Page 45

SETEMBRO A NOVEMBRO

O QUE É MICROCEFALIA? Quando o cérebro e o tamanho da cabeça do bebê são menores do que a média para sua idade e sexo, diz-se que ele nasceu com uma condição denominada microcefalia. A Organização Mundial de Saúde considera 32 cm como medida padrão mínima para um recém-nascido. Algumas das causas do crescimento menor que a média podem ser a diminuição do oxigênio durante o desenvolvimento fetal; a ocorrência de rubéola ou toxoplasmose na gravidez; desnutrição grave da mãe ou ainda a ingestão de álcool ou drogas. Além desses fatores, algumas doenças genéticas podem ter como consequência a microcefalia, como as síndromes de Lejeune e Down. Desde o surto de microcefalia por zika, em 2015, cientistas têm buscado determinar a correlação entre o vírus transmitido pelo Aedes aegypti e as anomalias encontradas em bebês. Até agora, os estudos indicam que o vírus ataca as células cerebrais fetais, que são muito importantes também para o desenvolvimento do crânio da criança. Os três primeiros meses de gestação são os mais críticos. O vírus contraído pela mãe pode atravessar a placenta e acometer o tecido cerebral, desacelerando o crescimento dos neurônios e causando calcificação. A criança pode então apresentar malformação do sistema nervoso central, levando a várias sequelas. Os tratamentos para a microcefalia são multidisciplinares e dependem do nível de acometimento. Bebês podem necessitar de fisioterapia para ensinar os movimentos e fisioterapia respiratória para que possam respirar melhor; fonoaudiologia, se tiverem dificuldades para engolir; terapia ocupacional; neuropediatria, no caso de crises convulsivas; e nutricionista para ajudá-los a ter um bom peso.

D

urante os anos de 2015 e 2016, o Brasil foi duramente afetado pela síndrome congênita associada à infecção pelo vírus zika, que afetou milhares de famílias, principalmente mulheres grávidas e bebês, causando alterações congênitas. A chikungunya provocou 196 mortes em 2016, causando surpresa aos gestores da saúde e à comunidade científica, já que em outros países era considerada uma doença com baixa mortalidade. Em novembro de 2015, a infecção por zika foi declarada Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional, decorrente da alteração do padrão nos casos de microcefalia. Em seguida, o Ministério da Saúde estabeleceu o Plano Nacional de Enfrentamento ao Aedes e suas Consequências. O plano contém três grandes eixos relacionados ao cuidado: mobilização; combate ao vetor; desenvolvimento tecnológico, educação e pesquisa. Mais informações https://microhistorias.wixsite.com/microhistorias http://www.cabecaecoracao.com

45

Darcy Nº 20  
New
Advertisement