Issuu on Google+

9 7 72 2 3 8 7 4 2 0 0 7

ISSN 2238-7420

www.revistadue.com.br . 2015 - Vol. 19 - Ano 05

Without Label Solidão coletiva * Cidades inteligentes * Ideologia de gênero Sexo na era pós-ignorância * Aplicativos para viajantes * Carreira


CARTAAOLEITOR

Q

uando eu cortei meu cabelo bem curto e raspei a lateral da cabeça, ganhei fama de lésbica em alguns corredores. Caso fosse, eu não seria menos feliz por isso. Sou muito bem resolvida com minhas escolhas pessoais e profissionais, mas não sou lésbica, e o rótulo, por ter sido atrelado a um simples corte de cabelo, me incomodou. Não por ser comparada, mas por ver um julgamento primário, ignorante e infeliz ganhar força. Outro dia, ouvi uma amiga dizer que as pessoas “transgênicas” sofriam muito. Ela estava se referindo aos transgêneros. Achei tão engraçada quanto triste a constatação de que pouco sabemos sobre os novos desdobramentos e nomenclaturas de gênero. Noutra manhã, ao me servir com seu revigorante suco verde, minha vó me presenteou com a leitura da revista Canção Nova sobre ideologia do gênero e o posicionamento da igreja. Me deixou pensando muito sobre o assunto. Na mesma época, um amigo resolveu assumir sua orientação sexual e foi expulso de casa. Imaginei que isso nem mais existia, afinal estamos no século 21, até o Papa, que representa a instituição mais conservadora do mundo, defende que somos todos filhos de Deus. As quatro situações acima, e mais tantas outras que vivencio e assisto cotidianamente, me inspiraram para dedicar uma edição da minha revista para o tema SEM RÓTULOS. Começando com um glossário para que o leitor entenda a diferença entre transgênero, cisgenero, transexual e tantas nomenclaturas que ainda nos confundem, e inserindo temas como ideologia do gênero, pós gênero e até relatos de transsexuais alagoanas. Somos a primeira revista do estado a estampar em sua capa, sem rótulos, pessoas com orientações diferentes, não menos iguais ou dignas do que a minha ou a sua. No fim das contas, somos todos seres humanos. Cheios de erros, de qualidades e infinitas imperfeições. Antes de julgar, reflita. É muito fácil ser pedra, mas o bom é ser vidraça. Frágil, porém transparente, assim como nossa pauta e ousadia. Essa revista foi feita para você que luta por respeito e igualdade. Essa revista também foi feita pra você, que reconhece ser leigo e aceita o desafio do conhecimento e esclarecimento. Essa revista foi feita pra você, que já entendeu que quem tem conteúdo, tem tudo.

Seja bem-vindo e boa leitura!

@valnadantas

Valná Dantas / Editora-chefe

SIGA Sempre pesquise por Revista Due

EXPEDIENTE

INFO

Diretora Executiva Célia Souza

Fale conosco: valna.dantas@ revistadue.com.br / +55 (82) 99618.1110

Diretor Comercial Velkenner Dantas Editora-Chefe Valná Dantas Editor Gráfico Raphael Araujo Revisão Karlisson Monteiro Impressão Gráfica JB

A Revista Due não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos assinados e conteúdos incluídos em seus anúncios. Pessoas e empresas que não constam no expediente, exceto agências de publicidade, não possuem autorização para falar em nome da revista.

Receba em casa, através de assinatura: www.revistadue.com.br


BLOG: www.revistadue.com.br/blog VERSÃO DIGITAL: www.revistadue.com.br/revista

NAREDE

@Raphadoisreais

@Isavieira31

@Dsmaceio

@Dollminando

@Alphazema_restaurante

@_imersaosystem

@Ioneomena

@Karineportos

Para ver a sua foto publicada aqui, siga a @RevistaDue e marque as imagens de sua autoria com a hashtag #eutenhoconteudo.

@Pedro_trindade

VEJAMAIS

COLABORADORES Anthony Campos Camila Alves Célia Souza Cristiane Salgado Fábio Mariano Borges

Fernanda Toyomoto Flávia Motta Gabrielly Argolo Geórgia Barbosa Geová Amorim

Isabela Vieira Junior de Assís Laís Moraís Lívia Buarque Mayara Correia

Nanda Gomes Natália Belém Paulo Higor Nunes Raíssa França Vitor Luz


PRATELEIRA Travel

07

Lifestyle

25

Fashion

69

Health

95

Society

115

Hospedagem Intercâmbio Tecnologia Europa

Educação Música Carreira Tendência Comportamento

Editorial Moda Beleza

Voz Corpo Mente Vinho Nutrição Receitas Dicas de Nutrição Opinião Destaques alagoanos Eventos Due apresenta

Capa Styling: Meire Anne Retouch: Pedro Fonseca Fotografia: Paulo Higor Nunes Assistente de fotografia: André Ferreira Beleza: Érika Lins/Washington Barros Modelos: Joseph Alves, Márcia Lima e Fabi Oliveira

62


TR AVEL #quesejadoce


Foto: Divulgação

Hospedagem

08

revistadue


ONDE VOU ME HOSPEDAR? ENTENDA A DIFERENÇA ENTRE HOTEL, HOSTEL, POUSADA, RESORT E FLAT Por Vitor Luz

revistadue

09


Resort

F

azer uma viagem personalizada, divertida e econômica exige conhecimento e boas opções. Quando pensamos em relaxar e sair da rotina, uma viagem está na lista de prioridades, porém algumas dúvidas podem surgir na hora de escolher a hospedagem. Ainda não existe uma regulamentação internacional que apresente as diferenças entre as variadas opções de hospedagem, mas o Brasil encontrou uma maneira de colocar ordem na casa. O Ministério do Turismo, em conjunto com o Inmetro e a Sociedade Brasileira de Metrologia, criou o Sistema de Classificação de Meios de Hospedagem (SBClass), que permite que o turista tenha os serviços adequados de acordo com o que foi contratado.

Foto: Divulgação

Hotel Os hotéis possuem uma característica especial para que os turistas tenham um alojamento temporário, seja ele com ou sem alimentação. Nesta opção, também pode ser encontrado o serviço de recepção e ofertas de quartos, que podem ser individuais ou até para grandes famílias. As acomodações possuem cama, armários, televisão, frigobar e banheiro privativo ou compartilhado, de acordo com as condições do hotel. Para classificar sua qualidade, normalmente é utilizada uma escala de uma a cinco estrelas. Uma pesquisa mundial detectou quais são os serviços mais va10

revistadue

Hostel

lorizados pelos hóspedes. Os clientes de hotéis consideram o café da manhã e wi-fi como as cortesias mais importantes durante a estadia.

Pousada Essa opção tem um pouco dos serviços do hotel, pois o turista vai encontrar alimentação, recepção, entre outros. Ela se caracteriza por sua construção horizontal, com 30 unidades habitacionais e 90 leitos, podendo ser divididos em um prédio único ou em até três pavimentos. Algumas opções são compostas por chalés e bangalôs, sendo classificadas também de uma a cinco estrelas.

Hostel Quando se fala em viajar pelo mundo, essa é a forma preferida dos mochileiros, pois oferece a possibilidade de descansar pagando um preço mais acessível. Um hostel pelo estrangeirismo, frequentemente conhecido como albergue. Nessa acomodação, os quartos podem ser coletivos, para homens, para mulheres ou mistos. Aqui, os banheiros podem ser compartilhados ou privados. Uma das grandes vantagens de ficar em hostel é o contato com pessoas do mundo inteiro, que dividem a área de convivência do local, que, em geral, é o espaço com wi-fi, sala de jogos, de filmes, bar e muita música.


Pousada

Resort Quando falamos desta categoria, devemos imaginar um hotel com uma grande infraestrutura e com ampla área de entretenimento. Dentre seus serviços disponíveis estão estética, recreação, atividades físicas e a possibilidade de um convívio direto com a natureza. As acomodações variam das mais simples até as mais elegantes, sua avaliação de estrelas fica entre quatro e cinco. É uma das melhores opções para famílias, pois a estrutura oferece lazer em abundância para crianças e opção de tranquilidade para os que buscam descansar.

Flat ou Apart Hotel Apart-hotel é um prédio de apartamentos com serviços de hotelaria, tais como refeitório, lavanderia, entre outros. Essa opção é para aqueles que curtem uma boa viagem, mas não abrem mão do conforto de casa. Esses “apartamentos” contam com dormitório, banheiro, sala e cozinha equipada. As diárias podem ser um pouco mais caras, mas se for por temporada, o valor final pode ficar mais acessível. As classificações deles também variam de três a cinco estrelas. É uma boa opção para quem vai ficar mais tempo, para quem prefere preparar suas próprias refeições e para quem vai dividir o custo com outras pessoas.

Hotel

O turismo no Brasil O mercado turístico brasileiro registrou em 2014 um faturamento de R$ 11,9 bilhões, valor 6,7% superior ao apurado em 2013, segundo dados divulgados pela Associação Brasileira das Operadoras de Turismo - Braztoa, que compila vendas de associadas que representam estimados 90% dos pacotes comercializados no país. O número de viajantes aumentou de 1,9% com relação ao período anterior, resultando em seis milhões de passageiros embarcados. No Brasil, o Nordeste representou 54,2% do faturamento das viagens domésticas, região seguida pelo Sudeste, com 20,4%, e pelo Sul com 14,1%. As regiões Norte e Centro-Oeste tiveram juntas 11,3% do faturamento do setor. A preferência por viagens com tempo de duração entre cinco e nove dias predominou no turismo brasileiro, sendo a opção de 52% dos turistas, escolha seguida pela das viagens com duração maior que 10 dias (31% dos pacotes). O tempo de antecedência da compra em até três meses foi adotado por 56% dos clientes, enquanto outros 27% adquiriram pacotes de viagens com maior antecedência, de três a seis meses. Portanto, viajar de forma inteligente e programada é uma opção saudável para sair da rotina, manter a qualidade de vida e conhecer novas culturas. revistadue

11


Para diferentes estilos, ocasiões e paladares

Almoço Executivo. Reunião de Negócios. Encontro com amigos.Lanches leves. Jantar ou Sobremesas incríveis.

KappuccinoGourmet @kappuccino_gourmet

Rua José Pontes de Magalhães, Jatiúca,82. Por trás do antigo Meliá. Rua do Massarela. +55 82 3432.2008


Intercâmbio

Por Fernanda Toyomoto

Foto: Acervo pessoal

INTERCÂMBIO VOLUNTÁRIO EXPERIÊNCIAS HUMANITÁRIAS EM OUTROS PAÍSES, ALÉM DE ENRIQUECEREM O CURRÍCULO, NOS AJUDAM A TREINAR UM NOVO IDIOMA E NOS FAZEM VER O MUNDO DE OUTRA FORMA 14

revistadue


J

á pensou em conhecer lugares incríveis e ao mesmo tempo causar um impacto positivo na sociedade? Há menos de um mês, embarquei para um intercâmbio voluntário de sete semanas na Argentina. Experiências humanitárias em outros países, além de enriquecerem o currículo, nos ajudam a treinar um novo idioma e nos fazem ver o mundo de outra forma. Malas prontas, hora de partir para Mendoza, na Argentina, para trabalhar na área de comunicação em um hospital público, dedicado à saúde mental. Problemas relacionados à saúde mental são os que mais crescem no mundo e, ainda hoje, são considerados um tabu na sociedade. Minha tarefa no hospital é desmistificar um pouco a doença. Um dos maiores problemas enfrentados é a aceitação da família e do paciente ao receber o diagnóstico, o que dificulta o tratamento. A maior parte dos pacientes possui doenças como depressão, esquizofrenia e vícios químicos, sendo vistos, muitas vezes, como loucos pela sociedade. Estar em contato direto com essas pessoas me ensinou que louco é aquele que se fecha e olha somente para si, não percebendo o quão ricas são as diferenças. A cada dia, os pacientes mostram o valor de um sorriso, de um abraço, e me conquistam pela sua forma de ser. Experiências como essa nos fazem sair da zona de conforto e nos ensinam a lidar com as diferenças. No primeiro dia de trabalho, recebi um cartaz escrito “Bienvenido voluntaria” (Bem-vindo, voluntária), desenhado com muito carinho por uma das pacientes. Como uma pessoa que não me conhecia poderia estar tão feliz ao me ver? Foi então que percebi o valor da palavra solidariedade e o respeito à diversidade. Para mudar o mundo, precisamos mudar nós mesmos antes. Novas experiências ajudam a quebrar paradigmas e estereótipos, onde nossa zona de conforto é colocada em cheque, e nada mais motivador do que se auto desafiar em prol de uma causa maior. Ficar sete semanas fora de casa, morando com alguém desconhecido, sem luxo e sem conhecer ninguém, parece um tanto assustador, certo?! Acredite, é uma das melhores escolhas que podemos fazer. Outra vantagem do intercâmbio social é o contato com outras culturas, o que nos torna mais flexíveis à mudanças e contribui para desenvolrevistadue

15


“ESTAR EM CONTATO DIRETO COM ESSAS PESSOAS ME ENSINOU QUE LOUCO É AQUELE QUE SE FECHA E OLHA SOMENTE PARA SI, NÃO PERCEBENDO O QUÃO RICAS SÃO AS DIFERENÇAS.” vermos uma habilidade importante, que é a adaptação ao novo, aptidão necessária ao enfrentar, por exemplo, uma situação de crise. Embarquei nesse desafio sem saber ao certo onde eu moraria e o que eu encontraria na minha chegada, uns diriam que é loucura, mas em tempos de crise econômica, autoconhecimento é algo essencial. Estou hospedada na casa de uma jovem sonhadora, Belen Barbieri, 20 anos, também voluntária do hospital, que além de estudante, trabalha aos finais de semana para ajudar a pagar os estudos. Ela, quatro anos mais nova do que eu, me recebeu de coração e braços abertos em sua casa, onde cuida de mim como se fosse uma mãe, por livre e espontânea vontade, sem ganhar nenhuma recompensa financeira em troca. Trabalhar como voluntário é como plantar uma sementinha do bem, onde pessoas ajudam outras pessoas. É se autodescobrir, enfrentar os nossos maiores medos e descobrir um universo gigante a nossa volta, com infinitas possibilidades. As áreas de atuação atendem um campo bastante vasto, desde trabalhos voluntários com crianças à reservas de animais selvagens, onde se pode trabalhar com comunicação, marketing, administração, engenharia, psicologia e até medicina. Os valores dos pacotes de intercâmbio social são bastante atrativos, um intercâmbio, por exemplo, para a América do Sul, de sete semanas, com acomodação e refeições, custa a partir de R$ 1.300,00, as passagens áreas, seguro viagem e viagens locais não estão inclusas. Esses programas de intercâmbio social possuem dias de trabalho previamente estabeleci16

revistadue

dos, geralmente durante a semana, em período integral ou meio período, com finais de semana livres para viajar. Os programas podem durar até um ano e também podem ser combinados com cursos de idiomas. Para quem pretende embarcar nesse desafio, um dos requisitos é o desejo de mudança aliado à responsabilidade. É preciso entender que é um trabalho sério, que exige dedicação, não é como um turismo comum. Estar preparado para enfrentar diversas situações também é fundamental, pois necessitamos nos adaptar a uma realidade, muitas vezes, diferente da nossa. A diferença se torna evidente em situações como a do meu amigo Jakub Slejska, 19 anos, da República Checa, também voluntário. Ele viu um condomínio fechado pela primeira vez na vida e sua expressão era de indignação ao ver pessoas morando em casas cercadas por um muro com cercas elétricas. “Eu já tinha lido sobre condomínios fechados, mas nunca tinha visto, no meu país deixamos a porta de casa aberta”, comenta Jakub. Experiências como essa nos tornam mais humanos e nos fazem entender melhor sobre o mundo. Essa diversidade nos ajuda a pensar e agir em prol de um futuro melhor, onde a mudança no mundo deve partir de nós.

“ESSES PROGRAMAS DE INTERCÂMBIO SOCIAL POSSUEM DIAS DE TRABALHO PREVIAMENTE ESTABELECIDOS, GERALMENTE DURANTE A SEMANA, EM PERÍODO INTEGRAL OU MEIO PERÍODO, COM FINAIS DE SEMANA LIVRES PARA VIAJAR. PODEM DURAR ATÉ UM ANO E TAMBÉM PODEM SER COMBINADOS COM CURSOS DE IDIOMAS.“


Tecnologia

Por Valná Dantas

APLICATIVOS E DE VIAGEM

Foto: Divulgação

stá com alguma viagem marcada e deseja economizar, facilitar e otimizar o planejamento e diversão no seu destino? Então sai do sofá, ele até pode ser literário, mas você pode ter ótimas surpresas em uma viagem. Logo, não deixe de conferir esta lista de aplicativos antes de fazer as malas.

Trip Advisor

CONHEÇA ÚTEIS COMPANHEIROS PARA VIAJANTES 18

revistadue

Uma das maiores ferramentas da rede, o aplicativo reúne dicas, roteiros, hotéis, restaurantes e passeios, além de avaliações de pessoas que já estiveram no local, podendo ser em qualquer


lugar do mundo. O usuário tem a possibilidade de classificar as informações e também dar sua opinião em cada página escolhida por ele. O app também auxilia na hora de elaborar uma lista de férias e destinos, e indica atividades para se fazer por lá. Gratuito e disponível para iOS e Android.

Airbnb Este é um dos serviços mais famosos e em expansão. Através do Airbnb é possível buscar, salvar e compartilhar o lugar perfeito para a estada de férias, podendo ser desde casas e flats completos ou até um pequeno quartinho em um canto descolado da cidade, a serem pagos por um preço normalmente abaixo da média de hotéis. Ou seja, o objetivo é fazer com que as Guest Houses se destaquem através de uma plataforma segura e fácil de usar. Checar um itinerário, horário de voo e se comunicar com seu host antes mesmo de chegar ao destino estão entre os destaques desse aplicativo. Disponível gratuitamente para Android e iOS.

Booking.com Na hora de reservar hotéis, o Booking.com – um dos melhores e mais completos serviços disponíveis atualmente na internet – conta também com um aplicativo para seu smartphone ou tablet. Com ele, você pode fazer pesquisas e acessar sua conta na rede, conferindo dados e fazendo alterações em sua reserva sem precisar ter um computador por perto.

Infraero Voos Online Para quem vai viajar de avião, o Infraero Voos Online é um aplicativo indispensável. Com ele, você sempre vai saber o status do seu voo, conferindo previsão de horários e confirmação de decolagem. Além disso, o app ajuda você a calcular o melhor trajeto até o aeroporto e quanto tempo você levaria para chegar até lá.

UOL Cotações Se você quer ficar de olho no câmbio antes de viajar, pode ter o UOL Cotações instalado em seu gadget. Ali, você tem todas as ferramentas para acompanhar a economia mundial e, principalmente, ficar de olho na variação de câmbio atual.

Metro Um bom aplicativo para aqueles que amam explorar as cidades a pé, de uma maneira rápida e de baixo custo. Pelo MetrO é possível encontrar o mais barato e eficiente caminho a ser feito com transporte público, incluindo metrôs, trens e ôni-

bus, em mais de 400 cidades ao redor do mundo. O app permite que o usuário faça download e salve os mapas da cidade no celular, para então facilitar a escolha de rotas quando não há sinal de internet. Compatível com Blackberry e iPhone, possui um ótimo ranking na Apple Store e é gratuito.

Google Translate Quanto mais exótico for o país da sua viagem, mais desafios você terá para se comunicar. O Google Translate pode ser um bom modo de se livrar de uma enrascada. Ele tem suporte para mais de 60 idiomas, ou seja, em boa parte do mundo você saberá como pedir um café da manhã, pedir a conta ao garçom ou reclamar de insetos no seu quarto. Claro, nem sempre ele compreende as sentenças com perfeição, mas é uma mão na roda para traduzir palavras e sentenças curtas. E ele ainda mostra a pronúncia correta para você não pagar mico.

CouchSurfng O nome significa “navegando no sofá” e essa será a forma mais barata para você se hospedar. CouchSurfing é uma comunidade baseada na confiança mutua, pois somente assim você será convidado para se acomodar na casa de alguém e você poderá retribuir a estadia para alguém de sua rede de contatos. O app está disponível em português, mas o domínio do inglês ou do idioma do país que se pretende, faz-se necessário. O melhor desse aplicativo são as pessoas e as afinidades de cada um: seja você um surfista ou amante das artes, estudante ou empresário, gay ou não, sozinho ou acompanhado, você terá o conhecimento inestimável de quem conhece o vilarejo, povoado, cidade ou a metrópole onde está o sofá em que você vai descansar no fim do dia.

SkyScanner Para começar a usar o Skyscanner, não é necessário fazer qualquer cadastro. Assim que abrir o app, será exibida uma tela padrão para fazer sua busca pelas passagens aéreas dentre diversas companhias, sendo necessário adicionar local de origem e destino, datas, número de passageiros e ainda indicar em qual classe deseja viajar ou escolher voos sem conexões. Está em dúvida sobre o destino? Então saiba que é possível fazer buscas para “qualquer lugar”: o app mostra sugestões de locais, com preço e informações extras para dar uma ideia. Depois da pesquisa é possível aplicar filtros, com horários preferidos, número de conexões, companhia aérea e mais. revistadue

19


Alcançado o marco que foi completar o primeiro ano de funcionamento, a equipe do Good Scent vê com orgulho um percurso de imensa dedicação e empenho. O nosso conceito evoluiu, amadureceu, reforçou-se. Hoje temos um empório mais rico, onde cada produto que compõe as nossas prateleiras foi pensado com cuidado e carinho. O menu de degustação ganhou em tamanho e em novos deliciosos antepastos, saladas, sanduíches e opções de pastelaria sem glúten. Em paralelo, a seleção de vinhos continuou a enriquecer, com rótulos exclusivos que se destacam junto dos apreciadores. É comum entrar no nosso espaço e encontrar sempre um novo detalhe na decoração, quer no contexto de uma data especial, ou apenas porque é também nestes pormenores que gostamos de acarinhar quem nos visita. E com o coração cheio, vemos habituais e novos clientes entrar dia após dia pela nossa porta azul. Por um ano de intenso crescimento, aprendizado e partilha, temos muito a agradecer aos clientes, aos amigos, aos jornalistas, aos chefs, aos escritores, a todos que de um modo ou outro são também responsáveis pelo sucesso deste projeto. Continuaremos a retribuir o apoio dos que nos acompanham com o constante esmero que empenhamos no nosso trabalho diário, dando a certeza que no Good Scent encontrarão sempre este lugar aconchegante, onde à mesa não faltarão delícias, bom vinho, bom fado, e a doce sensação de estar em Lisboa.

Good Scent Brasil @ good_scent_brasil


Empório que veio das terras lusitanas trazendo sabor e aconchego para nossa cidade. Cafés, vinhos, saladas.

Rua José Pontes de Magalhães, Jatiúca, 223. Por trás do antigo Meliá. Rua do Massarela. +55 82 3235-2904 | www.good-scent.com


Europa

Por Anthony Campos

Foto: Divulgação

A PEQUENA CAPITAL HOLANDESA AMSTERDAM: A CIDADE QUE FAZ VOCÊ SENTIR QUE ALI TAMBÉM É O SEU LUGAR 22

revistadue


Q

uando se pensa em Amsterdam, automaticamente você imagina uma cidade onde tudo pode! Drogas liberadas, prostituição legalizada, bebidas e jovens espalhados pelas ruas expremidas nos diversos canais da capital da Holanda. É isso também, não há como negar, mas os encantos dessa cidade são muito maiores do que toda essa “fama libertina”. Amsterdam é uma cidade bem desenvolvida, mas com o acolhimento e, quase (eu falei quase!) com o aconchego de uma cidade de interior. Em poucos dias, você consegue aproveitar as melhores coisas da cidade, desde os passeios mais tradicionais, até a parte mais festiva. As possibilidades são para todos os gostos.

Planejando Não é pela cidade ser pequena que você vai conseguir fazer tudo o que tem de mais interes-

sante no modo express. Organize bem o seu roteiro, estudando as distâncias e ficando atento aos dias e horários de funcionamento de cada ponto turístico. Feito isso, você vai conseguir aproveitar a sua estadia com tranquilidade para o relógio e para o bolso!

Como me locomover? Fique atento! E, por falar em planejamento, é importante saber um pouco sobre as particularidades de transporte na cidade, e aqui já vai uma ótima notícia para os “pão duros”, você consegue fazer a maioria do percurso a pé! Isso mesmo! Uma atração te leva a outra, então é só projetar o seu mapinha e colocar o tênis pra “jogo”. Para os menos dispostos, existe a opção do “Tram” (isso mesmo, não foi erro do nosso revisor de texto), uma espécie de bondinho que se locomove no meio da rua. Uma coisa bacana do Tram revistadue

23


é que se você descer em até três paradas após o seu ponto de partida, você não precisa pagar. Não é legal? Mas não aproveita isso para dar uma de esperto e ficar sem pagar a passagem, ok? Se você for pego burlando essa regra, você pode ser multado e ter que desembolsar a bagatela de 35 euros. E nem adianta dizer que é turista e que não sabia. Passou do terceiro ponto? Pague logo. Para o primeiro dia, sugiro os Hop On Hop Off, que são ônibus que rodam a cidade pelos principais pontos turísticos e ainda contam com um guia virtual em português, explicando a história dos lugares. Você pode descer em qualquer um dos pontos para conhecer o local de sua preferência e pegar um próximo ônibus, minutos depois, com um único bilhete, vendido nos formatos 24h ou 36h. Existe também a opção do Hop On Hop Off de barco, onde o circuito é feito pelos canais. Se decidir pela locomoção marítima, prepare os agasalhos, pois a depender da época do ano, o frio é de doer!

Onde ir Existem os lugares mundialmente conhecidos que são passagem obrigatória, como a rota de Museus (Van Gogh, Amsterdam Musem, Anne Frank), que dispensam apresentações e que contam com uma riqueza cultural singular. Mas vamos falar aqui sobre alguns outros locais menos conhecidos e tão interessantes de visitar quanto.

Vai uma cervejinha aí? Para quem ama uma cervejinha, a felicidade é garantida. Na Holanda, você encontra uma variedade grande de cervejas que, com certeza, vão agradar seu paladar. Existem vários tipos delas que são fabricados artesanalmente. Um bom lugar para encontrá-las é na ‘Brouwerij ‘t IJ’ (quero ver você falar esse nome), que é uma cervejaria dentro de um moinho. Eles fazem a própria cerveja em quantidades bem limitadas e que só são vendidas ali mesmo. De quebra, você ainda pode fazer um tour pelo moinho e conhecer como eles fabricam a bebida. E, falando em cerveja, não tem como passar por lá sem conhecer a Heineken Experience, a fábrica da cerveja preferida de um monte de brasileiro. Além de você conhecer todo o processo de criação da Heineken, o ambiente é extremamente interativo e conta com um espaço onde você “vira” a própria cerveja. Como? Se explicar perde a graça, só indo pra saber. Ah! E você ainda ganha um brinde exclusivo e dois chopps ao final da visita, que acaba numa “balada”. 24

revistadue

Comer, comer! Lá em Amsterdam, você vai encontrar de tudo! Desde comida chinesa até restaurantes especializados na culinária brasileira, com coxinha e acarajé no cardápio. Se você não tem restrições de paladar, não deixe de experimentar o arenque cru (Haring), um peixe com sabor marcante e típico prato holandês, que você encontra nas barracas espalhadas pela cidade. Mas, se você não é tão exótico assim, deixe seu estômago feliz com uma deliciosa batata frita com molhos especiais. Uma das melhores está na Albert Cuyp Market, uma feira a céu aberto onde você encontra outros pratos típicos da Holanda, queijos deliciosos, sem contar as famosas Stoopwafels, bolacha tradicional que é feita na hora.

Pedalada Bicicleta é prioridade em Amsterdam, então cuidado ao andar pelas ruas. Mas, se você quer se sentir um local, você pode alugar uma bicicleta e dar as suas pedaladas por aí. Uma boa sugestão é o Voldenpark, um dos parques mais bonitos da Europa, com muito verde, lagos e a capacidade de te deixar ainda mais relaxado.

E o que mais colocar na lista? Para finalizar, além desses programinhas, existe uma série de coisas que podem deixar a sua viagem muito mais proveitosa. Olha só essa lista: - Tirar foto nas letras Iamsterdam: (geralmente esse cartão postal móvel fica perto do Rijksmuseum, aproveite para visitar o museu, que é um dos mais tradicionais da cidade); - Nemo Museum: um espaço dedicado à tecnologia; - Coffee Shop: Não! Aqui você não vai encontrar café. Para quem curte, esses são os locais onde os turistas podem consumir a “erva”; - Bairro da Luz Vermelha (Red Light District): você vai conhecer o famoso lugar onde prostitutas ficam expostas nas vitrines. Se não quer se encrencar, não fotografe nada! - Museu Madame Thoussauds: Se você não foi em Londres, pode dar uma passada na versão holandesa para fazer umas fotos com algumas celebridades como Lady Gaga, Beyoncé ou David Beckham, quer dizer, com as estátuas deles! - Leidseplein: a praça que nunca dorme, é um ponto de encontro para quem quer se divertir.


LIFE STYLE #quesejamarcante


Foto: Divulgação

Educação

26

revistadue


DOIS IDIOMAS E UMA EDUCAÇÃO ENTENDA AS VANTAGENS DE UMA EDUCAÇÃO BILÍNGUE PARA CRIANÇAS A PARTIR DOS DOIS ANOS DE IDADE Por Valná Dantas

revistadue

27


G

Universidade de York, no Canadá, Ellen Bialystok, que conduz pesquisas de bilinguismo há mais de 40 anos.

Por isso, tantos pais pensam na possibilidade de matricular as crianças em um curso de outro idioma.

Uma das maiores consequências é o aumento da agilidade e das competências cognitivas. Além de aprender com muita facilidade e da forma mais correta, quem fala duas ou mais línguas também tem maior poder de concentração, de acordo com estudos. Um deles, das instituições Concordia University, York University e Université de Provence, publicado no periódico acadêmico Journal of Experimental Child Psychology, afirma que crianças bilíngues não apenas não confundem os dois idiomas que aprenderam, como tendem a se focar mais em tarefas e a desenvolver uma atenção melhor do que seus pares monolíngues.

abriel estava brincando, quando, de repente, soltou uma palavra em inglês. O que muitas vezes é motivo de espanto para os pais, na verdade é uma prova de que os pequenos têm facilidade de assimilar coisas novas. É que, na infância, o cérebro se desenvolve numa velocidade impressionante. São milhares de novas conexões. Em nenhuma outra fase da vida ele trabalha com tanta intensidade, é como se neste momento o cérebro abrisse janelas que facilitam o aprendizado.

Foto: Acervo System

Será que existe idade certa para isso? Na faixa entre seis meses e quatro anos, as crianças estão formando circuitos de linguagem. Os neurônios, se estimulados, podem fazer novas conexões e especializações. Apresentar um novo idioma ao seu filho, nessa idade, torna a tarefa do aprendizado mais fácil, sim. Só de ouvir, elas já vão absorver a língua assim como fazem com o português, porém há algo muito importante para se considerar: é a qualidade da informação e da linguagem a qual a criança é exposta que possibilitará que ela seja bilíngue integralmente. “As crianças precisam ter o domínio da comunicação em inglês, principalmente armazenando essas informações em sua memória para o resto de suas vidas”, afirma a neurocientista e pesquisadora da 28

revistadue

As vantagens da educação bilíngue e o mito da confusão entre as línguas

As pesquisas apontam evidências de que crianças bilíngues apresentam melhor desempenho em atividades que exigem criatividade verbal e atenção seletiva. Eles são capazes de conceber que há mais de um modo de expressar o mesmo conhecimento e intenções com palavras e construções diferentes e apresentam facilidade de comunicação.

Como educar em dois idiomas Não existe uma idade certa para iniciar a educação bilíngue, mas sim uma idade em que a


língua é tratada com mais naturalidade. Muitos pais pensam que colocar o filho em um programa bilíngue (um programa em que conteúdos escolares são estudados em uma segunda língua) cedo não adianta porque ele não entende nada. Mas a verdade é que só aprendemos a língua quando somos expostos a ela. E quanto antes, melhor.

A escolha da Metodologia adequada Não são palavrinhas e musiquinhas decoradas ou frases isoladas em uma segunda língua que caracterizam uma criança bilíngue. “O mais importante é que a metodologia aplicada permita que a criança processe a segunda língua de forma que o resultado seja a comunicação espontânea e natural”, afirma Fátima Tenório, sócia-fundadora da escola System. O Systemic, metodologia de ensino bilíngue criada há 13 anos pela escola de idiomas System, que tem mais de mais de 7 mil crianças usuárias em vários estados do Brasil, tem resultados comprovados e utiliza conteúdos escolares como base para a criança assimilar as informações. A aprendizagem acontece como mágica, uma vez que a criança faz associação da informação em inglês com o que ela já traz como bagagem, resultando em uma comunicação que gradativamente vai sendo construída. Segundo Vanessa Tenório, também fundadora da escola, o ponto mais alto do método é que na medida em que a criança evolui, a estrutura da língua vai sendo

orientada até que os dois processos sejam arredondados: o domínio da comunicação (total compreensão) e expressão associado à boa formação da estrutura da língua. Isso quer dizer que não adianta a criança ser exposta ao idioma se não houver uma metodologia adequada. Às vezes, a criança é exposta a conteúdos escolares em inglês, mas a atenção à estrutura da língua é negligenciada, o que poderá levar a resultados deficientes, e a sensação da criança ter perdido tempo. Ao perguntarmos a Anita Toledo, 4 anos, se ela gosta de estudar inglês, a resposta foi objetiva: “SIM”! E o motivo é simples: a menina acha divertido. Afinal, o melhor jeito de aprender é como se fosse uma brincadeira. Nada de pressão, nada de cobranças e exigências. A criança ouve, percebe os sons com mais clareza que um adulto e tem mais flexibilidade para articular as palavras, tudo isso também facilita o aprendizado neste período da vida.

O papel dos pais A educação bilíngue tem início com o dever de casa dos pais: matricular seu filho em uma escola que seja acolhedora, calorosa e convidativa. A escolha de profissionais e métodos reconhecidos é primordial no alcançar de um resultado positivo. Até para que a família avalie junto o melhor caminho, respeitando as fases de desenvolvimento de cada criança, não importa em qual língua. revistadue

29


Música

Por Livía Buarque

A VERDADEIRA MÚSICA POPULAR BRASILEIRA A MPB É RECONHECIDA COMO UM CELEIRO DE TRANSFORMAÇÕES MUSICAIS. ENTENDA COMO OCORRERAM ESSAS MUDANÇAS

Foto: Divulgação

A

respeito da música, um fato é certo: satisfeitos ou não, o que era considerado popular nos anos 60 não é o mesmo que hoje. A cada década, existe uma transformação – seja ela considerada evolução ou retrocesso – na música do país, e o que a torna popular é a aceitação social ou da maioria, que faz com que o mercado passe a investir e atentar somente para o que é volumosamente consumido hoje. Em meados dos anos 60, com a ditadura militar ceifando qualquer possibilidade de expressão popular, um novo gênero musical surgiu – a MPB 32

revistadue

–, atraindo ouvintes e conquistando público em razão de sua conotação nacionalista, abordando questões sociais polêmicas e até proibidas.Seus precursores, Caetano Veloso, Giberto Gil, Chico Buarque, Maria Bethânia, Elis Regina, entre outros, foram, em sua maioria, exilados e silenciados, o que gerou maior curiosidade do público a respeito dos temas tratados em suas canções. De lá pra cá, bastante coisa mudou. Em verdade, a cada década houve o agravamento da despopularização da MPB, vista por muitos como música da elite, da oligarquia intelectual, com linguagem


rebuscada, melodias complexas e exibicionistas. Música chata é a definição de muitos. Em contraponto, surge uma vasta espécie de ritmos musicais que prioriza outros valores – ou, talvez, sequer haja valores – com intenção de divertir os ouvintes; puro entretenimento. As harmonias simples, com três ou quatro notas se repetindo, um refrão marcante e repetitivo, algumas brechas para um passo de dança e BINGO! Combinação perfeita, atrativa, fácil e extremamente lucrativa. Houve perda de espaço para os grandes da velha guarda (vamos tratá-la assim) da MPB? De forma alguma. Talvez, da nova geração de ouvintes, apenas uma pequena porcentagem dê valor à música que fora popular entre os anos 60 e 80. Mas, sem dúvida, para com os recém-chegados da MPB, há certa resistência. Esses jovens da música, enraizados na bossa nova, no samba, nas canções melancólicas, sedentos por espaço, curtidas e compartilhamentos, deram ensejo a criação de mais um gênero musical: a nova MPB. Se desvencilhando um pouco da imagem gasta dos músicos de “um banquinho, um violão”, a nova geração da MPB mistura ritmos, insere batidas eletrônicas, sons mecânicos, instrumentos não tão usuais, sem perder a linha “faço o som que gosto de ouvir”, sem abandonar a melancolia, as letras complexas, o toque requintado. E aí voltamos ao que interessa: a música do povo, hoje, é outra. Eu nem saberia dizer qual, na verdade. O funk carioca? O sertanejo universitário? Talvez. Até o AXÉ, que entra naquela fórmula do sucesso citada acima (poucas notas + letras repetitivas + passinho de dança), perdeu o espaço. Não dá pra dizer que o AXÉ está falido, somente porque os grandes nomes permanecem no topo, com seus shows milionários e multidões seguindo atrás de trios elétricos, cujo abadá custa cada vez mais caro. Mas para os novos músicos, os espaços são quase que inexistentes. Ou você tem a voz muito parecida com algum dos grandes e faz covers pra se sustentar na música, ou você insiste em querer que ouçam o verdadeiro som que você faz, com espaços mínimos de apresentação. Existe um falso documentário no youtube – MPB: A história que o Brasil não conhece –, que satiriza a fictícia teoria de que os Estados Unidos tentam destruir a música brasileira, inserindo no mercado pessoas sem a menor capacidade musical e posicionando-os como verdadeiros astros da música do país. O documentário aponta que, em virtude do surgimento de grandes composi-

tores e intérpretes, como Tom Jobim e Carmem Miranda, que abriram espaço internacional aos artistas brasileiros, houve uma preocupação dos EUA sobre o domínio do Brasil do mercado fonográfico, o que motivou a articulação de um plano para destruir a MPB. Apesar de cômico e visivelmente falso, o documentário traz consigo uma verdade patente, que muitos preferem não enxergar: o popularesco da massa, hoje, é o que descreve, caracteriza e move o Brasil (não só na música, mas isso é assunto para um outro momento). E vale a reflexão sobre o assunto. No fim das contas, isso pode parecer um desabafo, por ser eu consumidora e produtora do que hoje se intitula nova MPB. Parece, mas não é. Me sinto esmagada em meio a um público cada vez mais reduzido, é verdade. Mas não acho que isso sai da normalidade ou da naturalidade. O mundo hoje é outro, as prioridades, as preocupações, os valores são outros. E acredito que há espaço para a coexistência dos gêneros, ritmos e estilos musicais, sem maiores discussões. A crítica aqui é muito mais ao mercado do que aos próprios ouvintes. O que é repetido incessantemente se torna verdade, se torna comum, se torna usual, banal e, finalmente, aceito. As rádios que ainda se preocupam com o tipo da música que é transmitida são as que menos têm audiência. Os eventos de MPB, música alternativa, erudita, bossa nova e até algumas vertentes do rock, dão muito menos público e, consequentemente, lucro de ingressos e de consumo, do que o velho e bom “tchê tchê rê rê tchê tchê”. Então pra que insistir? Faltam empresários, produtores, promoters, donos de casas de shows que se preocupem mais com o que é passado através de seus eventos do que com seu próprio lucro. Tarefa difícil, ninguém quer perder dinheiro, ninguém quer arriscar. Falta confiança. A descrença de que existe público, clientela e mercado ansioso por música de qualidade é o que desestimula, e é assim que se segue nesse ciclo vicioso. Mas a MPB de outrora permanece, ou ressurge com a nova MPB; e é esquecida e resgatada de tempos em tempos. Resta a nós, ouvintes, músicos e admiradores, aceitarmos as diferenças, as necessidades e os interesses do mercado do popularesco. Mas, acreditando no poder que a música tem, pelo próprio histórico do Brasil, de inserir no seio do povo o anseio pela mudança, sigamos cantando as intempéries do nosso cotidiano. revistadue

33


Carreira

Por Vítor Luz

Foto: Divulgação

RELAÇÕES PROFISSIONAIS HOJE, O QUE DETERMINA A QUALIDADE DA VIDA PROFISSIONAL SÃO HABILIDADES DE RELACIONAMENTOS 34

revistadue


Q

uando o assunto é lidar com pessoas, precisamos encontrar o limite entre o relacionamento pessoal e o profissional. Para não confundirmos essas estações, confira os comportamentos que determinam as relações no trabalho. As agendas nunca estiveram tão repletas de compromissos e as metas nunca foram tão inatingíveis. Se juntarmos esses elementos, as frustrações pessoais e posturas inadequadas dentro das empresas, encontraremos um copo cheio d’água, que só precisa da última gota para transbordar emoções e ressentimentos.

Confira três comportamentos que determinam as relações profissionais: Achar que o mundo gira ao seu redor e que todos precisam pensar como você Perceber que existem pensamentos diferentes dos nossos e que há um valor nisso, é de fato um privilégio. O que torna as relações profissionais interessantes e preciosas é a diversidade de ideias, raciocínios e percepções. Se em uma reunião existem dez pessoas e nove possuem a mesma opinião, elas são plenamente dispensáveis. “Muitas pessoas não conseguem perceber que o modo como veem a vida é apenas um modo, não é verdade absoluta”, diz Reis. Não ouvir seus colegas Por mais inteligente que sejamos e ideias geniais que venhamos a ter, ouvir os outros é uma habilidade em falta no mercado. Tente desenvolvê-la e faça da escuta um diferencial estratégico. Não lidar bem com assuntos que o incomodam Nem sempre vamos lidar com assuntos que nos arrancam sorrisos e desperta o bem-estar. Mas como lidar com a falta de habilidade de nossos líderes e gestores? Muitas queixas não conseguem evoluir para uma reclamação efetiva. Homero Reis faz a distinção entre os dois termos. “Queixa é dizer o que pensa do chefe, reclamação é estruturar o raciocínio e o discurso e ir conversar com ele para resolver a situação”, explica. As relações profissionais, como o nome já diz, são aquelas que envolvem as dinâmicas do trabalho e possíveis ganhos financeiros. Se desse movimento, uma boa amizade frutificar, será um grande benefício, caso não, não leve as coisas para o pessoal, o amadorismo tem perdido espaço nas relações bem sucedidas.

“HOJE, O QUE DETERMINA A QUALIDADE DA VIDA PROFISSIONAL E O ALCANCE DE RESULTADOS NÃO SÃO AS COMPETÊNCIAS TÉCNICAS, MAS SIM HABILIDADES DE RELACIONAMENTOS.” — HOMERO REIS “PESSOAS BOAS TECNICAMENTE, MAS COM BAIXA QUALIDADE EM SEUS RELACIONAMENTOS NÃO ATINGEM RESULTADOS ESPERADO.” — HOMERO REIS

“EM TEMPOS DE CRISE, A TENDÊNCIA NATURAL É DESENVOLVER UM SENTIMENTO DE INSEGURANÇA EM RELAÇÃO ÀS SUAS OCUPAÇÕES. COM ESSE CLIMA, A PRODUTIVIDADE CAI, O CLIMA ORGANIZACIONAL PIORA, OS RESULTADOS DESPENCAM. AS CONVERSAS SÃO AS FERRAMENTAS FUNDAMENTAIS PARA QUE AS COISAS MELHOREM.” — HOMERO REIS revistadue

35


Carreira

Por Vítor Luz

COMO VAI SUA REPUTAÇÃO? SE SUA IMAGEM PROFISSIONAL FOI CORROMPIDA, ELA PRECISA SER RESTAURADA O QUANTO ANTES. CONHEÇA ESTRATÉGIAS DE COMO MELHORAR SUA REPUTAÇÃO PROFISSIONAL

Foto: Divulgação

A

s coisas acontecem tão rápido que não levamos em consideração os mínimos detalhes. Levamos uma vida inteira para construir um bom nome e em alguns segundos podemos jogá-lo na lama. Conquistar respeito, prestígio e credibilidade são tarefas árduas, mas prazerosas, confira alguns cuidados que você precisa ter com sua imagem. A Insper, de São Paulo, realizou um estudo com mais de 100 profissionais, que mostra que ajudar colegas de trabalho produz efeito positivo na construção de uma rede de contatos. Segundo a 36

revistadue

pesquisa, o exercício da cidadania organizacional — que o Insper define como a disposição a dar um apoio que excede o escopo do trabalho para beneficiar a companhia ou um funcionário — contribui para que o profissional que prestou o auxílio seja recomendado por colegas em projetos e vagas de trabalho. “Quem se doa para os outros tende a ter um crescimento mais rápido”, afirma Fernando Schmitt, diretor de unidades regionais da Câmara de Comércio Brasil - Estados Unidos (Amcham). Ainda segundo ele, a consciência de que a aprendi-


zagem do grupo importa mais do que a individual é uma das características dos profissionais de sucesso.

Quatro atitudes que reforçam a chamada cidadania organizacional Esteja disponível – Tenha disposição para ajudar seus colegas. A capacidade técnica sempre será necessária, mas o profissional que tem mais chances de crescimento é aquele vai além da própria função, pelo bem-estar dos outros. Faça aquilo que ninguém quer fazer – Se você possui uma habilidade específica que o ajuda a otimizar o tempo, que tal ensinar a seus colegas? Sobre aquelas atividades que ninguém gosta de fazer, como: organizar apresentações, reservar salas e confirmar presenças, dê uma atenção a elas, isso demonstra sua postura solidária. Compartilhe conteúdo – Sabe aquele assunto que você domina e as pessoas lembram de você quando escutam falar sobre? Compartilhe, multiplique, contagie e propague algo legal. Saiba receber – Nada melhor do que um bom espírito hospitaleiro, quando alguém novo chegar no setor ou na empresa, seja solidário. Uma boa recepção propaga relações saudáveis.

Se as pessoas sempre lhe percebem como chato, fique atento! Falar alto não é sinônimo de extroversão nem de alegria, é indelicadeza mesmo. Cuidado com o tom de voz e baixe-o alguns decibéis ao percebê-lo fora do padrão dos colegas de escritório. Ter uma origem simples não significa obrigatoriedade de permanecer do mesmo jeito. Aproveite as chances que a vida lhe dá para refinar-se e para se educar. Não se esqueça de morder a língua, saiba mantê-la descansando dentro da boca. Quando se trata de etiqueta social, falar é sempre prata e calar é sempre ouro. A lista de deslizes que levam os outros a nos julgar de forma equivocada é enorme, esteja atento.

Imagem Corrompida Se sua imagem profissional foi corrompida, seja em que nível for, ela precisa ser restaurada o quanto antes. Tente imaginar uma balança e nela os pesos de ações negativas e ações positivas. A regra é clara, para cada ação negativa, tenha duas positivas. As pessoas precisam ser convencidas que nossas intenções são as melhores possíveis,

nada de pensar que as coisas são óbvias, elas nunca são. Boas ideias, bons valores e ações inovadoras sempre brilham diferente aos olhos das pessoas. Quais foram suas últimas ações que deram um novo significado a vida daqueles que lhe cercam? Não importa o que passou ou de onde viemos, o que de fato interessa é onde queremos chegar e o que estamos fazendo hoje por um amanhã diferente. Portanto, se você tem colhido resultados negativos, talvez seja o momento de perceber como se comunica com as pessoas que o cercam. O primeiro passo é pedir o feedback dos pares em quem confia e aos superiores.

O livro “Influência sem Autoridade”, de Alan Cohen, apresenta dicas de como influenciar positivamente seus colegas: 1.Assuma que todos são potenciais aliados 2.Deixe claros seus objetivos e prioridades 3.Faça um diagnóstico do “mundo” das outras pessoas 4.Identifique moedas de troca para você e para os outros 5.Mantenha os relacionamentos e aposte no networking 6.Invista na reciprocidade 7.Torne-se referência de integridade 8.Mantenha-se atualizado 9.Contribua com as outras áreas da empresa.

Quatro frases que “queimam” sua imagem no trabalho: “Eu não ganho para isso” “Sempre foi assim e você não mudará isso” “Eu tenho razão” “Esta empresa não tem jeito, nada dá certo, tudo está errado, nunca vai mudar” revistadue

37


Foto: Divulgação

Carreira

38

revistadue

Por Gabrielly Argolo


COOLHUNTER QUANDO A DÉCADA DOS 20 E POUCOS ANOS SE TORNOU A DÉCADA DO ENJAULAMENTO DE SONHOS

D

e como você beberica sua cerveja no boteco da esquina depois do expediente ao modo como a modelo da grife multimilionária desfila, existem várias brechas e deixas para a propensão de novidades. E tem gente que estuda (bastante!) para captar e transformar esses pequenos detalhes em novas tendências: os cool hunters. Como o nome sugere, eles são verdadeiros caçadores de detalhes. Sempre de olho em comportamentos, ideologias e estilos, os cool hunters estão sempre um passo à frente, antecipando o que vai virar moda. Engana-se quem acha que o trabalho deles é tarefa fácil! A profissão exige muito tempo de pesquisa e planejamento, conhecimento prévio sobre vários assuntos e senso de observação. Além de trabalhosa, esse tipo de pesquisa torna-se um plus para as pesquisas comuns de mercado. Enquanto o marketing clássico avalia mercado, concorrência e demais ferramentas, os cool hunters estão focados na observação e pesquisa de pessoas, lugares, costumes, projetos... aspectos que abordam o lado mais social. Ou seja, o que se tem como foco é o conduta humana e tudo aquilo que possa dar início a novos comportamentos. Além de um observador nato, curioso, comunicativo e tolerante, para ser um cool hunter tem que ter jogo de cintura! Afinal, como dizem os apaixonados, a carreira está mais para estilo de vida. E aí, sabe qual vai ser a cor de esmalte que vai bombar na próxima estação? Pois é. Eles, muito provavelmente, já sabem.

Cursos Cool Hunting: Onde: Escola São Paulo – Economia Criativa Quanto: R$169,90 Carga horária: 2h30* *Carga horária referente às vídeo-aulas http://online.escolasaopaulo.org/ Onde: Panamericana – SP Quanto: 3x de R$430,00 Carga horária: 36h http://www.escola-panamericana.com.br/ Onde: ESPM – SP Quanto: 3x de R$675,00 Carga horária: 16h http://www2.espm.br/

Leitura: Manual de Cool Hunting - métodos e práticas revistadue

39


Tedência

Por Isabela Vieira

CIDADES INTELIGENTES Foto: Divulgação

T

odos os dias, as maiores cidades do Brasil enfrentam tráfego pesado em suas rodovias. Os brasileiros que moram nas maiores capitais, como São Paulo, gastam, em média, três horas por dia no trânsito. Nesse contexto, com o objetivo de proporcionar agilidade para os motoristas e diminuição do uso dos carros, estruturas cicloviárias vêm sendo construídas nas grandes cidades. De acordo com a União dos Ciclistas do Brasil (UCB), entre 2011 e 2015, Brasília ultrapassou o Rio de Janeiro e se tornou a cidade com maior estrutura cicloviária do Brasil. A capital federal e São Paulo foram as cidades brasileiras que mais ampliaram a estrutura para bicicletas nos últimos dois anos. Grandes empresas também vêm reconhecen40

revistadue

do as vantagens do uso de bicicletas. A Volvo, famosa empresa de carros, não está apenas focada nos motoristas. A marca desenvolveu, junto com a agência de publicidade Grey, de Londres, um spray que brilha no escuro, para também garantir a segurança dos ciclistas. O spray, nomeado LifePaint, adere às superfícies quando usado em roupas, tênis, capacetes e na própria bicicleta. O produto é transparente durante o dia, mas brilha e reflete outras luzes no escuro. A iniciativa teve como objetivo garantir a visibilidade e a segurança dos ciclistas à noite. Vale lembrar que a educação no trânsito é necessária para que as ciclovias continuem sendo um meio de transporte seguro nas cidades. O grande risco para o usuário de bicicletas, dentro


CICLOVIAS TRAZEM MELHORIAS ÀS GRANDES CIDADES

ou fora das ciclovias, é a falta de respeito da parte dos motoristas. Para facilitar a relação entre ciclistas e motoristas, é essencial a apropriação de alguns princípios do Código de Trânsito, onde está previsto que o condutor dos veículos maiores deve zelar pelos veículos menores. O uso cada vez mais constante das bicicletas também pode ser uma solução eficaz para a redução de gases poluentes, emitidos por automóveis e motocicletas. O investimento em políticas que visam à melhoria do transporte público pode ser a solução para manter os níveis de emissão de poluentes sob controle, e reduzir a liberação de gases de efeito estufa da frota brasileira. De acordo com o Ministério do Turismo, nos últimos 10 anos, foram repassados mais de R$

24,5 milhões aos municípios brasileiros para a construção de ciclovias. Vale ressaltar que a construção dessas vias no Brasil também estimula passeios turísticos. O país possui mais de 1,6 mil quilômetros de malha cicloviária, e já conta com agências que são especializadas em visitas guiadas sobre duas rodas. Essa ideia estimula o viajante a explorar as cidades sob outra perspectiva, e vem se tornando uma tendência no Brasil. As cidades inteligentes vêm investindo cada vez mais nas bicicletas como um meio de transporte público eficaz. O uso de bicicletas traz inúmeros benefícios para a população e para o meio ambiente. Portanto, quando você pensar em sair de casa, considere adotar essa opção como meio de transporte: vá de bicicleta! revistadue

41


Comportamento

Por Geórgia Barbosa e Natália Belém

Foto: Divulgação

AMIZADES INTERNACIONAIS AMIZADES INTERNACIONAIS NOS MOSTRAM QUE A DISTÂNCIA É UM FATOR QUE NOS APROXIMA 42

revistadue


E

u poderia afirmar que o mundo é pequeno. Sim, quando ligamos nossos laços com amigos que, por uma ordem do destino, moram longe (até do outro lado do oceano), mas que, diariamente, pegam em nossas mãos e nos levam a viagens incríveis, sem sair de nossas casas, apenas com o poder de uma conversa. Amizades internacionais nos mostram que a distância é um fator que nos aproxima, pois somos instigados a saber o que e como acontece a vida em outros lugares. Com essas “pequenas” viagens diárias, passamos a olhar o mundo não como turistas ou estranhos, e sim como nativos. O que acontece lá acontece aqui, independentemente de crenças e culturas. O ser humano é igual em qualquer cantinho do mundo. É mágico descobrir que, mesmo no presente, temos amigos no passado e no futuro. Basta olhar o relógio e perceber o fuso.

“Virtuinternacionalizando” as amizades Participamos de uma fundação que tem como finalidade melhorar o nosso meio ambiente e sociedade (ISF – Ian Somerhalder Foundation). Nos achamos nas redes sociais. Twitter foi a primeira. Criamos um forte vínculo e começamos a conversar diariamente, migrando para outras redes: Facebook, WhatsApp, Instagram e Skype. A melhor parte é a que dizemos nossos nomes. Tudo novo. Nomes diferentes. É nessa hora que a ficha cai e percebemos que estamos nos comunicando com o mundo. Por meio da fotografia, também fazemos amizades. Flickr! Lá, antes mesmo de uma simples conversa, percebemos a alma do outro, o que ele quer expressar, podendo, assim, se identificar com as emoções expostas.

Surpresa de aniversário A maior surpresa de todos os meus aniversários foi essa. Quando cheguei em casa, tinha um papel na minha cama: era a reunião de mensagens das meninas me desejando parabéns. Minha ficha demorou um pouco a cair. Como estavam todas reunidas, se elas não se conheciam? Bem... como tinha chegado aqui, eu sabia; foi pela minha prima, que, naquele momento, estava filmando minha reação para depois mandar tudo para Sou Mia (amiga da Argélia).

Depois, descobri como foi! Há um tempo, tinha marcado todas elas em uma publicação que mostrava como seria quando nos conhecêssemos: muitos abraços! Então, Elisa, a da Holanda, colocou todas em um grupo e tramaram uma surpresa para mim. Vê como isso é mágico? Não se conheciam, mas, por uma amiga que está a milhas de distância, juntaram-se e passaram a se falar. Palestina, Argélia, França e Holanda já criaram um vínculo simples, mas muito significante.

“Aperreios” do cotidiano Em todos esses lugares que já foram mencionados tem isso. Dos problemas mais complexos (políticos, sociais...) até os mais simples (estresses de faculdades – o temido TCC – e colégio). Várias conversas já tiveram de ser adiadas por trabalhos, e outras aconteceram justamente por causa deles, quando os “aperreios” foram divididos e resolvidos.

Do lado de lá “Being exposed to people from different cultures allows me to be open-minded and learn things that were not taught in school. Despite all of our differences, I realize that there is something so fundamentally similar in our dreams and aspirations as a human being. It is an incredible thing to have a friend halfway across the world, and yet we could still understand each other, share our joys and hobbies, and provide comfort during the darker times. … I thank them for enriching my life.” – Nop Gan (Austrália) “Estar exposta a pessoas de diferentes culturas me permite ter uma cabeça aberta e aprender coisas que não se ensinam na escola. Apesar de todas as nossas diferenças, eu percebo que há algo fundamentalmente similar em nossos sonhos e aspirações como seres humanos. É incrível ter um amigo do outro lado do mundo, e ainda assim nós podermos nos entender, dividir nossas alegrias e hobbys e proporcionar conforto durante o tempo ruim. ...Eu os agradeço por enriquecer minha vida.” – Nop Gan (Austrália) “I love my international friends and I’d say that having them is the best thing that happened to me in my life. revistadue

43


Being friends with people from different cultural backgrounds and being exposed to new things in life is the best way for learning and aspiring a better self.” - Mira Amer (Palestina) “Eu amo meus amigos internacionais e eu diria que conhecê-los foi a melhor coisa que já aconteceu na minha vida. Ser amiga de pessoas de diferentes culturas e estar exposta a novas coisas na vida é o melhor caminho para aprender e almejar o melhor de si.” Mira Amer (Palestina) “I don’t know, I don’t,know why do we like certain people and become our friends and others not, what drive us toward them, why do we meet them and how it’s possible, from all people in the world to meet those special persons? It’s all unclear to me now, but I hope one day I will figure it out.” - Sou Mia (Argélia) “Eu não sei, eu não sei por que nós gostamos e nos tornamos amigos de certas pessoas e de outras não, o que nos leva até eles, o porquê de nos conhecermos e como isso é possível. De todo o mundo, como é possível encontrar essas pessoas especiais? Não é tão claro pra mim agora, mas eu espero que um dia eu descubra.” - Sou Mia (Argélia)

“UM DIA VOCÊ APRENDE QUE VERDADEIRAS AMIZADES CONTINUAM A CRESCER, MESMO A LONGAS DISTÂNCIAS. É UM TESOURO SEM PREÇO, UM GOSTAR QUE INDEPENDE DO ALCANCE, DE ALGUÉM EM NOSSO CAMINHO, NAS HORAS DE DÚVIDA, DE ALEGRIA E DE TRISTEZA, DEMAIS PARA SER PERDIDO, IMPORTANTE PARA SER ESQUECIDO.” 44

revistadue

O que você descobre quando tem amigos estrangeiros: 1 – Amizade independe das culturas; 2 – No Paquistão, as sextas-feiras são sagradas. As orações feitas nesses dias são chamadas de Jummah. Os mulçumanos só trabalham na segunda metade do dia, após orarem para Allah; 3 – Já na Argélia, o fim de semana é na sexta-feira e no sábado, justamente pelo Jummah. Para os católicos, é como se fosse o domingo; 4 – Sexta e sábado também é fim de semana lá na Palestina. Porém, para quem estuda em Universidade Católica, o fim de semana passa a ser sábado e domingo, mesmo se forem muçulmanos. Sim, muçulmanos e católicos vivem em paz; 5 – Falando sobre comida... os poloneses gostam de comer e beber “tudo” fermentado, como repolho, pepino e leite de diversos tipos: kefir, maślanka, zsiadłe mleko; 6 – Ainda na Polônia, eles “não almoçam”. Tomam um café da manhã e, perto do meio dia, eles têm uma espécie de segundo café da manhã, depois jantam perto de 3 ou 5 horas da tarde e ceiam à noite; 7 – A dieta dos paquistaneses é bem apimentada; normalmente, usam muito molho de carne, comem arroz e roti (pão achatado); 8 – O almoço francês é acrescido de pão, enquanto que na Holanda eles só almoçam pão. Quando os holandeses vão para a faculdade e precisam fazer essa refeição por lá, cada um leva o seu almoço de casa; 9 – Outra curiosidade sobre a Holanda é que eles usam sapatos de madeira. Uns acham confortáveis, outros não; 10 – Mesmo o idioma sendo árabe, o “I love you so much” na Palestina é “Bahebek Kteer”, enquanto na Argélia é “Nhabek Bezaff”; 11 – E, mesmo estando longe, quando precisamos, eles estão por perto. É só mandar um “Hi”, “Salut”, “Hoi”, “Help”, “Ciao” ou “Marhaban”. É conhecendo pessoas do mundo, cada qual com sua cultura, que nos descobrimos e percebemos que somos internacionais. Nós podemos morar aqui, mas termos vida em vários lugares, amigos de “lá de fora” que se reconhecem.


Cozinha artesanal e cervejas especiais

Rua Francisco de Assis, 73, Jatiúca, Maceió. Insta: @najuanybistro Face: Najuany Bistrô Tel: 3317.4209 Segunda à sábado, das 19 às 0 hrs


Comportamento

Por Isabela Vieira

Foto: Divulgaテァテ」o

SOLIDテグ COLETIVA RELACIONAMENTOS EM TEMPOS DE REDES SOCIAIS 46

revistadue


A

era contemporânea nos trouxe diversas inovações, como computadores, smartphones e a rapidez para a troca de informações. Porém, junto com toda essa tecnologia, o ser humano vem descobrindo que a solidão está cada vez mais presente em seu dia a dia. Quantas vezes você se encontrou numa mesa de restaurante, tentando manter uma conversa com seus amigos, mas os celulares não deixaram? Você já se sentiu menos importante e interessante do que um iPhone? Saiba que você não é o único a se sentir assim. Estamos agora vivenciando o que podemos chamar de solidão coletiva. Podemos estar rodeados de pessoas, mas nos sentindo sozinhos ao mesmo tempo. Tudo isso por culpa do mau uso das redes sociais, do viciante WhatsApp e dos aplicativos de mensagem. Substituímos pessoas por smartphones, permitimos que a Internet nos separe, em vez de nos aproximar. Compartilhamos da mesma solidão porque estamos nos tornando cada vez mais incapazes de nos comunicar pessoalmente uns com os outros.

Interatividade A internet e suas redes sociais têm suas vantagens, como métodos para facilitar a comunicação rápida entre as pessoas. Notícias podem ser acessadas em questão de segundos; amigos e familiares podem ser contatados facilmente, do outro lado do mundo, através do WhatsApp. O problema é que o uso das redes e os avanços tecnológicos vêm gerando mudanças comportamentais. O ser humano caminha em direção à individualidade, que muitas vezes pode levar ao isolamento, culminando na solidão. Basta um clique para que centenas de amigos invadam nossos computadores nas redes sociais. Porém, de acordo com especialistas, a imersão na Internet não afasta os sintomas da solidão. O ser humano evolui graças às relações com os indivíduos, ao apoio mútuo e à troca de experiências. A solidão contraria essa evolução, e é essa a causa de grande debate entre psicólogos, que afirmam que uma sociedade sem trocas de afetos não consegue evoluir. Compensar a solidão física com centenas de amigos no Facebook não resolverá os seus problemas. A interação é apenas eletrônica, e o indivíduo acaba não fazendo parte da vivência do amigo. As pessoas vêm se conectando às redes sociais para ter a ilusão de que estão acompanhadas, de que têm amigos. Mas a verdade é que

todos continuam a compartilhar da mesma solidão, porque a Internet não proporciona o contato físico ou a troca de afeto, essencial em um relacionamento.

Consequências Giulianna Ruiz, psicóloga e especialista em Psicoterapia Psicanalítica formada pela USP, afirma que as relações externas são necessárias e de extrema importância para os seres humanos. “As pessoas não devem permanecer no estado em que se encontram atualmente, esquecendo das possibilidades de evolução, crescimento e desenvolvimento. Mesmo com todos os contrários da evolução tecnológica, cada um ainda é capaz de descobrir, conviver e se tornar o melhor que pode ser. Manter-se ligado à tecnologia o tempo todo é uma maneira de negar a realidade e o outro como ser humano, com a ilusão de que você pode se desconectar de aspectos negativos externos a qualquer momento”.

Relações futuras Nesse modelo pós-moderno de sociedade em que vivemos, em que tudo parece ser descartável, a Internet vem sendo um instrumento de comunicação perigoso, pois tanto pode facilitar a comunicação entre os indivíduos, como também pode ser usada para induzir o isolamento social. A tecnologia veio acompanhada de um impacto social, e os indivíduos tendem a esperar mais da Internet do que uns dos outros. Existe, agora, uma ininterrupta conectividade, e a sociedade perde a sua essência e intimidade. A realidade agora é que as cidades estão habitadas por pessoas interligadas a cada minuto, porem, solitárias. As pessoas não estão notando que a Internet não vem sendo apenas usada como uma ferramenta para a comunicação, mas também para moldar o ser humano. Os indivíduos estão se tornando cada vez menos humanos nesse processo de interação através das redes sociais. Os relacionamentos estão cada vez mais superficiais. Hoje, vive-se pelas aparências, para mostrar o quão interessante e divertida sua vida pode parecer ao ser compartilhada nas redes sociais. O importante agora é quantas ‘curtidas’ as suas fotos podem ter, não mais a própria experiência em si. Fica então a reflexão para os viciados nas redes sociais de plantão: vale a pena investir em uma vida que é real apenas nas telas do computador? Que tal experimentar viver com toda a sua essência? Vale a pena tentar! revistadue

47


Comportamento

Por Camila Alves

GENTE INOCENTE?

Foto: Divulgação

POLÍTICA, SOCIEDADE, MAIORIDADE PENAL. ATÉ ONDE VOCÊ ENTENDE E ACEITA O DEBATE?

H

á três meses tenho investido seriamente em aprender sobre política, um pouco tarde, confesso. Meu objetivo é ter respostas bem elaboradas e bons argumentos sobre os assuntos em pauta. A experiência continua sendo frustrante.

mais jeito, que todos são corruptos e o Brasil será eternamente um país subdesenvolvido. É realmente desconcertante perceber o quanto não sabemos sobre política e apontamos o dedo para um ou para outro partido político, como se culpar fosse a única solução.

É realmente assustadora a quantidade de pessoas que simplesmente se abstêm do debate, única e exclusivamente por achar que não tem

Pensei, então, que não iria me manifestar; não iria me indignar sobre a manobra da Câmara dos Deputados e faria pouco caso sobre a crise mun-

48

revistadue


dial que é interpretada no Brasil como uma crise partidária. Iria na contramão do meu objetivo e ao invés de discutir e investir na política, simplesmente me omitiria, afinal, “na urna é que se resolve”. O fato é: tudo isso incomoda! É incômodo fazer parte de uma nação que valoriza muito pouco sua produção cultural e artística, em troca da importação da cultura estrangeira como sinônimo de riqueza, poder e status; é incômodo perceber que pouquíssimos empresários, famílias ou grupos sociais investem financeiramente em instituições públicas de ensino: quem de nós deixa parte da herança ou do patrimônio familiar para as universidades brasileiras? Ou, ainda, custeiam pesquisas, eventos culturais, formação musical, teatral e afins? Em resposta, é simples jogar tudo na conta do governo e achar que se não ele, ninguém mais deveria se preocupar com estas questões. É realmente incômodo fazer parte de um sistema cujo único objetivo é – parece ser – fazer o próprio sistema não funcionar. Exemplos diversos posso citar. O mais recente, o impasse entre Uber e taxistas ou a vinda da melhor medicina comunitária e preventiva para suprir o que nossa prática médica não tem dado conta.

Afinal de quem é a culpa? O mais incômodo, entretanto, é perceber que a imputação alheia da culpa, fugindo da responsabilidade e apontando para um lugar longínquo do nosso próprio umbigo, é realmente a ação mais praticada por todos nós, ou nossa grande maioria. Primeiro Cuba e seus médicos, depois os nordestinos, a copa do mundo, a Alemanha e seu futebol; para facilitar, a gente pinta a bandeira de vermelho e todas essas culpas se solidificam. Para incrementar o caos, precisamos culpar os criminosos; não os nossos criminosos, não os estrategistas, mas aqueles à margem; para isso, reduzimos a maioridade penal na marra, com uma manobra nunca vista antes, porque “se não for do meu jeito, não há acordo”. “Se eu não for titular, não tem jogo, a bola é minha”, seria uma frase muito melhor, tipicamente brasileira. Mas, se preferir, a gente bate nas panelas, veste a indignação de verde e amarelo, sai às ruas xingando a maior autoridade política do país, evita as pessoas que não concordam conosco e, enfim, espera ver no que dá nosso “esforço”. Minha sobrinha de cinco anos faz uma birra mais elaborada.

Maior idade A questão é: reduzindo a maioridade penal, o que de fato muda? O que melhora? Retiramos da rua um “bando de jovens sem futuro”, que dificilmente terão perspectivas de vida e os colocamos, como adultos, em prisões superlotadas. Ao mesmo tempo, temos plena consciência, e isto está no dito popular, de que as prisões são verdadeiras escolas do crime ao invés de um espaço reeducativo e integrador. Então, em síntese, estamos retirando da rua, colocando em prisões junto a outros presos perigosos, e, pagada a pena, rezamos para não toparmos com esses criminosos na rua. Adiante, faremos novas leis que impeça a saída deles das penitenciárias, ou diagnosticamos desde a barriga da mãe a propensão para o cometimento de crimes; não ficaria surpresa que a pena de morte fosse adquirida.

Idade arbitrária Eu não defendo a redução da maioridade penal, aliás, estipular uma data para punir um crime é realmente esdrúxulo. Qualquer uma é arbitrária: 18, 16, não importa. Precisamos entender que há ações e erros próprios da adolescência, devido a inexperiência, rebeldia e estupidez; assim como, há crimes que são crimes e ponto final. Estes devem ser julgados e punidos em razão de sua gravidade, intencionalidade e organização. Ao Poder Judiciário, compete essa responsabilidade; o trabalho a partir do caso a caso, levando em consideração não a idade, mas a trama, o contexto, a engenhosidade da questão; afinal, toda generalização deve ser cuidadosamente revisada. Além disso, precisamos utilizar a reeducação não como uma desculpa para evitar uma punição séria e rigorosa, mas sim como uma estratégia para se falar sobre o crime, compreender e reduzi-lo - o crime, não a idade. Não há reeducação se ela for sinônimo de impunidade e, consequentemente, a redução da maioridade não deveria ser sinônimo de higienização social.

Crime a juventude Tratar desse tema como limítrofe, de forma extremista, como se o crime estivesse enraizado no jovem e sem possibilidade de melhoria é assustador. Reduzir a maioridade penal e determinar periculosidade a partir da idade e não do crime, abre um abismo perigoso entre o jovem criminoso e o, simplesmente, jovem. revistadue

49


Foto: Divulgação

Comportamento

50

revistadue


SEXO NA ERA PÓS-IGNORÂNCIA SE A NATUREZA NOS DEU LIBERDADE, NÃO ESTÁ NA HORA DE PARARMOS DE PATRULHAR O NOSSO CORPO E O CORPO ALHEIO? Por Fábio Mariano Borges

revistadue

51


Q

uando nascemos, a natureza nos dá dois belos presentes: a vida e nosso corpo. Sem o pulsar da alma, o nosso corpo é vazio, não vive. E sem o corpo, a vida fica sem forma, sem expressão. Esses presentes nos foram dados e nos são de direito. Só nós podemos regê-los e decidir sobre eles. A ninguém os devemos. Em palavras diretas, ninguém tem absolutamente nada a ver com o que fazemos do nosso corpo e da nossa vida.

Foto: Divulgação

Mas a história não acontece bem assim. Antes mesmo de virmos ao mundo, já estão decidindo sobre nós. É cada vez maior a ansiedade em saber se o bebê é menino ou menina. A partir daí, decidem qual cor devemos gostar. Azul para os moleques. Rosa para as princesinhas. Também já estão decididos os brinquedos de cada um. Nem aparecemos por este mundo e já decidiram a cor do nosso quarto, as nossas brincadeiras, as nossas roupas. Até mesmo a nossa profissão. Ficaram poucas coisas para nós mesmos decidirmos a respeito da nossa identidade. Tem cor para os meninos e tem a cor certa para as meninas. Se trocar, dá uma grande confusão. Brincadeira de menino e brincadeira que é só para as meninas. Tem roupa pra homem, tem roupa pra mulher. Na profissão não é diferente. Ainda achamos estranho mulher trabalhando em obra de construção. E mulher juíza de futebol? Mais estranho ainda. Tem profissão para mulher, tem profissão para homem. A natureza nos deu vida e corpo. Livres. Para fazermos o que quisermos com eles. Recebemos a missão de dar uma identidade a esta vida e a este corpo ao longo da nossa trajetória. Deveríamos 52

revistadue

ter liberdade total para construir esta identidade que dá sentido, alma e personalidade a nós mesmos. Mas não é assim que funciona. Temos a mania de dividir o mundo em dois: o bem e o mal, o dia e a noite, o claro e o escuro, o forte e o fraco, o homem e a mulher, o masculino e o feminino, o pai e a mãe, o certo e o errado. E assim, criamos correntes que nos aprisionam durante a nossa jornada. Vivemos forçados a optar pela direita ou pela esquerda, pelo amor de ontem ou pelo amor de hoje. Não enxergamos que a natureza não restringe nada a duas formas. Sábia como sempre, a natureza é a rainha das cores, ela quer muito mais que o branco e o preto. É a rainha das formas, ela insiste em nos mostrar que há uma diversidade de espécies além da humana. E ainda nos dá uma grande lição: não há linha reta na natureza. Nela, tudo é orgânico. As formas e a linha reta são criações exclusivamente humanas. Provavelmente fruto da nossa mania em achar que há o certo e o torto. Na natureza, só existe o torto. O certo é uma invenção nossa. Para o corpo e a vida que recebemos da natureza, também inventamos o que é certo e o que é errado. Inventamos um comportamento ideal para os homens e para as mulheres. Saindo da reta, é errado. Não percebemos que a invenção do masculino e do feminino reflete a nossa obsessão em controlar o corpo alheio. Tudo passa por aí. Queremos ter o controle sobre o que cada um faz com seu próprio corpo. Houve época que achávamos um absurdo uma mulher não casar virgem. Era o domínio sobre o corpo do outro. Hoje, achamos um erro grave quando uma garota


ainda é virgem: “nossa, você ainda é virgem? Mas por quê?” De novo o controle e a obsessão sobre o corpo do outro. Achamos que o homem macho está sempre pronto para traçar qualquer mulher. Mais uma vez, controle. Colocamos o nosso corpo sob vigilância. Temos um peso certo para atingir, não é tudo que nos convêm comer, não é toda moda que podemos vestir, nem qualquer um que podemos beijar. Não ouse mandar nudes pelas redes sociais. O corpo é teu, mas o aval é nosso. Confundimos amor com obsessão pelo corpo do amado. Onde o corpo estava? Com quem estava? O que o corpo estava fazendo? Nem nos interessa o quanto somos amados, o que nos interessa é controlar o corpo de quem dizemos que amamos. Para a nossa infelicidade, resumimos o amor a isso. Acreditamos que amar é reservar o corpo para a exclusividade. Mas estamos longe, bem longe de cumprirmos essa regra que criamos.

ve para o prazer. Caímos no equívoco de chamar os genitais de órgãos sexuais. Errado. Os genitais são os órgãos reprodutores. O ato e o prazer sexual não são reféns dos genitais. No ato sexual podemos usar nossa boca, nossa língua, nossos olhos, nossas mãos e todo o nosso corpo. E quem duvida que não há órgão mais sexual e erótico que o nosso cérebro? Alguns países já estão discutindo medidas sérias para abraçar um mundo sem gênero. Em algumas escolas na Finlândia, Suécia e Alemanha, não se deve mais usar os pronomes ele ou ela para as crianças. Banheiros sem separação entre homens e mulheres. Roupas que podem ser usadas por todos. Por que um homem não pode usar saia ou maquiagem?

Sempre tivemos esta obsessão pelo corpo. Em 1868, decidimos que colocar o seu corpo para prazer e afeto com pessoa do mesmo gênero, ou seja, um corpo semelhante ao seu, era uma patologia que designava alguém como gay. Só recentemente, o “homossexualismo” deixou de ser oficialmente doença.

Se a natureza nos deu um corpo livre, não está na hora de transcendermos a ignorância das linhas retas e pararmos de patrulhar o nosso corpo e o corpo alheio? Se a natureza nos deu uma infinidade de cores, porque restringir cores para meninos e cores para meninas? Se a natureza nos deu o prazer da surpresa, por que saber com tanto antecedência o gênero do bebê? Essa ânsia reflete nada mais do que a nossa ansiedade em decidir sobre o corpo e a vida de quem ainda nem nasceu.

O mundo agora se depara com o pós gênero. O pós gênero é a celebração e o resgate da liberdade que nos foi dada pela natureza. Podemos construir a nossa identidade como quisermos. Sem dúvida, a natureza nos deu uma marca biológica através dos genitais: há aqueles que ovulam, as mulheres, e os que não ovulam, os homens. Só isso. Para todo o restante, somos livres. Inclusi-

Achamos que quando estamos no comando, tudo irá bem. Sendo sincero consigo mesmo, quando foi que você teve controle total sobre a vida? Se a natureza nos deu a liberdade, não é hora de usá-la para amar livremente, sem regras, sem gênero? Afinal, cada um pode exercer a delícia de ser o que é e o que quiser em qualquer hora e momento. revistadue

53


Comportamento

Por Lívia Buarque

Foto: Divulgação

IDEOLOGIA DE GÊNERO MUITO SE TEM OUVIDO FALAR A RESPEITO DESSE TEMA, MAS POUCOS SABEM VERDADEIRAMENTE DO QUE SE TRATA 54

revistadue


I

nicialmente, frisa-se que este não é um texto que defende ou repreende a liberdade sexual; com ele, debate-se a ideologia de gênero, sem adotar uma posição extremista. Explico. Quando discordamos da forma como as cotas raciais são impostas nas universidades e nos concursos públicos, por exemplo, passamos a ser vistos como racistas que não entendem que há uma dívida histórica a ser paga, em razão dos tantos anos de escravidão; da mesma forma, dizer que é contra a ideologia de gênero lhe coloca como homofóbico, enquanto que dizer que é a favor lhe posiciona como parte integrante de um movimento que tenta extirpar a entidade familiar. Não acredito que precisemos ser tão extremistas, mas, a fim de evitar maiores digressões, o texto será eminentemente informativo, demonstrando aspectos e argumentos daqueles que defendem e daqueles que são contra a ideologia de gênero, cabendo ao leitor estabelecer seu próprio posicionamento.

O que é? A ideologia de gênero, desenvolvida na década de 1980, busca demonstrar que a definição de sexo não pode ser retirada das argumentações biológicas; ninguém nasce homem ou mulher, nascemos sem sexo, e nos autodeterminamos a partir de nossas próprias vontades, sendo o gênero resultante de uma escolha meramente subjetiva. Para os adeptos da teoria, determinar o sexo a partir do nascimento é uma imposição social, que exige que nos desenvolvamos identificados como homens ou mulheres, conforme nos foi transmitido. Aqui, o que se propõe é que não contenhamos rótulos ao nascer: menino ou menina. Somos um gênero indefinido que, através das próprias convicções ideológicas e psicológicas, construídas ao longo da vida, escolhe o que quer ser, ainda que de forma variável ou múltipla. Inclusive, já existem escolas na Suécia e na Holanda, onde não se pode chamar o aluno de menino ou menina, chama-os apenas de crianças, porque eles devem decidir quando crescerem se serão homens ou mulheres.

Argumentos defensivos Os estudos de gêneros, desenvolvidos em diversas universidades e por estudiosos de diferentes países, apontam como autoritária e coercitiva a imposição de uma realidade incontornável a todo ser humano, que seria o sexo biológico. Afirmam que os códigos morais e éticos impostos às crianças desde o nascimento permitem a criação

de hierarquias, em que algumas pessoas, as que seguem os ditames sociais, merecem respeito, enquanto aquelas que, por alguma razão, se distanciam da normalidade imposta pela comunidade, não. Sendo assim, as vontades, as crenças e os valores que tornam o ser humano quem ele realmente é, são diminuídos e marginalizados, por não coincidirem com aquilo que foi determinado pela “natureza” ou por Deus.

Argumentos opositores Os opositores à ideologia de gênero sustentam que a teoria foi desencadeada das teses de Karl Marx, que era deliberadamente contra a entidade familiar. Para ele, seria impossível implementar qualquer espécie de socialismo, sem que antes a família, do modo como é organizada, fosse destruída. Seus argumentos se lastreiam na ideia de que a implantação da ideologia de gênero não está sendo promovida para eliminar as discriminações, mas para a destruição do modelo familiar formado entre homem e mulher, uma vez que os próprios conceitos – homem, mulher e, inclusive, de homossexualidade e heterossexualidade – serão vãos. Assim, afirmam que, em verdade, através desta ideologia, a própria pessoa humana seria sexualmente indefinida ou indefinível e a biologia seria subvertida pela psicologia.

No Brasil O tema virou polêmica no Brasil porque os seus defensores tentam exaustivamente incluir a ideologia nos planos municipais de educação. A tentativa é de que as escolas – ambiente teoricamente mais imparcial de inserção de conhecimento – sejam responsáveis por informar às crianças, desde os primórdios, que apesar de sua condição biológica, elas nascem sem um sexo definido, podendo escolher o gênero ou os gêneros que desejem se identificar. Não havendo, portanto, qualquer espécie de repúdio a possíveis modificações de escolha ao longo da vida. Diante disso, os opositores reuniram-se em grupos com o objetivo de manifestar suas opiniões em audiências públicas realizadas em quase todos os Municípios do país. A intenção é demonstrar que a ideologia de gênero se traduz em verdadeira revolução organizada com o objetivo de desfazer o conceito doutrinário de família, assim como impedir sua inclusão em escolas brasileiras. Os resultados de tais manifestações permanecem desconhecidos, o que abre espaço para novas discussões. revistadue

55


Comportamento

Por Flávia Motta

Foto: Divulgação

TRANSGÊNEROS: QUEM SÃO ELES? COMO ENTENDER ESSE TEMA QUE VEM SENDO TÃO ABORDADO NOS ÚLTIMOS TEMPOS 56

revistadue


V

iver em sociedade, dentro dos padrões por ela impostos, por vezes não é fácil. Viver nesta mesma sociedade com rótulos ‘’fora da curva’’, seja pela sua orientação sexual, sua forma de se vestir ou se comportar torna-se muito menos fácil. Entre curvas e regras, encontramos um dos mais recentes termos relacionados à sexualidade: os transgêneros. O termo, originado lá pelos anos 80, define a condição da identidade de gênero dos que não se identificam com seu sexo biológico. Por exemplo: Maria nasceu menina, porém desde criança vê-se como um menino; tem gostos e pensamentos considerados masculinos e identifica-se com vestimentas masculinas. Maria, quando cresceu, descobriu-se transgênero, pois ela não se identifica como uma menina, seu sexo biológico, mas sim como um rapaz.

Transgêneros no Brasil Entre Marias e Josés, segundo o relatório da ONG internacional Transgender Europe, a transfobia, ato violento e preconceituoso contra transgêneros e transexuais, é de causar preocupação no Brasil. Entre 2008 e 2014, 606 travestis e transexuais foram assassinadas em terras tupiniquins. E não para por aí: só este ano, 50 transgêneros foram assassinados até o mês de abril no Brasil. A cada cinco ou seis transgêneros assassinados no mundo, quatro são brasileiros. Dados alarmantes, visto que nosso país prega a liberdade de etnia, cor, religião e afins. Porém, nem tudo é negativo. Nos últimos anos, o termo foi bem aceito e, junto a ele, famosos juntaram-se à causa – simpatizantes e próprios transgêneros, como Thammy Miranda, a cartunista Laerte Coutinho, entre outros.

Caso Bruce Jenner E entre famosos transgêneros, nas últimas semanas podemos acompanhar o início da transição do ex-atleta olímpico Bruce Jenner, hoje Caitlyn Jenner. Após uma vida de vitórias como atleta, dois casamentos e seis filhos, Jenner decidiu tomar coragem de seguir o que sempre quis: dar voz ao seu lado feminino e viver como uma mulher. Aos 67 anos, ela se torna porta-voz da classe e prova que atualmente a mídia tem se mostrado a favor da conscientização e dado apoio para tal. Como parte do processo, Caitlyn estreou na TV americana um documentário/seriado “I am Cait”, onde mostra as dificuldades e conquistas em assumir sua verdadeira identidade. Ela pauta reuniões com amigos transgêneros e mostra todo o processo de decisão – das transformações cor-

porais através de hormônios e cirurgias à difícil conversa com seus filhos e pessoas próximas.

Dicas para não cometer possíveis gafes Certo de que nem todo mundo sabe lidar com diferenças e, talvez, não tenha contato próximo com pessoas que tenham orientações sexuais diferentes das delas, às vezes cometemos gafes e acabamos por ofender alguém. Pensando nisso, com o intuito contribuir com a erradicação do preconceito, a Revista DUE deixa aqui algumas dicas de como respeitar um transgênero. Respeite sua identidade de gênero – Se a pessoa que você conheceu decidiu mudar sua identidade, não cabe a você julgá-la. Aceitando ou não a decisão, restrinja-se a respeitar e tratar a pessoa com cordialidade; Cuidado com a forma como você se refere ao passado – Evite ao máximo citar algo, como ‘’quando você era do gênero oposto’’ ou ‘’quando você ainda era homem/mulher’’. Soa rude. Caso queira referir-se ao passado, fale “quando você era criança”, ou “quando você era adolescente”. Caso seja necessário falar sobre a transição, seja claro e se expresse bem, ‘’antes do início de sua transição”; Use a linguagem apropriada ao gênero da pessoa – Ele agora é ela? Use termos femininos. Ela agora é ele? Use termos masculinos; Não tenha medo de questionar – A pessoa te deu liberdade de fazer perguntas? As faça. Será a melhor opção para você entender os motivos dele(a) ter decidido por tal mudança; Respeite a privacidade sexual – Obviamente não saímos perguntando a qualquer um sobre sua vida sexual. Não é porque alguém fez uma transição de sexo que você vai abrir um caderno de perguntas sobre sexo e jogá-lo nos braço do outro; Comece a reconhecer a diferença entre identidade de gênero e sexualidade – não presuma que o gênero de uma pessoa se correlacione à sua sexualidade — não é assim. Há pessoas transexuais heterossexuais, gays, lésbicas, curiosas e assexuais. Se a pessoa revela a você a sua orientação sexual, use os termos que ela usar; Trate as pessoas transgênero da mesma maneira – enquanto ela pode gostar da atenção extra que você a dá, sem dúvida o ato de exagerar não será tão apreciado. Depois de estar bem informado, cuide para não se exceder. Pessoas transexuais têm a mesma personalidade que tinham. revistadue

57


Comportamento

Por Raíssa França

Foto: Divulgação

ATÉ QUE PONTO VOCÊ ACEITA O DIFERENTE? TRANSEXUALIDADE AINDA É UMA INCÓGNITA PARA MUITOS 58

revistadue


A história de Natasha é mais uma das muitas histórias de pessoas que sofrem preconceitos diariamente no Brasil, especificamente, na cidade de Maceió. A não aceitação da família, a discriminação e a falta de conhecimento do ser humano são exemplos de algumas dificuldades que as mulheres e homens transexuais do mundo inteiro enfrentam. A transexualidade é descrita pela Organização Mundial da Saúde como um transtorno de identidade de gênero, em que o sexo biológico não condiz com o gênero a qual a pessoa se identifica, mas há a necessidade de Cirurgia de Redesignação Sexual. Mesmo diante de tantos preconceitos, Severino Pedro ficou no passado. Ainda assim, Natasha não conseguiu mudar seu nome social. Hoje em dia, a mudança do nome social é um direito de transexuais e travestis que sintam vontade de fazê-la. Uma resolução foi publicada no Diário Oficial da União garantindo a mudança do nome social, o direito de usar o banheiro dos estabelecimentos de acordo com a sua orientação sexual, além de registrarem na polícia as ocorrências de agressão. Sendo assim, fica mais fácil de identificar o número de crimes ligados à homofobia. Natasha é vice-presidenta da Associação de Transexuais e Travestis de Alagoas (ASSTAL). A associação funciona como um ponto de apoio e troca de experiências. “O local de encontro é para discutir políticas públicas voltadas para nós, mulheres transexuais e fazer projetos que beneficiem o nosso público”, comenta Natasha. A associação existe desde 2013 e conta com quatro pessoas na coordenação. Mesmo com esse ponto de encontro, há ainda dificuldades para que transexuais saiam de suas casas normalmente, pois o medo de enfrentar a sociedade é grande.

S

everino Pedro da Silva nasceu no corpo de um homem, mas na verdade era dono de uma alma feminina. Desde os 11 anos, descobriu que não pertencia ao universo masculino, o nome que foi colocado na certidão de nascimento também não fazia parte da sua vida. Talvez, a família não imaginasse que, mais tarde, Severino se chamaria Natasha Wonderfull. A técnica de Enfermagem precisou ter em seu sangue o espírito combativo. Lutar pelos seus direitos, por uma nova identidade, por respeito. Lutar para que a transexualidade deixasse de ser tabu e fosse discutida na sociedade.

“Nascer no corpo errado”, é assim que Natasha Wonderfull define a pessoa transexual. Não se identificar, não se aceitar e ainda ir de cara com o preconceito. Nascer menino e querer usar vestido, nascer menina e desejar brincar de carrinho. Desejar uma mudança de nome e não ter. Ser objeto sexual de muitos que não têm a coragem de assumir um relacionamento com uma transexual. Algumas desejam a mudança de sexo e não conseguem. Outras, clandestinamente, se colocam em risco. Vestidos e carrinhos são detalhes, a mudança de sexo é necessária para que o outro se sinta bem. Porém, o que realmente deve ser mudado é a capacidade do ser humano de absorver e compreender que todos são iguais perante as leis. revistadue

59


Comportamento

GLOSSÁRIO DOS GÊNEROS

CONHEÇA ALGUNS TERMOS SOBRE IDENTIDADE DE GÊNERO E ORIENTAÇÃO SEXUAL

Q

uando o assunto é gênero e sexualidade alguns termos podem causar confusão. Para auxiliar na sua compreensão da sociedade e evitar a produção/reprodução de preconceitos, escolhemos algumas palavras-chaves e apresentamos breves definições sobre a temática que podem ser confundidas no nosso cotidiano. Caso ainda tenha dúvidas, lembre-se que sempre pode consultar fontes que trabalham com esta temática. Orientação Sexual: indica por quem você sente atração, física e emocional. Não está ligada a identidade de gênero. Homossexual: homossexuais, também conhecidos como gays e lésbicas, são pessoas que se sentem atraídas física e emocionalmente por pessoas do mesmo gênero.

Foto: Divulgação

Heterossexual: Pessoas que se sentem atraídas física e emocionalmente por pessoas do gênero oposto. Bissexual: Pessoas que se sentem atraídas física e emocionalmente pelos gêneros masculino e feminino. Pansexual: diferentes dos bissexuais, pansexuais também se sentem atraídos por pessoas não binárias, ou seja, que não se identificam com nenhum gênero. 60

revistadue

Por Laís Morais


Assexual: assexuais são pessoas que não sentem atração assexual ou que não tem interesse na prática sexual com outra pessoa, mas podem sentir atração emocional. Identidade de gênero: diz respeito ao gênero com o qual você se identifica, podendo ser diferente do sexo com o qual você nasceu. Sexo Biológico: é a denominação do órgão genital com o qual você nasce. Intersexual: Intersexuais nascem com ambos os sexos, o que não interfere na sua orientação sexual. Vulgarmente conhecidos como hermafroditas. Não binário: Pessoa que não se identifica com nenhum dos gêneros. Cisgênero: Diz-se do indivíduo cuja identidade de gênero está de acordo com o que lhe foi atribuído ao nascer. Transgênero: Transgêneros são pessoas que não se identificam com o gênero ao qual foram designados. Entre os representantes típicos da população de transgêneros estão a transexual, a travesti e o andrógino. Transexual: Transexuais são pessoas que também não se identificam com o gênero com o qual foram designados ao nascer, que seria igual ao sexo biológico, mas há a necessidade de Cirurgia de Redesignação Sexual. Travesti: Qualquer pessoa que se apresenta socialmente usando roupas e adereços definidos como de uso próprio do sexo oposto. Uma travesti se identifica como mulher. O conflito nesse caso é mais com o gênero do que com o sexo genital, com o qual as travestis se identificam. Ou seja, não há desconforto com a genitália, como acontece com uma transexual. Drag Queen/ Drag King: Drags se vestem como o sexo oposto de forma artística, não tendo relação com a identidade de gênero ou orientação sexual. Chama-se Drag Queen a pessoa que se veste com roupas exageradas femininas estilizadas, e Drag King a pessoa que se veste como homem, também de forma exagerada. Andróginos: Pessoas que têm características físicas e comportamento de ambos os sexos. Isto quer dizer que uma pessoa andrógina identifica-se e define-se como tendo níveis variáveis de sentimentos e traços comportamentais que são quer masculinos quer femininos. revistadue

61


Capa

62

revistadue


revistadue

63


64

revistadue


revistadue

65


66

revistadue


revistadue

67


68

revistadue


FAS HION #quesejaousado


Editorial

70

revistadue


revistadue

71


Modelo: Bianca Dantas Produção: Carol Born Fotos: Gustavo Sarmento Moda: Corpo Leve 72

revistadue


revistadue

73


Moda

Por Cristiane Salgado Nunes

CAPSULE WARDROBE UM MOVIMENTO QUE DEFENDE O “VIVER COM MENOS”

E

m tempos de crítica ao consumismo e à descartabilidade das roupas impulsionadas pelas redes fast fashion, o movimento Capsule Wardrobe surge para cortar os excessos e promover a adoção de um armário que preze pelo essencial.

Foto: Divulgação

Provavelmente, você já deve ter passado pela situação de se deparar com aquela roupa totalmente esquecida na gaveta, com a etiqueta ainda intacta. Percebeu o quanto você conseguiu viver bem sem ela?! Para o Capsule Wardrobe, 37 é o número de itens suficientes que uma pessoa precisa, incluindo acessórios e calçados. De acordo com Susie Faux, dona de uma butique nos anos 70 chamada “Wardrobe”, a ideia é priorizar peças-chave que não saem de moda e são intercambiáveis, possibilitando, assim, várias combinações. Para montar um capsule wardrobe, é preciso optar por peças atemporais, consideradas clássicas, coordenando cores que sejam pre74

revistadue

ferencialmente neutras e permitam o máximo de combinações entre si. Uma das razões para ter menos roupas, além de uma prática muito mais sustentável, é que você também economiza tempo e dinheiro: são menos decisões a serem tomadas (não é preciso perder tempo pensando em como combinar aquela regata estampada colorida) e energia economizada (esqueça a dor de cabeça pela busca de uma peça que combine com aquele top cropped caríssimo e de textura diferente que ficou encalhado no seu armário).Talvez a maior lição de otimizar seu armário seja entender o seu próprio estilo e investir naquilo em que você se sente bem e, definitivamente, vai usar no seu dia a dia. O Capsule Wardrobe pode se inspirar no Minimalismo e no Normcore à vontade, já que esses estilos também prezam por roupas mais simples e pelo conceito de que “o menos é mais”. Confira alguns looks.


revistadue

75


Editoral

A MAIOR SOLIDÃO É A DOR DO SER QUE SE AUSENTA, QUE SE DEFENDE, QUE SE FECHA

76

revistadue


revistadue

77


A maior solidão é a do ser que não ama. A maior solidão é a dor do ser que se ausenta, que se defende, que se fecha, que se recusa a participar da vida humana. A maior solidão é a do homem encerrado em si mesmo, no absoluto de si mesmo, o que não dá a quem pede o que ele pode dar de amor, de amizade, de socorro. O maior solitário é o que tem medo de amar, o que tem medo de ferir e ferir-se, o ser casto da mulher, do amigo, do povo, do mundo. Esse queima como uma lâmpada triste, cujo reflexo entristece também tudo em torno. Ele é a angústia do mundo que o reflete. Ele é o que se recusa às verdadeiras fontes de emoção, as que são o patrimônio de todos, e, encerrado em seu duro privilégio, semeia pedras do alto de sua fria e desolada torre.

78

revistadue


revistadue

79


Fotografia: Paulo Higor Nunes Modelo: Harry Gavlar Texto: VinĂ­cius de Moraes

80

revistadue


A Bela em casa é uma empresa especializada em Atendimento de Beleza Domiciliar, ou em escritórios, hotéis, pousadas; para que você fique linda sem ter que se deslocar: manicure e pedicure, cabeleireira, depilação, spa dos pés e das mãos, sobrancelha, etc. Tudo para você ter o conforto do atendimento em domicílio e nós tomamos todo o cuidado para garantir sua saúde e beleza. NOSSOS DIFERENCIAIS: UNHAS DECORADAS: Francesinha, Inglesinha, Caviar, Glitter, Filha-Única, Francesinha Invertida, use e abuse da decoração das suas unhas. CABELO: Todos os nossos produtos são de extrema qualidade para tratar seus cabelos, seja fazendo a escova ou ainda utilizando nossos produtos para Hidratação. Usamos os produtos da Marca Inoar, sinta esta diferença. Utilizamos esterilizadora de escovas, para garantir a higienização na utilização em nossas clientes. MAQUIAGEM: Usamos produtos de qualidade para que você possa ter uma maquiagem diferenciada, produtos Mary Kay entre outros. DEPILAÇÃO: Nosso material é descartável, produtos para depilação feminina e masculina, maca desmontável, que garantirá todo o conforto para o atendimento na sua casa. Produtos da marca: Depilsan, Depilbella, removedor de cera, espátulas descartáveis, lençol descartável, produtos específicos para depilação masculina. SPA DOS PÉS: Utilizamos produtos de alto resultado para que você tenha seus pés relaxados, sinta todo o conforto do spa dos pés com nossa Hidromassageadora e fique com os pés impecáveis todo o dia. SPA DAS MÃOS: Utilizamos produtos da Linha Mary Kay - Mãos de Seda; para proporcionar um tratamento especial em suas mãos, com esfoliação, hidratação e posteriormente a maciez da sua mão será sentida por você de forma única. DESING DE SOBRANCELHA: Fazemos design de sobrancelha e também sobrancelha em Henna. Nossas pinças são esterilizadas em Autoclave. Todos os nosso produtos são descartáveis, como: ceras, espátulas de depilação, lixas de unha, botas e luvas descartáveis, palitos de unha, etc. Todos os materiais são esterilizados em AUTOCLAVE, que garantem sua segurança contra a contaminação pelo vírus da Hepatite B e C, HIV, bactérias, fungos, etc


Cera Depilbella

Pinça em envelope autoclave

Aquecedor de cera roll-on Depilbella

Hidromassageador Breeze Relax G-tech

Escovas esterilizadas

Produtos Argan Oil

Produtos Mary Kay

Autoclave Cristofoli 21 litros

UNIDADE MACEIÓ: UNIDADE SÃO PAULO/SP (82) 99913-3030 (11) 9.7028-4002 Instagram: belaemcasamaceio Instagram: belaemcasasp Site: www.belaemcasa.com.br Facebook: Bela em Casa


GAVAZZI completo

‘’Vivemos em constante mudança e precisamos criar e conquistar novas metas diariamente. No quesito beleza, estou sempre um passo à frente, porque é disso que vivo.’’

Fotografia: Gabriela Pessôa Beleza: Gavazzi

82 3327-6945

Rua Pio XII, 470 - Jatiúca gavazzihairstylist gavazzihair


www.blogdogavazzi.com

A novidade

T

oda Quinta feira em nosso salão você encontra a promoção queridinha: ‘’Quinta tem Combo’’. Ela foi pensada para você começar o m de semana da melhor maneira, cuidando-se. Para car por dentro do Combo, siga o nosso instagram ou acesse o nosso site.

Quarta da Beleza

O tão desejado cabelo dos sonhos é a especialidade da casa. Com opções de tratamento como Cauterização, Selagem, Hidratação e Relaxamento, seu cabelo terá o cuidado merecido. Para quem deseja mudar ainda mais o visual, as diversas técnicas de mechas e coloração do nosso hair stylist cairá no seu gosto. Na Quarta da Beleza, fazendo qualquer tratamento, você ganha uma cauterização!

Beleza: Gavazzi Fotografia: Fernando Okuda

TERÇAforMAN

O homem atual se cuida e aqui no salão ele tem um dia na semana todo dele. Na Terça for Man, os descontos para tratamentos masculinos vão até 25%. Agora não tem desculpa para não sair bonito. Beleza: Gavazzi Fotografia: Gabriela Pessôa


FotograďŹ a: Fernando Okuda Beleza: Gavazzi


FotograďŹ a: Fernando Okuda Beleza: Gavazzi


www.blogdogavazzi.com

Preview verão 2016 make neutra com pele iluminada em 7 passos

1

2

Preparei a pele com base bege claro, espalhando com pincel próprio em todo o rosto para uniformização da pele. Após esse preparo, vamos aos olhos!

3

Escolhi uma sombra mel alaranjada bem leve, esfumaçando na parte de cima e também na debaixo, acima do iluminador, com bastante suavidade.

Depo

is

Usei o iluminador em toda a parte superior da pálpebra, inclusive também abaixo dos cílios inferiores, mas sem pigmentar muito abaixo da sobrancelha, já que não vamos usar sombra escura ou delineador marcado, para dar um efeito mais natural.

Antes

5

4

Finalizei os olhos com máscara à prova d'água nos cílios .

6

7

Beleza: Gavazzi Fotografia: Gabriela Pessôa

Passei o delineador em toda a extensão superior dos cílios

Para nalizar a pele, passei o pó em todo o rosto, menos nas regiões em que quis dar profundidade: nas maçãs, laterais do nariz e parte superior da testa.

Nos lábio, optei por um batom rosa claro coberto com gloss incolor, dando um toque especial.


Fotografia: Gabriela Pessôa Beleza: Gavazzi


Moda

Por Valná Dantas

Foto: Divulgação

#TRENDS

#1 90

revistadue

Camiseta divertida - Descontração e personalidade


revistadue

91


Foto: Divulgaテァテ」o 92

#2

Fruta Cor - Moderno e leve

#3

テ田ulos Vintage - Ousadia e elegテ「ncia

revistadue


LKSÇLDK CAKSDCA

Foto: Divulgação

LKJALSJDLJALSKDJLAKJSDLAJSD

94

#4

Digital Print - Inspiração anos 90

#5

Minimalismo Esportivo - Técnico e casual

revistadue


HE ALT H #quesejanatural


Voz

Por Geová Amorim

QUALIDADE VOCAL CONHEÇA OS MANDAMENTOS PARA MANTER SUA VOZ

A Foto: Divulgação

voz humana representa um dos principais meios de comunicação e se manifesta desde o nosso nascimento de diversas formas, tais como: choro, grito, riso e sons da fala. Mas o grande desafio é conquistar a tão sonhada qualidade vocal. Para isso, reunimos algumas dicas para que você possa manter o bem-estar na hora de uma boa conversa, reuniões de trabalho ou em boas comemorações. A produção da voz acontece na laringe, que se encontra situada no pescoço, que por sua vez é um tubo onde estão as pregas vocais (popularmente conhecidas como cordas vocais). Estas estão em posição horizontal no interior da laringe. Elas se afastam ao inspirarmos e o ar entra 96

revistadue

nos pulmões. Ao falarmos, elas se aproximam, o ar inspirado sai e ao passar pela laringe, produz as vibrações, que resultam no som da voz. O som produzido na laringe é amplificado pelas cavidades de ressonância formadas pela faringe, boca e nariz. As orientações de saúde vocal consistem em um conjunto de regras básicas e procedimentos que auxiliam a preservar a saúde vocal e a prevenir o aparecimento de alterações e doenças. Estas orientações devem ser seguidas por todos, particularmente por aqueles que utilizam a voz como ferramenta de trabalho. O termo saúde vocal é um conceito que engloba alguns aspectos, tais como: voz limpa e clara, emitida sem esforço e agradá-


vel ao ouvinte. Além disso, uma voz apresenta-se saudável quando o indivíduo consegue variá-la em qualidade, frequência, intensidade e modulação, de acordo com o ambiente, a situação e o contexto da comunicação.

to quente, pois causam choque térmico, provocando muco e inchaços nas pregas vocais; •

Em ambientes com ar condicionado, intensificar a hidratação, pois o ar é bastante seco, deixando a garganta seca e isso pode acarretar pigarros e alteração na qualidade vocal;

Evitar tossir ou pigarrear, uma vez que provoca um impacto forte nas pregas vocais;

Evitar falar durante exercícios físicos; qualquer exercício de esforço muscular junto com a fala irá provocar sobrecarga na musculatura das pregas vocais;

Evitar o consumo de álcool em excesso, pois possui efeito analgésico, propiciando abusos vocais sem que se perceba;

Evitar falar ou gritar com muita intensidade; sempre que possível, procure se aproximar da pessoa para conversar;

Evitar chupar balas ou pastilhas fortes quando estiver com a garganta irritada. Isso mascara o sintoma e a pessoa tende a forçar a voz sem perceber. Quando o efeito da bala passa, a irritação na garganta aumenta;

Prestar atenção ao usar roupas apertadas na altura do pescoço e na cintura, pois irá dificultar a livre movimentação da laringe e também a movimentação do diafragma durante a respiração;

O canto é um ótimo exercício para a voz, mas o indivíduo precisa ter preparo e técnicas vocais, caso contrário, podem surgir sérios problemas nas pregas vocais e consequentemente na voz;

Atenção aos alimentos pesados e muito condimentados, pois provocam azia, má digestão e refluxo de secreções gástricas, irritando as pregas vocais pela acidez e dificultando também a livre movimentação do músculo diafragma, essencial para a respiração.

Mandamentos O ponto básico das orientações visa compreender quais são os inimigos de uma boa voz, ou seja, os hábitos nocivos que nos prejudicam e colocam em risco a saúde e o bem-estar vocal. Dentre os principais hábitos e abusos que comprometem a voz, temos: •

Gritar sem suporte respiratório;

Tossir ou pigarrear excessivamente;

Falar alto em ambientes ruidosos ou abertos;

Utilizar tom grave ou agudo demais;

Praticar exercícios físicos falando;

Falar excessivamente durante quadros gripais ou crises alérgicas;

Fumar ou falar muito em ambientes de fumantes;

Utilizar álcool em excesso;

Falar abusivamente em período pré-menstrual;

Falar demasiadamente;

Risadas em volume alto;

Falar muito após ingerir grandes quantidades de aspirinas, calmantes ou diuréticos;

Cantar inadequada ou abusivamente ou, ainda, participar de corais sem preparação vocal e cantar em vários estilos musicais.

As principais dicas que auxiliam a preservar a saúde vocal e a prevenir o aparecimento de alterações e doenças podem ser seguidas por todos, principalmente por aqueles que se utilizam mais da voz, dentre elas, temos: •

Aumentar a ingestão de água, bebendo pequenos goles de água em temperatura ambiente. Ficar atento a sinais de baixa hidratação tais como boca seca e saliva grossa. Evitar ingerir líquidos em temperaturas extremas, ou seja, muito gelado ou mui-

Caso perceba alguma alteração vocal, como rouquidão, cansaço ao falar, falhas na voz, pigarro persistente, dor e ardor na garganta por mais de uma semana, procure um profissional fonoaudiólogo especialista em voz, para que sejam realizadas as devidas orientações e encaminhamentos. revistadue

97


Corpo

KEEP CALM AND PRACTICE YOGA Foto: Alyona Gamm

A

grande procura pelo yoga denota que as pessoas buscam transformação de uma maneira geral, algo que alivie as crescentes pressões da vida urbana. Como o Yoga trabalha na manutenção do equilíbrio e autoconhecimento, quem tem ansiedade passa a se conhecer melhor e aprende o que fazer quando entra em um estado ansioso. As crises de ansiedade passam a ser mais esparsas e, quando surgem, ela sabe como acalmar a mente. Tem mais consciência que tudo tem seu tempo para acontecer e treina ficar mais focada no momento presente. Por ser uma terapia psicológica e espiritual, o yoga aumenta a autoestima, desenvolve qualidades e virtudes como paciência, compaixão, bondade, generosidade. 98

revistadue

Por que praticar yoga? • • • • • • • • •

Melhora a qualidade de vida, promovendo bem-estar, serenidade e paz interior. Proporciona equilíbrio emocional. Melhora problemas de insônia e depressão. Estimula a circulação sanguínea. Diminui dores nas costas. Melhora a postura e o fortalecimento muscular. Energiza corpo e mente. Fortalece o organismo, tendo a saúde como foco principal. Não tem contraindicações.


Brasileiros estressados O mundo moderno tem muita informação, pressões, transformações constantes, e as pessoas vivem com pressa, ansiosas. Não sabem mais esperar e não têm paciência. De acordo com a Internacional Stress Management Association, 30/% dos brasileiros estão sofrendo da Síndrome da Afobação. O estado de agitação constante, como um estado de alerta, eleva a frequência cardíaca, deixa a musculatura tensa, traz irritação, falta de ar e ansiedade. Faz surgir compulsões por comer ou beber muito, fumar ou usar drogas.

Yoga como solução Traduzindo ao pé da letra, a palavra Yoga, da raiz sânscrita, significa união. Através do yoga o praticante atinge três estados: a união consigo mesmo, com os demais seres e com o absoluto. Os benefícios são consequências de toda transformação espiritual e do funcionamento adequado dos órgãos, conquistados pelos movimentos feitos em aula e de hábitos saudáveis como cuidar da mente, estar sempre bem alimentado, beber água e dormir bem. “O yoga promove energia e, ao mesmo tempo, relaxamento. Depois de uma prática com exercícios de respiração, o aluno se sente mais disposto, adquire mais força de vontade e determinação para executar suas tarefas do dia a dia.”, explica Riki Klein, especialista em yoga. Para quem sofre com problemas de ansiedade, insônia e depressão, o yoga pode servir como calmante. “Um dos benefícios mais fascinantes é o entendimento das nossas emoções.”, afirma Riki Klein, canadense que escolheu Maceió para abrir seu estúdio de yoga.

Riki Klein Nascida em Vancouver, Canadá, Riki é professora de yoga certificada internacionalmente com mais de 10 anos de experiência na prática de yoga e ballet. Seu estúdio, em Maceió, dispõe de ambiente sinérgico que combina elementos do dia a dia com a filosofia yogue. Visite e faça parte de uma comunidade que cultiva a vida saudável.

Endereço: Rua Bancário Rady Gusmão do Nascimento, 700, Galeria Via Condotti, Sala 106, Jatiúca – Maceió/AL Telefone: 82 99804.6289 Instagram: @rikikleinyoga @rikiklein Facebook: RikiJKlein revistadue

99


Foto: Divulgação

Mente

Por Mayara Correia de Oliveira

POR QUE PROCURAR UM PSICÓLOGO? ENTENDA QUAL É A DIFERENÇA ENTRE A PSICOTERAPIA E OS “CONSELHOS” QUE VOCÊ RECEBE DE AMIGOS E FAMILIARES 102 revistadue


M

uitas pessoas acham que uma sessão de psicoterapia ou um passeio ao shopping, uma saidinha com amigos ou uma ida a um barzinho para se distrair e colocar o papo em dia não têm diferença. Mesmo que atividades de lazer e descontração nos façam se sentir bem, devemos levar em consideração que essas situações de bem-estar são momentâneas, ou seja, nos transmitem certo alívio, porém, é um sentimento passageiro. E é nesse ponto que as duas situações se divergem, pois a psicoterapia é considerada um processo. Nela, o psicólogo não irá dizer “o que você deve fazer”, nem levar o paciente a uma solução mágica prontinha, já com a receita e as instruções inclusas. Durante o processo, é o próprio paciente que vai em busca dos recursos e alternativas para lidar com a situação que estiver passando.

Qual a diferença? Muitas pessoas ainda não conhecem ou nunca passaram por um processo psicoterapêutico. Muitas delas têm a visão de que se forem a um psicólogo irão apenas desabafar, contar seus problemas, e que o profissional ficará somente ouvindo as questões apresentadas, sem falar nada. Existem sessões em que o psicólogo irá ouvir mais do que falar, mas isso se restringe a alguns momentos, pois o principal objetivo da psicoterapia é estimular a autonomia e possibilitar ao sujeito, cada vez mais, o entendimento dos seus conflitos, a fim de que ele aprenda a lidar com eles. É com esses princípios que o terapeuta realizará suas intervenções, com a finalidade de reverter a situação presente do paciente, de permitir que ele perceba que pode haver outros pontos de vista e deixar que ele localize em si próprio respostas/soluções que ainda não havia observado. Mesmo tendo entendido como funciona o processo psicoterápico, muitos ainda devem estar se questionando “por que vou a um psicólogo para expor meus problemas, se eu tenho amigos que tanto me escutam quanto me aconselham, sem cobrar nada por isso?” É fácil responder! Devemos procurar um psicólogo porque o seu amigo, mãe, marido, esposa, irmã, parente, etc. não tem as “ferramentas/técnicas” apropriadas para suportar tudo o que você “depositará” sobre eles. O “aconselhamento” que será dado é limitado a partir do momento em que o seu interlocutor, em geral, não deixará à disposição sua paciência, técnica e imparcialidade devido a, na maioria das vezes, os conselhos refletirem o que ele vivenciou, como é a realidade dele ou até pelo fato de ele se colocar

no seu lugar; é a partir das próprias experiências que ele dará os conselhos que acha dignos para você. Resumidamente, seu amigo ou parente falaria algo para você de acordo com seu contexto particular, sua individualidade, como “se eu fosse você”, e não “se você fosse você”. Isso acontece porque seu amigo não possui a técnica necessária para fazer a interpretação adequada dos seus problemas e, muitas vezes, sem saber o que falar, acaba aconselhando apenas com palavras “acolhedoras”, em que talvez afirme que você tem uma família linda, um emprego, uma casa, que existem pessoas com problemas bem piores e que você não precisa ou não tem motivos de ficar no estado em que se encontra. Ao ir à psicoterapia, você não vai apenas bater papo, como também não terá uma conversa resumida a conselhos. O terapeuta também não irá te julgar, porque seus valores, suas emoções e seu ponto de vista particular não irão fazer parte do processo. O que vai ser levado em conta é a história, o momento atual do paciente, sua personalidade, entre outros fatores.

Quando procurar um psicólogo? Depois de ler tudo isso, você pode estar se perguntando: “quando devemos procurar um psicólogo?” A resposta que posso te dar é: se você está pensando em buscar uma terapia, provavelmente algo está acontecendo. Então, será que não está na hora de procurar um profissional? A terapia se inicia antes mesmo do terapeuta. Quando a pessoa percebe que algo necessita ser mudado, já é elemento do processo. Procurar ajuda psicológica é um investimento na qualidade de vida.

“PODEMOS TER BONS AMIGOS E, AINDA ASSIM, NECESSITARMOS DE UM TRABALHO TERAPÊUTICO. PODEMOS, TAMBÉM, TER UM EXCELENTE TERAPEUTA E, AINDA ASSIM, NECESSITARMOS DE BONS AMIGOS” revistadue 103


Vinhos

Foto: Acervo pessoal

A

SOB OS VINHOS DE TOSCANA Entenda os rótulos as classificações:

Toscana, com suas paisagens bucólicas, cidades pré-medievais e vinícolas de primeira, é um convite irresistível para se aventurar no coração da Itália. Uma boa maneira de degustar os vinhos da Toscana, que são febre mundial, é conhecendo pessoalmente a região. Mas se você não vai até a Itália, seus melhores vinhos vieram até você.

Indicazione Geografica Tipica - IGT (Indicação Geográfica Típica): essa classificação, criada no início dos anos 90, pode ser comparada ao Vin de Pays, da França. Fica entre a categoria mais popular, a Vino da Tavola, e outras de controle mais rigoroso.

Desembarcou em Maceió uma enoteca italiana que apresenta um novo conceito em vinhos, diretamente do coração da Itália. Renomados rótulos da Toscana como Brunello, Chianti, Nobille di Montalcino e mais uma vasta seleção de outras regiões da Itália, como o Veneto com seus vinhos brancos e prosecco fino. A adega chega ao estado para colaborar diretamente com a história gastronômica e Sommelier e proporcionar o contato com bons e selecionados produtos italianos.

Denominazione di Origine Controllata - DOC (Denominação de Origem Controlada): aqui as regras são mais austeras. A legislação determina o sistema de poda e plantio dos vinhedos, o rendimento máximo deuvas por hectare, o teor alcoólico dos vinhos, as técnicas de vinificação e os critérios de envelhecimento. E ainda não é tudo: os vinhos passam por degustação técnica e análise química para endossar sua tipicidade. Esses vinhos também podem trazer no rótulo a inscri-

106 revistadue


ção VQPRD - Vinho de Qualidade Produzido em Região Demarcada. Denominazione di Origine Controllata e Garantita - DOCG (Denominação de Origem Controlada e Garantida): é o top dos tops entre os vinhos italianos. As regras são ainda mais rígidas que as dos vinhos DOC. Anualmente, uma comissão gesgustadora oficial aprova ou reprova. A região da Toscana é caracterizada pelos vinhos tintos feitos a partir da uva Sangiovese. É uma das regiões vinícolas mais importantes da Itália, conquistando consumidores de todo mundo com sua variedade de vinhos. A diversidade de características (aroma, sabor, corpo, estrutura, etc.) e a alta produção anual impedem uma classificação geral da bebida. São mais de 7 mil vinhedos. Hoje a Sangiovese possui muitos clones, os mais conhecidos são: Brunello, Prugnollo Gentile e Sangioveto.

Chianti Chianti é o mais famoso de todos os vinhos italianos. Produzido na região da Toscana, nas cercanias das cidades históricas de Firenze e Sienna. Por lei, os Chianti devem ter pelo menos 80% de Sangiovese e podem receber até 10% de uvas tintas estrangeiras (as mais usadas são: Cabernet Sauvignon, Merlot ou Syrah).

Brunello de Montalcino O tinto mais celebrado do país. Produzido na cidade de toscana de Montalcino, o Brunello foi o primeiro vinho italiano a ganhar a chancela de DOC (Denominação de Origem Controlada) e depois o status de DOCG (Garantida) também. Por força de lei, ele tem de ser elaborado apenas com uma cepa da uva Sangiovese, típica da região. Um Brunello deve envelhecer pelo menos 2 anos em madeira e 4 meses na garrafa antes de distribuído, sempre depois do dia primeiro de janeiro do quinto ano depois da colheita. Os vinhos riserva, por sua vez, é distribuído após 6 anos, sendo 2 deles passados em barris de carvalho e seis meses em garrafa. A madeira utilizada pelos produtores tradicionais vem da Eslovênia, e os produtores mais novos usam carvalho da França.

Rua Gaspar Ferrari, 174, Loja 4. Galeria do Hotel Holiday Inn, Ponta Verde, Maceió. (82) 98736.9110 / 3435.3542 @adegaditaliaimportadora revistadue 107


Nutrição

Por Célia Souza

SEM GLÚTEN! CONHEÇA DICAS E ALIMENTOS INDICADOS PARA A BOA NUTRIÇÃO DOS CELÍACOS

A

doença celíaca é uma doença autoimune, ou seja, as próprias células de defesa imunológica agridem as células do organismo, causando um processo inflamatório. Na doença celíaca, a inflamação é provocada pelo glúten, proteína presente no trigo, cevada e centeio. Esse processo inflamatório, que no caso ocorre na parede interna do intestino delgado, leva à atrofia das vilosidades intestinais, gerando diminuição da absorção dos nutrientes. No geral, os sintomas como diarreia, prisão de ventre, perda de peso, anemia, sensação de estufamento, cólica e desconforto abdominal começam na infância. Na fase adulta, muitas vezes os sintomas são mais indefinidos, como dores eventuais. Abaixo dicas e alimentos indicados para uma boa nutrição.

Frutas e legumes Todas são permitidas, pouco calóricas e oferecem sais minerais, vitaminas e carboidratos, além de grandes doses de vitamina. Doces de frutas (só frutas e açúcar) e frutas secas e cristalizadas também está liberado.

Bebidas •

Sucos de frutas e vegetais naturais, refrigerantes e chás.

Vinhos, champagnes, aguardentes e saquê.

Cafés com selo ABIC.

Massas •

Só as massas de arroz ou feijão verde são permitidas.

108 revistadue

Carnes, aves e peixes Todas são permitidas, incluindo presunto, mas é preciso ter cuidado com o preparo. Por exemplo: bolinhos e à milanesa, que levam farinha ou pão. Enlatados e embutidos devem ser evitados.

Chocolates Já são comercializados chocolates sem glúten. Toblerone, Kinder, Santa Edwiges, Pan, entre outros. Confira sempre a expressão “NÃO CONTÉM GLÚTEN” na embalagem.

Outros cuidados Deve-se tomar cuidado com a contaminação dos alimentos com o glúten, pois sabe-se que mesmo traços do glúten nos alimentos podem provocar lesão no intestino delgado. Em casa, separar os produtos que contenham glúten dos produtos que não contém glúten. Lembrar que, sem proceder limpeza adequada, utensílios utilizados para o manuseio e preparação de produtos com glúten poderão contaminar alimentos sem glúten. Recomenda-se que alimentos geralmente consumidos com pães e torradas (geléias, margarinas, maionese, entre outros) também sejam de uso exclusivo do paciente celíaco. O simples ato de fritar um alimento adequado em óleo usado para fritar outro alimentos pode representar riscos para o doente celíaco. Para algumas pessoas beber água em um copo mal lavado onde alguém bebeu cerveja, já pode provocar a manifestação dos sintomas.


Nutrição

Foto: Acervo Restaurante Alphazema

Q

QUEM QUER PÃO?

ual é a sua desculpa para não fazer a primeira refeição do dia? Seja ela qual for, saiba que o simples fato de pular o café da manhã pode prejudicar o seu rendimento, pode trazer alguns problemas para a sua saúde. O primeiro dejejum além de ajudar a começar suas tarefas com mais disposição, evita excessos e traz diversos benefícios a longo prazo. Assim como paulistanos e cariocas, o maceioense passou a tomar café da manhã fora de casa e opta por alternativas saudáveis para o seu desjejum. De olho neste filão, o casal Diogo e Paula Moraes, sócios da cafeteria e restaurante Alphazema, criaram um espaço aconchegante para que seus clientes possam apreciar uma comida saborosa e saudável a partir das 7h. São diversas opções de café, frutas, sucos e pães para atender aos consumidores mais exigentes e que desejam fazer uma refeição balanceada nas primeiras horas do dia. 110 revistadue

CAFÉ DA MANHÃ É REFEIÇÃO ESSENCIAL PARA COMEÇAR BEM O DIA

Por que deve-se tomar um café da manhã de “rei”? •

Evita excesso de peso

Ajuda aumentar o rendimento intelectual

Gera energia para o resto do dia

Ativa o metabolismo

Dá força para praticar exercícios físicos

Repor energia e nutrientes como vitaminas e sais minerais


ALPHAZEMA RESTAURANTE E CAFETERIA De segunda a sábado. 7h às 22h30 Endereço: Rua José Luiz Calazans, 31, Jatiúca – Maceió/AL Telefone: 82 3435 9885 / 3435 9428 Instagram: @alphazemarestaurante revistadue 111


Receitas

Por Célia Souza

Mousse Quadradinho de de uva tapioca e geleia

Ingredientes: • • • • •

1 copo (250 ml) de suco de uva 1 pacote de gelatina sabor Uva 6 claras batidas em neve 10 colher (sopa) de açúcar 1 lata de creme de leite (300ml)

Calda: • • •

1 copo grande (250 ml) de suco de uva 5 colheres (sopa) de açúcar 2 colheres (sopa) de maisena

Foto: Divulgação

Preparo:

Ferva o suco de uva, desligue o fogo e dissolva nele a gelatina e deixe esfriar. Nas claras em neve, adicione o açúcar e vá batendo com a batedeira até adquirir a consistência de suspiro. Junte agora o suco de uva que foi misturado com a gelatina com as claras em neve. Por fim, acrescente o creme de leite e misture tudo com uma colher. Coloque em uma forma redonda, untada com margarina sem sal. Leve à geladeira por 4 horas. Só prepare a calda após desenformar a mousse para não endurecer. Leve ao fogo baixo os ingredientes para a calda, mexendo até engrossar suavemente. Deixe esfriar um pouco, desenforme a mousse e despeje a calda sobre ela. Decore com hortelã e uvas, levando novamente a geladeira por mais 30 a 40 minutos. Sirva bem gelado. 112 revistadue

Ingredientes: • • • • • • •

1 xícara de tapioca granulada – pérolas de tapioca 1 xícara de tofu com sal temperado (1 colher de sopa de sal do Himalaia, 2 colheres de sopa de açafrão em pó, pimenta) 1 xícara de leite de coco fresco caseiro 1 pitada de pimenta branca 500g de goiabas maduras 1 xícara de tâmaras sem caroço 1 xícara de água

Preparo:

Bata as goiabas com água, peneire os caroços e coloque o líquido do suco de goiaba já peneirado na panela. Bata as tâmaras no liquidificador com a água. Acrescente o purê de tâmaras na panela, deixe em fogo baixo e mexa até engrossar, por 30 minutos. Mexa para não grudar. (Reserve) Leve o leite de coco ao fogo para ferver. Misture bem o queijo e a tapioca, adicione o leite aos poucos, incorporando este a massa. Mexa sem parar para não formar grumos. Tempere com sal e pimenta, reserve. Unte uma assadeira pequena com óleo de coco e espalhe a massa uniformemente. Leve ao congelador por 30 minutos. Retire da assadeira e corte em cubinhos de dois centímetros de lado. Pincele óleo de coco em uma assadeira e doure os quadradinhos dos dois lados. Sirva os dadinhos com o doce de goiaba.


Dicas de Nutrição

Por Célia Souza

Proteínas: são de extrema importância para o nosso organismo por sua função construtora e reparadora. Elas também participam da formação de hormônios, enzimas e anticorpos. As proteínas são nutrientes que mais geram gasto calórico para a digestão em relação aos carboidratos e gorduras. E por isso são indispensáveis ao nosso organismo.

Maçã: Foto: Divulgação

Na cozinha, a maçã pode ser utilizada de muitas maneiras, acompanhando pratos salgados ou no preparo de deliciosos doces. Quando consumida crua e com casca é uma ótima fonte de fibras, a qual auxilia no funcionamento intestinal.

Pera: Apesar de ser uma fruta consumida praticamente só ao natural, é ótima para o preparo de tortas, compotas, geleias, mousses, cremes, etc. Contém quantidades razoáveis de vitaminas B1, B2 e niacina, todas do complexo B, que regulam o sistema nervoso e o aparelho digestivo e fortificam o músculo cardíaco; são essenciais no crescimento e evitam a queda dos cabelos e problemas de pele.

Salsão: Para nos beneficiarmos de suas propriedades, podemos consumi-lo de várias maneiras, e aproveitar principalmente a sensação de saciedade que ele proporciona. O salsão é, antes de tudo, um vegetal muito digestivo e saudável: composto por 95% de água, consegue nos hidratar ao mesmo tempo em que nos depura, eliminando toxinas e retenções de líquidos de nosso organismo. 114 revistadue


S OCIET Y #quesejaestrela


Opinião

Por Carol Dias

ESTAR NA MODA É SER VOCÊ MULHERES DE DIFERENTES ESTILOS ENSINAM COMO ESTAR ANTENADA ÀS TENDÊNCIAS RESPEITANDO A PERSONALIDADE DE CADA UMA Fotografia: Paulo Higor Nunes Beleza: Érika Lins/Washington Barros Produção: Marcela Sotero / Paulina Martins 116 revistadue


S

e você conceitua a moda como algo fútil, que tenta padronizar a aparência das pessoas, atualize-se. Mulheres de diferentes estilos e aparências podem estar antenadas às tendências da estação sem que pareçam todas a mesma pessoa. Singularidade é um princípio fundamental na moda. Ela procura potencializar as características de cada um de acordo com seus corpos e sua personalidade. Mulheres que valorizam seu estilo de acordo com a moda não têm medo de ousar, e isso se reflete em suas profissões. Cuidar da aparência as deixa mais seguras de si, inspirando a confiança dos seus colegas de trabalho. Cada vez mais empoderadas, garantem seu espaço no campo profissional com muito charme e elegância. Um exemplo é a colunista social Luiza Tiné, que vê na moda a oportunidade de ousar sem sair do conforto. Ela está sempre à procura de peças que valorizem o seu tipo físico, pequeno e magro. É fã das cores, brilhos e das peças curtas e apertadas. A arquiteta e blogueira Ana Karla, assim como Luiza, também prefere as peças mais práticas e descomplicadas, porém adota um estilo mais clássico. Nutre um gosto pelo elegante e costuma dizer que seu estilo se adequa ao clima da cidade. Uma mulher moderna, que apesar de não dispor de muito tempo para se produzir, está sempre alinhada, pois preza por manter a boa aparência. É comum as mulheres de estilo mais cosmopolita adorarem o preto, mas, às vezes, também apostam numa produção mais colorida. A maioria das mulheres contemporâneas, independente do estilo com que mais se identifiquem, tem gosto pela praticidade. O cotidiano agitado exige que nenhuma produção seja muito demorada, pois o tempo é um bem valioso no âmbito profissional. Não é diferente para a podóloga Cris Farias e a assessora de imprensa Marcela Sotero. Praticidade e ousadia, esse é o lema de Cris. Para trabalhar, ela costuma escolher combina-

“ESTAR NA MODA É RESPEITAR QUEM VOCÊ É. É CONSEGUIR EXPOR SUA ESSÊNCIA E PERSONALIDADE ATRAVÉS DA INDUMENTÁRIA.”

Mary Mansur

revistadue 117


Luiza TinĂŠ

118 revistadue

Cris Farias


Vivian Oliveira

Marcela Sotero

revistadue 119


ções mais neutras, que não chamem atenção, mas ao sair para uma balada, gosta de produções glamorosas. Na make, o batom vermelho não pode faltar. Marcela é ousada como Cris, mas muitas vezes também prefere conforto e praticidade nas produções. Define seu estilo como versátil e formal, mas sem perder a elegância. Já a empresária Mary Mansur, apesar de trabalhar imersa no mundo da moda, adota um estilo menos ousado. Por sua personalidade tímida, prefere combinações mais discretas e elegantes. Ser chique, para ela, é ter no guarda-roupa aquelas peças-coringa - clássicas e atemporais - e saber mesclá-las com outras mais modernas. Como várias outras mulheres, ela segue alguns cuidados básicos para estar sempre bela: hidratação no cabelo, tratamento facial e manutenção das mechas; mas sua rotina de dedicação quase integral ao trabalho não lhe permite muito tempo para cuidar do corpo e da saúde tanto quanto gostaria. Mary acredita que o charme da mulher vai além da beleza física. A mulher interessante, em sua opinião, tem postura, um enigma no fundo dos olhos e uma malícia que inquieta a todos quando sorri. Para as clientes de sua loja, a empresária argumenta que seguir a moda é se sentir confortável, usar peças que gerem uma identificação, que combinem com a personalidade de cada uma. As tendências podem ser adaptadas a muitos contextos. Mulheres de diferentes religiões, culturas e crenças podem incorporar os itens da moda a seus mais variados estilos. Vivian Oliveira, por exemplo, é blogueira evangélica e não abre mão das saias e vestidos longos. Devido à religião, Vivian costuma se vestir de maneira mais formal, mas para descontrair, sempre procura peças pouco convencionais e com cores chamativas. Estampas, blazers e sobreposições fazem parte do seu guarda-roupa. Estar na moda é respeitar quem você é. É conseguir expor sua essência e personalidade através da indumentária. Essas mulheres de estilos tão diferentes no dia a dia têm um ponto em comum: empoderam-se usando a moda a seu favor.

Ana Karlla

120 revistadue

“ELAS NÃO TÊM MEDO DE OUSAR NO MODELITO DO DIA A DIA, E ISSO SE REFLETE EM SUAS PROFISSÕES”


Destaques Alagoanos MULHER

@seroncologia

ATITUDE DO BEM Analisando todos os benefícios da fisioterapia nos pacientes oncológicos, a fisioterapeuta Suzanne Lima enxergou a carência de informação e a necessidade de atendimento às pacientes carentes em nosso estado e em outubro dará início ao Projeto Atitude Rosa. Sem fins lucrativos, irá oferecer gratuitamente a dermopigmentação da mama após a reconstrução mamária e também distribuir braçadeiras compressivas, fundamental na manutenção do linfedema.

Foto: Junior Lima

Para realização desse projeto ela conta com a parceria de Renata Leahy (Marketing Criativo), Manu Mortari (Allegra Store), Lucia Bastos (Designer de acessórios) e Amanda Soares (Designer), mulheres do bem e de atitude que abraçaram a causa e juntas fomentam o Atitude Rosa, onde quem quiser ajudar poderá adquirir peças especiais da Lucia Bastos e da Allegra Store, que terão sua venda revertida para o projeto.

122 revistadue


@xpertingles

XPERT EM INGLÊS A coragem faz parte da sua história desde muito cedo. Quando saiu de casa e resolveu se aventurar pelo mundo, Walber Lima não tinha muita experiência, mas sabia que só com coragem poderia alcançar coisas boas. Foi para Londres, onde morou por quatro anos, cresceu, aprendeu e amadureceu. Ao retornar para o Brasil, deu início a uma jornada sem volta: a educação. Durante doze anos, trabalhou em uma das maiores escolas de idiomas do estado. Na segunda instituição de ensino ficou por três anos, até ser demitido. E essa palavra assustadora, naquele momento, foi um divisor de águas. Entre a opção de ficar cabisbaixo e a de lutar, Walber escolheu fazer a diferença. Abriu sua própria empresa e, em 2015, brinda os cinco anos de sucesso da escola. A Xpert tem foco em um trabalho específico para o público adulto. Quebrando barreiras e mitos quanto à idade para começar a aprender um idioma, Walber tem turmas e aulas individuais com alunos de até 72 anos. E não são poucos os que buscam a escola para alcançar o objetivo e o sonho da fluência em inglês.

“RESPONSABILIDADE E COMPROMETIMENTO SEMPRE FIZERAM PARTE DO MEU PERFIL. PREZAR PELA QUALIDADE ME LEVOU ATÉ ONDE ESTOU HOJE. É UM TRABALHO LENTO, MAS QUE IMPÉRIO É CONSTRUÍDO SEM SUOR?” Foto: Junior de Assis

EMPREENDEDOR

Harmony Trade Center, Sala 723 xpertmcz@hotmail.com +55 (82) 99126.4789 revistadue 123


GASTRONOMIA

@najuanybistro

GASTRONOMIA ARTESANAL No comando do Najuany Bistrô, o casal Boris Guimbard (chef de cozinha) e Karolyn Oberg (biersomelier) presenteiam a linda cidade de Maceió com uma cozinha contemporânea recheada de sabores.

Um ambiente aconchegante e intimista, com um cardápio de dar água na boca e uma carta só de cervejas artesanais (nacionais e importadas). No menu constam opções como o Mignon a la Boliviana; um file mignon grelhado ao molho de amendoim, batatas assadas com ervas e aspargos frescos grelhados. Este prato em especial traz algumas referências bolivianas, terra natal do chef, sendo o prato original as “Papas a lá Huancaina” (batata assada ao molho de amendoim) que é muito consumido no país. Para deixar ainda melhor o cardápio, o casal conta com toda sua experiência de restaurantes como Trattoria da Rosário, La Tambouille e Gero (Fasano) para desenvolver o melhor em massas frescas e risotos. Traz ainda as sugestões de harmonizações de cada prato do bistrô com as cervejas artesanais. Fica na rua São Francisco de Assis, 73 - Jatiuca.

BELEZA

@institutoires

NOVIDADE EM MACEIÓ

Fotos: Junior de Assis

Mais uma novidade chega em Maceió! Para homens e mulheres preocupados com saúde, bem estar, beleza e qualidade de vida, o Instituto de Reabilitação e Estética – IRES está sendo inaugurado ainda em setembro. Com conceito de excelência na prestação de serviços de reabilitação, fisioterapia dermatofuncional e estética, a clínica está localizada na Rua Olindina Campos Teixeira, 93, Jatiúca, e traz uma equipe de profissionais qualificados, os melhores produtos e as novas tecnologias do mercado para atender bem e cuidar de seus clientes. O Instituto IRES terá como diretores o Fisioterapeuta Dr. George Márcio C. e Souza Especialista em Fisiologia do Exercício pela USP, mestre em Reabilitação e Doutorando em Ciências pela Unifesp e a enfermeira Dra. Marília Gabriela dos S. L. Souza, especialista em Urgência e Emergência com formação completa em estética facial e corporal.

124 revistadue


Eventos

QUEM QUER PÃO? ILOA RESORT

O

Foto: Acervo Iloa Resort

ILOA Resort já foi palco dos mais variados tipos de eventos. Desde campeonato Brasileiro de Tênis à Leilão Nacional de Cavalos Mangalarga Marchador, passando por exposição Regional de carros antigos e evento local Corporativo - Outdoor. Todos eles realizados nas áreas livres do hotel. Para o segundo semestre foi iniciada uma nova diretriz visando o segmento M.I.C.E. . Isso se deve a inauguração recente do primeiro espaço fechado para eventos no resort. A sala Rio Niquim, homenagem à corrente de águas doces que abastece diversas comunidades ribeirinhas na região da Barra de São Miguel, localiza-se no mezanino do restaurante Caetés. Com capacidade para 110 pessoas em auditório, espaço com 147 m², ar condicionado Split, blackout 100% e WI-FI gratuito. Perfeito para workshops, happy-hour, premiações e confraternizações de final de ano. Segundo Irênio Rocha, gerente comercial do ILOA, o novo espaço representa mais que uma possibilidade de faturamento em um mercado não explorado, chega como uma alternativa para quem deseja realizar eventos na região e não en126 revistadue

HOMENAGEIA RIO NIQUIM NOMEANDO SEU NOVO ESPAÇO PARA EVENTOS

contra suporte. “Estamos gradativamente abrindo nosso leque de opções para atender a uma demanda reprimida de mercado. Foram vários eventos negados nos últimos 12 meses para diversas empresas que desejavam realizar eventos técnico-científicos de pequeno porte ou até mesmo pequenas reuniões corporativas por falta de estrutura de uma sala de eventos. Essa realidade mudou com o lançamento da nossa sala Rio Niquim. Assim que lançamos, já tivemos cotações e pedido de Convenções Corporativas. Não temos dúvidas de que esse segundo segmento no ILOA trará excelentes frutos”, informou o gerente. Além do local para eventos, também foi formatado um Kit de Banquetes com flexibilidade para melhor atender as necessidades dos clientes. Devido à aceitação do projeto já está programada para 2016 a construção de uma sala maior, com capacidade para 200 pessoas em auditório e modulável. Lembrando que nos próximos anos será erguido o Centro de Convenções da Barra de São Miguel com disposição para 2.000 pessoas, em terreno germinado do ILOA.


Para informações sobre reservas: ILOA Resort - Rodovia AL-101 Sul Barra de São Miguel - Alagoas Telefones:3272-1205/1115 E-mails:reservas1@iloa.com.br; reservas2@iloa.com.br www.iloa.com.br revistadue 127


Due apresenta

Por Valná Dantas

DE MENINA SONHADORA À MULHER REALIZADA

R

Foto: Junior de Assis

elatar experiências que inspiram, emocionam e revelam nomes que merecem destaque e admiração é um dos principais objetivos da revista Due. Nesta edição, em especial, o reencontro de duas amigas de infância é um brinde à força da mulher empreendedora que sabe o que quer, faz e acontece. Como editora-chefe, entrevisto uma grande amiga e tento resumir, engolindo o choro de emoção, a trajetória da linda menina que alcançou seu sucesso e transmite comprometimento em cada atitude e nova conquista. Vinte currículos impressos e distribuídos pessoalmente de loja em loja, nenhuma experiência e muita vontade de crescer. Era tudo que a jovem tinha em mãos, ao se formar, com 23 anos e muitas inseguranças. Quando chamada para trabalhar na primeira loja de móveis, Hélia pouco entendia de vendas, mas sabia que durante a faculdade de arquitetura tinha adquirido conhecimentos que davam base ao seu sonho, que era levar o melhor para cada um de seus clientes. Na loja, se destacou como vendedora e foi convidada à gerência. Naquele momento, mesmo encantada com o mundo das vendas, sentia medo, mas pensava: “Não há mal que sempre dure, nem bem que nunca acabe”. Se não desse certo, voltaria a ser vendedora e tudo estaria bem. Mas não houve volta. Com determinação e positividade, montou 128 revistadue

uma equipe maravilhosa e bateu todas as metas que estipulou para si mesma naquela missão. Sobre o segredo do sucesso alcançado, ela revela: “Estudei muito. Não apenas durante a minha graduação. Não apenas cursos da área de arquitetura. Estudei sobre liderança, sobre vendas, sobre marketing e fiz curso de coach. Conhecimento e capacitação serão sempre combustíveis para a vitória”. Ainda na fase de dedicação extrema à gerência da loja em que ganhou espaço, destaque e maturidade, surge uma oportunidade. “Cheguei em casa, virei para minha mãe e disse que havia comprado algo. Ela me perguntou, curiosa, o que era. “Mulheres e suas comprinhas”, pensou. Mas, na verdade eu tinha comprado uma loja. E, mesmo extremamente assustada com minha coragem e grande salto, ela sabia o quanto eu estava preparada para iniciar a MINHA HISTÓRIA. O MEU NEGÓCIO. A MICASA. E assim começa minha jornada de empresária”. À frente dos negócios, muita positividade. E mesmo quando o assunto é a dificuldade de empreender, ou a crise do país, a resposta vem em forma de incentivo. “Se você pensa tanto na crise, acaba entrando nela. E ao reclamar muito, deixa de dar o seu melhor e de alcançar tudo que você pode. Estou buscando, sem diminuir meu ritmo,


MiCasa Ambientes Planejados @micasaplanejados @heliaalmeidaa

“O ÚNICO LUGAR ONDE O SUCESSO VEM ANTES DO TRABALHO É NO DICIONÁRIO.” — ALBERT EINSTEIN

revistadue 129


entregar aos meus clientes qualidade, confiança e satisfação. E as respostas são positivas, assim como meu trabalho”. Além de investir em uma equipe unida e capacitada. “Todas as pessoas que fazem minha empresa são diretamente responsáveis pelos resultados positivos.”, relata com carinho. Eis que, quase três anos após o lançamento da empresa em Maceió, uma oportunidade inédita surge e, sem hesitar, a jovem a agarra com unhas e dentes. Comprou uma loja em Aracaju e hoje divide seu tempo e atenção às duas empresas. Com sorriso no rosto e muito brilho em seus olhos verdes, a empreendedora, que se define como uma grande menina com muitas responsabilidades e obrigações, transmite muita paz e comprometimento em tudo que faz. 2015 está sendo um ano de pura felicidade e plenitude. Tenho superado meus limites, como mulher e como profissional. Se me perguntassem hoje o que eu gostaria de ser, diria, sem pestanejar, que tenho orgulho de ter me tornado quem sou. Com apoio da minha família, que faz parte do sucesso que tenho alcançado, sei que posso voar cada vez mais longe.

Foto: Mickael Clygens

E se pudesse deixar um recado para quem está sonhando em ser ou fazer algo especial, mas está desanimado com as dificuldades, seria: “CORAGEM! Acorde. Arregace as mangas, jogue a preguiça de lado e descubra algo para amar. E aí todo cansaço será de satisfação. Acredite em você, abraçe a sua causa e corra atras dos seus sonhos, planos e projetos”.

Currículo:

130 revistadue

Formada em arquitetura e urbanismo, Hélia Almeida inaugura, em 2013, sua primeira loja.

A MiCasa atua no mercado com projetos de móveis planejados e tem como diretriz buscar as melhores solucões para cada espaço, aliada à expectativa e necessidade do cliente.

Em 2015, decide empreender em outro estado, e inaugura nova loja na cidade de Aracaju.

Este ano, a empresa participa, pela primeira vez, do Casa Cor Alagoas, com móveis assinados pela Italínea.



Edição 19 baixa