__MAIN_TEXT__

Page 1

Construsul A PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REGIÃO SUL

ANO XII | JANEIRO E FEVEREIRO | 2019

77

ESPECIAL

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA INVESTIMENTO EM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE ATUALIDADES Indústrias do segmento de construção desenvolvem diferentes projetos de responsabilidade social e algumas até possuem institutos consolidados. Projetos que visam valorização do meio e contribuem para a construção de um futuro promissor para as sociedades locais são alguns exemplos dessas ações. TECNOLOGIA A escolha certa de cabos e fios elétricos na construção ou reforma de imóveis é primordial. Além de sustentabilidade, quesitos como segurança, eficiência, economia e durabilidade são algumas apostas da indústria.


Construsul ASSINE AGORA E RECEBA NA SUA CASA OU ESCRITÓRIO A PUBLICAÇÃO OFICIAL DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO SUL DO PAÍS.

S A N E P A IÇÕES D E 6 POR AIS* ANU

PARA ASSINAR ACESSE: REVISTACONSTRUSUL.COM.BR *A assinatura anual compreende um ciclo de seis edições, uma a cada dois meses, a partir da confirmação do pagamento. Mais informações: assinaturarevista@suleventos.com.br


INOVAÇÃO - TECNOLOGIA - LANÇAMENTOS NOS ENCONTRAMOS EM 2019!

APOIADORES CONSTRUSUL 2018


Terça a sexta: 13h às 20h


EDITORIAL

Por Daniela Manfron Gerente de Comunicação e Marketing Sul Eventos

ANO DE OPORTUNIDADES Um ano com resultados melhores comparado aos anteriores é a indicação para o ciclo que se abre. Reverter os quadros da economia e da política, que muito afetaram todos os segmentos, em especial da construção civil, ainda é a pauta do setor. Segundo a Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco), o varejo de material de construção encerrou 2018 com crescimento de 6,5% sobre 2017 e a previsão para este ano é de crescer 8,5% sobre o ano anterior. Já a Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) divulgou pesquisa que indica o crescimento da indústria de materiais de construção de 1,2% em relação a 2017. A Sondagem Industrial apresentada pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs) apresentou otimismo para 2019. Os estoques ajustados e as boas expectativas para demanda, emprego e investimentos dão um bom indicativo para a indústria gaúcha este ano. Apesar da queda na produção em 38,1 e no emprego em 47 pontos no mês de dezembro comparado ao mês anterior, os baixos níveis de estoque, 48,3 pontos, sugerem que a demanda foi superior à prevista e colocam um viés de alta para a atividade industrial nos próximos meses. Em sua primeira edição de 2019, a Revista Construsul aborda um panorama do mercado de energia solar fotovoltaica, um setor que em 2018 chegou a dois mil megawatts (MW) de potência operacional da fonte solar fotovoltaica conectados na matriz elétrica nacional. Os mil megawatts projetados como crescimento para este ano proveram de sistemas de pequeno, médio e grande porte. Na seção Tecnologia, apresentamos alguns dados do segmento de fios e cabos elétricos. Além de sustentabilidade, quesitos como segurança, eficiência, economia e durabilidade são algumas apostas da indústria. Desejamos a todos um ano com ótimas novidades, saúde e sucesso! Boa leitura.

6

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019


Construsul ASSINE AGORA E RECEBA NA SUA CASA OU ESCRITÓRIO A PUBLICAÇÃO OFICIAL DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO SUL DO PAÍS.

S A N E P A IÇÕES D E 6 POR AIS* ANU

PARA ASSINAR ACESSE: REVISTACONSTRUSUL.COM.BR *A assinatura anual compreende um ciclo de seis edições, uma a cada dois meses, a partir da confirmação do pagamento. Mais informações: assinaturarevista@suleventos.com.br


O Grupo OVD possui mais de 50 anos de atuação no mercado de ferragens, ferramentas, máquinas e equipamentos. Sua história é marcada pelo constante aprimoramento e amplitude de seu mix de produtos, aperfeiçoamento de seus processos logísticos, infraestrutura administrativa e comercial, que contribuíram para a ampliação de seus negócios voltados ao mercado distribuidor atacadista.

A linha Sophie da Steck oferece mais de 50 itens para aplicações residenciais, com placas nas cores foscas Branco Orus, Amêndoa Seth, Cromado Aton e Grafite Fênix. Os módulos variam entre interruptores, tomadas e conexões, como o RJ45, TV e vídeo, telefonia e o carregador USB, por exemplo. São indicados para aplicações contemporâneas, ambientes com estética jovial e urbana.

ÍNDICE

Foto: Shuterstock

8

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

Foto: divulgação OVD

Foto: divulgação Steck

Foto: Shuterstock

Abramat aponta alta no setor de materiais de construção em 2018. A pesquisa aponta que após três anos de queda no faturamento deflacionado, o segmento apresentou em 2018, crescimento de 1,2% em relação a 2017. Comparado a novembro/2018, o último mês do ano apontou resultado 0,2% superior no faturamento deflacionado.

Fontes de energias renováveis como a solar fotovoltaica estão cada vez mais em voga. Escolas, empresa e empreendimentos aderem o método como forma de economia e sustentabilidade. Segundo projeções da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), o Brasil ultrapassará a marca de três mil megawatts em 2019, o que atrairá mais de R$ 5,2 bilhões em novos investimentos privados e cerca de 15 mil novos empregos.


EXPEDIENTE

Foto: Shuterstock

Foto: divulgação Saint-Gobain

A REVISTA CONSTRUSUL É UMA PUBLICAÇÃO DA SUL EVENTOS DIREÇÃO

Wilson Richter Ricardo Richter

Indústrias do segmento de construção civil desenvolvem anualmente diferentes projetos de responsabilidade social, sejam de sustentabilidade, cursos de capacitação ou auxílio a comunidade em que a empresa esta inserida. Além de contribuir com a sociedade, as organizações que promovem a responsabilidade social aumentam a credibilidade da marca.

Segurança, eficiência, economia e durabilidade, além de sustentabilidade são algumas apostas da indústria quando falamos de fios e cabos elétricos. Entre diferentes fatores, a prevenção de descargas elétricas e incêndios são especificações relevantes nas normativas. O mercado do segmento mostra-se positivo e otimista quanto as perspectivas para 2019.

GERÊNCIA DE COMUNICAÇÃO E MARKETING E EDITORA RESPONSÁVEL

Daniela Manfron (MTB/RS 8.889) ASSISTENTE DE JORNALISMO

Aniele Cerutti DEPARTAMENTO COMERCIAL

Regina Manfron Silveira Brasil Eventos PARA ANUNCIAR

comercialrevista@suleventos.com.br FECHAMENTO DESSA EDIÇÃO

05/02/2019 CORRESPONDÊNCIA

Foto: divulgação JCB

Foto: Shutterstock

Sul Eventos Rua Miguel Tostes, 823, Bairro Rio Branco, Porto Alegre, RS, CEP 90430-061 Fone: 55 51 3225.0011 www.suleventos.com.br

As opiniões, entrevistas, artigos e colunas assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores. PROJETO GRÁFICO E DIAGRAMAÇÃO

O Sinduscon-RS divulgou no dia primeiro de fevereiro, o CUB/m² (Custo Unitário Básico por metro quadrado de construção) do mês de outubro de 2018, com base na NBR 12.721/2006. Os insumos básicos da construção que mais subiram em janeiro último são: locação de betoneira (1,33%), registro de pressão cromado Ø 1/2” (1,08%), e tinta látex PVA (1,06%).

A JCB no Brasil produziu mais de 20 mil máquinas. Entre 2016 e 2018, foram investidos 50 milhões de reais em ações de melhorias na fábrica em Sorocaba, SP, para ampliação de seu portfólio, trazendo novos produtos para o mercado. A unidade é responsável pela comercialização de máquinas como retroescavadeiras e escavadeiras hidráulicas de esteira.

Pubblicato Editora Ltda. andrea@pubblicato.com.br Fone: 55 51 3013.1330 Diagramação e produção: Vitor Mesquita e Andrea Costa FOTO DE CAPA

Shutterstock IMPRESSÃO

Gráfica Odisséia PARTICIPE DA PRÓXIMA EDIÇÃO

Para participar da próxima edição da Revista Construsul com sugestões, dúvidas e críticas mande seu email para: jornalismo@suleventos.com.br REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

9


MOVIMENTO

ABCIC anuncia os vencedores do Prêmio Obra do Ano de 2018 Foto: divulgação

to, fornecidos pela Cassol Pré-Fabricados – vigas, pilares, lajes alveolares e escadas. O projeto arquitetônico ficou a cargo dos arquitetos André Detanico, Tarso Carneiro e Maurício Ceolin (AT Arquitetura). O Prêmio Obra do ano na categoria Infraestrutura foi para o Terminal Aeroportuário de Vitória, ES, com projeto estrutural de Eduardo Dell’Avanzi e José Soto Quevedo, projeto arquitetônico de Ricardo Rodrigues e Thereza C.N.M. Ferreira e estruturas pré-fabricadas de concreto fornecidas pela Cassol Pré-Fabricados.

A Associação Brasileira da Construção Industrializada de Concreto (Abcic) anunciou os vencedores do Prêmio Obra do Ano em Pré-Fabricados de Concreto, em três categorias: Edificações, Infraestrutura e Pequenas Obras. A solenidade de premiação foi realizada no dia 29 de novembro, em São Paulo, SP, reunindo empresários, engenheiros, arquitetos, profissionais da cons-

trução e representantes de entidades setoriais e de instituições governamentais. Em Edificações, a obra vencedora foi o Campus da Universidade do Vale dos Sinos (Unisinos), em Porto Alegre, RS. Com 60,8 mil m², o projeto é composto por quatro setores, sendo duas unidades construídas com estruturas pré-fabricadas de concre-

Na categoria Pequenas Obras, o vencedor foi o prédio EMG da Energisa, situado em Cataguases, MG. O edifício multipavimentos, com superestrutura pré-fabricada de concreto armado e protendido, composta de pilares circulares segmentados, vigas e lajes alveolares fornecidas pela Bemarco Estruturas. O escritório Davis Brody Bond foi contratado para desenvolver o projeto arquitetônico. Já o projeto estrutural ficou a cargo do engenheiro Rogério Cierro.

Abramat aponta alta do setor em 2018 A Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) divulgou no dia17 de janeiro, a nova edição da pesquisa do Índice, com os dados projetados de dezembro. A pesquisa indica o crescimento da indústria de materiais de construção no mês de dezembro, assim como a confirmação dos dados consolidados do setor no ano de 2018. Após três anos de queda no faturamento deflacionado, o segmento apresentou em 2018 crescimento de 1,2% em relação a 2017. Comparado a novembro/2018, o último mês do ano apontou resultado 0,2% superior no faturamento deflacionado. A comparação com dezembro/2017 registra queda de -2,5%. Outro destaque foi o nível de emprego na indústria de materiais de construção. Os últimos 12 meses (dez/17 a dez/18), comparados ao mesmo período do ano anterior, apresentam

10

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

alta de 1,7% no número de vagas de emprego nas empresas do mercado. Em relação a dezembro/2017, a alta de empregos do setor é de 2,5%, enquanto que a comparação com novembro/2018 registra alta de 0,1%. O crescimento é relevante e trata-se de um indício mais forte da recuperação do setor, uma vez que até a última edição da pesquisa, com os dados até novembro/2018, a variação de empregos no acumulado do ano era de queda, registrando -0,7%. Após o balanço de 2018, o índice de dezembro da Abramat também apresentou a primeira projeção da associação para 2019, que acredita em um ano de sustentação da tendência de retomada do crescimento. A princípio, a associação, em parceria com a FGV (responsável pela condução pela elaboração pesquisa do Índice da Abramat), estima que o ano de 2019 registrará alta de 2,0% para o faturamento do setor em relação a 2018.


A Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) divulgou no final de janeiro a Sondagem Industrial que apresenta otimismo para 2019. Os estoques ajustados e as boas expectativas para demanda, emprego e investimentos dão um bom indicativo para a indústria gaúcha este ano. Apesar da queda na produção em 38,1 e no emprego em 47 no mês de dezembro comparado ao mês anterior, os baixos níveis de estoque, 48,3 pontos, sugerem que a demanda foi superior à prevista e colocam um viés de alta para a atividade industrial nos próximos meses. Dentro de uma escala que vai de 0 a 100, abaixo dos 50, os índices significam quedas em relação ao mês anterior e estoques abaixo do nível planejado pelas empresas.

ta favorável à produção”, destaca o presidente da Fiergs, Gilberto Porcello Petry.

Também é normal no período a menor utilização da capacidade instalada (UCI). Em dezembro, o grau médio atingiu 67,0%, 4,0 p.p. abaixo de novembro. Os empresários da indústria gaúcha também mostraram otimismo com a demanda futura e maior disposição em investir e contratar. “A boa expectativa está ligada ao momento político do País e à disposição do governo em fazer as reformas necessárias. Há forte intenção de investir e trabalhar quando o cenário se apresen-

A elevação da carga tributária (indicada por 47,8% das empresas pesquisadas, principalmente pequenas e médias), e a demanda interna insuficiente (33,2%) foram os principais problemas enfrentados no quarto trimestre, conforme a Sondagem Industrial. A taxa de câmbio foi o item que mais perdeu relevância na passagem do terceiro para o quarto trimestre, de 32% para 17,1%, movimento comum a todos os portes de empresa.

MOVIMENTO

Sondagem industrial mostra otimismo para 2019

A insatisfação com as condições financeiras da empresa diminuiu no quarto trimestre, em relação ao período anterior. O índice de satisfação com a margem de lucro operacional subiu para 41,5 pontos e o de satisfação com a situação financeira cresceu para 47,4. Abaixo de 50 pontos os indicadores mostram insatisfação. O avanço bem menor nos preços das matérias-primas, cujo índice caiu de 72,4 pontos para 60,2 pontos no mesmo período, amenizou a situação financeira das empresas.

Abratec lança guias de controle tecnológico do concreto e de solos e pavimentos Foto: divulgação

A Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Construção Civil (Abratec) lançou dois manuais de procedimento: a primeira edição do Guia Prático de Controle Tecnológico de Solos e Pavimentos e a quarta edição do Guia Prático de Controle Tecnológico do Concreto, esse último com revisões e novas informações. De acordo com a presidente da entidade, Paula Baillot, os manuais são práticos e fáceis de consultar tanto por especialistas técnicos quanto por consumidores. Os guias estão disponíveis para download gratuito no site da entidade (www.abratec-lab.org.br). “Ao seguir as orientações e dicas dos manuais, é possível evitar os problemas causados por um concreto de baixa qualidade, que pode resultar em acidentes graves, como desabamentos; e sérios desní-

veis de solos e pavimentos por intervenções mal feitas”, afirma Baillot. O Guia Prático de Controle Tecnológico do Concreto reúne referências às normaliza-

ções atualmente em vigor relativas ao produto e seus constituintes, sobretudo as normas da ABNT. “Com base nas normas, fornece orientações sobre os ensaios necessários para um correto controle tecnológico e obtenção de um excelente produto final, além de reduzir os custos das obras. Assim, é de suma importância para o setor da construção. Essa última versão reúne todas as referências normativas atualizadas”, ressalta a executiva. Segundo Baillot, a primeira edição do Guia Prático de Controle Tecnológico de Solos e Pavimentos foi desenvolvida com o objetivo de colaborar para a melhora da qualidade das obras de infraestrutura, afim de que atendam as exigências de projetos, bem como dos órgãos competentes, além de fornecer orientações técnicas aos intervenientes. REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

11


MOVIMENTO

Vendas no varejo de material de construção ficam estáveis em janeiro O varejo de material de construção teve desempenho estável no mês de janeiro, na comparação com dezembro. Já com relação a janeiro do ano passado, o setor teve queda de 9%. Esse desempenho já era esperado pela Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco). “Início do ano sempre é complicado porque temos o pagamento de IPTU, IPVA, retorno das aulas, férias de janeiro, as contas do cartão de crédito de dezembro”, declara o presidente da Anamaco, Cláudio Conz. A Pesquisa Tracking mensal da Anamaco entrevistou 530 lojistas entre os dias 24 e 30 de janeiro. Todas as regiões do país apresentaram resultados abaixo do esperado em janeiro: Nordeste (-26%), Norte (-15%), Sudeste (-12%), Sul (-9%) e Centro-Oeste (-3%). Entre as categorias pesquisadas, tintas apresentaram a maior retração no período (-40%), seguidas de revestimentos cerâmicos (-17%). Já telhas de fibrocimento

cresceram 4% no mês, possivelmente por conta do aumento de volume de chuvas. “Para fevereiro, os lojistas estão mais otimistas. 45% dos entrevistados acreditam em recuperação de parte das vendas, mas ainda assim deve ser um mês com pouco volume de vendas, comparado a outros meses do ano. O aumento do volume de chuvas ocasiona obras de reparo, mas as obras mais estruturais acabam ficando pra depois que a época de chuvas passa”, completa o presidente da Anamaco. O levantamento também apontou que 86% dos entrevistados estão otimistas com o novo governo. Enquanto 45% pretendem realizar investimentos nos próximos 12 meses, 20% dos entrevistados querem contratar novos funcionários já em fevereiro. Para 2019, a Anamaco prevê crescimento de 8,5% sobre 2018.

CBCS realiza evento de encerramento da fase piloto do Projeto Cidades Eficientes

O painel de abertura do evento contou com a participação do presidente do CBCS, Olavo Kucker Arantes, do conselheiro e gestor do CT Energia do CBCS, Roberto Lamberts, da coordenadora executiva do CBCS,Clarice Degani, do coordenador do Portfólio de Energia do iCS, Roberto Kishinami, do secretário municipal de administração de Florianópolis, Everson Mendes, e do diretor da região metropolitana do IPUF de Florianópolis, Michel Mittman. O evento marcou o encerramento da fase de assessoria técnica junto aos órgãos

12

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

Foto: divulgação

O Conselho Brasileiro de Construção Sustentável (CBCS), com apoio e financiamento do Instituto Clima e Sociedade (iCS), realizou no dia 27 de novembro de 2018, o evento de encerramento da fase piloto do Projeto Cidades Eficientes, em Florianópolis, SC. A iniciativa objetiva estimular a adoção de políticas públicas que viabilizem reduções efetivas de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) nos edifícios públicos.

municipais das cidades piloto. Sob a coordenação da arquiteta Maria Andrea Triana e do engenheiro Edward Borgstein, a equipe técnica do CBCS atuou junto aos municípios sendo composta pelo engenheiro ambiental Alexandre Schinazi, pela administradora de políticas ambientais Carolina Griggs, pela engenheira ambiental Isabela Issa, e pela arquiteta Rosane Fukuoka.

Após a realização de chamada pública nacional divulgada em março de 2018, 130 municípios de 21 estados brasileiros inscreveram-se para participar do processo de seleção do projeto. Três cidades foram selecionadas para a fase piloto: Florianópolis, em Santa Catarina; Jaboatão dos Guararapes, em Pernambuco; e Sorocaba, em São Paulo.


Segundo a 42ª edição do informativo do Instituto do Aço Brasil, o desempenho da indústria brasileira do aço em 2018 deve confirmar sua trajetória de recuperação, com crescimento nas vendas internas de 8,9% em relação a 2017. No tocante à produção, tendo em vista a entrada de novas produtoras de aço no mercado e o atingimento do pleno ritmo de operação pela CSP, a indústria brasileira do aço deve ter recorde de produção de aço bruto (estimada em 36 milhões de toneladas) este ano. As importações devem aumentar 2,6% em relação a 2017, totalizando 2,4 Mt e as ex-

portações devem cair 7,2%, devendo atingir 14,2 Mt. Apesar dos números positivos de 2018, quando comparados a 2017, as projeções das vendas internas e do consumo aparente ainda permanecem abaixo dos níveis alcançados em 2013. Com expectativas otimistas em relação às medidas que estão sendo anunciadas pelo governo, as previsões do Instituto Aço Brasil para 2019 são de aumento das vendas internas de aço em 5,8%, totalizando volume de 20 milhões de toneladas. O consumo aparente de aço deverá subir 6,2% em 2019, indo para 22,4 milhões de toneladas.

O Instituto Aço Brasil, integra coalizão empresarial da indústria ao lado de outras nove entidades de classe.

MOVIMENTO

Indústria brasileira do aço confirma trajetória de recuperação em 2018

Constam também como prioridades da agenda da coalizão a retomada dos investimentos na construção civil e em infraestrutura e o fomento às exportações. Em relação a uma maior abertura comercial do país, a coalizão entende que somente seja feita após as correções das assimetrias competitivas. Neste sentido, a área econômica do governo já sinalizou que a abertura será feita de forma gradual, segura e negociada.

Projeto Moradias Infantis vence o Prêmio Internacional de arquitetura No final de novembro o Royal Institute of British Architects (RIBA) anunciou o projeto Moradias Infantis como ganhador do Prêmio Internacional Riba 2018. O complexo escolar desenvolvido pelos escritórios brasileiros Aleph Zero e Rosenbaum em Formoso do Araguaia no Tocantins oferece acomodação para 540 crianças que frequentam a Escola Canuanã. Segundo artigo de Eric Baldwin publicado no site ArchDaily, o prêmio RIBA é concedido a cada dois anos para um edifício que exemplifi-

que a excelência em projeto e a ambição arquitetônica, além de proporcionar um impacto social significativo. Moradias Infantis foi reconhecido por sua visão em imaginar a arquitetura como uma ferramenta para a transformação social. O projeto foi escolhido a partir de uma lista de quatro novos edifícios excepcionais por um grande júri presidido pela renomada arquiteta Elizabeth Diller (DS+R). Financiado pela Fundação Bradesco, é uma das

40 escolas administradas pela instituição que oferece educação para crianças em comunidades rurais em todo o Brasil. Os arquitetos Gustavo Utrabo e Petro Duschenes, do Aleph Zero, desenvolveram o projeto em colaboração com Marcelo Rosenbaum e Adriana Benguela, do estúdio de arquitetura e design Rosenbaum. Combinando uma estética contemporânea com técnicas tradicionais, a obra foi descrita pelo júri como “reinventando o vernáculo brasileiro”.

Foto: Leonardo Finotti

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

13


MOVIMENTO

Guia BIM promete baratear imóveis A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) é responsável pelo desenvolvimento do Guia BIM, em português, Modelagem da Informação da Construção. O uso desse sistema pode baratear obras em no mínimo 15% em relação ao custo total. Na prática é uma ferramenta de planejamento que utiliza um modelo virtual em três dimensões para facilitar a visualização do construtor, para saber exatamente onde estarão as portas e janelas, por exemplo, acabando com o costume de construir uma parede para depois quebrá-la para passar fios, ou encaixar batentes. Para seguir esse sistema que as grandes construtoras já têm acesso, é preciso criar um banco de imagens de tudo o que precisa numa construção como, portas, janelas, encanamentos. O foco da ABDI é disponibilizar esse guia com

todos os itens de construção, catalogados gratuitamente, para que todas as construtoras tenham acesso, tornando as pequenas empresas do setor mais competitivas, podendo aumentar a concorrência. O desafio da Agência é buscar soluções para setor de construção civil, tornando a biblioteca do guia cada vez mais completa, mas para isso é preciso a conscientização principalmente dos fornecedores de materiais que tem que disponibilizar todas as informações técnicas sobre as matérias-primas e insumos utilizados numa obra. “Estamos entrando em uma nova etapa que é a digitalização da economia”, afirma o presidente da ABDI, Guto Ferreira.

SindusCon-SP estima crescimento do PIB da construção em 2019

Se este resultado se confirmar, ele deverá ser “puxado” pelas obras e pequenas reformas realizadas por pequenos empreiteiros ou famílias (autoconstrução), que em seu conjunto poderão crescer 3,5% neste ano, explicou o vice-presidente de Economia da entidade, Eduardo Zaidan. A estimativa é que a atividade das construtoras se eleve em 1%, completou. A previsão de crescimento encontra respaldo em um cenário econômico mais favorável que nos anos anteriores, comentou a coordenadora de Projetos da Construção do Instituto Brasileiro de Economia da Fun-

14

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

Foto: Shuterstock

Depois de acumular queda de 28% de 2014 a 2018, o produto interno bruto (PIB) do setor da construção deverá crescer pela primeira vez em 2019, em 2%, comparado ao ano passado. A estimativa foi anunciada pelo presidente do SindusCon-SP, Odair Senra, em entrevista coletiva em 5 de fevereiro, tomando como base uma projeção de crescimento para o PIB nacional de 2,5% neste ano.

dação Getulio Vargas (FGV/Ibre), Ana Maria Castelo. Em sua apresentação, a economista mostrou dados e projeções como a de uma possível elevação do nível de emprego na construção em 4,5%, em 2019. Os dirigentes do SindusCon-SP destacaram a importância da realização de reformas, especialmente a da Previdência, para que os investimentos em construção

se elevem e resultem em geração massiva de empregos. Segundo as sondagens setoriais feitas em janeiro, as expectativas dos empresários têm subido, aproximando-se do otimismo moderado. Além disso, 2018 deixou um legado econômico favorável, com inflação baixa, a menor taxa básica de juros da série histórica e o emprego em alta, acrescentou Ana Maria. O ano passado também legou também fatores desfavoráveis ao investimento, como a elevação da dívida do governo, a piora do quadro fiscal dos estados e um crescimento aquém do esperado da produção industrial. Nos últimos 12 meses até novembro de 2018, o PIB da construção acumulava queda de 2,3%, a menor dos últimos anos, segundo a FGV. No ano passado, o crédito imobiliário voltou a crescer, as vendas e os lançamentos de empreendimentos aumentaram, os distratos de aquisição de imóveis diminuíram e as eleições impulsionaram obras.


As unidades estão sendo construídas para as famílias que residem em áreas de risco ou em situação de vulnerabilidade social. “O governo estadual também é protagonista desta história. Cada unidade habitacional está recebendo aporte de R$ 5 mil dos cofres do Estado. No total serão R$ 5,6 milhões de investimentos pelo Executivo para a promoção da habitação em

Foto: Tiago Belinski/Ascom SOP

Segundo informações da Secretaria de Obras e Habitação, o residencial Breno Jardim Garcia, em Gravataí, RS começou a receber as primeiras famílias beneficiadas pela construção das unidades habitacionais na parada 103 da ERS-030 no final de janeiro. Ao total 1.013 unidades foram entregues nesta primeira etapa do empreendimento. Com investimento total de R$ 150 milhões, fruto de parceria entre os governos federal, estadual e municipal, o loteamento beneficiará 2.025 famílias com renda de zero a três salários mínimos.

Gravataí”, destacou o secretário estadual de Obras e Habitação, Rogério Salazar. A segunda etapa do empreendimento, que compreende a construção de outras 1.012 unidades, tem previsão para ser entregue nos próximos meses. As casas possuem 40 metros quadrados, dois dormitórios, banheiro, cozinha, sala e área de

MOVIMENTO

Empreendimento habitacional recebe as primeiras famílias beneficiadas pelo Minha Casa, Minha Vida

serviço externa, além de placas de energia solar. Após a conclusão e entrega das obras, o residencial terá uma população estimada em 10 mil pessoas, contando com toda a infraestrutura viária, escolas, unidades de saúde, CRAS, Estação de Tratamento de Esgoto, além de áreas destinadas ao lazer e a convivência.

Financiamentos imobiliários em dezembro têm maior alta de 44 meses Foto: Shuterstock

Conforme informações no site da CBIC, em dezembro de 2018, os financiamentos imobiliários com recursos das cadernetas do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) somaram R$ 6,05 bilhões, registrando o melhor resultado dos últimos 44 meses. O montante indica alta de 24,1% em relação a novembro e, comparativamente a dezembro de 2017, de 64,4%. No acumulado do ano, foram aplicados R$ 57,4 bilhões na aquisição e construção de imóveis, elevação de 33% em relação a 2017. A marca representa uma interrupção num período de três anos de quedas consecutivas. Nas modalidades de aquisição e construção, foram financiados 23,4 mil imóveis em dezembro de 2018, resultado 18,5% maior que o de novembro. Em relação a dezembro de 2017, houve alta de 60,9%. Em 2018, foram financiadas aquisições e construções de 228,4 mil imóveis, alta de 30% em relação a 2017, quando 175,6 mil unidades foram objeto de crédito bancário.

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

15


EMPRESAS E PRODUTOS

AMANCO APRESENTA CAIXA DE GORDURA COM CESTO DE LIMPEZA A Amanco, marca comercial da Mexichem, lança no mercado nacional a Caixa de Gordura, com cesto de limpeza. A novidade facilita os trabalhos de manutenção periódica do dispositivo de esgoto, pois o consumidor pode remover e voltar a colocar o cesto sempre que precisar. Fabricado em polipropileno, o produto possui elevada resistência química e a solventes, além de um travamento avançado, que impede sua movimentação dentro da caixa de gordura.

ASTRA DESTACA CUBA DE BAMBU A Astra lançou em fevereiro a Cuba de Bambu. A peça tem design e material arrojado, que busca integrar ambientes internos à natureza. Desenhada para dar leveza e aspectos naturalistas aos ambientes, a Cuba de Bambu da Astra é leve e facilmente adaptada a ambientes rústicos ou contemporâneos. Medindo 55x35x7cm, a novidade é ideal para ambientes que combinam vidro e madeira.

Foto: divulgação Foto: divulgação

ÂNCORA OFERECE FERRAMENTA DE FIXAÇÃO A GÁS A ferramenta de fixação a gás FGA850 para aplicação de pinos em concreto e aço é um dos equipamentos comercializados pela Âncora para garantir agilidade e precisão aos mais diversos tipos de obra e instalações. Trata-se de uma solução versátil, pois atende a diversos materiais de base com variados tipos de pinos e acessórios com rápida fixação. O manuseio é seguro (o disparo ocorre somente após a pressão da ferramenta contra a base) e confortável (tem desenho ergonômico e baixo nível de ruído e recuo). A empresa oferece um programa de registro de titularidade para maior segurança em casos de roubo ou perda (permitindo auxiliar na recuperação, podendo ser localizado pela Âncora em eventuais manutenções futuras) e exclusividade no suporte do pós-venda, proporcionandoacessórios, serviços de manutenção, reposição de peças e atendimento técnico.

16

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

Foto: divulgação


EMPRESAS E PRODUTOS

Foto: divulgação

DOCOL LANÇA NOVA LINHA DE METAIS A Docol lança a linha New Edge. Com formas retas e simetria, a linha é composta por torneiras, monocomandos (nas versões bica alta e baixa), misturador, acabamentos para registro, acabamentos monocomando para chuveiro e ducha higiênica. As peças se diferenciam nos espaços pela combinação entre usabilidade, elegância e simplicidade no desenho.Disponíveis nas cores grafite escovado, níquel escovado, cobre escovado e cromado, os produtos possuem a exclusiva tecnologia DocolChroma®, que além da cor, garante acabamento impecável e duradouro.

Foto: divulgação

EINHELL DESTACA MARTELETE ROTATIVO TE-HD 18 LI SOLO O Martelete Rotativo TE-HD 18 Li Solo compõe a linha premium de baterias da Einhell, a linha Power X-Change. O martelete rotativo TE-HD 18 Li Solo é ideal para trabalhos em altura ou em locais com mobilidade restrita. Além de dispensar o uso de cabos, ele é leve e possui ótima ergonomia, diminuindo o cansaço do usuário. Sua performance é excelente tanto em alvenaria quanto em concreto. Fura rápido, com ou sem impacto. Possui luz LED para trabalhos em locais com baixa iluminação. Pode ser utilizado também como parafusadeira, inserindo apenas um adaptador para ponta bit com encaixe SDS-Plus que acompanha a ferramenta. Alguns produtos são vendidos com a terminação “Solo” (não acompanham bateria), possibilitando grande economia para o usuário que já possui as baterias da linha.

BRACCI RETRATA DETALHISMO E PRATICIDADE EM CADA PEÇA A Bracci, empresa do segmento de metais sanitários está localizada na cidade de Gramado, RS. A empresa apresenta um novo conceito em metais, do clássico ao contemporâneo, oferece uma linha completa para quem se preocupa com os mínimos detalhes. As peças com design italiano são estudadas em cada detalhe para garantir o funcionamento e praticidade no dia-a-dia.

Foto: divulgação

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

17


EMPRESAS E PRODUTOS

Foto: divulgação

DRYKO IMPERMEABILIZANTES PREVÊ CRESCIMENTO PARA 2019 O diretor da Dryko Impermeabilizantes, Raphael Bigio, prevê crescimento acima de 20% para 2019, com base nos resultados obtidos em 2018. O executivo reforça que esse crescimento é fruto de investimentos em tecnologia, estrutura e qualificação de pessoal, e por oferecer soluções competitivas para a construção civil. Segundo Bigio, fatores como uma estrutura enxuta e funcional, equipe especializada e logística eficiente fazem com que a Dryko figure hoje entre as principais marcas de impermeabilizantes do país e apresenta rentabilidade acima da média do setor. “A competitividade da empresa se dá pela qualidade dos produtos e eficiência da companhia, tanto no fornecimento em obras de infraestrutura, quanto nas residenciais”, afirma.

BOSCH AMPLIA LINHA DE FURADEIRAS DE IMPACTO E ESMERILHADEIRAS A Bosch apresenta ao mercado as furadeiras de impacto GSB 450 RE e GSB 550 RE e a esmerilhadeira GWS 850. Os lançamentos complementam o portfólio de ferramentas da marca alemã, sendo adequados a diferentes perfis e demandas. Entre os diferenciais das ferramentas estão melhor custo-benefício, assistência técnica ágil e econômica, além de potência, durabilidade, segurança e conforto. O modelo GSB 450 RE é o mais compacto e acessível da categoria, sendo ideal para instaladores, pedreiros, marceneiros.

A nova geração da GSB 550 RE conta com 550 W de potência, possui mandril de 1/2” – 13mm e pesa 1,7 quilos. Além disso, também tem os recursos que facilitam o trabalho: botões trava e comutador, velocidade variável e função reversível. A esmerilhadeira angular GWS 850 possui potência de 850W, botão de acionamento selado contra pó para proporcionar mais durabilidade, cabo de dois metros para maior comodidade e capa de proteção com pontos fixos de ajuste para não se deslocar em caso de quebra do disco.

18

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

Foto: divulgação

O modelo GSB 450 RE é o mais compacto e acessível da categoria, sendo ideal para instaladores, pedreiros, marceneiros. O produto tem potência de 450W, acompanha chave de mandril de 3/8” – 10mm e pesa apenas 1,6 quilos. A ferramenta ainda possui botão trava para facilitar os trabalhos contínuos, botão comutador para perfurações com e sem impacto, e velocidade variável, garantindo maior controle e melhor desempenho em todos os materiais. Além disso, também tem função reversível, o que confere mais versatilidade aos usuários, que podem usá-la para parafusar e desparafusar.

Com mais de sete milhões de reais investidos nos últimos cinco anos na unidade fabril em Guarulhos, SP, a Dryko conta com representantes em mais de 20 estados e comercializa suas soluções em todo o Brasil além de países da América do Sul. A companhia possui mais de 90 linhas de produtos entre mantas asfálticas, o carro chefe da empresa; fitas asfálticas adesivas; emulsões e soluções asfálticas; argamassas impermeabilizantes; apoios para construção e isolantes térmicos.


APRESENTA AO MERCADO AS CUBAS UNIQUE A Jatobá Pastilhas lança linha Unique, de cubas de porcelana para banheiros e lavabos. A nova linha traz opções no formato oval (Halus) e o quadrado (Essenza), ambos nas cores Azul Capri e Verde Etna. As cubas de apoio, instaladas sobre o tampo, estão disponíveis nos tamanhos 32x32cm (Essenza) e 40,5x32cm (Halus). Foto: divulgação

Nova para os negócios da Jatobá Pastilhas, a linha é também uma inovação no segmento de cubas. “As cores e texturas têm sido o ponto alto dos lançamentos neste setor, mas o que vemos são cores ‘chapadas’ e peças em HD imitando pedra. Após analisar os produtos existentes, decidimos entrar neste mercado com itens diferenciados, totalmente inovadores nos quesitos cor e acabamento. Não há nada parecido no mercado”, destaca a analista de Projetos e Marketing da Jatobá Pastilhas, a arquiteta Natalia Carmona Souza.

EMPRESAS E PRODUTOS

JATOBÁ PASTILHAS

A linha Unique foi apresentada no final de 2018 para arquitetos, especificadores e lojas especializadas de cubas, louças e revestimentos e teve enorme aceitação. No mês de janeiro começou a estar disponível para vendas em todo o território nacional. Uma peça nunca é exatamente igual a outra devido ao revestimento que recebe em seu acabamento. Trata-se de um esmalte reativo, o mesmo utilizado em algumas pastilhas de porcelana, e que causa um efeito diferenciado de mescla de cores. O efeito é vitrificado, brilhante e destaca as nuances das cores selecionadas para este lançamento: Azul Capri e Verde Etna.

GRUPO GUIDONI TRAZ SUPERFÍCIES NATURAIS E INDUSTRIALIZADAS QUE ALIAM TONALIDADES NEUTRAS A DESENHOS MARCANTES DE FORTE PERSONALIDADE

Os produtos compõem estilos contemporâneos ou minimalistas, se revelando em uma infinidade de aplicações e possibilidades, que permitem projetos arquitetônicos ímpares: desde painéis verticais exclusivos a bancadas e tampos de móveis que conferem um toque de design único às peças. Os revestimentos do Grupo Guidoni também podem compor pisos, escadarias, pias esculpidas, etc., transformando os materiais nos grandes destaques dos projetos. O granito exótico White Galaxy possui uma paleta cromática leve, a pedra natural apresenta sobre a base branca uma rica combinação de veios acinzentados, com traços marcantes que percorrem por toda a superfície, trazendo um design minimalista e contemporâneo.

Foto: divulgação

O Grupo Guidoni apresenta revestimentos com pedras naturais como granitos e quartzitos e superfícies Topzstone, material fabricado com natural quartz, que sintetizam a pureza do branco e suas tonalidades variantes em contraste aos veios marcantes, nuances e desenhos orgânicos em cores mais escuras que sobressaem nos fundos opacos e brilhantes.

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

19


o : div ulga çã Foto

EMPRESAS E PRODUTOS

LORENZETTI TEM COMBO DA BACIA SQUARE COM CAIXA ACOPLADA PRONTO PARA INSTALAÇÃO

PERFLEX METAIS lgação oto: divu

F

VALORIZA O CHUVEIRO LIKEFLEX A Perflex Metais apresenta ao mercado sua nova linha de chuveiros. O chuveiro LikeFlex é compacto para pequenos espaços. O design valoriza os projetos de banheiros e salas de banho, tornando-os atuais e práticos. Também é ideal para casas de praia e áreas de piscina. A Perflex Metais possui vários modelos de chuveiros e duchas em sua linha e um dos chuveiros que merecem destaque é o Quadra Big 30cm de teto. Este modelo pode ser instalado no centro do box aproveitando melhor este espaço e valorizando a decoração deste espaço. Seu design é elegante com linhas retilíneas.

O kit Square da Lorenzetti é composto por bacia para caixa acoplada, caixa acoplada de duplo acionamento, assento sanitário com sistema Soft Close, anel de vedação com guia, parafusos de fixação e flexível em aço inox. A embalagem destaca todos os atributos dos produtos que compõem o conjunto, o que facilita o processo de compra do consumidor e otimiza tempo, pois evita enganos na escolha do modelo de assento compatível com a louça e elimina a necessidade de retorno à loja caso algum item de instalação seja esquecido.

O Anel de Vedação, por sua vez, é produzido em massa antibacteriana, material que garante higiene, fácil de modelar e que permite vedação perfeita entre a bacia e o esgoto, o que impede o mau cheiro no ambiente. Os Parafusos de Fixação e o Flexível Trançado complementam o kit. Produtos constituídos em aço inox, material de alta durabilidade e resistente à corrosão e oxidação.

20

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

LANÇA MÓDULOS DA LINHA SOPHIE NA COR GRAFITE FÊNIX A linha Sophie da Steck oferece mais de 50 itens para aplicações residenciais, com placas nas cores foscas Branco Orus, Amêndoa Seth, Cromado Aton e Grafite Fênix. Os módulos variam entre interruptores, tomadas e conexões, como o RJ45, TV/Vídeo, telefonia e o carregador USB. Além da opção Branco Orus, a marca agora estende a todos os módulos a opção na cor Grafite Fênix que é indicada para aplicações contemporâneas, ambientes onde a estética jovial e urbana prevalece com o uso de tons metalizados ou que remetem a rusticidade de pedras ou o concreto aparente. Foto: divulgação

A bacia da linha Square apresenta, entre alguns diferenciais, design quadrado, altura com 40 cm, além de economia de água a partir do mecanismo duo flow, que permite a escolha entre 3 e 6 litros. O sistema de escoamento da bacia possui o jato adicional Ultra Jet, que garante a eficiência no desempenho e ainda evita entupimentos. O assento, da linha LorenLuna, é resistente a impactos e apresenta superfície brilhante que realça o design e formato anatômico, garantindo conforto. O sistema Soft Close confere comodidade com um fechamento suave.

STECK


INVESTE EM TECNOLOGIA BIM O BIM (Building Information Model), sistema que integra os processos construtivos de uma obra ou projeto foi implantado recentemente nos projetos realizados pela MRV Engenharia. Segundo o gestor executivo de Projetos da MRV Engenharia, Flávio Paulino, a importância do uso desse recurso está nas informações do projeto associadas ao modelo tridimensional, além da possibilidade de integração entre os agentes e processos envolvidos nas fases de projeto e construção de uma edificação. Ou seja, é um sistema que integra todos os processos envolvidos no planejamento e desenvolvimento de uma construção. Para Paulino, a implantação do sistema contribuiu para a diminuição dos custos de projeto e obra. O engenheiro destaca que o BIM foi utilizado apenas em quatro obras da MRV, algumas ainda não concluídas, e por isso ainda não é possível divulgar um resultado em números, mas avalia que é notável a otimização do tempo e do processo. Uma dessas obras foi o Residencial Gemini. Alguns dos benefícios apontados pela construtora foram: a integração entre projetistas e equipes; o tempo de projeto reduzido; a visualização facilitada, através do modelo 3D e planejamento 4D; maior compreensão dos projetos; facilidade na compatibilização dos projetos; visualização de tratamento de interferências; documentação consistente; extração de quantitativos e rastreabilidade; orçamento integrado ao modelo; planejamento integrado ao modelo; e a utilização do modelo como um As-Built (termo em inglês para “como construído”).

EMPRESAS E PRODUTOS

MRV ENGENHARIA

SOPRANO DESTACA LINHA DE DISJUNTORES

Foto: div

ulgação

A novidade da Soprano é o disjuntor SHB-L, que conta com certificação do INMETRO na norma NBR NM 608981 em 6kA. O produto é ideal para os padrões de entrada de energia residenciais. Com o novo item, a Soprano contempla agora o mercado de mini disjuntores com mais intensidade. Um dos diferenciais do produto é o preço reduzido em relação aos demais produtos da linha. Antes da ampliação da linha, a opção oferecida para a capacidade de interrupção 6kA era o SHB-H, que atende também o nível 10kA. O novo disjuntor, portanto, tem características mais focadas e, por esse motivo, consegue registrar um preço mais competitivo. Utilizado na proteção das instalações elétricas, o disjuntor SHB-L pode ser aplicado em edificações residenciais nos padrões de entrada e nos quadros gerais de distribuição dos circuitos. Sempre que detectado uma sobrecarga ou um curto circuito na instalação protegida pelo disjuntor, ele atuará na proteção do circuito. Entre as características técnicas do disjuntor, o destaque é o material termoplástico autoextinguível e a capacidade de interrupção em serviço (% Ics) de 100%. A curva do item é tipo C e a certificação do INMETRO é até 63A.

Foto: MRV Engenharia

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

21


EMPRESAS E PRODUTOS

TRAMONTINA AMPLIA O PORTFÓLIO DA LINHA SENSE modelos de 4.400W e 5.500W de potência, tanto para 127V como para 220V.

Foto: divulgação

A Tramontina amplia a Linha Sense com o lançamento da ducha elétrica e da ducha eletrônica na cor branca. A novidade atende ao consumidor que busca soluções completas e com melhor custo-benefício para a instalação elétrica. Desenvolvidas com alta qualidade e tecnologia, as duchas Sense são práticas e contemporâneas.

A versão Sensetop ducha eletrônica também atende residências com aquecimento a gás ou solar. Conta com desviador mágico, que fornece água só para a ducha ou só para a duchinha. Possui trava automática de segurança e redutor automático de pressão da água. É comercializada nos modelos de 5.500W (127V) e 6.500W (220V).

A ducha elétrica Senseday Tramontina, com três temperaturas, possui a maior capacidade de aquecimento da categoria. Conta com dispositivo de segurança para impedir a alteração da temperatura com a ducha ligada, o que protege o usuário contra choques elétricos. Tem redutor de pressão da água e acompanha duchinha e braço prolongador acoplado à ducha. Está disponível nos

Todos os itens Sense permitem abertura fácil para limpeza do espalhador. Para maior segurança, são compatíveis com disjuntor residual (DR). A garantia dos produtos é de um ano. Completam a linha os acessórios kit duchinhas e resistências.

TRIMBLE LANÇA TEKLA BRIDGE CREATOR A Trimble (NASDAQ: TRMB) apresenta o Tekla Bridge Creator, uma nova extensão do Tekla Structures Building Information Modeling (BIM), que integra o fluxo de trabalho completo de projetos de pontes, desde geometria de projeto até modelagem e detalhamento construíveis. Essa nova solução se expande com o processo construtivo da Trimble, uma abordagem inovado-

ra para permitir a transformação digital de fluxos de trabalho de arquitetura, engenharia e construção (AEC).

seções chave que definem o tabuleiro da ponte ou até mesmo os apoios, e depois modelar e detalhar a armação com facilidade e eficiência.

A nova extensão de software para projetistas de pontes fornece uma solução para problemas comuns: importar um alinhamento de rodovia diretamente do software de projeto de rodovias; criar uma ou mais Foto: divulgação

Adicionando a extensão Bridge Creator, o Tekla Structures pode criar e utilizar o Building Information Models (BIM) desde o nível de desenvolvimento conceitual (LOD 100) até modelos verdadeiramente precisos, prontos para fabricação (LOD 400) e modelos construíveis (LOD 500). A especificação LOD é uma referência que permite aos profissionais do setor de AEC especificar e articular com alto nível de clareza o conteúdo e a confiabilidade do BIM em vários estágios do processo de projeto e construção. A versão 1.0 da extensão do Bridge Creator pode ser baixada do Tekla Warehouse em março. A extensão já está disponível para clientes do Tekla Structures com um contrato de manutenção de software.

22

REVISTA CONSTRUSUL

JANEIRO/FEVEREIRO 2019 NOVEMBRO/DEZEMBRO 2018


STARRETT

RELANÇA LINHA DE PRODUTOS PARA ACÚSTICA ARQUITETÔNICA

BUSCA INOVAÇÃO EM PARCERIA COM STARTUPS A Starrett participa do Corporate Venture Partnership, um programa de associação e atividades em que grandes empresas tornam-se membros e passam a ter o apoio da Weme para definir sua estratégia de corporate venture, que são iniciativas para a transformação do negócio ou desenvolvimento de novos negócios, seja por meio do relacionamento com as grandes empresas da rede, startups e scale-ups ou criação de novos empreendimentos com os colaboradores da Starrett.

Foto: divulgação

A Trisoft apresenta os produtos intitulados como Revest Frame, Baffles e Nuvens, representados por elementos suspensos no teto, cada um com sua característica peculiar, estão 40% mais leves que as versões anteriores lançadas pela empresa, mais competitivos e incentivam a logística reversa, porque são produtos 100% recicláveis.

EMPRESAS E PRODUTOS

TRISOFT

Segundo Daniel Cobianchi, da Weme, a ideia é que os profissionais da Starrett se encontrem e se conectem com outras grandes empresas, startups dos diversos ecossistemas globais. Esse processo já começou no início de 2018 com uma reunião entre o grupo de planejamento estratégico, formado pelas principais lideranças da empresa, e a Weme. Na ocasião, os executivos fizeram uma imersão em temas como a Internet das Coisas, Indústria 4.0, Realidade Aumentada, Realidade Virtual, entre outras tecnologias. Foto: divulgação

O Revest Frame é indicado para revestimentos de paredes que melhoram a inteligibilidade do som, reduzindo a reverberação no ambiente. Além da absorção sonora o Revest Frame também contribui como elemento decorativo, em diversas cores, com opções lisas e estampadas. São resistentes ao fogo e autoextinguível (Classificação II-A IT 10 do Corpo de Bombeiros), e podem ser aplicados em quaisquer tipos de ambientes internos.

Foto: divulgação

VOTORANTIM CIMENTOS ANUNCIA NOVO CEO GLOBAL A Votorantim Cimentos anuncia como novo CEO Global, Marcelo Castelli, que assumiu sua nova posição em fevereiro e conta com o apoio de Walter Dissinger, que ficou a frente da empresa por mais de cinco, no processo de integração. Marcelo Castelli possui mais de 31 anos de carreira e iniciou sua história na Votorantim em 1997, quando ingressou na Votorantim Celulose e Papel (VCP). Desde então, exerceu diversos cargos executivos e coordenou o processo de integração da VCP com a Aracruz, que deu origem à Fibria em 2009. Castelli teve papel fundamental na consolidação da empresa como a maior produtora global de celulose, assim como tor­ná-la uma referência mundial em inovação e sustentabilidade. REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

23


PERFIL

GRUPO OVD: 50 ANOS DE TRADIÇÃO

Foto: divulgação

Com mais de 50 anos de tradição e atuação no mercado de ferragens, ferramentas, máquinas e equipamentos, o Grupo OVD é uma referência na comercialização e distribuição de produtos voltados para as mais diversas aplicações profissionais e industriais. Sua história é marcada pelo constante aprimoramento e amplitude de seu mix de produtos, aperfeiçoamento de seus processos logísticos, infraestrutura administrativa e comercial, que sempre contribuíram para a ampliação de seus negócios, voltados ao mercado distribuidor atacadista, mas também em atender as mais diferentes necessidades profissionais, em um forte pilar de desenvolvimento de produtos de marcas próprias. Desta forma, a OVD passa a oferecer um portfólio de produtos ainda maior, com foco nos mais diversos públicos e com uma es-

24

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

trutura sólida, sinônimo de excelência em gestão e máxima qualidade em produtos e atendimento, resultado de uma trajetória de muito trabalho e conquistas, tornando-se um dos maiores comercializadores, especializados em ferramentas do Brasil.

PORTFÓLIO DE PRODUTOS O Grupo OVD comercializa milhares de itens dos melhores fornecedores do mercado, entre ferragens, ferramentas, equipamentos, máquinas elétricas, a bateria, combustão, solda e muito mais, são milhares de itens voltados a diversos segmentos, considerando a construção civil, metal mecânica, marcenaria, serralheria e muitas outras. Além de marcas próprias como a Nove54, que tem um mix funcional indicado para uso profissional, e a DWT, reconhecida pelo desenvolvimento de ferramentas elé-

tricas, um dos grandes destaques da empresa é a marca Vonder, voltada ao mercado profissional e industrial. A Vonder é uma marca forte e um dos grandes motivos de orgulho da OVD. Alta performance, rigor técnico e uma estrutura incomparável no desenvolvimento de cada item asseguram à marca o título do melhor, mais completo e premiado mix do mercado, conquistando a preferência e o reconhecimento de quem mais entende de ferramentas e ganhando cada vez mais na preferência e presença de Norte a Sul do país.

LANÇAMENTOS EM DESTAQUE O setor de ferramentas tem a prerrogativa de apontar constantemente soluções que acompanham tendências e possam facilitar o trabalho em diferentes segmentos, considerando novas tecnologias, materiais e produtos a serviço de contri-


PERFIL

Foto: divulgação

buir diretamente com o trabalho profissional e ao mesmo tempo, facilitando a vida e o esforço físico dos profissionais, além de melhorias inerentes à performance, acabamento, entre outras. Por tudo isso, a OVD aposta em suas marcas próprias. Especialmente no caso da Vonder, novos itens são incrementados periodicamente, diferenciando a marca com investimentos constantes no incremento de linhas, lançamentos que permitem a abertura de novos nichos de mercado e uma proposta de posicionamento cada vez mais voltada às especialidades profissionais e industriais, acreditando sempre na premissa de que existe uma ferramenta certa para cada atividade, e a Vonder sempre tem uma para atender aos mais diferentes padrões e exigências de cada projeto. Entre os principais lançamentos da Vonder, estão as Lixadeiras de Concreto, Parafusadeiras a Bateria, Inversores para Sol-

da, Máquina de Corte Plasma, Lavadoras de Alta Pressão, Bancadas Portáteis, Plaina Desengrossadeira, entre muitos outros, sempre com foco em oferecer produtos de máxima qualidade, que facilitem o trabalho e proporcionem precisão, produtividade e excelente desempenho, seja qual for a necessidade. Além do forte foco no desenvolvimento de produtos, a Vonder busca investimentos constantes em atendimento e cobertura comercial e logística, um dos diferenciais da OVD como um todo para a garantia do melhor atendimento e das melhores oportunidades para revendedores de todos os portes em todo país.

ESTIMATIVA DE CRESCIMENTO Em uma boa fase, principalmente tratando-se do varejo e em especial do seg-

mento da construção civil, contemplando ferragens, ferramentas e equipamentos, considerados inovadores e de direto suporte à obras, responsáveis por insumos importantes e que ajudam a aquecer a economia. A indústria, da mesma forma, também almeja projeções positivas em termos de investimentos e crescimento, até por ser, junto com a construção civil, setores considerados, propulsores e tradicionalmente os que respondem inicialmente ao incremento nos índices de consumo. O Grupo OVD acredita que com dedicação é possível superar os números, fazer algo diferente e melhor, essa é uma das filosofias da empresa, que tem foco direto nas expectativas do mercado e de seus clientes e consumidores, buscando sempre com perseverança crescimento e bons resultados. REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

25


ATUALIDADES

26

REVISTA CONSTRUSUL

Foto: divulgação Amanco

RESPONSABILIDADE SOCIAL: VALORIZAÇÃO DA COMUNIDADE PARA UM FUTURO MELHOR

JANEIRO/FEVEREIRO 2019


Na contramão dos números, indústrias do segmento de construção que atuam no Brasil desenvolvem anualmente diferentes projetos de responsabilidade social, algumas até possuem institutos consolidados. Grande parte do incentivo é direcionado à comunidade. Projetos que visam valorização do meio e contribuam para a construção de um futuro promissor para as sociedades locais são alguns exemplos dessas ações. Além de contribuir com a comunidade, as organizações que promovem a responsabilidade social aumentam a credibilidade da marca e proporcionam aos colaboradores uma visão mais sustentável do planeta, além de incentivá-los. Dentre as variáveis do conceito, pode-se especificar como Responsabilidade Social Corporativa (RSC), Responsabilidade Social Empresarial (RSE) e Responsabilidade Social Ambiental (RSA). A prática da atividade é confundida ocasionalmente, por ações compulsórias impostas pelo governo ou incentivos externos, sendo que, todas as atividades relacionadas à responsabilidade social devem se realizadas de forma espontânea e visando o bem coletivo.

HABITAÇÃO DIGNA A Amanco marca comercial da Mexichem, atua junto com a Moradigna, empresa social criada para ajudar a solucionar as problemáticas da habitação social no Brasil,

desde 2017 com o objetivo de impactar vidas por meio da transformação de casas de regiões carentes.

definitivo, no menor tempo possível, com praticidade e sem a necessidade de vasta mão de obra.

A contribuição se dá por meio da doação de mais de 20 produtos do portfólio da empresa para as reformas promovidas pela iniciativa, entre eles tubos e conexões de PVC para água fria e esgoto, caixas d’água e acessórios como válvulas de pia, sifões e engates flexíveis.

Outra parceria do grupo é com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). Desde 2002, a cooperação das duas organizações já capacitou cerca de 80 mil profissionais para o setor, nos quatro cantos do país. A iniciativa tem o objetivo de promover uma melhora na qualidade de vida das pessoas e oferecer uma nova fonte de renda para os interessados. Em 2018, mais de mil alunos foram capacitados como técnicos em instalação hidráulica. O número é similar ao período anterior, sendo que, nos 16 anos de projeto, um total de 81 mil pessoas foram capacitadas e passaram a ter uma nova profissão.

Chamadas de “Reforma Express”, as intervenções nas casas escolhidas duram de três a seis dias e a Moradigna fornece toda a consultoria, mão de obra e materiais de construção necessários aos moradores. Ao todo, por meio da parceria, foram realizadas mais de 280 reformas, tornando o lar de mais de 860 pessoas um lugar mais saudável, bonito e confortável de se viver. Até agora foram doados 9.857 produtos para as reformas. O projeto pretende realizar até 2020, mais de três mil obras, com 12 mil pessoas atendidas. De acordo com levantamento da Moradigna, há cerca de 40 milhões de pessoas vivendo em casas em situação insalubre no país. Com o objetivo de proporcionar uma nova fonte de renda aos interessados, a parceria prevê também o treinamento gratuito de pessoas que quiserem se qualificar como técnicos de instalação hidráulica. Dessa forma, o balanço da empresa é que cerca de 50 pessoas foram treinadas durante esses dois anos, sendo cerca de 30 homens e 22 mulheres. Além de doar os produtos, a Amanco presta consultoria à equipe técnica da Moradigna, indicando as peças adequadas para as obras, bem como a quantidade necessária de cada uma delas para o projeto. Nessa análise, é levada em consideração a melhor solução do portfólio para o que as casas precisam, já que existem muitas situações adversas que devem ser observadas nesses tipos de reforma. O produto ideal é aquele que resolve o problema em

ATUALIDADES

Segundo dados da pesquisa Benchmarking de Investimento Social Corporativo (BISC), em 2017 o trabalho voluntário sofreu um considerável recuo. Grande parte desse movimento ocorreu por causa da crise econômica, de reestruturações internas e cortes de pessoal. A pesquisa ilustra que nos dois últimos anos, o número de colaboradores envolvidos em programas de voluntariado caiu de 62.842 para 36.316, significado uma queda de 42%. O volume de recursos investidos nessas atividades foi da ordem de R$ 10 milhões, 19% a menos em relação a 2016.

Das 63 turmas, divididas nas quatro regiões do país, o Estado de São Paulo é o que registrou mais treinamentos, com um total de 155 alunos formados. Rio Grande do Norte e Tocantins vieram em seguida, com 68 e 52 profissionais diplomados, respectivamente. Com aulas práticas e teóricas, que abordam desde o planejamento até a instalação de sistemas hidráulicos, o curso é destinado para a comunidade em geral e profissionais do setor de construção civil que buscam especialização na área. A Amanco fornece o material para as atividades práticas, enquanto o Senai é responsável pelo material didático e certificado conferido aos participantes. O curso de capacitação é realizado em mais de 50 escolas do Senai e confere um diploma de qualificação profissional aos participantes. Após concluir o curso, o profissional pode se cadastrar no aplicativo “Meu Instalador” da Amanco para oferecer os seus serviços às pessoas que buscam encontrar alguém qualificado e de confiança para trabalhar tanto em uma obra quanto em uma reforma. A marca também apoia a Enactus, organização internacional sem fins lucrativos, REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

27


ATUALIDADES

dedicada a inspirar estudantes a melhorar o mundo por meio da ação empreendedora, além de motivá-los a desenvolverem projetos que possam oferecer facilidades no dia a dia das pessoas e, consequentemente, gerar avanços em inovação. A Amanco fornece material para as atividades práticas das equipes. Além disso, oferece mentoria aos estudantes que tiverem projetos voltados à água e saneamento. Dessa forma, a Enactus promove o maior evento de empreendedorismo social da América Latina e conta com o apoio das empresas para mudar a realidade de mais de 8.800 pessoas nacionalmente. A ação possibilita o desenvolvimento de projetos elaborados por universitários de todo o país visando o empoderamento e a diminuição da desigualdade nas comunidades.

COMPROMISSO COM A SOCIEDADE O Grupo Eliane faz parte dos 30% de indústrias catarinenses que repassam recursos para ações sociais, principalmente às instituições do Sul do país. Em 2017, a empresa destinou cerca de R$ 300 mil para estas ações via Lei de Incentivo Fiscal. Desta forma, os valores do fisco são investidos em projetos de leis como Desporto (Incentivo ao Esporte), Programa Nacio-

nal de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon) e Fundo da Infância e Adolescência (FIA).

vos. Em 2017, foram atendidas mais de 195 mil pessoas, sendo 85% por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

Com atuação nacional e internacional, o grupo também realiza doações para instituições de outros Estados. “Nós da Eliane acreditamos que é da responsabilidade de todos os setores da sociedade contribuir para aprimorar projetos sociais, principalmente quando as ações reverberam em benefícios para os jovens, garantindo educação para um futuro mais justo e igualitário. Essas ações atuam como ferramenta de educação, disciplina e transformação social e contribuem para o desenvolvimento da sociedade”, explica o diretor presidente do Grupo Eliane, Edson Gaidzinski Jr.

O Grupo Eliane também apoia ações de desporto, um dos projetos incentivados é o Esporte e Lazer, do Bairro da Juventude, instituição que atende 1.500 crianças e jovens moradores de Criciúma consideradas em situação de risco social. Além do incentivo às atividades extracurriculares, o projeto oferece apoio à alimentação, saúde, uniforme, materiais didáticos e transporte. Os jovens são assistidos em tempo integral pela instituição e, além de apoiar os estudos, há o auxílio e incentivo a carreiras esportivas.

Na área da saúde, o Hospital São José, em Criciúma, SC, é uma das instituições que recebem incentivos do Grupo. Dentre as melhorias instaladas recentemente na unidade, foi adquirido um novo equipamento de acelerador linear para radioterapia, utilizado no tratamento de câncer, que reduz de 30 para cinco a quantidade de sessões para finalizar o tratamento. Atualmente, o hospital atende cerca de 130 pessoas por mês, muitas vindas de outras regiões do Estado, como Florianópolis. O hospital é uma associação de caráter beneficente, educativo, de assistência social e filantrópica, sem fins lucrati-

INCLUSÃO DE COLABORADORES O Grupo Saint-Gobain criou em 2008, a sua fundação corporativa internacional, a Fundação Saint-Gobain que fica a frente da responsabilidade social do grupo. A fundação já apoiou mais de 100 organizações sem fins lucrativos a levarem qualidade de vida a pessoas em situação de vulnerabilidade, por meio de quase 150 projetos no mundo todo.

Foto: divulgação Eliane

São iniciativas na área da construção sustentável voltadas para a criação de moradias confortáveis, acessíveis e ecologicamente corretas, além de investir em centros que fomentam a educação e a capacitação profissional de jovens carentes. Os colaboradores da Saint-Gobain, de diversos países, compartilham suas sugestões sobre as ações sociais que eles acreditam que deveriam receber o suporte da Fundação. A partir da sugestão, eles defendem os projetos internamente e, caso aprovados, tornam-se seus padrinhos e passam a ser responsáveis pela condução e efetividade deles. Desde 2008, 50% dos pedidos de cerca de 150 funcionários já foram aprovados diretamente pelo board global da companhia.

28

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019


No Brasil, a gerente de controladoria da Saint-Gobain Canalização, Marie-Charlotte Bailly é madrinha da construção de um centro de capacitação profissional em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, RJ, realizada em parceria com a associação humanitária francesa Graines de Joie. A Comunidade Santíssima Trindade, como foi chamado o espaço, oferece cursos gra-

tuitos de: alvenaria, artesanato, computação, desenho, eletricidade, encanamento e serviço de maitre para adolescentes, adultos e idosos da região. Para o projeto, a Saint-Gobain investiu 37 mil euros e 26 toneladas em material de construção. Outro destaque é a parceria com a ONG Litro de Luz, premiada internacionalmente com o World Habitat Awards 2015 da Organização das Nações Unidas (ONU) e com o prêmio Nobel de Energia Sustentável, o Zayed Energy Prize. Com o apoio da Saint-Gobain e o apadrinhamento do Coordenador de Aquisições da Weber Quartzolit, empresa do Grupo, Daniel Faust, comunidades sem acesso adequado à energia elétrica receberam iluminação. A tecnologia utilizada é simples, econômica e ecologicamente sustentável, composta por garrafas plásticas, painéis solares e lâmpadas de LED.

O projeto Jovens de Atitude desenvolvido pelo Instituto Carlos Roberto Hansen (ICRH), criado pelo Grupo Tigre em 2003, com o apoio da Secretaria Municipal de Educação, prevê ações educativas focadas na prevenção ao uso de bebidas alcoólicas, tabaco e outras drogas e voltadas à valorização da vida, promoção da saúde e construção de valores pessoais com envolvimento comunitário.

ATUALIDADES

Foto: divulgação Saint-Gobain

Ao longo desses 10 anos, a Saint-Gobain já doou mais de 9,8 milhões de euros ao redor do mundo para os projetos da Fundação. Em 2017, chegou-se ao recorde de 1,3 milhão de euros, destinados a 26 projetos. As iniciativas, que recebem um aporte de até 100 mil euros por ano, são definidas em linha com o princípio da empresa de contribuir para o desenvolvimento econômico e social, em conformidade com o bem-comum e a sustentabilidade.

EDUCAÇÃO AO JOVEM

Realizado na cidade de Joinville, SC, programa voltado para jovens e adolescentes, tem como base um projeto da Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas da Universidade Federal de São Paulo (Uniad), que por sua vez adaptou para a realidade brasileira o programa norte-americano do Teen Institute, aplicado em New Orleans (EUA). Essencialmente, desenvolve ações educativas dirigidas à prevenção do uso de bebidas alcoólicas, tabaco e outras drogas. “Fomos buscar um modelo de reconhecida eficácia, a fim de trazer para a nossa realidade medidas cabíveis e transformadoras, que se tornaram um agente de mudança para os nossos jovens”, afirma o presidente do ICRH, Felipe Hansen. Os jovens de 6ª à 9ª séries conhecem e debatem questões ligadas à sexualidade, comunicação, valores, cidadania, qualidade de vida e mitos e verdades sobre álcool e drogas. A expectativa é que esse grupo dissemine, através da sua liderança e atitude, os conceitos de promoção da saúde e valorização da vida a todos os colegas. Já o programa Atitude Solidária, realizado nas localidades com unidades Tigre, incentiva seus funcionários a contribuir para os Fundos da Infância e Adolescência (FIAs). Desde 2003, mais de R$ 4 milhões foram investidos em iniciativas sociais através desta ação coordenada pelo ICRH. “O programa nasceu da busca por uma iniciativa que viabilizasse os projetos em REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

29


ATUALIDADES

Foto: divulgação 3M

favor das crianças e jovens e ao mesmo tempo envolvesse a Tigre e seus colaboradores, fazendo com que todos pudessem, de alguma forma, ajudar a construir um mundo melhor”, afirma Hansen. Com pequenas doações, os funcionários ajudam a transformar o futuro de muitos jovens e poderão ainda deduzir este valor até o limite de 6% do seu imposto de renda devido no exercício. As empresas Tigre também participam do Programa Atitude Solidária destinando 1% do imposto de renda devido ao Fundo da Infância e Adolescência (FIA). Outra ação realizada pelo ICRH é o Programa Cesta da Solidariedade, no qual regiões onde existem centros operacionais da Tigre são contempladas com a distribuição de cestas com alimentos, materiais de limpeza ou material escolar, com valores que variam entre R$ 550,00 e R$ 1.100,00. Em 2018, 38 entidades foram beneficiadas sendo: 13 instituições em Joinville, SC; 12 em Rio Claro, SP; 04 em Indaiatuba, SP; 08 em Castro, PR e uma em Escada, PE. Em Joinville, o ICRH também possui o Programa Alimentando a Joinville que precisa que conta com o apoio do Ádamo Restaurante, e fornece 13 mil refeições por ano para crianças e adolescentes da Comunidade Terapêutica Rosa de Saron e do Lar Abdon Batista. O Instituto Carlos Roberto Hansen é o braço social do Grupo Tigre e investiu R$ 50 milhões em projetos desde sua criação, sendo cerca de 60% deste valor recursos próprios dos acionistas e quatro milhões de crianças atendidas. Em 2019, o objetivo do ICRH é ampliar o número de projetos próprios, firmar parcerias com outras instituições, reforçar a participação em projetos que envolvam a cadeia do plástico e, ainda, incentivar o voluntariado. “Nosso intuito é contribuir com o futuro de muitos jovens e auxi-

30

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

liar em etapas importantes de suas vidas. Para alcançar esse objetivo, pretendemos estimular ainda mais o trabalho voluntário para que todos ajudem no desenvolvimento dessas crianças e adolescentes”, conclui Hansen.

COLOCAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO O Instituto 3M distribuiu no mês de dezembro sacolas de Natal para 1.020 crianças e jovens, de 2 a 17 anos, de 14 instituições sociais. Todas estão localizadas nas regiões em que a 3M tem fábricas, nas cidades paulistas de Campinas, Sumaré, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto e Itapetininga, SP além de Manaus, AM. A ação, que já virou tradição na programação anual do Instituto 3M, é realizada há mais de 15 anos, e neste ano contou com aproximadamente 650 funcionários voluntários, que apadrinharam crianças e jovens de creches ou instituições sociais de cada localidade, visando proporcionar um momento especial para este público neste fim de ano. Os presentes, que consistem em um brinquedo, uma troca de roupa e calçado novos, são entregues durante eventos realizados em cada uma das instituições.

“O desenvolvimento social local é um dos pilares estratégicos do Instituto 3M, e nós estamos certos de que essa ação contribui para incentivar essa preocupação em nossas equipes. Além disto, levamos um pouco de carinho e alegria para estas crianças e jovens, numa data especial, como é o Natal”, afirma a presidente do Instituto 3M, Mara Fioravante. O Instituto 3M apóia o Projeto Escola Formare programa da Fundação Iochpe que, desenvolvido a partir de parcerias com empresas de grande e médio porte, oferece cursos de educação profissional para jovens de famílias de baixa renda com idades entre 16 e 18 anos. Os cursos oferecem a oportunidade de formação inicial para o mercado de trabalho e têm a duração de aproximadamente um ano. As aulas são ministradas pelos próprios funcionários nas instalações da empresa. Em maio 2017, o Instituto 3M realizou a formatura da 6ª turma do Projeto Escola Formare, na cidade de Sumaré, SP. Por meio do oferecimento de curso de educação profissional, o programa tem como principal objetivo garantir a inclusão dos jovens entre 17 e 18 anos no mercado de trabalho. Os 18 formandos receberam certificados de conclusão do curso de As-


DATAS SIGNIFICATIVAS E CONSCIENTES A Duratex firmou parceria com o Instituto Leo Madeiras para oferecer capacitação gratuita em Marcenaria para a população em situação de rua da cidade de São Paulo, por meio do programa Leo Educa. A empresa doou 500 chapas de MDF para a iniciativa, que serão usadas durante as aulas práticas do curso. Além disso, a companhia indicará 45 pessoas que vivem em situação de rua em suas comunidades do entorno para fazer a capacitação. “Nas ações que realizamos com moradores em situação de rua, por meio do nosso programa de voluntariado D+ Valor, percebemos a quantidade de pessoas que dormem nas calçadas da cidade e possuem inúmeras habilidades manuais como o artesanato. Surgiu daí a ideia de fazer uma parceria com o Instituto Leo para oferecer a essas pessoas capacitação em marcenaria e, consequentemente, uma oportunidade de saírem da situação de ruapor meio de seu trabalho”, ressalta a representante da área de Sustentabilidade e

responsável pela iniciativa na Duratex, Débora Spitzcovsky.

luntários para celebrar os dois anos do D+ Valor, programa de voluntariado da companhia que, só em 2018, beneficiou cerca de 5 mil pessoas em situação de vulnerabilidade social, entre crianças, idosos, moradores em situação de rua e pessoas com câncer e deficiência intelectual,envolvendo cerca de 3,4 mil colaboradores voluntários.

A primeira turma do curso do programa Leo Educa, em parceria com a companhia, iniciou em setembro de 2017 e contou com a participação de cerca de 10 moradores em situação de rua selecionados pela Duratex com a ajuda da mobilização social Entrega por SP, que atua em prol dos sem-teto da capital paulista.

ATUALIDADES

sistente de Manufatura Industrial e 11 deles foram efetivados para cargos em áreas de produção, da própria empresa.

Segundo a analista de Sustentabilidade da Duratex, responsável pelo programa de voluntariado, Débora Rossi, o Portal será mais um elo entre a companhia e suas comunidades do entorno, a fim de aumentar progressivamente o número de ações efetivas de voluntariado e estreitar ainda mais o relacionamento da empresa com o entorno. “No portal, teremos inclusive a possibilidade de entidades do entorno se cadastrarem para fazer parte da rede de voluntariado da Duratex”, ressalta.

A grade curricular é composta por 220 horas de aulas práticas e teóricas, totalizando 55 dias de capacitação. Segundo o Instituto Leo Madeiras, cerca de 75% dos alunos que concluem o curso conseguem trabalhar no ramo da marcenaria. Destes, 70% se tornam empreendedores após a formatura. Além de promover ações, por meio de seu programa de voluntariado D+ Valor, que buscam sensibilizar os colaboradores para a realidade daqueles que dormem nas calçadas de São Paulo, a companhia implementou o projeto Robô-Luminária que capacitou moradores em situação de rua para produzir luminárias com madeira de reaproveitamento da Duratex. No dia do voluntariado em dezembro, a companhia realizou eventos especiais em todas as unidades da Duratex, reunindo voFoto: divulgação Duratex

Outro projeto da Duratex é o “Proteger e Sorrir em Rede” realizado em parceria com a Childhood Brasil. A oficina trata de questões sobre a atuação da rede de proteção envolvendo atendimento, prevenção e diagnóstico das situações de violência sexual contra crianças e adolescentes. Além dos participantes debaterem sobre políticas públicas voltadas ao tema, o evento tem o objetivo de contribuir no enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes. A iniciativa faz parte do Projeto Soluções e Ferramentas do Programa Na Mão Certa, liderado pela Childhood Brasil, do qual a Duratex é signatária desde 2007. A segunda oficina foi realizada em João Pessoa, PB, em julho. No mês de maio, a Duratex no Dia Nacional do Combate ao Abuso e à Exploração Sexual Infantil, expôs em suas unidades ações do Programa Na Mão Certa, da Childhood Brasil, voltadas à conscientização dos motoristas que prestam serviço à companhia. Na ocasião, os caminhoneiros participaram de rodas de debate sobre o tema e assistirão a palestras e vídeos com informações sobre o assunto. REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

31


ESPECIAL

ENERGIA SOLAR

FOTOVOLTAICA: INVESTIMENTO EM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE 32

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019


ESPECIAL Foto: divulgação Globo Brasil

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

33


ESPECIAL

Foto: Shuterstock

Fontes de energias renováveis com o sistema de energia solar fotovoltaica estão cada vez mais em voga. Escolas, empresa e empreendimentos aderem o método como forma de economia e sustentabilidade. Segundo projeções da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), o Brasil ultrapassará a marca de três mil megawatts em 2019, o que atrairá mais de R$ 5,2 bilhões em novos investimentos privados e cerca de 15 mil novos empregos. Atualmente, o Brasil possui 49.177 sistemas solares fotovoltaicos conectados à rede, que representa cerca de R$ 2,6 bilhões em investimentos acumulados. Informações da Associação Brasileira de Geração Distribuída (ABDG) afirmam que a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) prevê 886 mil sistemas conectados a rede até 2024, aproximadamente 3.209 MW. Hoje, a potência instalada é em torno de 514,5 MW.

34

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

Em 2018, o setor de energia solar fotovoltaica chegou a dois mil megawatts (MW) de potência operacional da fonte solar fotovoltaica conectados na matriz elétrica nacional. Os mil megawatts projetados como crescimento para este ano proveram de sistemas de pequeno, médio e grande porte. De acordo com a ABDG, o Brasil possui mais de 50 mil usinas de diferentes modalidades de geração distribuídas, sendo, solar, eólica, térmica e hidroelétrica espalhadas pelo território nacional e com mais de 70 mil unidades consumidoras que recebem créditos e são beneficiadas com uma potência instalada de 659.558,19 kW. O número em conexões de geração distribuída com energia solar fotovoltaica chegou a 40 mil conexões. Um levantamento da ANEEL constatou que os principais Estados foram: Minas Gerais com 7.900 co-

nexões seguido de São Paulo com 7.700 conexões e Rio Grande do Sul com 5.200 instalações. O destaque desses três Estados perante os demais foi a adesão ao Convênio ICMS 16/2015 do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), que isenta o pagamento de tributo estadual (ICMS) sobre o excedente de energia elétrica gerada por sistemas de geração distribuída. Para sistemas de pequeno e médio porte instalados em residência, comércio, indústrias, produtores rurais, prédios públicos e pequenos terenos que compõem o segmento de microgeração e minigeração distribuída solar fotovoltaica, a Absolar projeta um crescimento do mercado de mais de 97% frente ao total adicionado em 2018, com a entrada em operação de 628,5 MW em 2019, totalizando 1.130,4 MW até o final do período. O presidente do Conselho de Administração da Absolar,


tor. “A geração distribuída está em alta e é imprescindível para o avanço da energia solar fotovoltaica no Brasil. Ela será responsável pela movimentação de mais de R$ 3 bilhões em todos os Estados e municípios do país, trazendo economia e sustentabilidade aos consumidores públicos e privados, ao mesmo tempo em que gera milhares de empregos locais qualificados para a população”, afirma o CEO da Absolar, Rodrigo Sauaia.

tros tipos, como serviços públicos (0,1%) e iluminação pública (0,01%). Em potência instalada, os consumidores dos setores de comércio e serviços lideram o uso da energia solar fotovoltaica, com 43,2% da potência instalada no país, seguidos de perto por consumidores residenciais (35,7%), indústrias (10,3%), consumidores rurais (7,3%), poder público (3,2%) e outros tipos, como serviços públicos (0,3%) e iluminação pública (0,01%).

Com este avanço a participação do segmento de geração distribuída no mercado solar fotovoltaico brasileiro subirá de 21,9% até 2018 para 34,2% até o final de 2019, demonstrando a relevância cada vez maior deste mercado para o se-

Dados da Absolar demonstram que consumidores residenciais representam 75,5% do total de sistemas instalados. Empresas dos setores de comércio e serviços (16,8%), consumidores rurais (4,3%), indústrias (2,7%), poder público (0,7%) e ou-

Segundo levantamento da Absolar, o setor solar fotovoltaico possui mais de 20.021 MW em estoque de projetos não-contratados de usinas solares fotovoltaicas, disponíveis e preparados para participar de novos leilões de energia do Governo Federal.

ESPECIAL

Ronaldo Koloszuk, ressalta que o crescimento da microgeração e minigeração distribuída solar fotovoltaica é impulsionado por três fatores principais: forte redução de mais de 83% no preço da energia solar fotovoltaica desde 2010; aumento nas tarifas de energia elétrica dos consumidores brasileiros, pressionando o orçamento de famílias e empresas; e aumento no protagonismo e na responsabilidade socioambiental dos consumidores.

CASA EFICIENTE DE ENERGIA TECNOLOGIA VERDE

Foto: Shuterstock

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

35


ESPECIAL

GESTÃO DISTRIBUÍDA SOLAR FOTOVOLTAICA NO BRASIL POR CLASSE DE CONSUMO

NÚMERO DE SISTEMAS

POTÊNCIA INSTALADA

0,1% 16,8% 2,7% 0,01% 75,5% 4,3% 0,7%

ADESÃO DO SISTEMA DE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICO Segundo informações da ABDG, os atuais entraves para a adesão da energia solar

 Iluminação Pública    Comercial e Serviços   Industrial   Poder Público   Residencial   Rural   Serviço Público 

fotovoltaica são as inúmeras etapas burocráticas e interpretativas que acontecem ao longo do país de acordo com cada cidade ou concessionária que irá receber os projetos e aprová-los. Assim como as diferentes tributações cobradas para cada tipo

ELYSIA ENERGIA SOLAR Foto: divulgação

36

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

0,01% 43,2% 10,3% 3,2% 35,7% 7,3% 0,3%

Fonte: Aneel/Absolar

 Iluminação Pública    Comercial e Serviços   Industrial   Poder Público   Residencial   Rural   Serviço Público 

de sistema construído. A falta de informação e conhecimento sobre as normas e instalações dos sistemas também impacta em eventuais entraves para o crescimento e evolução da geração distribuída. “A falta de uma política justa de impostos para os fabricantes nacionais, que concorrem de forma desigual com produto importado, e a prática irregular das linhas de créditos disponíveis para desenvolvimento nacional, que acabam na maioria das vezes não sendo utilizadas dentro das regras, e essas fraudes são extremamente prejudiciais para todo setor, e principalmente para o desenvolvimento das indústrias instaladas no Brasil”, afirma a diretora comercial da Globo Brasil, Elaine Degaspari. Para o diretor do setor energia solar fotovoltaica da Magnani Luz e Energia, Carlos Magnani, ainda existe desconhecimento sobre a confiabilidade do sistema de geração solar. O sócio-diretor da Elysia Energia Solar, Luccas Priotto afirma que


ESPECIAL

REEVISA ENERGIA Foto: divulgação

um dos principais obstáculos é que ainda existe a percepção de um alto custo de investimento. “O investimento de três anos e meio a cinco anos é considerado ainda à longo prazo e o valor a ser pago para instalação ainda é considerado expressivo. Além da forma de energia ser considerada nova”, reforça Priotto. Outra dificuldade encontrada por empresas do segmento é a falta de linhas de financiamentos especificas para o sistema de energia solar fotovoltaica. “Falta linha de financiamentos atrativos e incentivos do governo como isenção de impostos”, ressalta o sócio-proprietário da Reevisa Energia, Lucas Goulart Ribeiro.

POSICIONAMENTO DE MERCADO O Brasil em comparação a alguns países da Europa como Alemanha, emite grande valores de irradiação solar. Conforme a segunda edição publicada do Atlas Brasileiro de

Energia Solar, em 2016, a Irradiação Global Horizontal média diária no país é entre 4444 Wh/m² e 5483 Wh/m², sendo o primeiro da região sul e o último da região Noroeste. Em 2016, o Ministério de Minas Energia publicou um informativo sobre a Energia Solar no Brasil e Mundo referente ao ano de 2015, consta que a irradiação média anual brasileira varia entre 1.200 e 2.400 kWh/m²/ano, acima da média da Europa, mas há regiões do mundo com valores acima de 3.000 kWh/m²/ano, como Austrália, norte e sul da África, Oriente Médio, parte da Ásia Central. Com tanto potencial energético em solo brasileiro e com um mercado emergente, empresas fabricantes e instaladoras de painéis fotovoltaicos apostam em estratégias de marketing e vendas bem estruturas, além de explicativas sobre o processo de implantação da energia solar fotovoltaica. “Na primeira apresentação mostramos a análise de viabilidade técnica como

financeira e difundimos e apresentamos a tecnologia por meio de projetos sociais ou carregamento de celulares utilizando a energia solar fotovoltaica em pontos estratégicos”, ressalta Priotto. Uma das ações da empresa é a possibilidade de encontrar com clientes que já tenham instalado o sistema e também visitar o local. Já Ribeiro reforça que uma equipe comercial forte para apresentar as vantagens e mostrar a tecnologia é um diferencial, além do apoio para buscar financiamentos em banco que facilitem a aquisição do sistema solar fotovoltaico, em alguns casos a Reevisa realiza financiamentos próprios. Para a Globo Brasil, parcerias com empresas de engenharia comprometidas com a qualidade e práticas corretas das linhas de crédito disponíveis agregam na forma como a empresa está inserida no mercado. “Fornecemos a esses clientes condições diferenciadas de trabalho com flexibilidade nas negociações, preços espeREVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

37


ESPECIAL

MAGNANI LUZ E ENERGIA Foto: divulgação

ciais, divulgação dos trabalhos e indicações de interessados, ofertamos todos os itens para compor o gerador fotovoltaico e eles fazem todos os projetos dimensionamento e instalação dos equipamentos”, afirma Degaspari.

Cursos para a instalação de painéis fotovoltaicos têm a media de duração de um final de semana ou de dois a três dias e existem dezenas espalhados pelo país. Para Priotto esse tempo é muito pouco para aprender tudo sobre o sistema. “Em 2018, um dos gargalhos de crescimento da empresa foi a pouca mão de obra qualificada, onde tivemos que contratar mais profissionais para dar conta do prazo de entrega dos projetos e ainda tivemos que treiná-los”, afirma.

38

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

que formam integradores com qualificação técnica bastante capacitada passando ao mercado maior confiança e credibilidade desta tecnologia. Mas também há cursos de qualidade duvidosa que colocam o profissional no mercado sem a qualificação necessária, criando uma imagem negativa para o setor”, expõe. Foto: Shuterstock

CURSOS PARA INSTALADORES DE PAINÉIS FOTOLVOTAÍCOS AINDA SÃO BÁSICOS

Segundo Ribeiro, para realizar a instalação dos painéis é necessário ter um bom conhecimento em elétrica e cursos de instalador não proporcionam totalmente essa compreensão. Já para Magnani, é possível realizar duas leituras da situação dos cursos no Brasil. “Como é um mercado em expansão, existe cursos qualificados


A Elysia Energia Solar atendeu em 2018, 110 clientes e instalou três mil placas. Para 2019, a empresa prevê um crescimento de 381%. Um dos projetos realizados pela Elysia é uma usina de solo para uma panificadora na cidade de Pelotas, RS. O sistema possui a potência de 93,75 kWp e conta com 284 módulos instalados. A usina gera anualmente, 136.320136.320 kWh. Já nas instalações residenciais, o destaque é uma residência no bairro Três Figueiras, em Porto Alegre, RS. O projeto possui 45 módulos instalados e tem como potência 12,6 kWp e uma geração de energia anual de 11.400 kWh. Também na cidade, a Elysia instalou o sistema de energia solar fotovoltaica em um edifício comercial localizado na Avenida Calos Gomes. No imóvel

foram instalados 114 módulos, a potência de 32,46 kWp que produzem uma geração anual de 41.820 kWh. Para o sócio-proprietário da Reevisa Energia, Lucas Goulart Ribeiro, um dos projetos destaques é o da Chapam Motopeças na cidade de Urussanga, SC, com 608 painéis solares instalados produzindo uma potência de 194,56 kWp desde 29 de setembro de 2018. O sistema pode gerar uma economia mensal de R$ 12 mil e uma previsão econômica de R$ 146 mil ao ano. Ao logo de 25 anos, a empresa deixará de emitir 1.775 toneladas de CO2. “Foi uma experiência interessante. Esse projeto é o segundo maior do Estado. É um projeto de referência, afirma Ribeiro. Em 2018, a Reevisa Energia instalou 78 projetos. Outro projeto da Reevisa, no ano passado, foi a instalação de painéis na Inbbor

Borracha Reciclada, localizada na cidade de Tubarão, SC. Na empresa foram instalados 236 painéis solares gerando uma potência de 76,7 kWp, uma economia de R$ 5.520,00 ao mês e pode chegar a R$ 66 mil ao ano. Com 198 painéis solares, a Reevisa instalou o sistema de energia soloar fotovoltaico na Retífica São José. O projeto também na cidade de Tubarão tem potência de 53,46 kWp e uma economia em energia elétrica de R$ 4.359,00 ao mês.

ESPECIAL

PROJETOS CONSOLIDADOS

A Magnani Luz e Energia fechou o ano com a instalação de 100 projetos de sistemas de microgeração e minigeração, totalizando aproximadamente uma potência de 2,3 Mw. Um projeto realizado pela empresa foi em sua matriz em Caixas do Sul, RS, onde instalaram 132 módulos com potência de 43,56 Kwp em uma área de 400 m². A média de geração mensal é de 5008 Kwh.

⨀ 䘀挀椀氀 搀攀 漀瀀攀爀愀爀㬀 ⨀ 匀椀洀瀀氀攀猀 攀 爀漀戀甀猀琀愀㬀 ⨀ 䄀氀琀愀洀攀渀琀攀 瀀爀漀搀甀琀椀瘀愀㬀 ⨀ 伀挀甀瀀愀 瀀漀甀挀漀 攀猀瀀愀漀㬀 ⨀ 䐀椀猀瀀攀渀猀愀 䴀愀渀甀琀攀渀漀㬀 ⨀ 䈀愀椀砀猀猀椀洀漀 挀漀渀猀甀洀漀  搀攀 攀渀攀爀最椀愀㬀 ⨀ 䴀漀渀漀昀猀椀挀愀 ㈀㈀ 嘀⸀ REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

⠀㐀㠀⤀ ㌀㈀㠀㔀ⴀ㜀 㜀㔀 ⼀    ⠀㐀㠀⤀ 㤀㤀㄀㠀㤀ⴀ㠀㜀㠀㠀 ⼀    ⠀㐀㠀⤀ 㤀㠀㐀㘀㐀ⴀ㠀㐀㤀㤀

39


TECNOLOGIA

FIOS E CABOS

SEGMENTO DESTACA SEGURANÇA E QUALIDADE A ESCOLHA CERTA DE CABOS E FIOS ELÉTRICOS NA CONSTRUÇÃO OU REFORMA DE IMÓVEIS É PRIMORDIAL. ALÉM DE SUSTENTABILIDADE, QUESITOS COMO SEGURANÇA, EFICIÊNCIA, ECONOMIA E DURABILIDADE SÃO ALGUMAS APOSTAS DA INDÚSTRIA. Foto: Shuterstock

40

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019


TECNOLOGIA

ELÉTRICOS:

Entre os diversos fatores, a prevenção de descargas elétricas e incêndios é especificação relevante nas normativas. Aplicáveis aos fios e cabos elétricos, as normas ABNT NBR 16612 – Requisito de produto – Cabos de potência para sistemas fotovoltaicos, não halogenado, isolados, com cobertura, para tensão de até 1,8 kV (CC) entre condutores; Requisitos de desempenho, formação do Condutor e Resistência Elétrica – ABNT NBR NM 280 – Condutores de cabos isolados, ABNT NBR 14733 – vergalhão de cobre para uso elétrico, determinam a segurança na instalação e utilização. Segundo o diretor da IFC/Cobrecom, Gustavo Verrone Ruas, a empresa realiza testes nos laboratórios técnicos dos dois parques fabris, um localizado em Itu, SP, e outro em Três Lagoas, MS. “Cada um deles conta com os equipamentos necessários para a realização dos ensaios, além de funcionários treinados para a execução dos mesmos, conforme normas exigidas em cada tipo de produto”, afirma. Entre os testes citados por Ruas, a IFC/Cobrecom realiza: os dimensionais que conferem se estão corretos os diâmetros externos do produto, do condutor, assim como as suas espessuras. Físicos e mecânicos: são testados o alongamento do condutor e da sua isolação e cobertura. Elétricos: são checadas as falhas de isolação

e curto-circuito através do teste de tensão aplicada e as resistências elétricas e de isolamento de acordo com as normas vigentes. “Todos os nossos produtos possuem certificação compulsória do Inmetro e também são fabricados de acordo com as normas técnicas de cada produto e que são determinadas pela ABNT”, ressalta. Para Ruas, um dos destaques é o cabo de Cobre Nu TMD (com Têmpera Meio Dura) que recebeu recentemente a certificação emitida pela TÜV Rheinlend®, organismo de certificação, inspeção, gerenciamento de projetos e treinamento. “Essa certificação tem como foco principal a segurança e a qualidade dos fios e cabos elétricos”, reforça. A SIL Fios, empresa localizada em Guarulhos, SP, atende norma do Sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001, e seus produtos de certificação compulsória possuem os Certificados de Conformidade do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) para fios e cabos – emitidos pela TÜV Rheinland do Brasi. De acordo com o gerente comercial e de marketing, Pedro Morelli, o cobre utilizado na fabricação dos fios e cabos elétricos com a marca SIL possuem no mínimo 99,9% de pureza, de acordo com a norma técnica da ABNT NBR 14733, sendo que esta pureza perREVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

41


TECNOLOGIA

mite que a condutividade mínima seja de 100%, como determina a norma International Annealed Copper Standard (IACS). “As matérias-primas utilizadas em seus produtos são adquiridas de fornecedores especializados e a transformação do cobre e do composto isolante, específico para cada produto, faz com que a SIL produza fios e cabos da mais alta qualidade”, afirma. A empresa integra a diretoria da Associação Brasileira pela Qualidade dos Fios e Cabos Elétricos (Qualifio) que atua no monitoramento dos produtos deste segmento, bem como incentiva sua correta utilização. Segundo Morelli, para garantir a qualidade dos produtos, a empresa investe em treinamento, reciclagem e aperfeiçoamento profissional do quadro funcional. A Allcab, localizada em Guarulhos, SP, realiza em seu laboratório os principais testes e todos os itens produzidos são testados e comparados com as exigências das normas aplicáveis. “Dentro de nossa linha de fabricação temos três produtos certificados INMETRO: cabos para instalação residencial e predial 70ºC 450/750V conforme a Norma Mercosul (NM) 247-3; cabos paralelos para tomadas e extensões conforme NM 247-5 e cabos PP para extensões e eletrodomésticos conforme a Norma Brasileira (NBR) 14897”, salienta o gerente industrial da Allcab, Caio Gansauskas Pavanelli. A empresa possui audições semestrais por organismos certificadores acreditados pelo INMETRO e testes em laboratórios externos para a confirmação de conformidade do produto. Outra empresa com certificação do INMETRO é a Velper, com sede em São Paulo, SP, realiza avaliações de desempenho e qualidade dos produtos, além de testes individuais.

MERCADO EM 2019 O mercado de fios e cabos é competitivo, apesar de sairmos de

um ano instável economicamente, a indústria mostra-se positiva e otimista quando as perspectivas para 2019. A IFC/Cobrecom estima um crescimento entre 2,5 e 3% para o ano e espera a retomada da construção civil e o consequente aumento nas vendas. “Nós da IFC/Cobrecom avaliamos que o mercado está em busca de posicionamento crescente por ter ficado muito tempo estagnado por causa da crise econômica que o país passou nos últimos anos”, ressalta o diretor da IFC/Cobrecom, Gustavo Verrone Ruas. Para o gerente comercial e de marketing da Sil, Pedro Morelli, o ano de 2019 deverá ser melhor. “Para nós, já no segundo semestre de 2018 percebemos que o mercado estava reagindo e registramos incremento em peso, fechando o ano com alta de 5%”, afirma. Apesar de considerar um segmento bastante concorrido, Morelli aposta na marca e na imagem conquistada com transparência comercial e responsabilidade com o produto. Atuante em diversos mercados, o gerente industrial da Allcab, Caio Gansauskas Pavanelli percebe uma movimentação positiva em alguns produtos e redução da compra de outros. “No âmbito geral percebemos um mercado preocupado com as medidas que serão adotadas pelo novo governo, mas temos uma perspectiva positiva a partir da metade desse ano”, afirma. Para o segmento de cabos elétricos, Pavanelli espera um maior controle dos órgãos competentes no que diz respeito à fiscalização de produtos não-conformes colocados no mercado.

INVESTIMENTOS E GESTÃO DA PÓS-VENDAS Atender as necessidades do cliente é uma das características nas vendas, ainda mais quando se trata de eletricidade. Pavanelli explica que apesar de parecer simples, existem muitas variáveis que Foto: divulgação Sil

42

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019


Comunicação e treinamento são alguns dos investimentos realizados da IFC/Cobrecom em 2019. “Vamos fortalecer e integrar nossa comunicação (comunicação 360º), que vai desde a propaganda/publicidade, relações públicas, comunicação interna, assessoria de imprensa e patrocínio de eventos, pois em todos esses âmbitos estão envolvidos nossos colaboradores, representantes, formadores de opinião e nossos clientes com um único objetivo: construir um relacionamento duradouro”, ressalta o diretor da IFC/Cobrecom, Rafael Verrone Ruas.

Algumas dicas do gerente industrial da Allcab, Caio Gansauskas Pavanelli é acessar o site do INMETRO, consultar se a empresa possui certificação para seus produtos; suspeitar de cabos que parecem ter muita isolação em comparação ao cobre interno; pesar o rolo antes de adquirir e comparar peso entre os fabricantes, pois quanto mais pesado o cabo mais cobre ele tem.

A empresa também tem como meta reforçar os treinamentos técnicos com os seus clientes e com o público técnico que é formado por engenheiros, especificadores e eletricistas. “Com a reestruturação dos nossos treinamentos técnicos, o objetivo é estreitar o nosso relacionamento como os clientes e levar conhecimento para que os vendedores das lojas conheçam melhor o produto e tenham mais argumentos de vendas. Além disso, os treinamentos para o público técnico permitem que os profissionais reciclem os seus conhecimentos”, explica.

A Sil, por meio dos departamentos comerciais e de marketing, auxilia os lojistas para um melhor atendimento ao consumidor final. “Desde a exposição dos produtos no ponto de venda, com orientação de representantes da empresa, de acordo com cada tipo de loja. Também disponibilizamos expositores e material de apoio, como móbiles, display para tabelas do eletricista e adesivos, expositores de carretéis com conta metro (SILCONT) e testeiras de gôndolas informativas, com orientações que ajudam o cliente a distinguir o produto e a sua aplicação”, reforça o gerente comercial e de marketing, Pedro Morelli.

TECNOLOGIA

envolvem a fabricação de cabos elétricos e sua correta utilização depende de um bom conhecimento técnico. “Sempre buscamos entender a real necessidade do cliente para sugerir o produto mais adequado e sempre tentamos instruir as pessoas em como verificar se o produto que estão adquirindo atende a norma, mesmo que eles optem por comprar de outra marca”, afirma. Para Pavanelli é importante que o consumidor entenda que esta comprando o produto correto e não apenas o descrito na etiqueta ou na gravação do cabo.

Confira nas próximas páginas os destaques do segmento:

A empresa realiza também treinamentos mensais, ações de mídia e relacionamento com o cliente, além de atualização de layout das embalagens e materiais de ponto de venda, que dão apoio aos vendedores e balconistas no atendimento ao consumidor, agilidade e pontualidade na entrega, iniciativa que garante planejamento ao revendedor, sem quebras de estoque. A IFC/Cobrecom participa de ações cooperadas com os clientes, disponibilizando materiais para os pontos de venda e dispõe de soluções para que os lojistas aumentem suas vendas como o Display Metrocom e os Materiais Encartelados ‘Medida Certa’, opção onde o consumidor pode adquirir os cabos elétricos na medida de suas necessidades. Outro serviço oferecido pela empresa é o Estoque de Oportunidades, que proporciona diversas vantagens para os lojistas e para os clientes. Esse serviço possibilita que lojistas e revendedores redução seu investimento em estoque e não perder nenhuma venda por problemas de ruptura. “Com isso, os lojistas e revendedores não perderão vendas em função de não haver determinados produtos de alto valor no estoque”, afirma o diretor da IFC/Cobrecom, Gustavo Verrone Ruas. REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

43


TECNOLOGIA

ALLCAB DIFERENTES LINHAS DE ATUAÇÃO Fabricante de cabos para diversas linhas de atuação, a Allcab destaca as áreas de eletrônica, instalação residencial e predial, máquinas e motores, linha naval e linha branca. O cabo Flat é destacado pela empresa devido a sua construção diferente dos cabos singelos. A fabricação do cabo envolveu o desenvolvimento de uma máquina específica para esse fim. É um produto que facilita os processos de montagem de peças e conectores em chicotes elétricos.

ADAPTAÇÃO A QUALQUER ESPAÇO A Velper possui linha completa de cabos flexíveis antichamas, Cabo PP, Cabo 0.6/1 Kv, Paralelo, Fio Bicolor, Fio Cristal. A empresa lançou recentemente uma caixa para armazenar os fios e cabos, chamada VelperBox. O produto é uma maneira para expor e comercializar fios e cabos elétricos, além de, proporcionar ao cliente um fácil manuseio e adaptação a qualquer espaço. Segundo o diretor comercial da Velper, Thiago Teixeira, a VelperBox foi pensada em cada detalhe desde o material utilizado ao seu formato de exposição, podendo empilhar até seis caixas e comercializar o fio na medida certa, ou seja, o tamanho que o cliente solicitar. “O VelperBox chegou para ficar no mercado e facilitar a exposição e vendas de fios e cabos”, comenta.

Foto: divulgação

44

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

Foto: divulgação

VELPER


TECNOLOGIA

SIL FIOS

Foto: divulgação

CONSONÂNCIA COM AS NORMAS O AtoxSil Solar 1,8 kV C.C. é produzido em cobre estanhado, têmpera mole e classe 5, atendendo à norma NBR NM 280. Não halogenado, o produto é indicado para instalação de arranjos fotovoltaicos em sistemas de geração de energia, produzida a partir de placas fotovoltaicas por meio da incidência de raios solares. É recomendado para instalações que necessitem de condutores elétricos resistentes à radiação UV, ao tempo e a ambientes salinos. Disponível para o consumidor nas cores preta e vermelha, o cabo solar, com seção nominal de 2,5 mm² a 25 mm², pode ser encontrado em rolos de 100 m e bobinas com a quantidade de acordo com a necessidade do cliente. Também traz gravada a inscrição “Uso em Sistema Fotovoltaico”. O AtoxSil Solar 1,8 kV C.C. também está em consonância com a norma ABNT NBR 16612:2017 – Cabos de potência para sistemas fotovoltaicos, não halogenados, isolados, com cobertura, para tensão de até 1,8 kV C.C. entre condutores – Requisitos de desempenho, publicada em 10 de agosto de 2017.

IFC/COBRECOM ALTA RESISTÊNCIA A RAIOS UV A IFC/Cobrecom conta com uma ampla linha de fios e cabos elétricos de baixa tensão e também fabrica condutores elétricos para a alimentação de aparelhos eletroeletrônicos. Um dos principais destaques é o Cabo Solarcom. Fabricado com a sua cobertura nas cores preta, vermelha e verde/amarela, o produto foi criado e testado a partir de padrões internacionais.Recomendado para tensões nominais de até 0,6/1 kV (CA) e até 1,8 kV (CC), o cabo é formado por fios de cobre eletrolítico e estanhado com Classe 5 (flexível) com isolação e cobertura em composto poliolefínico termofixo de alta estabilidade térmica com temperatura de serviço de -15ºC a 90 XºC com a máxima temperatura de operação para 120 ºC por 20 mil horas.

Foto: divulgação

Outras características do composto poliolefínico da isolação e cobertura: alta resistência a raios UV e ao ozônio; é antichama; possui baixa emissão de fumaça e não produz gases tóxicos e corrosivos, pois é livre de halogênio; tem ótima resistência mecânica e é muito resistente a óleos minerais, ácidos e amônia. Além disso, o Cabo Solarcom possui fácil instalação por causa de sua flexibilidade e baixo raio de curvatura. O produto pode ser aplicado em instalações fixas cujo produto interliga os módulos fotovoltaicos ao string box, control box e painéis de serviços aos inversores e é adequado para instalações internas e externas. REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

45


INDICADORES ECONÔMICOS

PREÇOS E CUSTOS DA CONSTRUÇÃO CUB/RS DO MÊS DE JANEIRO/2019 – NBR 12.721- VERSÃO 2006 PADRÃO DE ACABAMENTO

PROJETOS

VARIAÇÃO %

CUSTO R$/M2

CÓDIGO

MENSAL

ANUAL

12 MESES

RESIDENCIAIS Baixo

R 1-B

1.443,38

-0,24

-0,24

3,58

Normal

R 1-N

1.820,31

-0,23

-0,23

4,07

Alto

R 1-A

2.285,43

-0,20

-0,20

4,63

Baixo

PP 4-B

1.319,87

-0,21

-0,21

4,62

Normal

PP 4-N

1.749,31

-0,27

-0,27

4,54

Baixo

R 8-B

1.255,63

-0,23

-0,23

4,69

Normal

R 8-N

1.511,57

-0,24

-0,24

4,90

Alto

R 8-A

1.853,08

-0,28

-0,28

4,58

Normal

R 16-N

1.468,90

-0,24

-0,24

4,82

Alto

R 16-A

1.904,55

-0,17

-0,17

5,48

PIS (Projeto de Interesse Social)

PIS

1.029,90

-0,18

-0,18

5,15

RPQ1 (Residência Popular)

RP1Q

1.512,14

-0,19

-0,19

4,13

Normal

CAL 8-N

1.808,36

-0,20

-0,20

6,28

Alto

CAL 8-A

1.993,67

-0,21

-0,21

6,48

Normal

CSL 8-N

1.500,72

-0,26

-0,26

5,33

Alto

CSL 8-A

1.719,00

-0,34

-0,34

4,93

Normal

CSL 16-N

2.007,09

-0,24

-0,24

5,55

Alto

CSL 16-A

2.294,98

-0,32

-0,32

5,16

795,59

-0,29

-0,29

5,36

R-1 (Residência Unifamiliar)

PP (Prédio Popular)

R-8 (Residência Multifamiliar)

R-16 (Residência Multifamiliar)

COMERCIAIS CAL-8 (Comercial Andar Livres)

CSL-8 (Comercial Salas e Lojas)

CSL-16 (Comercial Salas e Lojas) GI (Galpão Industrial)

GI

Fonte: DEE – Sinduscon-RS

Tendo em vista a publicação da NBR 12.721/2006, os Custos Unitários Básicos por m2 de construção passaram, a partir de fevereiro/2007, a ser calculados de acordo, com os novos projetos-padrão e, em conseqüência, de novos lotes de insumos. Essa atualização invalida, portanto, a comparação direta dos Custos Unitários obtidos a partir da NBR 12.721/2006 com aqueles obtidos com base na NBR vigente até janeiro/2007 (NBR12.721/1999).

“Na formação destes custos unitários básicos não foram considerados os seguintes itens, que devem ser levados em conta na determinação dos preços por metro quadrado de construção, de acordo com o estabelecido no projeto e especificações correspondentes a cada caso particular: fundações, submuramentos, paredesdiafragma, tirantes, rebaixamento de lençol freático; elevador(es); equipamentos e instalações, tais como: fogões, aquecedores, bombas de recalque, incineração, ar-condicionado, calefação, ventilação e exaustão, outros; playground (quando não classificado como área construída); obras e serviços complementares; urbanização, recreação (piscinas, campos de esporte), ajardinamento, instalação e regulamentação do condomínio; e outros serviços (que devem ser discriminados no Anexo A – quadro III); impostos, taxas e emolumentos cartoriais, projetos: projetos arquitetônicos, projeto estrutural, projeto de instalação, projetos especiais; remuneração do construtor; remuneração do incorporador.”

INDICADORES ECONÔMICOS IGP-M

INCC-M

Variação %

MÊS Nº Índice

Mês

Ano

IGP-DI (Col. 2)

Variação % 12

Nº Índice

Mês

Ano

meses

INCC (Col. 35)

Variação % 12

Nº Índice

meses

Mês

Ano

Variação % 12

Nº Índice

meses

Mês

Ano

12

meses

FEV/18

663,311

0,07

0,83

-0,42

719,332

0,14

0,43

3,61

655,975

0,15

0,73

-0,19

721,414

0,13

0,44

3,60

MAR/18

667,524

0,64

1,47

0,20

720,953

0,23

0,65

3,47

659,665

0,56

1,30

0,76

723,163

0,24

0,68

3,69

ABR/18

671,327

0,57

2,05

1,89

722,983

0,28

0,93

3,84

665,770

0,93

2,24

2,97

725,245

0,29

0,97

4,02

MAIO/18

680,579

1,38

3,45

4,26

725,186

0,30

1,24

4,03

676,695

1,64

3,91

5,20

726,923

0,23

1,20

3,60

JUN/18

693,287

1,87

5,39

6,92

730,710

0,76

2,01

3,41

686,696

1,48

5,45

7,79

733,984

0,97

2,19

3,64

JUL/18

696,800

0,51

5,92

8,24

735,987

0,72

2,75

3,93

689,746

0,44

5,92

8,59

738,487

0,61

2,81

3,96

AGO/18

701,677

0,70

6,66

8,89

738,158

0,30

3,05

3,83

694,414

0,68

6,63

9,06

739,583

0,15

2,97

3,75

SET/18

712,373

1,52

8,29

10,04

739,432

0,17

3,23

3,86

706,834

1,79

8,54

10,33

741,305

0,23

3,21

3,92

OUT/18

718,684

0,89

9,25

10,79

741,859

0,33

3,57

4,00

708,694

0,26

8,83

10,51

743,866

0,35

3,56

3,96

NOV/18

707,441

-1,08

7,54

7,54

744,699

0,13

3,97

3,97

697,446

-0,45

7,10

7,10

745,856

0,13

3,84

3,84

DEZ/18

667,524

0,64

1,47

0,20

720,953

0,23

0,65

3,47

659,665

0,56

1,30

0,76

723,163

0,24

0,68

3,69

JAN/19

707,488

0,01

0,01

6,74

747,656

0,40

0,40

4,09 Fonte: FGV – Fundação Getúlio Vargas

46

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019


CATEGORIAS

VARIAÇÃO %

SALÁRIO MÉDIO* R$/H

Mês

Ano

12 meses

MESTRE DE OBRAS Até 25 subordinados

19,04

0,16

0,16

-0,10

Acima de 25 subordinados

22,38

-3,16

-3,16

-7,14

Média

20,23

1,10

1,10

-2,83

PEDREIRO

7,18

-0,14

-0,14

3,61

SERVENTE

5,76

-0,17

-0,17

4,16

CARPINTEIRO

7,41

0,27

0,27

4,22

FERREIRO (ARMADOR)

7,26

-0,27

-0,27

0,97

PINTOR

7,13

0,00

0,00

3,03

14,99

1,97

1,97

18,22

APONTADOR

INDICADORES ECONÔMICOS

SALÁRIOS MÉDIOS – JANEIRO/2019

ELETRICISTAS Oficial

7,56

0,00

0,00

1,89

Meio Oficial

6,28

0,00

0,00

2,28

Ajudante

5,69

0,00

0,00

3,83

Oficial

7,53

-2,46

-2,46

0,80

Meio Oficial

6,28

0,00

0,00

3,80

Ajudante

5,64

0,00

0,00

3,11

46,19

-0,94

-0,94

-1,43

INSTALADORES HIDRÁULICOS

ENGENHEIRO

Fonte: DEE – Sinduscon-RS *Não estão incluídos os encargos sociais, bonificações e outras despesas.

PREÇOS MÉDIOS DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO – JANEIRO/2019 INSUMOS BÁSICOS

UNIDADE

PREÇO

VARIAÇÃO % Mês

Ano

12 Meses

Locação de Betoneira

dia

33,44

1,33

1,33

Registro de pressão cromado Ø 1/2"

unid

45,82

1,08

1,08

1,15

l

23,80

1,06

1,06

19,72

Telha fibrocimento ondulada 6mm

m2

21,87

0,97

0,97

-1,66

Brita nº 02

m3

61,19

0,92

0,92

3,20

Placa cerâmica (azulejo) 30x40cm, PB II

m2

22,77

0,84

0,84

2,57

Esquadria de correr tamanho 2,00x1,40m em alumínio

m

786,14

0,75

0,75

25,99

Disjuntor tripolar 70A

unid

106,26

0,62

0,62

-3,58

Porta lisa p/pintura

unid

128,79

0,52

0,52

3,28

Areia Lavada

m3

64,50

0,00

0,00

-0,39

Bloco de concreto sem função estrutural 19x19x39cm

unid

4,07

0,00

0,00

25,62

Concreto fck=25 Mpe

m3

334,29

0,00

0,00

7,58

Emulsão asfáltica impermeabilizante

Kg

17,56

0,00

0,00

3,29

Fechadura para porta Interna, em ferro, acabamento cromado

Tinta látex PVA

2

2,42

unid

38,15

0,00

0,00

9,50

Fio de cobre anti-chama, Isolamento 750V,#2,5 mm2

m

1,27

0,00

0,00

6,72

Janela de correr tamanho 1,20x1,20m em ferro

m2

184,50

0,00

0,00

9,26

Placa de gesso

m2

11,01

0,00

0,00

2,23

Tubo de ferro galvanizado com costura Ø 2 1/2"

m

54,42

0,00

0,00

9,39

Vidro liso transparente 4mm

m2

66,00

0,00

0,00

11,24

Chapa compensado plastificado 18mm

m2

34,99

-0,23

-0,23

2,76

Tubo de PVC-R rígido reforçado para esgoto Ø 150mm

m

29,32

-0,85

-0,85

2,70

Aço CA-50 Ø10mm

Kg

4,93

-1,40

-1,40

9,31

Tijolo 9x19x19cm

unid

0,59

-1,67

-1,67

1,72

Cimento CP-32 II

Kg

0,54

-1,82

-1,82

1,89

Bancada de pia de mármore branco 2,00x0,60m

unid

1.081,64

-1,96

-1,96

-2,68

Bacia sanitária branca com caixa acoplada

unid

279,34

-2,75

-2,75

-13,04

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

47


MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

M&T Expo 2018 dá ânimo à cadeia produtiva de máquinas para construção e mineração A M&T Expo 2018 – Feira Internacional de Equipamentos para Construção e Mineração recebeu aproximadamente 40 mil visitas durante os quatro dias de evento (26 a 29 de novembro) nos pavilhões de exposição do São Paulo Expo Exhibition & Convention Center.

A 10ª edição da M&T Expo marca o início do acordo de cooperação de longo prazo firmado entre a Sobratema e a Messe München, promotora da bauma. Com isso, a feira passou a fazer parte da rede bauma e a ser organizada pela Messe Muenchen do Brasil. A próxima edição está marcada para 2021. Foto: divulgação

O público visitante foi formado em sua maioria por presidentes, diretores, empresários, gerentes, profissionais e técnicos de empresas compradoras de equipamentos, além de formadores de opinião, representantes de entidades e instituições públicas e privadas e de profissionais da imprensa. A feira contou com a presença de 800 marcas nacionais e internacionais de 19 países: Alemanha, Canadá, China, Coréia do Sul, Dinamarca, Estados Unidos, Finlândia, França, Holanda, Índia, Irlanda, Itália, Japão, Malásia, Reino Unido, Rússia, Suécia, Suíça, e Turquia. “Os fabricantes de equipamentos e os fornecedores de componentes e serviços se preparam para participar da feira de forma que o usuário conheça o que há de mais moderno no setor e, ao mesmo tempo, tenha melhores condições para negociar a compra de máquinas”, afirma o presidente da Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração (Sobratema), Afonso Mamede

JCB celebra a produção de 20 mil máquinas no Brasil Foto: divulgação

Com mais de 20 anos de atuação no Brasil, nos setores de máquinas agrícolas e de construção, a JCB comemorou em novembro o número recorde em sua produção, com 20 mil máquinas produzidas no país. A fábrica no Brasil, que existe há 17 anos e fica localizada no município de Sorocaba, SP, é responsável pela comercialização das retroescavadeiras, miniretroescavadeira, escavadeiras hidráulicas de esteira, pás carregadeiras, minicarregadeiras, miniescavadeira, empilhadeiras e Loadalls. Entre 2016 e 2018, foram investidos 50 milhões de reais em ações de melhorias na fábrica para ampliação de seu portfólio, trazendo novos produtos para o mercado brasileiro. “Nos dedicamos ao máximo para que cada máquina seja produzida nos mínimos detalhes. Sempre buscamos a perfeição, prezando pela qualidade e a confiabilidade dos nossos equipamentos. Este número de 20 mil máquinas vem consolidar o sucesso da marca e do trabalho de todo o time”, ressalta o gerente de Qualidade da JCB, Marcos Costa.

48

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019


A Sotreq apresentou a nova Escavadeira Hidráulica Cat® 336, 37 toneladas, produzida pela Caterpillar. O modelo, introduzido no Brasil, possui tecnologia avançada que propicia até 45% de aumento na eficiência do operador, até 15% de redução do custo de manutenção e um aumento de até 15% na eficiência de consumo de combustível (litros/tonelada) em comparação às séries anteriores de escavadeiras CAT do mesmo porte. “Esse equipamento foi lançado para complementar a linha de nova geração de escavadeiras hidráulicas Cat e oferece excelente desempenho e custo operacional mais baixo. O produto contém também garantia de fábrica e contrato de manutenção per-

MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

Sotreq e Caterpillar apresentam nova escavadeira hidráulica cat® 336 sonalizado, trazendo assim uma confiança maior para o cliente”, afirma o presidente do Grupo Sotreq, Marcelo Orberg. A escavadeira Cat® 336 possui diferencial premium com tecnologias simples de serem aplicadas, como o Cat GRADE 2D (sistema que guia os operadores na operação de terraplanagem através de um visor na cabine), o Grade Assist (sistema que oferece velocidade e precisão nos trabalhos de corte e escavação, automatizando os movimentos da lança e da caçamba para o operador) e o Payload (tecnologia que fornece a pesagem de carga em movimento para ajudar os operadores a atingirem metas precisas todas as vezes). Foto: divulgação

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

49


MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

Liebherr celebra 30 anos de fabricação de betoneiras no Brasil A Liebherr Brasil Ltda. celebrou em 2018, 30 anos do início da fabricação de betoneiras no Brasil. Com mais de 12 mil betoneiras fabricadas e vendidas no país e na América Latina, a Liebherr é reconhecida como uma das maiores fabricantes desses equipamentos no Brasil. Em 1987, após um longo período de crise econômica nacional, a Liebherr Brasil Ltda. decidiu investir em uma nova linha de produtos na sua planta em Guaratinguetá, SP: as betoneiras. O Grupo Liebherr já fabricava betoneiras há 20 anos, na Europa e apostou nesse produto para a retomada de suas atividades. Foi assim que em 1988 foram produzidas e entregues as dez primeiras betoneiras Liebherr no Brasil, para a Brasil Beton. Foto: divulgação

No início dos anos 90, com o potencial do mercado de betoneiras em expansão, a Liebherr dedicou uma linha de produção exclusiva para a fabricação das betoneiras, dando assim mais autonomia para que tanto o processo produtivo, quanto o produto pudessem ter melhorias, sempre utilizando a longa experiência do Grupo Liebherr e focando nas necessidades do mercado local. Por volta de 1995, a Liebherr Brasil passou a vender betoneiras também para o mercado Latino Americano, principalmente para a Argentina, Peru e Bolívia. Na segunda metade dos anos 90, uma importante modificação no design das betoneiras fabricadas na Alemanha proporcionou um grande diferencial do produto e destacou a Liebherr dos concorrentes: o novo formato do balão aumentava significativamente seu volume nominal, tornando as betoneiras Liebherr às maiores, em volume, do mercado. Com o mercado de construção civil e a produção de cimento a todo vapor, em 2010 a Liebherr fabricou mais de 1.000 betoneiras em sua planta e, em 2011, iniciou a expansão da sua fábrica para aumentar sua capacidade produtiva. Dois anos depois, a Liebherr celebrou a 10.000a betoneira fabricada no Brasil. Com o envelhecimento da frota, foi também a partir do início dos anos 2010, que a Liebherr investiu em uma área dedicada à engenharia de serviços e reformas de betoneiras. No Brasil a Liebherr produz betoneiras de 5m³ a 12m³ e que se diferenciam das demais pela robustez e durabilidade, e capacidade e qualidade de mistura superior, devido ao design do balão.

New Holland Construction anuncia alterações na diretoria da América do Sul A New Holland Construction anuncia Paula Araújo como nova vice-­ presidente da marca na América do Sul. Ela assume a função de Nicola D’Arpino, alçado ao cargo de diretor de Construction Segment na Europa. Outra mudança é a chegada de Giovanni Borgonovo à gerência de marketing. As nomeações são resultado de uma reestruturação global da diretoria do grupo CNH Industrial. Graduada em Administração com habilitação em Comércio Exterior e especializações em Gestão de Projetos e Gestão Estratégica em Marketing, Paula Araújo atua na CNH Industrial desde 2003 e na New Holland Construction desde 2005. Com experiência em planejamento e desenvolvimento de eventos, estratégias de marca, campanhas publicitárias, projetos de vendas e pós-vendas, fez parte do projeto de mudança da FiatAllis, e já atuou em diferentes

50

REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

áreas, como exportação de peças, inteligência de mercado, desenvolvimento de rede, brand marketing, Gerência de Brand Communication e Gerência de Marketing. Antes de ser nomeada ao novo cargo, era a responsável pela Gerência Comercial de Vendas da New Holland Construction na Argentina. Giovanni Borgonovo é graduado em Administração de Empresas e Engenharia Mecânica pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Desde 2012 integra o time New Holland Construction, atuando na Supervisão Regional de Vendas, gerenciamento comercial, desenvolvimento de rede, inteligência e análise de mercado. Em 2018 assumiu a Gerência de Marketing, à frente das estratégias de marca, campanhas publicitárias, posicionamento de produtos, eventos, treinamentos comerciais, análises de demanda e aplicações.


Terça a sexta: 13h às 20h

INOVAÇÃO - TECNOLOGIA - LANÇAMENTOS NOS ENCONTRAMOS EM 2019!

APOIADORES CONSTRUSUL 2018


Profile for suleventos

Revista Construsul - Ed. 77  

Revista Construsul é destinada às empresas anunciantes que desejam dar destaque aos seus produtos e apresentar a imagem institucional e de m...

Revista Construsul - Ed. 77  

Revista Construsul é destinada às empresas anunciantes que desejam dar destaque aos seus produtos e apresentar a imagem institucional e de m...

Advertisement