Page 1

revista do

Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 2º Região - Ano 6 - Número 13 - Abril de 2018.

2017: trabalho

comprovado em números Pág. 12

Foto: Designed by jcomp / Freepik

Conheça o trabalho da Fisioterapia e da Terapia Ocupacional no Into Pág. 6

Educação 100% a Distância na Saúde: um problema de todos Pág. 10


Sumário

Expediente

Entrevista: a conselheira Dra. Marisa Bacellar apresenta a Secretaria Especial de Processos Éticos-Disciplinares e AdministrativosDisciplinares do Crefito-2 (Seped)

REVISTA DO CREFITO-2 Publicação oficial do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 2ª Região. CREFITO-2

Pág. 4

Sede Rio de Janeiro – RJ Rua Félix da Cunha, 41, Tijuca, Rio de Janeiro – RJ. CEP: 20260-300 Telefone: (21) 2169-2169 E-mail: faleconosco@crefito2.org.br Subsede Sul Fluminense / Volta Redonda – RJ Rua 18-B, 43, Sala 405 – Edifício Centro Empresarial, Vila Santa Cecília, Volta Redonda – RJ. CEP: 27260-100. Telefone: (24) 3343-3930 E-mail: subsedevoltaredonda@crefito2.org.br Subsede Norte Fluminense / Campos dos Goytacazes – RJ Rua Alvarenga Filho, 114, Sala 607 – Condomínio CDT, Pelinca, Campos dos Goytacazes – RJ. CEP: 28035-125. Telefone: (22) 3025-2580 E-mail: subsedecampos@crefito2.org.br

Campu/Into: conheça o trabalho da Fisioterapia e da Terapia Ocupacional 

Horário de atendimento ao público Segunda a sexta-feira, das 9h às 16h.

Pág. 6

EaD na Saúde: um problema de todos

Pág. 10

Capa: Retrospectiva 2017 em números

Pág. 12

Crefito-2 amplia rede de Subsedes

Pág. 17

Série Memória: Especialidade em Gerontologia - uma conquista de muitos

Pág. 18

Eventos do Crefito-2

Pág. 20

Conheça as Câmaras Técnicas de Fisioterapia do Trabalho e Terapia Ocupacional em Pneumologia

Pág. 22

Ações e Representações

Pág. 23

Fique por dentro das principais notícias do Crefito-2 Cadastre-se para receber nossos Informativos ou atualize seus dados. www.crefito2.gov.br/cadastro.html

Site www.crefito2.gov.br Diretoria Presidente: Dra. Regina Maria de Figueirôa Vice-Presidente: Dr. Omar Luis Rocha da Silva Diretora Secretária: Dra. Isis Simões Menezes Diretor Tesoureiro: Dr. Robson de Jesus Pavão Conselheiros Efetivos Dr. Bruno Vilaça Ribeiro Dra. Isis Simões Menezes Dr. Jorge Luis da Silva Nascimento Dr. José Antunes da Fonseca Filho Dr. Omar Luis Rocha da Silva Dra. Paula Maria Passos dos Santos Dra. Regina Maria de Figueirôa Dr. Robson de Jesus Pavão Dra. Valéria Martins Quintão Rocha Conselheiros Suplentes Dra. Adalgisa Ieda Maiworm Bromerschenckel Dr. Edson Virginio Rodrigues Dra. Luciene Abreu Santos Dra. Marisa Bacellar Dr. Odir de Souza Carmo Dra. Patrícia Valesca Ferreira Chaves Dra. Renata Campos Velasque Dra. Sandra Maria da Silva Carneiro REVISTA DO CREFITO-2 Comissão Editorial Presidente: Dra. Regina Figueirôa Vice-presidente: Dr. Omar Luis Rocha da Silva Assessoria de Comunicação: Eneida Leão Teixeira (MTB 31710/ RJ e CONRERP 3089); Cláudia Marapodi (MTB JP 27197/RJ); e Sidonio Macedo Jr. (MTB JP 31856/RJ) Redação e Revisão: Assessoria de Comunicação Programação Visual: Cesar Buscacio Tiragem: 35 mil exemplares Periodicidade: quadrimestral Impressão: Marc Print Contato: comunicacao@crefito2.org.br Todo o conteúdo publicado nesta revista poderá ser reproduzido em parte ou integralmente, desde que a fonte seja citada.


Editorial

“A formação, totalmente, por EaD na Saúde é um grave atentado contra o povo brasileiro.”

A

presentamos aos nossos colegas fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais mais uma Revista do Crefito-2. Nossa décima terceira edição – e primeira do ano de 2018 –, como de costume, divulga o resultado de nossa atuação ao longo do ano anterior, que foi bastante intenso e permeado por muito trabalho administrativo, técnico e político em defesa da sociedade por meio da prestação de serviços com ética e qualidade nos campos assistenciais da Fisioterapia e da Terapia Ocupacional no Estado do Rio de Janeiro. Nossa matéria de capa comprova em números a ampliação constante do nosso trabalho nas diversas frentes de atuação. Em 2017, mantivemos nossa postura combativa em favor da Saúde Pública, dos cidadãos que dela necessitam diariamente e dos profissionais que sofrem com condições precárias de trabalho impostas por gestões questionáveis nas diversas esferas de governo.

Como órgão de controle social, participamos de debates e decisões ao lado de outros Conselhos profissionais e entidades da Saúde e assinamos uma declaração conjunta de estado de calamidade na saúde pública estadual no Rio de Janeiro, alertando a sociedade e as autoridades sobre os riscos impostos aos pacientes em virtude do sucateamento dos equipamentos e das condições de trabalho. Também manifestamos total apoio aos trabalhadores da saúde pública municipal do Rio de Janeiro e às suas reinvindicações por melhores condições de trabalho e respeito às diversas categoriais profissionais da área da Saúde. Outra importante luta na qual estamos inseridos é contra a abertura de cursos de graduação na área da Saúde de forma totalmente on-line, o chamado EaD – Ensino a Distância. Nossas Comissões de Assuntos Parlamentares (CAP), de Educação em Fisioterapia (CAF) e Educação em Terapia Ocupacional (Cato) estão atentas ao assunto e representando o Crefito-2 na luta contra o que acreditamos ser uma séria banalização das profissões e um risco à saúde dos futuros pacientes. Em reportagem especial nesta edição, denunciamos este gravíssimo fato que, ao que tudo indica, demonstra mais uma preocupação com o aumento da estatística de inscritos no ensino superior para divulgação em campanhas neste ano eleitoral do que a preocupação com a qualidade do atendimento por meio de uma formação sólida e confiável de profissionais que, muito em breve, terão sob sua responsabilidade as vidas de cidadãos que necessitam de prevenção a doenças, recuperação e atenção à saúde. A sociedade e os profissionais precisam ser alertados sobre este perigo. A formação, totalmente, por EaD na Saúde é um grave atentado contra o povo brasileiro. Em tempos de crises e escândalos, também abrimos espaço nas páginas desta publicação para valorizar quem se destaca pela atuação séria na Fisioterapia e na Terapia Ocupacional. O leitor vai conhecer o trabalho dos profissionais do Instituto Nacional de Ortopedia e Traumatologia Jamil Haddad (Into), que fazem a diferença na vida das pessoas atendidas no Setor de Reabilitação e dignificam suas profissões. E, em atenção aos anseios de nossos jurisdicionados, anunciamos também uma novidade que promete aproximar ainda mais o Conselho Regional dos profissionais e cidadãos: as novas Subsedes do Crefito-2 nas Regiões Serrana, dos Lagos e Baixada Fluminense. Os novos postos de atendimento já estão em fase de instalação nos municípios de Teresópolis, Cabo Frio e Nova Iguaçu e devem abrir suas portas ao público destas cidades e das regiões onde estão localizados, ainda no primeiro semestre de 2018. Os objetivos da ampliação da rede de Subsedes também são destaques nesta revista. Não podemos deixar de agradecer, pois tudo o que fizemos até aqui foi em conjunto. Nosso Colegiado, funcionários, assessores e parceiros são fundamentais para que o Crefito-2 siga seu propósito e conquiste seus objetivos. A cada um, estendo meus sinceros agradecimentos pela contribuição e dedicação por mais um ano. Aos nossos colegas jurisdicionados, representando todo o Conselho Regional, reafirmo nosso compromisso com uma gestão séria, competente, ética e transparente. Essa é nossa forma de trabalhar pela população e pelos fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais do Rio de Janeiro. Boa leitura!


Entrevista

À frente da Secretaria Especial de Processos Éticos-Disciplinares e AdministrativosDisciplinares do Crefito-2 (Seped), a conselheira Dra. Marisa Bacellar tem como responsabilidade liderar o setor cuja missão é uma das principais atribuições do Conselho Regional: atuar como Tribunal de Ética Profissional. Na entrevista a seguir, ela conta sobre os desafios impostos pelo fluxo dos processos éticos e administrativos e explica os bons resultados comprovados por meio das estatísticas de 2017.

4

 revista do CREFITO-2  Número 13  Abril de 2018

Qual o objetivo da criação da Secretaria Especial de Processos Éticos-Disciplinares e AdministrativosDisciplinares pelo Crefito-2? Dra. Marisa Bacellar: Para responder, recorro ao disposto pela Resolução Crefito-2 nº 57, de 26 de junho de 2017, que criou a Seped. O texto do documento cita a “necessidade de se criar uma estrutura para a condução da dinâmica administrativa dos processos”, sejam eles éticos ou administrativos-disciplinares, além de dar todo o apoio administrativo à Diretoria do Crefito-2. Também é papel da Secretaria o assessoramento técnico, em especial aos instrutores, defensores dativos, relatores, revisores, conselheiros, entre outros atores envolvidos, além do acompanhamento de todo o trabalho desenvolvido por eles nas diversas etapas do fluxo de tramitação dos processos. A Secretaria substituiu a estrutura anterior, que era baseada em Comissões de Ética distintas para a Fisioterapia e a Terapia Ocupacio-


Primeiro, devemos destacar que uma das características do nosso Colegiado 2015-2019, liderado pela presidente Dra. Regina Figueirôa, é a organização administrativa e o aprimoramento de processos nal. Para mim, é motivo de grande alegria ter sido escolhida para estar à frente desse trabalho desde seu momento de estruturação, tendo a oportunidade de contribuir com o desenvolvimento das profissões de fisioterapeuta e terapeuta ocupacional, no Estado do Rio de Janeiro, por meio do zelo pelas questões éticas. Sinto que ao ser nomeada Secretária Especial, por meio da Decisão Crefito-2 nº 003/2017, recebi uma missão nobre e tenho feito todos os esforços para cumpri-la da melhor maneira possível. É um compromisso assumido com meus pares do Colegiado e com os jurisdicionados do Crefito-2.

Que demanda levou o Crefito-2 a repensar sua forma de trabalho como Tribunal de Ética e buscar essa reestruturação?

vas demandas, com fluxos distintos entre os dois tipos de processos, e a necessidade de se adotar medidas para o cumprimento das regulamentações.

Que benefícios a Seped promoveu na dinâmica da atuação do Crefito-2 em relação ao modelo anterior? Dra. Marisa Bacellar: As Comissões de Ética da Fisioterapia e da Terapia Ocupacional ainda não dispunham de uma estrutura física e de apoio administrativo dedicado de forma exclusiva. A Seped, para assumir as demandas e encarar o desafio de ampliar o número de processos éticos e administrativos julgados, em cumprimento às Resoluções Coffito nº 423 e 471, passou a contar com uma sala própria, que trouxe mais organização e agilidade às nossas rotinas. Além disso, conto com o apoio importantíssimo da assistente administrativa Sheila Gomes e com o assessoramento da Procuradoria Jurídica do Crefito-2, especialmente do Dr. João Henrique Nascimento de Freitas. O resultado de todo esse trabalho foi apresentado com grande orgulho nas estatísticas 2017, divulgadas em janeiro de 2018 no site do Crefito-2, em vídeo institucional. No ano passado, tivemos 15 Reuniões Plenárias de Julgamento de Processos, alcançando a marca de 180 processos julgados. Em relação a 2016, dobramos o número de reuniões – naquele ano foram sete. Já em relação aos processos, o aumento foi de 563%, visto que em 2016 tivemos 32 casos julgados. 

Dra. Marisa Bacellar: Primeiro, devemos destacar que uma das características do nosso Colegiado 2015-2019, liderado pela presidente Dra. Regina Figueirôa, é a organização administrativa e o aprimoramento de processos. São questões constantemente analisadas, reavaliadas e, quando necessário, debatidas e revistas em Plenário. Dito isso, é importante salientar que o trabalho no âmbito da Ética já havia sofrido uma importante alteração com a publicação da Resolução Coffito nº 423/2013, que estabelece o Código de Processo Ético-Disciplinar da Fisioterapia e da Terapia Ocupacional. Posteriormente, o Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional publicou a Resolução nº 471, de 20 de dezembro de 2016, estabelecendo o procedimento sumário administrativo-disciplinar do fisioterapeuta e do terapeuta ocupacional, tornando mais célere o tratamento das infrações de ordem administrativa em relação àquelas de natureza ética. Isso trouxe aos Conselhos Regionais noDa esq. para a dir.: Dr. João Henrique Nascimento de Freitas, Dra. Marisa Bacellar e Sheila Gomes.

revista do CREFITO-2  Número 13  Abril de 2018 

5


Atuação profissional

O Centro de Atendimento Especializado de Amputados (Campu), do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad (Into), desenvolve um importante trabalho por meio de uma equipe multiprofissional.

“O

promovendo mais mobilidade e qualidade de vida

Into está estruturado em Centros de Atendimento Especializados, e o Campu é dedicado, exclusivamente, a pacientes que sofreram amputações por diversas causas, tanto congênitas e traumáticas, como devido a tumores, infecções e doenças vasculares”, explica a Dra. Márcia Botino, fisioterapeuta responsável pelo Serviço de Fisioterapia do Instituto.

A primeira atividade dessa rotina é desenvolvida no Grupo de Acolhimento. “Toda primeira terça-feira do mês, preparamos uma recepção aos novos pacientes, que chegam egressos do próprio Into ou de outras unidades de saúde, pelo SisReg. Essa reunião, normalmente conduzida pela pedagoga e mais um ou dois membros da equipe, tem a finalidade de apresentar o Centro e explicar como se dará o programa de atendimento, além de tirar dúvidas dos pacientes e de seus familiares”, explica Dra. Mônica.

O Centro atende a pacientes com amputações em membros superiores ou inferiores, de todas as idades, que passaram por cirurgias no próprio Into ou que foram encaminhados pela rede estadual ou municipal de saúde, via Sistema de Regulação (SisReg), inclusive oriundos de outros estados.

“Essa recepção é muito importante para que os pacientes e suas famílias possam se organizar logisticamente, para que a continuidade do tratamento não seja comprometida”, avalia Dra. Lucia.

Para desenvolver este relevante trabalho, o Centro de Atendimento de Amputados conta com uma equipe multiprofissional, composta por: fisiatras, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, psicólogas, assistentes sociais e pedagoga, além de profissionais, de empresas especializadas, responsáveis por confeccionar as próteses. As fisioterapeutas Dras. Lucia Helena Dias de Oliveira Bastos e Mônica Giannini Caldas e as terapeutas ocupacionais Dras. Sandra Helena Lopes de Moura e Marilda Coelho Barcante Pires (leia matéria da página 8) integram esta equipe. “Nosso trabalho segue uma rotina estruturada de uma maneira que, a partir de uma visão conjunta da equipe, cada profissional possa contribuir, em sua especialidade, para a recuperação dos pacientes”, comenta Dra. Môncia Giannini Caldas.

6

Into:

 revista do CREFITO-2  Número 13  Abril de 2018

As fisioterapeutas Dra. Lucia Helena Bastos (esq.) e Dra. Mônica Giannini integram a equipe do Campu.


tese, mas, principalmente, a sua nova condição de vida. “É muito gratificante para nós, vermos uma pessoa recuperando sua mobilidade e, junto com ela, a sua autoestima. O resultado de todo esse trabalho nos estimula a continuarmos, junto com essas pessoas e suas famílias, a superar os desafios do cotidiano”, comemora Dra. Lucia.

Dra. Lucia Helena em atendimento à Marta Ferreira, vítima de acidente de motocicleta.

Após esse acolhimento, cada paciente passa por uma avaliação, previamente marcada, com cada profissional do Campu. “Depois dessa avaliação, os novos casos são estudados conjuntamente pela equipe, em reuniões semanais. Nessas reuniões, são definidas as metas de atendimento, a abordagem, se há prognóstico para protetizar, enfim, traçamos as linhas gerais de cada caso, para que cada profissional possa planejar a sua atuação específica”, ressalta Dra. Mônica. “Embora na maioria dos casos a prótese seja indicada, por trazer benefícios reais mesmo para aqueles que continuam usando cadeiras de rodas, pois auxiliam em diversas situações e dão mais estabilidade para a pessoa, é importante destacar que nem sempre a prótese é a melhor solução para um paciente. O que buscamos é melhorar a qualidade de vida das pessoas que chegam aqui, seja por meio da protetização ou não. A nossa cidade não é preparada para quem tem dificuldade de locomoção. Por isso, é importante conhecer a história de cada um, o contexto em que vive, suas limitações e potencialidades, seus receios e anseios”, enfatiza Dra. Lucia Bastos.

A Fisioterapia do Campu participa, ainda, de ações como: visitas domiciliares, atividades externas com pacientes, incentivo ao esporte, etc. “Em alguns casos específicos, fazemos visitas domiciliares, principalmente quando ainda não estamos seguros se o paciente está apto a ter alta. Essas visitas nos auxiliam nessa decisão. Às vezes, é necessário promover algum tipo de adaptação no ambiente domiciliar também, e a visita é muito útil. Da mesma forma, promovemos algumas atividades externas, com aqueles pacientes que estão prontos para ter alta, mas ainda têm algum receio”, explica Dra. Mônica. Em relação ao esporte, o Centro também é um incentivador e teve, inclusive, pacientes competindo nos últimos Jogos Paralímpicos. “Tanto o esporte como a dança auxiliam muito no tratamento e contribuem para elevar a autoestima. Nós temos uma paciente que era passista de escola de samba antes da amputação. A protetização e a reabilitação lhe permitiram continuar realizando o que mais gosta de fazer. Isso é maravilhoso”, complementa. O Campu é muito procurado por empresas que oferecem vagas de emprego aos pacientes, o que, de certa forma, serve também como um estímulo à recuperação, além de reconhecer a capacidade produtiva dessas pessoas. 

Dra. Mônica com Júlio César Peçanha na adaptação.

Para que isso seja possível, a equipe faz um acompanhamento muito próximo do paciente ao longo de todo o tratamento. No caso da Fisioterapia, por exemplo, além de toda atuação terapêutica para a recuperação pós-cirurgia, há uma interação estreita com os protéticos no processo de confecção das próteses, bem como durante a adaptação dos pacientes. “Nós podemos conversar diretamente com os protéticos e orientar sobre as correções a serem feitas. Muitas vezes, esses acertos podem ser realizados no próprio hospital, onde eles dispõem de um espaço para esta finalidade. E isso é muito bom, pois o paciente pode testar na hora e ter sua prótese melhor adaptada com mais agilidade”, comenta Dra. Mônica Giannini. A Fisioterapia desempenha um importante papel neste processo de adaptação do paciente não só a uma possível pró-

revista do CREFITO-2  Número 13  Abril de 2018 

7


Atuação profissional

Prótese com impressora

3D

Terapia Ocupacional do Into desenvolve e confecciona O baixo custo em relação às próteses tradicionais e a agilidade e autonomia na produção do material por meio da tecnologia de impressão em três dimensões têm o potencial de criar uma nova era para a Terapia Ocupacional, ampliando as possibilidades de atendimento e dispensação de próteses. Esse pensamento levou um grupo de terapeutas ocupacionais do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad (Into), no Rio de Janeiro, a iniciar uma jornada de aprendizado e parcerias até tirar do papel um projeto ambicioso: produzir internamente, com uma impressora 3D, próteses para os pacientes. A primeira experiência atingiu o objetivo com êxito e abre caminho para novos tempos na reabilitação no contexto da saúde pública brasileira.

V

itor Gabriel Bulhões se diferencia dos demais meninos de quatro anos de idade não por ter nascido sem a mão esquerda, devido à má formação congênita, mas, sim, por sua nova identidade: ele é o Homem de Ferro da Terapia Ocupacional do Campu/Into. O menino é o primeiro paciente do Instituto a receber uma prótese de mão inteiramente produzida por meio da impressão em três dimensões dentro da instituição.

“Vitor foi escolhido para iniciarmos este projeto depois de avaliação, onde levamos em conta alguns fatores, como: o movimento ativo de punho necessário para ativação da flexoextensão dos dedos, o grau de desenvolvimento percepto-cognitivo, o comprometimento da família com o tratamento, dentre outros. Por ser alguém que nasceu sem o membro, foi necessário passar por vários estágios para que fosse feito um preparo minucioso de estimulação sensório-motora e correção de posturas viciosas, bem como a conscientização da nova realidade corporal. Ele se reconhece por inteiro da forma como ele é, como ele nasceu e cresceu, e não sente falta de um membro que já teve, como ocorreria com um paciente amputado. Uma vez que Vitor não tem a memória do uso da mão esquerda, será construída uma nova realidade corporal e estimulada a plasticidade neuronal”, explica a terapeuta ocupacional Dra. Sandra Helena Lopes de Moura, que é uma das responsáveis pelo tratamento do menino e integra a equipe que planejou e realizou o projeto da prótese 3D no Into. Conforme esclarece a responsável pela área de Terapia Ocupacional do Instituto, Dra. Doralice das Graças de Melo Calvo, “o 8

 revista do CREFITO-2  Número 13  Abril de 2018

Into recebeu a impressora 3D como doação, e as primeiras experiências no uso desta tecnologia ocorreram na área médica, com confecção de dispositivos para a realização de cirurgias de ombro, as guias cirúrgicas”. A terapeuta ocupacional foi uma das homenageadas pelo Crefito-2, impressora em 2017, com a Medalha de Honra ao Mérito Dr. Fernando Lemos. Para que o sonho das terapeutas ocupacionais se tornasse realidade, conforme relatam, foi preciso buscar capacitação e parcerias. Uma das primeiras ações neste sentido foi a visita ao setor de Terapia Ocupacional do Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP), onde este projeto é desenvolvido.

As terapeutas ocupacionais Dra. Doralice Calvo (esq.) e Dra. Sandra Helena Moura atuam no projeto da prótese 3D no Into.


No Into, a iniciativa conta, desde o início, com o apoio do consultor de Tecnologia Carlos Alberto dos Reis Junior. Ele se uniu ao projeto e mergulhou fundo nos estudos para aprender sobre o uso do software livre para projetos em 3D e do equipamento de impressão, bem como dos modelos de próteses disponibilizados de forma gratuita na internet, que são adaptados conforme a necessidade e orientação da equipe da Terapia Ocupacional, antes e depois da impressão. Também fazem parte da equipe a chefe do Setor de Reabilitação e do Centro de Amputados do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia, a fisiatra Dra. Eliane Machado, e a pediatra Dra. Germana Bahr, que inclusive intermediou os contatos que culminaram com a doação do equipamento que tornou possível a confecção da prótese 3D no Into.

Resultados práticos “Desde que o Vitor veio para a Terapia Ocupacional, e com o acompanhamento da Fisioterapia também, ele ficou uma criança totalmente diferente. Corre, brinca e sua desenvoltura está bem melhor”, conta Marcelo Correa Bulhões, pai do Vitor Gabriel. Em tratamento no Into há aproximadamente um ano e meio, o paciente passou por um longo processo antes de receber a prótese. Conforme explica Dra. Sandra, “houve a adaptação com o uso de uma pré-prótese feita com material termomoldável, como se fosse um perfil da mão, para ele poder se adaptar e se habituar a ter esse prolongamento com qual não estava acostumado, antes de efetivamente iniciarmos o trabalho com a prótese 3D”. “Na reabilitação, mesmo sem o uso da prótese, nós conseguimos atuar e trabalhar a funcionalidade do indivíduo, adaptando vários dispositivos e objetos, lançando mão de diversos materiais para atender à necessidade do paciente. A prótese sem a reabilitação adequada não consegue alcançar plenamente o potencial funcional possível, se tornando, por vezes, limitante. A prótese necessita, durante o processo de reabilitação, de ajustes para sua otimização e, para que isso ocorra satisfatoriamente, o paciente deve estar inserido num programa de reabilitação no qual os problemas possam ser detectados e sanados. Às vezes, é melhor não ter a prótese a ser submetido a uma protetização sem critérios”, alerta Dra. Sandra. O objetivo da equipe de reabilitação não é substituir as próteses convencionais pelo novo material, produzido com impressão em 3D, mas sim agregar mais um recurso para ampliar o atendimento à população, desde que seja diagnosticado que este recurso é indicado e adequado ao paciente. Nem todos os casos podem ser atendidos com as novas próteses 3D. O modelo que está sendo utilizado pelo primeiro paciente é articulado, e ele consegue controlar a abertura dos dedos com a movimentação de seu punho. Neste caso, atendeu perfeitamente às necessidades de sua fase de vida e ele está conseguindo realizar as atividades diárias com o uso desse novo apoio.

Ao centro, as terapeutas ocupacionais Dra. Doralice e Dra. Sandra com o pequeno "Homem de Ferro", além de outros membros da equipe e o pai do paciente.

Para o terapeuta ocupacional e vice-presidente do Crefito-2, Dr. Omar Luis Rocha da Silva, o trabalho realizado pela equipe do Instituto Nacional deve ser valorizado, especialmente pelo pioneirismo na saúde pública no Rio de Janeiro. “Conheci o projeto da prótese 3D na Jornada de Terapia Ocupacional do Into, em 2017, e fiquei orgulhoso pela atuação da equipe, especialmente das terapeutas ocupacionais envolvidas. Em tempos tão sombrios para o nosso país e para o Rio de Janeiro, com o sucateamento da saúde pública e a tentativa de desmonte do SUS, iniciativas como essa devem ser enaltecidas e divulgadas. Como representante do Crefito-2, parabenizo os envolvidos por mostrarem que com criatividade, competência e persistência podemos, sim, atender com excelência, ética e qualidade”, afirmou o terapeuta ocupacional. 

Inovação em fatos e números ¥¥Tempo total para imprimir uma prótese de mão: 8 horas, em média. ¥¥Tempo total para montagem: de 1 a 2 horas. ¥¥Custo de uma prótese de mão impressa em 3D: R$ 50,00 (*). ¥ ¥Vantagens: fácil substituição, fácil manutenção (peças são reimpressas e trocadas conforme o desgaste) e a família do paciente já consegue trocar os elásticos que movimentam as articulações. ¥ ¥Com o valor de apenas uma prótese convencional, dependendo do material e sistema utilizado, seria possível produzir mais de 100 próteses impressas em 3D. ¥¥Potencialmente, a impressão de próteses em 3D otimiza o processo de protetização, impactando positivamente a qualidade de vida do paciente amputado e acarretando uma significativa economia aos cofres públicos. (*) valores estimados.

revista do CREFITO-2  Número 13  Abril de 2018 

9


Assuntos Parlamentares

O decreto presidencial nº 9.057, de maio de 2017, abriu a possibilidade de oferecimento de cursos de graduação integralmente a distância, inclusive na área da Saúde. O Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Coffito) e o Conselho da 2ª Região (Crefito-2) são totalmente contrários a esta realidade e vêm acompanhando a tramitação do Projeto de Lei nº 5.414/2016, que visa reverter este quadro.

EaD na Saúde:

um problema de todos E

m uma rápida pesquisa no Sistema e-MEC, podem ser encontrados 22 cursos de Fisioterapia a distância e 2 de Terapia Ocupacional, nesta mesma modalidade, atualmente em atividade. Curiosamente, todos os cursos são oferecidos por instituições de ensino privadas. Além disso, há cursos com um número de vagas alarmante, de 8 a 10 mil. No total, são mais de 45 mil vagas para Fisioterapia e 700 para Terapia Ocupacional.

A Comissão de Assuntos Parlamentares (CAP) do Coffito, na qual o Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 2ª Região (Crefito-2) é representado pelo conselheiro Dr. Bruno Vilaça, vem acom-

10

panhando a tramitação do Projeto de Lei nº 5.414/2016. O texto, de autoria do deputado Rodrigo Pacheco, encontra-se em tramitação na Câmara dos Deputados, e visa proibir o incentivo ao desenvolvimento de programas de ensino a distância na área da Saúde e alterar o artigo 80 da Lei nº 9.394, de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação), regulamentado pelo Decreto nº 9.057. Conforme destacado pela presidente do Crefito-2, Dra. Regina Figueirôa, “entendemos que a formação dos profissionais da Saúde, e particularmente de fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais, requer um rigoroso desenvolvimento teórico e prático

 revista do CREFITO-2  Número 13  Abril de 2018

sob atenta supervisão docente, garantindo a qualidade e a segurança no atendimento ao paciente e o correto aprendizado pelos alunos”, avalia. “Os cursos de graduação devem possibilitar a formação necessária ao desempenho de ações voltadas à prevenção, avaliação, diagnóstico e tratamento adequado e ético aos pacientes, tanto por meio do ensino e da pesquisa, como também da extensão. O que não é possível em um curso 100% a distância”, complementa. Além dos prejuízos que um profissional mal formado pode trazer à população, pondo em risco a saúde e mesmo a vida do paciente, há ainda outros questionamentos: como o mercado de tra-


balho irá considerar este profissional? Ele será valorizado? Como ele será comparado aos demais profissionais que não cursaram EaD? Com a possível alteração da legislação, o que acontecerá aos alunos que já estão cursando ensino a distância? As instituições de ensino irão ressarcir os valores pagos ou terão que complementar a graduação presencialmente? Só essas poucas questões já demonstram a complexidade do problema, em que a população perde e os profissionais também. Só quem parece ganhar são as instituições de ensino privadas. “Embora os novos cursos passem por avaliação do Ministério da Educação, os diplomas são, efetivamente, reconhecidos após a formação da primeira turma. Quem está hoje estudando Fisioterapia ou Terapia Ocupacional a distância corre o risco de não ter seu curso reconhecido. O que pode, posteriormente, gerar uma manifestação e pressão por parte destes alunos para garantir a sua entrada no mercado de trabalho, independentemente da qualidade da sua formação”, avalia o Dr. Bruno Vilaça. “No âmbito da CAP Coffito, estamos acompanhando esta matéria de perto, fazendo, inclusive, contato com parlamentares para tentar reverter esta situação. Após as reuniões que realizamos, conseguimos que o tema também fosse apreciado pela Comissão de Seguridade Social e Família, onde esperamos alterar a legislação que permite cursos 100% na modalidade EaD na área de Saúde”, explica. O próprio Conselho Nacional de Saúde se manifestou publicamente contra a EaD na área: “o Conselho Nacional de Saúde (CNS), por meio da Resolução nº 515/2016, posicionou-se contrariamente à autorização de todo e qualquer curso de graduação em saúde ministrado na modalidade EaD, pelos prejuízos que tais cursos podem oferecer à qualidade da formação de seus profissionais, bem como pelos

riscos que estes(as) trabalhadores(as) possam causar à sociedade, imediato, a médio e a longo prazos, refletindo uma formação inadequada e sem a necessária integração ensino-serviço-comunidade”, destacou em nota.

As Comissões de Educação do Crefito-2 têm se debruçado sobre as novas Diretrizes Curriculares Nacionais da Fisioterapia e da Terapia Ocupacional. Confira: DCNs em Fisioterapia Após uma ampla discussão sobre as novas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) da Fisioterapia, realizada no âmbito do Sistema Coffito/Crefitos pelas Comissões de Educação Nacional e Regionais, em parceria com as associações de ensino e de especialidades, como a Abenfisio e a Assobrafir, foi realizada uma profunda revisão das DCNs. As novas diretrizes passaram, ainda, pela avaliação do Conselho Nacional de Saúde e, atualmente, estão no Conselho Nacional de Educação para avaliação e homologação. As principais mudanças são referentes ao Estágio, que deverá estar de acordo com as Resoluções Coffito nº 431 e nº 432. “As novas DCNs mantêm o curso no modo presencial. No texto consta que a formação do bacharel em Fisioterapia deve, impreterivelmente, ocorrer na modalidade de ensino presencial, visto a aquisição de habilidades e desenvolvimento de competências inerentes ao cuidado em saúde e segurança do paciente”, destaca o conselheiro e presidente da Comissão de Educação em Fisioterapia do Crefito-2, Dr. Jorge Luis da Silva Nascimento.

DCNs em Terapia Ocupacional

A formação dos profissionais da Saúde requer um rigoroso desenvolvimento teórico e prático sob atenta supervisão docente

A discussão sobre as Diretrizes Curriculares da Terapia Ocupacional tem sido tema de diversos eventos promovidos pelo Crefito-2. No dia 2 de março deste ano, o Crefito-2 realizou um debate sobre o tema, envolvendo a Comissão de Educação em Terapia Ocupacional, a Câmara Técnica de Contextos Sociais da TO, a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa em Terapia Ocupacional, bem como docentes e acadêmicos. O evento resultou em um documento com a posição do Estado do Rio de Janeiro sobre as DCNs, que será encaminhado à Reneto e ao Encontro de Docentes de Terapia Ocupacional (Endto), a ser realizado em outubro deste ano. Nesse encontro, será elaborado um relatório em âmbito nacional. Saiba mais sobre o debate promovido pelo Crefito-2, na página 21. 

revista do CREFITO-2  Número 13  Abril de 2018 

11


Capa: Retrospectiva 2017

O que o CrefitoAs estatísticas mostram que, muito além das obrigações para as quais foi criado, o Crefito-2 tem atuado incansavelmente em defesa da Saúde Pública de qualidade e dos interesses da população e dos fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais. Os expressivos números alcançados em diversas áreas em 2017 demonstram esse esforço e superam os resultados de 2016.

Defesa das profissões e da Saúde

100

Atos Normativos emitidos (Portarias, Resoluções e Decisões)

124

Pareceres Jurídicos emitidos

203

Representações do Crefito-2 (Participações em fóruns, congressos, seminários e outros eventos relacionados à defesa da Saúde e das profissões) 12

 revista do CREFITO-2  Número 13  Abril de 2018

Outras ações relevantes • Acompanhamento dos principais projetos em elaboração e tramitação no Legislativo • Reuniões com parlamentares em âmbito federal, estadual e municipal • Participação em frentes de defesa da Saúde da população e das profissões e em Audiências Públicas • Atuação nos Conselhos Municipais e Estaduais de Saúde • Participação no Congresso do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) • Participação nas Conferências Municipais, Estadual e Nacional de Saúde das Mulheres


-2 faz por você Interiorização

26

Núcleos de Representação Institucional, abrangendo 92 municípios do Estado

2

Subsedes em atividade: Norte (Campos dos Goytacazes) e Sul (Volta Redonda)

20

Atendimento a Profissionais

8.414

Atendimentos a profissionais

3.117

documentos emitidos para Pessoa Física

2.992

processos relatados pelos Conselheiros, sendo 2.544 processos de Pessoas Físicas e 448 processos de Pessoas Jurídicas

Reuniões locais com representantes de Núcleos nos municípios

2

Reuniões gerais com os coordenadores na Sede Administrativa

Acompanhe o balanço da atuação da Autarquia em 2017. https://youtu.be/chpQFR0EwnE

revista do CREFITO-2  Número 13  Abril de 2018 

13


Capa: Retrospectiva 2017

Transparência

2.000

Mensagens recebidas pelos Canais Fale Conosco e Ouvidoria

1,4 milhão Visualizações de página no site

Edições e reedições de fôlderes da série Crefito-2 Explica

216 mil

1.688

36

2.301

Usuários acessaram o site

Informativos Eletrônicos enviados por e-mail

3

Edições da Revista do Crefito-2 enviadas aos jurisdicionados pelos Correios

14

7

 revista do CREFITO-2  Número 13  Abril de 2018

curtidas na página da Jornada Científica do Crefito-2 no Facebook – 88% de crescimento da página no ano

seguidores no perfil oficial do Crefito-2 no Twitter


Desenvolvimento profissional Ética Criação da Secretaria Especial de Processos Éticos-disciplinares e Administrativosdisciplinares (Seped), pela Resolução Crefito-2 nº 57, de 26 de junho de 2017

15

Plenárias de Julgamentos de Processos Éticosdisciplinares e Administrativos-disciplinares em 2017. O número dobrou em relação a 2016, quando foram realizadas 7 reuniões.

180

Processos Éticosdisciplinares e Administrativos-disciplinares julgados Quantidade aumentou 563% em relação ao ano anterior, quando foram julgados 32 processos.

24

Câmaras Técnicas, que realizaram 84 reuniões

9

Comissões, que realizaram 25 reuniões

7

profissionais condecorados com a Medalha de Honra ao Mérito Dr. Fernando Lemos (5 fisioterapeutas e 2 terapeutas ocupacionais)

20

Eventos gratuitos realizados em 2017, sendo: 3 cursos livres 8 eventos de Câmaras Técnicas 2 Jornadas na capital 4 Jornadas no interior – Edições Barra do Piraí e Valença; Região Sul; Região dos Lagos; e Baixadas Litorâneas 1 Ciclo de Palestras no interior - Teresópolis 1 evento de divulgação profissional no interior Mendes 1 evento da Comissão de Educação em Fisioterapia

revista do CREFITO-2  Número 13  Abril de 2018 

15


Capa: Retrospectiva 2017

Fiscalização

2.930

Atos Fiscalizadores realizados em todo o Estado 23,62% de aumento em relação ao ano de 2016.

86

Denúncias apuradas

1.234

Autos de Infração emitidos

31mil

Quilômetros percorridos pelos agentes fiscais

36

Municípios fiscalizados Angra dos Reis Armação dos Búzios Barra do Piraí Barra Mansa Belford Roxo Cabo Frio Campos dos Goytacazes Duque de Caxias Itaboraí Itaguaí Itatiaia

42%

Cidades fluminenses foram visitadas. Macaé Magé Mangaratiba Maricá Mesquita Nilópolis Niterói Nova Iguaçu Paracambi Petrópolis Porto Real Quatis Queimados Resende

Rio Bonito Rio de Janeiro São Fidélis São Gonçalo São João de Meriti São Pedro da Aldeia Seropédica Tanguá Teresópolis Valença Volta Redonda

Saiba o que compete ao seu Conselho Regional, de acordo com a Lei 6.316/1975, Artigo 7º: • expedir a carteira de identidade profissional e o cartão de identificação aos profissionais registrados; • fiscalizar o exercício profissional na área de sua jurisdição representando, inclusive, às autoridades competentes, sobre os fatos que apurar e cuja solução ou repressão não seja de sua alçada; • cumprir e fazer cumprir as disposições da Lei 6.316, das resoluções e demais normas baixadas pelo Conselho Federal; • funcionar como Tribunal Regional de Ética, conhecendo, processando e decidindo os casos que lhe forem submetidos; • estimular a exação no exercício da profissão, velando pelo prestígio e bom conceito dos que a exercem; e • julgar as infrações e aplicar as penalidades previstas na lei e em normas complementares ao Conselho Federal.

16

 revista do CREFITO-2  Número 13  Abril de 2018


Interiorização

Novos pontos de atendimento serão instalados nas Regiões dos Lagos, Serrana e Baixada Fluminense.

Os

fisioterapeutas, os terapeutas ocupacionais e a população em geral, residentes nas Regiões dos Lagos, Serrana e Baixada Fluminense, terão em breve acesso facilitado aos serviços do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 2ª Região (Crefito-2). A Autarquia anuncia a abertura de suas três novas Subsedes, que serão instaladas nos municípios de Cabo Frio, Teresópolis e Nova Iguaçu e acolherão tanto as demandas locais quanto das regiões onde estão inseridas. Com esta novidade, sobe para cinco o número de Subsedes do Crefito-2, que já possui outras duas unidades – Subsede Sul, localizada em Volta Redonda, e Subsede Norte, em Campos dos Goytacazes. Ambas foram implantadas durante a gestão do Colegiado 2010-2014.

A ampliação da rede de atendimento, com “abertura de Subsedes para atendimento em outras áreas de elevada concentração de profissionais, a partir da realização de estudos de viabilidade” é uma das metas de gestão do Colegiado 2015-2019. Para que as cidades-sede fossem definidas, a presidente do Crefito-2, Dra. Regina Figueirôa, e a coordenadora geral dos Núcleos e Subsedes, Dra. Marisa Bacellar, participaram de reuniões com os representantes de Núcleos, quando foram debatidas as demandas locais e a capilaridade de cada ponto de atendimento. Também foram produzidos relatórios detalhados sobre o quadro da Fisioterapia e da Terapia Ocupacional nos municípios para que, ao fim, fossem anunciadas as localizações estratégicas das novas unidades. Presidente do Crefito-2 se reúne com coordenadores de Núcleos para tratar da expansão da rede de subsedes da Autarquia.

Crefito-2 amplia

sua rede de Subsedes e anuncia três

novas unidades Conforme destaca Dra. Regina Figueirôa, “a abertura de uma Subsede é muito mais que a instalação de um ponto de atendimento. Ela promove impactos significativos na vida dos profissionais e da população”. A análise estratégica da atuação das Subsedes já implantadas em Volta Redonda e Campos dos Goytacazes mostra que as unidades não só trouxeram mais agilidade para resolver questões práticas no Conselho Regional e reduziram os deslocamentos dos profissionais, o que já são questões importantes e justificam seu funcionamento, mas tiveram impacto positivo em outros aspectos. Os pontos de atendimento no interior se mostraram essenciais na estratégia de aproximação do Crefito-2 com os Conselhos Municipais de Saúde, Instituições de Ensino Superior, órgãos públicos, Secretarias de Saúde, entre outros. Além disso, ajudaram a promover em suas regiões as Jornadas Científicas do Crefito-2 e outros eventos importantes com apoio da Autarquia. Esses benefícios também são esperados após o início das atividades das novas Subsedes. “Todos nós, conselheiros, diretores, representantes de Núcleos do Crefito-2, estamos muito orgulhosos com mais este passo dado, tão importante para a Fisioterapia e Terapia Ocupacional no Estado do Rio de Janeiro. É mais um compromisso firmado por nosso Colegiado com os profissionais jurisdicionados que estamos cumprindo com responsabilidade”, comemora Dra. Marisa Bacellar. Conforme já ocorre com as Subsedes Norte e Sul, os coordenadores dos Núcleos de Representação Institucional do Crefito-2 em Cabo Frio, Teresópolis e Nova Iguaçu, assumirão também a coordenação das Subsedes Lagos, Serrana e Baixada, respectivamente.

As etapas do projeto Já aprovadas pelo Colegiado e com municípios-sede definidos, as novas Subsedes estão em fase de implantação. Foram escolhidos os imóveis, que estão em processo final de assinatura de contratos. Na sequência, os espaços serão mobiliados, paralelamente ao treinamento de equipes. A entrada em atividade dos espaços deve ocorrer em breve e será divulgada amplamente pelo Crefito-2, por meio de seus canais de comunicação. 

revista do CREFITO-2  Número 13  Abril de 2018 

17


Série

Especialidade em Gerontologia:

uma conquista de muitos Em janeiro de 2018, fez um ano do reconhecimento da Gerontologia como especialidade da Fisioterapia e da Terapia Ocupacional pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Coffito). Trata-se de uma grande conquista para os profissionais que se dedicam à saúde do idoso, e muitos se empenharam para que a especialidade fosse reconhecida. Nesta edição, a Série Memória relembra alguns marcos desse processo no âmbito da Fisioterapia.

18

 revista do CREFITO-2  Número 13  Abril de 2018


1986 ƒƒ O processo seletivo de titulação para especialistas em Gerontologia ocorre, de forma multidisciplinar, sob a chancela da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG). Dra. Maria Inês Sitta é a primeira fisioterapeuta a receber o título de gerontóloga.

1994 ƒƒ Criado o Programa de Residência em Fisioterapia nas Disfunções Geriátricas e em Gerontologia do Hospital Universitário Pedro Ernesto (Hupe/Uerj), pela Dra. Isis Simões Menezes, atual diretora secretária do Crefito-2, que coordena o programa por muitos anos, em parceria com o professor João Marinômio Carneiro, então vice-presidente do Coffito.

2011 ƒƒ Realizada a I Jornada de Fisioterapia Gerontológica pela SBGG-RJ, evento idealizado e coordenado pela Dra. Simone Mazzei e Dra. Vânia Cezário. Na época, a vice-presidente de Gerontologia da SBGG era a Dra. Maria Angélica Sanchez. ƒƒ Criada a Câmara Técnica de Saúde do Idoso do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 2ª Região (Crefito-2).

2012 ƒƒ Crefito-2 solicita, formalmente, ao Coffito a criação da especialidade em Gerontologia.

2014 e 2015 ƒƒ Iniciam-se discussões sobre a criação da nova especialidade, no âmbito das reuniões gerenciais do Coffito, culminando com a formação de um Grupo de Trabalho para analisar e elaborar os documentos pertinentes à nova especialidade. O Grupo de Trabalho é composto pela Dra. Isis Simões Menezes, Dr. João Sérgio de Souza Oliveira e Dra. Elineth da Conceição Braga. ƒƒ Em reunião durante o Congresso de Especialidade (Coger), realizado em Cuiabá, Dra. Maria Angélica Sanchez, Dra.

Francielle Fialkoski e Dr. Cássio Fernando Oliveira da Silva, do Coffito, decidem ser necessário organizar um encontro com todos os Crefitos, durante o Congresso Paulista de Geriatria e Gerontologia (Gerp 2015). ƒƒ Em 20 de novembro de 2015, durante o Gerp, a Câmara Técnica de Saúde do Idoso do Crefito-2 apresenta um documento inicial, que é discutido e editado por fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais, representantes de todos os Crefitos, por grandes nomes da Fisioterapia e da Terapia Ocupacional em Gerontologia, inclusive por professores e acadêmicos. O documento final é encaminhado ao Coffito pela SBGG, acompanhado de um abaixo-assinado, onde fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais, geriatras e especialistas em Gerontologia de diversas áreas solicitam a criação da nova especialidade.

2016 ƒƒ Em março, ocorre a primeira reunião da Dra. Maria Angélica Sanchez, Dra. Francielle Fialkoski e Dra. Elineth Braga com o Dr. Roberto Cepeda, presidente do Coffito, na subsede do Conselho Federal, em Curitiba. Na reunião, são discutidos os caminhos para a titulação dos fisioterapeutas especialistas, tendo o Coffito sugerido que o processo fosse desenvolvido em parceria com uma associação de Fisioterapia em Gerontologia de caráter nacional. ƒƒ Ainda em março, também no Coffito, em Curitiba, é realizada reunião do Grupo de Trabalho – Dra. Elineth Braga, Dr. João Sérgio Oliveira e Dra. Simone Mazzei (substituindo a Dra. Isis Simões Menezes) – com o presidente do Coffito, Dr. Roberto Cepeda. Na reunião, é redigida a normativa da especialidade de Fisioterapia em Gerontologia. O documento é, posteriormente, encaminhado para apreciação e contribuição de todos os Crefitos. ƒƒ Em dezembro, o Coffito reconhece a especialidade em Gerontologia para fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais.

2017 ƒƒ São publicadas as Resoluções Coffito 476 e 477 no Diário Oficial da União, de 19 de janeiro, reconhecendo a especialidade em Gerontologia para fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais. ƒƒ Com o reconhecimento da especialidade, a Câmara Técnica de Saúde do Idoso do Crefito-2 teve sua nomenclatura alterada e passou a ser chamada como Câmara Técnica de Fisioterapia em Gerontologia. 

revista do CREFITO-2  Número 13  Abril de 2018 

19


Eventos

Em 2017, o Crefito-2 manteve sua programação de eventos técnicos e científicos em alto nível. Ao longo do ano, os eventos, totalmente gratuitos, contabilizaram um público de cerca de 3.000 profissionais e acadêmicos. A programação foi encerrada em dezembro, com três atividades. Acompanhe a cobertura a seguir.

IV Fórum de Fisioterapia em Traumato Ortopedia O evento marcou o encerramento do ciclo de atividades das Câmaras Técnicas, no dia 9 de dezembro, das 9h às 13h, com casa cheia e excelência na programação. A coluna cervical foi o tema central, que contou com quatro palestras e uma mesa-redonda com abordagens sobre tratamentos, atualidades científicas e evidências acerca desse assunto. A programação foi aberta pela coordenadora Geral das Câmaras Técnicas do Crefito-2, Dra. Renata Campos Velasque, que saudou os presentes em nome da presidente da Autarquia, Dra. Regina Figueirôa, e de toda a Diretoria, e falou sobre a importância de mais um evento realizado no Auditório Dr. José Luiz Silva Monteiro. “Gostaria de agradecer a todos pela presença, especialmente aos palestrantes que estão aqui doando seu tempo e compartilhando o saber, fazendo com que a Fisioterapia consiga evoluir na sua questão técnico-científica”, afirmou Dra. Renata. Ela lembrou, ainda, o compromisso da Presidência e da Diretoria com os eventos promovidos pelo órgão e com o crescimento das profissões.

Em seguida, a coordenadora da Câmara Técnica de Fisioterapia em Traumato Ortopedia, Dra. Vanessa Knust, saudou os participantes e convidados do evento, apresentou e agradeceu aos membros da CT e, ainda, à Coordenação Geral pelo convite para estar à frente do grupo.

Programação “Repercussões neurofuncionais das lesões traumáticas da coluna cervical”, palestra com a Dra. Fernanda Guimarães de Andrade (IFRJ); “Difundindo o conhecimento sobre dor: o uso da tecnologia e-Pain para educação em dor”, palestra com o Dr. Felipe Reis (IFRJ; Grupo Pesquisa em Dor); “Cefaléia Cervicogênica: existe papel para a terapia manual e exercícios?”, palestra com o Dr. Palmiro Torrieri Junior (Hospital Copa Star; instrutor internacional do Conceito Mulligan); “Pacientes com cervicalgia se beneficiam do tratamento de outras estruturas além da coluna cervical?”, palestra com o Dr. Leandro Alberto Calazans Nogueira (IFRJ e Unisuam); “Quais são as principais recomendações para a abordagem fisioterapêutica dos pacientes com dores cervicais? E quais são as abordagens promissoras?”, mesa-redonda moderada pelo Dr. Leandro Calazans, com as participações de: Dr. Palmiro Torrieri Jr.; Dr. Felipe Reis; e Dra. Maria Alice Mainenti Pagnez (Escuela de Osteopatia de Madrid). 

20

 revista do CREFITO-2  Número 13  Abril de 2018


Diretrizes Curriculares Nacionais da Terapia Ocupacional em debate Para debater sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais da Terapia Ocupacional, que completaram 15 anos em 2017, a Comissão de Educação em Terapia Ocupacional do Crefito-2 convidou os docentes e representantes das duas Instituições de Ensino Superior que oferecem este curso no Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ).

III Mostra de Trabalhos de Conclusão do Curso de Graduação em Fisioterapia O evento, realizado pela Comissão de Educação em Fisioterapia, encerrou tanto a agenda de atividades das Comissões quanto a programação geral de eventos do Crefito-2 em 2017. A Mostra de Trabalhos de Conclusão do Curso de Fisioterapia aconteceu no dia 15 de dezembro, a partir das 9h, no Auditório Dr. José Luiz Silva Monteiro, localizado no Espaço Cultural do Crefito-2. Embora fosse uma solenidade voltada à apresentação dos trabalhos selecionados, contou com muitos acadêmicos e profissionais, sendo que vários deles vieram de longe para prestigiar os colegas. Essa foi a terceira vez que o Crefito-2 realizou a mostra, valorizando os melhores Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) de instituições do Estado do Rio de Janeiro. Ao final de cada apresentação de trabalho, graduandos e orientadores receberam certificados de participação assinados pela presidente do Crefito-2, Dra. Regina Figueirôa, e pelo conselheiro e presidente da Comissão de Educação em Fisioterapia, Dr. Jorge Luis da Silva Nascimento. Também integram essa Comissão do Crefito-2, Dra. Adalgisa Maiworm, Dra. Ana Paola Porciúncula Beltrão Gonzales Montes, Dra. Fernanda Mexas Bittencourt, Dra. Marisa Bacellar, Dra. Sandra Helena Mayworm e Dr. Pierre Augusto Victor da Silva. Todos os trabalhos apresentados foram selecionados e submetidos ao Crefito-2 pelos próprios coordenadores de cursos de Fisioterapia de Instituições de Ensino Superior. Ao todo, 18 trabalhos foram apresentados, de oito instituições. São elas: Centro Universitário IBMR; Centro Universitário Serra dos Órgãos (Unifeso); Faculdade Bezerra de Araújo (Faba); Faculdades Reunidas da Asce (Frasce); Universidade Castelo Branco (UCB); Universidade Católica de Petrópolis (UCP); Universidade Veiga de Almeida (UVA); e Universidade Estácio de Sá (Unesa).

O encontro foi realizado no dia 22 de novembro de 2017, na sede da Autarquia. O grupo analisou pontos positivos e negativos dos currículos em andamento, com base em um roteiro norteador encaminhado pela Reneto, traçando propostas de modernização e atualização curricular. O debate continuou em 2018, com o evento “Revisão das DCNs da Terapia Ocupacional” promovido pelo Crefito-2, no dia 2 de março. A contextualização e apresentação das DCNs foi feita pela palestrante convidada, Professora Dra. Stella Maris Nicolau, presidente da Reneto. Foi realizada, ainda, uma mesa-redonda sobre os “Parâmetros mínimos e Projetos de Lei na Terapia Ocupacional”, seguida da formação de grupos de trabalho por todos os participantes. A mesa contou com a contribuição do vice-presidente do Crefito-2, Dr. Omar Luis Rocha da Silva; da coordenadora da Comissão de Educação em Terapia Ocupacional, Dra. Fátima Beatriz Maia; do coordenador da Câmara Técnica de Contextos Sociais da Terapia Ocupacional, Dr. Ricardo Lopes Correia; além da palestrante convidada, Dra. Stella Maris Nicolau. Após as apresentações da mesa, os participantes foram separados em quatro grupos de discussão. O resultado desse trabalho foi apresentado e registrado para a formulação de um documento único sobre as reivindicações do Rio de Janeiro, que será encaminhado à Reneto e, depois, ao Encontro de Docentes de Terapia Ocupacional (Endto), que está programado para outubro deste ano, visando à elaboração de um relatório nacional. 

De acordo com o presidente da Comissão de Educação em Fisioterapia, Dr. Jorge Luis da Silva Nascimento, “a Comissão de Educação do Crefito-2 tem interesse de, cada vez mais, mostrar o nível do ensino e da pesquisa em Fisioterapia. Pudemos observar que a qualidade dos trabalhos está em alto nível, ficando além da nossa expectativa”, afirmou. Veja no site do Crefito-2 a lista de trabalhos selecionados e apresentados durante a mostra: www.crefito2.gov.br 

revista do CREFITO-2  Número 13  Abril de 2018 

21


Reflexão Técnica e Científica

Saiba mais sobre as duas novas Câmaras Técnicas do Crefito-2, criadas em 2017. Ao todo, o Conselho já conta com mais de 20 CTs em atividade. Fisioterapia do Trabalho

Terapia Ocupacional em Pneumologia

Coordenador: Dr. João Marcos Nicolau

Coordenadora: Dra. Angela Maria Bittencourt Fernandes da Silva

Fisioterapeuta; especialista em: Fisioterapia do Trabalho (Coffito), Saúde do Trabalhador (Ensp/Fiocruz), Ergonomia (Coppe/UFRJ) e Promoção da Saúde e Desenvolvimento Social (Ensp/ Fiocruz); e mestre em Saúde do Trabalhador (Instituto de Estudos em Saúde Coletiva/UFRJ). É Responsável Técnico pelo Programa de Saúde Osteomuscular da Coordenação de Políticas de Saúde Trabalhador da UFRJ. Pesquisador e docente convidado do IESC/UFRJ. Membro do Fórum de Educação Permanente de Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais do Subsistema Integrado de Atenção à Saúde do Servidor Público Federal (SIASS). Dentre vários objetivos, a criação da Câmara Técnica de Fisioterapia do Trabalho do Crefito-2 tem por finalidade o estudo e a compreensão de políticas públicas referentes à Saúde dos Trabalhadores; a análise das legislações, normas e procedimentos fisioterapêuticos pertinentes em vigor; a divulgação do conhecimento adquirido; bem como o encaminhamento de sugestões, pareceres e recomendações no intuito de respaldar o posicionamento do Crefito-2 diante de temas polêmicos ou daqueles que necessitam de maiores esclarecimentos à sociedade. A Câmara Técnica funciona como eixo catalisador de ideias e propostas, buscando promover o empoderamento entre os fisioterapeutas do trabalho, fomentando o debate com foco na categoria e nas práticas profissionais, destacando temas relevantes e inovadores para a especialidade. Outra característica da CT é a promoção de atividades, tais como: eventos científicos, cursos, palestras, oficinas, dentre outras, cuja importância está relacionada com as metas e diretrizes definidas por cada grupo temático da especialidade. Trata-se uma instância permanente de caráter consultivo e natureza participativa. O fisioterapeuta especialista nesta área enfrenta desafios e a Câmara Técnica pretende colaborar, desenvolvendo ações como: a divulgação do papel do fisioterapeuta do trabalho; a busca da igualdade entre os profissionais que atuam na Saúde e Segurança dos Trabalhadores; e o apoio nos eventos científicos da Fisioterapia do Trabalho. Enquanto coordenador da Câmara Técnica de Fisioterapia do Trabalho do Crefito-2 tenho como principais tópicos no plano de trabalho: organização de consensos na especialidade (terminologias, definições, linguagem técnica, procedimentos fisioterapêuticos, etc); organização de eventos científicos; revisão das portarias referentes à especialidade; aproximação dos profissionais e especialistas; estreitamento da relação entre entidades de classe, como associações de profissionais e da especialidade, sindicato, entre outras; e o diálogo com Instituições de Ensino Superior e afins.

22

 revista do CREFITO-2  Número 13  Abril de 2018

Terapeuta Ocupacional; pós-doutora em Ciências (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UFRJ); coordenadora do Grupo do CNPq Abordagem, Pesquisa e Intervenção Transdisciplinar em Terapia Ocupacional (Gapitto); docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ); docente colaboradora do Programa de Pós-graduação em Clínica Médica da UFRJ – Especialidade em Pneumologia; membro associado da Rede Brasileira de Pesquisa em Tuberculose – Rede TB. Esta Câmara Técnica tem o objetivo de realizar discussões e reflexões sobre o cuidado da Terapia Ocupacional em Pneumologia; implementar ações de TO, bem como identificar como seu processo pode ser utilizado para auxiliar pessoas com doenças pulmonares; apresentar os diversos recursos terapêuticos nesta prática; e divulgar e publicar conhecimentos específicos. Pretendemos ainda, alargar o seu campo de atuação, bem como reforçar o compromisso de continuidade e investimentos em ações que viabilizem as práticas da inserção da Terapia Ocupacional no cuidado de pessoas com síndromes respiratórias, como nos casos de tuberculose e AIDS, por exemplo. Além disso, pretendemos realizar um mapeamento dos profissionais terapeutas ocupacionais atuantes em Pneumologia, visando à valorização de saberes e habilidades e à criação de um protocolo de atendimento clínico e diretrizes terapêuticas. Nesse contexto, o terapeuta ocupacional figura como membro integrante de equipe multidisciplinar no cuidado em Pneumologia. Temos, porém, o desafio de inserir esse conhecimento técnico-científico tanto na graduação quanto no aperfeiçoamento, pesquisa e extensão. E, como produto da atuação desta Câmara Técnica, temos como meta a elaboração da cartilha ‘Terapia Ocupacional em Pneumologia’ no sentido de ressaltar a importância da prática do terapeuta ocupacional na área.


Acontecimentos

Ações e representações Em defesa da saúde da população, do SUS e dos fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais, o Crefito-2 segue atuando em diversos campos. Veja onde estiveram os conselheiros e representantes da Autarquia nos meses finais de 2017 e no primeiro trimestre deste ano. Inca debate sobre Linfologia em Oncologia durante evento

Oficina de Formação para o Controle Social no SUS é realizada no Crefito-2 Nos dias 23 e 24 de novembro de 2017, o Crefito-2 recebeu a primeira Oficina de Formação para o Controle Social no SUS no Rio de Janeiro. A realização conjunta do Conselho Nacional de Saúde (CNS), do Centro de Educação e Assessoramento Popular (Ceap) e do Conselho Estadual de Saúde do Rio de Janeiro (CES/RJ), com o apoio da Organização Panamericana da Saúde (Opas) foi aberta aos conselheiros municipais e estaduais de saúde, às lideranças de movimentos sociais em defesa da saúde pública, aos profissionais da Saúde e à sociedade civil. Em sua carta de apresentação ao Crefito-2, o Ceap ressaltou “o compromisso que o Conselho Regional tem com o tema da saúde pública e com o SUS, em particular”.

O Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca) realizou, nos dias 24 e 25 de novembro de 2017, no Hospital do Câncer I, o evento “Fronteiras da Linfologia em Oncologia: da Prática Clínica à Evidência Científica”. O Crefito-2 esteve presente, representado pela conselheira Dra. Adalgisa Maiworm, que integrou a mesa de abertura, no dia 24. Ela saudou os organizadores e participantes, agradeceu pelo convite ao órgão e destacou a importância do tema abordado. O evento teve como proposta discutir os diferentes aspectos da linfologia em pacientes oncológicos e reuniu profissionais dedicados à assistência, ensino e pesquisa na área, fomentando um espaço de discussão, troca de informações e aprimoramento das condutas direcionadas à prevenção, diagnóstico e tratamento das alterações linfáticas em pacientes oncológicos. 

Duas conselheiras do Crefito-2 participaram da oficina: Dra. Valéria Quintão, representante no Conselho Municipal de Saúde de Niterói; e Dra. Luciene Abreu Santos, que representa a Autarquia no Conselho Estadual de Saúde (CES/ RJ) e integra a Comissão de Educação Permanente do CES/ RJ, tendo atuado, inclusive, na organização do evento.  A facilitadora da oficina realizada no Crefito-2 foi Jussara Cony, farmacêutica aposentada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), consultora do SUS desde a reforma sanitária (1970) e educadora  do Projeto Formação e Capacitação de Controle Social do SUS e Movimentos Sociais. revista do CREFITO-2  Número 13  Abril de 2018 

23


Acontecimentos

Crefito-2 divulga nota em apoio aos trabalhadores da saúde pública municipal do Rio de Janeiro No dia 7 de dezembro de 2017, o Conselho Regional manifestou, por meio de nota oficial, seu total apoio às reinvindicações de melhores condições de trabalho e respeito às diversas categoriais profissionais da área da Saúde, em especial na cidade do Rio de Janeiro. Entre outros pontos, o texto destaca as “tentativas de desmonte do Sistema Único de Saúde”, o “crítico panorama de retrocessos” e as “condições precárias de trabalho e de sobrevivência, o que impacta, diretamente, no atendimento àqueles que mais precisam de atenção: a população mais carente”. A nota pode ser lida na íntegra no site do Crefito-2. 

Departamentos de Fiscalização realizam

balanço de 2017 O Crefito-2 participou, nos dias 7 e 8 de dezembro de 2017, em Brasília, da Reunião dos Departamentos de Fiscalização (Defis) do Sistema Coffito/Crefitos, representado pela conselheira e presidente da Comissão de Fiscalização, Dra. Valéria Quintão. O encontro encerrou a agenda do ano no âmbito da Fiscalização com um balanço das atuações ao longo de 2017, avaliando os pontos que geraram mais dúvidas e questionamentos jurídicos. Na ocasião também foi organizada a agenda de 2018 e foram debatidos a utilização de redes sociais por profissionais; a construção de Procedimentos Operacionais Padrão; estética; parâmetros assistenciais; Referencial Nacional de Procedimentos; RDC-7; responsabilidade técnica; publicidade; treinamento funcional; e Pilates. A mesa que discutiu sobre a construção de Procedimentos Operacionais Padrão para a Fiscalização foi coordenada por um Grupo de Trabalho do qual participa a representante do Crefito-2, Dra. Valéria Quintão. 

Fisioterapia Domiciliar Foto: Afiderj

O Espaço Cultural Dr. Ruy Gallart de Menezes, do Crefito-2, abriu suas portas para a apresentação da Associação de Fisioterapia Domiciliar do Estado do Rio de Janeiro (Afiderj), no dia 25 de novembro de 2017. A entidade foi criada em agosto de 2017 e o Conselho Regional forneceu apoio logístico à realização de seu primeiro evento. O conselheiro Dr. Jorge Luis da Silva Nascimento participou da mesa solene de abertura, representando o Crefito-2.  

UFRJ forma nova turma de

terapeutas ocupacionais O Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 2ª Região (Crefito-2) participou da formatura da mais nova turma de terapeutas ocupacionais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A solenidade foi realizada no dia 25 de janeiro, no Auditório do Centro de Ciências da Saúde (CCS), na Cidade Universitária. 

Legislação em debate no último encontro de Diretores Tesoureiros e Secretários em 2017 Para debater os avanços conquistados em 2017 e propor aperfeiçoamentos para 2018, os Diretores Tesoureiros e Secretários do Sistema Coffito/Crefitos participaram da última reunião do ano, em Brasília, nos dias 7 e 8 de dezembro de 2017. O Crefito-2 estava presente, representado pelo diretor tesoureiro, Dr. Robson de Jesus Pavão. A pauta abordou a revisão de Resoluções e proposição de melhorias administrativas. Os participantes estudaram e propuseram alterações textuais às legislações.Também foram debatidas as sugestões de melhorias de procedimentos nos Conselhos Regionais, com o objetivo de dinamizar as atividades cotidianas no Departamento Financeiro. 

24

 revista do CREFITO-2  Número 13  Abril de 2018


Saúde do Rio de Janeiro está em estado de

calamidade técnica

Conselhos profissionais e entidades da área da Saúde decretaram estado de calamidade pública técnica na Saúde do Estado do Rio de Janeiro. A decisão foi tomada durante reunião, no dia 12 de dezembro de 2017, na capital fluminense. Os conselheiros Dra. Valéria Quintão e Dr. José Antunes da Fonseca Filho representaram o Crefito-2 na ocasião. No encontro foram expostas as dificuldades enfrentadas pelas unidades municipais, estaduais e federais e pelos profissionais que nelas atuam. As entidades também relataram as ações que vêm sendo desenvolvidas para tentar solucionar os problemas, tanto no campo administrativo como político e jurídico. O grupo produziu um documento sobre a situação de falência técnica da saúde pública em todo o Rio de Janeiro. O objetivo é respaldar os profissionais que estão sem condições adequadas de trabalho e de atendimento à população. 

Crefito-2 integra a campanha de divulgação do Referencial Nacional de Procedimentos Fisioterapêuticos Representado pelo presidente da Comissão do Referencial de Procedimentos Fisioterapêuticos, conselheiro Dr. Jorge Luis da Silva Nascimento, o Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 2ª Região (Crefito-2) participou da reunião com a Comissão Nacional do Referencial de Procedimentos Fisioterapêuticos (CNPF), nos dias 26 e 27 de janeiro, na subsede do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Coffito). A pauta do encontro privilegiou o debate sobre estratégias e linhas de ação da campanha de divulgação do Referencial Nacional de Procedimentos Fisioterapêuticos (RNPF), que objetiva promover conscientização sobre o uso do Referencial, estabelecido por força de Resolução pelo Coffito. Também fez parte do debate a discussão sobre a formulação de diretrizes que atendam à estrutura de negociação conforme especificidades regionais. Nos dias 4 e 5 de dezembro de 2017, o vice-presidente do Crefito-2, Dr. Omar Luis Rocha da Silva, e o conselheiro Dr. Jorge Luis da Silva Nascimento já haviam participado de reuniões realizadas pelo Coffito, na subsede de Curitiba. 

Crefito-2 apoia Ação Social de Fisioterapia em Itaocara Uma equipe de fisioterapeutas voluntários atendeu 150 pacientes nos dias 12, 13 e 14 de janeiro, durante a Ação Social de Fisioterapia, realizada em Itaocara, na Região Noroeste Fluminense. O evento, que não possui vínculo ou qualquer intenção política e nem visa fins lucrativos, foi idealizado pela Dra. Franciani Moreth Navega Lichote. Segundo ela, promover um evento social com prestação de serviços de Fisioterapia para a população mais necessitada é “um sonho que tem desde que se formou”. A equipe contou com a atuação de outros fisioterapeutas. São eles: Dr. Alexandre Zeferino Alves; Dr. Rafael Barra Nova de Assis; e Dra. Vanessa da Mota Pereira Ferreira. O Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 2ª Região forneceu apoio logístico, com materiais de uso profissional, e acompanhou o primeiro dia do evento, representado pela Dra. Elizabeth Neves Fernandes Miquilito, coordenadora da Subsede do Crefito-2 no Norte Fluminense, instalada em Campos dos Goytacazes. 

Crefito-2 participa de reunião com o secretário Municipal de Saúde do Rio de Janeiro A Frente Parlamentar da Fisioterapia e da Terapia Ocupacional no Rio de Janeiro, que conta com a participação do Crefito-2 ao lado de outras organizações, teve uma importante reunião na Secretaria de Saúde do Município do Rio de Janeiro, no dia 1º de fevereiro. Na ocasião, foi entregue uma pauta de reivindicações ao secretário Dr. Marco Antonio de Mattos, visando à valorização profissional e à qualidade dos serviços prestados nas áreas de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Em novembro do ano passado, a Frente Parlamentar da Fisioterapia e da Terapia no Rio de Janeiro também já havia participado de uma audiência na Câmara de Vereadores, no dia 28. O grupo chegou a expor na galeria do Plenário da Câmara os principais pontos de suas reivindicações e demonstrou apoio ao projeto apresentado pelo vereador Otoni de Paula. 

revista do CREFITO-2  Número 13  Abril de 2018 

25


Acontecimentos

Estimulação Precoce é tema de encontro entre o Crefito-2 e a Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro O Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 2ª Região (Crefito-2) recebeu, no dia 31 de janeiro, uma equipe de profissionais da Secretaria de Estado de Saúde (SES-RJ), para debater as estratégias de atendimento no âmbito público estadual às crianças acometidas pela Síndrome do Zika Congênito e Storch, sigla composta por doenças infecciosas congênitas que acometem o recém-nascido (S - sífilis; TO – toxoplasmose; R – rubéola; C -citomegalovirose; e H - herpes simples). A diretora secretária, Dra. Isis Simões Menezes, recepcionou os participantes do encontro e representou a presidente do Crefito-2, Dra. Regina Figueirôa. Participaram do encontro, pela SES/RJ: Thaís Severino da Silva (superintendente de Atenção Básica); Dra. Maria Giseli da Costa Leite Ferreira (fisioterapeuta; coordenadora Estadual da Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência da Superintendência de Atenção Especializada, Controle e Avaliação - SAECA / SES/RJ); Agleildes Arichele Leal de Queiroz (coordenadora da Área Técnica de Saúde da População em Situação de Vulnerabilidade - SAB / SAS / SES/RJ); e Gabriela Silva Santos (dentista – SAECA / SES/RJ). Também integrou a mesa de discussões a Dra. Miriam Ribeiro Calheiros de Sá, membro da Comissão Científica da Associação Brasileira de Fisioterapia Neurofuncional (Abrafin). Ela integrou as equipes de autores e foi signatária dos Pareceres da Abrafin sobre Estimulação Precoce e Microcefalia (2016) e Integração Sensorial (2017), ambos produzidos em atendimento ao Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Coffito). 

Câmara dos Deputados aprova regulamentação das profissões de esteticista e cosmetólogo No dia 7 de março, a Câmara dos Deputados aprovou o projeto que regulamenta a profissão de esteticista (PL 2332/2015), da Deputada Soraya Santos (PMDB-RJ). O texto, que ainda vai passar por sanção presidencial, é um Substitutivo elaborado no âmbito do Senado Federal, a partir do 26

Crefito-2 participa do 1º Congresso Internacional de Práticas Integrativas e Saúde

O 1º Congresso Internacional de Práticas Integrativas e Complementares e Saúde Pública e o 3º Congresso Internacional de Ayurveda, realizado de 12 a 15 de março, no Riocentro, teve como objetivos fomentar o debate sobre o tema e promover a troca de experiências entre profissionais e gestores das diversas práticas integrativas, tanto do Brasil como de outros países. O evento contou com a participação de representantes do Sistema Coffito/Crefitos e da Associação Brasileira de Fisioterapia Integrativa (Abrasfi), no estande montado pelo Coffito. Na ocasião, fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais prestaram atendimento e apresentaram a atuação dos profissionais nas diversas abordagens das práticas integrativas e complementares aos congressistas. O Crefito-2 foi representado por sua presidente, Dra. Regina Figueirôa, e sua diretora-secretária, Dra. Isis Simões Menezes, além dos conselheiros: Dr. Jorge Luis da Silva Nascimento, Dr. José Antunes da Fonseca Filho, Dra. Marisa Bacellar e Dra. Adalgisa Ieda Maiworm Bromerschenckel. Na abertura do evento, o Ministério da Saúde anunciou a inclusão de mais dez novas práticas integrativas ao Sistema Único de Saúde (SUS). Fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais podem se cadastrar no banco de dados do SUS, como profissional de Terapias Integrativas. Há três formas de cadastro: profissionais, instituições e outros perfis. 

importante trabalho realizado pelo Grupo de Trabalho (GT) criado pela Senadora Ana Amélia (PP-RS). O GT, montado pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Coffito) e o Conselho Federal de Medicina (CFM), foi também integrado pela Associação Brasileira de Fisioterapia Dermatofuncional (Abrafidef) e representantes dos esteticistas. O conselheiro do Crefito-2, Dr. Bruno Vilaça, que participa da CAP-Coffito, vem acompanhando essa tramitação já há al-

 revista do CREFITO-2  Número 13  Abril de 2018

Pública

guns anos. “Ao longo do trabalho realizado no GT e debatendo o tema com os parlamentares e demais envolvidos na matéria, conseguimos promover mudanças relevantes no projeto inicial, defendendo a saúde da população e as profissões”, avalia. No Substitutivo que foi aprovado, os esteticistas e cosmetólogos deverão ter diploma de graduação em curso de nível superior. Além disso, em sua prática, devem observar a prescrição fisioterapêutica ou médica a ser apresentada pelo cliente, ou solicitá-la após avaliação. 


O nome já diz tudo:

RESPONSÁVEL TÉCNICO Quem assume essa função tem uma importante missão. Quem? Somente fisioterapeuta e/ou terapeuta ocupacional, de acordo com o tipo de assistência oferecida, com registro no Conselho Regional da Jurisdição em que esteja localizada a prestadora dos serviços.

Onde?

Como?

Em todos os locais, públicos ou privados, consultórios ou empresas, que prestem assistência fisioterapêutica ou terapêutica ocupacional, independente do seu grau de complexidade, como atividade básica.

Dirigindo ou assessorando tecnicamente os serviços de Fisioterapia e/ou Terapia Ocupacional; garantindo as práticas terapêuticas dentro de critérios éticos e científicos válidos; assegurando em seu respectivo campo de intervenção ético e científico, uma prática assistencial de validade científica comprovada, coerente com cada caso apresentado; certificando-se que estejam em atividade no serviço, profissionais fisioterapeutas e/ ou terapeutas ocupacionais em número compatível com a natureza da atenção a ser prestada; observando se os estágios curriculares e extracurriculares são oferecidos conforme regulamentação específica.

Quando? Durante todo o horário de funcionamento do serviço, durante os atendimentos aos pacientes. Deve estar fisicamente presente, não bastando assinar os documentos e anunciar nome e número de registro em mural. Sua ausência é passível de punição.

Conheça e cumpra a legislação da sua profissão! As atribuições do exercício da Responsabilidade Técnica nos campos assistenciais da Fisioterapia e da Terapia Ocupacional são regulamentadas pela Resolução Coffito nº 139/1992. A Resolução Coffito nº 422/2013 estabelece a não obrigatoriedade de registro nos Crefitos, nos termos da Lei 6.839/80, para as empresas que tenham outra atividade básica.


Sabe o que vai ter depois da Copa do Mundo de Futebol 2018?

A XVIII Jornada Científica de Fisioterapia e Terapia Ocupacional do Crefito-2! Aguarde a programação das palestras e mesas-redondas com o nosso time de craques!

www.crefito2.gov.br

Revista Crefito-2 - 13ª Edição  

Publicação oficial do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 2ª Região (Crefito-2), Autarquia Federal responsável pelo c...

Revista Crefito-2 - 13ª Edição  

Publicação oficial do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 2ª Região (Crefito-2), Autarquia Federal responsável pelo c...

Advertisement