Issuu on Google+

Ano II - Edição 17 R$14,90

ECOAVENTURA - E D I Ç Ã O 1 7 - F E V E R E I R O D E 2 0 1 1 A PA P Á l E S P E C I A L PA N T A N A L l T U B A R Ã O l E X P E D I Ç Ã O S E L V A G E M l R O B A L O l M U LT I F I L A M E N T O

D GRV Á D TIS

TUBARÕES

Uma pescaria de “monstros” AVENTURA “SELVAGEM”:

sinônimo de muitos peixes BILÍNGUE

ESPECIAL PANTANAL

Principais roteiros para pescar e se aventurar a partir de março BILÍNGUE

Apapá

Saiba onde encontrar essa raridade esportiva M É T O D O S E I S C A S P A R A F I S G A R R O B A L O S l L I N H A S D E M U LT I F I L A M E N T O l R E C U R S O S F O T O G R Á F I C O S


Somente a ECOAVENTURA TURISMO leva você com todo conforto e segurança para os melhores destinos do Brasil e do mundo! Tel. 55 (11)

3334.4361

www.ecoaventuratur.com.br T

U

R

I

S

M

O

Rua Anhaia, 1.180 - 3º andar Bom Retiro - São Paulo - SP


editorial Editora ECOAVENTURA PABX: (11) 3334-4361 - Rua Anhaia, 1180 Bom Retiro - SP - CEP 01130-000 www.grupoea.com.br Diretoria Farid Curi, Roberto Véras, Rubinho de Almeida Prado e Wilson Feitosa Diretor comercial Roberto Véras rveras@grupoea.com.br Diretor de redação Wilson Feitosa wfeitosa@grupoea.com.br

O Pantanal nos dias atuais

Tempos atrás, a qualidade de uma pescaria era mensurada pela quantidade, tama-

nho e diversidade de espécies capturadas, abatidas e trazidas para casa. Dentro desse contexto,

Editora Janaína Quitério (MTb nº 45041/SP) jquiterio@grupoea.com.br

o Pantanal era o destino preferido por oito entre dez pessoas que pescavam habitualmente. Isso

DEPARTAMENTO DE JORNALISMO redacao@grupoea.com.br

pescarias frustradas. Motivo? Na ótica dos pescadores adeptos da “qualidade”, a culpa era da

Estagiários da redação Bárbara Blas e Gabriela Ferigato Tradutor David John Arte Gabriel Dezorzi e Paula Bizacho

durou até meados dos anos de 1990 — época na qual começaram a se multiplicar relatos de pesca profissional, praticada em toda a região havia décadas. Esse ponto de vista, entretanto, não tinha sustentação, já que dados do Sistema de Controle de Pesca de Mato Grosso do Sul, coordenado por órgãos oficiais, indicam que, de 1994 a 1999, o desembarque médio de pescado no Pantanal Sul foi de 1.415 toneladas/ano, e desse total, 1.085 toneladas/ano (76%) foram extraídas por pescadores esportivos e apenas 330 toneladas/

Fotografia Alexandre Tokitaka, Henrique Feitosa e Inácio Teixeira

ano (24%) por profissionais. Portanto, o motivo maior da escassez de pescado não estava ligado

Correspondentes internacionais Fábio Barbosa e Voitek Kordecki

tos “esportivos” registrados no Pantanal Sul atingiu os 59 mil em 1999, porém, desde então, vem

Colaboraram nesta edição Antonio Carlos Cravo, Eribert Marquez, Fábio Martorano, Hiroshi Ninomiya, Inácio Teixeira, Roberto Véras, Rubens de Almeida Prado e Wilson Feitosa

disso, fica a pergunta: o que estaria desestimulando o pescador a procurar os rios pantaneiros?

Consultores Alexandre Andrade e Eribert Marquez

de Cáceres-MT, que, a partir deste ano, passa a 5 quilos por pescador). Para outros, esse de-

DEPARTAMENTO COMERCIAL Publicidade Salgado Filho comercial@grupoea.com.br

à pesca profissional ou artesanal. Ainda de acordo com esses dados, o número de pescadores direduzindo gradativamente, como indica o último número divulgado: 28 mil em 2003. Diante Para uns, a causa seria a redução da cota de captura permitida aos “pescadores esportivos”, posta em prática a partir de 2000 (10 quilos mais um exemplar — exceto para a cidade sânimo era motivado pela escassez de bons peixes. Na prática, a redução da cota trouxe um benefício significativo para esse ecossistema, já que passou a desmotivar a presença de pescadores/predadores — aqueles que desaparecem quando a quantidade de peixes abatidos fica aquém do custo de suas viagens. Ao mesmo

Marketing Pedro Reis Distribuição e edições avulsas atendimento@grupoea.com.br Atendimento ao leitor sac@grupoea.com.br Assinaturas assine@grupoea.com.br A Revista ECOAVENTURA é uma publicação mensal da Editora ECOAVENTURA Ltda.. Distribuição com exclusividade para todo o Brasil: Fernando Chinaglia Comercial e Distribuidora S/A, Rua Teodoro da Silva, 907, tel. (21) 2195-3200. Os anúncios e artigos assinados são de inteira responsabilidade dos anunciantes e de seus autores, respectivamente. A Revista ECOAVENTURA está autorizada a fazer alterações nos textos recebidos, conforme julgar necessário. Nenhum colaborador ou funcionário tem o direito de negociar permutas em nome da editora sem prévia autorização da diretoria.

Assinaturas: (11) 3334-4361

tempo, o sumiço dessa tribo atraiu outra, a dos pescadores conscientes, que apreciam a briga com os peixes sem eliminá-los e se emocionam diante de belas paisagens, de tradições regionais e acervos culturais. Atualmente, em determinados lugares do Pantanal, a pesca verdadeiramente esportiva se encontra em franca expansão, e é até difícil encontrar vagas na programação dos melhores barcos-hotéis. Isso também se verifica nos empreendimentos existentes em regiões de difícil acesso, em pontos onde haja legislação específica que permita apenas o pesque e solte, ou ainda, em locais onde seja encontrado algum componente que possa ser encarado como vantagem para o pescador. E é justamente para esses pescadores que gostam de pegar bons peixes e de curtir a exuberância da biodiversidade existente no País que preparamos uma matéria especial nesta edição. O objetivo é mostrar interessantes opções em todo o Pantanal a partir da abertura da temporada de pesca, em março. Boas aventuras e muitas fisgadas!

Edição 17 — fevereiro de 2011


[ índice ]

20 30

capa (bilíngue)

Apapá Ele não figura na lista das celebridades, mas proporciona emoções conhecidas por poucos

roteiro especial (bilíngue) Pantanal: tesouro da biodiversidade nacional Onde, como e o que pescar — e apreciar — na região a partir de março


12

expedição Selvagem ao extremo

Pescar em lugares pouquíssimos explorados é sinônimo de muitas fisgadas

52

60 Fotografia Recursos que fazem a diferença

Seções 06 Correio técnico 50 É o bicho Harpia

68 Meio ambiente Bicicletas como alternativa de

82 Folhas, flores e frutos

transporte urbano

90 Saúde

76 Técnica Pesca do Robalo:

Câncer de pele

Conheça métodos e iscas para fisgá-lo

84 Perfil Pesca para pessoas com deficiência

68

Tubarões

O rótulo de “assassinos dos mares” esconde uma característica especial: a sua esportividade

08 Técnica As linhas de multifilamento

76

aventura

Araucária

92 Radar 94 Verbo Os piloteiros

96 Classificados 98 Cupom (DVD)


correio técnico

Pantanal Nosso grupo, formado por

RESOLUÇÃO Nº 001/2009 “DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE PESQUEIRA NO MUNICÍPIO DE CÁCERES-MT”

14 pescadores, está planejando uma pescaria na região de Cáceres-MT. Ocorre que recebemos algumas informações de que a legislação agora proíbe a pesca de diversas espécies. Gostaríamos de saber se isso procede e quais são os peixes de cuja pesca foi proibida. Mauro Jansen — Londrina-PR

Na verdade, a pesca não foi proibida, mas sim o abate e, por enquanto, apenas o Dourado recebeu proteção especial até 2013, em função da queda brutal nos estoques dessa espécie. Além de estabelecer o fim da matança do Dourado, a legislação também diminuiu a cota do pescado em Cáceres. A partir deste ano, a cota — que era de 10 quilos por pescador — foi reduzida para 5 quilos. Outras espécies, como o Pintado, também podem ter o abate proibido a partir de 2011, mas,

O Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente - COMDEMA, no uso de suas atribuições legais que lhe são conferidas pelo Artigo 2º, inciso II de seu Regimento Interno, as disposições pertinentes e os princípios da proteção e precaução ambiental na manutenção dos recursos pesqueiros; Considerando a Portaria nº4/2009 do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA, que estabelece as normas gerais para o exercício da pesca amadora em todo o território nacional; Considerando a Lei Estadual nº 9.096/2009, que dispõe sobre a Política da Pesca no Estado de Mato Grosso e dá outras providências. RESOLVE: Art. 1º – Estabelecer para a atividade pesqueira amadora a cota de captura e transporte em cinco quilos e um exemplar, respeitando-se as medidas mínimas estabelecidas por lei, a partir de 1º de janeiro de 2010. Art. 2º – Proibir a atividade pesqueira amadora, esportiva e profissional referente à pesca, captura, embarque e transporte da espécie Salminus brasiliensis (Dourado) pelo período de três anos, a partir de 1º de janeiro de 2010. Parágrafo Único – Será permitida a pesca do Salminus brasiliensis (Dourado) para fins científicos, devidamente autorizada pelos órgãos competentes. Art. 3º – Monitorar, durante o período descrito no Art. 2º, a população da espécie Salminus brasiliensis (Dourado). Parágrafo primeiro – O monitoramento tem subsídio firmado pela Associação Ambiental, Empresarial e Turística de Cáceres – ASATEC, Conselho Municipal de Turismo – COMTUR e a Prefeitura Municipal. Parágrafo segundo – Os dados do monitoramento constituir-se-á documento público do COMDEMA. Art. 4º – Restringir a atividade pesqueira descrita no Art. 1º e 2º nos limites hidrográficos do município de Cáceres. Parágrafo Único – Para os efeitos desta resolução estão inclusos no limites hidrográficos do município as águas dos rios, riachos, ribeirões, lagos, lagoas, açudes, corixos ou quaisquer depósitos de água natural. Art. 5º – Estabelecer que a ação ou omissão que importe na inobservância aos preceitos desta Resolução reger-se-á pela legislação vigente. Art. 6º – Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação, de acordo com suas disposições.

por enquanto, não foi oficializado. Leia ao lado a resolução

Cáceres, 07 de julho de 2009.

na íntegra.

Pescaria em Salvador-BA Vou aproveitar o feriado de Carnaval para fazer uma pescaria em Salvador. Para tanto, gostaria que algum dos especialistas da ECOAVENTURA me orientasse sobre quais peixes poderei encontrar, se é preciso levar equipamento e, caso afirmativo, as especificações de varas, carretilhas, molinetes e iscas, assim como a indicação de bons guias. Pedro Ariszio Gomes — Belo Horizonte-MG

Como o litoral baiano é muito fundo, as pescarias são basicamente a vertical e a de corrico e os alvos principais são os Olhos-de-Boi, Dourados, Atuns e Cavalas. Guias: Lino Justo (www.arabaiana.com.br ) e Marcel Brito (http://www.fishcompany.com.br/ ), ambos oferecem material.

06 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO


Proibição de pesca Amigos, em outubro do ano passado, estive em Jaborandi-SP, cidade banhada pelo rio Pardo, que, no município de Colômbia — aproximadamente 100 quilômetros rio abaixo — irá desaguar no rio Grande. Havia uma polêmica na cidade sobre a proibição da pesca de espécies nativas, como Lambari, Dourado, Barbado etc., apenas no rio Pardo. Mas nem os pescadores profissionais sabiam se era apenas boato ou se realmente havia alguma proibição nesse rio. Como não achei nada na internet, no site do Ibama ou do Ministério da Pesca e Aquicultura, vocês poderiam me ajudar? André Luiz Bazana — por e-mail

Caro André, Trata-se, na verdade, da proibição anual da pesca de espécies nativas durante o período de Defeso (de 1º de novembro a 28 de fevereiro), não só no rio citado, e sim em toda a bacia do Sudeste — fato confirmado pela Polícia Ambiental de Barretos-SP, onde um jornal publicara notícia semelhante ao que você relatou. Nesse período, é permitido pescar apenas espécies exóticas, tais como o Tucunaré e a Corvina. Leia um trecho da Instrução Normativa que trata do Defeso nessa bacia, e que você poderá ler na íntegra no site do MPA: www.mpa.gov.br/#pesca/periodos.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 195, DE 2 DE OUTUBRO DE 2008 Art. 3º: Fica proibida a pesca, anualmente, no período de 1º de novembro a 28 de fevereiro para a proteção à reprodução natural dos peixes, nas seguintes áreas das bacias hidrográficas do Sudeste, com exceção das bacias dos rios Paraná e São Francisco: I - lagoas marginais; II - até um mil metros a montante e a jusante das barragens de reservatórios de usinas hidrelétricas, cachoeiras e corredeiras. Art. 4º: No período de defeso definido no art. 3º, fica vedada a realização de competições de pesca tais como torneios, campeonatos e gincanas. Parágrafo único: Esta proibição não se aplica a competições de pesca realizadas em reservatórios, visando à captura de espécies não nativas (alóctones e exóticas) e de híbridos. Art. 5º: Fica permitida, em rios das bacias hidrográficas referenciadas no art. 1º, apenas a pesca desembarcada, por meio, tão somente, de linha de mão, caniço, vara com molinete ou carretilha, com o uso de iscas naturais ou artificiais providas ou não de garateias, exceto pelo processo de lambada.


[ técnica l linhas ]

Multifilamento: passado, presente e futuro das super linhas Tema frequente nos debates entre pescadores, as linhas de multifilamento ocupam cada vez mais espaço na tralha dos pescadores DA REDAÇÃO I FOTOS: ARQUIVO ECOAVENTURA I ARTE: PAULA BIZACHO

ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO


tualmente, encontra-se Ă  dis-

A

 

    *  

             

posição dos pescadores uma

tão comentada no passado —, isso jå não

    5

grande variedade de modelos

!   +.           

Mais recentemente, a Fuji lançou

       -

(            

o Alconite — uma versão avançada do

            

   /    

   

hardloy       

fortes e têm diâmetro reduzido — muitas

     &   

     

*   

           -



  (      



1/ #    -

lamento de nĂĄilon com a mesma resistĂŞn-

e carretilhas passaram a usar materiais

    

0("  

   !          "  

          ! 



  performance

 "

         

*  

 #  01 -

         

#  !       23   

 #  $   ! 

       !   4   -

custo superior Ă s linhas tradicionais, em

tride� feitos com pedras como a zircônia,

geral elas nĂŁo possuem grande resistĂŞn-

  !      

  %         

     5 6 

  !  

     

&     

             

'! 

 #   

 

        1/ 7  

nĂłs especiais, pois os comuns costumam

 "8        

 #   (  

6     (    !   9

)  %    

 

  "hardloy9 2

S j em ĂĄ Seja ĂĄgua d doce ou salgada, as linhas de multifilamento demonstram resistĂŞncia muito superior aos modelos convencionais

ecoaventura

9


[ tĂŠcnica l linhas ] PASSADEIRAS CAUSAM DANOS '           -

  " .  6   -

         (.     -

 

    (    

   #  0 (     !  

! !   #    = 

9   "

   7

        9   "

   ! (    Fuji8



         

       2'

  

  !

    (      ( -

      4  2  :

  6  (       

  

levaria para cortar tal componente?

!              -

$    

;    -

te o arremesso, ao serem recuperadas,

      (





   #  > "   

tipo de linha em mesma vara e carretilha

     = 



        '   

 "-

(     #   (2     

       

          ! 

          !    

-

     

      

     #  0     !

      #        

melhor: a linha, devido ao desgaste, foi

  

As carretilhas atuais jĂĄ vĂŞm com o anel do guia feito de material resistente Ă  abrasĂŁo

Os molinetes “top de linhaâ€? tambĂŠm jĂĄ vĂŞm de fĂĄbrica com seus principais compontentes feitos de material altamente resistentes

10 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO

A composição quĂ­mica das ďŹ bras Spectra e Dayneema, ao contrĂĄrio do que muitos pensam, ĂŠ idĂŞntica

O menor diâmetro e a maior resistência das super linhas fazem delas um trunfo importante quando associadas a equipamentos modernos, como os jigs, usados em grandes profundidades


Na modalidade de popping, a baixa elasticidade das super linhas se reflete em trabalho de isca mais convincente e em fisgadas eficientes

FUTURO PROMISSOR =        

messo, assim como para jigging/ 

nĂŁo compromete as passadeiras nem os

       .  -

 !   (2  

#  0         

       (      -

    ;  B-

  

mento ainda tĂŞm muito a evoluir e, nessa

         

B "            

 + 9  

 (     

  -

  2        

   + (" #   -

 .0      !   

#

     '   !  ( .

dades como o popping e o jigging sem es-

 

#     @  

            -



          

  

 !   +.    "  -

.      *  

;     

  #  

   2       23   -

nas linhas das grandes marcas como as



     +  -

tas e para empregos diferentes, ou seja,

japonesas Varivas e YGK Gallys e a ameri-

po dos materiais a serem empregados ou

 (  

     -

cana Cajun*+.!    

   C 9 #  (D

ecoaventura 11


[ expedição l barra do são manoel ]

eccoav a en ntuura ra l PESC PE PES P ESC ESCA A ES E PORTI ORT TIVA, VA, VA A M MEIO MEI ME EIO EIO OA AMB AM MB BIENT TE E TURISMO 122 e


POR: ROBERTO VÉRAS I FOTOS: ARQUIVO ECOAVENTURA I ARTE: GABRIEL DEZORZI

Explorar lugares onde os peixes jamais viram uma isca artificial é o sonho da maioria dos pescadores esportivos!

ecoaventura 1133


[ expedição l barra do são manoel ]

H

å quase uma dÊcada ouço Wilson Feitosa — diretor de redação da Revista ECOAVENTURA — falar de suas experiências

em um dos lugares mais isolados e de difĂ­cil acesso em territĂłrio brasileiro. Ima# 9    #        Barra do SĂŁo Manoel, local onde os rios Teles Pires e Juruena se encontram para formar o TapajĂłs: se ainda hoje ĂŠ muito (" #   .  #    que foi dez anos atrĂĄs.

Um cansado TucunarĂŠ ĂŠ puxado atĂŠ o barco para ser liberado

ecoavventura a l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMB MBIENT IENT NTE E TURIISMO N MO


O peso mĂŠdio dos TucunarĂŠs variava entre 2,5 e 3,0Kg, mas nĂŁo foram poucos os que ultrapassaram isso, como este, de 5Kg

HĂĄ tempos acalento o sonho de co-

sou a operar naquelas paragens. Trata-se

dade e a diversidade de estruturas facil-

nhecer e pescar nessa regiĂŁo, o que se

do Mantega Selvagem, uma embarcação

   .       

concretizou no inĂ­cio de outubro (2010),

para atĂŠ oito pescadores que, apesar do

Ê de fazer o coração de qualquer pesca-

quando surgiu a oportunidade de acom-

tamanho reduzido, compensa a falta de

dor bater de forma descompassada ao

panhar um grupo de pescadores paulis-

espaço com o ótimo atendimento e com

antever a possibilidade dos inĂşmeros

tas em nova operação de pesca que pas-

a qualidade de seus serviços. A quanti-

embates iminentes.

ecoaventura 15


[ expedição l barra do são manoel ] ' !  *          

surpreendeu a todos. Em seis dias de

o nível das åguas bastante baixo — jå

pesca, foram capturados inacreditĂĄveis

nĂŁo era das melhores. Na verdade, fo-

997 TucunarĂŠs entre os oito pescado-

mos a Ăşltima turma a pescar em 2010.

res. E isso sem contar vĂĄrias outras

O grupo, formado basicamente por

espĂŠcies, como MatrinxĂŁs, TraĂ­ras, Ja-

“pinchadores�, optou por concentrar

cundĂĄs, Bicudas e Cachorras. Foi tanta

os esforços na pesca de TucunarÊs nas

2 2      

lagoas — principalmente as marginais —

a mesma certeza: a maioria daqueles

do rio Bararati. E o resultado, apesar de

peixes nunca havia visto uma isca arti-

o melhor da temporada jĂĄ ter passado,

  ! D

Equipamentos Para TucunarĂŠs, AruanĂŁs, MatrinxĂŁs, Bicudas e Cachorras:

t7BSBTEFBDPNBĂŽĂ?P SĂˆQJEBQBSBMJOIBTFOUSFF MJCSBT FRVJMPT

t.PMJOFUFTPVDBSSFUJMIBT RVFDPNQPSUFNQFMPNFOPT NFUSPTEFMJOIBTFOUSF FMJCSBT FRVJMPT

t$PMIFSFT jigsFQMVHVFT EFTVQFSGĂ“DJFFNFJBĂˆHVB FOUSFFDFOUĂ“NFUSPT

Para os peixes de couro:

t5SBMIBTVQFSQFTBEB t7BSBTEFBQBSB MJOIBTFOUSFFMJCSBT  FRVJMPT FNPMJOFUFTPV DBSSFUJMIBTRVFDPNQPSUFNOP NĂ“OJNPNFUSPTEFMJOIBT FOUSFFNJMĂ“NFUSPT

Todas as vezes que transportamos nosso barco do rio para as lagoas centrais, nossos esforços foram amplamente compensados Os amigos que escolheram dedicar algum tempo à pesca dos peixes de fundo tambÊm não se arrependeram: Às vezes, tínhamos que empurrar nosso barco por mais de 200m

capturaram bons exemplares de Pirararas e Capararis, alĂŠm de terem vĂĄrias linhas arrebentadas.

16 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO


No último dia, junto com o companheiro Flåvio Schmeil, decidimos conhecer algumas corredeiras do rio Tapajós, e uma delas, conhecida na comunidade por pesqueirão, Ê um lugar muito especial. À primeira vista parece um grande arquipÊlago, mas, à medida que nos aproximamos, percebemos tratar-se de estruturas formadas por basalto, ou seja, resquícios de atividades vulcânicas ocorridas hå muito tempo. O curioso Ê que essa atividade caprichosamente esculpiu um emaranhado de estruturas com poços, lajes, corredeiras, entre outras, e deu origem a um grande e piscoso labirinto —          ^. #  / ras, Bicudas, Traíras e vårios TucunarÊs, mas o que vale mesmo Ê a aura de mistÊrio que envolve esse mågico pesqueiro, onde nunca se sabe que peixe atacarå o plugue.

FlĂĄvio exibe um belĂ­ssimo exemplar de Cichla monoculus

BetĂŁo exibe seu maior exemplar da espĂŠcie Cichla mirianae. Verdadeiramente uma barra de ouro!

eco ec oavven entu tura ra 177


[ expedição l barra do são manoel ] Cachorras...

OS PEIXES Por conta da enorme diversidade de estruturas presentes na região — praias, pedrais, poços, corredeiras e lagos —, a variedade e a quantidade de peixes tambÊm são formidåveis. Lå se pode pescar empregando praticamente todas  ! `  

       pesca com mosca e de fundo com iscas naturais. Nas ĂĄguas rĂĄpidas, os plugues de superfĂ­cie e de meia-ĂĄgua sĂŁo avidamente disputados

por

Bicudas,

Cachorras,

MatrinxĂŁs, AruanĂŁs e TucunarĂŠs. Nas

lagoas,

os

TucunarĂŠs

das

espĂŠcies Cichla monoculus e Cichla

...e Bicudas...

mirianae reinam absolutos, e vez ou outra dão alguma chance às Matrinxãs, k  .    "  $        da pesca pesada de gigantes de couro, o cardåpio tambÊm Ê bem recheado. Em determinadas Êpocas do ano, Pirararas, Capararis, Piraíbas, Jundiås, Piranambus e Jaús estão presentes nos três rios e em grandes quantidades. $ "     os Pacus e Tambaquis, cuja pesca — mais promissora na Êpoca das cheias — faz a alegria dos pescadores mais tÊcnicos.

...dividem com TucunarĂŠs, TraĂ­ras e MatrinxĂŁs as corredeiras e rasuras do vulcânico “pesqueirĂŁoâ€? no meio do TapajĂłs

ecoav ave en nttu ura ra l PESC PESCA EES PES SPORT ORTI RTIV RTI RT RTIVA, VA VA, A, ME A MEIO MEIO MEI O AM AMB MBIENT IEN ENTE ENT N E E TURI NT TUR UR URI UR RIISMO SM S M MO O 18 ec 18


BR 174 gro

pajós

Ne

COMO CHEGAR

s

na

azo

Manaus

m oA

Ri

Rio Ta

Rio

SERVIÇOS

olimões

A forma mais cômoda de se atingir a Barra do São Manoel é via táxi aéreo a partir de Manaus-AM — cidade que possui maior oferta de voos, assim como de aeronaves para locação. Também é possível ir por Alta Floresta-MT e Itaituba-PA, porém, em ambas, haverá a necessidade de fazer conexões com outras companhias aéreas. Por estar localizada em um morro ao lado da comunidade que habita o local, a pista de pouso oferece um visual panorâmico dos rios e da quantidade de lagos e lagoas que os permeiam.

Itaituba

BR 174 BR 319

A AM BR 163

BR 230

s Pire

Rio Jurena

s Tele

www.mantega.com.br

MT

Rio

BARRA DO SÃO MANOEL

PARA MAIS INFORMAÇÕES

BR 163

Rio S

Alta Floresta

BR 230


[ capa/cover article l apapá ] AS RARE AND SHINY AS GOLD

Belo e raro como o Por diversos aspectos, algumas espécies movimentam milhares de dólares ao redor do mundo, e outras, apesar de não desfrutarem da mesma estima, proporcionam embates que poucos pescadores tiveram ou terão a oportunidade de vencer. É o caso do Apapá — peixe de encantadoras qualidades For several reasons, some species of fish generate thousands of dollars around the world, and others, despite not sharing such enviable fame, are capable of providing a fight that few fisherman can win. Such is the case of the Apapá — a fish possessing tremendous attributes as a gamefish TEXTO E FOTOS: ERIBERT MARQUEZ I ARTE: PAULA BIZACHO

20 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO


N

o Brasil, alĂŠm de Ă­cones mun-

tro expoente mundial da pesca esportiva.

diais como Robalo, Black

Endêmico da AmÊrica do Sul — e tam-

bass, Truta e Tarpon, temos o

bĂŠm conhecido pelos nomes de Dourada

privilĂŠgio de colecionar deze-

e Peixe-novo —, o aurífero Apapå Ê uma

nas de outras espĂŠcies com inestimĂĄvel

espĂŠcie sob medida para aqueles que se

apelo esportivo. O TucunarĂŠ, em especial

            {



o Cichla temensis, devido Ă  voracidade e

porque a restrita ĂĄrea onde pode ser en-

Ă  forma explosiva com que ataca as is-

contrado ĂŠ um dos maiores obstĂĄculos

cas, tornou-se uma celebridade de fama

para aqueles que vão a seu encalço. O

internacional. Entretanto, hĂĄ peixes ain-

 B# 7'  8  

 |   

da desconhecidos do grande pĂşblico, e

assim como o rio GuaporĂŠ (RondĂ´nia) e,

encontrĂĄ-los ou mesmo entender seus

principalmente, o Araguaia (GoiĂĄs), estĂŁo

.           

entre os poucos destinos que apresen-

Nesse rol, merece destaque o ApapĂĄ

tam retrospecto de encontro com essa

(Pellona castelnaeana), cuja silhueta e

espÊcie — fato que pode acontecer, entre-

anatomia fazem lembrar o Tarpon — ou-

tanto, em curto perĂ­odo ao longo do ano.

A

Tarpon, deserves particular attention.

as the Snook, Black Bass, Trout and Tar-

Native to South America — and also known

pon, here in Brazil we are privileged to have

by the names of Dourada and Peixe-Novo —,

dozens of other species of inestimable value

the golden ApapĂĄ is made to measure to those

 #   {       $  €



    #(  #  

(Cichla temensis) is internationally acclaimed

is because the major obstacle is access to the

for its voracity and surface explosions in at-

restricted areas where they are to be found.

tacking a lure. Nevertheless, there are as yet

The Negro River (Amazonas) and its tributar-

unknown species to the public at large, and

ies, as well as the GuaporĂŠ River (RondĂ´nia)

#     #    

and especially the Araguaia River (GoiĂĄs), are

   # {     ' .

# (‚ #   ‚  

(Pellona castelnaeana), whose silhouette and

species can be found, and even there, during a

anatomy are reminiscent of the world famous

ƒ    ( ƒ 

part from the world-renowned icons such

RIO NEGRO

Os trĂŞs rios ao lado sĂŁo os que apresentam melhor retrospecto na pesca do ApapĂĄ The three rivers shown are the best choices for ApapĂĄ ďŹ shing

MacapĂĄ

Manaus

Porto Velho

RIO GUAPORÉ

Palmas

RIO ARAGUAIA

Bacia AmazĂ´nica Bacia Tocantins-Araguaia

ecoaventura 21


[ capa/cover article l apapĂĄ ]

Depois de concluĂ­do o ciclo de chu-

lhores possibilidades para encontrĂĄ-la,

 

    *  !   

     .#     

embora isso raramente dure mais que

o ApapĂĄ se alimentando freneticamente

campos começa a escoar para o leito

60 dias. Por outro lado, como insetos

na superfĂ­cie.

dos rios por meio de pequenos canais,

tambĂŠm fazem parte de seu cardĂĄpio,

Mas localizĂĄ-lo ĂŠ apenas o primeiro

essa espĂŠcie de SardinhĂŁo se reĂşne em

nos perĂ­odos em que hĂĄ revoada, ou

capítulo dessa disputa. É que, tal como

cardumes para emboscar os pequenos

nas primeiras e últimas horas do dia —

o Tarpon, esse peixe tem boca pequena

peixes que tambĂŠm retornam das ĂĄreas

quando moscas, mosquitos, pernilongos

e muito dura (óssea) — aspectos que

alagadas. É essa, portanto, uma das me-

e outros pequenos seres alados intensi-

     

 #  

Once the rainy season cycle is complete,

|  1        

  (  # (   † -

    ‚‚     

them and over a period that lasts no longer

ing it is only the beginning of this challenge

 (     #   

than 60 days. On the other hand, it is also of-

 +

            

this species teams up in shoals to ambush

ten seen feeding voraciously on top because

ƒƒ  ‚ ((  

small fry that are also returning from the

insects are on its menu, especially in the early

hook point penetration.

eccoavven entura ttu ura l PESC P A ES SPOR ORTI ORT RTIVA, VA M ME MEI MEIO E AMB AM MBIEN MB MBIENT IENTE IENT E E TURI URI RIS SM MO O 22 e 22


A pescaria do Apapá, quando praticada na época e na região certas, é muito emocionante e extremamente esportiva Apapá fishing is tremendous sport and very exciting when carried out at the right place and season

ecoav ec ave en ntu tura a 233


[ capa/cover article l apapĂĄ ] PESCA COM ISCAS NATURAIS {    

!         &   respeito à quantidade de capturas. Em certa ocasião, após muitas frustraçþes com                      2#   passamos a usar pequenas iscas naturais vivas (Lambaris) em anzóis circulares 3/0 e um pequeno chumbo oliva solto na linha. Essa Ê a montagem mais tradicional e a que apresenta resultados mais expressivos na região do rio Araguaia, jå que a maioria das açþes se converte em capturas.

FISHING WITH LIVE BAITS   ‚       ((     (   #    #      6          #             ( when they jumped, based on the guide’s advice, we started using small, live shad on 3/0 circle hooks and a small olive-type running weight. This is the most traditional method and is very effective in the Araguaia river region, where catch rates are quite high.

24 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO


COM EQUIPAMENTO DE MOSCA @      

  !

      {

               #   !       ("      escapar durante seus saltos e contorcionismos. Mesmo assim, ĂŠ recomendĂĄvel que     +     9          = #   mentos de nĂşmero 7 e moscas que imitem pequenos insetos ou peixinhos sĂŁo muito   6   

   (              passem naturalmente em meio ao local onde estĂŁo reunidos.

FLY FISHING '  #   |ƒ 

  + #   (    ‚    =   #ƒ   |   ‚‚

      {# ‰‚# #  |   #   

   #ƒ( / #    (           is as natural as possible.

ecoaventura 25


[ capa/cover article l apapá ]

Indiscutivelmente, é uma espécie que exige maior grau de atenção e técnica para ser capturada com iscas artificiais It is unquestionably a species that requires a great deal of technique and attention in order to be caught on artificial lures

ecooaven avve en nttuura a l PESC PESCA A EES SPORTIVA, OR VA, MEIO A AMBIENTE E TU TUR RISMO 266 ec


COM ISCAS ARTIFICIAIS ' (#    #   !          

perfĂ­cie, jĂĄ que o ApapĂĄ possui boca bem pequena, voltada para cima e muito dura, o       2 #   /  

     salta muito quando ferrado e sacode a cabeça em um contorcionismo que, de forma frequente, liberta-o do anzol. Mais esportividade impossível! Quando o índice de perdas Ê muito grande, algumas estratÊgias podem reverter a situação, tais como diminuir o tamanho dos plugs e trocar as garateias originais        (2  !      =       procedimento de risco para alguns de nossos peixes, no caso dessa espÊcie, que briga limpo e na superfície, pode ser fundamental para melhorar a produtividade. Ainda assim, mudar as duras estatísticas não Ê tarefa simples: a cada dez açþes, raramente mais que um indivíduo serå embarcado.

ARTIFICIAL LURES      (  ‚+ƒ  # (  #    ' . has a small upturned mouth that is hard for treble hooks to penetrate. As if this weren’t enough, it inevitably jumps when hooked and shakes its head so vigorously that it often shakes the hooks  {  Œ    ƒDDD �  (   ƒ#    #      

  #    #( ‚  ƒ  # #  '  #   ƒ   #   ##       # #      ( ‚ at the top and this strategy can prove fundamental as far as catch rates are concerned. Even so,  ##          (ƒ‘   ƒ      

reúnem em corredeiras e bocas de lagos. Os melhores pontos são a divisa entre a ågua limpa do lago e suja do rio e os rebojos próximos aos barrancos altos. Pertencente à família Pristigasteridae — que inclui as sardinhas marinhas —, são peixes pelågicos (superfície e meia-ågua) e podem atingir atÊ sete quilos de peso e 80 centímetros de comprimento.

Biologia/Biology Peixe de escamas, o Apapå possui o corpo comprimido, cabeça pequena e boca igualmente reduzida e ligeiramente voltada para cima. Alimenta-se na superfície durante as horas crepusculares, e de sua dieta fazem parte pequenos peixes, insetos, vermes e outros seres. Possui a região prÊ-ventral serrilhada, nadadeira adiposa e linha lateral. Geralmente, forma cardumes que se

The Apapå is a scaled fish with a long body, small head and small upturned mouth. It is a surface feeder during the twilight hours, and its menu involves small forage fish, insects, worms and other critters. The pre-ventral region is serrated and has an adipose fine and lateral line. Generally, it is found in small shoals in fast water and lake mouths. The best spots are the border between clean and murky waters that divide lake from river as well as eddies that form beneath steep banks. A member of the Pristigasteridae family — which includes ocean sardines — these are pelagic fish (topwater and mid depth) and can reach up to 7 kilos in weight and 80 centimeters in length.

ecoaventura 27


[ capa/cover article l apapĂĄ ] Dicas/Tips r2VBOEPTFVTBJTDBTEFTVQFSGĂŽDJFOBĂƒHVB corrente, ĂŠ importante trabalhar com a vara para cima. Isso evita que a linha fique folgada e melhora a eficiĂŞncia da fisgada r8IFOVTJOHUPQXBUFSMVSFT in fast water, it is important to hold the rod tip up, which ensures there is no slack and improves hook sets r.BOUFSBJTDBOPNFTNPMPDBMFEBSUPRVFT vigorosos ĂŠ uma boa tĂĄtica para despertar o ataque r,FFQJOHUIFMVSFJOUIFTBNFTQPUBOEUXJUDIJOHJU is a great tactic to get strikes r"QĂ“TUFSĂ THBEPPQFJYF ĂŠJNQPSUBOUFNBOUFS a ponta da vara para baixo ou atĂŠ mesmo dentro da ĂĄgua, e nunca bambear a linha. Com esse tipo de ação, ele saltarĂĄ menos e haverĂĄ expressiva melhora no Ă­ndice de capturas r"GUFSIPPLJOHUIF fish, point the rod tip down or even submerge it always keeping a taut line. By doing this, the fish will jump less and increase the catch rate r0"QBQĂƒTFEFCBUFNVJUPBPTFSSFUJSBEPEBĂƒHVB e, como tem uma serrilha extremamente cortante em seu ventre, requer bastante cuidado durante o manuseio r5IF"QBQĂƒTUSVHHMFTBMPUXIFOCPBUFE and has sharp highly incisive serrations in the belly area, so great caution in handling is advised

O rio Araguaia ĂŠ o que oferece melhor retrospecto de capturas, bem como guias mais especializados na pesca dessa espĂŠcie The Araguaia River provides the best catch statistics as well as the most specialized guiding services

Equipamentos/ Tackle t7BSBTDPNDPNQSJNFOUP BPSFEPSEF NFUSP  EFBĂŽĂ?PSĂˆQJEBPVNĂ?EJB SĂˆQJEB QBSBMJOIBTFOUSF FMJCSBT FRVJMPT 

t-JOIBTEFNVMUJmMBNFOUP FOUSFFMJCSBT F RVJMPT 

t3PETJOGFUJODI MFOHUITXJUIGBTUPSNFEJVN GBTUBDUJPOGPSMCMJOFT

tMCCSBJEFEMJOFT

t$BSSFUJMIBTEFQFSmMCBJYP DPNCPBWFMPDJEBEFEF SFDPMIJNFOUP t-PXQSPmMFCBJUDBTUSFFMT XJUIBGBTUSFUSJFWFSBUF

28 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO

t-Ă“EFSEFnVPSDBSCPOP FOUSFF tMCnVPSPDBSCPO MFBEFST t*TDBTBSUJmDJBJTEF TVQFSGĂ“DJFNPEFMPT[BSBT  sticksFIĂ?MJDFTFOUSFF DFOUĂ“NFUSPT t5PQXBUFSQMVHTTVDI BT[BSBT TUJDLCBJUTPS QSPQFMMFSCBJUTCFUXFFO BOEDNTJOMFOHUI

t"O[Ă˜JTDJSDVMBSFT UBNBOIPFOUSFFF QFRVFOBTDIVNCBEBT DPNQFTPFOUSFF HSBNBT t$JSDMFIPPLTSBOHJOH GSPNUPBOETNBMM PMJWFTIBQFEXFJHIUTJO UIFHSBNSBOHF

t²JNQPSUBOUFPVTP EFQVĂŽĂˆTFBMJDBUFTEF DPOUFOĂŽĂ?P t'JTIHSJQQFSTBOEMBOEJOH OFUTBSFJNQPSUBOU


TEMPORADA Entre março e junho, o rio Araguaia Ê o destino mais indicado para se deparar com essa espÊcie, jå que Ê nesse período que as melhores condiçþes são encontradas. De agosto a novembro, Ê mais acertado procurå-la nas curvas acentuadas do rio GuaporÊ, onde costuma emboscar suas presas nas åguas råpidas ali formadas e onde se dissi   = +    |   B# #    produtivos, sobretudo aqueles de åguas escuras e caixa estreita.

SEASON Between March and June, the Araguaia River is the most recommended destination in which            ‚‚      ' #

 B           ( ’ !“‚  

   prey in the fast waters and waterfall spilloffs. Between January and April, the Rio Negro tributaries are equally productive, especially those that are narrow with darker waters.


[ roteiro/itinerary l pantanal ]

PANTANAL, BRAZIL’S BIODIVERSITY TREASURE TROVE

PANTANAL,

O TESOURO BRASILEIRO DA BIODIVERSIDADE PARA QUALQUER DIREÇÃO QUE O OLHAR SE DIRIJA, POR TERRA, ÁGUA E AR, HÁ VISUAIS MAGNÍFICOS PARA SEREM ETERNIZADOS NA MEMÓRIA E POR MEIO DE CÂMERAS FOTOGRÁFICAS OU DE FILMADORAS. ASSIM É O PANTANAL, O ÉDEN QUANDO O ASSUNTO É O REINO DA NATUREZA. CONFIRA ALGUMAS OPÇÕES PARA PESCAR E AVENTURAR-SE NESSE ECOSSISTEMA A PARTIR DE 1º DE MARÇO — QUANDO FINDA O PERÍODO DE DEFESO E INICIA A TEMPORADA INDELIBLE MEMORIES OF SCENIC BEAUTY, WHETHER VIEWED BY LAND, WATER, AIR OR THROUGH THE LENS OF A MOVIE CAMERA AND TO WHATEVER DIRECTION — THIS IS WHAT BEST DESCRIBES THE PANTANAL, A VERITABLE EDEN AS FAR AS NATURE IN ALL ITS BEAUTY IS CONCERNED. LET´S LOOK AT SOME OPTIONS FOR FISHING AND ADVENTURE IN THIS ECOSYSTEM COMMENCING MARCH 1ST — WHICH IS OPENING DAY FOR THE FISHING SEASON POR: WILSON FEITOSA I FOTOS: ARQUIVO ECOAVENTURA I ARTE: PAULA BIZACHO

30 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO


 .  

# ##  

A

 .     (    ' #   

do Pantanal não Ê composta por pântanos (lo-

predominante ĂŠ a de subsistĂŞncia e estĂĄ restrita a pequenas

daçal permanente), mas sim por uma imensa

åreas preparadas ou em pequenas elevaçþes onde a ågua

planĂ­cie alagada de tempos em tempos que

nĂŁo atinge. Entretanto, o turismo ĂŠ o segmento que tem

abrange os estados de Mato Grosso e Mato

conquistado maior espaço na economia local. Para receber

Grosso do Sul, alĂŠm dos vizinhos BolĂ­via e Paraguai. Seu

seus visitantes, existem no interior do Pantanal inĂşmeras

ponto mais alto situa-se a cerca de 200 metros do nĂ­vel do

opçþes de hotÊis, pousadas e barcos-hotÊis estruturados

mar, e a declividade de seus rios nĂŁo chega a trĂŞs centĂ­me-

  (  9   '#   

  -

tros por quilĂ´metro. SĂŁo esses os aspectos que o tornam a

  

           ( 

maior årea úmida continental do planeta — um mega am-

programaçþes como passeios de barco, a cavalo, em pick-

  23 ##.  .   ( -

-ups ou em veículos próprios e adaptados às condiçþes do

cem a existĂŞncia de uma variada cadeia biolĂłgica, com qua-

lugar. A cidade de Bonito-MS, por exemplo — jå conhecida

” !   • "( !  

mundialmente por suas belezas naturais — recebe anual-

260 de peixes.

mente milhares de visitantes interessados em mergulhar

As principais atividades econĂ´micas sĂŁo baseadas na pe-

nos seus rios lĂ­mpidos e cristalinos, repletos de peixes.

Estudos indicam que o Pantanal Ê resultado da separação do oceano hå milhþes de anos, uma espÊcie de mar interior único no mundo Studies point to the Pantanal as being formerly separated from the ocean millions of years ago and is a one of a kind inland sea

C

ontrary to what the name would suggest (pantano = marsh),

stock breeding. Agriculture is only subsistence and is limited to

 $          (     ‚     

small cultivated areas on higher ground untouched by higher water

 ƒ      |(      ‚-

  B 

        (   #‚# #-

    (— ’

1 — ’

 ‚  

  (    ƒ { ‚ 

# #   (€  $  # ƒ{ #   

       $          (    # 

about 200 meters above sea level, while its rivers slope no more

        ((   1  -

  >              (    

rected exclusively to normal tourism and provide boat trips, horse

  (   ‚˜   #     ‚       # 

#  ‚  #  ((    

 ƒ    -

  ‚ ##    (      

    ƒ ( €   1  —  ’

 (    

a highly varied natural biodiversity that counts on over 650 species

‚0‚ (          #  

  (

( •     š”   ( 

     ƒ(#   ƒ      

The main economical activities are centered on extensive live-

 #‚  

ecoaventura 31


[ roteiro/itinerary l pantanal ]

FLORES DE RARA BELEZA E RÉPTEIS COMO O DÓCIL JACARÉ (CAIMAN YACARE) FASCINAM E ALIMENTAM O IMAGINà RIO DAQUELES QUE VISITAM O PANTANAL FLOWERS OF RARE BEAUTY AND REPTILES SUCH AS THE DOCILE CAYMAN (CAIMAN YACARE) FASCINATE AND FUEL THE IMAGINATION OF VISITORS OF THE PANTANAL Ao longo da Estrada Parque (Mato Grosso do Sul) e da

   (   #       B

Transpantaneira (Mato Grosso), ou mesmo em passeios de

alto, bandos de periquitos, maritacas e papagaios salpicam

barco, podem ser vistos animais raros e exĂłticos, alĂŠm de

de verde o azul do cÊu. Concentraçþes de biguås, garças,

aves pouco conhecidas, caso do imponente tabuiaiĂĄ (Euxe-

cabeças-secas e colhereiros se reúnem em determinados

nura galeata). JĂĄ nas margens dos rios ĂŠ possĂ­vel observar

pontos da mata, onde passam as noites e constroem seus

grupos de belas palmeiras carandĂĄs (Copernicia alba) e ba-

grandes ninhos de gravetos. Nas praias e nas margens dos

curis (Platonia insignis), ĂĄrvores como o novateiro (Triplaris

 #         (         -

americana8*  

   |   

-pescador, o baguari, o colhereiro, o mutum e o enorme tuiuiĂş

9      #  # ( # 00(#*

a pompa de ave mais bonita. Lontras e ariranhas mergulham

ipĂŞ-roxo, amarelo e branco (do gĂŞnero Tabebuia). HĂĄ, tam-

(   23           

bĂŠm, arbustos como o pombeiro-branco (Combretum laxum),

e da ĂĄgua.

ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO


Na terra, na ĂĄgua ou no ar, o Pantanal justiďŹ ca plenamente por que ĂŠ reconhecido como o maior, mais rico e diversiďŹ cado ecossistema On land, in the air or on the water, the Pantanal fully justiďŹ es its claim as being the world’s biggest, richest and most diversiďŹ ed ecosystem

“       ‚  0‚(

  

white dove bush (Combretum laxum8 ‚    (       

imposing tabuaiĂĄ (Euxenura galeata), can be spotted along the Estrada

   # (   {    |  (       -

Parque (South Mato Grosso) and the Transpantaneira (Northern Mato

rots dot the blue sky with green. Cormorants, cranes, roseate spoonbills

Â’

8#‚ ƒ 6    (        .7Co-

| ‚  ‚ ƒ  #    

pernicia alba) and bacuri (Platonia insignis) are to be spotted, as well as

 # (  ‚# 6      #     

trees such as the Triplaris Americana‚   ( ( ( 

 ( ‚ (‚    ‚   ›#    #    -

 0|‚ ‚ #

       

     #    ;(    ƒ

ƒ‚ ‚ {&7Tabebuia genus). There are also bushes such as the

 #  ’  €    (

ƒ  (  ‚ 

ecoaventura 33


[ roteiro/itinerary l pantanal ] A HORA DA PESCARIA A pesca esportiva Ê outra atividade de relevante importân-

do pescador. Trata-se do Dourado, Pintado, Pacu, Cachara, JaĂş,

cia. O ambiente aquĂĄtico no Pantanal e, por extensĂŁo, em seus

Piraputanga, Piavuçu e Barbado. Nesse paraíso, inúmeros cenå-

rios, corixos e baĂ­as, possui uma expressiva biodiversidade, na

rios se prestam Ă s mais diversas modalidades de pesca, embo-

qual os peixes merecem grande destaque. Das mais de 260 es-

ra algumas sejam mais promissoras em determinadas regiĂľes.

pĂŠcies catalogadas, pelo menos oito merecem ser citadas por

É o caso dos rios Piquiri e Negro, que se encontram bem preser-

          (& 

   ( 2    

.

TIME FOR FISHING 1  #        (       €ƒ 

 ( ‚ ‚ ƒ      ƒ  $    

71 /  8$  $ ƒ  k ;  $  # $  2  €    

    #    ƒ‚  ƒ  +6 

{         

       

( š”#     #    (

       # ƒ        #  

   #     ‚  #    (     

#     #    1    ( $ 

  ˜  (     œ   7’ €

8 $-

and Negro rivers that are well preserved due to limited access by road.

Ă€ esquerda, o Barbado; no centro, o trofĂŠu Dourado, Ă  direita, o tĂŁo cobiçado Pintado. O Pantanal tambĂŠm ĂŠ um paraĂ­so para o pescador esportivo Left, the Barbado, center the trophy Dourado and right the coveted Pintado. The Pantanal is also a paradise for sportďŹ shermen

34 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO


Nos poçþes, nos remansos e em outros ambientes aquåticos,

sul sĂŁo encontrados barcos, motores, guias, iscas, combustĂ­vel, gelo,

as iscas naturais se mostram insuperĂĄveis e resultam em brigas

bebidas e demais serviços necessårios à pråtica do esporte de pes-

emocionantes com Pintados, JaĂşs, Pacus etc. Em trechos de ĂĄguas

 B      $    (  # .

.                 -

   *       &   (& 

canhadas por Dourados, Piraputangas e atĂŠ pelo intruso TucunarĂŠ

humana, criar legislaçþes condizentes com a realidade e apoiar a

— atualmente espalhado por grande parte desse ecossistema.

   2    

  !   

{(       2    ! (  œ  

Unesco$  �B  —  “   € ( 

{     ‚      -

 (   #  ‚       

    #    



   

 #   #

 

     #  ƒ   {((     -

‚   $  k ;  $     { (  ‚       

  

ƒ (      #       $    -

    |ƒ #    ( œ   $  #    

    ( #            

encroaching Peacock bass that is currently disseminated throughout a

(    ‚  # 

 ((   

#   (   ƒ     #((   

park ranger supervision so as to preserve this complex system that is

(  #    '  (  B   1        #  

a Unesco world biosphere reserve.

Existem trĂŞs espĂŠcies de Piranha no Pantanal (Serrasalmus marginatus, Serrasalmus spilopleura e Pygocentrus nattereri). Em local onde se costuma limpar peixes, hĂĄ risco de ocorrer uma mordida acidental. A Piranha tambĂŠm pode morder depois de morta. Seus dentes aďŹ ados cortam carne e atĂŠ osso num movimento brusco, entretanto, ĂŠ lenda que elas comem gente There are three types of Pirana species in the Pantanal (Serrasalmus marginatus, Serrasalmus spilopleura e Pygocentrus nattereri). In places where ďŹ sh are cleaned, there is an accidental bite risk. The Pirana can also cause damage after they are dead as their teeth are sharp enough to cut meat and bone with a simple graze, however, their reputation for attacking humans is legendary

ecoaventura 35


[ roteiro/itinerary l pantanal ] RIO PIQUIRI Quem navega pela primeira vez pelas

rem rotuladas como â€œĂşnicasâ€?. De ĂĄguas

.#    $     

 

      (  

        ( -

sinuosidade de seu curso esconde inĂş-

na local — provavelmente, por se tratar

meras baĂ­as e corixos, onde cardumes

do Ăşltimo rio pantaneiro “navegĂĄvelâ€? que

de muitas espĂŠcies se espalham. Mas,

ainda mantĂŠm a maior parte de sua mata

como suas ĂĄguas se mantĂŞm limpas o

ciliar quase intocada. Divisor natural dos

    (        

limites entre os estados de Mato Grosso

ĂĄrvores e troncos submersos, barrancos,

e Mato Grosso do Sul, o Piquiri possui

entre outras, o Dourado ĂŠ seu mais cobi-

certas caracterĂ­sticas passĂ­veis de se-

çado habitante.

MT MT CuiabĂĄ

RIO PIQUIRI

PIQUIRI RIVER Whoever cruises along the Piquiri River

that can be labeled as unique. Clear waters,

(      ‚   

 ƒ 

narrow and relatively shallow, it is shelter to

 ƒ    ƒ (   ‚( * -

 ( ƒ   ‚   (

ƒ

    ( $   Π

ƒ     ( ž‚

 #  ‚     (

as its waters remain clear year round and

the original jungle intact along its banks.

   # (   

 

As a natural borderline between the

submerged logs, river bank structures and

 (B  1 — ’ -

   œ        # 0 ( 

  $  



    (  

inhabitant.

A onça-pintada estå entre os seres mais belos e enigmåticos desse ecossistema The spotted Jaguar is among the most beautiful and mysterious creatures in this ecosystem

36 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO

MS MS

CorumbĂĄ RIO PARAGUAI

Campo Grande


'

 # ! #  .  !

  -

       œ      +  (      "

de a maior responsåvel pela preservação da região. Para che-

rodovia Transpantaneira, a atenção deve ser redobrada, pois

#  $    !#   (  

existem cerca de 130 pontes ao longo da estrada (algumas em

CuiabĂĄ, cujo voo dura em mĂŠdia 45 minutos. Para quem gosta

pÊssimo estado de conservação) e, em vårias ocasiþes durante

      #   (  2   -

o percurso, ĂŠ preciso parar o veĂ­culo para espantar jacarĂŠs e ca-

      /  .  ‘  �     (   !

pivaras, que relutam em sair da estrada. Outro grande atrativo

PoconÊ, e de lå Ê que a aventura off road começa. Para cobrir

dessa rota sĂŁo suas lagoas de ĂĄguas lĂ­mpidas, onde ĂŠ possĂ­vel

o percurso de aproximadamente 150 quilĂ´metros que separam

visualizar milhares de aves e, principalmente, peixes como Pira-

$!$ k(+.  # /  .# 0 

putangas, Pacus, Apaiaris, JacundĂĄs, entre outros.

'      ƒ          ( 

  $!( $ k(   ( /  .“1-

ƒ  {   $ “     

cial care should be taken along the way as there are over 130 bridges

   #  /  .( |#  #      

7   

 8  ƒ  (    -

#   ‚    # ( (   -

essary to stop the vehicle and scare away caymans and capybara that

   #( /  .  ‘   (     

block the road. Another attraction on this route are the many Clearwater

  ‚($!  ((   # (    

  ‚  

    

 (   ƒ 



{     ‰     ƒ‘     

as the Piraputanga, Pacu, Apaiaris, JacundĂĄ and others.

SERVIÇOS/SERVICES ONDE FICAR / WHERE TO STAY Existem algumas pousadas em Porto Jofre, todavia, nenhuma oferece acesso råpido aos pontos de pesca do rio Piquiri. Por isso, o ideal Ê ficar hospedado em suas margens ou, quando o nível do rio permitir, ter como base as instalaçþes de um barco-hotel. A melhor Êpoca para pescar vai de maio a novembro, o que pode mudar em função da intensidade das chuvas. There are several lodges in Porto Joffre, however, none of these provide fast access to the Piquiri fishing spots. For this reason, the best option is to stay along its banks or to have as a base a Boat Hotel when water levels permit. The best fishing season is May to November which may change in accordance with the intensity of the rains Pousada Mangueiral Tel.: (65) 9968-6444

No ďŹ nal dos anos 1980, uma grande cheia cobriu os tanques de piscicultura de um fazendeiro do alto Piquiri e libertou os peixes que ele mantinha presos. Nada de excepcional teria acontecido nĂŁo fosse o fato de que, entre os fujĂľes, estava o TucunarĂŠ — espĂŠcie que se adaptou perfeitamente aos lagos e lagoas pantaneiras, e atualmente ĂŠ mais um grande atrativo para quem pesca na regiĂŁo At the end of the eighties, a massive ood spilled over Fish Breeding tanks belonging to a farmer at the head of the Piquiri River, freeing the captive ďŹ sh. Nothing out of the ordinary would have taken place were it not for the presence of several non-indigenous Peacock bass. These have now become perfectly adapted to the pools and lakes in the Pantanal and are currently one of the great sportďŹ shing attractions for the region

Hotel Porto Jofre Tel.: (65) 3637-1593 / 3637-1263 www.portojofre.com.br Barco-hotel Pantanal 5 Estrelas Tel.: (65) 3627-5014 www.pantanal5estrelas.com.br Barco Transpantanal Plaza Tel.: (65) 3345-2343 / 9903-4756 www.transpantanal.com.br

ecoaventura 37


[ roteiro/itinerary l pantanal ] CĂ CERES-MT: COMODIDADE PARA CONHECER O PANTANAL Trata-se de um destino muito especial

pretende navegar atÊ as imediaçþes da

 9  (     

(  Estação Ecológica Taiamã — uma

as belezas do Pantanal ou pescar com

localidade preservada, em torno da qual

  # (   €  

ĂŠ comum encontrar peixes nobres como

pelo rio Paraguai (o maior responsĂĄvel

Pintado, Dourado, Pacu, Piraputanga, JaĂş

por seu desenvolvimento), o municĂ­pio

etc. O municĂ­pio tambĂŠm ilustra o Guin-

tambĂŠm conta com outros rios extrema-

ness Book    ( -

  (      !

tival de pesca embarcada em ĂĄgua doce

caso do Jauru e do Sepotuba, entre outros

do mundo — evento que reúne milhares

de menor porte. É a partir de Cåceres que

de pessoas vindas de diversas partes do

se encontra a melhor opção para quem

PaĂ­s e atĂŠ do exterior.

MT T RIO SEPOTUBA RIO JAURU

CĂ CERES RIO PARAGUAI

CorumbĂĄ

CĂ CERES (NORTH MATO GROSSO): JUMP-OFF POINT FOR THE PANTANAL This is a prime spot when the objectives

{    (  /.        

  ( # ‚  (   ( ƒ 

( 

 TaiamĂŁ Ecological Station can be

 #  $   Π      

made — a well-preserved area where Pin-

Bathed by the Paraguay River (which ac-

tado, Dourado, Pacu, Piraputanga, JaĂş etc.

  (  (  ‚Œ   8

are in abundance. The municipality also

   ƒ         (

 ƒ    ‚Œ  #  # 

      #‚ ( 

  

tournament as registered by the Guinness

Jauru and Sepotuba rivers among other

Book of Records # 

 (

lesser ones.

( €  (   

ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO

M MS Campo Grande

Pacu

O FIP (Festival Internacional de Pesca), realizado hĂĄ mais de 20 anos em CĂĄceres, ĂŠ reconhecido no Guinness Book como o maior do mundo The FIP (International Fishing Festival) is a 20-year tradition that is cited in the Guinness Book of Records as the biggest event of its kind in the world

CuiabĂĄ


Pescar nas cabeceiras do rio Para-

se espalharem. Outra singularidade ĂŠ o

guai ĂŠ um privilĂŠgio que estĂĄ ao alcan-

 ("  #   6k  

ce de todos. Muito mais atĂŠ do que em

o Sepotuba, por exemplo, sĂŁo paraĂ­sos

lugares tradicionais, que nĂŁo contam

                

     (    

 '-

para os pescadores de , jĂĄ que suas

gumas caracterĂ­sticas tambĂŠm sĂŁo pe-

.#    &   ( -

      #    (    

terrupta e, portanto, apresentam condi-

a ĂĄrea suscetĂ­vel a alagamento nĂŁo ĂŠ

çþes adequadas para que peixes como

tĂŁo grande, o que diminui sensivelmente

Piraputanga e Dourado permaneçam

o tamanho do ambiente para os peixes

nele o ano todo.

 #    ‚   (  $  -

(     '  #  ( 

# ƒ“ ‚ ƒŒ  =

    (    k    1  

more than traditional places that are not

rivers that provide unique conditions and

 

 1  (   #Π  -

    (  (ƒ(   

  (         

their waters are constantly clear with ideal

(#      ‚ # ƒ

   (    ( $  #  

       (    ( 

Dourado year-round.

SERVIÇOS/SERVICES ONDE FICAR / WHERE TO STAY O acesso a Cåceres Ê fåcil e råpido por meio da BR-364, cujas condiçþes de tråfego permitem cobrir os 215 quilômetros que a separam de Cuiabå em pouco mais de duas horas. Hå boa oferta de pousadas — algumas localizadas em pontos estratÊgicos — e de barco-hotÊis. Access from Cuiabå to Cåceres is fast and easy using the BR364 highway, with good traffic conditions allowing for a little over two hours to cover the 215 kilometers distance. There are good lodges, some along strategic points as well as Boat Hotels. Hotel Baiazinha Tel.: (65) 3664-2499 www.hotelbaiazinha.com.br Hotel Pantanal 3 Rios Tel.: (65) 3027-5600 http://www.pantanal3rios.com.br Barco-hotel Babilônia Tel.:(65) 3222-1379 www.barcobabilonia.com.br Barco-hotel São Lucas do Pantanal Tel.: (65) 9971-2658 www.saolucasdopantanal.com.br Barco-hotel Ieiê Tel.:(65) 3223-4907 www.barcoieie.com.br

O DOURADO, COM SEUS SALTOS ESPETACULARES, É UM DOS PRINCIPAIS �CONES DA PESCA ESPORTIVA THE DOURADO IS ONE OF SPORTFISHING’S MAIN ICONS WITH ITS SPECTACULAR JUMPS

ecoaventura 39


[ roteiro/itinerary l pantanal ] CORUMBĂ , PORTO MORRINHO E PASSO DO LONTRA-MS / .     #  (-

#  #"          -

cial a quantidade e qualidade de barcos-

portivos. É o caso das baías do Tuiuiú,

-hotÊis. São dezenas de opçþes com

Saracura, Castelo, Jatobazinho; dos rios

acomodaçþes, programação e destinos

Paraguai-mirim, Miranda, Taquari, Co-

    %   2    

queiro, Novos Dourados, do JoĂŁo e da be-

pretende se enveredar no Ă­ntimo do uni-

"

 1 '  * | & 

     —   ( .  

com o rio São Lourenço. A capacidade de

    

  ! |     -

passageiros nesses barcos ĂŠ bastante

pazes de levar seus passageiros a luga-

   `  ‘ ‰

 

res distantes e bem piscosos sem abrir

Hoje em dia, jĂĄ ĂŠ possĂ­vel participar de

   (   -

     (.        

-condicionado, cabines com banheiro

passageiros, uma vez que a maioria das

privativo etc. Neles, tanto pescadores

embarcaçþes possui programação de

quanto turistas podem se deslocar para

viagem prĂŠ-estabelecida e viabiliza o em-

 #    "       -

barque atĂŠ mesmo de duplas.

MT CuiabĂĄ CĂĄceres RIO PARAGUAI RIO TAQUARI

CORUMBĂ

MS MS RIO MIRANDA

Campo Grande

CORUMBĂ , PORTO MORRINHO AND PASSO DA LONTRA (SOUTH MATO GROSSO) / .     (      

          #  

(  ƒ  ‚  (  

   1    (  -

(          

uiĂş, Saracura, Castelo, Jatobazinho bays; the

  ƒ(      ‚‚  

Paraguai-mirim, Miranda, Taquari, Coqueiro,

         (  $ -

Novos Dourados, JoĂŁo rivers and the incred-

  ¢ƒ  (     

  

ƒ ( 1 '   | -

| #           

 (  1 ^ 2 “ $

#



#           #

capacity on these boats is highly varied and

  ‚   #   (  (

   # (  ‘  ‰    /  ƒ

air-conditioning, cabins with private shower

  

     #  

  (        

   ‚ (‚

#    

       ‚     

(        0# 

        ‚ (  

schedules and can even cater to pairs.

COM CERCA DE 200.000 KM², O PANTANAL ESTENDE-SE PELOS ESTADOS DO MATO GROSSO E MATO GROSSO DO SUL, ALÉM DE TERRAS DA BOL�VIA E DO PARAGUAI COVERING AN AREA OF AROUND 200.000 KM2, THE PANTANAL EXTENDS OVER THE STATES OF SOUTH AND NORTH MATO GROSSO, AS WELL AS BOLIVIA AND PARAGUAY

A diversidade de aves de pequeno, mĂŠdio e grande porte ĂŠ uma fonte inesgotĂĄvel de estudos para os ornitologistas The variety of small, medium and large bird species is a source of continuous study by ornithologists GaviĂŁo-belo

40 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO

TuiuiĂş


SERVIÇOS/SERVICES

Porto Morrinho e Albuquerque tambĂŠm

Miranda, a pouco mais de cinco quilĂ´me-

compþem boas opçþes para os pescado-

  (     

  

  œ      ‰  �    

    5  (     -

CorumbĂĄ, sĂŁo destinos muito procurados

da ao longo da Estrada Parque — que co-

t$036.#ÂŤ

 #      3  {

   %

meça nessa localidade — e a piscosidade

grande disposição de leitos, bem como à

dos rios Miranda e Vermelho.

Barco-hotel Veneza Tel.: (67) 3231-1635 www.venezatur.com.br

proximidade com bons pontos de pesca.

O Passo do Lontra Pantanal Park Hotel

6   !  #  (    -

ĂŠ o melhor receptivo da regiĂŁo. ConstruĂ­do

tes com preços atrativos, que podem ser

     %# 2 -

parcelados e ainda incluem o transporte

  (  +     ( ( 

* #    (    Â?

    *

  #       {



desde o ponto de origem.

   

     

A regiĂŁo do Passo do Lontra ĂŠ outro

chalĂŠs com as demais ĂĄreas do empreen-

( "     -

dimento, onde papagaios, arancuĂŁs, peri-

nicípio devido à localização privilegiada.

quitos, tuiuiĂşs e outras aves disputam em

É a mais distante dos aeroportos — cerca

harmonia com capivaras e um bando de

de 120 quilĂ´metros de CorumbĂĄ e 315 de

bugios os alimentos disponĂ­veis nas ĂĄrvo-

/ Â’ *   # 

 ( "(     . 

ONDE FICAR / WHERE TO STAY

Barco-hotel Millennium Tel.: (67) 3231-3372 www.opantaneirotur.com.br Barco-hotel Eldorado Pantaneiro Tel.: (67) 3231-6369 www.eldoradopantaneiro.com.br t10350.033*/)0"-#626&326& Pousada Jund Pesca Tel.: (11) 4586-2620 www.loja.jundpesca.com.br Pousada Curupira Tel.: (67) 3325-6407 www.pousadacurupira.com.br

$ — '      #   -

trip originates, as well

‰›     ( / .      #ƒ

as the large amounts

 # 0 ( ƒ#            #   (

(  ( 

   ‚   '   #(       ƒ

the Miranda and Ver-

 #  #    #    ‚  ƒƒ

melho rivers. Passo

œ^ 

 (   (#

do Lontra Pantanal Park Hotel is the most hospitable in the region. Built

t1"440%0-0/53" Passo do Lontra Park Hotel Tel.: (67) 3245-2407 www.passodolontra.com.br

The Passo do Lontra region is another notable tourist hub within this dis-

       (   + # #        #

    # {   (   (      

 ( ‚   #    ƒ 

‘š     ( / . >‘( / Â’ {  

walkways that join the chalets as well as other areas in the complex, where

    ( —  “‚      

           ;   (  ƒ‚ 

  (   ' #           ‚-

      (  ƒ       ((( 

(       # =   $   ( ‚ 

(           #

Colhereiro

GaviĂŁo carcarĂĄ

Mutum

ecoaventura 41


[ roteiro/itinerary l pantanal ] PORTO MURTINHO-MS Em Porto Murtinho existem duas

    # = ( 



boas opçþes para quem quer pescar e

troncos para a construção de cercas,

 (   |  #1 -

trapiches, cabanas e ainda deixa cair

bir o rio Paraguai a bordo de um barco-



 (   7     8  

-hotel rumo ao rio Nabileque, que, junto

ĂĄgua, que serve de alimento para di-

    (  

versos peixes. O Pacu ĂŠ a espĂŠcie que

visuais e Ăłtimos pontos de pesca. Ou, no

     

  2  -

sentido oposto, descer o rio Paraguai em

vez seja por isso que a regiĂŁo detĂŠm a

direção ao rio Apa, onde diversos cori-

(           #   

xos e vazantes se constituem em pontos

Pantanal, o melhor ponto de pesca para

muito promissores para a pesca do Pacu

esse peixe. Outra vantagem para quem

e do Dourado — as duas grandes vede-

# 

  !(  

tes dessa regiĂŁo. Rio acima ou abaixo,

o Ăşnico caminho que lhe dĂĄ acesso pas-

quando se navega pelo Paraguai, uma

sa, literalmente, ao lado das cidades de

das coisas que sobressaem aos olhos

Jardim-MS e Bonito-MS, dois Ă­cones do

ĂŠ a enorme quantidade de carandĂĄ em

  (    

 

suas margens — palmeira de grande

translĂşcidos repletos de peixes.

MT RIO PARAGUAI

CorumbĂĄ RIO NEBILEQUE

MS MS Campo Grande Bonito Jardim

PORTO MURTINHO

RIO APA

PORTO MURTINHO (SOUTH MATO GROSSO) $  # ƒ“(  (   

   ‚ (  ƒ  ‚  

  (   ‚ #    #Œ 

      ( /  .       

    #‚  

|   (   B # #   $  # ƒ

       (#   ƒ   

“   ž €   ( 

#   (#‚ ‚ ƒ 

Nabileque River, which together with the Taboco

       ƒ(    

        (  ƒ

(       

   $  

   #   / ƒ ƒ ## 

       ( #‚(#

the opposite direction, navigating downstream

$       (  #Œ   ƒ

  $  # ƒ “     ( 

 #   (  $   Π   

'  “ ‚    |‚     

(     '       (  

   #   (  #Π 

    ‚ ƒ    (      ƒ  -

stars — the Pacu and Dourado. Whether navi-

#  #   

# ƒ  ‚  (

gating up or downstream, while navigating the

k   € ‚  (€  

FOTO: SAPIENSSOLUTIONS/ EVERYSTOCKPHOTO

{ $  —     ‚  -

SERVIÇOS/SERVICES ONDE FICAR / WHERE TO STAY Hotel dos Camalotes Tel.: (67) 3287-1160 www.hoteldoscamalotes.com.br Barco-hotel Fênix Tel.: (44) 3423-1451 www.fenixtour.com.br

O PANTANAL É UM DOS MAIORES CELEIROS DE VIDA SELVAGEM DO PLANETA THE Sucuri

42 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO

Baguari ou maguari

PANTANAL IS HOST TO ONE OF THE WORLD’S LARGEST WILDLIFE RESERVES


FOTO: CAMILA SCHNAIBEL / SXC

A PALMEIRA CARANDÁ, O AGUAPÉ COM SUAS FLORES ROXAS, O COQUINHO BACURI E O IPÊ-AMARELO SÃO ALGUNS DOS REPRESENTANTES DA FLORA LOCAL THE CARANDÁ PALM TREE, THE WATER HYACINTH WITH ITS PURPLE FLOWERS, THE BACURI COCONUT AND YELLOW IPÊ ARE SOME OF THE LOCAL FLORA’S MAIN EXPONENTS

ecoaventura 43


[ roteiro/itinerary l pantanal ] PARQUE ESTADUAL DO PANTANAL DO RIO NEGRO-MS ' #   B#    ‘š  -

   5  ( #. 

lĂ´metros em linha reta de Aquidauana-

      +  !     

-MS, entre imensos brejĂľes com deze-

antas, cervos, diversos tipos de aves e

nas de milhares de hectares, e apenas

atÊ onças-pintadas. Com cenårio valio-

  (   #    

so e impressionante, serviu de locação

O acesso por terra sĂł ĂŠ possĂ­vel duran-

para a saudosa novela Pantanal. A pes-

te dois meses por ano, e isso colabo-

ca ĂŠ mais produtiva durante o perĂ­odo de

ra para que a poluição e a depredação

  !

" # œ   

do meio ambiente passem bem longe

e Piraputangas caminhando pelas praias

dali. E como preservação Ê sinônimo de

   (    *   

        

deleite para os adeptos da pesca com

ĂĄguas sĂŁo repletas de peixes. Na mĂŠdia,

moscas. Peixes de couro como Cachara e

          ( 

Pintado tambÊm são boas opçþes quan-

de outras regiĂľes do Pantanal. Em com-

do se usam iscas vivas em lugares mais

pensação, a quantidade de Dourados e

(   =   !    

  

$  #     #  

     .          

por dia surpreende atĂŠ o mais otimista

garantir a preservação da regi��o, existe

dos pescadores. A regiĂŁo tambĂŠm ĂŠ sin-

um decreto estadual (N° 9.941, de 5 de

#      %  5  

 ( -

junho de 2000) que regulamenta a pesca

   |  =          

e sĂł permite a prĂĄtica do pesque e solte.

RIO PARAGUAI

CorumbĂĄ RIO NEGRO RIO AQUIDAUANA

Campo Grande

PANATANAL RIO NEGRO STATE PARK (SOUTH MATO GROSSO) On a straight line, the Negro River region

is concerned. Among the animals that might

  ‘š        (   ‚ (

‚ (          

Aquidauana in Southern Mato Grosso, amidst

the caymans, capibaras, deer, tapirs, several

ONDE FICAR / WHERE TO STAY

  ‚    

 (   

ƒ  (        + # 

ƒ (‚(   # ‚ ƒ'

ƒ 

Comprising impressive and valuable scenery,

 ƒ

 # ‚   ( ƒ 

   ƒ   ( ¢$  

   ((    ((  (     -

4$   : #     # ƒ

        '  (  

season, when Dourado and Piraputanga top

       (

the list by simply walking along the beaches

   ƒ       ‚  

      *      ( |ƒ-

 #   {#   ( 

   €   ‚#   

 

    # ( $  -

/    1 /  7$ 8 

  ƒ      (œ  

also great options when livebait is cast into the

and Piraputanga that can be caught in a single

 € (       ƒ 

day are a surprise to even the most optimis-

stay as it is, because by State decree N° 9.941

 # #      (  

    k  š  #   ƒ ‚

Quem quiser conhecer esse paraíso pode dispor dos serviços do Hotel Barra Mansa, tel.: (67) 3325-6807 (www.hotelbarramansa. com.br), que oferece apartamentos com ar-condicionado e, na parte nåutica, conta com barcos, motores de popa e elÊtrico, alÊm de guias acostumados a navegar pela região. Para facilitar o acesso, o hotel tambÊm tem aeródromo, que recebe voos de aeronaves de pequeno porte (cerca de 50 minutos de voo a partir de Campo Grande). Whoever wants to get to know this paradise can use the Barra Mansa Hotel facilities, which provides air conditioned apartments, boats with outboards and trolling motors, as well as an experienced guide service. For ease of access, the hotel has a landing strip for light aircraft (a 50 minute flight from Campo Grande)

     (   |   (  

#   (   

44 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO

SERVIÇOS/SERVICES


ARIRANHAS, CAPIVARAS, ANTAS E O CERVO-DOPANTANAL ENCONTRAM ABRIGO E ALIMENTO FARTO NOS RECテ年DITOS PANTANEIROS RIVER OTTERS, CAPIBARAS AND THE PANTANAL DEER FIND SHELTER AND ABUNDANT FOOD IN THE PANTANAL BACK COUNTRY

ecoaventura 45


[ roteiro/itinerary l pantanal ] EQUIPAMENTOS/ TACKLE

BARBADO/BARBADO Varas de categoria pesada; molinetes ou      " £    &  >7   8”7    8 £ 9     5/0 e 8/0 e chumbos com peso em torno de 120 gramas. Em  "

  3 

 !(                          por pequenos peixes, tuviras, piramboias e minhocuçu. ž ƒ     7 #   8 (>

DOURADO/DOURADO ¢   #     £

”  ÂŁ ÂĽ •¼   ‚# (

molinetes e carretilhas com tamanho compatĂ­vel e linhas com

 ‘š# 6ƒ        # 

  &    š 7   8  ” 7    8 -

     ƒ(           (

  =              #   

("

( #        ‚  #  ‚ 

e meia-ĂĄgua com tamanho entre 8 e 15 centĂ­metros. TambĂŠm

(minhocuçu).

pode ser pescado com iscas naturais de pequenos peixes vivos  9    ÂĽ‰¼@    2|" ĂŠ indispensĂĄvel para evitar o rompimento da linha. ž ƒ(     #    (š  ” ' #     

(   ‚ # #  measuring 8 to 15 centimetres. Livebait can also be used using small

    ÂĽ0‰¼ #'ƒ   

   ((         #

${B'Âœ6ÂĽ${B'Âœ671 /  8Varas de categoria pesada e extrapesada, molinetes ou carretilhas de tamanho compatĂ­vel, linhas com resistĂŞncia em torno de 50 libras, anzĂłis entre 8/0 e 10/0 e chumbos com peso variando de acordo com a cor  '             meia-ĂĄgua e atĂŠ com moscas, sua pesca ĂŠ mais promissora com iscas naturais de pequenos peixes, toletes de peixes maiores, tuviras, minhocuçu etc. Heavy and extra heavy rods and spinning and multiplier reels that

@/@B'“C¼$='/6/› €'11 Varas de categoria mÊdia-pesada

    ž  ## ( •¼ ‘ÂĽ 

                  -

weights in accordance with currents. Although some catches occur on

"    &  ‘š‘‰     -

 ‚#   |ƒ #      

        #  

("  0.# 

          2 ‚ 

com tamanho em torno de 10 centĂ­metros, colheres, spinners e spinner-baits. TambĂŠm pode ser pescado com iscas naturais de pequenos peixes e anzol tamanho entre 2/0 e 4/0. — ÂĽ ƒ   (       7 #     8 (‘š0‘‰     

(   ‚ # #  ‘  #        {      ‚  ‘¼ >¼     (  ^    š¼ -4/0 hooks is also productive.

46 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO


k'Œ¼k'Œ /'{1ž Varas de categoria pesada e extrapesada; molinetes ou carretilhas de porte compatível; linhas com resistência em torno de 50 libras; anzóis com tamanho entre 8/0 e 12/0 e chumbos com peso entre 250 e 500 gramas. São pesca 

        (   nos e mÊdios, toletes de peixes maiores e minhocuçu. Extra heavy rods and spinning and multiplierreels that can handle 50lb

CACHARA/CACHARA Varas de categoria pesada; molinetes ou

 ž  ## ( •¼0‘š¼ š0#  

carretilha de porte compatĂ­vel; linhas com resistĂŞncia entre 30

‚#      #  ƒ          (  

7   8  ” 7    8  £ 9    -

         2 ‚ 

manho entre 6/0 e 8/0 e chumbos com peso ao redor de 120 # '             meia-ĂĄgua, e atĂŠ mesmo com moscas, sua pesca ĂŠ mais produtiva com iscas de pequenos peixes, toletes de peixes maiores, tuviras, minhocuçu etc. ž ƒ        7 #     8  ( >   ”      ”¼  •¼     ‚#  ( around 120 grams. Although some catches occur on mid depth working    |ƒ #            

PACU/PACU $      `   #  -

eels and minhocuçu worms.

      ÂŁ             "     &  ‘‰š     ¼ e 6/0 com haste curta e chumbos com peso entre 80 e 150 gramas. Nessa modalidade, a isca mais utilizada ĂŠ o caranguejo. Pesca de   `                 linha bitola entre 0,60 a 0,80 milĂ­metro, anzol haste curta tamanho de 4/0 a 6/0 e empate de aço com cerca de 10 centĂ­metros. Esse mĂŠtodo consiste em arremessar coquinho ou bola de massa para     (   . €  (    ƒ  

# ƒ(      7 #   8 (‘‰0š   ¼  ”¼      •0‘#  ‚# ' ( ‚ -

${“'$@'B’'¼${“'$@'B’'Varas de categoria mÊdia-pesada

   €     $ #

   # 

    ÂŁ              -

about 4 or 5 meters in length and a 0,60-0,80mm line plus a 4/0-6/0

"    &  ‘ 7   8š

short shank hook and 10cm steel leader. This method involves dropping a

7    8   = 

          

 #        ((  ( #(   

 #  

("  0.#    • centĂ­metros, spinners e colheres. Pode ainda ser pescada com 9   ‘¼>ÂĽ     (      6

   2|" ! ! recomendåvel. —   (    7 #   8 ( ‘  š  £    

(   ‚ #  #   •  #     {      ‚  ‘¼ >ÂĽ     (  1       recommended.

ecoaventura 47


[ roteiro/itinerary l pantanal ]

O Armau ou Abotoado é um peixe cuja silhueta lembra animais pré-históricos The Armau or Abotoado’s silhouette is reminiscent of a fish from prehistory

O PANTANAL TAMBÉM É UMA GRANDE ESCOLA PARA SE APRENDER OU ENSINAR A IMPORTÂNCIA DA PRESERVAÇÃO AMBIENTAL THE PANTANAL IS ALSO A GREAT CLASSROOM FOR LEARNING OR TEACHING THE IMPORTANCE OF ENVIRONMENTAL CONSERVATION

48 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO


MELHOR ÉPOCA

BEST SEASON

$     ! 9  "(   "   

€##B  ( ƒ

(œ        0      #     .# -

      ‚   ( # ‚

'   "  

   #          | 

During the dry season, bank and small river

%

(" 9        œ   B        

  ( #      

e ĂŠ possĂ­vel navegar por dentro dos campos alagados em busca de peixes como Pacu,

(  ƒ   ‚ ƒ   ‚   

Piavuçu e Piraputangas. O turismo ecológico pode ser praticado sem restriçþes nos 12

 #          (

meses do ano. O que muda Ê que cada estação tem atrativos exclusivos. Na seca (julho

œ   {  (      

a novembro), existe maior concentração de aves e animais como capivaras e jacarÊs;

 # # (    

+.  7( + 8!  !       

( $   $  2   $  #    ( -

tamanduĂĄs, sucuris, cervos, quatis, antas, entre outros.

sible. Ecological tourism can be carried out ‚      ( ‘š    (  year. The only changes are those that each

(   { ƒ   (July to November), there is a more abun      (    ‚( such as the capybaras and caymans, while  #‚ (  7( ruary to July), larger sized animals such as

Pacu

Cachorra

ant eaters, anacondas, deer, tapirs and coati, among others are more prevalent.


é o bicho

Ave imponente, com ar superior, possui uma crista em forma de coroa. Por essas e outras características, é chamada popularmente de gavião-real. A foto foi tirada próximo ao rio Comandante Fontoura-MT

HARPIA: A IMPETUOSA PREDADORA DOS CÉUS

Observar a imponência da ave de rapina mais forte do mundo em seu ambiente natural é uma raridade. Mas nossa equipe a encontrou! DA REDAÇÃO l FOTO: WILSON FEITOSA l ARTE: GABRIEL DEZORZI

N

a mitologia grega, harpia era um monstro

Sua natureza voraz a acompanha desde

com cabeça de mulher, corpo de pássaro e

o nascimento. Quando se reproduz — o que

garras afiadas. Considerada mensageira dos

acontece a cada dois ou três anos — deposi-

deuses, descia à Terra para castigar os mor-

ta dois ovos, dos quais apenas um sobrevive.

tais que haviam cometido crimes graves. Na

Isso porque o filhote que nasce primeiro

natureza, é a rapinante mais poderosa do

mata o mais novo para eliminar a compe-

mundo. Trata-se de um predador feroz e as-

tição por alimento — processo conhecido

sustador, cuja envergadura chega a alcançar

como fratricídio.

até dois metros, e a garra, sete centímetros.

Segundo a IUCN (União Mundial para a

Antes de atacar, observa calmamente a caça

Natureza), a harpia é uma espécie que está

e, num rápido voo, encurrala a presa, muitas

ameaçada, embora, em vários estados do Sul

vezes sem ser percebida pelas vítimas,

e Sudeste brasileiro, é considerada pratica-

tais como preguiças-real, macacos-prego,

mente extinta, ou criticamente em perigo,

filhotes de veados, araras-azuis, cutias, ser-

devido à fragmentação das matas Atlântica

pentes, aves e espécies arborícolas.

e de Araucária.

50 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO

Biologia Nome científico: Harpia harpyja Nomes populares: gavião-real ou uiraçu-verdadeiro Reino: Animalia Filo: Chordata Classe: Aves Ordem: Falconiformes Família: Accipitridae Distribuição geográfica: América do Sul e Central Habitat: Florestas neotropicais Tamanho: os machos possuem, em média, 57 cm, enquanto as fêmeas chegam a 90 cm Período de vida: aproximadamente 40 anos Referência bibliográfica: www.avesderapinabrasil.com/


[ aventura l tubarão ]

Tubarão,

A FERA INJUSTIÇADA

eccoaavven ent ntu tura r l PE PES ES SCA ESP SC ESPORTI O VA, MEIO EIO AMB AM MBI MB BIEN IIE IENT EEN E E TU TUR URI R SMO MO O 522 e


Normalmente, a primeira reação que temos quando a palavra Tubarão vem à mente Ê de um animal furtivo e assassino. Essa fama foi muito reforçada pelo filme de mesmo nome dirigido por Spielberg hå algumas dÊcadas e tambÊm pelos ataques a surfistas no litoral de Pernambuco hå alguns anos. Entretanto, o Tubarão Ê apenas mais um peixe — e muito esportivo. Por isso, rotular os espÊcimes de assassinos pelo sensacionalismo ou pelas alteraçþes que fizeram em seu habitat não faz qualquer sentido POR: RUBINHO DE ALMEIDA PRADO I FOTOS: DANIEL FERREIRA DE BRITO I ARTE: PAULA BIZACHO

P

escar Tubarão de forma esportiva Ê muito divertido e emocionante. Isso porque, dependendo da espÊcie, pode ser um oponente super veloz, que toma muita linha, tem grande força, Ê determinado e faz de tudo para se livrar do anzol. Um dos movimen-

tos mais comuns e interessantes que esse peixe executa para libertar-se do embate com o pescador Ê girar o corpo sobre o próprio eixo. É incrível a facilidade que tem para executar esse movimento circular. Hå uma espÊcie, que hå muitos anos tive o prazer de pescar no Estado da Flórida (USA), chamada Spinner Shark, que chega a saltar fora da ågua em círculo, como se fosse um spinner7           8 Nos últimos 20 anos tive a oportunidade de pescar Tubarþes em três locais bem distintos um do outro: Fernando de Noronha (Brasil), Flórida (USA) e, mais recentemente, próximo à Ilha de Coiba (Panamå). No Brasil, atÊ por ser a primeira vez, foi muito especial, embora a menos estruturada delas — o barco não passava de uma desconfortåvel traineira regional, e não havia sequer cadeira ou banco para sentar. Apesar de jå fazer cerca de 20 anos, lembro-me de que briguei com o bichão por mais de uma hora, e o tempo todo ajoelhado no convÊs. O barco não

No Brasil, o Projeto TubarĂľes do Brasil, gerenciado pelo Instituto Aqualung, atua para desmistiďŹ car os TubarĂľes como “feras assassinasâ€?, a ďŹ m de ressaltar a sua importância no ecossistema marinho

era adequado, e a tripulação tambÊm não tinha experiência no trato com o turista. Não foi fåcil salvar o Tubarão, pois, na Êpoca,    

  %.#   com mais de 60 quilos era uma tarefa das mais ingratas. Na pesca de corrico, pescåvamos as iscas — em geral Bonitos na faixa dos seis quilos de peso — com os quais fazíamos três iscas.

ecoaventura 53


[ aventura l tubarĂŁo ] 6    3     #     #       taforma continental com o barco solto ao sabor da marĂŠ, na “rolaâ€?, como eles chamavam regionalmente. SoltĂĄvamos cerca de 50 metros de linha, sem chumbada, para que afun

  9    '

    vendo a linha esticar quando o peixe colocava a boca na enorme isca. A recomendação dos marinheiros era dar um bom tempo ao peixe, e deixĂĄ-lo tomar linha Ă  vontade para #     #   #  Âœ "  ( 

    uma briga de força e paciĂŞncia, pois trazĂŞ-lo da profundidade levava tempo, resistĂŞncia fĂ­sica e determinação. Nos Estados Unidos, 15 anos atrĂĄs, a situação foi completamente diferente. O conceito de pesca esportiva estava presente por todos os lados. Barcos perfeitos para navegar em ĂĄguas rasas, guias com profundo conhecimento das tĂŠcnicas necessĂĄrias para se ter a produtividade esperada, equipamento equilibrado para garantir a emoção e uma infraestrutura de serviços que atĂŠ hoje nĂŁo vi em nenhuma      Âœ    %  2 para suprir o pescador com o que for necessĂĄrio, desde o prĂłprio equipamento de pesca atĂŠ as iscas e o engodo para atrair os TubarĂľes — que se trata de uma pasta de peixe moĂ­do, mas embalado de tal forma que, ao ser pendurado no barco pelo lado de fora e ao tocar na ĂĄgua, solta um odor, sentido de longe pelos peixes. O fato mais marcante dessa jornada foi pescar em ĂĄguas rasas e transparentes, que permitiam acompanhar de longe a chegada dos peixes atraĂ­dos pela pasta de peixe.

Nos Estados Unidos, a experiência do guia faz toda a diferença. O sistema mais seguro para manusear os Tubarþes Ê utilizar o bicheiro na boca do animal — o ferimento Ê mínimo

Pescaria realizada no sul da FlĂłrida, em 1995

54 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO


Black-tip e White-tip O Tubarão Black-tip (Carcharhinus limbatus) é uma espécie cosmopolita encontrada nas águas tropicais e subtropicais.Tem corpo robusto e focinho longo e pontiagudo, com olhos pequenos. A sua coloração vai do cinza ao marrom, em cima, e branco

embaixo, com uma visível listra branca. As nadadeiras peitorais, a nadadeira dorsal e o lobo inferior da nadadeira caudal geralmente têm as pontas pretas. A espécie mostra-se como predador extremamente rápido. Já o White-tip (Pterolamiops longimanus) é uma espécie oceânica

pelágica encontrada em mares tropicais. Apresenta barbatanas bem maiores do que a maioria das outras espécies, com forma arredondada e pontinhas brancas. Representa uma ameaça mínima aos banhistas, mas um elevado risco para os seres humanos capturados em mar aberto.

ecoaventura 55


[ aventura l tubarĂŁo ] O guia, sempre muito atento, avisava com antecedĂŞncia a chegada dos TubarĂľes, e sempre de uma forma fĂĄcil de localizĂĄ-los, pois utilizava o sistema dos ponteiros do relĂłgio — em que a proa  !  ‘š Âœ

(ma, informaçþes do tipo 100 jardas, às 10 horas, informam de imediato a direção e a distância. Ver o peixe de longe, acompanhar sua aproximação, perceber o momento em que abocanha a isca (pedaços de peixes regionais), dar o tempo          #  a briga durante praticamente todo o tempo são temperos dos mais nobres para valorizar esse instante de rara emoção. Nessa pescaria, pude conhecer diversas espÊcies com peso entre 10 e 30 quilos.

56 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO

No PanamĂĄ, pescamos somente duas espĂŠcies: Black-tip (que tem a ponta das nadadeiras negras), acima, e o White-tip (ponta das nadadeiras brancas)


ecoaventura 57


[ aventura l tubarĂŁo ] Infelizmente, ainda nĂŁo hĂĄ no Brasil oferta para a pesca esportiva dos TubarĂľes. Uma pena, pois a procura com certeza seria grande! JĂĄ no PanamĂĄ, mudei completamente de estilo, atĂŠ porque

de peixe das espĂŠcies Wahoo ou Bonito, que parecem desper-

pescamos de duas formas diferentes: com isca viva no corrico

tar um prazer especial nas espĂŠcies de TubarĂľes que habitam

(barco em movimento) bem lento e em ĂĄguas nĂŁo profundas

a regiĂŁo. O equipamento, bem esportivo, era composto de vara

— a intenção não era pescar Tubarþes, mas, volta e meia, eles

de 40 libras (18 quilos), linha de 50 libras (23 quilos), empa-

(     *    "     -

te de aço de 80 libras (36 quilos), anzol circular na casa dos

vidade, consistia em escolher locais com parcĂŠis submersos

10/0 e chumbo em alguns momentos, principalmente quando

entre 10 e 20 metros de profundidade. O barco, com motor

a marĂŠ corria com mais velocidade. Mas sempre era mais di-

desligado, passava ao sabor da marĂŠ sobre o local, e era raro

vertido soltar a isca sem ele, e deixar que afundasse de forma

não ocorrer ao menos um ataque às iscas — no caso, pedaço

lenta e naturalmente.

Como todo animal que tem dentes aďŹ ados, ĂŠ preciso ter cuidado especial para manusear o TubarĂŁo e evitar acidentes

58 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO


Nessas pescarias, Ă  exceção dos EUA, os guias, apesar de experientes, sempre se mostraram com muito medo de manusear os TubarĂľes — em alguns casos, diria que atĂŠ um clima de pavor esteve presente. Obviamente, com todo animal que tem       !       cial, para evitar acidentes. Todavia, trata-se de um peixe como qualquer outro, e basta ter respeito e o cuidado necessĂĄrio para transformar o “monstroâ€? em uma usina de emoçþes e adrenalina.


[ fotografia ]

a d a g s fi a Para a t i n o b s i a ficar m

60 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO


POR: INÁCIO TEIXEIRA FOTOS: ARQUIVO ECOAVENTURA ARTE: GABRIEL DEZORZI

Aprimorar a técnica e extrair o máximo possível do equipamento. Esse é o caminho natural para quem descobre na fotografia uma atividade prazerosa, que pode ser praticada paralelamente com a pesca esportiva. Enquadramento e luz são os primeiros passos para obter fotos com qualidade, mas outros recursos, quando bem combinados, permitem composições fotográficas de rara beleza. O que não se justifica é ter um equipamento com bons recursos e só usá-lo no modo automático. Vamos conhecê-los melhor ecoaventura 61


[ fotografia ] O DIAFRAGMA E A ABERTURA O diafragma fica no centro da lente e controla a abertura por onde entrarå a luz que vai gravar a imagem na superfície sensível à luz ou fotossensível: o sensor que gerarå a imagem. A abertura Ê representada por números, geralmente acompanhados da letra f. Quanto menor o número, maior a abertura do diafragma e maior serå a quantidade de luz que entrarå. As escalas mais comuns nas câmeras são: f1, 1.4, 2, 2.8, 4, 5.6, 8, 11, 16, 22, 32, mas pode variar de

A quantidade de luz que entrarĂĄ na lente serĂĄ determinante para a qualidade da foto. Se entrar demais, a foto ďŹ carĂĄ muito clara (superexposta), enquanto que luz de menos irĂĄ deixĂĄ-la escura (subexposta)

câmera para câmera. Para obter foco amplo com grande quantidade de objetos nítidos, Ê preciso fechar o diafragma,

Quanto menor o diafragma (prĂłximo de 22), maior a profundi-

ou seja: aumentar seu nĂşmero f.

dade de campo na imagem (sensação de tudo em foco).

Na prĂĄtica, a abertura controla a quantidade de luz e a

O diafragma trabalha em conjunto com outro dispositivo,

profundidade de campo da imagem. Quanto maior a abertura

que determina o tempo da exposição ou o tempo que a luz vai

do diafragma (prĂłximo de 1.8), menor serĂĄ o campo focal.

    ( #  0   

FOTO: INĂ CIO TEIXEIRA

Nos dois exemplos de fotos dĂĄ para notar bem a importância do diafragma. Na primeira foto (f22), tudo estĂĄ “em focoâ€?, na outra (f4), o foco ďŹ cou restrito ao assunto principal — o peixe. Portanto, ĂŠ a abertura do diafragma que determinarĂĄ se os planos atrĂĄs e Ă  frente estarĂŁo em foco ou nĂŁo

62 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO


O OBTURADOR E A VELOCIDADE

o número que o representa. E quanto menor for o número, menor

O obturador é responsável por controlar a velocidade com que

será o tempo de exposição. As escalas mais comuns nas câmeras

a luz passará pelo diafragma. Seu ajuste também é expresso em

são: 4000, 2000, 1000, 500, 250, 125, 150, 60, 30, 15, 8, 4, 2,

números, e em relação inversa: quanto maior a velocidade, maior

1s, 2s... até 30s.

FOTO: INÁCIO TEIXEIRA

A velocidade do obturador vai definir motivos em movimento. Se você quiser dar sensação de deslocamento à foto, como deixar o véu de uma cachoeira borrado, a técnica exige velocidade baixa (1/60s) ou menos. Mas, se o objetivo for congelar o salto de um peixe, será necessária velocidade de (1/800s) — ou mais

ecoaventura 63


[ fotografia ] O ISO

O FOTÔMETRO Para auxiliar a combinação correta entre abertura e velocidade existe o fotômetro — dispo-

O ISO mede a sensibilidade do sensor

sitivo que mede a luz da cena que incide sobre o sensor e indica a combinação correta para

Ă  luz. Se vocĂŞ estiver num dia de Sol, pode

  (  

        6 +

   #     

usar um ISO baixo, como 100 ou 200. Se

       !  ( Â?       

vocĂŞ estiver num lugar mais escuro, e o

Para aumentar a abertura (mais luz), serĂĄ preciso controlar a luz que estĂĄ entrando, o que

modelo de mĂĄquina permitir (algumas

se consegue ao diminuir a velocidade ou ao aumentar a abertura. Os nĂşmeros negativos do

deixam as fotos muito granuladas), esse

fotĂ´metro indicam menos luz, e os positivos, o inverso. Regulagens com um ponto antes ou

valor pode ser aumentado para 800 ou

depois do zero tornam possĂ­vel alterar a luz natural da cena, ou atĂŠ corrigi-la.

mais. A grande vantagem em usar câmeras que permitem ISO maior Ê que, com valores mais altos, Ê possível aumentar a velocidade e diminuir a possibilidade de

visualização de um fotômetro

tremer e borrar a foto.

ALGUNS EXEMPLOS Ação: para mostrar em foco um peixe saltando, um

de mais alta — acima de 1/1000 jå serå possível obter

barco passando em alta velocidade ou o voo de uma ave,

o efeito desejado. E, depois de escolhida a velocidade,

serĂĄ preciso congelar o movimento. Caso contrĂĄrio, a

serĂĄ preciso ajustar a abertura pelo fotĂ´metro atĂŠ zerar o

foto sairĂĄ borrada. Isso se consegue com uma velocida-

excesso ou a falta de luz. O ajuste da câmera nesta foto foi: iso 400 abertura: f/8.0 velocidade: 1/640

O ajuste da câmera nesta foto foi: iso 640 abertura: f/3.5 velocidade: 1/4000

64 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO


Panorâmica: se a intenção for fotografar uma paisa-

            ( Â?     

gem bonita e manter a maioria de seus elementos em

zero. É bom lembrar que paisagens com pouca luz ou em

foco, deve ser dada prioridade Ă  abertura do diafragma.

dias nublados nĂŁo proporcionam boas fotos, mas, se o Sol

Para tanto, serĂĄ preciso escolher uma regulagem mais fe-

estiver brilhando, com ISO 100 ou 200 o resultado serĂĄ

chada (maior nĂşmero f), como, por exemplo, f22, e ajustar

excepcional.

O ajuste da câmera nesta foto foi: iso 250 abertura: f/4.5 velocidade: 1/800

fragma, tipo 2.8, 4.0, melhores serĂŁo os resultados. Depois ĂŠ sĂł +

      ( Â?   

assunto principal. Para tanto, quanto maior a abertura no dia-

zero e receber os cumprimentos pela qualidade da foto.

FOTO: JJPHOTO.DK

Retratos: quando a intenção for conseguir um bom retrato,   +

      (   

O ajuste da câmera nesta foto foi: iso 200 abertura: f/13.0 velocidade: 1/250

ecoaventura 65


[ fotografia ] Com pouca luz: aumentar o ISO ĂŠ o principal recurso

cido como foto granulada. Se for possĂ­vel conseguir um

que se pode dispor para neutralizar a falta de luz. Entre-

bom ajuste com a velocidade ao redor de 125, desde que

tanto, vale ressaltar que ajustes acima de 800 tendem a



    +        (   .  

deixar as fotos com muito ruído — efeito tambÊm conhe-

Caso contrĂĄrio, serĂĄ impossĂ­vel evitar o uso do .

FOTO: INĂ CIO TEIXEIRA

O ajuste da câmera nesta foto foi: iso 500 abertura: f/2.8 velocidade: 1/13

O ajuste da câmera nesta foto foi: iso 500 abertura: f/2.8 velocidade: 1/13

Se sua câmera Ê automåtica, parte expressiva do que estå exposto nesta matÊria serå feito por ela, porÊm, não haverå como dar seu toque pessoal nas fotos. No måximo, FOTO: INà CIO TEIXEIRA

serĂĄ possĂ­vel escolher entre alguns

66 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO

modos de cena — praia, foto noturna, retrato, esporte e outros normalmente representados por ícones em um botão giratório.


[ meio ambiente ]

BICICLETA É O VEÍCULO MAIS SUSTENTÁVEL DO PLANETA

68 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO


O MUNDO EM DUAS RODAS NĂƒO MOTORIZADAS AQUECE O CORPO — MAS NĂƒO O MEIO AMBIENTE — E ESFRIA A CABEÇA. SAIBA POR QUE O TRANSPORTE POR BICICLETA É UMA ALTERNATIVA VIĂ VEL PARA PESSOAS E CIDADES MAIS SAUDĂ VEIS DA REDAĂ‡ĂƒO I ARTE: GABRIEL DEZORZI

D

esde a chegada e popularização dos carros no Brasil, no sÊculo 20, a locomoção nas cidades passou a ser pensada com foco nesse veículo automotor, que virou símbolo de sucesso nacional e individual. Hoje, o modelo cultural e de infraestrutura para o carro estå quase falido, e a solução passa longe de medidas como alargar avenidas e rodovias, construir pontes, viadutos e estacionamentos, sobretudo    2!  Os cicloativistas propþem que a bicicleta faça parte da estratÊgia de melhor mobi-

lidade urbana, ao lado de investimentos no transporte pĂşblico e incentivo ao deslocamento a pĂŠ. A bike repĂłrter paulistana Renata Falzoni, que incorporou a bicicleta em

                  "   

 (   tanto, que nĂŁo quer guerra, e sim garantir seu espaço: “NĂŁo sou contra o carro, mas

FOTO: THIAGO BENICCHIO

O mundo em duas rodas oferece inĂşmeras possibilidades. Um passeio no parque, uma volta pela cidade, desbravar trilhas e atĂŠ mesmo se locomover sĂŁo algumas delas

FOTO: PAUL BODEA (SXC)

FOTO: ERYK KLUCINSKI (SXC)

contra essa política que privilegia somente soluçþes para ele�.

ecoav eco ec aven entu entu turra a 69


[ meio ambiente ] AMIGA DA SAĂšDE E DO MEIO AMBIENTE

tomóvel Ê extremamente prejudicial à natureza. Hipermeabilização do solo, al-

O impacto do automĂłvel em compa-

 2   (    |  #    

ração com a bicicleta vai muito alÊm do

como a utilização desenfreada do espa-

que ĂŠ medido pelas calculadoras de gĂĄs

ço — que Ê um recurso natural — para

carbĂ´nico liberado na atmosfera ou pela

a construção de ruas, estradas, pontes,

quilometragem de congestionamento. O

estacionamentos etc. sĂŁo apenas alguns

excesso de poluição, por exemplo, não só

dos exemplos de degradação. AlÊm dis-

causa o aquecimento global como desen-

so, quando o espaço Ê mal-aproveitado,

cadeia doenças, principalmente respira-

especialmente nas grandes cidades, ĂŠ

9  *    #    

  

necessårio percorrer maiores distâncias

serem atendidas nos hospitais.

para chegar aos destinos e, consequen-

A prĂłpria infraestrutura para o au-

temente, mais combustĂ­vel ĂŠ utilizado.

À esquerda, Pedalada Pelada; Acima, Ponte Estaiada; À direita, ciclistas na Av. Paulista (São Paulo)

$       2 #  mente menor que o carro, nĂŁo poluir, oferecer um exercĂ­cio ao corpo e Ă  mente, entre outros benefĂ­cios, a ONU (Organização das Naçþes Unidas) nomeou a bicicleta como o veĂ­culo mais sustentĂĄvel do planeta. “O que propomos ĂŠ uma solução FOTO: THIAGO BENICCHIO

simples e viåvel para a saúde pública, para a mobilidade sustentåvel e para o meio ambiente. A bicicleta Ê a ponta de um iceberg de soluçþes�, compara a jornalista e cicloativista.

70 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO


FOTO: THIAGO BENICCHIO FOTO: HENRIQUE FEITOSA

Embora a frota nacional de bicicletas seja de 70 milhões — segundo estimativa da Abraciclo (Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares) —, ela ainda não é vista como meio de transporte pela sociedade brasileira ecoaventura 71


FOTO: THIAGO BENICCHIO

[ meio ambiente ]

Após a conquista da Praça do Ciclista, na Av. Paulista (São Paulo), bikers buscam mais espaço entre os carros

MELHOR DE BIKE Embora as nações europeias e asiáticas sejam referência de legitimação da bicicleta como meio de transporte, há vários

Ciclovia em Santiago (Chile), cidade na qual o carro fica em segundo lugar e a preferência é para pedestres e ciclistas

exemplos latino-americanos de iniciativa e mobilização em prol das duas rodas. Santiago (Chile), Quito (Equador) e Bogotá (Colômbia) já tiraram as ideias do papel. Buenos Aires (Argentina) foi a cidade que mais recentemente estruturou um plano que envolve governo, empresas e pessoas, batizado de “Mejor em bici”. O programa inclui uma rede de ciclovias, aluguel gratuito lho. Além disso, há desconto para as pessoas adquirirem bikes e equipamentos, bem como reconhecimento para as chamadas “empresas amigas da mobilidade sustentável” por meio de prêmio e divulgação na imprensa.

72 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO

FOTO: THIAGO BENICCHIO

de bicicletas, estacionamentos e vestiários nos locais de traba-


“A bicicleta, quando inserida na cidade de maneira efetiva, ĂŠ uma excelente ferramenta de transformação social, urbana e humana.â€? Thiago Benicchio, diretor-geral da Ciclocidade

E o Brasil? Por que o terceiro maior polo de produção mundial de bicicletas e quinto maior mercado consumidor — que fabrica e consome 5,7 milhĂľes de unidades anualmente (Abraciclo 2010) — ainda as utiliza tĂŁo pouco como meio de transporte? Embora algumas cidades como Rio de Janeiro-RJ, Sorocaba-SP, Aracaju-SE e Porto Alegre-RS jĂĄ possuam estrutura cicloviĂĄria e obras concretas para promover a mobilidade, isso ainda nĂŁo ĂŠ representativo no PaĂ­s como um todo. Um começo para esse caminho ser coletivamente trilhado ĂŠ a uniĂŁo de esforços entre governos, empresas e indivĂ­duos, a exemplo da Argentina. Viabilização de bicicletĂĄrios e vestiĂĄrios nos locais        2  /9#  Trânsito, construção de infraestrutura para circulação — ciclovias, ciclofaixas, trânsito compartilhado, estacionamentos — e integração da bicicleta com o transporte pĂşblico coletivo sĂŁo apenas alguns requisitos. Mas, como pondera Chico Macena, vereador de SĂŁo Paulo que possui vĂĄrios projetos e leis em favor da bicicleta, “mais do que intervenção urbana, ĂŠ importante educar as pessoas para uma nova mobilidade, mais sustentĂĄvelâ€?.

FOTO: AFONSO LIMA (SXC)

FOTO: DIVULGAĂ‡ĂƒO METRĂ”/SP

Um dos bicicletårios do Metrô, na estação Guilhermina-esperança (São Paulo)

Na esquina mais “paulistanaâ€? de SĂŁo Paulo, estaciona uma bike. Novo retrato da cidade?

ecoaventura ra 73


[ meio ambiente ] O MUNDO DE BIKE

FOTO: PHILIP HOWIE (SXC)

FOTO: MARGA DE BRUYNE (SXC)

Barcelona (Espanha)

FOTO: PHILIP HOWIE (SXC)

Inverno no Reino Unido

Índia

Vancouver (Canadá)

FOTO: CARLOS W (SXC)

FOTO: ALEX T (SXC)

Madrid (Espanha)

“Ciclista” aluga bike em um dos vários bicicletários públicos inaugurados no verão de 2010, em Londres (Inglaterra)

74 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO

Amsterdã (Holanda)

FOTO: KTYLERCONK (SXC)

Trânsito vietnamita

FOTO: AIDAS ZUBKONIS (SXC)

FOTO: JOHNNYM85 (SXC)

Bikes para alugar em Paris (França)


DICAS PARA COMEÇAR A PEDALAR rQBSBVTPVSCBOP TÈPSFDPNFOEBEBTCJDJDMFUBTDPNNBSDIBT QOFVTNBJT àOPTRVFPTEFmountain bikesFTFNDSBWPT HVJEÈPNBJTDVSWP TFMJN CBODP  DPOGPSUÃWFM TVTQFOTÈPEJBOUFJSBFCBHBHFJSP

FOTOS: JOEL FERRARESSO (SXC) I ARNAU GALOFRÉ (SXC) I MARGARIT RALEV (SXC) I PEDER FUGL (SXC)

rDPNFDFBQFEBMBSOPTàOTEFTFNBOBQBSBTFGBNJMJBSJ[BSDPNPUSÃGFHP

rQSPDVSFVNBBTTPDJBÉÈPQBSBQFEBMBS DPNDJDMJTUBTNBJTFYQFSJFOUFTF DPOIFDFSSPUBTBMUFSOBUJWBT FOTO: HENRIQUE FEITOSA

rOBBVTËODJBEFDJDMPWJBTFDJDMPGBJYBT PMVHBSEPDJDMJTUBÊ OBSVB OPTCPSEPTEBQJTUB­SFDPNFOEBEPQFEBMBSOBQJTUB EBEJSFJUBEFWJEPÆNFOPSWFMPDJEBEFEPTDBSSPT0TFHVSPÊ PDVQBSQFMPNFOPTEBGBJYBQBSBUFSFTQBÉPEFNBOPCSB FOTO: HENRIQUE FEITOSA

rQFMP$ÓEJHPEF5SÄOTJUP#SBTJMFJSP TPNFOUFPTSFáFUJWPTEPQFEBM PMIPTEFHBUP  RVFKÃWËNOBTbikes TÈPPCSJHBUÓSJPT&OUSFUBOUP DBQBDFUF DPMFUFSFáFUJWP JMVNJOBÉÈP EJBOUFJSBFUSBTFJSB CV[JOBFSFUSPWJTPSTÈPSFDPNFOEBEPT rÆOPJUF ÊNFMIPSQFEBMBSDPNSPVQBTDMBSBTQBSBàDBSNBJTWJTÎWFMQBSBPTNPUPSJTUBT

FOTOS: ANTONIO JIMÉNEZ ALONSO (SXC) I JOHN FOLIOT(SXC) I JOSHUA PETYT - JAPÃO (SXC)

rBQSFOEFSBUSPDBSPQOFV MFWBSVNBDÄNBSBSFTFSWBFLJUEFGFSSBNFOUBTTÈP ÙUFJTFNDBTPEFQFRVFOPTQSPCMFNBT rBbikeUPEBQPEFTFSSFDJDMBEB"ÉP QMÃTUJDP BMVNÎOJPFQOFVTTÈPDPMFUBEPTFN DPPQFSBUJWBTFMPKBTEFCJDJDMFUBT

FOTOS: HANKA LEHMANNOVA - BIKE REPAIR (SXC) I THIAGO FELIPE FESTA - TOOL BOX (SXC)


[ técnica l robalo ]

Iscas e técnicas

para fisgar Robalos

TEXTO E FOTOS: FÁBIO MARTORANO E HIROSHI NINOMIYA I ARTE: GABRIEL DEZORZI

Existem vários métodos e iscas para pescar um dos peixes mais procurados por pescadores esportivos no Brasil. Nesta matéria, falaremos sobre o trabalho de alguns modelos de jumping jig, jig head com camarão artificial e plugues de meia-água e de superfície, usados numa incursão que fizemos em janeiro no município de Bertioga — a 106 quilômetros da capital paulista —, ponto considerado altamente piscoso e muito procurado para se realizar a pesca do Robalo 76 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO


JUMPING JIG Pequenos modelos nas cores rosa e verde limão, cromado por inteiro e branco com rosa normalmente se mostram muito      6    critÊrio do pescador. Nesta pescaria, utilizamos o circle hook de número 1/0. Montagem: pode ser feita de duas maneiras: a mais tradicional Ê amarrar a linha diretamente no anel sólido (conhecido como solid ring) preso ao jumping jig, no qual estão montados tambÊm a argola e o suport hook; na segunda forma, prende-se um snap com girador ao jumping jig, passa-se a linha pela argola do girador para deixar o jig solto na linha principal e amarra-se a linha diretamente no solid ring preso ao suport hook com o anzol. Dessa forma, durante a briga com o peixe — sobretudo quando o Robalo salta, em especial, o Robalo-peva —, .   %

  o que traz certa vantagem ao pescador.

As iscas metĂĄlicas com peso ao redor de 24g demonstram eďŹ cĂĄcia superior para capturar os maiores peixes

Trabalho: sempre manter a linha es-

Vara: categoria mÊdia de ação rå-

ticada e em ângulo vertical, e efetuar

pida Ê ideal na maioria das situaçþes.

toques secos apenas com o objetivo

Nesse caso, ter os passadores tor-

de retirar a isca do fundo para, em se-

cidos facilita a passagem da linha e

guida, deixĂĄ-la afundar novamente. Ao

evita rompimento. Tamanho em torno

sentir a batida do peixe, ĂŠ sĂł fisgar e

de 5’3’’ a 5’6’’ e de 14 a 17 libras (6

iniciar o duelo.

a 8 quilos).

ecoaventura 77


[ tĂŠcnica l robalo ] JIG HEAD COM CAMARĂƒO ARTIFICIAL DE SILICONE VĂĄrios modelos e tamanhos estĂŁo disponĂ­veis no mercado, porĂŠm sĂŁo indicados aqueles com peso entre 10 e 25 gramas — a força da marĂŠ ĂŠ que irĂĄ ditar o peso mais adequado a ser utilizado. $    .    a esse detalhe. As soft baits para serem atadas nos jig head’s podem ser shad, grub        *   ;   foi escolhido por nĂłs nessa pescaria. HĂĄ grande gama de cores disponĂ­veis. Os mais utilizados foram os modelos brancos, transparentes com glitter prateado, acinzentados com glitter colorido ou preto e os que imitam a cor natural de um camarĂŁo. Trabalho: velocidade da marĂŠ, profundidade do local e transparĂŞncia da .#   &     |   o trabalho da isca com essa montagem. A forma mais tradicional ĂŠ arremessar o jig head num ângulo diagonal ao barco, esperar que ele chegue ao fundo e, com a linha esticada, efetuar de dois a trĂŞs toques secos com ponta de vara. ApĂłs esse procedimento, aguarde a isca alcançar novamente o fundo e repita o processo atĂŠ que ela chegue perto do barco. Caso     #      a linha esticada. Vara: categoria mĂŠdia de ação rĂĄpida ĂŠ a ideal na maioria das situaçþes. Nesse caso, utilizam-se varas mais compridas para facilitar o arremesso longo. Tamanho em torno de 6 a 7 pĂŠs e de 14 a 20 libras (6 a 9 quilos).

O jig head montado com soft bait em formato de camarĂŁo ĂŠ uma isca muito atrativa 78 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO


PLUGUES DE SUPERF�CIE, MEIA-à GUA OU FUNDO /   “       -

Abaixo, apresentamos alguns modelos

peixe ferido ou limitado. Trata-se de ex-

    &     -

celente opção para pescar Robalos nos

 !   23    

meses mais quentes.

tamento inesperadamente, as mudanças climåticas e outras alteraçþes ambientais,

SUPERFĂ?CIE

tais como vento, movimento da marĂŠ, tem-

Zara: isca de superfĂ­cie que nada em

peratura, transparĂŞncia da ĂĄgua, pressĂŁo

zigue-zague e forma a letra Z na ĂĄgua

atmosfĂŠrica, chuva, luminosidade etc.,

quando bem trabalhada com a linha es-

podem interferir na pescaria. Em geral, o

ticada. Ao empregar leves e contĂ­nuos

Robalo torna-se mais ativo na superfĂ­cie

toques de ponta de vara, torna-se muito

quando a temperatura da ĂĄgua for supe-

atrativa aos peixes.

rior a 21 graus Celsius. Abaixo disso e atĂŠ

Stick: isca de superfĂ­cie com peso

aproximadamente 15 graus Celsius, ele

   *  (  -

pode ser capturado na meia-ĂĄgua e no

  % Œ.# œ     -

fundo. JĂĄ em temperatura inferior a 10

da com toques lentos de ponta de vara

graus Celsius   #   

com o objetivo de fazĂŞ-la descer e su-

encontrĂĄ-los.

bir — movimento que imita um pequeno

Como o Robalo tem comportamento imprevisĂ­vel, um bom arsenal de iscas artiďŹ ciais pode ser a diferença entre o sucesso ou o fracasso na pesca desse peixe

ecoaventura 79


[ tÊcnica l robalo ] Snap (grampos): seu uso Ê fundamen   (             Vara: categoria mÊdia de ação råpida Ê a ideal na maioria das situaçþes. Como a   “        # um arremesso preciso, varas curtas são as mais indicadas. Tamanho em torno de 5’2’’ a 5’6’’ e 14 a 20 libras (6 a 9 quilos).

Um barco bem equipado, alĂŠm de varas e carretilhas especĂ­ďŹ cas, podem fazer a diferença em determinadas situaçþes de pesca MEIA-Ă GUA É uma isca que possui pequena barbela, o que a faz afundar ao ser tracionada. Uma forma tradicional de usĂĄ-la para pescar Robalo ĂŠ a famosa “chamadinhaâ€?, que consiste em dar um toque seco de ponta de vara para que ela afunde, es.0  #     %

("  |  #       recolhimento de linha, de forma a alternar o trabalho da isca — ora mais lento, ora mais råpido (esse tipo de trabalho Ê adequado para quando o peixe estå manhoso ou refugando a isca). FUNDO Trata-se de ótima opção para tentar capturar os peixes que estejam em estruturas submersas ou em maior profundidade. Assim como as iscas de meia-ågua, possui barbela, porÊm um pouco maior, o que irå fazê-la alcançar profundidades maiores. Deve ser trabalhada com recolhimento e toques lentos de ponta de vara ou com recolhimento contínuo e toques de ponta de vara.

80 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO


o que torna mais difícil sua captura no momento do estofo da preamar e da baixa-mar. No Brasil, são duas as espécies mais comuns e conhecidas dos pescadores: o Robalo-peva (Centropomus ensiferus), espécie que pode atingir 55 centímetros de comprimento e até seis quilos de peso. Seu tamanho mínimo autorizado de captura é de 35 centímetros. O Robalo é um peixe comum

do focinho ao rabo. Tem como hábito

O Robalo-flecha (Centropomus

no litoral das áreas tropicais, vive

caçar entre estruturas submersas — daí

undecimales) pode atingir cerca de

próximo das praias, nas baías, nos

a necessidade de arremessar as iscas

um metro de comprimento e mais

canais, prefere águas salobras e

bem próximas — ou mesmo sobre — de

de 20 quilos de peso. Não deve

muitas vezes adentra rio acima.

galhadas, pedras, velhos troncos caídos,

ser capturado com menos de 45

Suas características marcantes são

embarcações submersas, píeres etc.

centímetros de comprimento para

a cor prata acinzentada e o ventre

Normalmente, as ações aumentam nos

não prejudicar a reprodução e a

esbranquiçado, além da listra negra

intervalos em que a maré se movimenta,

criação da espécie.


folhas, flores e frutos

Queridinha do Sul Apesar de não ser da mesma família do pinheiro — Pinaceaee —, a araucária é conhecida como pinheiro-do-paraná ou pinheiro-brasileiro. Saiba mais sobre essa elegante árvore DA REDAÇÃO FOTO: ARQUIVO ECOAVENTURA ARTE: GABRIEL DEZORZI

S

ob o “chapéu” da araucária, ao olharmos em direção ao céu, deparamo-nos com a figura de uma copa em formato de taça — beleza ímpar na natureza. A espécie caracterizou a Floresta ombrófila mista, ou Floresta de Araucária, bioma único no mundo — que ocorria nos estados da região Sul e Sudeste do País e países

“Perfil delicado e simétrico. É a beleza.

Biologia Nome científico: Araucaria angustifolia Família: Araucariaceae Distribuição geográfica no Brasil: Sudeste (Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) Nomes populares: pinheiro-do-paraná, araucária, pinheiro-brasileiro, pinheiro-caiová, pinheiro-das-missões, pinheiro-são-josé, curi Referência bibliográfica: www.ipef.br// identificacao/araucaria.angustifolia.asp

Legião de braços erguidos. É a solidariedade. Galhos voltados para os céu

s.

É a oração. Ó gentil pinheiro, Formoso símbolo da minha

Terra,

Heroica sentinela da Mantiq

ueira!”

O PINHEIRO, IN A MONTANHA MAGNÍFICA, DE PEDRO PAULO FILHO, ESCRITOR DE CAMPOS DO JORDÃO-SP

vizinhos, como Argentina e Paraguai. Estima-se que sua extensão original chegava a 200 mil km², área decrescida em 97% no último século. Em seu lugar, foram plantadas culturas agrícolas, tais como soja, trigo e milho. A araucária tem muitas utilidades. Sua semente — o famoso pinhão — é um alimento muito nutritivo, rico em amido, proteínas e gorduras, para animais e homens. Porém, sua principal serventia está no uso de sua madeira, que, por um longo período, sofreu intensa exploração no Brasil, e ainda é utilizada para fabricação de papel, cabos de vassouras e até palito de dentes. Seu proveito levou à sua intensa exploração e, atualmente, está na lista vermelha da IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais) como em perigo crítico (CR). Nas cidades onde a árvore sobrevive, existe uma data comemorativa em sua homenagem — 24 de junho. Mas, a maior consagração que a ela pode ser feita se resume em uma palavra: preservação.

82 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO

A Araucaria angustifolia é a única espécie do gênero que ocorre no Brasil, com maior concentração no Sul do País — onde predominam temperaturas baixas e chuvas bem distribuídas


[ perfil ]

84 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO


Pesca esportiva para todos! O esporte para pessoas com deficiĂŞncia — a exemplo das paraolimpĂ­adas — tem se mostrado uma ação em constante desenvolvimento. PolĂ­ticas pĂşblicas, como a cota no mercado de trabalho, tambĂŠm incentivam a inclusĂŁo. Mas, e na pesca esportiva, o que pode ser feito? DA REDAĂ‡ĂƒO I FOTOS: ARQUIVO PESSOAL I ARTE: GABRIEL DEZORZI

M

ais de 24 milhĂľes de bra-

tiva. Se pessoas com necessidades es-

sileiros — ou 14,5% da

      9  

 -

população total do Brasil

ma, precisam de atenção e condiçþes

(Censo 2000) — possuem

diferenciadas, para muitos que convi-

algum tipo de necessidade especial.

vem com essa realidade, limitação e

œ

 ;  •> &  & 

            

mental, 4,1% fĂ­sica, 22,9% motora,

seu vocabulårio. É o que ensina o pes-

 •‘

‘”‰&  -

cador esportivo carioca ClĂĄudio Rocha.

Rio GuaporĂŠ-RO

O nĂ­vel de deďŹ ciĂŞncia determina o estilo da pesca. ClĂĄudio mudou o movimento que faz com as mĂŁos. Por pescar sentado no barco, nĂŁo dispĂľe de espaço para posicionar a vara com a ponta voltada para baixo, trabalha a isca nas laterais do barco e prefere varas curtas Rio Iriri-PA

ecoaventura 85


[ perfil ] Em 1982, aos 24 anos, sofreu um acidente e, desde então, locomove-se em cadeiras de rodas — o que não o impede de colecionar viagens. De sua lista constam Amazônia (alto rio Negro), Rondônia, Parå e Roraima, lugares visitados após o ano de 2000. AtÊ essa Êpoca, não conhecia o universo da pesca           

     (   acessibilidade em pousadas ou em barco-hotel — onde teve de fazer as refeiçþes junto com a tripulação, pois a sala de jantar dos passageiros era inacessĂ­vel para ele. “Alguns locais foram adaptados depois que comecei a utilizĂĄ-los. JĂĄ aconteceu de, pela manhĂŁ, nĂŁo ter como passar por uma determinada porta,  % (             transitar. Ou seja, a vontade de ajudar existeâ€?, conta ClĂĄudio.

No âmbito legislativo, a devida atenção Ă queles que apresentam algum tipo de deďŹ ciĂŞncia ĂŠ recente. O decreto-lei 5.296, do ano de 2004 — conhecido como Lei da Acessibilidade —, regulamenta projetos de natureza urbanĂ­stica, de comunicação e informação, do transporte coletivo, atendimento prioritĂĄrio e obras pĂşblicas ou coletivas Rio Iriri-PA

86 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO


Fernando de Noronha-PE

Ao falar em pesca para pessoas com & ("             %    +   movimentos de arremessar e puxar o peixe. Os praticantes, no entanto, apontam como principais obståculos a ausência de lugares planos para pescar, o acesso a barcos, que Ê estreito, e a falta de banheiros adaptados — todos passíveis de serem contornados pelos donos dos estabelecimentos.

50 anos de pescaria especial

A poliomielite li i lit adquirida d i id aos nove meses de idade nunca foi empecilho para Lúcio Yamashita, 50 anos, que pesca desde criança. Os cuidados especiais sempre incluíram o uso de

Outra aventura de ClĂĄudio foi a prĂĄtica do mergulho, para ele um esporte que, a exemplo da pesca, adapta-se bem Ă queles com deďŹ ciĂŞncia motora. Se as diďŹ culdades existem, nĂŁo tornam a iniciativa inviĂĄvel

molinetes leves e, para evitar cair na ĂĄgua, acostumou-se a sentar-se no chĂŁo do bote. “Atualmente, nĂŁo Fernando de Noronha-PE

tenho feito pesca embarcada devido à dificuldade de entrar no barco. Jå não sou tão leve como antes, o que torna difícil me colocar na embarcação�, conta Lúcio. Hoje,Yamashita se locomove prioritariamente com o auxílio de muletas e faz uso da cadeira de rodas apenas quando essa opção se mostra mais confortåvel. Sua realidade fez com que desenvolvesse uma tÊcnica própria quando vai a pesqueiros: utiliza um suporte sob a vara de pesca, o que libera uma das mãos para puxar o peixe, enquanto a oura manuseia o molinete.

ecoaventura 87


[ perfil ] Rio GuaporĂŠ-RO

“Ampliar o espaço fĂ­sico ĂŠ melhorar a infraestrutura do local como um todoâ€?- ClĂĄudio Rocha Se o nĂşmero de pessoas com necessidades especiais ĂŠ expressivo no PaĂ­s, por que hĂĄ tĂŁo poucos lugares acessĂ­veis a elas? Para ClĂĄudio, ĂŠ preciso haver uma sintonia de esforços entre governo, em .     9  

    ciĂŞncia. “Falta visĂŁo para o empresĂĄrio de turismo de que investir na acessibilidade, alĂŠm de possibilitar a inclusĂŁo, oferece mais conforto aos seus clientes. Em geral, a construção de apartamentos SaĂ­da do barco-hotel, onde colocaram uma tĂĄbua para ClĂĄudio passar, a ďŹ m de contornar o barranco

ou chalÊs mais amplos e de banheiros  #           tambÊm outros hóspedes�, analisa.

TrofÊu Solidariedade O esporte adaptado começou a se fortalecer após a 1ª Guerra Mundial, quando foi preciso reunir esforços para inserir centenas de homens que se feriram gravemente nos combates. Abriram-se, assim, novas possibilidades no esporte. Em 1960, foram realizadas as primeiras paraolimpíadas, com a participação de 23 países e 400 atletas com alguma deficiência. Hoje, existem clubes esportivos, associaçþes e organizaçþes que apostam no esporte adaptado. Nas paraolimpíadas, modalidades como natação, judô, vela, futebol, basquete, equitação e atletismo são ajustadas para atender às especificidades. Na pesca esportiva, a inclusão social Ê feita por meio do TrofÊu Solidariedade. Realizado anualmente desde 1987, a premiação tem o apoio do Clube Barracuda de Desportos, afiliado à CBPDS (Confederação Brasileira de Pesca

88 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO

Eduardo Bracony, presidente S Segundo da d CBPDS, trata-se de um local com calçada confortåvel que seguro, s de uma mureta para apoio dispþe d

e Desportos Subaquåticos). O mecanismo de funcionamento do torneio prevê que cada atleta-pescador do Clube Barracuda apadrinhe um competidor com deficiência. As duplas são montadas via sorteio, e cada padrinho — que fica responsåvel por levar o material de pesca jå preparado —

auxilia o parceiro em suas dificuldades. O evento, arbitrado por um juiz da CNA (ComissĂŁo Nacional de Arbitragem da CBPDS), integra o calendĂĄrio Desportivo Nacional Brasileiro da Pesca e ĂŠ realizado no ParedĂŁo da Urca, no Rio de Janeiro.


Alto do rio Negro-AM

SERVIÇOS Pesqueiro e Pousada Maeda Rodovia Santos Dummont, Km 18 – Itu-SP Tel.: (11) 2118-6200 t3BNQBTEFBDFTTPBU�PTBNCJFOUFTEFMB[FSFMBHPT  CBOIFJSPTBEBQUBEPTFMVHBSFTQMBOPTQBSBQFTDBS

Pesqueiro Pantanosso &TUSBEBEB4FSWJEĂ?P  #BJSSP%POB$BUBSJOB  .BJSJORVF41,N EB3PE$BTUFMP#SBODP Tel.: (11) 4246-2176 t-BHP#BTTIĂˆVNBQMBUBGPSNBEFDPODSFUPTPCSFP MBHPBPMPOHPEFUPEBTVBNBSHFN t-BHPQSJODJQBMSBNQBRVFMJHBPFTUBDJPOBNFOUPF SFTUBVSBOUFĂ‹CFJSBEBEPMBHPQSJODJQBM²PDPOKVOUP NBJTSĂˆQJEPFGĂˆDJMQBSBFTUBDJPOBS DIFHBSBPMBHP QSJODJQBM JSBPCBOIFJSPFGB[FSSFGFJĂŽĂœFT t#BOIFJSPBEBQUBEPMPDBMJ[BEPOPTBMĂ?PTPDJBM BPMBEP EPSFTUBVSBOUF t4FSWJĂŽPTEJWFSTPTRVBMRVFSSFGFJĂŽĂ?PPVCFCJEBQPEFSĂˆ TFSTFSWJEBOBCFJSBEPMBHP

Pousada Germano /JRVFMÉOEJB(PJĂˆT BLNEF/JRVFMÉOEJB ‰#FJSB EF4FSSBEB.FTB Tel.: (62) 3354-9005 t3BNQBTEFBDFTTPBUĂ?PTEPSNJUĂ˜SJPT)ĂˆRVBSUPT FSFTUBVSBOUFTOPUĂ?SSFP"TFNCBSDBĂŽĂœFTQPEFNTFS BEFRVBEBTĂ‹TOFDFTTJEBEFTFTQFDJBJT

“Cada pescaria ĂŠ um momento diferente, nada se repete. O peixe nĂŁo puxa igual, a isca nĂŁo ĂŠ a mesma, o rio estĂĄ em outro nĂ­vel, a paisagem muda, o passarinho que passa ĂŠ outroâ€?- ClĂĄudio Rocha

Superar obstĂĄculos, vencer limites, criar novos caminhos. Viver ĂŠ uma aventura para todos

No futuro, Clåudio planeja fazer outras viagens para pescar e tem um projeto especial, junto com um amigo que organiza viagens em Manaus — a construção de um barco adaptado. Na lista de prioridades, algo simples e fundamental: uma porta mais larga que viabilize a passagem da cadeira de rodas.

Estância Serra da Mesa ,No;POB3VSBMo/JRVFMÉOEBJB(PJĂˆT Tel.: (62) 3354-9119 t0TEPSNJUĂ˜SJPTTĂ?PFTQBĂŽPTPTFBTQPSUBTEPTCBOIFJSPTTĂ?PMBSHBT3FTUBVSBOUFEFGĂˆDJMBDFTTPFSBNQBT

ecoaventura 89


saúde

Alerta vermelho A exposição solar não só causa vermelhidão e bronzeado, mas também o câncer de pele. Embora seja o tumor mais comum no ser humano, ele é curável na maioria dos casos se diagnosticado precocemente DA REDAÇÃO l ARTE: GABRIEL DEZORZI

Q

a responsável preponderante.

uando o texto “Wear sunscreen” (“Use

ção contra o câncer de pele. Embora esse

filtro solar”) foi criado para uma formatura

tumor maligno possa ter diversas causas

nos Estados Unidos, em 1997, não imagi-

— doenças genéticas, aquecimento de

pele: carcinoma basocelular, carcinoma

navam que se ele tornaria um videoclipe

certa parte do corpo ao longo dos anos,

espinocelular e melanoma. Os dois pri-

conhecido mundialmente (“Sunscreen”),

traumas (cicatrizes, queimaduras), conta-

meiros, conhecidos como não melanoma,

mas esse conselho já era fundamental.

to com a substância química arsênio,

são mais frequentes e menos perigosos

De fato, o filtro solar é a principal preven-

entre outras —, a radiação ultravioleta é

por serem localizados. Em contrapartida,

FOTO: EVGENIA GRINBLO

Há três tipos principais de câncer de

“Teoricamente, ninguém deveria morrer de câncer da pele porque, diferente de outros tipos de tumor, como o de mama ou intestino, por exemplo, você vê desde o início e é perfeitamente possível de ser prevenido” - Omar Lupi ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO

Pessoas com pele, cabelos e olhos claros e grande quantidade de pintas são mais propensas a ter câncer de pele

FOTO: ARQUIVO ECOAVENTURA

FOTO: ADRIANA HERBUT

FOTO: FRAN FLORES

Com o auxílio de um espelho, é possível fazer o autoexame da pele para observar áreas de difícil visualização


o melanoma, que corresponde a apenas

sileira de Dermatologia e presidente da

irregulares, que tenha alteração de Cor

5% dos casos, é muito agressivo e pode

ONG Protetores da Pele Omar Lupi, com

e Diâmetro maior que seis milímetros.

levar à morte. Isso porque ele dá metás-

relação a essa doença falta “educação em

Qualquer pinta que tenha pelo menos

tases, ou seja, espalha-se para outros

saúde”: “A partir do momento em que as

uma dessas características pode ser um

órgãos. De acordo com o livro Estimati-

pessoas sabem as causas e reconhecem

melanoma.

vas 2010: Incidência de Câncer no Brasil,

um potencial câncer, as chances de cura

publicado em 2009 pelo INCA (Instituto

são muito maiores”, explica. Para ele,

câncer é a proteção solar, recomendação

Nacional de Câncer), estimavam-se,

o autoexame é simples e fundamental.

que serve para todos e não só para os

em 2010, 53.410 novos casos de câncer

Qualquer um, quando instruído, pode

de pele clara — que são mais propensos

de pele não melanoma entre homens e

identificar um suspeito câncer de pele

a adquirir a doença. “Mais do que usar

60.440 em mulheres. Já o número espera-

no seu corpo — uma ferida que sangra,

filtro solar, é preciso uma atitude de

do de melanoma em homens era de 2.960

uma verruga ou pinta anormais. Para o

fotoproteção”, alerta o dermatologista, o

e de 2.970 em mulheres.

A melhor forma de prevenir esse

melanoma, que é o mais difícil de ser

que inclui uso de chapéu com aba lateral,

Por ser um tumor visível, ele pode ser

reconhecido, foi criado o “ABCD do

boné, camiseta, barraca ou guarda-sol de

diagnosticado desde o início. Segundo o

câncer”, cujas iniciais indicam suas

tecido espesso e óculos com lentes que

ex-presidente nacional da Sociedade Bra-

características: Assimétrica, com Bordas

protejam dos raios ultravioletas.

Carcinoma basocelular

Carcinoma espinocelular

Melanoma

Origem

epiderme

epiderme

melanócitos (produzem o pigmento da pele)

Frequência*

70%

20%

5%

Biotipo de maior risco**

Pele clara, acima de 60 anos, que tomou muito Sol durante a vida

Pele clara com muitas pintas, por volta de 40 anos, que às vezes se expõe ao Sol demasiadamente

Perigo

Menos perigoso, mas pode levar à perda de parte da área afetada

Muito agressivo; pode causar morte

Evolução

Lenta e não dá metástases

Pode dar metástases

Emite metástases para outros órgãos

Ocorrência frequente

Face (nariz, orelha, testa, bochecha, perto do olho)

Mucosas (especialmente genitais) e lábio inferior

Áreas não expostas, como costas e pernas

Manifestação/aparência

Úlcera, pequena ferida que sangra e que cresce lentamente

Verruga em formato de couve-flor

Pinta escura que aumenta de tamanho, varia de cor, tem borda e formato irregulares

Tratamento

Cirurgia: curativa

Cirurgia: curativa

Cirurgia: o tumor é retirado do local, mas, se já houve metástase, será preciso tratar outras partes afetadas

* os outros 5% são tumores muito raros ** Para saber se você tem risco de desenvolver um câncer de pele, acesse a Calculadora de Risco no portal da Sociedade Brasileira de Dermatologia (www.sbd.org.br/campanha/cancer/calculadora.aspx)

ecoaventura


radar

Atenรงรฃo ao perรญodo final de Piracema

Defeso do Caranguejo-uรงรก em 2011 Atรฉ marรงo estรก proibida a captura 

A pesca dessas espรฉcies estรก

PUSBOTQPSUF B

proibida na bacia amazรดnica:

BSNB[FOBHFNFB DPNFSDJBMJ[BรŽรP

spp 1JSBQJUJOHB Piaractus

EPDBSBOHVFKPVรŽรˆ

brachypomus 4BSEJOIB

Ucides cordatus DPN

Triportheus spp 1BDV Mylossoma

PPCKFUJWPEFQSPUFHFS

spp "SVBOร Osteogrossum

BFTQรDJFFNTFV

bicirhossum F.BQBSรˆ

QFSร“PEPEFSFQSPEVรŽรP

Hypophthalmus spp atรฉ 15/3

ย‰DPOIFDJEPDPNP

t5BNCBRVJ Colossoma

A multa para quem violar a determinaรงรฃo รฉ de R$700 a R$100 mil. Para denรบncias: linhaverde.sede@ibama.gov.br

BOEBEB"TEBUBTFTUBCFMFDJEBT

EFGFWFSFJSP BEFNBSรŽPFB

GPSBNEFGJOJEBTEFBDPSEPDPNBT

EFNBSรŽP"QSPJCJรŽรPPDPSSFOPT

t1JSBSVDV Arapaima gigas 

NBJPSFTBNQMJUVEFTEFNBSรFDPN

FTUBEPTEP"NBQรˆ "MBHPBT 1BSรˆ 

durante o ano todo1FSNJUJEB

BTGBTFTEBT-VBTOPWBFDIFJB RVF

#BIJB $FBSรˆ .BSBOIรP 1JBVร“ 

BQFOBTFNรˆSFBTNBOFKBEBT EFTEF

TรPBEFKBOFJSP BEF

1FSOBNCVDP 3JP(SBOEFEP/PSUF 

RVFBVUPSJ[BEBTQFMPIbama

KBOFJSP BEFGFWFSFJSP B

4FSHJQFF&TQร“SJUP4BOUP

macropomum atรฉ 31/3

FOTO: WWW.INDIAOSTRAS.COM

t.BUSJOYร Brycon

Novidades COP-16

(16ยช Conferรชncia das Naรงรตes Unidas sobre Mudanรงas Climรกticas) EFEITO ESTUFA LATINO

EFNJMIรœFTEFFVSPTย‰FRVJWBMFOUF

QBร“TFTEFTFOWPMWJEPTร‹TOBรŽรœFTFN

Relatรณrio divulgado pelas Naรงรตes

B NJMIรœFTEFEร˜MBSFTย‰EPCBODP

EFTFOWPMWJNFOUP0JOUVJUPรRVFFTUFT

Unidas aponta Brasil "SHFOUJOB 

BMFNรPEFEFTFOWPMWJNFOUPKFW.

รžMUJNPTTFBEBQUFNร‹TNVEBOรŽBT

7FOF[VFMBF.รYJDPDPNPPTQBร“TFT

"RVBOUJBTFSรˆEFTUJOBEBBPT

SFTQPOTรˆWFJTQPSEBTFNJTTรœFT

PCKFUJWPTEPQSPKFUP FOUSFFMFTB

FNJTTรœFT"6& 6OJรP&VSPQFJB +BQรP

EFHBTFTRVFDBVTBNPFGFJUPFTUVGB

SFHVMBSJ[BรŽรPGVOEJรˆSJB BSFDVQFSBรŽรP

F&TUBEPT6OJEPTQSPNFUFSBNEPBรŽรœFT

OB"NรSJDB-BUJOB4P[JOIP P#SBTJM

EFรˆSFBTEFTNBUBEBT PGPNFOUPB

EF64CJMIรœFTBUร

MJCFSBEBTFNJTTรœFT4JMWJDVMUVSB 

DBEFJBTGMPSFTUBJT PJODFOUJWPUรDOJDP

BHSJDVMUVSBFFOFSHJBTรPBTQSJODJQBJT

FPQBHBNFOUPQPSTFSWJรŽPT FNMJOIB

GPOUFTEFFNJTTรPEPTHBTFTOBSFHJรP

DPNBTQPMร“UJDBTQรžCMJDBTEFHFTUรP BNCJFOUBM

CONSERVAร‡รƒO DA AMAZร”NIA 0Fundo Amazรดnia HFSJEPQFMP Banco Nacional de Desenvolvimento

FUNDOS PARA O CLIMA 'PJDSJBEPPGreen Climate

Econรดmico e SocialFNQSPMEB

Fund Fundo Climรกtico Verde QBSB

DPOTFSWBรŽรPEPCJPNB SFDFCFVEPBรŽรP

BENJOJTUSBSBBKVEBGJOBODFJSBEF

92 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO

DMJNรˆUJDBTFRVFQPTTBNMJNJUBSBT


Fiscalizaรงรฃo redobrada O Ibama ( Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos

Recursos Naturais Renovรกveis )QMBOFKBSFBMJ[BS NJMPQFSBรŽรœFTEF GJTDBMJ[BรŽรPFTUFBOP0JOTUJUVUPEJWVMHPVPPnapa 2011 Plano Nacional de Proteรงรฃo Ambiental RVFQSFWรBรŽรœFTDPOUSBRVFJNBEBTJMFHBJT  QFTDBQSFEBUร˜SJB USรˆGJDPEFBOJNBJT CJPQJSBUBSJBFQMBOUJPQSPJCJEPEF PSHBOJTNPTHFOFUJDBNFOUFNPEJGJDBEPT"GJTDBMJ[BรŽรPBTTVNJSรˆVN QBQFMGVOEBNFOUBMOPQร˜TMJDFODJBNFOUPDPNBGVOรŽรPEFDIFDBSTFBT DPOEJรŽรœFTOPQSPDFTTPEFMJDFODJBNFOUPBNCJFOUBMGPSBNDVNQSJEBTQFMPT FNQSFFOEFEPSFTSFTQPOTรˆWFJTQFMBTPCSBT

Mais um parque para a biodiversidade! O Parque Estadual de Restinga de Bertiogaย‰DPN NJMIFDUBSFT ย‰FTUรˆPmDJBMNFOUFDSJBEP-PDBMJ[BEP FOTO: WF-BRAZIL . INSTITUTO EKOS BRASIL . R.A.F. LIMA

FN#FSUJPHB41 MJUPSBMOPSUFQBVMJTUB  BKVEBSรˆBNBOUFSBCJPEJWFSTJEBEF FGPSNBSรˆVNiDPSSFEPSFDPMร˜HJDPw QBSBJOUFSMJHBSSFHJรœFTMJUPSร‰OFBTร‹ 4FSSBEP.BS0FTQBรŽPUBNCรNTFSรˆ WPMUBEPQBSBPFDPUVSJTNP MB[FSF FEVDBรŽรPBNCJFOUBM"รˆSFBQSPUFHJEB OB.BUB"UMร‰OUJDBBCSJHBPTSJPT RVFBCBTUFDFNBSFHJรPFFTQรDJFT BNFBรŽBEBTFFYDMVTJWBTEPCJPNB

Atualmente, existem 123 unidades de conservaรงรฃo federais e 225 estaduais na Mata Atlรขntica

Atendimento exclusivo para fauna silvestre

Remรฉdio do mar Pesquisadores do Kingโ€™s College, em Londres DBQJUBM EB*OHMBUFSSB EJ[FNRVFBFTUSFMBEPNBSQPEFBKVEBSOB

A Faculdade de Medicina Veterinรกria e Zootecnia

EFTDPCFSUBQBSBUSBUBNFOUPTEFEPFOรŽBTDPNPBBTNB FGBSรP

da Unesp (Universidade Estadual Paulista)UFSรˆVN

QFTRVJTBTDPNBMarthasterias glacialisย‰UBNCรNDPOIFDJEB

IPTQJUBMFYDMVTJWPQBSBBOJNBJTTJMWFTUSFTFN#PUVDBUV 

DPNPFTUSFMBEPNBSEFFTQJOIPTPVFTUSFMBEPNBSWFSEF0

JOUFSJPSEF4รP1BVMP"QSPWJEรODJBFWJUBSรˆBUSBOTNJTTรP

PCKFUJWPEPFTUVEPรEFTFOWPMWFSVNNBUFSJBMRVFQSPUFKBP

EFEPFOรŽBTQPSDPOUBUPDPNBOJNBJTEPNรTUJDPTF

DPSQPIVNBOPEFDPOEJรŽรœFTJOnBNBUร˜SJBT DPNPDPNQPTUPT

BVNFOUBSรˆPBUFOEJNFOUP"QSFWJTรPรRVFPIPTQJUBM

RVร“NJDPTQBSBNFEJDBNFOUPTย‰DPNCBTFOPNVDP

mRVFQSPOUPFNNFTFT

BOUJBEFSFOUFEBFTQรDJF

ecoaventura 93


verbo POR: ANTONIO CARLOS CRAVO

Piloteiros:

eles são “os caras”

Mal amanhece o dia e, em algumas ocasiões, antes mesmo disso, lá está ele nos aguardando, muitas vezes vestindo roupas inadequadas para as frias manhãs, mas sem externar qualquer desassossego ou reclamação Mais uma vez encolhido ante

para o sucesso das nossas pescarias.

tei: “COMO?” Conhecedor dos caminhos, ele nos

ao vento frio da manhã, quando o

Estão sempre dispostos a arrastar o barco

Sol era apenas uma nesga de luz atrás

e a abrir o caminho com o facão para des-

traz sempre em segurança, como se

da floresta, e enquanto ele serpenteava

cortinar inusitadas paisagens, que, grava-

fosse a coisa mais natural navegar na

pelo rio procurando a segurança do seu

das em nossas máquinas fotográficas, nos

penumbra do anoitecer e voltar para o

canal, viajei no tempo e pensei “quantos

enchem o coração com aquele sentimen-

barco-hotel de maneira quase tão sim-

piloteiros já conheci?”. Na verdade, bons

to de “como somos pequenos” diante

ples e natural como fazemos em nossas

e maus — estes últimos, felizmente,

daquilo e daquele personagem que, sem

cidades. E tudo isso depois de um

uma minoria que não serviu para obstar

maiores estudos, tem a grandeza do

estafante dia “embarcando” os nossos

o conceito e a consideração que tenho

conhecimento local e da responsabilidade

peixes para as fotografias, preparando o

e acredito que devemos ter por todos

não só para nos levar aos peixes como

nosso almoço e soltando as nossas iscas

eles. Para mim, trata-se de personagens

para nos trazer de volta em segurança.

das galhadas!

especiais em todas as nossas pescarias

E se, durante a pescaria, algo acon-

Hoje, querem nomear a sua função

— algumas delas até passíveis de serem

tecesse com ele? Conseguiríamos voltar

dando-lhe cunho empregatício e, por

taxadas como verdadeiras aventuras.

com o barco depois dos inúmeros entra

algum motivo, dizem que ela não pode

e sai dos lagos e da difícil navegação

ser intitulado “guia de pesca” — minu-

brir caminhos que, para nós, são inexis-

por estreitos igarapés para pescarmos

dência desnecessária. Para mim, como

tentes. Entram, saem de lagos e varam

durante quase o dia inteiro? Eu já pensei

reconhecimento numa alegre denomina-

muitos deles à procura de outro melhor

e confesso que muitas vezes me pergun-

ção, ele é ou eles são: “Os caras”!

Eles conhecem ou conseguem desco-

94 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO


classificados

ie

ie

c Anun

c Anun

aqui

Ligue:

aqui

Ligue:


Parceiros ECOAVENTURA Campinas - SP Sugoi Campinas R. Fernando Pompeu de Camargo, 1342 Jd. do Trevo – 19.3277-0007 Cotia - SP Raçþes Tiko Av. Professor JosÊ Barreto, 1.269 Jd. Dinora – 11.4703-5000 Diadema - SP Marlin Artigos Para Pesca R. Salvador Correa de Så, 339 Vila Nogueira – 11. 4075-4411 Embu - SP Raçþes Pinheirinho R. Ercilio Wustemeerg, 1612 Jd. Pinheirinho – 11.4704-5230 Gramado Express R. Aurora Amaral de Araújo, 149 Jd. Embuema – 11.4704-0157 Embu-guaçu - SP Med Pesca R. Cel. Luiz Tenório De Brito, 786 Dentro Posto Br. Centro – 11.4661-3065 Guarulhos - SP Pesca Guarulhos Av. Salgado Filho, 1.841 Jd. Sta. Mena – 11.2409-9690

Mairinque - SP Pesqueiro Pantanosso Est. Servidão Pesqueiro Pantanosso, 5.300 Olhos D’ågua - 11.4246-2176 Mauå - SP Aqua Pesca Av. Capitão João, 132- C / D Centro - 11.4555-7688/4514-9089 Miracatu - SP Serra Pesca Esportiva Rod. Regis Bitencourt, 348 Cafezal - 13.3847-8103 / 11.6248-0000 Osasco - SP Sugoi Osasco Av. dos Autonomistas, 3.222 Centro - 11.3654-0016 Ribeirão Pires - SP Da Silva Aquarios Av. Santo Andre, 349 Centro Alto – 11.4827-5112 Santo AndrÊ - SP Sugoi ABC Av. Pereira Barreto, 42 Piso Loft - 11.4427-7600 São Paulo - SP Acqua Fish Est. de Itapecerica, 3.283 – Jd. Germânia    11.5512-8782

King Fisher R. Otåvio Tarquínio de Souza, 1061 Campo Belo – 11.5561-7588

Sugoi Nåutica Av. Washington Luiz, 2.796 Jd. Marajoara – 11.5548-8501

Miraguaia Rua Beco da Fabrica, 23 – 1º and. sala 12 – Centro – 11.3227-9496

Sugoi Aventura Av. Dr. Ricardo Jafet, 1.149 Ipiranga – 11.2591-1477

Oceanic R. Barão de jundiai, 270 Lapa – 11.3644-6910

Toca do Tubarão Av. Robert Kennedy, 5.525 Pq. Atlântico – 11.5666-1532

Parada do Pescador Av. Imirim, 233 – Imirim 11.8128-8065

TrairĂŁo Av. Inajar de Souza, 57 - Freguesia do Ă“ 11.3931-8077/3931-6060

Pesk Bem R. Pelotas, 83 – Box 147 Vila Mariana – 11.5576-9684

Via Costeira Av. Engenheiro George Corbisier, 1.177 Jabaquara – 11.5016-2994/5012-5477

Pet Shop Fauna & Flora Est. do Campo Limpo, 5.796 Jd. Umarizal – 11.5845-3270

SĂŁo Roque - SP Taquari Centro De pesca Estrada do vinho, Km 5 Sorocamirim www.centrodepescataquari.com.br 11.4711-1937

Projeto Pesca Av. Santa Catarina, 448 Vila Alexandria – 11.5031-4517 Rei da Pesca Rua Clelia, 2.180 - à gua Branca 11.3871-3435 Sam Fishing Rua BelÊm, 33 – Belenzinho 11.2081-3699

Artpesca Av. Celso Garcia, 1026 Belenzinho – 11.2291-2277

Sauer Tec R. Do Bosque, 1024 Barra Funda – 11.3392-1592

Buriman Pesca e Camping R. Domingos de Morais, 1.003 Vila Mariana - 11.5575-5333

Só Lazer Av. Luiz Stamatis, 431 – Box 12 Jaçanã – 11.2241-9596

Casa das Redes Av. Dr. GastĂŁo Vidigal, 2.161 Vila Leopoldina - 11.3837-0666

Sugoi Jabaquara Av. Jabaquara, 361 Praça da à rvore – 11.5584-0066

Empório Pegasus Rodovia Armando Salles, 2403 Royal Park – 11. 4165-1708

Cia. da Pesca Av. Dr. GastĂŁo Vidigal, 2.211 Vila Leopoldina - 11.3641-2294

Sugoi Centro R. Florencio de Abreu, 656 Centro – 11.3329-9005

Juquitiba - SP DG Esportes Av. Juscelino K. De Oliveira, 685 A Centro – 11. 4682-1988

Ermanay Pesca Camping R. Brigadeiro Tobias, 744 Centro - 11.3326-3625

Sugoi Aricanduva Av. Aricanduva, 5.555 - Lojas S8-S10 Vila Matilde - 11.2725-6815

Tralhas e Cia Pesca e Lazer Av. Salgado Filho, 1441 Jd. Sta. Mena – 11.2441-0878 Itapecerica da Serra - SP Med Pesca R. Luiz Gama, 23 Centro – 11.4667-2468

São Bernardo do Campo - SP FabPesca R. Heinrich Nordhoff, 117 Riacho Grande www.fabpesca.com.br - 11.4397-5711 Marlin Azul R. Heinrich Nordhoff, 165 Riacho Grande – 11.4354-0425 A Fisgada R. Rio a Cima, 353 – Riacho Grande fabpesca@hotmail.com 11.4354-0135 Taboão da Serra – SP Casa de Raçþes Exótica Largo do Taboão, 99 – Centro 11.4701-4174/ 4787-5613 Ao Criador R. Acacio Ferreira, 3234 Jd. Tres Marias – 11. 4701-2629 Nippo ComÊrcio de Raçþes R. Dr. Mario Augusto Pereira, 71/75 Parque Pinheiros 11-4137-7832/ 4137-3141


Pesqueiros Biritiba Mirim - SP Pousada Vale Encantado 11.4692-1094 www.valeencantado.com.br Sombra e Água Fresca 11.4692-2510 Castelo Branco - SP Mathu – 11.4131-6336 Francisco Morato - SP Clube de Pesca Recanto da Cascata 11.4609-9052 www.recantodacascata.com.br Guararema - SP Didi França 11.4693-0177 www.pesqueirododidifranca Itapecerica da Serra - SP Itapecerica 11.4667-3342 www.pesqueiroitapecerica.com.br Itaquaquecetuba - SP Itaquá 11.4648-6107 Jundiaí - SP Lagoa dos Patos 11.4537-1198 www.pesqueirolagoadospatos.com.br Juquitiba - SP Estância Pesqueira Campos 11.4683-9110 www.estanciapesqueiracampos.com.br Vale do Peixe 11.4682-1900 www.valedopeixe.com

Mairiporã - SP Clube de Pesca Takenaka 11.4604-8648 www.clickpesca.com.br/takenaka Da Lontra 11.4486-2359 Vale do Santo Ari 11.4604-3988 Mauá - SP Pesk Ville 11.4576-1170 Rei dos Amigos 11.4576-7352 – www.pesqueirodosamigos.com.br Peruíbe - SP Girassol 13.3456-1317 Poá - SP Roda Viva 11.4636-5636 Ribeirão Pires - SP Carequinha 11.4439-9058 Nova Tropical 11.4825-5382 Pedra Branca 11.4342-3784 www.ppedrabranca.com.br Pouso Alegre 11.4827-0382 www.pesqueiropousoalegre.com.br

Frete de Barcos & Guias Bertioga - SP Ossamu (Robalo) 11.9749-8564 Bragança Paulista - SP Braguinha 11.4035-2290/9967-1535 Fabio Martorano 11.9980-7423 Cáceres - MT Luís Henrique (Peixes Esportivos) 65.9614-3973 Formoso Araguaia - TO Alex 63.3357-1145/8119-0188 Dimas 63.9994-7553/8459-9346 Ilhabela - SP Nils 12.3896-5396/9146-5587 www.comandantenils.com.br Wilson 12.3895-8394/7850-7896/7850-7893 Itanhaém - SP El Shadai 11.2946-6966 Pelicano 13.9784-3302 – Ilhas da Queimada Grande, Laje da Conceição, Bom Abrigo e Parcéis dos Reis, Dom Pedro, da Una, da Noite Escura

Queimada Sub 13.3422-1855 www.queimadasub.com.br

Natal - RN Auricélio Alves 83.9115-0855 Alcimar 84.9916-4051 / 11.7742-1246 Porto Xavier - RS Juscelamar 55.9916-5572/3354-2293 Recife - PE Rodolfo 81.3619-1120/9979-5790 Salvador - BA Lino Justo 71.8869-8288/9918-8288/ 3332-6323 Marcel 71.8826-7042/3263-3324 São Sebastião - SP Via Mar Pescarias 12.3892-5456 viamarpescarias@uol.com.br – pescarias em São Sebastião, Ilhabela e oceano. Iscas naturais e   

Boya Fishing 12.3862-1551/7898-4195 Barco Soberano 12.3887-8651/7850-1512 Serra da Mesa - GO Eribert Marquez 64.8415-1279 Tupaciguara - MG Daniel Sales 34.3281 3544

Obrigatório preencher de forma legível todos os campos

Sim, desejo receber em minha residência, sem qualquer custo, o DVD ECOAVENTURA, que é parte integrante desta revista. www.grupoea.com.br Nome: _____________________________________________________________________________________________________ Endereço: __________________________________________________________________________________________________ Bairro: _____________________________________ Cidade: _________ UF: _________CEP:_____________________________ Fone: DDD ( ) ______________________ Celular: DDD ( ) _________________________________________________________ E-mail: _____________________________________________________________________________________________________ IMPORTANTE: promoção válida até 15/03/2011, somente para os estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Tocantins. Envie este cupom para Revista ECOAVENTURA - Rua Anhaia, 1.180 - 3º andar - Bom Retiro - SP - 01130-000



Revista ecoaventura edição 17