Page 1

Mar/Abr - 2016 - nยบ 116

Pertinho do cliente Lojas de vizinhanรงa sรฃo a forma mais rรกpida e conveniente para as compras


Palavra da Adibe

Futuro mais promissor depende de engajamento e colaboração Em um ano bastante desafiador para toda a sociedade brasileira, precisamos do engajamento e colaboração de todos os envolvidos para somar forças e passar por esse período da maneira menos dolorosa possível. É neste cenário de incertezas, mas também de grandes oportunidades, que a nova diretoria da Adibe – Associação dos Distribuidores de Bebidas do Estado de São Paulo iniciou seu mandato para o biênio de 2016/2017. Já temos uma agenda anual de reuniões onde pretendemos aproveitar ao máximo cada um desses encontros mensais para trocar experiências e conhecimentos com todos os associados com o objetivo de criar oportunidades e estratégias que possam gerar vantagem competitiva para os distribuidores. É o momento, também, de colocarmos em discussão problemas sensíveis ao setor de distribuição, como a legislação tributária, altos custos de transportes, restrição de circulação em centros urbanos, acirrada competição com diferentes canais de vendas, entre outros temas importantíssimos que afetam sobremaneira nossos negócios. É fundamental, ainda, resgatar a força outrora conquistada pela Adibe para que ela seja, realmente, a voz dos associados entre os diversos poderes da sociedade, nos âmbitos político, social e econômico. Por isso, convido a todos a participarem das reuniões e do dia a dia da Associação através de sugestões, ideias e de um efetivo e árduo trabalho com o objetivo claro de fortalecer e apontar caminhos para o setor de distribuição no Brasil. Leonildo Douglas Cordeiro Puin Presidente


ASSOCIADOS ADIBE DISTRIBUIDORES | FORNECEDORES | REPRESENTAÇÕES BERTIN COM. DE BEBS. LTDA.

DIST. DE BEBS. DISTRIBAR LTDA.

MASTER IMPORTS COM. E REPRESENT.

BETIL DIST. DE BEBS. TIETÊ LTDA.

DIST. DE BEBS. GARCA LTDA.

MDG COMÉRCIO DE ALIMENTOS LTDA.

BOLSÃO DIST. E COM. DE BEBS. JOÃO TADEU BRAVO

DIST. DE BEBS. HS

BS DISTRIBUIDORA LTDA.

DIST. DE BEBS. M. P. PIRACICABA LTDA.

COM. DE BEBS. CHAPADA D'OESTE LTDA.

DIST. DE BEBS. MARLENE LTDA.

NORTH BEER DIST. DE BEBS. LTDA.

COM. DE BEBS. E DOCES VIENA LTDA.

DIST. DE BEBS. PIRITUBA LTDA.

PARRACHO COM. DE DOCES E ALIM. LTDA.

COML. DE BEBS. GRANDE MIX LTDA.

DIST. DE BEBS. SAM CAMILO LTDA.

PAZZIN IND. E COM.DE BEBIDAS E DIST.

COML. DIST. BENFICA LTDA. BASILIO

DOBEL COM. DE BEBS. LTDA.

COML. VAREJ. DE ALIM. BARRETOS LTDA.

EDUARDO SHOZEM YAMAUCHI ME

CONTINENTAL BOM DIA DIST. LTDA.

ELC NOVA DOSE COM. DE BEBS. EIRELI

DISERB DIST. DE ALIM. E BEBS. LTDA.

FIDALGO GOUVEIA & CIA LTDA.

DIST. ÁREA SUL

FRONT COM. DE BEBS. LTDA.

VENTUCCI DIST. DE BEBS.LTDA.

DIST. BEBS. SOL NASCENTE DE CERQUI

GF DIST. DE BEBS. DE REGISTRO LTDA.

WORLD COMPANY DIST. DE BEBS. LTDA.

MUSEU DA GULA COM. ALIM. LTDA.

DIST. DE BEBS. JC LTDA. NEPI DIST. LTDA.

SAFRA DIST. DE BEBS. LTDA. TICO E TECO DIST. DE BEBS. LTDA. ME TREMEM´BEER ATACADO DE BEBIDAS LTDA.

DIRETORIA ELEITA PARA O BIÊNIO 2016/2017 DIRETOR EXECUTIVO Mario Ferreira

SECRETÁRIA DE REDAÇÃO Leila Aiach Fonseca

CONSELHO DE GESTÃO

Distribuidora de Bebidas Pirituba Ltda.

PRESIDENTE

SECRETÁRIO DE PROTOCOLO

Leonildo Douglas Cordeiro Puin

José Carlos Perlati

Distribuidora Aérea Sul Ltda.

Distribuidora de Bebidas JC Ltda.

VICE-PRESIDENTE

CONSELHO CONSULTIVO

Élcio Fidalgo Gouveia

Jonas Bertucci Ventucci Distribuidora de Bebidas Ltda. Anderson Minaré Minaré Distribuidora de Bebidas Ltda. Michael Alexander Abdalla Diniz Ama Aruja Distribuidora de Produtos

e Alimentos Ltda. Paulo Bertin Bertin Com. de Bebidas Ltda. Fernando Balista Distribuidora de Bebidas San Camilo Ltda. Marcelo Fruet Dobel Com. de Bebidas Ltda.

CREDIBESP

Fidalgo Gouveia e Cia. Ltda.

TESOUREIRO Eduardo Galdino da Silva Parracho Com. de Doces e Alim. Ltda. Edição 116 - 2016

Suellen Tragueta Auxiliar Administrativo José Eduardo O. de Freitas Gerente

3


Índice 10

CAPA

Pertinho do cliente As lojas de vizinhança são a forma mais rápida e conveniente para as compras da sociedade atual

SEÇÕES

Palavra do Presidente Gestão Tecnologia Destilados Internacional Notícias Agenda 4

2acapa 15 16 24 25 28 30


Entrevista

6 Atendimento é o melhor diferencial Gilclér Regina fala sobre a importância do cliente para as empresas e para o sucesso de qualquer negócio

Estratégia

18

Crise impulsiona venda de produtos substitutos Faça uma análise da cadeia de valor de seu negócio e veja as oportunidades que você pode aproveitar desta situação

Estoque

20

5 vantagens de um sistema de gestão para controle de estoque

Uso de ferramenta possibilita o gerenciamento de produtos e matériasprimas e contribui para evitar prejuízos

Edição 116 - 2016

Capacitação

22

O gestor tem noção do que é liderar?

A liderança necessita de um conjunto de valores que deve servir de bússola para as atitudes de todos que formam um grupo de trabalho

5


Entrevista

Atendimento é o melhor diferencial Por Redação

Qual é a verdadeira importância do cliente para a empresa? Gilclér Regina: O cliente é a razão da existência de qualquer negócio. Sem cliente não tem empresa, não tem emprego. As empresas deviam cuidar com mais carinho desta parte estratégica do negócio, afinal é o cliente que paga as nossas contas, proporciona o faturamento e o lucro. Algumas pessoas dizem que tem dificuldades em comprar produtos em um determinado estabelecimento e creio que muitos outros se identificam com isso. Qual é o primeiro erro de abordagem que um vendedor pode cometer? Gilclér Regina: O primeiro erro é a falta de atenção. O maior erro de muitas empresas é não treinar para o atendimento. Nós negociamos com pessoas e não com máquinas. Pessoas são puramente sentimentos e como vendedores temos que estar atentos a esta variação de humor que elas têm. O vendedor não pode ser um carrapato que gruda nem alguém distante que não dê atenção. O vendedor tem que deixar a pessoa com liberdade, com segurança, se colocando à disposição para quando precisar, proporcionar alegria e segurança. E por incrível que pareça, em pleno século 21 um bom atendimento ainda é uma exceção. Muitos empresários, do varejo por exemplo, reclamam que a concorrência é alta. Tratar bem o cliente pode ser um diferencial atrativo diante da concorrência? Gilclér Regina: Não tenho a menor dúvida que o bom atendimento é um senhor diferencial. Na competição, os produtos são praticamente iguais. O que vai proporcionar a diferença é o serviço, é o atendimento, é o clima da empresa que para tanto é preciso ter tam6

Gilclér Regina, especialista e palestrante de temas como atendimento a clientes, fala em entrevista a Dose Dupla sobre a importância do cliente para as empresas e para o sucesso de qualquer negócio


bém um pessoal motivado, são pessoas comprometidas, de iniciativa, que entendem que o sucesso só acontece para quem está em movimento. O bom tratamento deve ser dado para todos que entrarem numa loja? Mesmo para aqueles que visivelmente entram apenas para pesquisar preço? Gilclér Regina: Atender é atender bem e ponto final. Se o cliente entra para pesquisar preço, ou ele compra ou não. Porém, mesmo não comprando, a marca registrada daquele local será o bom atendimento, a excelência no serviço, o que certamente fará ele lembrar com alegria de sua loja e na primeira oportunidade voltará, seja pelo erro da concorrência, por preço ou outros fatores, inclusive de estratégia e atendimento. Até porque o preço nem sempre é o definidor do fechamento de negócios. Como o gestor da empresa pode conscientizar sua equipe de vendas para que o tratamento ao cliente possa ser melhorado a cada dia? Gilclér Regina: Essa conscientização vem com reuniões e treinamentos. Motivar a equipe é essencial. O erro é não perguntar o que motiva. Ter um diálogo aberto com sua equipe é muito importante. Encaixar o programa, o que a empresa espera de cada um, mas também identificar as necessidades deles, para que se estabeleça uma mesma linguagem, uma convergência de bons hábitos, de metas e objetivos. Quais dicas você dá para aqueles que ainda agem com indiferença com clientes que entram na loja? Gilclér Regina: Quem faz isso tem que mudar de profissão. Vender é encantar. Vender é amar a profissão, gostar de gente. Quem faz isso, nós chamamos de “vendossauros”, aqueles que não se adaptaram às novas regras do jogo da vida. Se é que posso mesmo oferecer dicas, que elas sejam assim: Entender que o conhecimento reduz incertezas. Então, estude o produto que você vende para ter segurança naquilo que oferece, todos os seus benefícios. Acompanhe as mudanças, elas são muito rápidas, tanto na tecnologia de produtos como de comportamento social, comportamento das pessoas. E, fundamentalmente, ame sua profissão e seja comprometido com ela, com as metas da empresa e com as suas próprias metas. Um ser humano sem metas é um ser humano sem destino. Edição 116 - 2016

Eu gosto do impossível porque lá a concorrência é menor. Walt Disney

Quais os maiores benefícios do bom tratamento? Ele realmente cativa o cliente? Gilclér Regina: O maior benefício será o resultado. O cliente só é verdadeiro quando volta, quando retorna. O lucro do negócio não está em fechar uma venda, mas várias vendas. O verdadeiro sucesso está na continuidade e este é o desafio de qualquer empresa, perpetuar a marca, o negócio. E o maior patrimônio que uma empresa pode ter são seus clientes. O atendimento cativa sim, faz o cliente voltar e este é o sentido do negócio. Queremos clientes para os próximos trinta anos. Mesmo que o preço praticado esteja um pouco acima da média, o bom atendimento pode ser decisivo para o cliente optar pelo mais caro? Gilclér Regina: O preço está na quarta ou quinta posição definidora de uma compra. As pessoas compram preço sim, mas geralmente acompanhadas de todos os outros benefícios que a empresa possa oferecer como estacionamento, serviços, garantia de produto e o bom atendimento está entre os primeiros e sempre estará porque estamos falando de gente. No mundo que vivemos, de alta competitividade, quais são as chances de sucesso do negócio ou mesmo do pessoal de vendas? Gilclér Regina: Existem pessoas que estão vencendo e fazendo sucesso trabalhando nas piores cidades dos piores países do mundo. Também existem pessoas que estão fracassando nas melhores cidades dos melhores países do mundo. O que eu coloco é que não importa se as chances são maiores ou piores, o que importa é que elas existem. Então o meu conselho que você seja protagonista de suas próprias chances, seja protagonista do filme de sua vida. 7


Entrevista

Cliente satisfeito, sucesso garantido

O que você tem a dizer sobre resultados e valores na empresa? Gilclér Regina: Eu compartilho com o que disse Jack Welch: “Se você tem um funcionário que pratica resultados mas não tem valores, demita-o e envia uma carta de apresentação ao seu principal concorrente. Agora, se você tem um funcionário que até não produz muitos resultados, mas tem valores (atitudes, compromisso, ética), invista nele, pois quando ele praticar resultados fará de você um bilionário”. Portanto, em minhas empresas se eu tiver que promover uma pessoa entre competência ou lealdade eu promovo a lealdade porque competência eu ensino (conhecimento), lealdade não. Em suas palestras você fala que não existe meiaverdade e chama isso de mentira. Como mudar o comportamento? Gilclér Regina: Eu acredito que a verdade dói, mas cura. Não acredito em meio amor, ou ama ou não ama. Não acredito em meia fé. Ou tem fé ou é ateu. O morno é o fabricante da crise, o meia-boca que fica derivando entre o positivo e o negativo. Se você aceita qualquer coisa, fique tranquilo que a vida vai lhe dar qualquer coisa. Se você busca apenas sobreviver, tudo bem, você vai conseguir sobreviver. Mas se você quer o melhor, trabalhe por nada menos que isso, sem essa de plano B ou plano C e assim você terá alguma possibi8

lidade. As oportunidades são astutas, entram pela porta dos fundos, mas é preciso estar preparado e motivado. Mas acredito também no equilíbrio. A diferença entre o remédio e o veneno está na dose. Para finalizar, como você vê a ideia de que o profissional que faz sucesso é aquele que mais pratica relacionamentos? Gilclér Regina: Um médico pode ser o melhor de todos cientificamente falando, mas se o seu relacionamento com seus pacientes for frio, duro e calculista, certamente terá muito menos pacientes que outro que não é tão reconhecido assim pela ciência, mas dá um atendimento muito melhor, é sereno nas colocações, vibra junto com o paciente, deixa-o a vontade, cria conexões com ele que o faz ter vontade de sempre retornar. Em vendas é a mesma coisa. No Brasil, de cada 100 empresas que nascem, 80% morrem nos primeiros cinco anos, sobram 20, destas, 80% morrem nos cinco anos seguintes. Restam 4. Destas, apenas uma fará sucesso. Por que tantas empresas que nascem, acabam morrendo no Brasil? Falta preparação, falta planejamento, falta treinamento. Quando falamos em vendas, a primeira coisa que nos vêm à mente são que os produtos são muito iguais, as pessoas não. Elas devem ser motivadas e treinadas. Palavras são palavras, promessas são promessas, desculpas são desculpas, mas nós vivemos de resultados.


Varejo


Pertinho do cliente Os hábitos de consumo influenciam a cadeia de abastecimento e moldam os canais de acordo com essas alterações. Por isso as lojas de vizinhança são a forma mais rápida e conveniente para as compras da sociedade atual Por Carlos Donizete Parra

Edição 116 - 2016

11


Varejo

A

vida atribulada de hoje nos faz voltar aos tempos de criança quando comprávamos os produtos na mercearia do seu Manoel ou no açougue do seu José. O varejo de vizinhança é um dos canais que mais crescem na economia brasileira. O ritmo alucinado que envolve as pessoas, principalmente, nas grandes cidades como São Paulo, não nos permite mais perder tempo em grandes lojas de supermercados. É mais rápido e cômodo passar em lojas menores e comprar apenas alguns produtos deixando grandes compras para um ou outro final de semana do mês. Dessa forma, o varejo de vizinhança vai ganhando espaço na vida do consumidor brasileiro. O número de lojas com esse formato já passa de 1 milhão de estabelecimentos.

Frequência menor Estudo Shopper & Retail Dynamics Latam, da Kantar Worldpanel, envolvendo 41.000 domicílios em dez países, entre eles, o Brasil, mostrou que o consumidor latinoamericano está indo com menos frequência às lojas. O cenário apresentado no estudo mostra que esses consumidores buscam cada vez mais lojas de vizinhança, as preferidas de 68% dos latinos que optam por fazer suas compras perto de casa e valorizam a manutenção de uma relação estreita com o vendedor. Esse tipo de negócio permite ao proprietário uma relação de proxi-

midade que em momentos de incerteza econômica conquista o cliente que sente-se mais confortável e seguro para fazer suas compras. As decisões de compra também são mais rápidas e o consumidor aproveita-se muito de promoções que possam resolver situações do dia a dia como o jantar da família ou a visita inesperada de um amigo. Outra característica importante da loja de vizinhança é a agilidade, atributo difícil para uma grande rede de supermercados. Essa agilidade permite um abastecimento mais personalizado das gôndolas de acordo com as necessidades de clientes específicos. Ouvindo o clien-

Esse modelo de negócio tem algumas características diferentes do varejo tradicional, uma delas é um estoque bem reduzido. Em alguns casos, essas lojas nem trabalham com estoque. Para isso é preciso um trabalho minucioso de gestão de estoque, além de contar com fornecedores de confiança que possam abastecer a loja quase que em um sistema just time. As lojas de vizinhança se abastecem, normalmente, em distribuidores e atacadistas. Outra característica importante desse formato de negócio é a qualidade do atendimento. Devido ao tamanho da loja, esse atendimento é mais próximo e quase sempre feito pelas mesmas pessoas. Ganha importância a figura do caixa que atende as mesmas pessoas nos mesmos horários e, por isso, acaba conhecendo seus hábitos e suas preferências. O gerente da loja também é figura fundamental, em casos de lojas familiares, os donos são os atendentes e devem se esforçar para que esse atendimento seja o melhor possível.

As grandes redes aderiram ao novo formato, mas precisam de agilidade para competir


te, o proprietário ou gerente da loja pode fazer mudanças rápidas e promoções que agradem seus consumidores. Com isso, o lojista pode abastecer as prateleiras de acordo com o perfil de seus clientes. O aumento no número de lojas menores nas grandes cidades acontece não só por causa da crise, mas também por alterações nos hábitos dos consumidores, como as dificuldades com estacionamento, trânsito, horários apertados, entre outros problemas da sociedade atual. Essas mudanças chamaram a atenção das grandes redes que passaram também a investir nesse formato de loja. O Grupo Pão de Açúcar lançou as lojas Minuto em vários municípios de São Paulo, enquanto o Carrefour acelera a abertura de mais lojas com a bandeira Carrefour Express. Tudo isso para ficar mais perto dos clientes e não perder espaço para os pequenos varejistas. Essas lojas atuam num raio restrito com um mix específico de produtos, precisam comprar muito bem para vender com preços baixos. Para conseguir escala trabalha-se com margens pequenas. Os consumidores querem a conveniência, mas ninguém gosta de pagar mais caro. Se acontece isso, o cliente volta para os grandes supermercados.

O mercado de produtos saudáveis movimentou US$ 34,7 bilhões em 2014, mais do que foi registrado cinco anos antes, em 2009 ter o contato com os clientes. Também o pessoal de gerência e diretoria precisa de treinamento específico para conduzir e executar essa estratégia de negócio. Nesse modelo, tanto a indústria quanto o distribuidor precisam se adequar para dar condições de trabalho para o varejista. Uma oportunidade de negócio que precisa ter foco de todas as partes para que o sucesso aconteça.

Opção saudável

As palavras de ordem para esse canal de abastecimento, atualmente, são: atendimento, mix adequado e conveniência. Fazer essa lição de casa de maneira correta pode representar o sucesso desses empreendimentos. Não é tarefa fácil, mas tem muita gente se dando bem nas grandes cidades brasileiras seguindo essa receita.

A construção de um mix adequado é uma tarefa essencial não só para o pequeno varejo, mas para o varejo em geral. Segundo institutos de pesquisa, o brasileiro acredita que a indústria e o varejo devem ajudá-lo a fazer escolhas na compra. O varejo deve demonstrar essa preocupação com o consumidor e, para isso, precisa estar preparado para ouvir o cliente e capacitado para oferecer os produtos e serviços de acordo com as necessidades da clientela.

Capacitar os funcionários e pessoal de frente das lojas é imprescindível, afinal é esse pessoal que vai

Uma linha de produtos que ajuda a dar visibilidade e um bom posicionamento para o ponto de

Edição 116 - 2016

venda é a de produtos saudáveis. Ter uma alimentação saudável é uma preocupação de grande parte da população na atualidade. Seja por opção ou devido a restrições alimentares, as pessoas estão cada vez mais conscientes sobre o conceito de saudabilidade e privilegiam o consumo de produtos naturais e orgânicos, adotando, inclusive dietas vegetarianas ou veganas. Ao contrário do esperado, o Brasil, país onde impera o gosto pela tradicional feijoada, churrasco nos finais de semana, pizza, acarajé, vatapá, entre outras guloseimas típicas, é um exemplo inesperado desta tendência mais saudável. Pulou do sexto lugar para o quarto lugar no ranking dos maiores mercados de produtos saudáveis (itens que apresentam em sua composição menores quantidades ou restrição total de açúcar, sal e gordura, e maior abundância de fibras, vitaminas e nutrientes) do mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos, Chile e Japão, respectivamente. O dado foi constatado em levantamento da consultoria Euromonitor, que também apontou que esse mercado mo13


Varejo

As lojas de vizinhança já passam de 1 milhão de pontos no Brasil e a tendência é aumentar nos próximos anos

primeira – qual é o nível ideal de estoque? E a segunda – como gerenciá-lo para que os produtos não fiquem em excesso, para que o dinheiro investido não fique parado ou até mesmo não haja perdas no material estocado?

vimentou US$ 34,7 bilhões em 2014, 72,3% a mais do que foi registrado cinco anos antes, em 2009. Outro relatório, desta vez organizado pelo grupo varejista Tesco, com 18 mil voluntários de 18 países, confirmou outra informação curiosa sobre a preocupação em obter informações mais acessíveis em relação a esse segmento. Cerca de 90% dos brasileiros acredita ser importante que os supermercados e a indústria os ajude a fazer escolhas mais saudáveis, contra 58% e 56% dos consumidores com essa opinião nos Estados Unidos e no Reino Unido, respectivamente. Para David Oliveira, diretor de marketing da Superbom, fabricante de uma ampla linha de produtos saudáveis e veganos, esse comportamento mais consciente à mesa é uma evolução e tanto, principalmente num cenário em que a obesidade assume patamar de epide-

mia. “É uma mudança importantíssima, já que sabemos que uma dieta adequada é essencial para a prevenção de uma série de doenças e para conservação da saúde. É um investimento a longo prazo e com benefícios infinitos”, afirma.

Conveniência precisa de gestão de estoque O consumidor busca nas lojas de vizinhança produtos de conveniência, ou seja, precisa ter bom preço e resolver um “aperto” do dia a dia, gastando o menor tempo possível com a compra. Por isso, a importância das lojas de bairro que têm poucos caixas, poucos corredores e os produtos que o consumidor precisa na mão. Mas, para isso é preciso ter uma boa estratégia de estoque e de previsão de vendas. E aí, aparecem duas perguntas que costumam trazer dor de cabeça para a maioria dos gestores varejistas: a

Apesar do cenário econômico não ser muito, a pesquisa Índice de Estoques (IE), realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) apontou que a percepção dos empresários varejistas da Região Metropolitana de São Paulo apresentou melhora em relação aos seus estoques no mês de fevereiro. O índice subiu de 90,8% em janeiro deste ano para 96,6%, um aumento de 6,4%. Como em todo planejamento, as previsões são essenciais para o bom funcionamento das empresas. E buscar o equilíbrio entre o que manter em estoque e a previsão do que poderá ser vendido é um dos desafios do varejo. “Estar atento a isso ajuda o empresário a prever quando e a quantidade certa de produtos e/ou serviços que poderão ser requisitados pelos consumidores. Estocar é sinônimo de dinheiro e o gestor deve saber gerir essa área de maneira estratégica”, explica a coordenadora acadêmica da Academia de Varejo, Patricia Cotti.


Gestão

Reduzindo o consumo de

energia

A utilização de lâmpadas de LED pode economizar até 75% dos gastos com energia Da Redação

N

unca a conta de luz pesou tanto no bolso do consumidor, seja ele residencial ou comercial. Só em São Paulo, a tarifa aumentou aproximadamente 70% em um ano. Com o fim do horário de verão, em 21 de fevereiro, o adiantamento dos relógios em uma hora pode ter um impacto no aumento do consumo de energia. Além de tentar mudar os hábitos, a substituição por tecnologias mais eficientes é uma forma de reduzir o consumo de energia. No campo da iluminação, o LED é o que há de mais moderno para potencializá-la. A troca da incandescente já deixou de ser uma opção, visto que o mercado já não comercializa mais os modelos acima de 60W e aqueles com potência entre 25W e 40W deixarão de ser produzidos em 30 de junho de 2016. Neste processo, o consumidor tem duas alternativas: adotar a fluorescente compacta ou migrar direto para o LED. Para ter a mesma quantidade de luz e pagar menos por isso, basta fazer as contas. O consumo mensal de cada incandescente de 60W é de R$ 5,40. A fluorescente compacta de 15W consome no mesmo período o equivalente a R$1,35. Já com o LED de 10W a despesa será de R$ 0,90 para uma média de 5 horas de uso. A economia anual por ponto LED em relação à lâmpada eletrônica ao longo de um ano será de R$ 5,40, o mesmo que consome uma incandescente por mês. A economia pode chegar a 75%.

Edição 116 - 2016

“Parece pouco visto isoladamente, mas para se avaliar o quanto de economia real foi obtida, basta multiplicar pela quantidade de pontos de luz que a residência ou estabelecimento comercial tem”, explica Arnaldo Ribeiro Cruz, diretor comercial da Lâmpadas Golden (www.lampadasgolden.com.br). Além da redução no consumo de energia, o consumidor deve levar em consideração nesta conta quantas lâmpadas deixou de comprar durante a estimativa de vida do LED, que é de 25 mil horas. Neste período seria necessário efetuar 33 trocas de incandescente e 4 trocas de fluorescente compacta por ponto. Segundo Cruz, “com as trocas que deixam de ser feitas, o consumidor economiza ainda cerca de R$ 72 no ano por ponto”. O benefício também tem um caráter ambiental ao reduzir a quantidade de lixo gerada. Os benefícios são válidos para toda a linha LED, que inclui modelos de embutir, iluminação de destaque, decorativa, refletora e até tubo LED para substituir a fluorescente tubular. O LED tem ainda a vantagem adicional de não poluir, pois, ao contrário da fluorescente, não possui metais pesados em sua composição, e não será impactado pela logística reversa, cujo custo será repassado ao consumidor quando a Lei de Resíduos Sólidos para lâmpadas eletrônicas começar a valer. “Estimase que a medida terá um impacto aproximado de 10% sobre o preço do produto na prateleira”, conclui o executivo. Atualmente, cerca de 20% das residências brasileiras já utilizam LED, segundo dados da Abilumi (Associação Brasileira de Importadores de Produtos de Iluminação) e a expectativa da indústria é que o LED esteja presente em metade delas até o final de 2017. 15


Tecnologia

Distração Digital Uso excessivo de aplicativos afeta concentração no trabalho

16


Da Redação

A

internet e sua facilidade de comunicação preocupa psicólogos há tempos com a chamada tecnostress – dependência incontrolável das redes sociais na vida pessoal. E agora chegou a vez de gestores serem alertados sobre o uso excessivo de comunicadores instantâneos no ambiente empresarial. Pesquisa de mestrado recém-concluída na Universidade Metodista de São Paulo apontou que pelo menos 15% da distração ocorrida entre profissionais investigados é explicada pelo uso compulsivo de dispositivos como Whatsaap, Facebook Messenger e Skype. “O acesso cada vez maior à internet permitiu alterações relevantes no cotidiano dos indivíduos, organizações e sociedade. Trouxe também distrações recorrentes e outras possibilidades adversas. Queremos ampliar o conhecimento sobre a TI como fonte de reflexos negativos no cotidiano dos profissionais nos locais de trabalho”, comenta o coordenador da pesquisa e professor de pós-graduação da Metodista, Alexandre Cappellozza, que orientou o mestrando Leonardo Mairene Muniz. Dos 283 profissionais avaliados, 22,2% (63) usam dispositivos digitais acima de 15 minutos por hora dentro do ambiente de trabalho. Isso corresponde a 1 hora e 35 minutos em um expediente comercial médio de nove horas. E pelo menos 15% de um grupo de 150 profissionais considerados aficcionados perdem totalmente a concentração no trabalho porque estão magnetizados sobretudo com Whatsapp, Facebook Messenger e Skype, os três campeões de preferência em 10 comunicadores instantâneos listados. “A distração eletrônica é o mais novo desafio colocado às empresas. É possível bloquear o acesso de computadores corporativos às redes e aplicativos, mas não o celular, um instrumento privado”, alerta Alexandre Cappellozza. Metade (50,1%) dos pesquisados usa os aplicativos no expediente de trabalho acima de 5 minutos/hora.

Teclar incessante Ficou constatado que a distração se deve muito mais à imersão do usuário do que à frequência com que passam os olhos sobre os dispositivos. Tanto assim que há quem consiga se abster: 0,9% dos pesquisados veem os alertas no celular acima de 10 vezes por hora, mas não respondem. “Os 15% de usuários que perdem a concentração no trabalho ficam totalmente imersos nas tecnologias móveis para uso pessoal”, atesta o mestrando Leonardo Muniz. “Com a imersão, você interrompe o que está fazendo para interagir. Com a frequência, você dá uma Edição 116 - 2016

15%

Estudo atesta que dos funcionários já são vítimas de distração digital

rápida olhada e adia a resposta ao emitente”, acrescenta o professor Cappellozza. A pesquisa foi realizada em meados de 2015. Dos 321 questionários, 283 foram validados porque atendiam a pré-requisitos como estar trabalhando há pelo menos seis meses e ter mais que 18 anos de idade. O grupo foi equilibrado no gênero (47% homens, 53% mulheres). Todos usam comunicadores digitais há mais de um ano, isto é, são usuários experientes. Dos 10 comunicadores listados, o aplicativo campeão em uso é o Whatsapp (90,1% da preferência), seguido do Facebook Messenger (62,2%) e do Skype (33,2%). A maioria (cerca de 75% dos pesquisados) usa aplicativos móveis pelo menos uma hora ao dia, quase 34% entre uma e três horas e 10% chegam a usar mais de 10 horas.Só 25% usam menos de uma hora por dia.

Inspiração familiar O mestrando Leonardo Muniz se inspirou com o tema a partir de observação da vida pessoal. “As famílias em casa, quando se reúnem, senta todo mundo no sofá e começam a teclar o celular incessantemente. Ninguém conversa mais com ninguém”, descreve. Quando trabalhou em uma instituição financeira, que por força de segredo de dados limitava o acesso à internet, Leonardo notou que todo funcionário novo adquiria imediatamente um smartphone para acessar privadamente a web. “A partir daí, percebi como as pessoas perdiam a concentração no trabalho e a interação com a equipe para ficar no celular durante o expediente”. Como a distância da internet e dos celulares se estreitou no ambiente corporativo para fins pessoais será tema de estudo ampliado na Metodista. A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) acaba de aprovar projeto de pesquisa elaborado pelo professor Alexandre Cappellozza com o título “Uso excessivo de Tecnologia de Informação e seus reflexos no ambiente de trabalho”. Como a distração digital já foi detectada no estudo de mestrado, Cappellozza pretende agora investigar de que forma recursos tecnológicos podem gerar impactos negativos no desempenho nas empresas. 17


Estratégia

Por Marcos Morita

Crise

impulsiona venda de produtos substitutos Faça uma análise da cadeia de valor de seu negócio e veja as oportunidades que você pode aproveitar desta situação

18


Qual a correlação entre uma fábrica de filtros de barro e as trapalhadas da presidente que destruíram o setor energético? A princípio podem parecer situações desconexas, tal como apregoada na teoria do caos, a qual menciona que uma pequena variação nas condições em determinado ponto de um sistema dinâmico pode ter consequências de proporções inimagináveis. Olhando mais de perto e utilizandose a teoria do consumidor, tratam-se de bens substitutos, ou seja, produtos que o consumidor considera como similares ou comparáveis. De forma teórica, um produto A e B são substitutos quando a demanda de um aumenta, quando o preço do outro sobe. Mas qual a razão desta comparação, considerando um produto que em minha memória remete aos tempos da casa da vovó, onde havia sempre um filtro de barro no canto da pia, coberto com capas plásticas ou de crochê? Quem visualizou certamente já passou pela situação de chegar sedento e acabar a água, havendo a necessidade de completar a parte superior e aguardar até que as velas fizessem seu trabalho. Como era pequeno, me divertia subindo na cadeira e completando o nível com um bule ou uma chaleira de metal. Voltemos a comparação. Passava eu por uma banca de jornal, quando uma foto na capa de um dos jornais de maior circulação em São Paulo chamou-me a atenção. Nela havia uma série de vasos de barro enfileirados, com a seguinte manchete: energia cara e crise hídrica elevam procura por filtro de barro em 20%, seguida por uma reportagem com a história da líder do setor, cuja produção deverá crescer 20% neste ano, chegando a incríveis 220 mil unidades de um produto que, para mim, era parte do passado, tal como serão as bancas de jornal num futuro próximo.

A palavra crise em chinês é composta pelos componentes: wei e ji, os quais significam perigo e oportunidade

Edição 116 - 2016

Consumidores assustados com a conta de luz e a crise hídrica, estão trocando os bebedouros que mantêm a água gelada por filtros de barro, os quais reduzem em até 5 graus a temperatura do líquido. Lembram como era fresquinha a água, mesmo fora da geladeira? Outro motivador é a estiagem e os boatos de fornecimento de produtos de má qualidade, até mesmo as compradas em galões. As antigas velas dos filtros cumprem um papel de purificação eficiente, além de serem mais baratas que os congêneres utilizados em aparelhos elétricos. Analise a cadeia de suprimentos de seu negócio: fornecedores, concorrentes, canais e consumidores, avaliando produtos complementares e substitutos, assim como de que maneira uma subida nos preços de um produto levaria a um aumento na demanda de outro, encontrando eventuais oportunidades. Lembre-se que a palavra crise em chinês é composta pelos componentes: WEI e JI, os quais significam perigo e oportunidade. Enfim, apesar de insólita e de representar apenas um pequeno nicho de negócios, este exemplo corrobora o ditado: enquanto uns choram, outros fabricam lenços, demonstrando as oportunidades de mercado que até uma crise de proporções inéditas podem trazer a alguns setores da economia, mesmo aqueles onde a tecnologia passa longe. Conforme diz o presidente da empresa: “Barro tem em qualquer lugar. Qualquer um acha que sabe fazer, mas não é bem assim”. Marcos Morita é executivo, professor, palestrante e consultor.

19


Estoque

5

vantagens de um sistema de gestão para controle de estoque

Uso de ferramenta possibilita o gerenciamento de produtos e matérias-primas e contribui para evitar prejuízos Da Redação

O controle do estoque é sempre um ponto que merece atenção redobrada dentro de uma empresa. Se o gerenciamento não for feito da forma correta, o empresário corre o risco de perder vendas por falta de produtos ou mesmo ter sua área de almoxarifado completamente abarrotada, por excesso de compra de materiais para produção ou artigos já acabados. “Um sistema de gestão adequado pode contribuir para o controle de diversos aspectos do estoque, garantindo mais eficiência no uso de recursos, no planejamento correto de vendas, o que pode evitar prejuízos”, afirma a consultora de negócios do sistema de gestão myrp, Karine Gresser. A consultora aponta pelo menos cinco vantagens que o sistema pode proporcionar para a empresa:

20


1

Alerta de estoque mínimo

A ferramenta controle de reposição, com alerta de estoque mínimo, informa ao empresário quando um determinado produto atingiu o mínimo que deveria ter em estoque para efetuar uma nova compra com o fornecedor. “Isso garante que ele nunca fique sem a mercadoria no estoque e também possibilita que compre antecipadamente e negocie melhor”, avalia a consultora.

3

4

Gestão e emissão de relatórios

No controle de compras há uma ferramenta que identifica quando o cliente solicitou os produtos ao fornecedor e qual o prazo de entrega da mercadoria. Na continuidade do processo, o sistema aponta se o pedido foi entregue no prazo ou atrasado e se o fornecedor mandou tudo o que foi solicitado ou se deixou algum produto pendente de entrega. “Assim, o cliente sabe como trabalhar com o fornecedor ou ainda se não está na hora de procurar um novo, caso este atual não o esteja atendendo 100%”.

Ordem de produção

Outro ponto é o controle e acompanhamento de ordem de produção, com foco nas indústrias, onde o sistema permite ao cliente identificar qual a quantidade realmente utilizada em uma determinada produção, deixando o estoque real sempre no sistema. Deste modo, com base na ficha técnica que é a formulação de um produto, o sistema já provisiona as quantidades de matéria prima necessárias para gerar o produto final e identifica se o estoque possui a quantidade necessária ou se alguma matéria prima está em falta.

5

2

Pedido de compra

O sistema faz a gestão e emite relatórios do estoque próprio, de terceiros em poder da empresa e da empresa em poder de terceiros. Com isso é possível saber se o produto está na empresa ou com terceiros, ou ainda se algum produto enviado de um terceiro para a empresa não foi totalmente devolvido. “O controle de estoque de terceiros é essencial quando se trabalha com muitas mercadorias, pois a mesma deve ser devolvida totalmente ao terceiro. Se não houver um controle rigoroso desta devolução a empresa fica passível de multa”, explica Gresser.

Atualização automática e geração do SPED

Todas as operações de entrada e saída do estoque são controladas de forma automática,quando a Nota Fiscal eletrônica (NF-e) é recebida, o Fisco já identifica que a empresa deveria ter aquela quantidade em estoque. Quando a NF-e é emitida, o Fisco já identifica que o estoque deveria ter diminuído na empresa, além de já saber os produtos e quantidades pelo documento eletrônico mensalmente, ou anualmente, deverá ser enviada a quantidade que a empresa possui em estoque através do SPED. “Desta maneira, o confronto de informações se torna ainda mais fácil”, finaliza a consultora. Edição 116 - 2016

21


Capacitação

O

Gestor liderar? tem noção do que é

A liderança necessita de um conjunto de valores que deve servir de bússola para as atitudes de todos que formam um grupo de trabalho

22

Por Norberto Chadad

O

papel do gestor é administrar, gerenciar, gerir. Evidentemente, a gestão ocorre somente quando há uma equipe e, seguindo este pensamento, a equipe precisa ser liderada. A conclusão lógica é que o gestor tem que saber liderar. Mas o que significa isso realmente? Liderança tem parentesco muito próximo com democracia. Democracia, que em grego quer dizer governo do povo, é o sistema político comprometido com a distribuição equitativa de poder entre todos os cidadãos, diz o nosso famoso dicionário Houaiss. A liderança como a democracia requer um conjunto de valores que deve servir de bússola para a atitude de todos os componentes de um grupo de trabalho. Quem segura essa bússola, agindo sempre com base nesses valores, firma-se como exemplo para condu-


zir a equipe ao caminho certo: este é o papel do gestor. Para explorar o assunto, vamos observar um agrupamento de condições que o exercício da liderança exige. Quais condições o líder deve adotar para que se consiga concretizar o princípio fundamental da participação da equipe numa empreitada, tarefa ou compromisso? a A condição

1

É o livre fluxo das ideias. Isso quer dizer: dar liberdade ao grupo para que tenha acesso às informações e possa se manifestar sobre elas sem receio de sofrer censura, desprezo ou chacota. A liberdade é o pilar de sustentação de qualquer atividade que reúna pessoas. a A condição

2

É a fé. Não no sentido religioso, de crença em divindade, mas fé no projeto, na ideia, na capacidade individual do líder para criar condições de resolver problemas e, principalmente, fé na capacidade coletiva do grupo de realizar o trabalho com dedicação com prazer, em especial. a A condição

a condição – e última – o A líder nutre preocupação com a dignidade e os direitos dos componentes da equipe, sem deixar que limitações individuais possam impedir o cumprimento dos compromissos estabelecidos. Depois de reorganizadas essas condições, deve-se colocá-las em prática com a equipe. Para isso, comunicação eficiente é fundamental. O gestor deve expor a seus colaboradores quais são seus valores e a

5

3

É a capacidade do líder de usar o raciocínio claro e a palavra franca. O gestor precisa oferecer uma reflexão ponderada e uma análise crítica para avaliar situações, contemplando suas variáveis, seus eventuais problemas e conceber alternativas. a A condição

4

É estar sempre atento e preocupado com o bem-estar da equipe. O líder respeita individualidades, sempre considerando o potencial e os limites de cada pessoa. Edição 116 - 2016

A gestão só ocorre quando há uma equipe e ela precisa ser liderada

contribuição que ele pretende dispor. Em seguida, perguntar o mesmo a eles. Uma equipe se constrói na base da confiança. A existência de confiança entre as pessoas não significa necessariamente que uma estime a outra, apenas que ambas se entendam. Permitam-me fazer aqui uma analogia. Nas instituições educacionais, existe o chamado Conselho Escolar. É o órgão colegiado responsável pela gestão da escola, que reúne a direção, pais, professores e funcionários, a fim de decidir assuntos pertinentes às ações da escola sobre os alunos. Todos são livres para votar. O Diretor da escola determina a ordem da participação de cada membro do conselho, sendo ele Consultivo, Deliberativo, Normativo ou Fiscalizador/Avaliativo. Ele é o líder. Ele permite que as pessoas opinem. Ele promove a fé na educação oferecida. Ele quer o melhor para os alunos. Ele respeita a individualidade dos membros do conselho como respeita a individualidade de cada aluno. Ele é transparente. Isso é liderar!

Norberto Chadad é engenheiro metalurgista pela Universidade Mackenzie, Mestrado em Alúminio pela Escola Politécnica, Economia pela FGV e CEO da Thomas Case & Associados.

23


Destilados

reporta crescimento no

Brasil

Apesar da situação econômica, vendas no mercado brasileiro foram destaque para os negócios da Companhia Da Redação

A DIAGEO anunciou os resultados do primeiro semestre do ano fiscal. Globalmente, o crescimento foi de 1,8% no faturamento líquido e de 1% nos volumes no período. O Brasil impulsionou os resultados da região América Latina e Caribe, com um crescimento de 12% nas vendas líquidas registradas no país, apesar do cenário econômico desafiador. Em toda a região América Latina e Caribe, as vendas líquidas subiram 9%, com destaque para vodka, que cresceu 22% graças à performance da categoria no Brasil e México. Ainda no Brasil, o segmento de Scoth whisky cresceu 17% devido à forte performance das marcas Johnnie Walker Red Label, Black&White e White Horse (esta última cresceu 33%). No mercado PUB (Paraguai, Uruguai e Brasil), as vendas líquidas do portfólio de luxo da DIAGEO (Reserve) cresceram 14%, impulsionadas pela marca Cîroc e investimentos em marketing. 24

Apesar da queda no mercado de cachaça como um todo, Ypióca cresceu suas vendas líquidas em 4% no semestre, fruto de um aumento de mais de 10% nos investimentos na marca. Recentemente, a DIAGEO lançou no Brasil dois novos rótulos – Ypióca Cinco Chaves e Ypióca Mel&Limão –, além de uma nova campanha para a marca, sob o mote “Iniciativa é tudo”.


Internacional

Cachaça conquista premiações no China Wine & Spirits Award 2016 Middas Cachaça recebeu medalha de ouro e troféu de destilado do ano Da Redação

A Middas Cachaça acaba de receber duas importantes premiações mundiais, medalha de ouro e troféu de destilado do ano no CWSA China Wine & Spirits Awards 2016 - maior e mais prestigiada competição de vinhos e destilados da China. Este reconhecimento é um importante aval de qualidade e adequação para o mercado chinês. O júri foi composto por 100 juízes, entre os principais compradores da China de vinhos e destilados, como importadores, distribuidores, varejistas e sommeliers. “Estamos muito felizes em conquistar o mercado asiático com um produto genuinamente brasileiro como é a cachaça. Esta bebida avança a cada dia no caminho da sofisticação e do requinte. Prova disso, é a Middas, que desbancou importantes destilados como a vodca, rum e uísque, além do tradicional conhaque francês”, comemora o CEO da Middas, Leandro Dias. A Cachaça Middas, produzida em Dracena, interior de São Paulo, fica armazenada por dois anos em tonel de madeira de amendoim do campo. A cor permanece praticamente inalterada e o aroma e gosto da cachaça são preservados, porém, baixando a acidez e mantendo a personalidade da bebida. A Middas vem acompanhada de um frasco contendo flocos de ouro comestível de 23 quilates vindos da Alemanha, o que permite ao consumidor dar o seu próprio toque à bebida, colocando a quantidade de flocos que preferir na cachaça. Todo o processo de produção é embasado em pesquisas científicas realizadas por Leandro Marelli, pós doutor em Tecnologia de Bebidas pela USP, e aplicados no alambique pelo Master Distiller André Fioravanti, responsável pela produção da cachaça. Edição 116 - 2016

25


Credibesp

Investir na sua cooperativa é sempre um

ótimo negócio

FALE CONOSCO E CONHEÇA MAIS VANTAGENS OFERECIDAS PELA SUA COOPERATIVA!

A

o se associar ao Sicoob Credibesp, você adquire cotas (depósitos) da sua cooperativa. O valor dessas cotas é depositado na Conta Capital, uma conta individual, aberta em seu nome. As suas cotas, juntamente com as de outros associados, integram o capital social da cooperativa.Assim, quanto mais cotas você adquire, mais capitalizada será a sua cooperativa, e maior a sua participação no crescimento dela. Invista na sua Conta Capital. Conheça as vantagens de integralizar mensalmente:

 Você investe no que é seu  Incrementa o volume de recursos disponíveis para as operações de crédito e financiamento da sua cooperativa

 Quanto mais o associado investe em capital, mais forte a cooperativa fica, gerando assim, melhores resultados 26

 O Capital é formado pelos depósitos dos Cooperados, sendo que a primeira integralização é de no mínimo R$ 50,00, e as demais, acima de R$ 20,00 por mês (valor mínimo). DEPÓSITOS: os valores são 100 % dos Cooperados e remuneramos até 100% da Taxa Selic ao ano.

Conta Capital. Sua Cooperativa cresce, e a sua participação também O Cartão de Crédito Credibesp garante diversas vantagens e busca cada vez mais atender às necessidades dos cooperados. Além de dois limites de crédito, as taxas são inferiores às do mercado. Utilização internacional, programa e resgate, e outros serviços opcionais com a bandeira MasterCard.


Café

Starbucks lança pagamento móvel

Aplicativo Starbucks para iPhone e Android oferece uma forma de pagamento mais rápida e conveniente Da Redação

A Starbucks Brasil lança o aplicativo Starbucks, que inclui pagamento móvel, permitindo que os clientes paguem por suas compras nas lojas da marca de forma mais rápida utilizando seus smartphones. Além da agilidade, facilidade e conveniência do pagamento com o smartphone, o aplicativo permite que o cliente gerencie sua conta no programa My Starbucks Rewards, acompanhando o saldo de seu Starbucks Card e fazendo recargas por meio de qualquer cartão de crédito. O aplicativo ainda conta com o recurso de localizador de lojas, pelo qual é possível encontrar a loja mais próxima. O aplicativo também vai recompensar os consumidores mais fiéis, tornando mais fácil o processo de conquista, acompanhamento e resgate de recompensas Edição 116 - 2016

como bebidas grátis, ofertas especiais e doses extras de café por meio de seus dispositivos móveis. O Brasil é o primeiro país da América do Sul a lançar o serviço de pagamento móvel, seguindo o sucesso alcançado em países como Estados Unidos, Canadá e Reino Unido. “O pagamento móvel é apenas um exemplo do quanto nós seguimos inovando a serviço de nossos clientes para elevar a Experiência Starbucks”, conta Bianca Bader, Gerente de Marketing da Starbucks Brasil. “Os consumidores no Brasil têm utilizado seus smartphones cada vez mais e nós estamos sempre pensando em novas formas de agregar valor e dar a eles mais motivos para escolher a Starbucks”, complementa. 27


Notícias

Mr. Beer planeja crescimento de 50% para 2016 A Mr. Beer planeja crescer 50% em número de unidades em 2016. A marca conta atualmente com 50 lojas no Brasil. “Com a nova estratégia de expansão para este ano, buscamos chegar a regiões com muitas oportunidades para o mercado de cervejas especiais, como em Belo Horizonte, por exemplo”, explica o fundador da Mr. Beer, Fabiano Wohlers. A Mr. Beer oferece mais de 150 rótulos de cervejas especiais, 100 deles importados com exclusividade para o país pela própria franqueadora, o que contribui para uma margem maior para o franqueado e preço competitivo para o consumidor. O portfólio da rede conta com grande número de rótulos premiados mundialmente, o que demonstra a preocupação da Mr. Beer em importar produtos de excelente qualidade para seus clientes. Além disso, a Mr. Beer oferece mais de 80 acessórios relacionados ao mundo cervejeiro e kits licenciados e comemorativos de diversas marcas.

Volvo lança soluções em transporte

Bernardo Fedalto, Diretor de caminhões da Volvo do Brasil

A

mais recente inovação da Volvo em caminhões é o FH 6x4 com o eixo suspensor, lançado na Fenatran. O veículo possui uma tecnologia que desengata e levanta o segundo eixo de tração. “É uma solução dirigida para transportadores com operações que têm trajetos com pouca ou nenhuma carga”, diz Bernardo Fedalto, diretor de caminhões Volvo no Brasil. Ele explica que é uma solução inteligente para proporcionar menor consumo de combustível e mais conforto na jornada de trabalho.

28


Ford desenvolve sistemas de mobilidade A Ford apresentou no Congresso Mundial de Mobilidade, em Barcelona, experimentos para ajudar os motoristas a estacionar, compartilhar veículos e até ganhar dinheiro com a entrega de pequenas encomendas. Os projetos fazem parte do Ford Smart Mobility, plano da empresa para se tornar líder global em conectividade, mobilidade, veículos autônomos, experiência do consumidor e análise de dados, reunindo experimentos em diferentes partes do mundo. Um deles é o GoPark, sistema piloto em Londres que direciona os motoristas para ruas onde há mais probabilidade de encontrar uma vaga para estacionar. Estima-se que 30% do trânsito nas grandes cidades é causado por pessoas procurando local onde parar. Um grupo de moradores do bairro de Islington aceitou participar voluntariamente do projeto, instalando dispositivos plug-in em seus carros – da Ford e de outras marcas – que enviam dados em tempo real sobre as condições do trânsito e vagas.

Modernização nas entregas Seguindo a mesma linha de empresas como Amazon e Google, o Walmart pediu autorização das autoridades americanas para testar o uso de drones nas entregas em domicílio, retirada de mercadorias e checagem de estoques. É uma nova tecnologia que pode ser bastante útil para as empresas de bens de consumo e distribuição. Bom ficar de olho.

Credibesp Suellen Tragueta - Auxiliar Administrativo José Eduardo O. de Freitas - Gerente Diretor Executivo Mário Ferreira São Paulo / Zona Norte (Sede ADIBE) Conselho de Gestão Presidente: Leonildo Douglas Cordeiro Puin Distribuidora Aérea Sul Ltda. Vice-Presidente: Élcio Fidalgo Gouveia Fidalgo Gouveia e Cia. Ltda. Tesoureiro: Eduardo Galdino da Silva Parracho Com. de Doces e Alim. Ltda. Secretária de Redação: Leila Aiach Fonseca Distribuidora de Bebidas Pirituba Ltda. Secretário de Protocolo: José Carlos Perlati Distribuidora de Bebidas JC Ltda. Conselho Consultivo Jonas Bertucci - Ventucci Distribuidora de Bebidas Ltda. Anderson Minaré - Minaré Distribuidora de Bebidas Ltda. Michael Alexander Abdalla Diniz - Ama Aruja Distrib. de Prods. Alim. Ltda. Paulo Bertin - Bertin Com. de Bebidas Ltda. Fernando Balista - Distribuidora de Bebidas San Camilo Ltda. Marcelo Fruet - Dobel Com. de Bebidas Ltda.

Edição 116 - 2016

Contato ADIBE Rua Alfredo Guedes,72 - 1o andar - Cj. 12 / 13 CEP: 02034-010 - São Paulo - SP - Tel.: 55 (11) 2221.7343 www. adibe.com.br - adibe@adibe.com.br

Com foco editorial para empresas distribuidoras e atacadistas de bebidas, varejistas, adegas, prestadoras de serviço, indústria, fornecedoras de insumos, tecnologia e equipamentos. Edição nº 116 Editor: Carlos Donizete Parra - carlosparra@editoraaden.com.br Redação: redacao@editoraaden.com.br Arte: Viviane dos Santos Costa Parra Diretor Comercial: Sérgio Luiz Parra - sergioparra@editoraaden.com.br Redação, Administração e Publicidade Avenida Goiás, 191 - CEP 09521-310-São Caetano do Sul-SP Tel./Fax: (11) 4221.1555 As matérias assinadas por colaboradores não refletem necessariamente a opinião da Editora.

29


AGENDA

AGRISHOW - 23ª Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação Data: 25 a 29 de abril Local: Ribeirão Preto - SP ALIMENTARIA 2016 - International Food and Drinks Exhibition Data: 25 a 28 de abril Local: Gran Via Venue Barcelona - Espanha ENVASE BRASIL - Tecnologia, Embalagens e Processos para Indústria de Bebidas e Alimentos Data: 26 a 29 de abril Local: Parque de Eventos Bento Gonçalves - RS BRASIL ALIMENTA - Tecnologia para Indústria e Processamento de Alimentos Data: 26 a 29 de abril Local: Parque de Eventos Bento Gonçalves - RS FEIMEC - Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos Data: 03 a 07 de maio Local: São Paulo Expo São Paulo - SP

FÓRUM HSM DE LIDERANÇA E ALTA PERFORMANCE Data: 17 e 18 de maio Local: WTC - Sala Ballroom Av. Das Nações Unidas, 12.551

6ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DO ALUMÍNIO Data: 7 a 9 de junho Local: Expo Exhibition & Convention Center São Paulo - SP

FISPAL CAFÉ - Feira de Negócios para o Setor Cafeeiro Data: 14 a 17 de junho Local: Expo Center Norte São Paulo - SP FISPAL FOOD SERVICE 32ª Feira Internacional de Produtos e Serviços para Alimentação Fora do Lar Data: 14 a 17 de junho de 2016 Local: Expo Center Norte São Paulo - SP FISPAL TECNOLOGIA 32ª Feira Internacional de Embalagem, Processos e Logística para a Indústria de Alimentos e Bebidas Data: 14 a 17 de junho Local: Pavilhão do Anhembi São Paulo - SP SUPPLYSIDE - Plataforma Estraté- gica para o Setor de Suplementos Data: 14 a 16 de junho Local: Pavilhão do Anhembi São Paulo - SP

3º andar - Piso C Brooklin Novo - São Paulo - SP

BRAZIL WINE CHALLENGE Data: 7 a 11 de junho Local: Bento Gonçalves - RS

30

ABF FRANCHISING EXPO 2016 24º ABF Franchising Expo 2016 Data: 15 a 18 de junho Local: Expo Center Norte São Paulo - Brasil Local: Pavilhão de Exposições do Anhembi - São Paulo - SP


FIQUE INFORMADO

O dinheiro que você procura para dar aquele gás está parado dentro da sua própria empresa. PRATICAMENTE TODAS AS EMPRESAS NO BRASIL PAGAM IMPOSTOS ACIMA DO DEVIDO.

TRIBUTARIE

INTELIGÊNCIA TRIBUTÁRIA, FINANCEIRA E GESTÃO FISCAL

Contato: (11) 9 6024-2002

www.tributarie.com.br


Revista Dose Dupla - Ed. 116  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you