Page 1

ar u anã I bl ac k ba s s sem mit o s I li n ha l at er al do pei xe I b o n efi sh e t ubarã o- lim ã o I c h u m b o e m e i o a m bi e nt e I M a s s a s pa r a ta m ba q ui

Ano III - Edição 27 – DEZEMBRO – R$10,90

ecoaventura - E d i ç ã o 2 7 - D E Z E M B R O d e 2 0 1 1

Técnica Black bass para todos Biologia Linha lateral: o sexto sentido Técnica Bonefish e Tubarão-limão na Flórida Roteiro Como escolher a melhor época para fisgar Tucunarés-açus

Aruanã

bilíngue

O predador acrobático da Amazônia

M a s s a s p a r a T a m b a q u i I O p e s o a m b i e n t a l d o s c h u m b o s I T u r i s mo e p e s c a n a i l h a d o m e l - PR


ea_revista_ed-24_anuncio_layout_01.indd 2

13/10/2011 12:09:23


ea_revista_ed-24_anuncio_layout_01.indd 3

13/10/2011 12:09:24


editorial Editora ECOAVENTURA PABX: (11) 3334-4361 - Rua Anhaia, 1180 Bom Retiro - SP - CEP 01130-000 www.grupoea.com.br

Cabalístico, mas nem tanto

Diretoria Farid Curi, Roberto Véras e Wilson Feitosa Diretor de redação Wilson Feitosa wfeitosa@grupoea.com.br Editora Janaína Quitério (MTb nº 45041/SP) jquiterio@grupoea.com.br Editor de fotografia Inácio Teixeira (MTb nº 13302/SP) fotografia@grupoea.com.br DEPARTAMENTO DE JORNALISMO redacao@grupoea.com.br Reportagem Dani Costa (MTb nº 01518/ES) dcosta@grupoea.com.br Bárbara Blas (MTb nº 64800/SP) bblas@grupoea.com.br Tradução David John Arte Glauco Dias, Mila Costa e Tiago Stracci Correspondentes internacionais Fabio Barbosa e Voitek Kordecki Colaboraram nesta edição André Correa, Juliano Salgado, Lawrence Ikeda, Marcel Nishiyama (Tchel), Roberto Véras, Voitek Kordecki e Wilson Feitosa Consultores Alexandre Andrade, Eribert Marquez e Lawrence Ikeda DEPARTAMENTO COMERCIAL Publicidade Salgado Filho comercial@grupoea.com.br Marketing Pedro Reis preis@grupoea.com.br Distribuição e edições avulsas atendimento@grupoea.com.br Atendimento ao leitor Priscila Santiago sac@grupoea.com.br

Às 11h11, do dia 11/11/11, este editorial estava sendo alinhavado coletivamente em nossa mesa de reunião quando a equipe se deu conta de que, até a edição passada, haviam sido publicadas 11 capas sem a repetição de nenhum peixe: Piranambu, Apapá, Pirarara, Piraíba, Atum-amarelo, Dourado, Jaú, Matrinxã, Tucunaré, Sernambiguara e Trairão. E o que essa coincidência poderia significar para a ECOAVENTURA? — que, pasme, é uma palavra formada por 11 letras! Sim, porque faz parte da natureza humana desejar encontrar, em situações como essa, explicações passíveis de apaziguar as preocupações cotidianas. Para nós, a coincidência recai, apenas, sobre a repetição numeral. Isso porque a divulgação de 11 espécies diferentes na capa não aconteceu por acaso, e está relacionada ao nosso planejamento: apresentar aos leitores — apaixonados pela arte da pesca esportiva — um conteúdo diversificado, original e didático, capaz de incentivar o aprimoramento de questões técnicas que ajudem o pescador a fisgar as espécies mais esportivas, de sugerir incursões em pontos de pesca consagrados ou ainda pouco explorados e de abordar temáticas que animem pescadores novos ou experientes a se preocuparem com o meio ambiente. Como balanço de final de ano, nosso time avalia que cumpriu esse objetivo. Mas, já que nós queremos seguir a trilha do crescimento, não nos damos por satisfeitos. Por isso, 2012, para a Revista ECOAVENTURA, será um ano de grandes mudanças. Nova apresentação de capa, integração de importantes colaboradores-pescadores, maior interação com os leitores por meio das mídias sociais, novas temáticas para a coleção de DVD “A arte de pescar” — e muito mais! Se a data sugere que a repetição pode trazer uma força energética para a humanidade, então reiteramos, nesta edição, a provocação que fizemos no editorial de dezembro do ano passado (edição 15) a todos os nossos leitores: “Por que não fazer de 2012 uma marco para iniciar novas aventuras?”. Para cada pescador, estimamos os mais entusiasmados votos para 2012 com 11 letras: B-O-A P-E-S-C-A-R-I-A!

Assinaturas assine@grupoea.com.br

ANO III - EDIÇÃO 27 – DEZEMBRO – R$10,90

A RUANÃ I BL A CK BA S S SEM MITO S I LINH A L ATE R AL DO PE IXE I B ONE FI SH E TUBARÃO -L IMÃO I C HUMB O E ME IO AMBIE NTE I MA S S A S PAR A TAMBA QUI

Assinaturas: (11) 3334-4361

ECOAVENTURA - E D I Ç Ã O 2 7 - D E Z E M B R O D E 2 0 1 1

A Revista ECOAVENTURA é uma publicação mensal da Editora ECOAVENTURA Ltda.. Distribuição com exclusividade para todo o Brasil: Fernando Chinaglia Comercial e Distribuidora S/A, Rua Teodoro da Silva, 907, tel. (21) 2195-3200. Os anúncios e artigos assinados são de inteira responsabilidade dos anunciantes e de seus autores, respectivamente. A Revista ECOAVENTURA está autorizada a fazer alterações nos textos recebidos, conforme julgar necessário. Nenhum colaborador ou funcionário tem o direito de negociar permutas em nome da editora sem prévia autorização da diretoria.

ROTEIRO Como escolher a melhor época para fisgar Tucunarés-açus TÉCNICA Black bass para todos BIOLOGIA Linha lateral: o sexto sentido TÉCNICA Bonefish e Tubarão-limão na Flórida

Aruanã

bilíngue

O predador acrobático da Amazônia

M A S S A S PA R A TA M B A Q U I I O P E S O A M B I E N TA L D O S C H U M B O S I T U R I S M O E P E S C A N A I L H A D O M E L- P R

ea_revista_ed-27_capa_layout_01.indd 1

11/11/2011 22:19:26

Edição 27 — dezembro de 2011

instituto verficador de circulação


FUNDAMENTOS DO ARREMESSO No 6º volume da coleção “A Arte de Pescar — aprimore suas técnicas”, Roberto Véras explica como funcionam e quais os objetivos de seis arremessos: overhead cast; side cast; flipping cast; pitching cast; spiral cast e skipping cast. Não perca!

Próximo volume: Iscas

de superfície

TÉCNICAS” A cada mês, a coleção “A ARTE DE PESCAR — APRIMORE SUAS traz dicas e informações sobre o mundo da pesca. O DVD é parte integrante da Revista ECOAVENTURA só para

ASSINANTES.

Para adquiri-lo, está à venda na Editora ECOAVENTURA por

Mais uma vantagem de ser assinante da melhor revista do segmento no País. Não perca essa chance!

R$19,90 + frete.

Mais informações (11) 3334 4361 assine@grupoea.com.br www.grupoea.com.br


[ índice ]

12

capa bilíngue

Aruanã

­Conheça as duas espécies existentes no Brasil

24

ecoturismo bilíngue

Ilha do Mel-PR

Opção exuberante para curtir e pescar o ano todo


08 Correio técnico 10 Correspondência 36 Biologia A linha lateral dos peixes

44 Pesca de Black bass Nada de técnicas complicadas e equipamentos caros

60 Folha Pequi: tradição no cerrado

62 Pesque-pague Receita de massas para fisgar Tambaquis

52

técnica

Bonefish e Tubarão-limão

Destaques valiosos em Key Biscayne, Miami

70 Bicho Cateto

72 Meio ambiente As consequências do chumbo

78 Gastronomia Aprenda a fazer uma moqueca baiana

88 Saúde Olhos podem sofrer com a radiação

92 Vitrine Ofertas e lançamentos

94 Radar

80

roteiro

Como escolher a melhor época?

Saiba como programar uma pescaria de Tucunarés-açus nos rios amazônicos

97 Ecoaventura-mirim 98 Classificados


correio técnico Líder Utilizo linha de multifilamento há mais de quatro anos e, agora, vou pescar na região de Barcelos. É importante utilizar líder para a pesca de Tucunaré na Amazônia? Reinaldo Gontijo — Belo Horizonte-MG

Caro leitor, Alguns pescadores preferem usar uma linha principal de multifilamento com mais fios trançados e de maior espessura. Porém, mesmo com uma multifilamento de 80 libras, o líder de fluorcarbono — devido à rigidez que apresenta — irá ajudá-lo na produtividade do trabalho de iscas de superfície. Isso porque ele evita de a linha laçar as iscas ou garateias ao cair na água, além de ser transparente e bem mais resistente à abrasão.

Pesca de Tucunaré Vou pescar no lago de Serra da Mesa-GO e gostaria de usar jigs e jumping jigs. Qual a profundidade para capturar os Tucunarés-azuis? Nome — Cidade-UF

Na matéria “A pesca do Tucunaré com iscas metálicas”, publicada na edição 18, falamos exatamente sobre esse tipo de pescaria. Já tivemos capturas de Tucunarés-azuis com até 15 metros de profundidade nessa região. Porém, é mais produtiva entre 4 e 8 metros. Procure locais com grandes lajes de pedra ou, então, pauleiras, e pesque na vertical sem arremessos longos.

Jack Plate Estava namorando uns barcos de fibra no torneio de Nova Ponte-MG e vi que a maioria deles utiliza uma peça de alumínio entre o casco do barco e o motor. Para que serve essa peça? João Guilherme Franco — por e-mail

O nome desse acessório é Jack Plate. É de suma importância para a regulagem fina de altura do motor em barcos de alta performance. Existem modelos manuais e hidráulicos, que podem variar entre 4 e 15 polegadas. Essa regulagem fina de altura permitirá um melhor aproveitamento do motor de popa, o que proporciona maior velocidade final e economia na velocidade de cruzeiro. Além disso, a função do Jack Plate é afastar o motor da popa do barco para que a hélice funcione em águas menos turbulentas e, consequentemente, forneça melhor tração.

08 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


Acelerador de pedal e controle do Power trim Comprei um barco modelo Bass Boat e gostaria de saber se é importante a instalação de um acelerador de pedal e controle do Power trim no volante? Glauco Demétrio Froes — por e-mail

Amigo leitor, Depende do desempenho que você pretende tirar do barco. Ao navegar em alta velocidade (alto giro), esses dois acessórios se tornam praticamente obrigatórios para facilitar o controle do barco, já que permite ao piloto ficar constantemente com as duas mãos no volante. Porém, em grandes distâncias, a navegação pode se tornar cansativa.

Pesca do Apapá Fui pescar no rio Araguaia, próximo à ilha do Bananal, e tive muita ação de Apapás quando utilizava iscas de superfície. Mas, infelizmente, voltei sem nenhuma foto com esse belo troféu. Existe alguma dica para que eu possa melhorar o índice de capturas desse peixe? Leandro Mascarenhas da Silva — Cuiabá-MT

Esse peixe é um dos mais esportivos da água doce, pois, além de saltar muito, é um espécime de boca pequena e óssea. Algumas sugestões para facilitar a sua pescaria são: 1) Utilizar iscas pequenas com garateias finas, resistentes e afiadas 2) Como esse peixe briga sempre limpo, é importante, durante a batalha, não travar a fricção da carretilha ou molinete. Canse o peixe enquanto estiver mais longe do barco 3) Não deixe a linha bambear 4) Nos saltos, mantenha a ponta da vara para baixo sem medo de colocá-la na água e force-a continuamente para o lado contrário ao da trajetória do peixe

ecoaventura 09


correspondência

Pesque-pague

ECOAVENTURA no Paraná

Acompanho a revista desde quando seu nome era PESCAVEN-

As reportagens da edição 26 da Revista ECOAVENTURA

TURA e, atualmente, assino a ECOAVENTURA. Parabenizo toda a

estão belíssimas. O texto e as imagens apresentam um pro-

equipe pela qualidade editorial, profundidade das matérias e cons-

duto turístico de qualidade no litoral paranaense. Parabéns e

ciência ecológica que transmite a todos os leitores. Toda vez que

muito obrigado pela companhia e a oportunidade de divulga-

vou praticar meu hobby favorito — a pesca esportiva —, consulto as

ção do querido Paraná.

dicas, técnicas e macetes reproduzidos em cada edição da revista Clemente Consentino Neto — Departamento de Programas

para alcançar o objetivo de fisgar o peixe almejado.

Especiais — Paraná Turismo

Como meu filho está com quatro anos, tenho me dedicado a pescarias em pesqueiros, pela facilidade, segurança e comodidade que eles trazem. Na edição 25, na seção “Pesque-pague”, a matéria

[ ecoturismo I ecotourism I morretes ]

menciona que a equipe esteve em três pesqueiros diferentes, mas não diz quais. Pelas fotos, gostei muito deles, e queria saber os nomes dos respectivos pesqueiros, inclusive endereço e telefone. Sugestão: mencionar sempre o nome do pesqueiro e endereço, assim como fizeram com a matéria sobre “Pescaria Infantil”. Com isso, todo mundo ganha: o pescador por ter alternativas de pesqueiros já visitados pela revista; o pesqueiro pelo aumento de frequen-

Nos trilhos da Serra do Mar paranaense By rail along the Paraná Coastal Mountain range

Para chegar à cidade de Morretes, a 70 quilômetros de Curitiba-PR, a Revista ECOAVENTURA embarcou no trem que percorre — pelos seus trilhos de 125 anos de história — uma das áreas mais conservadas da Mata Atlântica In order to arrive at the town of Morretes, which is 70 kilometers from Curitiba (in the state of Paraná), the ECOAVENTURA team embarked on the train that runs on the 125 year old historical railroad through one of the best preserved areas of the Atlantic coastal rainforest POR/BY: DANI COSTA | FOTOS/PHOTOS: INÁCIO TEIXEIRA | TRADUÇÃO/TRANSLATION: DAVID JOHN ARTE/DESIGN: TIAGO STRACCI

tadores; a revista pelo aumento de leitores; a indústria/comércio/ serviços de pesca etc. ecoaventura 35

34 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO

ea_revista_ed-26_turismo_layout_01.indd 34

07/11/2011 11:17:19

ea_revista_ed-26_turismo_layout_01.indd 35

07/11/2011 11:19:59

Oscar Yoshimitsu Nakashima — São Paulo-SP

Sonar

Caro Oscar, O pesque-pague que ilustra a foto de abertura da matéria “Pintados e Cacharas: o grande desafio” é o Pesqueiro Itapecerica,

Sou assinante e estou gostando muito do modo como estão

localizado à estrada de Itapecerica, Km 27,5, Itapecerica da Serra-

dando informações aos pescadores novos e antigos, como eu.

-SP (Tel.:11-4667-3342). Já o estampado nas páginas 82 e 83 é a

Gostei muito do tema “sonar”. Uso uma sonda Furuno LS-4100.

Fazenda-pesqueiro Ueda, que fica na estrada Mogi-Taiaçupeba,

Gostaria de saber onde consigo um manual “mal traduzido”

Km 69, Mogi das Cruzes-SP (Tel.: 11-4724-0310). A última foto com

para o português.

o Pintado foi tirada no Silvestre Park Hotel, na cidade de Rio Verde, a 220 quilômetros de Goiânia-GO (Tel.:64-3621-0015). Fica registra-

José Raft — por e-mail

da a sua sugestão! Muito bom saber que as informações que passamos [ pesque-pague ]

estão sendo de grande valia aos nossos leitores. Entramos

Pintados e Cacharas: o grande desafio

em contato com o representante oficial da Furuno no Brasil. Ele nos disse que há traduzido apenas o manual básico de

Quando se trata de focar a pescaria nas grandes espécies de couro, é preciso dedicação e muita técnica para fisgar um grande troféu

operação do modelo em questão. Para adquiri-lo, basta entrar

ANDRÉ CORREA E JULIANO SALGADO | ARTE: TIAGO STRACCI

em contato com a Radiomar pelo e-mail radiomar@radiomar. com.br ou pelo fone (21) 2187-2400. Outra opção é entrar no FOTO: JULIANO SALGADO

site da Furuno Estados Unidos (www.furunousa.com), fazer o download do manual em PDF, copiar e colocar cada página no tradutor de texto. ecoaventura 81

80 ecoaventura l PESCA ESPORTIVA, MEIO AMBIENTE E TURISMO

ea_revista_ed-25_pesqueiro_layout_01.indd 80

07/11/2011 11:16:16

ea_revista_ed-25_pesqueiro_layout_01.indd 81

10 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo

07/11/2011 11:20:37


O Canal do Homem do Campo Assista à TV pela parabólica, site ou celular em todo o Brasil: Satélites BRASILSAT B4 digital Frequência 3714.75 Simbol Rate 3255 Polarização Horizontal

STAR ONE C2 digital Frequência 3651.37 Simbol Rate 2777 Polarização Vertical

Acesse o nosso site e confira a programação, serviços e área de cobertura

www.agromix.tv agromix_final.indd 11

13/10/2011 15:23:27


[ capa I cover article I aruanĂŁ ]

O acrobĂĄtico predador amazĂ´nico The acrobatic amazon predator

12 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


Silhueta exótica, temperamento agressivo e comportamento imprevisível. São essas as credenciais das duas espécies de Aruanã existentes no Brasil — o branco (Osteoglossum bicirrhosum) e o negro (Osteoglossum ferreirai) An exotic silhouette, aggressive temperament and unpredictable behaviour are the credentials which best describe the two species of the Aruanã fish to be found in Brazil — the white Aruanã(Osteoglossum bicirrhosum) and the black Aruanã (Osteoglossum ferreirai) Texto e fotos/text and photos: Wilson Feitosa | Tradução/translation: David John | Arte/design: Tiago Stracci

ecoaventura 13


[ capa I cover article I aruanã ]

O

Aruanã é o que se pode chamar de “troféu

que por pescadores esportivos — um quadro

talmente, fascina o pescador por diversos

não disputado”. Habitante dos lagos, iga-

difícil de ser entendido. Talvez a fissura pelas

motivos, entre eles os ataques na superfície,

pós, ilhas e partes rasas dos rios das bacias

diversas espécies de Tucunarés seja a gran-

o fato de investir contra diversos tipos de

amazônica e do Araguaia-Tocantins, esse

de responsável por esse aparente desprezo,

isca, a resistência que opõe quando fisgado,

parente do Pirarucu (Arapaima gigas), curio-

o que não deixa de ser uma injustiça, já que o

os saltos acrobáticos durante a briga e a

samente, é mais desejado por aquaristas do

Aruanã, mesmo quando capturado aciden-

beleza de sua anatomia.

A mata alagada é um dos locais propícios à pesca do Aruanã Aruanã favor flooded Forest areas

T

he Aruanã is what may best be described as a

men — a fact that is somewhat difficult to com-

among them its topwater attacks, its propensity

“non-disputed trophy”. Inhabiting lakes, ponds,

prehend. Perhaps obsession with the several

for striking a variety of lures, its resistance on be-

islands and the shallow rivers of the Araguaia-

Peacock Bass species is primarily responsible for

ing hooked as well as its acrobatic jumps during

Tocatins, Amazon river basin, this relative of the

this apparent disregard, which is somewhat un-

the fight and its anatomical beauty.

Pirarucu (Arapaima Gigas), is oddly enough,

fair as the Aruanã, even when hooked by chance,

Feeding on a varied menu, it is fond of both

more in demand by aquarists than by sportfisher-

is a fascination to the angler for several reasons,

terrestrial and aquatic invertebrates such as in-

14 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


Pontas de ilhas, praias e barrancos com correnteza moderada são os melhores pontos de pesca nos rios Best river spots are points on islands, beaches and banks with moderate currents

Peixe de cardápio variado, alimenta-se

quando está caçando. Um espetáculo raro

rios. Nada rente à superfície isoladamente,

de invertebrados aquáticos e terrestres

ocorre quando o Aruanã se projeta no ar

aos pares (na época de reprodução) ou em

como insetos, além de pequenos peixes,

em saltos de até dois metros acima da su-

cardumes de poucos indivíduos. É por essas

sapos, cobras, lagartos e outros seres. Tem

perfície para capturar artrópodes e outros

e outras características e virtudes que o

a visão e o par de barbilhões — órgão sen-

seres nos galhos de árvores à beira d’água.

Aruanã, gradativamente, conquista seu es-

sitivo localizado em sua mandíbula — bem

Embora frequente lagos e a floresta alaga-

paço, em especial, entre os pescadores que

desenvolvidos. Persegue suas presas na

da, também é comum visualizá-lo próximo a

valorizam mais as nuances dos desafios do

superfície e mostra grande desenvoltura

rochas, ilhas e barrancos rasos na calha dos

que a quantidade de capturas.

sects, spiders, small fish, toads, snakes, lizards

this species jumps as high as 2 meters in the

jacent to the surface alone or in pairs (during

and other creatures.

air to capture arthropods and other creatures

breeding) or even in small shoals. For this and

Its prime senses are sight and a pair of short

from tree branches at water’s edge. Although

other reasons, the Aruanã is gradually taking its

whiskers located on its lower jaw. It pursues its

it inhabits lakes and flooded forests, it is also

place among sportfishermen who place greater

prey on the surface and puts on quite a display

quite common to spot it near to rock structures,

value on the challenges involved in fishing for it

when chasing its prey. A rare spectacle is when

islands and shallow river banks. It swims ad-

than on the sheer amount of fish caught.

ecoaventura 15


[ capa I cover article I aruanã ] Wilson Feitosa

Na ponta da linha

sadas em locais com vegetação projetada sobre a água. Para atrair a espécie, a

Com o objetivo de avaliar qual seria

estratégia mais eficaz foi trabalhar essas

o resultado ao dedicar um dia de pesca

iscas com movimentos lentos e curtas

exclusivamente a esse peixe, enviamos

paradas. Nas raras ocasiões nas quais

nossos pescadores para três localidades di-

foi possível localizá-lo no visual, optou-se

ferentes: os lagos do rio Cristalino (Araguaia-

por lançar a isca delicadamente adiante

-Tocantins), o rio Cuiuni e lagoas marginais

do peixe e dar início ao trabalho para que

(bacia do rio Negro-AM) e o rio Tapajós e seus

ela cruzasse sua trajetória. O resultado

lagos e tributários.

do dia foi bem interessante, já que não

Nos lagos do rio Cristalino, na época

há retrospecto de pesca exclusiva do

das cheias, sua pesca se mostrou efi-

Aruanã — foram capturados três espé-

ciente com iscas de superfície em torno

cimes de porte razoável e dezenas de

de cinco centímetros quando arremes-

peixes de outras espécies.

Seu comportamento e hábito alimentar fazem dele um desafio especial para aqueles que preferem as iscas artificiais e, ainda mais, para os que pescam com mosca, afinal, seu cardápio inclui todos os tipos de insetos Its behavioral feeding habits make it a special challenge to those who prefer artificial lures and more so to fly fishermen as its menu includes all types of insects

At the end of the line

system (Araguaia-Tocantins), the Cuiuni

season, fishing was productive using 5 cen-

With a view to evaluating results on devot-

river and its adjacent lakes (Rio Negro basin-

timeter topwater lures cast under overhang-

ing a whole day to fishing exclusively for this

Amazon state) as well as the Tapajós river

ing vegetation. To attract this fish, the lures

species, we sent our fishing team to three

lakes and tributaries.

were worked slowly and with short stops.

different locations: the Cristalino river lake

16 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo

On the Cristalino river lakes, during flood

On those rare occasions when the fish was


sighted, the lures were cast ahead of the fish so as to cross its path. The day’s result was quite interesting as three reasonably sized Aruanãs were taken and dozens of other different species.

Mesmo quando pescado acidentalmente, o Aruanã exerce fascínio sobre os pescadores Even when accidentally caught, the Aruanã fascinates anglers

ecoaventura 17


[ capa I cover article I aruanã ]

No rio Cuiuni — região do alto rio Negro-

as iscas, sobretudo Acarás e Traíras — ver-

qualquer conclusão. Em especial, porque o

-AM —, vários aspectos se mostraram inte-

dadeiros destruidores de iscas. Sempre que

rio estava em sua cota mínima e, com suas

ressantes: 1) a maioria dos exemplares foi

aumentávamos o tamanho das iscas, as

águas quentes e extremamente límpidas,

capturada com equipamento de mosca, em

espécies de Tucunarés não davam qualquer

foi um verdadeiro festival de capturas,

especial com pequenos poppers e alguns

chance aos demais predadores.

tanto nos lagos como na calha dos rios. A

streamers; 2) fisgamos dois exemplares do

A equipe que explorou as águas do rio

maioria das fisgadas ocorreu após os pei-

Aruanã-negro — espécie endêmica das ba-

Tapajós e seus tributários foi a que obteve

xes serem localizados no visual. Também

cia do rio Negro e mais rara de aparecer na

maior número de capturas em um único

foi nessa região que os Aruanãs aparece-

outra ponta da linha; 3) chamou a atenção a

dia. Entretanto, a falta de retrospecto

ram em cardumes, muitos dos quais com

variedade de outras espécies que atacaram

nesse tipo de pescaria ainda não permite

indivíduos de grande porte.

On the Cuiuni river — headwaters of the rio

the other end of the line; 3) it was noteworthy that

greatest number of takes in a single day. None-

negro-Amazon state — several aspects turned out

other species such as Sunfish and Traíra also at-

theless, the absence of prior historical data in

to be quite interesting: 1) the majority of fish were

tacked our flies with the latter being a veritable lure

this type of fishing does not allow for any conclu-

caught on flyfishing tackle and, in particular, with

destroyer. Whenever we switched to bigger-sized

sions. Particularly so as the river was at its lowest

small popping bugs and some streamers; 2) we

lures, Peacock Bass left no room for any other fish.

level with warm and very clear water conditions,

took 2 black Aruanã, which are native to the Rio

The team exploring the Waters of the Tapajós

it was a true fishing festival as much inside the

Negro basin and whose appearance is quite rare at

river and its tributaries is the one that had the

lakes as on the river course. The majority of

18 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


Lado a lado, dois expoentes da pesca esportiva que compartilham os mesmos pontos de pesca: Aruanã e o consagrado Tucunaré-açu Side by side, the two contenders that share the same fishing grounds: the Aruanã and the Amazon Peacock Bass

Uma análise sobre os resultados

vamente a essa pescaria, começamos

em suas pescarias de Tucunarés, vale

obtidos por cada equipe deixou evidente

a ter melhor noção sobre os locais onde

ressaltar que, apesar do alvo ser o Arua-

alguns aspectos: não só é possível como

esses espécimes poderiam ser encon-

nã, a espécie mais capturada por nossos

também é extremamente produtivo e

trados, sobre tipo, tamanho, trabalho,

pescadores foi justamente o grande

gratificante direcionar a pescaria para

formato e modo mais eficaz de trabalhar

astro amazônico — houve apenas uma

esse peixe. Primeiro porque, ao tê-la

as iscas, entre outros fatores capazes

troca de objetivos, já que, quando temos

como alvo, acabamos estudando e

de se tornar uma importante referência

como alvo exclusivo o Tucunaré, somos

entendendo mais sobre seu comporta-

para a sua pesca. E, para aqueles que

surpreendidos com a captura de um ou

mento. Após um dia dedicado exclusi-

não admitem perder sequer um minuto

outro Aruanã.

catches were based on sightfishing. It was also in

species. Firstly because, in targeting it, one ends

ence to fishing for the Aruanã. And, to those

this region that Aruanãs were spotted in shoals,

up studying and understanding its behavioural as-

who will not forfeit even a minute in their quest

many of which containing larger sized fish.

pects even more. Following a day exclusively dedi-

for Peacock Bass, it is of note that the Peacock,

Several aspects can be concluded on analyzing

cated to this fish, we began to better understand

the main star attraction of the Amazon, were

results obtained by each different team: not only is

where they might be found as well as lure type, size

the most taken fish, despite the fact that we

it possible, but it is also extremely productive and

shape and most productive fishing techniques,

were targeting the Aruanã and would catch

gratifying to direct a fishing sortie specifically to this

which are ultimately an important guidebook refer-

one occasionally.

ecoaventura 19


[ capa I cover article I aruanã ] Posar com um Aruanã-negro é um privilégio de poucos pescadores Posing with a Black Aruanã is a privilege few fishermen enjoy

Equipamentos Devido ao seu porte, é recomendável usar equipamentos de médio a médio-pesado. Na pesca de arremesso, aconselha-se utilizar varas rápidas para linhas entre 12 e 17 libras, linhas com resistência em torno de 17 libras, carretilhas ou molinetes que comportem aproximadamente 100 metros da linha escolhida e iscas artificiais de superfície com tamanho entre cinco e oito centímetros. O Aruanã requer um manuseio rápido e cauteloso, já que a boca ornada de dentes cortantes se abre para cima, o que dificulta apanhá-lo. Uma boa dica é efetuar o embarque com um puçá sem nós na malha ou com um alicate de contenção preso na lateral da boca. Geralmente, o Aruanã morre se permanecer muito tempo fora d’água.

Tackle

breaking strain and reels (both baitcasters and

ing mouth is studded with sharp teeth making

Due to its size, medium to medium heavy

spinning) that can hold up to 100 meters of line.

it difficult to handle. A good tip is to use a good,

tackle is recommended. In baitcasting or

Topwater lures measuring between 5 and eight

knotless landing net or a fish gripper at the side of

spinning, fast action rods for 12-17lb lines are

centimeters are favoured. The Aruanã calls for

its mouth. Usually, the Aruanã will die if left out of

recommended using lines with around 17lb

fast and cautious handling as its upward portrud-

the water for an extended period of time.

20 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


Pelo mundo/Around the World Na Ásia e na Austrália se encontram outros representantes da subfamília Osteoglossinae, pertencentes ao gênero Scleropages: o Aruanã-dourado, que é nativo do sudeste asiático e habita os rios de águas escuras e calmas das florestas pantanosas e de áreas úmidas. Também muito popular entre os aquaristas, tem especial significado em regiões influenciadas pela cultura da China, onde é conhecido por Peixe-dragão por sua semelhança com o mítico dragão chinês. Tal popularidade traz consequências positivas e negativas para a preservação dessa espécie. Sua propagação pelas ilhas do sudeste asiático sugere que ele tenha derivado de outros osteoglossídeos antes que a separação dos continentes tivesse se completado. Estudos genéticos mostram que os ancestrais do Aruanã-dourado derivaram dos ancestrais dos Aruanãs-australianos há cerca de 140 milhões de anos, durante o período do Cretáceo Inferior. Apesar do nome, existe diversa variação de cores, e cada uma indica a região a que pertence. O verde é a variedade mais comum e está presente no Vietnã, Mianmar, Tailândia, Camboja e Malásia. O prata asiático é considerado parte da variedade verde por alguns. Ele tem duas subvariedades, o “cinza de cauda prateada” ou “Aruanã Pinoh”, e o “amarelo de cauda prateada”, cada um encontrado em diferentes partes das ilhas de Bornéu, na Indonésia. O dourado de cauda vermelha é encontrado no norte de Sumatra, Indonésia. O ouro crossback, azul malaio, ou azul Bukit Merah é nativo do Estado de Pahang e da área de Bukit

Merah, em Perak, Malásia. O vermelho, super vermelho, vermelho-sangue, ou vermelho-pimenta é conhecido apenas a partir da parte superior do rio Kapuas, em Bornéu Ocidental, Indonésia. O Scleropages jardinii ou Australian bonytongue está distribuído pela Ásia e Oceania, e é a espécie originária da Austrália e Nova Guiné. São muito similares na forma do corpo e comportamento com as demais espécies, porém, além da coloração, outra diferença básica são as escamas — menores e em maior número. É importante diferenciar os Aruanãs australianos dos asiáticos, porque, enquanto os primeiros podem ser vendidos e importados, os asiáticos são protegidos por correrem perigo de extinção. Por isso, seu comércio é proibido, exceção apenas das variedades conhecidas como Yellow-Tail e Green. In Asia and Australia, there are several species of the Osteoglossinae subfamily belonging to the Scleropages genus: the golden Aruanã, which is a native of southeast Asia, inhabits the dark water, calm rivers of the wetlands forests and damp areas. Also very popular among aquarists, it has special meaning in areas that are influenced by Chinese culture, where it is known as the dragon fish as a result of its resemblance to the mythical Chinese dragon. Such popularity has brought both positive as well as negative consequences to the preservation of the species. Its propagation throughout the islands of southeast Asia suggests its forebears as being other Osteoglossids prior to completion of the separation of the continents.

Genetic studies show that the Golden Aruanã was different from its Australian relative by a period of around 140 million years during the lower Cetacean period. Despite its name, there is a variety of colors that individually purports to each specific region to which it belongs. The most common variety is green, which is present in Vietnam, Myanmar, Cambodia and Malaysia. The Asian silver is considered as belonging to the green species by some. There are 2 varieties, one being the silver tailed Aruanã or Aruanã Pinoh and the yellow with silver tail, each one of which may be found in different parts of Borneo in Indonesia. The golden Aruanã with the red tail is to be found in Northern Sumatra, Indonesia. The golden crossback, blue malay or Bukit Merah blue is a native to the state of Pahang and the Bukit Merah area, in Perak, Malaysia. The red, super red, blood red or pepper red is known as existing only in the upper reaches of the Kapuas river in Western Borneo, Indonesia. The Scleropages jardinii or Australian bonytongue is distributed throughout Asia and Oceania and is the species that originates from Australia and New Guinea. They are very similar in shape and behavior as the other species, however, other than their coloration, another basic difference may be found in the scales – smaller in size and in greater number. It is important to differentiate between the Australian and Asian species as the former may be sold and imported, but the Asian variety are protected as a result of being on the list of endangered species. For that reason, trade in these fish is prohibited with the exception of the species known as yellow tail and green.

Vencer o Aruanã com equipamento de pesca com mosca é ainda mais gratificante Taking the Aruanã on fly tackle is even more gratifying

ecoaventura 21


[ capa I cover article I aruanã ] No aquário

Abaixo, o Aruanã-negro — endêmico da bacia do rio Negro-AM e mais raro de ser encontrado Below, the Black Aruanã — native to the Rio Negro Basin (Amazônia) and a rare find

A satisfação e a admiração que muitos sentem ao ter um Aruanã em seu aquário é algo indescritível. Mas aqueles que se deslumbram com a sua silhueta exótica e os seus movimentos graciosos precisam estar cientes de que criá-lo em aquário requer cuidados especiais antes mesmo de adquiri-lo e durante o processo de adaptação. Alevinos que ainda possuem um saco vitelino cor laranja pendurado na altura de sua barriga devem ser descartados, já que são ainda muito frágeis. Como se trata de uma espécie que pode atingir 70 centímetros em cativeiro, o ideal é que sejam colocados, no máximo, dois exemplares em um aquário com pelo menos 300 litros de água. Por ser um excelente saltador, os aquários também devem ser mantidos tampados, sem nenhuma fresta. Sua dieta é a de um peixe predador, portanto, é preciso lhe oferecer alimentos vivos ou frescos. Para alevinos com cerca de dez centímetros, artêmias adultas e larvas são bem aceitas. Para os adultos, girinos de rã, grilos e besouros de amendoim compõem um bom cardápio e, após estar ambientado, pedaços de camarão fresco, coração de boi em pouca quantidade e até ração seca podem fazer parte da dieta. Quando a oferta for por alimentos inertes, dê preferência aos que flutuem.

In the Aquarium

one as well as during its adaptation. Small fry

an excellent jumper, aquariums must be well

The satisfaction and admiration that many

that still have their orange coloured egg sac

covered with no gaps. Its diet is based on live or

have in possessing an Aruanã in their aquarium

appended should be discarded as they are still

fresh foods. To small fry measuring 10cms, brine

is indescribable. Yet to those that are awed by its

too fragile. As this is a species that can reach up

shrimp and larvae are well accepted. For adults,

exotic silhouette and graceful movements, it is

to 70cms in captivity, the ideal setup is to have

tadpoles, crickets and peanut beetles are a good

important to know that raising it in an aquarium

a maximum of 2 individuals in an aquarium

menu and after fish are settled, fresh shrimp,

demands special care, even prior to obtaining

that holds at least 300 liters of water. As it is

beef heart in small amounts and even dry flakes

22 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


Pe q u e n o s p e i xe s s e r ã o p r e s a s

deve ser bem filtrada, branda, ligeira-

ou por pessoas não licenciadas. E,

fáceis para ele. Por isso, quando for

mente ácida e mantida à temperatura

mesmo quando oriundos dos poucos

compartilhar o espaço com espécies

entre 24-30°C (75-86°F).

criadores licenciados, é necessário pe-

diferentes, é vital que os outros indi-

Atenção: o Ibama (Instituto Bra-

dir o documento que comprove a sua

víduos sejam maiores que ele, porém,

sileiro de Meio Ambiente) proíbe sua

liberação pelo órgão federal, assim

pacíficos para não perturbá-lo. A água

comercialização em lojas de aquários

como a nota fiscal.

can be given. When opting for dry foods, choose

Caution: The Ibama (Brazilian Institute

the floating types. Small fry are easy prey to the

for environmental affairs) prohibits trade in

Aruanã, so, in a community aquarium, it is vital

aquarium stores or non-licensed traders. Even

that other fish be larger in size, yet peaceful in

when sourced from licensed breeders, it is

nature so as to leave it undisturbed. Water must

necessary to request a document that endorses

be well filtered, soft and slightly acid at a tem-

release of the fish by the federal authority as

perature range of 24-30°C (75-86°F).

well as an invoice.

Acima, o Aruanã mais comum nas bacias citadas nesta matéria. A diferença entre as espécies é que as nadadeiras da encontrada no rio Negro são escuras ou azuladas e, na outra, são claras com tons levemente avermelhados Above, the more common species of Aruanã as published in this article. The difference between species is that the Rio Negro Aruanã has dark or blue fins and the other has light colored fins with hues of red

ecoaventura 23


[ ecoturismo I ecotourism I ilha do mel ]

O feitiço da guardiã The guardian’s spell

Rota obrigatória para navios, a Ilha do Mel é como um portal do litoral do Paraná: guarda a entrada marítima desse Estado, na baía de Paranaguá. De natureza preservada e estilo rústico, o ano inteiro atrai turistas, que se entregam à sua magia e exuberância Ilha do Mel is a compulsory shipping route and a portal to the Paraná seaboard, overlooking the sea lanes into the state through Paranaguá bay. Preserved and rustic by nature, it attracts tourists year-round allured by its magic and exuberance POR/BY: DANI COSTA I FOTOS/PHOTOS: INÁCIO TEIXEIRA I TRADUÇÃO/TRANSLATION: David John | ARTE/DESIGN: TIAGO STRACCI

24 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


Praia Grande

ecoaventura 25


[ ecoturismo I ecotourism I ilha do mel ]

O

contorno da Ilha do Mel parece uma baleia. Com 35 quilômetros de perímetro, é reconhecida pela Unesco

(Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) como Sítio do Patrimônio Natural Mundial. A maior parte do corpo dessa “baleia” é recoberta de reserva florestal com restrito programa de manejo, administrado pelo IAP (Instituto Ambiental do Paraná). E, em todas as partes, há praias que parecem habitar um sonho repleto de vento calmo e pessoas sorridentes a nos cumprimentar. Na Ilha do Mel, não há postes com luz, nem na zona de habitação, e os moradores nunca quiseram essa interferência artificial. Por isso, a noite fica mais bonita lá do que na cidade. Para chegar a esse intrigante lugar, é preciso embarcar em balsa ou barco em Pontal do Sul e navegar quatro quilômetros. Já com os pés fincados no paraíso, esqueça-se da existência de automóveis. A ilha sequer possui ruas, apenas caminhos abertos no chão de terra e areia. Não é permitida a tração a motor, nem a animal. Entretanto, bicicletas são bem-vindas e podem ser alugadas na região. O único veículo que circula de um lado a outro pelas pequenas trilhas do vilarejo são os carrinhos movidos à força humana. Neles, são levadas bagagens de turistas, compras de supermercado, material de construção etc.

T

The Ilha do Mel contour resembles a whale. Its

35 kilometer perimeter is recognized by Unesco as

that seem home to a dream filled with calm breezes

ful on this island than in a town. To arrive at this

and smiling people to greet us.

intriguing place, it is necessary to get on a ferry

a World Heritage site. The greater part of this “whale”

There are no lamp posts on Ilha do Mel, not

or boat at Pontal do Sul and navigate 4 kilome-

is covered by a forest reserve under a restricted

even in the populated areas, and its natives

ters. On arriving, forget about cars as there are

management program, run by the IAP (Paraná Envi-

have never wanted this artificial interference.

no streets on the island, only tracks that have

ronmental Institute). Throughout, there are beaches

For this reason, nighttime is even more beauti-

been made on earth or sandy soil. No motor or

26 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


Na Praia das Encantadas, uma passarela de madeira leva o turista atĂŠ a Gruta das Encantadas On Encantadas beach, a wooden walkway leads the tourist to the Encantadas cave

animal traction is allowed, however, bicycles are welcome and can be rented locally. The only vehicles that circulate from one end to the other over small village pathways are man-drawn to carry tourist luggage, supermarket commodities, construction materials etc.

ecoaventura 27


[ ecoturismo I ecotourism I ilha do mel ] O vilarejo tem vários restaurantes e pequenas pousadas, que atendem a todos os bolsos The hamlet has several restaurants and small lodges that cater to every pocket

Despite the fact that Ecological Reserve on

namely Encantadas, Brasília, Limoeiro, Cassual,

Ilha do Mel is a tourist hub that is accessible

Ilha do Mel takes up the majority of the Island’s

Fortaleza, Farol, Grande, Miguel, de Fora, do Belo

to varied incomes, as the lodges — which range

area, trails that do not impinge on the landscape

and on the West Point.

from small to medium in size — offer a variety of

are permitted and it is through these that tourists

Along these routes, when natives are encoun-

rates, some of which are quite low in the more

are able to move about — amidst corridors of

tered, they affirm they are not tourists. For many

simple ones. On proper recommendation, it is

tall plants and the large tree fronds — on an up

here, it is a matter of pride to be part of such a

possible to eat very well at a very low cost. For

and down sojourn from rocks on the seashore

paradise, distant from the continental mass that

such a restricted place, one might say restau-

to stairways into the hills. These pleasant path-

always falls back on the golden dream of living in

rants are quite diverse and there is even a risotto

ways are prevalent throughout all the beaches,

freedom, away from chaotic urban life.

restaurant on the island.

28 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


Apesar de a Estação Ecológica da Ilha

eiro, do Cassual, da Fortaleza, do Farol,

do Mel ocupar a maior área da ilha, é

Grande, do Miguel, de Fora, do Belo e na

admitida a presença de trilhas que não

Ponta Oeste.

das grandes cidades. A Ilha do Mel é um polo turístico acessível para variados bolsos, pois as pousadas

afetem a paisagem. E é por elas que os

Os habitantes, quando surgem pelo

— de porte pequeno a médio — oferecem

turistas se embrenham — entre corredo-

caminho, fazem questão de anunciar que

boa diversidade de preços, com módi-

res de plantas altas e árvores frondosas

não são turistas. Para muitos desse povo-

cas diárias nas mais simples. Com boa

— no sobe e desce de pedras à beira-mar

ado, é um orgulho fazer parte de uma terra

indicação, é possível comer muito bem a

até as escadarias em morros. Esses ca-

tão paradisíaca e distante do continente,

baixo custo. Os restaurantes até que são

minhos aprazíveis estão por toda a parte

que remete sempre ao sonho dourado de

variados para um lugar tão restrito, e há

nas praias Encantadas, Brasília, Limo-

se viver livre, longe da urbanidade caótica

até uma risoteria na ilha.

O pôr do sol da Ilha do Mel é um espetáculo que concorre com as outras muitas belezas da ilha Sunset on Ilha do Mel is a spectacle that competes with many of the island´s other attractions

ecoaventura 29


[ ecoturismo I ecotourism I ilha do mel ]

A Gruta das Encantadas ĂŠ um dos lugares mais visitados da regiĂŁo Encantadas cave is one of the most visited spots in the region

Encantadas cave On the southern part of the island, a cave that

the Espia hill from where native fishermen watch the sea in quest of approaching fish.

has been sculpted by wave action against the rocks harbors tails of seduction and martyrdom.

Another frequent sport on this paradise of hills and beaches is hang gliding. Hang Gliders take off from SabĂŁo hill and fly over Grande,

Eco sports

Miguel and Encantadas beaches. It is also not

As fable tells it, mermaids attracted fishermen

One of the more common views on the Ilha

necessary to be an experienced flyer to live this

and sailors there who were never to return to their

do Mel is to watch surfers on the beach involved

adventure as lessons are on hand with skilled

families. Access is by a wooden pontoon. Encan-

in their acrobatics with the waves. Any enthu-

professionals for this unforgettable flight.

tadas beach is also in this area making a swim in

siastic tourist can take surf lessons and rent a

its calm waters irresistible. If the idea is to seek

board. In the lodges, information on procuring

out irresistible landscapes, one must climb up

these services is on hand.

30 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo

Conchas lighthouse The history of the island is identified


Dos seus 2.700 hectares, em apenas 200 há permissão de uso Out of 2.700 hectars, only 200 are allowed to be used Gruta das Encantadas

mou com a ação das ondas na rocha guarda

sobrevoam as praias Grande, do Miguel e Encantadas. E nem é preciso ser experiente para viver essa aventura, já que é possível agendar aulas para o inesquecível voo

do Espia, onde pescadores nativos observam o mar para tentar visualizar peixes.

Na parte sul da ilha, uma gruta que se for-

-deltas decolam do morro do Sabão e

Ecoesportes

com um profissional habilitado.

Farol das Conchas A História da ilha é identificada por

histórias de sedução e martírio. Em um “causo popular”, conta-se que sereias atraíam

Uma das imagens mais comuns na Ilha do

marcos com fácil acesso, mas que exigem

para lá pescadores e marujos, que não retor-

Mel é avistar surfistas nas praias, envolvidos

intensa caminhada com a subida de uma

navam mais para suas famílias. O acesso a

com suas acrobacias nas ondas. O turista

longa escadaria. O Farol das Conchas está

esse lugar é facilitado por uma passarela de

que se empolgar pode fazer aulas de surfe

no alto do morro das Conchas e é avistado

madeira. A praia das Encantadas também

e alugar uma prancha. Nas pousadas, há re-

de quase todos os pontos. Foi inaugurado

fica nesse território, e é irresistível nadar em

ferências de onde encontrar esses serviços.

em 1870 por D. Pedro II e ainda está em

suas águas calmas. Se a ideia for buscar

Outro esporte frequente no paraíso

funcionamento, movido à energia solar.

uma paisagem estonteante, suba o morro

das praias e morros é o voo livre. As asas-

Ao se alcançar o farol, a visão é de oceano inesgotável, com mar por todos os lados.

Os esportes de aventura estão em todas as partes da ilha, principalmente no céu, com os adeptos do voo livre Adventure sports abound on the island and are primarily aerial with many followers of hang gliding

by easily accessible landmarks, but which demand an intense hike and a climb up a lengthy stairway. Conchas lighthouse sits atop Conchas hill and can be seen from almost everywhere. It was inaugurated in 1870 by D. Pedro II and is still operational and functions on solar power. On reaching the lighthouse, there is a limitless ocean view with the sea surrounding one on all sides.

ecoaventura 31


[ ecoturismo I ecotourism I ilha do mel ] Da escadaria do Farol, vê-se a Praia Grande e o istmo From the lighthouse stairway, Praia Grande beach and the isthmus are visible

De onde veio o nome ilha do mel / Origins of the name

Muitas são as histórias que justificam o nome “Ilha do Mel”, mas duas se destacam. A primeira é devido à apicultura, que chegou a uma produção grande de mel até a década de 1960. A outra é referente a tempos mais remotos, em que escravos eram deixados na ilha para se reproduzirem com várias negras, como uma “lua de mel”. There are many stories that lend

Fortaleza de Nossa Senhora dos Prazeres Foi erguida entre os anos de 1767 e 1769 para proteger a baía de Para-

themselves to “Ilha do Mel” (Honey Island) but two are worth mention. The first is resultant from beekeeping which resulted in a large production of honey till the 60´s decade. The other refers to more distant times in the past in which slaves were left on the island to reproduce with various black slave girls as if on a honeymoon.

ticamente divide a ilha em duas. A largura habitual é de 30 metros.

Trilha na escuridão

naguá. Visitar a fortaleza nos remete à atmosfera militar do século 18, com

Quer uma experiência de meditação,

os contrafortes do Morro da Baleia,

contemplação e felicidade? Acompanhe o

cheios de canhões e trincheiras de

nascer do sol na praia e deixe-se acordar

pedras. O caminho é uma trilha no

pela energia da natureza. Vá preparado e

morro, compensada pela panorâmica

leve uma lanterna.

que pode ser vista de um mirante.

Istmo

Euforia com os golfinhos Não é garantido que eles apareçam,

Nossa Senhora dos Prazeres fortress

Os habitantes chamam de “passa-pas-

mas a tentativa de vê-los é válida. Com

sa”, pois é a parte mais estreita da Ilha do

partida da praia de Brasília, barcos levam

Mel, na praia de Nova Brasília. Nas grandes

turistas para o ponto onde os golfinhos cos-

ressacas, a água atravessa o istmo e pra-

tumam se exibir.

Isthmus

It was erected between 1767 and 1769 to

Natives call it the “passa-passa” as it is the

protect Paranaguá bay. A visit to this fortress is

narrowest passage on Ilha do Mel on the Nova

to travel in time to the military atmosphere of

Brasília beach. During big storms, water crosses

the 18th Century, with the outer ramparts of the

the isthmus and practically divides the island in

Baleia Hill filled with cannon and stone trench-

two. Normal width is only 30 meters.

es. The way there is via a trail in the hill, which is more than made up for by the panoramic view from a belvedere.

32 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo

tational and happy experience? Watch the sunrise on the beach and wake up to nature’s living energy. Go prepared and take a flashlight. Euphoria among dolphins There is no assurance they will show up, but the attempt at seeing them is worthwhile. Boats

A hike in the dark Are you seeking a transcendental, medi-

leaving from Brasilia beach take tourists to the spots where they normally appear.


A pesca de praia ĂŠ muito promissora na ilha. Os pescadores nativos optam pelas iscas vivas Beach fishing is very productive on the island and native fishermen prefer livebait

Nascer do sol na praia: programa imperdĂ­vel na Ilha do Mel Sunrise on the beach is an experience not to be missed on Ilha do Mel

ecoaventura 33


[ ecoturismo I ecotourism I ilha do mel ] Funcionamento da ilha Tudo que vem do continente, e vira lixo, precisa voltar para ele. Portanto, a população local se esforça para manter organizado o sistema de coleta de resíduos sólidos. Alguns donos de pousadas e restaurantes

A ilha tem 5 vilarejos: Fortaleza, Nova Brasília, Farol, Praia Grande e Encantadas The island has 5 townships: Fortaleza, Nova Brasília, Farol, Praia Grande and Encantadas

transformam o lixo orgânico em adubo. E fazem hortas que vão parar nos menus das cozinhas dos nativos e daquelas que atendem os turistas. Outras duas preocupações de quem vive na Ilha do Mel são com a água e com a energia elétrica. Busca-se poupar o máximo possível e o desperdício é visto com maus olhos. As pousadas, inclusive, orientam que os hóspedes tomem banhos rápidos. Diante dessa dificuldade, recomenda-se escolher bem o restaurante onde vai comer, pois alguns não possuem bom sistema de reserva de água, o que pode comprometer a qualidade da comida.

Pesca na Ilha do Mel Os pescadores esportivos paranaenses propagam a boa fama dessas águas encantadas. Além de ser caminho obrigatório de navios que vão para o porto de Paranaguá, a ilha também é rota dos peixes que chegam à baía. São inúmeros os pesqueiros: encostas de rochas, praias protegidas ou abertas, para pesca embarcada, de costão, oceânica ou de praia.

How the Island works

A Ilha do Mel está na rota dos navios que entram na baía de Paranaguá Ilha do Mel is adjacent to the shipping lanes for vessels entering the port of Paranaguá

Another concern for those living on Ilha

Fishing on Ilha do Mel

Everything that comes in from the mainland

do Mel is centered around water and elec-

Paraná state spor tfishermen spread

and becomes garbage must return to it. There-

tricity. Savings are maximized and waste is

the word about the lore of these enchanted

fore, the population endeavours in collecting

viewed with criticism. The lodges advise their

waters. Besides being a compulsory route

and organizing solid waste. Some lodge pro-

guests to bathe sparingly. In view of such

for vessels on their way to the port of Para-

prietors transform organic waste into fertilizer,

difficulties, we recommend selecting restau-

naguá, there are many fishing spots, rock

which in turn is used to cultivate the small plan-

rants carefully as some do not have a good

structures, open and sheltered beaches that

tations whose crops end up on native kitchen

water reservoir, what may negatively affect

are suited to shore fishing, surfcasting as

menus and those that cater to tourists.

the quality of their food.

well as offshore fishing.

34 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


Praticamente todo o entorno da ilha é

mar estiver muito mexido, é possível seguir

propício para boas fisgadas. São Robalos,

para pescar no canal de Paranaguá. Na pes-

Linguados, Sargos, Betaras, Peixes-galo e

ca de praia, pode ser usado o corrupto como

Badejos, entre muitos outros. A vantagem

isca, sobretudo perto das grandes pedras

da pesca embarcada nessa baía é que, se o

onde batem ondas.

MAPA ILHA DO MEL /map Serviços/Services Acesso / ACCESS De Curitiba até Pontal do Sul pela BR-277 são 130 quilômetros. A travessia para a ilha pode ser feita em barcas com saídas de hora em hora, com partidas do Terminal Turístico de Pontal do Paraná. Algumas pousadas têm serviço de traslado. São 30 minutos de percurso. As linhas regulares funcionam das 8h às 17h. São dois os pontos de desembarque: nas praias de Encantadas e de Nova Brasília. From Curitiba to Pontal do Sul via BR-277 highway over 130 km. The crossing to the island can be done on boats that make the crossig on na hourly basis and depart from the Tourist Terminal of Pontal do Paraná. Some lodges provide a ferry service. The crossing takes 30 minutes. Regular services are in operation between 8 a.m. and 5 p.m. There are 2 landing points: Encantadas and Nova Brasilia beaches.

Onde se hospedar / Lodging

MEDIDAS / Measurements Área total da ilha: 2762ha.

Encantadas/Farol: 4km

Área total protegida: 2585ha.

Farol/Fortaleza: 5km

Perímetro Total: 35km

Farol/N. Brasília: 1km

Perímetro Norte: 22km

P. do Sul/Encantadas: 25min.

Perímetro Sul: 13km

P. do Sul/Brasília: 30min.

Altitude máxima: 151m

Paranaguá/ Ilha do Mel: 1,30h

Practically all around the island there are opportunities for good hookups. Snook, Sole, Sea Bream, Roosterfish and Grouper among many others. The advantages of fishing from a boat in this bay are obvious when the seas are rough as it is possible to go the Paranaguá channel. When fishing from the beach sand, crayfish can be used mainly near rocks where wave movement provides a good feeding ground for fish.

Há quase 40 pousadas cadastradas no Ministério do Turismo. There are almost 40 lodges that are registered by the ministry of tourism. Estrela do Mar Tels.: (41) 3426-9013 / (41) 3455-3127 www.pousadaestreladomar.com.br Pousada Astral da Ilha Tel.: (41) 3426-8196

Com quem ver golfinhos / Who to visit the dolphins with

Cooperativa de Transportadores Náuticos Autônomos da Ilha do Mel – COTRANAUTA Tels.: (41) 3426-8008 / (41) 3426-8050

Aulas de voo livre / hanggliding lessons

Tels.: (41) 9154-8191 / (41) 3352-0002 www.pousadasilhadomel.com.br/asadelta/ betinho.html

Aulas de surfe / Surfing lessons Galo Surf Shop Tel.: (41) 3426-8107


FOTO: inácio teixeira

FOTO: wilson feitosa

[ biologia I linha lateral ]

Linha lateral: FOTO: roberto véras

FOTO: roberto véras FOTO: marcos glueck

36 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


FOTO: roberto véras

o sexto sentido dos peixes FOTO: inácio teixeira

FOTO: marco reia

Dotados de sentidos a mais em relação aos seres humanos, os peixes possuem um mecanismo biológico particular: a linha lateral. Confira como a ciência pode ajudar os pescadores a compreendê-lo e a usá-lo em favor das pescarias Por: Lawrence Ikeda | Ilustração: Mila Costa | Arte: Tiago Stracci

ecoaventura 37


[ biologia I linha lateral ]

A

lém dos sentidos que nós,

órgão de mecanorrecepção presente da

externo. Abaixo dos poros, encontram-se

humanos, possuímos — visão,

mesma forma nos anfíbios em fase larval.

células sensoriais especializadas em re-

audição, paladar, olfato e tato

Localizado na estrutura da pele do pei-

ceber e transmitir sinais de origem mecâ-

—, os peixes desenvolveram

xe e tangente às escamas, o SSL é forma-

nica — os neuromastos, responsáveis por

um mecanismo muito singular e especial:

do por um canal preenchido por um líquido

canalizar as ondas de choques mecâni-

a linha lateral. Também chamado de Siste-

mais viscoso e denso do que a água, e está

cos, decorrentes de qualquer perturbação

ma Sensorial Lateral (SSL), trata-se de um

repleto de poros voltados para o ambiente

na água, até os neurônios.

LINHA LATERAL: DETALHAMENTO ESCAMAS

01 02

03

04

06

05 07

CORTE LONGITUDINAL AMPLIADO

sentido do fluxo de água 08

09 LEGENDA 01 - escama 02 - poro de abertura do canal da linha lateral 03 - escama 04 - neuromastos 05 - nervo da linha lateral

06 - cúpula 07 - cílio 08 - células ciliadas 09 - dendritos

NEUROMASTO

38 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


Neuromastos Conjuntos de células ciliadas, que podem estar dispostas em canais ou em pontuações regulares na cabeça dos peixes. Ambos os sistemas funcionam da mesma maneira. Enquanto os neuromastos ordenados na cabeça possuem melhor funcionamento na captação de vibrações lentas e sutis, os da linha lateral atuam de modo mais eficiente em movimentos abruptos e rápidos na água.

A variação da pressão atmosférica e as irregularidades térmicas atuam, diretamente, na biologia comportamental dos peixes e podem deixá-los ativos ou inativos

FOTOS: inácio teixeira

À esquerda, um exemplar de Lambari. À direita, Black bass

ecoaventura 39


[ biologia I linha lateral ] Funcionamento Qualquer choque mecânico na água desencadeará uma série de ondas de

Linha lateral é um sentido complementar à visão e ao tato dos peixes em situações de alimentação e fuga

propagação. Esses pulsos, ao atingirem os poros, deslocarão o líquido interno do canal e estimularão a cúpula dos neuromastos. Os cílios dessas células se movimentarão e transformarão o choque mecânico em pulso elétrico, que irá atravessar as conexões nervosas dos neurônios (sinapses) até atingir o sistema nervoso central. É aqui que o cérebro do peixe irá mensurar e interpretar

interpretados pelo peixe — variam. Pode

TUVIRA: CAMPO MAGNÉTICO

desencadear fuga, ataque ou, até mesmo,

FOTO: marcos glueck

o grau e tipo da perturbação. As respostas aos sinais captados — e posteriormente

fazer o peixe permanecer estático. Pense nas variadas situações de pesca — da modalidade com iscas naturais vivas ou artificiais. Para explicar como esse mecanismo funciona, tomamos como exemplo a Tuvira (Gymnotus spp.), isca muito utilizada e eficaz na pesca de Dourados (Salminus brasiliensis). Como a Tuvira é um peixe muito discreto — não tem cores vibrantes, odor e não realiza movimento migratório —, como o Dourado consegue localizá-la, muitas vezes em ambientes de águas turvas e turbulentas? Nesse caso, a resposta não está no predador, mas na presa. Isso porque a Tuvira tem a capacidade de gerar cargas elétricas e emitir pequenos pulsos eletromagnéticos. Com isso, o Dourado capta essas vibrações através de seu Sistema Sensorial Lateral e localiza as apetitosas iscas.

Dourado fisgado com a Tuvira

Curiosidades Os Tubarões possuem o Sistema Sensorial Lateral muito desenvolvido, porém não aparente e visível a olho nu. Complementar a isso, essas espécies têm estruturas, na

região da cabeça, especializadas em captar micropulsos elétricos — as chamadas Ampolas de Lorenzini, sensíveis até frequências na ordem de 20 mil vezes menor que um

40 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo

Volt. O bagre-cego (Pimelodella kronei), que habita cavernas, utiliza o SSL em conjunto com os barbilhões situados na região ventral da boca para se localizar e se alimentar.


Tecnologia em favor da pesca

o recolhimento e ação da ponta da vara.

volvidas, especialmente, para aguçarem a

As iscas dotadas de barbela, ao nadarem,

sensibilidade do SSL dos peixes, que, muito

A enorme variedade e a evolução cons-

produzem ondas no interior da água que,

provavelmente, irão atacá-las. Já as iscas

tante da tecnologia das iscas artificiais são

por sua vez, são localizadas pelo Sistema

de superfície, como stick, zara, popper e

dadas, principalmente, pelas pesquisas

Sensorial Lateral.

hélice, são extremamente apelativas à

científicas relacionadas ao SSL. A maioria

As iscas de vibração, como spinner,

linha lateral. Toda perturbação causada —

das iscas emite vibrações de acordo com

spinner bait, buzz bait e rattlin bait, são es-

seja por ondas, bolhas ou turbilhões — será

o trabalho imposto pelo pescador durante

pecíficas de vibração, ou seja, foram desen-

facilmente detectada por esse órgão.

Rattlin bait

Stick

Buzzbait Zara

Popper

Hélice

Spinner

Spinner bait

FOTOS: inácio teixeira

ecoaventura 41


[ biologia I linha lateral ] FOTO: eribert marquez

Vale lembrar que o comportamento dos

Ataque fulminante de um Tucunaré

predadores pode assumir algumas variáveis que desencadeiam o ataque à isca. Um deles é a defesa territorial, que acontece quando os peixes se sentem acuados ou têm seu território invadido. Nesse momento, certamente irão tentar expulsar a isca invasora. Essa situação é bastante comum na pescaria de Tucunarés, sobretudo nas épocas de pré-reprodução e reprodução, quando os peixes defendem a estrutura dos seus ninhos, ovos e larvas. Outros fatores que podem desencadear um ataque são a irritabilidade e a curiosidade, além da necessidade de alimentos — fundamentais para a sua sobrevivência. Todos esses comportamentos estão intimamente relacionados à percepção visual, auxiliada pelo SSL. Em princípio, o predador sente a vibração na água e direciona seus olhos ao campo visual em que se encontra a presa. A linha lateral também pode detectar variações físicas no ambiente, como alterações climáticas, por exemplo. Black bass não resiste ao movimento da isca

FOTO: inácio teixeira

42 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


DICAS Para a próxima pescaria, além dos equipamentos, leve também o conhecimento técnico e científico. Os bons resultados certamente irão acompanhá-lo.

ROBALO: LINHA LATERAL

É comum aos pescadores depararem-

pescador deve utilizar seu conhecimento

-se com situações em que o peixe não

técnico e decidir qual isca usar: aquela

ataca de modo algum as iscas. Muito pro-

que invade o território e irrita ou a que

vavelmente eles tiveram seu comporta-

estimula a fome?

mento fisiológico alterado por amplitudes

O Robalo é um dos peixes que pos-

de variáveis climáticas. Nesses casos, o

suem o Sistema Sensorial Lateral super desenvolvido, capaz até de detectar a frequência cardíaca de suas presas (pequenos peixes e crustáceos). Com isso, sua atividade metabólica é afetada, facilmente, por alterações repentinas da pressão atmosférica.

linha late

ral

Nota-se, nesta matéria, a importância da linha lateral não somente para os peixes, mas também para os pescadores. É o trabalho da ciência e da tecnologia em favor da pesca esportiva e do meio ambiente. Em pescarias de Robalos (Centropomus spp.), é comum que pescadores experientes consultem o barômetro (aparelho que mede a pressão atmosférica) para interpretar os números e oscilações da pressão do ambiente


[ técnica ]

Para pescar o esportivo Black bass, não é obrigatório conhecer técnicas complicadas, tampouco ter equipamentos caríssimos. Saiba por quê Por: Marcel Nishiyama (Tchel) | arte: glauco dias

44 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


ecoaventura 45

foto: inรกcio teixeira


[ técnica ] É possível fazer pescarias produtivas com um barco simples, que custa aproximadamente 11 mil reais

A

fotos: inácio teixeira

pesar de se tratar de um pei-

esse peixe movimentar um mercado

ajudam a criar técnicas inovadoras e

xe acessível — já que pode ser

milionário nos Estados Unidos e Ja-

de nomes complicados.

encontrado em lagos e açudes

pão, por meio de empresas que não

Parte desse estilo foi incorporada, há

próximos às grandes cidades,

poupam investimento no desenvolvi-

alguns anos, por pescadores brasileiros,

tais como São Paulo, Curitiba e Belo

mento de acessórios específicos — e

o que acabou por elitizar a modalidade.

Horizonte —, poucos pescadores se inte-

caros — para essa espécie. Ao mesmo

Hoje, é comum que sejam levados a

ressam pela pesca do Black bass. Isso

tempo, aficionados norte-americanos

uma incursão de quatro a sete conjuntos

porque ainda são disseminados mitos de

da pesca de Black bass metodicamen-

de vara e carretilha, e o preço de cada

que é extremamente difícil fisgá-lo e de

te treinam, embarcados nos denomi-

conjunto pode custar até três mil reais.

que é necessário fazer um investimento

nados Bass Boats — que chegam a

Diante desses números, fica a pergunta:

alto em equipamentos.

custar mais de 60 mil dólares —, com

dois ou três equipamentos simples tam-

É provável que esse pensamento

o objetivo de ganhar torneios cujos

bém não dariam conta dessa pescaria?

tenha sido influenciado pelo fato de

prêmios são tentadores e, para isso,

Sim, basta dispor de tralha adequada.

46 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


Uma embarcação de alta performance, completa, pode custar até 80 mil reais — um valor que não cabe no orçamento de muitos pescadores. Além disso, embora seja capaz de proporcionar mais conforto, velocidade de navegação e até mesmo status, não garantirá que mais peixes sejam pescados

ecoaventura 47


C

[ técnica ] B A

O Black bass tem uma característica que nenhum peixe tem: a maneira que o pescamos, pois ele ataca um leque enorme de iscas artificiais, de plugues de superfície a fundo, e de spinner bait a soft bait — essa última a mais utilizada por ser

fotos: inácio teixeira

Particularidades

bem eficiente. A montagem para a soft bait é feita com chumbo e anzol, e seu

G

trabalho na água é bastante diversificado. O ataque do peixe, por sua vez, cos-

H

tuma ser bem sutil, e o pescador precisa estar atento para senti-lo. Em geral, recomenda-se deixar o Black bass carregar a isca por alguns segundos — em vez de fisgá-lo imediatamente, o que deve ser feito apenas quando a linha esticar.

As iscas mais usadas A - crank bait B - spinner bait C - ruber jig D - neeko E - jig wacky

F - texas G - jig head H - wacky I - down shot

foto: inácio teixeira

48 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo

D

E

F

I


Mais acessível ainda é pescar Bass com caiaque. O custo médio é de mil reais

foto: salgado filho

A pesca de barranco é a mais barata de todas, mas, nem por isso, torna-se menos esportiva ou pouco emocionante

foto: inácio teixeira

ecoaventura 49


[ técnica ] Quando pescar? Ainda que seja possível fazer boas incursões com o Black bass durante o ano todo, a primavera e outono são as épocas mais promissoras.Veja, a seguir, um quadro resumido que contém as iscas, montagens e pontos de pesca mais adequados para o iniciante.

Equipamentos

Pontos de pesca

Comportamento

PRIMAVERA É a época de sua reprodução, período em que defende seu ninho agressivamente contra todo tipo de invasores, inclusive as iscas artificiais. Por essas características, é a mais indicada para iniciantes.

VERÃO Água quente com pouco oxigênio dissolvido são dois fatores que dificultam a pesca do Bass no auge dessa estação. Ele fica mais ativo à noite — do entardecer até o início da manhã —, período em que a água oferece melhores condições.

No período em que o Bass está ativo, é comum encontráO Black bass pode ser lo caçando em locais rasos. encontrado em locais rasos Quando a temperatura — como grotas e bicos —, esquenta, ele procura com profundidades que pontos com águas agitadas variam entre 1 e 4 metros. e bem oxigenadas, como as encontradas em cachoeiras, sob ventos fortes ou nas rotas de navegação de barcos.

OUTONO Trata-se da estação em que a água apresenta melhor temperatura para esse peixe. Nesse período, ele se alimenta em demasia para acumular energias para o inverno. Como consequência, torna-se mais forte e proporciona uma briga mais emocionante quando fisgado.

Período menos procurado, não só pelo desconforto do frio como também pela dificuldade de realizar uma pescaria satisfatória.

É comum encontrá-lo no raso ou suspenso na meia-água, em busca das espécies forrageiras, que compõem sua base alimentar.

Via de regra, o Black bass busca águas mais profundas (8 a 20 metros), onde a temperatura se mantém mais constante e confortável. No entanto, ele sobe para se alimentar e se aquecer nos horários mais quentes, em geral, em lugares com mais incidência de raios solares, fundos rochosos e protegidos do vento.

Montagem leve, tais Quando está caçando, as como jig wacky, wacky e iscas mais rápidas, como neeko, e trabalho na meiaspinner bait e crank bait, são Montagens e iscas -água são necessários. mais eficientes. grandes e/ou barulhentas, Iscas rápidas, tais como tais como crank bait, spinner No horário mais quente, spinner e crank baits, bait, Texas, rubber jig e down montagens com minhocas costumam dar ótimos shot, são muito eficientes. artificiais pequenas com resultados na captura trabalho lento no fundo dão de espécimes de maior melhores resultados. porte.

50 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo

INVERNO

Nos horários mais quentes, recomenda-se usar iscas rápidas: crank bait, spinner bait e plugues. Nos demais horários, a sugestão é a pesca de profundidade com montagens ou iscas que arrastam no fundo, como down shot, jig head, Texas, rubber jig, entre outras. Um sonar para encontrar estruturas ou peixes no fundo é altamente indicado para essa época.


foto: inácio teixeira

É importante soltar o Black bass em todas as épocas, principalmente na primavera, época de sua reprodução

Quem é o Black bass O Large Mouth Bass foi a espécie de Black bass introduzida no Brasil, em 1922, mais especificamente na cidade mineira de Belo Horizonte, com o objetivo de se reproduzir em piscicultura. É um peixe predador, originário do Canadá, onde ajuda a manter a saúde das águas que habita.


[ técnica I bonefish e tubarão-limão ]

Key Biscayne, em Miami, Flórida, é o que se pode rotular de paraíso da pesca esportiva em território norte-americano. Lá, entre diversas espécies de inegável valor esportivo, o Bonefish e o Tubarão-limão merecem destaque Por: Roberto Véras | Fotos: DAG E roberto Véras Arte: Tiago Stracci

52 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


ecoaventura 53


[ técnica I bonefish e tubarão-limão ]

A

Ubarana-focinho-de-rato, Ubarana-rato ou, simplesmente, Bonefish (Albula vulpes) é uma das espécies mais cobiçadas

por pescadores que já tiveram pela frente os grandes predadores que habitam as águas do planeta. E o mais curioso é que isso não é consequência de seu porte, já que a maioria dos que são capturados raramente ultrapassa cinco quilos. O desafio de pescar essa espécie é vencer sua astúcia, arremessar com precisão iscas pequenas e dominá-la com equipamento leve. Assim, quando o guia avista um Bonefish e fornece sua localização, a adrenalina do pescador vai ao limite, pois ele também é extremamente arisco e pode fugir para outro local em fração de segundos — fator que exige máxima concentração para não perdê-lo de vista.

Mesmo depois de brigar muito, a batalha continuou intensa ao lado do barco

O experiente pescador Alex Malafaia afirmou ser esse peixe um dos mais importantes já fisgados em sua vida

54 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


Bonefish, quando traduzido para o português, significa “peixe de osso”. Talvez seja essa ossatura que o torne uma das espécies mais violentas e rápidas do mundo

O pequeno porte do Bonefish contrasta com sua força e resistência

O arremesso precisa atingir seu raio de ação, ou seja: a isca tem que cair a não mais que 50 centímetros à frente da sua boca para provocar o ataque, que, quando ocorre — salvo raras exceções —, dá início a uma corrida fulminante. Em contraste com seu pequeno porte, um espécime de pouco mais de um quilo é capaz de tomar mais de 50 metros de linha com espantosa rapidez. Já um exemplar maior, com aproximadamente cinco quilos, tomará até 150 metros, e a luta poderá se estender por mais de 20 minutos. ecoaventura 55


[ técnica I bonefish e tubarão-limão ] Quando a isca cai exatamente no lugar indicado pelo guia, a ação é imediata

Nessa pescaria, tivemos a satisfação de capturar seis exemplares durante a manhã: peixes que, apesar do pequeno porte — pesavam em torno de um quilo —, foram valentes o suficiente para nos fazer imaginar o que deve ser a luta com exemplares maiores do “fantasma prateado”. Que o diga nosso leitor Alexsander Malafaia! Após ler a reportagem sobre a pescaria do Sernambiguara na Flórida, publicada na edição 25, foi conferir as informações do roteiro passado e, para sua felicidade, capturou um Bonefish de quase cinco quilos.

Equipamentos • Varas entre 7’6’’ e 8 pés de comprimento

• Molinetes que comportem pelo menos 200 metros de linha

• 12 libras

• Iscas prediletas: pequenos siris e camarões

Como nessa época do ano os camarões estão muito pequenos, eram iscados dois de uma vez

56 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


Dicas e curiosidades De distribuição circunglobal em áreas de águas temperadas, essa espécie pode atingir até um metro de comprimento e pesar nove quilos, embora o mais comum seja encontrar indivíduos menores, com cerca de 40 centímetros de comprimento e 1,5 quilo de peso.

O recorde mundial All Tackle para a espécie é de um exemplar de 8,61 quilos (19 libras), homologado por Brian Batchelor, em Zululand, na África do Sul, em 26 de maio de 1962. Ou seja: bastante antigo. A técnica mais comum na captura desses “mini torpedos” é no visual. O guia

se instala em uma pequena plataforma na popa do flat boat e, com uma grande vara, empurra a embarcação e vasculha a área até encontrá-los. Sua visualização requer olhos treinados, pois, apesar de terem o flanco e a barriga prateados, o dorso é esverdeado e possui a mesma

tonalidade do fundo de algas dos flats. Entretanto, ficam vulneráveis quando estão nos fundos arenosos das praias ou caçando pequenos crustáceos nos flats, já que revolvem o fundo, e as manchas decorrentes dessa ação os denunciam.

Mesmo depois de embarcado, o Bonefish não para. Chegou, até mesmo, a jogar uma gota na lente de nossa câmera

ecoaventura 57


[ técnica I bonefish e tubarão-limão ] Tempestade e Tubarões Já havíamos dado por encerrada nossa pescaria — e nos preparávamos para regressar por conta de um forte temporal que se anunciava — quando o guia nos indagou se gostaríamos de tentar capturar Tubarões, também abundantes naquelas águas. Teríamos à nossa disposição ape-

Por essa pescaria não ter sido programada, não havia a bordo um bicheiro ou luvas adequadas para embarcar os dois peixes. Por isso, as fotos tiveram que ser feitas com os animais dentro d’água

nas duas iscas: dois filés de um Bonefish que morreu na incursão porque, mesmo com todo o cuidado dispensado pelo guia, não sobreviveu à extração do anzol. Substituímos o material por outro mais pesado e resistente, nesse caso, caniços na classe de 30 libras com molinetes e linhas multifilamento também de 30 libras, além de anzóis encastoados com aço no tamanho 4/0. Os filés foram iscados, e os arremessos efetuados na direção e distância sugeridas pelo guia, que estava postado na plataforma do barco para visualizar os acontecimentos. Vale destacar a impressionante visão do experiente profissional, afinal, decorridos pouco mais de cinco minutos, ele já nos passava valiosas informações para o sucesso da jornada. Com olhos treinados, ele descrevia a espécie, seu tamanho e para qual isca se dirigia.

O experiente guia segura a barbatana dorsal do Tubarão, a única maneira que dispúnhamos para fotografar as feras

58 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


Dag gastou pouco mais de 20 minutos para colocar seu peixe ao alcance de Joe

O primeiro exemplar logo foi fisgado e, após cerca de 20 minutos, a pescadora Dag trouxe para o costado um belo exemplar de Cação-limão, com aproximadamente 50 quilos. A briga com esses peixes é bastante intensa e interessante, uma vez que acontece o tempo inteiro no visual. E mais: por conta da pouca profundidade, as corridas são sempre vigorosas e bastante longas, o que exige muito do pescador. Como sobrara um dos filés — e o guia garantiu que ainda haveria tempo para mais uma captura antes que a tempesta-

Assim que o anzol é removido, oTubarão retorna lentamente ao seu habitat exibindo toda sua majestade

de nos alcançasse —, ganhei a oportunida-

los e, assim que foi liberado, retornamos

de de lançar essa isca. E a cena anterior se

rapidamente à marina.

repetiu: em menos de cinco minutos, pude

Para finalizar, saliento a importância

sentir a força de outro Limão. Aparente-

de um guia experiente para o sucesso de

mente maior que o primeiro, ele exigiu ain-

pescarias em locais desconhecidos, assim

da mais concentração, sobretudo porque

como enalteço o Estado da Flórida, que con-

também estávamos lutando contra a tem-

segue manter seus estoques de peixes nos

pestade que se aproximava rapidamente.

níveis mais elevados por conta da eficiência

Seu peso foi estimado em cerca de 60 qui-

de sua legislação e fiscalização.

Serviços O guia Joe Gonzalez oferece três tipos de diárias: 4, 6 e 8 horas. Em nossa opinião, o melhor custo-benefício é para o período de 8 horas. Inclui todo o material necessário, inclusive de flyfishing, iscas e gelo. Lanches e bebidas ficam por conta dos pescadores. Tel.: +1 305.798.0841 captjoegonzalez@comcast.net www.captainjoegonzalez.com

ecoaventura 59


Flor do pequizeiro

Foto: Inácio Teixeira

folhas, flores e frutos

Fruto pequi

Tradição do cerrado Conheça outros predicados do pequi, além de ingrediente indispensável na gastronomia do cerrado Por: Bárbara Blas | Arte: Glauco Dias

P

or ser uma das principais

Foto: SXC/Minasi

O pequizeiro é o responsável por esse fruto

e também

espécies nativas do cerrado sob

tão estimado — uma árvore de grandiosa copa

para sorvete,

o ponto de vista econômico, eco-

que pode alcançar sete metros de altura. As

licor, manteiga, amêndoa,

lógico e social, o pequi é muito

belas flores brancas e amarelas atraem beija-

farofa, doces, paçoca e petisco. Além

valorizado, especialmente na alimentação.

-flores e diversas espécies de abelhas durante

disso, o pequi apresenta um grande valor

Porém, o fruto é tanto sedutor quanto traiço-

o dia. O fruto é arredondado e verde com uma

nutricional e é uma rica fonte de vitamina A.

eiro — característica indicada no nome, de

polpa comestível de coloração amarelada. Esta

origem tupi, que significa “pele ou casca de

última é constituída, em geral, por uma a qua-

e fortificante para as mulheres grávidas,

espinhos”. Isso porque envolve um caroço

tro esferas que guardam, cada qual, um caroço

o pequi é uma importante fonte alimentar

duro com uma grande quantidade de pe-

espinhoso. Por esse motivo, o indicado é que

e de renda para muitos trabalhadores do

quenos espinhos, que podem ferir dolorosa-

se roa a polpa em vez de mordê-la. Entretanto,

cerrado, e acredita-se que seus derivados,

mente a boca se mordido sem cuidado.

pesquisas recentes mostram que foi encon-

hoje comercializados em pequena escala,

trado um novo tipo de pequi sem espinhos,

têm potencial no mercado.

Uma versão para o surgimento dessa fruta é também atribuída aos índios. O encontro da

provavelmente resultado de uma mutação, o

bela Tainá-racan e do guerreiro Maluá resultou

que abre novas possibilidades para esse fruto.

em casamento e a graça de um filho, Uadi,

O pequi possui diversas utilidades: a casca

concedida pelo deus Cananxiué. Porém, o

é utilizada como tintura; a madeira é empre-

deus voltou para buscar Uadi por reivindicá-lo

gada em móveis, carvão vegetal, xilografia

como seu. Após três dias de choro da mãe, Ca-

(gravura em relevo sobre a madeira), constru-

nanxiué se apiedou dela e disse que, de suas

ção civil e naval; o óleo serve para cosméticos

lágrimas, nasceria uma árvore de flores chei-

(cremes, sabonetes etc.), sabão e, na medicina

rosas, frutos de casca verde e polpa dourada

popular, contra gripes e bronquites; as folhas

como os cabelos de Uadi, mas a semente seria

possuem propriedades medicinais; o caroço

cheia de espinhos como os da dor de seu co-

e a polpa são muito utilizados na gastronomia

ração materno. O fruto, que por determinação

regional como arroz com pequi, feijão com

do deus se chamaria pequi, seria abundante,

pequi, frango com pequi, cuscuz com pequi, o

insubstituível e traria alegria à alma.

tradicional baião de três (arroz, feijão e pequi)

60 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo

Considerado afrodisíaco para os homens

Biologia

Nome científico: Caryocar brasiliense Camb. Família: Caryocaraceae Distribuição geográfica: cerrado brasileiro Nomes populares: pequi, piqui, pequiá, piqui-do-cerrado, amêndoa-de-espinho, grão-de-cavalo, amêndoa do Brasil Período de floração: setembro a novembro Período de frutificação: novembro a fevereiro


Pesque em

PASO DE LA PATRIA

Argentina TURISMO

www.pedrinhopesca.com.br São José do Rio Preto – SP

F. (17)3235-9030 / 32127988


[ pesque-pague ]

Para pôr a mão na

massa

Na pesca de fundo dos grandes redondos, optar por usar massas como isca faz a pescaria se tornar mais produtiva. Confira três receitas caseiras que a equipe da Revista ECOAVENTURA selecionou para aumentar sua chance de fisgar Tambaquis em pesqueiros Por: André Correa e Juliano Salgado Fotos: Inácio Teixeira | aRTE: mILA cOSTA

62 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


ecoaventura 63


[ pesque-pague ]

P

ode reparar: quando você usa minho-

Para pôr essa informação à prova,

mediária do ‘Tinoco’”, tem mais itens

ca, salsicha ou minhocuçu para pescar

fomos até um pesqueiro, em São Pau-

do que a “econômica”, e menos do que

os redondos, a todo o momento ba-

lo, com três tipos de massa: a primeira,

a “turbinada”. No dia do teste, as três

tem outras espécies que não são seus

que nomeamos “massa econômica”, é

tiveram respostas positivas, com uma

peixes-alvo, como Tilápia, Catfish e Ma-

mais rápida de ser preparada e, por

diferença marcante: a mais incremen-

trinxã. Mas, ao lançar mão das massas

ter poucos ingredientes, pesa menos

tada atraiu maior quantidade de Tam-

caseiras — desde que feitas no tamanho

no bolso do pescador em relação às

baquis e com rapidez impressionante.

adequado —, as fisgadas costumam ficar

demais receitas selecionadas. Já a se-

Em um dos arremessos, até um dublê

mais seletivas e produtivas.

gunda massa, chamada “massa inter-

foi conquistado!

O teste com a terceira massa [veja receita a seguir] resultou em mais ações no pesqueiro. Nesta foto, dois Tambaquis foram fisgados ao mesmo tempo

64 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


Minhoca e salsicha costumam despertar — e muito — peixes como o Catfish (acima). Mas, se a sua intenção for brigar com os redondos (abaixo), para tornar a pescaria mais seletiva, uma boa estratégia será usar as massas caseiras

ecoaventura 65


[ pesque-pague ] MASSA ECONÔMICA Ingredientes - 2 quilos de pirá moída — uma ração de superfície com a qual o peixe é tratado no pesqueiro - 1 quilo de farinha de trigo para dar liga na massa - 1 quilo de açúcar cristal. Diferentemente do refinado, não deixa a massa virar um grude durante o preparo. Pelo contrário, o açúcar cristal faz a massa ficar mais melada, o que contribui para a mistura ter a consistência de um farelo. Também ajuda a dar liga

Preparo Com uma bacia grande, misture bem os ingredientes até deixar a massa parecida com um pó. Na beira do pesqueiro, adicione água da lagoa para que a mistura fique úmida. O segredo é deixá-la na consistência do cuscuz de milho: nem muito úmida, nem seca. Cubra a bacia com pano a fim de evitar insetos.

Tamanho: em formato de coxinha. Quanto menor a massa, maior a possibilidade de atrair outras espécies. Cuidados: não é recomendado arremessar dando chicotadas. Quanto mais força é empregada na vara, mais facilmente a massa se desgrudará do anzol durante o arremesso.

Equipamento: chumbada oliva, escastoado e anzol grande na ponta. Quanto maior a vara, mais longo o arremesso. Preço médio: 4 quilos = R$12

66 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


ecoaventura 67


[ pesque-pague ] MASSA INTERMEDIÁRIA “DO TINOCO” Ingredientes - 2 quilos de pirá moída - 250 gramas de queijinho em pó (destinado exclusivamente ao uso em pesqueiro) - 1 saco de mafish tradicional (massa cilíndrica de odor desagradável) - 1 dose de conhaque. É o que vai dissolver a mafish. O gosto, assim como o cheiro do álcool, são atrativos para o peixe. O álcool, após evaporar, contribui para a massa ficar fofa

Preparo Na beira da lagoa, rale com a faca a mafish de forma que ela fique em pedacinhos e, em seguida, dissolva-a com o conhaque. Adicione a mistura preparada com a pirá moída e o queijinho em pó — que pode ser feita no dia anterior — até dar liga.

Consistência: a mesma da primeira massa: farofa, nem muito molhada, nem muito seca.

Dica: molhar levemente a massa na água, antes de arremessar, para evitar que se esfarele no ar devido ao atrito com o vento. Tamanho: coxinha Preço médio: 4 quilos = R$25

68

ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


MASSA TURBINADA Ingredientes - 2 quilos de massa “da boa” carnívora: trata-se de uma mistura pronta, muito eficiente em pesque-pague. Substitui a pirá - 250 gramas de queijinho em pó - 1 litro de licor de jenipapo. Encontrado em casas do Norte, o cheiro atrai o peixe - Variáveis (no lugar do licor de jenipapo): essências (líquidas), que vendem em casa de pesca, tais como queijo, goiaba, banana, milho verde, mel. Levar, no mínimo, cinco para testar qual o peixe está pegando mais

Preparo Misture bem os ingredientes e adicione o licor de jenipapo ou, como alternativa, coloque a essência líquida.

Consistência: a mesma da primeira massa: farofa, nem muito molhada, nem muito seca

Tamanho: coxinha Preço médio: 4 quilos = R$55

QUAL A SUA RECEITA? Existem incontáveis receitas de massas caseiras para fisgar os redondos em pesque-pagues. Mande sua receita para redacao@ grupoea.com.br

ecoaventura 69


é o bicho

A ECOAVENTURA flagrou um cateto de aproximadamente cinco meses de idade no rio Guaporé, afluente do rio Amazonas

Cateto:

o porco selvagem do colarinho branco

Parente do javali, da Europa, é um bicho que anda em bando e possui um cordão branco em volta do pescoço POR: DANI COSTA I FOTOS: INÁCIO TEIXEIRA I ARTE: glauco dias

U

distribuição pelo Brasil, o cateto sofre com a fragmentação de seu habitat e com a caça para consumo de sua carne. Longe da sua captura predatória, há, cada vez mais, a criação em cativeiro desse

ma cena presenciada com em-

moradas. O que ocorre normalmente é a pas-

bicho com objetivo econômico, por ser um

polgação, e uma pitada de apre-

sagem de um bando desse bicho, que gosta

importante recurso alimentar, além de possuir

ensão, especialmente na selva

de viver em grupo. Possui temperamento co-

couro de excelente qualidade.

amazônica, é a passagem dos

operativo, porém, sempre haverá um macho

catetos pelos pescadores, seja dentro de rios

dominante, o chamado macho alfa. Quando

ou pela terra. Esse é um porco-do-mato que

um membro é perseguido ou ferido, o resto

se espalha pela América: está presente do sul

do grupo pode apresentar agressividade e

Nome científico: Tayassu tajacu

dos Estados Unidos à Argentina, e nos mais di-

correr em sua defesa.

Nome popular: porco-do-mato, cateto, caititu, pecari

versos ambientes. Bem menor que um porco,

Alimenta-se de raízes, bulbos, fungos, fru-

o cinzento tem um colar de pelos brancos em

tos, sementes, ovos de aves e de tartarugas,

volta do pescoço, o que serve para diferenciá-lo

cobras, rãs, peixes e insetos. Apesar dessa

de outro porco-do-mato, o queixada.

variedade de paladar, sua dieta é predomi-

O cateto faz de moitas, fendas de troncos de árvores ou grutas sem umidade seu

nantemente vegetariana. Dados de centros de pesquisa em conser-

Biologia

Reino: Animalia Filo: Chordata Classe: Mammalia Ordem: Rodentia Família: Tayassuidae Habitat: florestas e cerrados

habitat. De tamanho mediano, possui vida

vação da vida selvagem classificam o cateto

Tamanho: pesa de 20 a 25 quilos, atinge altura entre 40 e 50cm e comprimento de 75cm a um metro

sedentária e não se afasta muito de suas

como espécie ameaçada. Apesar da ampla

Fontes consultadas Lawrence Ikeda, biólogo e gestor costeiro, e Juliana Junqueira Moreira, médica veterinária

70 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


[ meio ambiente I chumbo ]

Um peso ambiental

Você já pensou sobre os malefícios ambientais que um metal pesado, poluente, bioacumulativo e que se degrada de forma lenta, como o chumbo, causa nos meios naturais toda vez que você o perde durante as pescarias? Conheça as alternativas sustentáveis — e viáveis — estimuladas por países desenvolvidos para tirar da pesca esportiva o “peso” da degradação ambiental Por: Bárbara Blas e Janaína Quitério | Ilustração: Mila Costa | Arte: Tiago Stracci

E

m janeiro deste ano, o Projeto de Lei 4.076/2004 foi arqui-

apenas por provocar danos irreversíveis

vado pela Câmara dos Deputados e, junto com ele, a única dis-

ao meio ambiente como por ser capaz

cussão aberta sobre os malefícios causados pelos chumbos na

de causar envenenamentos em animais

pesca esportiva se dissipou da pauta governamental. De autoria

silvestres e seres humanos.

do então deputado federal Lobbe Neto (PSDB-SP), a proposta

No Brasil, o projeto suscitou polêmi-

proibia a fabricação, a comercialização e o uso de chumbo e

cas entre parlamentares e pescadores

seus derivados nos apetrechos de pesca em todo o território

esportivos, sobretudo com relação aos

nacional. Em contrapartida, estimulava a sua substituição por

custos de sua substituição por mate-

materiais que não causam danos ao meio ambiente.

riais alternativos. Foi principalmente

O tema foi inspirado em experiências internacionais

sob esse argumento que a Comissão de

advindas de países como os Estados Unidos, Canadá e

Desenvolvimento Econômico, Indústria

Inglaterra, que instituíram medidas legais para regula-

e Comércio da Câmara rejeitou a pro-

mentar ou coibir o uso desse metal tóxico, responsável não

posta sem levar em consideração a sua

72 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


relevância ambiental. “A proibição do uso da chumbada na pesca esportiva precisaria ser implantada aos poucos, mas muitos parlamentares não levaram em conta esse processo gradual, o que tirou a oportunidade de, no Brasil, serem feitas novas experimentações”, analisa o ex-deputado Lobbe Neto. Como a proposta não foi apadrinhada depois da conclusão de seu mandato, no final de 2010, a discussão — que se estendeu por sete anos — foi engavetada. E a questão segue órfã. ecoaventura 73


[ meio ambiente I chumbo ] Na água, o comportamento do chumbo varia de acordo com a temperatura, o pH, entre outros fatores. Ele pode ser encontrado temporariamente diluído ou, como é mais frequente, na forma de partícula, já que tende a reagir rapidamente com outras substâncias (argila, matéria orgânica, pode formar óxidos etc.) e se acumular no fundo do corpo d’água.

Em locais de água parada, deposita-se no fundo, e em água corrente, é transportado junto à substância que está associado até chegar a um local de pouco movimento, propício à deposição.

Se o despejo do chumbo for interrompido, outros sedimentos serão depositados e o metal ficará encoberto nas camadas inferiores, mas pode voltar para a água se a terra for revolvida.

O Prof. Dr. Denis Abessa pondera que não é possível afirmar que o risco de contaminação dos peixes de pesqueiros é maior, e avalia que são necessários estudos específicos, até porque é mais provável que os peixes se alimentem da ração e não de substâncias acumuladas no fundo

74 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


Riscos

mais contaminados ou mesmo quando engolem as chumbadas. É importante

Segundo o Prof. Dr. Denis Moledo de

lembrar que a água poluída afeta toda a

Souza Abessa, especialista em gerencia-

cadeia alimentar daquele corpo d’água.

mento costeiro e ecotoxicologia da Unesp

Isso significa que, se um pequeno peixe

(Universidade Estadual Paulista), o chum-

ingerir uma alga infectada, adquirirá

bo tem dois efeitos principais nos animais:

o chumbo e passará ao seu predador.

se penetrar nas células, pode lesionar

Quando um animal ou planta contami-

o DNA e, como consequência, causar a

nados morrerem, o metal voltará ao am-

morte da células, disfunção metabólica

biente junto à matéria orgânica, entretan-

ou induzir a um câncer — fatores potencial-

to, por ser um metal pesado, seu tempo

mente letais. Outra possibilidade é o metal

de decomposição é indeterminado.

ser metabolizado pelas enzimas da célula

A medida mais importante para tentar

que, ao fazerem o bombeamento para

reverter o estrago à natureza é cessar a

retirá-lo, ativam a produção dos radicais

fonte, ou seja, parar de despejar o chumbo

livres, que danificam as membranas e

na água. Desse modo, com o passar do

tecidos e podem, também, alterar o DNA.

tempo, outros sedimentos serão deposita-

“Moluscos, crustáceos e peixes são os

dos no fundo, o chumbo ficará encoberto

animais mais suscetíveis à contamina-

nas camadas inferiores e perderá o con-

ção, que ocorre não apenas pela inges-

tato com os organismos daquele habitat.

tão, mas também ao absorverem, pelo

Porém, o Prof. Denis alerta que, como o

contato, o chumbo dissolvido na água”,

chumbo não é facilmente destruído, se a

explica o Prof. Denis. As aves podem

terra for revolvida, o metal voltará a ter con-

adoecer ao se alimentarem de outros ani-

tato direto com animais, plantas e água.

Para o Prof. Dr. Élson Longo, no Brasil, ainda falta uma legislação mais rigorosa com relação ao uso do chumbo nos equipamentos de pesca Mudanças de paradigma País

Ano

Grã-Bretanha

1987

Baniu o uso de chumbadas que pesem menos de 28,35g

Canadá

1997

Editou norma que proíbe o porte de chumbo com menos de 50g em parques nacionais e em áreas de vida silvestre. Em 2004, a agência federal responsável pela proteção ambiental anunciou a intenção de proibir a fabricação, importação e comercialização de chumbadas

Estados Unidos

A partir de 2000

Medida Regulatória

Proibiram o uso de chumbadas em três refúgios nacionais de vida silvestre e no Parque Nacional de Yellowstone. Os Estados de New Hampshire, Maine e New York têm regulamentação que proíbe o comércio e o uso do chumbo na pesca

Fonte: “Consequências do uso do chumbo na pesca”, por Ilidia da A. G. Martins Juras. Biblioteca Digital da Câmara dos Deputados, 2006”

ecoaventura 75


[ meio ambiente I chumbo ] Alternativas Quem imaginaria que a combinação de argila, areia e pó poderia ser considerada de alta tecnologia para a pesca? Essa foi a alternativa ecologicamente correta encontrada pelos pesquisadores do Liec (Laboratório Interdisciplinar de Eletroquímica e Cerâmica) — que integra professores da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos) e da Unesp. A “chumbada ecológica”, fabricada pela empresa Tecnicer, de São Carlos-SP, é de cerâmica, ou seja, sua composição não é plástica nem metálica, como é o caso do grafite e da argila. “A ideia era encontrar a matéria-prima mais próxima à composição da terra para que não houvesse um impacto ambiental”, conta o Prof. Dr. Élson Longo, químico especialista em

A composição da “chumbada ecológica” é 30% alumina, 45% sílica, 15% ferro e 10% cálcio

materiais cerâmicos do Liec. À argila é acrescentada sílica, para dar consistência, e óxido de ferro para que seja obtida

zante. Embora seja um pouco maior que

barreiras, principalmente o preço elevado

uma densidade próxima à do chumbo.

o chumbo, a “ecológica” é utilizada da

de alguns componentes. Já no Brasil, a

Esse material é prensado e aquecido a

mesma maneira, além de ter a vantagem

“chumbada ecológica” foi pioneira e teve

quase 1.000 graus Celsius e vira uma

de enroscar menos nas estruturas.

boa aceitação, mas ainda carece de di-

pedra no formato de chumbada, capaz

No exterior, já existem substitutos ao

vulgação mais incisiva para que todos os

de ser manipulada sem desgaste. Para

chumbo, como bismuto, tungstênio, aço,

pescadores conheçam essa alternativa,

finalizar, é aplicado um impermeabili-

estanho e calcário. Entretanto, há algumas

bem como as disponíveis em outros países.

Preços comparativos EUA Material chumbo aço tungstênio latão zinco bismuto estanho plástico biodegradável cerâmica calcário

1/8oz (3,5g)

1/2oz (14g)

$0.08 $0.25 $0.11 indisponível $0.92 $2.83 $0.42 $1.00 indisponível (menor encontrado foi 1oz) indisponível (encontrado somente em jigs) indisponível (encontrado somente em split-shots) indisponível (encontrado somente em jigs) $0.21 $0.60 indisponível $0.42 $0.25 $0.60

BRASIL 5,25g 3,5 g 14g (3/16oz) R$0,21 R$0,07 R$0,05 R$15,75

R$4,50

R$0,22

R$0,08

R$4,12

Fonte: TSCA (Toxic Substances Control Act), eua, outubro/2010 Preços calculados por unidade

As “chumbadas ecológicas” são vendidas em cartelas ou por quilo com peso entre 4 e 100 gramas

76 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


histórico e Tendências do mercado de pesos na pesca esportiva* Tipo

Parcela do mercado em 1994

Parcela do mercado em 2010

supostamente < 85%

Mudança esperada para o futuro

Razão para mudança

chumbo

> 90%

aço

não havia no mercado pequena

tungstênio

segundo lugar após o aumento não havia no mercado em chumbo

substituto mais popular, performance superior ao chumbo

latão

pequena

pequena

redução

outros substitutos têm melhor performance, preocupação devido à toxicidade

zinco

pequena

muito limitada

redução

preocupação devido à toxicidade, difícil de encontrar no mercado

bismuto

muito pequena

não há mais no mercado

permanecer fora do mercado

substituto ineficiente

estanho

muito pequena

pequena

permanecer constante aplicabilidade limitada como substituto do chumbo

plástico

produto novo

muito limitada

incerto

a depender do desenvolvimento de novos plásticos

biodegradável não havia no mercado produto novo

aumento

barato, produto “verde”, bem visto pelos pescadores

cerâmica

não havia no mercado produto novo

incerto

depende do aperfeiçoamento do produto

calcário

não havia no mercado produto novo

aumento

barato, produto “verde”, bem visto pelos pescadores

FONTE: TSCA (Toxic Substances Control Act), eua, outubro/2010 *Projeção americana

redução

preocupação devido à toxicidade

aumento

mais barato que outros substitutos


[ gastronomia ]

Moqueca baiana O Esse prato tipicamente brasileiro — fruto de influência indígena, africana e portuguesa — pode ser preparado com quase todo tipo de peixe. Alguns recomendados são Merluza, Robalo, Pintado, Bagre e Cação. Aprenda, a seguir, o passo a passo para uma moqueca saborosa, colorida e sensacional! POR: barbára blas | FOTO: INÁCIO TEIXEIRA | ARTE: mila costa

78 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo

colorido formado pela combinação de

verde, vermelho e amarelo, o cheiro de tempero fresco levado ao fogo e o peixe

que dá água na boca são os destaques

da moqueca baiana. Com relação à di-

ferença entre ela e a capixaba, a tradicional do Espírito Santo não tem azeite de dendê — que é muito consumido no Nordeste — nem leite de coco e, por isso, possui sabor distinto.


Ingredientes (2 porções) • 300g de filé de peixe • 80ml de azeite de dendê • 130ml de leite de coco • ½ pimentão vermelho fatiado • ½ pimentão verde fatiado • ½ pimentão amarelo fatiado • 1 tomate fatiado • 1 cebola média (metade picada e metade em rodelas) • ½ maço de coentro • ¼ maço de salsinha • 1 limão • ½ dente de alho • 1 folha de louro • farinha de trigo (para empanar o peixe) • pimenta do reino, sal, pimenta vermelha (a gosto)

Modo de preparo Em uma panela (de preferência, de barro), coloque metade do azeite de dendê e deixe esquentar até ficar bem quente. Enquanto isso, tempere o peixe com pimenta do reino, sal e metade do limão. Empane o peixe na farinha de trigo e depois o frite rapidamente (cerca de 1 minuto) no fogo alto. Retire o peixe e reserve. Deixe o fogo baixo e coloque alho e cebola picados no azeite onde o peixe foi frito. Acrescente o louro, o restante do azeite de dendê e o molho de pimenta vermelha. Coloque os peixes novamente e faça camadas com os seguintes ingredientes: pimentões, cebola em rodelas, tomate, salsinha e coentro. Coloque a outra parte do limão espremido por cima e finalize com o sal. Tampe a panela por 15 minutos, o que é muito importante para que os ingredientes soltem o líquido que será o ‘molho’ da moqueca. Acrescente o leite de coco e tampe por mais 5 minutos. Finalize com coentro por cima para decorar. Caso queira tirar da panela e servir em outro recipiente, pegue a moqueca por baixo com a ajuda de uma espátula, pois ela não pode ser mexida. Coloque pimenta à mesa para ser acrescentada a gosto. Sirva com arroz branco.

Serviço Restaurante Zeffiro Rua Frei Caneca, 669, Consolação, São Paulo Tel.: (11) 3259-0932 www.zeffiro.com.br

ecoaventura 79


[ roteiro I rios amaz么nicos ]

80 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


Qual a melhor época? A dúvida que mais costuma incomodar quem planeja realizar uma pescaria inesquecível nos rios amazônicos é sobre a melhor época para viajar até lá. Com base em experiências anteriores, nosso consultor, Voitek Kordecki, aborda essa questão para você programar o período mais promissor para pescar os Tucunarés-açus texto e Fotos: voitek kordecki | Arte: Tiago Stracci

ecoaventura 81


[ roteiro I rios amazônicos ]

A

temporada de pesca ao Tucunaré-açu nos rios amazônicos é relativamente curta. Isso porque, na maior floresta tropical do mundo, o período de seca — época mais indicada para a realização de boas pescarias — dura seis meses, e o das chuvas, quando as fisgadas se tornam difíceis, outros seis. Mas a Amazônia é tão grande que essa realidade muda radicalmente de região para região. Um exemplo disso é o que ocorre nos rios cujo acesso é melhor a partir de Manaus — caso do Madeira e seus tributários, entre outros. Enquanto eles começam a apresentar boas condições já a partir de agosto, os programas de pesca que têm como ponto de partida a região de Barcelos ou de Santa Isabel, no alto rio Negro, só começam a ser viáveis a partir de dezembro. Ou seja: o ciclo de chuvas e secas são exatamente o oposto. Tucunaré-açu fisgado com isca de superfície

82 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo

Barco regional: simples, mas com grande vantagem — o baixo calado, o que permite entrar em lugares selvagens


Se você prefere rios nas caixas e lagos limpos, a melhor época é agora!

Em razão disso, é de se supor que temos uma temporada de seis meses de pesca na parte baixa (nas proximidades de Manaus) e outros seis na parte superior. Mas não é bem assim! No alto rio Negro, em função de fenômenos como o El Niño e La Niña, a temporada pode durar apenas quatro meses — ou até menos. E, como é exatamente o alto rio Negro e seus afluentes o destino mais desejado pelos aficionados dos grandes Tucunarés, vale considerar outro fator de relevante importância: é que, apesar de se estipular os meses nos quais a temporada começa e termina nessa região, no caso de final de setembro até março, fatores climáticos podem interferir nesse espaço de tempo e, assim, fazê-la começar mais tarde ou, no outro extremo, terminar mais cedo.

A superfície muito plana desse lago foi o primeiro sinal para uma pescaria excelente

ecoaventura 83


[ roteiro I rios amazônicos ] Experiências anteriores mostram que

excelentes condições de pesca nos afluen-

isso, seja preciso navegar dois dias a mais

quem opta pelo final da temporada, isto é,

tes da margem direita do rio Negro, como é o

que o normal com o objetivo de encontrar

entre fevereiro e março, tem obtido melho-

caso dos rios Aracá e Demeni, que enchem

os grandes Açus, que, nesse caso, estão

res resultados. Isso porque, em ano de La

mais tarde que os da margem oposta.

mais próximos às cabeceiras. Já quando

Niña (cheia forte), o melhor período é o final

Quando não ocorre repiquetes — mu-

ocorre o repiquete, o melhor é não subir

da temporada — entre fevereiro e março.

dança súbita no nível das águas —, subi-

muito esses rios, uma vez que a influência

Nos últimos anos de La Niña, conseguimos

mos mais os afluentes, mesmo que, para

desse fenômeno é menos acentuada.

Isca de hélice artesanal, excelente criação de Bruno Egawa

84 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


O momento mais agradável: despedida do grande Açu

Nos anos de seca (El Niño), tem sido mais

dos afluentes, mesmo com barcos de baixo ca-

é fundamental se certificar de todos

proveitoso do início ao meio da temporada (en-

lado. Sempre que possível, é preferível pescar

os aspectos que possam contribuir ou

tre setembro até novembro). Os peixes ficam

no início da temporada, pois, apesar de estar

complicar a qualidade da pescaria, em

mais ativos, as iscas artificiais de superfície —

sujeito às adversidades climáticas, a pressão

especial, devido ao fato de que muitos

em especial, as de hélices — são muito produ-

de pesca é infinitamente menor.

de nossos companheiros de pesca vêm

tivas. E, além de tudo, na seca, é praticamente

Nossa equipe dá preferência aos me-

impossível conseguir subir até as cabeceiras

ses do meio da temporada. Isso porque

da Europa — o que torna essas viagens muito dispendiosas. ecoaventura 85


[ roteiro I rios amazônicos ] DICAS No período de seca, as iscas de superfície são mais produtivas. Sobretudo, as de hélices e os modelos poppers com tamanhos entre 13 e 20 centímetros. É importante variar o trabalho dos modelos de hélices a cada novo arremesso — puxadas fortes, paradinhas e repicadas sempre são mais produtivas que manter um único trabalho.

Escolher entre o início, o meio ou o final da temporada tem seus prós e con-

Na cheia, as twitch baits (erráticas) são as mais eficientes. O trabalho mais lento com toque variado, ora curto, ora mais longo, mostra-se mais eficaz. As iscas de superfície modelos zara e stick com tamanho entre 10 e 13 centímetros também fazem grande sucesso, sobretudo quando trabalhadas de forma cadenciada com paradinhas, que é o mais indicado.

termos de quantidade ou de tamanho

mesmos rios é bem maior, entretanto,

de espécies.

salvo raras exceções, os rios e lagos

tras. Mas é claro que ter a perspectiva

Em resumo, o início da temporada

apresentam melhores condições de pes-

de encontrar os rios na caixa, com seu

apresenta o diferencial de haver poucos

ca. Já o final da temporada reúne os dois

nível estável, assim como os grandes

barcos-hotéis explorando a região. Em

aspectos negativos dos outros períodos

lagos com águas limpas e margens bem

contrapartida, corre-se o risco de encon-

citados, afinal, há grande quantidade de

delineadas, formam um conjunto de

trar o nível das águas ainda muito acima

barcos-hotéis espalhados pela região,

fatores favoráveis que é de vital impor-

do ideal. No meio da temporada, a quan-

e o risco de a chuva começar antes da

tância para uma boa pescaria, seja em

tidade de barcos disputando espaço nos

hora também é grande.

Tucunaré-açu fisgado com hélice

86 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


Este Açu roubou a isca da boca de um Tucunaré-borboleta

ecoaventura 87


saúde

O que o sol pode causar nos olhos? Assim como a pele pode ser danificada pelo sol, os olhos podem sofrer com a radiação

Foto: sxc/ Slavomir Ulicny

Por: Bárbara Blas | Arte: glauco dias

88 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


N

ão há consenso entre os

já que, segundo o Dr. Ricardo Japiassúm,

Paulo Schor, é preciso desmistificar a ideia

especialistas sobre quais

diretor da Sociedade Brasileira de Oftalmo-

popular de que o sol é um inimigo natural

doenças o sol pode causar nos

logia, “penetram quase que completamente

do olho. “Os olhos já têm várias proteções

olhos. O que se sabe é que ele

no interior dos olhos, o que causa desgaste

solares: a pálpebra bloqueia os raios UV

pode prejudicar sua saúde devido à radiação

das estruturas intraoculares, em especial da

fisicamente; a córnea reflete uma parte da

ultravioleta (UV) — ondas eletromagnéticas

retina e do cristalino”.

luz visível, a vitamina C absorve radicais

não visíveis que fazem parte da luz solar [veja

Entretanto, para o vice-chefe do De-

livres e não deixa que danifiquem a parte

quadro]. Classificada em UVA, UVB e UVC,

partamento de Oftalmologia da Unifesp

interna do olho; e o cristalino absorve parte

as duas primeiras é que causam lesões,

(Universidade Federal de São Paulo), Dr.

da radiação ultravioleta”, explica.

Espectro eletromagnético As ondas eletromagnéticas são classificadas de acordo com seu comprimento em um esquema chamado de espectro eletromagnético. Nele podemos identificar a radiação ultravioleta, cujos comprimentos de onda são menores do que a da radiação visível.

nm*

Comprimentos de onda maiores

800

Ondas Elétricas

400 UV-A

Ondas de Rádio Infravermelho

nm*

Visível

UV-B

400

320 280

Visível Ultravioleta

Ultravioleta UV-C

Raio X Comprimentos de onda menores

Raio Y Raio Cósmicos

100 100

*O nanômetro, equivalente a um bilionésimo do metro, é uma unidade muito utilizada para medir o comprimento de onda.

ecoaventura 89


saúde

Músculo

Íris

Retina Córnea Mácula

Nervo óptico

Pupila Vítreo

Cristalino

Consequências aos olhos

Esclera

Vale a pena citar o câncer de pál-

carcinoma basocelular, como é chama-

pebra, pois, embora não faça parte da

do na linguagem médica, é benigno,

estrutura ocular interna, trata-se de um

mas cresce e deforma a pálpebra. Tanto

te se relacionam à exposição solar, há

importante protetor dos olhos que pode

óculos de sol quanto filtro solar ajudam a

consenso de que o pterígio é uma delas.

ser lesado pela radiação ultravioleta. O

proteger contra esse câncer.

Entre as doenças que possivelmen-

Conhecido popularmente como “carne crescida”, trata-se do desenvolvimento de uma pequena pele na esclera, ou branco dos olhos, que se inicia no canto e pode avançar em direção à pupila. Provocado também por outros fatores, como secura e vento, ocorre frequentemente na região do Equador devido às altas temperaturas. Porém, o Dr. Paulo ressalta que é preciso ter uma predisposição genética além do fator ambiental. Outras enfermidades como a catarata (opacificação do cristalino, que diminui a visão) e a degeneração macular relacionada à idade (a área central da retina, chamada mácula, é afetada com mais frequência a partir dos 60 anos de idade) ainda estão sendo estudadas e há divergências sobre a relação delas com a exposição ao sol.

90 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo

Pterígio


Óculos de sol

e de grau na mesma armação com proteção ultravioleta, mas elas não clareiam

e modelos de óculos de sol. Os polarizados diminuem a luz refletida da água, bem

como as incolores e não escurecem como os óculos escuros. Ainda que a maioria dos especialistas

como de outras superfícies como vidro, e,

recomende utilizar óculos de sol, o Dr.

por isso, são confortáveis e ótimos para

Paulo afirma que não há nenhum estudo

pescarias. Por outro lado, eles bloqueiam

médico que comprove a eficácia de seu

menos a luz que incide diretamente do sol

uso na prevenção de doenças: “Parte-se

no olho do que os óculos escuros comuns,

do princípio de que o olho não precisa de

que impedem a passagem de uma parte

mais proteção além das já existentes”.

da luz vinda de todas as direções. Essa

Para ele, os óculos de sol aliviam o incô-

razão faz com que o Dr. Ricardo recomen-

modo da luz e protegem as pálpebras,

de as lentes escuras com proteção UVA

mas não dentro dos olhos.

e UVB em vez das polarizadas, além de

Como não há estudos conclusivos e

chapéu ou boné para proteger o pescador

pelo fato de a camada de ozônio — que

da incidência direta dos raios durante

absorve grande parte da radiação para

exposições prolongadas.

que não chegue à superfície terrestre

Outros tipos de lentes interessantes

— estar sendo destruída, incorporar

são as fotocromáticas e fotossensíveis,

os óculos de sol à rotina não é desper-

que mudam de cor de acordo com o

dício. Nas pescarias, o uso também

ambiente: tornam-se escuras durante a

é aconselhado porque protege contra

exposição solar e claras em ambientes

outros fatores (vento e ciscos, por

internos, em dias pouco iluminados e à

exemplo) e ajuda a evitar acidentes

noite. Sua vantagem é unir óculos de sol

com anzóis e chumbadas.

Foto: Inácio Teixeira

Atualmente, há diversos tipos, marcas

Nas pescarias, os óculos protegem contra vento, ciscos, anzóis, chumbadas etc.

Lentes polarizadas

Lentes fotocromáticas

Foto: sxc/ Leo Cinezi

Fotos: sxc/ Paweł Zawistowski

Lentes comuns

ecoaventura 91


vitrine Fishfinder Garmin echo™

R$999,99

com 10% de desconto para pagamento à vista* Marca: Garmin Modelo: echo™ 300c Características: é projetado para fazer a captura de peixes de maneira mais prática, com possibilidade de utilizar durante o dia e à noite. Proporciona uma visão ininterrupta da imagem, pois possui uma Escala Suave™, o que não permite a perda do histórico do sonar com a alteração da profundidade. Tecnologia Garmin HD-ID™ / 300 watts (RMS) de potência de transmissão / profundidades de 1.500 pés (457m) / largura de feixe de 120 graus / dispositivo com tela de 3.5 polegadas colorida com visualização contra o sol / inclinação / rotação do suporte, transdutor, trolling de motor e clamp de painel *10 unidades no estoque, mas há possibilidade de pedido com entrega em 2 dias. Pode haver mudança de preço sem aviso prévio

LANÇAMENTO

Onde comprar: GPS Aventura Tel.: (11) 3938-8978 / 3433-8909 / 8273-8978 www.gpsaventura.com.br

Jig caribe

R$11,30*

OFERTA

Características: jig de penacho anzol 6/0 19g várias cores *enquanto durar o estoque Onde comprar: Ermanay Tel.: (11) 3312-5600

Banqueta country giratória com regulagem

R$190*

Marca: Decorarte Características: banqueta estilo country adequada para bar ou decoração. Confeccionada em ferro, assento em madeira demolição dimensões do assento: 35 x 35cm encosto: 22cm regulagem de altura: 50 a 75cm *30 unidades no estoque ou qualquer quantidade sob encomenda. Oferta válida para os meses de dezembro/2011 e janeiro/2012 Onde comprar: Decorarte – móveis em ferro & mosaicos Tel.: (11) 4781-5788 / 4778-1489 www.decorarte.art.br

OFERTA

92 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo


OFERTA

Conjunto vara, carretilha e linha

R$732,55*

Características: Vara Redington modelo Crosswater 6WT 9.0” 4 partes. Não é acompanhada pelo tubo original e possui garantia eterna de fábrica Carretilha Ross Reels modelo Flyrise 2 para linhas 4-5-6 Linha Scientific Anglers modelo Supra Superior Fly Line 27m * 2 conjuntos no estoque ou sob encomenda. Oferta válida para o mês de dezembro/2011 Onde comprar: Fly e Cia Tel.: (11) 2429-8004 / 2429-8005 www.flyecia.com

Motor de popa

R$55.000*

Marca: Yamaha Modelo: F300 Características: desenhado para ambiente offshore, esse leve e potente motor V6 apresenta avançada tecnologia, a máxima eficiência de combustível e fácil ignição / motor com 24 válvulas / DOHC (Comando de Válvula Duplo no Cabeçote) / EFI (Injeção Eletrônica de Combustível) / Comando de Válvulas Variável / controle eletrônico driveby-wire (sem cabo de aço), que permite controle mais suave e preciso / cabeça do motor inclui novas camisas dos cilindros revestidos em plasma fundido, o que permite uma maior cilindrada sem aumento do motor / paredes leves e 60% mais fortes do que as equivalentes em aço *produto em fase final de testes. Comercialização prevista para abril/2012

LANÇAMENTO

Onde comprar: nas concessionárias autorizadas Yamaha em todo o Brasil www.yamaha-nautica.com.br

Fit Over Polarizado

R$165*

Marca: JF Sun Características: armação em TR90 — material mais leve e super resistente. Lentes polarizadas que eliminam completamente o reflexo e a luminosidade do sol, o que oferece conforto e bem-estar. É eficiente e funcional para pessoas que utilizam óculos de grau, pois se encaixa perfeitamente sobre a armação. Acompanha estojo, flanela e garantia

LANÇAMENTO

*1.200 unidades no estoque Onde comprar: JF Sun Tel.: (13) 3323-7252 www.jfsun.com.br

ecoaventura 93


radar debate turismo de natureza e de pesca

esportiva

A segunda edição do Conatus (Congresso de Natureza, Turismo e Sustentabilidade), que aconteceu entre os dias 23 e 27 de outubro, em Cuiabá-MT, levantou discussões sobre o turismo de natureza e o de pesca no Brasil. Na apresentação das experiências temáticas, os destaques foram para o turismo de observação de baleias realizado na Bahia, o rafting e turismo de Santa Catarina e o turismo de base comunitária realizado na Amazônia. Com a temática do uso público em unidades de conservação, os debatedores também evidenciaram as ações necessárias para os parques do Brasil terem trilhas de longo curso e a diversificação do uso público nos parques estaduais. Já sobre o turismo de pesca, foram discutidos o da Amazônia mato-grossense; alguns problemas comuns no turismo

Congresso de Natureza, Turismo e Sustentabilidade

de pesca no Pantanal; as ações do Ministério Público Estadual de MT voltadas ao turismo de pesca e o futuro da pesca esportiva no Brasil.

A TPM que alivia o estresse! Nada atrapalhou o desempenho das

tos de chuva forte. No dia 15 de outubro,

com as Mulheres), que exige a presença de

mulheres na pesca esportiva, mesmo em

na baía de Guaratuba-PR, 30 equipes

mulheres em cada grupo de pescadores.

dia nublado, de garoa fina e vários momen-

participaram do TPM (Torneio de Pesca

A competição, realizada pelo Clube Attack de Pesca Esportiva sob coordenação da Loba do Mar Eventos, foi totalmente planejada para atender as mulheres. Embora o programa possa ser considerado “light”, enganam-se aqueles que pensam que não houve empenho. Na água, rolou muita disputa e técnica na busca dos melhores Robalos com iscas artificiais. Prova disso foi que mais de 80% dos barcos fecharam a cota de pesca, e ainda foi conquistado um raro troféu — que levou a dupla da embarcação Aces High ao lugar mais alto do pódio com nada menos que um

foto: tpm

Robalo-flecha de 7,950kg.

94 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo

Na cerimônia de premiação, houve A dupla vencedora Ana Clara e Fabio Lie

sorteio de brindes exclusivamente femininos, claro!


Privatização de parques nacionais? O Ministério do Meio Ambiente estuda maneiras de modernizar a gestão de unidades de conservação do País, o que abre precedente a concessões de serviços ou mesmo parcerias público-privadas para a privatização de parques. O intuito é aumentar a visitação turística e, assim, duplicar o orçamento por hectare. Uma proposta oficial desse estudo deve ficar pronta no primeiro semestre de 2012, e os primeiros parques a Jericoacoara e Ubajara, no Ceará, e os de Sete Cidades e da Serra das Confusões, no Piauí. Há, ainda, a possibilidade de estudo de privatização dos parques de Fernando de Noronha-PE, Anavilhanas-

Parque de Fernando de Noronha-PE

-AM e Lençóis Maranhenses-MA.

MPA divulga período de defeso O site do Ministério da Pesca e

período de defeso favorece a sustenta-

indicados os estados, as regiões ou as

Aquicultura divulgou uma tabela com

bilidade do uso dos estoques pesquei-

localidades onde ele deve ser observado.

o período de defeso no Brasil, que vai

ros e evita a pesca quando os peixes

As espécies de peixes, crustáceos e mo-

de outubro de 2011 a fevereiro de 2012.

estão mais vulneráveis à captura, por

luscos contempladas são mencionadas

De acordo com o MPA, “o defeso é uma

estarem reunidos em cardumes”.

pelo seu nome popular e científico.

medida que visa proteger os organis-

Os pescadores artesanais, industriais

mos aquáticos durante as fases mais

e esportivos podem conferir o defeso de

críticas de seus ciclos de vida, como a

espécies continentais, marinhas e ainda

época de sua reprodução ou ainda de

de áreas de transição. Também são

Basta acessar (www.mpa.gov. br/#pesca/periodos).

ilustração: tiago stracci

seu maior crescimento. Dessa forma, o

ecoaventura 95

Foto: wilson feitosa

participarem da experiência serão os de


radar II Encontro Anepe No dia 26 de outubro, a Associação Nacional de Ecologia e Pesca (Anepe) realizou seu II Encontro na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. A instituição, que visa reunir e representar toda a cadeia produtiva da pesca esporFoto: José Antônio Teixeira

tiva, recebeu, no evento, o Secretário de Monitoramento e Controle da Pesca e Aquicultura, Américo Ribeiro Tunes, que representou o Ministro da Pesca e Aquicultura, Luís Sérgio Nóbrega de Oliveira; o Deputado Fernando Capez; o Prof. Dr. Alberto Ferreira de Amorim, pesquisador científico do Instituto de Pesca de São Paulo, conselheiro da ONG Vivamar e

mento do setor em harmonia com o meio

a instituição tem feito uma interlocução

representante da Billfish Foudation no

ambiente. “Nós temos desenvolvido vá-

com os governos federal, estaduais e o

Brasil — que fez uma palestra sobre seu

rios projetos para suscitar a consciência

tagueamento de peixes a fim de trazer

estudo dos peixes de bico —, entre outras

de que precisamos criar áreas específicas

dados científicos de que o pesque e solte

autoridades e representantes do setor.

ao pesque e solte e à pesca esportiva

funciona e é uma grande alternativa.

O tema “Pesca esportiva — Instru-

para preservarmos o estoque pesqueiro,

“Para o futuro, esperamos que a pesca es-

mento de Conservação Ambiental e de

aumentar o tamanho e a quantidade dos

portiva seja reconhecida como segmento

Desenvolvimento Econômico Sustentá-

peixes e, consequentemente, ampliar o

importante que gera renda e emprego,

vel” proporcionou uma breve explanação

turismo”, declarou o presidente da Ane-

que possa ser legitimada pelos governos

sobre as principais ações da Anepe, além

pe, Helcio Honda, em entrevista à ECOA-

e, com isso, tenhamos um crescimento do

do incentivo a parcerias para o cresci-

VENTURA. Para alcançar esses objetivos,

setor”, complementa.

Banco de imagens marinho ca, estágio de vida e geolocalização. O acesso é gratuito pela internet, e a

localizado em São Sebastião, no litoral

consulta pode ser feita em língua por-

norte de São Paulo, lançou o site Cifo-

tuguesa e inglesa. Ao todo, são 11 mil

nauta (www.cifonauta.cebimar.usp.br),

imagens de seres marinhos de cerca

que reúne fotos e vídeos de pesquisas,

de 300 espécies brasileiras e de outras

além de informações sobre cada um

regiões do mundo. A ideia de criar o

dos organismos marinhos do arquivo

Cifonauta foi dos biólogos Álvaro Mi-

on-line com classificação taxonômi-

gotto e Bruno Vellutini.

96 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo

Foto: fac-símile do site

O Cebimar (Centro de Biologia Marinha da Universidade de São Paulo),


[ ecoaventura mirim ]

pe

l e e n d d a a i s r a c s Por: Janaína Quitério | Ilustração: Mila Costa

Nossa, pai, acho que peguei um monstro!

Yuri, fala para o seu pai tomar cuidado! É a sereia Iara. Dizem que ela leva pescadores para o fundo das águas...

Ô, dona Iara, vá cantar para outro pescador, porque este já está amarrado!

FIM

ecoaventura 97


classificados

0

9 9,

da

ca

] [

$1

cie

Anun

aqui

R

nuncio_pequeno.indd 1

Ligue: (11) 3334-4361 comercial@grupoea.com.br (11) 3334 4361

11/11/2011 15:08:55


Panamá

para aqueles que querem pegar mais de 40 espécies diferentes

Madagascar para aqueles que querem mais de 50 espécies

Contato: Roberto Véras tel. (11) 3334-4361 cel. (11) 8511-4238 e-mail. rveras@grupoea.com.br

Para saber mais, conhecer

outros destinos e reservar www.ecoaventuratour.com.br


Revista ecoaventura edição 26  

Revista ecoaventura edição 26

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you