Page 1


SUMÁRIO

TRAÇO

24

Manoel Balbino

42

Caroline Rosa e Hudson Queiroz

30

Deise Vilela

44

Marina Bastos e Larissa Mafra

36

Deborah Pinheiro e Elaine Verçosa

18 58 70 88 100 106 120

TOP DESIGN Regina Amaral

48

PERFIL

Gustavo Penna Conceitos e Idéias

SUÍTE MASTER Conforto, trabalho e diversão sem sair do quarto

ESPECIAL

66

NA CASA DE...

82

CINEMA EM CASA

94

GARIMPO

Daniela Haick Mallard

Mostra Ambientar 2010 Cinema!

Conforto e Segurança

O TEMA É Sofás e Poltronas

Deijayme Aires e Alessandra Cintra

ILUMINAÇÃO Sustentabilidade, Beleza e Economia

104

ANTIQUÁRIO

118

ESPAÇO DO CHEF

Família Real

PAISAGISMO A Europa é Aqui

DI CASA VIP

Verrine, um luxo em vidro

Goiânia

Por Ricardo Lima

122

DI CASA VIP Tocantins

Por Andréia Bittencourt


Editorial É com muita alegria e trabalho que chegamos à 12ª edição da Revista Di Casa, sempre prezando pela periodicidade, marca registrada de nossa publicação. Como já é de costume, trazemos as novidades do mercado para você, leitor, seja pro¿ssional do ramo de arquitetura e design de interiores ou apenas um “amante” da decoração. Os planejados estão cheios de novidades. Optamos por apresentar o que tem de melhor quando o assunto é suíte máster: a volta do alto-brilho e as inúmeras subdivisões dos closets e armários. Esta edição ainda relembra a trajetória de sucesso do arquiteto modernista Ludwing Mies van der Rohe, que saiu da Alemanha para se consagrar nos EUA. Outro nome de peso é Gustavo Penna, arquiteto mineiro com reconhecimento internacional, que concedeu entrevista exclusiva à Di Casa. Os traços desta edição vêm recheados de feminilidade. Deise Vilela e Lucinara Ferreira mostram três ambientes do apartamento da família globalizada. Já Deborah Pinheiro e Elaine Verçosa dão so¿sticação aos seus ambientes, contrastando cores claras com escuras. O goiano Manoel Balbino, por sua vez, quebra o monopólio feminino e apresenta seu ideal de casa, uma obra construída em um tradicional bairro de Goiânia (GO). Aproveite o começo da Primavera para apreciar as dicas de paisagismo de Ricardo e Roberto Lima em “A Europa é aqui”. Con¿ra ainda alguns ambientes da Mostra Ambientar 2010. Quer mais? Folheie, sinta e descubra... Divirta-se com uma boa leitora, a¿nal, você é “Di Casa”!

Dayanne Lorenzetti

Expediente Realização Di Comunicação Ltda. CNPJ: 095.830.79/0001-03 Diretora Geral Dayanne Lorenzetti Diretor Comercial Israel Braga Representante Comercial - TO Mônica Avelino Fone: (63) 3215-1811 Projeto Grá¿co e Diagramação Guilherme Almeida Fone: (62) 8505-4765 Jornalista Responsável Lorena Lázaro Departamento Jurídico Batista Coelho & Paro Advogados Associados S/S Rick Le Senechal Braga Fotógrafo Ricardo Lima Fone: (62) 8135-4424 Design Eletrônico 4 Mãos

Contato Di Casa 62 3088-0133 63 3215-1811 contato@revistadicasa.com.br

Colaboradores Andréia Bittencourt - Colunista - TO Revisão de Texto Marjorie Avelar DRT: GO17532/JP CTP e Impressão Grá¿ca Talento A revista Di Casa não se responsabiliza pelos conceitos emitidos em artigos assinados (inclusive a editoria “Traço”), bem como a arte em campo publicitário. A revista Di Casa é uma revista de distribuição gratuita, não possuindo vínculo empregatício com seus colaboradores. Proibida a reprodução sem autorização prévia escrita. Ninguém está autorizado a solicitar produtos ou verbas em nome desta revista. Tiragem estimada: 10.000 exemplares.

Receba a Di Casa, ligue (62) 3607-3433, ou acesse www.revistadicasa.com.br


14


15


HOMENAGEM

LUDWING MIES VAN DER ROHE Por Lorena Lázaro

Nascido na Alemanha, mas consagrado como um dos mais importantes arquitetos norte-americanos, Ludwing Mies van der Rohe integra o elenco de “estrelas” do século 20, ao lado de importantes nomes, como Walter Gropius, Le Corbusier e Frank Lloyd Wright. Na infância, trabalhou ao lado do pai em uma pedreira, fazendo paralelepípedos para a construção civil. Talvez, daí, tenha saído a vocação para a arquitetura. Sua trajetória é marcada pelo pioneirismo no uso de metais, vidros e cimentos. Inovador em tudo que se propunha a fazer, foi aprendiz de Bruno Paul e Peter Behrens. Antes mesmo de ter formação acadêmica, já fazia sucesso e recebia pedidos como um pro¿ssional formado. Foi nesta época que adotou o sobrenome “van der Rohe”, para dar um ar mais aristocrático. Antes de romper com a Alemanha, Mies era socialista assumido, a ponto de deixar expressa esta posição política em suas obras. Entre os principais trabalhos deste período está a “Cadeira Barcelona”, projetada para a Feira Internacional de Barcelona, em 1929. Ainda hoje, o projeto pioneiro no desenho de móveis, com estrutura tubular, é dos mais admirados por designers em todo o mundo. Criador do “Art Nouveau”, o arquiteto sempre prezou por

uma abordagem complexa, funcional e voltada para atender à necessidade estética do lugar, Àertando sempre com neoclassicismo. A grande mudança no estilo de Mies aconteceu durante a Revolução Industrial, quando o modernismo invadiu sua obra. Após abandonar a ornamentação, mergulhou de vez nos arranha-céus de vidro e metal. Esta reviravolta culminou no “Pavilhão Alemão de Barcelona” e na “Villa Tugendhat em Brno”, terminada em 1930. Entre o sucesso na Alemanha e a consagração como arquiteto estadunidense, o arquiteto protagonizou incontáveis projetos revolucionários, além de lecionar na escola vanguardista de Bauhaus. Quando chegou aos EUA já era aclamado pela classe, mas o reconhecimento público só veio em meados de 1949, quando o Museu de Arte Moderna de Nova York lhe dedicou uma retrospectiva. Van der Rohe ainda assinou a icônica “Casa Farnsworth”, uma das principais referências de sua arquitetura moderna. Seria impossível escrever em poucas linhas todos os feitos deste famoso arquiteto. De fato a indústria arquitetônica tem, em sua alma, a contribuição de seu nome.

Foto Divulgação

16


17


TOP DESIGN

O melhor do design mundial escolhido por

REGINA AMARAL Regina Amaral é designer de interiores, com mais de 30 anos de carreira. Com sua experiência escolheu peças incríveis, que podem ser usadas em diversos ambientes. Con¿ra as dicas:

Menos é mais. O móvel possui deFoto divulgação

senho simples e bem resolvido . Love console table by Ziglam & BrooK

18


Foto Gerard van Hees

New double love chair by Ziglam & Brook

Objeto de muita personalidade, casual.

Foto divulgação

Ideia iluminada, bem-humorada. Milk bottle lamp for Droog by Tejo Remy

Mesa descolada, indicada para clientes jovens.

Body table for Droog by Atelier van Lieshout

Linda, atemporal, peça curinga. Acabamentos diferentes proporcionam resultados inusitados.

Foto Droog

St. Petersburg chair for Droog by Jurgen Bey

19


Bom para quem quer fazer dieta.

Kokon furniture by Jurgen Bey Foto Gerard van Hees

Foto Ralph Kämena

Funcional e ousado. Ficaria excelente em um loft.

Droog for Mandarina Duck / Inverse clothes rack by NL Architects

Peça criativa com varias funções. Fantástica! Foto Minale-Maeda

Chroma key by Minale-Maeda

20


22


23


TRAÇO

Foto Nunes

Manoel

Balbino

24

ARQ URB ARQUITETURA E URBANISMO Fone: (62) 3215-2823


Foto Ricardo Lima

A casa ideal Há mais de três décadas na pro¿ssão, o arquiteto Manoel Balbino Carvalho Neto realizou há 10 anos um projeto que lembrava a época de sua infância, vivida no Setor Sul, bairro planejado por Atílio Correia Lima, em Goiânia. A inspiração arquitetônica veio das casas que conheceu durante os estudos em Brasília (DF). A principal característica é a localização da área de serviço, que ¿ca na parte da frente da casa. Para o arquiteto, este tipo de construção ajuda a humanizar a cidade, uma vez que não são levantados muros para cobrir as fachadas.

25


Foto Ricardo Lima

26

Com todo o espaço que seria reservado à área de serviço liberado, o ponto alto da construção torna-se a grande área de convivência. O lugar aberto comporta diversos ambientes que podem ser rede¿nidos ao bel prazer dos proprietários. “Para mim, essa é a casa ideal do Setor Sul, do jeito que deveria ser”, explica Balbino, que construiu a residência junto com a esposa, a também arquiteta Mônica Tormimn Crosara. A escolha da região foi além

das lembranças da infância: “O Setor Sul é mais que um simples bairro. É o único de Goiânia tombado para a não construção de prédios”, ressalta. Além disso, para Balbino, quando se escolhe uma cidade para trabalhar, esta também deve ter qualidades para se morar. Seguindo essa prerrogativa, ao invés de adquirir um lote em condomínio fechado, levou para a cidade o modelo de casas usadas nos condomínios, onde a fachada é uma continuação da rua.


Construída em dois pavimentos, a informalidade da área de convívio aparece na transparência e nos materiais usados no acabamento. O piso feito de pedra portuguesa contribui para o ambiente com “cara de praça” e dá o aconchego necessário para um lar. “Aqui, as paredes somem e o espaço é representativo”, explica o arquiteto. A leveza da área interna se contrapõe com a rigidez da fachada que, no primeiro impacto, deixa a sensação de uma casa mais antiga do que realmente é. Segundo Balbino, isso

se dá por conta da utilização do muxarabi, recurso muito utilizado na arquitetura brasileira ao estilo árabe. A treliça de madeira permite que, de dentro dos quartos, seja possível ver e apreciar a movimentação do lado de fora. “Assim conseguimos conviver com a rua de forma harmônica”, destaca. Entre tantos ambientes bonitos e harmoniosos, Balbino escolhe o jardim como o espaço preferido da casa. “Tem coisas que são necessárias e outras contemplativas. Uma piscina faz a diferença”, diz.

27


28


29


TRAÇO

Deise

Vilela Apartamento da Família Globalizada: sala de jantar, hall e lavabo

Amor e união da família é o tema central do ¿lme italiano “A Vida é Bela”, de Roberto Benigni (1997). O protagonista, vivido pelo também diretor do longametragem, consegue se manter conectado ao ¿lho e a esposa por meio do riso, mesmo em um ambiente caótico como o Holocausto. Foram inspiradas neste amor, respeito e união, sentimentos demonstrados de forma tão surreal na obra cinematográ¿ca, que as arquitetas Deise Vilela e Lucinara Ferreira idealizaram a sala de jantar, um dos ambientes do “Apartamento da Família Globalizada”, exposto na Mostra Ambientar 2010. Na sala de jantar deste espaço não poderiam faltar objetos decorativos antigos de outros países, em alusão às lembranças das viagens em família. Para compor este cenário, foram indispensáveis as peças do Antiquário Família Real. O revestimento de papel das paredes em tom cru, com detalhe de faixas horizontais em veludo branco da Revestic, trouxe neutralidade, amplitude e aconchego.

Foto Ricardo Lima


DEISE VILELA arqdeisevilela@hotmail.com (62) 9679-4672 LUCINARA FERREIRA lucinara.arq@gmail.com (62) 8165-0163

Lucinara Ferreira

Foto Ricardo Lima

No teto foi usado forro rebaixado, tabicas e sancas invertidas da Gesso Fortaleza e iluminação em LED, com pendente em acrílico leitoso da Transol. Neste ambiente, destacamse peças em cerâmica e prata da Martinha Espaço do Banho, quadro com gravura londrina da Fast Frame, arranjo de orquídeas amarelas da Avilarte e peças exclusivas de jantar Artilar. Em todos os espaços, a dupla de arquitetas priorizou a utilização de elementos com cores neutras, claras e transparências, para garantir a sensação de amplitude e leveza. Na sala destaca-se o mobiliário projetado pelas arquitetas, em laca branca e portas de correr em vidro incolor e fundo de espelho Victória Design, que leva ainda painel com placas de espelhos Tigrão Vidros. As cadeiras pretas da Via Condotti contrastam com o mobiliário “clean”, permitindo uma releitura moderna do estilo Luís XV. Para o hall de entrada do apartamento, outro ambiente de Deise e Lucinara, foram mantidos os mesmos tons da sala de jantar, acrescentando objetos decorativos Open. Destaque

31


Fotos Ricardo Lima

para nicho em gesso acartonado com iluminação indireta, jardim arti¿cial e mosaico de pedras naturais da Vivá Representações. Já no lavabo, as arquitetas se permitiram ousar com cores fortes e marcantes, como o azul turquesa e dourado, que dão toque de nobreza ao ambiente. Todas as peças são da Martinha Espaço do Banho, desde a cuba artesanal em cerâmica às fragrâncias. A moldura dourada, “potpourri”, lanternas, acessórios em prata, vidro e resina remetem a um clima provençal italiano. A bancada em mármore travertino escovado, da EBM Mármores e Granitos, dá um ar rústico e natural ao ambiente. O acabamento lascado mostra uma peça original em pedra bruta, que contrapõe com o revestimento polido do porcelanato Portobello. As paredes foram revestidas em papel, com relevos em veludo e ¿letes dourados também da Revestic, combinando com a persiana romana dourada da Giraluz. A iluminação direta, com lâmpadas minidicróicas da Transol, foca na cuba artesanal com torneira bica alta da Forusi Metais. A bacia sanitária com caixa acoplada da Roca foi escolhida pelo design moderno e o sistema econômico de água. O forro de gesso com tabica do lavabo foi executado por Gesso Fortaleza. Todo o material de obra destes espaços foi fornecido pela Cemaco; e todas as lâmpadas das peças luminotécnicas, pela Eletrolight.

Parceiros EBM MÁRMORES E GRANITOS (62) 3287-9090 e 8412-6352 GESSO FORTALEZA (62) 3283-3278 e 9961-2458 ANTIQUÁRIO FAMÍLIA REAL (62) 3092-1188 e 9654-9404 ARTILAR (62) 3092 - 4343 AVILARTE (62) 3095 2905

32


TRAÇO

Deborah Pinheiro e Elaine Verçosa DEBORAH PINHEIRO E ELAINE VERÇOSA Fone: (61) 9982-1597

36


Foto Clausem Bonifacio

Deborah Pinheiro: Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Brasília (UnB). Elaine Verçosa: Design de Interiores pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

A arquiteta Deborah Pinheiro, formada pela Universidade de Brasília (UNB), e a design de interiores Elaine Verçosa, graduada pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), provam novamente a parceria de sucesso da dupla, ao assinar a apresentação do decorado da Construtora Base, de Brasília (DF). Pensado para um casal “amante” da fotogra¿a e com dois ¿lhos, o apartamento foi todo trabalhado no contraste entre cores claras (branco e bege) - e escuras (preto e marrom).

37


Fotos Clausem Bonifacio

38


Fotos Clausem Bonifacio

Um dos quatro quartos do projeto original foi derrubado, dando lugar a uma espaçosa cozinha integrada a uma sala ampla. Para maximizar a sensação de amplitude, as pro¿ssionais abusaram de artifícios, como espelhos e painéis deslizantes em pau ferro. O resultado: ambientes que pouco lembram os de um apartamento, que normalmente possuem cômodos menores, quando comparados a uma casa. Com o objetivo de criar uma atmosfera so¿sticada, materiais nobres de cores neutras foram usados, servindo de suporte à coleção de fotos do casal. Dentre os materiais, os destaques são o mármore travertino, pau ferro, vidros pretos e aço escovado, presentes na sala, cozinha, varanda e banheiros. A sala ¿gura entre os ambientes

mais bonitos do decorado. O mobiliário conta com um par de poltronas em couro preto e folha de ouro da Artefacto, sofá em linho cru da Hill House, mesas de centro “Esqueleto” design “Ovo” e cadeiras de jantar em seda crua “Madame”, baseadas no design de Philip Starck. Para completar, o tapete de seda bege é da Gallery Tapetes. A cozinha tem ares de bar, com armários Ornare, bancadas em aço inox da Mekal, adegas da Art des Caves, arrematadas por fotogra¿as em preto e branco da Referência Galeria de Arte. O banheiro do casal, integrado ao quarto por painéis de vidro e madeira ebanizada da Artheo Marcenaria, apresenta metais Valvée e banheira Versátil. Já no quarto de casal, o painel em couro e o espelho criam uma atmosfera intimista.

39


40


41


Fotos Leandro Moura

TRAÇO

e

Carol Rosa Hudson Queiroz CAROL ROSA Fone: (62) 9693-9741 E-mail: rosadesigner-caroline@hotmail.com HUDSON Fone: (62) 8125-1065 E-mail: hudson@plantumaflor.com.br

42

Espaço que integra prazer e funcionalidade. É assim que a designer de interiores Carol Rosa e o paisagista Hudson Queiroz de¿nem a varanda do Apartamento do Jovem Casal, um dos ambientes da mostra Ambientar 2010. No pequeno, e bem aproveitado espaço, foi colocada uma banheira jakuzi e um jardim vertical com novas tendências de plantas fugindo do tradicional.


43


Foto Ricardo Lima

TRAÇO

Marina Bastos e Larissa Maffra MARINA BASTOS Fone: (62) 9973-1119 arq.marinabastos@gmail.com

A ideia da suíte do bebê surgiu seguindo a tendência do estilo provençal na decoração. A base do quarto é unissex com móveis, carpete, papel de parede em tons pastéis. São os acessórios que direcionam para um ambiente de “menina”. A intenção inicial era fugir do rosa e do lilás, mas sem perder a feminilidade. A combinação do azul com tons em bege e cru deixou o espaço bem delicado e aconchegante. Um detalhe que o torna mais aconchegante é o uso de carpete, que também traz maior tranquilidade à mãe, quando o ¿lho começar a crescer. O cheiro e a música presentes

44

no quarto remetem a um ambiente de paz, essencial em um quarto de bebê. Os detalhes da iluminação oferecem diversas opções para uso do espaço. O céu estrelado distrai o bebê e permite à mãe amamentar, sem precisar acender todas as luzes. A sanca deixa a iluminação mais discreta. O banheiro segue o mesmo estilo provençal, presente na banheira, aparador, cortina, espelho e enfeites. Todos os detalhes levam em conta um estilo próprio, o que torna o ambiente mais delicado e feminino e, ao mesmo tempo, funcional.

LARISSA MAFFRA Fone: (62) 7813-3790 larissamaffraf@hotmail.com


45


46


47


PERFIL

Gustavo Penna Por Lorena Lรกzaro

48


GUSTAVO PENNA FALA SOBRE SUA RELAÇÃO COM A ARQUITETURA

Rabiscos, palavras, conceitos e ideias. É neste emaranhado de coisas que vive o compenetrado arquiteto Gustavo Penna. Filho de engenheiro e neto de poeta, ele sempre teve a mistura “comunicação e concreto” presente em sua vida. Entre suas grandes obras estão prédios, como o da TV Bandeirantes e da Rede Globo no Estado de Minas Gerais, o Monumento ao Jornalista Eduardo Couri, em Belo Horizonte (MG), e o Monumento à Liberdade de Imprensa considerado mais um marco arquitetônico e cultural de Brasília (DF).

Foto Divulgação

49


Gustavo é natural de Belo Horizonte, graduou-se em Arquitetura em 1973, pela Universidade Federal de Minas Gerais, ano da fundação de seu escritório. O interesse pela pro¿ssão é uma herança do pai, Roberto Penna, engenheiro e um dos responsáveis pela construção do Palácio Catetinho, em Brasília. O pro¿ssional fala da arquitetura de forma quase poética. “Quando você, ao contrário, tal como na psicanálise, escuta os desejos, o processo interpretativo é rico e surpreenden-

50

te”, diz Gustavo, relacionando a palavra ao processo criativo. A criação erudita aparece em sua forma de falar, com a utilização de palavras difíceis, e na facilidade de se expressar, qualidade herdada do avô José Oswaldo de Araújo, grande poeta e comunicador mineiro, fundador do Diário de Minas. A cultura peculiar mineira se reÀete em cada detalhe de sua obra. “Ela me inÀuenciou para que eu tivesse os pés no chão, os olhos no horizonte e a cabeça nas estrelas”,


Foto Divulgação

conta Gustavo. A contribuição para seu Estado pode ser vista em prédios comerciais, casas e intervenções urbanísticas, como a Orla da Lagoa da Pampulha e a Expominas - dois importantes projetos assinados por ele. Gustavo persegue em suas obras um conceito que busca unir o ambiente à obra. Em sua opinião, “o edifício não deve ser o objeto arquitetônico”, mas, sim, todos os elementos que compõem a paisagem ao ¿m da obra. “A arquitetura é a relação de amor entre o edifício e o lugar”, explica. Das obras em andamento, o destaque vai para a modernização do Estádio Mineirão, para a Copa de 2014 no Brasil. Gustavo assina este projeto em conjunto com o escritório de arquitetura alemão Gerkan, Marg & Partner (GMP) e já é considerado um dos mais inovadores entre os estádios que vão sediar os jogos do mundial. Em entrevista exclusiva à Revista Di Casa, Gustavo Penna fala um pouco sobre o que a arquitetura representa na vida dele.

51


Foto Divulgação

Di Casa: Podemos chamar um arquiteto de artista do concreto?

EXCLUSIVA

Gustavo Penna: Sim. A proposta do arquiteto inclui o estabelecimento de uma relação com o nosso “chão”, espaços que sirvam para muitas coisas ao mesmo tempo, que atendam a muito mais gente; e uma cidade pontuada com elementos gentis e diretos, que colaborem com a clareza de pensamentos.

Di Casa: O que te encanta no mundo da arquitetura? Gustavo Penna: As ideias surgem naturalmente; a palavra surge. O desenho ocorre com precisão. O degrau entre o que sinto e como desenho vai se diluindo e este passo é natural. Eu observo e a¿rmo: quis fazer aqui um abraço, quis trazer para dentro e sinto que estou conseguindo. Tem impacto, tem perspectiva, tem liturgia. E os edifícios vão nascendo para virar símbolo, não para se tornarem simples prédios ou apenas uma quantidade de matéria. Se toca a matéria com determinadas intenções, você pode promovê-la ao status de arte, “Deus habita o coração da matéria”, escreveu Hélio Pelegrino. É como

iluminar a matéria com sentimentos que a transcendem. E a arquitetura é imaterial. É conceito. Para mim, interessa a arquitetura que transcende a matéria, que não depende da matéria para acontecer. A arquitetura como forma de expressão é o que me encanta, principalmente, quando consegue concretizar a dimensão geradora de símbolos, de histórias, por meio das formas, aberturas, sombras e luzes.

Di Casa: É possível comparar essas duas profissões: arquiteto e escritor? De que forma? Gustavo Penna: O arquiteto e escritor lidam com a palavra. Na arquitetura, isto quer dizer que, ao ouvir a encomenda do cliente, não se pode simplesmente desenhá-la, pois estaríamos pauperizando o processo criativo, excluindo a visão do arquiteto, seu jeito de ver o mundo. Quando você ao contrário, tal como em psicanálise, escuta os desejos, o processo interpretativo é rico e surpreendente. A demanda vem por palavras. É por isso que acredito estarmos, neste momento, transitando em uma dimensão poética da palavra, que será


Foto Divulgação

traduzida em uma dimensão poética da arquitetura. Tenho de interpretar esta palavra dentro do seu contexto poético, do seu contexto mais amplo, seu contexto de signos, de sintomas. Determinadas palavras recorrentes, determinadas ênfases em determinadas regiões são um sinal. Revelam características pessoais e das comunidades que podem ser intimista, extrovertida, abstrata, concreta, entre outras. Então, quando você escolhe uma palavra ou a pinça do discurso, sente seu som, seu peso, seu valor, esta é capaz de gerar espaço, uma atmosfera espacial, uma sensação tridimensional e, além do tridimensional, luz, cheiros, sons. Na arquitetura, ao ouvir uma pessoa, você pode conseguir ouvir o espaço.

Di Casa: Qual dos seus projetos você sente mais sente orgulho? Por que? Gustavo Penna: Não exatamente preferidos, mas tenho alguns que considero signi¿cativos para minha carrei-

ra, como a Casa do Jornalista, a Escola de Artes e Ofícios de Contagem (MG), a TV Bandeirantes de Minas Gerais, Escola Guignard, Centro de Feiras e Exposições de Minas Gerais - a Expominas -, Gameleira, Galeria Place, Casa para Amílcar de Castro, Edifício Santiago de Compostela, Monumento à Liberdade de Imprensa em Brasília e a Academia Mineira de Letras. Nestes projetos, tive a oportunidade de desenhar e concretizar uma ideia de arquitetura que venho perseguindo: a de que o edifício não deve ser o objeto arquitetônico e, sim, que a arquitetura é a relação de amor entre o edifício e o lugar.

Di Casa: Você é mineiro de nascimento e de formação profissional. Como a cultura deste Estado tão singular influenciou sua obra? Gustavo Penna: Ela me inÀuenciou para que eu tivesse os pés no chão, os olhos no horizonte e a cabeça nas estrelas. Sendo mineiro e um arquiteto de Minas Gerais, assimilo ideias

53


Foto Divulgação

de gente daqui, ensinamentos que vêm das nossas essências culturais, como: Guimarães Rosa, que era conciso; Carlos Drummond de Andrade, que dizia que escrever era cortar palavras; a própria questão do homem do sertão mineiro, que fala pouco. Já que mineiro fala pouco, também gosto de falar pouco em arquitetura e dizer muito com poucas formas. É importante analisar cada obra neste sentido. Às vezes, passeando por nossas cidades históricas e até mesmo nas periferias das metrópoles, dou de ‘cara’ com um simples muro de alvenaria vazada por uma porta, uma escada em uma saliência ou um corte. Vejo nele semelhança com alguma coisa minha, com meu jeito de pensar o espaço.

Di Casa: De que forma você imprime, em suas construções e desenhos, a influência de seu pai, o engenheiro Roberto Penna? Gustavo Penna: Meu pai era um pensador ecológico que me ensinou a olhar e interpretar as montanhas. Dizia que uma casa é telheiro e três pedras. É um telheiro, porque abri-

54

ga da chuva e do sol, e três pedras porque apoiam uma panela. Na minha sala de trabalho, tenho a alegria de ter uma foto com meu pai, Oscar Niemeyer e outros pioneiros, durante a construção do Palácio do Catetinho (em Brasília).

Di Casa: Qual a principal característica de sua obra? Gustavo Penna: Minha arquitetura quer ser brasileira e mineira para ser universal. Como mineiro e montanhês, vivo em contato com o relevo das montanhas. A relação do prédio com o lugar na concepção do projeto é fundamental. Se tudo na vida é relação e se a melhor relação é a de amor, de amizade, uma arquitetura está bem realizada quando chão e edifício se amam. A arquitetura no Brasil pede que você pegue os espaços externos e os incorpore aos internos. Para mim, o interno e o externo se equivalem. Criatividade, cidadania e meta são importantes, assim como conhecimento, técnica, organização e senso de liderança. A¿nal, arquitetura é o espaço-síntese de toda cultura.


55


INFORME PUBLICITÁRIO


Suテュte

Master CONFORTO, TRABALHO E DIVERSテグ SEM SAIR DO QUARTO Por Lorena Lテ。zaro

58


Foto cedida pela Florense Concept

A cada dia o quarto de casal vem se tornando um espaço de refúgio, além do descanso. Para atender às necessidades deste público, empresas especializadas inovam nos conceitos de suítes máster, mega quartos montados para que o casal desfrute do seu tempo, em um ambiente tranquilo. Entre as novidades estão os móveis em “high gloss” (alto brilho), uma onda que traz de volta os luxuosos móveis em acabamento com brilho e os planejados com grande variedade de divisórias para atender, especialmente, ao exigente público feminino.

Empresário do ramo de planejados, Luciano Verdi, explica que a suíte master deve ter espaço amplo para acomodar vários ambientes, atendendo exclusivamente às necessidades do casal. “Hoje em dia, o conceito está minimizado. A suíte master deve ser o espaço de retiro, não somente um quarto com banheiro”. Sala íntima, uma “chaise long” para descanso, mesa para refeição e um móvel para home são itens básicos no ambiente. Riqueza em closet e armários é imprescindível, já que completam o conceito “master”. Pensando nisso, o mercado do segmento tem inves-

59


Fotos cedidas pela Florense Concept

60

tido cada vez mais em soluções práticas e bonitas, a exemplo das portas de correr: uma excelente alternativa para quem quer poupar espaço. Acompanhadas com portas de vidro, espelho e cores fortes são as tendências do momento. Outra novidade para este modelo são as “alinhadas”, um sistema diferente que não deixa uma porta sobreposta a outra. Já para os modelos de guarda-roupas com portas de bater, a dica é usar maçanetas design, que completam a decoração com estilo e materiais diferenciados,

a exemplo de peças feitas com chifre. A utilização dos dois tipos de porta – de correr e de batente - também podem ser implantadas simultaneamente, dentro do mesmo ambiente, agregando so¿sticação ao lugar. Gavetas e espaços divididos para guardar roupas íntimas, joias e acessórios vêm com tudo entre as novidades do mercado. Os modelos mais re¿nados trazem divisórias forradas e de acrílico com frentes de vidro, que dá mais charme e organização ao espaço.


Mais opções

Alguns conceitos de suíte master contém uma mini copa, com micro-ondas e frigobar para preparar lanches rápidos. Outros casais precisam, principalmente, de um espaço com bancada, iluminação especial e todas as funcionalidades de um pequeno escritório. A decoração de todos estes ambientes devem “conversar” entre si. Os tapetes felpudos deixam o clima mais aconchegante. O principal mote na elaboração de uma suíte master deve ser o

61


Foto cedida pela Florense Concept

conforto. É neste espaço e com estas facilidades que o casal deve passar a maior parte do tempo livre. Luciano lembra ainda que o conceito de suíte master é mais usado para quartos de casais, no entanto, já existem projetos para clientes mais jovens e solteiros. “A suíte master é um presente que o chefe de família se dá”, reforça.

62


63


64


moreira ortence


NA CASA DE...

Daniela Haick Mallard

Empresária do ramo de decoração, Daniela Haick Mallard abriu as portas da sua residência para a Revista Di Casa e mostrou seu “garimpo”. É assim que ela se refere às peças bonitas e inusitadas adquiridas em suas viagens pelo mundo afora. Sua coleção conta com artigos design a peças herdadas. Con¿ram quais são os objetos preferidos de Daniela:

Foto por Eliane de Castro

Esta é uma mesinha canadense, feita em fibra de vidro: uma peça curinUso como mesa lateral, mas, na verdade, é um instrumento musical de uma cerimônia religiosa indiana que assisti.

ga para ser usada em qualquer lugar.

Fotos Ricardo Lima

66


Fotos Ricardo Lima

A prateleira do Droog Design é inusitada: o próprio livro faz as vezes de apoio.

Esta peça foi comprada em Londres (Inglaterra). É feito de papelão e é todo desmontável.

Este banco foi feito, originalmente, para uma capela. Depois, a Marcenaria Baraúna acabou colocando-o em linha.

É um boneco tradicional do Teatro Negro. Foi comprado em uma viagem pela República Tcheca.

67


A história do campo de concentração me emocionou muito, quando visitei o local. Acabei trazendo o livro.

Como tenho muita coisa colorida, gosto desta poltrona de cristal, que tem um design forte e etéreo ao mesmo tempo.

Era uma estante livreira do meu sogro, que foi customizada. Mandei laquear e adorei o resultado.

68

Fotos Ricardo Lima


69


ESPECIAL

2010

A 7ª ARTE NA ARQUITETURA


A mostra Ambientar 2010, realizada em Goiânia, estendeu seu “tapete vermelho” e, com o tema “Cinema”, foram montados 43 ambientes na Central de Apartamentos Decorados Consciente/ Bambui Empreendimento. A inspiração vai do intenso cineasta espanhol Almodóvar aos clássicos épicos, como “E o vento levou”. A exposição ocorreu entre os dias 3 de setembro e 1° de outubro. A revista Di Casa selecionou alguns destes ambientes. Con¿ra!

71


Fotos Ricardo Lima

Hall de saída Mariela Romano

MARIELA ROMANO Fone: (62) 9971-0800 marielaromano@terra.com.br

A arquiteta Mariela Romano trabalhou dois conceitos na concepção do projeto: o primeiro remete à sensação de andar pela passarela do Oscar (maior premiação do cinema hollywoodiano, nos EUA), com direito a tapete vermelho e paparazzi. Um painel com fotos e Àashes dá este efeito. Outra inspiração foi o clássico “E o Vento Levou”, presente nos móveis, decoração e iluminação “retro”. O espaço é de um colecionador de fotos e de peças da época do ¿lme estrelado por Viven Leigh e Clarck Gable. Para completar: detalhes de grandes fotos e a famosa cortina do longametragem.


Hall de entrada Luciana Messala

Fotos Ricardo Lima

LUCIANA MESSALA Fone: (62) 8135-0001 lucianareis00@hotmail.com

A intensidade das obras do cineasta Pedro Almodóvar ganha so¿sticação no “lounge” criado pela arquiteta Luciana Messala. Destaque para o vermelho, sempre presente nos ¿lmes do diretor, e para o branco e prata que estabelecem um projeto mais elegante. Os móveis têm contraste impactante, algumas vezes brancos e transparentes, outras, vermelhos e negros.

73


Atelier da Estilista Rhubya Fernanda

Fotos Ricardo Lima

RHUBYA FERNANDA Arquiteta e Designer http://rhubya-fernanda.blogspot.com/ (62) 9991.7267

O “Atelier da Estilista”, idealizado pela arquiteta Rhubya Fernanda, foi inspirado na riqueza e beleza do ¿lme “Bonequinha de Luxo”. De maneira muito elegante, o espaço compõe um visual dinâmico e requintado, com móveis práticos e versáteis, papel de parede em cores sóbrias e detalhes luxuosos. O lustre em cristal e cetim preto dá o toque de glamour, juntamente com as poltronas pretas, que lembram cristais aglomerados.

74


75


ROSE CAMPOS VAZ - Fone: (62) 3259-1742 / 96075700 E-mail: rose@rosecamposvaz.com.br

76

O ambiente Of¿ce dos parceiros, com 200 m² foi pensado para contemplar vários estilos, onde pode-se perceber a versatilidade da pro¿ssional em compor desde uma ambientação clássica até a composição mais ousada elucidada pela tecnologia da automação total. Iluminação Mariah, mobiliário JL móveis, Lavoro e Ebm mármores e granitos. Mobiliário e acessórios do antiquário Família Real, Almofadas e mantas de Silvia Heringer, tapetes Oriente decoração e as inusitadas esculturas feitas pela Isoportec. Em destaque o Of¿ce do “Espaço Giraluz” feito por Yole e Home Theater, e para o Labirinto das persianas que contam com os lançamentos da linha nobre Giraluz. Acessórios Casa Àor, Ubá vasos, Santa Rita Decor e Araguaia paisagismo.


Fotos Ricardo Lima

Suíte do Jovem Universitário Marcos Segala

MARCOS SEGALA Fone: (62) 8213-5436 mac.segala@hotmail.com

A suíte do jovem universitário faz parte integrante da mostra Ambientar 2010 e o grande desa¿o proposto foi agrupar em um pequeno espaço, conforto, boa disposição dos móveis num ambiente que mescla estudo e descanso em harmonia com o bem estar”

77


Suíte da filha

CINTHYA CRISTIANY - Fone: (62) 8454-0602 SIMONY SALES BRITO - Fone: (62) 8599-1136 ANA CAROLINA FERNANDES - Fone: (62) 9699-3055 ANDERSON LOBO SILVEIRA - Fone: (62) 8159-3988

Uma adolescente apaixonada por cinema, que cresceu em um grupo preocupado com conceitos de sustentabilidade. Este é o per¿l da ¿lha da “Família Consciente”, que inspirou o projeto dos pro¿ssionais Ana Carolina Fernandes, Anderson Lobo, Cinthya Cristiany e Simony Brito. Na decoração, elementos remetem ao ¿lme “Alice no País das Maravilhas”, do diretor Tim Burton, uma versão mais moderna do clássico infantil.

78

Fotos Ricardo Lima


79


80


81


CINEMA Projeto por Lorena Cavalcante

82


Fotos Ricardo Lima

em casa Conforto e seguranรงa Por Lorena Lรกzaro

83


Fotos Ricardo Lima Projeto por Mariela Romano

O “boom” imobiliário dos últimos anos levou, para dentro dos condomínios fechados, famílias em busca de conforto e segurança. Uma das consequências resultantes deste novo modelo de habitação foi o distanciamento dos grandes centros urbanos, shoppings e pólos comerciais. Foi a partir daí que a tecnologia chegou para fazer a diferença. Os home theaters levaram, para as residências, o lazer encontrado nas ruas: o cinema. E não é qual-

84

quer “salinha”, o pacote inclui telas gigantes, imagens literalmente como de cinema, TV em 3D, imagens em Blue-Hay e HD, além de uma completa automação. Este hobby ganhou força nos anos 90 e se tornou, hoje, um grande nicho de mercado e de popularização das mídias. Tecnologias como Laserdisc, VCD, MiniDisc e S-VHS são bons exemplos de fracasso. Já o DVD HD ¿gura entre os produtos com boa aceitação.


O empresário Wagner De Paula conta que a novidade do momento são as telas em três dimensões. “São aparelhos de TV que parecem normais, mas são acompanhados de um de par de óculos que permite assistir as mídias em 3D”. Mesmo com tanta tecnologia, ele a¿rma que o home é um tipo de entretenimento democratizado, que pode ser adequado a qualquer bolso. Porém, alerta para a contratação de empresas especializadas

para realizar o projeto, “para que se tenha um resultado mais e¿ciente”. Apesar da democratização mencionada por Wagner, as classes A e B ainda são as mais consumidoras deste produto. “É uma razão de prioridade”, explica o empresário. Um ambiente projetado especialmente para o home pode representar o mais puro luxo para os “amantes” de imagem e som de última geração.

85


Fotos Ricardo Lima

Projeto por Mariela Romano

Telas de última geração, automatização de todo equipamento de som, imagem e iluminação e ainda uma decoração impecável fazem com que o cinema em casa se torne o programa ideal para a família inteira. É só desfrutar de todo conforto e segurança disponíveis, seja para assistir aos recentes lançamentos de Hollywood (berço do cinema norteamericano) ou a ¿nal do campeonato de futebol brasileiro. Para Wagner, “o gosto pela magia do cinema não tem idade”. Além disso, não é preciso esperar um ou dois anos para conferir, em casa, os ¿lmes da “telona”. Seja para as grandes distribuidoras, locação e até mesmo em canais especializados, os lançamentos são quase simultâneos. Uma sessão de cinema em casa pode ser pretexto para reunião de família e até mesmo um encontro com os amigos.

86


87


Foto Ricardo Lima na Artefacto

O TEMA ร‰ Sofรกs e Poltronas

Sofรกs e

poltronas Por Lorena Lรกzaro

EXCLUSIVIDADE E CHARME 88


Foto Ricardo Lima no Armazém Da Decoração

Exclusividade é a palavra-chave quando se fala em “móvel design”. Isso não seria diferente em se tratando de sofás e poltronas - peças centrais da sala de estar ou TV. Cada vez mais, estes móveis têm recebido a atenção merecida pelos designers, que fazem desenhos para todos os gostos. Seja em tecido, couro, madeira ou em materiais alternativos, os “sofás design” estão ali, principalmente, para chamar a atenção. Tudo isso aliado ao conforto e estilo. Originalmente uma peça elitista, no início este conjunto de assentos foi criado para os reis e governantes árabes descansarem dos longos dias de trabalho. No Império Romano, o ambiente era composto por três pe-

ças e uma pequena mesa onde os homens faziam suas refeições. Apesar da origem nobre, a Revolução Industrial a popularizou e, hoje, pode ser encontrada em qualquer residência. Mesmo comum, ainda são peças que fazem grande diferença na decoração. Por isso, importantes designers se empenharam em sempre dar “cara nova” ao móvel. Entre os mais conhecidos está Gufram que, em 1971, criou o sofá Boca, inspirado na obra de Salvador Dali. Depois disso, chamar um “sofá design” de “sofá arte” não seria apenas redundância, mas, sim, um pleonasmo. Outro designer que não pode ¿car de fora é Francesco Binfarè, vanguardista projetista do modelo L’ Homme et la Femme.

89


Fotos Ricardo Lima no Armazém Da Decoração

Nos dias atuais, além de bonitos e artísticos, sofás e poltronas têm de, necessariamente, serem confortáveis. Esta é uma das preocupações da marca Artefacto, que também busca modelos atemporais. Já a Sofá Brasil se destaca entra as mais so¿sticadas e caras do mercado. Especializada em sofás assinados, a Decameron trabalha com uma linha direcionada para os jovens - a Carbono -, que aposta em materiais modernos e dimensões menores, típicas para quem acaba de comprar o primeiro apartamento. O Estúdio Bola, por sua vez, investe em sofás ultramodernos, modulados, que permitem vários tipos de encaixe.

90


Foto Ricardo Lima na Artefacto

A designer de interiores Simone Sebba destaca que um “sofá design” é um produto exclusivo com desenho, cor e material escolhidos por um pro¿ssional da área. Ela cita nomes como Sérgio Rodrigues, que criou a poltrona mole, e os Irmãos Campana, com produtos sempre inovadores. “A peça é exclusiva por ter assinatura. Depois, é claro que a peça pode e deve ser fabricada em grande escala”, explica Simone.

91


Foto Ricardo Lima no Armazém Da Decoração

Foto Ricardo Lima no Armazém Da Decoração 92


GARIMPO Deijayme Aires e Alessandra Cintra

Fotos Ricardo Lima

Juntos na vida pessoal e pro¿ssional há mais de 15 anos, Deijayme Aires e Alessandra Cintra são formados em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Católica de Goiás (UCG). Atuam em Goiânia, Inhumas, Jaciara (ambas em Goiás), Brasília (DF), Cuiabá, Rondonópolis, Sapezal e Chapada dos Guimarães (no Mato Grosso), além de Palmas (TO) e São Paulo (SP). Apaixonados pela pro¿ssão desde as primeiras aulas na faculdade, eles buscam o aperfeiçoamento, mantendo-se atualizados, principalmente por meio da participação efetiva em feiras, cursos e palestras. O escritório Aires e Cintra Arquitetura

Ltda. atua nas áreas residencial e comercial, atendendo tanto a grandes construtoras quanto clientes privados. Toques de arquitetura moderna e a utilização de tons amadeirados e cores neutras estão entre as preferências do casal. “Apesar de ter estilo próprio, buscamos sempre valorizar a opinião do cliente”, garante Alessandra. Já Deijayme ressalta a importância em ser Àexível e saber “transitar entre os diversos tipos de clientes que a pro¿ssão tem”. Em Goiânia, os dois passaram uma tarde garimpando, literalmente, peças diferentes que podem mudar a “cara” de alguns ambientes da casa e do escritório.

Papel de parede com motivos arabescos dá um toque de elegância e classe ao ambiente. Deijayme Aires

Esses vasos podem m ser iente usados tanto em ambiente rnos. externos como externos. Deijayme me Aires

Papel de parede Bali VENEZIA CASA Avenida D nº 454, Setor Oeste

Vaso vietnamita Big Anphor

Dá um toque étnico em ba banheiros ou lavabos.

VENEZIA CASA Avenida D nº 454, Setor Oeste

Deijayme Aires

Cuba chinesa Samurai, em cerâmica pintada à mão VENEZIA CASA VENEZ Aveni D nº 454, Setor Oeste Avenida


Fotos Ricardo Lima

Almofada Alm mofada ARMAZÉM ARM MAZÉM DA DECORAÇÃO Rua 90 nº 174, Setor Sul.

Ideal para alegrar a decoração nas varandas. das. Alessandra Cintra

Quebra a monotonia de qualquer ambiente neutro, dando ao ambiente um toque retrô .. Cesta de piquenique de porcelana quatro peças

Alessandra Cintra

KRAHO DESIGN E INTERIORES Rua 146 nº 579, Setor Marista.

Uma peça bem legal para ser usada sobre a mesa, como um abajur Alessandra Cintra

Banco Barroquinha amarelo Schuster ARMAZÉM DA DECORAÇÃO O Rua 90 nº 174, Setor Sul.

Luminária de mesa Gold ARMAZÉM DA DECORAÇÃO Rua 90 nº 174, Setor Sul.

importada Mesa de madeira importad da ARMAZÉM DA DECORAÇÃO O Rua 90 nº 174, Setor Sul.

95 9 5


Fotos Ricardo Lima

Feita em ferro fundido oxidado e pintado. É ideal para ambientes como livings e salas de jantar Com estilo rústico ou provençal. Deijayme Aires

Andarela Ruanda

Jogo de jantar Luiz Salvador pintado à mão

KRAHO DESIGN E INTERIORES Rua 146 nº 579, Setor Marista.

KRAHO DESIGN E INTERIORES Rua 146 nº 579, Setor Marista.

Porta ovos Chicken KRAHO DESIGN E INTERIORES Rua 146 nº 579, Setor Marista.

Uma peça curinga, que combina com tudo, desde o quarto do casal à varanda. Deijayme Aires

Banco Reginez KRAHO DESIGN E INTERIORES Rua 146 nº 579, Setor Marista.

96


97


98


99


Foto cedida pela Interpam

Que se faรงa a

LUZ! Sustentabilidade, beleza e economia Por Lorena Lรกzaro

100


Foto cedida pela Interpam

O projeto de iluminação é, basicamente, o toque ¿nal da obra. Embora seja a última etapa da decoração, são as cores, modelos de luminária, tipos de lâmpadas e focos de luz que de¿nem a personalidade do ambiente - ora mais intenso e claro, outrora mais quente e aconchegante. Depois de muito batalhar para provar sua importância na obra, a iluminação é considerada, hoje, o item que dá personalidade e de¿ne a atmosfera do espaço. A arquiteta e luminotécnica Ana Paula Morais explica que a máxima do momento do mercado é o que os pro¿ssionais chamam de “retro¿t”: um processo de modernização dos projetos de iluminação. Segundo ela, a maioria dos projetos tem mais de 10 anos de instalação. “As pessoas estão sentindo necessidade de mudar para equipamentos sustentáveis e mais econômicos”, a¿rma Ana Paula. Entre as novidades tecnológicas do setor, a arquiteta destaca a utilização do LED (Diodo Emissor de Luz),

uma tendência que carrega com ela o termo “sustentável”. Mesmo aclamada por clientes e com bom investimento da indústria, a pro¿ssional alerta para o fato esta ser uma tecnologia nova. Por causa disso, suas con¿gurações diferenciadas, daquelas já existentes, exigem cuidado na hora da escolha. Outro aliado da sustentabilidade, incluso nos projetos de iluminação, é a automação, que aumenta o tempo de vida útil das lâmpadas. Empresário do ramo e arquiteto, Marcelo Trento explica que o projeto de iluminação se pro¿ssionalizou nos últimos anos e, hoje, se encontra em um caminho certo de desenvolvimento. “Não está mais no começo. Já alcançamos um patamar mais estável e tanto as pessoas como os pro¿ssionais já aceitam realizar este projeto”, diz. Trento destaca ainda a Casa Cor como um evento que contribuiu muito para o crescimento do setor, já que durante suas mostras apresenta ambientes valorizados pela iluminação.

101


EXIGÊNCIA DO CLIENTE Com a evolução do mercado, veio também a dos clientes que, a cada dia, estão mais exigentes. Marcelo Trento e Ana Paula explicam que as luminárias “design” também caíram no gosto do público e conquistaram seu espaço. Ela ressalta que peças assinadas têm agregado valor com status de arte, unindo funcionalidade e beleza. Segundo eles, os pro¿ssionais da área também devem orientar seus clientes a não investir em peças efêmeras, que logo saem de moda. “È melhor gastar um pouco mais e ter uma peça bonita que ultrapassará gerações”, a¿rma Ana Paula.

Foto cedida pela Interpam

102


ANTIQUÁRIO FAMÍLIA REAL por Kezinha de Carvalho

O relógio Duas Setes Alemão. Bate a hora e a meia hora. Vem dentro de uma caixa de madeira trabalhado no estilo manuelino. O interior, resistente ao tempo, é trabalhado em metal dourado. Muito lindo!

Fotos Ricardo Lima

Antigo Gramofone Indiano. O toca disco teve apenas 18 peças fabricadas. Tornou-se o bisavô do CD e tataravô do MP3. Peça maravilhosamente diferente!

Cômoda excepcional inglesa do ano de 1920. A estrutura é feita em madeira nobre, com farto trabalho de pintura em flores que destacam as gavetas. Os Puxadores em metal são originais.

A poltrona chinesa com duas peças únicas Brasil. O modelo imperial é revestido com tecido americano, lembrando 1934, quando a moda era misturar liso com estampado. As flores celebram a primavera.

104

Fone: (62) 3092-1188


105


PAISAGISMO

Fotos Ricardo Lima

A Europa

106


PROJETO DE PAISAGISMO TRAZ OS BELOS JARDINS DO VELHO MUNDO PARA O CENTRO DO BRASIL

é aqui Por Lorena Lázaro e Ricardo Lima

107


Foto Ricardo Lima

O clima seco do Estado de Goiás não foi um problema para a elaboração de um jardim europeu, com suas plantas exigentes de água em abundância. Ao contrário disso, o projeto serviu como impulsionador para mais um desa¿o, entre tantos enfrentados por paisagistas e seus clientes ansiosos por um ambiente bonito, repleto de verde e cores variadas.

108


Foto Ricardo Lima

A solução foi investir em um sistema de irrigação especial desenvolvido pelos paisagistas Roberto e Ricardo Lima, responsáveis pelo projeto. O novo sistema atende as necessidades da vegetação tão exigente de água. O desa¿o de criar o jardim europeu foi proposto por uma cliente, natural da Região Sul do País.

109


Fotos Ricardo Lima

Roberto Lima e Ricardo Lima Contato: (62) 8167-6568 (62) 8135-4424 paisagismo@araguaiapaisagismo.com.br www.araguaiapaisagismo.com.br

110

“Para alcançar o estilo, usamos bastante cor nas forrações”, informa Ricardo. Entre as espécies usadas, os destaques ¿caram por conta da gazania prateada, petúnia, torenia, agapantus e outras já adaptadas ao clima do Centro-Oeste brasileiro. Para completar a cobertura de Àores, foram usadas espécies arbustivas, como hortênsias e azaléias, além das coníferas com várias qualidades de tuias (pinheiros). Além de compor o visual, a fachada da residência com estilo europeu foi a principal fonte de inspiração para o projeto de paisagismo. Roberto Lima explica que este estilo de jardim exige maior manutenção, porque algumas espécies aplicadas devem ser periodicamente substituídas, por causa do curto ciclo de vida. Segundo ele, o esforço é compensado no resultado ¿nal do trabalho: “um projeto diferente que serve de exemplo para outros desa¿os”.


111


DI CASA INDICA

Espaço VIP A estrutura exclusiva para noivas Su Beauty dedica um andar em seu novo espaço inteiramente para noivas e outro para madrinhas e convidadas. As suítes são individuais, confortavelmente mobiliadas, e com banheiras de hidrocromoterapia. Os pacotes de serviços traduzem o glamour e requinte que classi¿cam o ambiente e a ocasião. Su Beauty Rua 22 com 13, 395, Setor Oeste. Goiânia ‒GO. Fone: (62) 3086-0700.

Prático O Baú da Linha Beta com assento captonê em estampa Àoral. A peça compõe a Linha Madeira da Franquia Pufolandia que chegou a Goiânia (GO) com mil itens diferenciados. Pufolandia

Pufolandia Av. T-63, 3336, Qd. 332 Lt. 11, Sala 04,Setor Jardim América. Goiânia-GO. Fone: 3286-8843

Novidades A Devorê apresenta sua mais nova coleção de cortinas, tecidos, persianas, colchas, almofadas, papel de parede e toldos. Os itens exclusivos deixam o ambiente mais aconchegante.

Devorê Rua 135, 95, Setor Marista. Goiânia ‒GO. Fone: (62) 3087-9199 ou 3087-9190.

Organização Caixa personalizada feita sob medida pela FastFrame Moldura na Hora. Ideal para guardar, sem tirar do ambiente da criança, os brinquedos que se tornam especiais ao longo dos anos. Indicada para colecionadores de todas as idades. Vale como dica para o dia das crianças. FastFrame Moldura na Hora Rua 15, 545, Qd. H10, Setor Oeste. Goiânia ‒GO. Fone: (62) 3087-2844

112


113


REFÚGIO

PROVIDENCIALES PAZ, LUXO E REQUINTE AO NORTE DO ATLÂNTICO Por Lorena Lázaro

Águas no mais belo azul turquesa, praias brancas, limpas e deslumbrantes. Assim pode ser descrita Providenciales, o centro urbano de Turks & Caicos, um dos arquipélagos caribenhos ao norte do Oceano Atlântico. Provo, como é conhecida, é a mais desenvolvida das ilhas da região, com muitos hotéis, resorts e campo de golfe O lugar é um daqueles cujo objetivo da viagem só pode ser a contemplação e o descanso. Para se dar o luxo de conhecer Providenciales, é preciso desembolsar mais de R$ 2 mil somente para as passagens. A recompensa logo vem: paisagens, passeios românticos e “calientes” com vista para o mar. Para servir aos turistas endinheirados que a visitam, Provo possui complexos comerciais e shoppings de luxo. Destaque para o resort Amanyara, com serviço completo, pacotes de passeios, além de uma bela vista para o oceano. Até 1094, a ilha não tinha um veículo automotivo. O “boom” do desenvolvimento habitacional veio depois disso. Provo se tornou “queridinha” para aqueles que queriam desfrutar de um ¿m de vida tranqui-

la. A chegada destas pessoas trouxe o desenvolvimento, aliado ao turismo sustentável, e ainda visitantes carentes de belezas naturais e com muita disposição para gastar. Entre as principais atrações do local está o mergulho. São quilômetros de recifes de coral, bem perto da costa da ilha. Para completar, o trecho faz parte de uma via de migração da baleia-jubarte e, em certas épocas do ano, é possível ver os gigantes marinhos em sua cruzada. Para os mais aventureiros e fantasiosos, Providenciales também é cercada de ilhas menores e desabitadas, que podem ser facilmente visitadas por barcos. É uma oportunidade única para passar um dia em uma ilha deserta. Também existem opções de caminhadas. Os visitantes que curtem história podem apreciar ruínas dos tempos dos piratas, em Osprey e Cheshire Hall. Na parte ocidental da ilha, está um tipo de deserto árido que integra o Chalk Sound Nacional Park. A baía de cinco quilômetros de comprimento é cravejada por centenas de ilhotas. O parque é ponto de reprodução de várias aves e animais marinhos.

Como chegar O Aeroporto Internacional na ilha de Providenciales recebe voos de Miami (menos de duas horas de viagem), Nova York, Boston, Dallas e Filadél¿a (nos EUA) e de Toronto e Montreal (Canadá). No

Brasil, é possível viajar pela América Airlines e Tam, com saída de São Paulo. A alta temporada de Provo é de novembro a abril, quando o clima reserva sol e calor para apreciar as belezas locais.

Foto Divulgação


116


117


ESPAÇO DO CHEF

Verrines, um luxo em vidro Por chef Carla Tamyrys

Que as comidinhas já são um sucesso em coquetéis e recepções não é novidade, o que muda agora é a apresentação. A verrine, palavra que de¿ne “vidro de proteção”, é a mais recente aposta dos buffets. O principal ingrediente para o aperitivo é a criatividade para misturar cores e sabores. “Composto curiosamente, eles estão em um estudo de texturas, sabores, aromas, cores e temperaturas”, diz a chef Carla Tamyrys, que ainda sugere preparações práticas e bonitas, que são ótimas opções para comemorações e sucesso garantido para todas as ocasiões.

Um copo bonito pode ser preenchido com: - Pimentões vermelhos e amarelos assados e nozes - Rolinhos de aspargos naturais e presunto cru - Nozinhos de mussarela de búfala, tomate cereja ao pesto de manjericão - Polenta goiana grelhada com roquefort e linguiça caipira - Espetinho de frango ao molho de castanha de baru - Suculento lombo grelhado com mussarela, tomate e sementes de romã - Shot de abóbora com parmesão, - Coquetel de camarão sete barbas e camarão VG

118

Fotos Photo Point Estúdio Evento Gôut Buffet


119


2

1

3

Café da manhã URBS

5

4

6

8

7

9

1-

Cláudio Daher Júnior Cláudio Daher Thaysa Mazzarelo Tadeu André

2-

Stênio Melo Aryane Minami

3-

Eliane Miclos Kitia Oliveira Kelce Helena

4-

Elizabeth Dessimoni Stênio Melo Eliane Rosa

5-

Edney Antunes Luiz Mauro Selma Parreira

6-

Renato Lamas Medeiros e Maurício

7-

Selma Parreira Reinaldo Rocha Ricardo Teixeira

8-

Florence Fiorda Helen Assis e Alexsandro

Coquetel de Abertura Ambientar 2010 9-

11

12

Wesley de Oliveira Jacqueline Adorno

10 - Andréa Montoro Giselle Moura 11 - Rogério Nery Joana Dark Nery Simony Sales Brito Edinalva Silva Simone Ribeiro, Edimar J. Silva e Alessandra Lobo

10

12 - Elizabeth Pires Mayse Mendonça

13

14

13 - Frederico Adejar Marília Teixeira Letícia Ferro

15

14 - Gabriela Louredo Simone Ferreira Henrique Moura

8

15 - Juliana Durando Roberto Morgado 16 - Ilézio Ferreira Elza Alvarenga Elizabeth Furlanetto Joaquim Barbosa

17

18

17 - Juliana Barbosa Marcelo Peralta Jacqueline Adorno

16

18 - Jô Souza Túlio Ganzarolli Synara Coelho 19 - Karine Espírito Santo Daniel Almeida 20 - Luanne Tahan Thiago Lobo Carolina Gubert Denis Rezende

21 19

20

21 - Luciano Francisco Michelle Martins Lilian Bolognini Fabio Guedes Ruben Brito 22 - Marcella Gontijo Lorena Tahan 23 - Mariana Coelho Lorena Camargo Sabrina Barros


24

23 22

27

by Ricardo Lima Contato: (62) 8135-4424 ricardolimafoto@hotmail.com 24 - Nando Nunes Luanne Tahan Ivan Grande 25 - Otávio Teles Clarismar Machado

26 25

26 - Ricardo Sanches Carlos de Macêdo Marcos Alves

30

29

27 - Sérgio Leão Ricardo Leão

28

28 - Wanessa Clara Maria Célia Coquetel de Lançamento Varandas de Copacabana da CMO 29 - Rafael Ortence Moacyr Moreira 30 - Aurelio e Michele 31 - Eva El Zein Maria das Gracas Teixeira Felicia Franca

31

32

33

32 - Moacyr Moreira Felicia Franca Marcelo Moreira 33 - Marcelo Moreira Edinho Artiaga 34 - Marcelo Moreira Moacyr Moreira Maria das Gracas Teixeira 35 -

Marina Uchôa Marcelo Moreira Lorraine Borgon

35

34

36

Inauguração Época Galeria Contemporânea 36 - Leonardo de Paula Silva e Marcos Queiroz 37 - Valéria Junqueira Beatriz Arruda 38 - Anne Carvalho Jônia Vidica Juliana Diniz Patrícia Diniz Alessandra Lobo

38 39 37

39 - Victor Tomé Anna Luisa Braga 40 - Lara Gomides Luciano Tostes 41 - Ana Flávia Vivian Valentin Ana Cristina Deise Vilela Lucinara Ferreira 42 - Jean Bueno Synara Coelho Junior Melo Ozair Riazo Hugo Brandstetter Jô Sousa

40

41

42


2

3

1 6

5 Festas

4

1-

Marcelo Machado Adriana Ramos

2-

Carol Tolentino

3-

Maria Luiza Bueno Stella Bueno

4-

Sara e Igor Dias

5-

Beto e Paula Naves

6-

Andressa Brito e Igo

7-

Arielle Bailão e Roberto

8-

Juliana Arraes Melck Aquino

9-

Sinara de Paiva Samuel Bonilha

7

8

9

10

10 - Jones Carneiro Greice Olinger 11 - Michele e Cristiano Cruz 12 - Lousi Dreyer Dalessandro Oliveira

11

Inauguração Lalique s 13 - Rogeria Consiglieri 14 - Lara Pereira e Rose Amorim 15 - Mariana e Fernanda Prado

13

16 - Maria Meirelles Adriana Ramos

12

17 - Inacia Parente Luciene Carvalho 18 - Leia Garcia 19 - Soraia Tomazini Adriane da Mota

14

20 - Talita Tavares Maria Leticia Ferreira

17

16 15

18

ncourt

by Andréia Bitte

andreiaviana@hotmail.com

19

20


Revista Di Casa Nº 12  

Revista Di Casa Nº 12

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you