Page 1

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA EDIÇÃO 47 - ANO 9 - FEVEREIRO 2018

‘‘Testemunha da história’’

CORNÉLIO PROCÓPIO ANOS

1938 2018


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

Carta aos Leitores Circulação

Após desfrutar do enorme sucesso alcançado em nossas edições anteriores, elaborar a edição especial de Cornélio Procópio foi um grande e prazeroso desafio. Falar de Cornélio Procópio sem demonstrar preconceitos e nem crenças pessoais, esclarecendo, formando e informando, foi nossa meta ao escrever cada linha desta edição, que traz como tema principal a história deste importante município que tanto representa para o Paraná e o Brasil. Nossos agradecimentos aos colaboradores não mediram esforços para que fizéssemos um trabalho sério e competente. Agradecemos também aos nossos patrocinadores que acreditaram no sucesso da Revista Destak do Paraná. Finalizando: É com grande prazer que convido a todos para um mergulho nas páginas seguintes. Uma ó ma leitura a todos! O Editor.

Gratuita e dirigida aos empresários patrocinadores do comércio local, escolas, sindicatos, coopera vas, órgãos públicos e associações comerciais.

Expediente

Diretor Geral: Paulo R. Jorge Comercial: 43 8813 1611 (Claro) | 43 9638 9020 (Tim) Projeto gráfico: Vidatech Impressão: Idealiza Gráfica e Editora Tiragem limitada. Revista Destak do Paraná CNPJ Nº 12.317.948/0001-54 e CMC nº 179220-2 Email: redestak@hotmail.com Av Leste Oeste, 882 - 1 Andar Londrina - PR

Agradecimentos Prefeitura do Município de Cornélio Procópio, Departamento de Comunicação, Biblioteca

As opiniões e ar gos assinados não apresentam necessariamente a opinião da revista, sendo de total responsabilidade de seus autores.

03


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

CORNÉLIO PROCÓPIO E SUAS ORIGENS A Colonização do Norte do Paraná

A colonização do Norte Pioneiro teve impulso entre o final dos séculos XIX e o início do século XX, mais precisamente entre os anos de 1 904 e 1 908, quando os ingleses e os portugueses concluíram a construção da Estrada de Ferro Sorocabana, que par a do Porto de Santos e chegava até a cidade de Ourinhos na divisa com o Paraná. Intrépidos homens vindos contratados, principalmente dos Estados de São Paulo e de Minas Gerais para o trabalho braçal, ao

final ficaram encantados com as terras férteis da região e muitos acabaram ficando e fixaram residência ao longo dos rios com as suas famílias entre os índios Caingangues que habitavam a região, dando início a formação de pequenas e grandes fazendas, com a derrubada da floresta para a plantação do café. Com o advento da Primeira Grande Guerra Mundial, o governo brasileiro promoveu a abertura dos portos às nações amigas, dando o pontapé inicial para a chegada dos

04


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

CORNÉLIO PROCÓPIO E SUAS ORIGENS A Colonização do Norte do Paraná

imigrantes europeus vindos fugidos da carnificina. No início não foi nada fácil a adaptação dos imigrantes estrangeiros diante das adversidades encontradas como a temperatura adversa e o despreparo para conviver com as condições da floresta tropical, repleta de insetos causadores de graves doenças silvestres que dizimaram famílias inteiras. E para piorar, o País vivia um conflito polí co interno o que dificultava ainda mais o transporte de

cargas e escoamento das mercadorias. A Freguesia que possuía uma população pobre e dispersa, vivia basicamente de uma agricultura de subsistência até a chegada da Estrada de Ferro. O crescimento econômico aliado com a polí ca de colonização adotada pelo Governo Imperial a par r da segunda metade do século XIX, contribuiu decisivamente para a colonização do Norte Paranaense.

Derrubada da Floresta Nativa, para a construção da E. F.S.P.P. em 1 929

05


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

Fundação do Município De Vila à Distrito

da estação do KM 125 que após este Em 1 923, liderados por Antônio Barbosa episódio passou a ser chamada Ferraz, um grupo de fazendeiros decidiram simplesmente de Cornélio Procópio. estender a estrada de ferro até a cidade de Cambará dando o impulso necessário para a Foi devido às divergências polí cas da colonização do chamado “Norte Velho” ou época, incluindo as várias invasões das suas “Norte Pioneiro”. Em 1 930, quando foi terras, que Francisco Junqueira e sua esposa inaugurada a Estação se viram impossibilitados de efetuarem o do KM 125, com loteamento planejado incialmente para a destaque pela visita formação da cidade. do então Príncipe de Sómente em 1 933 Gales e futuro Rei da durante o governo de Inglaterra, que foi Manoel Ribas, através regada com uma do empenho formado grande recepção por uma comissão àquela tão importante encabeçada por figura da época. O Antônio Paiva Junior e então dono destas Francisco Moreira da Estação de Cornélio, an ga “KM 125” terras, o Sr. Francisco Costa que a da Cunha Junqueira, emancipação do um polí co renomado e casado com Mariana município ganhou força e se tornou Balbina Procópio, uma das filhas do Coronel irreversível. Até 1 936, Cornélio Procópio Cornélio Procópio de Araújo, que foi uma era um Patrimônio de Cambará, conhecido figura de destaque durante o Império e que como “Kilômetro 125”, quando então passou faleceu em 1 909, em homenagem ao sogro a ser Distrito Judiciário de Bandeirantes até o ilustre, colocou o seu nome como o Patrono mês de janeiro de 1.938.

06


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

EMANCIPAÇÃO POLÍTICA-ADMINISTRATIVA De Distrito à Cidade Foi com o empenho de uma comissão cons tuída por Júlio Mariucci, Américo Ugolini, Benjamin So o Maior, Oscar Dantas, José Tavares Paiva, Francisco Lacerda Junior, Augusto Sícoli, Vitorino Gomes Henriques, Roberto Rocha Leão, Floriano Landgraf entre outros, que o município foi criado juntamente com a Comarca transferida de Jacarezinho quando foi solenemente instalada no dia 15 de fevereiro de 1 938, através de um Decreto Lei assinado pelo Sr. Manuel Ribas, então Interventor do Estado. A agricultura foi a a vidade preponderante desde a origem do município até as décadas de 1 950 e 1 960, tendo o café como carro-chefe. Pelos seus milhões de cafeeiros e pela alta produ vidade das suas lavouras que alcançavam até 200 sacas de café em coco por cada mil pés de café, o município teve repercussão nacional quando passou a ser chamada de a “Capital Mundial do Café”, antes do desmembramento de seus an gos Distritos, perdendo esse tulo a seguir para a cidade de Londrina. A par r dos anos de 1 950, com a decadência da cafeicultura devido a fatores climá cos, e outros de ordem polí cas e sociais, provocou o exôdo rural, tanto para novas frentes pioneiras como em direção as periferias. Após a década de 1 960, o município perdeu 30% da sua população rural e a cidade inchou ao invés de crescer, pois a sua população dobrou nas periferias com o surgimento de favelas. Essa brusca inversão causou a desorganização social, aumentando os

encargos públicos causando a necessidade da ampliação da sua estrutura sócio-econômica. Os serviços de água e esgotos, a rede elétrica, as escolas, as habitações, os órgãos de assistência sanitária e social e até o mercado de trabalho eram insuficientes para atender a demanda. Houve um período de estagnação, no qual o poder público teve que empreender grandes esforços para a adequação da estrutura urbana às necessidades sociais da época. Com o fim da monocultura a economia agrícola adquiriu uma nova configuração. A policultura: do algodão, do feijão, do milho, além de terem subs tuído o café, trouxe também a figura do “bóia-fria”, até que veio a soja que deu nova caracterís ca a nossa economia agrícola. A par r da década de 1 970, Cornélio Procópio passou a depender menos da sua agricultura onde os pequenos proprietários comercializavam a sua própria produção, passando para o modelo agroindustrial. Implantou a Cia de Café Iguaçu de Café Soluvel, a Kanebo Silk do Brasil, a Ducci S/A e daí surgiram as grandes coopera vas agrícolas e diversas indústrias de móveis e de estruturas metálicas, além de mul variadas microempresas que enriqueceram o setores secundários e terciários da economia procopense. Em meados da década de 1 980, os seus recursos e equipamentos sociais, fizeram-no se destacar como o primeiro município do Paraná e o quarto no Brasil entre os municípios de maior potencial econômico.

07


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

ETIMOLOGIA A Origem do Nome da Cidade

O nome inicial da cidade era Kilômetro 125, quando ainda era apenas um pequeno Patrimônio do município de Cambará, e con nuou depois quando passou a pertencer à Bandeirantes já na categoria de Distrito Judiciário até o ano de 1 930. Com a chegada da estrada de ferro e a construção da estação, o então proprietário destas terras, o Sr. Francisco da Cunha Junqueira, querendo homenagear seu sogro que fora uma figura importante durante o Império, deu o nome do Coronel Cornélio Procópio de Araújo Carvalho como “Patrono” da estação do Km.125. Nome esse que foi simplificado para Cornélio Procópio e permaneceu após a emancipação-polí ca-administra va, até os dias de hoje, como homenagem a esta tão ilustre figura.

Coronel Cornélio Procópio de Araújo Carvalho

08


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

A COLONIZAÇÃO ESTRANGEIRA Uma Parceria de Sucesso

O Brasil desde a sua descoberta pelos portugueses, foi um País colonizado por estrangeiros a começar pelos africanos vindos de várias partes daquele con nente, que se juntaram aos na vos para o trabalho escravo. Entretanto após o advento da Lei Áurea, que libertou os escravos Família dos Alemães do trabalho ca vo, o Governo Imperial passou a es mular a vinda de estrangeiros para ocupar as vagas ociosas em todas as frentes de trabalho. Com o advento das grandes guerras mundiais o Governo promoveu a abertura dos portos, o que es mulou a vinda de diversos povos de várias etnias vindos de todas as partes

do globo terrestre. Este fato contribuiu de forma defini va para a chegada de trabalhadores com mão de obra especializadas, como artesões oriundos da Europa: os alemães, poloneses, ucranianos, italianos e os espanhóis. Também vieram da Ásia os japoneses que trouxeram novas técnicas de plan o e muito contribuíra m para o desenvolvi mento da nossa região. Aos poucos foram chegando outras famílias de outros con nentes e de outras regiões do Brasil, que se juntaram e transformaram aquela pequena comunidade em uma cidade que hoje é exemplo e orgulho para o Paraná e o Brasil.

09


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

Café O Ouro Verde

O café é uma planta originária da E ópia Central e entrou no Brasil pelas mãos de comerciante português chamado Mello Palheta, que plantou algumas mudas no fundo de seu quintal em Belém do Pará no ano de 1 727. Dali em diante o café percorreu todo o litoral brasileiro, sempre em pequenas plantações para o consumo da casa, depois passou a ser vendido nas quitandas e vendas até virar a bebida da moda na Europa e no Novo Mundo. No século seguinte já havia grandes plantações no Espírito Santo e em Minas Gerais de onde se espalhou para o Estado de São Paulo. Em 1 850, o café já era o primeiro produto de exportação do País. Os fazendeiros enriqueciam e como consequência desmatavam mais para a abertura de novas fazendas, também compravam

mais escravos para o trabalho na terra. Porém, com a edição da Lei Áurea e a consequente libertação dos escravos, abriu o caminho para a chegada dos estrangeiros europeus que deram o impulso para a nova onda do progresso. O cafezal que levava até quatro anos para a primeira colheita, com as novas técnicas aplicadas pelos imigrantes japoneses, nas terras roxas do Paraná alcançaram altos índices de produ vidade. As primeiras colheitas confirmaram a expecta va do “Ouro Verde”, e o Norte Paranaense passou a bater todos os recordes na produ vidade, enriquecendo os produtores e contribuindo defini vamente para o desenvolvimento da nossa cidade. Fonte Site da Prefeitura Municipal .

10


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

Café O Ouro Verde

Saca de café tipo exportação

11


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

A ESTRADA DE FERRO A Locomotiva do Progresso Maria Fumaça

Em 1 924, a malha ferroviária do País atendia tão somente a região sudeste a principal produtora de café. A linha mais conhecida, a Sorocabana, só chegava até Ourinhos na divisa com o Estado do Paraná. Logo após terem adquirido suas terras os ingleses da Cia. Brazil Planta ons

Sindicate Co. Logo tratou de prolongar a estrada até suas terras, o que foi feito em duas etapas. Na primeira etapa chegava até a cidade de Cambará, e depois foi prolongada até Apucarana de onde par a o ramal que seguia em direção à cidade de Maringá. Enquanto a estrada seguia rumo

12


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

A Maria Fumaça A Locomotiva do Progresso

à Capital, para depois romper as barreiras naturais até seu des no final no an go Porto de Paranaguá e Antonina, exportando as nossas riquezas e importando o inevitável progresso trazidos do velho mundo. A Maria Fumaça: Os trilhos rasgavam a floresta feito um rio e desaguava em uma grande clareira no centro do povoado, de onde fora derrubado a mata na va, para construir a Estação e o armazém da Estrada de Ferro. Toda a atenção do povo estava concentrado na ferrovia. Veio o grande dia, e com ele os convidados de honra para a inauguração. Perto da hora marcada apontou na longa reta uma locomo va, que trazia à frente uma bandeira nacional.

Na plataforma da estação, as autoridades e os convidados aguardavam eufóricos e ansiosos a chegada do trem de passageiros e do seu condutor. Entre o tanger dos sinos, dos fogos e os apitos do trem que soltava fumaça, ouviu-se a saudação de uma afinada banda marcial que, após as saudações entusiasmadas executou o hino nacional. O discurso incisivo da autoridade local dizia aos ouvintes que: “...se quiserem progredir, vençam pelo seu próprio trabalho e perseverança, não fiquem esperando promessas e tão pouco ajuda...”. De fato, a história da cidade seguiu paralela àquele discurso. Foi grande o impulso trazido pelo trem. Fonte: Da Editoria Local.

13


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

GALERIA DE PREFEITOS

Dr. Francisco Ferreira Pimpão 06-03-1941 a 21-11-1944

Dr. Emilio Humberto Carazzai

Anfrísio Fonseca de Siqueira

23-11-1944 a 20-11-1945 24-06-1946 a 23-10-1946

20-11-1945 a 23-03-1946

Dr. Francisco Lacerda Junior 15-02-1938 a 03-02-1939 25-11-1947 a 25-11-1951

Dr. Paulo Pimenta Montans 21-11-1959 a 23-01-1963

Pedro Mariucci 21-11-1951 a 29-01-1955

Dr. Reinaldo Carazzai 25-11-1955 a 25-11-1959 Sr. Osvaldo Seixas de Queiros 21-01-1955 a 25-11-1955 23-11-1963 a 25-11-1963

Rolando Demetrio Marussi 01-02-1969 a 31-01-1973

Rosário Pitelli 25-11-1963 a 31-01-1969

14

Gino Azzolini 23-03-1946 a 24-06-1946

Nelson Katumi Miyamoto 01-02-1973 a 20-05-1976


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

GALERIA DE PREFEITOS

Michel Dib 20-05-1976 a 31-01-1977

Dr. Oswaldo Trevisan 01-02-1977 a 14-05-1982

Dr. Eduardo Lacerda Trevisan 01-01-1989 a 31-12-1992

Silvio Antonio Cunha 14-05-1982 a 31-01-1983

Dr. Luiz Marcio Pozzi 01-01-1993 a 31-12-1996

Hermes Rodrigues da Fonseca Filho 01-02-1983 a 31-12-1988

Anfrísio Fonseca de Siqueira 1997 a 2000 2001 a 2004

Amin José Hannouche 01-01-2005 a 31-12-2008 01-01-2009 a 31-12-2012

Complementaram mandatos: - Sr. Vanildo Sotero em 2012 - Dr. Rodrigo Marconsin em 2015 Frederico Carlos de Carvalho Alves 01-01-2013 a 31-12-2016

- Sra Aurora Fumie Doi em 2015

Amin José Hannouche 01-01-2017 a 31-12-2020

15


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

SÍMBOLOS DO MUNICÍPIO Hino, Bandeira e Brasão

Hino do município de Cornélio Procópio Letra: Á la Silveira Brasil Música: Rachel de P. Rodrigues Graciano

A terra chamando, apitos de trem. matas derrubando, pioneiro que vem. Sementes plantando, llavoura crescendo, cidade nascendo e a glória brotando. Cornélio Procópio, na tua pujança, és caleidoscópio de amor e esperança! Florada bendita cobriu as colinas, da terra inaudita, de um branco vivaz! E o povo audacioso, no solo precioso, gravou as divinas legendas de paz!

Cornélio Procópio, na tua pujança, és caleidoscópio de amor e esperança!

Se azul é bonança, sinais amarelos são nobres anelos de um povo que avança!

No verde lençol há frutos pequenos, maduros serenos, radiosos ao sol. Do vermelho puro nasceu chama ardente que tão brava gente conduz ao futuro.

Cornélio Procópio, na tua pujança, és caleidoscópio de amor e esperança!

Cornélio Procópio, na tua pujança, és caleidoscópio de amor e esperança! O céu que estrelado reflete beleza, é espelho turquesa de ouro cravado!

16

Tem pinha madura que gralha azul planta Paraná que canta, «Cornélio é cultura» Contempla o Brasil O Cristo do Monte do áureo horizonte Da terra gentil!


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

SÍMBOLOS DO MUNICÍPIO Hino, Bandeira e Brasão

Bandeira de Cornélio Procópio

Brasão de Cornélio Procópio

Descri vo: Oitavada de azul, com um retângulo branco central onde se aplica o brasão de armas do município, e de onde partem oito faixas brancas, separando as oitavas, carregadas de outra faixa amarela e vincada de negro. As dimensões da bandeira municipal de Cornélio Procópio seguem os padrões oficiais da bandeira nacional, considerando-se nove módulos de altura por treze de comprimento; o retângulo central terá três módulos de altura por quatro de comprimento; as faixas terão dois terços de módulo de largura, dividida em cinco partes iguais para cons tuir a sobre-faixa e o vinco. Simbologia: De conformidade com a tradição da heráldica portuguesa, da qual herdamos os cânones e regras, as bandeiras de cidades são oitavadas, com o brasão no centro, indicando a expansão do poder (representado pelo Brasão) a todos os quadrantes do Território Municipal. As cores são as mesmas constantes do campo do escudo. O azul simboliza nobreza, constância, perseverança, zelo e lealdade. O branco simboliza a paz, prosperidade, trabalho eficaz e realizador. O amarelo, a riqueza, o mando, o esplendor e a força. O preto, a austeridade, prudência e vigilância.

17


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

ORGANIZAÇÃO POLÍTICA-Administrativa Dados e Índices Dados Gerais O município de Cornélio Procópio está localizado no Norte do Estado do Paraná, especificamente na Mesorregião Norte Pioneiro paranaense, é considerada a capital do Norte Pioneiro.

Gen lico: Procopense Prefeito: Amin Jose Hannouche (PSDB) (2017–2020)

Data de Aniversário 15 de fevereiro de 1938

Municípios limítrofes Leópolis, Santa Mariana, Bandeirantes, Santa Amélia, Aba á, Ribeirão do Pinhal, Nova Fá ma, Nova América da Colina e Uraí. Aproximadamente 450 Km de Curi ba, capital do Estado,

Vice: Angelica Carvalho Olchaneski de Mello

18


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

ASPÉCTOS GEOGRÁFICOS Características Gerais CIDADE DE CORNÉLIO PROCÓPIO A microrregião de Cornélio Procópio é uma das microrregiões do estado brasileiro do Paraná pertencente à mesorregião Norte Pioneiro Paranaense. Sua população foi es mada em 2014 pelo IBGE em 179.693 habitantes e está dividida em quatorze municípios. Foi assim ba zada em homenagem ao Coronel Cornélio Procópio de Araújo Carvalho, figura de destaque no Império durante o final do século XIX. O coronel foi o patrono da estação ferroviária do km 125, sendo este, o marco de toda a expansão econômica da região na qual está inserida a cidade.

CARACTERÍSTICAS GEOGRÁFICAS Área 635,1 km² [4] População 48 487 hab. Es ma va IBGE/2014 [5] Densidade 73,89 hab./km² Al tude 658 m Clima: Subtropical Cfa Fuso horário: UTC−3

19


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

Distrito de Congonhas O Posto Avançado do Município

Distrito de Congonhas em Cornélio Procópio

O distrito de Congonhas está vinculado ao município Cornélio Procópio que está localizado no estado Paraná-PR. Na divisão regional do IBGE este estado está localizado na Região Sul do Brasil e tem como capital a cidade Curi ba. Este distrito pertence à microrregião Cornélio Procópio e à mesorregião Norte Pioneiro Paranaense.

20


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

PARABÉNS CORNÉLIO PROCÓPIO Pelos 80 anos de Emancipação Política

21


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

PARABÉNS CORNÉLIO PROCÓPIO Pelos 80 anos de Emancipação Política

22


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

CATEDRAL DIOCESANA Padroeiro da cidade Cristo Rei

Construída em es lo Românico, teve a sua primeira missa rezada em 13 de junho de 1 948. A sua construção teve início em 31 de outubro de 1 943, no mesmo local onde anos antes havia sido lançada a sua pedra fundamental. Possui 6 00 m2 e capacidade para abrigar até 1 000 pessoas. Em sua nave principal encontra-se uma linda imagem do Cristo, esculpida em madeira de lei policromada com detalhes em ouro, além de outras imagens. Cenas da Via Sacra estão expostas em quadros confeccionados em

mosaicos bizan nos, e um carrilhão de sinos de bronze do século XIX anunciam as principais celebrações religiosas. Nas duas naves laterais também existem quadros com as mesmas caracterís cas e com a ascensão do Cristo Rei, o Padroeiro da Cidade.

23


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

PADROEIRO DO MUNICÍPIO Cristo Rei

Cristo Rei - Padroeiro do Município

A estátua do Cristo Rei, o cartão postal do município possui uma visão panorâmica e um dos pontos mais visitados da cidade, foi iniciado em 1 957 e entregue um ano depois em 1 958, durante o governo do Dr. Reinaldo Carazzai e foi esculpida pelo ar sta paulista o Sr. Arlindo Castelani de Carli.

Com altura de 9,00m a estátua foi confeccionada em bronze e assentada em um pedestal em cimento armado de 14,80m perfazendo um total de 23,80 metros de altura, ela segue sendo considerada a maior Estátua Sacra de Bronze da América La na, pesando um total es mado em 3 000Kg.

24


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

EXTIRPE PROCOPENSE NOSSAS Origens

25


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

EXTIRPE PROCOPENSE NOSSAS Origens

26


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

TUNEL DO TEMPO Revivendo o passado

27


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

TUNEL DO TEMPO Revivendo o passado

28


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

Cornélio Procópio HOJE 8O Anos da sua Emancipação Política

Vista aérea de Cornélio Procópio

29


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

Comércio e Indústria A Capital do Norte Pioneiro

Calçadão de Cornélio Procópio

30


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

Comércio e Indústria A Capital do Norte Pioneiro

Aeroporto de Cornélio Procópio

31


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

Turismo Cultura e Lazer Nossas Festas

Monumento “Cristo Rei”: Com uma excepcional vista panorâmica da cidade, é o cartão de visitas da cidade. Considerada a Maior Obra de Arte Sacra em Bronze da América La na, é uma estátua com 9m de altura que está assentada em um pedestal de cimento armado com mais 14,80m perfazendo um total de 23,80m de altura. A construção do monumento desenhado e esculpido pelo ar sta paulista Arlindo Castelani de Carli, teve início em 1 957 e terminou em 1 958 durante a gestão do então Prefeito Dr. Reinaldo Carazzai. Museu de História “Natural Mozart de

Oliveira Vallin”: Localizado no prédio da an ga Estação Ferroviária, edi cio considerado um marco histórico da cidade, possui o maior acervo de animais taxidermizados da América do Sul. Animais dos cinco con nentes e de todos os ecossistemas, além de grande acervo de arqueologia, antropologia e entomologia. Catedral Cristo Rei: Com arquitetura em es lo Românico, sua construção teve início em 1 943 e foi concluída em maio de 1 948. Possui 600 m2 e abriga

32


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

Turismo Cultura e Lazer Nossas Festas

Bosque Municipal: “Manoel Júlio de Almeida”: Criado em 1 967, fazia parte da mata estacional semidecidual que ocupava todo o Norte do Paraná. Hoje é um pequeno remanescente desse valioso ecossistema localizado no perímetro urbano da cidade, onde pode serem vistas várias espécimes da nossa rica fauna e flora.

1 000 pessoas. Em sua nave principal encontra-se uma estátua do Cristo Rei em madeira Policromada com detalhes em ouro. Cenas da Via Sacra estão expostas em quadros confeccionados em mo vos bizan nos nas naves laterais. Um carrilhão de sinos de bronze do século XIX, anuncia as celebrações religiosas. Santuário “Mãe de Schoensta ”: Santuário da Mãe Rainha Admirável de Schoensta . Cornélio Procópio é a 15 cidade a nível internacional, e a 4 cidade do Estado a ser agraciada com a construção de seu Santuário. A Capela e o Altar são réplicas idên cas as de Schoensta na Alemanha.

Mata Estadual “São Francisco“ – A mata é uma APA-Área de Preservação Ambiental com 832,57 hectares, formada pela floresta remanescente da Mata Atlân ca e possui uma trilha de 1 600mts, lanchonete e sanitários. Com o Portal da entrada localizada na BR 369, distante 4 km da sede do município.

33


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

ESPORTES EM DESTAK “Brava Gente Procopense”

Atletas saem para a Prova Pedestre

Copa Oswaldo Bernardes

34


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

ESPORTES EM DESTAK “Brava Gente Procopense”

Jogos Abertos

Atletas da Escola Municipal de Educação Especial Procopense

Cornélio Procópio sedia campeonato Paranaense de judô

35


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O melhor de Cornélio Procópio é o Procopense

36


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O melhor de Cornélio Procópio é o Procopense

37


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O melhor de Cornélio Procópio é o Procopense

38


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O melhor de Cornélio Procópio é o Procopense

39


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O melhor de Cornélio Procópio é o Procopense

40


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O melhor de Cornélio Procópio é o Procopense

41


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O melhor de Cornélio Procópio é o Procopense

42


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

NOSSA TERRA, NOSSA GENTE O melhor de Cornélio Procópio é o Procopense

43


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

DICA DE BELEZA Acabe com a Celulite!

Calma, pois a celulite a nge 99% das mulheres! Mas como podemos melhorá-la, além de procurarmos tratamentos esté cos modernos com profissionais excelentes? - Evitando o estresse (controlando o hormônio Cor sol) - Usando an glicantes orais, que ajudam a manter a sustentação do colágeno. -Hidratando a pele com ácido hialurônico, uréia e/ou d´pantenol. -Evitando an bió cos, cor sona ou laxantes, e uso abusivo de álcool para não instalar disbiose intes nal (desequilíbrio da flora bacteriana). -Es mulando serotonina; Como? * Ingerindo carnes magras, ovos, nozes e sementes.

* Fazendo uma massagem relaxante, pois reduz 30% do cor sol (hormônio diretamente ligado ao estresse) *Consumindo vitaminas do complexo B (B12 e B6) e complexo C. *Adicionando Magnésio em sua dieta! *Meditando (pois o bem-estar trazido por ela, reduz a inflamação desnecessária do corpo). *Ingerir muita água! Seguindo essas dicas, a profissional da esté ca consegue trabalhar com uma resposta melhor e mais rápida. Nesta disfunção corporal, os métodos ortomoleculares são o que temos de mais avançado em questão de absorção de a vos; E associado à eletroterapia, “os furinhos” pra camente desaparecem. Lais Haring Marochi, Este cista e Cosmetóloga, especializada em tratamentos ortomoleculares faciais e corporais. Cer ficada internacionalmente em tratamentos com DNA tecnológico em disfunções corporais. Atualizada em tecnologias farmacêu cas aplicadas à cosmé cos.

44


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

Saúde do corpo e da mente Acupultura

Isso mostra claramente a relação direta entre corpo e mente. Apesar da psicologia moderna trazer essa forma de enxergar o ser humano como algo revolucionário, onde corpo e mente interagem para manter o equilíbrio do organismo, a Medicina Tradicional Chinesa e a Acupuntura já tratam o ser humano desta forma há mais de 4000 anos. Sintomas como Dores em geral, enxaquecas, ansiedade, depressão, estresse, insônia, dentre outros podem ser tratados sa sfatoriamente com Acupuntura. Dessa forma, em qualquer uma das situações, probelmas fisicos e emocionais, a M e d i c i n a Tr a d i c i o n a l C h i n e s a e a Acupuntura são ó mos recursos terapêu cos para qualquer pessoa, de qualquer idade, pois com o tratamento, corpo e mente são equilibrados e com isso a qualidade de vida melhora, a alegria de viver se acentua e a pessoa vive de forma mais equilibrada e saudável.

Na visão da Medicina Tradicional Chinesa e da Acupuntura, corpo e mente não são separados e funcionam de uma maneira integral. Formando assim o que chamamos de Organismo. Quando estamos com algum problema emocional, certamente isso se manifesta em nosso corpo. Tomemos como exemplo uma pessoa que está infeliz com um emprego ou com um relacionamento. É muito provável que esta pessoa comece a ter algum sinal de desequilíbrio. Esse desequilibrio pode se manifestar como um problema digestório (gastrite, refluxo, má digestão). Dessa forma fica claro que o emocional alterado gera consequências sicas. O contrário também é verdadeiro, ou seja, quando o corpo não está bem, nosso emocional se abala. Por exemplo, uma pessoa que sofre um acidente e não pode andar por alguns meses, provavelmente comeará a sen r o humor d ep rim id o, d es â n im o p a ra rea liza r a vidades dentre outros sintomas.

Por Bruno Haring Marochi

BRUNO HARING MAROCHI é graduado em Psicologia pela Universidade Estadual de Londrina e em Administração pela Faculdade Pitágoras. É pós-graduado e professor de Acupuntura pela Associação Brasileira de Acupuntura. É Shiatsu-terapeuta e Fitoterapeuta. Atende de na Clínica Acupsi, a Rua Alagoas, n° 853ª, em Cornélio Procópio – PR, no telefone (43) 35234770.

45


EDIÇÃO 47 • ANO 9 • FEVEREIRO DE 2018

CRIANÇAS DESAPARECIDAS NO PARANÁ sicride

46


Profile for Revista Destak do Paraná

Edição 47 Cornélio Procópio  

Revista Destak

Edição 47 Cornélio Procópio  

Revista Destak

Advertisement