Page 1

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA EDIÇÃO 50 - ANO 10 - ABRIL 2019

90s

ano

‘‘Testemunha da história’’

SÃO PAULO

RESERVADO


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

Carta aos Leitores Expediente

Após desfrutar do enorme sucesso alcançado em nossas edições anteriores, elaborar a edição especial de Marília foi um grande e prazeroso desafio. Falar de Marília sem demonstrar preconceitos e nem crenças pessoais, esclarecendo, formando e informando, foi nossa meta ao escrever cada linha desta edição, que traz como tema principal a história deste importante município que tanto representa para o São Paulo e o Brasil. Nossos agradecimentos aos colaboradores não mediram esforços para que fizéssemos um trabalho sério e competente. Agradecemos também aos nossos patrocinadores que acreditaram no sucesso da Revista Destak de São Paulo Finalizando: É com grande prazer que convido a todos para um mergulho nas páginas seguintes. Uma ótima leitura a todos! O Editor.

Diretor Geral: Paulo R. Jorge Comercial: 43 8813 1611 (Claro) | 43 9638 9020 (Tim) Projeto gráfico: Vidatech Tiragem limitada. Revista Destak do Paraná Email: redestak@hotmail.com | redestakpr@gmail.com Rua Santa Catarina, 50 - Sala 38 - Andar L2 - Londrina - PR

Agradecimentos Prefeitura Municipal de Marília, Diretoria de Comunicação, Biblioteca Municipal “João Mesquita Valença”, Museu Municipal de Paleontologia, Câmara Municipal (Comissão de Registros Históricos).

As opiniões e artigos assinados não apresentam necessariamente a opinião da revista, sendo de total responsabilidade de seus autores.

03


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

MARÍLIA E SUAS ORIGENS pré história

Há cerca de 70 milhões de anos, a região onde hoje fica Marília e o oeste paulista foi habitada por dinossauros e outros animais pré-históricos. Esses animais tiveram seus restos ósseos petrificados em sedimentos arenosos de primitivos rios e lagos. Com as transformações geológicas ocorridas ao longo do tempo, esses ambientes primitivos se modificaram, e os sedimentos se transformaram em rochas, conhecidas principalmente como arenitos, e os ossos se tornaram fósseis. Essas rochas são as mesmas que hoje constituem as serras e escarpas que rodeiam a cidade, como os paredões de arenito do vale do Barbosa na Via Expressa, a Serra de Avencas, o vale do Pombo, a Serra de Dirceu (adiante do aeroporto) e muitas outras. Um crocodilo primitivo da era dos dinossauros, descoberto em rochas próximas ao Rio do Peixe, sul de Marília recebeu, inclusive, o nome da cidade, sendo batizado em 1997 como Mariliasuchus amarali. Seus restos fossilizados têm permitido uma melhor compreensão acerca dos ecossistemas do passado. A cidade ganhou projeção recentemente com a descoberta e escavação de um esqueleto semiarticulado de um grande dinossauro herbívoro (titanossauro) que viveu na região entre 65 e 70 milhões de anos atrás e que ficou conhecido como "Dino Titã de Marília".Por apresentar cerca de 70% dos ossos preservados, como boa parte da coluna vertebral, é considerado, até o momento, o mais completo titanossauro já encontrado no Brasil, fazendo de Marília um importante centro para estudos paleontológicos de projeção nacional. Reprodução digital do Mariliasuchus amarili (Crocodilo de Marília).

04


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

MARÍLIA e sua Origens os caingangues Quando da chegada do "homem pedaços de madeira no lábio inferior da boca, branco", o estado de São Paulo era habitado até que, adulto, cada indivíduo ostentasse um por inúmeras tribos de índios. Quando a adorno circular enorme, o botoque. ocupação do território avançou a oeste, uma Os kaigán e os weyanas não furavam o das etnias que aqui estavam eram os lábio, no entanto, havia um procedimento caingangues. Suas aldeias podiam ser comum a toda essa nação indígena: a singular encontradas numa vasta área que se situava forma de cortar os cabelos, que lhes rendeu o entre as elevações da Cuesta de Botucatu e a apelido de coroados, por parte margem esquerda do Tietê, ou dos brancos. na outra margem, até a região atual de Dois Córregos. Os grupos diferenciavam-se quanto à forma de produzir seu Essas aldeias sustento. Os caingangues eram caingangues agrupavam-se por agricultores sedentários, identidade da língua que mudavam menos e faziam falavam, estando o povo roças ao lado das aldeias. Os caingangue dividido em: aweikomas, ao contrário, eram Kaingán, Weyana e Aweikoma; nômades e reuniam-se em os três grupos referiam-se a si pequenos grupos de caçadores mesmos como caingangue, ou e coletores. seja, "Gente do Mato". Além dos termos Caingangue e Os Kaingán e os Weyana que Kaingang, a etnia também pode evitavam o contato, foram ser conhecida como Kanhgág, dispersando-se a oeste, de Guayanás, Guaianás, Coroados, Bauru até a região dos vales do Expedição Governamental para exploração do Centro-oeste Paulista. rio do Peixe e e do rio Feio Bugres, Botocudos, Camés e Xoclengues, a depender da (Aguapeí), região onde insereregião. se atualmente o município de Marília. Contudo, adentrando o século XX, ávidos por Embora os Aweikoma pertençam a terras, os brancos avançavam e os povoados se mesma família lingüística, possuem diferenças multiplicavam nas frentes de expansão, de culturais palpáveis, o que os fez, por muito modo que, os caingangues internaram-se ainda tempo, serem registrados, como grupo nãomais para o oeste, descendo abaixo as quedas caingangue. Estes são também conhecido d’água, das corredeiras e grandes cachoeiras como Xocrés, Xoclengues e Botocudos, este desses dois rios. último, pelo hábito que tinham de inserir

Fonte: wikimedia

05


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

MARÍLIA E SUAS ORIGENS A Colonização do Oeste Paulista

No final do século XIX, o Governo da Província implementou o inventário geofísico e etnográfico da região para implantação da Estrada de Ferro, com a clara intenção de desenvolver a região. Em 1905, após várias demandas, as terras adquiridas pela Companhia Agrícola e Pecuária de Campos Novos repassou 53 alqueires localizados à Oeste do espigão formador das bacias dos rios Feio e do Peixe, para o Major Eliziário de Camargo

Barbosa, o qual formou várias fazendas para a monocultura do algodão e depois do café. O pioneiro Antônio Pereira da Silva adquiriu as fazendas em 1919 e logo incumbiu seu filho José Pereira da Silva (Pereirinha), de pesquisar o local ideal para a implantação de um Patrimônio que viria a ser chamado “Alto Cafezal”, onde se originou a cidade de Marília. Fonte: Site Prefeitura Municipal.

06


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

Fundação do Município De Patrimônio à Distrito de Paz No início do século XIX o Deputado Bento de Abreu Sampaio Vidal também adquiriu as terras das fazendas Cascata, Cincinatina, Guataporanga, Palmital, São Paulo e Santa Antonieta. Antevendo o desenvolvimento da região lançou a pedra fundamental do lado leste da récem inaugurada Estrada de Ferro, onde cedeu os terrenos para a construção da Igreja e da Estação, criando assim, outro

Patrimônio denominado “Marília” do lado leste, nome dado em alusão à personagem da obra literária de Thomás Antônio Gonzaga. Até então, as terras da futura cidade de Marília pertencia ao Município de Campos Novos Paulista, juntamente com o Patrimônio de Lácio, que já possuía uma estação ferroviária para escoar as culturas do algodão e do café de toda região. Fonte: Site Prefeitura Municipal.

Marília 1919

07


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

Emancipação Político - Administrativa De Distrito à Cidade A construção da Estação Ferroviária contribuiu definitivamente para emancipação de Marília, que incorporou o “Distrito Alto Cafezal” quando foi elevado à condição de município em 24 de dezembro de 1 928, dias antes da inauguração da estação. Em 4 de abril do seguinte ano de 1 929 foi instalado definitivamente o município, tendo sido emancipado de Campos Novos. Em seguida o

povo elegeu seus representantes que formaram a “casa do Povo” e elegeram seu primeiro prefeito, o Engenheiro Dr. Durval de Menezes. Para bem depois, em 27 de junho de 1 933 ter sido elevada ao status de Comarca. A partir daí todos os nascidos nos seus limites passaram a ser registrados e chamados pelo gentílico de cidadãos marilienses. Fonte: Site Prefeitura Municipal.

- Marília 1928 Rua 9 de Julho entre a Rua 24 de Dezembro e Rua 15 de Novembro

08


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

Etimologia A Origem do Nome da Cidade

Segundo o Dicionário de Nomes Próprios do Google, o nome Marília é derivado do árabe Marilyam, que significa Maria. Em português Marília significa “pureza”, “senhora soberana”, “virgindade” ou “amor”. O nome dado à cidade foi uma sugestão do benemérito Bento de Abreu Sampaio Vidal, que se encantou com a personagem da obra literária “Marília de Dirceu” da autoria do português Thomás Antônio Gonzaga, enquanto seguia de navio rumo à Europa. Tudo isso, levando em conta as normas da Companhia Paulista de Estradas de Ferro, de que as estações deveriam ter uma sequência pela ordem alfabética, tendo a última sido construída no Patrimônio de Lácio, o nome de Marília foi logo aceita por uma comissão de notáveis do récem criado município. Fonte: Site Prefeitura Municipal.

09


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

coffea arábica O ouro Verde

desmatavam para a abertura de novas fazendas, assim como também precisavam de mais escravos para o trabalho na terra. Porém, com a edição da Lei Áurea que aboliu a escravatura no Brasil, abriu-se o caminho para a chegada dos estrangeiros que deram o impulso para a nova onda de progresso. O cafezal que levava até quatro anos para a primeira colheita, com as novas técnicas aplicadas pelos imigrantes japoneses alcançaram altos índices de produtividade, e o “Ouro Verde” passou a bater todos os recordes de produtividade, contribuindo definitivamente para o progresso da nossa cidade, para o desenvolvimento da nossa cidade.

O café é uma planta originária da Etiópia Central e entrou no Brasil pelas mãos do comerciante português chamado Mello Palheta, que plantou algumas mudas no quintal da sua propriedade em Belém do Pará no ano de 1 927. Dali em diante o café percorreu todo o litoral brasileiro, sempre em pequenas plantações para o consumo da casa e só depois passou a ser vendido em quitandas e “vendas”, até virar a bebida da moda na Europa e “Novo Mundo”. No século seguinte já havia grandes plantações no Espírito Santo e em Minas Gerais, de onde se espalhou para o interior de todo o Estado de São Paulo. Em 1 850 o café já era o primeiro produto de exportação do País. Os fazendeiros enriqueciam e como consequência

Fonte: Site Prefeitura Municipal.

10


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

Café Brasileiro Tipo Exportação

11


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

Colonização estrangeira Uma parceria de Sucesso A construção da linha férrea trouxe os trabalhadores migrantes e imigrantes de várias partes do globo terrestre. Mineiros e nortistas eram a maioria, e com eles, vieram também os mestres portugueses, os engenheiros ingleses além de uma gama de artesões oriundos de outros países e da Europa, que vieram fugidos da Primeira Grande Guerra. Chegaram em busca das oportunidades que a abertura dos portos, adotada pelo Governo Federal oferecia

aos estrangeiros com promessas de um novo “Eldorado”. Hoje encontramos uma grande mistura de raças; portugueses, ingleses, italianos, espanhóis, alemães, poloneses, sírios e libaneses, além é claro, dos japoneses que trouxeram as novas técnicas de plantio do café, contribuindo de forma definitiva para o progresso econômico e também na formação das características sociais e culturais do nosso município. Fonte: Site Prefeitura Municipal.

12


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

Colonização Estrangeira Pioneiros e Desbravadores

13


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

A ESTRADA DE FERRO A Locomotiva do Progresso

A instalação da linha ferroviária no País foi inaugurada em 1 871, ainda durante o Império e a sua malha atendia tão somente a região Sudeste, principal produtora da monocultura do café. A linha mais conhecida a Sorocabana, chegava até Bauru e de lá seguia por ramais conhecidos com o nome de Companhia Paulista de Estradas de Ferro. Partindo de Piratininga até o Distrito de Lácio, onde havia uma estação, chegado depois até o centro do futuro município de Marília, onde a estação ficou conhecida como o “fim da linha”, de onde os passageiros embarcavam nas Jardineiras para os mais variados destinos. Fonte: Site Prefeitura Municipal.

14


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

A INAUGURAÇÃO DA ESTAÇÃO A Maria Fumaça

Em 28 de dezembro de 1 928, no terreno doado pelo benemérito Bento de Abreu Sampaio Vidal, foi construída a Estação Ferroviária e batizada com o mesmo nome do Patrimônio “...Os trilhos rasgavam a floresta onde foi derrubada a mata nativa para a construção da Estação e também os prédios dos armazéns da ferrovia. Todas as atenções estavam voltadas para a ferrovia. Na plataforma os convidados de honra se misturavam as autoridades que aguardavam ansiosos e eufóricos pela chegada do trem de passageiros e do seu condutor, com sua farda e com o seu indefectível quepe alvinegro. Perto da hora marcada, apontou na

longa reta uma barulhenta locomotiva que trazia à frente uma bandeira nacional. Entre o tanger dos sinos e o barulho dos fogos se fez ouvir o apito do trem, que soltava uma coluna enorme de fumaça branca. Quando finalmente a locomotiva estacionou, ouviu-se ao fundo uma afinada banda marcial que após as saudações entusiasmadas executou o Hino Nacional Brasileiro. No discurso da maior autoridade local, o prefeito incisivo disse: “Se quiserem progredir vençam pelo seu próprio esforço, não fiquem esperando ajuda e nem tampouco promessas vazias...”. De fato, a história da cidade seguiu seu rumo com destino paralelo àquele discurso. Fonte: da editora local

15


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

Distritos e Colônias O Progresso e a Decadência

Capela de Nossa Senhora das Dores

Vila do Dirceu: Distante 10 Kms da sede do município, no sentido Marília-Lins, foi criado pelo fundador de Marília e teve o seu nome dado em homenagem ao personagem central da obra literária de Thomás Antônio Gonzaga.

Amadeu Amaral: Distante 22 Kms da sede do município, no sentido de Assis, o antigo povoado era conhecido como “Agua da Cobra” e foi iniciado em 1928.

16


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

Distritos e Colônias O Progresso e a Decadência

Vila de Avencas: Um dos mais antigos, o povoado de Avencas está distante 18 Km da sede do município e foi fundado no início da década de 1 920, pela parceria entre o Sr. Antônio Ramirez Galiote e o engenheiro Dr. Durval de Menezes, que projetou as ruas num traçado moderno e as batizaram com nomes das flores, quando o acesso ao Patrimônio do Alto Cafezal ainda nem existia e era feito através de picadas abertas na mata virgem, nos lombos de burros ou então a pé. Os primeiros lotes foram adquiridos pelas famílias: Munerato, Panes, Gonçalves, Zuliani, Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora Pontelli, Barriviera, Rocha, Crepaldi, Marcon, Falzoni, Zafra e Rondon, entre tantas outras que vieram em seguida. Avencas possui hoje uma boa estrutura, graças ao progresso que registrou na época do fluxo populacional e econômico, quando os pioneiros Ângelo Peres e seu filho Geraldo Peres Rondon implementaram a primeira linha de “Jardineiras”, à época em que a estrada passava dentro do povoado e trazia todos os passageiros que demandavam as pessoas vindas do Norte do Paraná. Perspectiva do provável novo prédio Fonte: Site Prefeitura Municipal.

17


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

Distritos e Colônias O Progresso e a Decadência

Armazém da Estação de Lácio.

Capela de Santa Luzia

Vila de Lácio - O povoado que está distante a 5 Kms da sede do município no sentido de Marília-Garça. Inicialmente conhecida como “Água do Norte”, foi fundado em em 1 927 pela família do Sr. João e Luciano Borghetti, quando ali foi construída a Estação Ferroviária de mesmo nome, para dar sequência à política da Companhia que nomeava as estações por ordem alfabética. Sua produção agrícola é pequena, porém a sua economia está alicerçada no Distrito Industrial implantado dentro do seus limites, e também nos vários loteamentos de chácaras de lazer que circunda o perímetro do Distrito. As famílias pioneiras foram: Borguetti, São Clemente, Lima, Mesquita e Família Saia.

18


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

Parabéns Marília Pelos 90 anos de emancipação Politica

19


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

Distritos e Colônias O Progresso e a Decadência

Vila de Padre Nóbrega: Localizado na saída para Tupã, a apenas 6 Kms da sede do município, teve início na década de 1 930 quando chegaram muitos trabalhadores para tocar as várias lavouras de café da região. O antigo Distrito teve grande expressão até a década de 1 960, quando se iniciou o exôdo rural, e algumas fazendas mais próximas optaram por loteamentos de chácaras de lazer. Seus moradores mais antigos foram as famílias: Cavalari, Cavichioli, Garcia, Macedo, Mazziotti, Mendonça, Moura, Polimeni, Santos, Silva, Spressão, Tiveron entre outras, que não foram aqui mencionadas.

Capela de Nossa Senhora Aparecida

20


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

Distritos e Colônias O Progresso e a Decadência

Distrito de Rosália: Teve início na década de 1 930 e foi elevado à Distrito em 28 de fevereiro de 1 937. Dista 27 Kms da sede do município e tem o maior potencial agrícola entre todos os Distritos. Rosália é um dos mais antigos Distritos de Marília, porque recebeu os primeiros contingentes de imigrantes japoneses na década de 1 920. Possui boa infraestrutura urbana para os mais de 3 000 habitantes, e a sua economia está baseada na agropecuária, mas também possui uma usina de açúcar e de álcool que gera muitos postos de trabalho e renda, que ajudam a impulsionar o comércio local.

Capela do Senhor Bom Jesus

21


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

GALERIA DE PREFEITOS Vultos da História

Fonte: Site Prefeitura Municipal.

22


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

GALERIA DE PREFEITOS Vultos da História

Fonte: Site Prefeitura Municipal.

23


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

SÍMBOLOS DO MUNICÍPIO Hino, Bandeira e Brasão

Hino de Marília Autor: Jorge Galati

Marília, berço querido, que saudamos cheios de emoção, és o solo copioso e bendito, nosso orgulho na alma e na ação, tu nos dás doce abrigo e sustento, muita fé no porvir, muito alento! Teus filhos, em lealdade, construíram com grande vigor tua História de fecundidade da lavoura à industria e ao esplendor do comércio, do saber e da arte, com trabalho que deles é parte. Sob o teu céu radioso há nobreza, honradez e crescer; em teus lares se aninha glorioso sentimento sem par de dever; sendo assim hás de ser renomada, viverás sempre grande e lembrada! ESTRIBILHO Salve o 4 de abril, salve a gente desta terra, progresso crescente que plantou paz e prosperidade sob o SÍMBOLO DE AMOR E LIBERDADE.

Franciele Marconato

24


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

SÍMBOLOS DO MUNICÍPIO Hino, Bandeira e Brasão

Bandeira de Marília

Brasão de Marília

Panorama de zona rural à sudeste de Marília

25


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

ORGANIZAÇÃO POLÍTICA Dados e Índices CIDADE DE Marília

CARACTERÍSTICAS GEOGRÁFICAS Área 1 170,054 km² Distritos Amadeu Amaral, Dirceu, Lácio, Padre Nóbrega, Avencas, Rosália. População 237 130 hab. (SP: 35º) – IBGE/2018 Densidade 202,67 hab./km² Altitude 679 m Clima subtropical Cfa Fuso horário UTC−3

Marília é um município brasileiro do estado de São Paulo. Situa-se na região Centro-Oeste Paulista. Fica distante da capital do estado 443 quilômetros por rodovia; 529 quilômetros por ferrovia e 376 quilômetros em linha reta. Localiza-se à latitude de -22° 12' 50" S e longitude -49º 56' 45" W, estando a uma altitude de 679 metros. Possui uma área de 1.170,054 quilômetros quadrados, dos quais 23.040 estão em zona urbana. O município é formado pela sede e pelos distritos de Amadeu Amaral, Avencas, Dirceu, Lácio, Padre Nóbrega e Rosália. Em 2016 a Firjan classificou a cidade como a 23ª melhor do país para se viver; em 2017 Marília figurou em estudo do Ipea entre as 15 cidades mais pacíficas do Brasil, em um índice que considera municípios com população superior aos 100 mil habitantes; figurando também no mesmo ano em estudo produzido pela Urban Systems como a 50ª dentre as cem cidades mais conectadas e inteligentes do Brasil. Fonte: Wikipédia

Fonte: Wikipédia

26


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

ASPÉCTOS GEOGRÁFICOS Características Gerais Características geográficas Área 1 170,054 km² Distritos Amadeu Amaral, Dirceu, Lácio, Padre Nóbrega, Avencas, Rosália. População 237 130 hab. (SP: 35º) – IBGE/2018 Densidade 202,67 hab./km² Altitude 679 m Clima subtropical Cfa Fuso horário UTC−3

Fundação: 1923 Aniversário: 4 de abril Emancipação: 4 de abril de 1929 (89 anos) Gentílico: Mariliense Prefeito: Daniel Alonso (PSDB) (2017 – 2020) Municípios limítrofes: Norte: Getulina e Guaimbê, Júlio Mesquita; Leste: Álvaro de Carvalho, Vera Cruz e Ocauçu; Sul: Campos Novos Paulista; Oeste: Pompéia, Oriente e Echaporã Fonte: wikipedia

27


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

PADROEIRO DO MUNICÍPIO São Bento

Por ocasião da dedicação do Mosteiro de Monte Cassino em 1964, após sua reconstrução, o Papa Paulo VI proclamou São Bento (ca. 480 - ca. 547) patrono principal de toda a Europa. O título, apesar de um pouco exagerado, é verdadeiro sob vários aspectos. São Bento não construiu o Mosteiro de Monte Cassino com a intenção de salvar a cultura, mas, de fato, os mosteiros que depois seguiram a sua Regra foram lugares onde o conhecimento e os manuscritos foram preservados. Por mais de seis séculos, a cultura cristã da Europa medieval praticamente coincidiu com

os centros monásticos de piedade e estudo. São Bento não foi o fundador do monaquismo cristão, tendo vivido quase três séculos depois do seu surgimento no Egito, na Palestina e na Ásia Menor. Tornou-se monge ainda jovem e desde então aprendeu a tradição pelo contato com outros monges e lendo a literatura monástica. Foi atraído pelo movimento monástico, mas acabou dando-lhe novos e frutuosos rumos. Isto fica evidente na Regra que escreveu para os mosteiros, e que ainda hoje é usada em inúmeros mosteiros e conventos no mundo inteiro. Fonte: www.cidadedemarilia.com

28


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

CATEDRAL Diocesana de São Bento

A Catedral Basílica de São Bento é a catedral da Diocese de Marília. Localiza-se Avenida Pedro de Toledo, 901, centro do município de Marília, Estado de São Paulo. Em 2019 o Bispo Diocesano era Dom Luiz Antônio Cipolini. A sua construção começou em 1928. Em estilo Colonial e Barroco, a Basílica traz na sua fachada o Escudo Basilical, e é pintada externamente nas cores branca e azul, cores comuns da época da colonização. A Catedral foi a primeira das paróquias da cidade, tornando-se na época a igreja matriz de Marília. Posteriormente, a matriz de São Bento, transformou-se na Igreja Catedral Basílica de São Bento Abade, sede da Diocese.[1] São Bento, padroeiro da Paróquia, também é padroeiro da cidade.

Catedral Basílica de São Bento

29


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

EXTIRPE MARILIENSE NOSSAS Origens

Bento de Abreu Sampaio Vidal

Antonio Pereira da Silva

30


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

EXTIRPE MARILIENSE NOSSAS Origens

Kisaburo e Fukumi Tanaka nossas Origens

31


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

EXTIRPE MARILIENSE NOSSAS Origens

32


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

TUNEL DO TEMPO Revivendo o passado

População esperando o primeiro trem da Cia.Paulista em Marília no ano de 1928.

33


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

TUNEL DO TEMPO Revivendo o passado

34


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

TUNEL DO TEMPO Revivendo o passado

35


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

TUNEL DO TEMPO Revivendo o passado

Casa de Tabuinhas- típicas da região

36


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

TUNEL DO TEMPO Revivendo o passado

Sampaio Vidal década de 1940 - Antigo prédio da LEATI

37


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

MARÍLIA HOJE “Cidade Símbolo do Amor e da Amizade”

Marília que já foi cognominada de “Cidade Menina” logo que foi emancipada, teve seu apelido mudado a seguir para “Cidade Moça”. Devido ao seu rápido crescimento passou a ser conhecida como a “Capital da Alta Paulista”, para em seguida ser apelidada de “Cidade Amiga da Criança” sua política de incentivo ao desenvolvimento infantil.

Após receber incentivos para a criação dos primeiros distritos industriais, a sua vocação para indústrias alimentícias lhe rendeu o apelido de “Capital Nacional do Alimento” e a seguir devido a sua vocação acolhedora, passou a ser conhecida com o título atual de “Cidade Símbolo do Amor e Amizade”.

Terminal Rodoviário Comendador José Branbilha

38


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

Comércio e Indústria Associação Comercial e Empresarial

39


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

Cultura Lazer e Turismo

Casas de Madeira Marília

Nossas Festas

40


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

Cultura Lazer e Turismo Nossas Festas

Japan Fest Desfile de Cosplay

Apresentação cultural na abertura; Japan Fest em Marília (Foto: Leonardo Moreno)

41


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

Cultura Lazer e Turismo Nossas Festas

Centro Cultural Tom Jobim em Ourinhos

Projeto SACI e Coral Adulto no Pré-Festival de Música

42


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

Cultura Lazer e Turismo Nossas Festas

Parque Olavo Ferreira de Sá – Festival de Provas de Arrancadas - Ourinhos / SP | Adelmo Carneti

Sítio paleontológico descoberto em Marília pelo pesquisador William Nava em 2009.

43


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

ESPORTES EM DESTAK Brava Gente Mariliense

O Estádio Municipal Bento de Abreu Sampaio Vidal, também conhecido como Abreuzão é um estádio de futebol localizado no município de Marília, em São Paulo, usado principalmente pelo Marília Atlético Clube. Seu nome é uma homenagem a um dos fundadores da cidade de Marília, Bento de Abreu Sampaio Vidal. O Estádio Abreuzão foi inaugurado no dia 4 de Estádio Municipal Bento de Abreu Sampaio Vidal abril de 1967. Situa-se na avenida Vicente Ferreira, 152 no Bairro Tangará, sua capacidade máxima é de 19.800 pessoas e suas dimensões são de 105 x 68 metros.

44


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

ESPORTES EM DESTAK Brava Gente Mariliense

45


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

ESPORTES EM DESTAK Brava Gente Mariliense

46


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

ESPORTES EM DESTAK Brava Gente Mariliense

47


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

ESPORTES EM DESTAK Brava Gente Mariliense

48


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

ESPORTES EM DESTAK Brava Gente Mariliense

oficial de abertura da 62ªdeedição dosno Jogos Regionais da 7ª Região Esportiva do Estado de São Paulo Jogos Cerimônia do varzeano estreiam novo banco reservas Monstrinho

49


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

EXAMAR SAM - Sociedade Agropecuária de Marília

Recinto de Leilão

50


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

Parabéns Marília Pelos 90 anos de emancipação Politica

51


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

C.F.C. AUTO ESCOLA JD “Aqui a Teoria Funciona na Prática”

Fundada em 18/02/2005 pelo casal Diana e Jefferson de Freitas Moreira, o J D Centro de Formação de Condutores na Categoria “A”, é conhecida não só pela formação de excelentes condutores, mas também porque é a única da cidade que presta o serviço de orientação e acompanhamento do condutor no processo de reciclagem, sem cobrar nenhum valor adicional para isso. Sempre preocupados em ajudar os alunos, seja no ensino, ou até mesmo na condição de pagamento das aulas. Jefferson, que possui mais de 20 anos de experiência como instrutor, sabe como ajudar os alunos sem causar problemas na hora de aprender e também na hora da avaliação final. No setor administrativo da empresa conta com ajuda da sua esposa Diana que dá o andamento na parte burocrática, respeitado as normas com muita responsabilidade.

Além disso a empresária sempre busca a qualidade e a excelência afim de preparar seus alunos para todas as situações. A empresa conta com uma equipe de instrutores qualificados preocupados em ajudar sempre procurando atender as necessidades do aluno por meio de um atendimento humanizado, e tem como lema o compromisso de ensinar como a teoria funciona na prática. Fonte: da Editoria Local

52


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

BRITU'S MAGAZINE “Uma Verdadeira Família, Não Apenas Uma Empresa”

No início de 2005 o Srº Amadeu de Brito, após observar uma sobrinha que vendia lingerie e recebia por comissão, logo memorizou que ele também poderia fazer o mesmo só que de maneira diferente. Após fazer um bico como pedreiro recebeu R$500,00 e foi a São Paulo, onde comprou roupas e juntamente com sua esposa Marilene, vendeu rapidinho e continuou comprando e vendendo por inúmeras vezes sempre reaplicando o dinheiro em mercadoria, atraiu vários clientes no bairro, depois com porta-malas cheio expandiu seu negócios por toda Marilia e nas cidades circunvizinhas. Quando já tinha um estoque que não mais cabia no porta-malas do Santana Amadeu colocou algumas gôndolas em sua própria sala e a esposa apresentava às visitas e vizinhos. No início de 2009 Amadeu regularizou seu negócio abrindo a Brito Magazine e instalou na sua garagem com um manequim apenas e prateleiras usadas. Fez um empréstimo na Caixa e ele mesmo juntamente com seu Filho Mateus iniciou a construição de uma loja ao lado de sua casa. Amadeu, sua esposa e filhos se prepararam no SEBRAE com vários cursos, pesquisou a necessidade da comunidade e inaugurou a loja muito bonita com produtos e serviços bem diversificado com muito sucesso. Após três anos montou uma filial, que também já tem obtido resultado bastante satisfatório. Amadeu trabalha com a esposa e seus filhos e emprega mais três famílias. Sempre preocupado em atender bem seus clientes esta investindo na melhoria de suas lojas, comprou computadores e impressoras modernas e tem o projeto de construir um pavimento superior para vender roupas, calçados, perfumes e bijuterias. ‘’Na Loja do Amadeu, nossa maior satisfação é poder servir bem‘’.

53


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O Melhor de Marília é o Mariliense

54


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O Melhor de Marília é o Mariliense

55


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O Melhor de Marília é o Mariliense

56


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O Melhor de Marília é o Mariliense

57


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O Melhor de Marília é o Mariliense

58


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O Melhor de Marília é o Mariliense

59


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O Melhor de Marília é o Mariliense

60


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O Melhor de Marília é o Mariliense

61


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O Melhor de Marília é o Mariliense

62


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O Melhor de Marília é o Mariliense

63


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O Melhor de Marília é o Mariliense

64


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O Melhor de Marília é o Mariliense

65


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O Melhor de Marília é o Mariliense

66


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O Melhor de Marília é o Mariliense

67


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O Melhor de Marília é o Mariliense

68


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O Melhor de Marília é o Mariliense

69


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O Melhor de Marília é o Mariliense

70


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

Dica de Beleza Cuidados com o seu Corpo - Sua Pele

71


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

Parabéns Marília Pelos 90 anos de emancipação Politica

72


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

10 DICAS PARA AUMENTAR A EXPECTATIVA E QUALIDADE DE VIDA DO SEU PET 1. INCENTIVAR CONSUMO DE ÁGUA: A água é indispensável para um excelente funcionamento do organismo, ela representa um dos principais constituintes do corpo, sua ingestão melhora o funcionamento do intestino, protege a função renal e cardíaca, e aumenta resistência física. É recomendado sempre água filtrada e fresca. 2. CHECK-UP PERIÓDICOS: Na consulta de rotina o Médico Veterinário realiza avaliação clínica e laboratorial, para detectar com antecedência diversas alterações e assim garantir a detecção precoce de doenças. 3. PREVENÇÃO DE DOENÇAS: Fique atento para manter em dia as VACINAS E VERMÍFUGOS, sem deixar de lado o controle de pulgas, carrapatos e mosquitos. Esse cuidado pode evitar doenças graves e que são zoonoses, garantindo a saúde do pet e da família. 4. ALIMENTAÇÃO: A saúde é reflexo da boa alimentação que lhe é proporcionada. Eles necessitam de uma alimentação com alto valor nutricional e balanceada (de preferência aos alimentos Super Premium), sendo fundamental a importância da escolha de uma ração de qualidade e sempre associar o alimento úmido. Para realizar uma boa escolha, fique atento às exigências de cada espécie (cães e gatos), além da idade, porte, nível de atividade física. 5. MEU QUERIDO SOL: Cães e gatos aproveitam qualquer oportunidade para se deitarem ao sol, eles estão em busca de aproveitar os benefícios da VITAMINA D, que auxilia no aproveitamento de fósforo e cálcio, deixando os ossos mais fortes. Porém, é importante ficar atento aos horários e tempo de exposição, para evitar o câncer de pele ou até mesmo queimaduras, o uso de protetores solares específicos já é uma realidade no mundo pet. 6. ATIVIDADE FÍSICA: Que tal unir o útil ao agradável e fazer uma caminhada ou corrida diária? Isto gasta a energia do seu cão (e a sua!), evita o sobrepeso e ainda aumenta o laço entre vocês, para felinos estimule o exercício através de brincadeiras. É importante respeitar os limites do pet, e ter cuidado com dias muito quentes ou esforço excessivo. 7. CASTRAÇÃO: Esse ato de Amor é um procedimento minimamente invasivo com baixo risco em relação aos inúmeros benefícios. Pode prevenir câncer de mama e próstata, além de evitar alterações comportamentais e ser ponto chave para o controle de natalidade. 8. SORRISO SAUDÁVEL: O cuidado dos dentes pode evitar diversas doenças que estão associadas a Doença Periodontal. É necessário criar uma rotina de escovação, ficar atento aos alimentos e petiscos adequados, brinquedos que auxiliam, e quando necessário limpeza dentária cirúrgica. 9. IDENTIFICAÇÃO DEFINITIVA: O método mais seguro e eficaz para identificar o seu pet. A aplicação do microchip é simples e segura, ela é inviolável e garante a identificação em casos de fuga ou roubo, seu pet sempre vai poder encontrar o caminho de volta para casa. 10. AMOR, CARINHO E RESPEITO: “Aqueles que dão tudo sem pedir nada. Pois frente ao poder do homem, são indefesos. Eternas crianças, não sabem nem de ódios nem de guerras. Porque se fazem entender sem palavras, porque seu olhar é puro como sua alma. Porque não conhecem o dinheiro, nem inveja e nem rancores, porque o perdão é algo natural neles. Porque sabem amar com lealdade e fidelidade. Não compram amor, simplesmente o esperam... Por isso e mil coisas mais, eles merecem o nosso amor”. Se aprendermos a amá-los como eles merecem, vamos estar mais perto de Deus” Madre Teresa de Calcutá.

73


• EDIÇÃO 50 • ANO 10 •

• ABRIL DE 2019 •

Parabéns Marília Pelos 90 anos de emancipação Politica

74


Profile for Revista Destak do Paraná

Edição 50 Marília  

Revista Destak

Edição 50 Marília  

Revista Destak