulos a fazer as coisas com modéstia e humildade, para não ficar refém dos elogios e da aprovação dos outros, e dessa forma sejam reprovados diante de Deus. Canto: Fala, Senhor! Fala, Senhor! Palavra de fraternidade! Fala, Senhor! Fala, Senhor! És luz da humanidade!

PARTILHANDO A PALAVRA a) Nas colocações de Jesus, quando é que a prática da esmola, da oração e do jejum são reprovadas por Deus? b) Quando é que essas práticas são acolhidas por Deus, e realmente provocam a conversão dentro de nós? ASSUMINDO A PALAVRA Animador/a: A vivência dessas atitudes práticas, expressas no Evangelho que acabamos de ouvir, deve nos levar a uma fé autêntica e compromissada, para que não sejamos uma igreja, de uma fé professa apenas internamente. c) Você já pensou como dar sentido ao seu jejum, a sua oração e a sua esmola nesta quaresma? REZANDO A PALAVRA Animador/a: Numa atitude de humildade e de transparência, elevemos ao Pai nossa oração. Não apenas para exteriorizar gestos e palavras, mas num sentido de união de vontade com o Pai. ORAÇÃO Animador/a Dando-nos as mãos, elevemos ao Pai a oração que Jesus ensinou: Pai Nosso... BÊNÇÃO FINAL Todos: Que o Senhor nos abençoe e nos guarde; que Ele mostre sua face e tenha compaixão de nós; que Ele volva o seu rosto e nos dê a paz: Pai, Filho e Espírito Santo. Amém! Canto: Eis o tempo de conversão, eis o dia...


CÍRCULOS BÍBLICOS

3º ENCONTRO Preparemo-nos para a Semana Santa! Acolhida: Preparar uma mesa com Bíblia, tecido ou toalha roxa, crucifixo e vela. Animador/a: Amados irmãos, sejam bem-vindos(as)! Hoje somos convidados(as) a nos preparar para uma mudança de vida, em vista da Páscoa. Preparar-nos para a Páscoa do Senhor, é fazer o caminho da conversão! Para isso, é fundamental sentir e viver de coração, a beleza e a riqueza de cada uma das celebrações da Semana Santa. Para bem iniciarmos nosso encontro, invoquemos a Santíssima Trindade: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém! Canto: Eis o tempo de conversão! Eis o dia da Salvação. Ao Pai voltemos, juntos andemos. Eis o tempo de conversão! Os caminhos do Senhor, são verdade, são amor. Dirigi os passos meus; em vós espero, ó Senhor! Ele guia ao bom caminho, quem errou e quer voltar. Ele é bom, fiel e justo; Ele busca e vem salvar. ABRINDO OS OLHOS PARA VER Leitor/a 1: “Na Semana Santa, vivemos o vértice da caminhada de Jesus, que se entregou voluntariamente à morte para corresponder ao amor de Deus Pai, em perfeita união com sua vontade, para demonstrar o seu amor por nós.” (Papa Francisco) Leitor/a 2: Com o Domingo de Ramos, inicia-se a Semana Santa! Em nossa Diocese, a Missa dos Santos Óleos é realizada na segunda-feira e presidida pelo nosso bispo, Dom Henrique, na Catedral. Leitor/a 1: Já o Tríduo Pascal inicia-se com a missa da noite da Quinta-feira Santa, a “Ceia do Senhor”; Sexta-feira Santa e Sábado Santo, culminando com o Domingo da Páscoa da Ressurreição. Que tal fazermos uma bonita experiência de fé nesta Semana Santa, participando das celebrações

em nossas paróquias? Canto: Bendita e louvada seja no céu a divina luz. E nós, também, cá na terra, louvemos a Santa Cruz! ORAÇÃO INICIAL Animador/a: Rezemos o Salmo 26. Todos: O Senhor é minha luz e salvação; de quem eu terei medo? O Senhor é a proteção da minha vida; perante quem eu temerei? Quando avançam os malvados contra mim, querendo devorar-me, são eles, inimigos e opressores, que tropeçam e sucumbem. Se contra mim um exército se armar, não temerá meu coração; se contra mim uma batalha estourar, mesmo assim confiarei. Sei que a bondade do Senhor eu hei de ver na terra dos viventes. Espera no Senhor e tem coragem; espera no Senhor! Canto: a escolha ESCUTANDO A PALAVRA Animador/a: Jesus foi aclamado com gritos de alegria: “Bendito o Rei que vem em nome do Senhor! Paz no céu e glória a Deus”. Canto: Hosana hei, hosana ha, hosana hei, hosana hei, hosana ha. (2x) Ele é o Santo, é o Filho de Maria, é o Deus de Israel, é o filho de Davi.

rança do povo! Rezemos, com Nossa Senhora das Dores, por todos os sofrimentos da humanidade. Leitor/a 1: Pelos doentes, aflitos, desempregados, injustiçados; pelas pessoas que perderam tudo nas tragédias ocorridas em nosso país, pela situação de dor e marginalização de tantos povos, rezemos: Todos: Pai Nosso, 10 Ave Marias e Glória. ASSUMINDO A PALAVRA Animador/a: “Que a Virgem nos obtenha a graça de estarmos interiormente envolvidos pelas celebrações dos próximos dias, para que o nosso coração e a nossa vida sejam realmente transformados por elas”. (Papa Francisco) c) Como podemos viver bem esta Semana Santa, em preparação para a Páscoa? BÊNÇÃO FINAL Animador/a: Que este tempo que estamos vivenciando nos faça pessoas melhores. Que Deus, na sua infinita misericórdia nos abençoe e nos guarde em seus caminhos. Todos: Em nome do Pai,... Canto: Vitória, Tu reinarás! Ó Cruz Tu nos salvarás. (2x)

Leitor/a 2: Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 19, 29-40. PARTILHANDO A PALAVRA a) O que mais chama a atenção no Evangelho que escutamos? Partilhe. b) Como você entendeu o versículo 40: “Eu digo a vocês: se eles se calarem, as pedras gritarão”? REZANDO A PALAVRA Animador/a: Na Palavra de hoje, Jesus é proclamado Rei, sinal de espe-

Abril de 2019

11


CÍRCULOS BÍBLICOS

4º ENCONTRO Jesus não está aqui! Ressuscitou! Acolhida: Preparar ambiente festivo: flores, vela, Bíblia; e se possível, uma imagem do Cristo Ressuscitado. Animador/a: Amados irmãos, sejam todos bem vindos! Todos os domingos celebramos Cristo, a nossa Páscoa. Neste encontro, de forma toda especial, estamos vivendo a festa da Páscoa. Jesus Ressuscitou! Aleluia! A morte não tem mais poder sobre nós. A vida venceu a morte para sempre. Saudemo-nos uns aos outros com um abraço de alegria e votos de Feliz Páscoa. Animador/a: Iniciemos o nosso encontro, traçando sobre nós o sinal do cristão: Pelo sinal da Santa Cruz... Canto: Porque Ele vive, eu posso crer no amanhã... ABRINDO OS OLHOS PARA VER Animador/a: Irmãos, temos a maior e melhor notícia a ser dada ao mundo em todos os tempos: Jesus Ressuscitou! Aquele que morreu, não permaneceu na morte; não ficou morto, mas ressuscitou para sempre. Essa notícia deve ser proclamada por sobre os telhados, para que todos sejam atingidos e contagiados pela alegria da Ressurreição. Leitor/a 1: Esta alegria deve nos contagiar e nos impelir ao anúncio entusiasmado da Boa Notícia. Temos um Deus vivo, ressuscitado, vitorioso. Jesus vive; Ele reina sobre a morte; Ele é a nossa vitória. Leitor/a 2: Somos convidados a ressuscitar com Jesus. Morremos com Ele, para com Ele ressuscitar para a eternidade. ORAÇÃO INICIAL Animador/a: – Rezemos com a Igreja a sequência da Liturgia do Domingo de Páscoa: Grupo A: Cantai cristãos, afinal: “salve

12 Abril de 2019

ó Vítima Pascal!” Cordeiro inocente, o Cristo abriu-nos do Pai o aprisco. Grupo B: Por toda ovelha imolado, do mundo lava o pecado. Duelam forte e mais forte: é a vida que vence a morte. Grupo A: O Rei da vida, cativo, foi morto, mas reina vivo! Responde, pois, ó Maria: no caminho o que havia? Grupo B: “Vi Cristo Ressuscitado, o túmulo abandonado. Os anjos da cor do sol, dobrado no chão o lençol. Todos: O Cristo que leva aos céus, caminha à frente dos seus!” Ressuscitou, de verdade: ó Rei, ó Cristo, piedade! Canto: Ressuscitou, Ressuscitou, Ressuscitou, aleluia... ESCUTANDO A PALAVRA Animador /a: As testemunhas vivas nos contam, com detalhes, a constatação e a maravilha da Ressurreição. Que o Cristo ressuscitado seja a nossa alegria perene! Canto: Um certo Galileu (5ª estrofe) Vitorioso, ressuscitou. Após três dias à vida Ele voltou. Ressuscitado, não morre mais. Está junto do pai, pois Ele é o Filho eterno. Mas Ele vive em cada lar e onde se encontrar um coração fraterno. Proclamamos que Jesus de Nazaré glorioso e triunfante Deus conos-

co está. Ele é o Cristo e a razão da nossa fé e um dia voltará! Leitor/a 1: Proclamação do Evangelho Segundo Lucas 24, 1-12 PARTILHANDO A PALAVRA Leitor/a 1: A ressurreição de Jesus é o fundamento da nossa Fé. Não nos serviria de nada um Deus morto. É certo que Ele morreu. Mas, também é verdade que Ele ressuscitou vitorioso e glorioso, para não mais morrer. Leitor/a 2: Nesta verdade fundamenta-se toda a nossa Fé e a esperança de que um dia, também nós, ressuscitaremos com Ele e Nele para sua glória e nossa felicidade plena. a) Ao contemplarmos o Cristo Ressuscitado, que sentimentos invadem o nosso coração? b) Quais as certezas e dúvidas que ainda temos? REZANDO A PALAVRA Animador/a: Como já refletimos, nossa Fé está baseada na Ressurreição de Jesus Cristo; rezemos e professemos com fé: Creio em Deus Pai, Todo Poderoso... ASSUMINDO A PALAVRA Animador/a: Assumir a Palavra significa assumir a Ressurreição de Jesus, que nos convida a vivermos a graça dessa vitória, que Ele nos faz participar por misericórdia. Sejamos instrumentos e promotores da Ressurreição em Cristo Jesus. Digamos juntos com alegria e entusiasmo: Cristo ressuscitou! Aleluia! c) Como viver e promover a Ressurreição nas realidades atuais em nossa comunidade, família e sociedade? BÊNÇÃO FINAL Encerramos esse nosso encontro, fazendo a oração que o Senhor nos ensinou: Pai Nosso... Ave Maria Bênção e canto Final. Abraço da Paz.


CATEQUESE PERMANENTE

Tempo da recepção dos sacramentos da Iniciação à Vida Cristã Dando continuidade às reflexões acerca dos tempos da catequese, vivenciados nos meses de março e abril em nossas comunidades cristãs, convido o leitor a voltar sua atenção, não propriamente para um tempo específico, mas, sobretudo, a voltar-se para a ocasião mais esperada por nossas catequizandos e familiares, a saber: a recepção dos sacramentos da Iniciação à Vida Cristã! O tempo da quaresma, na sua origem, surgiu justamente a fim de favorecer ao crente a oportunidade de purificar-se dos seus hábitos e pensamentos, que não revelem o novo homem e a nova mulher, que se propõem a ser. Acreditamos que isto pode se dar, por meio das orações, jejuns e diversas outras maneiras, revelando, assim, um desejo sincero daquele que pede à Igreja os sacramentos, na intenção de uma vida íntima com Cristo Jesus. A catequese, com inspiração catecumenal, entende que, durante o ano litúrgico, não há tempo mais propício para se receber tais sacramentos que o tempo Pascal. De forma sugestiva, aconselha-nos o Ritual de Iniciação Cristã que, quando possível, os batizados aconteçam na noite santa da Vigília Pascal, seguida da Crisma, isto é, da Confirmação do Espírito Santo na vida do fiel, e culminada com a recepção do Corpo e Sangue de Cristo, pela primeira vez na vida do novo cristão. Ressalto que estas sugestões se restringem aos adultos e aos adolescentes, que ainda não foram batizados e nem fizeram a preparação catequética, e por isso, pedem os três sacramentos. Alguém pode perguntar: mas por que na minha comunidade o padre não faz assim? Os bispos reunidos em Assembleia, sobre a catequese, afirmaram o seguinte “Em nossa prática pastoral, por motivos históricos e culturais, os três sacramentos da Iniciação à Vida Cristã estão, em geral, desconectados. Entretanto, fiel à Tradição, a Igreja permanece convicta de que esses sacramentos formam uma unidade” (Documento 107, CNBB, n. 128). O Batismo e a Crisma nos direcionam para a Eucaristia. Para tanto, iniciados nos mistérios da Páscoa, os catecúmenos fizeram uma caminhada, permeada de vários encontros catequéticos e litúrgicos, a fim de poder, agora, sentarem-se à mesa da Eucaristia. Poranto, não estaríamos distante do ideal da prática dos cristãos das comunidades primitivas, onde aqueles que passavam pela catequese, podiam receber os três sacramentos da Iniciação Cristã em uma única missa,

no sábado da noite da Vigília Pascal. Percebemos com júbilo que, por razões pastorais, em nossa diocese, com habilidade e criatividade na evangelização, os sacerdotes com seus catequistas, têm buscado encontrar maneiras que favoreçam a recepção dos Sacramentos, durante o tempo da Páscoa. É notória a mudança de época, bem como os desafios encontrados. Dessa forma, parabenizo as comunidades, as quais com muito empenho, na busca de apresentar uma catequese mais próxima da vivência religiosa dos fiéis, não têm poupado esforços, para adaptarem as datas de recepção dos Sacramentos, em especial da Primeira Comunhão e Crisma, dentro do tempo Pascal. Por hora, somos conscientes que dispensar os Sacramentos em apenas uma Missa é tarefa inviável e não revela sensibilidade pastoral. Em contrapartida, quando há a disposição em oferecê-los aos fiéis que o pedem, durante o tempo da Páscoa, deixamos evidente nosso compromisso em, aos poucos, conciliarmos nossas catequeses com nossas liturgias. Encerro trazendo aquilo que os bispos nos alertaram: “A Iniciação à Vida Cristã é uma urgência que precisa ser assumida com decisão, coragem e criatividade” (Documento 107, CNBB, n. 69). Pe. Alexsandro da Silva Lima Pároco da Santo André Assessor Diocesano da Catequese

Abril de 2019

13


ESPAÇO JOVEM

Seminaristas e jovens do Caminho Neo Catecumenal participam de JMJ no Panamá A 32ª Jornada Mundial da Juventude (ou apenas  JMJ Panamá 2019) decorreu na  Cidade do Panamá e foi anunciada pelo Papa Francisco em 31 de julho de 2016, ao final da missa de envio da  31ª Jornada Mundial da Juventude, em Cracóvia. Foi realizada pela primeira vez na América Central, entre os dias 22 e 27 de janeiro de 2019 e é considerado o maior evento juvenil promovido pela Igreja Católica e o que mais reúne pessoas de inúmeros países, no mundo inteiro. “Eis a serva do Senhor; Faça-se em mim segundo a Vossa Palavra “(Lc 1,38), foi o tema da Jornada, anunciado em 22 de novembro de 2016, e tem como eixos principais a Virgem Maria e a Vocação. Também coincide com os resultados da XV Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos sobre juventude, fé e discernimento vocacional, realizado em 2018. Em 14 de maio de 2017, o logotipo da JMJ 2019 foi revelado durante uma celebração eucarística. O design foi escolhido entre 103 propostas submetidas à  Arquidiocese do Panamá, em um concurso, que foi conquistado por Ambar Calvo, estudante de arquitetura. O Canal do Panamá aparece como um símbolo da jornada que os peregrinos viajam para Jesus guiado por Maria. A cruz do peregrino também aparece. Os pontos significam duas coisas: são a coroa da Virgem, mas também os peregrinos que estão a caminho da viagem dos 5 continentes. A Jornada Mundial da Juventude é marcante em vários sentidos – em especial para a juventude, mas também para todos os cristãos – e um agente transformador na vida de muitos jovens de todo o mundo. Mais uma vez o Papa Francisco protagonizou uma cena Carlos Yap que, certamente, ficará imortalizada como um dos principais momentos da JMJ 2019. Nessa cena há também um jovem de 17 anos, o Lucas, que participa da Paróquia Imaculada Conceição de La Chorrera, no Panamá.  Ele é portador de necessidades especiais e foi levantado por amigos para ver o Santo Padre passar em seu papamóvel. Francisco o viu no meio da multidão, e o abençoou.

14 Abril de 2019

600 mil jovens participaram da JMJ no Panamá O Papa desafiou os participantes a usarem o potencial das novas tecnologias para serem ‘influencers’, com a sua fé, a exemplo da Virgem Maria. “Sem dúvida, a jovem de Nazaré não aparecia nas ‘redes sociais’ de então, não era uma influencer – uma influenciadora digital – mas, sem querer nem procurá-lo, tornou-Se a mulher que maior influência teve na história”, referiu, no discurso que pronunciou durante a vigília de oração, no Campo São João Paulo II. “Maria, a influencer de Deus. Com poucas palavras, soube dizer ‘sim’, confiando no amor e nas promessas de Deus, única força capaz de fazer novas todas as coisas”, acrescentou. O Papa recorreu a vários termos do mundo digital, para passar a sua mensagem aos mais novos: “A vida não é uma salvação suspensa ‘na nuvem’ – no disco virtual – à espera de ser descarregada, nem uma nova ‘aplicação’ para descobrir ou um exercício mental fruto de técnicas de crescimento pessoal”. A estrutura deste ostensório foi feita com o metal de cartuchos de bala. Foi projetado por um artista colombiano, que queria homenagear os esforços de paz do Papa Francisco pelo seu país.

Ostensório foi utilizado na Vigília com os jovens


ESPAÇO JOVEM Pedimos para que os jovens e seminaristas que participaram da JMJ no Panamá, relatassem sua experiência neste evento. Confira! Experiência única de ver na juventude católica a alegria e a esperança. Seminarista Gustavo Saucedo, 1ª JMJ, 3º ano da Filosofia.

Vivenciar a JMJ foi fazer a experiência da misericórdia de Deus que, mesmo diante de nossas limitações nos convida a ser sinais do seu amor e da sua ternura. Foi um momento de renovar a vocação. Essa expressão permeou meu coração durante estes dias de encontro com a juventude do papa: “Eis-me aqui, sou o teu servo Senhor”. Seminarista Daniel Nunes, 1ª JMJ, 3º ano da Teologia. Foi para mim uma experiência muito forte de fé e unidade. Seminarista Julielton, Diocese de Coxim, 1ª JMJ, 3º ano da Filosofia.

A JMJ foi um encontro com o próprio Cristo representado pelo Papa Francisco, o amor e a força que nosso Papa tem, com toda certeza, e a força do Espírito Santo, e a experiência de ver que nossa Igreja é viva e que a minha missão é o hoje de Deus e não o amanhã. Seminarista Cristiano dos Santos, 2ª JMJ, 4º ano da Teologia. Participar da JMJ Panamá foi um presente de Deus! Estar entre os milhares de jovens que foram ao encontro de Pedro, na pessoa do Papa Francisco, me confirmou na fé. Sou testemunha de que a Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo é viva e é um sinal da presença do amor de Deus para o mundo. As palavras do Papa nos estimularam a continuar com esperança no Caminho para o Reino. Estou agradecido por fazer parte desse Corpo que é a Igreja! Pedro Gonçalves Sanches Pereira, 21 anos, 2ª JMJ, Paróquia Nossa Senhora de Fátima.

Viver essa jornada foi magnífico, uma benção, tantos jovens diferentes e ao mesmo tempo iguais, ver o Papa quase ao toque das minhas mãos foi incrível, uma emoção que não coube no meu coração e explodiu, gritei, gritei muito, como se ele fosse me ouvir. A mensagem de fé e encorajamento do Papa me deu ânimo para continuar a seguir nos caminhos de Deus, hoje e sempre. Mirela Boeira Valdivino, 14 anos, 1ª JMJ, Paróquia Nossa Senhora de Fátima. Na vigília, eu senti que os caminhos que eu estava seguindo não eram para mim e que devo entregar a minha vida nas mãos do Senhor e aceitar seus caminhos. Ana Maria Mazarim, 17 anos, 1ª JMJ, Paróquia Nossa Senhora de Fátima. Viver essa jornada foi algo incrível porque eu pude encontrar Pedro, por meio do Papa, e estruturar minha fé. João Queiroz de Almeida, 16 anos, 1ª JMJ, Paróquia Nossa Senhora de Fátima. Estar entre os 700 mil jovens de todas as nações, foi uma experiência inesquecível. E levo comigo as santas palavras do Papa Francisco “que eu viva os planos de Deus no agora, hoje!”. Matheus Pereira da Silva, 20 anos, 2ª JMJ, Paróquia Nossa Senhora de Fátima. Participar da JMJ foi pra mim um impulso do amor de Deus em minha vida. Uma experiência de fé que alimentou ainda mais minha vocação! Seminarista Felipe Capestrana, 1ª JMJ, 1º ano da Teologia.

Gabriel Fernandes gfscoficial@gmail.com

Abril de 2019

15


IGREJA É NOTÍCIA

Inteligência artificial e ética: o Papa recebe o presidente da Microsoft O Papa Francisco recebeu, em audiência privada, o presidente da Microsoft, Brad Smith. O executivo estava acompanhado pelo presidente da Pontifícia Academia da Vida, o arcebispo Vicenzo Paglia. O encontro aconteceu na casa Santa Marta, residência oficial do Papa no Vaticano. Durante a reunião, Smith falou sobre a inteligência artificial a serviço do bem comum e sobre algumas atividades para reduzir a brecha digital, que ainda persiste no mundo, conforme informou o diretor interino da Sala de Imprensa da Santa Sé, Alessandro Gisotti. O diário vaticano “L’Osservatore Romano” entrevistou Brad Smith. Ele afirmou que “o uso das redes sociais é complementar ao encontro de carne e osso, que se dá através do corpo, coração, dos olhos, do olhar e da respiração do outro. Se a rede for usada como um prolongamento desse encontro, então não se trai a si mesmo e isso continua sendo um recurso de comunhão”.

Ir. Cristina

Com a paróquia São Pedro, na Vila São Pedro/ MS completamente lotada de fiéis e amigos da religiosa, Pe. Rubens José dos Santos, presidiu na noite sábado 09/02, às 19h, a missa de envio da Irmã Cristina Souza Silva, pertencente a congregação das irmãs Salvistas. A celebração foi carregada de momentos emocionantes, com a religiosa sendo reconhecida pelos trabalhos realizados. Recebeu muitas homenagens e lembranças dos paroquianos. Logo após, foi oferecido um coquetel partilhado, para marcar a passagem da religiosa por Dourados. Irmã Cristina Souza Silva parte rumo a São Paulo/ SP, para nova uma missão, dentro do Instituto Missionário Servas de Jesus Salvador (SJS). Nossa gratidão a Ir. Cristina pelos 8 anos de serviços prestados na diocese de Dourados/MS. Que Deus a proteja sempre!!

50 mil homens rezando o terço: Aparecida recebeu a maior peregrinação do ano Cerca de 50 mil fiéis compareceram na 11ª Romaria do Terço dos Homens, que aconteceu nos dias 15 e 16 de fevereiro, no Santuário Nacional de Aparecida, com o tema “Terço dos Homens: não basta rezar, é preciso agir”. Os fiéis que participaram são homens do Brasil inteiro, que, uma vez por semana ou a cada quinze dias, se reúnem nas suas paróquias para rezar o terço em grupos masculinos, a fim de compartilharem a espiritualidade mariana e pedirem a intercessão de Nossa Senhora, para se tornarem cada vez melhores como pais de família, maridos, homens solteiros, profissionais, cidadãos – bem como para rezarem pelas suas esposas, filhos, pais, familiares, amigos, pessoas necessitadas, projetos e demais intenções que ocupam o seu coração. Vários homens do terço de nossa Diocese também participaram deste evento. Afinal, assim como os homens costumam se reunir naturalmente em grupos masculinos para atividades esportivas, recreativas, políticas ou profissionais, também é natural se reunirem para rezar: este é o testemunho que eles se comprometem a legar ao mundo.

16 Abril de 2019

TESTEMUNHO DE VIDA Santa Catarina de Sena Catarina nasceu em 25 de março de 1347, na cidade de Siena (Sena), na Itália. Tendo apenas quinze anos, a jovem Catarina decidiu ingressar na Ordem Terceira de São Domingos. Depois de adulta, como não sabia escrever, ela passou a ditar cartas para as pessoas. Nessas cartas, ela orientava as atitudes conduzindo para a misericórdia. Frágil, simples, além de toda a sabedoria de Deus, ela portava em seu corpo franzino as chagas da Paixão de Cristo. Catarina de Sena faleceu em 29 de abril de 1380. Em tão pouco tempo de vida, esta mulher admirável, realizou muito pela Igreja e pela humanidade. Santa Catarina de Sena, rogai por nós!


CRIANÇAS EM FOCO

Caça Palavras

Junte as letras formando uma palavra!

Descubra 5 palavras escondidas!

S

I T E

R

U

U

S C O S

Super Dica

Vamos colorir!

Dias 18, 19 e 20 de Abril acontecerá a Celebração do Tríduo Pascal, em preparação para a grande Festa da Páscoa, no Domingo. Procure se informar, na sua Paróquia ou Comunidade, qual o horário dessas Celebrações.

Deus abençoe todos!

Pe. Jander da Silva Santos Santuário Diocesano - Vila São Pedro

Abril de 2019

17


DIOCESE EM REVISTA

Envio 28/12 - Vila São Pedro: Missa de são na Mis a nov a para er Jand re Pad do sa Paróquia São Pedro - Santuário Nos da. reci Apa Senhora

27/01 - Dourados: 1ᵃ Assembleia dos Campistas da Diocese de Dourados, na Paróquia São Carlos.

02/02 - Aral Moreira: Posse do Pad re Arildo Nantes, na Paróquia Nossa Senhora Aparecida.

o de 10/02 - Dourados: Missa em Açã Anos 50 s pelo o Graças e confraternizaçã dral Cate na s, arãe de Pe. Crispim Guim ão. ceiç Con da cula Ima

10/02 - Dourados: Assembleia do Cursilho, 15/02 - Dourados: Ordenação Diac onal de na casa do Cursilho Frei João Mário Barbosa Machad o, OFM, Paróquia São José Operário.

o 15/02 - Dourados: Posse Pe. Vilm quia Paró Nolasco, como Pároco São Carlos.

16/02 - Laguna Carapã: Posse do Pe. Flavio 17/02 - Dourados: Celebração Ecu mênica no Hospital da Vida, Pastoral dos como Pároco, na paróquia Cristo Rei. Enfermos.

or 17/02 - Maracaju: Posse do Pe. Juni sa Nos quia Cezar como Pároco, na Paró da. reci Senhora Apa

18 Abril de 2019

06 e 07/02 - Dourados: Formação do Sistema SGCP com as Secretárias (os) da Diocese, no IPAD.

19/02 - Dourados: Cerimônia de corpo presente da Ir. Maria Ângela, pert encente a congregação das Irmãs Clarissa s do Mosteiro Santa Maria dos Anjos.


FIQUE POR DENTRO!

Agenda Diocesana - Abril 03 - Form. da Pastoral dos Enfermos, na Catedral 04 - Reunião do Núcleo de Pastoral 05 a 07 - Retiro das Equipes de Nossa Senhora Setor B, no IPAD 06 - Reunião da forania Leste, na Paróquia Santa Teresinha 06 - Reunião da Forania de Ponta Porã 06 - Visita pastoral do setor Juventude, na Forania de Amambaí 06 - Espiritualidade do Cursilho, na Casa do Cursilho 06 - Espiritualidade Acampamento de casais 06 - Reun. da Forania de Amambaí, em Amambaí 07 - Espiritualidade do Cursilho, na Casa do Cursilho 08 - Reun. Geral do Clero 08 - Reun. Diocesana da Pastoral carcerária, na Paróquia Nossa Senhora de Fátima 10 - Form. da Pastoral dos Enfermos, na Catedral 11 - Enc. Diocesano de Noivos e Namorados 12 a 14 - Acampamento de casais 13 - Reun. da Forania Oeste 15 - Enc. do Clero, no IPAD 15 - Confraternização dos Funcionários da Mitra 15 - Missa dos Santos Óleos, na Catedral 18 - Reun. do Núcleo de Pastoral 22 a 26 - Retiro dos Padres Palotinos, no IPAD 23 a 26 - Enc. Regional do Clero, em Dourados 24 - Form. da Pastoral dos Enfermos, na Catedral 26 - Fundamentos da Justiça Restaurativa, CNBB Campo Grande 26 - Reun. dos Diáconos e Esposas 26 - Cursilho de Homens 27 a 30 - Fundamentos da Justiça Restaurativa, CNBB Campo Grande 27 - 18h Crisma, na Paróquia São José Operário – Dourados 27 - Form. de Ministros Atuantes, Forania Oeste 27 a 28 - Cursilho de Homens 27 a 28 - Form. do SAVD, no IPAD 28 - 08h Crisma Paróquia São José Operário - Com. 28 - 19h Crisma Paróquia Santo André 28 - Peregrinação dos Campistas ao Santuário Diocesano, na Vila São Pedro (Pregador Astromar) 28 - Encontrão de Líderes da Pastoral da Pessoa Idosa 28 - Form. de Ministros Novos - 5ᵃ Etapa, Foranias Leste e Oeste, na Paróquia São Francisco

Datas Significativas - Abril 14 – Domingo de Ramos 18 – Quinta-feira Santa 19 – Paixão do Senhor 20 – Sábado Santo 21 – Páscoa da Ressurreição do Senhor 28 – Domingo da Divina Misericórdia

Aniversariantes Religiosos/as Nascimento 05. Ir. Maria Renata da T. Divina (Sup. da casa; FPSS) 07. Ir. Olga Biss (IFD) 17. Ir. Herika Luciana Chaves dos Santos (ISNSA) 21. Ir. Elita Kuhnen (CIFSJ) 21. Ir. Alice Soares (ISJ) 27. Ir. Maria Ângela do S. Sacramento (OSC) 30. Ir. Iasabel Cristina Justos (ICMES) Profissão Religiosa 05. Ir. Maria Renata da T. Divina (Sup. da casa; FPSS) 11. Ir. Maria Mãe da Sabedoria Imaculada (SSVM) 14. Ir. Carolina Coelho (ISVPG) 19. Ir. Maria Jovilha Nonato (Orionitas)

Padres e Diáconos

Nascimento 01. Pe. Ciro Ricardo da S. Freitas 02. Pe. Fernando Lorenz 06. Pe. Otair Nicoletti 15. Pe. Raju Devarakonda, SVD 19. Pe. Benjamim Martins Junior 22. Diác. Eurípides Alves Junior 23. Pe. Luiz Fernando dos Santos Ordenação 09. Pe. Miguel Löffler 12. Diác. Eurípides Alves Junior 21. Pe. Lex Gonçalves Dias 26. Pe. Junior César C. da Silva 27. Pe. Vilmo Nolasco de Sousa

Respeitar e cumprir as regras dos grupos sociais onde se vive O objetivo de um regimento ou estatuto é trazer a paz, harmonia e o bem comum daqueles que atuam sob tais regras, de forma a evitar conflitos. Na família, é necessário haver regras básicas e claras que regem o comportamento. Quando fixamos valores emocionais como hierarquia, respeito, amor, solidariedade, paciência, cooperação dentre outros; valões espirituais como a Fe, temor a Deus, e outros .Já se sabe que o exemplo não é o melhor meio de ensinar e sim o único, assim, regras são para serem seguidas por todo, sem exceção! Na família observamos nossa conduta como pais e orientadores, através de nossos exemplos e vivência das regras e da ética. Defina o que é aceitável e o que não é,” viva cada vez melhor”. Não fique só, “juntos somos mais forte”! Procure um grupo de apoio. Quarto princípio Etico do programa AMOREXIGENTE.

Abril de 2019

19


Profile for Diocese de Dourados

Revista Elo do mês de Abril  

Revista Elo do mês de Abril  

Advertisement