Issuu on Google+

Edição - 07

2013

P

OLICIAL MILITAR

HERÓI SEM MÉRITO

N

G

ravidez na Adolescência

CARDENAIS P

ossa luta contra o Câncer!

FUMAÇA BRANCA

A SAI DA NOVO P CAPELA A SISTINA

ESCOLHE

Anunciando na Revista Discher sua empresa ganha espaço na NTV. (34) 9188 3135 Revista Discher in Society - 1


Revista Discher in Society - 2


Agora a Revista Discher in Society, tem um espaço na NTV no Programa "O Negocio é o Seguinte". O Programa O Negócio é o Seguinte é apresentado por Marilene Discher e Deborah Salomão, fazendo uma diferenciação de gravações das matérias e também nos quadros de atrações que engloba o programa. O objetivo do Espaço Discher in Society é dar mais impacto e dinamismo no programa, para que possamos divulgar o cliente com as diversas tecnologias e meios de comunicação. O programa vai ao ar todos os sábados as 13:50 no canal 8. A Revista Discher in Society, começa a circular na Cidade de Patos de Minas e Coromandel. Na Versão online a Revista também pode ser lida através dos Sites: portilhoonline.com. br, patrociniovip.com.br, canoma.com.br e em várias redes sociais. Estamos trabalhando a cada dia para alcançar nossa meta: "Levar sua marca aos quatro pontos do mundo"

Marilene Discher

04 08

Nossa luta contra o Câncer!

1012

Palavra do dia: Coerência! CARDENAIS

CONCLAVE

1618 20 22 2426

P ESCOLHE NOVO A P A

vidas Perdidas

Pais& Filhos:

Dia Internacional a Mulher

Verdades Ocultas

POLICIALMILITAR HERÓI SEM MÉRITO

Grandes histórias de amor

Expediente: Revista Discher in Society

Macc Comercio e Serviços Ltda CNPJ: 04.394.331/0001-04 Rua Cassimiro Santos 63 Fone: 34 988 3135 Cep: 38740-000 - Patrocínio - MG

38

Gravidez na Adolescência

Direção e Edição: Marilene Discher Fotografias: Patrocinio Vip Desenhos/Redação e Diagramação: Marilene Discher Revisora: Revalina Aparecida da Silva Publicidade: marilenedischer@hotmail.com (34) 9188 3135

Revista Discher in Society - 3


N

ossa luta contra o Câncer! Por: Marilene Discher

Meus dias privilegiados ao lado do meu anjo!

F

oi em uma linda noite de inverno que cheguei ao Brasil, bom inverno só na estação porque frio mesmo não estava. Naquela noite, ao chegar de Madri, depois de algumas horas de espera no aeroporto de São Paulo, observei que se aproxima uma pessoa que nunca tinha visto na minha vida mais o reconheci imediatamente, era ele Sr. Antônio Gilberto Gilberto, mas a partir

Revista Discher in Society - 4

daquele momento passou a ser o Sr. Antônio e logo Santo Antônio. Assim eu e minhas filhas o chamávamos carinhosamente. Desde este dia nunca mais nos separamos, nosso amor foi imediato. Viajamos para Rondônia para rever minha família e todos ali também sentiram o mesmo carinho. Confesso que por alguns momentos na

nossa caminhada, pensei que não daria certo nossa convivência, devido ele ser um senhor e eu ter duas adolescentes em casa. Mas foi tudo perfeito (algum momento ranzinza sim teve mais logo ele se habituou as minhas filhas). Foram dias lindos, ele mais parecia meu pai que sogro, me defendia até mesmo do filho, sempre estava do meu lado, ainda que eu não tivesse razão alguma, rsrsrs.


começou da nossa luta.

O Tudo começou com uma dor insuportável na garganta. Ele começou o atendimento no Posto de Saúde do Bairro São Vicente, fez vários exames, diariamente as agentes de saúde estavam na minha casa, para saber como estava todo o andamento das consultas. Como tudo que fazíamos não adiantava, decidimos visitar um oncologista, e fomos encaminhados para o Dr. Victor Emmanuel E. da Silva. Depois de vários exames e uma biopsia ficou comprovado que meu sogro tinha Câncer na Laringe. A notícia nos pegou de surpresa, foi um choque para todos, não queríamos acreditar, não sabíamos como contar para ele. Fomos encaminhados prontamente para o Hospital do Câncer, tudo aconteceu muito rápi-

do. Quando menos imaginamos já estava sendo feito a radioterapia e a quimioterapia. Tudo estava saindo perfeitamente, somente alguns enjoos pós químio. Foram 39 rádio e 4 quimioterapia se não me falha a memória. Fazia alguns dias que ele vinha sentindo muitas dores, não comia, gritava dia e noite de dor , fomos orientados que isso era normal devido ao medicamento, mais as dores foram cada vez mais fortes e frequentes. O Dr. José Edmundo Dantas Leal, disse que eu teria que leva-lo a um ortopedista, e foi exatamente o que eu fiz, chegando ao hospital das clínicas nessas alturas meu sogro já não caminhava sozinho. Em apenas um mês, ele deixou de caminhar, levamos ele nos braços para todas as partes. O ortopedista

Dr. Carlos Alberto Pinto, disse que um paciente como ele, que estava fazendo esse tipo de tratamento já deveria ter feito uma Cintilografia Óssea, o único que podia fazer o pedido de uma Cintilografia era o Hospital do Câncer e como sempre prontamente nos socorreu. Chegando o resultado da Cintilografia Óssea, foi confirmada que o câncer tinha se entendido para os ossos. E ainda que não queríamos reconhecer, fomos orientados que a partir de agora seria questão de dias. Ficou internado por três dias na Santa Casa. Foram dias e noites de verdadeiro terror, toda família estava se revezando para ficar no Hospital. Ele sofreu todos os dias, sem um dia de paz.

Revista Discher in Society - 5


Ele me abraçava, todas ás vezes que tínhamos que movê-lo para sua higienização, segurava forte na minha mão. Confiava que eu não ia machuca-lo, levantava os bracinhos para que eu pudesse pegar ele no colo. Infelizmente no dia 14 de fevereiro ele faleceu, quando chegamos no hospital ele ainda respirava lentamente, não entendíamos porque que a enfermeira nos falava que não podia fazer nada, e porque demorou tanto para chamar o médico. Hoje me sinto só, perdida e sem direção, ainda que desejo que ele esteja muito melhor que antes. Graças a Deus, tive tempo de dizer a ele o quanto era importante na minha e vida e pude

saber o quanto eu era importante na vida dele. Jamais esquecerei seu olhos perdidos no horizonte. Sou eternamente grata a Deus por te permitido que essa fosse minha missão. Aprendi com ele a amar e respeitar a todo e qualquer ser humano, com todas suas falhas e limites. Minhas noites em claro junto ao seu leito, me fazia pensar que talvez em outra vida, eu tenha sido sua mãe.. Porque era exatamente isso que sentia, amor de mãe por um filho. Mãe de uma pessoa de 62 anos. Obrigada Sr. Antônio.. Meu Santo Antônio. O anel que você me deixou, o levarei para sempre. Tristeza: Com o ortopedista do Pronto Socorro ( que disse diante do meu sogro, que ele estava em estado terminal e

se levasse para uma mesa de cirurgia ia morrer ali mesmo) penso que esse tipo de comentário não deveria ser feito diante de um paciente. Também com a enfermeira que não se importou com a fratura na perna e girou ele por cima da perna, quando eu disse que ela não poderia fazer isso, ela simplesmente respondeu que ali era feito assim. Nenhuma outra enfermeira fez isso, todas giravam ele do lado contrario da perna fraturada, não em cima da perna quebrada. Imagina uma pessoa com a perna fraturada, sem poder solucionar o problema porque já estava em estado terminal, gritando de dores. Nessa noite não permiti que ninguém tocasse nele para troca-lo.

Agradecimentos e gratidão a: Dr. Victor Emmanuel, Dr. José Edmundo, Ana Claudia, Luciana, Andreia e Fernanda (ele adorava a todos) E todos os laboratórios conveniados, que nos atenderam. Aos médicos e equipes de enfermeiros da Santa Casa. E algumas pessoas que por ventura não tenha mencionado.

Revista Discher in Society - 6


A você Fernanda Silva, um obrigada mais que especial! Saiba que ele gostava muito de você, ele dizia que você era um anjo!

Escolhi os plantões, porque sei que o escuro da noite amedronta os enfermos. Escolhi estar presente na dor porque já estive muito perto do sofrimento. Escolhi servir ao próximo porque sei que todos nós um dia precisamos de ajuda. Escolhi o branco porque

quero transmitir paz. Escolhi estudar métodos de trabalho porque os livros são fonte saber. Escolhi ser Enfermeira porque Amo e respeito a vida!!!

exclusiva, um preparo tão rigoroso, como a obra de qualquer pintor ou escultor; pois o que é tratar da tela morta ou do frio mármore comparado ao tratar do corpo vivo, o templo do espírito de Deus? É uma das "A Enfermagem é uma arte; artes, poder-se-ia dizer, a e para realizá-la como arte, mais bela das artes"... requer uma devoção tão (Florence Nightingale) Revista Discher in Society - 7


A

ntônio Júnior de Oliveira

Pais

&

Filhos:

uma relação necessária de Amor e também de Educação

É perceptível que na sociedade atual, de maneira geral, as relações entre os integrantes da família mudaram muito. Em muitos casos, ou talvez na maioria deles, os pais trabalham o dia todo e os filhos ficam em casa com a babá, ou na escola, ou em creches, ou com os avôs, ou até mesmo sozinhos. É importante destacar que o convívio entre pais e filhos é muito pouco. Como suprir esta ausência? Com vídeo games?! Com celulares caros?! Com computadores?! Com roupas de marcas reconhecidas?! Com certeza, não! O amor não se compra, ele deve ser cultivado e vivenciado dia pós dia, mostrado sutilmente nas mínimas tarefas e implantado nos caráteres dos seres humanos através de lições, exemplos e ações. Não será a permissividade o elo de afeto e carinho entre pais e filhos. Parece que os pais não querem se indispor com seus filhos, no entanto, esquecem que há a necessidade de uma hierarquia de experiências, uma alternância de lugares sociais e uma neRevista Discher in Society - 8

cessidade de exemplos para educar. É preciso diálogo, sim, mas também é preciso dizer não. É preciso olhar nos olhos, conhecer e reconhecer as mazelas, os erros, os defeitos, as imperfeições e redirecionar a conduta quando preciso for. É preciso saber que o filho viverá em sociedade e deve ser educado para isso. É preciso limite! Educar é fácil? Provavelmente nunca tenha sido. Os pais são super-heróis e nunca erram? Certamente não é isso que ninguém espera. Entretanto, uma tomada de posição e uma mudança de postura parecem gritar aos ouvidos da sociedade. Pedidos de socorro ecoam por toda parte. Os pais dão sinais de que estão perdidos na tarefa de educar e os filhos mostram indícios de que não encontram meios de seguir um caminho. Portanto, é fundamental que os pais sejam parceiros e não eduquem seus filhos para se relacionarem apenas com pessoas da família, criando um “mundinho” egoísta. Criar uma “capa de

proteção” em que a criança ou o adolescente é o dono da razão, com certeza, não é a solução. É necessário que, desde cedo, a criança se forme como pessoa, que respeite os colegas, os amigos, o vendedor, o professor, o porteiro... É sumariamente necessário que as crianças incorporem à sua formação valores de respeito, de hombridade, de honestidade, de integridade, de retidão e justiça ao seu caráter. É imprescindível que as crianças aprendam a distinguir erros e falhas e, mais importante ainda, que aprendam a se tornar pessoas melhores com isso. Arranhões e tropeços são necessários para que se conheça e aprecie o verdadeiro sentido de se viver. Guiar os passos e mostrar o caminho correto é formar o cidadão capaz de caminhar descentemente sozinho. Carregar no colo “para sempre” é formar cidadão incapaz de criar suas próprias opiniões e de trilhar o caminho do sucesso.

O


E

ntão, como educar? Há uma receita? Se existe, ainda não foi divulgada. Mas, existem passos que auxiliam nesta grande tarefa que é educar um filho. Para formar um cidadão capacitado é importante que se tenha uma boa formação escolar. A atuação dos pais junto à escola é fator de grande relevância para o bom desempenho dos filhos, para o futuro dos filhos. Primeiramente é fundamental ter a consciência de que a educação escolar não substitui a educação que o filho recebe em casa; os valores repassados pelos pais são determinantes. Podem até dizer o contrário, mas o objetivo primeiro da escola é instruir, é o conhecimento. E isso já é uma contribuição incalculável. A tarefa de educar é mesmo uma responsabilidade dos pais. Tem mesmo que ser assim. Repassar isso a outros é abrir mão do amor que está envolvido no processo. Falando em aprendizagem e valores, os dois fatores que mais interferem na aprendizagem e no fracasso escolar são o descompromisso com o estudo e a indisciplina em sala de aula.

O descompromisso e a indisciplina do aluno estão fortemente ligados à formação de valores, aqueles transmitidos e ensinados pelos pais. Mais uma vez confirmamos o fato de que a escola não educa sozinha. Ela pode até auxiliar em todo o conjunto, no entanto ter internalizado que não é correto ir à escola para dormir, para desrespeitar professores e funcionários, para bater papo durante as aulas, para acessar internet e mandar mensagens pelo celular

são valores trazidos de longa data. Saber e reconhecer que a escola é um ambiente de estudos no qual deve haver bons professores e não mágicos capazes de resolver todos os problemas oriundos da sociedade devem fazer parte de uma concepção antiga de valores ensinados por pais que amam, logo educam. Assim, é indispensável a presença, a atuação dos pais e a responsabilização de cada parte envolvida. Que futuro deixar para

o seu descendente? Qual contribuição deixar para as futuras gerações? Tudo se compra com dinheiro e presentes? Como formar o trabalhador honesto? Como preparar jovens para resolverem problemas? Certamente os pais querem o melhor para seus filhos. Desta forma, é melhor começarem a assumir os papeis certos. Como já dito, escola ensina, pai educa! Cada um com sua função. PENSE NISSO...

Revista Discher in Society - 9


P

sicologa

P

Elis Medeiros

alavra do dia: Coerência!

Parto do princípio que ela deve guiar nossos atos e pensamentos. Não podemos sentir uma coisa e fazer outra. Se não dá para sorrir de coração, não o faça por educação. Educada eu sou, mais incoerente não. Sejamos leais com as pessoas, mesmo que a principio isso cause dor, pois o perdão vem junto com o esquecimento. Não é tão simples esquecer a indiferença, a deslealdade, a maldade.... os relacionamentos não são brincadeira, sejam os relacionamentos entre amigos, entre pares, entre irmãos... vamos cuidar deles, cuidar das pessoas! O facebook esta sendo uma ferramenta que esta não esta sendo bem usada pelas pessoas. Um dia desses um amigo veio me contar que adicionou uma ex-namorada no facebook, e ficava conversando com ela e chegou a dizer que estava solteiro. A namorada atual viu as mensagens e terRevista Discher in Society - 10

minou o relacionamento e agora ele sofria muito a falta dela. Se você esta com uma pessoa, respeite essa pessoa que esta ao seu lado. Adicionar ex-namorada no facebook que a sua atual não gosta? Ah, brincadeira!! Cuide e lute pelo que é seu. Ficar brincando de namorar, brincando de estar casado é que não dá! Todo mundo pensa que lá fora está cheio de gente bacana e que não vai "morrer" por causa de um relacionamento que acabou. Gente, lá fora está cheio é de homem sem compromisso, mulher interesseira, homem infiel e mulher fútil. Não podemos deixar escapar de nossa vida aquela pessoa que esteve ao nosso lado, simplesmente por acreditar que existem mil outras oportunidades nos esperando. Alguém se apaixonou por você? Tenha certeza do que você quer antes de dar sinais de que também conseguirá

retribuir os sentimentos. E se depois de se envolver, perceber que não era o que você pensava, seja leal e abra o jogo, diga que confundiu os sentimentos e assim você terá a probabilidade de ganhar uma grande amizade e terá sido uma pessoa bacana, leal e justa. Não fuja da situação, não desapareça acreditando que o tempo ajudará a curar as feridas e poderão ser amigos depois. Esqueça! Ninguém pode ser amigo de quem o maltrata, de quem não é sincero. É incompreensível que um homem - uma mulher também nos dias atuais ainda procure um (a) parceiro (a) que tenha a bunda mais arrebitada, os braços mais musculosos, os peitos mais fartos, barriga mais sarada. Temos que estar com pessoas que nos acrescenta de alguma forma. Que some e que enriqueça nossos dias, nossos assuntos, que compartilhe opiniões ou que sejam ca-


pazes de discordar da gente com argumentos inteligentes. E não pessoas robôs, que apenas por não terem o que falar, concorda com tudo que falamos. Não devemos aceitar ninguém nos puxando para baixo. Se a pessoa que está ao nosso lado não nos eleva, não aceite regredir apenas para satisfazer alguém. Cada um no seu quadrado! Sejamos coerentes com nós mesmos. Essa semana li a seguinte noticia no jornal: "Os europeus pioram currículo para concorrer a emprego de baixa qualificação"! Tenho impressão que estamos fazendo o mesmo com a nossa vida pessoal. Estamos diminuindo o nosso valor e aceitando qualquer palavrinha bonita ao pé do ouvindo com medo de ficarmos sozinhos. Os europeus estão fazendo isso para sobreviverem, pois precisam de emprego para pagar suas contas. E nós? Estamos fazendo isso porque acreditamos que só seremos felizes se tivermos alguém ao nosso lado, por pior que essa pessoa seja. E ficamos com essa pessoa, esquentando o sofá de nossa casa, ou cama como preferir, enquanto outra "vaga" melhor não surge. E ai usamos as pessoas, brincando com os sen-

timentos, fazendo as pessoas serem nosso step pessoal. Passar por um ex-amor que ainda mexe com você, e sorrir aos quatro cantos só para mostrar que já esta bem não vai diminuir o nó no seu coração. Mais uma vez repito: Coerência. Seja você mesmo. Se para você está tranquilo, se esta sorrindo naturalmente ou porque está bem, sorria muito. Mas se isso que esta fazendo é apenas para mostrar como você é superior, calma ai, pense bem. Você engana a mim, ao seu ex-amor, e a todos que estão a sua volta, menos a pessoa mais importante nessa historia: você mesmo. Já dizia Chico Buarque: "Encontrar um ex- amor é sempre desconcertante". Então para que fingir que você estar super feliz, quando a vontade que você tem é de sumir dali. Não estou dizendo que temos que chorar, gritar e fazer cara de cachorro chorão. Estou dizendo apenas que devemos aceitar que somos humanos, temos sentimentos, e que é loucura essa era de PROZAZC, onde temos que ser feliz o tempo todo, que tristeza é coisa de fraco. De nada adianta ser feliz para os outros e não sermos felizes para nós mesmos. Cuidemos do nosso coração

e do coração de outras pessoas. Não podemos ser responsáveis pela felicidade de ninguém, nem ninguém pela nossa, mas somos responsáveis pelos nossos atos perante outras pessoas. Tenhamos coragem de assumir erros, de assumir que não amamos mais, ou que ainda amamos, de olhar nos olhos e pedir desculpas... Em um mundo modernos

onde há tanta liberdade, encontro pessoas cada vez mais presas nessa ditadura da beleza, da felicidade plena, da realização pessoal. E esquecem de que, o que mais importa são as pessoas que se importam verdadeiramente conosco. Podemos perceber isso quando assistimos reportagens de catástrofes naturais, onde muitas vezes as famílias perdem tudo, casa, carro, roupas e choram agradecendo a Deus porque ninguém morreu. Naquele momento, elas sentem que tudo aquilo que se perdeu, elas poderão ter de novo um dia, mas quem amamos, quando se foi não volta jamais. Eu não espero que a dor da perda de alguém me ensine isso. E você, espera

Revista Discher in Society - 11


CONCLAVE Em 30 de Janeiro deste ano, Joseph Ratzinger é informado que há sob seus pés, uma sauna idealizada, construída e ativa unicamente no intuito da prostituição. De início, Bento XVI incrédulo, acreditou que a tal sauna servia para prostituição de mulher... Os sacerdotes estavam cometendo o pecado da carne... Errado, a sauna é de prostituição homossexual, o pecado é bem maior. Jovens e robustos homens vão ali para satisfazer sacerdotes, inclusive Cardeais e Bispo. Esta foi à gota d’água para Ratzinger, naquela mesma noite ele decidiu renunciar ao Papado. Ratzinger já vinha sofrendo grandes pressões por parte do Cardeal Angelo Sodano, então Secretário de Estado de João Paulo II, e que se sentiu ofendido, escanteado, com a escolha de Tarcisio Bertone para ser o secretário de Estado no Papado de Bento XVI. Angelo Sodano agiu de forma tão pequena, que levou quase dois meses para liberar em definitivo seu apartamento e escritório para Bertone, este teve que se adaptar nas salas que lhe foram oferecidas, até Sodano deixar as dependências do Secretário de Estado. Revista Discher in Society - 12


Ainda com seu enorme ego enraivado Sodano começa a investigar Tarcisio Bertone. Bertone tinha todos os seus passos observados por Sodano. E qual motivo de tanta ira? O controle do IOR, que está ligado diretamente a Secretária de Estado do Vaticano. Veja bem, o IOR sempre alvo de aspiração de muitos cardeais, principalmente os norte-americanos, um dos principais motivos era para a lavagem de dinheiro, como aconteceu com seu antigo presidente o Bispo Paul Marcinkus, amigo pessoal de Paulo VI e João Paulo II, que quase fale o Banco do Vaticano no final dos anos 70, com envolvimentos até com a máfia. Fatos estes que levaram até o suposto assassinato de João Paulo I, há ainda quem diga que Joao Paulo II, ao assumir o Papado, havia se comprometido em deixar o Bispo Paul Marcinkus como presidente do IOR, como o fez. No Papado de Wojtyla, Bispo Paul Marcinkus chegou a ser o terceiro homem mais importante da Santa Sé. É Bom lembrar também que Sodano sempre impediu Bento XVI de agir de uma forma mais dura contra os sacerdotes pedófilos. Mas voltando aos 30 de Janeiro, o que se sabe é que Bento XVI iria renunciar em 0º1 de Fevereiro, pois não aguenta mais tanta pressão, imaginem um homem nascido em 1927, Católico Fervoroso, que comandava a Santa Sé desde os últimos anos de vida de João Paulo II, descobrir que a Santa Igreja está completamente corrompida.

Ratzinger foi contido por muitos para renunciar no final daquele mês, depois de muita insistência, o Santo homem aceita. Durante este tempo os Cardiais reformistas, herdeiros dos pensamentos do falecido Cardeal Martini entraram em ação conspirando e costurando apoio. Os reformistas queriam fazer um Papa sul-americano, com um norte-americano Secretário de Estado. No Conclave de 2005, quando Ratzinger foi eleito Papa, teve em Jorge Mario Bergoglio, Cardeal argentino seu grande adversário em todas as Cédulas, apreensivo, Bergoglio temente em ser o Vigário de Cristo declinou e pediu que Ratzinger, que de fato era o Papado últimos dias de vida de Wojtyla, fosse Eleito. Mas hoje, em 2013 Bergoglio estar com 76 anos, cansado e com mal de Parkinson. Então alguns Europeus reformistas sugeriram o nome de Odilo Scherer, um homem muito conservador, mas brasileiro, nome que agradaria alguns tradicionalistas europeus, agradaria os europeus, menos os seus colegas brasileiros como João Brás Aviz e Raymundo Damasceno. Vale lembrar que Raymundo Damasceno, presidente da cnBb é o mesmo que dava entrevistas como Papa no Brasil logo após a renúncia de Ratzinger. Revista Discher in Society - 13


Por sinal, alguns Cardeais brasileiros são mestres em passar ao mundo arrogância. Já não basta as lamentáveis atitudes de Raymundo Damasceno, presidente da cnBb, agora foi a vez do Cardeal João Braz de Aviz engolir corda de Angelo Sodano ao fazer injustas criticas a Tarcisio Bertone, Bertone por sua vez rebateu Aviz. Isto tudo na Terça-Feira pela manhã. O ponto positivo foi Odilo Scherer, que virando as costas para o bairrismo, tão usado pelos brasileiros, condenou de forma dura e repulsiva a atitude de Aviz, que agia como uma pata choca no cio. Agindo acertadamente Scherer defendeu Bertone. Tudo isto, por inferninhos ainda feito por Sodano e os cardeais norte-americanos que querem o controle do IOR. Foi então, que Damasceno retirou todo

Revista Discher in Society - 14

apoio dos cardeais que tinha em mãos de Scherer, e quem apoiar? Teria que ser um homem que tivesse pensamentos também conservadores, Bergoglio, o mesmo Cardeal que iria se tornando Papa em 2005. Bergoglio apoiou o ex-Presidente Argentino o Gen Jorge Rafael Videla, faz duras críticas aos governos de esquerda da América Latina e tem posições conservadoras em relação inovações na Santa Sé. Mas... Ele estava acordado com Cardeais reformistas desde 2005... E Raymundo Damasceno, que é presidente da cnBb, mostrou uma força que Cardeal brasileiro jamais teve antes. Deus deu a humanidade o maior homem que surgiu em nosso Planeta desde a Segunda Grande Guerra, mas a humanidade não soube dá o valor real


que este homem tanto merecia. De início o cobravam de ser carismático como João Paulo II, mas João Paulo II era um ator e atuava, esquecendo de comandar a Igreja de Jesus Cristo, fato é que desde Pio XII a Igreja Católica não tinha um Papa tão Perfeito como Bento XVI, mas a humanidade não soube dá o real valor que este Santo homem merecia. Eu tenho 36 anos, sou um pecador, mas com visão do mundo extremamente conservadora, creio que a Igreja de Jesus Cristo jamais deve mudar. Torcia para que o Cardeal Angelo Scola fosse Eleito Papa, e revogasse todas as inovações ecumênicas no Concílio Vaticano II. Temia que um homem reformista fosse eleito pois isto poderia rachar nossa Igreja, e parece que um homem reformista foi eleito.

Duas coisas são certas, a primeira é que padres micos de auditório como Jonas Abib, Marcelo Rossi e Fábio de Melo não serão afastados do Clero, agora terão mais apoio, já que Raymundo Damasceno preocupa-se com o dinheiro que entra e não no fato da renovação carismática ter sido criada por pastores evangélicos. O segundo ponto é que provavelmente veremos o Cardeal Dolan como Secretário de Estado de Bergogio. 13 sempre foi um número Santo, em um 13 de Março do ano 13, a Igreja Católica tem mais incertezas que certezas nestes momentos tão obscuros. JOSÉ CARLOS CARNEIRO Paris, Île-de-France

Revista Discher in Society - 15


CARDENAIS P

FUMAÇA BRANCA SAI DA

A NOVO P CAPELA A SISTINA

ESCOLHE

Revista Discher in Society - 16


Fumaça branca sai da chaminé da Capela Sistina, no Vaticano, nesta quarta-feira (13), sinal de que os cardeais escolheram o novo papa Após 13 dias da renúncia de Bento 16, a quinta votação do conclave, realizada na manhã desta quarta-feira (13), terminou com a escolha do novo papa. Às 15h (Brasília), uma fumaça branca saiu da chaminé da capela Sistina, indicando que os cardeais chegaram a um consenso sobre o próximo líder da Igreja Católica Apostólica Romana. O anúncio dos nomes de batismo e pelo qual será conhecido o sucessor de Bento 16 será feito na sacada da basílica de São Pedro, com a famosa frase: “Habemus Papam!”.Os sinos da basílica de São Pedro confirmaram que o novo pontífice recebeu ao menos dois terços dos votos dos cardeais e já aceitou a missão de comandar a Santa Sé. A escolha foi realizada por 115 cardeais, sendo cinco brasileiros: dom Raymundo Damasceno Assis, 76; dom Odilo Scherer, 63; dom Geraldo Majella Agnelo, 79; dom Cláudio Hummes, 78; e dom João Braz de Aviz, 64. Estavam aptos a votar apenas os cardeais com menos de 80 anos. A presença deles, segundo o Vaticano, era obrigatória. No entanto, dois eleitores conseguiram a dispensa necessária para não participarem da votação, um por motivo de saúde (cardeal indonésio Julius Darmaatjadja) e outro por ter renunciou ao cargo (cardeal britânico Keith O’Brien).

A renúncia

Bento 16 anunciou sua renúncia no dia 11 de fevereiro em um discurso pronunciado em latim durante um encontro de cardeais no Vaticano.

Ao justificar sua decisão, o pontífice de 85 anos alegou fragilidade por conta da idade avançada. O pontífice disse que “no mundo de hoje (...), é necessário o vigor tanto do corpo como do espírito, vigor que, nos últimos meses, diminuiu em mim de tal forma que eis de reconhecer minha incapacidade para exercer bem o ministério que me foi encomendado”. O Vaticano negou que uma doença tenha sido o motivo da renúncia. Mas, segundo o jornal “O Estado de S.Paulo”, uma disputa interna de poder praticada por ex-aliados nos últimos meses pode ser uma das razões para a tomada de decisão do pontífice. Esta é a primeira vez na era moderna que um papa da Igreja Católica renuncia ao pontificado. A renúncia de Bento 16 foi oficializada no dia 28 de fevereiro. Ao se despedir dos cardeais no Vaticano, o papa Bento 16 disse que oferece ao futuro papa sua “obediência incondicional”. “Entre vocês, do Colégio Cardinalício, está o futuro papa, a quem eu prometo meu respeito incondicional e obediência. Continuarei perto de vocês com orações, especialmente nestes dias [do conclave], para que sejais plenamente dóceis à ação do Espírito Santo na eleição do papa”, afirmou o atual papa emérito. Já o jornal italiano “La República” relacionou a renuncia do pontífice a um relatório com cerca de 300 páginas sobre o escândalo do vazamento de documentos confidenciais da Santa Sé, redigido por três cardeais e entregue a Bento 16 em dezembro de 2012. O Vaticano reconheceu a existência do documento, mas descartou qualquer relação com a decisão do papa. Fonte: Uol

Revista Discher in Society - 17


Revalina Aparecida da Silva

ESTUDANTE IV PERÍODO DE PEDAGOGIA

D

ia Internacional a Mulher

O dia 08 de março é a data escolhida para homenagear, celebrar e lembrar-se das conquistas sociais, políticas e econômicas alcançadas ao longo da história das mulheres. E é nessa data que cabe a cada uma de nós mulheres para nos reafirmarmos diante de uma sociedade globalizada em que ainda existem pingos de preconceito, discriminação e agressão ao chamado “sexo frágil”. Que com suas lutas diárias tem mostrado o crescimento e desenvolvimento da classe feminina, que se torna ainda mais multifuncional, conseguindo exercer todas as funções que lhe é de competência, com garra e determinação. Aqui deixo á todas vocês guerreiras uma pequena homenagem de nossas companheiras.

“Ser mulher é ter confiança no amanhã e aceitar o dia de ontem, é desbravar caminhos difíceis em instantes inoportunos e fincar a bandeira da conquista. É saber ser super-homem quando o Sol nasce e transformar-se em Cinderela quando a noite chega.” Kênia Tina

“Mulheres Patrocinenses avante! Qualquer idade, qualquer geração! Somos o passado, presente e Futuro desta nação!” Vereadora Greyce Elias e Marta Elias, de mãos dadas com a Mulher Patrocinense.

“Ser mulher é enfrentar as dificuldades da vida com vigor e determinação, sem nunca perder a doçura que lhe foi concebida”. Debora Neves

“Deus nos deu a sublime missão de sermos geradoras da humanidade. Ser mulher é carregar dentro de si a semente da vida e da esperança de dias melhores. Dentro de nós alternam-se a garra e a coragem, com a sensibilidade que só nós temos, e com essas forças juntas vencemos qualquer obstáculo do caminho. Na verdade toda mulher deveria ser lembrada e admirada todos os dias, mas em especial hoje, presto meu reconhecimento a todas as mulheres batalhadoras de nossa cidade, de quem tenho orgulho em representá-las.” Um carinhoso abraço da amiga, vereadora Marcilene Jacinto Queiroz. Revista Discher in Society - 18


Estimadas Mulheres ... “ Muitos se enganam quando pensam que uma mulher é uma flor. Não, não é... Uma mulher é a terra que, fertilizada, faz nascer todas as flores, é a mãe de todas elas; é o campo que recebe o sol e a chuva e faz florescer o mundo. Intuitivas, amam o adivinhado. Para elas, importa menos o buquê de flores que o "pensei em você" que vem escondido atrás dele. E acolhem assim a lembrança como se estivessem abraçando todas as flores e fosse delas a Rainha. Fazem grandes as pequenas histórias e tornam menores as grandes dores. No amor o "eu finjo que sou frágil e você finge que acredita" lhes cai muito bem. Perdem a cabeça e não querem perder o coração. Na maternidade, grandiosas. Na amizade, inteiras, anjos visíveis, doutoras e professoras. Na história do mundo, canal pelo qual o próprio Deus fez-se conhecer.” ANA VALÉRIA DE REZENDE CUNHA

Mulher sinônimo de beleza e desejo, paixão e emoção, misto de amor e ódio, consegue ser intrigante e instigante, e não menos magnífico por isto. Ser abençoado capaz de gerar outra vida, e abrir mão da sua, em nome desse amor incondicional pelo ser gerado. Tem consigo o tal do “sexto-sentido” que em tomadas de decisões onde a emoção tenta de forma avassaladora falar mais que a razão trás o equilíbrio pra tomada das mesmas. Fazendo assim uma diferença considerável no resultado final. Trás consigo o dom do amor mesmo depois de ter seus corações partidos. Chora e ri sem motivos aparentes. Vive intensamente os momentos. Sendo forte como o mar e delicada como a brisa do vento. Ser mulher é ter confiança no amanhã e aceitar i dia de ontem, é desbravar caminhos difíceis em instantes inoportunos e fincar a bandeira da conquista. É saber ser super-homem quando o Sol nasce e transformar-se em Cinderela quando a noite chega. Tendo consigo a força de uma guerreira e sutileza de uma princesa! Não se esqueçam de nunca. Unidas nos tornamos mais fortes pra buscarmos as mudanças que tanto almejamos. Kênia Tina

M

ulher! Ao olhar-te no espelho, reconhece ali a Mãe Divina! Mira-te nela! Encarna com dignidade os dons femininos de amor, fidelidade, pureza, sensibilidade, compreensão, delicadeza, generosidade, doçura, abnegação, serenidade e o dom de tudo embelezar. Mulher! Não te deixes corromper pela futilidade e mediocridade do mundo. Aumenta ainda mais tua força, apreendendo as virtudes dos homens, mas nunca os vícios. A regeneração do mundo depende de ti, pois tens o poder de moldar o caráter de um ser, desde o teu ventre e por toda a sua vida. Podes transformar teu lar num templo da Divina Missão de Amor. Quando defendes tua dignidade, defendes a dignidade de cada ser humano. Mulher! Rejeita qualquer pensamento ou sentimento de rivalidade, pois isto destrói a unidade das mulheres. Caminha graciosamente, olhando sempre com admiração o teu eterno companheiro, o homem. Marilene Discher

Revista Discher in Society - 19


Vi

Natanael Oliveira Diniz (Professor de Literatura)

das Perdidas

O noticiário local e nacional não cessa de dizer que estamos inseridos em um mundo violento. A sociedade, os órgãos governamentais e todas as instituições estão desafiados a incomodar-se com os números preocupantes que compõem as estatísticas sobre as vítimas da violência. Em nossa cidade, o número de homicídios cresce cada vez mais, sem falar na violência “escondida”. O desafio é enorme, porque as causas da violência é uma rede complexa de questões com desdobramentos variados. Por isso mesmo, não se pode aquietar o coração cidadão e institucional apaziguadora que compara o ano atual com o anterior quando há registro de queda na violência com vítimas. Na verdade, os números revelam a calamidade de um tempo de

Revista Discher in Society - 20

guerra, na qual o tratamento das questões se caracteriza por urgências próprias. É lamentável constatar que a juventude representa mais de 60% das vítimas fatais no cenário da violência. O que será da sociedade brasileira se essa dizimação da juventude continuar sem estancar-se? O futuro precisa ser preparado agora. A lógica de um mundo centrado em relações fugazes permite certa desesperança no quadro das perspectivas a serem tomadas. A raiz da realidade da violência que vai dizimando a população e desfigurando o rosto da sociedade, está na propalada crise global, onde o mercado é o centro de tudo, e as pessoas ficam em segundo plano. Não há, no mercado espaço para a solidariedade e fraternidade. Enquanto o mercado continuar a ser ins-

tância de solução de todos os problemas, carente de moral e de princípios crescerá a violência, levando os governantes a uma inércia total. É preciso emergir uma nova consciência! Vidas estão sendo perdidas, por que falta maior responsabilidade de todos na geração de uma nova cultura. O tesouro maior agora é o diálogo, a aceitação, e da prática permanente da cooperação. A vida deve ser a maior preocupação de uma pessoa, afinal é por meio dela que vamos fazer e construir nossa felicidade e projetos. Como dizia Érico Veríssimo: “Felicidade é a certeza de que a nossa vida não está se passando inutilmente”. Assim, nessa proposta a vida não é perdida, e sim vivida com plenitude.


SOLUÇÃO ESCOLA DE PROFISSÕES Educação profissional é um conceito de ensino abordado pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei 9394, de 20 de dezembro de 1996), complementada pelo Decreto 2208, de 17 de abril de 1997 e reformada pelo Decreto 5154, de 23 de julho de 2004. O principal objetivo da Educação Profissional é a criação de cursos voltados ao acesso do mercado de trabalho, tanto para estudantes quanto para profissionais que buscam ampliar suas qualificações. Nós, da Solução Escola de Profissões, temos como missão possibilitar a realização de sonhos, de projetos de vida, oferecendo “soluções” através da formação educacional e qualificação profissional.

Nossa visão é agregar valores, oferecendo uma educação de qualidade, valorizando a ética e a cidadania. Oferecemos um ensino que propicia ao nosso aluno a capacidade de desenvolver sua carreira com eficiência e eficácia. Acreditamos que através dos cursos oferecidos nossos alunos alcançarão a realização profissional. Disponibilizamos diversos cursos profissionalizantes que são direcionados a jovens e adultos. Temos uma equipe composta por profissionais altamente treinados e capacitados, prezando a qualidade na prestação dos serviços. O mercado de trabalho está exigente e busca profissionais

qualificados e que estejam constantemente aprendendo e se capacitando. Para enfrentar o mercado globalizado e extremamente competitivo, surgem novos desafios e exigências em relação ao desempenho profissional. Por isso, para alcançar sucesso profissional é preciso estar atualizado e desenvolver as habilidades que o mercado de trabalha requer e necessita. O caminho para esse sucesso é a busca pela educação e aprendizado, aprendizado que precisamos ampliar e aperfeiçoar cada vez mais.

(34) 3831-5404 Rua Presidente Vargas, 1068, Patrocínio - MG

Revista Discher in Society - 21


Verdades Ocultas Quando o desconhecido se torna uma expectativa ameaçadora à sobrevivência, então, inconscientemente o instinto motor aperta o gatilho de adrenalina para o embate: atacar, ou fugir. Se nenhuma dessas duas opções for possível, como no caso da limitação ou privação dos movimentos, a enxurrada de energia armazenada pelo medo, se manifesta em cadeias com reações orgânicas sucessivas, como: choro, berros, desmaios, movimentos bizarros, "incorporações", entre tantas outras infinitas fantasias do inconsciente ou espirituais. Ao longo da história da humanidade, o mundo tem sido assombrado por demônios. Até hoje. Embora hoje em papéis trocados, porque a pouco mais de 200 anos, ainda quando a Santa Amada Igreja Católica, dona do poder sobre o Planeta com sua verdade absoluta, qualificava o termo demônio, como: Conhecimento. Eles se diziam os Homens de Deus, (as mulheres, não), portanto, sabedores de tudo. A Terra era o centro do Universo. Homens Santos intercediam com um Deus que barganhava orações para benefícios do ego. Catástrofes naturais, chuva de granizo, nuvens de gafanhoto, doenças, epidemias, desejo sexual, benzimentos, chá de ervas, entre tantos outros acontecimentos, puramente naturais, eram justificados como, obras do demônio. E as bruxas eram suas intercessoras. Em torno de dois mil anos, de uma metáfora messiânica e belíssima fonte de inspiração Espiritual, nasceu um bebezinho, Jesus, numa estrebaria próxima a Belém, em condições de pobreza extrema, (vc conhece esse termo?), que cresceu em tal situação, portanto, rebelde ao Império de Roma. “É mais fácil, um camelo passar por um buraco de uma agulha do que um rico entrar no céu”. Entendo com isso que: Até hoje, dois mil anos depois, ninguém conseguiu fazer sequer uma ordem de pagamento até o outro lado da vida. Absolutamente nada de material. Revista Discher in Society - 22


O poder que o "demônio" exerce com o apego as coisas materiais é impressionante. Segundo a filosofia Cristã, Jesus sempre pobre, foi humilhado, surrado, crucificado, morto e sepultado. Mas em Roma, ele Prosperou. Ou, não! Aparentemente, isso pode ser confirmado, não montado num burrico, como Jesus antigamente, mas sim num helicóptero e o brilho do anel de ouro acenando em alto estilo, na despedida do papa como líder do poder econômico do catolicismo, para seus pobres e infiéis contribuintes. Mas na sombra da prosperidade da verdade absoluta, muito antes de Galileu, da observação dos fenômenos naturais, surgiu outro demônio, o conhecimento empírico. E junto com ele, através de tentativas e erros, com um altíssimo preço em acidentes e vidas ceifadas, o conhecimento sistematizado pela metodologia científica com suas questões básicas: O que? Onde? Quando? Por que? Quanto? Como? praticamente exorciza todos os dogmas da verdade absoluta. Dogma, é uma equação subjetiva e sigilosa utilizada pelos seus idealizadores para persuadir e manipular seu poder exercido naqueles que estão sofrendo, basicamente pela falta de informação. Se Você leu até aqui, é porque também não está satisfeito com verdades absolutas. Então, talvez assim como eu, tenha vagado por esse mundo afora em busca de respostas para o sofrimento, tantas mentiras, mazelas, medo, quedas e desespero nas tentativas de encontrar uma solução para o vazio interior que

tanto assombra a mente e o coração das pessoas que amamos. Não quero que você me siga. Pode ser que eu esteja errado. Sobre conhecimento, sou praticamente um leigo. Li alguns gibis e aprendi a meditar. Apenas isso. Perdoe minha irreverência perante espertalhões que se utilizam do conhecimento para exercer o poder, omitir, distorcer, ou generalizar informações, e com isso amedrontando, manipulando e explorando o sofrimento humano. Não quero que você interprete minha atitude como um promotor de justiça, acusando erros do passado, pelo contrário; é deles que podemos nutrir nosso espírito através dos aprendizados. Ao longo da nossa história, foi através de tentativas e erros que sobrevivemos. Cada um a sua maneira, querendo ou não, cuidou de si, evoluiu e chegamos até aqui. E depois de tanto apanhar da vida, foi por amor a mim mesmo que agradeci, e me despedi dos intercessores com o "divino". Na busca de respostas e para me libertar do sofrimento interior, larguei a ideologia da felicidade material e saí campo afora. Me joguei na corrente do rio do desconhecido, como dizia o povo hopi. Ciente de que minha jornada é solitária, muito além da influência de "Instituições", gurus, filosofias, crenças ou religiões, eu acredito num Propósito Maior; bem mais elevado do que esse, convertido em moeda de troca como: Produzir, vender e consumir. Não acredito em Bruxaria, e

você, acredita? Pelo dogma da verdade absoluta, se disser que sim, você estará mandando pessoas inocentes para a fogueira. Se disser que não, então vc está negando que elas existem. Você acaba de ser denunciado pelo martelo das bruxas, e irá ser julgado perante a Santa Inquisição! Quer saber mais? Além do livro: O Mundo Assombrado pelo Demônio (Carl Sagan) Veja o filme: O Martelo das Bruxas. http://www.youtube.com/ watch?v=dMqYIlx98Kc Pela primeira vez na história, uma equipe de investigação internacional tenta desvendar os mistérios do Malleus Maleficarum (Martelo das Bruxas). Escrito em 1485, este antigo e infame manual mudou a forma como o mundo via a maldade. Com instruções detalhadas de como descobrir, perseguir e punir as bruxas, o Malleus Maleficarum inspirou séculos de acusações e massacres em todo o mundo. Agora, através de profundas recriações e amplas entrevistas com estudiosos, levamos os telespectadores em uma jornada pela loucura para que se possa compreender melhor a origem, a legitimidade e a história do Martelo das Bruxas. Bom proveito! Jorge Antonio “Podemos julgar o coração de um homem pela forma como ele trata os animais.” Immanuel Kant, filósofo Revista Discher in Society - 23


P

OLICIAL MILITAR

HERÓI SEM MÉRITO

Quem não ouviu alguém falar o seguinte provérbio: “melhor um covarde vivo, do que um herói morto”. Esse artigo refere-se a um herói meramente humano, sujeito a cometer erros como qualquer outra pessoa – o Policial Militar. Entretanto, vive uma situação intrigante: no momento de desespero de qualquer cidadão em perigo, esse profissional é o primeiro a ser chamado. Caso solucione o problema de forma imparcial e com êxito (recuperação de carro/dinheiro roubado, evitar um seqüestro relâmpago ou cometimento de um homicídio), torna-se nesse momento, um herói. Se sua intervenção não for conduzida conforme o esperado pelo solicitante, poderá sofrer severas criticas, com a possibilidade de ter complicações administrativas ou penais, sendo o autor da ação a pessoa que o acionou para socorrê-la. Isto nos faz lembrar outro ditado popular: “a mão que afaga, é a mesma que apedreja”. Vale lembrar que independente de qualquer coisa (jornada exaustiva de trabalho, estresse, depressão, entre outras), esses profissionais quando acionados, saem em defesa das vitimas e, por vezes, colocam sua própria vida em perigo, para cumprir sua função Constitucional. Isso faz parte do seu cotidiano e do juramento feito em sua Revista Discher in Society - 24

formação militar, como também, inserido na letra do Hino do Soldado Capixaba: “Sou soldado da terra de Ortiz, missão nobre me impõe o dever, defender com ardor meu País, pela Pátria vencer ou morrer. Na peleja sou bravo, sou forte, do inimigo não temo a metralha e desdenho até mesmo da morte, no entrechoque feroz da batalha. Sou herói, destemido e valente [...]“. Ressalta-se, que muitos desses heróis “temporários” estão doentes, mas continuam trabalhando normalmente nas ruas. Fato que ocorreu no dia 10 de agosto de 2012, em São Paulo, trás preocupação: “o soldado Edvaldo que estava em tratamento psiquiátrico e apresentava quadro depressivo, após ser consultado no Hospital da Polícia Militar (HPM), foi julgado apto para o serviço. Ao sair do hospital, subiu numa torre do aeroporto de Congonhas, interditando por horas o tráfego aéreo, na tentativa de se matar. Passado 40 dias, encontra-se internado na ala psiquiátrica de um hospital público”. A matéria divulgou dados alarmantes, mostrando que nesse ano de 2012, foram 24 tentativas de suicídios e 21 suicídios de policiais militares em São Paulo. Enquanto que em confronto armado com criminosos foram 8 mortes (em serviço). Nos dias de folga, foram

46 (quarenta e seis) policiais militares mortos. As corporações militares do território brasileiro são prestadoras de serviço público à sociedade, distinguindo-se de qualquer outra instituição (pública ou privada), haja vista que atende toda e qualquer situação de desordem social. A Polícia Militar Capixaba é uma das instituições públicas mais antigas do Estado e, como as outras, contrariam antigo ditado popular; que diz: “Em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”. Mesmo assim, ela é chamada para intervir como mediadora do conflito. Nas ocorrências diárias de atendimento ao cidadão, um grande percentual está vinculada a esse tipo de desentendimento, onde as partes envolvidas são muito próximas e, na maioria, marido e mulher. Estima-se, tratar-se inicialmente de vias de fato (violência contra a pessoa sem, contudo, produzir lesões corporais), mas caso não haja uma intervenção policial, pode vir a se agravar e até resultar em óbito. Policiais - cidadãos, por vezes heróis, mas, por certo, de carne e ossos. EDUARDO VERONESE DA SILVA Professor de Educação Física Bacharel em Direito Especialista em Direito Militar.


Revista Discher in Society - 25


G“

ravidez na Adolescência Uma Das Ocorrências Mais Preocupantes Relacionadas Ao Exercício Da Sexualidade Da Adolescência.

A gravidez precoce é uma das ocorrências mais preocupantes relacionadas ao exercício da sexualidade da adolescência, que pode se constituir em sérias consequências para a vida dos adolescentes envolvidos, de seus filhos que nascerão e de suas famílias que deverão arcar com todos encargos materiais e afetivos. A incidência de gravidez na adolescência está aumentando e, nos Estados Unidos da América (EUA), onde existem estatísticas confiáveis, viu-se que de 1975 a 1989 a porcentagem dos nascimentos de adolescentes grávidas e solteiras aumentou 74,4%. Em 1990, os partos de mães adolescentes representaram 12,5% de todos os nascimentos no país. Lidando com esses números, estimou-se que aos 20 anos, 40% das mulheres brancas e 64% de mulheres negras teriam experimentado ao menos uma gravidez. No Brasil a cada ano, cerca de 20% das crianças que nascem são filhas de adolescentes, número que representa três vezes mais garotas com menos de 15 anos grávidas que na década de 70, engravidam hoje em dia. A grande maioria dessas adolescentes não tem condições financeiras nem emocionais para assumir a maternidade e, por causa da repressão familiar, muitas delas fogem de casa e quase todas abandonam os Revista Discher in Society - 26

estudos. A Pesquisa Nacional em Demografia e Saúde, de 1996, mostrou um dado alarmante; 14% das adolescentes já tinham pelo menos um filho e as jovens mais pobres apresentavam fecundidade dez vezes maior. Entre as garotas grávidas atendidas pelo SUS no período de 1993 a 1998, houve aumento de 31% dos casos de meninas grávidas entre 10 e 14 anos. Nesses cinco anos, 50 mil adolescentes foram atendidas em hospitais públicos devido a complicações de abortos clandestinos. Quase três mil na faixa dos 10 a 14 anos. Quando a atividade sexual tem como resultante a gravidez, gera consequências tardias e em longo prazo, tanto para a adolescente quanto para o recém-nascido. A adolescente poderá apresentar problemas de crescimento e desenvolvimento, emocionais e comportamentais, educacionais e de aprendizado, além de complicações da gravidez e problemas de parto. É por isso que alguns autores considerem a gravidez na adolescência como sendo uma das complicações do exercício da genitalidade. Também, o contexto familiar tem uma relação direta com a época em que se inicia a atividade sexual. As adolescentes que iniciam a vida sexual precocemente ou engravidam nesse perío-

do, geralmente vêm de famílias cujas mães se assemelharam a essa biografia, ou seja, também iniciaram vida sexual precoce ou engravidaram durante a adolescência. Gravidez precoce na adolescência: consequências advindas Em décadas passadas, era comum que as mulheres iniciassem a vida sexual após o casamento, momento em que o homem e a mulher eram capazes de assumir sua independência dos pais, tanto no aspecto econômico como no social e no emocional, sendo certo que a condição psicossocial de independência frente aos pais confere ao indivíduo as características do adulto, apto a arcar com as consequências da procriação. O início da vida sexual da mulher após o casamento era uma condição da repressão à sexualidade feminina, portanto, eram raros os casos de mulheres que engravidavam na adolescência e solteiras. A Revolução Sexual da década de 60 questionou vários aspectos do papel da mulher e entre estes estava o exercício da sexualidade. Os questionamentos levaram as mulheres à luta por direitos - antes negados a elas - e dentre as suas conquistas está a liberdade de iniciar a vida sexual sem o vínculo obrigatório do casamento.


A

gravidez na adolescência tornou-se uma preocupação a partir das décadas de 60 e 70, quando, como resultado dos movimentos sociais voltados para a liberdade do comportamento sexual, elevou-se o número de mulheres com início de atividade sexual antes do casamento. A partir da década de 60, a incidência da gravidez na adolescência vem aumentando significativamente e as estatísticas mostram que o índice verificado em 1950, de 81,6 gestações para 1.000 adolescentes, passou a ser de 112 gestações para 1.000 adolescentes em 1970. Estima-se que nos dias atuais, no mundo todo, 13.000.000 de mulheres grávidas têm entre 12 e 20 anos. No Brasil, a incidência de parto em mulheres menores de 19 anos está em ascensão, conforme mostram dados publicados pela Área de Saúde do Adolescente e do Jovem (ASAJ) e pela Secretaria de Políticas de Saúde do Ministério da Saúde (1999). Tais dados são fornecidos pelo Sistema de Informações Hospitalares (SIH/SUS) DATASUS/MS e se referem aos anos de 1993 a 1999. Segundo as fontes estatísticas acima citadas, o número de partos ocorridos em mulheres de 10 a 19 anos, em 1993, correspondeu a 22,3% (638.113) do total de partos (2.856.255). Esta incidência atingiu, em 1999, a ordem de 26,95% (705.312) do total de partos (2.616.720). Esses dados comprovam que, apesar dos esforços para diminuir os casos de gestação na adolescência, sua ocorrência continua aumentando, tendo sido de 4,62% a elevação da porcentagem de partos na adolescência em relação ao total de partos no período compreendido entre os anos 1993 e 1999. É comum se referir à gravidez na adolescência como uma gravidez indesejada, entretanto, nos dias de hoje, a maioria das adolescentes engravidam por vontade própria e não por acidente. A gravidez na adolescência é sempre inoportuna, mas raramente indesejada. Os métodos anticoncepcionais que eram desconhecidos por elas até meados dos anos 80, hoje são do conhecimento de todas. Com o advento da AIDS, o uso do preservativo deixou de ser uma opção para ser uma necessidade/obrigação. As revistas dirigidas aos adolescentes fazem ampla divulgação dos métodos de anticoncepção; as escolas se preocupam em informar sobre anticoncepção e a família está mais atenta para o risco da gravidez na adolescência. Entretanto, a incidência da gestação na adolescência não apresentou o declínio esperado, mostrando que a diminuição dos índices não dependia apenas da informação sobre os métodos anticoncepcionais. Apesar de todas as facilidades que existem para a anticoncepção e de todos os inconvenientes e limitações que a gravidez e o filho podem determinar para a sua vida, a adolescente encontra motivos para desejar a gravidez. Abordamos a seguir as causas mais comuns da ocorrência da gravidez na adolescência:

Revista Discher in Society - 27


Busca da Maturidade As modificações físicas e emocionais, o novo esquema corporal e os novos recursos emocionais impulsionam para a busca de uma nova identidade. A conquista desta identidade inclui a independência da proteção dos pais e uma atitude pessoal diante da sociedade. Entretanto, a adolescente sente-se muito frágil para dispensar a proteção da família e não confia nos seus recursos para se posicionar socialmente. Essas inseguranças determinam sentimentos de inferioridade, que levam a adolescente a lançar mão de arrogadas atitudes na ânsia de convencer a todos e a si própria que atingiu a maturi-

dade e deixou de ser criança. Uma destas atitudes é a gravidez. Instabilidade A instabilidade de humor, característica desta faixa etária, é um fator que pode explicar o desejo de engravidar. Na adolescência, a euforia e o estado de depressão se alternam em curto espaço de tempo e sem motivo aparente, deixando na adolescente profunda sensação de insegurança. Uma tomada de decisão segura e irredutível pode durar menos de vinte e quatro horas. A adolescente que ontem desejava uma carreira profissional, hoje almeja a comodidade de um casamento e em poucos dias volta a

desejar a carreira profissional. Ao perceber a inconstância das suas convicções, a adolescente sente-se ameaçada e os adultos confirmam essa ameaça, tratando a questão como se fosse uma falha de personalidade. Os adultos agem desta forma porque a inflexibilidade dos posicionamentos é uma característica da idade adulta, e há uma tendência do adulto esquecer as experiências da sua adolescência. Portanto, querendo corrigir a impressão de instável, a adolescente decide engravidar, pois assim define sua opção sem a possibilidade de voltar atrás.

Casamento Nossa sociedade atribui ao casamento a condição necessária para a realização da mulher. A família, cumprindo seu papel social, exerce pressão para que suas filhas se casem. Neste ambiente de cobrança, a maioria das mulheres se submete, e procura assegurar o casamento, na primeira oportunidade que surge. Como na adolescência não há condição econômica favorável para que o casamento ocorra, a gravidez é o recurso utilizado para que ocorra mesmo sem haver as

condições econômicas. A gravidez é uma situação que deixa até mesmo a conclusão da escolaridade básica para segundo plano. Desejo de felicidade A instituição casamento ocupa lugar de importância entre os desejos mais íntimos das pessoas, pois nos discursos sociais ela é o veículo indispensável para a felicidade, e a felicidade todos buscam com obstinação. As adultas, quando não conseguem omitir os sofrimentos vividos em seus casamentos, se comportam como se o seu caso fosse uma

exceção, e reforçam a ilusão de que o casamento é fonte de felicidade. O conceito de que o casamento é sempre feliz, bastando cada um dos parceiros colaborarem para a boa convivência, é aceito pela maioria das pessoas e cria na adolescente, que se sente infeliz, a expectativa de encontrar no casamento o refúgio seguro. A gravidez é usada para viabilizar o casamento antes que os pré-requisitos sejam alcançados, pois neste caso deixar de ser infeliz é prioridade.

Revista Discher in Society - 28


Ser útil Atualmente as crianças e adolescentes são tratados pela sociedade e pela família como incapazes para qualquer responsabilidade ou execução de trabalho. O estudo e a prática de esporte são as únicas atividades permitidas às crianças e adolescentes, e sem cobranças. Esta situação determina, em algumas adolescentes, a sensação de improdutividade e inutilidade. Essas adolescentes com necessidade de sentirem-se úteis vêem no filho a oportunidade de uma responsabilidade. Quando questionadas sobre o que de melhor lhe trouxe o nascimento do filho, uma amostra significativa responde que foi a possibilidade de ser útil e necessária. Conflitos familiares Nas famílias em que a convivência é conflituosa por dificuldade de relacionamento ou econômica, o casamento é a oportunidade da adolescente deixar este ambiente. As adolescentes acreditam que vão constituir uma família sem conflitos emocionais ou dificuldades econômicas. Para não ser impedida de constituir família antes de ser adulta, a adolescente engravida e o casamento passa a ser o desejo dos pais. Contudo, para a maioria das adolescentes, esses problemas não desaparecem com o casamento, pois as dificuldades econômicas se mantêm ou pioram e os conflitos emocionais existirão como resultado da condição econômica ou da dificuldade de relacionamento do casal ainda imaturo. Mercado de trabalho A inserção no mercado de trabalho é outro fator que impulsiona a adolescente para a

gravidez. A mulher é educada para o exercício de atividades cooperativas e o mercado de trabalho é competitivo. Assim sendo, ela sente-se ameaçada pela perspectiva cada vez mais próxima de inserção no mercado de trabalho. O casamento e o filho seriam a única situação em que a sociedade e a família deixariam de cobrar a imediata profissionalização, aceitando que os estudos ou o emprego sejam abandonados por uma causa maior, o filho. Romantismo Na adolescência, a racionalidade ainda não contaminou as emoções e, consequentemente, os sentimentos acontecem com toda intensidade. A colocação de limites no prazer, através de ponderações racionais, é própria da maturidade. Portanto, na adolescência o amor é muito intenso, sem limites ou exigências. Assim sendo, selar o amor dedicado ao homem, tornando-se mãe do seu filho, é romântico o suficiente para a adolescente se sentir feliz. Outras vezes é para satisfazer o desejo do homem de ser pai que elas engravidam, pois o fato dele desejar um filho dela é uma grande demonstração de amor. Como as emoções fluem sem a censura da razão, a gravidez é vista como a mais óbvia das decisões. Tabus e preconceitos Apesar da ampla divulgação das corretas informações sobre os métodos anticoncepcionais, os tabus e os preconceitos ainda influem na decisão de algumas mulheres. Esses tabus e preconceitos estabelecem uma ligação direta entre a anticoncepção e algum prejuízo à fertilidade fu-

tura ou à estética da mulher. A melhor das informações técnicas sobre os métodos anticoncepcionais é esquecida pela adolescente diante das ameaças dos tabus e preconceitos. Consequências da gravidez precoce A gravidez na população adolescente apresenta índices mais elevados para algumas intercorrências clínicas (anemia e infecção urinária); doença hipertensiva específica da gravidez; prematuridade e recém-nascido de baixo peso, quando comparado ao grupo de mulheres entre 20 e 30 anos. A taxa de mortalidade neonatal é mais alta para os filhos das adolescentes que para os filhos das mulheres de 20 a 30 anos, em conseqüência da maior incidência de prematuridade e baixo peso ao nascer. A incidência dessas complicações médicas é diminuída com adequada assistência pré-natal, especializada para adolescentes. A assistência pré-natal deve ser realizada por equipe multiprofissional (médico obstetra, psicóloga e assistente social), especializada em adolescência, pois os fatores que interferem no desenvolvimento da gravidez na adolescência não se restringem aos aspectos físicos, abrangendo também os aspectos emocionais e sociais. As conseqüências indesejáveis emocionais e sociais da gravidez precoce têm repercussões a curto, médio e longo prazo, para a sociedade, a família e a adolescente. Dentre os comprometimentos psicossociais, vale descrever os mais comuns.

Ednaldo Cavalcante de Araújo. Professor Pós-doutor do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil.

Revista Discher in Society - 29


Revista Discher in Society - 30


Revista Discher in Society - 31


“ Inverno se aproximando, e começamos a pensar em roupas mais quentes, casacos, peles, blazers, moletons e as maravilhosas botas, ou seja, peças que tem a cara da estação. Vejam algumas tendências que prometem se destacar nesse inverno: 1- Couro! Maior simbolo do inverno, juntamente com os casacos de pele (fakes), o couro foi, é, e acredito que será por muito tempo uma das maiores apostas para os invernos. Elegância e sofisticação nas peças, deixam o couro cada vez mais indispensável no guarda roupa, sem falar do investimento ótimo que podemos fazer, pela durabilidade e por esquentar muito bem no frio! 2 – Botas! Que as botas sempre estão em alto no inverno todo mundo sabe, mas depois da onda de galochas, canos altos e texanas, agora chegou a vez dos canos baixos. Se você não quer errar nesse inverno aposte nelas. Que vem com salto alto, baixo, fino, grosso, aplicações, couro, franjas, fivelas e muito mais… 3- Barroquismo! No inverno as peças são sempre frias, mas agora elas possuem um quê a mais. Pedrarias, bordados e muito brilho pode-se esperar com peças que roubem a atenção no look. Inspiração barroca: tapeçarias, bordados, rendas e estampas florais, elas vem com tudo! 4 – Burgunday! Cores frias predominam na estação, e a que promete ter destaque é o vinho, ou mais conhecido entre as fashionistas como Burgunday! Acessórios, sapatos, uma peça ou o look todo no tom! 5- Listras! Sinônimo de elegância, as listras vão estar presentes em muitos looks; nas calças e blusas principalmente E para quem quiser mais dicas e ficar um pouco antenada no que está rolando por ai, acessem wwww.canoma.com.br Beijos, Ca!”

Revista Discher in Society - 32


^

Voce linda

No dia do seu casamento ^ N贸s cuidamos de voce

Pinto dias 171centro info: 9202 1879 / 9188 3135 Revista Discher in Society - 33


Discher Gravação p/ Revista Discher TV na Conceto Z

Noite da Mulher

Revista Discher in Society - 34


In Society Aniversรกrio do Catigua

Revista Discher in Society - 35


Revista Discher in Society - 36


Revista Discher in Society - 37


G

randes histórias de amor Reais ou fictícias, as grandes histórias de amor são uma inspiração! Veja algumas das histórias onde o amor prevaleceu mas o fim foi trágico.

Bonnie e Clyde

Bonnie Parker sempre foi muito esforçada. Vinda de uma infância pobre, estudou bastante e se destacava na escola com seus textos muito bem escritos. Um mulher bonita, loira, com 1,50 m de altura, casou-se com 15 anos mas o relacionamento não durou e seu ex marido foi preso por roubo logo depois. Trabalhando de garçonete ela conheceu Clyde Barrow, o grande amor de sua vida e também o responsável pela reviravolta que estava por vir. Mesmo sabendo que Clyde era um fora da lei, Bonnie largou tudo para acompanhá-lo na vida de crimes e fizeram parte da quadrilha que aterrorizou por uns quatro anos o Estados Unidos. Após uma desgastante caçada, a polícia fez uma emboscada que culminou na morte de Bonnie e Clyde em 23 de maio de 1934.

Paris e Helena Helena, casada com Menelau rei de Esparta, era conhecida como a mulher mais bonita do mundo. Em uma viagem diplomática, Páris conheceu Helena e ambos se apaixonaram perdidamente. O problema é que esse amor não deveria ser levado a diante porque além de Menelau ser bastante temido, isso poderia ter consequências sem precedentes. Tomado pela paixão, Páris resolveu fugir com Helena para sua terra natal, Tróia, onde ele acreditava que o rei de Esparta não conseguiria transpor os famosos muros da cidade. Menelau atravessou o Mar Egeu com mil navios e grandes guerreiros como Ulisses, Aquiles e Ajax, para pegar de volta sua Helena e colocar Troia abaixo. Usando do artifício conhecido como O Cavalo de Troia, Menelau conseguiu invadir a cidade, incendiou casas e matou grande parte da população enquanto escravizou as mulheres. Ele levou Helena de volta a Esparta. Revista Discher in Society - 38


Príncipe Shah Jahan e Princesa Mumtaz Mahal Mumtaz Mahal foi uma princesa persa muçulmana que casou-se com o Imperador Mongol Shah Jahan. Mesmo não sendo a única esposa dele era visível que o relacionamento entre os dois estava baseado em amor e não apenas em uma união arranjada. Conhecida como “a preferida do palácio” Mumtaz Mahal era uma companheira inseparável de Shah Jahan, acompanhando-o em viagens militares, aconselhando-o e incentivando os atos de caridades de todos ao redor. Infelizmente o destino de Mumtaz Mahal já estava traçado e ela faleceu dando a luz ao décimo filho, o que devastou a vida do Imperador. Em pouco tempo ele definhou, seus cabelos e barba ficaram brancos e seu ânimo foi se apagando. Shah Jahan decretou que fosse construído um enorme palácio – desenhado por ele – sobre o túmulo da sua amada e trouxe os melhores construtores e artistas da região para colocar de pé o Taj Mahal, em mármore branco, rodeado de jardins e decoração única. Diz a lenda que o Imperador mandou cortar a mão de todos os que estiveram ligados a construção do Taj Mahal para que nunca fosse feito algo mais bonito que aquele palácio.

Romeu e Julieta

William Shakespeare escreveu um dos romances mais famosos de todos os tempos. Romeu Montecchio se apaixona por Julieta Capuleto, filha dos maiores inimigos de sua família. Essa relação deveria ser impossível de ser vivenciada mas ambos encontram um jeito de se casarem. Para escapar de um casamento arranjado por seus pais, Julieta conta com a ajuda do Frei para tomar um remédio que a deixará em uma espécie de coma por duas horas e sua família pensará que ela morreu. Nesse meio tempo, um mensageiro deveria avisar a Romeu do plano da amada para que ele possa encontrá-la quando acordar. O problema é que o recado não chega como deveria e Romeu passa a acreditar que Julieta está morta; não aguentando a dor, ele compra uma substância venenosa e vai até a cripta onde sua amada está para ingerir o veneno e morrer junto a ela. Quando Julieta acorda e vê Romeu morto, não suporta a dor, pega um punhal e comete o suicídio. . Revista Discher in Society - 39


REQUINTE E SOFISTICAÇÃO É PIENZZO ACESSÓRIOS

Revista Discher in Society - 40

Telefone: (34) 3831-9891 Cel No: (34) 8868-9891 Email: contato@pienzzoacessorios.com.br


Camylla e Anna Klara Discher

Andressa Caroline

ESPAÇO JOVEM

Gabriela Lara

O

lá pessoal, agora a galerinha jovem, tem um espaço na Revista Discher, vamos poder falar sobre tudo, dar nossa opinião do nosso jeito. Esse espaço esta aberto a todos que queiram dizer algo sobre a escola, a Cidade, a família, qualquer coisa. Basta enviar um email para cam_discher_rotta@hotmail.es ou annadischer.r@hotmail.es. e nos entraremos em contato com você.

Neste mês vamos falar com Marcelo Lucas, um garoto Patrocinense que ganhou duas medalhas de ouro e uma de bronze nas olimpíadas de matemática, nessa entrevista participaram comigo Andressa Caroline e Gabriela Lara ambas estudam na escola Professor Olimpio dos Santos. Espero que vocês curtam. Camylla- Qual a sensação de ganhar duas medalhas de ouro e uma de bronze nas olimpíadas de matemática? Marcelo- Foi muito boa, porque a competição é de nível nacional, com muita gente participando, é algo muito di-

fícil de conseguir, isso é muito gratificante. Camylla- Você achava que iria ganhar a medalha de ouro? Marcelo- Não porque a prova não era tão fácil, nós vamos com intenção de ganhar mais não temos essa certeza, pensamos que tem alguém que vai conseguir antes de nos. Camylla - O que significou para você conhecer a Dilma,nossa presidenta? Marcelo - Significou muito, não é todo mundo que teve chance de conhecê-la. Camylla - Como o teus pais reagiram? Marcelo - Com muito orgulho

e também surpresos, eles não imaginavam que eu ia ganhar em primeiro lugar porque tinha muita gente. Camylla - O que você faz no tempo livre? Marcelo - Eu vejo TV , brinco e entro na internet etc.Bom o que todos os jovens fazem. Camylla - Você já pensou em quer fazer no futuro? Marcelo - Nunca parei para pensar tem muitas profissões, ate eu chegar la vai ter muitas diferentes. Provavelmente mudarei muito de opinião até escolher a correta. Uma coisa é quase certa, terá algo haver com matemática.

Revista Discher in Society - 41


Revista Discher in Society - 42


Valeska Virgínia Soares Souza ENSINO E REFLEXÃO: AÇÕES INSEPARÁVEIS

Educação a Distância: uma tendência mundial Várias possibilidades emergem a partir da utilização de ferramentas digitais e podem colaborar para a área da Educação. A Internet, tomada como ambiente internacional de prática de letramentos, apresenta uma nova situação ao campo da Comunicação, oferecendo um espaço dinâmico para o processo de ensino e aprendizagem e para a prática de pesquisa. Devido à importância de um agente estar apto a participar, em ambientes on-line, de interação ou mesmo de aprendizagem, nos tempos atuais, a Educação a Distância tem se tornado cada vez mais popular, substituindo, em muitas instâncias, a Educação Presencial. A tal propósito, Demo (2002, p. 37) afirma que “não cabe dúvida de que é viável a aprendizagem virtual, porque é possível pesquisar e elaborar a distância, mantendo com o professor ligação virtual efetiva e mesmo afetiva”. Muitas são as definições de EaD, mas há um consenso mínimo em torno da ideia de que ela é a modalidade de educação em que as atividades de ensino e aprendizagem são geralmente desenvolvidas sem que alunos e professores estejam presentes no mesmo lugar e na mesma hora. Segundo o Decreto no 5.622, de 19.12.2005 (BRASIL, 2005), a EaD é a modalidade

educacional na qual a mediação didático-pedagógica nos processos de ensino e aprendizagem ocorre com a utilização de meios e tecnologias de informação e comunicação, com estudantes e professores desenvolvendo atividades educativas em lugares e tempos diversos. Segundo a Associação Brasileira de Educação a Distância – ABED, em 2004, foram catalogados 215 (duzentos e quinze) cursos na modalidade de EaD reconhecidos pelo Ministério da Educação - MEC, ministrados por 116 (cento e dezesseis) instituições espalhadas pelo país. Em 2011, o número de instituições cadastradas para oferecer EaD subiu para 223 (duzentos e vinte e três), de acordo com informações provenientes do portal e-MEC, do Ministério da Educação. Cada instituição tem sua metodologia e seu esquema de trabalho; por isso, cabe à instituição fornecer informações sobre o funcionamento de seus cursos. Essa tendência de crescimento da EaD se repete em diversos países do mundo, especialmente com a implantação das universidades abertas. Relatórios da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) demonstram que as diferentes possibilidades para aprender a dis-

tância vêm, dramaticamente, reduzindo os custos e aumentando a disponibilidade de Educação Superior de qualidade. Para ilustrar, os famosos MIT (Massachusetts Institute of Technology) e a universidade de Harvard oferecem, em ação conjunta, programas de graduação e pós-graduação, além de cursos e disciplinas online gratuitos, inclusive na área de medicina. Minha vivência continuada com a EaD, após ter atuado como aluna, tutora e professora nessa modalidade, diz-me que há muito para aprender com as experiências em EaD. Remeto à citação de Adams (1907), de que toda experiência é como a estrutura de um arco sobre o qual construímos outra experiência. Experimentar a utilização de plataformas para a modalidade a distância, como TelEduc e Moodle e, posteriormente, refletir sobre os seus processos, fez-me mudar algumas práticas docentes, inclusive nos meus cursos presenciais, como propor diários de bordo ao longo de cursos e manter uma sala de chat aberta para uso opcional dos aprendizes. Adicionalmente, venho refletindo sobre as vantagens de se utilizar outros ambientes on-line, como as redes sociais, para atingir objetivos didático-pedagógicos, para além do entretenimento. Revista Discher in Society - 43


I.P.H.S. - R. Otavio de Brito, 96 - PatrocĂ­nio - MG Fone: 34 3831.1226 - e-mail: iphs@iphs.com.br Revista Discher in Society - 44


Camila Cristina - Nutricionista

O que são alimentos funcionais? Os alimentos funcionais ou nutracêuticos são aqueles que colaboram para melhorar o metabolismo e prevenir problemas de saúde. Ou pelo menos deveriam ser assim: os cientistas já reconhecem as propriedades funcionais de muitos desses alimentos, porém os estudos ainda não são conclusivos. “A ciência ainda não consegue determinar uma dieta diária de alimentos funcionais que atenda a todas as necessidades do organismo”, explica Valdemiro Sgarbieri, da Faculdade de Engenharia de Alimentos da Unicamp. Essas substâncias não são novidade, como às vezes prega a indústria de alimentos. As isoflavonas, por exemplo, compostos que ajudam na redução do colesterol ruim, fazem parte da alimentação humana desde que a soja foi descoberta pelos chineses, há mais de 5 000 anos. O que vem acontecendo é um aprofundamento nos conhecimentos da natureza química das substâncias funcionais e das suas funções no organismo. Com isso, os laboratórios e a indústria alimentícia passaram a produzir, em larga escala, alimentos funcionais formulados ou “artificiais”, como leites fermentados, biscoitos vitaminados e cereais

matinais ricos em fibras. Para chegarem ao mercado, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária exige que o fabricante apresente provas científicas das propriedades funcionais alegadas na embalagem. Mas não se entusiasme demais com os rótulos: 1 litro de leite com ômega 3, por exemplo, oferece menos desse ácido graxo que uma posta de salmão. Betacaroteno O que faz: Ajuda a diminuir o risco de câncer. Como age: Quando ingerimos gorduras e proteínas, o betacaroteno se converte em vitamina A, protegendo as células do envelhecimento. Onde encontrar: Abóbora, cenoura, mamão, manga, damasco, espinafre, couve. Isoflavonas O que fazem: Atenuam os sintomas da menopausa. Como agem: Por ter uma estrutura química semelhante ao estrógeno (hormônio feminino), alivia os efeitos de calor e cansaço da menopausa e da tensão pré-menstrual. Onde encontrar: Soja e seus derivados. Licopeno O que faz: Está relacionado à diminuição do risco de câncer de próstata. Como age: Evita e repara os danos dos radicais livres que

alteram o DNA das células e desencadeiam o câncer. Onde encontrar: Tomate e seus derivados, além de beterraba e pimentão. Ômega 3 O que faz: Diminui o risco de doenças cardiovasculares. Como age: Reduz os níveis de triglicerídeos e do colesterol total do sangue, sem acumulá-lo nos vaso sanguíneos do coração. Onde encontrar: Peixes de água fria, como salmão e truta, e óleo de peixes. Flavonóides O que fazem: Diminuem o risco de câncer e atuam como antiinflamatórios. Como agem: Anulam a dioxina, substância altamente tóxica usada em agrotóxicos. Onde encontrar: Suco natural de uva e vinho tinto, além de alimentos como café, chá verde, chocolate e própolis. Probióticos O que fazem: São microorganismos vivos que ajudam no equilíbrio da flora intestinal. Como agem: Impedem que bactérias e outros microrganismos patogênicos se proliferem no intestino. Onde encontrar: Iogurtes e leite fermentado.

Revista Discher in Society - 45


A

música

tem um poder inexplicável de moldar comportamentos e influenciar ações

VOCÊ GOSTA DE MÚSICA? É claro que a resposta é sim. É muito difícil, praticamente impossível, encontrar um ser humano que não goste de música. Pode até não gostar de um ritmo ou de outro, mas sempre sentirá prazer em ouvir algum tipo de som ritmado em algum estilo musical. Não sabemos por que, mas temos a certeza que os sons ritmados afetam diretamente o comportamento dos seres humanos. Bebês recém nascidos já apresentam alterações comportamentais quando expostos ao som de músicas, haitianos entram em transe ao som de ritmos africanos e militares parecem assumir postura mais agressiva em marcha ao som de cânticos de vitória. No Mundo Ocidental a música vem exercendo funções específicas em diversas atividades humanas como ninar crianças, fazer dançar, contar estórias, comemorar eventos especiais, aumentar a venda de produtos, entreter, curar e rezar, anunciar eventos, aumentar a coragem para uma guerra, e até para aumentar a produtividade em linhas de produção industriais. Em uma pesquisa realizada em grande universidade, várias pessoas responderam que a música ajuda a criar uma certa atmosfera que influencia o humor e os sentimentos, então crê-se que não é ignorado o poder da música sobre o comportamento, embora poucas pessoas reflitam acerca disso. O que desejamos destacar aqui é que a música, que na maioria das vezes é tida simplesmente como diversão, passatempo ou algo inocente, é capaz de influenciar em decisões importantes. Grupos de pessoas ou mesmo grandes parcelas da humanidade têm sido afetados por técnicas de mudança de comportamento que tem a música como principal ferramenta. Seja

Revista Discher in Society - 46

pela letra seja pelos ritmos e instrumentos utilizados ou pelos dois combinados a música não é ignorada pelas grandes empresas de marketing. Você consegue imaginar um comercial de Coca cola sem música? Você consegue imaginar uma cena romântica em um filme, sem música? Não vamos tratar aqui de lendas como o chamado Efeito Mozart, que prometia tornar bebês mais inteligentes através da audição de músicas de grandes mestres como Mozart, efeito, aliás, que deve ter gerado grandes lucros para as empresas que vendiam CDs com títulos como "Construa o cérebro de seu bebê através da música de Mozart". Nossa mente tem um grande poder de memorizar sons e associá-los a momentos e fatos passados, observe as vinhetas tocadas antes de alguma novela ou do jornal da noite, são sempre as mesmas, e fazem com que saibamos mesmo antes do anúncio, qual a próxima programação da TV. Em uma pesquisa realizada nos Estados Unidos, com mais de 500 estudantes, verificou-se que os que ouviram algumas músicas de estilos como Heavy Metal e rap com letras que enfatizam a violência tenderam a interpretar palavras de uma lista previamente preparada, no seu sentido mais violento. Por exemplo, a palavra animal, que é neutra, foi interpretada como algo pejorativo ou violento pelas pessoas que ouviram músicas de estilos como Rap e Heavy mettal. Pessoas que ouviram músicas com letras menos violentas tendiam a uma interpretação mais branda. Outras palavras, como rocha e vara, foram também interpretadas de forma agressiva. Ao pedir que se completasse os campos de algumas palavras, nos grupos que ouviram letras as-

sociadas à violência se verificou que as palavras formadas eram, em sua maioria, relacionadas à violência. Por exemplo: ao completar os fragmentos H_T, eles preferiam termos como HIT (pancada) em vez de HAT (chapéu), ao contrário dos que não ouviram músicas com letras violentas, mesmo sendo do mesmo estilo musical. "Os estudantes foram separados por grupos, sendo que grupos diferentes ouviram músicas do mesmo artista e com ritmos semelhantes, mas alguns contendo letras violentas e outros não. Isso foi feito para verificar se a influência no comportamento violento refere-se ao estilo musical, ao artista ou à letra, e constatou-se que a letra é um diferencial que influi no comportamento violento, já que os demais grupos não demonstraram a mesma tendência agressiva" Cremos que o entendimento é o mesmo quando se trata de sexo, adultério e drogas. As letras de música podem realmente fazer com que os indivíduos tendam à participar dessas praticas. Abaixo listamos uma modesta lista contendo alguns exemplos de letras de músicas atuais que com toda certeza farão você pensar sobre o assunto. A música antes de estar no nosso coração já estava no coração de Deus. Surge agora outra questão. Você acredita em Deus não é? Ou em um ser superior como alguns preferem dizer? Quando partimos do pressuposto de que existe um mundo espiritual, as notas musicais assumem que certo poder sobrenatural, algo como um milagre sonoro!! Seria interessante uma ampliação na aplicação desse tipo de conhecimento em presídios, escolas e outras instituições que visam moldar ou construir uma sociedade mais amigável.


Revista Discher in Society - 47


Revista Discher in Society - 48


Revista Discher in Society