1 minute read

Geografia de ponta de unha Thaís Campolina

Geografia de ponta de unha

Thaís Campolina

Passei esmalte há mais de uma semana. Tinha um evento desses que pedem que a gente finja ser de plástico. A semana passou, a unha cresceu e eu ajudei o tempo a fazer seu trabalho arrancando pedacinhos do esmalte de cada uma das unhas enquanto tomava banho.

Estou há dias cultivando esses pedaços que ficam cada vez menores, mas minha mãe viu só hoje. Ficou horrorizada, como sempre fica com tudo que faço em relação às supostas obrigações femininas.

Olhei para as minhas unhas tentando ver toda essa horrorosidade. Vi pedacinhos de cor roxa de formas variadas. Um tinha o formato da Índia, outro da Europa, outro era a Ásia quase inteira. Vi Madagascar e uma Austrália. Vi recortes de um mapa mundi que incluem Oriente Médio e Groenlândia. Vi penínsulas de um mundo que não é o nosso, e acho que um dos meus dedos mindinhos pode se passar por Cuba. Dependendo do ângulo, Portugal. Com minhas unhas assim, posso viajar o mundo todo.

This story is from: