Issuu on Google+


© Gerência Educacional, 2009

Este livro, ou parte dele, não pode ser reproduzido por qualquer meio sem autorização escrita do Editor.

NUCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Curso de produção de textos: 6ª Série – 7º Ano/ NEAD, Núcleo de Educação à Distância – Brasília: Gerência Educacional. – Documento eletrônico. – Brasília: NEAD, 2009. – Modo de acesso: http://cursos.marista.edu.br. – Titulo da página Web (acessada em 11 em dezembro de 2009). – Última revisão: 13 dez. 2009. – Conteúdo: textos dos alunos curso de produção de textos 6ª Série – 7ª Ano da Província Marista Brasil Centro-Norte.

1. Produção de textos I.Título

2009 Província Marista Brasil Centro Norte QSD 11 – Lotes 05/07 – Edifício Eldorado – 4º andar 72020-110 – Taguatinga – DF Fone: (61) 2102 2152 Home: http://marista.edu.br


APRESENTAÇÃO

O NEaD, apoiando-se nas tecnologias da informação e nas inúmeras possibilidades geradas pela internet, fomentou o Curso de Produção Textual à Distância com o intuito de construir conhecimento e, sobretudo, de viabilizar as estratégias e os recursos necessários para motivar e instruir os alunos Maristas na elaboração consciente de textos escritos em variados gêneros. O espaço virtual construído através do NEaD reuniu e aproximou, ao mesmo tempo, educadores e educandos residentes em diferentes regiões do Brasil contempladas pela filosofia Marista. Além do aprimoramento e da reflexão acerca da escrita, o curso de produção textual estabeleceu, ainda, um lugar de troca e congraçamento entre indivíduos e suas vivências culturais. O trabalho inovador, apesar de incipiente, traz seus primeiros frutos. A relação de textos que segue representa o intercâmbio de esforços entre professores e alunos, o primeiro passo de um projeto que visa a atuar nos múltiplos espaços de comunicação e interação de nosso tempo. Incorporam-se, desta forma, artifícios e instrumentos da contemporaneidade no trabalho pedagógico e formativo dos alunos Maristas. Os textos expostos concretizam, portanto, o trabalho empreendido na conscientização

e

estudo

dos

mecanismos

que

estruturam

a

Língua

Portuguesa, contemplam o uso apropriado de recursos modeladores dos variados gêneros textuais, bem como compreendem o aperfeiçoamento na articulação de ideias e informações. Esperamos que vocês gostem e apreciem! Boa leitura! Profª. Andréia Moutella.


SUMÁRIO

ANA GABRIELA SOUZA ROCHA .......................................................................................... 7 ANA CLARA SILVA E SILVA .................................................................................................. 8 BÁRBARA B. CASTELO ............................................................................................................ 9 BÁRBARA LUÍSA CHAGAS ................................................................................................... 11 CAMILA A. CAVALCANTI....................................................................................................... 13 CAMILA PETRIBÚ ..................................................................................................................... 14 CARLOS FRAGA......................................................................................................................... 16 CAROLINA BERNARDES SHIMARU .................................................................................. 17 CAROLINA DRUMOND............................................................................................................ 18 DAYNA ELEUTÉRIO ................................................................................................................. 19 DIANA ASSIS .............................................................................................................................. 20 EDLA LEITE AYRES ................................................................................................................. 21 ELAINE CAROLINA................................................................................................................... 23 HENRIQUE FARIAS................................................................................................................... 24 GABRIEL ARRUDA ................................................................................................................... 25 GABRIEL BARBOSA ................................................................................................................. 27 GABRIEL B. ALMEIDA............................................................................................................. 28 IGOR MARQUES ........................................................................................................................ 30 JÚLIA CORRÊA RAMOS ......................................................................................................... 32 JULIANA RIELLE ....................................................................................................................... 33 LARISSA ALMEIDA................................................................................................................... 35


LARISSA FERREIRA DE SÁ................................................................................................... 36 LAURA BELO LOPES ............................................................................................................... 38 LUCAS FERNANDO B. MENDES ......................................................................................... 39 LUIZ FELIPE AMORIM ............................................................................................................ 41 MAINARA PRADO..................................................................................................................... 43 MARIA CLARA FERNANDES SALES ................................................................................. 44 MARIANNE FARIAS.................................................................................................................. 45 MATHEUS DA SILVA LIMA ................................................................................................... 48 RAFAEL ANDRADE .................................................................................................................. 50 RAQUEL CARVALHO NASCIMENTO ................................................................................. 51 RUTH BARBOSA........................................................................................................................ 53 TALINA TASSI SARAIVA DE ARRUDA ............................................................................ 54 THAINARA ARRUDA ............................................................................................................... 55 THIAGO DIAS DE ALBUQUERQUE .................................................................................... 56 VITÓRIA COSTA ALVES ......................................................................................................... 59


ANA GABRIELA SOUZA ROCHA COLÉGIO MARISTA DE VARGINHA – VARGINHA Preconceito entre vizinhos Em um prédio, no centro de BH, há dois vizinhos – 602 e 604. - Vizinho há quanto tempo. – diz ironicamente 604. - Não venha com gracinhas 604! - Por que gracinhas, meu querido vizinho? - Porque nós dois sabemos muito bem sobre isto. - Só pelo fato de você ser o único pretinho meu vizinho?! - Já conversamos sobre este assunto e eu não gosto de ser chamado de pretinho. - Que estresse querido pretinho. - Pare com isto! - Tudo bem cromadinho. - Já conversamos muito bem sobre este assunto, e você sabe que sou contra o preconceito, não importa qual sua cor apenas o seu caráter. - Mas isto não é preconceito. - Claro que é, se você estivesse no meu lugar entenderia o que é ser ofendido. - Estou me interessando por este assunto, fale-me mais sobre preconceito. - Qualquer ação que você faça oralmente ou fisicamente, e que ofenda é preconceito. - E você é contra isto? - Sim, porque não se precisa ofender, nem julgar se baseando na sua cor, ou, em sua condição financeira. - Então, 602, o que me resta fazer depois desta lição, é pedir-lhe desculpas pelas ofensas que lhe fiz até hoje e nunca mais farei isto, porque preconceito não nos leva a nada. - Eu o desculpo, sei que não fazia por mal, pois era apenas uma forma de chamar atenção. Ana Gabriela Souza Rocha.


ANA CLARA SILVA E SILVA COLÉGIO MARISTA DE VARGINHA - VARGINHA Varginha, 19 de agosto de 2009 Querida Kaká, Estou super feliz por ter a inesquecível oportunidade de conhecer Porto Seguro! Tenho que te contar tudo o que está acontecendo aqui, é simplesmente espetacular. Nós estamos hospedados no Lit Hotel, que é perto de três praias sensacionais, shopping e Mc Donald! Já fomos à Teperapuã, Cruzeiro e Curuípe. Todas são lindas, mas eu gostei mais do Cruzeiro, podemos ir toda a hora, a água é escura e ela é muito grande, o que nos permite de conhecer muitas pessoas novas. Eu fiz muitas compras com a Pri e a Lili. É claro que eu não podia me esquecer de você. Tenho um super presente! Tenho certeza de que você vai amar. E nós estamos engordando uns bons quilinhos. Fomos na lanchonete todas as noites, sem contar com as besteiras de praia. Mas nós sabemos que isso faz parte não é mesmo meu bem?! E o resto eu te conto quando voltar. Não vejo à hora de encontrar todo mundo. Estou com muitas, muitas, muitas saudades mesmo! Conta pra galera do meu passeio viu? E manda um beijão para todos também. Te amo minha amiga! Um super beijo no coração, Cacala


BÁRBARA B. CASTELO COLÉGIO MARISTA DE VARGINHA – VARGINHA

Há cinco dias que João tenta se lembrar do nome daquele aparelho que gostaria de comprar, mas não consegue. Ele faz tanta falta quando usa seu computador... Sempre que vai à rua, esquece de comprar! Por sorte, hoje se lembrou de comprá-lo e, determinado, entrou na loja de aparelhos eletrônicos. - Moço, eu vim comprar um... um... - Pois não, o que deseja? -O que é aquilo que faz um ‘click ’? -Meu senhor, estou trabalhando, não brincando! -Nem eu! Como chama aquilo mesmo? É meio assim, quando você clica, faz este ‘click’! -Deixe-me pensar... Seria uma caneta? -Não, não. É uma coisa que põe naquela máquina... -Bom... Qual seria o nome desta máquina? -Não me lembro... Eu estou falando japonês? Parece que você não me entende. Vocês trabalham tanto com essa máquina... -Meu senhor, eu falo português sim, só estou tentando resolver o seu pedido. -Eu já não lhe disse tudo o que é necessário, o que mais você quer? -Vamos com calma... É um objeto que faz ‘click’ e se conecta numa máquina, não é? -Demorou para raciocinar, heim? -Bem... De que cor seria?


-Tem de várias cores ué, mas as mais comuns são branco e preto. -Ah... Acho que estou entendendo! Seria um teclado de computador? -Não! É quase isso! -Tem mais alguma informação sobre ‘isso’? -Nossa! Mas as pessoas de hoje em dia estão muito ignorantes! -Mas pelo menos se pluga num computador? -Sim, isto mesmo! -Então já entendi! É um pen drive! Acertei? -Não, não! Tem um fio... -Ah, sim, agora sim! É um mouse, não é? -Isto, moço! É um mouse sim. Puxa, como pude me esquecer? Estou achando que quem não entende nada aqui sou eu! -Claro que não, meu caro, nós sempre lutamos para atender o melhor possível nossos clientes!


BÁRBARA LUÍSA CHAGAS COLÉGIO MARISTA CHAMPAGNAT – TAGUATINGA

Para: syntiadourado@gmail.com Assunto: Trabalho infantil

Senhora, Syntia Dourado

Estou informando-lhe que em uma das viagens que eu estava fazendo, presenciei uma cena horrível: vi muitas crianças trabalhando na plantação de milho e fiquei aterrorizada, pois eram crianças muito pequenas. Gostaria de que a senhora tomasse uma providência em relação a esse fato. Atenciosamente, Bárbara


BEATRIZ AZEVEDO COLÉGIO MARISTA PIO XII – SURUBIM

Para: syntiadourado@gmail.com Assunto: denúncia de trabalho infantil.

Sra. Syntia Dourado, Ao realizar uma viagem com minha família para visitar uns amigos que residem em uma área rural, observei que, em uma fazenda à beira da estrada, haviam crianças trabalhando na colheita de milho.Sabendo que por lei é proibido a exploração do trabalho infantil, resolvi denunciar essa irregularidade. O nome do lugar é Fazenda Esperança, localizada no Distrito de Lagoa Grande no município de Coxim, (MT). Espero suas providencias. Atenciosamente, Beatriz


CAMILA A. CAVALCANTI COLÉGIO MARISTA SÃO MARCELINO CHAMPAGNAT – JANGA Paulista, 28 de agosto de 2009 Olá, Jasmine! Prometi que daria notícias de minhas férias em Porto Seguro, e cá estou eu, cumprindo a promessa! Eu acho que você esperava um email, mas como no hotel não tem internet, tive que escrever uma carta. Nossa, aqui está realmente ótimo, amiga! Eu, minha irmã e meus pais nos hospedamos no Tropical Hotel. Um luxo só, você ia adorar! Conheci as praias de Mundaí, Curuípe e Ponta Grande. Adorei a praia de Mundaí... Lá, tem umas cabanas com pratos maravilhosos. Aproveitei que estava na praia e catei muitas conchas com minha irmã. Depois, tomei um banho de mar daqueles que eu nunca havia tomado! A água límpida e azulada, a areia branca sem nenhum lixo me fizeram cambalear de tão emocionada. Foi ótimo brincar por lá, tomar banho... Nunca vou esquecer! Agora, estou na praia de Ponta Grande. Ela é linda, mine! Estou escrevendo pra você enquanto olho e admiro as belas ondas. Não tem coisa igual. Tirei muitas fotos para colocar no orkut, quando eu tiver acesso ao computador. Até lá, vou curtindo essa praia maravilhosa e essa maresia... Bom, agora tenho que ir. Vou curtir as férias! Estou morrendo de saudades de você e das meninas... do Artur, também! Um beijão e boas férias! Da sua amiga, Camila


CAMILA PETRIBÚ COLÉGIO MARISTA SÃO LUÍS - RECIFE Há cinco dias que João tenta lembrar-se do nome daquele aparelho que gostaria de comprar, mas não consegue. Ele faz tanta falta quando usa seu o computador... Sempre que vai à rua, esquece de comprar! Por sorte, hoje se lembrou de comprá-lo e, determinado, entrou na loja de aparelhos eletrônicos. - Moço, eu vim comprar um...um... - Pois não. -Ah.. é um... - Sim... - Poxa.. Como é mesmo o nome?... - Senhor, nós lançamos aqui o mais novo notebook... - Não, não, meu filho não é notebook que eu estou procurando, é um... - Você já sabe? A nossa loja abriu uma cafeteria e em compras acima de... - Com licença.. É... Bom será que você tem como me ajudar meu filho? Não estou conseguindo lembrar o nome do que procuro e com certeza não é café. - Hum.. Seria um webcam, para o senhor poder falar com quem quiser por videoconferência? - Bom. Se eu soubesse mexer nisso eu até que levaria, sabe.. Minha filha mora nos Estados Unidos e sabe como é.... Às vezes a saudade bate... Mas não é isso! - Tudo bem. Tente se lembrar, não deve ser um nome muito difícil... - Ah! É isso! É um nome um pouco complicado... - Deixa eu tentar me lembrar... - O senhor não estaria procurando um mouse pad? Nós temos de várias formas e...


- Não, não é isso... - Explique como ele é. Pode facilitar. - Bem.. Esse negócio é redondo... - Seria um CD? - Sim, sim é um CD... - Mas senhor, com todo o respeito. CD é um nome muito fácil... - Mas eu não estou em busca de qualquer CD... é um daqueles de... - De jogos? Chegaram os mais novos de futebol. São para seus netos? Ou para o senhor?! - Quem dera, eu jogando futebol! Essa é boa! Só sei usar o computador, pois fiz um curso! Bem... Voltando ao assunto... - Sim é um CD de.... O senhor lembra da primeira letra? - Não consigo me lembrar de jeito nenhum! - Poderia ser um software... Mas de que? - É isso!! É um software! Um software antivírus! - Ótimo! Nós temos esse aqui venha dar uma olhada.... - Nunca mais quero passar uma situação como essa, é constrangedor... - Ah, que é isso! E lá se foi Seu João comprar seu software antivírus. Meses depois.... - Olá, Boa Tarde! Meu nome é Cleiton em que posso ajudá-lo? Seu nome é... - Boa Tarde Cleiton, me chamo João. - O que deseja Seu João? - Bom eu vim atrás de uma.... Ai meu Deus de novo n��o!


CARLOS FRAGA COLÉGIO MARISTA DOM SILVÉRIO – BELO HORIZONTE Porto Seguro, 19/08/09;

Caro amigo, Escrevo para contar como estou de férias aqui em Porto Seguro. Conheci muitas coisas novas, como o tipo de comida e as diversões que estou tendo nesta cidade maravilhosa e muito divertida. Aqui, eu aprendi a mergulhar em recifes de coral. As pessoas são muito alegres e também são muito festivas. Toda noite tem festa com muita música. Você ia gostar de estar aqui, já que gosta de dançar. Eu estou ansiosa para voltar para contar as novidades a todos, mas sentirei muitas saudades deste litoral tão bonito. Vou voltar no dia 25/08/09, no aeroporto de Confins. Peço que esteja lá para me buscar e me deixar em casa, meu voo chega às oito da noite. Um abraço de seu amigo Carlos.


CAROLINA BERNARDES SHIMARU COLÉGIO MARISTA DIOCESANO - UBERABA Há cinco dias que João tenta se lembrar do nome daquele aparelho que gostaria de comprar, mas não consegue. Ele faz tanta falta quando usa seu computador... Sempre que vai à rua, esquece de comprar! Por sorte, hoje se lembrou de comprá-lo e, determinado, entrou na loja de aparelhos eletrônicos: - Moço, eu vim comprar um... um... - Pois não. -Eu gostaria de um daquelas coisas de computadores. -Tipo... -Daqueles que você coloca em um buraco da impressora. -Seria papel ? -Não, é colorido. -Papel colorido? -Não.É uma coisa menor. -Seria alguma,peça da impressora? -Não o objeto pinta o papel. É como um lápis, só que dentro da impressora. -Um lápis...? -Quando eu me lembrar o que é,o senhor vai morrer de rir. -A tinta...? -Sim, Sim. Mas, eu não quero recarregar o objeto,eu quero comprar um novo.É algo de plástico mais forte ,que guarda a tinta dentro ,imprime na folha de papel preto e branco ou colorido! -Ah,sim.Sei o que o senhor quer,um cartucho de impressora. -É isso mesmo que eu preciso, meu jovem. -Mais alguma coisa,senhor? -Sim.qual é o nome daquele objeto mesmo...?


CAROLINA DRUMOND COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ – MONTES CLAROS

Para: syntiadourado@gmail.com Assunto: Trabalho Infantil

Montes Claros, 30 de setembro de 2009. Ilma. Senhora Syntia Dourado Venho através deste e-mail informa-lhe o que presenciei quando me deslocava para o município de Janaúba (MG) com a minha família; crianças trabalhando em uma propriedade rural no município de Capitão Enéas. Por problemas do nosso carro tivemos que interromper a viagem e pude então conversar com elas. Para minha surpresa, percebi que estas crianças não tinham mais que doze anos e estavam trabalhando sem orientação de um adulto, além disso, não dispunham de alimentos e não estavam matriculadas em nenhuma escola. Como estes fatos ferem ao Estatuto da Criança, peçolhe que tome as atitudes e medidas dentro da Lei, para que tal acontecimento seja corrigido. Agradeço sua atenção, Sem mais,

Carolina Rodrigues Cunha Guimarães Drumond


DAYNA ELEUTÉRIO COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ – MONTES CLAROS Porto Seguro, BA 15/07/2009 Oi Maria Júlia.... Estou aqui em Porto Seguro e resolvi escrever uma carta para você, contando como está aqui. Estou hospedada no

Vela Branca Resort

Hotel, acho aqui muito legal, o hotel é grande, tem uma piscina enorme..... Já visitei algumas praias, e a de que eu mais gostei foi a praia Mundaí, pois lá é tranquilo e muito gostoso de ficar, mas irei conhecer outras praias, pois tem somente 4 dias que estou aqui.... Estou adorando aqui, já visitei o mercado, várias praias, como eu já mencionei e também fui a Ilhéus, para visitar uma amiga de mamãe, Cristiane, que mora lá. Quando cheguei em Ilhéus, Cristiane nos levou à Praia dos Milionários, uma praia muito boa, mas passei somente um dia lá. Voltando a Porto Seguro, fui diretamente ao hotel e fiz muitas coisas lá, como caça ao tesouro, pintei, nadei e mais um monte de coisas....

Tchau... Dayna


DIANA ASSIS COLÉGIO MARISTA PIO XII – SURUBIM

Querida Carla, Sei que faz pouco tempo que nos vimos, mas fiquei ansiosa para lhe contar sobre a minha admiração por Porto Seguro, principalmente pela praia Ponte Grande. Eu e meus pais viajamos muito bem e nos acomodamos na pousada Sol Nascente. É muito aconchegante, mas não tinha computador com internet, para que eu pudesse comunicar com você sobre as belezas naturais que existe aqui. A praia é muito limpa, ainda é um pouco deserta. O acesso é um pouco difícil, mas quando a gente chega ao local, a visão é tão maravilhosa que a gente esquece do sacrifício, como se fosse mágica. De imediato pensei em você, sei que estou com a minha família e agradeço a Deus, mas você é minha amiga do peito, e quero um dia vir aqui com você. Vai ser maravilhoso, vamos nos diverti muito. Conta para as meninas da turma, ta? Elas vão babar. Nada mais no momento, tchau! Beijos! Didi Assis.


EDLA LEITE AYRES COLÉGIO MARISTA PIO X - JOÃO PESSOA

Certo dia, Felipe dava duro em mais um dia de trabalho. Sua condição financeira era suficiente para constituir sua vida em paz. Felipe trabalha como garçom e tudo o que ele tem é por causa de sua luta. Ele não tem parentes por perto e se mantem só. Um dia, em seu trabalho: -Bom dia, senhor, em que posso ajudá-lo? -Primeiramente, aceito uma mesa condizente com a minha classe social. -Sim, senhor, o local está bom? -Não, eu quero naquela janela onde aquele casal está sentado. -Eu entendo, senhor, mas eu não posso. Uma família ocupa a mesa e não posso tirá-los! -É, realmente vejo que nessa espelunca o serviço só podia ser ruim. -Me perdoe, não queria causar esse triste transtorno. -É, mas já está causando... Também, seu salário não chega nem perto do meu, eu tenho classe, meu nome está na alta sociedade... E o seu? Não deve chegar nem a garçom do mês... -Posso não ter nome na alta sociedade, senhor, o que não importa para mim... A felicidade não está no que se tem, as pessoas são mais importantes! -O que está dizendo? Que eu me importo com coisas materiais e que pessoas são lixo para mim? -Não, o senhor que está dizendo isso... -O que você está dizendo sobre mim? -Não estou dizendo nada, senhor, perdoe se entendeu mal!


-Exijo falar com o gerente. Você me ofendeu. -Acho que não é preciso, senhor! -Quem é você para achar algo? Chame logo o gerente, quero ver se pelo menos há alguém de nível aqui. -Irei chamar o gerente! O gerente foi chamado e o senhor comentou com ele que foi muito desrespeitado, que sempre na fineza falava com o garçom e que Felipe o desrespeitou a toda hora, com palavras grosseiras. O gerente ficou muito surpreso em saber que esta acusação foi logo com o garçom exemplar. Olhou com firmeza e disse: -Felipe, todas essas acusações foram verdadeiras? Felipe de cabeça baixa não responde nada, o gerente já irritado repete a pergunta: -Felipe, todas essas acusações foram verdadeiras? -Sim - respondeu Felipe com voz trêmula, com medo, mas em respeito ao senhor. -Felipe, não esperava essa atitude logo de você, o meu melhor garçom. Não tenho outra alternativa... Está demitido, recolha suas coisas, não quero mais nada seu aqui! Felipe saiu sem dizer nada, triste e de cabeça baixa recolheu suas coisas. Saiu do estabelecimento onde foi acusado injustamente, mas, com certeza, nos passou uma lição. Com certeza, sabemos que ele tem bom coração.


ELAINE CAROLINA COLÉGIO MARISTA CHAMPAGNAT – TAGUATINGA

Há cinco dias que João tenta se lembrar do nome daquele aparelho que gostaria de comprar, mas não consegue. Ele faz tanta falta quando usa seu computador... Sempre que vai à rua, esquece de comprar! Por sorte, hoje se lembrou de comprá-lo e, determinado, entrou na loja de aparelhos eletrônicos. - Moço, eu vim comprar um... um... - Pois não! - É que eu esqueci o nome. É pequeno. - Mas temos bastantes coisas pequenas aqui, garoto. - É redondo e pequenino. - Para que serve, hein rapazinho? - Serve para, para... Um monte de amigos meus têm... Serve para, para... Para nos vermos no computador. - Humm ... Para se ver no computador. Ah! O que você quer é uma câmera ou webcam, como chamamos. - Isso mesmo! Quanto custa? - Apenas 54,90. Vai querer levar? A marca é LG, muito boa, garantia de um ano com direito a troca. -Vou levar sim, senhor!


HENRIQUE FARIAS COLÉGIO MARISTA PIO XII – SURUBIM Porto Seguro, 16 de Setembro de 2009. Eduardo, Como você sabe, estou passando uns tempos em Porto Seguro. Queria muito que você estivesse aqui comigo. Estou hospedado no Hotel Nacional de Porto Seguro, um lugar perfeito, tem várias piscinas, jardins, a comida deliciosa, os quartos bem confortáveis... Sinto-me num paraíso. Além disso, eu já conheci várias praias, como a praia de Taperapuã, Mundaí, Cruzeiro, Curuípe e etc. Para você não pensar que estou mentindo, vou contar-lhe algumas coisas sobre estas praias: A praia de Taperuã é sem dúvida, a melhor e mais freqüentada praia de Porto Seguro. Você não pode deixar de conhecer, grandes barracas e excelentes hotéis. A praia de Mundaí é outra boa praia da orla norte. Ela é mais tranqüila

e muito freqüentada por famílias com crianças. Ela possui

cabanas bem estruturadas e deliciosos pratos em seus cardápios. A praia de Cruzeiro é situada no centro, com águas escuras; possui 1 km de extensão. A praia de Curuípe fica localizada a 3 km da cidade, com poucas ondas. Há muito mais praias aqui, e todas tão bonitas, tão convidativas... São a sua cara. Bom, devo chegar daqui há uma semana, e com certeza vou levar muitas novidades e presentes. Um grande abraço, Henrique Farias


GABRIEL ARRUDA COLÉGIO MARISTA PIO XII – SURUBIM O aparelho mais enrolado Há cinco dias que João tenta se lembrar do nome daquele aparelho que gostaria de comprar, mas não consegue. Ele faz tanta falta quando usa seu computador... Sempre

que

vai

à

rua,

esquece

de

comprar!

Por sorte, hoje se lembrou de comprá-lo e, determinado, entrou na loja de aparelhos eletrônicos. -Moço, eu vim comprar um... um... -Pois não? -Um daqueles, moço. -Sim, estarei feliz em atendê-lo. -Esqueci o nome, me veio à memória agora. -Não se lembra de jeito nenhum? -Não, mas o senhor pode me ajudar... -Como, meu jovem? -Eu direi ao Senhor como ele é e pronto, eu pego meu produto e o senhor ganha mais dinheiro. -Então, pode descrever o produto, estou pronto. -É meio quadrado com uma ponta metálica, tem um cordão para pendurar e uma tampa que faz click... -Eu não entendi nada, meu jovem. -Porque não prestou atenção... Eu venho aqui comprar meu produto de... de... sei lá quanto, e o senhor não me recebe bem. Eu quero o gerente! O gerente, por favor. -Não é necessário! Vamos conversar, ok? Tente desenhar o produto! -Eu sou estudante de informática, não de desenho, moço! Por favor, o gerente, o gerente agora. No momento, o gerente entra na loja.


-O que está ocorrendo aqui? -Nada, senhor gerente, nada! -E por que toda esta gritaria? -É este jovem fazendo toda esta algazarra por conta de um aparelho que ele nem sabe o nome. -Sei sim, só não me lembro no exato momento. -Diga-me, então, o que é – disse o gerente. -Está certo! Ele é retangular, vem assim, depois assim, assim e assim. -Estou certo de que você está brincando, meu jovem. -Moço, eu preciso dele para transportar meus trabalhos. Por favor, me dê! - Ah, já sei o que é! Funcionário? -Sim. -Pegue um pendrive para mim, por favor. -É isso mesmo, um pendrive! - Mas como você disse que parecia uma peça enorme. -É que eu sou um pouco expansivo. -Um pouco é? Mas, sem delongas, aqui está. Pague no caixa, por favor. -Pagar? Eu não pedi nada nem sei o que estou fazendo aqui nesta loja de eletrônica. -Você veio comprar isto... Tome e pague. -Por que eu compraria se meu tio tem uma loja e me fornece as peças? Quer me enganar? Vou contar pra minha mãe. -Eu, hein? Que garoto louco - disse o vendedor, após a saída de João da loja.


GABRIEL BARBOSA COLÉGIO MARISTA CHAMPAGNAT – TAGUATINGA Porto Seguro, 8 de agosto de 2009. Querido Lucas, A viagem está sendo ótima, o lugar é uma beleza, tem muitas praias. À noite, temos muitas opções de lazer. O hotel nem se fala, é enorme e todos nos atendem superbem. Não sei ao certo o nome do hotel, mas é muito famoso por aqui. Conheci muitas praias; a de Mutá e a de Cruzeiro são as melhores em minha opinião. A cidade é calma e muito agradável. É uma pena que você não esteja compartilhando isto comigo. Tive uma surpresa na praia de Curuípe. Estava no mar e, de repente, uma onda enorme me encobriu. Levei um susto porque dizem que ela não tem ondas, mas estou recuperado. Estou levando um monte de lembranças e a sua é uma das melhores. Tirei inúmeras fotos, mostro a você quando chegar. Espero que ano que vem você possa vir conosco. Todos mandam beijos e lembranças. Não vejo a hora de chegar em casa, estou com saudades. Um abraço do seu amigo, Gabriel Arruda


GABRIEL B. ALMEIDA COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ – MONTES CLAROS Montes Claros, 29 de agosto de 2009.

Samuel, Fui a Porto Seguro com a minha família em janeiro de 2008, foi muito bom. Ficamos hospedados no hotel Marília, ele é ótimo, oferece um serviço de restaurante, piscina e quartos confortáveis e bem higienizados. Fomos a praias bem bonitas como: Bahamares, onde a areia é branca e limpa. Em outra praia, chamada Axémoi, encontramos muitos gringos, é a praia mais agitada de Porto Seguro. O axé é a principal atração nos barzinhos e restaurantes. A praia tem ondas grandes e areia fina. Fomos também a Coroa Vermelha. Lá, habitam índios que faziam belíssimos trabalhos artesanais aproveitando os materiais da natureza. Em Cabrália, uma cidade histórica, fomos guiados por Daniel, um nativo, que nos mostrou algumas construções como museus e igrejas O parque aquático de Porto Seguro é outro ponto turístico. Apesar do alto custo, vale a pena dar uma olhada. Você irá gostar muito.


Samuel, depois programe com seus pais uma viagem a Porto Seguro, para conhecer essa exuberante cidade litorânea.

Abraço, Gabriel Barbosa Almeida


IGOR MARQUES COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ – MONTES CLAROS Há cinco dias que João tenta se lembrar do nome daquele aparelho que gostaria de comprar, mas não consegue. Ele faz tanta falta quando usa seu computador... Sempre que vai à rua, esquece de comprar! Por sorte, hoje se lembrou de comprá-lo e, determinado, entrou na loja de aparelhos eletrônicos. - Moço, eu vim comprar um... um... - Pois não. - Vim comprar um... aquela coisa de computador. - Senhor, você poderia ser um pouco mais claro, por favor? - É aquela coisinha que tem uma tampa, que você coloca no computador, sabe? - Bom... - É assim, você prega ele na entrada do computador e usa ele para várias coisas. - Hum, cite mais detalhes, por favor? - É um aparelho retangular que quando você coloca ele no computador acende uma luz sabe? - Acho que sei. - Que ótimo, qual o nome? - O senhor está querendo um aparelho para acessar a internet sem fio não é? - Não, internet eu já tenho na minha casa, quero esse aparelho retangular, que você pode colocar músicas, trabalhos dentro dele, sabe de qual estou falando? - Infelizmente, não, estou um pouco confuso. - Lembrei de uma coisa! Começa com “p” !


- E a segunda letra senhor? Temos vários aparelhos começados com “p”. - Não estou lembrado... só lembro que você conecta ele no computador e pode passar arquivos, fotos, musicas, etc. - Já sei, o senhor quer um Pen Drive! - Isso, Pan Drevi. - Não senhor, se chama pen drive. - Ok, então, por favor, me dê esse... esse... qual o nome mesmo? - Pen drive senhor! - Ok, me dê isso logo antes que eu esqueça tudo de novo. - Ok, qual modelo você quer? - Ah, eu quero aquele lá sabe? Aquele que tem aquela tampinha... que a luzinha é verde... sabe? E lá vai o João de novo...


JÚLIA CORRÊA RAMOS COLÉGIO MARISTA NOSSA SENHORA DA PENHA – VILA VELHA Comunicação Há cinco dias que João tenta se lembrar do nome daquele aparelho que gostaria de comprar, mas não consegue. Ele faz tanta falta quando usa seu computador... Sempre que vai à rua, esquece de comprar! Por sorte, hoje se lembrou de comprá-lo e, determinado, entrou na loja de aparelhos eletrônicos. - Moço, eu vim comprar um... um... - Pois não. -Eu quero um... Qual é mesmo o nome? -Poderia me descrever o que você quer? -Claro,é uma coisa que você usa com o computador,é bem pequeno,mas é muito útil. -É de que cor? -Eu não sei exatamente... Acho que tem de várias cores... -Pode me dizer um pouco mais como ele é? -É meio oval e tem dois botões. -E serve para que? -Quando você mexe ele,uma setinha se mexe na tela, e aí você pode clicar nas coisas... entende? -O que o senhor quer é um mouse? -Isso mesmo!Pode me dar um...um desses que você falou!


JULIANA RIELLE COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ – MONTES CLAROS A grande quantia Miriam andava na rua muito preocupada e observando tudo e todos. Estava carregando o dinheiro que ganhara nas vendas e era uma grande quantia. De repente vem em sua direção um sujeito mulato, com calças largas, tatuagens... O que deixou Miriam muito preocupada e assustada. Quando ela mudou de passeio ele a chamou: - Senhora! Miriam apressou o passo. - Senhora! Deixou cair seu dinheiro! Senhora! Miriam tropeça e cai, acaba sendo obrigada a escutar o sujeito mal encarado. - O que você quer? Leve esta quantia, é tudo o que tenho. Não faça nada comigo, eu imploro! - Senhora, só vim devolver seu dinheiro. Por que insiste na ideia de que quero assaltá-la? - Sabe, é que nos dias de hoje não podemos confiar em mais ninguém... - Podemos sim, só que a senhora não pode confiar em pessoas como eu, em pessoas de uma classe social mais baixa e com uma aparência diferente. A senhora não tem vergonha de sua atitude? Isso se chama preconceito! Bom, agora tenho que ir, tenha um bom dia! Miriam continuou seu caminho, viu um homem branco, de terno e com uma maleta. Ela pensou: “Isso sim é um homem honesto e trabalhador!” Enquanto isso, entrou em uma rua deserta e ouviu uma voz: - Passe o dinheiro e tudo de valor, agora! Era o homem de terno. Quem imaginaria?


- Espere um pouco, fique calmo, eu estou procurando o dinheiro... Desconfiado,

o

mulato

seguiu

Miriam

e

chegou

a

tempo

de

interromper o assalto. O homem de terno foi preso e a reportagem saiu em todos os jornais. Miriam nunca mais julgou ninguém pela aparência e nem com preconceito. Temos de julgar as pessoas pelo seu caráter. Quem você menos espera pode te salvar de uma grande encrenca!


LARISSA ALMEIDA COLÉGIO MARISTA DE SÃO VICENTE DE MINAS São Vicente de Minas, 15 de outubro de 2009 Querida Maria Luísa Eu, minha mãe, meu pai e a Karina estamos, adivinha? Na mais bela praia de Porto Seguro; Ponta grande! Huhuhu!!! Não é d+ Malu? Aqui é perfeito. Tem a areia branca feito leite, fina igual farinha, com super ondas, e onde tem ondas tem? Surfistas! Loiros oxigenados do cabelo grande e seboso e pele dourada! Aiiii cada um mais bonito que o outro! Sem falar nos peixes vermelhinhos e amarelos uma gracinha! Tem lindas conchas, peguei um monte para você, para a Lu e para a Carla, elas são maras você vai adorar! Fomos num aquário nota mil! Tinha tudo quanto é tipo de peixe. Tubarão, molusco e outras coisas maravilhosérrimas. O hotel parece um palácio, as paredes de carpete todas cheias de bordados e o lustre de cristal. É pode acreditar, “to” subindo de vida. Na suíte tem até hidromassagem! E como vão suas férias aí no sul? Já tomou chimarrão? Ouvi dizer que é uma delicia! Me mande uma carta contando tudo! Beijos, bitocas e abraços! Da prima que te ama... Letícia.


LARISSA FERREIRA DE SÁ COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ – MONTES CLAROS Consciência negra Manuel era um menino negro e que sempre vivia triste devido aos preconceitos que eram constantes na escola. _Oi neguinho tudo bem? Qual banco você assaltou hoje? Zombavam a turma de Manuel, que logo começavam a rir. _ No final da aula eu pego você seu malandro. Manuel triste nem dava atenção aos comentários maldosos que vinham de toda parte. De repente, um menino forte e alto conhecido como o valentão da escola falou: _Não vai falar nada? O gato comeu sua língua ou está com medinho. O que Manuel estava sentindo naquele momento desabou, com toda raiva, angústia e tristeza indagou: _ Quem é você para falar alguma coisa de mim e desta forma? Posso saber valentão? E aproximou-se sem hesitar do valentão que imediatamente respondeu: _Eu sou quem você não deseja conhecer nesse momento neguinho. Manuel não tendo mais coragem de falar alguma coisa saiu correndo sem responder nada e nem deu satisfação. Na sala todos comentavam: _

Que

professora

chata. Só

fica passando

esses trabalhos sobre

consciência negra e todos nós já sabemos o que é isto. A professora fala: _ Todos já procuraram qual o motivo da comemoração do dia da consciência negra, agora eu quero que um de vocês me fale. Manuel como sempre levantou o dedo e falou:


_ O dia da Consciência Negra é celebrado em 20 de Novembro no Brasil e é dedicado à reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira. A professora elogia e fala: - Mas o mais importante de tudo isso é que temos que respeitar as pessoas independente de sua raça e cor, não podemos abribuir apelidos maldosos que podem magoar e machucar interiormente essas pessoas, a chamada a “agressão oral” que é na maioria das vezes, muito mais intensa que a agressão física.Cor de pele não diz nada, o que diz é o coração. Temos que ser contra o preconceitoe a favor do respeito humano. Nesse momento todos ficaram calados e pensativos sobre suas ações e modo de se relacionar com Manuel, o único menino negro da escola. Com a cabeça baixa e envergonhado o valentão da escola falou: _ Desculpe-me Manuel, por o ter humilhado e xingado-o de neguinho. Agora eu estou vendo que minha atitude foi irracional

peço desculpa

em nome de todos, que com certeza , também estão envergonhados. Manuel ficou feliz com a nova atitude de seus colegas. Todos passaram a respeitar-lo e se tornaram grandes amigos.O valentão, por sua vez, descobriu que o seu preconceito tornava-o o mais fraco de todos da turma. Ser valente não é apenas ser forte fisicamente, mas ter coragem de iniciar mudanças de atitude em nossa sociedade, destriuindo o preconteito e a discriminação racial. A professora ficou orgulhosa com a atitude dos alunos e sentiu-se vitoriosa por ter atingindo o objetivo do seu trabalho, que era concretizar a conscientização dos alunos de que todos são iguais, independente das diferenças.


LAURA BELO LOPES COLÉGIO MARISTA CHAMPAGNAT – TAGUATINGA

Para: syntiadourado@gmail.com: Assunto: Denúncia de exploração infantil

Olá, Syntia, Meu nome é Laura e eu, primeiramente, gostaria de parabenizar você pelo trabalho que realiza. A exploração do trabalho infantil realmente é um grande problema e precisamos com certeza de mais projetos como o seu. A lei proíbe qualquer tipo de trabalho realizado por menores de quatorze anos de idade, porém infelizmente existem pessoas que ainda exploram crianças indefesas. Elas, por necessidade ou por ordem dos pais, são obrigadas a exercer trabalho pesado e que muitas vezes prejudicam sua saúde. Estou realizando uma viagem a uma fazenda em Minas Gerais e, a caminho de um restaurante, avistei uma fazenda onde existem muitas crianças trabalhando em uma colheita de milho. Peço sua ajuda, peço que uma providência seja tomada, que essas crianças sejam encaminhadas a uma escola e que sejam devidamente educadas e tratadas. Conto contigo, um abraço, Laura Belo


LUCAS FERNANDO B. MENDES COLÉGIO MARISTA DOM SILVÉRIO – BELO HORIZONTE

Uma Peça para Computador Há cinco dias que João tenta se lembrar do nome daquele aparelho que gostaria de comprar, mas não consegue. Ele faz tanta falta quando usa seu computador... Sempre que vai à rua, esquece de comprar! Por sorte, hoje se lembrou de comprá-lo e, determinado, entrou na loja de aparelhos eletrônicos. - Moço, eu vim comprar um... um... - Pois não? - Eu vim comprar... é... Deixe-me lembrar... - O que, senhor? - Eu esqueci o nome do aparelho... É aquele que se usa no computador... - Desculpe, mas são vários os aparelhos que são usados no computador. - Eu sei, eu sei, mas é aquele que se usa para ver coisas. - Ah, meu amigo, é um monitor para o computador, não é mesmo? Nós temos de 15 até 22 polegadas e de várias marcas, muito bom, não? Além do mais estão com um preço ótimo! - Não, não. Isso eu já tenho, é óbvio. - É, está certo, é um dos elementos mais importantes dessa máquina. - É aquele que se usa para ver... vídeos e imagens com muita qualidade e fica... fica guardado em uma caixa, pasta, algo assim. Não me lembro direito. - Mas, meu senhor, só com essa descrição não consigo me lembrar do aparelho que você deseja. - Ora! Fiz uma superdescrição! - É, mas o senhor precisa usar argumentos mais precisos, para que eu possa lhe ajudar. - Então está bem. É aquele que faz você ver vídeos e imagens com mais qualidade e que... que não é muito grande. - É um programa chamado Windows?


- Não, isso já veio com o computador. - Desculpe-me, cavalheiro, é que está meio difícil de lembrar. - Então chame o dono da loja já! - Não, calma, vamos tentar mais uma vez. - Está bem! - Você tem certeza que não lembra qual é o nome do que o senhor precisa? - Tenho. Não sei o que me aconteceu. Vim com a maior determinação para comprar esse... Como é mesmo o nome? - Não sei, senhor. - Ok, aí estava vindo para cá e quando cheguei esqueci o nome do que quero para o meu computador. E, além do mais, sou um advogado bemsucedido que tenho que lembrar de várias coisas, mas hoje... não sei o que me deu. - É, senhor, acontece. O senhor não quer vir aqui outro dia com o nome do aparelho já anotado? - Não, não, hoje eu ainda saio com o que quero daqui! - Deixe-me ver... o cavalheiro está precisando de um Windows

Media

Player? - Não... É alguma coisa... Deixe-me lembrar... Ah, é alguma coisa sólida. - Sólida? - Agora me lembrei desse detalhe. Ele encaixa em um lugar, aí você vê vídeos com muito mais qualidade e também... Como se chama? Acho que, players... - Jogos? - Sim. - Ah, então o senhor precisa de uma placa de vídeo 9600 GT! - Isso! Uma... como é mesmo o nome? - PLA-CA DE VÍ-DEO 9600 G-T - Isso. Pegue a melhor dessas para mim por favor, ok? - Pode deixar. - Eu já vou lá pagar, está bem? Muito Obrigado. - Não há de que.


LUIZ FELIPE AMORIM COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ – MONTES CLAROS

Ih, esqueci! Há cinco dias que João tenta se lembrar do nome daquele aparelho que gostaria de comprar, mas não consegue. Ele faz tanta falta quando usa seu computador... Sempre que vai à rua, esquece de comprar! Por sorte, hoje se lembrou de comprá-lo e, determinado, entrou na loja de aparelhos eletrônicos. - Moço, eu vim comprar um... um... - Pois não? - Um... Como é mesmo o nome? - Sim? - Carambolas! Esqueci completamente o nome do que eu ia comprar! - Sim, senhor! - Olha, parece uma caixa. - O que, senhor? - O que eu quero é uma caixa cinza com um botão opcional cheia de... De luzinhas! Isso... É uma caixa cheia de luzes. - Entendo, cavalheiro, mas não temos pisca-pisca... -Não! Você não entendeu nada, o que eu quero é uma espécie de caixa que coloca internet no computador. - Acho que entendo, senhor, você quer uma espécie de modem cheio de fios brilhantes! - Mas é isso que eu quero, um modem! - Mas do jeito que o senhor falava, parecia um pisca-pisca! - Não amole... E, então, tem o modem?


- Sinto muito, mas ainda nĂŁo recebemos o carregamento. Quem sabe na loja ao lado? O homem se retira revoltado para a outra loja, se dirige Ă  atendente e pergunta: - A senhora nĂŁo teria um daqueles... daqueles...


MAINARA PRADO COLÉGIO MARISTA DIOCESANO - UBERABA

Para: syntiadourado@gmail.com Assunto: Trabalho infantil Exma. Senhora Syntia Dourado

Estou viajando com minha família e presenciei uma cena chocante: crianças trabalhando na colheita de milho em uma propriedade rural. Elas aparentavam ter apenas 8 anos. Eu gostaria que alguma coisa fosse feita, pois o que está acontecendo com essas humildes crianças é contra as leis do Estatuto da Criança. A fiscalização deveria ser maior. Com isso, o número de menores trabalhando seria bem menor. Também acho que as autoridades deveriam se interessar mais. Adorei seu programa “Criança fora da rua, dentro da escola” e lhe dou os parabéns! Continue lutando pelos direitos das crianças! Agradecendo antecipadamente sua atenção, apresento os meus melhores cumprimentos, Mainara Prado


MARIA CLARA FERNANDES SALES COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ – MONTES CLAROS

Para: syntiadourado@gmail.com Assunto: Denúncia de trabalho infantil

Cara Syntia, Ao passar por um vilarejo há 5 km de Brasília, pela BR 040 não pude deixar de notar o intenso trabalho de crianças na colheita de milho. Todas estavam em condições precárias e pareciam muito tristes. Estou lhe escrevendo esse e-mail para solicitar que algo seja feito em prol dessas crianças. Certa de sua atenção agradeço. Maria Clara Fernandes Sales


MARIANNE FARIAS COLÉGIO MARISTA PIO XII – SURUBIM Há cinco dias que João tenta se lembrar do nome daquele aparelho que gostaria de comprar, mas não consegue. Ele faz tanta falta quando usa seu computador... Sempre que vai à rua, esquece de comprar! Por sorte, hoje se lembrou de comprá-lo e, determinado, entrou na loja de aparelhos eletrônicos. - Moço, eu vim comprar um... um... - Pois não. - Como é mesmo o nome... Deixa eu ver...é... - O senhor pode ser mais específico, por favor ? - É uma coisa que se usa no computador. - Quais são as características deste objeto? - Ele é pequeno, de metal, e se usa no computador. - Já sei! É um pen drive. - Não, é um pouco maior. - Então, o senhor saberia me dizer para que serve? - É quase uma câmera de vídeo com um microfone embutido.Utiliza-se para conversar e ver pessoas a longa distância. - Há, então eu já sei o que é! Como eu não pensei nisso antes. - Vamos moço, diga o que é que eu queria comprar. - O que o senhor queria era um webcam. -É isso mesmo como é que eu me esqueci disso. Muito obrigado.


MATHEUS CUNHA COLÉGIO MARISTA PIO X – JOÃO PESSOA Há cinco dias que João tenta se lembrar do nome daquele aparelho que gostaria de comprar, mas não consegue. Ele faz tanta falta quando usa seu computador... Sempre que vai à rua, esquece de comprar! Por sorte, hoje se lembrou de comprá-lo e, determinado, entrou na loja de aparelhos eletrônicos. - Moço, eu vim comprar um... um... - Pois não! - Um...um... Que cabeça a minha! Todo mundo sabe o nome e na hora me escapou. - Por que o senhor não tenta desenhar para eu ver se consigo entender hein? - Mas não sei desenhar! - Vou tentar outra vez para você ver o que é. - Todo mundo tem. É conhecidíssimo ! Se você perguntar, todo mundo sabe do que estou falando. - Então vamos perguntar às pessoas na rua. - Não! - Por quê? - Se fomos à rua eles vão rir de mim! - Então ? - O senhor me desculpe mas não sei do que o senhor está falando... - Ele vem assim, depois dá uma volta vai reto, dá outra volta tem dois botões e acaba. - O senhor está falando de um fone de ouvido não é? - Não é um...um...


- Eu sei que está pensando que eu só um débil mental, mas não.Só porque eu esqueci como se chama algo não quer dizer que sou um débil mental! Não sei desenhar e por causa disso não sou débil mental. - Senhor, ninguém aqui está dizendo que o senhor é débil mental... - Eu quero um...um... - Vamos dar uma volta pela loja e ver se eu acho o que quero. - Vamos lá. - Já demos mais de 50 voltas e não achamos. - Achei ! - O quê senhor? - O que eu queria! - O senhor queria um som de computador - Sim. - Então por que não disse logo. - Porque eu não estava lembrando o nome!


MATHEUS DA SILVA LIMA COLÉGIO MARISTA PIO X – JOÃO PESSOA Há cinco dias que João tenta se lembrar do nome daquele aparelho que gostaria de comprar, mas não consegue. Ele faz tanta falta quando usa seu computador... Sempre que vai à rua, esquece de comprar! Por sorte, hoje se lembrou de comprá-lo e, determinado, entrou na loja de aparelhos eletrônicos. - Moço, eu vim comprar um... um... - Pois não. - Um daqueles aparelhos que usamos para usar no computador, como que chama mesmo? - Sim? - É retangular, tem uns fios que ligam no computador! Todo mundo usa no computador. - Sim senhor?! - É assim: tem quadradinhos, coisas escritas nesses quadrados, tem um “botãozão’ embaixo. Ah, como eu esqueço o nome daquilo! - O que é? - Você aperta assim e ele faz várias palavras e letras aparecem no computador, mas eu simplesmente esqueci o nome.Fugiu. É retangular, isso eu sei, tem tantos botões, tem uns até meio que sem utilidades. - Explique direito, por favor, senhor.Não estou conseguindo compreender. - Olha, tem de todas as cores, mas todos são retangulares, com botões que apertam e fazem aparecer letras no computador. - Desculpe senhor, estou me esforçando, mas não consigo saber o que é! - Olha, tem um cabo que você enfia no computador! O nome é fácil, todos conhece. A gente aperta e saem letras, números, muitas coisas no computador. - Você está falando de um... um...


- Como chama mesmo? - UM TECLADO! - Isso, é isso que eu preciso! - Mas eu queria na cor de... Ah, não acredito que até a cor fugiu da minha cabeça! - A cor é fácil, fala como é. - Olha é uma cor que é tipo, um branco amarronzado, eu acho! - A cor BRONZE? - Não, é quase isso. - Senhor, francamente! - É b, b, BEGE! - Então me vende aí esse negócio bege, como é mesmo que se chama?


RAFAEL ANDRADE COLÉGIO MARISTA PIO XII – SURUBIM

Surubim, 15 de setembro de 2009. Querido Breno, Nossa! Você deveria conhecer Porto Seguro, aqui é um paraíso. Bom, eu acordei às seis horas, tomei banho e o meu café da manhã e fui para o aeroporto. O nosso voo saía às sete horas e trinta minutos. A viagem foi bem calma. Depois andamos mais de meia hora de carro para chegar aqui. Chegando ao hotel, fomos logo para o nosso quarto. Ele era pequeno e confortável. Deixamos as nossas coisas lá e descemos para ir a uma praia chamada Taperapuã. Era bem frequentada, com ondas um pouco fortes. Lá, mergulhei e vi peixinhos. Aquilo foi surreal. Depois,

fomos

para

um

restaurante

próximo

da

praia

e

almoçamos. Procuramos uma outra praia: achamos Ponta grande. Tinha arrecifes de corais belos, águas cristalinas com ondas fortes, propícias para surfar. Não entrei na praia, pois as ondas eram fortes. Brinquei com o meu cachorrinho Raj, o que por sinal não foi nada ruim. Quando chego ao hotel, tomamos banho e nos arrumamos para ir à feira de artesanato. Encontramos muitas coisas criativas e bonitas lá. Comprei uma pulseira no estilo Bob Marley. Depois, fomos ao shopping ver algumas coisinhas e jantar. Ele era muito pequeno, mas tinha muitas

coisas

interessantes.

Agora

estou

no

computador,

depois

mantenho contato com você. Um abraço, Rafael Andrade


RAQUEL CARVALHO NASCIMENTO COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ – MONTES CLAROS O esquecido Há cinco dias que João tenta se lembrar do nome daquele aparelho que gostaria de comprar, mas não consegue. Ele faz tanta falta quando usa seu computador... Sempre que vai à rua, esquece de comprar! Por sorte, hoje se lembrou de comprá-lo e, determinado, entrou na loja de aparelhos eletrônicos. - Moço, eu vim comprar um... um... - Pois não. - É aquele negócio mais ou menos desse tamanho, com vários botões… - Ah, já sei o que é! Um órgão? - Quase isso, mais é um pouco menor! - Me desculpe senhor, mas não consigo identificar o objeto. - Como não?! Estou explicando tão bem, como você pode não entender? - Bom, me fale mais sobre o objeto! - Ele é retangular! - O senhor sabe me dizer para que ele serve? - É para usar no computador! Eu sempre sinto falta dele quando eu uso o computador! - Seria um mouse? - Esse ai serve para que mesmo? - É aquele que movimento lá dentro do computador! - AAAAAAAH, eu sei qual é! - Então, é esse? - Não… - Uma coisa que tem vários botões, é essencial para usar o computador, parece um órgão, é retangular…


- Esse nome ta aqui na ponta da língua mas não quer sair ! - Ele contém algum fio que conecta na CPU? - Tem, tem sim… - Não seria um teclado? Aquele que você digita e aparecem as letrinhas no computador? - É esse mesmo… - Você vai querer levar qual ? - Me vê um… um… um… -Teclado -Sim, um teclado preto! - Aqui está, tomo o seu… seu… Como se chama mesmo ?


RUTH BARBOSA ESCOLA SÃO MARCELINO CHAMPAGNAT - ARACATI Aracati, 02 de setembro de 2009 Querida amiga, Estou a lhe escrever esta carta para contar um pouco sobre a minha viagem a Salvador. Conheci muitas praias, muitos hotéis, fui ao Cruzeiro... Bom, foi ótimo. No momento estou em Porto Seguro, num dos hotéis de Taperapuã, a melhor e mais freqüentada praia de Porto Seguro tem grandes barracas e excelentes hotéis. Conheci também a praia de Mundaí, outra bela praia da orla do norte, mais tranqüila e muito freqüentada por família com crianças. Com cabanas bem estruturadas, e pratos deliciosos em seu cardápio. Ontem mesmo pela manhã, cheguei da praia de Mundaí, tinha acabado de fazer uma viagem de Cruzeiro. Foi ótimo, conheci outras praias, a praia de Itacimirim e Ponta Grossa. São ótimas praias, sem falar de suas belezas esplendidas, sem falar nos animais marinhos, são maravilhosos. Hoje vou conhecer mais uma bela praia daqui de Porto Seguro a praia de Curuípe. Dizem que é uma ótima praia, fica a três quilômetros da cidade e tem poucas ondas. Bom amiga, contei um pouco da minha viagem pra você. Espero que da próxima vez você esteja como comigo. Um beijão. De sua amiga, Ruth.


TALINA TASSI SARAIVA DE ARRUDA COLÉGIO MATISTA PIO XII – SURUBIM

Surubim, 29 de agosto de 2009. Amiga Thaysa, Tudo bem? Eu estou muito bem, estou aqui em Taperapuã, em Porto Seguro. A praia é perfeita, aqui tem várias estruturas de barracas que são restaurantes. Já fui ao Axé Mói, lá têm várias musicas e apresentações. A água da praia é bem clara e calma, estou adorando. O hotel é maravilhoso, tem uma piscina enorme, sauna, os quartos são gigantes, muito bom mesmo. A praia é a sete quilômetros do centro da cidade, já dei uma visitada lá no centro, enorme essa cidade, bem maior que a nossa. Só não falta uma coisa, baladas. Taperapuã é a praia mais badalada de Porto Seguro. Tem baladas toda noite, sem hora para começar e sem horas para acabar, quase toda noite eu vou para uma. Os principais transportes daqui é o ônibus comunitário, até já andei em um. Nessa praia tem as piscinas naturais, porem, só quando a maré ta baixa. Adivinha de que já andei dentro do mar? Você adora, mas não vai adivinhar nunca, já andei de banana-jets e caiaques, lembrei de você quando estava andando. Aqui só não está melhor porque você não está, já estou com saudade. P.S.- Essas estão sendo as minhas férias, quero saber da sua também, estou esperando a resposta. Beijos a todos. Talina Tassi


THAINARA ARRUDA COLÉGIO MARISTA PIO XII – SURUBIM

Para: Syntiadourado@gmail.com Assunto: Denúncia

Senhora Syntia, Solicito a atenção da senhora para o assunto que passo a expor. Após uma viagem ao interior da cidade de São Paulo, presenciei um fato muito importante que me deixou horrorizada. Ao passar por uma fazenda, pude perceber que um grande número de crianças estava sendo explorado, no tempo em que deveriam frequentar a escola. Estavam sendo obrigadas a trabalhar para sustentar suas famílias. Gostaria que você ajudasse estas crianças, para que elas possam ter uma infância com os direitos que toda criança deve ter. Atenciosamente, Thainara de Lima Arruda


THIAGO DIAS DE ALBUQUERQUE COLÉGIO MARISTA PIO X - JOÃO PESSOA

Para: syntiadourado@gmail.com Assunto: Trabalho infantil

Boa tarde, Sra. Syntia Solicito a ilustríssima educadora social do projeto “Criança fora da rua, dentro da escola” que tome providências juntamente com as autoridades sobre a situação de crianças e adolescentes que trabalham na cidade de Umbuzeiro, no cariri ( Paraíba). Lá havia crianças fazendo a colheita do milho, sob o sol forte do meio-dia. Estarei à sua disposição para testemunhar essa exploração. Atenciosamente, Thiago Dias de Albuquerque Cardoso


VITOR CONDÉ COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ – MONTES CLAROS Há cinco dias que João tenta se lembrar do nome daquele aparelho que gostaria de comprar, mas não consegue. Ele faz tanta falta quando usa seu computador... Sempre que vai à rua, esquece de comprar! Por sorte, hoje se lembrou de comprá-lo e, determinado, entrou na loja de aparelhos eletrônicos. - Moço, eu vim comprar um... um... - Pois não. - Um daqueles aparelhos que usamos para usar no computador, como que chama mesmo? - Sim? - É retangular, tem uns fios que ligam no computador! Todo mundo usa no computador. - Sim senhor?! - É assim: tem quadradinhos, coisas escritas nesses quadrados, tem um “botãozão’ embaixo. Ah, como eu esqueço o nome daquilo! - O que é? - Você aperta assim

e ele faz várias palavras e letras aparecem no

computador, mas eu simplesmente esqueci o nome.Fugiu. É retangular, isso eu sei, tem tantos botões, tem uns até meio que sem utilidades. -

Explique

direito,

por

favor,

senhor.Não

estou

conseguindo

compreender. - Olha, tem de todas as cores, mas todos são retangulares, com botões que apertam e fazem aparecer letras no computador. - Desculpe senhor, estou me esforçando, mas não consigo saber o que é! - Olha, tem um cabo que você enfia no computador! O nome é fácil, todos conhece. A gente aperta e saem letras, números, muitas coisas no computador. - Você está falando de um... um...


- Como chama mesmo? - UM TECLADO! - Isso, é isso que eu preciso! - Mas eu queria na cor de... Ah, não acredito que até a cor fugiu da minha cabeça! - A cor é fácil, fala como é. - Olha é uma cor que é tipo, um branco amarronzado, eu acho! - A cor BRONZE? - Não, é quase isso. - Senhor, francamente! - É b, b, BEGE! - Então me vende aí esse negócio bege, como é mesmo que se chama?


VITÓRIA COSTA ALVES COLÉGIO MARISTA CHAMPAGNAT – TAGUATINGA Há cinco dias João tenta se lembrar do nome daquele aparelho que gostaria de comprar, mas não consegue. Ele faz tanta falta quando usa seu computador... Sempre

que

vai

à

rua,

esquece

de

comprar!

Por sorte, hoje se lembrou de comprá-lo e, determinado, entrou na loja de aparelhos eletrônicos. - Moço, eu vim comprar um... Um... - Pois não! -Aquele negócio que coloca no computador. -Um cabo. -Não! Aquele negócio que a gente coloca as coisas dentro. -Uma pasta? -Não pasta não tem a ver com computador. Aquele negócio que a gente grava. -Gravador. -Não aquilo que coloca no computado como e mesmo o nome? -Se a senhor não lembrar me desculpe, mas não sou vidente. -Tá... Tá...Eu sei. É

aquele negócio que coloca no na CPU do

computador. -Não -Sei não senhor! -Olha chama o gerente aí. -Está bem. Então, o gerente veio e disse: -Pois não senhor? -Eu quero o negócio que coloca na CPU e grava. -Não sei senhor. -Como não sabe, você não trabalha aqui ? -Trabalho sim! Mas com essas informações não dá para saber.


-E uma palavra em inglês. -Assim eu sei! É pen drive.

-Isso mesmo. -Quanto custa? -Vinte reais. -Está muito caro... -Desculpe-me senhor, mas ou pesquisa em outra loja. Obrigado.


Curso de Produção de Texto - 2009 - 6ª Série